O desequilíbrio do preço dos imóveis em relação ao salário do trabalhador – Luciano D’Agostini

Você pode gostar...

Comments
  • Guilherme Eduardo 30 de janeiro de 2012 at 00:27

    Isso me lembra o vídeo sobre o “Espanhistão” e a bolha na Espanha.

    0
  • Etmso 30 de janeiro de 2012 at 02:25

    Lembrando que o índice ZAP nao diferencia metragem útil, de metragem privativa o que da uns 15% de difenca. Alem de fazer os cálculos em cima do preco pedido e nao fechado do negocio.

    Talvez esta expansão seja ate maior pq hj existem mais imoveis novos anunciados, e os novos fala-se mais em privativo. De certa forma, ludibriando o consumidor.

    0
  • MrK 30 de janeiro de 2012 at 05:32

    Esse governo economicamente e’ uma piada

    Primeiro resolvem aumentar o limite do FGTS pra R$500mil, todos imoveis na casa de R$400 voam pra R$500 na hora, parece que nao aprenderam nada com isso

    Depois resolvem “dar” R$23mil pra compra da casa propria, todos os imoveis INSTANTANEAMENTE sobem R$23mil…

    Ai, numa tacada de mestre, aumentam o prazo do credito de 20 pra 30 anos, no dia seguinte todos esses 10 anos extras de parcela foram trazidos a valor presente e somaram no valor do imovel

    Dai resolvem cortar impostos sobre produtos da area, quanto o preco pro consumidor baixou? zero

    E ai, pra encerrar com chave de ouro, estimulam o credito e forcam migracao de recursos pra poupanca, o que acontece com o preco dos imoveis? vai pra lua

    Ou seja, eles conseguiram exatamente o oposto do que queriam! Queriam que o imovel ficasse acessivel pra populacao e conseguiram que ficassem muito mais caro, conseguiram gastar dinheiro pra fazer o oposto do que queriam!!! Pior de tudo, mesmo vendo que as intervencoes estavam tendo o resultado oposto eles CONTINUARAM intervindo mais?!?!

    como sempre digo: Isso nao vai acabar bem…

    2+
    • avatar
    • João Paulo da Silva Simões (Contagem - MG) 30 de janeiro de 2012 at 08:52

      Concordo com gênero, numero e grau, este é o governo do avesso, Alice no país da maravilhas do PT e pouco para isso tudo.

      0
      • MrK 30 de janeiro de 2012 at 09:28

        Joao o PT ainda esta na epoca que o preco de um bem e’ formado por custo + lucro, esta uns 40 anos atrasado em teoria economica

        hoje em dia o preco do bem e’ quanto o consumidor ta disposto a pagar, se voce enfia dinheiro subsidiado na mao do consumidor pra comprar um bem escasso, o preco do bem vai subir automaticamente

        experimenta enfiar credito barato na mao de todo estudante pra ver o que acontece com o preco das mensalidades… se vai ficar mais “acessivel” ou mais caro

        o segredo nesses casos esta na producao, nao na demanda!

        0
        • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 13:50

          Nos EUA o custo anual das universidades subiu de forma proporcional ao volume de crédito disponibilizado pelo governo. O número de vagas é pouco elástico e quanto mais pessoas podendo pagar, maior será o preço.

          Hoje a situação é tão crítica que o crédito estudantil, que antes era uma “ajudinha”, hoje virou necessidade absoluta. Só quem apresentou uma performance impecável na escola consegue entrar em universidades como MIT e Harvard, que possuem programas de bolsa que promovem a equalização entre renda e pagamentos.

          O resto, que não estudou direito no segundo grau, tem que assumir dívida de até 200 mil dólares e ir pro abraço.

          Toda vez que o governo injetar bilhões em qualquer coisa será assim.

          1+
          • Roberto Cesar 31 de janeiro de 2012 at 02:37

            E o pior do credito estudantil americano é que é uma dívida que não se extingue com o pedido de falência pessoal. Se o estudante deixar de pagar por qualquer motivo que seja, o credor tem o direito de meter a mão até em benefícios do Social Security.

            rcesar.net/2011/10/credito-estudantil-a-nova-bolha-americana/

            0
    • Emtso 30 de janeiro de 2012 at 09:08

      MrK,

      O brasileiro confundi “limite” com “saldo” e o vendedor está chutando os preços e o consumidor está pagando, não pelo fato de achar o preço justo e sim por “poder” pagar.

      E te digo mais, o governo ainda tem outras armas para usar:

      Aumentar o limite do FGTS, hoje em SP/RIO/BSB o limite de 500k não é suficiente para comprar um apto digno em um bairro classe média;

      Aumentar o limite de idade de 30 para/ 35 anos, devido ao aumento da expectativa de vida;

      Flexibilizar as regras e diminuir as taxas;

      Com isto os preços irão subir ainda mais, o ideal seria criar indicadores de preço/m2, e tais práticas do SFH só serem usados em empreendimentos/imóveis que seguissem o preço sugerido.

      Todo economista diz que o governo não pode intervir na economia, mas a DEMANDA é BURRA e a OFERTA é ESPERTA, somos 200 milhões de ratinhos, então se não criar barreiras, qualquer ajuda do governo só ajudará as ratoeiras dos especuladores.

      Outro dia postei aqui que o governo tem reservas de 500bi, o que per capta dá 2,5k, se eu não me engano é o que gira a divida per capta de cada brasileiro hoje, ou seja estes 500bi é um baita poder de fogo.

      0
      • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 13:53

        No post retrasado eu citei essas irresponsabilidades por parte de antigos funcionários de minha empresa e fui crucificado pelos politicamente corretos. Mas eu não arredo o pé: o brasileiro está cada vez mais folgado e irresponsável.

        Quem fica devendo 300k de financiamento imobiliário muda, inclusive, a sua atitude no trabalho. O cara sente a corda no pescoço (tem que pagar supermercado no crédito) e começa a querer se rebelar no trabalho. De repente o salário não é mais justo, está tudo errado na carreira dele e a empresa que sempre valorizou ele não recebe mais de volta gratidão nenhuma.

        Quem não quer se desesperar que não contraia dívidas. Tem gente que recebe aumento real de salário (pós-dissídio) na casa dos 10% ao ano e já contrai dívidas pensando no salário do ano que vem. Aí a economia retrai e o empregador não consegue mais dar um aumento tão grande, e começa o desespero.

        0
        • DM 30 de janeiro de 2012 at 16:03

          Ricardo,

          Concordo com você, infelizmente a grande massa de trabalhadores brasileiros não possuem o mínimo de educação financeira e acreditam que o governo e os empresários tem a responsabilidade sobre as dívidas que contraem.

          Não sou empresário, mas trabalho na industria e a cada dia que passa observo mais esta atitude de muitos colaboradores culparem a empresa pela “vida” que eles escolheram ao inves de resolverem o proprio problema criado, ficam tentando que a empresa resolva o problema por eles.

          Os poucos colaboradores que possuem bom senso são normalmente os que se destacam e crescem, e posso dizer que pelo menos aqui na empresa onde trabalho está cada vez mais difícil achar pessoas dispostas a tomar este caminho. Enquantoeste País tiver a cultura de Gerson ou do jeitinho, este País não vai ter jeito!

          DM

          0
          • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 17:16

            O que me incomoda é mesmo aqui o povo ficar dando tapinha nas costas do Gerson do interior que se manifestou no outro artigo (dois antes desse). E isso é muito interessante, pois estão replicando o mesmo comportamento que o brasileiro tem nas ruas.

            Todo mundo, quando conhece um corrupto, fica amigo dele e comenta que “mesmo assim o cara é gente boa”, ou diz que “tem que respeitar”. Não somos uma sociedade que rejeita a malandragem de forma ativa.

            Eu pensei que aqui era um lugar diferente, com outra qualidade. Mas ainda é um lugar brasileiro. E o brasileiro gosta de fazer média, de evitar inimizade.

            É isso que faz a justiça militar não punir um PM, um juiz punir o outro, um político punir o outro. É a forma que o brasileiro pensa e age. O brasileiro não tem ideologia, apenas faz “um social” o dia inteiro. Na hora de punir, rejeitar ou criticar, nossa cultura vê isso com maus olhos.

            Eu já fiz muito social com funcionário e digo com orgulho: hoje é tudo preto no branco. Quem merece ser valorizado, vai ser. Quem não merece será tratado de acordo ou mandado embora.

            0
            • Suelen 30 de janeiro de 2012 at 17:56

              Tá! Você acha que n existe patrão ruim, só empregado? Só na classe dos trabalhadores é que há problema?

              0
              • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 23:49

                Eu só posso me responsabilizar pelas minhas próprias ações. O que o povo faz por aí com seus funcionários eu não sei. Só sei que já dei muita oportunidade para funcionários e as pessoas simplesmente não querem aproveitá-las.

                Já fui funcionário e digo que o que você faz pela empresa reflete muito o que pensa sobre si mesmo. Eu dava o meu melhor pois é assim que ajo em relação à vida. E não porque esperava alguma coisa em troca.

                E por me destacar sempre fui valorizado. E se não fosse, trocava de emprego.

                Não existe desculpa para trabalhar mal.

                0
                • O Poeta da Bolha 31 de janeiro de 2012 at 18:07

                  Bravíssimo. És um varão brioso, confrade. A César o que é de César. Vivas à meritocracia, algo raro de se ver em nossas maculadas terras.

                  0
                  • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 15:00

                    Concordo. Fui punido socialmente a minha vida inteira por pensar exatamente como o Engenheiro. Fiquei com fama de antipático simplesmente por não dar tapinha nas costas dos outros, o que me fechou várias portas e oportunidades na vida.

                    0
            • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 18:13

              não exagera Ricardo
              esse blog é importante pela troca de experiencias
              não é aqui num blog que vamos resolver todos os problemas e criar o paraíso virtual
              alguns eu concordo tem memso que espantar, agrega zero pra gente
              Outros são úteis, e vou te dizer são amostras de uma multidão trabalahando quenem formiga

              outra coisa, estamos momentaneamente sem moderação,
              neste caso prundencia vai bem, senão degringola

              0
              • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 18:42

                Ok.

                0
    • Moacir 30 de janeiro de 2012 at 10:17

      Complementando tudo o que já foi dito, já ouvi muitas pessoas desesperadas para comprar um imóvel afirmando que agora que o momento de comprar antes que o governo acabe com essas “vantagens”…
      Para completar, muitos ainda vem com aquelas contas esdrúxulas: “Antes eu teria que comprar meu imóvel em 120 parcelas de R$ 1.000,00, agora posso pagar em 360 parcelas de R$ 850,00!
      Pior de tudo: acham que isso tudo é um baita negócio!

      0
    • Leandro 30 de janeiro de 2012 at 10:25

      Discordo apenas da sua conclusão.
      Na verdade o Governo conseguiu exatamente o que queria: ajudar as grandes construtoras que financiaram sua campanha.
      O Governo tá pouco se lixando pra população! A verdade é essa!

      0
      • Emtso 30 de janeiro de 2012 at 11:16

        EXATAMENTE.

        Mas também por outro lado é complicado, o governo “desflexibilizar” as regras nesta altura do campeonato, porque os preços não vão voltar ao patamar de 2008/2009. Como eu disse hoje estamos reféns destas regras para adquirir algo. Em SP/BSB/RIO um 2 quartos 80m2 bom é 500k no MINIMO em bairros classe média. Eu hoje dependo que a regra de uso do FGTS e as taxas diferenciadas se elevem p/ 750k para adquirir algo a um pagamento tangivel, assim como vários brasileiros que moram nestas cidades.

        Se não houver regulamentação no setor, vai dar merda. Aliás será que o governo quer regulamentar? “nunca antes na história deste país as construtoras lucraram tanto”

        0
    • Zeca Gado 30 de janeiro de 2012 at 13:12

      Pessoal pelo amor de Deus, alguém aí me explica porque mesmo estando caro ta vendendo tanto?
      Eu sou um pobre pé rapado mesmo!!!!
      Estou com vergonha até de olhar nos olhos da minha filha… não consigo comprar uma moradia que presta para minha familia…
      Se eu encontrar um investidor na rua não respondo por mim!

      0
    • rubens 31 de janeiro de 2012 at 19:08

      Considerando seus dizeres, portanto, quanto a bolha estourar, a esconomia ruir como os prédios no rio, os únicos responsáveis serão as políticas econõmicas de concessão de crédito e a avareza dos especuladores e população, que na primeira oportunidade, quizeram cobrar o injusto e arrancar os olhos do pobre trabalhador.

      0
    • Lucas 1 de fevereiro de 2012 at 17:11

      Vi uma notícia que o governo vai liberar mais 7 bi para financiamento habitacional. Será que isto vai interferir no processo da bolha?

      0
  • marvin 30 de janeiro de 2012 at 08:11

    Embora as pessoas não consigam enxergar dessa forma, eu acho que o “lulismo” ferrou de vez com o brasil… Sempre que, em conversas com amigos, familiares, eu falo que a coisa não está tão boa quanto o divulgado, viro motivo de piada, pois todos estufam o peito para dizer “que o brasil é diferente, jamais vai acontecer o que aconteceu nos EUA”, pois “nossos bancos não vão quebrar”, “no brasil há muita demanda reprimida” e coisas do tipo…

    De fato, concordo em parte que o brasil é diferente dos países que enfrentam problemas economicos atualmente em um ponto: O BRASIL NÃO CHEGOU A SER UM PAÍS RICO OU DESENVOLVIDO!!! Ou seja, quando a crise vier, provavelmente será muito pior, pois, todos os indicadores importantes (educação, poupança, violência, infraestrutura, corrupção) são muito piores que qualquer país europeu e, principalmente, os EUA… Pode até ser que os bancos brasileiros não quebrem, mas, penso que a população sofrerá muito mais.

    E, como o brasileiro tem uma “queda” pelo esquerdismo (embora o comunismo não tenha dado certo em lugar nenhum do mundo), pode ser a chance de ouro dos “comuna” para promoverem “uma revolução” nos moldes da venezuela, cuba… Acho muito suspeito aquele “inciso maroto” na CF que diz mais ou menos isso: “a propriedade cumprirá a sua função social” (não lembro o texto exato), logo abaixo do inciso que garante o direito à propriedade…

    0
    • Cleyton 30 de janeiro de 2012 at 19:07

      Na verdade é ao contrário, primeiro o direito a propriedade (inciso XXII do Art 5°), depois a função social (inciso XXIII), mas é a única forma que o baneniense entende, você tem direito a propriedade mas olha lá hein, se não tiver padrinho e não usar como deve o governo pode tomar.

      Mais uma entre as lamentáveis coisas que temos aqui.

      0
    • Bolhado 1 de fevereiro de 2012 at 10:46

      Uso social das propriedades existe desde o império romano e mesmo no Estados Unnidos, experimenta deixar um terreno sem uso esperando valorizar pra sentir o que é pagar impostos de verdade!

      0
  • Jonathas 30 de janeiro de 2012 at 08:44

    ‘Minha Casa’ está inviável, alertam empresários
    (http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,minha-casa-esta-inviavel-alertam-empresarios,100975,0.htm)

    Setor da construção civil pede que o governo aumente o valor das unidades atendidas pelo programa habitacional

    BRASÍLIA – O programa Minha Casa Minha Vida praticamente não existiu em 2011 para as famílias de baixa renda e seguirá o mesmo destino em 2012 se o governo não elevar os valores das unidades atendidas. A avaliação é do empresário Eduardo Aroeira Almeida, sócio-diretor da Apex Engenharia, que atua no segmento popular no Distrito Federal. “Acho que essa é a avaliação geral, pelo que tenho conversado com empresários de outros Estados.”

    Para empresários da construção civil, a alta dos preços dos imóveis, associada ao aumento das exigências como adequações para idosos e deficientes físicos inviabiliza a construção de unidades. Paradoxalmente, segundo Almeida, o próprio lançamento do Minha Casa Minha Vida provocou a especulação imobiliária. “Apartamento que eu vendia por R$ 90 mil no início hoje está por R$ 170 mil.” O preço médio da moradia destinada a esse público subiu de R$ 42 mil para R$ 55,2 mil. Nos municípios da região metropolitana do Estado de São Paulo e Distrito Federal, o limite é de R$ 65 mil.

    No caso da capital federal, em particular, o preço dos terrenos é tão elevado que não foi construída nenhuma unidade destinada às famílias com renda de até três salários mínimos. “O Distrito Federal é limitado na oferta de terrenos, pois há grande dificuldade na legalização de terras”, explica o vice-presidente do*Sinduscon-DF, Paulo Muniz.

    Um microempresário que não quis ser identificado conta que construiu três unidades na periferia de Formosa, já fora dos limites do DF, em Goiás, com o intuito de vendê-las por meio do programa. Não teve sucesso porque a rua não era asfaltada, como exige a Caixa Econômica Federal. Depois disso, desistiu da carreira de empreiteiro. “Hoje, um lote em área não muito boa aqui em Formosa não sai por menos de R$ 80 mil, então não dá para enquadrar”, explica.

    O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, concorda que construir para o Minha Casa Minha Vida tornou-se inviável em alguns locais. “Mas depende da região”, diz. “Em algumas cidades, os limites do Minha Casa Minha Vida são suficientes.” Ele informa que o aumento do valor das unidades está em discussão com o Ministério das Cidades, responsável pelo programa.

    “Mas não dá para ficar 100% em cima do governo federal”, defende. “Os Estados e as prefeituras têm de entrar.” Isso já ocorreu em São Paulo, onde o governador Geraldo Alckmin e a presidente Dilma Rousseff assinaram este mês um convênio no valor de R$ 8 bilhões para construir em parceria 97 mil casas e apartamentos para famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil.

    O governo paulista vai doar R$ 20 mil por unidade, em adição aos R$ 65 mil alocados pela União, de forma a viabilizar a construção dessas habitações. Segundo Simão, processo semelhante ocorre em Belo Horizonte (MG), onde a prefeitura vai entrar com os terrenos.

    A secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, Inês Magalhães, informa que não há, no momento, discussão para novo reajuste no preço de imóvel ou redução de tributo para a indústria da construção. “Não dá para o valor final mudar sempre. O município pode estabelecer zonas especiais para assegurar um melhor preço do terreno e as empresas melhorarem o processo industrial para ganharem eficiência”, frisa.

    Crescimento. Em meados do ano, Dilma poderá elevar a meta de construção do Minha Casa Minha Vida, dos atuais 2 milhões de unidades para 2,6 milhões até o fim de 2014. O programa é uma das principais apostas para manter a economia aquecida em ano de crise internacional. A presidente quer uma taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) entre 4% e 5%. O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta 3% e o mercado financeiro estima 3,27%. “Neste ano, o programa será um dos grandes instrumentos para aumento do investimento e para geração de empregos”, diz Inês Magalhães.

    É justamente por causa da importância do programa para a estratégia de crescimento econômico que o empresário Almeida acredita em um reajuste nos valores das habitações. “Eles contam com a construção civil para atravessar a crise, mas para isso o Ministério das Cidades vai ter de ser mais ousado na definição das faixas”, aposta. “Se ficar como está, o Minha Casa Minha Vida vai parar no DF.”

    0
  • Jonathas 30 de janeiro de 2012 at 08:46

    economia.estadao.com.br/noticias/economia,minha-casa-esta-inviavel-alertam-empresarios,100975,0.htm

    ‘Minha Casa’ está inviável, alertam empresários

    Setor da construção civil pede que o governo aumente o valor das unidades atendidas pelo programa habitacional

    BRASÍLIA – O programa Minha Casa Minha Vida praticamente não existiu em 2011 para as famílias de baixa renda e seguirá o mesmo destino em 2012 se o governo não elevar os valores das unidades atendidas. A avaliação é do empresário Eduardo Aroeira Almeida, sócio-diretor da Apex Engenharia, que atua no segmento popular no Distrito Federal. “Acho que essa é a avaliação geral, pelo que tenho conversado com empresários de outros Estados.”

    Para empresários da construção civil, a alta dos preços dos imóveis, associada ao aumento das exigências como adequações para idosos e deficientes físicos inviabiliza a construção de unidades. Paradoxalmente, segundo Almeida, o próprio lançamento do Minha Casa Minha Vida provocou a especulação imobiliária. “Apartamento que eu vendia por R$ 90 mil no início hoje está por R$ 170 mil.” O preço médio da moradia destinada a esse público subiu de R$ 42 mil para R$ 55,2 mil. Nos municípios da região metropolitana do Estado de São Paulo e Distrito Federal, o limite é de R$ 65 mil.

    No caso da capital federal, em particular, o preço dos terrenos é tão elevado que não foi construída nenhuma unidade destinada às famílias com renda de até três salários mínimos. “O Distrito Federal é limitado na oferta de terrenos, pois há grande dificuldade na legalização de terras”, explica o vice-presidente do*Sinduscon-DF, Paulo Muniz.

    Um microempresário que não quis ser identificado conta que construiu três unidades na periferia de Formosa, já fora dos limites do DF, em Goiás, com o intuito de vendê-las por meio do programa. Não teve sucesso porque a rua não era asfaltada, como exige a Caixa Econômica Federal. Depois disso, desistiu da carreira de empreiteiro. “Hoje, um lote em área não muito boa aqui em Formosa não sai por menos de R$ 80 mil, então não dá para enquadrar”, explica.

    O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, concorda que construir para o Minha Casa Minha Vida tornou-se inviável em alguns locais. “Mas depende da região”, diz. “Em algumas cidades, os limites do Minha Casa Minha Vida são suficientes.” Ele informa que o aumento do valor das unidades está em discussão com o Ministério das Cidades, responsável pelo programa.

    “Mas não dá para ficar 100% em cima do governo federal”, defende. “Os Estados e as prefeituras têm de entrar.” Isso já ocorreu em São Paulo, onde o governador Geraldo Alckmin e a presidente Dilma Rousseff assinaram este mês um convênio no valor de R$ 8 bilhões para construir em parceria 97 mil casas e apartamentos para famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil.

    O governo paulista vai doar R$ 20 mil por unidade, em adição aos R$ 65 mil alocados pela União, de forma a viabilizar a construção dessas habitações. Segundo Simão, processo semelhante ocorre em Belo Horizonte (MG), onde a prefeitura vai entrar com os terrenos.

    A secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, Inês Magalhães, informa que não há, no momento, discussão para novo reajuste no preço de imóvel ou redução de tributo para a indústria da construção. “Não dá para o valor final mudar sempre. O município pode estabelecer zonas especiais para assegurar um melhor preço do terreno e as empresas melhorarem o processo industrial para ganharem eficiência”, frisa.

    Crescimento. Em meados do ano, Dilma poderá elevar a meta de construção do Minha Casa Minha Vida, dos atuais 2 milhões de unidades para 2,6 milhões até o fim de 2014. O programa é uma das principais apostas para manter a economia aquecida em ano de crise internacional. A presidente quer uma taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) entre 4% e 5%. O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta 3% e o mercado financeiro estima 3,27%. “Neste ano, o programa será um dos grandes instrumentos para aumento do investimento e para geração de empregos”, diz Inês Magalhães.

    É justamente por causa da importância do programa para a estratégia de crescimento econômico que o empresário Almeida acredita em um reajuste nos valores das habitações. “Eles contam com a construção civil para atravessar a crise, mas para isso o Ministério das Cidades vai ter de ser mais ousado na definição das faixas”, aposta. “Se ficar como está, o Minha Casa Minha Vida vai parar no DF.”

    0
    • Vinicius 30 de janeiro de 2012 at 09:33

      Isso terá um efeito bola de neve… O governo cede, as contrutoras e os especuladores aumentam os valores dos imóveis, que por sua vez arrastam os valores dos terrenos, que acabam por tornar inviável os novos limites que o governo cedeu para o “Minha casa”, que faz com que as contrutoras pressionem novamente… e por ai vai… Inflando a bolha ainda mais.

      0
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 12:09

        A BOLA DE NEVE É A IMAGEM PERFEITA
        a bola precisa rolar ,e ao rolar cresce, e ao crescer fica cada vez mais dificil rolar.

        Chega uma hora que o mercado para porque já se convocaram todas as forças possíveis pra rolar, nesse dia se alguém resolve pedir a sua fatia em dinheiro a vista dá-se o panico.

        0
  • Menino_do_Rio 30 de janeiro de 2012 at 10:05

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/os-fundos-imobiliarios-que-distribuem-mais-alugueis
    “Um estudo realizado pela consultoria Uqbar, especializada em investimentos imobiliários, mostra que, somente com a distribuição das receitas de aluguéis, os fundos imobiliários garantiram um rendimento isento de Imposto de Renda de 9,16% no ano passado.”

    O ano de 2011 foi mais um ano ótimo para o segmento de imóveis comerciais. Será que este aquecimento impactou muito no preço dos residenciais?

    0
    • RFL 30 de janeiro de 2012 at 11:45

      Atenção para aqueles que forem correndo comprar FII’s depois da leitura da matéria. A rentabilidade com alugueis está baseada no valor da cota, portanto, os “campeões” da referida tabela provavelmente são os que tiveram a maior desvalorização da cota – vide o FII do Hospital nossa senhora de Lourdes. O FII Almirante Barroso teve excelente valorização da cota porém a rentabilidade do aluguel foi menor. Aplicar em FII exige bons conhecimentos e leitura cuidadosa do prospecto. não faça esse investimento sem um estudo cuidadoso, pois a venda da cota no mercado secundário pode ser bem difícil.

      0
      • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 15:44

        Fora que qualquer coisa abaixo de 15% pós IRPF é muito baixa nesse mercado. Quando um fundo anuncia 9% e alguma coisa o valor do papel cai bastante.

        Os grandes imóveis comerciais agregam um valor estratégico que faz com o que o aluguel fuja muito da continha dos 0,5% do imóvel residencial. Construir um prédio no lugar certo, com o tamanho certo, o número correto de vagas, etc, pode parecer fácil mas não é. A documentação na prefeitura depende de muita influência, demora anos e em muitos casos decisões simples como “número suficiente de vagas de estacionamento” são tomadas de forma desastrosa pelos administradores.

        Tem prédio na Berrini que está inteiro vazio há mais de 2 anos, mesmo com a região apresentando ocupação um tanto alta. A prefeitura mudou a região inteira para Zona Azul e o prédio possuía vagas apenas para os diretores das empresas que se mudariam para lá. Foi uma economia porca que condenou o empreendimento à morte. O aluguel médio de uma vaga na berrini beira os R$ 400 mensais.

        Tendo em vista todas essas dificuldades e a grande inércia dos concorrentes, é um negócio que não pode ser apenas 1 ponto percentual superior à poupança.

        1+
    • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 11:54

      Nossa, que super negócio! Além do papel poder valer nada do dia para a noite, devido a uma recessão brava na economia, ele ainda rende marginalmente acima da poupança!

      0
  • Vasconcellos 30 de janeiro de 2012 at 10:08

    Acredito que a queda de braço investidores x consumidores já está em pleno vapor em alguns locais. Digo isso porque acompanho no ZAP imóveis para locação, especificamente na Tijuca, e observo apartamentos em que pedem valores exorbitantes de aluguel, sendo que esses imóveis perambulam pelo ZAP por 3 meses ou mais.

    É hora de acompanhar qual o fôlego dessas pessoas e o nível de paciência dos consumidores.

    Pena que, ao haver negociação tanto no aluguel quanto na compra, esse número não seja capturado para virar informação e sabermos realmente o quanto de desconto está se praticando no mercado.

    0
    • MrK 30 de janeiro de 2012 at 10:24

      Amigo, vejo o mesmo ocorrer, na gavea vejo imoveis semelhantes (em localizacao e metragem), os imoveis de predios mais antigos, custam na ordem de R$2.800 a R$3.200 o aluguel

      os imoveis novos, simplesmente por serem 1a locacao, estao anunciados a R$5.500 (praticamente o dobro!) e naturalmente, a pergunta fica: Voce pagaria o dobro pra morar no mesmo lugar, mesma metragem, so’ porque o predio ta novo?! nao!! Ate porque os predios antigos nao estao caindo aos pedacos, sao apartamento super razoaveis e na maioria bem conservados!!

      Entao esses imoveis novos ficam perambulando… mas sabe qual o problema? eles nao querem baixar, pq se baixar nao pagam o financiamento, ou seja, trolha!! Se recusam a aceitar a realidade, vao ficar la mofando e pagando condominio…uma hora vao ter que aceitar a realidade…

      0
      • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 23:51

        Eu ahco que é até pior. Apartamento novinho que foi colocado para alugar possui, em geral, acabamento tosco e às vezes é pobre em armários. É muito melhor alugar um imóvel que já foi a residência principal da família. Vem com piso de madeira da melhor qualidade, bons armários, etc.

        É pagar mais para receber bem menos.

        0
      • Mauro Aguiar 31 de janeiro de 2012 at 15:12

        Boa tarde, não participo do blog, sou leigo no assunto, entretanto gostaria de pedir ajuda, como falam do Rio e sou carioca de Laranjeiras, e realmente os preços dos imóveis no Rio são sulreais, estive olhando imóveis na região dos lagos, especificamente em Cabo frio estou assustado, há dois anos com 200 mil comprava-se uma casa bairro médio ( Exelsior, Palmeiras, Jardim Caiçara etc.), de 80 a 100m², e que do meio de 2011 pra cá estão pedindo 350 mil, vocês poderiam me orientar sobre bolha imobiliária no estado do Rio de Janeiro, acho que a coisa não está restrita ao município do Rio. Existe algum site, ou blog do assunto, já pesquisei alguma coisa na internet mas é muito vago. As pessoas envolvidas em transações imóbiliarias são muitas vezes amadoras e não sabem o que falam, e realmente desesperador! Grato, e espero alguma resposta!!

        0
  • Carlos Wagner 30 de janeiro de 2012 at 10:19

    Colegas

    Esse post ficou perdido no outro topico e foi postado por um colega. Acessei o link e gostaria muito de trazer o texto para o debate. Será muito importante ler as opiniões de voces sobre isso. Será apenas teoria de conspiração?

    h t t p : / / portugues.larouchepub.com/outrosartigos/2010/0507_brazil_carry_trade_london.html

    0
    • MrK 30 de janeiro de 2012 at 10:33

      Esse texto tem uma mistura de verdade com delirio, obvio que pegar dinheiro la fora a 1% pra emprestar ao Brasil em 11%, ganhando ainda na conversao da moeda, e’ a coisa mais lucrativa do mundo e vem ocorrendo por anos!!

      Verdade: Carry trade existe e esta pesadissimo no Brasil
      Verdade: Enquanto o Real estiver forte, eh um estimulo ao carry trade continuar ou aumentar, so’ uma desvalorizacao do Real pode corrigir isso.
      Verdade: Se todos os credores internacionais parassem de rolar sua divida aqui, o Brasil quebra sim, mas nada indica esse cenario no curto ou medio prazo,e assim como o Brasil vive um esquema de ponzi a maioria dos paises mundo afora tambem o vivem, entao todos estao sujeitos a um ataque desse, se o carry trade desarmar devagar o risco torna-se baixo, o X da questao esta no panico (corrida pra resgatar os titulos)

      Delirio: Essa uniao de bancos, familia Rotschild, esquema com o Lula, eu acho essa orquestra toda uma coisa meio delirante, particularmente nao acredito, eu acho que isso se formou por uma conjuntura mundial mesmo

      0
      • DRN 30 de janeiro de 2012 at 10:58

        Se não interessa aos investidores internacionais a desvalorização do real frente ao dólar, por que, então, alguns economistas acreditam que, por volta de 2015, teremos uma maxidesvalorização do real que consumirá quase todas as nossas reservas em dólares norte-americanos?

        Agora, que o Brasil tem de baixar os juros reais (e a inflação tb, se possível). Primeiro porque na hora de gastar a grana é uma bagunça só, muita coisa se perde no meio do caminho. Segundo porque temos de priorizar o modelo de PPP para construir obras de infraestrutura. Claro, a chave de tudo isso é diminuir o gasto estatal, inclusive com a folha de pagamento, mas o PT não vai querer fazer isso NUNCA.

        0
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 11:44

        é um delírio baseado em fatos reais
        verossímil, mas improvável

        na época da guerra fria faziam previsões do mundo acabar numa grande catastrofe nuclear.
        Estamos aqui.

        0
        • Yuri 30 de janeiro de 2012 at 17:22

          Luiz, há alguns historiadores que dizem que isso só não aconteceu por uma questão de 2 semanas.

          Se vc acredita em Deus, pode atribuir a Ele a razão de ainda estarmos aqui.

          []s

          Yuri

          0
          • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 18:03

            ah amigo eu tbm só não encontrei a gisele bundchen pelada no shopping morumbi por uma questão de 2 semanas.

            rsrs

            cuidado com frases de efeito, elas não significam nada.

            0
      • FQ 30 de janeiro de 2012 at 14:52

        w w w .istoedinheiro.com.br/noticias/11622_MARIO+GARNERO+UM+BRASILEIRO+NA+ALTA+RODA+DOS+NEGOCIOS+MUNDIAIS

        0
      • Mineiro BH 30 de janeiro de 2012 at 16:25

        Na parte do delírio faltou mencionar que a essa turma toda se juntam os nazistas, Hitler em especial (que na verdade ainda vive), e talvez mesmo Elvis Presley, muito avistado em cafés no interior dos EUA, o ET de Roswell, a área 51 e os discos voadores capturados pela USAF…

        0
        • Xangai 31 de janeiro de 2012 at 12:07

          liked it

          0
      • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 17:49

        Muitas multinacionais, até de origem brasileira, fazem isso.

        Essa é a origem de GE Capital, BV Financeira e outras. Esses grupos são muito poderosos e sólidos e conseguem não apenas emprestar muito dinheiro a juros baixos como também trazer o dinheiro maquiado na forma de investimentos externos.

        Esse dinheiro não é taxado pelo governo, pois a transação é feita em conta especial no Banco Central. Esse modelo está sendo abusado diariamente pelas empresas, que utilizam essa abertura para trazer crédito e capital especulativo ao invés de realmente investir em marketing, novas fábricas, projetos, etc.

        É um grande ativo estratégico ter uma porta para o exterior, com solidez nos EUA e Europa e ao mesmo tempo uma autorização governamental de remessa de capitais que pode demorar décadas para ser emitoda.

        0
  • danilo 30 de janeiro de 2012 at 11:56

    Voltando de BH para BSB, dividi um taxi com um casal que veio conversar sobre mercado imobiliário na capital federal. Os argumentos foram os seguintes

    1 – “Moro em BSB há 40 anos e o preço dos imóveis sempre foi assim, elevado” Mesmo nao conseguindo me indicar o que aconteceu na cidade nos últimos 3 anos para justificar tamanho aumento, eles julgaram como normal.

    2 – “Há falta de imóveis para classe média em Brasília”. Também nao obtive sucesso no argumento ao dizer que há muitos imóveis livres nas Asas, mais uns 14 mil a serem entregues no Noroeste, mais outras dezenas de milhares em Águas Claras. Foi-me dito que há demanda para tudo isso no nível atual de preço, mesmo sem explicar pq há tanto imóvel vazio e quem teria condicao de pagar esses preços, já que somente 24% sao funcionários públicos e a média salaria do funcionalismo, segundo o Correio, é de R$4,9K. Juntando dois salários iguais a esse, nao se compram esses imóveis.

    3 – “Nao importa se o aluguel é de 0,28% do valor do imóvel. O que vale a pena é o ganho com a valorizaçao”. Eu disse que se ela pegar 600K e colocar em um fundo de baixo risco, com rendimento líquido de 0,8% ao mês, chegaria perto dos 980K em 5 anos. Por outro lado, juntando o aluguel com o principal, o valor ficaria perto dos 710K. Pelo argumento apresentado, o imóvel fatalmente valerá mais de 1 KK em 5 anos, ou seja, uma valorizaçao mínima de 90K ao ano.

    4- “Comprar apartamento do Noroeste é uma boa opcao de investimento, pois o m2 deve chegar aos 15 mil.” Novamente nao tive sucesso. Eu disse q o valor de lan´çamento era aproximadamente 13K o m2. Hoje, chegamos a 8K. Na visao deles, assim que as entregas começarem, o valor duplicará.

    Aí fui tomar café

    1+
    • danilo 30 de janeiro de 2012 at 11:58

      Só corrigindo…eu deveria capitalizar o valor do aluguel junto com o principal, mas náo fiz. Erro meu. De qualquer forma, a diferença continua aburda

      0
      • Andre da Bolha de Plastico (para evitar homonimos) 30 de janeiro de 2012 at 16:08

        Ja disse isso antes – e repito – vc mesmo observou eles moram em Brasilia a uma porrada de anos e não pretendem comprar nada na atual conjuntura, mas defenderão os preços altos e o consumo como uma forma de auto preservar seu proprio patrimonio. A real mesmo é saber quem na atualidade esta comprando e paganado esses valores? – Ninguem. Vc. fez a pergunta pro cara errado – vc tem que perguntar isso para os potencias compradores e não “para os ricos” que pagaram x e hoje falam que seu imovel vale 20x

        0
    • Leandro 30 de janeiro de 2012 at 12:13

      99% da população está cega!

      0
      • augusto 30 de janeiro de 2012 at 12:58

        Ou grande parte da população é tremendamente burra

        0
  • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 12:03

    No ESTADAO.com.br

    Inadimplência das empresas SOBE 19% em 2011.

    Caso a crise piore e chegue com força ao País, pequenos empreendimentos podem ter dificuldade em tomar dinheiro emprestado

    Segundo Relatório da Serasa é o maior ‘calote’ em dois anos. A alta só foi inferior a observada em 2009 (25,1%) quando os negócios sofreram os impactos da crise mundial e quebra de diversos bancos nos Estados Unidos.

    0
  • Marcelo 30 de janeiro de 2012 at 12:11

    Desculpem a repetição, mas eu havia postado esse texto no tópico antigo.
    Vejam que texto interessante eu encontrei na internet, meio conspiratório mas que chama muito a atenção. Será que a crise brasileira futura, causada por este modelo insustentável, terá tamanho efeito na economia glabal?

    Bolha Especulativa Brasileira Vai Explodir
    15 de Março(2010) (EIRNS)—Num pronunciamento internacional pela web, feito em cinco idiomas, o economista de renome mundial Lyndon LaRouche avisou que a bolha de jogo cambial brasileira, no centro do sistema monetário internacional de Londres, vai explodir a qualquer momento, e que a Rússia e outras nações que esperam sobreviver devem juntar forças para impor uma abordagem global “Glass-Steagall” para uma reorganização através de bancarrota que aniquile essa bolha e todo o sistema imperial de espoliação.
    Numa vídeoconferência explosiva que está sacudindo as capitais do mundo, LaRouche foi incisivo: “ Entrementes, há um perigo crescente de explosão da moeda brasileira. Essa explosão, agora iminente, significaria uma crise de quebra geral para todo o planeta.”
    LaRouche identificou o papel central desempenhado pela espoliação do Brasil, prisioneiro do império britânico, no auto-destrutivo sistema monetário internacional estabelecido em agosto de 1971, com o fim do sistema de paridade fixa. “Naquele ponto, os britânicos organizaram uma conspiração financeira, centralizada na figura de Lorde Rothschild, chamada Grupo Inter-Alfa. Hoje o Grupo Inter-Alfa, que é baseado na especulação entre pessoas espanholas que não gostaríamos de conhecer, está no Brasil em torno do Banco Santander… O Grupo Inter-Alfa como um todo é o maior engodo neste planeta. E toda a economia britânica depende financeiramente desse logro, cuja principal base de operação está hoje no Brasil.
    “O Brasil está falido, totalmente falido, mas é um estado oligárquico, no qual há uma pequena parte da população que é rica e poderosa, capaz de controlar as coisas; e a maioria da população, que odeia a minoria, que mora em outras áreas, num estado de conflito constante. Não é uma nação estável – vocês não a chamariam de nação democrática de jeito algum. É uma ditadura.
    “Ele tem certa riqueza e poder”, continuou LaRouche, “mas! Tem um sistema financeiro que é um logro, e o sistema financeiro é esse Grupo Inter-Alfa, com base de operação em Londres, o principal veículo do império britânico…
    “O Brasil representa um centro de jogatina com as moedas do mundo, que está falido e pronto para explodir!
    “Se qualquer parte desse sistema explodir, e ele pode explodir a qualquer tempo, todo o sistema financeiro-monetário mundial não vai explodir, vai se desintegrar ! – de modo muito parecido com a grande idade das trevas na Europa do século XIV”, disse LaRouche.
    “Portanto, o tempo está acabando. A questão não é de diferença de opiniões políticas. A questão é de escolha política, entre podermos sobreviver e estarmos condenados! E o tempo está acabando! Olhai os idos de março.”
    LaRouche diz que esse Grupo Inter-Alfa – a mesma organização que conseguiu que o Presidente John F. Kennedy fosse assassinado e depois criou o chamado BRIC com Brasil, Rússia, Índia, China—como o grupo que controla posições vitais na Rússia de hoje e as pessoas que são “o principal empecilho para salvar a Rússia da destruição que ameaça atingi-la hoje, quando explodir a crise brasileira, e que acontecerá.”
    “Em outras palavras, do jeito que essa crise vai, a crise financeira geral no mundo está a caminho de uma crise de ruptura – não uma depressão, mas sim uma crise de ruptura”, afirmou. “Não haverá nunca uma recuperação da economia no mundo, em qualquer lugar, enquanto esse perigo existir! Se não eliminarmos Wall Street hoje, ou o que seja equivalente a Wall Street hoje, os Estados Unidos não existirão, e teremos uma crise na qual nenhuma nação existirá como nação; entraremos em decadência.
    Em sua edição de 5 de março, o EIR expôs a bolha de jogo cambial brasileira como um esquema Ponzi internacional baseado na espoliação até o osso da população e nação brasileira. Explicando para uma audiência estrangeira o infame incidente de Ronaldo, familiar a todos brasileiros ( em que o famosos astro do futebol foi pego com três travestis), o EIR avisou a Rússia, China e Índia em particular, para que lembrassem “que o que você vê nem sempre é o que você pega… não sejam enganados como Ronaldo. O jogo cambial brasileiro, como a “Andréia”, não é o que parece.

    Aqui vai o endereço para a edição de 5 de março do EIR, em português:
    http:// portugues.larouchepub.com/outrosartigos/2010/0507_brazil_carry_trade_london.html

    0
    • Cai cai balão 30 de janeiro de 2012 at 12:48

      No melhor do meu senso comum, pensaria: “vc está louco”.
      Procuro me manter com a cabeça aberta, mas acho isso um pouco conspiracionista.

      0
    • Zeca Gado 30 de janeiro de 2012 at 13:27

      O caso do banco santander foi retrado na mídia semana passada com ligação aos nazistas o que me levou a pensar se no filme: O plano perfeito, eles não estavam se referindo a esse tal banco.
      Já li muitos livros sobre isso e unica coisa que sei é que não duvido de nada.
      Cada um é livre para pensar o que quiser, claro que antes de formar uma opinião é bom sempre lê, analisar e investigar.

      0
  • Ghaspar 30 de janeiro de 2012 at 12:31

    Esse negocio de FGTS de 500mil é devaneio….é só pra puxar os preços para cima…
    Um EMPREGADO que ganhe 20 mil/mes ( ???) , precisa de 26 anos de trabalho para acumular 500 mil de FGTS…..
    Ora se ele começar a ganhar esse valor com 30 anos..só o terá aos 56, quando existem já uma série de restrições..
    Alguem está ficando doido, e não sou eu………este castelo de cartas vai desmoronar…

    0
    • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 12:47

      calma colega Gaspar, isso é blefe, vc nunca jogou truco?

      Quantas pessoas vc pensa que existe com saldo no FGTS grande o suficiente pra cobrir a entrada em um imovel acima de 500k?

      Tira desses os que já tem casa e não vai sobrar quase ninguém.

      0
    • MrK 30 de janeiro de 2012 at 12:55

      Nao e’ exatamente assim que funciona

      se uma pessoa tem, digamos R$80mil no FGTS, ele so pode usar tal valor se o ap custar R$500mil, se ele quer um ap de R$550mil, nao pode usar esses R$80mil, mas se o teto subir, podera’ usar, entendeu?

      essa medida daria um folego curto na bolha, mas sinceramente acho que bem curto, quem sabe mais uns meses de vendas… essa medida nao muda a realidade do problema que e’ o preco muito acima do que as pessoas podem pagar, o problema estrutural continuaria e a bolha explodiria ainda mais forte na frente

      0
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 13:02

        um apê de 500k precisa de uma entrada de 20% pra aprovar financiamento (bancos privados já começa a pedir 30%), nesse caso os 80k do FGTS seria insuficientes, o cara teria que por 20k do bolso e ainda ter uma renda imensa. Duvido que alguém neste nivel tope a parada, oss ricos não ficaram ricos sendo idiotas.

