Venda de imóveis novos em SP cai 28,6% de janeiro a julho – G1

Você pode gostar...

Comments
  • Fred Henrique 19 de setembro de 2011 at 11:17

    “Havia grande demanda reprimida, o que puxou o índice para patamares recordes”.

    Não há mais demanda reprimida? Poxa, mas a demanda reprimida já acabou? E quem “investiu” contado que a demanda reprimida era de 7 ou 8 milhões, como é que fica?

    0
    • MrK 19 de setembro de 2011 at 11:43

      Esse SECOVI é digno de pena, rapaz, será que alguém ainda cai nessa?

      Quando o cara falou que cancelou o salão do imovel por excesso de demanda ahahahaha, tive um ataque de risos!!! Dá pra confiar nos números desse cara?

      As explicações deles, são totalmente distorcidas com a realidade, ele é maluco, vejam como ele explica contra o ano anterior: “Esta diferença vem diminuindo gradativamente desde o começo do ano. A expectativa é de que continue reduzindo, tendo em vista que o segundo semestre costuma ter melhor desempenho em relação ao primeiro’, acrescenta Petrucci.” — Mas pera aí, no ano passado também não tem segundo semestre mais forte? que explicação doida é essa?!?!

      0
  • Rogério 19 de setembro de 2011 at 11:19

    Vejam o desempenho das construtoras na bolsa, queda em cima de queda, isso os “especilistas do mercado imobiliário” não explicam, nem tocam no assunto e ninguém da imprensa faz questão de questionar.
    Gostaria que explicassem como um ramo de negócio está num momento extraordinário e as ações das empresas deste mesmo setor não param de cair na bolsa.

    BISA3 -3,26%
    GFSA3 -3,05%
    RSID3 -2,98%
    CYRE3 -2,95%
    PDGR3 -2,65%
    MRVE3 -2,45%

    0
  • Selvagem 19 de setembro de 2011 at 11:22

    Hoje o dólar deu uma disparada. Eu estou com viagem marcada para os EUA e para Colombia no comeco do ano. A sorte que ja tinha feito cambio preventivamente.

    Brasil é assim, a classe média sempre é a 1a a se f….. Agora nem viagem vai dar mais.

    Dilmão tá acabando com as benesses do governo lula. Já aumentou o IPI de carros importados, segura o aumento da faixa do minha casa minha dívida, arroxa o salário dos funcionários públicos. Aguardem as cenas dos próximo capítulo e inclui aumento de combustíveis, redução dos financiamentos, disparada da inflação.

    A coisa vai ficar preta daqui pra frente.

    0
    • Anonymous 19 de setembro de 2011 at 11:40

      Após o estouro, que já está acontecendo, a pirâmide da sociedade brasileira lentamente vai voltar pro formato de antes do boom.
      A classe média-baixa deslumbrou e agora vai sentir no couro o endividamento, a classe média-média perdeu poder de compra e pagou e paga a conta como sempre enquanto os “bolsistas” puxa-sacos do PT e milionários (as duas pontas opostas) nada sentiram.
      Aos poucos, tudo volta ao “normal”.

      PS.: Depoimento de um ex classe média-média, agora classe média-baixa.

      0
    • FQ 19 de setembro de 2011 at 12:23

      E já tinha aumentado o IOF sobre o cartão de crédito usado no Exterior!!

      0
    • João Nascimento 20 de setembro de 2011 at 05:45

      Seguuuuuuuuuura Peão!!!!!

      0
  • Selvagem 19 de setembro de 2011 at 11:27

    As ações da Gafisa não saem do R$7,000. Mesmo com a queda da selic o povo dizia que iriam subir, ela ensaiou um voo de galinha e caiu de novo.

    Destaque são as da PDG que estão abaixo de R$7,00 não tinha visto ainda ficar abaixo das da Gafisa este ano.

    0
    • AJW 19 de setembro de 2011 at 11:32

      A situação da Gafisa esta feia, tanto que um grupo de acionista quer ajudar na admistração da Gafisa para empresa nõa quebrar, ou seja, a vaca esta no brejo, veja:

      “Um grupo de gestores de fundos de investimento está conversando para criar uma agenda estratégica para a incorporadora Gafisa.
      Na sexta-feira, a ação a encerrou o pregão cotada a R$ 7,21, em alta de 0,8%. O valor patrimonial da ação, conforme os dados divulgados em junho, é de R$ 8,74 – 21% maior. No ano, a ação acumula queda de 39%.
      Os investidores sempre tiveram expectativas positivas para a Gafisa, em função da tradição da empresa, confiando em incrementos de margens e de rentabilidade, que não se confirmaram.
      Com aquisiçãp da Tenda, a Gafisa encontrou muitos casos de pessoas que deixaram de pagar os financiamentos ou não tinham condições ou perfil para entrar no programa “Minha Casa Minha Vida”, lançado pelo governo brasileiro em 2009.”

      http://www.valor.com.br/financas/1010080/investidores-querem-olhar-gafisa-como-donos

      0
      • Ar Quente 19 de setembro de 2011 at 11:59

        Bom artigo AJW! Obrigado por compartilhar!

        0
  • FelipeB 19 de setembro de 2011 at 11:33

    Interessante que é a matéria principal, em destaque na Globo.com.

    Será que a mídia agora vai começar a mostrar a realidade?

    Apesar de que a reportagem por enquanto só mostra o lado da Secovi, com aquelas frases de efeito de sempre:
    “Queda ja era esperada”
    “Demanda reprimida”
    etc…

    0
    • Hik 20 de setembro de 2011 at 00:07

      Que realidade? Eu não confio nestes números.

      0
  • O Poeta da Bolha 19 de setembro de 2011 at 11:34

    Indago, aos assíduos comentaristas deste fabuloso blog: qual a onomatopéia mais apropriada para definir esta bolha? Será “PLOP”? Ou “PLOC”? Ou “BUM”?

    0
    • Bolha Imobiliária 19 de setembro de 2011 at 11:55

      Por enquanto é ploc…hehe

      0
      • Paulo Rocha 19 de setembro de 2011 at 12:00

        Daqui a pouco sera um CABUM! rsrs

        0
  • MrK 19 de setembro de 2011 at 11:36

    Lembram o que eu falei pra voces do dolar? que se o dolar firmar tendencia de alta o bicho vai pegar?

    bem, parece que ele está firmando mesmo, a R$1,77…

    se o dolar firmar essa alta significa:
    1-Gringo saindo
    2-Investimento no Brasil torna-se menos lucrativo, logo menos gringo entra
    3-Menos linha de crédito
    4-Alfinete pra uma bolha

    0
    • profeta do apocalipse 19 de setembro de 2011 at 18:24

      lembram que eu ja falei que nao era um valor real esse de 1.55? eu dizia que a 2.5 muita coisa mudaria.

      quem comprou kia, jac etc ta com um mico nas maos!

      alem de ficar mais caros para entrar aqui por causa do real, o dollar subiu!

      o dollar subiu rapido demais e o vies eh de alta! chegou a 1.79 hj

      0
  • Rogério 19 de setembro de 2011 at 11:37

    Leve alta de 0,2% com relação a junho!!!! Não acredito nestes números!!!! Acredito que mais uma vez estão manipulando os números.
    Estes números são muito importantes para as pessoas tomarem uma decisão sobre comprar um imóvel, deveriam ser auditados, não deveriam ficar exclusivamente na mão da Secovi.
    Secovi e Creci já monstraram que não são fontes confiáveis.

    0
  • Platao 19 de setembro de 2011 at 11:49

    Feira de imóveis no Paraná deve reunir 40 mil visitantes

    13/09/2011 17:26:05

    Cerca de 40 mil visitantes devem conhecer os principais lançamentos imobiliários da capital paranaense na 20ª edição da Feira de Imóveis do Paraná, que será realizada de 28 de setembro a 2 de outubro, na Expo Unimed Curitiba. A previsão é do presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR), Gustavo Selig, que conta que, no evento, também haverá imóveis da Região Metropolitana de Curitiba e do litoral catarinense. A entrada é gratuita.

    Neste ano, 63 construtoras, incorporadoras, imobiliárias e empresas relacionadas à construção civil vão participar da feira, que será realizada em um pavilhão de exposição com aproximadamente quatro mil metros quadrados. Serão milhares de imóveis, especialmente novos, entre apartamentos, casas, condomínios e terrenos, desde os cadastrados no Minha Casa, Minha Vida, com preço de até R$ 150 mil, até imóveis de alto padrão, com valor superior a R$ 1 milhão.

    Na feira, também estarão presentes as principais instituições financeiras do país, como Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, que vão apresentar a sua linha de produtos e promover simulações de financiamento para aquisições de imóvel por pessoa física ou jurídica. Empresas de consórcio também vão participar do evento.

    A Ademi/PR promove, ininterruptamente, desde 1992, a Feira de Imóveis do Paraná, primeira feira imobiliária do Brasil. Em 19 anos de realização, o evento contabiliza mais de 700 mil visitantes.

    0
    • Platao 19 de setembro de 2011 at 11:51

      Vamos ver como será o sucesso de vendas no fim do mes…. o recorde de visitantes e investidores…

      0
      • Rogério 19 de setembro de 2011 at 11:56

        Isso é se não cancelarem o evento por causa da falta de imévis pra vender!

        0
        • Luiz AG 19 de setembro de 2011 at 13:52

          Isso parece aquela piada da argentina declarando guerra a China
          “guerra cancelada. Não temos celas suficientes para 10 milhões de chineses”.

          0
  • Dani 19 de setembro de 2011 at 12:08

    Acabei de ganhar meu dia! Na porta do meu trabalho hoje tem um grupo de corretores sentados numa mesinha tentando pegar os incautos na entrada/saída do serviço pra ver se conseguem “empurrar” uns apês na planta…Daí eu não perdi a oportunidade: chamei um corretor, ele veio todo pimposo, e perguntei pra quando ele acha que os imóveis vão baixar de preço aqui em Brasília. Ele respondeu que nunca, eu retruquei, vai sim! Daí ele falou: talvez só dê uma estabilizada…Daí eu falei: pois é, estou esperando a bolha imobiliária estourar, tenho certeza que vai, as vendas estão paradas, estão caindo, você viu os novos dados que saíram hoje? Então, vou esperar e comprar daqui talvez uns 2 ou 3 anos…Ele não falou nada e eu saí gargalhando por dentro! Adooooooooooooroooooooo humilhar esses corretores safados que querem só explorar a gente e fazer de besta…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    0
    • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 12:19

      Parabéns !!!

      se todos os brasileiros agissem assim estariamos em outros patamares!

      inclusive com a industria automobilistica!

      0
      • Dani 19 de setembro de 2011 at 12:44

        Pois é, Carlos Eduardo! Meu sonho que todos os brasileiros acordasser….Pena que não acredito que isso venha a acontecer em grandes escala…Mas eu não perco uma oportunidade para deixar bem claro o que pensso, hoje foi com o corretor, semana passada com minha chefe! Ela chegou um dia cotando que tinha ido jantar salada em um restaurante na noite anterior e que tinha pago 27 reais num prato…Daí eu falei: que absurdo, tudo isso num prato de salada? Eu não pago e ninguém deveria pagar, com esse dinheiro eu compro a salada da semana no mercado…Daí ela respondeu que paga porque é melhor comer num restaurante “bacana” e “da onda” do que em casa…E eu falei: OK, e o dono do restaurante ficando rico às custas de pessoas que não dão valor ao próprio dinheiro e pagam só para aparecer! Completei dizendo que o brasileiro deveria acordar, os preços estão só subindo porque pagam sem pensar, e que a hora que a fatura chegar vai doer pra muita gente! Acreditam que nem assim ela concordou comigo? E olha que somos amigas e eu sei que ganho o dobro dela (coisas do serviço público)..hehe

        0
        • Dani 19 de setembro de 2011 at 12:47

          ops…acordassem..contando…hehe

          0
          • Dani 19 de setembro de 2011 at 12:56

            ops 2…penso…

            0
        • FQ 19 de setembro de 2011 at 13:38

          Dani,

          Eu também tenho evitado pagar os atuais preços absurdos que estão sendo cobrados!

          Todos tinham que boicotar! O sujeito está com tudo o que possui financiado e fica pagando 4 reais numa garrafa d’água no restaurante…

          0
          • Marcelo 19 de setembro de 2011 at 13:58

            Gostaria de saber como estao os repasses de agios dos “investidores” de Aguas Claras. A venda de Prozac deve estar em alta, talvez ate mesmo forme uma bolha de psicotropicos no DF futuramente.

            0
            • Dani 19 de setembro de 2011 at 14:09

              Kkkk…boa, Marcelo! Também gostaria de saber a quantas anda o repasse de ágios de AC…Mas mudando de “ágio” sem mudar o assunto, minha chefe me falou semana passada que um cunhado dela comprou apê de 4 quartos na planta no Noroeste ano passado a 15k/m2…e que ele está arrependidíssimo porque tão pedindo cerca de 8k/m2 agora…Kkkkkkkkkkkkk…quero ouvir o BOOM imobiliário virando CABOOOOOOMMMMM logo logo!

              0
              • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 14:55

                Conheço um caso de um peão aqui da firma que comprou um ap de 500 mil, assinou o contrato e não tinha o dinheiro da entrada, ai ele começou a vender coisas na empresa, as duas motos que tinha… dvd, camera rs

                Depois conseguiu o dinheiro da entrada com 2 financiamentos em dois bancos!

                é nesse tipo de caso que se apoiam essas construtoras!!

                quero ver pagar os 500 mil!

                depois fala que não tem subprime no brasil! Tão vendendo para quem não tem condições de pagar …

                todos nós aqui já temos a certeza do futuro desse mercado! só pessoas muito desenformadas estão caindo nos golpes..

                0
              • Marcelo 20 de setembro de 2011 at 00:46

                O pior e que pelo excesso de demanda, a futura bolha vai ser a BOLHA PSIQUIATRICA, pois nao havera oferta suficiente de profissionais pra tanta insonia e depressao, e ainda por cima, nao se formam psiquiatras da noite pro dia, como pedreiros e corretores de imoveis. A classe media e sua auto-sabotagem.

                0
    • John 19 de setembro de 2011 at 12:26

      Dani, eles estão fazendo o trabalho deles. Já viu aquela frase “isso é papo de vendedor”? Então. Se eles falarem que vai baixar aí sim que não vão vender mesmo. As pessoas que devem ter discernimento para não caírem na conversa desses caras. Pior é a mídia que deveria ser imparcial mas faz matérias em tom de propaganda.

      0
      • Dani 19 de setembro de 2011 at 12:53

        Peraí…olha só, se os corretores quisessem vender para quem quer MORAR eles poderiam muito bem dizer: vai baixar um dia e você finalmente vai poder pensar em ter sua moradia própria! Eles iam lucrar também porque iam vender, não iam? Mas fica claro que querem vender para investidor: Vai subir…vai subir…invista hoje que terá lucro garantido amanhã….Eles são uns mercenários, isso sim! Conheci corretor ano passado andando de Audi e com casa própria (que com certeza comprou com os lucros exorbitantes que teve e a um preço baixo porque deve ter comprado de alguém que ainda não tinha noção de preço e colocou o imóvel na imobiliária, claro que coisa boa eles pegam pra eles e não oferecem pra gente!) e o cara o maior despreparado cultural e intelectualmente falando…Eu com graduação, concurso, sengundo idioma fluente e certificado, e não consigo! Pode?

        0
  • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 12:25

    Estamos vendo uma mudança global acontecendo!
    vendo surgir cidades fantasma na china, irlanda, espanha entre outros paises do mundo!
    com grande globalização, estamos vendo um mundo cheio de oportunidades!

    Ativos atraentes por todos os lados, só nos resta escolher.. .
    se você prefere gastar 1 milhão no Rio de Janeiro, em algum pais europeu, ou em alguma ilha do caribe!
    espero que essa tendencia continue, pois logo teremos mais ativos do que pessoas para comprar.

    “ativos imobiliarios está se tornando a coisa mais comum e com enorme abundancia no mundo todo”

    0
  • Marcos 19 de setembro de 2011 at 12:32

    PessoAll,

    Estava pensando a respeito destes números. A base de 2010 foi muito boa para a construção civil. Não seria interessante comparar 2011 com 2009? Será que temos decréscimo?

    Abraços,
    Marcos

    0
    • Luiz AG 19 de setembro de 2011 at 13:56

      Sim e não. Para nr. de vendas, concordo. Mas para o preço praticado, que é a oferta x procura, não.

      Os preços pararam em um patamar muito alto, esperando uma demanda superior a do ano passado.

      0
    • Paulo 19 de setembro de 2011 at 13:57

      2004 (JAN-JUL) = 10251
      2005 (JAN-JUL) = 12841
      2006 (JAN-JUL) = 15237
      2007 (JAN-JUL) = 16762
      2008 (JAN-JUL) = 21774
      2009 (JAN-JUL) = 16460
      2010 (JAN-JUL) = 20182
      2011 (JAN-JUL) = 14402

      0
      • Ar Quente 19 de setembro de 2011 at 14:30

        Salve Paulo!
        De onde você pegou esses dados? Socializa o link com a galera!

        Obrigado

        0
        • Paulo 19 de setembro de 2011 at 15:59

          SECOVI de SP

          0
      • Marcos 20 de setembro de 2011 at 00:18

        Paulo,

        Obrigado pelas informações. Elas demonstram que o buraco é mais embaixo. Realmente o preço já não acompanha a realidade das vendas.

        0
      • Hik 20 de setembro de 2011 at 00:20

        Ou seja, voltamos aos níveis do período pré-bolha, antes de 2006.

        Isso é importante.

        0
  • JUCA 19 de setembro de 2011 at 12:51

    Valor médio do metro quadrado subiu de R$ 1.900 para R$ 4.000 segundo pesquisa do órgão e já supera índices de S. Paulo

    Arthur Costa
    São José dos Campos

    Em três anos, o preço de imóveis na região subiu 110%. A média de preço do metro quadrado, que em 2008 era de R$ 1.900, passou para R$ 4.000 em 2011.
    Os dados são do Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) do Vale do Paraíba.
    Em alguns casos, como na região oeste de São José dos Campos, a valorização supera a constatada em São Paulo, onde o preço médio do metro quadrado foi para R$ 4.022 este ano. No bairro Aquarius, é possível achar imóveis em que o valor do metro quadrado é de R$ 5.000 em lançamentos.
    Segundo o coordenador de pesquisa do Creci no Vale, André Turci, a valorização se deu para adaptar os imóveis ao valor de mercado. “Havia uma defasagem, mas esse reajuste acabou ultrapassando o preço que deveria ter sido implantado”, afirma Turci.
    Entre os fatores que fizeram com que o preço subisse estão a alta na mão de obra da construção civil e dos materiais de construção.
    Mercado. Apesar da alta no preço do imóvel e as recentes restrições de crédito ao consumidor, o mercado não sofreu impacto.
    “Houve retração nos últimos três meses, mas ainda temos saldo positivo em relação ao ano passado”, avalia o presidente do Creci no Estado, José Augusto Viana Neto, que esteve em São José para um evento da entidade.
    Mudança. De acordo com o delegado regional do Creci, Denerval Machado Rodrigues de Melo, a tendência é que o preço pare de subir.
    “Nos últimos anos, a demanda aumentou muito, assim como as áreas. Chegamos a um ponto que não há mais como crescer. Não se acha mais terreno no centro de São José”, afirmou Melo.
    Com os valores em alta, o financiamento continua sendo a modalidade preferida dos consumidores. “Houve uma diminuição na facilidade de crédito. A Caixa Econômica Federal está mais exigente, mas, em contra partida, o Banco do Brasil está chegando com tudo para tomar conta desse mercado”, disse Melo.
    Taubaté. Em Taubaté, desde 2008 a cidade acompanha o desenvolvimento acelerado do mercado imobiliário.
    O presidente da Acist (Associação das Construtoras, Imobiliárias e Serviços Correlatos de Taubaté), Hodges Danelli, afirma que, apesar de sentir uma diminuição do ritmo das vendas nos últimos quatro meses, a alta no preço dos imóveis não trouxe prejuízos.
    “Além da região da avenida Itália, temos locais que se desenvolveram muito, como o condomínio Campos dos Condes, na estrada Taubaté-Tremembé, além de bairros como as Granjas Daniel”, explica.
    Já no mercado de alto padrão, o reajuste no preço de Taubaté foi menor. “Nesse segmento, o mercado de Taubaté está sempre 15% a 20% abaixo de São José”, completa.

    0
  • Veigalex 19 de setembro de 2011 at 13:09

    Pessoal,

    Criei um alerta do google para receber um email toda vez que sair alguma matéria com a a palavra bolha.. é incrível como aumentou o numero de email recebidos.

    Esta noticia é de hoje

    http://w w w.redebrasilatual.com.br/temas/cidades/2011/09/especialista-faz-alerta-de-bolha-imobiliaria-em-empreendimentos-de-renda-media-em-sp

    0
    • Bolha Imobiliária 19 de setembro de 2011 at 14:10

      Eu tenho isto desde quando comecei com o site….hehehe

      0
    • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 14:59

      Salve Google!

      0
    • Mr. R 19 de setembro de 2011 at 15:24

      Boa essa…
      “O mercado de real estate (denominação internacional para mercado imobiliário) não deveria funcionar com adrenalina, deveria funcionar com Lexotan (medicamento contra ansiedade)”.

      0
  • Veigalex 19 de setembro de 2011 at 13:10

    Pessoal,

    Criei um alerta do google para receber um email toda vez que sair alguma matéria com a a palavra bolha.. é incrível como aumentou o numero de email recebidos.

    Esta noticia é de hoje

    w w w.redebrasilatual.com.br/temas/cidades/2011/09/especialista-faz-alerta-de-bolha-imobiliaria-em-empreendimentos-de-renda-media-em-sp

    0
    • Luiz AG 19 de setembro de 2011 at 14:21

      Sensacional essa matéria, acho que deveria ser postado aqui.

      É, até agora ao meu ver, o que melhor reflete a realidade.

      0
      • Luiz 19 de setembro de 2011 at 16:55

        post ana capa BOLHA

        Valorização artificial acende alerta de bolha imobiliária em São Paulo

        Especialista afirma que risco, provocado por desinformação e falta de ética nos negócios, é maior para o segmento de renda média, mas que data de eventual estouro é imprevisível.

        0
  • Selvagem 19 de setembro de 2011 at 13:31

    A mesma notícia sobre a queda mais com outro enfoque. Destaque para a ênfase na informação de que volume de queda está diminuindo. A desaceleração de de 34% para 28% ganha mais destaque e importância do que a queda em si.

    Pelo visto as vendas no Centro de São Paulo que eu critiquei alguns posts atrás estão salvando as incorporadoras. Bom saber que tem gente ainda disposta a comprar predio de R$ 500.000,00 ao lado dos mais conceituados pu te iros da rua augusta.

    _______________________

    Venda de imóveis cai 28,6% até julho em São Paulo

    Por Chiara Quintão | De São Paulo

    A queda acumulada da venda de imóveis residenciais na cidade de São Paulo, maior mercado imobiliário do país, continua em desaceleração, mas ainda está próxima do patamar de 30%. De janeiro a julho, o volume de imóveis comercializados na cidade caiu 28,6%, para 14,402 mil unidades em relação ao mesmo período do ano passado, conforme dados do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). Até maio, as vendas tiveram redução de 34,3% e, até junho, retração de 31,3%.

    O recuo menos acentuado das vendas, no acumulado até julho, deve-se ao maior número de lançamentos no Centro expandido da capital, segundo o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci. A maior parte do que o setor vende são unidades lançados há, no máximo, seis meses. Até julho, as incorporadoras lançaram 16,724 mil unidades na cidade de São Paulo, volume 3,5% maior que nos sete primeiros meses de 2010, segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp).

