Em 2016, 37,7 mil vendas de imóveis foram canceladas – Época

Você pode gostar...

Comments
  • EngenheiroSP 15 de janeiro de 2017 at 20:03

    Entendo que o primeiro impacto é uma corrida geral entre os que tem dúvida pelo distrato, a fim de evitar essa nova regra.
    A segunda é o inicio do fim do “na planta”, afinal a insegurança agora é muito maior (já que, contando as correções, o valor abatido será irrisório perto do que foi de fato pago). Ou seja, inicio do fim das pedaladas

    Ou não, ninguém procura saber de legislação de nada mesmo, muito menos se informar dos “e se” que podem acontecer.

    32+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Antigo 15 de janeiro de 2017 at 23:03

      Acredito que mesmo os mais desinformados vão começar a desconfiar do golpe da planta. Está saindo todo dia notícia sobre os riscos desse tipo de negócio.

      A máquina de desinformação está mostrando sinais de desaceleração, aos poucos.

      A situação das grandes construtoras está ficando insustentável.

      E com relação à regulação do distrato, pelos julgados recentes dos tribunais, a tendência é a lei ficar benéfica ao motumbado e não à construtora. O Direito brasileiro também entende que o consumidor é sempre parte vulnerável. Não concordo com isso, mas é assim que funciona.

      Ou seja, uma possível regulação não ajudaria muito a situação das construtoras.
      Elas estão se apoiando nessa hipótese como uma vítima de naufrágio se apoia num precário pedaço do navio. Não há coletes, não há botes salva vida, somente o fragmento que pode afundar a qualquer momento.

      Que morram afogadas. Ouvi dizer que tijolo afunda.

      18+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • MauricioSP 16 de janeiro de 2017 at 11:36

        Na minha opinião existem dois perfis de comprador na planta: o investidor e o futuro morador.

        O investidor assume o risco de comprar na planta, para vender com bônus quando o imóvel estiver concluído. Nesse caso, com a crise e a diminuição do preço dos imóveis, o investidor é o primeiro a recorrer ao distrato se constatar que terá prejuízo. Seria uma forma de socialização do prejuízo, ele teve o risco de investir e quer o bônus sem aceitar o ônus.

        No caso de quem compra para morar, a pessoa já fez os planos para pagar o imóvel, concordando com o valor pago e as parcelas de financiamento. Mudanças conjunturais (desemprego, aumento de juros de financiamento) podem fazer que esses também optem pelo distrato, mas acredito que num percentual menor pois eles já estão sonhando com o imóvel sendo construído e entregue e é chato desistir de um sonho.

        Hoje, eu acredito que os distratos estão aumentando por uma razão: mesmo quem comprou para morar, vendo as notícias de aumento do distrato e de devolução de 90% do valor pago na justiça, vai curiosamente pesquisar sobre o valor atual do imóvel vendido pela construtora. Se ele constatar que por exemplo, comprou um um imóvel por 400 mil pagando 80 mil de entrada e hoje o imóvel é vendido por 300 mil, ele percebe que é melhor distratar e comprar o mesmo imóvel novamente do que continuar com essa situação.

        As construtoras estão em um mato sem cachorro: não podem renegociar a dívida de quem já comprou e não podem dar descontos altos para não mostrar que quem já comprou fez um mal negócio. Elas confiam que 50% dos compradores não farão o distrato mesmo com o prejuízo, pela dor de cabeça de terão que acionar a justiça brasileira. Então estão no modo “vamo que vamo”, esperando essa crise passar.

        Como os maiores prejudicados foram os compradores de imóveis até 2014, e o imóvel leva em média três anos para ficar pronto, até 2017 esse problema dos distratos deve continuar. Eu acredito que em 2018 o problema dos distratos tende a diminuir, e começará a retomada de lançamentos com um ajuste maior dos preços dos imóveis pois as construtoras não precisarão mais enfrentar essa resistência dos compradores na planta no período de alta dos preços. Em 2017 chegará o momento em que os compradores na planta durante o período de alta de preços terão que decidir por distratar or financiar o imóvel, depois de financiar a construtora recebe a parte dela e o problema passa a ser do banco…

        11+
        • avatar
        • avatar
        • anti_corvo 17 de janeiro de 2017 at 08:29

          Ainda existe outra situação.
          Imagina o cara que comprou na planta, está na iminência de receber o imóvel, já encomendou os móveis planejados, geralmente pagando antecipadamente. E aí, o que essa pessoa faz? Nesse caso o distrato dificilmente ocorre. O cara amarga o prejuízo e eras. A não ser que tenha como desfazer todos os contratos já firmados.

          0
  • guiguigoiano 15 de janeiro de 2017 at 20:18

    CVR
    Lembram do Lucas falando em Aluguel de graça para os apartamentos? Estamos quase lá:
    https://m.facebook.com/groups/447342605276437?view=permalink&id=1448209891856365&fs=1

    print> https://s29.postimg.org/c2kk5tvuv/Screenshot_2017_01_15_21_11_55.jpg

    #SouFanDesseVelho

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 07:43

      Esse tá no sufoco kkkkk

      O condomínio disso aío deve ser no mínimo R$ 800,00.

      6+
      • avatar
      • avatar
    • odorico 16 de janeiro de 2017 at 07:55

      Não consegui ver, não tenho facebook e a imagem foi bloqueada no proxy da empresa…., Mas segundo a rádio corredor do meu trab., já tem esse tipo de oferta entre conhecidos na Asa Sur em Brasília. More no meu apê, basta pagar o condomínio – Detalhe: alguns condos na Asa Sur chegam a 2 mil reais. ……

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • CA 15 de janeiro de 2017 at 20:37

    Sobre o tópico:

    Somente no terceiro trimestre de 2016, tivemos 6 construtoras com vendas liquidas de distratos negativas, ou seja, tiveram mais devoluções do que novas vendas.

    “Curiosamente”, todas estas 6 construtoras fizeram reduções radicais nos lançamentos, exatamente porque estavam com super-estoques equivalentes a ANOS de vendas.

    Oras, se tinham super-estoques tão elevados, por que não conseguiram vende-los? Por que tiveram vendas tão baixas a ponto das devoluções superarem as vendas?

    Outros pontos “curiosos” nesta história:

    Cabe destacar que o ano de 2012 foi aquele em que tivemos a maior queda nos lançamentos até hoje, eles se reduziram em mais de 40% só neste ano. Em 2013, tivemos novas reduções nos lançamentos, ambas as informações com base em resultados de 12 construtoras com Ações na BOVESPA.

    Como todos sabem, são três anos entre o lançamento, o início das obras, o habite-se e a tentativa de se obter o crédito imobiliário, que é quando os compradores descobrem que não possuem renda para adquirir o crédito imobiliário e surgem os volumes absurdos de distratos.

    Oras, se tivemos queda tão radical de lançamentos em 2012 e depois uma nova pequena queda em 2013, considerando-se os 3 anos até aparecerem os distratos, os mesmos deveriam diminuir e não aumentar em 2016. O que está acontecendo?

    Como a explosão da bolha começou a acontecer no segundo semestre de 2012, as construtoras aumentaram a partir dali a sua proporção de vendas FALSAS na planta, aquelas direcionadas para clientes que elas sabiam que não teriam renda suficiente para adquirir o crédito imobiliario no ato da entrega do imóvel. Fizeram isto para MAQUIAR o impacto real da explosão da bolha.

    Agora que várias construtoras estão ficando sem fôlego para pedalar com novos lançamentos e vendas FALSAS na planta, a desproporção absurda dos distratos e dos estoques aparece cada vez mais, é a bicicleta que vai parando até que uma hora, vai cair…

    É importante observarmos que ainda temos construtoras que estão pedalando com volume relevante de vendas FALSAS na planta, como a MRV, que apesar de ter sido a recordista nacional em distratos no ano de 2015 e assim ter garantido um grande crescimento nos seus estoques e na desproporção dos mesmos em relação à suas vendas, manteve quantidades de lançamentos incompatíveis com este volume de cancelamentos (a MRV teve mais de R$ 1,5 BILHÃO de distratos em 2015 e já passou de R$ 1 bilhão de distratos em 2016). A Tenda, segmento popular do grupo Gafisa, tem seguido esta mesma linha.

    Adicionalmente, em virtude da nova lei dos distratos, aguardada com ansiedade pelas construtoras, elas estão adiando cada vez mais o reconhecimento dos distratos, esperando que esta nova lei as ajude a recuperarem mais dinheiro mas devoluções dos golpes que aplicaram. Isto significa que os números reais de cancelamentos e da desproporção entre estoques e vendas são muito piores do que aquelea divulgados nos relatórios oficiais das construtoras e divulgados pela imprensa, porque temos um duplo pedalar, parte pelo aumento de lançamentos e vendas FALSAS na planta por algumas construtoras e em parte pelo atraso no “reconhecimento” dos distratos.

    Como sempre digo, quanto mais pedalam, maior fica o buraco em que elas estão se enterrando…

    43+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 07:48

      O que você acha que acontecerá em 2017? E 2018?

      8+
      • avatar
      • avatar
    • MauricioSP 16 de janeiro de 2017 at 11:51

      CA, você fala de vendas FALSAS na planta. Eu gostaria de entender, qual o ganho da construtora nisso? Quando alguém compra um apartamento na planta, o comprador para de 25 a 30% de entrada para usar o próprio apartamento de garantia no financiamento quando o apartamento estiver pronto.

      Num apartamento de 400 mil, esses 25% de entrada dariam 100 mil reais, normalmente parcelados, sendo 6% de comissão pros corretores, ou seja 24 mil. Qual é a venda falsa na planta? A construtura recebe 76 mil em três anos e depois espera que o comprador não entre na justiça para reaver o dinheiro? Se ela vai receber 300 mil no momento do financiamento em uma venda para um comprador legítimo, por que abrir mão disso para ganhar 76 mil? Não entendi sua alegação de venda falsa.

      Eu já vi os próprios corretores de um empreendimento comprarem na planta para repassar antes da entrega, visando lucro, mas não entendo por que a construtora incentivaria vendas “falsas” se uma hora a conta chega.

      3+
      • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 12:57

        É falsa porque maquia o balanço. Tira o imóvel do estoque, o balanço trimestral indica a venda, etc.

        8+
        • avatar
        • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 13:04

          a construtora considera a venda-fantasia como recebível
          e usa de lastro pra se endividar e lançar mais
          a venda-falsa é que pedala o berço

          10+
          • avatar
          • avatar
        • MauricioSP 16 de janeiro de 2017 at 14:13

          Não conheço como isso funciona. A construtora antecipa no balanço a venda toda como receita? Mas o que acontece três anos depois se a venda não se concretiza? Ela teria que lançar o prejuízo também, não é? Um executivo tentar fazer isso para garantir o bônus anual até entendo, mas para construtoras que por natureza trabalham com o longo prazo é um tiro no pé… Será que as construtoras seriam tão tolinhas assim?

          2+
          • Libertario 16 de janeiro de 2017 at 14:27

            Exatamente isso que acontece, não por tolice, mas por vigaristagem.
            Na pratica elas nem querem o valor da parcelinha (500 por mês).
            Elas querem mesmo é a assinatura do 666 no contrato.
            Pro 666 é bom que faz de conta que comprou.
            Pra destrutora é bom, porque faz de conta que vendeu.

            4+
          • CA 16 de janeiro de 2017 at 21:12

            Maurício SP,

            Venda e receita não são a mesma coisa.

            Ao fazer uma venda FALSA na planta, aquele imóvel imediatamente sai do estoque da construtora, assim, a proporção entre estoque e vendas parece menor. No inflar, chegou a simular um super-aquecimento que inflava os preços dos imóveis artificialmente, ou seja, não com base em um procura real, era apenas uma SIMULAÇÃO de demanda.

            O crescimento simulado de vendas, com uma desproporção falsamente baixa entre oferta e procura e preços crescentes de forma ARTIFICIAL, fizeram com que os preços dos imóveis disparassem durante o inflar da bolha.

            Quem ganhou com isto? Um exemplo foi Enrique Bañuelos, que comprou um grande volume das Ações da PDG em 2007 e vendeu tudo no meio de 2011. Ele, que foi considerado o pai da bolha imobiliária espanhola antes de entrar na PDG, teve um lucro bilionário, afinal, de meados de 2010 até a metade de 2011, a PDG foi considerada a maior empresa do segmento imobiliário das Américas em valor de mercado, ou seja, o valor da Ação da PDG tinha subido demais.

            Quem perdeu com isto? No mesmo ano de 2011, DEPOIS que Enrique Bañuelos saiu da PDG, ela reconheceu distratos em patamar superior a R$ 1 BILHÃO de Reais e no ano seguinte, teve prejuízo líquido de cerca de R$ 2 BILHÕES, entre outros péssimos resultados.

            Por que a PDG teve prejuízo tão elevado? Exatamente pelo que você mencionou, pelas receitas muito baixas frente aos seus custos, tanto durante a obra, quanto no ato da entrega do imóvel, quando pelo fluxo de caixa ela planejava receber um montante muito elevado que se frustrou com o volume anormal de cancelamentos e daí ela teve que entrar cada vez mais em empréstimos para cobrir os rombos, enquanto os distratos permaneciam anormais e prejudicando os resultados.

            Diversas outras construtoras passaram pela mesma situação e são exatamente as que estão quebrando. Aliás, na Gafisa o Sam Zell fez algo análogo ao que fez o Enrique Bañuelos na PDG e também saiu de lá com um lucro bilionário. Sam Zell foi um dos pais da bolha imobiliária americana antes de entrar na Gafisa. A Gafisa só não quebrou porque vendeu o segmento Alphaville para uma empresa de fora do Brasil que não conhecia este esquema, com o dinheiro recebido, ela pagou o super-endividamento gerado pelo volume absurdo de distratos e um ano depois voltou a pedalar com as vendas FALSAS na planta de novo.

            Quem mais ganhou com isto?

            Além dos investidores acima, quem também ganhou foram aqueles que compraram os imóveis na planta no início do esquema e até um certo ano, aqueles que trabalhavam nestas construtoras durante o inflar da bolha e tinham seus bônus vinculados às vendas realizadas, até antes dos distratos acontecerem, a imprensa que viu o volume e o faturamento com anúncios de imóveis dispararem, corretores de imóveis que não tinham que devolver o dinheiro quando o negócio era cancelado, imobiliárias, dentre outros…

            Ah, mas a empresa quebrou! Sim, em esquemas de pirâmide financeira como estes, a empresa SEMPRE quebra, quem tem altíssimo lucro são as pessoas que usaram estas empresas para enriquecer, é assim que funciona…

            10+
            • avatar
            • avatar
  • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 07:40

    Cacildis, 45% do que foi vendido foi distratado em 2016.

    Mas a redução da selic vai aumentar as vendas, pode acreditar… /ironic

    12+
    • avatar
    • avatar
    • Seguidor do Bolha BH 16 de janeiro de 2017 at 13:51

      Vai, e junto com o aumento das vendas o aumento da inflação.

      2+
    • MauricioSP 16 de janeiro de 2017 at 14:22

      Corrigindo a afirmação, segue trecho do artigo “Dados da Abrainc apontam que 37,7 mil imóveis tiveram as vendas canceladas entre janeiro e outubro de 2016, o correspondente a 45% das unidades vendidas no mesmo período.”.

      Ou seja em 2016 teve umas 80 mil vendas de imóveis, e 37 mil cancelamentos, provavelmente a maior parte de imóveis vendidos em anos anteriores. Não é que o o que foi vendido em 2016 foi distratado, mas que vendas de anos passados foram canceladas. Os dois números não são interligados, poderia ter sido 10 mil vendas e 30 mil cancelamentos em 2016.

      5+
      • avatar
  • thiago fm 16 de janeiro de 2017 at 07:42

    Foi só eu deixar de postar por alguns dias e parece que já foi eleito a nova bola da vez – o Nelson. Dei uma lida nos comentários dos últimos dias e como tinha avisafo, a estória sempre se repete. Basta alguém dar um comentário e se posicionar de forma mais imparcial sobre o mercado imobiliário e os mesmos adjetivos e verbos reaparecem.

    Deixei a parte 2 pronta como o Boss já há algum tempo e está a cargo dele postar ou não e quando fazer. Nela é feito um diagnóstico da evolução da demanda, oferta, distratos e sobretudo preços dos imóveis nos últimos anos. Por ora, para pagar a promessa que fiz sobre aparar algumas pontas soltas e tratar do tema, segue uma análise rápida sobre o mercado imobiliário na passagem de 2011 para 2013, a qual ajuda a entender entre outras coisas:

    – Os efeitos da forte redução dos juros reais no fim de 2012 e de outras medidas anticíclicas aconteceu de fato, porém de forma efêmera devida a reversão do ciclo de aperto monetário ainda em 2013. Essas medidas contribuíram para que o mercado imobiliário reagisse na época, no que se refere a preços, lançamentos e vendas, mas só foi efetivamente sentida mais no início de 2013;

    – Apesar do desempenho ruim do setor em 2012, o ano não representou a derrocada definitiva do mercado imobiliário, nem mesmo o marco da explosão da bolha como alguns insistentemente defendem, visto que os preços voltaram a aumentar no ano seguinte. Essa inflexão só acontece de forma mais clara junto com o esfriamento da economia no início de 2014

    LINK DOS GRÁFICOS E ANÁLISE:

    https://s27.postimg.org/lshjiu737/A_CONJUNTURA_DO_MERCADO_ENTRE_2011_E_2013.png

    19+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 07:48

      O que você acha que vai acontecer em 2017?

      3+
    • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 07:50

      E 2018?

      2+
    • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 09:21

      Thiago fm

      Naquele monte de gráficos, senti a falta de um a respeito de volume de vendas por ano.
      Se você colocasse, veria que o ponto de inflexão no EUA foi atingido em junho de 2005, já o valor máximo foi atingido 2 anos depois e só em 2008 ocorreu o estouro da bolha.
      Este efeito é comum em todas as bolhas imobiliárias, as vendas param, mas os lançamentos ainda continuam durante um certo tempo e o preço só começa a cair anos depois, quando as pessoas percebem que não estavam pagando o preço justo.
      Que tal você montar um gráfico sobre isso?

      http://3.bp.blogspot.com/-nKNqzvp8OCA/UwlLXePKjEI/AAAAAAAAFmc/yChN_krcnOU/s1600/New+Home+Sales+Chart+-+March+2014.jpg

      http://www.jparsons.net/housingbubble/united_states.png

      15+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 09:56

        A thiago fm, outro que seria muito interessante é o do valor dos imóveis X renda

        9+
        • avatar
  • Moreira 16 de janeiro de 2017 at 07:48

    Quais experimente os 666’s vão digitar no google:

    “investir em imóvel na planta”

    “comprar imóvel na planta”

    “riscos de comprar imóvel na planta”

    “PREJUÍZOS de comprar imóvel na planta”

    “aplicar o dinheiro em TD ao invés de comprar imóvel”

    E aí, quais expressões serão digitadas no google pelos 666?

    Considerando que a fonte de pesquisa de muita gente é o google, a fala encantadora dos corvos é uma verdade, que muitos familiares e amigos (compraram e enchem a boca pra dizer que “é melhor morar no que é seu”, “é melhor ir pagando aos poucos”), considerando essas fontes que muitas pessoas adotam, não duvido de ter muitos trouxas comprando na planta caso novos empreendimentos sejam construídos ou tenham anunciadas a construção. Isso ainda é uma realidade.

    E se nego baixar o valor das parcelinhas e fazer uma boa ação de marketing, aí a manada cai pra dentro!

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 07:49

    Nos EUA o flipping de Imoveis assustou e foi considerado um sinal de bolha qdo passou de 5,6%.. Muitos estavam reservando imóveiis e isso “esquentava” o mercado.
    Lá tem contrato e o “investidor” sabe que pode perder desde poucos dólares até muito (conforme o local e risco do investimento). Aqui qto foram os investidores comprando só pra depois revender com “lucro”, 30 a 40% ou mais.
    Outra coisa é a quantidade de imóveis para aluguel… em paises com proporção maior para aluguel permite que o mercado não se perca e controle melhor as variações de preço…

    8+
    • avatar
    • avatar
  • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 07:51

    Desconheço isso. Pode me dar uma explanação?

    tmarabo

    eu registrei meu contrato no registro de imóveis. o cara pode até vender, mas o comprador não pode me tirar.
    tem que ter cláusula de vigência em caso de alienação para poder registrar.

    7+
    2+
    • Jose Ferreira 16 de janeiro de 2017 at 10:34

      Averbar o contrato no registro de imóveis é uma prática comum em projetos industriais, quando o imóvel não é próprio. Já vi projetos de mineração e energia com arrendamento de areas registradas em cartório. Alguns Estados aceitam tal tipo de averbação e outros não.
      Para alugueis residenciais, nunca vi e desconheço também, mas o meu desconhecimento não quer dizer muito, pois não é o meu ramo!!

      6+
      • avatar
      • avatar
    • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 13:49

      No meu contrato consta: “Parágrafo 1°- A presente locação será mantida conforme pactuada em caso de alienação do imóvel, como previsto no art. 8º da Lei 8245/91, devendo ser observado o direito de preferência, na forma do art. 27 Lei 8245/91.”

      A lei 8425 é a lei de locações:
      Art. 8º Se o imóvel for alienado durante a locação, o adquirente poderá denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para a desocupação, salvo se a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso de alienação e estiver averbado junto à matrícula do imóvel.

      2+
      • avatar
    • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 13:50

      Obs.1. É sempre bom fazer constar o número da matrícula do imóvel no contrato de aluguel. O registro de imóveis não queria registrar porque no meu contrato não tinha o número de matrícula (de fato a lei de registros diz que nos “títulos” – o contrato é um “título” para este fim – a serem registrados têm que constar o número de matrícula). Aí eu fiz uma impugnação e o oficial acabou registrando, mas daria pra ter evitado a dor de cabeça.
      Obs.2. no meu caso o oficial acabou registrando o contrato na matrícula do apartamento MAIS na matrícula do box do veículo. Acabei gastando 500 paus quando poderia ter gastado 250 se averbasse o contrato só na matrícula do apartamento, o que já seria suficiente, já que o proprietário não venderia apenas a vaga da garagem. Não me dei conta e quando ficou pronto eu vi que tinha averbado nas duas matrículas e tive que pagar o dobro, ja´que no contrato constava aluguel do apartamento e do box de garagem e eu não fiz ressalva de que só queria averbar na matrícula do apartamento.

      2+
      • avatar
  • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 07:55

    House flipping – buying and reselling a home to make a quick buck – has risen in some hot housing markets, prompting concerns that local housing bubbles could be developing,
    “When home flipping numbers go up, it is usually an indication that the housing market is in trouble,” said Matthew Gardner, chief economist at Windermere Real Estate, who was quoted in the report.

    “These sales artificially inflate home prices, making housing even less affordable for buyers and increasing the risk of a bubble,” said Gardener.
    The report defines a home flip as any transaction that occurred on the same property twice within 12 months.
    http://www.nbcnews.com/business/real-estate/house-flipping-skyrockets-sparks-concern-over-housing-bubble-n530866

    5+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 07:57

    g1
    gshow
    vídeos
    ENTRE

    HOME
    EMPRESA
    ECONOMIA
    MERCADO
    BRASIL
    CAMINHOS PARA O FUTURO
    CARREIRA
    ASSINE JÁ

    ASSINE JÁ

    BRASIL

    Doria quer reduzir ao menos 30% dos aluguéis pagos pela Prefeitura de SP

    Com a medida, a gestão prevê economizar pelo menos R$ 10 milhões por mês

    14.01.2017 | ESTADÃO CONTEÚDO

    O PREFEITO DE SÃO PAULO, JOÃO DORIA (FOTO: REPRODUÇÃO/TV GLOBO)

    O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou neste domingo (15) que ordenou aos secretários que reduzam ao menos 30% os valores pagos por imóveis alugados pela Prefeitura até o dia 1º de março. “Ou fazem a negociação ou deixamos os imóveis”, afirmou Doria, após realizar um mutirão para construir calçadas na região do M’Boi Mirim, no extremo da zona sul da capital.