        Fazendo as contas direitinho vcs vão ver que a medida teria efeito apenas psicologico, é o mesmo que subir na mesa e gritar truco com merda nenhuma na mão.

        0
      • Emtso 30 de janeiro de 2012 at 13:40

        Mrk,

        Além disto, a cada 2 anos (ou 30 mil de FGTS recolhido o que atingir primeiro) você pode abater do valor devido. E com o passar dos anos a sua prestação vai dimuindo (amortização constante) e o seu recolhido vai subindo (pela subida de salário, aumentos, promoções, etc). Então para quem recolhe o FGTS é muito bom utiliza-lo em imóvel.

        Hoje o FGTS rende miséria, 6%a.a., empregando num imóvel ele renderá o que o imóvel subir (se subir) mais o abatimento (VPL do valor devido ao banco).

        Entretanto, hoje o limite de uso é p/ imovéis de até 500k, mas nas CAPITAIS SP/RIO/BSB fica COMPLICADISSMO achar algo num tamanho legal (90m2) neste preço. As construtoras já fazem pressão p/ subir pra 750k ou mais, mas não creio que afetará tanto assim o mercado, mas com certeza dá um gás hélio pra bolha, principamente p/ imóveis da faixa de 500k a 750k.

        0
        • Money addicted 30 de janeiro de 2012 at 16:01

          esse pseudo rendimento do fgts eh a unica questao q me traz um pouco de pressa para comprar um imovel, pois tenho uma quantia “razoavel”, mas prefiro deixa-lo parado perdendo inclusive para a inflacao oficial do que entrar em uma divida por anos e ainda pagar juros estorcivos sobre a divida e depois do estouro ainda ver o valor do bem cair.

          falando em juros, algo que ja foi falado aqui, mas na minha nao foi dada a devida atencao eh referente a correcao pela TR qdo tudo comecar a feder qro ver para onde vai….

          []s

          0
          • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 19:26

            casa que liberam o fgts

            0
  • Muca CG Muita Treta 30 de janeiro de 2012 at 12:32

    Ontem, passeando pelo bairro, percebi que algumas imobiliárias estavam abertas. Nunca vi imobiliárias abrirem de domingo. Sintomático, não?

    0
    • Johhny RJ 30 de janeiro de 2012 at 18:20

      Só acrescentando…
      Ontem, domingo, uma corretora que eu nunca tinha ouvido falar me ligou, oferecendo um apto pré lançamento na Tijuca. A unidade de menor valor está na base dos 500mil.
      Falei que nao me interessava.

      0
  • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 12:56

    Lembram que vieram aqui falar em disparada das ações da GFA?

    olha ela aí em situação lamentável, na mesma, como sempre.
    GFSA3 4,41
    Isso pq a bolsa toda subiu.

    0
    • augusto 30 de janeiro de 2012 at 13:08

      Luis eu usei o termo DISPARADA erradamente, apenas para dizer que as ações da empresa Estranhamente estavam subindo (certamente movimento especulativo de profissionais)
      Mas parece que as coisas estão voltando ao normal, com o mundo percebendo que nada foi resolvido, apenas os papéis dos Paises no centro da crise estavam com taxas mais civilizadas devido ao dinheiro do BCE (por sinal emitido sem lastro).
      As bolsas vão dar alegrias a pouco investidores profissionais, e no final tristezaa para as sardinhas otárias

      0
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 14:56

        nada pessoal augusto,

        de tanto repetirem a gente acaba soltando sem querer

        a GFA está tão mas tão caida que qualquer 20 centavos é uma subida espetacular em porcentagem, aí o desavisado entra, compra e perde. São as sardinhas do sistema que mantem os grandes sobrevivendo. Não fosse isso, a coisa tava pior.

        0
        • RD85 30 de janeiro de 2012 at 15:21

          Daqui a pouco alguém resolve comprá-la e outras “fusões” envolvem empresas quase falidas do setor aí vem um guru dizer que o setor está passando por um processo natural de consolidação…

          0
        • augusto 30 de janeiro de 2012 at 15:40

          Ok Luiz não esquenta não, eu é que me expressei errado, e acho que todos incompetentes, e gananciosos ,talvez como a Gafisa, tem que pagar pelos seus deslizes. Às vezes a ambição (assocoada com a burrice) é tanto que acabam dando um tiro no pé

          0
  • Sir Income 30 de janeiro de 2012 at 13:53

    “CDB isento de IR” finalmente ficou acessível
    A LCI, que antes só era vendida nos bancos a clientes que estivessem dispostos a aplicar ao menos 50.000 reais, agora está acessível a quem quer investir qualquer quantia

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/cdb-isento-de-ir-finalmente-ficou-acessivel?utm_medium=twitter&utm_source=twitterfeed

    A máquina não pode parar…

    Abraços,
    Sir Income

    0
  • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 15:39

    Dica de quem sobreviveu a hiperinflação da época do Sarney:
    Adeque seus gastos, só vá na boa, gaste com cuidado e consciencia, aproveite descontos, pesquise lugares onde esqueceram de remarcar, faça listas e tabelas, crie grupos de compras, aproveite oportunidades.

    E continue guardando dinheiro para gastos maiores. Por exemplo: carros, TVs celulares e computadores estão em deflação há anos. Um exemplo prático: um fiat UNO custava 7.500 em 93, em 2003 passou pra 15k e em 2010 chegou a quase 30k. De 2 anos pra cá caiu pra 21k, 30% de desconto, o mesmo preço de 2006.

    Inflação se adminsitra de modo individual

    1+
    • augusto 30 de janeiro de 2012 at 15:50

      Noticia no site Folha:
      A inflação se mantém como a principal preocupação do consumidor brasileiro, mostra pesquisa divulgada nesta segunda-feira (30) pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).

      O levantamento, que mede a expectativa dos brasileiros em relação à economia, aponta que 54% dos entrevistados responderam que acreditam que a inflação vai aumentar nos próximos seis meses, enquanto que outros 15% afirmam que os preços vão crescer muito.

      O indicador está 4,3% pior na comparação com o mês passado e 7,4% inferior ao registrado em janeiro de 2011, o que sinaliza aumento do pessimismo com a evolução dos preços.

      Noticia no site Estadão:
      NOVA YORK – O presidente do Federal Reserve (Fed) da Filadélfia, Charles Plosser, afirmou nesta segunda-feira que os formuladores da política monetária do Fed podem decidir elevar os juros antes de meados de 2013. Segundo ele, essa alta pode ocorrer no fim deste ano ou no início do próximo.

      0
    • Zé Coxinha 31 de janeiro de 2012 at 13:02

      Excelentes dicas. Mudar o padrão de consumo também é essencial. Eu comecei a pedalar curtas distâncias (entre 5 a 8km), evitando assim pegar ônibus, que no Rio sairia a R$5,50 ida-e-volta. Estou economizando uma grana boa!

      Eu e minha esposa adoramos viajar, e mesmo usando os Groupons da vida, no final das contas os custos estavam bem caros… Resolvi então ressucitar uma barraca de camping abandonada que eu tinha guardada, pegando pó. Agora, acampando, gastamos em média de 1/3 a 1/4 do preço que pagaríamos para ficar em hotéis ou pousadas.

      Vamos usar esse nosso “jeitinho” pra alguma coisa de útil, meu povo! rs

      0
  • MrK 30 de janeiro de 2012 at 15:47

    Esse forum esta cada vez melhor, esse Ricardo Eng sabe das coisas, sabe muito bem vindo, seus comentários são muito pertinentes

    some a isso todas historias que temos ouvido, estamos conseguindo nosso objetivo tão sonhado: Juntar uma turma boa, com ouvidos em todos estados, compartilhando histórias reais e entendendo o que acontece de verdade, se fosse depender dos jornais iriamos estar achando que a coisa continua boa e corretor é a profissão do momento

    alguns dizem: A visão de vocês é parcial, pois estão de um lado do mercado!!!

    eu respondo: E a imprensa, é imparcial por acaso?

    a gente faz a média e chega na “realidade” heheheh

    nice job people!

    0
    • Cai cai balão 30 de janeiro de 2012 at 16:06

      É verdade, MrK. Tenho observado a crucificação do Ricardo Eng. por conta os seus posicionamentos fortes e não muito afetuosos. Numa sociedade de “homens cordiais”, como bem define Sérgio Buarque de Holanda, não é de surpreender que as idéias de Ricardo causem toda essa balbúrdia.

      Apesar de nem sempre concordar com a moldura, a forma de que ele se utiliza para expor a sua visão de mundo, gosto muito das suas idéias. Como servidor público desde os 18, seria natural que eu repelisse todas as suas palavras, mas não é isso o que eu faço.

      Tenho colegas de profissão bem remunerados que se endividam com financiamento de carro, “casa própria” logo depois de serem nomeados, após anos estudando para concursos, em prol do ingresso no serviço público. Depois que entram, endividam-se até a boca e reclamam das novas políticas, do arrocho de Dilminha e do achatamento dos salários do funcionalismo.

      A nossa economia é cíclica. Mesmo para os servidores públicos, que passam a integrar os quadros sabendo que não vão enriquecer, mas fortes na convicção de que terão “estabilidade”, é preciso o mínimo de planejamento. Não é isso o que temos observado.

      Compre, compre e compre, de preferência contratando com alguma de nossas linhas de crédito farto. Investimento e poupança que é bom? Nada.
      Isso não tem como acabar bem…

      0
      • Mineiro BH 30 de janeiro de 2012 at 16:36

        Boas observações…

        As vezes comento com um amigo que faltam teorias pra explicar o Brasil…

        Essa terra do homem “cordial” é a mesma que mata dezenas de milhares por ano no transito, mais sei lá quantos com armas brancas e de fogo…

        Números que, somados, deixam Iraque, Paquistão e Afeganistão (com seus midiáticos homens bomba assassinos) no chinelo…

        Mais engraçado é que a morte de 5 explodidos num lugar remoto do Paquistão gera comoção nas casas durante o jornal Nacional, como se aqui fosse a Suiça ou a Finlândia…

        Dá pra entender?

        0
        • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 17:06

          É muito produtivo que os do outro lado venham aqui expor com honestidade como eles operam e lucram

          (desde que não venham com bobagens do tipo daqueles tia corretora que falava da França como se fosse o quintal mas nunca esteve lá)

          Nossas críticas não devem fulanizar a conversa por mais corretas que sejam.
          Sou a favor do outro lado qualificado
          Melhor que o argumento desqualificado mesmo que do “nosso” lado

          0
      • luluca 5 de fevereiro de 2012 at 03:53

        Cai Cai balão, concordo com vc. Sou Funcionária pública tb, eu e meu marido, e vejo colegas recém empossados (nós já temos 4,5 anos) comprando carrão (80 mil), apt que “vale” 50 a 60 vezes o valor da nossa renda liquida mensal! Tuuudo pelo Banco! Já ouvi várias, mas vááárias pessoas dizendo p gente: ” Ah! Mas vcs moram neste apt!? Vcs podem morar de frente para o mar, tem renda p isso!” . Eu moro num apt de 50 m2, pq foi o único que coube no meu bolso! Não me iludo com história de estabilidade e sei que a nossa situação vai ficar preta! Arroxo salarial para conter os gastos públicos! é isso aí! Acredite quem quiser!

        0
        • Cai cai balão 5 de fevereiro de 2012 at 12:47

          luluca,

          Meus pais são servidores públicos e, desde que eu me entendo por gente, acompanho as oscilações do poder de compra do funcionalismo. Tudo o que eu posso te dizer é o seguinte: nunca te faltará dinheiro para comer e para morar, desde que você seja extremamente organizada. Aprendi que a estabilidade no serviço público, na verdade, pode ser convertida numa morte lenta. Sabes como isso acontece?

          O Estado (sentido lato) simplesmente “esquece” de reajustar o valor do teu subsídio (ou vencimento). Com isso, ao longo de 4 ou 5 anos, em tempos de inflação controlada, perdeste 30% do teu poder de compra. Perceba: 30% é exatamente o que a CEF te permite comprometer, a título de parcela para o financiamento imobiliário.

          Meu pai detém um cargo que hoje é de carreira típica do Estado. Há 15 anos, na gestão de FHC, vi ele refinanciar o único carro da casa para pagar as mensalidades atrasadas da minha escola. Flagrei ele acordado à noite, perdendo o sono, com a calculadora em mãos e o CRLV grampeado a um contrato com timbre de banco. Nunca viajamos para o exterior e só comíamos fora em datas especialíssimas. Nossa vida era muito regrada. Ele fazia contas para conciliar o compromisso com a minha educação às despesas ordinárias, o que incluía o financiamento pelo SFH.

          Apesar da pouca idade à época, essa cena mudou a minha percepção da realidade e infleuncia o meu comportamento com o dinheiro até hoje.

          Tenho 28 anos e ocupo um cargo que me paga pouco menos de 7k. Minha esposa é autônoma e traz 4k pra casa, todos os meses. Não temos filhos. Com essa renda, optamos por viver de aluguel e procuramos, na medida do possível, ter um padrão um pouco aquém do que a nossa renda pode proporcionar. Quero guardar 1/3 desse dinheiro a aplicá-lo em investimentos conservadores (CDBs e TD). Ao fim de 7 ou 8 anos, vamos comprar meu primeiro imóvel, à vista.

          Tenho um colega recém empossado que sustenta a família sozinho (um filho especial e mulher grávida). Não resiste a qualquer tentação de consumo: honda civic financiado, ipad, iphone 4, nike shocks e intenção de financiar apt. de 350k. Quando finalmente se der conta de que a sua renda não era compatível com esse padrão, vai pôr a culpa no Estado e resmungar até reconhecer que está na hora de descer o nível.

          Infelizmente esse é o brasileiro padrão. O nosso senso comum tem sido informado por maus princípios, tão difundidos em razão da nossa pobre educação financeira. Financistas bem informados são taxados de muquiranas e isso diz muito sobre o nosso povo. Aliás, é essa gente que tem contribuído para inflar a bolha ainda mais.

          Já me distanciei da manada. Hoje observo de longe, poupando e pagando pra ver. Sou servidor público, mas não abuso da sorte, tampouco da nossa política econômica. Faça você o mesmo e seja feliz pagando aluguel. Garanto que pagarás menos do que nos juros do financiamento. Um abraço.

          0
          • Cai cai balão 5 de fevereiro de 2012 at 12:50

            Corrigindo: *Ao fim de 7 ou 8 anos, vamos comprar NOSSO primeiro imóvel, à vista.

            0
    • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 17:29

      Agradeço os elogios. Na realidade, estou aqui há algum tempo, antes era apenas Ricardo, depois Ricardo com um sufixo que não me lembro e agora Ricardo Eng.

      O Cai Cai Balão leu o meu pensamento com o “homem cordial”, pois escrevia exatamente sobre isso em outro post antes de ler as mensagens desse thread específico. O brasileiro abre mão de seus princípios em troca de amizades, para evitar o conflito. É por isso que estamos nessa situação.

      Como empregador, já fui ameaçado com uma greve, com adesão em massa dos funcionários. O salário pago naquela empresa específica era mais alto do que a média da região e o sindicato encarou isso como sinal de fraqueza. E há alguns meses o direito de ter um horário flexível estava sendo utilizado até mesmo para frequentar o bar.

      Viram a movimentação como chance de saquear o “patrão rico”.

      Como já estava de saco cheio daquele segmento e daquela cidade (Ribeirão Pires), simplesmente fechei a empresa, devolvi o galpão e reutilizei as máquinas em outras empresas, onde estavam fazendo falta. Não mantive ninguém da empresa anterior.

      A cidade é extremamente pobre e complicada. É muito rural, até nas regiões consideradas “urbanizadas”, e tem pouco emprego. Deram um tiro no pé ao tirar o empregador da zona de conforto.

      Alguns meses depois, conversando com fornecedores, descobri que não sou o único: muitas pessoas simplesmente fecham as empresas e a reabrem em outro lugar, quando a situação social com os funcionários passa a ser intolerável.

      Mas esse é o brasileiro. É o país do direito e não do dever.

      1+
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 17:57

        agora empatizei com vc Ricardo
        Ribeirão Pires é um antro de comunistas, sindicalistas radicais aposentados do ABC que invadiram a cidade e agora vivem de politicalhas e ajudas de custos dos partidões. Aquilo é pstu pra baixo, gente da mais suja e horrorosa

        Mais recentemente apareceu o pior tipo deles, os que viraram “green”, tipo melancia, verde por fora vermelho por dentro.

        Impedem todo tipo de melhoria na cidade, exceto invasão de casinha popular, favela e posto de gasolina. Detalhe, aquilo é area de manancial, o pior tipo de contaminação é exatamente esgoto de casa e poluição de carros.

        Quem produzia na cidade abandonou aquilo por haver tanta …….. (me falta palavras)
        Cidade decadente, mais uma que poderia ser tudo e virou nada.

        0
        • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 18:36

          Pois é!

          Ribeirão Pires (junte também Mauá e Diadema) é o típico caso de que o mundo só será um lugar melhor através das leis e da transparência. Nada naquela cidade é transparente. Parece uma visão do filme Mad Max e não um lugar civilizado.

          O imediatismo domina a luta popular, que foi sequestrada por pessoas sem honestidade e que estão lucrando alto (pro pouco que estudaram) em termos políticos e financeiros. Muitos ficaram chocados com o que aconteceu em SJC, com Pinheirinho, onde o PSTU lucrava alto loteando um terreno invadido (eles vendiam lotes!) e cobrando condomínio da população. Só que isso em Ribeirão Pires seria fichinha. A cidade lida com problemas muito maiores.

          Aqui no Brasil acreditamos no mito de que o povo é honesto por natureza, oprimido, vítima da situação criada pelos outros e que o empresário é o demônio vestido de gente. Viaje para Ribeirão Pires e verá o povo roubando do próprio povo, uns enganando aos outros.

          O pior é que essa questão, da criação de um estado forte, com aplicação de leis e oportunidades iguais, é muito antiga. Eu acho incrível que isso ainda esteja sendo rediscutido no Brasil e ainda não tenha sido aplicado. Os sintomas dessa situação já foram estudados por outros povos durante séculos. Se você ler qualquer texto grego, datado de milhares de anos atrás, ele já lida com as questões com as quais ainda estamos sofrendo.

          Qualquer texto muito antigo irá tratar dessa questão, do sujeito que levanta a voz em público e se diz defensor do povo mas que na verdade está abusando da fraqueza das pessoas. Não precisa ir muito longe, há poucas décadas sofremos com o fenômeno dos coronéis no nordeste e hoje os partidos de esquerda estão manobrando o povo da mesma forma.

          O nosso país está sendo DESTRUÍDO por aqueles que dizem representar o povo mas estão apenas procurando um trampolim para ascenderem social e economicamente. Esses movimentos mantém as pessoas presas em um sistema perverso de pobreza e luta constante. Os próprios movimentos, que gritam palavras de ordem manjadas para inglês ver, não são democráticos e em muitos casos geridos com o revólver na mão.

          Graças às promessas feitas para essas pessoas, gerações inteiras acreditam que o estudo não vale nada e que só crescerão através de uma luta de classes baseada em princípios ideológicos que já estavam defasados em 1910. A própria mídia reforça no cidadão o conceito de que eles tem que reclamar e reclamar do governo e nunca oferecer nada em troca para a sociedade.

          Em SP existem bairros que são muito novos (~4 anos) e foram formados exclusivamente através de invasões de mananciais e reservas florestais. Volta e meia sofrem com enchentes e ficam alagados por muitas semanas.

          E ESSE POVO VAI PRA TV RECLAMAR QUE O GOVERNO AINDA NÃO FOI LÁ GASTAR R$ 2,1 MILHÕES POR KM BOTANDO INFRAESTRUTURA. $##@$#@[email protected]

          Pro governo eles nem existem, pois a terra é roubada! Mas estão lá, no SPTV reclamando, cheios de razão. Tá, esses são os direitos, mas cadê os deveres?

          Ribeirão Pires é a síntese da falta de qualidade do cidadão brasileiro. Venderam essa idéia para o povo em troca de apoio político e hoje estamos todos lascados.

          E eu vejo diariamente essa atitude em quase 100% dos novos funcionários que pertencem a certas classes sociais. Os honestos e esforçados hoje são uma minoria.

          0
          • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 18:48

            Sem falar as dezenas de bairros que os petralhas lotearam dentro do rio Tietê e de ano em ano, a inundação é anual, aparecem na TV para exigir.

            Essa exploração do pobre pelo pobre é um crime.
            Na maior parte de uma favela se paga aluguel para os “proprietarios”, diga-se invasores profissionais

            0
      • LEOTEX 30 de janeiro de 2012 at 18:33

        O Brasil trata seus empregadores como se fossem todos mega capitalistas exploradores. E trata seus empregados como se fossem mineiros famintos e explorados, como no livro “Germinal”, de Zola.

        Muitas vezes o que diferencia o empregado do empregador é apenas atitude, levar uma ideia adiante, dar a cara a tapa, assumir riscos, fazer a economia girar. Nem sempre é preciso um grande capital pra empreender, muitas vezes basta coragem. Mas todo o sistema é montado pra dificultar as coisas, desde o dia em que o cara decide abrir um negócio, até o dia em que finalmente o país vence e ele precisa fechar.

        O triste resultado é o que vemos: gerações de brasileiros pensantes, capazes, cujo único objetivo é passar num concurso público e bater carimbo a vida inteira.

        0
        • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 18:39

          Estou de plano acordo!

          0
        • Eder 30 de janeiro de 2012 at 20:49

          ou vc pode ver assim: o objetivo de quase todos é fazer concurso público porque a iniciativa privada no Brasil paga uma miséria. Por isso milhares e milhares se acotovelam em um concurso para ganhar 5.000.

          0
          • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 23:56

            O governo possui um piso realmente alto para cargos operacionais e de baixa responsabilidade. Muitos buscam essas vagas, que pagam pouco, pois querem trabalhar menos ainda.

            Quem está sempre estudando e evoluindo não para nos 5 mil.

            0
            • rbc 31 de janeiro de 2012 at 09:53

              Olha, Ricardo, eu até concordo que os bons mesmo nunca param de estudar e não se contentam com os 5 mil. Mas, te digo uma coisa: por dois anos eu aguentei trabalhar em um grande escritório de advocacia em São Paulo.

              O salário era excelente, trabalhava bastante (muitas horas extras, mesmo). Mas, ao final, via meninas da minha idade, com menos experiência e inteligência, ganharem posições graças ao decote ou ao sobrenome. Cansada de injustiça e sem vocação para ser vagabunda, parti para os concursos públicos mesmo.

              Passei e hoje continuo estudando por um salário melhor. Não coloquei a culpa em ninguém, simplesmente pedi demissão e fui atrás de coisa melhor.

              É essa atitude que falta ao brasileiro, de modo geral.

              0
              • Raul 31 de janeiro de 2012 at 11:22

                Parabéns pela sua atitude.

                Sucesso nos estudos.

                0
              • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 18:09

                Sim, são casos e casos. Até porque a carreira pública para quem fez direito é muito boa e não para nos 5 mil.

                Só que muita gente que ganha 2 mil na iniciativa privada consegue ganhar 5 no governo, pois o piso do governo para algumas vagas é muito alto.

                0
            • Leno 7 de fevereiro de 2012 at 23:12

              Exatamente, e é por isso que o funcionalismo público neste pais é sinonimo de descaso,burocracia e ineficiência.Aí quando surge algum plano de privatização começam com aquelas ideologias oportunistas de que estão vendendo o que é do povo – oras!, só se for de uma pequena parte do povo. Por isso sou a favor do modelo privado de gestão, pois ainda que esteja longe da perfeição está a anos luz do modelo publico.

              0
          • LEOTEX 31 de janeiro de 2012 at 14:36

            Éder, do ponto de vista do empregador, abrir um posto de trabalho no Brasil é financeiramente muito arriscado, uma temeridade! O sujeito pensa mil vezes antes de dar emprego a alguém.

            0
      • Menino_do_Rio 30 de janeiro de 2012 at 18:54

        “É o país do direito e não do dever.”

        Isso começou com o governo lula e vai terminar quando o país quebrar…

        0
  • Emtso 30 de janeiro de 2012 at 16:14

    Para ilustrar:

    Um amigo meu acabou de ficar revolto, ele está a comprar um cão da raça Lulu da Pomerania, todos os criadores de São Paulo pedem em torno de 2k pelo filhote, os das demais cidades do Brasil pedem 1k. Aí ele ligou e perguntou o pq, a criadora disse que a DEMANDA por esta raça em São Paulo é MAIOR, aí o preço OFERTADO é tb MAIOR.

    Mas ela disse que com ELA pode PARCELAR o “animalzinho” em 3X no cartão, e que pode dar um SINAL para RESERVAR uma CRIA. Vejamos que o crédito e a especulação afetou até o mercado canino.

    Por isto que eu digo, A DEMANDA é BURRA e a OFERTA é ESPERTA.

    Este blog é o último reduto de bom senso, estamos caminhando para um buraco muito fundo. Aliás, sugiro que compremos o ACRE p/ iniciarmos um novo país, sem CARTÃO DE CRÉDITO e SEM PARCELAS, um PAÍS a VISTA.

    1+
    • Fred Henrique 30 de janeiro de 2012 at 16:59

      rzrzrzrz.

      0
    • Yuri 30 de janeiro de 2012 at 17:10

      Já disse Marc Faber: comprem fazendas.

      PS: terras rurais são bem diferentes de imóveis urbanos. Outros riscos, outros fatores…

      🙂

      0
    • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 17:35

      Eu já passei pela mesma situação, mas com um Golden Retriever. A loja no Shopping Villa Lobos queria simplesmente 3x o valor cobrado em qualquer cidade do interior. Gastei R$ 200 na estrada (pedágio, combustivel, almoço e janta em um lugar legal) e comprei o cachorro pelo preço que queria e ainda me diverti por aí.

      Taí algo eu não entendo no Brasil: as lojas com preços proibitivos. Tá certo que algumas coisas dão lucro pela comodidade, mas acho que existe um limite entre falar “é mais caro porque está fácil, na mão” e chamar o consumidor de burro.

      Eu vejo isso nas tabacarias e lojas de miudezas, que estão sempre abrindo e falindo em qualquer shopping. Um isqueiro Zippo por R$ 500? Um relógio de US$ 150 por R$ 1.000? Sério mesmo?

      Loja de videogame é a mesma coisa. Tá certo que os impostos são altos, mas se o Submarino vende um XBOX360 por 700 reais, porque o MESMO produto no shopping está R$ 1500? Será que eles miram nos pais apressados que não sabem ver preço na internet? Existe tanta gente assim?

      Pois quem não tem grana compra falsificado ou contrabandeado. E quem tem tanta grana assim compra nos EUA, pra onde vai 2 vezes por ano.

      1+
      • Eder 30 de janeiro de 2012 at 20:29

        É lógico que as coisas são mais caras no shopping: eles tem custos mais altos e oferecem comodidade. Tem gente disposta a pagar por isso. Sempre vai haver lugares em que as coisas são mais caras.

        0
        • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:00

          Em muitos casos não é um plano de negócios inteligente. Uma coisa é vender camiseta de R$ 100 por R$ 120-130.

          Outra coisa é vender porcaria importada de US$ 50 como se fosse o luxo do luxo e cobrar R$ 500 por isso. Com um volume tão baixo a margem altíssima deixa de ser lucro adicional e passa a ser necessária para a mera sobreviência do negócio.

          Todo mundo sai perdendo. O empresário lucra pouco e acaba falindo, e o consumidor paga caro demais ou acaba não comprando nada, não exercendo a comodidade de estar no shopping.

          O caso das tabacarias é muito marcante, pois elas lidam com um público apaixonado e bem informado. O cara que gosta de charutos conhece as marcas, os sabores as variações e principalmente os preços. Aì ele pisa no shopping e se depara com uma caixa do charuto favorito dele, por R$ 350 ao invés dos R$ 200 que seriam justos.

          A loja não vende NADA. Ao invés de lucrar R$ 30 toda vez que o cara volta lá, ela acaba não vendendo NADA. Tanto faz que a margem do charuto de 350 é de 180 reais, pois 180 vezes ZERO ainda é ZERO.

          1+
  • Murdoch 30 de janeiro de 2012 at 16:26

    No último fim de semana, li mais uma matéria que “tentava” alertar quanto a uma possível bolha e, mais uma vez, o argumento usado por um diretor do BC era o fato de termos uma relação dívida/PIB “confortável” e mostava mais uma vez os números de EUA, Irlanda, Grécia e cia.
    Isso já foi bastante debatido aqui, mas mesmo eu não tão adepto de grandes teorias de conspiração fiquei pensando. Quer argumento melhor? os caras ainda estão nos 50%, EUA já mais de 200%, Grécia 150% e por aí vai, então vamos até o limite.
    Só que será que vale a pena comparar com quem está numa merda federal e sem solução aparente?
    A lógica então é: só se preocupe qdo vcs tiverem passado dos 100% e terão um problema insolúvel. Ou seja, o problema só é, de fato, um problema qdo ele não tem solução?!

    0
    • DM 30 de janeiro de 2012 at 16:44

      Gostaria de saber a relação PIB/Endividamento da Alemanha, alguem sabe?

      Sempre fazem corelações com Países que estão na mer** gostaria de uma comparação com Países que pelo menos tem uma mentalidade mais ponderada.

      0
      • Emtso 30 de janeiro de 2012 at 16:58

        Alemanha 74,8%, todos os países do NORTE, estão acima de 50%.

        0
        • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 17:16

          a questão não é de números, mas de credibilidade, evolução do país, tendencias.

          Na UK esse numero chegou a mais de 200% e nunca se pensou que ingleses poderiam dar calote.

          0
      • Yuri 30 de janeiro de 2012 at 17:07

        Pelo que me lembro, em torno de 80%.

        Vou confirmar…

        Essa comparação é estranha. No Japão esta relação é bem mais assustadora que a dos países europeus cheio de problemas, mas a capacidade deles de gerar receita dá conta e por isso continua sendo um país seguro de se investir… é o que dizem.

        0
        • realidade 30 de janeiro de 2012 at 20:10

          correto, Japão é uma das maiores relações dívida/PIB. Só que acontece algo que muita gente não vê ou não quer…. Brasil caloteiro em 1987 – Sarneynto, lembram? Pois é, a maioria não…eu lembro e ainda era moleque.
          Brasil….sujeito (alto escalão) é filmado roubando, usurpando poder público e muitas coisas mais….o que acontece??? NNNNNNNAAAAAADDDDDDAAAAAA! País sem caráter. Japa faz cocô fora da privada e se mata….Isso difere os povos, que me perdoem os ufanistas de plantão!

          0
          • Rico 30 de janeiro de 2012 at 22:42

            A divida externa- aquela galopante dos anos 70 – foi paga. E nao foi o lula, muito menos o fhc, foi o governo collor que renegociou.
            Muitos aqui esquecem que o governo tem tecnicos financeiros de carreira muito eficientes. Sem falar nos consultores, entre eles Delfim Neto. O governo nao da um passo sem consultar ele.
            Esquecam meus amigos, ha bolha sim, mas o pais nao vai quebrar com mais de 300 bilhoes de reservas.
            Muitos falam que o governo esta alimentando a roda da foturna. Logico, ele depende disso para arrecadar. Lembre-se que foi esse pensamento irresponsavel foi o que nao nos fez quebrar em 2008. Outra, os dispositivos de controle de consumo esta muito controlado. O banco centrao pode mexer o quanto for necessario para controlar o consumo.

            0
            • Frank 31 de janeiro de 2012 at 22:28

              “E nao foi o lula, muito menos o fhc, foi o governo collor que renegociou.”

              sendo mais específico, foi o Malan q renegociou, qdo estava na Fazenda – mas ainda antes de virar ministro com FHC.

              o Malan foi um dos caras + dignos q já ocupou a pasta da Fazenda.

              0
              • Cássio Pereira 1 de fevereiro de 2012 at 01:02

                E a maxi de 99

                0
                • Frank 1 de fevereiro de 2012 at 16:26

                  o fim da âncora cambial era absolutamente necessário.

                  talvez pudesse ter sido feito de outra forma, em etapas, com parcimônia, não sei.

                  0
        • Roberto Cesar 31 de janeiro de 2012 at 11:59

          A capacidade do Japão em gerar receita foi fortemente afetada pelo acidente de Fukushima, o que fez com que o Japão aumentasse suas importações de “energia” e diminuiu sua capacidade de produção. Resultado: primeiro déficit comercial em 30 anos.

          http://www.reuters.com/article/2012/01/25/us-japan-economy-idUSTRE80O01120120125

          Não se esqueça que o Japão tem uma população envelhecida, taxa de crescimento populacional negativa e juros ridiculamente baixos (devido a “confiança” do mercado). Se o mercado duvidar só um pouquinho da capacidade do Japão e os juros aumentarem meros 1%, it’s game over.

          http://rcesar.net/2011/12/crise-da-divida-do-japao/

          0
    • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 17:42

      Essa questão possui mais de uma variável.

      Um país com 50% de dívidas em relação ao PIB mas que paga 14% ao ano em uma parte considerável dos papéis está PIOR do que um país com 200% de dívidas em relação ao PIB mas com taxa de 4% e com capacidade de chegar, como já chegou, a quase zero.

      Por mais que 50×14 versus 200×4 não seja uma comparação tão vantajosa, o que mata a questão é que aquele que deve 200% possui:
      + Em primeiro lugar, um PIB de respeito.
      + Uma sociedade que está discutindo o assunto há muito tempo
      + Um país INTEIRO construído, com prédios comerciais, bairros residenciais LINDOS e infraestrutura de primeira.
      + Liderança na produção de tecnologia e conhecimento em geral.
      + Propriedade sobre as empresas líderes de mercado em todos os países de terceiro mundo.

      Além disso, o 50×14 de hoje está caminhando para se tornar o 120×9 de amanhã. E para em 30 anos termos a mesma qualidade de vida e a mesma infraestrutura que os 200×4 POSSUEM HOJE, precisaremos nos endividar a um nível em que viraríamos 500×22.

      0
      • Leo 30 de janeiro de 2012 at 17:53

        Mando bem !!

        0
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 18:15

        -/ Like

        0
      • Murdoch 30 de janeiro de 2012 at 19:00

        Show de bola.
        Isso aí.
        Os caras estão em outra fase e mesmo assim neguinho quer comparar.

        0
      • profeta do apocalipse 31 de janeiro de 2012 at 13:05

        voces acham que o Brasil está mais competitivo que pouco depois que collor abriu a economia? que na epoca de itamar? de fh? acho que nao.. acho que a infraestrutura é quase a mesma, o consumo interno maior, mas logo a coisa complica.. Educacao e infraestrutura não sao levados a serio.

        0
        • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 13:15

          Eu acho é que ficamos mais fechados. Lembram quando o FHC rejeitou a Intel, que queria apenas benefícios fiscais para igualar a operação aqui à dos outros países que concorriam pela fábrica?

          Todos os presidentes pós-Collor apostaram no protecionismo. Só que o protecionismo só faz sentido quando ele defende a segurança alimentar e o núcleo familiar rural, tal como fazem os franceses. Nesse caso não vale a pena comprar soja ultra barata do Brasil e deixar sem renda milhares de famílias que vivem da terra há séculos.

          Só que aqui o protecionismo é MUITO burro. Fechamos até mesmo mercados necessários para a criação de novas indústrias, como o de máquinas, por exemplo. Como abrir uma fábrica no Brasil se todas as máquinas custam o dobro por aqui? Como produzir telefones se os componentes são taxados de forma absurda?

          Por causa do Lobby sempre prejudicamos os 95% a favor dos 5%. A indústria de máquinas é um bom exemplo. É o maior freio de mão puxado para o crescimento industrial. E continuará assim pelas próximas décadas.

          0
          • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 15:20

            Um torninho mecânico chinês de bancada é vendido por incriveis 6.000 reais!

            0
            • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 18:20

              Eu tenho um colega que comprou um pacote grande de máquinas novinhas nos EUA, onde ele mora, por 20 mil dólares. Ele deixou na garagem dele e as utiliza como hobby.

              Aqui o mesmo pacote custaria mais de 400 mil reais. E eu ainda teria que aturar um monte de vendedor malandro querendo me convencer de que estou comprando “o último modelo”.

              Quem vende máquinas no Brasil sustenta uma equipe com 20-30 pessoas. Tem empresa com custo mensal (folha, aluguel, etc.) de mais de 200 mil reais por mês que se sustenta vendendo de 10 a 15 equipamentos apenas.

              Fora as lojas que vendem usados, que passam quase um ano com o mesmo equipamento na loja, vendendo por R$ 50 mil um torno usado que na China custa US$ 10 mil novinho. Sempre que passo nas lojas de usados a impressão que fico é que vendem uma ou duas peças por mês no máximo.

              Tudo no Brasil é assim. O volume é sempre pequeno e a margem extremamente alta.

              1+
              • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 18:34

                Outra coisa genial no nosso país, relacionada a isso, é o fato de que ninguém fala o preço de nada abertamente. Todo mundo apela pro vendedor malandrão metido a esperto.

                Já tive funcionários assim e posso dizer que os resultados são péssimos. É muito melhor trabalhar com uma tabela de preços aberta e deslocar os vendedores para apresentações, resolução de dúvidas, elaboração de pré-projetos, etc.

                O empresário acha que o vendedor, com sua grande sagacidade, irá trazer lucros fora do comum ao negociar os preços com os clientes, lidando caso a caso. Só que os clientes costumam pesquisar os preços e também andam impacientes com todo esse “namoro” que os vendedores exigem para passar as mais simples informações. Os caras querem visitar a sua empresa, avaliar o que será produzido e querem até mesmo planta do seu galpão.

                No caso da indústria de moldes, o povo é muito cara de pau. Eles pesquisam o preço da peça que será injetada no molde, calculam o quanto o molde é capaz de produzir em um ano e aplicam a regrinha do “o molde custa, em geral, 10% de uma peça injetada”. Então se eu quiser injetar uma tampa de câmara de pneu para bicicleta, irão ligar para um vendedor de tampas e receber um orçamento de 20 centavos a tampa. O molde injeta 10 tampas por minuto, 6 mil por dia. Em sua vida útil de 5 anos, injetará 6,6 milhões de tampas, faturando um total de 1,3 milhões. Aí o cara pensa que o produto não vende tanto assim mas vende “no mínimo 50% da capacidade”.

                Resultado: o molde vai ser orçado a 66 mil reais, o correspondente a 10% do faturamento a 50% de ocupação.

                Todas as propostas serão elaboradas assim. Todas. E como as contas variam, receberei propostas de 40 a 80 mil reais por um molde que nos EUA custa 10 mil dólares e na China 3 mil dólares.

                Pois lá fora eles cobram o custo mais uma margem. Não ficam medindo o seu bolso.

                O problema é que esse BATALHÃO de vendedores, gastam um tempo desgraçado tentando enganar o cliente, sendo que a empresa poderia apenas deixar o preço no site e ter 1/10 da equipe de vendas. Se estiver vendendo muito, esgotando a capacidade da empresa, aumenta o preço e pronto.

                E com o mercado inteiro agindo assim, na base do vendedor malandro, nem 5% dos orçamentos viram vendas, pois o consumidor precisa orçar o produto em uns 10 lugares antes de se sentir confortável com a escolha. Isso faz o custo subir mais ainda.

                Dessa forma, em uma empresa comum, dar emprego para 20 malandros será embutido no custo final do produto. Uma máquina de 200 mil reais vai custar 40 só em vendedor.

                1+
                • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 21:14

                  Ricardo,

                  Eu sou advogado mas gosto muito de metal mecânica. Moro no Rio de Janeiro e tenho uma pequena oficina de garagem relativamente bem equipada com MIG, TIG, uma pequena fresadora, vários cilindros de 10m3 de diversos tipos de gases tais como Argônio, Nitrogênio, Oxigênio e Acetileno. Aqui no Rio quando você liga para algum lugar pra cotar insumos técnicos, nada tem preço. Primeiro querem saber quem você é pra saber quanto podem chutar. Argônio aqui está custando incríveis 400 reais o cilindro, acetileno 450. Quando você reclama do preço, logo falam: é o aquecimento da industria naval, a reindustrialização do estado, etc. Ah é? Então como é que em São Paulo tem 100x mais indústria e os insumos não custam isso? Aì o cara vem com uma daquelas desculpas furadas tipicas de corretor de imovel que se acha o gênio do capitalismo. Na verdade o comércio de insumos técnicos no Rio de Janeiro é dominado por aquele tipo comerciante que nunca viu dinheiro forte entrando, e quando vê acha que vai ficar rico do dia pra noite. Parece aquele cara que sempre saiu com mulher feia, no dia que consegue uma mais bonitinha ela tira dele até as calças exigindo presentes e jantares quase semanalmente. Estou de saco cheio de brincar de oficina no Rio de Janieor.

                  0
                  • Cai cai balão 1 de fevereiro de 2012 at 21:25

                    Isso me faz lembrar um papo que tive com um colega de faculdade, acerca da discriminação de preços de primeiro grau (assunto que se estuda pouco depois de analisar conceitos como elasticidade).
                    Eu andava num Palio com e 3 ou 4 anos de uso, enquanto o colega rodava num Golf zerado. Paguei, em 2003, R$100,00 pelas películas de todos os vidros, o que incluiu o parabrisas.
                    O meu colega, do Golf, pagou R$200,00 e justificou: “ah, mas é um Golf”.

                    Por mais que o material empregado fosse de mesma qualidade e quantidade, nenhum esforço argumentativo foi suficiente para convencer o amigo de que seu preço era injusto, afinal, ele estava de Golf.

                    Esse é o típico consumidor brasileiro, que não pechincha e permite que o mercado lhe coloque chapéu de burro. Aliás, o carro deve ter sido pago com financiamento em 60x, com um parcelamento que “cabia no orçamento”.

                    Infelizmente, assim também se compram imóveis, na Banânia.

                    1+
                  • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 22:44

                    Mais um exemplo de área técnica então Daniel e Ricardo, vendo e uso rolamentos 6006DU com capa de borracha pois seu local de trabalho são em áreas com contato com água e corrosivos.

                    Preço SKF argentino 12 reais, preço EOS chinês 1,05 reais, este rolamento trabalha sem torque nenhum e em baixa de rotação muito abaixo de especificada pela norma, só que sua vida era pequena devido as condições de trabalho. Conversei com uma Indústria Química para solucionar o problema com algum tipo de aditivo na graxa para que a vida útil fosse maior, com muita experiência de mercado eles me disseram que já havia graxa específica, com base teflon, lítio e substâncias repelentes a água que resolveriam o problema.

                    Conclusão: Durabilidade aumentou em até 50% em testes próprios, vendo o rolamento chinês em caixa sem nome e com margem de 400% a mais somente por colocar a graxa, só que constatei que o uso não precisaria ficar restrito ao rolamento, foi quando ofereci ao meu mecânico de carro a mesma, para minha surpresa vendo hoje em média 400Kg desta graxa, com a mesma margem, e o vendedor desta indústria nunca questionou qual era o uso desta quantidade até hoje, cheguei até perguntar qual era a forma de seu pagamento e ele disse-me que 80% era comissão. Os caras vendem e nem sabem o porque, igual aos corretores eu acho.

                    0
                    • Daniel Ribeiro 2 de fevereiro de 2012 at 01:45

                      Não entendi muito bem o que você disse, mas me parece que assim é o correto. Se você compra graxa, não interessa o que você vai fazer com a graxa. Se você compra Argônio, não interessa se você vai soldar a lataria de um chevete 74 ou um foguete espacial, é o mesmo argônio. Se você vende um molde pra injeção de plástico, não é da sua conta se o que vai sair daquele molde é parte de um equipamento médico de centenas de milhares de reais ou um brinde barato de festa de aniversário que custa centavos. Cada um deve cobrar pelo seu próprio trabalho e não tentar usurpar o trabalho alheio, caso contrario você inviabiliza toda a cadeia produtiva.

                      1+
                  • Ricardo Eng 2 de fevereiro de 2012 at 17:51

                    (A outra resposta foi pro lugar errado!)

                    Parabéns pela oficina, aposto que se diverte muito com ela!!

                    “dominado por aquele tipo comerciante que nunca viu dinheiro forte entrando, e quando vê acha que vai ficar rico do dia pra noite”

                    É exatamente isso. Matou na mosca. Quando eu era funcionário, meu empregador era bem rico e muito grande (multinacional). Sempre que pedia informações sobre os produtos (para tentar ver se quem sabe eu vou conseguir usar o produto dele), eu era cercado por essas criaturas que achavam que iam ficar ricas.

                    Tinha cara que até suborno oferecia. Uma lástima.

