Venda de imóveis usados tem pior queda em 15 anos – Paraná Extra

Você pode gostar...

Comments
  • OdeioTijolos 19 de junho de 2016 at 23:26

    Conta de papel de pão:

    Vendidos casas a menos queda

    2014 869 ——————
    2015 759 110 -12,60%
    2016 378 381 -50,10%
    2017 47 331 -87,60%

    2018 ?? ? ??,??%

    6+
    • avatar
  • CA 19 de junho de 2016 at 23:29

    Sobre Curitiba, temos por lá uma maiores distorções entre oferta e procura do Brasil e isso não é de hoje, assim como as consequentes quedas de preços, vejamos estas informações de 2013 a 2014:

    http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1347279

    Trechos da notícia acima, que é de fevereiro/2013:

    Trecho 1: “Estoque de imóveis novos bate recordes – são 11,5 mil nas mãos das incorporadoras, quase o dobro da demanda anual”

    Trecho 2: “Segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil no estado (Sinduscon-PR) cerca de 9 mil unidades devem ser lançadas em 2013 – o mesmo volume de 2012.”

    Trecho 3: “As promoções vão desde “mimos”, como cozinha e quartos decorados, até a redução de preço de 10% a 30%.”

    http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1426349&tit=Gigantes-do-setor-saem-de-fininho

    Trechos da notícia acima, que é de novembro/2013:

    Trecho 1: “Depois de chegarem a Curitiba e praticamente dobrarem o número de lançamentos por ano, as principais construtoras do país estão reduzindo drasticamente o número de novos empreendimentos ou até mesmo encerrando suas atividades na cidade.”

    Trecho 2: “A Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário no Paraná (Ademi-PR) estima que 11 mil unidades estejam nas mãos das incorporadoras e construtoras, enquanto a demanda não passa de 6 mil.”

    Trecho 3: “Para limpar o estoque alto de empreendimentos prontos, essas construtoras estão apostando em feirões, com descontos de até 35% e condições como entrada de apenas 10%.”

    http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1491867&tit=Comeco-de-ano-morno-faz-crescerem-os-estoques-das-construtoras

    Trecho da notícia acima, que é de 17/agosto/2014:

    “Em dezembro do ano passado, havia 10,4 mil unidades novas (incluindo prontas e lançadas) em estoque em Curitiba. Em junho, eram mais de 12,2 mil, o equivalente a 32% de tudo que foi lançado desde dezembro de 2008, segundo levantamento da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-PR).”

    http://www.parana-online.com.br/editoria/cidades/news/823803/?noticia=MOMENTO+E+BOM+PARA+CONSEGUIR+DESCONTO+NA+COMPRA+DE+IMOVEIS

    Trechos do link acima, que é de 27/agosto/2014:

    Trecho 1: “O mesmo comprador que se assustou, nos últimos anos, com a escalada de preços do metro quadrado na capital, em 2014, passou a receber uma segunda ou terceira proposta de preço para o mesmo empreendimento com descontos que chegaram a 50%”

    Trecho 2: “Não querem falar da bolha, mas como o mesmo imóvel novo que antes saía por R$ 1,5 milhão, agora dá para ser negociado por R$ 750 mil, questiona”

    http://www.reclameaqui.com.br/7003019/pdg-incorporacoes/distrato-village-parana-unidade-1003/

    Trechos do link acima, que é um depoimento no ReclameAqui, de julho/2013, de Curitiba:

    Trecho 1: “Em 12/07/2013 solicitei distrato com a PDG conforme email abaixo devido a PDV na época estar ofertando o mesmo apartamento por R$ 179.000,00, enquanto estaria pagando em torno R$ 206.067,92.mes fizeram um feirão oferecendo um desconto de R$ 50.000,00…”

    http://www.reclameaqui.com.br/8153478/cyrela-brazil-realty/ideale

    Trechos do link acima, que é de março/2014, também sobre Curitiba:

    Trecho 1: “Em 2011 assinei um desses contratos de imóvel na planta com esta empresa. Trata-se do Ideale em Curitiba.”

    Trecho 2: “Além disso fui enganado pela corretora que me fez a venda. O valor que eles querem que eu financie hoje é maior do que o valor do imóvel que recentemente foi entregue.”

    Segundo um gráfico que consta em uma das notícias acima, em junho/2014 o estoque de imóveis em Curitiba era o suficiente para quase 7 anos de vendas, imaginem agora com as quedas de vendas relatadas de 2014 a 2016 que constam no artigo do tópico. Segue link com o gráfico e demonstrativo do cálculo:

    http://defendaseudinheiro.com.br/wp-content/uploads/2014/10/Post-30-imagem-1-Lançamentos-estoques-e-vendas-Curitiba.png

    20+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 10:30

      CA
      RM Curitiba com 3.5 milhões de habitantes e 15K imóveis novos à venda na mão de incorporadoras.
      RM Brasília com 2.8 milhões de habitantes e 35K imóveis novos à venda + 15K para locação, somente com as incorporadoras.
      Vendendo atualmente 250 imóveis por mês, estoque para 140 meses = 12 ANOS
      Ainda estão sendo entregues aqueles que começaram a construção em 2013/2014
      Ainda tem aqueles que estão na mão de particulares.
      http://www.secovidf.com.br/novoportal/images/arquivos/pdf/boletins/2016/Boletim_de_Conjuntura_marco_2016.pdf
      Brasília tem estoque de imóveis para os próximos 25 anos.

      16+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar

      • joselito 20 de junho de 2016 at 10:41

        Soma nesse cálculo os que já estão com os bancos e aquele oculto, que logo logo estarão com os bancos.

        Acho que a escalada de distratos é um bom parâmetro para averiguação das retomadas pelos bancos, sem contar a escalada do índice de inadimplência, claro.

        No caso dos bancos, ao que parece, um pequeno aumento do estoque causará redução do preço, eis que imóvel é custo (sério? achava que era investimento de 30%a.a. certo!) que bancos não se dão ao luxo de ter!

        10+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • tmarabo 20 de junho de 2016 at 11:22

        só que daqui a 25 anos a população brasileira vai estabilizar e talvez começar a cair…..
        não vão construir nada em 25 anos?? se construírem, com a população estável, como vai ser?

        7+
        • Minions 20 de junho de 2016 at 11:30

          Segundo o IPEA, o pico será atingido em 2030 e depois haverá descréscimo populacional:
          http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=15747

          7+
          • avatar
          • avatar
          • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 14:22

            Ou seja NUNCA acabará o estoque de imóveis em Brasília.

            7+
            • avatar
        • Jovem Estudante 20 de junho de 2016 at 16:22

          Isso já contando com os que forem mortos pela bandidagem e os que fugirem do país em busca de um mínimo de paz?