    No período, os lançamentos superaram as vendas em 2,322 mil unidades ou 16,1%. Essa diferença contribuiu também para elevar o estoque final de imóveis na capital para 13,369 mil unidades em julho. O estoque refere-se a imóveis lançados nos últimos 36 meses e ainda não vendidos.

    No mês de julho, o setor vendeu 2,722 mil unidades residenciais, 14,3% a menos que no sétimo mês do ano passado e em linha com o volume de junho. O Valor Global de Vendas (VGV) comercializado somou R$ 1,3 bilhão em julho, com expansão de 6,8% ante junho e 16% na comparação com julho do ano passado.

    Unidades lançadas há até seis meses responderam por 2,321 mil do volume vendido no mês. Os lançamentos de julho foram 5,8% maiores que os do mesmo mês de 2010, mas ficaram 13,7% abaixo dos de junho. Em relação às vendas, o volume foi praticamente o mesmo.

    Em julho, a velocidade média de vendas, medida pelo indicador vendas sobre oferta (VSO) foi de 16,9%, acima dos patamares de maio e junho, de 15,1% e 16,5%, respectivamente, mas ainda muito abaixo dos 28,6% de julho de 2010. Em 2009, a velocidade de vendas média foi de 17,6% e, em 2010, de 23,2%. Conforme o desempenho do segundo semestre, o indicador ficará entre 12% e 16%, de acordo com Petrucci. “Teríamos preocupação com demanda se a inflação houvesse disparado e a taxa de juros estivesse subindo muito.”

    A maior parte da comercialização de imóveis foi concentrada no segmento de dois dormitórios. Em julho, as vendas do segmento responderam por 1,346 mil unidades, ou seja, por quase metade do total comercializado no mês. Foi a maior participação das unidades de dois dormitórios no total em 2011. Essas vendas se concentram em produtos da faixa de R$ 170 mil a R$ 350 mil, com financiamento, principalmente, pelos recursos da poupança. Na sequência, estão as unidades de três dormitórios (27,1%) do total, um dormitório (17,5%) e quatro dormitórios (5,9%).

    Na região metropolitana de São Paulo, a participação dos imóveis de dois dormitórios foi ainda maior que na capital, em julho, chegando a 60,5% do total vendido. As incorporadoras venderam 4,554 mil unidades nesse mercado, 7,6% a menos que em junho. O indicador VSO também recuou, no mês, para 14,7%, ante 15,8% em junho.

    Fonte: Valor Econômico em 19-09-2011.

    0
  • MrK 19 de setembro de 2011 at 13:32

    Pessoal, lembram que eu falei pra voces de um lancamento em botafogo/RJ, chamado Vogue, que prometia pré-lancamento, lançamento etc..? que seria “o sucesso”?

    pois bem, pré-lançou, lançou… e as placas pro stand continuam 1 MES APÓS O LANCAMENTO!!! cadê o sucesso? Se for contar desde o pré-lancamento são quase 2 meses e continuam gastando com publicidade…

    en-ca-lha-do !!!!!

    Quem comprou na planta ano passado vai se arrepender muito…

    0
    • RT 19 de setembro de 2011 at 14:20

      MrK,

      Onde em Botafogo fica essa “oportunidade imperdível”? Quero dar uma olhada, caso seja perto daqui.

      Você sabe quais são os preços?

      0
  • DRN 19 de setembro de 2011 at 13:57

    Agora podemos ficar tranqüilos. A Dilma disse à Newsweek que não há bolha:

    She is on a roll now, ticking off bullet points on how Brazil morphed from Latin America’s sick man to its juggernaut. “We are a large economy, rich in resources and with a huge internal market. Thanks to our social policies, we’ve raised 40 million people out of poverty and into the middle class since 2003. That’s the equivalent of one Argentina. Domestic demand has been so repressed for so long, we have an immense potential for growth. We have a construction boom but no bubble. This internal market will allow us to accelerate growth.”

    http:// w w w .migalhas.com/mostra_noticia.aspx?cod=141507

    0
    • Paulo Rocha 19 de setembro de 2011 at 14:00

      Gostei do nome do site!!! MIGALHAS.com rsrs

      0
    • Rogério 19 de setembro de 2011 at 16:01

      Não acredito, esse PT vai levar este pais para o buraco mesmo!!!

      0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 16:37

      Um “construction boom” tão grande que cancelaram o salão do imóvel por falta de oferta

      Faltou ela combinar a mesma mentira com o pessoal do SECOVI

      0
  • JPM 19 de setembro de 2011 at 13:58

    Pois é. Algum colega aqui postou uma notícia de que a Rossi lançou uma promoção para o Trio Ribeirão, aqui em Ribeirão Preto.

    Na época do “pré-lançamento” eu fui convidado insistentemente para ir ao “coquetel com clientes seletos antes do pré-lançamento” por um corretor. Como não apareci, ele ficou me ligando no celular durante o evento, para me avisar que as unidades estava sendo reservadas muito rapidamente, e que talvez não sobrasse nenhuma para o lançamento. Como eu não poderia ir, pedi que ao menos me adiantasse o preço. Bem, à época, custava 45% a mais que os lançamentos feitos na zona sul (que era a mais valorizada).
    Lógico que eu questionei, e a resposta foi que era um empreendimento único, o primeiro do tipo em Ribeirão (é composto de 2 torres, sendo uma residencial e uma comercial, que ficam em cima de um mini-shopping center) e que por isso estava “um pouquinho acima do preço do mercado”.
    Minha resposta: “Mas justamente por ser único, não temos como saber se será mesmo bom para morar, já que não dá para visitar nada parecido. E você considera 45% apenas um pouquinho acima? Quanto você consideraria muito então?”
    Não sei porquê, mas ele não me ligou mais. 🙂

    0
  • Mr. R 19 de setembro de 2011 at 14:05

    Colegas,

    Há diversos pots relacionados à péssima saúde das construtoras, queda nas vendas, quena nas ações, etc… Quais seriam os prováveis impactos no mercado imobiliário se uma – ou mais- dessas grandes construtoras quebrasse?

    0
    • Sérgio 19 de setembro de 2011 at 14:30

      Efeito dominó e Compra pelo governo (vide lei de oficialização da bolha Lei 11908/09): recessão.

      0
      • Luiz 19 de setembro de 2011 at 14:55

        conforme previsto neste blog meses atrás. O govenro ainda pode muito:

        Fusões, emprestimos a juros perdido do bndes, negociatas, capitalização via fundos de pensão, lavagem de dividas da Caixa.

        Tbm pode soltar a inflção via juros Selic, mas este é o pior tiro no pé pq a inflação afeta ainda mais as construtoras.

        0
  • Ar Quente 19 de setembro de 2011 at 14:17

    Mais uma notícia no tema ruim, feio e caro.

    http://noticias.r7.com/economia/noticias/construtoras-diminuem-tamanho-da-casa-para-conta-caber-no-bolso-do-consumidor-20110917.html?question=0

    Construtoras diminuem tamanho da casa para conta caber no bolso do consumidor
    Especialistas recomendam visitar bairro, pesquisar preços e barganhar para fechar negócio

    Os preços dos imóveis no Brasil tiveram um grande salto nos últimos dois anos e o consumidor que busca a casa própria sentiu isso na pele. O mercado já notou que o ritmo de vendas não é mais o mesmo de tempos atrás e, por isso, mudou o perfil dos apartamentos para atrair compradores. Agora, a tendência é que as construtoras apostem cada vez mais em apartamentos menores nas grandes cidades.

    A área útil dos novos empreendimentos está cada vez menor porque o comprador não analisa o preço do metro quadrado, mas sim o quanto ela pode financiar, R$ 200 mil, R$ 300 mil ou R$ 400 mil, explica Eduardo Zylberstein, pesquisador da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e coordenador do FipeZap – termômetro que mede o valor do metro quadrado em seis capitais e no Distrito Federal. Para ele, “construir imóveis menores é uma tendência do mercado atual”.

    – Não tem mágica: as pessoas têm uma renda mensal e podem financiar um certo limite. O que acontece é que as construtoras estão fazendo uma ginástica para o imóvel caber no bolso. Isso é normal em cidades desenvolvidas, como Tóquio, Nova York, Londres. O normal é que os imóveis nos grandes centros sejam pequenos porque falta espaço. Se você quer uma casa maior, você vai morar em áreas mais afastadas.

    (…)

    0
  • Sérgio 19 de setembro de 2011 at 14:28

    Construtoras derretendo dia a dia; investidores indo embora; dolar voltando ao preço normal; vendas caindo há um bom tempo; desespero dos corretores e imobiliárias; governo apelando para protecionismo; industrias demitindo ou em férias coletivas e imóveis transbordando pelo ladrão: que desenho bonito de uma bolha estourando!
    ,
    ações real state neste momento: 14:24…
    .

    PDGR3 6,99 -2,7%

    CYRE3 13,71 -3,7%
    MRVE3 11,93 -2,5%
    GFSA3 6,99 -3,1%
    BISA3 6,53 -3,1%
    RSID3 10,89 -4,6%
    EZTC3 14,33 -2,2%
    TCSA3 10,51 1,1%
    JHSF3 4,40 -3,1%
    DIRR3 10,33 -3,0%
    EVEN3 6,34 -3,7%
    HBOR3 20,73 -3,6%
    .
    .
    Já se vê o fundo do poço.

    0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 14:41

      Foi só a Dilma falar que o BR não quebra mais
      ATO FALHO

      No dia útil seguinte dollar dispara e bolsa desaba.

      Preparem-se, cortem custos, a merda está só começando

      0
      • Carlos Wagner 19 de setembro de 2011 at 15:40

        Á Dilma é um ser azarado por natureza. Quem não se lembra quando ela falou do apagão?

        Que fiasco.

        Destaco parte da reportagem divulgada acima por um colega:

        João Manuel Carvalho, professor e pesquisador da Universidade Técnica de Lisboa, vê a falta de boa informação no mercado imobiliário e restrições à produção de informação independente como uma das raízes de bolhas imobiliárias.

        Alguma semelhança com a Banania?

        0
  • Luiz 19 de setembro de 2011 at 14:44

    Quero propor uma discussão

    “As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 14,3% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado”

    “No acumulado de janeiro a julho, foram lançadas 16.724 unidades em São Paulo, alta anual de 3,5%”

    (fonte eStadao)

    Vendas caíram 15% + lançamentos subiram 3,5%

    Se as vendas caíram, se os lançamentos subiram, se a demanda (favelas) continua igual
    PORQUE OS PREÇOS NÃO CAEM

    0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 14:48

      Minha primeira hipotese:

      o setor imobiliario não obedece as leis de procura e oferta,

      Preço dos imóveis seguem as Lei de Gerson
      1. “SE meu vizinho aumentou o preço eu tbm aumento”
      2. “SE eu comprar agora, posso perder a oportunidade de vender mais caro pra outro trouxa”
      3. “Se eu não comprar agora, amanhã vai subir mauis e eu vou me f*der”

      0
      • Carlos Wagner 19 de setembro de 2011 at 15:52

        Depois que comecei a ler os artigos do mises e conviver com as pessaos deste blog, comecei a formar uma opinião mais acertada a respeito de economia, apesar de estar longe de ser uma mente brilhante…rs

        Minha opinião sobre a causa dos preços dos imoveis “novos” (na planta) não cairem é a seguinte:

        – Existe uma gande quantidade de empreendimentos sendo erguidos, apesar da parada nas vendas, pois as construtoras não podem deixar de tocar as obras a fim de cumprirem os cronogramas contratuais. Isso faz com que os recursos de mão de obra e materiais de construção sejam usados à exaustão, encarecendo os empreendimentos. Com isso, os preços não podem cair, senão o prejuizo é certo para elas.

        O que vai acontecer é voce se deparar com imoveis prontos sendo vendidos, por especuladores, mais baratos que os da construtora. Afinal, estes não vão conseguiu aferir o ágio desejado e a corrida vai ser para “quem perder menos está no lucro”.

        Eu imagino que essa possa ser a causa dos preços não cairem, por enquanto.

        0
        • Luiz 19 de setembro de 2011 at 16:00

          Carlos, discutimos antes aqui pq os preços não podem se estabilizar e minha opinião da época tbm mudou frente a hoje

          Quando o balanço do pendulo mudar de direção, haverá desespero e ranger de dentes, os motivos que fizeram o preço subir além do valor justo, são os mesmos que farão os preços caírem abaixo do custo de produção.

          Se não entrar dinheiro grátis de fora do sistema, teremos qubradeira
          Agora vc já ouviu falar de dinheiro gratis?

          0
          • Luiz AG 19 de setembro de 2011 at 23:01

            Mais ou menos assim Luiz. Quando o pessoal se deparar com a perda, vai ser um corre corre para vender o mais rápido possível, de forma a pagar dívidas adquiridas e perder o mínimo possível.

            Igual a um mercado de ações: o que tem que ser explicado é que recursos são finitos e a estabilidade nos preços nos fazem crer que todo mundo que comprou imóvel tem valor o suficiente para deixar o investimento imobilizado por tempo indeterminado, o que sabemos que para grande maioria não é verdade.

            Grande parte dos investidores (?) contaram com o aumento de preços por tempo indeterminado. Quem estudou um pouco de economia e sociologia sabe que isso é inexorável.

            0
          • Hik 20 de setembro de 2011 at 00:45

            Dinheiro Grátis?. Já ouvi sim.
            Dinheiro grátis é aquele que o governo usará para conter a sangria da crise.
            Ele é grátis pq vem assim para o governo, sem custo.
            Se a classe méRdia pagou por isso, o problema é desses trouxas. O que vale é voto na urna (eletrônica, de país grã-fino).

            0
        • Anonymous 19 de setembro de 2011 at 17:50

          Discordo a respeito de um trecho do seu comentário:
          “(…) pois as construtoras não podem deixar de tocar as obras a fim de cumprirem os cronogramas contratuais.”
          Coisa comum nesse meio é atraso e descumprimento de contrato, ou pouco menos comum, quebra dele.

          0
          • carlos wagner 19 de setembro de 2011 at 20:43

            Nesse ponto que voce discorda eu quiz dizer que elas não podem, por exemplo, suspender o empreendimento e parar as construções. Talvez eu nao tenha explicado o ponto onde eu queria chegar ao citar a quebra.

            0
            • Luiz AG 19 de setembro de 2011 at 23:04

              Sim, não podem, por causa de multas contratuais e dividendos a receber.Nenhuma construtora no mundo é capaz de manter uma construção por recursos próprios, além do que o recurso imobilizado para isso seria altíssimo.

              Melhor, no caso, investir em dívida pública do que levantar o prédio.

              0
  • Sérgio 19 de setembro de 2011 at 15:01

    São, em tese, dois os motivos que os preços não caem:
    .
    1º – Os preços praticados são referência para fundamentar os VGV das construtoras; representa o POTENCIAL que a construtora tem para arrecadar, em tese. E é esse valor que ela indica para os investidores: cair preço de imóvel significa menor VGV e consequente menor enganação;
    2º – Os preços dos imóveis representa, em ativos, parte do patrimônio dos bancos: preços menores, valores e balanços dos bancos descem juntos. daí babou para todo mundo.
    .
    A ideia é manter os preços altos pelo maior tempo possível, até algum empresario desesperado abrir o bico e fazer liquidações, ou os próprios investidores tupiniquins, que é o que vai acontecer.

    0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 15:06

      Concordo

      Quem vai explodir essa bolha são as construtoras e não os bancos (como nos EUA)

      Manter os preços subindo é vital pra sobrevivencia deles, estão numa piramide financeira (o nome 2D da bolha).

      0
      • DRN 19 de setembro de 2011 at 15:15

        Mas…

        … mas o Governo Federal, via CEF, vai garantir o caixa das construtoras, cf. lei que o Sérgio trouxe à lume, impedindo quebras, porque…

        … porque uma notícia de quebra afugentaria os investidores e poderia colocar o mercado inteiro em cheque.

        Agora, será que as construtoras têm “espaço” para agir? Pergunto isso porque compraram terrenos à preço de ouro, os materiais estão caros, a mão de obra está cara, os impostos são sempre altos, e ainda há a outorga onerosa nos grandes centros, etc., etc., etc.

        Remunerar acionista?

        Vai ser difícil…

        0
        • Luiz 19 de setembro de 2011 at 15:18

          OK DRN, mas e se os investidores perceberem que o próprio governo pode quebrar.

          ou no minimo perder as proximas eleições

          0
          • DRN 19 de setembro de 2011 at 15:24

            Luiz, dadas as reservas, a capitalização via tesouro e os anos seguidos de recorde de arrecadação tributária, acho difícil o governo quebrar.

            Mesmo assim, acho que os PETRALHAS preferem quebrar o país mais adiante a se verem no poder com uma crise. Nesta última hipótese é que arriscariam a reeleição da Dilma.

            0
            • Luiz 19 de setembro de 2011 at 15:33

              DRN, esse é um ciclo vicoso, quanto mais o governo solta grana pra salvar os patrocinadores, mais inflação, mais o dolar sobe, que tbm traz mais inflação.

              Se a inflação sobe fica impossível o mercado imobiliario construir sem ter prejuiízo. veja a greve dos pedreiros em BH. Os orçamentos vão explodir.

              Ou seja, quanto mais o governo ajuda, mais ele prejudica o próprio setor.

              0
              • DRN 19 de setembro de 2011 at 15:49

                Luiz,

                Eu concordo com vc. Não dá para o governo ficar inflando a bolha até estourar. Ao menos quero crer que eles não fariam isso.

                Eu penso que eles vão chamar os donos das construtoras, passar um pito neles e avisar que a farra acabou: ou rezam pela cartilha dos petralhas, ou vão pro buraco. E aí, um bom desconto somado à velha inflação, trariam os preços para valores mais próximos da realidade.

                Com a palavra, Sérgio, que, se não me engano, está lá dentro.

                0
                • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 16:11

                  Ou.. . mais um pouco de devaneios possiveis, em se tratando do governo atual..

                  eles podem simplesmente absorver algumas empresas, falir outras…
                  e o proprio governo vai queimar o estoque com algo populista do tipo “casa da vida do povo”
                  onde o governdo finge dar um subsidio, oque na verdade seria vender o imovel pelo preço real dele, com financiamento da caixa para quem se comprometer.

                  assim quem comprou para especular cairia num buraco negro, já o governo na base de muita grana publica teria outra propaganda populista maldita! para tentar mais um mandato!

                  só não consigo ver um final feliz para os investidores e especuladores!

                  0
                  • Rogério 19 de setembro de 2011 at 17:06

                    Carlos Eduardo,

                    Concordo com você, este governo é especiliasta em mentir e enganar a população desinformada e também gostam de fazer farra com o dinheiro que não é deles, então para se manter no poder são capazes de fazer qualquer coisa mesmo! Não acredito que a Dilma vai fazer alguma coisa para controlar essa bolha e minimizar as consequências, nem admitir a bolha ela admiti!
                    Só que se uma dessas construtoras quebrar o rombo vai ser muito grande!!! Uma parte do prejuizo deve ser pulverizado entre os especuladores, mais acredito que essas construtoras tem muitos empreendimentos que falta muita coisa pra vender e muita gente que comprou e não assinou financiamento vai correr.
                    Sendo assim o estrago vai ser enorme, não acredito que a oposição vai permitir eles façam uma operação dessas por baixo dos panos.

                    0
                  • Galvão 19 de setembro de 2011 at 17:25

                    Se forem seguir o histórico dos governantes no Brasil (e também nos outros países em menor escala), eles empurrarão a crise o máximo possível para que a conta caia no colo de outro.
                    O problema é que 2015 ainda está relativamente longe, e eu acho que não haverá meios possíveis de fazer com que a crise seja camuflada até lá. Se o governo fizer esse cálculo (que também é muito impreciso), pode chegar a conclusão que é melhor encarar agora uma crise menor do que mais pra frente uma crise gigante.

                    0
                    • Carlos Wagner 19 de setembro de 2011 at 17:37

                      Galvão

                      Logica e politica não andam juntas.

                      0
                    • Galvão 19 de setembro de 2011 at 18:46

                      Claro que não Carlos. A política avalia os dividendos políticos que uma decisão vai trazer, geralmente no curtíssimo prazo.

                      Por isso, a questão de enfrentar agora a crise seja melhor do que dar justificativas mais tardes de não ter feito nada agora.

                      0
  • Luiz 19 de setembro de 2011 at 15:03

    Só pra variar, maiores baixas hoje

    1
    2
    3. RosSID3 10,94 -4,12% 22,17M 4.934 14h45
    4. CYREla3 13,75 -3,37% 31,06M 5.882 14h45
    5
    6
    7, GFSA 3 7,01 -2,77% 21,24M 3.762 14h45
    8,PDG Realty3 7,00 -2,51% 43,51M 8.002 14h45
    9
    10
    11. MRVE 3

    hipotese: a munição dos fundos de pensão durou só 1 mês

    0
  • Elias 19 de setembro de 2011 at 15:12

    A hora da verdade está chegando, e mais rápido do que imaginava.

    Acabei de falar com um amigo que trabalha em banco, e o pessoal está estressadíssimo – empresas de varejo começam a ter muitas dificuldades honrar seus débitos. Clientes não pagam, elas não recebem, dão calote no banco.

    Isso corrobora as notícias do fim de semana – famílias no limite do endividamento, e bancos entrando em alerta, restringindo crédito.

    Vamos acompanhar, a o vôo da galinha está no fim.

    0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 15:15

      inadimplencia aumentando pra todo lado, menos na Caixa economica, estranho né?

      hipoteses:
      1. O povo é mais comprometido com a divida da casa
      2. O povo prefere ter um teto do que passar
      3. A Caixa está varrendo a indimplencia pra baixo do tapete do Palacio do Plantalo

      0
      • Luiz 19 de setembro de 2011 at 15:16

        2. …do que passar fome (por isso prefere ficar sujo no cartão do supermercado)

        0
    • MrK 19 de setembro de 2011 at 20:09

      Grande Elias!!! Tenho ouvido OS MESMOS relatos aqui no Rio

      Você acha que somente as vendas de automoveis travariam? faz algum sentido? claro que não!!! travou automoveis, imóveis e agora o varejo comeca a sentir, voce se lembra da reportagem de renegociacao dos inadimplentes que os grandes do varejo queriam fazer? Bondade natalina é claro que não é, eles já estão naquela de “vamos tentar receber o maximo que der e dani-se”

      Imaginem um cenário de demissão com o povo totalmente endividado, vai ser 2 vezes pior que um cenário de demissão comum. OBRIGADO HEIM, LULA!!! VEJA A BELA M… QUE VOCÊ FEZ!!!

      0
      • Hik 20 de setembro de 2011 at 00:58

        Eu trabalho com a cadeia de produção e venda de aerosol, um produto de alto valor agregado.
        De maio para cá tivemos uma retração de ~12% na mercado. Isso dá uma indicação de que o consumidor começou a abrir o bico para bens de consumo como desodorantes, inseticidas, odorizadores, desinfetantes, etc. Esses produtos não são tão supérfluos assim, o que significa que a coisa pode estar feia.

        0
        • Evandro CPS 20 de setembro de 2011 at 08:40

          Eu trabalho em uma empresa que é lider nacional na fabricação de um item indispensável para o carro. Nossas vendas são quase diretamente ligadas a venda de carros pelados, pois nosso acessório é a primeira coisa que a pessoa coloca.
          Tem uma tabela no mural aqui com os percentuais da meta. E te digo… está quase 20% abaixo….

