A tenda dos horrores da Gafisa – Exame.com

Você pode gostar...

Comments
  • Yoda 26 de dezembro de 2011 at 13:11

    Olha a prima da Encol aí gente!

    0
  • MrK 26 de dezembro de 2011 at 13:11

    bolha, por favor

    esse texto é novidade pra quem é leitor da revista, para o pessoal deste site é assunto velho… aposto que ninguém se espantou

    como dizem os americanos: “tell me something I don’t know”

    0
  • Selvagem 26 de dezembro de 2011 at 13:22

    “Há casos de empreendimentos que custaram 50% mais do que se previa inicialmente e outros que foram construídos sem respeitar o projeto original. Além disso, constatou-se que a Tenda tinha um sistema de análise de crédito rudimentar. Dos 32 908 clientes que compraram seus imóveis, só 5 380, pouco mais de 16%, têm condições de pagar o que devem hoje.”

    Pera lá, pera lá.

    Cade os milhares de especialistas em mercado imobiliario que diziam que no Brasil o crédito é seguro, que pega so um micro pedacinho do pib. Aqueles mesmo que diziam que os bancos não ficam alavancados e fazem análise minuciosa?

    Lembra do povo que vinha justificar que a renda da nova classe média e o deficit habitacional tornavam a compra algo absolutamente seguro?

    Os caras de pau são sempre os primeiros a tomar chá de sumiço.

    0
    • Ratinho 26 de dezembro de 2011 at 13:37

      Um desses especialistas é presidente do BC; outro, ministro da fazenda.

      0
    • augusto 26 de dezembro de 2011 at 15:17

      A ponta do iceberg gigantesco começa a ficar visivel. Analistas, politicos, ministros, banqueiros, etc que falavam baboseiras para manter o povão eufórico e comprando, estão pouco se lixando, pois em pais como o nosso, eles continuarão a nadar de braçada.
      Mas as coisas acontecerão mais cedo ou ais tarde, e de nada adiantarão ter 420 bi em compulsórios, ou 350 bi US$ em reserva. Os EUA deviam ter muito mais e não conseguiram evitar a crise lá
      Outro dia apareceu na midia um importantão da CEF dizendo que para compor a renda familiar para compra de imóveis, as pessoas não precisavam ter relacionamento de parentesco ou coisa similar. É o fim da picada né. Basta conseguir um tonto qualquer que concorde em dar seu nome junto, e depois dizem que nosso crédito é seguro. KKKKKKKKKKK

      0
      • Troll 26 de dezembro de 2011 at 21:08

        A ponta do iceberg (quebra de uma construtora) já apareceu, o Titanic (Brasil) está seguindo na direção dele, o comandante (D. Dilma) mandou botar lenha na fornalha (crédito a rodo) e tenta virar o leme com força total (baixou ipi, aparições na TV negando a crise, etc). Mas a orquestra do Titanic já começou a tocar. E tocará até o fim….

        0
    • EduLon 26 de dezembro de 2011 at 18:58

      A exposição dos podres da construtoras me lembra a frase abaixo, de Warren Buffet

      ” Só quando baixa a maré se sabe quem estava nadando pelado”

      Ano que vem vai ser o circo dos horrores para muitas construtoras…

      0
  • Dr. Estranho 26 de dezembro de 2011 at 13:34

    Não acredito que seja só a GAFISA que esteja mal das pernas. Uma auditoria bem feita encontrará as irmãs em condições semelhantes. Não se espantem com os próximos episódios. Infelizmente a notícia plantada será: “risco sistêmico da GAFISA leva outras construtoras à insolvência…”.

    0
  • realidade 26 de dezembro de 2011 at 13:37

    O país está com níveis de desemprego baixos, ajudados por um governo fiscalmente irresponsável, corrupto e assistencialista. Em outros locais da Europa e dos EUA, isso foi o prenúncio da merda toda que veio depois, inclusive da bolha imobiliária.
    O estopim será quando a impressora de fabricar oncinhas, essa moeda FORTE, chamada R$, quebrar ou alguém sensato parar com isso. Enquanto a farra continua com o crédito abundante via bancos oficiais e garantias governamentais, todo mundo é rico, têm crédito e o emprego é “ad eternum”. Quando o desemprego der sinais de elevação no horizonte, após o endividamente crescer no 1 trimestre 2012, o bicho começa a pegar. O manezinho perde o emprego, deve no banco, cartão, mas acha que o imóvel comprado em zilhões de anos vale seu MILHÃO. Meu caro, digo com pesar: você se fudeu, pois seu MILHÃO agora é um sabugo de milho e achar um trouxa como você para pagar um absurdo no preço de um “cubículo” horizontal será difícil pois vários estarão na mesma posição que você. Aí, só resta pedir pro governo mais uma bolsinha, o vale “favela” pois será ano de eleição e aí tudo pode. Herança do molusco sem voz. Ninguém ou prefere não enxergar…..Banânia land! o país do futuro-sempre!

    0
    • Felipe 26 de dezembro de 2011 at 15:10

      é só alguém dar um espirro que essa bosta toda vai pro ventilador mesmo.

      0
  • MCS 26 de dezembro de 2011 at 13:59

    “Não acredito que seja só a GAFISA que esteja mal das pernas. Uma auditoria bem feita encontrará as irmãs em condições semelhantes.”
    Pessoal, temos que pesquisar essa situação profundamente! também acho que as outras construtoras estão mal das pernas! temos que divulgar esse tema nos vários canais existentes, dando informações completas e as mais verossímeis possíveis! Esse ponto sim pode ser o alfinete que falta para estourar essa maldita bolha!

    0
    • Troll 26 de dezembro de 2011 at 21:10

      GAFISA é só a cabecinha. Depois que passou a cabecinha, a trolha entra fácil…hahahaha

      0
  • Dr. Estranho 26 de dezembro de 2011 at 14:00

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/mercado/1026158-nem-se-renda-dobrar-divida-vira-prioridade-diz-estudo.shtml

    É para essa turma que as construtoras venderam.

    0
    • Pepper 26 de dezembro de 2011 at 14:27

      Nem se renda dobrar dívida vira prioridade

      Casa própria e poupança estão no topo dos desejos dos consumidores caso tivessem ganho maior, revela estudo

      Quitar débitos tem mais importância na lista de interesses das classes D/E; para demais, fica do 4º lugar para trás

      CAROLINA MATOS
      DE SÃO PAULO
      O que você faria se sua renda familiar dobrasse? Um estudo feito pela Plano CDE, e obtido com exclusividade pela Folha, mostra que o pagamento das dívidas está entre os últimos objetivos das famílias de classes A, B e C.

      Na lista de desejos oferecida pela consultoria a 1.615 consumidores de todas as classes sociais do Recife (PE) e de São Paulo (SP), considerados centros representativos do Nordeste e do Sudeste, havia opções como comprar ou renovar a casa, poupar ou investir, pagar dívidas e abrir um negócio.

      Cada entrevistado escolheu, em média, quatro itens.

      Na classe C- (com renda familiar entre R$ 1.273 e R$ 2.000 por mês), o pagamento de dívidas aparece como último objetivo, atrás da compra do segundo imóvel (em terceiro lugar, empatado com carro), viagem, escola privada, educação própria (qualificação do entrevistado) e negócio próprio.

      Na classe C+ (renda familiar mensal entre R$ 2.001 e R$ 3.180), o desejo de quitar dívidas surge em quarto lugar, empatado com viagem.

      Nas classes A e B (mais de R$ 3.180 por mês), ocupa a sexta posição -ao lado de educação própria.

      Já nas classes D e E (até R$ 1.272 mensais), pagar os débitos salta para o terceiro lugar, logo depois dos desejos de compra ou reforma da casa e de poupança ou investimento.

      CREDIÁRIOS

      “Essa população tem maior dificuldade em acessar o sistema financeiro e acaba se utilizando mais de opções como crediários”, diz Luciana Aguiar, diretora-executiva da Plano CDE. “Manter as dívidas em ordem é a garantia de manutenção desse crédito.”

      A casa própria é o principal desejo dos entrevistados, independentemente da faixa de renda -embora esse item tenha sido mais mencionado (com 48% das repostas) pelas classes D e E.

      Nas classes A e B, o segundo imóvel aparece na segunda posição -ocupada pela intenção de poupar ou investir, nas demais faixas de renda.

      “O fato de o desejo de poupança aparecer em segundo ou terceiro lugar, conforme a classe social, não significa necessariamente planejamento financeiro, uma vez que o pagamento de dívidas, em geral, está distante entre as prioridades”, diz Aguiar.

      JUROS

      É importante lembrar que os juros cobrados em uma dívida dificilmente vão ser compensados pelos pagos em uma aplicação financeira.

      Viagem e carro também ocupam lugar de destaque na lista de prioridades das classes A, B e C, à frente de itens como escola privada.

      “Entre as pessoas com maior renda, a educação em colégios privados já é realidade na maioria dos casos, o que pode explicar o fato de esse item não aparecer entre os primeiros da lista de desejos desses consumidores.”

      “Para aqueles com poder aquisitivo menor, a renda familiar dobrar não significa que vai ser possível sustentar o custo de uma escola privada”, ressalta Maurício Morgado, coordenador do master de varejo da FGV-SP.

      MOBILIDADE SOCIAL

      Ainda de acordo com os pesquisadores, a lista de interesses dos entrevistados traduz as diferenças entre as lógicas de consumo das classes sociais.

      Os grupos D e E ainda precisam suprir necessidades básicas. A classe C quer ampliar os itens consumidos e mostrar suas conquistas. As classes A e B estão em busca de realização pessoal.

      0
      • aiwww 26 de dezembro de 2011 at 16:10

        Não me levem a mal, mas não confio plenamente nessas pesquisas. A situação pode ser muito pior.

        0
        • augusto 26 de dezembro de 2011 at 17:47

          Pode não certamente é muito pior

          0
      • me 26 de dezembro de 2011 at 16:44

        Isso me fez lembrar uma explicação dada por muitos “ricos”. Se você é endividado e passa a ganhar o dobro, suas dívidas também dobram.

        O ponto é sobre a importância de educação financeira, saber equilibrar os gastos.

        0
        • João 26 de dezembro de 2011 at 23:49

          As dívidas não só dobram, elas quadruplicam…

          0
  • Flavio Alves 26 de dezembro de 2011 at 14:02

    “Dos 32 908 clientes que compraram seus imóveis, só 5 380, pouco mais de 16%, têm condições de pagar o que devem hoje.” Também pudera, com o “boom” dos imóveis, o que teve de gente que “virou” corretor de imóveis da noite para o dia não foi brincadeira…

    0
    • Cleyton 26 de dezembro de 2011 at 14:13

      Devem ser essas pessoas que estão ajudando a manter o nível de desemprego baixo, na primeira sacodida do cachorro são as primeiras pulgas a voar.

      0
    • Sérgio 26 de dezembro de 2011 at 14:16

      Ploc. Desespero se instalando… agora é só esperar as pechinchas.

      0
    • augusto 26 de dezembro de 2011 at 17:46

      O que esperar de financiamentos onde para a renda “familiar” comprovada como garantia, pode ser entre pessoas sem o minimo vinculo familiar, ou mesmo de amizade. E ainda dizem que os financiamentos aqui são seguros e que nunca haverá uma sub prime. Nos EUA diziam a mesma coisa.
      PLOC

      0
  • DM 26 de dezembro de 2011 at 14:41

    Como dizem por ai:

    “A casa caiu!”, ou será o apartamento não construiu, ou melhor o imóvel não vendeu.

    Bom, só sei que é mais um capítulo a muito tempo já previsto na novela do ploc das 08:00.

    O ruim deste novela todos nós já sabemos, só não sabemos quando os autores vão literalmente aceitar o final trágico do ploc.

    0
  • borgvox 26 de dezembro de 2011 at 15:22

    Fiquei sabendo que a incorporadora Rossi começou a demitir funcionários aqui no escritório do Rio de Janeiro também. Esta mesma fonte me disse que não há nada de errado na cia, mas que eles já estariam se antecipando para a crise que virá neste mercado imobiliário.

    0
  • LAR 26 de dezembro de 2011 at 15:35

    Que coniscidencia mais um país que sediou olimpiadas enfrentando queda de preços nos imóveis… já foi espanha, grécia, china e agora Inglaterra… acho que no Brasil será diferente… ohohoho

    h ttp:/ /economia.ig.com.br/precos-de-imoveis-britanicos-recuam-21-em-2011/n1597423119745.html

    Preços de imóveis britânicos recuam 2,1% em 2011
    Em dezembro, os preços de imóveis britânicos recuaram 0,2%, o mesmo ritmo de queda registrado em outubro e novembro

    0
    • augusto 26 de dezembro de 2011 at 17:43

      Mas os imbecis daqui acreditam que preço de imóvel nunca cai

      0
    • Cleyton 26 de dezembro de 2011 at 20:24

      É o que eu venho dizendo, ou nós (brasileiros) somos muito melhores que o resto do mundo, ou vamos quebrar a roda no mesmo buraco.

      Malandro é malandro, mané é mané.

      0
  • eam 26 de dezembro de 2011 at 15:43

    Esse cara deve estar louco! Nos disseram que era apenas uma “marolinha”, que tudo iria dar certo…

    h t t p : / / economia.estadao.com.br/noticias/economia,esse-negocio-vai-acabar-mal-so-nao-sabemos-quando-e-onde-diz-gestor,97215,0.htm

    E, após o Natal, que venha 2012… parece mesmo que será de fortes emoções !

    Um abraço a todos

    0
  • Valdir 26 de dezembro de 2011 at 15:52

    Voce que se individou com a compra do carro, segue um video sobre como sair dessa:

    http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1728987-7823-MARA+LUQUET+DA+DICAS+PARA+QUEM+SE+ATRAPALHOU+COM+FINANCIAMENTO+DE+UM+CARRO,00.html

    0
    • augusto 26 de dezembro de 2011 at 17:42

      Comprou carro e ainda mais ou menos caro e dançou. Quantos estão nesta situação, por vontade de aparecer para os outros?
      Carro pode ser necessidade, mas precisa comprar um zerinho e ainda que esteja em faixa para impressionar outros tão tontos como o da reportagem

      0
    • Cleyton 26 de dezembro de 2011 at 20:28

      Fechar o salário com chave de ouro! Hahaha, vai ter que comer a chave de ouro agora!! Toma trouxa!

      0
  • Carlos Wagner 26 de dezembro de 2011 at 16:23

    Brasil demorará até 20 anos para ter padrão de vida europeu, diz Mantega

    h t t p : / / economia.estadao.com.br/noticias/economia+brasil,brasil-demorara-ate-20-anos-para-ter-padrao-de-vida-europeu-diz-mantega,97306,0.htm

    0
    • me 26 de dezembro de 2011 at 16:54

      Não faço o tipo que torce contra, mas essa visão me parece otimista, não?

      0
    • joão 26 de dezembro de 2011 at 17:40

      Carlos, esse imbecial só pode estar de sacanagem

      ou ele não conhece o Brasil ou não conhece a europa

      …. ou ele estava se referindo a ex-iugoslavia arrasada pelo comunismo, terrorismo e pelas guerras

      0
    • Troll 26 de dezembro de 2011 at 20:59

      hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
      hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
      …pausa para ir…hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
      hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

      0
    • Troll 26 de dezembro de 2011 at 20:59

      hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
      hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
      …pausa para rir…hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
      hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

      0
    • Carlos Eduardo 26 de dezembro de 2011 at 21:25

      Em 20 anos, os caras não tiram nem o povo das favelas!

      Aliás o minha casa minha vida que antigamente era para ajudar quem não podia comprar, agora é a unica forma de alguma pessoa comprar imovel!

      Eu não compro imovel no brasil nem que a vaca tussa!

      Alias acho que um vídeo bom para fazer, é não somente dos prédios vazios mais também das favelas enormes que temos no país, o PT não está resolvendo problema nenhum!

      A quantidade de torres vazias aqui em SP é um absurdo! e a quantidade de favelas e pessoas morando mal também!

      O cara tem que ser um débil para pagar esses valores que estão pedindo!

      0
      • Piroca da Ideia 27 de dezembro de 2011 at 01:45

        A realidade é que os imóveis que teoricamente seriam destinados a classe C, estão sendo ocupados por pessoas da classe B. E as pessoas das classes C, D e E; essas estão indo morar em favelas, ou lugares bem próximos disso.
        O que a bolha fez foi isso. Os preços estão de tal forma irreais que (eu digo com base nas pessoas que conheço) a maioria, hoje, não seria capaz de comprar o imovel onde vive. E acrescento: os novos casais e pessoas que vão morar sozinhas estão tendo de buscar locais onde moram classes “inferiores”.
        No local onde moro no RJ, sempre pertenceu a pessoas de classe C. No entanto o bairro era organizado, com luz, agua, asfalto, telefone, etc. Nesses ultimos anos muitos colegas de infancia se mudaram, casaram e passaram a viver sozinhos.
        Os que tinham melhor condição financeira continuam no bairro, só que de aluguel. E os menos favorecidos se mudaram para favelas que se instalaram no entorno, ou bem próximo delas.
        No RJ, isso é o que eu vejo. Até mesmo na milionária Zona Sul, tem muito ape de 1 milhão que abre a janela e dá de frente pra favela.
        Qual é a logica disso?

        0
    • Todd 26 de dezembro de 2011 at 21:49

      O último ‘expert’ em economia que ouvi dizendo que chegaríamos ao nível de vida europeu em cerca de vinte anos foi a nossa saudosa ex-ministra Zélia Cardoso! Em 1990…

      0
  • João Paulo (Contagem - MG) 26 de dezembro de 2011 at 16:32

    Sente essa ai amigos,

    Pronto: Academia para corretores

    A Pronto (foto), empresa do grupo LPS Brasil, especializada na revenda de imóveis prontos ou recém-construídos, está investindo R$ 200 mil na criação do curso Academia Pronto de Corretores.

    O objetivo é suprir a falta de mão de obra qualificada, desenvolvendo corretores para terem potencial de ganhos de R$ 15 mil por mês.

    A expectativa da empresa é conseguir formar mais de 250 corretores em 2012. Para Lucas Penteado, diretor da Pronto, a academia ajudará a empresa a suprir sua necessidade de mão de obra, qualificando os profissionais para serem os melhores vendedores.

    “Precisamos de corretores, mas atuando no mais alto nível de excelência na intermediação de imóveis, sempre com aderência aos valores. Para isso, o curso será fundamental”, afirma.

    Projeto inovador, o curso apresenta um conteúdo detalhado, com tudo que o corretor precisa para potencializar sua captação e oferta de imóveis, por meio de uma série de exercícios práticos e reais, que promovem contato direto com clientes potenciais.

    http://estadodeminas.lugarcerto.com.br/app/noticia/noticias/2011/12/25/interna_noticias,45642/pronto-academia-para-corretores.shtml

    0
  • pmoraesm 26 de dezembro de 2011 at 17:12

    É, acho que os corretores estão matando cachorro a grito.

    No sábado enviei um email via ZAP oferecendo R$ 330.000,00 num imóvel cujo anúncio pede R$ 460.000,00. Minha expectativa era, na melhor das hipóteses, receber um e-mail mal educado de algum corretor.

    Hoje de manhã recebo uma ligação de uma corretora toda simpática perguntando se pode enviar a ficha pra formalização da proposta.

    Estou pensando seriamente me enviar… vai ser um belo termômetro de como anda o mercado pelos lados de onde moro.

    0
    • Homeless 26 de dezembro de 2011 at 19:07

      Cara você esta certíssimo ! Faz isso mesmo.
      Todos sabemos que o mercado esta com excessos.

      0
    • Ricardo 26 de dezembro de 2011 at 19:21

      Poderia informar o tipo de imóvel, a cidade e bairro para termos uma ideia da bolha?

      0
    • Andre Luiz 26 de dezembro de 2011 at 19:22

      Não estão não! O mercado está surreal mesmo.

      Domingo passado abri os classificado e não tinha um anúncio no Méier/Rio de Janeiro por menos de 300mil reais. Tinha apto de 3 quartos na faixa de 700mil. Para você ter uma idéia, poucas semanas atrás os anúncios começavam em 170 mil e os de três quartos mais caros eram de 450mil.

      Como que os preços quase dobraram em poucas semanas? Nego tá soltando qq coisa para ver se cola.

      Hoje em dia eu não me sinto nem um pouco constrangido de oferecer até 50% do valor de um imóvel. Esses de 3 quartos no Méier por 700mil eu ofereceria até uns R$300.000,00 na maior cara de pau, pois é o preço que considero super justo para um bairro suburbano.

      0
      • RT 26 de dezembro de 2011 at 21:18

        “Esses de 3 quartos no Méier por 700mil eu ofereceria até uns R$300.000,00 na maior cara de pau, pois é o preço que considero super justo para um bairro suburbano.”

        André,

        Primeiro: seu relato é mais um dos absurdos que já li neste blog. Quando a gente pensa que já viu de tudo nesta loucura que anda o mercado imobiliário, eis que surgem apartamentos de 3 quartos no Méier (sim, eu disse Méier!) custando 700 mil!!!!!

        Quer saber de mais um absurdo?? Faz pouco tempo, um colega informou aqui no blog sobre um apartamento no Cachambi (sim, eu disse Cachambi!!) custando 500 mil reais!!!

        Querem prova maior da bolha?? Alguém se atreve a dizer que isto é sustentável??

        Segundo: não considero “cara de pau” oferecer 300 mil por esse apartamento no Méier. Pelo contrário, é muita generosidade sua, e se o proprietário tiver bom senso, fecha negócio na hora.

        Antes da bolha, com 300 mil, você comprava um 3 quartos sem luxos no Humaitá, a 15 minutos do Leblon, 10 minutos do Jardim Botânico, colado na Lagoa…

        “Cara de pau” é uma pessoa pedir 300 mil num apartamento no Méier. Lá tem que ser de 200 mil pra baixo. E olhe lá.

        0
        • Pepper 26 de dezembro de 2011 at 22:16

          Eu já morei no Méier e não consigo imaginar um apartamento lá que valha 700 mil. O bairro não tem mais opções de lazer (nem um cinema, uma boa livraria, sequer), o comércio que restou é aquele bem popular, sem um shopping de verdade, enfim, o padrão de vida dos moradores não é lá essas coisas. É bem classe média mesmo, daquele tipo de família que demora a vida toda (ou nem assim) pra acumular 700 mil reais. Além disso, quando morava lá, era comum ouvir tiros e ver assaltos na área. Não tem metrô e, da Dias da Cruz ao Centro, por volta das 7 da manhã, levava entre 1 hora e 1 hora e meia pra chegar ao trabalho de ônibus, de tanto trânsito!
          Quando mudei de lá, em abril ou maio de 2009 (já iniciada a valorização, mas ainda em um patamar razoável), meus pais venderam um apartamento de 3 quartos, amplo, mais de 100 metros quadrados, numa transversal à Dias da Cruz, em condomínio fechado, anos 90, com play, piscina, sauna, vaga, varanda, dependências de empregada, piso frio, blindex, armários, todo mobiliado, por 200 mil reais (e o corretor ainda tentou convencer a vender por menos, achou que era pedir muito).
          Não vou dizer que meu apartamento era O melhor do bairro, claro, mas era muito bom, boa planta, reformado. Nem três anos se passaram! 700 mil, não pode!
          Por mais luxuoso que esse apartamento possa ser, de nada adianta um oásis no meio do nada, será sempre relativamente desvalorizado porque o bairro é desvalorizado.

          0
          • Andre Luiz 27 de dezembro de 2011 at 12:44

            Pois é… Os preços estão loucos. Quem tem 700mil nunca compraria um apto no Méier. Nesse preço você compra até na Zona Sul, nos dias atuais em que as pessoas estão abertas a negociação.

            Se alguém tivesse 700mil, compraria qual dos dois apartamentos abaixo?

            h t t p :// http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-MEIER-/ID-2651891

            h t t p :// http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-FLAMENGO-RUA-BARAO-DE-ICARAI/ID-2737236

            Sem comentários…

            0
            • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 14:31

              Nesse ponto eu discordo de você.
              O apto do méier é de luxo. Todo reformado. 3 suites, 2 vagas.
              É uma cobertura duplex com piscina e churrasqueira. E todo mobiliado.
              O do flamengo nem foto tem. Só fala que precisa de reforma.
              São dois imóveis de padrão bem diferente.

              Agora com relação aos preços eu concordo.
              Jamais pagaria 700k pra morar no méier.
              E tão pouco pra morar num pulgueiro, todo quebrado, num prédio com mais décadas do que eu,
              só porque é no flamengo. (como se flamengo fosse grande coisa).

              0
              • Frank 27 de dezembro de 2011 at 16:43

                “como se flamengo fosse grande coisa”

                pois é, mas parece q virou “grande coisa”.

                assim como Catete, Largo do Machado, Glória….a Zona Sul proscrita foi reabilitada pela Bolha.

                0
                • GPTFN 30 de dezembro de 2011 at 23:31

                  Esse aumento de preços se deu em todo o Brasil. Não apenas no RJ, e tão pouco só na Zona Sul.
                  Tanto é que existem imóveis sendo ofertados a quase 1milhão até mesmo na baixada.
                  Logo não houve nenhum aumento real na Zona Sul, ela apenas acompanhou o movimento de reajustes da bolha.

                  0
              • Andre Luiz 27 de dezembro de 2011 at 18:41

                GPTFN,

                Eu respeito a sua opinião, mas acredito que comparado ao Méier, Flamengo seja grande coisa, sim.

                Pergunte a alguém que morou a vida toda na Zona Sul se gostaria de morar no Méier. Agora pergunte a quem morou a vida toda no Subúrbio se gostaria de morar no Flamengo. Aposto qualquer coisa que o segundo grupo te daria muito mais respostas positivas.

                Tudo o que acontece no Rio é da Lapa até São Conrado, no máximo Barra. Parece até que a Zona Norte não existe. É ate engraçado ver pessoas moradoras da ZN, que só tem amigos da ZN, marcando eventos, aniversários, festas etc apenas na ZS.

                O carioca tem uma cultura de valorizar somente a Zona Sul e o que vem dela. Por isso acho mais justificável um apto de 110m² valer 600mil no Flamengo, do que uma cobertura de 180m² no Méier valer 650mil. A procura no primeiro é muito maior, ainda mais por imóveis nesses preços.

                Abs.

                0
                • RT 28 de dezembro de 2011 at 08:10

                  Concordo plenamente com o André.

                  Só pra deixar claro: minha opinião sobre o assunto é que 700 mil não é um preço justo na maioria dos apartamentos nem do Flamengo nem de Botafogo e nem do Leblon… e muito menos, do Méier.

                  Acho que uma pessoa que possa pagar isso só escolheria o Méier se for por apego, questões familiares (tipo, a pessoa que morou a vida inteira lá), algo que até compreendo. Mas tirando essas pessoas, o bairro não tem procura que justifique o mesmo preço de qualquer bairro da Zona Sul.

                  0
                  • GPTFN 30 de dezembro de 2011 at 23:37

                    Me parece que você não leu o que eu postei.

                    Eu disse que, se os preços estivessem dentro da realidade. Eu escolheria o do méier.
                    Porque ele proporcionaria muito mais qualidade de vida no meu caso.
                    Eu não me sentiria bem pagando 1k de condominio num prédio velho que não oferece nenhum conforto.
                    Eu prefiro viver “bem” na ZN, a ser um pobre na ZS.
                    Agora dizer que a ZS é preferencia em relacao a ZN, isso não se discute. Basta olhar os preços de imoveis de padrao semelhante.

                    0
                • GPTFN 30 de dezembro de 2011 at 23:26

                  André,

                  O que você diz demonstra a visão equivocada que algumas pessoas tem das coisas.
                  1 – O RJ não é o centro do mundo. (Só se for o centro da trouxisse)
                  2 – A Zona Sul não é o melhor lugar do RJ. A Barra tem mais e melhores opções tanto residenciais como comerciais.
                  3 – A Barra só não está consolidada porque o transporte público não atende como deveria.(leia-se metro). Se você quiser fazer qualquer coisa pegue o carro.

                  Eu disse que os apartamentos citados são de padrão totalmente diferente.
                  O do méier é infinitamente superior ao imóvel do flamengo.
                  É muito mais novo, e está finamente decorado.
                  Com a piscina e churrasqueira dá para fazer reuniões em casa com os amigos, dar festas, ou simplesmente relaxar a noite num dia quente. Com 3 suítes pode até fazer um quarto de hóspedes.
                  E no do flamengo? No máximo um jantar.
                  Música? nem pensar! Esses prédios velhos tem uma acustica horrorosa. Dá para ouvir os vizinhos conversando, e aquela barulheira toda vez que algum veículo passa na frente do apto.

                  Comentando sobre os bairros:

                  Vamos lá:

                  “Pergunte a alguém que morou a vida toda na Zona Sul se gostaria de morar no Méier. Agora pergunte a quem morou a vida toda no Subúrbio se gostaria de morar no Flamengo. Aposto qualquer coisa que o segundo grupo te daria muito mais respostas positivas.”

                  – fato. concordo com você. Muita gente pensa assim. Se não fosse assim não seria mais caro morar lá. Agora eu rebato. O que tem de bom no flamengo? É cheio de mendigos e pivetes que ficam o dia inteiro usando crack. Ah sim tem a praia… que praia? alguém que mora ali toma banho naquela praia? As tubulações liberam aquela língua negra na cara de pau! Tem o aterro. Blz, agora experimenta ficar dando sopa no aterro. Lembra dos pivetes e mendigos? Uma vez tive que correr, correr de verdade! Ao perceber a aproximação maliciosa de um grupo deles. Isso eu estava andando de bicicleta, e não muito cansado, foi a minha sorte.
                  Ah sim tem várias opções de comércio e seviços. As lojas exclusivas da Zona Sul têm preços condizentes com a sua exclusividade. Logo se vc nao achar justo pagar 10 reais num chope, ou 200 numa camisa, voce não vai frequentar esses lugares, more vc na Zona Sul ou em Paris.
                  Além disso, existem prédios com aptos de 1 milhão que estão de frente para favelas. Você abre a janela e seu vizinho é um favelado.

                  “Tudo o que acontece no Rio é da Lapa até São Conrado, no máximo Barra. Parece até que a Zona Norte não existe. É ate engraçado ver pessoas moradoras da ZN, que só tem amigos da ZN, marcando eventos, aniversários, festas etc apenas na ZS.”

                  -errado. Muita coisa acontece na Zona Norte. Isso se dá porque historicamente essa região se consolidou como local de moradia das pessoas mais abastadas. Esse eixo, no entanto, já mudou para a Barra.Porém como a Zona que atrai turistas (leia-se dinheiro) é a Zona Sul, os eventos de maior vulto sempre acontecem lá. Afinal o turista quando pensa em rio pensa em Copacabana, Cristo e Pão de Açucar, e ponto. Ah esqueci, agora a Rocinha é ponto turistico também. Claro, porque lá só mora milionário né. Todo mundo quer conhecer. E esse no máximo Barra, pelo contrário. Digo tudo acontece na Barra, algumas coisas ainda são na Zona Sul, simplesmente porque não dá pra tirar o Cristo do lugar.
                  Outra coisa, as pessoas que moram na ZN e só tem amigos na ZN. Isso para mim é bastante lógico. Afinal voce faz amizades onde vc mora, ou na escola, ou curso, trabalho. E a não ser que vc more na ZN e estude,trabalhe,blablabla na ZS, seus amigos serão da ZN.
                  É lógico que eles querem comemorar na ZS. As pessoas tem essa tendencia de buscar o novo, o que consideram melhor. E cada um faz isso dentro da sua possibilidade.
                  Quem mora na ZS e tem grana não passa Ano novo em Copa. Isso é fato.
                  Cabe ressaltar também, que não moram somente milionários na ZS. Tem muito prédio principalmente em copacabana que é pulgueiro. Uma bosta. Kitinetes, ou um quarto da decada de 60, 70. Horrorosos, mas que valem ai 400k. Fora os favelados que frequentam as praias.

                  “O carioca tem uma cultura de valorizar somente a Zona Sul e o que vem dela. Por isso acho mais justificável um apto de 110m² valer 600mil no Flamengo, do que uma cobertura de 180m² no Méier valer 650mil. A procura no primeiro é muito maior, ainda mais por imóveis nesses preços.”

                  -Concordo em parte. Como já disse prefiro a Barra a ZS, com a unica ressalva do transporte. Já sobre os imóveis, se fossem de padrão semelhante isso seria verdade. Mas neste caso eles não são. E ambos estão muito acima do preço que eu considero razoável para o que são.

                  Abs.

                  0
                  • Atribulado 31 de dezembro de 2011 at 20:16

                    “com a unica ressalva do transporte”

                    discordo um pouco, realmente a Barra é muito bom e tal mas não é “muito melhor” do que a zona sul.

                    E o transporte não é “uma ressalva” é o ponto chave, é o que muda tudo e realmente faz zona sul valer o dobro. E nada indica que isso vai mudar nessa vida ainda.

                    Se a pessoa teve a bencao de morar e trabalhar na barra (talvez nem 5% dos moradores) pode ser melhor, mas pro resto que trabalha no centro é inviável.

                    E tem um segundo problema, também sem solução: da forma como a barra foi estruturada, tem que pegar carro pra tudo, como voce mesmo disse. Pegar carro até pra comprar pão. É um estilo de vida que não agrada a todos.

                    Fora isso, tá tudo muito caro mesmo. E quando cair vai continuar tendo uma diferença grande entra barra e zona sul. É justo.

                    0
      • João 27 de dezembro de 2011 at 00:07

        Pior é aqui em Brasília. Os caras oferecem uma kitnet “muquifo” por 300 mil na maior cara de pau. E a boca dos corretores já se parece com um milhão. Qualquer 3 quartos custa nesta faixa de preço nessa cidade.
        O pessoal compra financiando. Dá R$ 300 mil de entrada e financia R$ 700 mil, pagando 240 prestações de R$ 9.572,48, reajustada todo ano a 12%, que anunciam espertamente como 8% aa.
        Não há como sobreviver a essa dívida. Pode tocar “My Heart Will Go On”, pois essa é a tragédia anunciada.

        0
        • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 14:35

          300k?
          ta barato!!
          Compra logo!!
          Da uma conferida nessa kitnete aqui:
          ww w.zap. com.br/imoveis/oferta/Kitchenette-Conjugados-1-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-LEBLON-/ID-1748259

          Por simbólicos 800k.
          Essas fezes de pato.
          30m2 de sujeira e velharias mal conservadas.

          0
        • Cleyton 27 de dezembro de 2011 at 20:01

          “My Heart Will Go On” foi boa!! E como diria o chato mor: “Haja coração!”

          0
        • Atribulado 31 de dezembro de 2011 at 20:19

          não é reajustada a 12% coisa nenhuma.
          sistema sac…

          0
  • Natal 26 de dezembro de 2011 at 17:15

    Aqui em Natal, tem construtora anunciando na TV descontos de 30%. Os corretores estão ligando para todo mundo oferecendo imóveis com desconto. 2012 promete.

    0
    • aiwww 26 de dezembro de 2011 at 21:51

      Fui a Natal há dois meses. Já fui várias vezes a essa aprazível cidade e fiquei impressionado com a quantidade de espigões (ACIMA DE 40 ANDARES!!!) crescendo numa cidade que possui pouco mais de 810 mil habitantes. Chega a ser vergonhoso ver a sombra dos prédios na praia de Ponta Negra. O povo de Natal deveria conhecer o paredão de concreto em Copacabana, um horror.

      0
      • ICF 30 de dezembro de 2011 at 09:26

        O povo de Natal pode ir ali mais perto, Boa Viagem em Recife. Os banhistas precisam procurar alguma brecha de sol entre as sombras dos prédios. Está difícil achar um solzinho…E os que moram por trás do paredão em que se transformaram os prédios sofrem a falta de ventilação.

        0
  • augusto 26 de dezembro de 2011 at 17:58

    SÃO PAULO – O varejo nacional registrou crescimento de 2,8% nas vendas de Natal deste ano. O percentual é bem inferior ao registrado no ano anterior, que foi de 15,5%, segundo revelou o Indicador Serasa Experian do Nível de Atividade do Comércio, divulgado nesta segunda-feira (26).

    O aumento na atividade econômica do comércio foi verificado na semana de 18 e 24 de dezembro, na comparação com o mesmo período do ano passado. Considerando apenas a cidade de São Paulo, o crescimento foi de 3,2%.

    Final de semana
    No fim de semana que antecedeu o Natal, de 16 a 18 de dezembro de 2011, a evolução nas vendas em todo o País foi de 2,5%, em relação ao intervalo de tempo similar no ano passado. Em São Paulo, também houve crescimento de 2,5%.

    Para a Serasa Experian, o crescimento menor das vendas foi influenciado pelo maior endividamento do consumidor e a inflação mais alta neste ano. Além disso, os consumidores que acompanham os acontecimentos globais evitaram assumir mais dívidas neste panorama de incertezas. “De modo geral, foi um Natal bom, dada a forte base de comparação, o Natal 2010”.

    Sobre a pesquisa
    O Indicador Serasa Experian do Nível de Atividade do Comércio tem como base uma amostra das consultas realizadas no banco de dados da Serasa Experian. Foram consideradas as consultas realizadas nos períodos de 18 a 24 de dezembro de 2011 e de 16 a 18 de dezembro de 2011 e comparadas às consultas realizadas nos períodos de 18 a 24 de dezembro de 2010 e de 17 a 19 de dezembro de 2010, respectivamente.

    Dois comentários rápidos sobre o acima:
    1- por que citam apenas a evolução de vendas em um curto periodo pré natal? O que houve no resto do mes?
    2. Já há algum tempo tenho comentado que a inflação e o endividamento excessivo derrubariam a farra do consumo. Com isto o dresemprego aumentará, e dai ………….
    PLOC

    0
    • Paulo Rocha 26 de dezembro de 2011 at 18:48

      Quanto foi a inflação neste periodo? Mais do que 2,8%, ou seja, o crescimento foi negativo se levar em conta a inflação.

