#Relembrando – Porque acredito que estamos numa bolha imobiliária – Pedro Junior

Você pode gostar...

Comments
  • henrique 3 de maio de 2012 at 11:03

    Pessoal, prestem atenção!

    Ao pretender reduzir a remuneração das aplicações em caderneta de poupança em pleno ano eleitoral, o governo está passando recibo de que a situação da economia está se deteriorando rapidamente; tão rápido que ele não pode esperar até outubro.

    Podem apostar que vem turbulência pela frente.

    abs

    0
    • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:08

      Amigo, a popularidade da presidente permite que ela altere o rendimento da poupança sem maiores complicações.

      E estamos no meio de uma crise mundial, sinceramente, o que você esperaria da situação econômica atual?

      Na boa? Pare de torcer contra o Brasil e volte a trabalhar.

      0
      • Pablo 3 de maio de 2012 at 13:12

        Hévin;
        A popularidade é da Dilma e não da situação socioeconomica, se não vejamos:
        A violência continua, a educação nunca foi pior e a saúde onde está!
        Se os orgãos de pesquisa perguntassem sobre segurança pública, educação pública(não a paga) e saúde BÁSICA(não da nem pra pensar em outra), os números seriam outros!

        0
      • CapEnt 3 de maio de 2012 at 14:17

        Popularidade some rapidinho quando mexe no bolso, vide Collor e Marta Suplicy.

        Onde ela realmente deveria utilizar a popularidade dela, é uma montanha fenomenal de problemas políticos: a reforma tributária. Sem isso, o que vamos ver aqui serão “pacotinhos” cheios de vento lançados dia após dia para executar correções pontuais na economia, cada vez mais descontrolada e instável. E conforme o loop de interação positivo for alimentado, o governo irá começar ter que reagir duas a três vezes por dia, até perder o controle de vez.

        Sem isso, só temos três opções:
        – Deixar a inflação disparar.
        – Deixar a economia entrar em recessão após o crédito cessar. (o que vai acontecer com uma redução ainda maior dos níveis de poupança já baixos do Brasil)
        – Retomar a política pré-2006 de juros da SELIC,e jogar ele acima de 15%, reduzindo nosso já patético crescimento para 1%, no máximo, por uns 3 anos seguidos.

        O nosso problema não é crise mundial, todos os grandes emergentes estão conseguindo manter um bom crescimento, até o México, que é altamente dependente dos EUA, tem previsão acima de 3,6% pelo FMI. O nosso problema é interno, estrutural.

        0
      • henrique 3 de maio de 2012 at 18:02

        Leia com atenção o que escrevi e perceba que não fiz nenhum juízo de valor sobre a conduta do governo; apenas constatei um fato.

        0
      • Engenheiro-SJC 3 de maio de 2012 at 18:05

        Esta popularidade vai se manter tanto quanto uma galinha consegue se manter voando….

        Por que? Há motivos de sobra…

        O consumo está em constante declínio. As famílias estão endividadas, consumidores e empresas inadimplentes, como nunca.

        E os preços começam a subir. O IPC-Fipe, saiu de 0,15% no mês de março, para 0,47%, em abril. Com o que? Despesas pessoais e vestuário.

        Para piorar, não há sinais de crescimento econômico. As importações em queda sinalizam para o consumo menor. Em pouco tempo, o mercado de trabalho vai sentir. Empregadores foram desestimulados a contratar.

        Quanto ao comércio, nada de bom a se falar. Temem a inadimplência crescente. A Serasa Experian tem mostrado que o avanço do endividamento e da inadimplência entre os consumidores, diminui os recursos para o consumo.

        Desonerações, reduções de juros, pacotinhos setoriais já não surtem os efeitos esperados. Agora, a lógica para o crescimento econômico é bem diferente do que aquela instalada por Lula.

        A demanda interna já não consegue substituir, com a mesma eficiência, a retração do mercado internacional.

        Os discursos de Dilma conseguirão apagar a falta de grana no bolso???

        0
  • Mr.Crowley 3 de maio de 2012 at 11:06

    So tem uma coisa que esta me preucupando…Como ja foi dito aqui , a batalha final seria travada nos alugueis, e nao vejo os precos dos alugueis cederem. Obviamente eles nao estao acompanhando a valorizacao artificial insana dos imoveis, mas ainda estao subindo, ou na melhor das hipoteses se mantendo. Moro em Campinas-SP , e acredito que de pra queimar uma gordura de ate 10% nos precos anunciados ( as vezes), porem tem muita imobiliaria se antecipando, e bolhando os precos so pra dar um desconto e o cliente achar que ta se dando bem.
    Olha, Apto ruim e detonado aqui tao pedindo uma grana, e segundo uma corretora que conversei, os proprietarios nao tao nem ai de fazer manutencao, quem quiser pega assim mesmo, segundo ela pode ate demorar, mas no final alguem aluga. O pior e que parece que ela tem razao, nao vejo muito ap parado na locacao , mesmo com precos muito altos.
    Aptos < 400.000 tambem nao esquentam muito. Os acima de 500 mil, parecem mais travados…
    Abracos aos colegas bolhudos…

    0
    • Charles 3 de maio de 2012 at 11:21

      Discordo.

      No inumeros edificios fantasmas da minha cidade tenho visto anuncios de aluguel com até 1000 reais de desconto.

      Quando lançaram esses condominios fabulosos, os preços pedidos eram 3000, 2800, quando havia uma pechincha estava por 2500 reais.

      Agora tenho encontrado alugueis de varios aptos nesses predios por 1600 e ainda estão encalhados.

      0
      • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:03

        Mas isso varia de bairro para bairro e de cidade para cidade, em qual cidade você mora Charles?

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 12:41

          mas não estamos na fase de descida dos alugueis (ainda não), são ETAPAS, e estas não precedem as outras, são consequencias, então PAREM de esperar por algo que não está acontecendo, o que deve acontecer agora é o acumulo de oferta de venda, aumento nos anuncios, depois com a estagnação de compra ocorre o aumento da oferta de aluguel, com isso temos diminuição dos preços, ainda assim ocorrerá um repique, com as reduções dos juros nominais o governo acaba com a percepção de remuneração menor dos alugueis, daí a possivel ruptura migra para a sobreoferta, então podemos ter um longo caminho pela frente…

          0
          • RosinhA 3 de maio de 2012 at 12:46

            Peterson concordo mas o brasil é o país que acontece tudo de forma abrupta, o cara já pensa no que vai fazer amanhã para ganhar mais dinheiro, e isso pode acelerar bastante, o dinheiro aqui passa para áreas totalmente impensadas de uma hora para outra, mas tudo o que tem muito não tem valor, aí quero ver amigo qual a liquidez.

            0
            • peterson 3 de maio de 2012 at 13:00

              RosinhA penso que a maioria dos proprietários de imóveis não conheçam nada sobre economia, assim não ligam para liquidez, insolvencia e depreciação inflacionária, nós temos uma visão viciada de que todos sabem o que nós sabemos e essa não é a realidade, o povão vai andar em engarrafamentos igual cupim, vai fazer compras nzos dias de pagamento igual formigas e vai seguir a moda igual zebras, o povão é sempre manada… a humanidade é assim…

              0
          • Davi 3 de maio de 2012 at 13:09

            Perfeito, 0,3% a.m vai ser o normal numa economia de juros baixos. A comparação com os 0,5% mensais da poupança vai perder sentido.

            0
          • Alemão 3 de maio de 2012 at 15:27

            Salvador, Bahia
            Sobre aluguéis…
            vou resumir uma longa história, porém dos mega alugueis que tive que enfrentar, como alugar um imóvel de 1q por 2500 reias, acabei por locar um imóvel de 4q, novo, 4vagas de garagem, 150m de área privativa por 2k… sendo que tem várias taxas que não pagarei.

            posso relatar outras várias negociações que fiz nesses 3 meses de vida em Salvador…

            0
  • Zoom 3 de maio de 2012 at 11:08

    Parcelar imóvel no longo prazo nem sempre é vantajoso

    Ao invés de assumir dívida ‘a perder de vista’, consumidor pode adquirir moradia menor ou reduzir as parcelas do financiamento habitacional

    SÃO PAULO – O crescimento do crédito imobiliário e os juros menores tornaram mais fácil comprar um imóvel. Como contrapartida, os preços explodiram e o consumidor aceitou assumir um financiamento de prazo maior para conseguir encaixar no orçamento. Uma linha de crédito “a perder de vista”, contudo, pode não ser vantajosa ao comprador.

    Na Caixa Econômica Federal, que acabou de reduzir o juro do crédito habitacional, o prazo médio dos financiamentos pulou de 18,3 anos para 25,3 anos de 2002 até este ano, um aumento de quase 40%, de acordo com o diretor de habitação do banco, Teotônio Rezende.

    Mas, na ponta do lápis, mais parcelas a pagar não são sempre sinônimo de bom negócio. A simulação a seguir mostra o porquê. Um imóvel de R$ 500 mil, com entrada de R$ 100 mil, juro anual de 9% e financiado em 20, 25 ou 30 anos. Entre o menor e o maior prazo, a diferença das prestações é de R$ 555 (R$ 3.994 e R$ 4.549, respectivamente). É um valor que decidirá se você assumirá (ou não) uma dívida por 10 anos a mais. Perfil, idade e renda do comprador também influenciam, mas os números “crus” desse cálculo ajudam a pensar melhor o financiamento. Você também pode fazer simulações usando as informações do seu imóvel e o juro oferecido pelo seu banco pelo Zap Imóveis, o mesmo usado pela reportagem.
    “O consumidor opta por um prazo maior porque tem uma prestação menor e uma folga maior na renda”, diz Rezende. A recomendação, contudo, é optar pelo menor prazo possível na hora de fechar um crédito imobiliário. Além de reduzir o gasto com o pagamento de juro, o comprador ainda terá uma margem de manobra para negociar com o banco, caso precise reduzir o valor da parcela no futuro. Essa escolha, porém, deve sempre respeitar o limite máximo de 30% para comprometimento da renda com o financiamento.

    Roy Martelanc, economista e professor da FEA-USP, afirma que o consumidor deve evitar a prática de apenas checar se a prestação cabe no bolso e passar a olhar para o prazo. “Não recomendo (o financiamento imobiliário de longo prazo), são anos de vida que você está pagando. Se possível, financie em menos tempo ou compre um imóvel menor”, afirma.

    O aumento do comprometimento com dívida de imóvel é sinal de mudança de patamar do País, na avaliação de Eduardo Zylberstajn, economista da Fipe e coordenador do índice FipeZap, que mede o valor de apartamentos. “O Brasil está chegando hoje ao mesmo nível de nações desenvolvidas, como os Estados Unidos, onde o financiamento da moradia é uma dívida para o resto da vida”.

    Mas Martelanc, da FEA-USP, pondera: “Ainda estamos longe dos outros países em tamanho da dívida imobiliária sobre o PIB”.

    A conclusão de Zylberstajn é que, além das condições facilitadas de crédito, o aumento da renda do trabalhador também explica o boom imobiliário, notadamente a partir de 2008. “O valor comprometido da renda mensal (com parcela de financiamento habitacional) manteve, aproximadamente, o mesmo peso para o trabalhador típico. Isso se explica pela combinação de juros mais baixos e prazos maiores, que permitiram o crescimento das tomadas de empréstimos”, afirma.

    O salto do preço dos imóveis já afeta também os consumidores mais endinheirados. Na Idea!Zarvos, empreiteira de imóveis de alto padrão, clientes que antes pagavam o imóvel à vista hoje optam pelo financiamento, conta o presidente da empresa, Otávio Zarvos. “Mas são prazos menores, de até 10 anos”, ressalta. Apesar disso, ele considera positivo o movimento do mercado imobiliário e diz que já notou um aumento de procura dos jovens pela moradia própria.

    0
    • Zoom 3 de maio de 2012 at 11:09

      -http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,parcelar-imovel-no-longo-prazo-nem-sempre-e-vantajoso,111066,0.htm

      0
    • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:11

      No longo prazo os imóveis tendem a acompanhar a inflação, isso não é novidade para ninguém, basta pegar os preços de 15 anos atrás e atualizá-los pelo IGP-M

      0
      • Paty 3 de maio de 2012 at 12:24

        Hévin cirilo nem sempre…já fiz uns calculos pelo IGP-M que não fecham ha imoveis que valorizarão muito mais….baseados na lei de Gerson outra coisa que se tem que levar em conta em calculos de valorização de imoveis é a famosa depreciação que em 15 anos – estudo de caso que vc sugere- deprecião muito…

        0
        • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:31

          Quem é Cirilo?

          Sim, mas eu diria que é bastante complicado calcular a depreciação dos imóveis.

          0
        • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:35

          Ah, e é valorizaram e não “valorizarão” e depreciam ao invés de “deprecião”, além disso o uso de algumas vírgulas é de bom tom.

          0
          • Paty 3 de maio de 2012 at 12:50

            obrigada pela aula de portugues cirilo.. vc acha que eu nao sei que é vc acabou de confirmar… toda vez que vc escreve sempre coloca mil pontos de interrogaçao nas frases….

            0
          • Paty 3 de maio de 2012 at 12:52

            obrigada pela aula de portugues .. mais eu sei que vc é o cirilo vc nao me engana toda vez que vem aqui coloca milhoes de pontos de interrogaçao nas frases e sempre fala do mesmo tema…

            0
            • Hévin 3 de maio de 2012 at 14:20

              Sério, quem é esse Cirilo?

              Sou médico e não tem nem uma semana que posto aqui.

              0
              • J.Aranha 3 de maio de 2012 at 15:13

                Boa tarde!!

                Acompanho as excelentes discussões do blog mas nunca interferi.
                Porém não resisto a esta “coincidência”:
                Cirilo=Cyrela
                Hévin=Even

                Sem mais, meretíssimo….

                0
              • Rico 3 de maio de 2012 at 17:44

                Cirilo é um morto-vivo que puxa os pés dos paranóicos aqui.

                0
                • Paty 3 de maio de 2012 at 17:48

                  kkk o engraçada é como 2 pessoas completamente diferentes pensam e escrevem a mesma coisa, com o mesmo estilo..kkk

                  0
          • Charles 3 de maio de 2012 at 13:53

            “Deprecião”- velho, cá pra nois heim?

            Que chute no saco heim professor….

            0
            • Paty 3 de maio de 2012 at 14:10

              avê foi mesmo kkk mais hj estou tão ocupada que escrevi correndo sem rever o texto..kkkkk

              0
            • LEOTEX 3 de maio de 2012 at 14:54

              Estamos num blog sobre mercado imobiliário, não numa prova de concurso público. A intenção é trocar idéias. Erros de digitação e ortografia são mais do que normais na internet. Essas correções, além de desnecessárias, só tumultuam.
              Já vi por aqui pedradas num português correto e pérolas mal apresentadas. Natural, não é um blog de literatos. Há uma grande diferença entre saber como escrever e saber o que escrever…

              0
              • Zoom 3 de maio de 2012 at 15:12

                É isso que eles querem, mudar o foco do discuso, ou melhor, atrapalharem as conversas.

                Mulecagem….

                0
              • LEOTEX 3 de maio de 2012 at 15:25

                olha aí um erro meu, ideia perdeu o acento!
                corrigido antes q patrulha do prof. pasquale cirilo neto apareça…

                0
        • tvasco 3 de maio de 2012 at 15:04

          Você poderia postar pra gente ver também?

          IGP-M de 15 anos eu até consigo obter, mas preços de imóveis de 15 anos (amostra representativa) eu não consigo.

          0
          • Paty 3 de maio de 2012 at 16:11

            pequise uma cidade qualquer no Brasil pegue o valor do cub de 15 anos atras, faça com que quem construiu obtenha um lucro de 65 porcento(jogando bem para o alto, pois o lucro varia muito de regiao para regiao mais fica entorno de 30 a 50 porcento) ai vc obtera o valor medio de 15 anos atras.. eu tenho um caso em familia que um tio meu comprou um ap em 1999 pelo valor de 40 mil reais e hj o mesmo ap vale 780 mil reais , nao há conta que explique esse aumento..meu sogro comprou um ap em Florianopolis em 1997 quando meu marido entrou na faculdade ele estudou na ufsc, ele pagou na epoca 25 mil reais em um ap de 70 metros quadrados , o ap foi vendido em 2009 por 180 mil reais.

            0
            • Paty 3 de maio de 2012 at 16:26

              outra coisa importante o valor do terreno esse varia muito , mais eu posso te ajudar com a cidade em que eu nasci, Campo Grande MS, em 1996 meu pai comprou um terreno em um loteamento sem nenhuma infra estrutura, porem meu pai pensou no valor futuro pois naquela região iria ser construido um condominio de luxo com previsão de varios comercios serem instalados na região e por se tratar de uma região que fica localizada a 15 minutos do centro da cidade, na epoca ele pagou 5 mil reais, em 2010 ele vendeu o terreno, por 85 mil reias , varias obras de infra foram realizadas na região e o terreno era bem grande 650 metros quadrados.. então eu falo que não há correçao que justifique esse tipo de alta….mais tarde eu dou uma fuçada na net e coloco aqui o cub de algumas regiões do pais de 15 anos atras…

              0
              • tvasco 3 de maio de 2012 at 18:27

                Valeu, Paty!

                0
          • Rico 3 de maio de 2012 at 17:45

            h t t p ://www.calculoexato.com.br/

            Aqui tem todos os índices financeiros.

            0
            • Paty 3 de maio de 2012 at 17:46

              obrigada rico

              0
      • LB 3 de maio de 2012 at 12:51

        Hévin,
        O que você falou só é válido até 2008. A partir daí, com o início da nossa BOLHA, os preços dos imóveis se descolaram da curva de inflação.
        Para voltarem para a curva, os preços hoje precisam cair cerca de 40%

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 13:21

          existe outra possibilidade, basta a inflação seguir adiante na casa dos 6% e os preços se manterem como estão, que em 6 anos os preços serão “igualados” ao valor justo… eu acho que vai ser isso que vai ocorrer….

          0
          • Rico 3 de maio de 2012 at 17:46

            Infelizmente teremos arrocho salarial também.

            0
  • Eskeleto 3 de maio de 2012 at 11:11

    Aqui em Santo André saio para levar minha filha para a escola e vejo o aumento de plaquinhas de vende, mas ultimamente eles tem trocado por placas de aluga se eu fizer uma análise no meu bairro daria praticamente 3 casas para cada quarteirão entre aluga e vende, sendo que a maioria está ainda tentando vender e vejo muitos terrenos que foram comprados sendo demolido e construindo casas germinadas e ap de 2 andares, mas já foi lançado a 4 meses alguns e não foram vendidos ainda oque significa o pessoal não está comprando realmente.

