Vendas e preços de imóveis desaceleram – Correio Braziliense

Você pode gostar...

Comments
  • MrK 28 de novembro de 2011 at 05:12

    Eu acho engracadissimo que a culpa e’ sempre da “crise internacional” , nunca a culpa e’ dos agentes do mercado que fomentaram essa especulacao louca..

    a culpa nao e’ das construtoras que anunciaram imoveis como se fosse CDB “invista aqui”
    a culpa nao sao dos jornais que publicaram materias ultra tendenciosas para tentar justificar o injustificavel
    a culpa nao sao dos corretores que usaram todas suas armas, mesmo que pouco eticas, pra forcar vendas
    a culpa nao e’ do governo, que exagerou no direcionamento de recursos ao mercado (subsidios, credito e renuncia fiscal)

    nao amigos…a culpa e’ da Italia !!!! Maldito Berlusconi, viu o que voce fez com o preco dos imoveis???

    0
    • Ar Quente 28 de novembro de 2011 at 08:20

      Pois é… O Brasil é o país dos inocentes!
      A culpa é do Fidel!

      0
    • Roberto Cesar 28 de novembro de 2011 at 19:11

      Hahahahahahahahaha, Essa foi ótima!!!!
      Não consigo parar de rir hahahahaha.
      Maldito Berlusconi hahahahaha

      Essa foi ótima MrK !!!

      0
  • LAM 28 de novembro de 2011 at 06:27

    Mais uma matéria sobre o nível de endividamento dos brasileiros!

    w w w .gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1196793&tit=Endividamento-e-inflacao-ja-comprometem-consumo

    E o (des)governo anunciando outras medidas de expansão do crédito… onde isso vai parar?

    0
    • Tico RJ 28 de novembro de 2011 at 09:47

      É isso aí, LAM.

      Tem até banco permitindo pagar várias outras contas com cartão de crédito. Claro que paga-se uma taxa, mas dependendo do valor a ser pago e pra fugir de um juro alto, vale a pena fazer esse tipo de operação.

      0
      • MrK 28 de novembro de 2011 at 10:21

        Exatamente

        outro dia li uma reportagem dizendo que a inadimplencia estava controlada porque as contas de luz e agua apresentavam baixa inadimplencia, mas veja soh, podendo pagar as contas com o cartao, pra quem voce prefere dever: Pro cara que vai cortar sua eletricidade ou pro cara que vai no maximo jogar seu nome no spc?

        pra mim as operadoras de cartao tem um mico nas maos, um gorila, por isso mesmo o governo vetou o aumento de 20% da parcela, estamos com ridiculos 15%, ou seja, voce gasta, parcela E AINDA PAGA so 15%!!!

        Imagine um cara que ganha R$1.000 liquidos

        Ele compra algo que custa R$2.000 (dois salarios inteiros!!), mas parcela em 10x e a parcela vai pra R$200, e na fatura do cartao ele so’ paga 15%, ou seja R$30

        no final R$30 parece nada pros R$1.000 dele, mas se for avaliar a REALIDADE ele consumiu 2 vezes o salario dele, pensa assim e imagina o tamanho de m$#@$#@ que vem pela frente…

        0
        • Troll 28 de novembro de 2011 at 22:53

          MrK, issp me lembra o Espanhistão.

          0
    • Cleyton 28 de novembro de 2011 at 15:14

      Com esse nível de endividamento os otimistas estão dizendo que se continuar assim daqui a pouco o povo vai tar comendo merda, os pessimistas já acham que a merda não vai dar pra todo mundo…

      0
    • Carlos Wagner 28 de novembro de 2011 at 16:38

      Percebe-se claramente que o governo está tentando jogar a culpa na crise externa. Com a inflação em alta e a população extremamente endividada, a saída ideal que o governo encontrou foi baixar juros e estimular o consumo com base em mais dividas. Genial!

      Com isso, concluimos que, para os nossos governantes, é mais vantajoso estimular o endividamento do que fazer as reformas necessárias: financeira, fiscal, trabalhista, politica e de planejamento. Não perceberam ainda que só assim o Brasil poderá enfrentar a crise com um consumo solido e duradouro.

      O que nao entendo é a ânsia por crescimento em detrimento a longevidade do sistema.

      Como previsto aqui há muito tempo, o governo começa a demonstrar sua incompetencia em gerir o país e busca culpar as adversidades globais pelas nossas mazelas.

      0
      • Roberto Cesar 28 de novembro de 2011 at 19:20

        Oi Carlos,

        Eu costumo dizer que “crescimento” virou uma religião. É mais fácil um político negar Deus do que negar o crescimento, mas infelizmente, crescimento não será uma opção num futuro muito próximo e já deveríamos estar nos preparando para isso.

        Sobre o assunto eu recomendo os vídeos do professor Al Bartelett da Universidade do Colorado, Boulder. Eu escrevi alguns comentário sobre o assunto também:
        rcesar.net/2011/11/crescimento-eterno/

        0
      • Troll 28 de novembro de 2011 at 23:00

        O que nao entendo é a ânsia por crescimento em detrimento a longevidade do sistema.
        ___

        Mas essa é a parte fácil de entender. Estimula-se o crédito até 2014, ultimo ano de governo. Aí quando a “New Media Class” quebrar e a economia quebrar junto, já será 2015. A conta fica pro próximo governo, que não será PT. Na ocasião, o PT cantará aos quatro ventos que a culpa é do novo governo, e a população cega acreditará, relembrando os tempos “áureos” de Lula e Dilma, onde nunca na história desse país tanto se podia comprar e se viver como “rico”, mesmo ganhando um SDM (em espanhol: Saldo de Mierda).

        0
  • Pedro 28 de novembro de 2011 at 08:44

    O engraçado é que a matéria tenta convencer os brasilienses de que em Brasília não há crise no mercado imobiliário. O motivo, como sempre, é que Brasília é diferente, pois segundo o jornal o mercado aqui é atípico. Sempre o argumento do dessa vez é diferente ou aqui é diferente.

    0
    • john 28 de novembro de 2011 at 09:24

      Esse jornal é terrível. Até quando resolvem mostrar algum problema envolvendo o mercado imobiliário, dão um jeito de fazer propaganda.

      0
  • Boris 28 de novembro de 2011 at 08:55

    Mas o Rio É diferente. Aqui nao tem jeito de baixar.

