Diversos antecedentes indicam que há bolha imobiliária no Brasil – Gazeta do Povo

Você pode gostar...

Comments
  • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 13:44

    imagina…..que bolha que nada.
    vamos seguir os conselhos dos outrora vendedores de carro/consórcio, futuros vendedores de herbalife/planos de saúde e atuais corretores de imóveis.
    vamos financiar em 30 anos consumindo 35% de nossa renda. se perder emprego o banco senta e espera (alienação fiduciária é só um detalhe).
    vai subir mais pessoal…..valorização garantida até 2017! viva! fiquei rico!
    Gafisa queimando 40% da tabela pois são tudo gente boa…..era 1MM agora é 600 a vista, mas não se preocupe pq segundo os corretores vale 600.kkkkkkkkkkkhuahauhuahuahuahua.

    ……..” P-L-O-C ” ………

    0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 13:57

      herbalie é uma boa

      jotajota pode virar pintor de parede: do picasso pra broxa

      andré pode virar garota propaganda do ZAP e anunciar a terça insana com descontos imperdíveis

      0
  • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 13:45

    corrigindo: vale 1MM. kkkkkkkkkkkkkhuahuahuahauhauahua

    0
  • Pedro 21 de dezembro de 2011 at 13:48

    Já consegui 17% de desconto no Leblon, a nata carioca. E já sinto a pressa das pessoas em vender logo já prevendo a queda que esta por vir. Finalmente iremos voltar em breve a normalidade, com preços reais e justos.

    0
    • FQ 21 de dezembro de 2011 at 14:00

      Ainda está cedo…

      Desconto de 17% no que vinha com 100% de ágio, é 83% de perda!

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 15:14

        a conta não é bem assim
        17% incide sobre um montante maior

        exemplo
        100k para 200k é 100% de aumento
        200k para 100K é só 50% de queda

        se agio = 100%, basta 50% de queda p voltar ao valor incial,
        17% de queda no preço final significa perda de 34% de ágio

        contudo concordo com a conclusão
        vamos segurar a euforia

        0
        • Shakespeare 21 de dezembro de 2011 at 21:11

          matemágica

          0
  • FQ 21 de dezembro de 2011 at 13:58

    Poucos jornais estão isentos de verdade e atuam de forma independente, sem a pressão de anunciantes ou de diretores envolvidos no mercado imobiliário.

    Esses jornais isentos (raríssimos) trazem a tona e dão voz a economistas e especialistas até então omitidos pelos grandes veículos de imprensa, que seguem marginalizados pela força dos grandes conglomerados financeiros que movimentam uma roda esmagadora de anunciantes, patrocinadores, investidores, doações de verbas para pesquisas, contratos de consultorias, palestras e receitas publicitarias diretas e indiretas.

    Parabéns a Gazeta do Povo.

    Não dou parabéns pelo eventual acerto na previsão da bolha, mas por simplesmente, publicar uma opinião do outro lado da história e com um ponto de vista fora da versão oficial arbitrada.

    0
  • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 13:58

    Só tem um erro aí, baixar juros faz inflar a bolha e a inflação.

    0
    • eam 21 de dezembro de 2011 at 15:30

      Concordo contigo, Luiz, e o pior de tudo é que o governo quer porque quer baixar o juros à força, o controle da inflação virou meta secundária (se for !!!).
      Entendo que juros baixos são saudáveis em uma economia igualmente saudável e equilibrada, o que não creio ser o nosso caso. Ao meu ver a economia brasileira pode ser descrita por aquele velho ditado q diz: “por fora bela viola, por dentro pão bolorento”.

      0
    • xyz 21 de dezembro de 2011 at 16:17

      Baixar juros é uma forma de evitar que a bolha estoure. Não quer dizer necessariamente que a baixa do juros vai inflar a bolha. Se a baixa no juros vier acompanhada de outras medidas como as sugeridas, pode até ocasionar uma “soft landing”.

      ACONTECE é que o governo não está nem aí, simplesmente porque não enxerga nenhum problema no mercado imobiliário.

      OUTRA: o governo é um “dolar addicted”, portanto se os dólares começarem a ir embora por conta da baixa da selic, o governo empina o bico da selic e bota pressão no motor.

      0
      • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 16:49

        Cara, permita-me discordar, aqui entra em jogo as escolas econômicas, o governo é keynesiano e vai apostar no que você disse, independente de achar que existe bolha ou não baixar os juros é a solução, já os hayekianos veem nisso uma aceleração da degradação econômica e um aprofundamento da crise.

        Agora será uma prova de fogo, se mergulharmos em crise estávamos errados, mas vamos culpar alguém, assim como aconteceu nos EUA, na crise de 29, em 2001, em 2008, ou seja, essa estratégia já deu errado uma porção de vezes, aqui no Brasil será a primeira tentativa porque essa escola está aí desde o plano Real, ela é maior que os partidos e os governos, não tem a ver com o Lula, com o FHC, nem com a Dilma, tem a ver com a estrada errada que estamos tomando.

        Se não aprendermos com essa lição da bolha fatalmente cairemos em outra logo em seguida.

        0
        • peterson 22 de dezembro de 2011 at 22:26

          muito bom…. olha que coisa eim… este blog às vezes me surpreende.
          avançando cada vez mais alguns conhecimentos restritos, na causa.

          Acho dificil a galera aqui entender, uma vez que ví muitos manifestarem seu partidarismo, defender FHC, atacar outros governos e por aí vai…. sendo que ninguém sequer questionou os meios aos fins, quando disse verdades fui acusado de exagerado, quando manifestei posições fortes disseram que era prepotente, pois bem, a vida é feita de espertos e de idiotas, saibam, há muitos idiotas que se acham espertos, e nenhum esperto foi um dia idiota…

          eu uso este blog para aprender varios segmentos da bolha, inclusive os psicológicos, sairei muito forte depois, tento passar um pouco do que sei, prepotente ou não, tem tanta coisa que se soubessem mudariam o rumo das diversas manadas, as vezes me sinto um alinígena neste mundo restrito,só porque sou muito genial no que faço, onde poucos sabem o que está por vir, sendo assim julgados por enchergar o que quase ninguém consegue ver….

          0
  • Eduardo 21 de dezembro de 2011 at 14:02
    • DM 21 de dezembro de 2011 at 15:16

      Adorei o gráfico do Secovi!

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 15:46

        o grafico é otimo

        o dia que tiver tudo caindo é capaz deles divulgarem o grafico de ponta cabeça pra parecer que tá crescendo

        0
        • FQ 21 de dezembro de 2011 at 16:03

          O gráfico já esta de ponta-cabeça…

          0
      • Joselito 21 de dezembro de 2011 at 15:46

        hahaha
        Esse gráfico é muita criatividade!

        0
      • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 16:16

        Tem um livro bem bacana, Como mentir com estatísticas de Darrel Huff que comenta várias técnicas, mas essa de inverter o eixo foi simplesmente fantástica!!! O pessoal da Secovi está de parabéns! Acho que nem Goebbels teria tido ideia melhor! Apesar da minha comparação não ser acidental, hehe.

        0
  • MrK 21 de dezembro de 2011 at 14:11

    CARTA ABERTA AO INSTITUTO FIPE

    Prezado Instituto, é notória hoje a carência de indicadores para monitorar o mercado imobiliário brasileiro e por conta disso o índice Fipe-Zap ganhou importância para todos aqueles que desejam entender e tomar decisões sobre investimentos imobiliários. Não sei precisar se tornar-se a maior referência do ramo foi a intenção inicial do Fipe-Zap, mas é fato que isto ocorreu e portanto este índice agora carrega grande responsabilidade, afim de guiar de forma correta e consistente os agentes de mercado.

    Sabemos que o índice possui grandes limitações, no que diz respeito ao controle dos anúncios (na mão de imobiliárias, que não são isentas quantos à uma possível desvalorização) e em especial no que diz respeito a liquidez, uma vez que não mede número de transações e portanto não pode avaliar o quão aquecidas, ou não, estão as vendas, não obstante o índice é usado como a maior referência para avaliar valor de mercado de imóveis.

    Temos visto nos últimos meses descontos significativos nos preços de apartamentos, negociados diretamente com as construtoras ou mesmo via imobiliárias, estes descontos (que não raramente passam de 30%) não encontram-se refletidos de forma alguma no Fipe-Zap, que aponta constante valorização durante todo o ano, pergunto-me: Por quê? Pela importância que o índice tem, creio que caberia a Fipe explicar ao público porque não consegue captar quedas de preços que são notórias e amplamente difundidas, inclusive sendo anúnciadas em outros sites na internet. O mesmo cenário é visto frequentemente na venda de imóveis usados. Caso a Fipe tenha dificuldade em capturar esses dados, que ao menos alerte este perigo aos mais desavisados usuários do site e agentes de mercado.

    Está bastante visível que o mercado, já há alguns meses, está caminhando para uma queda de preços, com estagnação de vendas, no entanto o índice aponta para uma direção diametralmente oposta, levando a crer que o mercado está em uma ascedente, motivando assim pessoas a tomarem decisões exatamente inversas as que deveriam tomar, se o objetivo de um índice é medir tendências, alertar e prover informação para decisão, está claro que o Fipe-Zap não está cumprindo seu objetivo mais básico, muito pelo contrário, está levando pessoas à desinformação, neste caso seria melhor não haver índice algum.

    Poderia o instituto, em nome de todos agentes e interessados no mercado imobiliário Brasileiro, manifestar-se sobre as limitações do índice, os valores reais de transação, a liquidez do mercado e o fato do preço real estar notoriamente caindo quando o seu indicador aponta para o lado oposto?

    Obrigado

    Equipe Bolha Imobiliaria.com

    0
    • Bolha Imobiliária 21 de dezembro de 2011 at 14:18

      Mrk, se algum dia estourar esta bolha, teremos material mais do que suficiente para publicar um livro, com todas as teses e comentários daqui do blog. O que acha ?

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 14:25

        Carta Aberta ao Instituto FIPE

        Prezados senhores, considerando o respeito, a fama e as amizades adquiridas pelo site e seus dirigentes ao longo dos últimos 3 anos, sugerimos ao senhores contratarem o André pra dançar o créu na velocidade 4, usando pom-poms e saia enquanto se anunciam as promoções imperdíveis de liquidação do estouro da Bolha..

        grato

        0
      • MrK 21 de dezembro de 2011 at 17:13

        historias de uma bolha – a saga do blog bolhaimobiliaria.com pela verdade!

        0
        • Dany 22 de dezembro de 2011 at 01:56

          Amei….!

          0
        • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:11

          Hehehe, a notinha do meu nome (se tiver), gostaria que fosse colocado desta forma:

          Fred Henrique – alguém que está dando muitas “rizadas” agora.

          0
      • Selvagem 21 de dezembro de 2011 at 17:31

        Agora falando francamente. Não só para um livro. Mas para alguns processos judiciais.

        Porque quando a merda for jogada no ventilador, muita gente vai se sentir prejudicada e reunir material contra as empresas desse ramo, seja em processos de anulação de compra e venda, falência e concordata, depósitos judiciais, etc.

        Já pensou nisso?

        0
    • Dr. Estranho 21 de dezembro de 2011 at 14:39

      A FIPE é uma autarquia federal COMANDADA POR analfabetos petistas, portanto, …….ZAP.

      0
      • Jonathas 21 de dezembro de 2011 at 15:43

        FIPE é uma fundação privada ligada à USP. Acho que você está confundindo com o IPEA, que é autarquia.

        0
    • augusto 21 de dezembro de 2011 at 15:37

      Deve ser o mesmo Instituto que para efeitos do IPVA avaliou meu carro com 3 anos com um deságio de 10% sobre um zero km.
      Se eles toparem vendo para eles e ainda dou um desconto. de 15% sobre o zero
      Um outro carro que já tem 10 anos deram um deságio em relação ao mesmo modelo zero de 30%. Cambada de incompetentes oi sei lá o que
      Parece mesmo muita sacanagem do FIPE

      0
    • Bubble Breaker 21 de dezembro de 2011 at 15:45

      Faltou apenas mencionar que o índice já é conhecido como FAKE-ZAP… rzrzrzrzrzrzrz

      Falando sério agora, parabéns ao MRK, mais uma vez.

      0
    • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 17:13

      Mrk, ótima iniciativa.

      Como ex-aluno de economia da FEA/USP corroboro com as informações e enviarei para a FIPE.

      Seria bom um posicionamento da FIPE antes do estouro da bolha, caso contrário a sua reputação sairá abalada, pois ela está servindo de referência para os “investidores” e mesmo para o povo mais simples que prefere comprar agora a aguardar, pois acha que vai valorizar ainda mais (aquele “papinho de aranha”: sempre valoriza, copa, olimpíadas, investimento…).

      0
      • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 17:16

        Em tempo :
        site fipe: w w w . fipe.org.br
        e-mail: fipezap @ fipe.org.br

        0
  • Dr. Estranho 21 de dezembro de 2011 at 14:41

    Senhores.

    Depois de fazer doutorado em bolha de tanto ler este site, afirmo:

    Não há bolha, e sim TROLHA.

    0
    • Carlão_RJ 21 de dezembro de 2011 at 18:13

      kkkkkkkkkk

      0
  • Ratinho 21 de dezembro de 2011 at 14:50

    Como as coisas mudam. No artigo de janeiro de 2011 foram apenas 10 comentários e o mister bolha respondia a todos… Hoje isso seria impossível dada a magnitude que isso está tomando. Hoje todo dia tem notícia sobre bolha.

    0
    • Bolha Imobiliária 21 de dezembro de 2011 at 16:03

      Hahahaha…Do inicio até agora foram 23.609 comentários…No nivel atual mal consigo responder o pessoal…Os tempos mudam

      0
      • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 16:58

        Bolha, parabéns pelo site/fórum. O número de acessos está com viés de alta e tendência de crescimento com os acontecimentos deste final de ano………. Ano que vem promete.

        Enquanto isso, as vendas de imóveis……………….Cri. Cri..Crii… escutamos até os grilos.

        Logicamente que o SECOVI/CRECI tem uma explicação……… Carnaval, páscoa, chuva……. 13o. salário……………. e agora??? Ah, falaram que o perfil do comprador mudou…………. Com as vendas de novembro/dezembro qual será a desculpa?

        0
  • me 21 de dezembro de 2011 at 14:55

    Bolha imobiliária não causa crise:

    http://www.youtube.com/watch?v=KKbi5RTpZe4

    Opiniões?

    0
    • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 16:29

      hahahahahahaha, cara, essa deveria estar no tópico rir um pouco! O cara com sotaque mó caipira!! Com essa apresentação acho que nem pão na feira não vende! Sério, imagine esse cara fazendo uma análise no seu carro! Dá pra botar fé ou não?

      Quero meus 7 min devolta!!!

      0
    • augusto 21 de dezembro de 2011 at 17:13

      Péssimo, se tivesse uma apresentação desta na empresa multinacional que trabalho, no outro dia o palestrante estava na rua. Sem convicção no que fala, sem saber empostar a voz, com material visual fraquissimo,e confuso pra burro. Parece que tenta convencer a ele próprio, quanta besteira e sem fundamento nenhum

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 17:52

        também,
        olha de onde vem

        0
    • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:27

      Saca muito esse tal Sapóia…

      Muito tosco.

      0
  • Lucas 21 de dezembro de 2011 at 14:57

    “tributar mais extensivamente os imóveis para venda abaixo de quatro anos de existência”
    O que mais tem no mercado é repasse de imóveis na planta, ou seja, o imóvel ainda nem existe.
    Acho que uma medida desta natureza seria um golpe de misericórdia em muitos especuladores.

    0
    • FoxBravo 21 de dezembro de 2011 at 17:37

      Concordo. Simples e eficiente.

      0
      • Lucas 21 de dezembro de 2011 at 21:10

        Se o governo tivesse feito isso no final de 2008 nada disso estaria acontecendo.

        0
  • pmoraesm 21 de dezembro de 2011 at 15:03

    Só pra constar:

    GFSA3 em queda novamente, junto com outros papéis de empresas do ramo imobiliário.

    0
    • Q 21 de dezembro de 2011 at 18:04

      Vai ficar mais barato comprar a Gavisa que um apartamento na orla da zona Sul do Rio!

      0
  • Carlos Wagner 21 de dezembro de 2011 at 15:03

    Confesso que estou vibrando este semana com os acontecimentos catastroficos do mercado imobiliario…hehehe

    Estou assistindo de camarote. Sugiro aos colegas que, ao chegarmos no fundo do poço, ao decidirmos comprar um imovel pelo preço justo, não cmpremos atraves de imobiliarias e/ou corretores. Vamos dar o golpe de misericordia neles. Eles merecem.

    Não sei se há a possibilidade de fazer enquetes por aqui, mas minha sugestão seria fazer uma enquete de final de ano, semelhante a que o Augusto Nunes faz na coluna dele na VEJA, do HSV – Homem Sem Visão do ano. Poderiamos eleger o fanfarrão do ano.

    E ai Bolha, o que acha de ideia?

    0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 15:28

      boa
      e tbm o trofeu alfinete de ouro pro melhor comentarista do blog, ele merece né?

      0
    • Anonymous 21 de dezembro de 2011 at 15:38

      Fica melhor o troféu “malandro agulha” – aquele que toma no c*, mas não perde a linha. Aquele rapaz do SECOVI é “hors concours”.

      0
  • Elias 21 de dezembro de 2011 at 15:46

    Brazil slowdown presents chance to reform
    By Joe Leahy in São Paulo

    h ttp://www.ft.com/intl/cms/s/0/63d4ffe0-20f2-11e1-8133-00144feabdc0.html#axzz1hBycdhgs

    0
  • Elias 21 de dezembro de 2011 at 15:51

    Brazil’s rapid growth shudders to a halt
    By Joe Leahy in São Paulo and Stefan Wagstyl in London

    h ttp://www.ft.com/intl/cms/s/0/90f9876a-200d-11e1-8462-00144feabdc0.html#axzz1hBycdhgs

    Em ambas as matérias do FT, dá-se como perdido o 1º semestre de 2012.

    Todos os estímulos fiscais e monetários de que o governo dispõe só farão efeito no 2º semestre de 2012.

    Isso corrobora nossa visão – os primeiros meses de 2012 serão reveladores.

