Está mais fácil negociar no momento da compra de imóveis – Estadão

Você pode gostar...

Comments
  • Dan 6 de setembro de 2011 at 13:08

    Saldo da poupança cai 64% em um mês e fica em R$ 2,2 bilhões

    SÃO PAULO – Os depósitos em caderneta de poupança superaram os saques em R$ 2,222 bilhões em agosto, informou nesta terça-feira (6) o Banco Central.

    Isso significa uma queda de 64% em relação a julho, quando o saldo foi de R$ 6,097 bilhões. Apesar dessa queda, o desempenho da poupança em agosto, em termos de captação, foi o segundo melhor do ano.

    O saldo dessas aplicações fechou agosto em R$ 401,763 bilhões, em comparação com os R$ 397,085 de julho.

    A captação líquida foi mais expressiva nos bancos que usam a caderneta como fonte de recursos para empréstimos e financiamentos ao setor agrícola, entre eles o Banco do Brasil. Nessas instituições, foram aplicados liquidamente R$ 1,313 bilhão em agosto. Já nos bancos que usam o dinheiro para dar crédito imobiliário, a diferença entre novos depósitos e saques foi de R$ 908 milhões.

    Até dia 30, a captação líquida de agosto estava negativa, em R$ 570 milhões. Mas o sinal se inverteu, com a entrada de R$ 2,792 bilhões no dia 31, último do mês.

    Dependendo do dia do crédito, o rendimento obtido pelos poupadores no mês está entre 0,605% e 0,713%.

    _____
    h t t p://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2011/09/06/poupanca-tem-captacao-liquida-de-r-2222-bilhoes-em-agosto.jhtm

    0
    • augusto 6 de setembro de 2011 at 14:58

      Até o último dia do mes estava com captação negativa de mais de 500 milhões, mas no último dia do mes para que os otários pudessem serem informados de saldo positivo, algumas almas caridosas (quem seriam hem?)
      depositaram mais de 3 bilhões.
      POSITIVAMENTE AINDA PENSAM QUE O POVO É IDIOTA, OU O QUE MAIS. VÃO SE DANAR SEUS TRAMBIQUEIROS

      0
      • TH 6 de setembro de 2011 at 16:26

        De onde vem esta informação?

        0
        • augusto 6 de setembro de 2011 at 17:19

          Como na noticia acima publicado no site UOL economia

          0
          • Felipe 6 de setembro de 2011 at 22:23

            Augusto, desculpe a intromissão, mas muita gente recebe no último dia do mês e tem a chamada conta poupança.
            Mesmo que o dinheiro não fique lá, no fim das contas entra como saldo.

            0
  • MrK 6 de setembro de 2011 at 13:58

    “um desconto, que pode girar em torno 10%”

    Estão oficializando os descontos, EXATAMENTE como dissemos aqui que eles fariam, veja bem, um desconto oficial de 10% nada mais é que uma queda de preços de 10%, esse papo de desconto só tem um objetivo: Manter o preço de tabela inflado e com isso ludibriar os investidores novos a entrarem no mercado

    Pensem comigo, se o investidor novo olha no mercado e vê um imóvel caindo 10% de preço, ele foge desse investimento, como o desconto é por fora da tabela, ele não vê isso e se ilude com uma rentabilidade que não existe!!

    0
    • Jack 7 de setembro de 2011 at 05:19

      MRK .. acredito tambem que os tais precos na web ( ZAP , por exemplo ) sao apenassss precos para da “suposta venda” ou apenas a oferta , certo ?!?! se sim , fica facil mostrar as tais “valorizacoes” baseado apenas nas propostas e nao preco real fechado.

      0
  • xyz 6 de setembro de 2011 at 14:00

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/09/bndes-desembolsou-r-694-bilhoes-ate-julho.html

    Sabem onde o BNDES arranja tanta grana?
    Na dívida pública. Eles pensam que é uma fonte inesgotável. Mas um dia seca.

    Depois repassam pela metade dos juros para as empresas “escolhidas”.

    Uma delas, o frigorífico JBS, está agora demitindo funcionários no RS porque o governo do estado não concedeu os incentivos fiscais desejados. Vai mudar para o CE.

    0
  • Carlos__ 6 de setembro de 2011 at 14:09

    Galera, reposto aqui o post do PEdro no outro tópico, muito importante. Mereceria ir para a home do site também:

    Pedro disse:
    6 de setembro de 2011 às 13:18

    Saiu no Hoje em dia:
    “Segundo o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Minas Gerais (Creci-MG), Paulo José Vieira Tavares, a tendência é de que os preços caiam até uma acomodação em níveis mais baixos. “Muitos dos imóveis que foram comprados na planta estão começando a ser entregues e o déficit habitacional está diminuindo. Isso refletirá em queda de preços”, afirma.”

    http://www.hojeemdia.com.br/noticias/freada-no-preco-dos-imoveis-em-belo-horizonte-1.337047

    0
    • Carlos__ 6 de setembro de 2011 at 14:16

      Bastou dois anos de construções e o déficit já caiu? Que beleza. Mudança radical no discurso. Agora os própios corretores que inflaram o mercado estão querendo reavivar os negócios derrubando os preços. E a valorização garantida, foi para aonde?

      0
      • xyz 6 de setembro de 2011 at 15:11

        Caro,
        Acho que você está sendo injusto com os corretores.
        Não foram os corretores nem proprietários que criaram a bolha.
        A responsabilidade é exclusivamente do governo.
        Quem define preço não é corretor, é proprietário e quem tem um bem, o vende pelo maior preço que o mercado paga.

        0
        • Luiz 6 de setembro de 2011 at 15:22

          TODOS são repsonsáveis na medida dos seus atos, conforme os seus interesses.
          Alguns ganharam, outros vão perder, esse é o jogo.

          Acontece que com essas regras, a sanha de alguns prejudica o equilibrio do todo, e estes devem ser contidos, mas como? Se o nosso judiciário não funciona. Se a lei não é respeitada, se é impossível punir a mentira que engoda o leigo.

          Não criaram a bolha, mas usam ela de oportunidade para se enriquecer muito além do mérito.
          E os trouxas que vão reclamar com o bispo

          0
          • MrK 6 de setembro de 2011 at 15:28

            olha, escrevi um post longo acima sobre as fases da bolha, se você ler e concordar, verá que o maior culpado é o governo, pois no momento da euforia ele em vez de segurar a onda e evitar a formação de bolha (quando a euforia vira exagero), ele prefere estimular aquilo e colher os frutos politicos de curto prazo, prejudicando o futuro.

            corretores são apenas vendedores, assim como vendedor de roupa vai dizer que a roupa ficou linda mesmo tendo ficado horrível, corretor vai falar que o imóvel é um achado mesmo não sendo, a culpa não é deles, nem dos especuladores nem dos proprietários, todos estão no seu papel livre de ganhar dinheiro, a culpa é de quem permite a loucura desenfreada.

            0
          • DRN 6 de setembro de 2011 at 16:02

            Corretor não é igual a vendedor de roupas, não.

            Além de se submeter às regras do Código Civil e do CDC, há o Código de Ética, do qual se destacam os seguintes artigos:

            Art. 4º – Cumpre ao Corretor de Imóveis, em relação aos clientes:
            I – inteirar-se de todas as circunstâncias do negócio, antes de oferecê-lo;
            II – apresentar, ao oferecer um negócio, dados rigorosamente certos, nunca omitindo detalhes que o depreciem, informando o cliente dos riscos e demais circunstâncias que possam comprometer o negócio;
            III – recusar a transação que saiba ilegal, injusta ou imoral;
            IV – comunicar, imediatamente, ao cliente o recebimento de valores ou documentos a ele destinados;
            V – prestar ao cliente, quando este as solicite ou logo que concluído o negócio, contas pormenorizadas;
            VI – zelar pela sua competência exclusiva na orientação técnica do negócio, reservando ao cliente a decisão do que lhe interessar pessoalmente;
            VII – restituir ao cliente os papéis de que não mais necessite;
            VIII – dar recibo das quantias que o cliente lhe pague ou entregue a qualquer título;
            IX – contratar, pro escrito e previamente, a prestação dos serviços profissionais;
            X – receber, somente de uma única parte, comissões ou compensações pelo mesmo serviço prestado, salvo se, para proceder de modo diverso, tiver havido consentimento de todos os interessados, ou for praxe usual na jurisdição.

            Art. 5º – O Corretor de Imóveis responde civil e penalmente por atos profissionais danosos ao cliente, a que tenha dado causa por imperícia, imprudência, negligência ou infrações éticas.

            Art. 6º – é vedado ao Corretor de Imóveis:
            I – aceitar tarefas para as quais não esteja preparado ou que não se ajuste às disposições vigentes, ou ainda, que possam prestar-se a fraude;
            II – manter sociedade profissional fora das normas e preceitos estabelecidos em lei e em Resoluções;
            III – promover a intermediação com cobrança de “over price”;
            IV – locupletar-se, por qualquer forma, a custa do cliente;
            V – receber comissões em desacordo com a Tabela aprovada ou vantagens que não correspondem a serviços efetiva e licitamente prestados;
            VI – angariar, direta ou indiretamente, serviços de qualquer natureza, com prejuízo moral ou material, ou desprestígio para outro profissional ou para a classe;
            VII – desviar, por qualquer modo, cliente de outro Corretor de Imóveis;
            VIII – deixar de atender às notificações para esclarecimento à fiscalização ou intimações para instrução de processos;
            IX – acumpliciar-se, pro qualquer forma, com os que exercem ilegalmente atividades de transações imobiliárias;
            X – praticar quaisquer atos de concorrência desleal aos colegas;
            XI – promover transações imobiliárias contra disposição literal da lei;
            XII – abandonar os negócios confiados a seus cuidados, sem motivo justo e prévia ci6encia do cliente;
            XIII – solicitar ou receber do cliente qualquer favor em troca de concessões ilícitas;
            XIV – deixar de cumprir, no prazo estabelecido, determinação emanada do órgão ou autoridade dos Conselhos, em matéria de competência destes;
            XV – aceitar incumbência de transação que esteja entregue a outro Corretor de Imóveis, sem dar-lhe prévio conhecimento, por escrito;
            XVI – aceitar incumbência de transação sem contratar com o Corretor de Imóveis, com que tenha de colaborar ou substitui;
            XVII – anunciar capciosamente;
            XVIII – reter em suas mãos negócio, quando não tiver probabilidade de realiza-lo;
            XIX – utilizar sua posição para obtenção de vantagens pessoais quando no exercício de cargo ou função em órgão ou entidades de classes;
            XX – receber sinal nos negócios que lhe forem confiados caso não esteja expressamente autorizado para tanto.

            0
        • Luiz 6 de setembro de 2011 at 15:48

          não é bem assim, entrou muito apraquedista no emrcado prometendo mundos e fundos, coisas que não poderiam garantir.

          o blog tá cheio de causos assim, o vendedor prometeu que a industria vizinha estava pra ir embora, prometeu uma avenida nova na frente do predio, prometeu que ia ficar pronto numa data x, e sequer fornecem o contrato padrão antes da assinatura.

          uma coisa é vc ter uma bolha num mercado regulado, ondes e pode reclamar os direitos, outra coisa é o brasil.

          o governo é só um player neste jogo de oportunidades

          não gosto disto de muro das lamentações, de quem é culpado, e quem não é.
          O fato é que este momento poderia ser usado pra aprender as lições e melhorar as regras do mercado pro bem de todos. Mas será só mais uma oportunidade perdida.

          0
          • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:05

            boa DRN.
            a resposnabilidade civil de um corretor que vende uma casa é diferente de alguem que vende uma saia pra uma piriguete qauqluer, logico que é diferente, o que uma saia pode fazer de mal?

            0
          • Miguel David Silveira 7 de setembro de 2011 at 14:31

            Pessoal, a coisa mais rara que existe é um corretor honesto e muito bem informado sobre o imóvel que apresenta. Estou no mercado há cinco meses, procurando apartamento, e reparo que eles mentem despudoradamente. Como buscamos um apto. espaçoso, mentem quanto à metragem, dizendo que um apto. de 100 m2, por exemplo, tem 135 m2. Já me ofereceram apto. repleto de dívidas dizendo que a documentação era cristalina, não fosse a internet eu não teria descoberto a fria em que queriam me meter, sendo que insistiram muito que não havia riscos! Imaginem se eu fosse um idoso mal informado ou um semi-analfabeto com algum dinheiro! São muito desonestos sim, são capazes de arrastar uma família pro buraco financeiro, tudo pra levar o percentual deles.

            0
    • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:00

      Declaração extremamente importante pros usuários do site… será que é algo pontual de MG, ou reflete o Brasil inteiro?

      0
  • harrison 6 de setembro de 2011 at 14:11

    Em Belo Horizonte, MG, as pessoas são muuuuito conservadoras. Para darem esse tipo de notícia, é pq a coisa tá mudando de verdade.

    Fonte: http://www.hojeemdia.com.br/noticias/freada-no-preco-dos-imoveis-em-belo-horizonte-1.337047

    Os preços dos imóveis em Belo Horizonte frearam bruscamente em agosto. No mês, o preço do metro quadrado subiu apenas 0,6%. Em julho, a alta tinha sido de 1,5%. No acumulado dos últimos 12 meses, os preços dos imóveis subiram 26%, a um ritmo médio de 1,94% por mês.

    Segundo especialistas, a desaceleração ocorre porque os preços alcançaram, ou estão próximos, do teto a partir do qual a demanda começa a ficar comprometida.

    Os dados de preços são da pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o FipeZap, que leva em conta os imóveis novos e usados anunciados nas principais capitais do país, divulgado segunda-feira (5). Em agosto, a média de aumento no Brasil foi de 1,7%. O preço médio do metro quadrado dos imóveis no país é de R$ 5.824.

    Belo Horizonte, onde o valor médio é R$ 4.457, tem o quarto maior preço do país. Em primeiro lugar está o Distrito Federal, onde o metro quadrado custa R$ 7.788 em média. Em segundo, vem o Rio de Janeiro, com R$ 6.912. São Paulo é o terceiro estado do ranking de metro quadrado mais caro, onde custa R$ 5.567.

    A pesquisa, que começou a ser feita neste ano, não revela os preços dos imóveis por bairros e regiões, com exceção de São Paulo e Rio de Janeiro. Mas, segundo o coordenador da pesquisa, Eduardo Zyberstajn, o metro quadrado mais caro em Belo Horizonte é de um imóvel com três dormitórios que estava sendo vendido na Savassi, anunciado por R$ 6.571 o metro quadrado.

    Segundo o presidente da Câmara da Indústria da Construção da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg),Teodomiro Diniz Camargos, a recente escalada dos preços dos imóveis foi decorrente do aumento da demanda, motivada pela facilidade de crédito, que não foi acompanhada pela oferta. Além disso, a falta de mão-de-obra, de terrenos para a construção e de materiais também colaborou para a valorização. “Agora o mercado está buscando um equilíbrio. A capacidade do consumidor adquirir imóveis tem limite”, diz.

    Segundo o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Minas Gerais (Creci-MG), Paulo José Vieira Tavares, a tendência é de que os preços caiam até uma acomodação em níveis mais baixos. “Muitos dos imóveis que foram comprados na planta estão começando a ser entregues e o déficit habitacional está diminuindo. Isso refletirá em queda de preços”, afirma.

    O gerente de vendas da construtora Concreto, Aguilar Lopes de Sá, explica que a desaceleração dos preços está refletindo em margens menores para as construtoras. Isso porque ainda estão pressionados os custos com mão-de-obra e compras de terrenos e materiais de construção. Por essa razão, as construtoras deixaram de praticar descontos em compras a vista, que até o ano passado chegavam a até 3% do valor anunciado do imóvel.

    0
  • FQ 6 de setembro de 2011 at 14:16

    Aqueles que queriam saber o porque da quedas das ações das construtoras em out/nov do ano passado, aqui vai:

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,sam-zell-vende-participacoes-na-gafisa-e-br-malls,619804,0.htm

    http://eon.businesswire.com/news/eon/20110802006632/en/Equity-International-Completes-Sale-Remaining-Stake-Gafisa

    Estes mesmos fundos internacionais que abandonaram o mercado imobiliário brasileiro no final do ano passado foram para a Colômbia este ano. Dizem que o mercado imobiliário da Colômbia é equivalente ao do Brasil a 5 anos.

    Lembrando também que estes mesmos fundos saíram dos EUA e da Espanha antes do estouro das bolhas!

    Quem estará certo: Os grandes fundos internacionais ou corretores e pseudo-investidores tupiniquim?

    Para mim, com isso fica claro a definição. Chegou a hora.

    0
    • Sérgio 6 de setembro de 2011 at 15:48

      Valeu, meu camarada.
      Havia sido eu mesmo que tinha dito que alguma coisa ocorrera em nov/10, que ocasionou o início da queda, mas não sabia o por que.
      Valeu mesmo. Então, agora tá tudo explicado. Os bam bam bam sairam e só ficaram os trouxas.

      0
  • Carlos Wagner 6 de setembro de 2011 at 14:16

    “O economista chefe do Secovi, Celso Petrucci, acredita que seja difícil um desconto de 10% a 15% para um imóvel na planta.”

    “O presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP), José Augusto Viana Neto, diz que existem duas situações nas quais é possível ao futuro proprietário negociar um abatimento no preço.”

    Destaque para estes dois trechos da materia. Esse Celso Petrucci é um fanfarrão. Esse cara está perdendo a pouca credibilidade que lhe restava fazendo essas afirmações absurdas. Enquanto o presidente do Creci lista suas 2 alternativas possiveis para que o consumidor possa conseguir um abatimento no preço.

    Porém, eles se esquecem da terceira opção, que, ao meu ver, seja a mais sensata: O consumidor nao precisa fechar negocio. Ninguem tem necessidade urgente de comprar imovel. Nenhuma chance deve ser vista como sendo unica chance. Outras oportunidades, muitas vezes melhores, surgem todos os dias.

    Neste caso, imagino que quem deva implorar para que se feche o negocio é a imobiliaria/incorporadora/construtora e não o consumidor ter que madrugas na porta do plantão pela falacia de que ele vai perder o melhor negocio da vida dele.

    Esses profissionais do mercado imobiliario estão perdendo a grande chance de manter seus empregos e o mercado girando de forma saudavel. Ao negarem a bolha e justificarem os preços, estão condenando a si mesmos ao fracasso iminente.

    Mundando de assunto: Com as principais montadoras nacionais dando ferias coletivas e empresas terceirizadas de fabricação de auto peças também dando ferias forçadas, acredito que, se caso houver demissões em massa, esse poderá ser o estopim que desencadeará a crise brasileira e levará junto o mercado imobiliario para o buraco.

    Vamos ver.

    0
    • augusto 6 de setembro de 2011 at 15:01

      As montadoras estão dando férias coletivas, mas tem apresentado recordes sucessivos de vendas. O que elas querem é um desconto no IPI pelo governo que inicialmente negou. Mas acabará cedendo com medo de demissões no setor, pois é muito fraquinho.
      PORTANTO QUEM FRO COMPRAR CARRO AGORA ESPEREM ATÉ O IPI SER REDUZIDO QUE GANHARA NO MINIMO 7% NO PREÇO ATUAL

      0
      • GPTFN 6 de setembro de 2011 at 20:11

        Pelo contrário!
        Ao que parece pela noticia que vi hoje, o goveno não pretende dar mais incentivo de redução no IPI pois as montadoras não repassaram integralmente essa redução ao consumidor conforme havia sido estipulado! E ainda conforme eu lancei no outro post, o Brasil é o país onde tudo é mais caro!
        Carros são os mais caros do mundo ( sem falar na qualidade…), transportes ( veja as cidades de Nova York, Paris e Londres onde você compra um passe de metro e, em alguns casos um passe que engloba diversos transportes públicos, e faz quantas viagens quiser; aqui no Rio são 3,10 para cada viagem!! Um absurdo!!), etc.
        E parece que as pessoas tem orgulho disso…
        Muita gente vivendo de aparências, mas na verdade totalmente endividada, por causa do crédito usado para manter um padrão de vida incompatível com a renda!

        0
        • augusto 6 de setembro de 2011 at 21:55

          Prezado amigo, aprendi a nunca confiar no que este governo do PT fala.
          Aposto que dentro em breve sairá uma redução no IPI dos veidulos

          0
      • Eduardo Zé 7 de setembro de 2011 at 18:15

        No mês de agosto as vendas foram altas porque os frotistas (autolocadoras), renovaram seus estoques de carros novos… o consumidor normal comprou menos.

        E outra os bancos estão cedendo menos financiamentos.

        http://www.noticiasautomotivas.com.br/inadimplencia-crescendo/

        http://www.noticiasautomotivas.com.br/concessionarias-a-ver-navios/

        0
  • Sérgio 6 de setembro de 2011 at 14:32

    Há um mês eram 6 % de desconto e nenhum centil a mais.
    Agora já são 10 %, podendo chegar a 15 % em casos extremos, mas nada a mais, nunca, de maneira nenhuma.
    Quanto que será mês que vem? Digo, a informação oficial, pois, os descontos na prática chegam a 20 % ou mais; e ainda assim não estão conseguindo desovar. Entrem em contato com a EZTEC, tel. (011) 5056 8308 e consulte um de seus super ultra mega investimentos imobiliários!
    Esses descontos, quando muito, darão uma sobrevida de alguns meses (menos que 06) à bolha. Quando a massa de imóveis em construção forem entregues (próximos meses) será um salve-se quem puder. Por enquanto – e apesar do desespero – ainda estão orquestrando as informações, mas com cada um agindo a sua maneira (às escondidas). Final do ano, início do próximo….

    0
  • Sérgio 6 de setembro de 2011 at 14:47

    06/09/2011 09h34 – Atualizado em 06/09/2011 09h39 – G1
    Custo da construção civil sobe menos em agosto, a 0,14%, diz IBGE
    Recuo é de 0,41 ponto percentual sobre julho, quando ficara em 0,55%.
    Custo por metro quadrado passou para R$ 801,11 em agosto.
    Do G1, em São Paulo

    imprimir O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) teve alta menor em agosto na comparação com julho, a 0,14%, um recuo de 0,41 ponto percentual em relação ao mês anterior, quando ficara em 0,55%, divulgou nesta terça-feira (6) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    “A diferença se deve a incidência de acordos coletivos concentrados no mês de julho”, diz o IBGE, em nota.

    saiba mais

    Inflação oficial acelera para 0,37% em agosto, mostra IBGEEm relação a agosto de 2010, quando ficou em 0,31%, a queda foi de 0,17 ponto percentual.

    No acumulado do ano até agosto, a alta está em 4,53%, enquanto em igual período de 2010 havia ficado em 5,43%. Nos últimos 12 meses, o índice ficou em 6,43%, abaixo dos 6,61% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

    O custo nacional da construção por metro quadrado passou para R$ 801,11 em agosto, sendo R$ 443,06 relativos aos materiais e R$ 358,05 à mão de obra. Em julho, o custo fechou em R$ 800,02.

    A parcela da mão de obra apresentou recuo de 0,04%, ficando 0,99 ponto percentual menor em relação ao mês anterior (0,95%). Os materiais registraram uma alta de 0,05 ponto percentual, indo de 0,23% em julho para 0,28% em agosto. No ano, a mão de obra subiu 8,01%, enquanto os materiais registraram alta de 1,88%. Os acumulados em 12 meses foram: 9,96% para mão de obra e 3,76% para materiais.

    Regiões
    A região Sudeste, com alta de 0,20%, ficou com a maior variação regional em agosto. As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 0,14% no Norte, 0,11% no Centro-Oeste, 0,10% no Sul e 0,08% no Nordeste, diz o IBGE.

    Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 839,54 no Sudeste; R$ 800,93 no Norte; R$ 800,35 no Centro-Oeste; R$ 798,24 no Sul e R$ 756,14 no Nordeste.

    Com relação aos acumulados, a região Sul se destacou por apresentar a maior variação no ano, de 6,24%, além da maior variação nos últimos doze meses, de 7,28%, ressalta o IBGE em nota. Por estado, o Espírito Santo registrou a maior variação mensal, de 0,42%.

    Financiamentos
    Financiamentos de imóveis costumam usar índices de correção que determinam quanto o preço do empréstimo subirá ao longo dos anos. Geralmente, as mais usadas são as variações acumuladas em 12 meses do Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ou o Índice Geral de Preço do Mercado (IGP-M).

    De acordo com o IBGE, o Sinapi não influencia nem nos contratos de aluguéis nem dos de compra e venda de imóveis.


    Uma continha simples: o metro CUB de SPO está em 952,43/m2. Imaginando um imóvel de qualidade razoável, podemos aumentar para R$1.200/m2. Imaginemos agora um imóvel de 100 m2, num prédio de 100 apartamentos. O terreno custou, hipoteticamente, 10 MILHÕES, pois é um local razoável, dentro de qualquer cidade. Com a construção por ap. dá R$120.000,00 (já com lucro para construtora) e cota do valor do terreno (em tese) de cada ap. dá R$100.000,00, mais uns R$30.000,00 entre corretagens e outros, o preço final de um apartamento de boa localização (em qualquer cidade), de 100 m2, com acabamento superior (não luxo), não sairia por mais de R$250.000,00.
    Querem empurrar, no entanto, valores que variam de 400K a 1.000K. E vêm falando em desconto de 10 %?

    0
    • DRN 6 de setembro de 2011 at 16:05

      Sérgio, mas há o custo do terreno e, ao menos em São Paulo, o valor que se paga à Prefeitura para poder construir em áreas saturadas.

      0
  • Ronaldo 6 de setembro de 2011 at 14:51

    Endossando o que o Carlos Wagner disse acima, você está com toda razão, as demissões já começam a acontecer, espero que está crise seja apenas o suficiente para alguns mercenários e especuladores se darem mau, e pare por ai. E não entremos numa crise maior, atingindo muitas familias e seus empregos.

    Vejam este link

    http://blogs.estadao.com.br/jt-seu-bolso/lg-demite-e-fabricas-de-carros-param/

    0
  • MrK 6 de setembro de 2011 at 14:51

    Ciclo típico de uma bolha economica, com base em 4 casos reais:

    LEIAM e tirem suas conclusões, é uma compilação de material que tenho do assunto e está com comentários sobre o Brasil de hoje, é baseado nas bolhas japonesa, mexicana, argentina e espanhola, muita coisa ficará mais clara.

    Fase 1, A procura – Identificação de uma economia com crescimento potencial (normalmente ocorre após algum outro país decepcionar, ou seja, os investidores estão procurando uma nova oportunidade, um BRIC por exemplo), até aqui não há especulação, apenas investimento racional.

    Fase 2, O Crédito – O dinheiro acha o seu país e comeca a migrar pra lá, na expectativa de se beneficar do momento economico e consequentemente do crescimento da moeda do mesmo (o mundo todo comprando ativos em reais, por exemplo), esse dinheiro inunda o país e cria linhas de crédito, permitindo a população consumir muito mais com a mesma renda, esse consumo excessivo alavanca vendas, que por sua vez alavanca produção que por sua vez alavanca emprego e comeca assim o ciclo virtuoso e o “super PIB”, o país acelera.

    Nota: A Fase 2 e a fase 3 somadas, podem levar até anos (normalmente levam)

    Fase 3, O Excesso – Com a economia girando rápido por todo crédito conseguido na fase 2, e sua moeda ganhando poder frente as outras, o país vira mania internacional e os investidores do mundo todo olham pra ele e pensam “não posso ficar de fora, eles estão crescendo a taxas duas ou três vezes maiores do que as nossas”, o país comeca a ser ainda mais inundado por dinheiro, os ativos sobem (imóveis, terras por exemplo) e as pessoas passam a se sentir muito mais ricas (donos de imóveis, terras e ações se sentem milionários e comecam a gastar mais, quem tem acesso a crédito também consome mais, quem trocou de emprego consome mais e quem faz compras no exterior, com a moeda valorizada, consome mais) a inflação só cresce.

    Nota : Creio que estamos agora no momento final da fase e 3, É MUITO COMUM quando estamos na fase 3, fazermos mal investimentos por projetarmos a demanda irreal do momento como uma demanda duradoura, no auge da Fase 3 o país está superaquecido, a moeda supervalorizada e o crédito superfarto, planejar expansão de empresas nesse cenário sempre gera prejuizos.

    Fase 4, O Susto – Durante a fase 3 não é possível dizer quem está com o mico preto na mão, como existe facilidade de crédito, todos os endividados conseguem rolar suas dívidas, a taxa de inadimplência está maquiada por isso e os mal investimentos estão igualmente disfarçados. Em algum momento na fase 4 um susto acontece no cenário (seja nacional ou internacional) e as linhas de crédito pro país secam (nota: O Brasil ainda não atingiu essa etapa), esse susto pode ser uma noticia, uma quebra, uma fraude, uma guerra, ninguém sabe, cada caso de bolha é um caso.

    Fase 5, O Estouro – Com o crédito indo embora, comecam a aparecer os problemas que estavam ocultos: Inadimplência sobe, bolsa cai, mercado imobiliário despenca, empresas reportam prejuizos, bancos ficam cambaleantes e o ciclo virtuoso é invertido: Menos crédito, menos venda, menos produção, menos emprego, as pessoas seguram consumo pois tomaram prejuizos, menos venda (o governo nessa hora arruma sempre um bode expiatório: Os EUA, os CEOs, os bancos)…. A moeda se desvaloriza e é preciso um movimento recessivo pra curar os excessos da euforia, depois de alguns anos de ajustes dolorosos, tudo volta ao normal.

    MrK

    0
    • Carlos Wagner 6 de setembro de 2011 at 15:38

      MRK

      Excelente post.

      Valeu

      0
    • Carcará 6 de setembro de 2011 at 16:35

      Mrk,
      talvez haja uma alternativa ao quesito 5 para o estouro por aqui. Mesmo com o crédito em alta, se o ponto fulcral de qualquer bolha (O ESPECULADOR) farejar que “já deu o que tinha de dar”, aí nem SELIC brand new (0%) salva. Veja que profissionais como o SAM ZELL, com grande know how em bolhas imobliliárias, justamente por fomentá-las, já aprenderam o momento de cair fora. Isso faz um ano. A medida que as “bad news come in twos” forem acontecendo, os especuladores vão trocando a cupidez pela prudência e irão parar de comprar na planta. Meia bolha foi estourada.

      Restarão então os investidores com imóveis já prontos ou em construção. Investidores de lançamento não mais, pois perceberão que não terão mais retorno.

      Difícil é destrinchar a tipologia do investidor com imóvel pronto ou em construção. Acho que deveríamos explorar mais esse ponto aqui no blog. Numa opinião bastante rasteira e simplificada, vou dividi-los em 2 tipos: os que não podem arcar com o ônus de manter um ativo imobilizado em mãos; aqueles que o podem.

      Em relação ao primeiro, resta saber se ele preferirá entregar o ap de volta para imobiliária ou vendê-lo a preço de banana (banana de New York, que fique claro…rs). No caso do segundo tipo de investidor, ele só cederá quando o orgulho for vencido pelo queixumes do bolso. Tá aí uma guerra de difícil prognóstico tanto concernente ao vencedor quanto a duração da batalha.

      Abraços.

      0
      • DRN 6 de setembro de 2011 at 16:46

        Quem não puder pagar pode parar de pagar (antes de fazer o financiamento bancário) e pedir em juízo a devolução de 90% do que foi pago (exceto comissão de corretagem). Também pode pedir o arresto do imóvel (ou de algum outro bem) para garantia do crédito. Os juros de 1% ao mês ao longo do processo servirão para recompor os 10% perdidos e para pagar as despesas do processo e os honorários do advogado.

        É melhor do que tomar 40% de desvalorização.

        Só que, nesse momento e dependendo do valor do contrato, acho que ainda dá para repassar o contrato para terceiro sem ágio.

        Agora, se o cara já entrou no financiamento, aí tá lascado.

        0
      • MrK 6 de setembro de 2011 at 17:28

        meu amigo carcará, o seu ponto é muito justo

        veja que no inicio que disse que desenharia a bolha a la argentina/mexico/espanha e japão, que foram bolhas que estouraram por problema de crédito (primeiro houve excesso e depois falta de crédito), esse é o modelo clássico e mais comum de bolhas.

        A bolha a qual você se refere, é a bolha modelo americana (que estourou quando a demanda se exauriu, mesmo havendo ainda crédito, um pouco mais caro, mas ainda disponível)

        É impossível dizer qual modelo de ruptura será o nosso (problemas no suprimento de crédito ou demanda exaurida e reversão na especulação), mas você sinalizou um ponto importante e que pode ser sim o nosso caso, temos que aguardar, só o tempo dirá.

        abraços

        0
        • carcará 6 de setembro de 2011 at 20:09

          Amigo Mrk,
          acredito que neste blog estejam as pessoas que mais entendem de economia neste país, e você é um dos grandes do blog. Assim, gostaria de discutir um assunto, com você e os demais colegas que estiverem a fim de discutir o tema. O assunto é a dívida pública federal, mais especificamente a interna. Acho que finalmente os que nos “governa” descobriram que o país está quebrado e, ao invés de tentarem rearranjar as coisas, estão apenas tentando se segurar nas cadeiras “buying themlseves time”.

          A grande questão diante desse cenário macroeconômico esquizofrênico de cambio virando, juros baixando e inflação aumentando é – Quem vai pagar as contas da Viúva? Quem ainda quer os títulos brasileiros?

          Para subsidiar as discussões, seguem alguns dados referentes à dívida interna brasileira, em 2010.

          1. composição do estoque da dívida federal: Selic 30,8%; prefixado 36,6%; índices de preços 26,6%; Câmbio 5,1%,; Outros 0,8%;
          2. prazo médio da dívida: 3,5 anos, sendo que 23,9% do total vence nos próximos 12 meses, em relação a 2010, claro;
          3. Credores da dívida: 37,7% bancos; 30,2% fundos de investimento;14,4% Previdência; 11,6% não-residentes, os outros são desimportantes estatisticamente.

          Fonte: Tesouro nacional

          Diante desse cenário, a renda fixa, atrelada a dívida pública, vai michando à medida que os juros vão brochando. Assim, continuará o interesse dos 3 grandes credores (banco, fundos, não-residentes) na arbitragem, pegar a 0% do Ben, FED, e arbitrar por aqui, visto que o Câmbio parece realmente querer flutuar, ainda que sujamente? Veja que o cenário do câmbio, vaca holandesa à parte, é de alta do dólar e quanto mais crescer a desconfiança do credor estrangeiro, maior será o dólar.