                    Institui no departamento a seguinte prática: iríamos pedir todas as cotações em nome de uma empresa fictícia. Quando perguntassem o site, diríamos que somos tão pequenos que nem site temos.

                    Os preços de compra não baixaram pois o depto de compras era muito competente e sempre jogava um fornecedor contra o outro e vencia essa “gordurinha” adicionada por sermos grandes.

                    Mas pelo menos na hora de fazer projeto ninguém insistia em visitar as fábricas, o escritório, fazer apresentação, fazer parceria, etc.

                    0
                • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 21:39

                  Essa situação que você relatou dos seus fornecedores de insumos quererem abocanhar uma fatia do seu lucro antes mesmo de você fabricar e vender alguma coisa é a síntese do nosso povo. Não posso falar que seja a sintese do nosso empresariado e nem do nosso proletariado, e sim da nossa mentalidade, que vai se manifestar ne formas diferentes seja qual for a posição que o sujeito ocupe na sociedade, mas sempre querendo matar a galinha dos ovos de ouro para pegar o ouro antecipadamente. Não dá nem pra dizer que o seu fornecedor de moldes quer ser seu sócio, porque sócio é sócio nos lucros, no prejuizo e tem que aguardar resuldatos para receber sua parte. É muito pior que isso, ele quer mesmo te usurpar. E depois ainda falam que os vilões da economia são os bancos.

                  No mercado de imóveis há um monte de videos no Youtube de um cidadão mal saído das fraldas que posa como diretor presidente de uma grande incorporadora paulista. Seus videos são algo que eu diria, cômicos. Num dos videos, que trata-se de uma entrevista na TV ele explica como precificar o aluguel de um imovel comercial. Aí ele utiliza exatamente a mesma teoria do seu fornecedor de moldes, ele diz que o correto é saber quanto vai auferir de lucro uma empresa que ali se instalar e assim você compõe o preço do aluguel. Quer dizer, segundo ele o correto é antecipar na forma de alugueres o lucro do seu inquilino. Tal declaração de um sujeito que vem sendo extremamente bajulado no mercado imobiliario paulistano realmente me causou náuseas, porque ele está afirmando publicamente que o correto é saquear quem produz, e não simplesmente se limitar ao próprio imovel na hora de definir o preço do aluguel.

                  1+
                  • Ricardo Eng 2 de fevereiro de 2012 at 17:56

                    Eu sei de quem está falando. Essa criatura tem um currículo muito curioso. Ele está tentando ficar rico há muito tempo e a qualquer custo.

                    Já mexeu com videogames, já tentou fundar empresas ponto com nos EUA, já tentou de tudo. E agora entrou no mercado imobiliário, que nessa época é o ramo ideal para predadores econômicos como ele.

                    E é assim mesmo que o povo pensa. Eles observam que você produzirá riquezas e com isso terá lucros. E crescem os olhos nos seus futuros lucros e querem sacá-los mesmo antes deles existirem.

                    E aí a economia continua pequena. Pois para vender qualquer coisa, tudo é na malandragem e isso INVIABILIZA diversas atividades econômicas que fariam o país crescer.

                    0
                • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 21:41

                  Essa situação que você relatou dos seus fornecedores de insumos quererem abocanhar uma fatia do seu lucro antes mesmo de você fabricar e vender alguma coisa é a síntese do nosso povo. Não posso falar que seja a sintese do nosso empresariado e nem do nosso proletariado, e sim da nossa mentalidade, que vai se manifestar ne formas diferentes seja qual for a posição que o sujeito ocupe na sociedade, mas sempre querendo matar a galinha dos ovos de ouro para pegar o ouro antecipadamente. Não dá nem pra dizer que o seu fornecedor de moldes quer ser seu sócio, porque sócio é sócio nos lucros, no prejuizo e tem que aguardar resuldatos para receber sua parte. É muito pior que isso, ele quer mesmo te usurpar. E depois ainda falam que os vilões da economia são os bancos.

                  No mercado de imóveis há um monte de videos no Youtube de um cidadão mal saído das fraldas que posa como diretor presidente de uma grande incorporadora paulista. Seus videos são algo que eu diria, cômicos. Num dos videos, que trata-se de uma entrevista na TV ele explica como precificar o aluguel de um imovel comercial. Aí ele utiliza exatamente a mesma teoria do seu fornecedor de moldes, ele diz que o correto é saber quanto vai auferir de lucro uma empresa que ali se instalar e assim você compõe o preço do aluguel. Ou seja, segundo ele o correto é antecipar na forma de alugueres o lucro do seu inquilino. Tal declaração de um sujeito que vem sendo extremamente bajulado no mercado imobiliario paulistano realmente me causou náuseas, porque ele está afirmando publicamente que o correto é saquear quem produz, e não simplesmente se limitar ao próprio imovel na hora de definir o preço do aluguel.

                  0
                  • bertz 2 de fevereiro de 2012 at 07:58

                    Daniel entendo a sua linha de pensamento mas não do lado que eu pretendia que ela fosse explorada.

                    Quando digo que consigo margem de 400% vendo o rolamento com graxa a menos de 5 reais o rolamento antes usado por todos o SKF ainda custa 12 reais, consegui abaixar o preço em mais de 50%, fora isto aumentando a vida útil em 50%, calcule o desconto, para o consumidor final.

                    Quanto aos vendedores, disse que eles não sabem o que vendem por serem muito acomodados, eu corri atrás de uma coisa que o vendedor poderia simplesmente ter aumentado a sua renda, mais o produto nunca foi oferecido no mercado porque a esperta indústria química vende em baldes somente de 40KG, eu revendo em saches de 500g, o país tem muitas oportunidades por isso.

                    Quanto ao argônio sugiro que abra uma revenda aí e controle o mercado, pode ser que voce será o grande novo milionário do país em apenas meses, conheço gerente dentro da White Martins posso consultá-lo se desejar saber qual realmente o custo dos produtos, mais uma vez ao ponto retirados da natureza custo quase zero.

                    0
      • bertz 2 de fevereiro de 2012 at 12:35

        Daniel, não havia percebido que era advogado, levanto então a questão: Cobra por tempo de trabalho ou pelo valor da causa?

        0
    • h lee 30 de janeiro de 2012 at 17:53

      Uma coisa é 100% a 150% do PIB (paises desenvolvidos que estao encrencados) mas o juro do mortage é 5% (Brasil: 14%), juro do cartao de credito 15% (Brasil: 400%), juro do credito pessoal 10% (Brasil: 45%), juro do financiamento de carro 5% (Brasil 26%). Em suma, quem toma dinheiro emprestado no Brasil, esta literalmente fudi…..Brasil é país pra agiotar.

      0
      • Etmso 30 de janeiro de 2012 at 18:35

        Nesta ótica vai ter muito dinheiro externo, querendo abocanhar os 11% a.a. + TR quando os recursos da poupança findarem…

        0
  • MrJaime 30 de janeiro de 2012 at 18:12

    Boa Ricardo,

    Isso sem contar que a infra-estrutura é incomparável (a nossa é vergonhosa). Não falo apenas a infra-estrutura de hardware (estradas, portos, aeroportos, ferrovias), mas também de infra-estrutura de software (educação e cultura).
    Só mesmo quem visita países da Europa e os EUA para entender que a qualidade de vida “atualmente em queda” deles ainda está muito, muito acima de nossa qualidade de vida “atualmente subindo”. E faltam anos-luz para que as curvas se cruzem.

    0
  • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 18:41

    Only in Brazil: Infrastructure of Cambodia, Prices of St. Tropez

    brazilianbubble.com/2012/01/only-in-brazil-infrastructure-of.html?showComment=1327955958008#c9002815720724503030

    0
  • EduLon 30 de janeiro de 2012 at 18:56

    para quem acha que imóvel nunca perder valor…

    ” Em Portugal, crise faz imóveis terem desconto de até 70%”

    h ttp://blogs.estadao.com.br/radar-economico/2012/01/30/em-portugal-crise-faz-imoveis-terem-desconto-de-ate-70/

    0
    • Benjamin 30 de janeiro de 2012 at 22:04

      Putz Grila! Olha o tamanho da casa sendo vendida por R$ 290 mil!

      0
  • Fernando 30 de janeiro de 2012 at 18:58

    Comprei o livro “A Privataria Tucana” e recomendo. Junto dessa outra notícia só comprova que não existe diferença entre partidos. A classe política é homogeneamente corrupta por aqui.

    ht tp: //sul21.co m. br/jornal/2012/01/psdb-de-sao-jose-dos-campos-recebeu-r-427-mil-do-ramo-imobiliario-em-2008/

    Isso me lembra a imagem do governo engraxando os sapatos das corporações, conforme o vídeo “A historia das coisas”.

    E o mais ironico é que boa parte desse bando de corruptores e corrompidos ajuda a manter o status quo do consumidor regular, que jura viver no paraíso. Em outras palavras, existem verdades que são absolutamente insuportáveis para que as pessoas deixem de fechar os olhos.

    0
    • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 19:10

      esse livro é um lixo

      Perdeu toda a credibilidade depois que descobriram que a classificação de “ficção” para “não-ficção” foi realizada com a ética que o próprio livro diz denunciar

      0
      • Luiz 30 de janeiro de 2012 at 19:23

        Estranho

        Se alguém escreve a palavra [email protected], quase automaticamente aparece um comentário anti-tucano

        Coincidência???

        0
        • Fernando 30 de janeiro de 2012 at 19:57

          Sabe Luiz, eu acho que esse fenômeno pode muito bem ser explicado.
          A questão aqui é que quando se fala desse ou daquele partido político, acaba-se cometendo um certo equívoco em crer que esse ou aquele lado tem mais ou menos vícios e virtudes. Faz-se um reducionismo maniqueísta que não é nada salutar para a nossa discussão.
          Como a grande parte das coisas que temos discutido exaustivamente nesse blog há mais de um ano dependem de viés político (e aí não tem nada a ver com esse ou aquele partido) no qual se colocam os interesses pessoais ou corporativistas dos partidos políticos acima dos interesses das pessoas. Isso não é exclusivo de um partido ou outro, e quanto mais cedo houver essa compreensão, mais cedo poderá se focar os verdadeiros problemas, como por exemplo, a contaminação do sistema democrático pelos interesses das grandes corporações. Essa contaminação está diretamente ligada as regras eleitorais do Brasil, que fomenta tais aberrações.
          E como o Sr. bem pontuou, por existir uma polarização política entre PT e PSDB ( que geralmente precisam agradar a prostituta de luxo PMDB), ao se apontar falhas de tal partido, automaticamente tem-se a impressão de que o outro político lado é virtuoso, pela simples dialética, o que é um equívoco. Todo os sistema está enviesado.

          Eu vinha crendo que nosso nível de debate já havia superado isso.

          0
          • Fernando 30 de janeiro de 2012 at 19:59

            Escrevi rápido e não revisei. Peço desculpas pelos erros de grafia e concordância.

            0
          • Benjamin 30 de janeiro de 2012 at 22:11

            Concordo contigo, Fernando. As maiores doações na campanha presidencial de 2010 tanto para a Dilma quanto para o Serra foram feitas pelas construtoras e estas financiam campanhas muito antes da formação da bolha. É foda dizer que são todos “farinha do mesmo saco”, mas não consigo perceber mais diferença nenhuma do pt e do psdb. Parece o final do livro “A Revolução dos Bichos”…

            0
        • André 31 de janeiro de 2012 at 15:15

          Estranho é as pessoas reagirem desta forma!
          Ser anti-petista pode, mas anti-tucano não?
          Eu não sou tucano, e muito menos petista! Sou da mesma opinião do sujeito que citou o livro: a política no Brasil está um lixo, de forma geral.
          Eu li o livro supra citado. É muito, mas muito, bem documentado.
          A conclusão, pra mim, é só uma: quanto à política em nosso país, seja de direita ou de esquerda, sua credibilidade e dignidade é zero.

          0
    • Mineiro BH 30 de janeiro de 2012 at 19:22

      Sem querer defender os tucanos ou qualquer um, mas o autor desse livro é um ex jornalista que em outro país estaria preso…

      0
    • Carlos Eduardo 30 de janeiro de 2012 at 19:49

      Não sou de partido nenhum mais acho que não dá para comparar!

      acredito que quando lançar um livro da corrupção nos tempos do PT, ele vai ter que ser escrito em capitulos e talvez em varios livros …

      tipo o sutra de Lotus…

      e isso é diferença sim, não dá para falar que não tem diferença…

      aqui em são paulo agente criticava o maluf porque ele roubava, e agora temos o kassab! aff

      que é um bandido muito mais prejudicial e que não faz nada á favor de SP!!

      se isso não é diferença eu não sei oque é!

      olha que eu odeio o maluf!

      0
    • Ricardo Eng 30 de janeiro de 2012 at 20:04

      Sério mesmo, Pinheirinho?

      Apesar de eu não ser nem um pouco fã da política do PSDB em relação a diversos assuntos, essa informação, isolada dessa forma, demonstra grande falta de honestidade por parte de quem a dissemina. Todos os políticos recebem doações dos mais diversos setores da economia.

      Não é honesto citar doações de forma pontual, ainda mais associando-as a um caso eleitoreiro de baixíssimo nível, que envergonha a qualquer um. A esquerda radical loteou o Pinheirinho de forma criminosa, tendo grandes lucros políticos e financeiros com isso. Brincaram com as esperanças das pessoas pobres e as envolveram em uma situação de insegurança jurídica e social. Isso não é apenas fruto de incompetência como também de malícia.

      Mas a questão aqui é outra. Os problemas do financiamento privado de campanha são muitos e nós já os conhecemos.

      A Dilma, por exemplo, recebeu doações de todas as empreiteiras que estão lucrando bilhões com a Copa e o Pré Sal. Em muitos casos o gestor público age, de fato, para beneficiar aqueles que financiaram a sua campanha. É muito difícil provar quando isso acontece, infelizmente, e repito: todos os candidatos recebem doações provenientes de TODOS os setores da economia.

      Se a sua única colaboração para o fórum for uma denúncia vazia e eleitoreira, construída de forma desonesta e embasada por uma visão parcial da realidade, então não é bem vindo. Aqui nós prezamos a honestidade e não gostamos de meias verdades.

      Até porque é um tanto difícil vir com petismo em fórum de bolha imobiliária, uma vez que esta foi criada por uma imensa distorção econômica criada pelo PT e que, como tudo no país, teve fins eleitoreiros.

      0
      • Fernando 30 de janeiro de 2012 at 20:46

        Ricardo

        Minha intenção não foi, em nenhuma hipótese, fazer um contra-ataque leviano as criticas ao Partido dos Trabalhadores. Minha intenção é alertar para essa postura maniqueísta, do tipo “a culpa é do PT” ou “a culpa é do psdb” (cansei de ouvir essa nos anos 90). Apenas quis afirmar que ambos os lados são falhos e enviesados. Apenas isso.
        Alias, coloquei em evidência a “culpa particular” que cada um de nós tem nisso, quando falei sobre o “status quo” do cidadão brasileiro. Eu acho curioso quando, por exemplo, uma pessoa distorce todo o seu padrão de crenças para sustentar o seu lado, o seu investimento, ou simplesmente apenas para se sentir poderoso “tendo razão”. Acho curioso ouvir gente que vinha ganhando um bom dinheiro com a especulação “mudar de lado” quando o mercado travou e achar que isso é um absurdo e que “a culpa é do governo”. Acho curioso ver gente esbravejando contra a situação imobiliária atual simplesmente porque perdeu o timing da bolha. Como disse, é tudo uma situação de status quo.
        Todos nós temos, em maior ou menor grau, ganância como componente de personalidade, que nos leva a agir de acordo com o que nos parece mais rentável. E é a somatória de “pequenos desejos gananciosos”, “fazer o melhor para mim e minha família” entre outros axiomas oportunistas que realmente inflam a bolha.
        Os governos tem culpa? Certamente que sim.
        As oposiçoes tem culpa? Certamente que sim
        As construtoras tem culpa? Certamente que sim
        E o cidadão? A Dona Maria que comprou 4 apes na planta para “ganhar um dinheirão”, o seu João que resolveu por o ape dele à venda por um preço exorbitante, porque “todo mundo tá fazendo”? São vítimas desses governos monstruosos e corruptos? Certamente que não. Mas se construtora falir, vão chorar e dizer que não sabiam de nada, que foram usados, enganados e tudo mais.
        Vivemos uma democracia representativa. Eu diria que nossos governantes representam e muito bem o “estilo” do brasileiro: oportunismo cafajeste, rasteiro e dissimulado.

        Quanto a “não ser bem vindo” ao site, lembre-se de que esse é um espaço público. Mesmo que eu entre aqui para despejar uma tonelada de argumentos trollados, equivocados, enviesados para a SUA opinião, lembre-se de que estou apenas exercendo meu direito inalienável de expressão, livre de autoritarismos, cerceamento de ideias ou polícia moral.

        0
        • Eder 30 de janeiro de 2012 at 20:55

          Pra mim esse Ricardo e alguns caras aí estão viajando: “Como somos bons. Esse site é último reduto de lucidez no mundo, mas os ignorantes podem falar, permitimos.”

          0
        • Rico 30 de janeiro de 2012 at 22:51

          Esse comentario merece ser emoldurado e transformar-se em um post. Parabens, foi ocomentario mais lucido que li ate agora.
          Assim como tem corretor querendo que o imovel dobre de preco todo ano tem muitos que querem que o ,mundo se exploda para comprar seu apartamento.

          Lembra um pensamento budista que um fazendeiro ao perder metade do seu patrimoniofica sabendo que seu vizonho perdeu tudo e diz “entao nao foi tao ruim assim”

          0
        • Annibal 30 de janeiro de 2012 at 23:46

          Fernando,

          Fique a vontade p/ argumentar, concordo inteiramente com vc… Não percebi q o blog mudou de dono Ricardo???? e olha q eu acompanho e posto desde o inicio do blog…

          0
          • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:11

            Os donos são os participantes e cada um é dono de si também. Sem os participantes, trata-se apenas de um blog WordPress que anda recebendo poucos updates.

            Todo mundo pode dizer quem é bem vindo e quem não é. Eu digo, como participante, que politicagem de esquerda radical não é bem vinda aqui.

            Quem discordar que diga “não, eu curto o assunto, vamos seguir adiante”.

            0
        • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:08

          Eu concordo com a maior parte do que você disse.

          O seu comentário inicial me incomodou pois o link possui conteúdo eleitoreiro da esquerda radical. Os caras são tão cara de pau que vieram encher o saco do prefeito de SP em relação a uma questão de SJC que nem associada ao partido dele está.

          Querer falar de Pinheirinho e insinuar qualquer coisa relacionada a doação de campanha é uma levianidade muito desonesta. É ignorar que se tratava de uma questão gerida pela justiça estadual (são três poderes no Brasil) e relacionada ao cumprimento das leis. É em uma sociedade que cumpre as leis que nós acreditamos. Afinal o esporte favorito do brasileiro é reclamar que nem uma gralha chata sobre a “impunidade”. Por que agora seria diferente?

          Quanto ao “bem vindo”, é apenas uma questao de preferência. Quiz dizer eu particularmente não serei fã da sua atuação por aqui e a considerarei indesejável. Para mim, é óbvio.

          0
        • André 31 de janeiro de 2012 at 15:23

          clap clap clap clap

          0
      • bertz 30 de janeiro de 2012 at 20:58

        Sr Ricardo, sério, apesar de um debate totalmente contrário de nossas partes no post anterior, digo que não mudei em nada minha opinião, mas entendo seu lado de pensamento, e passei a respeitá-lo, tanto é que neste post me supreendi com quase 90% de aprovação as suas idéias, e fiquei novamente tentado a escrever.

        Digo isso pois acho o seguinte, poderia simplesmente deixar de lado, e vim aqui postar a qualquer hora a título simplesmente de gozação, mas acho que em qualquer debate saudável e de nível,as opinões de dois lados devem ser levadas em conta.

        Do cara que as vezes voce menos espera, vem atitudes ou idéias que podemos aproveitar, digo isso pois aqui tenho certeza de muitas pessoas nos acompanharem, mas por pressão talvez até de serem corrigidas, deixam de nos dar, talvez uma contribuição de algum relato onde poderíamos tecer comentários úteis, não só a nós que nos consideramos experts em alguns assuntos, mais a pessoas comuns e mais simples que são talvez a maioria neste blog, pois muitos aqui como comentado recebem bons salários e ainda não sabem porque não conseguiram comprar seu imóvel.

        0
        • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:13

          Ok, agradeço a atitude de tolerância e espero que seja possível uma convivência pacífica.

          []s

          0
      • Vinicius 31 de janeiro de 2012 at 08:10

        Para mim, discutir política é a mesma coisa que discutir se a cerveja Skol é melhor que a cerveja Brahma ou mesmo a Antarctica. Esses nomes são tudo jogada de marketing uma vez que elas tem o mesmo dono a Ambev… O mesmo vale para política todos os partidos, pt, psdb etc são dos mesmos donos, patrocinados pelo capital privado… Só existem como uma jogada de marketing para fingir que temos opções, quando na verdade temos apenas uma cerveja, a cerveja da Ambev, ou uma política, a política que interessa ao capital privado, as grandes empresas. Assim vivemos uma ilusão de escolha…

        0
        • João Carlos 31 de janeiro de 2012 at 11:52

          Foi o comentário mais lúcido que vi por aqui ultimamente. Imagina este blog na época das eleições.
          Só falta daqui a pouco começarem a discutir religião aqui. No Brasil não existe partido, existe legenda e nenhuma é muito diferente da outra. Infelizmente.

          Acho que não podemos perder o foco: a bolha que está aí batendo a porta.

          0
        • Fred Henrique 31 de janeiro de 2012 at 13:06

          Vinícius,

          Não discutir política é o que faz os partidos e os políticos poderem ser exatamente iguais entre si. A discussão política para o brasileiro resume-se à simples torcida. Quase ninguém se preocupa com os conteúdos programáticos dos partidos ou com suas ideologias – a grande maioria do povão simplesmente gosta de um político ou um grupo e resolve torcer por ele.

          Em relação ao PT, acredito que se aplicam estas palavras de Orwell:

          “We know that no one ever seizes power with the intention of relinquishing it. Power is not a means, it is an end. One does not establish a dictatorship in order to safeguard a revolution; one makes the revolution in order to establish the dictatorship. The object of persecution is persecution. The object of torture is torture. The object of power is power.”

          O objetivo principal do PT não é fazer justiça social ou fazer a economia andar, mas sim ser o próprio sentido da existência do país. Sem o PT, os trabalhadores não conseguiriam se “emancipar” da exploração do capital:

          “Os males profundos que se abatem sobre a sociedade brasileira não poderão ser superados senão por uma participação decisiva dos trabalhadores na vida da Nação. O instrumento capaz de propiciar essa participação é o Partido dos Trabalhadores. Iniciemos, pois, desde já, a cumprir esta tarefa histórica, organizando por toda parte os núcleos elementares desse partido.” (retirado da Carta de Princípios, íntegra em pt.org.br/arquivos/cartadeprincipios.pdf)

          Veja esta trecho do Manifesto de Fundação, de 1980:

          “[O PT] Lutará por sindicatos independentes do Estado, como também dos próprios partidos políticos” (íntegra em pt.org.br/arquivos/manifesto.pdf)

          Hoje em dia parece até piada ler isso. Os sindicatos já foram estatizados (na prática) pelo PT, assim como os movimentos estudantis, os sem-terra, o povão, os partidos políticos…

          Restamos uns poucos que ainda preferimos pensar criticamente e acreditamos no poder do estudo e do trabalho e não esperamos favores do estado. Nós (inclua-se quem quiser), de fato, somos a oposição. Não o PSDB.

          0
          • AAC 31 de janeiro de 2012 at 13:20

            Para quem leu 1984, o objetivo final é que aceitemos as imposições como “normais”!!! Temos que amar o grande irmão!!!

            0
          • Vinicius 1 de fevereiro de 2012 at 09:46

            Que bom que ainda tem pessoas que acreditam que podem mudar alguma coisa… Eu desisti faz tempo… O último a sair que apague a luz.

            0
      • André 31 de janeiro de 2012 at 15:19

        Ricardo, elucide-me: criticar o PSDB, opr inferência lógica, é “vir de petismo”? Juro que não entendi.

        PS: antes que me acusem de petista (afinal o debate por aqui anda altamente partidarizado, pelo visto), eu não sou petista! E também não sou tucano! Pra mim, são todos farinha do mesmo saco – inclusive a “puta de luxo – PMDB” (como citou um colega acima).

        0
        • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 18:12

          Nada contra críticas a qualquer partido. Só que as críticas devem ser independentes, bem elaboradas e honestas.

          O problema é pegar a propaganda que um joga sobre o outro e disseminar. Isso não é criticar, é militar.

          0
          • André 31 de janeiro de 2012 at 18:41

            Concordo contigo!

            É que, apesar da dura crítica que o livro citado faz ao PSDB, há um capítulo inteiro dedicado a falcatruas do PT também. Sim, eu li o referido livro e, mesmo achando que tinha noção do teor da sujeira que rola no alto escalão do governo, confesso que fiquei espantado com a quantidade de falcatruas que rolam tanto nos ditos “direitistas” quanto nos “esquerdistas”. Que ingênuo, eu… ahuahauhauauahah

            Pelo menos concordamos no ponto de sermos contra a militância partidária aqui.

            Apenas reiterando, antes de ser taxado de petista: eu não sou petista (quero que o PT se exploda com seu populismo e seu assistencialismo demagogo)! E também não sou tucano (por mim pode passar o metrô por cima do FHC – ops, ele não frequenta o metrô, é “diferenciado” demais – só em Londres e NY, aí pode). Não gosto dessa “partidarização” das discussões. Acho que é perfeitamente possível discutirmos a bolha imobiliária sem ter que apelar para a pseudo-argumentação puramente passional.

            0
    • Paty 30 de janeiro de 2012 at 22:31

      como disse o José Wilker sobre o bbb..
      “eu prefiro ler bula de remédio”.

      0
    • Paulo - RJ 31 de janeiro de 2012 at 10:30

      Daqui a pouco começa a eleição e vão propor apoiar, aqui, o apoio a políticos desta porcaria de partido que é o PSDB.

      0
      • Paulo - RJ 31 de janeiro de 2012 at 10:58

        E peço desculpas aos imortais da ABL que frequentam o blog pela redundância. Eu quis dizer: “…apoiar, aqui, os políticos…”

        0
  • thiago fm 30 de janeiro de 2012 at 19:42

    http ://blogs.estadao. com.br/jt-seu-bolso/imoveis-oferecem-bons-ganhos/

    Imóveis oferecem bons ganhos
    30 de janeiro de 2012 | 10h26 | Tweet este PostCategoria: Agenda, Análise, Imóveis, Inflação, Investimentos, Juros

    LUCIELE VELLUTO

    Com a redução da taxa básica de juros nos últimos meses e desaceleração do aumento do preço dos imóveis na capital paulista, o investidor que busca segurança para aplicar seus recursos financeiros pode encontrar no mercado imobiliário uma boa opção de rendimento em 2012 frente ao que é oferecido pelo mercado financeiro. Há imóveis com retorno financeiro garantido. E não é só quanto à valorização das unidades, mas de ganhos com locação, que podem se transformar em complemento de renda do proprietário.

    Os imóveis com maior procura para locação da capital hoje são chamados de “pão quente” entre os profissionais do mercado imobiliário. “São os residenciais de um e dois dormitórios. Há grande demanda por locação, são imóveis com preço mais em conta para quem quer investir e trazem bom retorno”, conta a diretora comercial da J2M Assessoria Imobiliária, Juliana Moreira de Magalhães, que atua na região da Vila Olímpia, Itaim-Bibi e Moema.

    Segundo a diretora da imobiliária, nos últimos meses os preços dos imóveis estacionaram e há um movimento de investidores diversificando o capital aplicado em imóveis. “Tenho muitos clientes jovens, que eram apenas investidores da Bolsa, mas resolveram também fazer esse tipo de investimento pelo bom retorno”, conta.
    Ela acrescenta que apartamentos menores e de valor mais baixo têm apresentado melhor lucro ao investidor.

    “Se o valor de aluguel é de até 1% do preço do imóvel, no caso das unidades mais baratas é mais fácil conseguir esse porcentual do que nas mais caras. Um apartamento de R$ 1 milhão dificilmente será alugado por R$ 10 mil mensais, mas um de R$ 300 mil pode ser alugado por R$ 3 mil por mês e sempre estará ocupado”, comenta Juliana.

    Para o presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP), João Crestana, quem investe em imóveis tem não só o retorno da valorização dos preços ao longo do tempo, mas também os ganhos de aluguel. “A renda fixa rendeu próximo a 10% no ano passado, sendo que 6% foi inflação. Já o imóvel valoriza pelo menos a inflação e ainda há o aluguel, que descontado os impostos, sobra de 6% a 7% do valor do imóvel ao ano. As melhores opções são unidades voltados para a classe média e localizados em centros urbanos”, afirma.

    O coordenador do curso de pós-graduação de negócios imobiliários da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Ricardo Gonçalves, recomenda a quem quer começar a investir em imóveis pesquisar preços e buscar oportunidades nesse mercado. “É sempre bom consultar se o preço dos imóveis de interesse são factíveis. Faça uma pesquisa, veja quanto vale, se o preço está dentro do que o mercado pede e se haverá retorno. Tem que comparar com outras aplicação e ver a oportunidade de locação da unidade”, aconselha o professor.

    Outra dica da diretora da J2M na hora de investir em um imóvel é ficar de olho no valor do condomínio e do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). “A oportunidade de alugar o imóvel está ligada ao valor do condomínio. Se for muito alto, o proprietário não vai conseguir um valor muito bom de aluguel ou pode até dificultar conseguir inquilinos”, comenta.

    O pesquisador do Instituto Assaf, de análises econômicas, Fabiano Guasti Lima, também explica que investir em um imóvel é considerado um investimento de longo prazo que requer planejamento financeiro. A desvantagem dessa aplicação é a menor liquidez que um bem como esse tem no mercado, diferente da renda fixa ou de ações, em que o dinheiro pode ser resgatado a qualquer hora. E a vantagem é que o investimento pode ser visto como complemento de renda.

    ALUGUEL A 1% DO VALOR DO IMÓVEL POR MÊS?! AH, TÁ…ESSES CARAS NÃO DESISTEM, MESMO!

    0
    • Lara 30 de janeiro de 2012 at 20:42

      e de onde eles tiraram que é fácil alugar um apartamento de 300k por 3k??? o que e moro é nos Jardins, um dos bairros mais valorizados de SP, está avaliado em 450k, e eu pago 2k por mês de aluguel…

      0
      • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:16

        Pois é! E não precisamos ir tão longe (pesquisar entre os moradores) para saber disso. Qualquer pesquisa em site de imóveis já deixa isso muito claro.

        O preço-delírio de um imóvel com aluguel de R$ 2 mil nos Jardins está até mais alto, chega a R$ 600 mil, podendo chegar a R$ 800 mil. É fácil encontrar um imóvel de 700 mil cujas característias (incluindo a qualidade do acabamento) são muito similares a imóveis sendo oferecidos por R$ 2,5 mil mensais.

        0
      • Pepper 31 de janeiro de 2012 at 00:32

        Pelo menos para imóveis residenciais essa ideia é completamente viajante! Um apartamento de 300 mil hoje é espartano (no RJ ou em SP). Ganhar 3 mil de aluguel por mês é absolutamente impossível.

        0
      • MrJaime 31 de janeiro de 2012 at 02:44

        Aqui no Rio apartamentos de 2 quartos + vaga na zona sul estão anunciados (ZAP) para aluguel a preços a partir de +-2.5k reais, enquanto a venda é anunciada a preços a partir de +-585k.

        Isso dá 0.42% ao mês. Menos da metade dos 1% ao mês anunciados pela reportagem.

        0
    • Fernanda 30 de janeiro de 2012 at 21:05

      Acabei de comentar no link da matéria. As empresas de notícia precisam ter em mente o quanto está custando em termos de credibilidade e confiabilidade estas matérias cada vez mais ridículas.

      0
    • Ratinho 30 de janeiro de 2012 at 21:16

      Parei a leitura em “Para o presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP), João Crestana,”.

      0
      • Guilherme Eduardo 30 de janeiro de 2012 at 21:57

        Me traduzam esta frase dele “Já o imóvel valoriza pelo menos a inflação”. O preço subir por causa da inflação é valorização???? Pelo menos meu salário (e acredito que o de todos) quando sobe o mesmo que a inflação não cresce, apenas fica igual, corrige.

        Só faltou ele falar uma frase que corretor de pré-lançamento do lançamento de imóveis na planta: “ainda tem a valorização do INCC”. rsrsrsrs

        0
    • Guilherme Eduardo 30 de janeiro de 2012 at 21:22

      No final ela comenta sobre o valor do condomínio, o que é verdade (condomínio alto afasta potenciais inquilinos). MAS, principalmente quem é de regiões metropolitanas, consegue perceber que vários dos empreendimentos de apartamentos que estão sendo entregues/construídos tem vários itens de lazer, o que encarece o condomínio. Os corretores afirmam que o condomínio será baixo… difícil hein.

      O número elevado de unidades faz com que o valor total seja pulverizado, porém quando colocamos na conta a quantidade de funcionários necessários para manter esses condomínios clube, a folha de pagamento eleva bastante o valor do condomínio. Será que quem “investiu” pensando nos aluguéis pensou nisso?

      0
      • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:18

        Muito bem lembrado. E ainda vale a regra de que “Piscina grande em prédio serve para os vizinhos nadarem enquanto você trabalha”.

        0
        • Cleyton 31 de janeiro de 2012 at 00:20

          Haha, pior que é.

          0
        • André 31 de janeiro de 2012 at 15:35

          Boa! ahauhauhauhahuahuha

          0
      • DanielCM 31 de janeiro de 2012 at 04:40

        ah, agora o condominio será baixo, pq tudo está novinho. deixa só os equipamentos começarem a precisar de manutenção. vai ser cota-extra pra tudo que é lado.

        0
  • Ghaspar 30 de janeiro de 2012 at 19:46

    Esse jornalista que escreveu sobre a privatização, porque não aproveita a ‘fama’ repentina e escreve um livro sobre o assassinato de Celso Daniel……????

    Mas esse cara é mais é de escrever isto:

    http://youtu.be/uUxd-sM4RjE ou
    http://youtu.be/MhhaHi8Wjx4

    0
  • Troll 30 de janeiro de 2012 at 20:47

    Estão vendo no JN agora? Dobrou o número de pessoas que não conseguem pagar a prestação do “carro”. Quero ver qdo chegar a hora dos “na planta”.

    0
    • bertz 30 de janeiro de 2012 at 21:05

      Dois carros que eu tenho que considero ser os meus melhores:

      Jipe 1958- anda em qualquer lugar isento de IPVA.

      Chevy 500 1992- dá lucro todo dia com manutenção quase zero, IPVA 2013 isenta.

      0
    • augusto 30 de janeiro de 2012 at 21:39

      Com relação a matéria do JN de hoje sobre aumento na inadinplência em financiamento de veiculos, que já atinge 5%, ou seja o dobro de um ano atrás, devemos considerar que esta inadimplência é relativa àqueles que não pagam desde outubro 2011 (90 dias para ser considerado caloteiro).

      Considerando-se que logo após a compra e financiamento, uma certa quantidade de prestações são pagas em dia, sei lá talvez umas 10 a 15, aqueles consumidores que compraram carros em meados e final de 2010 são os incluidos no indice divulgado. Naquela época os juros estavam muito baixos (8,75%), mantidos assim pelo moluscão com fins eleitoreiros.

      Para mim isto indica as tendências:

      – juros baixos não impediram que consumidores irresponsáveis pudessem honrar suas dívidas,
      – a quantidade de pessoas que financiaram em 2011, quando a inflação disparou, e os juros estavam mais altos, e que ficarão caloteiros deve ser muito maior (mesmo porque aumentaram as vendas de veiculos em 2011)
      – podem apostar, o indice atual de inadimplência de 5% vai ficar fichinha em relação ao que que será divulgado dentro de um ano

      Pois é povão continuem com a farra e comprem tudo financiado, e usem o cartão de crédito adoidado. Afinal de contas nosso Pais é mais rico que a Inglaterra (sic), e temso o moluscão e a dilma

      0
      • Rico 30 de janeiro de 2012 at 23:01

        5%? Eh pouco. O banco retoma o carro, leiloa por qualquer preco e o saldo devedor restante coloca como prejuizo para nao pagar imposto.
        Entendam: Banco no brasil nao da perjuizo. Nunca. Os que quebram eh porque fizeram falcatrua na contabilidade.

        0
        • Ben 30 de janeiro de 2012 at 23:52

          O duro é que andei visitando alguns leilões e fiquei espantado! Os caras pagam preço de tabela FIPE nos carros que vão pra Leilao, alguns ficam até mais caros, devido a comissão do leiloeiro. Tem muito trocha na Patria Amada, pra encher o bolso dos amigos banqueiros…

          0
          • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:21

            Eu notei isso enquanto acompanhava leilões no superbid.net. O povo pagando tabela FIPE por carro de empresa (passou na mão de todo mundo) com 200 mil km.

            Uma insanidade total.

            0
            • Frank 31 de janeiro de 2012 at 22:39

              “O povo pagando tabela FIPE por carro de empresa (passou na mão de todo mundo) com 200 mil km.”

              bom, está claro q …”aí, tem”.

              0
          • Pena 31 de janeiro de 2012 at 13:13

            Um conhecido meu, comprou em leilão de bancos um Punto. Disse pra mim que tava inteiro, SÓ precisou trocar o escapamento e quatro pneus. Na soma ficou mais caro que a tabela FIPE. Vai ser ruim de negócio assim.

            0
        • Ricardo Eng 31 de janeiro de 2012 at 00:19

          E a falcatrua deu muito lucro, diga-se de passagem.

          0
      • Rico 30 de janeiro de 2012 at 23:06

        Alias uma das operacoes de muitos bancos eh a compra de titulos podres para deduzir no imposto. Isso eh pratica legal e feita a exaustao por grandes bancos.

        Ja viram acordo de saldo devedor de cartao? Chega a 10℅ da divida para quitacao. Isso acontece por causa dessa operacao.

        0
        • Shakespeare 31 de janeiro de 2012 at 09:49

          E também por causa dos juros extremamente elevados…

          0
          • Rico 31 de janeiro de 2012 at 13:22

            Sim sim. Mas não sejam inocentes acreditando que os bancos estão dando créditos irresponsavelmente.

            Todo risco de crédito é mais que calculado. Quando há risco de perda (nem de quebra) os bancos começam a restringir o crédito.

            0
    • Guilherme Eduardo 30 de janeiro de 2012 at 21:50

      Um dos fatores que os bancos utilizam para calcular as taxas de juros são os níveis de inadimplência. Com a inadimplência subindo creio que será difícil para os bancos reduzirem as taxas como está sendo pedido pela Presidenta. Nos públicos podem até cair, por quem manda é o governo, mas nos privados vai ser difícil hein….

      0
  • bertz 30 de janeiro de 2012 at 21:38

    Como disse anteriormente o Mrk as vezes me sinto um alien.

    As vendas de carros e comerciais leves vão bater um novo recorde em janeiro. As vendas diárias até a última sexta-feira já são consideradas as melhores da história para o primeiro mês do ano: foram vendidos nos 20 primeiros dias úteis do mês 11.250 unidades por dia, contra 10.946 de janeiro do ano passado.

    Faltando dois dias úteis para encerrar o mês, hoje e amanhã, as vendas já atingiram 225 mil unidades, e podem chegar a 255 mil até quarta-feira, com 11,5 mil/dia. Mesmo que não atingir esse número, já é certo que este será o melhor janeiro da história

    0
    • augusto 30 de janeiro de 2012 at 21:40

      Bertz espere um pouco e verá aonde vai a inadimplência no setor

      0
      • bertz 30 de janeiro de 2012 at 21:46

        Concordo primeiro conta de celular para pré-pago e sem tv a cabo, vamos pagar o carro, vixi não deu pra salvar vamos cortar lazer, cartão, cheque especial, vixi ferrou vão leiloar nossa casa amanhã

        0
    • Latam 30 de janeiro de 2012 at 22:28

      O pessoal não está fazendo conta, não sabe a trolha que está chegando, aonde vamos parar com juros zero nos países mais desenvolvidos ?pensam que imóveis vão segurar as pontas ? ainda acredito na máxima “comprar barato e vender caro” . sou vendedor de imóveis e comprador ainda não sei o que ….

      0
  • Mateus 30 de janeiro de 2012 at 22:24

    Nem o governo anda pagando bem suas contas:

    http : // noticias. r7.com/economia/noticias/divida-publica-brasileira-cresce-10-e-atinge-r-1-86-trilhao-em-2011-20120130.html?question=0

    Certamente 2011 não fechou no azul…

    0
    • Joselito 31 de janeiro de 2012 at 10:22

      As contas do governo nunca fecharam no azul em nenhum momento da história. Porque 2011 ia ser diferente?

      0
  • Benjamin 30 de janeiro de 2012 at 22:43

    Na boa, tem horas que rola “fogo amigo” demais neste site. É só alguém arriscar a duvidar que os preços vão cair (dependendo do grau, ainda tem que dizer que vai cair muito) ou não ser uníssono no coro de que “nunca antes na história deste país houve um partido tão corrupto quanto o PT” que o cidadão é corretor, petista ou investidor. Vamos mais devagar…

    0
    • Paty 30 de janeiro de 2012 at 23:06

      Tem pessoas que não se rendem às verdades mais evidentes, sao como pedras. Os meninos e algumas meninas aqui tem por instinto para amar a verdade. Esse é um blog sobre a bolha imobiliaria se vc for contra estará indo contra os instintos desse blog, apesar de ninguem estar 100 porcento certo, os que defendem a nao existencia da bola são atacados pela sua propria falta de argumento…
      ate mais

      0
      • Money addicted 31 de janeiro de 2012 at 00:29

        concordo totalmente com vc, mas vamos voltar a campanha “nao alimente os trolls”…!

        []s

        0
    • Felipe 31 de janeiro de 2012 at 07:50

      É Benjamin, eu já fui chamado de petista pq critiquei o sacrossanto santo santo FHC, o verdadeiro autor da privataria tucana hehehehehe

      0
    • FQ 31 de janeiro de 2012 at 10:45

      Benjamin,

      O problema é a falta de argumentação. Apresente bons argumentos e ele será discutido.

      Agora, o sujeito chega aqui dizendo que os imóveis vão valorizar 30% ao ano pelos próximos 10 anos (e sem argumentos para isso) e ainda quer ser levado a sério.

      Ou então, o cara chega e diz que aluguel residencial é um excelente investimento que paga 1,2% ao mês… e ainda quer ser levado a sério?

      O blog é composto por pessoas, na sua maioria, instruídas e com um bom senso crítico, velhas falacias de vendedores, ufanismos irracionais ou ataques pessoais são rapidamente desnudados mesmos…

      0
      • Benjamin 31 de janeiro de 2012 at 12:30

        FQ e Paty,

        É óbvio que existem aqueles que vem com a mesma ladainha da imprensa oficial e fica muito fácil desbancar esses caras. Agora tem hora que é um saco o pessoal mais xiita aqui e alguns soam bem prepotentes.
        Que papo é esse de amar a verdade? Parece conversa de fundamentalista essa coisa de dividir todo mundo entre “esclarecidos/bolhistas” e “iludidos/anti-bolhistas”. Tem uma região cinzenta muito grande entre o preto e o branco e o fato de EU acreditar que exista uma bolha não significa que eu concorde 100% com os argumentos aqui (até mesmo porque o bolha imobiliária não parece ser uma religião com dogmas bem definidos, mas não seria má ideia alguém fazer uma versão para o site dos Dez Mandamentos ou da Lei das Doze Tábuas dos Bolhistas).

        0
        • Paty 31 de janeiro de 2012 at 14:10

          ok, pelo menos concordamos que nao existe 100 porcento de verdade em nada né…
          As pessoas amam suas verdades sim, isso não quer dizer que estão sempre certas em sua linha de raciocinio.
          até mais

          0
        • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:16

          É verdade Benjamim. Há excessos, e ainda mais: há partidarismos e panelinhas politicas…rsrs

          Mas, assim como você mesmo disse, nem tudo é preto e branco, e maioria aqui, cinzamente não se enquadraria nesses excessos e busca um debate de nível.

          0
  • danilo 30 de janeiro de 2012 at 23:06

    Nao sei se viram o Jornal da Band hoje. Foi uma matéria de 4 minutos sobre o atraso das construtoras na entrega dos apartamentos, o acabando horrível, com água que nao cai para o ralo e sim para os cantos, etc. Mostraram pessoas que compraram seus imóveis e a placa de ENTREGA 2011, mas filmaram o terreno com mato ainda. Durante as manhas dessa semana a Band FM fará programas sobre problemas no mercado imobiliário. Já mandei minhas sugestoes de tema.

