Com dívida de R$ 67 mi, Construtora Lider recorre à Justiça – O Tempo Online

Você pode gostar...

Comments
  • rsmrsm 18 de abril de 2012 at 12:39

    Primeiro a Gafisa, segunda é a Lider, a terceira …

    1+
    • Newton 18 de abril de 2012 at 21:10

      A diferença é que a Líder é uma construtora de alto padrão. Inclusive nos últimos anos tem muitos projetos com a Cyrela Realty.

      Moro a 500 metros de um dos empreendimentos em contrução, o Líder Ville aqui em Belo Horizonte. As obras não pararam, estão fazendo o acabamento de alguns dos prédios inclusive. O problema é o alto custo deles, que foram vendidos 3 anos atrás por valores a partir de 300 mil quando os outros apartamentos na planta aqui da região custavam 50 mil.

      Não acredito que a Líder se recupere não. Acho que acabará sendo comprada ou anunciará fusão.

      0
  • Ana Paz 18 de abril de 2012 at 12:45

    Alguém duvida que, em dois anos, essa recuperação seja convertida em falência, por descumprimento do plano???
    pedido de recuperação aprovado é só para retardar o inevitável…

    0
    • Eduardo 18 de abril de 2012 at 14:38

      É aquela situação… Como vai continuar as obras??? Sem crédito, vai ter que comprar tudo à vista.

      0
  • Ronald 18 de abril de 2012 at 12:45

    Tive notícia que a Habitare em BH vai pedir recuperação judicial também.

    Alguém confirma isso em alguma fonte confiável?

    0
    • Roc 18 de abril de 2012 at 13:12

      Já ouvi essa mesma informação também. Acho que a situação não está fácil para a Habitare também não. Alguém poderia confirmar pra gente isso.

      0
      • Luiz 18 de abril de 2012 at 13:36

        caramba
        e o MRK previu essa quebradeira ano passado

        0
        • Vinicius Lima 18 de abril de 2012 at 13:49

          Para quem leu a trilogia “FUNDAÇÃO” do “Isaac Asimov” o Mrk é praticamente um Hari Seldon….hehehehehehe

          0
          • Shakespeare 18 de abril de 2012 at 15:16

            Hari Seldon é o personagem central da série de ficção científica Fundação, de Isaac Asimov. Na realidade, ele só protagoniza o primeiro conto da coleção inicial Fundação, e Prelúdio da Fundação, escrito posteriormente por Asimov, apesar de aparecer nos demais em uma gravação holográfica em todo momento que ocorre uma crise de Seldon.
            Na série fundação, Hari Seldon cria uma nova ciência, a Psico-história, fundamentada na psicologia e na estatística, onde seu principal postulado afirmava que um único indivíduo seria imprevisível, porém uma massa humana de bilhões de indivíduos seria altamente previsível. Assim Hari Seldon consegue prever a derrocada do império galático, e cria assim um plano para diminuir o período em que a humanidade mergulharia numa “era de trevas”.
            Após os cinco romances iniciais da série, Asimov produziu duas prequelas, contando a história da vida de Seldon: Prelúdio à Fundação e Forward the Foundation, lançado no Brasil com o nome Crônicas da Fundação.

            da Wikipedia

            0
            • Luiz 18 de abril de 2012 at 15:34

              em certos modelos matemáticos, como o de tráfego, cada individuo é reduzido a um comportamento absolutamente padronizado, como se fosse uma gota de água fluindo com a gravidade.

              e por isso os modelos amtemáticos funcionam incrivelmente bem, as formulas de fluxo de transito são copiadas adaptadas das formulas de hidrologia

              na média a massa humana é tão inteligente quanto uma massa de água ou de capim.

              (cultura inutil)

              0
              • Spina 18 de abril de 2012 at 15:47

                Isso me lembra uma frase do Dr. Manhatan “O homem mais inteligente do mundo que surpreende tanto quando o cupim mais inteligente do mundo”.

                0
                • Vinicius Lima 18 de abril de 2012 at 16:17

                  Watchmen, outra excelente referência…

                  Mas sempre que vejo as “previsões” feitas aqui no bolha, tornado-se realidade e saindo na mídia, me lembro do Hari Seldon e da Psico-história.

                  0
            • Paulo - RJ 18 de abril de 2012 at 16:41

              Pelo que me lembro deste livro (Devo ter lido há uns 20 anos atrás), quem seria o mulo?

              0
              • Vinicius Lima 18 de abril de 2012 at 17:31

                Eu espero que não exista Mulo, porque senão as previsões dos nossos Hari Seldons (Mrk, entre outros…) vão falhar…hehehehehehe…que viagem…

                0
                • Virginia 18 de abril de 2012 at 20:46

                  Me deixaram com vontade de ler Asimov…

                  0
                  • FRK 18 de abril de 2012 at 22:37

                    idem….

                    0
                    • Jonathas 19 de abril de 2012 at 17:24

                      Leiam mesmo… o primeiro livro é, disparado, o melhor da trilogia! 🙂

                      0
    • sergio 23 de abril de 2012 at 15:03

      Lider, Santa Barbara,confiramdos. MASB pode ser arrastada pela Santa Bárbara.

      0
      • Paulo 30 de abril de 2012 at 00:39

        Santa Barbara esta sim quebrando, basta procurar pelos processos na comarca de BH e achara cobrancas de 1mi e ate mais.

        0
    • Mr. Ribeiro 6 de maio de 2012 at 23:47

      Sim a Habitare já quebrou , assim como a Construtora Dinamo que constroi na região do Bairro Castelo também ja ruiu ! o Fim da Bolha 7/2014

      0
  • Luiz 18 de abril de 2012 at 12:45

    inacreditavel PDG quase alcançando a GFA

    PDGR3 5,05 -1,4%

    ela valia quase o dobro da irmã até alguns meses atrás

    0
    • xangai 18 de abril de 2012 at 13:21

      e a Trisul !??! ja esta perdendo a “especulacao” do ano e voltando ao limbo !!!

      0
  • Dario 18 de abril de 2012 at 12:56

    Não entendo como a falência de uma construtora pode ser um indicativo de bolha! Muito pelo contrário, se estivessem lucrando tanto assim não estariam entrando em falência….
    Quanto mais construtoras no mercado, maior a concorrência. Preços mais baixos !!!
    O que infla a bolha na minha opinião é o fácil acesso a crédito

    0
    • Roc 18 de abril de 2012 at 13:29

      Dario, na minha opinião a falência das construtora é um indicativo sério de bolha imobiliária. As construtoras investiram muito nesse mercado e tiveram sim muito lucro logo no início desse ciclo de especulação. Porém os valores foram subindo (materiais, mão de obra, terrenos…) e sem a organização necessárias essas empresas estão enfrentando essas enormes dificuldades no momento. Vale lembrar que a Líder não está falindo. Ela está com dificuldades financeiras e está usando um dispositivo legal para se reestruturar. Vamos torcer para que consiga.
      A crise das construtoras é, na minha opinião, apenas a ponta do iceberg. O aumento do crédito fácil realmente é o maior perigo e daqui a pouco vamos pagar o preço por toda essa facilidade. E o pior: TODOS vamos pagar, sem exceção.

      0
      • Dario 18 de abril de 2012 at 15:48

        Roc, espero que vc esteja certo. Tenho visto por aí que um dos motivos dos prejuízos é a inadimplência dos compradores. Com isso pode ocorrer uma reforma dos processos de vendas, aumentando as exigências para a compra de um imóvel. Visto que não é mais possível diminuir o tamanho( m2 do imóvel). Isso pode espantar os especuladores do mercado imobiliário (como antigamente), estagnando os preços e até mesmo diminuindo. Claro que para isso as construtoras vão ter que enxugar seu quadro. Como esta acontecendo com a GOL na aviação. Uma vez que previram um aumento maior do que o real !!! Abraços

        0
    • Júlio Cesar 18 de abril de 2012 at 13:30

      Sou a favor daquela maxima: quem não tem competencia, que não se estabeleça. Que os ramos podres sejam cortados e jogados fora, para que novos ramos possam florescer. Estas construtoras que vão falir, exploraram as pessoas, tiveram péssimas praticas de administração. Elas deixarão uma lacuna que será preenchida por novas empresas com ideias novas e com o pé no chão.

      0
    • self 18 de abril de 2012 at 13:31

      Falência pode indicar bolha, sim. Bolha em processo de desinflamento, estouro ou chame como quiser.

      0
    • Luiz 18 de abril de 2012 at 13:32

      Dario,

      os corretores propagandeiam que imovel é um investimento de lucro certo e sem risco nenhum.

      Isso atraiu investidores de primeira viagem, cambistas, especuladores alavancados e toda sorte de aventureiro.
      Quem queria só morar, passou a competir com essa horda.

      Quando uma construtora atrasa ou vai pro buraco ela espanta os possíveis comrpadores, seja morador final, seja espertalhão do momento.
      Existem milhares de construtoras, a falencia de uma não vai alterar em nada a oferta, mas a noticia pode espantar boa parte a demanda.

      Expliquei?

      0
      • Spina 18 de abril de 2012 at 13:58

        Luiz, acho que esse caso em particular pode ser má administração mesmo.
        Não conheço a empresa em questão, mas pela idade dela 40 anos deve ter passado por troca do gestor ex. o fundador morre e fica pro filho.
        Ou não tinha terreno em estoque e comprou muito caro pra levantar o empreendimento, não tinha mão de obra e pagou mais caro pra “roubar” de outra empresa e no final percebe que o custo da obra é tão alto que não consegue vender em um mercado tão saturado de preços bolhudos.
        Tudo uma teoria claro, pq como disse não conheço a construtora

        0
        • joka 18 de abril de 2012 at 14:25

          Ta bom Claudia, senta la.

          0
          • Spina 18 de abril de 2012 at 14:44

            ??? comprou gafisa foi?

            0
            • joka 18 de abril de 2012 at 15:13

              Nao fi, Essa empresa era cotada como uma das mais solidas e de alto padrao de BH.. imagina o resto. Como diria o filosofo: Corre negadis…

              0
              • Cleyton 18 de abril de 2012 at 19:44

                Cacildis!

                0
            • Luiz 18 de abril de 2012 at 15:15

              Spina, concordamos, a gente tinha discutido a GFA antes.

              Ficou meio consenso que é uma empresa sem dono, focada em gerar bonus pros diretores. que por sua vez achavam que podiam surfar eternamente ba onda dos preços crescentes.

              A situaçlão dela piorou depois que o Sam zel começou a vender sua ações em 2009 e zerou posição em 2010.

              Mas concordo parcialmente, eu acho, e a minha opinião se embasa no MRK, que muitas outras empresas tbm tem esqueletos no armário em quantidade similar, então não é o mal de uma, é mal do ramo, salvo excecções.

              ps: quem é claudia?

              0
              • Spina 18 de abril de 2012 at 15:53

                Tem muito esqueleto ainda pra sair. Pela reportagem eu entendi que a LIDER só tem 3 obras em andamento, é isso mesmo? Se for o caso é muito grave, pq nem gordura ele tiveram pra queimar antes de quebrar.
                Digo quebrar pq quem em sã consciência vai comprar um ap na planta deles agora?

                0
      • Dario 18 de abril de 2012 at 15:35

        Luiz em parte sim, concordo que possíveis compradores ou investidores deixariam de comprar “lançamentos”. Com relação aos imóveis prontos ( usados) eles teriam maior valor de mercado, pois são uma compra “segura”. Isso aumentaria mais ainda o valor do m2. O que eu espero realmente é que exista neste ano uma avalanche de imóveis no mercado. Todos aqueles que adquiriram em 2008/09, com o intuito de investimento, coloquem seus imóveis a venda com “medo” de desvalorização. Desta forma pode ocorrer o efeito “manada” (todos tentando vender e baixando o preço ao mesmo tempo), como acontece com as ações, e os preços despenquem.

        0
        • Luiz 18 de abril de 2012 at 15:49

          Dario,
          aí esta o ponto, imoveis na planta sempr foram 20% mais barato que imoveis prontos, que é o preço do risco + custo de oportunidade.

          Acontece que hj imovel na planta está mais caro que um novo
          E porquê?

          Por que o comprador da planta na verdade é o especulador dos 20% apoiado na promessa de aprovação do financiamento (subprime?) ou em encontrar um tolo maior que pague o ágio.

          Os esqueletos no armário, os prejuizos das construtoras comprovam que o esquema é na verdade uma grande pirâmide na iminencia desabar, ou lentamente, ou de uma vez.

          0
        • Spina 18 de abril de 2012 at 16:02

          Nem vai precisar da venda por parte dos “investidores” é só esperar a entrega dos apartamentos pro pessoal descobrir que não tem dinheiro pra pagar as chaves. Recebi ontem a tabela de Abril da PDG, na cidade onde moro tem ap de 160m pela bagatela de 1mega, 8k de mensais durante a obra com entrega pra 2014, se a entrega fosse hoje o saldo devedor ainda seria de 780k. Bom negócio não?

          0
    • Ronald 18 de abril de 2012 at 13:34

      Pense na Gafisa que pode ter de retomar 12 mil imóveis… desses 4 mil já estão em processo… sendo que ela vendeu o que ela achava q ia ganhar e agora ganha mais…

      Pense nas construtoras como os bancos nos EUA q financiavam imóveis com preços bolhudos e depois que o povo não tem como pagar… PLOC!

      0
      • Carlos_ 18 de abril de 2012 at 14:23

        Pois é. O imóvel na planta com pagamento na entrega das chaves é o subprime brasileiro. Mas NUNHUM analista até hoje mencionou isso, nem mesmo os que acreditam em bolha.

        0
        • Luciano 19 de abril de 2012 at 15:38

          Excelente paralelo, Carlos, é isso mesmo, o subprime basicamente se refere a empréstimos dados a quem não tem condições de pagar; a diferença neste caso é que o comprador, ora não conseguirá um empréstimo e terá que revender o imóvel às pressas, possivelmente com prejuízo (ou seja, por menos do que pagou, mesmo porque o saldo devedor estará maior na entrega das chaves), e isso dispararia o processo de queda de preços (não estamos falando de um comprador, mas de milhares) ou, se conseguir o empréstimo, em algum momento ficará inadimplente, pois além de um principal altíssimo (as parcelas durante a obra não quitam quase nada), os juros mais IGPM comprometerão uma parcela cada vez maior da renda, mesmo porque os salários não estão aumentando na mesma proporção. E o efeito é uma bola de neve, pois uma (ou várias) incorporadora(s) e/ou construtora(s) que peça(m) recuperação judicial ou venha(m) a falir impactam geram desemprego nos canteiros, menores vendas nas lojas de materiais de construção, menor produção nas fábricas, mais desemprego, etc, etc, etc. Tudo isso por uma política irresponsável de um governo populista.

          0
    • t.v 18 de abril de 2012 at 13:43

      A dificuldade das construtores pode significar que os preços estão além do que os compradores podem/estão dispostos a pagar.

      Não é indicativo de bolha, e sim de seu desinflamento.

      0
      • Henrique 18 de abril de 2012 at 16:32

        Bolha econômica é um processo de variada duração (pode durar alguns meses ou vários anos) em que um determinado ativo torna-se extremamente sobrevalorizado, por conta principalmente de comportamentos irracionais do mercado em circunstâncias momentâneas. Numa situação normal de mercado, o preço de um determinado ativo corresponde ao seu “valor fundamental”, isto é, ao dinheiro que se espera obter com ele, incluindo seus dividendos. Mas, quando um determinado ativo passa a ser vendido acima desse valor fundamental e esse processo persiste (sem a correção que normalmente ocorre nesses casos), em função de uma atitude irracional dos investidores em obter lucros cada vez maiores, baseada em expectativas no mercado futuro e em especulação financeira, forma-se uma “bolha”. Ao longo da história econômica surgiram várias bolhas. Uma das primeira foi com o mercado de tulipas na Holanda no século 17. As mais recentes envolveram o mercado imobiliário no Japão, no começo dos anos 1990, quando o valor dos imóveis no país “valia” quatro vezes o valor de todo o mercado imobiliário norte-americano, a bolha da Internet que estourou no começo deste século e a do mercado de imóveis nos Estados Unidos que levou à recessão mundial iniciada em 2008. Alguns estudiosos acreditam que os processos que inflam e estouram bolhas econômicas também têm um lado positivo, principalmente quando deixam como legado uma nova infraestrutura ampliada. Segundo eles, isso aconteceu com as “bolhas” do telégrafo e das ferrovias no século 19 e com a da internet no fim do século 20.

        0
    • Igor Eduardo 18 de abril de 2012 at 15:20

      Certamente que isso é sinal de bolha, leia sobre a teoria econômica dos ciclos econômicos e verá como a situação se encaixa perfeitamente.

      0
  • LEOTEX 18 de abril de 2012 at 13:07

    o ritmo das notícias negativas aumentou de forma impressionante…

    0
  • Cézar 18 de abril de 2012 at 13:11

    Meu sogro tem um AP da LÍder comprado na planta, com previsão de entrega em 2014. Quando ele comprou há uns 2 anos, falou pra eu comprar também. Na época a bolha ainda não estava tão clara. Mas eu olhei as condições e ví que depois e pagar muitos anos as parcelas, na entrega das chaves o saldo devedor seria praticamente o preço de outro apartamento. Náo comprei. Até hoje moro de aluguel. Mas também não devo um centavo. Hoje tenho dinheiro pra comprar mas vou continuar no aluguel por muito tempo.
    Esse ap. Que ele comprou fica em um conjunto de vários prédios (3 ou 4). O primeiro já está quase pronto. O do meu sogro está no início, no primeiro andar. Mas tem prédio que eu acho que nem começou. Ele me disse que quer estar morando lá na copa. Será? Sorte que ele tem boa condição financeira e não vai quebrar. Mas e a grande maioria que está suando pra pagar e vai depender de financiamentos? Não devem nem estar dormindo.

    0
    • Paulo Franc 19 de abril de 2012 at 12:20

      Acho que você tem toda razão Cesar,,, aguarde que teremos surpresas muito boas nos próximos 3 anos……..

      0
  • Júlio Cesar 18 de abril de 2012 at 13:20

    Nesta altura do campeonato, só quatro grupos de pessoas não acreditam em bolha: sardinhas, donos de construtoras, donos de imobiliárias e o papai noel rsrs.

    0
    • GB 18 de abril de 2012 at 14:28

      E os presidentes dos SECOVI’s, não se esqueça dessas criaturas.

      0
      • VCT 19 de abril de 2012 at 00:17

        Não mesmo, como diria Lacan, se quer encontrar ateus, vá ao Vaticano.

        0
    • Henrique 18 de abril de 2012 at 16:35

      E os diretores da Imobiliária Lopes Royal.

      0
  • Andre Luiz 18 de abril de 2012 at 13:35

    Gostei da justificativa: “ALEGANDO CRISE NO MERCADO IMOBILIÁRIO”.

    0
    • GB 18 de abril de 2012 at 14:41

      Mas os valores não iam subir eternamente ? Que negócio de começarem a falar em crise é esse ? “Estou bege”.

      Pelo menos a palavra crise já está sendo associada ao Mercado imoBolhário bananense.

      0
  • adelino 18 de abril de 2012 at 13:38

    Alguém lembra da ENCOL ?

    0
  • joka 18 de abril de 2012 at 13:43

    Sera um caso isolado? Ou sera que a cascata sera imediata??

    0
    • Andre Luiz 19 de abril de 2012 at 11:08

      Acredito em cascata. Eles vão tentar botar a culpa nos gestores da empresa e blablablá. Mas é inevitável. As construtoras estão muito alavancadas. No fim, uma a uma vai cair.

      0
  • marcelo salvador ba 18 de abril de 2012 at 13:44

    Vendas da Rossi caem 17% no 1º tri e lançamentos recuam
    Publicidade
    DA REUTERS

    A Rossi Residencial informou nesta quarta-feira que fechou o primeiro trimestre com vendas contratadas de R$ 639 milhões, queda de 17% na comparação com o mesmo período em 2011.

    De janeiro a março, os lançamentos da construtora e incorporadora também caíram, em 29%, somando R$ 514 milhões.

    Os números não consideram a participação de parceiros nos projetos.

    A velocidade de vendas –medida pela relação de venda sobre oferta– ficou em 18% nos três primeiros meses do ano.

    Na véspera, a MRV Engenharia também apresentou vendas e lançamentos menores para o primeiro trimestre, quando priorizou a venda de estoques.

    0
    • Luciano 19 de abril de 2012 at 15:51

      Menos lançamentos quer dizer menos emprego nos canteiros, menos compra de material de construção, menos produção, menos emprego nas fábricas, etc, e com menos emprego começa a inadimplência das compras em 20x na Casas Bahia, do carro comprado em 80x (só que depois de 2 anos, o carro vale menos do que o saldo devedor), etc, e a bola de neve continua a descer a montanha; como não temos neve por aqui, talvez seja melhor dizer a avalanche de lama desce o morro!

      0
  • marcelo salvador ba 18 de abril de 2012 at 13:50

    O interessante é o seguinte : ” vendas contratadas” . Vamos ver quais das contratadas serão devolvidas

    0
  • SPSPJULIANO 18 de abril de 2012 at 14:12

    Quando o crédito internacional começar a secar, a brincadeira vai acabar.

    JULIANO

    (DA FOLHA DE SÃO PAULO)

    18/04/2012 – 10h00

    FMI quer emergentes preparados para fuga de dólares

    Publicidade

    LUCIANA COELHO
    DE WASHINGTON

    O FMI (Fundo Monetário Internacional) aponta progresso na redução de riscos nos mercados mundiais, mas alerta que reformas como a maior integração fiscal e financeira da Europa e o fortalecimento do sistema bancário ainda precisam ser priorizadas.