          0
  • Said 19 de setembro de 2011 at 15:20

    Começou a fazer puff…
    A duas semanas, dolar e bolsa subindo!
    tá estranho!

    0
  • Said 19 de setembro de 2011 at 15:21

    embora no momento a bolas esteja em -0,4%

    0
  • João Paulo da Silva Simões 19 de setembro de 2011 at 15:23

    Para quem não escutou hoje o comentário do Mauro Halfeld, a ouvinte chegou a questionar a hipótese de bolha imobiliária, senão seria melhor os valores abaixarem para se trocar de apto. porém creio eu que devido aos últimos puxões de orelha que ele levou por tratar de forma verdadeira o assunto bolha imobiliária e isso não ter agrado a seus patrocinadores e investidores, ele hoje apenas disse não venda, rs… sem sequer tocar no assunto bolha, tem o desejo de falar mais não pode, esse país onde Lula comandou, e a família Sarney e Collor ainda comandam que fim pode ter, e só esse mesmo.

    http: //cbn.globoradio.globo.com/Player/playerOndemand.htm?audio=2011%2Fcolunas%2Fhalfeld_110919&OAS_sitepage = cbn/comentarios/maurohalfeld%2Fplayer

    0
    • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 15:37

      Se fosse você não usaria a opinião de um capacho desses …
      se ele se rebaixa é porque não é digno de respeito.

      “Quem se baixa aos opressores mostra o rabo aos oprimidos” – Millor Fernandes.

      é incrivel como o povo brasileiro tem virado capacho… é como se o dinheiro fosse a coisa que mais importa! é como um pais sem identidade!

      por esse motivo parei de assistir formula 1, e até jogos da seleção brasileira!

      0
  • MALUCHO 19 de setembro de 2011 at 15:37

    Faz tempo que acompanho o blog porem, nunca havia postado anteriormente…..segue materia do valor acerca da construtora e incorporadora TRISUL. A materia deveria ser postada na primeira pagina para que pudesse ter maior divulgacao.
    http://www.valor.com.br/empresas/1002276/trisul-registra-prejuizo-liquido-de-r-3366-milhoes-no-2º-trimestre.

    0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 16:30

      Isso acontece quando a construtora pára de pedalar a piramide financeira,
      Só 2 lançamentos é pouco
      Pra quebrar é um pulo.

      0
    • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 17:26

      Para mim esse é o cumulo da incopetencia administrativa e gerencial !

      se uma empresa produz 1 duto de ar e tem prejuizo porque não teve uma boa metodologia para construir ne controle de gastos!

      ai essa empresa recebe investimento externo, e agora pode construir 30 mil dutos de uma vez!!

      isso só multiplica o seu prejuizo do primeiro duto por 30 mil!!!

      é como pagar para se endividar!

      ridiculo!!! pib da banania!

      0
      • Carlos Eduardo 19 de setembro de 2011 at 17:28

        Resumindo…

        colocar dinheiro “investimento” em empresa incopentente que só faz trapalhada , só aumenta o potêncial da mesma empresa em fazer mais trapalhada!

        acho que é disse que estamos sofrendo!

        0
  • Luiz 19 de setembro de 2011 at 16:26

    Vejam esta do trading

    Quem comprou um 2 quartos em botafogo hoje estrá condenado a passar o resto da vida pagando 15 mil reais de IPTU, ou 10 parcelas de 1.500

    Ou seja, vai pagar um aluguel pro governo pro resto da vida, (quase que dá vontade de rir)

    ht tp://tradingcafe.wordpress.com

    0
    • DRN 19 de setembro de 2011 at 16:56

      Luiz, dá vontade de chorar…

      Agora, só uma correção, se me permite, o trading cafe falou do IPTU de São Paulo-SP. No Rio-RJ, as alíquotas podem ser menores (ou, pior para nossos irmãos cariocas, maiores).

      0
    • Carlos__ 19 de setembro de 2011 at 17:03

      Luiz, nao sei se no Rio é assim, o exemplo dele fala da lei de sao paulo. Mas no dia que começarem a cobrar no Rio o IPTU sobre o ‘valor de mercado’ dos apartamentos, posso garantir para você que no minimo 25% dos moradores da zona sul não vão fechar as contas no fim do mês.

      O triste é que quem não comprou, vai pagar dois alugueis, um para o proprietário, outro para a prefeitura.

      Essa questão é muito séria. Estão inviabilizando a moradia no Brasil e achando que o custo de morar pode subir sem isso afetar toda a economia. Os governos só sabem ver planilhas e cifrões, não sabem planejar estrategicamente e nem pensar no futuro.

      Essa bomba vai estourar, ou os preços caindo, ou como inflação.

      0
      • RT 19 de setembro de 2011 at 20:10

        “Estão inviabilizando a moradia no Brasil ”

        Essa simples expressão que você usou é, para mim, a prova mais palpável da existência da bolha.

        É só olhar em volta, pegar os classificados, olhar o zap… e ver as cifras em que estão os preços de apartamentos. Estão, de fato, inviáveis. E isso, para pessoas com renda boa!

        Sei de uma empresa – cujo nome prefiro não citar, mas garanto que é das melhores em seu ramo – que paga 5 mil para engenheiros recém formados. Pessoalmente, considero um salário bom. Não é excelente e não é ruim, é bom. Mas reconheço que, com esse salário, não fecharia minhas contas hoje. Muito menos sonharia em fazer sobrar pra formar uma poupança e comprar casa própria um dia!

        Imagina quem não ganha isso (olha, que existe…)!

        E ainda temos que agüentar corretores, e pior ainda, “especialistas” do setor querendo nos enfiar goela abaixo que os preços estão normais, como se fôssemos todos idiotas.

        Estão tão normais como um saco de açúcar saindo por 20 reais.

        0
        • Luiz 20 de setembro de 2011 at 12:11

          denovo aninhado… nosso amigo do trading cafe fez as contas pro Rio:

          Bolha Imobilária…. quem está lucrando… IPTU no Rio de Janeiro, para os meus amigos cariocas!
          Posted on September 20, 2011 by tradingcafe

          3 Votes

          Bom, foi difícil encontrar as informações sobre as alíquotas. Descobri no final das contas, que nossos amigos cariocas pagam um IPTU 300% mais caro que o pessoal de Brasília… Eu não encontrei nos órgãos oficiais as alíquotas, mas sim em artigos na internet. Em Brasília a alíquota é de 0,3% sobre o valor venal e no Rio, é de 1,2%.

          Num imóvel com valor venal de R$ 1.000.000,00, no Rio de Janeiro, o IPTU será de algo em torno de R$ 12.000,00 por ano, ou em dez parcelas de R$ 1.200,00… Fora o ITBI na transferência, custos de mantenção/reformas e ainda o antigo companheiro e sócio (além do governo) o condomínio…

          htt p:// tradingcafe.wordpress.com/

          0
  • Flavio 19 de setembro de 2011 at 17:24

    Leiam sobre o ultrajante custo de vida no Brasil.

    http://www.businessinsider.com/outrageous-prices-living-brazil-2011-9

    0
    • Mr. R 19 de setembro de 2011 at 18:27

      Pois é. E eles nem mencionaram a diferença de renda… Bem feito, brasileiro é mesmo idiota, paga qq coisa sem questionar.

      0
      • Mr. R 19 de setembro de 2011 at 18:28

        Só nossa cerveja é mais barata.. acho que vou substituir o leita pela cerveja.

        0
  • Rogério 19 de setembro de 2011 at 17:26

    O derretimento das construtoras, das 9 maiores quedas na bolsa hoje 6 são das construtoras

    1)
    2) RSID3 10,86 16h54
    3)
    4) BISA3 6,47 16h55
    5)
    6) PDGR3 6,92 16h54
    7) GFSA3 6,95 16h54
    8) CYRE3 13,74 16h54
    9) MRVE3 11,82 16h54

    0
    • Sérgio 19 de setembro de 2011 at 17:57

      O derretimento, de forma integral:
      .

      PDGR3 6,92 -3,6%
      CYRE3 13,75 -3,4%
      MRVE3 11,83 -3,4%
      GFSA3 6,91 -4,2%
      BISA3 6,51 -3,4%
      RSID3 10,82 -5,2%
      EZTC3 14,25 -2,7%
      TCSA3 10,28 -1,2%
      JHSF3 4,43 -2,4%
      DIRR3 10,51 -1,3%
      EVEN3 6,34 -3,7%
      HBOR3 20,80 -3,3%

      0
      • Luiz 19 de setembro de 2011 at 18:42

        isso em dia de bolsa estável

        ou seja se não fosssem as construtoras podres a bolsa tinha subido

        0
  • Luiz 19 de setembro de 2011 at 18:00

    do site mão invisivel http ://maovisivel.blogspot.com/

    O ataque das viuvas do General Geisel

    Eu nunca entendi o fascínio, o verdadeiro tesão enrustido, que os economistas “de esquerda” do Brasil têm pelas políticas econômicas adotadas pelo regime militar nos anos 70 e que causaram uma desaceleração de crescimento que durou mais de 20 anos.

    A última de nossas geiselistas redivivos foi estabelecer barreiras de entrada ao mercado automotivo brasileiro via tributação seletiva, em nome de… seja lá o que for que essa jumentada chifruda acredita além de reciclar políticas fracassadas dos governos militares.

    Pois não posso dizer qual foi o objetivo do aumento seletivo do IPI para veículos.

    Mas qualquer economista não-babão pode dizer o que este aumento acarreta:

    (1) cria uma barreira à entrada de novas montadoras no Brasil (devido à necessidade de conteúdo nacional mínimo);

    (2) permite que as montadoras aumentem seus preços (e não adianta o jumento mugir, que é isso que vai acontecer);

    (3) permite que as mesmas montadoras continuem operando a um custo acima do mínimo eficiente (porque não estão sujeitas às pressões competitivas);

    (4) reduz o emprego na indústria automobilística no longo prazo, já que a barreira à entrada de novas montadoras tem o efeito direto de reduzir o emprego no setor, assim como a ausência de pressão para redução de custos e a proteção ao mercado doméstico reduzem a capacidade de exportação da indústria nacional;

    (5) aumenta as desigualdades regionais, ao gerar rendas que serão apropriadas por uma indústria concentrada nos estados mais ricos;

    (6) quebra compromissos internacionais a que nos submetemos no âmbito de acordos comerciais (WTO) e fóruns internacionais (G20), o que nos expõe a retaliações e ridiculariza as promessas feitas pelo ex-presidente Lula durante os meses mais graves da crise financeira internacional;

    (7) por outro lado, existe um silver lining: com carros mais caros, podemos contar com uma redução marginal na congestão de nossas cidades.

    E aí me vem a gringada da imprensa internacional dizer que a presidente quer governar com uma ‘tecnoburocracia’. Faltando um “r” talvez?

    0
    • Carlos Wagner 19 de setembro de 2011 at 18:48

      Eu acho que com essa medidas protecionistas, o Brasil não perde com o fato de inibir importações e com a desculpa de conservar empregos, ele perde muito mais com o que deixa de ganhar com a livre iniciativa do comercio onde grandes empresas colocam seus produtos no mercado nacional mediante importações, numa avaliação de viabilidade de mercado, e posteriormente venha a montar fabricas em solo nacional gerando milhoes de empregos, trazendo tecnologia, qualidade de produtos, estimulando a livre concorrencia e, consequentemente, queda nos preços. Ou seja, compra-se mais e melhor com menos dinheiro.

      Quem ganha? Nós, consumidores. Quem perde? Eles, patrocinadores estatais.

      Só falta relançarem a Belina, Brasilia, corcel II, variant, chevette jeans. Não duvido se isso acontecer.

      O Brasil é uma vergonha.

      0
      • Paulo Rocha 20 de setembro de 2011 at 05:11

        Com essas medidas o Brasil não deixa de perder empregos. O problema é que a perda de empregos não é obvia, já que correspondem aos empregos que não são criados em outros setores. Com os consumidores gastando demasiadamente em carros caros e ruim menos dinheiro fica disponivel para outros setores/gastos. O pior é que o Brasil já é pouco eficaz e dinamico. A burocracia é enorme, e o governo estimula as empresas a ficarem menos eficazes sem falar a carga tributária absurda..

        0
  • Sérgio 19 de setembro de 2011 at 18:00

    Só complementando o que foi dito acima.

    O governo pode, atraves lei 11908, comprar empreendimentos e construtoras, mas não pode comprar os imóveis comprados pelos especuladores ou mutuários incautos. A BOLHA sempre encontra um meio.Além do que, não importa pra ela se o governo é estruturado ou não, vide Irlanda, o antigo Tigre Celta.

    0
  • xyz 19 de setembro de 2011 at 18:11

    OFF-TOPIC – Mas nem tanto.

    http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/09/governo-anuncia-inclusao-de-800-mil-familias-no-bolsa-familia-ate-2013.html

    O governo diz que a probreza só fez diminuir. Porque será necessário aumentar o número de beneficiários do bolsa esmola?

    Nós sabemos a resposta.

    Tem muito futuro um país que acostuma seu povo a viver de esmola.

    O poéta Luiz Gonzaga há décadas já disse:

    “seu doutô uma ismola a um homem qui é são Ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”

    “Livre assim nóis da ismola, que no fim dessa estiage Lhe pagamo inté os juru sem gastar nossa corage”

    0
  • Noord 19 de setembro de 2011 at 18:31

    Amigos, não sei se já postaram, mas notícia do site Economia & Negócios – Estadão… O título: Preços dos imóveis não devem baixar no Brasil, diz consultoria…

    Só para trazer aqui para o site: ” …e melhor distribuição de renda com a ascensão das classes C e D sustentarão a manutenção dos preços no País.”

    Por favor, o pessoal que entende de economia me explica isso…. Como o pessoal das classe C e D pagam R$ 500.000 por um cubículo de 40 – 50 m2 ?!?!?
    Será que as classes C e D vão invadir os bairros de Botafogo e Barra (Sou do RJ) ?!?!?

    0
    • Carlos__ 19 de setembro de 2011 at 18:59

      Classe D?!, só podem estar de brincadeira.

      Classe D não ganha nem o de comer. Pelo amor de deus.

      Para estar na Classe C basta um casal ganhar um salário mínimo cada um.

      Dizer que é esse pessoal, que ganha o que nos outro países é considerado abaixo da linha da pobreza, vai segurar os preços absurdos de hoje é piada de mal gosto.

      0
    • Sérgio 19 de setembro de 2011 at 19:16

      É suficiente analisar esta única justificativa do tal presidente da consultoria para verificar tratar-se de alguém que passou atestado de otário para o repórter que ouviu – e publicou:
      .
      …”O Brasil tem um dos mercados imobiliários para escritório mais caros das Américas. Isso mostra que não existe uma bolha, nem queda dos preços nos próximos anos”..
      .
      É como se olhasse para um “pé” de mamão e observasse um monte de mamões – incrivelmente
      maduros – e dissesse: “Está vendo, este “pé” tem os mamões mais maduros das Américas. Isso indica que eles não vão cair, nem que seu preço sofrerá qualquer queda nos próximos anos.”
      .
      Esse “consultor andou tendo “consulta” com o “professor” da secovi, quando explicou o cancelamento da feira imobiliária em SPO: é artigo apenas para rir.

      0
    • carlos wagner 19 de setembro de 2011 at 20:55

      Alguem sem estudo e humilde dizer isso não me faria ficar espantado. Mas ler uma declaração desta vindo de um professor é acha que: ou ele tem muito interesse que as coisas continuem assim e para tanto ele afirma com tanta veemencia um absurdo desses até que ele mesmo passe a acreditar nessa baboseira ou ele tem problemas mentais.

      Essas declarações já ultrapassaram a barreira da sanidade dos declarantes.

      O pior é que tem jornalista que dá ouvidos e ainda publica isso.

      0
    • Leonardo RJ 19 de setembro de 2011 at 21:56

      é um absurdo isso

      pra q ficar afirmando que não vao baixar? é porque no minimo, eles tem suspeita de irão baixar

      é uma tentativa desesperada de nos convencer a comprar agora, antes que aumente

      0
    • Anonymous 20 de setembro de 2011 at 01:09

      Encontrei a formação acadêmica do consultor da Cushman & Wakefield. Ele é formado na Venezuela. Provavelmente, a Cushman & Wakefield enviou-o para a Banânia porque o idioma nativo dele é Espanhol. Pela minha experiência, os Americanos acreditam que a Banânia fala Espanhol.

      Mordejai Goldenberg

      Electrical Engineering from Universidad Simon Bolivar
      www . usb . ve

      MBA from Instituto de Estudios Superiores en Administracion (IESA).
      www . iesa . edu . ve

      Lembre-se sempre que o bernie madoff ENGANOU vários bancos, inclusive o HSBC, prometendo retorno de 10% a 17% ao ano.

      2003
      revistapegn . globo . com/Empresasenegocios/0,19125,ERA561838-2474,00 . html

      Nome: Mordejai Goldenberg
      Idade: 38 anos
      Onde nasceu: Naharia, Israel

      Mordejai Goldenberg é jovem, talentoso e, apesar de estrangeiro, conhece profundamente o mundo do empreendedorismo brasileiro. À frente da Eccelera, tem a missão de identificar empresas competitivas de tecnologia e investir no seu desenvolvimento.

      2011
      www . dci . com . br/Private-Equity-no-Brasil-ainda-e-dominado-por-estrangeiros-13-388989 . html

      são paulo – Mesmo com rentabilidade de até 25% acima do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), o aporte em fundos de private equity permanece dominado por investidores estrangeiros.

      Entre as principais instituições que atuam no Brasil nesse segmento, a Cushman & Wakefield já trouxe US$ 800 milhões em investimento direto estrangeiro para o Brasil em 2011. “Esperamos fechar o ano com US$ 1 bilhão”, prevê Mordejai Goldenberg.

      De acordo com ele as cotas procuradas por fundos de pensão estrangeiros, fundos soberanos e family officers são captadas em Nova York, Londres e Paris. “70% dos investidores são estrangeiros”, diz Modejai.

      A cara-de-pau é tanta que o sujeito que nasceu em Israel, morou a maior parte da vida na Venezuela e nos EUA, está no Brasil faz uns 8 anos e já fala em NOSSO sistema financeiro. Pode?

      2011
      www . estadao . com . br/noticias/impresso,ha-uma-bolha-imobiliaria,713497,0 . htm

      Mordejai Goldenberg – O Estado de S.Paulo

      O boom experimentado pelo mercado imobiliário brasileiro nos últimos anos tornou frequente uma pergunta: será que estamos vivendo uma bolha? Na minha opinião, não há motivos para essa desconfiança, uma vez que as garantias reais, aliadas às regulações e políticas que regem nosso sistema financeiro, imobiliário e de mercado de capitais, minimizam os riscos sistêmicos e o “gás” que deu origem às bolhas imobiliárias em outros países.

      0
  • xyz 19 de setembro de 2011 at 19:15

    Estamos em plena fase da negação.
    Posso estar enganado, mas este artigo á típico desta fase.

    0
  • Pedro 19 de setembro de 2011 at 19:18

    Pessoal, sou leitor assíduo do blog e de vez em quando posto alguma coisa quando acho interessante, gostaria que comentassem esse vídeo de uma reportagem sobre a queda nos preços de imóveis na Espanha, é uma reportagem de julho deste ano, prestem atenção, ela disse que os preços naquele país voltaram aos valores de 2005, e continuam caindo, alguém pode me dizer quando a bolha começou a inflar na Espanha?
    Preços de 6 anos atrás, é um tempo considerável. Isso significa que a nossa vai inflar por mais algum tempo ou o nosso caso é diferente?

    http : / / w w w .youtube.com/watch?v=ET5NwIOlEko

    0
    • Luiz 19 de setembro de 2011 at 19:28

      veja neste link o auge da bolha espanhola foi 2008
      tem os principais emrcados do mundo
      http: //w ww.economist.com/node/21009954/

      0
  • Carlos__ 19 de setembro de 2011 at 19:35
  • Carlos__ 19 de setembro de 2011 at 19:38

    Enquanto isso, na espanha:

    A queda dos preços das casas usadas acelara:

    elconfidencial .com /vivienda/2011/09/15/los-precios-de-la-vivienda-de-segunda-mano-aceleran-su-caida-83-en-el-segundo-trimestre-84263/

    0
  • Carlos__ 19 de setembro de 2011 at 19:40

    Comentário que um espanhol fez para a notícia acima no site de lá. Impostante para vermos a psicologia de um mercado em baixa:

    “he conseguido vender mi piso, tenia un vecino-amigo que tenia un piso encima mio tambien a la venta, el capullo me dijo que pedia 43 millones
    asi que yo lo puse por 41, cuando me vino una pareja a verlo me comento que les gustaba mas el mio, pero que el de arriba se lo dejaba en 35, les dije que yo tambien
    y lo he conseguido vender, ahora mi ex vecino no me habla.
    Me he dado cuenta que la gente miente mucho a la hora de decir el precio de venta real a la que se ha vendido su piso
    las bajadas estan siendo muchisimo mas fuertes de lo que se dice
    el piso de al lado ENFRENTE se llego a vender por 66 millones HACE 4 AÑOS.

    [Poner un precio elevado a una vivienda no hará otra cosa que ayudar a su vecino a vender antes, tener menos visitas y prolongar el tiempo de venta hasta el infinito y mas allá]”

    0
  • MrK 19 de setembro de 2011 at 19:51

    RT, as placas comecam quando voce entra no humaita e seguem pelo cemiterio sj batista, voce precisa virar a esquerda naquela rua em frente ao cemiterio, tem placas espalhadas indicando

    deve ter coisa na internet tb, procure por vogue, era papo de 900mil o mais barato haha, parece caro, mas segundo oglobo, botafogo tá virando “pais”

    aham

    0
    • RT 19 de setembro de 2011 at 20:16

      “era papo de 900mil o mais barato ”

      Nossa, fiquei até sem ar agora… puta que pariu… 900 MIL REAIS!!!!

      Vem cá… 200 mil, 300 mil, 500 mil… isso virou pouco dinheiro agora??? Dinheiro que qualquer um tem?? Aí, é só dar essa graninha de entrada e financiar mais 400 mil??

      Hahaha, desculpem as ironias repetidas, mas não agüento.

      900 mil reais pra lá, um milhão pra cá… tou começando a acreditar que o mundo vai, sim acabar ano que vem!!

      Fiquem á vontade pra discordar… mas pessoalmente, eu só começaria a negociar por metade disso.

      0
      • Felipe 19 de setembro de 2011 at 21:05

        Acho que os maias já previam que em 2012 iria estourar uma bolha imobilária no Brasil.

        0
      • GPTFN 20 de setembro de 2011 at 00:05

        O pior não é isso…
        O pior é que as pessoas acreditam nessa teoria de valorização infinita!
        Um colega de trabalho comprou um imóvel em meados de 2009 na Península (Barra) por 270.000, e hoje esse imóvel está sendo avaliado em 630.000;
        E ele diz que os corretores vivem ligando perguntado se ele não quer vender.
        Ele por sua vez diz q vai esperar, porque até 2016 vai valorizar mais.
        Será q ele espera vender por 1 milhão?
        Se for, realmente vou me mudar pra favela rápido, porque daqui a pouco não vai dar mais também!

        0
        • RT 20 de setembro de 2011 at 07:54

          “Ele por sua vez diz q vai esperar, porque até 2016 vai valorizar mais”

          O que eu acho mais engraçado é ver, no dia a dia, pessoas dando esses palpites sem nenhuma base e sem nada saberem sobre mercado imobiliário.

          Também tenho um colega em situação parecida, que “acha”, por intuição mesmo, que os preços apenas vão se estabilizar.

