#Relembrando O mercado imobiliário não é uma máquina de lucros perpétuos – Fábio Portela

Você pode gostar...

Comments
  • Mr. Alex 29 de novembro de 2011 at 00:48

    máquina de lucro é ter um País com mais Educação, Cidadania e Valor Agregado.

    Brasil já foi nome de pau, lembra ? Será que vamos deixar o estigma de mercadoria algum dia e tomar as rédeas da vergonha na cara ? Política, saúde (inclusive a financeira) e tudo mais ?

    Endividamento cresce em novembro e deve ter reflexo nas compras de Natal –> noticias.r7.com/economia/noticias/endividamento-cresce-em-novembro-e-deve-se-refletir-nas-compras-de-natal-20101122.html

    é isso !!! gasta tudo no cartão na churascarria, na C&A e nas Bahias !!!
    perpetua é a prestação !!!

    Um dia a festa acaba e quero ver o que vão fazer com ‘um soldo de mierda’.
    Dar calote… ou roubar de quem economizou.

    0
  • Carlos 29 de novembro de 2011 at 06:04

    Passeando pela Internet, achei esta matéria muito interessante e desejo compartilhar.
    É uma reportagem sobre as cidades fantasmas que existem na Espanha devido a bolha ocorrida em 2008.
    Vale a pena ver, talvez seja o futuro do Brasil.
    http://www.businessinsider.com/spain-ghost-towns-satellite-2011-4

    0
  • MrK 29 de novembro de 2011 at 06:39

    Tulipas, Boi Gordo, NASDAQ, Madoff, Febre dos imoveis… tudo a mesma coisa

    Uma lei basica do mercado e’ a de “risco e retorno” , quanto maior o retorno maior o risco, coisa obvia da natureza humana, os mercados se corrigem e adapam os precos para manter sempre essa equacao valendo. O retorno neutro do Brasil seria a selic (11% ao ano, risco soberano), qualquer coisa que renda acima disso tem necessariamente risco medio ou alto

    Se imoveis estao rendendo 30% ao ano, nao preciso falar mais nada. So’ maluco acha que vai ganhar 3x a SELIC sem risco

    0
    • Cleyton 29 de novembro de 2011 at 11:33

      Pensando bem, a estrutura ponzi é baseada em crédito não em risco!

      Risco é o fato do investimento não produzir (no sentido de gerar riquiza) todo o resultado esperado, seja por falha no maquinário, uma tsunami, uma barata morta na lata de goiabada que produzimos, multas, ou seja, um acidente ou um fator (quase) imprevisível que fez o negócio dar errado.

      Crédito é só a confiança de que algum valor prometido no futuro, seja o boi, ações, tulipas, clientes multinível, imóveis, o que for, vai ser recuperado sem ter gerado riqueza nenhuma!

      Imagino que essa seja a peça chave das bolhas, a compraração com a selic é um referencial muito importante mas só mostra que tem algo errado sem, no entanto, apontar o quê.

      0
      • peterson 1 de dezembro de 2011 at 23:37

        o risco é uma equação fatorial de subfatores economicos, ou seja é o PRODUTO de eventos que determinam o sinal (ganho) final do resultado (lembre-se das regras de sinais, + (positivo) – (negativo) ) assim duas noticias ruins podem ser positivas, 3 ruins é péssimo, 2 boas e uma ruim é péssimo, 2 ruins e 1 boa é bom, e por aí vai, o problema é que em uma BOLHA temos que o risco é a SOMA dos subfatores economicos, daí tudo que é bom tende a aumentar a bolha e tudo que é ruim tende a desinflar, até o equilibrio do risco, percebam que quando atinge-se um pico, existem cascatas de subfatores negativos, trata-se do crash da bolha, inevitável, logo colegas de blog, quem aqui percebeu que noticias boas inflam os preços e noticias ruins não mudam o sinal? este é um evento claro de que estamos em uma bolha crescente, cujo crash se aproxima cada vez que dizem que os preços estão “estabilizando”…. e torçam para que os maias tenham errado pois o problema é global….

        0
  • Mr. R 29 de novembro de 2011 at 08:14

    “Especialistas dão conselhos valiosos a quem quer pisar na casa nova no ano que vem”

    Tava na página inicial do G1:

    http://revistacasaejardim.globo.com/Revista/Common/0,,EMI280366-16940,00-O+SONHO+DA+CASA+PROPRIA+EM+VAI+DAR.html

    0
  • Veiga 29 de novembro de 2011 at 08:35

    Pessoal, o Secovi liberou os numeros de Setembro. Agora fico pensando. Eles Estao falando em alta na venda de imoveis novos. Numeros significativos. Sera verdade?

    Mrk, o que vc achou?

    0
  • RT 29 de novembro de 2011 at 09:00

    O mais engraçado deste post… é que a corretora dá uma lição de como ganhar dinheiro com imóveis como se eles SEMPRE tivessem se “valorizado” como nos últimos anos… o que não é verdade.

    Essa palhaçada de comprar imóvel pra revender pouco depois com lucro é coisa recente. Antes disso, quem investia em imóveis tinha como objetivo ganhar dinheiro alugando, e não vendendo!

    0
  • Veigalex 29 de novembro de 2011 at 09:02

    Vejam as noticias.

    w w w.dgabc.com.br/News/5929033/venda-de-imovel-novo-cresce-44-9-em-setembro.aspx
    outra…
    noticias.terra.com.br/noticias/0,,OI5493698-EI188,00-Vendas+de+imoveis+novos+em+SP+saltam+em+setembro.html

    Nesse eu acho que é o pessoal do bolha que esta indo para o Alugue em vez de comprar.

    w w w.jb.com.br/economia/noticias/2011/11/23/alugueis-novos-tem-alta-de-19-em-12-meses-na-capital-paulista-diz-secovi/

    outra…

    not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201111231325_TRR_80522323

    Aumento de alugue, seria um indicio que as vendas estão indo de mal a pior?
    porque os números aumentaram em setembro?

    Pelo cenário, alguém chuta a tendência de outubro?

    0
    • lopes51 29 de novembro de 2011 at 09:15

      O q não entendo é onde esse pessoal tira renda pra comprar.
      Eu virei pobre de uns anos pra cá.
      Pelo o q o pessoal fala isso pode ter sido motivado pelos descontos, pessoal se anima e compra so que esses devem ser os ultimos com dinheiro na mão dispostos a pagar o preço pedido, ou investidores que viram uma oportunidades nessa queda de preço.

      0
      • Marcus Rocha 10 de dezembro de 2011 at 22:11

        Caro amigo,
        Eu tive esta mesma sensação, mesmo sendo engenheiro e minha esposa médica, ficava com vergonha quando chegava nos lugares e todo mundo dizendo que comprou apt, casa, sitio, trocou de carro, comprou mercedez e eu ficava pensando, será que todo mundo ficou bem de vida em 5 anos ??? Sabe o que eu fiz ?? Fiz um contrato de aluguel de 7 anos na casa que moro hoje, mandei mobiliar e estou vivendo feliz no meu aluguel e andando de carro importado, pois amiga da minha esposa comprou um apartamento de 700 mil e a coitada morreu dentro de um Celta por q não tinha air bag, já que estava apertada devido a compra do ap, então vou viver a vida e não ficar em um financiamento por 20 ou 30 anos..Hoje só tenho 1 cartao de crédito, conta em 2 bancos e pronto.. Vamos esperar a maré começar a levar os peixes podre e quem sabe fazemos uma negociação com os endividados kkkkkkkk e outra coisa como eu vou confiar em um corretor, pois ele nunca estudou economia na vida ??? Faz um curso de 3 meses e sai dizendo o que quer para pessoas sem conhecimento do valor da moeda..

        0
    • Richard 29 de novembro de 2011 at 15:50

      Esta notícia é boa para quem está procurando emprego de corretor.

      0
  • RT 29 de novembro de 2011 at 09:05

    “Além do mais, os preços já foram baixos e nem por isso todos conseguiam comprar.”

    Imagine agora, com os preços dobrados!

    “A valorização tem sido um grande facilitador, junto com os financiamentos e a grande demanda de imóveis.”

    ?????

    “Facilitador”?? Pra quem? Pra quem quer casa própria que não é…

    “É importante realmente que a população brasileira pense, e questione principalmente as construtoras que são quem realmente comandam esta valorização para que não fuja do controle e continue favorecendo a nós brasileiros.”

    De novo aquela conversinha de “a valorização é saudável para os brasileiros”. Não sei se dizem isso por hipocrisia ou por estarem iludidos mesmo. Mas quem enxerga um palmo à frente do nariz sabe que a bolha só trouxe transtornos á população. Por ora, só está sendo boa pra quem trabalha no ramo imobiliário.

    0
  • Jack Imoveis 29 de novembro de 2011 at 09:31

    Caros,

    Sobre o relatório do SECOVI. 87% dos imóveis foram vendidos em
    fase de lançamento. 52% são imóveis de 2 quartos.

    Jack – Para bom entendedor uma frase basta.

    0
    • Veigalex 29 de novembro de 2011 at 09:38

      Jack,

      Estou a procura de um imovel de 02 quartos.
      Se estamos discutindo a queda nas vendas, esse aumento não é estranho?
      Independente se é na planta, eles estão passando a informação de aumento nas vendas.

      A noticia esta pipocando em tudo que é lugar.
      Isso não vai em desencontro a tudo que estamos conversando aqui.

      Veigalex – Um coitado querendo comprar um imovél…

      0
      • Jack Imoveis 29 de novembro de 2011 at 09:42

        Caro Veigalex,

        Acontece que com o preço do m², tudo que
        Se consegue vender são apartamentos de 2 quartos com 50 a 70m2.
        Não só isso, como é na planta vende mais fácil, pois o comprador ou investidor não tem noção dos custos totais.

        Eu acho que esse aumento de venda tem relação com tudo que falamos aqui. Esses cubículos são o ultimo respiro do mercado.

        Abraços
        Jack – espaçoso

        0
        • Veigalex 29 de novembro de 2011 at 09:53

          Pior que é verdade.

          Mas vou acompanhar os usados. como Mestre MRK mostrou abaixo, o bicho pega para pagar ao banco!
          Valeu Jack!

          0
        • Luiz 29 de novembro de 2011 at 12:34

          Viu bem Jack
          chamam de downgrading
          Vendem cada vez mais apartamentos menores a preços iguais aos dos maiores

          A bolha sobrevive de artifícios assim, ma sisso tem um limite físico: 2 corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espação ao mesmo tempo

          0
          • joao 30 de novembro de 2011 at 11:20

            downsizing

            0
  • MrK 29 de novembro de 2011 at 09:40

    Sinceramente e’ dificil dizer se confio ou nao nos dados do SECOVI, pois mal ou bem e’ o lobo tomando conta das ovelhas…Mas enfim… a alta foi de 16% (contra o ano anterior – nunca comparo mes contra mes) e na tendencia 2011 vs 2011 continua apresentando queda -19%, porem a queda esta menor.

    podem ser varios motivos: Mudanca no perfil de lancamentos ao longo do ano, maior apetite por compras, investimento estrangeiro… sei la… mas pra mim o que interessa agora eh a venda de usados, pois essa eh a que mede a verdadeira demanda por imoveis, pagar 20% na obra com ajuda de construtora e’ mole, quero ver pagar 100% com o banco!

    se alguem tiver dados da venda de usados eu gostaria de ver, obrigado!

    0
    • RT 29 de novembro de 2011 at 09:50

      “mas pra mim o que interessa agora eh a venda de usados, pois essa eh a que mede a verdadeira demanda por imoveis”

      Concordo plenamente!

      Sobre os dados do SECOVI: não vejo como qualquer grande movimento de vendas atualmente possa ser relacionado com pessoas comuns que estejam comprando para morar. Com esses preços, duvido muito. O grosso deve ser gente “esperta” comprando pra investir.

      0
    • Veigalex 29 de novembro de 2011 at 09:59

      Isso mesmo.. a venda de novos. é fake puro.

      Os usados estão todos encalhados. e o pessoal ja ta dando un desconto de 15%, mas os propietarios ficam putos.. mas essa é a hora da vingança!