    Se não o forem, consequências como a saída de capitais dos países emergentes minariam o avanço global, com impacto de até 2 pontos percentuais no PIB de países como o Brasil, ressalta o FMI em seu relatório anual Avaliação de Estabilidade Financeira Global, lançado hoje em Washington

    “Para um país como o Brasil, que recebeu um montante enorme de capital estrangeiro neste período [de crise], o impacto sobre o crescimento poderia chegar a dois pontos percentuais, mesmo com as reservas [do país] sendo suficientes para cobrir necessidades financeiras de curto e médio prazo”, afirma o documento.

    O relatório ressalta que a inundação de dólares, provocada pelas políticas monetárias expansionistas e de liquidez nos países ricos –que aumentaram a quantidade de dinheiro em circulação e acabaram, na prática, por desvalorizar suas moedas– criou, somada à atratividade dos mercados emergentes, novas vulnerabilidades.

    Na semana passada, a diretora-gerente do fundo, Christine Lagarde, descreveu esses mercados como um “ímã de dinheiro”.

    ‘RISCO DE MÃO DUPLA’

    “Os responsáveis pela política econômica destes países enfrentam um risco de mão-dupla, e devem estar também preparados para uma fuga repentina de capitais”, destaca o FMI.

    O governo brasileiro tem criticado as economias avançadas pelas políticas de afrouxamento, que elevam o real e outras moedas emergentes e criam obstáculos à exportação.

    Na definição da presidente Dilma Rousseff e do ministro Guido Mantega, trata-se de “protecionismo cambial”.

    Uma das respostas tem sido o anúncio sucessivo de medidas pró-indústria, apontadas pelos governos e empresários de alguns países ricos, por sua vez, como barreiras protecionistas.

    BRASIL

    O FMI não avalizou, até agora, a posição brasileira, assentindo com o afrouxamento nos países ricos –embora note que ele não deve ser ilimitado nem desacompanhado de mais correções.

    Mas, ao apontar as vulnerabilidades, reconhece a dificuldade criada pelo intenso fluxo de entrada de dólares.

    Embora o FMI tenha afirmado ontem que o risco de superaquecimento na economia brasileira se dissipou, e o relatório afirme que a rápida expansão do crédito no país tenha ajudado a limitar as turbulências em 2009, o fundo ressalta que a contínua expansão nos ativos dos bancos levou a um aumento dos empréstimos de baixa qualidade, sobretudo no mercado imobiliário.

    “Nessas circunstâncias, a margem de manobra para o uso do canal de crédito para mitigar choques negativos pode ser limitada”, alerta.

    18/04/2012 – 12h50

    Fluxo cambial no Brasil fica negativo em US$ 403 mi, diz BC

    Publicidade

    DA REUTERS
    DE SÃO PAULO

    O fluxo cambial no Brasil ficou negativo em US$ 403 milhões na segunda semana de abril, período em que o Banco Central incorporou às suas reservas internacionais US$ 298 milhões em compras de moeda no mercado à vista.

    O BC informou também que o fluxo de dólares está negativo em US$ 800 milhões em abril até o dia 13. No período, a autoridade monetária incorporou US$ 1,157 bilhão nas suas reservas por meio de aquisições de moeda no mercado à vista.

    A entrada de dólares na economia brasileira recuou 47,4% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2011. Nos três primeiros meses do ano passado, a entrada de recursos havia somado US$ 35,59 bilhões, ante US$ 18,72 bilhões no mesmo período de 2012.

    O fluxo é o resultado da entrada e saída de dólares do país. Se entram mais dólares do que saem, o resultado é chamado de positivo porque o Estado está atraindo recursos estrangeiros; se saem mais dólares do que entram, é negativo porque significa que o país está “exportando” riqueza.

    As operações comerciais são aquelas onde contratos são celebrados para exportação e importação. Já as operações financeiras incluem as atividades restantes, como aplicações financeiras.

    0
    • Luiz 18 de abril de 2012 at 19:39

      DESTACO:

      …”O fundo (FMI) ressalta que a contínua expansão nos ativos dos bancos levou a um aumento dos empréstimos de baixa qualidade, sobretudo no mercado imobiliário”.

      EM OUTRAS PALAVRAS:
      FMI AFIRMA QUE:
      1. O BRASIL TEM SUBPRIME E
      2. NÃO ESTÁ PREPARADO PRA ENFRENTAR A CRISE QUE VIRÁ

      0
  • roberto 18 de abril de 2012 at 14:19

    Vendas da Rossi caem 17% no 1º tri e lançamentos recuam
    w w w 1 . folha.uol.com.br/mercado/1077725-vendas-da-rossi-caem-17-no-1-tri-e-lancamentos-recuam.shtml

    0
  • Paulo 18 de abril de 2012 at 14:34

    Sou de BH, e a construtora Líder era umas das construtoras mais sólidas e com boa reputacão em Minas.Seu público alvo eram as classes A e B alta, e seus apartamentos eram sinônimos de bom acabamento e requinte.Estou surpreso com a notícia!

    0
    • joka 18 de abril de 2012 at 14:55

      Foge Bina, e cilada

      0
      • Cleyton 18 de abril de 2012 at 19:43

        O nome do cara era bino!

        “É uma cilada bino!”

        0
        • joka 18 de abril de 2012 at 22:04

          Obrigado, Producao.

          0
  • GB 18 de abril de 2012 at 14:44

    Mexer com os preços como fizeram mexe com o mercado como um todo, o mercado hoje está doente, os investidores caíram fora e agora querem que as pessoas normais paguem os preços que só eram pagos por investidores, impossível, o mercado vai acabar indo pro buraco, merecidamente.

    0
  • GB 18 de abril de 2012 at 14:49

    Lembram-se daquele gerente que comprou um imóvel na planta aí ele vendeu com lucro, gostou do babado e compro outros 3, não conseguia vendê-los e agora está com problema para pagá-los ?

    Bem feito bobão, espero que haja milhares como ele, se bem que pela quantoidade de ofertas nos jornais e internet podem ser dezenas de milhares como ele.

    E liga pro corretor para saber se apareceu algum interessado, kkkkk.

    0
  • Eduardo 18 de abril de 2012 at 14:54

    Para o mundo que eu quero descer!

    h ttp://g1.globo.com/economia/noticia/2012/04/itau-unibanco-anuncia-reducao-nas-taxas-de-juros.html

    Inadimplência em alta e juros baixando… E sempre justificavam que no Brasil os juros eram elevados por causa da alta inadimplência…

    Fico imaginando o cálculo de amortização destes empréstimos:

    Parcela1 : R$2.500,00 = R$1,00 amort. capital + R$2.499,00 juros
    Parcela2 : R$2.500,00 = R$1,50 amort capital + R$2.498,50 juros….

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    0
  • GB 18 de abril de 2012 at 15:15

    Vai gente, há 3 meses ninguém via a palavra crise sendo associada ao setor imobiliário, tudo começa assim, aos poucos.

    E hoje apareceu a 1ª pedindo recuperação, de muitas que virão, mas dá dó, com preços altos, sem vendas e sem lançamentos, o setor acaba.

    0
    • Luiz 18 de abril de 2012 at 15:18

      PRIMEIRA grande, GB

      Outras já precisaram se reestruturar, mas não deu impacto.

      0
    • Coretor 18 de abril de 2012 at 15:50

      a Abyara teria falido não fosse um movimento certeiro do mercado para proteger a si mesmo

      0
  • Charles 18 de abril de 2012 at 15:25

    Em Taubaté, das 4 maiores construtoras 2 estão com problemas financeiros.

    São construtoras regionais, constroem apenas nas cidades vizinhas interioranas.

    O problema é que elas estão trabalhando alavancadas, é o famoso passo maior que a perna. No momento de euforia lançaram a rodo, agora se veem com problemas ao administrar a devolução de imoveis e estoques encalhados.

    Notem que os problemas são comuns a todas elas, independente das regiões do país em que atuam.

    0
  • Ploc 18 de abril de 2012 at 15:33

    Será que o vento mudou mesmo? Coincidentemente
    “Brasil registra saída de dólar pela segunda semana seguida”
    http://www.valor.com.br/financas/2622048/brasil-registra-saida-de-dolar-pela-segunda-semana-seguida

    Acho que está batendo um certo pânico no pessoal de fora. Só vejo noticias negativas em relação a investimento no Brasil (fora aquelas anúnciadas aos 4 ventos para tentar finjir que tá tudo ótimo)
    Na multinacional que trabalho já ouvi vários boatos de que a idéia é começar a bater em retirada do Brasil. Vários projetos que estavam previstos para o Brasil (e cheios de empolgação até final de 2011) já foram congelados.
    O negócio é sair devagar para não chamar a atenção. Afinal ninguem quer ser pego nadando pelado né.
    Pela experiencia que tenho, essas multinacionais seguem todas a mesma cartilha.
    Umas saem na frente e as outras vão tudo atrás copiando o plano de escape. E, pelo que parece, já estudaram outros países para migrar os investimentos expeculativos feitos no Brasil.

    0
    • Ploc 18 de abril de 2012 at 19:35

      corrigindo:
      “… investimentos eSpeculativos feitos no Brasil….”

      0
  • GB 18 de abril de 2012 at 15:36

    Não tem gente que aposta na alta ? Eu aposto na baixa.

    Se o setor tiver que ir para o buraco devido ao oba-oba, à festa do caqui e à dança das sardinhas dos últimos anos, se for para que ele se normalize e volte a ter preços aceitáveis, eu estou disposto a correr esse risco.

    Temos que ter paciência, embora eu ache que esteja tudo indo rápido até demais, infelizmente a luta é desigual, eles têm o $$$$$ e os meios de produção e de comunicação, nós só temos a indignação e só podemos apontar os erros que eles próprios cometeram.

    Peter Schift tinha razão !!!!

    0
  • lrp 18 de abril de 2012 at 15:57

    Parece que o que aconteceu foi que os administradores da Lider apostaram em investimentos em ações de outras empresas do ramo imobiliário apostando em ganhos a curto prazo, como houve uma queda grande no setor ficaram sem capital para arcar seus compromissos a curto prazo, juntando ao fato das vendas estarem fracas resultando em uma baixa captação de recursos.

    0
    • joka 18 de abril de 2012 at 16:13

      Ahannn. Tipo assim: eu tenho muito capital, mas nao vou investir na minha empresa, vou capitalizar a rival para ela tomar meu mercado.

      0
      • lrp 18 de abril de 2012 at 16:29

        Comprar ações de empresas não tem nada haver com capitalizar essas empresas pois as ações já estão no mercado, e elas não ganhão nada a mais quando as ações passam para outros donos, os conselhos de administração estão interessados em ganhos em curto prazo para encher os bolsos nas participação dos lucros. Se der errado já estão ricos. Há uma grande diferença em empresas administradas pelo dono e empresas administradas por terceiros.

        0
        • joka 18 de abril de 2012 at 17:18

          Ahnran, as emrpesas abrem capitl no mercado, nao para se capitalizar mas por compaixao.

          Ps: A lider, que ja passou pela crise da encol e sobreviveu por 40 anos foi fundada pelo mesmo engenheiro que dirige e empresa hoje.

          0
          • Luiz 18 de abril de 2012 at 17:33

            sobreviveu na época da Encol mas não sobreviveu ao PT

            0
  • Anonymous 18 de abril de 2012 at 16:18

    Na verdade, a quebradeira começou no final do ano passado. Veja notícia de 02/09/2011.

    g1 . globo . com/bahia/noticia/2011/09/demitidos-por-construtora-poderao-solicitar-seguro-em-mutirao-na-bahia . html

    Responsável pela execução de projetos do programa federal ‘Minha Casa, Minha Vida’, a empreiteira anunciou crise financeira no dia 11 de julho e demitiu 5.200 funcionários nas cidades de Feira de Santana e Barreiras no dia 20 de julho.

    26/10/2011 – Funcionários demitidos pela construtora R Carvalho fazem manifestação em Feira de Santana

    26/10/2011 – Compradores esperam há dois anos entrega de imóveis pela R.Carvalho

    27/10/2011 – Construção de casas populares está parada há 6 meses em Juazeiro (BA)

    28/11/2011 – Na BA, construtora fecha e abandona documentos de clientes em estande

    0
    • Anonymous 18 de abril de 2012 at 16:40

      A R.Carvalho é a maior incorporadora do interior da Bahia, com mais de 4 mil funcionários. Em 22 anos de excelentes projetos, tornou-se reconhecida como a empresa que sempre faz muito mais. Por você, e por todos os brasileiros.

      www . youtube . com/watch?v=8hho2j9Qv_g

      0
      • Rico 18 de abril de 2012 at 21:22

        Por mim não.

        0
        • Newton 18 de abril de 2012 at 23:50

          Nem pra mim.

          0
      • Alvaro Queiros 18 de abril de 2012 at 22:12

        Trabalho no mercado imobiliário aqui na Bahia e sei muito bem que o MCMV aqui é a maior furada. As empresas vendem sem nenhum critério, eu já corretor dos empreendimentos econômicos da PDG (antiga ASA) pagar boleto de cliente para entrar em outra faixa de comissão. E ainda tem que os imóveis que são vendidos para a faixa de 3 a 10 salários mínimos são equivalentes aos destinados para a faixa de 0 a 3, inclusive na localização, e custam no mínimo 100k.
        Todas as incorporadoras aqui estão com estoques altos, o Le Parc foi entregue a poucas semanas com campanha publicitária na tentativa de atrair clientes.
        Os lançamentos diminuiram em 2012, os empreendimentos que estão sendo lançados são todos de padrão elevado e que concorrem em tamanho e localização com outros que tem estoques altos.

        0
  • Luiz 18 de abril de 2012 at 16:19

    ô Ploc, Qual é a multi? pode falr o ramo?

    …precisa pensar na cultura do estrangeiro

    imagina uma loja, um bar, uma cantina, qualquer coisa, se está lotada o cara desiste e volta outra hora, outro dia, ou tenta em outro lugar.

    No BR como é?
    o povo fica se acotovelando, gritando, ou pega senha, dá uma gorjeta por fora, ou fica esperando…

    0
  • RosinhA 18 de abril de 2012 at 16:53

    Nos anos mais prósperos já vistos pela construçao civil de 2008 a 2011, as construtora conseguiram ficar em situação ruim quase capengando, gostaria de saber qual a mágica?

    0
    • RosinhA 18 de abril de 2012 at 16:54

      E olha 67milhas dá pra levantar uns bons predinhos hein

      0
    • Carlos_ 18 de abril de 2012 at 17:17

      Também me pergunto isso. A unica resposta é incompetência e má fé dos gestores. Eles são os donos, querem tirar o máximo de grana e se mandar. A empresa quebra e eles saem com milhões no bolso. Aqui está o exemplo da PDG:
      www . cultinvest.com.br/site/images/stories/noticias/valor%20econmico%20-%20arrocho%20salarial%20-%2005_05_2011.pdf

      0
      • Carlos_ 18 de abril de 2012 at 17:22

        Eles NÃO são os donos

        0
    • pmoraesm 18 de abril de 2012 at 21:26

      Ganancia

      0
  • Indecoroso 18 de abril de 2012 at 16:57

    Pessoal, a título de curiosidade, alguém aí pode dar o exemplo de algum mercado onde uma bolha de ativos desinflou em vez de ter estourado?

    0
    • Luiz 18 de abril de 2012 at 17:01

      a bolha imobiliaria espanhola tá desinflando desde 2008

      acredito que por causa da zona do euro

      as cajas estão desovando os imoveis lentamente,
      o efeito colateral é a crise em lenta agonia, talvez tivesse sido melhor a ruptura.

      0
  • D9 18 de abril de 2012 at 17:54

    Ooops, mais uma “patinando”

    economia .estadao.com.br/noticias/neg%C3%B3cios,lancamentos-da-rossi-recuam-29-no-1-trimestre,109655,0.htm

    0
  • Carcará 18 de abril de 2012 at 17:56

    Rosinha,
    não houve anos prósperos. De 2008 a 2011, o que houve mesmo foram receitas virtuais, as tais vendas contratadas. À medida que os imóveis forem sendo entregues, triênio 2012-2014, ficará mais claro que as vendas contratadas eram virtuais.

    Mesmo com o crédito fácil, o que rolou solto de fato foi a especulação do Zé-Ruela 20%. Ele achava que haveria um Zé-Ruela maior que ele. Mas mesmo Zé-Ruelas têm um limite para o auto-fingimento.

    No mercado imobiliário brasileiro atual restaram apenas a imobiliário, o corretor e os imóveis. Ou seja, falta o fundamental para se fazer negócio. Só os marcianos salvam.

    0
    • RosinhA 18 de abril de 2012 at 19:41

      Concordo em partes pois a construção dá muito lucro, uma empresa só quebra e tem prejuízos, quando a situação vem caindo no ano a ano, não de uma hora para outra um estouro coletivo. Todas tiveram má administração?, eu acho que não, estava pensando bem em algumas outras linhas e vou explanar um pouco:

      – A arrecadação do governo vem batendo recordes atrás de recordes, o cerco veio se fechando com a colocação de NFE, em ramos iniciais da cadeia de produção, isto foi impactando em uma parte no efeito cascata pois venderam por 200k e quando construíram não tiveram a margem de lucros esperada.

      – Mão de obra subiu assustadoramente nestes anos passados, tanto que a própria imprensa noticiava a falta de trabalhadores, e propagandas como um servente que ganhava até 3k por mês, engenheiros com 20k, e assim por diante, outro motivo, custo aumentando muito rápido sem tempo para correção dos valores, outra obra atrasada pagando mão de obra absurdamente mais cara, para entrega nos prazos, eles não contavam com isso. Fora a falta de mão de obra qualificada.

      – Queda real nas vendas de outubro para cá, todos comentaram as quedas nas vendas, as quedas foram enormes, as devoluções tb devem ter sido, mas não possuímos estas fontes de consulta.

      – Quanto a planejamento não tivemos fatores este ano como excessos grandes de chuvas, tsunamis, terremotos nem maremotos que pudessem justificar atrasos.

      Minha Conclusão:

      Estavam em um oba oba tremendo sim em 2008, 2009, 2010, vê-se resultados destes anos, quando a coisa apertou meados de 2011 para cá, foram pegos de surpresa mesmo, todos os trabalhadores querendo ganhar Y, não mais X, senão caem fora mesmo, os fornecedores pedindo Y tb, pensando: só eles que ficam ricos nós não. Somaram-se as multas por atraso e devoluções com problemas gerados pelas más construções, tendo que enviar pessoal qualificado para resolver problemas do tipo: porta que não fecha, animador de piscina sem ânimo etc. É uma soma de fatores que não foram calculados, a água subiu muito rápido e ninguém esperava, agora acho que iremos perceber a invasão daquele pessoal “amarelo”, que sabe construir rápido e barato, terminando os esqueletos deixados pelos incompetentes brasileiros.

      0
  • Luiz 18 de abril de 2012 at 18:08

    Dólar sobe 1,24%, para R$ 1,877, o maior valor em quase 5 meses

    do Estadao.com

    fluxo cambial negativo de US$ 799 milhões neste mês no mercado local e a intenção explícita do governo de desvalorizar o real, o dólar manteve demanda forte hoje, que sustentou seu preço em alta ante o real pela quarta vez consecutiva.

    ganho diário de 1,24% e maior valor desde 25 de novembro de 2011 (em R$ 1,8850).

    O resultado não só zerou as perdas no ano, como levou a moeda norte-americana a contabilizar alta de 0,43% ante o real em 2012.

    0
    • RosinhA 18 de abril de 2012 at 21:14

      Cat climbed on the roof.

      Run to the hills.

      0
  • D9 18 de abril de 2012 at 18:12

    Além da inadimplência, queda nas vendas…
    Será que veremos férias coletivas e/ou demissões em breve ??

    economia .estadao.com.br/noticias/economia,venda-de-veiculos-cai-na-1-quinzena-diz-fenabrave,109674,0.htm

    0
    • Rico 18 de abril de 2012 at 21:24

      Apesar da baixa nos juros, os bancos estão apertando o cerco para aprovar financiamentos.

      Normal, quem quer ficar com o mico na mão?

      “Não há mal que dure para sempre nem bem que nunca se acabe”

      0
  • Miguel Jacó 18 de abril de 2012 at 18:20

    Prestem bastante atenção nos preços de imóveis após 12 de junho deste ano, quando faltarão 2 anos para o início da Copa. A mídia martelará na cabeça de todos:
    “Faltando apenas 2 anos para o início da Copa…”

    E placas de vende-se multiplicar-se-ão por 10.
    Os apressados do lucro rápido serão, no amanhã, os mesmos apressados do medo.
    Provavelmente a primeira pedra do dominó do marasmo atual será removida nesse dia, ou quem sabe até antes…
    Acabará a fase dos grandes descontos.
    Começará a fase da queda vertiginosa.

    0
    • Luiz 18 de abril de 2012 at 18:25

      anotado cara
      vc é o profeta
      ce sabe que acaba de me dar um dejavu

      0
    • Bolha Imobiliária 18 de abril de 2012 at 18:37

      Vou estar voltando de férias, vou me recordar disto…

      0
      • Luiz 18 de abril de 2012 at 18:41

        eu se fosse vc colocava este post na capa e abria uma tribuna livre, é sua chance de entrar pra histyória Bolha

        0
        • Bolha Imobiliária 18 de abril de 2012 at 18:50

          Vou ser que nem o Vaticano, só vou considerar o Miguel Jacó como profeta depois do terceiro milagre…hehehehe
          Não quero entrar para a história, gostaria apenas de um lugar pra morar, pagando um preço descente. Se um dia tudo isto que conversamos aqui acontecer, até posso escrever um livro, acho que material tem de monte para contar a história. Mas também não quero dizer que o livro foi “meu”, até por quê tudo o que está escrito aqui, foi feito pelos nossos leitores.

