Exuberância irracional “made in Brazil”? – IBEF-SP

Você pode gostar...

Comments
  • MrK 30 de junho de 2011 at 17:11

    Boa reportagem, fico feliz quando leio algo que não foi escrito pelo presidente da patrimóvel, pelo diretor da Gafisa ou pelo corretor de não sei onde… esse autor parece bastante imparcial em como se coloca.

    Acho que além do exposto faltou mencionar os problemas clássicos prébolhas:

    1- Interferencia governamental inflando determinado mercado através de subsidios ou facilitações (tivemos isso demais com impostos e minha casa minha vida)
    2- taxas de juros baixas pros padrões do país (tivemos)
    3- crédito facilitado (tivemos o aumento de 20 pra 30 anos)

    a parte da compra especulativa ele explicou com brilhantismo, é um verdadeiro esquema de ponzi MESMO

    saudações

    0
  • guilherme 30 de junho de 2011 at 17:51

    “Numa cidade do tamanho de São Paulo, é plausível se falar em ritmos diferentes para sub-regiões diferentes (a reportagem comenta sobre o excesso de oferta e a desaceleração já visível nos preços verificados no bairro do Morumbi).”

    Só queria saber a fonte desse parágrafo aqui no texto, tenho já ouvido falar de preços caindo na cidade, mais não quanto a algo verificável no Morumbi

    0
    • Daniel Seixas 26 de setembro de 2011 at 10:25

      Guilherme – a fonte foi a reportagem da Revista Exame citada no inicio do artigo.
      Abracos e obrigado pelo comentario.
      DanieL Seixas

      0
  • guilherme 30 de junho de 2011 at 17:55

    Achei

    “Há, ainda, riscos que são consequência direta da expansão dos últimos anos. Para quem faz parte do contingente de milhões de brasileiros sem imóvel e pretende comprar uma casa, o perigo é colocar dinheiro numa região em que há excesso de oferta. Nenhum dos bairros centrais pesquisados pelo Ibope teve queda de preço nos últimos 12 meses, mas em alguns lugares a oferta desordenada fez com que a valorização fosse menor que a média. E o caso do Morumbi, na zona sul de São Paulo. O bairro concentrou 15% de todos os lançamentos da cidade em 12 meses, e os preços subiram 12%, menos da metade da média geral da capital paulista. Algo semelhante está acontecendo em Salvador, no entorno da avenida Luís Viana Filho, conhecida como Paralela. “Se eu fosse comprar um imóvel hoje, compraria para morar, mas não para investir e tentar ganhar dinheiro no curto prazo”, diz Roberto Miranda de Lima, presidente no Brasil da gestora britânica Autonomy, que tem 2 bilhões de reais em imoveis comerciais no pais e está captando um novo fundo para investir aqui. “O risco de errar a mão está aumentando.”

    Revista Exame – Edição 992 – 18/052011

    0
    • MrK 30 de junho de 2011 at 19:06

      aqui no Rio essa região é a barra e adjacencias, a mesma região que oglobo quer empurrar de qualquer jeito como “região fertil para investimentos” – título da reportagem deles de uns dias atrás.

      0
  • MrK 30 de junho de 2011 at 19:47

    vejam que coisa engraçada, 2 posts pra trás o “bolha” já chamava atenção pra queda brusca das ações, fui dar uma olhada e hoje já estão bem abaixo daquele patamar!!

    Gafisa tava 8,00 e já está 7,40
    Cyrela tava 16,00 e agora já tá 14,80

    o chão é o limite!!

    VAMOS FICAR DE OLHO NA PUBLICAÇÃO SEMESTRAL DELES, deve ser daqui nos próximos 30/40 dias

    0
  • Ramires 30 de junho de 2011 at 20:40

    Verdade, só vejo falar de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, outros lugares dificilmente escutamos ou lemos em reportagem. Sei que essas capitais são importante, mas não concordo avaliar somentes esses lugares. O interior dos estados também é importante e deveria fazer parte das notícias, das pesquisas. A certeza é que são dois mundos completamente diferentes a capital do interior.

    Outro aspecto importante que não vi na reportagem foi a mão de obra que últimamente está virando difícil de se encontrar e o preço, e ainda com as obras dos estádios, terminais de ônibus, aeroportos, hotéis e entre outros locais, complicará mais a situação.

    0
    • Elton 30 de junho de 2011 at 21:20

      Sousa, interior da Paraíba. Fui procurar uma casa ou terreno e me deparei com o seguinte: Terreno 12×30 = 100mil. Casa 10×30 = 400mil. Casa 12×30= 450mil.

      0
      • trololó 30 de junho de 2011 at 21:34

        huahuahua

        aqui no interiorzão de sc, qualquer terreno em loteamento novo, que só tem asfalto, água e luz, ainda por cima longe (apesar da cidade ter 30 mil habitantes), é 80 mil o mais chulé

        pra voces terem uma idéia, tem um terreno na frente de casa, que deixamos de comprar nos idos de 2005 por 45 mil reais, sendo que achávamos que nao valia tanto, ofertamos 40 mil.

        hoje, no mesmo terreno, da ultima vez pediram 200 mil reais.

        terrenos no centro da cidade, com casa de madeira (da década de 70) com medidas aproximadas de 10 x 30, não saem por menos de 300 mil

        teve um carinha que pagou 600 mil por um terreno de 20×30 no centro, com uma casa (que foi desmanchada), e queria fazer um prédio, e me contou a surpresa dele ao descobrir que nenhum engenheiro daqui se inclinou muito a fazer um prédio de 2 ou 3 andares pra ele, e todas as contra-propostas que recebeu foi de doar o terreno pra construtora, para construir um prédio acima de 7 andares, e ele receberia tipo, 2 salas comerciais e 1 ap, ou vice-versa.

        resultado: terreno com terraplanagem feita, há mais de um ano sem nada lá.

        como esse tem mais outros, por exemplo MUITOS terrenos de 80, 100 mil em loteamentos novos que não estão mais conseguindo vender

        pior são os prédios, que aparentemente estão conseguindo vender.
        um que está pra ficar pronto lá por 2015 recebeu uma proposta de um investidor de comprar, na planta, TODAS as salas comerciais dele (devem ser mais de 20), a vista. claro, a construtura recusou

        a cobertura do tal prédio está avaliada em 1 mi, e aparentemente, alguém já comprou uma.
        nesse valor, pra uma cidade de 30 mil habitantes, que não tem muitas indústrias, não é turistica, não tem praia, não tem neve, e é interior?

        0
      • Narcizo Santhiago 18 de julho de 2011 at 17:00

        Olá Elton
        Não é só na Paraíba. Em 2009 tomei um susto com preços em São Luís, no Maranhão.
        Apartamentos em lançamento, com preços de área nobre de São Paulo. Nenhum problema nisso; o problema era o padrão dos imóveis: apartamentos pequenos, terrenos pequenos entupidos de torres (um paliteiro). O padrão era pouco mais que COHAB. Apartamentos de 65 m², com baixíssimas insolação e ventilação, praticamente sem privacidade, por quase R$ 400.000!!
        Em Suzano, na Grande São Paulo, um terreno de 260 m², por R$ 270.000!!!
        Em Guarulhos, um apartamento pouco maior que um puxadinho, em área periférica, não sai por menos de R$ 300.000!! E o corretor ainda diz que está barato, pois na região da Frei Caneca, em São Paulo está o dobro! Comparar a região Guarulhos com a região da Av. Paulista! Já passaram dos limites.
        Já teve corretor comparando Guarulhos com Leblon!!!

        Mas tem um outro elemento: há lançamentos em excesso, gente comprando alucinadamente, e todo mundo dizendo que os preços vão subir ainda mais!
        Só que ninguém atentou para um detalhe: está ocorrendo um adensamento em determindads regiões, com sérios reflexos no trânsito, no fornecimento de água e energia, com colapso no sistema de esgoto, e queda na qualidade de vida. Depois vai desvalorizando …
        Olha Elton, Guarulhos já está um inferno. Moro bem próximo ao Centro, em área considerada nobre. De manhã há congestionamento dentro da garagem do condomínio; falta luz direto, água idem; já houve 5 homicídios nas imediações, sendo 2 de assalto e 3 de execuções.
        Antes levava até 50 minutos de meu prédio para o trabalho. Hoje não levo menos de uma hora e meia.
        São Luís não está melhor.
        Espero que não estraguem Souza e outras cidades da maravilhosa Paraíba. E do nosso querido Nordeste também.

        0
  • tom 30 de junho de 2011 at 20:55

    É o artigo “mais do mesmo”

    não há nada de novo nesse artigo, assim como em muitos outros artigos sobre o assunto…

    tudo que foi falado no artigo já foi falado dezenas de vezes…

    o assunto está se tornando repetitivo

    a conclusão é que ninguém pode ter certeza e só saberemos se de fato estamos numa bolha se ela estourar…

    0
  • MrK 30 de junho de 2011 at 21:26

    Comentário a todos, em especial ao luiz que prevê um estouro em 2015:

    Amigo luiz, muito interessa a data em que essa bolha que estamos convencidos existir estourará, claro que é impossível precisar, mas existe algo que podemos extrair do histórico de todas as bolhas:

    Bolhas NÃO estabilizam, bolhas estouram!

    As bolhas vivem do combustível dos novos entrantes no mercado (seja acoes, imoveis ou tulipas), quando por algum motivo esse fluxo seca (digamos, crédito secou, preço subiu demais, a espectativa de lucro na revenda evaporou) a bolha simplesmente estoura e os preços descem rapidamente.

    Eu não conheco uma bolha que tenha sobrevivido por anos no patamar inflado antes de estourar, se alguém conhecer POR FAVOR compartilhe.

    Por esse motivo creio que a bolha infla, infla, infla e estoura… é claro que ela pode ficar no pico por algum tempinho, poucos meses, mas não por 3 anos! O Governo quer inflar a bolha justamente por isso, evitar o estouro, se houvesse acomodação acho que ele não estaria tão preocupado em lançar CRIs, minha casa2, etc.. e nem a midia estaria tão desesperada jurando de pé junto dia sim dia não que imóveis é um grande investimento

    aguardo comentários

    0
    • trololó 30 de junho de 2011 at 21:46

      bolha imobiliaria australiana… mais de 20 anos e subindo

      0
      • MrK 30 de junho de 2011 at 21:51

        trololo, mas aí não estourou, aí é outra coisa…

        não estou falando disso, não me refiro a quanto tempo ela pode inflar!

        meu ponto é: Uma hora que atingir o pico e parar de subir, conhece alguma bolha que se manteve nesse pico por anos (andando de lado) pra depois estourar?

        0
        • trololó 30 de junho de 2011 at 21:56

          uma bolha não estabiliza, ou ela infla até estourar, ou ela desinfla/murcha

          se ela estabilizasse por anos somente para depois ter uma queda, não seria caracterizado como uma bolha, não acha?

          0
          • MrK 30 de junho de 2011 at 22:02

            sim concordo
            foi justamente isso q eu escrevi no 1o post, veja lá!!!

            essa pergunta foi mais ao luiz, que acredita que a bolha vai até 2015, queria entender se ele pensa que infla até la (mais 4 anos de alta) ou se ele acha q estabiliza e depois “pop”?!

            por isso prevejo que estoura bem antes

            0
        • trololó 30 de junho de 2011 at 22:01

          typical bubble:

          housepricesouthafrica.files.wordpress.com/2011/03/bubble-chart.gif

          não há estabilização

          0
          • MrK 30 de junho de 2011 at 22:13

            concordo!

