#BolaDeCristal Preços dos imóveis vão continuar em alta, diz Cyrela – IG

Você pode gostar...

Comments
  • Ania 24 de novembro de 2011 at 23:28

    É, pessoal… Quanto maior o salto, maior o tombo. Mas eu, como leitora assídua deste blog e de outras publicações relacionadas (acompanho o assunto com interesse há alguns anos) acho que ainda vai demorar. Não acho que veremos nenhum movimento de estabilização ou queda de preços antes de 2017, quando a ressaca bater… Até lá, o Brasil vai seguir se embebedando de si mesmo, para então cair na real que continuamos pobres, semianalfabetos e evelhecendo rapidamente (e mal)… É triste, mas não é o fim do mundo. Como muitos dos nossos doutos leitores já comentaram, por enquanto é melhor ficar quietinho pagando aluguel. E se bater aquela frustração (e a gente sabe que bate), pensem assim “ai, casa própria, que sonho de pobre!” Rir (de si mesmo) costuma ajudar… Beijos!

    0
    • RT 25 de novembro de 2011 at 07:44

      “Como muitos dos nossos doutos leitores já comentaram, por enquanto é melhor ficar quietinho pagando aluguel.”

      Eu complementaria: “ficar quietinho pagando aluguel E JUNTANDO DINHEIRO”.

      Às vezes bate a frustração mesmo, pois é chato ficar a mercê de proprietário e/ou imobiliária, sem poder fazer obra no apartamento porque ele não é seu… mas nessas horas, tem uma coisa que funciona: abra o ZAP e constate que com 400 mil você só compra apartamento precisando de reforma em prédio simples.

      Aí, você olha pra sua poupança e se pergunta “eu vou pegar meu dinheiro suado, que levei tanto tempo pra juntar, e dar num apartamento ruim?”. Pra mim, isso funciona para saber que estou no caminho certo. Morar de aluguel é chato, mas eu me sentiria pior vendo que todo meu esforço de juntar grana só serviu para comprar um apartamento ruim. E imagina a sensação de quem fizer isso quando os preços caírem…

      Quanto ao palpite para quedas de preços, eu chutaria que vão ocorrer antes da Copa mesmo… afinal de contas, sem vender, esse mercado não sobrevive. E nos preços atuais, não vende. Digo isso não com base nos jornais (para quem o “mercado está aquecido”), mas pelo que vejo e ouço no dia a dia.

      0
      • Marcelo 28 de novembro de 2011 at 20:08

        Este pensamento seu é bem inteligente. Continue pagando aluguel(ops, a parcela do financiamento do proprietario) que basta os investidores darem uma pequena entrada que os trouxas pagam o imovel. Ia me esquecendo, va se preparando para cada vez ir se mudando para bairros piores e seu rico dinherinho perdendo para a inflação.

        0
        • Cleyton 28 de novembro de 2011 at 20:30

          Ô marcelo! Com todo o respeito, o senhor deveria estudar um pouco de matemática financeira e ler um pouco sobre investimentos (de verdade).

          Para não acabar parecendo arrogante vou dar um exemplo, um carinha financia 160k num apartamento em 20 anos, pela sac com juros de 8%, vai pagar uma prestação de R$ 1733.33 dos quais R$ 1066,67 são só juros e 666,67 vão abater o saldo devedor, um aluguel de R$ 600 representam 0,38% do valor do imóvel e 56,25% (pouco mais da metade) dos juros que vai pagar pro banco pelo “aluguel” do dinheiro, esse valor na poupança (que também não é investimento) dariam R$ 960,00 dos quais R$ 99,00 serão cobrados de imposto de renda (do que excedeu 50k) dando 861,00 líquidos, certos e sem risco (de inadimplência).

          Se o mesmo dinheiro estivesse todo em Notas do Tesouro Nacional série B (o mais conservador que tem) na taxa atual (que está baixa, 5% + IPCA) renderiam por mês o mesmo valor que o cara abateria do saldo devedor (11,11% acima do aluguel do imóvel) e ainda com a diferença de ser corrigido pelo IPCA (o saldo devedor do financiamento corrige pela TR que é bem menor).

          Não te culpo por pensar assim, é isso que a midia fala, é isso que os corretores falam e é esse tipo de pensamento que está inflando a bolha, só não acho correta a atitude de debochar sem fazer contas antes (Se tiver algo a ajustar estou disposto à recalcular o que for preciso).

          0
          • Marcelo 29 de novembro de 2011 at 11:09

            Sr. Cleyton, voce que deveria ser realista sobre a valorização dos imoveis(em torno de 30% ao ano) mais (0,5%) de aluguel mensal. NAO EXISTE INVESTIMENTO NO MUNDO QUE RENDA PERTO DISSO. O aluguel paga inicialmente 2/3 do valor da prestação ate rapidamente igualar o valor e com certeza muito rapidamente superar o valor.
            Graças ao pensamento seu e dos outros, que os investidores em imoveis estão ficando cada vez mais ricos.
            E antes que me esqueça, pode ir se preparando para se mudar cada vez para mais longe e se continuar com este pensamento nunca mais conseguir comprar um imovel razovel.

            0
            • Piaui 29 de novembro de 2011 at 11:23

              kkkkkkkkkk!!! DÁ ZERO PRA ELE!
              Desespero de corretor é coisa séria! kkkkkkkkkkk

              0
            • Cleyton 29 de novembro de 2011 at 12:50

              Bom, supondo que consiga alugar por R$ 800,00 (0,5% como vc disse) para igualar o valor da parcela (os 666,67 de amortização mais 133,33 dos juros), nas condições que calculei vão levar 17 anos e 7 meses (saldo devedor de R$ 20.000,00) para as parcelas serem iguais ao aluguel.

              Só para baixar de R$1000,00 (como um colega meu disse que seria “rapidinho”) serão 13 anos e 10 meses (saldo devedor de 50.000,00)! Como o saldo devedor corrige pela TR vai demorar um pouquinho mais, considerando que fique em 1,5%aa, em 17 anos seriam 28,8% e em 13 anos 21,36% sobre os saldos devedores, corrigidos respectivamente seriam de 25.760,00 e 60.680,00, essa conta é meio de padeiro porque não considerei a correção na parcela que deveria abracar essa diferença, se não corrigir a parcela vai ter o famoso “saldo residual” pra pagar no final.

              Agora, se considerar uma valorização anual de 30% aí realmente você está coberto de razão!!

              Como exemplo, a Ambev, maior cervejaria da américa latina, fabricante da skol, antartica, bohemia, brahma, budweiser, caracu e refrigerantes pepsi, sukita, gatorate e ice tea valorizou só 22,4% nos últimos 12 meses!!

              Nem vou comentar “empresecas” como Petrobrás, Banco do Brasil, Lojas Renner, Vale do Rio Doce porque TODAS tiveram valorização NEGATIVA em mais de 10% nos últimos 12 meses…

              Agora, jogar praga em mim é apelação! Mas não tem problema, dizem que se não acreditar não “pega”.

              0
              • Cleyton 29 de novembro de 2011 at 13:05

                Perdão, para as Lojas renner a valorização nos últmos 12 meses foi de -3,7%, que não é mais que 10% como eu havia dito.

                0
              • Marcelo 30 de novembro de 2011 at 10:12

                Boa dia Sr. Cleyton,

                Não estou querendo jogar praga em ninguem, entrei neste site por acaso e vejo as pessoas falando uma porção de besteiras. São pessoas que estão se enganando, tentando arrumar um motivo para justificar uma frustação. Na minha opinião é inveja, porque muita gente esta ficando rica. Em relação a mudança de localização em função do reajuste do aluguel(muito acima do IGMP, esta forçando as familias a se mudarem cada vez mais para bairrros e localizações inferiores(Na hora da negociação com o proprietario, ele vai não querer saber desse blablabla, ele vai colocar o preço de mercado). COMO DIZIAM NOSSOS ANCESTRAIS: IMOVEL É , FOI E SERÁ SEMPRE O MELHOR INVESTIMENTO. PAREM DE SE ENGANAR.

                0
    • alda 26 de novembro de 2011 at 21:29

      De uma olhada nesse video a bolha em cascavel http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=6w50w9pDnlQ

      0
      • Bolha Imobiliária 26 de novembro de 2011 at 23:00

        Interessante este video. Talvez mereça topico

        0
    • alda 26 de novembro de 2011 at 21:35

      Hoje fui na feira e me espantei de ver os corretores atacando o pessoal, eu pensei
      ate na feira nunca tinha visto corretor abordando a turma na feira, estão com uma estande aqui
      perto da minha casa os imoveis na planta custa 450mil é um absurdo eles acham que vão encomtrar esse milionario na feira kkkkkkk

      0
  • Ader 24 de novembro de 2011 at 23:28

    O pior cego é aquele que não quer enxergar…

    0
  • Said 24 de novembro de 2011 at 23:58

    Com ou sem bolha, nada que valorize 50%/ano é saudável!

    0
  • manuelao 25 de novembro de 2011 at 00:27

    E pq o governo não combate essa inflação no setor?

    0
    • Ania 25 de novembro de 2011 at 00:28

      Também me pergunto isso.

      0
    • Luidhi 25 de novembro de 2011 at 01:05

      Porque o mercado é livre e o preço não é regulado, e sim regulado pelo mercado.

      O que o governo vai fazer é negar financiamentos, como qualquer entidade financeira faria.

      0
    • Cosmos 25 de novembro de 2011 at 02:45

      O governo não combate pois o setor é intensivo em mão-de-obra e foi um dos principais responsáveis pelos “recordes” de contratação nos últimos tempos. Assim que acordarem para o fato de que o “boom” imobiliário já era, o setor imobiliário vai começar a demitir em massa e nosso nível de desemprego vai às alturas.

      Claro que o Governo culpará a crise internacional, a ganância dos bancos e os incas venusianos, mas terá tipo parcela de culpa enorme por ter inflado a bolha por meio de MCMV, emissão monetária, incentivo ao crédito para consumo etc.

      0
    • Richard S Miranda 25 de novembro de 2011 at 10:55

      Tudo bem que os preços são livres.

      Mas o governo poderia atacar indiretamente, como a Chia está fazendo.

      Atacar principalmentes estes especuladores.

      0
    • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 11:36

      Manuelão,

      Permita-me discordar. O preço não é livre.

      Seria livre se a CEF não baixasse os juros e não aumentasse o prazo de financiamento de 20 para 30 anos, para estimular o setor. Seria se o Governo não desse subsídios para o MCMV. Seria se o BNDES não fornecesse empréstimos subsidiados às construtoras.

      A administração pública tem culpa sim no aumento dos preços e tem todas as condições de mudar o rumo, não faz porque não quer.

      0
      • peterson 26 de novembro de 2011 at 10:05

        o preço é livre sim… compra quem quer… financia quem quer…. se endivida quem quer….

        0
  • Zoom 25 de novembro de 2011 at 00:42

    Concerteza, os caras sempre serão otimistas. O valor dos imóveis irão cair, na minha opinião, e mesmo assim eles continuarão com essa de preços altos.

    Gente, nesse ramo, espeto de ferreiro não é de pau.
    Pelo visto, os caras não estão de brincadira e o que eles mais querem é tirar o couro dos menos avisados.

    0
    • Zoom 25 de novembro de 2011 at 00:51

      Ah! Nada contra, apenas relatado o ocorrido. No semáforo perto de casa, tinha uma pessoa vestida de um boneco (3 metros de altura) escrito o nome de uma construtora conhecida “M.erre.V, o melhor de tudo, tinha três gatas com umas roupas, sabem né? – dançando na boquinha na garrafa, funk… Tudo para chamar a atenção dos homens e das mulheres. heheheheee.
      Flw…

      0
      • Luidhi 25 de novembro de 2011 at 01:07

        Aliás, não entendo isso. Nunca entrei numa concessionária por causa do palhaço que estava na frente, nem pela música alta (geralmente de péssimo gosto).

        0
        • Troll 25 de novembro de 2011 at 16:00

          Na verdade o palhaço na porta e a musica alta broxam minha vontade de comprar..hauhauahuahau

          0
  • FoxBravo 25 de novembro de 2011 at 00:54

    A primeira coisa que aprendemos na escola de marketing é que preço NÃO é custo+ margem e sim o que o mercado está disposto a pagar.
    Justificar aumento porque o dólar subiu é conversar muito furada. Quando o dólar estava mais baixo ninguém falou em redução de preços.

    0
    • Zoom 25 de novembro de 2011 at 08:21

      Quando o dolar cai, os caras dizem que o preço se manterá por causa das perdas antes queda.
      Na realidade, o povão só toma……

      0
  • LAM 25 de novembro de 2011 at 01:55

    Peterson: PDG, MRV e Rossi no TOP 5 do Ibovespa de ontem… repique??

    ps.: Não vi mais Gafisa, alguém poderia me atualizar?

    ps2.: Li um relatório “Top Picks” recomendando fuga dos setores de construção civil e varejo…

    0
    • peterson 26 de novembro de 2011 at 10:08

      dezembro sobe segundo meu grafico … para vc compreender ele sobe pouco, desce mais, sobe, desce mais, dente de serra em uma ladeira… mas toda hora muda OK, depende das entradas e eu não priorizo atualizar este grafico pq tenho mais o que fazer rs….