          2+
          • Minions 20 de junho de 2016 at 18:24

            Não, e também não foi computado os efeitos do zika virus

            0
  • Alemon Fritz 19 de junho de 2016 at 23:41

    as vendas cairam 50% em relação a 2015 e 56% a 2014…., estoque estocando cada vez mais,
    depois ocorrem mais 41% a 59% de distratos dos “vendidos”… e inadimplencia de 20%..
    os preços “cairam” de 20% a 35%, dá pra dobrar logo logo

    8+
    • avatar
    • avatar
  • Labar 19 de junho de 2016 at 23:54

    Esse IVV é um índice sério? Ou é um daqueles maquiados pelos sindicatos?

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 19 de junho de 2016 at 23:56

    MRV planeja iniciar até fim do ano seu maior projeto, com 25 torres em SP
    7500 unidades…
    http://istoe.com.br/mrv-planeja-iniciar-ate-fim-do-ano-seu-maior-projeto-com-25-torres-em-sp/

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Zé do Brejo 20 de junho de 2016 at 13:55

      Sempre sonhei em viver numa favela vertical… 😛
      Gzuis, por que as pessoas se recusam a pensar?

      6+
      • avatar
      • Danibolhista 20 de junho de 2016 at 15:06

        Sem falar que a região já tem um trânsito insuportável em horário de pico, vai aumentar ainda mais.

        3+
        • avatar
  • wade 20 de junho de 2016 at 01:50

    Ficou no post passado, postando aqui de novo na esperança de alguém saber.

    OFF:

    Pessoal, alguém que tem conta no rico.com.vc pode me ajudar com uma dúvida bem júnior?

    Estou querendo criar conta lá pra me aventurar na bolsa (eu sei, eu sei), mas os custos operacionais deles estão me confundindo.

    Vamos supor que eu vá fazer uma primeira compra de 1k. Eu pago, pela ordem de compra, R$ 9,80 mais 5% de ISS. Além disso, há a corretagem da Bovespa, que cobra, para ordem de 1k, R$ 2,49 mais 1,50% do valor investindo.

    Estando eu, feliz e contente, com minhas ações, doravante eu pago R$ 12,50 todo o mês, pela custódia, e nada além. Como o valor que tenho em ações é inferior a 300k, não há taxa anual.

    Se um dia eu quiser vender minhas ações, eu pago 0,0325% sobre o valor, de emolumentos e liquidação.

    Há mais alguma coisa a ser paga nesse diacho?

    2+
    • avatar
    • rcalmon 21 de junho de 2016 at 09:52

      Se você optou pela corretagem fixa, ou, com imagino, a rico não usa tabela Bovespa, não há a corretagem da tabela Bovespa, os tais R$2,49 + 1.5%. Some-se a isso a taxa de emolumentos da Bovespa. Na hora da venda é a mesma coisa, corretagem da rico + emolumentos Bovespa + ISS. Taxa de custódia é cobrada mensalmente, para quem tem posição em ações. Verificar se a rico cobra taxa de manutenção, mesmo não tendo posições em custódia.

      0
  • wade 20 de junho de 2016 at 02:03

    Opa, 15 anos atrás eu encontrava excelentes propostas de aluguel. Ótimos preços em boas regiões e muito menos burocracias. E no Rio de Janeiro! Uau! Falando ainda de Jacarepaguá, como no tópico passado: nessa época a região não estava saturada, era tida como “longe pra caramba”, mas até que era bem indepente. Dois estagiários (pelo preço e pouca burocracia) conseguiam alugar uma casinha, edícula ou pequeno apartamento em bons pontos próximos de supermercados, comércio, e transporte público.

    Eu sei, eu sei, não é por essa notícia que voltaremos àquele tempo imediatamente. Deixa eu sonhar, poha.

    4+
    • avatar
  • Cajuzinha 20 de junho de 2016 at 05:47

    ” “Tudo o que eu mais queria era ter essa oportunidade de negociar a compra do meu apartamento com tantas vantagens. Almejo há bastante tempo e hoje consegui assinar o contrato e, finalmente, ter um lugar para minha esposa e minha filha que vamos poder chamar de nosso. As taxas cabem no meu orçamento e financiamento me chamou a atenção. Ainda ganhei 5 anos de taxa de condomínio paga. Estou realizado. Satisfeito”, completou.

    Ao todo foram mais de 3 mil imóveis novos e usados, em todas as regiões de Manaus, disponibilizados para venda. A média de valores fica entre R$ 150 mil a R$ 300 mil. As pesquisas da Ademi-AM apontavam que no mês de maio de 2016 a capital do Amazonas possuía mais de 3 mil imóveis em saldo, o que facilitou para o cliente que tem mais opções de compra e, consequentemente, mais ofertas e descontos.”

    http://www.acritica.com/channels/cotidiano/news/feirao-da-caixa-movimenta-r-49-5-milhoes-apenas-no-sabado

    9+
    • avatar
  • Minions 20 de junho de 2016 at 08:16

    Resgatando do tópico passado:
    Zé Carioca,
    Peça aos seus amigos para verificarem o saldo devedor do financiamento, peça pra verificarem 1 ano atrás. Depois, pergunte a eles se a parcelinha que cabe no bolso está diminuindo conforme “prometido”…
    Te garanto que:
    1. o saldo devedor aumentou
    2. a parcelinha subiu

    Depois, se quiser tripudiar, pergunte qual o percentual do salário está comprometido com consignado…
    Se fizeres tudo isso, garanto que perderás os “amigos”.

    18+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • wade 20 de junho de 2016 at 09:08

      Comigo ocorreu praticamente isso. A mãe dele descobriu que eu gostava de economia, disse que estava estudando o assunto, e durante a conversa, inevitavelmente ela trouxe o imóvel. Quando perguntei a eles o valor estimado de venda e aluguel do próprio apartamente dele, a relação era de 0,3%. Ela insistiu, dizendo que nos anos 80 os imóveis subiam rápido de um mês a outro, e falei sobre a inflação. Tudo de forma muito educada, não estavamos debatendo. Uma hora ela se irritou, levantou-se da mesa e falou “imóvel é sempre bom negócio”. Coincidência ou não, nossa amizade nunca mais foi a mesma. Bizarro.

      30+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • CA 20 de junho de 2016 at 09:14

      Minions,

      Segundo o Zé Carioca o pessoal que é amigo dele é “esclarecido”, como ele mesmo explicou: “CA, quando falei em esclarecidos me referia ao fato de todos terem estudo formal (todos estudaram comigo engenharia na UFRJ e alguns têm pós-graduação e mestrado), e a maioria acompanha o noticiário. Não são perfil 666 padrão, ou seja, trabalham, não gastam mais do que ganham, e a maioria poupa parte do salário e investe.”