            0
      • trololó 30 de junho de 2011 at 21:51

        canguru.info/forum/forum_posts.asp?TID=1871

        bolhabrasilia.blogspot.com/2011/01/australia-um-dia-casa-cai.html

        br.ibtimes.com/articles/21751/20110427/bolha-imobiliaria-da-austr-lia-china-brasil-india-coreia-do-sul.htm

        0
        • Luiz 1 de julho de 2011 at 12:27

          20 anos de bolha???
          me conte mais sobre isso…

          0
          • olp 1 de julho de 2011 at 17:13

            caraca… 20 anos!!!!

            po.. ai é demais, não?

            entao não é bolha, ou pelo menos não é há 20 anos… senao podemos chamar qualquer coisa de bolha, porque em 50 anos pelo menos, da uma revertida….

            e essa aí que tem 20 anos, quando estourar vai voltar pro que era 20 anos atrás????? porque se voltar só 10 anos, quem comprou mesmo na bolha não vai perder $$ né?

            é isso mesmo? desculpem minha ignorância

            Obrigado.

            0
          • MrK 1 de julho de 2011 at 18:56

            MINHA TEORIA PARTICULAR É:

            O Tempo de estouro é sempre bem mais curto que o tempo de enchimento (maioria dos casos, excecao é o Japão)

            Se o tempo de inflar nossa bolha tem sido de uns 3 anos, creio que o estouro se dará rápido, se o governo não agir os preços podem ir do pico ao minimo em 18 meses… se o governo agir pode postergar um pouco e durar mais pra atingir o minimo

            seja como for, POR ENQUANTO, digo que não comprem imoveis nos proximos 2 anos hehehe

            0
    • lujiz 1 de julho de 2011 at 11:40

      Prezado Mrk, é um prazer debater.
      discordo e explico.

      hoje olhei pro tapete do meu carro, forrados de uma grossa pilha de jornais com anuncios de imóveis, como nunca anteznahistoria-deçepaiz, não tenho dúvidas da bolha, porém sua evolução não é constante.

      Andei olhando o historico deste blog, pois cheguei recentemente, e vi um interessante gráfico do Duda, psotado meses atrás. vej aqu eintererssante o desenho típico, o comportamento.

      A Bolha não cresce constantemente, existem momentos que estagna pra voltar a recuperar folego, e acho que este momento de inicio de 2010 foi um deles, vcs verão ela inflando mais no segundo semestre, e porái vai.

      Esse jogo de nervos tem um player forte, mais forte que nos EUA qie é o governo de mão dada com os apaniguados, eles vão jogando peões pro sacrifício, eles ainda tem reservas nobres, os fundos de pensões, estatais manipuladas, Bndes, contorlam a Selic, e por aí vai. Este controle deles é maior que todo o setor privado brasileiro, diferente do resto do mundo, aí o que acontece, a sempresas privada spr anão perderem share, p´ra n ficar pra trás tbm vão injetando dinheiro, os estrangeiros, os que não tem nada a perder, os muti ricos, os novoricos liludidos, esse exercito tem uma meta psicologica, a copa de 2014, ano de eleição, e uma prorrogação carioca 2016.

      Num outro post irei explicar pq eu acho q a cada tupiniquim será maior do mundo , ao mesmo tempo que a menso dolorosa

      Outro ponto: Bolhas só pdoem explodir???
      Conhece aquela brincadeira de por um esparadapro na bexiga e fura com agulha?
      Sim, meu caro, bolhas podem murchar sim, tudo depende de como esse governo vai usar a experinencia anterior, se vai ter coragem, se via por a prova o risco d enunca mais ganharem uma eleiçao. Eles estão numa sinuca de bico. As medidas necessárias queimarão todo o prestigio politico que conseguiram com o povão, e não nos enganemos, o MCMV2 não foi feito pro povo, ele o é pra classe média que consegue manobrar a docuemntação e conseguir os financiamentos, seja laranjas, ou outros meios.

      0
    • Luiz 1 de julho de 2011 at 12:21

      Prezado Mrk, é um prazer debater.
      Discordo e explico.

      hoje olhei pro tapete do meu carro, forrados de uma grossa pilha de jornais com anuncios de imóveis, como nunca anteznahistoria-deçepaiz, não tenho dúvidas da bolha, porém sua evolução não é constante.

      Andei olhando o historico deste blog, pois cheguei recentemente, e vi um interessante gráfico do Duda, psotado meses atrás. vej aqu eintererssante o desenho típico, o comportamento.

      A Bolha não cresce constantemente, existem momentos que estagna pra voltar a recuperar folego, e acho que este momento de inicio de 2010 foi um deles, vcs verão ela inflando mais no segundo semestre, e porái vai.

      Esse jogo de nervos tem um player forte, mais forte que nos EUA qie é o governo de mão dada com os apaniguados, eles vão jogando peões pro sacrifício, eles ainda tem reservas nobres, os fundos de pensões, estatais manipuladas, Bndes, contorlam a Selic, e por aí vai. Este controle deles é maior que todo o setor privado brasileiro, diferente do resto do mundo, aí o que acontece, a sempresas privada spr anão perderem share, p´ra n ficar pra trás tbm vão injetando dinheiro, os estrangeiros, os que não tem nada a perder, os muti ricos, os novoricos liludidos, esse exercito tem uma meta psicologica, a copa de 2014, ano de eleição, e uma prorrogação carioca 2016.

      Num outro post irei explicar pq eu acho q a cada tupiniquim será maior do mundo , ao mesmo tempo que a menso dolorosa

      Outro ponto: Bolhas só pdoem explodir???
      Conhece aquela brincadeira de por um esparadapro na bexiga e fura com agulha?
      Sim, meu caro, bolhas podem murchar sim, tudo depende de como esse governo vai usar a experinencia anterior, se vai ter coragem, se via por a prova o risco d enunca mais ganharem uma eleiçao. Eles estão numa sinuca de bico. As medidas necessárias queimarão todo o prestigio politico que conseguiram com o povão, e não nos enganemos, o MCMV2 não foi feito pro povo, ele o é pra classe média que consegue manobrar a docuemntação e conseguir os financiamentos, seja laranjas, ou outros meios.

      0
  • Miguel Silveira 30 de junho de 2011 at 23:40

    Tomara que esta bolha exploda o quanto antes. Mas ainda não a vejo se desfazer. Procuro um imóvel na Tijuca,RJ,um bairro bom, mas nem se compara com outros que estão na Zona Sul. Só vejo os preços subirem. Alguns apartamentos encalhados reajustam os valores de venda assim mesmo. Um pesadelo! Muita ambição, pouca negociação. Que a bolha exploda logo!!

    0
    • MrK 1 de julho de 2011 at 09:30

      Miguel, esse movimento que você sinalizou ocorre demais:

      O Ap está fechado, o Ap não vende, e o dono reajusta pra cima!!! O Ap segue fechado, pagando condominio, segue meses sem vender e o dono… reajusta pra cima de novo!!! Acham que isso faz algum sentido?

      Imaginem as lojas de roupas: Essa coleção não vendeu e está encalhada, vamos aumentar os preços pra ver se sai… hahahaha

      Isso só demonstra o seguinte: Muita gente está mal informada (se levada por materias como as do globo), muita gente ambiciosa (o que é normal), muita gente acha que o preço subirá eternamente…

      Se segure um pouco mais, amigo, que você fará negócios muito melhores no futuro, o que voce paga hoje na tijuca voce poderá pagar em botafogo ou melhor

      abraços

      0
      • Miguel Silveira 1 de julho de 2011 at 09:59

        Obrigado, MrK, seu conselho será seguido. Abs.

        0
        • lujiz 1 de julho de 2011 at 11:49

          Miguel, meu conselho, meu não, conselho de um amigo q ficou mto rico nesse mercado.

          Paciência é a maior virtude

          prepare-se para anos, e uma dica minha, achei uma aplicação de RF que dá 0,94% ao mes, outra pra grnades valores t´pa dando 1,02% ao mes, faça as contas e veja que não vai doer tanto esperar.

          0
          • Miguel Silveira 2 de julho de 2011 at 00:02

            Boa dica! Abs.

            0
          • LB 3 de julho de 2011 at 10:12

            Olá luiz:

            Em que banco vc encontrou estas taxas? Andei pesquisando por aí… o melhor que encontrei
            até agora foi no Itaú a 0,91%.

            0
          • luiz 4 de julho de 2011 at 10:15

            santander, mas vamos conversando pq estou ,to insatisfeito que este banco
            outra dica é falar com o gerente, pq mtos fundo não tme na internet.

            0
        • Luiz 1 de julho de 2011 at 12:23

          Miguel, conselho d eum maigo q ficou mto rico nessa área

          Paciência é a maior virtude.

          E enqto espera pode investir em fundos, alguns estão dando mais de 15 ao mes, faça as contas

          0
          • Luiz 1 de julho de 2011 at 12:26

            corrigindo: 1% ao mes, 5 e% são o emso botão

            0
          • Miguel Silveira 2 de julho de 2011 at 00:03

            Verei os sites dos bancos, ótima idéia, abs.

            0
    • Annibal 1 de julho de 2011 at 09:45

      Miguel,

      Estive, esta semana, em um lançamento na tijuca, na av. Maracanã, ap dois qts 84 m2… preço 540.000,00, mais de 6.000,00 o m2…

      Detalhe… é público e todos sabem, aquele ponto enche em toda chuva (rio maracanã) um pouco mais forte, e não enche pouco não… alaga mesmo… encontramos peixes no asfalto após as tempestades.

      Mais um detalhe, se fosse no ano passado teria vendido tudo em uma hora, como aconteceu em vários lançamentos na região, mas faz uma semana q está aberto a venda e ainda não vendeu efetivamente nem 35%….

      É só ter paciência.. acho q meados de 2012 uma data provável de confirmação de ruptura no processo de valoração dos imóveis… se vai cair mto ou não … não sei…

      0
      • MrK 1 de julho de 2011 at 10:13

        Annibal, seu relato é importantíssimo

        A coisa de 1 ano atrás, esses lançamentos esgotavam no primeiro dia, tinha disputa em alguns casos, outros nem armavam mais stands.

        Motivo: Muita gente queria comprar na planta pra investir, pagando o minimo possível e depois revendendo nas chaves com ágio, os investidores vinham ALTAS CHANCES DE LUCRO E BAIXO RISCO!

        Hoje vemos que esses lançamentos estão vendendo pouco, um fiasco perto do que viamos há meses atrás, qual será o motivo? Minha opinião: Os investidores acham que o preço já bateu no teto e estão preocupados com a bolha, hoje eles veem POUCAS CHANCES DE LUCRO E MUITO RISCO!

        é como eu vejo… vamos acompanhar…abs

        0
      • Luiz 1 de julho de 2011 at 12:19

        recebi hoje outra proposta: 3 domr, 2 vagas 330 mil a vista zona oeste
        primeiro o descontode mais de 20%
        segundo a enfase no a vista: tão querendo dinheiro vivo

        0
      • Miguel Silveira 2 de julho de 2011 at 00:04

        Estão querendo explorar os compradores. Mais do que nunca! Se ninguém comprasse, tenho certeza que o preço verdadeiro- bem mais baixo – logo, logo apareceria. Abs.