      0
      • Luiz 26 de dezembro de 2011 at 19:22

        bem analisado João
        Se considerar que o preço unitário dos produtos aumentou em 10%
        Resulta que há grande quantidade de estoques encalhados

        não vou nem comentar o efeito da dilma anunciar o novo salário minimo antes do natal

        0
  • LAR 26 de dezembro de 2011 at 18:13

    “O Brasil está bem, mas há sinais de que algo está errado. Exemplos: imóvel está caro, nosso Big Mac é o mais caro do mundo, nosso Corolla é o mais caro do mundo, a nossa arte está ficando a mais cara do mundo. “

    0
    • Troll 26 de dezembro de 2011 at 21:01

      No caso, seria qual arte?

      0
      • Anonymous 27 de dezembro de 2011 at 09:54

        Deve ser a arte-manha para fazer financiamentos de 1 milhão de Reais, tem que ter muita arte-manha para isso.

        0
  • O Velho Deitado 26 de dezembro de 2011 at 21:37

    Na minha opnião, os dirigentes da Gafisa perceberam que esconder a atual situação contábil da empresa se tornou insustentável devido ao tombo das ações na bolsa. Continuar escondendo só pioraria a situação e a melhor solução foi colocar as cartas na mesa, pagar para ver e contar as migalhas. A mensagem foi, “sim erramos, sabemos disso e estamos fazendo o melhor para contornar a situação”. Talvez tenham decidido tomar essa decisão muito tarde. Os maiores acionistas, donos do dinheiro e das melhores informações, já pularam fora e não devem voltar mais, enquanto a sardinhada afunda com o barco. Quando tirar água do barco está igual a tirar água do rio, não há diploma da Harvard que resolva a situação ou seja, “the cat climbed up on the roof”.

    0
  • TH 26 de dezembro de 2011 at 23:10

    A imprensa está divulgando que as vendas de natal deste ano foram 5,5% maiores que as do ano passado. A expectativa do comércio era que fossem 6,5% maiores.

    Alguém sabe dizer se este número é ajustado pela inflação? Porque se não for na verdade houve uma retração em relação à 2010.

    0
    • Zoom 27 de dezembro de 2011 at 00:01

      TH, confere aí a reportagem. 5,5% foi apenas nos shoppings do país. No geral, foi outro valor, 3% para baixo.

      0
      • TH 27 de dezembro de 2011 at 10:11

        É verdade, o resultado geral foi mais fraco que os 5,5%.

        Além disso, acabei de descobrir que os 5,5% não levam em conta a inflação. Isso significa que na verdade houve retração de 1% nas vendas, já que a inflação acumulada nos últimos 12 meses está em 6,5%.

        Fonte:

        ht tp://w ww.estadao.com.br/noticias/impresso,vendas-de-natal-decepcionam-lojistas-,815606,0.htm

        0
        • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 11:17

          essa conta é falsa:

          o número de shoppings tbm aumentou 5% no ultimo ano.

          ou seja, aumento de venda foi zero, se descontar a inflação, caiu 5%

          0
  • Leo 26 de dezembro de 2011 at 23:25

    Convido os Srs. a participar do forum do infomoney. O assunto da bolha ja esta com maior aceitacao….

    h t t p : / / forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?p=1660772#1660772

    0
    • veigalex 26 de dezembro de 2011 at 23:42

      Leo, o forum de lá ta com um Bug. não deixa vc se cadastrar.
      Ja enviei emails e não tive resposta.

      Acho que virou uma panelinha.. Uma pena, pois o forum é muito dinamico.

      Se vc tiver acesso aos Moderadores atraves de MP.. pede para eles verem esse bug.

      Abraço!

      0
      • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 10:29

        esse forum é um lixo, só falam merda
        é entrar pra ver sardinhada estrebuchar
        e rir muito

        0
  • Guilherme Eduardo 26 de dezembro de 2011 at 23:38

    A coisa tá feia mesmo. E o pessoal acha que imóvel não cai…. Tem uma notícia que saiu no Estadão/SP (li o jornal impresso) falando sobre a previsão de aumento do crédito em 2012. Lá no final da reportagem consta que os preços não tem espaço para aumentar, que imóveis não são um bom investimento nesse momento.

    As notícias estão começando a aparecer….

    0
  • Zoom 26 de dezembro de 2011 at 23:47

    Valor de moradia do “Minha Casa” sobe para R$ 85 mil

    BRASÍLIA – O governo elevou de R$ 75 mil para R$ 85 mil o valor das moradias edificadas no âmbito do programa do Minha Casa, Minha Vida (MCMV) cujo pagamento de tributos federais é unificado.

    O benefício tributário visa compensar as construtoras pelo aumento de custos decorrentes da valorização dos terrenos nas regiões metropolitanas.

    Nesse regime tributário, as construtoras recolhem 1% sobre a receita em substituição ao pagamento de IRPJ, CSLL, PIS e Cofins. A medida está em vigor desde 1º de dezembro, mas foi efetivamente regulamentada na Medida Provisória 556, publicada hoje no “Diário Oficial da União” (DOU).

    E dae pessoal, o governo está ou não segurando o rojão da bolha.
    Complicado, será que ninguém vê o que este governo está fazendo. O coitado do pobre já não aguenta pagar aluguel altíssimo.
    PALHAÇADA O QUE ESTE GOVERNO FAZ.

    0
  • MCS 27 de dezembro de 2011 at 08:27

    O Mauro Halfeld já admite hoje que a fase de ganhos extraordinários com imóveis acabou. Mas ainda fala em alta moderada! Esse cara, no meio do ano, falou em boom, depois que havia espaço para mais aumentos e agora fala em alta moderada! Esse Mauro…

    0
    • João Paulo (Contagem - MG) 27 de dezembro de 2011 at 08:40

      Deste cidadão eu já desisti, assim como de outros comentaristas, ele já mudou de opinião N vezes, as quais uma delas ele citou abertamente o tema #BolhaImobiliariaBrasil, e depois disso ele nunca mais foi o mesmo, deve ter tomado aquela famosa, “O Que a Alzira Ganhou Por de Trás da Horta” e fica nesse discurso de alta moderada.

      Acorda Brasil, com os preços de hoje nem financiando da, quando esse pessoal acha que o brasileiro em média ganha? sera que acham que todos tem poupança? Por que muita maluquice país mais insano que eu já vi.

      0
      • RT 27 de dezembro de 2011 at 08:56

        Concordo plenamente contigo.

        “Hoje, nem financiando dá”… mesmo pra quem ganha bem.

        Olha que eu sempre digo que já deixei de acreditar nas estatísticas sobre vendas faz tempo! Quedas de 10%, 20%… com esses preços, não devem estar vendendo é nada…

        0
        • Carlos Eduardo 27 de dezembro de 2011 at 09:31

          Tenho o mesmo pensamento! acredito que queda de 30% em relação ao ano passado é muito otimismo!

          quero ver só ano que vem oque vão falar, rs

          não houve queda em relação á 2011 , até porque em 2011 não vendeu nada !

          haha

          Este mercado está falido, acho que as pessoas deveriam pressionar por aluguéis mais baratos! pechinchar mais ou apos alugar, já começar a procurar um mais barato quando os contratos começarem a vencer!

          0
        • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 09:51

          É de cair o queixo, tava dando uma olhada num jornal O Globo de set 2007, que achei por acaso.
          E vi que em 2007, o m2 em copacabana era em média R$ 3.000;
          Dando uma olhada no ZAP, hoje ele esta R$ 9.500 para apto com 2 quartos;
          E os prédios continuam os mesmos, ou pior, estão ainda mais velhos.
          Apto com 100 m2
          em 2007 = 300.000;
          em 2011 = 950.000;

          Assim só não vira milionário quem não quiser;

          0
          • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:57

            Sem dúvida ótimo investimento, palavra do bom velhinho-PAPAI NOEL, para os imbecis, mentecaptos,otários, e babacas de plantão

            0
  • augusto 27 de dezembro de 2011 at 08:36

    As coisas não são como aparecem na midia, senão vejamos:

    – antes do Natal, gerentes de lojas, e jornalistas vinham excitados nos telejornais, anunciarem que vendas iriam aumentar 30%.Nos shopings cresceram 5,5% e agora dizem que esperavam aumento de 6,5% !!!!!!!.
    No comércio geral Serasa anunciou aumento abaixo de 3%, bem longe dos 30% previstos por imbecis.

    – semanas atrá o Jornal Nacional em merchandising legal mas imoral, deu noticia que os pacotes de turismo para as férias vendiam como nunca e já estavam se esgotando. Ontem com a maior cara de pau noticiaram que devido a sobras pacotes para o reveillon (que é a parte mais procurada sem dúvida) estavam em liquidação. Com maior cara de pau ainda informaram que as vendas aumentaram 11%, mas a previsão havia sido de aumentar 30%

    – até o Secovi e o Creci reconhecem que o preço dos imóveis atingiu um pico e não mais vai aumentar. Mas há gente na midia tentando convencer que imóveis representam um ótimo investimento. Além de compras em picos de valores representarem perdas futuras ára qualquer bem material, temos que considerar gastos com documentação pós compra, e manurtenção mensal.

    – Vendas e produção de veiculos bateu recordes, mas patios estãp lotados, e férias coletivas já começaram a pipocarem, e cerca de um mes de produção já foi ou está em vias de ser aprendidas por falta de pagamento das prestações

    – Crédito imobiliário no Brasil é muito bem concedido e não representa risco, mas na Tenda só 16% dos que contrairam empréstimos tem condições de pagar prestações.

    – Para comprovação da renda “familiar” na aquisição do crédito imobiliárioa, basta duas pesoas que nunca se viram juntarem suas rendas.

    Existem ainda outras pérolas que não vou citar aqui, mas………..

    0
    • EduLon 27 de dezembro de 2011 at 08:44

      Comentário quase 100% procedente, exceto o da Tenda.

      – Apenas 16% conseguem comprar efetivamente porque tem perfil, o que foi constatado justamente pela analise de crédito dos bancos. Ou seja, quem vendeu errado na planta foi a própria Tenda, agora na hora de contrair financiamento o banco viu que não tinha como.
      Bem, não digo que a análise de crédito dos bancos seja o supra-sumo, mas está longe de ser tão irresponsável quanto as vendas da Tenda.
      Acho que em um futuro próximo vamos ver quão mal feitas foram as vendas na planta nos últimos anos, quando estes empreendimentos chegarem próximo da entrega e os compradores não conseguirem financiamento de jeito nenhum.
      Vejo em Curitiba por exemplo, tem construtora vendendo apartamento dizendo: Saia do aluguel, compre já seu imóvel pagando apenas 500 reais por mês – DETALHE: O imóvel custa 400 mil reais… 500 reais é a mensalidade até a entrega do imóvel…

      0
      • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 09:59

        Esse será o estopim. Muita gente, mas muita gente mesmo, não tem condições de financiar o imóvel junto ao banco. Mas comprou! Por quê? Influenciados pelos corretores que diziam ser esse um excelente investimento. E que a pessoa teria ai 2 anos para repassar o imóvel antes das chaves.
        Ta ai segura o rojão agora!

        0
        • Antonio Duarte 29 de dezembro de 2011 at 16:05

          Esses aí, como dizia meu professor de matematica financeira: “Não podem trabalhar com dinheiro. Tem que andar só com vale-transporte e vale-alimentação.” O que está acontencendo no mercado imobiliário é óbvio: Os preços subiram porque:
          a) até 2007 os preços estavam baixo e a demanda de imóveis alta. Quantas pessoas não juntaram amigos e parentes e construiram prédios para vender?
          b) 2008/2009 teve a crise nas bolsas com juros baixos. Investidores do mercado financeiro partiram para os imóveis. Os preços despararam.
          c) 2010 e 2011 Os preços já subiram muito. O retorno para os investidores não vale mais a pena. Então não vão comprar.
          d) 2012 – O mercado vai desaquecer, pois só quem precisa do imóvel para morar é que vai comprar.
          O mercado está se ajustando. Simples assim. Se o resto da economia for bem, os preços se mantém até a demanda superar a oferta. Se a economia cair, o desemprego aumentar e os bancos retomarem os imóveis, o preço vai cair.
          Resumo: Não é hora de comprar imóvel para especular.
          A festa acabou.

          0
          • GPTFN 31 de dezembro de 2011 at 00:17

            Concodo com você, menos na parte até 2007.
            O mercado até este momento estava normal. O que ditava o mercado era realmente a oferta e procura.
            Não gosto muito dessas coisas de teoria da conspiração, mas não há outra explicação.
            Esse Sam Zell, é realmente um dos maiores responsáveis pela bolha.

            Falando aqui especificamente do RJ, pelo que consegui perceber:

            Ele criou 2 frentes: Imóveis residenciais e comerciais(Gafisa), e Shopping Centers (BR Malls).
            Fez isso principalmente em aréas menos valorizadas, onde os terrenos eram mais baratos.
            Com isso criou novos “pólos comerciais”, e também “residenciais”.
            Essas novos centros chegaram com preços mais altos que o normal da região, dando a sensação de que a mesma estava se desenvolvendo. A partir daí o mercado só seguiu a tendencia. Dessa forma ele inflou regiões menos valorizadas. Como existe um entendimento natural de que o lugar “A” é melhor que o lugar “B”, ao valorizar B, A se valoriza por consequência.
            Notem que até aqui não existe qualquer melhoria real em A.
            Porém, ele não é bobo. Ele comprou previamente muitas coisas em A a “preço de banana”.
            E agora com a valorização (que ele mesmo gerou investindo relativamente pouco), ele vende rapidamente o que possui em A, enquanto as pessoas acreditam que a valorização é garantida e infinita. Para convencer os trouxas, digo, espertos investidores, ele usa muitos argumentos convincentes: copa do mundo, olimpiadas, a região estava com valor abaixo do real, valorização garantida, etc.
            Essa “corrida do ouro” se caracteriza por um ciclo. Descoberta (2007), Crescimento exponencial(2008-2010), Ouro de Tolo (2011~) e por fim Fuga (?).

            Descoberta – “Humm, eu posso pedir mais que ainda sim há interessados em comprar”

            Crescimento Exponencial – “Alô. O que?? Já lançaram esse novo empreendimento?
            Como assim já acabou?? Vendeu tudo em dois dias??”

            Ouro de Tolo – “É… tá dificil! Já tá anunciado a 6 meses e a melhor proposta que tive era de pagar 70% do valor que eu to pedindo… Acho que vou esperar mais um pouco né?! De repente…”

            Fuga – ” Nossa! Antes das chaves eu pagava só 800 reais. Agora to pagando 2.500 de prestação, mais 600 de condomínio! E as coisas não param de subir de preço… É escola, comida, gasolina, chopinho. Não consigo sair do vermelho. Tenho que sair daqui. Vou vender pelo que pagarem, pra mim não dá!

            e daí…

            ” A – Como assim meu apto ta valendo só isso?
            B – Sim senhor. Vendemos um no seu prédio por esse valor. Acho melhor o senhor vender logo porque tem muita gente anunciando, e as ofertas tão daí pra baixo.
            A – Tenho que vender logo! Não dá pra morar aqui com o que eu ganho.
            ….

            Troll – hahaha. comprei por 70% do que o cara pagou. PLOC PLOC PLOC

            0
      • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:06

        EduLon obrigado pela correção sobre a Tenda .
        Cometi um êrro pois havia entendido mal a matéria quando ela saiu.
        Mas fico pasmado pelo comportamento dos corretores e da empresa Tenda.
        O que os corretores picaretas e boçais fizeram, foi um crime e como tal deveriam serem punidos pela justiça comum. Foram até piores que os traficantes que já nascem em meio violento e despropício.
        Pelo menos o Creci deveria caçar o registro daqueles corretores , que maculam cada vez mais uma classe profissional já em descrédito.
        Já a Tenda o próprio mercado vai punir e ela (agora comprada pela a Gafisa) estão em situação econômica péssima

        0
      • Mineiro BH 27 de dezembro de 2011 at 19:03

        Alguns comentários:

        – Excelente a análise acima, nível MrK rs…

        – Análise de crédito pela Tenda: quem disse que a gente não tinha subprime???

        – Tenda: eu gostaria de saber aonde está agora a família ALVES PINTO, de BH, que vendeu a Tenda na hora certa… rs… em Mônaco? em Bali? Não, creio que eles compraram uma kit em Botafogo na mão do Menino do Rio… ahahahaha

        0
    • Carlos Eduardo 27 de dezembro de 2011 at 09:36

      Já desisti dá globo!

      Não assisto aquela merda nem ferrando!

      CBN é a mesma coisa…

      Porcaria, bando de gente comprada que não tem orgulho de ser, apenas de ter!!
      essa é a população que o mantega diz que vai estar com padrões europeus! haha sonhem

      0
  • Neo 27 de dezembro de 2011 at 09:54

    Nesse final de semana fiz um monte de oferta em APs nos sites de classificados e NENHUM respondeu …… NENHUM!!!!!!!!!!

    Esse povo num quer vender imovel só pode!!!!!

    Rejeitando ofertas À VISTA ainda!!!

    Vê se pode um trem desses.

    0
    • NTL 27 de dezembro de 2011 at 09:57

      Não acho isto muito estranho.

      Muitas pessoas viajam neste período entre Natal e Ano Novo, sem falar nas imobiliárias que fecham antes do Natal e somente reabrem na primeira semana de janeiro.

      0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:12

      Deixa pra lá, eles não querem vender e nós não queremos comprar.
      Quando a água começar a chegar na altura da bunda mole deles, com despesas de manutenção, deprecição, e o financiamento bancário for certo (para imóveis comprados na planta), dai estaremos dando risada

      0
  • ninja SP 27 de dezembro de 2011 at 09:54

    Algo de muito podre está acontecendo, pois a realidade do dia a dia da gente , não bate com o que é anunciado na emprensa . tudo manipulado.
    até quando???

    0
  • Davi 27 de dezembro de 2011 at 09:58

    h t t p://w w w1.folha.uol.com.br/mercado/1026158-nem-com-dobro-da-renda-divida-vira-prioridade-diz-estudo.shtml

    26/12/2011 – 10h20
    Nem com dobro da renda dívida vira prioridade, diz estudo

    O pagamento de dívidas ocupa um lugar distante na lista de prioridades de consumidores das classes A, B e C quando questionados sobre o que fariam caso a renda familiar dobrasse, informa reportagem de Carolina Matos publicada na edição desta segunda-feira da Folha.

    A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Vendas de Natal crescem 5,5% em shoppings no país
    Saiba seus direitos na troca de presentes
    Nível de endividamento recua em dezembro em São Paulo

    O estudo, feito pela Plano CDE e obtido com exclusividade pela Folha, deu como opções de resposta comprar ou renovar a casa, poupar ou investir, pagar dívidas e abrir um negócio. Foram entrevistados 1.615 consumidores de todas as classes sociais do Recife e de São Paulo, considerados centros representativos do Nordeste e do Sudeste.

    A casa própria é o principal desejo dos entrevistados, independentemente da faixa de renda –embora esse item tenha sido mais mencionado (com 48% das repostas) pelas classes D e E.

    0
  • João Paulo (Contagem - MG) 27 de dezembro de 2011 at 10:02

    Programa Minha Casa, Minha Vida tem novas regras para candidatos

    Idosos e pessoas com deficiência devem ter, no mínimo, 3% das unidades.
    Beneficiários devem estar inscritos em programas habitacionais locais.

    governo federal alterou os critérios de seleção dos candidatos a beneficiários do programa Minha Casa, Minha Vida. A regulamentação foi publicada em portaria publicada nesta terça-feira (27) no “Diário Oficial da União”. Entre as mudanças está a indicação de percentual de unidades que devem ser reservadas para idosos e portadores de necessidades especiais.

    O Minha Casa, Minha Vida é um programa habitacional do governo federal para construção de moradia em parceria com estados e municípios. Ele foi lançado em março de 2009, na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a meta inicial de construir 1 milhão de moradias populares.

    A nova portaria com as regras de seleção dos candidatos é a de número 610 e foi editada pelo Ministério das Cidades. Ela revoga a de número 140 publicada em 6 de abril de 2010.

    O novo texto determina que sejam reservadas, no mínimo, 3% das unidades para idosos. O mesmo percentual deve ser respeitado para portadores de necessidades especiais e famílias de pessoas com deficiências.

    Na portaria de 2010, ficava determinado que os dois grupos deveriam ser atendidos segundo “percentuais mínimos previstos nos normativos específicos dos programas integrantes”, sem determinar textualmente os números.

    ———————–
    Limite de renda
    ———————–

    Entre as novidades, o novo texto retira a citação à exigência de que os candidatos tenham renda familiar mensal bruta limitada a R$ 1.395,00. O governo já havia anunciado adequação nos valores quando deu detalhes da programação do Minha Casa, Minha Vida 2.

    Com a mudança, a primeira condição da seleção é que o candidato já esteja inscrito em cadastros habitacionais do Distrito Federal, estados ou municípios. A mesma condição já estava citada na portaria anterior. Cada um dos programas habitacionais locaisi já deve prever critérios de renda e condição social para inscrever os candidatos.

    ——————
    Fiscalização
    ——————

    A Ministério das Cidades incluiu na regulamentação novos procedimentos operacionais que exigem que a Caixa Econômica Federal seja responsável por finalizar o processo seletivo com validação das informações prestadas pelos candidatos.

    O banco deverá enviar aos responsáveis pela seleção uma lista com os candidatos aptos e outra com os que tiverem informações incompatíveis. De acordo com a portaria, esta relação deve ser publicada pelo responsável pela seleção.

    Em outubro, reportagem do Fantástico apresentou a existência da cobrança de taxas por ONGs que forjavam documentos para burlar regras de acesso ao programa.

    Fonte : http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/12/programa-minha-casa-minha-vida-tem-novas-regras-para-candidatos.html

    ———————-

    E pensar que esta merda de programa acelerou o processo de bolha, que hoje em dia só serviu de palanque eleitoral e engodo as construtoras, que embolsaram tudo, e agora ainda tem fase dois, sem ao menos ter concluído a primeira; que país de merda, e tudo não passa de uma coincidência com as eleições municipais, como diria o Datena “Pô Me Ajuda Ai!!!”

    0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:15

      É para dar risada, pois a CEF não consegue nem fiscalizar a si própria, vide as falcatruas envolvendo tal organização recentemente noticiadas, sem falar no caso Panamericano

      0
    • Moyashi 27 de dezembro de 2011 at 22:08

      Resta saber se o MCMV vai incentivar a MRV a fazer prédios com rampas pros deficientes conseguirem subir pros seus apertamentos com suas cadeiras de rodas…

      0
  • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 10:05

    htt p://w ww.imobilnet.com.br/dicas_e_materias/Index.asp?vCod=71 esse link ensina como é fácil investir em imóveis!
    Ainda garante lucro de 20% no mínimo até as chaves.
    hahaahh

    0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:16

      Ótima piada de fim de ano, sem dúvida noticiada por algum corretor sem ter o que fazer. É pensar que todos somos otários e mentecaptos

      0
  • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 10:45

    A MENTIRA do aumento das vendas nos shoppings explicada aqui:

    “Atualmente, existem em funcionamento no País 802 shopping centers, 36 a mais do que no ano passado” (Fonte: ESTADAO).

    As vendas em shopping aumentaram 5%.
    Mas o número de shoppings tbm aumentou 5%.

    o velho truque de aumentar a amostra pra mostrar aumento

    0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:18

      E agora eles dizem que esperavam aumento de 6,5%, quando vinham a público excitadissimos falando em aumentos de até 30% ou mesmo mais.
      Bando de imbecis isto sim

      0
    • Zoom 27 de dezembro de 2011 at 11:18

      Luiz, além disso, ontem no Jornal Nacional, eles anunciaram que as vendas de natal subiram 5.5% q na verdade é mentira.

      0
      • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 12:11

        é essa noticia mesmo que eu comento zoom.

        eles dizem que os shopings venderam um voulme 5% maior que o ano passado.
        só não contaram pra ninguem que o numero de shoppings e de lojas aumentou no mesmo valor.

        nunca antes na historia deçe paiz a imprensa, a tv, os analistas DESinformando a população
        mas só o site do André faz de graça

        0
    • Anonymous 27 de dezembro de 2011 at 12:25

      Concordo Luiz, e ainda combine isto com o fato de ter aumentado o número de pessoas economicamente ativas de um ano para o outro, e possivelmente este tão propagandeado aumento das vendas foram na verdade negativas (2010 para 2011), e não positivas, como anunciado pela imprensa comprada.
      É Froid…

      0
    • Mineiro BH 27 de dezembro de 2011 at 19:07

      Mais engraçado que tudo isso foi o pseudo-jornal ESTADO DE MINAS, que manchetou às vésperas do Natal: “Vendas no centro de BH aumentam 50%”

      Sim, 50%.

      Fui ler a notícia, a (suposta) fonte era “um dos comerciantes da região da Praça 7”.

      0
  • Anonymous 27 de dezembro de 2011 at 10:46

    Um pais que tem um “diário oficial” é um país comunista. Pegue um país assim e misture com um pouco de “affirmative action”. Precisa ser um gênio para saber que var dar merda?

    ‘Diário Oficial’ publica novas regras para o Minha Casa, Minha Vida
    www1 . folha . uol . com . br/poder/1026634-diario-oficial-publica-novas-regras-para-o-minha-casa-minha-vida . shtml

    Entre as novas regras, informa a portaria do DOU, deverá ser reservado, no mínimo, 3% das unidades habitacionais para atendimento aos idosos.

    0
  • Marcos 27 de dezembro de 2011 at 11:23

    Mauro Halfeld vai levar outro puxão de orelha?

    Terça, 27/12/2011
    ‘Fase de ganhos fantástico com imóveis já acabou’

    cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/MAURO-HALFELD.htm

    0
  • LAR 27 de dezembro de 2011 at 11:28

    confesso que fui cruel…

    afim de testar a o desespero de uma corretora, fiquei de marcar de visitar um stand, e acabei escolhendo uma data interessante… dia 31 as 19 horas e pasmem… rs… ela aceitou… o negocio deve ta ruim msm p ela comprometer o reveillon mostrando apto…

    0
    • Paulo Rocha 27 de dezembro de 2011 at 12:37

      Só falta você furar no dia…

      Liga dizendo que esta meio atrazado e depois fura. Mas aí já é meio sacanagem de mais…..

      0
      • LAR 27 de dezembro de 2011 at 13:18

        não, não… vou desmarcar desde já pq só foi um teste… eheheh

        0
  • Zoom 27 de dezembro de 2011 at 11:28

    Uma comparação um pouco estranha, vejo o governo como se fosse um nadador e o mercado como um rio com correnteza.
    Vamos ver até onde o nadador (governo) consegue nadar contra a correnteza (mercado).

    Quem será mais forte, Nadador ou a Correnteza?

    0
  • Zoom 27 de dezembro de 2011 at 11:32

    Vendas de Natal frustram o comércio.

    Depois do crescimento de mais de dois dígitos em 2010, o Natal deste ano frustrou o comércio. Nos shoppings, as vendas cresceram 5,5% em 2011 -um ponto percentual abaixo da expectativa dos lojistas. Descontada a inflação esperada para o período analisado (15 de novembro a 24 de dezembro), o crescimento real foi de 4,85%. Em 2010, o setor havia crescido 13%.

    “A base de comparação é alta, não dá para falar em decepção, mas o setor ficou abaixo da expectativa”, diz Nabil Sahyoun, presidente da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping).

    A Apas (Associação Paulista de Supermercados) calculou crescimento de 6%. O indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio de 18 a 24 de dezembro teve alta de 2,8%. No mesmo período do ano anterior, foram 15,5%.

    Levantamento da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) com o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) apurou 2,33% entre 1º e 24 de dezembro.

    “O endividamento do brasileiro e o aumento da inadimplência se refletiram no varejo”, diz Roque Pellizzaro Junior, presidente da CNDL.

    O nível de endividamento de dezembro (41,3%) cresceu na comparação com novembro (41%). Em números absolutos, o total de famílias com dívidas passou de 1,472 milhão para 1,480 milhão, segundo pesquisa da Fecomercio SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) com 2.200 pessoas na capital.

    Com o maior endividamento das famílias e a inflação em alta corroendo a renda, os consumidores optaram por presentes mais em conta.

    Segundo a Alshop, que ouviu 150 redes varejistas -representando 6.400 lojas-, a venda de artigos de perfumaria e cosméticos cresceu 18%, enquanto a de óculos, bijuterias e acessórios, 17%.

    “Os setores que mais cresceram são aqueles que oferecem variedade grande de preços, com opções baratas de presentes”, diz Sahyoun.

    O setor de vestuário, que representa a maior parte das lojas de shopping, avançou só 2% ante expectativa de 7%.

    As vendas foram inibidas pela alta do preço do algodão no mercado internacional, de mais de 20% em meados do ano. “Tudo é muito mais barato lá fora”, diz ele. “Os setores têxtil e de calçados estão sofrendo com a competição das compras que chegam nas malas dos brasileiros que viajam para o exterior.”

    Dados da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil) divulgados na semana passada mostram que o setor têxtil e de confecção deve encolher 10% neste ano.

    LINHA BRANCA

    As medidas do governo (redução do IPI) para estimular a venda de eletrodomésticos como fogões, geladeiras e máquinas de lavar não tiveram efeito. As vendas do setor, com a de eletroeletrônicos, cresceram 5%. “O produto de maior valor agregado sofreu neste Natal. O tablet não vendeu como se esperava”, afirma Sahyoun.

    As vendas nos shoppings devem encerrar o ano com crescimento de 12%, aos

    R$ 104,1 bilhões. Descontada a inflação (projeção de 6,54% para o IPCA no ano), a alta deve ficar em 5,46%.

    0
  • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:33

    Agora além da queda nas vendas de novos, de usados, até os consórcios de imóveis começam a se fod………….
    Interesante que poucos dias atrás alguem noticiou que os consórcios imobiliários estavam em alta!!!!!
    Vejam a noticia que saiu no estadão de hoje:

    SÃO PAULO – A venda de novas cotas de consórcios de imóveis registrou retração de 9,8% nos primeiros dez meses do ano em relação a igual período do ano anterior, somando 169,5 mil unidades, conforme pesquisa da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac) divulgada hoje. Na mesma base de comparação o número de contemplações cresceu 7,5%, para 60,5 mil participantes.

    No mês de outubro o valor médio das cotas para a compra de um imóvel subiu 15,1%, para R$ 117,7 mil, ante R$ 102,3 mil de um ano antes. Em outubro, o segmento registrava 612,3 mil participantes, indicando acréscimo de 6,4% sobre um ano antes.

    A partir de março de 2010 o governo permitiu o uso do FGTS para o pagamento de parcelas em consórcio de imóveis. De lá até setembro deste ano, 5.119 participantes utilizaram o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para amortizar ou quitar parcelas, somando R$ 89,1 milhões. No acumulado do ano 1.927 participantes utilizaram o FGTS, somando R$ 34,4 milhões.

    Entre março do ano passado e outubro deste ano, 5.277 participantes utilizaram o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para amortizar ou quitar parcelas, somando R$ 91,8 milhões.

    0
  • Ze_Das_Couves 27 de dezembro de 2011 at 11:52

    Se apenas 16% dos clientes tem credito “bom” essa empresa deve estar mesmo eh falida… ja ja ela entra com o pedido de socorro no governo e eles vao ter de socorrer com bastante dinheiro.

    Fazia 1.5 anos que nao vinha ao brasil e olha que fiquei assustando com o que estou vendo. Ate no camelo vendem parcelado… faz parcelado em ate 5x , 6x no cartao… Prox a casa da minha mae tem uma favela e todos morando nas casas do PAC com carros 0KM na garagem. E tem gente que ainda vem dizer que o credito no brasil eh seguro? Com 100 reais se compra pouca coisa hoje em dia…

    0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 11:54

      Ze olhe o que vai ocorrer e talvez até já yenha começado : PLOC, PLOC

      0
    • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 14:46

      Isso é verdade.
      Tenho vários vizinhos q ganham pouco ( uns 2 a 3 salários mínimos) tirando carro zero!
      Que maravilha é essa?
      Se colocar na ponta do lápis: seguro, gasolina, estacionamento, prestação, ipva, pedagio, etc.
      Como é que eles conseguem sobreviver?
      Mistério…

      0
      • Cleyton 27 de dezembro de 2011 at 20:20

        E ainda vai ter que separar uma grana pras multas, o Conatran retirou a obrigação de sinalizar radares, o governo precisa arrecadar mais pra cobrir as baixas do IPI dos automóveis!

        0
  • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 12:13

    Bolha de shoppings

    Levantamento feito pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) indica que há em construção no País 113 shoppings.

    O total hoje é de 802.

    Vai aumentar 15%

    0
  • JPF 27 de dezembro de 2011 at 12:22

    Pessoal, acompanho o site ha alguns meses e notei que alguns leitores do blog tem um bom conhecimento do mercado de imoveis de SP. Sou de Bh e estou de mudanca para SP e gostaria de saber se voces tem alguma sugestao de um bom site para que eu olhe opcoes de aluguel na capital paulista. Quanto aos jornais, a folha e o estadao costumam trazer boas opcoes?Pretendo alugar na regiao de Perdizes.
    Peco desculpas pela mensagem off topic, mas como conheco muito pouco SP e notei a boa vontade do pessoal do blog, pensei em pedir ajuda aqui. Obrigado.

    0
    • Jack Imóveis 27 de dezembro de 2011 at 14:35

      Caro JPF,

      Melhor maneira é escolher bairros de sua preferência e andar por eles.

      Abraços

      Jack – Andador

      0
      • JPF 27 de dezembro de 2011 at 17:24

        O problema, JACK, é que eu estou atualmente no interior de Minas e minha esposa em outro estado com nossas coisas. Dessa forma, com os cuidados com a mudança, vou ter pouquíssimos dias para olhar os imóveis “in loco”. Assim, eu já preciso de ter algo mais encaminhado quando chegar em SP. Mas, de toda forma, pretendo dar uma olhada sim em alguns edifícios que me agradem na capital.
        Obrigado!

        0
        • Inteligivel 27 de dezembro de 2011 at 22:48

          Jornal Primeira Mão e site Imovelweb.

          Em SP o bom é morar perto do trabalho, para não gastar tempo e saúde no trânsito ou no metrô/ônibus. Porém, dependendo do local de trabalho sua renda pode ser incompatível com o “morar perto”. Não digo somente em relação ao preço do aluguel, digo em relação até ao café, barbeiro, mercado, etc. Na região da Paulista onde trabalho, por exemplo, um café com leite e um pão na chapa morre em R$ 5. Na Saúde, bairro que moro, fica em R$ 3.

          Há 4 anos não tenho aumentos substanciais em minha renda. Mas vi o preço de tudo dobrando, às vezes triplicando. Já tomei uma decisão: vou mudar de cidade. Se meu emprego permitisse, mudaria de país! =)

          0
    • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 14:48

      consulte o site zap e ofereça 50% do valor pedido.
      E daí comece a negociar.

      0
      • JPF 27 de dezembro de 2011 at 17:19

        Esta é uma outro dúvida que eu tenho: sobre os valores de aluguel constantes dos sites. Os valores do ZAP estão próximos dos valores praticados no mercado de São Paulo ou há uma boa margem de negociação?

        0
        • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 17:30

          há uma boa margem
          10% é praxe no mercado
          20% é razoável
          30% é possível

          vc ainda pode trocar igpm por ipca e alugar sem fiador nenhum devido a nova lei

          0
        • pmoraesm 27 de dezembro de 2011 at 17:47

          Se tiver como pagar 12 meses adiantados na assinatura do contrato, pode ter certeza que você consegue pelo menos 30% de desconto facilmente.

          0
  • MrK 27 de dezembro de 2011 at 12:28

    Pessoal,

    As vendas subirem 5.5% é muito pior do que parece, pois essas vendas são em valor, se vocês verem a inflação REAL do grupo de produtos vendidos em shopping (vestuario por exemplo) é da casa de 10% com tranquilidade.

    Em outras palavras: Em quantidades, as vendas foram inferiores ao ano passado!! Isso tudo com o crédito solto e despejado, quase guela abaixo, da nova “classe média”

    Está muito claro que o modelo de crescimento a base de crédito/parcelamento e antecipação de compras por redução de impostos (carros/linha branca) se ESGOTOU.

    Vejam as greves, esse ano foi recorde, isso tudo porque o orcamento familiar está tomado por juros e parcelas a perder de vista, não adianta o governo jogar mais crédito, pois só será crédito podre, todo crédito forçado virará inadimplencia e prejuizo pras empresas, o que o governo deveria fazer agora é o oposto: Estimular a poupança, para poder ter lastro para emprestar SEM rodar a máquina de dinheiro e gerar inflação, mas isso ele não quer.

    2012 Será um ano difícil, a industria já está se retraindo, o aumento de 14% do salário mínimo impactará muito fortemente empresas que terão que demitir, some a isso a crise na construção civil e na industria automotiva, duas das maiores do país, agora o comércio comeca a desacelerar, a única certeza que restará desse período economico serão as dividas, essas ficarão.

    0
    • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 12:37

      Mto bem resumido Mrk (já de volta a bananialand???)

      Gostaria de saber sua opinião e dos demais sobre outro assunto.

      Vc acha que os milhares de imóveis ocupados (ver fotos) anunciados no ZAP não são na verdade gente que se comprometeu com um imovel na planta?

      0
      • MrK 27 de dezembro de 2011 at 13:19

        Luiz é possível sim, eu vejo 3 tipos de anunciantes no zap (quando falamos de imoveis ocupados)

        1 – O anunciante comum que sempre existiu, gente que por qualquer motivo (mudanca, etc) quer se desfazer do imóvel (esse número tende a ser estável ao longo do tempo)

        2- O anunciante “de ocasião”, aqueles que não venderiam ou venderiam no futuro, mas sentiram a bolha, viram que podem ficar ricos e querem vender no topo (um dos fatores por trás do aumento do número de anúncios), muitos nesse caso alugavam seus imóveis e tiraram os inquilinos pra vender, mas note que esse tipo de anunciante não precisa vender o imovel.

        3 – O anunciante que comprou na planta e já tinha um imóvel e agora precisa vender o antigo, esse também está por trás do aumento do número de imóveis a venda e só vai aumentar com o tempo. Esse precisa vender, não pode manter o imóvel!