          0
          • Paulo Rocha 20 de setembro de 2011 at 08:55

            Bom se o cara for “esperto” ele espera até 2020, aí o apartamento vai valer uns 2-3 milhões! rsrsrs Claro que graças ao nosso “querido” Lula e Dilma, o par perfeito e a inflação descontrolada!

            0
            • RT 20 de setembro de 2011 at 09:14

              Engraçado é que esse povo deslumbrado deve estar contando os dias até 2016, certo de que vai vender o apartamento quando quiser e virar milionário.

              Devem planejar a aposentadoria com base nisso…

              0
  • RT 19 de setembro de 2011 at 20:23

    Mais acima, num post que não estou conseguindo achar, um colega botou o excelente link:

    “http://www.businessinsider.com/outrageous-prices-living-brazil-2011-9”

    Tem uma frase nele que faço questão de destacar:

    “It’s also a problem for citizens who have seen prices increase even as their paychecks have remained stagnant.”

    Sempre bato nesta tecla. Já virou meu mantra. Só não enxerga quem não quer.

    “O brasileiro não tem renda para sustentar os preços de apartamentos onde estão.”

    0
    • Felipe 19 de setembro de 2011 at 21:08

      Imagina vc que ainda tem muita prefeitura que vai reajustar o IPTU no ano que vem.
      (Preparem-se para o golpe).
      Realmente 2012 deve ser o fim para muita gente.

      0
      • RT 19 de setembro de 2011 at 21:10

        Já é certo que vai rolar esse reajuste?

        De todos os apartamentos da cidade?

        Nem estava sabendo.

        Será mesmo que vão fazer isso bem em ano de eleição, com o cara concorrendo a reeleição…?

        0
        • Felipe 19 de setembro de 2011 at 21:18

          ah isso é uma opinião minha, mais acho que pelo menos o reajuste da inflação vai ter…
          mais olha só um exemplo do que pode acontecer em alguns lugares.

          w w w .conjunturaonline.com.br/novo/0,0,00,9507-151297-TRAD+DEFENDE+QUE+IPTU+DA+CAPITAL+SEJA+REAJUSTADO+EM+ATE+40PCT.htm

          Pra mim o principal problema será se o valor venal dos imóveis, que historicamente é bem menor do que o valor de mercado, se aproxime um pouco, só um pouco, desse valor de mercado.

          0
        • Felipe 19 de setembro de 2011 at 21:20

          Se liga nesse RT, é meio terrorista mas nunca podemos duvidar.

          w w w .spbancarios.com.br/download/19/jornal%20iptu_web.pdf

          Assustador né??

          0
          • Cássio Pereira 20 de setembro de 2011 at 01:29

            O informativo é de 2009

            0
            • Felipe 20 de setembro de 2011 at 08:39

              Sim,, mais leia o que está escrito no texto e vc vai entender que a alíquota irá aumentar em 2010 e principalmente em 2011 e 2012.

              0
    • Daniel 19 de setembro de 2011 at 21:14

      O que tenho lido nao eh apenas que o preco dos apartamentos esta em um valor muito alto. Muita coisa em outras areas encontra-se bem acima do valor “real”?

      Servicos, mao de obra para construcao civil, vestuario, cambio, alimentacao…

      Aconteceu em varios paises, diferentes historias, diferentes epocas, cada um com suas particularidades mas… tudo que sobe sempre muito rapido apresenta um potencial para correcoes.

      Pergunta agora? Vira ate as proximas eleicoes/copa/olimpiadas? Qual sera o divisor de “aguas”?

      0
  • Austríaco 19 de setembro de 2011 at 20:59

    EU não sei bem o que é, mas acho que esse CCI que eles estão vendendo são títulos lastreados em dívida imobiliária

    Recebi esse email hoje da minha corretora.
    —————————————————-
    Caro cliente,

    A partir desta sexta-feira, 05/09/2011, iniciou-se o período de reserva da Oferta Pública de distribuição da 3ª e 4ª Séries da 1ª Emissão de Certificado de Recebíveis Imobiliário de emissão da PDG Companhia Securitizadora, lastreados em Cédulas de Crédito Bancário (“CCB”) emitidas pela PDG Reality em favor do Banco BTG Pactual S.A, representadas por Cédulas de Crédito Imobiliário (“CCI”) cedidas à Emissora.

    A Banif Corretora está participando deste lançamento através do seu Home Broker e Mesa de Operações Pessoa Física.

    Como parte desta Oferta Pública, será oferecida ao mercado o seguinte ativo:

    3ª e 4ª Séries da 1ª emissão de CRIs da PDG Companhia Securitizadora.

    Para fazer sua reserva, acesse nosso site em http://www.banifinvest.com.br
    Logo na primeira página você encontrará um link direto.

    Atenção: Antes de fazer seu pedido, leia o Prospecto Preliminar disponibilizado em nosso site e fique informado de todas as condições desta Operação.
    Atenção: Leia o Prospecto antes de aceitar a oferta, em especial a seção Fatores de Risco.

    0
  • MrK 19 de setembro de 2011 at 21:18

    A INADIMPLÊNCIA MASCARADA

    Respondam-me: Pra quem você gostaria de dever?

    – Pra quem pode cortar sua luz? Pra quem pode te deixar sem comunicação? Pra quem pode ter por na rua? Pra quem pode tirar seu carro? Ou pra quem simplesmente vai te por no serasa?

    O MICO PRETO está com as operadoras de cartão de crédito, PRINCIPALMENTE quando elas comecaram a aceitar pagamento de contas de operadoras de celular, luz, gás, etc… o consumidor inadimplente prefere dever ao cartão de crédito obviamente, pois esse não vai deixa-no no escuro e nem no banho frio! Além do mais o cartão vai pagando 15% da fatura e empurra a bomba pra frente…

    Essa inadimplência de cartão não está sendo bem noticiada e a impressão que dá, é que a inadimplencia total apesar de vir numa alta constante há meses não está assim tão grande, mas não se deixem enganar, quando os cartões comecarem a cortar os limites e parar com o oba-oba aí teremos a imagem real do problema!

    0
  • carlos wagner 19 de setembro de 2011 at 21:23

    OFF TOPIC – Montadoras não descartam aumento no preço de carros nacionais

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/977710-montadoras-nao-descartam-aumento-no-preco-de-carros-nacionais.shtml

    Não esperaram nem uma semana. Por essas e outras que digo que não me surpreendo com mais nada nesse país.

    0
  • CLEBER 19 de setembro de 2011 at 22:50

    EU NÃO ENTENDI A MATÉRIA DA GLOBO NO JORNAL NACIONAL AFIRMANDO QUE EM BH-MG OS ALUGUÉIS TEM REAJUSTES DE 50%,100% E EM ALGUNS CASOS TRIPLICAM…
    AI ESTÁ O LINK http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/09/grande-procura-faz-preco-dos-alugueis-disparar-no-mercado.html

    0
  • Ricardo 19 de setembro de 2011 at 23:33

    Colegas
    Não sei se já postaram, achei muito interessante compartilhar.

    0
  • Ricardo 19 de setembro de 2011 at 23:35
  • GPTFN 19 de setembro de 2011 at 23:57

    Maus ventos se anunciam:

    http://minutonoticias.com.br/aumento-do-ipi-deve-atingir-mais-os-carros-importados-com-menor-valor-segundo-fenabrave

    Não é novidade para ninguém que a cada ano as montadoras batem recordes de produção de veículos. Não é novidade também que fica mais caro ter um carro zero.
    Se a alguns anos atras um carro popular saia na faixa de 15.000, hoje ele não sai por menos de 25.000 (Fiat Uno);
    Só que a ganância não tem fim, e eles querem sempre produzir mais e vender mais.
    E agora reclamam junto ao governo, alegando que seus altos estoques nos pátios se devem ao aumento da demanda por carros importados (Kia, JAC e cia ltda.).
    O governo “muito sabiamente” pensa:
    “Tenho que fazer alguma coisa! Preciso dessa montadora! Afinal além de tributar a empresa(IPI), eu também tributo os funcionários (IRPF).
    Já os importados eu só levo o IPI”
    E chega a seguinte conclusão:
    “Vou aumentar os impostos sobre os importados”

    Qual será o resultado?

    Se antes um carro da Kia custava 50.000 e passar a custar 67.500, e o carro da mesma categoria nacional custar 47.000, o que acontecerá?

    Façam uma simples analogia com os lançamentos imobiliários.

    Uma coisa puxa a outra, e quando for ver, os carros básicos aqui no Brasil vão estar custando 35 a 40.000;

    Tomara q eu esteja errado, mas num país como esse, onde até o rock in rio é justificativa pra valorização, não duvido nada que aleguem “demanda reprimida”;

    0
  • Money Addicted 20 de setembro de 2011 at 00:21

    Pessoal,

    No vale do paraiba/sp vai ter um feira de imoveis, pode ser interessante acompanharmos os numeros.

    []s

    0
    • Money Addicted 20 de setembro de 2011 at 00:23

      ops….esqueci do site

      http://construvale2011.com.br/home.php

      0
    • Carlos Wagner 20 de setembro de 2011 at 11:20

      Este final de semana teve a feira de imoveis no shopping Taubaté, dias 16, 17 e 18/09/2011. Foi um fracasso total. Feira vazia, corretores sem ter o que fazer, nenhum negocio fechado e nenhum lançamento novo como novidade, somente empreendimentos que ja estão em excução e ja foram objetos de outras feiras.

      Informações de um corretor amigo meu que almoçou em casa no domingo, ele saiu da feira, foi almoçar em casa e voltou para cumprir o resto do expediente vespertino.

      0
  • Capital H 20 de setembro de 2011 at 00:49

    Tenho um amigo que trabalha ca CEF. Lá, já estão exigindo mais garantias para financiamento pq a coisa tá feia. Existem MUITAS empresas e pessoas físicas inadimplentes com o banco, metas de financiamento imobiliário q há tempos não alcançam; construtoras que estão sem grana pra continuarem a obra e, por aí vai…

    0
  • Ricardo 20 de setembro de 2011 at 07:35

    Valorização artificial acende alerta de bolha imobiliária em São Paulo

    São Paulo – A capital paulista já dá indícios de viver bolha imobiliária, situação semelhante à que começou a acontecer nos Estados Unidos em 2006 – embora os efeitos devastadores sobre a economia de boa parte do mundo tenham sido sentidos mais duramente dois anos depois. O alerta é de João da Rocha Lima Júnior, professor titular da Universidade de São Paulo (USP) e consultor de investimentos imobiliários.

    “Os preços de empreendimentos de renda média e de escritórios estão fora do eixo em São Paulo”, alertou, em entrevista à Rede Brasil Atual. O xis da questão é o valor excessivamente elevado desses imóveis, com altas para além do aumento da renda da população em alguns segmentos e bairros. O especialista participou da 11ª Conferência Internacional da Latin American Real Estate Society, nesta sexta-feira (16), na capital paulista.

    Segundo ele, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) tem mostrado crescimento muito grande, bem acima do apurado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), um dos indicadores de inflação medidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Para mensurar a “gordura” – ou o quanto a especulação influi – na ação de empreendedores, Lima Junior lança mão do conceito de preço “justo” ou “adequado”. Para esse cálculo, são incluídos custos, riscos do negócio e margens de lucro. Com base no critério, ele apresentou cálculo para um empreendimento hipotético na Vila Mariana, zona sul da capital paulista, um dos bairros que mais vê crescer arranha-céus.

    A planilha de preço final do empreendimento simulado fica 17% menor do que o indicador de preços de imóveis da Fundação Instituto de Pesquisas econômicas (Fipe), desenvolvido para o portal de imóveis Zap para o mesmo local. Essa parcela é o indicativo da tal bolha.

    Adrenalina
    De acordo com Lima Júnior há “excesso de adrenalina” e até irracionalidade no mercado brasileiro. “O mercado de real estate (denominação internacional para mercado imobiliário) não deveria funcionar com adrenalina, deveria funcionar com Lexotan (medicamento contra ansiedade)”, brinca. Na prática, essa adrenalina toda pode levar a uma leitura errada do mercado e muitas vezes é motivada pelos empreendedores, que querem vender mais imóveis a preços maiores. “Imaginar que a alta do mercado e dos preços durará para sempre é ingênuo”, analisa o especialista. No entanto, afirma, o estouro de uma eventual bolha imobiliária é sempre difícil de prever.

    Como exemplo, o consultor descreve uma situação comum vivida por quem visita estandes de lançamentos ou feiras imobiliárias. Os corretores usam campainhas para marcar contratos de venda assinados ou avisam a operação aos gritos. “A cada venda, tocam o sino. Você está sentado, tentando negociar, e alguém grita: ‘Fechou o 39, tira da tabela’. E lhe vem à mente: ‘Vou perder o imóvel, fecha o negócio logo’. É um indutor porque deixa a pessoa sob pressão”, descreve.

    Diferente mas nem tanto
    O Brasil tem estrutura de financiamento imobiliário bastante diferente da norte-americana, mas nem por isso está livre de sofrer com valorização artificial de imóveis. Em solo brasileiro, o capital investido para se ter um imóvel é muito maior e o financiamento, classificado como “responsável”, é de, no máximo, 70% ou 80% do valor do bem. Em comparação aos Estados Unidos, o capital investido é maior, já que há mais crédito disponível para construções do gênero. No Brasil, embora os empréstimos sejam crescentes, há empreendimentos realizados sem recorrer a bancos, mas só com recursos da empreiteira.

    Assim, uma bolha verde-amarela não seria de crédito, e sim de preço. “Crédito imobiliário irresponsável é um dos indutores de bolha. É preciso lidar com esse dado com cuidado.” O fato de os brasileiros terem crédito imobiliário responsável ajuda, mas não resolve tudo. “Pelo menos não será um fator de desarticulação do mercado.” Mas isso não quer dizer que o mercado não está desarticulado por outros motivos, como a disparidade entre crescimento da renda e do valor dos imóveis.

    Ética e informação
    Também não faltaram críticas à ética e desinformação fabricada por empreendedores imobiliários. “É preciso ter ética nos negócios imobiliários. Não há necessidade de o empreendedor, para ganhar mais, desinformar o mercado. Ele pode até ganhar mais se o mercado aceitar o preço que ele está propondo, mas não por um viés de desinformação”, dispara o pesquisador brasileiro. “A tendência do empreendedor é desinformar”, completa.

    João Manuel Carvalho, professor e pesquisador da Universidade Técnica de Lisboa, vê a falta de boa informação no mercado imobiliário e restrições à produção de informação independente como uma das raízes de bolhas imobiliárias.

    Freio
    A bolha imobiliária é criada pelo mercado que aceita altos preços, mas ele também tem condição de freá-la, diz Lima Júnior. “A questão é oferta e procura. Enquanto houver gente pagando o preço que está sendo proposto, vai ter transação acontecendo”.

    Apesar da dificuldade de diagnosticar o fenômeno enquanto ele está ocorrendo, é preciso frear certos “booms” imobiliários, aponta o estudioso de Portugal. “Parece ser esta a altura de atuar, mas a experiência mostra inércia”, critica.

    Outra forma de frear, mas bastante drástica e temerosa para a economia, é a incapacidade dos compradores de pagar, lembra o professor da USP. Nesse caso, porém, é sinal de que a bolha já estourou.

    h t t p : / / w w w . redebrasilatual.com.br/temas/cidades/2011/09/especialista-faz-alerta-de-bolha-imobiliaria-em-empreendimentos-de-renda-media-em-sp

    0
    • RT 20 de setembro de 2011 at 08:28

      Gostei dos seguintes trechos:

      “Assim, uma bolha verde-amarela não seria de crédito, e sim de preço”

      “Mas isso não quer dizer que o mercado não está desarticulado por outros motivos, como a disparidade entre crescimento da renda e do valor dos imóveis.”

      Joga por terra a ridícula premissa de que “não há bolha porque o crédito é seguro”.

      Não adianta dispobilizar o crédito mais seguro do mundo a quem não tem renda para pagar as prestações.

      Não é uma bolha de crédito, mas de preços artificiais.

      0
      • aiwww 20 de setembro de 2011 at 10:05

        No último final de semana estive no Cachambi e um apartamento de 3 quartos na Rua Silva Rabelo está sendo vendido por R$ 550.000,00 !!! As pessoas perderam a noção do ridículo! Mesmo com esses preços exorbitantes de hoje em dia consigo comprar um apartamento de 3 quartos com vista de frente para o pão de açúcar no bairro mais valorizado de Niteroi, que ironicamente se chama Boa Viagem. Realmente o pessoal está viajando quando calcula preço de imóvel. Obrigado Etica, Julio Bogoricin, Coutinho Imóveis, etc! Quero ver suas lojas fechando as portas!

        0
        • RT 20 de setembro de 2011 at 10:51

          Freqüentei o cachambi há uns anos, quando conheci uma pessoa que mora lá.

          Detestei o bairro. No dia que uma pessoa que tem renda pra pagar meio milhão em apartamento decidir morar no cachambi, o salário mínimo vai estar em 10 mil reais. Exceto, claro, por pessoas que por motivos familiares ou de outra natureza, gostem de lá…

          Acho que o mundo acaba mesmo no ano que vem. Aposto como está no Apocalipse: “E, depois que apartamentos no Cachambi chegarem a meio milhão, a besta que sobe do abismo fará guerra contra eles e vencê-los-á e matá-los-á”.

          0
          • Dani 20 de setembro de 2011 at 14:49

            Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…… adorei!

            0
  • Felipe 20 de setembro de 2011 at 08:37

    Sim, mais leia o que está escrito no texto e vc vai entender que a alíquota irá aumentar em 2010 e principalmente em 2011 e 2012.

    0
    • Felipe 20 de setembro de 2011 at 08:43

      Desculpa gente, resposta no lugar errado.

      0
  • Galvão 20 de setembro de 2011 at 08:38

    Muito importante mesmo. Esse dado aliado as demais informações que temos visto aqui no blog demostra que a euforia passou. A SECOVI está rezando três vezes ao dia pra que os números do 2º semestre não apontem uma tendência de baixa consistente. Mas, como sabemos, será inevitável.

    0
    • Galvão 20 de setembro de 2011 at 08:49

      Esse comentário era sobre o número de imóveis vendidos no 1º semestre em SP, que voltou ao nível de 2006.

      0
  • Dani 20 de setembro de 2011 at 10:09

    OLHA O DESESPEEEEEEROOOOO das costrutoras! Ontem eu postei que tinha uma galera na porta do meu trabalho tentando vender alguns lançamentos em Águas Claras, Brasília! Pois é, hoje tem outra galera de outro empreendimento! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…..E como não podia deixar de fazer, perguntei novamente a eles quando acham que a bolha vai estourar!!!

    0
    • DRN 20 de setembro de 2011 at 10:40

      Dani, tenho um amigo que, apesar dos meus alertas, comprou 4 apartamentos em águas claras e 1 apartamento em Brasília, todos “na planta”. Os primeiros para fazer “lucro” e o quinto para morar. Fechou o contrato desse de Brasília por R$1,5 milhões. Será que ele conseguirá vender? Eu duvido. Ele ganha bem, mas mesmo assim, só considerando o INCC, a dívida se avoluma vorazmente. Eu fico imaginando o que ele vai fazer se, até as chaves, não conseguir vender. Aliás, eu já sei o que ele vai fazer: tentar repassar pelo menor preço possível, inclusive com prejuízo, se ncessário.

      0
      • Dani 20 de setembro de 2011 at 10:46

        Pois é, DRN! Quando leio coisas assim fico realmente triste…Imagina, uma pessoa só comprou 5 apês na planta, quantas outras não fizeram assim também? Por isso esses preços absurdos aqui em Brasília, demanda artificial, apenas investidores compraram enquanto quem precisa para morar, como eu, a ver navios…Mal vejo a hora de ver todos eles se darem mal! Kkkkkkkkkk…

        0
      • John 20 de setembro de 2011 at 12:17

        Acho que quando começarem a entregar os aps do Noroeste os preços vão cair de vez.

        0
        • danilo 20 de setembro de 2011 at 19:45

          Sou de BH, passei em um concurso e devo ir para Brasília esse ano. Sempre ouço falar no tal Noroeste, caro, blá blá blá. Quando os apartamentos desse “bairro” começarao a ser entregues? Em que passo andam os empreendimentos? Qual a estimativa de unidades habitacionais nesse setor?

          0
  • Paulo Rocha 20 de setembro de 2011 at 10:13

    O IPCA-15 acumulado no ano ficou em 5,04 %, acima de igual período do ano anterior (3,53%)

    O IPCA-15 acumulado nos últimos 12 meses ficou em 7,33%, acima dos 12 meses imediatamente anteriores (7,10%)

    IPCA-E (IPCA-15 acumulado nos meses de julho, agosto e setembro) foi de 0,90 %, bem acima do resultado de igual período de 2010 (0,17%)

    Além dessas, outras despesas aumentaram, a exemplo dos gastos com Habitação, que passaram de 0,32% em agosto para 0,49% em setembro, com destaque para aluguel residencial (0,92%), taxa de água e esgoto (0,89%) e condomínio (0,45%).

    ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/ipca_20092011.htm

    0
  • DRN 20 de setembro de 2011 at 10:21

    O BACEN sabe de tudo, mas não fala nada…

    Rise of Consumer Credit in Chile and Brazil Leads to Big Debts and Lender Abuses

    A bank superintendent closely monitors bank-issued credit cards, but cards issued for in-store use by retailers like La Polar are subject to “much lighter” regulation, said Kevin Cowan, a director in the financial policy division of Chile’s Central Bank. Last year, the bank began to include a chapter focused on household indebtedness in its risk reports. “We recognize that ultimately household debt could become a serious source of financial risk,” he said.

    http:// w w w .nytimes.com/2011/07/24/business/global/abuses-by-credit-issuers-in-chile-and-brazil-snare-consumers.html?pagewanted=2&ref=brazil

    Alguém que conhece os meandros do site do BACEN (não tenho tempo para procurar agora) consegue o relatório. Será que está disponível?

    0
    • DRN 20 de setembro de 2011 at 10:23

      Esqueçam, meus caros.

      A notícia mistura dados do Brasil e do Chile e eu acabei me confundindo. É o Banco Central do Chile que está monitorando. Será que o nosso também está?

      Abraço.

      0
      • DRN 20 de setembro de 2011 at 10:28

        Aqui o trecho na seqüência do texto que me fez confundir.

        In Brazil, where credit card interest rates above 220 percent are among the highest in the world, the Central Bank has been trying for months to rein in household consumption, which grew by 10.4 percent in the last quarter of 2010. To better evaluate the risks of the credit expansion, the Central Bank will begin monitoring credit operations of as little as 1,000 reals, or roughly $640.

        É claro que o Bacen está monitorando. Os caras têm dados de que não dispomos e sabem das coisas com meses de antecedência.

        0
  • alex 20 de setembro de 2011 at 10:42

    Nossa como eh comico o que estao fazendo para enganar os ultimos “investidores”

    olha esta noticio de “HOJE” , apartamentos tem forte alta em “2010”

    Preços de apartamentos em São Paulo e no Rio de Janeiro mostram forte alta em 2010

    SÃO PAULO – Estudo observa forte tendência de aumento de preços para apartamentos de todos os tamanhos no Rio de Janeiro. Em São Paulo, a tendência de alta dos preços se concentra nos apartamentos de tamanho menor.

    De acordo com o Global Property Guide, um guia residencial brasileiro, o movimento de alta dos preços no Rio de Janeiro foi mais intenso durante o ano de 2010, se estendendo até o final do primeiro trimestre de 2011. Na cidade, os preços dos apartamentos subiram, em média, 48%, passando de US$ 3.429 o metro quadrado para US$ 5.094 o metro quadrado.