          Com uma inflação mascarada, alguém comprará títulos baseados em índices de preços?

          E,” last but not least”, quem se atreve a comprar um título pré-fixado nesse momento de completa incerteza? Vejam que o grande sonho do governo é trocar os títulos vinculados a SELIC por pré-fixados a juros módicos.

          Espero a análise, sempre lúcida e objetiva, sua e dos nossos amigos de blog.

          Abraços.

          0
          • MrK 6 de setembro de 2011 at 20:55

            Carcará, em primeiro lugar fico lisonejado com suas palavras, mas vamos ao que interessa:

            Você tocou em temas difícieis, pois estão além do horizonte em relação a bolha imobiliária, certamente a bolha estourando, o país sofre (tanto pelo consumo que despenca, quanto pelos investimentos estrangeiros que evaporam)

            Vamos aos seus pontos:

            1- Confiabilidade dos titulos publicos – Veja bem, os títulos do Brasil estão longe de ser uma maravilha, mas com os EUA encurralados, a europa em frangalhos e outros países sofrendo, podemos dizer que o Brasil não fica mal “por comparação”, amigo, a Suiça não tem como absorver todos investimentos do mundo! Acho que um calote aqui é difícil, pois o máximo que o Brasil faria em caso de aperto é o mesmo que os EUA fazem hoje: Imprimir moeda e trocar dívida por inflação, creio que pra coisa ficar muito feia a ponto de não ter comprador, precisaria de algo que o mundo hoje não tem: Um porto seguro de tamanho global, com um governo limpo e politica monetária séria. Hoje só quem tem isso são países pequenos como Suiça e Australia.

            2- Confiabilidade da moeda – Essa eu realmente tenho minhas dúvidas, o real está muito forte e vejo vários motivos pelo qual isso pode mudar: Balança comercial virando, Taxa de retorno dos investimentos aqui caindo (isso afasta dolar), cenário economico nebuloso, commodities com chances de cair, inflação subindo e possível realização de lucro de gringo. Existem também motivos do outro lado (que valorizam o real), mas na queda de braços, acho que os motivos mais fortes são esses que vão desvalorizar nossa moeda.

            Honestamente, meu cenário pro Brasil é uma economia desaquecendo, inadimplencia subindo, crédito ao consumidor encarecendo, investidor diminuindo posição e real se enfraquecendo, creio que a bolha imobiliária vai estourar e que a bovespa tem potencial de queda razoável, mas eu não vejo um pandemonio, nem algo tão desastroso como o curralito argentino, acho que vamos todos sofrer, mas pra quem não tem investimento perigosos hoje, como imóveis ou ações “peculiares” o negócio não será tão ruim.

            abraços

            0
          • Daniel 8 de setembro de 2011 at 08:35

            Olha nao podemos esquecer que o governo tambem precisa das obras de infra para a copa e para as olimpiadas. Vai ter de emitir titulos para financiar as obras senao vai morrer com o mico na mao de receber turistas com aeroportos e estadios em condicoes nao “ideais”.

            0
  • Murdoch 6 de setembro de 2011 at 15:12

    Semana retrasada um dos mto corretores com quem tinha contato me ligou e ofereceu um apto novo no Flamengo por 750k Segundo ele seria excelente oportunidade. O apto tem 76m2.
    Ontem me ligou novamente dizendo q uma proposta tinha caído que estava novamente a venda. Achava que com 700k vendia. Porra, ainda beirando os 10k/m2!
    Disse que não queria.
    Aí veio o argumento final pra tentar vender. “Esse imóvel bem trabalhadinho, com tempo dá pra passar por 800k fácil”!

    Porra, o maluco não vende por 700 e quer me convencer de que se eu comprar vendo por 800.
    Aí é me chamar mto de burro!~

    0
    • Miguel David Silveira 7 de setembro de 2011 at 14:33

      Murdoch, como eu já havia dito, a coisa mais rara que existe é um corretor honesto e muito bem informado sobre o imóvel que apresenta. Estou no mercado há cinco meses, procurando apartamento, e reparo que eles mentem despudoradamente. Como buscamos um apto. espaçoso, mentem quanto à metragem, dizendo que um apto. de 100 m2, por exemplo, tem 135 m2. Já me ofereceram apto. repleto de dívidas dizendo que a documentação era cristalina, não fosse a internet eu não teria descoberto a fria em que queriam me meter, sendo que insistiram muito que não havia riscos! Imaginem se eu fosse um idoso mal informado ou um semi-analfabeto com algum dinheiro! São muito desonestos sim, são capazes de arrastar uma família pro buraco financeiro, tudo pra levar o percentual deles.

      0
  • Marcelo 6 de setembro de 2011 at 15:16

    Índice FIPE ZAP
    variação de preços de imóveis no mês de ago/2011

    VENDA 1,7%

    no mês passado era de

    VENDA 2,1%

    0
  • Luiz 6 de setembro de 2011 at 15:17

    Conversei com um vendedor da Even 20 dias atrás, falando que ia viajar e coisa e tal, enrolando ele, dando jeito de que poderia pagar a vista ele abriu o jogo, o desconto de 15% JÁ ESTÁ PRÉ APROVADO NA CONSTRUTORA.

    Me deu o telefone dele e mandou ligar qdo eu voltasse.

    0
  • Jack Imóveis 6 de setembro de 2011 at 15:28

    Acho que não podemos responsabilizar ninguém pelo acontecido.

    Muricy já disse em entrevista lendária: “A bola pune!”

    Agora vai ser ser a vez do: “A Bolha pune!”

    Abraços

    0
    • Felipe 6 de setembro de 2011 at 22:31

      hhahahaahahaahhaah

      0
    • Hik 7 de setembro de 2011 at 00:39

      Que tal “Mantega derrete”

      0
      • EU 8 de setembro de 2011 at 01:02

        Essa “Mantega” pra mim sempre foi Margarina….kkkk

        0
  • adm 6 de setembro de 2011 at 15:48

    Bando de pessimistas!! Ficam perdendo tempo torcendo para as coisas darem errado!! Continuem pagando aluguel ou comprem uma barraca de camping!

    0
    • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:11

      adm pra vc ou é preto ou branco né

      vc é incapaz de ver que tem aqui profissionais de milhares de áreas de milhares de cidades, nãoe stamso torcendo, estamso trocando informações e aprendendo a nso defender já que o judiciario é uma merda e o governo age por caus aprópria.

      vc é incapaz de pensar que há aqui proprietários de dezenas de imoveis, ou que há gente realmente interessada que essa merda vá p frente.

      mas toda critica tem um lado perverso, ela expõe a merda que vem da cabeça do proprio autor, vc sim torce pra festa durar pra sempre, pq provavelmente entrou d epenetra está tomando todas e vai sair de fininho antes da casa cair.

      O cruel é que poderemos ou não viuver numa casa melhor como gostariamso e torcemos, só depende d enós memsos, mas vc está condenado a viver dentro de vc memso pro resto da vida, e disto vc não pode fugir.

      Bom resto de sobrevida e boa sorte pra vc, que venha em dobro pra vc o que vc desja pros outros

      0
      • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:09

        ahahahaha adorei a da bolha do preço do feno…

        estamos aqui nesse site, discutindo uma possibilidade de que algo de ruim aconteça que afetará a todos nós. Temos indícios e acredito que se fosse uma teoria leviana, não teria tantas pessoas aqui discutindo o assunto.

        Se discute para tirar nossas próprias conclusões. Tire as suas, mas comente algo de útil, como um argumento pra defender sua visão (se é que a possui).

        Eu, pelo menos estou aberto a ouvir os dois lados da moeda, pois me preocupo com essa disparada de preços que me impossibilitam de comprar um imóvel no mínimo decente.

        A política econômica por trás do MCMV foi feita de forma que acabou inflando os preços. Não tenho nada contra estimular a construção civil, mas deve se pensar em detalhes e não simplesmente distribuir crédito, diminuindo as metragens das unidades vendidas, aumentando a margem das construtoras e endividando a população por imóveis com preços acima do que valem.

        0
    • Paty 6 de setembro de 2011 at 16:12

      Ainda bem que o preço do feno não aumentou imagina quando isso ocorrer, vai faltar comida para asnos igual a vc….uma pergunta que não cala, se vc não gosta do blog, porque vem aqui e ainda perde seu tempo comentando..

      0
      • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:17

        boa Paty, mijei de rir
        Agora vou torcer pela bolha da alfafa

        0
        • Vinicius Lima 6 de setembro de 2011 at 16:50

          Bolha da Alfafa?!??!?!!
          Com essa sim eu rachei de rir…

          Tem uns caras que são uns asnos mesmo…

          0
          • Fred Henrique 7 de setembro de 2011 at 19:17

            Quando sai o “www.bolhadaalfafa.com”?

            0
    • Carlos Wagner 6 de setembro de 2011 at 16:12

      Adm

      Obrigado pela contribuição. É sempre bom ter comentarios inteligentes por aqui.

      0
    • Carlos__ 6 de setembro de 2011 at 16:14

      adm, se você tem algum argumento ou dado para contribuir, por favor, poste ele aqui. Estamos vendo a econômia indo para uma direção ruim, comandada por um grupo de pessoas não só despreparadas como desonestas. Se sua opinião é diferente, o espaço está aberto para a sua contribuição.

      0
    • MrK 6 de setembro de 2011 at 16:15

      Prezado adm, por que essa agressividade? ninguém aqui tem nada contra você, nem você nem ninguém, somos apenas pessoas que analisam o mercado imobiliário de um jeito diferente dos corretores e donos de construtoras em geral, o que há de errado nessa divergência? vivemos uma democracia!

      Considero importante ter os 2 lados da moeda na internet (e olha que somos o lado muito mais fraco, vide o poder das imobiliárias em influenciar os jornais), pois só ouvindo os 2 lados podemos formar uma opinião mais forte, veja bem, ninguém é obrigado a acreditar em nós!

      Outra coisa: Não torcemos contra o Brasil! Alias, eu torço é muito a favor! Na minha maneira de ver, quem torce contra é quem fomenta uma bolha irracional que machucará muitas familias no futuro próximo.

      um abraço e seja bem-vindo

      0
      • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:19

        bem vindo, mas na minha barraca de camping ele não entra

        0
        • Jack 7 de setembro de 2011 at 05:42

          kkkkk…. muito boa .!! alem de aprender muito … agora estou , tambem , me divertindo nesse otimo Blog !!!! nice !!!

          0
      • João Nascimento 6 de setembro de 2011 at 21:32

        MRK,
        Eu queria aprender a ser polido e controlado como você é nos seus comentários. Assim você vai ganhar o prêmio Nobel da Paz, resolver os conflitos do oriente médio, reunir corintianos a palmeirenses, rsrsrs.

        0
        • Cosmos 7 de setembro de 2011 at 07:02

          OPORTUNIDADE!

          VENDO ÁGIO DE BARRACA DE CAMPING. R$ 500 MAIS SALDO DEVEDOR DE R$ 1 MIL.

          VALORIZAÇÃO GARANTIDA! DÁ PRA REPASSAR POR R$ 3,5 MIL, EM POUCOS MESES.

          0
          • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:16

            “MINHA BARRACA, MINHA VIDA”

            0
    • Mahmoud 6 de setembro de 2011 at 16:20

      O adm deve ter comprado um imóvel de 60m2 por R$ 700 mil e viu que a vaca tá indo pro brejo hehehe

      0
    • Carlos Wagner 6 de setembro de 2011 at 16:23

      Engraçado como tem gente do tipo desse ADM comentando nas reportagens da Folha on line. Geralmente, essas pessoas que nao aceitam divergencias são Petistas fanaticos. Não aceitam criticas e não admitem que exista outro caminho a não ser o trilhado pelo partido.

      Chega a ser irracional, como bem demonstrado no calão do comentario do coleguinha ADM.

      Espero, do fundo do coração, que essa gente não comece a vir postar aqui, pois o forum vai descambar pra baixaria e o partidarismo vai imperar fazendo com que o foco principal se perca.

      0
      • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:19

        Carlos

        Eu particularmente gosto de algumas políticas do PT, mas não dá pra fechar os olhos pra essa bolha de preços

        é lei básica… todo período de forte alta, acaba, aí vem a forte baixa… sempre tive o pé atrás com “milagres econômicos” é como anabolizante… cresce rápido, mas em compensação o fígado vai pro saco.

        0
    • Carcará 6 de setembro de 2011 at 16:46

      Caro adm,
      se eu continuar pagando aluguel em 1 mês compro a barraca de camping, em 2 anos um 1/4 sala razoável . Em 3 anos, um 70 m2, bem localizado, com um desconto de 50% em relação ao valor de junho/2011, preço mais próximo a realidade. Mas não se preocupe, você terá sua comissão, com o desconto proporcional, é claro.

      0
    • Marcelo 6 de setembro de 2011 at 17:56

      Adm, vc comprou apartamento em Aguas Claras? Ou e so estresse pelo calor?

      0
    • Marcelo 6 de setembro de 2011 at 17:58

      Adm, voce comprou apartamento em Aguas Claras? Ou e so estresse pelo calor?

      0
    • augusto 6 de setembro de 2011 at 18:04

      PARA VOCE ADM KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK E MAIS
      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      0
    • Cosmos 7 de setembro de 2011 at 07:03

      OPORTUNIDADE!

      VENDO ÁGIO DE BARRACA DE CAMPING. R$ 500 MAIS SALDO DEVEDOR DE R$ 1 MIL.

      VALORIZAÇÃO GARANTIDA! DÁ PRA REPASSAR POR R$ 3,5 MIL, EM POUCOS MESES!

      0
  • luis 6 de setembro de 2011 at 16:02

    Ola sou espanhol e ja vi isso aqui na Espanha, aqui agora ja ta quase a 1000 euros metro quadrado em uma cidade media, e a qualidade das construçoes e muito maior do que eu vejo no Brasil. Os preços la vao cair, e ningum se asuste mais sera bom para a economia.

    0
    • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:13

      Luis,
      Conheci Madrid e barcelona estes ultimos anos, estou interessado em trocar informações,
      Onde vc mora?

      0
      • luis 6 de setembro de 2011 at 16:44

        Moro a cabalo entre Valencia e Salvador. Porque?

        0
        • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:57

          Prezado luis, se vc puder nos informar quanto custaria um piso bem localizado com 2 quartos e 2 banhos aí em Valencia?
          Se possível nos dê uma idéia de valor de condominio e aluguel por favor.
          Estive em viagem e fiquei assustado como é barato comprar em algumas cidades, e outras nem tanto.

          0
          • luis 6 de setembro de 2011 at 18:57

            Ola Luiz um aluguel medio pode ser 400 a 500 euros apartamento 2 quartos em Valencia e area metropolitana, aqui a area metropolitana é bem comunicada tem metro, omnibus e toda clase de serviços. Agora tudo esta se reajustando depois da bolha entao pode achar preços variados em um mesmo tipo de apartamento, se voce e solvente pode negociar a baixa dando garantias de pago.
            Mais as previsoes sao que vai cair muito mais, ainda as pessoas nao assimilan a situaçao do pais. Deixo algumas webs para voce pesquisar, mais pense que os preços sao sempre negociaveis para abaixo, minimo 20 por cento.
            http://www.idealista.com/pagina/portada
            http://www.yaencontre.com/

            0
          • Luiz 8 de setembro de 2011 at 09:02

            Luis, estas informações que vc traz são interessantes e apoiam o meu argmet.
            A bolha imoiliaria ã explodede uma vez, mas va de cidade em cdade, tambem aí na espanha está sendo assm. Em barcelona vejo que aina esão caros os preços. Nãoé mesmo isso/
            Te pergunto: aí em Valencia o que se pode fazer com 200 mil euros?
            O equivalente a isso 500k reais em Sao Paulo fica restrito a ´reas distates com nenhuma infra estrutura

            Olha que perverso, nossa rede metoviaria e mesmo rodoviaria é muito menos densa aqui no BR.
            Morar mal localzado aqui é uma tragédia pra qualidade de vida

            0
    • Marcos 6 de setembro de 2011 at 16:48

      Luiz,

      Como ficaram os outros investimentos?

      Grato,
      Marcos

      0
  • Carlos__ 6 de setembro de 2011 at 16:47

    Tradingcafe acabou de ter um post novo sobre a bolha brasileira:

    Bolha Imobiliária no Brasil… Negue que existe uma… Como Ben Bernanke em 2007.

    Acabo de ver um video que um amigo enviou sobre os atuais eventos na economia mundial. Num dado momento, o palestrante cita uma coisa interessante, que eu já não me lembrava, que era a situação da economia americana antes da crise de 2008, que foi deflagrada pelo mercado imobiliário e os empréstimos e dereviativos sobre este mercado. O atual presidente do Fed, na ocasião, em 2007, jurava de pés juntos que não havia uma bolha imobiliária nos Estados Unidos. Trazendo isso para a nossa atualidade, tem mais gente “jurando” que não tem bolha imobiliária por aqui do que nunca… é como aquelas perseguições aos maçons na idade média, juravam que não eram, até que quando alguém assumia que era, ninguém dava bola ou acreditava… Os bancos aqui estão fechando o crédito, estão dificultando os financiamentos, atrasando deliberadamente as aprovações, as vendas caíram, as ações das empresas do setor estão super baixas, os imóveis nominalmente estão caros, fora até dos padrões de financiamento aprovados para enquadramento e gente importante continua a dizer que não há um exagero nos preços dos imóveis no Brasil. Eu, por outro lado, continuo dizendo que as pessoas perderam a noção de valores, isto é inflacionário e teremos uma correção, de uma forma ou de outra.

    tradingcafe.wordpress . com /2011/09/06/bolha-imobiliaria-no-brasil-negue-que-existe-uma-como-ben-bernanke-em-2007/

    0
    • Carlos__ 6 de setembro de 2011 at 16:49

      Ele escreveu o que hoje mesmo comentávamos aqui:

      “Eu, por outro lado, continuo dizendo que as pessoas perderam a noção de valores, isto é inflacionário e teremos uma correção, de uma forma ou de outra.”

      Mais uma vez, como já disse ihoje mesmo, só o Mantega e o BC acham que os preços podem dobrar sem causar inflação

      0
      • Luiz 6 de setembro de 2011 at 16:54

        Um quarto e sala no sul da frança custa algo entre 40 mil e 60 mil euros

        obiviamente que todos mobiliados afinal pra onde alguem que vende um imovel levaria a mobilia? se lá todos os imoveis já estão mobiliados – mobilia inclue-se aquecedor, ar-condicoando, chuveiros, agua quente, ….

        0
  • Selvagem 6 de setembro de 2011 at 17:03

    Cá entre nós quando fui viajar pra europa este ano entrei na loja da north face lá em Berlin e vi cada barraca de camping sensacional, praticamente uma casa. Tenho certeza que valeria muito mais em termos de custo/benefício comprar uma pra morar do que pagar R$12.000m² num apartamento no vim do mundo a esquerda.

    0
    • Bolha é realidade 10 de setembro de 2011 at 15:57

      Brasileiro é mesmo uma raça patética! Qual o objetivo de tentar se exibir no blog dizendo que foi para a Europa???? Grandes merda a Europa! Se foi comprar coisas lá comprou no lugar errado!
      Quero ver é ir para uma das ilhas da Polinésia Francesa e alugar um bangalozinho na água por 15.000 dolares a semana.
      Financiou a “viagem para Europa” em quantas vezes, ô mané????

      0
  • Marcos 6 de setembro de 2011 at 17:06

    Quebrado na bolsa, fundo GWI faz fortuna com imóveis
    Gestora com péssimo desempenho em bolsa diz que com 300 milhões de reais construiu um portfólio de imóveis que vale 600 milhões de reais. Detalhe: está tudo à venda

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/fundos/noticias/quebrado-na-bolsa-fundo-gwi-faz-fortuna-com-imoveis

    0
    • Carlos__ 6 de setembro de 2011 at 17:10

      Bem, agora que está a venda, vamos ver se vale isso mesmo…

      0
    • trololó 6 de setembro de 2011 at 19:56

      HAHAHAHAHA HAHAHAHAAH AHAHAHAHAHA AHAHAHAHAHAHAHA

      MAS SÓ RINDO MESMO

      ESSE TAL DE GWI SÃO OS MAIORES TROUXAS NA FACE DA TERRA:

      h t t p : / / w w w.brazilianbubble.com/2011/08/another-idiotic-brazilian-hedge-fund.html

      0
  • Marcos 6 de setembro de 2011 at 17:13

    6 tipos de fundos imobiliários com riscos distintos
    Entenda quando um fundo pode ser considerado uma aplicação de renda fixa, um investimento de renda variável ou uma mistura dos dois

    Fundos de compra e venda de imóveis

    São fundos bem mais comuns nos EUA que no Brasil e tentam lucrar com a compra e venda de imóveis. Quando o ciclo econômico parece ruim, o fundo compra imóveis a um preço interessante, e vice-versa. No Brasil, o maior é o Brazilian Capital Real Estate Fund I, que foi lançado há quatro anos e tem 1,6 bilhão de reais em patrimônio líquido. O fundo é dono de grandes empreendimentos imobiliários, como 60% do Eldorado Business Tower em São Paulo, 60% da Torre Almirante no Rio, 60% do Brazilian Financial Center na avenida Paulista (antiga sede do Banco Real) e vários outros. Boa parte dos imóveis foi comprada entre 2008 e 2009, quando a economia mundial passava por um mau momento. Agora que o Brasil já provou estar mais preparado para enfrentar turbulências e o mercado vive um boom, o fundo começou a vender ativos de seu portfólio.

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/fundos/noticias/6-tipos-de-fundos-imobiliarios?page=2&slug_name=6-tipos-de-fundos-imobiliarios

    0
  • Marcos 6 de setembro de 2011 at 17:43

    As casas de campo dos milionários em SP

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/video/imoveis-em-360-graus/as-casas-de-campo-dos-milionarios-em-sp

    0
  • jsantos 6 de setembro de 2011 at 18:09

    O adm não é nada mais, que um otário nervoso, que esta torcendo para o preço cair, mas só depois que ele conseguir vender o mico, pelos comentários de pessoas inteligentes desse blog parece adm ita que perdeu ! perdeu!!!

    0
  • Paty 6 de setembro de 2011 at 19:32

    Aluguel que mais subiu na América é na rua Garcia D’Ávila, no Rio
    Preço médio aumentou 52,2% na rua Garcia D’Ávilla, no Rio, segundo pesquisa da consultoria Cushman & Wakefield
    iG São Paulo | 06/09/2011 18:54
    Notícia anterior Otimismo das famílias brasileiras é o maior em cinco meses, diz IpeaPróxima notícia Aluguel que mais subiu na América é na rua Garcia D’Ávila, no RioTexto: enviar por e-mail Aluguel que mais subiu na América é na rua Garcia D’Ávila, no RioPreço médio aumentou 52,2% na rua Garcia D’Ávilla, no Rio, segundo pesquisa da consultoria Cushman & Wakefield Seu nome * Seu e-mail * E-mail do destinatário(Para mais endereços, separe-os com vírgulas) * Mensagem
    * campos são obrigatórios

    corrigir Aluguel que mais subiu na América é na rua Garcia D’Ávila, no RioPreço médio aumentou 52,2% na rua Garcia D’Ávilla, no Rio, segundo pesquisa da consultoria Cushman & Wakefield Seu nome* Seu e-mail* Mensagem
    * campos obrigatórios

    O aluguel comercial na rua Garcia D’Ávila, no Rio de Janeiro, foi o que mais se valorizou na América, segundo levantamento da consultoria Cushman & Wakefield divulgado nesta terça-feira. O valor da locação de um ponto comercial no tradicional reduto de lojas e restaurantes sofisticados no bairro Ipanema custa em média R$ 170 por metro quadrado, uma valorização de 52,2% no período de um ano.

    Foto: AE Ampliar
    Loja da grife Louis Vuitton na rua Garcia D’Ávila, o endeço comercial com o aluguel que mais se valorizou nas Américas
    No mundo, a rua Garcia D´Ávila foi a terceira que mais elevou os preços do aluguel. As duas primeiras colocadas no ranking da Cushman estão em Pequim – em Wangfujing (109,5%) e CBD (55,9%).

    Nas Américas, outros três endereços brasileiros estão no ranking de aluguéis que mais subiram. A rua Visconde de Pirajá, no Rio, elevou em 20,4% seu preço de locação. Em São Paulo, os preços de locação na rua Haddock Lobo e no shopping Iguatemi subiram 15,7%.

    Os mais caros

    O ranking dos dez alugueis mais caros do mundo inclui um endereço brasileiro, o shopping Iguatemi, em São Paulo. O valor do metro quadrado é o quarto mais caro do mundo e custa R$ 744 ao mês. O shopping Iguatemi foi o único local da América Latina a entrar no ranking dos maiores preços de locação comercial na América.

    Veja os endereços onde os aluguéis mais se valorizaram nas Américas em 12 meses até junho

    País Cidade Localização Valorização Preço m2/mês

    Brasil Rio de Janeiro Rua Garcia D´Avila 52% 170
    Estados Unidos San Diego Boulevard Del Mar Heights 25% 84
    Estados Unidos Nova York 5ª Avenida 21,6% 3.153
    Brasil Rio de Janeiro R. Visconde de Pirajá 20,4% 160
    Chile Santiago Centro 20,1% 256
    Estados Unidos Nova York Rua East 57th 20% 1.682
    Estados Unidos Palm Beach Worth Avenue 15,8% 154
    Brasil São Paulo Haddock Lobo 15,7% 162
    Brasil São Paulo Shopping Iguatemi 15,7% 744
    Argentina
    Buenos Aires Av. Santa Fé 15,7% 92
    Cushman & Wakefield

    0
    • MrK 6 de setembro de 2011 at 19:46

      vou te dizer uma coisa Paty, o aluguel do Rio como um todo surtou, mas pelo visto está seguindo o mesmo caminho das vendas, que já travaram.

      as pessoas simplesmente não tem renda para aguenta, hoje qualquer 2 quartos pequeno na zona sul já parte de R$3mil, que se for colocar iptu e condominio encosta em R$4mil, veja bem não estou falando de super aps, novos, bonitos ou espaçosos, falo de aps velhos, pequenos e alguns até sem vaga.

      Pra pessoa pagar R$4mil liquido, supondo que tenha outras despesas, ela precisa ganhar bruto no mínimo R$10mil!!

      volta a pergunta de sempre: Se pra morar no que há de mais simples na zona sul se precisa de R$10mil, existe TANTA gente assim ganhando bem mais do que isso? Vou falar do mundo empresarial, pois conheco, R$10mil é salário entre gerência junior e gerência plena (dependendo da empresa), acima disso você tem só gerentes seniores e diretores, mas aí é um funil de pouquissima gente.

      0
      • Fábio 6 de setembro de 2011 at 19:56

        Eu pago 3000 de aluguel em copa, rua excelente, em um 3 quartos com vaga e penerei bastante, alias a proprietaria era super exigente, queria fiador e não tinha, queria segurança fiança e fiz uma proposta de deposito. Só aceitou pq sou concursado federal de uma carreira bem remunerada, mas a grande maioria dos que vi eram horriveis, 2 quartos 3000, 3 quartos todos que vi estavam numa faixa de 3500 até 4500 com vaga, preços mais altos que muitas cidades top na Europa. O dificil foi convencer minha noiva e a familia dela que por hora aluguel seria a melhor opção mesmo pagando essa fortuna.

        0
      • Hik 7 de setembro de 2011 at 00:59

        MrK, você se esqueceu da renda gigante das 35 milhões de famílias inclusas no défict imobiliário brasileiro. É executivo que não acaba mais e deve ser levada em conta!

        0
        • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:30

          kkkkkkkkkkkk

          0
  • Bolha Imobiliária 6 de setembro de 2011 at 20:19

    E o imóveis curitiba acaba de chegar a marca de 9909 imóveis a venda…

    0
    • MrK 6 de setembro de 2011 at 21:01

      Rapaz, olha só, curitiba (4a maior capital do país) tem 9900 a venda

      Só o bairro da barra da tijuca e recreio (vizinhos) tem 13.700 !!!!! Detalhe, nesse bairro estão subindo zilhões de lançamentos com muitas unidades, além dos 3.500 aps da vila olimpica, trocando em miudos, muito em breve só na região da barra e recreio teremos O DOBRO de imóveis a venda que na cidade de curitiba!!! aposto isso!!!

      Detalhe: OGlobo sugeriu há uns 2 meses investir em imóveis na barra…. valeu oglobo, obrigado, mas passo!

      0
  • Gustavo 6 de setembro de 2011 at 20:44

    Diferentemente da Rede Globo que insiste em afirmar que não existe bolha e que o mercado imobiliário continua de vento em popa a bandeirantes já começa a aceitar a queda nos preços.
    http://www.youtube.com/watch?v=dje29qv24bY

    0
    • MrK 6 de setembro de 2011 at 21:36

      Gustavo, essa reportagem foi excelente, é engraçado como eles mudam o tom

      antes era 30% de valorização infinita
      depois 30% de valorização pelos proximos 5 anos
      agora é “valorização em linha com a inflação”
      daqui a pouco vai ser “valorização próxima a inflação”
      e logo após “é… ninguém podia prever que os preços cairiam, mas vão se recuperar…”

      0
      • Bolha Imobiliária 6 de setembro de 2011 at 22:16

        Merece um post para discussão…Me lembro muito bem como era…

        0
      • Ricardo 6 de setembro de 2011 at 22:23

        Essa é a realidade…
        – Preços altos mas com certos descontos.
        – Pseudo investidores achando que estão com patrimônio elevado nas mãos;
        – compradores longe;

        Demanda atual é baixa e oferta futura será alta = BOLHA……… Podendo ser repentina (como EUA) ou paulatina………… Qual a aposta?
        Apenas uma certeza: os preços estão descolados da realidade.

        0
        • Eduardo Zé 7 de setembro de 2011 at 18:38

          No ritmo que aparecem novas construções, será repentina…

          0
    • TH 6 de setembro de 2011 at 21:50

      Muito bom o vídeo. Principalmente o corretor falando: “As vendas deu uma parada… uma parada ferrada mesmo”.

      E no final o sorriso amarelo do presidente do secovi dizendo que a expectativa para os próximos 15 anos é que os preços acompanhem a inflação. Tá na cara que nem ele acredita nisso.

      0
      • Adriano 6 de setembro de 2011 at 22:07

        A realidade que eles estão tentando convencer o pessoal que comprou na planta a entrar no financiamento de qualquer jeito, quando os aptos forem entregues. Estão querendo empurrar para os bancos a bomba. É a raspa do tacho dos últimos otários. Para o cara admitir que os preços continuarão os mesmos pelos próximos 15 anos, é porque a coisa está MUIIIIIIITOOO feia.

        0
        • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:33

          e o corretor me ligou 2 vezes em 2 semanas, mesmo eu já tendo dito que achei o imóvel que ele ofereceu caro… hummm to aguardando a ligação dizendo q baixou no minimo uns 10%

          0
      • carlos wagner 6 de setembro de 2011 at 22:23

        O tiozinho do SECOVI ao dizer que os preços devem acompanhar os indices da inflação, nos proximos 10-15 anos, é essa nossa espectativa; Só faltou fechar a reportagem com o famoso: “Se deus quiser!”….

        ahuahuhauaauhuh

        0
        • Carlão 10 de setembro de 2011 at 14:17

          KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Pior que é.

          0
      • eu 7 de setembro de 2011 at 09:46

        Apesar de tudo ainda se vende muito imóvel no Pais, e os preços continuam subindo. Ninguem é obrigado a comprar logico

        0
        • aiwww 9 de setembro de 2011 at 15:30

          isso eu concordo plenamente… as vendas ainda estão muito aquecidas para um mercado fora da realidade… enquanto houver otário sempre existirá um esperto!

          0
      • Carlão 10 de setembro de 2011 at 14:14

        TH
        Prá mim, pelo sorriso amarelo, tá na cara que o sujeito tem e a certeza de que os preços vão é cair já já. Onde já se viu fazer projeção prá 10 anos numa economia como a nossa. Pior: fazer uma projeção com 50% de margem de erro (10 ou 15 anos). Esse senhor deveria tem um pouco mais de vergonha na cara e parar de tentar enganar as pessoas com a tática do “se colar, colou”. Aliás, o “se colar, colou” tem sido a base da formação de preços no Brasil (lembram dos preços da LCD 5 anos atrás?). Creio que, infelizmente, vai ter bastante gente chorando em breve.
        Abs
        PS: A sem-vergonhice em uma pessoa de idade é ainda mais nojenta, não?

        0
    • carlos wagner 6 de setembro de 2011 at 22:19

      Depois das aberrações que a globo tem divulgado nos seus jornais, eu resolvi mudar o foco e assitir mais a os jornais da band (Boechat e Boris Casoy).

      Apesar de nao serem tão isentos, gosto de ver o casoy tomar partido em assuntos de relevancia nacional e proclamar indignado: Isto é uma vergonha!

      0
      • xyz 7 de setembro de 2011 at 00:14

        NINGUÉM É ISENTO.
        Acho a Band e Globo as mais isentas.
        Dá nojo os noticiários da Cultura, Record e SBT.

        0
        • Hik 7 de setembro de 2011 at 01:14

          A Globa a mais isenta?

          Cara, eu me lembro quando fiz um trabalho no ensino médio, aula de literatura, a respeito da parcialidade dos telejornais.

          Naquela época, uns 12 anos atrás (tô véio), eu já pude constatar a extrema parcialidade da Globo com relação às emissoras da época.
          É um exercício interessante ver como uma mesma notícia é divulgada por cada emissora.
          Até onde conheço, o Grupo Globo é uma das maiores escórias do cenário empresarial do Brasil, e com a questão da Bolha não foi diferente. Os nossos colegas do fórum podem opinar a respeito e você verá.

          0
          • FQ 8 de setembro de 2011 at 11:08

            A Globo é nojenta… não dá mais nem sequer pra assistir, pois ou você acha graça ou passa raiva. A “cara de pau” deles é absurda. Não é um jornal, é um “encarte publicitário”!

            0
    • Felipe 6 de setembro de 2011 at 22:38

      Daqui a alguns dias sai uma reportagem no SBT, depois começa os rumores em revistas de circulação grande (VEJA, Istoé) e aí vem o tiro de misericórdia com uma reportagem de 8 minutos no jornal nacional.