      0
    • Ar Quente 29 de novembro de 2011 at 10:06

      Os números do ZAP já tinham mostrado uma aceleração em setembro, embora eles não sejam tão completos quanto os da SECOVI.

      Eu não sei se podemos estabelecer essa correlação. Minha intuição ( intuição = CHUTE) diz é que preços e vendas seguem de mãos dadas, uma vez que cada comprador vai tentar pegar o melhor negócio deixando os imóveis caros na praça, fazendo os preços subirem toda vez que a demanda atropela a oferta.
      Alguém já estudou essa correlação entre os índices?

      0
    • Carlos Eduardo 29 de novembro de 2011 at 10:50

      Rapel ???

      as industrias de carros batem recordes todos os anos, e os patios continuam cheios!

      0
    • Glaucio 29 de novembro de 2011 at 14:58

      Mrk, digamos que o Secovi esteja certo: não pode ser aquela fase prevista por você, em que haveria uma pequena queda, as pessoas correriam para comprar, aí subiria um pouco pra depois despencar de vez?
      Se for isso, então o estouro da bolha está mais próximo do que imaginava.

      0
    • Glaucio 29 de novembro de 2011 at 15:55

      Mrk, considerando corretos os dados do Secovi: não seria o caso que você comentou há algum tempo, quando haveria um repique de vendas devido aos descontos para posteriormente despencar de vez?

      0
      • MrK 29 de novembro de 2011 at 19:40

        é possivel sim, mas ainda é cedo para afirmar, vamos acompanhar…

        0
  • nelson 29 de novembro de 2011 at 09:59

    29/11/2011 – 09h23
    Venda de imóveis novos residenciais recua 19% no ano em SP
    DE SÃO PAULO

    As vendas de imóveis novos residenciais na cidade de São Paulo recuaram 19,2% na comparação de janeiro a setembro com o mesmo período em 2010, para 19.873 unidades, de acordo com os dados do Secovi-SP (Sindicato da Habitação) divulgados nesta terça-feira.

    “O relevante é a tendência de redução da diferença percentual”, afirma Celso Petrucci, economista-chefe da entidade. “Vale lembrar que, de janeiro a agosto, a diferença era de 23,8% e que, no primeiro trimestre, da ordem de 50%.”

    O resultado indica, na sua avaliação, que acabou a euforia, com empreendimentos negociados em poucos meses ou em apenas alguns dias. Para Petrucci, é consenso que o setor está saudável, mas atingiu um patamar de normalidade no qual “sucesso” significa cerca de 40% do empreendimento vendido na fase de lançamento e previsão de venda da quase totalidade em um ano.

    Considerando apenas setembro (3.237 imóveis), houve alta de 44,9% nas vendas ante agosto e de 16,2% em relação a igual intervalo no ano passado.

    O volume de moradias negociadas superou o de lançamentos no mês (2.739 unidades), segundo a Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio). Apesar disso, Petrucci afirma que ainda é cedo para considerar uma possível mudança na tendência de reposição de oferta na cidade.

    A quantidade de imóveis lançados em setembro apresentou diminuição de 25,7% no confronto com agosto e de 9,4% ante o mesmo mês em 2010.

    ——————————————————————————–

    0
    • Anonymous 29 de novembro de 2011 at 11:18

      “O relevante é a tendência de redução da diferença percentual”, afirma Celso Petrucci …

      Esse sujeito precisaria ser inventado, caso não existisse. O mundo estaria incompleto sem ele.

      0
  • GPTFN 29 de novembro de 2011 at 10:21

    Não existe bolha!!

    “Crescimento da economia brasileira cria 19 milionários por dia, diz ‘Forbes’
    O Brasil tem 137 mil milionários e cerca de 30 bilionários, diz reportagem.
    Segundo a revista, tendência deve se repetir por no mínimo mais 3 anos.”

    Está tudo explicado!

    Somos 137.000 milionários.

    Mais do que suficiente para comprar todos os imóveis disponíveis no mercado!

    link: g1 . globo.com/economia/noticia/2011/11/crescimento-da-economia-brasileira-cria-19-milionarios-por-dia-diz-forbes.html

    0
    • Carcará 29 de novembro de 2011 at 12:52

      Quais foram os critérios para estabelecer os número de milionários no Brasil? Num país com bolha de crédito, bolha de ações e bolha imobiliária é corolário natural uma bolha de milionários. Lembrem-se que num leve baque que a bolsa levou em agosto/2011, o bilionário Eike perdeu R$ 2 bilhões. Então, imagina o nível dos milionários. Pelo que Mrk e outros colegas do Rio postam aqui, só na zona sul do Rio, ramo imobiliário, tem mais de 10% dos milionários mencionados pela tal revista. Quero ver os “milionas” quando a conta vier…

      0
    • Andre Luiz 29 de novembro de 2011 at 13:45

      Isso que eu não entendo.

      Se há apenas 137mil milionários no Brasil, como que só no ZAP tem mais de 60 mil imóveis acima de um milhão de rais?

      Que demanda reprimida é essa por bens tão caros se há apenas 2,28 potenciais compradores por cada imóvel? Isso se todos os 137mil estiverem morando de aluguel…

      0
      • aiwww 29 de novembro de 2011 at 15:21

        boa pergunta … deve ser a nova classe merdia …

        0
        • Luiz 29 de novembro de 2011 at 15:48

          19 novos milionarios por dia parece muito???

          são 7 mil novos milionarios anos
          só em SP capital são 35 mil imóveis acima de 1 milhão

          Levaria 5 anos se todos novos milionarios do Brasil quisessem comprar a vista o estoque de 2011 da cidade de SP, sem contar os lançamentos.

          0
    • Fabiano Gomes 29 de novembro de 2011 at 14:24

      E vai aumentar ainda mais até o grande PLOC! Ou vocês ainda não entenderam? Devido à bolha, qualquer proprietário de um cubículo nas zonas nobres de SP, RJ ou BSB já é um milionário, ainda que seu patrimônio não tenha liquidez ou que ele estaja devendo 2x o valor do seu patrimônio em “suaves prestações” ao longo de 30 anos!

      0
    • Xangai 29 de novembro de 2011 at 22:31

      segundo a folha ::
      h t t p : / / economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/11/29/crescimento-da-economia-do-pais-cria-19-milionarios-por-dia-diz-forbes.jhtm :::::::::::::::::::

      “A pesquisa foi feita considerando toda a riqueza individual das pessoas, que incluem investimentos, imóveis, poupança além de dinheiro.”

      Se estao incluindo imoveis para o calculo da “riqueza” .. logico que uns caras que tem apto de 60 ou 70 mts , ja estao incluidos na lista de milionarios !!!

      certo ?!?!?

      0
  • roberto 29 de novembro de 2011 at 10:33

    É uma palhaçada sem controle:
    Ontem assistindo a um programa de vendas pela TV em Curitiba, programa este que a algum tempo atrás não anunciava imóveis somente veículos, na propaganda de um corretor da Galvão (que deve achar que todos os telespectadores são bando de IDIOTAS) este faz a seguinte comparação: Que a prestação de uma cobertura na planta em Curitiba é a mesma de um carro 0 Km em torno de R$ 500,00 + uma pequena entrada. Pode até ser, mas ele esqueceu ou OMITIU que na entrega das chaves vc paga a BAGATELA de uma FERRARI. Também deve ter ESQUECIDO de informar que se vc não tiver o dinheiro para comprar a FERRARI não é para se preocupar que construtora e o corretor não ficarão tristes pois irão embolsar o carro que vc pagou até o momento de cair na realidade, “OTARIO”. Estas empresas deveriam ser processadas por propaganda enganosa ou no mínimo ser obrigadas a incluir aquelas linhas minúsculas que as revendas de veículos incluem em suas propagandas com a informação ao consumidor: O que vc está vendo não é a realidade.

    0
    • MrK 29 de novembro de 2011 at 11:26

      exemplo numero simples:

      Valor do Apartamento: R$1milhao

      Na planta paga-se R$200.000, a pessoa tem guardado ou em FGTS digamos R$80.000 e financia R$120.000 com parcelas de +- R$4mil

      Nas chaves o saldo devedor e’ de R$800.000, parcelinhas de +- R$8.200

      ou seja, o pagamento SALTA de R$4.000 pra R$8.200, e agora jose?

      por isso que na planta e usado sao coisas bem diferentes, um mede grau de especulacao o outro mede demanda real.

      0
  • Davi 29 de novembro de 2011 at 10:44

    É verdade?

    http://terratv.terra.com.br/Noticias/Brasil/4194-392019/Endividamento-dos-paulistanos-nunca-foi-tao-baixo.htm

    Eu fico meio com pé atrás com as notícias, impressionante como há notícias que se contradizem. Outro dia mesmo postei uma news onde dizia que o maior nível de endividamento era extamente na região sudeste com o maior nível de pessoas que acham que não vão conseguir honrar suas dívidas e ai me vem um estudo desse.

    Eu sei lá …

    0
    • Cleyton 29 de novembro de 2011 at 11:48

      Pelo que entendi a reportagem fala de inadimplentes de fato, os que já se f* de vez, já que os critérios são a manutenção dos empregos e a inadimplência, nível de endividamento e percepção de que não vão poder pagar estariam fora da estatística (?), parece um recado pra indústria não demitir e um facilitador pra ela conseguir argumento de manobra pra negociar com o governo caso a crise aperte pra não ter que demitir.

      0
  • NTL 29 de novembro de 2011 at 11:37

    Bancos negociam elevação do teto do FGTS para compra de imóvel

    folha.uol.com.br/mercado/980906-bancos-negociam-elevacao-do-teto-do-fgts-para-compra-de-imovel.shtml

    “A Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) não quis divulgar o novo limite proposto, mas a Folha apurou que o objetivo é aumentar para R$ 750 mil.”

    Será realmente lamentável se isto acontecer, pois dará ainda mais combustível para alimentar este estado de coisas que vivemos…

    0
    • Luiz 29 de novembro de 2011 at 13:33

      que aumente
      o risco de se perder muito dinheiro investido em imoveis de 1 milhão é tão grande quanto deixar na conta da Caixa.
      provavelmente vai afetar em nada o mercado,
      Quem aproveitou a liberação pra investir na petrobras tbm se deu muito mal

      0
    • Paulo - RJ 29 de novembro de 2011 at 13:45

      Qual o percentual de pessoas que tem mais de 500 mil no FGTS?
      Será que este aumento vai fomentar a demanda por imóveis? (é dúvida mesmo)

      0
      • Carlos_ 29 de novembro de 2011 at 15:21

        Paulo, isso significa comprar um imóvel de 750.000 usando o saldo como parte do pagamento, seja o saldo do valor que for. Hoje, não importa quanto você tenha, não liberam para apartamentos de mais de 500.000

        0
        • Paulo - RJ 29 de novembro de 2011 at 16:08

          Entendi, Carlos,

          obrigado!

          0
        • Paulo - RJ 29 de novembro de 2011 at 16:09

          Ou seja, quem tem imóvel a 500 mil, vai certamente aumentar o valor, caso esta alteração aconteça.

          0
          • Luiz 29 de novembro de 2011 at 16:19

            Um imovel de valor na faixa entre 500 mil e 750 terá aumento no numero de potenciais compradores, ou visto de outro modo, alguns dos compradores nesta faixa terão mais dinheiro a dispor para compra.

            isso pode ou não acarretar aumento no valor tanto destes quanto, indiretamente, daqueles acima ou abaixo dessa faixa. Ou redução da queda (queda de preço menor).

            A medida não é determinante. Outros fatores atuam no preço,

            0
            • Paulo - RJ 29 de novembro de 2011 at 18:27

              Luiz,

              sua análise é bem racional.

              O problema é que a maioria das pessoas não agem desta maneira, infelizmente.

              O dono do imóvel que pede 450.000 vai ver a mudança do teto e já vai querer aumentar para 550.000 (Se vai conseguir vender, é outro papo).

              0
  • Luiz 29 de novembro de 2011 at 12:30

    O crescimento nas vendas, do número de milionarios novos, do número de new classe C acrescenta a sazonalidade do mercado, todos estes números são consistentes, paralelos mas não s eexplicam na sua totalidade.