    Outras modalidades

    As coberturas no Rio de Janeiro tiveram um aumento menos intenso e os apartamentos na Barra da Tijuca também não tiveram seus preços afetados de forma muito forte.

    0
  • Paulo Rocha 20 de setembro de 2011 at 10:43

    Bom o que o texto diz é que vão começar a monitorar gastos de cartão de crédito acima de R$1000. Eu acho bem ineficaz monitorar só os gastos acima de R$1000.

    0
    • DRN 20 de setembro de 2011 at 11:04

      Você está correto. O monitoramento eficaz seria pelo volume total. Por CPF não dá para fazer porque violaria a privacidade das pessoas.

      0
  • Murdoch 20 de setembro de 2011 at 11:06

    Pessoal,

    quem é aqui do RJ conhece nosso ex-prefeito Cesar Maia. Uma figura polêmica que, na minha humilde opinião teve 2 gestões completamente diferentes. Uma boa e outra péssima.
    No entanto, é um economista de respeito e vem, através de seu blog acompanhando a bolha já há um tempo.
    Acho que vale a leitura do que postou hj.

    DÓLAR VAI A 1,78 REAIS! A “BOLHA” COMEÇA A DAR SINAIS CLAROS!

    1. (Globo, 20) Os contratos futuros de dólar negociados na Bolsa de Mercadorias Futuros (BMF) fecharam em forte alta nesta segunda-feira, segundo dados da bolsa. O contrato para outubro de 2011, o mais líquido, fechou a R$ 1,786, com alta de 3,34%. O vencimento novembro de 2011 foi cotado a R$ 1,798, valorização de 3,37%. O contrato para dezembro de 2011 apresentou alta de 3,40% e fechou a R$ 1,810.

    2. (Francisco Lopes- Valor Econômico- 15/06/2011) Como em todo colapso de bolha, o movimento pode ser iniciado por um pequeno grupo de profissionais, mas depois se alastra rapidamente e ganha amplitude e intensidade. O resultado é uma forte e rápida depreciação da taxa de câmbio.

    3. (Estado de SP, 18) Ranking das moedas mais seguras: Entre 43 países avaliados por estudo de corretoras japonesas, o Brasil (Real), ficou em 29º lugar. O dólar americano permanece no primeiro lugar como moeda mais segura para investir, seguida do iene japonês e do euro. “O Brasil perdeu varias posições quando se avalia a questão da flexibilidade e da conversibilidade do real, em razão das medidas adotadas recentemente, e que amedrontam os investidores, que temem o risco de medidas adicionais no futuro”, disse Peter Attard, um dos analistas que assinam o estudo da Nomura Securities.

    4.1. (Francisco Lopes – Valor Econômico, 15/06/2011) O Brasil, ao contrário da China, não acumula reservas internacionais porque produz superávit nas transações de bens e serviços com o exterior. No nosso caso, a acumulação de reservas resulta apenas do ingresso de capital estrangeiro e, nos últimos doze meses, apenas 20% desse movimento consistiu em aporte direto de capital para empresas, isto é, em ingresso com uma motivação nitidamente de longo prazo. O resto, incluindo aplicações em ações, renda fixa e os empréstimos intercompanhias (que o Banco Central imprecisamente classifica como investimento direto) são certamente ingressos com motivação mais de curto prazo e de natureza bem mais volátil.

    4.2. Bolhas especulativas são fenômenos complexos que não entendemos bem, mas com certeza sabemos que sempre evoluem para o colapso. Nosso palpite é que essa nossa bolha de acumulação de reservas vai estourar em algum momento entre 2013 e 2015. É impossível saber o momento exato e a sequência exata dos eventos na ruptura, apenas sabemos que ela se tornará mais provável quando o mercado de câmbio transitar da atual posição de excesso permanente de oferta para uma posição de equilíbrio ou de excesso de demanda. Isto inevitavelmente vai resultar da deterioração continuada do déficit no balanço de pagamentos em transações correntes.

    4.3. A eliminação do excesso de oferta tira o Banco Central do papel de disciplinador do movimento de apreciação e tende a aumentar a volatilidade do mercado. O especulador sabe que nosso regime de livre flutuação na prática tem sido um regime de flutuação amortecida. A maior volatilidade do câmbio torna menos favorável a relação risco-retorno e induz o especulador a reduzir sua posição vendida na moeda brasileira. Como em todo colapso de bolha, o movimento pode ser iniciado por um pequeno grupo de profissionais, mas depois se alastra rapidamente e ganha amplitude e intensidade. O resultado é uma forte e rápida depreciação da taxa de câmbio.

    0
  • Sérgio 20 de setembro de 2011 at 11:25

    Climatologistas são chamados para tentar explicar o DERRETIMENTO das ações das real state, haja vista o parecer “inconteste” dos economistas sobre a SOLIDEZ das mesmas e do atual sistema de crédito e base econômica. Segue a mais recente amostra enviada à conferência dos especialistas em aquecimento global (dados de 10:50 horas de hoje):
    .

    Código Preço Dia Ano

    PDGR3 6,78 -2,0% -32,1%
    CYRE3 13,53 -1,6% -36,8%
    MRVE3 11,60 -1,9% -24,7%
    GFSA3 6,79 -1,7% -42,2%
    RSID3 10,60 -2,0% -26,7%
    BISA3 6,33 -2,8% -24,4%
    EVEN3 6,13 -3,3% -26,5%
    EZTC3 14,11 -1,0% 3,1%
    TCSA3 10,13 -1,5% -6,6%
    DIRR3 10,40 -1,1% -21,1%
    HBOR3 20,55 -1,2% 1,9%
    .
    Os climatologistas, num primeiro parecer, atestam a elevada temperatura dos preços dos ativos das construtoras e o um grande descompasso no gradiente adjacente à renda dos consumidores.
    As construtoras ameaçam descartar os conferencistas caso mantenham esta primeira tese, segundo o que chamam de absurda.
    Alegam que já contam com a presença, para a próxima conferência de outros especialistas, de nada mais, nada menos que Bernad Madoff, Salvattore Cacciola, Delfim Neto, Daniel Dantas e com assessoria especial de Walter Mercado, o guru que ficou famoso por sua fala “ligue dja”.

    0
    • MrK 20 de setembro de 2011 at 13:31

      EU LEMBRO COMO SE FOSSE ONTEM, gafisa subiu pra 7,60 e eu afirmada categoricamente: Ela voltará pra baixo de R$7.00 de novo

      bem, não deu outra..

      outra coisa curiosa: Lembram os bancos recomendando compra dessas ações, com potencial de valorização de mais de 50% segundo eles? hahahaha

      0
  • Luiz 20 de setembro de 2011 at 12:09

    nosso amigo do trading cafe fez as contas pro Rio:

    Bolha Imobilária…. quem está lucrando… IPTU no Rio de Janeiro, para os meus amigos cariocas!
    Posted on September 20, 2011 by tradingcafe

    3 Votes

    Bom, foi difícil encontrar as informações sobre as alíquotas. Descobri no final das contas, que nossos amigos cariocas pagam um IPTU 300% mais caro que o pessoal de Brasília… Eu não encontrei nos órgãos oficiais as alíquotas, mas sim em artigos na internet. Em Brasília a alíquota é de 0,3% sobre o valor venal e no Rio, é de 1,2%.

    Num imóvel com valor venal de R$ 1.000.000,00, no Rio de Janeiro, o IPTU será de algo em torno de R$ 12.000,00 por ano, ou em dez parcelas de R$ 1.200,00… Fora o ITBI na transferência, custos de mantenção/reformas e ainda o antigo companheiro e sócio (além do governo) o condomínio…

    htt p:// tradingcafe.wordpress.com/

    0
  • Jr. 20 de setembro de 2011 at 12:35

    Domingo participei de uma corrida de revezamento no Parque Ibirapuera – SP. Ao sair do parque, naquele sol do meio dia, de racha, dois corretores engravatados me abordaram já oferecendo uma garrafinha geladissima de água. Estavam com uma caixa de isopor e muitos planfletos. Educadamente conversamos, empreendimento no Brooklin chamado NovaYork SaoPaulo, aonde um studio (leia-se: caixote) de 35m2, custa a bagatela de R$ 332.500,00, sendo R$ 9.500,00 o m2. Fui sincero, disse que os preços estão absurdos e que mesmo se eu tivesse condição não compraria. Ele deu um sorriso amarelo, agradeceu minha atenção e fui embora… andei um quarteirão e um senhor com um sacola cheia de panfletos, indo em direção ao parque e colocando panfletos nos carros, me abordou: Advinhem qual era o empreendimento, justamente o mesmo. Falei apenas que não estava interessado pois sou do interior, de São José dos Campos e que por este preço eu compraria uma bela casa, num bairro mediano, com piscina e tudo. Ele me disse que o preço era por ser SP custo de vida maior. Respondi que prefiro morar no interior, ganhar menos e pagar o preço justo pelas coisas, do que ganhar bem trabalhando em SP e pagar caro por tudo.
    Depois refletindo, sinto que infelizmente, se tudo continuar neste ritmo, minha tese interiorana não será mais válida. Restando-me diminuir o padrão de vida, frente a loucura dos preços.

    0
    • aiwww 20 de setembro de 2011 at 13:04

      olha, pelo menos esse caixote é novo .. aqui no Rio um caixote menor (20 m2) e caindo aos pedaços é mais caro .. e o lha que a renda per capita no Rio é R$21.621,00 e em São Paulo é R$ 32 493,96 … ou seja 50% maior que a do Rio .. pode chorar vendo esse anúncio w w w.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-venda-RIO-DE-JANEIRO-LEBLON-RUA-ARISTIDES-ESPINOLA/ID-2263161 … uma EXCELENTE OPORTUNIDADE !!! POR APENAS R$ 24.393 O METRO QUADRADO !!! … POR 26 METROS VOCÊ PAGARIA R$ 683.000 🙂

      0
      • Vinicius Lima 20 de setembro de 2011 at 13:23

        SEN-SA-CIO-NAL!!!!

        Agora, anunciar a esse preço é mole, o difícil é vender….

        Vlw!!!

        0
  • Marcos 20 de setembro de 2011 at 13:08

    Vamos comprar imóvel que esta tudo perfeito.

    IMOB => queda de 0,81%
    IBOV => alta de 0,56%

    Empresa não ta com nada. Negócio bom é comprar imóvel…rs

    0
  • aiwww 20 de setembro de 2011 at 13:09

    Percebi um detalhe nesse anúncio … o anúncio é da Julio Bogoricin .. ou seja .. é pura manipulação .. porque ninguém compraria uma porcaria dessas .. o jogo é simples .. você anuncia uma pocilga minúscula com o metro quadrado a R$ 300.000,00 .. e vai subindo o preço toda semana .. como a metragem é pequena e o valor é muito alto, isso influencia muito o índice Zap .. e dessa forma o índice é manipulado …

    0
  • Selvagem 20 de setembro de 2011 at 13:36

    Bolsa sobe e real state caindo.

    Para mim ainda tem muito chao ainda pra cair, em 2008 o imob chegou a 500, hoje ainda esta em 800. Cade aquela corretora que estava fixando target la em cima para as acoes.

    Honestamente quero mais que o circo pegue fogo.

    0
  • Elias 20 de setembro de 2011 at 13:44

    Chegamos ao ponto em que podemos usar a expressão em seu sentido literal: ” a casa vai cair”.

    kkkk

    0
  • DRN 20 de setembro de 2011 at 14:01

    Por conta dessa inflação continuo achando que a bolha não estoura. Ela murcha conforme o dragão da inflação lhe retirar o ar.

    http: / / economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/09/20/comer-fora-de-casa-fica-11-mais-caro-nos-ultimos-12-meses.jhtm

    0
  • Luiz 20 de setembro de 2011 at 14:14

    PDG ultrapassa GAfisa e passa a valer menos, apenas 6,72 a ação

    1
    2
    BISA3 6,31 -3,07% 13h56
    MRVE3 11,47 -3,04% 13h56
    5
    PDGR3 6,72 -2,89% 13h56
    RSID3 10,52 -2,77% 13h56
    GFSA3 6,74 -2,46% 13h56
    9
    CYRE3 13,45 -2,18% 13h56

    6 das 10 maiores quedas, advinha?

    0
  • Leonardo RJ 20 de setembro de 2011 at 14:17

    uma hipótese provável

    se a inflação continuar bombando, os preços vao estagnar e daqui há pouco 500 mil não vai ser tanta grana assim, pois vai estar tudo bem inflacionado, inclusive os salários

    0
    • Luiz 20 de setembro de 2011 at 14:41

      Se a inflação continuar bombando as construtoras vão quebrar todas elas.

      Fizeram as vendas e o orçamento com base num planejamento
      .
      Se explodir o preço de maodeobra e materiais haverá quebra de contrato, quebra de prazo, será um Deus nos acuda.

      A solução de desinflar a bolha com inflação não resolve, pq cria um porblema infinitamente maior.

      0
      • Guimarães 20 de setembro de 2011 at 19:41

        menos OURO amigão, na bolsa vc encontra com o código OZ1D. Esse ñ é “inflacionável”.
        []s

        0
  • Marcos 20 de setembro de 2011 at 15:02

    Tudo caminhando muito bem… Imóveis só sobe.

    IMOB ==> queda de 1,45%
    IBOV ==> alta de 0,42%

    Imóvel de 1 milhão na planta que é negócio bão! Compra lá rs

    0
  • DRN 20 de setembro de 2011 at 15:02

    Parece que a Vila Leopoldina é o nosso Botafogo.

    http: / / http://www.pdg.com.br/sao-paulo/vila-leopoldina/vila-nova-leopoldina-ii

    R$1,8 milhão num apto de 158 metros quadrados, em andar baixo?

    Acho que erraram ao fazer o upload da informação no site.

    0
  • Joy Division 20 de setembro de 2011 at 15:23

    Luiz
    Não é bem assim que se faz as contas.
    A base de cálculo é o valor venal sim da unidade imobiliária, contudo sob esta, além de estar defasada incidem fatores de correção tais como: posição, idade, tipologia (casa, apto, comercial etc..)
    Esses fatores são mais ou mesnos assim:
    a) a cada ano a base de cálculo reduz em 1%
    b) fator posição: frente (nada reduz); fundos (reduz 10%), vila (70%), encravado “quando se faz necessário utilizar servidão de passagem para chegar à rua (50%);
    c) apto de até 100m2 (reduz 10%); mais de 100m2 e menos de 300m2 (nada reduz), acima de 300m2 (acresce de 15%);
    d) afora estes, tb há um redutor que incide direto sobre o valor do tributo dá mesma forma que ocorre com o IR.

    Ps.; se não me engano a última atualização da planta de valore do RJ ocorreu na decáda de 90, por isso a alíquota é tão alta, não vai existir imóvel residencial com valor venal de uma milha.
    Uma coisa que pouca gente sabe, alguém chuta quanto os proprietários pagam pela área comum daqueles resorts lá barra? NENHUM CENTAVO (hã uma não incidência sobre elas). Agora se vc fizer uma piscina com um churrasqueira com aquela cobertura para não ficar no sol na sua casinha em big fields, vc irá pagar por ambas.

    0
    • Luiz 20 de setembro de 2011 at 15:55

      a questão que o nosso colega do trading cafe colocou é a seguinte.

      Quando vc compra um imovel e declara o valor da compra, automaticamente vc atualiza o valor venal, portanto valores que estvam defasados desde os anos 1990 passam a ter os valores do iptu corrigidos pelo valor do auge da bolha.

      Imagina que quando o valor cair 50%, o iptu vai continuar sendo cobrado no teto, ou vc já ouviu falar de devolução de impostos no país. Estou com o trading, esse será um problemão sim, vai lá no site dele e veja a questão colocada por inteiro

      0
      • Luiz 20 de setembro de 2011 at 17:20

        pesquisei melhor isso e oq escrevi acima, defendendo a tese do trading, e vi que está errado.

        As prefeituras atualizam o valor venal conforme querem. Sei que aqui em SP e outras prefeituras procuram atualizar com base no valor de mercado, mas isto não é regra, cada prefeitura faz as contas como quer e como pode, atualizam se quiser.

        Não é a toa que algumas cidades estão tão mal conservadas.

        0
        • joy division 20 de setembro de 2011 at 17:57

          Luiz
          Mesmo assim, qualquer alterção na planta de valores enseja majoração da base de cálculo do tributo. Assim, somente por lei isso vai pode ocorrer.
          Jamais passaria em uma Câmara Municipal atualização da planta de valores baseado nos patamares atuais.
          Agora quanto ao ITBI isso é outro papo, aqui é o valor declaro ou média do valor de mercado, dos dois o maior.

          0
          • Luiz 20 de setembro de 2011 at 18:50

            Joy, uma duvida, acredito que a aliquota seja estabelecida por lei, mas a atualização da base de calculo me parece ser atribuição do executivo, basta um decreto, certo?

            Lembro do caso da ex-prefeita e ex-sexologa martaxa suplicy que mexeu nisso e toda a família dela, ex-millionarios decadentes, ficaram devendo pra prefeitura.

            Denovo a questão politca, sendo assim, vc não acha que pode haver alteração nisso, oras alguém vai ter que pagar pelo custeio de toda essa infra em obras, o tal legado da copa e das olimpiadas, o governo federal ta pagando pra fazer, mas vai pagar pra manter? Eles vão ter que atualizar isso aí, não pode a cidade cheia de milionarios e a cidade desabando por falta de manutenção, pode?

            0
  • Sérgio 20 de setembro de 2011 at 15:23

    A coisa da quente na bolsa: apesar de o bovespa conseguir se sustentar próximo à estabilidade, construtoras derretem com o calor da realidade de agora, 14 h 56min:
    .
    Código Preço Dia Ano

    PDGR3 6,67 -3,6% -33,2%
    CYRE3 13,37 -2,8% -37,5%
    MRVE3 11,40 -3,6% -26,0%
    GFSA3 6,68 -3,3% -43,2%
    RSID3 10,50 -3,0% -27,4%
    BISA3 6,24 -4,2% -25,5%
    EVEN3 6,13 -3,3% -26,5%
    EZTC3 13,95 -2,1% 1,9%
    TCSA3 10,16 -1,2% -6,3%
    DIRR3 10,18 -3,1% -22,8%
    HBOR3 20,44 -1,7% 1,3%
    .
    Essa queda é normal; o que não é normal é a combinação de dois fatos: as grandes real state (todas na verdade) tiveram grandes quedas nos lucros líquidos apresentados referente ao 2º trimestre deste ano, em relação a igual período do ano passado: A Cyrela teve queda de 42%, a Gafisa, 74%, a Rossi, por exemplo, teve queda de APENAS 22%.
    O Lehman Brother, que era uma financeira de construtora, travestida de banco, caiu 50% e foi o fim do mundo: HÁ ALGO DE MUITO PODRE NO REINO DA BANÂNIA.
    Por quanto tempo mais o esquema ponzi funcionará?

    0
  • Marcelo 20 de setembro de 2011 at 15:26

    Uma diferença que notei hoje, mesmo a bolsa estando no azul hoje, as ações de todas as construtoras estão no negativo, isso não acontecia antes. Quando a bolsa subia, elas subiam juntas.

    0
  • DRN 20 de setembro de 2011 at 15:46

    Parece que a Vila Leopoldina é o nosso Botafogo.

    http: / / http://www.pdg.com.br/sao-paulo/vila-leopoldina/vila-nova-leopoldina-ii

    R$1,8 milhão num apto de 158 metros quadrados, em andar baixo?

    Devem ter errado ao fazer o upload da informação no site…

    0
  • DRN 20 de setembro de 2011 at 15:47

    Parece que a Vila Leopoldina é o nosso Botafogo.

    Vejam o Vila Nova Leopoldina II no site da P D G.

    R$1,8 milhão num apto de 158 metros quadrados, em andar baixo?

    Acho que erraram ao fazer o upload da informação no site.

    0
    • Anonymous 20 de setembro de 2011 at 15:51

      É mais do que 1 milhão de DOLARES. Nos EUA, com esse valor, um casal compra uma casa nova em condominio de uns 250 m2, 2 carros novos e alguns imóveis para rendimento e APOSENTA!!! A Banânia está completamento louca!!!

      0
  • Luiz 20 de setembro de 2011 at 15:51

    ô Bolha, faz aí um bolhão, ops, um bolão pra ver qual construtora pede arrego primeiro pro governo , e é claro usando apelidos.

    0
  • Sérgio 20 de setembro de 2011 at 15:55

    Para quem gosta de números.
    .
    Somente das 5 grandes, Gafisa, MRV, Cirela, Brookfield e Even, construiram entre 2009 e 2010, nada menos que 42.373.639 metros quadrados de imóveis. Isso representa APENAS 15% do que foi construído pelas 100 maiores construtoras brasileiras. Aqui não leva em conta as centenas, talvez milhares de outras construtoras, tampouco as construções de especuladores individuais.
    .
    Mas voltando ao tema: é muito metro quadrado para vender a preços absurdos.
    .
    Nota: não consta dados referentes a 2011!
    .
    Em 2012, tenha cuidado ao sair nas ruas: estará chovendo metro quadrado de imóveis em nossas cabeças.
    .
    hoje eu quero é me divertir… he he he.
    dados em (h t t p : / / w ww.revistainfra.com.br/textos.asp?codigo=10469) e (h t t p : / / w ww.portalvgv.com.br/site/wp-content/uploads/2011/03/classificacao_100_maiores_ranking.jpg)
    .
    Matando a cobra e mostrando o pau!

    0
    • Rogério 20 de setembro de 2011 at 18:00

      Sérgio,

      Muita coisa mesmo!!!! Eles apostaram muito alto!!! Sei que é bem dificil mensurar isso, agora seria bem interessante saber quanto destes 42.373.639 metros quadrados de imóveis foram entregues e quantos estão a ser entregues, mesmo uma estimativa.
      Porque quanto mais imóveis tiverem a ser entregues no final deste ano e no próximo maior será o problema nas mãos dos especuladores e das construtoras e consequentemente maior será á pressão para a queda destes valores absurdos.

      0
      • Guilherme Eduardo 20 de setembro de 2011 at 23:56

        Fazendo uma conta bem simples: Se considerarmos que esses 42.373.639 de metros quadrados são apenas apartamentos de 70 m2, teremos um total de 600.000 aptos. Se em cada apartamento residir apenas uma pessoa, pode-se concluir que foi construído uma cidade do tamanho de Cuiabá/MS ou Uberlândia/MG !!!!

        0
        • Sérgio 21 de setembro de 2011 at 10:21

          É bem isso. Ainda, não estamos levando em conta que só estamos falando dos números das 5 maiores; se juntarmos todas as 100, teríamos umas 7 Cuiabás. Se juntarmos todas as construtoras não listadas…..
          Choverá apartamento e casas em nosso País no próximo ano, a preço de banana.

          0
  • Carlos Wagner 20 de setembro de 2011 at 15:59

    Vejam quem são os responsaveis pela sustentabilidade dos preços do imoveis no Brasil.

    http: // mais.uol.com.br/view/85r7d735pwrw/bolo–aniversario-de-sp-no-bexiga-04023064C8895346?fullimage=1&types=A

    0
    • Evandro CPS 20 de setembro de 2011 at 16:18

      Sem comentários!!!! Meu Deus.