      0
      • Felipe 6 de setembro de 2011 at 22:38

        *começam

        0
    • Gustavo 6 de setembro de 2011 at 22:43

      Outras posições interessantes:

      http://www.forumimobiliario.com.br/habitacao/bolha-imobiliaria-pequeno-poupador-que-se-cuide/

      Trecho retirado do link acima: “Quem deve ficar com a perda são os pequenos especuladores, que colocam sua poupança no imóvel. São Paulo já registra o terceiro mês consecutivo com retração nas vendas de usados. Quem estiver comprando lançamento para revender com lucro no curto prazo deve “colocar as barbas de molho”.

      http://www.forumimobiliario.com.br/habitacao/valor-dos-imoveis-comeca-a-cair/

      0
    • Salles 7 de setembro de 2011 at 08:36

      Estranho….
      o pessoal do mercado imobiliário não diz que os imóveis SEMPRE se valorizam? na minha opinião, acompanhar a inflação não é valorizar (é simplesmente “não desvalorizar”).

      Estão mudando o discurso….

      0
  • Sérgio 6 de setembro de 2011 at 23:00

    Perguntas retóricas:
    .
    Por que onde houve um crescimento relativo da economia, principalmente nos ativos IMÓVEIS, lá estavam JP Morgan (Gávea Investimentos) e Morgan & Stanley: dois pivôs que lucraram com as SUBPRIMES americanas, levando consigo, de quebra, o UBS (Pactual), um dos que mais perderam?
    Será que os investidores tupiniquins não sabem o significado de Valor Geral de Vendas, que é apenas uma estimativa potencial de vendas (estimativa segundo a mãe Dina) e não representa nada de fato? E que o cara que concebeu o VGV foi o mesmo que criou o jogo Banco Imobiliário?
    .
    Onde estamos?

    0
    • Adriano 7 de setembro de 2011 at 07:24

      Planeta Ganância. Tenho mais de 15 anos no mercado financeiro (inclusive em alguns do bancos citado por vc) e posso afirmar que a despeito de toda lógica econômica, o maior adversário para os banqueiros é sua ganância interna exacerbada ou “greed”. Infelizmente, como o “greed” é pré-requisito para a ascensão profissional, você pode imaginar os conflitos internos “razão x greed” que os mesmos têm. Quando percebem que fizeram m….., normalmente conseguem passar a bomba para outro. Ser banqueiro é isso, basicamente.

      0
  • Mdc 6 de setembro de 2011 at 23:12

    Segue artigo interessante site inacreditavel.com. Um tanto apocalíptico, mas possui fundamento teórico

    Indicador é um salto na cotação do ouro de 100 Dólares

    Resumindo algumas palavras sobre o Euro: as diversas ações de salvamento do Euro estão falhando na esfera política. A Finlândia não aceita mais fornecer dinheiro aos gregos, ou apenas contra um dinheiro-retornável, que outros pagadores devem repassar. E outros países se uniram à ideia e querem fazer a mesma coisa. O próximo “pacote de salvamento”, o ESM, não passará pelo parlamento. Seria uma própria tarefa deste parlamento. A concordância em todos os 17 países do Euro seria necessária.

    Também não avançam outros “veículos salvadores” como o Eurobonds ou um “governo econômico europeu”. A única coisa que ainda seguro o Euro são manipulações do mercado e o período de férias. Os mercados financeiros não estão com suas cadeiras totalmente ocupadas, mas isso mudará no início de setembro. Então nada mais irá ajudar, mesmo quando o banco central suíço comprar enormes quantidades de Euro. A queda do Euro se aproxima.

    Crise bancária 2.0

    Nós não discorremos aqui sobre o morticínio dos bancos gregos, mas sim de grandes bancos como o Unicredit, Societé Générale ou Bank of America. Segundo informações da mídia, todos estes estão à beira do abismo e certamente também muitos outros bancos. Se apenas um desses bancos cair, devido à retira maciça de capital, todos caem. O mercado interbancário está mais uma vez em colapso.

    Da mesma forma que os conselhos dos bancos europeus e o FMI alertaram publicamente sobre os perigos antes da crise bancária em 2008. Neste ano, o sistema pode ser salvo apenas com muito esforço e enormes somas vindas dos bancos centrais e dos países. Além disso, o inimigo do sistema, a cotação do ouro, valia metade do que seu valor atual. Hoje em dia, os diversos títulos dos países falidos contidos no portfólio são os principais causadores da crise bancária. Um salvamento dos bancos como aconteceu em 2008 não será mais possível em 2011. Quando o crash iniciar, desmorona tudo muito rapidamente e os bancos fecharão suas portas. Então virão as reformas monetárias, onde novas moedas nacionais serão introduzidas na Zona do Euro. As ovelhas poupadoras estarão então tosadas. Quando acontecerá? Provavelmente em setembro 2011.

    Ouro

    Entrementes acontece uma corrida mundial em direção ao ouro. Na Zona do Euro apenas na Alemanha e parcialmente na Áustria. Por isso sua cotação subiu há algumas semanas até 1.900 Dólares a onça, sofrendo então uma brutal pressão através de um esforço hercúleo. Mas uma retomada da elevação da cotação do ouro é certa. Esta fuga do sistema do papel-moeda não pode ser mais impedida, apenas contida momentaneamente. Logo chegará o ponto, onde os Bancos Centrais e os países devem tentar, como em qualquer crise monetária, salvar tudo com juros altos e contenção enérgica de despesas. Somente depois desaba a casa: bancos, ações, países, empresas endividadas, todo capital.

    O indicador para um crash do sistema será: quando o preço do ouro avançar de repente 100 Dólares a onça ou mais, e não poder ser reprimido.

    E não esquecer: após o crash, fazem as regras apenas aqueles que possuem o ouro; não mais os atuais políticos e demais elites. Estes irão afundar com o papel-moeda. A ira dos poupadores lesados será terrível. Ela eclodirá logo.

    Walter Eichelburg, engenheiro.

    O autor do artigo não é um consultor financeiro, mas sim um investidor em Viena – NR.

    Este artigo apareceu na revista ef-online, de 03 de setembro de 2011.

    0
    • xyz 7 de setembro de 2011 at 00:25

      Alemanha está muito arrependida de ter entrado nesta barca furada do euro.
      Os países austeros acabam tendo que pagar a conta dos países caloteiros.

      0
  • Elias 6 de setembro de 2011 at 23:22

    Gosto muito de ler os bons comentários, do MrK, DRN, Carcará e outros. Muito inteligentes e agregadores.

    Esse das 5 fases do Mrk foi excelente.

    A da dívida pública, do Carcará, tb foi boa. À este, acrescento que do orçamento federal de R$ 1,4 trilhão, cerca de R$ 600 bilhões é só pra pagar serviço da dívida – amortização mais juros.

    Um absurdo, se pensarmos que o bolsa voto, quer dizer, bolsa família, equivale a R$ 15 bilhões.

    Se considerarmos os juros estelares desta dívida, e que boa parte dela é só rolagem e pra manter reserva em dólares que rendem quase nada (entre 350 bilhões de dólares), mais a tendência deficitária da política fiscal, daí a nossa persistente inflação e a insustentabilidade desta situação no longo prazo.

    Mas confesso que tb gosto desses espasmos de raiva como o do adm.

    Acompanho o blog há algum tempo e lembro que no começo, alguns vinham refutar a bolha e apresentavam argumentos interessantes, até plausíveis, e a discussão era muito boa.

    Com o passar dos meses, estes sumiram, e cada vez mais, os contra-bolha em vez de argumentos, aparecem com estes acessos rápidos de raiva.

    Hilário.

    0
    • Pensativo 7 de setembro de 2011 at 02:06

      Elias,
      de onde você tirou esses 600 bilhões de reais para pagamento dos serviços da dívida pública ?
      Ora, se a dívida pública é de 1,4 trilhões, então, somente para pagar os juros (12% a.a.), serão necessários 168 bilhões (1,4 * 0,12 * 10^12). Restariam então 432 bilhões de reais anuais para amortização da dívida.
      Você realmente acha que o governo amortiza quase 450 bilhões de reais anualmente de sua dívida interna? Isso sem falar que a dívida nominal vem aumentando anualmente? Reveja estes valores meu caro.

      Acrescento mais: o Brasil precisa hoje de juros altos porque no passado não investimos em infraestrutura e em produção. Caso os juros caiam para padrões internacionais, não teremos como atender ao decorrente aumento da demanda interna sem enormes pressões inflacionarias.
      Foi exatamente isso que causou o aumento surreal dos imóveis nos últimos anos. O crédito imobiliário foi, em 2008, facilitado à classe média, que por sua vez foi às compras (de imóveis), mas não havia oferta suficiente nos bairros em que a classe média costumava morar, então os preços aumentaram “pra cara*****” (desculpas pelo palavreado).
      Coloco o Rio com exemplo: Pouca gente quer morar em Santa Cruz, Bento Ribeiro, Quitino, Caxias, etc. simplesmente porque nestes lugares não há boa infraestrutura, emprego, segurança, lazer e, principalmente, transporte digno e rápido para o Centro. Então os preços destes lugares muito menos que na Zona Sul, Centro, Tijuca, etc. Se o governo estadual e municipal tivessem investido em transporte, segurança, emprego, etc. nos bairros mais afastados da cidade e na baixada fluminense os preços do Rio não teriam chegado a esse estupro que temos hoje, pois a classe média teria mais opções onde morar e não ficaria se apertando em conjugados velhos e mofados da Glória, Catete, Copa, etc. A verdade é que a classe média trocou o conforto do lar para não passar sufoco no transito.
      Como integrante da alta classe média baixa carioca, onde bueiros voam e balas iluminam o céu da noite, digo que o único porém que faço para comprar um apartamento na Zona Oeste é o transito que eu enfrentaria diariamente em direção ao centro. Prefiro então alugar no nobríssimo bairro da Pça da Banheira.

      0
  • Anonymous 7 de setembro de 2011 at 00:17

    Os primeiros grandes perdedores foram as pessoas que compraram ações das construtoras em 2007. Agora, estamos na segunda rodada de perdedores – justamente quem já fez o financiamento. Tempos atrás, estimei que uma QUEDA de 10% no valor do imóvel fará com que a dívida do financiamento fique superior ao valor do imóvel DURANTE 12 ANOS!!!, supondo INFLAÇÃO ZERO e JUROS DE 12% ao ano. Logo estaremos na terceira rodada de perdedores – as pessoas que não terão renda para fazer o financiamento na entega das chaves.

    0
    • xyz 7 de setembro de 2011 at 00:30

      Acho que os piores perdedores serão aqueles que compraram na planta e não vão receber.
      Quando a bolha estourar, as construtoras inescrupulosas vão, espertamente, “falir”.

      0
  • carlos wagner 7 de setembro de 2011 at 00:22

    Um comentario sobre “O crédito responsavel que os bancos brasileiros concedem.”

    Em todas as reportagens sobre bolha imobiliaria sempre divulgam que a possivel qubra de bancos não acontecerá no Brasil devido ao credito ser extremamente responsavel e conservador. Os bancos concedem 80%-90% do valor do imovel e para pessoas com boas referencias. Até ai, tudo bem. Mas vejamos:

    Vou dar um exemplo do apartamento em que moro, que em 2008 custava 120 mil e hoje estão falando em 290 mil

    Se uma pessoa pega o limite do credito que sua renda poderia pegar, digamos que 200 mil e dê os demais 90 mil de entrada e caso estoure a bolha, o banco ficará com um apartamento que vale menos do que o credito concedido. Isso nao é uma forma de credito podre?

    No meu entender, credito concedido sobre preços descolados da realidade vigentes durante uma bolha é credito irresponsavel e pode levar instituições financeiras a ruina como o famoso subprime nos EUA.

    Estou errado? Comentem, por favor.

    0
    • Mahmoud 7 de setembro de 2011 at 03:26

      Também acho que o crédito responsável não é garantia de nada. Numa bolha, mesmo com dinheiro, a pessoa não vai pagar um saldo que não existe, e tranfere a bomba para o banco

      0
    • Adriano 7 de setembro de 2011 at 07:30

      O crédito pode até ter sido irresponsável, mas felizmente risco de quebra realmente acredito não haver, uma vez que a carteira imobiliária na maioria do bancos ainda é MUITO pequena em comparação com os outros ativos. Talvez a CEF, mais aí o governo socorre. Na realidade, esse argumento deles é apenas mais um “confiem em nós”, “fiquem tranquilos”, endereçado principalmente para os pobres otários que já entraram na furada.

      0
      • Adriano 7 de setembro de 2011 at 08:46

        Olha a lógica do banqueiro: “Fizemos m…., essas titicas de apto valem a metade do preço que foram vendidos. Como o corno do mutuário entrou com 20%, o nosso risco é dos 30% restantes. Vamos acabar de fud…. o corno e engana-lo até onde for possível, ele só precisa amortizar mais os 30%. Como o imóvel vale apenas 50% do que o mutuário (côrno) pagou, se então ele deixar de pagar, fod..-se ele. Estará na mer…. e eu leiloarei a titica do apto pelos 50%, quem sabe consigo até mais um troco.” O que ele tenta evitar a todo o custo é que o mutuário ao reconhecer a m…. que fez, deixe de pagar AGORA, no início das prestações. Esse é o risco do banco. E vou dizer uma coisa, já deve ter MUITO mutuário caindo em si e tentando passar a bomba e recuperar seus 20%.

        0
      • KDu 7 de setembro de 2011 at 14:31

        tenho fontes que dizem que a CEF já foi comprada pelo BB, mais nada foi divulgado!!

        0
    • JPM 7 de setembro de 2011 at 11:50

      A diferença com o modelo norte-americano é que lá o banco pegava o imóvel, e o tomador do empréstimo ficava livre da dívida.
      Aqui no Brasil, o banco vai tomar o imóvel, leiloar, descontar o valor apurado da dívida, e continuar cobrando o mutuário, com juros bem altos. Então a perda dos bancos é muito menor.
      Aqui quem vai pagar a conta somos nós mesmo, não os banqueiros.

      0
      • KDu 7 de setembro de 2011 at 14:33

        por esse motivo ! acho que também temos mais um caso ai!!!

        a pessoa que não paga, e não sai da casa!! oque dificulta o leilão!

        além de aumentar os custos para obter o imóvel de volta!! pois sabemos como funciona a justiça no Brasil

        0
  • Guilherme Eduardo 7 de setembro de 2011 at 00:31

    alguém ja viu essa notícia:

    Construtora Vasconcelos e Atitude Consultoria Imobiliária

    06/09/2011 – 14h05

    SÃO LUÍS – Consumidores foram vítimas de calote aplicado pela Construtora Vasconcelos e a Imboliária Atitude Consultoria Imobiliária por conta de um “calote” que pode atingir cerca de mil pessoas.

    A Vasconcelos e a imobiliária, que teriam falido, são responsáveis pela construção e comercialização dos condomínios Astúria 1 e 2 (Turu), Marfim 1 e 2 (Rua do Aririzal) e Mediteranèe (Olho D’Água) que não têm previsão de entrega.

    O caso foi denunciado por duas vítimas do golpe, identificados como Ricardo e Isabel Cristina, no programa Rádio Patrulha, apresentado pelo radialista Domingos Ribeiro, na Mirante AM. A procura de explicação para o prejuízo, os consumidores recorreram a procuradora Lítia Cavalcanti. Ela disse que a denúncia tem que ser levada ao conhecimento do Ministério Público Federal, devido envolver o Programa Minha Casa Minha Vida, com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal e a Caixa Econômica Federal.

    h t t p : / / i m i r a n t e . g l o b o . c o m / n o t i c i a s / 2 0 1 1 / 0 9 / 0 6 / p a g i n a 2 8 4 3 5 6 . s h t m l

    0
  • Daniel 7 de setembro de 2011 at 01:00

    Será que vai ter quem caia nessa lá fora???
    h t t p : / / w w w .openpr.com/pdf/190510/Carnival-Time-for-Brazilian-Real-Estate-by-Obelisk-International-News.pdf

    O mais engraçado está na última frase: “For more information on Brazilian investments and to find out about Obelisk International’s latest opportunities for investment in Brazil, contact us …”

    0
    • Adriano 7 de setembro de 2011 at 07:17

      Deve ser o pessoal dos fundos de investimentos. Ridículo.

      0
  • Vitor 7 de setembro de 2011 at 03:42

    Não existe nenhuma evidencia de que existe uma “bolha imobiliaria” no Brasil, como existiu nos EUA a partir do ano 2000. A unica semelhança é o aumento do crédito mas no Brasil os emprestimos, em particular os da “Minha Casa Minha Vida”, são feitos diretamente com a Caixa, que tem inumeras exigencias ao emprestar o dinheiro. Nos EUA, ao contrário, os financiamentos, em particular os arriscados “subprime” eram convertidos na forma de CDOs que por sua vez eram comprados por investidores incautos. Os bancos nao perderiam um centavo se a pessoa deixasse de pagar o financiamento, por isso eles financiavam para qualquer pessoa, sem exigencias, uma vez que o que importava para eles era a venda dos CDOs. Já no Brasil a pessoa deve diretamente para a Caixa. É evidente que o preço de imoveis no Brasil subiu de maneira estrondosa, mas a culpa disso é da demanda reprimida que existia, e graças aos programas do governo federal milhões de pessoas estão conseguindo comprar sua casa propria, fazendo financiamento seguros, que NADA tem a ver com os subprimes americanos.

    Toda essa histeria de bolha é besteira. O mercado imobiliario no Brasil só vai para o buraco se houver uma crise mundial MUITO FEIA, causando desemprego e inadimplencia. Mas tudo vai para o buraco de qualquer maneira mesmo, se houver crise…

    0
    • Gustavo 7 de setembro de 2011 at 13:33

      O estouro de uma bolha pode ser realmente mais difícil de ocorrer. Já uma forte acomodação dos preços, isso é mais fácil e bem provável. Já estamos vendo os inúmeros descontos que estão sendo concedidos em função da queda na demanda. Os números provam isso. A acomodação é necessária para que o mercado continue evoluindo de forma saudável e possibilitando as famílias a comprarem suas moradias, não essa ganancia desenfreada por lucro a qualquer custo.

      0
    • Mahmoud 7 de setembro de 2011 at 15:48

      É evidente que o preço de imoveis no Brasil subiu de maneira estrondosa, mas a culpa disso é da demanda reprimida que existia, e graças aos programas do governo federal milhões de pessoas estão conseguindo comprar sua casa propria, fazendo financiamento seguros, que NADA tem a ver com os subprimes americanos.
      ———-

      Uma coisa é o déficit de moradias de R$ 40, 50 mil reais que é o que mais de 95% da população brasileira tem condições de pagar. Outra coisa são os preços de imóveis atuais nas grandes capitais, de R$ 300 mil para cima. Isso não tem como se sustentar. Nem quem ganha R$ 10 mil está conseguindo crédito para pagar isso em 30 anos isso.

      0
      • Gustavo 7 de setembro de 2011 at 18:39

        Não vejo que é somente demanda reprimida não. Há também os especuladores de plantão que são muitos. Quem saiu na frente bebeu água limpa. Os amadores que chegaram por último arcarão com o prejuízo.
        Já haviam comentado aqui no site a ultimamente tenho percebido a mudança no perfil das propagandas de imóveis. Anteriormente o mote era: “Venha morar no imóvel de seus sonhos”. Agora é:”Venha fazer um ótimo investimento”.
        Isso mostra que a capacidade de compra de quem quer realmente morar não está compatível com os preços praticados. Agora, se algum “investidor” desavisado cair na tentação vai acabar comprando.
        Tenho um amigo que comprou a uns 5 anos um apartamento no bairro Ouro Preto em Belo Horizonte por 30 mil. Na época ele financiou e deve ter pago no total uns 40 a 45 mil reais. Hoje, imóveis iguais ao dele no prédio vendedores tem pedindo 150 mil, fora o valor do financiamento. E para um imóvel que sinceramente não vale isso. É simplesmente vergonhosa a situação. Se hoje ele fosse comprar o mesmo imóvel ele não conseguiria.

        Tenho sempre algumas perguntas comigo que não consigo responder, talvez vocês possam me ajudar:

        – De onde vem o cálculo do déficit habitacional? A fonte é confiável? Pergunto isso pois não vejo esse déficit enorme. Vejo sim, pessoas morando de aluguel querendo comprar imóvel próprio, o que não considero como déficit habitacional por já terem onde morar. Se todos que moram assim comprarem imóveis haverá uma sobreoferta de imóveis no mercado para alugar.

        – Qual a proporção de pessoas que realmente compram imóveis para morar e para investir? Conversando com a amigos do setor me informaram que cada um é 50%.

        0
        • MrK 7 de setembro de 2011 at 22:06

          Gustavo, olha, quanto a % de investidores e moradores, é o dado mais importante que existe hoje e justamente por sua importância não é divulgado por ninguém

          voce ouviu meio a meio, eu por exemplo já ouvi que em alguns lancamentos chegam a 80% de investidores! Agora, nenhum dado é oficial nem feito sobre uma amostragem estatística relevante, por isso ficamos no “achômetro”, mas te digo uma coisa, mesmo que seja menos de 50%, se for digamos 40% já é muita coisa, porque pra repassar 40% de tudo que tá subindo aos preços de bolha me parece impossível

          quanto ao deficit, a pergunta que deve ser feita não é: Existe tanta gente assim querendo imovel pra morar? A pergunta certa é: Existe tanta gente assim querendo imovel pra morar E QUE PODE PAGAR ESSES PREÇOS?

          pois pense bem, de que adianta um deficit de uma populacao de rua por exemplo pra justificar os precos altos?!?!? eles querem apartamento, mas não podem pagar

          0
          • Luiz 8 de setembro de 2011 at 09:37

            essa historia de DEMANDA reprimida é a maior balela.
            temos deficit habitaciona dese que a primeira caravela chegou ao Brasil

            mas só agora estamos vendo um 2 quartos no botafogo valer mais que um Palacete na região mas valorizada da italia (não me contaram eu vi, se quiser escaneio a oferta e mado viae-mal)

            Os técnicos mais exagerados falam em demanda de 7 milhões que é o caso da Erminia. Demanda de 35 milhões supõe que todo mundo no BR quer se mudar, é provavelmente o numero de domicilios no país. Destes 7 mi, 90% de baixa renda, ou até 3 salarios minimos

            0
          • Luiz 8 de setembro de 2011 at 09:59

            todavia, exceto alguns exageros do Vitor, o meu pensameto esta basicamente na linha com o do Vitor, grandeparte da bolha pode se explcad por simples sobrevalorização do real, festa de crédito, infação na construção civil e otimismo exacerbado nas expectativas futuas, alimetado por gente de quita categoria queé o grosso dequem opera na área

            Creio que iniciou-se aformação da bolha agora no inicio de 2010, e duvido que teremos crise antesde 2015, vide investimentos planejados, copa, olimpiada, pretrosal, mineação, etc…, além das crescentes avaliaçõesdebax rsco BRasil e d olchão de dolares que no fim do ano pode chegar a meio trilhão

            O que não muda a decisão da pessoa comum, comprar na planta agora pode ser suicidio, investir pode ser perigoso, e pra morar – melhor augar.

            0
    • JPM 7 de setembro de 2011 at 16:11

      Vítor, as 2 coisas são distintas. A facilidade de crédito nos EUA e a bolha imobiliária são fenômenos relacionados, porém distintos. Lá, com os preços dos imóveis subindo bem acima da inflação e dos salários deles, muitas pessoas começaram a investir (e a usar crédito para isso). Só que imóveis demora a ser construídos, e essa “inércia” fez com que os investidores demorassem a perceber a saturação do mercado. Quando a oferta ficou muito grande, os imóveis começaram a demorar para serem vendidos, o que causou a inadimplência e ferrou os bancos.
      Aqui no Brasil, de fato o impacto da bolha será muito diferente, porque o crédito é bem mais difícil que lá, e a carteira imobiliária dos bancos é relativamente pequena.
      No entanto, os preços estão muito fora da realidade. Subiram, proporcionalmente, mais que nos EUA. E o déficit habitacional é para a população de baixa renda. As pessoas com salários acima de 10 salários mínimos não tinham escassez de imóveis, tanto que ficaram fora do MCMV.
      Mas essas mesmas pessoas tem dificuldade de comprar imóveis. Ganho R$ 7.5k bruto, e com isso dá para financiar no máximo R$ 175k. Com essa grana, não consigo comprar um apê novo de 2 quartos em Ribeirão Preto, em um bairro bom. E olha que estou falando de interior do estado de São Paulo,ou seja, não somos uma capital, não temos praia e nenhuma paisagem digna de nota para encarecer o imóvel pela “vista”.
      Além desse descolamento de preços, somente no bairro onde moro hoje existem 44 torres, de pelo menos 15 andares, em construção. E com preços partindo de R$ 250k.
      Quando finalmente forem entregues, o mercado potencial (pessoas com salário acima de R$ 10k) para as unidades que forem postas a venda será muito pequeno. E aquela unidades compradas para habitação levarão à desocupação de algum outro imóvel na cidade, mantendo a oferta estável.
      Historicamente, depois das bolhas, os preços retornam aos patamares equivalentes ao preço pré-bolha ajustado pela inflação (ou salários).

      0
    • Adriano 7 de setembro de 2011 at 17:05

      Oh Vitinho, você só entrou para polemizar, eu sei. Mas vamos lá, dando mais uma trelinha….

      “É evidente que o preço de imoveis no Brasil subiu de maneira estrondosa, mas a culpa disso é da demanda reprimida que existia, e graças aos programas do governo federal milhões de pessoas estão conseguindo comprar sua casa propria, fazendo financiamento seguros, que NADA tem a ver com os subprimes americanos.” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      gostei da parte “milhoes de pessoas estão conseguindo comprar sua casa própria”. Ai vira conversa de bêbado ou maconheiro. Provavelmente estamos falando de países diferentes. Os argumentos dos insiders cada vez mais ridículos é prova mais cabal que a coisa está MUIIIIIIIIITO FEIA.

      A única diferença do subprime daqui é que ele é repassado para OUTRO mutuário (a transação é entre mutuários), e que o brasileiro mediano é ZILHÕES DE ANOS LUZ mais IRRSPONSÁVEL em relação a crédito, já que nunca teve. Não têm noção do que é um financiamento de 20, 25 anos. Fora isso é igual. Considero a situação do Brasil PIOR do que a dos EUA em 2008.

      0
      • xyz 7 de setembro de 2011 at 19:10

        No final, os petistas vão tentar convencer os mais incautos que a culpa foi da “crise internacional” e não deste governo incompetente, irresponsável e desonesto.

        0
    • Mrk 7 de setembro de 2011 at 17:44

      Amigo vitot, voce so esqueceu de mencionar a quantidade enorme de pessoas que compraram imoveis, no plural, pra investir! Ja parou pra pensar na enormidade de imoveis vendidos na planta como investimento que virao ao mercado serem repassados em breve?? A principal definicao de bolha eh uma euforia irracional que descola os precos da realidade pela promessa de lucro alto no curto prazo, exatamente o que temos por aqui! A bolha espanhol e japonesa por exemplo ocorreram e nada tem a ver com subprime! Abs

      0
      • carlos wagner 7 de setembro de 2011 at 18:05

        Muito bem observado. Nossa bolha é muito mais parecida com a espanhola do que com a dos EUA, porém os analistas ignoram isso e a comparam unicamente com a Americana, como se outras mais semelhantes nunca tiveram existido.

        Isso é desculpa para fazer lavagem cerebral na grande massa, A ficha só vai cair pro brasileiro quando a corda começar a apertar o pescoço. E isso acontecerá em breve.

        0
  • Sérgio 7 de setembro de 2011 at 07:42

    A ordem é RASPAR ATÉ O TACHO.
    .
    Há uma semelhança hoje com o que acontece com o IMOB e os campos petrolíferos em final de exploração; nestes, injeta-se vapor d’água para se aumentar a pressão e se retirar o restante do óleo dos campos semi exauridos. Na bolsa, os grandes investidores, sinalizam o movimento de subida dessas ações moribundas, anunciando seus altos VGV; compram, por si própria grande quantidade de ações (injeção de vapor d’água), aumentando a pressão; trouxas vão e compram por espasmo (efeito manada (de idiotas)); logo em seguida os grandes saem e deixam a pica para os pequenos de olho grande; esses ainda ficam se justificando mutuamente, informando que as bases são sólidas!
    Um mesmo conhecimento serve para diversas utilizações.

    0
    • Mrk 7 de setembro de 2011 at 11:53

      Exatamente isso, as construtoras estao com medo dos investidores na planta devolverem o imovel nas chaves, pois eles podem pagando um pequeno pedagio, imagina as construtoras atoladas de estoque de imovel desvalorizando?? Entao eles tem que continuar jurando de pes juntos que eh bom investimento, pra deixar o mico preto nas maos dos investidores…

      0
  • doom 7 de setembro de 2011 at 16:08

    Em post, o The Economic Collapse informa que os Estados Unidos vive o apocalipse do mercado imobiliário devido ao recrudescimento da crise que afeta aquele país desde 2008.

    E enumera alguns fatos que, segundo o site, mostram que os EUA está no meio do maior colapso do setor da habitação da sua história:

    1. Cerca de 11% das casas nos Estados Unidos estão desocupadas.

    2. A taxa de aquisição da casa própria nos EUA caiu para os níveis de 1998.

    3. Pela primeira vez, o número anual de casas confiscadas atingiu a marca de 1 milhão de unidades, em 2010.

    4. Um total de 3 milhões de residências foram arrestadas pelos credores hipotecários entre janeiro de 2007 e agosto de 2010. Isso representa uma enorme quantidade de estoque adicional de imóveis que de alguma forma deve ser vendido.

    5. Alguns centros urbanos que tinham grande importância no passado, rapidamente se transformam em cidades fantasma. Por exemplo, na industrial Dayton, estado de Ohio, 18,9% das casas estão vazias. Em Nova Orleans, 21,5% das habitações também estão na mesma situação.

    6. Os preços das moradias já caíram mais durante a atual crise econômica, declínio de 26%, do que durante a Grande Depressão de 1929, que teve uma queda de 25,9%.

    7. Há poucos sinais de que a situação do emprego nos Estados Unidos vai melhorar tão cedo. Existem mais de 4,2 milhões de americanos desempregados. De acordo com o instituto Gallup, a taxa de desemprego aumentou para 9,6% no final de dezembro.

    8. Muitos americanos que ainda estão empregados descobriram que se tornou difícil se qualificar para conseguir empréstimos imobiliários.

    9. Em uma tentativa de evitar os erros do passado, bancos e instituições financeiras tornaram-se mesquinhos para liberar dinheiro para aquisição de residências. E o congresso dos EUA está falando sobre a aprovação de leis que irão tornar ainda mais difícil conseguir empréstimos para aquisição de casas.

    10. A classe média norte americana tornou-se tão pobre que a sua grande maioria não tem condições de comprar uma casa sem que haja as facilidades hipotecárias que estavam disponíveis no passado.

    11. Há todos os tipos de sinais de advertência que parecem indicar que a economia dos EUA pode ficar ainda pior em 2011. E pela primeira vez, desde a década de 1970, muitos economistas já usam a palavra “estagflação” para explicar a atual crise financeira. Foi justo naquele tempo que o país enfrentou momentos de dificuldade, com altas taxas de desemprego e crescente inflação.

    theeconomiccollapseblog.com/archives/housing-armageddon-12-facts-which-show-that-we-are-in-the-midst-of-the-worst-housing-collapse-in-u-s-history

    0
  • ildeu 7 de setembro de 2011 at 20:44

    eu particularmente vejo em mha cidade apenas pessoas entusiasmadas , com salarios entre 2 a 5 mil reais comprando imoveis ridiculos , em futuros cortiços.Quem tem grana ,não gosta de se comprometer e sair de seu estado de segurança [ bom salario , vida tranquila] e fazer divida absurda por tanto tempo.Concordo que imovel até 200 mil se venda facil , mas acima complica , e depois de 400 mil é pura sorte vender .

    0
    • Sérgio 7 de setembro de 2011 at 21:15

      Em termos de financiamento, para se comprar casas de 200 K há que se ter uma renda de aproximados 6,5 K, além de 40 K à vista. Penso não serem muitas as pessoas que ganham isso e ainda tenha 40K na mão. Sou servidor federal e tenho renda de 8K, sendo 6K líquidos e ainda conto com financiamento de 100 por cento por convênio MPOG Caixa… ainda assim, só consigo financiar 180K. Dinheiro na mão… neca… pagando aluguel, com filho, faculdade da esposa e vida descente… sem chance de ter 40k na mão. Logo, penso, ou estou ganhando pouco, ou estou vivendo como um Bon Vivant (o que não creio) ou tem gente se endividando mais do que pode, pois 180K significa aproximados 1,8k mensais. Ou ainda as vendas de 160K para cima é somente para investidores.
      Pessoas que têm renda de 6k para cima, fixa ou como profissional liberal, dificilmente morariam em imóveis extremamente pequenos, como o são os de valores relativamente baixos (segundo ELES).
      Mudando de assunto: com o novo discurso da Dilma, a coisa deve estar feia… e vamos consumir para o Brasil não ESTOURAR minha gente: vamos todos consumir, comprando bastante pipoca e refrigerante para assistir de camarote a grande show de explosão.

      0
  • marlon 7 de setembro de 2011 at 21:06

    pelo censo 2010, Curitiba contava com 46.898 domicilios particulares não ocupados – vagos, contando com uma taxa de crescimento de 0,99% ao ano, menos de 20.000 pessoas. como a media de moradores por domicilio é da ordem de 3 pessoas, haveria, antes dessa onda de construções uma reserva de imoveis que poderia absorver no minimo a população que crresceria nos próximos quatro anos. entendo que existem muitas variantes, mas o resultado não mudaria muito. vai sobrar imóvel.