    0
    • RosinhA 3 de maio de 2012 at 12:30

      Onde acompanha em Santo André, qual bairro?

      0
      • peterson 3 de maio de 2012 at 13:22

        como eu disse : trata-se de um movimento esperado….

        0
      • Eskeleto 3 de maio de 2012 at 13:39

        Vila Helena, fica próximo a R. Carijós e esse trajeto que falo é pela rua Coronel Seabra (bairro) onde tem várias casas vendendo alugando e esses apartamentos.

        0
        • CapEnt 3 de maio de 2012 at 15:18

          Utinga está indo nesse mesmo caminho.

          0
          • RosinhA 3 de maio de 2012 at 16:34

            Conheço muito a cidade, perto do Pignatari acho excelente lugar, tem tudo e tudo perto inclusive Craisa ótimo, já Vila Helena igual tudo perto, o legal da nossa cidade é isso, todos bairros tem seu comércio próprio e bem definido, por isso acredito que os preços iriam baixando aos poucos ou ficarem estáveis com boas compras pontuais aqui e ali, acho que tem pelo menos uns 10 aqui.

            0
  • Charles 3 de maio de 2012 at 11:35

    Deparei me com este parágrafo ao ler a matéria de hoje do mises que cai bem ao momento que estamos passando na economia:

    “Sendo assim, é preciso fazer uma distinção entre as atividades que realmente estimulam a acumulação de capital e aquelas que levam ao seu esgotamento. Uma economia em aparente crescimento não irá manter este crescimento caso não haja acúmulo de capital suficiente para sustentar este crescimento. Neste caso, diz-se que o crescimento é artificial, baseado exclusivamente em um aumento da quantidade de dinheiro na que faz gerar a ilusão de enriquecimento. Já uma economia em recessão não sairá da recessão enquanto não acumular o capital necessário para tal.”

    “mises.org.br/Article.aspx?id=1298”

    0
  • Jack Imóveis 3 de maio de 2012 at 11:45

    Caros,

    Se alguém tiver oportunidade de ler o jornal O Globo de hoje, há um encarte sobre o Feirão da Caixa. Nele hé um texto falando que no RJ a demanda é 5 vezes maior do que a oferta.

    Mrk, seus comentários?

    Abraços

    Jack – Provocando

    0
    • Leo 3 de maio de 2012 at 12:41

      Nunca entendi isso direito… as pessoas se multiplicaram ? Do nada apareceu mais gente que antes ? Ou sera que todos estao se separando ? Sera que o site http://www.realdoll.com esta exportando em massa p/ o brazil e os ricos estao comprando APs para as bonecas ?

      Ou sera que as pessoas que moravam na rua agora passaram p/ classe C / B ?

      Que doido né ? Pior que coelho… acho que até fibonacci ficaria assustado e trocaria a sequencia dos seus numeros.

      0
    • Glaucio 3 de maio de 2012 at 13:07

      Queria saber o que eles consideram como “demanda”. Pessoas que moram com os pais? Pessoas que moram em favelas? Pessoas que moram nas ruas?

      0
    • Mr. D 3 de maio de 2012 at 13:12

      Será que terá preços bons?

      0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 13:14

      vão sonhando né Jack

      Segundo um ranking de 300 cidades de maior interesse turistico do mundo, o Rio ocupa as ultimas posíções, junto com florianopolis. Na lista SP nem entra como possivel destino.

      0
      • Revoltado 3 de maio de 2012 at 13:45

        Não confio nesse tipo de ranking ou pesquisa. Sempre são tendenciosos, afinal tem alguém pagando por eles.

        0
    • Leo 3 de maio de 2012 at 13:21

      Nunca entendi isso direito… as pessoas se multiplicaram ? Do nada apareceu mais gente que antes ? Ou sera que todos estao se separando ? Sera que o site w w w.realdoll.com esta exportando em massa p/ o brazil e os ricos estao comprando APs para as bonecas ?

      Ou sera que as pessoas que moravam na rua agora passaram p/ classe C / B ?

      Que doido né ? Pior que coelho… acho que até fibonacci ficaria assustado e trocaria a sequencia dos seus numeros.

      0
      • Charles 3 de maio de 2012 at 14:01

        Leia o artigo que saiu hoje no mises (link no meu post logo acima), fala justamente da insustentabilidade economica quando ela é fomentada pelo estado que, num primeiro momento todos se sentem ricos, mas o meio circulante não é capaz de manter a estabilidade economica por não ser um crescimento legitimo advindo de atividades economicas lucrativas que atendam as reais necessidades dos consumidores.

        Excelente artigo e muito esclarecedor.

        0
        • Leo 3 de maio de 2012 at 15:49

          Gostei do artigo.. obrigado por compartilhar.

          0
    • Revoltado 3 de maio de 2012 at 13:47

      Se vc considerar a quantidades de pessoas que moram com os pais, ou dividem comodos em residencias, ou habitam favelas, é possível que todas elas queiram ter o seu próprio imóvel. No entanto quantas destas realmente podem pagar por ele? Essas sim são a demanda.

      0
      • Leo 3 de maio de 2012 at 13:57

        As que conheco que moravam com os pais nao pensam em sair e alguns que moravam sozinhos pensam em voltar a morar com os pais. A grande maioria prefere morar com os pais ao invés de ter que sair do bairro que esta acostumado para morar sozinho, devido aos preços.

        Conheco gente, inclusive com filho, que voltou a morar na casa da mae…

        Nao consigo entender de onde vem essa demanda toda.

        0
        • Revoltado 3 de maio de 2012 at 15:10

          mas eles querem voltar a morar com os pais por qual motivo?

          Se for por dificuldades financeiras, então no se enquadram como demanda.

          A demanda é composta apenas por aqueles capazes de pagar o valor pedido.

          Se eu entrar numa sala de aula e perguntar quem gostaria de ter um iphone novo, acho que uns 90% devem levantar a mao. Ao perguntar quantos podem pagar o valor que eu peço por ele, chegarei na demanda.
          Ou seja eu quero e posso.

          0
          • Leo 3 de maio de 2012 at 15:46

            Eles voltaram a morar na casa da Mae pq o Aluguel em Copa estava muito caro.

            Entendi a sua colocacao, mas confesso que agora ficou mais dificil ainda para entender de onde saiu esse numero que ainda tem demanda. haha 🙂

            0
    • Charles 3 de maio de 2012 at 13:57

      Demanda são pessoas que tem intenção ou desejo de comprar um imóvel, assim como eu tenho desejo de comprar uma Ferrari.

      Ter dinheiro e condições pra isso é só um detalhe. Então, construa-se imóveis pois a demanda é grande!

      0
  • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:01

    Isso realmente procede, o problema é que essa demanda não possuí rebda suficiente para adquirir um financiamento.

    Como está bastante complicado aumentar a renda média da população no cenário econômico atual, o governo pretende resolver isso reduzindo a taxa básica a 6.0% a.a e consequentemente os juros praticados no mercado imobiliário a algo próximo de 0.5% a.m, assim a prestação do imóvel equivalerá ao aluguel.

    0
    • peterson 3 de maio de 2012 at 13:26

      ledo engano, isso força o aluguel para baixo … é tudo uma bola de neve… o governo está adotando a postura esperada, remover com uma pá a neve de uma montanha…. nada vai impedir a avalanche

      0
      • Hévin 3 de maio de 2012 at 14:15

        Peterson, a primeira vista isso levaria sim os valores dos aluguéis para baixo, considerando que haveria uma diminuíção da demanda e uma manutenção da oferta.

        Mas se pararmos um pouco para pensar, com um cenário mais favorável para venda muitos proprietários podem retirar o imóbel do aluguel e decidir o vender.

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 17:12

          temos duas fichas na mesa uma aposta que o que impede a aquisição de imóvel são os juros da economia…. outro aposta que a renda da demanda atual está incompatível com o valor do imovel…. derrepente ambos estamos certos…

          0
  • Anonymous 3 de maio de 2012 at 12:05

    Na minha opinião, o que provocou um aumento absolutamente exagerado na construção civil foram os BILHÕES de Reais (se não me enagano 20 Bilhões de Reais) que as empresas captaram na bolsa de valores em 2007. Isso nunca havia acontecido antes. Com esse dinheiro começaram a construir como loucas. O financiamento e o MCMV vieram DEPOIS. Quem de fato já pagou pelos imóveis fantasmas que estamos constatando foram os trouxas que compraram ações das construturas em 2007. Até hoje já perderam 70% do que investiram.

    0
    • Hévin 3 de maio de 2012 at 12:20

      Amigo, não sei com o que você trabalha, mas a sua concepção sobre os IPO’s está equivocada.

      Quando uma empresa abre capital, temos duas ofertas, uma primária e outra secundária.A primária consiste em ações que a empresa mantinha em tesouraria, geralmente a menor parte, e a secundária em ações que o controlador e seus sócios desejem se desfazer, sebdo essa a maior parte ofertada.

      Na prática todo dinheiro do IPO não vai para empresa igual você pensou e sim para o bolso de seus donos.

      0
      • Anonymous 3 de maio de 2012 at 13:12

        Então, essa explosão na construção civil logo após a PRIMEIRA vez em que as empresas captaram dinheiro em bolsa de valores, foi uma COINCIDÊNCIA. É isso?

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 13:55

          não é coincidencia! você só colocou o carro na frente dos bois, pois o IPO foi consequencia do bom momento avaliado e não o IPO originou o bom momento avaliado…. o uso da captação é como nosso colega disse… daí tomara que caia sua ficha que os TUBAROES saem na hora que as sardinhas ficam em cardumes muito grandes…

          0
          • Anonymous 3 de maio de 2012 at 17:11

            Voce está enganado pois está pensando com a configuração ATUAL do mercado de ações da Banânia, esquecendo que nem sempre foi assim. O mercado de ações da Banânia era constituído principalmente por empresas que só trocavam ações entre os membros da familia – s;o para fazer de conta que havia transação. O tal “novo” mercado com idéias absolutamente contrárias ao pensamento bananense como TRANSPARÊNCIA é muito recente. Eu acredito que as construtoras pegaram o dinheiro dos trouxas que acreditaram nessa transparência. Nunca imaginaram que daria tão certo e por isso, somente depois da captação, é que começões a explosão de canteiros de obras.

            0
            • peterson 3 de maio de 2012 at 19:11

              blz… vc defende a captação visou aumentar ritmo e volume das obras … eu defendo que a captação foi a realização dos lucros dos detentores delas (anterior)…. derrepente estamos os dois certos….

              0
      • peterson 3 de maio de 2012 at 13:31

        o pessoal aqui as vezes tenta fazer cirurgia sem ser médico colega, quando eu não sei sobre o assunto eu digito w3.google.com e vejo mais ou menos o que se trata, talvez depois disso eu começe a falar um pouquinho…. o blog perde a credibilidade por causa do “não sei mas se colar colou” rs…

        0
        • Leo 3 de maio de 2012 at 16:16

          Peterson, adoro seus posts. Nao me entenda errado mas acredito que a ideia do blog nao seja somente chegar contando fatos ja processados e validados. No caso do Anonymous, que, diga-se de passagem, é um outro participante que tbm adoro ler os posts, iniciou o posto como “Na minha opinião” .

          Acredito que a ideia dele foi debater sobre o assunto, e nao afirmar ou direcionar algo.

          Se ficar esse clima de que só pode postar o que tem certeza, ai sairao 90% dos posts. Muita gente aqui chegou sabendo nada e aprendeu muito, eu sou um deles. Inclusive ja postei coisas que foram discutidas e percebi que meu entendimento estava errado… e em outros, certo.

          Queria ter esse seu cerebro de elefante e tempo para estudar as coisas que voce estuda. Peterson.wikipedia .

          [ ]s

          0
          • peterson 3 de maio de 2012 at 16:58

            Também gosto de alguns posts do Anonymous, afinal ele nos ensina os melhores caminhos para fugir do Brasil, trata-se de um plano X, válido com toda certeza, queria ter dicas dessas para suiça, Canadá ou Alemanha… errar é humano, porque para qualquer outro ser, errar quase sempre resulta na morte certa…

            0
            • Anonymous 3 de maio de 2012 at 17:14

              peterson,

              Não errei coisa alguma. Voce é certamente muito novo em termos de idade e acha que o mercado de ações na Banânia começou um pouco depois de voce nascer. Nem sempre foi assim, nem de longe. A sequência dnheiro captado SEGUIDA de explosão de construções é FATO.

              0
              • peterson 3 de maio de 2012 at 19:17

                Mark Zuckerberg tem somente 26 anos e tem mais dinheiro que todos desse blog juntos…. eu preciso de uma boa idéia rápido! pois já estou “ficando velho” rs

                0
    • Revoltado 3 de maio de 2012 at 13:54

      Todo esse dinheiro sem dúvida teve grande influencia nessa fase, permitindo o lançamento de mais empreendimentos. E a medida que estes vendiam em poucos dias, outros eram lançados por valores maiores e ai por diante.
      No entanto isso foi bom e ruim para as construtoras, pois elas assumiram mais compromissos do que eram capazes de realizar, e acabaram por inflar todo seu processo produtivo desde a aquisição de terrenos até a mão de obra.
      Esse é um dos motivos pelos quais a tantas reclamações referentes a atrasos na entrega de empreendimentos, além dos mais variados defeitos.
      Só no site do reclameaqui tem milhares só sobre a gafisa.

      0
  • Luiz - IMPORTANTE 3 de maio de 2012 at 12:22

    copnforme dissemos antes vem aí repique de preços.

    O mercado entendeu que mexer na poupança não será medida inócua, então já precificou no boato o que se concretizará futuramente no fato

    Construtoras dispararam enquanto a bolsa cai

    GFSA3 3,88 5,72
    RSID3 8,35 4,24
    MRVE3 12,10 3,86
    PDGR3 4,88 3,61
    CYRE3 16,23 3,51

    0
    • RosinhA 3 de maio de 2012 at 12:37

      Não adianta nada sem base no consumo pode colocar a notícia que quiser, não vira, é a mesma coisa que tentar mostrar que o custo benefício do Marea é ótimo.

      0
    • RosinhA 3 de maio de 2012 at 12:38

      O que importa é saber para onde foi o dinheiro de bilhões no prejuízo isso sim importaria a todos e muito.

      0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 12:57

      completando a analise
      observando a relação volume/negócios quem precificou a alta foram os sardinhas, ou seja, pode voltar tudo

      0
      • Paty 3 de maio de 2012 at 13:06

        Será Luiz…..

        0
        • Etmso 3 de maio de 2012 at 14:02

          Paty,

          Todos do blog são bem intencionado, mas estão tirando conclusões parciais a seu interesse.

          1) Governo abaixa o rendimento da poupança;

          2) Governo abaixa o juros;

          Em outras palavras: Compre um carro ou compre um imóvel pois seu dinheiro vai desvalorizar mesmo. Como é que os imóveis vão cair de preço? Eu já havia alertado, o governo vai segurar este PIB acima de 3% na martelada e não tem jeito, para isto é indústria ou construção, e a cartilhinha de 2010 do tal do PIBão.

          0
          • Luiz 3 de maio de 2012 at 14:23

            ET, carros não sobe o preço faz mais de 1 ano.

            O meu que era anunicado zero em 2008 por 39k hj o mesmo modelo está sendo vendido na promoção por 32k, aliás não está, as vendas da marca estão caindo, nem por 32k vende.

            Com imóveis será o emsmo destino, só esperar o tempo da elasticidade dos fatores

            0
            • Etmso 3 de maio de 2012 at 14:56

              Luiz,

              A produção de carro não tem nenhum grande fator limitador como os imóveis, o gargalo é o lote. Se na Zona Sul do Rio tivessemos uns 200 hectares de área para construir, pode ter certeza que os preços no Rio estariam muito mais baixos.

              Não vejo lógica comparar automóveis com imóveis. Assim como eu também parei de comparar imóveis de outros países, pois o preço do m2 esta barato em relação a outras capitais mundiais, mas o real está super valorizado, então a comparação não se faz jus.

              Estamos construindo um pensamento estruturado sobre o assunto no Brasil, o preços dos imóveis envolve variaveis das mais diversas, e cada cidade, país tem sua particularidade geográfica, cultural e economica-financeira. Não existe uma receita sobre este assunto, pronta e imparcial, o caminho é o blog mesmo, juntar as noticiais, dados e informações, mas o levar ao forno é a ofertaxdemanda, esta esta além de qualquer conclusão “não há preço alto que não possa subir mais e nem baixo que não possa descer mais”.

              0
              • Luiz 3 de maio de 2012 at 17:15

                ET, vc mesmo citou os carros

                leia-se acima:
                “Em outras palavras: Compre um carro ou compre um imóvel pois seu dinheiro vai desvalorizar mesmo.

                0
              • Andre da Bolha de Plastico (para evitar homonimos) 3 de maio de 2012 at 17:46

                Não Concordo muito com isso – China tem terra e espaço e deu bolha, Brasilia – Idem – são paulo Também – Espanha Também – acho que o problema não é a falta de terreno mas pura especulação. Lembra na era colollor que ele mandou vender o Mille 4 portas por 7 mil dolares? Vc. só conseguia comprá-lo coma Agio de 30% – (Pura Especulação) – Hoje o Mille não vale mais nada – Nem o Novo e Muito Menos o Antigo – Vá pedir agio em carro 1000 – vc será tido de “louco”

                0
          • Leo 3 de maio de 2012 at 15:54

            Nao entendo isso.. quem aqui deixa o dinheiro na poupança ? Mes passado um dos investimentos – renda fixa – que tenho ficou na casa dos 1.5%. A media de rendimento do mes passado, juntando todos os RF ficou um pouco acima dos 1%.

            Pode detonar essa poupança… qt mais subir a inflacao, mais minha aplicação vai render.

            0
            • Goiano 3 de maio de 2012 at 16:49

              Me fala que investimento é esse de 1% líquido ao mês que vou entrar também, desde que não seja Ponzi.

              0
              • Leo 3 de maio de 2012 at 17:31

                Ve com a sua gerente os investimentos relacionados a Inflacao. Esse que tenho rendeu 1.5 no mes passado. Vale mt a pena, inclusive acho que vou aumentar mais ainda minha exposicao nesse da inflacao.