    A renda do Brasileiro vem crescendo acima do PIB numa média de 10% ano há muitos anos.
    O sistema político criou uma correia de transmissão progressiva de riqueza em renda.

    Este clima de euforia se inciou em fim de 2010/2011 e não tem data para acabar.
    Pode ser amanhã, pode levar anos, pode ser 2015 (como apostei no começo do ano).
    Contudo o aumento de renda está descolado do aumento de preço.

    Então o que explica ahver tantos compradores e a sensação de que estamso pobres?
    1- Participantes do próprio cilco de compra/venda renovando suas posições
    2- Profissionais liberais e comérciantes auferindo grandes lucros (basta ver a conta do bar)

    Onde isso vai dar? Quando explode?
    façam suas apostas

    0
    • Indecoroso 29 de novembro de 2011 at 13:59

      Quanto ao mercadQuanto ao mercado imobiliário, aposto no final de 2013, época em que o vômito das construtoras (novos lançamentos) causará o engasgo definitivo do próprio sistema, saturando a relação procura-oferta e vertendo desconfiança em cascata para os demais setores.
      Até lá acho que os brasileiros se deixarão levar pelos engodos publicitários da “banania way of live”.

      0
    • Carcará 29 de novembro de 2011 at 16:41

      Luiz,
      apenas retificando. Há muitos compradores de lançamentos. Quando a conta dos outros 80% vierem, aí veremos realmente o número de compradores. Não podemos confundir especulador de 20% com comprador. Deixemos isso para o SECOVI

      0
  • Dr. Estranho 29 de novembro de 2011 at 12:55

    Estamos vivendo o reino da fantasia. Tudo está bem igualzinho a Argentina. Inflação baixa e crescimento econômico. A pergunta é: “quanto tempo sustentarão essa mentira?”. A Argentina manipula os índices oficiais de inflação. Aqui não? Só sei que nos últimos 10 anos nunca vi tanta nota de 100. Isso é expansão da base monetária=inflação. Eu, que vivo no mundo real, senti na pele o quanto aumentou minha despesa em alimentação. Que dirá quem ganha até 1.500 reais. Ainda que tenhamos um nível menor de desemprego, a renda etá em franca decadência. Ontem fui a uma grande rede de supermercados e não achei a maioria dos produtos básicos para a ceia de natal. As encomendas estão suspensas? Nessa época? Por que falo tudo isso? Porque se os compradores do mercado estão reduzindo suas compras é evidente que os do imobiliário desapareceram.

    0
    • Tico RJ 29 de novembro de 2011 at 14:59

      Concordo plenamente contigo, Dr.
      Atualmente, quando saio com minha família no fim-de-semana fico espantado com o que eu pago hoje. Quando vou ao supermercado, eu procuro marcas mais baratas, coisa que eu não fazia antes.
      O que está acontecendo comigo Dr? Tem gente comprando apartamento no valor de meio milhão! Será que eu fiquei mais pobre ou eu estou tendo alucinações? Qual é o meu problema (ou é problema no Brasil)? Muitos dizem que aqui é diferente!

      0
      • trackback 29 de novembro de 2011 at 15:26

        Consulta ao Dr. Estranho, essa é boa!

        O que está acontecendo com meu salário Dr.?

        Porque querem tantos reais por meros tijolos?

        Onde estou?

        hihihi

        0
        • Dr. Estranho 29 de novembro de 2011 at 15:41

          Seu salário está sofrendo a síndrome da hiposuficiência política. Esta síndrome ataca mais no supermercado, mas se estende também a conta de luz, gás e telefone. Aos poucos mata o “bolso hospedeiro”. É contagiosa e já está na fase epidemia. Uma variante dessa horrenda doença se esconde na macro-corrupção que contamina outros setores. Tem-se incubado na lavagem de capitais do setor imobiliário. Para não se contaminar sugiro doses drásticas de protesto alinhado ao consumo racional e a consciência do voto.

          CUIDADO: A VARIANTE PODERÁ MATAR OS NÍVEIS C e D DA NOVA CLASSE MÉDIA, SOBREVIVENDO COM SEQUELAS OS NÍVEIS A e B.

          0
          • Dan 29 de novembro de 2011 at 15:58

            Sen-sa-cio-nal!!!
            UHAUHAUHAUHUHAHUAUHA

            0
          • trackback 29 de novembro de 2011 at 16:10

            Muito obrigado Dr. !!! Já me sinto melhor !!!

            Quanto o Sr. vai cobrar pela consulta?

            Posso marcar o retorno com a secretária?

            0
            • Dr. Estranho 29 de novembro de 2011 at 16:28

              A consulta custará bem barato. Deixe de utilizar as sacolas plásticas do supermercado e considero pago a consulta. Quanto agendar com a secretária, sugiro deixar prá lá, pois ela só “agenda” minhas solicitações. huahuahauahau!

              0
          • Tico RJ 29 de novembro de 2011 at 16:14

            O tratamento vai ser longo…
            KKKK

            0
            • Indecoroso 29 de novembro de 2011 at 16:28

              Só que muita gente vai pra UTI depois que a epidemia evoluir para “pandemia”, o que é certo.

              0
  • Luiz 29 de novembro de 2011 at 13:26

    Construtoras respondem por taxa de corretagem
    Por Adriana Aguiar e Laura Ignacio | De São Paulo

    Como não existe relação trabalhista com os corretores de imóveis, construtoras não são responsáveis por pagamento de tributos

    O Ministério Público (MP) do Estado de São Paulo e a Receita Federal estão responsabilizando as construtoras pelo pagamento da taxa de corretagem nas vendas de imóveis.

    http://www.valor.com.br/brasil/1073740/construtoras-respondem-por-taxa-de-corretagem

    0
  • roberto 29 de novembro de 2011 at 14:48

    Esta noticia : Crescimento da economia brasileira cria 19 milionários por dia, diz ‘Forbes’.
    Me faz lembrar desta letra de musica:
    Vamos celebrar
    A estupidez humana
    A estupidez de todas as nações
    O meu país e sua corja
    De assassinos
    Covardes, estupradores
    E ladrões.
    Vamos celebrar
    A estupidez do povo
    Nossa polícia e televisão
    Vamos celebrar nosso governo
    E nosso estado que não é nação…
    Celebrar a juventude sem escolas
    As crianças mortas
    Celebrar nossa desunião…
    Vamos comemorar como idiotas
    A cada fevereiro e feriado
    Todos os mortos nas estradas
    Os mortos por falta
    De hospitais…
    Vamos celebrar nossa justiça
    A ganância e a difamação
    Vamos celebrar os preconceitos
    O voto dos analfabetos
    Comemorar a água podre
    E todos os impostos
    Queimadas, mentiras
    E seqüestros…
    …………………………………………………….

    0
  • Luiz 29 de novembro de 2011 at 15:31

    MUITO Interessante os dados do Secovi ainda pobremente analisados

    Enqto na cidade de SP as vendas retomaram forte com participação muito maior de 1 e 2 dormitórios e queda forte de área útil média, na região metropolitana as vendas caíram ainda mais. Vejam:

    REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

    Os imóveis novos residenciais vendidos em setembro na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) totalizaram 4.440 unidades, 12,5% ABAIXO de agosto (5.072 unidades). Em comparação com o nono mês de 2010 (4.723 unidades), houve variação NEGATIVA de – 6%. Os números contemplam os resultados das 39 cidades que compõem a RMSP, INCLUINDO a Capital, que participou com 72,9% do total vendido na região.

    0
    • Luiz 29 de novembro de 2011 at 15:32

      Minhas primeiras conclusões:

      A nova classe C esgotou o folego no entorno da capital
      As classes AB esta perdendo o fôlego e comprando cada vez mais apês menores (1 ou 2 dorm.)

      0
  • Dr. Estranho 29 de novembro de 2011 at 16:24

    Curiosidade histórico-social-científica. O guardião da constituição (leia-se STF) distorceu importantes teses jurídicas. Desta maneira criou uma casta de criminosos blindados contra o Direito de Punir do Estado (leia-se Jus Puniendi). O governo (leia-se desgoverno), seja em qualquer nível da Federação, distorceu as teorias micro e macro-econômicas, criando o contra-senso de que “quanto maior a oferta maior o preço”. Ocorre que a HISTÓRIA é implacável. Quando o direito e a economia viram um flagelo para a população é impossível não haver levantes ou distúrbios sociais. Foi e queda do setor produtivo que implodiu a extinta URSS. Foi a corrupção desenfreada e a sensação de impunidade o estopim(leia-se pretexto) para o golpe militar no Brasil.

    Importante(off-topic): o consumo racional poderá dar um pouco de fôlego a mãe natureza, obra e dádiva de nosso senhor DEUS. Contribua. Deixe mais seu carro em casa, consuma menos plásticos e isopores. Deixe filhos melhores para o planeta. Eduque-os.

    0
  • Luiz 29 de novembro de 2011 at 16:26

    LOPES PERDE A VENDA DE LANÇAMENTOS NA VILA MARIANA???
    eu vi mesmo isso?
    trocaram a Lopes pela Abyara?
    Cadê o Marcão pra fazer algo de útil?

    0
  • Indecoroso 29 de novembro de 2011 at 16:42

    “Venda de imóvel novo cresce 44,9% em setembro em SP”

    Por tudo o que já foi comentado aqui, essa notícia é tardiamente falaciosa, não?

    h ttp://br.finance.yahoo.com/news/Venda-im%C3%B3vel-novo-cresce-44-9-estado-2353338425.html?x=0

    0
  • Lucas 29 de novembro de 2011 at 16:42

    Ações por falta de pagamento de aluguel crescem 17% em SP

    Publicidade

    DE SÃO PAULO

    Hoje na Folha O número de ações por falta de pagamento de aluguel deu um salto de 17,03% em outubro, em comparação com o mesmo mês do ano passado: passou de 1.051 para 1.230, informa a coluna Mônica Bergamo na Folha.

    A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Em relação a setembro, houve alta de 4%. O aumento ocorre num ano em que esse tipo de ação vinha diminuindo. De janeiro a outubro, as ações locatícias registraram queda de 12% em relação ao mesmo período de 2010. Caíram de 14.330 para 12.610.

    O Secovi-SP (Sindicato da Habitação), responsável pelo levantamento, acredita que os inquilinos têm se esforçado para manter o pagamento em dia num ano de forte demanda por locação, em que fica mais difícil encontrar um novo imóvel para morar.

    Jaques Bushatsky, diretor do Secovi, diz também que a alta mostra que os proprietários tentam negociar. Mas que, “quando se aproxima o final do ano, passam a temer o encerramento das atividades forenses”, o que retarda o andamento das ações.

    Leia a coluna completa na Folha desta terça-feira.

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/mercado/1013646-acoes-por-falta-de-pagamento-de-aluguel-crescem-17-em-sp.shtml

    0
    • FelipeB 29 de novembro de 2011 at 16:53

      Chega a ser engraçado como o Secovi tem desculpa pra tudo. As ações por falta de pagamento do aluguel aumentaram por que o fórum fecha nas férias?
      O preço absurdo da locação não tem nada a ver com isso, né?

      0
  • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 17:12

    As palavras do secovi, as informações do zap, ou de algum corretor meia boca (e olha que o do tópico é bom em argumentos) devem ser encarados como de pessoas que acabaram de comer cocô: só sai merda.
    Essas notícias só servem para chacota, nada mais.
    Não creio que devamos perder tempo com isso; mas é só uma opinião.

    0
  • Paulo Rocha 29 de novembro de 2011 at 18:32

    Alguem ouviu o podcast da Miriam Leitão de hoje, e como o governo esta maquiando o indice de inflação?

    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/miriam-leitao/2011/11/29/CASOS-ESQUISITOS-DO-IBGE.htm

    0
    • Dr. Estranho 29 de novembro de 2011 at 21:59

      O governo faz isso há muito tempo. Tem-se espelhado na Argentina de governo populista.