          0
          • Luiz 18 de abril de 2012 at 19:04

            o terceiro milagre bem que podia ser o fim dos [email protected]
            Miguel Jacó, vc aceita pedidos?
            Sou capaz de pagar…

            0
            • RosinhA 18 de abril de 2012 at 19:45

              Luiz não considero isso milagre e sim apocalipse, quando tal benevolência acontecer gostaria de estar viva para ver.

              0
              • Luiz 18 de abril de 2012 at 20:17

                a Genese, rosinha, a Genese

                vamo fazer uma vaquinha e contratar o M.Jacó

                0
                • RosinhA 18 de abril de 2012 at 20:40

                  Luiz acredito no Big Bang, para mim as coisas são mais difícies para acontecer, se é que me entende, mais te apoio em qualquer coisa boa.

                  0
            • eu 18 de abril de 2012 at 20:29

              “o terceiro milagre bem que podia ser o fim dos [email protected]
              Sou capaz de pagar…”

              pago o dobro pelo fim dos tucanos.

              0
              • RosinhA 18 de abril de 2012 at 20:35

                O Animal está em extinção, quer dizer que existem poucos exemplares ainda, EU você pode pagar por crime inafiansável, cuidado tem duplo sentido. hehehehe

                0
                • RosinhA 18 de abril de 2012 at 20:43

                  inafiançavel

                  0
                  • Virginia 18 de abril de 2012 at 21:27

                    Já vejo o nosso profeta com tábuas de PORCELANATO na mão, sinos dobrando e a negadis se contorcendo…

                    0
              • Charles 18 de abril de 2012 at 21:48

                MALDITA INCLUSÃO DIGITAL!

                É cada um que me aparece…

                0
                • eu 18 de abril de 2012 at 22:52

                  tenho computador desde a década de 80 colega

                  0
                  • Cleyton 18 de abril de 2012 at 23:42

                    Saudades do CP-200! Que Deus o tenha porque o meu…

                    0
                  • Luiz 19 de abril de 2012 at 11:35

                    além de [email protected] é NERD

                    0
          • RosinhA 18 de abril de 2012 at 19:14

            Para prefeito de Curitiba Mister Bubble, hehehehe. E tem uma coisa tem muita gente boa aqui para fazer parte de seu governo. Vereador depois da Bolha seria moleza.

            0
            • Shakespeare 18 de abril de 2012 at 20:18

              ainda há tempo para concorrer nas eleições deste ano?

              0
          • Ane 18 de abril de 2012 at 19:20

            Bolha é um cara modesto!!!

            0
          • Leno 18 de abril de 2012 at 22:29

            Voce está ficando famoso Bolha, já foi comentado internacionalmente. Prepare-se para para começar a colher os frutos e os espinhos.

            0
    • Leno 18 de abril de 2012 at 22:32

      Amém!

      0
  • Zezinho 18 de abril de 2012 at 18:20

    Eh a coisa tá feia mesmo, fui fazer uma compra online num grande site e na hora de pagar… surpresa, agora tenho a opção de dividir a compra em 2 CARTÕES DE CRÉDITO!!! Jesus.

    0
    • CapEnt 19 de abril de 2012 at 10:40

      Já estou até vendo a merda agora com juros menores. Tem gente no governo que pensa que taxa de juros sai do chapéu.

      Logo vai ter o governo negociando divida no overnight de novo… quando ouvir isso, saia correndo para a casa de cambio mais próximo, ou para fora do Brasil.

      0
      • Luciano 19 de abril de 2012 at 16:32

        Podes crer, e a desvalorização do Real levará a mais inflação, e em consequência, a mais desvalorização pra compensar a inflação, caso contrário os preços dos produtos locais disparam, em dólares, prejudicando as exportações, reduzindo ainda mais a entrada de dólares, desvalorizando ainda mais o Real, ou seja, mais uma bola de neve (ou mar de lama descendo o morro)… Esse governo populista e petralha não faz o dever de casa, aumentando a poupança interna, e dá nisso, ficamos à mercê do humor dos mercados externos…

        0
    • Paulo 19 de abril de 2012 at 11:00

      Divertido isso, me mudei (calma pessoal, é aluguel – hehe) e fui comprar uma TV… vc entra em loja no centro de Curitiba e pede desconto pra pagar a vista…. parece que vc falou que quer pagar com ovos de dinossauro, ninguém sabe que desconto dar, o que fazer…. um vendedor mais honesto virou pra mim e disse: “ah, isso eu vou ter que perguntar pro gerente, faz tanto tempo que ninguém vem pra pagar a vista……”

      0
      • Thiago A. 19 de abril de 2012 at 11:12

        É a “Casas Bahia way of life”

        E na boa, maioria das lojas aonde pede desconto a vista dá um desconto ridículo e ainda respondem com cara de cu.

        Então tá bom, ai faço questão de pagar no crédito em várias vezes. Se não querem se ajudar não sou eu que vou fazer caridade.

        0
  • joka 18 de abril de 2012 at 18:24

    Para a presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Minas Gerais (ABIH-MG), Rafaela Fagundes, a forte redução no ritmo de vendas dos quartos de hotéis não é exclusividade do Ramada. “Houve queda no ritmo em todos os empreendimentos”, comenta. O motivo, segundo ela, seria a desaceleração do setor imobiliário.

    Ue, mas nao e investimento com retorno certo?

    Mas os sacanas:

    Na avaliação do presidente da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário em Minas Gerais (CMI/Secovi-MG), Ariano Cavalcanti de Paula, a situação vivenciada pela Lider é pontual. “O setor atravessa um momento de acomodação, mas não há sinal de bolha”, diz. O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil em Minas Gerais (Sinduscon-MG), Luiz Fernando Pires, concorda. “O ritmo está menos acelerado, não há previsão de queda. O momento, no entanto, é de reestruturação do setor”, comenta. A principal mudança, segundo ele, será no ritmo do fluxo de caixa. Por Tatiana Moraes –

    http://fusoesaquisicoes.blogspot.com.br/2012/04/venda-ou-fusao-sao-as-opcoes-para.html

    0
  • MrK 18 de abril de 2012 at 18:32

    Ola Amigos,

    Em funcao de um projeto profissional que embarquei, combinado com algumas questoes pessoais, estou com pouco tempo ultimamente e por isso tenho postado menos, isso deve durar mais alguns dias ate tudo estabilizar.

    Essas quebras de construtoras eram mais do que esperada, pois as dividas estavam tao grandes que somente com um cenário de “derretimento” dos lançamentos isso poderia se perpetuar, a partir do momento que as vendas diminuissem, iria cair receita, lucro, caixa e sem isso não se paga dívidas, é como se num cenário de bolha a dívida pudesse ser paga em 10 anos, num cenário pós-bolha em 100, ou seja, virtualmente quebrada

    temos que ficar de olho na ação do governo em cima dessas empresas, pois capital privado não vai resgata-las, só público… mas elas devem estar com medo de pedir ajuda, pois assumir que estão quebradas espantam os compradores, e ai quebra ainda mais rapido!!! logo eles fingem que estão super bem…

    0
    • Bolha Imobiliária 18 de abril de 2012 at 18:36

      Mrk, nunca te perguntei, mas aonde você trabalha, e em que área você atua ??…Pode me mandar no e-mail a resposta, ok ?

      0
      • Luiz 18 de abril de 2012 at 18:44

        tbm tenho essa curiosidade
        vc me lembra o Pastore em estio, simplicidade e capacidade
        ou o Arminio

        0
      • RosinhA 18 de abril de 2012 at 19:16

        Para prefeito de Curitiba Sr Bolha, e olha tem muita gente boa aqui para fazer parte de seu governo hein.

        0
      • Shakespeare 18 de abril de 2012 at 19:58

        olha o secretário das finanças aí 🙂

        0
    • rsmrsm 19 de abril de 2012 at 10:38

      Apareça mais vezes Mrk.

      Abçs

      0
    • Vinicius Lima 19 de abril de 2012 at 12:17

      Cara, você realmente é o Hari Seldon encarnado…hahahahahahaha

      0
    • Luciano 19 de abril de 2012 at 16:44

      O perigo é o governo forçar ainda mais a queda dos juros, estimulando artificialmente a demanda de novo, e/ou usar o BNDES (dinheiro do Tesouro) pra ajudar essas empresas, capitalizando-as às custas do erário.

      0
  • joka 18 de abril de 2012 at 18:39

    Negadis:

    Para a presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Minas Gerais (ABIH-MG), Rafaela Fagundes, a forte redução no ritmo de vendas dos quartos de hotéis não é exclusividade do Ramada. “Houve queda no ritmo em todos os empreendimentos”, comenta. O motivo, segundo ela, seria a desaceleração do setor imobiliário.

    Mas os sacnas:

    Na avaliação do presidente da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário em Minas Gerais (CMI/Secovi-MG), Ariano Cavalcanti de Paula, a situação vivenciada pela Lider é pontual. “O setor atravessa um momento de acomodação, mas não há sinal de bolha”, diz. O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil em Minas Gerais (Sinduscon-MG), Luiz Fernando Pires, concorda. “O ritmo está menos acelerado, não há previsão de queda. O momento, no entanto, é de reestruturação do setor”, comenta. A principal mudança, segundo ele, será no ritmo do fluxo de caixa. Por Tatiana Moraes –

    Ahnrann

    0
    • GB 18 de abril de 2012 at 18:46

      Esse vai ser um breve momento bastante longo, kkkkkk.

      Não adianta eles ficarem pondo panos quentes, a queda é iminente, aí quando cair de vez ninguém vai se lembrar que eles diziam que não tinha problema, assim como disseram que a valorização seria eterna, que bobinhos.

      Eu adoro presidentes de Secovis, Sinduscon e coisas do tipo, no espeto eles ficam uma delícia.

      0
    • Shakespeare 18 de abril de 2012 at 20:00

      eles aumentaram tanto os preços que agora tem que aguentar… eu morava lá o ano passado em hotel, de uma hora para outra aumentaram 30% e eu acabei alugando um flat, depois eles começaram a baixar o valor da diária de final de semana e agora estão me chamando de novo para conversar… rzrzrzrzrzrz

      0
  • Luiz 18 de abril de 2012 at 18:51

    w w w .valor.com.br/brasil/2622328/valorizacao-do-real-nao-e-culpa-da-guerra-cambial-diz-paul-krugman

    Para Krugman, o crescimento do Brasil não é exuberante e o país está envolvido em uma onda de otimismo que não deveria ser atribuída ao desempenho econômico, mas ao fraco avanço no restante do mundo

    0
    • Anonymous 18 de abril de 2012 at 21:24

      Não é necessário um premio Nobel para chegar nessa conclusão.

      economia . estadao . com . br/noticias/economia,mercado-financeiro-ama-demais-o-brasil-diz-krugman-,109639,0 . htm

      Prêmio Nobel de Economia afirmou que o real está muito valorizado ante o dólar e que, provavelmente, esse processo de apreciação deve ser interrompido no curto prazo

      0
  • Thiago A. 18 de abril de 2012 at 19:06

    Ag Moody’s rebaixa rating da Gafisa

    exame . abril.com.br/mercados/noticias/moodys-rebaixa-rating-da-gafisa-com-piora-de-indicadores-de-credito

    0
  • Igor Eduardo 18 de abril de 2012 at 19:26

    Mais um artigo excelente, recomendo: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1283

    0
    • Luciano 19 de abril de 2012 at 16:56

      Excelente artigo, obrigado, cuja conclusão, abaixo, corrobora meu comentário ao MrK:

      Conclusão

      O Brasil está na contramão dos eventos. Enquanto ainda estamos nos alavancando, as nações desenvolvidas já estão se desalavancando. O ciclo do crédito no país está apenas no início. O principal ponto aqui desenvolvido é que, infelizmente, uma enorme fatia deste crédito está sendo conduzido pelo setor financeiro estatal. Mais ainda, a fatia do crédito estatal no crédito total vem apresentando, como mostra a figura 2, um acentuado crescimento.

      Como tudo isso irá se desenrolar no futuro é algo que não podemos prever, pois vai depender da política, e não da economia.

      Será que os padrões de concessão de crédito serão afrouxados para acomodar mais empréstimos ao mercado imobiliário? Talvez os pagamentos de entrada passem a ser considerados desnecessários, exatamente como fizeram os concessores de empréstimos durante a bolha imobiliária americana. Podemos apenas especular.

      Contudo, a política jamais poderá invalidar e abolir as leis econômicas. Não importa quanto crédito seja criado pelo sistema: sem que haja uma poupança prévia, os investimentos não poderão ser consumados. Sem produção e, consequentemente, sem renda, o déficit imobiliário não poderá ser reduzido pela mera criação artificial de crédito.

      0
  • RT 18 de abril de 2012 at 19:28

    Estava vendo por alto as notícias na TV… e se entendi direito, parece que, aqui no Rio, incendiaram um ônibus perto do túnel Noel Rosa, em Vila Isabel, na Zona Norte.

    Não só isso como parece que teve tiroteio lá.

    Pra quem não sabe ou não lembra, foi ali que derrubaram o helicóptero da PM faz um tempo… e ali fica um morro que foi supostamente “pacificado” (recebeu UPP).

    FICA A PERGUNTA: os imóveis das redondezas vão “devolver” os 100% de “valorização” dos últimos anos????

    Aproveito para adiantar a resposta dos “especialistas” que leremos amanhã: “Não há porque se falar em desvalorização. O crescimento contínuo e sustentado da renda da nova classe média aliado ao crédito seguro criam um colchão de demanda para aquela região. Os preços ali estão equilibrados com o bolso do consumidor, e devem acompanhar a inflação”.

    0
  • Cicero Silva 18 de abril de 2012 at 19:38

    Pessoal, quero registrar, antes que se publique oficialmente, a nota da Força Sindical. Uma pérola. Falam antes da notícia…

    http : //w w w .fsindical.org.br/portal/noticia.php?id_con=19081

    MUITA ATENÇÃO PARA O ÍNDICE: “XX” kkkkk

    Nota Oficial da Força Sindical sobre a taxa Selic: Queda conta-gotas

    A Força Sindical lamenta, e considera extremamente tímida, a queda de apenas XX na taxa básica de juros. Entendemos que, com esta queda conta-gotas, o Banco Central perdeu uma ótima oportunidade para fazer uma drástica redução na taxa de básica juros, que poderia funcionar como um estímulo para a criação de novos empregos e para o aumento da produção no País.

    Vale destacar que juros altos sangram o País e inviabilizam o desenvolvimento. O mercado de trabalho tem diminuído o ímpeto de geração de empregos, ao mesmo tempo em que a indústria tem piorado seu desempenho nos últimos meses.

    O pagamento de juros, por parte governo, consome e restringe consideravelmente as possibilidades de crescimento do País, bem como os investimentos em educação, saúde e infraestrutura, entre outros.
    Mais uma vez o Banco Central frustra os anseios dos trabalhadores.

    Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical

    0
    • Shakespeare 18 de abril de 2012 at 19:55

      fui lá e está assim mesmo, tirei até print da tela

      0
      • Shakespeare 18 de abril de 2012 at 20:16

        agora mudaram o XX para 0.75

        0
        • CapEnt 18 de abril de 2012 at 21:23

          Eles devem usar um macro de word para gerar a mesma mensagem todo ano, só alterando a ordem das palavras.

          0
  • Cicero Silva 18 de abril de 2012 at 19:45

    ATENÇÃO PARA O ÚLTIMO PARÁGRAFO…

    htt p:// w w w .gazetadopovo.com.br/imobiliario/conteudo.phtml?tl=1&id=1245254&tit=Em-4-anos-numero-de-corretores-sobe-54

    Em 4 anos, número de corretores sobe 54%

    Aceleração da construção civil explica o crescimento. Profissional precisa atender de modo imparcial quem adquire e quem vende imóveis
    8
    Publicado em 18/04/2012 | Taiana Bubniak

    Nos últimos cinco anos, mais de 4 mil profissionais passaram a fazer parte do time de corretores no Paraná, de acordo com o Conselho Re­­gional dos Corretores de Imó­­veis no Paraná (Creci-PR). O aumento, de 54%, é explicado pela aceleração da construção civil e dos processos de compra e venda de imóveis, em maior número depois de medidas que facilita­­ram o crédito imobiliário.

    “O profissional é responsável pela transação e responde civilmente, tem responsabilidade pela compra”, comenta Márcio Souza, diretor de marketing da imobiliária Trend Brokers. Ele comenta que, com o bom momento da construção civil e do mercado imobiliário, há muita gente que procura a profissão de corretor com a expectativa de enriquecimento rápido. “As empresas e os profissionais que elas contratam ainda tratam o cliente como apenas a próxima comissão. Mas o mer­­ca­­do tem de mudar, porque as pessoas não podem comprar por pressão. É a aquisição do bem da vida delas, e a negociação tem de ser baseada na razão”, continua. Para Souza, o sonho de ganhar dinheiro com a corretagem em pouco tempo não faz sentido. “Não é em pouco tempo que você vai conhecer e acompanhar o mercado. É preciso de um tempo na função, para entender o que acontece e saber explicar ao cliente”, comenta.

    Com a estabilização do mer­­cado, os lançamentos ficam todos muito parecidos, com poucos destaques. “Por isso o corretor tem de entender bem do que está vendendo e não tratar o trabalho como uma ocupação passageira”, reclama. O cliente está mais crítico, mais bem informado e não vai aceitar explicações pela metade, de acordo com diretor de marketing.

    Além de ser transparente, o corretor precisa alinhar a vontade de vendedor e a do comprador. “Não adianta fechar um negócio que não se­­ja interessante para quem vai comprar. A responsabili­­da­­de do corretor é grande, por­­que comprar um imóvel, para a maioria das pessoas, é a realização de um sonho”, argumenta.

    Presenciar a realização de sonhos é a principal motivação da corretora Neuza das Graças Conrado, da Jamaica Imóveis, que há 25 anos angaria e vende as unidades. “A gente precisa saber sobre o mercado, um pouco de conhecimento técnico e também temos de ter na ponta da língua o código civil, pois temos responsabilidade na negociação”, conta.

    Para ela, o comprador procura uma imobiliária ou corretor, faz isso porque precisa de um auxílio de confiança. “Quem nos procura sempre imagina que o corretor é a pessoa que vai assessorá-lo da melhor forma”, diz.

    Foco

    Para Márcio, com o aumen­­to da oferta de produtos com características parecidas e da informação que os compradores possuem antes de fechar negócio, será preciso especializar os corretores. “As construtoras e incorporadoras terão de investir na formação dos profissionais, de forma mais intensa. Quando o comprador perguntar sobre bolha ou outros assuntos, o corretor terá de estar preparado para responder”, afirma.

    0
    • Fernandão 18 de abril de 2012 at 20:54

      EU RI!

      0
    • RosinhA 18 de abril de 2012 at 20:58

      É a profissão que encontramos os profissionais mais honestos, conhecedores dos produtos que vendem, responsáveis por suas promessas, e como disseram acima:

      “Protagonistas dos piores sonhos que um comprador pode ter”.

      Como me irrita: qual seu nome?, seu telefone?, estou ocupado agora posso te ligar daqui a 5 min neste telefone?, Quanto a Sra tem disponivel e qual a forma de pagamento?, Como tem nosso telefone?, Desculpe-me este imóvel está com proposta mais tenho muita coisa boa, e se não for aceita podemos conversar com o proprietário. AaaaaaaaaFfffffffffffff, prefiro passar vergonha e bater palmas no portão de qualquer um.

      0
  • joka 18 de abril de 2012 at 20:54

    Enquanto isso na Republcia circense da Banania

    O Relatório de Estabilidade Financeira Global, divulgado nesta quarta-feira (18) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), demonstra preocupação com o nível de inadimplência no Brasil e os limites do uso do crédito para conter a crises. O documento destaca o rápido crescimento do crédito no Brasil nos últimos anos, especialmente o papel do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nesse processo

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/04/fmi-faz-alerta-ao-brasil-sobre-credito-e-inadimplencia.html

    0
  • CapEnt 18 de abril de 2012 at 21:20

    Cai Balão, cai. Cai e queima!

    0
  • Zoom 18 de abril de 2012 at 21:28

    Quem sustentará a dona Gafisa?

    “Moody’s rebaixa ratings da Gafisa para “Ba3”

    SÃO PAULO – Os problemas associados a unidade Tenda e o alto nível de alavancagem da Gafisa levaram a agência de classificação de risco Moody’s a rebaixar a classificação de risco da empresa de “Ba2” para “Ba3”, com perspectiva negativa.

    “A perspectiva negativa reflete nossa opinião de que o desempenho operacional e os indicadores de crédito deteriorados da Gafisa, principalmente a alavacagem, não se recuperarão significativamente até 2013”, afirmou a Moody’s em comunicado.

    No ano passado, devoluções de unidades construídas levaram a uma reversão de receitas de R$ 1,2 bilhão, o que causou um impacto negativo de aproximadamente R$ 890 milhões nos resultados da empresa no quarto trimestre. A unidade Tenda, voltada a baixa renda e adquirida pela Gafisa em 2009, foi responsável por 70% desses ajustes.

    Com isso, seu nível de envidamento, medido pela dívida total ajustada pela capitalização, passou de 50,9% em 2010 para 61,5% em 2011.

    A Gafisa afirmou que, no primeiro trimestre, conseguiu vender 40% das unidades devolvidas da Tenda. Porém, a Moody’s ressalta que a empresa ainda precisará efetivar um número expressivo de unidades em 2012, o que cria um risco de que a empresa não consiga transformar a tempo esses recebíveis em geração de caixa, o que reduziria a sua alavancagem.