    0
  • Eduardo 21 de dezembro de 2011 at 15:57

    Sobre a Gafisa, postado em um outro blog em 29 de outubro deste ano

    “Ha varias reclamacoes contra Gafisa , cada um tem um problema diferente . O meu e totalmente diferente mas e de deixar qualquer pessoa desanimada . Estes 5 anos , anos dificeis por que passei , comprei no Rio de Janeiro uma apto com toda documentacao de retomada da Gafisa Imobiliaria S. A , paguei a vista , e fiz a escritura de promessa e definitiva onde apaece que a Gafisa agora chamava-se CIMOB COMPANHIA IMOBILIARIA S. A , mesmo CNPJ da Gafisa Imobiliaria e na escritura prestem a atencao escrevem CIMOB ,NOVA DENOMINACAO DA GAFISA , o consumidor nao e obrigado a saber se o nome fantasia mudou etc……com todas conjecturas . O fato e que gastei a vista todas minhas economias neste imovel , acreditando na marca Gafisa , por que nao sou obrigada a saber que em 2005 a CIMOB COMPANHIA IMOBILIARIA , em situacao financeira dificil passou suas acoes para a Uricari que em dezembro de 2005 passou essas acoes para o nome Gafisa S. A abrindo capital aberto em bolsa aprovada pela CVM , sao 13000 acionistas aproximadamente . Grandes momentos de Gloria COM a modelo Gisele Bunchen , garota propaganda da empresa , muitos lancamentos , enquanto isso nos que compramos da CIMOB pensando ser Gafisa fomos lesados pois ao registrar no RGI entrou on line uma penhorav dos inumeros lesados pela gafisa esperando seus ressarcimentos a qualquer hora pelos prejuizos que obtiveram na compra dos imoveis em nome da CIMOB , antiga ou nova Gafisa sei la , cujo patrimonio foi esvaziado , e nao ha credito , aparente para quitar os prejuizos morais e materias de seus clientes e meu . Neste momento meu imovel ficou preso , anos penhorado, eu embarguei tendo que provar a minha boa fe na compra do mesmo e mesmo tendo a sentenca em primeiro grau positiva e justa,a pessoa que havia penhorado meu imovel,recorreu em segunda instancia e como resultado ainda estou tendo que pagar honorarios advocaticios e nao consegui uma atitude a meu favor , pois a Cimob manda cobrar da Gafisa Nova e a Gafisa Nova responde que nao tem nada a ver com Cimob , ou seja nao tem solucao para o meu caso , mas me levaram o dinheiro do imovel , eu comprei de boa fe , fui enganada , e a historia nao acabou ,,,,

    Sera necessario ,se houver outros que tenham comprado imovel da Cimob nas mesmas condicoes que estejam passando por isso,se unam a mim para lutarmos juntos [email protected] ou [email protected] ,

    Atenciosamente
    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    0
    • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 16:35

      início so fim…….olha as coisas começando a aparecer, por que a ação tá caindo só 70% este ano….
      fraude senhores. balaio de gato.cambalacho!
      nem com desconto de 40% eu compro imóvel Gafisa (ou CIMOB, ou Uricari ou sei lá o que…)
      que adianta pagar 600 por um apto que os $#¨$#¨& (corretores de imóveis) dizem que vale 1MM se na hora de registrar a escritura aparece uma penhora on-line e…………..sem apto e sem $.
      GAFISA é caso pra POLICIA FEDERAL!

      0
    • Carlos Wagner 21 de dezembro de 2011 at 16:53

      Isso é fraude empresarial, muito comum no brasil. Quem paga a conta?

      Os compradores… E quero ver falarem o contrario. Pra mim, só de precisar recorrer ao judiciario, esperar sentença, recorrer a segunda instancia e quem sabe ao STF, esperar 10, 15 anos por uma sentença transitada em julgado é ver as economias da sua vida irem pro ralo.

      0
  • Johnny 21 de dezembro de 2011 at 17:02

    Vamos dar gelo neles! Era meu sonho comprar um imóvel mas já desisti.
    Vou arrumar qualquer canto ae pra alugar que esteja em processo de inventário.
    Onde moro, aqui no Rio de Janeiro, saiu o inventário e a dona já está pedindo para vender.

    0
  • Tatanka 21 de dezembro de 2011 at 17:14

    Estamos aos poucos vendo a casa cair e a verdade prevalecer. Hoje um amigo em procurou revoltado, pois pagou R$ 220.000,00 em um apartamento ainda não entregue, em Maio de 2010, e agora a Construtora esta vendendo no mesmo bloco por R$ 188.000,00. Não sei se ele pode entrar na justiça para pagar o preço atual, alguem tem alguma ideia?

    0
    • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 17:18

      Olha, não tem nada que impeça de entrar, mas vai alegar o que? Na hora de assinar o contrato as duas partes não leram? As duas partes não entenderam e concordaram?

      E outra, a empresa pode alegar uma porção de coisa em cima do valor que ele não vai ter como contestar, lucros, inadimplência ou até a posição do apartamento, pra citar algumas.

      Se um amigo meu me procurasse dizendo isso eu olharia bem nos olhos dele e diria: PLOC!

      0
      • Selvagem 21 de dezembro de 2011 at 17:50

        Olha para responder vou tentar nao entrar no juridiques. Acho dificil.

        Em tese para existir uma compra e venda precisa: preço, objeto e acordo de vontades. Isso sela o contrato. Torna ele perfeito. Logo eu não posso mais discutir isso, certo?

        Errado

        Há muitas questões que podem ser discutidas. Quer um exemplo?
        1- o contrato de compra e venda é um contrato de adesão onde a parte não tem o poder de alterar as clausulas, logo a parte é considerada como frágil e pode destruir o contrato.

        2- Onerosidade excessiva. Já viram o artigo 478 do Código Civil?

        art 478. Nos contratos de execução continuada ou diferida, se a prestação de uma das partes se tornar excessivamente onerosa, com extrema vantagem para a outra, em virtude de acontecimentos extraordinários e imprevisíveis, poderá o devedor pedir a resolução do contrato.

        Um advogado que montar uma tese vencedora em cima disso e desfazer o contrato. É um briga pra anos de judiciário…

        Agora já vi isso acontecer em 2001 por conta da desvalorização do cambio no governo do FHC em cima de diversos contratos de leasing de veiculos

        Tái um filão que muito advogado pode ganhar dinheiro.

        0
        • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 17:56

          Como assim contrato de adesão? O cara não foi lá assinar o contrato? (Dúvida mesmo)

          Agora, acho uma sacanagem rever o contrato porque se tivesse dado tudo certo a pessoa tava toda pomposa rotando peru, dá errado e corre se esconder atrás da toga. Errou, fez merda, tem que pagar caramba!

          Tomara que no fim as custas sejam maiores que o valor questionado, pra deixar de ser trouxa.

          0
          • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:38

            Sei não…

            E o pessoal que compra iPhone de R$2.000 e depois vê o bicho cair para R$1.300?
            Ou os trouxas que pagaram R$3.000 no PS3 que agora é vendido a R$800? Tem que se lascar tal qual o cara que comprou e não leu o contrato, ou que comprou acreditando na valorização de 30%a.a..

            Mas não duvido nada de a juizada mandar rever contrato e prestação por aí. Tem muito juiz que acha que tem que promover a “Justiça Social” na base da sentença.

            0
            • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:39

              Cleyton, minha resposta era para o Selvagem. Saiu no lugar errado.

              0
        • Marvin 21 de dezembro de 2011 at 18:13

          Eu tinha um professor desembargador do TJ-SP nessa época que era contra a revisão dos contratos de leasing; ou seja, nunca se sabe o entendimento da juizada… pode “colar”, como pode também “não colar”… O que adianta, é não fazer a mer…, depois que está feita, aí já era… a menos que você tenha um delorean, como dizem aí…

          0
          • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:34

            Concordo, Marvin,

            No Brasil só existe uma lei: a que está na cabeça do juiz.

            É cada decisão ABSURDA que se vê neste país.

            0
        • Fabiano 21 de dezembro de 2011 at 19:11

          Selvagem não entendo nada de direito rs rs mas entendi seus argumentos.

          Mas imagine só a situação existe uma coisa chamada livre concorrencia de mercado , imagina o cara vai nas Casas Bahia e compra uma televisão de plasma por 2500 reais ele passa no caixa paga e quando esta saindo da loja o som da loja anuncia a mesma tv por 2000 mil reais .
          O cara teria o mesmo direito de ter um ataque ??? é complicado isso pode abrir uma jurisprudencia muito perigosa.

          0
        • Shakespeare 21 de dezembro de 2011 at 20:17

          Desculpe-me pela franqueza, mas se fizer isso vai estar alimentando outra classe desprestigiada e que está querendo que isso aconteça para ganharem dinheiro em cima da desgraça criada pela bolha… mas é assim mesmo que funciona a nossa sociedade e as leis são feitas para privilegiar essa classe

          0
      • Bananense 23 de dezembro de 2011 at 01:23

        Ahahahahahaha!!!!

        “Se um amigo meu me procurasse dizendo isso eu olharia bem nos olhos dele e diria: PLOC!”

        Essa foi a coisa mais engraçada que eu já li nesse blog!!! Ótima!!!!

        0
    • aiwww 21 de dezembro de 2011 at 17:26

      Recomendo que seu amigo faça o mesmo que os chineses … entre na imobiliária e quebre TUUUDO !!! 😛 … opa .. sem violência … porque isso non ekxiste !!! 🙂 .. seria apenas uma terapia .. se ele chamasse outros compradores poderia fazer terapia em grupo !!!

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 17:41

        minha sugestão é vc procurar novos amigos pq esse aí vai sair do “mercado” por um bom tempo

        0
    • BOLHABRAZIL 21 de dezembro de 2011 at 17:44

      fala pro seu amigo ligar para o $#$##¨#*¨%* (corretor) que vendeu pra ele, dizendo que ali ia valorizar, que é investimento seguro, sempre valoriza, blá blá blá e pede pra ele explicar o que houve.
      cuidado pro seu amigo não pirar de vez quando souber que alguém fez uma proposta de 160 a vista ao inves de 188 mil e…………..negócio fechado!

      PLOC, PLOc, PLoc, Ploc, ploc…………………

      0
    • Marvin 21 de dezembro de 2011 at 17:47

      “grande” tatanka (de que filme era mesmo???). Bom, seu amigo pagou porque quis, se tivesse acompanhado o forum aqui, talvez não tivesse comprado… Entrar com ação??? não sei não, me lembra aquele pessoal que saiu comprando BMVs com financiamento atrelado ao dólar, depois caiu do cavalo…

      0
      • Shakespeare 21 de dezembro de 2011 at 20:23

        The one who dances with wolves knows that can be bitten

        0
        • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 20:37

          ou

          “Quem dorme com morcego acorda de ponta cabeça”

          ou

          “Quem come pregos sabo o ## que tem”

          0
          • Felipe 21 de dezembro de 2011 at 22:05

            Tá na chuva é pra se molhar, ajoelhou tem que rezar…. Mas o que melhor define essa situação é esse: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

            0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 17:48

      ratinho, manda ele colocar o cara da imobiliaria frente a frente com o cara do fipezap e falar: Um dos dois tá mentindo aqui, qual é???

      0
    • Carlos Wagner 21 de dezembro de 2011 at 17:56

      Hum…Se tivesse valorizado ele seria o espertão, como desvalorizou ele quer reclamar. Lei de Gerson!

      É como o golpe do bilhete premiado, o estelionatario só consegue ter exito porque a “vitima” é ainda mais ganaciosa.

      Se fosse eu, ficaria quietinho de vergonha!

      0
      • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 18:16

        Vcs já pararam pra pensar que são os recebíveis desta turma do amigo do tatanka que as construtoras estão anotando lá no livrinho de contabilidade.

        Os esqueletos vão começar a aparecer, mais gordos que o Jo Soares

        0
        • Inteligivel 22 de dezembro de 2011 at 20:27

          Para completar o raciocínio: são esses imóveis que estão lastreando os Fundos de Investimento lastreados em CRI e CRI que o nosso amigo JJ veio aqui feliz da vida dizer que rendeu 30% no último ano.

          0
          • peterson 22 de dezembro de 2011 at 23:24

            como os grilos cantam mesmo? z

            0
    • Carlão_RJ 21 de dezembro de 2011 at 18:23

      Diz prá ele parar de acompanhar os preços senão, infelizmente, tá arriscado a ele fazer uma besteira se tiver uma arma.
      Tem muita gente que foi ENGANADA mesmo. Sei que o sujeito leu o contrato, mas o sonho de ter uma casa própria faz com que as pessoas tomem decisões precipitadas. Teve um lançamento aqui no Rio, o Bora Bora Tijuca, que se dependesse exclusivamente da opinião da minha mulher eu teria feito uma bobagem enorme. Tudo pela empolgação e pressão dos corretores.
      Tem gente que não merece passar pelo que vai passar. Infelizmente,

      0
      • Vitor 23 de dezembro de 2011 at 14:56

        Carlão,
        Por que vc acha que a aquisição de um apartamento no empreendimento bora bora tijuca teria sido uma bobagem? Também quase fechei, visto que o preço do m2 estava um pouco abaixo de outros empreendimentos semelhantes na região.

        Sds

        0
        • aiwww 25 de dezembro de 2011 at 21:49

          .. é simples, basta entrar no site da Santa Cecília ( bbtijuca-sc.dyndns.org/svi/Simulador10/Simulador.asp ) e calcular o valor do metro quadrado … ficou em módicos R$ 7.480,00 o metro quadrado … hummm baratim baratim … só sendo otário para entrar numa dessa … mas como já dissemos aqui .. todo dia acorda um malandro e um otário, quando eles se encontram acabam fazendo negócio … boa bolha 2012

          0
  • Selvagem 21 de dezembro de 2011 at 17:16

    Como fã do blog aplaudo a idéia do livro e outras que esão sendo dadas e sugiro algumas coisas:
    1- Fazer um concurso para o nome. A minha eu já coloco: “Bolha imobiliária, o blog : Posts de uma tragédia anunciada.”
    2- Chame os maiores frequentadores do blog para o coquetel de lançamento. Boca livre sempre será bem recebida.
    3 – Sugestôes:

    Troféu Viagra – Aquele que pensa que vai sempre subir, mas uma hora cai – para o maior defensor das altas no mercado.
    Troféu ” O pior cego é aquele que não quer ver” – para o maior defensor do mercado imobiliário no blog.
    Troféu ” La garantia soy jo”- Para a empresa do ramo imobiliário que primeiro quebrar.
    Troféu “Minha casa, minha dívida” – para os membros do governo que mais negarem a bolha. Mantega? Tombini:?

    0
    • Muca CG Muita Treta 21 de dezembro de 2011 at 17:46

      O livro pode até ser pago em um sistema de crowdfunding. Sou jornalista e se precisarem de ajuda para redigir, organizar ou revisar, estou à disposição.

      0
    • Paulo Rocha 21 de dezembro de 2011 at 17:55

      Chame o livro de “Minha casa minha bolha”

      0
      • César 24 de dezembro de 2011 at 22:52

        Chame de “Minha Casa, Minha Cova”

        0
    • Indecoroso 22 de dezembro de 2011 at 02:05

      Os corretores também estão trabalhando numa publicação: “1000 meu, com 1000 teu”.

      0
      • peterson 22 de dezembro de 2011 at 23:26

        publicação de um corretor : “incentivei meus clientes à comprar dako, porque dako é bom”

        0
    • O Poeta da Bolha 22 de dezembro de 2011 at 15:01

      Far-se-á mister, outrossim, condecorar o mais trabalhado e original pseudônimo cibernético (conhecido por vós, confrades, pelo anglicismo “nickname”), bem como pérolas e bordões aqui engendrados, que tanto nos entretêm, tais quais o aludido Picasso do JotaJota (deuses, que baixo conspurcar das obras do grande malaguenho! Ao menos rende gargalhadas).

      No tocante ao nome do vindouro livro, eis minha sugestão para capa e frontispício: “Da mania imobiliária na Terra Brasiliae e de suas conseqüências deletérias e ilações outras”.

      0
  • Carlos Wagner 21 de dezembro de 2011 at 17:20

    Uma, dentre várias reclamações contra a GAFISA no RECLAMEAQUI.COM.BR

    Senhores que compõe a construtora gafisa venho através desta expor toda minha consternacao com a postura dos senhores que deixou a mingua não somente eu mas inúmeros moradores do jtr em Maceió. O empreendimento êh lindo e bem construído e ate que prove o contrário preenche nossas expectativas, mas a distancia dos senhores conosco êh extremamente aterrador, pois temos pessoas que estão morando com suas famílias em casa de parente, hotéis e alugueis isto porque os senhores estão atrasados há mais de 1 ano. Para ser entregue a unidade os senhores querem que façamos o financiamento do saldo devedor que esta em total discrepância com aquilo que já pagamos. Por exemplo, meu contrato na origem de 230 mil, paguei 180 mil (sem contar que fiz um distrato de minha sala há mais de 1 mês e não obtive resposta), mas meu saldo devedor alcança a monta de 230 mil, não entendo este patamar. Queria que os senhores fossem mais presentes, ora se obra êh em Maceió não tem sentido não haver representação dos senhores em Maceió. Estou muito feliz com a obra que adquiri, mas extrmamente cháteado com a postura dos senhores e Não os recomendo aos demais consumidores que queriam investir na obra

    http: // http://www.reclameaqui.com.br/2130517/gafisa/entrega-das-chaves-e-saldo-devedor-duvidavel/

    0
    • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 19:55

      “Por exemplo, meu contrato na origem de 230 mil, paguei 180 mil (sem contar que fiz um distrato de minha sala há mais de 1 mês e não obtive resposta), mas meu saldo devedor alcança a monta de 230 mil, não entendo este patamar.”

      Esse não leu a parte do contrato que corrige o saldo pelo INCC, entrando no financiamento com esse saldo é o que eu venho dizendo, você paga a construção da poióca e depois eles te vendem aquilo que vc acabou de construir, no caso 180k pro lixo!!!

      0
      • lrp 22 de dezembro de 2011 at 00:20

        kkkkkkk, esse cara nao entendeu q ta pagando incc sobre o atraso da obra, tem bobo pra td nesse mundo.

        0
      • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:44

        Na verdade acho que ele pode até ter lido sobre o INCC, mas deve ter pensado:

        “INCC? F*da-se!”

        0
  • Elias 21 de dezembro de 2011 at 17:42

    Pois é pessoal, vejo que estamos deixando a Fase do “Financial Distress” e entrando na fase dos “swindles”, ou “fraudes”, exatamente com está no livro do R. Aliber, que o MrK indicou.

    Quando as empresas em dificuldade de caixa, devido à desaceleração do crédito e da bolha, não conseguem mais resolver seus problemas, partem pra apelação, pro jogo sujo.

    O caso do Panamericano e da Caixa, e este da CIMOB são exemplos disso.

    Acho que veremos mais disso em breve.

    0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 17:52

      Elias, seguindo essa linha, e essa da gafisa de captar R$260milhoes pra “razoes estrategicas” sem falar pro que é?

      primeiro eles disseram que era capital de giro, depois voltaram atrás e alegaram isso

      isso é claramente uma empresa em ponzi dando suas ultimas cartadas, sem esses empréstimos ela quebra, ela não tem caixa pra viver muitos trimestres mais e o mercado tá percebendo, por isso a ação virou pó

      0
  • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 17:49

    só pra lembrar a Gafiza continua caindo, pelo terceiro dia seguido, -2%
    GFSA3 16.741 63.776.712 4,30 -2,05

    Reparem:
    numero de negócios altissimo e volume baixo, é sardinha que não acaba mais.
    Quando os tubarões vão entrar comprando?
    Nunca?

    0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 17:55

      tubarão comprar gafisa? só vai comprar se UMA coisa acontecer

      se vazar uma noticia nas internas de que o governo vai socorrer, ou vai vender pra outra empresa boa, sei lá, algo de fora, extraordinario, se isso ocorrer eles podem comprar, tirando isso esquece, do jeito que tá é rasgar dinheiro, ano que vem essa empresa vai pagar uma bala juquinha de dividendo…com sorte…

      0
      • Carlos Wagner 21 de dezembro de 2011 at 18:03

        MRK

        Seu posicionamento nesse comentario foi anti etico. Voce está depreciando uma marca confiavel no mercado e que fez parte das nossas vidas.

        Claro, falo das Balas Juquinha.

        0
        • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 18:07

          kkkkk
          tbm acho desmerecer demais as balas juquinha

          0
          • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 18:08

            aquele site advfn é uma rrombo d eentgraçado
            comentários técnicos excelentes tipo, caso mas não arrego, rsrs

            olha o que andam diovulgando por lá
            Feedback from Conference Call with Duílio (Gafisa’s CEO)

            Stock Rating/Sector View: 1-OW/1-Pos

            Price Target: R$16.0

            Price (20-Dec-2011): R$4.39

            Potential Upside/Downside: +264%

            Ticker: GFSA3

            Last night we held a conference call with Duílio Calciolari (Gafisa’s CEO). Please see below for some bullet points from the call:

            Most critical at this point – Liquidity

            – He reinforced that the company is in a comfortable cash situation. They hold R$900mn in cash (as of 3Q11) + R$230mn commercial note they issued two weeks ago, so R$1.13bn, from which R$830mn are very liquid.