      0
  • MrK 25 de novembro de 2011 at 05:08

    esse texto e’ cheio de inconsistencias, vejam algumas:

    1- Ele diz que preco dos imoveis nao vao cair pq terrenos estao caros. E quem disse que terrenos nao podem cair tambem?!

    2- Diz que nao vao fazer promocoes e baixar preco, haaha, ate parece que a cyrela sozinha manda no mercado, se as concorrentes fazem promocao, a cyrela e’ obrigada a fazer ou nao vende, nao existe isso de “eu nao abaixo” se todos estao abaixando voce e’ obrigado

    3- “Nosso cenário-base não é de crise se alastrando para o Brasil.” – Parece que o cenario dele nao esta muito condizente com os sinais economicos e nem com o cenario do BC

    enfim.. as razoes pelas quais ele argumenta que os precos ficarao altos, na minha opiniao, sao fracas, mas naturalmente ele precisa dizer isso, afinal, eles tem que vender o peixe, ne?

    0
    • Cleyton 25 de novembro de 2011 at 10:55

      Vejo mais algumas:

      – Como tendência, não há nada que indique que os preços vão se acomodar (acomodar não, a tendência é de queda!)

      – Cimento e aço, que têm seus preços influenciados pela cotação do dólar (Humm, a Votorantim e a Vale são estrangeiras né, de qualquer forma se a China entrar em recessão ela não compra e o preço no mercado cai, independente do dólar.)

      – Não vamos de forma nenhuma diminuir margem em prol de velocidade maior [de venda
      s] (A questão não é a velocidade da venda, é achar comprador)

      – A oferta continuará consistente (a oferta não é problema, o problema é achar comprador!)

      – Toda vez que o Brasil cresceu 3%, o mercado imobiliário de São Paulo cresceu ent
      re 10% e 15% (Que correlação loca é essa? Relação de causa/efeito onde não tem, se o Brasil crescer 5% o mercado cresce de 12 a 21%?)

      – Nosso cenário-base não é de crise se alastrando para o Brasil (Caramba! Até o governo que é o último a admitir crises tá dizendo que o troço vai ficar feio!)

      0
  • MrK 25 de novembro de 2011 at 05:21

    Quanto a queda de precos de usados e repasse…

    A gente precisa ser paciente, esse mercado opera numa velocidade muito lenta, normalmente funciona assim:

    O Proprietario botou na cabeca por qualquer motivo que o ap vale 1 milhao (porque o amigo do sobrinho do pagagaio disse que valia, ou porque leu no oglobo), entao poe o anuncio

    Passado 1 mes nao vende, mas ele pensa: Nao eh normal vender em 1 mes, entao deixo…

    Passados 2 meses a mesma coisa, eh normal

    Depois de 3 meses sem vender ele comeca a ficar incomodado (caso o imovel nao esteja alugado), mas ele pensa: Melhor demorar e vender bem do que abaixar o preco, pois o que perco pagando condominio (R$500) nao e’ nada perto de um desconto (R$50.000)

    e por ai vai se arrastando por meses, alguns cabeca-dura podem ficar assim por mais de 1 ano como temos visto, por isso so’ quando o mercado estiver realmente saturado de vendedores e’ que iremos ver os precos baixando e depois que comecar a baixar vai rapido, pois a pessoa pensa “Quanto rantes eu vender, melhor”, ou seja, o gatinho demora, mas depois que vem tende a ser manada

    0
    • Ploc 25 de novembro de 2011 at 07:09

      Mrk,

      Foi exatemente o que fiz quando vendi minha casa nos EUA em 2006. A diferença é que lá eu conseguia ver o preço real das vendas no site da prefeitura e assim que percebi que o ponto de inflexão já tinha passado reduzi o preço de venda em 10%. A corretora nao queria de jeito nenhum. Mas baixei o preço e minha casa foi vendida na semana seguinte na frente de todas que estavam a venda no condominio. Inclusive teve briga entre os compradores e ganhou que aceitou bancar os vicios existentes no imóvel.
      Confesso, na hora de baixar o preço fiquei muito reticente, pois o sentimento de que estava perdendo algo era muito grande mas confesso: FOI A MELHOR NEGOCIO QUE FIZ NA MINHA VIDA.
      Hoje, consigo ver o dados relativos ao meu imóvel no site da prefeitura.
      O cara comprou por $400K e o imovel vale hoje $210K. Imagina, se ele vender a casa hoje. Ele ainda deve ao banco uns 170K. Tenho pena do cara.
      Amigos meus que sairam em 2008 e nao perceberam o que estava acontecendo e simplesmente abandonaram as casas e o carro zero no estacionamento do aeroporto pois nao valia a pena trabalhar para pagar ao banco. Ou seja, nao ganharam um tostão com o sonho americano.
      O ponto é que é muito dificl enxergar que o mercado mudou, afinal a premissa era de que um imóvel era o melhor investimento para qualquer um. Essa ideia era batida todo dia em anuncios/papo de bar/nas ruas vendo as construtoras com novos empreendimentos.

      Só tenho a acrescentar uma coisa: Estou assistindo novamente o que via quando ia ao trabalho. Exatamente os mesmos movimentos. Negaçao e promoçoes para nao mexer no preço do imóvel (compre e ganhe: condominio por um ano, carro na garagem, descontos especiais, todo mobiliado…..)

      Agora é só assistir

      Abraços

      0
      • manuelao 25 de novembro de 2011 at 11:07

        Quais eram os vicios do imovel?

        0
        • Ania 25 de novembro de 2011 at 12:22

          Fumava como uma chaminé!

          0
  • Menino_do_Rio 25 de novembro de 2011 at 08:23

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/fundos/noticias/7-vantagens-dos-fundos-imobiliarios

    Qual seria a influência dos fundos imobiliários nos preços dos imóveis. A maioria dos fundos administram imóveis comerciais, mas isso refletiria nos preços dos imóveis?

    0
    • MrK 25 de novembro de 2011 at 11:01

      como voce bem disse, esses fundos atuam quase que 100% em imoveis comerciais, logo eles exercem uma influencia no preco de compra de imoveis comerciais

      eles geram uma falsa demanda tanto quanto os especuladores (compram sem a intencao de utiliza-lo), a diferenca que os especuladores querem na maioria revender e os fundos por pra alugar, de qualquer forma eles compram algo que nao querem usar e portanto distorcem a demanda elevando o preco por um tempo

      0
      • Inteligivel 25 de novembro de 2011 at 19:06

        95% dos fundo imobiliários compram para alugar e distribui o rendimento aos cotistas mensalmente. Alguns poucos movimentam os imóveis da carteira, a grande maioria nunca vende os imóveis, boa parte só possui um único imóvel (um shopping, um prédio comercial, um hospital, etc).
        Os fundos imobiliários que podem ter alguma influencia maior na bolha são aqueles que são lastreados em LCI e CRI. Os outros são “proprietários que alugam seu imóvel para terceiros para viver de aluguel”.

        0
  • observadora_cwb 25 de novembro de 2011 at 08:29

    h t t p://www.brasileconomico.com.br/noticias/tombini-cenario-externo-justifica-novo-corte-nos-juros_109709.html

    E a culpa JÁ É do mercado externo!! rsrsr

    0
  • Carcará 25 de novembro de 2011 at 09:09

    Há coisas que são inevitáveis – “não há como deter a alvorada”. Há no máximo como retardá-la. Mas é óbvio que a Cyrela tem de dizer que o imóvel subirá indefinidamente, por duas razões: primeira, não afastar o potencial tolo maior; segunda, evitar que os tolos maiores que já compraram tenham faniquitos de chinês e lhe quebrem o escritório. A propósito, aqui em Salvador, a Cyrela está protagonizando o maior fiasco imobiliário da história – LE PARK. Como já disseram, por aqui, para cada 1 vendido, 3 são devolvidos.

    Aproveito a oportunidade para dar um palpite. Quando o crédito secar (e vai secar), quem comprar um imóvel, a vista, por menos de 60% do valor de face de 06/2011, vai perder dinheiro.

    Abs

    0
  • Ivan 25 de novembro de 2011 at 09:20

    MENTIRA!!!

    Recebi ontem mesmo uma lista de imóveis em promoção da Cyrela. Diversos imóveis praticamente pelos preços praticados alguns meses e/ou anos atrás.

    0
  • Rodrigo 25 de novembro de 2011 at 09:27

    Ontem estava vendo alguns anúncios de apartamentos e cheguei a seguinte conclusão, AMADORES!!!!!

    Como que um ser pode anunciar um apartamento sem pelo menos arrumar uma cama, recolher o lixo, quem sai de casa para ver uma porcaria suja e mal arrumada, dá para sentir o fedor na tela do computador, mas pede R$ 400.000,00!!!!

    Será que não vale a pena contratar, faxineira para pelo menos limpar o imóvel, fotógrafo para tirar fotos decentes, que as que vejo pelo amor de deus, será que não tem maquina digital… são R$ 400M nunca ouviu falar em programa de melhoramento de imagem.

    Como alguém pode convencer outra a pagar R$ 400M em um imóvel com móveis caindo aos pedaços, se vejo isso e realmente quero comprar ofereço no máximo R$ 40M porque o vendedor deve estar endividado;

    É muita limitação para um site (ZAP) inteiro!!! onde vamos chegar!

    0
    • MrK 25 de novembro de 2011 at 09:48

      haahhaha eu postei sobre isso outro dia… tem uns aps com cara de mofo, decoracao de 40 anos atras, paredes sem ver uma mao de tinta ha decadas, ventilador de teto tosco, TV de tubao de 1980, parece que foi habitado por um grupo de hippies

      como essas pessoas acham que ficaram ricas?

      eh por isso que crises existem, para corrigir tais loucuras

      0
      • Rodrigo 25 de novembro de 2011 at 11:37

        Mrk,

        olha essa propaganda:

        h ttp://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Kitchenette-Conjugados-1-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-CENTRO-RUA-MONCORVO-FILHO/ID-2542825

        quantas dessa se acha no Zap?

        0
        • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 11:59

          Em agosto do ano passado um kitnet nessa rua não saía por mais de R$70.000,00…

          0
          • Rodrigo 25 de novembro de 2011 at 12:19

            Mês passado foi vendido um na minha frente por 90m, mas tinha sido comprado por 30m dois dias antes… e ainda teve gente criticando, mas no meu ponto de vista 60m – IR de 15% = 51M em DOIS DIAS de “trabalho” isso porque precisava comprar um outro…

            0
        • Indecoroso 25 de novembro de 2011 at 18:34

          Eita! Realidade aumentada????

          0
      • Ania 25 de novembro de 2011 at 12:25

        Mais especificamente, você tinha falado de “ventilador de teto da guerra de 14”. Lembro porque ri muito…

        0
      • Troll 25 de novembro de 2011 at 16:09

        Em Santos tá cheio dessa porcarias. 400k numa casa de vó, com decoração de 1920.

        0
    • Ader 25 de novembro de 2011 at 11:33

      Uma coisa que acho muita graça quando vejo, são as fotografias distorcidas para dar a impressão que o imóvel é maior, esses caras são realmente amadores de segunda categoria…

      0
    • trackback 25 de novembro de 2011 at 11:46

      Uma vez fui conversar com o proprietário de um apartamento antigo (década de 50+-) a venda.

      Daí a fachada estava suja e descascando – Ele me disse que não repintou para não valorizar o imóvel!
      -Pintura de uma fachada custa tanto assim?

      Os azulejos na parte interna estavam caindo, pois não eram fixados argamassa, foram fixados com uma espécie de barro da época de construção do prédio – Ele disse que eram azulejos bonitos, especiais da época.
      -Podia pelo menos recolocá-los no lugar!

      Piso antigo do tipo taco, tinha obra inacabada e etc etc etc

      E no final o cara pede o valor de um apartamento novo!

      0
  • FoxBravo 25 de novembro de 2011 at 09:36

    Pelo que vi em convesas com amigos e colegas as pessoas estão anunciando seus imóveis (usados) para aproveitar a alta do preço. Se eles venderem ótimo, se não venderem a vida vai continuar igual, nada mudará. Por isso se ficar 1 ou 2 anos sem vender eles não vão ligar. Esperam aparecer um “louco” que pague o valor absurdo.Nesse meio tempo aquele que precisa vender mesmo aproveita o valor inflacionado, dá um desconto de 15% e vende em uma semana com o comprador dizendo para todos que fez um excelente negócio!

    0
    • Ana 25 de novembro de 2011 at 10:34

      É verdade. No prédio de uma conhecida, tem uma senhora que coloca o apto dela a venda há anos. Em 2009 no início do ano colocou R$800 mil, em 2009 colocou R$ 860 mil. Em 2010, aumentou para 1 milhão. Em 2011 está em 1,39 milhão. Agora, não vendeu até agora. Ou seja, na verdade, ela quer é lucrar e não efetivamente vender, ou melhor, se vender ótimo senão continuo onde estou.

      0
      • manuelao 25 de novembro de 2011 at 11:14

        É a chamada venda de ocasião ou oportunidade. Sei que meu imovel vale cem, mas todo mundo em volta ta vendendo e comprando por duzentos, entao eu peço duzentos e trinta e, se colar embolso uma boa grana, senão tudo como dantes no quartel de Abrantes.

        0
        • Troll 25 de novembro de 2011 at 16:12

          É o efeito manada. Se o do meu vizinho vale 100, o meu vale 150. O cidadão nunca vai pensar: o meu vale menos. Nunca. Por isso vemos lixos sendo oferecidos por 400k.