    0
  • Etmso 30 de janeiro de 2012 at 23:15

    Concordo. O pessoal do blog e pouco receptivo a qualquer comentário anti bolha. Sao total avessos a prestações. Eu tb sou, entretanto no patamar que estamos ferrou, apenas um ou outro tem poder de juntar 500k se policiando muito.

    E muito fácil manipular dados/informações para defender uma posicao, eu acredito que este blog devia centrar em buscar informações imparciais, para tirarmos nossas conclusões. Ate mesmo os artigos anti bolha postados aqui sao falhos em vários pontos … Nao pesemos ser cegos na posicao que os precos caíram. Profetas do apocalipse, ja falharam em 2008.

    0
    • Miguel Jacó 30 de janeiro de 2012 at 23:24

      Acalme-se e espere mais 35 dias (no máximo), começando por amanhã. É só o que tenho a dizer.

      0
      • Cai cai balão 30 de janeiro de 2012 at 23:26

        Fala mais, Jacó. Não sei se aguento esse tempo todo…

        0
        • Etmso 30 de janeiro de 2012 at 23:39

          De uma hora pra outra as construtoras pararam de fazer 2qtos de 70m2 e passaram a fazer nos de 3qtos de 100m2. Achei estranho o movimento, algo me diz que este padrão foi devido a alguma informação que vazou.

          0
          • RPL 31 de janeiro de 2012 at 00:09

            FGTS acima de 500K???

            Embora 2 dorm com 70m² já estava custando 500K…

            0
            • Emtso 31 de janeiro de 2012 at 08:40

              Não sei, mas percebi uma migração muito grande, antes vc via os prédios eram na sua maioria 70m2- 65m2 no máximo, hoje você um movimento de construção de 100m2 nos bairros médios, mas nos bairros tops, 70m2, em resumo, um leve direcionamento para que a oferta de 2014/2015 de imóveis fiquem na casa dos 500 a 800k. Estas construtoras não dão ponto sem nó, talvez eles já estejam sabendo de algo, visto que eles tem contatos fortissimos nos bastidores da política, pois hoje os juros diferenciados são p/ até 500k.

              0
        • Miguel Jacó 31 de janeiro de 2012 at 12:08

          O ano começa só depois do carnaval, mais precisamente em março. Não há mais sustentação nem demanda para estes preços, e o crescimento da indústria foi zero, e o brasileiro endividado até a goela, soma-se gastos de férias e escola.
          Além disso, o pico da crise na europa será em 2012, confirmado até pelos analistas mais otimistas.

          0
    • Ben 31 de janeiro de 2012 at 00:03

      Ja tem muita ponderação e parcialiade por ai. Gosto deste epaço, justamente por ser imparcial…quem se sente ofendido, que va ler noticias do Secovi…Aqui é pra quem quer pensar diferente e fazer diferente. Não se preocupem , é uma minoria, não vai afetar os negocios.

      0
  • Cai cai balão 30 de janeiro de 2012 at 23:21

    Parece que a moda pegou. Um caiu, outro foi evacuado e o terceiro, em obras, começa a estalar.

    PA: Edifício em obras estala em Belém

    “http://www.band.com.br/noticias/cidades/noticia/?id=100000482815”

    0
  • Mr. Alex 30 de janeiro de 2012 at 23:22

    Caros,

    Cada vez mais tenho certeza que a falta de Educação é a causa da nossa Bolha.

    O cara compra um carrão e… lá vai ele sem Educação alguma pelas vias públicas.

    O abestado ganha um “aumetozinho” e… lá vai ele se individar como mencinaram os colegas acima. Sem contar que fica se achando a última limonada gelada do deserto.

    E assim vai: casa, comida, artigos de luxo… Comprar, comprar.

    Niguém se orgulha de estar do lado que vende, não ???

    Niguém se orgulha de não ter uma industria automotiva pra puxar pro rabo ? Uma tortuga con gorra ?

    Suécia, Coréia do Sul, Finlândia… pouca gente, mas muita Educação ! Mas muuuuuita mesmo !

    O futuro não é de quem compra mais, mas de quem detém o conhecimento… E o
    ~Homos Bananesis~ só pensa em pegar na banana e tomar no côco !

    0
  • Marcelo 31 de janeiro de 2012 at 00:17

    Eu havia encontrado um texto interessante, além de meio conspiratório, na internet e o reproduzi aqui, com o endereço do texto original, para estimular a discussão e ver o que os colegas bolhistas achavam da explicação apresentada. Se o colega Mineiro BH acha que passei dos limites reproduzindo bobagens e rebaixando o nível da conversa, peço perdão. Mas gostaria que a crítica ao menos fosse acompanhada de justificativa.

    Espero que, no mínimo, ele seja capaz de mostrar que o meu comentário contribuiu menos que os dele. Para tanto, não é suficiente apenas citar o nome de um filme antigo (Teoria da Conspiração) ou algo semelhante. Ele escreveu: “o truque é o seguinte: a grande prova disso tudo aí que tá escrito é…. não haver prova nenhuma… mas é claro, se é uma conspiração não pode ter provas, é sigiloso… ah, mas se é sigiloso, como está sendo divulgado? putz, que truque bobo heim…”. Em que partes do texto se evidencia esse truque? Não consigo identificar tal truque, pelo contrário, o autor faz um esforço de juntar dados verdadeiros para conectar os pontos, tanto que foi classificado merecidamente como improvável depois de ser apelidado de “saladão” pelo próprio Mineiro BH.

    Mas vamos ao que interessa. Estava lendo um artigo do site exame do dia 4 de janeiro, que fala de uma forte desaceleração dos preços de imóveis em capitais brasileiras em dezembro, baseada no famoso índice FipeZAP. O mais interessante é que no final de junho de 2011 o mesmo site apresentou um artigo, escrito pela mesma pessoa, com 11 motivos para a manutenção da alta de preços, onde apenas fez uma resalva que só um desastre no exterior mudaria essa situação. Para não se contradizer, no artigo de janeiro o autor reconhece que depois de os preços subirem bem acima da inflação nos últimos 5 anos, se tornou difícil encontrar uma pechincha nas grandes capitais e aponta como causa da desaceleração a desmotivação das pessoas em tomarem um financiamento pela incerteza da economia global.
    Ou seja, ele reconhece que não se pode comprar mais nada sem o endividamento mas como havia descrito um cenário interno exageradamente positivo em junho, restou concluir que as pessoas financiam por medo do exterior (como se o homem comum não se endividaria por causa disso) e não pela insustentabilidade dos preços si. Lembrem-se: Aqui é diferente!
    Os endereços:
    http:// exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/11-razoes-para-o-preco-dos-imoveis-seguir-em-alta?p=1#link

    http:// exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/precos-de-imoveis-tem-forte-desaceleracao

    0
    • Marcelo 31 de janeiro de 2012 at 00:20

      Corrigindo:
      Ou seja, ele reconhece que não se pode comprar mais nada sem o endividamento mas como havia descrito um cenário interno exageradamente positivo em junho, restou concluir que as pessoas NÃO financiam por medo do exterior (como se o homem comum não se endividaria por causa disso) e não pela insustentabilidade dos preços si. Lembrem-se: Aqui é diferente!

      0
    • MrK 31 de janeiro de 2012 at 08:10

      Essa explicacao da crise internacional e’ a maior bobagem que ja vi, por varios motivos

      1- A Crise la fora ja existe, e e’ grave ha muito tempo, nao surgiu nos ultimos meses
      2- O Contagio que pode haver dessa crise aqui ainda nao chegou ou e’ muito pequeno
      3- O Homem comum se quer sabe apontar a Alemanha no mapa, voce acha que ele entende de crise de solvencia, Banco central Europeu, etc? Ta de brincadeira, ne?

      Isso e’ desculpa, a verdade e’ que o travamento de vendas se deu por um problema totalmente INTERNO, relacionado a politicas internas, consumo interno, especulacao (majoritariamente) interna…etc..

      mas e’ sempre conveniente achar um bode expiatorio!!!

      0
      • Fabiano Gomes 31 de janeiro de 2012 at 10:23

        Por falar em bode expiatório, creio que é exatamente isso o que o governo mais deseja: o estouro da crise lá fora.

        Pensem bem. Qualquer membro do alto escalão da cúpula econômica do governo sabe que a nossa situação econômica é insustentável. Basta ver o que ocorreu nos atuais países em crise (Espanha, Grécia, Itália, EUA, Irlanda, etc.) e verá que aqui a história está se repetindo. Primeiro foi a rápida expansão da economia (através do aporte de recursos do mercado financeiro via compra de títulos dos governos) o qual gerou baixíssimos índices de desemprego (3 meses antes da crise o desemprego na Espanha era de apenas 7,5% – alguma semelhança com a Banânia?). Para sustentar esse crescimento os países tiveram que fomentar o consumo interno e o fizeram via crédito farto. E para manter o crédito tiveram que reduzir impostos, afrouxar medidas macroprudenciais além de implementar certas medidas pouco ortodoxas (aumento do limite do FGTS e de outras linhas de crédito pouco usuais, dedução do financiamento no IR, MCMV, etc.). Atualmente estamos nesta última fase do ciclo de crescimento econômico, e não precisa ser nenhum gênio da economia para saber que a crise vai aportar aqui. Ora, se chegou no Japão, Europa, EUA, está chegando na China, por que aqui seria diferente? E o governo sabe disso. Mas o que ninguém sabe é quando ela vai estourar.

        Pois bem. Se a crise externa estourar antes da nossa (e o governo conta e torce para isso) ele terá um bode expiatório para a sua própria crise. E assim o bananense irá pôr a culpa nos países ricos e desenvolvidos e ainda será tentado a eleger novamente o nosso salvador da pátria. Ele mesmo: o Lula, o qual ainda poderá implementar, junto com seu partido, políticas duvidosas, tendo em vista o contexto econômico e social em que a Banania irá se encontrar.

        1+
        • Carlos Wagner 31 de janeiro de 2012 at 15:55

          Concordo plenamente.

          Digo isso a muito tempo. Meu medo é que, com o caos social gerado por esta crise que desponta no horizonte, o clamor popular por uma tábua de salvação seja a oportunidade que o PT espera ha anos para instituir um regime socialista no país.

          Estamos prestes a cair no abismo, só falta o empurraozinho!

          0
    • FQ 31 de janeiro de 2012 at 10:09

      Marcelo,

      O texto postado anteriormente é excelente. Críticas sempre existirão. Sobretudo, quando alguém tenta dizer algo novo ou colocar um ponto de vista fora da perspectiva óbvia da platéia que assiste a um show de mágica.

      0
  • Andre 31 de janeiro de 2012 at 08:34

    Boa tarde,
    Tenho acompanhado este forum e vejo que muitos tem a mesma visão sobre o preço inflado dos imóveis. Eu particularmente venho travando uma briga com corretores procurando um aluguel viável e vejo que as pessoas se rendem, muitas vezes, seja por necessidade, ou ainda analfabetismo financeiro.
    Tem corretor que tem a pachorra de espantar pessoas como eu que tentam pechinchar, dizendo que o apto recebeu uma proposta maior do que está anunciado. É duro de acreditar, tanto é que resolvi alguns semanas depois passar em um apto que tentei alugar e o mesmo continuou desocupado.
    O triste desta história toda é o fato de que o mercado vai sendo nivelado por pessoas sem noção financeira, que aceitam entrar em aluguéis que por vezes levam mais de 40% da renda mensal. Além disto, como muitos comentaram o governo não irá deixar esta bola de neve parar tão cedo.
    Espero ansiosamente o PLOC desta bolha e no meio tempo vamos acompanhando, pois a situação é simplesmente ridícula.

    0
  • TH 31 de janeiro de 2012 at 09:42

    Pessoal,

    muitas pessoas aqui no blog estão discutindo quando a bolha vai estourar, se já estourou ou se está estourando. Claro que isso é natural, e eu me faço as mesmas perguntas.

    O que me surpreende são pessoas colocando data certa para o estouro da bolha, só falta marcar também a hora e minutos!

    No mercado de ações, que é um mercado de altíssima liquidez e movimentos rápidos e bruscos, é até possível definir uma semana, ou até um dia em que ocorreu um determinado estouro.

    Mas o mercado de imóveis é extremamente lento e gradual, devido à sua baixíssima liquidez. De forma que não é possível determinar o momento exato em que uma bolha imobiliária estoura. No futuro as pessoas irão dizer que a bolha estourou “em meados de 2012”, “no fim de 2013” ou alguma coisa do gênero.

    0
    • FQ 31 de janeiro de 2012 at 10:04

      Certo TH.

      Mas, o que o pessoal tenta, é acertar a data de algum evento notável que irá marcar, como um símbolo, o estouro da Bolha. Um evento marcante que destaque o fato e seja lembrado como divisor de águas. O que é de fato é muito difícil de acertar.

      Por exemplo, possivelmente, com os resultados parciais de 2011, já podíamos estar no início do estouro da bolha. Creio que não, mas poderíamos… ou talvez, com a divulgação total dos resultados de 2011…

      0
    • profeta do apocalipse 31 de janeiro de 2012 at 12:48

      aqui em salvador a data do inicio da bolha será: entrega do le parc. anotem. na prática a bolha comecou a estourar quando as vendas pararam. eles terão muito dinheiro para forcar a natureza e continuar financiando infinitamente a mídia? o capital especulativo migrará para outro local, se já nao está migrando e restarão apenas lágrimas e arrependimento

      0
  • Indecoroso 31 de janeiro de 2012 at 09:48

    Brasil irá demorar para ter inflação comparadas a países de primeiro mundo

    Victor Martins
    Publicação: 31/01/2012 08:00 Atualização: 31/01/2012 08:36
    O servidor público Américo Santos, 61 anos, sente que viveu em dois países diferentes sem ter saído do Brasil. O primeiro acabou para ele em 1994, com o nascimento do Plano Real e o fim da inflação descontrolada. O segundo, surgido da estabilização da economia, é considerado por ele um céu de brigadeiro, que abriga um futuro promissor para os filhos e netos, e uma aposentadoria sem sobressaltos.

    Santos sobreviveu a um Brasil onde ser milionário não era significado de riqueza. Seu salário saiu de 156 mil cruzeiros, em maio de 1983, para 2,2 milhões de cruzeiros, em dezembro de 1985 — 1.300% de reajuste, fruto de uma correção monetária necessária para que ele mantivesse o poder de compra. “Eu até posso dizer que era um milionário, pois recebia milhões em salário”, conta. “Mas dinheiro naquela época não valia nada.”

    Daqueles tempos, Santos não sente a menor saudade. “Era um tormento. Muitas vezes, o dinheiro nem dava para comprar comida, tamanha era a velocidade das remarcações de preços nos supermercados. Felizmente, meus filhos não terão de passar por nada parecido. Muito menos a minha neta, Maria Giulia, 3 anos. Creio que, quando ela tiver 20 anos, o Brasil será muito melhor do que o de hoje”, diz.

    A jovem Ilana, com os pais, Américo Santos e Maria das Graças, e a sobrinha, Giulia: “Controle da inflação foi só uma das conquistas”

    Aos 19 anos, Ilana, filha de Santos, não tem a dimensão exata das palavras do pai. Ela faz parte da geração que cresceu em um Brasil estável, que não admite a possibilidade de ir a uma loja um dia depois de pesquisar o preço de um produto e descobrir que ele foi reajustado. “Seria loucura”, afirma. A jovem se sente motivada com o que os economistas chamam de previsibilidade, a possibilidade de planejar o futuro. Mas ressalva: “Vejo um Brasil melhor, que ainda está longe de ser o país ideal. O controle da inflação foi apenas uma das conquistas. Outras precisam vir, como o fim das desigualdades”.

    Recém-ingressa no curso de ciências contábeis da Universidade de Brasília (UnB), Ilana aprenderá na teoria aquilo que os pais sentiram na pele e no bolso, sobretudo nos anos 1980 e 1990, quando vários planos econômicos fracassaram sem que o país se livrasse da hiperinflação. A estudante também perceberá que, mesmo tirando proveito da estabilidade consolidada nos últimos 17 anos, o Brasil está longe de respirar tranquilo com os índices de preços. As taxas atuais — 6,5% no acumulado de 2011 — permanecem entre as maiores do planeta.

    Professor da UnB, o economista Roberto Piscitelli é taxativo: “A inflação se tornou uma obsessão para os brasileiros, porque foi uma experiência única no mundo. Não encontraremos nenhum país que, durante praticamente 40 anos, conviveu com a carestia como fizemos. Nenhuma outra nação deve ter criado tantos mecanismos e tecnologia para corrigir preços”. Por isso, recomenda ele, passada a primeira fase da estabilização econômica, o país precisa aprofundar o debate e levar a inflação para o nível de economias mais maduras e civilizadas — entre 2% e 3% ao ano.

    A depender do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, essa discussão se aprofundará. Ele admite que, no estágio alcançado pela economia brasileira, a sexta maior do mundo, não haverá espaço para uma meta de inflação de 4,5% ao ano, com possibilidade de oscilar dois pontos para cima (6,5%) ou para baixo (2,5%). Treze anos depois de adotado esse regime, o país continua ostentando a maior taxa a ser perseguida pela autoridade monetária. Na visão de Tombini, ao longo dos próximos anos, o país terá de estipular metas menores, com intervalos de variação mais exíguos. Esse será o preço definitivo a ser pago para que o Brasil enterre de vez um passado que, no máximo, deve ficar restrito aos livros de história.

    O problema de uma meta de inflação tão elevada é que, na prática, ela acaba funcionando como um piso das expectativas e vem sempre acompanhada de um prêmio de risco. Assim, defende Ilan Goldfajn, economista do Itaú Unibanco, será preciso coragem para buscar inflação menor, o que vai além dos desejos do BC. Trata-se de um projeto de governo, que passa pelo equilíbrio definitivo das contas públicas. Ao se engajar definitivamente na busca por uma inflação de Primeiro Mundo, o país também poderá se livrar de outra mazela: a indexação da economia. Como os índices são altos, todo mundo quer manter a correção dos contratos pela inflação passada. É uma bola de neve sem precedentes no planeta.

    Enquanto o Brasil tenta ampliar as conquistas das últimas duas décadas, a juventude pode ao menos sonhar com um futuro sem sustos e de muitas oportunidades. O casal de namorados Rafael Oliveira e Juliane Carvalho, ambos de 19 anos, acredita que, nos próximos 20 anos, construirá uma sólida carreira profissional. E, melhor, sem ter de transpor as barreiras que seus pais tiveram de enfrentar. “Não vou desperdiçar o que a vida me oferecer”, garante Rafael.

    Desejo

    Nos cálculos do Itaú Unibanco, inflação de Primeiro Mundo, entre 2% e 3% ao ano, ainda vai demorar para se tornar realidade. Pelas projeções do banco, o Brasil continuará com um Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em torno de 5% anuais ao menos até 2020 — o que compromete o desejo da presidente Dilma Rousseff de terminar seu mandato com juros básicos de 9% ao ano.

    0
    • walyson Trautenmuller 31 de janeiro de 2012 at 12:34

      Me lembro muito bem daqueles tempos de inflação, você saia de manhã para comprar leite e pagava “x”, voltava no outro dia para comprar o mesmo litro de leite já valia “x+10”.
      – Hoje você sai para comprar um imóvel e é um preço é “x”, amanhã voçê liga para o proprietário querendo fechar a compra e ele já colocou um outro valor no imóvel, ou seja, “x + 10″… qualquer semelhança será mera coincidência.

      0
  • Lucas Mendes 31 de janeiro de 2012 at 10:08

    Lendo os coments acima só tenho que parabenizar o Ricardo Eng. pela sua contribuição ao site. Numa síntese ímpar resumiu o que se passa neste país. Uma pena que sejam poucos a ter esta visão brilhante e incomensurável. E digo que só pela sua assertiva já valeu quase um ano de blog para mim. Parafraseando Nelson Rodrigues: A cada um gênio existem um milhão de imbecis!!!

    Abraços do Lucas Mendes

    0
    • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 01:06

      Muito obrigado!

      0
  • Jack Imóveis 31 de janeiro de 2012 at 10:55

    Caro Ricardo Eng.

    A sua participação no blog é realmente de alto nível.

    Abraços

    Jack – Congratulando

    0
    • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 01:06

      Muito obrigado!!

      0
  • O_alquimista 31 de janeiro de 2012 at 11:08

    Cuido bem dos meu gastos e este mês estou vendo que as contas iptu, ipva, contribuições, etc, cartão de crédito de fim de ano irão pesar.

    Acredito que muitos que compraram imóveis com valores absurdos e carros de luxo 0km não conseguirão arcar com estas despesas. Impostos com preços atualizados!! Serão mais parcelas no orçamento da maioria.

    0
  • FQ 31 de janeiro de 2012 at 11:36

    O pessoal do blog começou a se dividir.

    1 – De um lado os Tucanos, de direita, se elogiando.

    2 – Em outro lado, petistas e simpatizantes de esquerda, se elogiando.

    3 – No meio da divisão, está a maioria, aqueles que debatem de forma isenta o mercado imobiliário e acreditam que tanto PT, como PSDB, são farinha do mesmo saco e que a bolha atual é fruto não de um partido ou de um governo isolado, mas fruto de processo aonde estão envolvidos, tanto a força do capital da direita, como a ingenuidade ufanista da esquerda!

    0
    • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 12:46

      não são farinha do mesmo saco coisa nenhuma
      já trabalhei com elementos do PT e posso afirmar com a mais absoluta convicção
      o nivel ético moral dos petralhas é a pior coisa que existe neste país

      O seu comentário já ouvi igualzinho de profissionais de palanque. A direita má, rica, exploradora, o demonio em pessoa. A esquerda pobrinha ingenua enganada pelo grande capital qdo subiu no poder.

      Essa imagem é falsa, é mentira, não existe nem esquerda nem direita no BRasil.
      Aqui existe gente de bem tentando construir um país e um batalhão de ex-comunistas tentando construir a si mesmos. Simples assim.

      0
      • Jack Imóveis 31 de janeiro de 2012 at 14:19

        Caro Luiz,

        Concordo com você. Os políticos não são todos iguais, assim como os médicos, os engenhieros e os padres.

        Essa suposta imparcialidade é uma das coisas mais perigosas, acredito que num blog como esse, que sempre destaca o papel do governo na economia, não podemos deixar de dar nossas opiniões.

        Abraços

        Jack – Sempre escolho um lado

        0
      • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:27

        Luiz,

        Eu acho que você não leu e nem entendeu meu comentário (ou é um troll). Não sou de direita nem de esquerda. Não gosto do PT e não gosto do PSDB, e detesto essa “Bolha de tudo” que tem se instalado no Brasil.

        Direita e esquerda são uma ilusão e distração usada para desviar o assunto e dividir as pessoas, quando o real problema e o real inimigo esta em outro lugar e são comum a todos os brasileiros.

        Me desculpe meu caro, mas na minha humilde opinião, reduzir um determinado problema ou um assunto tão delicado a um partidarismo chulo é uma pobreza de idéias e conhecimento profundo.

        0
        • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:33

          Entendi mto bem: vc escreveu lá que “é tudo igual”.
          Eu afirmo de posse de mil informações pessoais e publicas que não é não.

          São ex-comunistas, ex-terroristas que descobriram um jeito agrádavel fazer revolução e enriquecer. Uniram o util ao agradavel

          Isso de santificar a esquerda e sua polica hobin hood só serve pra fuder com a classe média, pq os verdadeiros ricos eles não atacam, eles fazem acordo.

          0
          • Paty 31 de janeiro de 2012 at 14:36

            Amigo Luiz sou sua fã….

            0
          • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 14:37

            “Isso de santificar a esquerda e sua polica hobin hood só serve pra fuder com a classe média, pq os verdadeiros ricos eles não atacam, eles fazem acordo.”

            Ninguém esta santificando nada aqui… não voto em ninguém há muito tempo, alias, tenho dupla nacionalidade, justamente para fujir deste pais assim q me aposentar…

            Acho q vc tem problemas pessoais com o PT…. ou vc é um fanatico pelo PSDB… de qualquer forma isso não agrega nada ao debate…

            0
            • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:41

              Verdade Annibal!!!

              Ele está simulando um debate que não existe, dando resposta desconexas com o assunto e forjando um assunto que não existe.

              PT = Lixo

              PSDB = Lixo

              Serra = Careca

              Lula = Careca

              0
            • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:41

              Luiz = Troll

              0
              • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 14:44

                Felipe,

                o Luiz não e troll não, ja participa desse espaço há mto tempo, sempre agregando valor a discusão. Vc so não pode falar mal do PSDB ou do metrô de São Paulo q ele fica irritado em demasia…. fora isso ele é OK…

                0
                • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:47

                  kkkkk

                  Tá certo Annibal, mas que pareceu, pareceu…

                  0
                • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:51

                  Metro de SP tem mil problemas, mas foi construido com dinheiro de SP ao contrario de todos os metros do resto do país

                  O metro de SP movimenta hoje 7 milhões de pessoas por dia, ou seja o Rio de janeiro inteiro todo dia, isso sem 1 centavo do governo federal, pelo contrário, eles ainda atrapalham.

                  Antes de falar da competencia do governo paulista precisa relativizar.

                  Quem articulou e implantou a Bolha imobiliaria no BR foi o PT. Isso é fato.

                  0
                  • FQ 31 de janeiro de 2012 at 15:26

                    Caraca…

                    Você é sobrinho do Serra?

                    0
                    • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 18:12

                      não
                      E vc não seria esposa da Erundina?

                      0
                    • FQ 1 de fevereiro de 2012 at 11:08

                      Sou apenas um rapaz latino americano sem imóvel de 1 milhão, vindo do interior e sem parentes importantes…

                      0
              • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:47

                Vcs só aparecem quando alguem cita os petralhas e seus malfeitos
                É muita coincidencia

                0
                • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 14:56

                  hehehe… geralmente não posto mto pois vcs cobrem brilhantemente todos os assuntos, só me meto qdo alguem exagera um pouco na dose….

                  Eu seria a última pessoa a votar em alguem do PT…. convenci minha familia toda a não votar neles…. detesto a pessoa do Lula e mais ainda a da Dilma, são bandidos aproveitadores (minha opinião)… só percebi q sua reação foi desproporcional ao comentário do Felipe…
                  Falando de mim assim vc utiliza uma teoria de conspiração q não se aplica em nada ao caso… se quisesse te irritar diria q vc esta usando uma tática petralha, mas sei q não e o caso….rsrs

                  0
                  • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 15:11

                    Anibal, eu não aceito ser patrulhado nem pagar pedagio
                    Pra falar mal do pt tem que antes xingar o FHC??? Isso eu não aceito.

                    Tenho minhas criticas ao FHC, ele foi um banana no segundo mandato, recuou nas posições de infra estrutura que fariam o BR um país de primeiro mundo.

                    Tivemos que esperar 10 anos pra Dilma privatizar os aeroportos.
                    Outra, ele deveria ter estatizado a Encol dada importancia social da empresa.
                    Mas foram erros técnicos, não de falta de carater, moral ou etica como é hoje.

                    0
      • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 14:30

        Luiz,
        Não foi nada disso o q ele falou…

        Concordo plenamente q hj não existem mais diferenças partidárias… são todos ladrões querendo se perpetuar no poder…

        Se eu falasse p/ minha família q iria virar político, seria o maior desgosto p/ todos….

        0
        • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:42

          Boa annibal!

          0
          • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:54

            Pois te garanto que existe muita diferença entre partidos e politicos sim.

            Essa bolha só apareceu pq o PT precisava da reeleição e criou a farra do crédito.

            0
            • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 15:03

              Pode ser … concordo ctgo, mas qdo digo q não existem gdes diferenças…me baseio justamente nessa fome de perpetuação…

              FHC fez merdas sem tamanho para ganhar a reeleição…. vc lembra do paridade real dolar mantida com selic nas alturas e mega endividamento público… nao quero politizar o debate, só acredito que não existam santos, por isso me mantenho fora da política… será q ele agiria diferente hj???? eu não boto minha mão no fogo por nenhum partido ou político…

              0
              • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 15:12

                Anibal, eu não aceito ser patrulhado nem pagar pedagio
                Pra falar mal do pt tem que antes xingar o FHC??? Isso eu não aceito.

                Tenho minhas criticas ao FHC, ele foi um banana no segundo mandato, recuou nas posições de infra estrutura que fariam o BR um país de primeiro mundo.

                Tivemos que esperar 10 anos pra Dilma privatizar os aeroportos.
                Outra, ele deveria ter estatizado a Encol dada importancia social da empresa.
                Mas foram erros técnicos, não de falta de carater, moral ou etica como é hoje.

                0
      • Paulo - RJ 31 de janeiro de 2012 at 13:40

        Luiz,
        Você não pode tomar sua experiência pessoal com um partido para defender outro. Tem que conhecer o outro lado, também. Já trabalhei em empresa estadual tendo o PSDB no governo. Sei do que eles são capazes de fazer.
        Qualquer defesa de político aqui, neste site sobre bolha imobiliária, seja de esquerda ou direita, para mim é perda de tempo. O FQ está muito certo, na minha opinião.

        0
        • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:27

          Eu só falei da minha experiencia pessoal pra corroborar o que dizem os jornais e revistas. Os [email protected] deixaram collor e sarney no chinelo.

          Não acho que o Psdb precisa ser defendido.

          Só estou entrando no campo político pq considero o projeto [email protected] de perenização no poder como um dos principais fatores da Bolha. Mas não se preocupem comigo, a popularidade da Dilma só cresce, portanto perdem seu tempo em me patrulhar.

          0
    • DMdmo. 31 de janeiro de 2012 at 14:01

      Por isto que sou um anarquista convicto, a política aqui no Brasil só me causa nojo!

      0
    • DM 31 de janeiro de 2012 at 14:03

      Por isso que sou um anarquista convicto, a política no Brasil só servepara me enojar!

      0
    • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:49

      A bolha atual está estabelecida num ambiente aonde não distinção de esquerda e direita, aonde é indiferente o partidarismo ou ideologia.

      1 – Temos o Governo de esquerda: Programas sociais, afrouxamento de regras, estímulo ufanistas e ilusão.

      2 – Temos o Capital de direita: Bancos, juros altíssimos, créditos, especulação imobiliária…

      3 – Temos a Mídia fazendo o brasileiro crer que está rico, que a copa vai fazer todo mundo milionário, que o bairro de Botafogo é comparado a Paris e que 30 anos de financiamento acabam amanhã.

      Estão todos juntos unidos pela Bolha, ganhando rios de dinheiro e este Blog no meio deste mar de absurdos, quase que sozinho, remando contra a maré…

      Chega de partidarismo! Sou do PAB – Partido Anti Bolhas!

      Pessoal do PT e do PSDB, aqui não é Brasília!

      Agora até a careca do Lula é igual a do Serra!

      0
    • Jack Imóveis 31 de janeiro de 2012 at 14:21

      Caro FQ,

      Uma pergunta. No que é baseado esse trecho “capital da direita”?

      Abraços

      Jack – Curioso

      0
      • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:37

        A bolha atual está estabelecida num ambiente aonde não distinção de esquerda e direita, aonde é indiferente o partidarismo ou ideologia.

        1 – Temos o Governo de esquerda: Programas sociais, afrouxamento de regras, estímulo ufanistas e ilusão.

        2 – Temos o Capital de direita: Bancos, juros altíssimos, créditos, especulação imobiliária…

        3 – Mídia fazendo o brasileiro crer que está rico, que a copa vai fazer todo mundo milionário, que Botafogo é comparado a Paris e que 30 anos de financiamento acabam amanhã.

        Todos juntos unidos pela Bolha, e este Blog no meio deste mar de absurdos, quase que sozinho, remando contra a maré…

        Chega de partidarismo! Sou do PAB – Partido Anti Bolhas!

        0
      • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:46

        A bolha atual está estabelecida num ambiente aonde não distinção de esquerda e direita, aonde é indiferente o partidarismo ou ideologia.

        1 – Temos o Governo de esquerda: Programas sociais, afrouxamento de regras, estímulo ufanistas e ilusão.

        2 – Temos o Capital de direita: Bancos, juros altíssimos, créditos, especulação imobiliária…

        3 – Temos a Mídia fazendo o brasileiro crer que está rico, que a copa vai fazer todo mundo milionário, que o bairro de Botafogo é comparado a Paris e que 30 anos de financiamento acabam amanhã.

        Estão todos juntos unidos pela Bolha, ganhando rios de dinheiro e este Blog no meio deste mar de absurdos, quase que sozinho, remando contra a maré…

        Chega de partidarismo! Sou do PAB – Partido Anti Bolhas!

        Trolls do PT e do PSDB, aqui não é Brasília!

        0
      • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:51

        Bolha imobiliária: Governos de esquerda + crédito especulativo (capital).

        Todos de mãos dadas!

        0
        • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:56

          nisso eu concordo Felipe, sua matematica foi perfeita desta vez

          foi assim na espanha e hoje o partido do zapatero não ganha nem eleição pra sindico.
          Perderam barcelona onde governavam desde a redemocratização em 1975

          0
        • Jack Imóveis 31 de janeiro de 2012 at 15:00

          Caro FQ,

          Ainda estou confuso. Mas acredito que eu não deva ter base de conhecimento para entender a complexidade do assunto.

          Grande Abraço

          Jack – Suposto Humilde

          0
    • Ader 31 de janeiro de 2012 at 15:52

      Político bom é político morto.

      0
    • André 31 de janeiro de 2012 at 16:16

      Uau, essa discussão está brava, hein!

      Não precisa ser gênio – e muito menos passional – para perceber que estamos claramente em uma bolha imobiliária.
      Algumas pessoas agem de forma muito passional. Sejamos sensatos e analisemos fatos e situações. Partidarismo? Ah, por favor, hein… Procurem blogs e publicações partidárias para defenderem seus partidos/candidatos se for o caso.

      PS: quanto ao metrô de São Paulo, pode até ser hiper lotado, mas realmente funciona. Sou usuário e posso afirmar. Ponto para o Luiz.

      PS2: quanto a manter o nível racional da discussão, ponto para os colegas que preferem não defender um partido ou um político.

      0
  • Galvão 31 de janeiro de 2012 at 11:39

    29/01/2012 13:13
    Viver em São Paulo é mais caro que nos EUA
    h t t p : / / w w w . diariosp.com.br/noticia/detalhe/11538/Viver+em+Sao+Paulo+e+mais+caro+que+nos+EUA

    Levantamento do FMI mostra que o custo de vida ultrapassa cidades como Nova York, Londres e Paris
    Morar em São Paulo – que acaba de comemorar os 458 anos– é um desafio para a saúde, para a paciência e também para o bolso. Segundo um levantamento do FMI (Fundo Monetário Internacional), o custo de vida por aqui já é maior do que em alguns países de primeiro mundo, como os Estados Unidos.

    Um levantamento feito no ano passado pela consultoria Mercer apontou que São Paulo é a cidade mais cara para se viver nas Américas. A capital paulista subiu onze posições em relação ao ranking de 2010 e agora está na décima posição no mundo. São Paulo aparece à frente de cidades como Nova York, Londres e Paris.

    Achou ruim? Pois saiba que em 2011 o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que mede o aumento de preços para famílias com renda de até seis salários mínimos, foi o terceiro maior do país em São Paulo, com variação de 6,34%, contra uma média nacional de 6,08%

    Segundo o professor de finanças da Escola de Economia da FGV-SP, Samy Dana, um conjunto de fatores explica o alto custo de vida. “Recentemente a população brasileira aumentou o poder de compra e São Paulo foi uma das cidades mais beneficiadas. Nós temos uma tradição no Brasil de margem de lucro muito alta. A impressão é de que os bancos ganham muito dinheiro, mas no meu entendimento não são apenas os bancos. Os serviços em geral são caros. Vários custos são exagerados”, diz.

    Bolha/ Um exemplo, segundo o economista, está no preço da moradia, que disparou nos últimos anos. “Os imóveis estão em uma bolha imobiliária. A pessoa está pagando muito porque acha que amanhã o bem vai valer ainda mais. No caso do financiamento, o brasileiro ainda olha para a parcela que cabe no bolso e não se os juros cobrados estão altos ou não”, afirma.

    Outra notícia ruim. A cesta básica em São Paulo também é a mais alta do país. Custa R$ 277,27, segundo levantamento do Dieese. O valor é 52% maior do que o encontrado em Aracajú (a mais barata entre as 17 capitais pesquisadas). O morador de lá paga, na mesma cesta básica, apenas R$ 182,22.

    Gasta-se mais aqui do que nos Estados Unidos também ao se adquirir bens duráveis, como carro e eletroeletrônicos. “Têm setores que a diferença de preços é muito grande (entre os dois países), principalmente a carga tributária aqui é alta. É o caso dos automóveis. O mesmo modelo vendido no Brasil e nos EUA custa o dobro do preço aqui e, às vezes, até mais do que isso”, diz o economista Alcides Leite, professor da Trevisan Escola de Negócios.

    0
  • Kjungle 31 de janeiro de 2012 at 12:06

    Acho que em todos os espaços as opiniões contrárias devem ser analisadas.
    Do meu ponto de vista acho que os preços cairão (não sei se rápido, não sei se devagar, não sei se apenas pela inflação) porque, do contrário, o Brasil realmente deveria ser considerado o país mais competente do mundo economicamente, aquele que conseguiu acabar com algo até hoje inerente ao capitalismo: crise.
    Ciclos de crise sempre ocorream no capitalismo, e sinceramente acho muito pouco provável que sejamos nós, com instituições comprometidíssimas com corrupção e interesse escusos, a achar a solução para isso.
    No mais, ainda que os preços não caíssem, não seria por isso que eu pagaria mais do que acho que um bem vale, exceto em casos de emergência, o que não é a situação. Das heisst: Se tiver que morar 30 anos de aluguel eu vou morar, porque acho que não vale a pena a opção estado psicológico de ter um imóvel em comparação com as outras do que poderia ser feito com o dinheiro.

    0
  • FHC 31 de janeiro de 2012 at 12:10

    Ricardo Eng disse:
    31 de janeiro de 2012 às 0:16
    Pois é! E não precisamos ir tão longe (pesquisar entre os moradores) para saber disso. Qualquer pesquisa em site de imóveis já deixa isso muito claro.

    O preço-delírio de um imóvel com aluguel de R$ 2 mil nos Jardins está até mais alto, chega a R$ 600 mil, podendo chegar a R$ 800 mil. É fácil encontrar um imóvel de 700 mil cujas característias (incluindo a qualidade do acabamento) são muito similares a imóveis sendo oferecidos por R$ 2,5 mil mensais.

    *****

    Vejam q interessante:

    Moro na Grande Tijuca mas fui dar uma pesquisa em Jacarepaguá, pois só lá vou conseguir ALUGAR o que eu quero para a minha família.

    Passei de troll em um empreendimento na planta da Construtora Calçada, conhecida no mercado por entregar alto acabamento. O vendedor era muito simpático, mas percebeu que não ia conseguir me vender nada naquele preço (um 4 qtos de médio tamanho estava saindo por 680 mil no lançamento).

    Daí, como último recurso, ele me pediu para dar uma olhada em um empreendimento bastante similar que já estava pronto perto dali. Passei lá e gostei do que vi, assim, pelo lado de fora, não pude entrar, claro.

    Voltei para casa e achei um ap 1a locação para alugar no ZAP neste empreendimento, andar alto, 4 qtos, tamanho médio, igual ao outro por, PASMEM, 2 mil reais, entregue com aquecedor e cozinha planejada da Todeschini.

    Isso foi há 2 semanas e o proprietário ainda não conseguiu inquilino disposto a pagar. Confesso que estou tentado a aceitar, mas a multa no meu ap atual vai ficar salgada demais pois não faz sequer um ano que me mudei.

    Um abraço,

    FHC

    0
    • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 01:19

      Pois é!!!

      É exatamente isso que eu ando vendo aqui em SP. Se você prestar atenção, tudo que custava até R$ 500 subiu para a faixa dos R$ 1000, os que custavam 1000 subiram uns 50% e tudo que está custando entre 2 e 3 mil está encalhado.

      Por que? Pois a gentrificação dos imóveis de baixa renda é plenamente possível. De um lado, alguns apertam o cinto e pagam mais caro. De outro, pessoas que antes morariam em bairros melhores aceitam os “novos tempos” e moram em um lugar mais simples pelo mesmo preço que pagavam antes. No meio fica o coitado que acaba sendo expulso da cidade.

      Só que quando o valor fica muito alto (2,5 mil por um apartamento alugado), a mentalidade da “casa própria” fala mais alto: todos pensam que “se for para gastar tudo isso, eu compro o meu próprio”. Além disso é difícil achar alguém com renda alta que precise alugar um imóvel e ao mesmo tempo não se sinta roubado pagando tanto assim por apartamentos mal cuidados como os que são oferecidos por aí.

      Para a maioria das pessoas aluguel é quebra galho e não vale tanto dinheiro assim. São poucas as exceções.

      Aqui em SP existe um mercado muito promissor, do aluguel para executivos. Mesmo que fiquem um tempo vazios, acabam encontrando algum inquilino. Pois a empresa determinou um valor para o benefício de moradia, que o cara usa sem negociar muito, pois a grana não é dele.

      Existe outro mercado muito similar para médicos e enfermeiras que trabalham em programas do governo e passam 1-2 anos alocados em algum hospital de SP para especialização. Os caras alugam quarto-sala por R$ 1500, por ser próximo ao hospital. Quem paga é o empregador.

      O problema é que isso deixa muitos proprietários iludidos. Nem menos 1% da cidade atinge esse público. São regiões muito específicas, poucos quarteirões em alguns bairros pontuais.

      0
    • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 12:59

      Tenta sublocar (temporada? amigos?) pra alguém no período em que ainda está preso ao aluguel do antigo.

      0
  • AAC 31 de janeiro de 2012 at 13:39

    Alguns relatos que talvez sejam de interesse para o grupo:

    1- Viajo por todo o Brasil e por toda parte se vê construção de muitos prédios, seja capital ou interior, algo que desde 2008/2009 me chamava atenção.

    2- Sou paulista e minha família vive no interior, mas atualmente vivo em Manaus. Aqui os imóveis sempre foram caros mesmo sem bolha. O ágio aqui foi de 100% em 4 anos. Mas a maioria não vende sem desconto de 20 a 30%. Um exemplo, a casa que eu moro de aluguel foi avaliada em 380 mil, e ninguém ao menos ligou para o proprietário, foi feita uma nova avaliação por 250 e começaram a aparecer interessados.

    3- Em minha cidade no interior de São Paulo o ágio em 4 anos foi de 60 a 70%, mas também não vendem sem desconto de 20 a 30%. Um exemplo, meio do ano passado fui ver uma casinha super bem localizada o cara queria 200 mil, ele disse que tinha pago 120 em 2009. Ofereci 150 e ele disse que fecharia por 175, desisti, ontem ele me ligou querendo fazer negocio.

    4- Minha solução e contribuição para o estouro da bolha foi comprar um terreno (diretamente de um amigo, ou seja, sem dar dinheiro pra corretor e lucro para desconhecido). Estava com ágio de 30% em relação a 2009. Consegui 10% de desconto, próximo ao preço justo.

    5- Vou construir, gerar emprego, economizar um bom dinheiro, fazer do meu jeito e tudo de primeira. Assim, libero o imóvel que moro e deixo de demandar um apto já pronto. Ploc

    0
    • AAC 31 de janeiro de 2012 at 13:56

      Antes que digam que fui trouxa e comprei em repique de 10% vou explicar melhor. O terreno em 2009 custava 85.000/90.000. Os que ainda restam no bairro estao vendendo por 120.000/130.000. Esse meu colega me pediu 110.000 e fechei com ele por 100.000.

      Grosso modo apenas a coreção da inflação.

      0
      • Anonymous 31 de janeiro de 2012 at 17:36

        Poderia ter comprado um apartamentinho na Florida por 84 mil Reais, e usado os 16 mil Reais para viajar várias vezes para lá. Como o segunite tem muitos utros que voce podeia comprar com 100 mil Reais. A Banânia perdeu o juízo faz tempo.

        2 dormitórios, 3 banheiros, 134 m2
        www . zillow . com/homedetails/3309-Ramblewood-Pl-Sarasota-FL-34237/2121695505_zpid/

        0
        • Inteligivel 31 de janeiro de 2012 at 18:17

          Não discuto que os preços aqui estejam abusivos. Mas já pararam para pensar que pode haver um problema sério no câmbio? Dólar em 1,70… 1,80… não é normal.

