Vamos rir um pouco ? – Parte 3

Você pode gostar...

Comments
  • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 19:02

    RZRZRZRZRZRZRZ
    RZRZRZRZRZRZRZ
    RZRZRZRZRZRZRZ
    RZRZRZRZRZRZRZ

    0
  • danilo 20 de dezembro de 2011 at 19:22

    A grande resposta a esse artigo foi dado pelo MrK. As olimpíadas em Londres acontecem ano que vem e veja a situaçao como está.

    Acredito ser coincidência, mas vejamos as últimas sedes..Espanha, Grécia, China eeeeee????’

    0
    • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 19:24

      é uma resposta à subida irracional dos preços

      0
    • augusto 20 de dezembro de 2011 at 19:36

      E vejam as futuras o Brasil do PT e dos corruptos e empresários fajutos, e do povão oba-oba e irreposnsavel

      0
  • Avoador 20 de dezembro de 2011 at 19:28

    Pessoal, queria uma dica suas…

    Em minha cidade, Montes Claros -MG 360 mil habitantes com crescimento demográfico e econômico, também está com o “mercado aquecido” devido ao MCMV… Estou a alguns meses procurando uma casa mas nada agradou definitivamente até porque considero os preços salgados embora sejam menores do que nas capitais brasileiras.

    Me ofereceram uma casa frazoável, 2 quartos (sendo um suite), garagem coberta, lote de 135m2, sendo vendida a 105 k (conforme meus calculos, financiando o valor total em 20 anos seria 210k. o dobro.). O bom é que será construido próximo a casa um novo shoping para a cidade que está crescendo…
    http://www.bemnanet.com.br/materias.php?texto=6141

    Todavia, um lote também na mesma região achei em torno de 30k.

    Qual valeria mais a pena, comprar a casa pronta neste valor (que acaba dobrando no fim do financiamento) ou o lote que me deixara menos endividado e em tese com menor custo embora mais trabalho para construir??

    0
    • Anonymous 20 de dezembro de 2011 at 20:08

      Considere comprar o lote e construir uma casa aos poucos. Planeje uma planta de forma que construindo 1 dormitório, 1 banheiro e uma sala com uma pequena cozinha, voce já comece a morar. Construa a fundação em “radier” com as instalações de água, esgoto e eletricidade para a planta total (2 dormitórios, sendo 1 uma suíte).

      0
    • Eduardo Zé 20 de dezembro de 2011 at 21:10

      Primeiro ano o alicerce. Depois paredes e a “laje”…

      Levei sete anos para concluir 154m², não devo nada.

      Tudo depende da sua renda e da vontade de concluir a empreitada.

      0
      • Susy 21 de dezembro de 2011 at 01:35

        Eu compraria o terreno e construiria, sem dúvida. Mas, se você não tem experiência em construção, contrate alguém para ajudá-lo a planejar a obra (um engenheiro ou um mestre de obras experiente), senão vc perde dinheiro com desperdício de material etc.

        Uma dica: junte dinheiro para subir as paredes e cobrir com o telhado. Jamais deixe as paredes da casa desprotegidas, pois as chuvas poderão comprometer até o alicerce. Se não tiver dinheiro para colocar o telhado, não suba as paredes. Boa sorte!

        0
  • Muca CG Muita Treta 20 de dezembro de 2011 at 19:30

    Acabei de trollar um corretor da Gafisa.

    C
    19:07:06
    Bem-vindo(a) Murilo Botelho, você acessou o canal exclusivo de vendas Gafisa. Quais são as características do imóvel que deseja comprar?
    Murilo Botelho
    19:08:29
    olá, gostaria de saber o valor daquele empreendimento de vcs no bom retiro
    Co
    19:08:46
    Ola Murilo
    C
    19:08:50
    So um momento
    C
    19:09:05
    Seria o central life
    Murilo Botelho
    19:09:33
    Isso.
    Claudio
    19:09:56
    Tenho apenas 1 unidade de 96m²
    C
    19:10:02
    o restante esta todo vendido
    C
    19:10:24
    entrega em setembrio de 2013
    C
    19:12:07
    esta saindo no valor de R$ 522.072,10
    C
    19:12:15
    esta dentro do que procura?
    Murilo Botelho
    19:12:50
    está, sim. mas eu gostaria de saber se à vista tem desconto. Não pretendo financiá-lo.
    C
    19:12:55
    Podemos marcar uma visita no escritórios da Gafisa. pois nao pode visitar a obra
    C
    19:13:20
    Claro que tem desconto
    Murilo Botelho
    19:13:48
    percentualmente, seria na ordem de quanto, mais ou menos?
    C
    19:14:53
    mas o desconto fica melhor quando o senhor vem aqui no escritórios pois eu tenho uma argumento para a construtora que o senhor esta na mesa querendo comprar a vista. o peso e maior. mas irei fazer uma simulaçao. so um momento
    C
    19:16:26
    Uma media de 469 000 mil
    Murilo Botelho
    19:17:37
    Legal, Claudio. É que eu gostaria de pagar por volta de uns R$ 400, 420 mil, entendeu?
    Murilo Botelho
    19:17:59
    É o que tenho no momento e não pretendo financiar nem um centavo sequer.
    C
    19:17:59
    so um momento
    Claudio
    19:18:25
    ok.. segura mais um minutinho por favor.
    C
    19:19:10
    Murilo
    Claudio
    19:19:14
    posso te ligar
    C
    19:20:07
    Consegui uma condiçao boa mas preciso falar com o senhor
    Murilo Botelho
    19:21:24
    pode sim. me liga no

    E então ele me ligou, oferecendo o apartamento por R$ 420 mil. Um desconto de R$ 100 mil ou 20%. Não é o suficiente para um imóvel no Bom Retiro. 100 m² lá deveria custar no máximo R$ 250 mil e olhe lá. Mas já é um sinal de desespero. Ele ainda disse que voltaram seis unidades do empreendimento que não conseguiram financiamento. Imagina só o rombo que os caras não tomaram.

    0
    • danilo 20 de dezembro de 2011 at 19:39

      Juro que achei q vc fosse oferecer 300 mil.

      0
      • Muca CG Muita Treta 20 de dezembro de 2011 at 19:44

        Pensei nisso. Mas aí ele ia se ligar que eu era Troll e não daria prosseguimento à brincadeira.

        0
        • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 19:48

          detalhe que me foi contado por um cara da Gafisa: os preços no canal internet são mais caros, indo falar com os caras a possibilidade de descontos é maior.

          Além disso os próprios caras da Gafisa podem comprar com desconto ainda maior, em cima desse desconto que eles dão…

          0
        • Luiz 20 de dezembro de 2011 at 19:52

          certo mano muca, rsrs

          vc quer derrubar mesmo o preço do imóvel?

          faça silencio absoluto…
          não ligue, não entre no site, não pergunte
          é o que deixa eles mais desesperado, pior que qualquer trote

          0
        • Fred Henrique 21 de dezembro de 2011 at 01:31

          O pior é que ele já decorou o teu nome “Murilo Botelho”.

          Sugiro, para a próxima trollada, que você use “Botelho Pinto”.

          (Brincadeira, rzrzrz.)

          0
          • Galvão 21 de dezembro de 2011 at 08:35

            Isso, porque segundo o corretor era o último apartamento, todos os outros já estavam vendidos.

            0
    • Bubble Breaker 20 de dezembro de 2011 at 19:51

      Muca, fiz o mesmo na Even…

      Perguntei sobre um empreendimento perto de casa (124 m2) entregue em agosto/11 (segundo o site dos caras) e eles me disseram que estava todo vendido.

      Detalhe: apesar de todo vendido, e de ter sido entregue em Agosto/11 o prédio está com 80% das luzes apagadas… mas nem entrei neste mérito durante a conversa.

      Rapidamente ele me ofereceu um empreendimento similar (113 m2) no mesmo bairro – uma unidade que acabara de ser devolvida. Pediu R$ 540.000,00 – pronto para morar.

      Disse que gostaria de pagar à vista, e se seria possível um desconto de 30%. Ele me disse que sim!!!

      Ou seja, de R$ 540.000, sairia por R$ 378.000,00 – um preço que considero um pouco bolhudo ainda.

      Mas não teve nem barganha por parte do cara… eu devia ter mandado R$ 300.000,00 na lata e ver o que acontecia.

      Eu não acredito em estouro da bolha e quadros apocalípticos… acredito sim na redução dos preços para patamares justos – acho que um ap novo em SP deve custar de R$ 2.500,00 a R$ 3.000,00 o m2, no máximo. Usados, entre R$ 1.500,00 e R$ 2.500,00 , dependendo do estado.

      Sinto que estamos próximos disso, ao menos em algumas regiões de SP.

      Segundo relatos aqui do blog, creio que a situação no Rio e em Brasília é mais complicada… mas igualmente insustentável.

      Justiça para todos!

      0
      • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 19:57

        concordo, o preço justo é por aí mesmo… se os caras pagaram os tubos pelos terrenos, problema deles que fizeram mal negócio… não sou obrigado a bancar as burradas deles

        0
        • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 19:58

          eles que morram no prejuízo ou fiquem com apartamento encalhado na mão

          0
      • Luiz 20 de dezembro de 2011 at 19:58

        dica:
        nunca faça uma oferta, nunca
        vc diz que o imovel é lindo, que a patroa vai adorar, elogia o lugar, elogia até a gravata do cara

        ai vc lança a isca, “puxa só tenho 300 mil em dinehiro”, e “não posso financiar pq toh com um problema aí” (sem entrar em detalhes)
        Deixa o nome o telefone anota 300k no papel meio semquerer e vai embora.

        0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 05:10

      genial cara!!! muita treta!!!

      da proxima vez chega com uma maleta de dinheiro e abre na cara dele e fala: R$300mil pegar ou largar hahahahahahha

      mas por favor, nao compre ap na planta, com entrega pra set/2013, isso e’ maior loucura

      0
      • Muca CG Muita Treta 21 de dezembro de 2011 at 08:55

        Mrk, com certeza não compraria um imóvel na planta. A trollada foi só um teste para notar o desespero da Gafisa. Para falar a verdade, antes de 2014, nem pensarei em adquirir imóvel (não por conta da Copa, mas para ver os preços se ajustarem bem).

        0
  • Zoom 20 de dezembro de 2011 at 19:41

    A Gafisa levou uma boiada com a alta da IBOVESP.

    0
    • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 19:48

      virou Gafiza, para combinar com rizada…

      0
      • Felipe 20 de dezembro de 2011 at 20:33

        rzrzrzrzrz

        0
    • Cleyton 20 de dezembro de 2011 at 20:26

      Acho que é a sardinhada tentando sustentar o preço.Tá com ressaca? Bebe mais que passa!

      0
  • Zoom 20 de dezembro de 2011 at 19:51

    Bancos cubanos começam a oferecer empréstimos imobiliários.

    A bolha começando aí gente. kkkkk

    Fonte: folha.uol.com.br/mundo/1024033-bancos-cubanos-comecam-a-oferecer-emprestimos-imobiliarios.shtml

    0
    • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 21:10

      vou correndo comprar lá…

      mas antes tenho que vender aqui: alguém quer um quarto e sala no Botafogo por meros 800 mil?

      Preço de ocasião, porque estava 950 mil… 150 mil de desconto!!

      0
  • eam 20 de dezembro de 2011 at 19:54

    …e olha aí o artigo q postei no tópico anterior virando um tópico! Q orgulho… rs
    Pelo menos ele, o artigo, fez o Bolha e muitos colegas aqui do blog se divertirem um pouco nesta escaldante tarde de terça-feira.
    Bom, agora é a minha hora de se divertir um pouco tbem, dando umas pedaladas pelas ruas de SP City…
    Uma boa noite a todos e boas risadas !