          0
          • pmoraesm 25 de novembro de 2011 at 17:14

            O que essa gente não leva em consideração é que ela não é a única “esperta”. Se ela vendeu o apto de 100 por 200, pode ter certeza que pagará 400 num de 200. As leis do mercado são sábiaa…

            0
            • Troll 25 de novembro de 2011 at 20:54

              Com certeza, pmoraes, esqueci de comentar isso..hehe

              0
  • Money Addicted 25 de novembro de 2011 at 10:16

    na china precos chegam a cair 62.5%

    http://www.businessinsider.com/home-prices-crash-625-since-september-in-chinese-ghost-town-ordos-2011-11

    se fosse no brasil a imprensa diria q foi uma leve correcao

    0
    • Carcará 25 de novembro de 2011 at 11:27

      Viciado em dinheiro,
      como coloquei num post atrás, quem comprar com menos de 60% dos preços praticados em 06/2011 vai perder dinheiro.

      Abs

      0
      • Money Addicted 25 de novembro de 2011 at 14:10

        exatamente

        []s

        0
  • Lucas 25 de novembro de 2011 at 10:26

    Equação atual:

    Investidores estrangeiros + construtoras + corretores + crédito desenfreado + especuladores + Governo omisso + Ministério Público sem tomar partido >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> trabalhador honesto e assalariado que ganha reajustes menores que os índices de inflação.

    Isso é uma covardia, vamos ver se o Governo brasileiro vai tomar providências assim como fez o Chinês.

    0
    • aiwww 25 de novembro de 2011 at 11:14

      aguarde sentado …

      0
      • Troll 25 de novembro de 2011 at 16:14

        melhor aguardar deitado, se estiver esperando alguma ação do PT…

        0
    • Rodrigo 25 de novembro de 2011 at 11:21

      “Ministério Público sem tomar partido” ???????????????

      Até 100% do imóvel
      O Dia, Coluna do Servidor, 24/nov

      O Ministério Público do Estado do Rio e a Caixa Econômica Federal assinaram, na última segunda-feira, acordo que facilita o financiamento da casa própria para os servidores. Será possível financiar até 100% do valor do imóvel.

      0
      • Lucas 25 de novembro de 2011 at 11:57

        Rodrigo, minha referência quanto a atuação do Ministério Público é no sentido de defesa do consumidor, existe a Promotoria de Tutela Coletiva que pode atuar em situações em que o interesse do consumidor esteja ameaçado.
        O próprio código de defesa do consumidor já acolheu o consumidor como mais fraco frente as empresas nas relações de consumo, lhe assegurando vários direitos.
        Na Constituição Brasileira determina que o Estado deve promover a defesa do consumidor (art. 5º, XXXII).
        Alguém no blog, não lembro quem, relatou que uma pessoa colocou um ap por um preço e um corretor lhe ligou dizendo para ela aumentar, isso poderia ser investigado.
        Quanto ao convênio para os servidores financiarem um imóvel eu não vejo problema algum, eles estão no mesmo barco que a gente.

        0
        • Rodrigo 25 de novembro de 2011 at 12:07

          Se o MP faz acordo para financiamento com a Caixa deve ser porque não há nada de errado, caso contrário é só denunciar

          h ttp://www.mp.rj.gov.br/portal/page/portal/Internet/Cidadao/Ouvidoria_Geral

          0
          • Lucas 25 de novembro de 2011 at 12:37

            Ora, eles fizeram um acordo para financiamento, o problema vai ser o funcionário encontrar um ap de acordo com os padrões do seu salário.
            Assunto administrativo é uma coisa, missão institucional do Órgão público é outra completamente diferente.
            Todas as discussões sobre bolha são baseadas em tese, já surgiram várias reportagens dos bolhistas e dos que rebatem a bolha.
            Existem várias reportagens por aí, é só pesquisar, pega uma dessas instaura um inquérito e investiga.

            0
  • Ana 25 de novembro de 2011 at 10:46

    Gente, em toda a minha vida, fiz excelentes negócios, pois não sou intempestiva e não sigo a manada. Com esses preços só sei de uma coisa, vou continuar juntando, pois não tenho dinheiro para comprar e não vou fazer a loucura de financiar. Com o passar do tempo, com o dinheiro in cash darei a minha oferta, e se a pessoa aceitar ótimo, senão o dinheiro vai continuar onde está, sabe pq. só imóvel está aumentando com essa loucura, o resto está seguindo o valor da aplicação, e não serei louca de comprar um imóvel a preço absurdo e ainda me endividar. No futuro, comprando ou não imóvel, terei um dinheiro que poderei aplicar em imóvel ou até usar como renda futura em minha aposentadoria.
    Tenho 35 anos, se fizer um financiamento de 30 anos, não sei se no final poderei pagar o financiamento, pois já estarei aposentada e não sei se o meu salário será o mesmo, e digo isso até para os funcionários públicos, pois estão em vias de aprovar o fundo de previdência complementar e não se terá garantia da paridade.
    Por esta razão, não estou nem aí, para as construtoras, imobiliárias e outros dizerem que irão aumentar os imóveis cada vez mais, só sei que não compro nada na alta e que poderá comprometer minha vida futura.
    Ressalto, ainda, que não podemos esquecer de outros problemas que surgem no decorrer da vida, como desemprego, problemas de saúde(-em que os planos de saúde não bastam, fora que com o aumento da idade, os preços dos planos ficam altíssimos), despesas com filhos etc. E aí, com financiamento de 30% da renda durante 30 anos, dará para pagar?

    0
    • MrK 25 de novembro de 2011 at 11:05

      voce esta corretissima, pena que nem 10% dos brasileiros pensam como voce

      infelizmente a falta de conhecimento basico de financas e economia leva as pessoas a tomarem decisoes louca, comprometendo quase uma vida inteira, se afundando em dividas.

      quais as chances de termos uma crise economica nos proximos 30 anos? eu diria que 100%, nunca conheci um pais na historia que nao passou por uma crise (grave ou moderada) num periodo de 30 anos, mas no caso da nossa bolha, reitero que acho que em 2012 ja veremos o inicio do ciclo de baixa

      0
      • Troll 25 de novembro de 2011 at 16:20

        MrK, acho que ainda não vai ser em 2012 (infelizmente)…continuo com meu paralelo 1986/2016. Vide o que aconteceu com a economia pós 1986 após o período conhecido como “Milagre Economico” dos militares…pra mim é um paralelo com o governo Lula.

        0
        • peterson 26 de novembro de 2011 at 10:29

          também não sei se será em 2012 pois temos muitas obras publicas em execução, porém caso a crise mundial “cascateie” teremos um efeito dominó que será basicamente assim: mercado desacelera,secam os creditos baratos, juros externos sobem, secam os recursos extrangeiros, aporte do governo para interno, secam recursos internos, captação a juros maiores, custo de financiamento torna impossivel, mercado para, queda geral da economia mundial, aportes mundiais não são suficientes, queda da economia nacional, mercado cai, inflação estabiliza em baixa, desemprego aumenta, pode ter repique nesta fase, economia mundial estagna, mercado cai, aplica-se a teoria do caos nessa fase, crise se estabelece, e assim segue… mas o brasil não quebra não, graças às ações do governo Lula, que muitos aqui criticam e desmerecem, ele criou algo que não tinhamos na epoca de fhc (que na minha opinião deveria estar preso por crime contra a pátria), Lula abriu os mercados compradores do Brasil, os parceiros economicos alternativos manterão o Brasil bem na fita…. mas tera muito choro e ranger de dentes se tudo isso for agudo demais…

          0
    • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 11:50

      Ana,

      Também sou a favor de comprar tudo a vista, com desconto, claro. Mas lembre-se que ao financiar um imóvel, você não precisa necessariamente ficar os 30 anos pagando. É possível amortizar a dívida aos poucos e quitá-la antes do prazo.

      Dependendo de como o mercado se comportar, talvez num futuro próximo seja mais barato financiar do que alugar. Até porque, na minha opinião a queda dos aluguéis não vai ser tão forte como a queda dos preços para venda.

      0
      • Ana 25 de novembro de 2011 at 12:24

        Um financiamento acima de dez anos, já é arriscado, e financiar um imóvel a prazo menor é raro de conseguir com os preços atuais. Por exemplo, se financinar R$ 400.000,00 por exemplo vc ao final de 10 anos, pagará três vezes esse valor, e isso se colocado em uma aplicação, dá uma boa garantia de aposentadoria, não acha?
        Além do mais, aluguel fica sempre preso ao poder de pagamento do inquilino e não dá para acompanhar os valores atuais dos imóveis, tanto é assim que os alugueres correspondem a 0,3% do imóvel, ou seja, menos que uma poupança.

        0
        • Cleyton 25 de novembro de 2011 at 12:44

          Financiar 400k em 10 anos (120 meses), a parcela que vai abater o saldo devedor é de 3333,33 (400k/120), com um juro muitíssimo otimista (de graça) de 5% (0,42%am = 0,05 / 12 – não é capitalizado) acrescenta na parcela os juros de 1666,67, dá uma prestação inicial de 5000! Quer dizer que a pessoa teria que ganhar 15000,00 por mês, por isso é raro. Fora que o banco incentiva prazo maior porque abate menos o saldo devedor sobre o qual incide os juros.

          Tenho um camarada que financiou por 30 anos para pagar a menor parcela possível e não ficar “descapitalizado” pagando a vista, beleza, se a TR ficar em 1,5 ao ano durante as próximas 3 décadas ele vai pagar 122.373,93 a mais só de correção, fora o juro que todo o mês tá incidindo, gênio né!

          0
          • pmoraesm 25 de novembro de 2011 at 17:30

            Nesse seu exemplo, tem que ganhar 15000 e nao ter outra despesa fixa nenhuma…

            0
            • peterson 26 de novembro de 2011 at 10:34

              so tenho uma coisa a dizer, quem financiou mais de 300K em 30 anos e não recebe mais que 10k tá fudido, cedo ou tarde…. aguardem e confiem rs

              0
              • pmoraesm 26 de novembro de 2011 at 11:53

                Teoricamente quem ganha 10.000 pode financiar, no máximo, 300.000 e se tiver 60.000 de entrada (20%). Mas sabemos que, em como tudo por aqui, existe o jeitinho brasileiro….

                0
              • pmoraesm 26 de novembro de 2011 at 11:59

                Aliás, minha conta de padeiro está errada heheh… de acordo com o simulador CEF, com 10.000 de renda se financia, no máximo, R$ 267.360,03

                0
        • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 13:10

          Ana,

          É justamente o que eu quero dizer. Só que eu estou falando de futuro pós-bolha e não do presente.

          Hoje, com o aluguel valendo 0,3% do preço do imóvel, é infinitamente melhor alugar, mas quando a bolha estourar, a situação pode inverter.

          Em tempos normais, o aluguel gira em torno de 1% do valor do imóvel. Será que vale a pena alugar se uma aplicação em renda fixa rende cerca de 0,7% líquidos ao mês?

          0
          • Ana 25 de novembro de 2011 at 14:21

            Qdo. as coisas normalizarem, como disse, se valer a pena compro a vista o imóvel com o dinheiro que juntei, pois não vou pagar três vezes mais ao valor emprestado ao banco.
            Um imóvel que de dois quartos na Barra que vale 650 mil. Se a pessoa pegar um empréstimo de 400mil vai pagar de prestação 5000 mil e ao final de dez anos 1,5 milhão de reais, sendo certo que 5000mil de prestação já compromete um boooaaa parte da renda e portanto, não dá para falar em amortização.
            Vc acredita realmente, que um apartamento de 2 qtos na Barra da Tijuca em 10 anos vai valer 1,5 milhão de reais? Se vc acreditar que sim, aí é melhor comprar logo e fazer esse empréstimo. Só que tem outra coisa, vc ao financiar tem que ter certeza que irá conseguir pagar esta prestação durante estes 10 anos, pois senão perderá o seu imóvel para o banco.
            Agora, se não acreditar nisso, juntará uma boa grana e compará um apto. melhor ou se assim não desejar, manterá no aluguel e somará os rendimentos da aplicação com o seu salário e terá uma ótima vida, concorda?

            0
            • Luiz 25 de novembro de 2011 at 14:43

              Isso que o Cleyton falou é importante
              O juros incide no saldo devedor – o montante grande
              Se vc começar aplicando do zero o juros incide no montante pequeno

              O mesmo valor de juros pra divida e pra aplicação é muito diferente:
              A divida incide juros num numero grande até abater e chegar a zero.
              A aplicação incide juros num numero pequeno até chegar num valor alto.

              O efeito do juros na dívida é muito maior que na aplicação, portanto o juros da dívida teria que ser nominalmente bem menor que o da aplicação, mesmo que seja só a TR. A grande vantagem é não fazer dívida, em segundo lugar aplicar. Se vc não financiar vc ganha 2X: a maior parte por não pagar juros e depois por receber juros, a não ser que o imovel comprado vai te render algo que somente ele poderia lhe render, que o alugado não poderia.

              0
              • Ana 25 de novembro de 2011 at 14:52

                Além de pagar três vezes o valor do empréstimo ainda tem o risco de não conseguir pagar as prestações que são altas e ao final, perder tudo para o banco.
                Só sei de uma coisa, não faço essa loucura.