      0
  • Evandro CPS 20 de setembro de 2011 at 16:57

    As noticias começam a pipocar sutilmente…

    h t t p : / /www1.folha.uol.com.br/poder/978019-renda-do-brasileiro-esta-mais-comprometida-com-dividas-diz-bc.shtml

    0
  • Marcelo 20 de setembro de 2011 at 17:06

    Piada do “Melhores do Mundo” no Teatro Nacional no ultimo espetaculo, Codinome: Perigo:
    Personagem confabulando:
    _ “O McCoy fez a maior burrada da sua vida por ter saido da policia…”
    _ “Pensando bem ele fez uma burrada pior, COMPROU UM APARTAMENTO EM AGUAS CLARAS!”
    Isso ai, “investir” em AC ja virou piada regional, so nao se tornou nacional porque com certeza em outras cidades o pessoal nao iria entender, alem disso provavelmente nas GRANDES CIDADES DO BRASIL, NO MOMENTO, DEVE TER ALGO DO TIPO “AGUAS CLARAS” pro pessoal do teatro sacanear.

    0
    • Carlos__ 20 de setembro de 2011 at 17:12

      Outra piada já clássica da bolha é essa:

      Pedro Bial – Parabens fulano, você foi o vencedor do BBB. E agora, o que vai fazer com o prêmio de 2 milhões?
      Vencedor – Vou comprar um apartamento.
      Pedro Bial – E o resto?
      Vencedor – O resto? Bem, o resto eu financio pela caixa.

      0
      • Elias 20 de setembro de 2011 at 17:34

        Excelente!

        0
      • Vinicius Lima 20 de setembro de 2011 at 18:43

        Hahahahahahhahahahahahaha!!!

        Muito boa mesmo…

        0
  • Evandro CPS 20 de setembro de 2011 at 17:08

    Ações de construção caem com IPCA e reajuste salarial

    h t t p : / /economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201109201912_RTR_1316545975nS1E78J187

    0
  • Carlos__ 20 de setembro de 2011 at 17:09

    O que é isso? Bolsa quase fechando, só dá IMOB no top 4 das maiores quedas e o índice está caindo 3 vezes mais do que o Ibovespa.

    Baixa maior que 6% nas 4 grandes do setor. E isso com o M2 mais caro da história economica do Brasil. Esses diretores devem estar roubando dinheiro, só pode ser. Qualquer semianalfabeto está ganhando dinheiro construindo casas por conta própria, e os poderosos executivos, com seus MBAs no exterior, vão falir as 4 maiores construtoras do Brasil. Como é possível um negócio desses?

    E nenhum analista fala nada. Parece que o assunto é tabu. São todos papagaios, só conseguem falar aquilo que escutam, jamais falar algo novo.

    #PDG REALT ON NM 6,45 -6,79
    #BROOKFIELD ON NM 6,07 -6,76
    #ROSSI RESID ON NM 10,11 -6,56
    #MRV ON NM 11,09 -6,25

    0
    • FQ 20 de setembro de 2011 at 17:15

      Pois é…

      0
  • Elias 20 de setembro de 2011 at 17:55

    Relatório do FMI divulgado nesta terça-feira

    “Os riscos à estabilidade financeira em todas essas economias (de Brasil e outros emergentes) devem ser monitorados por algum tempo, devido ao grande volume de crescimento de crédito nos últimos cinco anos”

    h ttp://w ww.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/09/110920_fmi_relatorio_ac.shtml

    0
  • Rogerio 20 de setembro de 2011 at 18:25

    Hoje enviei um e-mail para o Creci-Sp perguntado sobre os relatórios de Julho e Agosto, recebi está resposta.

    A Pesquisa da Capital de Julho/11 será divulgada até 27/09 e a de Agosto até 21/10 (Datas Previstas). Qualquer outra dúvida, estamos a sua disposição

    Vamos aguardar, ansiosamente!

    0
  • Ócio Livre 20 de setembro de 2011 at 19:23
  • MrK 20 de setembro de 2011 at 19:41

    Pessoal, estou apostando que o 1o semestre de 2012 será o marco…

    Como o ano está acabando, as construtoras, creci, secovis & cia. vão empurrando com a barriga, esperando o 13o e qualquer alento pras vendas… mesmo as vendas muito ruins vão demorar a aparecer, já que estão travando os relatórios por 2 meses.. e o fipezap? Bem, esse vai continuar com sua alta rumo ao planeta loucura… vamo levando, né?

    Agora, 2012 é outra história, passou o 13o, crise mundial cada vez mais esquisita, construtoras se degladiando com seus relatórios anuais e um monte de apartamento chegando ao mercado (os vendidos em 2009), além de vários outros cada vez mais pertos da entrega… e a demanda azeda, os especuladores de 2010 vão suar frio, vendo os de 2009 sofrendo pra repassar ágio

    seguuuuuuuuuuuura peão!

    0
    • Guimarães 20 de setembro de 2011 at 19:51

      “enquanto isso na sala de justiça” vou comprado de ouro na BM&F pagando meu flat tranquilo … Se meus planos estiverem corretos, minha 1a unidade habitacional própria será adquirida em um leilão judicial. Me pergunto se em 2012 ou em 2013. Vai saber, né, de repente bate até no final deste ano. Uma coisa aprendi na bolsa e estudando economia, o pânico é geralmente mais agressivo que a euforia.

      []s

      0
      • Guimarães 20 de setembro de 2011 at 19:52

        leia-se, “pagando o ALUGUEL do flat aonde moro” …

        0
  • trololó 20 de setembro de 2011 at 19:58

    galera acorda.. a midia chapa branca já começa a admitir a bolha imobiliária, certo?

    agora a midia chapa branca começa a procurar o culpado, pra aliviar a barra do governo, e não é ninguém mais ninguém menos do que a CRISE INTERNACIONAL que vai ferrar o brasil…

    O Banco Central apontou na terça-feira (20), no Relatório de Estabilidade Financeira – publicação semestral elaborada pela autoridade monetária –, que a piora do cenário econômico-financeiro internacional pode provocar aumento do desemprego e redução da renda no Brasil. Com esse cenário de estresse, haveria aumento da inadimplência, provocado pelo “crescente endividamento das famílias nos últimos anos”.

    Segundo o documento, “os cenários de curto e médio prazo podem apresentar desafios às instituições do sistema bancário, dependendo principalmente da repercussão interna dos desdobramentos associados ao cenário financeiro internacional”.

    No entanto, o risco de liquidez é considerado baixo. “A rentabilidade do sistema bancário foi mais uma vez determinada pela dinâmica das variáveis relativas ao crédito. Se, por um lado, as despesas de provisão aumentaram, acompanhando a elevação da inadimplência, por outro, a ampliação da carteira (…) permitiu aos bancos aumentarem o resultado de intermediação financeira e, consequentemente, o lucro e a rentabilidade”. Em economia, a liquidez diz respeito a ativos que facilmente podem ser convertidos em dinheiro vivo, como bens, títulos e ações. Nesse caso, o risco de liquidez das instituições f inanceiras, avaliado pelo BC, diz respeito ao risco de colapso, de falência.

    Na avaliação do diretor de Fiscalização do Banco Central, Anthero Meirelles, mesmo em cenários de bastante instabilidade, o Brasil está preparado para enfrentar o problema. “O sistema financeiro brasileiro resistiria muito bem a esses choques. Mesmo choques bastante rigorosos não representariam, por si só, ameaça à estabilidade do sistema financeiro brasileiro”, disse.

    0
  • Eduardo 20 de setembro de 2011 at 20:41

    Para quem achava que ja estava ruim, parece que vai piorar. O video do link abaixo traz comentario de Jim Chanos, explicando que nas principais cidades da China ja se observa queda de ate 50% nas vendas de imoveis quando comparado com o ano passado. Ate o meio do ano, a queda anualizada era de cerca de 10-15%.
    O que voces acham que acontecera com os precos de imoveis daqui quando chineses venderem acoes, reduzirem as compras e cotacao de minerio de ferro, as acoes da Vale e Petro cairem? Menos emprego, dolar mais valorizado, necessidade de subir juros para conter inflacao…
    O mais interessante foi a frase de Chanos: ‘it”s not going to happen; it”s happening'”

    http://w w w . bloomberg .com /video/75801898/

    0
    • MrK 20 de setembro de 2011 at 21:28

      Eduardo, na minha humilde opinião não precisamos de NINGUÉM pra fazer os precos aqui desabarem, a m. toda foi feita com produto 100% nacional

      é claro que se houver contágio de crise externa, a situação piora ainda mais, mas penso eu que independentemente de China, BRICS, Europa ou EUA, o mercado imobiliário nacional está fadado ao fracasso em função principalmente da especulação nacional, da má gestão do governo daqui e das construtoras locais, é m. 100% made in brazil!

      0
  • Mahmoud 20 de setembro de 2011 at 21:10

    Esse custo de vida no Brasil é realmente indecente. Só para ter idéia, morei 2,5 anos na Califórnia 7 anos atrás, as boates que eu frequentava eram de graça, algumas pagava-se 5 dólares para entrar. Um amigo meu disse que em São Paulo tem boate da moda que tá cobrando 300 reais.

    Os estacionamentos de shoppings eram todos de graça nos EUA, aqui no Brasil já tem lugar cobrando 30 reais. Imóveis é até covardia comparar. Fora que os 2 primeiros anos de faculdade dos americanos são de graça nos Colleges, além de receberem gratuitamente os melhores livros acadêmicos zerados.

    Outro dia li uma reportagem de um cara comparando o custo de vida da Alemanha com o do Brasil. Fiquei surpreso de como a Alemanha é mais barata que o Brasil. Por ser um país na Europa, com uma mão de obra especializadíssima e cara e por ser o país mais rico e desenvolvido da Europa, pensei que o custo de vida deles era muito mais caro que o favelão Brasil aqui. Mas não…..piada isso viu

    0
  • Carlos__ 20 de setembro de 2011 at 21:34

    Mahmoud, estou na Alemanha nesse momento. De um modo geral, a Alemanha é MUITO mais barata que o Brasil.

    Aqui faz parte da política habitacional evitar que o custo de moradia fique muito caro. A moradia cara deixa tudo mais caro em uma economia, e tira a competividade. O pesadelo do governo alemão é virar uma inglaterra: país caro e pouco competitivo.

    Quanto a esse pessoal que paga 30 para parar no shopping e 300 para ir a boate, infelizmente no Brasil tem muita gente com um dinheiro mágico, de ‘origem maravilhosa’ como diria o Maluf. Mas além desses bandidos, as pessoas aí de um modo geral não dão valor para o dinheiro e para o próprio trabalho. Aceitam pagar preços absurdos, aceitam aumentos abusivos, aceitam juros extorsivos. Por isso fico desanimado com o Brasil. Fica difícil competir com a burrice dessas pessoas que inflacionam tudo por não saberem consumir e valorizar o próprio dinheiro suado.

    0
    • Felipe 20 de setembro de 2011 at 22:23

      Carlos, e digo mais, a gente não tem idéia de quanta gente ganha dinheiro de modo ilícito nessa terra…

      0
  • Sérgio 20 de setembro de 2011 at 21:44

    Até hoje, o aumento da renda do brasileiro, especialmente os da classe D e C é que foi o motivo do aumento dos preços, justificavam. Agora – ESTRANHAMENTE – as mesmas classes que têm reajuste salarial são as culpadas pelo DERRETIMENTO das ações das real state: O DESESPERO TOMA CONTA!
    .
    “”Ações de construção caem com IPCA e reajuste salarial
    20 de setembro de 2011 • 16h12 • atualizado 16h40
    comentarios
    1
    Noticia
    Reducir
    Normal
    Aumentar
    Imprimir
    As ações do setor de construção operavam com quedas nesta sessão, influenciadas pela inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), acima das expectativas, e pelo receio do mercado de que os reajustes salariais tenham impacto negativo nos resultados das empresas do setor imobiliário no terceiro trimestre. Às 16h11, as ações da Brookfield recuavam 5,99%, as da MRV Engenharia caíam 5,07% e as da PDG Realty desvalorizavam 5,35%.
    Os papéis da Rossi Residencial e os da Cyrela também tinham baixa ao redor de 5%. As ações estavam entre as maiores quedas do Ibovespa, que perdia 0,67%. O setor imobiliário era o que tinha maior influência negativa sobre a carteira teórica. Segundo a equipe de análise da XP Investimentos, há um receio grande por conta da inflação, que prejudica o setor.
    Nesta terça-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítisca (IBGE) informou que o IPCA-15 subiu 0,53%em setembro, ante alta de 0,27%em agosto. Analistas consultados pela Reuters previam alta de 0,48%, de acordo com a mediana de 13 respostas. A equipe da XP lembrou ainda que as construtoras enfrentam dificuldade em encontrar mão-de-obra e reajustes salariais altos.””
    .
    Quando o ano de 2012 começar – no mais tardar – a BOLHA estoura.

    0
    • MrK 20 de setembro de 2011 at 22:06

      Quando o ano de 2012 começar – no mais tardar – a BOLHA estoura.

      concordo, falei disso hoje mesmo

      acho até, amigo Sergio, que a bolha pode não atingir o fundo do poço ainda em 2012, mas certamente os precos comecam a descer no maximo no 1o semestre de 2012, não vejo como resistir mais que isso, vai exigir MUITA criatividade do governo pra postergar além disso…

      0
      • Sérgio 21 de setembro de 2011 at 10:30

        Até há um tempo atrás eu não acreditava que a Dilma fosse se valer daquela bendita lei de salvamento das construtoras e bancos de investimento. Mas depois do que ela fez com os automóveis.
        Bem, mesmo que o governo entre no ramo imobiliário, pode ser que as construtoras não quebrem, oficialmente, mas continuarão sem vender casas. Nesse caso, não creio que o governo aja como especulador: resultado é que os preços, no mínimo, vão desabar, só que com outro nome, tipo: ação continuada planejada de estimulo às aquisições de moradias multi-padrão; terão até novo cargo: assessor especial para assuntos imobiliários pleno, da secretaria especial de coordenação de planos habitacionais, da coordenação nacional especial …, do Ministério das Cidades.
        .
        He he he… Vai ter até concurso federal ano que vem: corretor federal…. quero ver algum desses jumentos que trabalham de corretor passa. Ainda mais se for o cespe. he he he

        0
  • ildeu 20 de setembro de 2011 at 22:18

    salario alto e pobreza juntas , eis minha realidade .De que adianta ganhar bem, se não consigo comprar nada ?antigamente com o que tiunha aplicado comprava 2 casas , hj não compro nem uma.Tenho 3 empregos [sou médico ] e já estou largando 1 pois vejo que não adianta trabalhar muito ,com os preços assim.Não vou trocar o fruto de meu trabalho de um vida por um imovel , prefiro voltar pra casa de meus pais.asssim , mha renda fica boa pra fazer muitas coisas , mas pra comprar imoveis e viver de aluguel no fim da vida , ficou impossivel! Só pra manter mhas despesas , viajar etc… não preciso trabalhar tanto.Assim , a bolha não me estressa , o chato é aguentar a sogra mandando eu comprar casa rsrssrsr

    0
    • FQ 20 de setembro de 2011 at 22:24

      Se está ruim pra você que é médico, imagina pro resto…

      Quem vai segurar o mercado nesse preço?

      Aguenta a sogra mais um pouco que você vai se dar bem…Seja racional!

      0
      • FQ 20 de setembro de 2011 at 22:25

        Não venda seu CRM para a Gafisa ou Cyrela!!!

        0
        • Carlos Eduardo 20 de setembro de 2011 at 23:03

          Também moro de aluguel.. .
          que não é reajustado por esse igpm engana otário

          o meu CREA é meu,
          não trabalho para pagar costrutora!

          O que falta é o povo que mora de alguel começar a pechinchar e procurar melhores lugares com preços menores, isso sim começaria a mexer com o mercado!
          o cara perder o inquilino e ficar 6 messes para arrumar outro, até o outro sair também…

          0
    • Felipe 20 de setembro de 2011 at 22:26

      hhahahahaha pressão feminina é fogo mesmo…
      Pode se até ter uma estatística interessante: que 95% dos comentários aqui são feitos por homens.
      E aí bolha, vc tem como confirmar essa estatística?

      0
    • Italo 21 de setembro de 2011 at 19:24

      Ildeu,
      Também sou médico e a situação eh a mesma. O que tenho aplicado hoje compraria dois belos apartamentos muito bem localizados 3 anos atras. Hoje não compra nenhum do mesmo porte.
      Também sofro pressão de familiares e ate de alguns colegas de trabalho para comprar uma droga de imóvel.
      Considero que ganho muito bem (apesar de ter que lidar com planos de saúde) mas, quando para o preço dos imóveis, sinto como se fosse pobre (ou talvez seja mesmo e não soubesse)(ou então não fui incluído no espetáculo do crescimento do Lula)

      0
  • ildeu 20 de setembro de 2011 at 22:29

    sobre a queda das ações das imobiliarias ,é cedo pra falar .No incio das últimas altas , as ações da csn ficavam negativas e as da usiminas subindo , quando o pessoal migrou pra usiminas , eles fizeram as da csn ir a quase 17 reais , e a usiminas manteve-se em torno de 12 .Ainda acho que essas quedas podem ser operação” espanta sardinha”.Embora reconheço que está muito estranho.

    0
  • ildeu 20 de setembro de 2011 at 22:44

    ô pessoal , não sei se em suas cidade é assim , mas na mha , eu só vejo gente com renda muito abaixo da mha construindo casas , comprado carros de mais de 100 mil reais , gastando 300/400 reais em boate numa noite[ e saem quase todo dia] .Como pode isso ? esse país tá muito estranho , o cara monta uma loginha na periferia ou vive de compra-venda com 2 ou 3 carros e e em 3 anos compra mansão e anda de BMW , alguém me fala a mágica?

    0
    • carlos wagner 20 de setembro de 2011 at 22:49

      É verdade.

      Hoje mesmo um senhor foi nos visitar no serviço pra oferecer o imovel onde ele mora pra ver se tinhamos interesse em alugar. Ele estava dizendo que esta mudando pra um apartamento, pois é mais seguro, e que sobrou um dinheirinho no mês passado e ele resolveu comprar esse ap.

      Detalhe: O ap custa 650 mil.

      Eu estava comentando com a minha chefe quando ele foi embora: que gente diferenciada é essa que sobra um dinheirinho e compra um ap de 650 mil?

      Eu até briquei e disse: todos estão ficando milhonarios, nós estamos perdendo esse bonde e somos os unicos que vai continuar pobre nesse país.

      Ta tudo muito estranho.

      0
      • RT 21 de setembro de 2011 at 09:01

        “que gente diferenciada é essa que sobra um dinheirinho e compra um ap de 650 mil?”

        Concordo plenamente, Carlos.

        Parece que hoje, tudo tá assim. As pessoas parecem estar nadando em dinheiro. Sobra um “dinheirinho”, e elas compram apartamento de mais de meio milhão.

        Aí, os preços “normais” são de 900 mil…

        Também acho muito estranho.

        0
        • Leonardo RJ 21 de setembro de 2011 at 10:32

          To me sentindo igualzinho

          pior que não consigo entender o motivo desse pessoal estar nessa…

          0
  • MrK 20 de setembro de 2011 at 22:53

    Vejam essa reportagem do oglobo, vocês do blogs são inteligentes e sabem a verdade

    “BRASÍLIA – O Banco Central (BC) não descarta a possibilidade do aumento da inadimplência das pessoas físicas no país em decorrência da crise financeira internacional. É o que diz o Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado nesta terça-feira pelo BC. Isso pode ocorrer caso os desdobramentos do cenário financeiro internacional resultem em aumento do desemprego e em redução da renda, tendo em conta que nos últimos anos houve um crescente endividamento das famílias.”

    Agora me digam, de quem é a culpa se houver uma crise de inadimplencia, da “crise financeira internacional” ou do governo que incentivou a correr solto o crédito???

    ahhh dá um tempo né!?!?!

    0
  • matchoca 20 de setembro de 2011 at 22:56

    Acompanho o fórum há um bom tempo e gostaria de parabenizá-los pela qualidade dos posts, que vem melhorando a cada mês. Confesso que já estou viciado no fórum e não consigo mais ficar sem acompanhar as notícias e comentários ehhehe.

    Li alguns comentários que dizia que o governo vai acabar dando um “jeitinho brasileiro” de salvar as construtoras e que a bolha poderia murchar.

    Mas creio que os preços já chegaram num patamar insustentável.

    Acabaram com o sonho do brasileiro de comprar a casa própria. Eu sinceramente não sinto mais vontade de me endividar absurdamente pra morar num cortiço. Acho que tem muita gente que na pressão acabou comprando um apê horrível por um preço absurdo e agora tá pensando: “que bosta que eu fiz”…

    Bom, resumindo, acho q essa bolha imobiliaria vai estourar (junto com toda essa bolha de crédito) e não vai ter governo capaz de dar jeitinho nenhum…

    ” i come ladrillo !”

    0
    • RT 21 de setembro de 2011 at 08:58

      “Acabaram com o sonho do brasileiro de comprar a casa própria”

      Fato!

      Entretanto, a propaganda oficial é que ficou mais fácil… mesmo com os preços onde estão! Pode isso?

      No mais concordo contigo: acho que os preços estão em patamares que não tem jeitinho que resolva.

      0
  • ildeu 20 de setembro de 2011 at 22:59

    e meu vizinho que trabalha na cemig , a mulher não faz nada , e anda de L200 tritom e comprou um casa de 400 mil , detalhe , tem 10 anos de emprego[ só o carro vale 30 vezes seu salario ,pelo menos acho eu que um funcionario médio da cemig não ganha 5 mil reais ] .

    0
    • wow 20 de setembro de 2011 at 23:28

      ildeu, vc não ta loko não, eu moro em SP e o pessoal ta rico, muita gente que conheço gastando 1milhão , 1,5 milhoes…….BMW VIRO AGUA EM SP todo mundo tem…….

      agora daonde tem tanto nego tirando dinheiro pra comprar ap de 1milhao e carro de 120mil reais?

      0
    • Guilherme Eduardo 21 de setembro de 2011 at 00:26

      O carro não deve ser dele, mas sim de algum banco!!!!!

      O cachaceiro anda com a garrafa de pinga em baixo do braço. A nova classe média com os boletos dos financiamentos!!!! kkkkk

      As crianças de antigamente sonhavam em ter um carro, hoje sonham em ter cartão de crédito!!! kkkkkk

      0
      • RT 21 de setembro de 2011 at 08:55

        “O cachaceiro anda com a garrafa de pinga em baixo do braço. A nova classe média com os boletos dos financiamentos!!!!”

        Hahahaha, boa!

        0
  • Galvão 20 de setembro de 2011 at 23:28

    Esse negócio da bolha tá até engraçado. Aqui em Brasília, quando falo disso para os amigos e colegas, a maioria acha que estou lelé da cuca. Dizem que isso jamais vai acontecer, imóveis em Brasília é assim mesmo. Não cai não.

    Quando isso acontecer vai ter tanta gente ficando humilde pra falar comigo. hehehehehehe

    0
    • RT 21 de setembro de 2011 at 08:54

      “imóveis em Brasília é assim mesmo”

      “é assim mesmo”??? Só “é assim mesmo” de três anos pra cá!! Nos 20 anos anteriores, não era “assim mesmo”…

      Quando conversos com outras pessoas aqui no Rio, também tenho a sensação de que elas não percebem bem o que estão falando…

      0
  • Marcos 20 de setembro de 2011 at 23:36

    PessoAll,

    Acabei de ver que o IMOB fechou em -3,17%.

    Se construtora não é bom negócio, como imóvel na planta vai ser?

    0
  • ildeu 20 de setembro de 2011 at 23:39

    se fosse só bolha imobiliaria , eu me preocupo com outras bolhas .Ingressos , hoteis , restaurantes , colegios, impostos , encanador , lavagem de carro [a maior que já vi , neguim tá cobrando 40 reais pra lavar ] a 2 anos era 10 reais …rsrsrsrs viva o pt !