      O que é afinal ser “esclarecido”? Uma pessoa esclarecida é aquela que tem uma visão clara dos acontecimentos, que tem uma percepção precisa sobre o que está acontecendo. Uma pessoa pode ser relativamente esclarecida para alguns assuntos, mas um completo 666 para outros. Isto não tem absolutamente nenhuma relação com o grau de escolaridade, o fato de poupar ou não dinheiro, etc., estes podem ser até fatores positivos, que demonstram por um lado um interesse em adquirir conhecimento formal, por outro uma visão mais conservadora e consciente quanto ao uso do dinheiro, mas nada disso significa que em virtude disto sejam pessoas “sábias” e “acima da média” para todos os assuntos. Eles podem até ter acertado quanto a alguns investimentos e opções que fizeram para alguns assuntos específicos, não significa no entanto que sejam “esclarecidos” para fazerem qualquer análise quanto ao mercado imobiliário, aliás, ao contrário, o próprio relato do Zé Carioca demonstrou que são completos 666 neste sentido.

      Vou replicar aqui um depoimento dado por um prêmio nobel de economia (Robert Shiller), que inclusive foi um dos pioneiros sobre os alertas quanto a bolha imobiliária americana e que também disse que aqui no Brasil temos uma bolha imobiliária:

      “http://economia.ig.com.br/financas/casapropria/2013-09-24/estouro-de-bolha-imobiliaria-no-brasil-teria-consequencias-menores-cre-shiller.html

      Trecho do link acima, uma declaração de Robert Shiller:

      “Exato, eu lembro que eu estava em Miami para um conferência e o taxista me disse: “olhe para todas essas construções em andamento – os preços haviam crescido muito então estavam construindo muito. Isso vai acabar mal”. E eu entrei na conferência com economistas profissionais e eles estavam fazendo equações num quadro, mas não tinham ideia do que estava acontecendo à volta deles. “

      Usando o exemplo de Robert Shiller acima, quem seria a pessoa esclarecida, os mestres e doutores em economia que estavam fazendo equações num quadro, mas não tinham nenhuma noção do que acontecia à sua volta, ou o taxista, que sem precisar ter nenhuma formação formal mais avançada sabia observar o óbvio que estava a sua volta?

      Não adianta tentar explicar o que consta acima para o Zé Carioca, ele está em uma fase de negação profunda. Quando procuro esclarecer os pontos, é só para não deixar que o Zé Carioca continue enganando as pessoas com seus sofismas, como a visão das pessoas “esclarecidas” que estão à volta dele e que por serem “pessoas esclarecidas”, tanto quanto os colegas de Robert Shiller no exemplo acima, reforçam a visão dele de que é “soft”…

      20+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Igor Alves 20 de junho de 2016 at 09:21

        Hoje, com o advento da internet, pesquisas, Google Translator, só é burro quem faz questão!
        Cara, conhecimento hoje não depende de faculdade, curso técnico nem de pessoas específicas, existem explicações para todos os níveis de intelecto, classe social e demais variantes.

        Apoio demais o CA, o taxista via que não ia acabar bem, o problema é o ser humano que acha que sabe demais, que o que era, é e sempre será da mesma forma.

        Um dia lendo uma reportagem no Linkedin, vi um homem dizer: “Vamos repensar o que é empresa e qual desenho ela deve ter, afinal a maior companhia de transportes do mundo, a UBER – não possui nenhum carro, as coisas estão mudando…”

        11+
        • avatar
        • joselito 20 de junho de 2016 at 10:33

          Poisé. A quarteirização ta vindo ai.
          Logo logo verás a maior empresa do ramo X ou Y do país não ter nenhum funcionário, rsrsrssrrs.

          6+
      • SampaBoy 20 de junho de 2016 at 10:00

        Creio que o erro do Ze Carioca é fazer uma “pesquisa” superficial do mercado. Eu moro em um bairro valorizado de São Paulo, e ate acompanho o valor “anunciado” de alguns predios proximos. Vi anuncios subirem de 3kk para 3,5kk , de 2,5kk para 2,8 kknos ultimos 6 meses. Realmente neste tipo de pesquisa, ou seja, de valor ANUNCIADO, e de imoveis ESPECIFICOS, o vies é muito grande. Primeiro obviamente porque valor anunciado não é real. Segundo, e talvez importante tambem, seja o fato de imoveis mais caros terem uma “resiliencia” muito maior. O propietario deste tipo de imovel pode estar disposto a perder muito dinheiro se tiver uma cabeça conservadora e ainda crer nos ditames de decadas atras. Imagino ate o pensamento de muitos deles : “ah , pode estar ruim agora o mercado, mas vai se recuperar depois, meu ap vale isso e so vou vender por isso….” . Certamente uma boa parte destes perderao muito dinheiro vendendo o mesmo apartamento daqui ha alguns anos pelo mesmo preço anunciado ha anos atras, porem mesmo assim talvez eles ainda mantenham a retorica de que “venderam pelo que queriam” . E por ultimo, obviamente, este tipo de pesquisa focada não representa a realidade, ou seja, o que vem acontecendo na maioria dos casos.

        5+
        • avatar
      • Minions 20 de junho de 2016 at 10:00

        As pessoas caem facilmente nestas armadilhas. Lembro-me de um programa produzido pela BBC, na qual um sujeito, muito bem vestido (de terno), fingindo ser repórter, perguntava absurdos aos transeuntes em um shopping. As pessoas sequer questionavam o absurdo que fora dito e passavam a emitir opinião sobre o tema, concordando com o locutor. Isto é motivado por “atalhos mentais”. A explicação é que, através da evolução, fomos “programados” a agir desta forma afim de evitar gastos energéticos (nosso cérebro consome muita energia – uma partida de xadrez, p.ex., tem enorme gasto) com o intuito de garantir a sobrevivência.
        Por isso os vendedores estão sempre bem vestidos, usam carros limpos e da moda, …
        Aí o sujeito é “engenheiro” com mestrado e doutorado. Eu conheço um bando destes que pra nada servem. Mas as pessoas, sendo enganadas pelo próprio cérebro (atalhos mentais), julgam que estas pessoas dizem tem fundamento em todas as áreas: econômicas, sociais, religiosas…

        11+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
    • Zé Carioca 20 de junho de 2016 at 09:42

      Minions e Wade, a minha teoria é não perder o amigo. Se for discutir e argumentar alguns vão ficar chateados, pois ninguém quer ouvir a realidade, as pessoas não gostam de opiniões divergentes e por isso evito o conflito de ideias. Evito tocar no tema parcelinha “decrescente” que só sobe, em pagar quase um milhão num dois quartos na Zona Sul B, financiamento de trinta e poucos anos, reforma com decorador de interiores, pois são assuntos delicados. Ouço alguns absurdos calado, como imóvel sempre valoriza e nunca houve queda de preços no Brasil, discutir com alguém comprado é como discutir com petista, nada que você fale vai alterar a cabeça deles.