    20+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 08:40

      Não há dúvidas de que isto é um sinal negativo pro mercado.

      5+
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 11:14

      DORIA LACRANDO uma atrás da outra

      Devolveu 1.400 carros alugados
      pegou a vassoura e foi ajudar os garis
      todo dia, sem exagero, todo dia ele está na mídia paulsita lacrando alguma
      por coincidencia ele faz na prefeitura o que faço no meu condo, acabo de me abaixar e desentupir o ralo com os próprios dedos pra mostrar pra faxineira que este trabalho não exige 50 litros de água

      enqautno isto no resto do País:
      “SP é responsãvel pelos massacres de roraima e Manaus”
      é a manchete dos jornais.

      28+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • De-boa-na-bolha 16 de janeiro de 2017 at 07:58

    Quebradeira generalizada” já afeta setor financeiro: cuidado com os balanços dos bancos !
    http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/6017624/quebradeira-generalizada-afeta-setor-financeiro-cuidado-com-balancos-dos-bancos

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • odorico 16 de janeiro de 2017 at 08:37

      Esse não é aquele economista que fala que a Dívida é de 40% do PIB por causa das reservas? E que foi no Senado contra a PEC 241?

      6+
    • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 09:30

      “O Brasil está pronto para ter juro real próximo a zero, diz economista”

      Existe algum pais no mundo que não tem rating de investimento e tem juros próximo de zero ??? kkkkkkk

      16+
      • avatar
  • Ilusionista 16 de janeiro de 2017 at 07:59

    quase que metade das vendas foram canceladas…..culpa só da crise?
    na realidade grande parte dos “últimos compradores” já sabiam que os preços estavam muito alto, fora da realidade e dos riscos, pagando até 20 % por cento do que um imóvel pronto na mesma região, mas a “ganância” de querer ganhar dinheiro fácil falou mais alto…..
    agora, vem sempre com os mesmos argumentos: ” muita gente ganhou dinheiro no passado”
    mas esquecem que todo esquema de pirâmide para dar certo, no início, tem que fazer com um grupo de pessoas ter bons lucros atrair um maior número de pessoas….

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 08:20

      o pessoal não comprou dos “investidores” flipando e comprou na planta pensando que iriam conseguir vender tbm…. kkkk já tinha alguns prontos… mas o lucro seria menor… 666 housing investors gourmet plus experts.

      7+
      • avatar
    • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 08:38

      semana passada os corvos estavam reclamando que esse dinheiro do FGTS iria prejudicar (faltar) no mercado em 2024… kkk são bipolares esquizofrênicos psicopatas.

      7+
      • avatar
  • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 08:16

    Sair do aluguel, sim ou não? (não ou não)
    O preço dos imoveis caiu nos últimos 2 anos e o mercado está abarrotado de ofertas de novos pra vender (ja da pra ver onde papinho vai dar….)
    – Não consigo ler o resto, ainda bem….
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marciadessen/2017/01/1850092-sair-do-aluguel-sim-ou-nao.shtml

    6+
    • vitera 16 de janeiro de 2017 at 08:28

      Alemon,

      Abre na aba anônima que as vezes funciona.

      “SIM

      Fernanda tem um sonho, quer porque quer ter uma casa para chamar de sua. Pagar aluguel é uma coisa que a deixa muito infeliz. Tem a sensação de estar pagando por uma coisa que nunca será sua.

      Seu marido já demonstrou por A mais B que alugar é barato, permite mais mobilidade, que eles não gastam com manutenção, que podem se mudar sempre que quiserem, mas Fernanda sabe bem o que quer e não abre mão de realizar o sonho. Fernanda tem outra preocupação: desconfia de que ela e o marido possam gastar o dinheiro com outras coisas, que também querem, mas são menos importantes que a casa própria.

      Para pessoas como Fernanda, decididas a sair do aluguel, recomendo calma. Nada de pressa na hora de comprar um imóvel. É proibido se apaixonar por um deles, você vai acabar pagando mais do que ele vale.”

      FERNANDA

      28+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 08:39

        huahuahuahuahua!
        Eu si divirtu !

        16+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Thiaguinho 16 de janeiro de 2017 at 09:04

        “Marido bolhista. Fernanda 666 TOP. Fernanda quer porque quer algo pra chamar de seu.”

        Marido, troque a Fernanda por outra. De preferência bolhista.

        19+
        • avatar
        • avatar
      • Antigo 16 de janeiro de 2017 at 09:39

        KKKKK

        Certas coincidências são sensacionais

        15+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 08:26

    Como o Núcleo do Real Estate contribui com a desinformação sobre distratos

    No artigo “DISTRATOS CONTRATUAIS NO MERCADO HABITACIONAL EM SÃO PAULO: ORIGENS E EFEITOS” eles chegam a conclusão que os distratos ocorreram em maior valome a partir de 2014, mas eles só começar a analisar a quantiddade de distratos a partir janeiro de 2014 (página 3), pressupondo que não existia este problema antes. kkkkkk

    http://www.realestate.br/dash/uploads/sistema/Lares/fieitas_distiatos_aitigo.pdf

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alves 16 de janeiro de 2017 at 08:31

    SEU DINHEIRO
    Construtoras dão mudança e até desconto para quem usar FGTS
    Liberação do saque do FGTS inativo motivou construtoras a criarem campanhas para estimular uso de recursos do Fundo na compra de imóveis

    “A iniciativa do governo é ótima porque põe dinheiro na mão das pessoas outra vez e faz a economia girar”, diz Lucas Tarabori, diretor de marketing da Gafisa. “Isso claramente nos ajuda, já que a casa própria continua sendo o grande sonho do brasileiro.”

    Vai acabar o estoque é de pinga.

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/construtoras-dao-mudanca-e-ate-desconto-para-quem-usar-fgts/

    5+
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 08:41

      “põe dinheiro na mão. ”
      PQP!!! Depender do FGTS para ter dinheiro na mão só prova que a BNN…. não… não vai !
      As pessoas , empresas e governos ainda estão muito alavancados. Mesmo parcelando em 30 anos está complicado arcar com as parcelinhas.

      13+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • RalphWEmerson 16 de janeiro de 2017 at 08:38

    Governo se vendendo às construtoras… como sempre
    Construtora poderá ficar com 10% do valor do imóvel em caso de distrato
    http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,construtora-podera-ficar-com-10-do-valor-do-imovel-em-caso-de-distrato,10000100046

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 08:42

      e ainda vão ficar com a comissão do corvo (outra, agora incluida ), assinatura do contrato, multa, correspondente, etc etc… não é só 10% não.

      6+
      • avatar
      • avatar
    • RC 16 de janeiro de 2017 at 08:43

      10% do valor anunciando do imóvel? do valor de face do IPTU? Ou do REAL valor da venda?

      Imagine o proprietário querendo dar desconto para se livrar do problema e a construtora (dona de 10%) impedindo dizendo que será prejudicada.

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 08:48

        Que bizarrice.
        Essa tal de venda na PrAnta.

        7+
        • avatar
        • avatar
      • Libertario 16 de janeiro de 2017 at 15:00

        Acredito que seja do valor da assinatura do CONTRATO.

        1+
    • Zé Carioca 16 de janeiro de 2017 at 09:21

      Acho certíssimo. Se uma pessoa compra um bem de alto valor, se propõem a pagar pelos três anos da construção mais 35 anos de financiamento, ela tem que fazer um mínimo de conta para saber se conseguirá pagar. Os custos da construtora são muito mais altos do que simplesmente devolver 10% do valor que foi pago, a construtora conta com o valor a ser pago para dar prosseguimento a obra. Do jeito que está uma simples variação de 5% para baixo no valor do imóvel faz ser vantagem distratar, pois o comprador paga muito pouco do valor durante a construção. Óbvio que o erro está em vender na planta com parcelas muito baixas, mas se o imóvel valoriza o comprador não divide o ganho com a construtora e se desvaloriza ele distrata, paga uma merreca e passa o pepino pra construtora.

      É questão de responsabilidade, para você comprar um bem de alto valor em um prazo longo, tem que pensar muito antes. Hoje as pessoas compram apartamento como se comprassem batata na feira e merecem sim ser motumbadas com gosto. Se eu fizer uma LCI de três anos e quiser tirar o dinheiro depois de um ano perco todo o rendimento, não vai ter ninguém pra falar, coitado do Zé, não podia imaginar que ia perder o emprego e ia precisar do dinheiro, ou coitado do Zé, o governo zerou a Selic e ele tá tendo prejuízo. Acho certo essas novas regras e torço para que a responsabilidade seja passada para o verdadeiro culpado pelo distrato, quem comprou sem saber se podia pagar.

      32+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 10:46

        Concordo.

        O cidadão deve ser responsável pelos seus atos. Se não consegue entender um plano de financiamento de imóvel, deve procurar aprender sozinho ou com a ajuda de um amigo.

        15+
        • avatar
        • avatar
    • odorico 16 de janeiro de 2017 at 13:34

      Particularmente acho bom, como ela ficará com 10% do valor do imóvel. Se ele estiver no papel ela cancela, se estiver em obra vai dar desconto, afinal já terá recebido 10% do valor bolhudo que ela vendeu (se já recebeu) e trará o valor para os custos. Isso só vai acentuar a queda ou vai prolongá-la o que é o meu interesse. Eu não quero que a bolha estoure.

      1+
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 08:44

    Lembrando as frases de 2014:
    “Quem tem dinheiro para comprar á vista…. não compra”
    “Quem não tem dinheiro…. compra usando crédito”

    Esse é o problema. Esses 10 a 15% que compraram alavancados….. permitiram uma subida abrupta dos preços no período de euforia. (existem outras questões macroeconômicas tb). A farra do crédito fácil…. nunca termina bem.

    15+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 08:45

      Quem poupou real por real sabe o valor que tem.
      Quem não poupa… não sabe o valor do dinheiro e muito menos da lógica financeira.
      Dívida é patrimônio. Novilíngua bananense.

      25+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 11:03

        isso de cada moeda estar suja de suor e çangui abençoa os bens da pessoa
        em todas as mitologias que conheci, todas, simplesmente todas tem esta questão como uma das “energias” mais fortes da natureza
        tem uma especialmente forte a lenda do pão da vergonha, se vc gugar “pão da vergonha” vc vai ler várias versões legais.

        e quando te acarretar a sorte,
        de lhe cair algo no colo
        não fique preocupado
        trabalhe para merecer, segundo várias mitologias, passado e futuro não existe, vc pode abençoar seu passado.

        Respeito muito isso
        respeito muito vc from
        dos que mais ganhou aqui no blog
        dos que menos fala
        dos que mais ouve
        coincidência???

        12+
        • avatar
        • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 08:44

    http://www.realestate.br/dash/uploads/sistema/Lares/lares2014_rochalima_cronicabolha.pdf

    Neste trabalho, sobre a previsão para o futuro, ele se “esqueceu” de considerar a demografia, como a queda na taxa de fecundidade e o movimento de migração de pessoas e empresas das capitais para o interior.

    MOVIMENTOS DE PREÇOS DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS NO BRASIL:
    CRÔNICA DA BOLHA ANUNCIADA E OS PREÇOS ADIANTE
    Prof. Dr. João da Rocha Lima Jr. artigo para o Congresso LARES 2014 abril de 2014

    Em conjunturas pressionadas o mercado se desestabiliza. Preços de oferta para cima (fora do preço justo) são induzidos pela presença de demanda especulativa, ou geração artificial de capacidade de compra, justamente os dois fatores preponderantes na recente bolha identificada no mercado norte-americano, como no português ou no espanhol.

    As bolhas verificadas recentemente nestes mercados indicam que foram induzidas pela geração artificial de capacidade de compra, por meio de crédito imobiliário irresponsável. Seguiu-se a ação dispersa de capitais de especulação, que leva os preços para fora do preço justo.

    Na questão da especulação, deve-se notar que são pequenos e médios capitais que especulam, tendo em vista que crédito imobiliário irresponsável entrega poder de compra alto para pouco capital (proporção elevada de financiamento) de modo espalhado no mercado. Essa dispersão é insufladora de especulação e é ela, combinada com a capacidade financeira modesta dos especuladores, que constroem o binômio motivador da queda acelerada. Nas economias citadas, na fase aguda de construção da bolha se fez poder de compra 100 com de 2 a 5 de capital (financiamento de até 98% do preço).

    De outro lado, vendas na planta, nas quais a questão do crédito é para ser resolvida na entrega do imóvel, dois a três anos adiante, podem emular especulação, cabendo aos empreendedores cuidar de fazer vendas eficazes (finais) e não volume para cumprir metas anunciadas ao mercado de capitais, para fazer resultados artificiais de balanço, a vista do critério poc de apuração de lucros (percentage of completion). Por exemplo, no segundo semestre de 2010 e no primeiro de 2011 restou flagrante a identificação da presença de capitais de especulação no mercado residencial de São Paulo, sem que as empresas tenham exercitado poder moderador de buscar vendas para o mercado final e não para investidores (especuladores). Também restou flagrante que, no ciclo seguinte, os distratos de vendas vêm se constituindo em um dos problemas gerenciais das grandes incorporadoras.

    8+
    • avatar
    • avatar
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 08:55

    Tem corvo desesperado se agarrando em qualquer notícia.
    Não adianta…..
    Só a produção de riquezas é que pode permitir a compra e PAGAMENTO de um imóvel.
    Assinar um papel é moleza. Quero VER é PAGAR INTEGRALMENTE.

    19+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Thiaguinho 16 de janeiro de 2017 at 09:17

    CVR

    Só onde trabalho, TRÊS pessoas devolveram seus bolhudos em fase de construção na planta por receio do que virá pela frente. Isso nos últimos 12 meses. Não duvido que esses “dados oficiais” de devolução sejam maquiados.
    Dessas 3 pessoas, uma eu posso dizer que consegui converter. Pagaria mais da metade do que ganha na parcelinha que cabe no bolso. Sem contar condomínio.

    29+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Zé Carioca 16 de janeiro de 2017 at 09:25

      Isso que falei acima, acho que os três mereciam ser motumbados com vigor. Só que a justiça protege o “coitadinho” do comprador que foi “ludibriado” pela construtora. Se o imóvel tivesse valorizado como em 2010 seu amigo esfregaria na sua cara o quanto ganhou e te chamaria de burro por não ter comprado na pRanta. Qual a culpa da construtora se seu amigo é maluco e quer pagar mais de 50% da renda num bem?

      27+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 09:21

    Selic de 1 dígito só se for no grito

    A história mostra que o investidor sempre precisa tomar muito cuidado em momentos de unanimidade de opiniões no mercado. A decisão do Banco Central de cortar 0,75 p.p. da taxa básica de juros na última quarta-feira agradou o governo, economistas (ortodoxos e heterodoxos), gestores de fundos, empresários, representantes de associações empresariais e sindicatos.

    No meio de tanta euforia com a expectativa de novos cortes agressivos nas próximas reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), alguns economistas já estão projetando taxa Selic de 1 dígito no fim deste ano. A expectativa não parte apenas de economistas com viés heterodoxo, mas também de economistas com viés ortodoxo, inclusive daqueles que fizeram duras críticas ao último ciclo de afrouxamento monetário promovido pela gestão anterior.

    O próprio presidente da República se sentiu confortável em afirmar que a taxa básica de juros deve cair para 1 dígito. Deixando de lado o agravante relacionado a um comentário deste tipo (já que o mercado está fazendo vista grossa), não há condições para um recuo sustentado tão forte da taxa Selic neste ano, talvez nem no próximo.

    Há um conjunto de fatores relacionados à desarrumação macroeconômica que tendem a continuar pressionando a inflação no médio/longo prazo. São problemas que só serão solucionados com a melhora no ambiente de negócios através de um planejamento de longo prazo e não com ações pontuais de curto prazo.

    Mas a principal razão que inviabiliza cortes agressivos e sustentados da taxa Selic é o próprio governo. Não há menor condição de um país grau especulativo reduzir drasticamente sua taxa básica de juros no curto prazo trabalhando um orçamento com déficit de 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto), rombo considerado significativo.

    Como se não bastasse os inevitáveis efeitos de pressão inflacionária criados por uma política fiscal expansionista, chegará o momento em que os investidores reavaliarão as condições (taxa de juros) para financiar a dívida elevada de um País grau especulativo, que por sinal se mantêm em forte trajetória de crescimento e ainda distante de uma reversão (redução do endividamento).

    Mesmo com a implementação das reformas, não há perspectiva de o governo voltar a fazer o necessário superávit primário nos próximos anos, pois os grandes privilégios, como o ineficaz “bolsa empresário”, que pressionam seriamente o fiscal, não estão sendo combatidos. O FMI (Fundo Monetário Internacional) espera que o Brasil só volte a fazer superávit primário a partir de 2020. Mostrando-se incapaz de colocar as contas em dia, o governo será o principal empecilho para a queda sustentada da taxa Selic.

    O Banco Central pode continuar cotando os juros agressivamente nas próximas reuniões de Comitê e jogar a taxa básica de juros para 1 dígito até o fim deste ano, mas será um movimento à base do grito, sem respaldo dos atuais fundamentos e que possivelmente trará sérias consequências ao futuro.

    Dentro do esperado, o mercado local reage com otimismo à decisão do Banco Central. O clima positivo no ambiente de negócios inviabiliza reflexão dos investidores sobre as consequencias futuras. Além disso, a expectativa de novos recuos agressivos da taxa Selic empurra investidores muito posicionados em ativos pós-fixados para assumir posições de risco no mercado.

    Como existe muito capital concentrado em pós-fixado, fruto do longo período de juros altos, o potencial de fluxo para os ativos de risco é enorme caso o Banco Central continue trabalhando dentro da rota apresentada na última quarta-feira. Por outro lado, os gestores de fundos (principalmente multimercados), que já se posicionaram a favor da curva, tendem a focar mais no fluxo daqui pra frente, tentando identificar a entrada da massa para desovarem suas posições, até porque os prêmios dos juros futuros já começam a ficar achatados.

    As curvas da ponta longa já iniciaram rompimento da mínima do ano, mostrando intensificação da força compradora. O contrato de juros futuros que vence em 2022 já está pagando 10,98% ao ano. Já os contratos da ponta curta estão abaixo da mínima registrada em 2014 (antigo e importante ponto de suporte). O contrato de juros futuros que vence em 2019, por exemplo, fechou a semana pagando 10,52% ao ano.

    A bolsa de valores atropelou a principal resistência de curto prazo localizada na região dos 62,9k, agregando força a perna de alta intermediária iniciada aos 56,8k, com espaço para buscar a máxima do ano passado nas próximas semanas.

    No cenário externo o clima segue positivo com boa parte das praças financeiras coladas em máximas históricas ou máximas anuais. Nos Estados Unidos o índice S&P500 trabalha movimento lateral de curtíssimo prazo, colado no topo histórico.

    17+
    • avatar
    • avatar
    • Zé Carioca 16 de janeiro de 2017 at 09:28

      Não sei não Louro. Acho que a Selic volta ao patamar de 9,50% sim. A inflação deve fechar próximo a meta em 2017 e abaixo dela em 2018. Se a Selic ficar muito acima de 10% os juros reais vão ser absurdos.

      7+
      • Louro José 16 de janeiro de 2017 at 09:29

        Ele não disse que não pode. Ele disse que pode, mas que é irreal e que vai dar merda no futuro.

        9+
        • avatar
        • Felipe 16 de janeiro de 2017 at 09:31

          repetindo Dilma anos atrás, quando a própria poupança passou a ser um “bom investimento”.

          7+
        • Zé Carioca 16 de janeiro de 2017 at 09:35

          Isso é verdade, a Selic deve chegar para menos de dois dígitos no final do ano ou início do ano que vem, mas não tem a menor perspectiva de reverter o déficit do governo no médio ou curto prazo. Vai dar M de novo.

          13+
    • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 09:30

      Selic de 1 dígito vai depender da inflaçao e da demanda. Se o desemprego continuar alto e um ajuste fiscal sério for feito, a gente chega a 1 dígito fácil. Mas o mais provável é um ajuste apenas aceitável. Ainda assim, se as expectativas de inflação convergirem consistentemente para a meta 4,5%aa, não é difícil atingirmos selic de 1 dígito. É só considerar juros reais de 5% sobre a meta de 4,5% (dá ~9,5%, um dígito mas quase 2). 5% de juros reais para a Selic, num cenário em que os juros reais de curto prazo no restante do mundo são negativos, é bastante plausível. Só para comparação, as NTNBs longas estão paganto por volta de 5,5% reais para prazos de 10 anos.

      9+
      • avatar
    • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 09:50

      Sobre a frase acima:
      “…O Banco Central pode continuar cotando os juros agressivamente nas próximas reuniões de Comitê e jogar a taxa básica de juros para 1 dígito até o fim deste ano, mas será um movimento à base do grito, sem respaldo dos atuais fundamentos e que possivelmente trará sérias consequências ao futuro.”

      Os fundamentos que o BC observa são sobretudo a inflação. Estamos num regime de metas de inflação. Se continuar caindo, abre espaço para a redução da Selic. De novo, a sustentabilidade disso depende do ajuste fiscal, que está sujeito a imponderáveis desenvolvimentos políticos (Lava-Jato e Trump)

      9+
      • Scaravelhoo 16 de janeiro de 2017 at 16:29

        Se você tivessem para receber uma grana razoável hoje… aplicariam onde???

        50% Tesouro Selic Pré + 50% Tesouro IPCA Pré???? Ou já que é pra correr risco… aplicar num fundo multimercados….?

        3+
  • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 09:28

    cvr SC
    – sábado, um amigo que tem mãe corretora, em Piçarras-SC me conta:
    “Eu fui com minha mãe ver um terreno de uma cliente e chegando lá no loteamento TODAS as ruas laterais estavam invadidas!! construiram na ponta da rua… invasão em todas. Já tinha gente fazendo casa no terreno da cliente , ainda bem que não era nosso”…
    bananazuela não é pros fracos e amadores..

    27+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 09:32

      Litoral de SC acontece muito.
      Em Bombinhas tomaram conta lá no Bairro Canto Grande.
      Fazem casa de maderite e não saem mais.

      16+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 09:41

    Sobre o tópico:
    O Brasil não dá certo por isso mesmo. As construtoras fazem merda ao iludir os compradores na planta, especialmente os financeiramente simplórios, e depois que dá tudo errado querem ferrar os coitados. Uma coisa é fazer o que a galera aqui se diverte fazendo, secanear as decisões míopes de gente que tem educação e discernimento para avaliar realisticamente a compra do imóvel. Outra coisa é se divertir com construtoras sacaneando gente que acabou de entrar no mercado de crédito e é incapaz sequer de fazer uma conta de juros compostos, quanto mais avaliar os riscos implícitos nos contratos financeiros que assina.
    Proposta desonesta que favorece apenas uma parte. As construtoras, ao invés de trabalhar honestamente para desenvolver maneiras financeiramente seguras para todas as partes nas vendas na planta, propõem remendos que jogam todo o ônus no comprador iludido. A esperteza demais sempre devora o dono. Duvido que a proposta prospere, ainda mais considerando o judiciário socialista que temos. E duvido ainda mais que alguém no governo, congresso e equipe econômica ponhe o seu na reta a favor disso. Acho que o setor imobiliário tá com pouco dinheiro e moral para comprar esse povinho todo.

    16+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Zé Carioca 16 de janeiro de 2017 at 10:01

      Isso mesmo, a culpa é do capitalista mau que obriga o pobre comprador a assinar o contrato. Já vi casos de gente que teve a mãe sequestrada para assinar o contrato de compra, pessoas com a arma apontada na cabeça, um absurdo. Sabe o que é pior, se o imóvel valoriza 50% em três anos a construtora coloca uma cláusula que obriga o pobre comprador a pagar 90% desse ganho pra ela.