    0
  • Muca CG Muita Treta 20 de dezembro de 2011 at 19:55

    Olha a bolha do Panetone

    http://guia.folha.com.br/guloseimas/1023506-loja-da-desconto-de-ate-r-21-em-panetones-e-bolos.shtml

    Loja dá desconto de até R$ 21 em panetones e bolos
    As informações estão atualizadas até a data acima. Sugerimos contatar o local para confirmar as informações
    DE SÃO PAULO

    Para quem ainda não comprou panetone para o Natal, a loja de fábrica da rede Ofner (zona sul de São Paulo) apresenta uma promoção para toda a linha de produtos natalinos.

    Siga o Guia no Twitter
    Curta a página do Guia no Facebook
    Panetone de 3 kg com presépio de chocolate custa R$ 675
    Válidos até o fim do estoque, os descontos chegam a R$ 21,30 –caso do panetone trufado, que passou de R$ 61,50 para R$ 40,20.

    Divulgação

    Loja da Ofner tem desconto na linha de Natal; panetone trufado (1 kg – foto) passa de R$ 61,50 para R$ 40,20
    Confira lista de panetones e bolos natalinos disponíveis:

    Panetone zero – R$ 37,70 por R$ 28,30 (750g)
    Produto light sem adição de açúcar com redução calórica de 28% e redução de gordura de 50%.

    Panetone tradicional – R$ 18,20 por R$ 12,70 (500g)
    Panetone tradicional, com frutas cristalizadas e uvas passas.

    Panetone com gotas de chocolate – R$ 27,50 por 20,50 (700g)
    Mesmas características do panetone tradicional, mas recheado com gotas de chocolate.

    Panetone gianduia – R$ 61,50 por 46,20 (1 kg)
    Pura massa fermentada naturalmente com leve aromatização e recheio de chocolate com avelã (gianduia).

    Panetone com doce de leite – R$ 49,20 por R$ 36,90 (1 kg)
    As mesmas características do panetone tradicional, mas recheado com doce de leite.

    Panetone com musse – R$ 53,50 por R$ 40,20 (1 kg)
    Panetone recheado com musse de chocolate.

    Panetone Zabaione – R$ 61,50 por R$ 40,20 (1 Kg)
    Mesmas características do pnetone tradicional, mas recheado com creme doce de ovos batidos e vinho (Zabaione).

    Panetone trufado – R$ 61,50 por R$ 40,20 (1 kg)
    Mesma receita do panetone com gotas de chocolate e recheado com a exclusiva receita de trufas da marca.

    Bolo genovês – R$ 55,70 por R$ 41,80 (1 kg)
    Massa fermentada naturalmente com leve aroma cítrico recheada com damascos e uvas passas e cobertura de claras de ovos e caju. Decorado com amêndoas e granela de açúcar.

    Bolo de Reis – R$ 53,50 por R$ 40,20 (1 kg)
    Tradicional receita portuguesa de massa recheada com frutas inteiras e em pedaços, nozes, amêndoas e passas.

    Stollen – R$ 43 por 32,30 (650g)
    Tradicional receita alemã com nozes, amêndoas, frutas cítricas, passas e cobertura especial de caju, açúcar e canela.

    0
    • Luiz 20 de dezembro de 2011 at 20:22

      panetone brasileiro vendido em NY = us$8,00

      0
      • Paty 21 de dezembro de 2011 at 11:29

        comprei ontem meu panetone made Brazil por 6,25 dolares..

        0
    • O Poeta da Bolha 20 de dezembro de 2011 at 20:26

      José Roberto Arruda deliciar-se-á, indubitavelmente.

      0
    • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 20:45

      ele podem até dar de graça que eu não como… faço que nem os apartamentos com preços absurdos, carros que não valem a metade do preço, shows e CD’s de “artistas” e todas essas outras coisas supérfluas que as pessoas se matam para comprar mais caro neste país, por mim, ficam mofando na prateleira.

      0
      • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 20:49

        vale tb para ingresso de futebol, cinema, teatro…

        0
        • xyz 20 de dezembro de 2011 at 21:19

          Você é um legítimo membro deste blog.
          Ultimamente, com a massificação do blog, houve uma diversificação do perfil, mas isso também é bom.

          0
          • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 21:41

            nosso dinheiro realmente não está valendo mais nada…

            Olha só:

            20/12/2011 – 12h19
            Polícia encontra R$ 2 milhões escondidos em esgoto de apartamento de luxo no Rio

            2 milhões já é dinheiro para jogar no esgoto… é por isso que os preços estão este absurdo! Mas no lixo aqui da rua eu não vi dinheiro ainda não…

            0
            • Indecoroso 20 de dezembro de 2011 at 22:40

              “Dinheiro sujo” literalmente…

              0
        • Troll 20 de dezembro de 2011 at 23:37

          Um verdadeiro troll da economia….hehehe

          0
  • RT 20 de dezembro de 2011 at 20:05

    Sim, claro que os preços vão continuar em ascensão! Que “acompanhar a inflação” que nada, tem espaço para valorizar muito mais!

    3 quartos ANTIGO no Humaitá custando mais de um milhão… 2 quartos quebrado custando 650 mil… apartamento no Cachambi “valendo” 500 mil… quitinete em Copa custando 400 mil… isso é só o começo!

    À medida que a “nova classe média” for se consolidando e adquirindo mais cartões de crédito, com os quais financiarão essas oportunidades imperdíveis, os preços vão seguir avançando!

    E pobres como nós só poderão lamentar.

    Ironic mode off.

    0
    • GPTFN 21 de dezembro de 2011 at 11:41

      Kitinete em copa por 400k?
      Que achado!!
      Vou comprar agora!!!!

      olha pra quem acha que é só zona sul,
      na zona norte tem muito imóvel acima de 400k
      joga no nosso amigo zap.

      E o pior, as vezes tem até prédio bonito, mas a vizinhança…

      0
  • O Poeta da Bolha 20 de dezembro de 2011 at 20:08

    “Words, Words, Words” – proferiria Hamlet, uma vez mais, diante de tamanha aleivosia. Sim!, palavras, palavras, apenas palavras contumeliosas, oriundas de almas biltres e mesquinhas. Patético.

    Milhafres especuladores: vede, e debalde lamentai o ocaso de vossa ganância enquanto eu me regozijo junto aos confrades que freqüentam este tão nobre espaço virtual, copioso de observações pertinazes, dignas mesmo da própria águia de São João Evangelista.

    E queiram perdoar, mil vezes, a mim o meu obtuso desconhecimento acerca das movimentações que se realizam nas bolsas – mas como vós, meus caros, vêem esse recente deslizar dos papéis da Gafisa? Decerto significam grandes perdas, mas afetará isso, outrossim, os outros pusilânimes… digo, empreendimentos imobiliários especulativos? Grato a quem lançar-me luz sobre tal assunto, uma centelha que seja.

    0
    • O Poeta da Bolha 20 de dezembro de 2011 at 20:15

      Perdão pelo lapsus calami, deveras é o efeito do vinho, ou das morenas de olhos claros… retifico em tempo: quis dizer como vós VEDES o recente deslizar da Gafisa.

      0
    • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 20:48

      What is the matter, my lord?

      já falei que vou cobrar meus direitos…

      e investir a indenização na Gafiza!

      0
    • Ócio Livre 20 de dezembro de 2011 at 21:12

      Hahahaha, entre as muitas coisas que tenho aprendido aqui no Bolha agora também está a palavra “milhafre”.

      0
    • LB 21 de dezembro de 2011 at 00:19

      Apenas articularei uma interjeição: vôti!

      0
  • Luiz 20 de dezembro de 2011 at 20:25

    prezados, contenham a EUFORIA

    a bolha não estourou nem vai estourar tão cedo

    basta anunciarem a fusão da GFA com PDG + $$$ do BNDES e começamos tudo de novo

    0
    • Carlos Eduardo 20 de dezembro de 2011 at 20:59

      Legal, ai eles pegam toda essa grana para fazer oque mesmo ???

      construir mais ? e aumentar mais os preços ?

      ou esse dinheiro vai ser a mesada para as empresas sobreviverem ???

      porque vender vender imovel é que não vão… á tempos essas costrutoras mudaram de ramo…

      o ramo delas agora é sustentar estatisticas do governo, estão longe de ser empresas auto sustentaveis e rentaveis…

      não esquenta, uma hora o governo se liga que “não dá para contratar o pais inteiro”…

      assim que os setores produtivos do nosso pais abrir o bico, vide nossas industria…

      é isso que acontece ao tirar grana de setor produtivo e colocar em setores irresponsaveis…

      esse governo intrusivo não vai muito longe!!!

      0
    • Carlos Eduardo 20 de dezembro de 2011 at 21:01

      Há não esquece que essas empresas vão ter que tirar os esqueletos do armário!

      e bota esqueleto ai!

      o armário delas é praticamente um cemitério de projetos mal sucedidos a serem concluidos…

      0
    • Carlos Eduardo 20 de dezembro de 2011 at 21:06

      Acho que a melhor seria a GFA + Carrefour ou PDG + PT

      talvez a melhor mesmo seja se fundir com o Banco Central …

      ( PT + PDG + GFA + BC + GLOBO ) olha a beleza !

      kkkkkk

      que vergonha!

      0
    • xyz 20 de dezembro de 2011 at 21:26

      É meu caro. Muitos ainda ignoram a capacidade do governo de cometer irresponsabilidades com o nosso dinheiro e com o nosso futuro.
      Mas infelizmente vai chegar uma hora que nem o governo terá mais fôlego para soprar a bolha.

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 11:52

        isso mesmo xisipsolonzê

        lembrem da fusão SBT + Panamericano + Caixa + Novela comunista + bolinha de papel

        esse governo ainda tem 400 bilhões em reservas

        0
  • Ze Bom Dirolo 20 de dezembro de 2011 at 21:38

    Vendo imobiliária linda, vista para o Lago Paranoá em Brasília. Imóvel de alto padrão, ambiente seleto e aconchegante. O ambiente possui 100 m2 de puro requinte. Possibilidade de alta valorização até 2030. Não perca essa oportunidade. Aceitamos propostas, troca, título público, carro, eletrodomésticos, gado, criação de passarinho ou coelho.

    Hahahahahah

    0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 11:54

      coelhinhos amestrados é com o jotajota
      aliás cadê ele?

      0
  • Nobel 20 de dezembro de 2011 at 21:57

    O artigo todo esta no blog dele no estadão.

    Será que a China vai quebrar?
    20 de dezembro de 2011 | 9h12
    Paul Krugman

    Pense no seguinte cenário: o crescimento recente dependeu de um grande boom na construção alimentado por uma acentuada valorização imobiliária, apresentando todos os sinais clássicos de uma bolha. Houve um rápido crescimento no crédito – sendo que boa parte dessa expansão não ocorreu por meio da atividade bancária normal, e sim graças a “bancos clandestinos” que não estão sujeitos à supervisão do governo nem são garantidos por ele. Agora a bolha está estourando – e há motivos reais para temer uma crise econômica e financeira…

    China peida , a gente se caga todo.

    0
  • Bob Alex 20 de dezembro de 2011 at 22:07

    Olha só o que recebi por email:

    APARTAMENTOS BOTAFOGO GAFISA

    MORE NO MELHOR DE BOTAFOGO – RUA SOROCABA

    DESCONTOS INÉDITOS E INACREDITÁVEIS

    APARTAMENTO 158m² BOTAFOGO

    DE: R$ 1.169.000,00

    POR: 799 MIL REAIS(VALORES PARA PAGAMENTO À VISTA)

    R$ 5.057,00/m²

    APARTAMENTO 185m² BOTAFOGO

    DE: R$ 1.302.000,00

    POR: 959 MIL REAIS(VALORES PARA PAGAMENTO À VISTA)

    R$ 5.183,00/m²

    NEGOCIAÇÃO DIRETA COM A GAFISA VENDAS

    Aguardamos o seu retorno para alinharmos a melhor forma para a sua compra.

    0
    • Shakespeare 20 de dezembro de 2011 at 23:41

      já morei na rua Sorocaba e sei que lá, nos horários de saída e entrada de escola ninguém anda…

      0
    • LB 21 de dezembro de 2011 at 00:18

      Putz…

      Meio tarde para querer fazer caixa a todo custo, não acham ?