    De acordo com a agência, os ratings da incorporadora podem ser rebaixados novamente se a relação entre dívida total e capitalização permanecer “consistentemente” acima dos 60%, ou se as margens brutas não se recuperarem para pelo menos 28% em 2012 — no ano passado, esse indicador ficou em 8,9%, impactado pelo “prejuizo bruto” de R$ 438.4 milhoes no quarto trimestre.

    Outro fator que pode causar nova revisão negativa no rating da empresa, afirma a Moody’s, seria uma deterioração do perfil de liquidez, com saldo de caixa abaixo de R$ 750 milhões.”

    h ttp://www.valor.com.br/empresas/2622638/moodys-rebaixa-ratings-da-gafisa-para-ba3

    0
  • GB 18 de abril de 2012 at 22:43

    A GaFiSa já era.

    0
  • thiago fm 18 de abril de 2012 at 22:47

    OLHA QUEM SERÁ A PRÓXIMA CARTA DO BARALHO

    http ://economia.uol. com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/04/18/brasil-e-o-queridinho-dos-mercados-globais-diz-krugman.jhtm

    Brasil é o ‘queridinho’ dos mercados globais, diz Nobel de Economia

    Brasil é o destino favorito dos investimentos globais. Assim o prêmio Nobel de economia Paul Krugman definiu a posição do país em relação ao mundo, em palestra promovida hoje na capital paulista pelo Sebrae, serviço de apoio à empresa. Ele destacou que a tendência histórica de os países emergentes sofrerem com as crises mundiais não se confirma no cenário atual.

    “Sempre que houve problema no G7, os emergentes sofriam mais, mas o mundo mudou. Isso não ocorre mais e os emergentes, principalmente o Brasil, foram bastante resilientes com relação à crise.”

    Segundo Krugman, enquanto os EUA acabam de atingir só agora, quatro anos depois, o patamar de PIB de 2008, o Brasil demonstra crescimento sólido e razoável. “Desde 2000, o país vive período muito bom, pela estabilidade e crescimento econômico que vem sendo melhor em relação ao passado, associado à redução da desigualdade, com políticas como o Bolsa Família, juntamente com a melhoria dos níveis de educação. Isso é uma história feliz.”

    No entanto, deve-se olhar a migração dos investimentos do eixo Norte para o Sul com cautela. “O mercado agora adora o Brasil, mas na última década eram a Espanha e Grécia os queridos do capital”. Os dois países encontram-se hoje no epicentro da crise Europeia.

    Outra razão para o país ficar alerta é a consequente sobrevalorização do real, que não é sustentável para os negócios da iniciativa privada, segundo ele. “Se o Brasil pudesse voltar à taxa de cambio de 2008, sem grandes disrupções seria bom.”

    Com relação à crise internacional, o economista acredita que uma solução ainda possível de ser adotada na Europa é a exclusão de países da zona do euro. Já com relação aos EUA, a produção poderia ser cerca de US$ 1 trilhão superior ao que se registra hoje. “As pessoas estão há mais de um ano desempregadas e nosso sistema não está pronto para isso, os jovens estão encontrando dificuldade para encontrar trabalho.”

    0
    • Felipe 18 de abril de 2012 at 23:37

      “No entanto, deve-se olhar a migração dos investimentos do eixo Norte para o Sul com cautela. “O mercado agora adora o Brasil, mas na última década eram a Espanha e Grécia os queridos do capital”. Os dois países encontram-se hoje no epicentro da crise Europeia.”

      Bom futuro para todos nós!

      0
    • Pimp 19 de abril de 2012 at 04:08

      As pessoas confundem acesso à educação com melhoria na educação…tem muitos se formando no colégio sem saber ler!

      0
      • CapEnt 19 de abril de 2012 at 10:35

        Do colégio? Sai da universidade assim.

        0
  • Observador 18 de abril de 2012 at 23:48

    Pessoal, seguinte:
    Já estou há alguns meses procurando (sem nenhum sucesso) imóvel para morar.
    Há algum tempo tenho acompanhado esse blog e compartilho da opinião da grande maioria de vocês.
    Tenho visto muitos preços absurdos, mas um anúncio em particular me deixou um pouco revoltado.
    Trata-se de um apartamento no Rio, perto do autódromo (que não estava anunciado no ZEPT), com valor de R$ 386.000. Anúncio de outubro de 2010, mas modificado no dia 14 de abril de 2012.
    Pedi maiores informações ao corretor, ele me informou que o valor atualizado estava em R$ 690.000,00.
    Transcrevo abaixo a minha resposta:

    “Bom,

    Perdi parte do meu tempo fazendo alguns cálculos:
    Em outubro de 2010 o apartamento foi ofertado por R$ 386.000,00.
    Em abril de 2012, o mesmo apartamento está sendo vendido por R$ 690.000,00.
    Você quer que eu aceite que em 18 meses o valor do apartamento aumentou R$ 304.000,00?
    Ou que teve uma valorização de 79%? Em 1 ano e meio???

    Ou pior ainda, que teve uma valorização constante de 4,4% ao mês?????

    O mais incrível é tratar-se de um apartamento de 2 quartos, com 82 m2.

    Fazendo uma pesquisa bem rápida, vejo que dá pra comprar um apartamento de 3 quartos, com quase 100m2, em uma parte mais nova do condomínio e com melhor infraestrutura por cerca de R$ 600.000,00 (mesmo assim ainda considero um preço bem alto).

    Eu só posso lamentar esse “valor atualizado”, ou, na melhor das hipóteses, torcer para que seja apenas um erro grave no anúncio.

    Aliás, acho que você tem que mudar o valor anunciado, para que pessoas como eu não tenham que perder tempo lendo essa atrocidade.
    Na verdade, vi que o anúncio foi modificado no dia 14 de abril de 2012 (nessa semana), mas o valor continua inalterado (R$ 386.000,00).

    Ah, e pelo que eu pude entender, parece tratar-se de um imóvel encalhado, que está há 1 ano e meio tentando ser vendido, sem sucesso.

    Se o valor desse apartamento for algo em torno de R$ 400.000,00 (que é mais do que ele vale), e não esse preço bolhudo de R$ 690.000,00, eu tenho interesse.

    Caso contrário, em rodas de conversas com amigos que também estejam tentando adquirir imóvel para morar, terei que comentar e lamentar esses absurdos que eu tenho lido atualmente.

    E fico torcendo para que nenhum desavisado adquira esse imóvel por esse preço.”

    O link do anúncio é:
    h t t p : // vender-casa-apartamento.vivastreet.com.br/comprar-imovel+barra-da-tijuca/apartamento-de-alto-luxo-no-rio-2-frontlake-lake-view-barra-/28598691

    Vocês acham que eu fiz o correto?
    Devo entrar nesse tipo de discussão com os corretores?
    É normal ficar revoltado com esse tipo de anúncio?
    Ou devo deixar pra lá, continuar a minha busca, esperar os preços normalizarem e não esquentar a cabeça?

    Obrigado.

    0
    • Júlio Cesar 19 de abril de 2012 at 14:06

      Observador, acho que se responder o e-mail te faz sentir bem “de alma lavada” então tudo bem. Agora se faz vc se sentir mal, se só aumenta a revolta, acho que não vale a pena. No geral, acho que é importantepra eles.

      0
      • Júlio Cesar 19 de abril de 2012 at 14:08

        Acho que é importante que os corretores/investidores, recebam uma resposta para saberem que estão com a cabeça na lua. Acho que é até um favor pra eles.

        0
  • Profeta dos Pampas 19 de abril de 2012 at 00:06

    Enquanto isso em Porto Alegre….
    Não sei quanto é verdade e quanto é marketing, mas que tinha uma galera na fila tinha (podiam ser corretores)..
    Como tem trouxa ainda. Credo!!!!

    http:// w w w.y outube.com/watch?v=wnHWmE4CS7o

    0
    • Fred 19 de abril de 2012 at 00:28

      De um lado muita gente mal-intencionada, do outro lado um pessoal mal informado, ou sem noção mesmo.

      0
    • Laranja 19 de abril de 2012 at 08:14

      Valeu Profeta, estava mesmo curioso para saber o resultado da promoção. 130 contratos, quase alcançaram toda a venda de imóveis novos em fev/12 (187 unidades). R$ 384 mil valor médio dos imóveis. Demanda ainda existe… seja para morar ou especular.

      0
    • Eduardo 19 de abril de 2012 at 09:09

      Tá todo mundo ganhando R$50.000,00 por mês….

      Eu sou muito pobretão mesmo, ou o povo continua louco!!

      Fala sério, esses caras são muito mal informados, continuam comprando na planta, para o mundo que eu quero descer!

      0
  • Seven 19 de abril de 2012 at 01:30

    Penso que a bolha pode estourar pelos seguintes motivos:

    1- Quebra generalizada de construtoras, pois abalaria a confianca do mercado.

    2- Sobreoferta de imoveis, ja que grande parte deles foi vendida a investidores e devera ser entregue no proximo ano.

    3- Aumento da inadimplencia de financiamentos bancarios de imoveis, pelos precos exorbitantes praticados.

    A duvida eh o que ocorrera primeiro e quando. Lembro que um acontecimento pode puxar o outro.

    De qualquer modo, nao passa de 2013, pelo item 2.

    Abs

    0
    • xyz 19 de abril de 2012 at 08:51

      1 – Não pode. Quebra “generalizada” de construtora só ocorreria se viesse uma crise muito forte e nesse cenário a bolha já haveria “espocado”. Hoje se uma ou duas contrutoras grandes quebrarem o governo socorre.

      2 – Sobreoferta não tem este poder de “espocar” a bolha.

      3 – Esta SIM é a espoleta “ideal” do estouro, mas só virá quando o desemprego aumentar. O mercado de trabalho está muito vigoroso. Houve queda na criação de vagas, mas a criação de vagas ainda está muito forte. E ainda, o setor público está contratando muito forte (estado e ineficiência se agigantando).

      0
      • Seven 19 de abril de 2012 at 12:51

        Xyz,

        1- Realmente me expressei mal dizendo “generalizada”. A gafisa e outra grande quebrando, muito embora não seja decorrência necessária da bolha, já abalam a confiança do mercado (no qual se pautam os investimentos).

        2- Por qual razão sobreoferta não tem o condão de estourar a bolha????? Simples lei de oferta e mercado, sendo despejados inúmeros imóveis onde já há recorde de estoque.

        3- Não concordo que só ocorrerá quando o desemprego aumentar. Muita gente se endividou além da capacidade de pagamento A LONGO PRAZO. Logo, a adimplência destes não depende de emprego. Além disso, a crise ainda vai chegar. E o Governo realmente NÃO tem contratado muito, sendo que vários concursos estão sendo adiados.

        Mas, na sua opinião, qual será a causa do estouro e quando ocorrerá?!

        Abs

        0
        • xyz 19 de abril de 2012 at 14:18

          Amigo,
          Este fórum é bom exatamente porque podemos concordar e discordar.

          Acho que o estouro virá pela inadimplência.

          Concordo que muitos já estão com a corda no pescoço mesmo com emprego em alta, mas o governo ainda tem muito fôlego para “gerenciar” a inadimplência.

          Acho que quando o desemprego aumentar a inadimplência virá com uma força para a qual o governo não terá mais como negar a situação.

          Acho que os primeiros sinais que nossa bolha estará próxima de papocar virá dos hermanos.

          O brasil trilha o mesmo caminho que a argentina rumo ao abismo, mas felizmente eles estão na nossa frente.

          Não tenho esperança, mas tomara que quando a argentina quebrar, este governo mude o rumo ainda a tempo.

          0
  • Douglas 19 de abril de 2012 at 07:25

    Pasmen mortais, dois corretores na porta do metro entregando panfletos, com uma expressao aflita no rosto, sera pq era mto cedo, e q meia duzia de gato pingado pegava o panfleto, e um monte jogado no lixo, ploc

    0
    • Luiz 19 de abril de 2012 at 11:50

      faça um bem para a humanidade, pegue um kilo desses planfetos e dê pra reciclagem do condomínio

      vc salva um trouxa e os porteiros ainda ganham um troco

      0
  • GB 19 de abril de 2012 at 07:54

    Se vocês virem um tiozinho carregando um aplaca de “COMPRE IMÓVEIS !!!”, com certeza é o presidente desses secovi, sinduscon, “teenrolo”, “teengano” . . .

    0
    • Douglas 19 de abril de 2012 at 08:06

      E embaixo da placa em letras miudas escrito,
      A Farra Acabou.
      Hehehe

      0
  • Ploc Monsters 19 de abril de 2012 at 08:11

    Admirem a educação financeira do Bananense:

    Cerca de 60 já teriam caído em golpe de advogada

    http :// http://www.rac. com.br/noticias/nacional /125717/2012/04/18/ cerca-de-60-ja-teriam-caido-em-golpe-de-advogada.html

    Novas pessoas que teriam caído no golpe da advogada Maria Antônia Frachone Parma, em Ribeirão Preto, procuraram na quarta-feira (18) à tarde ajuda policial e judicial para evitar novos prejuízos. Até o momento, cerca de 60 pessoas teriam sido lesadas. Há suspeita da participação de um segundo advogado no caso.

    A cada hora uma nova vítima aparecia no escritório do advogado Henrique Sanches de Almeida para contar detalhes do golpe e pedir orientações. A design Patricia Garcia de Oliveira, 27 anos, perdeu R$ 4,5 mil em dinheiro e ainda corre o risco de ficar sem o veículo financiado. Em outubro do ano passado, ela procurou a advogada com a certeza de que iria diminuir o valor da parcela financiada.

    “Financiei 60 parcelas no valor de R$ 1,6 mil. Como ficou pesado para pagar, fiquei sabendo que essa advogada conseguia reduzir o valor. Ela disse que eu iria pagar R$ 817, quase a metade. Eu paguei em dinheiro e também por boletos bancários. Dois meses depois, quando a financiadora começou a me cobrar, desconfiei e descobri que era golpe”, lamentou Patrícia.

    De acordo com o advogado Almeida, muitas vítimas que já o procuraram ainda não registraram boletim de ocorrência, mas tal orientação já foi passada. “Pelo que ouço, mais de 300 pessoas foram lesadas e pode ter havido a participação de outro advogado que era amigo dela (Maria).”

    A Polícia Civil informou por meio de nota que o caso está sob a responsabilidade do delegado Udelson Canova e que, até ontem à tarde, 35 boletins de ocorrência foram realizados. Já foi instaurado inquérito policial e todas as vítimas estão sendo ouvidas. A assessoria de imprensa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) informou que o caso está sendo apurado pela comissão de ética. Depois de finalizado, o resultado será divulgado à imprensa.

    0
  • adelino 19 de abril de 2012 at 08:42

    O governo deveria liberar uma linha de crédito especial com taxas subsidiadas para famílias que não possuem imóveis com isso não paramos esse setor que é muito importante para todo Brasil. Não podemos é financiar para especuladores.
    Tem muita gente que quer ver as construtoras quebrarem mas não lembram que o mercado é um só, várias pessoas que comentam mas trabalham em empresas que estão ligadas nesse mercado e vão ficar sem emprego também!
    Vamos fazer uma campanha positiva para melhorar e não ver a desgraça!
    Volto a repitir o setor da construção civil é importate para o Brasil, o errado é liberar crédito para especuladores! essas pessoas é quem acabam com o mercado.

    0
    • interior 19 de abril de 2012 at 08:52

      CONCORDO

      0
    • Marvin 19 de abril de 2012 at 08:53

      Ora, ora, amigo, o governo atual não foi eleito majoritariamente por famílias de baixa renda que acreditaram no milagre da distribuição do dinheiro sem esforço??? então agora aguenta, o brasileiro tem os governantes que merece… tem tudo que se foder de “verde e amarelo”… infelizmente, as pessoas só aprendem apanhando… eu tenho dó só de mim e da minha família, que vai sofrer as consequencias por atos praticados pelos outros… isso é injustiça…

      0
    • Marvin 19 de abril de 2012 at 09:05

      Aliás, o mcmv é exatamente isso: crédito para pessoas de baixa renda, só que foi também um dos combustíveis da bolha… já vi matérias jornalisticas em que famílias de baixa renda aproveitaram para comprar o segundo, terceiro imóvel para especular (ou viver de renda do aluguel), o que não é permitido pelo mcmv, mas, o brasileiro sempre arranja um jeitinho de burlar a finalidade do programa… não basta jogar a culpa em quem “espera” pelo crash – esperar é diferente de torcer… não é que as pessoas torçam pelo pior, elas esperam pelo pior apenas por verificarem que algo está errado…

      0
      • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 09:10

        Marvin, anteontem estava na fila de uma papelaria e escutei a conversa de duas mulhes que estavam atrás de mim. A conversa essa justamente essa. Como uma consegui comprar pelo mcmv, como outra tentou mas foi rejeitada, como alguns amigos conseguiram, o jeitinho que deram. E elas falavam que a compra era sempre para investir, pois não dá nem para morar nos apartamentos de tão pequenos que eles são. E nós pagando a conta, como sempre.

        0
    • Apocalipse now 19 de abril de 2012 at 09:07

      Amigo, agora é tarde, o governo deveria ter pensado nisso antes, mas preferiu soluções paliativas como o aumento do crédito, causando assim uma melhoria virtual da economia, causando a falsa impressão de que o brasileiro estava rico e que poderia pagar esses preços absurdos.
      Agora é esperar para ver como o governo pretende amenizar esse incêndio que está consumindo um mercado que até a poucos anos atrás era relativamente sólido, com boas perspectivas a longo prazo.

      0
    • CapEnt 19 de abril de 2012 at 09:23

      Essa linha de crédito já existe e se chama “Minha Casa, Minha Vida”. E só serviu para disparar o preço dos imóveis, se duvidar, é a exata origem da bolha, pois agora qualquer caixa de fósforo com 45m² tem o preço máximo passível de financiamento pelo governo.

      Não adianta explicar, Brasileiro nunca irá entender que “proteger setor” é “proteger ineficiência e preço alto”.

      Se o governo em vez de ter criado essa aberração chamada MCMV, que só funcionou como deveria no primeiro ano (antes de perceberem a falha), tivesse estimulado a construtoras existentes com descontos nos impostos a construirem para baixa renda, os não teríamos a bolha em primeiro lugar.

      A disparada de preços no Brasil ocorreu exatamente devido essas linhas de crédito subsidiadas. A questão é que agora o preço médio é acima do subsídio, como o esperado: primeiro correram para o MCMV, os preços do menor apartamento possível foi para o máximo do financiamento, continuaram comprando, e finalmente o preço passou o máximo do financiamento. Neste ponto entrou as sardinhas “investindo” e continuaram inflando a bolha.

      0
      • Ronald 19 de abril de 2012 at 09:44

        CapEnt você tem razão. Ao colocar os apartamentos de baixa renda no teto máximo de financiamento do MCMV criou-se uma ponto de referência para a especulação. Taí uma raiz da especulação.

        Com a linha de crédito facilitada em 30 anos para esse tipo de imóvel a preço bolhudo fica parecendo que ele vale mesmo o que querem cobrar…

        Porém a população de baixa renda não consegue financiar tão fácil como os investidores e são eles que mais sustentam a especulação… afinal estão defendo o investimento… pois para morar não serve, só para investir mesmo…

        0
        • CapEnt 19 de abril de 2012 at 10:01

          Serve para morar, se você for o publico alvo: a classe D.

          A questão é que estão vendendo apartamento com planta projetada visando a classe baixa para a classe média e média-alta. Isso é uma aberração.

          O que é um MRV além de um CDHU? O edifício é praticamente idêntico, só que com melhor acabamento externo. A planta é quase a mesma.

          0
    • Charles 19 de abril de 2012 at 11:10

      ADELINO

      Sua sugestão é MAIS INTERVENÇÃO ESTATAL?

      Foi exatamente isso que criou todo esse desequilibrio economico generalizado que estamos vivendo em imoveis e todo o resto. Estamos em plena fase de uma bolha generalizada de preços, tudo aqui é mais caro porque o governo estendeu seus tentaculos sobre toda a economia mediante incentivos e agencias reguladoras.

      Estamos longe de sermos um país competitivo porque aqui não existe livre mercado, consequequentemente não há concorrencia e sim alguns poucos eleitos a atuarem em determinadas areas, o que propicia a formação de cartel de preços e quem paga o pato somos nós.

      Leia mais sobre o assunto e vai perceber que sua propositura é apenas o que ja está ai e só agravaria mais a crise em que estamos.

      0
  • Marvin 19 de abril de 2012 at 08:57

    Conheço algumas pessoas tentando vender imóveis e automóveis… não conseguem vender nem um, nem outro – mesmo baixando muito o preço… Me parece que o grande problema, para além da bolha imobiliária, vai ser a falta de grana no mercado. O que o governo está fazendo baixando os juros dos bancos acho que tem o único objetivo de injetar mais dinheiro na economia (não sou economista, mas acho que a única coisa que o “lulismo” fez foi “chover” dinheiro, o que a curto prazo passa a sensação de prosperidade, pois até o favelado tem tv “de rico” hoje – embora viva quase no meio do esgoto, literalmente na “merda”)… Mas, dinheiro é a mercadoria mais preciosa no mundo, não basta apenas ficar imprimindo dinheiro e distribuindo, isso nunca deu certo e nunca dará….