    0
  • Galvão 28 de novembro de 2011 at 09:08

    “O mercado de Brasília é atípico. … permutas de terrenos que valem até 70% dos apartamentos, sem comparação com o resto do país, em que o percentual não passa de 40%”

    E quem é o principal responsável por isso? O Governo do DF, através da TerraCap. É vergonhoso. Quem conhece o DF sabe do que estou falando.

    A TerraCAP é a principal especuladora do DF, não vende as áreas no ritmo adequado de crescimento do DF, as que vende, vende por uma fortuna e sem infra-estrutura nenhuma. Coisa digna de 3º mundo pra baixo.

    0
    • Fred Henrique 28 de novembro de 2011 at 10:59

      hehehe, viajo muito a Brasília a trabalho.

      Sempre pergunto aos taxistas se eles notam se há algum indício de bolha imobiliária,
      alguns concordam que há, mas a maioria diz que é normal.

      Teve um que disse que, para morar na W3 Sul, precisava ganhar só uns 15, 20 mil por mês…

      Todo mundo ficou rico, menos nós…

      0
      • RT 28 de novembro de 2011 at 11:06

        “só uns 15, 20 mil por mês”

        É impressão minha ou a quantidade de gente que fala desse salário com esse tom (como se fosse uma quantia normal) aumentou muito de uns tempos pra cá??

        Rs, todo mundo ganha daí pra cima (exceto nós, é claro…).

        0
  • Indecoroso 28 de novembro de 2011 at 09:39

    Matéria comprada! As construtoras querem ganhar tempo para queimarem seus estoques antes dos especuladores… óbvio!
    Não há como negar que estamos no primeiro soluço da bolha, na fase do “quem perde menos ganha mais”.

    Enquanto isso na terra do “sei que nada sei”:

    http://br.noticias.yahoo.com/gr%C3%A9cia-corta-16-mil-funcion%C3%A1rios-p%C3%BAblicos-economizar-101815526.html

    0
  • Fernando 28 de novembro de 2011 at 10:19

    Realmente 2012 vai ser o bicho…

    Recuperação econômica global perde força, diz OCDE

    Relatório semestral Perspectiva Econômica previu que o crescimento mundial desacelerará para 3,4 por cento em 2012, contra 3,8 por cento neste ano

    http://w w w.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1196936&tit=Recuperacao-economica-global-perde-forca-diz-OCDE

    Logicamente que isso não deve afetar o mercado imobiliario, afinal da contas as leis economicas, químicas, físicas, politicas e sociológicas do mercado geral não tem NADA A VER com os imóveis. Praticamente um mercado alienigina e imbatível.

    0
  • RT 28 de novembro de 2011 at 11:03

    Palhaçada… preços na casa dos 800 mil, 900 mil… e a culpa é da crise. O brasileiro tem essa grana toda, mas não compra porque está pessimista devido à crise.

    Mais uma vez: todo esse discurso absurdo de “o Brasil virou um país de ricos, onde 1 milhão é uma quantia acessível para muitos” deixa claro como as coisas estão estranhas… parece que mudei de país de 3 anos pra cá.

    0
  • MrK 28 de novembro de 2011 at 11:06

    O problema do Brasil eh o que falei no post acima

    Imagine um cara que ganha R$1.000 liquidos

    Ele compra algo que custa R$2.000 (dois salarios inteiros!!), mas parcela em 10x e a parcela vai pra R$200, e na fatura do cartao ele so’ paga 15%, ou seja R$30

    Sensacao da divida (30/1000) = 3% do salario dele
    Divida real (2000/1000) = 200% do salario dele

    o Brasil esta intoxicado achando que ficou rico, pois vivem na sensacao da divida de 3%, quando na verdade ela e’ de 200%, isso nao eh sustentavel, a bola de neve chega num tamanho tal que explode cedo ou tarde.

    PLOC

    0
    • john 28 de novembro de 2011 at 11:28

      Eu gostaria de saber se nos outros lugares do Planeta as pessoas se endividam tanto. Se isso é normal. Sempre achei muito estranho os brasileiros parcelarem TUDO, de carros a camisetas. Acontece que na prática temos produtos caríssimos em comparação com outros lugares. Por exemplo: por que vender um Honda Civic por 50 mil se as pessoas aceitam parcelar 70 mil e ainda pagarem juros? Por isso que nem pagando a vista temos mais desconto. O vendedor fala “Não trabalhamos com desconto, mas posso dividir em x vezes”.

      0
      • Davi 28 de novembro de 2011 at 12:53

        Pelo que escuto dizer, se endividam sim e muito, os americanos então nem se fala, porem tem um detalhe importante.

        O juros para os americanos e resto do mundo é ridiculamente baixo em relação aos praticados aqui.

        0
      • augusto 28 de novembro de 2011 at 14:18

        Prezado amigo, não se esqueça que nossa carga tributária sobre os veiculos é muito alta, e que quanto maior o valor de venda mais altos serão os impostos pagos à União, Estados e Municipios – sócios nesta roubalheira sobre um povo no minimo em geral otário e pensa que é esperrrrto

        0
    • profeta do apocalipse 28 de novembro de 2011 at 23:01

      e os juros? voce foi bonzinho… juros de carro zero é taxa, juros iof etc.. prefiro juntar uma grana e trocar o meu a vista. eles preferem vender financiado que a vista. pais de loucos.. tou cansado disso aqui, da inseguranca dessa merda, da incompetencia, baixa produtividade e gente louca

      0
  • Murdoch 28 de novembro de 2011 at 11:18

    Lembram-se que há alguns meses postei um comentário aqui dizendo que uma imobiliária de alto padrão do RJ tinha vendido apenas 2 aptos entre maio, junho e julho com 32 corretores?
    Pois bem, este fim de semana encontrei com um deles que conheço que me disse que a coisa melhorou mto pra ele. Alguns proprietários começaram a dar descontos e as vendas voltaram a melhorar.
    Já se vê com facilidade descontos de 10 e 15%. Isso em imóveis de mais de R$ 1,4mm.

    0
    • MrK 28 de novembro de 2011 at 11:41

      e’ o famoso “abaixa e vende logo antes que piore” , se voce pensar nesses imoveis de R$1.5mn com desconto de 15%, o cara ta abrindo mao de R$225mil, eh uma boa grana…

      e todo mundo ja viu isso, exceto uma entidade: FipeZap

      estou louco pra ver qual vai ser a loucura de novembro +1.1%? +1.5%? parecem numeros chutados… assim como no mes passado, todos os imoveis que acompanho nao houve qualquer aumento do preco pedido

      0
    • Carlos Wagner 28 de novembro de 2011 at 16:52

      Será esse o famoso repique que tanto previmos aqui?