    0
  • Zoom 7 de setembro de 2011 at 21:16

    06/09/2011 – 12h04

    Governo publica novas regras para
    uso do FGTS na compra de imóvel
    popular

    SÃO PAULO – Foram publicadas nesta
    terça-feira (6), no Diário Oficial da
    União, as novas diretrizes para a
    utilização de recursos do FGTS (Fundo
    de Garantia do Tempo de Serviço) em
    financiamentos de imóveis da segunda fase do programa Minha Casa, Minha
    Vida. De acordo com a resolução, publicada
    pelos Ministérios das Cidades, Fazenda e
    Planejamento, Orçamento e Gestão, o
    FGTS poderá ser utilizado para aquisição
    de imóveis por famílias com renda
    mensal bruta de até R$ 3.100. A operação de crédito com recurso do
    fundo poderá ser cumulativa com
    subsídios concedidos no âmbito de
    programas habitacionais dos estados, do
    Distrito Federal ou dos municípios,
    observadas as normas que regem os programas de aplicação do FGTS,
    referentes à área orçamentária de
    Habitação Popular. Valor A subvenção econômica fica limitada a
    17,5% dos valores totais dos descontos
    habitacionais concedidos com recursos
    do FGTS, definidos em regulamentação
    específica, e será concedida com o
    objetivo de: Facilitar a aquisição, produção e
    requalificação de imóvel residencial; Complementar o valor necessário a
    assegurar o equilíbrio econômico-
    financeiro das operações de
    financiamento realizadas pelas
    entidades integrantes do SFH
    (Sistema Financeiro da Habitação). CEF A portaria ainda define as funções
    exercidas pela Caixa Econômica Federal,
    que será responsável pelo controle e
    prestação de contas da aplicação dos
    recursos, e pela disponibilização de
    dados e informações, na forma e periodicidade que venham a ser
    solicitados. Além disso, a CEF receberá
    mensalmente 0,5% de cada parcela das
    subvenções repassadas, a título de
    remuneração pelas atividades de gestão
    operacional. Minha Casa, Minha Vida Apenas no primeiro semestre de 2011, o
    programa recebeu R$ 1,998 bilhão em
    recursos do FGTS. Com o valor liberado,
    serão contratadas cerca de 122 mil
    unidades de moradias, destinadas a
    cerca de 500 mil brasileiros e gerando empregos para mais de 520 mil
    trabalhadores.
    Fonte. Infomoney 06/09/11

    0
  • Sérgio 7 de setembro de 2011 at 21:32

    Percebo que um ou outro aqui culpa o PT por tudo isso.
    Bem… até sei que o PT, assim como todos os outros, estão cheio de pilantras.
    No entanto, num esforço de síntese, acredito no PT como o menos ruim, até porque querer governantes bons quando nós próprios não o somos, é mero contrasenso.
    Mas, infelizmente, tem alguns erros que são foda: descobri recentemente que, em 2008, o próprio governo Lula chamou o camarada da MRV para estudarem um plano para enfrentar a crise que se avizinhava juntamente com a ideia de moradias populares: disso nasceu o MCMD… e deu na merda que deu.
    Penso que, como não tenho muita maldade no coração, que a ideia (a intenção) era boa, afinal, brasileiros que não tinham renda razoável estava fadado a morar de aluguel para o resto da vida. Mas a pressa, a ingenuidade trabalhando com a ganância, deu no que deu.
    Tenho 42 anos, iniciei trabalhando numa estatal em uma cidade de Segurança Nacional; já presenciei luta de trabalhadores com o exército (1988 em Volta Redonda); demissão em massa por causa da privatização; levantes na antiga Bolsa de Valores do Rio e outros. Sei que não estamos no melhor dos mundos, mas certamente estamos do MENOS RUIM governo a que presenciei. Sei dos podres dele como ninguém (estou dentro). São ossos de nossa incipiente democracia. E creiam: é melhor do que o outro modelo.

    0
    • MrK 7 de setembro de 2011 at 22:14

      politico é tudo igual em tudo que é lugar do mundo, infelizmente tá dificil achar algo diferente

      eu não gosto do pt, na verdade não o suporto, mas não adianta vir aqui falar que heloisa helena ou Serra seriam muito melhores, não sei, o Serra acho até mais preparado, mas daí pra ser um governante melhor há uma longa distância…veja o caso americano, o Bush foi um desastre, o Obama era a esperança, carismático, influente.. e agora o Obama está tendo um governo no campo economico tão desastroso quanto o Bush, cometendo os mesmos erros populistas pra disfarcar a crise

      eu não sei quanto a vocês, mas pra mim a definição de maluquice é fazer a mesma coisa dezenas de vezes esperando resultados diferentes… é exatamente isso que é o novo “pacote” de estimulos do obama, alguém acha que vai funcionar?

      0
    • Carlos Eduardo 8 de setembro de 2011 at 18:54

      Acho que ter a chance de governar um país do tamanho to Brasil é para poucos!

      acho a história politica do nosso pais uma sequencia de absurdos! mais não é por isso que devemos aceitar erros que á muito já estava previsto por leigos!!!

      vide esse site.. praticamente formado de gente do povo de diversos segmentos!

      não acredito em ingenuidade, principalmente de politicos, que tem, ou podem ter qualquer cientista de qualquer segmento que for necessario como acessor!!

      O Lula pegou um país privilegiado nas mãos, coisa que nenhum antes dele teve! e tenho medo de como o Brasil estará quando o próximo governo assumir!!! e isso sim é um absurdo..

      estariamos crescendo, ou andando para tras ???
      crescendo ou falindo todos os segmentos ???

      não sou contra o PT, sou contra todos que tem responsabilidade e não correspondem á tal!!!

      á, não esquecendo … essa corrupção e impunidade é o absurdo em niveis máximo..

      não somos bons o suficiente para arcar com produção e corrupção e querer competir com qualquer outro pais onde as leis funcionam ….

      cada vez mais o governo precisa de mais dinheiro ????

      fora outros fatores que não se refere a bolha imobiliaria…

      outra coisa, eu não sou um irresponsavel igual essa corja ai, e numca dei golpe em ninguem para ganhar a vida !!!

      0
  • Veigalex 7 de setembro de 2011 at 22:13

    Pessoal.

    Aumentaram a renda para comprar imoveis usados com Carta de Credito na Caixa.

    Irão aumentar também o limite de renda para imovies novos.

    w w w.agora.uol.com.br/grana/ult10105u971521.shtml

    w w w.correiodopovo-al.com.br/v3/economia/1055641003-Aumenta-renda-para-comprar-imvel-com-juros-menores.html

    0
    • Adriano 8 de setembro de 2011 at 07:25

      o programa MCMD se disvirtuou completamente. Nunca foi o que pretendia ser, mas agora a coisa está ridícula. A renda familiar foi ampliada para R$ 5.000. R$ 5.000 não chega nem perto da renda média do brasileiro, quanto mais dos mais pobres. Virou apenas uma maneira de transferir recursos para as empreiteiras.

      0
  • Elias 7 de setembro de 2011 at 22:14

    Olá Pensativo.

    Você quer saber de onde tirei estes valores, meu caro?

    Simples, do Projeto de Lei Orçamentária da União para 2012:

    http://www9.senado.gov.br/portal/page/portal/orcamento_senado/arquivo/03.%20LOA-Elab/03.1.%202012/03.1.1.%20Projeto%20de%20Lei/390-Proposta%20do%20Executivo/400-Texto%20do%20Projeto%20de%20Lei/410-Texto%20do%20Projeto%20de%20Lei%20Or%C3%A7ament%C3%A1ria.pdf

    Vá até a pg 11, o item 3.1 é o Refinanciamento da Dívida Pública Federal, no valor total de R$ 653.282.592.607.

    Quer que eu reveja os cálculos?

    Não fiz cálculos, a informação está lá: um pouco mais acima, temos o Orçamento Federal de R$ 1.464.991.090.834, que acrescido do Refinanciamento, vai para 2.118.273.683.441.

    Agora, a sua conta é muito simplória, não é bem assim. A dívida brasileira tem longa história, tem o calote dos anos 80, tem a renegociação com o Clube de Paris, tem o Plano Brady, etc.

    Eu não saberia te explicar, mas sugiro a leitura do manual da STN “Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo”.

    Mas, não vamos perder o foco. Nosso assunto é bolha imobiliária, e não dívida pública.

    Hoje passei por Higienópolis, bairro de elite aqui em SP, e vi uma faixa enorme de “vendo apto urgente – 340 m2”.

    Há alguns dias atrás, na Albuquerque Lins, neste bairro, eu e minha esposa nos deparamos com uma moça esquina segurando uma placa de “vendo apto neste prédio”. Conversamos com ela e era um de 200m2, e que o proprietário estava no imóvel, e o preço era com ele.

    Só queria ilustrar as novas formas de venda de imóvel. A plaquinha no poste ficou pequena.

    Tem que anunciar com faixa gigante e/ou mulher segurando placa na esquina – chama mais a atenção.

    0
    • MrK 7 de setembro de 2011 at 23:05

      Elias, nada é mais eficiente pra mover as pessoas do que o medo

      aqui no Rio, muita gente comprou imóveis a preços absurdos pelo medo que se propagava: “ou voce compra agora, ou não comprará nunca mais na zona sul” (ouvia-se muito isso)

      hoje o medo tá do outro lado, o medo de micar com imóvel nas mãos e ter um prejuizo forte, tá fazendo esse povo vender correndo… as vendas já travaram e eles com certeza já ouviram falar da “tal bolha” e querem vender no auge.

      o medo que antes arrepiava os compradores agora arrepiam os vendedores

      0
  • MrK 7 de setembro de 2011 at 22:22

    o zap tem umas coisas engracadas, eu lembro de discutirmos aqui há vários dias um caso de um ap. a venda no Rio que era repasse de uma obra que ficou pronta agora (discutiamos pois o valor do imovel repassado hoje é inferior ao valor de lancamento corrigido pela selic)

    pois bem, hoje tá lá o mesmo anuncio (mesmo preco) mas a data de anuncio é de HOJE!!!!!

    como assim, heim??? ficam fingindo que os imóveis entraram hoje, quando estão encalhados ali há várias semanas ou meses, alias, não é o 1o caso que vejo!!

    0
    • Paulo - RJ 8 de setembro de 2011 at 09:23

      MRK,

      Tenho acompanhado o ZAP e isto é algo muito comum. dificulta até o monitoramento para saber o tempo de venda do imóvel. Mas geralmente o código do imóvel é mantido

      0
    • Marcelo 8 de setembro de 2011 at 09:42

      MrK,

      O ZAP funciona assim, vc faz uma assinatura anual, e quando vc faz qualquer alteração no anuncio, ele assume a data atual da alteração.
      Eu tenho um anuncio do meu flat para locação, a assinatura é de um ano, quando alugo, deixo o anuncio la parado com a data antiga. Quando ele esta livre para locação, eu altero uma virgula e o anuncio ja assume a data atual.

      Abraços,

      0
      • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 14:03

        Marcelo, achei interessante o seu comentário. Você sabe de dá para desativar o anúncio para depois reativar-lo? Ou seja, desativando de maneira que o anúcio não seja mostrado no site do Zap. Nos 2 últimos dias do mes passado “sumiu” uns 400-500 anuncios de apartamentos a venda em Copacabana. Já na quinta comecou a “pipocar” anuncios de novo ate se estabilizar. Eu achei bem estranho esse movimento, e desconfio que seja relacionado com a maneira que as estatisticas mensais do zap são calculadas. O mais estranho foi o fato de esses anuncios terem sido concentrado em copacabana e Ipanema, nos outrosbairros nao houve nada tão parecido.

        0
  • Elias 7 de setembro de 2011 at 23:15

    Vitor, tem um colega de codinome Anonymous, que diz morar nos EUA, e certa vez escreveu que lá não se compra na planta – os imóveis são construídos, e uma vez prontos, o comprador financia diretamente a hipoteca com o agente financeiro.

    Aqui, a possibilidade de se comprar na planta fez muitos especuladores comprarem vários pra revender, e como já disseram, não temos a informação de quantos são.

    Agora me diga – essas LCIs, CRIs, fundos imobiliários e coisas do gênero, não são a mesma coisa que as CDOs? É securitização de recebíveis.

    E os CDOs não foram vendidos para “incautos”. Fundos de Previdência, autorizados a comprar somente títulos com classificação mínima de risco, compraram estes títulos classificados pelas agências de rating pilantras como AAA.

    Mas aqui, neste blog, nós estamos de olhos bem abertos. Já vimos este filme passar lá fora, e as cenas se repetem com precisão por aqui, infelizmente.

    0
  • Gus 8 de setembro de 2011 at 02:39

    Entrevista com Peter Schiff (Legendado em Português)

    Recomendo fortemente…. quem tiver um tempinho… vale a pena conferir… Apesar de ser de 2009, ele abordou questões em que os EUA já está vivendo…. e outras que muito provavelmente ainda estão por vir. São 8 partes.

    youtube.com/watch?v=DC2WGbj-X8E&feature=player_embedded#!

    0
  • nelson 8 de setembro de 2011 at 08:37

    08/09/2011 – 07h31
    Aumenta renda para comprar imóvel com juros menores
    PAULA CABRERA
    DO “AGORA”

    As famílias com renda de até R$ 5.400 já podem financiar um imóvel usado, de até R$ 170 mil, com juros de 8,16% ao ano, pelo programa Carta de Crédito FGTS. A Caixa Econômica Federal adaptou o simulador on-line para a faixa de renda e diz que as agências estão preparadas para receber a nova procura, que antes era dirigida à famílias com ganhos de até R$ 4.900.

    A faixa de renda para participar do programa Minha Casa, Minha Vida também foi ampliada para rendimentos de até R$ 5.000. Pela nova regra, as famílias vão poder financiar imóveis novos de até R$ 170 mil também com a taxa de juros de 8,16%.

    Com as mudanças, quem se encaixa nessa faixa de rendimentos vai poder pagar cerca de R$ 260 a menos por mês na parcela da casa própria, segundo especialistas. Isso porque as taxas de juros caem, nas duas modalidades, de 10,5% para 8,16%.

    O governo também publicou anteontem (6) portaria no “Diário Oficial da União” que permite que as famílias com ganhos de até R$ 3.100 entrem no Minha Casa para financiar com juros de 5,5% ao ano e subsídio (desconto) de até 30% no valor do imóvel.

    Outra mudança anunciada ontem é a de que o governo vai dividir com o FGTS o dinheiro para bancar as novas moradias. Agora, a União vai pagar até 17,5% do subsídio, e a diferença no desconto será paga pelo Fundo Garantidor do FGTS.

    ——————————————————————————–

    0
    • xyz 8 de setembro de 2011 at 08:58

      Sabem quem vai embolsar esta diferença de R$260,00????

      Eu apostaria que são as construtoras.

      0
    • Zoom 8 de setembro de 2011 at 08:59

      E depois vem uns aqui no blog e falam que o governo não cria bolhas.
      Só por Deus msm!!!!

      0
    • RT 8 de setembro de 2011 at 09:07

      Deixa eu ver se entendi direito… quem ganha até 5400 pode usar o Minha Casa, Minha Vida???

      A idéia desse programa não era facilitar acesso a moradia por classes menos favorecidas??

      O mercado imobiliário enlouqueceu, só pode…

      0
      • Zoom 8 de setembro de 2011 at 09:17

        RT, essa “ERA” a intenção do programa no começo, mas vc sabe como são as coisas nesse país.
        Coitado do pobre, já nasceu morto.
        heheheheeee

        0
        • Luiz 8 de setembro de 2011 at 11:37

          QUuE BOMM, agora quem ganha até 5 mil pode comprar uma casa financiada na favela de Paraisópolis.

          E depois dizem que o governo não pensa no povo

          0
    • Gaba 8 de setembro de 2011 at 09:39

      Muito interessante, supostamento o MCMV deve ajudar a classe mais necessitada, as pessoas que não teriam renda…

      Agora o limite é de R$ 3.100,00, com direito a subsidio, portanto se vc ganha até R$ 3.100,00, vc é pobre!!!

      Enquanto isso, o salário mínimo é de aprox R$ 600,00…

      0
    • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 14:33

      eles estão vendo que com a renda inferior, as unidades estavam encalhando… estão tentando empurrar as mesmas unidades pra quem tem renda mais alta…

      quero ver empurrar unidades de 49 ou 55m² pra essa faixa de renda… só se forem mto otários

      eles querem pq querem que a bolha de preços continue inflando

      0
      • Luiz 8 de setembro de 2011 at 14:44

        Leo, existe uma linha de resistencia cultural, mta gente vai cancelar casamento, continuar na casa dos pais, e etc, mas não vai morar na favela pq os 5 mil de renda só dá pra financiar um barraco em Paraisópolis. Isso do cultural é mais forte que tudo, é vida ou morte.

        0
        • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 15:02

          tomara né

          0
  • observador 8 de setembro de 2011 at 09:11

    Gente , ontem não li o blog e sei que estou atrasado no meu comentário, mas peço que o adm, volte com suas contribuições, ele tornou o blog, que já é ótimo, excelente, por conta dos comentários que se seguiram, ri pra valer! Volte adm, volte!

    0
  • Elias 8 de setembro de 2011 at 09:11

    Criação de empregos perde fôlego
    Sem fôlego nos empregos
    Autor(es): agência o globo:Geralda Doca
    O Globo – 08/09/2011

    Freio na economia já reduz abertura de vagas com carteira. Impacto é maior na indústria

    (…)

    A desaceleração da economia no segundo trimestre do ano atingiu em cheio os empregos formais, sobretudo na indústria. No parque industrial, mais da metade dos subsetores pesquisados – sete dos 13 – já abre vagas em ritmo abaixo da média histórica mensal de criação de postos de trabalho. Também estão sofrendo os impactos o comércio varejista, a construção civil e até o setor de serviços, que vinha apresentando saldos bastantes elevados, nas atividades relacionadas ao comércio e à administração de imóveis e aos serviços técnicos profissionais. Estados e prefeituras também estão empregando menos funcionários com carteira assinada.

    (…)

    O levantamento do Bradesco mostrou que o ramo da indústria que mais sofreu este ano foi o têxtil e vestuário, que registraram demissão entre maio e julho. Isso porque houve, em média, a eliminação de 4.853 vagas, abaixo da média histórica, que é de criação de 2.543 postos formais.

    Aparecem em seguida serviços de comércio e administração de imóveis e serviços técnicos profissionais (-3.597); comércio varejista (-2.122); indústria de calçados (-1.990); de material de transporte (- 957); de alimentos e bebidas (-306); mecânica (-202); construção civil (-128) e indústria metalúrgica (-110).

    (…)

    —-

    Está aí mais uma confirmação de que as coisas já não andam bem tanto para a construção civil, como para o setor de “serviços de comércio e administração de imóveis”, que faz parte do setor de serviços. Desde o 2º trimestre.

    0
  • Zoom 8 de setembro de 2011 at 09:30

    Governo vai ampliar fatia do FGTS no ‘Minha Casa’
    Corte de R$ 1,5 bilhão em desembolsos do Tesouro atende necessidades orçamentárias
    06 de setembro de 2011 | 23h 00

    Edna Simão, de O Estado de S. Paulo
    BRASÍLIA –

    Num ano de orçamento apertado, o governo federal quer cortar em R$ 1,5 bilhão os desembolsos do Tesouro Nacional com subsídios do programa Minha Casa Minha Vida. No entanto, os candidatos a mutuário não serão prejudicados. Eles continuarão a ter direito a um subsídio de até R$ 23 mil bancado pelos cofres públicos. A diferença é que os recursos que sairiam do Tesouro agora virão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

    A diminuição dos recursos do Orçamento para subsidiar a aquisição da unidade habitacional foi divulgada ontem no Diário Oficial da União. A portaria interministerial n.º 409, assinada pelos ministros de Cidades, Mário Negromonte, da Fazenda, Guido Mantega, e do Planejamento, Miriam Belchior, reduziu de 25% para 17,5% a participação dos recursos do Orçamento nos subsídios da casa própria. Para compensar essa queda, a parcela do FGTS saltou de 75% para 82,5%.

    Para 2011, a previsão é de que sejam liberados R$ 6,6 bilhões em subsídios para o Minha Casa, Minha Vida. Deste total, R$ 5,5 bilhões serão do FGTS. Pela estimativa anterior, o fundo contribuiria com R$ 4 bilhões.

    Segunda etapa. A segunda etapa do programa Minha Casa, Minha Vida prevê a construção de 2 milhões de unidades habitacionais para famílias com renda de até R$ 5 mil.

    Dos 2 milhões, R$ 1,2 milhão será destinado para famílias com renda de até R$ 1,6 mil, 600 mil para quem ganha até R$ 3,1 mil e o restante para quem tem um orçamento mensal de até R$ 5 mil.

    Pelas regras do principal programa habitacional do governo Dilma Rousseff, famílias de baixa renda podem receber até R$ 23 mil em subsídios para adquirir a casa própria. Quanto menor a renda mensal, maior a ajuda financeira do governo aos mutuários.

    Na primeira edição do programa, 1 milhão de unidades habitacionais foram contratadas.

    O corte nos subsídios ajudará o governo a atingir um de seus objetivos, que é reduzir as despesas com custeio. A contenção dos gastos faz parte de uma estratégia cujo objetivo é abrir espaço para mais investimentos e para o corte na taxa básica de juros (Selic).

    No início do ano, para demonstrar comprometimento com a meta de superávit primário (economia feita pelo governo para o pagamento de juros da dívida pública), o governo fez um bloqueio de R$ 50 bilhões no Orçamento.

    Na ocasião, foram bloqueados R$ 5,1 bilhões do Programa Minha Casa, Minha Vida. Com isso, a previsão orçamentária recuou de R$ 12,7 bilhões para R$ 7,6 bilhões.

    Recentemente, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou um aumento de R$ 10 bilhões no superávit primário do setor público consolidado, que passou de R$ 117,8 bilhões para R$ 127,8 bilhões neste ano.

    A equipe econômica quis demonstrar que, mesmo com a arrecadação crescendo, não vai ampliar os gastos públicos em um cenário de crise mundial e desaceleração do crescimento de países desenvolvidos como os Estados Unidos e os europeus.

    Fonte: Estadão 06/09

    0
  • Carcará 8 de setembro de 2011 at 09:32

    Mrk,
    concordo plenamente com você no quesito cofiabilidade. Elias, por favor se junte a nós. Minha desconfiança, contudo, é em relação à atratibilidade do retorno que o governo oferecerá para a compra de sua dívida. Em relação ao arbitramento,eu suponho (e digo suponho, pois não conheço completamente os procedimentos envolvidos) que alguém que digamos tome 100 milhões, em dólares, para arbitrar juros por aqui, com cotação de R$ 1,6, consiga uma rentabilidade líquida na renda fixa de 0,8%, ele terá um rendimento de R$ 1.280.000,00. Agora suponha que ele queira repatriar essa grana em1 mês e o câmbio esteja a R$ 1.65. Ele teria em dólares, já com a rentabilidade de 0,8% um total de U$ 97.745.454,00, tendo portanto um prejuízo de U$ 2.254.546,00.
    O exemplo que é dou pode ser falho, pois não conheço os procedimentos para a efetivação da operação. Mas, ao que parece, à medida que o câmbio mostra um viés de alta, mais difícil se tornará a arbitragem. O que acham?
    Ah, em relação especificamente à bolha, tem um apartamento que há exatos um ano está sendo anunciado por R$ 520.000. Se há um ano o dono o tivesse vendido por um preço menos absurdo, R$ 450.000,00, já teria hoje algo perto de dos R$ 500.000,00 com a mesma aplicação. Quase sempre a ganância não é boa coisa.

    Abraços.

    0
    • joselito 8 de setembro de 2011 at 11:06

      Basta fazer hedge cambial, assim elimina o risco cambial.

      0
      • Carcará 8 de setembro de 2011 at 11:33

        Joselito,
        não tinha pensado no hedge. Mas como operacionalmente alguém que toma U$ 100 milhões emprestados faz o hedge? Não entendo bem de swap, hedge…

        0
      • MrK 8 de setembro de 2011 at 18:51

        cuidado, não é só fazer hedge não

        o hedge tem um custo de carregamento que é justamente o diferencial entre os juros dos 2 paises, em outras palavras, se o cara fizer hedge ele devolve praticamente todo o ganho dele dos juros brasileiros…

        0
        • Carcará 9 de setembro de 2011 at 10:51

          Mrk,
          valeu o esclarecimento. Ah, o VALOR acabou de publicar a matéria, cujo link segue abaixo. Veja esse trecho:

          “O primeiro foi a taxação das variações nas posições no mercado de derivativos, que sinalizou ao mercado que o governo estava mesmo disposto a intervir de maneira relevante no câmbio. O segundo, diz ele, foi a queda “brusca e inesperada da Selic”, que reduziu a atratividade das operações de carry trade.

          “Os investidores japoneses que temos no Nomura gostam dos fundamentos da economia brasileira, mas o importante para eles é a taxa de remuneração que eles têm quando estão aplicados na moeda”, disse. “Esses investidores eventualmente saíram ou sairão dessas posições”, completou.

          Com o desinteresse do investidor estrangeiro pelo carry trade, vai ficar difícil para o governo rolar a dívida vinculada a SELIC. Acho que é um dos motivos para a troca de posição, em relação ao dólar. A propósito, o comercial já tá a R$ 1,68. Mas o BC tem muita reserva para literalmente queimar.

          Abraços.

          http://www.valor.com.br/financas/1001808/analistas-veem-real-mais-fraco

          0
    • MrK 8 de setembro de 2011 at 11:09

      carcará, sua conta em relação a repatriação de recursos está perfeita, é isso mesmo, por isso que normalmente bolsa e cambio caminham em direcoes diferentes!

      se a bolsa sobe, mas o dolar sobe mais, o gringo não tem lucro algum aqui… a combinação que tivemos nos ultimos anos (bolsa subindo e dolar caindo) é que atrai recursos pra cá… se isso vai durar é outra história

      0
  • Marcelo 8 de setembro de 2011 at 09:41

    No Correio Braziliense saiu um reportagem sobre a forte desaceleracao do mercado imobiliario (tem muito predio pronto ou em construcao), mas as construtoras estao otimistas pois muitas obras de infra-estrutura no DF estao planejadas (nao precisa mais predio, senao nao tem para quem vender).
    Em contrapartida, em um telejornal local, um “investidor” disse bem feliz para o reporter, que acabou de comprar um apartamento em Aguas Claras e que o “investimento” tera como foco a copa do mundo, quando pretende alugar por 20 mil reais… O reporter questionou sobre a distancia entre o apartamento e o local do evento, mas o esperto investidor retrucou que se necessario vai ate trabalhar como motorista e guia do locador.
    Se esse cara nao foi pago para falar essa asneira, ou ele e muito inocente, ou e mais ganancioso que Donald Trump. So espero que nao tenha mais gente assim no DF senao aqui vai ter que mudar o nome para Manicomio Federal de vez.

    0
    • Marcelo 8 de setembro de 2011 at 10:12

      “guia do LOCATARIO”.
      desculpe a confusao.

      0
    • Paulo - RJ 8 de setembro de 2011 at 10:14

      Entre alugar um apartamento em Brasília por 20 mil ou ficar naquele Hotel Azulzão maneiro que tem aí, o que ficaria mais confortável? A não ser que o cara esteja pensando naquela galera que vem em cabeçada para cá, fica vinte malucos no ap., cada um pagando mil.

      Pode até ser que dê certo, naquele mês ele se vai e se dá bem. Mas fico pensando no que ele vai fazer com o imóvel depois.

      0
    • Paulo 8 de setembro de 2011 at 10:56

      Correio de hoje?

      0
      • Marcelo 8 de setembro de 2011 at 11:48

        Correioweb, na coluna “Lugar Certo’.

        0
    • Galvão 8 de setembro de 2011 at 11:24

      Ótimo raciocínio. O cara investi agora pra em 2014 alugar o apto por um mês. Meu Deus do céu!!!!!

      0
      • Ader 8 de setembro de 2011 at 13:28

        Um mês? Acredito que em BSB terá algo por volta de 12 jogos (umas duas semanas talvez).

        0
      • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 14:51

        Galvão tocou num ponto importante.

        Dizer que está investindo pras olimpiadas ou pra copa é uma tremenda idiotice… nego não raciocina…

        até acho que alguns lugares terão melhoras de estrutura, que com com certeza traz valorização para alguns bairros beneficiados, mas nada como o que vemos hoje. No RJ, nego fala que a valorização se dá por conta da copa e das olimpiadas… ora essas… se as obras mal foram iniciadas, porque tem nego já aumentando os preços? especulação pura para ganhar dinheiro encima dos incautos

        0
    • Mahmoud 8 de setembro de 2011 at 11:32

      O que mais tem é nego sonhador, achando que já ficou rico com imóveis

      Toda a hora que eu penso naquela mulher que comprou o ap de 52 m2 por R$ 700 mil, falando que vai alugar para executivos por R$ 10 mil e ganhar 1,42% mensais, eu começo a rir

      0
      • GPTFN 8 de setembro de 2011 at 12:20

        Eu estava procurando o link dessa matéria!!
        Quando contei isso aqui em casa o pessoal riu!!
        É algo tão sem noção que ninguém acredita ser verdade!!
        Mas o pior é que além de verdade, ainda fizeram uma matéria sobre aquilo!!
        hahahaha
        (coitada da “investidora”!)

        0
        • Carlos Wagner 8 de setembro de 2011 at 16:06

          O pior de tudo é que ela é corretora de imoveis. Formadora de opiniao entre seus clientes. Imagina a capacidade intelectual dessa mulher? Se ela não estiver mal intencionada nas declarações da reportagem, ela é muito despreparada, não apenas para atuar no mercado de imoveis, mas despreparada como cidadã de atuar em qualquer ramo do mercado de trabalho.

          Não me surpreenderia se ela não soubesse ler e escrever.

          0
  • Jack Imóveis 8 de setembro de 2011 at 10:15

    Senhores,

    Uma informação de fonte informal mas muito ilustrativa do momento que passamos. Uma Tia minha que é corretora de imóveis num bairro de classe alta na Zona Sul de São Paulo me compartilhou a seguinte informação:

    “Em 7 trabalhando na corretora é a primeira vez que vejo 2 meses passarem sem vendermos uma unidade”

    0
    • Juca 8 de setembro de 2011 at 10:29

      espero que passem 1 ano sem vender! ai repensarão na profissão deles!

      0
    • MrK 8 de setembro de 2011 at 11:12

      jack, tenho ouvido gente de outros ramos (varejo) dizer que os ventos já mudaram, estão sentindo que os produtos de melhor qualidade estão todos sendo substituitos por produtos mais baratos, parece que a galera tá apertando os cintos já

      mas ainda não considero nada oficial, ainda estou observando, vamos ter paciencia,em breve a verdade (seja la qual for) aparece

      0
      • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 14:53

        MrK

        nos imóveis realmente já vimos isso… antes víamos lançamentos de 55m² (que já sao um cubiculo), agora estão lançado pombais com 49m²… alguem tem que fazer algo… parar de comprar esses lixos!

        0
        • Mahmoud 8 de setembro de 2011 at 15:22

          Fui fazer a vistoria de meu ap de 84m2 com minha esposa, e a gente ficou uns 10 minutos tentando entender e medir onde colocariamos uma cama de casal e um armário naquele quarto minusculo. Aliás, já tinha escrito sobre esse apartamento da Rossi em outro post, paguei uma fortuna na planta em 2008, e o acabamento é um verdadeiro lixo de quinta categoria, parece apartamento popular, sendo que na época paguei o m2 mais caro da cidade (Vitória-ES). Já estou devolvendo essa bomba na justiça por atraso de entrega (14 meses).

          É verdade que estão diminuindo ainda mais os aps, antes estava na faixa dos 50m2 e agora já chegou na faixa dos 40m2 (em 2008 eu achava que o limite de um ap de familia era 70m2). Aliás tinha uma propaganda gigante no site do OGLOBO sobre um lançamento de 48m2 a “5 minutos da Barra” a partir de R$ 149.000. Devem tá numa média de 200 mil para cima. Fala sério, pagar 200 e cacetada para morar no cu do judas, 1 hora do centro, num cubiculo de 48m2.

          O curioso é que naquele video sobre a bolha espanhola, o narrador explicou que o ultimo estágio antes da bolha foi quando as pessoas estavam comprando cubiculos para pagar em 40 anos.

          0
          • Mahmoud 8 de setembro de 2011 at 15:32

            Essas empresas e esses corretores estão fazendo muita gente de bobo. Olha as reclamações do acabamento desse meu prédio da Rossi no Reclame Aqui. Isso que a propaganda no lançamento era que vc iria viver que nem uma “celebridade” num apartamento de elite:

            “fui convidado pela empresa para fazer vistoria no imóvel mas ao adentrar ao mesmo e vistoriar o imovel fiquei totalmente insatisfeito com a obra, um porcaria, não aconselho ninguem em adquirir imóvel dessa empresa que engana seu cliente”

            “Caro amigo,

            Seu pesadelo apenas começou, espere receber seu apto e ver o acabamento.”

            0
        • Susy 8 de setembro de 2011 at 15:32

          Pode ser que ventos ainda não estejam mudando, mas já sinto uma brisa.

          Os restaurantes de São Paulo, que no ano passado tinham fila na porta, estão ficando vazios. Aos domingos, na hora do almoço, tínhamos que chegar até ao meio-dia, senão tinha fila de espera. Agora está beeeem mais tranquilo. Sem filas e várias mesas vazias.

          0
      • Susy 8 de setembro de 2011 at 15:33

        MrK,

        Pode ser que ventos ainda não estejam mudando, mas já sinto uma brisa.

        Os restaurantes de São Paulo, que no ano passado tinham fila na porta, estão ficando vazios. Aos domingos, na hora do almoço, tínhamos que chegar até ao meio-dia, senão tinha fila de espera. Agora está beeeem mais tranquilo. Sem filas e várias mesas vazias.

        0
  • Tiago 8 de setembro de 2011 at 10:47

    Engraçado esses corretores…

    Há 2 meses fui atrás de um empreendimento em alphaville que estava 260K. A corretora me disse que só tinha uma unidade.

    Agora voltei atrás de informações do mesmo empreendimento e há 3 unidades de 3 dorms com valor de 290K.

    Já está pronto! Acho q não conseguiram pagar e entregaram!