      0
  • FoxBravo 29 de novembro de 2011 at 19:31

    Segundo o Secovi foram 3.237 unidades novas vendidas em setembro na cidade de São Paulo. Quem são esses loucos? Qual o perfil deles? Investidores? Pessoas que sonham com a casa própria? Essa informação que falta para termos uma conclusão definitiva.

    0
  • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 19:47

    Sei que a tônica aqui, algumas vezes, é salgar carne podre: o secovi e o zap são bobos da corte que desviam a atenção da platéia enquanto o rei defeca no próprio trono.
    Quem estiver afim de estudo sobre o tema, com quem entende: h t t p : / / ideas.repec.org/f/pca484.html
    Trata de diversos artigos de dois CARAS: Robert Shiller e Karl Case.
    .
    Mas só pra quem quiser.

    0
    • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 19:59

      O mais velhinho, Case, já estuda – ESTUDA – o mercado imobiliário há quase 40 anos: para ele, para o Shiller e outro, Weiss, a existência de bolhas em determinados mercados se torna óbvia a partir de análise de certos índices; a ÚNICA coisa que eles não conseguiram antever, AINDA, é se as bolhas irão desinflar ou estourar.
      Estranhamente os únicos que seguem os índices que criaram são os mega investidores: a China é o primeiro país que dá crédito ao que os CARAS dizem; os demais países, sardinhas e construtoras neca.
      O fim das histórias todos sabemos.

      0
  • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 20:22

    É… ta todo mundo se ferrando com final de semestre na facul: tô sozinho aqui.
    Bem…
    estava sondando as grandes e vi na PDG um imóvel (o primeiro na verdade que vi) no Meier, na zona norte do Rio… Arena Park, de 59 a 81 m2. Os preços na construtora iniciam-se em 227 K à vista. Engraçado que sómente na OLX encontrei 20 deles à venda, com preços variando entre 240 K, um pouquinho pra mais, um pouquinho pra menos. Haviam 03 com preços de 220K, ou seja, 7 MIL a menos que na PDG, um de 135K e outro de 24K. Esses dois últimos os caras são especuladores de 1ª viagem; o strês que abaixaram para 220K já perceberam o abacaxi que tem nas mãos.
    Isso é de apenas um empreendimento – “barato” – e só consultei na OLX. Imaginem o tamanho real da coisa.

    0
    • RT 29 de novembro de 2011 at 21:20

      E que abacaxi…. 220 mil reais era preço de apartamento da Zona Sul do Rio há três ou quatro anos.

      No Méier, custava bem menos … e não creio que de lá para cá, as pessoas lá tenham tido esse aumento de renda, a ponto de justificar o preço disparar assim… é um belo abacaxi mesmo! Que trate de baixar muito esse preço se quiser arrumar quem compre…

      0
    • RT 29 de novembro de 2011 at 21:25

      Ainda sobre este assunto, gostaria de deixar um ponto para reflexão: o que as construtoras desejam quando erguem empreendimentos luxuosos em bairros onde o poder aquisitivo não é dos mais altos?

      O Méier é um caso, e Freguesia é outro, onde as construtoras andam erguendo condomínios com piscina, sauna e tudo mais que tem direito… onde isso vai parar?

      0
      • Paulo - RJ 29 de novembro de 2011 at 23:28

        Minha impressão é a seguinte: eles estão contando com uma migração de poder aquisitivo. O cara podia comprar em Ipanema. Não pode mais, então se resigna e compra em Botafogo. Já o cara de Botafogo também não consegue mais lá. Aí parte para Tijuca. O Tijucano, por sua vez, vai pro Méier. E ainda vai pensando, vou morar longe pra caramba, mas pelo menos o condomínio é maneiro.

        0
    • Dr. Estranho 29 de novembro de 2011 at 22:03

      Sérgio, os malandros chamam aquela região de Méier. Para alguém comprar nessa condição deve ter usado LSD. Aquela região se chama Pilares. Passei na frente outro dia. Trata-se de uma favela vertical e ninguém ainda se mudou. Breve precisará de uma UPP.

      0
      • Sergio Marcelo 30 de novembro de 2011 at 14:04

        O pior é que é verdade. É impossível ir do Arena Park para a estação de trem do Méier à pé. Aquilo não é Méier nem aqui e nem na China.

        0
    • GPTFN 30 de novembro de 2011 at 11:41

      Experimenta colocar no Google Maps esse empreendimento. Vc já verá que é cercado por favelas.
      Eu passei no local alguns dias atras, e isso um domingo à noite. Comentei com meus familiares e todos concordaram. Não havia 20 aptos com luz acesa. A maioria não tinha ar condicionado instalado ( até porque nem faz calor no RJ certo? hahahah), eu chutaria (chutando alto) uma taxa de ocupação de 30%. Sem contar as favelas em volta, e com a expulsão (ou pelo menos repressão) de vagabundos da Zona Sul e Tijuca, com as UPPs, adivinha pra onde eles migraram?
      Quem for louco que se arrisque!
      Ah só lembrando dos valores, +- 230k em 2007 vc comprava um 3 qts com vaga (usado) na tijuca (sem vista pra favela) com mais de 90m2. Falo pq um vizinho se mudou pra la na época.
      Dar esse valor num 59m2 num prédio como o amigo descreveu: “Favela Vertical”, isso é loucura.

      0
  • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 20:45

    É, vou ficar aqui proseando comigo mesmo.. he he.
    .
    Mais um empreendimento: SOHO Botafogo…. empreendimento 100% vendido no lançamento.
    ,
    Entretanto, pareceu (não pesquisei a fundo) que todos os apartamento estão à venda em quase todas as imobiliárias do Rio; em cada uma delas dá para escolher o andar, o número de quartos, a metragem, a vista e outros cositas mais.
    Ou seja: ISSO É ESPECULAÇÃO. Venda fictícia, pois, que imóvel sem morador interessado não vale o que se pede.
    No caso desse empreendimento fabuloso e das dezenas de imobiliárias de revenda, consegui encontrar apenas uma com informou preço de um 98 m2: R$1.190.000. Em h t t p : / / w w w.luiznascimentoimoveis.com.br/imovel/24992-apartamento-botafogo-soho-rio-de-janeiro-rj/
    .
    Esse é só mais um empreendimento;;;; Imaginem o resto… só dessa Pdg

    0
    • RT 29 de novembro de 2011 at 21:14

      Em que rua fica esse Soho???

      Com certeza, vai vender rapidinho!! 1,2 milhão aqui em Botafogo… geral aqui tem essa grana!!

      0
      • RT 29 de novembro de 2011 at 21:16

        Ironic mode on… antes que pensem que é sério.

        Agora, sério mesmo: eu só conversaria depois de cortarem pela metade esse preço. 600 mil. E olhe lá.

        0
      • Ricardo 30 de novembro de 2011 at 13:35

        Pensa que um APTO novo de 1,2 milhões exige mais uns R$ 300 mil em reformas e móveis para ficar minimamente habitável, dentro dos padrões exigidos por quem compra esse tipo de apartamento. Vou ignorar outros luxos e imaginar que esses serão reaproveitados do apartamento anterior.

        É coerente que o morador de um apartamento desse porte tenha no mínimo uns R$ 500 mil em carro, jet ski, lancha, qualquer coisa.

        Quem tem 2 mi para gastar com essas coisas é:
        + Rico, no sentido puro da palavra: não precisa bater cartão e seus rendimentos são derivados do capital investido em suas atividades, e não diretamente de sua mão de obra.
        + Executivo, com rendimento anual de 500-600-700 mil.
        + Retardado mental, pois gasta muito mais do que pode e se endivida de forma extremamente perigosa.

        Em relação a moradia:
        + Rico: Escolhe não apenas onde mora mas também onde trabalha. Mesmo que a fábrica seja no Botafogo, o escritório é onde ele quiser, em geral próximo a onde ele quer morar.
        + Executivo: Não tem tanta sorte, a empresa é onde ela é. Mas empresa que paga 500 mil de salário em geral possui escritorio em regiões de luxo. Não no Botafogo.
        + Retardado mental: Não é critério para nada. Mas em geral possui autonomia ZERO sobre onde trabalha. E por estaer gastando mais do que pode no apartamento, não vai comprar em qualquer lugar.

        Ou seja: a demanda de apartamentos de luxo em alguns bairros é baixíssima. Por lógica mesmo.

        0
  • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 21:18

    Mais uma…. mais SETENTA E SETE, na verdade… Tudo no Rio… só da PDG…. todos estão à venda em todas as imobiliárias e sites de venda, mesmo que a construtora alegue 100% VENDIDO.
    Parece bricandeira, mas está aí. É só escolher um nome…. escolha um bem original… coloque no google com a palavrinha mágica a seguir: VENDO.
    Pra quem gosta de pesquisas e ter o que falar… ou pra quem ainda não acredita em bolha.
    Por hoje chega. Seguem…..

    America Condominio Clube, Aquarius, Arboretto Residencial, Arena Park, Atlantis, Attivitá Residencial, Avant, Bella Donna, Boa Nova, Bons Ventos, Bossa Norte, Botafogo Flex, Caminho do Park, Casas do Campo, Cenário Laranjeira, Contemporanium (niteroi), Corcovado 23, Cores da Lapa (cores da lapa: cinza e cor de cocô e cheiro de mijo), Design, Double Top (esse mudará para Double Deep.. he he), Enterprise a- Corporation, b- Office, c- Residence e d- Suite, Estrelas, Etage, Family Club, Griffe, Griffe Botafogo, Hydra, Icarai Family, Icarai Village (west e east), Ideal, Jardins de Monet, Joia do Campo, Luau do Recreio, Magnifique, Nas Nuvens, Norte Park, Novas Cores, O2, Oásis Resort, Olimpo, Orchestra, Origami, Original Grajaú, Plaza Office, Ponto Norte, Premier Office, Prime Residences, Quinta Top, Recanto Humaitá, Rio Parque Condomínio Bairro, Rota do Sol Residencial, Sintonia Residencial, Soho Botafogo, Soul, Splendido Residencial, Springs Condominio Resort, Sublime Max Condominio, Top Commerce, Tudo Azul, Update, Ventura Nature Resort, Via Park Confort Working, Vida Bela Campos, Vida Boa, Vida Boa Campos, Vida Boa II, Villa Carioca, Vita Residencial, Vitality RJ – SPA Condominio, Viva Lapa e Vivant.

    0
    • RT 29 de novembro de 2011 at 21:22

      Todos esses são empreendimentos da PDG no Rio cujos apartamentos estão à venda em imobiliárias?? E que ela anuncia como tendo sido 100% vendidos??

      0
      • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 22:27

        Sim… só da PDG, apesar de ela ser a maior.
        Só que nem todos ela anuncia como 100% vendidos. 100% deve corresponder a uns 30% desses.
        Mas o fato é, que independente de ela ter vendido tudo no lançamento em um ou outro empreendimento, TODOS estão à venda TAMBÉM em imobiliárias, digo, os que ela “vendeu” para alguém (especulador) está sendo revendido (tentando, pelo menos) em imobiliárias: e são muitas. Basta fazer o que falei acima, GOOGLE + nome empreendimento + VENDO. Não sei se me assusto e rio ou só se rio (verbo rir, sem trocadilho).

        0
        • manuelao 29 de novembro de 2011 at 22:44

          Rio…
          Rio (de lágrimas)
          Rio de Janeiro!

          0
    • Indecoroso 29 de novembro de 2011 at 21:32

      Boa. Farei o mesmo com os empreendimentos de Brasília… aguardem.

      0
      • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 22:29

        Faça, ria e depois nos conte.

        0
    • Ze_Das_Couves 29 de novembro de 2011 at 21:58

      Tem muito vendedor que eh especializado em criar “A ultima bolacha do pacote” ou “a ultima coca-cola do deserto”.

      Sera que o governo ja comecou a estocar tinta para imprimir e vender titulos para sustentar tudo isso ai?

      Abs!

      0
  • alexNY 29 de novembro de 2011 at 21:58

    Vaidade encarece produtos no Brasil, diz jornal dos EUA

    O “International Herald Tribune “, versão internacional do “New York Times”, publicou na edição desta quinta-feira uma seção especial sobre mercado de luxo no Brasil, ocupando oito páginas, preenchidas com reportagens e o perfil de três nomes importantes do setor: Alexandre Hercovitch, Pedro Lourenço e Carlos Miele.