    0
  • Fausto Luiz 19 de abril de 2012 at 08:58

    Fiquem atentos também quanto a cidade de Jaraguá do Sul – SC (norte), o nº de prédios em construção e em fase de acabamento É MUITO GRANDE , diria, “estúpido”, além do nº de unidades já ofertados – Atentam a boa norma matemática e estatística. Ocasionará o empobrecimento da classe média da cidade, que infelizmente investiram maciçamente nas empreiteiras, cairam na “lábia” de tais, na promessa de investimento seguro com alta margem de lucro – “Se cabível, mera ilusão” É esperar para conferir. Até!

    0
  • Apocalipse now 19 de abril de 2012 at 09:19

    Sinceramente eu jamais imaginaria que a Lider estava com um problema desses, aqui em BH ela é sinônimo de qualidade e requinte, as pessoas falavam com orgulho que moravam em um Líder.
    Mas com a enxurrada de crédito, outras construtoras entraram no mercado, causando uma sbrevalorização de todos os insumos. Os prédios da Líder sempre primaram em usar o que há de qualidade no mercado, enquanto as outras se preocupavam com o preço sem se preocuparem com a qualidade.
    Acho que os preços então ficaram impraticáveis e a Líder não aguentou essa concorrência, pois seus produtos já eram considerados caros e agora fiacaram impraticáveis.
    Lembro que antes de 2008 era perfeitamente possível uma família da classe B adquirir um Líder, mas como essa porcetagem da população era mínima e também essas famílias empobreceram, pois a menina dos olhos do governo é a famosa “crasse c” com seus ganhos altíssimos e seu apetite voraz de consumo(baseado no crédito).. rsrsrs

    0
    • Luiz 19 de abril de 2012 at 11:13

      ué mas a acrise não era só nos imóveis populares tipo Tenda
      não toh entendo a epxlicação dos secovis, sinduscon, e etc

      0
  • Keyser(CE) 19 de abril de 2012 at 09:20

    Bom dia a todos,

    Acompanho o blog já faz um tempo e estou postando pela primeira vez. Sou de Fortaleza e ontem vi no jornal local um notícia sobre geração de empregos. Segue o link para o que foi comentado.

    h t t p://www.tvsinal.com/site/index.php?option=com_content&view=article&id=2105:ce-emprego-formal-volta-a-recuar-puxado-pela-construcao&catid=35:noticias&Itemid=71

    Note a exagerada diferença entre 2011 (5.542) e 2012 (172). O setor que mais influenciou foi o da construção civil, e olha que Fortaleza não está nem entre as 10 que mais construíram.

    0
  • GB 19 de abril de 2012 at 09:57

    Desculpem a palavra, mas o mercado imobiliário foi violentado (eu queria dizer estuprado mesmo, mas fiquei com receio de ser moderado) por uma onda de especuladores (profissionais e amadores), gente querendo ganhar muito $$$$ rápido e na moleza, como aconteceu nos outros países, agora viram que o oba-oba acabou e caíram fora (os profissionais) ou estão tentando cair fora (os amadores), como era de se esperar, nada sobe 30% para sempre se a renda não acompanhar.

    O governo é culpado, baixou a SELIC e o pessoal da RF não tinha mais onde investir, correram para imóveis, comprando tudo que aparecia, independente de tamanho, qualidade, local, preço, . . .

    As construtoras são culpadas também, foram na onda e construíram muito mais do que deveriam, seus Diretores, só pensando no bônus, se esqueceram que um dia esses imóveis voltariam para o mercado e isso faria com que o aumento nos preços cessasse, os especuladores veriam que não estava mais valendo a pena e cairiam fora também, “mas qual é o problema se até lá eu estarei rico com esses bônus ?”.

    Os corretores também são culpados, correram para incentivar proprietários a pedir nos usados o mesmo preço caro dos novos, o que é uma bobagem, como se não houvesse depreciação.

    O que se vê de prédios e terrenos em bairros novos sendo abertos é uma coisa impressionante, se não construírem nada por uns 5 anos ninguém vai dar pela falta de lançamentos, se todas as construtoras falissem (e é o que vai acontecer) só o que já está a venda suprirá o mercado por um bom tempo.

    Essa é a toda poderosa indústria imobiliária bananense recentemente elevada a posto de investimento, mas que já está no fundo do poço, como aconteceu com outros bens similares como carros, telefones, bois, avestruzes, tulipas, kkkkkkkk.

    0
  • Ronald 19 de abril de 2012 at 10:07

    Poucos comentários foram tão esclarecedores quanto esse da Miriam Leitão:

    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/miriam-leitao/MIRIAM-LEITAO.htm

    Ela disse que 65% do que os bancos ganham com a poupança deve ser investido no mercado imobiliário. Isso é lei!

    Com a famosa pergunta do momento onde até quando o governo vai deixar a poupança ser mais atraente do que outros investimentos pois o COPOM já disse que vai reduzir ainda mais os juros e começo a enxergar como somos apenas alienados do que realmente está por trás desses novos tempos.

    O governo quer forçar o investimento na poupança? Isso seria bom, certo? Um país que cresce pela produção e poupança é mais sólido que um país cresce a base do consumo e endividamento da população, correto?

    Ficam muitas perguntas para mim que sou leigo e vejo esses tempos com muito espanto pois é de senso comum que tem algo muito sério com a economia mundial e o Brasil é um país completamente vendido a bancos e multinacionais…

    0
  • FSH 19 de abril de 2012 at 10:08

    Tecnisa vai adotar renda garantida para vender mais

    A Tecnisa lança hoje campanha de renda garantida para compradores de imóveis comerciais, com o objetivo de elevar a velocidade de vendas dos empreendimentos incluídos na iniciativa. A intenção é que, com esse estímulo às vendas, seja necessário manter os estandes abertos por menos tempo, reduzindo esforços de marketing, o que, segundo o diretor comercial da Tecnisa, Douglas Duarte, contribui, “indiretamente”, para aumentar a rentabilidade.

    A campanha começa por empreendimento de saletas comerciais da região de Alphaville, em Barueri (SP), lançado no fim do ano passado, e se estenderá a todos os lançamentos comerciais realizados em 2012. Projetos residenciais voltados para investidores também serão incluídos.

    A Tecnisa pagará, mensalmente, aos clientes, 0,8% do preço das saletas, o equivalente ao aluguel, pelo prazo de 18 meses contados a partir de 60 dias após a data de instalação da assembleia de condomínio. A promoção vale para clientes que optem por pagamento de imóveis pela tabela curta, ou seja, com conclusão das parcelas até o “habite-se”. Atualmente, de 30% a 40% dos imóveis comerciais são vendidos pela tabela curta, parcela que a Tecnisa quer elevar para 70% naqueles incluídos na promoção da renda garantida.

    Conforme Duarte, com a renda garantida, o proprietário de uma saleta comercial pode, por exemplo, conceder desconto no aluguel cobrado do ocupante no primeiro ano, o que estimula a locação. A renda garantida oferecida pela Tecnisa inclui quem compra imóveis para uso e para locação e independe de o imóvel estar ocupado.

    Segundo ele, o desenvolvimento da promoção de renda garantida não foi decorrente da queda de quase 54% das vendas da Tecnisa no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano passado. Duarte ressaltou que a queda resultou de a incorporadora não ter lançado projetos no primeiro trimestre.

    O estoque de imóveis da Tecnisa também não é fonte de preocupação, de acordo com o diretor comercial. No fim do ano passado, o estoque da Tecnisa a valor de mercado era de R$ 2,2 bilhões. Se consideradas as vendas de R$ 1,831 bilhão da companhia, o estoque correspondia a 1,2 ano de comercialização, o que se enquadra no patamar ideal de um ano a um ano e meio, segundo Duarte.

    Em 2011, a EZTec fez promoção de renda garantida para estimular a venda de salas comerciais de três empreendimentos e unidades de dois projetos residenciais. Na entrega das chaves, o cliente podia receber da incorporadora, de uma só vez, o correspondente a 8% do preço de venda, ou optar por abater os recursos do que faltava pagar pelo imóvel. Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores da EZTec, Emílio Fugazza, embora o conceito da promoção fosse de renda garantida, na prática, tratava-se de desconto sobre o valor do contrato.

    0
    • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 11:00

      Show! Eles aumentamo preço em 15% e te devolvem em prestações.

      0
    • GB 19 de abril de 2012 at 11:25

      Maior picaretagem e tem gente que vai cair nessa.

      0
  • Ronald 19 de abril de 2012 at 10:11

    EXAME:
    É hora de investir em fundos imobiliários?
    As dúvidas: que fatores influenciam o desempenho dos fundos? Se os preços dos imóveis caírem os fundos vão desvalorizar?

    Resposta de Arthur Vieira de Moraes*:

    O que move os fundos imobiliários é a economia nacional. Enquanto houver expansão haverá investimentos, empresas crescendo e novas empresas se instalando no Brasil. Para desenvolver suas atividades precisarão de imóveis (escritórios, fábricas, centros de distribuição, lojas etc), principalmente nas grandes capitais.

    Em épocas de recessão o movimento é contrário, umas empresas diminuem, outras encerram atividades e devolvem imóveis aos locadores.

    Esses movimentos da economia também influenciam os aluguéis. Quando a demanda é grande, os preços dos aluguéis sobem, até que novos imóveis sejam construídos, equilibrando a relação entre oferta e procura.

    Em tempos de crise a procura diminui, imóveis ficam vagos, o valor dos aluguéis cai.

    Sobre uma eventual queda no preço dos imóveis, os fundos tenderiam a desvalorizar por dois motivos:

    1 – O valor patrimonial dos fundos diminuiria.

    2 – Os aluguéis tenderiam a ser reajustados para baixo, o que diminuiria o valor dos rendimentos distribuídos.

    Mas note que a dinâmica de preços do mercado de imóveis corporativos não é igual à dos imóveis residenciais. Alguns fundos imobiliários exploram a incorporação de imóveis residenciais, mas a grande maioria investe em empreendimentos comercias de grande porte.

    O senhor já possui renda fixa e ações. Fundos imobiliários podem ser uma alternativa para incrementar a diversificação do seu portfólio de investimentos. Sugiro que procure um profissional para embasar melhor a sua decisão.

    *Arthur Vieira de Moraes é advogado, agente autônomo de investimentos e membro orientador do Instituto Nacional de Investidores (INI). Tem 34 anos e atua profissionalmente no mercado de capitais desde 1999.

    0
  • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 10:12

    Parabéns ao PT. No governo socialista o preço médio dos apartamentos chegou a 20 ANOS da renda média do trabalhador. Ou então meia hora de consultoria do Dirceu, Palloci ou do Pimental. Para o link original, cliquem no meu nome.

    Novos apartamentos custam em média R$ 316 mil, diz pesquisa

    O Brasil recebeu em 2011 lançamentos de imóveis de R$ 86 bilhões com 1.345 empreendimentos, 2.990 torres e 213.782 unidades em 61 municípios e sete cidades satélites, de acordo com pesquisa da Imobiliária Lopes. Conforme o levantamento, um apartamento novo custa em média R$ 316 mil ou R$ 4.630 por metro quadrado (m²), enquanto na unidade comercial o valor é de R$ 7.930 por m² e para Flat/Hotel chega a R$ 10.050 por m².
    Em 2011, os lançamentos residenciais responderam por R$ 56,9 bilhões, enquanto os comerciais representaram R$ 13,6 bilhões (19%) e Flat/Hotel foram de R$ 1,7 bilhão (2%), diz a pesquisa. Os municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Porto Alegre, Barueri e Santos significaram 60% do total lançado.
    Conforme a pesquisa, dos apartamentos lançados, 67% possui até 69 m² e 91% tem até 109 m². Os apartamentos com até 49 m² de área privativa custam em média R$ 3 mil o m²; apartamentos de 50 a 69 m², cerca de R$ 4 mil o m²; de 70 m² a 149 m², cerca de R$ 5 mil o m²; enquanto apartamentos maiores, a partir de 150 m², custam em média entre R$ 6 mil e 7 mil o m², segundo o levantamento.
    O preço médio do m² de apartamentos com um dormitório é de R$ 6.310, superior ao preço de dois dormitórios (R$ 4.080/m²). Um apartamento de três dormitórios custa, em média, R$ 4.510/m² e o de quatro dormitórios chega a R$ 5.850/m². Segundo a imobiliária, a diferença de preços entre apartamentos de um e dois dormitórios ocorre porque os apartamentos menores estão sendo lançados em regiões mais valorizadas, próximos a centros comerciais e com infraestrutura, enquanto os lançamentos com dois dormitórios são encontrados em bairros de diferentes regiões e perfis.
    O anuário verificou também que, em 2011, os apartamentos com dois e três dormitórios foram os mais lançados entre empreendimentos residenciais, representando 56% e 27% respectivamente das unidades. Além disso, 11% dos lançamentos são de um dormitório e 5% possuem quatro dormitórios ou mais.
    Para Cristiane Crisci, diretora de inteligência de mercado da Lopes e responsável pelo anuário, os lançamentos com dois e três dormitórios prevalecem no País e com essa onda de empreendimentos de um dormitório em algumas cidades como São Paulo, Distrito Federal e Curitiba, existe a tendência para os próximos anos de retomada do alto padrão, com a busca no futuro por projetos com quatro dormitórios.

    0
    • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 10:13

      Reparem que onde aumentou mais de preço foi justamente onde tivemos mais lançamentos.

      0
      • aiwww 19 de abril de 2012 at 11:50

        é… dizem que a revogação da lei de mercado está para ser julgada pelo STF .. 😛

        0
        • aiwww 19 de abril de 2012 at 11:51

          ou melhor .. seria sua inconstitucionalidade 🙂

          0
    • GB 19 de abril de 2012 at 10:44

      Esses números são de 2011, a vaquinha estava se dirigindo pro brejo, mas não tinha chegado nele ainda.

      0
  • RAL 19 de abril de 2012 at 10:42

    Vai enchendo , quanto mais lançar melhor ,

    0
  • GB 19 de abril de 2012 at 11:08

    A MRV acabou de me ligar, já saí de cara falando que não tinha interesse pois os imóveis estão muito caros, ou eles propõem valor mais baixo ou param de encher o saco.

    Aí perguntaram se eu gostaria de responder a uma pesquisa, falei que não, onde já se viu ficar respondendo pesquisa de construtora bolhuda.

    0
  • GB 19 de abril de 2012 at 11:12

    Uma coisa é ter lucro, outra coisa é achar que sou otário.

    0
  • Charles 19 de abril de 2012 at 11:20

    Li acima um comentario onde um colega menciona o fato de haverem corretores de imoveis em todos os lugares, a´te no metrô de manhazinha.

    Fato é que nos acostumamos com tal situação, ver palacas e corretores por todos os cantos tornou-se corriqueiro em nosso dia a dia, mas “TEMOS QUE TER CONSCIÊNCIA QUE ISSO É UM COMPLETO ABSURDO!” Nenhum mercado saudavel e lucrativo tem tal grau apelativo.

    É como se o mercado gritasse para todos ouvirem: QUEREMOS PEGAR OS ULTIMOS TROUXAS, POIS A COISA VAI DESABAR!

    Essa é a hora da verdade…

    0
    • CapEnt 19 de abril de 2012 at 11:37

      Corretor pipoquinha. Tá sentido o calor chegar, então começa pular para todo lado.

      0
  • Luiz 19 de abril de 2012 at 11:28

    o melhor monotrilho do mundo

    economia . ig.com.br/empresas/infraestrutura/2012-04-19/saiba-como-o-monotrilho-vai-impactar-areas-importantes-de-sao-pa.html

    INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTRA É A MELHOR ARMA CONTRA A BOLHA

    0
    • GB 19 de abril de 2012 at 11:45

      Isso permte que as pessoas possam morar um pouco mais distante e reduz a pressão por preços nos grandes centros.

      0
      • CapEnt 19 de abril de 2012 at 12:00

        Pior que agora a cagada já está feita: as regiões centrais foram adensadas de modo tão brutal que vão drenar todo o orçamento de infraestrutura.

        Essa bolha irá sucatear a real periferia (aquela que as incorporadoras nem sabem que existem) ainda mais.

        0
        • RosinhA 19 de abril de 2012 at 12:02

          Concordo plenamente Goiás aí vou eu.

          0
          • GB 19 de abril de 2012 at 12:12

            Acre aí vou eu.

            0
          • Goiano 19 de abril de 2012 at 12:14

            Pra fugir da bolha, só se for morar no interior de Goiás, porque aqui em Goiânia a bolha está bem inflada.

            0
            • RosinhA 19 de abril de 2012 at 12:37

              Goiano digo isso pois iríamos apostar todas as fichas em Anápolis a 10 anos atrás era de graça comparado a SP, mas ficou aquela dúvida será que vai, era aquela época dos pistoleiros, ficamos com medo e demos para trás, mas deveríamos ter jogado em 30% teríamos nos dados bem.

              0
        • Luiz 19 de abril de 2012 at 12:20

          capEnt, nao entendi.
          esse projeto especifico não passa em nenhum centro, nem de SP, nem Sto amaro, nem ABC, mas tbm não chega na real periferia

          É um sistema de capacidade média-alta
          mais que corredor, menos que trem.

          0
          • CapEnt 19 de abril de 2012 at 14:13

            Fazenda da Juta para frente, passando por São Mateus, já pode ser considerado periferia “hardcore” da Zona Leste, anos luz de distância da “outra zona leste” como Tatuapé, Mooca ou Carrão. Lembrando que ele termina ao final da fase 2 do projeto em Cidade Tiradentes.

            E como o monotrilho não passa da extensão da linha 2 do metrô, ele atravessa a região da Paulista inteira, e termina na Vila Mariana, se integrando com a Linha 1 e Linha 4, além da Linha 10 da CPTM.

            0
            • Luiz 19 de abril de 2012 at 14:45

              capEnt essa linha 2 verde extensão em monotrilho na fase 3 vai até o fim da cidade na cidade Tiradentes, depois de S. Mateus, servindo cid Tiradentes e Iguatemi, depois disso só tem mato. A região sudeste toda tem cerca de 500 mil habitantes plenamente compatível com o monotrilho.

              O sistem de trilho tem que ser hierarquizado assim como são as ruas e avenidas, não significa que a periferia hard core está sendo abandonada não, pelo contrário.

              0
    • Ronald 19 de abril de 2012 at 11:55

      Muito bom investimento em prol da população! Sem dúvida!

      Agora imagino quantos imóveis vão desvalorizar só pelo barulho q esse trem faz em cima de casas, perto de apartamentos e tal. Já viu aqueles viadutos onde é proibido passar depois de certo horário pois inúmeros prédios residenciais ficam literalmente colados neles?

      Vai ser um desafio mas é necessário em SP com certeza.

      0
      • Luiz 19 de abril de 2012 at 12:17

        Ronald, bem lembrado, mas n se preocupe, o sistema é elétrico e usa pneus de borracha, bem mais silencioso que o metro convencional, além do mais atravessa corredores comerciais, fora isso em locais sensiveis pode se adotar um tubo de barreira a ruído

        0
      • CapEnt 19 de abril de 2012 at 12:25

        Ele passa em uma região de baixa densidade (comércio de um ou dois andares, e casas térreas, que nem irão ouvir o monotrilho no alto), e ainda percorrendo uma avenida quase que puramente comercial. Quem passa por lá sabe: aquela região após as 20 horas vira um deserto.

        Só mesmo se der ataque de bobeira em alguma incorporadora, e construir do lado. Mas nesse caso, azar de quem comprou.

        0
    • RosinhA 19 de abril de 2012 at 12:30

      Luiz o problema não é só transporte, e sim água no futuro, rede e tratamento de esgoto, um pequeno adensamento gera impactos enormes a qualquer área, o governo deve descentralizar a cidade de SP, e pensar em Estado de SP, logo a cidade só irá viver de serviços e aglomerados de setores específicos como 25 de Abril, Santa Efigênia, Faria Lima$$$, quanto mais aglomeração mais problemas. Um exemplo limpeza, onde serão depositados todos os resíduos gerados futuramente, enchentes, poluição, já deu cidade de SP, vamos levar crescimento para o interior e áreas mais distantes, e parar de trazer gente para cá. Veja qual o valor de km do monotrilho e de uma estrada duplicada no interior, fora a quantidade de vantagens que a estrada traria, local e para o Estado em si.

      0
      • Luiz 19 de abril de 2012 at 12:44

        Rosinha, investimento em infra estrutura é um fim em si, vc tá tirando carro da rua, menos consumo de combustivel, menos poluição e colocando num sistema elétrico mais silencioso, trazendo qualidade de vida pra regiões antes preteridas. O usuário paga passagem do serviço publcio em vez de pagar gasolina do serviço indicidual

        Não faz nenhum sentido comparar ummetrô com uma estrada vicinal

        Sobre sua preocupação em relação a adensamento não há correlação.
        A cidade de SP está perdendo população a mais de 20 anos e de lá pra cá o sistema sobre trilhos aumentou de 40 km p 400 kms (incluindo CPTM).

        0
        • Luiz 19 de abril de 2012 at 12:45

          sem falar que a fabrica será em hortolandia, lá sim vai gerar aumento de população e emprego

          isso sim é descentralização

          0
          • RosinhA 19 de abril de 2012 at 12:57

            Ainda acho o país muito grande para ficar centralizando as coisas, eu mesma por preconceito, não usaria de jeito nenhum, pago muito caro IPVA, SEGURO, MULTAS, e não concordo em uma mulher entrar em um trem, metro, onibus, nave ou sei lá o que, e ficar sendo encarada por marmanjões com cara de tarados, desculpe-me não moro em um país civilizado, politizado ou alfabetizado ainda, tenho que viver conforme a situação nos leva infelizmente.

            Nossa população é suja, burra, indiferente, ignorante e outros adjetivos mais, e não merece nada além do que já é oferecido hoje, vou ser retaliada, mas enquanto enxengar por esta forma prefiro viver do meu jeito.