      Queda nas vendas para surgirem descontos, o mercado volta a realizar vendas com preços mais baixos para, novamente, estagnar. Daí vem a queda forte…

      Será?

      0
  • LAR 28 de novembro de 2011 at 11:47

    Alguém aqui acha que os preços já estabilizaram no Rio?

    Acho que ainda há crescimento nos valores e sinceramente, temo que esse povo burro e ignorante se acostume com esses absurdos.

    0
    • me 28 de novembro de 2011 at 13:32

      Tenho visto aumentar. Mas nessa época isso é normal, e perdura até o carnaval. Meio do ano diminui um pouco.

      0
    • me 28 de novembro de 2011 at 13:38

      Uma coisa que acho possível de acontecer é os proprietários manterem os valores altos mesmo sem vender. Já vi ocorrer diversas vezes. Muitos preferem aceitar as consequências disso do que ter a sensação de que foi passado pra trás. Cultura nossa, mesmo, não vejo acontecer só com imóvel.

      0
    • RT 28 de novembro de 2011 at 13:47

      “temo que esse povo burro e ignorante se acostume com esses absurdos.”

      Minha opinião é que o povo não tem como se acostumar.

      Não que seja inteligente e dê valor ao próprio dinheiro… não vai se acostumar porque NÃO TEM ESSE DINHEIRO.

      Outro dia desses, um colega botou aqui um exemplo de quitinete no Catete custando 400k… ora, o público alvo que necessita morar numa quitinete tem essa grana? Tem sequer metade disso? Pra financiar 400k, a pessoa tem que ter cerca de 20 mil mensais de renda…

      Não vejo como esse patamar de preços possa se tornar permanente. As pessoas não têm como pagá-los, e se parar de vender, logicamente, esse mercado não tem como sobreviver… baixar os preços é a única saída.

      Minha opinião… se alguém discorda, feel free to comment.

      0
      • Anonymous 28 de novembro de 2011 at 15:00

        Lembrei da piada do burro que estava sendo acostumado a trabalhar sem ter que comer. Infelizmente, o animal acabou morrendo antes de se acostumar.

        0
      • Inteligivel 28 de novembro de 2011 at 17:39

        Para exemplificar o que está acontecendo:

        “Uma vez, num vilarejo do interior, apareceu um homem anunciando aos aldeões que compraria burros por R$10,00 cada.

        Os aldeões sabendo que havia muitos burros na região, iniciaram a caça aos burros.

        O homem comprou centenas de burros a R$10,00 e então os aldeões diminuíram seu esforço na caça.
        Então o homem anunciou que agora pagaria R$20,00 por cada burro e os aldeões renovaram seus esforços e foram novamente à caça.

        Logo, os burros foram escasseando cada vez mais e os aldeões foram desistindo da busca.

        A oferta aumentou para R$25,00 e a quantidade de burros ficou tão pequena que já não havia mais interesse na caça.

        O homem então anunciou que agora compraria cada burro por R$50,00!

        Entretanto, como iria passar uma temporada na cidade grande, deixaria seu sócio-assistente cuidando das negociações com os burros.

        Na ausência do homem, seu assistente disse aos aldeões:

        – Estão vendo todos estes burros que o homem vos comprou? Eu posso vendê-los por R$35,00 a vocês e quando o homem voltar da cidade, vocês podem vende-los de volta por R$50,00 cada.”

        http://brito.blog.incolume.com.br/2011/02/especulacao-na-bolsa-de-valores.html

        0
      • LAR 28 de novembro de 2011 at 18:18

        concordo com voce…

        porém tirando zona sul, outras partes do Rio também estão infladas… e esses bairros q são os mais perigosos… nem tão caro que não possam pagar, mas ainda assim, muito acima do que vale.

        aí que mora o perigo meu caro

        0
  • Indecoroso 28 de novembro de 2011 at 11:48

    Parece que a imprensa Candanga resolveu entrar de vez no jogo de informações para segurar o PLOC… estão fomentando agora a aquisição de imóveis na região periférica do “quadradinho”. Confiram:

    http://correiobraziliense.lugarcerto.com.br/app/noticia/ultimas/2011/11/27/interna_ultimas,45322/brasilia-tem-a-maior-quantidade-de-casas-e-apartamentos-locados-no-pais.shtml

    0
  • Indecoroso 28 de novembro de 2011 at 12:15

    Pessoal, vocês acham que investir em dólares na atual conjuntura (U$ ~ 1,80) pode ser uma boa saída para a bolha? Será que com o PLOC o dólar vai se valorizar? Qual seria o risco de uma aplicação dessas?
    Como não entendo patavinas de mercado financeiro, socorro-me deste sábio oráculo para me orientar acerca do que fazer com meu suado dinheirinho (que hoje no banco rende merrecas), prevenindo-me melhor da hecatombe porvindoura.
    Amplexos erga omnes.

    0
    • Anonymous 28 de novembro de 2011 at 13:39

      Indecoroso,

      Acho que o melhor que voce pode fazer é o seguinte. Viaje para os EUA e abra uma conta poupança (savings account) com uns 300 dólares. Além do passaporte, leve um extrato da sua conta no Brasil onde apareça seu endereço. Voce abrirá uma conta como “estrangeiro não residente” (non-resident alien) – por isso precisa do extrato mostrando seu endereço na Banânia. Voce pode transferir dinheiro legalmente da Banânia para os EUA pelo sistema bancário, desde que o dinheiro esteja declarado no IR (o melhor banco para isso é o Itau Personalite). O depósito nos EUA é garantido pelo FDIC (Federal Deposit Insurance Corporation) até 250 mil dólares. O maior risco que voce corre é a Banânia fazer uma maxi-desvalorização, dobrando seu capital em Reais da noite ara o dia seguinte.

      0
      • Joselito 28 de novembro de 2011 at 14:53

        O dólar vai sofrer uma super-desvalorização nos próximos anos.
        O FED tá imprimindo dólares como nunca antes na história (como diria o molusco).

        Tem gente que arrisca até a dizer que o dólar vai perder o status de moeda de troca e reserva internacional.