    A publicação conta que o mercado de luxo no Brasil, de US$ 2,5 bilhões, é grande em relação aos de outros países emergentes (é o triplo da Índia, por exemplo) e cresce a um ritmo mais rápido (10% a 15% ao ano).

    As reportagens não deixam de citar os argumentos básicos para explicar por que os preços são altos – carga tributária de 34,5% do PIB (produto interno bruto), real valorizado e burocracia nos negócios.

    Mas o que é interessante mesmo é ver o jornal apontar também alguns traços psicológicos dos brasileiros como fatores dos preços altos: vaidade, ímpeto por viver o momento, no caso dos jovens, e medo de poupar, no caso dos mais velhos, por lembranças de momentos de instabilidade.

    Esses três fatores levam o brasileiros a gastar mais (a poupança no País é bem mais baixa do que a de outros países emergentes, como a China) e aceitar preços altos dos produtos. Consequentemente, as margens de lucro das empresas ficam maiores.

    “As mulheres brigam para pagar três vezes mais do que pagariam pela mesma coisa em Nova York. O problema não é que elas têm dinheiro, é que elas são virgens diante desses produtos. As pessoas estão desesperadas para ter produtos que elas nunca tinham visto antes”, disse ao “Tribune” Vera Lopes, diretora do Luxury Market Council.

    O número de novos ricos está crescendo no Brasil. Hoje há 155,4 mil milionários no País, 8,7 mil a mais que no ano passado, segundo a pesquisa World Wealth Report.

    Os brasileiros querem mostrar ao mundo que têm dinheiro, na opinião de Carlos Eduardo Xavier, da McKinsey. “A exibição é uma parte muito importante. É importante mostrar que a camisa polo que ele está usando é da Ralph Lauren. […] Acho que isso é mais importante para os brasileiros do que para outros.”

    A presidente da Havaianas, Carla Schmitzberger, também vê algo estranho no hábito dos brasileiros de pagar mais. “Eu não sei o que motiva as mulheres no Brasil a comprar Louboutins pelo triplo do preço, sendo que elas têm dinheiro para viajar. Acho que é o peso que essas marcas trazem – e no Brasil a aparência conta muito”, afirma.

    Schmitzberger vai além: “Há uma enorme desigualdade social no Brasil. Talvez porque as mulheres de alta classe social normalmente não trabalham, elas em geral não fazem a conexão entre o valor [do produto] e o dinheiro que ganham”.

    Suzy Menkes, respeitada editora de moda do “International Herald Tribune”, acredita que “o espectro dos privilegiados em meio à pobreza não parece mais assustar um país com uma crescente classe media, mesmo que a disparidade entre ricos e pobres ainda seja evidente”.

    A reportagem especial foi publicada por ocasião do evento Hot Luxury, que acontece no hotel Unique, em São Paulo, nesta quinta-feira e amanhã, evento apoiado pelo “International Herald Tribune”.

    (aspas)

    Blog Radar Econômico, Portal Estadão, 10/10/2011

    0
    • manuelao 29 de novembro de 2011 at 22:58

      Bem típico do consumidor tupiniquim!

      0
  • manuelao 29 de novembro de 2011 at 22:08

    Será que eu vi o que penso que vi no JN?

    0
  • marcio 29 de novembro de 2011 at 22:26

    O que manuelão? eu não vi!

    0
    • manuelao 29 de novembro de 2011 at 22:37

      O Sergio postou aqui abaixo

      0
  • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 22:33

    Edição do dia 29/11/2011

    29/11/2011 21h15 – Atualizado em 29/11/2011 21h16
    Pesquisa mostra diminuição na procura por imóveis em São Paulo
    Valores muito altos e crise no exterior explicam a mudança, porém preços continuam estáveis.
    Em São Paulo, a procura por imóveis caiu, mas o preço continua estável.

    As obras ainda estão por toda parte, mas o mercado imobiliário eufórico e superaquecido do ano passado vai fechando 2011 em outro ritmo. É o que mostra pesquisa do Secovi, o Sindicato da Habitação de São Paulo.

    Até setembro, a queda nas vendas de novos imóveis foi de 19% na comparação com o mesmo período do ano passado. O número de lançamentos também caiu: 2,2 mil unidades a menos.

    As negociações demoram mais. Em 2010, 23% das casas e apartamentos eram vendidos no primeiro mês de lançamento. Agora, só cerca de 15% saem assim tão rapidamente.

    Entre os motivos que o sindicato aponta para essa mudança estão atrasos no programa Minha Casa Minha Vida, os preços já altos demais e a crise no exterior. “No ano passado, essa crise da Europa não era uma noticia tão ruim trazida todos os dias para a sociedade como vem sendo agora”, disse Celso Petrucci, diretor de economia do Sindicato da Habitação de São Paulo.

    Mas este mercado imobiliário mais estável não traz a notícia que os compradores tanto esperam: os preços dos imóveis, principalmente daqueles mais disputados, nos melhores bairros das grandes cidades, não devem cair segundo o Sindicato da Habitação. Mas em um setor que cresceu tanto, sempre haverá espaço para bons negócios.

    O designer gráfico Antonio Bacci Neto acaba de comprar um apartamento com R$ 30 mil de desconto. “Eles estão construindo a quarta torre e esse era o último apartamento desa torre. Acho que cheguei na hora certa”.

    0
    • Sérgio 29 de novembro de 2011 at 22:43

      Essa informação, como qualquer outra publicada em jornal, secovi e zap são HOODWINK.
      Não nos deixemos enganar quando inserem algo real (preços altos) com falsos (preços não devem cair) em construções relativamente bem construidas e conclusões conflitantes.
      Globo, zap, secovi só falam merde.

      0
    • Anonymous 30 de novembro de 2011 at 08:27

      Também vi esta reportagem na íntegra ontem no JN.
      O que mais me chamou a atenção foi o tal designer, mais um ludibriado, coitado, achando que fez ótimo negócio comprando a “última unidade da última torre” com um super desconto. Papinho de corretor empurrão.
      O cara vai acabar descobrindo que a tal “última unidade da última torre” foi vendida pra outros poucos também, por descontos até maiores.
      Vai pegar as chaves, sentar a noite no sofá novo da sala que dá de frente pras outras torres e ver a grande maioria das luzes dos outros ap’s apagadas. Vai pensar com ele: “- Nossa! Será que tá todo mundo viajando?”
      Acorda designer! Você foi trapaceado!

      0
      • Carcará 30 de novembro de 2011 at 08:58

        Anonymus,
        eu tenho uma teoria em relação a ludibrios – Nasce-se corno. É o caso do design. Para mim, o crime de 171 deveria ser abolido, pois se trata de um crime no qual a vítima é ao mesmo tempo algoz, já que a cupidez da vítima enseja a esperteza do estelionatário.

        Não se enganem, o design acha que passou a perna em muitos concorrentes, daí salientar que era o último… Como a psicologia nietzscheana faz falta.

        Abs.

        0
        • Dr. Estranho 30 de novembro de 2011 at 11:06

          Concordo contigo. Um conhecido estelionatário uma vez declarou. Eu só consigo praticar o crime quando o maior interessado em se dar bem é a vítima. Portanto, também acho que tipificar essa conduta como crime no Brasil é perda de tempo.

          0
  • thiago 29 de novembro de 2011 at 22:41

    Estamos numa possível fase de inflexão. Portanto é normal a diversidade de notícias e índices positivos e negativos. Não se esqueçam que o índice Fipe Zap vinha com tendência de desaceleração até agosto, subiu não por coincidência em setembro e voltou a cair em outubro.

    É preciso esperar, pois o mercado ainda está mastigando a desaceleração. A estabilização já é um baque para um mercado de vendas que crescia 40 % ao ano nos últimos 3 anos. Coloque isso num gráfico de projeção de vendas de uma construtora ou incorporadora e você perceberá o impacto.

    Não se esqueçam que somos a minoria e a maioria ainda não enxerga os sinais. Afinal as bolhas são “transparentes” enquanto crescem. Também por isso chamam sonho da casa própria. As pessoas não desistem de um sonho facilmente, nem que este passe a caber em 40 m. Leva um tempo para alguém entender que, de repente, o investimento mais seguro e rentável dos últimos anos pode se tornar um prejuízo.

    Por isso em minhas últimas declarações meu tom pareceu para alguns como amenizador. Lendo o cenário atual, esse tipo de notícia não me surpreendeu.Gostaria de ver o circo pegar fogo de uma vez, mas acho que as estacas vão cair mais devagar. No começo do ano já lia, mas não comentava e lembro que muitos afirmaram que a bolha havia estourado quando viram a queda de 40 %das vendas de 2011 em relação ao primeiro trimestre de 2010. Bastava olhar o salto atípico de 75% das vendas no mesmo período de 2010 em relação a 2009 para entender que a queda nesse patamar não era a realidade, só uma comparação sobre um trimestre espetacular no ano anterior. Não é por acaso que a diferença vêm diminuindo mês a mês. Lembrem-se: Ter cautela não é ser subversivo.

    A diferença entre um estouro e um esvaziamento é o tempo que se espera. No final a bexiga acaba vazia de qualquer jeito. Já esperei mais de 3 anos e vou esperar o tempo que for necessário pra pagar o que acho justo. Isso é o que importa!

    0
  • Felipe 29 de novembro de 2011 at 22:55

    Cada dia mais vejo placas de vende-se nas janelas e nas portarias. Prédios que eu passo todo dia em frente, há muitos meses. Além desses, há ainda milhares de aptos que ficarão prontos em 2012. E, os superprédios prontos, estão com 30%, 40% de ocupação. Quem aguentar firme vai ver essa palhaçada acabar e ainda escolher aonde vai morar.
    Não há mais compradores, o mercado está esgotado, as cartas na manga estão acabando, o décimo terceiro vai todo pra pagar dívidas, o IPTU e o IPVA vai chegar, vamos ter um “apagão” da poupança e até os traficantes estão sendo presos hehehehehe. só o Neymar ganha bem!

    Ah esse ano que vem… promeeeeeeeeeeeeeeete!

    0
  • RPL 29 de novembro de 2011 at 23:01
  • Guilherme Eduardo 29 de novembro de 2011 at 23:04

    Antes as notícias vinham falando muito sobre mercado aquecido, demanda reprimida, realizar sonho da casa própria e etc, e sempre falavam que era sustentável e que não há bolha em uma frase só. As notícias estão começando a mudar. Quem aqui imaginaria que teria o rapaz no final (eu vi a reportagem na TV) falando que esperou e conseguiu desconto de R$ 30.000,00??? Se imóvel sempre valoriza e o mercado está em alta, por que dar desconto?

    Se alguém te falar “compre por que vai valorizar. Os preços estão subindo”. Responda “os preços estão subindo sim. E muito. Mas para quem eu vou vender, se as vendas estão caindo?”

    0
    • Xangai 30 de novembro de 2011 at 02:27

      o rapaz ficou feliz pelo desconto … e ficou feliz por falarem que era ” A ULTIMA UNIDADE” !!!!

      acho que todo mundo aqui conhece bem a historia da “ultima unidade… feche logo” …

      ainda vao aparecer outros melhores descontos…!!!!

      0
  • RPL 29 de novembro de 2011 at 23:06

    Momento humor:

    http : / / entretenimento.r7.com/blogs/te-dou-um-dado/2011/11/28/com-vista-pro-mar/

    0
  • dp 29 de novembro de 2011 at 23:19

    Mais um excelente texto do Fabio. Prova que ao contrario dos mitos muito propagados a torto e a direito, a situacao do mercado Brasileiro eh sim identica ao mercado EUA pre-bolha. Os argumentos, as pseudo-analises, as certezas, as ilusoes e as motivacoes sao exatamente as mesmas. Prova que pelo menos as leis da economia, oferta-demanda, funcionam no Brasil. Resta saber quao diferente sera o estouro pos-bolha.