      22+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Minions 20 de junho de 2016 at 10:10

        Então “sorrie e acene”…
        Eu deveria fazer isso, também. Semana passada perdi “um amigo” por demonstrar algumas contas.

        7+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 10:50

        Tem um excelente artigo sobre a situação do Hell de Janeiro
        http://spotniks.com/o-rio-de-janeiro-faliu-e-o-brasil-tem-muito-aprender-com-essa-historia/

        Já faz mais de 2 anos que falo que o Hell de Janeiro terá o mesmo destino que Detroit, e o motivo não é a mudança de uma montadora de veículos, mas exatamente o mesmo motivo da Grécia: benefícios para aposentados e pensionistas sem haver recursos para isso, pois na Grécia o dinheiro veio com o crédito farto na mudança da Drakma para o Euro e na Hell de Janeiro foi a “maldição do petróleo”.

        Seguem alguns pontos que destaco

        25% do déficit da previdência deve-se ao RJ, mas a população corresponde a 8,1% da brasileira.

        “Ao contrário dos demais estados, porém, o Rio criou uma fonte específica e complementar de financiamento da sua previdência estadual: os royalties do petróleo. Em 2014, nada menos do que 55% dos pagamentos de aposentadorias e pensões tinham como origem os royalties aos quais o estado tinha direito. Cerca de 95% de todos dos royalties do estado se destinavam a cobrir gastos com previdência. Com a queda no preço do barril de petróleo, no entanto, a situação tornou-se insustentável. Royalties hoje bancam apenas 28% dos gastos com previdência. Cabe ao governo do estado complementar. Em 2015, isso significou aportar R$ 7 bilhões na “RioPrevidência”.”

        “Entre 2007 e 2015, os gastos com previdência no Estado saltaram de R$ 5,7 bilhões para R$ 17 bilhões. Graças à receita abundante dos royalties, em especial quando o petróleo atingiu US$ 145 por barril, o estado pode reajustar pensões, elevando o gasto médio de R$ 900 para R$ 4 mil no período. Atualmente, cerca de 66 em cada 100 funcionários na ativa possuem a chamada “aposentadoria especial”, podendo se aposentar mais cedo do que as demais categorias (em especial, bombeiros, policiais e professores), o que contribui significativamente para elevar o déficit da previdência. O socorro ao fundo de previdência fez os gastos do governo estadual com aposentados e pensionistas saltar nada menos do que 118% apenas em 2015.”

        “Não por acaso, há mais funcionários públicos federais no Rio de Janeiro hoje do que em Brasília. São cerca de 258,5 mil contra 178,5 mil funcionários públicos na atual capital federal. Em termos de salários, o Rio é destino de R$ 22 bilhões anuais contra R$ 10,3 bilhões de Brasília (incluindo aí apenas funcionários do Executivo).”

        “Quando somado ao aporte que o Estado teve de fazer para pagar aposentados e pensionistas, a folha de pessoal teve custos de R$ 24,5 bilhões em 2015, sendo R$ 10,84 bilhões com inativos. A receita do estado, porém, teve queda, atingindo R$ 39 bilhões. Quando incluídos aí todo os gastos com funcionalismo inativo, o Rio de Janeiro gastou R$ 31,6 bilhões no ano, um crescimento de 146% desde 2009. No mesmo período a inflação medida pelo IPCA atingiu 57,29%.”

        “Para atrair empresas da área de petróleo, infraestrutura, siderurgia e bebidas, o governo do estado não se fez de rogado – botou a mão no bolso dos pagadores de impostos e distribuiu as benesses. Ao mesmo tempo em que elevava a distribuição de isenções fiscais, o governo fluminense aumentava também a sua já preocupante dívida. Ao final de 2013, o Rio devia R$ 107 bilhões, quase o dobro dos R$ 59,2 bilhões devidos em 2008.”

        “Apenas a dívida do governo do estado com a União atinge mais de R$ 75 bilhões, ao custo de R$ 6,5 bilhões por ano – ou mais do que o valor gasto com a segurança no estado. O serviço total da dívida, no entanto, atinge R$ 10 bilhões este ano, mais do que os valores de saúde e educação somados. Como resultado, o estado investe menos da metade do que a lei determina em saúde.”

        18+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 10:57

          Como qualquer bolha, precisa-se de disponibilidade de recursos financeiro para que ela infle, no caso do Hell de Janeiro não foram apenas os projeto petrolíferos, as isenções de impostos da empresas, mas também o aumento de praticamente o dobro da inflação do funcionalismo público e aposentadorias.
          É por isso que foi o campeão no descolamento do valor do imóvel em relação à renda.

          16+
          • avatar
          • avatar
        • tmarabo 20 de junho de 2016 at 11:55

          só que na Grécia dá pra cortar em 40% salários de servidores e proventos de aposentadoria. No Brasil só mudando a Constituição.

          7+
          • avatar
        • wade 20 de junho de 2016 at 12:48

          Tem um artigo acadêmico que li em 2006, e infelizmente nunca mais consegui encontrar online, que fala sobre a decadência do Rio. O melhor documento que já encontrei sobre a cidade e o estado. Fala sobre a cidade que nunca aceitou ter perdido seu status de corte real, capital política, intelectual, cultural e, finalmente, econômica. Deixando de ser distrito federal, passou a dividir parte de sua arrecadação com todo o resto do estado que sempre foi muito pobre. A violência urbana ideologizou-se ainda mais, organizou-se, armou-se. Aos pingos, empresas mudaram-se para SP. A cultura local encolhia. O que fazer no Rio fora samba, praia, funk, jiu-jitsu ou passar o rodo nas “tchutchucas”?

          Ainda assim, nós cariocas continuaramos acreditando que não nascemos, mas estreamos. Afinal, dá pra ceder que as belezas naturais continuam belas. Arpoador, Pão de Açúcar, Baía, mata atlântica. Até mesmo na Avenida Brasil e nos piores bairros (onde cresci) há vistas para naturezas que nenhuma outra cidade deste tamanho tem. E daí que o calor na sombra é 40%, o engarrafamento é diário, e se você der mole, roubam seu celular pela janela do ônibus? Cidade Maravilhosa, pô, “cidade hardcore”!

          A classe AAA, ao longo das décadas, provavelmente apegadas as belezas naturais, afastava-se do “populacho” litoral adentro. Catete, Flamengo, Botafogo, Copacabana, Ipanema, Leblon, até finalmente chegar no Recreio, em aposta falha de que prosperaria como a Barra da Tijuca. Terreirão já está praticamente favelizado.