        0
        • Luiz 28 de novembro de 2011 at 16:57

          isso é blefe

          0
          • Joselito 28 de novembro de 2011 at 17:20

            Se você acha que é blefe, então compre dólar!! hehehe

            http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1163

            0
            • Luiz 28 de novembro de 2011 at 17:36

              exato
              comprei ganhei, vendi
              em breve compro mais

              0
              • Joselito 28 de novembro de 2011 at 17:41

                Ué, mas porque vendeu então?

                Estou falando no médio/longo prazo rapaz…
                Especulação de curto prazo já é outra história.

                0
                • Luiz 29 de novembro de 2011 at 11:43

                  pra aproveitar os picos
                  a estrategia é de longo prazo
                  dollar no radar

                  0
      • Inteligivel 28 de novembro de 2011 at 17:45

        Vivemos no país com a maior taxa de juros do mundo e você quer comprar dólares?

        http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro_direto/
        Compre títulos atrelados a inflação e seja feliz! (e pegue um agente de custódia que não cobre taxa, como o Socoba e o Banif)

        0
    • Roberto Cesar 28 de novembro de 2011 at 21:50

      O dólar a curto prazo tem tudo pra ser um ótimo investimento. Com o euro se deteriorando cada vez mais e a possibilidade de colapso do euro muito grande, quando o colapso acontecer vai todo mundo correr pro dólar. No entanto o dólar não está nada melhor que o euro e vai desvalorizar na sequência, provavelmente de 3 a 9 meses depois do colapso do euro.

      Repare que o euro ainda pode ter uma sobre-vida. o FMI já está falando num resgate de US$800 bilhões para a Itália e isso pode segurar a onda por um tempo, mas a situação na Europa é muito crítica e pode colapsar a qualquer momento.

      http://www.telegraph.co.uk/finance/comment/ambroseevans_pritchard/8918784/Should-the-Fed-save-Europe-from-disaster.html
      http://www.telegraph.co.uk/finance/markets/8918763/Markets-pricing-in-endgame-for-the-euro-warns-UBS.html
      http://rcesar.net/2011/11/reino-unido-o-colapso-do-euro-e-iminente/
      http://rcesar.net/2011/11/situacao-de-cada-pais-na-crise-da-divida-da-europa/

      0
    • Paulo 29 de novembro de 2011 at 19:00

      Investir em uma moeda podre? bhááá´ … o Dolar nunca mais sera investimento, ele apenas terá picos mas sempre voltara abaixo de 1,70

      0
  • ninja 28 de novembro de 2011 at 12:28

    Indecoroso disse tudo querem ganhar tempo para queimar os estoque, muitos predios sendo entregues agora em 2012, ainda vai aparecer muita matéria paga.segurar otário que comprou na planta e ve se cata mais algum.

    0
  • Ar Quente 28 de novembro de 2011 at 12:46

    dgabc.com.br/News/5928672/queixa-contra-setor-imobiliario-sobe-50.aspx

    Queixa contra setor imobiliário sobe 50%

    O casamento de Tatiane Silva, 25 anos, e Alan Monteiro, 27, seria em outubro. Mas eles tiveram de adiar a cerimônia por tempo indeterminado em função do atraso na entrega do imóvel comprado em fevereiro de 2007 da construtora Tenda. A data prevista para receber as chaves era junho, mas até o momento, a auxiliar administrativa e o policial militar não receberam. “Liguei para a empresa no mês previsto da entrega e me informaram que a nova data seria outubro”, explica Tatiane. A promessa não foi cumprida. Ao entrar novamente em contato com a construtora, o casal soube que foi adiada para março.
    Os móveis e o enxoval estão na residência da sogra dela. “Perdi a garantia de todos os produtos e minha mesa está enferrujando”, lamenta a auxiliar. Procurada pela equipe do Diário, a Tenda informou que o residencial comprado pelo casal está concluído, mas a empresa atrasou a documentação necessária para adquirir o Habite-se (documento expedido pela prefeitura para atestar a legalidade da construção do imóvel), o que está previsto para acontecer em dezembro.
    Após a entrega do documento, a construtora ainda precisa ter em mãos a certidão negativa de débitos e a individualização das matrículas, o que deve demorar pelo menos mais 60 dias. A Tenda confirmou que o condomínio será entregue em março.
    NÚMEROS – Tatiane e Alan não estão sozinhos. O número de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor contra o setor imobiliário cresceu cerca de 50% neste ano em relação a 2010. Em São Caetano, por exemplo, as queixas saltaram de 51 no ano passado para 76 neste em 2011. E o atraso nas chaves está entre os maiores problemas. Das 30 reclamações registradas no Procon de Diadema entre janeiro e novembro, a maior parte (40%) se deve ao não cumprimento do que está previsto em contrato, principalmente o atraso na entrega do empreendimento, o que é considerado abusivo pelos especialistas em defesa do consumidor. “Se o comprador atrasa o pagamento, há incidência de juros. O desequilíbrio é enorme, já que a construtora não sofre penalidade imediata”, diz o advogado da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação Alexandre Naves Soares.
    A diretora do Procon de Santo André, Ana Paula Satckeki, considera que a empresa tem de se responsabilizar pelo prazo de entrega determinado no contrato. “Ao elaborar o cronograma da construção, a empresa sabe dos percalços que podem atrasar a obra, como ela determina o prazo, não há justificativa para atraso.”
    Em Santo André, o Procon recebeu 293 queixas desde 2009. Do total, 65,87% foram só neste ano. A maior parte (54,4%) está relacionada a cobrança de taxas, como a de Serviço de Assessoria Técnica Imobiliária, conhecida como Sati, vedada pelo Código de Defesa do Consumidor. “O cliente paga por uma assessoria jurídica de confiança da construtora, ou seja, que defenderá os interesses da empresa e não dele”, pontua Ana Paula.

    0
  • Luciane 28 de novembro de 2011 at 13:26

    “Em Brasília, o mercado continua aquecido, mas a valorização dos imóveis está mais lenta. As construtoras já reveem para baixo o preço inicial das unidades lançadas em relação ao planejado originalmente, segundo corretores.”

    Essa frase não seria uma contradição? Se o mercado continua aquecida porque baixar o preço?

    0
    • dp 28 de novembro de 2011 at 13:44

      Notei a mesma coisa Luciane. Mas como a Banania eh o pais do faz-de-conta, vale tudo. A logica esta invertida. Valorizacao mais lenta = mercado MENOS aquecido, nao o contrario. A materia tenta negar o obvio.