      É impressionante como o presidente e a diretoria da GAFISA só começaram a se mexer depois que já era tarde….. Como pode isso ???? Eles não serão resposabilizados ?!?!?

      0
    • pensativo 21 de dezembro de 2011 at 04:32

      Se estes descontos forem verdade, já podem abrir o champagne. A bolha já estourou, daqui para frente é só tristeza, ou alegria, como preferirem.
      Aposto que o mercado vai devolver 2008, 2009, 2010 e 2011. Se a Merda for grande mesmo, regurgitará também 2006 e 2007.
      Como eu já disse, 60% de desconto é para ficar caro, levando em consideração Rio e BSB. Nestes lugares o justo seria cair 75%. Ou acham que o brasileiro pão-com-ovo ficou realmente milionário com uma canetada do PT.
      Como diz Roberto Carlos: 2012 será um ano cheio de emoções!!!

      0
      • GPTFN 21 de dezembro de 2011 at 11:55

        Talvez esse seja o inicio do estouro.
        Mas realmente pra ficar caro ainda tem que cair muito.
        Ainda mais se levar em consideração que ao financiar o valor multiplica por 2x,3x,4x dependendo do prazo.
        E em 2007, 700k pra cima (excluídos os imóveis de alto luxo), era preço de zona sul A ( ipanema, leblon, lagoa, etc). Ou seja algo que todos queriam e pouquissimos podiam ter.
        Hoje a realidade é que que não é milionário nem é gente. Os corretores ignoram.
        Hoje até na baixada você vê imóveis por esse valor.

        0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 05:14

      AHAHAHAHAHA eu conheco 2 especuladores vendendo nesse mesmo empreendimento por R$995mil o mesmo imovel (mesma metragem e tudo) que te ofereceram a R$799mil

      em homenagem a eles eu vou dancar..

      creeeeeeeeuuuu creeeeeeeeuuuu creeeeeeeeuuuu creu creu creu creu

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 11:56

        hahahaha
        hoje esta todo mundo bem humorado
        até o mrk dançando o creu
        30% de desconto = velocidade 1 ainda

        0
  • Guilherme Eduardo 20 de dezembro de 2011 at 22:21

    UOL.COM.BR

    h ttp :// economia.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2011/12/20/vendas-de-imoveis-novos-em-sp-caem-mais-de-30-em-outubro.jhtm

    Vendas de imóveis novos em SP caem mais de 30% em outubro

    SÃO PAULO, 20 Dez (Reuters) – As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 33,5 por cento em outubro na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 2.017 unidades, informou nesta terça-feira o sindicato que representa o setor imobiliário na capital paulista, Secovi-SP.

    Em relação a setembro, o recuo nas vendas foi maior, de 37,7 por cento, enquanto nos dez meses até outubro a capital paulista acumula queda de 20,8 por cento.

    A velocidade de vendas, medida pela relação de venda sobre oferta, também cedeu em outubro, para 11,9 por cento, quase metade do nível apurado um ano antes, de 23,5 por cento. Em setembro, o índice ficou em 18,7 por cento.

    Segundo a entidade, o resultado foi “atípico” para o décimo mês do ano, marcado por queda nas vendas em todos os meses na comparação anual. “O volume de unidades comercializadas ficará aquém do observado em 2010, conforme tendência observada ao longo do ano”, afirmou o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci.

    Segundo ele, o menor volume de lançamentos de dois dormitórios no período pode ser apontado como uma das razões para a queda nas vendas.

    “Os lançamentos de dois dormitórios representavam 52 por cento do total no último trimestre. Agora cresceu muito o lançamento de três dormitórios”, disse ele à Reuters.

    “Voltaram a ser produzidos imóveis para o segmento tradicional, que abrange a classe média alta e o exigente mercado emergente, o que reduz a oferta de unidades por empreendimento”, afirmou.

    O segmento de três dormitórios respondeu pelo maior volume do total comercializado em outubro, com 54,1 por cento.

    Em outubro, os lançamentos recuaram 39,4 por cento ante o mesmo mês de 2010, para 3.215 unidades, mas cresceram 17,4 por cento sobre setembro.

    (Por Vivian Pereira

    0
  • pulga 20 de dezembro de 2011 at 22:23

    Tenho feito printscreen no zap e me divertido bastante com o aumento do numero de apartamentos a venda. Copacabana, por exemplo, em agosto havia 4687 e em dezembro, 5298 aps. a venda. A tijuca tinha 2640, agora 2939. Botafogo, 1367, agora com 1698… e por ai vai.

    0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 11:59

      quando os preços começarem a cair
      muitos imóveis vão sumir

      zap é só ferramenta de especulação, não tem pé na realidade

      0
    • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 17:08

      agora temos uma bolha de ofertas

      0
  • Guilherme Eduardo 20 de dezembro de 2011 at 22:34

    Essa é do dia 13/dez/2011. Olha o absurdo a que chegamos:

    ht tp://e conomia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/12/13/boom-imobiliario-em-santos-valoriza-ate-predio-torto-na-praia.jhtm

    Boom imobiliário em Santos valoriza até prédio torto na praia

    A constante valorização de apartamentos não se restringe somente aos grandes empreendimentos de luxo, que estão sendo erguidos em Santos (litoral de São Paulo). Os famosos “prédios tortos”, na orla da praia, mesmo com esse problema estrutural, chegaram a valorizar até 75% nos dois últimos anos.

    Os prédios tortos chamam atenção pela inclinação acentuada. Na época de sua construção, principalmente nas décadas de 40, 50 e 60 do século passado, as fundações usadas eram pouco profundas. Por causa do solo da cidade, os alicerces foram cedendo, e eles ficaram inclinados. Segundo a prefeitura, há mais de 90 prédios nessa situação. Foram perdendo valor de mercado porque as pessoas não queriam comprar um apartamento nesses locais.

    No entanto, o boom imobiliário da cidade, estimulado principalmente pelo petróleo do pré-sal, vem fazendo com que até esses prédios sejam valorizados.

    O edifício Maembi, no bairro do Embaré, de classe média, é um dos que apresentam mais desalinhamento, com 1,18 m de desaprumo. Um apartamento de dois dormitórios, com 100 metros quadrados, há dois anos custava cerca de R$ 140 mil e atualmente está na faixa de R$ 230 mil, uma alta de 64%.

    Para o corretor imobiliário Edmar Ribeiro Soares, que está no mercado há 42 anos, essa é a melhor fase de venda de imóveis na região. “Atualmente, as imobiliárias próximas à orla da praia estão vendendo de cinco a sete apartamentos por mês, e a tendência é que o mercado continue aquecido”.

    Ele também cita outros prédios tortos, no bairro do Boqueirão, em que um apartamento de 110 metros quadrados estava à venda há dois anos por R$ 140 mil e hoje custa R$ 245 mil, variação de 75%.

    Para se ter uma idéia da valorização que acontece em Santos nos últimos anos, o delegado do Conselho Recional de Corretores de Imóveis (Creci) na Baixada Santista, Carlos Ferreira, cita um empreendimento no bairro do Gonzaga, uma região de alto padrão. No lançamento, há dois anos, estava à venda por R$ 380 mil. Hoje custa cerca de R$ 750 mil, quase o dobro.

    A valorização se estende a outros pontos da cidade. Um apartamento no bairro de classe média da Pompéia custava R$ 550 mil no lançamento, um ano atrás, mas agora vale R$ 980 mil, uma alta de quase 80%.

    Um sobrado em um condomínio do Marapé, bairro de classe média baixa, dois anos atrás, valia R$ 230 mil, mas hoje em dia está em R$ 350 mil, mais de 50% de ganho.

    Essa alta nos preços dos imóveis se estende também aos conjuntos comerciais. “Um empreendimento comercial no Boqueirão, em uma das avenidas mais movimentadas de Santos, no lançamento era vendido pelo preço de R$ 240 mil. Atualmente, dois anos depois, custa cerca de R$ 380 mil, quase 60% de elevação. A valorização dos imóveis de alto padrão é de quase 27% ao ano”, afirma Ferreira.

    Em outra imobiliária de Santos, a corretora Cristina Baroni diz que as vendas estão mesmo em alta e também constata a valorização. “Num prédio com vista para o mar, no canal 5 (área de classe média), um apartamento de dois dormitórios com garagem custava cerca de R$ 160 mil há um ano. Hoje estão querendo vender por R$ 280 mil [75% a mais]”.

    Para o delegado do Creci, alguns fatores ajudam para que o preço dos imóveis continue subindo. “A descoberta do petróleo na camada de pré-sal, as obras de ampliação do porto de Santos, o projeto de ponte para ligar Guarujá e Santos e o projeto do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), entre Santos e São Vicente deram um impulso no mercado imobiliário da região. Se tudo isso sair do papel, nos próximos anos, teremos um boom imobiliário com crescimento constante não só em Santos, mas em todas as cidades da Baixada Santista.”

    0
    • Troll 20 de dezembro de 2011 at 23:53

      É impressionante o nível de desinformação dos nossos especialistas da imprensa. Insistem que a cidade sofre “boom” devido ao pré-sal. Entretanto, reitero minha visão de posts anteriores: o pré-sal nada tem a ver com a cidade de Santos. O pré sal está a aproximadamente 300 km da costa, e a 7 km de profundidade. Mas ainda sim é impressionante conversar com os corretores e vê-los afirmar que o pré-sal é da cidade de Santos. Repetem a torto e a direito que Santos será maior do que Campos (estado do RJ), e já contam com royalties que ainda não existem. Tudo aqui é pré-sal. Os políticos daqui fazem campanha em cima do pré-sal, focando geração de empregos e enganando o grande público desinformado. Quando o povo e os corretores sacarem que não é bem assim e que toda mão de obra do pré-sal virá de fora, o tombo vai ser grande. Afinal, Santos vive sua própria bolha.

      0
      • GPTFN 21 de dezembro de 2011 at 12:07

        Interessante que eu li uma matéria feita por especialistas americanos se não em engano,
        falando o porque seria inviável e anti-economico explorar petróleo em grandes profundidades( leia-se pré-sal).

        Ou seja provavelmente não sairá do plano das ideias e do desvio de verbas.

        Não encontrei o link, mas tem uma materia no estadão:
        blogs. estadao.com .br/radar-economico/2011/11/03/empresas-trocam-pre-sal-por-outros-paises-diz-consultor/

        0
  • Guilherme Eduardo 20 de dezembro de 2011 at 22:36

    h ttp ://econ omia.estadao.com.br/noticias/economia,bancos-ficam-mais-rigorosos-com-financiamento,96396,0.htm

    Bancos ficam mais rigorosos com financiamento (Estadao.com.br)

    SÃO PAULO – A escalada da inadimplência e o agravamento da crise internacional deixaram os bancos mais rigorosos na concessão de crédito neste Natal. Dinheiro tem, mas apenas para aqueles que representam menor risco para as instituições financeiras. O problema é que há uma demanda forte vinda de consumidores classificados como problemáticos.

    “Será um Natal mais pobre, mais comedido”, diz o economista da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Nicolas Tingas. Ele conta que a inadimplência começou a incomodar os bancos entre abril e maio. Primeiro imaginou-se que seria uma alta pontual, que se acomodaria ao longo dos meses. Mas isso não ocorreu e os indicadores continuaram a subir. A solução foi fechar o cofre com regras mais criteriosas para a concessão de crédito.

    “Foi necessário elevar a nota de corte para controlar a liberação dos empréstimos”, completa o presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), Renato Oliva. Hoje, comenta o executivo, há dois tipos de clientes. Um é aquele que tem conta corrente, cartão de crédito e outras operações no banco. O outro é o consumidor que não tem conta corrente no banco, mas pega empréstimo pessoal e financiamento de veículo.

    “No primeiro, a restrição se dá pela redução dos níveis de crédito disponível. No segundo, é preciso fazer uma escoragem mais rigorosa. Nesse caso, dependendo da nota de corte, concedo ou não o crédito”, destaca Oliva, ressaltando que há dinheiro no mercado, mas está mais caro e a mais difícil de ser liberado.