          Entre toda a saraivada de décadas de cultura impregnada de soberba, o golpe final: estação de metrô para a Barra da Tijuca. O destino será o mesmo de Copacabana, Ipanema, Urca (com a linha da Central que os moradores tentaram abolir).

          Enfim, haja erro repetido pra apontar desde até antes dos anos 80. A minha grande curiosidade é para onde irá a classe AAA carioca, sempre aficcionada por litoral. Os mais idosos, como aqueles de Copabana (e aquele bairro falido em Sampa com casarões de ex produtores de café), provavelmente manterão-se em seus endereços. Minha dúvida é para onde irão os mais jovens. Meu palpite é que a próxima parada é SC (mais especificamente para AAA, Florianópolis). Mas isso já foi conversado mais de uma vez aqui no blog mesmo.

          13+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
  • carioca_real 20 de junho de 2016 at 08:51

    CVR

    Final de semana, passeando com a Patroa na ZS do Hell.
    Querendo ver como o çangui esta jorrando, fui fazer uma pesquisa off FINGE-ZAP.
    Tinha tentado ir nas ultimas semanas a um prédio na Miguel Lemos que esta com uma faixa de aluga-se faz uns 6 meses, mas não havia encontrado o Porteiro para perguntar o valor pedido. (Sabe como é, não estava com saco de ouvir papinho de Corvo)
    Eis que no Sábado finalmente passei por lá e vi o Porteiro. Fui até lá e perguntei para ele qual a pedida.
    Ele disse que era um 3 quartos com vaga por módicos R$ 3.800,00, que já estava esse preço há muito tempo e que já tinha até sugerido para o proprietá abaixar, mas não deu ouvidos.
    Antes que eu pudesse agradecer e me retirar, ele disse: “Olha, vem aqui comigo” e praticamente me arrastou para a portaria vizinha. Lá o Porteiro já me indicou outro apartamento, também de 3 quartos, com vaga, por R$3.000, e ainda falou de mais uns 3 apartamentos na mesma rua de 1 e dois quartos os quais recomendou a visita.
    A Patroa ficou interessada em ver o segundo imovel, de R$3.000,00. Mas só para olhar. Vamos esperar o apocalipse Zumbi pós-Olímpico chegar e ai sim avaliamos.
    Uma coisa temos certeza. Com toda essa crise e toda essa oferta disponível, não vai ser Çofiti e Motumbo ainda vai se divertir muito.

    20+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • CA 20 de junho de 2016 at 09:21

      Carioca_real,

      Replico o que ficou no final do outro tópico, um depoimento de que já está sendo hard no Rio de Janeiro, pelo menos para aqueles que tem um contato DIRETO com o segmento imobiliário e seus bastidores, pessoas que tem uma visão 100% mais REALISTA sobre o mercado imobiliário no RJ, não os amigos do Zé Carioca:

      Vejamos um depoimento de ONTEM que foi publicado “do outro lado da rua” falando sobre o Rio de Janeiro:

      “Bolhicio 19/06/2016 at 14:25
      BUEMA BUEMBA

      > O hell continua lindo…

      > Ai meus tijoLO – Conversa de bar
      Colega de Bolhicio que trabalha para uma empresa de mão de obra, que por sua vez é contratada por as destrutoras para levantar lindas paredes de dry wall solta:
      Amigo: O mercado quebrou. O dono da destrutora só paga com carro ou apartamento. Pra você ter ideia, um apê que ele anuncia por 540k, tá passando pro patrão à 320k.
      Bolhicio: Mas se eu quiser comprar direto com a destrutora, consigo esse precinho (40% OOOFFFFFF)?
      Amigo: …CLAAARO, fala comigo que te arrumo os contatos.”

      14+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 20 de junho de 2016 at 13:52

        Hard está sendo no BR

        Ridejaneiro é crash, depois que faliu, o Estado não tem mais como pagar propina pros trafica ficar na miúda

        Estouro de novo a Guerra do Vietnã de Janeiro.
        Não vai cair 50% nem 60%, nem 80, nem 90

        Vai cair 100%, aquilo na vale nada NEM DE GRAÇA!
        SEGUE um link
        http://www.breitbart.com/milo/2016/06/18/rio-olympics-failure-global-elites/
        ou traduzido do outro lado da rua

        6+
        • avatar
  • joselito 20 de junho de 2016 at 10:14

    Ficou no post passado:

    Seguidor do Bolha BH 19 de junho de 2016 at 15:44
    Estoque de apartamentos novos em BH e Nova Lima cai 4,2% em abril
    http://estadodeminas.lugarcerto.com.br/app/noticia/noticias/2016/06/19/interna_noticias,49466/estoque-de-apartamentos-novos-em-bh-e-nova-lima-cai-4-2-em-abril.shtml

    Mais uma notícia paga.

    ________________________________________________________________

    Bom, considerando que estoque de “imóveis novos” são aqueles com até 36 meses, essa queda é legal mesmo, pode representar que aquele imóvel que tinha 36meses, agora tem 37, e desinchou o índice em 4,6%………srsrsrs.

    Mais um “índice” pegaFIPEtroxa

    9+
    • avatar
    • avatar
    • lamense 20 de junho de 2016 at 11:16

      Ou seja, o pessoal adotou aquela definição pervertida de estatística: “a arte de torturar os números até que eles confessem”. Se os imóveis estão encalhados a 423423 anos, é só tirar aqueles que tem mais de 3 anos do índice, e assim mantém-se a ilusão de estoque bem comportado! #SQN

      6+
      • avatar
      • avatar
    • O Taliu 20 de junho de 2016 at 21:26

      Me parece que para o MCMV, após o imóvel obter o habite-se ele é considerado novo por apenas seis meses.

      1+
  • Cajuzinha 20 de junho de 2016 at 11:02

    Olha que bom!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    “No Ceará, por exemplo, a BSPAR Incorporações, neste mês de junho, está presenteando os compradores com um bônus que pode chegar a até R$ 300 mil para o cliente utilizar na decoração do novo apartamento. Mais que isso, a empresa vai disponibilizar dois arquitetos de renome em Fortaleza para assinar o projeto de decoração do imóvel, onde o cliente escolhe com quem quer trabalhar: Carlos Otávio ou Susana Fiuza. ”

    http://exame.abril.com.br/negocios/dino/noticias/acoes-promocionais-aquecem-mercado-imobiliario-cearense.shtml

    8+
    • avatar
    • avatar
    • Cajuzinha 20 de junho de 2016 at 11:09

      Aqui em Aracaju existe uma construtora que é dona de lojas de móveis também, ou seja: podem imitar e se desfazer de um monte de moveis encalhados, botar o povo da loja pra trabalhar sem dar desconto no valor do imóvel.