    0
  • augusto 8 de setembro de 2011 at 10:57

    Apesar de tudo estão aparecendo nos últimos dias só noticias boas que poderão transferir-se ao mercado de venda de imóveis para os vendedores:
    – bolsas no Brasil e mundo em franca recuperação
    – baixa de 0,5% na Selic que deverá ser seguida por outras
    – recordes na produção e venda de veiculos
    – inadimplencia em baixa
    – plano do Obama para empregos irá injetar 300 bi de dolares na economia
    – confiança consunidor brasileiro em alta
    – poupança com saldo positivo de captação em agosto de quase 3 bi
    – inflação brasileira começará a baixar no último trimestre
    – etc , etc, etc

    0
    • Anonymous 8 de setembro de 2011 at 11:14

      Notícias boas sim (umas verdadeiras, outras parcialmente verdadeiras e outras descaradamente forjadas), quem sabe a verdade…
      O que é fato constatado são os abusos especulativos do mercado imobiliário.
      Pra esse dado ninguém consegue esconder fatos ou fabricar resposta convincente, basta ser bom observador (como o pessoal lúcido deste blog) e acompanhar um pouco o mercado lá fora.
      Estamos de parabéns.

      0
    • MrK 8 de setembro de 2011 at 11:27

      augusto, acho que estou vivendo em outro planeta, meu cenário é bem diferente, vou comentar, se me permite:

      – bolsas no Brasil e mundo em franca recuperação = Estou vendo é muita volatilidade, sobe muito e cai muito, não vejo uma recuperação certa.
      – recordes na produção e venda de veiculos = Estou vendo é recorde de estoques
      – inadimplencia em baixa = em baixa?? to vendo em alta!
      – plano do Obama para empregos irá injetar 300 bi de dolares na economia = voce acha que esse plano vai funcionar? ele já fez isso mil vezes e falhou em todas, isso só vai gerar inflação lá, endividamento do governo, rebaixamento de nota e inflação aqui via commodities!
      – confiança consunidor brasileiro em alta = mas isso impacta em que? estão todos endividados!!
      – inflação brasileira começará a baixar no último trimestre = HAHAHAHAHAHA, WTF?!

      0
      • xyz 8 de setembro de 2011 at 12:05

        Meso supondo que este plano de 300 bi seria bom para os EUA, mas para o Brasil é péssimo, pois significa mais inflação.

        Queda de 0,5% na selic seria bom se não fosse causar inflação. E o pior é que é um forte indicador que o governo abandonou o sistema de matas de inflação.

        0
    • Felipe 8 de setembro de 2011 at 22:07

      Pô augusto, desculpa aí mais vc viajou na batatinha nesse comentário…

      0
  • Richard 8 de setembro de 2011 at 10:59

    Dá uma lida no site:
    http://www.midiaindependente.org/eo/blue/2011/08/495999.shtml

    Principalmente o primeiro comentário

    Abçs a todos.

    0
  • Jack Imóveis 8 de setembro de 2011 at 11:09

    Senhores,

    Mais uma info. No primeiro mês de condomínio do apartamento que eu comprei e foi entregue esse ano, tivemos 10 unidades inadimplentes.(do total de 70)

    Como diz o outro: “Vai veno!!”

    Abraços

    0
    • Jack Imóveis 8 de setembro de 2011 at 16:58

      Peguei a atualização do mês seguinte e a inadimplência aumentou 20%!!

      0
  • Jack Imóveis 8 de setembro de 2011 at 11:23

    Alguém leu a ata do Copom?

    Recomendo. Uma fina peça de humor.

    Abraços

    0
    • MrK 8 de setembro de 2011 at 11:32

      um copom sem técnicos, comandado pelo mantega e tendo suas cordinhas puxadas pela dilma… sinceramente…

      time bom esse, deixou a inflação oficial passar de 7%, veja bem, a oficial, porque a real já é o dobro disso…

      0
  • Luiz 8 de setembro de 2011 at 11:35

    QUE BOMM, agora quem ganha até 5 mil pode comprar uma casa financiada na favela de Paraisópolis.

    E depois dizem que o governo não pensa no povo

    0
  • Luiz 8 de setembro de 2011 at 11:36

    …QUE BOMM, agora quem ganha até 5 mil pode comprar uma casa financiada na favela de Paraisópolis.

    E depois dizem que o governo não pensa no povo

    0
    • Luiz 8 de setembro de 2011 at 11:41

      comentario sobre a noticia que a Caixa alterou os limites d efinanciamento, caiu no lugar errado.

      Vejam que adianta nada melhorar a regra se o problema é o valor distorcidos dos imóveis

      0
  • Carolina 8 de setembro de 2011 at 11:55

    Ler este blog me tranquilza e me faz sentir que realmente não tem nada de errado comigo e com meu marido, e com a forma como gastamos nosso dinheiro.
    Juntos, temos uma boa renda. Moramos em Belo Horizonte/MG, temos apenas uma filhinha e ainda não conseguimos comprar nosso apartamento.
    Várias pessoas nos perguntam o por que de não conseguirmos comprar e eu sempre falo que os preços dos imóveis estão fora da nossa realidade, que não tem como a gente comprar um apartamento de R$ 400.00,00/500.000,00, dando uma entrada pequena e financiando o restante em 30 anos com prestações em torno de R$ 4.000,00.
    No bairro que eu moro, considerado zona nobre, tem ap. de 90m² sendo vendido a R$ 600.000,00 – vê se pode?
    Espero que os preços dos imóveis aqui em BH despenquem e voltem para a realidade para podermos então comprar a tão sonhada casa própria.

    0
    • Carcará 8 de setembro de 2011 at 12:39

      Carolina,
      mantenha-se firme. Um dos efeitos deletérios do efeito manada é excluir os sóbrios de uma sociedade a qual eles julgavam pertencer. Aliás, no efeito manada, mesmo se correndo o risco de ser pisoteado, é melhor estar na contramão. Quanto ao ap de 600K (que daqui a uns 2 anos deve estar valeno 350K), vale uma frase preciosa do Vieira: “Não há altura nesse mundo que não seja precipício”.

      Abraços

      0
    • Marcelo 8 de setembro de 2011 at 14:16

      Carolina, aposto que muita gente, que questiona o por que de vcs nao morarem em imovel proprio, mora longe, mora mal, casa/ap ruim, mas na realidade gostariam de morar na area nobre de BH como vcs. O importante e nao dar bola pra isso e nem para papo de corretor.

      0
      • Frank 8 de setembro de 2011 at 16:55

        nem sempre.

        tem muita gente q comprou há muitos anos – 10, 15, 20 anos atrás – e q não faz a menor idéia do q significa ($$$) comprar um apto decente hj em dia.

        0
        • Marcelo 8 de setembro de 2011 at 19:29

          Concordo plenamente e ainda acrescento que nao precisa ir tao longe pois ate 2003/2004, comprar apartamento na area nobre de BH era uma opcao da classe media, hoje virou uma especie de sonho quase inalcancavel para quem ganha menos de 10k por mes (a nao ser que seja soteiro). O que quis dizer e que tem muita gente que, para tentar justificar sua RECENTE aquisicao (mesmo que seja no fim do mundo), fica dando uma de esperto pra cima de quem se negou a navegar neste mar de lama do atual mercado de imoveis brasileiro.

          0
  • Selvagem 8 de setembro de 2011 at 11:58

    Não concordo com o que você colocou Auguto. É preciso discutir isso do que simplesmente aceitar que a maré mudou;

    Notícia boa é óbvio que o governo vai sempre valorizar, me faz lembrar aquele ministro que dizia que notícia boa o governo mostra, notícia ruim joga pra baixo do tapete.

    – Bolsas em franca recuperação. Franca aonde? O momento é de montanha russa, sobe e desce, mas ninguém se engane que o viés é de baixa. Para cada alta de 6% segue uma baixa na semana seguinte. Tanto que ontem foi o primeiro dia em setembro que o dow fechou em alta. Ninguém sabe se a queda até os 48k de pontos da bovespa foi o fundo mesmo,é tudo um grande cassinão
    – Baixa de 0,5% na Selic. Ninguém espera que o governo vá ficar parado vendo a crise se instalar. Vai tentar aquecer o consumo ao máximo.
    -inadimplência em baixa: errado, ela está em alta. Essa semana a Caixa publicou o resultado do 1semestre de 2011. O relatório apontou alta da inadimplência em financiamentos.
    -plano do Obama – é uma incógnita, ninguém sabe como o mercado vai reagir
    – captação da poupança no mês de agosto é reflexo da taxa SELIC
    – inflação brasileira. A inflação está desacelarando, mas continua em alta. Ainda temos desvalorização acumulada em 7% ao ano e deve piorar com as mudanças na SELIC. Esse indicador deve piorar bastante.

    Agora eu pergunto como os indicadores que estão embaixo do tapete vão afetar o mercado?
    – PIB sendo revisado para baixo
    – aumento da receita do brasileiro estabilizando
    – taxa de emprego – ainda altao mais em viés de desaceleração , principalmente na indústria.
    – inflação real.
    -etc etc.

    0
  • Fernando 8 de setembro de 2011 at 12:39

    Acho que não há mais nada que possa ser feito. A ganancia de construtoras e “investidores” roeu até o osso as possibilidades de adquirir um imóvel no país. Quem comprou, comprou, quem nao comprou, nao compra mais (pelo menos não até os preços terem uma REAL correção).
    Acompanho esse site desde o final do ano passado e a velocidade como as “más-notícias” chegam é exponencial. O bicho está pegando e é apenas o começo.
    Quem teve serenidade, paciência e pouca ganância, vai fazer negócios justos dentro em breve.
    Já quem foi ganancioso, vai receber apenas o que é naturalmente justo, pela cegueira que o “rush” do lucro fácil causa ao raciocínio lógico.

    0
    • John 8 de setembro de 2011 at 13:14

      Com as vendas em queda, ficou claro que os preços estão altos demais. Nem financiamento para ser pago em 30 anos está sendo suficiente para manter as vendas. Para os negócios irem bem (para as corretoras), ou o governo coloca lenha na fogueira e aumenta ainda mais a facilidade de crédito ou diminuem os preços. Pelo que eu to vendo as construtoras estão ditando os valores, pois tabelam os preços dos lançamentos lá para cima e assim puxam os usados. Essas construtoras também deverão rever os preços ou deverão pressionar o governo por mais intervenções se quiserem vender. Se eles não verem outra saída além de baixarem os preços vai ser bom porque haverá um efeito em cascata.

      0
      • Luiz 8 de setembro de 2011 at 14:15

        John a tática das cosntrutoras agora é arrastar a bolha pra bairros e cidades que ainda não foram engolfadas pela subida de preços.

        Essa tática já é jogada ensaiada, diminuir o tamanho pra construir mais rapido e mandar a população pro cu do judas, sem transporte, segurança, saneamento, educação

        A tática do menor e mais longe pra dar sobrevida á bolha.

        0
  • DM 8 de setembro de 2011 at 13:05

    Notícia interessante, olha como está a venda no ex-País bolha!

    Venda de imóveis na Espanha desaba 40,8% no segundo trimestre

    Madri, 8 set (EFE).- A venda de imóveis na Espanha desabou 40,8% no segundo trimestre do ano com relação ao mesmo período de 2010, com 90.746 operações, segundo os dados publicados nesta quinta-feira pelo Ministério de Fomento.

    O ano começou com uma queda de 30,4% nos três primeiros meses, após a alta registrada no fim de 2010.

    No entanto, no segundo trimestre do ano a queda foi maior, já que no mesmo período de 2010 houve um aumento das vendas porque muitas pessoas anteciparam suas compras para evitar a alta do Imposto sobre o Valor Agregado (IVA), aplicado à aquisição de imóveis novos.

    Fonte: economia.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2011/09/08/venda-de-imoveis-na-espanha-desaba-408-no-segundo-trimestre.jhtm

    0
  • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 13:14

    pior que daqui há pouco os preços das barracas de camping também estão passando por especulação

    vai sair o minha barraca minha vida

    0
  • Duda 8 de setembro de 2011 at 13:22

    Bom, já estamos no caminho certo: 10% em 3 meses, é mais ou menos 3 ou 3,5% por mes, a partir de junho /2011. Nesse ritmo, será sim um 40% menos para fim de 2012. Na mosca, por enquanto. Pelo bem de todos.

    0
    • Anonymous 8 de setembro de 2011 at 21:01

      Duda,

      Considerando a equação para o saldo devedor de um financiamento com juros 12%/ano e inflação ZERO, esse simples descontinho de 10% JÁ FEZ o saldo devedor MAIOR do que o valor do imóvel pelos próximos 12 ANOS!!! Quero ver a hora que as pessoas que compraram para MORAR (portanto fizeram o financiamento) descobrirem esse pequeno DETALHE matemático.

      0
  • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 13:27

    Uma pequena curiosidade sobre o número de apartamentos a venda no Leblon. Em menos de um mes o número de apartamentos a venda aumentou em 57%.
    Só domingo até hoje, quinta-feira, o aumento foi de 39,84%!

    Ueh, eu pensava que morar no Leblon era uma maravilha, o objetivo da vida de todos os cariocas! rsrs

    1) data
    2) apartamentos a venda: Leblon
    3) relação venda : aluguel Leblon

    14.08.2011 + 1526
    21.08.2011 + 1537
    24.08.2011 + 1548
    28.08.2011 + 1710
    04.09.2011 + 1792
    05.09.2011 + 2068 + 8,8
    06.09.2011 + 2097 + 8,886
    07.09.2011 + 2342 + 10,009
    08.09.2011 + 2400 + 10,435

    0
    • Fábio 8 de setembro de 2011 at 13:36

      Meu objetivo como carioca é morar na Suiça, alias pelo preço do Leblon esse objetivo seria muito facil de realizar rssss e o melhor de tudo sem violencia, com serviços de 1º mundo (saude e educação) e sem ameaças terroristas.

      0
      • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 13:43

        Como o mrk mencionou, um dos livros que ele leu dizia que as bolhas migram de lugar a lugar. A bolha dos números de imoveis a venda em Copacabana migrou agora para o Leblon! rsrs

        Aqui vai os números de copa! 🙂

        14.08.2011 + 4196
        21.08.2011 + 4516
        24.08.2011 + 4593
        28.08.2011 + 4827
        04.09.2011 + 4791
        05.09.2011 + 4754 + 15,847
        06.09.2011 + 4772 + 15,801
        07.09.2011 + 4807 + 15,761
        08.09.2011 + 4806 + 15,861

        0
        • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 13:59

          07.09.2011 + 4807 + 15,761
          08.09.2011 + 4806 + 15,861

          Parece que finalmente venderam um ontem 🙂

          0
          • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 14:07

            Um otário a menos no mercado de compradores! Merece comemoração! rsrs

            :):):)

            0
          • Mahmoud 8 de setembro de 2011 at 15:04

            kkkkkkk, “parece que vendeu um ontem”

            0
          • MrK 8 de setembro de 2011 at 18:58

            hahaha nao comemore ainda, pode ser apenas retirada do anuncio

            0
    • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 13:50

      Estava dando uma pequena olhada nos preços dos cubículos entre 30-60 M2 no Leblon. Dos 158 apartamentos 49 estão sendo vendidos por entre 1 e 3 milhões! Encontrando um otário que compre por esses preços até eu venderia! rsrs

      Tem cada apartamento mais feio e apertado do que o outro.

      200.000 a 250.000 (1)
      400.000 a 600.000 (14)
      600.000 a 800.000 (57)
      800.000 a 1 milhão (44)
      1 milhão a 3 milhões (49)
      sob consulta (3)

      0
      • Adriano 8 de setembro de 2011 at 14:35

        Esse fórum está prestando um serviço inestimável a sociedade. Esse levantamento simples (eu diria, óbvio) é extremamente válido. E só são encontratos em fóruns como esse. Qual a lógica de um aumento de 57% de oferta em um bairro onde NÃO EXISTEM LANÇAMENTOS? Só pode ser o efeito manada! Não têm outra explicação! Todo mundo (inclusive o presidente da SECOVI reconheceu!!!!?????) que os preços chegaram ao teto (ler: passaram a MUIIIIIIITOOO TEMPO!!) e querem ser os últimos a ser dar bem.

        0
        • Luiz 8 de setembro de 2011 at 14:39

          Adriano, este blog é um player que corretoras, construtoras, bancos e afins não esperavam, graças a contribuição de tantos estamos criando um novo paradigma de equilibrio no mercado.

          Isso aqui ainda vai virar case mundial, tanto é que nem os blogs americanso tinham essa participação maciça. Por isso a raiva deles, por isso nos chamam de pragas!

          Quem poderia imaginar que haveria gente comum capaz de entender perfeitamente e na pratica o significado do equilibrio de Nash?

          0
      • GPTFN 8 de setembro de 2011 at 15:58

        Esses dados não podem ser levados em consideração, pois se vc for olhar no site vai ver q existem 2, 3 as vezes 5 anúncios do mesmo imóvel!!
        E ainda, existem anúncios que nada mais são que corretoras fazendo cadastro!

        0
        • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 16:11

          Eu discordo, já que esses tipos de anúncios sempre existiram. Afinal você não está tentando dizer que esse aumento de 57% no número de apartamentos a venda foi causado por mera repetição?

          E claro que tambem há um certo número de “SPAM” imobiliario que distorce o número nominal de anúncios. Mas não são os números em si que são importantes, mas a tendência da quantidade. 57% 100 ou de 1000 continua a ser 57%!

          0
      • aiwww 9 de setembro de 2011 at 15:52

        fiz uma busca hoje no zap… temos apenas 42190 imóveis a venda

        0
    • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 14:26

      Que estranho esse aumento todo de ofertas de venda.

      Só no Leblon teriámos mais de 25% do número de apartamentos a venda em Curitiba inteira. É isso mesmo? Alguem que ache esse tipo de coisa normal, alguem que acha que não tem bolha, que o mercado de imóveis está com um movimento normal, por favor, me explique, porque eu não consigo achar isso normal.

      0
      • Luiz 8 de setembro de 2011 at 14:35

        muito estranho e muito recente.

        alguém daí do RJ poderia explicar?
        alguma obra inaugurada que micou?
        a virada nos juros que apertou os rentistas que tbm são os donos de imóveis?

        medo da crise, do mergulho do segundo v do w, segundo o Roubini profetizou???

        0
        • FQ 8 de setembro de 2011 at 16:21

          Com a forte valorização recente dos imóveis, um enorme grupo de indivíduos se tornaram hipoteticamente milionárias com a suposta e teórica precificação de seus bens, e estas pessoas querem agora, obviamente, tentar realizar este lucro e vender seus bens neste preço estrelar.

          De fato, nos atuais preços sonhados pelo mercado, não vale a pena, de forma alguma, ficar com o imóvel na mão e todos querem desesperadamente vende-los e se tornarem de fato milionários, o problema é que não existem as centenas de milionários do outro lado para comprar os apartamentos nos valores pedidos… Ficou até engraçado o mercado…

          0
          • MrK 8 de setembro de 2011 at 19:01

            a mairo explicação é que temos todo mundo querendo vender no auge dos preços, em outras palavras: os proprietários já viram que a hora é agora (é daqui pra baixo)

            quem tem apartamento alugando, está expulsando os inquilinos pra por a venda
            quem tem apartamento proprio está botando a venda por um preco nas alturas, pra quem sabe se mudar pra um bairro mais barato e embolsar um milhãozinho…

            tá todo mundo correndo…o medo que antes estava no lado do comprador (Compra agora ou nunca) agora está no lado do vendedor (Venda agora ou nunca!).

            0
      • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 14:55

        Para por em perperctiva, um pequena comparação entre as populações.

        1) Leblon: População: 46.044 habitantes (IBGE, Censo ano 2000)
        2) Curitiba: população 1.746.896 habitantes(IBGE, Censo 2010)

        Ou seja, a população de curitiba é 37,94 vezes maior que a do leblon.

        Fontes:
        1) h t t p : / / oglobo.globo.com/rio/info/rio-censo-2010/
        2) wikipedia

        0
      • Leonardo RJ 8 de setembro de 2011 at 15:11

        uma coisa é fato, pessoal… o zap não pode ser usado como referência precisa… creio que o zap pode ser mais popular para anunciar no RJ do que em Curitiba…

        mas mesmo assim, não deixa de ser um termômetro relevante…

        o aumento de orfertas realmente existe e tende a aumentar mais e mais… a queda dos preços é inevitável… muitas unidades sendo entregues e mto investidor querendo tirar o seu pra partir pra outro mercado…

        0
        • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 16:01

          Concordo contigo, mas acho que o zap pode ser usado como um “bom” termometro para medir a evolução no mercado imobiliário do Rio, apesar de não ser perfeito. Para outras cidades fica mais difícil.

          0
          • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 16:29

            Não peguei os números de Curitiba do ZAP, mas de um site que o Bolha usa para monitorar o mercado da cidade e que acredito seja o equivalente ao ZAP para a região no critério popularidade.

            De qualquer forma, é claro que os números não são precisos, mas acho que servem para vermos uma tendência, principalmente quando comparamos os dados de um site de classificados com os dados do mesmo site em um período imediatamente anterior.

            Agora, se o ZAP estivesse com número de imóveis a venda em queda, apareceriam aqui algumas pessoas para dizer que isso era prova científica, inquestionável e sagrada que os preços estão caros por falta de oferta.

            0
  • GPTFN 8 de setembro de 2011 at 14:23

    Fui surpreendido hoje ao abrir o meu email com essa maravilhosa oferta!
    http://lancamentosrj.com/imoveis-rio-de-janeiro/ocean-breeze-apartamentos-de-i-quartos-no-recreio.html
    61m2 por apenas 240.000!
    no Recreio dos Bandeirantes!
    Pra quem não conhece o Rio,
    esse bairro fica longe de tudo!
    Até mesmo pra ir a Barra, é longe e tem trânsito!
    Sendo que em 2007 um amigo meu comprou uma cobertura duplex por 170.000, da qual da pra ir a pé pra praia! (não fica na quadra da praia, mas é só pegar uma rua não da 5 min a pé).
    E o pior desse anuncio é o corretor dizendo compre logo!! Últimas unidades!! Até 2016 essa região vai valorizar ainda mais! Um excelente investimento!!
    haahahha

    0
  • Galvão 8 de setembro de 2011 at 15:31

    Se eu estivesse aposentando hoje, não teria a menor dúvida em ir morar nos EUA. Custo de vida mais baixo do que aqui (moro em Brasília), e qualidade de vida muito boa.

    0
  • JARBINHAS S2 8 de setembro de 2011 at 15:41

    E BOTA LENHA NA FOGUEIRA

    Polo busca oportunidades no segmento imobiliário
    Por Silvia Rosa | De São Paulo

    Ampliar imagem
    Leo Pinheiro/Valor/Leo Pinheiro/Valor”Podemos entrar tanto na fase de preparação do terreno como adquirir imóveis já lançados”, diz Rossi, sócio da Polo

    Diante do aquecimento do setor de construção, que demanda um volume cada vez maior de recursos para financiar os investimentos, os fundos imobiliários têm se sofisticado e buscado novas oportunidades, muito além do tradicional ganho com o aluguel dos imóveis.

    Com experiência na área de crédito privado, a Polo Capital resolveu entrar no mercado de desenvolvimento imobiliário e lançou dois Fundos de Investimentos em Participação (FIPs), um já praticamente investido e outro em fase de análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

    A gestora montou uma área imobiliária há dois anos com a chegada de João Paulo Rossi, que veio da construtora Rossi Residencial. O primeiro FIP, lançado em 2010, o Polo Real Estate I, fechou com patrimônio de R$ 35,5 milhões, a maior parte dos recursos comprometida pelos próprios sócios.

    O objetivo era participar de projetos de co-incorporação imobiliária, nos segmentos residencial e comercial, e buscar uma diversificação dos investimentos tanto geográfica como em relação aos ciclos de desenvolvimento. “Podemos entrar desde o estágio inicial do empreendimento, na fase da compra e preparação dos terrenos, como adquirir imóveis já lançados”, afirma Rossi, que se tornou sócio da Polo e responsável pela área imobiliária da gestora.

    A carteira do primeiro fundo conta com nove empreendimentos, sendo quatro comerciais, com foco em salas menores de 20 a 40 metros quadrados. No segmento residencial, a gestora procurou focar em imóveis voltados para a média e alta renda, com valor superior a R$ 450 mil.

    Apesar dos investimentos se concentrarem mais no Estado do Rio de Janeiro, a gestora tem aproveitado oportunidades em outras regiões do Brasil. O fundo investiu em um conjunto residencial em Fortaleza (CE), voltado para o segmento de baixa renda, com unidades de 50 a 80 m2, e adquiriu recentemente um terreno na Rua Augusta, no Centro de São Paulo, em que será construído um prédio residencial que contará com serviços, semelhante aos flats.

    Já o segundo fundo, em análise na CVM, tem como meta captar pelo menos R$ 200 milhões e deve seguir a mesma estratégia da primeira carteira. Serão investidos R$ 6 milhões a R$ 7 milhões em cada negócio. “Avaliamos uma média de 60 a 70 negócios por trimestre e já temos quatro projetos em análise”, diz Rossi.

    Diferentemente da primeira oferta, que não contou com emissão pública e saiu com esforços restritos, a segunda carteira deve ser distribuída para clientes brasileiros de private banks e estrangeiros.

    A gestora planeja lançar ainda este ano um fundo imobiliário que investirá em um complexo hoteleiro a ser construído em Angra dos Reis, no Estado do Rio de Janeiro, e contará com um centro comercial. No total, devem ser investidos R$ 500 milhões.

    O projeto terá um hotel âncora, que será operado por uma das grandes bandeiras hoteleiras, e ainda contará com um condomínio de casas voltadas para segunda moradia, além de uma marina. “Já compramos o terreno e devemos lançar o fundo juntamente com o lançamento do empreendimento”, afirma Rossi. A meta de rentabilidade da carteira deve ficar em torno de 14% ao ano mais a variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

    Por envolverem o risco de construção, os fundos com foco em desenvolvimento imobiliário costumam entregar uma rentabilidade maior para os cotistas. Enquanto uma carteira tradicional que compra imóveis prontos com objetivo de obter rendimento com a receita dos aluguéis oferece um retorno anual, em média, de 8% a 11% mais a variação do IPCA, nos fundos de incorporação os ganhos podem chegar a 20%, 30% ao ano.

    A Polo Capital ainda conta com uma securitizadora e lançou no mercado sua primeira carteira com foco na aquisição de recebíveis imobiliários, que está em análise na CVM, e tem previsão de captação de R$ 200 milhões.

    0
  • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 15:58

    Para vocês terem uma ideia do absurdo do mercado imobiliario do Rio.
    Abaixo vem uma relação do número de imóveis a venda e para alugar no Rio com o cálculo da taxa entre venda/aluguel por bairro.

    Como moro na Noruega, vou comprar com as principais cidades norueguesas.

    Cada tabela está organizada de acordo com o número de imóveis a venda em ordem decrescente.

    venda aluguel taxa Estado
    4806 + 303 + 15,861 + Copacabana
    2400 + 230 + 10,435 + Leblon
    1984 + 239 + 08,301 + Ipanema
    1336 + 130 + 10,277 + Botafogo
    0977 + 105 + 09,305 + Flamengo
    0688 + 089 + 07,730 + Lagoa
    0607 + 040 + 15,175 + Laranjeiras
    0344 + 047 + 07,319 + Jd. Botanico
    0256 + 063 + 04,063 + Sao Conrado
    0234 + 029 + 08,069 + Catete
    0228 + 032 + 07,125 + Leme
    0184 + 018 + 10,222 + Humaita
    0175 + 025 + 07,000 + Gavea
    0128 + 008 + 16,000 + Gloria
    0087 + 008 + 10,875 + Santa Teresa
    0066 + 007 + 09,429 + Cosme Velho
    0052 + 002 + 02,476 + Urca
    0012 + 004 + 03,000 + Arpoador
    0008 + 001 + 08,000 + Largo Do Machado

    As maiores cidades da Noruega
    venda aluguel taxa Cidade
    1790 + 1215 + 01,473 + Oslo
    0690 + 0322 + 02,142 + Bergen
    0502 + 0243 + 02,065 + Tromsø
    0489 + 0236 + 02,072 + Trondheim
    0419 + 0200 + 02,095 + Kristiansand
    0326 + 0026 + 12,538 + Stavanger

    CONCLUSÃO

    Noruega:
    Em média para cada imóvel para alugar há 2 sendo vendido. Stavanger tem uma média acima de 12,5 vezes, puxando a média das principais cidades para 3,73 vezes.

    Rio:
    No Rio a média é de 8,98 apartamentos a venda para cada sendo oferecido para alugar. Com Glória e Copacabana na liderança, 16 e 15,86 respectivamente.

    0
    • JARBINHAS S2 8 de setembro de 2011 at 16:12

      qual a conclusão que se tira desse comparativo? Não seria melhor comparar, por exemplo, essa taxa do RJ com a de SP? Não acho que a Noruega seja o mercado mais compatível com o brasileiro, cada um tem suas características.

      0
      • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 16:20

        Sim, SP seria mais relevante, em termos. Mas não tenho os números de lá.

        Não concordo que os números da Noruega sejam complemente irrelevantes. A Noruega não está numa bolha como o Brasil. Então essa pequena amostra serve como um contra-ponto. O ideal seria termos dados de vários países.

        Até comparando com SP ou outros estados é meio que duvidoso, já que “parece” que o Brasil inteiro está numa bolha. Se mercado brasileiro, se é que dá para falar nisso como uma única entidade, está super-aquecido, é natural que tudo seja mais ou menos igual.

        0
      • Adriano 8 de setembro de 2011 at 16:38

        JARBINHAS. Qual o sentido de comparar bolha com bolha? A comparação seria inútil para demonstração da irracionalidade brasileira. O Paulo Rocha comparou um mercado “normal” ou estável com um com bolha, no caso RJ. Novamente, parabenizo o Paulo Rocha pela comparação. Excelente.

        0
      • Bananense 11 de setembro de 2011 at 20:23

        A comparação está correta! O Paulo Rocha comparou os números de um mercado imobiliário inflacionado com os de um mercado em normal comportamento!

        0
    • Luiz 8 de setembro de 2011 at 16:16

      Poderia se fazer uma segunda relação com a população?
      Não me parece que Ipanema tenha o memso numero de habitantes de Oslo

      0
      • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 18:10

        Luiz,

        Adicionei o número de habitantes em cada uma das cidades mencionadas.

        No meu post original comentei só proporção de imóveis para alugar:vender.

        Levando em consideração o tamanho da população e a quantidade de imóveis a venda, a conta fica mais absurda ainda.
        Por exemplo a população de Ipanema é de 42743 habitantes e hoje há 1985 apartamentos a venda. Ou seja a população de Ipanema é 37% menor que a de Tromsø, mas tem mais do que 295% imóveis a mais a venda (4 vezes). Oslo tem uma uma população 14 vezes maior e mesmo assim só tem 1790 imóveis a venda.

        Habitantes venda aluguel taxa Cidade
        607292 + 1790 + 1215 + 01,473 + Oslo
        261705 + 0690 + 0322 + 02,142 + Bergen
        068574 + 0502 + 0243 + 02,065 + Tromsø
        174326 + 0489 + 0236 + 02,072 + Trondheim
        082770 + 0419 + 0200 + 02,095 + Kristiansand
        126714 + 0326 + 0026 + 12,538 + Stavanger

        0
        • Luiz 8 de setembro de 2011 at 18:39

          (tentando de novo colocar o co,mentario no lugar certo)
          Ou seja poderiamos dizer que

          Se todas as outras condições forem iguais,
          RJ esta sobreofertado em 10vezes ou 1.000%

          É uma diferença muito grande…
          A comparação realmente não é boa.
          Muito distorcida pra gerar alguma conclusão
          Mas é um parâmetro.
          Obrigado Carlos, quem sabe alguém dá uma luz sobre este assunto
          Responder

          0
          • Luiz 8 de setembro de 2011 at 18:39

            ops… Paulo

            0
    • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 16:20

      Bom seria comparar a proporção com algum dado de 2008, de preferência classificados de jornais. Bem que aquele pesquisador de botequim (ele literalmente é isso, olhem a tese de mestrado do homem) que disse que botafogo está igual aos bairros parisiences emergentes, poderia fazer alguma coisa de útil com o dinheiro dos meus impostos que financia as pesquisas dele e pesquisar isso.

      0
    • MrK 8 de setembro de 2011 at 19:03

      paulo, fiz esse mesmo estudo pras cidades inglesas e dava quase 1 pra 1 (um a venda pra 1 pra alugar) nunca vi nada como o Rio atual, nunca

      0
      • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 20:17

        Sim Mrk, você me inspirou para escrever este post. O que é interessante ver é que a Noruega e Inglaterra são bem parecidos na relação venda:aluguel. Isso indica que em si não países completamente anormais e fora da realidade. Claro que uma amostra de 2 países não é significativo.

        0
        • MrK 8 de setembro de 2011 at 20:26

          amigo paulo,

          detalhe é que o mercado aquecido deveria ser justamente o oposto!!! pois no mercado aquecido há muitas vendas, pois as pessoas optam por comprar em vez de alugar, logo os apartamentos “consumidos” deveriam ser os “a venda” e não os “a alugar”

          isso nos prova que esse mercado não anda tão aquecido assim… ou pior… está realmente travado, como temos observado há alguns meses já

          0
          • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 20:43

            Mrk, da uma olhada no link abaixo, ele mostra o mercado norueguês. Tem dois gráficos, o de cima mostra a evolução do metro quadrado na noruega. O gráfico de baixo mostra o tempo de venda dos imóveis. Agora em agosto de 2011, em média, demorou 41 dias para vender.

            No topo tem um campo “stedsnavn” aonde podemos escrever o nome de qualquer lugar na noruega, por ex. “Oslo”
            Ai vemos que em agosto demorou 18 dias para vender e em julho demorou 26 dias.

            Compare isso com o Brasil. Já estamos cansados de ouvir casos de imóveis a venda durante 1,2,3 ou mais anos sem vender. Mas que continuam “valorizando”! rsrs

            E eu que pensava que a Noruega era a terra do Papai Noel! 🙂 🙂 🙂

            h t t p : / / finn.no/finn/realestate/pulse/geo

            0
          • MrK 8 de setembro de 2011 at 20:47

            hahaha
            imovel no Brasil tá me parecendo aquelas táticas velhas de fraudar balanco de empresa

            pra poder aumentar o ativo, eles inflam o valor dos bens, só que “a mercado” aqueles bens não valem tanto assim..

            é mais ou menos isso que temos aqui, uns proprietários felizes por se achar milionários, mas que se precisar resgatar esse dinheiro (vender) vai ver que o buraco é mais em baixo…e quanto mais esperar com esses preços nas alturas, mais em baixo será!!

            0
  • JJr. 8 de setembro de 2011 at 16:25

    Olá pessoal.