                Minha conta é no Itau Personnalite…

                0
                • Toma-lhe Jhones 3 de maio de 2012 at 17:45

                  Leo não esqueça que estes fundos podem dar rendimento negativo, você deve ter algum fundo ligado ao papeis de IMA-B titulos publicos indexados a inflação. NO antigo Bamerindus, não vou fazer propaganda do banco, o fundo chama-se XXXX FI RF LP PRECOS esse ano ja rendeu 12% mas não esqueça que pode ter variação negativa de rentabilidade

                  0
                  • Leo 3 de maio de 2012 at 18:33

                    Nao sei se ele pode dar negativo, acredito que nao pelo fato de ser classificado como renda fixa. Mas posso verificar com o pessoal do banco. Estou a mais de 1 ano e ate agora foi só positivo..

                    De todo modo, coloquei sobre esse fundo pq nao acredito uma pessoa que tenha um montante p/ compra de um AP/CASA deixe o dinheiro aplicado na poupança.. por isso nao acredito que essa nova regra possa dar uma sobrevida aos imoveis. A nao ser o imoveis que pedem até 50k de entrada p/ financiamento do resto…. que deve ser o caso dos imoveis do MCMV.

                    Fundo Itaú Renda Fixa Index Inflação FICFI
                    Ultimos 12 meses: 16,27
                    mes / rentabilidade / IMA-B 5
                    Mai/11 0,79 0,90
                    Jun/11 0,54 0,66
                    Jul/11 1,12 1,26
                    Ago/11 3,71 3,91
                    Set/11 1,53 1,66
                    Out/11 0,55 0,68
                    Nov/11 1,32 1,41
                    Dez/11 0,01 0,14
                    Jan/12 1,73 1,85
                    Fev/12 1,35 1,46
                    Mar/12 0,98 1,12
                    Abr/12 1,59 1,71

                    0
                    • SPSPJULIANO 3 de maio de 2012 at 20:34

                      Leo, escrevi o texto abaixo para outro site, mas dê uma lida, pois o tema pode te interessar.

                      O que vc tem na carteira do seu fundo são títulos pré fixados (totalmente, como as LTNs, ou parcialmente, como as NTN séries B. O rendimento pode dar negativo sim na hipótese da SELIC voltar a subir (o que deve acontecer se ou quando a inflação começar a aumentar)

                      (se tiver curiosidade http :// http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro_direto/ consulta_titulos/ consultatitulos.asp)

                      Cuidado com esse negócio de comprar título (publico ou privado) de muito longo prazo com taxa PRÉ fixada (ainda que parcialmente).

                      A marcação de preço desses títulos é feita diariamente, se, de um dia para o outro o governo (e, consequentemente, o mercado) precisarem aumentar a taxa de juros para garantir a captação de recursos o tombo no preço dos títulos de longo prazo com taxa pré-fixada (ainda que parcialmente), pode ser enorme.

                      Dou um exemplo tosco, mas que pode dar uma idéia

                      Vc tem um título de 10 anos com taxa pré fixada de 10% ao ano. que vale hoje no mercado $385,54 e quando vencer daqui 10 anos valerá $1000,00.

                      Se a Selic precisar ser aumentada para 20% ao ano agora a tarde (guerra, crise, catastrofe, situações muito graves), o seu título terá que refletir a nova taxa de juro para que alguém queira comprar ele de vc, senão o comprador vai preferir emprestar(comprar um título novo) diretamente do governo.

                      Então o seu título vai valer hoje a tarde, mantida todas as demais variáveis menos a taxa de remuneração, o valor de $161,50.

                      E vc não vai ter tempo de vender nenhum deles, pois estes atos de estado que alteram a taxa de juros sempre são feitos de surpresa para que quem tenha títulos pré fixados não tenha nenhuma defesa.

                      Ou seja, de manhã para a tarde vc perdeu $224,04 por título,sem choro.

                      Isto se chama marcação a mercado e vale para todo e qualquer título público ou privado em qualquer moeda e em qualquer pais.

                      Tudo bem que isto é raro, mas não é impossível. Já aconteceu no governo do FHC algo parecido (a Selic estava 12% e foi para 20 e poucos de um dia para o outro). Esta situação foi inclusive a razão pela qual o governo obrigou a MARCAÇÃO A (PREÇO DE) MERCADO na contabilidade de todos os fundos, empresas, bancos, etc.

                      Pois, como na época isso não existia (a correção dos preços conforme o preço de mercado), com o aumento das taxas de juros os investidores de fundo que entendiam da situação venderam suas possições (e consequentemente os títulos relacionados) ao preço que valia com taxa de juros de 12% só que para pagar esses resgates os fundos tiveram que vender muito mais títulos do que esses resgatantes teriam de fato direito se fosse para resgatar os seus títulos como valor calculado com a taxa de mercado nova de 24%. E o prejuízo ficou na mão dos demais cotistas.

                      Tudo isso que eu falei vale também para títulos pré mais indice de inflação. Com uma dinâmica um pouco diferente por conta do indice de inflação ser variavel e dar uma segurança extra.

                      Se eu pudesse estabelecer uma ordem de segurança para compra de títulos públicos eu estabeleceria a seguinte (não estou me referindo a rentabilidade, mas a SEGURANÇA) 1) LFT 2)TÍTULOS MISTOS (PRE MAIS INDICE DE INFLAÇAO) e por fim 3) TÍTULOS PURAMENTE PRÉ FIXADOS.

                      A Dilma já entendeu isso (que é mais vantajoso para o tomador do empréstimo – Governo emprestar a taxas pre fixadas) e por isso está mandando as estatais e fundos de pensão trocar titulos pos fixados por títulos pre fixados. E a mesma razão pela qual a LFT do tesouro direto esta com desconto anual no juros de quem compra o título de 0,08. O governo está evitando vender LFT (pos fixado puro) e todo mundo esta competinto por esses títulos.

                      Quem quiser aprofundar o tema, tem um livro chamado a Ascensão do Dinheiro de Niall Fergunson que mostra muito bem esta situação (entre inumeros outros elementos de macro-economia). Sem dúvida um livro absurdamente esclarecedor sobre como funciona o mercado de títulos.
                      (Mas ele trata de outros temas legais também… mercado imobiliario, bancos, crise americana).

                      0
  • Fabiano 3 de maio de 2012 at 12:32

    Bom vou contar um fato que vivenciei esta semana.
    Eu presto consultoria de TI para varias pequenas empresas aqui em São José dos Campos. Uma clinica em especial tem 2 unidades aqui, uma na região central que é a maior e outra um pouco menor num bairro da zona sul chamado satélite pois bem esta clinica esta num predio de salas comerciais de 8 andares cujo terreo possui varias lojas e uma agencia enorme do Banco do Brasil e o mesmo possui um andar intermediario que vc pode acessar do terreo pela escada rolante onde fica a clinica.
    Pois bem eu não ia nesta unidade do satélite desde Dezembro de 2011 a ultima vez que fui existiam 2 salas comerciais vazias com placas de aluga-se ontem quando fui lá novamente fiquei de boca aberta nunca vi tanta placa de aluga-se fui andando e contando das 12 salas que existem no andar , apenas 5 estão ocupadas entre elas a da clinica onde presto consultoria , o resto todas com placas de aluga-se .. conversando com a secretaria da clinica a mesma respondeu que o aluguel é muito caro gira em torno de 1500 a 1800 reais e que as salas estão vazias desde Janeiro.
    E ainda tem o condominio que não é barato gira em torno de 550 reais.
    Mesmo no entorno deste prédio que fica numa avenida super movimentada chamada avenida Andromeda que é 100 % comercial , tem muitos pontos fechados e com placa de aluga-se a meses …

    0
    • Etmso 3 de maio de 2012 at 13:29

      Morei em São José dos Campos 1 ano e falo, o Vale é Sinistro.

      São José dos Campos é uma cidade que passa um ar de capital, metropole, cidade do futuro, mas na verdade é uma cidade totalmente industrial, onde a sua população tem uma remuneração razoavel, mas trata a cidade como dormitório. A população durante a semana é de 700 mil e aos finais de semana deve cair para uns 400 mil, então nada lá é perene em relação a serviços, diversão, lazer, etc. São muitas vias de grande circulação que cortam a cidade, induzindo sua população a sair da cidade ao final de semana.

      Uma “capital”, de verdade, influencia sua região no entorno, criando regiões metropolitanas fortes em serviços. S.J.C. tenta exercer esta influência, entretanto falha, pois a competição é grande (São Paulo, Campinas, Taubaté). Então este negócio de S.J.C. capital do Vale do Paraíba é balela, SJC e Taubaté ficam ali, meia bomba, meio interior meio capitais, brigando.

      Alertei dois conhecidos que se aventuraram a investir por lá, mas eles não me deram ouvidos. Um amargurou um prejuízo em um negócio, o outro está metido em imóveis, salas comerciais no Áquiarius.

      0
      • Fabiano 3 de maio de 2012 at 14:54

        Etmso o aquarius é o maior exemplo da especulação imobiliaria , um bairro considerado nobre , mas que hoje sofre com problemas de infra estrutura como quedas constantes de energia , falta de agua , estacionar então é impossivel e predios não param de sair por lá .. mas uma coisa eu pude notar ,antes vc não encontrava um apto de 2 quartos lá por menos de 280 , 300 mil
        mas de uns tempos pra cá ja consegue encontrar aptos por 200 , 230 mil
        muita gente esta querendo cair fora de lá , afinal é complicado vc abrir sua janela e estar cercado de vizinhos por todos os lados olhando para dentro do seu apto

        0
        • Etmso 3 de maio de 2012 at 15:19

          Sim,

          E te falo SJC tem muita oferta de lotes, terrenos, é muito fácil crescer a oferta de lá. Mesmo o Aquarius quem passa na Dutra vê, tem alguns terrenos vagos, nada justifica um preço alto em SJC, seja pelo lado da oferta seja pelo lado da demanda.

          Mas o tal do “trem bala” por lá, foi o grande pré-sal, o discurso dos corretores foi este, mas ao meu ver um transporte rápido, vai enfraquecer ainda mais SJC, pois tudo será feito em S.P. fazendo com que SJC se torne uma irmã de São Bernardo do Campo.

          Vejam Ribeirão Preto, que é uma cidade rica em serviços, o que faz ela ser assim é sua inflência, ao ponto de eu já ouvir falar a expressão “interior de Ribeirão”. Quem quer investir em sala comercial tem que investir em lugar que influencia e não que é influenciado.

          0
  • alsouza 3 de maio de 2012 at 12:47

    Antes de mais nada: 1) acredito, sim, na existência da bolha, 2) não troco o nosso país por nenhum outro (apesar de ter feito poucas viagens internacionais), 3) me identifico e admiro o povo brasileiro (esse negócio de banânia enche o meu saco) e 4) simpatizo em linhas gerais com as ideias do PT (embora tenha algumas várias ressalvas).

    O artigo tem o seu valor mas não diria que é o que temos de melhor aqui no fórum.

    1) A razão aluguel/preço do imóvel […]

    Ok, bom argumento.

    2) Se você acha que pegar um financiamento é vantajoso, com nossas pequenas taxas de juros (de 10 a 15%) ao ano mais T.R., vá fundo. Graças ao excesso de crédito […]

    Como é que é? O problema é o excesso crédito? Crédito farto é bom, pois o dinheiro tende a ficar mais barato, não é? O problema não é crédito, mas usar o dinheiro pra comprar coisa cara, com preço fora da realidade.

    3) Quanto mais crédito maior o preço. […]

    Idem ao anterior.

    4) Quantas pessoas você conhece que estão comprando apenas para especular? […]

    Achismo, chute.

    5) Vocês acham que de repente o Brasil descobriu que nunca foi pobre e virou rico. Terão um belo susto em breve. A dívida pública bruta está em níveis altíssimos e não pára de crescer.

    Pelo que sei, nossas reservas superam em muito nossa dívida, correto?

    6) Olhe para Águas Claras e veja quantos edifícios estão sendo construídos. […]

    Usar o local para tirar concluões sobre o global. Pode isso Arnaldo?

    0
    • danilo 3 de maio de 2012 at 13:08

      Por favor…o que vc acha que compõe a reserva brasileira? Além disso, a reserva está em 380bi e a dívida total supera 1 tri.
      O texto nao pretende ampliar Águas Claras para o Brasil e sim exemplificar (é inadequado distorcermos o contexto). Ele poderia falar em Noroeste, Taguatinga e outros bairros de Brasília
      Quanto mais crédito mais gente busca o bem, mais se dipõe a pagar, mais caro fica. Melhor reler o texto e os comentários.

      0
    • Pablo 3 de maio de 2012 at 13:20

      alsouza;

      Assim como fizestes o lado B do post faço o lado B abaixo:
      A popularidade é da Dilma e não da situação socioeconomica, se não vejamos:
      A violência continua, a educação nunca foi pior e a saúde onde está!
      Se os orgãos de pesquisa perguntassem sobre segurança pública, educação pública(não a paga) e saúde BÁSICA(não da nem pra pensar em outra), os números seriam outros!

      0
    • Evandro 3 de maio de 2012 at 13:56

      Alsouza, não adianta cara. A cegueira dos commenters é de igual proporção dos que compram imóvis a preços exorbitantes.
      Estão numa pananóia de bolha, que se você prestar atenção, eles vêem bolha em tudo.

      Acredito que os preços estão altos. Mas não vão despencar como estão profetizando(profetizar a alta é heresia, mas a queda pode, estranho, não?). Uma correção pequena deve acontecer, não mais que isso.

      Ainda existe sim demanda reprimida, e o crédito a juros baixos faz com que imóveis em alguns casos raros ainda sejam vantajosos.
      (Meu caso, comprei um ap e alugo a uma taxa de 0,58% a.m, é baixo? sim, mas o dinheiro que emprestei me custa 0,42% a.m e ai? a Entrada que eu dei era do FGTS que me rendia 0,25% a.m. Quero ver algum bolhista me falar que fiz um mal negócio).

      E agora com o governo baixando os juros, fica cada vez mais dificil as coisas despencarem. Os bolhistas, claro, vão meter o pau no governo, obviamente ignorando o benefício que juros baixos trazem a toda nação.

      Por fim, só vejo um cenário que as coisas poderiam desandar. Uma crise forte na ecônomia Brasileira. Ai sim, com o aumento significativo do desemprego, os preços desabariam (e não só dos imóveis).
      É uma possibilidade que não pode ser descartada, mas que fica mais distante na medida que a ecônomia se fortalece com a queda dos juros.

      0
      • Luiz 3 de maio de 2012 at 14:19

        Aluguel a 0,58%???
        Aonde???

        Emprestimo a 0,42% aonde???
        Qual Banco?

        Se vc conseguiu isso parabéns mesmo, ensima pra gente

        0
        • Leandro Assis 3 de maio de 2012 at 15:15

          Luiz, eu alugo a 0,59% na Bela Vista. Mais uma vez, vocês generalizam demais!! Façam uma pesquisa dos alugueis em áreas nobres de SP. Se eu falar em Itaim, Moema, Jardins pra você, esse número ultrapassa e muito!

          0
          • Jack Imóveis 3 de maio de 2012 at 16:07

            Caros,

            Um saco essa gente. Empréstimo a 0.42%? Só se for do seu pai!

            Aluguel a 0.6% em São Paulo? Me fala um aí.

            Abraços

            Jack – Incrédulo

            0
            • FRK 6 de maio de 2012 at 16:03

              Cortei o cabelo ontem.
              Meu cabeleireiro comprpu um imóvel para investir.
              Ele emprestou uma grana boa, com a irmã, a 1,00% ao mês.

              abs

              0
          • Luiz 3 de maio de 2012 at 16:14

            Leandro, vc respondeu pelo Evandro?

            consultei os bairros que vc me indicou e Bela vista realmente é um dos mais altos, nenhum dos outros bairros q v cindicou ultrapassa Bela vista. Jardim Paulistano chega a 0,4%, segundo o pifepafi que vcs adoram.
            Detalhe: quanto mais quartos pior o retorno.

            Ok, realmente existe imóveis cuja renda supera a poupança, não vou considerar risco nem tempo vago, nem custos e vou deixar barato que está quase a mesma coisa

            Agora aproveita que vc é amigo do Leandro e pergunta em qual banco a gente consegue financiamento imobiliario de 0,42% ao mês. Se vc me repsonde hj eu vou lá amanhá.

            0
            • Leandro Assis 3 de maio de 2012 at 17:15

              Luiz,

              A questão do 0,42%a.m, acho bem complicado, até hoje nunca vi!! Agora aluguel que bate a poupança, tem inumeros. Foi o que eu falei, eu mesmo tenho 2 que superam o rendimento. E imóvel é patrimonial.
              Agora, é interessante ver o blog, pois vocês estão profetizando o fim do mundo, desde o ano passado, e que não aguentaria até a copa. Chegaram até a dar uma data especifica. Mas agora, já se ve pessoas aqui dizendo que só vai explodir depois da copa.

              Os preços estão caros, obvio que estão, ninguém questiona isso, mas dai a os preços cairem mais do que a metade, é um chão muito grande.

              0
            • Evandro 3 de maio de 2012 at 17:17

              Aluguel a 0,58% num ap de um quarto no centro de curitiba.
              Financiamento de 0,42% na caixa.

              Obviamente que não é qualquer um que consegue uma taxa dessas, (tem q ser elegível para o SFH, com a faixa de renda certa, etc) mas não estou aqui simulando ou especulando, estou falando de fatos.

              Consegui a 5% a.a e sob certas circunstâncias poderia ter sido até de 4,5%. Informação é poder!
              Fui atrás, procurei, esperei minha renda ficar exatamente no ponto ideal e fiz o financiamento.
              Hoje, 6 meses depois, já não conseguiria mais essa taxa.
              Só estou mostrando que fora bolha(da desinformação) é sim possível encontrar boas oportunidades.
              Se você perdeu seu timming só lamento.
              Agora é esperar os juros baixarem e segue a vida.

              0
              • Toma-lhe Jhones 3 de maio de 2012 at 17:50

                Essa taxa de 5 % aa é para Minha Casa Minha Vida, você deve ter uma renda até X e o valor do imóvel não pode passar de Y. Não é qualquer pessoa e imóvel que se enquadra neste perfil.

                0
      • Charles 3 de maio de 2012 at 14:24

        “É uma possibilidade que não pode ser descartada, mas que fica mais distante na medida que a ecônomia se fortalece com a queda dos juros.”

        Fala sério, voce é comediante neh

        Que aberração!

        0
      • Gabriel 3 de maio de 2012 at 15:08

        Evandro,

        O que acontece se você ficar 6 meses sem inquilino? Quantos meses, ganhando 0,16% ao mês você vai precisar para recuperar os 6 meses que não entrou nada, só saiu.