                0
                • Luiz 25 de novembro de 2011 at 15:38

                  e com o dinheiro na mão vc tem um troço chamado ganho de oportunidade, o contraio disto que vc falou do risco.

                  a chance de arrematar de alguém prestes a perder tudo por valor de liquidação

                  0
            • Atribulado 25 de novembro de 2011 at 18:35

              “Um imóvel que de dois quartos na Barra que vale 650 mil. Se a pessoa pegar um empréstimo de 400mil vai pagar de prestação 5000 mil e ao final de dez anos 1,5 milhão de reais”

              alguém explica essa conta?

              0
            • jayme 27 de novembro de 2011 at 21:38

              ja que voce ta falando de barra, voce deve morar por aqui.. outro dia eu ouvi a seguinte perola de uma corretora: “olha os imoveis do rio 2, la pela copa do mundo vao estar valendo 18mil o m2” PUTA QUE PARIU..

              se em 2014/2016 um imovel no rio 2 estiver valendo 18mil o m2 , ou nos estamos em um cenario de hiperinflacao (de volta aos anos 80) ou finalmente perdemos o ultimo pingo de bom senso que nos resta.

              0
          • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 16:59

            Então pessoal,

            Como eu disse ali em cima, também sou a favor de comprar tudo a vista. O que eu quis mostrar é que um financiamento imobiliário não é um cumprimento de pena sem direito à condicional. Você pode sair antes do prazo contratado. hehehe

            Só para constar, quando eu digo isso, não falo de comprometer 1/3 da renda familiar, como no exemplo dado por vocês. Isso é loucura total. Mas continuo acreditando que o crédito, quando adquirido de maneira responsável não é nenhum bicho de 7 cabeças.

            0
            • Cleyton 25 de novembro de 2011 at 17:48

              André, 1/3 da renda familiar é referência por ser o máximo que o banco libera, e olha que não se compra nada que preste com isso.

              Agora, uma vez entrado no jogo não se sai ileso antes do prazo contratado, na prática isso é quebra de contrato, você prometeu pagar e não cumpriu, você foi desleal e injusto e merece ser punido (dramático não?) ou por outro lado, se tudo tivesse dado certo você poria as verdinhas no bolso e tudo certo, agora o vento vira e você quer devolver na boa, “renegociar” porque ficou ruim? Ou ainda de outra forma, e se você tivesse emprestado o dinheiro? Ia gostar de ver o contrato rescindido justamente quando está começando a ficar bom pra você?

              Os dois leram o contrato, os dois acertaram as condições, se ficasse ruim pro banco você “renegociaria” com ele também também? Pense nisso.

              0
              • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 19:34

                Cleyton,

                Não entendi o que você está dizendo. Quem falou em quebra de contrato? O tempo todo eu estou sustentando que é possível pegar um financiamento e amortizá-lo ao longo do tempo, para quitá-lo antes do fim do prazo. É uma maneira de você antecipar a aquisição de um bem, sem necessariamente ficar pagando por ele o resto da vida.

                0
                • Cleyton 25 de novembro de 2011 at 19:53

                  Ah, entendi errado então, desculpe. Quando vc falou sair entendi sair mesmo e não quitar.

                  Financiamento é aluguel de dinheiro, se você quitar não estará mais alugando o dinheiro e pagou pelo tempo que utilizou, beleza, só que se você não tinha pra comprar como vai ter pra quitar? Se ganhar uma herança ou na loteria talvez compense a alavancagem, mas se pensar em poupar (ou aplicar em ações) creio que não vá compensar os juros.

                  O pessoal fala mal dos juros altos, mas se no estado que está tem loco pegando imagine se baixar! Pior, imagina nego pegando dinheiro emprestado pra aplicar, devolver e ainda lucrar! Isso aconteceu em 2008.

                  0
    • Troll 25 de novembro de 2011 at 21:06

      Ana,
      Também do to com a intenção de fazer isso q vc falou, seguir juntando. O problema que vejo disso é entrar uma Zélia Cardoso no governo e confiscar o dinheiro, como foi feito no governo Collor. Ou então entrar um governo ditatorial sob o regime comunista, tal como Cuba. Perceba que isto não é difícil de ocorrer. Um governo comunista nasce quando o povo é ludibriado com uma falsa sensação de riqueza (veja a tal “nova classe média”) imposta pelos discursos moles do governo e subsídios aos pobres. Note ainda que esse é um sonho antigo e a razão de existir do PT, ser uma ditadura comunista. O PT vem a tempos tentando isso, com a tentativa de criação do Conselho Federal de Jornalismo, e o fim da exigência de diploma para ser jornalista. Fatos que para mim são tentativas claras de censura da imprensa brasileira.
      Desta forma tenho bastante receio em ter um capital investido. Não sei se o governo brasileiro me dá essa segurança.

      0
      • Inteligivel 26 de novembro de 2011 at 11:11

        Então compre ativos reais. Compre ações de boas empresas que vão continuar existindo mesmo que uma ecatombe aconteça. Nunca vi “confiscar” ativos em qualquer parte do mundo. Já títulos públicos e poupança… já aconteceu!
        Só não use a desculpa mental de “não vou juntar dinheiro, porque tenho medo de confisco, logo vou gastar e vou pegar um financiamento”. Seria uma decisão muito ruim.
        A conta é simples: calcule quanto de juros estaria pagando em um financiamento imobiliário. Agora divida isso pelo valor do seu salário mensal. Você ficará assustado. Aluguel + investimento é imbatível. Financiamento só é bom para o banco, sempre!

        0
        • Troll 27 de novembro de 2011 at 09:52

          Valeu, Inteligível. Boa explicação e não tenho dúvidas que o financiamento só é bom pro banco. Na verdade a dívida é a a escravidão moderna. Imagina 30 anos devendo. Te obriga a trabalhar 30 anos no mínimo. Tem um vídeo que alguem postou aí no forum que fala exatamente disso.
          Fora que a compra de um imóvel, te prende àquela localidade ou seja, se você quiser chutar o balde e mudar de emprego e cidade, você fica amarrado naquele local. Vou fazer aquela conta dos juros para ver. Valeu.

          0
  • Rodrigo 25 de novembro de 2011 at 11:26

    Armadilhas da febre de Miami
    Valor Econômico, Luciana Monteiro, 25/nov

    A combinação real forte e imóveis ainda com preços baixos tem levado muitos brasileiros a comprar uma casa ou apartamento nos Estados Unidos. O destino mais procurado é a Flórida, com preferência sobre Miami e Miami Beach. O problema é que muitos estão adquirindo imóveis no exterior sem avaliar a parte fiscal, tanto americana quanto brasileira. Se a compra for feita em nome da pessoa física, por exemplo, em caso de morte, o imposto de sucessão e outros tributos podem chegar a quase metade do valor do imóvel. E nem sempre os recursos desembolsados lá fora podem ser compensados aqui no Brasil.

    Os números mostram que os brasileiros estão entre os maiores compradores estrangeiros de imóveis na Flórida, atrás apenas dos canadenses. Dados da Associação Nacional dos Corretores (NAR) revelam que os brasileiros representavam em agosto deste ano 8% dos adquirentes internacionais na região. Só para se ter ideia, no ano passado, a fatia era de 3%. E, segundo a NAR, calcula-se que 55% a 60% dos imóveis em Miami sejam vendidos hoje para estrangeiros, principalmente do Brasil.

    Muita gente inclusive opta por vender suas casas de veraneio no Brasil e buscar outra em Miami. Mas poucos tomam conhecimento de que, conforme a legislação americana, o imposto na transferência de um imóvel para um herdeiro pode atingir até 47% do valor de mercado dele, alerta Aloysio Vasconcellos, presidente da Westchester Financial Group, consultoria americana que atua nas áreas de proteção de ativos, planejamento sucessório e tributário internacional. E o pior: esse imposto de sucessão deve subir para até 55% em 2013.

    Por isso, vários brasileiros têm procurado realizar a aquisição em nome de uma pessoa jurídica. A pessoa abre uma empresa no exterior – de preferência num paraíso fiscal, porque é mais barato – e, em seguida, monta uma companhia nos Estados Unidos. E é essa empresa americana que comprará o imóvel. Como uma empresa não morre, não há imposto sobre sucessão, explica Samir Choaib, sócio do escritório Choaib Paiva e Justo Advogados.

    Mas isso quer dizer que a abertura de uma empresa no exterior para a aquisição do imóvel é sempre o mais indicado? Não necessariamente, ressalta o advogado. Se o objetivo da pessoa é comprar o imóvel para obter ganhos no curto prazo, ou seja, revender em seguida a um preço maior, a aquisição como pessoa física é mais recomendada.

    Isso porque o imposto sobre ganhos de capital nos Estados Unidos é, em geral, de 15%, valor que pode ser compensado aqui no Brasil. “Mas, caso essa seja a opção, a pessoa deve se precaver fazendo um seguro de vida no exterior para o herdeiro pagar o imposto de sucessão caso ocorra um acidente fatal com o proprietário do imóvel”, diz Choaib.

    E como fica na hora de fazer a declaração de imposto de renda (IR)? Por exemplo: a pessoa física compra um imóvel no valor de US$ 1 milhão e, naquele dia, o dólar estava a R$ 1,80. Deve-se, então, colocar na declaração o imóvel adquirido no valor de R$ 1,8 milhão, o que representa US$ 1 milhão. “E não se deve alterar mais; se a pessoa ficar cinco anos com o imóvel, ela vai repetir essa informação no imposto de renda durante cinco anos”, diz Choaib. “Quando ela vender o imóvel, deverá recolher 15% de IR nos Estados Unidos e no Brasil também, mas em virtude de acordo de compensação, ela não pagará mais nada aqui.”

    Já para os brasileiros que não pretendem vender o imóvel tão cedo, querem deixar para os filhos ou mesmo têm a intenção de alugá-lo, o mais indicado realmente é fazer a aquisição via pessoa jurídica. Nesse caso, o contribuinte deve declarar apenas a empresa que possui na hora de fazer a declaração do imposto de renda. Se, mais tarde, a casa for vendida, o IR pago nos EUA sobre ganho de capital será de 15% a 35%, dependendo do tipo societário da empresa americana.

    Se uma casa de R$ 1,8 milhão for vendida mais tarde por R$ 2,8 milhões, ou seja, com ganho de capital de R$ 1 milhão, a empresa americana investidora terá de pagar o imposto nos Estados Unidos. Se a alíquota for de 15%, será o equivalente a R$ 150 mil. Na hora de trazer de volta para o Brasil os R$ 850 mil restantes (R$ 1 milhão – R$ 150 mil) e passar os recursos para a pessoa física, será preciso pagar 27,5% de IR aqui via carnê-leão.

    A maior parte dos brasileiros que compra um imóvel na Flórida procura apartamentos de dois quartos de frente para a praia em Miami Beach, Brickell ou Sunny Isles, conta Cristiano Piquet, dono da Piquet Realty, corretora imobiliária especializada em representar e assessorar brasileiros que querem comprar imóveis em Miami. “Hoje, paga-se, em média, R$ 7,5 mil por metro quadrado nos apartamentos novos, enquanto antes pagava-se de R$ 15 mil a R$ 20 mil”, diz. Segundo ele, todos os seus clientes estão abrindo empresas lá fora e realizando a aquisição no nome da pessoa jurídica. “Numa empresa, é possível abater até as despesas de viagem a fim de que o lucro seja reduzido e o imposto, menor.”

    Mesmo no caso daqueles que compram um imóvel com o objetivo de alugar e obter rendimento extra, é preciso ter muita atenção, pois o investidor pode acabar se frustrando, alerta Vasconcellos, da Westchester. Diferentemente do que ocorre no Brasil, ao alugar um apartamento, o pagamento do condomínio não é responsabilidade do inquilino e, sim, do proprietário, assim como os tributos e os outros encargos, ressalta o executivo.

    Segundo Vasconcellos, um apartamento em Miami Beach é alugado hoje por US$ 1,6 mil, em média, para um condomínio médio de US$ 1 mil. O proprietário, então, deve procurar fazer também um seguro de responsabilidade civil. Isso porque se um vazamento no seu apartamento molhar uma obra de arte do vizinho, a pessoa estará coberta. Daí, pagando-se o condomínio, seguro e impostos, sobra US$ 200 ou US$ 300 para o proprietário. “Longe da badalação, no entanto, é possível lucrar um pouco mais”, diz.

    “Já vi várias pessoas comprando imóveis em Miami sem qualquer consultoria e, depois, terem problemas por conta disso”, afirma Matias Alem, presidente da BRG International, empresa de vendas de imóveis em Miami. “Às vezes, compra-se um apartamento num condomínio antigo e, mais tarde, o proprietário é chamado para realizar um aporte para fazer uma pintura ou um concerto qualquer no prédio”, diz. “A pessoa pode comprar um imóvel com condomínio de US$ 600,00 e, de um mês para o outro, passar a pagar US$ 1 mil.” Por isso, diz ele, é importante consultar um corretor de confiança, que conheça a região, e que vai checar, num sistema integrado, a condição do imóvel.

    Além de analisar todas essas variáveis, os brasileiros têm de ficar atentos ao fato de que, além da tradicional declaração de imposto de renda, é preciso fazer também a Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior no Banco Central (BC). A obrigação precisa ser feita por toda pessoa física ou jurídica residente no país que tiver ativos de valor igual ou superior a US$ 100 mil no exterior no dia 31 de dezembro do ano anterior.