          0
        • AAC 31 de janeiro de 2012 at 18:48

          Anonymous, acompanho sempre seus posts. Você fez a sua escolha e me parece que esta feliz, parabéns. Os EUA seria o ultimo lugar que eu moraria. A questão também é que minha família e meus amigos não vivem na Florida. Esse terreno que comprei fica em um ótimo bairro e em uma cidade que na minha opinião é uma das melhores do interior de São Paulo, penso em gastar mais R$150.000 na construção e ter uma casa TOP por US$ 130.000, o que na minha opinião esta muito bom.

          0
          • bertz 31 de janeiro de 2012 at 20:28

            Parabens pela iniciativa AAC estou de acordo com voce, ficar dizendo tem isso por x aquilo por Y, ali não vale Z, é coisa de gente que não entende nada do mercado, não sabe o valor real de uma construção, ou melhor o valor que pode ser a ela agregado, construir um imóvel de seu gosto, do seu jeito com sua cara sempre vale a pena, não é o preço que está em jogo e sim uma satisfação própria de ter realizado seu sonho e de sua família, é até um fato motivador para o casal e seus filhos escolherem um exemplo, tipo, piso da cozinha.

            Não ligue para opiniões de pessoas que acham que Ecologia é coisa que não existe, abuse dela em seu novo empreendimento,outra, como uma pessoa que mal o conheçe, não conheçe onde comprou, não sabe de sua vida pessoal pode opinar em uma questão tão importante quanto a compra do seu terreno e construção de sua futura casa.

            Meu to começando o ficar irratado com algumas opiniões aqui dos donos da verdade, não podemos politicar, não tem nada a ver com o tema, temos que acompanhar os preços, vamos fazer propostas de 40% menos. Meu os preços estão 300% acima do que valem, voces daqui devem estar malucos quando falam em 50%, por isso quero investir ainda neste ramo, como diz o Ricardo iria ferrar a cidade, não é o perfil, vender marketing, compre na Flórida, etc,dane-se e dái no blog Bolha Imobiliária tem gente que acredita nisso imagine por aí mundo afora.

            O Ricardo tem toda razão quando relatou em seu memorável ””””PINHEIRINHO””””” novo pronome assim com troll, foi melhor de todos até agora, o bananense é invejoso, safado, não gosta de estudar, de trabalhar, culpa a tudo e a todos de suas desgraças, e nem limpa seu próprio rabo, pede para alguém fazê-lo. Criticar é fácil dar uma opinião que possa agregar alguma coisa não vejo nenhuma quase aqui, só cópias de artigos manipulados por jornais e imprensa, que para maioria são de grande importância, gente o mundo é bem maior que suas salas.

            Outra Luiz, clap, clap, clap, clap, clap, multiplique-os os cinco por cem, defender [email protected] é coisa de pessoa que não os conheçe, o ABC foi um dos berços desta desgraça, sei de relatos, fatos, desgraças mil que foram encobertas inclusive pelo malditos que se julgam da direita em troca de favores como habite-se por exemplo para não fugir do tema. Quando voces SRS tiverem a pressão como também tive de um Sindicalista que mal sabe escrever seu nome, dentro de minha empresa pressionando por um reajuste de vale refeição maior ou em troca uma greve, saberão que seu país corre um sério risco de entrar em Bolha total mesmo.

            0
            • AAC 31 de janeiro de 2012 at 21:08

              Valeu Bertz.
              Eu acredito que a maior contribuição que podemos, como indivíduos, dar para melhorar o cenário brasileiro imobiliário é CONSTRUIR sua casa própria.
              Comprar um terreno e esperar o seu momento ideal.
              Sei que algumas capitais isso é mais difícil, mas buscar alternativas faz parte da capacidade de adaptação de cada um. Acredito que esse deve ser o lema de nos bolhistas, buscar alternativas e não somente esperar a casa cair. Crises são muito importantes, seja em economia, seja na natureza. Os mais aptos evoluem e os menos aptos se extinguem.
              Esse site extravassa o tema bolha imobiliária e para mim se tornou referencia para entender tanto de mercado imobiliário, como economia, política, cultura, etc…alem de ser muito engraçado algumas vezes. O que esta meio perigoso é esse embate PT x PSDB, tudo a mesma m……bancamos a luxuria deles.

              0
              • Cleyton 31 de janeiro de 2012 at 21:16

                “Eu acredito que a maior contribuição que podemos, como indivíduos, dar para melhorar o cenário brasileiro imobiliário é CONSTRUIR sua casa própria.”

                Discordo, eu por exemplo não manjo nada de construção, tem uma porção de outras coisas em que modéstia aparte sou foda, mas não nisso, o correto seria eu fazer bem o meu serviço e contratar um bom serviço de quem sabe fazer bem.

                A experiencia que se obtém construindo somente uma casa na vida e que não vai usar pra mais nada (se não for usar claro) é inútil, fora que a primeira empreitada a gente sempre acaba metendo os pés pelas mãos.

                0
                • bertz 31 de janeiro de 2012 at 22:24

                  Legal Cleyton, tudo certinho, hoje tem profissionais da área de arquitetura que acompanham sua obra toda por 5 a 10% do valor total, mas tome cuidado mesmo assim, falando de novo a mesma coisa, se o cara perceber que voce não manja nada do assunto ou não sabe realmente o que quer, voce estará ferrado, as vezes até pior do que voce mesmo tento trocado os pés pelas mãos. Tive “profissionais” que acham que a gente é burrão que me diziam tem um lugarzinho legal pra compra material, nem preciso explicar o porque né?

                  Outra o cara te diz: Precisa de 5 sacos de cimento para fazer este contrapiso, e o carro dele pode levar 4, com o arquiteto a mesma coisa, quer dizer neste maldito país de espertos a mesma coisa de sempre, só especulação nada de honestidade para futuras referências, tome cuidado cerque tudo o máximo possível.

                  0
          • Anonymous 2 de fevereiro de 2012 at 12:08

            … A questão também é que minha família e meus amigos não vivem na Florida …

            Chegará uma hora que voce vai perceber que sua familia e seus amigos NÃO pagam as suas contas. Ai voce vai lembrar das minhas mensagens, mas poderá ser muito TARDE.

            0
            • AAC 2 de fevereiro de 2012 at 13:25

              Anonymous

              Eu não trocaria o emprego que tenho no Brasil para ir lavar prato ou cuidar de cachorro nos EUA ou qualquer outro lugar!!! Nada contra essas profissoes, se precisar lavo pratos por aqui mesmo!!!!

              Apesar da situacao do nosso país estar complicada, e a tendencia tudo indica que é de piora, ainda acredito no Brasil, exterior por enquanto só a turismo!!!

              O American Way of Life só é possivel graças a desgraça e exploração de metade do mundo!!! Não compactuo com isso!!!

              0
      • Jonathan 31 de janeiro de 2012 at 18:06

        Pelo seu relato, foi sim um bom negócio!

        Parabéns!

        0
      • Inteligivel 31 de janeiro de 2012 at 18:23

        Sua estratégia é boa: não vai pagar o lucro da construtora. Parabéns!

        0
  • Sir Income 31 de janeiro de 2012 at 13:40

    O terrorismo brasileiro

    cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/arnaldo-jabor/2012/01/31/O-TERRORISMO-BRASILEIRO.htm

    0
  • MrK 31 de janeiro de 2012 at 13:55

    BOLAO DA ILUSAO

    E ai galera, vamos fazer o bolao pro fipezap de janeiro? qual vai ser a “alta” dessa vez?

    pelo 4o mes seguido, os imoveis que acompanho nao subiram de preco, mesmo assim o indice sempre vem um +1.5%….+1.7%…. que nao consigo captar na minha pequena amostra, entao o fato de nao terem subido de novo em janeiro nao quer dizer muita coisa

    e ai???

    0
    • chapolin 31 de janeiro de 2012 at 14:38

      Quantos imóveis você está monitorando? Só por curiosidade. Seria interessante fazer uma distribuição (vários bairros, vários tamanhos) para mapear melhor.

      No site agenteimovel aparece a quanto tempo o imóvel está anunciado e se houve mudança de preço. Já vi alguns que estão há mais de um ano anunciados, com preços absurdos, mas não mudam de valor. Alguns, após um tempão anunciados, ainda aumentam os preços!

      0
      • chapolin 31 de janeiro de 2012 at 15:14

        Um pequeno levantamento (busquei apenas os que mudaram de preço).

        Pelo que vi a maioria está anunciada há poucos dias. Estranho reduzirem o preço, mesmo pouco, em tão curto espaço de tempo.

        Mas estranho mesmo são os dois últimos. Um baixou um milhão em menos de um mês. O último, da Rua Bambina, que aumentou de preço em 27%, está completamente destruído.

        Os dados estão na sequinte sequência:
        Link (acrescentar antes: w w w. agenteimovel.com.br/imovel/a-venda/)
        Dias de anúncio
        Variaçao R$ (negativo)
        Preço original
        % de variação
        ***********

        avenida-nossa-senhora-de-copacabana/copacabana/rj/1291247.htm
        4
        R$ (20.000,00)
        R$ 480.000,00
        -4%

        rua-barata-ribeiro/copacabana/rj/1291145.htm
        4
        R$ (100.000,00)
        R$ 1.450.000,00
        -7%

        rua-barata-ribeiro/copacabana/rj/1291013.htm
        4
        R$ (80.000,00)
        R$ 1.480.000,00
        -5% (obs.:o mesmo de cima, mas anunciado originalmente com R$ 50k de diferenca na mesma imobiliária (!?))

        rua-pinheiro-guimaraes/botafogo/rj/1289749.htm
        5
        R$ (10.000,00)
        R$ 880.000,00
        -1%

        rua-voluntarios-da-patria/botafogo/rj/1285979.htm
        7
        R$ (10.000,00)
        R$ 440.000,00
        -2%

        rua-arnaldo-quintela/botafogo/rj/1276359.htm
        14
        R$ (60.000,00)
        R$ 1.360.000,00
        -4%

        ladeira-santa-teresa/santa-teresa/rj/1276289.htm
        14
        R$ (100.000,00)
        R$ 750.000,00
        -13%

        avenida-nossa-senhora-de-copacabana/copacabana/rj/1245473.htm
        21
        R$ (1.000.000,00)
        R$ 2.400.000,00
        -42%

        rua-bambina/botafogo/rj/1245451.htm
        21
        R$ 150.000,00
        R$ 550.000,00
        27%

        0
      • Emtso 31 de janeiro de 2012 at 16:15

        Cada dia que passa mais imóveis novos são anunciados no ZAP, e os novos possuem o preço por m2 maior. Então não é que teve “alta” é que tem mais coisa nova anunciada.

        Na boa, este indice ZAP é uma medida totalmente distorcida para qualquer análise. Precisavamos de algum indice vindo dos cartórios, mesmo assim, existem os “por fora” para sair das taxas e nem sempre a metragem escriturada é real. Então este 1,7% de alta é totalmente subjetivo, + ou – 5% está nestes erros.

        Muita gente aqui do blog quer dar um tratamento de ações a imóveis, imóveis não são comodities. Fiquei sabendo de um caso de uma comprar de um apto de 2 milhões pq a compradora gostou das árvores da área de lazer. Tirando os engenheiros, economistas, administradores, a população não tem pensamento lógico, são emotivas, ainda mais se tratando da compra do seu Lar. “os decorados já fizeram muitas vítimas”

        0
    • bertz 31 de janeiro de 2012 at 21:12

      Mrk desculpe mais acho que quem estariailudido seria voce neste bolão:

      1- O índice ZAP não condiz simplesmente com nenhuma realidade de preço de maioria de país, é um índice tendencioso, pago e acobertado por vários tubarões do mercado.

      2- A queda de preço no índice é a coisa mais manipuladora que se pode encontrar perdendo apenas somente para pesquisas eleitorais vou explicar o porque: Minha cliente teve sua residência invadida este final de semana por 12 isto 12 marginais que além de aterrorizar sua famíla obrigando-os inclusive a sentir um jantar, pretendiam estuprar sua filha de 15 anos, conclusão índice ZAP imóvel dela 1,2K sexta, preço hoje no ZAP 700k, e todas outras residências de sua rua iriam pelo mesmo caminho. Isto aconteçe com inúmeros bairros país afora, precisamos questionar porque esta vendendo? Qual seria o valor justo? Quanto sairia para comprar o terreno e construir um similar? Conheço este bairro? Será um bom investimento futuro para mim?

      Acho que cogitar apenas algumas quedas pontuais pode-se correr o risco de esbarrar em algum caso parecido.

      0
  • Sir Income 31 de janeiro de 2012 at 14:07

    O que explica o boom imobiliário em Santos
    Expectativa de investimentos da indústria de óleo e gás e obras de infraestrutura sem precedentes são os principais responsáveis por valorização dos móveis na cidade

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/o-que-explica-o-boom-imobiliario-em-santos

    Aquela ponte para o Guarujá que fez valorizar?

    0
    • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 14:44

      Prezado colega, a “Bolha” em Santos é uma das que mais tem fundamentos no Brasil.
      Longe de mim defender qualquer bolha
      Digo isso não por opinião mas citando números, dados e informações

      – Em primeiro lugar: o Porto vai dobrar de tamanho e o movimento de carga. Vai necessitar pessoal especializado, estivadores não.

      – Associado ao porto, terminais de carga, logistica, escritórios, o terminal da petrobras, o centro operacional do pre-sal paulista.

      – Acrescenta aí uma das cidades com maior renda média no páis e crescendo rapidamente.

      – Pra completar: Santos é uma ilha praticamente saturada, diferente de 99% das cidades brasileiras, inclusive Rio.

      A ponte com o Guarujá poderá aliviar a pressão urbana e d epreços, mas a obra levará anos.
      Digo mais, precisaria de umas 3 pontes ou tuneis, ligando metrô, rodoviária e aeroporto.

      0
      • FQ 31 de janeiro de 2012 at 14:54

        Luiz,

        Se entendi, além de anti-PT ferrenho, você é defensor da Bolha no estado de São Paulo e do metrô paulista!

        Bem, acho que você deve estar ligado ao governo PSDB…

        0
        • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 15:02

          anti PT só não
          anti comunista em todas as suas formas de partidos inclusive a forma sem partido

          Sobre o metro e santos prefiro discuitr dados e numeros.
          antibolha, calro que não.

          Não sou ligado ao Psdb, eles são muito esquerdistas pra mim.
          Minhas criticas a eles seriam pelo que eles deixarem de fazer e não pelo que fizeram.
          Não goste deles por motivos opostos ao seu.

          0
          • FQ 31 de janeiro de 2012 at 15:14

            Mas, então a Bolha de Santos é legítima? Em Santos não há Bolha???

            É por causa do Neymar ou do Pelé?

            0
            • FQ 31 de janeiro de 2012 at 15:15

              O partidarismo cega…

              0
            • Felipe 31 de janeiro de 2012 at 20:15

              Ih xará, nem adianta. Uma vez eu comentei da palhaçada que é a organização do metrô linha amarela e esse cara quase que me bateu virtualmente. Sinceramente acho que ele não anda de metrô nem vem pra Santos.
              Pra quem mora aqui, como eu, sobra a seguinte opção: More na praia em São Vicente. Se não der, zona noroeste de Santos. Se não der, fundos de Praia Grande hehehehehehehe;
              Mas em Santos essa bolha maldita parece estar perto do fim. É só ver o número de placas de “vende-se” espalhadas pela cidade. E aquele prédio “EMIRADO” na Cons. Nébias não terminou de ser vendido, mesmo depois de quase um ano de campanha. Fora vários outros prédios que serão entregues agora e até o fim do ano, que vão saturar o mercado mais ainda.

              0
              • Sir Income 1 de fevereiro de 2012 at 20:58

                Felipe,

                Tem aquele prédio do Morro da Nova Cintra que está a 4 anos para ser entregue. O Aquaplay está atrasado e não foi totalmente vendido. O Bossa Nova também não foi totalmente vendido e nem saiu da planta. E tem aqueles onde era a Unisanta. Ta em andamento, mas não sei se foi vendido.

                0
  • walyson Trautenmuller 31 de janeiro de 2012 at 15:18

    http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/financas/noticias/metade-do-lucro-do-santander-no-mundo-veio-do-brasil

    São Paulo – O Santander divulgou hoje resultados que foram além dos esperados pelos analistas brasileiros: tanto de maneira negativa quanto positiva. No mundo, o banco espanhol obteve lucro líquido de 5,3 bilhões de euros em 2011, 35% menos do que em 2010, resultado ainda pior que esperado com o agravo da crise financeira espanhola. Mas o fato de metade dos resultados terem vindo das operações latinas, em especial, da brasileira, também surpreendeu.
    …..

    0
  • walyson Trautenmuller 31 de janeiro de 2012 at 15:19

    http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/gafisa-sobe-com-especulacao-de-que-a-empresa-podera-ser-vendida

    São Paulo – A Gafisa SA, terceira maior empresa do setor imobiliário brasileiro por receita, registrou hoje a maior alta em cinco meses com especulações de que a empresa será vendida.
    As ações subiam 6 por cento, para R$ 4,77, às 14:10 em São Paulo. Mais cedo, os papéis chegaram a subir 9,8 por cento, a maior alta intradiária desde 1 de setembro. A Gafisa é a ação de maior valorização no Ibovespa hoje. O índice referencial da bolsa de São Paulo caía 0,1 por cento no mesmo horário.

    A Gafisa será vendida a investidores dos Estados Unidos, que pretendem comprar todas as ações da empresa que circulam no mercado, segundo o Relatório Reservado hoje, que citou um funcionário não identificado. A transação seria anunciada até semana que vem, de acordo com a publicação.
    “A especulação de que a empresa está sendo vendida é o que está puxando a alta de hoje,” Erick Hood, analista da SLW Corretora, disse em entrevista por telefone de São Paulo.

    A assessoria de imprensa externa da Gafisa disse que a empresa não comenta rumores de mercado.

    0
  • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 15:35

    gostei tanto que resolvi duplicar:

    Ricardo Eng disse:
    30 de janeiro de 2012 às 20:04

    Sério mesmo, Pinheirinho?

    … Essa informação, isolada dessa forma, demonstra grande falta de honestidade por parte de quem a dissemina. Todos os políticos recebem doações dos mais diversos setores da economia.

    Não é honesto citar doações de forma pontual, ainda mais associando-as a um caso eleitoreiro de baixíssimo nível, que envergonha a qualquer um. A esquerda radical loteou o Pinheirinho de forma criminosa, tendo grandes lucros políticos e financeiros com isso. Brincaram com as esperanças das pessoas pobres e as envolveram em uma situação de insegurança jurídica e social. Isso não é apenas fruto de incompetência como também de malícia.

    Mas a questão aqui é outra. Os problemas do financiamento privado de campanha são muitos e nós já os conhecemos.

    A Dilma, por exemplo, recebeu doações de todas as empreiteiras que estão lucrando bilhões com a Copa e o Pré Sal. Em muitos casos o gestor público age, de fato, para beneficiar aqueles que financiaram a sua campanha. É muito difícil provar quando isso acontece, infelizmente, e repito: todos os candidatos recebem doações provenientes de TODOS os setores da economia.

    Se a sua única colaboração para o fórum for uma denúncia vazia e eleitoreira, construída de forma desonesta e embasada por uma visão parcial da realidade, então … . Aqui nós prezamos a honestidade e não gostamos de meias verdades.

    Até porque é um tanto difícil vir com petismo em fórum de bolha imobiliária, uma vez que esta foi criada por uma imensa distorção econômica criada pelo PT e que, como tudo no país, teve fins eleitoreiros. (essa a parte que eu mais gostei)

    0
    • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 15:44

      Luiz,

      Sua posição é tão nociva qto a de um socialista extremado…. pra vc os problemas dos governos de direita são de mérito técnico. os dos de esquerda, são questão de falhas de personalidade e maldade (eles devem comer criancinhas tbm)…. chega a ser cômico ler seus comentários cheios de subjetividade e generalizações com base em pessoas q vc conheceu… deve ser uma amostra estatística mto válida, né?

      0
      • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 15:47

        Não sei pq o governo de SP não impediu a bolha no Estado… já q é tão bom e superior…

        Sabe pq Luiz? pq eles bebem da mesmissima água….

        0
        • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 17:59

          é verdade Annibal
          A culpa da da bolha imobiliaria tbm é do FHC.

          Depois desse mea culpa vc aceitaria um cessar-fogo em prol do blog?

          Luiz – agitando a bandeira branca

          0
          • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 21:16

            Fechado Luiz,

            Não tenho nada contra vc, mto pelo contrário, concordo com a maioria dos seus comentários…

            PS – Acho q ficou a impressão q eu falei mal do metrô de SP, mas não falei, somente citei pois sei q vc já se alterou qdo tocaram nesse assunto, e com isso por vezes acaba perdendo a razão, msmo qdo está com a razão… moro no Rio, isso sim é q é metro ruim…

            abcos

            0
  • Paty 31 de janeiro de 2012 at 16:15

    Segunda-feira, 30 de janeiro de 2012
    Classe C volta-se para investimento em imóvel

    A classe “C” que representa atualmente 95 milhões de habitantes no Brasil tem sido cada vez mais disputada por diversos segmentos econômicos do Brasil devido a sua capacidade de consumo que cresce ano a ano em função das facilidades na aquisição de crédito, aumento de renda das famílias e estabilidade no emprego proporcionado pelo aquecimento da economia brasileira. O mercado imobiliário tem identificado, nos últimos anos, nessa classe um novo perfil de investidor. Após adquirir a casa própria, a Classe C investe em imóveis na planta e prontos para ampliar a renda com aluguéis. Em Campinas o aumento em investimento desse público cresceu 40% em 2011.

    O diretor de Marketing da Rede Imobiliária Campinas, Antônio De Lucca Júnior, acredita que a Região Metropolitana de Campinas tem como diferencial a situação de migração.

    “Nossa região recebe muitos executivos e profissionais devido a instalação de multinacionais, grandes e médias empresas brasileiras que estão migrando muitos profissionais que anteriormente não vinham para Campinas. A classe média apresenta uma estabilidade melhor no emprego e também oportunidade de novas mudanças na vida profissional”, avalia.

    A disponibilidade nas linhas de créditos oferecidas pelos bancos, também têm contribuído, segundo De Lucca, para a facilidade de investimento em imóveis na planta e prontos por parte da classe C. “Os bancos estão bem competitivos em relação às taxas,” afirma.

    O caminho traçado por investidores iniciantes é basicamente num primeiro momento conquistar o imóvel próprio, procurando diretamente com a construtora ou no mercado de terceiros, por novas opções de negócio na planta. “No caso do imóvel na planta, o cliente paga à construtora de 20% a 30% do valor total durante a obra”, explica.

    Depois da aquisição, a valorização média até a conclusão da obra pode variar de 25% a 35%. Por isso, quando o imóvel entra na fase do financiamento, o investidor costuma optar pela venda. “Em alguns casos, o cliente assume o financiamento e aluga para geração de renda e também para cobrir a parcela do financiamento”, coloca.

    De Lucca lembra ainda que o perfil do investidor está começando cada vez mais jovem.

    “De 20 a 50 anos tem muita vontade de investir. Antigamente quando a gente falava de investidor era acima de 45 anos. Hoje diminuiu. Hoje o primeiro bem está muito possível e o mercado está muito cheio de dinheiro para habitação”, justifica. Antônio De Lucca orienta que o consumidor tem que ficar atento a detalhes importantes na busca do crédito para o financiamento imobiliário.

    “O que deixou de ser um problema que era a taxa do banco, o momento é o quanto vamos pagar de seguro, pois dentro de cada financiamento existe a figura do seguro, que é onde nosso cliente tem que se atentar. Tem que se conhecer o todo, então precisa saber quanto é a taxa, quanto é o seguro e qual a taxa de abertura de crédito. Se o consumidor for atento a esses detalhes ele ganha no final”, diz.

    O boom de investimento da classe C de 40% registrado no ano passado e que tem crescido desde 2009 na aquisição de imóveis pode apresentar uma certa redução neste ano, pois, segundo de Lucca a instabilidade política que se instalou na cidade a partir do segundo semestre de 2011 acabou por gerar uma certa insegurança no mercado imobiliário por conta que algumas questões importantes precisam ser definidas, principalmente no que tange ao projeto das macrozonas que fizeram com que as construtoras colocassem o “pé no freio” devido a alta de definição com relação a esses projetos importantes para a cidade. “Em razão de tudo que está acontecendo em Campinas do segundo semestre do ano passado pra cá não vai mais ser esse boom, pois diminuiu o número de compras, as construtoras estão tímidas e Campinas deve ter um declínio em 2012. Se Campinas definir macrozonas, as construtoras voltam. Se Campinas definir sustentabilidade para cada bairro a gente consegue aumentar. Imagina que em alguns bairros existem avenidas nas quais 99% são comércios. Se você for ver na prefeitura não consegue alvará porque aquela avenida ainda é residencial, portanto, todo mundo que está naquela avenida está no risco só que está desenvolvendo a região”, comenta.

    Imóveis comerciais

    Antônio de Lucca diz que a classe média ainda pensa em quando do investimento em um segundo imóvel em residencial, no entanto, na sua avaliação é importante para o pequeno e médio investidor pulverizar a cesta, ou seja, se já tem um apartamento onde mora a ideia é tentar comprar uma casa comercial e depois tentar comprar um terreno pulverizando o risco.

    Segundo De Lucca, em uma situação na qual há muitas salas comerciais disponíveis no mercado a lei de oferta e procura pode fazer com que ocorra uma desvalorização do aluguel. Os investidores que procuram imóveis com maior geração de renda têm a opção de aplicar as finanças em imóveis comerciais. “Um residencial tem rendimento de 0,5% a 0,6 %, enquanto um comercial varia de 0,7 a 1%.”, aponta.

    Fonte: Redação

    0
    • Pedron 31 de janeiro de 2012 at 16:36

      Parabéns por postar uma matéria relevante. Tava difícil ler a briguinha política ali de cima.

      0
      • Leo 31 de janeiro de 2012 at 16:56

        Realmente… é o tipo de briga que nao agrega em nada.

        0
    • Anonymous 31 de janeiro de 2012 at 17:27

      Classe C investindo em imóvies? Lembrei da velha “lenda” sobre investimento em ações: Quando seu engraxate começa a investir em ações, é porque está na hora de sair. Será que a classe C está comprando GFS3 também?

      0
      • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 18:03

        concordo com vc, mas dos males o menor.
        Sério, antes eles perderem dinheiro investindo em um produto durável.

        Só esperamos que possam pagar os custos da aposta.

        0
    • bertz 31 de janeiro de 2012 at 17:53

      Classe C, quem é classe C, como se configura um perfil de Classe C, pode ser uma dona de salão de beleza na favela da rocinha, que ganha na faixa de 2K e foi enquadrada como Classe C. O que uma pessoa dessa que assiste, apenas a manipuladora, BBB, sabe sobre o que de mercado? de política?, me poupem matérias assim não agregam nada, muito menos com um gerente de marketing da região de Campinas, por sua posição estratégica no Estado cortada por várias rodovias promoveu seu desenvolvimento, mas agora perde para os Sindicatos e governantes mal caráter sua competitividade, em relação a várias regiões do Nordeste.

      0
    • André 31 de janeiro de 2012 at 18:45

      E o simulador da folha jura que eu sou classe A…

      0
    • Carlos Wagner 31 de janeiro de 2012 at 19:12

      “Após adquirir a casa própria, a Classe C investe em imóveis na planta e prontos para ampliar a renda com aluguéis.”

      De que país esse cara está falando?

      0
    • RT 31 de janeiro de 2012 at 21:13

      “Após adquirir a casa própria, a Classe C investe em imóveis na planta e prontos para ampliar a renda com aluguéis.”

      Eu não li isso. Não é possível.

      0
      • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 01:28

        Cara, a matéria viaja um pouco, mas o povo está investindo em imóveis sim!

        A notícia dos ganhos infinitos chegou na atrasadíssima periferia e muitos estão tentando entrar nessa malandragem também. Infelizmente lá o povo possui uma capacidade muito menor de se proteger dessas roubadas e o estrago será maior.

        Tem cara que não ganha nem 2 mil e assina a compra de apartamentos de 100-120 mil em Guarulhos ou no extremo da Zona Leste. Fica pagando aquelas intermediárias de R$ 300, na esperança de repassar antes de vir uma anual, por exemplo.

        É insano e irresponsável mas o povo se mete nessa. O Gerson interior fala mais alto do que a razão. E eu acredito que MUITOS corretores migraram para esse público após dar com os burros n´água com a classe A, que ficou mais bem informada.

        A nova modinha é comprar imóveis do Minha Casa Minha Vida em nome de aposentados e outros “pobres de aluguel”. O subsídio é alto tanto nos juros quanto no desconto sobre o imóvel.

        Outra moda é fraudar o programa e ganhar o subsídio sobre uma casa que já estava construída mas não havia sido regularizada. O cara hipoteca a casa que já era dele, ganhando 25 mil do governo no processo.

        Um absurdo!

        0
  • Piaui 31 de janeiro de 2012 at 16:59

    Gafisa hj subindo 7%. Haja piaba.

    0
    • Anonymous 31 de janeiro de 2012 at 17:29

      A classe C que está investindo em imóvies, segunda a noticia mostrada pela Paty, está comprando GFS3 também.

      0
      • Luiz 31 de janeiro de 2012 at 18:07

        concordo com vc, mas dos males o menor.
        Sério, antes eles perderem dinheiro investindo em um produto durável.

        Será que eles podem pagar pelos custos da aposta?

        0
      • Vinicius 31 de janeiro de 2012 at 19:18

        Motivo da alta da Gafisa:

        Gafisa sobe com especulação de que a empresa poderá ser vendida

        São Paulo – A Gafisa SA, terceira maior empresa do setor imobiliário brasileiro por receita, registrou hoje a maior alta em cinco meses com especulações de que a empresa será vendida.

        As ações subiam 6 por cento, para R$ 4,77, às 14:10 em São Paulo. Mais cedo, os papéis chegaram a subir 9,8 por cento, a maior alta intradiária desde 1 de setembro. A Gafisa é a ação de maior valorização no Ibovespa hoje. O índice referencial da bolsa de São Paulo caía 0,1 por cento no mesmo horário.

        A Gafisa será vendida a investidores dos Estados Unidos, que pretendem comprar todas as ações da empresa que circulam no mercado, segundo o Relatório Reservado hoje, que citou um funcionário não identificado. A transação seria anunciada até semana que vem, de acordo com a publicação.

        “A especulação de que a empresa está sendo vendida é o que está puxando a alta de hoje,” Erick Hood, analista da SLW Corretora, disse em entrevista por telefone de São Paulo.

        A assessoria de imprensa externa da Gafisa disse que a empresa não comenta rumores de mercado.

        0
        • Vinicius 31 de janeiro de 2012 at 19:21

          Ou Lançaram boato no mercado… Ou esses americanos não sabem o rombo da Gafisa…

          0
        • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 01:35

          Pelo preço que está vale a pena fazer isso. Quem tiver controle da empresa terá muito mais lucro liquidando o negócio do que operando ele pelos próximos anos.

          A 4,30 vale a pena vender tudo que está pronto a preço de custo e repassar as obras em andamento para qualquer um. A empresa está valendo muito menos na bolsa do que possui em patrimônio líquido. No caso de uma reestruturação radical e não do balanço contábil atual.

          0
  • MrK 31 de janeiro de 2012 at 17:01

    Particularmente acho perigosíssimo partidarizar a questão da bolha imobiliária

    Claro que houve uma falha enorme do governo do PT em fomentar a bolha com políticas infantis, mas daí entrar na briga PSDB x PT, ou Direita x Esquerda, ou Comunismo x Capitalismo, vai complicar o blog e não vai adicionar valor nenhum a conversa, eu sugiro usarmos o espaço para comentarmos assuntos, notícias e situações pessoais envolvendo PREÇO de imóveis e alugueis, deixando a questão política, religiosa e de futebol em outros lugares.

    apenas deixando minha opinião, abraços!

    0
    • FQ 31 de janeiro de 2012 at 17:28

      Concordo. E acho até infantil e simplório ficar apegado a partidos e simplificar algo tão complexo.

      Mas, deixa a galera desabafar, tem gente que precisa…

      As vezes, até diverte!

      0
    • DRN 31 de janeiro de 2012 at 18:16

      MrK, quantas vezes vc pediu nesse blog para a Dilma parar de intervir no mercado de imóveis porque isso estava ajudando a inflar a bolha?

      Eu discordo. Acho que é relevante sim discutir política econômica de quem está no poder. E será pertinente discutir aqui quando se trata dos reflexos à bolha imobiliária e a outras bolhas.

      Nenhum partido político tem só santos, mas nenhum deles está tão cheio de pessoas mal intencionadas quanto o PT. Fora que foi a maior desilusão e a maior mentira da história da democracia brasileira. O partido que bradava a ética como princípio fundamental revelou-se a maior agremiação de bandidos. As construtoras estão ganhando dinheiro a rodo, mas os petistas estão levando o deles e não é pouco. Afinal, como é mesmo que o filho do Lula (leia-se: testa de ferro do Lula) ficou rico?

      LEIAM AS CARTAS DO FORO DE SÃO PAULO.

      0
      • Pedron 31 de janeiro de 2012 at 18:24

        Uma coisa é discutir política econômica, outra é esse papinho infantil, como disseram, que tá rolando aqui – “Meus amiguinhos são mais legais que os seus”.

        0
        • FQ 31 de janeiro de 2012 at 18:56

          Exato!

          0
      • MrK 31 de janeiro de 2012 at 18:25

        DRN, eu acho sim que é relevante discutir politica, só nao sei se aqui é o melhor lugar, pois eu já discussões assim encerrarem muita conversa boa, porque vai se desviando aos poucos e quando se vê a coisa já mudou totalmente de rumo, se deixar correr solto, em breve 90% das mensagens terão cunho político, porque é assim que o ser humano funciona, um ataca a ideologia do outro, ou o idolo do outro, o outro se sente ofendido e retruca e comeca um debate e muitas vezes vira irracional… a bolha que é o tema do blog fica perdida…

        quanto a dilma intervir, como voce falou, sim eu acho que ela deveria ter feito, mas não se trata de dilma ou PT, fosse o presidente a Dilma, o Serra, O macaco tião ou o Tiririca, eu teria pedido a mesma coisa,,,,

        0
        • Paty 31 de janeiro de 2012 at 20:46

          isso MrK, concordo com vc 100 porcento…
          “ps” fiquei imaginando o tiririca presidente.. ai..kkk

          0
    • RT 31 de janeiro de 2012 at 21:07

      Concordo com o MrK, e andava mesmo pensando em falar por aqui algo parecido.

      É um saco mesmo abrir os comentários e ter que garimpar COMENTÁRIOS CONSTRUTIVOS em meio aos desabafos dos que extravasam por aqui suas frustrações políticas.

      Os apartamentos sobem 5%… aí vem um e grita que “a culpa é do partido X” e que “lá vem uma ditadura”.

      Desvia completamente do assunto… creio que aqui, deveríamos discutir IMÓVEIS e a BOLHA. Política, somente quando for relacionado aos mecanismos que influenciam os preços.

      Usar este espaço para xingar FHC, Lula e etc piora a qualidade da discussão. E desvia do assunto principal.

      É a minha opinião.

      0
    • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 21:33

      Concordo plenamente…

      0
    • João Carlos 1 de fevereiro de 2012 at 01:52

      Mrk,

      Perfeito. Daqui a pouco vão começar a discutir religião aqui. Ou futebol.

      0
  • Miguel Jacó 31 de janeiro de 2012 at 17:25

    Quem quer ganhar dinheiro, invista agora no mercado de ações antes que a bolha exploda, e enquanto o Ibovespa está baixo ainda.

    Já presenciei o movimento exatamente inverso em 2008…

    0
    • FQ 31 de janeiro de 2012 at 17:29

      Explique melhor!

      0
    • MrK 31 de janeiro de 2012 at 17:50

      eu recomendaria o oposto

      acho que o ibovespa está sim caro (olhando pelo ponto de vista fundamentalista e de dividendos), acho que a bolha brasil está estourando, pois o consumo despencou, temos o problema da inflação disfarçada pelo governo…

      quando os gringos comecarem a ver que nao conseguem mais lucrar 30% ao ano aqui, seja pelo mercado imobiliario, seja o carry trade, seja pelo valor da moeda, seja pelas vendas, vão realizar o “lucro brasil” e o negócio pode feder…

      eu corro de ações nesse momento, acho que o mercado pode vir abaixo

      0
      • Indecoroso 31 de janeiro de 2012 at 18:29

        Investir em dólares seria bom diante desse cenário?

        0
        • Bolhado 1 de fevereiro de 2012 at 13:48

          Com o dólar nesse patamar atual? Nem pensar!

          0
    • augusto 31 de janeiro de 2012 at 18:57

      Quando ação de uma empresa com sérias dificuldades financeiras sobe mais de 7% em um pregão, está na hora de ficar longe da bolsa. No finzinho várias vezes ocorre a classica puxadinha para cima no indice.
      E parece que o mesmo ocorre no exterior embora em menor escala
      O mar está para tubarões e não para sardinhas, mas estas insistem em nadar neste mar.

      0
  • Noire 31 de janeiro de 2012 at 17:57

    Sabe por que a GAFISA subiu? Porque será VENDIDAAA para um grupo de investidores americanos.

    Ué, as vendas não são saudáveis?! Você venderia uma empresa em que seus produtos valorizam em média 30% a.a.? Não está vindo aí a Copa e as Olimpíadas? Podemos considerar que a bolha está prestes a estourar, era o esperado, ou era vendia ou iria falir.

    PLOC PLOC PLOC.

    Fonte: http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/gafisa-sobe-com-especulacao-de-que-a-empresa-podera-ser-vendida

    0
    • Noire 31 de janeiro de 2012 at 18:00

      Em tempo, Bolha esse assunto poderia virar um novo tópico, o que acha? Comentamos isso aqui várias vezes.

      Abraços

      0
      • Leo 31 de janeiro de 2012 at 19:08

        O Bolha esta Bolhando em sua Lua de Mel 🙂

        0
        • Etmso 31 de janeiro de 2012 at 21:36

          Esta curtindo os rendimentos do Google Adsense do blog : )

          0
  • Sir Income 31 de janeiro de 2012 at 18:18

    Pinheirinho: Crime contra humanidade

    www .mudancasabruptas.com.br/Pinheirinho.html

    Não adianta. A bolha continua, pois Eles querem!

    0
    • Money addicted 31 de janeiro de 2012 at 18:33

      enqto isso a camara de sjc acaba de aprovar o aluguel social no valor de R$500,00 para cada familia, nao sei voces, mas eu sou contra….esse eh o dinheiro do meu imposto que esta sendo dado para outras pessoas…..eu pago aluguel tambem e nem por isso peco ajuda ao governo, pelo contrario….

      []s

      0
      • Etmso 31 de janeiro de 2012 at 19:06

        Isto que eu venho dizendo, a ajuda nem sempre vem como credito, vem dada mesmo!

        A coisa nao tem logica, o governo usando as armas que tem, com o nosso dinheiro. E isto e so o começo…

        0
        • xyz 31 de janeiro de 2012 at 19:47

          Disse tudo!

          É SÓ O COMEÇO.

          Enquanto o mercado comprar os títulos do brasil, este governo vai cometer as maiores insanidades para saquear o futuro com dívida e crédito.

          0
    • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 01:33

      A Declaração Universal dos Direitos Humanos inclui em seus artigos o direito à propriedade privada.

      O povo adora citar os “direitos humanos” sem ter lido sobre o assunto. Pinheirinho é um caso eleitoreiro ridículo, pois o PT teve 8 anos para ajudar as pessoas e nunca se interessou. Agora que pode ajudar na eleição, estão todos os esquerdóides atiçados com o assunto.

      Crime contra os direitos humanos é essa vagabundada da esquerda ter ficado quieta esse tempo todo. Onde estavam quando os caras de Pinheirinho precisavam, enquanto pagavam condomínio para o PSTU? Os pobres só interessam quando tem voto e eleição no meio.

      0
  • D9 31 de janeiro de 2012 at 18:39

    g1 globo com/jornal-nacional/noticia/2012/01/mais-brasileiros-nao-conseguem-pagar-prestacoes-de-carros-em-2011.html

    Mas e o mercado aquecido, renda da população subindo, classe C …
    Pq essa inadimplência dobrando ?

    0
    • André 31 de janeiro de 2012 at 18:59

      Mercado aquecido, renda da população subindo, classe C com poderes de compra estratosféricos… aham, senta lá, Cláudia.

      0
  • Vinicius 31 de janeiro de 2012 at 19:15

    Motivo das ações da Gafisa estar Subindo :

    São Paulo – A Gafisa SA, terceira maior empresa do setor imobiliário brasileiro por receita, registrou hoje a maior alta em cinco meses com especulações de que a empresa será vendida.

    Leia Mais

    31/01/2012 | Ibovespa sobe 11% no mês; previsão de fevereiro é positiva
    31/01/2012 | Embraer entrega a 1200ª unidade do avião agrícola Ipanema
    31/01/2012 | Vendas de cerveja decepcionam em 2011, diz Abras
    31/01/2012 | Vendas de supermercados devem crescer até 4% em 2012
    As ações subiam 6 por cento, para R$ 4,77, às 14:10 em São Paulo. Mais cedo, os papéis chegaram a subir 9,8 por cento, a maior alta intradiária desde 1 de setembro. A Gafisa é a ação de maior valorização no Ibovespa hoje. O índice referencial da bolsa de São Paulo caía 0,1 por cento no mesmo horário.

    A Gafisa será vendida a investidores dos Estados Unidos, que pretendem comprar todas as ações da empresa que circulam no mercado, segundo o Relatório Reservado hoje, que citou um funcionário não identificado. A transação seria anunciada até semana que vem, de acordo com a publicação.

    “A especulação de que a empresa está sendo vendida é o que está puxando a alta de hoje,” Erick Hood, analista da SLW Corretora, disse em entrevista por telefone de São Paulo.

    A assessoria de imprensa externa da Gafisa disse que a empresa não comenta rumores de mercado.

    0
    • Annibal 31 de janeiro de 2012 at 21:25

      Putz…. tinha uma pequena esperança de deixassem a GFSA cair sozinha e assim mostrar p o mercado a realidade do Brasil e não a mentirada q a imprensa vendida exporta… começo a acreditar q ainda tem gasolina p queimar…

      0
  • Rf 31 de janeiro de 2012 at 19:15

    Parece que apareceu alguém disposto a segurar a bucha da Gafisa

    Gafisa sobe com especulação de que a empresa poderá ser vendida

    São Paulo – A Gafisa SA, terceira maior empresa do setor imobiliário brasileiro por receita, registrou hoje a maior alta em cinco meses com especulações de que a empresa será vendida.

    As ações subiam 6 por cento, para R$ 4,77, às 14:10 em São Paulo. Mais cedo, os papéis chegaram a subir 9,8 por cento, a maior alta intradiária desde 1 de setembro. A Gafisa é a ação de maior valorização no Ibovespa hoje. O índice referencial da bolsa de São Paulo caía 0,1 por cento no mesmo horário.

    A Gafisa será vendida a investidores dos Estados Unidos, que pretendem comprar todas as ações da empresa que circulam no mercado, segundo o Relatório Reservado hoje, que citou um funcionário não identificado. A transação seria anunciada até semana que vem, de acordo com a publicação.

    “A especulação de que a empresa está sendo vendida é o que está puxando a alta de hoje,” Erick Hood, analista da SLW Corretora, disse em entrevista por telefone de São Paulo.

    A assessoria de imprensa externa da Gafisa disse que a empresa não comenta rumores de mercado.

    http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/gafisa-sobe-com-especulacao-de-que-a-empresa-podera-ser-vendida

    0
    • bertz 31 de janeiro de 2012 at 22:40

      RF, não se impressione, não sabemos até que ponto coisas excusas, por trás de bastidores comandados por tubarões idosos e muito endinheirados podem fazer em um mercado frágil, ignorante, e inexperiente como o nosso. Para o governo ótima desculpa se alguma coisa feder, há não sabíamos disso, há foi por causa daquilo.

      0
  • alda 31 de janeiro de 2012 at 19:20

    es pelo FACEBOOK
    17:06
    Reclamações contra construtoras superam as de bancos em 2011
    Na mesma proporção em que aumenta o número de lançamentos de imóveis, as reclamações contra construtoras disparam. Segundo balanço de 2011 da AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências houve um aumento de 59% nas reclamações de propr …

    Enviar Link Imprimir Voltar
    Problemas como atraso na obra; vícios ou defeitos de construção; taxas abusivas como Sati e corretagem; cobrança de juros sobre juros e leilões de imóveis foram as reclamações mais recebidas pela AMSPA durante no ano de 2011. “Das muitas queixas que recebemos todos os dias, quase 60% delas são contra construtoras, as outras queixas são relacionadas a bancos. É nítida a falta de conhecimento dos mutuários. Por conta disso ficam à mercê dessas instituições”, afirma Marco Aurélio Luz, presidente da instituição.