      Pelo visto você deve ter jogado muito banco imobiliário, acha que o comprador deve ficar com 100% do lucro (se houver), mas em caso de prejuízo apresenta a carta dividir o prejuízo e deixa o custo quase que todo pra construtora.

      22+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 10:53

        Concordo em parte com você. Só tenho pena dos analfabetos funcionais que compram na planta iludidos pelo corretor. E a grande parcela da população é de analfabetos funcionais que não tem culpa disso.

        8+
      • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 10:56

        Mas, pelo menos, uma decisão dessa remove o limbo jurídico do contrato. O comprador vai ter certeza que, quando assinar, vai colocar o dele 100% na reta.
        O problema continua em parte, pois muitos distratos acontecem porque o cara realmente não tem dinheiro. Mas acho que não passa, pois as condições são mais draconianas do que as da recuperação extrajudicial pelos bancos.

        5+
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 11:44

        tem 2 caminhos

        o errado, pelo código do consumidor: as construtoras estão fritas, falidas, a lei brasileira põe a pessoa no colo
        mas é um caminho errado, pos a relação de consumo exigiria a existencia de um produto, não há

        o certo, pela CVM fiscalizando como ativos: se a CVM aplicar o que se aplica a outros fundos de investimento que é um na-planta, as construtoras estariam falidas e meio mundo multado ou até preso, ia faltar cadeia pra tanto corvo. PORISSO, eles vão entrando devagarzinho, avisando aos poucos, pelas beiradas.

        E tem o caminho escolhido: O Limbo, cada juiz decidindo pontualmente cada caso específico.
        Quem pagar mais leva.

        12+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Nixwolf 16 de janeiro de 2017 at 14:15

        Concordo com o Ze, este mesmo povinho miope na hora de assinar um contrato que afeta a vida inteira dele é o mesmo que sabe de cor a escalação dos times de futebol, atores de novelas e que pesquisam tudo que dá e o que não dá sobre as informações tecnicas na hora de comprar um carro ou celular…. É tudo uma questão de prioridades de cada um….e as pessoas tem que sofrer as consequências de suas escolhas….

        10+
        • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 10:00

    Matéria antiga, de 2013, só para mostrar que já sabiam do problema

    Síntese, aumentos de:
    124,2% no valor de venda
    65,2% no valor do aluguel
    24,2% na renda média.

    RIO — Em janeiro de 2008, quem procurava imóvel para comprar no Rio pagava, em média, R$ 3.851,18 pelo metro quadrado, segundo dados do FipeZap, que pesquisa os preços dos imóveis anunciados na cidade. Hoje, esse valor gira em R$ 8.636,39. Um salto de 124,2%. No caso do aluguel, o aumento foi menor. Mas não menos significativo. Enquanto há cinco anos, a locação média do metro quadrado na cidade custava R$ 23,74 (ou R$ 2.374 para alugar um imóvel de 100 metros quadrados), hoje ela está em R$ 39,21 (ou R$ 3.921 pelo mesmo apartamento de 100 metros quadrados), em alta de 65,2%. Mas e os salários, considerando-se que o governo tem apostado na compra da casa própria como um instrumento de crescimento econômico?

    Segundo dados do IBGE, em janeiro de 2008 a renda média do trabalhador da Região Metropolitana do Rio era de R$ 1.519,65. Em janeiro deste ano, esse valor passou para R$ 1.902,80, ou 24,2% a mais. Ou seja, em cinco anos, o metro quadrado do imóvel para compra e venda no Rio subiu quatro vezes mais que a renda média do trabalhador. E o metro quadrado do aluguel, mais do que o dobro.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/imoveis/imoveis-salarios-7793472#ixzz4VveY38gD

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Antigo 16 de janeiro de 2017 at 10:09

      Acredito que o argumento mais forte em favor da bolha seja justamente esse descolamento absurdo da renda com o valor dos imóveis.

      Quando o preço do imóvel sobe quatro vezes mais que a renda média das pessoas, dá para saber que tem alguma coisa muito errada.

      Com a crise, todos os mecanismos artificiais do governo perdem força. Não há mais crédito subsidiado, não há dinheiro para salvar as construtoras, não há emprego que garanta renda para os compradores. Só existem dívidas.

      15+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 10:13

    Encontrei uma matéria antiga, de 2011, onde o cara falava da bolha de imóveis de Águas Claras, que a quantidade havia saltado de 15 para 486
    http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1127753&page=53

    Atualmente são mais de 2600
    https://www.zapimoveis.com.br/venda/apartamentos/df+aguas-claras/

    8+
    • avatar
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 10:20

    “Gravataí vive os efeitos da crise e do desemprego com comércio em queda e lojas falindo
    Demissões entre 2015 e 2016 na indústria automotiva derrubaram a economia da cidade da Região Metropolitana”

    O Sindilojas de Gravataí calcula que ao longo de 2016, pelo menos, 15 lojas deixaram de existir por mês na cidade, o que é observado quando a empresa se desassocia da entidade que possui 1,7 mil associados.

    http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/dia-a-dia/noticia/2017/01/gravatai-vive-os-efeitos-da-crise-e-do-desemprego-com-comercio-em-queda-e-lojas-falindo-9374046.html

    5+
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 10:21

    Crise agrava atrito entre lojistas e shoppings
    Queda nas vendas somada aos altos custos de aluguel acentua fechamento de unidades em centros de compras no Estado e no país

    http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/economia/noticia/2017/01/crise-agrava-atrito-entre-lojistas-e-shoppings-9376364.html#showNoticia=I2Zbd0FhK1gxNjM0Mzc1NzQwNDY2MTM5MTM2NnoxNjg0OTgxOTEyNDM0NzQwNzA4NitJSzY4Njc0NzgzODA1NjA3NzcyMTZVISY0TWJaemhtMUgzMFxFLko=

    5+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 10:28

    http://maringa.odiario.com/imoveis/2017/01/mcmv-sente-efeitos-da-crise/2313244/

    O declínio nas contrataçõesimpactou negócios de empresas que comercializam imóveis dasfaixas 2 e 3. Segundo o
    proprietário da Marly Imóveis, Wanderlei Rodrigues Silva Junior, a Caixa Econômica Federal (CEF), que financia os
    imóveis do programa, está maisrigorosa na hora de aprovar o crédito. No caso da empresa dele, por exemplo, há três
    anos, 99% dos cadastros eram aprovados pela Caixa. Atualmente, cerca de 50% das propostassão aceitas.
    “O deficit habitacional no Brasil está exatamente nasfaixas contempladas pelo MCMV. E o perfil do comprador
    continua o mesmo. Mas com a crise, o crédito está mais difícil”, diz o empresário. “Acredito que o governo deveria
    aumentar a faixa para tersubsídio”, opina ele, esperando um 2017 melhor – dependendo da faixa, o comprador pode
    obter um subsídio do governo para ajudar a pagar o imóvel.

    2+
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 10:33

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marciadessen/2017/01/1850092-sair-do-aluguel-sim-ou-nao.shtml

    Sair do aluguel, sim ou não?
    NÃO

    O valor dos aluguéis nunca esteve tão baixo. Como a oferta de imóveis aumentou muito, os proprietários estão sendo pressionados pelos inquilinos a reduzir ainda mais o já reduzido valor do aluguel. O proprietário faz qualquer negócio para não perder o inquilino. A última coisa que ele quer é um imóvel desocupado. Para ele, representa queda de receita e aumento de despesas, já que passa a pagar condomínio e IPTU.

    O inquilino está com a faca e o queijo na mão e tem excelentes condições de negociação. Um imóvel que vale R$ 500 mil pode ser alugado por cerca de R$ 1.500, representando custo de 0,30% ao mês para o inquilino. Maria, por exemplo, aplica o dinheiro que tem no mercado financeiro e ganha cerca de 0,8% ao mês. A diferença de 0,50% fica pra ela e ajuda muito sua meta de acumular uma boa grana para comprar ou não sua própria casa no futuro. Enquanto o mercado estiver pagando esse prêmio, ela adia a decisão e aproveita a oportunidade.

    .
    ..

    Para pessoas como Fernanda, decididas a sair do aluguel, recomendo calma. Nada de pressa na hora de comprar um imóvel. É proibido se apaixonar por um deles, você vai acabar pagando mais do que ele vale.

    Antes de escolher o imóvel, pense bem sobre com vai pagar por ele. Se você economizou e tem dinheiro para comprar à vista, ótimo. Aproveite para pechinchar bastante e pagar o menor valor possível. Vai financiar? Dê uma boa entrada para diminuir o valor da dívida e assuma um compromisso que caiba no seu bolso. Se não tiver pelo menos 30% do valor do imóvel para dar de entrada, avalie adiar a decisão de compra.

    Argumento que conta um grande ponto a favor da decisão de comprar é a possibilidade de usar o dinheiro que está mofando no FGTS. Excelente oportunidade de fazer bom uso desse recurso que te pertence e é tão mal remunerado.

    10+
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 10:33

    bolha real

    Você acreditou naquele extrato que não mostra nada? Um pouco fraco pra alguém que se formou na USP né?

    Tem 3 títulos e apenas um na taxa que falou, não tem quantidade, não tem os prés que havia citado. Fez ao preço médio, que se falado dessa maneira havia acreditado, pois seria normal. Afinal ninguém acerta o c* da mosca sempre.

    4+

    eu não preciso acredita rno extrato dos outros
    eu vejo os meus
    arrombei o cu da mosca se vc quer saber.

    4+
    • avatar
    • bolha real 16 de janeiro de 2017 at 21:55

      Ah tá!

      2+
      • avatar
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 10:36

    CA cada vez melhor
    eu fico só observando, nem eles acreditam mais neles mesmos, sinto um auto-deboche, tipo o fernando que disse que fica assistindo o imovel valorizar no zap, eles sabem que é tudo falso, o lance é saber como ganhar neste ambiente sujo que é o BR.

    CA

    Vixi, perdeu tempo para replicar este monte de babaquice que leu por aí e nem sabe o que significa e muito menos se tem fundamento?

    Continuou fugindo COVARDEMENTE do debate que você mesmo começou?

    Continuou demonstrando a sua INFANTILIDADE, o seu comportamento de moleque, chamando de Dilminha, querida e outras provocações da sua adolescência, só para esconder a sua total falta de conteúdo, a sua COVARDIA em fugir de debates baseados em fatos e dados?

    Em outras palavras não mudou em nada, nem vai mudar, nasceu babaca e morrerá assim. O pior: tem que conviver consigo mesmo e disso não consegue fugir…

    KKKKKKKKKKKK

    10+

    bolha real

    Você acreditou naquele extrato que não mostra nada? Um pouco fraco pra alguém que se formou na USP né?

    Tem 3 títulos e apenas um na taxa que falou, não tem quantidade, não tem os prés que havia citado. Fez ao preço médio, que se falado dessa maneira havia acreditado, pois seria normal. Afinal ninguém acerta o c* da mosca sempre.

    4+
    3+
  • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 10:48

    Putz, tá na hora de realizar minhas EZTC3 (20% em duas semanas)! Quando sai notícia assim na grande mídia, é que o momento de compra já passou.
    Do Valor:

    Queda nos juros favorece papéis de construtoras

    Apesar de o corte da taxa básica de juros da economia favorecer praticamente todas as empresas de construção, algumas serão mais beneficiadas do que outras. As companhias mais favorecidas serão as que têm o maior endividamento. Além da redução da dívida, a queda nos juros pode aquecer a demanda por imóveis, no médio e longo prazos, o que vai favorecer o caixa das empresas. Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa básica de juros da economia em 0,75 ponto percentual, para 13% ao ano.

    Para escolher quais ações investir, o analista Felipe Silveira, da Coinvalores, usa um indicador que mede a dívida líquida sobre o patrimônio líquido da companhia. Ele considera que uma empresa saudável do ponto de vista financeiro deveria ter um índice próximo a 50%. Por esse critério, as melhores ações seriam as ordinárias da Eztec, cujo indicador fica negativo em 7,8%. O valor negativo ocorre porque a empresa tem mais caixa do que dívida, o que faz com que a dívida líquida seja negativa.

    Outras recomendações são os papéis ordinários da Cyrela, com índice de 29,1%, e as ações ordinárias da Even, com indicador em 56,8%. “São as empresas menos endividadas e com caixas mais líquidos”, diz. Os papéis ordinários da MRV também são uma boa aposta, já que a companhia participa do programa “Minha Casa, Minha Vida”, subsidiado pelo governo. O indicador da MRV é de 8,2%

    A preferência de Silveira pelas ações das construtoras menos endividadas ocorre porque apenas a redução dos juros básicos da economia não será suficiente para melhor o caixa das construtoras. O aumento do desemprego, a queda da renda real e a demora na retomada do crescimento econômico são fatores que terão efeitos negativo sobre a receita dessas companhias “Esperamos que o início da retomada do mercado imobiliário só ocorra a partir do meio de 2018”, diz.

    Com isso as empresas com mais dívida poderão ter um desempenho pior na bolsa de valores. É o caso da Gafisa, cujo indicador dívida líquida sobre o patrimônio líquido está em 49,2%, da Rossi, com índice de 228%, e da PDG, com indicador negativo em 342,4%. O número da PDG é negativo porque a companhia tem um patrimônio líquido negativo devido aos prejuízos. “Liquidez deve ser um problema neste ano e companhias com problemas para equacionar o seu fluxo de caixa devem continuar a sofrer na bolsa”, diz.

    O analista Rafael Ohmachi, da Guide Investimentos, também considera que a tendência de queda nas taxas de juros deve favorecer as ações das construtoras nos próximos meses. “Entretanto, como ainda não houve uma retomada das vendas devido ao aumento do desemprego e à redução da renda real, o movimento de alta das ações pode não se sustentar por muito tempo”, diz.

    Para ele, as ações mais beneficiadas com a redução dos juros serão de PDG, Rossi e Helbor porque são empresas com nível de endividamento elevado. Ohmachi, entretanto, não recomenda a compra desses papéis. A Guide aposta nas ações das Eztec e da Direcional, que têm menos dívidas e maior caixa financeiro. Os papéis da MRV, que tem foco na habitação popular, também são uma opção de investimento, já que o programa “Minha Casa, Minha Vida” subsidia a compra de imóveis.

    8+
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 10:53

    Fernando, aquele de 150 metros não 45, ou vi errado???

    Claro que tomei porrada ao comprar um imóvel, na época ainda discuti aqui os pontos prós e contras, fiz uma aposta e usei todos os atenuantes possíveis, entre eles:

    1- é uma casa, aumentando a construção e reformando oque já existe a custo de 1k por metro eu posso quase dobrar o valor dela
    2- me meti na adm do Condo, enquanto toda a cidade esta tendo aumentos de 50% a 100% na taxa, o meu estamos zerados desde 1 ano e vai cair daqui alguns meses, e olha que mal começamos a fazer as “melhorias”
    3- localização, por não ser um locla gourmert, e por ser Z1, a região passou longe da especulação, subiu menos que nos bairros vizinhos, um apartamento menor que a minha casa na região chegou a ser anunciado por 50% mais que o que paguei, e hoje anunciam por 20% menos, mas mesmo assim não trocaria, pra me valer a pena eu teria que trocar por 2 apês
    4- benfeitorias intangíveis na região, existe uma coisa chamada trabalho social, dignifica a alma, solidariza pessoas, põe gente na rua pra anar de bicilceta, levar os cachorros, passear, fazer negócio e exerce o que se chama vigilancia passiva, imagina se o morumbiu fosse seguro o quanto ali não valorizaria, mas tem que meter mão na massa, compramos espreguiçadeiras novas lá em casa (com 50% de desconto) mas ela fica ainda mais gostosa depois dum dia duro
    4- fatores pessoais, a minha casa com mais espaço me da maior rentabilidade nas minhas atividades, coisa que nunca poderia exercer num apartamento, a casa me dá retorno, é uma questão pessoal, rpa vc pode ser inútil
    5- vendi um terreno no meio do nada que valia nada por valor exorbitante no auge da bolha, apliquei no CDB e esperei, esperei, cravei a bota na casa, já que o dono de mudança de país precisa da venda urgente e não era a unica opção não, apenas a melhor pra mim, tive um apê com oferta 56% abaixo do fingezap, coisa que hoje recebo no spam, na época andei, andei, andei pra cacete, mas achei, achei vários. Os juros trabalharam por mim, a sorte trabalhou por mim, poderia até ter feito melhor financeiramente falando, mas entendo que um pouco de consumo nessa vida a gente tem que abrir mão e realizar, pq lá na frente as coisas que faço agora noi meu quintal vão crescer e multiplicar.

    Mesmo com tudo isto, eu poderia estar dizendo, fiquei rico, fiquei milionário, mas não estou, nem milionário, nem falando que estou
    É essa a mensagem que passo pras pessoas que me diferencia completamente de vc, apesar de ambos termos feito a mesma coisa ao mesmo tempo, são coisas completamente diferentes, são atitudes diferentes

    pra vc, pessoalmente, sorrio e aceno.
    estas letras são pros outros, poq sei que se eu compartilho coisas boas aqui, mais hora menos hora, alguém em agradecimento pode escrever uma linha que pode me salvar a vida, isto é ter a mente aberta pra aprender, ao invés de teimar que nem um jumento, chamando seus erros de acertos.
    estou pegando bem leve esse ano, joguei o osso da treta pra cima, quem quiser pegar, pega!

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 11:02

    Construtoras dão mudança e até desconto para quem usar FGTS
    Liberação do saque do FGTS inativo motivou construtoras a criarem campanhas para estimular uso de recursos do Fundo na compra de imóveis

    Por Anderson Figo access_time 16 jan 2017, 05h00 – Atualizado em 16 jan 2017, 11h20

    A MRV, por exemplo, lançou na última semana a campanha “FGTS Turbo”, que garante desconto de 3 mil reais no valor do imóvel, caso o cliente use o saldo do Fundo na compra.

    A Gafisa também está de olho nos trabalhadores que estão se conscientizando de que podem usar o FGTS na compra da casa própria. A empresa vai lançar, no dia 25 de janeiro, a campanha “Pronto, é seu”.

    CLARO!

    ““A gente entende que nunca os imóveis estiveram tão propícios para serem comprados como agora. Acreditamos em uma melhora da economia em 2017, e nenhuma das incorporadoras repassou isso para os preços”, completa Tarabori.”

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/construtoras-dao-mudanca-e-ate-desconto-para-quem-usar-fgts/

    6+
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 11:07

    Entrei no FIPEZAP http://fipezap.zapimoveis.com.br/
    Fui em VARIAÇÃO DO ÍNDICE FIPEZAP – VENDA
    Selecionei CIDADE/LOCAIS = BRASÍLIA
    COMPARAR COM ÍNDECE = IGP-M
    Selecionei todo o período e baixei o CSV
    Abri este CSV numa planilha de cálculo.
    O primeiro mês é agosto de 2010, onde todos os índices estão zerados.
    Fiz a subtração entre a coluna D “Variação” e a H “Variação -IGPM”

    O máximo descolamento do valor de venda com o IGPM foi em julho de 2012, com +15.19%
    Até novembro de 2016 o índice estava em -22.64% (ou seja, caíram este % em relação a agosto de 2010.
    Do momento de pico, até novembro de 2016, os imóveis já havia desvalorizado 23.69%

    Fiz a mesma coisa com São Paulo
    O primeiro mês é janeiro de 2008, onde todos os índices estão zerados.
    O máximo descolamento do valor de venda com o IGPM foi em março de 2015, com +171.38%
    Até setembro de 2016 o índice estava em 151,61%
    Do momento de pico, até setembro de 2016, os imóveis já havia desvalorizado 11,6%

    Fiz a mesma coisa com Rio de Janeiro
    O primeiro mês é janeiro de 2008, onde todos os índices estão zerados.
    O máximo descolamento do valor de venda com o IGPM foi em fevereiro de 2015, com +217.50%
    Até novembro de 2016 o índice estava em 178.25%
    Do momento de pico, até novembro de 2016, os imóveis já havia desvalorizado 18.04%

    Estas são as conclusões:
    1) O ciclo de valorização em Brasília terminou 3 anos antes de SP e RJ
    2) Os imóveis no RJ teriam que cair 70.77% para voltar ao IGP-M
    3) Os imóveis em SP teriam que cair 67.37% para voltar ao IGP-M
    4) O mais fiel é se tivesse o valor da renda per capita destas 3 cidades nestas datas, porque o “median line” tanto de venda como de locação, tende a acompanhar a renda.

    7+
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 11:54

      discordo Cesar, discutir fingezap é discutir sexo dos anjos

      imóvel novo pode até no LP acompanhar a inflação, mas não é o caso do fingezap que inclui imóvel usado, que claramente como qualquer bem de consumo, perde valor com o tempo, então vc não pode clicar no zap fazer este sort entre novo/usado, vc nme mais pode ver por bairro, desabilitaram a opção pra esconder as quedas pontuais, e evitar comparação com leilão, tenho os numeros de memória, passei dias e dias olhando aqueles graficos e fazendo comparações, pelo menos não achei mas a opção bairro.

      o fingezap foi feito para nunca cair, para manter a validação das garantias bancárias, foi feito pelo sistema para auto validar o próprio sistema, basta ver a metodologia, nunca vai passar de zero qualquer coisa negativo, ou pelo menos até quando for seguro fazer isso, daqui muitos anos

      outra coisa é a questão do na=planta que o CA comenta acima
      o fingezap é tão louco que considera na média imóveis que nem existem ainda, que talvez nunca sejam construídos.
      Quem comprou baseado nestesindices decretou suicidio financeiro familiar e o banco que aprovou empréstimo nestes índices está fazendo contas, testes de stress e provisionando calotes em quantidade raramente antes vistas pelo sistema financeiro mundial. POR sorte o governo é quem garante mais da metade destes contratos, o que explica o maior juros real e inflação do planeta. PMJ.

      Tenho cá na minha cabeça que na melhor da melhor da shipóteses o fingezap serve pra apontar tendencias com delay de 3 anos.
      isto eu sendo muito bacana.

      4+
      • avatar
      • avatar
      • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 11:58

        É, o ZAPZAP é uma bosta, mas é o mais popular entre os poucos disponíveis. Nos EUA e cia, as séries são mais longas. Uma vez eu tava conversando com um gringo sobre o assunto e o cara perguntou sobre preços de imóveis. Tive que admitir que não tem nada confiável e com horizonte longo. Gosto do IVG do Bacen, mas tem suas limitações (amostra, metodologia, etc.)

        3+
      • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 12:05

        Lucas
        A própria metodologia do FIPEZAP acredito que vai dar um tiro no pé.
        Quando perceberem que, historicamente e mundialmente, o preço do imóvel tende a retornar a “median line” então irão olhar para este índice e tomar um susto.
        Dai, talvez eles expliquem que este índice não represente a realidade kkakakakakakak

        7+
        • avatar
        • avatar
        • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:17

          daí vão inventar alguam desculpa
          tipo o mean anda com o dólar
          eles não desistem nunca
          eles que são os donos
          cabe a nós enxergar as manobras e se posicionar
          o ivg-r do bacen é um finge higienizado, são tautologias estatísticas, ou 2 bebados s eapoiando na ladeira

          5+
          • avatar
    • Nelson Schadenfreude 16 de janeiro de 2017 at 11:54

      Nice. Eu tinha feito minhas contas com o IPCA, por ser o índice da meta oficial de inflação.
      De qualquer forma, a ideia geral continua a mesma. O pico em SP e RJ aconteceu a uns 2 anos atrás, e ainda tem chão para as quedas. Brasília, por aquelas razões que comentei antes, é um caso particular.