        Eu não consigo dizer quantos % dos imóveis está em 1, 2 e 3… é muito difícil, mas o que eu posso dizer é:
        1- Tende a ficar estável
        2- Tende a diminuir
        3- Tende a aumentar

        mas notem algo interessante, quem vai diminuir (2) são aqueles que não precisam vender mesmo, venderiam por uma oportunidade de ganhar muito, por um momento… quem tende a aumentar é o (3) que PRECISA vender, por isso vai ficar mais acirrada a venda, o que corrobora com preços caindo

        0
        • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 13:36

          se vc me permite extrapolar
          Portanto, na medida que as obras vão terminando, entram 2 imóveis no mercado: o novo e o velho mas com um só morador.

          Neste momento estamos vendo o acumulo de anuncios no ZAP e os esqueletos das obras dando a impressão de haver uma sobreoferta enorme inconsistente com a persistência dos preços altos, mas tal situação deverá mudar quando a parcela das chaves chegar corrigida pelo INCC.

          Imagino que pelos demais indicadores sociais e econômicos poderá haver uma espécie de corrida por dinheiro (ou crédito) a se inciar em 2012, tanto de compradores quanto das construtoras, quando acredito que os imóveis atingirão definitivamente o auge deste jogo.

          Ao governo resta o papel de oxigenar tudo isto.
          Como calcular quando o fôlego acaba?
          Percebo que ao injetar dinheiro, tbm se injeta inflaçao, e isso queima a capacidade de consumo/produção do sistema

          0
          • augusto 27 de dezembro de 2011 at 14:44

            Prezado Luiz , creio que se a inflação disparar o PT , a Dilma e o molusco perderão grande parte do apoio popular e logo em seguida do Congresso fisiológico.
            A inflação atinge mais aqueles que menos tem, no caso os ferrenhos defensores do governo atual. Tentarão maquiar números, informar mentiras, mas no fim o povão sentirá na carne a perda do poder aquisitivo, com os preços corroendo seus salários

            0
  • Dr. Estranho 27 de dezembro de 2011 at 12:55

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/mercado/1026531-varejo-antecipa-temporada-de-liquidacoes.shtml

    Acredito que as construtoras em breve nos fornecerão reportagens semelhantes.

    0
  • Carlos Wagner 27 de dezembro de 2011 at 13:02

    Para quem gosta de ler o Mises.org.br, está tendo a oportunidade real de constatar o que a intervenção estatal na iniciativa de livre mercado pode fazer com a economia de um país em um curto espaço de tempo.

    O governo, literalmente, desregulou todos os mercados, começando pela construção civil com o MCMV. Essa desregulação atigiu outros mercados, os quais tiveram capital de investimento e mão de obra desviados para a área que estava sendo inflada e com isso não tiveram capacidade de atender os novos consumidores que recebiam seus rendimentos provenientes da construção civil.

    Isso causou uma bolha generalizada em todos os produtos, desde imoveis até eletronicos e serviços.

    Nunca antes da historia deste paíz podemos constatar tão claramente uma teoria de ciclos economicos em ação. O nascimento, expansão e declinio são nitidamente visiveis.

    Bom, agora que ja passou o natal e estão vendendo laptops com 70% off, vou as compras….hehe

    0
    • camberiu 27 de dezembro de 2011 at 13:36

      Se a apos ler o Mises voce chegoua conclusao de que o problema foi a “desregulacao de mercados” acho que voce esta com um problema de interpretacao de textos.

      0
      • Carlos Wagner 27 de dezembro de 2011 at 16:47

        Camberiu

        Eu não entendi o que voce quis dizer. Por favor, compartilhe conosco suas interpretações.

        0
    • Shakespeare 28 de dezembro de 2011 at 09:29

      Brazil, o paíz das rizadas

      0
  • MrK 27 de dezembro de 2011 at 13:30

    Esse aumento do mínimo vai dar o que falar…

    A melhor maneira de aumentar o poder de compra da populacao é diminuindo os preços dos produtos atrás de maior eficiencia, tecnologia e produtividade, o aumento do mínino vai entrar num bolso e sair no outro… vejam por que:

    podem apostar, as empresas que serão impactadas com aumento do custo do salario minimo em sua folha, farão sabe o que? REPASSAR esse aumento aos produtos, ou seja, o que o trabalhador ganha em um bolso, ele vai pagar a mais em outro, tudo ficará mais caro.

    já o governo, sabe como fará para pagar o aumento do minimo? vai imprimir… ou seja, gerar inflação… em outras palavras, o que o trabalhador ganha em um bolso, ele vai pagar a mais em outro..

    em resumo, te darão com a mão direita e tirarão com a esqueda, o ganho liquido, se houver, será muito pequeno, mas o que se esperar de um governo que não investe em infraestrutura, tecnologia e produtividade?

    o correto seria diminuir os custos de producao, impostos, baratear o Brasil e permitir que os empresarios produzam mais e melhor, vendendo mais barato e ganhando em escala… mas ao invez disso vão simplesmente produzir O MESMO e inflacionar o mercado! grandes m….

    0
    • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 13:40

      o maior impacto do aumento do salario mínimo é no proprio governo, mas municipal
      principalmente de regiões norte e nordeste

      o mínimo alto gera desemprego e subemprego em regiões pobres.

      A idéia de acabar com a pobreza por decreto já foi tentada antes

      0
    • no_one 27 de dezembro de 2011 at 14:52

      O empresariado já está repassando o aumento do mínimo antecipadamente.
      O mais interessante é a postura do governo, ao afirmar que com o aumento do mínimo vai arrecadar mais R$ 22bi com impostos sobre consumo… e vai gastar R$ 23bi em folha de pagamento e previdência…
      No final quem paga a conta é a classe média, pra variar, que se teve sorte conseguiu somente repor a inflação (a oficial, e não a real obviamente).

      0
  • Carlos_ 27 de dezembro de 2011 at 14:26

    Enquanto isso , nos EUA (notícia de hoje):

    “MERCADO IMOBILIÁRIO PATINA

    Porém, os preços de casas nos EUA caíram mais que o previsto em outubro, gerando dúvida sobre se os sinais recentes de melhora no mercado imobiliário serão sustentáveis.

    O índice S&P/Case Shiller de preços de moradias em 20 áreas metropolitanas caiu 1,2 por cento sem ajustes, contra expectativas de 0,5 por cento. Em setembro, os preços caíram 0,6 por cento. Em relação a outubro do ano passado, os preços estavam 3,4 por cento mais baixos.

    Outros dados, do Federal Reserve de Chicago, mostraram que o índice de atividade manufatureira da região Meio-Oeste dos EUA caiu ligeiramente, de 85,9 em outubro para 85,8 em novembro, apontando uma pequena desaceleração.”

    E isso porque o preço de imóveis nunca caí. Imaginem se caísse

    0
  • Scotch 27 de dezembro de 2011 at 14:32

    Programa Minha Casa, Minha Vida tem novas regras para candidatos
    Idosos e pessoas com deficiência devem ter, no mínimo, 3% das unidades.
    Beneficiários devem estar inscritos em programas habitacionais locais.
    Do G1, em São Paulo

    31 comentáriosO governo federal alterou os critérios de seleção dos candidatos a beneficiários do programa Minha Casa, Minha Vida. A regulamentação foi publicada em portaria publicada nesta terça-feira (27) no “Diário Oficial da União”. Entre as mudanças está a indicação de percentual de unidades que devem ser reservadas para idosos e pessoas com deficiência.

    saiba mais

    Orçamento do Minha Casa, Minha Vida tem queda em 2012Minha Casa Minha Vida 2 terá R$ 125,7 bilhões em investimentosONGs cobram taxa por vagas no programa Minha Casa, Minha VidaO Minha Casa, Minha Vida é um programa habitacional do governo federal para construção de moradias em parceria com estados e municípios. Ele foi lançado em março de 2009, na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a meta inicial de construir 1 milhão de moradias populares.

    O novo texto, que revoga a portaria número 140 publicada em 6 de abril de 2010, determina que sejam reservadas, no mínimo, 3% das unidades para idosos. O mesmo percentual deve ser respeitado para pessoas com deficiência ou seus famíliares diretos.

    Na portaria de 2010, ficava determinado que os dois grupos deveriam ser atendidos segundo “percentuais mínimos previstos nos normativos específicos dos programas integrantes”, sem determinar textualmente os números.

    Limite de renda
    Entre as novidades, o novo texto retira a citação à exigência de que os candidatos tenham renda familiar mensal bruta limitada a R$ 1.395,00. O governo já havia anunciado adequação nos valores quando deu detalhes da programação do Minha Casa, Minha Vida 2.

    Com a mudança, a primeira condição da seleção é que o candidato já esteja inscrito em cadastros habitacionais do Distrito Federal, estados ou municípios. A mesma condição já estava citada na portaria anterior. Cada um dos programas habitacionais locaisi já deve prever critérios de renda e condição social para inscrever os candidatos.

    Fiscalização
    A Ministério das Cidades incluiu na regulamentação novos procedimentos operacionais que exigem que a Caixa Econômica Federal seja responsável por finalizar o processo seletivo com validação das informações prestadas pelos candidatos.

    O banco deverá enviar aos responsáveis pela seleção uma lista com os candidatos aptos e outra com os que tiverem informações incompatíveis. De acordo com a portaria, esta relação deve ser publicada pelo responsável pela seleção.

    Em outubro, reportagem do Fantástico apresentou a existência da cobrança de taxas por ONGs que forjavam documentos para burlar regras de acesso ao programa.

    0
  • augusto 27 de dezembro de 2011 at 14:36

    Para aqueles incompetentes, mal informados, ou mal intencionados que dizem que preço de imóvel nunca cai:

    Gabriel Bueno, da Agência Estado

    NOVA YORK – Os preços das residências nas 20 maiores áreas metropolitanas dos EUA recuaram 3,4% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo a pesquisa S&P/Case-Shiller divulgada nesta terça-feira. Nas 10 maiores áreas metropolitanas do país, o recuo foi de 3,0% em outubro ante outubro de 2010. O índice recuou particularmente em Atlanta e na região do Meio-Oeste, segundo a sondagem.

    Na comparação com o mês de setembro, os preços das residências em 20 cidades caíram 1,2%, enquanto nas 10 maiores áreas metropolitanas o recuo foi de 1,1%.

    Agora em seu quinto ano de uma desaceleração histórica, o mercado imobiliário dos EUA permanece fraco este ano, apesar dos preços mais baratos das casas e das taxas de juros em baixas recordes. Das 20 zonas metropolitanas pesquisadas em outubro, 19 registraram preços mais baixos que em setembro.

    David M. Blitzer, presidente do comitê responsável pelo indicador, notou que em Atlanta houve redução de 5% nos preços na comparação mensal. Em Chicago, Cleveland, Detroit e Minneapolis, houve quedas de 1% ou mais. Blitzer acrescentou que, apesar de alguma melhora nas taxas anuais, em 18 cidades os índices permaneceram negativos em outubro, na comparação anual.

    Em setembro, o recuo havia sido de 3,3%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, nas 10 maiores áreas metropolitanas, e de 3,6% na comparação anual das 20 maiores zonas metropolitanas. As informações são da Dow Jones.

    0
    • GPTFN 27 de dezembro de 2011 at 14:54

      Nãoooo!!!
      Os imóveis nunca caem de preço!!!

      Beyoncé vende cabana por 75% a menos do valor que pagou

      htt p://diversao. terra.com.br/gente/noticias/0,,OI5515978-EI13419,00-Beyonce+vende+cabana+por+a+menos+do+valor+que+pagou.html

      Acho que foi presente de natal!

      hohoho

      0
      • Andre Luiz 27 de dezembro de 2011 at 16:19

        Se considerar a inflação no período, a perda foi ainda maior…

        0
  • augusto 27 de dezembro de 2011 at 15:00

    Outra que acaba de sair no Infomoney:

    SÃO PAULO – A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) divulgou na véspera que as vendas do comércio varejista dos shoppings centers do Brasil cresceram 5,5% neste Natal, no comparativo com o mesmo período do ano passado. No entanto, o número ficou abaixo das expectativas de alta de 6,5%.

    Na avaliação dos analistas da Ativa, esse dado é negativo para BR Malls (BRML3), Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTA3), General Shopping (GSHP3), Aliansce (ALSC3), Lojas Renner (LREN3), Lojas Americanas (LAME4), Magazine Luiza (MGLU3), Marisa (AMAR3) e Pão de Açúcar (PCAR4) e neutro para B2W (BTOW3).

    De acordo com os analistas da Ativa, os dados frustraram as expectativas, com arrefecimento no crescimento das vendas um pouco maior que o esperado, que teve impacto nos rumores da crise externa, maior endividamento da população e pela inflação. “Acreditamos que o segmento de vestuário teve performance afetada pela alta do algodão, e o de eletrônicos pelo tardio incentivo governamental”.

    0
  • Yuri 27 de dezembro de 2011 at 15:17

    Bolha, excelente análise feita HOJE no Observatorio de Imprensa para esfriar um pouco a euforia gerada pelas Olimpíadas aqui no RJ:

    observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed673_especulacao_imobiliaria_e_manipulacao_da_midia_carioca

    0
    • LAR 27 de dezembro de 2011 at 16:33

      esse trecho fala tudo sobre essa dupla dos infernos PAES x CABRAL e seus projetos maravilhosos… projetos de merda e essa cidade é uma merda… sou carioca e gosto muito, mas está cada vez mais insuportável e cada vez mais dificil me manter nesse inferno…

      “É incrível que o modelo de transporte que esteja sendo implantado aqui seja o mesmo que funciona há décadas em Curitiba, que, curiosamente, embora seja uma cidade com um número muito menor de habitantes (1.746.896), está abandonando-o por não atender mais a demanda. Para que lá seja instalado um metrô, que aqui, pasmem, foi descartado. Claro que os especialistas estão condenando isso de forma unânime e explicando que ao ser inaugurado, já estará completamente defasado, dado ao aumento da demanda, mesmo raciocínio aplicado às novas composições do metrô que irão chegar da China a conta gotas, com certeza para martirizar ainda mais uma população em que até um mísero serviço de barcas é um suplício sem fim. O absurdo é tamanho que o vale transporte único, que inicialmente valeria por duas horas, teve que ser estendido porque não atendia a expectativa dos usuários que gastavam muito mais tempo no seu deslocamento.”

      0
      • Tico RJ 27 de dezembro de 2011 at 20:24

        LAR,
        Não sou carioca, mas conheço vários pontos da cidade e na minha opinião o Rio poderia ser a cidade mais bela do mundo por causa de suas maravilhosas belezas naturais. Entretanto, os políticos tiveram a capacidade de detorná-la.

        Como pode um estado ou cidade que recebe royaltes milionários do petróleo, tem ganhos de impostos das empresas prestadoras de serviço de exploração e refino do óleo e deixa a cidade esculhambada.

        Vc tem razão, as melhorias que o governo faz é pura maquiagem: os esgotos sempre estouram em época de chuva, existem apenas 2 linhas de metrô de péssimo serviço, a corrupação corre solta na polícia e na administração estadual e municipal e muitas outras. É revoltante!

        0
  • Gustavo 27 de dezembro de 2011 at 16:54

    Recebi o email abaixo de um corretor da MRV atribuindo uma possível falta de imóveis à suspensão dos alvarás para a construção. Está demais!!!

    “Boa tarde, conforme matéria do Estado de Minas abaixo, a suspensão de lançamentos no primeiro trimestre pode provocar a diminuição na oferta de imóveis provocando o aumento do preço. Não deixe para depois, aproveite as oportunidades das últimas unidades da MRV!

    Responda esse email e vamos fazer uma simulação!

    Qual a sua renda bruta ou do casal?
    Qual o valor que deseja utilizar de FGTS, se tiver?
    Qual valor de entrada gostaria de utilizar?
    Qual região ou empreendimento de interesse?

    Lembrando que imóveis que já foram lançados não serão afetados.”

    0
  • Tiago 27 de dezembro de 2011 at 17:37

    Tenho lido muitos artigos a respeito deste assunto, mas o que intriga é o que fazer na minha situação: hoje, moro de aluguel em São Paulo e pago um valor elevado. Já procurei sair para um mais barato, mas as pessoas realmente perderam a noção e estão cobrando valores absurdos por espaços cada vez menores e localização cada vez mais distante.

    Por conta deste cenário, o que faço? Aproveito, entro na onda e compro um imóvel com prestações a perder de vista ou espero a bolha estourar – o que pode levar anos – e continuo pagando aluguel e vendo as pessoas à minha volta festejando a compra de sua tão sonhada casa própria?

    Realmente não sei que rumo seguir…

    Abraços,
    Tiago

    0
    • Luiz 27 de dezembro de 2011 at 18:59

      o dilema é esse mesmo

      eu achava que essa bolha podia se sustentar por anos, mas as ultimas noticias ruins vieram cedo demais, e pode ser que se antecipe pra daqui a poucos naos talvez meses

      agora isos q vc falou do aluguel, não vejo assim.
      Está mto fácil alugar, o valor está em até 0,2% do imovel e os juros e oportunidades estão interessantes.

      0
      • Tiago 28 de dezembro de 2011 at 12:41

        Luiz,

        Se as pessoas estão vendendo seus imóveis a preços altos porque consideram que eles realmente valem aquilo (e pq tem gente comprando), por qual razão elas não pensariam em cobrar alto pelo aluguel, uma vez que o preço cobrado pelo aluguel varia em função do valor do imóvel no mercado? Os aluguéis não sofrem com as especulações e alta das vendas dos imóveis?

        Pelo menos tenho visto os valores de aluguel subirem tanto quanto os de venda. Moro em São Paulo/Zona Sul e está praticamente impossível achar algo descente por menos de 2 mil reais, coisa que há 1 ano era possível de se ver.

        Em out/2010 aluguei por 1200 (fora condomínio). Em out/2011, o mesmo imóvel já está em 1500. É normal essa variação?

        Pergunto, pois sou leigo e estou tentando entender essa situação toda para ver que passo tomar.

        Abraços.

        0
        • Luiz 28 de dezembro de 2011 at 13:25

          Prezado Tiago, debatemos estes assuntos meses atrás, sua duvida é pertinente, mas veja a nossa conclusão:

          O mercado de aluguel não pode subir na mesma medida que o da venda pq os proprietários não aceitam cartão de crédito (ainda, rs) por isso, eu por exemplo, pago 0,25% do valor, um bom negócio.

          Acontece que o aluguel sobe sim um pouco, mas aí o cara ta enforcado nas outras contas, até conta de água o cara paga na maquininha. Isto 1 dia tem fim, não?

          Outra: dizer que estão comprando nestes valores vc incorre numa imprecisão: comprar significa pagar e levar. O que estão fazendo é um contrato de comrpa e venda intermediado pela financeira. A casa fica alienada, ou seja, o Banco é o verdadeiro dono.

          0
          • Tiago 28 de dezembro de 2011 at 15:23

            Obrigado, Luiz. Relamente o valor de 0,25% é um achado. Pago 0,36% (nas consições da bolha, pois acredito que ele valha menos).

            Bom, pelo que tenho visto em São Paulo os aluguéis estão subindo muito e acredito que eles terão uma queda significativa apenas quando a bolha estourar, já que muitos não conseguirão revender e serão obrigados a alugar a preços mais moderados, eliminando, claro, aqueles que terão que devolver seus imóveis aos bancos.

            No que se refere à baixa de preços, o aluguel, na minha humilde opinião, é o último a ser impactado pela cadeia.

            0
    • Tico RJ 27 de dezembro de 2011 at 19:46

      Acredito que vc irá pagar muito mais por causa dos juros e do longo período com a compra financiada. Para vc ter uma idéia, calcule o rendimento da poupança usando o valor do apto e é bem possível que será menor que o valor das prestações do financiamento. Se a bolha estourar logo, valerá a pena o aluguel.
      Conheço pouco de economia, mas em países ricos acredito que suas bolhas permaneceram por mais tempo devido suas economias relativamente fortes. No Brasil, possivelmente a bolha estourará em menos tempo.

      0
    • Antonio Duarte 29 de dezembro de 2011 at 16:27

      Tiago,

      Se me permite uma opinião. No seu caso, você não está vendo imóvel como investimento, mas para morar, correto? Então, se você encontrar um imóvel que te interesse, cujas as prestações sejam no máximo iguais ao que você paga de aluguel (sem intermediárias) e pronto, é melhor comprar. Porque o máximo que vai acontecer, é que você ficará sem o imóvel no futuro, o que já é certeza no aluguel. O mercado de imóvel está ruim para quem quer ganhar dinheiro com isso. Para quem quer morar, está caro, mas com mais liquidez, ou seja, há várias opções.

      Abs

      0
  • MINEIRO QUER BOLHA(MrK ME RESPONDE?) 27 de dezembro de 2011 at 17:59

    MrK me responde uma duvida? você fala que o ano 2012, será pior que 2011, certo? porque o governo está tão otimista?

    0
    • Paulo Rocha 27 de dezembro de 2011 at 19:21

      É para enganar o povão. Se nego se der conta do que esta para vir aí a situacão trava de uma vez. Imagina só o pessoal comecando a economizar e gastar menos. O desemprego subiria drasticamente, e as noticias ficariam cada vez piores, efeito domino.

      0
    • MrK 27 de dezembro de 2011 at 19:26

      Oi Mineiro,

      Olha, tem 2 perguntas em uma….

      Quanto ao governo, ele sempre é mais otimista que a realidade e o motivo é simples, ele quer pintar um cenário positivo para os investidores botarem dinheiro aqui e para estimular as empresas a investir e fazer projetos… por isso o governo comeca o ano dizendo que vai crescer 6% e vai descendo mes a mes até chegar a realidade… 2.9%, a mesma coisa com a inflação, comeca dizendo que vai ser controlada e termina maquiando os numeros e ainda assim acima do teto da meta! O governo age aqui como um vendedor, e o produto que ele vende é a economia e seus papeis!

      Quanto a 2012, os números do final de 2011 tem mostrado um esgotamento do modelo de crescimento das vendas via crédito, em resumo as familias estão com o orcamento tomado e não podem mais se endividar, por isso o consumo vem caindo e estoques aumentando, o natal foi fraco, as vendas de imoveis despencaram e os patios das montadoras lotados… o Governo quer resolver o problema da mesma forma que comecou: Mais crédito! Mas isso tem um limite e o limite parece ter sido atingido. O que o governo quer fazer? Dar crédito a morador de rua? não dá mais, a classe média já tem todo crédito que quer a disposição, mas estão enforcados

      Existem algumas variáveis aqui que podem ajudar 2012, ligadas ao gasto do governo, eleições e coisa tal… pode dar um folego, mas não vejo como uma salvação, somente como um folego…É aguardar pra ver!

      0
      • Tico RJ 27 de dezembro de 2011 at 19:37

        O aumento do salário mínimo seria um paleativo tendo aumento da inflação como efeito colateral?

        0
        • Tico RJ 27 de dezembro de 2011 at 20:26

          Desculpe, vc já explicou anteriormente.
          Agradeço a todos os especialistas em economia e finanças pelos seus comentários – tem me ajudado bastante a entender o assunto.

          0
    • Shakespeare 28 de dezembro de 2011 at 14:30

      Mineiro,

      Imagina que você está andando em uma coisa (trem, para os não mineiros) e o maquinista anuncia pelo sistema de som que, apesar da alta velocidade que vocês estão andando, a coisa continuará nos trilhos e andando bem… mas você está logo no primeiro vagão e consegue ver a expressão de pânico na cara dele, à medida que se aproxima a curva…

      Pois no caso que você citou, só estamos ouvindo o sistema de som, mas o site Bolha nos permite vislumbrar a face dos governantes!

      0
  • Anonymous 27 de dezembro de 2011 at 18:40

    Mantega afirma que Brasil pode ser 5ª economia do mundo antes de 2015.

    Já vi esse oba-oba antes. Segue uma propaganda da época:
    www . youtube . com/watch?v=VITtfvWM-mg

    0
  • thiago 27 de dezembro de 2011 at 20:03

    http://www.gazetadopovo.com.br/imobiliario/conteudo.phtml?tl=1&id=1205390&tit=Diversos-antecedentes-indicam-que-ha-bolha-imobiliaria-no-Brasil

    “Diversos antecedentes indicam que há bolha imobiliária no Brasil”
    Luciano D´Agostini, doutor em economia

    A formação ou não de uma bolha imobiliária no Brasil foi um dos assuntos mais debatidos durante o ano. A preocupação estimulou comparações com o que ocorreu em países como Estados Unidos e Espanha, onde a bolha estourou. Em um curso ministrado essa semana no Conselho Regional de Eco­­no­­mia do Paraná (Corecon), o doutor em economia Luciano D´Agos­tini citou exemplos de como se forma a bolha e conse­quências.

    Para ele, há bolha imobiliária no Brasil por diversos antecedentes, um deles a melhoria da renda da população. “Mais de 30 mi­­lhões de brasileiros saíram da linha de pobreza e entraram na classe de consumo, mas houve um espírito de consumo bem maior do que de poupança. Isso auxiliou o mercado imobiliário a inflar os preços, porque o público comprou o imóvel com um custo elevado de financiamento. Ao longo de oito anos os juros caíram, mas ainda são muito elevados”, disse. Ele destacou, ainda, política monetária e taxas de juros. Confira o que mais D´Agos­­tini falou sobre o atual cenário nos principais trechos da entrevista para a Gazeta do Povo.

    Que comparação o senhor faz do cenário brasileiro com países como Estados Unidos e Espanha, que experimentam a crise no setor?

    A percepção é a mesma. Os sintomas são os mesmos. O endividamento das famílias sobre a renda é um excelente indicador. En­­quanto existe crédito na economia, retroalimenta o sistema de preços. Ao secar o crédito, com o endividamento das famílias so­­bre a renda, as chances de uma correção para baixo nos preços e/ou aumento dos salários na economia são enormes. Descartada a segunda opção, sobra a queda de preços dos imóveis. Va­­le lembrar que estouros de bolha imobiliária no Japão 1991, Estados Unidos em 2008 e países europeus em 2009 a 2011, tiveram um pouco antes de seus estouros de preços do imóveis uma taxa de desemprego em seu país muito baixa. No Brasil temos baixo nível de desemprego (é recorde no regime de me­­tas) e a grande sacada é “como o governo manterá a taxa de desemprego baixa nos próximos anos” com a falta de dinamismo da in­­dústria, um dos motores do crescimento real da economia. Progra­mas sociais, por si só, não resolvem. Deve haver crescimento econômico com desenvolvimento.

    Como o país poderia se prevenir de situação semelhante a desses países?

    Baixar rapidamente as taxas de juros, fazer um controle mais vigorosos de entrada e saída de capitais estrangeiros, investir em tecnologia de produção, tributar mais extensivamente os imóveis para venda abaixo de quatro anos de existência. No caso de investir em produtividade do capital e do trabalho, aumentaria a produtividade total do se­­tor da construção ci­­vil. Nesse caso o segmento te­­ria uma eficiência bem me­­lhor do que os pí­­fios indicadores que temos hoje.

    Como o consumidor pode en­­tender se há ou não bolha imobiliária?

    Normalmente ele é o último a entender o processo. A percepção é de que o preço dos imóveis sobe muito e os salários não acompanham o ritmo. No primeiro mo­­mento, as pessoas sofrem de ilusão monetária e euforia, contribuindo para a alta dos preços. No segundo, quando o endividamento so­­bre a renda aumenta, que é o caso atual, as pessoas começam a se dar conta de que en­­traram na “casa er­­rada” e no “mo­­men­­to er­­rado”. Também quan­­do muitas pessoas fazem co­­mentários com amigos e familiares sobre o as­­sunto é indício de que exis­­te distorção. Quanto mais pessoas falam do processo é porque a preocupação é maior e também é um bom “indicador” da situação.

    0
    • Bolha Imobiliária 27 de dezembro de 2011 at 20:13

      Já foi postado

      0
  • Vinicius 27 de dezembro de 2011 at 20:35

    Globo news em pauta que começou agora fará uma análise da bolha imobiliária ! Vamos assistir !

    0
  • Sérgio 27 de dezembro de 2011 at 20:45

    Não há para onde correr: Década dos BRIC termina com saída de fundos e desaceleração.
    .
    h t t p : / /exame.abril.com.br/mercados/noticias/decada-dos-bric-termina-com-saida-de-fundos-e-desaceleracao.

    Michael Patterson e Shiyin Chen, da Bloomberg
    .
    O Goldman Sachs, que criou o termo BRIC, diz que o que havia de melhor já acabou para os maiores mercados emergentes.
    Londres/Cingapura – Na última década, fundos mútuos investiram cerca de US$ 70 bilhões no Brasil, Rússia, Índia e China. As ações desses países tiveram um ganho mais de quatro vezes maior que os do índice Standard & Poor’s 500 e as economias cresceram em ritmo quatro vezes mais rápido que o dos Estados Unidos.
    Agora, o Goldman Sachs Group Inc., que criou o termo BRIC, diz que o que havia de melhor já acabou para os maiores mercados emergentes.

    Os fundos retiraram US$ 15 bilhões dos BRIC neste ano, diante da queda de 23 por cento do índice MSCI BRIC, segundo dados do EPFR Global. O índice teve rendimento 390 por cento acima do S&P 500 de novembro de 2001 a setembro de 2010. Nos últimos cinco trimestres, o MSCI BRIC perdeu para o S&P 500 e registrou o pior desempenho desde que o Goldman Sachs disse que os países iriam se juntar aos EUA e o Japão como as principais economias mundiais até 2050.

    “Nos mercados emergentes, estamos esperando as coisas ficarem piores antes de melhorarem”, disse Michael Shaoul, presidente do conselho da Marketfield Asset Management, que em fevereiro previu queda de ações dos emergentes neste ano.

    Índices que seguem papéis dos BRIC podem recuar mais 20 por cento em 2012, afetados pela escassez de liquidez diante da crise de dívida soberana na Europa, disse Arjuna Mahendran, chefe de estratégia de investimentos na Ásia no HSBC Private Bank. Países como a Indonésia, Nigéria e Turquia podem ter desempenho melhor que os BRIC nos próximos cinco anos, ao se recuperarem de baixos níveis de crescimento, disse ele.

    “A desaceleração que vemos nos BRIC vai continuar em grande parte do primeiro semestre”, disse Mahendran. “Comparado aos EUA, os lucros das empresas não foram tão bons já que elas encaram salários mais altos, juros mais altos e volatilidade cambial, e na melhor das hipóteses, só veremos os efeitos da política monetária expansionista no segundo semestre de 2012.”

    O Produto Interno Bruto nos quarto países cresceu no ritmo mais lento em quase dois anos no último trimestre. O Goldman Sachs disse nesse mês que o potencial máximo de crescimento provavelmente já foi atingido devido a menor oferta de novos trabalhadores.
    Apesar de o Brasil e a Rússia começarem a reduzir os juros, o aumento de lucro das empresas que compõem o índice MSCI deve se desacelerar de 19 por cento neste ano para 5 por cento em 2012, perdendo em 5 por cento para o S&P 500, segundo estimativas de mais de 12.000 analistas compiladas pela Bloomberg.
    O crescimento médio dos BRIC vai cair de 9,7 por cento em 2007, a máxima, para 6,1 por cento em 2012, segundo estimativas de setembro do Fundo Monetário Internacional.

    A saída de fundos foi a maior na comparação anual desde pelo menos 1996, segundo o EPFR Global. Investidores retiraram US$ 2,2 bilhões do Brasil, e US$ 3,6 bilhões da China, segundo dados da instituição.

    0
    • Sérgio 27 de dezembro de 2011 at 20:49

      Nesse ínterim, governo brasileiro acha que pode com o hot money internacional: exame.abril.com.br/mercados/noticias/tombini-mostra-poder-de-fogo-de-us-352-bi-e-titulos-disparam

      0
      • Ze_Das_Couves 28 de dezembro de 2011 at 09:53

        Como ja falaram anteriormente aqui governo sempre vai achar ou sair dizendo que pode conseguir tudo e que vai crescer 6% ou mais e vai ajustando os indicadores na medida que o ano passa. Culpa no meio do caminho algum fator “externo”

        Eu nao sou especialista em financas mas a longo e medio as contas do brasil nao fecham mais. Industria em baixa, crescimento baseado em ativos imobiliarios e credito nao sustentam mais por muito tempo. Divida interna indo as alturas. Se descontar a divida interna destes ativos internacionais eles nao valem nada. Se o dolar mudar um pouco eles tambem derretem facil.

        Esta cheirando que 2012 vai ser algo como o governo usando a maquina mais um pouco para fazer as obras de infra necessarias e continuar mais um pouco o oba oba….

        Na minha visita ao brasil este final de ano todas as cidades que passei mais parecem um canteiro de construcao civil. Tem predio subindo por tudo. O povo que mora em favela nao anda mais de carro popular, anda de carro “medio” e novo. O travesseiro de muita gente deve ser feito hoje em dia de carne de prestacoes.

        0
  • Marcos 27 de dezembro de 2011 at 20:45

    pag div GFSA (gafisa)
    Quando
    quarta-feira, 28 de dez de 2011
    Descrição
    (01/12) GAFISA (GFSA – NM) – Data de pagamento de dividendo
    DRI: Alceu Duilio Calciolari

    Na RCA de 01/12/2011 foram tomadas as seguintes deliberacoes:

    “4.1. Aprovar, de acordo com o deliberado na Assembleia Geral Ordinaria da
    Companhia datada de 29 de abril de 2011 (“AGO”), que os dividendos obrigatorios
    declarados na AGO referentes ao exercicio encerrado em 31 de dezembro de 2010,
    no valor de R$98.811.840,46, correspondente a R$0,2291 por acao, excluidas as
    acoes em tesouraria, sejam pagos em 28 de dezembro de 2011, com base na posicao
    acionaria de (i) 29 de abril de 2011, apos o encerramento do pregao, para os
    acionistas titulares de acoes negociadas na BM&F Bovespa S.A. – Bolsa de
    Valores, Mercadorias e Futuros; e (ii) 4 de maio de 2011 para os acionistas
    titulares de ADRs negociados na New York Stock Exchange.

    4.2. Os acionistas nas datas descritas acima, com direito ao recebimento dos
    dividendos e que possuem opcao de credito cadastrada junto ao Itau Unibanco
    S.A., Instituicao Financeira Depositaria das acoes de emissao da Companhia,
    terao seus dividendos creditados, automaticamente, em 28 de dezembro de 2011. Os
    acionistas que nao possuem opcao de credito cadastrada junto ao Itau Unibanco
    S.A. deverao procurar uma agencia do Itau Unibanco S.A. para proceder a
    atualizacao do cadastro necessaria ao posterior recebimento dos dividendos,
    observado o prazo minimo para deposito de 3 dias uteis contados da data de
    atualizacao do cadastro (em ou apos 28 de dezembro de 2011). Aos acionistas
    usuarios de custodia fiduciaria da BM&F Bovespa S.A. – Bolsa de Valores,
    Mercadorias e Futuros, os dividendos serao, em 28 de dezembro de 2011,
    creditados de acordo com os cadastros junto aquela Instituicao.”

    0
  • Marcos 27 de dezembro de 2011 at 21:37

    Ainda não se sabe se preço dos imóveis deve continuar em alta em 2012

    g1.globo.com/videos/globo-news/globo-news-em-pauta/t/todos-os-videos/v/ainda-nao-se-sabe-se-preco-dos-imoveis-deve-continuar-em-alta-em-2012/1746380/

    0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 22:07

      Tambem a entrevistada foi uma takl de Mara Luque, uma senhora que fala, gaguejando, se embroma toda e nunca consegue dizer nada. OU tem medo de se expressar com a verdade, ou é mesmo muito fraquinha
      Como anda fraco a equipe de analistas da Globo, esta Mara não serve nem para comentar novela da xuxa.

      0
    • Jack Imóveis 28 de dezembro de 2011 at 10:10

      Caro Marcos,

      Excelente o vídeo por 2 motivos:

      1. Admite-se que há um grupo que fala em Bolha
      2. Admite-se que imóveis muito valorizados adquiridos com crédito podem ser devolvidos como nos USA.

      Pode parecer óbvio para nós que falamos disso há 2 anos, mas é ótimo para construir a paercepção de que o Rei está nu!

      Abraços

      Jack – Despindo o Rei

      0
  • LP 27 de dezembro de 2011 at 21:54

    A queda das vendas no Natal já foi bem discutida aqui em termos estatísticos, mas o Jornal Nacional do dia 23 sem querer deu um sinal prático muito engraçado, vejam:
    http://g1.globo.com/videos/jornal-nacional/t/edicoes/v/familia-compra-presentes-de-natal-na-ultima-hora-em-curitiba/1742808/
    A reporter foi chamada pra entrar ao vivo e mostrar, é claro, um shopping bombando com uma multidão fazendo compras mas, surpresa! O movimento estava fraco! A pobre coitada, então, começa a dar uma desculpa esfarrapada, dizendo que o povo estava na praça de alimentação descansando… hahahahahahahaha

    0
    • Andre 29 de dezembro de 2011 at 17:50

      Esses sao os PEPONES – Presidentes de Porra Nenhuma – Um sujeitinho engomado, com ar de catedratico, que ocupa a Presidencia de Organizaçoes do tipo “TABAJARA” – “Presidente do Clube de Chocolate do Bairro” ou “Presidente da Associaçao das Vovos Tricotadeiras” que emite sua “opiniao” – vomitando um monte de Groselha – e, inacreditavelmente, sites como UOL, Folha, Estadao – Veja divulgam com pompa e circunstancia – como se a opiniao do cara fosse um dogma divino – nao tem contestaçao – nao tem erro – nao tem duvidas – nao tem contrariedade. e assim caminha nossa seria imprensa. O pior e que esta ssim no mundo todo – um idiota diz uma besteira qualquer e no dia seguinte todos os meios de midia do mundo estao repetindo a mesma “MERDA”. – SINCERAMENTE NAO LEIO MAIS NADA VINDO DESSES MEIOS – hoje me informo em blogs e midia alternativa que e muito mais seria que essas que temos.

      0
  • Marcos 27 de dezembro de 2011 at 22:06

    ESPECIAL:! Mercado imobiliário brasileiro deve se manter aquecido em 2012, apontam especialistas

    www. ultimoinstante.com.br/setores-da-economia/setor-construcao-imoveis/60534-ESPECIAL-Mercado-imobilirio-brasileiro-deve-manter-aquecido-2012-apontam-especialistas.html#ixzz1hmcFaTPK

    Só quero deixar claro que todos especialistas erram a previsão para o ibovespa em 2011.