    Conforme levantamento da AMSPA, de janeiro a dezembro do ano passado, houve 2.199 reclamações referentes às construtoras. Dessas, 32% dos reclamantes deram entrada na Justiça, ou seja, 956 mutuários. O resultado apresentou um aumento de 59% nas queixas e um crescimento de 48% nas ações impetradas junto ao Poder Judiciário. Os dados são comparativos a 2010, quando houve respectivamente 1.477 descontentes e 369 ações judiciais.

    Já em relação aos casos de desacordo no financiamento, as reclamações atingiram o número de 769 em 2011 contra 664 do ano anterior, representando uma elevação de 15,81%. Dos queixosos do ano passado, 530 moveram ação contra 411 em 2010, atingindo um aumento de 28,89%. “Numa comparação entre as queixas de construtoras e bancos, aqui na AMSPA, entre 2010 e 2011 tivemos 185% a mais de casos envolvendo construtoras e 120% em 2010”, ressalta Marco.

    O consultor de atendimento Júlio Cesar Rodrigues comprou seu imóvel em 2009, mas quando fechou o negócio foi obrigado a pagar a taxa sobre Serviço de Assessoria Técnica Imobiliária (Sati), no valor de R$ 3 mil e mais R$ 6.500 sobre a corretagem, ambas divididas no financiamento. “Na época não tinha conhecimento sobre a ilegalidade da cobrança e fui informado que as taxas seriam para serviços administrativos e jurídicos”, diz. Depois quando o mutuário foi pesquisar viu que a cobrança era indevida e procurou questionar a construtora, mas não obteve resposta. “Além deste aborrecimento, estou aguardando a entrega do imóvel prevista para dezembro de 2011 e até o momento nada. A construtora informa que falta o Habite-se”, acrescenta. “Agora o prazo ficou para o fim de fevereiro. Tomara que entreguem antes do meu casamento que será em maio. Cada vez que busco informações, vejo total descaso”, desanima-se.

    O atraso na entrega da obra é outro problema recorrente que tem gerado número maior de reclamações. O educador social Israel Santana da Silva sabe bem o que representa essa realidade. O seu imóvel deveria ser entregue há mais de um ano – em dezembro de 2010 – e no momento, a obra está ainda na fase de terraplenagem. “Por conta da situação, entrei na Justiça e estou reivindicando o congelamento do INCC – Índice Nacional de Custo da Construção no meu financiamento e cobrando a multa de 2% pela demora”, explica. Hoje, para poder arcar com o pagamento do imóvel (R$ 350) e do aluguel (R$ 490), Israel trabalha três empregos diferentes. “Estou esgotado, tanto fisicamente como psicologicamente, com medo de não conseguir a aprovação do financiamento no banco (no momento o mutuário paga para a construtora até a liberação das chaves quando poderá fazer o financiamento) devido à valorização da propriedade”, reclama.

    A falta de mão de obra, a liberação do Habite-se pela Prefeitura e as chuvas foram as desculpas que a construtora alegou a William David Gomes de Jesus pelo atraso de um ano na entrega do imóvel. “Devido à demora, minha vida travou, não posso fazer mais nada. Pretendia trocar meu carro e ter um filho”, desabafa. Mas as contas altas com pagamento da nova propriedade e a ajuda à mãe pesaram no orçamento e fizeram que ele e a esposa voltassem cada um para a casa dos pais. “Eu não posso morar lá e, com isso, das pcontinuo comprometendo em torno de R$ 1.400 da minha renda com locação da casa da minha mãe e pagamento restações”, detalha.

    :

    0
  • bertz 31 de janeiro de 2012 at 19:38

    Ficou um comentário perdido no post passado onde disseram ao Ricardo que ele tinha me feito um favor por ter me dado uma aula grátis.

    Explicando, quando o Ricardo mostrou que em Socorro pode-se comprar uma casa por 95/100k, deve-se prestar atenção no seguinte caso que não é só isolado a esta cidade.

    Socorro era no século passado área de plantio de café, e de posse de apenas de alguns grandes fazendeiros, com a crise que todo mundo conheceu, as fazendas começaram a serem loteadas, resumo picou, picou, picou herdeiros, filhos dividindo heranças etc. Não só em Socorro mais em várias cidades do interior de qualquer Estado a prefeitura, não cobra o iptu das propriedades rurais, fica a cargo do INCRA, conclusão 80% da cidade não tem escritura rural definitiva, pois o INCRA não efetua desmenbramento de pequenas áreas, somente após ao sonhado recadastramento rural.

    Conclusão aos futuros compradores de imóveis daqui cuidado ao se aventurarem a comprar qualquer coisa, depositarem seus sonhos em futuros Buritis, Barãos de Máuá, Palace 2 etc,
    pesquisem a vida antepassada do imóvel o máximo possível, aqui em Santo André o maior lançamento da CYYYRREla, esta sendo chamado de Barão de Santo André pois foi construído em uma área contaminada de uma antiga indústria química.

    Nem sempre o preço está associado a uma compra segura e livre de dores de cabeça futuras.

    0
  • thiago fm 31 de janeiro de 2012 at 20:24

    http ://economia.uol. com.br/ultimas-noticias/infomoney/2012/01/31/cyrela-revisa-para-baixo-parte-de-seu-guidance-para-o-ano-de-2012.jhtm

    SÃO PAULO – A Cyrela (CYRE3) revisou seu guidance para margem bruta, vendas contratadas e porcentual da sua subsidiária Living nos lançamentos para 2012, além de anular o resto de suas estimativas para o ano – que haviam sido divulgadas em março de 2011.

    A empresa agora espera que sua margem bruta esteja entre 30% e 34%, uma redução de 1% em cada ponta. Já as vendas projetadas passaram de um intervalo de R$ 8 bilhões a R$ 8,9 bilhões para um patamar de R$ 6,9 bilhões a R$ 8 bilhões. A empresa espera que a Living seja responsável por uma fatia entre 34% a 42% pelos lançamentos do grupo.

    A companhia reviu suas projeções tendo em base fatores como a economia nacional, as condições do setor imobiliário e fatores operacionais, os prazos para a regulamentação do setor imobiliário e o financiamento tanto para a Cyrela quanto para o consumidor final, considerando incentivos governamentais.

    QUE VENHAM AS PRÓXIMAS REVISÕES

    0
  • FHC 31 de janeiro de 2012 at 21:18

    Pessoal, depoimento do comprador do imóvel que vendi na planta, empreendimento na Grande Tijuca.

    Fala fhc!

    Fiquei muito feliz com o apartamento, mas tá dando uma dor de cabeça!!!

    Os caras são muito desorganizados… uma total falta de competência de todos os lados.

    É boleto errado, é prazo que não é cumprido, um acabamento de M…

    Tudo é tercerizado, então… de quem é a culpa? Do terceiro! Rsss

    A paciência tá chegando no fim, vários (futuros) moradores já estão certos que vão entrar na justiça contra a XXX…

    Morando mesmo, só uns dois ou três, mas no final de semana mais alguns irão para lá. Ainda não sei se dará para ir!
    Estava na dependência da luz, (já foi ligada), telas de proteção já foram instaladas hoje, agora sei que falta pouco, mas sei também que ainda falta muito pra chamar aquele condomínio de condomínio.

    Abraços

    XXXXXX

    PS: Não sei se vc soube, mas num final de semana que choveu pra caramba, o poste de luz que a XXX plantou na calçada não resistiu e caiu… até isso já aconteceu!!!

    0
  • DanielCM 31 de janeiro de 2012 at 21:25

    Finalmente a discussão partidária acabou.
    Gente, quem manda é o dinheiro, que não tem ideologia.
    Por falar em ideologia, lembro da frase do Ferris Buller: “Os -ismos não prestam”.

    0
  • Sir Income 31 de janeiro de 2012 at 22:01

    Pessoal,

    Estou intrigado com o M1 (meios de pagamento)!

    Estes são os resultados de M1/M4:

    Ano M1/M4
    1989 0,0760
    1990 0,2411
    1991 0,1600
    1992 0,0850
    1993 0,0608
    1994 0,1291
    1995 0,1091
    1996 0,0887
    1997 0,1167
    1998 0,1104
    1999 0,1139
    2000 0,1140
    2001 0,1107
    2002 0,1336
    2003 0,1144
    2004 0,1153
    2005 0,1103
    2006 0,1119
    2007 0,1228
    2008 0,0997
    2009 0,0961
    2010 0,0919
    2011 0,0808

    Quando o M1/M4 é baixo, significa que o pessoal esta investindo, normalmente, porque esta com medo da inflação.

    Veja que a relação voltou para os idos de 1996. Neste ano, o CDI foi de 27,12%. Vejam que a relação fica por volta dos 0,11 desde 1997. De 2008, ano da crise, para cá, só cai.

    Parece que o pessoal está embolsando os lucros em investimentos.

    Medo da inflação? O que vocês acham?

    0
    • Cleyton 31 de janeiro de 2012 at 22:19

      Vc teria os dados isolados? A razão dos dois sozinha não me diz muita coisa, pode ter sido impresso mais papel moeda e menos títulos da dívida.

      Digo isso porque do meio do meio do ano pra cá tenho percebido um esfriamento do tesouro, o governo parece (ou quer fazer parecer) que não está precisando de grana, não adianta ficar arrotando dólar se não tem liquidez no mercado interno…

      0
      • Sir Income 31 de janeiro de 2012 at 22:34

        Cleyton,

        Peguei uma planilha no BACEN que está disponível em:
        www .bcb.gov.br/htms/infecon/seriehistmpamp.asp?idioma=P

        Se puder fazer alguns comentário, agradeço.

        0
        • Cleyton 1 de fevereiro de 2012 at 00:15

          Estava fazendo aqui a diferença percentual e deu uma coisa estranha, em 1997, 2002 e 2008 o M1 deu picos, em 2008 aumentou percentualmente menos que o M4, mas agora em 2011o aumento foi bem menor em comparação! Agora fiquei confuso porque o resultado está bem diferente do que eu pretendia dizer! Parece que a redução da tua razão é por diminuição relativa de papel moeda… acho que preciso de ajuda aqui, hehe

          Os dados do gráfico são esses, ano, M1% e M2% :

          1995;56,41;41,65
          1996;26,94;24,52
          1997;42,99;20,05
          1998;18,97;13,33
          1999;25,60;16,16
          2000;31,29;17,04
          2001;25,78;15,03
          2002;44,43;06,49
          2003;18,60;17,16
          2004;30,46;13,99
          2005;21,83;17,70
          2006;34,16;17,44
          2007;48,71;19,14
          2008;17,43;18,27
          2009;27,61;16,61
          2010;23,15;17,04
          2011;10,60;15,77

          0
          • Joselito 1 de fevereiro de 2012 at 10:52

            Esse artigo possui uma análise interessante sobre os agregados monetários
            “http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1108”

            0
            • Cleyton 1 de fevereiro de 2012 at 12:00

              Obrigado, vou dar uma lida com calma.

              Apesar que o problema é a interpretação da tendência e alguma possível correlação com o crédito e inflação (e não aquele lero-lero nos informes do BC).

              Sugestões e palpites são muito bem vindos.

              0
    • Cleyton 1 de fevereiro de 2012 at 14:13

      Será que o governo está emitindo menos moeda (em proporção) para reduzir a liquidez do mercado e tentar atacar a inflação com outra estratégia?

      Ou será que não é uma estratégia e sim uma forma de puxar o cobertor curto pra dizer na próxima campanha que reduziu os juros no Brasil (imagino que será publicado nestes termos).

      Que efeito será que teria no imobiliário a redução de emissão de moeda?

      0
  • Elias 31 de janeiro de 2012 at 22:28

    Não resisti, tive que postar isso.

    Brasil é diferente e por isso resiste à crise, afirma Dilma
    O Estado de S. Paulo – 31/01/2012

    h ttp://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/31/brasil-e-diferente-e-por-isso-resiste-a-crise-afirma-dilma

    0
    • Ze_das_Couves 31 de janeiro de 2012 at 22:43

      Ah sim eh diferente mesmo…

      O povo brasileiro parece que passou por uma lavagem cerebral e ja esqueceu que a grande maioria continua como sempre foi. Parece que simplesmente toda a euforia corrente no mercado contagiou a cabeca das pessoas e elas nao lembram mais de onde ja passamos e andamos no Brasil. Saude, Educacao, Beneficios e Infra-Estrutura continuam na mesma coisa de muitos anos atras. Com algumas poucas melhorias e muita decoracao de estrada e afins para poder cobrar um pedagio.

      Tem muita operadora de estrada que se especializou em decorar estrada de pista unica e cobrar pedagios absurdos em traca de algumas faixas pintadas e poucas melhorias reais. Duplicacao de estrada teve muito pouca. Transporte ferroviario ja estao falando que as empresas precisarao de um aporte do BNDES pq a malha esta sucateada de novo.

      O pre-sal levantou uma quantidade absurda de dinheiro com o governo como majoritario. Vamos ver se realmente sai do fundo do mar o prometido…

      Realmente eh muito facil se iludir com acesso a credito e poder comprar coisas que muitas pessoas nunca puderam comprar.

      O que precisa ser feito para levar o pais a um crescimento sustentavel e duradouro nao tem sido feito. As tais reformas politicas, da previdencia nao sairam do papel desde o FHC. Uma hora vai quebrar todo esse sistema previdenciario e vao ter de fazer aquele remendao.

      Vamos ver o que vai passar apos o resultado da copa do mundo. Corremos o risco de nem chegar a jogar no maracana 1BIlhao de custo.

      Por enquanto a dilma tem uma certa razao… tem muita coisa podre para falar dos paises de fora. Agora a bola da vez eh o japao. O correto de tudo nao seria dizer apenas que o Brasil esta muito bem. O mais correto seria: Os paises desenvolvidos estao muito mal e com muitos problemas financeiros.

      0
      • bertz 31 de janeiro de 2012 at 22:54

        Ze das couves concordo, mas acho que o Japão tem muitos mais chances de se levantar do que a gente crescer, só será impedido por catástrofes mesmo, vejo pelo seguinte lado são muito bons em alta tecnologia, o brasileiro trocaria 220 sacos de arroz por um celular, tem alta tecnologia automotiva, brasileiro trocaria 2 mulatas por 1 veículo (montadora brasileira gurgel) , fora educação do povo, capacidade produtiva (preguiça), como disse o Ricardo tem cara aqui que paga 500 num isqueiro para bancar de bem sucedido,enquanto o proprio povo brasileiro não saber do que ele realmente é dono e pode lucrar com isto seremos país de segunda.

        0
        • Ze_Das_Couves 1 de fevereiro de 2012 at 12:18

          Bertz,

          Realmente eu nao tenho nenhuma especializacao em economia ou financas. Ja moro fora do brasil a um tempo e nem escrever portugues direito consigo devido as limitacoes do meu teclado e da falta de pratica 😉

          Acorda-se todo dia de manha e la esta na CNN, SKYnews, BBC que problemas na eurozone, eua e agora a atencao vira para o japao. Do brasil soh se le coisa boa ultimamente. Nem as famosas cenas de violencia do rio/sp passam mais na tv.

          O japao tem uma economia extraordinaria porem a alavancagem do estado por ser grande e dentro das condicoes atuais vai ser um grande desafio. 220% de um pib do tamanho do deles nao eh brincadeira. Eles sao tambem um pais com uma populacao com uma media de idade mais avancada porem muito qualificada e inovadora.

          Quanto a sua opiniao sobre o brasil parece que estamos muito bem no momento devido a uma series de fatores porem a grande pergunta que temos eh sera que sustenta a longo prazo ou dura mais quanto tempo?

          Abs!

          0
          • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 12:45

            Zé das Couves concordo mais uma vez em partes, vou explicar o porque, a parte mais afetada pelo tsunami japonês foi a de produção de energia, problemas nucleares. O Brasil vende o nosso quilo do sicílio bruto a mais ou menos 3 reais, este mesmo produto processado e com alto grau de pureza vale 60 dólares, a Copa de 2014 encontram-se vários projetos usar a energia (Fotovoltaica) SOLAR, percebendo-se não só deste motivo mais por ser uma energia limpa e renovável os gringos já compraram quase todas produtoras brasileiras e já estão vendendo nosso silício com alto grau de pureza. E isto é só um exemplo.

            O que eu quero dizer quando cito arroz, mulatas é usar uma linguagem coloquial para demostrar, os problemas de estrutura e de falta de capaciade de gestão deste país em qualquer área. Parecemos índios trocamos coisas muito valiosas por espelhos.

            Se voce viu meus comentários gosto muito da área ligada ao natural, outro exemplo o nosso açaí, girassol, ninguém conseguiria competir com a gente sem barreiras comerciais, a produção de gado, suínos e aves só está neste patamar devido a aposta e muito trabalho de pessoas que desenvolveram novas técnicas praticamente por si próprias sem ajuda de nenhum dos poderes aqui existentes.

            Acho que o país não tem somente um crescimento sustentável acho que nós conseguiríamos sustentar 1/3 do planeta somente com as riquesas de nosso território, mais aí cairia no mesmo problema de sempre: a educação das pessoas, intenções governamentais entre outros mil problemas que não ajudam a nos tornarmos uma grande nação. Para esta discussão teríamos que abrir um blog específico mesmo assim ficaria lotado.

            0
            • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 13:44

              Bertz,

              você acabou de tocar num ponto que eu acho fundamental. Vou fugir do assunto Bolha.

              Por conta do meu doutorado, viajo muito pelo interior do Tocantins, Goiás e Mato Grosso, com passagens curtas (ufa) pelo sul do Pará. É a região do avanço da soja. Não sou economista nem sou de direita (eu pensava que era de esquerda, mas essas designações perderam completamente o sentido, politicamente não existe mais rumo, é tudo uma gosma disforme…). Mas sou bem informada, presto atenção pro mundo e sou muito curiosa.

              Já peguei carona mais de uma vez com os sojeiros que plantam ou revendem a produção, que está avançando nessas regiões que frequento. É como pegar carona “com o inimigo” (Ricardo Eng talvez não goste dessa caricatura, mas me explico em seguida). Sempre bato um papo civilizado com eles. A soja avança desenfreadamente. Ela gera pouquíssimo emprego, desmata o cerrado e as zonas de transição para a amazônia (ou pega áreas que foram previamente desmatadas para o gado). E o que eu acho pior: o produto final que eles vendem é a soja bruta. Não consigo me conformar com isso.

              Assim como com os números “de sucesso” da Vale e da Petrobrás. Por que eles acham um sucesso vender produtos de forma bruta (minério, soja, etc)? Por que não conseguimos romper com esse ciclo eterno, que vem desde o tempo que éramos parte de Portugal, do Pacto Colonial? Nós vendemos matéria prima e compramos manufatura? Vendemos cana de açúcar e compramos engenhos, vela, sabão? Vendemos cassiterira e compramos Ipods? O sojeiro está feliz da vida por que está rachando de ganhar dinheiro, mas ele é a parte que menos lucra e a mais frágil de toda a cadeia de produção da soja.

              Por acaso, como leio tudo que me cai em mãos, li uma daquelas revistas de ruralistas (acho que era a Dinheiro Rural). Entendo perfeitamente a vontade que eles têm de separar o sul do Maranhão e o sul do Piauí de suas partes nortes. O norte daqueles estados significa a imagem negativa do Nordeste dos coronéis, de relações de produção e de trabalho antiquadas, do trabalho semi-escravo e da fidelidade canina aos patrões que são semi-deuses. De Sarney’s family que quer mamar e mamar. (conheço a família, minha mãe é maranhense). Entendo a necessidade deles de investir como empresas capitalistas rurais, de investir em ferrovias e portos melhores. Mas, tanto avanço que eles querem na parte da produção e escoamento, por que diabos não é acompanhada de tecnologia? Por que vender a soja bruta e não processada, em produtos tipo, sei lá, tofu, ração já processada? Será que isso não gera empregos de melhor qualidade pra população original das regiões de plantação? A soja tem um impacto altíssimo nas regiões: famílias inteiras adoecem depois de passarem os aviões com pesticidas, velhos e crianças mais frágeis chegam a morrer contaminadas com pesticidas (não vem só pelo ar, mas pelo rio e o subsolo tb). Os caras afogam riachinhos que seriam melhor utilizados, se fosse de forma racional (poderia mesmo ajudar com fornecimento de água pras plantações). Tudo isso, pra vender o produto bruto pra algum magnata chinês ganhar muito, mas MUITO mais fora daqui?

              Desculpem o post gigantesco e a fuga completa do assuto Bolha. Mas como comentamos economia de modo geral, o post do Bertz reacendeu essa minha indignação.

              Ricardo Eng, não entendo os empresários como as figuras do mal encarnado. Sei que vocês lidam com governos corruptos e muitas vezes têm que ceder às pressões corrompidas pra poder continuar trabalhando. Mas o caso da soja (e dos minérios, que conheço menos) me impressiona demais pela irracionalidade…

              Enfim, é isso

              Moyasho – se manifestando (e imitando Jack).

              0
              • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 13:58

                Em tempo: onde está escrito “cassiterira” leia-se “cassiteriTa”

                (sem querer escrevi esse post como se fosse um post geral, mas é um adendo ao meu post acima)

                0
              • Cleyton 1 de fevereiro de 2012 at 14:05

                “Desculpem o post gigantesco e a fuga completa do assuto Bolha. Mas como comentamos economia de modo geral…”

                Eu não acho que esteja fugindo do assunto porque na minha opinião as bolhas só se formam por causa de anomalias e distorções econômicas, ou seja, a base por trás de todas as discussões aqui tem por base a economia, mesmo as partidárias, já que no fim, este ou aquele governo, se observar bem só interessa o que ele fez ou fará pelo impacto que tem na economia.

                0
              • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 15:30

                Existem muitos empresários no país que são verdadeiros predadores. Em diversos segmentos da economia, são a maioria.

                Não sou contra falar mal de empresários e sim de preconceito. Quem faz coisa errada merece ser criticado. O problema é ser criticado por ser X ou Y e não por agir de forma ilegal ou antiética.

                Os produtores de soja que estão ampliando as fronteiras agrícolas do país são, na minha opinião, bandidos ignorantes. Achei perfeita a sua crítica em relação à venda de produtos brutos e digo mais: isso existe em TODOS os segmentos da nossa agricultura e não só no ato de vender o produto bruto como até em coisas básicas como esperar o tempo necessário para que o vegetal possa ser colhido.

                Vocês sabiam que uma saca de café pode DOBRAR de valor se forem selecionados os grãos contidos nela? E que mesmo assim 99% dos produtores do país não estão nem aí?

                Esse é o Brasil.

                Toda vez que algum chato reclamar dos subsídios da França, não esqueça que eles estão protegendo famílias escolarizadas e que vendem produtos de qualidade. São pessoas até mesmo cultas, que vivem de vinho, queijo, frutas e vegetais diversos.

                Você trocaria isso por comida importada (sendo que há pouco tempo o país viveu uma guerra que só não foi um completo desastre pois a comida era produzida nas próprias cidades) proveniente de algum catarinense malandro que faz grilagem no Mato Grosso?

                Eu não trocaria. Dane-se o produtor brasileiro. Entre o francês e o brasileiro eu pediria até para importarmos alguns para cá.

                0
                • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 16:34

                  O vinho francês é o produto mais subsidiado do mundo (adoro).

                  Aqui, cultura é artigo de luxo.

                  Produzimos tanto papel, celulose, mas um livro é algo caríssimo. Na França compro livros em grande formato, com todas as páginas com fotos coloridas pelo preço de um pocket brasileiro (meu doutorado é na França). Pocket fininho lá é 2 euros. Pocket fininho aqui é 20 reais…

                  0
                • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 16:56

                  Ricardo vou e moyashi, vou muito além, em um sítio criava peixes para custear o pagamento de suas despesas, certa vez liguei pro cara vim retirar os peixes e ele me disse que não iria mais comprar, pois estava vindo um novo tipo de peixe importado muito bom e muito mias barato, um tal de PANGA.

                  Como sempre não discuti pois não conhecia a veracidade deste novo fato, após várias pesquisas porque ainda era novidade, descobri que se tratava de um peixe, criado no Vietnã em águas paradas, onde por vários anos os Americanos depejaram milhões de tonelada do Agente Laranja, e que era comercializado por chineses.

                  Conclusão o povinho tupiniquim, estava comendo o peixe mais poluído encontrado na face da terra segundo pesquisas de laboratório daqui mesmo.

                  Outra vão colocar aqui em baixo: “Vamos falar da Bolha pessoal este assunto não tem nada a ver com o blog”.

                  Ai lhes digo o predinho fajuto que está pretendendo comprar em 100% vem de materiais nacionais ou importado, retirados de alguma matéria prima natural, se saírem de sua salinha, como digo a muito tempo constatarão que a alta de preço depende de uma cadeia que vem desde milhões de fornecedores do tipo vendedores de PANGA, e não somente de GAFI$$AS DA VIDA. O problema é bem maior do que pensam.

                  0
                  • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 17:58

                    É uma questão que vai muito além do consumo. Ao beneficiar o produto importado mais barato, estão beneficiando diversas atitudes antiéticas.

                    Falamos que o brasileiro é malandro mas esquecemos que o oriental é pior. Tanto faz se o Vietnã possui meios de certificação “aprovados”. Sabemos que esses mecanismos são sempre abusados e ignorados.

                    Mas aqui é quase crime produzir qualquer coisa. Para juntar uma plaquinha, uns cabos e uma caixa plástica e vender um identificador de chamadas eu precisei de um total de 48 papéis carimbados pelo governo. Tive que pagar inspeção ambiental, receber proposta de corrupção de fiscal (que prometem dificultar pro seu lado se você não pagar ele, mesmo estando 100% dentro das regras), etc.

                    País vagabundo.

                    0
            • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 18:14

              Sabe o que vejo Ricardo o pessoal pode pensar caras arrogantes, só que quando chega as 18:00h batem o cartão e a vida só começa na manhã do outro dia ás 9:00h,com férias, participação de lucros entre outros, niguém agrega um conhecimento de ajuda para empresa pois pensa que estaria ajudando o patrão a ficar mais rico.

              Não conseguem nem enxegar toda cadeia produtiva por exemplo da construção de um ap, que pode envolver milhares de funcionários sem vontade, e sem conhecimento e como voce disse se para fazer um negócio simples demorou um tempão, depois tem coragem de perguntar aqui porque o preço esta X, porque tem alguém que vive trancado em salinha e tá pagando o preço hora!!!!!.

              0
  • Muca CG Muita Treta 31 de janeiro de 2012 at 22:51

    Mas um exemplo de malandragem e falta de noção de preço. Hoje, quebrei minha chave dentro da fechadura da porta principal de casa. Pedi para minha esposa procurar o chaveiro para ele retirar a ponta da chave de dentro, pois não conseguimos. Aproveitando que não havia homem em casa, o cara quis cobrar R$ 35 da minha esposa (praticamente o preço de uma nova fechadura). Ela chorou e o cara deixou por R$ 25. Detalhe: o chaveiro fica na rua debaixo de casa. Se tá fácil assim ganhar R$ 35 a cada a visita de 20 minutos, pra que estudar? Bora virar chaveiro.

    0
    • bertz 2 de fevereiro de 2012 at 17:50

      Muita Treta, exemplo de malandragem, falta de noção de preço por sua parte 35,00 merréis, pode ser colocar uma fechadura nova sim por este valor, mais voce mesmo a colocaria? O cara foi bobo por ter aceitado 25,00, porque saiu de sua loja, perdeu tempo, quase que certamente a fechou para atendê-lo e com certeza fez um serviço com urgência.

      Você tem carro? qualquer combutível que voce usa estara perto de 2,00 reais já parou pra pensar quanto ganham? Já reclamou alguma vez? Já viu o preço de um implante de dentes, já se perguntou quando gastam? Aí vem com a balela ele estudou. Porque um cara que foi voce mesmo quem chamou em sua casa não pode ganhar seu dinheiro, porque só estava sua esposa? Porque não tem uma profissão que não considera digna?

      Este papo rola muito, fico pasmado de ver gente que ainda pensa assim que serviços como limpeza, reparação ou sujos, os sujeitos não podem ganhar mais do que eu ganho. Isso é só o começo, to escrevendo aqui faz um tempão: Brasileiro não suporta ver o outro ganhar mais do que ele. Sabe porque o imóvel está neste patamar de preços porque qualquer pedreiro cobra muito para trabalhar onde ninguém se sujeitaria. Boa resposta vire chaveiro ou pedreiro quem sabe os preços abaixem.

      0
  • Sir Income 1 de fevereiro de 2012 at 00:54

    E o pré-sal vazou: Petrobras causa vazamento na Bacia de Santos

    br.noticias.yahoo.com/pr%C3%A9-sal-vazou-petrobras-causa-vazamento-bacia-santos-003330708.html

    Começou com o pé direito. Com petróleo, agora os imóveis valorizam…

    0
  • DanielCM 1 de fevereiro de 2012 at 04:42

    Bolha estoura na Europa e ameaça Brasil
    www . band . com . br/esporte/futebol/noticia/?id=100000483059

    calma gente, calma! até o momento estão falando dos jogadores de futebol.
    quanto aos imóveis, ‘aqui vai ser diferente’.

    0
  • MrK 1 de fevereiro de 2012 at 06:11

    Essa noticia da gafisa ser vendida e’ MUITO estranha

    Pessoal, que grupo de investidores americanos sensato iria comprar a gafisa? tem que ser maluco! O Real esta’ caro pra eles, a empresa esta com dividas impagaveis, o mercado imobiliario esta travado… nao faz qualquer sentido ao meu ver essa compra.

    Acho que isso esta com cara de BOATARIA pra quem ta comprado desovar o papel nas costas dos ingenuos, pode ser que eu esteja errado, mas meu palpite e’ esse.. se eu estiver certo ela devolvera tudo muito em breve

    0
    • Money Addicted 1 de fevereiro de 2012 at 08:38

      MrK,

      Uma outra hipotese seria a possivel compra por investidores estrangeiros sabendo que o governo nao deixara ela quebrar, ou seja, compra uma empresa quase falida depois recebe dinheiro do governo a empresa se valoriza e eles vendem a empresa com um belo lucro.

      enfim, sao hipoteses….

      []s

      0
      • Carcará 1 de fevereiro de 2012 at 09:04

        Money,
        é o SAM ZELL, segundo dizem, que tá querendo comprar. Claro que ele vai recomprar por 10 o que vendeu por 100, mas ainda assim há algo estranho. Talvez o negócio não se concretize…

        http://www.brazilianbubble.com/2012/01/m-sam-zell-eyes-gafisa-again.html

        0
      • Thiago 1 de fevereiro de 2012 at 11:19

        Eu acho que as duas hipóteses são viáveis

        Mas ainda suspeito de boataria, essa história de que “as conversas estão num estágio inicial” é conversa pra boi dormir.

        0
      • Carcará 1 de fevereiro de 2012 at 13:38

        Money,
        é o SAM ZELL, segundo dizem, que tá querendo comprar. Claro que ele vai recomprar por 10 o que vendeu por 100, mas ainda assim há algo estranho. Talvez o negócio não se concretize…

        0
    • Anonymous 1 de fevereiro de 2012 at 11:51

      Não existe estrangeiro que seja tão TOLO. Isso é boato, a exemplo de um outro boato que fez uma ação disparar poucos meses atrás – a empresa iria ser comprada por ninguém menos que a Apple.

      0
      • Money Addicted 1 de fevereiro de 2012 at 12:41

        e tem uma outra hipotese (nao tenho ctz se gfsa3 pode ser alugada, precisaria confirmar) mas pode ter investidores que alugaram o papel e vendeu la em cima e agora estao realizando o lucro….

        []s

        0
    • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 18:10

      Foi exatamente o que eu falei ontem e riram de mim. Isso me parece que foi plantado pelos próprios acionistas para se livrar dos papéis. Ainda mais considerando que os americanos já foram sócios da Gafisa e pularam fora enquanto era tempo.

      0
  • Cai cai balão 1 de fevereiro de 2012 at 06:48

    A imprensa não ajuda, né? Por vezes, me sinto personagem de 1984. De novo, os babacas do SECOVI.

    Aluguel tem alta recorde na cidade de São Paulo

    MARIANA SALLOWICZ
    DE SÃO PAULO

    O aluguel residencial na capital paulista teve alta recorde no ano passado. Quem buscou apartamento ou casa para locação na cidade, encontrou valores 18,48% maiores em dezembro de 2011 do que um ano antes.

    Trata-se da maior variação registrada em uma comparação anual desde 2005, início da série histórica do Secovi-SP (sindicato da habitação).

    Enquanto isso, os contratos de aluguel em andamento subiram em ritmo menor, seguindo a variação do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), usado como referência na maioria dos acordos. O índice, calculado pela Fundação Getulio Vargas, teve alta de 5,1% no ano.

    O reajuste acima do índice, no entanto, pode ser negociado entre as partes após o período estipulado no documento, quando é prorrogado.

    “Há uma forte demanda e a oferta, apesar de crescente, não tem acompanhado esse ritmo, o que tem inflacionado a locação nova”, diz Francisco Crestana, vice-presidente de gestão patrimonial e locação do Secovi-SP.

    Segundo o economista José Pereira Gonçalves, especialista em mercado imobiliário, com o aumento da renda as pessoas têm mais disponibilidade para gastar com moradia, o que permite reajustes maiores. “Muitos elevam as despesas.”

    Crestana afirma ainda que aqueles que investiram na compra de imóveis buscam uma maior rentabilidade. “O aluguel mensal ainda fica em torno de 0,6% do valor da casa ou apartamento”, relata.

    Além disso, existe uma parcela de potencias compradores que têm optado pelo aluguel por causa da alta nos preços dos imóveis. “Muitos não conseguem adquirir porque a prestação é elevada. Outros acreditam que o valor possa cair e esperam”, diz o vice-presidente do Secovi-SP.

    RITMO MENOR

    Para especialistas, o resultado de 2011 não será superado neste ano. “A previsão é de elevação em ritmo menor. Continuamos com oferta de crédito, o que impulsiona o mercado, mas deverá haver uma desaceleração da economia”, diz Crestana.

    Gonçalves também prevê uma elevação mais moderada. “O mercado chegou a um patamar adequado.”

    Entre os bairros que apresentaram as maiores altas no ano está a Vila Prudente (zona leste), chegando a 123% nos apartamentos de dois dormitórios em bom estado de conservação. A Pompeia (zona oeste) também teve destaque, com 66,8% em imóveis de um quarto.

    0
    • Menino_do_Rio 1 de fevereiro de 2012 at 07:26

      A culpa não é só do secovi, imprensa ou proprietário. Enquanto tiver gente pagando esses alugueres, fica comprovado que os níveis realmente mudaram e vieram para ficar…

      0
    • Galvão 1 de fevereiro de 2012 at 08:17

      Ainda bem que eles são especialistas em mercado imobiliário. Quantas análises bem elaboradas e embasadas podemos extrair das mentes brilhantes. Vejam:

      “Há uma forte demanda e a oferta, apesar de crescente, não tem acompanhado esse ritmo, o que tem inflacionado a locação nova”, diz Francisco Crestana… (esqueceu de dizer que ninguém está querendo alugar, para tentar vender, e isso é que tem inflacionado a locação, juntamente com a tentativa de remunerar o aluguel no % adequado ao valor que está exorbitante).

      Segundo o economista José Pereira Gonçalves, especialista em mercado imobiliário, com o aumento da renda as pessoas têm mais disponibilidade para gastar com moradia, o que permite reajustes maiores. “Muitos elevam as despesas.” (que dedução brilhante. Se eu ganho mais eu vou querer pagar mais caro meu aluguel.)

      “O mercado chegou a um patamar adequado.” (adequado aonde cara pálida!!!!)

      “O aluguel mensal ainda fica em torno de 0,6% do valor da casa ou apartamento”, relata Crestana (o meu aluguel está em 0,24% e aqui em Brasília nem quitinete chega nesse %).

      0
      • Cai cai balão 1 de fevereiro de 2012 at 08:34

        Olha, eu comecei a comentar no Bolha há pouco mais de uma semana, mas acompanho o blog há uns 20 dias.

        Digam-me uma coisa: a abordagem da imprensa sempre foi intensa com relação ao mercado imobiliário ou a coisa ficou maior nos últimos tempos?

        Quanto tempo tem o blog?

        0
        • Menino_do_Rio 1 de fevereiro de 2012 at 08:45

          Hoje o Boechat na bandnews está fazendo uma reportagem das construtoras que não entregam os imóveis novos.
          Será o início da quebradeira? Qual será o impacto nos imóveis usados?

          0
      • MrK 1 de fevereiro de 2012 at 09:37

        exatamente, o grau de analise desses reporteres e’ nivel de crianca de 5 anos

        “o preco subiu? ah, eh porque a demanda esta maior do que a oferta”

        mas e ai??? foi a demanda que subiu ou a oferta que caiu??? porque a demanda subiu??? ou porque a oferta caiu??? tem efeito de inflacao??? explica direito, quais os efeitos do mercado de compra e venda no aluguel, qual efeito do aumento dos precos dos imoveis no aluguel… enfim…

        0
      • Shakespeare 1 de fevereiro de 2012 at 11:10

        a grande verdade é que o mercado apertou muito forte o parafuso e agora espanou…

        0
        • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 17:16

          O problema é que o mercado aperta o parafuso, mas a rosca que espana é a sua. O que ferra tudo é que quando se envolve questão habitacional, você não tem para onde fugir: Ou você paga aluguel, ou paga prestação de financiamento. Quem pode, as vezes vai morar com a mamãe. Não é como comprar um carro ou viajar para o exterior, que é algo que você pode confortavelmente esperar o melhor momento.

          0
    • Muca CG Muita Treta 1 de fevereiro de 2012 at 14:59

      Estou atrás de casa para alugar há cerca de dois meses e tá difícil de achar mesmo. Já vi corretor dizer que isso é culpa de alguns proprietários que querem segurar os imóveis para vender/alugar para quem vier assistir aos jogos da Copa (??????). Só tenho encontrado cortiço na zona leste e, quando muito, alguns desses novos sobradinhos com alugueis superfaturados para os donos conseguirem pagar o financiamento.

      0
    • Júlio Cesar 2 de fevereiro de 2012 at 01:08

      Quando o assunto é mercado imobiliário, as pessoas entrevistas são sempre donos de imobiliárias, de construtoras, e por aí vai. Ninguem entrevista um economista, um presidente de associação habitacional, ou um morador de rua que seja. Se o peixe está caro, vamos perguntar ao vendedor de peixes o porquê.

      0
  • Morris 1 de fevereiro de 2012 at 07:48

    Saiu agora na capa do UOL, como segunda notícia mais importante do dia, no lugar das quedas dos edifício, estouro de bueiro no Rio ou corrupção do governo. Por que será? Será que falar de preço do aluguel é mais importante assim?

    Seguem algumas considerações minhas. Não sou economista, administrador, não endendo lhufas de investimento. Estou apenas buscando o meu canto de quarto-e-sala para morar nessa cidade maluca chamada São Paulo e, como muitos daqui, tenho acompanhado a bolha com as dicas, conselhos e opiniões desse blog.

    Ah, e gostaria de comentar algumas coisas que tenho visto em SP

    – Percebe-se facilmente, nos bairros da Lapa e Barra Funda, uma quantidade grande de prédios novos, prontos ou quase, que estão vazios, sem moradores. Essas são regiões próximas ao trilho do trem, beirando as marginais Pinheiros e Tietê, próximos a terminais de ônibus, presídio, ceagesp, etc. Ou seja, bairros que nunca tiveram interessa como moradia mas que restou para as construtoras erguerem edifícios.

    – Muitos edifícios comerciais foram erguidos na região de Alphaville, no mínimo uns 20, com torres altas, etc. O que se vê, como no vídeo já postado sobre a China, são espaços fantasmas, sem qualquer movimento de pessoas. Esses empreendimentos, inclusive, já começaram a apelar para propaganda nas ruas, casas, emails, etc.

    – Como consequência, nessa mesma região, vi que há três empreendimentos (de alto luxo) que abriram o stand para pré-venda, no final de 2011. E o que aconteceu? Fecharam o espaço e acredito que não vão mais abri-lo. Desistiram da construção?

    Será sinal do fim do mundo (mundo insano, delirante e irresponsável dos preços dos imóveis no Brasil)?

    Tíitulo: Moradia – Alguel residencial alcança alta recorde de 18,5% na cidade de SP.

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1042146-aluguel-tem-alta-recorde-na-cidade-de-sao-paulo.shtml

    1) “”Há uma forte demanda e a oferta, apesar de crescente, não tem acompanhado esse ritmo, o que tem inflacionado a locação nova”, diz Francisco Crestana, vice-presidente de gestão patrimonial e locação do Secovi-SP.”.

    Cometário: Sim, há demanda porque todos precisam morar em algum lugar. Mas como esse tal de Francisco Crestana diz que a oferta de locação não tem acompanhado o ritmo da demanda se há milhares de imóveis parados esperando inquilino?

    2) “Segundo o economista José Pereira Gonçalves, especialista em mercado imobiliário, com o aumento da renda as pessoas têm mais disponibilidade para gastar com moradia, o que permite reajustes maiores.”

    Comentário: Pelo que entendi, o aumento na renda é de crédito e de oportunidade de se fazer dívida. Todos começam a ver a possibildade de comprar casa própria, mas disponibilidade, com o preço atual, acho mais difícil de afirmar. Desejo todos temos, mas dinheiro disponível para tanto.

    3) “Gonçalves também prevê uma elevação mais moderada. “O mercado chegou a um patamar adequado.”

    Comentário: O que antes falavam que NUNCA iria acontecer, hoje já tentam amenizar, mas sem perder a “classe”. “desaceleração”, “moderada” só para não falar em CRISE!Disse em “patamar adequado” para evitar o saldão dos preços que sempre foram irreais?

    4) “Entre os bairros que apresentaram as maiores altas no ano está a Vila Prudente (zona leste), chegando a 123% nos apartamentos de dois dormitórios em bom estado de conservação. A Pompeia (zona oeste) também teve destaque, com 66,8% em imóveis de um quarto”.

    Comentário: O que a Vila Prudente tem de tão especial para ter o preço aimentado em 123%? Vila Prudente? Entendo que Pompeia teve um aumento menor pois o preço já deve estar nas alturas. Acho que isso só demonstra como os especuladores tentam encontrar outra lugares, ainda não explorados, para tentar tirar o máximo da ignorância alheia. Pompeia já estava saturada, a solução foi buscar em bairros mais afastados.

    0
  • Morris 1 de fevereiro de 2012 at 07:52

    Saiu agora na capa do UOL, como segunda notícia mais importante do dia, no lugar das quedas dos edifício, estouro de bueiro no Rio ou corrupção do governo. Por que será? Será que falar de preço do aluguel é mais importante assim?

    Seguem algumas considerações minhas. Não sou economista, administrador, não endendo lhufas de investimento. Estou apenas buscando o meu canto de quarto-e-sala para morar nessa cidade maluca chamada São Paulo e, como muitos daqui, tenho acompanhado a bolha com as dicas, conselhos e opiniões desse blog.

    Ah, e gostaria de comentar algumas coisas que tenho visto em SP

    – Percebe-se facilmente, nos bairros da Lapa e Barra Funda, uma quantidade grande de prédios novos, prontos ou quase, que estão vazios, sem moradores. Essas são regiões próximas ao trilho do trem, beirando as marginais Pinheiros e Tietê, próximos a terminais de ônibus, presídio, ceagesp, etc. Ou seja, bairros que nunca tiveram interessa como moradia mas que restou para as construtoras erguerem edifícios.

    – Muitos edifícios comerciais foram erguidos na região de Alphaville, no mínimo uns 20, com torres altas, etc. O que se vê, como no vídeo já postado sobre a China, são espaços fantasmas, sem qualquer movimento de pessoas. Esses empreendimentos, inclusive, já começaram a apelar para propaganda nas ruas, casas, emails, etc.

    – Como consequência, nessa mesma região, vi que há três empreendimentos (de alto luxo) que abriram o stand para pré-venda, no final de 2011. E o que aconteceu? Fecharam o espaço e acredito que não vão mais abri-lo. Desistiram da construção?

    Será sinal do fim do mundo (mundo insano, delirante e irresponsável dos preços dos imóveis no Brasil)?