      0
    • Inteligivel 28 de novembro de 2011 at 17:49

      Ué, se está aquecido os preços iriam aumentar, ora! Cadê a turma que diz que o preço dos imóveis sempre aumentam?

      0
  • RD85 28 de novembro de 2011 at 14:04

    Resultado da apuração do IIE (Índice de Imóveis Encalhados) – Local: RJ – Zona Sul

    Data 1 Data 2
    Quartos 28/10/2011 28/11/2011 Var
    1 1737 1802 4%
    2 3508 4019 15%
    3 4849 5424 12%
    4 2331 2663 14%
    Arpoador 9 7 -22%
    Botafogo 1466 1648 12%
    Catete 269 297 10%
    Copacabana 4600 4819 5%
    Cosme Velho 55 52 -5%
    Flamengo 962 1146 19%
    Gávea 141 157 11%
    Glória 144 157 9%
    Humaitá 195 220 13%
    Ipanema 1365 1689 24%
    Jardim Botânico 257 318 24%
    Lagoa 585 682 17%
    Laranjeiras 608 619 2%
    Largo do Machado 5 10 100%
    Leblon 1279 1533 20%
    Leme 200 205 2%
    Santa Teresa 114 115 1%
    São Conrado 187 244 30%
    Urca 60 61 2%
    Vidigal 1 1 0%
    Total 12502 13980 12%

    0
  • Observadora_cwb 28 de novembro de 2011 at 15:25
    • Bolha Imobiliária 28 de novembro de 2011 at 15:44

      Temos um artigo do palestrante deste curso aqui no site…

      0
      • Observadora_cwb 28 de novembro de 2011 at 18:09

        Legal, bolha! Eu tb estudo Economia na UFPR.

        0
        • Bolha Imobiliária 28 de novembro de 2011 at 23:20

          Ah é….Que legal. Talvez algum dia a gente se encontre nos bancos universitários…hehehe
          Não sou economista de profissão, apenas como hobby, quem sabe um dia eu volte a estudar

          0
  • Ar Quente 28 de novembro de 2011 at 15:32

    Por um acaso alguém sabe se a SECOVI tem um calendário para divulgar os seus números ou será que ela tá se fingindo de morta com medo deles?
    Parece que todo mês ela sorteia uma data pra fazer a divulgação, como se isso, de alguma forma, fosse mudar a realidade…

    0
    • Carlos Wagner 28 de novembro de 2011 at 17:09

      Papo furado. Brasileiro, na sua imensa ignorância e semi analfabetismo, acredita em tudo. Não sabe nem fazer conta de juros simples, quem dirá entender o minimo de economia, e isso inclui nossa Presidenta.

      Depois do anunciado pela Min. do Planejamento – Miriam Bolchior – viuva do Prefeito Celso Daniel, que preferiu deixar os mortos descansando me paz enquanto os vivos lhe presenteasse com um cargo no primeiro escalão, disse que ao invés de investir em infraestrutura para a Copa seria mais viável declarar feriados nos dias dos jogos, eu não duvido de mais nada!

      Ontem, assistindo ao Globo News, tive a certeza de que a globo está comprada. Foi um festival de imbecilidades. Tanto a apresentadora, Cristiana Lobo, quanto os economistas, dizendo que a Dilma está gerindo com mão de ferro a economia, que o BC acertou em cheio em baixar os juros ante ao agravamento da crise mundial, etc…

      Eu acredito que há uma grande conspiração para manter o Brasil Maravilha. Há uma cortina cobrindo a visão de todos ou eu estou enxergando chifre em cabeça de cavalo?

      Não é possivel…

      0
      • aiwww 28 de novembro de 2011 at 22:03

        Concordo inteiramente com suas palavras. Como eu disse em outro post, o pensamento que passa na cabeça da nossa antiga classe média é “O Brasil é a Alemanha do hemisfério sul” … já a nova classe média pensa “Estamos melhor que os Estados Unidos! A bolha deixou eles pobres!” … ai de quem pense o contrário … “e quando acaba, o maluco sou eu “

        0
      • Thomas 28 de novembro de 2011 at 23:55

        O pior é que vejo gente supostamente instruída caindo a euforia do “boom brasileiro”. O problema dos EUA é basicamente financeiro, isto é, os banqueiros conseguiram dar um nó na forma de circulação de riquezas. Com a crise os EUA não deixaram de ter o maior parque industrial do mundo, nem de ter a proporcionalmente a população mais qualificada. A crise americana não destruiu estradas, ferrovias, aeroportos, hidrovias, usinas nucleares etc. Eles só precisam de tempo para se reorganizar. A China, por sua vez, tenta alcançar os EUA em um curto espaço de tempo. Só que tem problemas populacionais, ambientais, sociais, políticos graves, que não se resolvem em 20 anos. A Coréia conseguiu esse feito, mas é um país minúsculo e etnicamente homogêneo, ao contrário da China. Já o caso do Brasil é triste. Recém saímos de uma crise que começou na década de 70 com a crise do petróleo (época do “milagre econômico brasileiro”) para entrar em outra crise que se avizinha.

        0
        • joselito 29 de novembro de 2011 at 00:14

          Parque industrial?
          Boa parte do parque industrial americano foi pra China há anos.

          0
  • Marcos 28 de novembro de 2011 at 15:51

    EXPANSÃO IMÓVEIS 26/11/2011

    www .youtube.com/watch?v=bREuS6lTi8M&feature=feedu

    Problemas da expansão.

    0
  • Glaucio 28 de novembro de 2011 at 16:05

    Descontos de até 40% em imóveis novos
    http://youtu.be/zbx80uQDP_Q

    Reportagem da Rede TV falando do encalhe de imóveis novos em SP. Atente para o final, onde um executivo do setor garante que na hora de comprar, se pechinchar, podemos conseguir um “descontinho” de até 20%.

    0
  • Dr. Estranho 28 de novembro de 2011 at 16:44

    A reportagem fala que as vendas reduziram porque os lançamentos diminuíram. Todos sabem que é ao contrário. A notícia correta seria: ” Queda acentuada nas vendas reduz lançamentos”.

    0
    • Carlos Wagner 28 de novembro de 2011 at 17:13

      Menos lançamento = Dispensa de mão de obra.

      Desemprego gera inadimplência e redução no consumo. Será que a equipe economica acha que reduzir juros vai resolver a questão?

      Será que acham vão resolver o problema do desaquecimento do consumo interno, ante uma população superendividada, fazendo com que elas se endividem mais ainda?