    O gerente executivo de Crédito do Banco Volkswagen, Thierry Soret, confirma o aperto nas linhas de financiamento. Segundo ele, o volume de pedidos aumentou nos últimos meses, mas o nível de concessão diminuiu. No ano passado, a média de aprovação estava em 58%. Neste ano, caiu para 49%. “É um recuo significativo e foi provocado especialmente pela qualidade do tomador.”

    Ele explica que, com prazos mais longos, acaba-se atraindo um perfil de cliente mais arriscado, com baixa bancarização, pouca experiência no mercado e renda menor. Até o mês de outubro a inadimplência do setor estava em 4,7% nos atrasos acima de 90 dias – 1,6 ponto porcentual superior ao verificado em igual período do ano passado.

    “Com esse avanço, as instituições acabam ficando mais receosas do que antes”, afirma o presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), Décio Carbonari de Almeida. Na avaliação dele, o principal motivador da escalada da inadimplência acima das expectativas é a inflação, que afetou o poder aquisitivo das famílias brasileiras.

    Muitos consumidores que não conseguiram pagar suas prestações em dia acabaram voltando ao mercado para reestruturar suas dívidas. O movimento elevou ainda mais a demanda por crédito, destaca Tingas, da Acrefi. Segundo ele, esse cenário exige cautela e moderação, especialmente por causa das incertezas em relação ao mercado externo e o impacto na economia doméstica. “O nível de emprego e renda no próximo ano ainda é um ponto de interrogação. Se houver alguma queda nesses dois indicadores, o nível de inadimplência pode piorar.”

    Medidas de incentivo. Mas os executivos são unânimes em afirmar que o Brasil tem fortes instrumentos para controlar os reflexos externos no mercado nacional, especialmente por meio do crédito. “As reservas estão em US$ 351 bilhões, o compulsório pode ser mexido e ainda há vários impostos passíveis de redução, como o IOF”, destaca Renato Oliva, da ABBC.

    Exemplo disso é que bastou o governo afrouxar algumas regras de controle do crédito em meados do mês passado para o mercado sentir alguma reação. Segundo o diretor de Varejo do Santander, Pedro Coutinho, a remoção de medidas macroprudenciais já começou a melhorar os níveis de crédito, que despencaram em outubro.

    “Da mesma maneira, os efeitos da redução do IOF para pessoa física devem ser percebidos com mais clareza em dezembro, que sempre é um mês bastante intenso para o mercado de crédito.” Apesar dos índices de inadimplência, o diretor afirma que não foi necessário fazer nenhuma mudança na política de concessão do banco. Isso porque a equipe da instituição está orientada a oferecer soluções diferenciadas para cada tipo de consumidor.

    Por enquanto, ninguém quer arriscar previsões para 2012. Mas a expectativa é que o índice de atraso nas contas do brasileiro atravesse o ano em alta e só comece a baixar no fim do primeiro trimestre. Isso se a crise internacional não se agravar ainda mais e se a economia interna voltar a reagir. “A preocupação nem é mais o Natal, que já está dado. O que interessa são as sinalizações para 2012, que por enquanto são negativas”, afirma Nicolas Tingas, da Acrefi.

    0
  • Dr. Estranho 20 de dezembro de 2011 at 23:05

    h ttp://oglobo.globo.com/eu-reporter/chuva-transforma-importante-rua-do-centro-de-nova-iguacu-em-rio-3487468

    Valorização de 30% ao ano mais a garantia de cocô boiando na sua porta? Não tem preço.

    0
    • Ratinho 21 de dezembro de 2011 at 09:00

      Agora eles vão vender como se fosse a Veneza brasileira…rsrss Se bem que em Veneza o preço deve ser inferior.

      0
      • Jonathas 21 de dezembro de 2011 at 12:44

        Ei, Recife é a veneza brasileira… com direito a cocô na porta e tá valorizando lá também! kkkkkkkkkkk

        0
  • Ghaspar 20 de dezembro de 2011 at 23:23

    Eu só gostaria que alguem me explicasse o seguinte:
    Em 2008 estava todo mundo FU…..e em 2010, ficou todo mundo milionário ???
    Com um simples estalar de dedos…em 2 anos …como se fosse mágica….kkk
    E porque o (s) autores de tamanha façanha não ganharam o Nobel de Economia ?????

    Há algo de muito podre no ar… Vem rola grossa pela frente( ou por traz…kkk) …Podem acreditar……A PEIA VEM GROSSA…kk

    0
    • LB 21 de dezembro de 2011 at 00:13

      Ghaspar,

      É exatamente com observações simples como a sua que conclui-se que há algo de errado… muito errado por aí.

      Se vc tiver um tempo, procure no youtube por “Entrevista com Peter Schiff Mises” e assista pelo menos a parte 2 e 3. Vc verá que ele chega a conclusão da existência da bolha imobiliária americana fazendo questionamentos e deduções simples, básicas. Isto é feeling 🙂

      0
    • Roberto Cesar 21 de dezembro de 2011 at 04:47

      Ghaspar,

      Se você visse o discurso dos ganhadores do premio nobel de economia desse ano você viria que a equipe econômica do molusco/dilma não fica muito aquém. Se eles piorarem um pouquinho eles ganham o nobel no ano que vem.

      0
    • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 09:41

      “Em 2008 estava todo mundo FU…..e em 2010, ficou todo mundo milionário” ….. e em 2012, todo mundo individado. hehee

      0
      • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 09:44

        O correto seria:
        Nada + Endividamento = Milhões..
        O negócio está invertido.
        Nada + Milhões = Endividamento..

        0
  • Henrique 20 de dezembro de 2011 at 23:38

    Aqui no nordeste aconteceu exatamente de acordo com a notícia. Todo mundo cansado de esperar os preços caírem, mas só sobem até o momento.

    0
    • LB 21 de dezembro de 2011 at 00:15

      A movimentação do mercado aqui no Nordeste tem um delay em relação às outras regiões. A subida foi tardia.. a descida e o PLOC acredito que também.

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:01

        exceto salvador
        foi o primeiro a implodir
        vejam o grafico do zap

        0
        • LB 21 de dezembro de 2011 at 17:15

          Recife mantem-se reticente… nada de baixar (por enquanto)

          0
  • Leandro 20 de dezembro de 2011 at 23:39

    Acho que a matéria anterior deveria ter ficado mais tempo em primeiro plano.

    0
    • FQ 21 de dezembro de 2011 at 11:39

      Concordo Leandro.

      A matéria ficou ofuscada e esta matéria atual é meio ambígua. Pois, embora, seja para nós engraçada, pode iludir alguns desinformados que cheguem pela primeira vez ao site.

      0
  • Leandro 20 de dezembro de 2011 at 23:54

    Artigo de hoje do mises sobre a bolha imobiliária chinesa:

    http:// http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1183

    0
  • O Poeta da Bolha 21 de dezembro de 2011 at 00:19

    h t t p : / / noticias.bol.uol.com.br/imoveis-decoracao/2011/12/20/valorizacao-de-imoveis-deve-continuar-ate-2017.jhtm

    Baboseiras e baboseiras. Enfado-me.

    0
    • Fred Henrique 21 de dezembro de 2011 at 01:37

      Até 2017!!!!!!!!!!!!

      La garantia soy yo!!!!!!!!!!!!!

      0
    • Pensativo 21 de dezembro de 2011 at 04:47

      Será que governo lançou um decreto determinando que os imóveis obrigatoriamente valorizarão até data não inferior a 2017, assim como fez o brasileiro para deixar de ser miserável maltrapilho e ingressar na novíssima classe média milionária?
      Já era; a farsa caiu; o rei está nu; agora é só ladeira abaixo.
      Aposto que a próxima noticia bombástica será um aporte multi-bilionário do Tesouro para salvar a CEF ou a incorporação deste com o BB.
      Preparem-se, 2012 vem ai!!!

      0
    • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 09:47

      Até 2017 e com 30% a.a de valorização.

      0
  • MrK 21 de dezembro de 2011 at 05:25

    a perguntinha que nao quer calar

    a gafisa ta dando 30% de desconto nos seus imoveis encalhados como regra… no seu balanco ela vai ajustar o valor do estoque em 30% pra baixo e reconhecer essa “perda”?!

    eu aposto que nao…

    podem ter certeza, isso vai criar um esqueleto no armario das construtoras, pois o procedimento correto seria baixar o ativo (estoque) e jogar essa trolha pra resultado (prejuizo), piorando ainda mais o que ja era feio… olho aberto amigo investidor!!!

    0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 05:55

      nao estou conseguindo acessar o site, gafisa.com.br/ri

      alguem poderia ir la na demonstracao de resultado e olhar o valor do estoque (apartamentos) e depois multiplicar por 0.3 pra se ter ideia do tamanho do esqueleto… ou melhor, cemiterio?

      0
      • JP 21 de dezembro de 2011 at 08:52

        Olá,

        O estoque não é à preço de custo de construção? Ele não contempla o lucro (ou prejuízo) esperado, resumidamente: o valor de venda entra como conta de resultado e depois, abatidos os custos, para a conta lucro/prejuízo acumulado (patrimônio líquido)

        Abraço

        0
        • MrK 21 de dezembro de 2011 at 08:57

          JP voce tem um ponto!

          nas empresas de consumo sei que o estoque eh como voce falou, a custo mesmo, mas construcao civil tem normas tao diferentes que eu nao sei se e’ a custo ou a mercado, mas faz sentido o que voce falou! pelo menos nessa elas ‘escaparam’ hehehehe

          0
        • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 10:32

          Não é o caso das construtoras. O estoque não possui o valor de custo (pois isso eles também não sabem com certeza) e sim uma estimativa do valor mínimo de venda.

          Te garanto que já estão vendendo abaixo do valor estimado de estoque. Eu ofereci R$ 400 mil por um pronto que está por R$ 750 mil e se fizeram de difíceis mas deixaram a entender que eu não deveria desistir. Acabaram ligando uma semana depois, para tentar oferecer por R$ 420 mil, quando eu disse que não tinha mais interesse pois tinha achado um usado melhor (já tem torneira, piso de madeira maçiça, armários na cozinha) por R$ 375 mil.

          Mas são casos e casos. A imobiliária que encontrou o de 375 mil para mim me disse algo interessante: tudo depende de o quanto a corretora investiu no empreendimento. Quanto mais investiram, menos desconto darão. Preferem deixar de vender (sacaneando a construtora) do que reduzir a comissão ao ponto de não conseguir pagar por stand, salários, apartamento mobiliado e etc. Disse que os descontos virão apenas quando os corretores pedirem demissão, admitindo que tomaram uma decisão equivocada em suas carreiras.

          Na Mooca encontrei diversos prédios entregues há mais de 2 anos que ainda possuem corretores de plantão. Os caras não dão desconto nenhum, parece uma questão de honra. Ganharam uma boa grana há dois anos, que equivale a um salário de fome se diluída por todo esse período. Não querem admitir que acabou a festa.

          0
          • Daniel Ribeiro 31 de janeiro de 2012 at 04:13

            No Rio está acontecendo um fenômeno engraçado. Edificio que durante a construção estava 100% vendido, reabriu na cara de pau stand de vendas da própria contstrutora 3 meses depois de pronto!

            0
        • FQ 21 de dezembro de 2011 at 11:50

          JP,

          Você está certo. O Estoque entra na contabilidade com o seu valor de custo. Exceto quando, obviamente, o custo excedeu o valor de venda no mercado (prejuízo), quando então, adota-se o menor valor.

          Mrk e JP,

          Vejam o que diz o RI da João Fortes Engenharia:


          ———————————————————-
          Imóveis a comercializar (Estoques)
          ———————————————————

          Nos balanços da Companhia, os imóveis prontos a comercializar estão demonstrados ao custo de construção, que não excede ao seu valor líquido realizável. No caso de imóveis em construção, a parcela em estoque corresponde ao custo incorrido das unidades ainda não comercializadas.

          http:/ / w ww.mzweb.com.br/joaofortes/web/conteudo_pt.asp?tipo=25552&idioma=0&conta=28
          ———————————————————–

          0
        • lrp 21 de dezembro de 2011 at 15:43

          O estoque deve ser reconhecido pelo preço de custo ou o valor de mercado, dos dois o menor, a diferença deve ser reconhecida como despesa de ajuste a valor de mercado, isso de acordo com as normas contabeis e devem estar evidenciadas no balanço da empresa.