        0
  • Everton Ricardo 1 de julho de 2011 at 07:45

    Nossa quanta ladainha nesses comentários….
    O artigo esta ótimo, parabéns ao autor. Sei que foi de boa intenção, porém todos sabemos do tamanho do problema. O que não sabemos é a solução para o problema.
    Não há solução adequada, a melhor é esperar….
    Abraços!

    0
    • MrK 1 de julho de 2011 at 09:33

      não há solucao sem dor agora! pois o titanic já bateu no iceberg.. já é tarde demais pra uma manobra, o governo perdeu a oportunidade

      ao contrário do que muita gente pensa, a recessão não é o problema, a recessão é a solução, o problema na verdade é todo crescimento especulativo sem fundamento

      achar que o estouro da bolha é o problema, é o mesmo que dizer ao um alcoolatra que a reabilitação é o problema, na verdade não é, essa é a solucao! o problema foi o tanto que ele bebeu no passado…

      0
    • lujiz 1 de julho de 2011 at 12:02

      não basta dizer que é ladainha, tem que se explicar, ou vc fala assim entre os amigos?
      importante preservar a boa educação mesmo em blogs

      0
    • Luiz 1 de julho de 2011 at 12:25

      não adianta espernear,
      aqui tem que trazer argumentos.

      ou vc fala assim com os seus amigos?
      boa educação é importante mesmo em blogs
      ninguem deve se sentir contsrangido a dar opinião

      vejo que mta gente vem aqui tuirar dúvidas elementares de calculos

      0
    • Duda 9 de julho de 2011 at 21:13

      Everton, que pobreza argumental!! Uma coisa que distingue este blog, é a educação e os fundamentos. Quem não sabe, pode perguntar, é sempre será bem tratado, com a melhor explicação ao nosso alcance e com muita educação. Quem vir sem educação, sem argumentos e ainda com soberba, se da mal por aquí. SDS

      0
  • Marcelo Ferreira 1 de julho de 2011 at 09:17

    Pessoal .. segue uma simulação:
    – um colega quer comprar um ap de 400 mil e tem uma renda de 18 mil
    – tem 100 mil para dar de entrada
    – se pegar 300 mil financiado para pagar em 30 anos ele irá ter pago um total de 819 mil, pagando uma prestação inicial de 3.4 mil
    – somando-se a isso a valorização de 120% dos últimos 24 meses, devido à bolha, ele terá gasto na realidade 1 milhão por um apartamento que vale 200 mil
    … isso sem contar a inflação dos próximos 30 anos …

    0
    • Marcelo 1 de julho de 2011 at 10:37

      Contando com a inflação, o 1 milhão diminuí. Lembrando que a maioria dos contratos de financiamento são corrigidos pela TR e não pela inflação.

      0
      • trololó 1 de julho de 2011 at 12:20

        “Contando com a inflação, o 1 milhão diminuí. Lembrando que a maioria dos contratos de financiamento são corrigidos pela TR e não pela inflação.”

        e nada, nenhuma explicação plausível esconde o FATO dele pagar 3, 4 ou até 5 vezes mais do que o bem vale, independente se as prestações sobem, dimiuem, ou se mantém no patamar.

        é dinheiro jogado no lixo, simplesmente

        ou alguém que faça as contas na ponta do lápis tem um alívio do tipo “nossa, que ótimo, as prestações abaixaram pela metade depois que eu terminei de pagar o triplo por esse bem!!! agora só falta pagar mais uma parte igual ao valor dele… ainda bem que as prestações diminuiram!!!”

        0
        • Anon2 1 de julho de 2011 at 12:25

          trololo,
          voce que ja fez as contas, porque nao disponibiliza a planilha pra galera?

          se é uma questao de matematica, entao é preto no branco, ou é ou não é…

          nao pode ter uns que dizem “sim” e outro “nao”.
          é matematica…
          a menos que alguem esteja errando algum calculo… ou usando premissas erradas.

          0
          • trololó 1 de julho de 2011 at 12:52

            andré, porque voce mesmo nao faz os cálculos?

            http://www8.caixa.gov.br/siopiinternet/simulaOperacaoInternet.do?method=inicializarCasoUso

            Valor do Imóvel R$ 400.000,00
            PrazoMáximo 360 meses
            Sistema de Amortização SAC
            Cota máxima financiamento 90%
            Valor da Entrada R$ 139.243,93
            Prazo desejável 360 meses
            Valor do financiamento R$ 260.756,07

            Composição da 1ª prestação
            1ª Prestação R$ 2,996.25
            Amortização: R$ 724.32
            Juros R$ 2,178.66

            CET – Custo Efetivo Total: 43,4215%
            CESH – Custo Efetivo do Seguro Habitacional: 166,9124%

            Última Prestação R$ 749,33

            considerando a ULTIMA prestação de 750 reais, se você pagar 360 prestações de 750, dará 270 mil reais, pra um valor financiado de 260 mil reais. e olha que na primeira prestação são “apenas” 2100 reais de juros…

            ah, claro, você andré é mais um daqueles que acha que os imóveis irão se valorizar indefinidamente e infinitamente, né, então não tem problema nenhum pagar 3 4 ou 5 vezes por um imóvel, já que ele nunca vai baixar o preço

            amazon.com/Real-Estate-Boom-Will-ebook/dp/B0012SMGME

            101-investing.com/2010/08/real-estate-never-goes-down/

            w w w .helpsellingahouse.com/selling-a-house/house-wouldnt-sell-at-50-off-real-estate-never-goes-down

            0
          • Anon2 1 de julho de 2011 at 15:06

            trololo,

            nao me identifique como quem voce acha, e nao tire conclusoes do que eu falei. interpretacao de texto é básico.

            nunca disse que vao se valorizar eternamente. em 30 anos muita coisa acontece, dá tempo de inflar e estourar 2 bolhas.

            a coisa é assim: se a pessoa precisa morar ou paga aluguel ou financiamento.

            se aluga está pagando aluguel (juros) sobre o bem todo (100% do imovel) e amortizando nada. está pagando um juros baixo (0,4%), é verdade, mas pra sempre.

            se financia está “alugando” o capital e vai pagar juros, claro, sobre parte do bem (total – entrada). só que está amortizando tb. a prestacao inicial é muito maior que o aluguel, claro, como sempre foi.

            a questao é, botando no excel, qual dos dois sai no lucro no final?

            a prestacao só cai, o aluguel só sobe entao eles se cruzam em algum ponto.

            antes de cruzar, vc tem que calcular a dif prest-aluguel investido (pra quem opta por alugar) e depois de cruzar é o contrario, tem que calcular a dif aluguel-prest (pra quem opta por financiar)

            e +, claro, o custo oport. da entrada

            mais:
            expectativa de (des)valorizacao do imovel
            expectativa de aumento de aluguel
            expectativa de juros
            e mais outras coisas que nao lembro agora

            faz aí depois ve se bate com o meu, ok?

            a coisa é bem mais complexa do que parece…

            0
          • MrK 1 de julho de 2011 at 15:39

            esse anon2 tinha que assistir aquela palestra do peter schiff “why the meltdown shoudnt surprise no one”, quando ele fala de aluguel vs compra financiada, é genial… pega la no youtube!

            essa questão aqui se resolve em 1 tapa:

            aluguel a 0.35% (média de hoje), num país de selic 12%, é muito melhor alugar do que comprar, o resto é “matemágica”

            hoje tem um caminhão de gente comprando, não porque o aluguel é bom investimento, mas sim porque tem expectativa de que o imovel se valorize, a palestra fala bem disso

            0
          • Anon2 1 de julho de 2011 at 16:00

            cara, sem colocar tudo na ponta do lapis é só achismo… faz os calculos aí incluindo todas as variaveis… o que o pessoal está fazendo só leva em conta a primeira presatacao, é muito superficial

            0
          • olp 1 de julho de 2011 at 17:19

            especialistas, por favor me tirem uma duvida:

            se a pessoa paga depois de 30 anos (vamos olhar pro longo prazo né?), 3 vezes o valor do imóvel, é porque pagou 200% a mais.

            O que dá cerca de 3,5% ao ano.

            Ou seja, se daqui a 30 anos, o imovel que era 100mil, tiver valendo 300mil, ou valorizar 3,5% ao ano, valeu a pena? é isso? sem contar o que ele economizou com o aluguel???

            se os especialistas puderem me ajudar a saber se o raciociocio esta certo, agradeco.

            Obrigado

            0
          • Luiz 1 de julho de 2011 at 17:50

            Se vc tem 100 mil
            Aplica num fundo qualquer que dá 1% ao mês (hoje dá até mais)
            Em 30 anos ou 360 meses
            Vc terá = 9.721.833,11

            quase 10 milhões de reais,,

            com 10 milhões, se vc continuar aplicando a 1% (neste valor consegue taxas bem melhores e um gerente só rpa vc) vc compra um apartamento de 100 mil reais por mês.

            “quem corre come cru e quente”
            É tão grande a diferença que eu acho q errei nas contas

            0
          • Luiz 1 de julho de 2011 at 18:05

            corrigindo, usei a formula errada
            100 mil daqui 360 meses = 3.594.964,13

            só 3,6 milhões e não dez
            desculpa aí pessoal

            0
          • Anon2 1 de julho de 2011 at 18:32

            Hahaha!
            conta de boteco total…
            bom, já expliquei como que faz, quem quiser continuar fazendo conta de padaria seja feliz…

            0
          • trololó 1 de julho de 2011 at 18:47

            olp:
            “se a pessoa paga depois de 30 anos (vamos olhar pro longo prazo né?), 3 vezes o valor do imóvel, é porque pagou 200% a mais.
            O que dá cerca de 3,5% ao ano.”

            3,5% ao ano? mas a taxa de juros que a caixa tá cobrando é de (pra uma das minhas simulações) ~10% a.a e pra outra simulação, ~11.5% a.a

            Anon2, se você realmente quer colocar inúmeros fatores no excel pra ter um cálculo pra saber se os pontos se cruzam, então também deveria incluir amortização do aluguel (já que você pode se mudar pra outra cidade/bairro), custos de manutenção do imóvel (impossíveis de prever), estabilidade de emprego, possibilidade de promoção e ter que se mudar pra outra cidade, problemas de desvalorização dos imóveis devidos a fatores externos (a polícia decide enxotar a cracolândia pro teu bairro), e outros fatores que fazem o teu bem desvalorizar (falta de pintura, reforma, possibildade de vendaval destelhando tudo como é época aqui em sc, no rs e pr nessa época do ano, além de chuvas de granizo quase que semanais aqui na região, sempre variando quais cidades são escolhidas), etc etc etc, além do que você pode ser muito bem um feliz propriOtário de uma bomba, como muita gente que eu conheço, que depois de 6 meses morando na casa que mal fecharam contrato de compra descobrem as gambiarras

            colocar isso no excel pra ver se em algum ponto irá haver convergencia é perda de tempo, porque você não consegue incluir todos os dados, o que irá levar a uma curva errada, e não sei se isso tem muita utilidade

            nem tudo é flores pra quem tem o sonho de ter a casa própria, nossa família mesmo, que possui casa, prédio e outros terrenos aqui, as vezes pensávamos em se mudar pra outro lugar, mas sabe como é, você tem tudo aqui…

            como dito numa reportagem, atualmente o aluguel está mais em conta, e a menos que voce ganhe mal para pagar o aluguel, você consegue juntar algum dinheiro pra dar uma entrada num financiamento, mas não nesse momento claro, porque aqui mesmo os preços já passaram do limite do bom-senso faz tempo, e o que eu vejo, quem compra além de gente que simplesmente TEM o dinheiro e precisa colocar ele em alguma coisa, são pessoas que ganham muito, muito bem e acabam comprando pra morar mesmo.