            0
            • Luiz 19 de abril de 2012 at 13:24

              n posso dizer q vc tá errada
              o ABD é um lugar horroroso mesmo, até os que andam de carro tem cara de elemento suspeito,

              mas estou falando de médias
              pense que a maioria indo de trem, sobra mais espaço na rua

              Agora isso q o BR é grande, é meia verdade. A amazonia é grande, já SP é só uma França em tamanho, n tem como descentralziar mais, aui já temos 19 das 20 melhroes estradas do país, e nem o pedagio espanta o povão, pego congestionamento todo fds que vou pra praia

              0
              • Thiago A. 19 de abril de 2012 at 13:30

                A centralização está justamente aí! (E no RJ, e grandes capitais)

                Veja as cidades nos EUA e principalmente na Europa. Cidades grandes tem 1Mi/2Mi máximo (menos as capitais)

                E mesmo neste caso estão espalhados por uma área muito maior (o que tem seus problemas também)

                Não é uma concentração absurda como é em SP (que acabou se “esticando” até o litoral e Campinas)

                Fora que é muito mais homogêneo na Europa. Todos vão a SP em busca de emprego, enquanto poderiam criar empregos e ‘espalhar’ mais, criando empregos no Nordeste, no Centro Oeste (que é VAZIO), interior dos estados, etc

                0
                • Luiz 19 de abril de 2012 at 14:30

                  a centralização de SP não é nada absurda. Na mesma área a França tem o dobro de população, a desnidade da capital é baixa comaprada com as das capitais do mundo.

                  Existe muito espaço pra crescer pros lados e pra cima
                  Falta de espaço no BR é mito mesmo em SP

                  0
                  • Thiago A. 19 de abril de 2012 at 14:41

                    Bom, é verdade, a densidade da cidade ‘completa’ é baixa.

                    Se pensarmos bem, na ZL e na Zona Sul de SP tem muito espaço ainda.

                    Mas SP (e RJ) tem regiões de muito alta densidade populacional/comercial (Barra da Tijuca, Berrini, Moema). E aí vem os problemas dessas regiões (que acabam se propagando para o resto da cidade).

                    0
                    • Luiz 19 de abril de 2012 at 15:51

                      o problema desses lugares q vc falou é falta de acesso
                      nenhum deles é centro da cidade

                      Barra é bairro dormitório, ou faz tudo lá dentro ou estão fudidos pelos proximos 20 anos
                      berrini é densidade de empregos, mas ainda tem cptm perto
                      moema é densidade de tudo e metro em obras ainda leva uns 2 anos

                      0
            • Paulo 19 de abril de 2012 at 17:03

              só lamento esse tipo de preconceito….
              só gera maior marginalização e piora o problema pois quanto mais marginalizado menos oportunidades e mais miséria e mais segregação.
              Problema de transporte não é das pessoas “sujas e ignorantes” (sic) é problema de todos!

              isso é um passo pro racismo… cuidado….

              0
              • Luiz 19 de abril de 2012 at 17:13

                se sua esposa, sua filha, ou sua mãe fosse encochada no onibus vc diria preconceito?

                ela relatou um fato,
                ninguem que não use saias pode negar

                0
              • RosinhA 19 de abril de 2012 at 17:53

                Ainda bem que sou descendente de segundo grau de Italianos e tb de segundo grau de Espanhóis, graças a estes povos juntando-se os Alemães, Portugueses, Japoneses etc,etc, etc é que você tem condições de ter acesso a um blog e a internet, se fosse pelo DNA nativo, seria escravo de alguma nação dominadora até hoje.

                Segundo quando for falar de alguém sem conhecer SR PAULO, principalmente de minha pessoa, lave a sua boca,mas bem lavada ainda, pois já disse aqui algumas vezes que tenho 2 casas alugadas dentro da favela, e ando pelos becos e converso com pessoas que você nunca teria coragem nem de olhar,se for macho mesmo te convido o endereço é Rua Sarambé numero 6, viela 1 casas 102, 129, Santo Andre, falar da boca pra fora todo mundo fala, quero ver fazer na prática, preconceituoso é o SR. Pode chamar a sua irmã e mãe para andar de trem ou metro depois filmo e te mando um vídeo.

                0
                • Luiz 19 de abril de 2012 at 17:59

                  hahaha, essa é otema, rosinha
                  vc entra numa favela mas não entra num onibus ou trem em sto andré ou s. bernardo
                  me lembrei da Unirã, ou é Unitaleban, só podia ser em S. bernardo

                  0
                  • RosinhA 19 de abril de 2012 at 18:08

                    Por incrível que pareça, na favela há um código de conduta, que foi deixado de herança por traficantes antigos que é seguido até hoje, mexa comigo dentro da favela e veja o que acontecerás meu amigo!!!!!!!!!!!!!!!, e falo sério pobreza não quer e nunca foi sinônimo de não ter educação em trem ônibus, como disse tem todos os níveis sociais, o que me refero sempre é afirmatição brasileiro é sujo, ignorante, mal educado etc, etc, etc.

                    0
                    • RosinhA 19 de abril de 2012 at 18:10

                      Outra Luiz favela é o lugar mais seguro que possa imaginar, hoje é muuuuuuuuuuuuuuito mais fácil ser assaltada ou bulinada em um trem ou na rua do que dentro de uma favela.

                      PS: Tem que conheçer o pessoal senão, Kill Bill, com certeza.

                      0
                • Deurges 19 de abril de 2012 at 21:32

                  Apenas para reforçar seu comentário.

                  virgula.uol.com.br/ver/noticia/inacreditavel/2012/04/18/298485-homem-e-flagrado-se-masturbando-dentro-do-trem-lotado-em-sp

                  0
                  • RosinhA 19 de abril de 2012 at 22:07

                    Deurges, obrigada pelo apoio, transporte de população em massa somente onde pessoas tem respeito e educação, o que falta aqui é isso e muito mais, tenho vergonha da frase “Orgulho de ser Brasileiro”

                    0
                • Paulo 20 de abril de 2012 at 10:44

                  Rosinha, não falei de você até por que não te conheço.
                  só falei que no seu comentário existia um pré-conceito. reforçado por esse outro comentário: ” que me refero sempre é afirmatição brasileiro é sujo, ignorante, mal educado etc, etc” … não concordo e acho isso um pré-conceito, se vc discorda, ótimo, que bom que podemos discordar dos outros…. não seja agressiva com quem não foi, não se sinta ofendida por eu discordar de você.

                  ia continuar o comentário, mas deu.
                  última pergunta: vcs andam nas ruas? pois isso tb acontece nas ruas. melhor não né…. vamos todos embora do Brasil que o DNA nativo é de selvagens que seria escravos e tarados!
                  Boa sorte na tua favela em Sto Andre alugando suas casinhas. Todas as 2 vezes por semana que entrava em favelas qdo estava morando em SP era para ajudar, dando aulas em uma e fazendo serviço social na outra.

                  continue com suas certezas, afinal, certeza não é preconceito….. (isso foi irônico)

                  0
                  • RosinhA 20 de abril de 2012 at 13:03

                    Comprei as casinhas para ajudar a pessoa, mais uma vez, se não sabe a história por inteiro não julgue, tenho certeza que Deus não existe e não tenho preconceito com os religiosos, e daí tem como explicar professor.

                    0
                    • Paulo 20 de abril de 2012 at 16:00

                      que tem a ver uma coisa com outra?
                      tenho certeza que chocolate é doce, mas não sou preconceituoso contra confeiteiros. isso, como seu exemplo bizonho, não faz sentido nem contradiz o que digo.

                      mas certo seria vc dizer: “tenho certeza que religioso é burro e isso não é preconceito é constatação”

                      enfim, raul dizia algo muito bonito que, se vc tiver capacidade de entender, ignora diariamente:
                      “que o mel é doce é coisa que me nego a afirmar, mas que parece doce isso eu afirmo plenamente”.

                      mas como falei no outro post: deu, não vou continuar essa bobagem com gente ignorante e agressiva. Escreva o que quiser, falará com as paredes pois não entrarei mais nesse post nem assino o feed…..
                      bjos!

                      0
  • Leonardo 19 de abril de 2012 at 11:42

    Aumento no preço dos aluguéis?
    Preocupante… Mas a fonte é a secovi!

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/04/aluguel-residencial-novo-em-sp-aumenta-14-em-marco-diz-secovi.html

    0
  • Leonardo 19 de abril de 2012 at 11:43

    Aumento no preço dos aluguéis?
    Preocupante… Mas a fonte é a secovi!

    g1.globo.com/economia/noticia/2012/04/aluguel-residencial-novo-em-sp-aumenta-14-em-marco-diz-secovi.html

    0
    • GB 19 de abril de 2012 at 11:51

      Então é enganação.

      0
    • D9 19 de abril de 2012 at 11:59

      O aumento do aluguel faz parte do processo.
      Os imóveis estão a venda em sua grande maioria, sendo assim,
      a qtde disponível para alugar está reduzida.

      Agora, quando a corda esticar mais um pouquinho, os imóveis vagos
      geradores de despesa, voltam ao mercado de aluguel…

      Aí obviamente os preços do aluguel tendem a cair de maineira brusca.

      0
      • Luiz 19 de abril de 2012 at 12:18

        D9
        to vendo muita placa de vendo ou alugo, ou troco, faço qq negócio pra me livrar da bomba, rs

        0
        • D9 19 de abril de 2012 at 14:23

          Ainda tem isso mesmo, o cara quer o que vier primeiro:
          – Vendo (preferência #1)
          – Alugo (preferência #2)
          – Troco por imóvel de menor valor (#3)

          No fim, o cara quer mesmo se livrar da bucha (vendendo),
          ou alugar (salvando pelo menos o condomínio e mais uma merreca).
          ou até mesmo trocar, pegando outro e uma parte em grana.

          A situação realmente tá muito feia.

          0
    • Jack Imóveis 19 de abril de 2012 at 12:48

      Caros,

      O aumento do aluguel é uma realidade nesse momento. Exemplifico.

      Em 2010 sai de um apartamento no qual pagava R$1.100,00 de aluguel. Era um contrato antigo, assinado em 2006 se bem me lembro por R$800,00.

      Tenho um amigo que hoje mora no mesmo prédio. O ultimo aluguel fechado lá foi de R$2.800,00.

      Imóveis para alugar com o minimo de estrutura são muito competitivos pois o estoque de imóveis recém entregues está no contra piso e os donos não tem dinheiro para reformar.

      Abraços

      Jack – Nostalgico

      0
  • Luiz 19 de abril de 2012 at 11:46

    BOM dia senhores hj fui “assaltado” no farol por um corretor com folders de lançamento.

    Seguer o dialogo

    – E a bolha imobiliária? – perguntei
    – Legal, Jóia, a bolha é bacana e a Fernandez Mera, sempre entrega na data
    – Mas quem é a construtora?
    – Não sei.

    Estão apelando, todo mundo jogando o nome na lama em troca de sobreviver

    0
  • GB 19 de abril de 2012 at 12:14

    Que tipo de droga esse corretor está tomando ?

    0
  • interior 19 de abril de 2012 at 12:20

    VENDAS DE MORADIAS USADAS NOS EUA RECUAM 2,6% EM MARÇO.
    UOL ECONOMIA.

    0
  • interior 19 de abril de 2012 at 12:23

    PERCENTUAL DE FAMILIAS COM CONTAS EM ATRASO É O MAIOR EM 7 MESES.
    UOL ECONOMIA.

    0
  • Luiz 19 de abril de 2012 at 12:26

    novidades da gafisa

    As sardinhas acordaram, pela primeira vez em 1 ano, numero de negócios explode com volume muito muito baixo

    Conclusão
    Até as sardinahs estão abandonando a GFA
    GFSA3 8.199.725 2.573 4,06 -0,73 12h09

    Pros corajosos isso significa hora de comprar
    Se não rachar, vai.

    0
    • Thiago A. 19 de abril de 2012 at 12:34

      Será… Não me parece diferente de outras ocasiões

      GFSA3 tá num chove não molha esses últimos dias que vou te contar

      Está nadando numa lagoa com as sardinhas, se tiver movimento agora é de DESOVA pra BAIXO

      Mas no dia seguinte várias sardinhas pulam serelepes achando que “agora vai” daí o preço dá aqueles pulos

      O futuro dessas sardinhas a gente já sabe é ASSADO SOBRE UMA PIZZA

      0
    • RosinhA 19 de abril de 2012 at 12:34

      Não entendo, a melhor negócio não é na compra, e por que ninguém quer? Micadernalfisa?

      0
  • Observador da Bolha 19 de abril de 2012 at 12:41

    Pessoal, seguinte:
    Já estou há alguns meses procurando (sem nenhum sucesso) imóvel para morar.
    Há algum tempo tenho acompanhado esse blog e compartilho da opinião da grande maioria de vocês.
    Tenho visto muitos preços absurdos, mas um anúncio em particular me deixou um pouco revoltado.
    Trata-se de um apartamento no Rio, perto do autódromo (que não estava anunciado no ZEPT), com valor de R$ 386.000. Anúncio de outubro de 2010, mas modificado no dia 14 de abril de 2012.
    Pedi maiores informações ao corretor, ele me informou que o valor atualizado estava em R$ 690.000,00.
    Transcrevo abaixo a minha resposta:

    “Bom,

    Perdi parte do meu tempo fazendo alguns cálculos:
    Em outubro de 2010 o apartamento foi ofertado por R$ 386.000,00.
    Em abril de 2012, o mesmo apartamento está sendo vendido por R$ 690.000,00.
    Você quer que eu aceite que em 18 meses o valor do apartamento aumentou R$ 304.000,00?
    Ou que teve uma valorização de 79%? Em 1 ano e meio???

    Ou pior ainda, que teve uma valorização constante de 4,4% ao mês?????

    O mais incrível é tratar-se de um apartamento de 2 quartos, com 82 m2.

    Fazendo uma pesquisa bem rápida, vejo que dá pra comprar um apartamento de 3 quartos, com quase 100m2, em uma parte mais nova do condomínio e com melhor infraestrutura por cerca de R$ 600.000,00 (mesmo assim ainda considero um preço bem alto).

    Eu só posso lamentar esse “valor atualizado”, ou, na melhor das hipóteses, torcer para que seja apenas um erro grave no anúncio.

    Aliás, acho que você tem que mudar o valor anunciado, para que pessoas como eu não tenham que perder tempo lendo essa atrocidade.
    Na verdade, vi que o anúncio foi modificado no dia 14 de abril de 2012 (nessa semana), mas o valor continua inalterado (R$ 386.000,00).

    Ah, e pelo que eu pude entender, parece tratar-se de um imóvel encalhado, que está há 1 ano e meio tentando ser vendido, sem sucesso.

    Se o valor desse apartamento for algo em torno de R$ 400.000,00 (que é mais do que ele vale), e não esse preço bolhudo de R$ 690.000,00, eu tenho interesse.

    Caso contrário, em rodas de conversas com amigos que também estejam tentando adquirir imóvel para morar, terei que comentar e lamentar esses absurdos que eu tenho lido atualmente.

    E fico torcendo para que nenhum desavisado adquira esse imóvel por esse preço.”

    O link do anúncio é:
    h t t p : // vender-casa-apartamento.vivastreet.com.br/comprar-imovel+barra-da-tijuca/apartamento-de-alto-luxo-no-rio-2-frontlake-lake-view-barra-/28598691

    Vocês acham que eu fiz o correto?
    Devo entrar nesse tipo de discussão com os corretores?
    É normal ficar revoltado com esse tipo de anúncio?
    Ou devo deixar pra lá, continuar a minha busca, esperar os preços normalizarem e não esquentar a cabeça?

    Obrigado.

    0
    • Paulo 19 de abril de 2012 at 17:11

      Vocês acham que eu fiz o correto?
      –> as outras respostas respondem essa….
      Devo entrar nesse tipo de discussão com os corretores?
      –> só se vc quiser se divertir com as atrocidades que ele vai falar, senão seja direto, pago 400k, sei que tá parado a 1,5 ano e 700k é absurdo.
      É normal ficar revoltado com esse tipo de anúncio?
      –> normal é, mas a gente tá se acostumando tanto que não gera mais revolta e sim risos….
      Ou devo deixar pra lá, continuar a minha busca, esperar os preços normalizarem e não esquentar a cabeça?
      –> acho que é a melhor opção. É meio concenso no blog que os preços vão cair, eu pessoalmente, creio que vc já consegue achar algumas oportunidades… então com calma vai procurando, se achar alguma coisa com, no mínimo, 30% abaixo do preço praticado e que vc goste, feche negócio, agora se não achar, dê tempo ao tempo que logo……PLOC!

      0
      • Observador da Bolha 19 de abril de 2012 at 17:22

        Obrigado Paulo,
        Ando lendo muitas atrocidades ultimamente.

        Ou então todos os brasileiros estão ficando ricos, menos eu!

        0
  • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 12:56

    Segue a notícia, o link está no meu nome loga acima. Chamo a atenção para o preço médio das casas vendidas nos EUA, que é MENOR QUE O PREÇO MÉDIO DO BRASIL, conforme outra notícia que postei hoje. Mesmo extrapolando o câmbio para 2 reais, o preço aqui ficou maior.

    Vendas de moradias usadas nos EUA recuam 2,6% em março

    WASHINGTON, 19 Abr (Reuters) – As vendas de moradias usadas nos Estados Unidos recuaram em março, mas a oferta de propriedades no mercado apertou e os preços subiram, dando sinais mistos em relação ao ritmo de recuperação do setor imobiliário.

    A Associação Nacional de Corretoras informou nesta quinta-feira que as vendas de moradias usadas recuaram 2,6 por cento em uma taxa anual de 4,48 milhões de unidades no mês passado.

    Economistas consultados pela Reuters esperavam vendas de 4,62 milhões de unidades no mês passado.

    O ritmo das vendas de fevereiro foi ligeiramente revisado para cima para 4,60 milhões de unidades, ante 4,59 milhões reportadas anteriormente.

    Em um sinal de que o excesso de moradias não vendidas está caindo, os estoques recuaram para 2,37 milhões. Em alguns mercados, corretores reportaram escassez de moradias, segundo a associação.

    A associação informou ainda que mesmo com o declínio de março, o ritmo das vendas no primeiros três meses do ano marcaram o mais forte primeiro trimestre desde 2007. A melhora do mercado de trabalho deu aos corretores de imóveis uma projeção mais otimista para o resto do ano.

    “Esse movimento parece ser muito sustentável”, disse o economista da associação, Lawrence Yun, referindo-se ao ritmo das vendas durante o primeiro trimestre.

    E em um sinal de que a saturação de casas não vendidas no país está reduzindo, o número de inventários caiu para 2,37 milhões. Corretores em alguns mercado reportaram escassez de estoques de casas, disse Yun.

    Em todo o país, o preço médio para a revenda de casas subiu para 163.800 dólares em março, 2,5 por cento maior ante o ano anterior.

    (Reportagem de Jason Lange)

    0
    • Luiz 19 de abril de 2012 at 13:30

      preço medio EUA = 300k > renda média mensal = 10k > relação = 30X
      preço medio BR = 360k > renda media = 1,6k >relação = 225X

      Distorção EUA x BR = 7,5 Vezes

      Casa própria é 7,5 vezes menos acessível ao brasileiro que ao maericano
      O preço médio daqui deveria cair 60% para se equiparar.

      0
      • Ploc 19 de abril de 2012 at 14:17

        corretissimo

        0
    • Anonymous 19 de abril de 2012 at 13:35

      Estou escrevendo que o preço de uma casa na Banânia, supondo mesmo tamanho, mesma qualidade da casa e mesma qualidade de vizinhança, está TRES VEZES MAIS CARO quando comparado aos EUA, desde que comecei a colocar mensagens no BLOG. Até mesmo com cerca de 120 mil Reais (valor INFERIOR ao MCMV) voce compra uma casa em condomíno na Florida, 100 m2, 2 dormitórios, 2 banheiros.

      Embora alguns aqui achem que seja algo radical, o melhor que se pode fazer é ABANDONAR a Banânia enquanto a maxi-desvalorização não chega.

      0
      • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 13:50

        Anonymous, gostaria de uma consultoria sua. Posso pedir seu e-mail para o bolha? Ou então pedir para ele te passar o meu?

        0
        • Anonymous 19 de abril de 2012 at 14:01

          Vou enviar meu email para o bolha e pedir para ele passar para o Carlos_. Eu tenho usado um email fake 😉

          0
          • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 14:21

            Obrigado cara. Bolha, se estiver lendo isso, meu e-mail é verdadeiro, pode repassar para essa aqui mesmo.

            0
            • Anonymous 19 de abril de 2012 at 14:58

              Tentei enviar msg para o Bolha e recebi o seguinte: Falha ao enviar sua mensagem. Por favor, tente mais tarde ou contacte o administrador de outra forma.