          0
      • Anonymous 21 de dezembro de 2011 at 10:40

        gafisa . riweb . com . br/Download.aspx?Arquivo=SoxTbeaXrbnt+1Vuzt3QmA==

        Estoques, 30/09/2011: $ 897.270 mil Reais

        0
        • MrK 21 de dezembro de 2011 at 10:50

          pois eh…

          mas eh preciso saber como eh composto o estoque, eu lembro de ler em um relatorio que eles elevaram o estoque por marcacao de preco a mercado, se isso for verdade o estoque varia sim por preco de mercado (e nao por custo que eh fixo), mas eu nao sou especialista em contabilidade de construcao civil…

          enfim, se for a mercado eles tem, digamos uns R$250milhoes de esqueletos no armario…pelo menos…

          0
          • FQ 21 de dezembro de 2011 at 11:56

            MRk,

            Olhe meu post ali em cima, o que entra na contabilidade é o valor de custo, exceto quando este excede o valor de mercado, quando, obviamente, adota-se o menor.

            RI da João Fortes Engenharia:


            ———————————————————-
            Apuração do resultado de incorporação e venda de imóveis –
            – Imóveis a comercializar (Estoques) –

            ———————————————————
            Nos balanços da Companhia, os imóveis prontos a comercializar estão demonstrados ao custo de construção, que não excede ao seu valor líquido realizável. No caso de imóveis em construção, a parcela em estoque corresponde ao custo incorrido das unidades ainda não comercializadas.
            ———————————————————–

            http:/ / w ww.mzweb.com.br/joaofortes/web/conteudo_pt.asp?tipo=25552&idioma=0&conta=28

            0
            • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:18

              Tem um terceiro ponto que vcs esqueceram:

              os recebíveis, os imóveis vendidos na planta eles colocam a parcela das chaves como a receber, acontece que niguem vai querer pagar a bolha, vão pedir a entrada de volta.

              esse esqueleto é mais gordo do que vcs pensam

              0
            • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 12:23

              Isso varia de construtora para construtora. As menores possuem investidores presentes e acabam exigindo uma contabilidade mais transparente.

              As maiores não funcionam assim e precisam de um fluxo contábil positivo para garantir a valorização das ações. Na Gafisa o “preço de estoque” é citado por muitos corretores e corresponde ao valor mínimo aceito pela construtora. Abaixo disso, só com assinatura de diretor.

              0
              • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:44

                contabilidade e papel aceitam qualquer coisa
                duvido que o estoque não esteja supervalorizado

                0
  • Valdir 21 de dezembro de 2011 at 05:48

    Pessoal bom dia,

    Recebi esse e-mail ontem, ele se divide em tres partes, olha que barato:

    1 parte (enviada pelo vendedor gafisa)

    Olá!!!

    Esse e-mail é para passar as últimas informações e detalhes de fim de ano:

    À voce que está procurando imóveis e que está “maduro” para comprar alguma coisa ainda nesse ano ou à voce que quer tirar o dinheiro da conta bancária na virada de ano APROVEITE AGORA – ESTAMOS NAS ÚLTIMAS 2 SEMANAS DO ANO!!!

    A Gafisa é uma empresa de capital aberto e tem metas anuais para bater, ou seja, essa é uma das melhores épocas para negociair.

    À voce que acreditou no LORIAN BOULEVARD – 1° Intervillage do Brasil já é um sucesso. Tivemos o lançamento oficial no último dia 17/12, de mais um Condomínio, o Duquesa de São Francisco.

    À voce que já visitou o projeto e ainda não assinou ou à voce que ainda não teve oportunidade de vir, agende um horário comigo.

    LORIAN BOULEVARD | em frente ao Campo de Golfe São Francisco | Aptos 137 a 445m² | Estante com aptos decorados e maquete do projeto
    http://www.gafisa.com.br/VisitasVirtuais/visita_duquesa/index.html

    Lançamos também 2 empreendimentos nesses últimos 30 dias – são eles:

    Alpha Green Business Tower – Alphaville
    Salas comerciais à partir de 40m² | Conceito Internacional de Sustentabilidade | No melhor ponto de Alphaville | Estande com salas decoradas e maquete do projeto
    http://www.gafisa.com.br/VisitasVirtuais/AlphaGreen1/index.html

    Easy Vila Romana
    Excelente para investimento na Rua Faustolo | aptos. com 60 à 91m² | um sucesso 90% vendido | Estande com modelo decorado e maquete do projeto

    Devemos lançar no 1° Trimestre de 2012 o TRINITY Diogenes Ribeiro de Lima | Pinheiros | aptos. com 67 à 94m²

    Caso não nos falemos mais, ficam aqui meus votos de final de ano à voce, aos seus familiares e amigos. Obrigada por me dar a honra de atendê-lo, obrigada por acreditar em meu trabalho e na Gafisa.

    Unidos nos tornamos fortes para conquistar e realizar nossas metas. Desejo um Natal cheio de amor, paz e alegria. Que o próximo Ano possa trazer, saúde, desenvolvimento e a realização de novos planos e projetos. SUCESSO!!!

    Boas Festas!

    Atenciosamente,

    KIZARINA da Gafisa Vendas
    creci n° 93.507

    2 parte (minha resposta)

    Fiquei sabendo que a Gafisa esta quebrando, quem seria maluco de colocar dinheiro em uma empresa a beira da falencia?

    3 parte (Resposta da vendedora Gafisa)

    Boa noite Valdir,

    Antes de mais nada agradeço pela sua atenção e consideração em responder, mas com relação a sua preocupação posso lhe dizer que a Gafisa tem 56 anos de mercado e já atravessou várias crises economicas, nacional e internacional, vários planos Collor, Cruzeiro, Cruzado, enfim…e sobreviveu, possui um patrimônio de mais de 25 bi, todas suas obras estão financiadas por fortes agentes financeiros, como Bradesco, Itau e Caixa. Que temos problemas pontuais e que a diretoria interna está resolvendo, como a parte dos empreendimentos da (Tenda), isso não é novidade, inclusive tivemos uma reportagem da F.SP onde o nosso presidente (da Gafisa) falou sobre isso (de forma aberta e muito clara).
    Assim como aconteceu com a GM em 2008/2009, falou-se que estava quebrando etc… etc e nem por isso o publico parou de comprar os carros desta marca no mundo inteiro, e quem comprou ações se deu muito bem. Hoje, a Gafisa como grande construtora que é, também vai novamente, dar a volta por cima, por isso reafirmo a grande possibilidade de ter ganhos, porque é nos momentos de crise que surgem os grande investidores, mas é claro, a opção é toda sua. Continuo sempre a sua disposição e mais uma vez agradeço pelo seu retorno.

    Att.

    KIZARINA
    Consultora – Creci 93507

    0
    • Pensativo 21 de dezembro de 2011 at 11:36

      25bi? De onde ela tirou este número? Segundo o Fundamentus o patrimônio líquido da Gafisa é de pouco menos que 4bi e de disponibilidades (caixa) 900 milhões.

      0
    • augusto 21 de dezembro de 2011 at 11:46

      Devido a brilhante explicação da corretora com nome de imperatriz da Russia, vou correndo investir todo meu capital em ações e imoveis da construtora Gafisa. Melhor ainda vou emprestar tudo que puder e aumentar meus investimentos. Tenho certetza que logo pago tudo e sobra ainda muitissimo
      Assim quando ficar riquissimo, deixo de frequentar este blog, e vou abrir o meu proprio contando como fiquei rico da noite para o dia. De pobre só quero a lembramça de mim quando era isto

      0
      • MrK 21 de dezembro de 2011 at 11:59

        hahahahahaha adorei a sutileza do cara

        “Fiquei sabendo que a Gafisa esta quebrando, quem seria maluco de colocar dinheiro em uma empresa a beira da falencia?”

        um lord ingles!!

        0
        • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:24

          “nos momentos de crise é que surgem os grandes investidores”
          rs, pelo menos essa corretora é letrada, com sutileza chamou o seu cliente de pequeno, ou seja, perdeu a amizade, hahahaha

          eu respondia, “prezada Karina, sou realmente um pequeno, mas assim que algum grande gênio que vc conheça entrar em desespero, avise ele que vc conhece alguém pequeno mas que oferece 50% limpinhos. Mas aproveita logo pq é até o fim do ano, ano que vem a tabela reajusta pra 60%. bjs

          0
          • Valdir 21 de dezembro de 2011 at 13:13

            Luiz,

            Segue resposta encaminhada na parte da manhã, mais ainda sem resposta:

            Kizarina bom dia,

            Respeito sua visão, no entanto discordo de seus argumentos, vamos analisa-los:

            1 ponto: Tempo de vida de uma empresa não significa situação financeira solida, vide Banco Panamericano,Rede Manchete, Mapin, ou melhor ainda Família Matarazzo que conseguiu falir empresas centenárias, restando apenas galpões fantasmas na região da Barra Funda.

            2 ponto: Fortes agentes financeiros financiando as obras e varias crises superadas: você ja deve ter percebido que os agentes financeiros citados endureceram no momento de conceder créditos, agora me pergunto por que isso? Assim como eu você deve saber que é devido ao aumento da inadimplência e o temor dos bancos de que seus clientes não conseguirão arcar com o pagamento de suas dividas.Agora sobra a travessia de outras crises vale lembrar que em outras crises não existia algo chamado “Minha casa minha vida”, que inflou a bolha imobiliária que todos sabem que existem hoje. (EUA, Espanha, China)

            3 ponto: GM, pois bem, acredito que foi apenas uma tentativa de piada para descontrairmos, visto que ela foi socorrida pelo Governo dos EUA, pois nao tinham dinheiro nem para comprar papel higiênico para os banheiros de seus colaboradores, resta saber se o governo socorrera as construtoras da mesma forma.(Acredito que não, pois você viu o rombo que descobriram na Caixa)?

            Agora fica a dica: Abaixem os preços das caixas de forforos que vocês vendem por mais de meio milhão de reais, que as pessoas ja perceberam que elas não valem isso.
            Antes dessa crise visitei um imovel pronto para morar da Gafisa, e sai horrorizado, entrei nos quartos que mais pareciam banheiros, eram banheiros por todos os lados, e detalhe perto de 500 mil.
            A fase dos investidores júnior acabou, agora ficaram as pessoas serias que sabem o quanto vale o preço do dinheiro.

            Muito obrigado e ótimas vendas para a Gafisa

            0
        • Bolhudo 21 de dezembro de 2011 at 13:19

          hahahaha…essa foi boa mesmo!

          0
  • Observadora_cwb 21 de dezembro de 2011 at 06:33

    Gente, acho que o Prates lê o blog (hehe)

    http://w ww.youtube.com/watch?v=nExRa5TcMvU&feature=related

    Ele seria alguem com coragem suficiente para falar da bolha.
    No aguardo.

    0
  • Miguel Jacó 21 de dezembro de 2011 at 07:25

    Olhem só a última do governo:
    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+brasil,governo-ja-admite-internamente-que-alta-do-pib-em-2012-nao-atingira-meta,96756,0.htm

    “Governo já admite, internamente, que alta do PIB em 2012 não atingirá meta
    Previsões da área econômica já indicam expansão ao redor de 3,5%; para mercado, projeção é considerada otimista”.

    BRASÍLIA e SÃO PAULO – A meta de crescimento de 5% para a economia em 2012, defendida pela presidente Dilma Rousseff, pode ficar só no discurso.

    Êeeeeeta nossa presideeeeeeeeeeeeeeeeeenta!