      Genial… Como ninguem havia pensado nisso antes?

      0
  • FQ 28 de novembro de 2011 at 16:46

    Vale muito a pena ler! Olha o que os “ricaços” do mundo estão comentando!

    ————————————————————————————————————————
    São Paulo assusta mundo da F-1 com seus preços nas alturas – FOLHA
    ————————————————————————————————————————

    Apesar do paddock mais espremido da temporada, do trânsito para chegar a Interlagos e da preocupação com a segurança, o GP Brasil continua como um dos preferidos de pilotos e times da F-1.

    Mas noitadas em churrascarias, malas cheias de compras e longas estadias no país, que eram um dos principais atrativos da etapa brasileira, já não são como antes.

    Hoje é possível pagar menos para ver o GP da Espanha, da Malásia ou da China, por exemplo, do que para assistir à corrida em Interlagos.

    “Lembro que, há três, quatro anos, íamos quase todas as noites a churrascarias com caipirinhas à vontade sem nos preocuparmos com a conta. Hoje já não dá mais”, relata o espanhol Carlos Miquel, do diário “La Gaceta”.

    Entre as maiores reclamações dos visitantes está o elevado preço de hotéis e táxis nos últimos anos. Mas até supérfluos entram na lista.

    “Cheguei uns dias antes em São Paulo e aproveitei para ir ao cabeleireiro alisar os cabelos. Achei o preço quase igual ao da Europa”, reclama Samira Zoum, belga que vive na Espanha e trabalha como garçonete para a Red Bull.

    “Eu nunca tinha vindo ao Brasil antes, mas esperava que as coisas fossem um pouco mais baratas”, afirma. Ela desistiu de comprar biquínis e sapatos após ver os preços em um shopping perto do hotel em que está hospedada.

    Não são só europeus que reclamam. Também para japoneses, o Brasil ficou caro.

    http: / / w w w 1.folha.uol.com.br/esporte/1012432-sao-paulo-assusta-mundo-da-f-1-com-seus-precos-nas-alturas.shtml

    ——————————————————————————————————————————————–

    Ou isso é uma Bolha, ou Mônaco ficou pobre perto dos paulistanos!

    0
    • LAR 28 de novembro de 2011 at 18:23

      Acho que isso é inflação descontrolada gerada pelo crédito fácil

      0
      • Roberto Cesar 28 de novembro de 2011 at 22:19

        Existe uma disfunção hoje na economia brasileira. Inflação só não justifica isso. Quem viveu na época pré Real (cruzeiros, cruzados) lembra bem que apesar da inflação o dólar subia praticamente no mesmo ritmo o que para o turista estrangeiro significava a manutenção do seu poder de compra, além do dólar ser usado como reserva de valor para os brasileiros, um “hedge” contra a inflação.

        Hoje o dólar está muito baixo e os preços no Brasil subiram muito. Claro que a política do Bernanke de inundar o mundo com dólar contribuiu muito pra isso mas a subida dos preços no Brasil nos últimos 4 a 5 anos foi demais.

        Excesso de crédito poderia ser a justificativa, mas mesmo assim a coisa ta fora de controle.

        0
        • Troll 28 de novembro de 2011 at 23:50

          Não tenho dúvidas disso. Estamos caminhando para o brasil dos planos Cruzados, Cruzado Novo, Plano Collor, Plano Verão e Plano Bresser. Estamos num caminho sem volta. E como dizia o Cazuza:

          “Eu vejo o futuro repetir o passado, eu vejo um museu de grandes novidades…”

          0
    • dp 28 de novembro de 2011 at 18:55

      Eh o resultado de 1) credito facil e potencialmente de baixa qualidade (o subprime tupiniquim) e 2) a fraca cultura de gestao brasileira que quer sugar tudo quanto pode dos turistas e visitantes. Muitos destes que se assustaram com os precos em SP provavelmente nunca mais voltam ao Brasil.

      0
      • Troll 28 de novembro de 2011 at 23:52

        Nesse ponto aí tem o fator paulistano, que acha normal gastar R$100,0 num almoço num dia normal. (Sem ofensas…)

        0
        • Luiz 29 de novembro de 2011 at 11:40

          verdade
          e 150 se for Jantar

          0
    • Paulo 29 de novembro de 2011 at 18:54

      a muitos anos é meu sonho comprar um terreno aqui no Bairro Alto em Curitiba, mas 190 mil o mais barato que encontrei, bháááá´´a não dá……… consegui juntar esse dinheiro mas agora me falta coragem pra compra-lo, é a vida

      0
      • peterson 3 de dezembro de 2011 at 23:34

        seguem as dicas:
        1- compre ouro 30%
        2-compre titulos de divida soberana do Brasil 30%
        3-coloque em renda fixa 30%
        4-mantenha na poupança para eventualidades 10%

        agradeça-me daqui à um ano! abraços!

        0
  • Luiz 28 de novembro de 2011 at 17:06

    Prezados colegas blogueiros,
    Passei um tempão lendo o material publicado aqui desde sexta.

    Impressionante a densidade de material e a qualidade das análises

    É uma satisfação discutir com vcs assuntos os mais diversos numa profunidade nunca antes vista na internet.

    Qaunto à bolha, acho que não resta mais dúvidas.
    Engraçado que enquanto estavamos aqui, um familiar quase se embolou num rolo imobiliário, mas cheguei a tempo e já estamos tomando as providências. E é o que eu sugiro a vcs, vencida a questão teórica, vamos todos por as mãos na massa.

    Quem adquiriu conhecimentos aqui tem a obrigação de tranferir para quem precisa, e acredite, sempre tem alguém mais perto do que vc imagina

    Senhores, ao trabalho!
    Sem piedade!

    0
    • joao 28 de novembro de 2011 at 18:12

      bateu o desespero hein? heeheh

      0
      • Luiz 29 de novembro de 2011 at 11:39

        frio como gelo

        0
  • Luiz 28 de novembro de 2011 at 17:20

    As 10 Regras de Investimento de Bob Farrell

    1. Mercados tendem a voltar à média ao longo do tempo
    Quando ações vão muito longe em uma direção, voltam. Euforia e pessimismo podem confundir a cabeça das pessoas. É fácil ser pego no calor do momento e perder a perspectiva.

    2. Excessos em uma direção levarão a excessos opostos na outra direção
    Pense na base de referência do mercado como se estivesse presa a um elástico. Qualquer ação muito grande em uma direção trará você não apenas de volta à referência, mas levará a um exagero na direção oposta.