      4+
  • Fino 20 de junho de 2016 at 11:10

    Vale a pena lembrar que vc está pagando pelo que é seu #SQN, busca rápida no reclame aqui!

    ~BAIXA DE HIPÓTECA 3 ANOS SEM SOLUÇÃO
    PDG NÃO faz a baixa da hipóteca da Minha Sala Comercial quitada diretamente coma construdora em 2013 e não consigo vender pelo motivo dos compradores não aceitarem uma sala com Hipóteca.

    `http://www.reclameaqui.com.br/AiTch3yr9AwZdAsB/pdg-incorporacoes/baixa-de-hipoteca-3-anos-sem-solucao/`

    ~Quitei o apto e não liberam a hipoteca, portanto o cartório não pode fazer a escritura.
    Isto é APROPRIAÇÃO INDÉBITA VAMOS VER SE ESTA PALAVRA PASSA . Afinal receberam meu dinheiro e não repassaram ao Banco que financiou a obra.

    `http://www.reclameaqui.com.br/Kn7vFwfk_6L4mIZu/pdg-incorporacoes/enganacao-e-apropriacao-indebita-/`

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Loucodf 20 de junho de 2016 at 11:20
      • Fino 20 de junho de 2016 at 11:27

        Típico bananese ! Acredita tanto no vendedor que não le uma virgula do contrato !
        O motumbo vai entra com força nesse!

        4+
        • avatar
      • joselito 20 de junho de 2016 at 14:48

        Dando uma analisada, percebe-se que a PDG parou de responder o reclameaqui a 6meses (ou seja, não teria renovado o contrato para o software que analisa as postagenes e gera respostas automáticas)……. se falta dinheiro para a atividade fim, imagina pro resto

        5+
        • avatar
  • Cajuzinha 20 de junho de 2016 at 11:13

    “10h36: MRV Engenharia (MRVE3, R$ 10,62, +5,57%)
    As ações da MRV Engenharia dispararam até 5,67%, a R$ 10,63, nesta manhã, após notícia de que
    a incorporadora e construtora planeja iniciar até o fim deste ano na cidade de São Paulo seu maior projeto, com 25
    torres residenciais. Batizado de Grand Reserva Paulista, tem 7,5 mil unidades e um valor geral de vendas (VGV) de
    R$ 1,5 bilhão ­ montante que corresponde a um terço de todos os lançamentos realizados pela empresa ao longo
    do ano passado.”

    “Além disso, a companhia anunciou na noite de sexta­feira um programa de recompra de ações para tentar
    “incrementar a geração de valor para seus acionistas, através da aquisição das ações em Bolsa de Valores, a
    preço de mercado, para permanência em tesouraria, cancelamento ou posterior alienação das ações no mercado
    ou sua destinação ao eventual exercício de opções de compra de ações”.

    De acordo com o comunicado da empresa, atualmente existem 444.139.684 ações ordinárias em circulação e
    outros 2.971.779 papéis mantidos atualmente em tesouraria. O plano prevê a aquisição de até 20 milhões de
    ações, o que corresponde a 7,3% das ações em circulação. O prazo máximo para realização das aquisições é de
    18 meses, iniciando­se em 20 de junho de 2016 e encerrando­se em 19 de dezembro de 2017.”

    3+
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 20 de junho de 2016 at 11:29

    tipo último suspiro, qdo melhora antes de morrer,
    só o terreno custou 95milhoes o que dá 12.666,66 pra cada unidade
    25 torres e 7500 unidades, 300 unidades por “torre”..

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • FabianoSJC 20 de junho de 2016 at 11:39

      7500 unidades rs , condominio ??? Isso ta mais pra “comunidade” rs
      Fico imaginando a bagunça da criançada correndo pra tudo quanto é lado , som alto , festinhas de aniversários rs eu passo !!!

      13+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Festa Ploc 20 de junho de 2016 at 12:03

        Isto equivale a um municipio. Será que os serviços locais de água, esgoto e energia vão dar conta?
        A garagem vai precisar de guarda de trânsito.

        12+
        • avatar
        • avatar
        • Ilusionista 20 de junho de 2016 at 13:31

          reunião de condomínio terão que alugar um ginásio ou estádio…rssss

          9+
          • avatar
          • Jovem Estudante 20 de junho de 2016 at 17:07

            Dá pra eleger um vereador com esse povo, assim que estiver totalmente ocupado.
            Talvez lá por 2295…

            5+
    • joselito 20 de junho de 2016 at 12:32

      A ultima espremida nas sardinhas…..

      3+
  • mark 20 de junho de 2016 at 12:38

    apostei na alta do dólar… não vou quebrar a cara, mas perdi um pouco de dinheiro com a queda dos Obamas.

    4+
    • avatar
    • Libertario 20 de junho de 2016 at 19:26

      Relaxe meu caro.Tambem perdi e muito nessa. Mas Dólar não é apenas investimento e sim reserva de segurança. Ainda mais conhecendo o Bananil como conhecemos.

      2+
  • Dr. Brown 20 de junho de 2016 at 13:12

    Loucodf

    http://www.reclameaqui.com.br/15401934/pdg-incorporacoes/falta-de-informacao–nao-informaram-sobre-reajuste/

    Olha esse, não sabia que seria reajustado…. kkkkk

    2+

    RTFC = Read That F*cking Contract!

    3+
  • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 13:37

    Guia do Tesouro Direto da Superinteressante

    https://www.youtube.com/watch?v=PokNemuecdI

    2+
  • Lucas 20 de junho de 2016 at 13:42

    xarada
    o que é o que é???
    pensa como corvo, age como corvo, fala como corvo, insiste como corvo, finge que não vê como corvo???
    que bixo é?

    6+
    • avatar
    • Minions 20 de junho de 2016 at 14:05

      Papagaio!?

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Lucas 20 de junho de 2016 at 13:49

    CVR (continuação)

    ontem conversando com meu sócio, enqaunto esvaziava as caixas de documento do meu escritório minusculo onde uma família pretende habitar.
    Ele alugou mobiliado!!!!
    Isso mesmo senhores, só conseguiu 0,26%am de rentabilidade de aluguel porque deu até os móveis no negócio, todo reformadinho lindinho

    Detalhe: custos mensais de manter fechado
    600 de condo
    150 de iptu
    100 de faxineira
    50 de taxas mínimas + seguro
    eventuais outros 100 de reformas, manutenção, taxas extras

    Praticamente MIL reais pra manter um imóvel pop Fechado!!!
    levou 6 meses pra alugar por 0,26% do preço COM os móveis
    Queda de 50% no aluguel, fonte: EU, minha propriedade da qual sou sócio minoritário, que se pudesse já teria vendido.