      1+
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 11:12

    Que fique bem claro!

    16/01/2017 às 10h41 Aumento da procura por crédito em 2016 foi para as dívidas, diz Serasa

    Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/brasil/4837328/aumento-da-procura-por-credito-em-2016-foi-para-dividas-diz-serasa ou as ferramentas oferecidas na página.

    4+
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 11:16

    CVR ao vivo
    ainda estou com o dedo meio sujo de terra

    Lucas

    DORIA LACRANDO uma atrás da outra

    Devolveu 1.400 carros alugados
    pegou a vassoura e foi ajudar os garis
    todo dia, sem exagero, todo dia ele está na mídia paulsita lacrando alguma
    por coincidencia ele faz na prefeitura o que faço no meu condo, acabo de me abaixar e desentupir o ralo com os próprios dedos pra mostrar pra faxineira que este trabalho não exige 50 litros de água

    enqautno isto no resto do País:
    “SP é responsãvel pelos massacres de roraima e Manaus”
    é a manchete dos jornais.

    0
    15+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 11:20

      espero que o cramuinhão leia isso
      aos poucos ele vai vendo quanto os dogmas lhe entraram na mente sem que ele percebesse
      quanto a mim, não sou nenhum genio, apenas passei cerca de 7 anos envolvido em projetos distantes que me afastaram da tv, dos jornais e até dos grandes canais, hoje, mesmo com TV acabo, o canal off é o mais assistido. Get Off senhores

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Diego F. 16 de janeiro de 2017 at 11:55

      Se tudo der certo, é provável que ele sofra muita pressão para tentar a presidência em 2018, mas seria um tiro no pé. Quem sabe em 2022.

      3+
    • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 12:00

      O Dória jogou sua carreira NO LIXO assim que se filiou e candidatou-se pelo pior partido da história do Brasil : PSDB-PCC. Eu não acredito em nada que venha dessa corja.
      Ainda torço para que ele faça um bom governo, liberal, seja gestor de verdade e etc, mas tendo o PSDB como partido, eu sinceramente NÃO ACREDITO, NÃO VAI DAR CERTO.

      Não sou cego, o PSDB é a versão azul do PT, com a destreza manipulativa do PMDB.

      Vc foi seduzido, meu caro, pelo partido que reúne o que PT e PMDB tem de pior. O PSDB-PCC te seduziu e vc caiu.

      Não vou mais comentar seus posts a respeito de política, só vou lamentar.

      12+
      • avatar
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:07

        em momento nenhum defendi psdb ou qualquer outra sigla
        eu gosto do doria e eu defendo o povo Paulista das calunias qeu recebemos diariamente

        culpar os paulistas pelas merdas lá em manaus como está estampado nos jornais hoje somente se epxlica por um projeto de poder que vê o capitalismo como inimigo, neste aspecto vc está sendo um útil do soçialismo, espero que 1 dia vc se desapegue de ser um repetidor desta estratégia, que vc defenda o Estado mais capitalista e mais liberal do país, que é o nosso Estado.

        Agora se eu estou satisfeito?
        aí concordo contigo

        6+
        • avatar
        • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 12:13

          “culpar os paulistas” ?

          Desde quando ser paulista é sinônimo de ser pro-PSDB ? Eu sou paulista , com muito orgulho, e não estou culpando ninguém da minha terra não. Culpo sim o PSDB-PCC.

          Non Dvcor Dvco

          6+
          • avatar
          • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:19

            o jornal está
            claramente escrito: Sâo Paulo exportou.

            pra quem é de fora de SP fica o nojo ao povo paulista
            antes do PT éramos bem recebidos em qualquer lugar do BR
            hoje o turista Paulista é aquele maldito sujo arrogante opressor explorador

            12+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
      • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 13:59

        ” pior partido da história do Brasil : PSDB-PCC”

        ninguém acreditou….

        6+
    • CarlosL 16 de janeiro de 2017 at 12:23

      Srs, não estranhem se no segundo turno de 2018 (caso tenhamos eleições e segundo turno obviamente) estiver Dória vs. Roberto Justus ou Roberto Justus vs. Bolsonaro…

      Tô só dizendo…

      6+
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:56

        olha já me acusaram d emuita coisa
        já vou adiantando
        não sendo PT e anexos, tô nem aí pra quem for
        seja quem for me interessa elucidar o mistério REAL por trrás de cada um
        pra eu me posicionar melhor
        seja no PMJ, seja voltar a trabalhar, tenho um monte de empreedimentos parados

        7+
        • avatar
        • avatar
  • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 11:56

    [OFF] Estou cogitando sair do Brasil novamente, dessa vez para NY. Além do decepcionante trabalho que tive com uma construtora da ciranda da quebradeira aí, ontem tive (mais uma vez) familiares (2 primos e um tio) assaltados e espancados em São José dos Campos : sequestro relâmpago.

    Não dá, a insegurança parece ter aumentado mais do que eu imagina em São Paulo, e ainda me perguntam porque tenho profundo nojo, ódio, ojeriza, asco do PSDB-PCC e tudo de mal que esse partido LIXO fez ao meu estado. Lembrando da época antes do Cova, dá tristeza ver onde São Paulo foi parar.

    E notícias como essas só corroboram o que eu sempre comentei por aqui : http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/01/1850133-governo-de-sp-exportou-pcc-para-outros-estados-ao-transferir-presos.shtml

    O PSDB é sim, além de ser o pior partido do Brasil, antro de socialistas parceiros do PCC, e responsável direto por toda a criminalidade da pior estirpe que já surgiur em São Paulo e agora se espalha pelo Brasil. Alexandre Moraes-PSDB, ex-advogado do PCC , virar ministro ??? Eu fico pensando : quão fanático pelo PSDB alguém deve ser pra não perceber isso ?

    Gente que não percebe (ou não quer perceber isso) é pior do que fanático de torcida organizada. Sinceramente, torço para que aconteça o mesmo que já aconteceu com minha família (sequestros, sequestros relâmpagos, saidinha de banco, latrocínio) com quem defende o PSDB-PCC.

    Tucano bom é Tucano morto, pois esse partido é uma quadrilha completa e portanto, sinônimo de bandidos.

    11+
    • avatar
    • Manoel Joaquim 16 de janeiro de 2017 at 11:59

      Como iria? Digo, qual visto?

      2+
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 12:09

        * Sou cidadão italo-brasileiro, é mais fácil qualquer tipo de visto. Só estou em SP porque ainda sou bairrista, mas talvez me arrependa em breve.
        * Também posso ir como investidor, o que é ainda mais fácil do que passaporte europeu.

        3+
        • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:14

      esse mimimi pra mim é teoria da conspiração, mais uma

      o alvo é sempre SP

      dizer que a culpa dos massacres no extremo norte do país é culpa dos paulistas.
      é óbvio que o jornal foice de spaulo, jornal conhecidamente esquerdista, usou e abusou da imaginação.

      aliás nós paulistas, tbm somos culpados do aquecimento global, da seca e da crise hídrica
      o assunto muda, o resultado é sempre o mesmo
      Os senhores do blog sabem da minha cruzada de um homem só pra desmentir a tal crise hídrica e o tal aquecimento catastrófico do globo
      aliás ontem minha amiga na hungria surtou, pegou 27 negativos no leste europeu, clima russo na beira do tamisa, kkkk, belo aquecimento, kkk, vai ver culpa dos paulistas tbm

      12+
      • avatar
      • avatar
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 12:19

        pqp…

        Que história é essa de usar o meu povo paulista como sinônimo dessa corja de vagabundos do PSDB-PCC ?

        Nós paulistas não temos culpa de nada, quem tem é o PSDB-PCC e as pessoas cegas, alienadas e fanáticas que ainda defendem o partido-escória.

        Não faça mais isso, por favor.

        10+
        • avatar
        • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:38

          pergunta pro jornal
          eles que usam o paulista de sinonimo do pcc
          ainda se o presidente fosse do psdb, mas é do pmdb
          a responsabilidade pelos presídio é por lei estadual

          e é uma aliança muito estranha essa né?
          segundo me falaram traficante dos RJ o que eles mais querem é paz
          que é pra não assustar a população e eles poder traficar tranquilo

          estorinha muito da mal contada.
          mais razoável acreditar no exato oposto
          os ladrão morre de medo e raiva do ministro psdb
          tão fazendo de tudo pra derrubar ele

          5+
          • avatar
        • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:42

          cramuinhão
          não me leve a mal
          eu gostaria muito de saber deonde vc tirou essa estória
          as unicas fontes desta baboseira eu encontrei no site do naçif e no brasil247
          até achava que vc era um deles, hoje penso que vc apenas lê demais

          8+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 15:39

            “Gente que não percebe (ou não quer perceber isso) é pior do que fanático de torcida organizada.”
            “PSDB-PCC e as pessoas cegas, alienadas e fanáticas que ainda defendem o partido-escória.”

            Expertise do cramulhão: “Acuse-os daquilo que você é”. Um fanático.

            “Tucano bom é Tucano morto, pois esse partido é uma quadrilha completa e portanto, sinônimo de bandidos.”
            É muito ódio do cramulhão. Não é coisa de, como nós aqui, cidadãos debatendo política e saudavelmente gostando ou não de um partido político. Aí tem!!!!

            7+
            • avatar
            • avatar
            • Exterminador de Corvos 16 de janeiro de 2017 at 17:49

              Realmente tem hora que eh um saco ler esse tipo de discussão.
              Mas…..o espaço é democrático, então que continuem o debate. Só acho “engraçado” haver citação da sigla A ou B quando todas elas são em pelo menos 80% iguaizinhas…..só servem para saquear o sistema……às vezes, do jeito que se fala, dá a impressão que o trânsito dos fdp políticos entre elas é até proibido…….#SQN…..
              Mas, enfim, segue o jogo…

              9+
              • avatar
              • avatar
    • Money_Addicted 16 de janeiro de 2017 at 12:22

      SJC? Eu sou d la
      qual bairro foi?

      1+
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 15:00

        Eles moram num condomínio na Avenida Tivoli, ali perto do Center Vale Shopping Center.

        2+
  • CA 16 de janeiro de 2017 at 11:58

    Será que realmente tivemos um “efeito pisca-pisca” e o mercado imobiliário piorou em 2012, mas “se recuperou” em 2013, para “piorar de novo” em 2014, como foi colocado mais acima?

    O MERCADO IMOBILIÁRIO MELHOROU EM 2013???

    Vejamos dois links abaixo, o primeiro com o título de uma notícia da Infomoney sobre o desempenho das construtoras na BOVESPA ao final do ano de 2013, o segundo a versão para impressão que traz o conteúdo do mesmo:

    http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/3145047/acoes-construtoras-bovespa-refletem-temida-bolha-imobiliaria
    http://www.infomoney.com.br/noticia/imprimir/3145047

    O título da notícia acima é: “Ações das construtoras na BOVESPA refletem temida bolha imobiliária”

    Resumindo o que consta na notícia, de 17 construtoras com Ações na BOVESPA que foram analisadas ao final de 2013, 12 delas, ou 70%, estavam com valor de mercado inferior a seu valor patrimonial.

    Será que o fato de que exatamente ao final do ano de 2013 chegamos pela primeira vez a um percentual tão elevado de construtoras que estavam com PÉSSIMA avaliação quanto a seu valor de mercado, que não alcançava sequer o valor patrimonial, era em alguma hipótese um sinal de recuperação??? Como isto pode ser interpretado como uma recuperação do mercado imobiliário em 2013???

    Para se ter uma outra referência, que engloba o que consta acima e um pouco mais, seguem outras informações:

    http://defendaseudinheiro.com.br/wp-content/uploads/2014/02/Desmascarando-a-bolha-parte-6.png

    Um item que destaco sobre o que consta acima: 90% das construtoras tiveram queda no preço de suas Ações no ano de 2013, isto é algum sinal de recuperação do mercado imobiliário???

    Outra informação interessante, vejam o gráfico com o IFIX, o índice das construtoras na BOVESPA: a queda se iniciou exatamente em janeiro/2013, 3 meses antes do início da redução da taxa SELIC e ele continuou em queda durante todo o ano de 2013. Isto é uma demonstração que no ano de 2013 tivemos uma recuperação do segmento imobiliário???

    Vejamos agora algumas informações específicas:

    http://www.infomoney.com.br/pdgrealty/noticia/3150477/pdg-pode-cancelar-projetos-bilhoes-meio-temores-bolha-imobiliaria

    A notícia acima falava sobre a PDG ter que cancelar 43 projetos no ano de 2013 para SOBREVIVER após a derrocada INICIADA em 2012. Cada projeto, com “N” prédios. Quem acessar os relatórios trimestrais da PDG em 2013, verá que ela cancelou 48 empreendimentos que já estavam em construção em 2013.

    Isto é “recuperação”, ou uma necessidade desesperada de fazer caixa para SOBREVIVER???

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/12/1383383-gafisa-conclui-venda-de-70-do-alphaville.shtml

    Na notícia acima, a comemoração porque a Gafisa conseguiu vender 70% da sua “galinha dos ovos de ouro”, o segmento Alphaville, para conseguir pagar suas dívidas. A situação da Gafisa em 2013 continuava grave, tanto é que teve que suspender todos os lançamentos do segmento Tenda neste ano. Isto era sinal de recuperação do mercado imobiliário???

    Outras informações referentes a 2013, que constam nos relatórios trimestrais das construtoras: Rossi realizou downsizing radical, abandonou mercados não estratégicos, vendeu terrenos, etc., dentre outras ações para garantir sua sobrevida. Viver e Brookfield repetiram parte destas ações, pelos mesmos motivos. Isto é sinal de recuperação do segmento imobiliário???

    Vamos dar uma olhada no gráfico do link abaixo, com dados de construtoras com Ações na BOVESPA, referentes ao final de 2013:

    http://defendaseudinheiro.com.br/wp-content/uploads/2014/07/Post-28-imagem-4.png

    Pelo que podemos observar, das 7 construtoras acima, todas elas fecharam o ano de 2013 com estoque superior a 1 ano de vendas! O máximo considerado “aceitável” seria 1 ano, acima disto já é super-estoque.

    Das 7 construtoras que constam no gráfico acima, 5 delas fecharam o ano de 2013 com dívida líquida superior ao patrimônio liquido! Seriam 6, se a Gafisa não tivesse vendido sua galinha dos ovos de ouro para pagar as dívidas.

    As 7 construtoras acima tiveram distratos que representaram mais de 20% de suas vendas brutas, um índice absolutamente anormal.

    De novo, o que consta acima é sinal de alguma “recuperação” no ano de 2013???

    Vamos observar como variaram os resultados de 12 construtoras com Ações na BOVESPA, em relação ao total do Brasil, ao longo dos anos:

    http://defendaseudinheiro.com.br/wp-content/uploads/2015/10/Post-45-imagem-6-vendas-estoques-lan%C3%A7amentos-e-distratos.png

    Pelo que podemos observar pelo gráfico acima, a distorção entre oferta e procura no ano de 2013 voltou a crescer. Isto é um sinal de recuperação no ano de 2013?

    Quando olhamos especificamente para São Paulo, no ano de 2013, tivemos um truque de ILUSIONISMO, um grande “pega-trouxa”. Para SIMULAR uma recuperação no mercado, o que fizeram? Plantaram um grande volume de especulações e em troca disto, inverteram por completo o mix de produtos. No 1S13, os lançamentos e vendas de imóveis de 1 dormitório mais do que triplicou em relação à média de 10 anos, em troca de redução relevante em lançamentos e vendas de 3 e 4 dormitórios, sendo que a desproporção entre estoque e vendas de imóveis de 3 e 4 dormitórios bateu seu recorde até então. Como isto aconteceu? Graças ao foco de vendas para investidores na planta que compravam estes imóveis para alugar, ou seja, eles não eram os clientes finais, mas sim intermediários que depois de prontos os imóveis procurariam pelos clientes finais para alugarem estes imóveis. O resultado? Procurem na Web ou circulem pelo centro expandido de São Paulo e constatem a super-oferta de imóveis de 1 dormitório que estão aguardando para serem alugados, muitos desta “safra” de pesca a sardinha…

    Outra evidência da contínua derrocada ao longo de 2013, foram as quedas de preços e outras consequências percebidas a partir de 2013, com informações de diferentes fontes e localidades, que podem ser verificadas no link abaixo:

    http://defendaseudinheiro.com.br/as-evidencias-da-bolha-imobiliaria-nas-cidades

    Tem muito mais do que isto, que foi apresentado ao longo de anos por aqui. Sim, inclusive prevíamos que o segmento imobiliário e demais agentes que colaboraram com a bolha (bancos, imprensa, etc), após a crise que seria gerada pela bolha imobiliária, inventariam estórias para dizerem que o segmento imobiliário havia sido prejudicado pela crise na economia e não o contrário, fazendo a tradicional inversão entre causa e efeito. O que está acontecendo agora, não é nenhuma novidade, usuários mais antigos sabiam disto HÁ ANOS…

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 13:16

      CA
      E olha que o IFIX

      2+
      • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 13:22

        CONTINUANDO

        … é bem distorcido, porque pela metodologia do BOVESPA, quando uma ação cai para centavos ou ela não cumpre requisitos de DIVIDA/PATRIMÔNIO, eles alteram o peso desta ação na composição do índice.

        Isto é gritante na composição do índice IMOB, onde, por exemplo, a Multiplan apesar de ser metade da Tecnisa, tem um peso 14X maior.
        http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-setoriais/indice-bm-fbovespa-imobiliario-imob-composicao-da-carteira.htm

        4+
        • avatar
      • CA 16 de janeiro de 2017 at 14:08

        Cesar_DF,

        É verdade, escrevi errado logo acima, o correto é que o IFIX é o índice dos fundos de investimentos imobiliários na BOVESPA. O IMOB é o índice das construtoras. Dentro do link que coloquei, está correto.

        3+
        • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 12:12

    Acabei de tomar um susto com estatísticas
    http://www.codeplan.df.gov.br/images/CODEPLAN/PDF/pesquisa_socioeconomica/pdad/2016/Apresentacao_PDAD_Aguas_Claras.pdf
    Rendimento para moradores de Águas Claras – DF, com queda de 15% na renda!

    Renda real (a preços de maio 2016)
    ___________2011_____2013_____2016
    Domiciliar_11.220,69__12.009,45__9.404,43
    Per capita__2.375,70___3.972,45__3.391,07

    Base completa aqui http://www.codeplan.df.gov.br/component/content/article/261-pesquisas-socioeconomicas/319-pdad-2015.html

    4+
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:23

      tem xabu nesse numero
      o domicilio teria baixado de 4,72 pessoas para 2,77 em 5 anos
      nem na epoca de Stalin no meio da segunda gurrea houve migração tão grande

      2+
      • avatar
  • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 12:21

    Em 01/01/2015 o TIBI em Brasília passou de 2% para 3%
    Arrecadação em 2014 = 363.157.000
    Arrecadação em 2015 = 318.959.000

    Então,
    363 Milhões em 2014 a 2% => 18.2 BI em valor venal de imóveis
    319 milhões em 2015 a 3% => 10.6 BI em valor venal de imóveis
    Queda de 41.8% nos imóveis

    http://www.seplag.df.gov.br/noticias/item/2885-arrecada%C3%A7%C3%A3o-tribut%C3%A1ria-em-2015-foi-de-r$-136-bilh%C3%B5es.html

    10+
    • avatar
  • Baby Boy 16 de janeiro de 2017 at 12:24

    Corvo do mês;
    “Esquemas, depressão e ciúmes foram enredo de corretor até matar a mulher”

    3+
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 12:34

    Véio Lucas:
    Lido no outro lado da rua:
    “O conhecimento é uma ilha situada no mar do desconhecido, onde quanto mais aumentamos o nossa área territorial de conhecimento, aumentamos também a fronteira com o oceano de que não conhecemos.”.”

    Eu é que agradeço todos os ensinamentos.
    Agradeço a cada bolhista que um dia teve a disposição de compartilhar algo interessante e proveitoso.

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 12:45

      curtiu as estorinhas do pão???
      e o trump-stop funcionou?

      3+
      • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 15:42

        Curti sim. Claro.
        Deu certo sim.
        Tive 80 dólares de lucro. kkkk

        3+
        • avatar
  • Brazil mode OFF 16 de janeiro de 2017 at 12:39

    Construtoras disparam até 90% em 11 pregões: gráficos e fundamentos indicam um potencial “explosivo” em 2017

    http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/6022097/construtoras-disparam-ate-pregoes-graficos-fundamentos-indicam-potencial-explosivo-2017

    O que os bolhistas me dizem sobre isso, seria a fase “Return to normal”

    4+
    • CA 16 de janeiro de 2017 at 14:07

      Brazil mode OFF,

      Lembre-se da máxima: sobe no BOATO, cai no FATO…

      Quando a PDG entre 2010 e meados de 2011 se tornou a maior construtora das Américas em valor de mercado, todos os “especialistas” diziam que era consistente e que ia crescer cada vez mais. Em 2012, prejuízo de aproximadamente R$ 2 bilhões, dentre uma infinidade de outros péssimos indicadores e agora é unanimidade que está prestes a pedir recuperação judicial. “Detalhe”: entre estas construtoras que tiveram forte valorização nos últimos 11 pregões e são mencionadas neste artigo, está a PDG, junto com a Rossi, sendo que a Rossi também é uma forte candidata a pedir recuperação judicial neste ano. A Viver, DEPOIS de ter pedido recuperação judicial, teve crescimento no preço de suas Ações de forma relevante por algum tempo, exclusivamente por um BOATO de que haveria um comprador que a salvaria, o que não se concretizou.

      Quando eles falam que os “fundamentos” indicam recuperação das construtoras, eles se referem a “análises” simplistas, limitadas, as mesmas que faziam quando a PDG estava “no auge”. Ah, o juros SELIC vai cair muito e rapidamente, teremos um ajuste fiscal, novas regras para distratos e mais uma invasão de fundos de investimentos estrangeiros comprando imóveis novos e usados, residenciais e comerciais.

      Vamos por partes quanto aos “fundamentos” acima:

      Em 2012, tivemos a menor SELIC de todos os tempos, todos os fatores que poderiam afetar o segmento imobiliário eram muito mais favoráveis do que em 2015 e 2016 (inflação, disponibilidade de crédito imobiliário, empregos, renda, juros do crédito imobiliário, pedaladas do governo em 2012 para gerar euforia no mercado, etc.,etc., etc.), apesar disto, tivemos o pior resultado do segmento imobiliário de todos os tempos, com base em análise de 12 construtoras com Ações na BOVESPA. Oras, se a situação fiscal sequer era vista como um problema naquela época e pouquíssimas pessoas falavam a respeito disto e a SELIC era a menor de todos os tempos, além de todos os fatores que mencionei acima favoráveis ao segmento imobiliário, por que o pior resultado das construtoras em todos os tempos?