        O seu negócio me parece bom, desde que você sempre tenho inquilino.

        Boa sorte.

        0
        • Evandro 3 de maio de 2012 at 17:26

          É um risco que eu corro.
          Mas como disse acima, é um apartamento de um quarto no centro de Curitiba do LADO de uma universidade pública.
          Muitos estudantes vem de fora ou seja, demanda não falta. E sinceramente fui BEM fácil alugar, levei 2 semanas e pude escolher um bom locatário.

          0
    • Charles 3 de maio de 2012 at 14:15

      Quanta baboseira amigo, começando por se alinhar com as ideias do PT, mas gosto não se discute.

      Vou apenas comentar a asneira escrita no item 2 – “Como é que é? O problema é o excesso crédito? Crédito farto é bom, pois o dinheiro tende a ficar mais barato, não é? O problema não é crédito, mas usar o dinheiro pra comprar coisa cara, com preço fora da realidade.”

      Crédito não deixa e nunca deixou o dinheiro mais barato! O que torna o dinheiro mais barato é o seu acumulo nas instituições financeiras devido à poupança gerada. O Brasil não tem poupança, somos um povo gastador, começando pelo governo que gasta mais do que arrecada e precisa captar recursos da iniciativa privada.

      O resto é perda de tempo comentar!

      0
    • Charles 3 de maio de 2012 at 14:20

      Outro ponto de completa desinformação sua:

      “Pelo que sei, nossas reservas superam em muito nossa dívida, correto?”

      Nossas reservas são menos da metade da nossa divida interna e externa hoje somadas.

      Não me surpreende que voce se alinhe com as ideiaa do PT com tamanha desinformação.

      0
    • Revoltado 3 de maio de 2012 at 14:33

      sobre suas considerações.

      2) crédito é bom.
      Discordo completamente. O crédito não é apenas ruim, é péssimo! Foi uma das mais ardilosas táticas aprimoradas pelo capitalismo. O crédito foi introduzido no mercado para permitir que nações “pobres” pudessem consumir os produtos das nações ricas. E o que ocorreu foi uma enorme bola de neve, onde o governo consumia se endividava e passava a divida para seu sucessor, e este para seu sucessor… o que culminou na atual divida externa brasileira, com juros mais que abusivos. Um esquema semelhante ao de agiotas que nao permitem ao devedor quitar a divida, fazem com que esse pague juros eternamente. Sim esta é a situaçao atual do Brasil.
      E da mesma forma ocorre com as pessoas. Elas tiram a sua demanda do futuro e trazem para o presente. O que infla o preço no presente, e causa a quebra do sistema no futuro (pois este consumo já foi realizado).

      3) mais crédito, maior o preço.
      Isso é fato. Experimente aumentar o salário minimo. O que ocorre antes até do aumento, pelo simples anuncio? Reajuste de preços!

      4) pessoas comprando para especular. chute.
      Realmente, este dado tem um pouco de chute, até porque somente o comprador sabe se esta comprando para morar ou pra especular. Ele nao escreve isso em nenhum contrato. porém, com os relatos de diversas pessoas de diferentes lugares, podemos chegar a conclusao que isso é real. Vide os condominios fantasmas aqui relatados.

      5) Nao concordo com o autor, visto que o governo não compra casas. A divida publica do Brasil X PIB nao está tao ruim se comparada a de outros paises.

      6) sim usar a parte pelo todo é falacioso. Porém pelos diversos relatos do blog, percebe-se que esse movimento ocorre em muitos lugares, o que acaba validando essa proposição.

      PS: não sou comunista. Apenas vislumbro o fim do sistema economico atual em não mais que 2 décadas.

      0
    • F. Paes 3 de maio de 2012 at 14:35

      Excelente comentário. Os preços estão altos, VERDADE. O blog tem virado um poço de lamentações, “achismos” e humilhação da Banânia. Gente falando em queda de 80% SEM NENHUM FUNDAMENTO: um ap de R$ 1mi por R$200k depois da “catástrofe”. O próprio Samy (ídolo do blog) colocou que essa queda de juros ainda deve acarretar mais alta nos preços. Já tentei argumentar, mas fui prontamente execrado por alguns. Jurei que não iria postar mais nada aqui, mas nesse caso abri uma exceção. Saiba que tem gente pensando como você. O que ocorre é que infelizmente muita gente sempre morou em área nobre de uma cidade não aceita “cair de nível” indo para bairros piores. Enquanto houver trouxa pagando caro pra morar bem, isso vai acontecer. Já vi até alguns enchendo a boca pra falar que ganham R$ 3 mil/mês: acima da renda média nacional, mas MUITO abaixo da renda necessária pra escolher o bairro em que vai morar no caso de SP/RJ/DF, por exemplo. Aí, meu amigo, o único passo é rezar , xingar, trollar ; ou então se render aos preços exorbitantes (sim, eles estão!), indo morar no meio do mato, a 60km de distância do Centro, onde o aluguel/compra vai caber no seu bolso.

      0
      • tvasco 3 de maio de 2012 at 15:52

        “mas MUITO abaixo da renda necessária pra escolher o bairro em que vai morar no caso de SP/RJ/DF”

        Pode incluir BH aí também. Ganho 7 mil, precisei mudar ano passado, e foi um sufoco. Aluguei o que deu, não exatamente o que eu queria.

        Para comprar então, nem se fala.

        0
        • F. Paes 3 de maio de 2012 at 16:03

          Infelizmente com cada vez mais crédito, ainda há demanda pra comprar a preços exorbitantes… No Rio tem aluguel em favela por R$ 800 ou até mais, eu acho.

          0
    • Guilherme SC 3 de maio de 2012 at 22:54

      Parei no simpatizo com o PT.

      0
  • Paulo 3 de maio de 2012 at 12:55

    Enquanto isso na Região metropolitana de Recife uma construtora grande vai entregar 100 prédios e espera vendê-los através do MCMV. Segue link da notícia no Jornal do Commercio.
    http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/imoveis/noticia/2012/05/03/moura-dubeux-vai-erguer-100-predios-em-jaboatao-40881.php

    0
  • Luiz 3 de maio de 2012 at 13:17

    No estadao da série: Eu sou vc amanhã

    Parada no tempo: um retrato da economia da Argentina

    Marcado pelo calote, país sofre com inflação alta e infraestrutura deficiente

    0
  • Luiz 3 de maio de 2012 at 13:18

    O Principal de indicador da ecnomia brasileira:

    Vendas de carros novos caem 14,2% em abril
    No acumulado do quadrimestre, recuo é de 3,4% em relação ao mesmo período de 2011, a maior queda para quatro meses desde 2003

    0
    • Revoltado 3 de maio de 2012 at 14:02

      Msmo com a queda percentual, o numero bruto é enorme.

      repostando:

      Revoltado disse:
      maio 2nd, 2012 at 23:04
      Denunciar abuso

      Mesmo com a redução, são mais de 250k carros NOVOS circulando pelas mesmas estradas.
      O transito no RJ já está ficando insustentável.
      Hoje eu saio 1h mais cedo do que a 5 anos atrás, e chego mais tarde no trabalho…. :S
      pra galera da ZO:
      odia.ig.com.br/portal/o-dia-24-horas/alagamento-dificulta-o-tr%C3%A2nsito-no-recreio-1.436263

      0
      • Luiz 3 de maio de 2012 at 14:15

        Revoltado

        Vc considerou quantos carros saem de circulação por ano: roubados mandados pro paraguai, quebrados, batidos, vendidos como sucata?

        Vc considerou quantos são segundo ou terceiro carro e serão usados como opção apenas?

        Vc considerou quanto kilimetros de ruas e bairros são construídas a mais no BR todo ano:

        Ou quantos destes são mandados pro interiorzão onde o transito nãoe stá saturado?

        Não tiro a sau razão, mas a conta não é assim simples.

        0
        • Revoltado 3 de maio de 2012 at 15:05

          Luiz concordo com vc que existem todas essas situações, mas o que eu chamo a atenção é que são 257.000 veiculos a mais por mês! E isso num mês de queda nas vendas. Imagina no ano?

          Com certeza roubados, quebrados sucateados, parados em garagens ou agencias de veículos nao chegam nem perto desse numero.

          Quem tem renda pra ter dois ou tres carros na maioria das vezes mora num grande centro urbano.

          Como eu disse em outro post, podem construir um milhão de vias, mas “todos os caminhos levam a Roma”. No caso do RJ dei como exemplo o centro da cidade. As suas vias são limitadas e não serão ampliadas. Se elas comportam X carros, e tem 10X tentando entrar nelas nao tem jeito, vai engarrafar. Nao importa se existir uma estrada de cada bairro que leve até lá.

          Não posso falar pelo interior, mas como relatei, saio cada vez mais cedo e pego mais transito. E se tiver algum acidente entao…

          Posso dizer tambem que na minha vizinhança onde quando na decada de 90 poucos tinham carro, agora poucos sao os que nao tem! Pois apesar dos valores caros em comparação com outros países, é muito fácil financiar! E embora nao seja frequentemente lembrado, há o enorme mercado de carros usados!

          0
          • Luiz 3 de maio de 2012 at 16:29

            toh sabendo
            no Rio a coisa tá feia
            Vi o estudo Origem Destino. O tempo de viagem dobrou em poucos anos

            0
  • FoxBravo 3 de maio de 2012 at 13:19

    Após 60 meses morando no mesmo imóvel a proprietária me pediu um reajuste de 80% no valor do aluguel! Foi irredutível. Não aceitou negociar.
    Resposta dela: “devido ao local, estrutura do condomínio e fácil acesso em região de pleno crescimento.
    O locatário é uma boa pessoa, mais precisamos pensar também que os aluguéis estão subindo a cada dia, a valorização da região, do imóvel, etc…. ”
    Como meu salário não foi reajustado nessa mesma proporção, mesmo considerando uma promoção com aumento real, estou mudando de apartamento.

    Um detalhe interessante é que sou a terceira pessoa dentro do meu departamento a mudar de imóvel exatamente pelo mesmo motivo!

    Pesquisei diversos imóveis. Todos com preços nas alturas. Alguns absurdamente elevados! Outros mais baratos mas destruídos, impossível de morar. Alguns onde até mesmo o corretor disse “esse imóvel NUNCA será alugado pelo valor que o proprietário está pedindo”.
    Agora estou indo para um apartamento mais antigo e menor e ainda pagando um pouco mais em comparação com meu aluguel atual. O mesmo aconteceu com meus colegas.
    O plano é continuar de olho no mercado e na primeira oportunidade mudar para alguma coisa melhor. Enquanto isso vou juntando minha grana na expectativa de queda de preços dos imóveis para aquisição. O que não dá para aceitar é pagar um valor alto de aluguel sem poder juntar dinheiro no final de cada mês.

    E ainda ouvi da corretora “você está pagando um valor super barato nesse aluguel!”

    As pessoas estão fazendo “pesquisa” de mercado de forma errada. Se todo mundo pedir um aluguel mínimo de 10.000 e alguém aparecer pedindo 9.000 vão dizer que está barato!

    Acredito que essa conta não fecha. Pessoas estão saindo de apartamentos melhores para piores. Na ponta de cima vai faltar gente para pagar e na ponta de baixa vai ter um monte de gente sem condições de pagar.

    0
    • Ploc 3 de maio de 2012 at 16:05

      Benvindo ao time.
      2 anos atras passei pela mesma situação e optei não pagar o que considero um estupro ao meu bolso. Logo, mudei da ZS para ZO do Rio e para dentro de uma comunidade (hoje “pacificada”) na certeza que o mercado retomará sua normalidade.
      Conheço vários inquilinos que estão neste momento rezando para que o imóvel deles não aumente no termino do contrato.
      Mas dúvido que isso aconteça pois mesmo que o valor de venda caia hoje o mercado de aluguel demora em torno de 2 anos para se ajustar (lembro que o contrato é geralmente de 30 meses).
      Desejo a todos boa sorte até que essa situação se normalize.

      Abraços

      PLOC

      0
    • jibs 3 de maio de 2012 at 16:58

      situaçao muito comum. Eu estou na mesma situaçao, 7 anos morando na mesma casa, completamente amortizada e pedindo a gritos uma reforma estrutural, pago aluguel em dia e moro num dos bairros mais caros de minha cidade, porem sou infernizado desde ha dois anos e acabei aceitando uma prorroga do contrato anual com aumento do 40%.

      no fim de ano vao chorar por minha renda , se vao fuder tudos estes picaretas de tres ao quarto.

      E novamente, a risco de ficar chato, nao é fenomeno brasileiro. eu tenho visto isto fora, concheço pessoas que compravam predios antigos, desligavam o elevador e botavam cinganos em algum dos ap vazios para expulsar o resto de moradores e infernizar as velinhas que detinham contratos de locaçao de 30-40 anos atras. Mobbing imobiliario puro e duro.

      aqui, como a lei bananera diretamente protege aos proprietarios, basta com mandar um aviso de desocupaçao.

      0
  • Mr.Crowley 3 de maio de 2012 at 13:23

    “Hévin disse:
    3 de maio de 2012 às 12:01
    Denunciar abuso

    Isso realmente procede, o problema é que essa demanda não possuí rebda suficiente para adquirir um financiamento.

    Como está bastante complicado aumentar a renda média da população no cenário econômico atual, o governo pretende resolver isso reduzindo a taxa básica a 6.0% a.a e consequentemente os juros praticados no mercado imobiliário a algo próximo de 0.5% a.m, assim a prestação do imóvel equivalerá ao aluguel.”

    Isso vai ser complicado mesmo, porque com a queda artificial dos juros pela dona Dilma, o dinheiro aplicado no banco vai perder de MUITO da inflaçao, e muita gente vai achar que vale mais apena financiar…A perda do parametro de remuneracao da poupança deve inflar ainda mais a bolha, e vai servir de argumentos interminaveis dos SECOVIs da vida que agora e a hora de comprar…dinheiro no banco nao da nada…imoveis vao valorizar, etc.
    Toda vez que o governo se mete, da merda, nao tem pq ser diferente, provavelmente teremos repique…

    0
    • Etmso 3 de maio de 2012 at 13:45

      Mr.Crowley,

      As pessoas vão ter que abaixar o nível na localização e na m2.

      Você pega a Vila Mariana – SP, um bairro que em 2008 prevalecia pessoas com renda na casa dos 3.000, 4.000 reais, que trazendo a valor presente seria uns 6.000, hoje o que se vê é uma média entre os compradores com rendas acima de 10.000. Mesmo vale para Ipiranga, Jabaquara em SP, Tijuca, Meier, Recreio no RJ.

      0
      • Carlos_ 3 de maio de 2012 at 14:40

        Então, pelos seus cálculos, a renda das pessoas que já moravam lá aumentou entre 50% e 100% em 4 anos, muito mais que a inflação. Mas mesmo assim não foi o suficiente, e o bairro está sendo invadido por pessoas com renda maior ainda: acima de 300% da renda padrão dos moradores de 4 anos atrás.

        E esse movimento, onde mesmo tendo um aumento de renda entre 50% e 100% a pessoa tem que ir para um lugar pior, é considerado sustentável por você. É isso mesmo?

        0
        • Etmso 3 de maio de 2012 at 15:43

          Se é sustentavel eu não sei, mas que tem gente com grana morando na Vila Mariana isto é fato, e antes era só a galera que não podia ir para o Jardins.

          O fato é que o cara formava na década de 90 em uma instituição federal e pensava em ser táxista ou em montar algum negócio, engenheiro perdia para torneiro mecanico experiente, a coisa estava feia. Hoje quem forma em uma instuição boa (federal, estadual, puc, gv entre outras) muitos saem empregado de cara, e ser o cara for bom saí ganhando acima de 5k de cara (vide trainees) (2,7k doláres), isto para pessoas de 23 a 26 anos. São 70 instituições publicas no Brasil, formando milhares de jovens, e sp-rio concentram a maioria das empresas, instuições, hospitais, bancos, etc.

          Quem formou em instituição pública ou de 1a. linha, principalmente, engenharia, adm, economia, medicina, por favor me corrija se eu estiver sofrendo demais de “Deliriuns Lulistam”

          0
          • Eng Rj 3 de maio de 2012 at 22:50

            Exato Etmso. Eu sou um engenheiro formado no Rio e vejo vários colegas meus já todos empregados aqui no rio ganhando salários de 5 a 10k por mês (seja em cargos concursados ou na iniciativa privada).

            Se pegarmos uma turma de engenharia de uma faculdade pública (considerando os que não completam o curso) podemos dizer que tem a cada semestre uns 20 engenheiros a mais no mercado (isso de uma especialidade em uma única faculdade, sendo que há várias: civil, elétrica, mecânica, química, petróleo…). Esses formados normalmente moravam na casa dos pais e agora que começam a trabalhar, estão vislumbrando adquirir um imóvel.

            Junta-se isso ao fato de que vários casais são formados durante a faculdade e que uma parte deles tendem a permanecer juntos. Assim, a renda sobe para 10 a 15k por mês.

            Fazendo algumas contas na simulação de um financiamento habitacional, verifica-se que com essas rendas, é possível para essas pessoas adquirem esses imóveis bolhudos de até uns R$ 500.000 em um prazo de uns 20 anos ou menos tendo juntado uma entrada de R$ 150.000 (O limite condiz com o valor máximo do SFH para o uso do FGTS). Com um salário desses, o FGTS dessas pessoas seria de cerca de uns R$ 10.000 por ano para ir realizando amortização extraordinária no financiamento a cada 2 anos, reduzindo o período de financiamento. O valor da entrada seria atingível após uns 3 ou 4 anos poupando + FGTS.

            Concluíndo, o que eu vejo é que apesar dos preços terem disparado nos últimos anos, pelo menos até o limite de 500 mil está factível para um número de pessoas pelo menos da ordem do número de vagas ofertadas no Z_P por exemplo.

            0
            • Etmso 4 de maio de 2012 at 14:22

              Eng Rj,

              Exato, e a coisa é acumulativa, todo ano se forma um contigente grande, que se emprega…

              Cada faculdade/universidade forma uns 1000 por ano, que são despejados no mercado de trabalho, e como você mesmo disse, muitos estão bem empregados, rio-sp concentram a maior oferta de empregos para cursos superiores.

              E repare outra coisa interessante, o Brasil começou a expressar um crescimento-melhora economica a partir dos anos 2003/2004 e os imóveis começaram a subir em 2007/2008, justamente o tempo de juntar uma entrada, mais o acesso ao crédito, boom.