    3. Não existem novas eras – excessos nunca são permanentes
    Qualquer que seja o último setor “quente”, acaba esquentando demais, retorna à média e exagera a correção.
    Na medida que a febre vai sendo construída, um coro de “esta vez é diferente” será ouvido, mesmo que essas palavras exatas não sejam usadas. E é claro que ela – a Natureza Humana – nunca é diferente.

    4. Mercados com quedas ou altas exponenciais costumam ir mais longe do que você imagina, mas eles não são corrigidos com movimentos de lado.
    Não importa quão “quente” seja um setor, não espere que uma planície corrija os excessos. Lucros são realizados com vendas, e isso invariavelmente leva a uma correção significativa.

    5. O público compra mais no topo e menos no fundo
    Esse é o motivo pelo qual investidores com mentalidade contrária podem fazer um bom dinheiro se seguirem os indicadores de sentimento e tiverem um bom timing.

    6. Medo e cobiça são mais fortes que firmeza de longo prazo
    Investidores podem ser seus piores inimigos, particularmente quando a emoção toma conta. Ganhos “nos fazem exuberantes; incrementam o bem estar e promovem otimismo,”, “perdas trazem tristeza, desgosto, medo, arrependimento. O medo aumenta a percepção de risco e alguns reagem se afastando de ações”.

    7. Mercados são mais fortes quando abrangentes e mais fracos quando limitados a poucas blue chips
    Daí amplitude e volume serem tão importantes. Pense nesses indicadores como força em números. Momentum amplo é difícil de ser contido, Farrell observa. Fique atento quando o momentum se limita a um pequeno número de ações.

    8. Mercados em queda têm três estágios – queda violenta, recuperação reflexiva e continuidade da tendência fundamental de queda
    Mesmo com esses ralis esporádicos, ainda veremos a longa etapa de continuidade baseada em fundamentos da queda do mercado.

    9. Quando todos os experts e previsões concordam – algo diferente vai acontecer
    Como Stovall, o estrategista de investimentos da S&P, coloca: “Se todo mundo está otimista, quem sobrou para comprar? Se todo mundo está pessimista, quem sobrou para vender?”
    Ir contra a manada, como Farrell repetidamente sugere, pode ser muito lucrativo, especialmente para compradores pacientes que fazem caixa em mercados eufóricos e reinvestem quando o sentimento é mais obscuro.

    10. Mercados em tendência de alta são mais divertidos que mercados em tendência de queda
    Especialmente se você tem um mandato para ficar todo tempo investido. Aqueles com planos mais flexíveis podem eventualmente sorrir nas duas situações.

    0
  • MrK 28 de novembro de 2011 at 17:32

    Excelente texto Luiz!!!

    Eu tenho uma frase que gosto muito também, vou compartilhar: “Emoção está para investimento como lógica está para poesia”

    abraços!

    0
    • LAR 28 de novembro de 2011 at 18:33

      Muito bom o texto do Luiz que assim como a frase do Mrk podem servir como estimulo a nossa perseverança. Que não nos deixemos seduzir pelas ofertas de condominios “meu mundo”

      esses condominios não fazer parte da sua unidade de 48m²

      0
      • LAR 28 de novembro de 2011 at 18:34

        *não fazem

        0
    • Carcará 29 de novembro de 2011 at 08:37

      MrK,
      como toda regra tem exceção – JOÃO CABRAL DE MELO NETO.

      Abraços.

      0
  • Fernando 28 de novembro de 2011 at 18:36

    Há 7 anos venho comprando imóveis na planta e vendendo com um lucrinho após a entrega.
    Invisto, espero de dois a tres anos, vendo, pago o ganho de capital e imediatamente compro outro igual, para manter o patrimônio, só que há dois anos senti uma distorção no mercado.
    Quando meu imóvel ficou pronto ele estava valendo menos que outro igual na planta.
    Meu apto. pronto, valia menos que a promessa de um igual…
    Achei estranhíssimo o ovo na galinha, custar mais caro do que o ovo no supermercado e imediatamente “parei de brincar”.
    Começei pagando R$ 900,00 o m² e sete anos depois ele já estava me custando R$ 3.300,00.
    Em SJCampos eu acredito que o mercado já tenha parado.

    0
    • Troll 28 de novembro de 2011 at 23:56

      Boa analogia do ovo na galinha e no supermercado.

      0
    • JPM 29 de novembro de 2011 at 00:03

      Pois é Fernando.

      Uma característica pouco discutida que TODO investimento tem em comum é que o lucro potencial para cada investidor é inversamente proporcional à quantidade de investidores participando.
      Ou seja, se tem muita gente, a fatia do bolo fica muito pequena e eventualmente o bolo não dá para todo mundo.
      Muita gente começou acreditar que é investidor e entrou no mercado, alavancados com crédito fácil. Com muita gente comprando na planta para revender, a demanda aparente para as construtoras ficou grande, e muita gente esqueceu de prever a demanda futura (após a construção).
      Você pegou preços elevados porque muita gente só pode comprar na planta (mesmo pagando mais caro que um pronto) porque só podem financiar com a construtora os famosos “20% durante a obra”. Se a demanda fosse para moradia, o imóvel pronto continuaria a custar mais, como sempre foi.
      Parabéns por ter percebido a distorção e saído do mercado antes do PLOC.

      0
    • Atribulado 29 de novembro de 2011 at 15:15

      “parou de brincar” justo quando a brincadeira ficou boa?
      os ultimos 2 ou 3 anos foram a melhor época da História pra se fazer dinheiro c/ imovel na planta. talvez não vejamos mais nada igual nessa vida…

      0
    • peterson 3 de dezembro de 2011 at 23:23

      isso se chama feeling pouquissimas pessoas têm, é um dom, uma arte, treine bastante, ainda existe muito a aprender, quanto ao caso, trata-se de um movimento típico de bolha, em um mercado normal os fatores positivos mantêm um crescimento, fatores negativos invertem o sinal e provocam uma queda, trata-se de uma PRODUTO de fatores, no mercado em estado de bolha os fatores positivos inflam a bolha e os negativos apenas depreciam um pouco, trata-se de uma SOMA de fatores, assim a bolha infla com medidas positivas e pouco cai com medidas negativas, até atingir o ponto de crash, daí volta a valer a regra de sinais do mercado normal, na primeira noticia negativa o sinal inverte e tudo despenca em um efeito cascata, parece simples, mas quando tudo se estabilizar a conta começara a ser cobrada e daí ninguém(povo) sairá do restaurante(crise) até pagar (divida publica) ou lavar os pratos (tempo)…

      0
  • JOAO 28 de novembro de 2011 at 19:01

    A unica coisa que eu sei , é que aqui na capital de SP, apartamento de 1milhão viro troco de bala, nunca vi daonde tanta gente tirou tanto dinheiro pra comprar. Maioria dos meus conhecidos compraram apartamentos de mais de 1kk easily. Alguém tem uma lógica?