    0
    • carlos wagner 21 de setembro de 2011 at 00:20

      Ildeu

      Voce tem razão. Já observo isso ha um bom tempo, tudo no Brasil está ficando caro pra quem paga e pouco pra quem recebe.

      Nem tento explicar mais nada, não faz sentido pra mim…

      0
      • Guilherme Eduardo 21 de setembro de 2011 at 00:46

        É que uma coisa puxa a outra. Se o aluguel está mais caro, o bar vai aumentar a cerveja, e se a cerveja está mais cara o pedreiro vai cobrar mais também, e assim vai….

        0
    • Carlos Eduardo 21 de setembro de 2011 at 09:45

      acho que uma recessão, um pouco de desemprego, traria as coisas para o lugar que deviam estar!

      0
      • Vinicius Lima 21 de setembro de 2011 at 10:34

        Essa afirmação é meio cruel, mas parece uma triste solução para o Brasil…

        0
  • Mr. Alex 20 de setembro de 2011 at 23:51

    Semelhanças do Brasil com a China:

    * tem bolha imobiliária

    * tem protecionismo à indústria automobilística porque os carros são umas mirdas (aqui custa mais caro, é lógico)

    * tem trabalho escravo

    * o Governo só fiesta o povo e ainda assim o povo ama o Governo, nível de aprovação altíssimo, e quem não aprova “ou é louco ou é do contra ou já morreu” – vulgo mulher de mallandro – gluglu

    * o povo é ingênuo e sorridente (tem um colega na Embraer na China para confirmar), sorri até quando se fera, não se zanga – a não ser quando o Curintia perde… entenderam…

    * tudo que você compra de até 50 dólares é chinês ou dali de perto – até peixe do Walmart vem da China, Beeelo !

    * o povo vivi mal pra KCt mas não toca muito bumbo pra melhorar as coisas

    Complementem…

    0
    • Felipe 21 de setembro de 2011 at 08:36

      o povo é ingênuo e sorridente (tem um colega na Embraer na China para confirmar), sorri até quando se fera, não se zanga – a não ser quando o Curintia perde

      ahhaahhahaah hoje entao vai ter muita gente braba

      0
  • JPM 20 de setembro de 2011 at 23:59

    Gente, por mais que eu deteste o PT, temos que considerar que países com governo muito mais honesto e eficiente que o nosso tiveram bolha (Japão) e com muito mais educação financeira que o nosso (EUA) também.
    Então não dá para culpar os governos. Os culpados são os CORRETORES.
    Afinal, a profissão foi criada para orientar as pessoas na hora de comprar e vender imóveis, avaliando-os por um preço justo para evitar criar distorções no mercado, tanto para cima (bolha) como para baixo. Ninguém precisa de corretor para negociar o imóvel. Eles servem para orientar. e não fizeram seu trabalho.
    Motivados pela ganância, ficaram anos convencendo as pessoas que os imóveis devem mesmo subir 30% ao ano, para sempre. E agora que ninguém mais consegue comprar, não estão tendo sucesso em convencer as pessoas a abaixarem o preço dos imóveis para que consigam vendê-los.
    Acho que o governo devia era punir os CRECIs. Cadeia nos diretores e talvez extinção destes conselhos e da profissão. Deixe que o mercado se vira com a Internet.

    0
    • ildeu 21 de setembro de 2011 at 00:20

      mas a internet tbém foi responsável pelas altas , pois nela se escreve tudo, sem questionamento , e vira o tal “vai que cola” .Uma coisa é o vendedor dizer na sua cara que o ap custa 500 mil , outra é por na net .Retira as discussões e fica só a opinião do vendedor [ninguem escreve abaixo do anuncio que o preço está caro].E´ igual preço de hotel , na net é um , no balcão é mais barato.Isso sem dúvida ajudou a inflar os preços pois quem viu os anuncios especulativos caçando idiotas de plantão , foi aumentando os seus tbém.

      0
      • Guilherme Eduardo 21 de setembro de 2011 at 00:41

        Seria crime inflar o índice FIPEZAP??? poderíamos colocar anúncios de barracos na favela a R$ 40.000,00 o m2 !! =D Seria um catalizador para a bolha. Índice maior -> aumento de preço -> redução nas vendas -> desespero -> imóveis recém entregues com mega descontos!

        Não perca, últimas unidades! 80% vendido nas duas primeiras horas do lançamento! “imóvel” na melhor localização do morro XYZ ! Ótimo investimento, Favela MN é a região que mais valoriza na cidade! Comprando neste final de semana você ganha uma colete a prova de balas! Único 2 cômodos da região com varanda gourmet! Apenas R$ 800.000,00, com a entrada facilitada e financiamento pré-aprovado pela Caixa!

        0
        • RT 21 de setembro de 2011 at 08:33

          Pode citar o vistão pra Baía de Guanabara, por exemplo.

          Se alguém contestas o preço, dizendo que está muito caro… é só dizer que “está valorizando devido às recentes obras do PAC e às UPPs”. Além disso, como a moda agora é dizer que gringo se amarra nas nossas favelas, pode-se mencionar a possibilidade de aluguel por temporada, principalmente na Copa, Olimpíadas e vinda do Papa, criando-se assim uma oportunidade de ouro para investir!

          0
    • RT 21 de setembro de 2011 at 08:42

      Também tem as construtoras nisso aí, né?

      Corretores quase sempre são pessoas sem instrução, malandros querendo ganhar dinheiro fácil. Notem que eu disse QUASE sempre, pois existem exceções.

      Mas as construtoras fazem seus estudos de mercado, projeções de demanda, potenciais de venda e o caralho a quatro, tudo com gente que teoricamente entende do assunto… e o resultado desses estudos são preços “justos” de 900 mil a torto e a direito, devido ao “crescimento de renda” e ao “surgimento da nova classe média”?? Qualquer jumento percebe que essa conta não fecha! O que deixa no ar a pergunta: como eles chegaram nesse resultado?

      Acho que “culpados” são todos os que tentaram ganhar dinheiro fácil. Mas na verdade, não os condeno, pois não fizeram nada de ilegal.

      Se eu tenho uma padaria e decido botar o quilo de açúcar a 20 reais, problema meu. Se você quiser comprar, não pode me culpar.

      O problema é que vão ter que pagar pelo que fizeram. No início, pegaram alguns otários. Mas abusaram tanto que travaram as próprias vendas, e agora vão tomar no rabo.

      0
      • JPM 21 de setembro de 2011 at 09:12

        Mas é aí que eu queria chegar! Se você puser o quilo do açúcar a R$ 20, e alguém comprar, bom pra você, ruim para ele que não pesquisou nas outras padarias. Mas os clientes da padaria não têm um Corretor de Açúcar credenciado dizendo para elas que o preço é aquele mesmo, que o produto valorizou muito, que ficou com o preço baixo artificialmente por anos (o pior é que no caso do açúcar é verdade, mas no dos imóveis não).
        No caso do preço abusivo pedido pelas construtoras, os corretores tinham o dever de não recomendar a compra, o que invariavelmente faria as construtoras baixarem os preços. Parece um tiro no pé, mas não é. Com preços menores, estariam vendendo bastante. Mas preferiram entrar na onda e ganhar comissões mais gordas. Em um mercado cuja oferta tem uma inércia enorme para se ajustar, os participantes têm que pensar como no xadrez, prevendo os movimentos futuros, ao invés de olhar apenas a jogada do momento.

        0
        • RT 21 de setembro de 2011 at 09:23

          Interessante seu ponto de vista.

          Mas eu discordo em um ponto, que é quando você diz que “os corretores tinham o dever de não recomendar a compra”.

          É o seguinte: eu não vejo os corretores como cientes de que os preços estão impraticáveis. Não acho que eles tenham a certeza que nós temos aqui, e nem que pensem muito nisso. Eu acho que eles querem é se manter acreditando de todo jeito que os preços estão, sim, normais. Estão babando enquanto pensam no tanto de dinheiro que podem ganhar. É normal do ser humano querer acreditar no que é melhor pra ele.

          Mas é como eu disse: os corretores não têm os estudos à sua disposição, ou o conhecimento necessário, para estimar o preço correto de um imóvel. Eles vão na onda, justificando para o consumidos com aqueles discursos decorados.

          No caso das construtoras, eu creio que estas, sim, teriam como estimar preços mais coerentes com a realidade. Porque não o fizeram, e não o fazem, é a questão…

          0
  • Carlos Eduardo 21 de setembro de 2011 at 00:47

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+brasil,bndespar-nao-usa-dinheiro-subsidiado-em-seus-investimentos-diz-diretor,84915,0.htm

    interessante como O BNDES investe grana para a sadia não quebrar…
    investe tanto dinheiro nessas empresas e o custo de vida no brasil é tão alto!

    investe tanto nas construtoras e pagamos tão caro, investe tanto em etanol e nosso alcool e açucar são tão caros, investe tanto e frigorificos e a carne custa tão caro além dos derivados do leite!

    Um dos maiores produtores de alimentos do mundo, sofrendo forte inflação no setor de alimentos, não é fantástico…

    a vida era melhor antes do BNDES, quando as empresas tinham que vale da propria competência e não ficava chovendo dinheiro publico…

    PODIAM USAR O DINHEIRO DO BNDES PARA A SAÚDE, ou não ?

    impreciona ver como usam nossos impostos para piorar as nossas vidas..

    isso que é um governo que dá gosto!

    0
  • Anonymous 21 de setembro de 2011 at 04:05

    Alguns meses atrás, a Camargo Correa fez uma verdadeira liquidação de imóveis. Acredito que não vendeu nada, pois as “ofertas imperdíveis” no website continuam as mesmas. Esses projetos são as típicas moradias cujos preços estão muito acima da renda dos potenciais compradores. Vamos prestar atenção, pois acredito que muitos vão fracassar. Aliás, alguns já fracassaram pois o website menciona lançamento em 2009 com estágio da obra ainda na fase de lançamento. Tem também alguns prontos para morar ainda na fase de construção.

    www . oportunidadescamargocorrea . com . br

    0
  • Pedro 21 de setembro de 2011 at 08:45

    Em BH as vendas caíram mais de 30% e os preços continuam subindo, que lei de mercado é essa??

    Olhem o que disse Carlos Henrique Monte Mor, gerente comercial da construtora Lider:
    “As pessoas ficam sabendo das notícias das dificuldades do mercado europeu e ficam apreensivas na hora de fechar o negócio”

    Até parece que o brasileiro está preocupado com alguma crise, a grande maioria não se interessa por economia, eles não compram simplesmente por que não podem pagar, e não porque esse ou aquele país está em crise… QUANTA FALÁCIA!!!!!

    0
  • MrK 21 de setembro de 2011 at 09:30

    Da séria “eu avisei”, eu lembro de comentar há alguns meses que as greves pipocariam, pra todos os lados.. pois bem

    bombeiros, policiais, pessoal da copa, agora médicos… vão se acostumando, isso era totalmente previsivel e o motivo é fácil de entender: A INFLAÇÃO real está muito acima da farsa oficial, logo o povo sente no bolso o poder de compra sumir e comeca a protestar em desespero.

    NÃO ADIANTA NADA ter reajuste “acima da inflação” , ora bolas, esse reajuste que o governo comemora cmo acima da inflação é de 7%…8%…quando a inflação real é de 15% !!! piada!!

    0
  • Mauro 21 de setembro de 2011 at 09:37

    Prezados,

    No programa da Ana Maria Braga, o Jorge Vidor falou sobre o alto endividamento das famílias brasileiras, e apostou que, daqui a algum tempo, muitas liquidações vão surgir. A Globo já mudando de opinião! Amanhã, sai no Jornal Nacional!!!! Que a Bolha exploda e os preços, principalmente dos imóveis, despenquem!!!!

    0
  • FSH 21 de setembro de 2011 at 09:41

    Todo mundo falando da queda das ações das construtoras … engraçado que este é o ramo onde as vendas diminuem, tem crise mundial e mesmo assim o preço do imovel continua subindo, pq afinal é um ótimo negócio que sempre valoriza, certo? 😉

    Agora vejam só … não são apenas as ações das construtoras que estão caindo, existem outras, mas pq isso acontece? Com a crise os investidores ficam mais avessos ao risco, tiram suas aplicações dos investimentos mais arriscados para colocar em mais seguros.

    Oras, se o negocio imobiliario no Brasil é tão bom como as contrutoras e imobiliarias dizem aqui, pq esses investidores estão tirando seu capital investidos nelas? Simples: aqui temos uma visão distorcida do governo e da mídia, os caras lá fora tem outra visão de mercado e o que está por vir com esta crise, mas poucos aqui conseguem notar. A última ata do Copom é pra fazer temer na base.

    Apertem os cintos ….

    0
  • Platao 21 de setembro de 2011 at 09:47

    Decreto
    Novo índice de preços será medidor de eventual bolha no mercado

    Crescimento do crédito imobiliário foi ponto de partida para o governo federal criar o indicador

    Publicado em 21/09/2011 | Ana Carolina Nery, com Agência O Globo

    A expansão do crédito imobiliário, assim como o crescimento do segmento e discussões em torno de uma eventual formação de bolha no setor levou o governo federal a criar um índice de preços de imóveis. O decreto 7.565, que estabelece sua criação e ma­­nutenção, foi publicado na última sexta-feira no Diário Oficial da União. As definições de metodologia de cálculo, implementação, manutenção e aprimoramento, ficarão a cargo do Insti­tu­to Brasileiro de Geografia e Es­­tatística (IBGE). O cronograma ainda será definido e não há previsão sobre data de publicação das primeiras estatísticas.

    Executivos do mercado imobiliário de Curitiba consultados pela reportagem aprovam a criação do índice, mas admitem certo receio. A expectativa é que o indicador retrate a situação do mercado corretamente. “É salutar, porque me parece que estamos vivendo uma descontextualização do mercado. As cidades têm um dinamismo muito diferente e o resultado de uma não pode ser transferido para a ou­­tra”, avalia o presidente da construtora Partilha, Antonio Carlos Marques Júnior.

    Ele cita como exemplo a queda em 31% nas vendas de imóveis novos em São Paulo, divulgada na semana passada. “Deve­mos lembrar que o mercado vem de uma fase de crescimento que é histórica. Claro que a base estatística au­­mentou”, afirma. Marques Júnior compara o desempenho recente das vendas com um time de futebol. “A equipe que ganha de 10 a 0 de seus adversários durante várias partidas seguidas e, depois, passa a ganhar de 3 a 0 não está em crise. Também é assim com os imóveis.”

    Brasil X EUA

    A situação vivida no mercado brasileiro tem sido comparada ao que ocorre nos Estados Uni­dos de forma equivocada, avaliam os executivos. “Lá houve uma de­­formação do processo. O Brasil tem demanda, déficit habitacional.” Segundo o diretor comercial da VCG Empreen­dimentos, Alexandre Vianna, pesquisas no mercado curitibano traçam um longo caminho a percorrer. “A procura por crédito é uma tendência natural. Vem com a entrega de empreendimentos lançados há dois, três anos, cujo saldo final está sendo financiado agora.”

    Confusão

    Para o presidente da Redeimóveis –, que reúne 12 imobiliárias de Curitiba, Sidney Axelrud, uma das desvantagens é a interferência no valor de mercado. “Dará uma balizada”, diz. Ele afirma ainda que há o risco de confusão no caso de diferenças no cruzamento de dados com o que existe, como o mapeamento realizado pela Caixa Econômica Federal e as prefeituras.

    0
    • Adriano 21 de setembro de 2011 at 10:48

      Os FDP’s estão desesperados. Porque hoje quem libera os indíces oficiais (completamente manipulados) são basicamente SECOVI, CRESCI e FIPEZAPI. Se o IBGE trabalhar com o mínimo de seriedade, teremos uma visão MUITO melhor do mercado. Infelizmente, o índice vai chegar tarde demaaaaaaisss. Melhor que nada.

      0
  • FQ 21 de setembro de 2011 at 09:50

    ATENÇÃO

    Este é o maior site/Forum de investidores do Brasil. Há um tópico no Fórum discutindo as ações da Gafisa. Entrei, falei da Bolha, e começou uma discussão. Vejam.

    http://br.advfn.com/p.php?pid=fbb_thread&bb_id=11&id=9489530

    Outra coisa, neste forum, descobri que nos últimos dias o Itau e XP investimento estão vendendo lotes enormes de ações das construtoras, desfazendo suas posições neste ativo.

    0
  • VALDECIR 21 de setembro de 2011 at 10:00

    Vendas de imóveis caem 30,5% na capital mineira

    Recuo dos lançamentos pode explicar desaquecimento no primeiro semestre de 2011, já que preços sobem acima da inflação. Maior queda foi em unidades de R$ 100 mil a R$ 500 mil

    Geórgea Choucair – Estado de Minas

    Publicação: 21/09/2011 06:00 Atualização: 21/09/2011 08:34

    O boom de negócios no segmento imobiliário de Belo Horizonte ficou para trás. O número de apartamentos novos comercializados na capital caiu 30,5% de janeiro a julho deste ano, na comparação com o mesmo período de 2010. Mas o interessado em comprar imóvel não precisa comemorar. A queda de vendas, por enquanto, não veio acompanhada de queda de preços. O valor médio das unidades comercializadas subiu 0,85% em julho, alta acima da inflação registrada no período, de 0,10%. Os dados são de levantamento divulgado nessa terça-feira pela Fundação Ipead/ Ufmg, em parceria com o Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon-MG) e Câmara do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI-MG).

    Nos primeiros sete meses de 2011 foram comercializadas 2.542 unidades residenciais na capital, contra 3.660 no mesmo período de 2010. A queda de vendas, segundo os analistas do setor, pode estar associada ao recuo do número de unidades lançadas. A oferta de imóveis caiu 4,87% nos últimos 12 meses. “Vai acontecer uma pequena acomodação no segmento imobiliário, mas não no curto prazo. O mercado ainda deverá se manter aquecido por algum tempo”, observa Wanderley Ramalho, coordenador de pesquisa e desenvolvimento da Fundação Ipead.

    Os imóveis para a média e baixa renda tiveram a maior queda de vendas, segundo a pesquisa. Só para ter ideia, em fevereiro foram comercializadas 516 unidades no valor de R$ 100 mil a R$ 500 mil na capital. Em julho, esse número despencou para 95 unidades. Já os imóveis de luxo, com valor acima de R$ 500 mil, ganharam espaço nas vendas. O número de negócios saltou de 58 para 87 unidades no período.

    Na avaliação de Ariano Cavalcanti de Paula, presidente da CMI-MG, os preços dos imóveis vão seguir acima da inflação. “A pressão de demanda é muito grande ainda. Os preços vão aumentar menos do que no ano passado, mas ainda vão ganhar das aplicações financeiras em geral”, afirma. A escalada de preços foi maior no segmento de salas, que teve alta de 18,65% neste ano, contra a inflação acumulada de 5,16%. “A sala tem o problema da oferta, que é menor. Aí a pressão de demanda é maior”, observa Ariano de Paula. Os preços das lojas também ficaram acima da inflação, com alta de 7,41% no acumulado do ano.

    Apreensão

    A crise econômica internacional pode ter influenciado na queda dos negócios imobiliários no Brasil, avalia Carlos Henrique Monte Mor, gerente comercial da construtora Lider. “As pessoas ficam sabendo das notícias das dificuldades do mercado europeu e ficam apreensivas na hora de fechar o negócio”, diz. O Bairro Buritis segue com a maior oferta de unidades para a venda, no total de 391 apartamentos (24,12%), seguido do Castelo, com 172 (10,61%), e do Gutierrez, com 126 (7,77%). A Savassi e o Santo Antônio são as regiões com menor oferta, no total de 17 unidades (1,05%) cada.

    0
  • Leão 21 de setembro de 2011 at 10:14

    Assistam ao documentário “Let’s make money” para compreender melhor os prováveis motivos para as bolhas que ocorrem.
    Pura ganância com expectativas de retorno rápido no curto prazo.
    No documentário é interessante o cometário feito por uma indiana sobre o que está o ocorrendo no país e como se assemelha com nossa conjuntura, além claro da análise feita da bolha imobiliária espanhola.

    0
  • FQ 21 de setembro de 2011 at 10:15

    _____________________________________

    ATENÇÃO

    Este é o maior site/Forum de investidores do Brasil. Há um tópico no Fórum discutindo as ações da Gafisa. Entrei, falei da Bolha, e começou uma discussão. Vejam.

    htt p ://br.advfn.com/p.php?pid=fbb_thread&bb_id=11&id=9489530

    Outra coisa, neste forum, descobri que nos últimos dias o Itau e XP investimento estão vendendo lotes enormes de ações das construtoras, desfazendo suas posições neste ativo.

    0
  • Zoom 21 de setembro de 2011 at 10:27

    SÃO PAULO – O avanço maior que o esperado do IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) da primeira metade de setembro acabou penalizando as imobiliárias, fazendo com
    que as ações do setor liderassem as perdas do Ibovespa nesta terça-feira (20). Os papéis da Brookfield (BISA3) terminaram o pregão com a maior desvalorização do índice (-7,22%), cotados na mínima do intraday de R$ 6,04. Logo a frente, ficaram os papéis da PDG (PDGR3), que recuaram 6,79%, fechando a R$ 6,45. Já os ativos de Rossi (RSID3), Cyrela (CYRE3), MRV (MRVE3) e Gafisa (GFSA3) relataram quedas entre 6,28% e 6,08%. O recuo desses papéis ajudou a derrubar o benchmark da bolsa brasileira, que recuou 1,27% nesta sessão. Fora do índice, esses papéis também foram castigados pelos investidores. É o caso da EzTec (EZTC3, -5,96%, R$ 13,40), Even (EVEN3, -5,36%, R$ 6,00), Tecnisa (TCSA3, -4,18%, R$ 9,85), Camargo Corrêa (CCIM3, -3,84%, R$ 3,76), Helbor (HBOR3, -3,75%, R$ 20,02) e Cyrela Comercial Properties (CCPR3, -3,00%, R$ 14,85). Dessa forma, o IMOB, índice de ações que acompanha as empresas do setor imobiliário, terminou o dia com forte recuo de 3,17%. Inflação Segundo dados divulgados nesta manhã pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a prévia de setembro do principal índice de inflação da economia brasileira apresentou avanço de 0,53%, aceleração de 0,26 ponto percentual em relação ao mês anterior. O resultado de setembro superou os 0,45% projetados pelos economistas consultados pelo Banco Central no relatório Focus, além de também ter decepcionado os analistas consultados pela InfoMoney . Embora o corte da Selic no final do mês passado impulsionou as ações do setor imobiliário, a aceleração dos índices de preço traz certa preocupação aos investidores, visto que em um ambiente de descontrole inflacionário, as projeções de margens das construtoras ficam mais difíceis de serem calculadas, aumentando os níveis de incerteza em relação aos seus resultados e, consequentemente, ao desempenho das ações, conforme explicam os analistas.
    Fonte. infomoney.com.br/acoes/noticia/2214049-acoes+imobiliarias+caem+mais+apos+alta+acima+esperado+ipca

    0
  • danilo 21 de setembro de 2011 at 10:32

    Parece que o pessoal encontrou uma maneira de tirar o corretor da jogada. Eles nao gostaram rsrsrs.

    Site que elimina o corretor de imóvel causa polêmica
    “Soproprietario” já tem 1.000 acessos por dia, em apenas duas semanas
    Quando o advogado Leonardo Bicalho Dias da Silva, 36, quis agilizar a venda de seu imóvel por conta própria, sem corretor, não encontrou nenhum site especializado. Assim surgiu o soproprietario.com.br, site criado por ele e como qual conseguiu vender seu imóvel por R$ 175 mil. Na imobiliária, ele teria que pagar cerca de 6% deste valor de comissão. Em apenas duas semanas de funcionamento, já foram mais de 1.000 acessos. Mas a criação já provoca muita polêmica.