            também é loucura fazer um financiamento pra 30 anos achando que a TR vai se manter baixinha, já que os mesmos que acham isso são os mesmos trouxas que acham que os imóveis vão sempre subir. de quebra, em qualquer financiamento, você paga no mínimo o dobro do valor do bem, tendendo ao triplo ou quadruplo, com prestações reais, fixas, e sem nenhum tipo de negociação ou possibilidade de atraso

            o que é mais um absurdo, pagar mais de cara por um bem com valor inflado, financiando pra pagar ainda MAIS por aquilo que você já está pagando mais caro, pelo simples fato de ser um “sonho brasileiro”, como ter carro do ano, roupas de marcas e etc…

            pra finalizar, você não está só “jogando dinheiro fora” com aluguel, sabia?
            toda vez que você come alguma coisa, está jogando dinheiro fora, porque você não possui uma fazenda;
            toda vez que você compra uma roupa, está jogando dinheiro fora, porque você não possui uma fábrica de roupas;
            toda vez que você compra um carro, es tá jogando dinheiro fora, porque voce nao possui uma fábrica de carros… ok, brasileiro já paga um absurdo nos carros, porque é sonho, então vamos pagar mais ainda nas casas

            0
          • Anon2 1 de julho de 2011 at 18:54

            trololo,
            nao quero estender a discussao à toa.
            quase todos esses fatores que voce colocou entram em uma só variável: a valorização estimada do imóvel
            concordo que nao tem como colocar tudo que pode acontecer numa planilha, mas fazer a comparação selic x aluguel é simplificar absurdamente.

            a decisão financiar x alugar só vale pra quem vai ficar muitos anos no imovel, se existe possibilidade de mudança provavelmente é bem melhor alugar.

            0
      • Anonymous 1 de julho de 2011 at 23:48

        A TR é basicamente um índice de INFLAÇÃO, multiplicado por um fator menor do que a unidade. Nada impede que esse faor seja alterado para a unidade e assim a TR volte a ser um índice de inflação como ja’foi no passado.

        0
        • olp 4 de julho de 2011 at 10:49

          pelo que falaram aqui nao é

          0
        • luiz 4 de julho de 2011 at 11:09

          é exatamente o que falaram aqui sim

          0
          • olp 4 de julho de 2011 at 17:50

            eu li aqui que a Tr é em funçao da taxa que os bancos pagam e nao em funcao de ipca, igpm, incc, ou outra coisa….

            entendi errado entao?

            obrigado

            0
          • luiz 4 de julho de 2011 at 19:16

            entendue errado, de forma grosseira foi falado aqui que a TR é formada por uma taxa determinada pelos bancos multiplicado por um redutor definido pelo governo.

            fui verificar agora na wiki (que nem é mto confiável) e lá diz mais ou menos o mesmo
            A metodologia de cálculo da TR tem como base a taxa média mensal ponderada ajustada dos CDBs prefixados das 30 instituições financeiras selecionadas, sendo eliminadas as duas de menor e as duas de maior taxa média. A base de cálculo da TR é o dia de referência, sendo calculada no dia útil posterior. Sobre a média apurada das taxas dos CDBs é aplicado um redutor que varia mensalmente.

            0
          • olp 5 de julho de 2011 at 12:27

            e onde entra DIRETAMENTE a inflacao ai?

            0
        • Q 5 de julho de 2011 at 12:32

          Em 1992 a TR superou a inflação. Se a inflação volta o governo não vai deixar a poupança e o FGTS virarem pó (ambos são corridos pela TR), seria extremamente impopular!

          0
          • Lucas2 5 de julho de 2011 at 14:19

            Que FGTS e poupança. Não está acabando?
            Não são esses fundos que estão no fim e que farão com que o crédito imobiliário tenha que vir a partir de CRIs ou alguma outra coisa tornando-o mais caro?

            0
    • me 1 de julho de 2011 at 10:37

      “somando-se a isso a valorização de 120% dos últimos 24 meses, devido à bolha, ele terá gasto na realidade 1 milhão por um apartamento que vale 200 mil”
      – Você quis dizer que esse apartamento de 400 mil vai valer 200 em algum momento desses 30 anos de financiamento?

      0
      • Marcelo Ferreira 1 de julho de 2011 at 17:15

        Não .. significa que há 24 meses ATRÁS o imóvel valia menos de 50% do valor atual ..

        0
    • Anon2 1 de julho de 2011 at 11:45

      “… isso sem contar a inflação dos próximos 30 anos …”

      a inflacao torna o saldo e a prestacao MENORES…

      0
      • Marcelo Ferreira 1 de julho de 2011 at 17:16

        sim, mas a renda líquida do meu amigo será corroída pala inflação e as prestações serão reajustadas por algum índice

        0
        • olp 1 de julho de 2011 at 17:21

          aqui no Brasil não tem um tal de dissidio?

          que “procura” não deixar a renda líquida ser tao comida pela inflacao?

          Obrigado

          0
          • trololó 1 de julho de 2011 at 18:52

            quer dizer então que se eu fizer um financiamento, e conseguir comprovar futuramente que a inflação destrói com 70% do meu salário miserável a financeira vai deixar o imóvel pra mim, mesmo faltando 200 parcelas?

            OBAAAAAAAAAAA

            0
          • Marcelo Ferreira 3 de julho de 2011 at 21:13

            Sou analista de sistemas e meu dicídio aqui no Rio de Janeiro foi abaixo da inflação. Já viu trabalhador recebendo tudo que deveria?

            0
          • olp 4 de julho de 2011 at 10:51

            Bom Marcelo, acho melhor mudar de emprego então, porque o que ouvi e li é que a maior parte dos reajustes estão sendo acima da inflação..

            0
          • luiz 4 de julho de 2011 at 11:04

            é Marcelo, se vc virar faxineiro, ou qualquer outro próximo do salário mínimo seu dissídio vai ser maior que a inflação.

            o ironico disto tudo é que o MCMV foi arquitetado para a classe C/D, as pessoas que tem dissidio acima da inflação, elas mesmo não estão mais comprando, queme stá comprando são seus colegas analistas, pensando no investimento como aluguel para os primeiros referidos.

            é só a China dar um peido e a coisa toda vira.

            0
          • MrK 4 de julho de 2011 at 11:30

            olp, se for falar de inflação real ninguém teve reajuste acima da mesma

            agora, se for falar dessa inflação de 6% aí até pode ser

            mas convenhamos, pega sua cesta de consumo e faça uma medição que eu du-vi-do que ela reajustou 6% só, aposto que o indice é o dobro ou o triplo deste

            abraços

            0
  • Q 1 de julho de 2011 at 12:25

    Copa do mundo aumentando o preço dos imóveis. Alguém já assistiu o filme uruguaio O Banheiro do Papa? Relata os preparativos para a primeira visita do Papa Joao Paulo II ao Uruguaia. Muito semelhante ao nosso caso, é interessante assistir a criação de uma enorme expectativa em torno de um evento de pequena duração, que não vai mudar a infra-estrutura das cidades. Teremos muita sorte se pelo menos os estádios ficarem prontos. Imagine pegar um empréstimo de 30 anos para pagar os 200.000; 300.000 de valorização. É preferível pegar 1/5 , 1/4 desse valor, torrar no mês da copa e carregar lembranças Boas pelos próximos 30 anos…

    0
  • Carlos 1 de julho de 2011 at 14:11

    Olhem isso aqui:
    http://oglobo.globo.com/rio/mat/2011/07/01/bairros-perifericos-da-barra-da-tijuca-foram-os-que-mais-cresceram-entre-2000-2010-entre-as-favelas-foi-mangueira-924813434.asp

    “A proporção de domicílios desocupados (incluem os de uso por temporada e os fechados) chega a 45,1% em Camorim e 45,6% em Barra de Guaratiba. O coordenador de População e Indicadores Sociais do IBGE, Luiz Antônio de Oliveira, encontra explicações no mercado imobiliário:
    – A especulação imobiliária mantém muitos apartamentos fechados – comenta Luiz Antônio. ”

    Metade dos apartamentos fechados. Deve ser o tal defict habitacional.

    0
  • Felipe 1 de julho de 2011 at 15:07

    Esse post não é para se posicionar a favor/contra a bolha, apenas contra a ideia de que vc ao comprar um imovel “fica” preso ao financiamento a juros altissimos.

    Senhores, vcs ao colocarem que o “brasileiro fica preso 30 anos a um financiamento a um juro altissimo” não estão levando em consideração agumas particularidades do relativas ao avanço do sistema financeiro brasileiro. Primeiro, que o banco do brasil iniciou a comercialização de um produto de portabilidade do financiamento imobiliario, similiar ao que se faz com o cartão de credito; Isso possibilitaria a mim pegar meu financiamento de 10,5% (hipotese) de 5 anos atras que fiz na caixa e levar a 8,04% p/ o banco do brasil. Alme disso, eles “batem” o preco da caixa, bastando levar a proposta que eles fizeram.
    Alem disso, a entrada de novos produtos de financiamento – tais como o os certific. imobiliarios e etc. provavelmente vai facilitar a concorrencia e a disponibliazação de mais credito a juros mais baixos. E com a possibilidade de mudar de banco à sua conveniencia, nao te prende a um mal financiamento.

    0
    • Marcelo 1 de julho de 2011 at 15:41

      Discordo só na parte dos certificados. Pelo rendimento que oferecem, provavelmente serão mais caros que os atuais. Porém, com o esgotamento dos tradicionais, será a única opção.
      Resta saber se com esse aumento dos juros cobrados, ainda será possível manter o ritmo do crescimento do mercado. Eu, particularmente, acho que não.

      0
    • MrK 1 de julho de 2011 at 15:41

      Felipe, o custo do crédito tem encarecido no país de forma geral

      o crédito do SNH é subsidiado e isso tende a reduzir também

      de uma forma geral, tanto por selic, quanto por spread e por risco, a tendência natural é o crédito só encarecer…

      0
      • olp 1 de julho de 2011 at 17:38

        pior que é mesmo né?

        o custo vai subir…

        ou seja, quem mora de aluguel e não tem financiamento ainda (que já é caro), vai ter mais difciculdade então? porque vai ficar mais caro?

        é isso? ai ai ai

        Obrigado.

        0
        • Luiz 1 de julho de 2011 at 17:53

          o custo subindo, vai comer a margem de lucro das vendas
          as vendas caindo cai o preço
          o preço caindo, cai o aluguel

          0
          • Luiz 1 de julho de 2011 at 17:54

            o preço cai pq as vendas caem e a procura tbm cae juntas, afinal os custo subiram, né
            é bom ser preciosista

            0
        • MrK 1 de julho de 2011 at 19:00

          olp,

          que o crédito para compra de imoveis vai encarecer me parece um fato quasi-consumado, é difícil isso não se concretizar, pois todas as variáveis apontam praí.

          o fato disso encarecer significa menos vendas de aps (tanto novos quanto usados), menos venda e oferta em crescente (imoveis a serem entregues) significa preços menores.

          pra quem mora de aluguel esse fato ou não vai impactar nada ou vai melhorar, não vejo como piorar

          no fim do dia QUEM VAI SE DAR BEM MESMO é quem quiser comprar imovel 100% a vista em caixa, ou com uma entrada bem representativa, pouco financiamento.