              Com o sistema de financiamento amarrado, se não houver crise ferrenha interancional, Ipanema só para pegar praia aos pobres mortais.

              0
          • Guilherme SC 3 de maio de 2012 at 23:04

            Por isso para qualquer concurso vagabundo de ensino médio milhares de candidatos bem graduados se estapeiam para conseguir uma teta.

            0
  • Sidney 3 de maio de 2012 at 13:28

    De fato nossas reservas sao mínimas!! NAo dão nem p saída . A divida interna com títulos do governo ta na casa do 1 trilhão ……

    0
  • DanielBG 3 de maio de 2012 at 14:04

    Essa afetação da poupança pode, inclusive, influenciar o repique na linha de crescimento de compra de imóveis, pois muitos que têm dinheiro guardado na poupança irão preferir migrar o “investimento” para imóveis, na esperança de que valorize mais.

    ================

    This affectation on saving accounts may even influence the rebound in the line of growth of real estate purchasing, as many who have saved money will prefer migrating the “investment” to real state in the hope to own high values.

    0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 14:33

      Acho que vai afetar mais a outra ponta, quem tá vendendo imóvel, vai preferir colocar pra alugar.

      Sobreoferta de aluguel vai estancar a alta.
      Aluguel estabilizado, vai estancar a demanda

      Mas tudo isto leva tempo, e como o PETERSON falou, ainda não temos indícios de que já começou a acontecer.

      0
      • DanielBG 3 de maio de 2012 at 14:43

        Porque colocariam para alugar? Essa não seria a tendência natural do mercado?

        ========

        Why place it for rent? This wouldn´t be the natural bias of the market?

        0
        • Carlos_ 3 de maio de 2012 at 15:01

          Colacariam para alugar porque vendendo não teriam nenhum rendimento sem risco com bom retorno para aplicar o dinheiro.

          0
        • Leo 3 de maio de 2012 at 15:57

          Como coloquei acima.. quem deixaria um valor alto, que de p/ comprar um AP/Casa, aplicado em poupança ? Qual gerente do banco deixaria isso passar ? Sinceramente nao consigo entender como a retirada da poupança vai influenciar…

          Outra duvida, qual o motivo da tecla SAP ligada ?

          0
          • Luiz 3 de maio de 2012 at 16:55

            ninguém…
            brasileiro tem baixo nivel de poupança

            0
            • peterson 3 de maio de 2012 at 17:16

              eu acredito mais na teoria da piramide imobiliária que acreditar que o brasileiro vira poupador ou investidor direto rs

              0
              • DanielBG 4 de maio de 2012 at 14:44

                Isso é inegável! Brasileiro não tem histórico de poupança…

                ========

                This is undeniable! Brazil hasn´t a saving history …

                0
  • Luiz Felipe 3 de maio de 2012 at 14:16

    Gente, já que a queda dos juros é o assunto da vez.

    Vocês estão muito focados em um único aspecto (o consumo). A Dilma está baixando o juros da economia como um todo, e isso é bom. O custo do dinheiro no Brasil é alto, não só para o consumo, para o investimento também. Pensem como era antes: se você tem 1m pronto para investir, e o governo te paga 8~13% ao ano para comprar títulos dele (como era no passado, hoje já diminuiram), por que você usaria estes 1m no setor produtivo (empreendendo)? Para que ter risco alto se você poderia ter risco quase zero e um retorno muito bom (para os padrões mundiais)? Imaginem agora como vai ser se a Dilma realmente conseguir baixar o juros para 2%, como é a meta. Muito dinheiro que hoje está em fundos vai parar no setor produtivo (apesar de que muito vai sair do país também). De quebra ainda vai jogar o dolar para cima (por causa da saída dos investidores estrangeiros), e melhorar artificialmente a competitividade da indústria.

    Creio que alguns aqui já passaram por isso, ter dinheiro guardado quando surgiram oportunidades de negócios mas não entraram nela por que haviam outros investimentos mais seguros, bem rentáveis e com ótima liquidez.

    O ponto negativo da queda de juros é a inflação, que tende a subir, mas isso só acontecerá se os bancos realmente liberarem crédito para consumo com as taxas reduzidas, e eu não acho que isso vai acontecer enquanto os índices de inadimplência estiverem subindo. Vão colocar na TV o juro mínimo para fazer bonito, mas quando a pessoa for obter o financiamento vão recusar, ou propor um juro maior.

    PS: Claro, faltam reformas tributárias e políticas, mas não sei se a Dilma tem força para isso.
    PS2: Não gosto da Dilma. Não votei nem votarei nela. Odeio o PT, acho que esse assistencialismo descarado é um veneno para o povo, mas não posso fazer birra e achar que baixar o juros é ruim só por que foi alguém do PT que fez.

    0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 14:41

      sem falar que Caixa e BB tem capacidade reduzida de atender os clientes

      0
  • Fernando I 3 de maio de 2012 at 14:30

    O (des)governo esta fazendo de tudo para segurar os preços dos imoveis. Forçando bancos a baixar juros, baixando taxa Selic e agora vai baixar a remuneração da poupança. Deve demorar uns 6 meses até conseguir aprovação no Senado, mas vai conseguir baixar com certeza. Isso vai abrir espaço para Selic abaixo de 8% no futuro e redução ainda mais das taxas de financiamento imobiliario. Mais gasolina na fogueira. Acho que vai demorar mais alguns anos para a bolha estourar, mas quando estourar…

    0
    • Ronald 3 de maio de 2012 at 14:44

      Definitivamente isso fez empurrar a bolha… não tenho dúvida.

      Só depois da COPA mesmo…

      O lance é alugar.

      0
      • VictorPS 3 de maio de 2012 at 17:24

        Vocês estão falando em diminuição de juros como sinônimo de baixa nas taxas para financiamentos imobiliários. Isso ainda não aconteceu na prática… Talvez com a mudança da poupança seja possível, mas vamos ver no que vai dar. E mudando a remuneração da poupança a galera pode direcionar os novos depósitos para investimentos mais rentáveis, o que diminuiria o dinheiro disponível para crédito imobiliário. Pode agir como uma alfinetada na bolha.

        E também não importa que os juros baixem, chegará uma hora que os preços irão subir tanto que não será possível pagar… Aqui no RJ há um lançamento que “subiu” o preço de 250 para 300mil em 2 meses, numa região ruim e ainda tem metragem pequena. Vamos ver até onde as pessoas irão sujeitar-se a comprar produtos ruins por preços caros.

        Mesmo que a parcela o financiamento fique menor que o aluguel, ainda assim é um compromisso de 20~30anos nos preços atuais, enquanto o aluguel é um compromisso de poucos anos. Uma hora todo o dinheiro que poderia ser posto nessa especulação estará preso em imóveis, e aí vai ser difícil obter liquidez. Nessa hora vai bater o desespero na galera.

        0
  • Luiz 3 de maio de 2012 at 14:47

    Ações imobiliárias lideram ganhos do dia com possível mudança na poupança
    fonte: infomoney

    O setor imobiliário toma conta das principais altas do Ibovespa no pregão desta quinta-feira (3), refletindo as expectativas sobre as mudanças nas regras da caderneta de poupança.

    Entre as companhias do setor, por volta de 13h00 Gafisa (GFSA3) e Rossi Residencial (RSID3) têm os ganhos mais significativos, de 4,90% e 4,49%,
    Os papéis de MRV PDG Realty e Cyrela Realty também figuram na ponta compradora. Ao mesmo, o Ibovespa registrava queda de 0,64%

    “O movimento está sendo atribuído à possível alteração do rendimento da caderneta de poupança, o que poderia dar mais espaço na queda da Selic”, afirma o analista da corretora SLW, Erik Scott. Economistas de instituições como HSBC, LCA Consultores e Febraban (Federação Brasileira de Bancos) já revisaram suas perspectivas e agora vêem a taxa básica de juros a 8,5% no final do ano.

    Apesar da possível mudança tirar parte da atratividade da poupança, responsável por 75% dos recursos para o crédito imobiliário, Scott afirma que, por enquanto, o mercado está OLHANDO PARA UM UNICO LADO: a possibilidade de baratear o crédito para o consumidor. “É bom lembrar que o setor também já vem discutindo algumas alternativas de funding”, acrescenta.

    0
  • Revoltado 3 de maio de 2012 at 14:49

    g1.globo.com/economia/noticia/2012/05/regra-da-poupanca-mudara-so-para-novas-cadernetas-anunciara-governo.html

    Regra da poupança mudará só para novos depósitos, anunciará governo

    O governo anuncia nesta quinta-feira (3), por volta das 18h, mudança no rendimento das cadernetas de poupança. A alteração será feita por medida provisória.

    Para os depósitos já feitos até esta quinta-feira, não haverá mudança – o rendimento permanecerá em 0,5% ao mês, mais TR (taxa referencial). Os novos depósitos terão uma remuneração diferente, de 70% da Selic, mais TR. Os rendimentos da caderneta continuarão isentos de pagamento do Imposto de Renda.

    A TR (Taxa Referencial) é calculada usando uma média ponderada das taxas negociadas no mercado de CDBs, que são títulos privados dos bancos. Atualmente, a TR mensal está em torno de 0,08%.

    Já a Selic, atualmente em 9%, é usada como base de remuneração para titulos da dívida do governo – ou seja, quanto o governo paga para financiar sua dívida.

    Queda da Selic
    O governo argumenta que a medida é necessária para que o Banco Central continue reduzindo a Selic.

    Atualmente, os juros básicos da economia, definidos a cada 45 dias pelo Banco Central, estão em 9% ao ano, pouco acima do piso histórico de 8,75% ao ano, que vigorou entre julho de 2009 e abril de 2010, na primeira etapa da crise financeira internacional.

    Um recuo mais forte da taxa de juros, abaixo de patamares mínimos já registrados (8,75% ao ano), poderia comprometer a chamada “rolagem” da dívida pública, que é a emissão de títulos públicos pelo Tesouro Nacional para pagar os papéis que estão vencendo.

    Na poupança, está assegurado o rendimento de 6% ao ano mais Taxa Referencial (TR). A modalidade de investimentos também não tem tributação do Imposto de Renda, diferentemente dos fundos de investimentos, nos quais a alíquota do IR varia de 15% a 22,5%, dependendo do tempo de aplicação.
    O QUE OCORRE SE OS JUROS CAÍREM MAIS SEM MUDANÇA NA
    POUPANÇA
    RENDA FIXA

    – Governo vende títulos da dívida pública, pagando juros ligados à Selic
    – Esses títulos são a base dos investimentos de renda fixa oferecidos pelos bancos
    – Investidores pagam Imposto de Renda e taxa de administração

    POUPANÇA
    – Caderneta tem rendimento fixo de 6% ao ano mais TR
    – Investidores não pagam Imposto de Renda nem taxa de administração

    SE A SELIC CAI:
    – Renda fixa passa a render menos
    – Poupança não sofre alteração

    SE A RENDA FIXA RENDER MENOS QUE A POUPANÇA:
    – Investidor tira dinheiro da renda fixa e coloca na caderneta
    – Governo fica sem compradores para os títulos da dívida

    Sem uma mudança no rendimento fixo da caderneta, essa aplicação acaba se transformando num piso para as taxas de juros, que não podem recuar abaixo de um determinado patamar, sob risco de a poupança se tornar mais atrativa do que os fundos de renda fixa. Com isso, a população, e até mesmo os grandes aplicadores, podem migrar para a caderneta – deixando o Tesouro Nacional com menos compradores dos títulos públicos (que são emitidos para pagar os papéis que estão vencendo).

    0
    • GB 3 de maio de 2012 at 16:47

      Eu estava me perguntando se o Governo podia mexer nos depósitos já feitos, ia ter processo pra caramba de gente contrária a isso, pois foram feitos nas regras antigas, não pode mudar unilateralmente.

      Agora parece mais justo, tipo regras novas só para novos depósitos.

      O problema é que o brasileiro deve estar poupando muito pouco, então o grosso do valor que as construtoras e corretores estão de olho vai continuar nas poupanças com regras antigas e rendendo mais que qualquer RF atrelada à SELIC, ninguém vai tirar de lá (eu não tiro mais).

      Como já tenho dito, essas mudanças são só teatrinho, só para a Bolsa ficar contente, quando o pessoal cair na real, novamente, vai acabar com a animação deles, alegria de sardinha dura pouco, espero que não estejam comprando a R$ 4,00 hoje, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

      0
  • Davi 3 de maio de 2012 at 14:50

    fonte: agencia estado broadcast

    12:43 SINDUSCON-SP: ALTERAÇÃO NA POUPANÇA NÃO DEVE AFUGENTAR INVESTIDORES

    São Paulo, 03 – A provável mudança na remuneração da poupança, que deve ser anunciada hoje pelo governo federal, não deve ser motivo de preocupação para a indústria da construção, avalia Eduardo Zaidan, vice-presidente de
    Economia do Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP).

    Há pouco, em entrevista à Agência Estado, ele disse acreditar que a medida não irá afugentar os investidores da poupança nem comprometer as captações para o crédito imobiliário. “Se o governo fizer as alterações com inteligência, mantendo as características da poupança, não há com que se preocupar”, afirmou Zaidan, referindo-se ao baixo risco da caderneta e à facilidade de acesso e controle dos recursos, que atraem seus investidores. “Quem aplica na poupança não tem o perfil para gerenciar aplicações mais complicadas, em outros títulos ou fundos”, observou.

    Zaidan também avaliou que uma eventual queda da remuneração seria relativa, já que o ciclo de redução do juro básico também enxuga a remuneração de outros investimentos. Isso, na sua opinião, contribui para não incentivar a migração dos investidores, e, por consequência, manter o nível das captações para o crédito imobiliário.

    O vice-presidente do Sinduscon-SP acrescentou que o atual ciclo de redução da Selic é muito bem visto pelas construtoras e incorporadoras. “O setor da construção é beneficiário direto dos investimentos, e o pior inimigo dos investimentos são os juros altos. Então, somos os primeiros a aplaudir a queda dos juros”, disse.

    Desde o ano passado, as empresas do setor vêm apresentando metas de crescimento menos audaciosas, como foco na entrega de obras ao invés de novos lançamentos. A medida foi uma resposta à menor rentabilidade devido ao aumento dos custos operacionais.

    Zaidan também minimizou a possibilidade de um desequilíbrio causado pela melhora na oferta de crédito para o setor produtivo, com juros mais baixos, e uma eventual redução na captação de recursos para a aquisição de imóveis. “Tudo depende de não mexerem na segurança e facilidade da poupança”, reforçou. (Circe Bonatelli)

    0
    • Alemão 3 de maio de 2012 at 15:57

      Nobres colegas do blog.
      É a primeira vez que escrevo. Não sou a favor nem contra imóveis. Sou a favor de ficar milhonário. Só isso. Veja bem, vou contar meu relato pessoal.
      Há 3 meses fui transferido de Curitiba para Salvador. Em Curitiba morava de aluguel. Durante os últimos 6 anos paguei cerca de 0,6% até que nestes últimos tempos estava pagando 0,3% o valor do imóvel como aluguel. Comparativos sempre feitos em relação a outros imóveis do prédio sendo vendidos. Saí de lá. O prédio era ótimo, próximo de tudo! Tudo mesmo. Neste antigo prédio há mais 4 apartamentos vazios. Para “alugar, vender ou investir”. Antigamente, há 3 anos atrás, era muito difícil ter um vazio…

      Mas o mais importante vem agora.
      Fui pra Salvador. Indo para outra cidade, logicamente, tenho que morar!!!
      Então, bolhudos, não bolhudos, tive que entrar no mercado e garimpar. Sempre em mente: “morar ou investir” ( galera, trocadilho com o atual momento que estamos vivendo )
      Pois bem: vi apartamentos do aminha casa minha vida até apartamentos de 1,5milhão. Sou eclético, moro em qualquer lugar. só para vocês entenderem meu pensamento.
      Vou citar 3 negociações de compra:
      AP 150m2, 4/4, 4vg de garagem, vista mar. preço inicial 700k. preço final, o qual me neguei a pagar 600k, piso em todo ap e splits em todo ap.
      AP 150m2, 4/4, 2vg, condominio clube. Esse parece piada. 900k. preço final 650k. me neguei a pagar
      AP 100m2, 3/4, 2vg, condominio clube. esse ainda em construção. 560k. preço a vista 400k.
      Não vou falar sobre as negociações de aluguel. vou falar só o final e explicar.
      Aluguei um imóvel cuja venda está por 600k
      vou pagar 0,33% de aluguel mensal, não pagarei iptu no primeiro ano.
      para finalizar, desloquei 600k para renda fixa.
      para os mais afoitos, que adoram financimentos, 2 mil reais são os juros solicitados pelos bancos para empréstimos de 200 a 250k.

      um abraço a todos

      não vou dizer onde moro, mas posso afirmar: a vista é maravilhosa!

      0
  • D9 3 de maio de 2012 at 15:46

    http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5742977-EI306,00-Um+em+cada+trabalhadores+ganhava+ate+salario+minimo.html

    De acordo com o IBGE:

    Renda de até um salário mínimo: 32,7% da população
    Renda superior a dez salários: 3,1% da população

    Pela matemática sobram 64,20% da população, que ganham entre 1 e 10 salários.

    Desta forma:

    190.732.694 = 100,0% (Total da população)
    5.912.714 = 3,1% (10+ Salários)
    122.450.390 = 64,2% (1 a 10 Salários)
    62.369.591 = 32,7% (Até 1 Salário)

    Como pode acontecer isso e ao mesmo tempo, os preços (de tudo) subindo frenéticamente ?
    Só pode ser erro do IBGE …

    0
    • charles 3 de maio de 2012 at 22:15

      Essa sua conta fica ainda mais impressionante se voce considerar apenas a população economicamente ativa.

      Segundo a receita federal, se não me engano, os declarantes de imposto de renda não ultrapassam os 34 milhoes. O restante é isento.

      0
  • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 16:01

    Pois é, mas reduzindo a selic, a divida cai e os titulos do governo atrelados a ela tb…. se continuarem nessa linha de redução talvez as reservas em dóllares talvez deem conta…

    por outro lado, os titulos atrelados a inflação podem ser bons papeis….

    0
    • Toma-lhe Jhones 3 de maio de 2012 at 16:31

      Sol de Sampa o problema é que a taxa paga além do IPCA nas NTNB’s estão caíndo muito fiz uma conta meio por cima caso tenhamos uma inflação de 4 aa considerando a taxa paga por uma NTNB que vende em 2035 IR de 15% temos hoje algo muito perto de 3 % aa de ganho em cima da inflação, muito pouco para deixa a grana parada até 2035.