    0
    • Inteligivel 26 de novembro de 2011 at 11:18

      A impressão que dá é que toodos ficaram ricos, menos eu.

      0
  • Heavymac 25 de novembro de 2011 at 11:32

    Alguem ja viu isso?

    htt p://www.brasileconomico.com.br/noticias/gafisa-cancela-obras-da-tenda-e-promete-devolver-dinheiro_109684.html

    0
  • Ar Quente 25 de novembro de 2011 at 11:34

    O artigo é um pouco extenso, então eu fiz uma edição. O link para o texto completo é esse aí.

    mpettis.com/2011/11/will-greece-unravel-by-christmas/

    Will Greece unravel by Christmas?
    de Michael Pettis

    (…)

    By openly acknowledging that Greece could abandon the euro, Europe’s leaders may have set in motion events that will automatically force Greece to leave. Here is the logic. If Greece is ever forced to leave the euro, it will first have to redenominate domestic corporate and household liabilities into the new currency – let’s call it the drachma – or else domestic borrowers will be wiped out by the fall in the value of revenues relative to debt as the drachma immediately depreciates against the euro.

    But it doesn’t end there. If a bank’s assets – its outstanding loans – are to be redenominated into drachma, then its liabilities, i.e. deposits, must be redenominated too, or else the balance sheet mismatch will bankrupt the bank.

    And there is where the problem lies. As soon as any depositor realizes that bank deposits are likely to be redenominated into drachma, he will pull his deposits out of the banks so as to protect the value of his savings. But obviously only a few depositors will be able to do this before forcing the bank into closing. In order to prevent the resulting collapse in the banking system, the only thing Athens can do is to freeze bank deposits long before most depositors have had a chance to cash out.

    (…)

    This is simply part of the logic of sovereign financial distress – declining credibility causes stakeholders to act in ways that reduce credibility further. What’s more, deterioration in the political process is part of financial distress at the sovereign level. Remember, as Keynes pointed out back in 1922, that resolving these kinds of crises is always political – it is about which sector of the economy (or class) ends up paying for the adjustment.

    (…)

    0
  • Galvão 25 de novembro de 2011 at 11:48

    O governo não deve regular o preço, mas também não pode deixar a coisa correr frouxa, sem planejamento, fiscalização e digamos uma certa regulação.

    Por que os preços subiram tanto? Não foi simplesmente por causa da demanda. Ou da noite pro dia, “surgiram” milhões de pessoas interessadas em comprar uma casa?

    A ignição do processo foi a oferta exagerada de crédito e programas de incentivo do Governo (MCMV). Depois, na minha modesta opinião, isso virou fichinha perto da especulação. Com preços subindo, investidores aportaram no mercado imobiliário para conseguir lucro fácil, construtoras facilitaram ainda mais o processo de pagamento na planta, e assim o ciclo vicioso foi se formando.

    Importante notar que a partir do momento que a especulação entrou em cena, o processo passa a se basear muito mais em expectativas do que em fatos. Portanto, a reversão do processo se dá com a quebra das expectativas.

    A quebra ou reversão das expectativas se dá quando os especuladores perceberem que a fonte secou (e isso já está acontecendo) e são obrigados a inverter a posição de compra para venda.

    Daí temos um cenário de muita oferta e pouca demanda, pois os “investidores” não estarão mais interessados, e quem realmente quer comprar para morar, não tem condições de pagar o preço.

    Nesse cenário os preços irão caindo gradativamente.

    Para ocorrer uma ruptura (ou a bolha explodir) só com um evento que faça os especuladores dependerem desesperadamente vender suas posições sem se importar com o prejuízo, ou seja, um cenário de crise econômica.

    Não sei qual dos dois cenários iremos lidar, mas com certeza será um dos dois.

    0
  • Andre Luiz 25 de novembro de 2011 at 11:55

    Sobre o post principal, a Cyrela argumentou, argumentou e esqueceu o mais importante: no final das contas, um produto só é vendido se tiver alguém disposto a comprá-lo.

    De nada adianta ela justificar o aumento com base nos insumos, se não tiver para quem vender. A menos que ela esteja disposta a ficar com um bando de imóveis em estoque, sem transformá-los em caixa. Acredito que não seja o caso…

    0
    • shakespeare 25 de novembro de 2011 at 12:21

      é que eles estão considerando que ainda existem compradores que se dispoem a comprar por esses preços… os conhecidos otários, que vão se endividar por toda a vida para pagar um apartamento que está custando o dobro do que é justo.

      0
    • Sérgio 25 de novembro de 2011 at 12:40

      Essa é a mais pura verdade, André.
      Eles publicam um monte de besteira e os jornais assinam embaixo.
      Esquecem-se de falar que “guidance de venda” é antes uma presunçosa previsão que fatos, sem levar em conta, ainda, que a mudam conforme a maré. Tanto é assim que o CODIM regulamenta a prática do GUIDANCE, para que essa se afaste “o máximo possível” de falsas promessas, coisa comum no mercado. Logo esse termo serve apenas pra enganar trouxa, principalmente sardinhas, que no caso são pegos com isca falsa.
      Agora com relação ao EBITDA, por mais que os operadores do mercado lancem opiniões favoráveis sobre ela, é mais um termo técnico (técnico???) do mercado para facilitar suas operações. Serve muito bem exclusivamente em mercados altamente regulados e em economias saudáveis. É uma camuflagem para o lixo contábil a que pretendem esconder. Abaixo seguem algumas considerações sobre o índice:

      É muito comum que empresas contratem financiamentos e empréstimos para alavancar suas operações. Assim, é mais comum as empresas apresentarem despesas financeiras superiores às receitas financeiras. Outrossim, como também é comum as empresas apresentarem Imposto de Renda e Contribuições sobre seus lucros operacionais, é fácil presumir-se que o EBITDA seja superior ao lucro líquido, sendo que, em muitos casos, o EBITDA é positivo muito embora a linha final da demonstração de resultados apresente prejuízo líquido;
      O EBITDA não considera as mudanças no capital de giro e portanto, sobrevaloriza o fluxo de caixa em períodos de crescimento do capital de giro;
      O EBITDA pode dar uma falsa idéia sobre a efetiva liquidez da empresa;
      O EBITDA não considera o montante de reinvestimento requerido, especialmente nas empresas que apresentam ativos operacionais de vida curta (três a cinco anos);
      O EBITDA nada apresenta sobre a qualidade dos lucros;
      Ele ignora as distinções existentes na qualidade dos fluxos de caixa originados de diferentes práticas contábeis (nem todas as receitas geram caixa!);
      O EBITDA ignora atributos específicos na análise de determinadas empresas/negócios;
      Companhias da chamada ?nova economia? têm tentado convencer os investidores de que devem ser avaliadas, exclusivamente, com base no EBITDA, desconsiderando-se até a hipótese de prejuízo e com isso, têm conseguido ludibriar investidores leigos ou mal informados;
      A aparente hipótese de estar livre de manipulações caiu por terra com o escândalo da Worldcom, quando esta reconheceu US$ 7 bilhões de despesas operacionais como investimentos de capital, o que provocou profunda distorção no lucro e conseqüente aumento do EBITDA;
      Por ser de fácil apuração o EBITDA é freqüentemente utilizado como a mais importante medida de performance do resultado de muitas empresas. Entretanto, seu resultado pode dar uma falsa idéia do verdadeiro potencial de investimento de uma empresa, justamente por não refletir adequadamente, a verdadeira habilidade na geração de caixa para continuidade das operações.
      .
      .
      Portanto, companheiros, são todos os argumentos da construtora xurumelas das mais fajutas. Que eles enganem ao grande e alienado público, apenas.

      0
      • Cleyton 25 de novembro de 2011 at 13:19

        Perfeito, lembrando que o Lucro Operacional EBIT (fora depreciação e amortização) da Cyrella está negativo em 114 Milhões, no mesmo período do ano passado também negativo em 130 Milhões, quer dizer, considerando o Lucro Líquido ela não é uma construtora é uma financeira!

        Fonte: h t t p : //w w w .guiainvest.com.br/raiox/default.aspx?sigla=cyre3

        0
  • Luiz 25 de novembro de 2011 at 12:38

    A cyrela conseguiu aumentar o caixa freando a compra de terrenos novos, o que inviabiliza futuros lançamentos. A estratégia é sólida – vender o que tem em carteira por preços elevados, manter a margem e segurar o crescimento das dívidas.

    Acontece que se houver uma queda forte de preços ela vai ficar igual goleiro batido, catando mosca. É estranho essa estratégia, pq ela aposta numa paradeira geral futura, mas que ao mesmo tempo os preços não vão cair, se o raciocinio não fecha, a conta tbm não vai fechar.

    Só resta a ela rezar que a bolha seja mesmo uma ilusão.

    Essa estrategia da teimosia é a que mais vai fazer sofrer com a queda na minha opinião.
    As vendas não estão paradas, elas estão ocorrendo ainda numa velocidade mais lenta e no ritmo de avanço real do BR, o que não tem sido pouco.É suficiente pra ir dando sobrevida às construtoras.

    0
    • Marcos Eliziário Santos 26 de novembro de 2011 at 19:39

      Amigos,
      Essa estratégia é jogar no curto prazo para que os executivos recebam seus polpudos bônus no final do ano. Lá na frente, quando a empresa apertar o freio porque não comprou terrenos, os acionistas, credores e funcionários que vão absorver a porrada. E os tais executivos já terão largado o barco.
      Para quem investe nessas empresas que passam a agir assim, é de suma importância ficar ligado no entra e sai de executivos. Os ratos sempre sãos os primeiros a abandonar a nau prestes à naufragar.

      0
  • shakespeare 25 de novembro de 2011 at 12:41
  • simone 25 de novembro de 2011 at 13:40

    aqui em porto alegre a rossi ta dando desconto de quase 20 mil reais mais ou menos 8 % é só ler a zero hora de hj ….

    0
  • FoxBravo 25 de novembro de 2011 at 13:44

    O que acontece quando alguém compra um imóvel no lançamento mas o empreendimento só consegue vender menos de 1/3 das unidades? A construção é adiada? A construtora devolve o dinheiro? E se a construtora quebrar? Não é um risco grande comprar no lançamento e “micar” com o imóvel? Os compradores/investidores estão levando isso em consideração e/o sabem disso?

    0
    • Felipe 25 de novembro de 2011 at 13:56

      Em Santos há vários empreendimentos nessa situação – vou falar o caso específico de um chamado Cap Ferrat, que é uma torre imensa, de quase 40 andares contando as garagens.
      O Prédio foi terminado há mais de 6 meses e ainda há corretores no local e, quando passo de noite, há pouquíssimas luzes ligadas nesse prédio ( eu ACHO que foram vendidos bem menos da metade dos aptos ). Enfim, nesse caso específico, pelo que ouço falar, o prédio foi terminado e os atuais moradores têm de arcar com um condomínio salgadinho

      0
      • Marcos 25 de novembro de 2011 at 14:19

        Felipe,

        Em Santos tem mais de 80 prédios em construção. Todo dia me pergunto quem vai morar nesses apartamentos. O pior de tudo que são apartamentos de alto padrão. O que você acha?

        0
        • Felipe 25 de novembro de 2011 at 15:01

          Eu acho qu… PLOC !

          0
        • Felipe 25 de novembro de 2011 at 15:10

          Sem brincadeira agora Marcos, em Santos a situação seria engraçada se não fosse trágica.
          95% das pessoas que moram lá (parte da praia), se tivessem que comprar seus aptos novamente não teriam dinheiro. Disso eu tenho certeza. A maioria se tivesse que alugar também não teria como manter.
          O que ocorre então é uma fuga para São Vicente (parte da praia também ficou inacessível), Praia Grande, Cubatão e Guarujá. Acho que quando essa palhaçada toda acabar e os preços serem derrubados, vamos sair perdendo de qualquer forma, pois o número de prédios aumentou assustadoramente, o trânsito está caótico, não tem metrô ou trem pra segurar a barra e as cidades só ficaram mais feias, notadamente Santos com seus prédios de 2514 metros…

          Só o Neymar tem dinheiro!

          0
          • Luiz 25 de novembro de 2011 at 15:33

            Prezado Felipe,
            Santos detem alta concentração de renda, terra urbana escassa na ilha e investimentos pesados do PAC, da Petrobras, do Porto.
            Acredito que a bolha irá adquirir dimensões cariocas aí

            0
            • Troll 25 de novembro de 2011 at 21:18

              Luiz, no caso, onde estão os investimentos do PAC aqui em Santos??

              0
          • Marcos 25 de novembro de 2011 at 15:39

            Felipe,

            Tenho notado essa fuga das pessoas para outras cidades. Também tenho notado que o padrão de vida tem aumentado.

            Eu sinceramente não entendo como vai caber tantas pessoas em Santos. Trânsito totalmente caótico.

            E aquele prédio “novo” do Mendes (acho que chama-se Prime). Aquilo vende ou encalha? Houvi falar que cada unidade sai no mínimo por 3 milhões.

            0
          • Troll 25 de novembro de 2011 at 21:16

            Santos tem trânsito de São Paulo numa área de Vaticano.