              0
            • Anonymous 19 de abril de 2012 at 15:02

              Esse email é valido somente pelos próximos 7 dias. Depois ele deixa de existir: anonymous . bubble @ hmamail.com (remova os espaços)

              0
  • Vinicius 19 de abril de 2012 at 12:59

    Pior que ter comprado as ações de contrutura foi ter investido no ronaldinho gaúcho :

    Em cinco anos, Ronaldinho Gaúcho tem desvalorização de 93%. Estudo mostra que meio-campista do Flamengo vale hoje 4,5 milhões de euros. Em 2007, no Barcelona, valia 70 milhões de euros

    http://esporte.ig.com.br/futebol/2012-04-19/em-cinco-anos-ronaldinho-gaucho-tem-desvalorizacao-de-93.html

    0
  • Vinicius 19 de abril de 2012 at 13:00

    Pior que ter comprado as ações de contrutura foi ter investido no ronaldinho gaúcho :

    Em cinco anos, Ronaldinho Gaúcho tem desvalorização de 93%. Estudo mostra que meio-campista do Flamengo vale hoje 4,5 milhões de euros. Em 2007, no Barcelona, valia 70 milhões de euros

    h ttp :/ /e sporte.i g.com.br/f utebol/2012-04-19/em-cinco-anos-ronaldinho-gaucho-tem-desvalorizacao-de-93.html

    0
  • Menino_do_Rio 19 de abril de 2012 at 13:00

    O governo conseguiu…
    Investimento em RF no Brasil , só a poupança. E com isso mais dinheiro para o setor imobiário (BOOOLHA). Agora só nos resta esperar pelo fim o 4o. mandato do lula em 2022).

    http://oglobo.globo.com/economia/ganho-da-poupanca-ja-maior-que-rentabilidade-de-20-dos-fundos-4683913
    “O corte da taxa básica de juros tornou os fundos DI (pós-fixados) ainda menos atraentes para o investidor. Com a Selic a 9% ao ano, a remuneração da caderneta de poupança já empata ou ganha dos fundos DI (pós-fixados) com taxa de administração de 1,4% ou mais, segundo simulação feita no site http://www.comdinheiro.com.br.”

    Brasil do pt, endivide-se ou deixe-o.®

    0
  • Roc 19 de abril de 2012 at 13:07

    “O Caso da Construtora Líder: é a bolha imobiliária?”
    h t t p://brasil247.com/pt/247/economia/54661/Construtora-L%C3%ADder-%C3%A9-a-bolha-imobili%C3%A1ria.htm

    A melhor parte:

    “O setor passa por uma acomodação, mas não há sinal de bolha”, garantiu ao jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte, o presidente da Câmara do Mercado Imobiliário (CMI-MG), Ariano Cavalcanti de Paula.

    0
    • Anonymous 19 de abril de 2012 at 13:23

      É uma “acomodação” muito similar a uma pedra atirada num lago. A pedra vai acomodar, mas lá no fundo do lago.

      0
  • Indecoroso 19 de abril de 2012 at 13:49

    Senador defende regras mais claras para multa por atraso na entrega de imóveis

    h ttp://correiobraziliense.lugarcerto.com.br/app/noticia/ultimas/2012/04/19/interna_ultimas,45748/senador-defende-regras-mais-claras-para-multa-por-atraso-na-entrega-de-imoveis.shtml

    Trecho que merece destaque:

    “Entretanto, ponderou Eduardo Lopes, algumas empresas acabaram se empolgando com o mercado aquecido e ‘deram um passo maior que a perna’ vendendo empreendimentos ‘em ritmo frenético’.”

    Plec…

    0
  • interior 19 de abril de 2012 at 13:56

    CONTRUTORAS : ANO DIFÍCIL.
    IG RICARDO GALLO.

    0
  • Mobi 19 de abril de 2012 at 14:00

    Moro em uma região da Tijuca, no Rio de Janeiro, próxima a rua Sabioa Lima, com quatro empreendimentos imobiliários.

    Um deles esta pronto há cerca de dois meses (Maison Previlêge), com luzes da portaria e do playground (que é a cobertura) acessas e porteiro dia e noite, todos os apartamentos apagados e vários anúncios no ZAP.

    Apartamentos de 3 quartos com 117m2 por R$800.000,00 em média, na Tijuca!!!

    h t t p : / / http://www.zap.com.br/imoveis/brasil/?q=rua%20saboia%20lima%20tijuca

    Os outros três empreendimentos, dois da Construtora Calçada, estão em andamento, mas também com vários anúncios no ZAP com preços bolhudos. Um deles, o Atrium, nem saíu do chão e já está com muitos anúncios de venda.

    A coisa está ficando preta!

    Abraços,

    0
    • rsmrsm 19 de abril de 2012 at 14:44

      Este Maison Privilege está a pelo menos 3 anos sendo vendido.
      No início dava para comprar na planta por 500 k

      0
  • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 14:30

    Como nosso amigo indicou no post acima. Link no meu nome. Vários pontos importantes, o principal é a constatação que grande parte das vendas foi para investidores.

    CONTRUTORAS : ANO DIFÍCIL.
    IG RICARDO GALLO.

    O mercado imobiliário residencial começou o ano mal. Pelo menos para as grandes construtoras que possuem ações listadas na bolsa.

    Segundo o excelente relatório de Marcello Millman do Banco BTG Pactual, as vendas do primeiro trimestre caíram 6% quando comparadas com o mesmo período em 2011. Os lançamentos de novos empreendimentos caíram ainda mais : 30%. E o que mais preocupa é que a velocidade de vendas sobre a oferta, que mede o volume de vendas sobre o estoque de imóveis novos disponíveis para venda, caiu de 26% para 20% por trimestre nos últimos 3 mêses, ou seja, o pior nível desde 2009.

    Na opinião daquele analista, O SETOR DEVE CONTINUAR A SOFRER.

    Ele defende a tese que o modelo de negócio adotado por algumas das grandes construtoras está errado. Ele acredita que há um tamanho máximo ótimo para uma empresa, pois os benefícios com escala são decrescentes a partir de um certo tamanho. Haveria uma perda de eficiência (de produtividade…) quando se expande o negócio para diferentes geografias ou mercados alvo ( alta e baixa renda). Ele acredita que os players de nicho, focados em segmentos específicos e com cobertura geográfica mais focada, tendem a ser mais rentáveis. Algo que para mim faz muito sentido dadas as características deste negócio.

    Além disto, na minha humilde opinião, a forte elevação de preços dos imóveis últimos anos acaba afastando os compradores finais de imóveis ( aqueles que querem comprar para morar ), pois a alta dos preços acima da renda das famílias inviabiliza tais compras. Há uma redução na oferta de crédito na economia em virtude da elevação no nível de endividamento e na inadimplência dos consumidores, o que acaba restringindo tais aquisições. Assim, grande parte dos compradores nos empreendimentos de classe média e de classe alta tem sido os chamados investidores, que são pessoas que compram na planta para vender na entrega das chave, ganhando algum lucro sem ter posto muita grana na frente. Esta turma acaba trazendo uma oferta maior de imóveis ao mercado pois criam um shadow inventory (estoque de imóveis que é invisível nas estatísticas), que acaba limitando futuras altas de preços. Isto prejudica as construtoras, pois elas ficam sem espaço para subir seus preços, que assistem suas margens de lucro caírem em função do aumento dos custos de mão de obra e com materiais, além de atrasos na entrega das chaves.

    Vida dura.

    0
    • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 14:31

      Lembrando que a Lider é focada em um público e em uma área específica, mas mesmo assim pediu arrego.

      0
      • Luiz 19 de abril de 2012 at 15:01

        eles fazem de tudo pra convencer que a pane não é generalizada

        no começo do ano a justificativa era a Tenda que atendia os pobres
        agora com a Líder dizem que são só os residenciais e as emrpesas grandes

        depois vão dizer que as pequenas sofrem pq não tem escala
        depois vão dizer que os comerciais estão livres da crise
        depois vão dizer que os shoppings são diferentes das salinhas comerciais

        por fim quando admitirem será tarde demais pros trouxas

        0
      • Anonymous 19 de abril de 2012 at 15:13

        Esse email é valido somente pelos próximos 7 dias.

        anonymous . bubble @ hmamail.com (remova os espaços)

        0
    • GB 19 de abril de 2012 at 15:06

      Esse último parágrafo devia receber o Oscar da sensatez, acertou 100% no que está acontecendo.

      Para mim os Diretores sabiam disso, mas se os investidores querem pagar preços altos, os bônus estão entrando e não nos importamos com compradores finais, por que não continuar até o abismo ?

      0
  • Luiz 19 de abril de 2012 at 14:51

    O governador de SP planeja triplicar a extensão do metrô da cidade de São Paulo até 2018. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o governo tucano vai captar dinheiro privado e de bancos para construir 126 km de linha no período e aproximar o sistema paulistano do de metrópoles como Cidade do México (202 km) e de Paris (213 km). Atualmente, São Paulo conta com 74 km de metrô subterraneo.

    Para alcançar o objetivo serão 21 km de rede a mais por ano
    A estimativa foi feita durante assinatura de convênio para consultoria com o Banco Mundial para estruturar parcerias público-privadas para três novas linhas: 6-Laranja (Brasilândia ao centro), 18-bronze (São Paulo ao ABC) e 20-rosa (Lapa a Moema).

    Com isso a oferta de imóveis bem localizados irá crescer exponencialmente jogando os preços para baixo.

    0
    • RosinhA 19 de abril de 2012 at 18:50

      Estou começando achar que está fazendo um curso para operador ou tem algum vínculo [email protected] na companhia.KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      0
    • peterson 19 de abril de 2012 at 19:46

      para um governo que em 20 anos não fez nem 20km querer fazer 21 km ao ano é dificil acreditar…. e essas parcerias são bem sacanas, o governo paga 75% empresta os outros 25% e a “parceira” fica com 50% dos lucros e garantias de lucro minimo, até eu me dou bem nessa…. pena que é só para os “cupinxas”…

      0
      • Crixus 20 de abril de 2012 at 00:54

        Peterson meu ídolo do blog
        Opinião contraria sem medos e bem embastada

        0
        • Cleyton 20 de abril de 2012 at 14:49

          Cara, sério mesmo, você tem que tratar esse problema de dupla personalidade urgente!

          Falando nisso, como anda o Cirilo, hein?

          0
    • Eduardo 20 de abril de 2012 at 10:48

      Vc deve levar em consideração que erraram na notícia. Não é 2018 na VERDADE É 2118!!!

      0
  • Luiz 19 de abril de 2012 at 14:56

    lembra qdo a seleção conquistou o Tetra?
    o galvão gritando é tretaa, é tretaaa abraçando o pelé?

    pois a PDG caiu denovo e acaba de chegar nos 4 reais…
    PDGR3 4.97 -0.6%

    é tetraaaaaaaaaa, é tetraaaaaaaaa

    0
    • GB 19 de abril de 2012 at 15:10

      Que maldade, o pessoal fica falando da GAFISA mas esta pelo menos tem repique dia sim, dia não, a outra está caindo diretaço.

      Logo as 2 terão suas ações a venda nas lojas de R$ 1,99.

      0
      • Ploc 19 de abril de 2012 at 16:23

        Será que vai ser numa lojinha da Dilma?

        0
        • augusto 19 de abril de 2012 at 18:29

          não porque elas quebraram por má administração

          0
      • Júlio Cesar 19 de abril de 2012 at 16:35

        Vale até fazer aquele pacotinho promocional: 1 ação da Gafisa + 1 ação da PDG por R$ 3,99. Tem muita gente que gosta. kkk

        0
        • AJR 19 de abril de 2012 at 17:23

          kkkkkkkkkkkk… pague 1 leve 2…. kkkk

          0
  • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 15:15

    Deixamos passar a chance de conter a bolha antes mesmo dela começar.

    ht tp://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=156281

    Vejam inteiro teor do PLP 137/04 em seu art 5 parag 1… era a solução dos males que viriam a nos atormentar 7 anos depois….

    0
  • GB 19 de abril de 2012 at 15:22

    Shadow inventory, gostei do nome.

    0
  • Charles 19 de abril de 2012 at 15:35

    Só dando uma passada pra sentir o clima!!! hehe

    0
  • MrK 19 de abril de 2012 at 15:41

    Sinais dos tempos…

    Hoje saí pra almocar com um colega importante de uma GRANDE construtora nacional, sempre que falavamos de bolha ele negava categoricamente, afinal, é um apaixonado pelo ramo e ganha muito bem da empresa, hoje ele falou: “Olha, bolha em residencial eu ainda não me convenci, mas que o mercado de comerciais tem uma super bolha, essa está clara, estamos vendendo milhares e milhares de salas comerciais para investidor que não tem o que fazer com ela”

    tá comecando a abrir os olhos!

    0
    • Luiz 19 de abril de 2012 at 15:58

      Mrk, vc foi eleito o Hari Seldon do blog, rsrs

      O que estamos vendo é a competição entre as construtoras “residenciais” x “comerciais”.

      fazendo as contas sobre os”fundamentos” a bolha é maior nos residenciais, exceto é claro os lançamentos de salinhas no meio do mato.

      0
      • MrK 19 de abril de 2012 at 16:09

        Luiz, segundo meu amigo (de dentro do ramo) essas salas nao estao sendo vendidas a empresas ou pessoas que pretendem ocupa-las, é algo como 90% pra investir iludido achando que vai alugar por 1% + luvas!!

        vão micar com as salas nas mãos e vai ter desespero… por ser ele dizendo é que me surpreendeu…

        0
        • Luiz 19 de abril de 2012 at 16:19

          isso no Rio, correto?

          Este monte de salinhas pra investimento eu vejo outro problema: a fragmentação.

          Parece que eles projetaram as salinhas focando no bolso do investidor e não no uso real que elas poderiam ter.

          0
        • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 16:37

          Em breve vão juntar duas ou três dessas salinhas e lançar como apê flex 😀

          0
          • Laranja 19 de abril de 2012 at 16:52

            Não dá Shakespeare, porque o m² das salinhas já tá em 10 mil/m², vai ficar muito caro… hehehe.
            Falando nisto, flex ainda não, mas mix use é o produto da moda por aqui. Terreno grande, três torres: uma corporate (salões), uma office (salinhas), e uma residence (apêzinhos). Tudo de 8 mil pra cima o m²… vende tudo no lançamento (tudo para usuário final, só que ao contrário…).

            0
    • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 16:36

      MrK,

      O Dr. João da Rocha Lima afirmou com todas as letras a existência da bolha no setor comercial de pequenas salas para aluguel. O seu amigo só está constatando o óbvio, mas em breve ele terá que se convencer de que aquilo que você e os outros do blog estão falando a tempos, a bolha contaminou também o residencial.

      0
    • Anonymous 19 de abril de 2012 at 17:36

      Já ocorreu uma bolha dos FLATS ha apenas 7 anos atrás e parece que todo mundo esqueceu. Muita gente comprou FLATS pensando em ter uma renda para a aposentadoriae. Quando estourou, chegaram a vender por 1/3 do preço que pagaram. Isso aconteceu quando a moeda bananense já era estável por 10 anos!!!

      0
  • Fausto Luiz 19 de abril de 2012 at 16:01

    Lembro-me do dia “D”, em que o General Eisenhower e seu Estado-Maior quando do planejamento sabiam que haveria uma carnificina, óbvio porém, não divulgaram os detalhes, buscaram em preparar psicologicamente as tropas sem grandes alardes o que haveria se suceder. Creio que entramos nesta fase psicológica, só os mais esclarecidos e atentos sabem identificar e captar as sinalizações governamentais. Anos mais tarde foi necessário implantar o Plano Marshall de recuperação, qualquer semelhança…? Até.

    0
  • Luiz 19 de abril de 2012 at 16:01

    Senhores colegas do blog,

    Vcs chegaram a refletir que a redução de juros é ainda pior pra venda de imóveis, isto pq o financimaento imobiliário foi o unico que os juros não caíram, portanto mais recursos vão se destinar a consumo de bens não duráveis e semi-duráveis, secando parte dos recursos que poderiam ir pra imóveis.

    É o tiro saindo pela culatra: Ploc

    0
    • Carlos_ 19 de abril de 2012 at 16:14

      O problema é a obrigaçao de investir os recursos da poupança no financiamento habitacional.

      0
  • roberto 19 de abril de 2012 at 17:06

    Gafisa, agora em definitivo gafisa nos “tre rear”……novo patamar 3,97

    0
    • GB 19 de abril de 2012 at 17:50

      Que chato pros traders e criaturas desse tipo,

      E tinha 2 numa gaiolinha aqui em casa, um morreu recentemente, acho que foi por causa dessas emoções da GAFISA.

      0
  • GB 19 de abril de 2012 at 17:52

    Não tem como voltar a ser como antes, no mundo dos contos de fadas, na esquina da rua do pirulito com a rua do açiodão doce ?

    Tipo todos os imóveis vendidos em 1 semana, no preço que eles queriam, num oba-oba generalizado ?

    Ah tá, essa festa do caqui não era sustentável a longo prazo, Peter Shifft estava com a razão.

    0
  • GB 19 de abril de 2012 at 17:54

    Ops, algodão-doce, kkkk.

    Ei, GAFISA está fechando em R$ 4,00 cravados, acho que usaram todas as moedas que sobraram para fazer essa “mágica”.

    0
  • Elias 19 de abril de 2012 at 18:28

    A queda dos juros tem sim o condão de dar uma sobrevida ao setor imobiliario.

    Como um colega mencionou acima, e a Miriam Leitão comentou hoje, com a queda dos juros, a poupança fica mais atraente como investimento.

    Vejo como meta do governo o seguinte: se conseguirem “baixar” a poupança dos 6%+TR, os financiamentos imobiliários ficarão mais baratos, com as parcelas voltando a “caber no bolso do mutuário”, viabilizando as vendas novamente.

    Bem assim, a queda da SELIC vai reduzir o custo de financiamento da dívida pública, o que é bom.

    Mas essa história de mexer na poupança é encardida, vamos acompanhar.

    0
    • Luiz 19 de abril de 2012 at 18:42

      peraí Elias,

      tem muita unidade contratada desde o boom de 2008 a 20111 precisando de financiamento das chaves, mas os juros imobiliarios não vão mudar, podeser que burocraticamente viablizem, mas o custo continua altissimo.

      E outra, pra contratar financiamento precisa mostrar renda, e aí está o esgotamento.

      Não acho que a queda da Selic vai dar sobrevida pra bolha não, no mais todo mundo já migrou pra CDB, CDI, LCI, TD, Poupança, etc…

      0
    • Alvaro Queiros 19 de abril de 2012 at 18:57

      Os rendimentos da poupança não devem mudar, pois a 65% dos depósitos captados na caderneta de poupança se destinam ao financiamento habitacional, então essas medidas vão sim minorar o problema dos financiamentos que devem ser contratados no futuro próximo.

      O que pode acontecer de desastroso é o confisco 2.0.

      0
      • Thiago A. 19 de abril de 2012 at 19:20

        O confisco foi proibido por lei, muito provavelmente não acontecerá

        Mas mudança no rendimento sim, muito provável, junte isso com uma inflação e taí o seu “confisco que não é confisco”

        0
        • Luiz 19 de abril de 2012 at 19:31

          não é tão facil assim
          cara, se mexer na renda da poupança o dinheiro vai embora
          sem dinheiro, sem financiamento

          0
        • SPSPJULIANO 19 de abril de 2012 at 19:45

          Olha essa questão de confisco é sempre muito interessante.

          Felizmente nosso banco central é autonômo e não existe no Brasil conta bancária nominada em moeda estrangeira, os recursos (moeda estrangeira) que entram e saem do pais tem que ser obrigatoriamente vendidos ou comprados oficialmente e não podem ser depositados nominalmente em uma conta no brasil (vc não pode abrir uma conta em dolar, libra, euro, etc).

          Isso já salvou nossa pele algumas vezes, principalmente nas décadas de 80 e 90. O Brasil quebrou algumas vezes em dólar nesta época e o que acontecia era a moratória (que não é confisco) da dívida externa, mas nunca precisou declarar a moratória da divida interna, pois bastava para o governo imprimir moeda (banco central autonômo) para pagar suas contas e deixar a inflação correr solta… a classe média e rica se defendia nos overnights da vida e as classes C D E…Z se viravam como podiam (observe que são as mesmas classes que só recentemente tiveram acesso a conta bancária e ao crédito… fazendo a maior baderna com ambas).

          Observo que moratória é dizer…. devo não nego, pago quando puder.
          Já o confisco é dizer…. passa seu bem (dinheiro, casa, ouro, etc…) para cá que agora ele é meu… se não gostou vai reclamar com o bispo.

          O Brasil nunca teve confisco direto (pelo menos que eu me lembre, não que inflação não seja um confisco indireto) o que o Collor aprontou foi uma especie de proibição do uso do dinheiro que não é nem moratória nem confisco. Ele simplesmente mandou recolher o dinheiro que estava nos bancos e disse que ninguém ia usar ele até (acho) 18 meses depois quando o dinheiro iria voltar para a sua conta em algumas parcelas. Ele fez isso para combater a inflação (enxugando o meio circulante). Obs. Não estou defendendo o que ele fez, só estou explicando que não é confisco nem moratória.

          A confituição Brasileira tem um artigo que proibe expressamente o CONFISCO pelo menos desde 88 ( eu me formei depois de 88, então eu não sei das constituições anteriores), mas não tem nada que proíba a moratória da divida interna ou externa, nem mesmo algo que proiba o uso do bem como fez o Collor.

          Mas só para provar a superioridade do Brasil na América do Sul e manter o Clima ufanista do site… saibam que na Argentina já teve moratória da dívida externa, moratória da divida interna e até confisco… lá as coisas nas décadas de 80 e 90 foram muito piores do que aqui tanto que eles não se levantaram até hoje.

          Juliano

          0
          • Anonymous 19 de abril de 2012 at 20:40

            Está completamente enganado. A maioria dos poupadores teve seu depósito confiscado em cerca de 50%, pois foi decretado que a inflação do último mes justamente a inflação de 80% NÃO VALEU. Por cause desse pequeno detalhe, muitas pessoas cometram SUICÍDIO na época.

            Já recomendei abrir conta nos EUA muitas vezes aqui no BLOG, pois eu vivi a época do Collor e sei muito bem o que pode acontecer na Banânia. É bom lembrar que o imposto para enviar dinheiro para o exterior está TEMPORÁRIAMENTE (desde 2008) em 0.68%, pois o NORMAL é 25%. Portanto, abra uma conta em MIAMI enquanto dá tempo.