    0
  • Miguel Jacó 21 de dezembro de 2011 at 07:36

    Para conhecimento geral, dados do PIB de 2011:

    60% – Gastos da família (consumo)
    20% – Gastos do governo
    18% – Investimento
    2% – Saldo de Exportações e Importações

    http://economia.estadao.com.br/especiais/pib-a-atividade-economica-de-um-pais-em-numeros,154382.htm

    Não preciso dizer mais nada…

    0
  • Thomas 21 de dezembro de 2011 at 07:40
  • Garcia 21 de dezembro de 2011 at 08:07

    Conforme relatei em outro post entrei em contato com a Gafisa oferecendo 450mil à vista num imóvel pronto de 137m², cujo preço pedido foi 760mil. Segundo o corretor 450mil eles não aceitam, mas se mandar 550mil eles podem aceitar. Ainda, segundo o mesmo, foi vendido um apto de 264m², cujo valor de tabela era 1 milhão e 700mil por 1 milhão à vista.

    0
    • Miguel Jacó 21 de dezembro de 2011 at 08:28

      Tenho certeza que tu fecharia agora em meio milhão. Isto representa desconto de 34% em relação ao valor inicial. Mas ainda acho que dá pra insistir nos 40% de desconto, tu pode tirar teu time de campo, e não dou 2 meses para eles voltarem correndo atrás de ti pra fechar o negócio.

      0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 08:49

      Garcia, voce esta mandando muito bem hahaaah

      Garcia e’ o homem do alfinete!

      Mas so tome um cuidado ok? Compre imovel pronto, nao compre em construcao desses caras nao, porque se eles quebrarem vc vai ter dor de cabeca…

      0
    • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 09:26

      Putz, desconto de quase 30%. Para o FIPE-ZAP tal desconto não existe, há valorização.

      O negócio tá feio, mas a imprensa continua dizendo que este ano valorizou x% e que continuará em 2012…………

      0
      • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 09:55

        E até 2017.

        0
      • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 12:57

        Hehehe, postei como Ricardo esse tempo todo mas vou trocar então.

        Eu sou o Ricardo engenheiro, que possui negócios na Zona Leste de São Paulo e recentemente procurou apto para morar.

        O pior é que uma queda de 30% (sobre o valor alto) elimina uma valorização muito maior (sobre o valor baixo, original). Para ir de 450 para 900, um imóvel valoriza 100%, mas quando cai de volta ele desvaloriza apenas 50%.

        Para o caso de 550-760, a valorização foi de 40% enquanto o recuo foi de 26%. O recuo parece equivalente a um ano de valorização, mas na realidade é maior, chega a quase dois anos ou até mais.

        Eu recebi proposta de 420 por um de 750. São 44% de desconto. Mas na realidade são 78% de valorização perdida. Está sendo vendido por um preço equivalente a 2008. O que faz MUITO sentido, uma vez que construtora não compra concreto na esquina e sim através de contratos fechados antes do início da obra. O mesmo para salários de funcionários e custos com terrenos.

        O prédio está pronto para morar praticamente e encalhou de forma vergonhosa. Vender por 420 cobre o custo e ainda dá lucro. Gera caixa e resolve vários problemas. Só que a valorização mágica de 80% deles foi pro buraco. virou apenas ilusão de stand de vendas e de investidor ignorante tentando repassar apartamento na internet.

        Detalhe: nesse prédio estão vendendo DEVOLUÇÕES, onde a construtora já ficou com uns 10% do valor inflacionado como presente. Isso significa que o apartamento já deu lucro.

        Fiquem atentos pois muitos casos serão assim: o apartamento devolvido já deu lucro devido à quebra de contrato. Para gerar caixa vale a pena vender pelo preço exato do custo ou até um pouco a menos.

        0
        • Ricardo SP 21 de dezembro de 2011 at 13:00

          Ops, esqueci: agora sou Ricardo SP

          0
        • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 13:13

          Ricardo engenheiro,

          sou o Ricardo servidor público federal, economista, Zona Sul de SP.

          sds,

          0
        • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 13:15

          Ricardo engenheiro,

          esse prédio de 420 K fica próxima a alguma estação do Metrô? Qual a metragem?

          Na Zona sul, próximo ao Metrô, os preços estão mais altos.
          Ex: apto na Vila Mariana, 100 m2, custa uns 700 mil (Só isso!!! Dinheiro de pinga, pois a classe média está bombando).

          0
          • Ricardo SP 21 de dezembro de 2011 at 15:53

            Fica no meio do bairro, longe de estações de metrô. Ele também possui 100m2 e já está praticamente pronto.

            Por sinal, me ligaram sobre o imóvel há 30 min atrás. A proposta foi mantida, mas adicionaram um financiamento ultra-facilitado para a entrada.

            Surreal.

            0
            • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 16:50

              Sinal dos tempos,

              pouco a pouco estamos voltando aos patamares de 2008, pré-bolha.
              Vou verificar alguns apês no começo do ano aqui na Zona Sul e oferecer os mesmos valores de 2008. Ex: apto na Vila Mariana de 700 , ofereço 350 mil.

              0
    • Anonymous 21 de dezembro de 2011 at 10:33

      Garcia,

      Se os corretores da GAFISA souberem fazer a regra-de-tres, então verão que voce está oferecendo 3 mil Reais A MAIS do que deveria quando comparado com o negócio que foi efetivamente realizado – o de 1.7 milhões que foi vendido por 1 milhão. Entretanto, esperar que essas antas saibam fazer a regra-de-tres pode ser pedir muito.

      0
      • augusto 21 de dezembro de 2011 at 11:31

        Regra de 3 para eles deve ser jogo da velha

        0
        • Pensativo 21 de dezembro de 2011 at 11:39

          Devem achar que é uma regra para fazer “menage à trois”.

          0
  • Marcos 21 de dezembro de 2011 at 08:18

    Pelas minhas contas, se um imóvel de 500k atualmente valorizar “apenas” 20% ao ano, em 2017 ele valerá 1,8 milhões. Valorização de 1,3 milhões em 6 anos! Existe negócio melhor????

    Parece piada mas, por incrível que pareça, é isso que muitos corretores estão pregando por aí. Trouxa é quem cai nessa…

    0
    • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 09:58

      Eu digo para todos, não é hora de comprar e nem pedir desconto. O negócio é esperar e ver o tombo dessas empresas que tiraram o couro de muitos. Valorização no que não vende, pará!!!!!!!

      0
  • Marvin 21 de dezembro de 2011 at 08:58

    O incrível é que os “entendidos” com MBA ainda sustentam um absurdo deste… aumento até 2017???

    0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 09:07

      eu vi uma palestra de um economista famoso, bem famoso, em recife

      ele disse (em 2011) que o preco dos imoveis subiriam forte por NO MINIMO mais 5 anos

      depois eu soube que a palestra foi contratada por um grupo de empreendedores do ramo imobiliario…aparentemente todo mundo tem seu preco

      0
  • Money Addicted 21 de dezembro de 2011 at 09:58
    • eam 21 de dezembro de 2011 at 12:37

      Pois é, Money, o governo (e pq não dizer a população q o apoiavota) prefere falar em pré-sal, trem-bala, copa, olimpíadas e o diabo a quatro, mas veja se há na pauta de discussão algum projeto sério sobre educação. Este é o “país do futuro”, o problema é saber o que este tal “futuro” nos reserva…

      0
  • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 10:03

    Isso é pq os caras não foram ao supermercado fazer compras. heheheee…

    IPCA-15 fecha 2011 com alta de 6,56% e supera meta do governo.

    O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15) –considerando uma prévia da inflação oficial– subiu 0,56% em dezembro, ante alta de 0,46% em novembro, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (21).

    O número veio exatamente em linha com a mediana das estimativas de economistas.

    O indicador fechou 2011 acumulando alta de 6,56%, acima, portanto, do teto da meta do governo, de 6,5% pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

    0
  • Zoom 21 de dezembro de 2011 at 10:04

    Isso é pq os caras não foram ao supermercado fazer compras. heheheee…

    IPCA-15 fecha 2011 com alta de 6,56% e supera meta do governo.

    O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15) –considerando uma prévia da inflação oficial– subiu 0,56% em dezembro, ante alta de 0,46% em novembro, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (21).

    O número veio exatamente em linha com a mediana das estimativas de economistas.

    O indicador fechou 2011 acumulando alta de 6,56%, acima, portanto, do teto da meta do governo, de 6,5% pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

    Fonte: folha.uol.com.br/poder/1024395-ipca-15-fecha-2011-com-alta-de-656-e-supera-meta-do-governo.shtml

    0
    • aiwww 21 de dezembro de 2011 at 12:27

      Hoje perguntei a um comerciante como estava o movimento numa loja famosa de sapatos para mulheres na rua Gonçalves Dias no Centro do Rio de Janeiro. Ele definiu com uma palavra: “Horrível”. O comércio nesse natal deve acumular um estoque que deverá ser desovado em janeiro. Ai se eu te pego… PT 🙂

      0
  • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 10:10

    http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,numero-de-brasileiros-morando-em-favelas-dobra-em-20-anos-e-chega-a-6-da-populacao,813838,0.htm

    NÚMERO DE BRASILEIROS MORANDO EM FAVELA DOBRA EM 20 ANOS E CHEGA A 6% DA POPULAÇÃO

    fonte: estadao.com.br (21/12/2011)

    olha a nova classe média ai geeeeeeente……………kkkkkkkk

    0
  • Celso 21 de dezembro de 2011 at 10:17

    Vamos rir mais?

    http://classificados.folha.uol.com.br/imoveis/1022471-metro-quadrado-residencial-no-rj-fica-38-mais-caro-em-2011.shtml

    21/12/2011 – 07h00
    Metro quadrado residencial no RJ fica 38% mais caro em 2011

    A cidade do Rio de Janeiro é a líder em valorização de residenciais entre as 14 capitais analisadas em levantamento feito pela empresa de pesquisas imobiliárias Geoimovel.

    O valor médio do metro quadrado dos lançamentos saltou de R$ 3.400, de janeiro a novembro de 2010, para R$ 4.714 no mesmo período deste ano –um aumento de 38%. O preço médio da unidade lançada foi de R$ 332 mil, contra R$ 233 mil no ano passado.

    De janeiro a novembro deste ano, foram lançadas 14,5 mil unidades na cidade –51,5% delas na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá (zona oeste). Em média, a unidade nova nessas áreas possui 80 m², com dois ou três dormitórios. Ali o valor médio é de R$ 369 mil.

    Apesar dos preços altos, o presidente da Ademi-RJ (Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro) Claudio Hermolin prevê que a evolução continue em 2012, em um ritmo menor do que este ano. “O potencial de crescimento ainda é muito grande em função das obras de infraestrutura que ocorrem na cidade”, analisa.

    Entre as áreas em que ele supõe valorização estão os bairros da zona oeste, como a própria Barra da Tijuca, e áreas próximas a obras de revitalização para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, como as regiões da zona norte próximas ao porto e os bairros dos arredores do estádio do Maracanã, como São Cristóvão e Tijuca.

    0
  • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 10:50

    Se vender quinquilharias e presentes de natal já está difícil, imaginem imóveis bagatelares de R$500 K.
    A globo news, de uma em uma hora, já há três dias faz propaganda do comércio de são paulo, que não está vendendo nada. O interessante é que eles culpam o protesto de camelôs OCORRIDO em outubro; quando a culpa não é do protesto é da internet, que dizem muitas pessoas preferem comprar pela web pela segurança e conforto…
    Apartamento de 500K… tá….
    A bolha já estourou, só não foi oficializada ainda.

    0
  • Richard 21 de dezembro de 2011 at 10:57

    O que pode acontecer com os imóveis quando a bolha estourar aqui no Brasil ?

    Será que a maioria vai ficar nas mãos dos bancos ? – Pois serão executadas um grande número de hipotécas por falta de pagamento.

    0
    • Luiz AG 21 de dezembro de 2011 at 14:46

      Sim serão leiloados. O valor restante da dívida é atribuida a prejuízo, de forma a não pagar imposto, igual acontece com os créditos podres do CDC.

      Banco nunca perde.