            0
      • Troll 25 de novembro de 2011 at 21:14

        Santos é uma bolha dentro de outra bolha. E esses corretores santistas ainda vão quebrar a cara com o “pré-sal”. Anotem aí. Eles acham que o “pré-sal” é da cidade de Santos, sendo que este está a 200km da costa (do RJ) a 7km de profundidade. Acham que o petróleo vai revolucionar a cidade. E no entanto não vai mudar nada. Só inflar mesmo.

        0
        • peterson 26 de novembro de 2011 at 10:54

          Santos-sp é a cidade que eu uso para prever a inflexão da bolha pois acho muito hilária a situação por lá, por ser uma ilha, ter muita renda, ser foco do pré-sal, possuir certa organização urbana, etc etc, ocorrem movimentos muito claros de como funcionam o mercado imobiliário atual, alguns grupos empresariais locais montaram um esquema claro de manipulação dos preços (eu vejo isso, quem mora lá deve perceber melhor) só que em vez de criarem um mercado rentável estão criando um mercado impossivel para os moradores, que migram para os anexos da ilha, causando os problemas de SP (transito de bairros/cidades residenciais para santos), é mais engraçado perceber que quem compra hoje em santos não nora em santos, kkkk, quando a carroça desandar santos será uma cidade de ricos pobres…

          0
          • Troll 27 de novembro de 2011 at 09:55

            Perfect!

            0
    • Inteligivel 26 de novembro de 2011 at 11:31

      Comprar no lançamento é arriscado. Por isso DEVERIA haver um deságio nesse tipo de compra. Mas nosso mercado está tão bizarro, que o cara que compra no lançamento está pagando o mesmo valor que o de um imóvel pronto.
      Risco do imóvel em construção é ele não ficar pronto. Risco do imóvel pronto está na regularidade da documentação do mesmo, só.

      0
  • Carlos_ 25 de novembro de 2011 at 14:01

    Mais uma vez as consequências são interpretadas como causas. O preço dos terrenos subiu DEPOIS do aumento do preços dos imóveis, não antes.

    Agora, alguem esperava algo diferente da Cyrela? O cara ia dizer o que? Que os preços vão cair, que é melhor ninguem comprar nenhum imóvel com eles, porque se esperarem vai ser mais barato no futuro?

    Esses caras não fazem análise, fazem propagando.

    0
  • Piaui 25 de novembro de 2011 at 14:29

    Viram essa notícia?
    Gafisa cancela obras da Tenda e promete devolver dinheiro
    w w w .brasileconomico.com.br/noticias/gafisa-cancela-obras-da-tenda-e-promete-devolver-dinheiro_109684.html

    0
    • Luiz 25 de novembro de 2011 at 14:46

      é o esgotamento do poder de compra da Classe C, não podem comprar carro, não podem comprar casa.
      Quando não puderem pagar as dividas a coisa fica feia, mas aí só num cenário de desemprego crescendo, o que nãos e vai ver tão cedo

      Mais tarde faço uma rtigo sobre isso que chamo de Competiçaõ Social, criado pela nova classe C

      0
      • Anonymous 25 de novembro de 2011 at 15:26

        Luiz,

        Convém lembrar que em nenhum lugar do mundo existiu empréstimo de 30 anos com juros de 12% ao ano. Essa inovação Banânica vai resultar em forte inadimplência mesmo sem desemprego. É só aguardar.

        0
        • Luiz 25 de novembro de 2011 at 15:29

          São 50 milhões de novos Cêbananenses em 8 anos.

          Gente é artigo de consumo neste país, artigo descartavel.

          0
          • Luiz 25 de novembro de 2011 at 15:39

            easy come easy goes

            0
      • Mineiro BH 25 de novembro de 2011 at 15:55

        Como não teremos problemas com desemprego????

        Pelo contrário…

        Tb vale lembrar uma coisa: quero ver qdo os (ex) empregados da construção civil começarem a devolver seus carros e imóveis, sem condições de pagar…

        Vai ser um super efeito multiplicador…

        0
        • Luiz 25 de novembro de 2011 at 16:22

          desemprego em queda: 5,8% este mês e caindo

          0
          • Carlos Wagner 25 de novembro de 2011 at 16:32

            As construtoras estão revendo suas metas de lançamentos para 2012. Com a entrega desses empreendimentos em construção e redução na velocidade de novos lançamentos, a mão de obra excendete vai ser dispensada e isso vai gerar um efeito multiplicador em toda a economia.

            Acredito que essa mão de obra excedente não será pouca não…

            0
            • Luiz 25 de novembro de 2011 at 17:17

              tem um colega querendo fazer o contra-piso e piso, pq a PDG entregou na laje
              Quem disse que ele acha pedreiro?
              Antes vinha pedreiro da bahia, hj com as bolsas, o caminho inverteu

              0
        • Troll 25 de novembro de 2011 at 21:20

          Sim…igual ao Espanhistão.

          0
  • Marcos 25 de novembro de 2011 at 14:57

    Dilma: não é hora de parar de consumir ou de produzir
    Presidente não quer que o Brasil sofra temores diante de uma crise econômica mundial

    exame.abril.com.br/economia/noticias/dilma-nao-e-hora-de-parar-de-consumir-ou-de-produzir?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

    Olha o desespero

    0
    • Luiz 25 de novembro de 2011 at 15:30

      ela podia dar o exemplo
      e começar a trabalhar

      0
      • Ader 25 de novembro de 2011 at 16:57

        Realmente, fazendo um retrospecto do ano, que já está no fim, só me lembro que ela viajou muito… empregão este hein?

        0
  • Ader 25 de novembro de 2011 at 16:01

    Off Topic.
    Pessoal, desculpem a minha ignorância, mas o que significa essa corrida para comprar Black Friday, coisa que até hoje de manhã não sabia o que era?

    0
    • Anonymous 25 de novembro de 2011 at 16:05

      É uma liquidação nos EUA que acontece no dia seguinte ao dia de ação de graças (thanksgiving), que é o feriado mais importante nos EUA.

      0
      • Ader 25 de novembro de 2011 at 16:08

        Obrigado Anonymous!
        Seria como aqui no Brasil quando determinadas redes de lojas abrem no dia 01 de janeiro para liquidar o estoque?

        0
        • Luiz 25 de novembro de 2011 at 16:13

          a moda do black friday chegou aqui, mas a versão tupiniqum é um engana trouxa

          Anunciam descontos de até 70%, mas se pesquisar descobre que a maioria dos descontos não passa de 10%, em alguns casos se acha até mais barato que fora da liquidação.

          0
          • Carlos Wagner 25 de novembro de 2011 at 16:36

            Meu e-mail foi inundado com progpagandas desse Black Friday de todas as lojas hoje.

            Visitei cada uma delas para ver se conseguia um Notebook com preços justos (pois sou pão duro) e percebi exatamente isso que o Luiz disse. Um unico produto com descontos de verdade e o resto com descontinhos.

            Resultado: Não encontrei nada que valesse a pena comprar que eu não pudesse deixar pro ano que vem.

            0
            • Luiz 25 de novembro de 2011 at 17:07

              dependendo do modelo, fica +barato comprar em Miami, incluindo avião, hotel e aluguel de carro

              0
              • joao 26 de novembro de 2011 at 12:20

                MAs e a cota de 500 dolares por pessoa?

                0
          • Ader 25 de novembro de 2011 at 16:40

            Como acontece com imóveis, tudo aqui parece que é para enganar esse povo carente de educação e senso crítico, totalmente alienado do que é prescindível ou não para a sua vida, que vê na aquisição de certas aberrações, que aqui chegam a custar até 3 vezes mais que no exterior, um modo de dizer que é ou pode ser mais que os outros… Uma verdadeira pobreza de espírito…

            0
            • luizdvd 25 de novembro de 2011 at 22:37

              Tens razão. A verdadeira pobreza do brasileiro não é necessariamente a pobreza financeira, mas a pobreza de espírito. Esta só se cura com educação, coisa que não vamos ver tão cedo, já que não há interesse em criar população educada.

              0
              • RT 26 de novembro de 2011 at 08:24

                Tenho minhas dúvidas se “pobreza de espírito se cura com educação”, viu?

                Eu e meus irmãos mais novos fizemos o 1o e 2o graus em um colégio particular aqui no Rio. Embora minha família não fosse rica, convivemos naquela época com muitos colegas que eram de famílias riquíssimas.

                Pois muitos destes – mesmo estudando em um colégio ótimo – herdaram a pobreza de espírito dos pais, graças aos exemplos que tinham em casa.

                Conheci gente que adora falar mal de pobre, diminuir quem não tem dinheiro, encheu o saco dos pais pra ganhar carrão, precisa viver consumindo para se sentir importante…

                Minha opinião é que pobreza de espírito vem de casa. Essa cultura do “ter” em vez de “ser” é mau exemplo dos pais. Quem nunca conheceu gente mais velha que adora se exibir??

                0
    • Troll 25 de novembro de 2011 at 21:22

      É o mesmo que “Nova classe média” + Casas Bahia em liquidação. Deu pra imaginar né?

      0
  • Mdc 25 de novembro de 2011 at 16:15

    Linha do tempo:

    Primeira onda: ajuste no valor dos ativos, em especial imóveis, com expressiva redução de preços. O seu início ocorreu no segundo semestre de 2011 e irá perdurar até meados do primeiro semestre de 2012;

    Segunda onda: diminuição de renda, aumento da inflação e aumento do desemprego. Início: primeiro semestre de 2012. Duração: pelo menos dois anos;

    Terceira onda: desequlíbrio fiscal e risco de colapsos das contas públicas. Início: a depender da intensidade e duração da segunda onda e da não ocorrência de ajustes estruturais e reformas ainda pendentes, em especial previdenciária e trabalhista.

    O preço dos imóveis terão a gordura especulativa devidamente retirada ao fim da primeira onda e no curso da segunda onda começarão a surgir bons negócios. Caso adentremos a terceira onda conjugada com uma recessão global, iremos perder a referência de valor dos imóveis e talvez seja melhor permanecer líquido e com outros ativos reais, em especial ouro e prata, sendo que será o momento para entrar no mercado acionário e aguardar o novo ciclo de valorização.

    0
    • Luiz 25 de novembro de 2011 at 16:21

      bem que o Me falou que iamos começar a discutir religião em breve
      como assim primeira onda, segunda onda?
      Prezado MDC, brincadeiras a parte, como vc chegou nestas conclusões?

      0
  • LAR 25 de novembro de 2011 at 16:21

    boa tarde amigos

    acompanho o blog a quase um ano mas nunca comento.

    Gostaria de pedir opiniões sobre a seguinte situação:

    tenho uns 50 mil guardados, renda de 4,5k e gostaria de comprar um imóvel na região de jacarepaguá

    ocorre que nessa região, passarão 2 linhas espressas (transolimpica e BRT Trascarioca) e por conta disso, fico receoso de os preços de fato continuarem subindo na região.

    Hoje o metro quadrado ali está por volta de 2.800 (baixo em relação aos relatos que leio), porém não encontro aptos com boa metragem e boas condições. Só cubiculos com condominios cheios de inutilidades “uteis”.

    Vocês nessa situação tomariam que atitude? Aguardariam uma provavel desinflação dos preços ou comprariam antes que esse “incremento”estrutural que se aproxima fique pronto e ainda jogue mais ainda os valores pra cima?

    Abraços

    0
    • pmoraesm 25 de novembro de 2011 at 18:00

      Eu estava em situação parecida com a sua.

      Eu e minha esposa tinhamos cerca de 85.000 guardados e uma renda de 12.500,00 em 2010, e procuravamos um apto que pudessemos pagar em até 5 anos. Como só encontramos lixo (já naquela epoca), achamos um apto que realmente gostariamos de viver, porém que demandaria um financiamento muito longo.

      Hoje moro de aluguel, nesse prédio que queriamos, por R$ 1.400,00… já vi o preço dos aptos daqui subirem de 300 mil (na época em que entrei – Set/2010) para quase 400 mil (Jul/2010). Soube de 1 apartamento que foi vendido por 330 mil mes passado, nunca tinha sido habitado e pertencia a um “investidor” (ué, não sobe sempre? vendeu pq?) e vou continuar assistindo a ondas dos preços até o final do meu contrato, a menos que surja uma oportunidade muito boa de compra.

      0
      • pmoraesm 25 de novembro de 2011 at 18:03

        Correção: quase 400 mil foi em jul/2011 e não 2010

        0
    • RT 25 de novembro de 2011 at 18:05

      “Vocês nessa situação tomariam que atitude? ”

      Temos uma coisa em comum: planos para comprar casa própria.

      Nesse momento, eu recomendaria a atitude de não comprar. Com o valor que você pagaria de prestação no financiamento, dápra vc alugar um apê de igual tamanho e ainda sobra um dindin pra vc ir incrementando sua poupança enquanto acompanha o mercado, pra ver onde vai dar.

      Estamos vivendo tempos muito estranhos no que se refere a esse mercado, e creio que esta é uma péssima hora para se entrar nele. Você vai dar todas as suas economias e ainda se endividar um bocado para comprar algo que nem é nada demais.

      Recomendo que vc pense que os preços hoje estão insultosos. Além do mais, se vc comprar agora, vai se arrepender depois se os preços caírem (eu particularmente, não vejo como se sustentarem nos patamares onde estão por muito tempo).

      Claro que tudo isso é a minha opinião. Você deve julgá-la e tomar sua decisão. Espero ter contribuído.