      Quer piorar o que consta acima? A redução da SELIC que está ocorrendo é bem fundamentada? Tivemos realmente ações severas e confiáveis quanto a um ajuste fiscal? Aqui vai a segunda parte da “fórmula mágica” dos fundamentos: um ajuste fiscal que primeiro aumenta a previsão do déficit público em 2016 de R$ 95 bi para R$ 170 bi, para depois congelar as despesas pelo pico e ainda com reajuste pela inflação, é de fato um ajuste fiscal? Um ajuste fiscal que em 2017 “previu” em seu orçamento um crescimento do PIB que será ao que tudo indica o triplo do real e portanto, superestimou as receitas de impostos do governo, maquiando assim o déficit fiscal previsto, é um ajuste fiscal? Quanto a 2017 ainda, mesmo com a maquiagem das receitas super-avaliadas, a previsão é de que seja o segundo maior déficit da história, isto é um ajuste fiscal? Mesmo sendo ainda o segundo maior déficit fiscal da história em 2017 e estar maquiado com receitas super-avaliadas, também está sub-dimensionado quanto às despesas, pois não considera na íntegra o impacto do caos fiscal nos Estados e Municípios, que com ou sem socorro do governo federal, também significam despesas muito maiores no total do que aquelas previstas no cálculo do déficit público “oficial” de 2017. E as reformas da previdência e trabalhistas, prometidas há cerca de 2 anos, desde o início do segundo mandato de Dilma Roussef, já saíram? O quanto serão “retalhadas” e perderão de efetividade para se minimizarem os impactos políticos, alguém tem ideia? Em determinado momento, provavelmente a partir do 2T17, começaremos a ver as frustrações das “expectativas” quanto ao ajuste fiscal e daí poderemos avaliar também o impacto quanto à evolução da SELIC, já tendo também mais informações quanto aos efeitos externos de “Trump+FED+Bolhas Chinesas” e provavelmente será só a partir deste momento que o BOATO irá virar FATO…

      Ah, falando ainda sobre boatos, a estória da “invasão” de fundos de investimentos comprando imóveis no Brasil já ocorre desde o início de 2015. Qual o “fundamento” disto? Estes fundos virão para fazerem o papel de empresas “abutres”, como ocorre em toda explosão de bolha imobiliária e consoante com o que consta em um artigo a este respeito (esperando descontos de no mínimo 30% até mais de 60%), ou de alguma forma irão gerar receitas “salvadoras” para as construtoras? Se as construtoras venderem para estes fundos com descontos de 30% até mais de 60%, como ficarão as garantias das mesmas junto aos bancos, que deveriam cair proporcionalmente levando mais construtoras ainda a se tornarem insolventes?

      Sobre os distratos, o que vai acontecer com as vendas na planta quando as pessoas começarem a entender o tamanho do prejuízo caso desistam na compra e que não é verdade o que o corretor promete de que é algo “indolor”? O que vai acontecer quando os investidores perceberem isto e desistirem de comprar?

      Sem contar que os “fundamentos” mencionados ignoram completamente o profundo desequilíbrio entre oferta e procura no segmento, ignoram o credit crunch de R$ 1 trilhão, os 58 milhões de inadimplentes, os 50% das empresas de grande porte que não conseguem pagar sequer os juros das dívidas, na realidade, eles “assumem”, que tudo isto é fácil e rápido para ser resolvido pelo conjunto de fatores “confiáveis” que constam acima.

      O que estão fazendo, não é nenhuma novidade. Livros foram escritos enaltecendo Eike Batista e sua visão de negócios além do alcance, promessas ufanistas de BOVESPA a 200.000 pontos, “garantias” que foram dadas “n” vezes de que “agora vai”, desde 2014, dentre uma infinidade de outras manobras para iludir as pessoas (trem-bala ligando São Paulo ao Rio de Janeiro, revitalização do centro de São Paulo, invasão de estudantes e de executivos de outros Estados e Países que fariam com que disparasse a procura por quitinetes em São Paulo, investidores chineses que comprariam imóveis em alto volume, compradores estrangeiros de imóveis em larga escala durante copa do mundo e olimpiadas, tsumoney, etc., etc., etc…).

      27+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Brazil mode OFF 16 de janeiro de 2017 at 14:34

        Cara…. sem cometários. Vc é f*** com todo respeito. Parabéns pela contribuição ao blog.

        10+
        • avatar
        • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 16 de janeiro de 2017 at 13:54

    Os bairros de SP onde o preço dos imóveis mais aumentou e diminuiu em 2016
    http://www.infomoney.com.br/imoveis/noticia/5999430/bairros-onde-preco-dos-imoveis-mais-aumentou-diminuiu-2016

    2+
  • Baby Boy 16 de janeiro de 2017 at 14:01

    Saudações para os 666 pagadores de juros que aqui habitam.
    ano de 2.050 esta logo ai!

    9+
    • avatar
    • avatar
  • RC 16 de janeiro de 2017 at 14:17

    “Operação Cui Bono?: esquema previa até calote na Caixa, diz empresário”

    “O empresário Evaldo Ulinski, ex-dono do Big Frango, contou que se aceitasse dar uma comissão maior, de 30%, não pagaria o empréstimo”

    “O empresário Evaldo Ulinski, ex-dono do Big Frango, uma das empresas investigadas na Operação Cui Bono?, revelou em duas entrevistas ao jornal O Estado de S. Paulo que Lúcio Bolonha Funaro e operadores dele lhe ofereceram um empréstimo de R$ 100 milhões na Caixa Econômica Federal, com condições especiais. Cobrariam 10% sobre do valor do financiamento, a título de comissão, para facilitar a liberação dos recursos. Mas havia outra opção. Se o empresário aceitasse dar uma comissão maior, de 30%, não pagaria o empréstimo.”

    http://www.metropoles.com/brasil/politica-br/operacao-cui-bono-esquema-previa-ate-calote-na-caixa-diz-empresario
    .

    Ou seja, pode chegar a 70% de distratos sem problemas, a “empresariada amiga do rei” só pagava 30% do valor emprestado mesmo.

    Motumbaram foi a CAIXA, não pagaram o empréstimo para executar o empreendimento e ao financiar as pessoas pegaram valores dando como garantia imóveis que estão “perdendo valor” (nunca valeram).

    4+
  • telebolha 16 de janeiro de 2017 at 14:42
    • telebolha 16 de janeiro de 2017 at 14:44

      Detalhe é o condominio: R$ 1.200

      3+
    • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 15:44

      eu não sei do aluguel em Belém, mas me pareceu um bom preço de aluguel 2k (mesmo com condo de 1,2k).
      fora da realidade eh o preço de venda: 700k

      2+
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 15:58

        rentabildiade de 0,28% perde até pro Fgts
        126 m²
        e condo de 1,2k nem é tão alto assim pelo que oferece.
        num mundo normal seria anunciado por 200 mil a venda

        4+
        • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:01

          Bananense não sabe fazer conta do custo de oportunidade do capital.
          Tanto é que não dão 5k de desconto na venda pois isso significa “desvalorizar” o patrimônio.
          PQP !! E as janelas no Dólar e TD dando 45, 50% de ROI em pouco tempo.
          Banâniaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

          7+
          • avatar
          • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:17

            e se vc for ver direito, não pagou a vista não
            FINANCIOU
            0,28 não paga nem a taxa de adm do banco, nem o seguro contra ele mesmo, de estourar os miolos quando perceber que jogou 30 anos de trabalho duro no lixo

            8+
            • avatar
    • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 15:45

      moras em Belém? eu sou louco pela “amazon beer” e morro de vontade de visitar o restaurante deles por aí… é legal mesmo????

      1+
      • telebolha 17 de janeiro de 2017 at 08:14

        Sim, sou de Belém. Restaurante deles é legal sim, só o preço que é um pouco salgado!

        2+
        • avatar
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 14:47

    16/01/2017 às 12h13 5 FMI prevê crescimento de apenas 0,2% para o Brasil neste ano

    Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/brasil/4837530/fmi-preve-crescimento-de-apenas-02-para-o-brasil-neste-ano

    3+
    • avatar
    • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 15:43

      esse FMI é sempre otimista rsrsrsrsrs

      8+
  • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 15:02

    Fundos de Investimento x Ignorância

    http://www.clubedospoupadores.com/investimentos/fundos.html

    Obs: Leandro Ávila tem um dom para escrever sobre dinheiro e finanças. Acho o melhor escritor do gênero no Brasil.

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 15:16

    MAIOR CHUVA EM 68 ANOS em SP

    estadao.com.br
    SP tem maior chuva dos últimos 68 anos em janeiro
    Em 24 horas, choveu 115 milímetros na capital; recorde de 127,4 mm em 12 de janeiro de 1949

    Cadê a crise hídrica???

    Sabe o que SIGNIFICA isso de maior chuva em 68 anos???
    resposta: a mesma coisa que significou a maior seca em 86 anos no período 2013-15
    NADA

    para a natureza, fronteiras políticas não existem
    escalas medidas em anos são um pentelhésimo, são nada…
    – se eu fosse atacar um politico iria usar a seca
    – se eu fosse defender alguma sigla iria usar a chuva

    prefiro usar a razão:
    – a natureza é cíclia, parem de espantar com bobagem quenem umas maria-histérica

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 15:17

      E OLHA quanto tempo eu repito a mesmíssima coisa

      3+
      • avatar
      • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 15:30

        basta lembrar que as “previsões” que seriam necessários mais de 20 anos (ou mais) pra sair do volume morto e recuperar o nível normal.. saiu em 1 ano .

        8+
        • avatar
    • CarlosL 16 de janeiro de 2017 at 15:30

      Okay, mas conforme já disse, foi por pura sorte, incompetência, falta de investimentos necessários ignorando o crescimento da cidade visando apenas lucros, que o nível quase abraçou o 0 absoluto…

      3+
      • avatar
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:00

        não chegou nem perto do zero absoluto
        até o cantareira que foi o mais atingido pela seca, ainda tinha 1 bilhão de litros

        os reservatórios do lado litoral tiveram até que verter agua, a seca foi só no interior, atingiu mais em Minas por isso a conta de luz subiu

        vcs insistem nessas papagaida
        não aprendem nunca

        3+
        • avatar
        • CarlosL 16 de janeiro de 2017 at 16:37

          Houve racionamento não oficial em diversos bairros, inclusive os nobres apesar de não da mesma forma da periferia….
          Houve simulação do exército em estações de tratamento….
          O único que estava segurando a bronca mais ou menos era o Guarapiranga….
          Em Itú estavam assaltando a mão armada pessoas com baldes e o crime organizado controlando o fornecimento em alguns lugares…

          Isso não foi peça de ficção…

          6+
          • avatar
          • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 17:17

            1- não houve nenhum racionamento
            houve otimização da pressão exatamente pq os da vertente litoranea estavam jorrando e os do norte caindo, não apenas guarapiranga, existem outros 3 sistemas no lado sudeste, houve contratempos localizados que foram todos sanados antes de voltar a chover em Minas

            2- simulações do exército
            são rotina em pontos estratégicos, estações de água, Metrô, trem, era coisa da copa do mundo, isso é velho
            fica ridiculo imagina que as pessoas vão assaltar uma ETA com baldes de água, vc sem duvida nunca visitou uma ETa

            3- essa é aque eu mais gosto
            Em Itu não existe sabesp nem estado de SP
            É um sistema municipal, aliás na época operado por um prefeito aliado do PT, falta água na cidade faz 50 anos, na seca piorou.
            pode verificar tudo que escrevi é publico, de acesso fácil e grátis.

            6+
            • avatar
            • avatar
    • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 15:42

      “Sabe o que SIGNIFICA isso de maior chuva em 68 anos???”

      Sim, pretextos para a Folha (UOL), Veja etc. lançarem manchetes maldosas contra o Doria, o que não fariam se o prefeito fosse o Malddad.

      5+
      • avatar
      • avatar
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 16:29

        O seu fanatismo pelos socialistas-esquerdistas do PSDB é tanto que vc cita até a Veja, conhecido Pasquim da corja da Social-Democracia, quando qualquer um sabe que eles são sustentados pelo partido em questão. Tucanos são os novos fanáticos partidários. O Brasil não tem jeito mesmo…

        7+
        • avatar
        • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 17:45

          calma cara,
          ninguem tá defendendo partido nenhum
          conheço o marabo, a gente vive se discordando pelos posts afora
          mas agora é justo eu defender ele
          fez aí uma ironia, não perca seu humor

          a gente sabe que a veja é em cima do muro, mas é culpa do leitor brasileiro que ela tenta agradar, é uma revsita muito bem vendida, tem poucos anuncios estatais comparando com o resto e com a audiencia dela.

          o fato é que a crise hídrica sumiu assim que o PT caiu, as chuvas só voltaram agora, 2 anos depois

          2+
        • Cesar_DF 16 de janeiro de 2017 at 20:37

          O Cramulhao de FHCigienopolis45, a forma como você se refere ao PSDB parece até um dogma religioso, pra que tanta raiva? é só não votar ué

          6+
          • avatar
          • avatar
          • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 21:25

            eu disse acima, não é normal.

            3+
            • avatar
          • bolha real 16 de janeiro de 2017 at 22:06

            É petista, não tem outra explicação. Pode falar que não é, mas é.

            5+
            • avatar
            • avatar
            • O Cramulhao de FHCigienopolis45 17 de janeiro de 2017 at 07:35

              Toda tese de esquerdinha tucanalha é classificar quem odeia o PSDB-PCC de petista. Troca o disco, tucano, sou libertário, não me misturo a gente como vocês.

              4+
              • avatar
          • O Cramulhao de FHCigienopolis45 17 de janeiro de 2017 at 07:48

            César, claro que não voto nessa corja.

            Corrija-me eu estiver errado…mas vc nunca percebeu uma benevolência para com esse partido nos últimos 2 anos? Como se essa corja fosse salvar o Brasil da corrupção?

            O recorde de prefeitos eleitos pelo PSDB-PCC nas últimas eleições corrobora o que escrevo.

            Essa coisa do povo sempre ver o estado como pai e sempre eleger um “salvador” me enoja…é típico do bananense.

            1+
            • avatar
        • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 21:24

          não deves ter lido a veja ultimamente: mudou o editorial: fala bem do PSOL, gregorio duvivier, cita jean uilis, entrevista joão paulo cunha, debocha da “direita” e de “conservadores”…..

          E IMPLICA DIA SIM E DIA TAMBÉM COM O DÓRIA!!!!

          O Doria disse que vai rever licitações caríssimas da Prefeitura e a fake news da Veja “Doria deve cortar entrega de leite para alunos da rede municipal” http://veja.abril.com.br/politica/doria-deve-cortar-entrega-de-leite-para-alunos-da-rede-municipal/

          O Doria limpa pichações e a Veja super imparcial e super relevante: “João Doria apaga pichações e suja tênis de marca” http://veja.abril.com.br/brasil/joao-doria-apaga-pichacoes-e-suja-tenis-de-marca/

          o cramulhão vai assinar a veja, quer ver só??

          3+
        • tmarabo 16 de janeiro de 2017 at 21:28

          e haja petismo para sustentar as narrativas falsas de “veja é tucana” e “veja é sustentada pelo PSDB”.
          o cramulhão tem talento pra esquerdopata.

          3+
          • O Cramulhao de FHCigienopolis45 17 de janeiro de 2017 at 07:50

            Vc tá ligado que esquerdopata é vc que defende os socialistas do 45, né?

            3+
            • avatar
            • tmarabo 17 de janeiro de 2017 at 09:58

              é evidente que estou à direita do PSDB… agora, teu papinho de “veja sustentada pelo psdb”, “psdb-pcc”, “pior partido do brasil”….
              se formos te ouvir, não há diferença entre psdb, pt e psol.. digo, há diferença sim, o psdb é pior kkkkkkkkkkkkk

              1+
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 15:43

      boa !

      2+
      • avatar
  • Cadeludo 16 de janeiro de 2017 at 15:21

    Se eu tivesse entrado vendendo PDGR3 tinha tomado na tarraqueta hoje estaria destroçado
    não fiz mas farei
    insustentável e sem fundamentos toda a subida da bolsa toda, nada justifica

    http://fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=PDGR3&x=0&y=0

    3+
    • avatar
    • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 16:08

      Com a crise – cerca de 60% das 800 grandes e médias empresas não conseguem pagar juros de suas dívidas com a própria geração de caixa -, muitos negócios devem mudar de mãos este ano, segundo fontes. A área imobiliária também deve ficar mais ativa.
      A canadense Brookfield e a chinesa State Grid aparecem com destaque nesta lista.
      “Cui bono”, diria o Motumbo, quem ganha
      http://exame.abril.com.br/economia/estrangeiros-aproveitam-crise-e-compram-r-120-bi-em-empresas/

      4+
      • avatar
      • avatar
  • Ilusionista 16 de janeiro de 2017 at 15:22

    investir neste ano, num imóvel na planta, com entrega prometida para 2020, sabendo que irá abraçar 35 anos de financiamento para ter um imóvel para chamar de “Meu” só lá em 2055……seria o mesmo que se tivesse adquirido em 1979, bem na passagem do governo Gaisel para o Figueiredo.
    Só mesmo para quem não tem muita noção de: Tempo e Envelhecimento.

    13+
    • avatar
    • avatar
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 15:49

    Essa “estória ” de 35 anos de financiamento é coisa recente.
    Essa escolha do governo e pessoas é que foram irracionais e eufóricas. (sabendo que o segundo passa por cima do primeiro)
    O ideal é poupar de 60% a 70% e financiar o mínimo possível.
    Se forem construir poupem de 60% a 70% e financiem parte do material em 12 ou 24 vezes. Passa rápido e não cria ilusão ou distorções nas finanças pessoais.

    9+
    • avatar
    • avatar
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 15:50

    Véio treteiro. Do tempo em que a maioria dos bolhistas pensava que teríamos mesmo uma crise hídrica.

    “Porque G.A.B.U. segue a explicação:

    “OFF tontinho.

    Com a proximidade nas próximas horas de Cantareira passar pelos 20% redondos:

    Trecho de relato encontrado na casa de vítima de estranho homicídio por estrangulamento com um metro de linguiça barata, encontrado em vala de esgoto na periferia de São Paulo, com cartaz pendurado em seu pescoço com as palavras: “AO TRAIDOR, ÇANGUI!”.

    “A máscara de camiseta usada por uma semana é tirada da cabeça de Lucas, e ele respirava ofegante, com cara nitidamente de nojo. Alguns espasmos de náusea nitidamente corriam pelo seu corpo.

    Olhou a sala onde estava, e viu o símbolo da ordem, uma escova de limpar vaso sanitário e um enorme desentupidor, formando um V invertido, baseados com um azulejo quebrado na parte de cima, formando um curioso esquadro meio torto, e o enferrujado enorme B no centro de tal polígono. No azulejo, curiosos três algarismos seis escritos em garranchos.

    Ouviu a voz de Fred Quiument:

    – Neófito Lucas, inicia-se aqui sua iniciação em nossa ordem secreta, do Grande e Assustador Budum Urbano, que tudo tomará, cada recôndido de sua intimidade atingirá, e a partir de agora, representado pela sigla GABU, que deves manter em segredo o significado. Que o Grande Sinalizador e Vigilante da Sacerdotisa soe a bacia com a escova, e que os trabalhos sejam iniciados:

    Chico bento, o sinalizador, bate com um forte som de PLEIN! numa bacia com uma escova, nitidamente ancestrais, dada sua oxidação e gastos pelos.

    O Mephistópheles, o Primeiro Comentador, declara:

    – Feche-se a porta do templo e seja vigiada por GB, o Vigilante Externo Altivo e Diletante Obreiro, cuja sigla é proibida de ser expressa! Eu disse: PROIBIDA DE SER EXPRESSA! E que experimente expressar a sigla alguém, e sinta a fúria de nossa grande e nobre ordem!

    Novamente, Fred Quiument conduz o ritual:

    – Estás de joelhos sobre a TALBA, que representa sua entrada na salvação, pois nossa ordem é a TALBA de salvação.

    Um coro exclama: A TALBA! A TALBA! A TALBA!

    Fred Quiument continua:

    – À sua frente, três objetos que representam o que enfrentará na vida bananense. Com a palavra, a Grande Sacerdotisa Rosa, Absoluta, Beatífica e Canônica, que pode ser tratada por Rosa do ABC.

    A sacerdotisa Rosa baixa seu manto, e continua a iniciação:

    -Tens na frente a FREXA, a CARDENETA, O TÍTRU. Eles representam as três coisas mais marcantes na vida do bananense.

    Mudando o tom de voz, continua a sacerdotisa:

    – A FREXA, que representa o primitivismo brutal e caótico de nosso povo.

    Coro: A FREXA! A FREXA! A FREXA!

    – A CARDENETA, que representa sua pouca inspiração para poupança, sua compulsão ao crédito insensato, sua falta de organização.

    Coro:

    -A CARDENETA! A CARDENETA! A CARDENETA!
    -CRIDIÁRIO! CRIDIÁRIO! CRIDIÁRIO! TRÊS VEZES O INVOCAMOS, MAS MUITAS PARCELINHAS MAIS ENFRENTARÁS!

    Fred Quiument fecha os cantos:

    – Que os juros profundos os comam, que Motumbo jamais os console!

    Coro: ARDEM! ARDEM! UI! AI! COMO ARDEM!

    A sacerdotisa continua

    – O TÍTRU [ a sacerdotisa destaca a tonicidade do I ], que representa sua natureza de sempre desejar um estado paternalista e provedor, e sempre cair nas mentiras de quem lhe promete, votando.

    Coro: O TÍTRU! O TÍTRU! O TÍTRU!

    – Com a palavra, no Grande Mestre do GABU, aquele que virá, parcialmente já está e muito pior ficará!

    Coro e todos os presentes, mais alto que das outras vezes:

    – O BUDUM! O BUDUM! O GRANDE BUDUM VIRÁ!

    O Grande Mestre Fred Quiument e a sacerdotisa Rosa proclamam:

    – E SERÁ UM POBREMA!

    Fred Quiument avança para a frente de Lucas, e com poderosa voz, anuncia:

    – Que seja trazido o dedal batismal, a bacia batismal, e o vidrinho de limitada, muito pouco, bota pouca nisso, uma miséria de pouca, pouca para cacete, PUTZ, COMO ERA POUCA! água limpa, que simbolizarão o seu entendimento que o mundo bananense limita o que dispõe em vida, muito lhe tolhe, e que não podes contar com a providência da impassível natureza.

    Entra sua concubina, seguida por outras duas mulheres, em brancas mas meio escurecidas vestes, limpas, mas mas não alvejadas, digamos, cada uma segurando respectivamente o dedal, a bacia e um vidrinho com pouquíssima água.

    Ouve-se o coro: DEDAL! DEDAL! DEDAL! Pois nem canecas terás!

    A sacerdotisa Rosa proclama:

    – Que o pequeno pão seja comido pelo Templar Padeiro, na sua frente, para ele saber que nem companheiro, “aquele que divide o pão”, na Banânia ele terá! Olhe para o teto, agora iniciado Lucas, e veja que as nuvens cinzas estão nele pintadas, e saiba que talvez só ali as veja!

    As três mulheres jogam ao redor de Lucas finas rodelas de nabo, tal como pétalas de flores.

    A sacerdotisa Rosa e o Grande Mestre Fred Quiument anunciam:

    – Que a etapa dos Três Tropeços Tontos comece! Que a visão da GOME o escureça!

    Continua…””

    3+
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:05

      bem lembrado:
      tido como traidor e maluco até mesmo por eles
      se acaso te interessar, poderia escrever um textinho sobre IQ e heurística, tenho medo de parecer arrogante, mas pode te ajudar, seria pra vc como que aprender a atirar melhor uma vez que vc anda bem armado, faria aqui no meio de forma discreta, nem vão perceber nada

      1+
      • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:08

        Interessa sim.

        1+
        • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:13

          e aquele meu amigo do forex
          entrando na roda do trilhão de dolares,
          … gestores de trilhão

          1+
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 15:58

    CVR
    Lembram que eu comentei que um parente da minha esposa comprou apê em CWB?
    Pois é . Só poderão mudar-se em 2018.
    Pois o dinheiro está muito curto. E entregaram o apê da Tossi sem piso, fiação elétrica do chuveiro, gás e rebaixamento do gesso.
    Tô falando. Quem financia geralmente o faz sem um tostão no bolso.
    É o sistema do comprometimento total da renda.

    21+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Leonardo M. 16 de janeiro de 2017 at 16:05

      Pede pra tomar no vizinho kkkk
      Ou esquentar água no fogão…ops nem gás tem…

      7+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:12

        nem vizinho tem
        kkkk
        todo mundo comprou pra especular,
        kkk
        talvez o zelador tenha

        14+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Libertario 16 de janeiro de 2017 at 16:17

          kkkkkk
          pior que é verdade.
          Deve dar uma deprê morar nesses condo vazios hein?
          Cai a noite, fica aquele silencio ensurdecedor.
          Sem ninguem pra te ajudar numa necessidade.
          Sinistro.