    Tíitulo: Moradia – Alguel residencial alcança alta recorde de 18,5% na cidade de SP.

    w w w1 .folha.uol.com.br/mercado/1042146-aluguel-tem-alta-recorde-na-cidade-de-sao-paulo.shtml

    1) “”Há uma forte demanda e a oferta, apesar de crescente, não tem acompanhado esse ritmo, o que tem inflacionado a locação nova”, diz Francisco Crestana, vice-presidente de gestão patrimonial e locação do Secovi-SP.”.

    Cometário: Sim, há demanda porque todos precisam morar em algum lugar. Mas como esse tal de Francisco Crestana diz que a oferta de locação não tem acompanhado o ritmo da demanda se há milhares de imóveis parados esperando inquilino?

    2) “Segundo o economista José Pereira Gonçalves, especialista em mercado imobiliário, com o aumento da renda as pessoas têm mais disponibilidade para gastar com moradia, o que permite reajustes maiores.”

    Comentário: Pelo que entendi, o aumento na renda é de crédito e de oportunidade de se fazer dívida. Todos começam a ver a possibildade de comprar casa própria, mas disponibilidade, com o preço atual, acho mais difícil de afirmar. Desejo todos temos, mas dinheiro disponível para tanto.

    3) “Gonçalves também prevê uma elevação mais moderada. “O mercado chegou a um patamar adequado.”

    Comentário: O que antes falavam que NUNCA iria acontecer, hoje já tentam amenizar, mas sem perder a “classe”. “desaceleração”, “moderada” só para não falar em CRISE!Disse em “patamar adequado” para evitar o saldão dos preços que sempre foram irreais?

    4) “Entre os bairros que apresentaram as maiores altas no ano está a Vila Prudente (zona leste), chegando a 123% nos apartamentos de dois dormitórios em bom estado de conservação. A Pompeia (zona oeste) também teve destaque, com 66,8% em imóveis de um quarto”.

    Comentário: O que a Vila Prudente tem de tão especial para ter o preço aimentado em 123%? Vila Prudente? Entendo que Pompeia teve um aumento menor pois o preço já deve estar nas alturas. Acho que isso só demonstra como os especuladores tentam encontrar outra lugares, ainda não explorados, para tentar tirar o máximo da ignorância alheia. Pompeia já estava saturada, a solução foi buscar em bairros mais afastados.

    0
  • Galvão 1 de fevereiro de 2012 at 09:44

    Prezados,
    Fiz uma pesquisa nos dados da PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego – DIEESE) para o setor da construção civil e os números divergem bastante de região pra região.

    Abaixo o número de empregados no setor da construção civil por Região Metropolitana (RM)
    RM do Recife: de 88k (dez/2010) para 107 k (dez/2011). Variação 21,6%.
    RM Fortaleza: de 114k (dez/2010) para 132k (dez/2011). Variação 15,8%.
    RM Salvador: de 128k (dez/2010) para 140 k (dez/2011). Variação 9,4%.
    RM de Porto Alegre: de 111k (dez/2010) para 121 k (dez/2011). Variação 9%.
    Distrito Federal: de 69k (dez/2010) para 71k (dez/2011). Variação 2,9%.
    RM Belo Horizonte: de 176k (dez/2010) para 179K (dez/2011). Variação 1,7%
    RM de São Paulo: de 584k (dez/2010) para 586 k (dez/2011). Variação 0,3%.

    Verifica-se uma saturação no setor na região sudeste e DF, enquanto nas regiões Nordeste e sul (POA) o setor está em efervescência. Será possível dizer que cada região se encontra em um estágio diferente em relação à bolha?

    0
    • Shakespeare 1 de fevereiro de 2012 at 10:48

      Certamente!

      Parabéns pelo levantamento.

      0
  • Zé Coxinha 1 de fevereiro de 2012 at 09:53

    EXPECTATIVA DO CONSUMIDOR: JANEIRO DE 2012! IBOPE INTELIGÊNCIA! CNI!

    1) Inflação! Vai aumentar para 69% das pessoas Vai ficar igual: 26% Vai diminuir: 6%

    2) Desemprego! Vai aumentar para 43% das pessoas Vai ficar igual: 29% Vai diminuir 28%.

    3) Renda Pessoal! Vai aumentar para 44% das pessoas Vai ficar igual: 46% Vai diminuir: 10%.

    4) Situação Financeira! Vai melhorar para 40% das pessoas Vai ficar igual: 49% Vai Piorar: 12%.

    5) Endividamento! Vai ficar mais endividado para 25% das pessoas Vai ficar igual: 41% Vai diminuir: 33%.

    0
  • Diego RJ 1 de fevereiro de 2012 at 11:43

    Imóveis: cidades próximas de SP se tornam alternativas para morar e investir
    SÃO PAULO – A falta de terrenos na cidade de São Paulo tem feito com que os poucos lotes que ainda estão disponíveis sejam disputados pelas construtoras e incorporadoras, que, ao pagarem mais caro, também cobram valores mais altos pelos imóveis que constroem.

    “Existe uma grande escassez de terrenos, principalmente nas regiões mais valorizadas da cidade, como Ibirapuera, Itaim Bibi e Vila Nova Conceição. Isso acaba refletindo no valor do metro quadrado do apartamento”, afirma o diretor de Incorporações da Sispar Empreendimentos Imobiliários, Paulo Roberto Funari.

    De acordo com o executivo, na maioria desses locais, é preciso desocupar cerca de 5 a 6 residências para conseguir um terreno de proporções suficientes para construir um empreendimento. “Ficou cada vez mais caro e difícil conseguir essas áreas”, afirma Funari.

    Para se ter uma ideia, um levantamento da Geoimovel mostrou que, em Moema, o metro quadrado custou, em média, R$ 14.886 no ano passado. No Itaim Bibi, o preço por metro quadrado foi de R$ 10.737 e no Alto de Pinheiros, de R$ 10.153.

    Com os valores nas alturas, o executivo aponta que comprar imóveis em cidades localizadas próximas da capital e que contam com boas perspectivas de crescimento pode ser uma alternativa interessante.

    Raposo Tavares e Castelo Branco
    Para Funari, as cidades da Grande SP que possuem mais potencial de crescimento estão localizadas ao longo das rodovias Castelo Branco e Raposo Tavares, ambas na região oeste de São Paulo. “Cotia (que abriga a região da Granja Viana) e Barueri são cidades que têm crescido muito, e isso gera consumo e qualidade de vida. São locais com boa infraestrutura, com rede hospitalar e escolas de boa qualidade, além de terem muitos imóveis comerciais”, diz o executivo.

    Segundo ele, essas cidades se tornaram boas alternativas tanto para morar quanto para investir. “Não tenho dúvidas de que investir nessas regiões é uma boa opção. Como a tendência é que essas cidades cresçam cada vez mais, quem comprar antes vai conseguir um preço mais barato”, acredita o executivo.

    O diretor da Sispar aponta que um lançamento em Barueri chega a custar a metade do que se cobra por um apartamento localizado, por exemplo, no bairro da Vila Leopoldina, na região oeste da capital paulista. “É muito mais barato e o potencial de crescimento é bastante grande”, afirma.

    Investimento
    O vice-presidente do Ibef (Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças) e autor do Livro “Imóveis, Seu Guia Para Fazer da Compra e Venda um Grande Negócio”, Luiz Calado, ressalta que, principalmente para aqueles que pretendem comprar um imóvel com objetivo de investimento, olhar para regiões mais afastadas e com preços ainda abaixo do valor médio cobrado pelo mercado, pode ser uma boa alternativa.

    “A pessoa tem que olhar para onde a cidade está avançando e comprar baseada nisso”, afirma Calado. “Se eu sou um investidor, eu preciso ter uma visão mais abrangente e observar as regiões que estão crescendo e que me trazem boas perspectivas”, conclui o especialista.

    ENGRAÇADO QUE FIZ COMENTÁRIO FALANDO DA BOLHA, DO DESCOLAMENTO DA RENDA, ETC E O YAHOO NÃO COMENTOU MEU COMENTÁRIO… CENSURA????

    0
    • h lee 1 de fevereiro de 2012 at 12:39

      Na boa, pode ser metade ou um terço do preço, mas o transito que vc vai pegar, especialmente se vc trabalha em sp nao sei se compensa. 1 hora a mais pra ir e mais 1 hora a mais pra voltar. Perder 2 horas por dia, sei nao, fora que em raposo e barueri nao tem bons bares e restaurantes.

      0
      • Cirilo 1 de fevereiro de 2012 at 13:14

        Bons bares e restaurantes? Risos.

        Amigo, essa é uma tendência natural, as áreas nobres das grandes cidades sempre foram valorizadas, o que aconteceu foi que essa bolha de preços aumentou ainda mais esse gap.

        E ainda digo mais, mesmo com a queda nos preços, vai continuar muito caro comprar um imóvel nessas regiões, havendo portanto duas opções, morar em um cubículo em uma área nobre ou em um apartamento decente em uma região mais afastada.

        0
        • h lee 1 de fevereiro de 2012 at 13:35

          Qualquer metropole de paises desenvolvidos, a localizacao é fundamental, pois o status social hj em dia esta associado ao teu endereço. Só pra dar alguns exemplos: Nova York (manhatan é mais de 3 vezes o preço do Queens ou New Jersey), Paris (16o e 7o arrondissements são mais de 4 vezes o preço da periferia de Paris), Londres (Kensigton e Nothing Hill são mais de 3 vezes o preço do norte de Londres), Tokio (Ginza é o triplo do Nakano), isto porque nestas cidades o transporte publico é eficiente, abundante e acessivel. Em sampa e no rio está ocorrendo o mesmo fenomeno.

          0
          • Cirilo 1 de fevereiro de 2012 at 18:53

            É pessoal, cada dia fica mais complicado, um colega dizer que as regiões periféricas perdem muito pela falta de bons bares e restaurantes?!

            Bem que eu tento, mas algumas coisas que leio aqui meio que me obrigam a comentar, não tem como.

            “Qualquer metropole de paises desenvolvidos, a localizacao é fundamental, pois o status social hoje em dia esta associado ao teu endereço.”

            Status social associado ao seu endereço? Me desculpe a pergunta, H Lee, mais que status social você busca? Complicado isso, normalmente se busca qualidade de vida, está sem dúvida é consideravelmente melhor em algumas regiões da cidade, que apresentam uma oferta mais refinada de serviços, digamos assim.Agora cabe ressaltar, até que ponto a qualidade de vida de um morador de um apartamento de 30 m2 no Leblon é melhor do que a de um morador de de um apartamento de 110 m2 na Barra?

            “Só pra dar alguns exemplos: Nova York (manhatan é mais de 3 vezes o preço do Queens ou New Jersey), Paris (16o e 7o arrondissements são mais de 4 vezes o preço da periferia de Paris), Londres (Kensigton e Nothing Hill são mais de 3 vezes o preço do norte de Londres), Tokio (Ginza é o triplo do Nakano), isto porque nestas cidades o transporte publico é eficiente, abundante e acessivel. Em sampa e no rio está ocorrendo o mesmo fenomeno.”

            Bom, deve-se considerar que Nova Iorque, Paris, Londres e Tóquio são cidades de importância global, não que Sao Paulo não seja, mas essas cidades além da importância econômica têm uma expressiva importância turística, o que invariavelmente atraí um grande número de milionários de todo mundo.

            Basicamente, quem realmente está por trás das grandes negociações em Londres, Paris e Nova Iorque são estrangeiros, o que acaba valorizando bastante as áreas nobres dessas cidades.As pessoas ditas “comuns”, assalariados, normalmente moram em bairros mais afastados, mas mantendo sim uma excelente qualidade de vida, dado a infra-estrutura, principalmente, do transporte público.

            Por fim não acredito que em Sao Paulo e no Rio estejam acontecendo esse mesmo fenômeno, e sim um processo inverso.A ineficiência do transporte público e a falta de estrutura fazem com que a maioria das pessoas se concentre nas regiões mais centrais, normalmente as que oferecem os melhores serviços, mesmo que para isso essas tenham que morar “enlatadas”.

            0
      • walyson Trautenmuller 1 de fevereiro de 2012 at 13:36

        E antes de comprar imóveis em barueri ou santana de parnaíba, verique a condição do Laudêmio, ou seja, as construtoras vão querer enfiar essa taxa (que corresponde a 5% do valor do imóvel) para você pagar, uma vez que todas as terras de lá são/foram da marinha.

        0
      • Ricardo Eng 1 de fevereiro de 2012 at 13:36

        E não é só qualidade de vida (trânsito, etc.) que você vai perder. Se comparar um aluguel em barueri com um em São Paulo vai perceber que a diferença é muito inferior ao gasto adicional com combustível e pedágio, que pode chegar a 500 reais mensais.

        Muitas pessoas não fazem a conta e dão entrada em um apartamento próximo à Castelo Branco. Depois de alguns meses percebem a roubada: estão pagando mais em prestação do que pagavam no aluguel, os juros da prestação está bem similar ao aluguel e ainda por cima gastam uma fortuna em combustível.

        Eu já tive funcionário que trabalhava comigo na Vila Matilde e entrou nessa roubada. Quis morar em Barueri pois a mãe mora lá perto. Eu argumentei mil vezes que a mãe a gente vê uma ou duas vezes por semana mas pro trabalho a gente vai quase todo dia.

        Não adiantou. No final das contas, não coube na renda dele. Acabou procurando emprego lá perto, em Barueri, e conseguiu um salário maior se fizesse hora extra todo dia. Como estava economizando três horas do dia por trabalhar perto de casa, eu mesmo recomendei que fosse embora e fizesse um monte de hora extra no novo trabalho, até mesmo no sábado.

        Fazem uns três anos já. Ele acabou dobrando o salário dessa forma, trabalhando até mesmo no domingo quase que todas as semanas. Eu considero que foi escravizado por sua própria decisão. O susto acabou, mas o custo foi alto.

        A Zona Norte é a mesma coisa. O urbanismo da região é tão vagabundo que existem bairros que são 5km distantes em linha reta da Marginal Tietê mas na realidade são piores do que morar no fim de Cotia e pegar a Raposo Tavares todo dia.

        Mas o povo fica seduzido por um predinho bonitinho encrustrado no meio de algum bairro antigo e simplezinho, sem muita aparência de extrema pobreza ou violência. Compram o pombalzinho por 100 mil e depois de seis meses morando no lugar já estão pensando em se mudar.

        0
    • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 13:08

      Recebi em e-mail agora propaganda da Gafisa, espaço Cerâmica São Caetano do Sul, abaixo pequeno texto:

      E as vantagens de viver no bairro Cerâmica só aumentam: além de estar abrigado no município com melhor IDH do Brasil, a região também apresenta o 37º maior PIB do país, à frente de capitais como Natal, Cuiabá e Florianópolis. Não existem favelas ou regiões periféricas em São Caetano, o que acaba por valorizar – e muito – os imóveis da região, tanto comercias como residências. Shopping contará com produtos diferenciados de marcas internacionais famosas.

      Não existem mesmo a do Heliopólis por exemplo umas das maiores está apenas a 250m mais lá não é SCS, é SP, não tem regiôes periféricas, claro tem 25040404040 mil cortiços no meio da cidade, outra quando enche metade da cidade fica ilhada, e este é o lugar com maiores chances, me poupem, ou todos somos burros ou só eles são os espertos. Hoje qualquer lugar que passa lotação é maravilhoso.

      0
  • Anonymous 1 de fevereiro de 2012 at 11:47

    Significa cerca de 10% ao ano.

    Estadao 01/Fev/2012 – Queda nos preços de alimentos e vestuário reduz inflação semanal.

    IPC-S ficou em 0,81% em janeiro, maior do que dezembro (0,79%), abaixo da semana anterior (0,93%)

    0
  • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 13:12

    Mercado vê corte de metas da Cyrela como “adequado” e “realista”

    SÃO PAULO, 1o Fev (Reuters) – A decisão da Cyrela Brazil Realty de reduzir a estimativa de vendas contratadas para este ano, anunciada na véspera, foi vista como um passo certeiro em meio ao cenário de desaquecimento do setor imobiliário no último ano.

    A construtora e incorporadora informou na noite de terça-feira que prevê vendas na faixa entre 6,9 bilhões e 8 bilhões de reais em 2012, contra meta anterior de 8 bilhões a 8,9 bilhões de reais.

    “Vemos a postura da Cyrela em relação aos ‘guidances’ para 2012 como adequada no novo cenário”, afirmou o analista Wesley Bernabé, do BB Investimentos, se referindo ao fato das empresas terem sinalizado, já em 2011, que reduziriam o ritmo de lançamentos, priorizando as vendas.

    No mesmo sentido, o analista Guilherme Rocha, do Credit Suisse, considerou os novos números “muito mais realistas”, mas fez ressalvas quando à opção da Cyrela de suspender a divulgação de projeção para lançamentos de imóveis.

    “O cancelamento das previsões de lançamentos e margem Ebitda pode ser recebido de forma negativa pelo mercado, pois revela uma visão menos confiante no horizonte de curto prazo”, disse ele, em relatório.

    A última previsão da companhia, feita há vários meses, era de lançar de 8,7 bilhões a 9,8 bilhões de reais este ano.

    Ainda assim, o ponto médio da nova estimativa de vendas significa um aumento de quase 15 por cento em relação às vendas contratadas apuradas em 2011, de 6,5 bilhões de reais, abaixo da faixa prevista de 6,9 bilhões a 7,7 bilhões de reais.

    “Os números são consistentes com a estratégia da companhia de buscar um equilíbrio entre crescimento e rentabilidade”, afirmou a equipe da Ativa, em relatório.

    As ações da Cyrela operavam com valorização de 1,79 por cento às 11h52, cotadas a 16,47 reais, enquanto o Ibovespa subia 1,03 por cento.

    (Por Vivian Pereira)

    0
    • Anonymous 1 de fevereiro de 2012 at 14:10

      Gafisa HOJE R$ 5,12

      Nord de L.-F. Céline : une réécriture des chroniques médiévales
      Bernabé Wesley, 2010
      papyrus . bib . umontreal . ca/jspui/bitstream/1866/4920/6/Wesley_Bernabe_2011_memoire . pdf

      www . brasileconomico . com . br/noticias/construtoras-se-destacam-entre-as-baixas-do-ibovespa_103688 . html

      As ações da Brookfield (BISA3) caíram 3,06% para R$ 7,61, as da Rossi (RSID3) recuaram 1,16%, para R$ 12,76, e as da Gafisa (GFSA3) perderam 1,98%, cotadas a R$ 7,43.

      “A alta do mês passado já não justifica as quedas deste mês”, avalia Wesley Bernabé, analista do BB Investimentos. “O mercado não só já realizou os lucros como já perdeu mais um pouco.”

      Mais do que isso, as perspectivas ainda são positivas, uma vez que as prévias para o trimestre devem ser divulgadas na próxima semana.

      0
  • Zoom 1 de fevereiro de 2012 at 13:55

    Vamos lá pessoal, qual é a aposta?

    Mercado V.S Governo

    Gafisa explodindo novamente, até quando?

    0
    • Zoom 1 de fevereiro de 2012 at 13:58

      Vejo esta alta como positivo e quanto mais lenha na fogueira maior será o fogo e a queda.

      0
      • Zoom 1 de fevereiro de 2012 at 14:01

        Essa suposta informação de que a Gafisa será vendida, se for boato, segurem. Estou na espectativa.

        0
    • augusto 1 de fevereiro de 2012 at 14:16

      Não é só a Gafisa, mas as demais construtoras tambem, aliás toda a bolsa.
      Foi só mudar o ano, que todas as malezas do mundo foram resolvidas. A Grécia está sindo da crise, os demais Paises tambem, aqui a venda de veiculos é recorde, dolares entram a granel, a OGX começa enfim a produzir, etc
      Como faz bem uma virada de ano, muito melhor que todas as reuniões entre lideres etc tal
      Desculpem a ironia, mas é o que melhor me convem agora, só que quem viver verá a realidade

      0
      • Insanidade 1 de fevereiro de 2012 at 19:42

        Sabe qual é o problema com a Realidade?

        É que ela insiste em aparecer !!!

        0
  • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 13:56

    Em tempo: onde está escrito “cassiterira” leia-se “cassiTerita”

    0
    • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 14:01

      Erro (era pra sair embaixo do meu post, resposta ao Bertz, lá em cima).

      0
  • Zoom 1 de fevereiro de 2012 at 14:08

    Vejam o futuro do Brasil se continuar assim.

    h ttp://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=15412&t=Retratos+da+Crise+I:+Portugal

    h ttp://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=15459&t=Retratos+da+Crise+II:+Espanha

    0
  • D9 1 de fevereiro de 2012 at 14:41

    Srs,

    Análise do site wimoveis – Plano Piloto e Águas Claras
    Período: 15.01.2012 a 01.02.2012 (apenas dias úteis)

    Quantitativo de unidades anunciadas no período:
    – Águas Claras: 6551 (em 15.01) + Crescimento 263 => Total de 6814 (em 01.02)
    – Plano Piloto : 4281 (em 15.01) + Crescimento 181 => Total de 4462 (em 01.02)

    Olhando a planilha, não parece que o mercado está muito legal não…
    São mais de 10k unidades a venda (e aumentando) só no site citado.

    0
    • danilo 1 de fevereiro de 2012 at 16:42

      D9.

      É a partir desses número que me pergunto onde estaria a demanda de Brasília.
      Juntemos a esses apartamentos os outros milhares que ainda serao entregues em Aguas Claras e 12 mil no Noroeste. Haja demanda.

      0
  • Menino_do_Rio 1 de fevereiro de 2012 at 15:34

    O alfinete foi pular o carnaval bem longe do Brasil…

    http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/gafisa-sobe-apos-receber-proposta-de-fundo-para-compra-de-acoes
    “Um fundo de investimento teria feito proposta para comprar todas as ações da companhia no mercado”

    0
  • Bruno Valente 1 de fevereiro de 2012 at 15:51

    O atraso na entrega da obra é outro problema recorrente que tem gerado número maior de reclamações. O educador social Israel Santana da Silva sabe bem o que representa essa realidade. O seu imóvel deveria ser entregue há mais de um ano – em dezembro de 2010 – e no momento, a obra está ainda na fase de terraplenagem. “Por conta da situação, entrei na Justiça e estou reivindicando o congelamento do INCC – Índice Nacional de Custo da Construção no meu financiamento e cobrando a multa de 2% pela demora”, explica. Hoje, para poder arcar com o pagamento do imóvel (R$ 350) e do aluguel (R$ 490), Israel trabalha três empregos diferentes. “Estou esgotado, tanto fisicamente como psicologicamente, com medo de não conseguir a aprovação do financiamento no banco (no momento o mutuário paga para a construtora até a liberação das chaves quando poderá fazer o financiamento) devido à valorização da propriedade”, reclama.

    A falta de mão de obra, a liberação do Habite-se pela Prefeitura e as chuvas foram as desculpas que a construtora alegou a William David Gomes de Jesus pelo atraso de um ano na entrega do imóvel. “Devido à demora, minha vida travou, não posso fazer mais nada. Pretendia trocar meu carro e ter um filho”, desabafa. Mas as contas altas com pagamento da nova propriedade e a ajuda à mãe pesaram no orçamento e fizeram que ele e a esposa voltassem cada um para a casa dos pais. “Eu não posso morar lá e, com isso, das pcontinuo comprometendo em torno de R$ 1.400 da minha renda com locação da casa da minha mãe e pagamento restações”, detalha.

    ++++++++++++++++++

    Quero só ver quando esse pessoal começar a entrar na justiça contra as construtoras. Esse povo vai ganhar danos morais facinho, facinho. E com razão, porque além do prejuízo com aluguéis tem todo o fator psicologico que envolve a moradia própria, além de ser um direito garantido pela CF.

    0
  • FQ 1 de fevereiro de 2012 at 16:24

    Será que a Bovespa esta vivendo o Canto do Cisne?

    0
    • augusto 1 de fevereiro de 2012 at 16:39

      Felipe, não sei se é o canto do cisne, mas já valorizou-se quase 15% em 4,5 semanas deste ano. Só faltava esta: Bolha na Bolsa
      O mercado financeiro daqui e do undo está positivamente doido. Trilhões de dolares são impressos lá fora e uma parte deste montante vem para cá, travestido de IED.
      O Valor Econômico já havia informado que os fundos de previdência privada iriam entrar em peso na bolsa , pois no ano passado não haviam conseguido cumprir as metas atuariais. Hoje o InfoMoney informa que são os grandes investidores institucionais que estão agindo.
      Associados com tesourarias de bancos que só sabem especular naquilo que lhes interessa, estamos vendo esta fantástica valorização, e eles pôe na midia as mais estúpidas e inconsequentes explicações aceitas pelos jornalistas mal preparados, ou incompetentes, ou aliciados.
      Mas tudo que sobe sem motivo, não se sustenta, esperem e verão.

      0
  • augusto 1 de fevereiro de 2012 at 16:42

    Resultados contraditórios entre si, o que demonstra que a pesquisa é feita nas cox…………

    0
    • augusto 1 de fevereiro de 2012 at 16:44

      Ops saiu em lugar errado, deveria ter saido como comentário adicional para pesquisa publicada hoje de manhã sobre inflação, renda, desemprego, situação economica, etc

      0
  • realidade 1 de fevereiro de 2012 at 16:53

    Desculpem-me o desabafo, mas pelas minhas experiências, onde aqui na terra da banana nada é respeitado, o Brasil é um lixo! Só para casta governamental ou pertencente algum dos 3 poderes é viável e lucrativo. Que se fodam os ufanistas de plantão, mas morar e viver o cotidiano aqui é o verdadeiro inferno!. Gringo acha uma beleza pois puta é relativamente barato, rouba-se em todas esferas e nada acontece e assim vai o país do Carnaval. Moral e princípios são exceções. Custa muito caro ser correto e honesto nesta merda!!

    0
    • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 17:25

      Que nada. Brasil ficou caro até pra gringo. Comer pastelzinho na zona sul do Rio já é mais caro que comer no McDonalds lá fora. E uma “profissional do sexo” de boa qualidade não custa menos que US$200,00.

      0
    • Piaui 1 de fevereiro de 2012 at 17:31

      Acordo com esse sentimento todo dia. Não tem mais jeito não, isso aqui acabou. Podemos devolver pra Cabral e começar do zero. E do jeito que tá, só vindo DIVINO pra resolver no ALACAZAN!

      0
  • MrK 1 de fevereiro de 2012 at 16:59

    Amigos, esse negocio da gafisa é igual a mundial, boataria!!!!!!!!! estão jogando pra cima pra dar liquidez… pelo amor de Deus…

    por que digo isso?

    porque nao houve QUALQUER mudança nos fundamentos, ou seja: A empresa não ficou mais lucrativa, as dividas não foram equalizadas, a empresa não surpreendeu a todos com vendas altas, o dividendo não vem gordo, n-a-d-a de revolucionário aconteceu, quando uma empresa dispara sem ter nada de concreto em seus resultados, eu não sei quanto a vocês, mas de onde venho isso é chamado de especulação pura…

    0
    • augusto 1 de fevereiro de 2012 at 18:00

      MrK parece que vc não está sózinho nas suas afirmações, pois veja o abaixo:

      Para os analistas da Coinvalores, Felipe Martins Silveira e Marco Aurélio Barbosa, a tendência positiva dos papéis é infundada, já que eles não acreditam na oferta de compra da companhia por grupo estrangeiro. “A alta é completamente infundada se for pensar no que está acontecendo com a empresa agora, devido aos problemas com a Tenda”, afirmaram.
      Apesar de não apostarem na oferta de compra, Silveira e Barbosa atribuem a valorização das ações às especulações do mercado. Além disso, eles comentam que as expectativas para os resultados do quarto trimestre não são animadoras, visto a prévia dos números do companhia para o período. “O resultado não deve mostrar recuperação nem na parte da receita e nem da margem operacional”, complementaram os analistas da Coin.
      Em contato com a InfoMoney, a assessoria de imprensa da companhia disse que não comenta rumores de mercado.

      Creio que alem da Gafisa, muitas outras ações que sobem como foguete, estão na mesma situação.

      0
    • bertz 1 de fevereiro de 2012 at 18:53

      Mrk escrevi ontem vou repetir: Não sabemos até que ponto coisas excusas, por trás de bastidores comandados por tubarões idosos e muito endinheirados podem fazer em um mercado frágil, ignorante, e inexperiente como o nosso. Para o governo ótima desculpa se alguma coisa feder, há não sabíamos disso, há foi por causa daquilo.

      0
  • Leo 1 de fevereiro de 2012 at 17:20

    MRK, Sei que voce tambem acompanha os imoveis no RJ. Hj passei novamente na macedo sobrinho e o tal AP que vi a quase 1 ano atras ainda esta a venda. Liguei p/ a senhora que esta vendendo e de 800 ela caiu p/ 750…. 1 ano vendendo, ja trocou a cor das letras do anuncio que esta na janela e ate agora nada. Ainda disse no tel que aceita propostas.

    Isso na ZS do RJ..
    🙂

    0
    • RT 1 de fevereiro de 2012 at 19:25

      Colega,

      Boa tarde!

      Esse prédio que você falou, na Macedo Sobrinho… qual é? Por acaso é um que fica na esquina com a Rua Visconde Silva, na quadra diretamente em frente à Casa de Saúde São José??

      0
      • Leo 1 de fevereiro de 2012 at 20:01

        Esse mesmo !

        Na esquina, andar baixo e com anuncio no vidro.

        0
  • Fernando 1 de fevereiro de 2012 at 17:26

    Estranho…
    Existem documentos NA vara civel de Sao Jose dos Campos e no tribunal de justica de Sao Paulo, emitidos pelo ministerio das cidades formalizando propostas de acoes conjuntas de niveis federal e municipal para o atendimento dessa area de invasao. O governor federal se propunha a priorizar linhas de fomento para habitacao e urbanizacao de assentamentos precarios. Essa e um a verb a existente em nivel federal para auxiliar populacoes carentes. Como ocorre com o SUS, para que municipios saquem esse dinheiro, e necessario formular um projeto para a aplicacao desses recursos. Segundo notas do ministerio, a prefeitura de sjc jamais apresentou projetos para tal. O inicio dessa tentativa data de 2005.
    Em 2011 houve novas tentativas por parte da secretaria geral da presidencia da republica e da secretaria de habitacao de Sao Paulo. Segundo o ministerio, novamente o municipio de sjc nao apresentou proposta alguma para o projeto.

    Peco desculpas pelos errors de digitacao, pois esse tablet e ruinzinho para escrever.

    0
    • Cid Alexandre 2 de fevereiro de 2012 at 00:32

      Olha a quadrilha da rataiada virtual petralha aí gente!

      Eu fico impressionado no amadorismo da boataria (mal) plantada por estes ratos. O que essa mentirada toda tem a ver com a bolha imobiliária? Tentam plantar lixo e inventam fatos.

      Petralhada, SP, esqueçam, nunca terão… Podem esperniar e vir com mimimi… Nunca terão. Podem até levar a periferia da capital… O interior… ah o interior… esses são outros 500.

      0
  • Sir Income 1 de fevereiro de 2012 at 17:37

    Financiadora de imóveis é denunciada por esquema de pirâmide
    Organização que sorteia cartas de crédito a associados desempenha irregularmente atividade de instituição financeira

    exame.abril.com.br/economia/brasil/habitacao/noticias/financiadora-de-imoveis-e-denunciada-por-esquema-de-piramide

    Não temos sub-prime no literal, mas nas entrelinhas…

    Abraços,
    Sir Income

    0
  • Sir Income 1 de fevereiro de 2012 at 17:51

    A CPI da Dívida da Cidade de São Paulo II

    blog.kanitz.com.br/2012/01/o-cpi-da-d%C3%ADvida-da-cidade-de-s%C3%A3o-paulo.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+stephen_kanitz+%28Stephen+Kanitz+the+blog%29

    0
  • Galvão 1 de fevereiro de 2012 at 17:59

    Amigos,
    Acompanhando o mercado de Brasília, verificando os anúncios e conversando com corretores conhecidos e pessoas que estão tentando vender algum imóvel, nota-se claramente a estagnação do mercado imobiliário aqui. Entretanto, aqui ainda não se percebe que os preços estão cedendo. Até o contrário, os preços continuam a subir (pelo menos nos anúncios).

    Esse movimento também já foi verificado em outras cidades, conforme relatos anteriores aqui no Blog.

    A minha pergunta é: qual será o EVENTO/ACONTECIMENTO fará com que os preços realmente mudem de patamar e comecem a cair? Ou não existe um evento específico, os preços irão caindo gradativamente durante os meses/anos até voltar aos níveis normais?

    0
    • Leo 1 de fevereiro de 2012 at 18:09

      O evento que precisa acontecer, na minha opiniao, é a quebra de um suporte cultural que diz : “Aqui imovel nao desvaloriza.”.

      Na minha opiniao isso ja esta sendo quebrado, vide os reajustes que estao acontecendo. O volume só nao esta maior pq MUITA gente deixa na mao dos corretores. Que obviamente preferem vender com os valores nas alturas. No entanto, falei obviamente devido a ignorancia que se estabeleceu na area dos corretores.

      Esperto sera aquele que perceber/aceitar a realidade atual e passar a vender os imoveis com valor abaixo do que vem sendo negociado. Esse sim ganhará dinheiro… tera um volume maior de venda que por sua vez trará um montante maior de comissao…

      Hoje fui ao shopping e conversei com uma moça que estava no caixa. Perguntei como estavam as vendas e ela comentou desanimada que estava muito fraco. Entrei no assunto dos imoveis e ela comentou que na opiniao dela os preços estao um absurdo e que acha que agora nao é a hora de comprar AP. Tabém disse que esta aguardando passar a copa/olimpiadas para voltar a pensar em algo.

      Resumo, a jurupoca ja esta piando!

      0
    • Anonymous 1 de fevereiro de 2012 at 18:38

      Será a falência da GAFISA, o que não deve tardar.

      0
    • xyz 1 de fevereiro de 2012 at 19:02

      O fôlego do governo acabar, ou seja, o brasil falir. Não será amanhã, pois o governo ainda têm fôlego. Mas não tarda.

      Quando se aproximar, será visível pois as medidas irresponsáveis, para manter a bolha, se sucederão com muita frequência.

      0
      • Leo 1 de fevereiro de 2012 at 19:24

        Olha, nao sei se depende somente do folego do governo. A nao ser q eles coloquem o juros p/ financiamento de imoveis em tipo 4%… se ficar em 4% eu penso em comprar um AP. Apenas Penso.

        Na minha opiniao nao adianta ter grana p/ injetar no mercado se o povo nao esta suportando o nivel da divida atual.

        Quem ta comprando AP ? Eu nao conheco ninguem… Alias, conheco sim. A pessoa comprou um AP de 700k, onde deu 500k de entrada e financiou 200. Desse financiamento ela precisa pagar 100k ate a entrega das chaves, prevista para daqui a 1 ano…. perguntei como ela fará para conseguir o dinheiro.. . a resposta foi cruel: Nao sei, mas dou meu jeito.

        Tirando esses loucos, nao vejo mais ninguem comprando AP… Vejo muita gente querendo vender, principalmente os que compraram especulando ganhos absurdos… Nao sei como o governo vai ajudar essas pessoas a pagarem suas dividas. A unica saida é queda no preço….

        Apenas minha opiniao.

        0
        • xyz 1 de fevereiro de 2012 at 19:46

          O mercado esfriou bastante, mas não travou.

          Qualquer medida que o governo tomar para incentivar o mercado imobiliário será instantaneamente “embolsada” pelo mercado, ou seja, se o governo colocar o juros a 4%, antes de você comprar, o preço vai subir de forma que sua prestação será a mesma com o juros atual.

          Se o governo permitir abatimento do juros do financiamento no IR (já há proposta desta aberração), o mercado aumentará o preço para “embolsar” o incentivo. Para mim isto é claro.

          O governo ainda tem muitas “balas na agulha”. Outro exemplo é ordenar fundos de pensão controlados pelo governo a investirem em imóveis.

          Ou seja, enquanto o governo puder emitir títulos (ou mesmo criar dinheiro de forma mais direta) vai fazê-lo para inflar a bolha. Mesmo que a inadimplência estoure não será problema, pois mais de 90% do crédito está em bancos públicos ou controlados pelo governo, portanto basta emitir títulos e repassar para o banco.

          Obvio que um dia esta possibilidade acaba e só restará a mim e a muitos clamar pela piedade divina.

          0
          • Leo 1 de fevereiro de 2012 at 20:00

            Concordo com tudo que voce falou. Só acho que nao vai adiantar nada pois quem precisa vender, tera que fazer acontecer. Caso contrario, levará uma trozoba enorme no financiamento junto com a inflacao.

            A unica saida que vejo, independente da postura do governo, é a de corte nos preços.

            0
            • xyz 1 de fevereiro de 2012 at 20:15

              Tem razão. O esfriamento do mercado e a enxurrada de imóveis que serão entregues vão pressionar bastante os preços, mas acho que não a ponto de causar “estouro”, mas apenas uma acomodação. Acho que o “estouro” (que acho que vai ocorrer) dependerá de um combustível mais “inflamável”.

              0
  • Anonymous 1 de fevereiro de 2012 at 18:34

    A maxi-desvalorização do Real está apressando os passos agora. Uma hora ela chega.

    Brasil tem pior saldo na balança comercial para o mês de janeiro
    www1 . folha . uol . com . br/poder/1042434-brasil-tem-pior-saldo-na-balanca-comercial-para-o-mes-de-janeiro . shtml

    A balança comercial brasileira teve o primeiro deficit em dois anos e o pior para um mês de janeiro já registrado, com as importações superando as exportações em US$ 1,291 bilhão …

    0
    • Eu com isso 1 de fevereiro de 2012 at 21:47

      Digamos que tenha uma maxi-desvalorização. Isso muda o que a vida das pessoas?
      A única coisa que muda é que as tralhas do paraguai ficarão mais caras.
      Preço de imóvel não vai cair por causa disso, aliás, pode até subir mais, pois vai ficar mais barato pra estrangeiro

      0
      • Anonymous 2 de fevereiro de 2012 at 00:02

        Sem a maxi-desvalorização, haverá demissão em massa pois os produtos da Banânia estão ficando cada vez menos competitivos. Em outras palavras, SEM a maxi-desvalorização a Banânia PIORA. Todos os preços em REAIS, inclusive salários, permanecem os mesmos. ENTRETANTO, que comprar dolar AGORA poderá DOBRAR o valor em Reais.

        0
        • joselito 2 de fevereiro de 2012 at 10:33

          Eu compraria Ouro.
          O dólar está com os dias contados.
          Assim que os bancos americanos irrigarem a economia com os trilhões de dólares (ainda represados em suas contas), que foram imprimidos pelo FED a partir de 2008, o dólar não vai valer nada. A não ser que o governo americano recompre esses dólares, o que acho improvável dada a divida gigantesca deles (mais 56 trilhões).

          0
      • MrJaime 2 de fevereiro de 2012 at 00:42

        Sem contar que se os estrangeiros perceberem que o valor dos imóveis em Dólar tem tendência de queda, venderão os milhares de apartamentos que compraram por aqui, o que servidira como pressão para queda de preços.

        0
      • augusto 2 de fevereiro de 2012 at 07:29

        Pergunta aos bancos que tomaram emprestados lá fora para promover empréstimso aqui dentro, e às muitas empresas que emprestaram dolar lá fora.

        0
    • Cássio Pereira 2 de fevereiro de 2012 at 01:42

      Enquanto o preço de commodities estiver lá em cima, não tem maxi nem mini

      0
      • Anonymous 2 de fevereiro de 2012 at 07:37

        O que realmente importa é o SALDO da balança comercial que começa a ficar NEGATIVO em BILHÕES.

        0
  • aiwww 1 de fevereiro de 2012 at 18:40

    Acabei de ouvir na rádio MPB FM (Rio de Janeiro) o diretor da Living, um braço popular da Cyrela. Bom, o mesmo fez questão de dizer que não existe bolha imobiliária. Bom, vamos aos argumentos desse cidadão. Ele afirmou que os imóveis continuarão subindo nos próximos anos devido à Copa e às Olimpíadas, principalmente no Rio de Janeiro. As justificativas seriam que os imóveis subiram nos últimos anos cerca de 20% acima da inflação anual e que a renda do brasileiro subiu 18% ao ano nesse mesmo período. O que justificaria a escalada dos preços. MENTIRA! Segundo o próprio FIPE-ZAP, o IPCA acumulado desde janeiro de 2008 é de 23,3%, enquanto o índice FIPE-ZAP subiu 152,7%. Isso sem citar que muitas categorias conseguiram apenas a reposição da inflação. Só posso classificar esse senhor como um F&$#%% [email protected] P*#@%*&!!! Desculpem o desabafo, mas não há outra classificação.

    0
    • RT 1 de fevereiro de 2012 at 19:21

      ” a renda do brasileiro subiu 18% ao ano nesse mesmo período”

      ??????? Em que planeta esse cara vive?

      A renda de boa parte dos meus conhecidos não subiu METADE DISSO nem no ACUMULADO destes últimos anos.

      Quando questionados a respeito da bolha, esses “especialistas” jogam o primeiro argumento que lhes vem à cabeça. Uma pena que não ocorra a nenhum repórter questionar esses dados bizarros no momento em que são ditos. Por que não confrontar com a realidade?

      Sabem o que não entendo? Quando a inflação (a oficial) fica 2% acima do centro da meta, a imprensa faz o alarde que vimos… prenuncia o apocalipse. Mas quando os aluguéis aumentam em média 30% após o fim dos contratos, ela pouco fala, e até parece festejar.

      Por que essa diferença de tratamento, se, no fundo, ambos os indicadores refletem o CUSTO DE VIDA no nosso país?

      Entendam que não quero, com meu questionamento, fomentar teorias de conspiração vazias. É que não vejo sentido mesmo. A meu ver, um aumento de 30% num aluguel é muitas vezes pior que os preços no supermercado subirem 10%.

      0
      • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 12:58

        Pessoal, estive fora do blog ontem pq estava no ABC e tenho a relatar a vcs um a situação trágica de completo caos do transporte publico nas cidades de São Bernardo, Santo André e Diadema (não e coincidencia são cidades aparelhadas por [email protected] desde a década de 70).

        Dezenas de lançamentos sendo construídos em área alagável, os novos projetos de transporte são lamentáveis e se destinam apenas a desperdiçar dinheiro. O estouro da bolha nessa região será sem dúvida o mais performático de todos. Impressiona a quantidade de torres sendo construídas e um mercado consumidor absolutamente pobre e esgotado, vê-se dezenas de lojas falidas e fechadas nos principais corredores. Uma terra arrasada em contraste com torres de vidro inúteis.

        A região concentra quase 5 milhões de habitantes, 10% do PIB nacional, grande somas de investimento federal e não tem sequer uma linha de metrô. O povo pobre é o que mais sofre, estão condenados a viver isolados em bairros distantes.

        Vsitar o ABD (S. Caetano é um ponto fora da curva) é entender o germe da politicalha e incompetencia, entender tbm pq o Celso Daniel foi morto, aquilo é auto-explicativo. Aquilo é o nosso futuro.

        0
        • Zeca 2 de fevereiro de 2012 at 13:06

          yeph ..
          Vivo em santo andre … em um dia vc viu tudo … eh isso mesmo !!! ridiculo !

          Quer saber mais , uma ladainha dos nossos “consultores imobiliarios” eh que
          teremos muita valorizacao no ABC , ja que , SP esta muito caro muitos paulistanos
          vao optar por mudar para o ABC ” !!!

          kkkkkkk… alem do que vc narrou … os caras vao mudar pra ca e encarar umas
          3 ou 4 horas diarias de transito ( isso sem alagamentos logico ) para economizar
          uns 15% do valor de um imovel !!

          ahh.. mais uma coisinha … descordo do seu ponto de vista de SCSul , eh sim o
          mesmo lixo !! so que eh tao pequenininho que nao tem espaco para favelas , apenas
          pequenos corticos … e sorrounded pelas maiores favelas da regiao !!

          0
      • Atribulado 2 de fevereiro de 2012 at 13:01

        “A renda de boa parte dos meus conhecidos não subiu METADE DISSO nem no ACUMULADO destes últimos anos.”

        ????
        troque de amigos…

        0
        • RT 2 de fevereiro de 2012 at 16:24

          Mantenho o que eu disse.

          Conheço alguns servidores públicos, para ficar em um exemplo, e o salário deles foi reajustado em NO MÁXIMO 10% de três anos pra cá.

          Não foi o meu caso, eu até tive bons aumentos de renda nesses últimos anos, mas não diria que essa foi a regra geral. Mesmo no meu caso… esses aumentos não chegaram a 18% AO ANO, como o cara insinuou.

          PS: Não entendi sua sugestão de “trocar de amigos” por causa da evolução do salário deles, mas prefiro crer que você se expressou mal.