    “Eu tenho recebido muito e-mail de corretor falando que estou tirando o emprego dele”, contou Leonardo Bicalho. Para ele, o proprietário tem o direito de fazer a venda direta. “Não faço intermediação de imóvel. O meu trabalho é de divulgação. Não sou imobiliária”, defendeu-se.

    O faturamento com o site será com a publicidade e os anúncios das unidades.Cada anúncio vai custar R$ 30, para ficar um mês no ar. “A gente quer fazer pacotes promocionais por períodos mais longos cobrando R$ 40 para 60 dias e R$ 50 até o dono vender”, informou Bicalho, sobre os preços que começam a ser cobrados daqui a dois meses. Por enquanto, o anúncio é grátis.

    O site já tem 800 anúncios. “A gente tem cadastro de 25 a 30 imóveis por dia”, informou Leonardo. Ele explicou que o site é automatizado. “O vendedor cadastra o imóvel e o comprador cadastra o desejo dele. Automaticamente o sistema cruza as informações e manda e-mail para os dois”.

    O diretor executivo da Rede Imvista, Patrick Costa, soube do site por meio de um panfleto que dizia “para quê pagar comissão para corretor?”. Patrick considerou a publicidade de mau gosto, porque o mercado trabalha para profissionalizar o corretor. “E aparece um camarada desse querendo tirar o corretor do cenário”, reclamou.

    Costa explicou que o corretor dá segurança no processo e o comprador não corre risco de comprar um imóvel que não existe ou com pendências. “Num site como esse, o dono do imóvel coloca seus dados à disposição para qualquer pessoa e fica à mercê de golpistas, estelionatários e ofertas mirabolantes”. advertiu.

    O superintendente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Minas Gerais (Creci-MG), Ricardo Mendes, disse que o órgão, que fiscaliza o corretor, disse que soube do soproprietario.com.br por meio de denúncia feita ao Creci-MG. “Essa denúncia foi feita ao Ministério Público Estadual e cabe a ele apurar. Para nós quanto menos esse site se tornar conhecido melhor”, informou Ricardo Mendes.

    O superintendente do Creci-MG disse que o site só tem a prejudicar o corretor de imóveis. Ricardo Mendes explicou que a lei federal 6.530/1978 determina que a intermediação imobiliária só pode ser exercida pelo corretor de imóveis.

    Procurado pela reportagem de O TEMPO, o Sindicato dos Corretores de Imóveis do Estado de Minas Gerais (Sindimóveis/MG) preferiu não emitir uma opinião sobre o assunto. (HL)

    0
    • Leonardo RJ 21 de setembro de 2011 at 22:30

      é um sintoma do descrédito da profissão… a bolha tem dessas coisas… o pessoal começa a inovar e buscar alternativas pra se ferrar menos e fugir da ganância

      tomara que vire tendência…

      0
  • Marcos 21 de setembro de 2011 at 10:37

    Essa Camargo Correa é uma fanfarrona. Não passam informações comerciais e vendas por chat. Então para que ter chat? Para ficar dizendo que o empreendimento é lindíssimo. Esses caras querem fazer as pessoas de otárias.

    0
  • aiwww 21 de setembro de 2011 at 10:41

    boa idéia .. vou fazer um site desse aqui para o Rio de Janeiro … uma observação .. o site está cheio de erros de programação ..

    0
  • Carlos Eduardo 21 de setembro de 2011 at 10:51

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,fazenda-sinaliza-novos-cortes-de-juros,84964,0.htm

    Fazenda sinaliza novos cortes de juros

    BRASÍLIA – O Ministério da Fazenda vê espaço para o Banco Central (BC) agir com a redução dos juros, no caso de uma piora do cenário internacional. Segundo o boletim Economia Brasileira em Perspectiva, “se houver agravamento da crise global, o Banco Central do Brasil tem condições de agir com uma política monetária expansionista, em resposta a uma eventual desaceleração da economia”.

    A nova versão do boletim, divulgada nessa quarta-feira na versão em inglês, destaca também que o recente corte na Selic (taxa básica de juros) de 0,50 ponto porcentual foi uma decisão que levou em consideração problemas relacionados à desaceleração global. A avaliação feita pela Fazenda é de que “mesmo o Brasil não estando no centro da crise deste ano, ele não é totalmente isolado e pode sentir alguns dos efeitos da recessão”. Mas destaca que o País tem suas próprias ferramentas para articular seus instrumentos de política econômica.

    O ministério destaca a necessidade, neste contexto, de não aumentar os gastos. Por esta razão, esclarece, a disciplina fiscal foi fortalecida. “O Brasil está tomando todas as precauções possíveis a fim de evitar que a sua economia seja profundamente afetada por um eventual agravamento das condições da economia internacional”. O documento destaca ainda que o objetivo é manter o País em seu caminho de desenvolvimento com menor dano possível ante a turbulência global.

    Inflação

    O documento prevê um recuo da alta dos preços nos próximos meses e mantém a projeção estabelecida no último relatório de inflação do Banco Central de que o IPCA vai fechar 2011 em 5,8%, acima, portanto, do centro da meta de 4,5%, mas dentro da margem de tolerância, que vai até 6,5%.

    Neste contexto, o boletim destaca que a tendência é de queda de inflação na direção do centro da meta, de 4,5%, de 2012-2013.

    O ministério da Fazenda prevê ainda uma desaceleração do ritmo de crescimento dos investimentos em infraestrutura em 2011. A estimativa é de que esses investimentos somem R$ 160 bilhões no ano, com alta de 9,2% em relação a 2010. No ano passado, a expansão dos investimentos em infraestrutura foi superior, de 11,6% ante o ano anterior

    0
    • Paulo Rocha 21 de setembro de 2011 at 11:43

      Me corrijam se eu estimer errado, mas o “Banco Central do Brasil tem condições de agir com uma política monetária expansionista, em resposta a uma eventual desaceleração da economia” não quer dizer liberar dinheiro fácil inflando ainda mais a inflação?

      E ainda dizem que a inflação não vai subir!

      0
  • Mr.Crowley 21 de setembro de 2011 at 10:54

    Nao sei se alguem tem este tipo de informacao para confirmar.
    Sou de Campinas, onde os precos sao absurdos tambem. Soube de uma pessoa ligada a uma grande contrutora que faz lancamentos a rodo na regiao, que seu custo final dos lancamentos esta em torno de 500,00/m2, sendo que raramente passa de 700,00/m2.
    Pois bem esta construtora esta vendendo estes imoveis a 6000,00/m2, o que parece um lucro fantastico pra qualquer um.
    Nao preciso comentar que sao de “altissimo” padrao, daqueles que tem parede de drywall e lages da grussura de uma cartolina. Esta mesma pessoa, recomendou NAO comprar estes imoveis, por que “em off” estao com preco fora da realidade.
    Um corretor de terrenos conhecido, me informou que o mercado de terrenos em campinas esta quase morto ha meses…ninguem tem coragem de pagar o que estao pedindo.
    Parabens pelo blog.

    0
    • AUGUSTO 21 de setembro de 2011 at 11:03

      Não é só em Campinas que o mercado de terrenos está parado, na vizinha Piracicaba tambem, mas lá fazem um artificio no pré lançamento algum investidor esperto e com visão (sic) reservou só para ele uma grande quantidade de lotes que passam a impressionar os otários pois em dias uma grande quantidade de lotes foram vendidos no pré lançamento.

      0
      • Mr.Crowley 21 de setembro de 2011 at 11:20

        Eu sei deste esquema, aqui ja pagaram ate helicoptero pra ficar pousando no local do lancamento com os corretores dizendo que eram grandes investidores de Sao Paulo que vieram pra comprar varios lotes de uma vez, pois o preco estava otimo e ia acabar tudo logo( era tudo mentira, houvi isso de um corretor que estava indignado com este tipo de manobra). Tem muito otario por ai, pois o empreendimento e uma porcaria e parece que venderam quase tudo na epoca, ha uns 3 anos atras.

        0
        • Luiz 21 de setembro de 2011 at 14:54

          já denunciamos antes neste blog as estratégia sinfantis tipo porta de balada de adolescente rpa bombar as vendas.

          Contratam artistas que se fazem de investidores
          Provocam filas inúteis na porta do estande
          Corretores sem a menor ética, informaçao ou educação dispostos a falar qualquer coisa.
          Dizem que há investidores internacionais (eu estive lá, estão vendendo sim mas pra gente mediana, o porteiro do hotel onde fikei comprou um mas mal sabe o nome da praia)
          E agora essa dos helicopteros

          Um unico fator realmente verdadeiro eles escondem, estão usando o ramo pra lavar dinheiro sujo, porra meu, dinheiro de tráfico deve estar nisso

          0
  • DRN 21 de setembro de 2011 at 10:57

    Em resumo, creio que:

    a) a culpa da bolha é (i) da construtora (pela ganância), (ii) dos consumidores (pela ganância e falta de educação financeira), (iii) dos corretores e especialmente dos pseudo-corretores (pela omissão em não advertir, movida pela ganância), (iv) da mídia (por não cumprir seu papel de fiscalizar e alertar a sociedade para ganhar dinheiro com publicidade das construtoras) e (v) do governo (pelo MCMV e por liberar o crédito.

    b) especular com qualquer coisa é lícito, mas há risco de ganho e risco de perda; com imóveis não é diferente, de modo que, se vc entra no mercado sabendo disso, a perda é uma variável do jogo com a qual vc deve trabalhar;

    c) não estou certo sobre o que vai acontecer, acho que vai murchar por conta da inflação, mas também contemplo a hipótese de queda de 30-50% (como se cogita no blog).

    d) quanto a ter ou não ter imóvel, uma variável importante é saber que pelo menos o imóvel em que se mora é “bem de família”, ou seja, não pode ser arrestado, penhorado e excutido, a não ser para pagamento de dívida afiançada ou de dívida contraída para pagá-lo; eu acho isso muito importante, porque, se der alguma merda (vc perde o emprego e no dia seguinte o banco quebra e suas aplicações vão para o saco), ao menos um lugar para morar vc tem.

    e) quem compra qualquer coisa deve fazê-lo TENDO O DINHEIRO, sem NUNCA, JAMAIS, em HIPÓTESE NENHUM, pagar juros; é o que aprendi e é o que sigo à risca, inclusive com imóvel;

    f) quem comprou para especular (além de entrar SEM ALAVANCAGEM) devia fazer sua lição de casa, pois, afinal, é notório e consabido que (i) imóveis mais baratos vendem mais facilmente (moramos num país em que a maioria é pobre), (ii) imóveis mais bem localizados (bons bairros, com transporte coletivo acessível, perto de shoppings e supermercados, etc) vendem mais facilmente, (iii) apartamentos em andares altos e com boa vista também, (iv) se vc tem o dinheiro na mão, tem de pedir desconto, tentar fugir do incc, pagar menos para o corretor e por aí vai.

    g) e na hora de vender, o que o cidadão tem de fazer? vender pelo preço que os corretores e as construtoras estipulam? É claro que não! O negócio é vender, e não ficar com a coisa encalhada. Vc vai para o excell, joga todo o dinheiro dispendido (até o SEDEX para mandar o contrato assinado) e põe 2% líquido (livre de impostos). Ficou mais barato do que o preço da construtora? Não? Então diminui para 1,5%. Ficou mais barato? Legal. Ponha à venda. Não vendeu em dois meses. Jogue 1% na planilha, veja quanto pode dar de desconto. E por aí vai.

    Em suma, quem tiver feito a lição de casa e não for ganancioso, pode conseguir sair do mercado sem prejuízo, ou com algum prejuízo pequeno (ora, qual é o problema nisso?).

    Agora, o cara querer especular sem ter dinheiro para pagar o negócio com imóvel de 1 milhão, bom, aí fica realmente difícil se safar.

    0
  • Elias 21 de setembro de 2011 at 11:17

    A única explicação para que a “classe C” tenha influenciado o valor dos imóveis é o chamado “multiplicador keynesiano”, conforme vi numa aula de pós-graduação em que se debateu a seguinte reportagem de 2009:

    Expansão do Bolsa-Família elevou PIB em R$ 43,1 bilhões, indica estudo

    h ttp://w ww.estadao.com.br/noticias/impresso,expansao-do-bolsa-familia-elevou-pib-em-r-431-bilhoes-indica-estudo,451395,0.htm

    No caso da matéria, foi estudado o caso das pequenas cidades onde o bolsa família teve mais impacto.

    Nos grandes centros urbanos, o bolsa-família é menos impactante, mas houve aumentos reais de salários e aumento significativo de crédito para a classe média, que consumiu mais, aumentando em escala os lucros das empresas, que por sua vez proporcionaram a seus donos e altos funcionários gordos dividendos e bônus, fora os ganhos de capital.

    Esse pessoal, que ganhou muito, pode ter condições de comprar imóveis mais caros.

    Não sei quantos são, nem se essa demanda é suficiente para a atual oferta, tampouco se estão dispostos a pagar o que estão pedindo nos imóveis.

    Mas com certeza o “boom” de consumo que lhes proporcionou essa bonança é insustentável, foi antecipação de renda através de empréstimos, de forma que agora esse mesmo povo que consumiu está enforcado em dívidas e não manterá o mesmo padrão de consumo, ainda mais com inflação.

    Menos consumo, menor lucro, menos dividendos e bônus. Fora inadimplência e inflação.

    Quem achou que essa euforia fosse durar 30 anos, e embarcou na compra de um imóvel, pode em breve descobrir que entrou numa fria.

    0
  • Jr. 21 de setembro de 2011 at 11:22

    Vocês viram isso ? Vamos comentar…

    BC descarta formação de bolha no mercado de imóveis
    http://exame.abril.com.br/economia/noticias/bc-descarta-formacao-de-bolha-no-mercado-de-imoveis

    O diretor de fiscalização do Banco Central, Anthero Meirelles, salientou que o surgimento de uma bolha no setor está fora do foco agora por causa do aumento de renda.

    Brasília – O diretor de fiscalização do Banco Central, Anthero de Moraes Meirelles, descartou hoje a existência de formação de uma bolha no mercado imobiliário brasileiro. “Não é um elemento que nos cause preocupação ou que seja um risco para a estabilidade do sistema”, afirmou durante uma entrevista coletiva. “Não existem elementos que sugiram formação de uma bolha”, completou.

    Meirelles salientou que o surgimento de uma bolha no setor está fora do foco agora porque, no Brasil, há aumento de renda, maior poder aquisitivo e maior bancarização. “Não temos no Brasil nenhum movimento fora dos padrões e nenhum movimento que indique (uma bolha)”, avaliou. Isso porque, de acordo com ele, as regras de concessão de crédito no País são restritivas. O Brasil adota uma oferta de crédito conservadora, mais voltada para a aquisição da primeira moradia em quase todos os casos. Além disso, segundo o diretor, o financiamento médio é de 65% do valor do imóvel.

    Em 2005, conforme dados do Banco Central, o crédito imobiliário representava 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) e hoje está em torno de 4%. Atualmente, o crédito imobiliário representa 8% da carteira total de crédito do sistema financeiro brasileiro. “Em relação ao G-20 (grupo dos 20 países mais ricos do mundo), há potencial grande de crescimento”, considerou. Isso porque, segundo o diretor, a classe média começa a ter condições de adquirir sua casa própria. Apesar de a inadimplência estar aumentando, o indicador também não traz temor para o BC, na avaliação de Meirelles. “É um aumento que está se dando, mas devido a um acompanhamento de renda maior, de emprego maior, crescimento econômico e crescimento sustentável.”

    O diretor salientou que, com as medidas macroprudenciais adotadas no final do ano passado, a velocidade de crescimento do crédito geral arrefeceu, ficando em linha com uma trajetória de expansão em ritmo mais moderado e sustentável. Ele salientou que o saldo das operações de crédito ao final de junho era de R$ 1,83 trilhão, o que representa 47% do PIB ao final do semestre.

    Segundo o diretor, o crédito para aquisição de veículos foi um dos itens mais afetados com as medidas. “(O crédito) vinha crescendo de maneira acelerada e agora está arrefecido”, disse, acrescentando que comportamento similar foi percebido no caso do crédito consignado e o voltado às pessoas físicas.

    0
    • Marcos 21 de setembro de 2011 at 11:46

      Fase de negação.
      Como o barulho anda alto, o BC solta essas perolas. Desinformação sem vergonha!
      Se tivesse vendendo bem, para que o BC ia se preocupar em dar esta noticia?

      0
    • Carlos Wagner 21 de setembro de 2011 at 12:13

      Essas declarações do BC são totalmente equivocadas.

      Primeiro, é consenso que uma bolha, seja de credito ou imobiliaria, é muito dificil ser identificada. Ela só é perceptivel quando estoura. O máximo que pode ser indicado são sinais de que há uma distorção no mercado e ele não leva isso em consideração.

      Segundo, ele diz que o credito é responsavel mas nao leva em consideração a conseção do credito sobre preços inflados, o que pode gerar gande dor de cabeça e prejuizos aos bancos no caso de o banco tomar a propriedade do comprador.

      Terceiro, ele fala das medidas que arrefeceram o mercado de credito e acha que isso resolveu o problema mas esquece-se que o cenario nacional onde estoques de carros e de imoveis estão se empilhando é causado por esse errefecimento, é o que cansamos de discutir aqui, se parar de pedalar a bicicleta cai.

      Esse cara é um fanfarrão. Não sei exatamente se ele mente ou se é incompetente. Nas duas hipoteses o povo sai perdendo.

      0
      • Luiz 21 de setembro de 2011 at 14:47

        um irresponsável falando isso.

        tem gente fazendo divida no cartão de credito pra pagar financiamento da caixa, até pra pagar conta de água e luz, o que é isso? isso é uma subprime disfarçada…

        Eles falam nesse percentual de 5% do PIB em financiamento de imóveis há mais de 1 ano, antes dos financiamentos baterem recordes. As contas atualzidas estariam acima de 15%, mais isso eles não divulgam, fora a inadimplencia que a Caixa varre pra debaixo do tapete.

        Tudo manobra contábil, prova disso é a Bolsa das construtoras caindo desabando enquanto o resto do mercado esta estável

        Como vc disse Carlos, Ato falho se estivesse tudo bem não tinham pq dar esse tipo de declaração

        0
  • Felipe 21 de setembro de 2011 at 12:03

    Ele falando assim dá a impressão de que o salário de todo mundo aumentou 150% nos últimos 3 anos…

    0
  • JPM 21 de setembro de 2011 at 12:38

    Toda vez que eu ouço que o crédito aqui é mais responsável, eu penso em como esse pessoal faz questão de não analisar o todo. Vejam bem, o crédito que você pede ao banco aqui no Brasil realmente é bem restritivo (existem exceções mas são poucas). Mas nós não temos um repositório de dados de crédito com informações completas, fornecidas por todas as fontes possíveis de crédito.
    Ou seja, quando você faz um empréstimo no banco, somente sua renda (e talvez algum consignado) determina o valor disponível. Se você ainda não ficou inadimplente e “está com o nome no Serasa”, o banco não sabe se você tem uma pilha de carnês que já compromete sua capacidade de pagamento. E isso é uma versão tupiniquim do subprime. Porque se a pessoa já tem um monte de dívidas com lojas, e faz um financiamento no banco, provavelmente alguma coisa ela deixará de pagar.

    0
  • Boris 21 de setembro de 2011 at 13:34

    Vcs falam da bolha, mas aqui no Rio o preços dos imóveis só aumentam. Um ap na Gavea do lado do shopping, de 98 m2 1.500.0000. Cade a bolha? Cade?

    0
    • Luiz 21 de setembro de 2011 at 14:41

      por esse preço vc compra um palazzio em Modena perto do centro de 750 m2.
      e pdoe passar o dia apreciando de sua varanda de marmore verde as ferraris passando na frente do seu quintal.

      0
  • Marcos 21 de setembro de 2011 at 14:08

    Compra lá e pague mais de 15.000 de IPTU ao ano.
    Uma coisa é anunciar, outra é vender.

    0
  • Marcos 21 de setembro de 2011 at 14:12

    Alguém de Porto Alegre pode comentar o email que recebi?

    Não fala da metragem, mas não parece caro para os preços de Rio e São Paulo, mas precisaria saber o preço por m2 para saber melhor.

    Segue abaixo o email:

    Bom dia,

    Tenho uma ótima oportunidade com excelente custo-benefício, alto poder de valorização, qualidade construtiva e o futuro ZAFFARI BOURBON JARDIM ITÁLIA como vizinho!!!

    Terreno com 12.000m², com dois bosques preservados e apenas duas torres, traduzidos em mais conforto e exclusividade para você e sua família.

    3 dormitórios (1 suíte)
    Vista exuberante, sem prédios próximos
    Excelente localização
    Entrega em abr/2012

    O preço dele é R$ 232.000,00 e ainda pode ser amplamente financiado.

    Também tenho apartamento de 2 dormitórios com sacada e churrasqueira por R$ 194.000,00.

    O apartamento se diferencia pelos acabamentos, tendo as pias de granito com metais e aquecimento da água á gás também nos chuveiros, além de medidores individuais.
    Infra estrutura completa com mais de 20 itens;
    Bosque privativo em área de preservação permanente (APP);
    Piscina com raia de 25 m;
    Apartamento com planta inteligente, ótimo aproveitamento interno;
    Materiais de primeira, incluindo: pias de granito e metais, chuveiros instalados com aquecimento a gás, cerâmica e porcelanato nos pisos frios;
    Economia e ecologia com aproveitamento da água pluvial.

    0
    • Luiz 21 de setembro de 2011 at 14:43

      como a localização pdoe ser excelente se fica no meio do mato sem nehum prédio próximo?

      A ordem das cosntrutoras é transferir os lançamentos pra longe do centro, atacar os terrenos baratos em locais ermos, ja que nos locais tradicionais os preços não colam mais.

      não conheço Porto Alegre, mas a estratégia eu reconheço,

      0
  • jsantos 21 de setembro de 2011 at 15:05

    Os preços continuam subindo, lógico,enquanto estiver subindo vai ter algum “esperto” ou ingenuo comprando para tentar se garantir, uma vez,que ele acredita que vai continuar subindo. qdo começar cair de verdade, aí sim não vende mais nada mesmo, pois quem pretende comprar, e não depende de credito, que já começa escassear, vai esperar o fundo do poço para comprar, por isso essa constante negação pelos crecis, secovis, e BC, de que não há bolha . culpar os CORRETORES, pela Bolha é muita engenuidade, a maioria, salve poucas exceções são pessoas despreparadas para um emprego melhor ,é perfeitamente natural que aproveitem o boom, criado por sei lá quem… ? para fazer um pezinho de meia, mas que esse BOOM foi,” muito bem planejado”, há isso foi, e foi lá em 2006, ano de eleiçao ,Isso tá mais do que na cara. onde moro início de 2007 foi uma corrida de construtoras para comprar as casas ( terrenos). A cada dia aparecia um quarteirão demolido. aquilo não era natural, como do dia para noite apareceu tantos milionários para consumir esses aps de alto padrão, 2 M. Na época eu já pensava, Como pode, tá todo mundo ficando rico, e só eu continuo na mesma.uma vez que minha renda não aumentou, desde de lá que eu venho achando tudo muito estranho,assim como outros aquí do blog,BR perdeu o fio da meada,apertem os cintos,o ventilador ja foi ligado, logo estará na velocidade 3, aí vai ser merda pra tudo qto é lado.crescimento não sustentável.culpado: governo irresponsável do PT. Quem vai pagar a conta !!! advinho!!!!!!!!!!!!!!!!

    0