            – The R$230mn commercial note was a bridge loan for a greater debt they are negotiating with banks to pay Alphaville’s stake in the 1H12 (just in case it takes longer than expected). They want to have all the alternatives to pay – stated that they don’t want to pay with shares with the stock at this price, however, will only pay with cash if they are in a comfortable situation.

            – They have only R$400mn of corporate debt to amortize in the next 12 months, and even though they have money to pay, they are already working on the roll-over of this debt.

            – The company has cashed in R$1.8bn of receivables in the last two quarters excluding securitization (R$946mn only in the 3Q11) and he expects this amount to continue growing.

            – They have R$4.3bn of receivables in the short-term EXCLUDING TENDA, just from Gafisa and Alphaville. From this amount, R$1.9bn comes from units ALREADY FINISHED, in the process of transferring those receivables (again excluding TENDA).

            – In 2012 they expect to buy around R$200mn in land bank, HALF the amount they bought in 2011 (R$400mn), besides they intend to sell some lands outside Rio de Janeiro and São Paulo, which should help them to finance new land acquisition.

            – Under the new strategy and new level of volumes they expect to be cash flow positive in the 1Q12.

            Operational Issues

            – Since July 2011 they are only launching Tenda’s projects already approved and contracted in CEF which substantially decreases the working capital needs along the cycle (that’s why we should not see relevant Tenda’s launches in the 4Q11 again).

            – Right-offs are only from projects where construction DIDN’T START YET, therefore the impact on cash flow and income statement is limited, around 5-10% of the value of the unit in the first case and the amount of gross profit already recognized in the second case (which should be low as units are not being built yet).

            – Sales returning should increase now that the old TENDA’s projects are being delivered, but they are not facing major issues to re-sell them. Although the impact on cash flow is limited (the client doesn’t pay a relevant amount to the builder until project delivery) if the unit is returned in one quarter and re-sold in the next quarter, it should have an important impact in the income statement (gross profit from the entire unit – given most of them are finished).

            – They are still recognizing some cost-overruns from projects that they are taking the control from previous partners.

            We believe that the market seems to have overreacted to speculation on the company. The main issue asked from clients is whether the company will have liquidity issues or not, and they have shown material information to demonstrate that this is on their radar and they will not make any decision that compromises the company’s liquidity position. We acknowledge that the 4Q11 could be a bad results quarter, but, in our view, the current stock price is embedding an almost bankrupt scenario which we don’t think is reasonable at this point

            0
        • Tico RJ 21 de dezembro de 2011 at 19:13

          Essa foi boa.

          KKKKKKKKKKK

          0
      • Ratinho 21 de dezembro de 2011 at 18:16

        “A Gafisa S.A. (“Companhia”), no tocante ao pagamento de dividendos a ser
        realizado em 28 de dezembro de 2011, conforme deliberado em Reuniao do Conselho
        de Administracao realizada em 1o de dezembro de 2011, no valor total de
        R$98.811.840,46, conforme aprovado em Assembleia Geral Ordinaria realizada em 29
        de abril de 2011, vem, pelo presente, informar aos seus acionistas e ao mercado
        em geral o montante a ser pago por acao, excluidas as acoes em tesouraria, em
        maior numero de casas decimais, de sorte a reduzir as distorcoes decorrentes do
        arredondamento. Em dez casas decimais, o valor por acao a ser creditado em favor
        dos acionistas sera de R$0,2290576089. Sao Paulo, 2 de dezembro de 2011.”

        Quanto tá a bala juquinha?

        0
        • MrK 21 de dezembro de 2011 at 18:33

          olha ai
          a bala juquinha vale mais que 0,22 centavos nao vale? e isso é esse ano

          ano que vem vai ser aquelas balas de tamarindo embrulhadas num papel tosco sabe?

          0
        • nelson 22 de dezembro de 2011 at 08:29

          Ratinho, bom dia!, não entendi, como pode a Gafisa pagar dividendos em 28/12/2011 e estar
          levantando um empréstimo de R$ 230 milhões a 125% CDI?. Ela teria que suspender os dividendos devido a situação financeira e preservar capital de giro. Essa historia esta mal contada.

          0
          • Cleyton 22 de dezembro de 2011 at 10:31

            Nelson, ficou muito esquisito mesmo, só que isso é obrigação legal, toda a empresa de capital aberto é obrigada a reverter para os acionistas pelo menos 25% do lucro do último exercício em dividendos, mesmo se está com as calças na mão, se ela tivesse registrado prejuízo não precisaria pagar nada de dividendos, isso que dá maquiar os livros…

            Não sei se tem isso em outros países, pra mim parece Jaboticaba, só tem no Brasil mesmo.

            0
            • Dr. Estranho 22 de dezembro de 2011 at 12:56

              Mas “maquiar” livros fiscais também é crime.

              0
          • Ratinho 22 de dezembro de 2011 at 12:27

            E só pra constar, não possuo ações dela….rsrss

            As informações estão no seguinte link. Observe que o pagamento de dividendos foi publicado no dia 5 de dezembro a “Emissao de Nota Promissoria” no dia 20.

            h t t p : / / w w w . bmfbovespa.com.br/pt-br/mercados/acoes/empresas/ExecutaAcaoConsultaInfoEmp.asp?CodCVM=16101&ViewDoc=0#a

            0
      • DanielCM 21 de dezembro de 2011 at 19:44

        eu já havia pensado nisso. por enquanto, só teria lucro quem comprou esses papéis no final de 2008 ou mais lá para trás. mas acho que quem comprou na baixa já se livrou na alta, né?

        0
        • augusto 21 de dezembro de 2011 at 21:58

          Os profissionais certamente sim , mas os trouxas babacas ot[arios que pensam que são espertos estão com o mico nas mãos

          0
      • Carlos Eduardo 21 de dezembro de 2011 at 21:27

        A Gafisa não se salva nem se a apple comprar !

        kkkkkkkk

        0
        • Indecoroso 21 de dezembro de 2011 at 23:09

          Também, né, foram colocar na empresa um nome que sonoriza “gafe”… Gafisa…

          0
  • MrK 21 de dezembro de 2011 at 18:04

    a partir de agora todo mundo que reclamar porque pagou mais caro do que tão vendendo no mercado eu vou responder:

    Faz o seguinte, entra no delorean, volta 1 ano no tempo e lê o blog bolhaimobiliaria.com… e não encha o saco hehehehe

    façam como o Biff hehehe

    0
    • Luiz 21 de dezembro de 2011 at 18:25

      Mrk, a contabilidade das IMOB está contando com os recebíveis dessa gente.

      Venderam a rodo pra especulador a descoberto, esse dinheiro não virá nunca.

      A hora que esses esqueletos começarem a aparecer é quebra na certa, talvez de mais de uma construtora.

      0
    • Vinicius Lima 22 de dezembro de 2011 at 15:22

      Excelente sugestão, e porque não, referência cinematográfica…

      Vlw!!!

      0
  • Marvin 21 de dezembro de 2011 at 18:04

    A história sempre se repete… É comum eu ouvir que jamais pode acontecer novamente o que aconteceu com a Encol, que eram outros tempos, hoje os empreendimentos são mais garantidos, etc, etc, e tal… Mas sempre vem algum espertinho, abre uma empresa aqui, muda o nome, se junta com outra, muda o nome de novo, muda CNPJ, abre o capital, maqueia o balanço, fatura milhões e depois… simplesmente baixam a porta e sobram uns otários para pagar a conta… Uma coisa é certa, no brasil não existe negócio seguro, imagina comprar o “nada” (para mim, apartamento na planta é a mesma coisa que nada; pode ser que ele venha existir, mas, sempre há uma chance de algo dar errado) JUSTIÇA??? esquece, demora muito, custa caro, e você se vê obrigado a participar das “semanas de conciliação do CNJ”: é fácil falarem que as pessoas deveriam entrar em acordo para desafogar a justiça, mas, um acordo sempre vai ser benéfico para o devedor… A justiça deveria servir para dar uma resposta ao credor, e não beneficiar o devedor…

    0
    • MrK 21 de dezembro de 2011 at 18:12

      o problema da gafisa, na minha opinião, não foi má fé, foi má gestão mesmo

      os precos foram subindo, subindo e justificando custos mais caros, terrenos mais caros, maos de obras mais caras… como os preços subiam TANTO eles podiam pagar caríssimo por tudo e ainda ter algum lucro

      o problema que eles projetaram MUITO mal, projetaram que a crásse média iria continuar pagando preços estratosféricos eternamente, que nem o camarada do 2017, e por isso compraram terrenos caríssimos, se endividaram, se ALAVANCARAM até onde deu, deram um passo maior que a perna contando com o ovo ainda no c# da galinha

      pois bem, as vendas travaram, mas os custos permanecem altos, os terrenos foram inflacionados (culpa deles e da cyrela principalmente) e agora eles não conseguem mais lucrar… pra piorar compraram aquele desastre da tenda… eles estão na lama mesmo, coitados, mas foi má gestão, eles viajaram total…

      0
      • Marvin 21 de dezembro de 2011 at 18:15

        Má gestão ou má fé, não importa, o rojão vai estourar no c# do povão… até rimou!!!

        0
      • dentista 21 de dezembro de 2011 at 19:02

        Conheço gente que trabalha no mercado imobiliário e as próprias empresas fazem lavagem cerebral no pessoal. Mesmo os executivos negam a bolha, então acredito que eles se auto enganaram. Vão virar pó pela irresponsabilidade contábil.

        0
        • Leo 22 de dezembro de 2011 at 09:43

          Acho que a maioria dos “Business” de comerciou popular fazem lavagem. Quando vendi meu AP passei um tempo indo a agencia que fez a venda… a tal Gerente que me atendia falava do chefe dela como se o cara fosse um ser superior.. comentou algumas vezes que ele estava em um congresso ( surreal ) e que ela estava ansiosa pelo evento da empresa que aconteceria em um hotel. É sempre a mesma coisa… eu quero mais que esse posso se PH !!! Ganancia somada com burrice da nisso… Povo burro tem mais é que se PH mesmo…

          O mais irritante é o ar pedante desses bostas… consultores de investimento. Ve se pode…

          0
    • RT 21 de dezembro de 2011 at 18:43

      Eu não sirvo pra esse negócio de comprar apartamento na planta não.

      E penso assim desde antes da bolha. Tenho um tio que investiu todas suas economias num apartamento da Encol… ficou sem apartamento e não recebeu um centavo de volta.

      Hoje ele já se refez, mas virou trauma de família… cresci ouvindo a história dele, e não me sinto confortável em investir as quantias envolvidas em algo que ainda nem saiu do chão. Depois, qualquer merda que dê, você não tem garantia nenhuma de que vai receber um centavo de volta, não importa o que esteja escrito.

      Transações dessa magnitude, eu só faço com muita segurança,

      0
      • Tico RJ 21 de dezembro de 2011 at 19:06

        Entendo pouco de economia, mas sempre que penso em negócios no Brasil, me vem o termo instabilidade. Acho que é um trauma cultural que vem das épocas do Sarney e do Collor.

        0
      • DanielCM 21 de dezembro de 2011 at 19:52

        incorporação imobiliária é uma roubada. você compra uma fração IDEAL do empreendimento. mas se essa fração vai virar real, aí são outros 500 que nem quero saber.

        0
  • AMDKC 21 de dezembro de 2011 at 19:22

    Fui ver um imóvel em Copacabana, Rua Raimundo Côrrea 140 m2, o dono louco para se livrar o preço 1.200.000,00 R$, o aluguel anterior de 3.000R$ já havia alertado o proprietário da Bolha logo era urgente realizar o lucro. O mesmo já havia até mesmo negociado o % do CDI junto ao Banco 100%.

    Olha como imóvel é um negoção.

    Banco do Brasil 100% CDI para valores acima de 1.000.000,00 R$
    Valor Aplicado 1.200.000R$
    Total acumulado mês a mês considerando saque mensais 7.874R$ contra 3.000 R$ do aluguel.

    No ano a diferença é absurda R$ 58.482 ( R$ 94.482 x R$36.000 )

    A verdade é a seguinte todos já notaram a distorção é a hora é de realização, agora só entra bucha.

    O dono mesmo me falou que não quer saber de alugar, que quer vender mesmo.

    Tá estourando.

    0
  • Indecoroso 21 de dezembro de 2011 at 19:52

    Vejam a chamada de capa da revista “Carta Capital” dessa semana:

    “A mídia esconde o Brasil, mas não consegue conter a força da internet”…

    Aí chega o corretor bisbilhoteiro, lê isso aqui no blog e pensa:
    – esse bando de desocupados que fica aqui o dia todo tricotando números é que tá ruindo com meu negócio; desgraça!!! (e dá um soco na mesa de plástico…)

    0
    • Shakespeare 21 de dezembro de 2011 at 20:59

      é a velha história do marido traído que vende a cama para impedir a traição da esposa

      0
    • augusto 21 de dezembro de 2011 at 21:53

      Deram tiro no próprio pé e talvez tenham até conseguido arruinar a reputação de uma profissão que um dia teve conceito na sociedade

      0
  • Marcos 21 de dezembro de 2011 at 19:53

    21/12/2011 10h55 – Atualizado em 21/12/2011 10h59
    Inadimplência sobe em novembro e é a maior desde novembro de 2009
    No mês passado, taxa geral de inadimplência somou 5,6%, informa BC.
    Inadimplência de PF também sobe e é a maior desde janeiro de 2010.

    g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2011/12/inadimplencia-sobe-em-novembro-e-e-maior-desde-novembro-de-2009.html

    Ainda bem que o Tombini está baixando os juros para ajudar o povão.

    0
    • augusto 21 de dezembro de 2011 at 21:51

      Parodiando e modificando uma frase do molusco : vai começar o espetáculo da inadimplência produzido por aquele que hoje está do-dói, e dirigido por Dilma e Mantega.
      Produtor executivo Tombini.Figurantes corruptos do PT e satélites

      0
      • peterson 22 de dezembro de 2011 at 23:42

        idiotisse completa este comentário… esta não é a causa do problema atual…. estamos em uma bolha geral dos preços colega, acho que vc ainda não percebeu… temos uma coisa estranha acontecendo de maneira global, trata-se de uma falência de modelo ideológico, o fracasso, derrepente até o fim dele, não duvido nada algum maluco apertar o botão de restart e fu### com meio mundo para justificar as cagadas… deve ter muito maia reivindicado autoria para o fim … duvido muito que a impressora dos EUA dê conta de pagar os trilhões necessários para ZERAR as contas….

        0
  • Ricardo 21 de dezembro de 2011 at 20:40

    Acabei de mandar uma mensagem para o colunista Ricardo Gallo – IG que já havia comentado a respeito de uma possível bolha.

    Segue:

    Prezado Ricardo Gallo,

    acho interessante fazer uma nova análise do mercado imobiliário. Seguem os índicios:

    1 – Descontos cada vez maiores;
    2 – Crescimento da oferta de imóveis x endividamento do povo;
    3 – queda acentuada nas vendas em outubro de 2011;
    4 – mercado acionário: veja queda das ações da empresa GAFISA ;
    5 – Contradição: índice FIPE ZAP aponta valorização, mas a realidade desmente.

    A bolha está prestes para estourar.
    veja no site bolhaimobiliaria.com as novidades.

    0
  • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 20:51

    A globo é foda.
    No conta corrente de hoje à tarde foi entrevistado o (guardada a devida proporção) o economista estrategista Marcelo Ribeiro. O cara desceu lenha em nossa economia e falou do tempo nebuloso que nos aguarda em 2012, inclusive falando do estouro da BOLHA CHINESA (já ocorrida), com previsão de queda (nos preços de lá) na ordem de 50% só em 2012.
    Qual não foi minha surpresa ao ver que a entrevista está cortada por menos da metade… a globo é foda h t t p : / / g1.globo.com/videos/globo-news/conta-corrente/t/todos-os-videos/v/futuro-economico-e-esperado-com-pessimismo/1739467/
    Tudo bem que o cara é tido como pessimista, o problema é que ele acerta.

    0
    • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 20:52

      Guardada a devida proporção, pois, quis compará-lo ao Noriel Roubini.

      0
    • Eduardo Zé 21 de dezembro de 2011 at 21:46

      A crise chinesa esta derrubando os preços agrícolas, o valor do trigo está derretendo.

      Mas ninguém sabe (mídia) porque o preço baixou…

      0
  • thiago 21 de dezembro de 2011 at 21:23

    A porteira vai se abrir quando o índive Fipe Zap se igualar à inflação com viés de queda. Mesmo decrescendo a maioria olha para o índice e conclui que 1,4% ao mês é praticamente o triplo do IPCA . Então, o novo rico pensa que, mesmo ganhando pouco com aluguel, a subida no preço de mercado compensará muito o valor que supostamente deixou de ganhar numa aplicação de renda fixa quando a valorização cessar e ele resolver vender seu imóvel. Resumindo, o cara acha que ainda está ganhando muito mantendo o imóvel, afinal, imóvel não desvaloriza no Brasil, não é?

    O que o novo rico não está contando, é que os investidores de primeira viagem pensam exatamente igual à ele, de forma que todos correrão pra vender ao mesmo tempo, gerando pânico no rebanho. Os mais espertos já saíram e faturaram alto. Quem ficou tem medo de vender e se arrepender. Afinal a Copa e Olimpíadas estão por vir. Por que não esperar mais um pouco – ele pensa. Até onde ele sabe muita gente ficou “milhonária” só por ser dono de imóvel.

    Esperem o índice chegar em 0,5% ao mês e vocês veram o estouro que tanto esperam…

    0
    • thiago 21 de dezembro de 2011 at 22:10

      ” verão” – conjuguei rápido demais.

      0
  • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 22:16

    Propaganda de cartão de crédito há 25 anos: take the waiting out of wanting….. na atualidade está mais para esse: Graças a Deus e a benevolência dos bancos, não mais! Com um cartão de crédito você pode inverter a ordem: você pode desfrutar agora e pagar mais tarde.
    2012, 2012, vem ni mim… he he he

    0
    • Money Addicted 22 de dezembro de 2011 at 00:24

      como estamos tranquilos com as “boas” noticias…vai uma pequena “anedota” q eu fiz….com meu cartao de credito, a educacao financeira da minha namorada nao eh das melhores e fomos ao supermercado comprar umas frutas, etc, e esse supermercado parcela no cartao, a conta ficou em R$60,00 e eu pedi para parcelar, ela ficou vermelha de vergonha…..rsrsrs

      antes q alguem me critique….eu tenho o habito de gastar tudo no cartao (desde q nao tenha desconto a vista) e tambem parcelar no maior numero de parcelas (desde q nao tenha desc tambem) e obviamente pago a fatura total no vencimento, enfim, a ideia desse post nao era discutir minha estrategia de gastos mensais e sim contar esse “causo”

      boa noite

      0
      • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 08:05

        Money,

        A Banânia NUNCA teve realmente cartão de crédito, pois a taxa de juros sempre foi da ordem de 150% ao ano. Excluindo os idiotas (talvez a maioria dos bananenses) pagar a fatura total significa utilizar na verdade um cartão de DÉBITO com um prazo de 15 dias de pagamento, nada mais do que isso.