      0
      • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 16:50

        eh verdade… mas acho que a inflação pode se descontrolar … se o consumo não diminuir… por outro lado vamos ver agora como está realmente o “aquecimento” da economia…. talvez tenhamos uma surpresa de ter deflação tb…

        0
        • RosinhA 3 de maio de 2012 at 19:00

          Nossa Sol imagino o molusco para campanha futura com garrafa de 51 na mão dizendo: no meu governo a dose era 1,00 agora graças a defrassão custa 0,80 e mais 30 milhões de votos garantidos. E tomemos todos gardenal tb, pelo menos enxergaremos estrelinhas reluzentes, duendes alegres e animadores de piscina vestidos de super heróis, esquecendo o nosso futuro.

          0
          • peterson 3 de maio de 2012 at 19:32

            você pode comer quilos de açaí que dificilmente fazer o que a pinga faz… basta uns goró que rapidinho as paredes começam a se mexer sozinhas…

            0
      • Cleyton 3 de maio de 2012 at 19:25

        É verdade, o governo está esnobando o Tesouro Direto, não dá nada, uma hora ou outra ele vai precisar de grana denovo, dor de barriga não dá uma vez só.

        0
  • Etmso 3 de maio de 2012 at 16:09

    O duro é pensar que os filhos vão dividir o mesmo quartos durante 18 anos, pq não foi possivel comprar um imóvel com 3 quartos. Ou que você vai ficar 20 minutos a mais no trânsito durante 30 anos, ou vai ter que fazer a baldiação no mêtro/onibus pois o valor do imóvel subiu e você foi jogado para outro bairro. E o especulador trocou o carro nacional dele 2.0 por um importado 3.4 v6, que o corretor mora num lugar melhor que o seu e não estudou 1/10 do que você estudou na vida e que o construtor mora com a esposa em imóvel de 950m2 e a filha está no Canadá.

    É duro ver que o nosso governo subsidia esta situação, isto é triste.

    0
    • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:32

      ET nada que é bom dura tanto tempo, o dia de amanhã chega tão rápido e as vezes nem percebemos, a pessoa tem que estar muito ligado a tudo, não somente aquilo que está ao seu redor, o melhor amigo de meu marido tinha uma fábrica de refrigerantes no interior, e comprou o primeiro Audi TT, que veio para SP, hoje 6/7 anos depois ele é motorista de um caminhão de entulho em sua cidade, cabeça pequena e incapacidade de previsão futura enterraram seus sonhos e seu patrimônio.

      0
      • Luiz 3 de maio de 2012 at 19:13

        rosinha, como vc tem estomago pras provocações baratas, fico impressionado

        as medidas do governo vão paralisar todo o mercado por simples medo, ninguem vai se mexer, sair do lugar.

        os corretores serão os que mais vão sofrer, além de dispensáveis, vão ser bode expiatório pros 2 lados

        0
        • RosinhA 3 de maio de 2012 at 19:17

          🙂

          0
  • Jack Imóveis 3 de maio de 2012 at 16:13

    Caros,

    Outra conta que ninguém faz. Condominio. Quando comprei um apê em 2008 a média do condomínio proposto era de 5R$ o m2. Esse valor hoje é 10R$ e a tendência é subir.

    Abraços

    Jack – Fazendo Conta

    0
  • MCS 3 de maio de 2012 at 16:26

    Saiu uma Nota do Comitê de Mercado do NRE-Poli, de 15/03/2012. O cara tá dizendo que imóvel residencial ainda poderá aumetar o valor, assim como o comercial! o que esses caras fumam?

    0
    • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 16:53

      craganancia

      0
  • belisa 3 de maio de 2012 at 16:27

    Ações Rossi com valorização na BOVESPA de 6,36%. Qual a explicação?

    0
    • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 16:53

      caratilha de mercado para sardinhas

      0
  • Pessimista 3 de maio de 2012 at 16:29

    Aplaudiria de pé as mudanças implementadas no que concerne às taxas de juros e mudança da caderneta de poupança se não exergasse nas entranhas dessas desespero, voluntarismo e submissão às pressões do capital especulativo e à eleição que se avizinha. O certo é que o leite já está derramado, inês é morta e mudanças “na marra” provocam medos e paralisações nas decisões econômicas. O governo anterior incentivou como nunca antes o consumismo desenfreado baseado em crédito farto e baixar os juros depois de endividada a grande massa popular é o mesmo que recolher corpos após a maré baixar. A economia dá sinais claros de declínio e a capacidade de endividamento já chegou ao teto (que o digam amigos próximos mais afoitos que,como tantos outros neste país, após acreditar que o Brasil estava rico foram à bancarrota depois de trocas de imóveis, automóveis e viagens ao exterior tudo financiado em longos anos, cuja “prosperidade” durou pouco mais de 2 anos e o desespero durará muito mais). O declínio econômico faz parte de um clico e o mesmo é inevitável e já chegou. Temo que as medidas certas(baixa de juros depois da grande farra de financiamento havida) tomadas em hora imprópria ponham mais lenha na fogueira e retarde a retomada de um novo ciclo de prosperidade.
    Incentivar a classe mais necessitada a “comprar” imóvel que vale 1/3 do preço atualmente praticado no “minha casa minha vida” e que pode ser retomado até mesmo extrajudicialmente em poucos meses foi atitude terrivel. Conheço pessoalmente “construtores” que enriqueceram com essa pouca vergonha de liberar crédito para construções que sequer segurança apresentavam devido à baixa qualidade do material empregado, e que devido as boas relações com gerentes e a cegueira de “avaliadores” lograram receber à vista grandes somas de dinheiros e induziram gente de boa-fé a ficar refém por 30 (trinta) anos de um financiamento de imóvel que pouco vale e podre está.
    Desculpem a dureza do relato, mas é sincera a crença nele exposta.

    0
    • SF 3 de maio de 2012 at 17:13

      Aplausos pra vc, concordo plenamente em tudo que vc disse!!!

      Vi um imóvel do MCMV com o valor de R$ 120 mil quanto o teto era R$ 130 mil, aumentar absurdamente para R$ 195 mil quando o teto passou para R$ 170 mil, detalhe o imóvel (gayola) da MRV continua com os mesmo 45m².

      Só queria saber como esses engenheiros (agora são mágicos) conseguem enfiar 2/4, sendo 1 suíte dentro de 45m²????

      Acho que a coisa piorou muito quando a Dilma aumentou o teto desse MCMV, foi nesse momento que o valor imóveis dispararam.
      Antes do aumento desse teto, um 2/4, suíte de 60m² custava de 150 mil a 170 mil na planta, hoje está custando de 270 mil a 350 mil, e o pior de tudo que estão comprando.

      Vide o empreendimento Bora Bora Tijuca, uma apartamento de 115 m² 3/4, suíte, custar R$ 1 milhão.
      Tijuca/RJ sempre foi um bairro de classe média, cercado por favelas, vira um caos quando chove, o transito é um caos, E AGORA VIROU BAIRRO DE MILHONÁRIO.

      0
    • charles 3 de maio de 2012 at 22:28

      Caro Pessimista

      Não tinha lido um post seu por aqui ainda, deve ser novo no blog e já começou bem!

      Talvez voce tenha se deparado com muitas baratas! Não ligue, é molecada que deveria ficar só ouvindo mas insiste em falar!

      Seja bem vindo…

      0
  • Paty 3 de maio de 2012 at 16:31

    no FGTS pode encarecer crédito imobiliário

    Uma eventual mudança do indexador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço poderia encarecer o crédito imobiliário e prejudicar as pessoas de renda menor no País, de acordo com o presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Jorge Hereda.

    Em exposição feita na subcomissão temporária do FGTS no Senado, Hereda afirmou que uma alteração do fator de correção atual, de TR mais 3%, para o IPCA elevaria o juro do empréstimo da casa própria de 9,8% para 14,3% ao ano.

    Nessa hipótese, a parcela de um financiamento habitacional para a população de baixa renda subiria, por exemplo, de R$ 475 para R$ 634. Hereda explicou que a mudança do indexador beneficiaria principalmente quem tem elevado saldo na conta do FGTS.

    O presidente da Caixa também vê com ressalva uma eventual diversificação no uso da destinação do FGTS, outra hipótese em estudo na subcomissão. Para ele, é preciso se pensar no equilíbrio atuarial.

    No ano passado, foram arrecadados R$ 72 bilhões e sacados R$ 57 bilhões. E os saques ficaram em torno de 80% da arrecadação. Segundo Hereda, não haveria muita margem para mudar a carteira de investimentos do fundo.

    “Ele (o fundo) não é tão grande que possa dar conta de tudo que fazemos hoje e mais alguma coisa”, afirmou. “Não há espaço para se colocar mais demanda no fundo. É importante que, quando se decida (mudar), se decida pensando nisso”, argumentou. (com informações de Diário do Nordeste CE)

    Fonte: w w w.BahiaNoticias.com.br

    0
  • Paty 3 de maio de 2012 at 16:34

    Olha a quantidade de imovel pessoal… que medo..

    CEF oferece 430 mil imóveis em feirão que acontece em 13 cidades

    Fonte: Infomoney

    SÃO PAULO – A Caixa Econômica Federal vai promover a oitava edição do Feirão da Casa Própria, entre os dias 4 de maio e 10 de junho, em 13 cidades brasileiras.

    Os moradores de Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília poderão comprar os imóveis no Feirão de 4 a 6 de maio. Entre os dias 18 e 20 do mesmo mês é a vez de Curitiba, Fortaleza e São Paulo. Ainda participam do evento as cidades de Uberlândia, Campinas, Porto Alegre, Belém e Florianópolis, conforme a tabela a seguir:

    Calendário dos Feirões

    Feirão

    Data

    Local

    Belo Horizonte – MG

    04/05 até 06/05

    BH – Pavilhão 2 do Expominas

    Recife – PE

    04/05 até 06/05

    Centro de Convenções

    Rio de Janeiro – RJ

    04/05 até 06/05

    Rio Centro

    Salvador – BA

    04/05 até 06/05

    Centro de Convenções

    Brasília – DF

    04/05 até 06/05

    Centro de Convenções Ulysses Guimarães

    Curitiba – PR

    18/05 até 20/05

    Marumbi Expo Center

    Fortaleza – CE

    18/05 até 20/05

    Centro de Convenções

    São Paulo – SP

    18/05 até 20/05

    Centro de Exposições Imigrantes

    Uberlândia – BH

    25/05 até 27/05

    UB – Center Convention

    Campinas – SP

    25/05 até 27/05

    Shopping Iguatemi

    Porto Alegre – RS

    25/05 até 27/05

    Fiergs

    Belém – PA

    08/06 até 10/06

    Hangar Centro de Convivência da Amazônia

    Florianópolis – SC

    08/06 até 10/06

    Centro de Convenções

    Fonte: CEF

    430 mil ofertas
    De acordo com a Caixa, o Feirão, que é considerado o maior evento do setor, deve impulsionar o segmento habitacional, com mais 430 mil ofertas de imóveis, entre novos, usados e na planta.

    “A grande vantagem do feirão é a possibilidade de se realizar o processo de aquisição do imóvel num único espaço, onde estão, juntos, todos os agentes da cadeia de habitação, como construtoras, corretores, cartórios e técnicos da Caixa, responsáveis por analisar e liberar os financiamentos, o que poupa tempo e dinheiro para as famílias”, diz o vice-presidente de Governo e Habitação da Caixa, José Urbano Duarte. Este ano, o evento contará com cerca de 760 construtoras, 460 correspondentes da CEF e mais quase 400 imobiliárias.

    Condições
    De acordo com a Caixa, as linhas de financiamento para a casa própria possuem prazo de pagamento de até 30 anos e atendem a todas as faixas de renda familiar.

    Os juros podem variar de de 4,6% até 9% ao ano, mais TR, para todas as modalidades de financiamento. Os interessados podem adquirir seu imóvel próprio com financiamento de até 100% do valor total, segundo a instituição.

    Atendimento
    Para quem quiser adquirir um imóvel durante o Feirão, é necessário levar documentos como RG, CPF e comprovantes de renda (três últimos contracheques ou seis últimos extratos bancários, para o caso de renda informal), segundo a Caixa.

    De acordo com a Caixa, para aqueles que comprarem um imóvel, também é possível obter informações em todas as agências da Caixa, pelo Serviço de Atendimento ao Cliente do banco ou pelo site do Feirão: ww w.feirao.caixa.gov.br.

    Outra opção na internet é o simulador habitacional, que pode ser acessado no portal da instituição e que permite calcular e visualizar vários cenários e valores.

    0
    • GB 3 de maio de 2012 at 16:53

      Corri negadis, é fria.

      0
  • D9 3 de maio de 2012 at 16:41

    Pessoal, assunto que talvez interesse.
    Por favor, se estiver algo incoerente, avisem.

    Hoje é o último dia para aplicar na poupança com a regra atual (0,5% + TR).
    O rendimento das futuras aplicações será vinculado a SELIC (70% da SELIC + TR)
    Em resumo: vai ser pior, beeeem pior.

    Recomendo aos que possuem aplicações como CDB e outros fundos DI,
    que considerem a migração para a poupança.

    No caso do CDB, na próxima queda da SELIC passará a ser uma aplicação pior que a poupança (na regra antiga, que acaba hoje).

    ——

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/05/regra-da-poupanca-mudara-so-para-novas-cadernetas-anunciara-governo.html

    0
    • GB 3 de maio de 2012 at 16:57

      Essa “poupança antiga” vai ser um grande barato, o Governo pode baixar a SELIC o quanto quiser que ela sempre vai dar mais que a outra “nova poupança”.

      Agora é que o pessoal não vai tirar o $$$$ dela, construtoras e corretores podem tirar os olhos gordos dela tb.

      Essa medida é outro teatrinho, ainda bem que nçao mandei o $$$ para o Tesouro Direto, o $$$ novo que eu poupar vai para lá, o antigo fica onde está.

      0
    • GB 3 de maio de 2012 at 16:59

      Na verdade os depósitos novos na poupança é que serão remunerados em 70% da SELIC + TR, os outros continuam dando a SELIC – taxa de adm. e IR, como sempre foram.

      0
      • Toma-lhe Jhones 3 de maio de 2012 at 17:02

        GB a poupança atual, ou antiga, não é ligada a taxa SELIC ela tem uma remuneração fixa de 0,5 am + TR

        0
        • GB 3 de maio de 2012 at 17:17

          Poupança antiga (depósitos até hoje): 0,5 am + TR
          Poupança nova: 70% da SELIC + TR
          Outras: SELIC – taxa administração – IR

          Eu vou manter o dinheiro antigo na Poupança antiga e mandaria o novo para o Tesouro Direto, não pouparia na Poupança nova, vou falar com meu gernete na semana que vem sobre a destinação do que tenho poupado mensalmente.

          Eu não sei se o pessoal concorda, mas estou tendendo ainda menos a tirar o $$$ da poupança e comprar um imóvel, agora o custo x benefício tem que ser mesmo muito bom para fazer isso.

          0
          • Guilherme SC 3 de maio de 2012 at 23:26

            Eu não vou depositar mais nem um realzinho na minha poupança para poder controlar bem os meus rendimentos.

            0
    • Paty 3 de maio de 2012 at 17:54

      Mais até quando o governo aguenta segurar a baixa da selic ???? e os bancos não precisam do dinheiro dos cdbs da vida, como fica alguem sabe me explicar????

      0
      • SPSPJULIANO 3 de maio de 2012 at 21:16

        Na minha opinião a queda da SELIC não dura….

        Foi a mesma história qd o Lula era presidente e a taxa SELIC chegou onde nunca antes na história deste pais tinha chegado, ou seja em 8,75.

        Se a inflação continuar em 5 ou 6 ao ano a SELIC cai para baixo de 8,00 ou 8,25 risco de se ter taxa real de juros negativa.

        A própria Dilma já disse que quer taxa de juros reais de 2% ao ano. Para saber onde a SELIC chega é só fazer a conta em função da inflação esperada pelo governo.

        Por melhor que o Brasil esteja (seja)…. nós não teremos taxa real de juros negativa em uma situação que não seja a de guerra, o Real não tem lastro suficiente para isso.

        0
  • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 16:43

    Olhando a médio e longo prazo teremos uma situação inédita no Brasil…
    Mesmo que o brasileiro não saiba fazer conta vai fazer relação entre a remuneração de uma apliação e o custo de um financiamento… E, querendo ou não vai comparar seu ganho no trabalho com o custo de itens caros como a casa própria e carros…
    Será que o povão não vai exigir uma redução drástica no IPI, ICMS, IR????

    Com eu havia colocado a alguns dias atrás… acho realmente a a Dilma está preparando o cenário para que a reforma tributária entree em pauta….

    0
    • peterson 3 de maio de 2012 at 17:22

      eu acredito mais em caipora, Iara , saci-perere, papa-figo, que são folclores 100% brasileiros que uma evolução cultural brasileira a ponto de se conscientizar e exigir uma redução de impostos em todas as esferas….

      0
      • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 17:39

        ahah…ahah oooo peterson não exagera não… as pessoas bem que se dão conta dos preços nos supermercados e feiras…. não estou estou esperando uma mudança de postura lógica, embasada, consciente… mas estou sim esperando que a sensação de desconforto em relação aos impostos implique numa revisão dos mesmos…

        agora que instituiram impostometro … e isso tem feito parte permanente da midia … as pessoas começam a sentir que recebem menos do que deveriam… as pessoas estão encontrando caminhos para protestaR em relação a saude, educação segurança… então, pode ser que chegou a hora do inconsciente coletivo de Jung fazer seu papel ….

        gostei do caipora…. ahahah fazia tempo que não lia nada do folclore brasileiro, antigo,… porque os politicos atuais são um folclore a parte né…

        0
      • Luiz 3 de maio de 2012 at 17:47

        nem pode reduzir arrecadação, tem o deficit do governo, dolar fugindo

        0
        • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 17:55

          Luiz, realmente estou contando com a fuga do capital estrangeiro pra ver se nosso mercado perde a mascara….
          Mas a arrecadação pode pelo menos ser melhor aplicada… e vai cair sim se houver recessão…

          0
      • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:53

        Papa figo? preguiça de procurar no google. 🙂

        0
    • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:40

      Difícil quem paga é sempre o último na cadeia, o povo não sabe quanto paga.

      A situação só mudaria da seguinte forma: Moça quanto é a caixa de Bis.

      A caixa é 1,90 para o governo vão 2,00 total 3,90.