          0
    • Cai cai balão 1 de fevereiro de 2012 at 19:30

      Olha, só em ouvir esse pessoal rechaçar a existência da Bolha Imobiliária já me faz pensar: “Por que estão tocando no assunto?”.

      É claro que o tema já está sendo debatido à exaustão. Percebam: todos os dias a Folha de São Paulo faz algum comentário sobre o Mercado Imobiliário e NUNCA em tom de parcimônia, transmitindo cautela ao leitor.

      Sempre falam que está tudo muito bem, tudo muito bom. Nos meios de comunicação, é só o que se vê. Aos poucos que encaram a realidade, só lhes resta a censura.

      0
      • augusto 1 de fevereiro de 2012 at 20:56

        É por esta e outras que a venda da Folha cai

        0
      • Moyashi 1 de fevereiro de 2012 at 23:24

        É o que falei há umas semanas atrás: Há uns meses atrás, a expressão “bolha imobiliária” nem aparecia nos jornais. Mas agora ela aparece, como negação. Mas, princípio de lógica aristotélica, negar A é falar de A. Simplesmente negar a bolha é estar trazendo à baila o assunto Bolha. Mesmo que ele não queira, ele falou de bolha. A palavra começa a ser repetida mais vezes.

        É como o ateu de verdade e o ateu de mentira (adoro essa comparação). O ateu de mentira vive tentando provar pros outros que deus não existe. O ateu de verdade nem menciona o assunto.

        Há duas semanas estive no Rio visitando parentes. Um primo distante meu, que mora em Roraima, estava contando, chocado, dos preços absurdos dos terrenos em Boa Vista! Boa Vista, gente, não é Leblon, posso garantir pra vocês. Pois é, tem terreno por 1milhão lá. Terreno vazio, sem casa construída. Eu ia escrever 1kk e vi que isso virava uma risada: é piada mesmo. Eu falei pra ele que esse absurdo estava no país inteiro e que isso é uma bolha imobiliária que está prestes a estourar. Ele não tinha pensado nisso em termos de Bolha (a palavra mágica), mas concordou comigo. Mas não acha que caia antes dos eventos (Copa/Olimpíada), a mesma ladainha. Eu desafiei: “Vamos ver”.

        Enfim, o melhor que fazemos é mencionar o termo Bolha em todas as oportunidades de conversa cotidiana que tivermos. É fazer o assunto ficar mais frequente. Não pensem que isso não funciona: funciona e muito! Antigamente (hoje ainda deve existir isso), em campanha eleitoral, alguns candidatos soltavam boateiros nas ruas disseminando notícias absurdas. Até desmentirem, o assunto ficava rodando de boca em boca. Disseminem, pois! Não desprezem a força da campanha boca-a-boca!

        0
  • Cirilo 1 de fevereiro de 2012 at 18:55

    É pessoal, cada dia fica mais complicado, um colega dizer que as regiões periféricas perdem muito pela falta de bons bares e restaurantes?!

    Bem que eu tento, mas algumas coisas que leio aqui meio que me obrigam a comentar, não tem como.

    “Qualquer metropole de paises desenvolvidos, a localizacao é fundamental, pois o status social hoje em dia esta associado ao teu endereço.”

    Status social associado ao seu endereço? Me desculpe a pergunta, H Lee, mais que status social você busca? Complicado isso, normalmente se busca qualidade de vida, está sem dúvida é consideravelmente melhor em algumas regiões da cidade, que apresentam uma oferta mais refinada de serviços, digamos assim.Agora cabe ressaltar, até que ponto a qualidade de vida de um morador de um apartamento de 30 m2 no Leblon é melhor do que a de um morador de de um apartamento de 110 m2 na Barra?

    “Só pra dar alguns exemplos: Nova York (manhatan é mais de 3 vezes o preço do Queens ou New Jersey), Paris (16o e 7o arrondissements são mais de 4 vezes o preço da periferia de Paris), Londres (Kensigton e Nothing Hill são mais de 3 vezes o preço do norte de Londres), Tokio (Ginza é o triplo do Nakano), isto porque nestas cidades o transporte publico é eficiente, abundante e acessivel. Em sampa e no rio está ocorrendo o mesmo fenomeno.”

    Bom, deve-se considerar que Nova Iorque, Paris, Londres e Tóquio são cidades de importância global, não que Sao Paulo não seja, mas essas cidades além da importância econômica têm uma expressiva importância turística, o que invariavelmente atraí um grande número de milionários de todo mundo.

    Basicamente, quem realmente está por trás das grandes negociações em Londres, Paris e Nova Iorque são estrangeiros, o que acaba valorizando bastante as áreas nobres dessas cidades.As pessoas ditas “comuns”, assalariados, normalmente moram em bairros mais afastados, mas mantendo sim uma excelente qualidade de vida, dado a infra-estrutura, principalmente, do transporte público.

    Por fim não acredito que em Sao Paulo e no Rio estejam acontecendo esse mesmo fenômeno, e sim um processo inverso.A ineficiência do transporte público e a falta de estrutura fazem com que a maioria das pessoas se concentre nas regiões mais centrais, normalmente as que oferecem os melhores serviços, mesmo que para isso essas tenham que morar “enlatadas”

    0
    • Carlos_ 1 de fevereiro de 2012 at 19:19

      “Por fim não acredito que em Sao Paulo e no Rio estejam acontecendo esse mesmo fenômeno, e sim um processo inverso.A ineficiência do transporte público e a falta de estrutura fazem com que a maioria das pessoas se concentre nas regiões mais centrais, normalmente as que oferecem os melhores serviços, mesmo que para isso essas tenham que morar “enlatadas”

      Perfeito!

      0
    • h lee 1 de fevereiro de 2012 at 20:54

      Caro Cirilo, a localizacao hj em dia principalmente em sampa e rio, onde a infra-estrutura e o transporte público são deficientes e precários, há de convir é mais importante do que paris, nova york, londres ou tokio. Assim, vc só endossa e reforça a minha teoria ao inves de desqualificar, pois no ultimo paragrafo argumenta que a localizacao e a infra estrutura sao mais importantes do que o tamanho da moradia. Assim a ideia que coloquei onde a localizacao perto do trabalho, com infra estrutura, com transporte publico, e com escolas boas e com lazer proximo tende a valer mais no futuro, somos do mesmo partido.
      Quanto a restaurantes e bares, são hj complementos de lazer muito importante, pois tbm envolvem deslocamentos. Em sampa, onde moro, bons restaurantes e bares, na sua maioria estao restritos a 4 bairros (Jardins, Itaim, Pinheiros/Vila Madalena e Higienopolis). E pro pessoal upper class comer e beber fora em um bom restaurante ou um bom barzinho faz parte do dia-a-dia.
      Por fim, o “endereço” para a classe alta esta valendo cada vez mais do que ter bens materiais pois o terreno esta cada vez mais escasso. É a consolidação e a estratificacao da metropole e da sociedade emergente para talvez uma sociedade consolidada. Quando alguem de fora fala que mora em Upper East Side, Soho, Ginza, Notting Hill, 16o arrondissement, Saint German, Kensigton, etc, todo mundo sabe mais ou menos onde é, não precisa de uma segunda explicacao, ou vc acha que quem é realmente rico quer morar em Queens, New Jersey, Tijuca, Penha, Tatuape, Santana, Barra Funda, etc.

      0
      • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 13:03

        Pessoal, estive fora do blog ontem pq estava no ABC e tenho a relatar a vcs um a situação trágica de completo caos do transporte publico nas cidades de São Bernardo, Santo André e Diadema (não e coincidencia são cidades aparelhadas por [email protected] desde a década de 70).

        Dezenas de lançamentos sendo construídos em área alagável, os novos projetos de transporte são lamentáveis e se destinam apenas a desperdiçar dinheiro. O estouro da bolha nessa região será sem dúvida o mais performático de todos. Impressiona a quantidade de torres sendo construídas e um mercado consumidor absolutamente pobre e esgotado, vê-se dezenas de lojas falidas e fechadas nos principais corredores. Uma terra arrasada em contraste com torres de vidro inúteis.

        A região concentra quase 5 milhões de habitantes, 10% do PIB nacional, grande somas de investimento federal e não tem sequer uma linha de metrô. O povo pobre é o que mais sofre, estão condenados a viver isolados em bairros distantes.

        Vsitar o ABD (S. Caetano é um ponto fora da curva) é entender o germe da politicalha e incompetencia, entender tbm pq o Celso Daniel foi morto, aquilo é auto-explicativo. Aquilo é o nosso futuro.

        (cadê meu comentário?)

        0
        • bertz 2 de fevereiro de 2012 at 13:33

          Luiza não é ponto fora da curva não, tem milhões de cortiços perto da Av do Estados, alaga e fica sem saída, não tem comércio, não tem 1 vaga de estacionamento, e se retirarem a GM a per capita cai para 1K por mês, arrotam caviar comendo mortadela.

          0
          • bertz 2 de fevereiro de 2012 at 19:18

            Desculpe-me Luiz pelo Luiza.

            0
  • thiago fm 1 de fevereiro de 2012 at 19:48

    http ://operacoescambiais.terra. com.br/noticias/operacoes-empresariais-2/construcao-civil-atrai-investimento-externo-396

    Construção civil atrai investimento externo

    Expectativa é que valor ultrapasse US$ 14 bilhões em 2012

    Apesar da crise econômica que vem assustando o mundo desde o final de 2008, o Brasil é um dos países que menos têm sofrido impacto financeiro. As boas expectativas para 2012 têm atraído investimentos estrangeiros em muitos setores e a bola da vez é a construção civil.

    Júlio Monte Carlo, economista graduado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e filiado ao Conselho Regional de Economia de São Paulo (CORECON-SP), conta que, com a proximidade de grandes eventos esportivos que acontecerão no País – como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas em 2016 – combinados com o boom imobiliário brasileiro e a crise na Europa e nos Estados Unidos, tem se tornado cada vez mais evidente o interesse de bancos, empresas e fundos de pensões estrangeiros em investir em ações ligadas à construção civil no Brasil.

    “Os potenciais investidores apostam sempre em mercados mais seguros, como o europeu e o americano. Mas, incrivelmente, a crise está fazendo muito bem ao nosso mercado e os investimentos estão tomando seu rumo em direção aos países emergentes, mas que possam oferecer alguma segurança. E o Brasil encaixa-se em todas essas características”, afirma o economista.

    O atrativo na construção civil

    Otávio Freitas, especialista em economia internacional pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), diz que os investidores estrangeiros encontram no Brasil uma oportunidade de aplicar seus investimentos e obter lucros mesmo em momentos financeiramente conturbados. Para ele, porém, os grandes atrativos que diferenciam o país de outros emergentes são sua situação social atual e também algumas medidas adotadas recentemente pelo governo.

    Segundo ele, o país apresenta, hoje, um bom sistema político e econômico – em que é visível o aumento gradativo da classe média, juntamente com as facilidades provenientes do acesso ao crédito. O Brasil também possui um baixo endividamento e uma renda relativamente alta. “Os salários têm aumentado, mas, ao mesmo tempo, existe ainda uma defasagem quando se trata de habitação no Brasil. Além disso, as obras para os eventos esportivos e medidas governamentais, como a redução de 6% para 0% da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre aplicações de estrangeiros em títulos privados de longo prazo com prazos de vencimento superiores a quatro anos, são um prato cheio para o investidor”, afirma.

    A expectativa, segundo informações da Câmara Brasileira da Indústria de Construção (CBIC), é que os investimentos estrangeiros na construção civil brasileira ultrapassem US$14 bilhões em 2012.

    O investimento, de acordo com Carlo, é em médio prazo e envolve não apenas imóveis residenciais, mas também shopping centers e centros comerciais, cujo número tem aumentado muito no país. Apesar de ainda oferecer riscos, o investimento imobiliário apresenta altas taxas de crescimento e um retorno acima de mercados europeus e americanos.

    Crescimento do setor

    De acordo com dados da (CBIC), em 2011 a construção civil no Brasil registrou um crescimento de 4,8% em relação a 2010. As expectativas do setor para 2012 são ainda mais otimistas: acredita-se que o balanço será ainda maior, alcançando um crescimento de 5,2%.

    Freitas conta que o Brasil é o segundo lugar no mundo mais procurado para investimentos em construção, perdendo apenas para os EUA. O economista aponta que a indústria tem se mantido em um ritmo mais forte do que o Produto Interno Bruto (PIB) e a tendência é que continue assim.

    “O setor habitacional continuará se desenvolvendo em razão do aumento da renda e das facilidades de crédito.

    Mesmo internamente, os investimentos nacionais em construção civil certamente aumentarão. Além disso, felizmente o Brasil, mais uma vez está tirando vantagem da crise financeira internacional e consolidando-se como um país propício a bons investimentos. Eu diria que 2012 é o ano da construção civil e também o ano do Brasil. Só precisamos tirar proveito para, de fato, avançarmos. A oportunidade está aí”, aponta.

    ——————————————————————————————————

    O preço do imóvel deve andar de lado ou cair até 2014, mas tudo indica o tombo feio vem depois da Copa. Ainda que a queda seja signifivativa até lá eu não me arrisco a comprar antes disso.

    0
    • thiago fm 1 de fevereiro de 2012 at 19:51

      P.S ” significativa “

      0
  • Cai cai balão 1 de fevereiro de 2012 at 21:16

    Senhores, dirijo-lhes uma pergunta sobre VALOR VENAL.

    Alguém tem noção de como as prefeituras calculam esse importe, que servirá como base de cálculo para a cobrança do IPTU?

    Moro de aluguel em Belém/PA e pago R$1.300,00 de aluguel. Hoje chegaram os carnês do IPTU (com o nome da proprietária) e, por curiosidade, observei que o valor venal do imóvel está em R$115.000,00.

    Detalhe importante: ouvi falar que houve apartamentos vendidos no prédio, por preços que giraram em torno de R$250.000,00.

    0
    • joselito 2 de fevereiro de 2012 at 10:26

      Valor venal é um valor arbitrário definido pela prefeitura, geralmente muito abaixo do valor real do m2.

      0
  • Neo 1 de fevereiro de 2012 at 21:50

    Pessoal, bateu um desanimo.

    Incrivel, mas para todo lado que olho só vejo distorções. Em todos os ativos, impressionante.

    Tesouro direto, ouro, acoes, juros, poupanca, imoveis, etc….

    Tudo esta caro ou nao vale a pena.

    Esse sentimento é novo, pois nas crises anteriores eu era apenas um estudante, e agora, apos juntar alguma coisa ( com enorme sacrificio e suor) vejo o mercado espreitando tudo que conquistei.

    Estou perdido, confesso.

    0
    • Cleyton 1 de fevereiro de 2012 at 22:20

      Também tenho essa impressão.

      0
    • Paulo Franc 2 de fevereiro de 2012 at 11:17

      também estou na mesma situação. Mas não perco a esperança em apenas juntar na poupança ou CDB. Se você gastar só vai alimentar ainda mais a subida de preços.

      0
  • Rodrigo 1 de fevereiro de 2012 at 22:24

    Neo, também tenho esse sentimento, deixei de gastar quando meu dinheiro valia mais, agora parece que ele vale menos. É frustrante.

    0
    • Neo 1 de fevereiro de 2012 at 22:51

      complicado

      o custo emocional pra esperar essa correcao esta muito alto, mas nem a pau compro imovel nesse preço

      o problema é onde alocar o capital

      a espreita é grande

      e conforme diz o meu irmao: Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

      0
    • augusto 2 de fevereiro de 2012 at 07:31

      Trol a vista

      0
  • mauricio 1 de fevereiro de 2012 at 23:14

    “http://economia.ig.com.br/criseeconomica/artista-constroi-casa-com-mais-de-1-bilhao-de-euros/n1597608981983.html”

    Artista constrói casa com mais de ‘1 bilhão de euros’
    Para protestar contra especulação imobiliária, irlandês criou casa com mais de 1 bilhão de euros em notas que saíram de circulação

    BBC Brasil | 01/02/2012 09:09

    Notícia anterior Setor manufatureiro da França encolhe pelo sexto mês em janeiro
    Próxima notícia Deve haver limites em esforço fiscal grego, diz FMI

    Texto:

    selo

    Para expressar a sua revolta com a especulação imobiliária, um dos fatores por trás da crise econômica, um artista irlandês criou uma casa com mais de um bilhão de euros em notas que saíram de circulação.

    Foto: BBC

    Frank Buckley do lado de fora da casa, construída com notas que saíram de circulação

    O dinheiro, transformado em um sólido tijolo de notas retalhadas, é material não para uma simples instalação, mas para a casa onde o artista dublinense Frank Buckley reside durante a semana.

    A casa foi construída na Glass House, um edifício de escritórios vazio que se converteu em uma relíquia do estouro da bolha imobiliária irlandesa. No lobby, uma senhora entrega um maço de notas a uma menina de 15 anos.

    “Vá e compre umas balas e doces para você”, diz a senhora, enquanto entrega à jovem um bloco de 50 mil euros. “Eu devia ter trazido a minha bolsa para cá – faria uma fortuna.”

    Buckley convida espectadores para dentro de sua casa na esperança de suscitar um debate sobre a dívida irlandesa e sobre o significado da moeda.

    Mais: Quase 31% dos grandes bancos americanos se beneficia da crise europeia

    Como tantos outros de seus amigos e conhecidos, Buckley foi vítima da crise. No auge da bolha especulativa, com a ajuda de crédito barato, o artista comprou uma casa.

    Queria se mudar para a nova residência com seus dois filhos e a esposa, que havia acabado de se mudar do Zimbábue com outros quatro filhos seus.

    “Pedi muito dinheiro emprestado, o que foi incentivado. Assumo a responsabilidade, mas foi muito fácil tomar o empréstimo”, conta.

    “Estávamos no meio dessa bolha, a confiança estava alta, éramos intocáveis e no espaço de duas ou três semanas veio a conta.”

    Ladeira abaixo

    Buckley não tem renda fixa e em poucos meses passou a dever suas parcelas da hipoteca.

    Sob pressão do ponto de vista financeiro, viu o casamento desmoronar e mudou sozinho para um minúsculo galpão no fundo do quintal, de onde viu os oficiais de Justiça se apossarem de seus móveis.

    Foto: Reuters

    Artista irlandês no interior da casa: protesto contra especulação imobiliária

    Ao mesmo tempo, o artista via seus amigos passarem igualmente por dificuldades financeiras. Um de seus melhores amigos, que trabalhava no setor de construção e perdeu tudo, se suicidou.

    Certo dia, absorto enquanto olhava para um bloco de notas de euro fora de circulação que havia comprado de um amigo para usar como confete no seu casamento, Buckley começou a questionar o valor real do dinheiro.

    Leia: Ex-CEO de banco britânico perde título de Sir

    “Pensei, meu Deus, o que é que esse papel está fazendo com a gente?”

    O artista diz que queria jogar luz sobre o absurdo da crise econômica na Irlanda, por isso fez pinturas das notas rasgadas e moedas, que foram exibidas no fim do ano passado.

    Em seguida veio a ideia de construir uma casa.

    Buckley ligou para um agente da área de construção que tinha visto uma resenha de seus trabalhos. Ele concordou em encaminhar a proposta ao proprietário do edifício, que concordou.

    Em seguida, o artista conseguiu convencer a Casa da Moeda a lhe emprestar os tijolos de notas fora de circulação, que serão devolvidas e destruídas ao fim da exposição.

    Moradia

    Originalmente construída como galeria, a casa é hoje completamente funcional. Tem sala de estar, quarto e banheiro, com uma ducha que lançará notas de dinheiro.

    Por fora, a casa é de tijolo amontoado e madeira doada por uma loja de material de construção da região.

    Foto: BBC

    Sala de estar da casa de 1 bilhão de euros

    As notas de euro são usadas como reboco para as paredes internas e o chão. Buckley diz que elas se revelaram um bom isolante térmico, de forma que a casa precisa de pouco aquecimento.

    A casa tem móveis e, no futuro, deve receber microondas, fogão, máquina de lavar pratos e outros eletrodomésticos. Tudo para o conforto de Buckley, que mora no local durante a semana, retornando para seu pequeno galpão no quintal da família no fim de semana.

    Desde que foi aberta ao público, na segunda-feira, a casa já recebeu mais de 300 visitantes. Mas apesar do sucesso, Buckley diz que uma instalação sobre a crise econômica irlandesa tem um lado triste.

    Ele lembra a reação de uma jovem visitante diante de um bloco de notas fora de circulação. “Se eu pudesse usar esse dinheiro, sairia do país”, ela disse. E para Buckley, “isso é muito triste”.

    0
  • Sir Income 2 de fevereiro de 2012 at 00:45

    Para quem acredita no Ricardo Amorim

    Economista Ricardo Amorim não acredita em bolha imobiliária no Brasil

    opequenoinvestidor.com.br/2012/02/bolha-imobiliaria-ricardo-amorim/

    0
    • RD85 2 de fevereiro de 2012 at 09:04

      O Ibovespa vai a 200.000 pontos até 2013 (em 2008, antes do estouro do Subprime ele disse que o Ibovespa iria a 200.000 pontos… aí quando ficou muito ridículo ele corrigiu, dizendo que “um dia” o Ibovespa iria a 200.000 pontos… aí ficou mais ridículo ainda, ele corrigiu… o Ibovespa iria a 200.000 pontos em 5 anos, ou seja, até meados do ano que vem)…

      Além disso, sei de histórias deles em debates com outros economistas em que ele já apanhou feio sobre vários temas, principalmente China, que num debate sobre economia americana ele se meteu a falar da China e um dos presentes deu uma aula pra ele…

      Resumo: bela fonte de informações

      0
    • joselito 2 de fevereiro de 2012 at 10:22

      Sempre consulto esse cara antes de fazer meus investimentos em bolsa.
      Quando ele diz que vai subir eu vendo
      Quando diz que vai cair eu compro.
      É o maior pé trocado que já vi. Vai ver por isso teve que deixar o ramo de economia e virar apresentador de TV

      0
    • realidade 2 de fevereiro de 2012 at 10:22

      Olha, o Ricardo Amorim pode enfiar os diplomas dele no cúlo da mamãe dele, pois de economia ele têm falado tanta merda quanto a Bruna Surfistinha. O único que dá pra assistir no Manhatan Connection é o Diogo Mainardi…..

      0
  • Daniel 2 de fevereiro de 2012 at 07:27

    Caros colegas de Bolha,

    Acredito que essa bolha esteja meio longe de estourar (queria sinceramente o contrário).
    Tive informações que um ap na VIla da Penha-VP, RJ, custou R$ 275mil a um conhecido (imóvel comprado na planta pela Brookfiel), quem conhece sabe que VP é um bairro ruim e bastante afastado do centro da cidade.
    Impressionei-me pq o cara achou q fez excelente negócio, pois a construtora “deu” 5% de desconto no preço…..

    Bom dia colegas.
    sdds

    0
    • Tosco 2 de fevereiro de 2012 at 13:30

      Daniel,

      também tenho visto isso em Niterói/RJ, pessoas comprando apartamentos por valores exorbitantes e por serem uns 20-30mil a menos do que imóveis similares, eles acham que estão fazendo um “bom negócio”. Acho que isso se deve ao fato de estar sendo disseminado o consenso de que chegou um novo patamar de preços, de que é uma nova realidade, queira ou não. São poucas as pessoas conscientes de que pode sim, vir um desmoronamento nos valores exigidos. Eu sinceramente ainda fico receoso com relação a isso, mas vou esperar. Acho que, de maneira geral, as vendas estão um pouco estagnadas (repito que é só uma impressão, acompanhando há pouco mais de um ano).
      A reportagem copiada acima do caso irlandês é ilustrativa: os compradores antes do estouro também achavam que estavam fazendo um bom negócio…

      0
  • angel 2 de fevereiro de 2012 at 09:52

    O que vcs acham deste artigo:

    Imóveis oferecem bons ganhos
    publicado em 30/01/2012 às 14:59 por Luciele Velluto | Fonte: O Estado de S. Paulo

    Com a redução da taxa básica de juros nos últimos meses e desaceleração do aumento do preço dos imóveis na capital paulista, o investidor que busca segurança para aplicar seus recursos financeiros pode encontrar no mercado imobiliário uma boa opção de rendimento em 2012 frente ao que é oferecido pelo mercado financeiro. Há imóveis com retorno financeiro garantido. E não é só quanto à valorização das unidades, mas de ganhos com locação, que podem se transformar em complemento de renda do proprietário.

    Os imóveis com maior procura para locação da capital hoje são chamados de “pão quente” entre os profissionais do mercado imobiliário. “São os residenciais de um e dois dormitórios. Há grande demanda por locação, são imóveis com preço mais em conta para quem quer investir e trazem bom retorno”, conta a diretora comercial da J2M Assessoria Imobiliária, Juliana Moreira de Magalhães, que atua na região da Vila Olímpia, Itaim-Bibi e Moema.

    Segundo a diretora da imobiliária, nos últimos meses os preços dos imóveis estacionaram e há um movimento de investidores diversificando o capital aplicado em imóveis. “Tenho muitos clientes jovens, que eram apenas investidores da Bolsa, mas resolveram também fazer esse tipo de investimento pelo bom retorno”, conta.
    Ela acrescenta que apartamentos menores e de valor mais baixo têm apresentado melhor lucro ao investidor.

    “Se o valor de aluguel é de até 1% do preço do imóvel, no caso das unidades mais baratas é mais fácil conseguir esse porcentual do que nas mais caras. Um apartamento de R$ 1 milhão dificilmente será alugado por R$ 10 mil mensais, mas um de R$ 300 mil pode ser alugado por R$ 3 mil por mês e sempre estará ocupado”, comenta Juliana.

    Para o presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP), João Crestana, quem investe em imóveis tem não só o retorno da valorização dos preços ao longo do tempo, mas também os ganhos de aluguel. “A renda fixa rendeu próximo a 10% no ano passado, sendo que 6% foi inflação. Já o imóvel valoriza pelo menos a inflação e ainda há o aluguel, que descontado os impostos, sobra de 6% a 7% do valor do imóvel ao ano. As melhores opções são unidades voltados para a classe média e localizados em centros urbanos”, afirma.

    O coordenador do curso de pós-graduação de negócios imobiliários da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Ricardo Gonçalves, recomenda a quem quer começar a investir em imóveis pesquisar preços e buscar oportunidades nesse mercado. “É sempre bom consultar se o preço dos imóveis de interesse são factíveis. Faça uma pesquisa, veja quanto vale, se o preço está dentro do que o mercado pede e se haverá retorno. Tem que comparar com outras aplicação e ver a oportunidade de locação da unidade”, aconselha o professor.

    Outra dica da diretora da J2M na hora de investir em um imóvel é ficar de olho no valor do condomínio e do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). “A oportunidade de alugar o imóvel está ligada ao valor do condomínio. Se for muito alto, o proprietário não vai conseguir um valor muito bom de aluguel ou pode até dificultar conseguir inquilinos”, comenta.

    O pesquisador do Instituto Assaf, de análises econômicas, Fabiano Guasti Lima, também explica que investir em um imóvel é considerado um investimento de longo prazo que requer planejamento financeiro. A desvantagem dessa aplicação é a menor liquidez que um bem como esse tem no mercado, diferente da renda fixa ou de ações, em que o dinheiro pode ser resgatado a qualquer hora. E a vantagem é que o investimento pode ser visto como complemento de renda.

    0
    • Diego RJ 2 de fevereiro de 2012 at 10:07

      Cara de pau. Se o apto vale 300 mil (No Rio isto é um conjugado), o aluguel é de 3mil. Hahahaha. O aluguel vai ser 1 mil, 1,5 K no máximo.

      0
  • Matoso 2 de fevereiro de 2012 at 10:20

    Observando o site WIMOVEIS de Brasilia, já podemos observar empreendimentos sendo entregues com uma grande quantidade de apartamentos em repasse… É só digitar o nome dos empreendimentos (Jardins Life ou Sports Club no Guara como exemplo) e observar que em cada um, 20, 30, 40 apartamentos estão sendo vendidos… Quando procuramos em Águas Claras a coisa fica ainda mais absurda… A diferença entre o de menor preço e o de maior preço beira os 20, 25%… Isso pra mim é muito mais demanda especulativa do que demanda reprimida…

    0
    • walyson Trautenmuller 2 de fevereiro de 2012 at 14:09

      Para acrescentar a lista: Club park butantã

      0
    • Pedro 5 de fevereiro de 2012 at 13:19

      Matoso, não só no sports clube, mas também naqueles outros da Via Engenharia, da SQA, Alírio Neto do Paulooctavio. E são muitos muitos prédios todos sendo entregue agora em 2012 e 2013, com muitos apartamentos que foram comprados com único objetivo de revender. Mas sabemos que apesar da procura ser alta, não tem gente com dinheiro o suficiente para comprar apartamentos de 2 quartos por R$ 300.000 a R$ 400.000. Comprar na planta é fácil, agora achar um louco que pague R$ 400.000 no Guará, é algo bem mais difícil, ainda mais porque o acabamento das construtoras está péssimo.

      0
    • Henrique March 22 de fevereiro de 2012 at 15:58

      E aqueles no Setor Park Sul. Antes chegaram a pedir até 9 mil reais o metro, agora estão entregando por 7,5 mil, e acho que se chorar, 7 mil. E mesmo assim, os anúncios não acabam.
      O problema é que tem muito apartamento caro para pouca gente com tanto dinheiro.
      Se a oferta fosse pouca, com o tempo o mercado regulava, mas com muita oferta e muito saldo devedor acima de 300 mil, 500mil, 700mil, a coisa vai ser feia.

      0
  • Galvão 2 de fevereiro de 2012 at 10:35

    O que se percebe de modo geral na mídia é um monte de gente fazendo “análises”, mas que não resistem a uma avaliação mais profunda.

    Não sei se isso reflete a preguiça do brasileiro em estudar melhor as coisas, ou a curta memória, que depois não lembra da bobagens que foram ditas e portanto continua a acreditar em mais bobagens que continuam sendo faladas.

    Haja paciência….

    0
  • lrp 2 de fevereiro de 2012 at 10:46

    Pessoal, parece q o governo está batendo o pé em relação ao fundo de pensão do servidores públicos, vi noticia que ele está condicionando novas nomeações com a aprovação desse fundo, será mais uma manobra de capitalizar empresas estatais como o banco do brasil? Aumentar a influência em empresas privadas? Quais consequências o srs enxergam com a criação deste fundo?

    0
    • danilo 2 de fevereiro de 2012 at 10:58

      Irp

      Estou em Brasília fazendo curso de formaçao para o que deve ser a última turma no regime previdenciário atual. O que ouço é que nao haverá mais concurso para o regime atual. O governo tirou o regime de urgência pq sabia que ia perder e seria difícil retomar as discussoes novamente esse ano. Há 3 possibilidades.
      1 – O funcionário recolhe sobre o teto do regime geral e a diferença vai para o banco sob a forma de previdencia privada.
      2 – Recolhimento sobre o teto e cada poder terá um funda.o, cada um gerindo sua grana. Mas aí surge um problema… quem administrará essa grana? Um companheiro do molusco? Eu nao gostaria de deixar minha grana para um zé mané fazer uso político.
      3 – Recolhimento sobre o teto e os órgaos se uniriam para criar fundos próprios, por exemplo, receita federal mais Bacen mais MPOG mais MDIC se juntariam e trabalhariam seus próprios fundos.

      Fala-se que, se o governo entubar um fundao, a receita fará operacao padrao.
      Mas há outros problemas a serem resolvidos, como a indefinicao sobre pensao e o financiamento das aposentadorias, atuais e futuras, já que a migraçao para o regime privado criaria um buraco no regime próprio, pois a grana continuaria saindo, mas teria entrada cada vez menor.

      0
  • Menino_do_Rio 2 de fevereiro de 2012 at 10:58

    http://www.infomoney.com.br/imoveis/noticia/2330530-taxa+retorno+imoveis+comerciais+volta+subir+segundo+fgv
    “Os imóveis comerciais brasileiros tiveram uma rentabilidade de 742,1% entre o ano 2000 e o quarto trimestre de 2011, segundo o índice de FGV.
    O indicador é calculado com base em informações fornecidas por um grupo de participantes envolvendo investidores institucionais e empresas ligadas ao setor imobiliário. O índice leva em consideração a valorização do metro quadrado.

    A série histórica desta divulgação vai de 2000 ao final de 2011. Para essa divulgação, foi considerada uma amostra de 299 imóveis.”

    Este índice parece ser mais robusto que o do zap-fipe. Mas como relacionar comerciais com residenciais?

    0
  • Fábio Portela 2 de fevereiro de 2012 at 11:11

    Acabei de publicar no meu site minha opinião sobre as previsões do economista Ricardo Amorim em relação ao mercado imobiliário.
    http://opequenoinvestidor.com.br/2012/02/bolha-imobiliaria-ricardo-amorim/

    0
    • Galvão 2 de fevereiro de 2012 at 15:25

      Boa Fábio. Logo se vê que as previsões não resistem a uma avaliação mais profunda.
      valeu.

      0
  • Muca CG Muita Treta 2 de fevereiro de 2012 at 12:45

    Queria pedir uma ajuda dos frequentadores do blog. Preciso alugar um imóvel, mas quase todos exigem seguro fiança ou fiador. O caução está quase abolido dos contratos. Muito raro encontrar proprietário que aceite. Até mesmo ofereci o pagamento de um ano adiantado de aluguel, mas negaram essa negociação.

    Eu não tenho fiador. E me nego a pagar seguro fiança. O motivo? Oras, para um aluguel de R$ 1 mil, teria que desembolsar quase R$ 5 mil a mais por ano só para arcar com isso. Como estou desesperado para me mudar para um lugar melhor, pensei até em contratar aqueles fiadores profissionais. Alguém saberia me informar se isso é seguro?

    0
    • Money Addicted 2 de fevereiro de 2012 at 13:53

      Ola,

      Eu uso seguro fianca (porto seguro) e pago aprox 1 aluguel por ano. Sera q se vc pesquisar nao encontra melhor proposta?

      []s

      0
      • Muca CG Muita Treta 2 de fevereiro de 2012 at 14:03

        Então, toda vez que consultei pela Porto, deu de três a quatro alugueis. Talvez porque minha renda não seja tão grande assim. Mas, de qualquer maneira, não tenho encontrado nada melhor que isso. E já faz quase quatro meses que tenho pesquisado. Se fosse um mês, como é o caso da Mutual, eu pagava numa boa.

        0
  • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 13:13

    Gafisa confirma interesse de investidores estrangeiros; ações voltam a subir forte

    SÃO PAULO – As ações da Gafisa (GFSA3) seguem o movimento dos dois últimos pregões e registram uma das maiores valorizações do Ibovespa nesta quinta-feira (2). O movimento é reflexo da possível venda da companhia para investidores norte-americanos, fato este que surgiu como rumor de mercado nos últimos dias mas que foi confirmado pela companhia nesta sessão.

    Por volta das 12h00 (horário de Brasília), os papéis da construtora subiam 4,95%, cotadas a R$ 5,30 cada, liderando a ponta compradora do índice de ações. Já o benchmark da bolsa brasileira valorizava 0,24% no mesmo horário.

    Em fato relevante, a empresa confirmou há pouco ter recebido proposta preliminar de investidores para aquisição de seus ativos, mas destacou não ter informações quanto a uma possível oferta pública para compra de suas ações, conforme foi noticiado pela imprensa nos últimos dias. “[A proposta] está sendo examinada pela administração”, diz a incorporadora em comunicado.

    Alta semanal já supera os 18%
    Os rumores sobre essa possível venda já vinha tendo impacto nas ações nos últimos pregões. Na terça-feira (31), os ativos GFSA3 fecharam com alta de 6,0%. Já na quarta-feira (1) eles estenderam os ganhos em mais 5,87%. Com isso, a alta acumulada na semana já supera os 18%.

    0
    • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 13:20

      Me parce que essa empresa tem costas quentes.

      O governo jamais deixaria acontcer com ela o que aconteceu com a Encol

      Os motivos me parecem no mínimo suspeitos, o patrimonio liquido da empresa pode muito bem ter sido registrado em valores “bolha”. Numa eventual liquidação duvido que fosse factível.
      Aí tem a mão de alguém interessado em preservar a imagem.

      0
      • Anonymous 2 de fevereiro de 2012 at 13:30

        … a empresa confirmou há pouco ter recebido proposta preliminar de investidores para aquisição de seus ativos …

        Pode ser algum grupo bananense travestido de estrangeiro, tipo empresa em paraiso fiscal. Podem estar quereno comprar terrenos ANTES que a empresa vá à falência pois ai complica.

        0
        • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 14:36

          A tendencia virou do avesso:

          Volume alto
          Numero de negocios baixo
          Ou seja, a GFA pode disparar mesmo.

          Quanto mais eu penso menso eu entendo

          0
    • Anonymous 2 de fevereiro de 2012 at 13:27

      BOATO, nenhum estrangeiro é tão burro pois sabem que o Sam Zell pulou fora do barco. Aposto que daqui alguns dias a GAFISA vai dizer algo como “os estrangeiros perderam o interesse” e ai que comprou SIFU.

      0
      • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 14:20

        Colega, me responda:
        O que impediria a Caixa de comprar as promissórias de uma empresa quebrada e depois “sumir” com a papelada???

        Já não fizeram pior que isso?
        Não há [email protected] o suficiente na direção capazes de rolar isso?

        É como o Mrk falou, nos EUA esperaram a Fannie Mae e a FRed seiláoque quebrarem pra depois salvar o sistema. Aqui eles salvam a empresa antes, eqto a opinião publica ainda está quieta.

        0
  • Muca CG Muita Treta 2 de fevereiro de 2012 at 13:38

    Valores do IPTU espantam investidores imobiliários

    Ubatuba tem o imposto mais caro do estado

    De acordo com uma recente pesquisa do Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo), os imóveis usados de Ubatuba têm o metro quadrado mais caro do Estado de São Paulo.

    O metro quadrado custa R$ 7,5 mil nas casas de quatro dormitórios de bairros da área nobre.

    Para fazer o levantamento, o Creci-SP pesquisou valores em 1.617 imobiliárias de 37 cidades do Estado.

    Para se ter uma ideia, apenas em nível de comparação, Bauru é a cidade paulista com o metro quadrado mais barato entre as 37 pesquisadas.

    Segundo o Creci-SP, o metro quadrado das casas de dois dormitórios localizadas em bairros da região central da cidade foi vendido pelo valor mínimo de R$ 333,33 e máximo de R$ 1 mil.

    A empresária Teru Gonçalves Ikegami disse estar horrorizada e que ficou assustada ao receber o carnê do IPTU neste ano. “Estou horrorizada! Meu IPTU chegou e estou inconformada! Me cobraram taxa do lixo lote 19 R$ 621,38, lote 18, R$ 879 mais R$ 121 de taxa da limpeza. Em 6 anos que estou no meu estabelecimento, nunca limparam a frente da minha loja!. Sou eu e meus companheiros de serviço que carpimos, jogamos produtos para o mato, porque se eu depender da prefeitura, a minha loja vira uma “selva”. Isso é um roubo. Nem adianta me pedir voto pois não voto em mais ninguém chega de roubalheira estou cansada!”, disse a empresária que é do ramo automotivo.

    Segundo o coordenador do Grupo de Pesquisas do Conselho Regional de Corretores de Imóveis, técnico em Transações Imobiliárias e diretor Comercial da Gobbo Imóveis em Ubatuba, Ozéias Amaro de Oliveira, muitos são os questionamentos do valor do IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano) em Ubatuba.

    “Não bastasse isso, esse ano os contribuintes foram surpreendindidos com o recebimento do Carnê para pagamento em dez parcelas com reajuste no importe de quase 7%. As dúvidas quanto aos lançamentos é de que não se sabe do porquê o valor atribuido num imóvel de classe alta é praticamente o mesmo lançado em outro de classe baixa. Praticamente não há diferença, o que não deveria ser uma vez que o imposto deveria ser lançado de acordo com a capacidade contributiva do contribuinte, localização e estado de conservação do imóvel”, diz Amaro.

    Amaro afirma que o IPTU de Ubatuba é considerado um do mais altos do Estado de São Paulo e não é por acaso que se pensem assim. “Para se ter uma idéia e reforçar essa afirmativa, fiz uma pesquisa em Taubate com imóveis que possuem terreno em média de 310,00m2 e área construída de 200,00m2 (em área nobre) tem seu imposto anual atribuido em R$ 939. Já em Ubatuba, esse mesmo valor é atribuido há um imóvel de classe baixa, qual seja em meio lote com área de terreno de 160,00m2 (meio lote) e área construida de 75,00m2 tem seu imposto anual lançado em R$ 905 no final do bairro do Pereque-Açú. Sem dúvidas, é preciso refazer esses lançamentos pois, os contribuintes querem pagar seus impostos num valor justo, porém, os lançamentos são exorbitantes comparando com outras cidades da região”.

    Cordialmente,

    0
    • augusto 2 de fevereiro de 2012 at 13:43

      Em Guaruja e Praia Grande , cidades onde muitas vezes suas praias são consideradas impróprias pela Cetsb , principalmente a última cidade, o IPTU de um apto médio chega até a 6 mil reais por ano!!!!!!!!!

      0
  • Luiz 2 de fevereiro de 2012 at 14:32

    Aqui em SP vão se unir Kassab o incompetnete com o PT.

    Detalhe: nas eleições passadas a Marta suplicy [email protected], sexóloga e ex-ministra do relaxa mais goza chegou a ironizar uma suposta condição homossexual do prefeito. AGORA andam de mãos dadas.

    É importante desmistificar essa mentiras, mas vanos nos ater ao foco que é a bolha imobiliaria e os efeitos perversos da politicalha [email protected]
    O que vcs acham das notícias recentes da GFA?

    0
    • Leno 7 de fevereiro de 2012 at 23:36

      Luiz,

      estendendo mais um pouco o assunto, o pior foi ver a Marta como relatora do PLC/122. Não que eu seja contrario(totalmente) a esse projeto, mas ver a Marta a frente do projeto após graves insinuações homofobicas contra o Kassab é de embrulhar o estomago.

      0
  • ninja SP disse 2 de fevereiro de 2012 at 17:48

    movimento pelo voto NULO. 51% anula eleição

    0
    • Cleyton 2 de fevereiro de 2012 at 22:20

      É eleito o candidato com maior número dos votos VÁLIDOS, brancos e nulos não são válidos, verifique a Lei antes de acreditar nessas bobagens que recebe por email.

      O moluscão uma vez disse: “O maior castigo para quem não gosta de política é ser governado por quem gosta.”

      0
  • Ricardo Eng 2 de fevereiro de 2012 at 17:49

    Parabéns pela oficina, aposto que se diverte muito com ela!!

    “dominado por aquele tipo comerciante que nunca viu dinheiro forte entrando, e quando vê acha que vai ficar rico do dia pra noite”

    É exatamente isso. Matou na mosca. Quando eu era funcionário, meu empregador era bem rico e muito grande (multinacional). Sempre que pedia informações sobre os produtos (para tentar ver se quem sabe eu vou conseguir usar o produto dele), eu era cercado por essas criaturas que achavam que iam ficar ricas.

    Tinha cara que até suborno oferecia. Uma lástima.

    Institui no departamento a seguinte prática: iríamos pedir todas as cotações em nome de uma empresa fictícia. Quando perguntassem o site, diríamos que somos tão pequenos que nem site temos.

    Os preços de compra não baixaram pois o depto de compras era muito competente e sempre jogava um fornecedor contra o outro e vencia essa “gordurinha” adicionada por sermos grandes.

    Mas pelo menos na hora de fazer projeto ninguém insistia em visitar as fábricas, o escritório, fazer apresentação, fazer parceria, etc.

    0
  • Leno 7 de fevereiro de 2012 at 23:24

    Tenho um grande amigo que abriu uma empresa de contabilidade e trabalha sozinho,embora ele tenha demanda para empregar mais 2 ou 3 funcionarios, ele prefere trabalhar 12 horas por dia, abdicar de finais de semanas e feriados ou até mesmo dispensar serviços do que contratar funcionarios e ser mais uma vitima da “justiça social” que os juizes trabalhistas fazem com o dinheiro dos outros ao dar ganho de causa para qualquer processo trabalhista descabido.

    0
  • Pablo Gallardo 23 de fevereiro de 2012 at 16:37

    Concordo que o preço dos imóveis está irrealmente inflado e a tendência futura é estagnção ou mesmo queda abrupta.
    Mas no Brasil as consequências econômicas disso não serão tão dramáticas quanto nos EUA por exemplo (estilo calote coletivo).
    De qualquer forma, tenho pena de quem comprou ou compra imóveis por esses tempos, especialmente dos que compram a prazo. Vão perder dinheiro, e muito.

    0