        0
        • eam 22 de dezembro de 2011 at 08:51

          Anonymous, no cenário atual de inflação alta, 15 dias (na verdade vc pode conseguir até 40) já ajuda alguma coisa, caso vc tenha como pagar o valor total da fatura lá na frente, é claro.
          Mas como o “bananense” (a primeira vez q li isso c*guei de rir !!! rs) acha que rolar a dívida do cartão de crédito um ótimo negócio, a meleca tá feita…
          Olha, já escrevi isso antes e repito: o crédito é um ótimo instrumento para o crescimento, mas quando utilizado com planejamento, coisa que não é do feito do “bananense” em geral.

          0
          • Money Addicted 22 de dezembro de 2011 at 09:08

            entendo que existem esses problemas no brasil referente ao cartao de credito, mas como falei eu centralizo meus gastos no cartao…..(inclusive concordo q o uso como “debito) para evitar andar com dinheiro vivo, receber troco em moedas, etc. E ainda “ganho” uns dias do dinheiro rendendo no banco (pouco, mas rende). Entendo tambem q o custo cobrando pelas operadoras de cartao sao repassados para os consumidores, por isso que eu falei q se tiver desconto, pago a vista 😉

            []s

            0
            • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 10:54

              Money,

              Eu agiria da mesma maneira. Várias vezes escolhi pagar no máximo de parcelas, justamente porque não existe desconto à vista. A minha mensagem anterior foi no sentido de alertar que cartão de crédito com taxa de juros de 150% ao ano é impraticável, ou somente para tolos.

              0
              • Money Addicted 22 de dezembro de 2011 at 11:14

                concordo 150% com vc….. 😉

                0
            • pmoraesm 22 de dezembro de 2011 at 11:14

              Aproveitando o assunto cartão de crédito, esses dias fiquei com uma dúvida e quem sabe vocês podem me explicar:

              Sempre pergunto se tem desconto para pagamento em dinheiro, em uma das lojas que comprei um presente de natal encontrei condições curiosas: 10% de desconto para dinheiro, débito ou no cartão de crédito sem parcelamento (apenas 1 vez).

              Minha dúvida: O estabelecimento paga menos tarifa pra operadora do cartão caso a compra não seja parcelada? Até então eu achava que a taxa era mesma, fosse em 1 ou em 12x…

              0
  • Shakespeare 21 de dezembro de 2011 at 22:21

    ontem mandei 5 e-mails para apartamentos que estao sendo anunciados no ZAP, e mandei 20% de desconto como contra-proposta, todos me responderam…

    3 meses atrás fiz o mesmo com 10 imoveis pedindo desconto de 5% e nenhum me respondeu…

    0
    • Shakespeare 21 de dezembro de 2011 at 22:27

      e a resposta que todos deram foi, quando eu posso ir ver os imóveis…

      estou até pensando em ir e dar a facada final nos agonizantes… oferecer desconto de 50%

      pegar ou largar

      0
      • Guilherme Eduardo 22 de dezembro de 2011 at 00:17

        to mandando com 40% – 50% desconto…. hehehe troll neles

        0
        • Leo 22 de dezembro de 2011 at 09:55

          adorei a ideia.. farei o mesmo!

          Outra coisa que tenho feito é colocar anuncio de APs um pouco abaixo do mercado e na assinatura coloco o link p/ o nosso site bolhaimobiliaria . com …

          Acho que isso tem ajudado a aumentar a popularidade do site 🙂

          0
          • Leo 22 de dezembro de 2011 at 10:46

            Peguei uns apartamento e fiz ofertas com 40-50% menos. Um corretor me ligou… falou que o imovel tem isso e aquilo que fica pronto em 2 meses e bla bla bla…. eu me mostrei interessado e disse que mantenho minha proposta e q meu target é 40 a 50% do valor anunciado. Ele me pediu p/ passar um email com a proposta….

            Vale dizer que estou no RJ.

            hahaha isso ta engracado.

            0
  • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 22:34

    Vou acabar virando economista… he he he.
    Leigh Skene, em seu livro The impoverishment of nations: the issues facing the global economy, de 2007, alerta para tudo que está acontecendo de forma bem específica: O CRÉDITO.
    Um trecho que me chamou a atenção: “O rescimento do crédito acima do crescimento nominal do PIB não adiciona nada ao PIB no longo prazo.Ele apenas transfere o PIB futuro para o presende. A frase “tomando emprestado do futuro” diz tudo. A bolha de crédito do início dos anos 80 tomou emprestado muitos anos do futuro crescimento do PIB e seu colapso na forma de uma crise bancária iniciou o processo de payback de tudo aquilo que havia sido emprestado. O crash de preços de ativos “vaporizou” um patrimônio global que havia sido construido em cima de impressão de dinheiro ao invés de poupança. Esta perda patrimonial está forçando a liquidação da dívida financiada com dinheiro impresso e isto, por sua vez vai limitar o crescimento do PIB até que a poupança ultrapasse toda dívida em circulação.
    .
    Eu vivenciei a decada perdida de 80, sem que os brasileiros – ao menos – tivessem feito a balburdia do crédito como hoje.
    Imaginemos, pois, hoje, onde se repetiu a dose lá fora e aqui dentro.

    0
    • Cleyton 21 de dezembro de 2011 at 22:57

      É isso aí Sérgio, tá aí a chave da bolha (ou a agulha)!

      0
      • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 23:29

        Isso aí…. as mesmas entidades que inflaram as bolhas, são sempre as mesmas que dão a agulhada.

        0
  • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 23:27

    Descobri onde tiraram o novo prazo de crescimento de nossa bolha, no blog da forbes: h t t p : / / w w w .forbes.com/sites/kenrapoza/2011/12/14/brazil-housing-market-booming-til-2017/
    O problema maior é que o blogueiro de lá tirou informação daqui, de “analistas e especialistas” que disseram que a copa e a olimpíada resolveria todos os problemas do país.
    A desinformação não é apenas nacional.
    A Carta Capital que o diga.
    Brazil 2017…. he he he. Erraram por 5 anos.

    0
    • Sérgio 21 de dezembro de 2011 at 23:39

      Mas há algo interessante no noticiado: ao final, o tal de rapoza afirma “que investir no brazil é UM PASSEIO SELVAGEM” e “que os fundamentos econômicos do mercado imobiliário brasileiro são construídos SOBRE PALHA”.
      Então, invistam… tirem tudo da china e coloquem no brazil, mas fiquem com os três olhos abertos, pois, mais dia menos dia o circo pega fogo.
      Ao menos o cara foi honesto e, em grande parte, desconsiderou as “analises” do cara da consul.. (consul…)

      0
      • Indecoroso 22 de dezembro de 2011 at 01:48

        Essa aqui vai pros chineses: “abre o olho!” (vale pros mongóis também!)

        0
      • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 11:09

        Sergio,

        Quem viveu os famosos planos heterodoxos nos anos 80 é obrigado a concordar com a expressão “passeio selvagem”. A Banânia tem sido um país de “fortes emoções” no campo da economia. Está mesmo na hora de termos uma dessas fortes emoções, como o estouro da bolha imobiliária. Afinal, nesso aspecto NUNCA perdemos dos EUA e eles já tiveram o estouro deles.

        0
    • augusto 22 de dezembro de 2011 at 07:38

      Há uma grande diferença entre desinformação e má intenção

      0
  • Guilherme Eduardo 22 de dezembro de 2011 at 00:22

    Terei saudades das aulas de economia gratuítas no blog quando a bolha estorurar ano que vem…. Aí o jeito vai ser estudar pelo livro “Bolhaimobiliária.com” que será lançado em 2013.

    =)

    0
    • Guilherme Eduardo 22 de dezembro de 2011 at 00:22

      * estourar

      0
  • lrp 22 de dezembro de 2011 at 00:52

    Primeiro, pq essas informações, quando perguntamos na Central de Atendimento, eles não sabem responder? Se quiséssmos saber, temos que nos dirigir até a loja, para termos essas informações, realmente um absurdo.
    Agora, é difícil acreditar que até o final da semana, sendo que hoje é sexta-feira (25/11/11), posso considerar que a partir de segunda-feira (28/11/11), entrarão em contato comigo, para formalizar, essas questões, tanto da Assembléia de Moradores, quanto da individualização de matrículas.
    E pessoas TENDA, como que vcs atrasam a obra em 3 anos, e quando os moradores vão fazer a esperada vistoria, não sai conforme o morador espera. Não há nenhuma supervisão? Não há nenhum detalhista? Não há nenhuma conferência? Vcs não se colocam no lugar dos moradores?.
    Ontem fui fazer a tão esperada vistoria.
    Primeiro erro: Não cumpriram o horário de início da vistoria, que estava marcada para as 16:00, e só começou as 16:30. Detalhe, nós não podíamos esperar dentro do condomínio, e uma cena totalmente horrível, tivemos que ficar na companhia dos “PRIMEIROS MORADORES DO FIT PLANALTO”, os RATOS, isso é um absurdo, será que ninguém está vendo, ou finge que não vê?
    Aí finalmente entramos no condomínio, começamos pelo estacionamento descoberto, ali vimos outra irregularidade, na questão do muro, se uma criança gruda ali ou some, cai do outro lado, não pensaram nisso.
    Entramos no apto. e para nossa surpresa, pois achávamos que não íamos achar nenhuma irregularidade, pelo menos apto., simplesmente tem:
    – Rachadura;
    – Infiltração;
    – Problemas com as portas;
    – Problemas com uma das janelas dos quartos;
    – Mal pintura;
    – Mal acabamento;
    Não, é possível que ninguém está vendo isso. Para a resolução de mais de 400 aptos., creio que até arrumar tudo certinho, e uma nova vistoria. Irá demorar mais 3 anos.
    Bom fica aqui a minha insatisfação com os serviços prestado até o momento, e vamos esperar o resultado. Pois estou pagando por qualidade e não por serviço de 5ª categoria.

    0
    • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 16:19

      isso é por causa da terceirização da terceirização da terceirização…

      Os caras pegaram tanta obra que não conseguiram dar conta e começaram a repassar para o primeiro que dissesse que sabe usar uma colher de pedreiro. Como eles estavam sem gente para fiscalizar também (um engenheiro tomando conta de 15 a 20 obras) os problemas foram se somando e explodem agora, na mão do consumidor… espera a hora que a bolha explodir!

      0
  • MrK 22 de dezembro de 2011 at 05:44

    Amigos, CALMA

    nao caiam na armadilha de comprar imoveis ao primeiro descontinho, essa bolha nao inflou em 3 meses e nao vai ser em 3 meses que ela vai desinflar… eu creio sim que o ponto de inflexao ja foi ultrapassado e agora e’ ladeira abaixo, como os descontos comprovam

    infelizmente nao temos como medir a queda, pq o fipe-zap e’ mais maquiado que garota de programa, mas todo mundo que esta sondando o mercado esta tendo descontos de 20% a 30% pelo menos, ou seja, a queda ja esta ai, eh um fato! Outro fato e’ a queda das vendas, demonstrando que os precos atuais de lancamentos sao incompativeis.

    Agora, para fazer uma compra INTELIGENTE, voces precisam ter sangue frio, saber esperar, e dar o golpe de misericordia na hora certa… se forem afobados poderao perder (ou deixar de salvar) alguns milhares de reais…

    0
    • Atribulado 22 de dezembro de 2011 at 09:00

      Todo mundo não, procuro imóvel pra comprar no rio de janeiro e não acho nenhum “descontão” não… O máximo que dão é 20% e mesmo assim, sobre preços muito altos (mais altos que o normal, que já é caro, caríssimo). Na prática, pouco ou nada de desconto

      0
      • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 09:04

        No Botafogo a Gafiza já está dando 30%… daqui a pouco eles abrem as pernas e fazem pela metade do preço

        0
        • Atribulado 22 de dezembro de 2011 at 09:13

          Já tá metade do preço, m2 novo em bota é 10 milzinho.
          Furada detected.

          0
  • Adriano 22 de dezembro de 2011 at 06:24

    http://oglobo.globo.com/pais/aumento-do-numero-de-moradores-de-favelas-chama-atencao-3494683

    engole essa. Mas os imóveis não estavam aumentando por causa do nova classe média? Engraçado, o déficit continua lá embaixo…

    O problema da bolha de imóveis é que ela é extremamente cruel com aqueles que mais sofrem e que não têm opção.

    O GLOBO – 22/12/2012

    Aumento do número de moradores de favelas chama a atenção

    Sobretudo numa época de economia em crescimento e de maior distribuição da renda

    SÃO PAULO – O aumento no número de pessoas vivendo em favelas no país na última década chama a atenção sobretudo por abranger os oito anos do governo Lula – uma época de economia em crescimento e de maior distribuição da renda, mas que não impediu esse viés negativo do ponto de vista habitacional. Para a arquiteta e urbanista Erminia Maricato – que foi secretária de Habitação e Desenvolvimento Urbano da prefeitura de São Paulo de 1989 a 1992, na gestão de petista de Luiza Erundina -, esse desencontro de índices é fácil de explicar:
    – Mesmo entrando dinheiro para as camadas menos favorecidas, sem uma regulação dos preços da terra e dos imóveis urbanos, elas continuarão sem ter acesso à casa própria. E, como consequência, morando em imóveis irregulares, de elevado risco e na periferia.

    Segundo Ermínia, a aplicação do Estatuto da Cidade, aprovado em 2001, ajudaria a corrigir essa distorção.

    Erminia lembra que, quando o município, usando dinheiro público, leva benfeitorias como asfalto, água, esgoto e eletricidade a regiões sem infraestrutura, a valorização do bem vai para o bolso do proprietário do imóvel. As Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis), previstas no Estatuto, corrigiriam isso:

    – O terreno só poderia ser usado para a construção de determinado imóvel, que seria vendido por um preço determinado para moradores de determinada faixa de renda.

    Raquel Rolnik, outra referência em arquitetura e urbanismo no país, diz que é preciso certo cuidado na análise do levantamento de moradias irregulares. Para ela, além da mudança de metodologia, reconhecida pelo instituto, é preciso que ser levem em conta outros fatores:

    – Na pesquisa não se levam em conta, por exemplo, loteamentos clandestinos. Nem grupamentos subnormais em número inferior a 51 moradias – diz a especialista, lembrando ainda que um estudo feito por ela em 2000 indicava que apenas 30% dos domicílios do Brasil tinham condições urbanas adequadas. E cita, como exemplo, bairros inteiros do Litoral Norte de São Paulo que não eram servidos por rede de esgoto.

    – O levantamento do IBGE é um retrato parcial da realidade, mostra apenas uma parte da precariedade urbanística do Brasil.

    A arquiteta e urbanista constata ainda que, além de não implementarem a total aplicação do Estatuto da Cidade, os governos vêm ajudando a aumentar a massa de excluídos habitacionais com projetos como o da Copa 2014, das Olimpíadas de 2016 e, no caso específico de São Paulo, do Rodoanel e da recuperação da várzea do Rio Tietê.

    – Para recuperar o rio, querem que os moradores do Jardim Pantanal, na região de São Miguel, troquem uma área que tem metrô, escolas e postos de saúde por Itaquá, a 40 quilômetros dali, num lugar que não tem nada disso – exemplifica ela.

    – Isso é uma produção em massa de favelas, o mesmo que enxugar gelo.

    Roberto Romano, professor titular de Ética e Filosofia Política da Unicamp, afirma que o conflito entre a atual pujança econômica e o declínio habitacional do país apontado pelo estudo do IBGE remete aos tempos da ditadura militar:

    – Na época do governo do general Médici havia até uma frase para definir isso: “O país vai bem, mas o povo vai mal”.

    Ele até reconhece que nos últimos anos houve uma evolução nos ganhos da população de baixa renda, mas não o bastante para tirá-la da quase clandestinidade habitacional:

    – Um mal dos governos, desde os tempos do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) de Getúlio Vargas, é vender sonho e promessas como se fossem realidade.

    O secretário da Habitação de São Paulo, Ricardo Pereira Leite, faz questão de frisar que os 41% de aumento das moradias irregulares no Estado de São Paulo se devem a mudanças no critério de pesquisa. Como exemplo, cita que habitações que antes não eram consideradas subnormais agora aparecem assim enquadradas:

    – Nós (a Prefeitura e o instituto) trabalhamos com um número bem próximo de pessoas morando em favelas, de cerca de 1,3 milhão. Mas, nesses dez anos, o crescimento no números de habitantes desse tipo de moradia foi semelhante ao aumento populacional na cidade, da ordem de 3%.

    – O processo de urbanização dos grandes centros metropolitanos não foi acompanhado por políticas públicas habitacionais – diz o professor e doutor do Nepo (Núcleo de Estudos de População) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Roberto Luiz do Carmo, ao comentar os índices divulgados ontem pelo IBGE sobre o processo de “favelização” das regiões metropolitanas do país.

    – Há uma dívida histórica da política habitacional. Nunca se pensou que esta transferência de pessoas que ocorreu da área rural para os centros urbanos, ocorrida a partir da década de 1950, tivesse de estar acompanhada por políticas públicas habitacionais”, disse Carmo, doutor em Demografia pela Unicamp.

    Para ele, o cerne do aumento das favelas está na relação entre o mercado imobiliário e os poderes públicos.

    -A dinâmica urbana é comandada pelo mercado imobiliário e não pelos poderes públicos, como deveria ser. Por isso, as classes D e E estão excluídas pelo mercado – disse ele.

    0
    • Adriano 22 de dezembro de 2011 at 06:32

      Na boa. Dá nojo desse governinho quando leio essas notícias. É isso que ele dá de volta aquela classe que votou neles em massa. As 3 piores heranças do governo PT: bolha imoliária, copa e olimpiadas.

      0
      • xyz 22 de dezembro de 2011 at 10:56

        A pior herança é ter acostumado a juventude a viver de esmola. Sobram vagas nos cursos de qualificação profisional gratuitos.

        Outra herança maldita é a falta de investimento em infraestrutura, simplesmente porque o governo acha que resolve todos os problemas com as esmolas.

        Outra herança maldita é a degradação total da ética nestes 9 anos de governo.

        O outro governo era corrupto, incompetente, irresponsável e keynesiano como este, MAS ressalvadas as incomparáveis proporções.

        0
  • MrK 22 de dezembro de 2011 at 06:49

    a MRV resolveu juntar todas as promocoes em uma

    esta dando o dobro do 13o + uma TV de plasma + 1 ano de Sky… isso para apartamentos do MCMV que ja tem subsidio de R$23mil…

    cliquei pra ver mais e me direcionaram pra uns empreendimentos que so’ rindo… o predio parece uma torradeira, coisa mais horrivel… e o nome “edificio miami beach” hahahahaha

    0
  • augusto 22 de dezembro de 2011 at 07:45

    Com base na noticia a seguir e depois de conselhos de meu consultor, o Papai Noel, e de ouvir opiniões de colegas babacas do escritório, e da velhinha da esquina que vive no e do passasdo, resolvi ir correndo as compras.
    Vejam a noticia que está no infomoney de hoje:
    SÃO PAULO – A Gafisa (GFSA3) captou R$ 230 milhões em notas promissórias a 125% de CDI (Certificado de Depósito Interbancário), valor que será usado como capital de giro. A notícia foi considerada negativa pelo analista da Ativa Corretora, Armando Halfeld.

    Segundo ele, a captação foi feita por um custo elevado, o que prejudica a estrutura de capital da companhia. Com isso, a Gafisa pode ter dificuldades em refinanciar suas dívidas, diz Halfeld.

    A recomendação para os papéis é de compra, com preço-alvo de R$ 13,16 para dezembro de 2012. Desta forma, a ação possui um potencial de valorização de 205%, segundo o fechamento desta quarta-feira (21).