    VENDA DO CARRO PARA AJUDAR A PAGAR O IMÓVEL:

    Noto que casais e famílias estão vendendo o 2º carro, e até mesmo o único carro da casa, para poder amortizar o saldo a financiar, visto que a prestação restrita a 30% (Santander 27%) da renda não está comportando o valor total a financiar, mesmo em 30 anos.

    O problema cresce quando o cidadão queima o carro para resolver a entrega das chaves e depois volta a financiar um outro carro, praticamente sem entrada.

    Como o brasileiro não tem vivência com o crédito, a equação se torna:
    Crédito farto = dívidas múltiplas

    0
  • Alan 8 de setembro de 2011 at 16:35

    como ganhar dinheiro no caso do estouro da bolha? quais papéis subiriam com as ações das construtoras derretendo? setor elétrico?

    0
    • Luiz 8 de setembro de 2011 at 16:46

      se estourar a bolha, o Br estoura junto:
      as opções são dollar, euro, franco suiço, ouro, platina

      0
    • Fred Henrique 9 de setembro de 2011 at 11:38

      Eu apostaria no setor de energia.

      Acho, inclusive, que passaremos por uma situação de bolha das empresas de energias limpas
      nos próximos 15 anos (especulação pura).

      0
  • Ana Paz 8 de setembro de 2011 at 17:09

    Até em Portugal, país em super crise a esta altura, a vida é melhor que aqui e, com pouco mais de 300mil reais, dá p comprar um tres quartos, de mais de 100m2.
    Embora lá haja problemas sérios no mercado de empregos, aqui, vamos começar a ver isso em breve, e, pelo que tenho lido, vai ter início no setor automobilístico, que já entrou com férias coletivas!
    O que algumas pessoas têm que entender, é que ninguém aqui está torcendo pela derrota do país.
    Ao revés, acho q, no conceito de todos aqui, DERROTA É VOLTAR AO TEMPO DE ALTA INFLAÇÃO E DE CONSTANTE DESVALORIZAÇÃO DA MOEDA!!!
    Os preços têm que ser compatíveis com a realidade e a renda que temos. Isso é pedir demais?

    0
  • Elias 8 de setembro de 2011 at 17:25

    Olá JJr.

    Vi algo parecido com um casal da família.

    Eles tem renda familiar de cerca de R$ 13 mil, e há um ano e meio tiveram que dar entrada de R$ 70 mil num apto que compraram na planta.

    O Sr. corretor, “muito profissional”, a época do contrato disse que eles podiam usar o FGTS nas chaves,. Mas na hora “H”, o FGTS não pôde ser utilizado – somente poderia ser usado na redução da dívida, mas para as chaves tinha que ser dinheiro vivo.

    Eles quase perderam o apto, mas conseguiram, a duras penas, levantar um $$ e pagar as chaves.

    Agora vejam, esse é um casal com uma renda familiar acima da média, num apartamento que na planta custou perto de R$ 275.000,00 (+ ou – 100m2), bem mais barato que hoje.

    Imaginem a maioria das famílias, que não ganham isso, que estão contando com o FGTS na entrega das chaves, de um apartamento mais caro (e provavelmente menor).

    Muita gente vai ser pega de surpresa pelo mesmo motivo.

    Lembrando que, se conseguirem vender o carro pra pagar as chaves, ainda tem que conseguir a aprovação do crédito no banco pra quitar o saldo da dívida.

    0
  • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 17:48

    Fonte: h t t p : / / folha.uol.com.br/mercado/972145-estoque-de-veiculos-atinge-maior-nivel-desde-o-auge-da-crise.shtml

    08/09/2011 – 13h59
    Estoque de veículos atinge maior nível desde o auge da crise

    TATIANA RESENDE
    DE SÃO PAULO

    Os estoques de veículos atingiram 398,8 mil unidades em agosto, o equivalente a 37 dias de vendas, considerando o ritmo atual, o maior período desde novembro de 2008 (56 dias), no auge da crise econômica mundial.

    Os dados divulgados nesta quinta-feira pela Anfavea (associação das montadoras) apontam que houve aumento nas concessionárias e na indústria.

    Apesar de estoques elevados, produção de veículos sobe 5,9%

    O elevado número de carros no pátio levou várias montadoras a conceder folgas coletivas. Na fábrica da Ford em Camaçari, na Bahia, por exemplo, os funcionários param de trabalhar na próxima segunda-feira (12) e só retornam no dia 10 de outubro.

    Para o presidente da entidade, Cledorvino Belini, “estamos vivendo um ajuste no crescimento”. “Mas [a situação] está muito longe do que houve na crise de 2008”, completou.

    PRODUÇÃO RECORDE

    Apesar disso, a produção de veículos montados bateu recorde em agosto (325,3 mil unidades), considerando todos os meses da série histórica.

    Belini explica a incongruência dizendo que a programação foi feita com antecedência, em maio ou junho. “Se não fizermos e tivermos mercado, [a montadora] pode perder ´market share´[participação de mercado]”, justifica.

    O crescimento nas vendas vem sendo sustentando pelo emplacamento de importados, que cresceu 28,6% em agosto no confronto com igual período no ano passado, ante queda de 0,7% nos licenciamentos de veículos novos produzidos no país.

    INCENTIVO FISCAL

    Sobre as negociações com o governo federal para que a indústria automotiva tenha incentivos fiscais, Belini disse que há uma “convergência” entre os associados da Anfavea, que reúne as montadoras com fábrica no Brasil, mirando na inovação, na tecnologia e na nacionalização de peças.

    “Existe uma negociação para saber qual a melhor maneira para acelerar a competitividade”, disse.

    0
    • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 18:15

      Seria motivo para derrubar o governo em algum outro país mais sério. A industria automobilística do Brasil tem a MAIOR MARGEM DE LUCRO do mundo, e agoram querem isenção fiscal. A isenção fiscal na prática significa dinheiro público indo para o bolso do fabricante.

      Se está encalhando ABAIXEM o preço. Margem para isso é o que não falta.

      0
  • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 18:30

    Mais uma da série, ‘mais quem está comprando com esses preços’:

    Desvios do Ministério do Transportes chegam a 682 milhões:

    oglobo.globo . com /pais/noblat/posts/2011/09/08/cgu-irregularidades-no-dnit-valec-chegam-r-682-mi-404326.asp

    Alguns podem achar offtopic, mas eu não penso assim. Esses caras compram pagando o preço que for, inflacionam o mercado. Temos as construtoras inflacionando a base da pirâmide com lançamentos de ovos a preços absurdos, muitas vezes com subsidio do governo. E esse pessoal do dinheiro fácil, da ‘colsultoria’ e da taxa de sucesso paga qualquer absurdo pelos apartamentos de alto padrão, pressionando o topo da pirâmide.

    No meio ficamos nós.

    0
  • buginga 8 de setembro de 2011 at 18:33

    Pessoal,
    Dêe um olhada neste link abaixo:

    h t t p : //minhacasaminhavidainvestment.com

    E dizem que não há investidores no mercado não. Que os preços são plenamente justificáveis e sustentáveis: O cara promete retorno de 175%.

    0
    • me 8 de setembro de 2011 at 18:56

      Vish, acho que esse é o melhor link postado até agora nas discussões.

      0
    • Mahmoud 8 de setembro de 2011 at 19:09

      Isso pode ser golpe. Primeiro foi o golpe do Boi Gordo (40%a.a) faliu. Depois foi o golpe da Avestruz Master (11% ao mês) faliu com rombo de R$ 2 bilhões. Agora inventam essa com imóveis, com lucro de 175%.

      0
    • Paulo Rocha 8 de setembro de 2011 at 20:13

      Parece que esse site é baseado na Espanha.

      Registrant:
      Management and Infrastructure 2010 SL

      Calle de Jacinto Benavente 11
      Edificio Marbeland
      Marbella, Malaga 29601
      Spain

      Registered through: GoDaddy.com, Inc. (http://www.godaddy.com)
      Domain Name: MINHACASAMINHAVIDAINVESTMENT.COM
      Created on: 04-Jul-11
      Expires on: 04-Jul-12
      Last Updated on: 22-Aug-11

      Administrative Contact:
      Pitt, Andrew [email protected]
      Management and Infrastructure 2010 SL
      Calle de Jacinto Benavente 11
      Edificio Marbeland
      Marbella, Malaga 29601
      Spain
      +95.2820319

      Technical Contact:
      Pitt, Andrew [email protected]
      Management and Infrastructure 2010 SL
      Calle de Jacinto Benavente 11
      Edificio Marbeland
      Marbella, Malaga 29601
      Spain
      +95.2820319

      Domain servers in listed order:
      DNS1.STABLETRANSIT.COM
      DNS2.STABLETRANSIT.COM

      Registry Status: clientDeleteProhibited
      Registry Status: clientRenewProhibited
      Registry Status: clientTransferProhibited
      Registry Status: clientUpdateProhibited

      0
      • Paulo Rocha 11 de setembro de 2011 at 20:13

        O endereço no Brasil deste Obelisk International é:
        Av. Romualdo Galvao
        1703 – Trade Center. Sl. 110
        59.056-100 Lagoa Nova
        Natal/RN, Brazil

        Eles tambem tem um outro site:
        h t t p : / / obeliskinternational.blogspot.com/

        Contato:
        h t t p : / / obeliskinternational.com/contactus.php

        O site obleliskinternatial.com tambem parece ser baseado na Espanha. O telefone de contato da própia página é espanhol (código do país: 34)

        Registrant:
        obelisk

        Apartado De Correos 977
        Marbella, Malaga 29600
        Spain

        Registered through: GoDaddy.com, Inc. (http://www.godaddy.com)
        Domain Name: OBELISKINTERNATIONAL.COM
        Created on: 29-Aug-06
        Expires on: 29-Aug-13
        Last Updated on: 28-Oct-10

        Administrative Contact:
        Mckenna, Alison [email protected]
        obelisk
        Apartado De Correos 977
        Marbella, Malaga 29600
        Spain
        +34.952820319

        Technical Contact:
        Mckenna, Alison [email protected]
        obelisk
        Apartado De Correos 977
        Marbella, Malaga 29600
        Spain
        +34.952820319

        Domain servers in listed order:
        DNS1.STABLETRANSIT.COM
        DNS2.STABLETRANSIT.COM

        Registry Status: clientDeleteProhibited
        Registry Status: clientRenewProhibited
        Registry Status: clientTransferProhibited
        Registry Status: clientUpdateProhibited

        O Motley Fool’s parece que tem um pouco de informação sobre esta compania, mas nada muito interessante:

        w w w. fool.co.uk/search/solr.aspx?datasource=board&q=obelisk+international

        0
    • Adriano 9 de setembro de 2011 at 06:38

      Que achado!! O forum está cada vez melhor. A coisa está realmente feia.

      0
  • Luiz 8 de setembro de 2011 at 18:38

    Ou seja poderiamos dizer que

    Se todas as outras condições forem iguais,
    RJ esta sobreofertado em 10vezes ou 1.000%

    É uma diferença muito grande…
    A comparação realmente não é boa.
    Muito distorcida pra gerar alguma conclusão
    Mas é um parâmetro.
    Obrigado Carlos, quem sabe alguém dá uma luz sobre este assunto

    0
  • MrK 8 de setembro de 2011 at 19:17

    Amigos, a quantidade de investidores por trás dos imoveis em construção é pornográfica… ninguém sabe dizer com exatidão, mas temos visto MUITOS alertas que não podem ser ignorados:

    – corretores comentando a alta participacao de investidores
    – pesquisa indicando a alta intencao do brasileiro em investir em imoveis (duas pesquisas)
    – gringos comprando aqui como nunca (ouvi isso de insiders inclusive)
    – sites como o acima do buginga reforcando a compra de gringos
    – crescimento de fundos imobiliários
    – propagandas de construtoras focando na palavra investimento
    – amigos e pessoas conhecidas nossas que nunca se meteram nesse mercado investindo
    etc etc…

    não da pra fechar os olhos que tem muito investidor louco pra repassar o imovel comprado e realizar lucro, mas QUEM IRÁ COMPRAR???? já percebeu que o brasileiro não tem renda pra absorver essas loucuras e por isso as vendas já travaram????

    a distribuicao de renda do Brasileiro é muito ruim, não adianta os 10% mais ricos comprarem imoveis como investimento (e os gringos ricos juntos) pra revenderem pras parcelas mais pobres… eles não vão ter como pagar…

    0
    • Carlos__ 8 de setembro de 2011 at 20:08

      Outro indicador importante, pelo menos na minha percepção, é o preço do imóveis na planta comparados com os recem construidos. Estão com o mesmo preço, quando o na planta não está ainda mais caro. Isso não é normal em nenhum mercado do mundo.

      A única explicação que encontrei para isso é que tem muita gente comprando na planta na expectativa de repassar mais caro na frente. Na planta ele não precisa pagar o preço cheio e tem a expectativa de vender com lucro na entrega ou quando a entrega estiver próxima. E esse lucro é sobre o preço cheio, então quando comparado com o valor da entrada, o lucro fica absurdo.

      Se o cara der 20% de entrada para comprar na planta e repassar com lucro de 35% sobre o valor cheio, o lucro dele em cima desse capital empatado com a entrada vai ser de mais de 150%.

      Exemplo simplificado:
      preço na planta: 100 mil
      entrada: 20 mil.
      saldo devedor com a construtora: 80 mil.
      preço no repasse supondo uma valorização de 35%: 135 mil.
      Lucro depois pago o saldo devedor para a construtora: 55 mil.

      Entrei com 20 mil e sai com 55 mil na mão. Mais de 150%. E isso porque usei um número modesto para a valorização, 35% durante toda a obra. Os corretores e os investidores na verdade esperam mais do que isso.

      Se tiver 100 mil, posso fazer isso com 5 apartamentos de uma vez. Muito melhor que comprar um usado apenas e empatar todo o meu capital para ganhar ‘apenas’ 35%.

      Assim, temos mais uma jabutica, mais uma inovação economica genuinamente brasileira, o apartamento na planta mais caro que o de pronta entrega.

      Realmente muito tentador. Como todo o esquema de pirâmide.

      0
      • MrK 8 de setembro de 2011 at 20:12

        voce está corretíssimo

        o imovel na planta vem cheio de riscos embutidos (risco de atraso, risco de não entregar como prometeu, insatisfação, risco da construtora quebrar) além de por demorar mais voce precisará se bancar até a entrega (pagando aluguel por 2 anos e meio)

        NUNCA um imovel na planta pode custar igual ou próximo ao usado (historicamente custava de 20% a 30% menos), eu já havia feito esse mesmo comentário que você e assino em baixo.

        abracos

        0
        • Leonardo RJ 12 de setembro de 2011 at 10:35

          em jacarepaguá no RJ vemos esse disparate…

          aptos de 49-51m² na planta, custando 140-160 mil, quando voce encontra imóveis usados de 60-65 m² custando 150-170 mil

          pra ter um imóvel “cheirando a novo” vale perder 10-15 m²?

          vale se arriscar a receber as chaves com atraso, quando voce pode comprar um usado e botar pra alugar no ato? vale arriscar a obra emperrar?

          nao entendo a lógica de quem compra na planta hoje

          0
      • Hik 9 de setembro de 2011 at 02:02

        De certa forma isso é positivo.
        Teremos muitas pessoas ferradas e com isso a queda tende a ser maior, na mesma proporção do desespero.

        Quem sabe aprendemos a ser realistas e aprendemos com nossos erros.

        0
    • Hik 9 de setembro de 2011 at 01:58

      Só para lembrar a distribuição de rebda brasileira:

      http://www2.uol.com.br/canalexecutivo/notas111/0607201120.htm

      Olha os 35 milhões de famílias sem casa própria aí.

      0
  • Said 8 de setembro de 2011 at 20:53

    Prezados,
    Impossível afirmar que existe uma “bolha”, seja ela imobiliária ou de créditos. Só conseguiremos defini-la e caracteriza-la quando a suposta bolha estourar, similarmente a todos os casos históricos desse fenômeno.
    A bolha por sua própria definição só pode ser definida após seu estouro. É óbvio, mas é relevante de ser lembrado. De qualquer forma, apostas são válidas.
    Particularmente aposto e acredito em supervalorização dos imóveis a nível nacional, com hipervalorização pontual em cidades como Rio, BSB e SP. Acredito numa estabilização imediata com posterior queda de até 30% nos preços, mas mesmo assim, isso por si só, sob o ponto de vista macroeconômico, não configura uma bolha.
    A verdade é que as vendas estão bem paradas, mas do que é divulgado e as próprias corretoras começam a ver prejuízos, por incível que pareça.
    Mas vale vender “2 por 600, do que 1 por 500.”
    Mas queria mesmo assim parabenizar muitos dos comentários são objetivos e didáticos.

    0
    • Hik 9 de setembro de 2011 at 02:09

      Said,

      Quedas de 5-10% JÁ estão ocorrendo.

      Porque está fácil conseguir 5-10% de desconto na venda de imóveis?

      Porque eu visitei apartamento novo em “promoção” com desconto do “valor de mercado” e 6 meses de condomínio incluso?

      O que significa apartamento pronto custar o mesmo ou menos que na planta?

      Estas situações NÃO existem. Isso é dar outro nome para desvalorização.

      Ou está cheio de “liquidação” de imóveis pelo mundo?

      0
      • Said 9 de setembro de 2011 at 07:32

        Hik,
        Eu tb já estou localizando algumas quedas aqui no Rio de Janeiro. Onde tenho visto com mais frequencia é no reduto AA de Ipanema e Leblon. A tendência é se espalhar…ou alguns que estão especulando vão optar por não vender.

        0
  • MrK 8 de setembro de 2011 at 21:04

    enquanto isso no blog do andré…

    ele comeca a perceber o acumulo de imoveis no zap, algo que já discutimos aqui há pelo menos 3 semanas (com dados) e que ele tentou refutar com umas tabelas de 2008… agora ele dá o braço a torcer..

    mas o que é pior naquele blog não é só a negação do óbvio e as médias móveis, é que ele não toma posições, ele simplesmente cola gráficos e deixa perguntas no ar, pra que serve isso? Aqui as pessoas tem suas convicções, seus motivos e os expressam, corremos o risco de errar SIM, mas tomamos posição (contra ou a favor da bolha) e agimos de acordo, isso que tem valor!

    0
    • Felipe 8 de setembro de 2011 at 22:13

      Esse aí comprou em Águas Claras hahahahahahahah

      0
    • doom 8 de setembro de 2011 at 22:42

      Exato, Mrk. A grande dificuldade de discutir com pessoas assim é que não são nem contra, nem a favor, mas muito pelo contrário. Ninguém tem bola de cristal, então o que devemos avaliar é a probabilidade das coisas acontecerem. E aqui no Brasil a falta de dados confiáveis torna essa tarefa ainda mais difícil. No entanto, acompanhando o blog já há algum tempo e vendo boa parte dos palpites acontecerem conforme previsto, mostra que nossos acertos superam e muito os nossos erros. E claro que, junto com análises mais sérias, fazemos também tarefas, digamos, lúdicas, como tentar prever quando a bolha estoura. Até pq se ficássemos apenas tentando ler gráficos e números o blog ia ser muito chato e não teria a audiência que tem.

      0
    • Bananense 12 de setembro de 2011 at 00:31

      MrK, você poderia me informar qual o endereço do blog do André?

      0
      • Paulo Rocha 12 de setembro de 2011 at 03:10

        O endereço é: h t t p : / / housingmarketbr.blogspot.com

        0
  • Elias 8 de setembro de 2011 at 22:23

    É isso mesmo Carlos.

    O fato de um imóvel na planta custar mais caro que um similar pronto é sinal claro de euforia, típico de bolha.

    0
    • Richard 9 de setembro de 2011 at 11:08

      Tem imóvel na enseada do Suá em Vitória/ES na faixa de 800K que está mais barato agora do que no lançamento.

      0
  • Melissa 8 de setembro de 2011 at 22:30

    Olá,

    Hoje fiquei impressionada com o desespero – até mesmo – dos bancos!

    Nunca havia trabalhado antes formalmente, passei num concurso e estou trabalhando há apenas 1 mês e meio. O salário, líquido, é de uns 3.900 e ainda moro com meus pais.

    Hoje, recebi uma ligação do Banco do Brasil me oferecendo crédito imobiliário! Fiquei muito surpresa! Esse pessoal está louco! Mal comecei a trabalhar… Como que a pessoa me oferece, por telefone, crédito, sendo que eu sequer estou pensando em adquirir imóvel agora, ainda mais com esses preços exorbitantes!

    Pelo visto o desespero não é apenas dos corretores, imobiliárias, etc…

    Abraços

    0
  • Com Certeza 8 de setembro de 2011 at 22:39

    Minha explicação é a seguinte para o grande número de apartamentos à venda no Leblon:

    se imaginem donos de um apartamento no Leblon. Você só ouve que o mercado está aquecido, que os preços estão exorbitantes, mas que, ainda assim, tem quem compre. Mesmo que vc não tivesse a mínima intenção de se mudar, você não colocaria à venda o seu apartamento, mesmo sabendo que muitas pessoas vão achar normal atribuírem ao imóvel um valor surreal? Eu colocaria à venda com certeza… Se aparecesse um doido…

    0
    • Gil 9 de setembro de 2011 at 13:42

      Venderia e iria para onde?
      Tá tudo caro!

      0
      • Com Certeza 9 de setembro de 2011 at 19:17

        Não compro. Invisto a grana e fico morando de aluguel. Quando o mercado for “obrigado” a cair na real, certamente estarei no lucro e poderei comprar o que for melhor pra mim.

        0
  • JPM 8 de setembro de 2011 at 22:43

    Colegas do blog,
    Olhando novamente para o gráfico em: irvinehousingblog.com/images/uploads/tghb/Psychological%20Stages%20of%20a%20Bubble%20Market.jpg
    eu acredito que estamos agora na primeira inversão da curva, lá no alto, onde começam os discursos de “… um novo paradigma … estabilização… etc”. Ou seja, quando o mercado começa a dar sinais de que pode começar a cair, e uma campanha maciça é feita para angariar os últimos compradores existentes, criando o ponto marcado como “bear rally” , que alguns outros gráficos também chamam de “bull trap”.
    A publicidade deve ficar mais agressiva, até que não reste comprador potencial (que acredite que o preço está bom E tenha dinheiro) no mercado, e aí nada segura a queda.
    O que vocês acham? A fase é essa?

    0
    • Ricardo 8 de setembro de 2011 at 23:20

      Concordo. Agora é a fase dos descontos.
      Ex: imóvel de 200.000,00 vendido por 180.000,00. O comprador, influenciado pelo corretor (dirá que na verdade vale 230.000,00, que tem 2 pessoas na fila, valorização garantida,blá,blá…) achará que fará o negócio da china.

      Entretanto, há um porém: os compradores agora estão reticentes/precavidos……. Os afoitos e emotivos já compraram e estão endividados.

      – Depois da fase dos descontos, virá a fase dos feirões, prêmios.
      – Caso não venha com Minha Casa Minha vida 2 ou algo similar, ocorrerá redução dos preços.

      0
      • Paulo 9 de setembro de 2011 at 08:38

        MCMV 2 já tá aí.

        0
    • Hik 9 de setembro de 2011 at 02:14

      Eu fui para Itú nesse feriado de 7 de Setembro e vi um lançamento anunciando:

      “Não percam, antes que os preços aumentem!”

      É muita cara de pau e ainda nos chamam de asnos. Ainda que restem alguns…

      0
    • Luiz 9 de setembro de 2011 at 12:14

      JPM, não acho que estejamos na primeira trap, estamos em algum lugar antes do ápice.

      Acontece que historicamente se viu que a bolha estoura em diferentes datas de cidade pra cidade, de bairro p bairro.

      Pode ser q vc tenha identificado o bull trap em algum bairro isolado, mas uma andorinah só não faz verão, nem média. A bolha ainda se aalstra pelo interiorzão todo, pelas periferias, etc…

      Vc vai ver vendas estancadas nestes bairros e crescimento de preços nos demais bairros e aumento tbm no aluguel. Quando não tiver mais pra onde a bolha inflar que ela explode.

      0
  • Marcos 8 de setembro de 2011 at 23:19

    Vocês conhecem o site abaixo?

    www .globalpropertyguide.com/Latin-America/Brazil/Rental-Yields

    Tem uma tabela de novembro de 2010 demonstrando o yield de imóveis. Para apartamentos em São Paulo, o menor era 6,03%. Essa rentabilidade para imóveis não é interessante?

    0
  • Maia 8 de setembro de 2011 at 23:28

    Acredito que a maioria aqui esteja no mesmo barco que eu: guardando dinheiro e esperando a poeira baixar de forma a poder comprar um imóvel decente por um preço justo.
    No entanto sou uma investidora conservadora que entende pouco de economia, minha dúvida é: no atual cenário, qual a melhor forma de investir esse dinheiro guardado – o meu está na poupança e sei que tenho que tirar ele de lá, mas não sei pra onde!
    Há um tempo me cadastrei numa corretora e colocaria uma pequena parte em renda variável e a parte maior em títulos públicos. Não concretizei o plano e, pelo jeito, fiz bem de não investir em ações. Agora, em função do remanejamento dos juros, também coloco em dúvida os títulos do governo.
    Como vocês estão fazendo? Gostaria de trocar idéias…

    0
  • Juliano Wagner 8 de setembro de 2011 at 23:43

    Descobri este blog a 1 ano. Como aprendi com vcis.
    Moro atualmente em uma pequena cidade de 10k habitantes no interior de SC, sou de Floripa. Região turística. A cidade se chama Urubici. Muitos paulistas, curitibanos, cariocas e gaúchos. Tranquilidade é a palavra de ordem, 159km de floripa via BR-282, região de frio e neve no inverno. A manada de investidores aqui começou em 2001. Em 2005 comprei 5 lotes em área urbana da cidade por 1500 reais cada um(12×36). Coloquei a venda esta semana pois apesar de ter opções na região central (maioria em mãos de investidores/gente de fora) estão cotados a 58 mil. Veja até eu, realmente, sem ter contato com este blog, já achava isso muito estranho, mas lendo o que está acontecendo, vejo o sentido, e não vejo solidez nisso. Possivelmente vou conseguir vender (graças a Deus), pois tenho restaurante e quero investir.. Mas vejo que se fosse pra comprar, jamais faria uma coisa assim. No interior da cidade falam em 40k a hectare. E pipocam novos residentes desde 2004 e ainda tem gente comprando, só que os incautos estão vendo que estão já comprando de gente de fora. Os nativos aqui ou já venderam tudo, ou não vendem o que sobrou. Vejo ainda aqui no interior, muita especulação e “fervo” imobiliário que tanto se fala das capitais, ainda ter vida aqui. Mas um indicador apareceu faz 2 meses. Estourou a quantidade de imoveis rurais e centrais a venda. Em uma cidade pequena! Creio que o apelo turístico contribui para isso. Vou vender claro, pois aqui é alta e ainda tem gente (aposentados) que parece que tem crédito e querem morar aqui, mas acho que mesmo explodindo a bolha não volta aos patamares de 2004. E de pensar que já teve lotes por 1000 reais aqui…

    0
    • Bolha Imobiliária 9 de setembro de 2011 at 10:59

      Opa, que jóia, quando eu voltar para a serra catarinense tentar ver a neve, já sei onde pedir acomodações. Daí me passe o nome do seu restaurante, que quando eu voltar lembrarei de passar por aí

      0
      • Juliano Wagner 9 de setembro de 2011 at 12:40

        Atrio Restaurante
        atriorestaurante.blogspot.com
        Quando quiser dá um pulo lá.

        0
        • Bolha Imobiliária 9 de setembro de 2011 at 14:43

          Pode deixar…Pelo menos uma vez a cada 2 anos eu tento pegar neve lá…a ultima foi ano passado. Sempre passo por Urubici

          0
    • Carlos__ 9 de setembro de 2011 at 12:45

      Juliano, obrigado por esse depoimento, é sempre importante saber a situação nesses lugares que estão fora do noticiário das mídias de alcance nacional.

      0
  • carlos wagner 8 de setembro de 2011 at 23:48

    Olhem um anuncio da venda de um Apto num site de classificados da região. Atentem para o discurso do corretor quando se refere ao preço:

    Apto, vaga coberta, excelente localização
    Descrição: Preço Justo. Apto 2 dorms, usado, desocupado, aceita financiamento, bom para morar ou investir. Acesso fácil para Dutra, Pinda e Campos do Jordão
    Preço: R$ 160.000,00
    Cidade: Taubaté
    Nome:
    Email: @creci.org.br
    Telefone: 12
    Data do Anuncio: 2011-09-08 09:50:06

    0
    • Carlos__ 9 de setembro de 2011 at 00:15

      Muito interessante. Mostra que os vendedores já perceberam que os compradores estão com o pé atrás, achando os preços muito altos, com medo de pagarem mais do que o imóvel vale.

      Quando ele afirma que o preço dele é justo, deixa implícito que existem preços por aí que são injustos. Esse tipo de discurso já ser usado pelos vendedores é um sinal relevante.

      0
  • Anonymous 9 de setembro de 2011 at 00:58

    É sempre bom lembrar que o Bernie Madoff oferecia valorização do investimento entre 10% a 17% ao ano. Isso porque ele não sabia que corretor na Banânia estava oferecendo 30% ao ano.

    0
  • Selvagem 9 de setembro de 2011 at 01:01

    Senhores aceito colaboracoes.

    Com base nos anuncios que tenho visto no zap e corretores estou elaborando o inédito DICIONÁRIO DE LINGUAGEM DAS CONSTRUTORAS E CORRETORES:

    Quando a construtora diz:

    “excelente oportunidade” é 30% de gordura

    “preco justo” pode tirar uns 25% de gordura.

    “oferta imperdível” é 20% acima

    “ultimas unidades” é porque tá bem encalhado.

    “fino acabamento” é porque vai ser entregue no reboco e voce vai ter que pagar uma caralha de grana para botar um acabamento decente naquilo que é entregue pelado.

    “versatilidade” é porque o apartamento é realmente pequeno demais e um comodo irá servir para a funcao do que deviria ser distribuido em 4.

    “sofisticado”: significa que voce irá tentar pagar por algo que sua renda de pobre fudido nao permite que vc tenha.

    “cozinha gourmet”significa que metade do apartamento é uma varanda com uma churrasqueira que só será usada uma vez por ano. O churrasco sairá meia boca, caro e irá impregnar de fuligem o apartamento inteiro.

    “facilidade de pagamento”é porque voce ficará facilmente atolado até os dente pra pagar.

    “bairro nobre” é um bairo ao lado de um bairro chique onde a constutora irá te empurrar um apartamento.

    “bairro tradicional”é um bairro ao lado de um outro bairro ao lado de algo que virá um dia a ser civilizado.

    җtima vizinhancaӎ porque tem favela do lado.

    “estrutura completa” significa que vc vai pagar 2x mais caro por um predio que é 2x menor do que deveria ser.

    “próximo do shopping..” “proximo da estacao x” é pq fica longe pra cacete de qualquer lugar civilizado.

    “cercado por verde” é porque foi plantado uma mudinha na calcada que provavelmente ira morrer antes de terminada a construcao.

    “espaco exclusivo” significa que voce ira dividir uma piscina ou salao de festa com mais 400 apartamentos e gente que vc nunca viu na vida.

    “servicos exclusivos”significa que voce pagara um condominio consideravelmente mais alto para ter empresas no seu prédio que provavelmente irão cobrar muito caro por servicos que vc prefere fazer por si mesmo para economizar.

    “visite um decorado” significa que sua esposa pode olhar um apartamento com decoracao 10X mais cara do que aquela que vc pode pagar. Vc terá uma vaga nocao do que ira receber pelo seu suado dinheirinho e não precisará consultar o memorial descritivo da obra. Alias o que é o memorial descritivo? Pra que ele serve?

    Agora que voce ja conhece o dicionario vá procurar o site da sua contrutora preferida e verifique o que realmente te espera.

    0
    • Hik 9 de setembro de 2011 at 01:48

      Eu adicionaria alguns “sinônimos”:

      “excelente oportunidade”… para a construtora.

      “fino acabamento” é porque tudo é frágil.

      “versatilidade” é tudo drywall.

      “sofisticado” porque colocam um monte de frescura em um ovo, pra te cobrar o olho do $%.

      “facilidade de pagamento” é porque tá cheio de juros enrustidos.

      “bairro tradicional” é um bairro decadente.

      “estrutura completa” é porque tem tudo que você NÃO precisa.

      “cercado por verde” é porque é no meio do nada.

      “servicos exclusivos” porque você vai usar EXCLUSIVAMENTE nas primeiras semanas e nunca mais.

      Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

      0
      • Marcelo 9 de setembro de 2011 at 02:47

        “Varanda/cozinha gourmet” = lugar pra chorar de arrependimento (escondido) por todo o periodo do financiamento.

        0
        • xyz 9 de setembro de 2011 at 08:42

          “grande área de lazer” = cubículo.

          0
        • xyz 9 de setembro de 2011 at 08:45

          “bom para investidor” = imóvel inservível para qualquer fim (residência, comércio, investimento).

          0
          • Paulo - RJ 9 de setembro de 2011 at 09:23

            Aqui na Tijuca – RJ tem o termo “bucólico”, que geralmente se refere aos imóveis afastados do centro do bairro, perto de morro (ocupado ou não), onde para trabalhar você não tem transporte direito e se tiver que ir de carro pega um trecho a mais de engarrafamento.

            0
        • Luiz 9 de setembro de 2011 at 11:48

          varanda gourmet = churrasqueira = fumaça dos vizinhos

          0
    • Anonymous 9 de setembro de 2011 at 11:02

      “No coração da zona…” – No pior lugar da referida zona
      “Oportunidade Única” – Mais uma entre tantas opções
      “More com Mais Qualidade de Vida” – More igual galinha no poleiro
      “A 5 minutos do shopping…” – 5 minutos é o que se leva pra chegar do apartamento até o hall de entrada, o que dizer do shopping mais próximo com congestionamento
      “Entrada facilitada” – Detone sua poupança
      “Ótimo investimento” – Alimente a bolha, seu otário
      “Aceitamos seu veículo” – Compramos seu carro zero por mixaria
      “Imperdível” – Esquecível

      0
    • Leonardo RJ 12 de setembro de 2011 at 10:50

      ahahhahaha

      mto bom esse dicionário

      0
  • Galvão 9 de setembro de 2011 at 09:00

    Reportagem do Correio Braziliense de hoje.
    Preços dos imóveis no DF continuam subindo, mas abaixo da média nacional

    Publicação: 09/09/2011 07:23 Atualização:

    O mercado imobiliário brasileiro começa a ceder após o bom resultado dos últimos anos. E o Distrito Federal, sempre imune às turbulências, dá sinais de que também sente os efeitos de uma crise e não é mais o oásis do setor. A valorização dos imóveis em Brasília continua avançando na casa dos dois dígitos, mas já cresce abaixo da média nacional e de quatro das sete capitais pesquisadas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Entre agosto de 2010 e o mesmo mês de 2011, os preços de apartamentos e casas subiram, em média, 21,2%, metade do percentual registrado no Rio de Janeiro (veja ranking) no mesmo período. Maior apenas do que em Fortaleza e Salvador.