    0
    • Troll 28 de novembro de 2011 at 23:57

      Sequestraram a galinha dos ovos de ouro. Lembre-se que crédito é roubo de dinheiro do futuro.

      0
  • dp 28 de novembro de 2011 at 19:18

    Achei interessante esse texto que fala sobre a bolha na Australia que comecou a estourar esse ano.

    Um grupo propoe uma greve dos compradores em protesto contra a escalada absurda dos precos.

    http://www.news.com.au/money/property/first-home-buyers-strike-growing/story-e6frfmd0-1226030981788

    0
  • João Miguel 28 de novembro de 2011 at 20:03

    Deu até dó do pessoal que pagou por isso. E infelizmente acredito que em breve acontecerá com outras pessoas, e não será só construtora “pequena” não..

    http://g1.globo.com/bahia/noticia/2011/11/na-ba-construtora-fecha-e-abandona-documentos-de-clientes-em-stand.html

    Na BA, construtora fecha e abandona documentos de clientes em estande

    Uma construtora fechou sem entregar os imóveis aos clientes em Salvador e parte das 183 famílias que investiram o dinheiro no condomínio passou o último domingo (27) no local, recolhendo documentos que foram abandonados no estande de vendas.

    Além de conviver com a decepção de não ter recebido os apartamentos, com previsão de entrega para o final de 2010, os clientes estão preocupados com a exposição dos dados pessoais. “Eu acho que isso é uma falta de respeito com a gente. Eu paguei tudo em dia e não recebi [o apartamento]. Além de tudo, as pessoas podem entrar aqui [no estande de vendas] e ter acesso a RG e utilizar essas informações de forma que não deveriam. Isso é uma falta de respeito com a gente” relatou Gustavo Fernandes.

    O condomínio nunca saiu da planta. Os clientes procuraram a Justiça e entraram com ações contra a construtora responsável pela obra, que já não existe mais. “Já há uma ação em tramitação no Ministério Público Federal, obviamente, que o Ministério Público Estadual será procurado pela associação. Além de ações individuais que já vêm sendo abertas pelos associados”, afirmou Joelson Costa.

    A Caixa Economica Federal, que financiou o empreendimento, informou que não é responsável pelos documentos que estavam sob a guarda da construtora.

    0
  • thiago 28 de novembro de 2011 at 22:00

    http://www.piniweb.com.br/construcao/mercado-imobiliario/especialista-alerta-para-formacao-de-bolha-no-mercado-imobiliario-residencial-224883-1.asp

    Já vimos essa análise, mas creio que não vimos o gráfico que ilustraria o vácuo de descolamento do preço em relação aos custos. Bem interessante.

    0
  • thiago 28 de novembro de 2011 at 22:12

    Infelizmente, não temos uma série longa de índices diretamente ligados aos preços dos imóveis. Por enquanto, o principal deles é o índice Fipe Zap. Este artigo do BCB, explica um pouco a metodologia do cálculo. É importante para sabermos da representatividade e eficácia do mesmo, considerando que a maior parte das análises se baseia nesse índice

    0
  • Zoom 28 de novembro de 2011 at 22:58

    Até o CQC da Band noticiou que a divida dos brasileiros está eleveda demais.

    0
    • Evandro CPS 29 de novembro de 2011 at 08:31

      Achei engraçado quando ele perguntou para uma senhorita lá:
      – Você está endividada??
      Ela: Claro que estou! Como todo brasileiro!

      meu…. serio… pelo que entendi, a maioria ali acha a coisa mais normal do mundo ser endividado!

      0
      • Cleyton 29 de novembro de 2011 at 15:26

        Haha, é verdade, uma conversa minha com um camarada:

        _Quem não tem dívida não tem nada…

        _Pelo menos você tem uma coisa que nenhum milionário tem!!

        _O que, filhos maravilhosos, qualidade de vida, bom futebol?

        _Não, dívidas, hehe

        0
  • Evandro CPS 29 de novembro de 2011 at 08:29

    Pessoal, vou contar um caso que aconteceu ontem.

    A tempos venho analisando, lendo, aprendendo sobre bolha imobiliária e o cenário economico atual.
    Bom, sendo assim minhas opniões são exatamente as da maioria aqui, e toda vez que surge o assunto em qualquer lugar, coloco meus aprendizados em pratica e tento abrir os olhos desse pessoal alienado de tudo.
    Bom, o caso é que meu cunhado, a uns meses atras me perguntou porque eu não financio um segundo apartamento para mim (já tenho uma casa que moro, presente do meu grande pai, que pensou no meu futuro e me deu educação financeira), só que venho guardando dinheiro a algum tempo com a intenção de comprar um segundo imóvel, sendo que hoje já tenho 75 mil, dinheiro suficiente para comprar um apartamento a vista em Campinas a uns 3 anos atras.
    Pois bem, ele me criticou absurdos, que eu sou louco, que não estava caro nada, que o preço era justo, que ia subir muito mais ainda, que eu nunca ia comprar se não financiasse, etc.

    Até que esse fim de semana ele foi com a irmã dele procurar um apartamento para ela comprar.
    Bom, ela ganha 2500,00 bruto (é solteira), e os apartamentos mais baratos de qualidade mediana que tem por aqui é 160 mil (menos que isso só na periferia, ou coisa de baixa qualidade MESMO).

    O que acham que ele veio me falar ontem na academia??????

    Disse que lembrava de mim a cada preço que o corretor passava, disse que está um absurdo, e que não tem como alguém comprar nesses preços, bla bla bla.
    Disse que ela foi tratada com desprezo pelos corretores quando disse que ganhava os ditos 2.5 k.
    Enfim, ele é empresário no ramo de saúde, e deve ganhar uns 30 paus por mês ou mais.
    Claro que ele achava barato.
    Mas quando foi procurar junto com uma pessoa “normal” viu que as coisas não são como ele pensava….

    Enfim…. só um relato

    0