      Pronto palácio do planalto queimado, senadores e deputados vestidos de mulher saindo pela porta dos fundos.

      0
      • Thiago A. 3 de maio de 2012 at 18:49

        Cheguei a conclusão que brasileiro adora pagar imposto, se você não gosta você é contra o governo do PT, etc

        É surpeendente mesmo

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 19:40

          imagina só gasolina é 1,50 o governo municipal fica com 0.30 o estadual com 0,50 e o federal 0,70 total =3,00

          ou pior trabalhe “gratuitamente” por 150 dias e depois disso começe a ganhar dinheiro para poder gastar hahahaha

          0
          • peterson 3 de maio de 2012 at 19:44

            o “ç” e “z” tá saindo direto nesse maldito teclado ruim …. regra : não existe verbo nenhum em PT com “Ç” antes de “E” e “I”… por favor ignorem

            0
  • GB 3 de maio de 2012 at 17:07

    Fazendo uma análise muito rápida, caiu por terra aquele argumento falho de que podem reduzir a remuneração da poupança que isso seria compensado pela redução da % do financiamento, pura bobagem pois não faz o menor sentido deixar $$$$ parado na poupança recebendo pouco e pagar muito em um financiamento, quem quer comprar um imóvel vai limpar a poupança e financiar o menor valor possível (eu faria isso sem pestanejar).

    Com as novas regras o pessoal não vai tirar o $$$$ da poupança para nada, pois vai dar mais que os atrelados à SELIC, também não vai financiar nada, pelo motivo acima, o Governo está dando um tiro no pé, novamente.

    Baixando a SELIC vai reduzir o interesse pelos títulos e muito $$$ estrangeiro irá embora, muito vão dizer que ainda vai valer a pena, mas os riscos serão maiores, aqui não é nenhuma Holanda ou Suiça e a Bolívia e a Argentiva ficam privatizando as coisas e lembrando isso ao mundo.

    O único jeito de mudar as coisas é aumentando a renda, aí os valores dos imóveis podem subir que a renda acompanha, de outr aforma o único jeit de salvar o mercado é reduzindo os preços.

    Logo a Bolsa vai acordar para o que aconteceu nesses 2 dias e vai despencar novamente, sorte de quem vendeu e azar de quem comprar hoje.

    0
  • GB 3 de maio de 2012 at 17:12

    Mas pelo menos foi engraçado, a partir de amanhã teremos 2 tipos de poupança, uma antiga para depósitos feitos até hoje e uma nova, para depósitos feitos depois de amanhã.

    Corri negadis, ainda dá tempo para poupar com regras antigas.

    Fico imaginando o que acontecerá quando a TV começar a noticiar quanto as duas estão dando, ficará claro que o negócio é manter o $$$ antigo aplicado e usar só o $$$ novo para comprar alguma coisa, pois vai render ainda menos.

    0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 17:45

      GB, fazia 15 anos que não via essa zona na economia, que bagunça, putaqueospariu, isso tah pior que a epoca que a zelia aparecia na TV explicar o INEXPLICÁVEL

      Vc falou bem, quem tinha dinheiro vai deixar lá.
      Os boatos dizem que vão extinguir a TR, daí a poupança antiga ficaria só nos 0,5%.

      Essas merdas todas vão secar a oferta, quem tem casa vai engolir prejuizo, vai engolir o estouro da bolha mas não vai vender por medo do governo que se faz de louco e acaba agradando especuladores e corretores. Cirilo deve estar pulando de alegria na piscina, essa é a verdade.

      0
      • Toma-lhe Jhones 3 de maio de 2012 at 17:55

        Luiz acho dificil a TR acabar, os financiamentos imobiliarios tem uma parte fixa de x% mais uma variável que é a TR, se ela acabar todos os financiamentos não sofrerão correção mesmo que a SELIC volte a subir no futuro.

        0
      • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:41

        Concordo parecemos formiga no chão e as crianças brincando com a gente, espero que o final não seja o de sempre, aquela pisada mortífera.

        0
    • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 18:03

      GB isso só se a SELIC cair de 7% … pois acima disso empata com a poupança antiga…

      vamos ver as proximas reuniões do cupom – vamos ver quanto seráo corte na selic… e vamos ver como os estrangeiros vão se comportar…

      0
  • André 3 de maio de 2012 at 17:21

    “Olhem a noite quantos apartamentos estão vazios, com as luzes apagadas”

    Eu me achava meio louco por isso, mas é algo que tenho notado. Aqui na minha cidade, tudo apagado, e me pergunto, onde estão os moradores?

    0
    • Riodetudo 3 de maio de 2012 at 17:43

      Os prédios construídos nos últimos anos só devem ter no máximo 10% de ocupação. No Rio, pelo menos, é assim. Só breu. Super atrativo morar num prédio assim. Alguém passou aqui prometendo fotos de um prédio iluminado que nem árvore de Natal mas só vejo escuridão…

      0
    • Engenheiro-SJC 3 de maio de 2012 at 18:10

      Isso é o que mais se vê por aqui, em São José dos Campos, no bairro mais vertical da cidade, Jd Aquarius…

      0
  • Sol de Sampa 3 de maio de 2012 at 17:26

    Pessoal, se o mercado está bombando ah isso eu tenho que constatar…. mas só hoje recebi ofertas da:
    EVEN
    ESSER
    MRV
    e um email hilário da Fernandez Mera em parceria com Santander..
    .
    então o mercado tá bombando????… quer dizer que eles querem vender bombas???

    – Ah sim —- observei recuo (pequeno) nos lançamentos

    0
    • GB 3 de maio de 2012 at 17:42

      Esse governo é esperto, se mudasse as regras para depósitos já feitos eles iam ter dor de cabeça com processos na Justiça, assim como aconteceu com o Plano Verão e o Plano Bresser.

      Novamente o resultado pode não ser o esperado por construtoras e corretores, fico curioso para ver o que vão fazer em seguida.

      0
      • Luiz 3 de maio de 2012 at 17:53

        isso lembra o plano collor cara
        confuso demais, é um sistema de confisco da poupança futura

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 18:37

          este é o tiro no pé no futuro mais bem dado rsrsrs

          0
          • Luiz 3 de maio de 2012 at 19:21

            exato

            um dia chamaremos esse tempo de a década perdida replay da década de 80

            0
  • "O" Nova 3 de maio de 2012 at 17:44

    Senhores!!! Uma dúvida…

    Náo é com a poupança do povo que o governo “sustenta” o setor imobiliário???….

    Com esse rendimento baixo, mtos sairão dessa aplicação. Certo?
    Não seria um tiro no pé da Dillllminha???

    Aguardo comentários!
    Obrigadooo

    0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 17:51

      só pra aplicação nova
      deviam chamar a zélia pra explicar direitinho

      0
      • peterson 3 de maio de 2012 at 18:33

        é a cruz e a espada do governo … se correr o bicho pega se ficar o bicho come…

        0
        • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:49

          Lembrem-se em épocas de crise alguns espertos criam fortunas

          0
  • Luiz 3 de maio de 2012 at 17:46

    Bem que o ANONYMOUS avisava

    fujam da banania, mandem dinheiro ontem pros EUA

    0
    • peterson 3 de maio de 2012 at 19:01

      talvez depois do fim do calendário Maia eu vá, pois no momento o melhor lugar para se sobreviver em uma catastrofe global é o Brasil…. rs

      0
      • Luiz 3 de maio de 2012 at 19:18

        Peter, vc tem certeza que conhece o Brasil?

        olha, não conheço os EUA nem quero, puro preconceito, acho quase tudo aquilo estupido demais, ams conheço outros países e gente de todo o mundo.

        Diria por essa pouca experiencia que o pior lugar para estar num momento péssimo é sem dúvida o BR, e o pior lugar prum momento excelente tbm é o Brasil

        0
        • peterson 3 de maio de 2012 at 19:50

          sou solteiro mas tenho filhos, também sou bem sucedido no Brasil e jamais deixaria eles… falei só para animar o Anonymous..hehehe

          0
          • Luiz 3 de maio de 2012 at 20:06

            hahaha, eu sabia, vc e meio doido mas não é nada burro

            0
  • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:07

    Sol e outros mais que gostariam de saber como se perde dinheiro construindo sem época de crise:

    Estava ausente hoje, quando voltei meu marido tinha uma cópia de uma nota fiscal para uma construtora. Ele estava atendendo quando um ajudante de caminhão veio para saber onde ficava rua X, meu marido sabia pois era no mesmo bairro, mas quando percebeu o valor de alguns itens na nota ficou surpreso e disse ao funcionário que iria ver no guia e já voltava, tirou a cópia e me entregou.

    Para minha surpresa eram esquadrias, cujo valor era 4X maior do comum, isso sem pesquisa no mercado, a nota estava vindo de 500Km, pesquisei por endereço nada, por rua nada, então tentei aliar o nome da empresa com a cidade de seu destino e Thanaaaaaaaaan, a pessoa é vista em fotos junto com os donos da construtora, e é um parente, ou seja, o Brasil não mudou nada esqueletos vão ficar de pé, prejuízos? será? no Brasil? mas como a carga era alumínio pode justficar vir de tão longe por ser leve isso é o que estamos sabendo a pontinha do iceberg, ainda bem que não estamos dentro do Titanic, mulheres e crianças primeiro!!!!!!!!!!

    0
    • Fred 3 de maio de 2012 at 18:27

      Rosinha, você e o seu marido devem formar uma “dupla do barulho”! 😉

      0
      • RosinhA 3 de maio de 2012 at 18:44

        Fred o pior que tenhos duas filhas e uma sozinha de 1 ano de 3 meses já consegue me passar a perna. 🙂

        0
        • Fred 3 de maio de 2012 at 19:02

          Muito bom!!! kkkk

          0
    • mr.Crowley 3 de maio de 2012 at 18:29

      devia ter ouvido o anonymous antes…

      0
    • Sol de Sampa 4 de maio de 2012 at 02:45

      Rosinha, pois foi o que conversamos… 1 bi só com fraude…. e essa hstória não é de 2011, aposto em pelo menos 3 anos…..
      Bem que o MrK poderia dar as dicas da direeção…. mas acho realmente que vc pegou o maior caminho….

      0
  • Sir Income 3 de maio de 2012 at 18:31

    Olhem a postagem do fanfarrão Guilherme Mota: http://forum.investidoragressivo.com/viewtopic.php?p=79402#79402

    Esse blog merece uma trolagem mostro! http://veniceparkbsb.blogspot.com.br/

    0
  • Ze Bom Dirolo 3 de maio de 2012 at 18:49

    Senhores….essa mexida na poupança tá sombria….

    0
  • Ploc 3 de maio de 2012 at 19:01

    Sugiro tirar um extrado do seu depósito em poupança no dia que começar a valer a nova regra.
    PLOC!!!

    0
  • Anonymous 3 de maio de 2012 at 19:01

    Vale a pena ler de novo, pois está relacionado com os boatos de acabar com a TR.

    Anonymous disse:
    agosto 31st, 2011 at 2:51

    Somente um tolo acredita que uma taxa de juros que varia TODO MES e que além disso pode ter seu cálculo ALTERADO DA NOITE PARA O DIA não é um índice de INFLAÇÃO.

    CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, Reunião Ordinária de 27/09/2006

    O Conselho Monetário Nacional aprovou a metodologia para o cálculo da TR (Taxa Referencial) prefixada que será cobrada nos financiamentos para a compra de imóveis residenciais, no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH). A TR travada será calculada com base na média da taxa diária da TR nos 90 dias anteriores e será divulgada pelo Banco Central do Brasil no último dia útil de cada mês, com validade para o mês seguinte. Para maior transparência, o BC também divulgará o limite máximo de taxa de juros para os financiamentos prefixados, resultante da composição da TR travada com a taxa de juros de 12% ao ano. Essa nova modalidade de financiamento no SFH pode ser adotada em contratos de financiamento de até R$ 245 mil, para imóveis com valor de avaliação de até R$ 350 mil.

    BANCO CENTRAL DO BRASIL, Resolução nº 3.446, de 5 de março de 2007

    Altera a metodologia de cálculo da Taxa Referencial

    1. O Conselho Monetário Nacional aprovou a supracitada resolução visando aprimorar o cálculo da Taxa Referencial (TR). A medida altera o chamado parâmetro “b”, usado no cálculo do redutor utilizado na fórmula da TR. Na regra anterior, o parâmetro “b” era de 0,32 para a TBF entre 13% e 12% ao ano. A resolução atual estende a vigência desse valor do parâmetro também para a faixa entre 12% e 11% ao ano (ver tabelas abaixo). O valor do parâmetro para as demais faixas da Taxa Básica Financeira(TBF) fica inalterado. A mudança produz efeitos no cálculo da TR a partir de 6 de março, mas não gera efeito imediato na TR.

    2. Além de ser usada na fixação do rendimento da poupança, a TR é utilizada em diversos tipos de contratos no mercado financeiro e no cálculo da remuneração das contas vinculadas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS. A TR é calculada com base na rentabilidade média dos CDB/RDB de prazo de 30 a 35 dias corridos, emitidos por uma amostra composta pelas 30 instituições financeiras com maior volume de captação desses papéis. Sobre essa média, intitulada TBF, aplica-se um redutor “R”, como detalhado a seguir:

    TR = 100 {[(1 + TBF/100)/R] – 1}

    R = 1,005 + b.TBF/100

    0
  • Anonymous 3 de maio de 2012 at 19:03

    Também vale a pena ler de novo, pois os imóveis estão caindo de preço.

    Anonymous disse:
    5 de junho de 2011 às 18:29

    O seguinte resultado dá uma idéia do risco de comprar imóvel na alta. Supondo inflação zero e taxa de juros anual J. Se o preço do imóvel for reduzido, multiplicado por um fator (1 – F), imediatamente após o contrato de financiamento (tabela PRICE), a dívida permanecerá maior do que o valor do imóvel durante K anos, de acordo com a seguinte expressão:

    K = LOG(F * (1 + J) ** N + (1 – F)) / LOG(1 + J)

    Para J = 0.12, N = 30 anos:

    K = 12 anos se preço cair 10%, F = 0.10

    K = 15 anos se preço cair 15%, F = 0.15

    K = 17 anos se preço cair 20%, F = 0.20

    0
  • Vinícius BH 3 de maio de 2012 at 19:04

    Pensei o seguinte, tudo acaba na questão da renda.
    Vejam bem, a renda não evoluiu. Esse é o ponto.
    E daí que há mais crédito – não há capacidade de endividamento, não é o que percebemos? Não é por isso que os carros estão sendo devolvidos?
    As construtoras estavam financiando a entrada dos imóveis (na planta) de forma bastante tranquila para os possiveis compradores. E dai? Isso quer dizer que todo mundo podia comprar? Esqueceram da Tenda?
    Quanto à poupança, quem no Brasil tem poupança? Quer dizer que a “nova classe média” vai tirar seu dinheiro da poupança e investir em imóveis ou em produção? Essas pessoas financiam geladeira no Ricardo Eletro e pagam juros altíssimos. Quem estamos tentando enganar?

    Atenção – tenho um amigo que de uns anos para cá passou a dizer que o Brasil é um dos únicos países no mundo que um sujeito que tem US$1000000,00 não é um cara rico. Para mim, a resposta está aí.

    0
    • Sol de Sampa 4 de maio de 2012 at 02:48

      Vinicius BH acho que vc está certo sim… e acho que associado a falta de renda, vamos ter ou inflação ou deflação… as duas serão ruins…

      0
  • Miguel Jacó 3 de maio de 2012 at 19:09

    Tenho alguns comentários:

    1) Leiam mais o que o Anonymous tem a ensinar;

    2) O preço dos imóveis não vai baixar, vai é despencar (e já tem data-limite certa para isso, como eu escrevi, dia 12/06/2012);

    3) O Brasil está TÃO BEM… mas TÃAAAOO BEM que lança uma “medida de incentivo” por dia, além de colocar sua presidenta para discursar ao povo, nas datas-chave como véspera de Dia do Trabalho e 7 de Setembro, implorando para que consumam e procurem bancos que paguem menos juros.

    Pa bo enten me pala bas.

    0
  • Ze Bom Dirolo 3 de maio de 2012 at 19:22

    Acompanhando o discurso do Guido Mantega.
    Tá dando até arrepio..
    Pergunta da jornalista: Você não tem medo de ser comparado à Ministra Zélia Cardoso?

    ……

    0
    • Luiz 3 de maio de 2012 at 19:36

      hahaha boa pergunta
      … com esses comunistas é na base da porrada,

      cadê os militares?
      cadê as milicias?
      saudadade do DOI CODI

      0
  • GB 3 de maio de 2012 at 19:40

    Persiste o mistério: qual será a medida de incentivo inócua que o governo vai tomar amanhã ?

    E o Frajola e sua sardinhada vibram !!!!!!

    0
    • RosinhA 3 de maio de 2012 at 19:48

      GB sinal dos tempos:

      Manolo Auto em Santo André virou Manolo Modas. o que poderia vir como profissão nova para corretores, pensou, olá lembra-se de mim te vendi aquele ap de 1,5kk, qual o número do seu sapato por favor?

      0
      • GB 3 de maio de 2012 at 20:07

        O ex-corretor ao ver o antigo cliente vai é se esconder, não é nem louco de lembrar o cara que ele o colocou numa roubada de 1.5kk, o cara mata ele.

        0
      • GB 3 de maio de 2012 at 20:12

        “- Não foi você que me vendeu um apto. de R$ 1.5kk prometendo que ia valorizar para sempre e agora tenho um financiamento com juroa altos de R$ 2kk para pagar e ele só está valendo R$ 200k ?”

        “- Não fui eu não Doutor, o senhor não quer levar uns par de meias para combinar com o sapato ?”

        0
    • CapEnt 3 de maio de 2012 at 20:10

      Se você procurar o Ministro da Fazenda em Brasilia, irá encontrar um kinder ovo na cadeira, e um teclado na frente dele.