    0
    • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 07:55

      Nós já discutimos esse ESTAGIÁRIO aqui no BLOG. Pleo menos, ele está começando a ter dúvidas sobre o futuro da GAFISA.

      Armando Halfeld
      br . linkedin . com/pub/armando-halfeld/a/7a1/99a

      Universidade Federal Fluminense
      BS, Industrial Engineering
      2004 – 2008

      Ativa Corretora
      August 2008 – Present (3 years 5 months) Rio de Janeiro Area, Brazil

      0
    • MrK 22 de dezembro de 2011 at 07:55

      ta certo, a coisa mais natural do mundo e’ uma empresa quebrada, com dificuldade em se refinanciar, subir 200% em 12 meses…

      *** ATENCAO alto nivel de sarcasmo detectado, perigo, perigo!! ****

      0
      • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 09:57

        Me intoxiquei com tanto sarcasmo.

        Estou pensando em comprar Gafiza ainda em 2011. Se o preço alvo é de mais R$13, então dá para ter um lucro acima de 150%. Ou seja, ótimo negócio!!!!

        0
    • Insanidade 22 de dezembro de 2011 at 09:37

      Veja no link abaixo, as projeções dos papéis para o final de 2011:

      http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/04/27/gafisa-tecnisa-brookfield-e-even-sao-acoes-preferidas-do-barclays-no-setor-imobiliario.jhtm

      É pra rir ou pra chorar? Quem acreditou, deve estar chorando muito agora…

      0
      • augusto 22 de dezembro de 2011 at 11:20

        Guilherme Vilazante e Vinicius Mastrorosa, nomes dos dois incompetentes do Banquinho Barclays, que ou por burrice ou má fé recomendavam papéis que hoje estão na merd….
        Cade aqueles dois incompetentes? Apareçam se forem homens, mas como BONS cagõe…… que são devem estarem embaixo de suas mesas .

        0
  • Ricardo 22 de dezembro de 2011 at 07:51

    Mandei a mensagem para o Ricardo Gallo – IG.
    Veja o comentário dele: “Viji”. Espero que ele faça uma análise do mercado imobiliário no seu próximo artigo.
    Sugestão: vamos “municiar” os analistas independentes da mídia com dados e fatos. Provavelmente iremos jogar “gasolina no fogo” da bolha imobiliária.

    1 Ricardo 21/12/2011 20:37
    Prezado Ricardo Gallo,
    acho interessante fazer uma nova análise do mercado imobiliário. Seguem os índicios:
    1 – Descontos cada vez maiores;
    2 – Crescimento da oferta de imóveis x endividamento do povo;
    3 – queda acentuada nas vendas em outubro de 2011;
    4 – mercado acionário: veja queda das ações da empresa GAFISA ;
    5 – Contradição: índice FIPE ZAP aponta valorização, mas a realidade desmente.
    A bolha está prestes para estourar.
    veja no site bolhaimobiliaria.com as novidades.

    Responder
    Ricardo Gallo 21/12/2011 22:05
    viji….

    0
  • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 08:12

    Finalmente entendi o sucesso da economia Banânica – a quantidade de funcionários públicos. Quando o “país” finalmente completar sua transição para o socialismo do século XXI, então ninguém vai segurá-lo mais.

    Metro quadrado do novo em Brasília vale R$ 10,5 mil
    classificados . folha . uol . com . br/imoveis/1022435-metro-quadrado-do-novo-em-brasilia-vale-r-105-mil . shtml

    A proximidade do plano piloto, onde os terrenos livres são escassos, tem mantido os preços altos.

    Outra razão para a valorização estaria no perfil do comprador de Brasília: o funcionário público, diz o presidente da Ademi-DF (Associação dos Dirigentes do Mercado Imobiliário), Adalberto Valadão. “Ele [o funcionário] sabe que não vai perder o emprego. Isso dá tranquilidade para que ele compre mais do que em outras cidades”.

    Para o diretor da Geoimovel, Marcelo Molari, os preços dos residenciais não vão mudar em Brasília, assim como o ritmo de lançamentos. “O mercado imobiliário vai continuar se expandindo no centro-oeste”, prevê.

    0
    • Leandro 22 de dezembro de 2011 at 10:05

      Em Brasília os preços dos imóveis sempre foram mais altos do que no resto do país (mesmo antes da bolha). Isso realmente não vai mudar.
      Mas em Brasília a bolha também vai estourar, não tem pra onde correr.
      No próprio Setor Noroeste, se pesquisar, já se compra a menos de 8K o metro (antes era 10 a 11k). Mas pra mim, o preço justo ali seria algo em torno de no máximo 5k.

      0
      • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 12:03

        Leandro,

        O justo é algo como 20% acima do custo, o que seria por volta de 2500 Reais, ou METADE do que voce acha justo.

        0
    • danilo 22 de dezembro de 2011 at 12:12

      Anonymous, permita-se uma observaçao.

      Esses valores de 10k o m2 em Brasília estão fora da realidade da cidade. A % de funcionários públicos para o total da população ativa da cidade caiu de 35% em 1995 para 23% em 2011. Além disso, a média salarial do funcionalismo em BSB é de R$4,9mil. Em que país um cara que ganha esse salário bruto pode comprar um imóvel na cidade? Só se for em Águas Lindas de Goiás.

      0
  • Ana 22 de dezembro de 2011 at 08:39

    Aqui em BH as coisas chegam com um atraso enorme. Deve ser por causa das montanhas. Os “especialistas” daqui insistem em afirmar que não há bolha, que a redução das vendas não é reflexo da crise econômica mundial, que a tendência é de aumento de demanda e valorização, etc. Uma amostra disso pode ser vista nessa pequena matéria publicada hoje no Estado de Minas:

    Venda de imóveis cai 41,44% em BH
    Negócios com unidades de R$ 100 mil a R$ 250 mil teriam caído mais devido a atraso na transição do Minha casa, minha vida

    Zulmira Furbino –
    Publicação: 22/12/2011 07:28 Atualização:
    A venda de imóveis em Belo Horizonte caiu 41,44% entre janeiro e outubro, em comparação com igual período do ano passado. Os dados são da Pesquisa Construção e Comercialização, feita pela Fundação Ipead. No mesmo período, o total de unidades lançadas na capital mineira também sofreu retração de 41,47%. Seguindo o mesmo caminho, a velocidade de vendas dos imóveis caiu 8,32% e a oferta, 17,28%. Isso significa que nos 10 primeiros meses deste ano foram comercializadas 2.983 unidades, contra 5.094 nos mesmos meses do ano anterior. A queda foi puxada pela acentuada retração na vendas de imóveis com valor entre R$ 100 mil e R$ 250 mil. Segundo o Ipead, a comercialização de imóveis dessa faixa de valor caiu 74,2% entre janeiro e outubro de 2011 em comparação com igual período de 2010. Foram 2.508 unidades nos 10 primeiros meses do ano passado contra 647 no mesmo intervalo deste ano.

    A venda também caiu em outras faixas de valor. No caso de imóveis entre R$ 250 mil e R$ 500 mil, a queda foi de 6,81%. Na faixa acima de R$ 500 mil a retração foi de 15,98%. Daniel Furletti, coordenador da assessoria econômica do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), explica que o recrudescimento das vendas aconteceu principalmente por conta do atraso na transição entre o programa Minha casa, minha vida (MCMV) 1 e 2, que deixou de fora do mercado os imóveis da faixa entre R$ 100 mil e R$ 250 mil. Esse segmento vinha registrando crescimento recorde em 2009 e 2010, com 3.766 unidades e 2.511 unidades, respectivamente, ante 647 em 2011.

    De acordo com André Campos, vice-presidente do Sinduscon, a primeira etapa do Minha casa, minha vida vendeu 1 milhão de unidades. A meta para a segunda etapa é atingir os 2 milhões de unidades. As principais mudanças entre um programa e outro foram a ampliação de 37 metros quadrados para 39 metros quadrados para os imóveis enquadrados na faixa 1 (zero a três mínimos), o desenho universal, que prevê adaptações futuras para acessibilidade, e a ampliação do percentual a ser aplicado para o chamado trabalho social, projeto que ensina os moradores a viverem em condomínios. “O lançamento só aconteceu em junho de 2011. Depois disso, foi preciso esclarecer dúvidas sobre a contratação. Por isso, só em outubro os contratos começaram a ser fechados”, justifica Campos.

    “Essa retração não é um reflexo da desaceleração econômica, e nem de uma mudança drástica na economia. Continuamos otimistas. Isso aconteceu por causa da adaptação no programa Minha casa minha vida. Esse atraso foi ruim para o setor”, explica Campos. De acordo com ele, a meta para 2011 no Brasil, para a faixa entre zero e três mínimos, era contratar 75 mil unidades, mas apenas 42.855 unidades foram contratadas. Segundo a Caixa Econômica Federal, foram contratadas em todo o país 370.138 unidades do programa, mas apenas 11,58% deste total são destinadas à faixa 1, que passou a ser o principal desafio da nova etapa de contratação. Ainda este ano, espera-se que 35 mil unidades do programa sejam contratadas no país, sendo 1.500 em Minas Gerais.

    0
  • Menino_do_Rio 22 de dezembro de 2011 at 08:51

    http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1007/noticias/o-resgate-da-marca-rio

    O Rio continua lindo…

    Quanto aos comentários de descontos de 20 a 30%, eu acho que não vale para todas as regiões. Eu acredito que em bairros nobres das capitais brasileiras os imóveis continuarão com valorizações acima do CDI, para ZS do Rio, até as olimpiadas, mais ainda. Mas isso é um sentimento pessoal, de observação do mercado pois não sou um investidor profissional. O que eu posso afirmar é que o meu inquilino, em outubro, suplicou para ficar até o carnaval, pagando um aluguel praticamente de temporada.
    Quem quiser testar o mercado pode tentar esses “descontos” nos imóveis abaixo, eu já fiz isso 2 meses atrás ( será que mudou tanto de lá pra cá? ).
    http://www.zap.com.br/imoveis/rio-de-janeiro/apartamento-padrao/venda/quartos-1/?tipobusca=rapida&ord=dataatualizacao

    0
    • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 16:12

      mudou

      0
    • Scotch 22 de dezembro de 2011 at 16:43

      Menino do Rio, vc está falando de Jacarepaguá, onde os preços subiram assustadoramente nesse ano de 2011. Acredito que, por esse motivo, os preços nessa região só serão ajustados após o movimento de caída dos outros bairros…

      0
      • LAR 22 de dezembro de 2011 at 17:29

        concordo… tb acompanho Jacarepaguá e realmente inflou mais em 2011 que em todo 2009 e 2010

        0
  • MrK 22 de dezembro de 2011 at 08:56

    estou voltando pra banania pra visita minha familia no natal, eis que me deparo com o fato de que estao fazendo greve e gerando caos nos aeroportos, que beleza heim

    agora imaginem esses sindicalistas querendo fazer greve na copa do mundo, olimpiadas…? sao uns canalhas… esse pais nao eh serio, fica se achando o pais sensacao do mundo e nao consegue nem manter os aeroportos de 5a categoria funcionando minimamente…

    0
  • Elias 22 de dezembro de 2011 at 08:57

    Calote em carros dobra em 2011
    Autor(es): ROSANA HESSEL
    Correio Braziliense – 22/12/2011

    Impulsionada por um aumento de quase 100% das prestações atrasadas nos financiamentos de veículos, a inadimplência dos brasileiros cresceu para 5,6% do total dos contratos, em novembro, ante os 5,5% registrados em outubro. É a maior taxa desde novembro de 2009, quando o indicador bateu em 5,8%, no meio da crise financeira global desencadeada pela quebra do banco americano Lehman Brothers, ocorrida em setembro de 2008.

    h ttps://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/12/22/calote-em-carros-dobra-em-2011

    0
    • MrK 22 de dezembro de 2011 at 09:17

      amigo Elias, eu andava pelas ruas do Rio e via que qualquer pica-pau tinha um Tucson… i30… carros acima de R$65mil… por todos os cantos!

      curioso que sou, perguntei a um amigo de RH de uma grande empresa do ramo de recrutamento e selecao (contrata milhares de pessoas): Voce tem visto algum aumento de salario que justifque isso?

      e ele: Nao, o aumento so esta no numero de vagas, mesmo assim fortemente nos salarios ate R$4mil (salario de quem nao deveria andar de tucson, ne?)… para os salarios altos (acima de R$10mil) as coisas mudaram muito pouco no Rio.

      logo vi que esses carros ja ja iriam estacionar nos pateos de novo

      0
      • [email protected] 22 de dezembro de 2011 at 10:46

        hahahaha é tudo de test drive!

        0
      • RT 22 de dezembro de 2011 at 10:59

        Isso corrobora o que eu sempre digo: o aumento da renda da população nos últimos anos – um dos motivos mais alegados por “especialistas” para explicar a disparada dos preços dos imóveis – não foi nada extraordinário.

        Não é porque o número de pessoas ganhando 4 mil dobrou (supondo como exemplo que tenha dobrado) que os apartamentos podem sair de 200 mil para 700 mil… nenhuma delas vai ter dinheiro pra pagar isso.

        Também não há crédito que justifique o que estamos vendo… de que adianta crédito farto se os potenciais compradores não podem arcar com as prestações??

        Os “especialistas” tiveram diversas chances de tentar explicar direito os aumentos de preços, mas sempre utilizaram argumentações furadas, sem qualquer respaldo na realidade, facilmente desmentidas por qualquer leigo em economia como eu, como fiz acima.

        Para mim, o aumento dos preços foi especulação mesmo. Se aproveitaram do “bom momento psicológico” do Rio – com essa história de Copa, Olimpíadas, etc – para tentar emplacar preços melhores. Um fez isso aqui, outro fez ali, aí outros resolveram copiar, o processo se espalhou, e hoje, vemos a palhaçada que está aí: apartamento de 900 mil no Humaitá, que não vende e o dono ainda assim aumenta o preço.

        Se quiserem indicações para a votação de “pérola do ano”, como estavam falando outro dia desses, eu deixo as minhas:

        – na reportagem especial do Jornal da Globo, teve um cara (acho que do Secovi) que disse algo como: “Casal jovem, recém formado, com salários entre 2 e 3 mil reais. Esse é o perfil médio do atual comprador do mercado imobiliário”.

        Considero esse uma pérola pelo fato do cara dizer que quem ganha esses salários pode comprar o que vemos por aí. Esse casal, aqui no Rio, não compra nem no Méier.

        – a reportagem que saiu no Globo dizendo que “imóveis com aluguéis de 2000 reais na Rocinha estão com fila de espera”;

        – a moradora da Rocinha que logo após a pacificação, subiu o preço de sua casa que estava à venda, e justificou: “Quem mora na Rocinha nem precisa ir a shopping”.

        Essa foi sensacional, fiquei embasbacado enquanto lia. Tem vocação total para corretora.

        0
  • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 09:00

    Recebi agora ha pouco:

    APARTAMENTOS BOTAFOGO GAFISA

    MORE NO MELHOR DE BOTAFOGO – RUA SOROCABA

    DESCONTOS INÉDITOS E INACREDITÁVEIS

    APARTAMENTO 158m² BOTAFOGO

    DE: R$ 1.169.000,00

    POR: 799 MIL REAIS(VALORES PARA PAGAMENTO À VISTA)

    R$ 5.057,00/m²

    APARTAMENTO 185m² BOTAFOGO

    DE: R$ 1.302.000,00

    POR: 959 MIL REAIS(VALORES PARA PAGAMENTO À VISTA)

    R$ 5.183,00/m²

    NEGOCIAÇÃO DIRETA COM A GAFISA VENDAS

    Aguardamos o seu retorno para alinharmos a melhor forma para a sua compra.

    0
    • Atribulado 22 de dezembro de 2011 at 09:04

      Se tá 5mil o m2 então teria de 2q de 70m2 por 350 mil?

      0
      • Atribulado 22 de dezembro de 2011 at 09:07

        gafisa.com.br/imoveis/rj/rio-de-janeiro/estacao-sorocaba

        O m2 de imóvel novo em botafogo tá uns 10 mil, se tão desovando pela metade do preço, aí tem coisa…
        Acho que tem uma chance próximo de zero que isso aí chegue a ficar pronto

        0
        • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 09:48

          geralmente o m2 de um apartamento com mais de 150 m2 custa menos do que o de um apt com 70m2, mas ainda assim dá mesmo para desconfiar…

          0
    • Celso 22 de dezembro de 2011 at 13:50

      Apartamento com esse preço (o descontado), com UMA vaga de garagem só, não importa a metragem, é muita sacanagem!

      0
      • Atribulado 22 de dezembro de 2011 at 19:42

        Ahhh, agora que eu vi, os apto são de DOIS quartos, metade da área é descoberta…
        m2 de área descoberta vale BEM menos…

        não tem desconto coisa nenhuma, tá custando é caro mesmo. MUITO caro.

        Alarme falso

        0
  • Menino_do_Rio 22 de dezembro de 2011 at 09:06

    Eu tenho certeza que esses descontos foram obtidos em apartamentos e/ou bairros que nenhum dos foristas e familiares daqui se sujeitariam a viver. Mas é uma opinião de quem não prevê nem torce por catástrofes econômicas para os próximos 5 anos. Mas acha que a dinástia Lulesca irá deteriorar nossas poupanças em prol de votos dos ex-miseráveis da nova classe média (essa que não poupa nada).

    0
    • Luiz 22 de dezembro de 2011 at 12:41

      qunata solidão hein menino?
      ninguem mais te leva a sério

      Vou te falar como que o mercado vai furar o piso de 170 mil que o governo colocou com o MCMV: – Vai faltar gente pra pegar emprestado, mesmo abaixo da inflação

      Isso se chama armadilha de liquidez.
      O ponto de não retorno já foi ultrapassado, o pT será destruído nas próximas eleições muinicipais.

      Quanto aos imóveis de maior valor, a experiencia internacional mostra que são os que mais caem. Bem pragmático, acompanho 2 edifiícios em SP: o panorama da Even e o Horizontes da cyrela, ambos chegaram a ultrapassar o milhão, e agora ja se aceita 750k oficialmente.

      0
      • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 14:07

        Luiz,

        Isso não é o estouro da bolha? Pelo menos o primeiro trecho descendente?

        0
    • MrK 22 de dezembro de 2011 at 14:02

      menino, nao é nada pessoal, mas o apartmento com desconto da gafisa é em botafogo, numa localização melhor que suas kitnetes em copacabana

      alias é um apartamento de 158m2, devem caber todas suas kitnetes com folga la dentro…

      e com desconto 🙂

      0
      • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 14:09

        se quiserem eu coloco aqui o e-mail todo, inclusive com os contatos para ligar lá e ver se eles nào dão um descontinho ainda maior se for a vista!

        0
        • Atribulado 22 de dezembro de 2011 at 19:18

          O desconto é só pra pagamento à vista.
          Não gosto de previsões, mas acho que quem tiver coragem pode queimar quase uma milha, e demorar décadas pra recuperar judicialmente parte (se conseguir).

          Nem em sonho compraria um imóvel na planta, à vista, de uma empresa mal das pernas.

          0
    • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 14:30

      você já deve estar na segunda fase da sua canção… arrepio!