          0
          • trololó 1 de julho de 2011 at 19:12

            calma lá, cara pálida!

            os juros podem sim ficar beeeem baratinhos, só a dilminha tomar mais uma atitude igual do lula em frente a uma crise internacional (que aparentemente, já tem gente lá fora falando de novo) pros juros baixarem, aí sim, é hora de ir às compras!

            toda redução de juros de financiamentos patrocinadas pelo governo (como exemplo, o pro-caminhoneiro) favorecem os primeiros.

            0
    • guilherme 1 de julho de 2011 at 16:40

      Achei o seu post muito ingênuo. Sem querer entrar numa onda de crítica, até pq o blog tem uma tendência questionário, posso te dizer que não acredito que a portabilidade das dívidas seja a solução. Atenua o problema ao permitir, em tese, um renegociação. Porém o efeito disso é limitodo e irá barrar na concorrência entre os bancos. Todos sabemos que não dá para apostar numa concorrência entre eles, não aqui no Brasil. Se você pensa diferente sugiro consultar a concorrência entre taxas bancárias, cartões aplicações, vigora no Brasil o interesse corporativo. Nenhum banco vai oferecer bóia de salvação para devedor na hora que o barco tiver afundando…

      0
      • Marcelo Ferreira 1 de julho de 2011 at 17:26

        Fui funcionário concursado da Caixa e não espere que o banco irá durar por mais 20 anos .. na verdade o banco esteve esvaziado por 15 anos e só não foi privatizado porque o PT ganhou as eleições. Os bancos públicos eram cabides de emprego há décadas e o BB passou por uma forte reestruturação para não ter que fechar as portas; o mesmo não ocorreu com a Caixa, que serve como moeda de troca no jogo político. Ninguém pensa em deixar o dinheiro na Caixa, somos obrigados a deixar nosso dinheiro aplicado nesse banco falido. O dia que o partido da situação mudar, fatalmente a Caixa será fundida ao BB. Coisa que já deveria ter acontecido há tempos. Portanto, não espere concorrência entre bancos públicos.

        0
        • Luiz 1 de julho de 2011 at 17:33

          nada como um insider para interpretar as promessas dos corretores

          0
        • Luiz 1 de julho de 2011 at 17:37

          Marcelo, vc viu que o seguro da Caixa não cobre dívida trabalhista, sem a quitação de inss não sai documento defnitivo, sem documento definitivo vc não é dono de nada.

          em resumo, seguro da Caixa é seguro pra inglês ver.

          0
        • Duda 5 de julho de 2011 at 11:30

          Marcelo, vc acha que o BB esta numa situação solida? Vc teria um CDB no BB? Vc acha mais saudavel hoje um banco do Governo ou um grande banco Privado (Itau, Bradesco)?

          0
      • Felipe 1 de julho de 2011 at 22:25

        Guilherme, não é questão de queda abrupta de precos. O que estou querendo colocar é que a portabilidade cria a condição para que, se no futuro aparecer condições de crédito mais favoráveis que a atual, existe a possibilidade de vc mudar para essa nova condição – coisa que até um mes atras não existia.

        Sugiro inclusive a quem tenha financiamento dentro do SNH a ir dar uma passadinha no BB para ver se eles batem os juros, de repente é uma forma de ganhar um pouquinho.

        E se a situação piorar, vc pelo menos ja esta com o contrato em andamento para manter os juros contratados.

        0
    • trololó 1 de julho de 2011 at 18:58

      pior do que confiar nos bancos, é confiar em um governo que antigamente era ferrenhamente contra esses mesmos banqueiros que hoje fazem a FESTA DO CRESCIMENTO, com inúmeras noticias no ano de 2011 de bancos que bateram recordes após recordes de faturamento e lucro

      0
  • me 1 de julho de 2011 at 20:31
    • me 1 de julho de 2011 at 20:32
      • trololó 2 de julho de 2011 at 13:14

        legal, do artigo:
        “In April 2011, two small banks in the country were bailed out. Some analysts expect that more banks will declare bankruptcy in the coming months.”

        ééééééé……..

        e se tiver mais “bail out” aqui no br, com a situação próximo do holocausto financeiro do brasil, então a situação pode ser muito, muito, muito PIOR do que nos eua, já que ninguém vai sair por aí comprando reais na mesma velocidade ou confiança que as pessoas tem pra comprar dólares

        0
        • luiz 4 de julho de 2011 at 10:21

          o banco carrefour que tá levando a loja pro buraco

          0
  • Marcos 1 de julho de 2011 at 22:13

    Vendas de imóveis usados recuam 14,6% em abril, no estado de São Paulo

    SÃO PAULO – A venda de imóveis usados no estado de São Paulo caiu 14,6% em abril, frente a março, de acordo com pesquisa divulgada pelo Creci-SP (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo) nesta sexta-feira (1).

    As 1.582 imobiliárias pesquisadas comercializaram 864 unidades, o que fez o índice de vendas passar de 0,6395 para 0,5461 entre março e abril.

    Todas as quatro regiões analisadas registraram queda nas vendas, com destaque para as cidades do ABCD paulista, Guarulhos e Osasco (-30,67%) e litoral (-20,66%). No interior o recuo foi de 12,73% e, na capital, de apenas 0,1%, de acordo com o Creci-SP.

    Preferências
    No quarto mês do ano, os apartamentos foram mais vendidos que as casas, atingindo 54,17% de participação entre as unidades comercializadas.

    Sobre o valor do imóvel, é possível perceber na capital a preferência por aqueles acima de R$ 200 mil, que tiveram 71,37% de participação, de acordo com a tabela abaixo:

    Valor do Imóvel (R$)
    Capital
    Interior
    ABCDOG*
    Litoral
    Até 40 mil nulo 1,36% nulo 1,89%
    De 41 a 60 mil nulo 2,38% 0,79% 3,77%
    De 61 a 80 mil 0,41% 4,08% 3,15% 5,03%
    De 81 a 100 mil 2,49% 8,50% 3,15% 15,72%
    De 101 a 120 mil 2,90% 10,88% 17,32% 10,69%
    De 121 mil a 140 mil 3,32% 7,82% 10,24% 8,18%
    De 141 mil a 160 mil 5,39% 10,88% 14,96% 8,81%
    De 161 mil a 180 mil 4,56% 8,16% 4,72% 2,52%
    De 181 mil a 200 mil 9,54% 6,12% 7,09% 6,92%
    Acima de 200 mil 71,37% 39,80% 38,58% 36,48%
    Fonte: Creci-SP
    *Cidades do ABCD mais Osasco e Guarulhos

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2147847

    0
  • profeta do apocalipse 2 de julho de 2011 at 08:03

    o povo nao pensa… comprar para alugar=pessimo negocio. investir para revender=pior ainda. ja se foi o tempo e olha que foi curto. bairros novos e longe=risco

    me disseram que a melhor coisa é comprar barra de ouro e deixar na suica. deixa eu ter grana para isso…

    outra coisa: o le park daqui de salvador foi um marco. todo mundo comprou(pra repassar etc) e se deram mal. resultado(fonte confiável me falou)= 150 milhoes de prejuizo, inadimplencia, atraso de 2 anos nas obras, acidentes fatais, e depois um monte de acao na justica. alguem duvida?

    o melhor investimento que a pessoa pode fazer é em educacao e cultura. Aproveitem o dollar barato e facam viagens, aprenda novos idiomas, etc

    esse brasil é fajuto= pais agro-minero exportador, educacao pessima( vide o nivel das universidades, ninguem sabe matemática ou portugues, falta de cultura familia( vide os pagodes da vida e coisas do genero). a china tendo uma dor de barriga vai acabar de foder com o pais… crise profunda.

    uma luva de pano(epi para uso em fabricas) é chinesa, grampeador( chines). pessoal… isso é saude? essa entrada de carros chineses foi a gota dagua…

    o povo do jeito que eh abestalhado e que paga 2 mil reais num iphone ta nem ai pra nada. quer é mais curtir. o governo ta preocupado com telefone p baixa renda, internet p baixa renda( por isso te muita baixaria no orkut kkkk), bolsa familia, empurrar com barriga o problema previdenciario, etc

    mesmo que a bolha nao estoure, que ela murche lentamente, o capital que realimenta a inflacao e crescimento(andam juntos sempre) é o mercado imobiliario. o governo n investiu as receitas em investimento produtivos/estruturantes e todos vao pagar o preco.

    abram o olho e apertem os cintos. favor lembrar de minha mensagem quando o desemprego em massa comecar. sinal da bolha do dr lula.

    daqui uns dias lancam o PAC 3 kkk

    0
    • MrK 2 de julho de 2011 at 14:17

      eu penso de forma um pouco parecida

      acho que grande parte do crescimento do Brasil não vem dele, vem do declinio americano… os EUA deixaram de ser um porto seguro pra investimento e por isso dinheiro do mundo inteiro voa pra outros países e commodities é uma coisa que se beneficia nesses tempos de inflação e duvidas

      o Brasil por ser exportador de commodities tava no lugar certo na hora certo, ajudou ainda mais o crescimento chines que demanda essas commodities, mas nossa base industrial é tosca pra dizer o minimo

      o Problema, como voce bem disse, é que o investimento em infra necessário pra jogar o Brasil num patamar mais alto não foi feito, a educação é péssima, estradas e portos péssimos e o governo direcionou o dinheiro dele pra 2 coisas erradas: Consumo de familias + Eventos copa e olimpiadas

      nosso crescimento é mesmo uma FARSA

      abs

      0
      • trololó 2 de julho de 2011 at 15:25

        A Grécia de hoje é o Brasil de amanhã. É o que acontece com quem sedia Copa e Olimpíadas e não controla os gastos públicos.

        0
      • profeta do apocalipse 2 de julho de 2011 at 16:01

        engracado que me sinto um peixe fora dagua… adoto em minha vida a receita que todo mundo deveria: gastar menos que ganho!

        queria ter aquele controle remoto do filme Click para ver como vai estoura essa merda. So queria que estourasse na mão do PT. de preferencia na mao de Lula.

        Eu como governador investiria em commodities tambem, mas de forma a ficar imbativel:

        -trabalharia para que o dollar fosse mais que 2 reais
        -investiria em estradas-ferrovias-portos e aeroportos( o pt dizia que aviao era coisa de rico)
        -aproveitaria a epoca de ter muito dinheiro em caixa para negociar reforma fiscal, previdenciaria e politica. isso mesmo. liberaria emendas a vontade, mas faria algo pro futuro do pais…. o pt de lula nao fez uma reforminha. somente: internet banda larga, bolsa familia, populismo, minha casa minha vida, encarecendo tudo, e engessando a maquina…

        ontem vi a noticia que a vulcabras ira demitir 18 mil…. isso que é uma noticia que é a cara do pais….a construcao tem realimentado esse ciclo, so que uma hora …. a bolha estoura!

        Educacao:

        primeiro. foi feito bem: universalizar a educacao primaria
        segundo: nao foi feito: educacao primaria ate o colegio tempo integral
        terceiro: depois dos 2 feitos acima e em parte em paralelo: cursos tecnicos: adm, contabilidade, industriais, etc.. isso nao existe mais.. praticamente.. todo mundo so quer ser Dr.
        quarto: acabaria com esses incentivos de nivel superior para todo mundo. deixaria apenas os mais aptos, mas isso nao seria abruptamente…

        bom final de semana e cuidado com essa imprensa… eles sao patrocinados pelos anunciantes.