      0
  • Jack Imóveis 21 de dezembro de 2011 at 11:24

    Caros,

    Ontem estive em um grande shopping aqui de SP para fazer compras de Natal. Estava lotado. Acho que o pouco movimento que algumas pessoas viram no domingo tem mais relação com a turma ter viajado do que qualquer outra coisa.

    Mrk falou acima sobre o balanço das construtoras. Outro dado interessante é que as vendas reportadas devem cair absurdamente.

    Desconto de 30% + menor numero de lançamentos

    Quando sairem os resultados do quarto trimestre vai ser um pega para capar…

    Abraços

    Jack – falando de generalidades

    0
    • eam 21 de dezembro de 2011 at 12:42

      Jack, com relação ao movimento nos shoppings aqui de SP, também notei um grande movimento, corredores e lojas cheias, mas percebi que as filas nos caixas não estão tão grandes assim, tem muita gente “caroçando”, só pesquisando e/ou comprando os presentes “indispensáveis” (filhos, por ex).
      Conversando com amigos e conhecidos, notei que a maioria está deixando pra comprar os seus próprios presentes após as festas, apostando nas liquidações de início de ano.

      0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:42

      Jack, comparando com ano passado os shoppings estão muito mais vazios
      anos atrás levava 1 horas pra entrar no estacionamento, 2horas p achar uma vaga.

      O brasileiro gastou 20 bilhoes em shoppings europeus e americanos, ninguem tá comrpando nada aqui, todo mundo escolheu viajar e só não houve uma revoada pro outro hemisferio pq lá tá um puta frio.

      0
      • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 17:27

        estive nos EUA em novembro e só não comprei mais porque ia precisar contratar carregadores para trazer tudo:

        – Blu ray 3D por 90 doletas
        – Tenis Nike por 35 doletas
        – Camisa Tommy: 15 doletas
        – Roupas intimas: 1 doleta a peça
        – Perfume bão: 40 doletas
        – Pen drive 32 GB: 30 doleta
        – Tablet 10″: 300 doletas
        – Câmera digital fera: 110 doletas
        – Celula: 120 doletas

        e por aí vai…

        Na volta ainda parei no Free shop e matei mais 500 doletas em bebidas (black, champagne, licor)

        é o paraíso! tá tudo aqui prontinho debaixo da árvore de Natal e o melhor: nenhum irreal de imposto para esse governinho do PTinho, porque gastei dentro das cotas e das regras atuais

        Melhor Natal ever

        0
  • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 11:30

    Uma vez, num vilarejo, apareceu um homem anunciando aos aldeões que compraria macacos por R$ 10 cada. Os aldeões, sabendo que havia muitos macacos na região, foram à floresta e iniciaram a caça. O homem comprou centenas de macacos a R$10 e então os aldeões diminuíram seu esforço na caça. Aí, o homem anunciou que passaria a pagar R$20 por macaco e os aldeões renovaram seus esforços e foram novamente à caça.

    Logo os macacos foram escasseando cada vez mais e os aldeões foram desistindo da busca. A oferta aumentou para R$ 25 e a quantidade de macacos ficou tão pequena que já não havia mais interesse na caça.

    O homem, então, anunciou que agora compraria cada macaco por $50! Entretanto, como iria à cidade grande, deixaria seu assistente cuidando da compra dos macacos.

    Na ausência do homem, seu assistente disse aos aldeões:
    _Olhem todos estes macacos que o homem comprou na jaula. Eu posso vender por R$ 35 a vocês e quando ele retornar da cidade, vocês podem vender por R$ 50 cada.

    Os aldeões, espertos, pegaram todas as suas economias e compraram todos os macacos do assistente.

    Eles nunca mais viram o homem ou seu assistente, somente macacos por todos os lados.

    Moral da história: A Valorização dos macacos deve continuar até 2017, mas depende da região, você pode comprar fundos macaquilários como alternativa, vão valorizar com a copa porque tem muito gringo querendo macaco, etc…

    0
    • augusto 21 de dezembro de 2011 at 11:52

      Boa Cleyton, vc conseguiu resumir tudo o que acontece atualmente no mercado imobiliario, com construtoras, imobiliárias, corretores, e investidores otários (porque os profissionais já se retiraram do mercado com bons ganhos). Ahhh, antes que mes esqueça, dê mais explicações sobre este tal de fundo macaquilario, pois parece bem interessante para as velhinhas gagá e ultrapassadas aplicarem seu rico dinheirinho, ou darem conselhos aos seus filhotinhos e netinhos tambem mentecaptos

      0
      • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 12:05

        Tem esse aqui http : / / w w w.bmfbovespa.com.br/renda-variavel/download/cBRCR11B_190711b.pdf

        Ops! Não são macacos?!

        0
  • LAR 21 de dezembro de 2011 at 11:37

    mto boa a materia

    ht tp://w ww.gazetadopovo.com.br/imobiliario/conteudo.phtml?tl=1&id=1205390&tit=Diversos-antecedentes-indicam-que-ha-bolha-imobiliaria-no-Brasil

    0
    • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 11:53

      Essa reportagem já tinha sido enviada pelo Thomas hoje de manhã, tá um loucura acompanhar mesmo, hehe.

      Bom, não concordo com a parte da prevenção, bolhas são anomalias criadas pela escola keynesiana e, ao contrário do que pregam, creio que não podem ser evitadas e o governo não deve intervir de forma alguma, quanto mais esforço em evitar maiores e mais profundas serão as consequências.

      Quanto antes “estourar”, antes os preços se corrigem com menos violência (pela diferença ser menor) e fica menos dolorido pra todo mundo.

      0
    • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 12:41

      pessoal estou com uma dúvida. qual opção (a ou b) devo assinalar?

      a) acreditar que HÁ BOLHA baseado em informações técnicas, de acadêmicos do assunto, doutores em economia (vide gazetadopovo.com.br), renda que não acompanha esta alta absurda, industria demintindo, crise externa, gafisa quebrando (desconto de 40%! nos imóveis para fazer caixa é desespero total)

      b) acreditar que NÃO HÁ BOLHA onde imóvel só sobe, vai subir 20% a.a até 2017, baseado naqueles nas informações sem pé nem cabeça daqueles que não deram certo na vida, não tem estudo (corretores de imóveis) e que ontem já foram vendedores de carro, hj corretores, amnhã venderão herbalife, consórcio, e estão se baseando em rentabilidade futura baseado em rentabilidade passada, etc…

      0
  • MrK 21 de dezembro de 2011 at 12:03

    A situacao que a gente ta vivendo no mercado imobiliario atual o pessoal de mesa (mercado) chama de “boca de jacare”

    boca de jacare = quando tem uma pessoa querendo vender por valor muito alto e outra querendo comprar la em baixo, ou seja, nao saem vendas

    todo mundo sabe que isso nao dura muito tempo, as vendas precisam acontecer por varios motivos e alguem vai ter que ceder, se a demanda ta fraca, endividada e encrencada, quem vc acha que vai ceder nessa? a gafisa ja respondeu….

    0
    • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 12:17

      Mrk, gostei da analogia com a “boca do jacaré”.

      No prédio em que resido (pago aluguel), Zona sul de SP, tentaram vender um apto no térreo por 350 K.
      Esse apê 40 anos, sem vaga na garagem.

      O que aconteceu: a “boca do jacaré”. O cidadão não vendeu, inclusive não teve nenhuma proposta e retirou o anúncio. Segundo os corretores, esse apê , vale, quando muito bem vendido , uns 280k.

      Ele deve ter escutado a respeito da valorização eterna dos imóveis.

      0
    • eam 21 de dezembro de 2011 at 13:03

      Mrk,

      Talvez nem seja essa a situação, acho mais provável que as pessoas tenham percebido que o atual valor dos imóveis não condiz com suas realidades financeiras (por mais que estas sejam desinformadas, que não saiba o que são juros ou como funciona um financiamento).

      Acho que quem comprou pra morar já percebeu no que se meteu e agora terá q arcar com as consequências, já quem comprou pra “investir”… bem… esse, meu camarada, tá na roça. Se ele entrou no início da “bolha” ainda terá margem pra negociar com os possíveis compradores, agora quem comprou na alta vai amargar um belo prejú.

      Também acho que ainda veremos outras notícias de grandes empresas do setor, principalmente incorporadoras, que trarão fortes emoções ao mercado nos próximos meses / anos… (…e como vc msm disse vai ter mto “creeeeeeeeeeeu” por aí)

      0
  • Pensativo 21 de dezembro de 2011 at 12:05

    O Rio de Janeiro é o campeão
    http://oglobo.globo.com/pais/rio-a-cidade-com-maior-populacao-em-favelas-do-brasil-3489272
    Cidade merdavilhosa!!!!

    Ai está a nova classe média carioca que comporta em seu orçamento os novos valores dos imóveis da cidade.
    http://oglobo.globo.com/rio/censo-revela-abismos-entre-bairros-ricos-pobres-3256083

    Será que agora estes corretores param de falar besteira sobre como tudo melhorou no Rio?

    0
    • Ploc 21 de dezembro de 2011 at 12:40

      E o pior, os porteiros, vigias, faxineiros, serventes, camareiras, balconistas, caixas entre outros dos prédios/hoteis/comercios da Zona Sul do Rio já estão apavorados. Reclamam que ficou impossível morar na favela. Agora água e luz sendo cobradas. Gato net nem pensar. O aluguel já dobrou e o salário que recebem não comporta esse aumento. Muitos que dividiam quartos já sairam para outros lugares. Os que restam tentam trazer parentes para dividir o preço do aluguel.
      Reclamam que se tiverem que morar mais longe vai ficar um inferno a vida deles.
      O que fazer?

      0
      • Pensativo 21 de dezembro de 2011 at 13:39

        O que fazer?
        Fácil, IR PARA OS ESGOTOS!!! Lá a bolha ainda não chegou.
        Brincadeiras a parte, sinto pena do povão, são os primeiros a se ferrarem de verde e amarelo.
        Pensativo mais pensativo ainda!!!

        0
  • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 12:13

    No forum do site INFOMONEY, sala Imóveis, estão comentando a respeito da alta absurda do preço dos imóveis.
    é sinal de que a informação de possível bolha está se alastrando.

    Veja abaixo:

    h t t p://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?t=11320&start=720

    0
  • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:34

    O próximo alfinete nessa bolha será o aumento do salário minimo em 15%
    Quem ganha salário minimo vai continuar sem comprar casa

    Mas todos os porteiros da cidade terão reajuste bem próximo disso, ou seja, txa de condominio será reajustada perto de 15%.

    Quem tem imovel pra alugar vai ter que engolir isso ou pagando pelo imovel encalhando ou baixando o valor do aluguel rpa desencalhar

    0
  • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:37

    Alguém sabe por oinde anda o jotajota
    Queria saber se ele tem algum coelho pra tirar da cartola

    Ou nos abandonou e foi no site do André tecer loas ao fipezap, se é que ele sabe o qué isso.

    0
  • Ar Quente 21 de dezembro de 2011 at 12:41

    gazetadopovo.com.br/imobiliario/conteudo.phtml?tl=1&id=1205390&tit=Diversos-antecedentes-indicam-que-ha-bolha-imobiliaria-no-Brasil

    Diversos antecedentes indicam que há bolha imobiliária no Brasil

    A formação ou não de uma bolha imobiliária no Brasil foi um dos assuntos mais debatidos durante o ano. A preocupação estimulou comparações com o que ocorreu em países como Estados Unidos e Espanha, onde a bolha estourou. Em um curso ministrado essa semana no Conselho Regional de Eco­­no­­mia do Paraná (Corecon), o doutor em economia Luciano D´Agos­tini citou exemplos de como se forma a bolha e conse­quências.

    Para ele, há bolha imobiliária no Brasil por diversos antecedentes, um deles a melhoria da renda da população. “Mais de 30 mi­­lhões de brasileiros saíram da linha de pobreza e entraram na classe de consumo, mas houve um espírito de consumo bem maior do que de poupança. Isso auxiliou o mercado imobiliário a inflar os preços, porque o público comprou o imóvel com um custo elevado de financiamento. Ao longo de oito anos os juros caíram, mas ainda são muito elevados”, disse. Ele destacou, ainda, política monetária e taxas de juros. Confira o que mais D´Agos­­tini falou sobre o atual cenário nos principais trechos da entrevista para a Gazeta do Povo.