    Com base nos números da Fipe, o Correio dividiu o DF em 47 localidades, levando em conta a diferença de preços entre casas e apartamentos e setores de uma mesma região administrativa. Em 25 pontos pesquisados, a valorização supera a média do DF, sendo que 17 apresentaram um incremento acima da média nacional. Em outras 14 regiões, os preços aumentaram nos últimos 12 meses, mas em ritmo inferior à média da capital. E, contrariando o passado recente, os preços caíram em oito áreas e colocaram à prova o superaquecimento do mercado. Imóveis do Lago Sul, do Guará — com exceção dos apartamentos do Guará II — e do novo bairro Park Sul, por exemplo, registraram retração no período pesquisado.

    Hoje, o preço do metro quadrado custa no DF entre R$ 1.054 e R$ 9.649, uma variação de 815%. Em 11 localidades — o equivalente a quase um quarto do total —, ultrapassa os R$ 5 mil. O mais caro é cobrado no futuro Setor Noroeste (R$ 9.649), seguido do Sudoeste (R$ 8.757) e das asas Sul (R$ 8.349) e Norte (R$ 7.999). Valores nas alturas também são encontrados na Octogonal (R$ 7.862), no Centro de Atividades do Lago Norte (R$ 7.562) e no Park Sul
    (R$ 7.393), apesar de os preços terem recuado 1,4% neste último local. O trânsito intenso próximo aos edifícios em construção, às margens da Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia), ajuda a explicar a inesperada queda no valor dos imóveis luxuosos.

    Menos de R$ 2 mil
    Na outra ponta, o levantamento mostra nove lugares onde o metro quadrado custa menos do que R$ 2 mil. Com uma desvalorização de 48% em um ano, as casas do Recanto das Emas são as mais baratas do DF (R$ 1.054 o metro quadrado). Ocupam ainda a parte de baixo do ranking o Setor Tradicional de Planaltina (R$ 1.103) e os apartamentos do Núcleo Bandeirante (R$ 1.132). A desvalorização das residências em áreas em que houve um boom de condomínios é normal, na avaliação do presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do DF (Sinduscon-DF), Júlio César Peres. “Há uma tendência de migração. Como mais casas ficam disponíveis, a oferta aumenta e o preço cai”, explica.

    Os representantes do mercado tentam demonstrar naturalidade diante dos números da Fipe. Empresários do setor rechaçam qualquer possibilidade de estagnação nos valores e sustentam o discurso de que os imóveis ainda são a melhor opção de investimento. A desaceleração ou mesmo o recuo de preços não inibem, segundo eles, o cenário de aquecimento. “Claro que ao longo do tempo a demanda por habitação vai sendo suprida. É natural que haja um processo de acomodação, mas a valorização continua”, afirma o presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do DF (Ademi-DF), Adalberto Valadão.

    Para o pesquisador da Fipe Eduardo Zylberstajn, a variação de preços na capital do país reflete uma tendência natural de mercado. “As regiões do DF se comportam de maneira bem heterogênea. Se os valores já subiram muito em determinado local, pode-se esperar desaceleração”, diz. O Lago Sul ilustra o comentário do pesquisador. Em agosto de 2010, o metro quadrado na área mais nobre do DF valia R$ 4.069. Um ano depois, o preço recuou 6,4%, chegando a R$ 3.809. Na península norte, o valor dos imóveis do Centro de Atividades não deve mais crescer tanto. O metro quadrado saiu de R$ 7.087 para
    R$ 7.562 no mesmo intervalo de tempo, variação positiva de 6,7%, bem abaixo do observado em anos anteriores.

    Valadão, da Ademi-DF, reforça que as oscilações do custo do metro quadrado estão em consonância com a lógica de mercado. “O esperado é a grande valorização de imóveis menores e de menor preço. Em contrapartida, a tendência é de alta menos acentuada em áreas mais nobres, como o Noroeste”, compara. De fato, há mais investidores interessados nos apartamentos de um e dois quartos. Como consequência, a demanda por esse tipo de imóvel é maior, o que inflaciona os preços. “O imóvel menor tem melhor liquidez de aluguel. Os maiores, de três e quatro quartos, são comprados geralmente por quem pretende morar”, acrescenta o presidente do Sinduscon-DF, Júlio César Peres.

    Infraestrutura
    Em junho deste ano, o Correio mostrou que o Noroeste cresce em dois ritmos. Enquanto as empreiteiras erguem esqueletos às pressas, as obras de infraestrutura do governo engatinham. A preocupação é que, assim como ocorreu no Sudoeste, os primeiros empreendimentos fiquem prontos — no segundo semestre de 2012 — e os compradores não encontrem condições adequadas para morar.

    0
    • Galvão 9 de setembro de 2011 at 09:05

      reportagem feita sem nenhuma análise.
      1º A alta do preço é baseada no índice FipeZAP, que considera o preço médio dos anúncios no ZAP.
      2º A amostra não é tão significativa.
      3º Os preços anunciados de fato estão subindo em Brasília. No entanto, isso não significa que está vendendo (e não está). e também não significa que o valor de venda (quando ocorre) é o valor anunciado.
      4º Entrevistas apenas com os interessados nos preços altos, e com as mesmas desculpas de sempre.
      5º Já tô de saco cheio dessas reportagens. rsrsrs

      0
    • RT 9 de setembro de 2011 at 10:39

      “A valorização dos imóveis em Brasília continua avançando na casa dos dois dígitos, mas já cresce abaixo da média nacional e de quatro das sete capitais”

      Tem um ponto que gostaria de ressaltar… não sei se só eu que estranho isso, ou se vocês também…

      Mas na minha opinião, o preço dos imóveis em geral já está bem além do limite máximo.

      Aí, vem uma reportagem dessas dizer que o mercado imobiliário está cedendo, e que a prova disso é que “agora os preços só avançam 10%”.

      Ora… se isso for mesmo verdade, o “investidor” tem que estar feliz da vida! Queria eu arrumar um investimento que valorizasse “só” isso em épocas de vacas magras.

      E falam de continuar valorizando… quando eu não vejo espaço pra valorizar mais um centavo que seja… enfim, ao ler a reportagem, tive a sensação de estar lendo outro idioma. Faz tempo que sinto que o mercado imobiliário vive em delírios, imaginando valorizações exorbitantes, como se vivêssemos em um país cheio de ricos pra bancar esses preços.

      Não pensam que se não tiver quem compre, não adiante dizer que “vale” 10 milhões??

      0
      • John 9 de setembro de 2011 at 10:59

        Não se engane. Com certeza esse jornal está fechado com as corretoras. Ele tem “banners” de venda de imóveis em vários locais do site, inclusive em páginas com assuntos que não tem nada a ver com imóveis. Sem contar que em 90% das reportagens há um tom de propaganda e ele só escuta “especialistas” que têm interesse no setor. Outra prova: o jornal fez toda uma reportagem indicando que uma cidade satélite de Brasília tinha bom padrão de vida e abrigava a classe média, para depois fazer propaganda dos terrenos, informando que eles estão entre os mais valiosos. Ora, o foco da reportagem não era a qualidade de vida no lugar?

        0
    • Leandro 9 de setembro de 2011 at 12:54

      A versão impressa do Jornal traz uma análise detalhada em regiões de Brasília.
      Em algumas delas, segundo o Jornal, houve desvalorização de até 30% em um ano.
      O simples fato de o jornal noticiar isso já é um grande avanço em se tratando de Correio Braziliense.
      A reportagem traz também um “agionário” receoso quanto ao lucro de seus “investimentos”.

      0
    • Guilherme Eduardo 10 de setembro de 2011 at 07:01

      Olhem nas entrelinhas:

      “Enquanto as empreiteiras erguem esqueletos às pressas, as obras de infraestrutura do governo engatinham. A preocupação é que, assim como ocorreu no Sudoeste, os primeiros empreendimentos fiquem prontos — no segundo semestre de 2012 — e os compradores não encontrem condições adequadas para morar.”

      A coisas estão mudando…. meses atrás todos os jornais/TV’s nem tocavam no assunto infraestrutura nos locais do boom imobiliário. Interessante, não?

      0
      • Marcelo 10 de setembro de 2011 at 12:15

        Ja saiu um artigo no Correio Braziliense em que as construtoras nao estao mais interessadas em construir predios a partir de agora e sim, pegar constratos com o governo em de obras de infra-estrutura previstas para o DF. O negocio agora e construir hospital, escolas, asfaltar noroeste… Construcao civil no DF ja deu o que tinha que dar.

        0
  • augusto 9 de setembro de 2011 at 09:24

    O pacote do Obama superou em muito a quantia de 300 bi US$
    Sem duvida conseguirá aumentar empregos lá, e com isto superar ou pelo menso diminuir a crise imobiliaria deles.

    0
    • Paulo Rocha 9 de setembro de 2011 at 10:08

      Bom ainda está cedo de mais para dizer que este pacote ira ajudar. Os republicanos não tem nenhum interesse em ajudar o Obama, então é bem capaz de eles fazerem de tudo para boicotar-lo.

      0
    • Carlos__ 9 de setembro de 2011 at 11:09

      Augusto. Cuidado com as notícias sobre esse pacote. De modo geral a qualidade jornalística é muito fraca e as notícias não refletem exatamente o que aconteceu. O Obama não apareceu com um saco de dinheiro de 400 bi, como as notícias superficiais dão a entender.

      O Obama prometeu basicamente cortar impostos. O plano terá que ser aprovado ainda no câmera e no senado. Em um ambiente de dívida alta e recessivo, cortar impostos não trás muito ganho e aumenta o déficit. Não resolve o problema deles gastarem mais do que arrecadam. Uma empresa não vai contratar só porque vai pagar menos impostos. Vai contratar se achar que contratando vai aumentar a receita. O problema é na estrutura da economia e não é inflando um balão estourado que vão conseguir faze-lo voar. O resultado do discurso são as bolsas caindo no mundo todo. Para variar, no Brasil, os índices financeiro e imobiliário são as maiores quedas da bolsa no momento.

      0
  • JUCA 9 de setembro de 2011 at 10:53

    Não será diferente no Brasil. O preço dos imóveis disparou em todos os países que tiveram a combinação de aumento na renda, crédito farto e escassez de oferta nas áreas mais disputadas dos grandes centros urbanos.

    Só faltam juros menores e condições de financiamento mais camaradas para acelerar o processo. Aquela euforia emergente de futuro brilhante adiante, que também alimenta a alta dos preços, o Brasil tem faz tempo.

    A má notícia é que as condições de temperatura e pressão mudaram desde o ano passado. Agora, os juros vão é subir. Os bancos devem apertar a liberação de empréstimos e a economia vai esfriar um pouco.
    Só que as construtoras e o mercado imobiliário se preparavam para mais um ano de crescimento acelerado, acima de dois dígitos.

    O resultado são estoques e preços nas alturas, que não combinam com períodos de desaceleração e abrem caminho para bons negócios.

    Segundo Luiz Paulo Pompéia, economista da consultoria Embraesp, especializada em avaliação de imóveis, é improvável que os preços caiam em São Paulo, mas também será difícil crescer no ritmo visto até 2010.

    No ano passado, o preço dos apartamentos novos saltou 34,4% -a maior alta desde 1996, quando a Embraesp começou a fazer a pesquisa.

    Para o consultor, os imóveis com maior potencial de valorização são os voltados para a classe C. A indústria tem, segundo ele, 15 anos de trabalho pela frente para zerar a falta de habitações.

    Nos anos 2000, poucos investimentos renderam mais do que os imóveis em regiões selecionadas. Em São Paulo, os preços dos apartamentos novos saltaram 177,88% de 2000 até 2010, segundo a Embraesp.

    A valorização dos lançamentos inflaciona toda a cadeia imobiliária. Puxa junto os preços dos poucos terrenos ainda existentes e também os imóveis mais antigos, além dos custos de produtos e serviços da construção.

    “As construtoras estão preocupadas com aquele investidor que compra um apartamento na planta esperando vendê-lo com preço maior pouco antes da entrega das chaves. São pessoas que podem não ter como pagar as prestações se não venderem o imóvel. É um pequeno subprime brasileiro”, disse Pompéia.

    Apesar da preocupação, ninguém acredita que estamos próximo de uma ressaca, como ocorre nos EUA e na Europa desde 2008.

    A razão é que o crédito imobiliário é pequeno e primitivo demais no Brasil. Ainda não anda com as próprias pernas e precisa de recursos subsidiados da poupança, com juros tabelados.

    Com juros na casa de 12% ao ano, os valores financiados dobram em seis anos.

    Quem faz um empréstimo por 30 anos com essa taxa facilmente deverá mais, no meio do financiamento, do que valerá o imóvel, deixando o banco sem garantia.

    0
    • MrK 9 de setembro de 2011 at 11:25

      “As construtoras estão preocupadas com aquele investidor que compra um apartamento na planta esperando vendê-lo com preço maior pouco antes da entrega das chaves. São pessoas que podem não ter como pagar as prestações se não venderem o imóvel. É um pequeno subprime brasileiro”

      é muito engraçado que tudo que a gente fala aqui, depois umas semanas são admitidas pelo mercado… primeiro eles negam ,falam que é normal, logo depois comecam a admitir uma “preocupação”

      0
      • Luiz 9 de setembro de 2011 at 12:00

        Essa conta tá errada, o financiamento nunca vai ser maior que o valor do imóvel, os banqueiros não são trouxas, eles montam o financiamento para que esta situação nunca ocorra, é uma engenharia financeira complexa que no final das contas escraviza o mutuário, que vai dever sempre muito proximo ao valor do apê, sempre abaixo pra que ele nunca desista, sempre perto pra arrancar ao maximo o couro do cara, e isso é o mais perverso, se bem que legal.

        Tanto é que quando começou a haver risco de bolha eles simpelsmente aumentaram a exigência de entrada para 30 a 40%. Precificaram o risco de bolha, essa gente nunca perde.

        0
        • Adriano 9 de setembro de 2011 at 13:37

          Realmente, falaram merda. Por essas e outras que confio cada vez menos nos “especialistas” a serviço da mídia. Qualquer contador/administrador/economista, estudou na faculdade todas essas tabelas de financiamento. Eu mesmo, já analisei tabela da CEF e BB em financimentos de amigos. Essas tabelas SEMPRE PAGAM OS JUROS e mais alguma amortização. Não têm como o saldo crescer, a não ser que haja indimplência. Agora os bancos de fato podem ficar sem garantia, já que na contabilidade atual praticamente todos os ativos são medidos por “fair value”, e com o preço dos imóveis despencando……ESSE é o medo deles, como já postei aqui antes.

          0
          • Paulo 9 de setembro de 2011 at 14:21

            Basta o valor da TR ficar acima de 3,33 ao ano para financiamentos de 30 anos.
            Amortização = 1/360 * vlr do imóvel = 0,278% a.m. ou 3.33 a.a.
            Se TR for maior que 3,33% a.a. o valor do Saldo Devedor ficará maior do que quando iniciou-se o pagamento.

            0
          • Paulo 9 de setembro de 2011 at 14:26

            TR
            ANO %

            2003 4,6485
            2004 1,8184
            2005 2,8335
            2006 2,0377
            2007 1,4452
            2008 1,6348
            2009 0,709
            2010 0,6887

            Em 2011 deve fechar em 1,3

            0
          • Luiz 9 de setembro de 2011 at 14:39

            Paulo, é 1/360 * (vlr do imovel * 80%)
            pq a entrada é no minimo 20%
            A TR é em termos praticos decretada.
            Não correm esse risco, não assim, aprendemos alguma coisa com a época do BNH anso 70/80, não?

            O risco seria os imóveis caírem muito ao memso tempo que a inflação explodir.
            Risco quase nulo

            Ou uma grande onda de inandimplencia resultado de crise brava, mas neste caso, parcela da casa seria o menor dos males. Neste quadro a gente veira antes bancos e construtoras pedindo arrego pro governo.

            0
          • Paulo 9 de setembro de 2011 at 16:21

            Luiz, vale lembrar que existem linhas de financiamento pra Servidor Público que financiam 100% do Imóvel. Não sei se na prática isso acontece.

            0
          • Adriano 9 de setembro de 2011 at 16:57

            Paulo,

            mas o reajuste anual das prestações não é justamente pela TR? Normalmente não é “juros + TR”?

            0
          • Guilherme Eduardo 10 de setembro de 2011 at 07:15

            O grande problema não é o saldo devedor em si. Se o saldo crescer e o cliente pagar não tem problema. O risco para os bancos mora na inadimplência. Vejam o exmeplo:

            Saldo devedor: R$ 146.289,50
            Valor do imóvel: R$ 200.000,00
            Resultado: Se o banco tomar o imóvel e mandar para leilão, a dívida é quitada e o cliente ainda leva um troco.

            Saldo devedor: R$ 146.289,50
            Valor do imóvel: R$ 120.000,00
            Resultado: Se o banco tomar o imóvel e mandar para leilão, a dívida NÃO é quitada e o cliente ainda fica devendo para o banco. Como não conseguiu pagar as prestações do imóvel, provavelmente não conseguirá pagar o saldo restante. Prejuizo para o banco.

            Para que isso não aconteça, os bancos provavelmente irão exigir entradas mais altas e auentar as taxas, ou então fazer um tipo de tabela mais flexível. Ex.: Entrada 40%, 9%aa; Entrada 30%,11%aa; Entrada 20%, 13%aa; Acima de 180 meses, acréscimo de 0,5%aa para cada 60 meses; etc.

            0
            • Anonymous 11 de setembro de 2011 at 23:03

              É claro que o saldo devedor é problema, pois pode ficar maior do que o valor do imóvel. Aliás, esse desconto de 10% que algumas construtoras estão oferecendo, fez com que o saldo devedor de quem já fez o financiamento fique maior do que o valor do imóvel e deve continuar assim por alguns anos. Quando isso for percebido de maneira generalizada, haverá desistência generalizada dos imóveis (a pessoa para de pagar as prestações e fica morando de graça até finalmente ser despejada em ALGUNS ANOS). Muitos aqui já assistiram esse filme e sabem como termina.

              0
    • Carlos__ 9 de setembro de 2011 at 11:32

      Importante essa matéria que você achou, Juca. Pela primeira vez vejo na mídia, mesmo sem muito alarde, a exposição de peças chave do quebra-cabeça que fomos montando aqui.

      Agora as matérias feitas por esses jornalistas amigos do mercado imobiliário não vendem mais euforia, mas na verdade estão começando a mudar o discurso para evitar o pânico.

      Destaco esse trechos:

      “A valorização dos lançamentos inflaciona toda a cadeia imobiliária!”. —– Como já dissemos, foram os lançamentos que puxaram os preços dos usados para cima, criando a distorção do imóvel na planta mais caro que o pronto. Os motivos dessa distorção já discutimos aqui.

      “As construtoras estão preocupadas com aquele investidor que compra um apartamento na planta esperando vendê-lo com preço maior pouco antes da entrega das chaves. São pessoas que podem não ter como pagar as prestações se não venderem o imóvel. É um pequeno subprime brasileiro”, disse Pompéia. ——- O nosso subprime, o pessoal que comprou na planta para repassar sem ter lastro para comprar o imóvel na entrega foi finalmente exposto na mídia e por um insider do mercado.

      “Para o consultor, os imóveis com maior potencial de valorização são os voltados para a classe C. A indústria tem, segundo ele, 15 anos de trabalho pela frente para zerar a falta de habitações.” —— O verdadeiro defict está na classe C e os preços já passaram há muito do que eles podem pagar com 4 mil reais de renda familiar, isso os que estão no topo da classe C. Na classe A e B nunca tivemos deficit.

      Só resta dizermos: EU JÁ SABIA!!!!!

      0
    • Richard 9 de setembro de 2011 at 11:52

      Parece papo de corretor um pouco conformado com a situação atual.
      Os preços vão cair sim !!!

      Começa a estourar a bolha imobiliária que vive hoje o Brasil.
      Corretores de imóveis ávidos por suas comissões insistem na falácia de que o aumento nos preços dos imóveis irá se sustentar.

      Nos últimos anos o pais viveu um boom imobiliário fundeado pelo financiamento bancário notadamente a Caixa Econômica Federal que tem liberado empréstimos sem exigências mínimas como carteira de trabalho assinada.

      Já existe no mercado um clima de preocupação visto que os números já demonstram quedas nas vendas e redução no aumento dos preços.

      Apesar da demanda ainda muito contida pela política de juros altos do pais e a oferta limitada de imóveis já é sabido que o aumento nos preços dos imóveis é insustentável porque a situação econômica brasileira e mundial já não é mais a mesma.

      A alta da inflação que reduz o poder de compra dos novos mutuários e a crise internacional que faz o comprador pensar duas vezes antes de adquirir um novo imóvel pesa negativamente no preços dos imóveis.

      A queda no preço dos imóveis pode ser apenas o inicio da grande crise econômica que o Brasil está prestas a começar.

      0
    • Tiago 9 de setembro de 2011 at 13:04

      Pela primeira vez vejo tocarem na questão mais crítica do mercado: o endividamento dos comprados. O último parágrafo reflete a problemática toda apesar do autor tentar se esquivar de enfatizar a gravidade do problema. Procurou deixar uma última linha abandonada na metade do pensamento para que não seja culpado por incitar alguma revolta.

      –> Quem faz um empréstimo por 30 anos com essa taxa facilmente deverá mais, no meio do financiamento, do que valerá o imóvel, deixando o banco sem garantia.

      Poderiam por obséquio postar a fonte?

      0
  • augusto 9 de setembro de 2011 at 11:21

    WASHINGTON – O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, disse que o pacote de estímulo ao emprego da administração do presidente Barack Obama deve apresentar resultado “muito, muito rapidamente” e gerar milhões de novos empregos.

    “Se o Congresso der prosseguimento a esta lei, haverá um poderoso efeito no fortalecimento da economia que se desacelerou um pouco”, disse Geithner, em entrevista para a National Public Radio. “Isso se transformará em milhões de empregos para os trabalhadores norte-americanos”, acrescentou.

    Os comentários de Geithner seguem-se ao discurso feito ontem por Obama pedindo ao Congresso para aprovar um pacote de gastos e corte de impostos de US$ 447 bilhões para impulsionar a economia.

    Geithner disse também que a Federal Housing Finance Agency (FHFA) estuda “de modo efetivo” uma proposta que permitiria que mais norte-americanos com empréstimos lastreados pelo governo refinanciem suas dívidas. A FHFA “dará apoio às reformas necessárias para tornar isso possível”, disse Geithner. “Espero que haja mais notícias nas próximas três semanas sobre detalhes de como podemos fazer isso acontecer”. Ele afirmou que o Congresso não precisará aprovar tais mudanças. As informações são da Dow Jones.

    0
  • MrK 9 de setembro de 2011 at 11:39

    VEJAM A LOUCURA… hoje saiu uma reportagem no jornal oglobo sobre um mutirão que diversas lojas farão para tentar renegociar divida de consumidores inadimplentes, segundo eles, o objetivo é limparem o cadastro pra poder voltar a dar crédito pra essas mesmas pessoas até o natal!!

    Em resumo: Eles querem pegar MAUS pagadores endividados, dar uma “limpada”, refinanciar… pra depois PODER DAR MAIS CRÉDITO PRA ESSES MAUS PAGADORES NOVAMENTE !!?!?

    parece engraçado se não fosse trágico!!!!!

    0
    • Duda 9 de setembro de 2011 at 12:47

      todo parecido com a subprime, não é simples coincidencia…

      0
    • xyz 9 de setembro de 2011 at 15:18

      Todo ano tem este tipo de “multirão”. As lojas cobram juros abusivos de +-50% e nesta época do ano tentam limpar o cadastro de inadimplentes perdendo um pouco (leia-se deixando de ganhar abusivamente) para que o cliente se enforque em outro financiamento abusivo.

      MAS você tem toda razão quando disse em outro post que a inadimplência no brasil está totalmente mascarada pela oferta farta de crédito, que tem permitido, ATÉ AGORA, ao inadimplente refinanciar a dívida.

      0
      • Luiz 9 de setembro de 2011 at 15:23

        xyz, vc lembra bem do abuso Acabei de voltar de viagem.
        Ainda está nitido n memoria a quantidade de peças de vestuario que se pode comprar com 1, 2 ou 3 euros. Calçados até 10, 15 euros a maioria, quase tudo
        Butiques de luxo 15 euros a peça.

        O que vc faz com cinquentão aqui?
        Uma camisa na promoção da hering? 1 parcela de camisa polo? 1 pijama?

        0
        • DRN 9 de setembro de 2011 at 16:53

          Voltamos ao velho ponto da educação financeira. A única iniciativa que eu conheço aqui no Brasil é a da TV Cultura, que tem audiência quase nula. Será que conseguiríamos um milhão de assinaturas de eleitores para enviar ao Congresso um projeto de lei com a obrigatoriedade de uma aula por mês (pelo menos) de educação financeira? Poderiam instituir um material básico e habilitar qualquer pessoa com formação em determinados cursos (economia, administração, engenharia, matemática, direito, por exemplo) para dar essas aulas (50 minutos por mês não mataria ninguém) em troca de um bom desconto de IR (para incentivar que pessoas qualificadas façam o serviço).

          Estou viajando muito?

          0
          • Bolha Imobiliária 9 de setembro de 2011 at 17:03

            Este projeto já está em andamento…Li alguma coisa estes dias e postei no facebook…

            0
    • Hik 10 de setembro de 2011 at 00:04

      MrK, é isso que eu havia comentado outro dia quando disse que não é o crédito imobiliário que me preocupa.
      O crédito irresponsável está no varejo. No entanto, o perigo de endividamento permanente e “falência pessoal” é o mesmo.

      0
      • Leonardo RJ 12 de setembro de 2011 at 11:09

        um ponto importante a ser tocado é que, quem adquire uma dívida de 20, 30 anos acaba abdicando ao consumo em outros segmentos.

        vestuário, entretenimento, automóveis… todos esses setores acabam sofrendo baixa no consumo, afinal, é menos grana girando.

        tendência que a construção civil desacelere e outros setores também…

        0
  • Annibal 9 de setembro de 2011 at 11:42

    Desembolsos do BNDES à América Latina se multiplicam por sete em uma década

    w w w . jb.com.br/economia/noticias/2011/09/09/desembolsos-do-bndes-a-america-latina-se-multiplicam-por-sete-em-uma-decada/

    O BNDES ampliou em mais de sete vezes seus empréstimos à infraestrutura na América Latina nos últimos dez anos, em uma tentativa de aumentar sua liderança regional e garantir exportações, informou à AFP o banco, que enfrenta críticas sobre a sustentabilidade socioambiental dos projetos de grandes empreiteiras brasileiras na região.

    ……

    Para Lia Valls Pereira, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), existe um movimento estimulado pelo governo brasileiro de internacionalização das grandes empresas nacionais.

    “A estratégia é que, com os investimentos, são criados fluxos de comércio” com os países da região, explica. “E é algo que os governos locais querem, porque gera emprego”, completa.

    “Nós consideramos que esse tipo de estratégia não vai trazer bons resultados para o país”, declara Carvalho, apontando os impactos socioambientais de alguns dos projetos financiados pela instituição. “Se a legislação ambiental brasileira já está sendo ignorada nas grandes obras de infraestrutura, em pior situação estão os outros países latino-americanos onde não existem organismos capazes de fazer monitoramento”, declara.

    Um dos projetos financiados este ano pelo BNDES e que está sendo alvo de críticas é a estrada de 300 km em construção pela empreiteira brasileira OAS na Bolívia, que deverá atravessar o Território Indígena e Parque Nacional Isiboro Sécure (TIPNIS).

    O projeto de 415 milhões de dólares é alvo de manifestações de indígenas, que promovem uma marcha de 600 km com destino a La Paz exigindo a suspensão das obras. ONGs brasileiras e internacionais pediram ao BNDES a suspensão do financiamento, considerando que a estrada promoverá a degradação ambiental da reserva indígena.

    Até o fim de 2011, estão previstas participações do banco brasileiro em ao menos quatro hidrelétricas, além de leilões de energia eólica, construções de estradas, e projetos de transporte urbano e siderurgia espalhados por Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guatemala, Nicarágua, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

    E nós pagamos os juros subsidiados destes empréstimos…

    0
  • Mahmoud 9 de setembro de 2011 at 11:56

    Olha esse corretor que eu encontrei no Orkut kkkkkkkk:

    BOLHA VAI DAR NO PÉ DE QUEM FICAR EM CIMA DO MURO PARA INVESTIR NO MERCADO IMOBILIÁRIO…… OS PREÇOS AINDA VÃO SUBIR E MUITO……..

    NUNCA TIVE UM MÊS TÃO BOM QUANTO O DE JUNHO JULHO E AGOSTO!!!

    QUEM FALA DE BOLHA É PQ NÃO TEM DINHEIRO!!

    PARA OS INTERESSADOS, TENHO UM PRÉ LANÇAMENTO COMERCIAL NA MARGINAL COM GARANTIA DE 1% A.M DE VALORIZAÇÃO ATÉ A ENTREGA DAS CHAVES + INCC!!!

    ALGUEM GARANTE UMA RENTABILIDADE DESSA? NÃO!!!!!!!!!!!

    ABRAM OS OLHOS….. CRISE MUNDIAL….TA VINDO MUITO ESTRANGEIRO COMPRAR IMÓVEIS AQUI!!!!

    A PROPÓSITO, O CADORO LANÇA ESSE FINAL DE SEMANA, DIA 03/09 – SÁBADO

    AOS INTERESSADOS, ENTRE EM CONTATO COM O SANCHES: 11 – 7841-9513

    0
    • Mahmoud 9 de setembro de 2011 at 11:58

      Alguém retrucou e ele respondeu:

      DESESPERO?
      Estou lhe garantindo um retorno de 1% a.m + INCC, e vc chama isso de desespero?

      Desesperado deve estar vc por não ter grana para entrar numa oportunidade dessa!!

      Vá para bolsa, afinal com R$ 1.000 vc pode começar a operar

      0
      • Luiz 9 de setembro de 2011 at 12:06

        essa estrategia de fazer vc se sentir um pobretão perdendo a corrida já é velha,
        a ordem agora é mandar os clientes pro fim da periferia em galinheiros de 50 m2.

        Outra coisa, acredito que este caso seria investigado pela CVM se fosse outro investimento. Pq é crime garantir rentabilidade futura baseado em rentabildiade passada. Quando vc vai no banco investir na poupança que seja, vem lá um asterisco *rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. SÃO OBRIGADOS A INFORMAR ISSO

        Outra: Como é que ele vai garantir a garantia? E se não rolar, quem paga a diferença entre o prometido e o realizado? O Bispo?

        0
      • Paulo - RJ 9 de setembro de 2011 at 12:17

        Chega pro cara e diz:
        Pô, beleza, estou interessado… você tem como garantir este ganho em contrato? Aí eu quero ver a firmeza dele…

        0
        • DRN 9 de setembro de 2011 at 16:55

          Boa. Concordo plenamente. Meus caros, agora é a hora da vingança. É a hora de se deliciar com a irritação deles.

          0
    • Tiago 9 de setembro de 2011 at 13:10

      Calma fio… daqui 1 ano nóis cunversa… se 300mil é valor justo para morar de frente praquela podridão que é a marginal então vc não sabe mesmo o valor do dinheiro!!!!! Engane enquanto vc pode…

      0
  • Paulo Rocha 9 de setembro de 2011 at 12:49

    Curiosidade o Dia! 🙂

    De ontem para hoje o número de imóveis a venda na zona sul do Rio “caiu” 3,09%!

    Bairros que tiveram a maior influência na queda:
    1) Ipanema, queda de 7,81% (de 1984 para 1829)
    2) Leblon, queda de 3,21% (de 2400 para 2323)
    3) Copacabana, queda de 2,08% (de 4806 para 4706)

    Os imóveis com maior queda estão na seguinte faixa de preço:
    1) acima de 3 milhões, queda de 5,54%
    2) entre 1 e 3 milhões, queda de 3,52%

    0
    • Carlos__ 9 de setembro de 2011 at 16:04

      Interessante ver que os números estão parecidos com o ZAP. Ou seja, se tem muitos anuncio duplicados estão duplicando nos dois veículos.

      0
  • Carcará 9 de setembro de 2011 at 13:01

    Se entendi bem acho que as imobiliárias acabam de restringir seu universo de investidores. Não querem mais os aventureiros. Como sabem que já fez PLOC! (estão monitorando o site), quanto mais “investureiros” com o perdão do neologismo, mais difícil realizar a venda para o real comprador. Parecem que agora querem descobrir a real demanda… segue reportagem da folha.

    09/09/2011 – 07h45
    Rescisão de contrato de compra pode custar até 50% do sinal ao consumidor

    Panfletos ou sites da internet que prometem crédito fácil na compra de um imóvel devem ser vistos com reserva. Sem planejamento ou atenção, o prejuízo –e a dor de cabeça– pode ser grande.
    É o caso da assistente Ivanilde Oliveira, 37. Em 2008, ela encontrou um lançamento em Cotia com imóveis a pequenas parcelas e análise de crédito em até 48 horas.
    Sem problemas com outros órgãos de proteção ao crédito, afirma, interessou-se e assinou o contrato, certa do financiamento. Mas a promessa não se cumpriu. A busca pelo crédito para parcelar o valor do imóvel durou oito meses, após a última recusa do banco vinculado à construtora e o pagamento do sinal, no valor de R$ 10 mil. Desempregada, ela conta que buscou financiamento na Caixa Econômica Federal, mas não teve sucesso. Com a rescisão do contrato, a incorporadora lhe prometeu devolver apenas 70% do valor pago e, agora, ela está na Justiça pedindo, entre outras coisas, a restituição de mais 20%.
    Problemas assim são muito comuns, afirma a advogada Kátia Millan, especialista em direito imobiliário do escritório Moreau & Balera.
    A maior razão, para ela, é a pressa. “O que acontece é que muita gente, na ânsia de perder um bom negócio, acaba fechando sem tomar precauções”.
    Organizar as contas considerando os percalços futuros é fundamental, aconselha o advogado Marcelo Dornellas. “Quando vc fala em financiamento imobiliário, você precisa de um planejamento de 20 anos. E tem gente que faz financiamento e não sabe o que vai acontecer no mês seguinte.”