      0
      • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 14:31

        aliás, o trecho a seguir serve como uma luva:

        Menino vadio
        Tensão flutuante do Rio
        Eu canto prá Deus
        Proteger-te…

        😉

        0
  • Pedro 22 de dezembro de 2011 at 09:07

    http :// http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2011/12/22/internas_economia,268771/venda-de-imoveis-cai-41-44-em-bh.shtml

    Venda de imóveis cai 41,44% em BH

    Negócios com unidades de R$ 100 mil a R$ 250 mil teriam caído mais devido a atraso na transição do Minha casa, minha vida

    Zulmira Furbino –

    Publicação: 22/12/2011 07:28 Atualização:

    A venda de imóveis em Belo Horizonte caiu 41,44% entre janeiro e outubro, em comparação com igual período do ano passado. Os dados são da Pesquisa Construção e Comercialização, feita pela Fundação Ipead. No mesmo período, o total de unidades lançadas na capital mineira também sofreu retração de 41,47%. Seguindo o mesmo caminho, a velocidade de vendas dos imóveis caiu 8,32% e a oferta, 17,28%. Isso significa que nos 10 primeiros meses deste ano foram comercializadas 2.983 unidades, contra 5.094 nos mesmos meses do ano anterior. A queda foi puxada pela acentuada retração na vendas de imóveis com valor entre R$ 100 mil e R$ 250 mil. Segundo o Ipead, a comercialização de imóveis dessa faixa de valor caiu 74,2% entre janeiro e outubro de 2011 em comparação com igual período de 2010. Foram 2.508 unidades nos 10 primeiros meses do ano passado contra 647 no mesmo intervalo deste ano.

    A venda também caiu em outras faixas de valor. No caso de imóveis entre R$ 250 mil e R$ 500 mil, a queda foi de 6,81%. Na faixa acima de R$ 500 mil a retração foi de 15,98%. Daniel Furletti, coordenador da assessoria econômica do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), explica que o recrudescimento das vendas aconteceu principalmente por conta do atraso na transição entre o programa Minha casa, minha vida (MCMV) 1 e 2, que deixou de fora do mercado os imóveis da faixa entre R$ 100 mil e R$ 250 mil. Esse segmento vinha registrando crescimento recorde em 2009 e 2010, com 3.766 unidades e 2.511 unidades, respectivamente, ante 647 em 2011.

    De acordo com André Campos, vice-presidente do Sinduscon, a primeira etapa do Minha casa, minha vida vendeu 1 milhão de unidades. A meta para a segunda etapa é atingir os 2 milhões de unidades. As principais mudanças entre um programa e outro foram a ampliação de 37 metros quadrados para 39 metros quadrados para os imóveis enquadrados na faixa 1 (zero a três mínimos), o desenho universal, que prevê adaptações futuras para acessibilidade, e a ampliação do percentual a ser aplicado para o chamado trabalho social, projeto que ensina os moradores a viverem em condomínios. “O lançamento só aconteceu em junho de 2011. Depois disso, foi preciso esclarecer dúvidas sobre a contratação. Por isso, só em outubro os contratos começaram a ser fechados”, justifica Campos.

    “Essa retração não é um reflexo da desaceleração econômica, e nem de uma mudança drástica na economia. Continuamos otimistas. Isso aconteceu por causa da adaptação no programa Minha casa minha vida. Esse atraso foi ruim para o setor”, explica Campos. De acordo com ele, a meta para 2011 no Brasil, para a faixa entre zero e três mínimos, era contratar 75 mil unidades, mas apenas 42.855 unidades foram contratadas. Segundo a Caixa Econômica Federal, foram contratadas em todo o país 370.138 unidades do programa, mas apenas 11,58% deste total são destinadas à faixa 1, que passou a ser o principal desafio da nova etapa de contratação. Ainda este ano, espera-se que 35 mil unidades do programa sejam contratadas no país, sendo 1.500 em Minas Gerais.

    0
  • ICF 22 de dezembro de 2011 at 09:13

    Diario de Pernambuco, 22 de dezembro de 2011
    Anúncio da Alphaville, ocupando uma página inteira, informando FATO RELEVANTE: SUCESSO NO PRÉ-LANÇAMENTO DA FASE 2 = TODOS OS LOTES VENDIDOS EM APENAS 3 HORAS

    Aproveitando o anúncio, informa que anteciparam o lançamento da Fase 3, que estava previsto (SIC) para 2012…que estão fazendo esta antecipação devido à ANSIEDADE do povo pernambucano em receber o Alphaville.

    Acredito que é mentira!! Que os lotes não foram vendidos com tanto sucesso assim. Que esta fase 3, na verdade, são os próprios lotes da fase 2 (ou vão misturar os lotes).

    Alguém sabe me informar se eles venderam mesmo estes lotes em 3 horas?

    0
    • MrK 22 de dezembro de 2011 at 09:34

      ICF

      no Rio varios empreendimentos vendidos em poucas horas estao pipocando ofertas das construtoras.. isso e’ mais velho que andar pra frente, um corretor me falou como fazia: Levava pro cocktail parentes e conhecidos para fazer uma “reserva” , esses davam um cheque (sem valor algum) e seguravam a reserva, no dia seguinte 100% vendido em todos os jornais.. alguns dias depois eles “mudavam de ideia” e tiravam o cheque, pronto…

      essa antecipacao da gafisa tem um objetivo claro,o mesmo objetivo dos descontos em botafogo sendo discutidos aqui, eles precisam de dinheiro, desesperadoramente

      eu nao sou fa da ideia de dar o meu dinheiro pra alguem desesperado por dinheiro

      0
  • eam 22 de dezembro de 2011 at 09:13

    Por acaso algum colega aqui do blog é assinante da Folha ou UOL? Estou curioso a respeito do conteúdo desta coluna, mas a íntegra ela está indisponível para não assinantes: http : / / w w w 1 .folha.uol.com.br/colunas/viniciustorres/1024881-confiar-desconfiando.shtml
    Desde já, obrigado…

    0
    • rbc 22 de dezembro de 2011 at 09:31

      Vinicius Torres Freire

      Confiar, desconfiando

      Crédito ao consumidor sobe pouco, salários param de crescer: não houve ‘explosão’ na economia

      HÁ UMA EXPLOSÃO do valor dos salários no Brasil.

      Há uma bolha imobiliária.

      Há bolha de crédito em geral.

      Há uma explosão do endividamento das famílias.

      As medidas “macroprudenciais” não vão ter efeito no crédito.

      As medidas de contenção de gastos do governo são desprezíveis.

      As medidas macroprudenciais e de contenção de gastos não vão funcionar e vão levar o Banco Central a aumentar a taxa de juros de novo.

      Quem lê comentários de analistas e mídia econômicos, daqui ou de fora, foi informado de que tais coisas aconteceriam ou estavam acontecendo no Brasil.

      Erros de previsão, análise e interpretação são o pão com manteiga e o arroz com feijão de quem observa a economia. Projeções estatísticas, então, são como essas capas de chuva de plástico vagabundinho, que vendem em dias de chuva em estádio de futebol: você acaba usando, mas sai molhado e joga logo tudo fora. Não tem muito jeito: sendo o assunto enrolado como é, espantoso é que não sejam ainda mais erradas. Mas considerem:

      1) Debates sobre política econômica são debates políticos. Há debates melhores, com emprego mais inteligente da(s) teoria(s), da estatística e dos dados disponíveis. Mas ainda assim se trata de debates políticos no começo, nos meios e nos fins. Logo, como Floriano Peixoto, é preciso confiar desconfiando;

      2) “X implica Y, mostra estudo”; “X acaba com Y, dizem analistas”: quanto mais enfático, mais duvidoso. Quanto mais “analistas” a gente ouve, mais a convicção se dispersa. Faça duas perguntas boas a um “analista” até então convicto e ele já passa a relativizar o estudo, lembrar que nem tudo é “preto no branco” e que, claro, a conclusão depende de “tudo mais” ficar constante.

      ALGUNS FATOS

      Ontem saiu o relatório mensal do BC sobre crédito no Brasil. O total de novos empréstimos ao consumidor deve subir 5% neste ano, em termos reais (se o resultado de dezembro vier na média do resto do ano. A conta é do economista Adriano Lopes, do Itaú, em relatório).

      No ano passado, o crédito ao consumidor cresceu mais de 15%. Em 2009, ano de pequena recessão no Brasil, cresceu 5%. Como em 2011.

      Então, era essa a explosão do crédito no Brasil. As medidas “macroprudenciais e a alta de juros não iriam funcionar”. Uhm.

      Nesta semana, saiu o resultado da criação de empregos formais em novembro. Quase tão ruim como a de outubro. Nas contas da consultoria LCA, o número médio mensal de empregos formais criados em 2011 deve ser 25% menos que o de 2010. Não chega a ser horrível, pois 2010 foi um ano forte. Mas quede a explosão de salários-preços?

      Em setembro e outubro, segundo o IBGE, o rendimento praticamente estagnou em relação aos mesmos meses do ano passado.

      Enfim, por falar em exageros, considere-se o resultado das contas externas, divulgado nesta semana: as empresas brasileiras voltaram a captar dinheiro e refinanciar dívidas no exterior. Sim, a situação europeia é crítica, o mundo dança no abismo e pode haver seca de crédito radical. Mas o dado de apenas um mês não faz um verão, nem um inverno de crédito.

      0
      • rbc 22 de dezembro de 2011 at 09:46

        não se deixe enganar pelo começo do texto. essa coluna está travestida, como se “bolhista” fosse, mas não o é.

        0
  • ICF 22 de dezembro de 2011 at 09:15

    No mesmo jornal, Diário de Pernambuco, 21 de dezembro de 2011, há uma reportagem sobre o aumento da favelização no Recife. Em 1991, 108.025 pessoas moravam em favelas. Agora já são 349.920 (segundo Censo do IBGE). É a melhora do poder econômico do pernambuco, tão propagado pelos governos.

    0
    • ICF 22 de dezembro de 2011 at 09:36

      corrigindo 22 de dezembro de 2011

      0
  • Mdc 22 de dezembro de 2011 at 09:25

    Segue comentário anteriormente postado…aposto que ao final do primeiro semestre de 2012 os imóveis já tenham batido 40-50% de redução sobre os valores do início de 2011…e,caso a crise mundial se agrave, o chão não será o limite…isso se contar que a aceleração da inflação irá corroer de vez os ativos imobiliários…quem já passou dos 40 anos se lembra bem que imóvel em SP era apenas cotado/negociado em dólar

    Caros,

    1) A bolha já estourou! Ou alguém duvida que hoje você não consegue comprar imóveis com uma redução de, pelo menos, 20% sobre o preço que era praticado no início do ano?

    2) Esta primeira onda vai até o primeiro semestre de 2012, com reduções de, pelo menos, 30% no valor dos imóveis.

    3) Com inflação, endividamento, aumento do desemprego e queda do PIB entramos na segunda onda, de duração mais longa e menor velocidade na queda dos preços. Estimo redução de, pelo menos, 40 % em relação aos preços praticados no início de 2011.

    4) Com o agravamento da crise mundial (calote na zona do Euro e eleições traumáticas nos EUA + crise fiscal), entramos na terceira onda, a qual irá perdurar, pelo menos, até o final de 2013. Redução de 50-60% ou mais no valor, afora a estagnação do mercado imobiliário.

    Responder

    0
    • Fred Henrique 22 de dezembro de 2011 at 10:04

      Concordo,

      A bolha já estourou, só falta ouvir o PLOC!

      0
    • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 10:17

      ‘bull trap’ à vista

      0
      • Luiz 22 de dezembro de 2011 at 12:49

        estouoru nada
        Nada de real aconteceu, estamos no campo das especulações.
        acredito que o mercado vai andar de lado por alguns meses no mínimo

        0
        • DRN 22 de dezembro de 2011 at 13:18

          Concordo com o Luiz.

          0
    • joao 22 de dezembro de 2011 at 19:45

      “Ou alguém duvida que hoje você não consegue comprar imóveis com uma redução de, pelo menos, 20% sobre o preço que era praticado no início do ano?”

      eu!

      0
  • MrK 22 de dezembro de 2011 at 10:48

    voces que curtem trollar corretor, podiam falar assim com um da gafisa

    “gostaria de sabe como reaver meu dinheiro, pois comprei um gafisa no estacao sorocaba e o corretor me garantiu que haveria valorizacao, agora recebei um email da gafisa abaixando o preco de R$1.100.000 para R$799.000, ou seja, depreciaram o meu investimento, como posso ser ressarcido?”

    hahaha

    0
    • BOLHABRAZIL 22 de dezembro de 2011 at 11:10

      os &%$*$*(%&(¨$#[email protected] (corretores) vão dizer assim:

      – não, veja bem, isso foi uma campanha de marketing, 1 unidade apenas….seu apartamento vale 1,1MM e aposto minha carteirinha do creci (grandes coisas..kkk) que até a copa vai valorizar uns 50% ainda.

      PLOC!

      0
  • BOLHABRAZIL 22 de dezembro de 2011 at 10:49

    Israelense preso no Rio tinha licença para construir dois prédios do Minha Casa, Minha Vida –
    Mafioso queria lavar dinheiro em projeto federal

    http://oglobo.globo.com/rio/mafioso-queria-lavar-dinheiro-em-projeto-federal-3494758

    MCMV …..kkkkkk…….VIVA A BANÂNIA E O PT.

    PLOC!

    0
  • Ricardo SP 22 de dezembro de 2011 at 10:50

    EXPLODIU A BOLHA!!! EH OFICIAL!!!

    h t t p : / / w w w . gafisa.com.br/reservaespecial

    COMPRE EM 2011 COM PREÇOS DE ANOS ATRÁS.

    COMEÇOU A GUERRA DOS DESCONTOS! O CAIXA FALOU MAIS ALTO DO QUE O ORGULHO!

    E agora?

    0
    • Lucas 22 de dezembro de 2011 at 12:10

      hehehehehehe!!!
      A corda está no pescoço!
      Será que vão dar desconto de verdade ou vão só embromar.

      0
      • Mineiro BH 22 de dezembro de 2011 at 23:47

        Calma…

        Vão continuar negando, fazendo gráficos de cabeça pra baixo…

        Mas neste final de ano… férias… muita gente reunida e batendo papo… sei não, acho que a bolha vai chegar aos bares e às rodas de amigos, gerando o movimento inverso ocorrido quando da sua gênese: “vamos investir, é dinheiro certo”…

        Aguardemos…

        0
  • CHARLES 22 de dezembro de 2011 at 11:06

    Trollando um especulador

    Sobre a venda do terreno perto do novo shopping

    Anderson.

    Acho que vc deve ter errado no preço. 100 mil num terreno no meio do mato? Por 95 compra-se no condominio campos do conde.

    Aceita 45 mil?

    resposta de anderson para mim

    Acredito que vc esteja desinformado, vc mora em Taubaté???, faz o seguinte, compra um terreno no conde por 45 mil e mora lá!

    Em 21 de dezembro de 2011 18:25, Charles escreveu:

    Anderson.

    Acho que vc deve ter errado no preço. 100 mil num terreno no meio do mato? Por 95 compra-se no condominio campos do conde.

    Aceita 45 mil?

    Charles para anderson

    Amigo

    No Conde eu compro por 95 mil. Por 45 mil tem que pensar bem se compraria o seu. Naquele bairro assaltos e invasão de domicilios são frequentes.

    Vai ficar com o terreno na mão e se esperar muito, não vai pegar nem 45 mil em 2012. Os preços vão despencar.

    Abraço e boa sorte.

    Em 22 de dezembro de 2011 09:25, anderson escreveu:
    anderson para mim

    Boa sorte para vc tbm, vejo que seu grau de imbecilidade é bem elevado, não existe terreno por lá nesse valor, vc me parece mais um especulador barato querendo se aproveitar, procure se informar melhor sobre valores de terrenos em Taubaté, nem na zona rural vc encontra terreno por esse preço! Passar bem!

    Em 22 de dezembro de 2011 09:39, Charles escreveu:
    Charles para anderson

    Hehe… Bem informado é voce que deve ter pago uma fortuna nesse pedaço de chão no meio do mato e agora precisa fazer caixa.

    Espertão!

    Em 22 de dezembro de 2011 10:10, anderson escreveu:
    anderson para mim

    Cara, vc realmente é um IMBECIL, tenho esse terreno há 10 anos, e todos os terrenos no estoril, considerados bons, estão sendo vendidos acima de 60-70mil reais, se eu estivesse precisando fazer caixa, eu já teria vendido.

    Em 22 de dezembro de 2011 10:25, Charles escreveu:
    Charles para anderson

    Esta tendo a oportunidade de ver se consegue vender agora. Nao vai conseguir. Sabe pq? Os idiotas estão endividados, sobraram, como potenciais compradores, os que tem caixa e não se sujeitam a pagar fortunas por um terreninho no meio do mato.

    Voce foi enganado e quer passar a trolha pra um trouxa. Vai ficar com a bucha na mão.

    Não despege em mim a raiva que deve estar sentindo de voce mesmo pela burrice que fez em comprar esse abacaxi. Sou apenas uma pessoa que pretende pagar o justo!

    Como dizem os americanos: Não existe almoço gratis.

    Caso não consiga vender, meu 30 mil estão de pé.

    Abraço e bom natal.

    Em 22 de dezembro de 2011 10:30, anderson escreveu:
    anderson para mim

    Esquentão não idiota, fica aí procurando um terreno por 45 mil, chega de perder tempo com vc, to indo para a praia curtir a vida, vai trabalhar quem sabe vc consiga comprar um terreno no conde!

    Em 22 de dezembro de 2011 10:35, Charles escreveu:
    Charles para anderson

    vai lá. Cuidado quando for pagar o minimo do cartão de credito. Vai precisar vender o terreno pra quitar o cartão.

    E quer saber, idiota e babaca é voce. Deve ser o orgulho da familia.

    hehe

    0
    • Felipe 22 de dezembro de 2011 at 14:03

      Trollagem nível JEDI !

      0
    • Cleyton 22 de dezembro de 2011 at 15:13

      Cara, não adianta bater boca com gente ignorante, oferece os 45, o cara xinga paca, diga que é sério de deixa o telefone, não fala mais nada, depois quando ele te ligar diz que agora só oferece 30, se ele começar a xingar de novo desliga, quando chegar a 15 dá pra pensar em pagar, hehe.

      0
      • peterson 23 de dezembro de 2011 at 00:43

        hahahaha manda um colega ligar oferecendo 25k e coloca no viva voz, vai ser hilário…kkkk

        0
  • MrK 22 de dezembro de 2011 at 11:31

    PARABENS AO BANCO BARCLAYS POR SUA INCRIVEL CAPACIDADE ANALITICA, sao relatorios como esse que o pessoal de outros blogs usam para suas materias e recomendacoes!

    projecao feita em abril vs triste realidade

    Empresa Preço-alvo* – triste realidade

    Gafisa R$ 20,50 – R$4,32
    Brookfield R$ 15,00 – R$5,25
    Cyrela R$ 26,50 – R$14.80
    Even R$ 14,00 – R$6,31
    MRV R$ 17,50 – R$11,10
    PDG R$ 13,00 – R$6.06
    Rossi R$ 23,00 – R$8,67

    economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/04/27/gafisa-tecnisa-brookfield-e-even-sao-acoes-preferidas-do-barclays-no-setor-imobiliario.jhtm

    0
    • Leo 22 de dezembro de 2011 at 11:42

      Seria legal encontrar as recomendacoes anteriores.. que levaram a esta queda. Isso ajudaria a quebrar qualquer argumento.

      0
    • Eduardo 22 de dezembro de 2011 at 13:35

      Depois de uma projeção dessas a manada mergulha com vontade. E hoje chora!!!