    0
    • Roberto Cesar 30 de novembro de 2011 at 05:08

      Esse artigo mostra algumas das frases ditas por “especialistas” durante o estouro da bolha americana e o crash da bolsa de NY de 29. Os argumentos são sempre os mesmos.
      rcesar.net/2011/11/bolha-imobiliaria-vs-grande-depressao/

      0
  • Guilherme Eduardo 29 de novembro de 2011 at 23:20

    Bolha e caros leitores,

    creio que seria interessante fazer um tópico ou uma enquete sobre possíveis datas para o estouro (ou início da queda) da bolha. Faz por semestre, mas se for tópico, peça para quem for apostar em uma data fundamentar a escolha, ou simplesmente concordar com outro argumento. Depois no final, alguém poderia montar um artigo sobre alerta da bolha, mas sem colocar os prazos (para não parecer Nostradamus e o pessoal recusar de cara), só utilizando os argumentos, e encaminhar para um jornal de grande circulação e tentar a sorte =) Se algum jornal topar colocar o artigo vai ser mega!

    Alguns eu creio que vão aparecer: O dinheiro rende mais se estiver na poupança do que no aluguel (relação preço/aluguel); A média da renda do brasileiro e máximo que é possível financiar com ela; Os riscos dos atrasos para quem vai morar; O risco do preço alto do condomínio nos condomínios-clube; A queda nas vendas; O aumento no endividamento dos brasileiros, o que retira mais possíveis compradores do mercado; Exemplos do exterior, mostrando que a bolha aqui é diferente da dos EUA, mas que existe (China é um ótimo exemplo, mas também tem Espanha e Portugual saindo bastante em jornais).

    0
  • Marcelo 29 de novembro de 2011 at 23:23

    Algo de muito estranho está acontecendo com o mercado imobiliário brasileiro. Será normal imobiliárias diferentes anunciarem o mesmo imóvel com diferença de preços de quase R$800.000?
    Este exemplo é apenas um dentre muitos na insana capital gaúcha:
    http://www.foxter.com.br/imovel/1021/residencial-porto-alegre-bela-vista-cobertura-granville-3-dormitorios-res-poa-lux/
    http://www.auxiliadorapredial.com.br/Vendas/Imovel-Cobertura-Rio-Branco-Porto-Alegre_11393
    http://www.lopes.com.br/ficha-imovel-terceiro/porto-alegre/rs/porto-alegre/bela-vista/apartamento/900097467

    0
    • Andre Luiz 30 de novembro de 2011 at 13:28

      Isso é um fenômeno do mercado atual. Ninguém sabe quanto custa um imóvel. Os preços estão completamente loucos.

      Mas no exemplo que você deu, 800mil representam uma variação de cerca de 25% do anúncio mais caro, para o mais barato. Já foi divulgado aqui que a Even está dando até 36% de desconto nos imóveis dela.

      Sinceramente, estou quase voltando a procurar imóveis na tática do Carlos Wagner, oferecer no máximo 50% do que os caras pedem e ainda, com a cara mais lavada do mundo dizer que estou fazendo um favor, pois o negócio nem é tão bom. rsrsrs

      0
  • Tatanka 29 de novembro de 2011 at 23:25

    Gente só pelo fato do Jornal Nacional começar a tratar do assunto, é porque a coisa ja esta ficando no ponto.

    0
  • Mdc 29 de novembro de 2011 at 23:43

    Caros,

    1) A bolha já estourou! Ou alguém duvida que hoje você não consegue comprar imóveis com uma redução de, pelo menos, 20% sobre o preço que era praticado no início do ano?

    2) Esta primeira onda vai até o primeiro semestre de 2012, com reduções de, pelo menos, 30% no valor dos imóveis.

    3) Com inflação, endividamento, aumento do desemprego e queda do PIB entramos na segunda onda, de duração mais longa e menor velocidade na queda dos preços. Estimo redução de, pelo menos, 40 % em relação aos preços praticados no início de 2011.

    4) Com o agravamento da crise mundial (calote na zona do Euro e eleições traumáticas nos EUA + crise fiscal), entramos na terceira onda, a qual irá perdurar, pelo menos, até o final de 2013. Redução de 50-60% ou mais no valor, afora a estagnação do mercado imobiliário.

    0
    • Carcará 30 de novembro de 2011 at 08:52

      Mdc,
      excelentes previsões.

      Abs

      0
    • Rodrigo 30 de novembro de 2011 at 08:57

      Grande parte dos imóveis a venda estão ocupados, ou seja, se o proprietário vender por R$ 500M investe e aluga até a bolha estourar, não é assim? Por isso não acredito que o proprietário irá vender por 250M (50% de “desconto”), no mínimo não venderá e continuará ocupado.

      Agora os “investidores” vão perder todo patrimônio para as instituições financeiras, pois nunca vi leilão cobrir o débito todo.

      0
      • Luiz 30 de novembro de 2011 at 10:35

        ainda estou em duvida se a queda recente é bear trap ou bull trap

        trocando em miúdos:
        não sei se ainda sobe muito por alguns anos antes de cair
        ou se sobe só mais um pouco antes de despencar de vez

        0
        • Indecoroso 30 de novembro de 2011 at 11:08

          E aí, Luiz. Já li esse tal de “bull trap” e “bear trap” em muitos lugares. Afinal o que isso significa? É um termo técnico da área econômico-financeira? Grande abraço.

          0
          • Luiz 30 de novembro de 2011 at 12:20

            Aqui no blog tinha um grafico, ma scomo não achei segue esse do colega que participa aqui

            os traps são os repiques negativos, pode ter mais de um, o desenho é só ilustrativo:

            h t t p://rcesar.net/2011/11/psicologia-da-bolha/

            A questão é: a bolha está começando ou acabando?

            0
      • manuelao 30 de novembro de 2011 at 11:31

        Rodrigo, a questao eh que 500mil na poupanca rendem 2500 de juros. Se o cara (espertao) compra o ap que vale 250mil pagando 500 mil e qdo for alugar conseguir somente, tipo 1700, vai estar perdendo dinheiro… Era melhor deixar na caderneta e nao levar na poupanca… 🙂

        0
        • Rodrigo 30 de novembro de 2011 at 12:38

          “Investidores”

          0
          • manuelao 30 de novembro de 2011 at 14:00

            Quem compra p morar tb perdeu… Pois ele podiu ter pago metade e a outra metade investida daria dinheiro suficiente para ele pagar o condominio e o IPTU… Como se ve, todos perdem

            0
    • Indecoroso 30 de novembro de 2011 at 11:05

      Antes que a tempestade chegue, pergunto: o que fazer para proteger do ‘crash’ aquela grana que poupei durante os últimos 3 anos que agora estão aplicados em CDB-DI? No caso de quebra, haveria algum risco de eu perder parte desse dinheiro por conta da inversão de algum índice?

      0
    • joao 30 de novembro de 2011 at 11:33

      “1) A bolha já estourou! Ou alguém duvida que hoje você não consegue comprar imóveis com uma redução de, pelo menos, 20% sobre o preço que era praticado no início do ano?”

      20% a menos do que o preço do INICIO do ano?? Eu li direito?

      isso dá uns 40% a menos do que o preço atual, me passa os links dessas promoções, por favor.

      0
  • especuladores fdp 29 de novembro de 2011 at 23:53

    A cidade de Uberlândia-MG está acabando de construir o segundo shopping da cidade, o que fez elevar os preços dos terrenos próximos ao shopping em 10 vezes em 6 anos. Agora que se espera buscar o lucro especulativo com a inauguração do shopping estão anunciando a construção de um terceiro shopping do outro lado da cidade. É claro, depois de loteado todos os terrenos ao redor… Desse jeito é fácil ganhar dinheiro… Agora eu pergunto, esse estouro vai ser forte ou não vai? Torço pra que a bolha estoure e afunde todos os otários mesmos.

    0
    • Indecoroso 30 de novembro de 2011 at 15:12

      Vai ser perto do Aeroporto. Meu primo, que é cinegrafista lá na TeleTriângulo, relata que estão preparando uma reportagem sobre a prosperidade econômica da região, que deve ir ao ar no início do mês que vem num dos programas da Rede Bobo. Disse que a redação pede ênfase nas tomadas feitas em loteamentos novos e áreas de baixa ocupação, pra mostrarem que a cidade ainda tem muito espaço pra crescer.
      Mas ele, cujo pai entrou na onda do constrói-e-vende, acredita que os políticos da cidade encomendaram essa matéria para atraírem especuladores de fora, pra quando a bolha estourar, não afetar tão profundamente o capital circulante na região. É como se fosse uma “guerra fiscal” do setor “bolhimobiliário”…
      Achei que a tese dele até que faz algum sentido! Especialmente pelo fato de o pai, que é construtor, admitir o estouro…

      0
  • Mr. Alex 29 de novembro de 2011 at 23:53

    Pessoal,

    alguém havia antecipado aqui que a Caixa começaria a sortear casas para captção de Poupança.

    Los tortugas com gorras “Poupançudos” já não estão atraindo tanto fregueses.

    O freguês tem que investir R$ 200 por mês para concorrer [a casas e Aí Póde].

    Vocês veem alguma coisa nesse “número mágico” de R$ 200 / mês ?

    p.s.: mas um lance antecipado aqui no Blog.

    0
  • EDUARDO 30 de novembro de 2011 at 02:30

    NÃO SEI QUANTO AS OUTRAS CAPITAIS, MAS AQUI EM ARACAJU-SE PARECE QUE A BOLHA NÃO ESTOURA TÃO CEDO, OS PREÇOS SE MANTEM NO CEU, PUXADO PRINCIPALMENTE PELAS CONSTRUTORAS, E QUERIA ACREDITAR QUE FOSSE DIFERENTE, MAS ACHO QUE NÃO VAI HAVER ESTOURO ALGUM,,, A BOLHA VAI APENAS MURCHAR E SER CORROIDA PELA INFLAÇÃO. NUNCA SE VIU TANTO DINHEIRO CIRCULANDO, ACHO QUE OS ATIVOS QUE ESTAVAM NA ECONOMIA VIRTUAL (BOLSA) MIGRARAM PARA A ECONOMIA REAL, É CLARO QUE UMA HORA VAI PARAR DE SUBIR, MAS VAI PARAR NUM PATAMAR ELEVADO.
    RESPEITO A OPNIÃO DE TODOS, E JUNTO MINHA GRANA EXCEDENTE PARA ALGUMA OPORTUNIDADE QUE SURGIR, MAS SEI QUE NUNCA VOU COMPRAR UM IMOVEL PELO PREÇO QUE ERA NEGOCIADO EM 2008.

    0
    • Tatanka 30 de novembro de 2011 at 08:46

      Eduardo tenha paciência, existe diferença entre preço e valor. Cito um caso real de um amigo que esta comprando uma casa na Flórida. Faz 8 anos ela custou para ser construída US$ 350,000.00, foi revendida em 2009 por R$ 210,000.00 e agora ele ofereceu R$ 120,000.00 e quase foi beijado pelo corretor. Na hora que a coisa apertar aqui não vai ser diferente, porque seria.

      0
      • Anonymous 30 de novembro de 2011 at 15:02

        Em qual cidade da Florida?

        0
    • Carcará 30 de novembro de 2011 at 08:50

      Eduardo,
      você vai comprar sim. Mas cuidado com o repique. Só compre quando tiver despencado para 60% do valor de 06/2011. O dinheiro que tá jorrando não é de riqueza, é apenas multiplicador moneotário. Quando conta vier (e vai vir), aí veremos que tem farinha no saco.

      Abs.

      0
      • Indecoroso 30 de novembro de 2011 at 15:16

        “multiplicador moneOtário”…

        Foi de propósito? Rsrs.

        0
        • Carcará 30 de novembro de 2011 at 15:39

          Indecoroso,
          de vez em quando mortais também tem direito ao neologismo. rs. Moneotário, pois o multiplicador de Lord Keynes é como placebo para paciente terminal. Pode ter um efeito benéfico no curto prazo, mas é morte certa.

          Abs.