    JURISPRUDÊNCIA
    As decisões da Justiça costumam conceder à construtora um valor de 25% do contrato em casos de rescisão, afirma Dornellas, que fez um levantamento sobre o assunto.
    “Nos tribunais estaduais, os juízes não possuem um padrão definido. Já vi um caso isolado em que o juiz concedeu 50% à construtora. Mas a orientação do STJ [Superior Tribunal de Justiça] tem decidido em torno dos 25%, a não ser em casos específicos.”
    Para evitar dissabores, a supervisora de habitação do Procon-SP (órgão de defesa do consumidor) Renata Reis recomenda que o comprador leia e releia o contrato. “Se não tiver segurança, o consumidor pode levar o contrato a um advogado de confiança ou a órgãos de defesa como o próprio Procon.”

    http://classificados.folha.com.br/imoveis/971439-rescisao-de-contrato-de-compra-pode-custar-ate-50-do-sinal-ao-consumidor.shtml

    0
    • Mahmoud 9 de setembro de 2011 at 15:46

      Rescisão de contrato de compra pode custar até 50% do sinal ao consumidor
      ————-

      Essa reportagem não viu um contrato da Rossi ainda. No contrato que tenho, eles devolvem 10%, ou seja, ficam com 90% do sinal do consumidor em caso de rescisão

      0
      • DRN 9 de setembro de 2011 at 17:05

        Eu já postei no blog sobre essa questão.

        O STJ vacila entre 10% a 25% de retenção do valor pago (comissão fora).

        Os Tribunais tendem a fixar em 10%. As cláusulas SEMPRE estipulam valor inferior a isso. Pior, há contratos que estipulam que eventuais litígios serão resolvidos em tribunal arbitral (aí, meus amigos, a isenção do julgador vai “pro saco”).

        Vejam os precedentes recentes do STJ:

        DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL. INADIMPLÊNCIA. RESCISÃO CONTRATUAL. DEVOLUÇÃO DAS PARCELAS PAGAS. CABIMENTO. RETENÇÃO DE 25% EM BENEFÍCIO DO VENDEDOR. ALUGUÉIS PELO USO DO IMÓVEL. TERMO A QUO. SÚMULA 7.
        1. O entendimento firmado no âmbito da Segunda Seção é no sentido de ser possível a resilição do compromisso de compra e venda, por parte do promitente comprador, quando se lhe afigurar economicamente insuportável o adimplemento contratual.
        2. Nesse caso, o distrato rende ao promissário comprador o direito de restituição das parcelas pagas, mas não na sua totalidade, sendo devida a retenção de percentual razoável a título de indenização, entendido como tal 25% do valor pago.
        3. O acórdão entendeu que os recorridos foram constituídos em mora somente com a notificação extrajudicial, termo a partir do qual foram fixados os aluguéis pelo uso do imóvel, por isso tal conclusão não se desfaz sem o reexame de provas. Incidência da Súmula 7.
        4. Recurso especial parcialmente conhecido e, na extensão, parcialmente provido.
        (REsp 838.516/RS, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 17/05/2011, DJe 26/05/2011)

        AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. RESCISÃO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL. DEVOLUÇÃO DE IMPORTÂNCIAS PAGAS. RETENÇÃO. PERCENTUAL. REVISÃO DE PROVAS. SÚMULA N. 7/STJ.
        RESPONSABILIDADE CONTRATUAL. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA A PARTIR DO TRÂNSITO EM JULGADO. INEXISTÊNCIA DE MORA DA PARTE RÉ.
        1. Em caso de extinção de contrato de promessa de compra e venda em que o promitente comprador não ocupou bem imóvel, é razoável que a devolução do valor pelo promitente vendedor ocorra com retenção 10% a 20% das prestações pagas a título de indenização pelas despesas decorrentes do próprio negócio.
        2. Incide a Súmula n. 7 do STJ quando a tese versada no recurso especial reclama a análise dos elementos probatórios produzidos ao longo da demanda.
        3. Na hipótese em que a rescisão contratual deu-se por iniciativa do comprador, por não mais suportar o pagamento das parcelas, e em que se busca a restituição de valores superiores aos fixados na apelação, o termo inicial dos juros moratórios deve ser o trânsito em julgado, pois inexiste mora anterior da ré.
        4. Agravo regimental provido.
        (AgRg no REsp 1013249/PE, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, QUARTA TURMA, julgado em 25/05/2010, DJe 08/06/2010)

        É por isso que eu digo, ponham o contrato na mão de um advogado. Isso não é um assunto complexo. Se o cara for teu amigo, dê uma garrafa de um bom vinho pra ele (desses de R$150,00 já tá bom) e fica tudo em casa.

        Outra coisa que falo por experiência própria: se for fazer vistoria, contrate um arquiteto para fazer. Eles cobram de R$200,00 a R$500,00 pra fazer e vale MUITO a pena.

        Abraços.

        0
  • jsantos 9 de setembro de 2011 at 13:55

    estou em atraso.
    prê-lançamento = vai ser lançado um monte de vezês = luzes da mooca.

    0
  • henrique 9 de setembro de 2011 at 15:06

    Pessoal,

    Chegamos no topo há algum tempo. Agora, só queda. Essa queda pode ser mais ou menos rápida, dependendo da velocidade da queda da taxa selic e do quanto ela vai fomentar o consumo interno. Mas o fim todos sabemos qual será.

    Engana-se quem diz que o volume do crédito imobiliário no Brasil é muito baixo. O que importa é o percentual da renda da população comprometida com dívidas. No Brasil, em função da alta taxa de juros, esse percentual é muito alto. Lembro-me de ter lido em uma reportagem dizendo que no Brasil o comprometimento da renda da população com pagamento de empréstimos está mais alto que o dos EUA, antes do estouro da crise de 2008.

    O momento pelo qual estamos passando é sintomático: 1) excesso de propaganda para atrair novos investidores; 2) insiders pulando fora (Sam Zell) do barco; 3) malandragens como: aumentar ardilmente o preço do que já é caro e não tem comprador, para depois retornar ao preço antigo sob pretexto de se tratar de um desconto ou desvalorização; 4) fomento do governo ao setor para adiar a catástrofe.

    E tudo isso com uma inflação que teima em não ceder.

    0
  • Luiz 9 de setembro de 2011 at 15:12

    Parece que os spmas das corretoras me acharam, eles deve ter pego aqui, estão apelando.

    Antes das férias 20 dias atrás recebi proposta dum apê a 1 milhão com 3 dorms, e 135 m2
    Hj recebo um lançamento 1 milhão tbm, mas agora são 350 m2, o triplo do tamanho

    Os bairros são meio que correspondentes.

    O que me surpreende é eles acharem o meu e-mail pra amndar spam, devem ter comprado aqueles cds na 25 de março, pq sou mto restrito nisso. D e s e s p e r o.

    0
  • Sérgio 9 de setembro de 2011 at 15:21

    Sei que a maioria aqui é de gente tarimbada, tanto no mercado financeiro como no assunto Bolha. No entanto, bateu-me uma nostalgia e resolvi assistir novamente às conferências de PETER SCHIFF – UM dos que previram a BOLHA americana. Parece, em 98% de sua fala, que está se referindo ao Brasil de 03 anos para cá. É interessantíssimo para aqueles que não assistiram e um ENERGÉTICO para os que o conhecem… w w w . y o u t u b e .com/watch?v=DC2WGbj-X8E&feature=player_embedded#!
    Este é a 1ª parte. Além desses, há outros falando do mesmo tema, ainda em 2006. É pra passar a tarde de sexta se mijando de rir; sentindo ao mesmo tempo uma satisfação absurda por não ter entrado nessa roubada, que é adquirir imóveis em nossa atualidade.
    A segunda parte em diante que é mais contundente; mas a 1ª é imprescindível.
    Divirtam-se, pois, além de tudo, é muito engraçado. Não se esqueçam de arrumar o link (espaços) antes de buscarem no navegador (parece desnecessário, mas não é!).
    Abraços e até mais.

    0
    • carlos wagner 9 de setembro de 2011 at 22:40

      acabei de asistir a palestra do Peter Schiff no link recomendado pelo colega acima. Excelente…

      Eu nunca tinha assistido, apesar de ser antiguinha.

      0
  • Luiz 9 de setembro de 2011 at 16:24

    pors recem chegados no blog que ainda não viram isso
    veja o video deste link do colega fabio
    agatêtêpê: opequenoinvestidor.com.br/2011/09/aprendendo-bolha-imobiliria-espanhola/

    0
  • DRN 9 de setembro de 2011 at 17:19

    Meu, os caras perderam a noção…

    0,8% de R$370.000,00 (Tesouro, líquido) gera R$2.960,00.

    Paga-se R$1.000,00 no aluguel, deixa-se R$1.000,00 para compensar a inflação e ainda sobram R$960,00 pra gastar com outras coisas ou economizar.

    Isso porque eu não estou considerando o INCC que vai transformar esses R$444.000,00 (20%).

    62,6 m²

    Ato/30/60 de R$ 1.930,00
    35 mensais de R$ 740,00
    4 anuais de R$ 6.250,00
    Unica nas chaves em 15/01/15 de R$ 34.980,00
    Financiamento em 15/01/15 de R$ 277.700,00
    Unica em 15/04/15 de R$ 930,00

    Valor Total de R$ 370.300,00

    0
  • Evandro CPS 9 de setembro de 2011 at 17:21

    Hoje as maiores quedas foram das construtoras, na sequencia:
    MRV: – 6,85
    PDG: – 6,63
    ROSSI: – 6,62
    CYRELA: – 6,28

    E também a Brookfield com – 5,11

    Na verdade somente a Usiminas fechou positivo pelo que vi.

    0
  • trololó 9 de setembro de 2011 at 18:13

    ORA ORA ORA VEJAMOS O QUE TEMOS AQUI

    h t t p : / / housingmarketbr.blogspot.com/2011/09/ipanema-chegou-hora-da-reversao.html

    parece que a hora da verdade chegou?

    0
    • MrK 9 de setembro de 2011 at 20:12

      pois é, veja que engraçado, coisas que falamos aqui há 3 ou 4 semanas e ele antes negava (lembra, com uma tabela de 2008?? foi cômico, tá lá no site dele), agora ele dá o braço a torcer…

      mas repara uma coisa, amigo trololó, ele não se compromete com nada, ele não fala se tem bolha ou não, ele evita o assunto,ele simplesmente cola gráficos e deixa perguntas no ar, que utilidade isso tem?

      0
      • Anonymous 12 de setembro de 2011 at 00:28

        A “reversão” do André deve ser o dormitório de empregada reversível que pode ser considerado como +1 dormitório. Os jovens executivos – aqueles que financiam em 5 anos e pagam em 3, geralmente comem em restaurantes e levam as roupas para lavar na casa da mãe todo final de semana. Portanto, não precisam de empregada.

        0
  • MrK 9 de setembro de 2011 at 20:14

    Evandro, concordo que as construtoras cairam muito e pra mim ainda tem potencial de queda razoável, mas parei de falar nesse assunto porque vivemos uma gangorra instável na bolsa… hoje cai amanha sobe 5% e aí vem uma turma aqui “encher” dizendo que estamos errados porque elas subiram…

    só vale a pena se olhar um prazo razoável e aí veremos elas caindo bem, mas sinceramente, com bolsa mudando de pânico pra céu de brigadeiro da noite pro dia não vale a pena comentar variações diárias

    assim penso eu, abracos

    0
    • Daniel 9 de setembro de 2011 at 20:28

      Essas contrutoras tambem alavancaram bastante dinheiro no mercado lancando debentures e pagando um spread “razoavel”… cheguei a ler alguma coisa da Cyrela lancando umas. Alguem tem ideia quem comprou essas debentures?

      0
  • Brunão 10 de setembro de 2011 at 01:19

    10% não é nada. Tudo subiu mais que 100% nos ultimos 2 anos, sendo que onde eu moro subiu mais que isso.

    0
  • henrique 10 de setembro de 2011 at 03:27

    Não tem jeito não.

    Não tem queda de juros que resolva.

    Se juros baixos fossem solução, os eua estavam bem agora.

    Os brasileiros foram convidados a se endividiarem em 2008.

    Não há mais bala na agulha do governo. A bala de prata foi atirada em 2008.

    Só nos restam inflação e dívidas.

    A bancarrota não vai passar de 2012/2013.

    Os gênios nunca são compreendidos pela maioria.Parabéns aos bolhistas.

    abs

    0
    • profeta do apocalipse 10 de setembro de 2011 at 06:56

      é mais ou menos isso mesmo. notem o desespero de baixarem juros. pior que todos perdem com a inflacao.. esse ano a oficial ficará em 7%. montadoras partirao pro desespero.

      foi uma farra! dollar baixo, carro chines etc. imaginem. é muito facil importar um lote de carro, por faustao pra fazer propaganda, anunciar “fabrica no brasil” e depois ir embora como antes.

      ja passei por isso em 1992 e 1998. brasileiro so pode ser retardado.. toda vez q o dollar ta baixo eles fazem essa merda. pra mim a entrada desses carros eh bom pra forcar os daqui a baixarem de preco.

      de uma hora pra outra o povo ficou se achando maior que os EUA e que a EUropa. a unica diferenciacao do brasil está nos campos! alta produtividade, mas com custo alto devido a logistica! fora isso o pre sal, mas é pontual e so gerará custos e atrofiará outros segmentos!

      se o petroleo baixar, ai que acaba de vez isso! o dollar comecou a subir e logo teremos mudancas.
      eu sempre avisei que o dollar a 2,00 2 e pouco mudaria muito… agora sim que teremos inflacao! o povo ta caindo na real com copa e olimpiadas, cada dia falam menos… tao vendo que nem obra ta saindo, nada!

      0
      • Daniel 10 de setembro de 2011 at 08:12

        Ola!

        Li um comentario de que unico pais exportador de commodities que eh rico no mundo inteiro eh a Noruega. Salvo todas as peculiaridades de cada um o Brasil sempre teve toda esta riqueza no territorio mas sempre falhamos em fazer algo mais. Agora temos a chance mas o custo vai ser o crescimento da divida interma. O governo mesmo batendo recorde sobre recorde de arrecadacao vai fazer crescer bem esta divida que ja bate em 2T.

        Soh para deixar bem claro eu Moro fora do BR a um tempo ja e nao fico falando mal nao e tempo todo do pais. O que escuto de colegas meus de trabalho e que sinto sempre que vou visitar minha familia eh que as coisas estao descoladas da realidade absurdamente.

        Vejo que nada foi feito agora que o pais tem gordura para queimar para aumentar produtividade, manter empregos de manufatura no pais e gerar tecnologia local. Se for realmente verdade que o unico pais rico que exporta commodities apenas seja a Noruega tudo o que vemos agora vai passar e depois volta a normalidade de 1% de crescimento ao ano. Empregos de Blue Collar vao sempre atras da mao de obra mais barata e no momento eh China e India. Tinha ate um artigo da fabrica das Havaiannas mudando para a India. Entao um dos simbolos do Brasil nao vai mais ser made in BR, e sim India.

        Quanto as prometidas obras para a copa gostaria tambem de ter uma grata surpresa. Mas sempre na chegada em Guarulhos a anos eh aquela coisa sucateada, que a anos precisa de uma reforma/expansao e nada acontece. Acho que o governo anda meio devagar para emitir titulos e fazer as obras 😉

        0
  • Bruno 10 de setembro de 2011 at 07:08

    Cadê os comentários de hoje?

    0
    • Zoom 10 de setembro de 2011 at 09:20

      Brunão, geralmente sábado e domingo nós fechamos e os comentários voltarão na segunda de manhã. Obrigado!!!!
      Heheheheeee

      0
  • Guilherme Eduardo 10 de setembro de 2011 at 07:32

    Estava analisando alguns efeitos do câmbio e percebi algo:

    Para o governo será interessante o USD a R$2,50/R$3,00 em 2014~2016. Isso atrairá mais turistas durante a Copa e os Jogos. Será que eles tentarão alguma manobra e direcionar a flutuação do câmbio para cima? Olhando por esse lado, eu ahco que sim……

    Aí nasceu uma dúvida, a qual peço ajuda para chegarmos a uma conclusão. Qual o efeito do dolar ascendende no mercado imobiliário?

    0
  • NTLD 10 de setembro de 2011 at 07:37

    Notícia muito interessante:

    http://www.brasil247.com.br/pt/247/portfolio/14532/Fragilizada-Gafisa-é-vista-como-potencial-alvo-de-aquisição.htm

    Seguem alguns destaques meus:

    “De acordo com alguns analistas, um dos sinais de que as coisas ainda podem “piorar mais um pouco antes de melhorar” está nas provisões para contingências da empresa relacionadas a atrasos na entrega de projetos da Tenda e processos trabalhistas”

    “O estoque de unidades prontas, que tem crescido trimestre após trimestre, completa a lista de preocupações.”

    “Resultado desse cenário, em meados de agosto no auge da crise financeira internacional quando a S&P rebaixou o rating da dívida norte-americana, a Gafisa acumulava perda de quase metade do seu valor de mercado. Mas pelo fechamento de terça-feira (06), essa perda diminuiu para 35% no ano com a Gafisa avaliada em R$ 3,365 bilhões. A empresa iniciou 2011 valendo R$ 5,188 bilhões, conforme dados da consultoria Economatica.”

    “Para Gouveia, da Legal, os atrasos na entrega e a consequente revisão do guidance pesaram bastante nas recentes decisões da companhia, inclusive administrativas. Em maio, em meio aos resultados decepcionantes,”

    “A atual situação também levou o Credit a cortar as estimativas de lucro por ação para a incorporadora neste ano e no próximo em 23% e 25%, respectivamente.”

    0
    • MrK 10 de setembro de 2011 at 11:30

      ja nao sei quantas milhoes de vezes eu cantei essa pedra aqui

      rapaz, nao ha espaco no nosso setor de construcao civil pra tantas empresas com a estrutura de custos pesadas delas…simplesmente não há

      vai haver fusao e aquisicao de uma forma ou de outra, ou então vão todas a falencia agarradas… os resultados delas são muito ridiculos, muito mesmo

      0
  • Zoom 10 de setembro de 2011 at 09:27

    Começou as fases de lançamentos, re-lançamentos, relançamentos, últimas unidades, descontos, ofertas, queima, repasse e por aí vai. Só não entendo, o porquê disso, uma vez que você retorna no local após a data e as mesmas unidades estão lá no mesmo jeito.

    0
    • lopes51 10 de setembro de 2011 at 10:33

      Gente isso acontece pq é a ultima unidade kkkkkkkkkkkkkk e ai tem o apego emocional e a pessoa não consegue vender por amor ao imovel kkkkkkkkkkkkkk pq brasileiro virou miliotario e pode comprar tudo desde imovel com valor emocional até carro completo (chines) pagando 110% de lucro.
      Viva o meu BRASIL.

      0
      • MrK 10 de setembro de 2011 at 11:43

        desculpa se alguém aqui comprou

        mas eu acho que é muita doideira comprar carro chines, até porque nem é tão mais barato assim!! fosse metade do preço eu ainda entenderia, mas não é, custa em média 15% a 20% a menos que os concorrentes, sendo que é uma marca desconhecida por aqui, chinesa (fama de produtos frágeis) e ninguém sabe como vai ser o pos-venda

        cito o exmeplo da hyundai que é muito mais estabelecida aqui e no mundo e o pos-vendas no Brasil (pelo menos no Rio) é de chorar… muito carro pra pouca oficina

        0
        • Paulo Rocha 11 de setembro de 2011 at 19:24

          Bom eu acho que eu nunca vou comprar um carro chines simplesmente por questão de segurança. Eu prefiro andar a pé do que entrar num carro chines.

          Da só uma olhada no youtube nos testes de colisão de carro chines (Chinese car crash test)

          w w w. youtube.com/watch?v=rcBoVgyKjH8
          w w w. youtube.com/watch?v=D827IxEJVS4
          w w w. youtube.com/watch?v=INsrUGV3rww
          w w w. youtube.com/watch?NR=1&v=LmpDM8wVrUQ
          w w w. youtube.com/watch?v=3buMzDVTwZ4

          Até um fusca velho é melhor! Não é atoa que esses carros são proibidos na Europa!

          0
  • Zoom 10 de setembro de 2011 at 09:29

    Empresários da construção estão mais cautelosos sobre crescimento.

    Os empresários do setor de construção civil estão mais cautelosos em relação à perspectivas de desempenho e crescimento econômico, conforme a Sondagem Conjuntural Nacional da Indústria da Construção, realizada pelo Sinduscon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) e pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

    Foram ouvidos 241 empresários da construção de todo o país na pesquisa, realizada na segunda quinzena de agosto. O indicador referente ao crescimento econômico caiu pela quinta vez consecutiva e passou à perspectiva negativa pela primeira vez desde maio de 2009.

    De acordo com o levantamento, houve queda de 6,56% nesse critério ante a pesquisa realizada em maio e de 25,5% na comparação com o ano anterior, para 46,89 pontos.

    Nos critérios da pesquisa, valores abaixo de 50 significam desempenho ou perspectiva não favorável. A avaliação das perspectivas de desempenho piorou, com ligeira redução de 0,83% ante maio e de 8,3% ante um ano atrás, mas segue otimista, com 55,95 pontos.

    O indicador desempenho da empresa teve pequena melhora, de 0,22% no trimestre, mas piorou 8,5% na comparação anual, para 53,7 pontos. A pesquisa foi realizada antes de o Banco Central reduzir a taxa básica de juros Selic em 0,5 ponto porcentual.

    “A sinalização do governo de política monetária mais frouxa e política fiscal mais apertada é muito positiva”, diz o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan.

    Segundo ele, a tendência é de mais otimismo por parte dos empresários do setor. Na avaliação de Zaidan, a crise internacional não está afetando o setor.

    “A construção civil trabalha no longo prazo, e os contratos estão sendo cumpridos.” A estimativa do Sinduscon-SP para crescimento do setor em 2011 é em torno de 5%.

    No indicador perspectiva de evolução de custos, a avaliação ainda é pessimista, com 44,47 pontos, mas esse foi o maior patamar desde fevereiro de 2010. Houve melhora desse indicador de 8,02% no trimestre e de 3,6% na comparação anual.

    A pesquisa apontou pessimismo também quanto à inflação reduzida, com 39,19 pontos, com melhora de 45,52% ante maio, mas piora de 16,8% ante um ano atrás.

    Os empresários seguem pessimistas também quanto à condução da política econômica, mas o indicador avançou 15,34% na comparação com maio, para 47,44%.

    Fonte: Folha 10|09

    0
  • Evandro CPS 10 de setembro de 2011 at 09:52

    Olha isso:
    http : / / vocesa.abril.com.br/desenvolva-sua-carreira/materia/artigos-gustavo-cerbasi-comprou-imovel-relaxe-635777.shtml

    Chega a dar vontade de vomitar.
    Como pode uma pessoa ser tão cega ou tão comprada desse jeito.

    0
    • Adriano 10 de setembro de 2011 at 15:50

      Cega não. Comprada. Inclusive a revista.

      0
    • Diego 10 de setembro de 2011 at 18:16

      A Rossi deve estar pagando. Aqui em Porto Alegre a Rossi teima em “revitalizar” regiões desvalorizadas. Por desvalorizadas leia-se “muito, mas muito longe”, “barra pesada, mas muito pesada)” ou “cheia, mas muito cheia de galpões abandonados”.

      0
  • Camilo 10 de setembro de 2011 at 09:59

    Bom, não sei se essa reportagem já foi postada aqui, mas é bastante interessante. Na verdade já condensa tudo que é dito no site, o que gostei é que saiu na revista Exame.
    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/6-sinais-de-que-pode-haver-uma-bolha-imobiliaria-no-brasil

    0
  • MrK 10 de setembro de 2011 at 11:37

    Gostei de um comentário acima que retrata um momento tragi-cômico do nosso setor:

    pré-lancamento / reserva de lancamento / lancamento / relancamento / oferta especial

    pode parecer piada, mas é isso mesmo que estão fazendo, e claro, já comeca sempre nas últimas unidades, né??

    Eu lembro de um apartamento lancado em botafogo chamado Vogue (zona sul do Rio) em que fui inundado com folhetos e emails garantindo que eram as últimas unidades pra RESERVAR, pois bem, passo em frente ao stand todo dia pra ir ao trabalho e quase 1 mes após os lancamentos oficiais as placas continuam lá.. o empreendimento é pequeno em termos de unidades, logo concluo que foi mais um mico, oferecido pela bolha S/A.

    Detalhe que a zona sul do Rio, era onde ouviamos no ano passado: “Compre agora ou não comprará nunca mais!!!”, a tática do medo levou muita gente a fazer m.

    0
  • jsantos 10 de setembro de 2011 at 14:17

    ontem tarde da noite, vi tres corretores de terno e gravata, em um carro, com uma escada em punho, colando cartazes de vende-se nos postes do bairro.são os imoveis sendo entregues, e o desespero chegando. REPASSES. cade a lei da cidade limpa!!! os mesmos pareciam apressados e assustados,tive a impressao que não queriam ser vistos por ninguem. talves por vergonha, se tá vendendo tanto!!!.

    0
  • carlos wagner 10 de setembro de 2011 at 14:38

    Bolha e demais colegas.

    Achei este artigo excelente e explica muito claramente e de forma didática porque nossa economia não é sustentavel e porque a interferecia do banco central nos mercados de livre comercio podem ser prejudiciais, consequentemente, criar bolhas e inflar os ativos.

    h t t p : / / w w w .mises.org.br/Article.aspx?id=552

    Bolha, eu acho que mreceria um tópico…

    0
    • Bolha Imobiliária 10 de setembro de 2011 at 14:48

      Vou dar uma lida…O material da Mises é sempre muito bom…Mas antes, vou postar algo para vocês se divertirem um pouco…

      0
    • carlos wagner 10 de setembro de 2011 at 15:50

      Lendo a matéria acima postada por mim, chegamos a conclusão de que o resjuste de preços de ativos é determinada, em condições de livre comercio, pela escassez/abundancia de recursos disponiveis no mercado de tal forma que mantenham os preços num patamar que possa ser consumido pela publico a que foi direcionado.

      Neesa linha de raciocinio, posso concluir que a bolha imobiliaria brasileira apresenta dois fatores que a inflam:

      1) A elevação dos preços devido a ecassez dos recursos (materiais de construção, mão de obra, credito) utilizados na concretização dos empreendimentos de forma que a renda da população não vem acompanhando, desta forma impossibilitando que o produto final seja consumido por boa parte da população;

      2) O descolamento do preço dos ativos imobiliaria dos patamares considerados saudaveis, medidos pelos indices que regulam a construção civil.

      Desta forma, estamos sendo, duplamente lesados e a cada dia os imoveis se descolam cada vez mais realidade do brasileiro, ficando com preços proibitivos.

      Portanto, percebemos claramente que apenas a liberação do credito não vai, por si só, ser capaz de continuar alimentando esse mercado. Afinal, o que adianta credito se não há demanda que tenha perfil para preencher os requisitos para sua concessão? A não ser que os bancos comecem a conceder credito irresponsavelmente. Nessa conjuntura teremos uma sobrevida, senão, acredito que a curva grafic esteja convergindo e os preços tendem a despencar.

      Supondo que minha analise fosse verdadeira e condizesse com a realidade, poderiamos aferir ainda o percentual aproximado que essa queda de preços possa ter.

      Imaginemos a sequinte situação real:

      Meus rendimentos são de 5 mil. Moro num apartamento que estava sendo vendido em 2007/2008 por 90 mil. Com esse rendimento eu tenho disponivel 120 mil reais junto a CEF, com juros reduzidos por ser funcionario publico federal. Devido a conjutura de mercado em 2007, tudo indicari ue este empreendimento seria destinado a essa faixa de publico.

      Pois bem. Hoje, esse Apto é vendido a 290 mil. Suponhamos que os indices de mercado tivessem valorizado este Apto em 100% em 2 anos (devido a escassez de resursosm como explanado acima), teriamos um preço final de 180 mil. Portanto a diferença de preços desses 180 mil para os atuais 290 mil = 110 mil, praticados atualmente é mera especulação.

      Diante dessa realidade, poderiamos aferir que a diferença de 110 mil seria um percentual justificadamente sobresalente e que grande porcentagem dessa valorização dentro dos indices que medem a construção civil se deram em uma conjuntura de mercado anormal.

      Concluindo: 50% de queda nos preços dos imoveis é uma porcentagem que pode ser considerada “não exagerada”.

      Concordam?

      0
  • Camila 10 de setembro de 2011 at 15:09

    Ontem conversei com meu irmão e uns amigos engenheiros civis. Todos se formaram ao redor de 2008, ou seja, no auge. Quando falo sobre a bolha o discurso ainda é o mesmo, que a demanda tá alta, que o Brasil está crescendo, que tá caro porque tem muita gente disposta a pagar.

    Quando disse que o valor não é compatível com a renda da população eles alegam que a renda do brasileiro cresceu. Segundo eles qualquer engenheiro civil recém formado ganha mais de 10.000. Mestre de obras ganha igual e qualquer pedreiro ganha 7000 ao mês. Isso é mais um dado que mostra que o Brasil tá seguindo os mesmos passos da bolha espanhola, com a supervalorização da mão de obra da construção civil. Agora estão todos de carro e casa nova, ultra mobilidas. Meu irmão, ao invés de aproveitar a boa fase pra se capitalizar, não para de pegar empréstimos para ter mais luxos. Comprou Tv 3d, trocou todos os móveis do apartamento (que não tem nem 3 anos de uso), trocou todos os pisos e azulejos da casa recém comprada…É o típico brasileiro, tá no auge e não se preocupa com o futuro, fica acreditando nos discursos petistas de que o Brasil é o país do futuro e ainda me disse que acha que a crise mundial vai afetar muito pouco o Brasil…

    Quando digo que quero alugar então sou vista como burra e pobre coitada. Sou aconselhada a comprar um belíssimo puleiro de 70m, numa localização ruim, em um empreendimento com mais de 200 apartamentos, que é isso que a renda de 10000 reais liquidos meu e do meu noivo nos permite comprar. Afff

    Desculpa o comentário quase desabafo, mas isso aqui funciona quase como uma terapia de grupo. Ás vezes cansa ser fora do padrão…

    E só um último comentário… Pra quem ainda alega que a bolha do Brasil é diferente dos EUA, essa semana a Caixa ligou pra minha mãe oferecendo refinanciar o apartamento para obtenção de crédito… Será que já tem muita gente entrando nessa?

    0
    • Bolha Imobiliária 10 de setembro de 2011 at 15:25

      Não tem problema nenhum em desabafar. Sei que muita gente dá risada agora, daqueles que são sensatos. Acredito que estes engenheiros nunca leram um parágrafo de livro de economia para saber como as coisas funcionam…

      0
    • trololó 11 de setembro de 2011 at 16:49

      “engenheiro civil recém formado ganha mais de 10.000. Mestre de obras ganha igual e qualquer pedreiro ganha 7000 ao mês”

      HAHAHAHAHAHAHA MAS QUE BELA PORCARIA HEIN? já tem gente saltando dos estudos pra virar pedreiro?!?!?! na espanha foi assimm, mas aqui será totalmente diferente, né? huahuahuaa

      bom, eu já disse, aqui em cidade pequena do interior NÃO tem bolha de preços em apartamentos ou casas, o que tem é no preço dos terrenos… ap de mais ou menos 50 mts quadrados na faixa de 80k, aps de 70 mts na faixa de 100-120k… agora, terreno de 400 mts, 400k… é muito kkkk pra um pedaço de terra

      não sei quanto engenheiro ganha, imagino aí no máximo uns 5k, os engenheiros que possuem empreiteira sim faturam mais, mas mestre de obra aqui ganha na faixa de 1.2k, e pedreiro chega no máximo a 1k / mês

      o mais interessante: teve empreiteira de mão-de-obra que andou dispensando pedreiros porque as obras estavam acabando…

      0
      • Paty 11 de setembro de 2011 at 17:23

        Ai eu sou engenheira com 10 anos de profissao e ganho 6,500 e meu marido tbm engenheiro com 11 anos de profissao ganha 8,800 e posso dizer que ganhamos acima da media dos nossos colegas… tem sim trabalhos que pagam mais de 10 mil por mes mais isso vc precisa no minimo 6 a 7 anos de mercado..

        0
      • Luiz 12 de setembro de 2011 at 12:06

        engneheiro recem formado é mentira pra contar em roda de conversa e impressionar as outras.

        se der sorte e tiver talento o cara passa de cara no concuros publico da petrobras e ganha 5 mil, esse é praticamente o teto pro recem formado, mas é 1 em 1 milhão. 5 mil é a média, petrobras é o sonho de 11 em cada 10 engenheiros

        0
  • Diego 10 de setembro de 2011 at 17:11

    O que houve com os comentários??

    0
  • Bruno 11 de setembro de 2011 at 16:11

    Uma coisa interessante que observo é que no interiorzão tem cidades em que a bolha ainda não chegou, geralmente cidades muito pequenas. Talvez com essa mega crise que está por vir o ideal seja investir nesses imoveis não afetados pela bolha, que ainda dão próximo de 0,7% do valor como aluguel.

    0
  • Fred Henrique 12 de setembro de 2011 at 11:37

    Com carteira assinada, o piso para engenheiro é 8 salários mínimos (pelo que sei).

    Mas, para driblar esse detalhe, muitos engenheiros estão abrindo um CNPJ para virarem
    “prestadores de serviços” e poderem ganhar menos (e terem emprego!). Muita construtora de médio porte só tem um ou dois engenheiros de “verdade”, o resto é prestador de serviço.

    Enhenheiro ganhando mais de R$10.000, na minha opinião, só se tiver dois empregos.

    0