        0
        • MrK 2 de julho de 2011 at 20:38

          “bom final de semana e cuidado com essa imprensa… eles sao patrocinados pelos anunciantes.”

          aqui no Rio, dia após dia, o jornal oglobo lanca uma materia de modo a garantir que os imoveis em determinada região vão valorizar

          o centro (perigoso, fétido e escuro), juram que tem potencial
          bairros bohemios, perigosos e barulhentos, como lapa e gloria falam que é a bola da vez
          a zona sul, já o metro quadrado mais caro do brasil, juram que ainda pode dobrar facilmente
          a barra vai subir por causa das olimpiadas

          e assim vai, elegem uma região e comecam a dizer que quem comprar imovel ali será milionário em pouco tempo…

          detalhe: OGlobo é dono do ZAP e a maior receita de anuncios hoje vem de lancamentos de construtoras

          0
          • trololó 2 de julho de 2011 at 20:53

            w w w .zap.com.br/img/imoveis/fipe/grafico-home.png

            claramente um grafico produzido com pesquisas sérias e uma metodologia inquestionável sem nenhum interesse em fazer os mais incautos investidores crescerem o olho, né?

            e olha que isso só tá na página inicial do zap

            0
          • outro 2 de julho de 2011 at 21:47

            “detalhe: OGlobo é dono do ZAP e a maior receita de anuncios hoje vem de lancamentos de construtoras”

            voce poderia informar onde viu isso? sempre quis saber esse tipo de coisa.
            obrigado.

            0
          • MrK 3 de julho de 2011 at 00:33

            outro, o oglobo é dono do site zap, isto é publico, o site zap vive exclusivamente do ramo imobiliario.

            quanto aos anuncios, basta comprar uma edição do jornal ou entrar na pagina online e ver por si mesmo

            0
          • trololó 3 de julho de 2011 at 11:09

            outro:

            entra no zap.com.br e olha lá embaixo da página principal:

            UMA EMPRESA DOS JORNAIS OGLOBO E ESTADAO

            0
          • outro 3 de julho de 2011 at 11:59

            que o zap (assim como o g1) faz parte da globo todo mundo sabe. que é do grupo do estadao tambem nao é novidade.
            me referi ao % de receita relativo a cada anunciante.
            pensei que fossem me mostrar o balanço ou algo parecido… alguém tem essa informação?

            0
          • MrK 3 de julho de 2011 at 18:49

            outro, compre o jornal cara

            ou entao entre no site

            de cada 10 anuncios 7 sao de imobiliarias 2 são de carros e 1 de supermercado… de onde voce acha que vem a maior receita?

            0
          • outro 3 de julho de 2011 at 19:10

            bom, estou com o jornal aqui.
            acho melhor a gente se preocupar muito mais com a hyundai-caoa, casa&video ou guanabara…

            estranhei afirmarem com tanta convicção esse tipo de coisa, pois o globo é capital fechado, entao é muito dificil ter acesso a esse tipo de informação.

            talvez fosse melhor deixar bem claro o que é OPINIAO (observação) e o que é FATO.

            afinal quem trabalha em financas/economia sabe que não se faz nada baseado em achismo ou feeling…

            0
          • MrK 3 de julho de 2011 at 21:14

            hahahah o outro é o andré, aquela figura que a cada vez muda o nome, pois sabe que já perdeu a credibilidade total

            andre, vai pro teu blog defender que a bolha não existe cara, entra no site do oglobo pra vc ver os anuncios, entra…vai dizer que o grupo caoa anuncia mais que gafisa, cyrela, chl, concal, mrv…?

            0
          • outro 3 de julho de 2011 at 21:24

            credibilidade? nego AFIRMA uma coisa e depois nao consegue sustentar…
            coitado de quem acredita… é igual acreditar em corretor… heheeh

            0
          • trololó 3 de julho de 2011 at 21:52

            faz menos de 1 mes que descobri o site e tals, e logo pude descobrir o “irmão mais pobre” dele, aquele outro blog…

            também pude descobrir que o “outro” aí de cima, é o tipo de cara que:
            vê o pai perder o emprego;
            vê o irmão perder o emprego;
            vê a irmã perder o emprego;
            vê metade dos amigos dele perder o emprego;
            vê a maioria dos vizinhos perder o emprego;

            mas só acredita que o desemprego aumenta se alguém apresenta um gráfico colorido assinado por algum “especialista” que é apresentado em algum jornaleco…..

            0
          • MrK 3 de julho de 2011 at 21:54

            HAHAHAHAHA trololo, sua definição não podia ser mais perfeita, nota 10!!!

            0
    • LB 4 de julho de 2011 at 21:43

      “o povo nao pensa… comprar para alugar=pessimo negocio. investir para revender=pior ainda. ja se foi o tempo e olha que foi curto. bairros novos e longe=risco”

      Profeta, vc está certíssimo em sua assertiva.

      E para ainda ‘tanger a manada’, vejam a notícia que saiu no jornal local da Globo (NE TV) em
      Recife:

      http://pe360graus.globo.com/noticias/economia/negocios/2011/07/02/NWS,535547,10,178,NOTICIAS,766-SUAPE-AQUECE-MERCADO-IMOBILIARIO-REGIAO-METROPOLITANA-SUL.aspx

      É impressionante como a notícia é comprada:

      ‘De acordo com o corretor Marcelo Wanderley (foto 3), comprar apartamentos para alugar é, mais do que nunca, um bom negócio. “Sempre considerei como o melhor investimento, porque não é um mercado de risco, é um bem de raiz, de família. Mesmo com a sublocação, você continua com o bem e com a renda”, explica.’

      Lembro que esta notícia saiu dias depois de uma matéria do Jornal Hoje informando que
      se a razão preço de compra/aluguel estiver abaixo dos 0,5% (dispensaram a TR 🙂 ) é
      melhor alugar.

      Antes que a população fizessem as contas, já veicularam a notícia acima.

      Uma coisa eu concordo com o Corretor Marcelo. Atualmente o imóvel realmente é um “bem de raiz”. Vc se enterra com ele 🙂

      0
  • trololó 2 de julho de 2011 at 20:47

    trechos:

    Foreclosure backlogs taking longer to process

    That leaves fewer people and less money to tackle the state’s 300,000 lingering foreclosure cases, with more on the way.

    Across the country, states are wrestling with mounting foreclosure backlogs, exacerbated by borrowers who continue to fall behind on their mortgages.

    more than 2 million home loans across the country are in foreclosure, and nearly 2 million more are more than 90 days delinquent. Of those borrowers who are more than three months behind on their mortgages, more than 40 percent have not made a payment in more than a year.

    In addition, the amount of time it takes to foreclose on a home — particularly in the 23 states that require court approval — has continued to grow longer,

    early 2007, it took less than six months on average to complete a foreclosure proceeding in Florida. Four years later, it takes an average of 619 days. In New York, it now takes 924 days to foreclose, up from 263. In New Jersey, it takes 908 days, up from 297. Foreclosure timelines also have grown in Maryland and Virginia, though less drastically. Nationwide, the time that it takes to complete a foreclosure has more than doubled, to an average of 400 days.

    The holdup has been a blessing to some troubled borrowers, who have had more time to improve their finances, sell their homes or work with lenders on loan modifications. But it also has cast a long shadow over the larger economic recovery

    w w w .washingtonpost.com/business/economy/foreclosure-backlogs-taking-longer-to-process/2011/06/27/AGlYtksH_story.html

    0
  • João 3 de julho de 2011 at 05:06

    Gostaria de saber como estão as venda atualmente em Águas Claras. Alguns lançamentos a preços absurdos. Será que tem gente comprando ainda para “passar adiante” depois?
    Eu vou praticar a “paciência”. Passei a guardar minha pequena economia em RF (95% da taxa SELIC) e esperar o futuro. Assim durmo ranquilo.
    Sinto que algo vai acontecer. E não deverá ser algo de cunho feliz. Parece que de uma hora para outra todo mundo ficou milionário.
    Existe uma “bolsa de apostas” para o estouro da “Bolha”?A daqui de Brasília deverá ser a “Flórida” americana.
    Vou esperar..

    0
  • profeta do apocalipse 3 de julho de 2011 at 08:23

    estou assistindo de camarote o voo da galinha. imoveis com preco alto e sem retorno é o cumulo. o povo investindo sem dinheiro é outro.. voces acham que toda familia tem 200 ou 400k para investirem assim? outra coisa: esse cambio é nocivo ao pais, se os precos das commodities nao tivessem tao alto o pais estaria parado( ponto positivo, quando os mesmos subirem o brasl continuará exportando, mesmo que os precos caiam).

    resumindo: o brasil so tem melhorado na produtividade rural e olhe la… o resto ta travado. nas manufaturas entao…educacao? piada… infraestrutura? piada pior ainda.. por que preocupar tanto com copa? engracado que nao sei o que é pior- ditadura sindical ou ditadura militar….

    0
  • Marcelo 3 de julho de 2011 at 10:30

    FOLHA: Alta de preços de unidades torna locação a escolha mais vantajosa

    Quem tem dinheiro para comprar um imóvel pode fazer melhor negócio com a locação. Embora pareça um contrassenso, esse é o cenário atual em certas áreas da cidade de São Paulo.

    Com imóveis valorizados para a compra e aluguéis que nem sempre batem a taxa de retorno de 0,5% do preço do bem, ficar em um alugado e investir o dinheiro pode ser a melhor decisão financeira.

    Comprar é opção para quem não poupa
    Sensação de segurança e cultura da casa própria favorecem a aquisição
    Após três anos de alta, preço de imóvel pode cair a partir dos próximos meses

    A conta a ser feita diz respeito ao rendimento do dinheiro aplicado.

    “Em um momento de alta do mercado, os preços de compra são altos, e a rentabilidade do aluguel, comparada à de outros investimentos, fica comprometida”, diz Ricardo Rochman, professor da FGV-SP (Fundação Getulio Vargas). A poupança rende hoje 0,6% ao mês.

    Um dois-quartos usado de 82 m² em Pinheiros (zona oeste) sai, em média, por R$ 641 mil, em pesquisa da Brasil Brokers. O metro quadrado médio do novo dessa tipologia na região custa R$ 9.041 -dado da consultoria Geoimovel-, ou seja, a unidade de 80 m² sai por R$ 723 mil.

    Um apartamento de mesma área na rua Arruda Alvim pode ser locado por R$ 2.600 mensais, segundo a Lello Imóveis -ou 0,4% do preço do novo ou do usado.

    “A decisão racional seria simples. Tenho R$ 400 mil, aplico o dinheiro e vivo de aluguel”, avalia William Eid Junior, professor da FGV-SP.

    http://classificados.folha.uol.com.br/imoveis/937976-alta-de-precos-de-unidades-torna-locacao-a-escolha-mais-vantajosa.shtml

    0
    • Ramires 3 de julho de 2011 at 15:10

      Pelo teor da reportagem, eles estao querendo inflacionar os alugueis e motivar as pessoas a investirem na poupanca. Sacanagem esse jornal, deve tah ganhando rios de dinheiro para noticiar esses tipos de reportagem. Por isso que cada dia esta perdendo credibilidade com os leitores. Uma coisa eh informar, e outra eh manipular.