      0
  • Maria 22 de dezembro de 2011 at 11:59

    Hj chorei de rir com a desculpa que o Governo via Bom dia Brasil está dando para as vendas fracas de Natal: O povo está poupando rsrs. Tentativa desesperada de disfarçar que o povo TÁ FUNICADO

    0
    • lrp 22 de dezembro de 2011 at 12:20

      Poupando ou o limite dos cartoes acabaram, ontem fui lanchar no centro de bh e a pessoa da minha frente so conseguiu comprar o lanche depois do terceiro cartao, tem gente q acha q quando a pessoa da o cano no cartao a operadora do cartao fica com o prejuizo, quem fica no prejuizo é o dono do estabelecimento q é obrigado a pagar a operadora em caso de calote, c acha q as operadoras ia confiar nesse povo endividado.

      0
      • ildeu 22 de dezembro de 2011 at 12:37

        claro que não ,quem paga em caso de calote é a empresa operadora , não o comerciante

        0
        • lrp 22 de dezembro de 2011 at 12:50

          No primeiro momento o comerciante vai receber sim,mas depois vai ser cobrado, é o mesmo caso de duplicatas adiantadas, c a pessoa da um cheque pre datado e o comerciante adianta esse duplicata no banco, c na data o banco tomar calote, depois vai cobrar o valor do comerciante, sou contador e te garanto q é assim q funciona. Se não fosse assim as grande empresas de varejo nao precisavam ter nos seus balanços provisao para devedores duvidosos pois td mundo compra no cartao hj em dia.

          0
      • Fabiano 22 de dezembro de 2011 at 12:48

        Amigo o comerciante recebe o dinheiro a vista da operadora , é por isso que em cada operação com cartão de credito o comerciante paga uma taxa em cima do valor para a operadora o risco já esta embutido
        Quem depois corre atras do prejuizo é a operadora do cartão …..

        0
        • lrp 22 de dezembro de 2011 at 12:52

          A operadora corre atras, mas a partir do momento q a divida é considerada como perda, ela cobra do comerciante, isso demora algum tempo, mas é cobrado sim, e o comerciante pode ter certeza q vai ter q pagar.

          0
          • Fabiano 22 de dezembro de 2011 at 13:08

            Não IRP , quem arca com o prejuizo é a operadora , porque vc acha que ninguém hoje em dia aceita mais cheques e todos tem maquininha de cartão de crédito.
            Se a operadora repasasse o prejuizo ao comerciante não teria porque os juros do cartão de crédito serem de 250 % ao ano concorda comigo.
            E nem teria porque os comerciantes aceitarem cartão de crédito , ficaria mais facil cobrar via carne como faz as casas bahia rs rs o próprio logista assumiria o prejuizo e colocaria no carne uma taxa de juros já embutida para se previnir de eventuais prejuizos de caloteiros.

            0
            • Platão 22 de dezembro de 2011 at 14:57

              ja tinha ouvido falar nisso, acho que o lrp esta certo… vejam esse site que explica o mecanismo:

              w w w . mzweb.com.br/visanet/web/conteudo_pt.asp?tipo=21880&idioma=0&conta=28

              0
              • Cleyton 22 de dezembro de 2011 at 15:51

                Pelo que entendi a empresa garante o pagamento a não ser que o parcelamento seja feito pela loja, nesse caso ela repassa só o que recebeu.

                A antecipação de recebíveis parece ser outra operação, nada a ver com inadimplência.

                No fim, o inadimplente fica devendo para o cartão, creio que se for encontrada alguma fraude na operação o cartão vai tentar cobrar, no resto que está com o cadastro negativo do cliente na mão é a operadora.

                0
          • tom 22 de dezembro de 2011 at 16:39

            é a operadora que arca com o prejuizo de eventuais calotes… tanto é que os lojistas nem olham o nome no cartao qdo passa na maquininha.. vc pode ate emprestar o cartao pra outra pessoa, os lojistas nao estao nem ai de quem é, se passar, beleza… o unico problema pro lojista é que é descontado em torno de 5%

            0
    • Ratinho 22 de dezembro de 2011 at 15:48

      Com certeza estão poupando mais: “Poupança tem a menor captação para novembro desde 2002”

      g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2011/12/poupanca-tem-captacao-mais-baixa-para-novembro-desde-2002.html

      0
  • Ratinho 22 de dezembro de 2011 at 12:22

    20/12) GAFISA (GFSA – NM) – Aumento de capital / Plano de opcoes de compra de
    acoes
    DRI: Alceu Duilio Calciolari

    Na RCA de 19/11/2011 foi aprovada pela unanimidade dos conselheiros presentes e
    sem quaisquer ressalvas, homologar o aumento do capital social da Companhia,
    respeitado o limite do capital autorizado, em R$ 1.837,58, em face do exercicio,
    nos ultimos 30 dias, de opcoes de compra de acoes, que resultaram na emissao de
    183.758 acoes ordinarias, na forma do Boletim de Subscricao que fica arquivado
    na sede da Companhia. As referidas acoes participam em igualdade de condicoes
    com as demais acoes existentes em relacao a todos os beneficios, inclusive na
    eventual distribuicao de dividendos e/ou juros sobre capital proprio que vierem
    a ser declarados pela Companhia a partir da presente data.

    Em decorrencia deste aumento de capital, o capital social da Companhia passa a
    ser de R$ 2.734.156.672,12, dividido em 432.699.559 acoes, todas ordinarias,
    escriturais e sem valor nominal.

    Fonte:
    h t t p : / / w w w . bmfbovespa.com.br/pt-br/mercados/acoes/empresas/FormConsultaDetalhePlantaoNot.asp?Data=20/12/2011&Sequencia=45

    0
    • MrK 22 de dezembro de 2011 at 12:41

      aumento de capital a essa altura do campeonato?! meu Deus, tao atirando pra tudo quanto eh lado heim!!

      0
      • Luiz 22 de dezembro de 2011 at 12:44

        Dilui ainda mais o valor da companhia em troca de 4 reais por ação.
        Se por hipotese um dia subir relamente 200%, as açoes são como dívidas da companhia, tbm sobem 200%.

        o nome dessa estratégia é “espalha bosta”

        0
    • Cleyton 22 de dezembro de 2011 at 15:27

      Não sei se entendi a operação, tipo vamos supor que alguém que tivesse metade das ações da empresa e ela emite um aumento de ações de 1/4 do total então, se o cara não pôr mais grana as antigas que ele tinha passariam a representar só 25% da empresa? Isso significa que cada unidade passa a valer 25% menos de um dia pro outro? A sardinhada vai ficar louca!

      0
  • xyz 22 de dezembro de 2011 at 12:57

    Desemprego despencou.

    h ttp://g1.globo.com/economia/noticia/2011/12/desemprego-cai-para-52-em-novembro-diz-ibge.html

    É muito bom viver num país como o nosso onde as estatístisticas são feitas por institutos comprometidos com o desenvolvimento econômico e com as metas inflacionárias,

    0
    • Fabiano 22 de dezembro de 2011 at 13:13

      XYZ engraçado que o pessoal que trabalhava na LG , GM , Jonhson , Embraer aqui em SJC que estão sendo mandados embora aos montes não concordam com esta estatistica rs rs.
      Pelos numeros oficiais entre Novembro e Dezembro foram cerca de 450 demissões aqui em SJC.

      0
  • Dr. Estranho 22 de dezembro de 2011 at 13:30

    Quero ser corretor e vou comprar ações da Gafisa. Farei isso logo assim que me derem alta do manicômio. Alguém me disse que a FIPE era “privada”. Está correto. Obrigado.

    0
  • DRN 22 de dezembro de 2011 at 13:43

    Off topic.

    Meu sonho de queda nos preços dos automóveis continua sendo só um sonho:

    “Vendas de veículos em novembro foram as maiores do ano
    Ante a expectativa de entrada em vigor do novo IPI dos importados, previsto para 16 de dezembro, os consumidores anteciparam as compras
    Concessionária de veículos

    Concessionárias cheias em novembro com consumidores às compras antes do novo IPI (Germano Luders)

    No acumulado de onze meses do ano, as vendas de veículos totalizaram 3,28 milhões de unidades

    Resultado de novembro pode permitir que o país termine 2011 com um número de veículos comercializados superior ao de 2010

    O total de veículos novos vendidos no Brasil atingiu 321.560 unidades em novembro, com crescimento de 14,6% sobre outubro (280.567 unidades). Segundo a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que divulgou as estatísticas do setor nesta quarta-feira, o número representa o maior volume mensal de vendas deste ano. O índice de novembro, no entanto, foi 2,1% menor que o verificado no mesmo mês de 2010 (328.473).

    Compra antecipada – O aumento das vendas foi atribuído à decisão do governo de elevar os impostos sobre os veículos fabricados com menos de 65% de componentes nacionais. Como a medida entra em vigor em 16 de dezembro, muitos consumidores correram às concessionárias para antecipar as compras.

    O bom desempenho em novembro elevou o número de veículos comercializados no acumulado de onze meses deste ano para 3,28 milhões de unidades, o que implica uma expansão de 4,8% ante o mesmo período de 2010 (3,13 milhões de unidades).

    Esse resultado, apesar da crise econômica internacional e da desaceleração do crescimento do PIB brasileiro, pode permitir que o país termine 2011 com um número de veículos comercializados superior ao de 2010, quando recordes de produção e vendas foram batidos.

    Produção – A Anfavea informou que o número de veículos produzidos pelas fábricas brasileiras em novembro foi de 274.487 unidades, com alta de 3,4% em relação a outubro (265.571). O indicador, entretanto, representa uma queda de 9,1% ante igual mês do ano passado (301.908 unidades).

    (com agência EFE)”

    É, Srs., o povo continua se endividando…

    0
    • Pedro 22 de dezembro de 2011 at 14:31

      Reparei uma coisa nas vendas de automóveis nos últimos meses: as vendas para frotistas aumentaram muito e as vendas para o consumidor pessoa física despencaram. Os governos federal, estaduais e municipais andam comprando carros como nunca antes para salvar a indústria. Além do que desconfio que o BNDES deve estar liberando dinheiro para empresas renovarem as frotas de veículos, isso tudo para salvar a indústria “nacional”.

      0
  • Deurges 22 de dezembro de 2011 at 14:08

    Olá a todos, não sei se já comentaram aqui como a Gafisa trabalha em seus empreendimentos.

    Um amigo tem uma empresa prestadora de serviços, achando que ia fazer um bom negocio fechou uma empreitada com a Gafisa, antes de assinar o contrato o engenheiro levou ele para avaliar o trabalho a ser feito, entrou no apartamento e mostrou que tinha que trocar 3~4 lajotas do piso de um apartamento, em um total de 30 apartamentos, ele perguntou se poderia ver os apartamentos e o engenheiro falou que podia, mais no geral todos os 30 apartamentos o trabalho era igual, o prestador de serviço acreditou no engenheiro, quando foi começar a obra os outros apartamentos tinham que trocar todo o piso,ou quase todo, ao procurar o engenheiro que tinha dado a palavra ele sumiu, estava em outro estado cuidando de outra obra, como ele já tinha assinado o contrato, e fechado o preço, prejuízo de mais de R$ 25.000,00.

    Esse mesmo amigo me contou que a Gafisa ja faliu algumas empresas aqui na cidade.

    []´s

    O empreendimento é esse.

    gafisa.com.br/imoveis/pa/belem/reserva-ibiapaba

    0
    • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 14:33

      mas o amigo foi tolinho… :'(

      0
  • Maria 22 de dezembro de 2011 at 14:37

    Crise Capitalista no Brasil
    A economia em queda livre e a especulação em aumento exponencial

    Nova previsão do BC, prevê crescimento do PIB de apenas 2,92% para este ano. Inflação acima da meta. As principais empresas diminuem os investimentos, bolhas imobiliária e do crédito prestes a estourar

    22 de dezembro de 2011

    O aprofundamento da crise capitalista mundial continua piorando os indicadores econômicos do Brasil. O relatório Focus, divulgado pelo BC (Banco Central) no dia 19 de dezembro, rebaixou a previsão de crescimento do PIB para este ano de 2,97% para 2,92% e manteve a previsão da inflação acima do teto de 6,5%. O IBC-Br, índice de atividade econômica do BC que visa antecipar o resultado do PIB calculado pelo IBGE, recuou 0,32% em outubro na comparação com o mês de setembro, quando havia crescido apenas 0,02% em relação a agosto.

    Os investimentos produtivos das principais empresas brasileiras, mesmo as das principais produtoras de commodities, preveem contrações para 2012.

    As medidas do governo do PT para tentar conter a crise continuam focadas na injeção de crédito, através do sistema financeiro. Em 2013, o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) sobre a produção nacional de veículos será reduzido. Conforme avança o processo recessivo, aumentará o índice de inadimplência, o que, junto com a queda da demanda tanto nos mercados externo quanto interno, apresenta a tendência da queda dos lucros das empresas e, principalmente, dos especuladores financeiros que são quem controlam a economia do País. A continuidade da injeção de crédito, principalmente, nos setores imobiliários e automobilísticos equivale a apagar fogo com gasolina – só poderá a aumentar a gravidade do colapso. A situação torna-se ainda mais crítica quando consideramos que, aproximadamente, 50% dos recursos públicos são desviados para o pagamento dos serviços da dívida pública (juros, amortizações, taxas, pagamentos dos títulos públicos em vencimento, repasses para o sistema financeiro fomentar o crédito etc).

    Queda dos investimentos das empresas no Brasil

    O índice Ibovespa, que registrou queda de 20% neste ano, reflete a tendência recessiva acelerada do País. Este fator, junto com a forte depressão que a oferta de crédito tem sofrido nos países imperialistas, tem reduzido o valor das empresas e, portanto, tem impactado negativamente a capacidade de endividamento.

    As principais bolsas mundiais estão em baixa, inclusive a Bovespa, e o dólar opera em alta.

    A Petrobras reduziu a previsão de investimentos para este ano e 2012, pois a eminente recessão econômica deverá fazer o preço do petróleo cair sensivelmente, tal como aconteceu após o colapso de 2007-2008. Em contrapartida, devido aos altos preços da gasolina no mercado mundial, a Petrobras importou o produto a preços mais altos que os preços de venda no mercado interno. A produção estagnada do setor sucroalcooleiro tem obrigado à importação de álcool.

    O consumo de etanol deverá cair de 15 bilhões de litros em 2010 para 10,8 bilhões em 2011. Os altos preços são provocados pela movimentação de capitais especulativos imperialistas para o setor, após o colapso da especulação imobiliária nos países centrais, o que é repassado, por sua vez, para os preços da gasolina que possui uma mistura de 20% de etanol. O preço do etanol hidratado teve alta de 47% no último ano.

    Os investimentos da Vale diminuirão 11% em 2012 devido à volatilidade do preço do minério de ferro que, neste ano, após ter chegado a US$ 180 por tonelada, caiu para US$ 120. Investimentos como os que estão sendo feito na província argentina de Mendoza, com valor estimado em US$ 5,9 bilhões, ou em Moçambique, Guiné Equatorial e no Brasil, visam o aumento da demanda mundial e poderão tornar-se em elefantes brancos no contexto recessivo que se vislumbra para os próximos anos.

    Nas três primeiras semanas de 2011, as exportações dos produtos básicos caíram 4,6% e foram especialmente importantes em relação ao petróleo, milho em grãos, farelo de soja e minério de ferro.

    A indústria siderúrgica enfrenta uma ociosidade de 20 milhões de toneladas no Brasil e 500 milhões no mundo.

    O setor de papel e celulose tem como principal destino das exportações a Europa, que enfrenta um enorme queda da demanda. A venda interna e a exportação de celulose caíram 4,6% em relação ao mês de outubro e 7,9% em relação ao mesmo período de 2010.

    No setor de petroquímica, a Braskem deverá reduzir os seus investimentos para 2012, estimados em R$ 1,8 bilhões, pois uma parte da produção não consegue ser vendida. Alguns estados dão incentivos aos produtos importados, com reduções do ICMS, que, em alguns municípios, como Itajaí, alcançam 9%.

    O setor de máquinas-ferramentas está operando com faturamento 40% abaixo do nível de 2008. A indústria da transformação ficou estagnada neste ano.

    No setor de telecomunicações, a Oi tomou empréstimos por US$ 1 bilhão em crédito rotativo devido aos seus problemas de liquidez.

    A Cyrela, uma das principais empresas do setor da construção civil, e que é controlada por capitais imperialistas, precisou tomar emprestados mais de R$ 300 milhões para serem usados devido à queda registradas no mercado imobiliário.

    A bolha do crédito está prestes a estourar no Brasil devido aos enormes repasses de recursos públicos para os bancos

    Após a economia brasileira ter estagnado no terceiro trimestre deste ano, provavelmente terá um ínfimo crescimento no quarto trimestre promovido pelo último pacote de crédito, liberado no mês de novembro, que incluiu o corte de impostos para produtos importados e para os investimentos especulativos estrangeiros. No último dia 19 de dezembro, o governo do PT confirmou a liberação de R$ 100 bilhões do compulsório dos bancos retidos pelo BC. O total dos depósitos existentes nesse bolsão é de R$ 440 bilhões devido às medidas recessivas adotadas em dezembro de 2010, com o objetivo de controlar a inflação.

    A principal preocupação do governo relaciona-se com os vencimentos de € 600 bilhões das dívidas públicas da Itália, Espanha e Grécia no primeiro trimestre de 2012, que deverão diminuir ainda mais as linhas de crédito disponíveis nos mercados internacionais. A expectativa formal do governo é que os bancos repassem os recursos em formas de juros menores para o consumo e as indústrias. Os próprios cortes da taxa Selic em 1,5%, nos últimos seis meses não foram repassados pelos bancos, cujos lucros continuam batendo recordes históricos a cada trimestre.

    Na realidade, o que o governo entreguista do PT persegue é continuar garantindo altas taxas de lucros para os especuladores imperialistas com recursos públicos, pois o encarecimento do crédito nos mercados internacionais está dificultando a sua principal fonte de receitas – o chamado carry trade: obtenção de empréstimos a taxas muito baixas no exterior e a imediata compra de títulos públicos brasileiros que pagam juros em cima da Selic no mínimo.

    O controle do imperialismo em cima do sistema financeiro brasileiro está sendo operacionalizado de maneira mais direta conforme a crise capitalista tem ido se aprofundando. No presente momento, por exemplo, 60% das ações ordinárias do Bradesco estão nas mãos de especuladores imperialistas e está sendo tramitada uma solicitação formal feita ao governo para aumentar o percentual das ações preferenciais, com direito a voto, dos atuais 14% para 50%; e, obviamente, esses dados oficiais não contemplam os vários mecanismos de controle indiretos e camuflados.

    O governo também contabiliza para aumentar o consumo, R$ 94 bilhões, de acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que virão do aumento do salário mínimo para, aproximadamente, R$ 622 a partir do próximo 1o. de janeiro.

    O crescente endividamento da população brasileira está aumentando a paralisia do setor financeiro do varejo. De acordo com o BC, em setembro deste ano, 42,15% da renda total dos trabalhadores foi destinada ao pagamento de dívidas, o que bate um recorde histórico. Após a bancarrota do banco imperialista norte-americano Lehman Brothers em setembro de 2008, o nível de endividamento era de 32,21%.

    O altíssimo endividamento do trabalhador brasileiro impede a continuidade da tendência ascendente do consumo. As retiradas das contas correntes com o objetivo de pagar dívidas e de fugir dos juros extorsivos têm aumentado. Somente nos meses de outubro e novembro, o total dos compulsórios diminuiu em R$ 7,7 bilhões e a tendência é a baixas ainda maiores devido à forte diminuição da capacidade de poupança da população.