    Lição:
    1- soft meus zovos
    2- sociedade com gente burra mesmo quando dá muito certo, SEMPRE dá merda

    13+
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 20 de junho de 2016 at 13:55

    CVR 2
    taxistas pilantras de SP

    Ubercopter – trecho aeroporto > Faria lima o centro chic:
    tempo: 12 minutos
    preço: 250 paus (e vai diminuir)

    Taxi no mesmo trajeto
    Tempo: sei lá, talvez 2 horas, talvez 3, talvez nunca chegue
    preço: quase o mesmo

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 20 de junho de 2016 at 14:08

    Bolha BOSS
    ESSa conta é pra vc

    CURITIBA
    anuncios pra compra: 11 mil
    anuncio pra aluguel: 5 mil
    (já começou a voltar ao normal a proporção 2:1 já foi de 20:1 no auge da bolha, o normal mesmo é ter mais aluguel que venda)

    Vendas por mês: 380 imoveis

    VENDAS sobre ANUNCIO = 0,03
    1 em cada 34 anuncios são vendidos por mês

    não esqueçam que peguei apenas um site pago da internet, no real deve ser muito mais.
    A cada 100 proBostas que se fizer, UMA será aceito o valor real de mercado.

    4+
    • avatar
    • Alemon Fritz 20 de junho de 2016 at 16:07

      se cada corvo tiver 30 imóveis na “carteira” serão 11k:30= 366,6 corvos, e 380 vendas,… 1por corvo, …estão quase passando fome.

      2+
  • Jovem Estudante 20 de junho de 2016 at 14:31

    Estava aqui pensando…
    Quantos corvos devem existir em Ctba?

    3+
    • avatar
  • Cajuzinha 20 de junho de 2016 at 14:42

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    “SIMULAÇÕES” – ISSO NÃO SIGNIFICA COMPRA

    “Feira de imóveis de Londrina atinge R$ 100 milhões em simulações
    Redação Bonde – 20/06/2016 — 06:52

    “Atendemos pessoas de todas as faixas de renda, que estão se movimentando para superar a crise”, aponta ela, lembrando que os clientes que realizaram simulações durante a feira terão garantia das condições apresentadas mesmo após o fim do evento.

    http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-39–155-20160620

    7+
    • avatar
    • avatar
    • Jovem Estudante 20 de junho de 2016 at 15:18

      O último filme da Brasileirinhas causou 15 milhões de nascimentos em simulações.

      24+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cajuzinha 20 de junho de 2016 at 14:48

    Lembram da promoção de 300k em móveis que postei acima?… ” Tal performance foi acompanhada pelas lojas de móveis e decoração, – 10,8%.”

    “Varejo de material de construção cai junto com o mercado imobiliário
    Segunda, 20 Junho 2016 14:24

    O presidente do Sincomavi, Reinaldo Pedro Correa, afirma que tal situação não deve melhorar nos próximos meses. “Toda a cadeia do comércio e de serviços acaba sendo afetada com a redução no número de lançamentos e da venda de imóveis usados”, ressalta. “Não existe expectativa de melhora dessa realidade até o final do ano”. Isso porque a Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE), da FecomercioSP, revela que apenas 6,9% dos paulistanos entrevistados em maio tinham intenção de se endividar nos três meses seguintes, o segundo valor mais baixo já registrado pela pesquisa, iniciada em junho de 2012.

    Para dar uma dimensão do reflexo em outros setores com a queda na venda de imóveis, basta consultar os números da Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS), também produzida pela FecomercioSP. Em 12 meses, até março de 2016, enquanto o faturamento real do setor de serviços paulistano recuou 3%, os serviços ligados à construção civil contaram com uma queda na receita de 21,3% – o pior desempenho entre as 13 atividades pesquisadas. O impacto gerado nos outros pontos da cadeia também se mostrou muito grande. Enquanto, o varejo da capital teve um resultado negativo de 3,5% até março de 2016, os comércios de material de construção sofreram uma queda muito maior: – 14,6%. Tal performance foi acompanhada pelas lojas de móveis e decoração, – 10,8%.

    http://www.segs.com.br/economia/21354-varejo-de-material-de-construcao-cai-junto-com-o-mercado-imobiliario.html

    2+
  • Scaravelhoo 20 de junho de 2016 at 15:19

    CVR – OFF
    Prezados colegas, trabalho há 17 anos em uma empresa com usinas no Brasil e com sede em Paris.
    Com a crise atual, sem perspectiva de conseguir promoção nos próximos 3 anos e com grandes riscos até de perder o emprego.

    Alternativa:

    Apelar à diretora da minha área por uma oportunidade “abroad”…..
    Tenho receio em arriscar tanto, pois posso ser mal interpretado.
    Será que vale tanto a pena esse risco?
    Será que nos próximos 3 anos, seria muuuuito diferente ganhar em Euro do que ganhar em Real?
    Tenho que considerar que o custo lá na França é bem maior que aqui no Brasil e que meu salario provavelmente continuaria o mesmo apenas fazendo a conversão?

    Alguém com experiencia em Expatriação através de multinacionais?
    (lembrando que no meu caso, provavelmente não conseguiria por expatriação e seus benefícios)

    3+
    • Lucas 20 de junho de 2016 at 17:17

      custo maior na FRança????

      só o aluguel, de resto veja os custos:
      carro = ZERO
      escola = ZERO
      saude = ZERO
      portaria segurança = ZERO
      comida = Muito mais barato
      bebida = idem
      celular idem
      net idem

      custo maior aonde?
      pela mesma qualidade de vida, viver como classe média-baixa na frança é semelhante a situação dum morador rico do jardim europa de SP, digo semlehnate pq certas coisas nem bilinoário tem aqui.

      3+
      • avatar
      • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 20:27

        Lucas, concordo totalmente, o aluguel é caro e os apartamentos pequenos, mas pelo menos dentro de Paris não se gasta com carro, saúde, segurança, educação….

        3+
        • avatar
  • RicardoNT 20 de junho de 2016 at 15:47

    Scaravelhoo,
    Eu morei em Paris por quase 2 anos como expatriado. Na época até foi-me oferecido converter meu contrato em um contrato local ( assim seguindo as regras trabalhistas locais). Eu recusei a oferta e regressei para o Brasil.
    Por experiência, tem que considerar alguns aspectos como se irá “solteiro” ou se irá com esposa e filhos. Isso pode fazer uma grande diferença já que educação lá é gratuita e a saúde é publica ( a menos que queira pagar por um plano privado que normalmente apenas quem tem muito dinheiro o tem). Se a esposa for e ala trabalha no Brasil, vai ter que verificar se ela conseguirá trabalhar lá na mesma função, algo que muitas vezes é complicado e requer saber bem a língua e entrar com um processo para que o diploma seja aceito por lá até mesmo fazer uma prova para comprovar o mesmo ( em francês). O que quero deixar claro é o impacto não apenas no seu salário e sim na renda familiar.
    O estilo francês não é ficar rico e sim gozar da vida. Então não espere ficar rico e morar em uma casa grande, etc.
    Como comparação, um salário aqui de R$10.000 lá iria receber aproximadamente E$4.500 ( não existe 13° salário)… e tem várias outras regras trabalhistas… férias lá são melhores, etc. Entretanto alugar um AP de 50m2 em SP custa R$2000 (região mediana já incluso o condomínio) em Paris o mesmo não sairia por menos de E$1800 (também em uma região mediana – entre o 7 e 14 rousemant). É muito comum o pessoal morar fora de Paris por causa do custo de moradia.
    Espero ter ajudado. Se tiver mais dúvidas pergunte.