      0
      • LAR 25 de novembro de 2011 at 18:27

        Agradeço as opiniões

        Vocês não acham que essas “melhorias” estruturais que citei podem aumentar o metro quadrado da região (que hoje não é um metro quadrado tão absurdo ainda)? Receio que o metro quadrado de fato valorize, apesar da bolha de crédito (que não tenho dúvidas que estoure mais cedo ou mais tarde). O que hoje é um mal negócio, vai que no futuro vira um bom, por conta da melhor estrutura no bairro? Acabaria ficando elas por elas. Vai que hoje comprei inflado, porém no futuro mesmo após mudanças na economia e queda de preço, ficaria no mesmo patamar ou até mais caro, devido as linhas expressas etc (que com certeza não serão grandes melhorias, dado o atraso que a maioria dos bairros cariocas já vive)

        0
        • pmoraesm 25 de novembro de 2011 at 19:30

          Nao conheço a região em que vc vive, mas acho que mesmo com as melhorias os precos nao devem subir tanto, afinal de contas atualmente basta que a noticia da melhoria seja dada que o valor já sobe.

          Tente verificar o preco da sua região há 2 ou 3 anos atras e veja qual foi o reajuste, se a subida nao foi o absurdo do restante do mercado vale pensar com carinho, só nao caia na armadilha de comparar o preco do m² com o praticado em bairros super valorizados.

          Eh o que eu faria.

          0
  • Mdc 25 de novembro de 2011 at 16:38

    Utilizei esta expressão apenas para dar uma ideia de cronologia. A primeira onda já está em curso, como já foi diversas vezes explorado aqui neste site: execesso de crédito conjugado com ausência de educação financeira e juros extorsivos, aliados com especulação, são ingredientes para “inflacionar” o mercado imobiliário de maneira irreal e o ajuste foi inevitável. O nível de vendas de imóveis novos está caindo, o de usados despencou, a nova classe média está absurdamente endividada e esqueçaram que além do “carnê” precisa comer, pagar escola, luz água, etc. Em resumo: a bolha já explodiu (primeira onda). Com o agravamento da crise internacional o Brasil, inevitavelmente, irá sentir o baque: quedas nas exportaçoes, aversão ao risco, queda na produção e desemprego. A “nova classe média” vai parar de entrar na base da pirâmide que estava sustentando o mercado imobiliário, sem contar a explosão no nível de inadimplência que iremos observar. Resultado: o mercado imobiliário vai apontar para baixo de vez, e por alguns anos. Caso o cenário realmente se agrave (terceira onda), bom, aí o preço dos imóveis será o menor dos nossos problemas econômicos e sociais.

    0
    • Troll 25 de novembro de 2011 at 22:02

      Concordo com isso aí. Veja que a Dilma mandou o povo não parar de gastar. Isso pra mim é sinal claro de que as coisas estão desacelerando. Ou seja a mulher tá com o fiofó na mão com medo do PLOC.

      0
  • Luiz 25 de novembro de 2011 at 17:01

    Bruce Willis coloca sua mansão à venda por R$ 27 milhões
    (preço de um 3 quartos no Leblon)

    Los Angeles (EUA) – A luxuosa mansão de Bruce Willis localizada em Idaho, nos Estados Unidos, está à venda.

    A propriedade conta com seis quartos, casa para hóspedes, piscina aquecida, academia, lagoas e riachos, entre outras áreas de lazer distribuídas nos 780 metros quadrados de jardins cinematográficos.

    (Tem algo errado não?)

    0
    • Atribulado 25 de novembro de 2011 at 18:56

      colega não exagera

      um 3 qtos no leblon custa 1,5 milha, longe de ser barato, mas um “pouco” menos que 27, não?

      780 m2 no leblon ficaria por volta de 8 milhoes.

      o leblon é a área mais elitizada do rio, do brasil, e quiçá da am. latina…

      Já Idaho, é o segundo estado mais pobre dos eua.

      0
      • Frank 25 de novembro de 2011 at 19:19

        “780 m2 no leblon ficaria por volta de 8 milhoes.”

        o Luiz exagerou msm, mas o mero quadrado de lançamentos de alto luxo no Leblon está bem acima do preço médio do mercado, q deve ser uns 15K / m2.

        tem lançamentos a 30K/m2, 40K/m2…

        o último em ipanema q causou um bafafá foi de 50K/m2.

        0
      • CJGK 27 de novembro de 2011 at 00:43

        8 milhoes por 780m2? Esse preço por m2 é o que eu to vendo em Botafogo! No Leblon é mais que isso. Claro que é menos de 27 milhoes, que foi realmente uma extimativa exagerada.

        0
      • dp 27 de novembro de 2011 at 19:25

        atribulado (?) – seu argumento eh patetico. O nivel de desenvolvimento dos EUA eh infinitamente superior ao Rio. O PIB da California sozinho eh maior que a Banania inteira. O IDH de Idaho eh maior do que 90% das cidades brasileiras (incluindo o Rio). Resumindo, os precos do Leblon so valem isso tudo para quem tem inteerese em vender ou quem nao aprendeu matematica direito.

        0
        • Cleyton 27 de novembro de 2011 at 20:07

          Bem, em defesa do atribulado, pessoas desenvolvidas, que sabem matemática direito e que tenham um PPB (produto Pessoal bruto) e um IDP (indice de desenvolvimento Pessoal) alto não deveriam estar aqui na “banânia” com os “macaquitos” discutindo assuntos tão triviais não acha? Porque não vai pra lá, é de pessoas como você que precisam lá, sem nome (só estados), sem domínio na internet (.com), com sede sem nome (branca), sem nacionalidade, sem personalidade e sem respeito pela nossa nação!

          0
          • dp 27 de novembro de 2011 at 22:16

            Cleyton – vc nao sabe quem eu sou e fica tentando atacar. Muito primitivo. Se quiser argumentar o ponto com fatos fique a vontade. Senao, evite levantar insinuacoes porque vc reforca ainda mais o estereotipo. Assim eh que as coisas funcionam na Banania, o sujeito nao sabe argumentar e ataca a pessoa. O ponto continua valido: O IDH do Rio eh baixissimo. O PIB da California (em crise, by the way), sozinho, eh maior que o da Banania inteira.

            0
            • Cleyton 27 de novembro de 2011 at 22:44

              É, tem razão, não sei porque perco meu tempo com pessoas tão inteligentes e tão bem sucedidas que não tem nada melhor pra fazer além de ficar sacaneando pobres diabos do terceiro mundo…

              0
              • dp 27 de novembro de 2011 at 23:23

                É divertido!

                0
        • Atribulado 27 de novembro de 2011 at 21:33

          manézão, primeiro meça suas palavras.

          me diz por favor qual é o idh do leblon.

          não gosta da “banania”?
          vaza!
          daí voce entra em blog do brasil, pra ficar discutindo em portugues, igual uns e outros aí…
          é cada um que aparece

          0
          • dp 27 de novembro de 2011 at 22:20

            Atribulado – ja “vazei” em homenagem ao o seu linguajar. Ha doze anos. Esse ano recusei uma proposta para voltar para ganhar meio milhao de reais. Ri na cara da “head hunter”. Nao volto para a Banania nunca. Adotei como hobby debochar da Banania.

            0
            • Atribulado 28 de novembro de 2011 at 00:26

              Ahhh, coisa boa essa tal de internet, onde qualquer um pode ser bem sucedido…

              0
              • dp 28 de novembro de 2011 at 19:22

                Atribulado – seu argumento continua patetico. Comparar Idaho com Leblon para justificar os precos foi risivel. Esse eh o ponto.

                0
                • Atribulado 12 de dezembro de 2011 at 17:26

                  Desculpe então, o que não é patético é brasileiro baba ovo de gringo

                  0
  • marcelo 25 de novembro de 2011 at 17:03

    OLHA O SPAM.. estão desesperados..
    PLOC..PLOC..PLOC atentem-se para a PROMOÇÃO IMPERDÍVEL no ultimo parágrafo..

    “Boa Tarde
    Tudo bem !
    Sou consultor x , consultor imobiliário da MRV Engenharia, trabalho na matriz da empresa em Belo Horizonte – MG

    Tivemos contato pelo Chat, email ou telefone.

    Solicitei atendimento de um corretor da MRV para que entrasse em contato com você na cidade e região de seu interesse.

    Nosso corretor entrou em contato com você?

    Você visitou nosso empreendimento e conheceu o apartamento decorado?

    Adquiriu algum imóvel da MRV Engenharia? Se sim, poderia me informar em nome de quem foi adquirido o imóvel.

    Nome do comprador que adquiriu o imóvel :
    Cidade:
    Imóvel adquirido:

    Se não adquiriu ainda tem interesse em adquirir ? em qual cidade e estado, ou qual empreendimento da MRV você tem interesse ?

    Indicou algum conhecido que tenha adquirido algum dos nossos imóveis? Se sim, poderia me informar em nome de quem foi adquirido o imóvel que você indicou?

    Nome do comprador indicado por você que adquiriu o imóvel :
    Imóvel que ele adquiriu:
    Cidade:

    Você ( s) Ficou ( ficaram ) satisfeito com o atendimento que recebeu ( receberam) ?
    Alguma sugestão, reclamação ou dúvidas?

    Lembrando que:
    São os últimos dias da promoção!
    Adquirindo seu apartamento neste mês de novembro de 2011 , você ganha o valor do seu 13º salário em desconto no ato da compra, O desconto é o valor de sua renda comprovada !
    promoção conforme regulamento – máximo de R$ 3.000,00 de desconto.

    0
    • CJGK 27 de novembro de 2011 at 00:44

      3 mil de desconto máximo só pode ser sacanagem, né?

      0
      • Troll 27 de novembro de 2011 at 13:16

        É só pra “New Media Class”, saca?

        0
  • pmoraesm 25 de novembro de 2011 at 17:47

    Pessoal, tenho feito uma contagem de anúncios do ZAP em 3 bairros da região de SP em que moro (Água Rasa, Anália Franco e Vila Regente Feijó), sei que tem muito imovel anunciado por mais de uma imobiliaria e imovel vendido que nao é retirado, mas vejam que intessante:

    Data Nº Imoveis
    17/nov 622
    18/nov 618
    21/nov 619
    22/nov 629
    23/nov 736
    24/nov 725
    25/nov 749

    Fora que se olhar pela janela consigo contar 9 prédios em construção, fora os que foram entregues depois de 2010 e ainda têm placas de “corretores de plantão – últimas unidades”.

    Acho que a demanda já não está tão reprimida assim, pelo menos por aqui…

    0
  • Mr. R 25 de novembro de 2011 at 18:51

    A exemplo do colega acima, também venho coletando dados, mas em relação a águas claras-DF:
    <>/ <>
    27/06/11 5949
    21/07/11 6219
    30/08/11 6498
    12/09/11 6630
    25/11/11 6539

    É normal a variação de 100, 200 anúncios de um dia para o outro, não sei se por que os anúncios se expiram, se é problema no software, ou outra causa, mas sei que não foi por venda, pois reaparecem todos ou quase todos…. De qualquer forma, a tendência é o aumento do número, pois o centro das oscilações tem aumentado e essas datas foram escolhidas aleatoriamente…

    Os preços tem aumentado bastante, embora alguns anúncios mantenham o preço e alguns tenham até recuado. Infelizmente estes são exceções.

    Um dado interessante, dentre os anúncios de hoje temos:
    Prontos:4263
    Em construção: 2276

    Dos imóveis em construção, ou são da construtora ou vendem com o tal do ágio. Do prontos, muitos também tem o ágio…

    Então, vc ainda acha que tem pouco especulador no pedaço??

    0
    • Mr. R 25 de novembro de 2011 at 18:54

      Esqueci de mencionar….
      1. fonte: site wimoveis
      2. na tabela, a primeira coluna é data, a segunda é o total de anúncios na respectiva data.

      0
  • GONÇALO BH 25 de novembro de 2011 at 21:39
  • Ze_Das_Couves 25 de novembro de 2011 at 21:42

    Mais um analista de mercado das galaxias do parana faz a bola de cristal que nao tem bolha e que esta tudo xuxu beleza!

    http://oestadodoparana.pron.com.br/economia/noticias/53974/

    Abs!

    0
  • thiago 25 de novembro de 2011 at 22:02

    Nesse link vocês encontrarão alguns gráficos interessantes sobre venda, preços e valorização dos imóveis no período 2010-2011

    http://www.politicaeconomia.com/2011/10/mercado-imobiliario-sp-mostra.html

    0
  • EduLon 25 de novembro de 2011 at 22:52

    Minha contribuicao sobre Curitiba, tirada do site imoveis Curitiba, desde o inicio da coleta, imoveis disponiveis para aluguel e venda subiram em quantidade mais de 10%. Detalhe – apenas 28% dos imoveis disponiveis na cidade estao no imoveiscuritiba. Ou seja, tem muita coisa no mercado…

    30. AGO Venda – 9613 Aluguel – 2663
    05. SET Venda – 9598 Aluguel – 2632
    12. SET Venda – 9789 Aluguel – 2685
    19. SET Venda – 9770 Aluguel – 2770
    26. SET Venda – 9882 Aluguel – 2787
    03. OUT Venda – 9813 Aluguel – 2819 – imoveis feira: 35 mil a VENDA
    10. OUT Venda – 9974 Aluguel – 2831
    17. OUT Venda -10185 Aluguel – 2870
    24. OUT Venda -10416 Aluguel – 2929
    31 OUT Venda -10642 Auguel – 2954
    07 NOV Venda -10449 Auguel – 2948
    14 NOV Venda -10782 Auguel – 2960

    0
    • Ghaspar 26 de novembro de 2011 at 00:02

      Aqui no Rio , apenas 2 bairros : Barra e Recreio ( que dizem eles, estão bombando por causa da Copa e Olimpiadas) , existem segundo a ZAP, mais de 14.500 imoveis à venda……
      Imagina se não bombar…kkkkk

      0
      • RT 26 de novembro de 2011 at 08:17

        Absurdo como construtoras continuam falando em demanda reprimida, apesar de todos estes números de apartamentos à venda.