    0
    • augusto 27 de dezembro de 2011 at 22:09

      KKKKKKKKKKKKKKKKK para os videntes de fundo de quintal

      0
    • Dr. Estranho 28 de dezembro de 2011 at 11:09

      São os mesmos especialistas que indicaram “investir” em Dubai.

      0
    • Andre 29 de dezembro de 2011 at 17:53

      Esses sao os PEPONES – Presidentes de Porra Nenhuma – Um sujeitinho engomado, com ar de catedratico, que ocupa a Presidencia de Organizaçoes do tipo “TABAJARA” – “Presidente do Clube de Chocolate do Bairro” ou “Presidente da Associaçao das Vovos Tricotadeiras” que emite sua “opiniao” – vomitando um monte de Groselha – e, inacreditavelmente, sites como UOL, Folha, Estadao – Veja divulgam com pompa e circunstancia – como se a opiniao do cara fosse um dogma divino – nao tem contestaçao – nao tem erro – nao tem duvidas – nao tem contrariedade. e assim caminha nossa seria imprensa. O pior e que esta ssim no mundo todo – um idiota diz uma besteira qualquer e no dia seguinte todos os meios de midia do mundo estao repetindo a mesma “MERDA”. – SINCERAMENTE NAO LEIO MAIS NADA VINDO DESSES MEIOS – hoje me informo em blogs e midia alternativa que e muito mais seria que essas que temos.

      0
  • Sérgio 27 de dezembro de 2011 at 23:25

    A dúvida lançada pela globo news já é um grande passo rumo à divulgação da bolha.
    A globo “bola o que rola”, já dizia uma de suas antigas vinhetas: ela sabe que já está estourando, mas a admissão ao público levará tempo e deixará a imagem que em momento algum ela se omitiu. E mais, ficará como o meio que anunciou o fato.
    Comemoremos essa reportagem, pois, a bom entendedor…

    0
  • Money Addicted 27 de dezembro de 2011 at 23:27

    acho q ja li essa sugestao aqui, de qquer forma vou sugerir novamente, hoje a noite sai de carro tranquilo, sem pressa e vi a quantidade enorme de apartamentos entregues entre 6 meses e 1 ano, nesse um de 6 meses 4 torres de uns 15 andares, quatro apartamentos por andar e nem 10% de moradores e em um outro q foi entregue a 1 ano aprox (6 torres, 15 andares tbm) e nesse a ocupacao nao passava de 40%, uma hora esses imoveis vao chegar no mercado, nao tem jeito e como todos sabem o efeito manada eh inevitavel.

    ahh…e sobre a sugestao q eu falei no comeco eh para os colegas postarem fotos desses esqueletos.

    PS. nao tirei foto pois a camera do meu celular eh vga, acho q nao vai ficar boa…rs…vou fazer um teste, eu ri qdo pensei nisso, pois no nosso pais vejo pessoas q pelo cargo/emprego nao devem ganhar 10% do q eu ganho e tem celulares com N funcoes q acho q nem sabem usar….rsrs….e eu com o meu cel de R$190.

    []s

    0
    • Marvin 28 de dezembro de 2011 at 08:30

      KKKK, gostei dessa do celular… até hoje só comprei dois (o segundo porque o primeiro quebrou…) e dos mais baratos. Hoje até tenho um melhorzinho, mas só porque eu ganhei… Tem gente que troca todo ano… Detalhe, o meu é pré pago, devo gastar uns 20 reais no máximo por mês… Tem gente que tem celular, rádio, tablet e gasta um absurdo com assinaturas de pacotes…

      0
      • Shakespeare 28 de dezembro de 2011 at 13:37

        Você tem razão. Fiz uma pequena análise e vi que estou gastando muito com celulares. Tenho uma linha fixa e 4 pré-pagas e os gastos estão ultrapassando os R$400 por mês. Vou verificar se consigo diminuir esse gasto a fim de economizar para ajudar na compra de um imóvel quando a bolha estourar de vez.

        Pelo menos, o aparelho eu tenho obtido através do programa de pontos, assim consigo ter um mais moderno sem desembolsar dinheiro vivo (um benefício pelas altas contas que venho pagando!)

        Valeu!

        0
  • Marvin 28 de dezembro de 2011 at 08:25

    Pessoal, há alguns meses acompanho o forum aqui do bolhaimobiliaria.com, e é uma grata surpresa encontrar pessoas que ainda conseguem enxergar com os próprios olhos… Eu pensava que a bolha iria estourar somente lá para 2014, mas, parece que ela está murchando aos poucos desde já… Esses descontos são o sinal disso… Na verdade, não vou lucrar nem perder com o estouro da bolha (exceto aquela conta que sempre pagamos de um jeito ou de outro por culpa dos inconsequentes), mas, espero que pelo menos os construtores/especuladores parem de destruir o meu bairro… Moro em um bairro onde boa parte dos terrenos tem 500, 540, e até 1000 m2, e estes destruidores estão comprando estas casas para construir aquelas coisas horríveis (sobrados com 8 apartamentos), estragando a vista e entupindo as ruas de carros… engraçado que outro dia tive que ouvir de um morador destes lixos, que eu devia preservar a minha área verde! É mole? o cara compra um apartamento construído em um terreno onde havia uma casa com grande área verde (a qual foi destruída e cimentada), e vem falar que eu devia preservar minha área verde… É claro que eu vou preservar (ou acham que vou destruir minhas jabuticabeiras e cimentar tudo????). Que venha logo o estouro!!!

    0
  • Carlos Eduardo 28 de dezembro de 2011 at 10:22

    OFF topic, olha a vergonha !

    MEC do adad que tá tentando ser prefeito de SP, esse cara não ganhar nem ferrando!

    http://www1.folha.uol.com.br/saber/1027045-faculdades-ameacam-vetar-aluno-com-credito-estudantil.shtml

    0
  • augusto 28 de dezembro de 2011 at 10:38

    Apenas para comprovar aquilo que venho dizendo há tempos (viu sr. Joelmir Beting e outros analistas fraquinhos) que nossa massa de crédito apesar de ser porcentagem menor em relação ao PIB, é muito mais perigosa e representa muito mais:

    Os consumidores brasileiros comprometem uma fatia maior de sua renda com dívidas do que os americanos, informa reportagem de Mariana Carneiro, publicada na Folha desta quarta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Os brasileiros gastam hoje 22% do que ganham com o pagamento de empréstimos e outros tipos de financiamento, de acordo com o Banco Central. Os americanos comprometem cerca de 16% de sua renda com dívidas.

    Nos Estados Unidos, o desemprego e a contração na oferta de crédito, efeitos da crise iniciada em 2008, fizeram o peso das dívidas no orçamento das famílias diminuir nos últimos anos. No Brasil, ocorreu o oposto.

    0
  • DP 28 de dezembro de 2011 at 11:11

    Pois eh…Estourou o subprime tupiniquim! O paragrafo diz tudo:”a situação financeira de milhares de clientes de baixa renda que podem não ter como pagar pelos imóveis”.

    Interessante notar aqui no forum que a discussao comecou ha algum tempo como “tem bolha ou nao tem?” e agora deve evoluir para “hard landing vs soft landing”. Ou seja: igualzinho ao que aconteceu nos EUA em 2008 e agora chegou nos BRIC.

    0
  • Dr. Estranho 28 de dezembro de 2011 at 11:19

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/poder/1026990-gasto-com-divida-no-brasil-supera-o-dos-eua.shtml

    Não disseram que aqui era diferente dos EUA. Pois bem, aí vai a diferença: aqui tem mais devedores e caloteiros. Para ser politicamente correto substituirei daqui em diante a palavra “caloteiro” por “portador de necessidades financeiras” ou “inadimplente temporário”.

    0
    • Mineiro BH 28 de dezembro de 2011 at 18:09

      Kkkkkkkkk

      Fala sério, esse blog é hilário…

      Daqui a pouco criam, na melhor filosofia petralha, legislação especial destinada às “pessoas financeiramente especiais”…

      E vamo que vamo, qualquer dia desses acordamos iguais à Coréia do Norte…

      0
    • O Poeta da Bolha 28 de dezembro de 2011 at 21:54

      Inadimplentes porque são uns estróinas. Se há, sobre o globo segurado por Atlas, um povo de perdulários, manirrotos e aurívoros, é o nosso. Vexaminoso.

      0
      • Marvin 29 de dezembro de 2011 at 13:27

        Mais um bom motivo para acompanhar o fórum: onde mais podemos encontrar outro fã de Ayn Rand??? Por aí o que vemos são só leitores de Eduardo Galeano… Parabéns Poeta da Bolha

        0
  • Davi 28 de dezembro de 2011 at 11:21

    5, 4, 3, 2, 1 boooooooooooooooooooom!

    h t t p://www1.folha.uol.com.br/mercado/1027109-inadimplencia-de-empresas-cresce-98-em-novembro-aponta-serasa.shtml

    28/12/2011 – 10h40
    Inadimplência de empresas cresce 9,8% em novembro, aponta Serasa
    DE SÃO PAULO

    A inadimplência das empresas cresceu 9,8% em novembro na comparação com o mês anterior, de acordo com os dados da Serasa Experian divulgados nesta quarta-feira.

    A expansão é a segunda maior registrada no ano neste confronto, superada apenas pelo desempenho contabilizado em março ante fevereiro (10,8%).

    Já na comparação com o mesmo mês no ano passado, a inadimplência cresceu 32,5%. No acumulado do ano, a alta chegou a 18,6% ante igual intervalo em 2010.

    Para os economistas da Serasa, a inflação, que afeta todos os custos empresariais, o capital de giro ainda caro, que impacta os custos operacionais, e a evolução da inadimplência do consumidor, que impõe maiores provisões e perdas aos negócios, estão determinando dificuldades na gestão financeira.

    Nesse contexto, avaliam, as empresas estão produzindo e ampliando os estoques para as festas de final de ano numa posição de caixa menos favorável.

    ====================================================================

    h t t p://www1.folha.uol.com.br/poder/1026990-gasto-com-divida-no-brasil-supera-o-dos-eua.shtml

    Gasto com dívida no Brasil supera o dos EUA
    DE SÃO PAULO

    Os consumidores brasileiros comprometem uma fatia maior de sua renda com dívidas do que os americanos, informa reportagem de Mariana Carneiro, publicada na Folha desta quarta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Os brasileiros gastam hoje 22% do que ganham com o pagamento de empréstimos e outros tipos de financiamento, de acordo com o Banco Central. Os americanos comprometem cerca de 16% de sua renda com dívidas.

    Nos Estados Unidos, o desemprego e a contração na oferta de crédito, efeitos da crise iniciada em 2008, fizeram o peso das dívidas no orçamento das famílias diminuir nos últimos anos. No Brasil, ocorreu o oposto.

    Leia mais na edição desta quarta-feira, que já está nas bancas.

    Editoria de Arte/Folhapress

    0
    • Davi 28 de dezembro de 2011 at 11:23

      Esta segunda notícia, para mim é novidade. Agora, é bom ver o link pois tem gráficos para facilitar o entendimento.

      0
    • Fabio 28 de dezembro de 2011 at 12:17

      Acho que 22% seria bem otimista. Pelo menos a impressão que tenho, no meu círculo de amizades e na minha família, é que o percentual de comprometimento da renda com empréstimos, financiamentos, rotativo de cartão de crédito, etc, gira em torno de 50%.

      0
      • Ratinho 28 de dezembro de 2011 at 12:30

        22% e subindo na vertical. No quadro geral (custo de vida, juros,etc.), a situação aqui é ainda pior. Aí vem os especialistas dizendo que a relação crédito imobiliário/pib é irrisória…. terminam com “portanto, não há bola”….

        0
  • Dr. Estranho 28 de dezembro de 2011 at 11:22

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/colunas/viniciustorres/1026962-cultura-e-opulencia-do-brasil.shtml

    “Vai ser engraçado se, em fevereiro, quando sair o resultado do PIB, a gente descobrir que o Brasil não se tornou a “sexta maior potência do mundo”, à frente do Reino Unido, assunto que causa certa comoção desde anteontem, quando a notícia foi ressaltada num jornal britânico.”

    Vamos apostar?

    0
    • augusto 28 de dezembro de 2011 at 11:51

      O povo está exultante e eufórico julgando-se o melhor do mundo, e este foi o objetivo e o modo como foi noticiado o fato. Eta povinho ignorante

      0
      • Ze_Das_Couves 28 de dezembro de 2011 at 12:01

        Acho que a gente chega la logo… nao sei onde e como chegaremos, mas em algo vai ter de dar toda essa euforia.

        Gostei da parte:

        “Apesar do que dizem os economistas-padrão, americanos em especial, há muita variação nas histórias e “modelos” de crescimento. Além do mais, experiências antigas em geral, americana, alemã ou coreana, são irreproduzíveis, na íntegra. Do básico, sabemos só que:

        1) Deixar a classe dos médios para a dos ricos não é fácil. Não existem várias Coreias do Sul;

        2) Ignorância, gastos excessivos e endividamento a juro alto jamais deram pão a ninguém. Mas não estamos cuidando nem desse básico.”

        0
      • Thomas 28 de dezembro de 2011 at 12:25

        Essa predisposição à autoilusão está no sangue. Todo ano tem carnaval, e o povão gasta todas as economias para se vestir de rei, desfilando em uma ou duas noites. Isso quando São Pedro não se irrita e lança uma tormenta para ver se o povo acorda para a vida. Pior que não tem funcionado.

        Um engenheiro começa no emprego, e a primeira coisa que faz é comprar um carro de R$ 40mil sem entrada, para desfilar no bairro como um “novo rico”. Depois perde o emprego e se submete à humilhação pública de dizer que a mãe está pagando as prestações atrasadas, além de pedir conselho para uma pseudo-economista da globo (Vide Mara Luquet).

        Temos um ministro da fazenda que está mais para apresentador de “stand-up comedy”, e o povo ainda leva ele a sério (o mesmo que disse em 2007 que não havia caos aéreo).

        Chega um momento que vc deixa de ter raiva dos políticos e passa a entendê-los. Eles devem pensar: estamos tratando de um povo tão ignorante, que além de não fazer força para sair da ignorância ataca quem tenta fazê-los sair. Melhor deixá-los felizes na sua ilusão e se aproveitar disso.

        Doença se trata, ignorância é incurável.

        0
        • Carlos_ 28 de dezembro de 2011 at 12:38

          A personalidade do Brasileiro é bi-polar. Esse é o nosso caracter nacional. Passamos de os melhores do mundo para vira-latas imprestáveis em um piscar de olhos. E vice-versa. Hoje estamos em plena fase maníaca, mas já vemos a energia começar a acabar. Logo mais, no primeiro baque, enraremos na nossa fase depressiva.

          0
        • Anonymous 28 de dezembro de 2011 at 13:26

          Thomas, este seu foi um dos melhores comentários que li até agora.
          Quando falou da tormenta carnavalesca, ri, e quando citou o Mantegão, chorei.

          Nossa bolha é um festival de emoções mesmo…

          Aliás, o Bolha poderia listar os melhores posts do ano, numa espécie de retrospectiva.
          O seu estaria no top ten, com certeza.

          Feliz 2012 à todos.

          0
        • Shakespeare 28 de dezembro de 2011 at 13:48

          Quando você escreve ignorância, acredito que esteja se referindo a estupidez. Ignorância todos temos, nascemos ignorantes e aprendemos com o tempo. Ainda ignoro muitas coisas, mas esforço-me para aprender e deixar de ignorá-las, mas a estupidez, não, essa é uma característica que, uma vez presente na pessoa, necessita de um esforço e uma vontade muito grande para livrar-se dela, além de muita humildade…

          0
        • RT 28 de dezembro de 2011 at 13:58

          “Chega um momento que vc deixa de ter raiva dos políticos e passa a entendê-los.”

          Verdade.

          Particularmente, nunca gostei da mania que a maior parte das pessoas têm de fazer críticas “exclusivas” aos políticos, como se eles fossem um grupo, e os “não políticos” (o “povo”, por assim dizer) fossem outro.

          Nessas conversas, sempre recomendo que entendam uma coisa: os caras vêm do “povo”, são iguais a ele.

          Vivemos num país onde as pessoas não vêem nada de errado em fazer roda de samba em bar debaixo da janela de prédios residenciais, em andar de bicicleta na calçada, levar cachorros para a areia da praia, beber antes de dirigir, parar em cima de faixas de pedestres – “ah, eu sei que é proibido por lei, mas é besteira”. E isso para falar em delitos relativamente leves!

          O que os políticos fazem nada mais é que reclamar dos outros mas abrir exceções para si mesmos. “Aos amigos, a lei. Aos demais, o rigor da lei”. Mesmíssima coisa que vemos as pessoas fazerem todos os dias nas ruas. É a triste verdade…

          0
  • Pedro 28 de dezembro de 2011 at 11:22

    Analistas econômicos funcionam igual a mãe Dinah! Eles chutam muito e na grande maioria das vezes erram absurdamente e culpam as “mudanças no cenário econômico”. Quando acertam, como no caso daquele que previu a crise americana, eles viram deuses. No Globo News de ontem a analista “previu” 3 cenários diferentes para o mercado imobiliário em 2012: sobe, desce ou fica como está. Brilhante!

    0
    • augusto 28 de dezembro de 2011 at 11:48

      També o que poder-se-ia esperar de uma analista fraca e confusa como a Mara Luque?

      0
    • Ze_Das_Couves 28 de dezembro de 2011 at 11:52

      A analista tem grande chance de acertar a previsao nao!? 😉

      0
      • Thomas 28 de dezembro de 2011 at 12:59

        Se fosse prova de vestibular, ela assinalaria a alernativa “d”: nenhuma das anteriores.

        0
    • Ratinho 28 de dezembro de 2011 at 12:36

      Ela nem previu, não… Acho que ficou com medo de acontecer algo diferente das três alternativas..rsrs.. Se limitou a dizer que há especialistas que defendem cada posição, sem, no entanto, citar ninguém.

      0
  • raflemos 28 de dezembro de 2011 at 12:44

    Pelo que ando lendo aqui e pela notícia abaixo, acredito que a queda de 30% na venda de imóveis neste ano (2011) deve ter sido porque as compras a vista já não ocorrem mais.
    Contudo as compras via crédito ainda estão a todo vapor …

    h t t p: // w w w .infomoney.com.br/imoveis/noticia/2298349-financiamento+imovel+com+recursos+poupanca+cresce+novembro

    SÃO PAULO – O volume de empréstimos para financiamentos imobiliários com recursos da caderneta de poupança aumentou 30,4% em novembro deste ano, na comparação anual, segundo dados da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) divulgados nesta quarta-feira (28). De acordo com a associação, no mês passado, foram emprestados R$ 6,72 bilhões de recursos da poupança para este tipo de financiamento.

    Na comparação com outubro, os financiamentos imobiliários com recursos da poupança aumentaram 10%, já que no décimo mês deste ano eles alcançaram a marca de R$ 6,1 bilhões.

    No acumulado do ano, o saldo de financiamentos atingiu R$ 71,68 bilhões, uma alta de 43,3% em relação aos primeiros 11 meses de 2010.

    O número de unidades financiadas em novembro somou 39 mil. Em comparação com novembro de 2010, houve crescimento de 9,7%. Em 12 meses, foram financiados 486,8 mil imóveis, 18,8% a mais do que o apurado nos 12 meses anteriores.

    Captação líquida
    Em novembro, a captação líquida da poupança (depósitos menos saques) foi negativa em R$ 22 milhões.

    Já o saldo das contas de poupança atingiu a marca de R$ 327,5 bilhões em novembro, superando, mesmo com a captação negativa, em 11,5% o saldo do penúltimo mês do ano passado.

    0
    • Ratinho 28 de dezembro de 2011 at 12:59

      Conforme já foi dito aqui: Aumento de preço; financiamento de imóveis adquiridos na planta nos últimos anos que estão sendo entregues.

      0
      • raflemos 28 de dezembro de 2011 at 13:10

        Entendi.
        Então estes números refletem as compras de anos anteriores que agora estão virando financiamento….

        0
    • Fabiano Gomes 28 de dezembro de 2011 at 13:13

      O financiamento imobiliário se dá apenas após as chaves. Portanto, esse crescimento do financiamento reflete as vendas em 2008 e 2009, talvez 2010. Para as vendas de 2011, os recursos via financiamentos só serão utilizados por volta de 2013.

      Isso parece mais uma tática para incentivar a aquisição de imóveis: dizer que o financiamento no ano corrente aumentou para induzir o consumidor a pensar que as vendas atuais estão “bombando”. Se perceberem, lá no final do texto, como se fossem aquelas notas de rodapé que passam despercebidas, o texto diz: “Em novembro, a captação líquida da poupança (depósitos menos saques) foi negativa em R$ 22 milhões”. Ou seja, os recursos da poupança (que são utilizados para financiamentos imobiliários) estão se exaurindo, confirmando a tendência de maior endividamento da população brasileira.

      Preparem-se! 2012 promete.

      0
      • maurizio 28 de dezembro de 2011 at 21:21

        22m e muito pouco, ma isto significa que o brasileiro de classe c,d (e maioria da b) esta gastando TUDO

        0
    • no_one 28 de dezembro de 2011 at 14:34

      E empresta-se mais para financiar menos unidades:

      “O volume de empréstimos para financiamentos imobiliários com recursos da caderneta de poupança aumentou 30,4% em novembro deste ano, na comparação anual”

      “O número de unidades financiadas em novembro somou 39 mil. Em comparação com novembro de 2010, houve crescimento de 9,7%.”

      Essa conta mais cedo ou mais tarde (tendência para o mais cedo) não vai fechar!!!

      0
  • eam 28 de dezembro de 2011 at 13:08

    Falou e disse, Thomas.
    Enfim, como todos nós sabemos… cada povo tem o governante que merece !

    0
  • NTL 28 de dezembro de 2011 at 13:20

    Dá-lhe variação de preços!

    Apto de 3Q e 107m^2:

    Localização:
    maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&biw=1436&bih=715&q=avenida+nossa+senhora+do+sabara,+1030&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.,cf.osb&um=1&ie=UTF-8&hq=&hnear=0x94ce503f93cdea23:0xebf21b22b0be5f15,Av.+Ns.+do+Sabar%C3%A1,+1030+-+Campo+Grande,+S%C3%A3o+Paulo,+04686-001&gl=br&ei=ZzL7TpmWKsuCtge0kPTRBg&sa=X&oi=geocode_result&ct=title&resnum=1&ved=0CCEQ8gEwAA

    $470k:
    zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-SAO-PAULO-CAMPO-GRANDE-AVENIDA-NOSSA-SENHORA-DO-SABARA/ID-2728488

    $590k:
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-SAO-PAULO-JD-MARAJOARA-AVENIDA-NOSSA-SENHORA-DO-SABARA/ID-2667122

    470k para uma região de trânsito complicado em SP e beeem longe do metrô ainda está caríssimo! Já está pronto, são 4 torres e há muitos anúncios com os mais variados preços no ZAP. Realmente, 2012 promete…

    0
  • Diego 28 de dezembro de 2011 at 14:04

    Nota do Jornal do Comércio do Rio Grande do Sul (uma espécie de Valor Econômico gaúcho):

    “Aquecido até por aí
    O mercado imobiliário está aquecido até por aí, segundo um veterano corretor de imóveis. Ele explica que as vendas seguem boas no Minha Casa, Minha Vida, que tem um teto de R$ 145 mil em prédios novos e sem entrada. Quem quer vender um imóvel acima dessa faixa, a partir dos R$ 160 mil, vai ter que entrar na fila, segundo este profissional. A oferta é muito grande.”

    Acho que a informação do MCMV é furada. Contudo, o interessante é a admissão de que, acima de 160M não se vende mais nada.

    0
    • Diego 28 de dezembro de 2011 at 14:06

      PS1: A nota saiu na coluna “Começo de Conversa” do dia 27/12/11.
      PS2: Faltou uma vírgula antes do ‘não’ no último parágrafo.

      0
  • Galvão 28 de dezembro de 2011 at 14:07

    Uma das matérias mais ridículas e compradas dos últimos tempos.
    É grande, mas leiam. Irão ver cada absurdo.

    h t t p : / / w w w . correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/12/28/interna_cidadesdf,284326/metro-quadrado-pode-chegar-a-r-25-mil-nas-areas-mais-nobres-de-brasilia.shtml
    Metro quadrado pode chegar a R$ 25 mil nas áreas mais nobres de Brasília

    Diego Amorim

    Publicação: 28/12/2011 10:00 Atualização:

    O valor dos imóveis em Brasília avançará em ritmo mais lento nos próximos anos, mas certamente chegará a 2022 bem mais caro do que é hoje. Os últimos terrenos livres do Plano Piloto, como as Quadras 500 do Sudoeste e o Setor Noroeste, deverão estar ocupados. Para morar no centro do Distrito Federal, os brasilienses terão de encarar preços ainda mais altos. A classe média estará espalhada por condomínios horizontais de luxo. Cidades como Samambaia, Gama e Ceilândia, além dos municípios do Entorno, abrigarão centenas de prédios residenciais e comerciais. Dessa forma, o local de trabalho estará mais perto das casas.

    Em 10 anos, o cenário atual, de demanda aquecida e crédito imobiliário farto, não deve alterar tanto. Os governos continuarão a investir em programas habitacionais do estilo do Minha Casa, Minha Vida, o que ajudará a impulsionar o mercado voltado para as classes C e D, em constante ascensão. A infraestrutura urbana do DF precisará acompanhar o ritmo das empreiteiras. Haverá uma demanda cada vez maior por obras de transporte e de saneamento, e o crescimento populacional forçará a construção de mais escolas e hospitais, por exemplo.

    Os empreendimentos residenciais apostarão em imóveis menores, seguindo a tendência de jovens solteiros saírem de casa mais cedo e de famílias com poucos filhos. Apartamentos de três ou mais quartos se restringirão ao mercado de luxo. Construtoras vão priorizar ainda mais os projetos que envolvam aspectos de segurança e lazer. O conceito de condomínios-clubes fortalecerá a ideia de que os moradores não precisam se deslocar para se divertir.

    Com o Plano Piloto tombado, não há outra saída: para suprir o deficit habitacional e acompanhar o avanço demográfico, Brasília crescerá para todos os lados. Ainda há muito espaço a ser ocupado em Samambaia, em Ceilândia e no Gama. Ao longo da Via Interbairros, prometida para ligar o Setor Policial Sul à Samambaia, surgirão conjuntos habitacionais. As regiões de Sobradinho e de Planaltina não se desenvolverão no mesmo ritmo, por conta das áreas de proteção ambiental.

    As asas Sul e Norte, o Sudoeste, o Noroeste, o Cruzeiro e a Área Octogonal Sul serão lugares disputadíssimos, mas insuficientes para atender a demanda das classes A e B. Como em outras regiões metropolitanas do país e do mundo, famílias de renda mais alta ocuparão condomínios horizontais regularizados, sobretudo na saída para Unaí (MG), pela DF-140. Com a frota de carros crescendo em números exponenciais, mais helicópteros sobrevoarão o céu de Brasília. Em terra, são esperados congestionamentos.

    Valorização

    Quem quiser permanecer no Plano Piloto terá de pagar o preço da “água no deserto”. Passou a fase das valorizações exorbitantes, mas o mercado não dá sinais de que, em 2022, os valores dos imóveis terão retraído. O presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do DF (Ademi-DF), Adalberto Valadão, acredita em avanço de crescimento na casa dos dois dígitos. “A nossa economia também vai crescer. O número absoluto pode assustar, mas é isso”, afirma.

    Caso a previsão se confirme, o preço do metro quadrado pode alcançar R$ 25 mil em áreas mais nobres de Brasília. “Espanta, mas a gente vai se acostumando. Se 10 anos atrás falassem em metro quadrado a R$ 10 mil, ninguém acreditaria”, comenta o presidente do Sindicato da Habitação do DF (Secovi-DF), Carlos Hiram. “O que temos hoje no mercado imobiliário de Brasília é apenas o início de um processo, estamos engatinhando”, acrescenta.

    A valorização dos imóveis é esperada pelo mercado e pelos investidores. A família do aposentado Flávio Carneiro, 55 anos, comprou apartamentos no Noroeste, de olho no futuro. “Em 2022, o bairro estará quase todo pronto e será modelo para o país”, aposta. Em 10 anos, ele pretende estar faturando com o aluguel ou com a venda dos bens. “Existe a hora de plantar e a de colher. Agora, estou plantando”, diz, usando a analogia bíblica.

    O diretor da Associação Brasileira de Mercado Imobiliário
    (Abmi), Pedro Fernandes, sustenta: “O preço dos imóveis em Brasília não vai cair, principalmente na região tombada.” Já a partir de 2012, completa ele, as cidades do DF se consolidarão ainda mais, por meio de um boom de empreendimentos comerciais. “As regiões administrativas vão acontecer sozinhas. Como em grandes centros urbanos, as pessoas farão questão de morar e de trabalhar em lugares próximos”, analisa.

    A maior preocupação do mercado é em relação à infraestrutura urbana, considerada um gargalo. O presidente do Sindicato da Construção Civil do DF (Sinduscon-DF), Júlio Cesar Peres, se diz temeroso com o futuro. “Brasília precisará de uma continuidade de gestão, independentemente de quem esteja no poder”, defende, antes de comentar, ainda, o receio de que os entraves administrativos atrapalhem a aprovação de projetos. Em 2011, o problema atrasou mais de 900 empreendimentos.

    Mercado amadurecido

    Os mercados imobiliário e da construção civil na capital do país estarão, em 2022, concentrados nas mãos de poucos grupos. A atração de novas empresas, marca dos últimos anos, terá perdido força. “Gente que não é do ramo e fez parcerias para se dar bem não vai conseguir permanecer de pé. O mercado virou coisa de profissional e, em 10 anos, isso estará ainda mais acentuado”, prevê o presidente do Sinduscon-DF, Júlio Cesar Peres.

    Como na Europa e nos Estados Unidos, avalia o presidente do Secovi-DF, Carlos Hiram, as imobiliárias se reunirão em redes. “O mercado estará mais maduro”, afirma. “Ou as empresas crescem e fazem parcerias, ou vão quebrar”, emenda Pedro Fernandes, diretor da ABMI. Para o presidente da Ademi-DF, as mudanças mais bruscas no mercado já aconteceram entre 2008 e 2011. “A tendência é que haja uma certa acomodação.” (DA)

    Solução

    A Via Interbairros tentará desafogar o trânsito na parte sul do DF. A nova pista será construída paralelamente à Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB) e à Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Custará cerca de R$ 500 milhões, dinheiro de financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e da venda de terrenos às margens da via.

    ”Espanta, mas a gente vai se acostumando.
    Se 10 anos atrás falassem em metro quadrado a R$ 10 mil, ninguém acreditaria”, Carlos Hiram, presidente do Sindicato da Habitação do DF

    0
    • Paulo Rocha 28 de dezembro de 2011 at 17:49

      Somando uma inflação de 7% ano durante 10 anos da uma “valorização” de 100%. E graças ao PT já sabemos que a nossa inflação sera maior.

      A grande pergunta que não foi respondida é quanto valerá R25000,00 em 2022 em termos de 2012.

      0
    • danilo 28 de dezembro de 2011 at 17:51

      Verdade Galvao. Comprado!

      Como citei há 2 semanas, a renda média do funcionalismo de Brasília (22% do total) é de R$4,9K. Ouço bastante que as pessoas deixarao seus imóveis para morar no Noroeste, ou seja, a procura aumenta, mas a oferta também. Talvez possamos dizer que se trata de soma zero.

      O cara é tao maluco que fala em 2022, ou seja, 10 anos. Se a inflacao continuar na casa dos 5% (otimista), ela terá devorado boa parte do valor do mesmo. Se um imóvel custa 1KK hoje, em 10 anos poderá estar na casa dos 1,4KK, mas ao final das contas, terá perdido valor (mesmo em cima do valor irreal atual). Francamente, haja concurso público de salário de ponta com lotaçao em Brasília para ocupar todos os apartamentos e condomínios que estao sendo abertos. Afinal, quem ganha a média continuará à margem desse mercado.

      0
  • Menino_do_Rio 28 de dezembro de 2011 at 14:08

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1026990-gasto-com-divida-no-brasil-supera-o-dos-eua.shtml

    Existem boas e más dívidas.
    Com certeza este aumento do nível de endividamento dos brasileiros é por conta da melhor de todas as dívidas: para aquisição de um lar para suas famílias.

    Quem sabe um dia todos os cidadãos brasileiros deixarão de se endividar com cerveja, carnaval e quinquilharias chinesas.

    0
    • LAR 28 de dezembro de 2011 at 16:22

      felizmente minha cerveja eu pago a vista

      0
    • Troll 28 de dezembro de 2011 at 20:50

      Olha só quem tá de volta!!!

      0
  • ilde 28 de dezembro de 2011 at 14:29

    Cresceu a economia ou aprofundou-se o neocolonialismo?

    Fonte: Causa Operária Online

    A imprensa burguesa anunciou, com grande estardalhaço, que a economia brasileira tornou-se a sexta maior do planeta após ter ultrapassado a Grã Bretanha. O Brasil ainda deverá ultrapassar a França em 2012, mas, por sua vez, deverá ser ultrapassado pela Índia, permanecendo no sexto lugar.

    Na realidade, trata-se da velha ilusão da burguesia tupiniquim sobre a suposta entrada do Brasil no primeiro mundo e a intensificação da propaganda do imperialismo com o objetivo de ocultar a intensificação da espoliação dos recursos dos países atrasados conforme o aprofundamento da crise capitalista mundial, impossível de ser contido, está levando a economia de todos os países à recessão (contração do crescimento).

    A principal política do imperialismo é tentar continuar a garantir as altíssimas taxas de lucro dos especuladores financeiros a qualquer custo, o que tem promovido a maior devastação de recursos materiais e humanos internacionalmente desde a Segunda Guerra Mundial.

    Os principais mecanismos colocados em prática para tanto têm sido os pacotes de austeridade fiscal, que são altamente recessivos, o aumento da especulação financeira, principalmente através da criação de novos tipos de papéis especulativos nos mercados da dívida pública e de commodities, a intensificação dos derivativos financeiros em todos os setores da economia, a intensificação da indústria armamentista e a tentativa de controle direto dos governos e recursos naturais. Os derivativos financeiros são a expressão máxima do parasitismo financeiro do capitalista: basicamente, são cestas de títulos financeiros que, cada vez estão mais distantes do produção real, com vários mecanismos de apostas e contrapostas intermediários. Somente no mercado de petróleo, a OPEP tem declarado que existe 30 vezes mais títulos financeiros nos mercados futuros que a produção real.

    Para sustentar o altíssimo parasitismo, cada vez mais distante do crescimento produtivo, todos os recursos da sociedade estão sendo, cada vez mais, direcionados para a especulação. O preço deste macabro casino financeiro é o crescente repasse dos custos da crise para as massas trabalhadoras, principalmente dos países atrasados, através do corte dos benefícios sociais, o aumento dos impostos, a piora crescente do mercado de trabalho e a queda do poder de compra devido à monetização da dívida operacionalizada através das crescentes emissões de papel moeda sem lastro produtivo.

    Os custos para manter os resgates das empresas Muito Grandes para Falir, controladas pelos grandes especuladores financeiros, coloca uma pressão muito grande na sociedade, pois os caixas dos governos enfrentam um gigantesco endividamento provocado pelos enormes repasses de recursos públicos após o colapso de 2007-2008.

    O fim da “bonança” da economia brasileira neocolonial

    O boom da economia brasileira relaciona-se, principalmente, com o direcionamento da economia do País à produção devastadora e à exportação de matérias primas, principalmente para a China, que são negociadas nos mercados futuros especulativos, após o esgotamento da especulação imobiliária nos países imperialistas. O peso das exportações de minerais primários, principalmente o minério de ferro, a partir do qual é fabricado o aço, e de matérias primas agropecuárias, como a soja, milho, cana de açúcar, algodão e gado tem crescido aceleradamente enquanto também tem crescido as importações de produtos manufaturados.

    Mas este modelo econômico levou à paralização do crescimento econômico no terceiro trimestre deste ano. A produção industrial sofreu contração de aproximadamente 10% no segundo semestre deste ano. As medidas do governo para manter um certo crescimento no quarto trimestre, que provavelmente não ultrapassará 0,4%, equivalem a apagar um incêndio com gasolina. Basicamente, focam o aumento do consumo através do repasse de recursos públicos para o setor financeiro, o incentivo a investimentos especulativos e o corte de impostos aos grandes monopólios. O crescente aumento da inadimplência deverá levar ao estouro da bolha do consumo.

    As exportações estão em queda livre devido à queda da demanda a nível mundial. O iminente estouro da bolha imobiliária e das obras de infraestrutura na China acelerarão este cenário ainda mais. Neste ano, o superávit da balança comercial foi de pouco mais de US$ 21 bilhões, o que aliviou a pressão para a captação de recursos de capitais especulativos destinados aos repasses para os especuladores financeiros priorizados através do foco das políticas do governo através obtenção do chamado superávit primário como a principal política do governo.

    Mas, a pesar da propaganda do governo do PT e da imprensa burguesa, esta situação será muito difícil de ser sustentada em 2012. Como fazê-lo em cenário de recessão mundial, de queda da “locomotiva” chinesa, da aumento da aversão ao risco pelos especuladores financeiros, que enfrentam crescente problemas nas suas matrizes, e do aumento do foco da economia brasileira para atender o repasse de recursos para os especuladores?

    De fato, a única maneira de manter as políticas pró-imperialistas do governo do PT, que, de fato, tem implementado as políticas da direita, representante direta dos interesses do imperialismo, são políticas recessivas, que não têm nada a ver com o crescimento produtivo da economia: pacotes de austeridade fiscal, monetização da dívida pública, através do aumento das emissões de papel moeda sem lastro produtivo e o ataque às condições de vida das massas trabalhadoras. Mas o aprofundamento destas políticas levarão a uma crise do regime político, pois o PT deverá enfrentar os trabalhadores para implementá-las, enquanto que um governo da direita terá muito maiores dificuldades para conter os protestos das massas.