          0
  • MrK 30 de novembro de 2011 at 05:08

    Capa do relatorio reservado do mercado de hoje: “PDG e Cyrela olham para gafisa como aves de rapina”

    seguem trechos

    “Dentro da própria Gafisa,
    o clima é desolador.
    Segundo uma fonte que habita
    o alto-comando da incorporadora,
    seus acionistas
    e executivos compartilham
    da ideia de que a companhia
    deixou de ser um
    potencial consolidador da
    área de construção civil para
    se tornar um alvo cada vez
    mais frágil.”

    “Os problemas da Gafisa não cabem
    em um arranha-céu.
    Desde o início do ano, a
    companhia passou por uma
    traumática troca de gestão.
    O executivo Wilson Amaral,
    que, até então, mandava e
    desmandava na construtora,
    foi afastado pelos acionistas
    devido à queda dos resultados
    e, sobretudo, aos atrasos
    na entrega de obras….

    No setor de construção
    civil, atrasos em sequência
    na entrega de imóveis como
    este costumam representar
    um choque na imagem de
    qualquer empresa.”

    0
  • Dr. Estranho 30 de novembro de 2011 at 11:15

    Acredito que o momento histórico nos aproxima de 1929. A emissão maciça de moeda, em todos os países, confirma isso. Há cerca de 5 anos, no meu itinerário, pelo menos uma vez por semana era possível ver 1(um) caminhão da casa da moeda e sua escolta. Passavam fácil por todos e sumiam. Agora, mais de uma vez por semana, vejo 5,6,7 até oito caminhões com uma gigantesca escolta, interrompendo e dando um nó na via expressa, só para dar passagem às toneladas de papel-moeda que o (des)governo está jogando na economia. Os militares fizeram isso e nos lançaram na hiperinflação. Agora é a vez do PT. Chegaremos a estagflação e a bolha imobiliária será fichinha.

    NOTA: inflação mascara as distorções e a corrupção. Os militares tinham isso a seu favor. Será esse o interessse do (des)governo petista?

    0
  • GPTFN 30 de novembro de 2011 at 12:02

    Agora fuuuu!

    Até o méier – RJ está se tornando um bairro de milionários!

    Esse bairro que era uma opção para a classe C que não podia morar na Tijuca (e entorno), agora é um bairro de Classe A e B.

    Basta olhar o valor de imóveis a venda no local:

    cidaderiodejaneiro . olx.com.br/oportunidade-de-apartamento-em-rio-de-janeiro-rj-meier-iid-251068902 – cobertura por 720k

    cidaderiodejaneiro . olx.com.br/oportunidade-de-casa-em-rio-de-janeiro-rj-meier-iid-251068872 – uma casa velha divida em 2 andares – 790k

    zap . com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-MEIER-Rua-Pedro-de-Carvalho/ID-2460076 – cobertura 660k

    0
    • RT 30 de novembro de 2011 at 12:16

      Quando eu digo que os preços atuais são inviáveis, é de exemplos como esse que estou falando.

      É loucura achar que quem pode pagar 700 mil em imóvel vai querer morar no Méier. Exceto, é claro, por pessoas que tenham crescido lá e tenham ligações afetivas, o que é uma minoria.

      Casos como esse são, para mim, a maior prova de que não existe hipótese dos preços de acomodarem. 600k e 700k já são valores altos para a realidade de Humaitá, Flamengo, Botafogo, Tijuca… imagina Méier.

      Como eu disse outro dia… esses são casos que não cortar pelo menos uns 40%, nem dá pra pensar em vender.

      PLOC!

      0
      • Andre Luiz 30 de novembro de 2011 at 13:04

        Opa.

        Eu moro no Méier. Tenho a maior ligação afetiva com o bairro, mas não pagaria nunca esses valores. Aliás, nem eu nem ninguém, pois canso de ver anúncios desse tipo por meses/anos a fio parados. Alguns até vão aumentando de preço a medida que o tempo passa.

        0
    • Rodrigo 30 de novembro de 2011 at 13:06

      Será que Milionário COMPRA imóvel de por 700M com

      flor no teto foto 2;

      desentupidor de vaso sanitário com tapetinho no box foto 3;

      encanamento de PLASTICO foto 9;

      panela amassada e balde no tanque foto 4;

      cama amassada foto 5;

      paninho na geladeira foto 6;

      roupas entulhadas 8;

      ventilador de parede 10;

      persiana quebrada foto 13;

      corredor para faquir 15;

      sacola no chão 17 e

      mochila pendurada com sapato na porta

      cidaderiodejaneiro . olx.com.br/oportunidade-de-apartamento-em-rio-de-janeiro-rj-meier-iid-251068902 – cobertura por 720k

      0
      • Rodrigo 30 de novembro de 2011 at 13:30

        cobertura por cobertura “só 600, mas tem 250m2”

        h ttp://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-RECREIO-DOS-BANDEIRANTES-RUA-ZELIO-VALVERDE/ID-2627985

        0
  • Fábio 30 de novembro de 2011 at 12:06

    Eu sempre falo isso, que as Olimpiadas foram e vão ser o estouro da Bolha, vejam a materia abaixo da BBC, nao é de qualquer jornal fuleiro.

    *

    Economia » Notícias
    Olimpíada foi prenúncio de crise grega, dizem analistas
    30 de novembro de 2011 • 11h08 • atualizado 11h25

    comentarios

    1. Noticia

    *
    1. Reducir
    2. Normal
    3. Aumentar
    * Imprimir

    Thomas Pappon
    Direto de Londres

    A escalada de custos, a falta de controle nas obras e o abandono generalizado do legado físico da Olimpíada de Atenas 2004 foram sinais da tragédia financeira que estaria por vir, a crise de débito grega, na opinião de especialistas ouvidos pela BBC Brasil.

    A aventura olímpica de Atenas trouxe prestígio, fez a Grécia reviver – mesmo que por apenas três semanas – a glória e a pompa dos jogos pan-helênicos da Antiguidade e deu uma boa polida na autoestima e no orgulho da população.

    Mas ela também expôs sérias falhas de planejamento e organização, levantando dúvidas sobre a capacidade do Estado grego – no início de 2004, antes da expansão da União Europeia (UE), a Grécia era o segundo país mais pobre do bloco em termos de Produto Interno Bruto (PIB) per capita – em lidar com um evento do porte de uma Olimpíada.

    “Os Jogos foram determinantes para inflar os números na época”, disse à BBC Brasil Marika Frangakis, economista do Economistas Europeus por uma Política Econômica Alternativa (EuroMemo). Segundo Frangakis, o país já vinha acumulando gastos públicos extraordinários, uma situação que teria se agravado “com as oportunidades de corrupção abertas na distribuição de contratos a grandes corporações”.

    Olimpíada mais cara da modernidade
    Sete anos depois ainda é difícil precisar o total dos gastos com a Olimpíada de 2004. Em novembro daquele ano, o governo anunciou o custo final como sendo de 8,9 bilhões de euros (R$ 21,3 bilhões) quase o dobro do orçamento inicial e o suficiente para apelidar, na época, Atenas 2004 de os Jogos mais caros da história moderna.

    O montante não inclui gastos com obras que vinham sendo planejadas antes, independentemente dos jogos, mas que foram aceleradas por causa destes, como o novo aeroporto internacional, uma via expressa e linhas de bonde e trem, todas na capital ou arredores.

    Segundo dados do Ministério das Finanças grego divulgados em novembro de 2004, dos 8,9 bilhões de euros (R$ 21,3 bilhões) – quase o dobro do gasto dos jogos anteriores, os de Sydney, de 6,65 bilhões de dólares australianos (R$ 11,8 bilhões) -, 7,2 bilhões vieram do Estado, que disponibilizou a maior parte destes recursos através de um programa de investimentos em infraestrutura semelhante ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) brasileiro.

    O país também teve o azar de estar realizando os primeiros Jogos após os ataques de 11/9 nos Estados Unidos, o que o obrigou a aumentar várias vezes a parcela dedicada à segurança do evento. “A Olimpíada pôs pressão sobre as finanças públicas”, disse à BBC Brasil o economista Vassilis Monastiriotis, da London School of Economics.

    Grande parte dos gastos (do Estado) foi financiada com empréstimos
    “Os Jogos arrecadaram bem menos do que o estimado originalmente. O governo esperava recuperar parte dos custos com a venda ou privatização de instalações olímpicas, mas ele conseguiu levantar apenas uma parte disso, 25% talvez, do esperado”, diz Monastiriotis.

    Hoje, longe de ter ajudado a revitalizar Atenas, o complexo olímpico de Faliro está abandonado, os dois principais estádios estão fechados e várias outras instalações que sediaram competições estão às moscas, cobertas de mato e grafite.

    Deficit e Dívida
    A economia grega fechou 2004, segundo a Eurostats, o braço de estatísticas da UE, com um deficit de 7,5% do PIB, o maior entre todos os países do bloco, que tinha sido expandido naquele ano em dez países para 25. No ano anterior, o deficit grego tinha sido de 5,6% do PIB. A dívida pública em 2004 subiu para 98,6% do PIB – ou equivalente a cerca de 50 mil euros para cada família no país.

    O premiê grego na época, Kostas Karamanlis, se apressou em jogar a culpa pela escalada da dívida sobre o governo anterior, acusando-o de ter “maquiado” suas contas com dívidas criadas “em segredo” e deixando de incluir, no Orçamento previsto para 2004, itens significativos como os gastos em Defesa.

    O fato de a Grécia ter trocado de governo poucos meses antes da Olimpíada também não ajudou a dar mais transparência à contabilidade dos jogos. Assim como não ajudou o fato de sucessivos governos terem se acomodado em manter os altos níveis de endividamento do país. Em 2003 o país conseguiu reduzir a dívida pública, mas de 2004 em diante, ela cresceu a cada ano, culminando em 144,9% do PIB em 2010.

    “Não há dúvida de que os gastos dos jogos contribuíram para o tamanho da dívida, mas a acumulação da dívida grega é um processo bem mais amplo”, disse à BBC Brasil Spyros Economides, cientista político da London School of Economics.

    “Não se trata de uma dívida acumulada por famílias ou indivíduos, em empréstimos, hipotecas ou cartão de crédito. É dívida do Estado, gerada por vários governos perdulários, que pegavam fundos da UE, não para investi-los em infra-estrutura, construções, ou programas de criação de emprego ou suporte agrícola, mas em projetos sociais populistas e políticas clientelistas”, disse Economides.

    O orçamento da próxima Olimpíada, a de Londres 2012, é de 9,3 bilhões de libras (R$ 25,9 bilhões). A maior parte, 5,9 bilhões de libras (R$ 16,4 bilhões), virá do governo; 2,1 bilhões de libras (R$ 5,8 bilhões) virão da loteria e o resto está previsto para ser levantado junto ao setor privado. O orçamento dos Jogos no Rio 2016 ainda está sendo revisto. No dossiê da candidatura, ele estava estimado em R$ 28,8 bilhões – R$ 7,5 bilhões a mais do que o custo de Atenas 2004.

    0
    • Murdoch 30 de novembro de 2011 at 12:21

      Excelente matéria!

      0
      • Fábio 30 de novembro de 2011 at 12:34

        com a crise na Grecia e o cenario atual no Brasil, acredito que essa materia poderia ser tema do Bolha.

        0
  • Luiz 30 de novembro de 2011 at 12:09

    Taxa de nupcialidade IBGE – 2010 (valores aproximados)

    Em SP 6,5 casamentos por mil habitantes, populaçlão 11 mihões de habitatnes
    = 50.300 casamentos em 2010 tipo solteiro-solteiro
    destes 40 mil casamentos em idadade entre 20 e 45 anos.

    40.000 novas famílias em 2010 na cidade de SP
    Se for verdade a máxima: “quem casa quer casa”

    Temos:
    40 mil potenciais novos compradores / locatários de novos+usados
    uma boa aproxmiação para o Rio é SP dividido por 2 = 20.000

    Alguém tem alguma opinião sobre isso?

    0
    • Jack Imóveis 30 de novembro de 2011 at 12:17

      Luiz,

      É uma informação muito interessante. O fiel da balança seria o seguinte. Essas pessoas estão saindo da casa dos pais? Estão saindo de apartamentos tipo republica? Ou moravam sozinhos?