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Scaravelhoo 20 de junho de 2016 at 17:00

      Poxa Ricardo…. queria muito conversar melhor contigo a respeito.
      Tenho colegas na matriz, mas acho indelicado ficar perguntando a eles.
      Se não for incomodo, gostaria de deixar um email para que eu pudesse pedir alguns conselhos.
      Você captou bem a minha realidade e preocupação.
      [email protected]
      Se você puder me enviar uma email para podermos conversar seria ótimo.

      abraço

      2+
  • marchi 20 de junho de 2016 at 15:58
  • Seguidor do Bolha BH 20 de junho de 2016 at 16:09
  • Seguidor do Bolha BH 20 de junho de 2016 at 16:25

    CNI registra em maio queda menor na atividade da construção
    http://economia.terra.com.br/cni-registra-em-maio-queda-menor-na-atividade-da-industria-
    da-construcao,9d72eae8b7f14afb53f879d302065f5bmwqg7dvq.html

    1+
  • Longa Manus 20 de junho de 2016 at 17:05

    Prezados, boa tarde.

    Como sou ignorante no assunto, gostaria de uma ajuda de vocês.

    Pretendo COMPRAR DÓLARES para turismo. Aos poucos.

    Qual o melhor procedimento e o mais seguro aqui no RJ?

    3+
    • Money_Addicted 20 de junho de 2016 at 17:53

      confidence cambio

      1+
    • Minions 20 de junho de 2016 at 18:22

      Compre em casas de câmbio oficiais! Aceite , apenas, notas novas e de US$100. Jamais no paralelo. Eu gosto da cotação do BB. Procure casas de câmbio em lugares seguros, como shopping e mantenha discrição. Jamais deixe alguém saber que você tem moeda em casa. Deixe MUITO bem escondido!

      3+
  • markito 20 de junho de 2016 at 17:14

    marchi

    Loucura Total
    http://exame.abril.com.br/videos/direto-da-bolsa/mrv-dispara-com-a-construcao-de-25-torres-residenciais/
    Eles não acreditam na Bolha

    2+

    Deve estar subindo pela recompra da ações e não pelo empreendimento rs

    1+
  • Lucas 20 de junho de 2016 at 17:17

    CVR

    tiroteio de fuzil no hel é coisa do passado
    o lance agora é trocar tiro de granada

    kkkk
    é soft sim
    kkkk

    9+
    • avatar
    • mark 20 de junho de 2016 at 17:52

      Lucas, sera que todo esse ódio que você tem pelo Rio eh prq bem fundo no seu coração você gostaria de morar aqui?

      4+
      • Zé Carioca 20 de junho de 2016 at 19:07

        Na minha opinião é um caso de amor mal resolvido, o Lucas foi abandonado por um carioca e passou a odiar o Rio. Mas falando sério, a cidade realmente está péssima e a tendência é as mazelas aumentarem após as Olimpíadas. Em 2017 veremos o tamanho rombo que os eventos esportivos deixaram na cidade.

        Eu não sou maluco de discordar do Lucas quando ele fala que isso daqui está pior que zona de guerra, mas o pior é que está sendo soft mesmo, pois os preços dos imóveis não baixaram significativamente. A insanidade continua e os proprietários de apartamento de dois quartos no Flamengo com bidê Rosa continuam se achando milionários. Mas sou paciente, só compro com quedas reais de preços de no mínimo 50%, caso contrário prefiro deixar o dinheiro rendendo juros.

        10+
        • avatar
      • Cesar_DF 20 de junho de 2016 at 20:32

        Mark, o Rio é MARAVILHOSO, o problema são os cariocas ! Alimentam a bandidagem com o consumo absurdo de drogas, “ser malandro” é um elogio, acham-se descolados e espertos, o único lugar do Brasil talvez do mundo que policiais e militares precisam deixar a farda no quartel.

        5+
        • avatar
  • Luladranus 20 de junho de 2016 at 18:19

    “Os dados da pesquisa variam de zero a 100 pontos. Quando estão abaixo de 50, são negativos. Quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais disseminada é a retração na atividade e no emprego.”

    http://economia.terra.com.br/cni-registra-em-maio-queda-menor-na-atividade-da-industria-da-construcao,9d72eae8b7f14afb53f879d302065f5bmwqg7dvq.html

    2+
  • Caio Renar 20 de junho de 2016 at 21:55

    Prezados

    Tenho uma dúvida e talvez alguem saiba me responder. Quanto era o retorno do aluguel em relação ao preço do imóvel antes da bolha. Década de 90 por exemplo.

    3+
  • Cajuzinha 21 de junho de 2016 at 06:12

    ” Cai número de financiamentos de imóveis em Ribeirão Preto

    Enquanto endividamento cai, em razão da queda no consumo, compra de imóveis apresenta primeira retração por conta da crise

    LEONARDO SANTOS 20 JUN 2016 11H42″

    http://www.revide.com.br/noticias/cai-numero-de-financiamentos-de-imoveis-em-rp/

    0
  • Cajuzinha 21 de junho de 2016 at 08:13


    O número de novos contratos de locação residencial na cidade de São Paulo cresceu 13% entre janeiro e abril deste ano, na comparação com o mesmo período de 2015.

    A alta, segundo a Lello, administradora e imobiliária paulistana, é fruto da maior flexibilidade dos proprietários ao negociarem com os candidatos a inquilinos.

    Em média, os valores dos novos contratos de aluguéis firmados na capital paulista estão 6% inferiores à média do valor registrado no ano passado – hoje na casa de R$ 2 mil mensais.

    “Com muito mais oferta de imóveis disponíveis, proprietários preferem negociar o valor do aluguel a ficar com o imóvel desocupado e, consequentemente, tendo de arcar com despesas de IPTU e condomínio”, diz Roseli Hernandes, diretora de Locação da Lello Imóveis.”

    http://exame2.com.br/mobile/negocios/dino/noticias/numero-de-contratos-novos-de-aluguel-sobe-13-em-sp.shtml

    0