    O Brasil está cada vez mais longe do chamado primeiro mundo e cada vez mais próximo da época da colônia

    O Brasil, longe de aproximar-se do primeiro mundo e concorrer com as potências imperialistas pelo mercado mundial, está cada vez mais submetido ao domínio direto pelo imperialismo. O jornal imperialista britânico Daily Mail escreveu nos últimos dias, em um artigo intitulado “Esqueça a União Europeia… aqui é onde o futuro realmente está”, que “o Brasil não deve ser considerado um competidor por hegemonia global, mas um vasto mercado para ser explorado”.

    A maneira como o PIB é contabilizado é uma verdadeira farsa, pois toda a parafernália de atividades especulativas são consideradas como atividades produtivas. De fato, cada novo degrau que o Brasil “alcança” em relação ao aumento do PIB deve ser considerado como um aumento da espoliação do País. Os principais setores da economia são controlados diretamente pelas multinacionais imperialistas.

    O principal fator para determinar o grau de desenvolvimento de um determinado país é a produtividade do trabalho e, neste quesito, o Brasil encontra-se muito distante dos países centrais. E esta situação é impossível de ser mudada, mesmo minimamente, sem a realização das tarefas democráticas pendentes: em primeiro lugar, a reforma agrária, com a expropriação sem indemnização do latifúndio, e a expropriação, nas mesmas condições, do sistema financeiro e do comércio exterior e demais setores parasitários que dependem dos recursos públicos.

    Adicionalmente, o poder de um país imperialista mede-se pela sua participação no mercado mundial. Muitas guerras foram conduzidas com o objetivo de disputar os mercados mundiais, inclusive duas guerras mundiais que deixaram dezenas de milhões de mortos.

    O Brasil, longe de estar se tornando um país imperialista, tem visto os setores dominados pela burguesia nacional cada vez mais controlados diretamente pelo imperialismo nas últimas duas décadas.

    Os governos do PT simplesmente tem dado continuidade às políticas entreguistas do PSDB. A promoção das novas privatizações, Correios, aeroportos e estradas federais, a continuidade da priorização do superávit primário, a aprovação do novo Código Florestal e o Programa Amazônia Legal com o objetivo de aprofundar a produção devastadora de commodities, a acelerada desindustrialização do País, assim como a arrocho salarial e o corte dos programas sociais aumentarão a exploração imperialista do País.

    As políticas do governo do PT para “conter a crise” aumentam a dramaticidade da economia brasileira neocolonial

    Para “conter a crise”, o governo do PT conta com o aumento artificial do consumo e a redução lenta dos juros da taxa Selic.

    As vendas nos shopping centers neste Natal foram 5,5% maiores do que as de igual período do ano passado de acordo com o relatório da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping). Mas, este aumento do consumo foi atingido mediante o aumento do endividamento dos trabalhadores, que provocará o aumento da inadimplência e o estouro da bolha do consumo, e o aumento das importações de produtos manufaturados.

    A expectativa do governo do PT de que o PIB cresça 4,5% em 2012 é totalmente fantasiosa. Como o crescimento está desvinculado do aumento das atividades produtivas, o aumento do consumo será acompanhado pelo aumento das importações, e, portanto, provocará o eminente déficit da balança comercial. O destino de gigantescos volumes de recursos públicos para os especuladores financeiros (neste ano, em torno de 50% do orçamento público teve este destino) obrigará à monetização da dívida pública, o que, por sua vez, conduzirá ao aumento da estagnação da economia real com hiperinflação. E como o BC (Banco Central) o tem declarado em reiteradas ocasiões, se a inflação aumentar, imediatamente será aumentada a taxa de juros da Selic que é o principal mecanismo de repasses de recursos públicos para os especuladores financeiros que controlam os principais organismos do governo responsáveis pela política financeira, e em primeiro lugar o próprio BC. As próprias simulações publicadas no Relatório de Inflação divulgado pelo BC confirmam a consciência do governo sobre esta questão. O diretor do BC Carlos Hamilton Araújo declarou que “o Copom entende que, tempestivamente, ao mitigar os efeitos vindos de um ambiente global mais restritivo, ajustes moderados no nível da taxa básica são consistentes com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012”.

    O endividamento público e privado do País que hoje supera os R$ 2,2 trilhões, e que está em acelerado ascenso, disparará. O Tesouro Nacional atuará em 2012 de maneira mais ativa para promover o endividamento do País com o objetivo de manter os mecanismos especulativos funcionando. No início de 2012, deverá ser feita uma nova emissão de títulos públicos, em dólares ou real, que, no caso de ter sucesso, prepararia as emissões de títulos das empresas que atuam no Brasil. Aumentará o controle das transferências da União para os Estados, como os recursos da compensação da Lei Kandir (que desonerou as exportações), pagamentos de precatórios e liberação de empréstimos para os governos estaduais e municipais. A recente recapitalização do BNDES e da Caixa Econômica Federal reflete a dificuldade de captação de recursos nos mercados creditícios internacionais e, ao mesmo tempo, a política de manter a farra dos repasses de recursos públicos para as multinacionais imperialistas através das obras do PAC2, da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

    “http://www.portogente.com.br/texto.php?cod=60429”

    0
  • Luiz 28 de dezembro de 2011 at 14:30

    Só pra não perder o costume nossa amiga GFA desabando hj de novo, isso pq hoje é dia de dsitribuir dividendos, ou balas juquinha como prefere o MRK, imagina se não fosse

    GFSA3 4,19 -3,01% 14.408.047 3.735

    Quase chegando na casa dos 3 reais
    Percebam o volume baixo pela proporção de numero de negócios, ou seja sardinhada continua estrebuchando.

    Outra notícia relatcionada:
    – Fundos de investidores tiraram 15 bi dos Brics ano passado e avisam que bons negócios
    acabaram.
    – Analistas estimam dolar em r$2,40 ainda em 2012

    0
    • Xangai 28 de dezembro de 2011 at 23:08

      oi Luiz …

      Cara .. desculpe … sei que eh basico e vc ja explicou anteriormente..

      Mas qual eh mesmo a relacao para perceber os “sardinhas” … essa
      relacao de volume x negocios .?!?!

      O resultado se compara com o que ?!?

      Tnx

      0
    • Xangai 28 de dezembro de 2011 at 23:09

      oi Luiz … cara desculpe … sei que eh basico e vc ja explicou anteriormente..

      Mas qual eh mesmo a relacao para perceber os “sardinhas” …
      essa relacao de volume x negocios .?!?!

      O resultado se compara com o que ?!?

      Tnx

      0
      • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 12:34

        minha comparação se faz pelo movimento no ranking ao longo do tempo

        cada vez subindo mais entre os maiores numero de negocios e caindo no volume de dinheiro siginifica que cada vez mais a sardinahda esperneia

        pra ficar ainda mais divertido achei semanas atrás esse forum da advfn que é hilario com comenários extremamente técnicos do tipo: “foda-se vou comprar mais” ou “caso mas não arrego”

        0
  • Muca CG Muita Treta 28 de dezembro de 2011 at 14:40

    Uma dúvida pertinente: junto com a bolha imobiliária, ocorrerá a bolha das lojas de móveis planejados?

    Tenho notado que, desde 2008, essas lojas que antes se situavam exclusivamente nos bairros nobres, agora estão em qualquer esquina das periferias. Elas também aceitam financiamento da Caixa, o que ajudou os pobres a sonharem com uma decoração estilo “casinha de boneca”. Mas como o povo mal aguenta pagar os apartamentos e a venda tem diminuído, é capaz que esse setor se retraia também. Principalmente porque andei pesquisando no Reclame Aqui e é absurdo como esse ramo é picareta. Quase sempre, entregam móveis com metragem errada (também, vocês têm que ver o naipe dos projetistas) – isso quando simplesmente não entregam ou atrasam por meses a fio.

    0
    • Luiz 28 de dezembro de 2011 at 14:49

      perfeito

      é a bolha mobiliária

      ou vc acha que um sofazão da casas Mahia pode custar o mesmo que uma CG?

      0
      • Muca CG Muita Treta 28 de dezembro de 2011 at 16:11

        Olha, nas Casas Bahia não chega a ser o preço de uma CG. Mas também é um sofá feito com madeira de caixote de feira, forro de algodão e revestimento de plástico. Já em lugares como Interlar, por menos de 2 mil, não existe opção. Eu comprei um reclinável e retrátil, dois e três lugares, acabamento em veludo e paguei R$ 3 mil. Achei caro. Mas como acabei de me casar e estava com grana para pagar à vista (a prazo saí quase mil a mais), banquei essa ostentação. O foda é que na loja ao lado, o mesmo sofá tava R$ 5 mil. O preço tem que cair. É o que você disse: o sofá custa o preço de uma moto (CG não, mas uma Bizz, sim).

        0
  • pmoraesm 28 de dezembro de 2011 at 17:30

    Empresas brasileiras perdem R$ 213 bi em valor de mercado no ano

    http: //www1.folha.uol.com.br/mercado/1027173-empresas-brasileiras-perdem-r-213-bi-em-valor-de-mercado-no-ano.shtml

    0
  • borgvox 28 de dezembro de 2011 at 18:25

    Mais um sinal da bolha nas ruas. (ou, pelo menos, dificuldade nas vendas dos imóveis)

    Na frente do prédio onde trabalho havia um senhor todo bem arrumado panfletando para todo mundo que entrava e saia do prédio. O panfleto era sobre um lançamento no Maracanã (Mais Maracanã). Este empreendimento fica na porta do subúrbio do Rio de Janeiro/RJ e é até bem localizado devido a proximidade com o centro da cidade.

    Eu nunca tinha visto um corretor (será que era um corretor?) na porta do prédio panfletando assim antes. Este empreendimento já estava fazendo uma campanha de vendas há algumas semanas. Pelo visto, não vendeu tudo rapidamente. No ZAP, ao buscar “Mais Maracanã”, percebe-se que o valor é até baixo para os padrões atuais de preço (a partir de R$200.000,00) mas os apartamentos são minúsculos!! 2 qts em menos de 50m2.

    Um outro problema do empreendimento, além das reduzidas dimensões dos apartamentos é a proximidade à favela da Mangueira. Mas para aqueles que tem medo de bala perdida, uma boa notícia: há um prédio grudado ao terreno que serve de “escudo” contra os tiros que virão da favela. Detalhe: Este prédio grudado e a favela não aparecem na ilustração do edifício no panfleto. Pela ilustração feita no computador, parece até que o prédio fica no meio de uma mata verde e bem cuidada. Propaganda assim deveria ser proibida.

    0
    • danilo 28 de dezembro de 2011 at 18:54

      Essas manhas de venda existem em todo lugar, mas confesso que quando leio os relatos dos colegas do RJ, me surpreendo.

      0
    • Felipe 28 de dezembro de 2011 at 22:28

      Teve um que me parou na saída da igreja, às 11 da manhã do domingo, me deu um panfleto de um prédio que será construído dizendo para ir até o stand de vendas e tomar um sorvete grátis.

      0
    • Paulo - RJ 28 de dezembro de 2011 at 22:32

      Só um adendo,

      Mais Maracanã NÃO é bem localizado. Não fica na Tijuca, não fica em Vila Isabel, não fica no Méier, não fica no Riachuelo. E claro, não fica no Maracanã. Fica no Limbo.
      Não tem nada no local. Pouquíssimo transporte. Perigoso a noite

      0
    • Philis 28 de dezembro de 2011 at 23:04

      Nossa, esse lugar é perigosíssimo! Perto do viaduto da Mangueira! Vizinho do Ville Rondon – procurem no google sobre este edifício (é um condomínio tipo o edifício Rajah, em Botafogo – quem é carioca sabe do que estou falando). Não tem comércio perto, longe dos meios de condução… cruzes!

      0
    • Jomar 28 de dezembro de 2011 at 23:37

      Recebi um e-mail sobre esse empreendimento há algumas semanas. Dizia que ficava na região da Tijuca, mas fica em São Francisco Xavier. Dependendo da coluna, tem uma vista privilegiada da Mangueira…

      0
    • Bobo Alex 29 de dezembro de 2011 at 07:35

      He he he, eu vi ontem…

      Dá pena. Mas pelo menos ele está correndo atrás dos clientes e não sentando em uma poltrona achando-se o dono da verdade.

      Se eu vê-lo novamente vou tentar conversar sobre a bolha.

      0
  • rsmrsm 28 de dezembro de 2011 at 20:53

    Boa noite a todos.

    Quanto tempo na prática o banco pode colocar a leilão um imóvel financiado no qual o proprietário não paga as prestações ?

    É verdade que este imóvel vai para a justiça e pode demorar 3 anos ? Ou o banco simplesmente pega o imóvel de volta ?

    Abçs a todos

    0
    • aiwww 28 de dezembro de 2011 at 21:27

      Trabalhei na Caixa e de acordo com o normativo, no Sistema Financeiro de Habitação – SFH – o mutuário do que atrasar três prestações corre o risco de ter seu imóvel leiloado.

      0
      • rsmrsm 28 de dezembro de 2011 at 22:04

        A Caixa não seria obrigado a entrar na justiça para leiloar o imóvel ?

        0
        • Cleyton 28 de dezembro de 2011 at 22:13

          Até onde eu soube não, ela leiloa com as pessoas dentro e cabe ao comprador entrar com a ação de despejo.

          0
        • aiwww 28 de dezembro de 2011 at 22:38

          Segundo a lei Ordinária n° 9514/97, que criou o “SFI – Sistema Financeiro Imobiliário” com a adoção da alienação fiduciária, remete o credor fiduciário para aplicar os procedimentos extrajudiciais de retomada do imóvel sem necessidade de interferência do Poder Judiciário.

          0
        • aiwww 28 de dezembro de 2011 at 23:00

          Faltou dizer que o credor poderá iniciar o processo de cobrança extrajudicial, notificando o mutuário através do Cartório de Registro de Imóveis, requerendo o pagamento das parcelas em atraso. Se após a notificação, o mutuário não pagar a dívida atrasada, o credor poderá promover as ações descritas lei 9514/97, com o objetivo de levar a leilão o imóvel e então, receber todo o valor da dívida vencida e das parcelas do saldo devedor.

          0
          • Ratinho 29 de dezembro de 2011 at 09:27

            Há um julgamento em curso no stf sobre isso. Mas acho que ninguém tem dúvida, né?!! Financiou tem que pagar!! Especulou tem que pagar!!!

            exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/stf-julgara-regra-para-financiamento-em-atraso

            0
            • Inteligivel 29 de dezembro de 2011 at 11:36

              Vamos fazer um exercício de imaginação?

              Imaginem o STF decidindo que os bancos não podem retomar o imóvel com parcelas em atraso sem antes entrar na justiça para tanto (declarando inconstitucional a execução extrajudicial).

              Ou seja, o banco deverá gastar com advogados para retomar o imóvel/dinheiro do inadimplente.

              A operação que até agora era de pouco risco para o banco, passa a ser bastante arriscada: os juros hoje dos financiamentos são baixos comparados aos outros tipos de empréstimos (principalmente os de curto prazo como o empréstimo pessoal e cheque especial), e a garantia de retomada do bem/capital fica prejudicada.

              Os bancos, salvo a Caixa por imposição do governo, passarão a emprestar menos, serão mais rígidos e aumentarão os juros.

              Isso sim seria um belo de um PLOC!

              0
              • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 12:38

                o banco não precisa retomar pq o imóvel é dele.

                só passa o nome pro mutuário depois que ele pagar a ultima prestação

                0
    • Paulo Rocha 28 de dezembro de 2011 at 21:30

      Meio off-topic, mas um pouco relacionado a sua pergunta. Alguem reparou que o Zap não tem mais uma secão de leilões em seu site? Será quer é para esconder o óbvio?

      0
      • Davi 29 de dezembro de 2011 at 11:57

        h t t p://economia.estadao.com.br/noticias/economia%20brasil,miami-abre-portas-para-brasileiros-que-gastam,97641,0.htm

        Trecho …

        “Viemos a Miami para investir porque, no Brasil, os imóveis são muito caros”, disse Claudio Coppola Di Todaro, investidor de um fundo de hedge de São Paulo que comprou recentemente uma unidade no condomínio Trump Towers, em Sunny Isles Beach, e outro apartamento no Trump SoHo, em Manhattan (os brasileiros também adoram Nova York). “Gostamos de vir passar férias em Miami algumas vezes ao ano, e muitos brasileiros têm feito isso ultimamente.”

        0
    • aiwww 28 de dezembro de 2011 at 21:31

      Já no Sistema Financeiro Imobiliário – SFI – após quinze dias o mutuário corre o risco de ter seu imóvel leiloado.

      0
  • Anonymous 28 de dezembro de 2011 at 22:03

    FRAUDE EM DESENVOLVIMENTO

    PanAmericano compra financeira e entra no setor imobiliário
    www1 . folha . uol . com . br/mercado/1027383-panamericano-compra-financeira-e-entra-no-setor-imobiliario . shtml

    Bancado pelo BTG Pactual –do banqueiro André Esteves– e pela Caixa Econômica Federal, o Banco PanAmericano decidiu comprar a BFRE (Brazilian Finance & Real Estate) …

    “A aquisição da BFRE permitirá a incorporação de uma plataforma consolidada de originação de crédito, com margens atraentes, em um mercado com grande potencial de crescimento”, disse José Luiz Acar, presidente do PanAmericano.

    Para financiar a aquisição, os sócios vão ter de fazer um aumento de capital de R$ 1,8 bilhão no PanAmericano. A parte da Caixa deverá ser de R$ 650 milhões.

    0
  • rsmrsm 28 de dezembro de 2011 at 22:08

    Boa noite a todos

    As pessoas que possuem imóveis como investimento amargam todo mês gastos com condomínio.

    Se estas pessoas não pagarem o condomínio, alguém saberia me dizer em quanto tempo o imóvel poderá ser leiloado ?

    Abçs a todos

    0
    • Cleyton 28 de dezembro de 2011 at 22:19

      O condomínio é separado, o morador fica devendo para a pessoa jurídica do condomínio que é na prática uma empresa, cabe a ele entrar na justiça e pleitear o sequestro do imóvel.

      O interessante da história é que mesmo que o imóvel vá a leilão pelo banco o condomínio tem prioridade em receber! Não sei se isso é automático, mas é possível, dependendo de quantos meses estão em atraso, que o banco fique sem nada depois do condomínio quitado!

      0
    • Dr. Estranho 28 de dezembro de 2011 at 22:21

      Dependerá da ação de cobrança que o condomínio patrocinar. É o trâmite judicial que determinará, caso não haja acordo, a hasta pública para ressarcir o condomínio. Tem havido decisões no sentido de que o bem incorpore ao patrimônio do próprio condomínio, podendo ser alienado ou alugado, decisão esta a critério da maioria dos condôminos. Quanto ao tempo que isso leva, deve-se levar em consideração se o juiz da causa tem o hábito sadio de trabalhar e conta com bons servidores compromissados com o interesse público.

      Uma decisão interessante foi de uma senhora de 80 anos inadimplente com o condomínio. O acordo estabeleceu o que apartamento passaria ao patrimônio do condomínio, mas de uso-fruto da devedora. A decisão, a meu ver, foi sábia.

      0
    • Shakespeare 29 de dezembro de 2011 at 09:18

      No condomínio em que meu pais moram, ocorreu um caso desses, em que o imóvel foi passado para o condomínio em prol do pagamento das dívidas do proprietário. Demorou um pouco, minha mãe era a síndica e propôs a ação no primeiro ano dela como síndica, a resolução da Justiça saiu uns 4 anos depois, agora o condomínio vai vender o imóvel para fazer caixa.

      0
  • Dr. Estranho 28 de dezembro de 2011 at 22:08

    h ttp://oglobo.globo.com/blogs/ecoverde/

    “Nível do mar sobe cada vez mais rápido no litoral de SP”

    Mais um motivo de intensa valorização imobiliária. Segundo os mais renomados “CRECI_ldos” este fato por si só valoriza, somente no litoral de Santos, algo em torno de 45,35%. A SECOVI garante que de agora em diante, constará nos contratos que o investidor que não conseguir revender, poderá alugar o “apertamento” como pesque e pague. Da varanda poderá se pescar até cação. Não deixem de aproveitar essa ótima oportunidade antes do próximo aumento.

    É VER PARA CONFERIR.

    0
  • Leo 28 de dezembro de 2011 at 23:01

    h t t p ://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?p=1661965#1661965

    Ta pegando fogo a discussao… quem for cadastrado, vale postar.

    0
    • rsmrsm 28 de dezembro de 2011 at 23:09

      copie e cole aqui.

      Abçs

      0
      • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 16:06

        não vale a pena
        é aquela mesma ladainha de sempre
        não tenho estomago

        tem um moderador frajola que fala mais q todo mundo
        o moderador daqui é imparcial e discrteo
        o de lá tem posição, e faz questão de marcar mijando nos 4 cantos do forum

        0
        • Cleyton 29 de dezembro de 2011 at 21:25

          Haha, é verdade, por isso estou por aqui e não por lá.

          0
  • MrK 28 de dezembro de 2011 at 23:20

    Boa noite a todos amigos

    apenas para informe… passeando pelo Rio fui a alguns lancamentos ver de perto, em carne e osso, a situação.. foquei-me na zona sul que é onde fica minha “base” em terras bananenses

    pois bem, todos prédios novos (entregues há 4 ou 5 meses) estão semi desertos, varias unidades a venda e algumas a alugar todos a preços estratosféricos e vazios, como bom carioca bati um papo com alguns porteiros que chegam a fazer piada, ouvi de um: “A dona enlouqueceu, ta pedindo no imovel muito mais do que vale, um bando de gente vai a meses, olha e vai embora, é isso o tempo todo, proposta e venda nada”

    esse Rio de Janeiro…

    0
    • Troll 29 de dezembro de 2011 at 00:03

      Pior que não é só o Rio. Santos também tá assim. Muita conversa e pouca venda.

      0
      • MrK 29 de dezembro de 2011 at 00:13

        quando o porteiro faz graça do seu anuncio…. é hora de rever os seus conceitos!!

        0
      • augusto 29 de dezembro de 2011 at 10:48

        Além das cidades citadas se olharem as pesquisas Creci baseada em informações das próprias imobiliárias, veremos que tambem Guarujá, Praia Grande, Mongagua, Peruibe, Piracicaba, Ribeirão Preto, etc quase nada se vende, e quando aconjtece venda são de imóveis de preços menores. O preço máximo pago por m2 de área útil tem sido de 3 mil reais, e ainda olhe lá este preço hem.
        E uma nova moda começa a tomar conta dos corretores picaretas e boçais, aumentando a real área útil, o que é desonestidade, propaganda enganosa, é no minimo burrice , pois a verdadeira área aparecerá na hora dos documentos

        0
    • aiwww 29 de dezembro de 2011 at 00:34

      … como tijucano e anchietense (bairro da ZN) da gema 🙂 … sempre vivi na ZN, Baixada (Nilópolis e Nova Iguaçu) e Barra. Conheço 95% dos bairros do Rio .. pesquisei imóvel em vários e nas minhas milhasres de pesquisas concluí que aqui no RJ em 2011, só comprou imóvel abaixo de 100 mil quem mora em condição de favelado ou mora em Santa Cruz … entre 100 e 200 mil há alguma coisa no Lins, Cascadura, Madureira, Sulacap, Bangu, Realengo, Campo Grande, Anil … entre 200 e 250 mil, na Taquara, Cachambi e Engenho de Dentro … entre 250 e 350, na Freguesia e alguma coisa na Tijuca, Vila Isabel, Maracanã, Vargem Grande, Vargem Pequena … acima de 350 mil, na maior parte da Tijuca, Barra, Recreio, Jardim Guanabara … mas é comum encontrar imóveis na maioria desses bairros mais de classe média e média baixa, custando algo próximo de 500 mil

      … vamos aos absurdos ..

      zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-JACAREPAGUA-00/ID-2203290

      zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-4-quartos-venda-NOVA-IGUACU-CENTRO-R-IVAN-VIGNE/ID-2761814

      zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-DUQUE-DE-CAXIAS-CENTRO-RUA-GENARO-LOMBA/ID-2637318

      zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-SAO-GONCALO-MUTONDO-/ID-2582262

      zap.com.br/imoveis/oferta/Casa-Padrao-4-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-CURICICA-/ID-2302057

      0
    • RT 29 de dezembro de 2011 at 07:42

      Olá, Mrk!

      Poderia dizer em que bairros você olhou? E se lembrar o número de lançamentos em cada um deles?

      0
    • Inquilina 29 de dezembro de 2011 at 09:11

      Estou há mais de um ano amargando um aluguel nas alturas e procurando apartamento em Copacabana. Nos últimos meses tenho mandado e-mails oferecendo 700-800mil por apês anunciados por mais de 1,3 milhão e para minha surpresa, os corretores respondem bem rapidinho.
      Há seis meses atrás, eu ouvia os maiores absurdos sobre nunca encontrar apartamentos de um bom padrão por esses preços, isso, quando os tais corretores se davam ao trabalho de retornar.
      As coisas estão definivamente mudando, melhor esperar mais para ver.

      0
    • Carlos Eduardo 29 de dezembro de 2011 at 10:48

      Aqui na ZL e ZS de SP as coisas estão feias também!

      conjuntos enormes de prédios vazios, o cury tem um conjunto com umas 10 torres, para mais!
      vazios na airton senna

      a PDG vem contruindo mais umas 10 torres no Parque São Jorge, de frente para o corinthians!

      e de longe dá para ver mais torres em gurarulhos, já na ZS só tem mais uns 2 conjuntos como esses sendo lançados e isso você vê só de andar pela Marginal Tietê de ponta a ponta

      só para tere uma idéia do que estou falando! essas fotos são atigas hoje está bem maior em
      tamanho e quantidade!

      http://maps.google.com.br/maps?q=Marginal+do+Rio+Tiet%C3%AA&hl=pt-BR&ie=UTF8&ll=-23.497255,-46.535597&spn=0.017907,0.027595&sll=-14.239424,-53.186502&sspn=38.088681,56.513672&vpsrc=6&hnear=Av.+Marginal+Esquerda+do+Rio+Tiet%C3%AA+-+Industrial+Altino,+Osasco+-+S%C3%A3o+Paulo,+05320-005&t=m&z=15&layer=c&cbll=-23.496993,-46.543652&panoid=cpdvf3A_M4duSgVmAxUtCQ&cbp=12,356.08,,0,5.63

      nesse terreno logo a frete da imagem abaixo estão sendo contruido mais umas 10 torres

      http://maps.google.com.br/maps?q=Marginal+do+Rio+Tiet%C3%AA,+pq+S%C3%A3o+jorge&hl=pt-BR&ie=UTF8&ll=-23.524408,-46.544695&spn=0.035807,0.055189&sll=-23.496822,-46.543536&sspn=0.018065,0.043945&vpsrc=6&hnear=Av.+Marginal+Direita+do+Rio+Tiet%C3%AA+-+Vila+Maria,+S%C3%A3o+Paulo,+05118-100&t=m&z=14&layer=c&cbll=-23.524711,-46.561689&panoid=VyfflVz95-VmF6Yy_Ilgmg&cbp=12,133.49,,1,-8.68

      A única teoria que eu podria ter é a da “sobre oferta”, falar em deficit de moradias é absurdo!

      0
      • Rf 29 de dezembro de 2011 at 22:45

        Carlos Eduardo,

        Quem é o Cury?

        0
  • Scotch 29 de dezembro de 2011 at 01:14

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/12/fgts-2012-preve-r-36-bi-para-habitacao-e-infraestrutura.html

    FGTS de 2012 prevê R$ 36 bilhões para habitação e infraestrutura
    Orçamento dos recursos foi publicado nesta quarta-feira (28) no DOU.
    São previstos R$ 4 bilhões para financiar transporte urbano para a Copa.
    Do G1, com informações da Agência Estado

    Comente agoraO orçamento dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em 2012 foi publicado na edição desta quarta-feira (28) do Diário Oficial da União. Estão previstos R$ 36 bilhões do fundo para investimentos em habitação e projetos de infraestrutura urbana. O documento prevê, entre outros itens, o financiamento de 800 mil casas populares e reserva R$ 4 bilhões para financiar o transporte urbano ligado à Copa do Mundo de 2014.

    É prevista a construção de 800 mil casas, sendo 600 mil para famílias com renda bruta mensal de até R$ 3,1 mil e outras 200 mil para famílias com renda bruta de até
    R$ 5 mil.Segundo circular assinada pelo vice-presidente de governo e loterias da Caixa Econômica Federal – que é a gestora dos recursos -, Fabio Cleto, está previsto o crédito de R$ 5 bilhões para infraestrutrura urbana em 2012. Dos projetos beneficiados com os recursos dos trabalhadores, R$ 4 bilhões irão especificamente para o financiamento de projetos ligados à realização da Copa do Mundo de 2014. O FGTS financia projetos de transporte urbano desde 2008.

    Na área de habitação, o FGTS prevê a construção de 800 mil casas, sendo 600 mil para famílias com renda bruta mensal de até R$ 3,1 mil e outras 200 mil unidades habitacionais para famílias com renda bruta de até R$ 5 mil.

    O documento cita que serão destinados R$ 3 bilhões para “produção ou aquisição de imóveis novos, passíveis de enquadramento nas definições legais estabelecidas” do programa Minha Casa, Minha Vida e do Programa Nacional de Habitação Urbana (PNHU), sendo que 80% do crédito será voltado a municípios em regiões metropolitanas, capitais ou que tenham população superior a 100 mil habitantes.

    O orçamento do Fundo prevê ainda R$ 5 bilhões em crédito para projetos de saneamento básico, sendo que R$ 4,2 bilhões serão destinados para iniciativas do setor público e o restante do segmento privado.

    0
  • Philis 29 de dezembro de 2011 at 02:28

    Perderam a noção do valor do dinheiro: h t t p ://imoveis.trovit.com.br/index.php/cod.frame/url.http%253A%252F%252Fwww.rsgimoveisrio.com%252Fengine.php%253Fid%253D10228%2526page%253Ddetalhe%2526cd_imovel%253D885333/id_ad.1Ar8ea1q1g0/type.1/what.rua%20conselheiro%20zacarias%20rio%20janeiro/pos.1/org.1/pop.1/publisher_id./referer_id.1/t.1

    0
    • Leo 29 de dezembro de 2011 at 08:13

      Que isso. Isso tem uma justificativa, afinal, temos uma nova classe media brasileira. Esse tipo de moradia possui as caracteristicas necessarias para ser chamada de patrimonio cultural ! Imagina, as favelas esta acabando, nosso pais nao tem mais corrupçao, nada mais “ESTAILE” que morar em um barraco com ceramica e teto rosa perto do porto. isso nao tem preço..

      Voce esta por fora…. aproveite logo enquanto é tempo !!! Ja ja os gringos vao acabar com essas ultimas unidades !

      hahahah acho que ja posso ser corretor!

      0
  • Willian 29 de dezembro de 2011 at 03:08

    IPTU de Curitiba vai subir 6,64%

    http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1207678&tit=IPTU-de-Curitiba-vai-subir-664

    Se na tabela progressiva o valor venal acima de R$ 255.600,01 paga IPTU de 1,1%, e que há muitos imóveis em que estão pedindo mais de R$ 500mil na cidade, acho que o prefeito está sorridente, ainda mais que 2012 é ano de eleição.
    Mais um incentivo para os investidores pararem de esperar a galinha botar ovos de ouro, e fazerem uma canja de galinha morta, antes não restem nem os ossos da penosa.

    0
    • Inteligivel 29 de dezembro de 2011 at 11:50

      Quando bater na porta da casa desses grandes investidores o rapaz vestido de amarelo trazendo a cartinha com o IPTU o desespero será grande: 2,5 mil, 5 mil, 10 mil de IPTU.

      Imaginem a cara dauele dono de imóvel que comprou na planta para investimento, não conseguiu passar com ágio, teve que financiar (comprometendo grande parcela da sua renda) e não conseguiu aluguar por um valor que achasse justo!

      IPTU, condomínio, desvalorização (sim, pq se imóvel deixa de ser “novo” para os padrões da Caixa, as regras de financiamento são outras, e os possíveis compradores diminuem porque a entrada é maior).

      Gostaria de ler o relato de um desses grandes investidores!

      Brazzzil, o país do futuro!

      0
  • Menino_do_Rio 29 de dezembro de 2011 at 09:13

    Para quem ainda não aceita os fatos:

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/como-financiar-um-imovel-de-luxo

    Crédito | 29/12/2011 07:00
    Como financiar um imóvel de luxo
    Cada vez mais clientes estão financiando e a avaliação da CrediPronto é que categoria só deve crescer nos próximos anos

    0
    • Fred Henrique 29 de dezembro de 2011 at 11:28

      Meu Deus, como tem idiota no mundo…

      0
      • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 12:57

        o cara sugere que a pessoa de uma entrada + 5% de custos de taxas sobre o valor total e se alavanque em financiamento ao custo de no minimo 12% ao ano para daí então esperar a valorização do imovel e a renda do aluguel.

        não há nada de maior risco do que isso, a não ser investir em bilhetes da megasena.

        0
    • Pepper 29 de dezembro de 2011 at 11:56

      Pra mim, essa notícia só reforça a bolha:

      1 – Mostra que ainda há pessoas, a essa altura do campeonato, comprando imóveis para investir, o que, por si só, já me parece uma loucura, uma vez que já há muitos que sustentam que os preços já alcançaram o topo.

      2 – Pior ainda, partindo pro campo da burrice mesmo, é comprar imóvel caro (pq hoje até os “baratos” estão caros) pra investir e financiar esta compra, pagando juros altíssimos! Pra ganhar algum dinheiro nessa operação, os imóveis teriam que valorizar ainda muito, pra compensar o custo atual do apartamento, os custos do financiamento e ainda dar algum lucro, de preferência acima dos demais investimentos de maior liquidez. Não me parece muito esperto.

      3 – Informa que há significativa quantidade de pessoas (com expectativa de aumento, segundo a financeira) comprando imóveis de cerca de 1 milhão de reais e financiando NO MÍNIMO 60%. Nessa situação, simulando um financiamento por 30 anos, as prestações ficariam entre 8 e 9 mil reais! Tem tanta gente assim podendo se comprometer com isso? Acho que não. Aliás, nem me parece tão bem de vida assim quem compra hj um imóvel de 1 milhão (que até uns dois anos era de médio padrão) e não tem dinheiro nem pra dar metade de entrada.

      Algumas das últimas matérias por aqui postadas denotam esse aumento da compra financiada e isso é o que mais me preocupa. Porque a pessoa que compra a vista, se os imóveis cairem de preço ou não valorizarem, vai amargar um prejuízo, mas não necessariamente vai ficar desesperada, porque as prestações altíssimas não estarão vencendo mês a mês. Essa pessoa pode alugar o imóvel, pra ter quem pague o condomínio, o IPTU, faça a manutenção, além de ter a renda do aluguel. Enquanto isso, ela espera um momento melhor pra vender e pronto.
      Quem financia, pelo contrário, vai ser o primeiro a ficar com a corda no pescoço se os preços estagnarem ou caírem: a dívida cresce mensalmente, o valor do imóvel não acompanha e eventual aluguel não dá conta de pagar nem os juros de um financiamento de 60%. Esses ou abaixam os preços pra se livrarem do encosto o mais rápido possível ou perdem rapidinho os imóveis hipotecados ou alienados fiduciariamente.

      0
    • Inteligivel 29 de dezembro de 2011 at 12:08

      “O custo efetivo total de um financiamento imobiliário, portanto, acaba girando em torno de 11% a 12% ao ano.”

      O cara pega emprestado 800 mil (dando 200 mil de entrada em um imóvel que vale 1 milhão). Vai pagar por ano, só de juros, cerca de R$ 96 mil (ou R$8 mil por mês)!

      Esse nobre novo rico está de parabéns! Uma aula de educação financeira.

      Tem um livro do Mauro Halfeld (sobre imóveis) que traz um estudo interessante: imóveis de auto padrão, num prazo de 20 anos (não estou certo se 20 ou 30), perdem da inflação. Por quê? Porque eles não valorizam, apenas desvalorizam: a região nobre da moda hoje não é a mesma de 20/30 anos atrás. O padrão de acabamento dos imóveis de luxo hoje, não são igual os dos anos 80. Ele ficou velho tanto pelo uso quanto pelo projeto.

      Já imóveis mais símples em regiões de classe média há margem para melhorias urbanas que justifique valorização no longo prazo. (porém, hoje, com os preços descolados do valor, nenhum imóvel pode ser classificado como ativo de investimento)

      Hoje penso que imóvel só é investimento para quem constrói (o custo de construção é menor do que de venda, logo haverá potencial de lucro). Imóvel para pessoa física é consumo. E, não vejo nenhuma explicação plausível que justifique pagar juros para consumir um bem, seja ele qual preço for.

      Prefiro morar de aluguel, pra sempre! =)

      0
      • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 12:22

        Isso que vc falou é verdade

        Aqui em SP:
        Na década de 80 os Jardins eram o point dos ricos da cidade
        Hoje os jardins quase todo não passa de classe média
        A nobreza se mudou para o Itaim, Vila Olimpia e outros, deixando pra trás o transito e o reveillon na paulista

        No Rio não tem tanto essa dinamica pq a praia não sai do lugar

        0
        • Frank 29 de dezembro de 2011 at 16:43

          no RJ tb sempre foi assim, as áreas nobres vinham caminhando no sentido inverso do Centro, mas, a exemplo de algumas cidades européias, esse afastamento do Centro em direção a subúrbios (q é o modelo americano) não funciona no BR, q não tem mobilidade urbana compatível.

          é por isso q cidade caminhou, no século XX, da orla do Centro, para orla do Flamengo, para orla de Copa (décadas 40/60), e, p/ orla de Ipanema (60/70) e orla do Leblon (70/80).

          aí, qdo se pensou nos anos 90 q a coisa seguiria o fluxo normal em direção a São Conrado Barra, viu-se um refluxo desse modelo nos anos 2000, em função da inviabilização desses bairros por conta do trânsito caótico.

          hj no RJ, observa-se a tentativa de resgate das áreas próximas ao Centro q estavam degradas a 3~4 décadas (Lapa, Catete, Glória, Sta Teresa), muito mais pela incompetência de o Poder Público oferecer condições de mobilidade dignas do q propriamente um “desejo” do carioa de “redescobrir” esses recantos bucólicos, idéia marota q se tenta vender na mídia.