      Abraços

      Jack – Questionador

      0
      • Luiz 30 de novembro de 2011 at 12:25

        procurei fazer isso usando os refinamentos: selecionei o tipo solteiro+solteiro (tirei solteiro+divorciada, etc) e faixa entre 20 e 45 anos.

        Tem outra coisa: A taxa de divórcio/separação tbm geraria demanda de +1/3 dos novos casamentos, ou seja +15 mil novos lares potenciais

        0
        • Rodrigo 30 de novembro de 2011 at 12:46

          O número de imóveis ocupados por apenas uma pessoa tem aumentado, seja daqueles que saíram da casa dos pais ou daqueles recém separados.

          h ttp://incorporacaoimobiliaria.com/category/estatisticas/

          0
          • Luiz 30 de novembro de 2011 at 13:09

            ou que morreu o segundo morador, essa deve ser a maior parte em cidades envelhecidas como SP

            0
        • Jack Imóveis 30 de novembro de 2011 at 12:50

          Luiz,

          Faz sentindo. Se considerarmos que só há novos imóveis vagos, a demanda seria maior do que a oferta. Porém temos a massa de imóveis usados que estão vagos. Encontrar o numero real de imóveis prontos vagos poderia nos dar uma idéia de oferta vs demanda.

          O problema é que teríamos de recorrer ao ZAP e acho que não é uma fonte das melhores.

          Jack – Desconfiado

          0
          • Luiz 30 de novembro de 2011 at 13:08

            Olha que eu falei demanda potencial, pq sem $$$ fica só na vontade mesmo

            A conta da oferta é mais complicada
            tem que considerar balanço migratório
            tem que considerar mortalidade
            … etc

            Pra ter uma idéia,
            só as construtoras do Secovi já produzem 40 mil/ano
            tem as construtoras fora do Secovi
            tem as construções próprias,
            as autoconstruções ilegais

            Acho melhor recorrer ao Zap mesmo, não?

            0
            • Jack Imóveis 30 de novembro de 2011 at 16:12

              Caro Luiz,

              Vamos ao ZAP. Seguem os dados:

              Há em São Paulo, capital, apenas 89.400 imóveis a venda. Lembre-se que estamos falando de prontos.

              Metade disso cobre a demanda potencial.

              Pode? Arnaldo

              Jack – fazendo contas

              0
              • Luiz 30 de novembro de 2011 at 16:45

                uau, isso só no Zap, fora o resto
                e pra alugar tem quanto?
                lançamentos o Secovi dá 40mil/ano
                dá pra casar, divorciar, morar sozinho, não precisa o avô morrer, nem morar com a sogra

                tá bonito o jogo Galvão, mercado não precisava entrar de carrrinho, cartão amrelo merecido

                0
                • Jack Imóveis 30 de novembro de 2011 at 17:09

                  Caro Luiz,

                  Para alugar são 10.800. Lembrando que para os dois números estamos falando apenas de apartamentos e apenas aqueles anunciados no ZAP.

                  Abraços

                  Jack

                  0
    • Carcará 30 de novembro de 2011 at 13:15

      Luiz,
      há vários potenciais compradores de Ferraris, iates, castelos, etc. Não adianta um sujeito ter uma necessidade sem ter a respectiva pecúnia para satisfazê-la. O problema é que, como no caso da Espanha, esse tempo todo, continuamos com um salário de merda. A renda não aumentou nem de longe na proporção do aumento dos imóveis. E, agravante, na época em que a renda era mais ou menos a mesma, não havia essa míríade de ofertas que há hoje.

      Por mais mágica que se faça, não há compradores para todos os imóveis que já estão de pé, porque simplesmente não há dinheiro para comprá-los. E, num chutômetro, acho que muitos dos que já estão morando em seus sonhados recantos, terão de devolvê-los por inadimplência.

      A outra alternativa a esse raciocínio é o mundo que dilma-manteiga nos apresentam pela mídia subsidiada. Por falar nisso, já viram a mágica do IBGE? Vão mexer, na medida do possível, naqueles itens do IPCA com maior possibilidade de aumentar o índice, educação entre eles. Ou seja, a diferença entre inflação aparente (IPCA) e a real tende a se acentuar.

      Abs.

      0
      • Luiz 30 de novembro de 2011 at 14:06

        isso mesmo carcará, me leia logo acima…
        demanda potencial… não real, nem total
        quer dizer: muita gente vai se contentar em fazer um puxadinho no quintal do sogro.

        vou te falar outra.
        O IBGE mudou muito a forma de captar renda entre os censos de 2000 e 2010 (faz-se o censo de 10 em 10 anos) com o objetivo de captar toda a renda possível duma família.
        Por um lado é bom pq mostra melhor a realidade, por outro a gente perde a sequencia de dados, não dá pra saber se enriquecemos mesmo, a não ser por aproximações.

        0
        • Carcará 30 de novembro de 2011 at 15:42

          Valeu,
          Luiz. Os dados que você sempre traz, IBGE, bolsa (gosto daqueles com os índices de volumes), são sempre bons para discutirmos.

          Abs,

          0
  • Davi 30 de novembro de 2011 at 14:37

    “…. o que a sustenta é uma política governamental sólida de só conceder crédito a quem pode “honrá-lo. O que sustenta a economia é dinheiro sólido, que gera mais dinheiro sólido por meio de investimentos….”

    Então, mas o que escuto dizer e ler é que os empréstimos são todos criteriosos de modo que não compromentam a renda do tomador, do modo como vejo, os empréstimos são concedidos somente aqueles tipos de envidados HEDGE.

    Sempre falam: ah, mas quem está comprando é para morar, são pessoas que vão pagar o financimanto, especuladores tem mas é uma parcela insignificante do todo. É isso que escuto.

    0
    • augusto 30 de novembro de 2011 at 15:18

      Mas o primeiro argumento expõe para os otários é que a compra do imóvel é um excelente investimento.
      Certamente imóveis são um bom investimento, mas não quando se compra em picos irreais de preços como os atuais. A BOLHA está super inchada e estourando ou a estourar breve, muito breve

      0
  • LAR 30 de novembro de 2011 at 14:40

    Só um relato:

    no bairro onde procuro morar no RJ capital, temos várias empreendimentos em fase de lançamento, construção e entrega de chaves.

    Me informaram em um deles (que custava 220k) que só restava uma unidade no térreo, sol da tarde. Eu disse meu valor de entrada, questionei se chegariam ao valor que julgo justo (170k) e pra minha surpresa, aceitaram. Alegaram que o fato de minha entrada ser grande, e eu me dispor a pagar mais do que o que estabelecem durante a obra, abaixariam o valor, além de a unidade ser de menor procura por ser térrea e com sol da tarde.

    Alegaram o de sempre:

    última unidade
    enorme fila de espera
    interessandos lutando MMA por essa ultima unidade

    Neguei educadamente e mudou para:

    Algumas unidades devem “voltar”
    Em até duas semanas te retorno
    Vou tentar em meio a fila de espera, assegurar uma pra voce

    Outro empreendimento na mesma região, porém menor e mais mal localizado, foi a mesma coisa: de 159k, chegou a 140k sem eu fazer grandes forças de negociação.

    Ou seja: no primeiro, consegui um desconto 50k e no segundo 20k, sem grandes esforços.

    Óbvio que estão passando valores acima do que é pedido até pela construtora e óbvio que estão enxugando das próprias comissões e mais um pouco. Óbvio que não fechei com nenhum deles. To guardando mais grana e esperando o desespero aumentar. A grana na mão boa de entrada vem abrindo portas

    Gostaria do parecer de voces sobre a situação.

    0
    • dp 30 de novembro de 2011 at 15:51

      Se for construtora com acoes na Bolsa, espere os resultados (ruims) do 4T e peca 50% de desconto, so para ver o que sai.

      0
    • Rodrigo 30 de novembro de 2011 at 15:56

      Térreo = barulho, ainda mais se tiver piscina ou/e quadra de esportes. Sábado e Domingo nem se fala.

      Sol da tarde = ar condicionado ligado no máximo no período da tarde até o dia seguinte, isso se quiser dormir direito.

      Já ví essa história que vai ser lindo ver o filho brincar no parquinho, jogar futebol e nadar na piscina tudo isso em baixo da janela…

      0
    • manuelao 30 de novembro de 2011 at 22:10

      Se o preço já chegou no que vc considera justo, então compre. A bolha pode não ser tão grande assim ou demorar muito para cair menos do que os otimistas apostam.

      0
  • augusto 30 de novembro de 2011 at 15:15

    O conteúdo da reportagem que deu inicio a este tópico significa que Papai Noel não existe né. Tadinho daqueles crescidinhos que acreditavam em coisas impossíveis. ÔÔhhhh dó.

    0
  • Indecoroso 30 de novembro de 2011 at 16:13

    Pessoal, sei que todos os blogueiros aqui se dedicam a estudar prioritariamente a ocorrência da bolha no setor imobiliário urbando e tal…
    Mas e quanto aos imóveis RURAIS, vocês acham que sobre eles também houve superespeculação? Ou a concentração de investimentos na “urbis” acabou foi afetando negativamente os preços fora dela? Ou tudo permaneceu como estava?
    Como na internet pouco encontrei sobre o assunto, resolvi buscar socorro neste judicioso oráculo…

    0
    • Davi 30 de novembro de 2011 at 16:55

      O que eu li a respeito disso é:

      Fonte: agencia estado

      Brasília, 30 – A subcomissão vinculada à Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados que trata da compra e
      arrendamento de terras por empresas estrangeiras adiou a reunião prevista para as 14h30 de hoje, quando seria discutido o
      relatório do Beto Faro (PT/PA). O próximo encontro deve ser realizado na próxima semana. A subcomissão, que foi instalada
      em junho, tem até dezembro para encerrar os trabalhos.

      Os parlamentares ainda aguardam as sugestões do governo federal para chegar a uma proposta de consenso em relação ao
      tema, que vem gerando polêmica desde que um parecer da Advocacia Geral da União limitou a compra de terras por
      estrangeiros.

      O assunto está sendo encaminhado no governo pela ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que ontem recebeu
      representantes das indústrias de papel celulose (Bracelpa) e dos produtores de açúcar e álcool (Unica). Segundo fontes, o
      governo ainda não tem uma posição fechada sobre o assunto. Técnicos da Casa Civil e da AGU devem se reunir ainda hoje
      para analisar a questão.

      A subcomissão que trata do tema no Congresso analisa votar o relatório de Beto Faro ou prorrogar os trabalhos para o próximo
      ano, o que contraria o interesse das indústrias, que alegam dificuldades para expandir seus investimentos por causa da
      insegurança jurídica.

      Em seu parecer, o deputado Beto Faro propõe que a área de aquisição e arrendamento de terras por empresas brasileiras
      controladas por capital estrangeiro será de 100 módulos fiscais, observado o limite máximo de 5.000 hectares. Segundo o
      parecer, o Congresso Nacional poderá autorizar a aquisição de imóvel rural por pessoas estrangeiras, além dos limites fixados,
      quando se tratar da implantação de projetos julgados prioritários em face dos planos de desenvolvimento do país.

      O relator propõe que os cartórios de registro de imóveis mantenham cadastro especial das aquisições de imóveis rurais pelas
      pessoas estrangeiras, cujos dados devem ser remetidos trimestralmente às corregedorias da Justiça dos Estados e ao Incra. Os
      cartórios terão prazo de 180 dias para realizar o levantamento de todas as aquisições de terras por estrangeiros já realizadas
      sob sua jurisdição até a data anterior à vigência desta lei. (Venilson Ferreira)

      0
    • Luiz 30 de novembro de 2011 at 16:56

      área rural tbm está bombando
      boom da agroindustria, lazer e turismo rural, expansão urbana, novas rodovias.
      li algo sobre isso no nulceo de real state da poli, se não me engano.
      tbm andei procurando sítios pra comprar/alugar: só achei muquifo por preços altos.

      0
      • manuelao 30 de novembro de 2011 at 19:55

        Luiz (com Z) depende de onde vc andou procurando. Estive olhando tb e encontrei imoveis mto legais por valores que considero bem razoaveis…

        0