          9+
          • avatar
          • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:21

            Ali não tem silêncio.
            Os caminhões passam direto. Fica ao lado da BR.
            😉

            16+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
        • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:18

          Estoque altíssimo.
          Só a dona do terreno pegou em permuta mais de 20 unidades.
          kkkk
          Tudo fechado. Nem vende e nem aluga. Longe pra baralho. Fica perto dos Houses of Caraglio.

          14+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:07

      espera só eles tentar abrir as torneiras, ou fehcar as portas e janelas
      muitas emoções pela frente

      5+
      • avatar
  • Baby Boy 16 de janeiro de 2017 at 16:04

    Crise? Só para os 666.
    Os 666 pula do avião e depois pergunta aonde esta o paraquedas?
    Eu alertei!

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:09

      – 44% dos bananenses não conseguiriam levantar 2.5k dilmas numa necessidade extrema;
      – Dos 56% restantes, apenas 16% o fariam com sua própria grana (os outros iriam pedir para amigos ou familiares, ACREDITANDO QUE ESTES TERIAM O DINHEIRO)

      16+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
        • Baby Boy 16 de janeiro de 2017 at 16:23

          Os 666 vivem através de dividas
          Os Bolhistas vivem através dos juros.

          Ambos podem parecer = na sociedade.

          5+
          • avatar
      • Diego F. 16 de janeiro de 2017 at 16:30

        Algo que não ficou claro pela leitura da notícia: são 16% de 56% ou 16% do todo? De qualquer forma, é um resultado horrível… Pensei que fosse “menos pior”.

        5+
        • avatar
        • avatar
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 16:34

        E isso independe de classe-social…rs

        Mas vejam pelo lado bom : o Brasileiro médio é CARPE DIEM , ele vive a vida, enquanto nós só guardamos para o futuro sem saber se poderemos morrer amanha…rs

        SUPERFICIAL REFLECTION ABOUT FINANCIAL LIFE MODE ON

        9+
        • avatar
        • avatar
        • Baby Boy 16 de janeiro de 2017 at 16:50

          Estou tendo uma vida muito boa hoje em dia.
          Mas foi com muito suor, determinação e controle emocional.

          7+
          • avatar
          • avatar
          • Baby Boy 16 de janeiro de 2017 at 16:53

            cercado de pessoas que me fizeram crescer (mentores)

            4+
            • avatar
            • avatar
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:22

    A EUFORIA DA BOLHA gerou outro efeito colateral
    além dos preços,
    a questão do apartamento X casa
    confere aí from

    hoje eu sei, morar em casa é 34657nmn2345 VEZES melhor que morar em apartamento,
    considerando mesmo bairro, mesma área, mesmo condominio, não tem comparação.

    CVR,
    2 vizinhos que sempre a vida inteira moraram em casa estão tentando se mudar pra apartamento
    – um comprou na planta, que entre atrasos e rolos ele se muda até 2018
    – outro tentando vender o dele por valor fingezap pra comprar um apartamento gourmet de área menor

    as pessoas foram idiotizadas pela propaganda do fingezap muito além do preço somente
    elas perderam o bom senso das coisas mais simples da vida

    12+
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:26

      HOJE eu estou muito satisfeito com a casa.
      Muito mesmo.
      Bate vento .
      Eu monto a piscina para as crianças.
      Tem grama, tem flores, tem hortênsias que a patroa plantou, tem pé de limão, tem salsinha e cebolinha.
      Montei meu escritório no terceiro piso. Tem muito espaço e conforto.
      Apartamento a pessoa fica realmente sem muitas opções… e fica a mercê dos dirigentes do condomínio e comportamento dos vizinhos.

      Eu recomendo a construir casa ou sobrado. Dá trabalho. Mas vale a pena.

      15+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 16:24

    DORIA lacrando todo dia

    Fernando Holiday
    27 min ·
    Parece que a esquerda não quer se desfazer do culto à personalidade do caudilho venezuelano, mesmo em território brasileiro, no coração de São Paulo. Terão de se conformar e pintar retratos do sanguinário ditador em outros lugares, sem dinheiro público para financiá-los.

    Doria manda apagar Chávez nos ‘Arcos do Jânio’ e petistas não sabem lidar
    O novo prefeito de São Paulo, João Doria Jr (PSDB), continua dando sequência ao programa Cidade Linda. A terceira ação, anunciada neste sábado (14), anunciou…
    JORNALIVRE.COM

    8+
    • Libertario 16 de janeiro de 2017 at 16:40

      Antigamente eu achava que deveria votar no sujeito, não no partido.
      Depois eu achei que não adiantava votar no sujeito, se o candidato pertencesse a um partido com ideologia contrária a minha.
      Mas agora eu entendo que foda-se o sujeito, e foda-se o partido.
      Eu tenho de votar no menos pior.
      É o que a casa oferece.
      Aquele que prometer diminuir mais o tamanho do estado, leva meu voto.

      11+
      • avatar
      • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 17:22

        um dia vc poderá pensar:

        foda-se votar
        eu preciso decifrar cada um deles, meu voto praticamente não interfere nada estatisticamente falando
        mas saber como agir interfere 100% na minha vida

        então é uma questão de custo/benefício simplesmente:
        gastar energia em algo que vai interferir 0,0000000…0000001% na sua vida
        ou gastar energia em algo que vai interferir 100% na sua vida

        não estou querendo te influenciar
        apenas que vc aplique o bom senso

        a mesma coisa o blog

        ficar de mimimi com o cramulhão???
        ou ficar alegre com o Doria lacrando pauladas neoliberais

        15+
        • avatar
        • Libertario 16 de janeiro de 2017 at 17:44

          Perfeito. Embora eu tenha gostado desse texo.

          http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1425

          2+
          • avatar
          • Antigo 16 de janeiro de 2017 at 17:46

            Democracia é o notável regime que o sua opinião só conta em caso de empate.

            Tirando algumas cidades pequenas, nunca houve empate.

            2+
            • avatar
          • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 18:08

            vc me entendue mal
            não falei em não votar

            a questão é o dispendio de energia
            quanto vc gasta tendo uma atitude e quanto ela te retorna???

            vou tentar outra comparação, ligada ao esporte
            nos esportes de impacto boxe, rugby, polo, MMA é muito mais importante que vc ser um monstrão é vc saber dosar a força na hora certa
            o filme do aldo que está pra sair tem essa lição aí, eu vi no trailer.

            não vale a pena se desgastar a vc mesmo e com seus amigos e passar raiva em torno de algo, e entupir um blog, num assunto que vc sozinho não pode controlar, mas vc pode controlar vc mesmo, vale mais a pena até ter “amigos” do outro lado da política, até pra saber o que eles andam pretendendo e fazendo. É isso!

            3+
            • Libertario 16 de janeiro de 2017 at 20:59

              Perfeito velho.
              Lendo de novo teu comentário, juntamente com esse, ficou absolutamente claro.
              É o que tenho levado para minha vida.
              Faz mais diferença estudar como os dois candidatos se comportam, e me preparar para operar em ambos cenários, do que ficar fazendo campanha contra, ou a favor, de A ou B (tudo veado By Simone).

              Sua visão sobre o Trump tem haver com isso, não?

              A proposito, já entendi que VC considera o Trump um Lula que fala ingles, mas HOJE (importante o fator tempo nessas opinioes)
              sua opinião é que ele despejara dólares na economia (fazendo a moeda baixar), ou vai segurar os gastos (fazendo ela subir)?

              1+
  • Cajuzinha 16 de janeiro de 2017 at 16:27

    Falta dinheiro, um bom sinal

    Economia 16.01.17 17:10
    A Folha diz que trabalhadores desempregados estão sem receber a parcela do seguro-desemprego de janeiro. Ao se dirigirem à Caixa, foram informados de que o valor não foi depositado pelo governo.

    No governo Dilma, o dinheiro também não era depositado, mas a Caixa pagava assim mesmo e assumia o débito com a União por meses.

    http://www.oantagonista.com/posts/falta-dinheiro-um-bom-sinal

    5+
    • avatar
    • Leonardo M. 16 de janeiro de 2017 at 16:32

      Só os opressores que recebem juros como nos sobreviverao nessa crise

      3+
      • avatar
      • avatar
    • Antigo 16 de janeiro de 2017 at 17:43

      Acabaram as pedaladas, aí povo fica sem dinheiro.

      3+
  • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:33

    Pensando friamente…. os maiores responsáveis pelo sucesso dos tijolos mágicos na BNN foram :
    ZÉLIA CARDOSO DE MELLO
    FERNANDO COLLOR DE MELLO

    Esses aí…. fizeram uma bizarrice tão grande…. que deixaram o bananense incapaz de olhar pro lado e ver o quanto deixa de ganhar ou ver o quanto perde por ano em escolhas lamentáveis.

    11+
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 17:39

      eu tenho mais umaa:
      o BNH dos militares assim como o MCMV do lula, do mesmissimo delfin neto, ao interferirem no mercado fizeram o imóvel se tornar praticamente inacessível, uma vez que a iniciativa privada não pode concorrer com o dono da impressora

      pesquisa no gugou delfin neto + poupançã + financiamento imobiliario, é de assustar, o mesmíssimo golpe

      Encol tbm tinha costas quentes no governo olha o endereço da sede era brasilia, o banco nacional que financiava o senna tbm era de brasilia, as familias calmon de sá, da poupança colmeia, etc, eram todos amigos entre si, alguns personagens repetidos das figurinhas do album do regime militar

      não querendo desfazer a sua, acho que se complementam

      7+
      • avatar
      • avatar
  • Scaravelhoo 16 de janeiro de 2017 at 16:40

    CVR…

    brother Comuna Chato… grau 1000 !!!!!
    Funcionário comissionado de empresa publica.
    Fica no facebook o dia todo postando retórica marxista e blablabla….
    Fã incondicional de Chico Buarque (tbm sou) BUT……
    Conversando comigo semana passada, esposa jornalista, tem blog de esquerda…. CHATA pra cacete também….
    Me disse que está sustentando a casa…. o jornaleco não tem pago o salário da patroa….
    O cara me disse que tá todo endividado…. foi fazer uma reforma na casa da mãe (que não é da mãe e sim da familia toda da mãe, a mãe só mora lá sozinha) com cartão de credito reforma do governo… Ia gastar 20 mil na reforma… porém a mesma ficou em R$ 70mil !!!!!!!!!!!!!!!!!! Isso mesmo….
    Mora de aluguel hoje, num apartamento onde a área privativa é maior que meu apartamento todo…
    O pior… podem me xingar (eu sou avalista dele no aluguel)….

    Esses PTistas…. dá vontade de apertar e dar uma abraço neles……
    Não dá pra entender essas mentes cara…. sério… não consigo mesmo….. tem que se f……

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 16:44

      São nos detalhes que vemos o grau de alavancagem que permitiu a crise.
      Um zé mané alavancou-se em 70k.
      Ai você conhece outro : 100k, outro 200k, 400k, 500k. E assim vai.

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Antigo 16 de janeiro de 2017 at 17:41

      Esses caras só sobrevivem porque tem amigos. Amigos no poder, amigos com cargos… Que pessoa produtora de riqueza que vai financiar blog de esquerda? Nenhuma, a não ser que seja amiga do governo.

      Ou isso ou amigos responsáveis com dinheiro, amigos como você!

      Cuidado com a Motumbada indireta.

      9+
  • Resimob 16 de janeiro de 2017 at 16:53

    Nova matéria Resumo Imobiliário:
    http://www.resimob.com.br/precos-dos-imoveis-despencarao-em-2017/
    Título: Preços dos imóveis despencarão em 2017

    7+
    • avatar
    • Vai de Grails! 16 de janeiro de 2017 at 17:26

      Primeira frase da matéria:
      “Não é previsão, mas uma afirmação. 2017 será o ano de maior desvalorização do setor imobiliário das últimas décadas.”

      Eu não sei o que pensar dessa afirmação. Vejo todos os dados que vocês mostram, e pra mim é claro que os preços são utópicos, e nesse patamar não vendem… Mas eu sinto (pelo menos aqui) que os preços anunciados não tem subido, mas também não tem caído. Além disso, parece que os proprietários estão mantendo os preços anunciados apesar de não venderem.
      Imagino que quem realmente quer/precisa vender, vai abaixar, mas não consigo vislumbrar ainda uma queda maior do que 5-10% do valor anunciado de modo geral. Parece que todos esperam a inflação corrigir os preços….
      Vocês acham que em 2017, o pessoal vai se dar conta da realidade, e abaixar de vez os preços???

      PS: Não torço pela crise, mas acho que não podemos viver com preços irreais. Em algum momento teremos que encarar a realidade.

      4+
      • avatar
      • avatar
      • Resimob 16 de janeiro de 2017 at 17:41

        Oi. Veja o restante da matéria. Expliquei lá o motivo real da queda.

        6+
  • BolhistaBR 16 de janeiro de 2017 at 17:15

    Fala, galera.

    Tô com umas NTNBs 2035 dando 25k de lucro líquido. Foram compradas de 6 a 7%.

    Estou na dúvida se deixo elas quietas até o vencimento ou se as vendo e ponho em LFT aguardando uma possível janela pós posse de Trump..

    Tá dando uma coceirinha… kkkkk Mas tenho objetivos pra 2035.

    Agora em fevereiro teremos outra reunião do copom e deve cair mais uns .25% pelo menos.

    Enfim, o q vcs fariam?

    5+
    • na_cloaca_do_fernando 16 de janeiro de 2017 at 17:23

      Cara, esse é o tipo de pergunta de um milhão de temers…
      Se você tem planos pra 2035 talvez devesse guardá-las pra garantir seus planos lá e aproveitar uma nova janela apenas com dinheiro novo.
      Mas se você acha que dá ganhar ainda mais, realizando seus planos anteriores e outros mais, aí tem que analisar os possíveis cenários e a probabilidade de cada um. É o retorno e risco da estratégia a escolher.

      4+
    • Ronilson 16 de janeiro de 2017 at 17:58

      Você pode realizar o lucro em algumas, fazendo a chamada movimentação de ativos, busque oportunidades em bancos pequenos abaixo do fundo garantidor claro, vi alguns casos de LCIS de 6% mais o IPCA, a vantagem é a não incidência de IR. Há também os CDBs de 118% que no longo prazo pode ser superior ao 6% das ntbs. Sinceramente eu não mexeria agora, só quando visse que a rentabilidade começasse a baixar aí faria a realização do lucro. Tenho algumas de 7.4% para 2019 e estou sorrindo de orelha a orelha, mas quando virar vou optar por liquidez.

      2+
  • Ronilson 16 de janeiro de 2017 at 18:15

    Para quem precisa comprar um carro semi-novo, como bom bolhista, fiquem atentos está sendo possível comprar carros ótimos por 70% da fipe e alguns casos até menos, basta negociar o desespero do bananense.

    5+
    • avatar
    • Lucas 16 de janeiro de 2017 at 18:34

      meu IPVA caiu 25% nominais, ou quase 35% em termos reais
      o ipva calculam em cima da tabela Fipe,
      fizeram todo possível pra postegar a queda

      excelente investimento. rsrs

      5+
      • avatar
    • Leonardo M. 16 de janeiro de 2017 at 19:21

      Mas aí é muito grande a trolhada no bolso traseiro só bananense não é sr Kid bengala?

      1+
  • BolhistaBR 16 de janeiro de 2017 at 18:34

    Até final do ano deve cair bastante ainda segundo as expectativas de selic a 1 digito.

    Vendo por esse lado, esse lucro de 25k deve aumentar bem também. Devo esperar.

    Sua ideia de movimentar uma parte é boa também. Vou pensar no q farei.

    3+
  • carioca_real 16 de janeiro de 2017 at 18:55

    BOOOOOOSSS
    O RESIMOB SOOU A TROMBETA DO APOCALIPSE ZUMBI!!!

    https://www.resimob.com.br/precos-dos-imoveis-despencarao-em-2017/

    4+
    • avatar
    • fanfarraum 16 de janeiro de 2017 at 19:14

      “Mas tenha a ciência e certeza que 2017 será o melhor ano para a aquisição imobiliária, ou seja, lute até o final.”

      Parei de ler ai.

      6+
      • avatar
  • fanfarraum 16 de janeiro de 2017 at 19:15

    “Mas tenha a ciência e certeza que 2017 será o melhor ano para a aquisição imobiliária, ou seja, lute até o final.”

    Parei de ler ai.

    3+
    • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 20:29

      huahuahuahuahua!
      É o setor da desinformação.

      4+
  • Leonardo M. 16 de janeiro de 2017 at 19:30

    CVR frasquinho

    Conheci um encanador hoje é conversando com ele me solta essa:

    Família com AP na AV beira mar norte de Floripa onde o AP vale pelo menos r$5.000.00,00 não tem dinheiro pra arrumar o vazamento do banheiro que está infiltrando no AP de baixo. Perguntei o valor do orçamento e ele disse que ficaria entre R$3barao e R$4 barão pra quebrar, arrumar e deixar tudo novo. Mas eles queriam passar cheque…
    Apenas acenou e sorriu e foi embora…

    Eh as pedaladas acabaram!

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • O Cramulhao de FHCigienopolis45 16 de janeiro de 2017 at 20:28

      Não sei o que é pior, a familia não ter 3k pra uma emergência ou o encanador cobrar esse valor para serviço de um dia. (Não sou encanador, mas sei que essa de arrumar banheiro em condomínio é coisa de menos de mil reais, e serviço pra um dia, se não tiver a ver com a coluna d ‘a agua)

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • From_The_Tower 16 de janeiro de 2017 at 20:32

        COmo é fácil jogar ao vento que os tijolos valem tantos milhos grandes. E de que adianta?
        Não venderão nesse preço e vivem mal pra caramba no dia a dia.
        Eu tenho muita sorte.
        O dono da casa em que eu moro é encanador e eletricista e arruma tudo o que eu peço para ele. Na faixa. É interesse dele tb.
        Agora em Março ele colocará calçamento na garagem e arrumaremos o jardim. É uma maravilha.

        9+
        • avatar
        • avatar
      • Diego F. 16 de janeiro de 2017 at 21:06

        Os prestadores de serviços são bem espertinhos… Pedem o triplo para qualquer serviço em apto na Beira-mar Norte.

        5+
        • avatar
        • avatar
  • Moreira 16 de janeiro de 2017 at 20:41

    2035 em menos de 2 meses rendendo um pouco mais de 10%. Não tem nem dois meses!

    Hoje fui de 2024.

    Se pintar uma grana de juros esse mes, vou novamente em IPCA

    2+
  • Moreira 16 de janeiro de 2017 at 20:45

    Revoltado cmg mesmo: pq não conheci esse blog antes de fazer consórcio para automóvel! Todo mês os FDP me levam 10% de taxa de administração. Consórcio é negócio da china, mas pra quem administra!

    Bom, mas depois que aprendi algumas coisas por aqui decidi:

    1- levar esse consórcio até o fim;
    2 – resgatar em dinheiro
    3 – aplicar o acumulado na íntegra

    9+
    • avatar
    • Brazil mode OFF 17 de janeiro de 2017 at 07:30

      Qual o valor do consorcio?

      1+
  • CA 16 de janeiro de 2017 at 21:46

    Replico uma parte de uma pergunta que ficou muito para cima e que pode ser a dúvida de diversos usuários que frequentam o blog ha menos tempo:

    “MauricioSP 16 de janeiro de 2017 at 11:51
    CA, você fala de vendas FALSAS na planta. Eu gostaria de entender, qual o ganho da construtora nisso? ”

    Minha resposta (CA):

    Maurício SP,

    Venda e receita não são a mesma coisa.

    Ao fazer uma venda FALSA na planta, aquele imóvel imediatamente sai do estoque da construtora, assim, a proporção entre estoque e vendas parece menor. No inflar, chegou a simular um super-aquecimento que inflava os preços dos imóveis artificialmente, ou seja, não com base em um procura real, era apenas uma SIMULAÇÃO de demanda.

    O crescimento simulado de vendas, com uma desproporção falsamente baixa entre oferta e procura e preços crescentes de forma ARTIFICIAL, fizeram com que os preços dos imóveis disparassem durante o inflar da bolha.

    Quem ganhou com isto? Um exemplo foi Enrique Bañuelos, que comprou um grande volume das Ações da PDG em 2007 e vendeu tudo no meio de 2011. Ele, que foi considerado o pai da bolha imobiliária espanhola antes de entrar na PDG, teve um lucro bilionário, afinal, de meados de 2010 até a metade de 2011, a PDG foi considerada a maior empresa do segmento imobiliário das Américas em valor de mercado, ou seja, o valor da Ação da PDG tinha subido demais.

    Quem perdeu com isto? No mesmo ano de 2011, DEPOIS que Enrique Bañuelos saiu da PDG, ela reconheceu distratos em patamar superior a R$ 1 BILHÃO de Reais e no ano seguinte, teve prejuízo líquido de cerca de R$ 2 BILHÕES, entre outros péssimos resultados.

    Por que a PDG teve prejuízo tão elevado? Exatamente pelo que você mencionou, pelas receitas muito baixas frente aos seus custos, tanto durante a obra, quanto no ato da entrega do imóvel, quando pelo fluxo de caixa ela planejava receber um montante muito elevado que se frustrou com o volume anormal de cancelamentos e daí ela teve que entrar cada vez mais em empréstimos para cobrir os rombos, enquanto os distratos permaneciam anormais e prejudicando os resultados.

    Diversas outras construtoras passaram pela mesma situação e são exatamente as que estão quebrando. Aliás, na Gafisa o Sam Zell fez algo análogo ao que fez o Enrique Bañuelos na PDG e também saiu de lá com um lucro bilionário. Sam Zell foi um dos pais da bolha imobiliária americana antes de entrar na Gafisa. A Gafisa só não quebrou porque vendeu o segmento Alphaville para uma empresa de fora do Brasil que não conhecia este esquema, com o dinheiro recebido, ela pagou o super-endividamento gerado pelo volume absurdo de distratos e um ano depois voltou a pedalar com as vendas FALSAS na planta de novo.

    Quem mais ganhou com isto?

    Além dos investidores acima, quem também ganhou foram aqueles que compraram os imóveis na planta no início do esquema e até um certo ano, aqueles que trabalhavam nestas construtoras durante o inflar da bolha e tinham seus bônus vinculados às vendas realizadas, até antes dos distratos acontecerem, a imprensa que viu o volume e o faturamento com anúncios de imóveis dispararem, corretores de imóveis que não tinham que devolver o dinheiro quando o negócio era cancelado, imobiliárias, dentre outros…

    Ah, mas a empresa quebrou! Sim, em esquemas de pirâmide financeira como estes, a empresa SEMPRE quebra, quem tem altíssimo lucro são as pessoas que usaram estas empresas para enriquecer, é assim que funciona…

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 16 de janeiro de 2017 at 21:49

    S&P avalia a regulamentação das LIGs no Brasil

    Título pode ser atrativo para investidores avessos ao risco….
    Durante a crise da dívida pública europeia, os covered bonds se provaram uma útil fonte de funding para os bancos (!!) . Covered bonds são lastreados por uma carteira específica de ativos do emissor – tipicamente financiamentos imobiliários de alta qualidade e títulos públicos. Na prática, podem servir de complemento a títulos lastreados por hipotecas (MBS, ou mortgage­backed securities)..
    Nunca houve um default de covered bond em mais de 250 anos de existência ….
    (por enquanto kkkk)
    seria estimado em R$ 590 bilhões (10% do PIB brasileiro em 2015).

    kkkkk, 77% já possuem “sua casa” e isso já é o total do mercado hoje… não vai dar liga..
    pode estimar em 10% isso ae… ou no máximo 50 bilhoes chutando….
    – See more at: http://www.amanha.com.br/posts/view/3410#sthash.3A4ku7ge.dpuf

    5+
    • avatar
    • avatar
  • BolhistaBR 17 de janeiro de 2017 at 07:16

    http://g1.globo.com/economia/noticia/com-inflacao-precos-do-aluguel-caem-quase-9-em-2016.ghtml

    “Caiu” mas está caro ainda.
    R$35/m2 no RJ é muito.
    Condomínios com porteiro a 700-1000.
    Muito dinheiro pra viver no meio do inferno que é a cidade hoje!