        Quem precisa comprar apartamento tem um grande leque pra escolher. O que está dificultando não é a falta de oferta, e sim, o preço absurdo.

        Entretanto, seguem falando em “demanda reprimida” nos jornais… que publicam passivamente.

        0
    • Bolha Imobiliária 26 de novembro de 2011 at 00:16

      Hoje está em 11000
      Confirma ?

      0
  • EduLon 26 de novembro de 2011 at 01:03

    isso 11099 para venda

    0
  • Indecoroso 26 de novembro de 2011 at 01:04

    Vídeo interessante sobre a interação entre mercado e pessoas…

    http://www.youtube.com/watch?v=lgmTfPzLl4E

    Salut!

    0
  • agc 26 de novembro de 2011 at 09:24

    Coluna no GLOBO Mirian Leitão
    Dois pontos
    O Copom apostou num cenário em que a situação internacional se agravaria a ponto de derrubar a inflação no Brasil. Olhando a crise lá fora e os números internos, chega-se à conclusão de que o BC acertou apenas em uma parte. De fato, o quadro internacional piorou, até além da imaginação, mas a inflação permanece pressionada.

    Já era prevista a queda neste final de ano do IPCA acumulado em 12 meses, mas olhando-se dentro dos números — que estão disponíveis no próprio site do Banco Central — encontram-se índices muito acima do razoável. A inflação do grupo vestuário foi de 9,57% nos últimos 12 meses até outubro; alimentos e bebidas subiram 8,5%; a educação ficou 8,1% mais cara e os serviços tiveram alta de 8,94%.

    O núcleo da inflação, que exclui da conta preços voláteis como combustíveis e alguns alimentos, está ainda acima do teto da meta: 6,61%, em 12 meses. O que mais impressiona é o que está acontecendo no mercado imobiliário. O preço do metro quadrado dos imóveis no país, medido pelo índice Fipe Zap, aumentou 28% de outubro de 2010 a outubro de 2011. No Rio de Janeiro, a alta foi de 39%. Os aluguéis no Rio ficaram 24% mais caros em um ano. Em São Paulo, a alta foi de 15,6%. Os custos da construção civil subiram 7,72%. A mão de obra para as construtoras ficou 11,3% mais cara.

    Essa montanha de números mostra que o movimento no mercado imobiliário — tanto em locação, quanto em compra e venda de imóveis — está perigosamente aquecido.

    0
    • RT 26 de novembro de 2011 at 09:32

      Antes tarde do que nunca.

      Um comentário: ela é uma que sempre condena intervenção estatal nos mercados, acha a livre concorrência uma coisa maravilhosa… aí, quando o sistema mostra sua cara, faz esse tipo de comentário.

      Entretanto, no caso da nossa bolha, acho que a “mão invisível do mercado” será suficiente para resolver sozinha o problema. Ou baixam os preços ou não vendem. Simples assim.

      0
      • xyz 26 de novembro de 2011 at 09:51

        Caro amigo,
        Permita-me defender a jornalista. Ela é uma das mais competentes do ramo (comentarista econômico da TV) e não é à toa que desbancou o PHA, que até hoje tem ciúmes.

        Não há qualquer contradição quanto ao livre mercado, que a mesma defende.
        A Selic por si só já é uma distorção do livre mercado, pois ela existe porque o governo gasta demais e se torna refém do “mercado” e aí tem que divulgar ao mercado o juros que está disposto a pagar. No final cabe do “mercado” a decisão final (saber se quer ou não o juros ofertado), pois a posição de refém é do governo.

        0
      • xyz 26 de novembro de 2011 at 10:00

        Permita-me mais um comentário.
        A bolha existe por fatores alheios ao mercado imobiliário e portanto também vai estourar por fatores também alheios ao mercado.

        A bolha não estoura porque o mercado está superofertado ou porque a demanda minguou, pois o mercado bolhudo não se rege pela lei da oferta/demanda.

        A bolha só vai estourar quando a inadimplência e o desemprego estourarem, ou quando o “mercado” cobrar a conta da gastança governamental, ou quando a inflação estourar, ou outro fator que cause pânico.

        0
        • RT 26 de novembro de 2011 at 10:09

          “A bolha não estoura porque o mercado está superofertado ou porque a demanda minguou”

          Essa questão é constantemente abordada por aqui, mas não vejo como concordar.

          Como vão manter os preços se estes afastam boa parte dos potenciais compradores?

          0
        • Ze_das_Couves 26 de novembro de 2011 at 10:16

          Tudo no brasil eh “seguro” no momento mas a infra continua precaria, a corrupcao comendo solta, a inflacao em progresso, os precos dos bens aumentando…

          O brasil sempre foi um pais de ondas… ja teve no passado a onda da agricultura onde muita gente se afundou nos anos 70/80. Agora tem a onda imobiliaria.

          Ja tivemos 6 ministrecos corruptos desde o atual inicio da era dilmistica.

          Tudo isso de progresso agora ou eh por conta de demanda reprimida e expansao de credito. Esta eh a desculpa oficial.

          Agora vale lembrar quem organiza a copa? O MAIOR GATO GORDO que tem por ai eh o RICARDO TEIXEIRA. Esse e os amigos dele vao encher o bolso.

          O governo vai ter de vender titulos para fazer as obras de infra necessarias. Estadio la no meio da amazonia custando 1Bi ou mais soh para ter 3 jogos e depois fecha.

          A divida interna de 2Trilhoes vai crescer ou continuar crescendo em um ritmo rapido. Daqui a pouco o governo mal vai ter dinheiro para pagar os juros. Estaremos entao em uma situacao pior do que os paises em crise hoje. Vamos ter divida ate o pescoco, nao teremos infra e continuaremos o que sempre fomos.

          0
          • xyz 26 de novembro de 2011 at 12:41

            O governo não vai aumentar a dívida para fazer as obras faraônicas da copa, pois vai emitir títulos (debite-se) e “emprestar” ao BNDES (credite-se) para que este “invista” na infraestrutura da copa, ou seja, a dívida não aumenta, pelo menos a que eles chamam dívida “líquida”.

            E a corrupção… não dá nem para comentar.

            0
      • Carlos Eduardo 26 de novembro de 2011 at 12:43

        A Miriam escreveu recentemente um livro dobre “o brasileiro em busca da tua moeda”
        ela cobria noticias do tempo da hyper inflação! e sabe do que está falando!

        acho que todos nós já sentimos que o governo não está preocupado com a inflação!

        e acho que isso tem preocupado ela… o ming também fez um artigo sobre a volta da inflação galopante!

        Para ser bem sincero também tenho medo desses incopetentes, acho que

        “eles quebram todo o sistema, para não terem prejuizo com suas empresas de lavagem de dinheiro”

        0
  • Andre 26 de novembro de 2011 at 11:29

    Aqui estamos em um jogo – o final todo mundo ja sabe – PLOC!!!…entretanto, ainda ha muitos lances a ser executados pois o jogo ainda esta em pleno andamento…Falta rapelar os incautos que ainda guardam suas economias com “unhas e dentes” o que sera conseguido com uma baixa de valores na ordem de 30% – nesse momento, muitos nao suportarao a pressao e cederao comprando um “apezinho” com medo de ver seu dinheiro “desvalorizado” – incluo ai muito de nossos leitores que verao que com 250 ou 300K finalmente poderao comprar o tao sonhado imovel e nao titubiarao. Mas, depois disso vira o “game over” quando aquilo que era 600k vira 400k que vira 300K para finalmente morrer em 200K portanto nao se deixem levar nem iludir…na primeira baixa, vcs. verao novamente os consumidores se degladiando nos stands de vendas – como se o momento fosse esse – mas na realidade nao e ainda….como alguns ja disseram…o cadaver acabou de morrer…os urubus so comem a carniça, pode ser que nao sobre exatamente aquilo que se deseja mas que sobra..sobra. Como nunca gostei de apartamento..principalmente devido as eternas relaçoes de vizinhança – especialmente para quem e comedido, educado, e respeitador do direto alheio e vai morar em ap so tem a perder pois esse so se ferra – minha intençao e uma casa velha em um bairro legal…estou so na espreita e sei que ainda o processo e longo e demorado – tenho casa propria mas moro de aluguel – pago caro 1800,00 alto da Lapa – Sao Paulo mas ainda assim acho que esta valendo a pena enquanto puder pagar. – Ainda me lembro da epoca do real que com 100.000 Dolares vc. escolhia o queria, o dolar estava R$ 2,70 – hoje vc nao compra nem na favela com UPPs… sera que esse tempo vai voltar…que saudades do FHC – nao sou Tucano nem Ptralha, sempre voto no candidato desconhecido por entender que renovaçao e a soluçao mas atualmente o apoio ao PT para mim esta fora de qualquer suposiçao – poucas vezes vi tanto roubo, descaso, e corporativismo. Acho que pior que isso so nos anos 80/90 – antes do collor.

    0
  • Muca CG Muita Treta 26 de novembro de 2011 at 12:58

    Quem tá sabendo que o valor do metro quadrado em Paraisópolis já vale o mesmo que nos Jardins?

    Em SP, empresas pagam aluguel de Jardins para entrar em Paraisópolis
    PUBLICIDADE

    DE SÃO PAULO

    O aluguel do metro quadrado no centro comercial de Paraisópolis, comunidade de 100 mil habitantes na zona sul de São Paulo, chega a custar R$ 125 por mês, informa reportagem de Carolina Matos publicada na Folha deste sábado.

    Veja galeria de fotos dos comércios em São Paulo

    Luiza Sigulem/Folhapress

    Consumidores caminham pela rua Oscar Freire, tradicional rua de comercio de classe alta de São Paulo
    A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Na região da Oscar Freire (Jardins), onde estão várias lojas de grife, o valor mínimo de locação está em R$ 100 por m², podendo alcançar R$ 220, segundo levantamento da imobiliária Herzog.

    Caminhando poucos metros por Paraisópolis, é possível encontrar Casas Bahia, Bradesco e Banco do Brasil ao lado de lojas locais, como a Gisele Presentes e o Sacolão Farias. E já há espaço reservado para TIM, Vivo e Santander.

    Com tanto interesse no potencial de consumo local –cerca de 20 empresas procuraram a União de Moradores nos últimos 18 meses para se instalar–, ficou mais caro montar ponto nos endereços mais cobiçados.

    0
  • Paulo 26 de novembro de 2011 at 17:52

    ele tem razão pessoal, sei que é vontade de todos que os preços caiam mas isso nao vai acontecer tão cedo, só aconteceria com um abalo muito forte na economia, aí todos perdem.

    0
    • Cleyton 26 de novembro de 2011 at 18:53

      Humm, é verdade, se houver um abalo muito forte todos perdem, então, pra que guardar dinheiro, CORRAM COMPRAR AGORA!!! Só falta pôr uma musiquinha e publicar na globo, perfeito.

      0
      • peterson 27 de novembro de 2011 at 20:21

        sua logica esta errada, muitos perdem e poucos ganham é o correto, mas sempre há perdedores e vencedores, em 92 meu pai perdeu de comprar uma casa, o vendedor perdeu de vender por um bom preço e teve que baixar, e o cara que guardou dinheiro debaixo de um colchão comprou 5 casas de outros 5 que deixaram de comprar e vender por um bom preço, tudo isso por causa da zélia, sempre há perdedores e ganhadores, sempre….

        0
  • dp 27 de novembro de 2011 at 19:32

    Interessante esse pessoal da Cyrela.. Lendo o press release dos resultados que eles mesmos publicaram no 3T-11 ve-se que margem liquida nos ultimos 12 meses caiu pela metade (de 14.8% para 7.6%). Sera que o preco sobe por que tem demanda ou sera porque nao tem lucro suficiente?

    0
  • Fernando 10 de janeiro de 2012 at 18:48

    Comentário imbecil acima:

    ”Os imoveis dão 30% ao ano mais 0,5% ao mês, não há investimento que supere isso”.

    Os imóveis não DÃO isso.Eles deram em um período especifico.E deram bem mais nos EUA antes da bolha estourar por lá.Mas consistentemente isso é completamente impossível.Basta fazer contas.Se voce soubesse usar uma calculadora veria que com esses retornos em uns 15 anos voce se tornaria o homem mais rico do mundo, e em uns 30 anos o primeiro trilionário do planeta.
    Como procurei na Forbes e não vi voce, posso afirmar que com certeza os imóveis não darão isso consistentemente no futuro ( dar retornos de 100% em um ano ou mais tudo bem, todos os ativos como ouro e ações tambem dão a questão é a consistência)
    Seja realista.Imóveis NÃO são bons investimentos no longo prazo.

    0