            O Brasil nunca teve confisco direto (pelo menos que eu me lembre, não que inflação não seja um confisco indireto) o que o Collor aprontou foi uma especie de proibição do uso do dinheiro que não é nem moratória nem confisco …

            0
            • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 21:33

              Eu sou favorável à sua idéia de abrir a conta nos EUA e mudar para lá, mas não vamos esquecer lições históricas:

              “Em 1933 o presidente dos EUA decretou o confisco do ouro (Emergency Banking Bill, Franklin Roosevelt). Tratava-se de uma medida drástica aplicada em plena crise do sistema bancário (encerramento de bancos e mercados) e de deflação económica. Segundo um analista contemporâneo «… foram bem evidentes os estágios da deflação em curso desde 1929, primeiro a fuga dos títulos de propriedade para os depósitos bancários, depois destes para a moeda e finalmente desta para o ouro»; mas também observou «… Enquanto multas e publicitação foram anunciadas como medidas coercivas para recolher o ouro amealhado, os banqueiros e os funcionários da Reserva Federal recusaram-se a divulgar os nomes dos principais detentores de ouro, mas dizia-se que entre os homens que sequestraram grandes quantidades – em alguns casos vários milhões de dólares – estão figuras de considerável proeminência». Essa crise foi também uma oportunidade de facto exercida para limitar garantias e liberdades e de conferir poderes de excepção ao poder político; e na sua aplicação revelou também a discriminação de classes intrínseca ao sistema capitalista. Esta legislação veio a ser revogada só em 1975 (já após a falência do sistema de Bretton Woods) pelo presidente Gerald Ford que restaurou o direito à posse privada de ouro, mantendo porém o poder presidencial de confiscar o ouro em tempo de guerra. ” (retirado de ht tp://resistir.info/rui/imperio_do_dolar.html)

              No fundo, ninguém está seguro absolutamente, nem aqui, nem lá!

              Que o Senhor olhe por nossas almas!

              0
        • xyz 19 de abril de 2012 at 20:14

          Amigo,
          A lei não tem poder de evitar a quebra do país. Se o país quebrar não tem “lei” que segure a poupança. Nossa vizinha Argentina quebrou num passado recente e caminha para quebrar novamente. Após a Argentina quebrar, se o governo nada fizer para corrigir o rumo, nós quebraremos também. aí quero ver a poupança ser poupada.

          0
  • RosinhA 19 de abril de 2012 at 19:06

    Em notícia de jornal regional destaque para bolha de automóveis, dizendo que a inadimplência já alcança a casa dos 26%, para se financiar um carro hoje tem que dar de entrada 20%, comprovar residência própria, emprego estável e renda de pelo menos 4K. Os vendedores já temem pelos seus empregos.

    Engraçado eram recordes em cima de recordes de repente em 3 meses a casa cai. bra sil sil sil sil. Aí pergunto, em um bem de 30/40K precisa de tudo isso e quanto ao imóvel? Quais as garantias? Quais os valores?

    Nossa Bolha Imobiliária será diferente das outras do mundo com certeza como tudo é por aqui.

    0
    • peterson 19 de abril de 2012 at 19:34

      o que tem de repasse de divida com mais de 30% já pago…. mas n compro, ofereço proposta bem sacana, tipo vc paga a transferencia e eu te livro da bomba…hahaha tem uns que ficam irados… tem outros que ate tentam negociar… desespero batendo a cada prestação que vence… o tempo passa pra eles não pra mim… rsrs

      0
      • RosinhA 19 de abril de 2012 at 19:55

        Peterson não compre agora, será o dia do juízo final quando o governo apertado pelas montadoras fizer o MCMV (Meu Carro Minha Vida), aí sim o preço despencando para 50k um Sonata quero ver quem comprou Chery Tigo pelo mesmo preço jogando no poste para ver se pega pelo menos Dpvat, do acidente para abater na dívida.

        0
        • Leo 19 de abril de 2012 at 20:04

          hahaahah

          Cade o like do facebook ? haha

          0
      • Charles 19 de abril de 2012 at 22:09

        Costumo usar o argumento de que essa divida corresponde a um carro zero e hoje ele já é um carro usado, portanto não compensa assumi-la desde que haja um incentivo interessante por parte do vendedor, ou seja, entregue me o bem sem receber nada que assumo o restante da divida.

        Eles tem ficado bravo mesmo! hehe

        0
      • Leno 19 de abril de 2012 at 23:29

        Pow Peterson! não fica chutando cachorro morto rss

        0
  • Alvaro Queiros 19 de abril de 2012 at 19:10

    / Blogs e Colunistas
    Lauro Jardim
    Radar on-line

    com Robson Bonin, Severino Motta e Thiago Prado
    Assine o Feed RSS Escreva para Lauro Jardim: [email protected]

    quinta-feira, 19 de abril de 2012
    18:27 Economia
    Mudança na ABInbev

    Miguel Patrício, que presidia há quatro anos a ABInbev na Ásia, será anunciado em breve como o novo diretor mundial de marketing da maior cervejaria do mundo. Patrício já comandou o marketing da Ambev no início da década passada. Vai morar em Nova York.
    Por Lauro Jardim

    Tags: AB/InBev, Miguel Patrício
    Share
    Share on Tumblr
    NENHUM COMENTÁRIO
    17:58 Judiciário
    Cortesia de Sarney

    Sarney distribui constituições

    Nesta tarde, Ayres Britto vai presentear cada um dos convidados de sua posse com um exemplar da Constituição. As impressões foram feitas na gráfica do Senado. Uma cortesia de José Sarney ao STF.
    Por Lauro Jardim

    Tags: Ayres Britto, posse, STF
    Share
    Share on Tumblr
    NENHUM COMENTÁRIO
    17:27 Congresso
    Inimigos no PSDB goiano

    Na CPI

    Se a indicação de Íris de Araújo para a CPI mista do Cachoeira for confirmada, Henrique Eduardo Alves terá conquistado inimigos em Goiás. A escolha da mulher de Íris Rezende, adversário de primeiro grau de Marconi Perillo, foi vista como provocação das grossas do PMDB da Câmara para cima do PSDB goiano.

    (Atualização, às 18h: Alves entra em contato para dizer que não vai permitir ataques pessoais ou eleitorais na CPI. Segundo Alves, “Íris de Araújo é vice-presidente nacional do PMDB e nada a desonra para a missão”.)
    Por Lauro Jardim

    Tags: Carlinhos Cachoeira, CPI, Henrique Eduardo Alves, Íris de Araújo, Marconi Perillo, PMDB, PSDB
    Share
    Share on Tumblr
    NENHUM COMENTÁRIO
    16:34 Televisão
    Festival adiado

    Novo show de músicas da Record

    A Record adiou a sua reserva no Engenhão para a segunda edição do Rio Verão Festival, evento de música da emissora realizado no estádio no início de março.

    O festival, que aconteceria em 26 de janeiro, agora está agendado para 16 de março de 2013.
    Por Lauro Jardim

    Tags: Record, Rio Verão Festival
    Share
    Share on Tumblr
    NENHUM COMENTÁRIO
    15:34 Governo
    O grampo e a hemofilia

    Encontro marcado

    Está marcada para esta sexta-feira uma audiência de conciliação entre Agnelo Queiroz e Edson Sombra. A Justiça de Brasília quer que os dois cheguem a um acordo num processo movido pelo governador contra um artigo de Sombra, que o criticou por desmontar o programa de cuidados aos hemofílicos.

    Apesar do assunto ser a saúde no DF, Sombra tem dito que vai cobrar de Agnelo uma explicação sobre a central de grampos montada em seu governo – conforme VEJA revelou nesta semana.

    Além de Sombra, a central monitorou Fernando Francischini e o próprio vice de Agnelo, Tadeu Filippelli
    Por Lauro Jardim

    Tags: agnelo, audiência, CPI arapongagem, Edson Sombra, grampos, Justiça
    Share
    Share on Tumblr
    NENHUM COMENTÁRIO
    15:27 Judiciário
    Barbosa pop

    Elogios

    Em 2007, quando a denúncia do Mensalão foi aceita, Joaquim Barbosa apareceu num bar carioca e foi aplaudido pelos frequentadores do local.

    Cinco anos se passaram e Barbosa continua a receber estímulos para largar a toga e ingressar no mundo político.

    Na posse de Cármen Lúcia no TSE diversos convidados cumprimentaram o ministro e elogiaram seu trabalho.

    Um dos garçons do evento, se dizendo um fã, fez questão de apertar a mão do ministro. Segundo ele, se tivesse mais gente como Barbosa na política, não haveria tanta corrupção.
    Por Lauro Jardim

    Tags: candidato, corrupção, elogio, Joaquim Barbosa, Mensalão, política, toga
    Share
    Share on Tumblr
    3 COMENTÁRIOS
    14:26 Brasil
    Sem visita íntima

    Três horas semanais com a família

    Hospedado na ala federal do Complexo Penitenciário da Papuda, Carlinhos Cachoeira finalmente vai ter um refresco na rotina da prisão.

    Ao contrário do regime de isolamento da Penitenciária Federal de Mossoró, Cachoeira poderá receber os advogados na Papuda de segunda a sexta-feira, entre 9h e 16h. O contato com a família, porém, continuará complicado.

    Pelo regulamento do Departamento Penitenciário Nacional, Carlinhos terá apenas três horas semanais (entre 9h e 12h), sempre às terças-feiras, para receber até dois parentes e estão descartadas as visitas íntimas para o bicheiro: a ala onde ele está não tem espaço apropriado para encontros mais reservados.
    Por Lauro Jardim

    Mudanças na PDG

    Michel Wurman, diretor financeiro da PDG, a maior empresa do setor de construção civil do Brasil, está com um pé fora do cargo.
    Por Lauro Jardim

    0
    • RosinhA 19 de abril de 2012 at 20:25

      ?

      0
  • Miguel Jacó 19 de abril de 2012 at 19:48

    Fiz um estudo sobre a quantidade de veículos novos vendidos (os 50 mais vendidos) do primeiros trimestres dos anos de 2009, 2010, 2011 e 2012.

    Eis o resultado
    2009: 559027 veículos
    2010: 656657 veículos (+17%)
    2011: 652137 veículos (-0,68%)
    2012: 627648 veículos (-3,76%)

    Observem o boom em 2010, a estagnação em 2011, e a queda em 2012 (mesmo com todos os incentivos do governo).

    Contra fatos, não há argumentos.

    0
    • kbk00 25 de abril de 2012 at 15:03

      Caro Miguel, no caso dos automóveis a situação é um pouco mais peculiar: a situação tem mudado no âmbito de market share das montadoras – as maiores fabricantes daqui vem perdendo muito mercado para as novas – de maneira que para não haver distorção nos números é preciso considerar as vendas dos nacionais + importados, com automóveis + comerciais leves (até pickups médias) – além de todos os modelos, não só dos 50 mais vendidos.

      Um fator interessante aqui é que o bananense, como você diz tem comprado carros cada vez mais caros e luxuosos (afinal aqui no Brasil carro é status), distorcendo um pouco a imagem no ranking dos 50 mais vendidos. Mas não existe milagre aqui: a maioria desse ostentamento aos importados são graças a financiamentos a perder de vista (alguma similariedade aqui com imóveis) – muitas vezes dos investitolos, afinal o “novo rico”, investidor em imóveis precisa agora de um carro à altura para estar em linha com seu novo status social. Segue os números de todos os modelos vendidos (auto + comerciais leves) de janeiro a março (acumulado):

      2009: 768.335
      2010: 750.396 (-2,3%)
      2011: 777.671 (+3,6%)
      2012: 772.283 (-0,7%)

      Mas isso não muda o cenário – acredito que o auge dos autos se passou em 2011 e a tendência é de queda ou crescimento lento (sendo mais otimista). Afinal, da mesma forma que nos imóveis as pessoas se endividaram até o pescoço em dívidas para sair com seu carrão e mostrar para o vizinho.

      Abraços

      0
  • thiago fm 19 de abril de 2012 at 20:09

    http ://exame.abril. com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/brasil-vive-bolha-imobiliaria-dizem-professores-da-fgv

    Mesmo escondido a materia ultrapassou hoje os 40.000 acessos. Nada mal!

    0
    • GB 19 de abril de 2012 at 20:23

      Esse e um assunto bem atual.

      0
  • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 21:03

    InícioInforme-seArtigos
    13 de maio de 2011, às 15h36min
    Como subir o preço e ainda assim aumentar as vendas: O caso da Vodka Askov
    Veja algumas táticas usadas pela empresa Asteca para conseguir subir as vendas de sua Vodka Askov.

    Era uma vez uma Vodka….

    Bem, alguns a chamavam de Vodka, outros de água-ardente ou coisa pior. Sua garrafa era feia, seu rótulo era grande demais, seu preço incrivelmente baixo acabava comprometendo sua percepção de valor junto ao consumidor e seu gosto… ah o seu gosto… esse era a principal reclamação dos clientes, nunca ouviu-se falar bem dele… muito ruim, muito forte!

    Para quem não é do interior de São Paulo, talvez ainda não consiga identificá-la, mas estou falando da vodka Askov, fabricada pela empresa Asteca.

    Porém a algum tempo atrás esse cenário começou a mudar, as vendas começaram a subir, e no ano novo de 2010 o produto encontrava-se esgotado nos Supermercados. Mas o que foi que aconteceu afinal?

    Vamos analisar algumas variáveis que fizeram a empresa Asteca usou para alavancar as vendas do seu produto.
    O design da Garrafa
    Diante de todo o quadro de problemas exposto, estava na cara que algumas mudanças precisariam ser feitas, aliás, talvez eu esteja exagerando, mas era preciso começar praticamente do zero.

    E para dar uma nova cara para algum produto, nada melhor do que começar por sua embalagem. O formato da garrafa foi então aperfeiçoado, ficou mais fina, com mais curvas, completamente mais moderna. Seu rótulo, agora pequeno e com um vermelho expressivo, lembra bem as marcas mais conceituadas como a da vodka Smirnoff. O primeiro passo então foi dado.
    O Preço do Produto
    Vamos imaginar a seguinte cena: Imagine que você precise comprar um vinho para uma ocasião especial, um jantar por exemplo. Você então resolve ir ao Supermercado dar uma passadinha na sessão de vinhos. Acontece que você não entende nada de vinhos e diante de uma imensidão de produtos, você acaba por resumir que quanto mais caro o vinho, melhor será o seu gosto, estou certo?

    Moral da história: o valor do produto (nesse caso, o da bebida alcoólica) está intimamente ligada ao seu preço, você aceita pagar mais caro por ele porque acredita que está levando algo de uma qualidade superior.

    E ao que tudo indica, a empresa resolveu levar em conta este pequeno exemplo e resolveu que para aumentar o conceito que a vodka Askov tinha entre os consumidores, era preciso primeiro aumentar o seu preço, não muito a ponto de prejudicar o seu posicionamento entre as vodkas de segunda linha, mas algo precisava ser feito em relação a esse problema.

    Com a garrafa nova entrando em cena o impacto que o aumento causou foi amenizado, afinal, para o consumidor não só a “embalagem” do produto estava melhor, seu gosto também deveria acompanhar as mudanças e estar melhor também! Mas será mesmo?
    Tudo pronto, e agora?
    Produto novo, vida nova, chegou a hora de divulgá-lo certo? Errado! Se me perguntarem o por que eu não sei mas, nenhuma divulgação da marca, nenhuma campanha promocional, nenhum aviso ao cliente foi feito.Simplesmente colocaram o produto nos pontos de vendas e pronto, deixa que ele mesmo faz o resto. Isso sim que é confiança!

    E não é que deu certo?

    O mais curioso é que, não sei se vocês repararam mas em nenhum momento eu mencionei que o sabor da vodka foi alterado! Pois é, ele não foi (ou se foi, em nenhum momento isso foi divulgado pela empresa). Ela continua tendo o mesmo sabor forte característico dos seus antigos tempos.

    Uma grande sacada da empresa Asteca, simples, rápida e eficaz.

    ht tp://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/como-subir-o-preco-e-ainda-assim-aumentar-as-vendas-o-caso-da-vodka-askov/55051/

    0
    • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 21:05

      O que isso tem a ver com imóveis?

      Nada, absolutamente nada… mas algo me diz que algumas empresas andaram usando uma estratégia semelhante no que se refere aos preços e, pasmem, deu certo!

      Agora chegou a hora da gente mostrar que o sabor não se alterou e o preço não vale o conteúdo…

      Vamos deixá-los se afogando mágoas com vodka de segunda!

      0
    • Charles 19 de abril de 2012 at 22:04

      ótima e divertida analogia…

      Essa vodka continua sendo um chute no saco!

      0
  • Shakespeare 19 de abril de 2012 at 22:38

    ‘Bora pro outro post que o Bolha abriu 🙂

    0
  • Rodrigo 21 de abril de 2012 at 09:49

    Em 2008, o preco medio de um imovel em BH era de 100 mil reais, passados 4 anos, 250 mil, se continuar assim, daqui 4 anos 625 mil? E claro que isso e uma bolha! E por traz de toda bolha existe a ESPECULACAO! Com a Copa do Mundo e as Olimpiadas, a especulacao da vez sao as obras de infraestrutura e imoveis residenciais e Hoteleiros! Dps das Olimpiadas, o Brasil quebra! Ou melhor, os simples mortais! o POVO!

    0
  • Vailton 25 de abril de 2012 at 23:54

    Olá Rodrigo beleza !
    Só irei discordar de seu texto em um detalhe, a quebradeira e o rompimento da bolha tendem a acontecer antes das Olimpíadas.
    Deixe me compartilhar uma experiência rápida.
    Estive durante o ano de 2005 na cidade de Vancouver no Canadá, cara já andei muito por aí a fora e te falo que Van é uma cidade linda, talvez a melhor que eu já vi. Eles estavam passando por uma bolha similar ‘a que vivemos hoje, uma bolha também baseada na expansão do crédito e em um evento esportivo de grande porte, no caso o Vancouver Winter Games 2010. Cara lá as casas vinham aumentando cerca de 100 mil dolares por ano e só se falava em investir em imóveis, pois conforme a China ia ficando rica, mais e mais chineses imigravam para o Canada se estabelencendo em sua maioria em Vancouver. Depois fui para lá em 2008 e 2009, cara os imóveis estavam absurdos e já não se achava mais quem pagsse por eles, tinham gente comprando e pensando e alugar durante os jogos e depois vender. Pois bem, no começo do ano passado novamente andei por lá e vi preços muito baixos, bem menos da metade de 2008 e muitos deles mais baratos que apartamentos em certas áreas de São Paulo. Quando perguntei para meus amigos o que aconteceu, eles me disseram o seguinte: As vésperas dos jogos, algo como 6 meses antes, os investidores (esqueci, lá também tinha isso) que são geralmente mais astutos, já foram queimeido seus imóveis no mercado e embolsando os pouco lucros acumulados, com isso eles simplesmente deflagaram o estouro da bolha. Obviamente, que os mais lentos devem ter levado algum prejuízo, agora aquelas pessoas que entraram na crista da onda, estas sim foram seduzidas pela ganância e amargaram fortes perdas.
    Agora, com todo respeito aos amigos cariocas e paulistas, se Vancouver que é uma cidade espetacular não conseguiu manter a euforia até as Olimpíadas de Inverno, será que o RJ e SP conseguirão segurar a onda até estes eventos?
    Abraços

    0
    • Rodrigo 2 de maio de 2012 at 11:14

      Bom dia Vailton! Aqui em BH, pra vc ter uma ideia, estao construindo 50 novos hoteis, perfazendo mais de 15 mil quartos! So teremos 3 jogos no Mineirao, um total de 180 mil pessoas! BH tem mais de 40 mil quartos em hoteis, agora 55 mil quartos! E muita coisa! E muito quarto para 3 ou 4 jogos! Dps disso, os precos vao cair de mais! A taxa de ocupacao nao chega a 40% hoje, imagina dps! Como aconteceu no Canada, quem tiver dinheiro vai conseguir comprar imovel bem barato quando a bolha tiver estourado! Abraco…

      0
      • Pedro 18 de junho de 2012 at 15:20

        Rodrigo, hoje temos um déficit de leitos, independentemente da copa do mundo. Qualquer evento médio lota todos os hotéis da capital. BH ainda carece de mais um centro de eventos… Acho que alguns hotéis, principalmente os perto do mineirão vão se tornar micos… Mas os na região centro-sul, com ou sem copa do mundo vão ser necessários, fora que é necessário um ajuste nessas diárias que estão quase no patamar de nova iorque, que é a cidade com a diária média mais cara do mundo.

        0
  • Bruno 23 de junho de 2012 at 20:36

    QUEBRADEIRA GERAL ????? Longe disto !
    Tudo fruto de má gestão , fis duas faculdades para aprender uma coisa , não se gasta mais do que ganha … simples assim.
    Agora o mercado vai equilibrar , proprietário de terreno vai voltar a este planeta em preços , as construtoras vão entender que engenheiro não sabe nada de gestão e sim de obra , os corretores , ou protótipos de corretores terão que se qualificar para conseguir desempenhar seu importante papel … e principalmente … Construtoras Mineiras , deixem de ser bairristas !!!! o mundo não gira somente em torno da av do do contorno e outros 5 bairros da capital … levantem a bunda da cadeira e conheçam novas praças … e quando digo novas praça estou me referindo de cidades num raio de 100km da capital , apenas isto ….

    0
    • aiwww 24 de junho de 2012 at 11:01

      Onde feZ duas faculdades? Pelo seu português eu diria que apenas mais um corretor analfabeto.

      0