    6+
    • avatar
    • Bauru Bolhudo 17 de janeiro de 2017 at 07:40

      Não vi que já tinha postado e postei mais abaixo também.
      Pelo menos FipeZap já está admitindo quedas nominais.

      3+
      • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 17 de janeiro de 2017 at 07:23

    Imóveis do ‘Minha Casa, Minha Vida’ não entregues viram alvo de invasão
    http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2017/01/imoveis-do-minha-casa-minha-vida-nao-entregues-viram-alvo-de-invasao.html

    2+
    • avatar
  • thiago fm 17 de janeiro de 2017 at 07:32

    Cesar_DF

    Thiago fm

    Naquele monte de gráficos, senti a falta de um a respeito de volume de vendas por ano.
    Se você colocasse, veria que o ponto de inflexão no EUA foi atingido em junho de 2005, já o valor máximo foi atingido 2 anos depois e só em 2008 ocorreu o estouro da bolha.
    Este efeito é comum em todas as bolhas imobiliárias, as vendas param, mas os lançamentos ainda continuam durante um certo tempo e o preço só começa a cair anos depois, quando as pessoas percebem que não estavam pagando o preço justo.
    Que tal você montar um gráfico sobre isso?

    http://3.bp.blogspot.com/-nKNqzvp8OCA/UwlLXePKjEI/AAAAAAAAFmc/yChN_krcnOU/s1600/New+Home+Sales+Chart+-+March+2014.jpg

    http://www.jparsons.net/housingbubble/united_states.png

    14+

    César,

    Não sei se você olhou muito rápido mas coloquei sim um gráfico com volume de vendas e lançamentos de imóveis novos no agregado das capitais acompanhadas pela CBIC. O gráfico está com peridiocidade mensal com dados acumulados dos últimos 12 meses). Nele fica claro que as vendas começaram a recuar de forma gradual na passagem de 2010 para 2011, o que se encaixa razoavelmente com a defasagem de 3 anos para queda real dos preços que se dá na passagem de 2013 para 2014 segundo IVG-R. Nesse intervalo os preços entraram em desaceleração, conforme pode ser verificado no último gráfico de preços

    Para complementar, segue um gráfico que inclusive já havia postado na explanação sobre a distinção de ajuste cíclico x explosão de uma bolha especulativa, que dá uma perspectiva um pouco diferente em relação a relação entre a queda das vendas de imóveis novos e dos preços no caso americano. Através dele é possível notar ao menos duas coisas:

    – Os preços e as vendas de imóveis novos nos E.U.A interagiram sim quase que imediatamente. A questão é que entre meados de 2005 e 2007 as vendas começaram a cair, mas ainda se encontravam bem acima da média histórica. Isso fez com que os preços desacelerassem e estabilizassem com viés de queda num primeiro momento, aprofundando as quedas nominais quando o limiar de vendas caiu até um nível bem abaixo da média. No Brasil, quando se estende a série histórica consolidada percebe-se que mesmo hoje o nível de vendas é pouco superior à media apresentada até 2005 – 2006, o que em tese justificaria o “murchamento” dos preços sem se chegar às quedas nominais médias mais significativas.

    – Nos E.U.A o gráfico de vendas e preços demonstram um claro aspecto de abismo, indicando que a demanda e o valor dos imóveis simplesmente despencaram, diferentemente do caso brasileiro em que as vendas se acomodaram de forma mais longa e gradual durante anos desde 2011.

    Ver gráfico de vendas de imóveis novos e preços nos EUA:

    https://s30.postimg.org/whwk9s0ox/Vendas_de_Im_veis_Novos_x_Case_Shiller.png

    Sobre o gráfico que cruza a valorização dos imóveis x renda média que você sentiu falta ele se encontra no fim da parte 1 do trabalho que postei no mês passado, em que o IVG-R é deflacionado pelo IPCA x INCC x Renda Média Habitual PME x Massa dos Rendimentos Habituais.

    O que muita gente não percebe é que preço justo é o que se está disposto a pagar pelo bem dentro de condições normais do mercado. Sendo assim o que vale é a capacidade de aquisição das famílias condicionada não apenas pela renda média do trabalho, mas fatores adicionais como que também tiveram grande deslocamento nos últimos anos como condições de financiamento (prazo, LTV, taxa de juros), formaçõe de poupança, FGTS, aceitação de tamanho médio menor dos lançamentos por exemplo, entre outros. Todos esses fatores devem ser considerados conjunto para determinar a capacidade de pagamento das famílias e investidores na última década, sendo que muitas delas ainda subsistem total ou parcialmente.

    Segue link do trabalho para quem não viu o gráfico deflacionado por índices diversos:

    http://www.bolhaimobiliariabrasil.com/2016/12/05/das-vacas-gordas-as-vacas-magras-em-uma-decada-parte-1-thiago-fm/

    4+
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 17 de janeiro de 2017 at 08:16

      Thiago fm
      Tentei encontrar um gráfico sobre Renda Per Capita X FipeZap ou IVG-R mas não encontrei. Na página 65 tem um que se aproxima disto, mas ele mostra as “variações” e não os valores absolutos.
      Também procurei algum sobre os indicadores clássicos de bolha, como o “Price to rent ratio”, “Price to income ratio” e o “Gross rental yield”, além daqueles que relacionam a bolha com o mercado financeiro, como “Mortgage as percentage of income” e o “Affordability index”

      Na página 68, o gráfico “Índice de Valorização dos Imóveis (IVG-R) Ajustado pelo IPCA x Taxa Selic (%)” vi que seu marco zero foi janeiro de 2005, o que acho uma boa data pois foi quando justamente começou a ocorrer o descolamento entre o valor do imóvel e a renda.
      Ele atingiu um pico de 250 em maio de 2014 e em setembro de 2016 já tinha caído 80 pontos, para cerca de 170.
      Pergunta: como está ajustado pelo IPCA, poderíamos dizer que o DESPAIR só começará quando o IVG-R chegar a 100? (valor abaixo da média histórica)

      Na minha opinião, um gráfico do índice FIPEZAP ou do IVG-R, ajustado pela renda per capita seria de extrema valia, pois o “mean line” dos imóveis tende a acompanhar a renda per capita.
      http://www.clubedospoupadores.com/wp-content/uploads/2015/07/fases-bolha-especulativa.jpg

      Vi que sobre DISTRATOS existe apenas um gráfico na página 64 e não são feitas considerações sobre isto.
      Outra questão que afeta fortemente a demanda por imóveis, mas a longo prazo, é a taxa de fertilidade.
      Acho que existem alguns sinalizadores que indicam com antecedência um estouro de bolha, como uma rápida queda no volume de vendas, o descolamento entre a renda per capita e o valor dos imóveis, a relação entre o valor de venda e de aluguel, o comportamento dos leilões extrajudiciais de imóveis, os distratos, entre outros.

      3+
      • avatar
  • thiago fm 17 de janeiro de 2017 at 07:36

    Louro José

    O que você acha que vai acontecer em 2017?

    2+

    Louro,

    Você quer saber qual seria minha projeção para preços nos próximos dois anos e o que posso te dizer é que evito ao máximo fazer projeções de médio e longo prazo, o que não significa que não tenha minhas próprias apostas. Porém como o nome já diz apostas são apostas e se não há dados para fundamentá-las, prefiro ter cautela antes de sair dizendo algo num blog como esse, possivelmente a influenciando a decisão de compra de alguém. Com base em algumas projeções projeções feitas no ano passado por aqui deveríamos estar nesse exato momento vivendo a fase mais profunda da queda de preços, o que seria a explosão mais visível da bolha. Pelo que pude notar esta projeção foi pedalada para 2018.

    Dessa vez não se trata de provocação. Acertar os picos e vales é realmente muito difícil, principamente no Brasil, onde até o passado é incerto. O que tenho feito nada mais é do que tentar identificar os movimentos e as tendências mediante os dados que se têm disponíveis. Acredito que ao perceber a formação de uma tendência, cada um poderá prever melhor por si só o futuro.

    Ninguém é obrigado a concordar comigo, mas quem leu a parte 1 com cuidado notou que com possíveis exceções em determinadas cidades, o fato inconstestável é que mercado imobiliário esteve muito bem enquanto a economia esteve bem e muito mal quando os indicadores econômicos viraram. Isso na minha opinião não é por acaso, visto que em função das características da construção civil o setor é por natureza um dos últimos a ganhar liquidez e engrenar e um dos primeiros a perdê-la e estagnar. Sendo assim, penso que a trajetória da demanda e dos preços nos próximos dois anos dependerá muito de como se dará o desempenho da economia nesse período, sobretudo no que se refere a confiança, emprego, renda e crédito.

    Como já disse anteriormente, o imóveis de uma maneira geral continuam em desvalorização, mas já há sinais de que a intensidade dessa queda começa a arrefecer, o que pode levar a uma possível estabilização se a recuperação da economia vingar de forma mais consistente no médio prazo. Por outro lado, as perspectivas atuais são muito diferentes daquelas encontradas na passagem de 2003 para 2004, com diversos fatores imponderáveis e de resolução demorada e difícil tais como a grave situação fiscal e política do país, o que torna ao meu ver pouco provável o estabelecimento de um novo ciclo forte de valorização dos imóveis na esteira de uma nova expansão da economia nos próximos anos. De qualquer forma, não dá pra negar que a perspectiva com o Temer hoje é menos pior do que já foi com a Dilma e a própria performance dos ativos em 2016 deixou isso bem claro, bem como alguns indicadores pontuais do mercado imobiliário que recuaram em menor intensidade quando comparados à 2015. O fato é que se esses buracos que emperram o país não forem tapados, como já diz o tema do blog há algum tempo, o preço dos imóveis será o menor dos problemas com que se preocupar nesse país.

    5+
    • avatar
    • avatar
    • Louro José 17 de janeiro de 2017 at 08:09

      Então, eu não estou vendo absolutamente nada na política que possa ter causado uma reversão de expectativas pra economia. O que há é uma boa vontade com o presidente e sua equipe econômica e a sensação de que ele formou uma maioria que vai apoiar as reformas.

      No papel a queda é soft. No índice. Na negociação a queda é hard, como pude constatar com amigos que negociaram imóveis nos últimos 3 anos. 20% de abatimento de preço anunciado pra mim é queda hard.

      Se o temeroso conseguir reformar o pais, aí sim a economia deslancha, porém não vejo espaço pra alta de preços significativa. No máximo estabilidade e leve alta no índice e retorno aos preços anunciados na prática. Pra quem poupa não parece ser muito ruim.

      Eu tenho meu imóvel próprio, mas ainda assim acompanho o mercado e nos últimos 5 anos minhas economias cresceram a um ritmo bem maior do que o preço dos imóveis (já tenho o suficiente pra adquirir outro imóvel a vista de bom padrão). Este é o tempo que acompanho este mercado. Antes não tinha interesse nele.

      4+
      • avatar
      • avatar
      • Zé Carioca 17 de janeiro de 2017 at 09:20

        Louro, concordo contigo que hoje negociando você pode obter facilmente um desconto de 20% em relação ao pico, ou até mais. Até concordaria com tua afirmação de que 20% de queda é hard, mas pra mim depende um pouco do ponto de vista. Seria hard se os preços não tivessem subido 50% ou mais em um único ano, você que acompanha o mercado carioca sabe que é verdade. Lembro de um amigo que queria comprar um dois quartos em Copacabana por 400k no final de 2008 e pensou: vou economizar mais um ano para pagar a vista. Depois de um ano e meio o preço do imóvel tinha dobrado.

        Na minha opinião uma queda de 20 ou 30% depois dos preços terem triplicados não é hard, longe disso. Falta muito ainda para os preços voltarem a um patamar realista, ainda tem que cair bastante. Quando falo que a queda está sendo soft, não estou pensando em porcentagem e sim que está caindo muito mais lentamente do que subiu, o gráfico de subida foi praticamente vertical em relação ao tempo e agora a inclinação da reta está muito mais suave que na época da subida. Ainda acho que estamos longe do fundo do poço e comprar imóveis só será bom negócio para depois de 2020.

        3+
        • avatar
    • Cesar_DF 17 de janeiro de 2017 at 08:29

      Thiago
      Na Grécia o valor dos imóveis está em queda desde Q3/2007 e já caiu 44%.
      Na Espanha caiu 43% Q3/2007 a Q4/2013 , estando estável agora.
      Na Irlanda caiu 49% de Q1/2007 a Q1/2003
      No EUA caiu 35% de Q1/2006 a Q1/2012
      Mesmo que na Europa a bolha de imóveis não tenha provocado a falência de bancos, por causa do BCE, as quedas foram maiores que no EUA onde houve quebras no mercado financeiro.
      Mas o Brasil atingiu um descolamento entre o valor do imóvel e a renda superior a Irlanda.
      Utilizando a ferramenta http://www.economist.com/blogs/dailychart/2011/11/global-house-prices

      De acordo com a página 70 do seu trabalho, o IVG-R e o Fipezap-SP ajustado pelo IPCA atingiram o pico entre 2013 e 2014, se acontecer igual aos países que citei acima, podemos prever que o vale será atingido em 2019-2020?

      4+
      • avatar
      • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 08:46

        Criei este gráfico já faz algum tempo para comparar as curvas de preço.

        https://data.oecd.org/chart/4EfI

        0
        • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 08:48

          É em relação a 2010, ou seja: 2010 corresponde a 100.

          1+
          • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 08:50

            Pode escolher outros indicares aqui e criar seus gráficos.

            https://data.oecd.org/

            1+
            • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 08:57

              Mesmos dados desde 1970.

              https://data.oecd.org/chart/4IqV

              A forma das curvas de Brasil, Espanha, Grécia e EUA tem uma semelhança notável.

              3+
              • avatar
      • Louro José 17 de janeiro de 2017 at 08:52

        Já viu o gráfico real-times? kkkkkkkkk

        2+
        • avatar
        • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 08:58

          Gosto de comparar curvas 😀

          2+
          • avatar
          • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 09:43

            Nota-se que a curva do Brasil estava atrasada, mas Canada e Australia estão ainda subindo (com anuncio de bolha). Se cair como nos outros paises, será para valores de 2010 hahaha.. o movimento de todos é muito parecido, caindo pelo menos a metade do que subiu…

            1+
            • avatar
          • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 09:54

            invasões, etc

            Crise impulsiona nova onda de favelização na periferia de Campo Grande

            diversas moradias são de alvenaria, e não podem ser de lona..
            Apenas neste ano (até ontem), 619 famílias – o que corresponde a aproximadamente 2,5 mil pessoas.
            foram ocupadas três áreas: no Conjunto Paulo Coelho Machado (400 famílias), no Jardim das Macaúbas (192) e no Jardim Samambaia I (27). No primeiro caso, a ocupação fica ao lado de condomínio, inicialmente de responsabilidade da construtora mexicana Homex, que faliu…
            http://www.correiodoestado.com.br/cidades/campo-grande/crise-impulsiona-nova-onda-de-favelizacao-em-campo-grande/295742/

            0
  • Bauru Bolhudo 17 de janeiro de 2017 at 07:38

    É de apenas 3%, mas já estão admitindo queda nominal no valor do imóvel em 2016.

    http://g1.globo.com/economia/noticia/com-inflacao-precos-do-aluguel-caem-quase-9-em-2016.ghtml

    2+
    • Antigo 17 de janeiro de 2017 at 08:07

      Sim, lembrando que é o Fingezap.

      Na prática, além do desconto dado no anúncio, na negociação se consegue tirar mais 10% a 30% do valor pedido.

      2+
      • avatar
  • Louro José 17 de janeiro de 2017 at 08:11

    tmarabo

    No meu contrato consta: “Parágrafo 1°- A presente locação será mantida conforme pactuada em caso de alienação do imóvel, como previsto no art. 8º da Lei 8245/91, devendo ser observado o direito de preferência, na forma do art. 27 Lei 8245/91.”

    A lei 8425 é a lei de locações:
    Art. 8º Se o imóvel for alienado durante a locação, o adquirente poderá denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para a desocupação, salvo se a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso de alienação e estiver averbado junto à matrícula do imóvel.

    2+

    Obrigado.

    1+
  • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 08:28

    mercado vai “bombar” hoje…
    (reter de 9 a 15% do valor do imóvel).. acho que 13%..
    Governo brasileiro e construtoras devem concordar com regras de distratos, diz fonte

    http://extra.globo.com/noticias/mundo/governo-brasileiro-construtoras-devem-concordar-com-regras-de-distratos-diz-fonte-20784932.html#ixzz4W182wnlM

    2+
    • avatar
    • Antigo 17 de janeiro de 2017 at 08:48

      Não vai adiantar muita coisa.
      Vitamina C para o defunto não pegar gripe.

      5+
      • avatar
      • avatar
      • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 08:59

        sim, kkk o defunto do Mercado imob saudável, como os corvos gostam de zurrar

        1+
  • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 08:46

    vislumbres 2017:
    A mrv teve queda das vendas contratadas em 6% e a a EVen teve queda de 49%!! nas vendas líquidas……

    Os 5 assuntos que vão agitar o mercado nesta terça-feira – InfoMoney
    Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/6022810/assuntos-que-vao-agitar-mercado-nesta-terca-feira

    2+
    • avatar
  • CA 17 de janeiro de 2017 at 08:57

    Sobre o artigo do resimob, colocado em alguns links mais acima e que replico logo abaixo, faço alguns comentários e aproveito também para responder uma questão do Louro José que está mais para o começo deste topico:

    Link:

    https://www.resimob.com.br/precos-dos-imoveis-despencarao-em-2017/

    Titulo: “Preços dos imóveis despencarão em 2017”

    Qual o racional no conteúdo do artigo acima?

    Em função da NECESSIDADE financeira dos vendedores, eles irão reduzir muito os preços dos imóveis para vender e com isto, seria o melhor momento para se comprar o imóvel, sendo que isto aconteceria em 2017.

    Isto ocorreria, segundo o autor do artigo (resimob), em parte porque muitas pessoas já não estão aguentando pagar o condomínio e/ou o financiamento imobiliário e por isto, antes de verem seus imóveis irem para leilão e com medo de terem uma perda ainda maior, vão tentar vender pelo preço que conseguirem.

    Outra parte do problema, segundo o autor, seria a grande dificuldade para se obter o financiamento imobiliário atualmente, que também tem feito com que as vendas despenquem o que junto com a crise na economia, faz com que os vendedores não consigam vender pelos preços pedidos e força esta redução mais drástica nos preços como mencionado no parágrafo anterior.

    O autor afirma que as construtoras e o segmento imobiliário em si não teriam responsabilidade pela situação e que se os preços subiram muito, foi uma consequência da subida dos custos.

    Comento (CA):

    Sempre disse que o que motiva quedas de preços em qualquer lugar do mundo e qualquer situação, é a NECESSIDADE. Pessoas e empresas não reduzem preços porque tiveram “vontade” de fazer isto ou porque foram picadas por um mosquito “BaixaPreçoZica vírus”. Na vida real e nas bolhas imobiliárias que explodiram ao redor do mundo, SEMPRE foi assim. Até aí, o argumento do artigo foi consistente.

    Ocorre que a necessidade em si, é muito maior do que simplesmente os vendedores particulares terem que baixar seus preços para sobreviverem ou pagarem as dívidas. Algumas construtoras que estão virtualmente quebradas, mais do que nunca terão que fazer o mesmo para pagarem pelo menos uma parte do que devem. Bancos que estão deixando os imóveis não leiloados se acumularem porque não conseguem vender nem em segunda praça, terão que oferecer preços ainda menores do que estes concorrentes, afinal o leilão em si apresenta algumas desvantagens. Vemos nos casos de imóveis comerciais, toda semana uma notícia sobre um governante de Estado ou Município, ou ainda, diretor de empresa pública, dizendo que um dos custos que vai cortar é o de aluguel de imóveis, alguns através de renegociação, mas muitos através da devolução dos imóveis e cancelamento do aluguel, o que só aumenta a desproporção entre estoque e vendas e a necessidade dos proprietários de imóveis de reduzirem os preços para tentarem alugar ou quando não conseguirem ou não quiserem, reduzirem os preços para vender e desistir daquilo que virou um “mico” que só gera despesas. A desproporção entre oferta e procura de imóveis residenciais para alugar não para de crescer, de um lado porque aqueles proprietários que não conseguem vender, colocam seus imóveis para alugar, aumentando a oferta, enquanto os inquilinos veem sua renda cair e são obrigados a devolver os imóveis, voltando a morar com parentes ou amigos para economizar, alguns até, infelizmente, por falta de opções, passando a morar na rua.

    Existem muito mais situações de NECESSIDADE além das que constam acima, o que coloquei no parágrafo anterior é só uma AMOSTRA.

    Destaco que não será exclusivamente a necessidade que consta acima que fará com que os preços caiam de forma relevante. Um outro fator relevante, será a volta à realidade quanto a situação da nossa economia, ou seja, quando as pessoas finalmente perceberem que nosso ajuste fiscal é meia-boca, que redução de juros não fazem milagres, etc., conforme detalhei em comentários anteriores a respeito. Mais um fator que vai colaborar com isto, será a quebra oficial de mais algumas construtoras via recuperação judicial, gerando pânico para muitos que deixarão de comprar na planta, inviabilizando novos crescimentos em vendas FALSAS na planta e novas SIMULAÇÕES de melhorias. Fatores externos como efeitos “Trump+FED+bolhas chinesas”, terão sua parcela de colaboração nesta derrocada dos preços, dentre diversos outros fatores.

    Sobre a culpa do segmento imobiliário em tudo isto, sem dúvida é muito grande e já foi demonstrado por aqui várias vezes. Se os custos de terrenos subiram exageradamente, foi porque várias construtoras fizeram abertura de capital e foram todas ao mesmo tempo comprarem terrenos em grande quantidade. GRANDE parte dos terrenos comprados em 2007 até hoje não tiveram lançamentos. A somatória do VGV potencial de empreendimentos nestes terrenos indicam que os mesmos são o suficiente para mais de 10 ANOS de vendas, dentro dos patamares mais recentes de vendas e seguindo a avaliação do VGV potencial que consta nos próprios relatórios das construtoras. Por que as construtoras compraram um volume tão absurdo de terrenos e ainda aumentaram de forma relevante os lançamentos a partir de 2008, se isto geraria super-oferta de imoveis na planta, que desvalorizaria os imóveis? Porque algumas destas construtoras planejavam fazer um altíssimo volume de vendas FALSAS na planta e multiplicar o número de investidores em imóveis na planta para crescerem rapidamente e fazerem com que Acionistas, gestores e outros relacionados tivessem grandes aumentos em seus rendimentos. Foi o começo da pirâmide financeira das vendas FALSAS complementada pela MEGA especulação desenfreada que aumentou não só os custos dos terrenos, como também da mão-se-obra e dos insumos, tudo isto de forma ANORMAL, INSUSTENTÁVEL. Claro que a redução dos juros do crédito imobiliário, a extensão exagerada do prazo de financiamento, as “facilidades” de se adquirir o crédito imobiliário via CEF, a euforia que acompanha toda bolha imobiliária, também ajudaram muito, mas não ha como eximir o segmento imobiliário da responsabilidade, eles estão colhendo exatamente aquilo que plantaram, nada mais que isto.