          0
  • Zoom 29 de dezembro de 2011 at 09:45

    IGP-M sobe 5,10% no ano, metade da inflação registrada em 2010

    Segundo a FGV, o índice de inflação que reajusta os alugueis recuou 0,12% em dezembro
    29 de dezembro de 2011 | 8h 38

    RIO – O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), índice de inflação muito utilizado em reajuste de aluguéis, fechou o ano em uma alta bem mais fraca do que a registrada em 2010. O IGP-M avançou 5,10% neste ano, contra a elevação de 11,32% em 2010.

    Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o IGP-M registrou deflação de 0,12% em dezembro, após uma alta de 0,50% em novembro. A taxa mensal ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam um resultado entre uma deflação de 0,15% e uma variação positiva de 0,05%. A mediana das projeções foi de uma queda de 0,05%.

    A FGV anunciou ainda os resultados dos três sub-indicadores que compõem o IGP-M de março. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) caiu 0,48% este mês, após subir 0,52% na leitura anterior. No ano, o IPA acumulou alta de 4,34%.

    Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) apresentou alta de 0,71% em dezembro, após um aumento de 0,43% no mês passado. Em 2011, o IPC teve alta de 6,16%.

    Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) registrou taxa positiva de 0,35% este mês, depois da elevação de 0,50% em novembro. No ano, o INCC acumulou uma expansão de 7,58%.

    O período de coleta de preços para cálculo do IGP-M foi do dia 21 de novembro a 20 de dezembro.

    Fonte: h ttp://economia.estadao.com.br/noticias/economa%20brasl,igp-m-sobe-510-no-ano-metade-da-inflacao-registrada-em-2010,97659,0.htm

    0
  • Q 29 de dezembro de 2011 at 10:03

    Existe muita gente que entrou na bolsa em 2006 e 2007 e viu seu dinheiro derreter em 2008, sacou essa grana na baixa juntou mais um pouco e entrou nos imóveis em 2009, 2010 e 2011. Negam a bolha acima de tudo. Vocês precisam entender que o mercado esta bom MUITO ANTES da noticia de grandes lucros cair na boca do povo!! Vocês chegaram atrasados duas vezes!! Vocês não são o Tio Patinhas!!! O verdadeiro Tio Patinhas, que pode ser representado pelo Sam Zell especulador imobiliário de origem norte americana, foi embora em 2010, com a grana de vocês!! Em 2011 o mercado travou: o imóvel esta”valorizado” mas simplesmente ninguém vende. Poucos trouxas trocam seu imóvel por um melhor pagando uma fortuna na diferença entre os dois, ficando escravos da divida. Diferença essa que era MUITO menor antes da bolha e que em breve voltara ao normal. Meu conselho: pare de tentar ganhar dinheiro como os grandes, gaste com você! Os especuladores iniciais estão ficando com sua grana!! Estão curtindo a vida que você suou para conseguir!!! Deixa de ser trouxa!!!Nao seja ingênuo!! Apertamento por 500k!! Isso ta errado!! Não acredite na primeira justificativa que o especulador te passa: copa do mundo (além dos estádios nada será feito!) olimpíadas (15 dias de duração) imóvel nunca cai (se você realmente se interessasse pelo mercado imobiliário e o estudasse há mais tempo saberia que essa é a maior mentira de todas, você não tem culpa de acreditar nessa bobagem passou a vida estudando para ficar bom na sua profissão, nunca Foi obrigado a estudar o mercado… Invista em você, poupe, não especule, controle sua ganância por que é através dela que o especulador inicial age. Não existe dinheiro fácil!!! A não ser que possua um banco ou que consiga empréstimo no BNDES!!

    0
    • Inteligivel 29 de dezembro de 2011 at 12:16

      Cara, sou seu fã! Sintetizou o que está acontecendo com as sardinhas. Parabéns!

      O bizarro é que essas pessoas nunca aprendem. Só há uma forma de ganhar dinheiro: trabalhando muito, seja em um negócio próprio, seja como funcionário.

      Ganhos enormes com especulação (ou invetimento, como gostam de falar) só para quem TRABALHA muito para isso, quem entende bem o mercado que atua, quem sabe a hora de entrar, como reduzir custos, e a hora de sair.

      Essas sardinhas acham que vão ficar ricas comprando ações da Petrobrás porque deu na revista Exame que foi a ação que mais subiu naquele ano.

      Depois acrediam que vão ficar ricos operando com opções.

      Depois caem no conto do vigário, na conversa mole do corretor que diz que imóvel sempre sobe. Investimento “real”, “seguro”.

      0
  • Elias 29 de dezembro de 2011 at 10:19

    Pessoal, esse é o nosso país amanhã.

    Qualquer semelhança não é mera coincidência.

    Mais um ano de turbulências para a economia mundial
    Valor Econômico – 29/12/2011

    (…)

    Nuvens negras pairam também sobre a China, até então o único motor seguro de expansão global. A crise europeia roubou exportações do país e o recente aperto monetário teve efeito drástico sobre boa parte do parque manufatureiro de bens de baixa tecnologia. O resultado é que a indústria apresentou contração em novembro, segundo o índice dos gerentes de compras. O governo chinês tenta agora manobrar para reverter a política monetária de apertada para expansionista, em meio a sinais de clara deterioração no mercado imobiliário, que vivia claramente uma bolha.

    Não é uma tarefa simples. Em 2008, a China lançou o maior programa de estímulo do mundo e inundou de crédito o país – em dois anos, foram US$ 5,1 trilhões, se computados os canais informais de empréstimos (“Financial Times”, 28 de dezembro). Com o início da desaceleração, os calotes aumentaram e há uma montanha de créditos problemáticos nos bancos estatais. Eles seriam algo em torno de US$ 500 bilhões, segundo os próprios reguladores chineses, ou de até US$ 2 trilhões, segundo a agência de rating Fitch. O risco de o crescimento chinês cair abaixo dos 9% é grande, assim como suas consequências. Mais turbulências, menos crédito e menos comércio aguardam o mundo em 2012.

    0
    • MrK 29 de dezembro de 2011 at 10:32

      é curioso, meu amigo Elias,

      conseguem identificar as bolhas imobiliarias no mundo todo, até na distante e fechada China, mas aqui dentro de casa ninguém consegue, como pode?

      se a China, que teve crescimento de 10% consecutivamente (e não o nosso vôo de galinha)
      se a China, que teve sim industrias, roubou empregos do mundo todo, produção…
      se a China, 2a maior economia do mundo, novo poder bélico, exportadora campeã
      se a China, sede das ultimas olimpiadas
      se a China que é a China pode ter bolha imobiliaria, o Brasil não pode porque? copa do mundo? ahhh…

      0
      • RT 29 de dezembro de 2011 at 11:00

        “se a China que é a China pode ter bolha imobiliaria, o Brasil não pode porque? copa do mundo?”

        Mas a China não tem a “nova classe média”, que ganha 3k por mês e viaja de avião, compra carro, TV de 40” e apartamento de 1 milhão em Botafogo ou 700 mil no Méier.

        Não há bolha.

        Ass: “Especialista” em mercado imobiliário.

        0
      • Ader 29 de dezembro de 2011 at 11:50

        Ontem no Bom Dia Brasil uma analista chegou a comentar que para 2012 o Brasil dependerá muito do que acontecer com a China, chegou até a dizer que um dos problemas com a China é que ela vivie uma bolha imobiliária, isso dito muito rápido e sem comentários mais precisos. Oh meu Deus! E aqui? Também não estamos vivendo uma bolha imobiliária?

        0
        • Inteligivel 29 de dezembro de 2011 at 12:26

          Os preços dos imóveis aqui vão cair, e muito!

          Mas acho que tanto a imprensa quanto governo brasileiro não vão admitir que temos bolha. Vão sempre comparar aos EUA e dizer: “Tá vendo, aqui é diferente, logo não tem bolha, apenas uma queda acentuada nos preços”.

          Vai ter analista dizendo que eles previam isso. Que é um ciclo normal. Que é uma boa oportunidade para as pessoas sairem do aluguel.

          Bolha? Num país com Olimpíadas, Copa e “nova classe média”? AH! Imagina! =)

          0
          • augusto 29 de dezembro de 2011 at 12:38

            Analistas no Brasil estão totalmente DESACREDITADOS, e foram eles que previram Bolsa aos 85.000 pontos e dolar a R$1,60 no final do ano. Incompetentes, mal informados, churadores. KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

            0
            • Cleyton 29 de dezembro de 2011 at 21:14

              É verdade, ontem no jornal tinha um astrólogo de gravata, em 2012 o crescimento vai ser de tanto, a selic vai cair um pouco mais não muito, a inflação vai ficar em tanto, esses chutes não aparecem nas retrospectivas né.

              0
      • augusto 29 de dezembro de 2011 at 12:40

        Ahhhh, não nos esqueçamos tambem das Olimpiadas em 2016

        0
  • Carlos Eduardo 29 de dezembro de 2011 at 11:02
  • Menino_do_Rio 29 de dezembro de 2011 at 11:29

    http://oglobo.globo.com/economia/banco-panamericano-tera-novo-aporte-de-18-bilhao-3529577
    “Nossa perspectiva é que o financiamento imobiliário vai avançar no Brasil por alguns anos.”

    Se continuar assim o PT nunca mais saíra do poder.

    0
    • Q 29 de dezembro de 2011 at 12:18

      O PT vai cair junto com a China, na hora que nossa economia travar pela crise chinesa, não interessa quem está no governo, ele vai cair! Não há crédito para desempregado!

      0
      • Ader 29 de dezembro de 2011 at 13:53

        A China não vai cair, mas uma diminuição da subida pode significar queda por aqui…

        0
        • Q 29 de dezembro de 2011 at 22:06

          Exatamente!!!

          0
    • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 13:03

      interessante essa noticia menino, obrigado

      Sai o Sam Zell entra o Panamericano

      Em quem vc confia mais???

      ps: já tinhamos previsto estas cartadas, quem sabe não comrparm tbm a Gafisa

      0
    • eam 29 de dezembro de 2011 at 13:14

      Por um acaso este tal Panamericano é aquele q deu um golpe de mais de 5bi que foi pago, via FGC, por eu, vc e todos que possuem uma conta num banco?

      0
    • Willian 29 de dezembro de 2011 at 13:34

      Não sou tão pessimista assim, acho que o PT carrega o gene da sua própria destruição.

      O PT tinha em sua base antigos aliados: funcionários públicos, operários e aposentados. Quando chegou ao poder viu que só com isso não teria futuro. Fez alianças até com o diabo e sua turma (sim, aquele de bigode) e lançou os tentáculos sobre o maior curral eleitoral do Brasil: os miseráveis.

      Os teóricos do PT (sim, eles tem estudiosos, ao contrário da direita) amam de paixão um italiano chamado Antônio Gramsci. Ele criou a base teórica da chamada “guerra de posição”.

      Resumão de cursinho: o confronto pelas armas com a classe dominante é possível somente numa sociedade agrária e pouco desenvolvida (Ex. a rússia antes de virar URSS, cuba). À medida que a sociedade vai se desenvolvendo, se torna inviável a revolução (guerra de movimento). É aí que entra a chamada “guerra de posição”, que é um movimento parasitário, ou seja, você vai se infiltrando aos poucos nos diversos grupos sociais para que eles forcem a queda do governo (órgãos estudantis, sindicatos, ONGs etc).

      É essa guerra de posição que o PT vem fazendo desde a sua fundação. E o lugar onde isso é mais marcante é dentro do serviço público, onde eles colocaram apadrinhados até dentro dos órgãos estratégicos.

      Só que o PT não contava com a realidade brasileira, e quando tomou o governo teve de abandonar a dignidade (e a honestidade) e abrir as pernas para uma porção de gente diferenciada: estupradores, genocidas, traficantes, “contraventores” e outros clientes da justiça.

      O “sapo barbudo” foi o maior achado do PT, já que ele representava o típico brasileiro comum: ignorante, bonachão, malandro e carismático. Se não fosse por ele o PT nunca teria chegado ao poder. Brasileiro vota na pessoa, e não no partido.

      Só teve um problema: o barbudo abriu as torneiras do erário para distribuir dinheiro público para todo mundo, às custas do tesouro nacional. Resultado: a dívida pública dobrou nas duas gestões dele.
      O Brasil estava no mesmo caminho dos países europeus. Com a mesma política populista, a Argentina está indo para o brejo, e isso foi o sinal de alerta para o PT.

      Resolveram colocar a casa em ordem, porque o que derruba um partido não é a revolução, mas a economia.

      Botaram a sargentona na presidência. Ela já deu o aviso de que quem manda é ela, e quem for contra que saia do barco.

      Só tem um problema: no Brasil as coisas não funcionam assim. A diferença entre fazer amor e cometer estupro está no consentimento. A sargentona não entende isso e bota goela abaixo todas as suas decisões. Os políticos estão ensandecidos.

      Exemplo disso aconteceu na última semana: ela bateu o pé de negou o reajuste para os aposentados e para os funcionários públicos (as comentaristas da globo quase tiveram orgasmos múltiplos). Todo mundo sabe que os sindicatos são dominados pelo PT, mas chega uma hora que começa a atrasar a prestação do imóvel novo dos filiados. E a bomba vem durante a eleição.

      A sargentona determinou o arrocho nas contas públicas (reajuste para ninguém) e todas as fichas foram apostadas nos miseráveis, com a bolsa família, e na “nova classe média”, com os financiamentos subsidiados, crédito fácil e folia (copa do mundo), via tesouro nacional e BNDS. Panis et circenses.

      Mas brasileiro não gosta de comunista. Quem gosta de comunismo é pobre e filhinho de papai rebelde sem causa. Depois que “compra” o imóvel, celular e “home titi”, o pobre vira capitalista. É aí que o PT se perde. Fica entre a cruz e a espada.

      O processo vai se acelerar com a bolha imobiliária e a bolha de crédito.
      O que levou 20 anos para acontecer na Europa (com o welfare state), vai levar no máximo 10 anos para acontecer no Brasil.

      0
      • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 16:28

        mto bom

        percebo que eles já perderam 2 aliados tradicionais, o PCO de extrema e funcionarios publicos, ambos com a mesma preocupaçao, apesar das enrmaes diferenças: a inflaçao

        0
      • Carlos Wagner 29 de dezembro de 2011 at 16:32

        Willian

        Gostei muito do seu comentario.

        0
      • Menino_do_Rio 29 de dezembro de 2011 at 18:16

        São estes tipos de comentários que me obrigam a ler este blog diariamente.
        Obrigado Willian

        0
      • Troll 29 de dezembro de 2011 at 18:47

        Comentário genial, Willian.
        Por isso é bom frequentar este blog. Jamais alguém da imprensa tipo globo, band, veja, época, carta capital, etc, teria coragem de publicar um comentário desses, que reflete a essência do PT.

        0
      • DanielCM 29 de dezembro de 2011 at 19:59

        Eis uma lúcida análise das coisas.
        Não sei quanto ao resto do mundo, mas no Brasil a política se resume a concretização de projetos pessoais, onde imperam a vaidade, o poder e o dinheiro (não necessariamente nessa ordem).

        Ao povo, sobram as faturas da festa e um fumo bem grande no toba.

        0
      • Cleyton 29 de dezembro de 2011 at 21:22

        Muito bom o comentário, gostei da descrição de comunistas e principalmente a definição do barbudo e do brasileiro típico:

        “… típico brasileiro comum: ignorante, bonachão, malandro e carismático…”

        Fantástico.

        0
      • peterson 29 de dezembro de 2011 at 23:48

        eis a enorme diferença, discordo de quase tudo… este foi a pior análise “neutra” da situação atual… na boa! existe muito a ser aprendido por quem achou ótimo… não tenho tempo de escrever tamanho texto, não farei, mas digo com toda exatidão, este é outro ponto de vista falido da politica brasileira… se é que tem ainda possibilidade de ter pontos de vista algum… ataques pessoais abaixo pois o sentimentalismo politico aflora e a lógica se perde em sentimento…

        0
        • DanielCM 30 de dezembro de 2011 at 03:55

          se vc discorda, ok. mas bem que poderia colocar os seus argumentos aqui…
          só sei de uma coisa: isso daqui é uma senzala a céu aberto e não vejo sequer uma tendência de mudança. o que vejo é que algumas instituições e alguns planos de governo (exceto ‘panem et circenses’) não funcionam pq são pensados para não funcionarem, independentemente de cor, ideologia, origem, partido político ou qualquer outra raça de animal (que me desculpem os animais).

          0
      • pmoraesm 30 de dezembro de 2011 at 00:13

        O PT podia se infiltrar onde fosse que não iria chegar ao poder enquanto não conseguisse a “aliança” com a Globo.

        Uma vez eleito, se aproveitou de um momento de prosperidade economica, principalmente entre os países emergentes, e criou uma política populista pra conquistar o brasileiro médio, como aquele que comentou aqui uns dias atrás xingando todo mundo e dizendo que comprou a casa com o MCMV.

        0
  • Zoom 29 de dezembro de 2011 at 11:35

    Projeto prevê que compra da casa própria seja deduzida do IR

    SÃO PAULO – A compra da casa própria pode vir a render dedução no IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física).

    A medida, conforme publicado pela Agência Câmara, está prevista no PL (Projeto de Lei) 2254/11, de autoria do deputado Edivaldo Holanda Júnior (PTC-MA) e altera a legislação que rege o pagamento de imposto de renda pelas pessoas físicas (Lei 9.250/95).

    Segundo o parlamentar, o objetivo da proposta é possibilitar que um número maior de brasileiros tenha acesso à casa própria.

    Dedução
    De acordo com o texto do projeto, caso seja aprovado, o benefício da dedução só seria válido para casas financiadas junto à construtora ou a agente do sistema financeiro nacional. A restrição, explica o deputado, é assegurar maior transparência nas operações e evitar fraudes.

    O projeto tramita em caráter conclusivo e será examinado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

    A dedução prevista é de até 50% do valor das prestações do imóvel.

    Fonte: h ttp://www.infomoney.com.br/tributos/noticia/2299303-projeto+preve+que+compra+casa+propria+seja+deduzida

    0
    • Paulo - RJ 29 de dezembro de 2011 at 12:09

      Se isto acontecer, o preço vai subir na proporção. Não é a melhor solução.
      E ainda vai estimular a especulação (O cara que economizou e pagou a vista não vai ter benefício nenhum).

      0
      • LAR 29 de dezembro de 2011 at 13:17

        concordo Paulo… isso é pra inflar mais a bolha… governo tentando desesperadamente aliviar os mutuários… ta na cara que tão carecas de saber que tem bolha e isso seria uma medida para amenizar o pouso.

        nós que economizamos seremos punidos e o pessoal que compra tudo em 1000 vezes terá mais um beneficio

        que nojo

        0
      • Ader 29 de dezembro de 2011 at 14:21

        Paulo, concordo plenamente. O governo está totalmente em desespero tomando medidas que na realidade só postergarão o grande PLOC, que particularmente para mim já aconteceu, só não vemos seus efeitos catastróficos pois o brasileiro no geral é totalmente alienado.

        0
    • Ratinho 29 de dezembro de 2011 at 12:34

      Eles nao colocaram na matéria, mas o projeto de lei diz:
      “…h) Até 50% (cinquenta por cento) das despesas realizadas com aquisição de um único imóvel por célula familiar para ser usado como moradia da família.(NR)”

      w w w . camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=519243

      Pra mim seria legal; mas, como o colega disse, eles não vendem pelo que vale, então pode ser mais um artifício pra aumentar os preços.

      0
    • Ratinho 29 de dezembro de 2011 at 12:56

      O projeto de lei diz:
      “…h) Até 50% (cinquenta por cento) das despesas realizadas com aquisição de um único imóvel por célula familiar para ser usado como moradia da família.(NR)”

      w w w . camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=519243

      0
  • Felipe 29 de dezembro de 2011 at 11:44

    Tenho um AP de 120 m2 em São Vicente. Preço do IPTU – R$ 2332,45 à vista, com desconto de 5% sobre esse valor. A alíquota é 1,7 adicionada de mais algumas taxas
    Eu quero saber se existe alguma cidade no planeta em que o IPTU é tão caro. Podem postar exemplos para eu não me sentir tão mal???

    0
    • augusto 29 de dezembro de 2011 at 12:32

      Suas vizinhas Guarujá e Praia Grande são até mais caras.
      E no Guaruja as areias das praias são privatizadas pelas cadeiras e barracas dos veranistas que ocupam os edificios da orla,e em quase todas as férias surgem surtos de bactérias gastrointestinais.
      Em Praia Grande suas praias estão muitas vezes poluidas por esgotos que desmbocam naqueles famosos vertedouros de águas pluviais existentes a cada 100 m uns dos outros (e muitos com merd..,. pura)

      0
    • SCOTCH 29 de dezembro de 2011 at 12:53

      Em niterói, no Rio de Janeiro.
      Apartamento de 77 m2, o IPTU é mais de R$ 1.800,00, com desconto, ou seja, o valor do m2 do ITPU é algo em torno de R$ 23,00…

      0
  • RAL 29 de dezembro de 2011 at 12:21

    Voltei, não sei se os amigos perceberam , mais nos ultimos dias a impressa tenta dar mais um cartada , o jornal da globo apresentou uma matéria dizendo que São Paulo casa térrea a raridade , gozado aqui no Bairro tem um monte e niguém quer comprar por causa dos altos preços .

    0
    • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 12:42

      Isto pq eles não vieram aqui no Morumbi / SP
      tem mansão de 4 quartos 4 vagas anunciada no zap por 400k
      ninguem quer por causa dos assaltos

      alguem me falou que a globo é dona do ZAP, ´w verdade?

      0
      • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 11:09

        eu vi um caso desses… entrei no Google maps e descobri que o cara tem uma favela encostada no muro de trás da casa dele, que fica bem próxima ao estádio do Morumbi… tenso…

        0
  • ildeu 29 de dezembro de 2011 at 13:23

    Os podres começam a aparecer : um amigo me falou que seu pai” tá fudido “,investiu quase 1 milhão em 10 casinhas pra vender cada uma a 140 mil , mas só vendeu 2 …está devendo a parentada toda e banco , juros correndo e nem natal pode ir a casa da mãe pra não ver os parentes que emprestou parte do dinheiro para a empreitada …

    0
    • Dr. Estranho 29 de dezembro de 2011 at 14:24

      Podemos classificar o “investimento” do seu amigo como “ativo tóxico”?

      0
    • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 11:07

      o caso do pai do seu amigo é emblemático e deve ter inúmeros outros por aí… na hora em que os preços despencarem, aí sim eles vão estar f…

      0
  • Tiago 29 de dezembro de 2011 at 13:55

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/12/igp-m-recua-em-dezembro-mas-sobe-51-no-acumulado-do-ano-diz-fgv.html

    IGP-M recua em dezembro mas sobe 5,1% no acumulado do ano, diz FGV

    Índice conhecido como inflação do aluguel caiu 0,12% em dezembro.
    Em 2010, IGP-M teve alta acumulada de 11,32%.

    Do G1, em São Paulo

    O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) — usado para reajustar a maioria dos contratos imobiliários e, por essa razão, conhecido como a inflação do aluguel — recuou 0,12% em dezembro, de acordo com pesquisa divulgada pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (29). Apesar desta queda, entre janeiro e dezembro de 2011, o IGP-M acumula alta de 5,1%.

    A alta acumulada ao longo do ano ficou bem abaixo dos 11,32% de 2010, uma das maiores registradas nos últimos dez anos.

    O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que integra o IGP-M, teve variação negativa de 0,48%, após ter subido 0,52% em novembro. No ano, o IPA subiu 4,34%.

    saiba mais

    Inflação do aluguel desacelera em novembro, diz FGV Inflação do aluguel fecha 2010 com alta de 11,32%, mostra FGV

    Para o consumidor
    Também integrante do IGP-M, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apresentou variação de 0,71% no mês. Em novembro, a alta havia sido de 0,43%. No ano, o IPC subiu 6,16%, segundo a FGV.

    Das sete classes de despesa, cinco registraram avanço em suas taxas de variação, com destaque para o grupo de gastos com alimentação (de 0,52% para 1,24%). Nesse grupo, as maiores influências partiram de carnes bovinas (de 1,95% para 5,36%), frutas (de 0,72% para 4,37%) e panificados e biscoitos (0,08% para 1,56%).

    Apresentaram comportamento semelhante as variações dos grupos de transportes (de -0,06% para 0,53%), saúde e cuidados pessoais (de 0,37% para 0,64%), vestuário (de 0,76% para 1,10%) e despesas diversas (de 0,23% para 0,37%).

    Na contramão, tiveram recuos os grupos de habitação (de 0,53% para 0,38%) e educação, leitura e recreação (de 0,46% para 0,44%).

    Custo da construção
    Também foi divulgado o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que ficou em 0,35% em dezembro, abaixo do 0,5% apurado em novembro. Este indicador fechou 2011 com alta acumulada de 7,58%.

    0
  • Carlos Wagner 29 de dezembro de 2011 at 15:52

    O Brasil vai se tornar a sexta maior economia mundial por três motivos, em ordem de importância: inflação, alta da produção doméstica e valorização do real, informa reportagem de Vinicius Mota, publicada na Folha desta quinta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    De cada US$ 100 adicionados ao valor do PIB (Produto Interno Bruto) nos últimos dez anos, US$ 68 decorrem da soma do primeiro e do terceiro fator –variação de preços internos e câmbio. A alta física do produto responde pelos US$ 32 restantes.

    No mesmo período, a trajetória do Reino Unido, a ser ultrapassado pelo Brasil, foi bem diferente. A elevação da produção física foi responsável por 67% da alta do valor do PIB em dólares. Inflação e variação cambial explicam 33% do resultado.

    Em outros períodos da história, inflação e desvalorização cambial caminhavam juntas, uma alimentando a outra. Se a inflação elevava o PIB nominal, a desvalorização o podava na hora de convertê-lo em dólares.
    Editoria de Arte/Folhapress

    h t t p : / / w w w 1.folha.uol.com.br/poder/1027478-inflacao-ajuda-brasil-a-superar-pib-britanico.shtml

    0
    • Luiz 29 de dezembro de 2011 at 16:17

      Carlos, baseado nisso, fazendo as contas

      na verdade podemos ser 1/3 menor do que a propaganda
      ouseja de novo atras da italia
      o que é bem rpovável pra quem conhece os 2 países

      0
  • Avoador 29 de dezembro de 2011 at 16:46

    Preços em BH… despencando…
    Pessoal, dando uma rápida olhada no site trovit…. tem uma opção de busca que coloca-se ‘preços reduzidos’:

    http://imoveis.trovit.com.br/index.php/cod.search_homes/type.1/what_d.imoveis%20belo%20horizonte/date.2/decrease_price.1/page.2

    Certamente, quem pesquisou antes, não comprou, mas tinha dúvida ainda… pode “morrer de alívio”…
    Faça o mesmo em sua cidade…rsrs

    0
    • Vinicius 29 de dezembro de 2011 at 21:41

      Olha que legal… Nesse site tinha um imóvel em BH que valia R$1.300.000 e agora está R$270.000 hahahahaha

      0
      • Atribulado 29 de dezembro de 2011 at 22:36

        19 preços reduzidos de um total de 223

        0
      • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 11:06

        este caso, certamente, é algum erro…

        0
        • joao 31 de dezembro de 2011 at 22:03

          nao é erro não! os preços realmente caem 80% da noite pro dia…
          depois perguntam porque o artigo na wikipedia foi limado…
          se querem ser levados a sério, tenham o mínimo de seriedade

          0
  • Elton 29 de dezembro de 2011 at 17:45

    Inflação medida pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) referente ao mês de dezembro foi 0,62 ponto percentual menor que a apurada em novembro.
    IGP-M Habitação (0,53% para 0,38%).
    Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/aluguel-infla%C3%A7%C3%A3o-medida-igp-m-acumula-alta-5-104605083.html

    0
  • Zoom 29 de dezembro de 2011 at 19:37

    Só para constar.
    Contratos assinados em 2011.

    »»»»»»» 1.004.063 ««««««««

    Engraçado, no final do mês passado, o “VELOCÍMETRO” estava praticamente a pasos de tartaruga e derrepente acelerou de tal forma que parecia Tony Kanaan na fórmula Indy.
    hahahahahaaa…..

    0
  • Tales 29 de dezembro de 2011 at 20:28

    Saiu no Relatório Reservado de hoje que a Gafisa estuda uma grande queima de terrenos para fazer caixa para 2012…

    0
    • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 20:06

      eles podiam vender apartamentos a preços de 2009, seria mais fácil…

      ah, mas isso eles JÁ estão fazendo!!

      RZRZRZRZRZ

      0
  • doom 30 de dezembro de 2011 at 09:00

    O “Minha Casa Minha Vida” virou um verdadeiro “presente de grego” para as construtoras baianas. Diante do aumento de custos, principalmente de mão de obra, e sem a concessão pelo governo federal de reajuste de preço para os imóveis populares, a quebradeira se generaliza no setor.

    Nos últimos 30 dias, sete empresas paralisaram suas atividades, suspendendo a construção de 18 mil moradias do programa e comprometendo a sobrevivência de 11 mil trabalhadores.

    Quando lançada em 2009, a primeira fase do “Minha Casa Minha Vida” foi festejada na Bahia. O estado bateu o recorde nacional de contratações: 71.105 unidades na faixa de renda de zero a três salários mínimos, onde se concentra mais de 85% do déficit habitacional.

    Agora, na segunda etapa do programa, o desinteresse se traduz em números: apenas 12.584 contratos foram assinados, uma queda de 82,3%, segundo dados oficiais da Caixa.

    Mesmo com o reajuste aplicado pelo governo federal na segunda fase, passando de um preço médio por unidade de R$ 42 mil para R$ 55 mil, houve o aumento de especificações e exigências que descompensou e tirou a atratividade do negócio.

    Mas a crise atualmente está instalada principalmente nos contratos assinados na primeira etapa do programa voltado para a população de baixa renda.

    Das 71.105 unidades contratadas pela Caixa Econômica Federal, apenas 21.749 foram entregues. Há 49.356 em atraso e ameaçadas de virarem escombros inacabados espalhados pelo estado.

    Questionada sobre o problema, a Caixa, gestora do programa, em nota oficial, diz que “mantém diálogo com as empresas responsáveis pelas obras do Programa Minha Casa Minha Vida, na Bahia, para buscar alternativas para a finalização dos empreendimentos”.

    No caso do “Minha Casa Minha Vida” para a baixa renda, que tem recursos do Orçamento Geral da União, o banco esclarece que, na hipótese de alguma construtora paralisar obras e/ou se tornar incapaz de dar continuidade à produção do empreendimento, o contrato será rescindido e outra empresa será contratada para continuar a obra.

    Para as empresas do setor, a solução da Caixa é infactível. Qual empresário teria o desplante de entrar num negócio inviável economicamente, com preço defasado?

    A solução, pelo ponto de vista do empresariado, é equilibrar os custos com a receita. Como os recursos do programa para a baixa renda são do Orçamento Geral da União, a resolução passa pelo Palácio do Planalto e pela Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

    Por ser de ordem nacional, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) apresentou o problema ao governo federal, em outubro. Nada se resolveu e o que vem se sucedendo desde então são a quebra de empresas e o desemprego de trabalhadores.

    A esperança sobrevive agora no encontro do governador Jaques Wagner com a presidente Dilma Roussef, no próximo dia quatro de janeiro, na Praia de Inema, onde a mandatária nacional passa as férias de final de ano.

    Sensibilizado com a situação do programa na Bahia, que poderá causar grandes estragos na eleição de seus aliados no ano que vem, o governador vai tentar convencer, sob as bênçãos de Iemanjá, a presidente Dilma a liberar mais recursos para o “Minha Casa Minha Vida”. Os construtores cruzam os dedos na expectativa de um feliz 2012.

    Fonte: bahianoticias.com.br

    0
    • LAR 30 de dezembro de 2011 at 09:55

      engraçado que esse tipo de noticia fica excluida da grande midia

      qual a solução?

      frear a especulação a partir de leis que obrigam o comprador do MCMV a ficar c o imovel por 2 anos no minimo e estipular tetos salariais para trabalhadores da construção civil e metas de inflação (dando incentivos fiscais se preciso) para cada produto utilizado na construção… já que o estado quer dar esse remédio experimental pro tal deficit, tem q dar emédio pros efeitos colaterais tb…

      0
    • Andre Luiz 30 de dezembro de 2011 at 10:37

      “a quebradeira se generaliza no setor”

      Vamos prestar atenção nessas palavras. A Bahia é o leading case do resto do país.

      0
  • Richard 30 de dezembro de 2011 at 09:39

    Vejam isto:

    http://odia.ig.com.br/portal/imoveis/html/2011/12/rio_ganha_12_mil_casas_com_parcelas_a_partir_de_r_50_215062.html

    Parece que haverá muitas construções de novas casas, será que isto ajudará a reduzir os preços atuais praticados ?

    Abçs

    0
  • Dr. Estranho 30 de dezembro de 2011 at 10:39

    h ttp://oglobo.globo.com/economia/salarios-recebidos-em-janeiro-virao-maiores-apos-mudanca-no-ir-3537641

    Enfim uma boa notícia. Em janeiro poderei comprar meu tão sonhado “apertamento” em uma favela.

    0
  • Ana 30 de dezembro de 2011 at 10:52

    Vcs viram a notícia do O Globo de hoje? Que o IGPM ficou em 5% com deflação de 0,12% em Dezembro, NO ENTANTO, segundo o jornalista, os alugueres serão reajustados em 30% a 35%. Esse pessoal quer quebrar o país, ficar incentivando os proprietários a aumentarem absurdamente o aluguel para depois o inquilino não pagar e iniciar a via crucis de uma ação de despejo. Além disso, o proprietário na esperança de receber um aluguel a preço absurdo baseia sua renda com esse aluguel de forma a compromenter sua renda com base nesse suposto rendimento e ao final, com a inadimplência do inquilino, fica todo endividado.

    0
    • Ana 30 de dezembro de 2011 at 11:13

      IGP-M, que reajusta aluguéis, fecha o ano com alta de 5,10%
      Índice teve queda de 0,12% em dezembro
      O Globo, com agências

      Publicado:
      29/12/11 – 8h26
      Atualizado:
      29/12/11 – 12h18

      Comentários: 10 Envios por mail: 7 RIO — A inflação medida pelo Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) deu trégua no fim de ano, com queda de 0,12% em dezembro. O índice é utilizado para reajustar a maioria dos contratos de aluguel. Assim, o IGP-M fechou o ano de 2011 com alta de 5,10%, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta quinta-feira.

      O indicador sofreu forte desaceleração desde o resultado de dezembro de 2010, quando fechou o ano com alta acumulada de 11,32%.

      Dentre os componentes do IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) recuou 0,48% em dezembro, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,71%. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve alta de 0,35% neste mês.

      A principal razão para a desaceleração do IGP-M no acumulado deste ano, em comparação a 2010, foi a depreciação nos preços das commodities, segundo relatório de Luís Otávio Leal, economista-chefe do banco ABC Brasil.

      O IPA, que reúne os preços de commodities, fechou 2010 com alta de 13,90%, ante 4,34% neste ano. “Essa diferença expressiva é um reflexo da crise sobre os preços das commodities, que tiveram um “boom” no 2º semestre de 2010”, diz o relatório de Leal.

      Mas, por outro lado, o setor de serviços turbinou o IGP-M, destaca o especialista. Enquanto o IPC, que mede preços ao consumidor, acelerou de uma expansão de 6,09% em 2010 para 6,16% em 2011, o INCC-M, que mede custos na construção civil, permaneceu estável em patamar elevado de inflação (7,58%).

      Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/imoveis/igp-que-reajusta-alugueis-fecha-ano-com-alta-de-510-3531028#ixzz1i1VTAaJO
      © 1996 – 2011. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

      0
    • Troll 30 de dezembro de 2011 at 15:57

      Vamos ver então.
      Meu contrato está escrito que é ajustado pelo IGP-M. Se o “purtugueis” quiser vir ajustar o preço por outro índice, vou meter no pau.

      0
  • dmm 30 de dezembro de 2011 at 11:13

    O que vocês acham desse raciocínio? O presidente da ABECIP, entidade que reúne as empresas de poupança, andou falando que em 2013 acaba os recursos da poupança que financiam o crédito imobiliário. Pois bem, muita gente vai ter imóvel sendo entregue depois disso. Quando forem financiar com o banco o saldo devedor, vão ter que utilizar alguma linha de financiamento que não irá utilizar o dinheiro do SBPE. Os bancos terão que captar dinheiro de alguma forma e, provavelmente, os juros ao mutuário serão maiores dos que os atualmente praticados. Será que isso irá gerar uma movimentação no mercado?

    0
  • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 11:13

    hoje na Globonews, um dos famosos analistas de mercado que só dão furo n’água afirmou que as pessoas devem investir em imóveis e, pasmem, até fazer financiamentos para isso, porque o preço dos imóveis irá continuar subindo “não tão rápido como antes, mas vão subir” (palavras dele)

    Inacreditável!!!

    0
    • Inteligivel 30 de dezembro de 2011 at 16:10

      Eu vi essa fala. Achei o analista até acima da média, quando disse que “diversificação é bom para não perder, não para ganhar”. Normalmente os analistas são bem arroz com feijão e acabam ficando no senso comum.

      Mas ele é da turma otimista. Que vêem o Brasil descolado do resto do mundo. Com um futuro promissor.

      Só não sei em quais dados essa turma se baseia. O Brasil cresceu sim, mas foi a base da exportação de produtos primários para China. Nossa indústria está cada vez mais sucateada: até palito de fósforo está sendo importado da China.

      Não temos boas escolas nem investimento sério em infraestrutura.

      Gostaria que um desses otimistas mostrassem os dados que os fazem ser otimistas.

      0
  • Ana 30 de dezembro de 2011 at 11:16

    Vcs já repararam que o Globo não está mais liberando as notícias para comentários dos leitores? Somente algumas são liberadas e em número limitado de comentários.

    0
  • Andre Luiz 30 de dezembro de 2011 at 11:17

    Bolha,

    Vale a pena reproduzir o último post do Fábio Portela (O Pequeno Investidor) como tópico do site, hein. Inclusive com as fotos.