    Que comparação o senhor faz do cenário brasileiro com países como Estados Unidos e Espanha, que experimentam a crise no setor?

    A percepção é a mesma. Os sintomas são os mesmos. O endividamento das famílias sobre a renda é um excelente indicador. En­­quanto existe crédito na economia, retroalimenta o sistema de preços. Ao secar o crédito, com o endividamento das famílias so­­bre a renda, as chances de uma correção para baixo nos preços e/ou aumento dos salários na economia são enormes. Descartada a segunda opção, sobra a queda de preços dos imóveis. Va­­le lembrar que estouros de bolha imobiliária no Japão 1991, Estados Unidos em 2008 e países europeus em 2009 a 2011, tiveram um pouco antes de seus estouros de preços do imóveis uma taxa de desemprego em seu país muito baixa. No Brasil temos baixo nível de desemprego (é recorde no regime de me­­tas) e a grande sacada é “como o governo manterá a taxa de desemprego baixa nos próximos anos” com a falta de dinamismo da in­­dústria, um dos motores do crescimento real da economia. Progra­mas sociais, por si só, não resolvem. Deve haver crescimento econômico com desenvolvimento.

    Como o país poderia se prevenir de situação semelhante a desses países?

    Baixar rapidamente as taxas de juros, fazer um controle mais vigorosos de entrada e saída de capitais estrangeiros, investir em tecnologia de produção, tributar mais extensivamente os imóveis para venda abaixo de quatro anos de existência. No caso de investir em produtividade do capital e do trabalho, aumentaria a produtividade total do se­­tor da construção ci­­vil. Nesse caso o segmento te­­ria uma eficiência bem me­­lhor do que os pí­­fios indicadores que temos hoje.

    Como o consumidor pode en­­tender se há ou não bolha imobiliária?

    Normalmente ele é o último a entender o processo. A percepção é de que o preço dos imóveis sobe muito e os salários não acompanham o ritmo. No primeiro mo­­mento, as pessoas sofrem de ilusão monetária e euforia, contribuindo para a alta dos preços. No segundo, quando o endividamento so­­bre a renda aumenta, que é o caso atual, as pessoas começam a se dar conta de que en­­traram na “casa er­­rada” e no “mo­­men­­to er­­rado”. Também quan­­do muitas pessoas fazem co­­mentários com amigos e familiares sobre o as­­sunto é indício de que exis­­te distorção. Quanto mais pessoas falam do processo é porque a preocupação é maior e também é um bom “indicador” da situação.

    0
  • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 12:42

    pessoal estou com uma dúvida. qual opção (a ou b) devo assinalar?

    a) acreditar que HÁ BOLHA baseado em informações técnicas, de acadêmicos do assunto, doutores em economia (vide gazetadopovo.com.br), renda que não acompanha esta alta absurda, industria demintindo, crise externa, gafisa quebrando (desconto de 40%! nos imóveis para fazer caixa é desespero total)

    b) acreditar que NÃO HÁ BOLHA onde imóvel só sobe, vai subir 20% a.a até 2017, baseado naqueles nas informações sem pé nem cabeça daqueles que não deram certo na vida, não tem estudo (corretores de imóveis) e que ontem já foram vendedores de carro, hj corretores, amnhã venderão herbalife, consórcio, e estão se baseando em rentabilidade futura baseado em rentabilidade passada, etc…

    0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:52

      jotajota tem aptidões artisticas pode virar pintor de parede, trocar o picasso pela broxa

      0
      • Xangai 22 de dezembro de 2011 at 17:14

        ou achar uma boca em algum circo !!!

        0
  • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 12:47

    continuando aqui embaixo a discussão sobre contabilidade
    do observador do mercado, fonte jornal valor enconomico

    VALOR: A MANOBRA CONTÁBIL E BILIONÁRIA DA CONSTRUÇÃO

    É sabido que boa parte das companhias abertas não tem muito apreço pelas medidas contábeis na hora de divulgar seus resultados financeiros. A fixação de analistas e investidores pela geração de caixa diminuiu a importância que os gestores dessas empresas dão ao bom e velho lucro líquido, na mesma medida em que o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes do resultado financeiro, de impostos sobre o lucro, depreciação e amortização) virou o principal foco da administração.

    Mas o Ebitda, que não é uma medida contábil e já desconta muitas linhas “negativas” do resultado, também não atende mais ao gosto de um grupo crescente de companhias.

    A medida preferida de resultado delas passou a ser, então, o Ebitda ajustado. Muitas nem dão “sobrenome” ao indicador, se limitando a colocar uma nota de rodapé para esclarecer que o Ebitda que aparece na tabela dos comunicados ao mercado tem suas peculiaridades.

    Esses ajustes têm proporções que merecem a atenção dos investidores. Em um grupo de 15 companhias identificadas pelo Valor, o Ebitda ajustado foi 35% maior que o Ebitda “puro” apresentado pelas empresas no primeiro semestre deste ano.

    Sem o ajuste, ou seja, considerando apenas o que as letras da sigla Ebitda significam, a soma dos resultados ficou em R$ 5,22 bilhões. Após os acertos feitos pelas companhias para divulgação ao mercado, o montante aumenta em R$ 1,84 bilhão, para R$ 7,06 bilhões.

    Na análise do lucro, a diferença percentual foi ainda maior, de 70%. O resultado líquido publicado somado de um grupo de sete companhias selecionadas foi de R$ 806 milhões no primeiro semestre de 2011. O lucro ajustado divulgado ao mercado somou R$ 1,37 bilhão, com uma diferença positiva de R$ 570 milhões.

    Um dos casos que mais chamaram a atenção no primeiro semestre foi o da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI).

    A CCDI reviu seus orçamentos de obras e verificou que o custo de construção de alguns empreendimentos foi maior do que o originalmente previsto. O impacto negativo registrado no segundo trimestre foi de R$ 90,1 milhões.

    A empresa divulga o resultado oficial registrado com destaque logo na primeira página do seu comunicado ao mercado e acrescenta um dado que chama de pro forma, que desconta esse ajuste e efeitos extraordinários do período.

    Nos demais identificados pelo Valor, o que ocorre é um ajuste sistemático, que se repete em todas ou quase todas as divulgações de resultado trimestral.

    Embora os analistas setoriais especializados já estejam habituados aos ajustes, para o investidor comum é importante conhecer alguns deles.

    No cálculo do Ebitda, despesas e receitas consideradas não recorrentes também são excluídas.

    Entre as procuradas, mais duas construtoras: a Rossi – que não respondeu aos pedidos de entrevista – e a Viver (ex-Inpar), que não tinha porta- voz disponível para falar.

    0
  • DM 21 de dezembro de 2011 at 12:55

    Pessoal,

    Final de ano, vespera de festas e com um pouco mais de tempo no trabalho resolvi esta semana começar a responder os e-mails (spams) que recebo com propostas imobiliárias, é claro que não perco o meu tempo lendo, simplezmente os deleto, mas como estou em um marasmo resolvi criar uma resposta padrão e responder aos spanners de plantão.

    Gostaria da ajuda de vocês para melhorar o texto e assim continuar respondendo.

    Segue abaixo o texto padrão que atualmente estou enviando como resposta:

    “Prezado/a corretor/a

    Após inúmeros spams recebidos por sub empregados, resolvi responder diretamente ao invés de simplesmente apagá-los, não que eu agora comecei a ler ou verificar o conteúdo, pois continuo deletando os mesmos, apenas por educação estou me dispondo a responder antes de apagá-los.

    Como deve ser de seu conhecimento o mercado está tão aquecido quanto o Pólo Sul no inverno, as vendas estão maravilhosas e os preços justos, fora que como investimento um imóvel não se desvaloriza nunca, sendo que como ditos por alguns famosos e conhecidos consultores de investimentos terá uma valorização de 30% até pelo menos 2017. Apenas para reforçar, nesta época natalina ainda acredito em Papai Noel e também como brasileiro que sou nos folclóricos Saci Pererê e Curupira.

    Agradeço em muito a sua disposição de me apresentar mais uma oportunidade única, o melhor investimento da minha vida ou mesmo o sonho de morar muito bem, acredito que seja a última unidade do maravilhoso empreendimento e que se eu não adquirir me arrependerei amargamente, como já o vem acontecendo a um bom tempo e você está reforçando através de seu spam. Porém infelizmente não faço parte deste tipo de investidor ou mesmo do público alvo para você, pois com estes preços justos não tenho a vontade e coragem de adquirir um patrimônio ou mesmo uma promessa de compra e venda de um patrimônio futuro neste momento sustentável da economia.

    Agora me permita solicitar que não me envie mais qualquer e-mail, que por gentileza delete-o de seu mailing comprado na Santa Efigênia pois a eficácia dele é zero somente contribuindo com a meu exercício diário de deletar spams.

    Tendo você me enviado uma recomendação, permitirei em lhe dar também algumas, pois na sua atual situação o melhor a fazer é procurar um emprego pois a sua atividade atual está fadada ao fracasso total.

    Atenciosamente”

    0
  • Mario 21 de dezembro de 2011 at 13:27

    Off: Consumo de gasolina cresceu 23,2% até novembro, diz Petrobras

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/12/petrobras-atinge-recorde-de-importacao-de-gasolina.html

    algum coment?

    0
    • Pensativo 21 de dezembro de 2011 at 13:57

      Conseqüência da redução do IPI de 2009. Lembre-se que muitos postos de gasolina aceitam cartão, diferentemente dos ônibus e trens. Diga-se de passagem, estes últimos, de alguns anos para cá, aumentaram mais que a gasolina.
      A própria reportagem denuncia outro vilão do consumo excessivo de gasolina, a quebra da safra de cana-de-açucar.
      Te preocupas não que nos próximos anos o brasileiro voltará a andar de ônibus.

      0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 14:06

      explicação:
      o proalcool quebrou
      parabens lula

      0
      • Marvin 21 de dezembro de 2011 at 17:21

        Dentre tantos golpes que aplicam no consumidor brasileiro, o carro flex foi outro expoente: desde o início, sempre achei que o flex não daria certo, e quando falava para outras pessoas, sempre vinham com o bordão: “imagina, com o flex você tem o PODER de escolher, se um combustível estiver caro, você usa o outro). Ora, Ora, só que desde o início eu já imaginava que mais dia, menos dia, os preços iam ficar equivalentes: ou seja, tanto faz colocar alcool ou gasolina, o custo por Km rodado ia ficar na mesma, com o agravante que, pelo menos os modelos que eu conheço, o flex gasta mais tanto no alcool quanto na gasolina em comparação com o carro “monocombustível”, de tal forma que o meu carro 2009 gasta mais que a minha marajó 84 1.6 carburada… Mas é claro, a “nova classe média” não sabe disso, nem sabe também que países realmente desenvolvidos utilizam carros que fazem 25Km com 1L de diesel (fora os hibridos e elétricos…)
        O brasileiro “médio” é bem ignorante mesmo (tanto que acabou de sair a notícia de que 90% não sabe fazer conta com centavos), por isso toma na cabeça mesmo… E VIVA LULINHA 2014!!!

        0
        • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 17:45

          Marvin vc tá certo. Eu aluguei um 1.8 diesel turbo que fazia quase 20 km/l a 130km/h de média.
          150 cavalos e 30 kgfm de torque

          O fim do alcool tem a ver com a questão ambiental, que o lula tratou de desprezar e ainda vamos pagar muito caro por isso

          0
        • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 17:47

          É Marvin, tem razão, quem compra flex ou não manja nada de carro ou só tá preocupado com o preço do combustível (sem pensar na eficiência), não quero prolongar demais o comentário então quem ainda tem dúvida procure no google sobre comparações com monocombustíveis e sobre como fica a diferença entre as taxas de compressão, posso adiantar que os carros brasileiros não tem mancais dinâmicos.

          0