    O que é importante reforçar, é que a farra da expansão de prazos de crédito imobiliário, dinheiro subsidiado para o crédito imobiliário, “facilidades” para se adquirir este crédito, crescimento maior da renda, dentre tantos outros fatores que colaboraram para o crescimento ANORMAL dos preços dos imóveis, completamente fora dos fundamentos (cresceu 3 vezes mais que a renda, mais que o dobro do custo de construção e 50% acima do aluguel), NÃO É SUSTENTÁVEL. Os 40 anos de financiamento imobiliário da Espanha tiveram que ser “desmontados”, assim como o governo Obama lançou um plano para “incentivar” a redução nos prazos de financiamentos de imóveis. Não, o Brasil não é uma “potência” que vai fazer os EUA, a Espanha e todos os outros países que adotaram esta mesma estratégia durante suas bolhas, “aprenderem” conosco. Na verdade, temos muito menos condições do que estes países. Já sobre os juros subsidiados, a queda brusca do SBPE já foi um exemplo claro da insustentabilidade. Outro exemplo, foi o MCMV que só no 1S16 teve uma redução de 1 milhão de unidades daquilo que estava prometido para a fase 3. Mais um exemplo foram os resultados PÍFIOS da verba do FGTS para o pró-cotista. O agravamento inevitável do déficit fiscal, que só será melhor percebido após a divulgação dos resultados do PIB no 1T17, ajudará a demonstrar a insustentabilidade destes empréstimos com juros subsidiados em altos volumes. Quanto as facilidades da CEF, bem, estas já foram desmontadas, ela não tem mais a menor condição de retomar suas pedaladas e fazer empréstimos imobiliários com comprovação de renda através de transferência entre contas, aceitar mais pessoas na declaração de renda para financiamento do que aquelas que efetivamente irão pagar, etc., na realidade, ela tem alguns bilhões de R$ de rombo para resolver, vindos de tudo que é lado. Desde fundo de pensão da FUNCEF onde ela pode ter que acabar ajudando a cobrir o rombo pedindo dinheiro para o governo (rombo acumulado de R$ 18 bilhões), até R$ 15 bilhões de “antecipação” de receitas do FGTS com os quais ela não pode mais pedalar, passando por outras estratégias de maquiagens contábeis que cada vez mais tem sido desmascaradas pelo TCU e proibidas de serem executadas. Espaço fiscal do governo para socorrer a CEF ou imprimir dinheiro? Esqueçam, o que tem acontecido tem sido exatamente o contrário e tende a se ampliar a partir do 2T17.

    Do lado da demanda por crédito, de onde virão os super-salários e mega-benefícios de alguns funcionários públicos que os estimulava a comprarem imóveis para morarem neles ou como investimento, como no exemplo do Rio de Janeiro? De onde virá a verba fácil da corrupção em pleno auge da Lava-Jato? Como vão continuar fazendo aqueles pagamentos vultuosos de propinas via imóveis, se estes cada vez mais foram expostos ao longo dos últimos anos? De onde virá o crescimento surpreendente de salários ligados à construção civil, que dependiam de uma combinação de altíssimo volume de vendas FALSAS na planta que hoje não é mais viável, mega crescimento no volume de investidores em imóveis na planta que não tem nenhuma motivação para se manterem nestes patamares, copa do mundo e olimpíadas que não vão acontecer mais, obras super-faturadas do pré-sal que não vão acontecer mais, dentre tantos outros eventos TEMPORÁRIOS que levaram a um crescimento ARTIFICIAL e INSUSTENTÁVEL nos salários, que inclusive acabaram se espalhando, pela euforia de consumo, também insustentável, para várias outras categorias de profissionais? Novamente, tem muito mais que isto, é só uma amostra. O resumo da ópera é que os salários também se inflaram de forma artificial e embora tenham desinflado um pouco, ainda há muito espaço para ajuste e volta à realidade. Isto também significa que a distorção entre preços dos imóveis e renda, apesar das quedas discretas dos preços dos imóveis, irá se manter ou até aumentar dependendo da velocidade para novas quedas na renda.

    Finalmente, respondendo à questão do Louro José, como sempre disse, acredito que em algum momento teremos uma queda mais brusca dos preços, pois governo, construtoras e demais agentes não vão conseguir “equilibrar todos os pratinhos” acima indefinidamente. ÓBVIO que vão pedalar, criar euforia especulativa e “agora vai” com uma infinidade de artifícios. Como havia dito antes, acreditava que esta queda maior nos preços deveria ocorrer até o final do 1S17, mas considerando-se as novas pedaladas dos agentes envolvidos, como também já havia pontuado recentemente, talvez se estenda até o 1S18. Deixem o pessoal do segmento imobiliário e agentes relacionados, irem comemorando estes adiamentos que estão obtendo com diversas ações apelativas e insustentáveis, baseadas em previsões orçamentárias erradas, análises simplistas, etc, o fato é que, como já vem sido demonstrado por grande volume de fatos e dados, quanto mais pedalam, mais fundo fica o buraco em que se enterram e o tamanho do impacto que terão que enfrentar quando não der mais para fugir da realidade…

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Louro José 17 de janeiro de 2017 at 09:19

      Valeu, CA.

      3+
      • avatar
  • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 09:25

    CA, noto a oferta de muitos imóveis em “cornomínios gourmet” que nunca foram habitados e muito provavelmente os proprietários construiram para moradia própria e devem estar com a corda no pescoço, não existe tanta gente “rica” assim em várias cidades que conheço muito bem.
    Devem ter financiado tudo isto e estão agora tentando escapar da motumbada.
    Tem casas que estão a venda já a vários anos e esta parte do loteamento não é grande, se procurar no “viva motumbado real” vai encontrar 82 imóveis, é muito mesmo em relação ao tamanho do empreendimento.

    “https://www.vivareal.com.br/venda/sp/sao-carlos/bairros/parque-faber-castell-ii/

    4+
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:41

      Lembram daqueles 02 sobrados aqui do Bairro Portão em CWB?
      Um era 715k e outro 790k com elevador interno. Anunciados há 05 anos. Trocaram de imobiliária 02 vezes. Picharam todas as paredes e o mato cresceu. Passei ontem ali. A princípio desistiram de vender. Tiraram as placas das urubulárias.

      P.S. os outros 03 que compraram financiaram. 02 deles perderam o emprego com altos salários. Um deles setor de máquinas pesadas e o outro RH.

      7+
      • avatar
      • avatar
      • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:45

        Ah… procurei e achei.
        Uma terceira urubulária
        http://www.imobiliariajamaica.com.br/imovel/sobrado-residencial-venda-portao-curitiba-pr/SO0142-JA1

        Baixaram para 768k
        Calculem aí 05 anos de juros não recebidos. Podem calcular com um valor factível de venda tb. kkk

        6+
        • avatar
        • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 09:49

          sofro de discalculia, mede aí pra mim

          1+
          • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:56

            Dias corridos entre a data de compra e a de vencimento: 1826
            Dias corridos entre a data de compra e a de venda: 1826
            Dias úteis entre a data de compra e a de vencimento: 1258
            Dias úteis entre a data de compra e a de venda: 1258
            Valor investido líquido: R$ 700.000,00
            Rentabilidade bruta (a.a.): 19,90%
            Taxa de Negociação (0,0%): R$ 0,00
            Taxa de administração na entrada: R$ 70,00
            Valor investido bruto: R$ 700.070,00
            Valor bruto do resgate: R$ 1.732.081,83
            Valor da taxa de custódia do resgate: R$ 18.240,61
            Valor da taxa de administração do resgate: R$ 486,42
            Alíquota média de imposto de renda: 15,00%
            Imposto de renda: R$ 152.003,22
            Valor líquido do resgate: R$ 1.561.351,58
            Rentabilidade líquida após taxas e I.R. (a.a.): 17,43%

            3+
            • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:31

              contando os iompostos de compra/venda + corvo (nem vou contar iptu e condo)
              perdeu aí facilmente 1 milho grande sobre 780 k
              perda maior que 100%
              perdeu 128%

              3+
              • avatar
            • O Cramulhao de FHCigienopolis45 17 de janeiro de 2017 at 10:32

              De onde veio a rentabilidade bruta maior de 19% ???

              2+
              • avatar
              • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 10:41

                Eu coloquei apenas 10% no ato da contratação.
                Fiz uma média simples entre os 7,25% e 14,25%. (2012 e 2015)

                2+
                • avatar
                • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 10:47

                  Coloquei 10% taxa do papel na compra.
                  Agora coloquei 0,05%.
                  Dias corridos entre a data de compra e a de vencimento: 1826
                  Dias corridos entre a data de compra e a de venda: 1826
                  Dias úteis entre a data de compra e a de vencimento: 1258
                  Dias úteis entre a data de compra e a de venda: 1258
                  Valor investido líquido: R$ 700.000,00
                  Rentabilidade bruta (a.a.): 10,05%
                  Taxa de Negociação (0,0%): R$ 0,00
                  Taxa de administração na entrada: R$ 0,00
                  Valor investido bruto: R$ 700.000,00
                  Valor bruto do resgate: R$ 1.129.319,15
                  Valor da taxa de custódia do resgate: R$ 13.719,89
                  Valor da taxa de administração do resgate: R$ 0,00
                  Alíquota média de imposto de renda: 15,00%
                  Imposto de renda: R$ 62.339,89
                  Valor líquido do resgate: R$ 1.053.259,37
                  Rentabilidade líquida após taxas e I.R. (a.a.): 8,53%

                  A questão é a característica do papel … aporte/realização….. etc.

                  2+
                  • avatar
        • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 09:50

          e o leilão de tomates aí no sul?

          1+
          • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:53

            uahuahuahua.
            O que que tem a ver?

            Eu só sei que estão jogando batata fora aqui no PR. Ano passado a saca era 80,00 esse ano o preço de mercado é 18,00. Não vale a pena nem colher.

            2+
            • avatar
            • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 10:06

              é o distrato do tomate e batata na planta, devolvem pra terra, nem pra extrato vão.

              6+
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 10:09

                huahuahuahuahuauhahuahuauha!
                Essa vocÊ foi boa hein?
                Correlacionou os na planta x distrato x extrato.
                😉

                3+
                • avatar
                • avatar
                • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:32

                  viu como tem a ver

                  1+
        • Antigo 17 de janeiro de 2017 at 09:56

          Bonito o imóvel até.

          Vale metade do valor pedido.

          3+
          • avatar
          • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 10:02

            Agora imagina o encanamento, rodapés, etc, 05 anos sem uso.

            1+
    • CA 17 de janeiro de 2017 at 10:01

      Carlos,

      A distorção entre oferta e procura, no caso dos imóveis mais caros, é maior.

      Sobre a “tese” do segmento imobiliário de que “tem muita gente rica”, é a mesma estorinha da tese de que “tudo é caro”, ou seja, frases generalistas e que todos os fatos e dados demonstram que não são verdadeiras, ou no mínimo, induzem as pessoas ao erro.

      Muitos proprietários estão fugindo da realidade HÁ ANOS, muitos QUEREM acreditar em qualquer fiozinho de esperança e com isto, se deixam levar CEGAMENTE pelas esperanças vendidas pelo segmento imobiliário, pela euforia do “agora vai”, dentre tantos truques utilizados para tentar manter o circo funcionando.

      Reitero: VÁRIAS estratégias de enganação foram desmascaradas ao longo do tempo. Estorinhas sobre trem-bala, revitalização de centro, crescimento sustentável da economia, BOVESPA a 200.000 pontos, que não haveria crise, que era só o governo imprimir dinheiro, no início de 2013 dizendo que o governo não precisaria baixar a SELIC, promessas de investidores estrangeiros comprando imóveis em grande volume, invasão de chineses, estudantes e empresários comprando volume sem precedentes de quitinetes em regiões centrais, já no início de 2015 promessa de vinda de fundos de investimentos para comprarem imóveis em larga escala, “teses” mirabolantes de que as famílias “se acostumaram e aceitaram imóveis menores”, baseadas em vendas de 1 dormitório que cresceram graças a concentração de 80% do total para investidores que em grande parte ficaram com os imóveis sem uso, sem conseguir alugar nem vender, a tese do governo todo poderoso que não ia “querer” que a bolha explodisse, a “teoria” que a CEF sempre teria dinheiro da verba da poupança, em grande volume, para estimular o crédito imobiliário, a “tese” de que a crise não seria tão grave (depois que a mesma passou a ser inegável), o “conceito” que uma legislação tornaria as construtoras “à prova de falências”, a recuperação “rápida” da crise que seria só política, a recuperação rápida da economia e do segmento imobiliário, que primeiro aconteceria no segundo semestre de 2014, depois em 2015, 2016, 2017, a redução da distorção entre estoque e vendas, assim como as reduções significativas em distratos, que tem promessas desde 2012 e só piora desde então, dentre uma infinidade de outros truques de DESINFORMAÇÃO. Não é que logo em seguida o segmento imobiliário e outros agentes começam a inventar uma nova fila de estorinhas para enganar o pessoal, como a tese do ajuste fiscal com efeito salvador imediato e indolor, redução da SELIC com resultado rápido e mirabolante, novamente a estória dos fundos de investimentos que vão comprar muitos imóveis novos e usados para alugar, a nova lei de distratos que vai salvar as construtoras, etc., etc., etc…. Pior de tudo: ainda tem gente que acredita!!!

      4+
      • avatar
      • Carlos 17 de janeiro de 2017 at 10:50

        Exatamente CA, inclusive este local que citei é para os chamados “novos ricos”, um descampado horroroso com terrenos maiores do que os “normais” e marketing de status, nada mais do que isso.
        E perto do shopping center da cidade, coisa que aparentemente os caipiras consideram uma vantagem em uma cidade que você cruza de ponta-a-ponta em 15 minutos 😀

        3+
  • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:42

    Dólar futuro abriu gap de queda enorme
    Dólar comercial -1,19%

    1+
  • Cajuzinha 17 de janeiro de 2017 at 09:45

    17/01/2017 Lançamentos da Even saltam 46,2% em 2016 | Valor Econômico
    http://www.valor.com.br/empresas/4838178/lancamentos­da­even­saltam­462­em­2016 1/1
    SÃO PAULO ­
    16/01/2017 às 20h48
    Lançamentos da Even saltam 46,2% em 2016
    Os lançamentos da Even Construtora e Incorporadora subiram 46,2% no ano passado em
    relação a 2015, para R$ 1,3 bilhão. Sem considerar a parte de seus parceiros, os lançamentos da construtora
    somaram R$ 1,1 bilhão.
    As vendas líquidas caíram 18,7% na mesma base de comparação, para R$ 1 bilhão.
    No quarto trimestre, os lançamentos totalizaram R$ 510 milhões, queda de 0,7% em relação ao mesmo
    trimestre de 2015. A parte da Even somou R$ 413 milhões.
    Em igual base de comparação, as vendas caíram 49% no trimestre, para R$ 237 milhões.

    2+
    • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:48

      Lançar é fácil.
      Precificar os tijolos é fácil.
      Vender e receber não é nada fácil.

      4+
      • avatar
      • avatar
    • CA 17 de janeiro de 2017 at 10:23

      Cajuzinha,

      O estoque a valor de mercado da Even ao final do 3T16 era de R$ 2,5 bilhões.

      Teve vendas em 2016 de R$ 1,1 bilhão.

      Para que lançamentos de R$ 1,3 bilhão em 2016, 42% superiores a 2015???

      No mundo de FAZ DE CONTA do pessoal do segmento imobiliário, mesmo quando uma construtora tem estoque equivalente a mais de 2 ANOS de vendas e o normal é que nunca passe de 1 ANO, ela tem que lançar mais e ir aumentando cada vez mais esta distorção entre oferta e procura.

      No UNIVERSO PARALELO habitado pelo segmento imobiliário e agentes relacionados, a lei de oferta e procura não tem a menor importância. Lá, provavelmente, também não existe a lei da gravidade…

      Sabem aquilo que as montadoras de automóveis fazem, de imediatamente reduzir a produção quando o estoque alcança um patamar maior do que 45 dias? Sabem aquilo que TODA E QUALQUER EMPRESA faz quando está com super-estoques, de reduzir suas compras e produção quando se trata de indústrias? Sabem os conhecimentos consolidados através de experiências comprovadas ao longo de SÉCULOS que demonstram que este é o melhor caminho? Pois é, peguem tudo isto e joguem no lixo, pois o brilhante segmento imobiliário está revolucionando tudo aquilo que até então era considerado como parte das “melhores práticas”!

      Está com super-estoque, que é mais do que suficiente para você vender e gerar resultados? Estes super-estoques já estão destruindo seu caixa? Ignore-o! FAÇA DE CONTA que não existe este super-estoques e aumente os lançamentos!!!

      Pois é, enquanto isto ainda tem gente que FINGE acreditar que isto não é pedalada, que não estão aumentando os lançamentos só para aumentar as vendas FALSAS na planta e SIMULAR uma recuperação. Fazem de conta que a lei de oferta e procura é algo fácil de ser abolido…

      De novo: quanto mais pedalam, maior o tamanho do buraco. A distorção entre oferta e procura no caso da Even aumentou. Quando ela for obrigada a parar de pedalar por falta de fôlego, como já aconteceu com várias construtoras, daí é que vai aparecer a distorção real, que é de muito mais anos entre o estoque e as vendas. É disso que estas construtoras morrem de medo e tentam protelar ao máximo, só piorando cada vez mais sua situação conforme vão adiando o inevitável…

      4+
      • avatar
      • avatar
      • Cajuzinha 17 de janeiro de 2017 at 10:32

        “As vendas líquidas caíram 18,7% na mesma base de comparação, para R$ 1 bilhão.”

        1+
  • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 09:47

    CVR

    choveu pra caralho ontem, + que o domingo dos 65 anos.

    (o que não siginifica nada, a depender da posição do pluviógrafo, a rede é ínfima, os pol de thyssen são gigantes se é que calculam direito)

    1+
    • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 09:49

      discalculia tbm afeta metereologia e olha que é gente alto nível, tipo cramulhão

      2+
      • avatar
    • Zé Carioca 17 de janeiro de 2017 at 09:52

      A RosinhA e o Quiumento que eram defensores ferrenhos do GABU. Nessa ela errou feio, mas o saldo dela no blog é mais que positivo e os comentários sarcásticos dela fazem bastante falta ao blog.

      4+
      • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:07

        sobrando tomate
        kkkkk
        ela não estava errada, eles apenas não souberam colocar a questão de escala no tempo e no espaço
        os cilcos da natureza vistos de perto são dramáticos

        vistos de longe, são apenas mais 1

        (eu que vi um terremotinho e uma erupção de enxofre seguida de terremoto posso te dizer, só falta ver um tsunami, cara a natureza impressiona corações moles e fortes, todos viramos pingos)

        4+
        • avatar
        • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 10:25

          Pelos indices de CAPE e LIFT, e cisalhamento 250hPa E 500hPa… não vai chover na Horta de plantas dos corvos esse ano.

          3+
          • avatar
          • avatar
  • Luladranus 17 de janeiro de 2017 at 09:49

    OFF

    Caixa com janela para Fundo Capital Protegido IBovespa Cíclico I Multimercado – FIC, até dia 08/02, investimento mínimo de 5k Temers, alguém já se aventurou por esse tipo de PMJ? Vale a pena ou é furada?

    1+
    • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:51

      Eu não gosto porque as taxas comem muito do possível lucro.
      Prefiro administrar eu mesmo.
      Assim como não gosto da COE´s. Certificado de Operações Estruturadas.

      1+
    • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:27

      lixo
      vc pode até dar sorte, normalmente quem ganha é o corretor
      as COE ainda valeriam a pena pelo trampo que é especular na terra do trump, ams como o from falou, é quenem consórcio, pagar para fazerem o que vc mesmo pode fazer.

      1+
  • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:54

    Prenderam o xarope do Boulous. Líder burguês(!) do Moradores Sem Teto
    http://m.oantagonista.com/posts/prisao-de-boulos-conduta-criminosa

    3+
    • avatar
    • Zé Carioca 17 de janeiro de 2017 at 09:56

      Finalmente, esse é bandido mesmo. Torço para que o Lula tenha o mesmo fim ainda esse ano.

      2+
    • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:10

      sensacional, pena que esse motivo não fica mais que 48 horas na delega
      o psdb aqui de Sp lacrando uma atrás da outra contra o dito facismo cultural, se vcs puderem seguir algum link daqui, é todo dia, todo dia

      a de hoje é até um CVR, faz 5 minutos passei pelo local, doria mandou lavar o estilinguao das pixaççoes e colocou uma camera e 1 viatura da guarda civil que antes servia pra multa vigiando o local https://www.facebook.com/jdoriajr/posts/1312583545465120

      2+
  • Cajuzinha 17 de janeiro de 2017 at 09:55

    Com inflação, preços do aluguel caem quase 9% em 2016
    Levantamento do índice FipeZap mostra que valor médio da locação teve queda nominal de 3,23% no ano passado.

    http://g1.globo.com/economia/noticia/com-inflacao-precos-do-aluguel-caem-quase-9-em-2016.ghtml

    3+
    • avatar
    • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 09:59

      MAs os corvos não afirmavam que os aluguéis subiriam por conta da demanda?
      (os que não conseguiam crédito e renda para comprar)

      5+
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:25

        fingezap denovo
        é a repetição incessante entrando no subliminar das pessoas, mesmo quando se fala em queda, sempre em manchetes

        60% da população está altamente alavancada em cartão de crédito, o ajuste economico passar por essa população renegociar todas as suas dívidas, incluso aluguel, em termos de queda de 30% a 50% real, pelos próximos 3 anos, se vai pela inflação ou pelo downsizing ou renegociação de preço não sei, sei o que é condição sinequanon, um pouco de latim faz bem.

        0
  • From_The_Tower 17 de janeiro de 2017 at 10:01
  • Lucas 17 de janeiro de 2017 at 10:02

    Libertario

    Perfeito velho.
    Lendo de novo teu comentário, juntamente com esse, ficou absolutamente claro.
    É o que tenho levado para minha vida.
    Faz mais diferença estudar como os dois candidatos se comportam, e me preparar para operar em ambos cenários, do que ficar fazendo campanha contra, ou a favor, de A ou B (tudo veado By Simone).

    Sua visão sobre o Trump tem haver com isso, não?

    A proposito, já entendi que VC considera o Trump um Lula que fala ingles, mas HOJE (importante o fator tempo nessas opinioes)
    sua opinião é que ele despejara dólares na economia (fazendo a moeda baixar), ou vai segurar os gastos (fazendo ela subir)?

    1+

    um lula 2002, não o atual
    pega os discursos a semelhança é absuuuurda
    no meu ver o Trump será um copnservador na ecopnomia, assim como lula 2002 chamou o Meireles mais conservador que o anterior do FHC.
    Trump vai fazer uma agenda norte-norte com o brexit, com taiwan, com a russia ex-velha-aliada e até com a china, assim como lula fez uma agenda sul-sul
    prevejo muita prosperidade economica, agora disto não sei como fica o cambio, a principio dolar iria ficar +caro, mas não é bem assim, quando os usa vai bem o mundo vai bem.
    o X da questão é o velho acordo dos petrodolares Opep+uau striti que substituiu o ouro em breton udis, ele deverá ser +pragmatico, estilo lula, e dar uma banana praquele rolo no oriente médio, assim como dar carta branca pra Israel, isso é uma decisão perigosa, vai gerar um vácuio de poder imenso, os milico do suvaivalism estão comemorando, pois põe de novo na moda a tese da ww3 e dá utilidade àquelas porras todas que eles construíram, aprenderam e fazem, eles estão torcendo por isso, é gente louca total, criada no leite com pêra se achando os caubói. Esse é o grande X. mas aposto num pragmatismo, tudo blefe.

    2+
  • Alemon Fritz 17 de janeiro de 2017 at 10:45

    topico novo

    1+