      0
  • Não sei se caso ou compro uma bicicleta 3 de maio de 2012 at 19:51

    Moro em São Paulo nos jardins. Há coisa de 4 anos pessoas que não me cumprimentavam no elevador passaram atravessar a rua para dizerem o quanto nossos imóveis valiam, assim, tenho que a desmedida valorização destes preços não deriva somente das variáveis econômicas.
    Muita gente ganhou, recentemente, dinheiro com imóveis e houveram fundamentos para tal fenômeno.
    Pretendo comprar um outro imóvel para moradia e não quero pagar os preços indecentes cobrados, daí o preâmbulo acima. Penso que o tempo de espera pode estar condicionado a variáveis que desconheço e exponho:
    – As bolhas são criadas pela ação concentrada de capital e estouram quando o mico está diluído nas mãos (costas) de pequenos especuladores. Esta circunstância já está criada?
    – Constato que há encalhe. O que o está financiando?
    – Houve migração de capitais de “wall street” para o mercado brasileiro? Ele ainda está aqui? O cara pulou fora antes da hora da GAFISA, porisso tentou voltar?
    – O IOF somente é cobrado das entradas de capital alienígena se o prazo de permanência for inferior a 3 anos, isto afeta de alguma forma o mercado imobiliário?
    -Dilma, em minha opinião, reproduz a política econômica dos “socialistas” espanhóis, quanto tempo acham que levará para esta di-gestão desembocar numa c(*)agada?
    abraços

    0
  • Davi 3 de maio de 2012 at 20:08

    16:17 ANALISTAS: MUDANÇA ESTIMULA ATIVIDADE MAS TRAZ RISCO INFLACIONÁRIO

    São Paulo, 3 – A iniciativa do governo de mudar as regras de remuneração da caderneta de poupança é considerada

    importante à medida que pode estimular o ritmo da atividade econômica. Mas analistas ouvidos pela Agência Estado ponderam

    que a alteração pode também ter um impacto na inflação futura – precisamente a de 2013 que poderá ficar mais pressionada a

    partir de agora.

    O economista Antonio Madeira, um dos sócios da MCM Consultores, acredita que a medida é importante para reduzir os juros

    e estimular a atividade, enquanto o economista Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria Integrada, acha que é

    preocupante estimular só a demanda sem melhorar condições estruturais da oferta. Já o presidente do Conselho Regional de

    Economia (Corecon-SP) e da Ordem dos Economistas do Brasil (OEA), Manuel Enriquez Garcia, defende a medida, dizendo:

    “A mudança da remuneração da caderneta de poupança é uma necessidade, é fundamental”.”E para um crescimento mais

    sustentado, é fundamental a queda da taxa de juros”, completou.

    “A queda de juros é um instrumento importante para estimular a atividade econômica. Os dados da indústria referentes ao mês

    de março foram frustrantes e mostram que a recuperação da economia ainda segue de uma forma muito lenta, o PIB deve

    variar muito pouco no primeiro trimestre, portanto o BC percebe que há espaço para dar mais estímulo à atividade econômica”,

    avaliou Madeira que prevê efeitos da mudança a partir do segundo trimestre. “Mais para o terceiro trimestre, eu diria”, previu.

    Madeira também estima que a medida terá impacto na inflação futura. “A dinâmica natural é essa: a política monetária tem

    efeitos expansionistas sobre a atividade. Num segundo momento, depois que bate na atividade, pode ter efeitos na inflação. A

    inflação do ano que vem pode ficar mais pressionada”, explicou.

    Já Campos Neto vê com cautela os estímulos à demanda. Segundo o economista, ainda há falhas estruturais no lado da oferta

    que tornam a reação da atividade limitada. “Com uma taxa de juros mais baixa, você incentiva a demanda, mas ainda precisa

    de um trabalho mais forte no lado estrutural da economia, que permita ampliar a produção, a oferta de bens e serviços. Os

    ganhos que visam a expansão da demanda são limitados e gradativos, pois temos restrições importantes”, afirmou.

    Para ele, as políticas recentes para estimular a demanda oferece um risco do ponto de vista dos preços, que deverá ser

    sentido em 2013. “Amplia-se o descompasso entre demanda e oferta e também o risco de piora do cenário da inflação num

    horizonte dos próximos meses e, principalmente, para 2013”, afirmou Campos Neto.

    Manuel Enriquez Garcia vê o risco de a mudança nas regras da poupança desestimular os investidores. “Sempre existe uma

    possibilidade de um desestímulo para poupar. Sem estímulo, a população poderá ir para o consumo”, observou Garcia.

    Queda da Selic

    O economista da MCM Consultores estima que a taxa básica de juros caia para 8,5% neste mês e alcance o patamar de 8%

    em junho. “O piso seria na faixa de 8%”, prevê. Já Garcia prevê que, neste ritmo de queda, no final do governo Dilma Rousseff

    a Selic alcance 6,5%. Campos Neto afirmou que as eventuais mudanças nas regras de remuneração sinalizam uma intenção

    do governo de remover a barreira que coloca um piso para a Selic, mas preferiu não estimar o patamar que taxa pode

    alcançar.

    (Beatriz Bulla e Daiene Cardoso)

    0
    • Davi 3 de maio de 2012 at 20:11

      Nossa o post ficou horrível e cheio de espaços, desculpem, vou postar de novo, bolha por favor, apague o anterior:

      16:17 ANALISTAS: MUDANÇA ESTIMULA ATIVIDADE MAS TRAZ RISCO INFLACIONÁRIO

      São Paulo, 3 – A iniciativa do governo de mudar as regras de remuneração da caderneta de poupança é considerada importante à medida que pode estimular o ritmo da atividade econômica. Mas analistas ouvidos pela Agência Estado ponderam que a alteração pode também ter um impacto na inflação futura – precisamente a de 2013 que poderá ficar mais pressionada a partir de agora.

      O economista Antonio Madeira, um dos sócios da MCM Consultores, acredita que a medida é importante para reduzir os juros e estimular a atividade, enquanto o economista Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria Integrada, acha que é preocupante estimular só a demanda sem melhorar condições estruturais da oferta. Já o presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-SP) e da Ordem dos Economistas do Brasil (OEA), Manuel Enriquez Garcia, defende a medida, dizendo:

      “A mudança da remuneração da caderneta de poupança é uma necessidade, é fundamental”.”E para um crescimento mais sustentado, é fundamental a queda da taxa de juros”, completou.

      “A queda de juros é um instrumento importante para estimular a atividade econômica. Os dados da indústria referentes ao mês de março foram frustrantes e mostram que a recuperação da economia ainda segue de uma forma muito lenta, o PIB deve variar muito pouco no primeiro trimestre, portanto o BC percebe que há espaço para dar mais estímulo à atividade econômica”, avaliou Madeira que prevê efeitos da mudança a partir do segundo trimestre. “Mais para o terceiro trimestre, eu diria”, previu.

      Madeira também estima que a medida terá impacto na inflação futura. “A dinâmica natural é essa: a política monetária tem efeitos expansionistas sobre a atividade. Num segundo momento, depois que bate na atividade, pode ter efeitos na inflação. A inflação do ano que vem pode ficar mais pressionada”, explicou.

      Já Campos Neto vê com cautela os estímulos à demanda. Segundo o economista, ainda há falhas estruturais no lado da oferta que tornam a reação da atividade limitada. “Com uma taxa de juros mais baixa, você incentiva a demanda, mas ainda precisa de um trabalho mais forte no lado estrutural da economia, que permita ampliar a produção, a oferta de bens e serviços. Os ganhos que visam a expansão da demanda são limitados e gradativos, pois temos restrições importantes”, afirmou.

      Para ele, as políticas recentes para estimular a demanda oferece um risco do ponto de vista dos preços, que deverá ser sentido em 2013. “Amplia-se o descompasso entre demanda e oferta e também o risco de piora do cenário da inflação num horizonte dos próximos meses e, principalmente, para 2013”, afirmou Campos Neto.

      Manuel Enriquez Garcia vê o risco de a mudança nas regras da poupança desestimular os investidores. “Sempre existe umapossibilidade de um desestímulo para poupar. Sem estímulo, a população poderá ir para o consumo”, observou Garcia.

      Queda da Selic

      O economista da MCM Consultores estima que a taxa básica de juros caia para 8,5% neste mês e alcance o patamar de 8% em junho. “O piso seria na faixa de 8%”, prevê. Já Garcia prevê que, neste ritmo de queda, no final do governo Dilma Rousseff a Selic alcance 6,5%. Campos Neto afirmou que as eventuais mudanças nas regras de remuneração sinalizam uma intenção do governo de remover a barreira que coloca um piso para a Selic, mas preferiu não estimar o patamar que taxa pode alcançar.

      (Beatriz Bulla e Daiene Cardoso)

      0
      • Cleyton 3 de maio de 2012 at 21:19

        Se entendi direito o que vi no jornal, com a selic em 8,5% pelas minhas contas a poupança vai pagar 0,48% (70% da selic mensal que de saída já é 4% a menos que os 0,5% fixo de hoje) e 70% da TR (que era cheia), se a selic baixar de 8,5% a poupança baixa junto, só que se ela subir de 8,5% a poupança fica onde estava e não sobe junto?

        Tipo combustível, sobe o álcool sobe a gasolina, baixa o álcool sobe a gasolina? É isso?

        0
  • Miguel Jacó 3 de maio de 2012 at 20:17

    – As bolhas são criadas pela ação concentrada de capital e estouram quando o mico está diluído nas mãos (costas) de pequenos especuladores. Esta circunstância já está criada?
    Sim.

    – Constato que há encalhe. O que o está financiando?
    Investidores atrasados.

    – Houve migração de capitais de “wall street” para o mercado brasileiro?
    Houve.
    Ele ainda está aqui?
    Em parte sim, em parte, está saindo.

    O cara pulou fora antes da hora da GAFISA, porisso tentou voltar?
    Pulou depois da hora. Gasifa hoje é repique ou investida desesperada do governo.

    – O IOF somente é cobrado das entradas de capital alienígena se o prazo de permanência for inferior a 3 anos, isto afeta de alguma forma o mercado imobiliário?
    Não mais, quem comprou lucrou ou quer vender, quem não comprou antes não comprará agora.

    -Dilma, em minha opinião, reproduz a política econômica dos “socialistas” espanhóis, quanto tempo acham que levará para esta di-gestão desembocar numa c(*)agada?
    Resposta nº1: sim, ela reproduz.

    Resposta nº2: 40 dias.

    0
  • Sérgio 3 de maio de 2012 at 21:23

    Qual o fundamento, o “quase“ requisito para acentuada queda de preços dos imóveis?
    É uma pergunta que levanta a possibilidade de várias e substanciosas respostas; todas com alto grau de plausibilidade.
    Entretanto, como as mesmas leis de mercado, os mesmos fundamentos econômicos que regem os outros países, sejam desenvolvidos ou não, são os mesmos, ao menos em alguma medida – algum dos (diversos) ”estopins” deve ser o mesmo.
    Já havia feito algumas análises dos estouros de outras bolhas, mormente a americana, irlandesa, portuguesa e espanhola. Em todas, achava alguma similaridade com o nosso caso, além das diversas ”diferençs”, a exemplo do subprime americano.
    Há uns dias atrás encontrei o que me pareceu ser comum a todo e qualquer país que segue a atual cartilha economica ortodoxa: a TAXA de JUROS.
    Observando essas nos respetivos países e períodos temporais, pude constatar uma mesma trajetória: a de quedas acentuadas que fomentaram a escalada de preços (imoveis), por excesso de crédito e a consequente fuga de capitais atrelados a essas taxas em direção ao ativo em questão E sua posterior (e consequente) inversão, quando os governos (e seus bancos centrais autônomos??!!) passaram a não contar com suas fontes de financiamento. Essa inverção, por necessidade de financiamento (dívidas públicas) fez com que os BCs aumentassem as referidas taxas, trazendo de volta o antigo capital e ENCARECENDO o crédito imobiliário.
    Os resultados puderam ser observados por todos.
    Para não ficar apenas em alegações infudadas, oportunizo o seguinte, para uma posterior conclusão (conclusão???):
    Taxa americana: h t t p : / / p t.global-rates.com/taxa-de-juros/bancos-centrais/banco-central-estados-unidos/juros-fed.aspx
    Taxa europeia: h t t p : / / p t.global-rates.com/taxa-de-juros/bancos-centrais/banco-central-europeo/juros-bce.aspx
    Taxa chinesa: h t t p : / / p t.global-rates.com/taxa-de-juros/bancos-centrais/banco-central-china/juros-pbc.aspx
    Taxa bananesa: h t t p : / / p t.global-rates.com/taxa-de-juros/bancos-centrais/banco-central-brasil/juros-bacen.aspx
    .
    Percebam que tanto nos EUA quanto na Europa, as taxas andavam (e andam) mais ou menos num exato compasso com um leve retardo de mais ou menos 01 ano (percebam e relativizem o período temporal abarcado em cada gráfico!).
    O aumentar alucinante dos preços e as quedas lancinantes OCORRERAM, respectivamente, nas quedas e nas subidas das taxas de juros (excesso e escassez de crédito).
    Na china, a despeito de os preços virem crescendo em níveis relativamente altos antes de 2009, foi a partir desse ano que lá a coisa degringolou, com aumentos estratosféricos.
    Acontece que a china é um “”indiferente economico”” em virtude de suas peculiaridades únicas no planeta, no campo econômico. Mas ainda assim, não a livrou de reconhecer “”veladamente”” a existencia de bolha, o que prontamente procedeu a ELEVAÇÃO de sua taxa de juros a partir de 2011, FORÇANDO a queda de oferta de crédito e consequentemente, dos valores dos imóveis.
    .
    Agora, se a China é um indiferente econômico, a Banânia é uma ABERRAÇÃO: não bastassem as incríveis taxas praticadas, aqui – não se guarda RELAÇÃO ALGUMA com a economia mundial.
    Com as atuais atitudes de nosso BC (capacho governamental) e do próprio governo, com relação às SELIC e POUPANÇA, os resultados, a despeito de uma variada gama de implicações, trás, em si mesma algumas consequências bastante previsíveis, quais sejam:
    Imediato: diminuição da FONTE de financiamento púlico.
    Com as contantes quedas na selic, outros investimentos se tornaram mais atrativos. A poupança (com as novas regras de hoje) já está descartada. Muitos desses investidores (em rendas fixas) migrarão para rendas variáveis (inclusive imóveis) ou, mais certamente, para o dolar e para o ouro. O caso é que certamente não quererão as atuais taxas da renda fixa.
    Essa diminuição de dinheiro para cobrir parte dos gastos governamentais (despesas correntes e de capital, inversões e outras) fatalmente fará com que o governo considere “”aumentos”” na selic OU recorra ao endividamento externo, com emissão de títulos no exterior.
    Outra imediata – e bem provável – será uma certa fuga da poupança, mais por desconhecimento da população sobre as reais intenções, do que a própria diminuição dos rendimentos. Menos dinheiro na poupança, implica em menos crédito e mais caro.
    De forma mediata, além – e em virtude do aumento da cotação do dolar,, a inflação tenderia a dar suas caras com mais violência, sendo um segundo indutor do governo para o aumento da taxa selic (o primeiro é a própria escassez de recursos anteriormente abordada).
    .
    Na Verdade, são tantas implicações, que me foge a capacidade de elencá-las todas, seja por ignorãncia, seja por não existir um modelo que contenha todas as variáveis.
    .
    O fato a que pretendo dizer é que, ASSIM como nos outros países onde haja estourado a bolha “”definitivamente””, o que determinará o “”fim do trilho”” da aventura bananesa será a futura tendência de ALTA da SELIC, a despeito de todas as aparências e de todos os gritos em contrário, nos quatro cantos da mídia.

    0
  • Cleyton 3 de maio de 2012 at 21:37

    SPSPJULIANO, gostei muito do seu texto sobre os títulos públicos.

    Sempre tive aversão às LFTs porque nunca coube na minha cabeça comprar à uma remuneração na qual o seu devedor (governo) é que vai dizer quanto vai querer pagar por ela, mesmo sabendo que a selic vai precisar subir no curto prazo não consegui entender porque colocou as LFT na frente em termos de segurança.

    O governo parou de vender as NTN-C, imagino que acreditava na disparada do dólar (e talvez por isso tenha tanto dólar no cofre), será que fará o mesmo com as LFTs?

    Estou pensando que comprá-las agora é apostar na incompetência do governo, e como disso já tenho convicção vou começar a olhar elas com outros olhos.

    0
  • Henrique 3 de maio de 2012 at 23:35

    tenho uma palicação em CDI numa cooperativa de crédito de políciais federais na qual não pago taxa de administração. Será que com essa queda da selic , o Tesouro direto não seria melhor?

    0
  • Henrique 3 de maio de 2012 at 23:36

    aplicação*

    0
  • Fernando 8 de maio de 2012 at 13:27

    Boa tarde pessoal, esse é meu primeiro post aqui. Eu estava fazendo uma busca sobre “Quantidade de Domicílios com mais de 10 salários mínimos”. Encontrei os seguintes dados da prefeitura do Rio – http://portalgeo.rio.rj.gov.br/bairr…s/index_ra.htm.

    Quote: Bairro de Copacabana
    Responsáveis pelos Domic Partic Permanentes segundo a Renda Nominal Média em
    Salários Mínimos
    Até 1/2 (2000 ): 63
    de 1/2 a 1 (2000 ): 1.242
    de 1 a 2 (2000 ): 2.629
    de 2 a 3 (2000 ): 2.871
    de 3 a 5 (2000 ): 6.464
    de 5 a 10 (2000 ): 15.701
    de 10 a 15 (2000 ): 8.591
    de 15 a 20 (2000 ): 8.576
    acima de 20 (2000 ): 18.569
    fonte: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/bairr…s/index_ra.htm.

    Somando os domicilios que ganham >10 salários: 35.736

    Comparando com os dados apresentados aqui na página:

    Quote: 2° Copacabana 13487

    http://www.armazemdedados.rio.rj.gov.br/

    Quote: Considerando o rendimento real mensal domiciliar, entre 2000 e 2010, o IBGE apurou elevação de 15,5% no país (de R$ 2.297 para R$ 2.653), com aumentos registrados em todas as regiões – o menor, no Sudeste (11,0%, de R$ 2.812 para R$ 3.122).

    http://www.joelmirbeting.com.br/noticias.aspx?IDgNews=6

    Onde foi parar os outros 22.249 domicilios? Seria essa redução em função do aumento do salário mínimo do ano 2000 (R$150) contra os R$510,00 do ano 2010? Ou seja, a população continou ganhando praticamente o mesmo (aumento de 15%), mas estatisticamente uma redução em termos de salários.

    Alguem com um ponto de vista diferente que deve ser considerado nessa análise?

    0
  • Claudio Stein Junior 8 de maio de 2012 at 20:28

    Está bem difícil ganhar com investimentos agora, ou as pessoas tem um bom salário ou vão perder feio daqui para frente….. façam suas apostas, mas a crise chegou!!!!
    Nunca o comércio esteve tão em baixa como março e abril de 2012.

    0