      0
      • trololó 3 de julho de 2011 at 17:15

        nao achei, mesmo porque ele disse a verdade, nesse momento o aluguel é mais barato…
        além do que qualquer um que tenha dinheiro sabe que qualquer renda fixa em qualquer banco dá mais do que poupança, o que eu tenho em CDI mesmo tá dando cerca de 0,75 % ao mes, chegado até quase 0,8

        o que nao é muito, mas compensa pela disponibilidade de poder sacar tudo num dia só, e se tudo der certo, eu logo logo vou gastar toda a grana em equipamentos…

        aposto que pra quem tem idéia de deixar o dinheiro mais tempo no banco consegue coisa melhor que 0;8 %

        0
  • MrK 3 de julho de 2011 at 10:44

    QUEREM INVENTAR O CRASH COM HORA MARCADA

    Alguém já viu isso? Aqui no Rio é a moda: Vai cair depois das olimpiadas

    Se você fosse um investidor que comprou imóveis no rio, voce iria esperar até depois das olimpiadas pra vender com prejuizo? Se você sabe que algo vai prejudicar seus investimentos seriamente daqui há alguns anos, voce iria manter esse investimento até lá???

    Isso não existe, ao sinal de risco sério todos saem do mercado, eu duvido que isso vá durar até 2016… até porque quem é esperto sabe os reais motivos de subida do imóvel e sabe que olimpiadas é papo de corretor. O Crash virá antes do que se imagina, as vendas já estagnaram.

    0
    • profeta do apocalipse 3 de julho de 2011 at 10:59

      brasileiro é uma comedia. nunca faz poupanca. Quando quer investir faz uma dívida e compra um lancamento para repassar. que povo …..

      o pior que pessoas de bem precisam comprar apto ou casa para moradia e acabam pagando mais caro(isto é, o resto da vida) por isso

      pessoal, eu nao vejo uma noticia: favela(comunidade, invasao etC), gente tirada de area de risco, etc….

      bolsa familia logo vira direito adquirido…

      0
    • Ramires 3 de julho de 2011 at 15:19

      MrK, nao sei se to ficando loko (heheheee), mas jah to vendo o inicio do estouro da bixiga, agora se to erradu, pelo menos o negocio daqui pra frente vai cair, msm com o governo, construtoras, especulacao tentando inflar a coisa. Essa eh minha opiniao.

      0
    • Lucas Mendes 3 de julho de 2011 at 17:15

      MRK vc seria o EconomyDude do globo?
      Cara por mais que vc explique a situação, como já dizia Nelson Rodrigues: Os idiotas não conseguem enxergar o óbvio ululante!
      O cara morre com aquilo, até que se convença, já vai ser tarde. E o cara que foi taxado de pirado, pessimista, idiota, leigo, comprará pela metade do preço que o “espertalhão” comprou.

      Abraços do Lucas mendes

      0
      • MrK 3 de julho de 2011 at 18:51

        Lucas, sou eu mesmo, sempre comento os topicos de economia! (não só de imoveis, mas de economia em geral, tema que eu mais gosto, leio e trabalho)

        voce também comenta por lá? salve salve!

        0
        • MrK 3 de julho de 2011 at 19:02

          Lucas eu entendo perfeitamente o que voce quer dizer, é difícil mesmo, muita propaganda, muito oba-oba, muito jogo de interesses e desinformação

          Hoje em dia, os maiores inimigos da verdade são as corretores, imobiliárias, jornais com viés e pessoas comuns que vieram seus imóveis subirem e acham que estão ricas e querem manter isso (é um pensamento sem sentido pra quem não vai se mudar do país, pois todos imoveis subieram, pra quem quer algo melhor até é pior, mas tem muita gente que não entende isso e quer se orgulhar de ter comprado no passado)

          Mas o ponto positivo é que estamos crescendo muito! Esse site é um dos responsáveis por isso, junto com outras pessoas e iniciativas, felizmente pessoas com pouca educação financeira estão conseguindo entender melhor o que é uma bolha, o que é crédito, inadimplência e especulação… eu vejo as reportagens do globo serem bombardeadas de comentários, quase 80% de pessoas achando que tem bolha, isso é o início de um movimento que vai ajudar aqueles que poderiam ser levados por papo de corretores e mídia bairrista a não fazer mal negócio.

          0
  • jsantos 3 de julho de 2011 at 18:25

    matéria folha de s paulo é mais pura realidade,começa pipocar milhoes de placas aluga-se, fechando por muito tempo pagando despesas condominio etc… vai começar a torra.

    0
    • MrK 3 de julho de 2011 at 18:54

      se alguém for esperto saberá que se é melhor alugar do que comprar, então por lógica comprar como investimento pra alugar não é um bom negócio…

      imobilizar capital e pagar juros altos pra ganhar 0.4% ao mês, com risco de ter que pagar cota-extra, anuncio, imobiliária e os meses de imóvel vazio… é o pior investimento do mundo, isso deixa claro que quem compra é por motivos especulativos, querendo ganhar na revenda e não na receita garantida que um imovel tem (aluguel)

      0
  • Rebecca 3 de julho de 2011 at 19:09

    São Paulo, domingo, 03 de julho de 2011

    Texto Anterior | Próximo Texto | Índice | Comunicar Erros

    Dívida externa do país aumenta 43% desde fim da crise

    Bancos e empresas privadas aproveitam juros mais baixos do mercado internacional para buscar financiamento

    Acúmulo de reservas torna endividamento menos arriscado para a economia brasileira do que era no passado

    GUSTAVO PATU
    EDUARDO CUCOLO
    DE BRASÍLIA

    Passado o impacto mais agudo da crise internacional, a recuperação da economia brasileira provocou um efeito colateral ainda pouco comentado e compreendido: a alta mais acelerada da dívida externa desde o Plano Real.
    Ou, mais exatamente, desde que, em 1994, às vésperas do lançamento da atual moeda, foi fechado o acordo com os credores para normalizar os pagamentos e reabrir o mercado global de crédito para o governo brasileiro e para as empresas do país.
    Do final do ano retrasado para cá, a dívida externa conjunta de empresas, administrações públicas e famílias cresceu 43%. A taxa supera a expansão ao longo dos 15 anos anteriores, de 34%.
    Se as consequências dessa escalada ainda não estão claras, as causas são fáceis de explicar: no mundo desenvolvido, as taxas de juros despencaram para reativar a produção e o consumo; no Brasil, os investimentos públicos e privados tiveram uma forte retomada.

    JUROS ALTOS
    O cenário criado após o terremoto financeiro de 2008-2009 estimulou bancos e empresas do setor produtivo a buscar empréstimos e financiamentos no mercado internacional para aplicar e investir no mercado doméstico -no qual a oferta de recursos é escassa e os juros são os mais altos do planeta.
    A dívida externa, que era de pouco menos de R$ 200 bilhões no final de 2009, chegou a R$ 284 bilhões em maio. A parcela privada da dívida, hoje equivalente a três quartos do total, cresceu R$ 87 bilhões, enquanto a parcela pública da dívida encolheu R$ 1 bilhão.
    Autor de um trabalho recente sobre o tema, o economista Julio Gomes de Almeida, do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), afirma que, embora não haja risco imediato, o salto da dívida ameaça a sustentabilidade do crescimento econômico.

    RISCOS
    “Esse é um processo insustentável a longo prazo e arriscado do ponto de vista empresarial”, diz Almeida.
    O perigo mais óbvio da dependência crescente de capital externo é a eventual reversão do quadro favorável atual. A alta dos juros externos ou das cotações do dólar pode tanto criar dívidas impagáveis quanto derrubar a produção nacional.
    O próprio governo já manifestou preocupação com o crescimento da dívida do setor privado. Em março, para conter esse movimento, houve aumento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para dívidas com prazo inferior a dois anos. Nos dois meses seguintes, as dívidas continuam crescendo, mas com prazos mais longos.
    Há uma diferença óbvia entre o recente salto do endividamento brasileiro e os que provocaram colapsos econômicos nas décadas de 1980 e 1990: o Banco Central conta com um volume inédito de reservas em moeda estrangeira, de US$ 336 bilhões.

    CREDOR INTERNACIONAL
    Ou seja, o Brasil tem mais dólares do que dívida em moeda estrangeira. Deixou de ser um devedor internacional para se tornar credor. Possui dólares mais do que suficientes para cobrir essa dívida, caso fosse necessário pagá-la de uma única vez.
    No final de 2009, as reservas do Brasil superavam a dívida em 21%. Esse percentual caiu para 12% no final de 2010, e agora está em 17%.
    Ao calcular o endividamento, não são considerados os empréstimos entre matrizes e filiais de empresas multinacionais que operam no Brasil. Nesse caso, a dívida supera as reservas.
    O economista Bruno Lavieri, da consultoria Tendências, diz que a dívida brasileira ainda é bastante contida e que o país continua sendo credor em moeda estrangeira, por conta das reservas elevadas. Para ele, o aumento do IOF conseguiu conter esse movimento de piora.

    0
    • MrK 3 de julho de 2011 at 19:23

      todo mundo tá feliz com em sermos credores em dolares, mas ninguém percebe a furada que isso é:

      1- O Dolar está em queda no mundo todo, perdendo valor, porque o FED está imprimindo notas sem parar pra tapar a dívida de lá

      2- Mesmo estando desvalorizado e sem confianca, o Dolar paga juros baixíssimos

      É como alguém investir num negocio arriscado e com retorno zero, isso é ser credor em dolar hoje, o ideal seria o Brasil ter o minimo possível de Dolares só pra acalmar o mercado, mas não extrapolar esse minimo.

      Quanto a tomar crédito do mundo todo, tem 2 formas de ver:

      1- Tomar crédito pra construir industrias e fábricas, é muito bom, é valido, foi o que os EUA fez na decada de 60 e 70 e transformou eles em super potencia.

      2- Tomar credito pras familias torrarem com bens superfluos, viagens e TV de plasma, ou pra imoveis supervalorizados, é uma porcaria

      infelizmente estamos mais na 2a do que na 1a forma…

      0
      • Rebecca 3 de julho de 2011 at 19:29

        Complementando o comentário do colega MrK, reproduzo um comentário que li na Folha de SP, em uma reportagem sobre o recorde de vendas de automóveis no 1º semestre:

        “É este o Brasil que vive de aparências e propagandas: SOMOS DOENTES, mas temos carro na garagem, NÃO TEMOS EDUCAÇÃO, mas temos celular, NÃO TEMOS ESTUDO, mas compramos iPad em 20 prestações, NÃO TEMOS INFRAESTRUTURA mas teremos banda larga em casa.”

        0
      • trololó 3 de julho de 2011 at 20:11

        o dólar só paga juros baixissimos porque é o unico modo de fazer a dívida impagável deles continuar impagável, se eles jogarem juros em cima dos 14 trilhões, aí a dívida fica ainda mais impagável, e o próprio obama disse essa semana (tá no youtube) que eles precisam aumentar o teto pra se endividar mais porque com o deficit atual, se subir os juros, teriam que escolher pra quem eles vão pagar os juros: pra quem tem titulos americanos, na economia morta que tá, precisando de dinheiro, ou pros chineses?

        em resumo, se ficar como tá eles ficam com hiper inflação por anos. se aumentar os juros, a casa cai porque eles não tem dinheiro pra pagar os juros.