    É de assustar como a mídia manipula as informações e ninguém, com exceção do citado colunista do blog, contesta.

    Caso não vire tópico, segue o link para a galera ver.

    h t t p : / / opequenoinvestidor.com.br/2011/12/preco-do-metro-quadrado-pode-chegar-a-r-25-mil-em-brasilia-sera-mesmo-7/

    0
  • Ana 30 de dezembro de 2011 at 11:19

    Na matéria do O Globo na internet não fala em 30% ou 35% mas no impresso sim, estranho, não é?

    0
  • Ratinho 30 de dezembro de 2011 at 11:30

    NÃO HÁ BOLHA IMOBILIÁRIA NO BRASIL! (CITYSCAPE LATIN AMERICA 2011)

    Conclusão do Congresso: NÃO HÁ BOLHA IMOBILIÁRIA NO BRASIL! (CITYSCAPE LATIN AMERICA 2011)

    1. Só em 2009 (com uma população maior) conseguimos superar o volume de unidades que financiávamos em 1980 (quebra do BNH). Estamos tirando o atraso de décadas!
    2. O valor do financiamento no Brasil está entre 58% e 75% do valor do bem; com prazos de até 30 anos, a média não atinge 20 anos. Estamos crescendo de forma sustentável!
    3. Comprometimento da renda limitado (30%).
    4. SISBACEN – sistema evita o endividamento excessivo.
    5. Um CPF por financiamento, o país ainda está criando condições para aquisição do 1º imóvel e são raros casos de compradores com mais de um financiamento.
    6. Adesões de perfis de renda muito grande.
    7. O aumento de preços é resultado de pressões de oferta e demanda na economia real.
    8. Redução radical da inadimplência com a figura da alienação fiduciária, já foi de 15/20%, hoje está em 1,5%! O rito de retomada do imóvel ficou rápído, demorava 4/6 anos com as hipotecas, hoje 4/6 meses!
    9. Percentual do financiamento imobiliário em relação ao PIB baixo, projeção para 2011 em 5,1%, este % tem crescido de forma moderada. Há espaço para o crédito imobiliário crescer no Brasil!
    10. No Brasil o preço dos imóveis estavam deprimidos! As correções são pontuais em mercados diferentes. Os preços tendem a se estabilizar porém, não deverão mudar de patamar. Rio e SP deverão seguir o mesmo padrão de valorização de mercados maduros, espaços de qualidade em zonas centrais, servidos de melhor infraestrutura, serão caros; novos distritos deverão, cada vez mais, ser alternativas para ocupação. (Gargalo na eneficiência do poder público no estabelecimento de políticas urbanas a fim de direcionar o desenvolvimento da ocupação e remover barreiras).
    11. O crédito imobiliário virou um business para os bancos que até tem negociado financiamentos com taxas de juros menores. O prazo de liberação que era 2/3 meses hoje caiu para 15 dias! Bancos disputando clientes compradores oferecendo de 6 a 8 produtos diferentes.
    12. Não há operações alavancadas! Sistema bancário muito forte no Brasil. No crédito imobiliário tudo é regulado, regulamentado e fiscalizado, com boa gestão de risco.
    13. Criou-se uma mobilidade econômica e social, milhões de brasileiros foram incorporados ao mercado. (Parte das classes D e E migraram para C).

    zirtaeb.com/index.php/2011/12/nao-ha-bolha-imobiliaria-no-brasil-cityscape-latin-america-2011/

    0
    • Bolha Imobiliária 30 de dezembro de 2011 at 11:44

      Engraçado que quem publica este tipo de noticia são somente imobiliárias, corretores e construtoras…hehehe. Não consigo concordar em 100% com as informações por eles concluídas…

      0
      • Dr. Estranho 30 de dezembro de 2011 at 12:38

        Nesse “congresso” deve ter comparecido 4 pessoas: um palestrante contratado para mentir, o faxineiro, o segurança e o representante das construtoras. Tinha um mendigo na platéia, mas foi apenas para o comes e bebes.

        0
    • DP 30 de dezembro de 2011 at 14:57

      Acabei de levantar do chao! Cai depois de ler um post desses.Eh importante observar que o autor eh VP de uma imobiliaria no RJ que ganha com o aumento dos precos (tanto os aumentos reais quanto os irreais).

      O autor usa argumentos numericos/quantitativos para negar um fenomeno substancialmente irracional (bolhas especulativas). Em momento algum desprova o ponto principal que alimenta uma bolha: aumentos futuros serem justificados por aumentos passados.
      Minhas impressoes em relacao a cada um dos pontos levantados:

      1) O autor afirma que volume maior de vendas refere-se ao crescimento populacional desde 1980. Este argumento explica parcialmente e eh util apenas em determinadas regioes do Brasil. Em SP a populacao diminuiu e ainda assim os precos ofertados tem aumentado.

      2) Os limites de financiamento eram baixos no passado. O autor falha ao nao identificar a tendencia macro e convenientemente foca apenas em um snapshot do passado. Com a expansao do credito dos ultimos anos limites de 90-100% agora já sao realidade. Veja MCMV.

      3) O comprometimento da renda em 30% nao eh baixo quando se tratam dos juros mais altos do mundo. Nos EUA os padroes de mortgage origination limitavam a renda comprometida a 30-35% e ainda assim houve crise.

      4) O SISBACEN monitora o volume de credito concedido pelos bancos a pessoa fisica. No entanto, nao inclui cheque pre-datado, parcelamento em 12x no cartao de credito e outras formas de credito no shadow market brasileiro. Ao contrario do que o autor afirma, a inadimplencia no Brasil bateu recordes e eh a mais alta nos ultimos anos. A fonte eh o proprio BACEN.

      5) Um CPF por financiamento representa uma concentracao do risco de credito. Este eh um fator que na realidade piora o risco e nao melhora. Nos EUA, Espanha e Grecia tambem eram raros os casos de compradores com mais de um financiamento.

      6) Sinceramente nao consegui traduzir esse item: “Adesões de perfis de renda muito grande”. Vamos assumir que o autor tenta dizer que os ricos brasileiros tambem estao entrando na onda e isso ajuda a criar o argumento que nao ha bolha. Entao ha uma contradicao com o argumento #13 que diz que a entrada das classes mais pobres no mercado negaria a existencia da bolha.

      7) O aumento de precos eh resultado da falta de informacoes precisas e confiaveis sobre oferta e demanda. Ate 2010 nao existia um indice de precos de mercado de imoveis no Brasil. O S&P Schiller Case nos EUA existe desde 1920. Alem disso, ha a evidencia empirica dos milhares de imoveis encalhados em todo o Brasil. Converse com qualquer corretor.

      8) Concordo com o autor neste ponto. Retomar imoveis rapida e legalmente vai ser bastante necessario depois que a bolha estourar.

      9) Esse mito tem sido muito difundido. O percentual baixo de credito eh um sinal de fraca demanda nos altos niveis de juros praticados. A historia nos ensina que há bolhas tanto em economias com alta penetracao de credito (EUA) como em economias com baixa penetracao (Brasil, China, Espanha).

      10) “eneficiencia” e “a fim de” foram duros de ler, mas vamos la….se voce perguntasse a um dono de imobiliaria 10 anos atras, todos te diriam que investimento em imoveis era excelente que o retorno era otimo. Agora o discurso mudou para “os precos estavam deprimidos e que não deveram mudar de patamar”. Eh importante lembrar que os mesmos argumentos eram usados pelas corretoras nos EUA ate meados de 2007 (estabilizacao de precos era “soft landing”). O resto eh historia.

      11) A concessao de credito sempre foi o business de qualquer banco. A propria definicao de “banco” assume isso. O prazo de liberacao de 15 dias ainda eh muito lento. Em outros paises não leva mais de 3 dias. Ao contrario do que o autor afirma, bancos disputando clientes oferencendo de 6-8 produtos eh sinal de mercado de credito sobreaquecido, justamente um dos fatores que precede uma bolha especulativa.

      12) A falacia do sistema bancario forte tem sido bastante difundida tambem. Basta lembrar o caso recente do PanAmericano. O sistema não eh forte porque eh bem controlado. O sistema eh forte porque historicamente assumiu pouco risco.No Brasil os bancos vivem de emprestar muito pouco no passado a juros exorbitantes. Como o proprio autor afirma, isso tem mudado, juros caindo e a carteira de credito crescendo. Isso tem trazido crescimento na inadimplencia que tem batido recordes. Inadimplencia em alta eh sinal de fraqueza no sistema financeiro.
      Com relacao ao argumento de que tudo eh regulado, controlado, fiscalizado e com boa gestao de risco, na realidade as praticas de gestao de risco de credito no Brasil são bem atrasadas comparada com outros paises. Acordos como Basileia II que fortalecem a gestao de risco de credito foram apenas recentemente implementados. Muitos bancos dispoe de sistemas de gestao de risco de credito abaixo dos seus pares internacionais. Não existe no Brasil o equivalente do FICO score muito comum desde a decada de 70 la’ fora.

      13) Concordo com o autor que milhoes de brasileiros foram incorporados ao mercado. Foram incorporados ao mercado de comida, roupa, celular e carros mil. O mercado de apertamentos de 800k não eh direcionado a classe C/D/E.

      Desculpem o post longo, mas nao consegui deixar de comentar as falacias contidas no texto.

      0
      • Inteligivel 30 de dezembro de 2011 at 16:19

        Poderia ter aqui o botão de “curtir”. =)

        0
    • Carlos Wagner 30 de dezembro de 2011 at 15:02

      As informações, quase que na sua totalidade, são verdadeiras. Porém, o que observamos no mundo real é exatamente o contrário.

      Se tudo é tão lindo e maravilhoso, por que tantos descontos? Por que o mercado estagnou? Por que a baixa confiança do empresariado?

      O mundo real é bem diferente da teoria.

      0
      • Moyashi 30 de dezembro de 2011 at 19:53

        Se tudo é tão lindo e maravilhoso, por que as imobiliárias precisam de congresso pra ficar afirmando entre si que não há bolha?

        Negar A é falar de A.

        Se Deus não existe, por que estamos falando de Deus? O verdadeiro ateu não se preocupa com ele. O falso ateu vive afirmando sua inexistência.

        Se não existe bolha, por que mesmo esse assunto aparece tão frequentemente? (aparece gritante na blogosfera, sussurante na mídia pequena, como negação, na mídia grande).

        0
  • augusto 30 de dezembro de 2011 at 11:59

    PEQUIM – As economias emergentes precisam tomar medidas efetivas para evitar potenciais crises resultantes do crescimento exageradamente rápido do crédito bancário nos últimos anos, afirmou o vice-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o chinês Zhu Min.

    “Os países emergentes criaram novos grandes riscos nos últimos dois anos e seus empréstimos aumentaram muito rapidamente”, em parte porque eles tentaram combater os efeitos da última crise financeira global, disse Zhu em declarações publicadas hoje pela revista Caixin.

    Zhu afirmou que os novos empréstimos na China em comparação com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país subiu para 200% em 2010, de 100% antes de a crise global começar, com o colapso do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers, em 2008. “Em um período de desaceleração da economia global, muita dívida e possíveis problemas com a qualidade dos ativos significam risco potencial”, disse.

    Os bancos chineses formalmente concederam 7,95 trilhões de yuans (US$ 1,21 bilhão) em novos empréstimos neste ano, acima da meta do governo de 7,5 trilhões de yuans. No entanto, os bancos também criaram 3,47 trilhões de yuans em crédito fora do balanço financeiro, segundo cálculos do Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país).

    Os órgãos reguladores têm pressionado os bancos a ampliarem seu capital e suas provisões para cobrir dívida podre. Eles também têm apresentado uma posição rígida com relação aos empréstimos fora dos balanços financeiros.

    Analistas preveem que os bancos da China enfrentarão um crescente volume de dívida podre depois de fornecerem um recorde de 18 trilhões de yuans em novos empréstimos durante os dois anos desde 2008. Uma grande parte desse dinheiro seguiu para projetos de infraestrutura, mas outra parte foi aplicada em projetos de construção de imóveis mais especulativos. As informações são da Dow Jones.

    0
  • Fabiano Gomes 30 de dezembro de 2011 at 12:05

    Ué, o Brasil não é um dos mais promissores países emergentes, não? Só conseguem enxergar bolha (de crédito, imóveis), desaceleração e possível crise na China? Pelo visto, após as “lições de economia” dadas aos EUA e à Europa pelos nossos presidentes, teremos que ensinar também os chineses sobre os meandros da economia.

    Ah fala sério! Será que todo mundo aqui no Brasil é cego ou só quer ver e apontar os problemas dos outros? Em minha opinião a bolha imobiliária só estourará quando estourar também a bolha de crédito. A primeira está intimamente associada com esta última, pois é ela que está inflando a bolha imobiliária.

    O mundo inteiro passa por uma grande crise de crédito. Bancos recebem liquidez de governos, mas não emprestam. Empresas dos EUA possuem dinheiro em caixa mas não investem. Governos com dívidas astronômicas com dificuldade cada vez maiores de rolá-las…

    Dizem que para prever o futuro deve-se antes estudar o passado. Pois bem! As crises nos EUA e Europa, bem como em outros locais mais pontuais como Dubai, foram precedidas por um tempo de bonança, alto crescimento do PIB e pleno emprego (qualquer semelhança com o Brasil NÃO é mera coincidência!). Na Espanha, por exemplo, a taxa de emprego situava-se em 7,6% no final de 2006, praticamente um ano antes do estouro do subprime americano. Hoje já se encontra em mais de 20%!

    ——–

    Emergentes precisam evitar crises após aumento do crédito, diz FMI

    Para vice-diretor-gerente do Fundo, ‘emergentes criaram novos grandes riscos nos últimos dois anos e seus empréstimos aumentaram muito rapidamente’

    30 de dezembro de 2011 | 8h 59

    Danielle Chaves, da Agência Estado

    PEQUIM – As economias emergentes precisam tomar medidas efetivas para evitar potenciais crises resultantes do crescimento exageradamente rápido do crédito bancário nos últimos anos, afirmou o vice-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o chinês Zhu Min.

    “Os países emergentes criaram novos grandes riscos nos últimos dois anos e seus empréstimos aumentaram muito rapidamente”, em parte porque eles tentaram combater os efeitos da última crise financeira global, disse Zhu em declarações publicadas hoje pela revista Caixin.

    Zhu afirmou que os novos empréstimos na China em comparação com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país subiu para 200% em 2010, de 100% antes de a crise global começar, com o colapso do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers, em 2008. “Em um período de desaceleração da economia global, muita dívida e possíveis problemas com a qualidade dos ativos significam risco potencial”, disse.

    Os bancos chineses formalmente concederam 7,95 trilhões de yuans (US$ 1,21 bilhão) em novos empréstimos neste ano, acima da meta do governo de 7,5 trilhões de yuans. No entanto, os bancos também criaram 3,47 trilhões de yuans em crédito fora do balanço financeiro, segundo cálculos do Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país).

    Os órgãos reguladores têm pressionado os bancos a ampliarem seu capital e suas provisões para cobrir dívida podre. Eles também têm apresentado uma posição rígida com relação aos empréstimos fora dos balanços financeiros.

    Analistas preveem que os bancos da China enfrentarão um crescente volume de dívida podre depois de fornecerem um recorde de 18 trilhões de yuans em novos empréstimos durante os dois anos desde 2008. Uma grande parte desse dinheiro seguiu para projetos de infraestrutura, mas outra parte foi aplicada em projetos de construção de imóveis mais especulativos. As informações são da Dow Jones.

    Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/economa%20brasl,emergentes-precisam-evitar-crises-apos-aumento-do-credito-diz-fmi,97807,0.htm
    ———-

    0
  • EduLon 30 de dezembro de 2011 at 12:34

    OFF TOPIC – Pechinchas nos aviões, às vésperas do ano-novo

    “Com preços mais elevados nas últimas semanas, algumas empresas tiveram dificuldades para vender passagens para o fim do ano. Como as vendas não decolaram, as aéreas se viram obrigadas a baixar as tarifas para encher os aviões.”

    h ttp://economia.estadao.com.br/noticias/neg%C3%B3cios,pechinchas-nos-avioes-as-vesperas-do-ano-novo,97780,0.htm

    Para variar, mais um segmento de empresa querendo rancar o couro do brasileiro…

    0
    • Dr. Estranho 30 de dezembro de 2011 at 12:39

      Não é só pechincha das “cias” aéreas. As empresas de turismo estão liquidando.

      0
    • Mohawk 30 de dezembro de 2011 at 14:18

      Mas na TV garantiram que tava tudo vendido. Que a gente não ia encontrar voo pra lugar nenhum no Ano Novo. A Globo falou pra gente já comprar as passagens pro Carnaval, enquanto ainda consegue achar alguns destinos.

      Não tô entendendo… Será que vocês não estão enganados. Eu vi tudo na Globo, e se aparece na TV é verdade!

      0
    • Tomaz 3 de janeiro de 2012 at 10:46

      No final de ano agora, peguei avião de Guarulhos/Curitiba dia 24/12 e Curitiba/Guarulhos dia 02/01. Pensei que ia pegar aeroporto lotado, avião cheio, correria, aquele monte de gente nas filas (coisa que ano passado quase me fez parar de fazer viagem curta de avião e voltar a pegar.. BUSÃO!)… Mas me surpreendi! Avião com uns 70% de ocupação, checkin rápido e indolor, praticamente sem fila.

      0
  • Dr. Estranho 30 de dezembro de 2011 at 12:43

    h ttp://oglobo.globo.com/economia/seguro-desemprego-tera-aumento-de-14-partir-de-janeiro-3538227

    Mais uma importante notícia de otimismo. Os novos “milho”nários das classes C e D poderão pagar as prestações dos seus novos imóveis na Barra da Tijuca, ainda que estejam desempregados. Infelizmente eu, na condição de miserável com 7K brutos, não consigo comprar uma pocilga(de frente para o mar) na favela da rocinha.

    0
    • Inteligivel 30 de dezembro de 2011 at 16:26

      Se quiser, reservo pra você um lugar aqui embaixo da ponte. Valorização certa!

      0
  • LAR 30 de dezembro de 2011 at 13:17

    Acho que seria muito interessante colocar na WIKIPEDIA a definição para o verbete: Bolha Imobiliária Brasileira

    quem procurar, deve ver logo de cara

    por mais que eu conheça do assunto, acho que seria um trabalho pros comentaristas mais exerientes e entendidos no assunto como MrK, Luiz, RT, Shakespeare ou Dr. Estranho

    que tal?

    0
    • Dr. Estranho 30 de dezembro de 2011 at 13:55

      Gostei da sugestão, entretanto, sou adepto ao humor negro. Farei minha parte, mais deixarei a parte séria para os outros colegas. Vai minha definição:

      – Bolha imobiliária brasileira.
      Disparate, capitaneado por emissão de moeda sem lastro econômico, com o propósito de maquiar realidade financeira e social do país para fins escusos de perpetuação no poder. “Delubio”ando a questão, o destino de tal política é afastamento de importantes teorias econômicas para tão só enriquecer a máquina partidária ou manter a “boquinha”. Infelizmente tal política só é possível de se manter por intermédio da insipiência política do cidadão. Graças ao consumo irresponsável e aos perdulários de plantão o destino é o “ploc”. Que Deus nos acuda!

      0
      • LAR 30 de dezembro de 2011 at 14:11

        hahahaha

        gostei da sugestão, mas para os leigos talvez fosse melhor algo mais simples e de modo a faze-los perceber a gravidade da situação

        0
    • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 16:44

      Lar,

      Ótima sugestão.

      Conheço bem a Wikipedia e por isso mesmo sei que o pessoal de lá só vai aceitar tal verbete quando o fato estiver totalmente consumado, ou seja, após a fase de blow off da bolha.

      Provavelmente se colocarmos informações lá, mesmo que embasada em números, eles vão alegar que é uma teoria nova e vão reverter o verbete ou até eliminá-lo, mas a idéia está anotada e, muito em breve, poderemos escrever lá o que foi a Bolha Imobiliária Brasileira.

      Abs e Feliz 2012

      0
      • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 17:13

        Vai ser divertido usar os gráficos do índice ZAP-FIPE para ilustrar o artigo da bolha…

        RZRZRZRZRZRZ

        0
      • Moyashi 30 de dezembro de 2011 at 19:57

        Faz um na Wikipédia e um na Desciclopédia 🙂

        0
  • ninja SP 30 de dezembro de 2011 at 13:27

    Peterson,
    arruma um tempinho vai, divide o que voce sabe com a gente.

    0
    • peterson 31 de dezembro de 2011 at 00:59

      vou fazê-lo pensar, veja só, temos atualmente uma resistência à admissão de estagnação, certo? ok, disso vemos um movimento camuflado de descarte dos ativos em forma de descontos, no mercado acionário temos o dente de serrote (até o fim da lâmina), então o governo oferece aportes de $$ para credito que são recolhidos e tomados com fulgaz energia, os bancos então desfazem esta carteira em forma de investimentos em CRI ou qualquer outra merda (quem sabe até nos pozen), ok, supondo que o barco navegue por mais algumas milhas o que acontece quando vencerem os prazos dos papéis (divida), o gato mia, o galo canta e a merda fede,tudo figurado, então o governo toma mais uma ação de contenção, certo? vai saber qual das possiveis, observe que até então o pseudo investidor continua com o ativo estagnado e conta com o governo para arrumar-lhe comprador, filhote de águia é só um frango bonitinho, será devorado pelo mercado futuro, mas como? tem N maneiras, a pior é o pib estagnar em digitos mediocres (tipo FHC, Sarney, collor), a inflação é o melhor cenário, agora tem outro problema, já somos muito caros então a inflação deve ser compensada com … tcharam…. desvalorização cambial, mermão, como se os americanos estão imprimindo mais dólar que água potável, sobra para o governo contar com um milagre internacional, como isso não vai ocorrer o governo então fará o que sabe fazer melhor, foder o povo, porque fazer as multinacionais diminuirem suas margens no país é lenda, diminuir imposto é mito, cortar gastos é ilusão…. tá, agora supondo que vc tenha 10 milhões de dolares, vc apostaria no sucesso do Brasil, pois é, nem eu, e isso faz o dólar subir… resumindo… tamo fu com bolha o sem bolha … e não foi culpa de ninguem, foi culpa de TODOS se é que deu para perceber…

      0
  • Pedro 30 de dezembro de 2011 at 15:48

    Realmente a coisa aqui no Rio tá assustadora! Selva de pedra no Leblon, prédios velhos (anos 70), apartamentos de 3 qtos com 85 m² e sem vaga por 1200k e aluguel por 4k! Onde isso vai terminar? Não consigo imaginar alguém de classe média podendo conseguir alugar e muito comprar! Pelo menos tenho observado que nada tem sido vendido ou alugado. Antes, um apto aqui nem ia para o jornal tamanha era a liquidez e procura. Agora ficam meses fechados mas os proprietários insistem nos preços absurdos. Tá ridículo!

    0
    • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 19:59

      tive uma idéia aqui…

      vou lançar um site baseado naquela propagando “quer pagar quanto?”

      vou colocar lá as ofertas de quanto as pessoas/famílias QUEREM/PODEM pagar de aluguel e os proprietários entram lá para oferecerem seus imóveis e lutarem pelos nossos suados reais oferecendo, numa espécie de leilão, os apts com maior área, número de quartos, melhor localização, condomínio mais baixo, etc…

      Tenho certeza de que quando a bolha estourar vai ser um sucesso… muitos proprietários desesperados em por seus apartamentos comprados a preço de ouro para alugar a fim de minimizar o prejuízo.

      0
      • L1 31 de dezembro de 2011 at 02:33

        ótima ideia

        poderiamos mesmo fazer um site assim

        anuncios do zap e embaixo o pessoal coloca quanto que acha que vale… ao postar quanto acha, aparece o valor que o cara pede… ehehheh

        0
  • Marvin 30 de dezembro de 2011 at 16:26

    Já que hoje é o penúltimo dia do ano, faço aqui as minhas previsões para 2012:
    – O governo vai aumentar mais ainda o IPI dos carros importados (se não for possível, vai aumentar o IOF dos financiamentos destes, bem como vai promover um bom aumento do IPVA nos estados governados pela base aliada);
    – Como os preços dos imóveis estão nas alturas (se bem que não há bolha), o governo vai dar mais incentivo (crédito) para quem não pode comprar… talvez até adquira a futura massa falida da Gafisa, e utilize os imóveis em construção/encalhados para “distribuir aos desfavorecidos”;
    – Finalmente é votada a Lei Geral da Copa: mutuários do MCMV terão discontos nos ingressos;
    – A banania passa a França e se torna a 5ª economia mundial; Mantega afirma que o brasil atingirá o padrão europeu antes dos 20 anos…

    Alguém tem mais sugestão????

    0
    • peterson 31 de dezembro de 2011 at 01:05

      juro que li a “lei de gerson da copa” kkkk faz mais sentido ….

      0
  • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 17:05

    Atrelado ao aumento dos imóveis, gostaria de compartilhar com todos os amigos do blog algo que me chamou atenção.

    Sou consultor de empresas e, por conta disso, estou sempre hospedado em hotéis diversos em várias cidades do Brasil. Recebi agora o tarifário novo de preços para 2012 e a média de aumentos das diárias, em geral, foi de 20 a 25%!

    Conferi em BH, SP, RJ e algumas cidades do sul (SC em especial) e o aumento foi espantoso! Alguns hotéis aumentaram agora na virada do ano, outros aumentaram menos agora e a partir de maio vão aumentar mais ainda.

    Hotéis low cost que em 2010 estavam a 69 R$ a diária, passaram a R$ 90 a R$ 110, um aumento ainda maior. Estou falando das grandes redes, com as quais minha empresa tem contato. Sei que existem alguns hotéis ainda com diárias a menos de R$ 100, mas nas grandes redes isso não é mais possível de encontrar.

    Certamente a inflação do setor acompanhou a minha percepção de inflação pessoal que, ao contrário da que foi anunciada pelo governo, na faixa de 6,5%, ficou mais próxima de 20%.

    Certamente esse efeito deve-se a um aquecimento do mercado de serviços e, como as despesas são integralmente repassadas aos Cliente isso vai causar algum impacto maior nos custos.

    Realmente ainda não sei como as pessoas vão ter condições de pagar tais custos aumentados e sinceramente espero que não haja indexação deles, pois isso traria de volta a famigerada inflação, mas espero que o choque da retração dos preços que o estouro da bolha trará, ajude a trazer os preços para patamares mas realistas em relação a situação econômica dos brasileiros.

    0
    • EduLon 30 de dezembro de 2011 at 18:00

      Eu também notei isso há algum tempo. Costumava fica em um hotel em SP que cobrava 110 a diária, recentemente fui cotar e estava em 160.
      Em Porto Alegre a mesma coisa, o hotel que sempre fico custava 105 e passou para 168. Ouvi falar que a demanda estava muito alta, e a taxa de vacância baixa, por isso aumentaram. Mas acho isso um absurdo. Parece que no Brasil querem especular em tudo.
      Essa situação me faz lembrar uma frase, tragicômica:

      ” O brasileiro é um povo que tem os pés no chão… e as mãos também…”

      0
      • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 19:34

        em alguns casos beirando os 50% de aumento

        0
      • GPTFN 31 de dezembro de 2011 at 00:51

        Isso se chama inflação.
        A correção no valor de um serviço compreende não só o repasse do aumento dos insumos por ele utilizados, como também o rejuste salarial dos funcionários. Logicamente pode ter uma parcela de aumento adicional.

        0
        • Shakespeare 31 de dezembro de 2011 at 10:18

          Eu também temo que isso seja uma indexação de preços, mas o problema é que meus ganhos não acompanharam essa taxa de crescimento e não tenho espaço para repassar esses aumentos, daí fico numa situação complicada: não consigo pagar e não tem como repassar!

          0
          • GPTFN 31 de dezembro de 2011 at 10:36

            Como em todo processo inflacionário existe um tempo para que cada setor se assente.
            Os primeiros a fazê-lo são os empresários e profissionais liberais.
            Como sempre os últimos são os assalariados, pois esse repasse não depende deles.
            Infelizmente não há muito que se fazer, a não ser que voce procure fazer bicos para complementar sua renda.

            0
    • DanielCM 31 de dezembro de 2011 at 00:24

      viajo desde 2008 e os preços dos hoteis estão bem altos. em 2008, encontrava hoteis razoáveis entre R$ 80 e 130,00. Hoje, tenho de desembolsar entre entre 160 e 210,00.

      0
    • Galvão 31 de dezembro de 2011 at 17:14

      Shakespeare,
      A inflação oficial de Serviços está em 10%. O que já é uma inflação altíssima. Mas também creio que a inflação verdadeira esteja na casa de 20%.

      0
  • Carlos Wagner 30 de dezembro de 2011 at 17:42

    O que temos visto e veremos mais intensamente em 2012 são falatorios de analistas e profissionais do setor imobiliario e governo, ao invés de medidas concretas para frear as distorções de percurso que a economia brasileira, e mais especificamente o mercado imobiliario, vem enfrentando. Mas por que?

    Porque o mercado é sustentado pela confiança do consumidor em continuar tomando emprestimo e investindo e/ou consumindo, pouco se importando se o mundo está desabando ou não.

    Confiança do consumidor = Mercado girando.

    Uma vez essa confiança quebrada por algum evento, o efeito manada será ineviavel e, uma vez iniciado, ninguem segura mais.

    Por isso vemos todos esses analistas vindo a publico repetirem as mesmas ladainhas.

    0
  • MARCIO 30 de dezembro de 2011 at 18:40

    Esse povo que frequenta esse blog so pode estar querendo ver o Brasil quebrar pra dizer ..eu avisei!!! Nao consigo entender o pq de tanta reclamacao com precos de imoveis, simplismente nao comprem, oras…..eu com um salario de 1.500 consegui comprar um terreno e uma casa de material segura e confortavel para mim e minha familia e sai do aluguel, estou pagando prestacoes de 400 reais e que vao decaindo durante os anos….entao antes de falar mal do governo , parem e pensem nas pessoas que sairam do aluguel e hj podem dizer que tem casa propria

    0
    • Troll 31 de dezembro de 2011 at 00:10

      Parabéns.

      Não compactua com a ideia do blog, é simples: Não entre.

      0
      • DanielCM 31 de dezembro de 2011 at 00:30

        Isso mesmo. Use a sua lógica e não entre aqui, já que vc não concorda com as ideias.

        0
    • Carlos Wagner 31 de dezembro de 2011 at 00:34

      “Nao consigo entender o pq de tanta reclamacao com precos de imoveis, ”

      Se depois de tudo o que voce leu aqui, ainda “nao consegue entender”, meu pesames. Não vou perder tempo explicando e acredito que ninguem aqui vá. É uma questão de QI.

      Proximo assunto…

      0
    • Shakespeare 31 de dezembro de 2011 at 10:12

      Márcio,

      Pela sua descrição você se enquadra no MCMV que é um dos motivos que já discutimos aqui de formação da bolha e certamente você não sentiu os efeitos por haver um subsídio governamental a fim de lhe garantir este benefício. Em outras palavras cada cidadão brasileiro contribui um pouco para você poder pagar essas parcelas pequenas e decrescentes.

      O problema da bolha é que, para os outros brasileiros que não se enquadram no MCMV e que antes conseguiam comprar seus imóveis na faixa de 250 a 350 mil, agora não conseguem porque esses imóveis foram para 500, 600, 700 mil. Estamos falando da classe média, média alta e que, no momento não consegue garantir os lares para suas famílias e nem podem contar com essa benesse que você tem, vinda do governo populista e demagógico que aí está.

      Espero ter lhe esclarecido o motivo das nossas reclamações.

      Abraços

      0
      • Troll 31 de dezembro de 2011 at 13:37

        Será que ele vai entender?

        0
    • Money Addicted 31 de dezembro de 2011 at 16:25

      parabens para vc…..mas saiba que EU estou ajudando a pagar as prestacoes da sua casa por intermedio dos subsidios comunisitas.
      e antes q eu me esqueca, vc ainda nao tem casa propria pois a mesma esta alienada ao banco….

      feliz 2012

      0
    • Marvin 2 de janeiro de 2012 at 09:12

      Parabéns, vc comprou a casa, mas ela não é sua… enquanto você não terminar de pagar (imagino que deve faltar uns 20 e poucos anos…) E com a inflação aumentando (imagino que vc também não tenha família, pois com 1500 por mês não há como sustentar uma família), logo o poder de compra desses 1500 vão virar 1000, depois 500… Se você não aumentar sua renda, vai sofrer muito até o final do financiamento que muitos aqui do blog estão ajudando você a pagar (só aqui em casa os descontos do IR ultrapassam seu salário)…

      0
      • Vailton 9 de janeiro de 2012 at 20:42

        Ahh espera aí também! Aí já virou terrorismo misturado com achismo demais.
        Primeiramente, seja lá quem for o Márcio, ele comprou a casa dele e deixou de pagar aluguel. Segundo, dizer que ele vai ganhar 1500 e que depois vai virar 500 blá-blá-blá é simplesmente falar do que não sabe – ele também pode progredir e ganhar mais, correto?. Terceiro, quem paga a prestação da casa dele é ele mesmo (mesmo que seja um valor super-inflado) e não você através de impostos, no Brasil, somente assalariados são duramente castigados pelo sistema tributário. Por fim, quando o governo emprestava quantias absurdas para usineiros que nunca saldavam suas dívidas, nenhum classe-mérdia-falida se manifestava… ao contrário preferiam bajular aqueles que tinha dinheiro roubado dos cofres públicos em troca de alguma possível proteção.
        Ora, todos nós sabemos as consequências que o Brasil irá ter de aguentar quando a conta desta farra imobiliária chegar, porém ficar colocando a culpa exclusivamente em programas do governo e pessoas que compraram a primeira casa (mesmo que sejam através destes programas populistas do governo) seria, no mínimo, um grande equívoco. Até porque quem anda comprando apartamentos de 60m2 por 1 milhão não é nenhum recebedor de bolsa-família ou participante do MCMDívida. Aqui no forum há muita gente com excelente teor crítico e poder de análise, mas há outros que só se preocupam em atacar alguém menos favorecido com comentários pobres, eu já até vi por aqui um que usou o termo “nova classe média marrom” ! Isso aí é um termo até preconceituoso e não equivalente com o perfil da maioria das pessoas aqui.
        Eu não desejaria nenhum mal ao Marcio não (até porque nem o conheço) mas que continue trabalhando e progredindo, que ponha mais os pés no chão e continue melhorando a sua vida. Se fizer uma boa economia vai poder até fazer um negócio melhor quando a bolha estourar.

        0
    • Mineiro BH 2 de janeiro de 2012 at 19:27

      Esse Márcio… que fanfarrão…

      Seria um heterônimo do Ministro Mantega?

      Ainda mais a toa no final do ano, resolveu dar uma entrada no site, que viu no clipping da Radiobrás? Digo, EBC?

      Kkkkkkkkkkkkkkkk

      Troll alert !!!!

      0
  • Neo 30 de dezembro de 2011 at 19:02

    Salve salve,

    Fiz uma pagina no wikipedia

    coloquei só uma frase bem curta, assim que tiver tempo adiciono conteudo

    convido voces para elaborar o conteudo, quem quiser ajudar será muito bem vindo

    chega de enganação

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Bolha_Imobili%C3%A1ria_Brasileira

    ate+

    bom 2012 pra todos

    0
    • Troll 31 de dezembro de 2011 at 13:39

      Coloquei essa frase:

      “Hoje este tipo de operação continua sendo aplicada em esquemas como o “ganhe dinheiro na internet” e no setor imobiliário brasileiro disfarçado de “compre na planta”, prometendo lucros de até 40% aos investidores.”

      No esquema Ponzi: h t t p : / / p t .wikipedia.org/wiki/Esquema_Ponzi

      0
  • Neo 30 de dezembro de 2011 at 19:05

    em menos de 2 minutos apagaram a pagina. kralho

    Foi esse cara: Érico Júnior Wouters

    Esta página foi eliminada. Para referência, é apresentado de seguida o registo de eliminações e de movimento da página.

    21h02min de 30 de dezembro de 2011 Érico Júnior Wouters (discussão | contribs) apagou “Bolha Imobiliária Brasileira” ‎

    0
    • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 19:36

      eu falei, eles estão muito patrulhadores… enquanto o assunto não for um consenso não vai constar lá

      0
      • LAR 31 de dezembro de 2011 at 02:47

        Putz

        sacanagem pessoal! eles deveriam dar voz a quem tem bons argumentos

        0
        • Shakespeare 31 de dezembro de 2011 at 10:04

          é uma sinuca de bico. Eles eliminaram alegando ser um assunto especulativo. Se a gente montar um texto mostrando os argumentos e que não é especulação, eles vão alegar que é pesquisa inédita e vão eliminar também, pois na Wikipédia só pode constar assuntos reconhecidamente publicados.

          A solução é esperar o assunto ficar consolidado nos meios de comunicação e aí eles não vão poder evitar que ele conste na Wikipedia.

          A idéia de usar a Wiki em inglês pode ser boa, lá o pessoal é mais propenso a aceitar artigos com informação embasada e justificada.

          0
          • joao 1 de janeiro de 2012 at 11:01

            A bolha australiana ainda não estourou e tem artigo na wikipedia em ingles.

            O problema é o argumento do pessoal, desse jeito não dá. Ninguém leva a sério, nem em portugues, nem ingles, nem mandarim, nem klingon. Qualquer um que lê diz “são só revoltados por não terem dinheiro pra comprar casa”

            Ah, e existem sim artigos sérios sobre a bolha (ex. instituto mises, ou nucleo de real estate da usp), portanto não seria pesquisa inédita.

            0
    • Anonymous 30 de dezembro de 2011 at 20:08

      O sujeito acredita que está combatendo o vandalismo.

      pt . wikipedia . org/wiki/Usu%C3%A1rio:%C3%89rico_J%C3%BAnior_Wouters

      Sou Érico Júnior Wouters e tenho interesse e contribuo principalmente sobre política e geografia. Entrei na Wikipédia, para inicialmente criar páginas sobre os assuntos citados acima, e hoje me dedico ao combate vandalismo, sempre que vejo algum reverto usando o huggle.