    A disponibilização desses recursos aumentará a pressão inflacionária. Os principais motivos são a acelerada desindustrialização da economia, da diminuição do uso da capacidade instalada e do aumento do consumo, principalmente, através de produtos importados, cujos preços têm aumentado devido à disparada da especulação nos mercados internacionais de commodities e do aumento dos custos financeiros.

    A bolha imobiliária está prestes a estourar no Brasil

    De acordo com dados divulgados recentemente pela Secovi-SP (Sindicato de Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais de São Paulo), as vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 37,7% no mês de outubro na comparação com setembro, e 35,5% ante outubro de 2010. A diferença entre o total dos imóveis vendidos ficou mais de 37% abaixo dos imóveis lançados. Apesar dos lançamentos terem ficado 17,4% acima do mês de setembro, houve uma queda de 39,4% em relação ao mesmo mês de 2010.

    O valor das ações das principais construtoras, que estão sob o controle de capitais imperialistas especulativos, acumulam forte perdas. As ações da Gafisa, por exemplo, perderam 62,3% do seu valor em 2011, e a empresa enfrenta forte endividamento e dificuldades para vender os seus imóveis.

    O VSO (Vendas sobre Oferta), que mede a relação entre a quantidade de unidades comercializadas e a oferta (estoque remanescente somado aos lançamentos no mês) ficou em 11,9% no mês de outubro, o que representa queda ante os 18,7% apurados em setembro e os 23,5% do mesmo mês de 2010.

    O mercado imobiliário brasileiro registrou uma grande afluência de capitais imperialistas após do esgotamento da especulação imobiliária nos países centrais entre 2006 e 2008. Os preços dos imóveis dispararam no Brasil, assim como aconteceu na maioria dos principais países atrasados. Grandes volumes de recursos públicos têm sido desviados para “movimentar” o setor, através de crédito fácil, com o objetivo de garantir altas taxas de lucro para os especuladores. Nestes países, a especulação através de derivativos financeiros não está tão desenvolvida como nos países desenvolvidos, mas os problemas que resultarão da quebra deste modelo econômico levarão a resultados similares. Os preços dos imóveis continuará caindo. Milhares de pessoas não terão condições de continuar pagando as prestações dos seus imóveis, que ficarão muito acima do valor de mercado. Milhares de imóveis serão devolvidos aos bancos e construtoras que enfrentarão perdas milionárias. As operações de resgates dos especuladores deste setor feita com recursos públicos disparará a dívida pública brasileira.

    A inflação deverá disparar no próximo período

    Neste ano, a inflação, de acordo com os dados oficiais, deverá fechar um pouco acima do teto da meta fixado em 6,5%. Mas no próximo ano, vários fatores poderão levar ao seu aumento descontrolado.

    Os principais aumentos registrados, desde o mês de setembro, foram nos produtos importados enquanto que as maiores baixas foram experimentadas pelas principais matérias primas exportadas pelo Brasil. De acordo com a segunda prévia do mês de dezembro do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), os preços no atacado (IPA-M) que tiveram as maiores altas foram os alimentos, a gasolina, vestuários e as tarifas dos serviços públicos privatizados; as maiores baixas foram: minério de ferro, milho em grão e soja em grão e habitação (que reflete a queda da construção civil).

    O aumento das importações e a diminuição das importações levará a fortes déficits da balança comercial. O crescente aumento do percentual do orçamento público que é destinado ao pagamento dos serviços da dívida pública já atinge 50%. A dependência dos capitais especulativos para o fechamento das contas correntes neste ano chegará a US$ 55 bilhões, mas, no próximo ano, deverá disparar no contexto do aumento da aversão ao risco pelos especuladores imperialistas e dos volumes de recursos repatriados aos países centrais para cobrir os rombos das matrizes.

    Ao mesmo tempo, 2012 é um ano eleitoral e ficará difícil para o governo do PT praticar uma ampla contenção de gastos, o que, por sua vez, aprofundará a recessão no País. Em paralelo, aumentará a pressão dos monopólios para o governo continuar repassando recursos públicos relacionados às obras das Olimpíadas e da Copa do Mundo.

    Nem os R$ 440 bilhões do compulsório nem os US$ 350 bilhões das reservas internacionais serão suficientes para manter os repasses de recursos públicos para os especuladores financeiros que, inclusive, deverão ser aumentados para socorrê-los das iminentes bancarrotas que aparecem no horizonte. A arrecadação fiscal deverá cair devido ao estancamento econômico.

    Enquanto a situação dos trabalhadores brasileiros fica cada vez pior, os especuladores financeiros continuam garantindo obscenas taxa de lucro. O Banco Santander, controlado pelo Grupo Alfa da família real britânica, e que enfrenta séria crise na matriz, anunciou que ampliará a participação dos lucros obtidos no Brasil de 25% para 30% dos seus lucros globais de acordo com declarações do seu presidente Marcial Portela.

    O iminente aumento do repasse da crise para as massas trabalhadoras

    A estrutura da economia brasileira atrasada e dependente do imperialismo não suporta nem a correção do salário mínimo de fome pela taxa oficial da inflação. O recente aumento do salário mínimo de R$ 545 para, aproximadamente, R$ 622 impactará a Previdência em R$ 14,7 bilhões. De acordo com o INSS, o aumento das pensões dos aposentados que ganham acima de um salário mínimo implica em custos adicionais de R$ 1,3 bilhões por ano a cada 1% de reajuste. Outros impactos são o aumento dos recursos do PIS/Pasep e do seguro desemprego.

    O governo do PT anunciou que não irá aceitar aumentos para os salários do funcionalismo público em 2012, o que foi incluído na LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2012 pelo seu relator, o deputado Arnildo Chinaglia (PT-SP), sob a “justificativa” de que esses gastos consumirão em R$ 203,24 bilhões. Nos bastidores, líderes do governo e da oposição direitista negociam um aumento de no mínimo de 5,2% para o Judiciário.

    Em contrapartida, o governo destinou R$ 2 bilhões para o demagógico Plano Brasil Sem Miséria com o objetivo de manter, mesmo que de maneira precária, o colchão social para conter revoltas sociais da população miserável.

    Em definitiva, as alternativas para o governo brasileiro enfrentar a crise no próximo período, e manter os repasses de enormes volumes de recursos púbicos para os especuladores financeiros, são cada vez menores. O ponto central será o aumento do repasse da crise para as massas trabalhadoras através do novos planos de cortes e de austeridade, e, principalmente, o arrocho salarial através da monetização da dívida pública.

    0
    • Maria 22 de dezembro de 2011 at 14:39

      Fonte h t t p : / / w w w . pco.org.br/conoticias/ler_materia.php?mat=34322

      0
    • Platão 22 de dezembro de 2011 at 15:29

      excelente analise….muito bom!!

      0
      • rbc 22 de dezembro de 2011 at 18:11

        e da-lhe passar mais um ano sem aumento… afinal, quem fode o país são os funcionários públicos, não essa massa corrupta que anda de terninho por aí

        0
  • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 14:58

    Esse tópico foi profético, pois essa liquidação (em todos os sentidos, da empresa e dos imóveis) da GAFISA é mais um indicativo de bolha imobiliária no Brasil (eu prefeo chamar de Banânia, mas não vou mudar o tópico).

    0
  • RT 22 de dezembro de 2011 at 15:01

    Acabo de receber por e-mail mais uma oportunidade imperdível:

    “A CONSTRUTORA EVEN ESTÁ COM UMA SENSACIONAL PROMOÇÃO:
    25% DE DESCONTO NAS COBERTURAS:

    RESTAM APENAS 2 COBERTURAS DE 3 QUARTOS COM 141 m² A PARTIR DE R$ 340 MIL!”

    Estamos ouvindo a todo tempo a palavra “desconto”, e de mais de uma construtora.

    Falando sério, alguém lembra como era isso há um ano?? Alguma construtora falava de “desconto”? Porque sei que antes, os corretores de imobiliária nem ouviam proposta, ao contrário de agora…

    0
    • RT 22 de dezembro de 2011 at 15:07

      Em tempo: essa oportunidade “imperdível” aí de cima fica no Pechincha, perto da Cidade de Deus.

      Sim, 340 mil (após 25% de desconto!) é um preço condizente com a localização. Não há bolha.

      Ass: “Especialista” do mercado imobiliário.

      0
  • Marcos 22 de dezembro de 2011 at 15:03

    É ritmo. É ritmo de festa!

    Tesouro injetará R$ 950 milhões no BNDES e na Caixa, diz Mantega
    Segundo o ministro da Fazenda, a capitalização permitirá que os bancos oficiais continuem a ampliar a concessão de crédito

    Brasília – Nos próximos dias, o Tesouro Nacional injetará R$ 950 milhões no capital em dois bancos oficiais, disse hoje (22) o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Desse total, R$ 450 milhões serão repassados à Caixa Econômica Federal e R$ 500 milhões ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

    Segundo o ministro, a autorização para a transferência dos recursos está pronta e deve ser publicada no Diário Oficial da União amanhã (23) ou, no máximo, no início da próxima semana. Mantega explicou que a capitalização permitirá que os bancos oficiais continuem a ampliar a concessão de crédito sem prejudicar os limites mínimos de capital exigidos pelo Banco Central.

    “A operação é necessária para que os bancos se mantenham folgados [em relação ao limite mínimo de capital] e se adaptem às regras que ficarão mais rígidas daqui a alguns anos”, explicou Mantega.

    Atualmente, os bancos são obrigados a manter imobilizados R$ 11 para cada R$ 100 emprestados. A partir de 2013, esse limite subirá gradualmente, até atingir R$ 17 em 2019. Essa elevação foi definida pelo Acordo de Basileia (Suíça), que reúne os principais bancos centrais do mundo.

    O governo pode fazer a capitalização dos bancos públicos de duas formas: por meio da diminuição da parcela dos dividendos que as instituições têm de repassar ao Tesouro Nacional (em vez disso, o dinheiro é reinvestido nos próprios bancos) ou pela injeção direta de recursos da União. Segundo Mantega, o governo optou pela segunda opção.

    No caso do BNDES, essa será a segunda ajuda que o banco receberá neste mês. No último dia 15, o Tesouro Nacional emprestou R$ 15 bilhões em títulos públicos à instituição financeira. Os recursos fazem parte da ajuda de R$ 55 bilhões anunciada em março, dos quais faltam ainda distribuir R$ 10 bilhões.

    A nova operação de capitalização do BNDES difere do pacote de ajuda anunciado no início do ano. Isso porque os R$ 500 milhões não serão emprestados em forma de título público, mas injetados em dinheiro diretamente no capital da instituição, sem a exigência de devolução.

    exame.abril.com.br/economia/noticias/tesouro-injetara-r-950-milhoes-no-bndes-e-na-caixa-diz-mantega?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

    0
    • john 22 de dezembro de 2011 at 15:10

      Eles querem medidas imediatistas para ficarem bem na fita e garantirem as eleições do próximo ano. Resta saber qual governo deverá se sacrificar, com medidas pouco populares, para apagar o incêndio.

      0
      • john 22 de dezembro de 2011 at 15:11

        *Correção: garantirem as próximas eleições

        0
    • Cleyton 22 de dezembro de 2011 at 15:56

      Ninguém até agora cogitou que nossos bancos estão em dificuldade e o governo já está antecipando a parcela do socorro! Os caras já viram a merda que vai dar e vem com essa pra dizer depois que tomaram medidas preventivas, pelo discurso não vai ser uma marolinha não!

      0
    • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 16:20

      É só um remendo na contabilidade pois o valor bate com um rombo descoberto faz poucos dias.

      0
    • Fernanda 22 de dezembro de 2011 at 18:29

      O governo tentará aliviar a barra da nova classe média com seus carnês das Casas Bahia através da injeção na CEF e os muy amigos empresários através do BNDES.

      Este esquema econômico lembra muito o fascismo: pão e circo para os pobres e a mão amiga estatal para os grandes.

      0
  • Luiz 22 de dezembro de 2011 at 17:22

    Massa de renda

    O rendimento médio real dos trabalhadores registrou variação positiva de 0,1% em novembro ante outubro, e subiu 0,7% na comparação com novembro de 2010.

    A massa de renda média real habitual dos ocupados somou R$ 37,4 bilhões em novembro, com alta de 0,6% ante outubro e aumento de 2,2% contra novembro de 2010. Já a massa de renda média real efetiva dos ocupados chegou a R$ 37,2 bilhões em outubro do ano passado, com alta de 0,8% ante setembro e aumento de 1,7% na comparação com outubro de 2010. O rendimento médio real efetivo sempre se refere ao mês anterior ao da pesquisa mensal de emprego.

    0
  • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 18:15

    22/12/2011 – 14h59
    Mantega diz que consumidor não deve ter medo de gastar em 2012

    O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quinta-feira (22) que a população não deve ficar preocupada com a crise e nem temer o consumo, desde que seja feito com equilíbrio.

    De acordo com ele, o desequilíbrio internacional ainda não atinge o Brasil. “Qual é o medo do cidadão, quando ele ouve falar em crise? É perder o emprego. E aqui no Brasil, ele só tem visto aumentar o emprego. O maior seguro para a população é o emprego. Nos Estados Unidos, é diferente. Lá o cidadão vai terminar o ano com medo de perder o emprego”, afirmou.

    Segundo expectativas do ministro, a população terá mais empregos em 2012. Além disso, a família brasileira deverá manter o consumo, sem exageros, porque o governo adotará as medidas necessárias para enfrentar os reflexos da crise global no Brasil. “A condição do brasileiro só vai melhorar”, disse ao fazer um balanço da economia brasileira em 2011 e falar das perspectivas para o próximo ano.

    Mantega destacou ainda que o principal desafio do governo em 2012 é melhorar as condições de vida da população e evitar o contágio da crise internacional. De acordo com ele, a situação global pode se agravar com maiores consequências para o país. O ministro destacou ainda a necessidade de serem adotadas medidas que aumentem a defesa comercial ante a crise, que tem aumentado a concorrência dos produtos importados com os nacionais.

    Mantega lembrou ainda que várias medidas, como o Programa Brasil Maior – considerado a nova política industrial brasileira – e as desonerações de impostos, vão ter reflexos na economia em 2012. “O ano de 2011 foi melhor do que 2010 e 2012 será melhor do que 2011. O brasileiro vai continuar com emprego”, frisou.

    (Com informações da Agência Brasil)

    0
    • Anonymous 22 de dezembro de 2011 at 18:28

      “Mantega diz que consumidor não deve ter medo de gastar em 2012”

      Tranquilo Mantegão. Me dá o teu salário que eu gasto sem medo.
      O meu, prefiro guardar.

      0
    • Thomas 22 de dezembro de 2011 at 18:35

      Presto muito atenção no que o Mantega fala.

      Nunca vou me esquecer do dia quando que ele deu uma coletiva dizendo que a causa do caos aéreo era o aumento do poder aquisitivo da população, que estava viajando mais. Achei que era piada, mas ele estava falando sério.

      Só falta ele dizer agora que este ano o caos aéreo foi menor por causa das obras que o governo não fez, e não pelo arrocho no bolso da população.

      O planalto já deu ordem aos tiriricas para trancarem a votação e não deixarem passar qualquer reajuste de salário ou aposentadoria no orçamento de 2012.

      E daí vem o Forrest Gump da Fazenda dizer que é para o povo se endividar mais ainda?

      Ele faz palhaçada e a gente fica com cara de palhaço.

      0
      • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 18:42

        Ele pode ficar tranquilo, eu vou comprar um apartamentão de 50 m2 por 550.000 reaus… e como não tenho essa grana vou entrar num financiamento de 30 anos, se a minha renda, que não deixa sobrar um centavo no final do mês permitir.

        0
    • augusto 22 de dezembro de 2011 at 18:44

      Não entendo muito dessas coisas, mas nosso volume de crédito dizem ser baixo em relação ao PIB (quase atingindo 50% mas abaixo disto). Em outros Paise dizem ser quase 100% do PIB ou até mais que isto.
      Mas haverá diferença entre quantia tomada em empréstimo e quantia que deverá ser paga no final dos empréstimos? Isto porque aqui os juros são muitas vezes maior que nos outros Paises. Isto dá para concluir que um menor volume emprestado pode resultar num volume maior a ser pago.
      Estarei certo? Se alguem puder ajudar por favor sintam-se a vontade.

      0
      • thiago 22 de dezembro de 2011 at 22:06

        Você tem razão Augusto. Não dá pra comparar a relação entre o nível de crédito e o PIB do Brasil às mesmas condições de outros países. O país tem simplesmente a maior taxa real do mundo, aliada à um nível muito baixo de poupança e uma evolução relâmpago do crédito – uma combinação meio explosiva diga-se de passagem.
        Os não-adeptos da bolha usam também do mesmo argumento para justificar a segurança do mercado imobiliário, ou seja, a baixa participação do crédito imobiliário no PIB, algo em torno de 5%.Esse número pode ser bastante impactante e relativo quando se considera os fatores acima.

        0
        • Luiz 23 de dezembro de 2011 at 12:01

          tem outra pequena diferença
          em países civilizados o crédito é usado na produção
          aqui é usado no consumo

          lá vc traz pro presente a produção futura
          aqui vc traz pro presente o consumo futuro de porcarias vindas da china

          0
          • Cleyton 23 de dezembro de 2011 at 13:02

            Perfeito! Disse tudo.

            0
  • Shakespeare 22 de dezembro de 2011 at 19:00

    Mais um dia de queda em GFSA3…

    Tá começando a ficar bom

    0
  • Wilson 23 de dezembro de 2011 at 11:10

    Noticia sobre Curitiba:
    http://oestadodoparana.pron.com.br/economia/noticias/56274/

    E aqui um aplicativo que mapeia os lançamentos por valor e região:
    http://www.gazetadopovo.com.br/perfilimobiliario/lancamentos/

    0
  • Tiago 27 de dezembro de 2011 at 10:32

    Caro Leandro,

    Tenho lido muitos artigos a respeito deste assunto, mas o que intriga é o que fazer na minha situação: hoje, moro de aluguel em São Paulo e pago um valor elevado. Já procurei sair para um mais barato, mas as pessoas realmente perderam a noção e estão cobrando valores absurdos por espaços cada vez menores e localização cada vez mais distante. Por conta deste cenário, o que faço? Aproveito, entro na onda e compro um imóvel com prestações a perder de vista ou espero a bolha estourar – o que pode levar anos – e continuo pagando aluguel e vendo as pessoas à minha volta festejando a compra de sua tão sonhada casa própria?

    Realmente não sei que rumo seguir. Se puder fornecer um pouco do seu conhecimento para que possa chegar à minha própria conclusão serei grato.

    Abraços,
    Tiago

    0
  • Tiago 27 de dezembro de 2011 at 10:33

    Tenho lido muitos artigos a respeito deste assunto, mas o que intriga é o que fazer na minha situação: hoje, moro de aluguel em São Paulo e pago um valor elevado. Já procurei sair para um mais barato, mas as pessoas realmente perderam a noção e estão cobrando valores absurdos por espaços cada vez menores e localização cada vez mais distante. Por conta deste cenário, o que faço? Aproveito, entro na onda e compro um imóvel com prestações a perder de vista ou espero a bolha estourar – o que pode levar anos – e continuo pagando aluguel e vendo as pessoas à minha volta festejando a compra de sua tão sonhada casa própria?

    Realmente não sei que rumo seguir…

    Abraços,
    Tiago

    0
  • Brasileiro 6 de janeiro de 2012 at 17:26

    Na cidade São Paulo ocorre algo muito engraçado, cidadão tem imóvel para vender coloca na imobiliária por R$ 500 mil passa 1 ano não vendeu por R$ 500 mil e ele aumenta para para R$ 900 mil.

    Não vendeu por 500 como vai vender por 900?

    0