      A foto do débil mental pode ser encontrada aqui.

      informativogeral . blogspot . com/2011/07/camara-de-vereadores-mirim-de . html

      0
      • Zé Coxinha 30 de dezembro de 2011 at 20:57

        Porra, “Vereador Mirim”…

        A Wikipédia brasileira é uma piada, isto é um fato comprovado. Sugiro a confecção do artigo na Wikipedia angloparlante. Disponho-me a traduzir/ajudar na revisão, se necessário.

        Abs.

        0
        • Mineiro BH 2 de janeiro de 2012 at 19:33

          Putz, tou de cara…

          Não creio que foi esse rapaz que decidiu, seja lá com quais critérios, que a bolha não é tema digno de nota na Wiki banan, digo, brasileira?

          0
    • DanielCM 31 de dezembro de 2011 at 01:49

      sinceramente, leio mais a desciclopedia do que a wikipedia. ela não é séria.

      pessoal, estamos no brasil, onde não são poucas as pessoas que tem preguiça de ler. a tv a cabo virou uma joça, pq na nossa idiocracia muitos tem a (in)cultura de achar que “ler cansa”.

      acho que youtube é a ferramenta. poderiamos fazer uma comparação entre o que vc compraria com R$ 500k aqui e com USD 250k em outros países (com fotos, links…). cada um poderia mostrar anúncios surreais, ou mesmo mostrar a “realidade” local, como fez o colega de cascavel.

      0
  • Troll 30 de dezembro de 2011 at 19:05

    Relembrando 1990:

    O confisco

    O plano de estabilização conduzido pela equipe da Ministra Zélia “pela primeira vez na história mundial confiscou todos os ativos financeiros de um país da noite para o dia”;[6] o “confisco da caderneta de poupança”, como ficou conhecido, lhe granjeou enorme antipatia. Mas segundo o acadêmico Carlos Eduardo Carvalho, Professor do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, a medida política que ficou conhecida como confisco, não fazia parte, originalmente, do Plano Collor e tem origens num consenso entre os candidatos à presidência da época: Collor, Ulysses Guimarães e Lula da Silva..[7] Quando ficou claro o esvaziamento da campanha de Ulysses, a proposta foi levada para a candidatura de Luís Inácio Lula da Silva, do PT, obteve grande apoio por parte de sua assessoria econômica e chegou à equipe de Zélia depois do segundo turno, realizado em 17 de dezembro.

    Alguém tem dúvidas do caminho do PT num futuro próximo?

    0
    • Carlos Eduardo 30 de dezembro de 2011 at 19:47

      Acho que isso não aconteceria novamente, pelo fato de o brasil não ser mais o mesmo país!

      uma greve geral com certeza consumiria mais recursos do pais do que a nosssa possivel poupança que tem nivel baixo!

      além disso acho que o povo agiria de forma diferente, pelo menos é o que imagino!

      pois até hoje não entendo como uma pessoa pode ser roubada e dar um tiro na própria cabeça! deixando os bandidos impune, e sua familia desamparada!

      A familia Collor e o Sarney estão no poder até hoje, isso é um absurdo, mantido pelo “Pão e Circo”

      Talvez o fato de roubarem a poupaça do povo seja algo necessario para que haja uma mudança na estrutura e politica no pais!

      O brasil precisa de greve geral e revolução!!!
      E não se faz isso obedecendo o STJ, pois as leis não são para proteger o povo e sim os politicos!

      0
      • Troll 30 de dezembro de 2011 at 22:13

        “A familia Collor e o Sarney estão no poder até hoje, isso é um absurdo, mantido pelo “Pão e Circo”.”

        Esta afirmação por si só é já prova que o bananense não mudou. Imaginávamos em 1992 qdo Collor foi retirado do poder, que oito anos inelegíveis seria um bom prazo e a peça nunca mais voltaria. Nada feito. Oito anos se passaram e o bananense elegeu o Collor novamente. Aliás poderiam ser 30 anos inelegíveis que ainda teria gente votando nele. Vide o que o bananense elege: Tiririca, Frank Aguiar, Romário, Bebeto, Popó, Maluf, Pitta, e Lula.

        Antigamente eu ficava puto quando via o comportamento do político. Hoje evoluí, e entendo o comportamento do político. É muito fácil enganar uma população alienada que só assiste novela e BBB. Para estes povos a política do “Pão e Circo” ou “Futebol e Pagode” funciona bem.

        É muito mais fácil o governo confiscar a poupança do que se organizar uma greve geral. E o confisco, desta vez, não será um tiro no pé da reeleição pois temos a política do pão e circo, e as bolsas-cotas que não tínhamos em 1990.

        Alem do mais, não se esqueça que o “grande” sindicalista agora é governante e não mais baderneiro. Agora ele está junto com a sargentona em Brasília. Portanto não acredito que tenhamos uma greve geral tão cedo…

        0
        • Troll 30 de dezembro de 2011 at 22:16

          *Só pra deixar claro, também acho que a solução é uma greve geral ou revolução tal como la na Líbia e Egito.

          0
          • DanielCM 31 de dezembro de 2011 at 00:39

            acho que uma manifestação com a do egito seria mais eficaz. as greves passam por sindicatos, que são ninhos de políticos.

            acho tbm que depois daquele tempo, por causa do confisco e de outras razões, a parca cultura de poupança do país nunca mais foi a mesma.

            0
          • Paulo - RJ 31 de dezembro de 2011 at 09:28

            Vamos levar em consideração algumas coisas:
            A Líbia só teve uma “revolução” bem sucedida porque os rebeldes tiveram apoio da NATO, bombardeando, inclusive área de civis (Kadafi morrer não me causou nenhuma comoção, mas este todo mundo já sabia que era bandido. O problema são as raposas em pele de cordeiro). A Síria está há um tempão tentando tirar o cara de lá e nada.

            No Egito, titatam o cara e colocaram os militares. Agora estão lá, lutando de novo, para tirar os caras.

            0
        • GPTFN 31 de dezembro de 2011 at 00:38

          Infelizmente é cultural.
          O brasileiro é dócil, tem memória curta, e se acha malandro.

          1 – Se não houver forças ocultas manobrando por trás, o brasileiro não fará nada contra quem o fere.
          Excluido ai o caso Collor, quantas vezes algum político foi preso ou sofreu qualquer punição por ser corrupto? Quantos devolveram o dinheiro roubado? Quantos pelo menos saíram da política?…

          2 – Quem lembra ai perguntando agora de 5 casos de corrupção levantados esse ano? Quem lembra que quase 70% do dinheiro direcionado pra reconstruir a região Serrana do RJ simplesmente sumiu, e a situação pouco mudou da época do desastre até hoje?

          3 – Quantos aqui comprariam um imóvel se dessem um desconto de 20% dizendo que o dono quer vender rápido? Mas poucos se lembrariam que o preço já está com mais de 100% de aumento 🙂

          0
    • Dr. Estranho 30 de dezembro de 2011 at 22:27

      Hoje, por incrível que pareça, o “confisco” tem vedação expressa na Constituição da República federativa do Brasil, medida essa incluída pela emenda constitucional 32 de 2001.
      Segue o art. da CRFB:

      Art. 62. Em caso de relevância e urgência, o Presidente da República poderá adotar medidas provisórias, com força de lei, devendo submetê-las de imediato ao Congresso Nacional.
      § 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria:
      I – …..
      II – que vise a detenção ou seqüestro de bens, de poupança popular ou qualquer outro ativo financeiro;

      0
      • Troll 31 de dezembro de 2011 at 00:19

        Menos mal. Mas por via das dúvidas quando a Sargenta vier à público, após o estouro da bolha de crédito, negando que vá pegar recursos nos bancos, vou tirar todo meu dinheiro da poupança e colocar debaixo do colchão. A vinda à publico com negação será a senha para o saque.

        Será que essa emenda também vale para aplicações no tesouro direto?

        0
  • Carlos 30 de dezembro de 2011 at 19:35

    O que vcs acham do mercado aqui no nordeste? Joao pessoa tá bombando e tem muita gente ganhando dinheiro com isso. Até eu penso em comprar algo por aqui.

    0
    • DanielCM 31 de dezembro de 2011 at 01:32

      Aqui em Fortaleza me parece que as coisas já estão travando (em alguns bairros já está travado). Alguns imóveis que acompanho estão à venda desde janeiro, não foram vendidos e quase todos já baixaram o preço de 10 a 15% (mas ainda estão fora da realidade). Tem um empreendimento da rossi aqui perto de casa, a obra que tinha início previsto há 4 meses ainda não saiu do papel (entrega jan/15???). Tem outro da moura dubeaux que anda a passos de tartaruga.

      Enfim, hoje a minha espera pelo sonhado imóvel é mais tranquila do que a espera de comprador que teria se tivesse me metido numa roubada.

      PS: estava negociando uma casa e, nos 47 do segundo tempo, o vendedor aumentou bruscamente o preço e, depois, desistiu. Meses depois, o metrofor desapropriou a área para construir um viaduto huahuahuahuahua

      0
  • Andre 30 de dezembro de 2011 at 20:13

    Vendo toda esta situaçao cheguei a um conclusao – nao sei se e correta mas de q.q forma vou compartilhar com vcs pra ver o que pensam. Vamos supor que alguem tivesse hoje uns 700k em dinheiro vivo e vivesse no Brasil mas nao tivesse casa. A suposiçao e a seguinte – o que impede esse sujeito de escolher os lugares mais baratos do mundo para ir morar – a economia dos paises muda as vezes morar num pais e caro mas depois de alguns anos fica barato – e o que houve aqui em 1990 aqui era barato – hj esta mais caro que a europa. Entao esse sujeito iria perambulando pelo mundo – sempre vivendo e alugando imoveis nos paises mais bartos – sem trabalhar ( ou trabalhando via internet comprando e vendendo coisa levando de um pais para outro) e deixando agrana dele depositada em algum banco ou em algum investimento que lhe desse liquidez imediata. Seria possivel levar uma vida assim? Com 700K – cerca de 380 mil Dolares – sem casa so aproveitando as “crises” de cada pais. Logicamente que haveria paises que por mais baratos nao iria nem de graça – tipo iraque – somalia – haiti – e outros desse naipe.

    0
    • Carlos Wagner 30 de dezembro de 2011 at 20:23

      Andre

      Tenho que admitir:

      Voce escolheu bem os países para servires de comparação com o Brasil. Se colocasse ali Peru, Mexico ou Cuba, ficariamos pra tras.

      0
    • Leo 30 de dezembro de 2011 at 20:40

      Uns amigos foram surfar na indonesia… eles falaram que nao gastavam nem 10USD por dia e isso com comida. Acho a ideia comletamente viavel dependendo do estilo de vida que voce esta acostumado a ter. Com muita disciplina pode dar certo.

      0
    • Anonymous 30 de dezembro de 2011 at 20:44

      Andre,

      O leste Europeu está cheia de países bons e baratos – é onde estou agora. Voce só precisa da cidadania de um país da UE para executar esse plano. Acho interessante voce pensar nesse assunto e acredito que vai achar interessante o conceito de PT (Permanent Turist). Tem exageros no seguinte website, mas no geral é bom www . ptclub . com

      0
      • Andre 30 de dezembro de 2011 at 20:59

        Lendo sua resposta levei um baita susto quando falou em PT e em pensar nessa possibilidade de sair do Brasil – nao sei porque achei que tivesse uma mensagem subliminar ai, mas depois lendo direito percebi que era so algo da minha cabeça – afinal o PT nao tem nada com esse situaçao. Ou tem? – Vixxi sera que to paranoico???

        0
      • Troll 31 de dezembro de 2011 at 00:12

        Me assustei com o PT no seu texto, mas acho que entendi errado.

        0
    • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 20:44

      minha meta é atingir 1 MM USD aí paro de trabalhar e vou curtir a aposentadoria

      0
      • Andre 30 de dezembro de 2011 at 21:05

        Mas com 1MM de USD vc ja nem precisa mais sair do Brasil – o problema e que nos meus calculos trabalhando talves jamais juntarei nem a metade disso em dinheiro vivo. Tambem nao acho que “parar” trabalhar seja algo “bom” . O que penso e que depois de atingir uma certa comodidade financeira passaria a desenvolver atividades que me desse prazer e dinheiro, tipo abrir um prostibulo com certeza seria melhor do que nao trabalhar (brincadeira)

        0
        • Shakespeare 30 de dezembro de 2011 at 21:21

          rzrzrzrzrzrzr

          0
        • Felipe 30 de dezembro de 2011 at 22:28

          Andre, vc está na contramão cara! As pessoas abrem putei…, ops, prostíbulos para ficarem ricos e não trabalharem mais rzrzrzrzrzrz

          0
          • Shakespeare 31 de dezembro de 2011 at 09:51

            é a bolha das acompanhantes de luxo. Vou fazer outro blog sobre este assunto…

            0
  • veigalex 30 de dezembro de 2011 at 23:42

    Bolha.. novo topico … esse ja deu…

    Feliz 2012 a todos.. o ano do PLOC .. PLOC

    0
  • Carlos Wagner 31 de dezembro de 2011 at 00:04

    Off Topic

    Os colegas que assistiram a Retrospectiva 2011 da Globo notaram que, por motivos desconhecidos da minha pessoa, ao final do programa, xibirem as fotos das personalidades que falesceram este ano, deixaram de exibir a foto de um dos maiores idolos da nossa geração: o Dr. Socrates?

    60% das fotos exibidas eu nao conhecia ou eram personalidades estrangeiras de pouca relevancia o Brasil e mesmo assim deixaram de lado um idolo nacional. Achei uma tremenda falta de respeito da globo.

    Quem sabe o possivel motivo, favor compartilhar.

    Fica aqui meu manifesto contra essa emissora que está cavando a propria cova e perdendo prestigio e confiabilidade pelas atitudes nitidamente contrarias aos interesses populares.

    0
    • Troll 31 de dezembro de 2011 at 00:15

      Não creio que ela esteja cavando a própria cova…num país da política “pão e circo” ou se preferir, “futebol e pagode”, tem muito mercado pra essa emissora ainda..

      0
  • GPTFN 31 de dezembro de 2011 at 00:24

    Bem,

    complementando o que escrevi la em cima.

    Não gosto muito dessas coisas de teoria da conspiração, mas não há outra explicação.
    Esse Sam Zell, é realmente um dos maiores responsáveis pela bolha.

    htt p://ww w.estadao.com.br/noticias/impresso,sam-zell-vende-participacoes-na-gafisa-e-br-malls,619804,0.htm

    ht tp://w ww.investfacil.net/2011/08/fundo-do-bilionario-sam-zell-sai-da.html

    Falando aqui especificamente do RJ, pelo que consegui perceber:

    Ele criou 2 frentes: Imóveis residenciais e comerciais(Gafisa), e Shopping Centers (BR Malls).
    Fez isso principalmente em aréas menos valorizadas, onde os terrenos eram mais baratos.
    Com isso criou novos “pólos comerciais”, e também “residenciais”.
    Essas novos centros chegaram com preços mais altos que o normal da região, dando a sensação de que a mesma estava se desenvolvendo. A partir daí o mercado só seguiu a tendencia. Dessa forma ele inflou regiões menos valorizadas. Como existe um entendimento natural de que o lugar “A” é melhor que o lugar “B”, ao valorizar B, A se valoriza por consequência.
    Notem que até aqui não existe qualquer melhoria real em A.
    Porém, ele não é bobo. Ele comprou previamente muitas coisas em A a “preço de banana”.
    E agora com a valorização (que ele mesmo gerou investindo relativamente pouco), ele vende rapidamente o que possui em A, enquanto as pessoas acreditam que a valorização é garantida e infinita. Para convencer os trouxas, digo, espertos investidores, ele usa muitos argumentos convincentes: copa do mundo, olimpiadas, a região estava com valor abaixo do real, valorização garantida, etc.

    Muito importante dizer também que o Governo, isso mesmo o Governo, é o maior fomentador da bolha.
    O programa Minha Casa Minha Vida serviu como piso para o lançamento de imóveis.
    Considerando que os imoveis enquadrados no programa são os menores, mais vagabundos, e nos piores lugares possiveis (por isso são mais baratos), eles são o parametro mínimo de comparação para qualquer lançamento.
    Logo: Se um apto de 47m2 em paciencia (no meio do mato), custa 105 mil, quanto custara o meu aqui em A. e dai vai A -> B; B -> C ; E …

    Essa “corrida do ouro” se caracteriza por um ciclo. Descoberta (2007), Crescimento exponencial(2008-2010), Ouro de Tolo (2011~) e por fim Fuga (?).

    Descoberta – “Humm, eu posso pedir mais que ainda sim há interessados em comprar”

    Crescimento Exponencial – “Alô. O que?? Já lançaram esse novo empreendimento?
    Como assim já acabou?? Vendeu tudo em dois dias??”

    Ouro de Tolo – “É… tá dificil! Já tá anunciado a 6 meses e a melhor proposta que tive era de pagar 70% do valor que eu to pedindo… Acho que vou esperar mais um pouco né?! De repente…”

    Fuga – ” Nossa! Antes das chaves eu pagava só 800 reais. Agora to pagando 2.500 de prestação, mais 600 de condomínio! E as coisas não param de subir de preço… É escola, comida, gasolina, chopinho. Não consigo sair do vermelho. Tenho que sair daqui. Vou vender pelo que pagarem, pra mim não dá!

    e daí…

    ” A – Como assim meu apto ta valendo só isso?
    B – Sim senhor. Vendemos um no seu prédio por esse valor. Acho melhor o senhor vender logo porque tem muita gente anunciando, e as ofertas tão daí pra baixo.
    A – Tenho que vender logo! Não dá pra morar aqui com o que eu ganho.
    ….

    Troll – hahaha. comprei por 70% do que o cara pagou. PLOC PLOC PLOC

    0
    • Shakespeare 31 de dezembro de 2011 at 09:54

      é a história dos macacos, já contada algumas vezes aqui no blog…

      0
    • Mineiro BH 2 de janeiro de 2012 at 19:42

      Seria interessante uma “arqueologia midiática”, tentando rastrear qdo e de onde veio essa associação Copa / Valorização… esse pode ser o elo que comprove a origem da estratégia adotada pelos agentes da manipulação…

      0
  • Paulo Rocha 31 de dezembro de 2011 at 01:57

    É engraçado ler essas notícias de como as coisas aumentaram em 2 dígitos mas segundo o governo a inflação ficou por volta dos 6-7%. Bom não moro no Brasil, então não tenho noção de quanto mais caro ficou.

    http://oglobo.globo.com/economia/brasileiro-paga-ate-81-mais-no-ano-por-alimentos-3541544

    Grandes impactos vieram dos serviços. Hotéis (17,37%), refeição fora de casa (9,14%), colégios (8,09%), empregado doméstico (10,24%) e cabeleireiro (7,92%) foram alguns dos itens que mais puxaram a alta dos preços de 2011 (até novembro).

    0
  • DanielCM 31 de dezembro de 2011 at 05:58

    youtube. com/watch?v=9oKrV5DmYvE

    o vídeo é de 1949. se vc acha que mudou alguma coisa, preste atenção no diálogo a partir de 2:19

    tá chegando a hora de muitos baterem o martelo na cabeça rsrsrsrsrsrsrs

    “a ponte de londres está caindo, está caindo, está caindo…”

    0
    • Lucas Mendes 31 de dezembro de 2011 at 10:42

      Brilhante passagem. Pernalonga matreiro dando uma de corretor. Ahahhhahahahhahahaha, a cara do tolo dando uma martelada na cabeça. Já imagino a cena dos caras desesperados com seus investimentos. A Warner Brothers sabe das coisas!!!!!!

      Abraços do Lucas Mendes

      0
    • Lucas 31 de dezembro de 2011 at 13:21

      Legal esse vídeo!
      reflete realmente o momento atual do Brasil.

      0
  • JJ 31 de dezembro de 2011 at 12:09

    Excelente tópico, análises inteligentes e divertidas, acrescento minha observação:
    Em 2008, com a crise americana, os investidores tiraram seu dinheiro das ações e aplicaram em outra forma de especulação – a imobiliária – que está prestes a eclodir. Agora o dinheiro especulativo vai para onde? qual será a próxima bolha?

    0
  • Carlos Eduardo 31 de dezembro de 2011 at 12:58

    Feliz 2012 para todos que acompanham o site,
    concordando ou não com as idéias aqui postadas…

    boa sorte em vossos investimentos!

    0
  • Shakespeare 31 de dezembro de 2011 at 13:22

    <<>>

    Já que o mundo acaba em 2012 e vamos todos para o espaço, fica a dica para aqueles que quiserem fazer isso de uma forma profissional:

    http://astronauts.nasa.gov/default.htm

    Abs e feliz 2012!

    0
  • Lucas 31 de dezembro de 2011 at 13:24

    Desejo a todos um feliz 2012, com muita saúde, paz e conquistas!

    0
  • Orozimbo 31 de dezembro de 2011 at 14:03

    Prezados amigos,
    Fui ontem à casa de um casal de amigos jantar. Os dois são médicos formados pela USP e com residência no Hospital das Clínicas de São Paulo. Eles moram num apartamento pequeno de dois quartos no Rio Pequeno, próximo à Favela São Remo. Não têm filhos e o padrão de vida deles é bastante modesto, sem quaisquer extravagâncias.
    Voltei para casa pensando com a minha esposa: se dois médicos formados por uma das melhores universidades do país moram num apartamento que para mim não vale 150 mil, quem são esses novos ricos que estão consumindo coisas tão caras por todo o país? Acho que a bolha não é só imobiliária, é de crédito mesmo!
    Que continuemos com nossas reflexões em 2012! E parabéns a todos que participam desse espaço que, para mim, é dos poucos redutos de lucidez nesses tempos tão estranhos.

    0
    • Inteligivel 31 de dezembro de 2011 at 20:52

      Tenho um amigo engenheiro que ganha pouco mais de 5k bruto. A peça tem um I30 novo e um apartamento top. Mas tudo financiado, vive estourando o cartão de crédito e pedindo dinheiro emprestado porque a conta não fecha.

      Esse é o “novo rico”….

      Outro amigo, também engenheiro, ganha um pouco mais que 5k e anda de Celta 2p, comprado usado, mas à vista.

      0
      • pmoraesm 1 de janeiro de 2012 at 15:24

        Esse seu amigo engenheiro é mágico também heheh…ganho mais que ele, minha esposa também e nós juntos não temos renda nem pra financiar um apartamento honesto, quanto mais um top.

        0
    • Nilton 4 de janeiro de 2012 at 23:50

      Eu não sei quem são esses caras, mas vou te falar uma coisa. Onde eu trabalho, os servidores publicos que ganham 20 mil por mes( só um anda com um carro bem caro- honda civic) não andam com carrão. não esbanjam dinheiro por aí.O que eu mais vejo na rua são carros que custam mais de 100mil.O custo para manter um carro desses é exorbitante.Tem muita gente com dinheiro por aí, e eu tb não sei como esse pessoal tá ganhando tanto para comprar carro desse valor e imóveis supervalorizados.

      0
  • Troll 31 de dezembro de 2011 at 15:47

    Valeu Dilma!!!

    h t t p : / / w w w . bemparana.com.br/index.php?n=200620&t=beneficiados-vendem-moradia-do-minha-casa-minha-vida

    0
    • Bolha Imobiliária 31 de dezembro de 2011 at 16:07

      É vergonhoso isto…

      0
    • Andre 31 de dezembro de 2011 at 19:09

      Antes de tudo feliz 2012 pra todos os bolhudos. Troll, neste caso em particular, sem querer ser PTista creio que nao podemos responsabilizar a Presidenta por este fato isolado que inclusive esta sendo motivos de investigaçao. Nao podemos ser injustos, por mais tenhamos nossas restriçoes, com quem nao e responsavel por esse fato. O mutuario sabia que era proibido fazer essa transaçao e mesmo assim o fez – nada mais justo que responda por isso.

      0
      • Eric 31 de dezembro de 2011 at 20:56

        Igualmente para você e todos os colegas do blog.

        0
  • Saile 1 de janeiro de 2012 at 21:55

    Os moderadores la do infomoney estao querendo destruir um forista pelo fato dele postar noticias sobre a inconsistencia do mercado imobiliario.

    Um absurdo. Tentei criar uma conta p/ ajudar mas nao consegui.

    0
    • Vailton 9 de janeiro de 2012 at 18:54

      Olá Saile,
      Tanto o fórum do Infomoney, quanto aquele do ADVFN, são duas roubadas. O que mais se encontra em ambos são projetos de “econo-videntes”. Baseie-se pelo próprio português do pessoal e o nível de ética de ambos…. não vale a pena.

      0
  • bertz 2 de janeiro de 2012 at 20:49

    Ola pessoal sempre acompanho os post e não estou concordando com algumas coisas vou explicar o porque.

    Vejo o pessoal dizendo ploc ploc ploc vai estourar e não concordo com isto ao menos a médio prazo, porque moro na região de Santo Andre do ABc de Sp e meu amigo mora em SP Capital e ele vai casar ano que vem e iria comprar um imovel por la, se decepcionou quando começou ver os valores dos aps na faixa de 500k em minha cidade em bairro nobre mesmo padrao de ap vale 250k, então tem muita lenha pra queimar até que a equalização de preço aconteça, pois o seu serviço esta a 10km de Santo Andre se ele sair mais ou menos 20 minutos antes chega ao serviço no mesmo horario de onde mora hoje, so que meu bairro ofereçe um carrefour a 300m uma faculdade federal a 400m e o quinto maior shopping do pais a 1km fora as outras infraestruturas como parques cuidados, asfalto perfeitos, entre outros.

    Conclusão ele tem 200k a vista e não irá esperar a bolha para comprar seu ap, e nem irá comprar em SP de jeito nenhum, este dinheiro será revertido ao comprador e ele comprara outro e a bola de neve que todos conhecem.

    Não vejo cenário pelo menos por aqui para queda de até 30% ou 50% como alguns dizem, estou com dois imoveis e tento comprar o terceiro para comercio, e estaria muito muito feliz mesmo se os preços despencarem, mais não vejo este cenário para 2012.

    O que vejo é oportunidades mais temos que garimpar todos os dias, ser bem ligeiros pois sempre tem gente precisando vender, necessitando mesmo, ai esta a oportunidade, não adianta oferecer preço bem baixo para quem so tem um imovel e vendo os vizinhos com preços ate maiores que os seus.

    Outro exemplo em 2009 comprei por 160k um sobrado neste bairro acima citado de 240m2 de area construida e 320m2 de terreno so o terreno na epoca valia 260k com briga de herdeiros este imovel ficou invendavel segundo todos corretores, peguei um dia minha filha um anoe fomos lá. SURPRESA a solteirona que barrava a venda adorava crianças, apos muito xaveco aceitou a venda mais com uma imobiliaria, conclusão com um corretor amigo fechamos, gastei 50k em reforma para modernização e hoje vale em termos de preço do mercado não o real como todos aqui citamos 750k, então temos que descruzar os braços e garimpar a bolha não vai estourar em cima de voçe apenas para lhe oferecer uma oportunidade, o mercado vai se estabilizar ao longo de anos, não estoura em 2012 nunca, mais terão mais oportunidades com certeza, se bem que eu adoraria para comprar uma bolhina para meu proximo imovel.

    0
    • Marvin 3 de janeiro de 2012 at 09:10

      kkk, somos vizinhos… moro no PN (talvez na melhor rua)… Mas, asfalto perfeito??? Para com isso, pego a avenida dos estados todos os dias para ir ao trabalho (trabalho em SP), e é um lixo… Até concordo que nosso “pedaço” é muito bom, mas tem que melhorar muito… o ABC está ficando mediocre…

      0
  • ninja SP 3 de janeiro de 2012 at 14:37

    Nas enchentes avenida dos estados vira rio amazonas , na ultima teve uma moradora que acabara de comprar o imovel e perdeu tudo . tudo embaixo d”agua. kkkkkkkkkkkkkkkk.imovel no ABC tem que ser bem baratinho mesmo !!!.

    0
  • Dr. Gafisa 3 de janeiro de 2012 at 23:00

    A compra da Tenda foi apenas um mal negócio, que a gigante Gafisa acabou fazendo. Vejo muito pessismo sem nenhuma evidência ou estudo, muita gente achando muito e certeza mesmo ninguem tem. A Alphaville rendeu no ultimo ano cerca de 27% de lucro, foi o que passaram aos funcionários, a Gafisa fechou bem próximo de suas metas, a única empresa do grupo que está mal é a Tenda.
    Lembro daquele povo que dizia que o país ia quebrar votando no Lulala, caros corrupção sempre existiu não foi coisa do Lulala, impostos altíssimos também, desemprego nem se fala, não dava pra comprar nada, não tinha crédito, não tinha emprego, não tinha $$. E hoje pode não estar lá essas coisas, mas pior do que estava com FHC não está, nem de longe. O povo não conseguia nem comer direito.
    EiTA gente que gosta de sofrer antecipado.TA LOCO meu.

    0
    • dp 4 de janeiro de 2012 at 12:29

      Sem evidencia ou estudo? Uau! Ta parecendo o Judiciario da banania julgando corrupcao.
      Evidencias e estudos abundam, mas precisa olhar alem do proprio umbigo.

      0
  • Ze_Das_Couves 4 de janeiro de 2012 at 12:42

    E sera que todo esse negocio que vemos hoje sustenta e vai ser continuado a longo prazo ou eh apenas uma marola?

    Realmente parece tar bom mesmo, tudo valorizando, subindo, salario alto, desemprego baixo, gruas de construcao espalhadas por todas as cidades brasil afora.

    Um exemplo que achei interessante foi uma obra que visitei para comprar um ape e perguntei pro construtor onde estavam os trabalhadores e o cara respondeu que estava com serios problemas para arrumar gente para trabalhar na construcao.

    0
  • Elaine 10 de janeiro de 2012 at 08:28

    E o Lula não sabia e nada!!! Eles estão com os cofres cheios!!!
    Realidade permita-me copiar..suas palavras são as minhas!
    O país está com níveis de desemprego baixos, ajudados por um governo fiscalmente irresponsável, corrupto e assistencialista. Em outros locais da Europa e dos EUA, isso foi o prenúncio da merda toda que veio depois, inclusive da bolha imobiliária.
    O estopim será quando a impressora de fabricar oncinhas, essa moeda FORTE, chamada R$, quebrar ou alguém sensato parar com isso. Enquanto a farra continua com o crédito abundante via bancos oficiais e garantias governamentais, todo mundo é rico, têm crédito e o emprego é “ad eternum”. Quando o desemprego der sinais de elevação no horizonte, após o endividamente crescer no 1 trimestre 2012, o bicho começa a pegar. O manezinho perde o emprego, deve no banco, cartão, mas acha que o imóvel comprado em zilhões de anos vale seu MILHÃO. Meu caro, digo com pesar: você se fudeu, pois seu MILHÃO agora é um sabugo de milho e achar um trouxa como você para pagar um absurdo no preço de um “cubículo” horizontal será difícil pois vários estarão na mesma posição que você. Aí, só resta pedir pro governo mais uma bolsinha, o vale “favela” pois será ano de eleição e aí tudo pode. Herança do molusco sem voz. Ninguém ou prefere não enxergar…..Banânia land! o país do futuro-sempre!

    0
  • Engenheiro-BA 14 de janeiro de 2012 at 16:56

    Prezados debatedores,

    Entrei por acaso neste site, qdo procurava informações sobre a Bolha-Imobiliaria Brasileira, pois estava procurando imoveis em Salvador-BA e achei os preços absurdos (proporcionalmente bem baratos comparados do RJ-SP).

    Como sou engenheiro e faço reformas e construo pequenos imoveis (custo de material e mão de obra é aprox R$ 800,00 p/m2 para casas de 2 pavimento padrão médio), achei um absurdo os imoveis estarem sendo comercializados a 3k-5k p/m2 e ainda as construtora acusarem prejuizo? só se for para não pagar imposto.

    Como não sou expert em mercado imobiliario, começei a estudar/ler tudo na Web.

    Achei muita coisa sobre a crise da bolha americana e muita pouca coisa sobre a bolha brasileira.

    Achei o debate de vcs interessantes, mas a impressão que tive foi que muitos de vcs NÃO TEM A MENOR IDEIA do que foi a bolha imobiliaria americana, apenas achando que a bolha é a super-valorização/inflação de preço do imovel e qdo isso se tornou insustentavel PLOC. Mas a bolha não foi causada pela DEMANDA/CREDITO FACIL e ETC, foi uma BANDIDAGEM do sistema bancario lucrando com TITULOS DE RENDA FIXA negociados entre os bancos como se fossem ACÕES.

    O debate de vcs sobre a bolha está em 3 atores principais: construtoras; proprietarios-de-imoveis-investindo; compradores.

    A bolha americana de imoveis tinham 3 atores principais: banco-emissor de titulos; investidores privados de titulos; bancos de re-seguro.

    Os 3 atores principais que vcs debatem eram meramente atores secundarios na crise-americana.

    obs: muitos já devem ter lido, mas sugiro a quem tem apenas informações da FOLHA-VEJA-TV e INTERNET, o Autor best-seller Michael Lewis (Boomerang e A Jogada do Seculo) para ter mais conhecimento sobre o Bolha.

    As perguntas que faço a vcs são:

    1) A bolha americana foi em imoveis usados (na sua grande amioria), já sendo usufruto do proprietarios.

    2) O Brasil também está cheio de titulos sub-prime (titulos de baixa confiança e alto risco)? qual o montante destes titulos lastreados?

    3) Quais são os principais bancos financiando imoveis?

    A BOLHA-IMOBILIARIA foi na verdade uma CRISE BANCARIA que ainda está cobrando a conta em 2011-2012 por todo mundo, pois foi absorvido pelo povo de cada pais para que tudo não fosse pior.

    4) Temos uma BOLHA-Imobiliaria (idem ao americano) ou temos apenas um mercado com preços supervalorizados que chamamos de bolha?

    5) Como é o conceito do LE PARC ai no RJ

    obs: as vezes um texto de e-mail pode ofender ou indignar sem que seu autor tenha esta intensão peço desculpas antecipados se isto ocorrer. Quero apenas expressar a minha opinião sincera e pegar opiniões de valor.

    0
    • Cleyton 14 de janeiro de 2012 at 19:01

      Uma coisa que precisa ser considerada em suas observações é se não estariam sendo tomadas as consequências pelas causas, a bolha estadunidense pode ter emergido de um problema muito mais grave, o de crédito, as subprimes podem também ter emergido da mesma fonte, assim como as .com, a crise na europa, etc…

      Se considerarmos que o capital mal aplicado, especialmente em crédito para consumo, é a maior fonte de problemas talvez muito mais deles passem a fazer mais sentido e o preço dos imóveis seria uma questão secundária, claro, se não houvesse gente como nós que pretende comprar mas não colhe o dinheiro em árvore.

      0
    • aiwww 14 de janeiro de 2012 at 21:15

      Engenheiro-BA, estamos discutindo o assunto há meses. Se tiver paciência e ler os tópicos anteriores encontrará as respostas para todas as suas indagações.

      Quando disse “ou temos apenas um mercado com preços supervalorizados que chamamos de bolha”, sugiro que busque a definição de “bolha”.

      Desde a bolha das Tulipas, a humanidade passou por várias bolhas documentadas. Cada uma teve suas características especiais, mas todas foram infladas pelo efeito manada para a compra de um dado produto com a esperança de valorização futura, realimentando o processo, onde compra-se porque sobe e sobe porque algo é comprado (leia-se especulação). Não há distinção entre novo ou usado, tudo “valoriza” (leia-se inflado).

      O crédito e a intervenção dos governantes ajudam a inflar ou iniciam a bolha.

      O Le Parc que o senhor citou, tem o metro quadrado de 5k (ap. de 175 m2), enquanto aqui no Rio temos imóveis por 40k o metro quadrado. Aqui no Rio 5k é o valor do Meier / Cachambi / Pilares, bairros vizinhos do famoso Complexo do Alemão, Jacarezinho e várias outras favelas.

      Distorções pontuais sempre acontecem, mas se verificar os outros posts do blog verificará que a bolha acontece em todo o território brasileiro.

      0
    • DP 15 de janeiro de 2012 at 20:55

      Engenheiro – parabenizo-o pela iniciativa de buscar se informar melhor. Vai te fazer muito bem.

      Há tantas coisas incorretas no que você fala que fica difícil até saber por onde começar.

      Vamos começar pelo mais simples:

      1) Você comenta que tem “a impressão que tive foi que muitos de vcs NÃO TEM A MENOR IDEIA do que foi a bolha imobiliaria”. Leia os comentários e verá que alguns de nós temos conhecimento profundo inclusive vivendo inloco o pré, durante e pós-bolha estadunidense. Alguns de nós trabalham em Wall Street.

      2) “Achando que a bolha é a super-valorização/inflação de preço do imovel”. Essa é exatamente a definição de bolha. Estude mais. Um bom livro chama-se “Salve-se quem puder” de Edward Chancellor uma história da especulação financeira nos últimos séculos.

      3) “A bolha não foi causada pela DEMANDA/CREDITO FACIL”. Errado. Aqui nos EUA, o crédito subiu muito como % do PIB desde 2001 nos EUA e o crédito fácil foi o principal causador da euforia. Exatamente o mesmo padrão de eventos e de comportamento atualmente observado no Brasil.

      4) “A bolha americana de imoveis tinham 3 atores principais: banco-emissor de titulos; investidores privados de titulos; bancos de re-seguro.” . Essa foi uma pérola. Você se refere a securitização de títulos de crédito (mortage securities) que foi sim um dos principais problemas. Funciona assim: os bancos extendem crédito a torto e a direito (crédito abundante muitas vezes de baixa qualidade “subprime”), depois ao invés de segurarem estes ativos de baixa qualidade no balanço, os transformam em títulos por um processo conhecido como securitização. Esses títulos são avaliados por agências de rating (S&P, Moody’s,etc….) e vendidos para outros investidores interessados. Outro ponto: nem sequer existe banco de re-seguro nos EUA. Bancos são proibidos por lei de emitirem seguros. O que existe é seguros contra default de crédito dos títulos securitizados emitidos por seguradoras como a AIG. Mas a AIG não é banco.

      Vou parar por aqui. Tem tanta coisa equivocada no seu raciocínio que prefiro te dar um tempo para aprender mais antes de eu escrever qualquer outra coisa.

      0