        0
        • MrK 3 de julho de 2011 at 21:17

          correto trololo, é por aí mesmo

          pelo que voce mesmo complementou, ve-se claramente que ser credor em dolar é uma porcaria, todo esse dolar que temos foi comprado a 2,00…1,90….1,80… agora tá 1,55 e caindo, de que adianta ter divida de um país que pra não quebrar vai imprimir moeda e perder o valor?

          na verdade o que os eua tão fazendo é justamente um CALOTE disfarcado, um calote aos pouquinhos…ele te paga mas com uma moeda que cada vez vale menos

          0
    • trololó 3 de julho de 2011 at 20:07

      meu amigo autor da matéria semi-enfadonha:

      a “escalada da dívida externa” só possui um motivo, pra quem quiser ver:
      lula e sua farra de administração nacional

      quem não quiser ver não precisa

      0
  • Rebecca 3 de julho de 2011 at 22:02

    Desindustrialização?

    Terra Notícias
    Fábrica da Azaleia pode fechar na Bahia e demitir 18 mil pessoas
    01 de julho de 2011 • 16h12 • atualizado 16h19

    A fábrica da Vulcabras Azaleia, localizada em Itapetinga, ameaça deixar a Bahia e se instalar em Nova Délhi, capital da Índia. Com isso, cerca de 18 mil pessoas serão demitidas. A empresa já dispensou três mil funcionários nos últimos sete meses, de acordo com cálculo da prefeitura de Itapetinga. A fábrica tem filiais em outros 13 municípios baianos. As informações são da Agência A Tarde.

    Em maio, a Vulcabras também fechou uma unidade em Parobé, no Rio Grande do Sul, anunciando que levaria a produção para a Índia. O principal atrativo para a empresa é o salário de um operário na capital indiana, que é de cerca de US$ 85.

    0
    • trololó 3 de julho de 2011 at 22:13

      o cambio está matando as industrias, desde o começo do ano que é notícia atrás de notícia das indústrias diminuindo produção e aumentando a ociosidade… o que é pior que o pt não faz nada…
      pra dar ainda mais ânimo na situação, em 1999 quando o dólar atingiu baixa histórica igual atingiu na sexta passada, o tarso genro tinha pedido renúncia do fhc por ter deixado o dolar abaixar tanto…

      w w w1.folha.uol.com.br/fol/pol/ult250199047.htm

      0
      • MrK 3 de julho de 2011 at 22:20

        isso é sério mesmo

        não só nesse caso (india), mas a China tá levando os empregos do mundo pra lá, afinal o salário é baixo, os impostos são mais baixos que aqui, a burocracia acredite se quiser é baixa e a moeda é artificialmente desvalorizada pelo Governo, não é a toa que eles crescem 10% ao ano de forma consistente há muito tempo, tudo é made in china

        a solucao que o pt vai dar pra isso é mole de prever, é a unica solucao que ele sabe pra tudo: Aumentar impostos sobre importação

        deixar o pais mais competitivo? investir na industria? melhorar infraestrutura? ah nao, isso tudo dá muito trabalho… vamos usar o dinheiro pra maquiar estádios de futebol e resolve esse problema com mais imposto

        0
        • profeta do apocalipse 3 de julho de 2011 at 23:18

          queria aproveitar a crise que está por vir. pena que será desastrosa pra todo mundo.

          o pt eh danoso pro pais. lula falava de alcool e nao tira o alcool da gasolina. os caras de cara ja tem 20% do mercado… a gasolina deveria ter 3% de alcool so pra ter boa octanagem sem precisar por chumbo… por esse exemplo voces veem que a coisa nao é seria.

          pre-sal… a maioria das empresas vai exportar diretamente deixando pouca coisa aqui.

          estadios(principalemnte manaus, cuiaba, brasilia) dinheiro totalmente jogado fora. os outros eh 99% do dinheiro jogado fora

          srs,

          vao adiar o maximo as noticias sobre a crise. ate pq tem muita gente lucrando com isso. o psdb n sabe fazer oposicao. o resto ta mamando nas tetas.

          nem pra voce alugar um apto num bairro qualquer é facil… a galera ta louca e cega com a esperanca de ficar rica.. o cara assume uma divida de meio milhao( fora os juros) pra ter uma receita incerta de 2 mil reais? loucura loucura..

          qual a inteligencia que existe de o cara comprar um ix35? a maioria classe media normal… compra um carro desses e parece que nao calcula quanto será ipva, seguro e combustivel(todos a gasolinas, carros pesados!).. a kia ta fazendo a festa. ninguem ve que pode ser um mico.. o povo ta ousado.. ipad virou item de primeira necessidade, mas inadimplencia de colegio particular continua altissima…

          enquanto puder so comprarei carros de alta liquidez, retardarei ao maximo o sonho da casa propria e terei uma reserva pra quando puder e for viavel comprar um apto… nao terei vergonha de morar de aluguel ou um bairro mais simples quando for preciso.

          0
          • Duda 5 de julho de 2011 at 10:24

            Profeta do Apocalipse, cada dia que passa, penso mais parecido contigo. E vou dizer mais: no passo que Brasil vai, vamos ficar sem COPA. As obras estão no ritmo de tartaruga, a infraestrutura não aparece, e 2012 já está chegando, com a Inglaterra com tudo preparado para os jogos olimpicos, e com estadios de primeiro mundo prontos para receber a Copa 2014 num piscar de olhos. O pre-sal? Já vão 2007, 08, 09, 10 e 11 (cinco anos) e nem uma gota produzida comercialmente… parece que os numeros não fecham. O país vai acordar do sonho. O vai entrar em pesadelo.

            0
    • joão 3 de julho de 2011 at 23:09

      Será que alguém que ir pra a India trabalhar por 85 dólares por mês? Tire logo o passaporte…

      0
  • Andre 4 de julho de 2011 at 08:44

    De vez em quando eu entro aqui e dou uma peneirada pra ver se tem algo relevante.

    Já que estão citando meu nome indevidamente, vou dar meu recado tb:

    Fabio,
    dá uma olhada vc q gosta:
    http://www.globalpropertyguide.co.uk/Europe/square-meter-prices
    http://www.globalpropertyguide.co.uk/Latin-America/Brazil/square-meter-prices

    Duda,
    mais um cara pensando igual vc, na africa do sul!!!
    http://housepricesouthafrica.com/2011/03/07/a-closer-look-at-real-house-prices-reveals-a-scary-picture/
    Vc não é o único!

    Trololo,
    as pessoas mais qualificadas daqui comentam lá… Olha o nivel dos comentários depois me diz quem é o irmão pobre ok?
    Vc q chegou agora volte umas páginas e veja por si mesmo como o nivel mudou…
    Outra: minha familia/amigos não vivem de ilusão, logo, se chegarem a perder emprego, não serão pegos de surpresa e estarão preparados da melhor forma possível. Não vão ficar “torcendo” pra arrumar outro, sacou?

    Cada vez mais acredito q o problema dos gráficos é q nego NAO ENTENDE e aí desdenha…

    Usuário “outro”,
    vc está procurando as respostas certas no lugar errado…

    Obs: tem pessoas aqui que estão desperdiçando um enorme potencial… Deveriam se candidatar nas próximas eleições, pois prometem aquilo que não podem cumprir, mas que o povo gosta de ouvir. 🙂

    Uma conta legal:
    Este blog existe desde out/10, desde então os imoveis valorizaram 30%, média rio, tem lugares q até mais.

    Quem conseguiu comprar com 20% de desconto na época (perfeitamente factível), comprou por 80 uma coisa que hoje vale 130.

    Ou seja, se estourasse HOJE e caísse 40% em 1 ano e meio (detalhes com o Duda) o imovel voltava ao preço de compra, fora o que o cara economizou de aluguel nesse período. Sem contar o valor inestimável de dormir em paz.

    Abs e lembrem-se: o mercado nunca está errado, ele apenas oferece um preço, paga quem achar q é o preço justo.

    0
    • Bolha Imobiliária 4 de julho de 2011 at 09:01

      “o mercado nunca está errado, ele apenas oferece um preço, paga quem achar q é o preço justo.”

      Fale isto para Benjamin Graham, veja se ele concorda com o que você disse…hehehe
      Eu discordo, o preço não é justo, e o povo brasileiro não tem educação financeira suficiente para saber o que é efeito manada. Infelizmente

      0
      • Andre 4 de julho de 2011 at 09:23

        Exatamente, a frase é dele. Todo dia o mercado te oferece um preço, se vc acha q tá caro, vende (ou fica short), se tá barato, compra.

        Durante décadas foi dificil comprar imóvel no BR, pois nao havia crédito pra quase ninguém. Agora está dificil por causa do preço. Houve uma pequena janela de oportunidade (digamos, entre 2005 e 2009) com preço antigo e crédito novo. Quem aproveitou se deu bem.

        Q tem razão do preço dos imóveis estar onde está isso ninguem pode discordar. Agora se fica onde está ou se cai não sei. E nem ninguém.

        Não dá pra dizer q é bolha só pq “ninguém pode comprar”, senão estaria em bolha desde q o BR foi descoberto até o crédito ser facilitado, há poucos anos…

        Abs

        0
      • MrK 4 de julho de 2011 at 10:37

        “Quem conseguiu comprar com 20% de desconto na época (perfeitamente factível),…”

        e depois somos nós que vivemos de ilusão

        ahãm, molinho conseguir 20% de desconto em imóvel, ainda mais no Rio que qualquer coisa já beira um milhão, todo mundo tá disposto a abrir mão de 200mil assim de bandeija

        Pessoal, não fiquem chateados com o André, ele não faz por mal, ele é que tecnicamente é fraco em conceitos financeiros, ele não analisa mal, ele analisa o que ele sabe (que é pouco)

        0
        • MrK 4 de julho de 2011 at 10:42

          outro erro do André, além do descotno de 20%, é que pra ele cresceu 30% com base em que?

          ah no fipezap né?

          os Aps que eu acompanho (faço um track) estão com os mesmos preços de outubro/2010, alguns cresceram, mas o que mais cresceu foi 10%, nenhum dos aps que acompanho (repito nenhum) subiu 30%

          a análise dele é tosca, como todas que ele faz

          0
          • Andre 4 de julho de 2011 at 11:26

            MRK,
            vc não tem condição de me criticar. Não sabe nem portugues ou interpretação de texto. Escola pública dá nisso…

            Imóvel com 20% de desconto em out/2010 é FATO, duas pessoas próximas compraram (Recreio e Barra).
            Quer escritura escaneada?

            MRK, se vc entendesse SÒ UM POUQUINHO de imóvel saberia que, de cara, se tira 10% do preço anunciado. O proprietário já bota o preço sabendo disso. Todo mundo sabe disso.

            Se vc abrir o Zap agora vc acha 20% de desconto, quanto menos disputado for o bairro, mais provável. Tem pessoas com a corda no pescoço que precisam vender em 1 mes e não em 1 ano…

            Acompanho preços de imóveis anunciados, muitos mesmo sem vender aumentam de preço (o q é perfeitamente compreensível, é só pensar um pouco).

            Ex.: 430k pra 470k e depois pra 500k, só entre jan/11 e hoje.
            Outro de 500 pra 600k.
            E são no Recreio (2% a.m. contra 3% a.m. da Z Sul).

            Quanto aos preços atuais, um amigo vai botar o ap dele à venda e vai pedir 20% A MAIS do q o preço médio do ZAP. Ele não tem pressa. Vamos ver no q dá.

            Abs (pra quem tem educação)

            0
      • Duda 5 de julho de 2011 at 10:11

        André, houve uma janela de oportunidade, entre 2002 e 2006. Para comprar. Isso quando ninguém suspeitava que ia haver uma bolha. Tive a sorte (só sorte) de comprar dois Ap nesses epocas. Depois existiu uma pequena janela de oportunidade para vender, desde 2009 (inicio) ate fim de 2010 (aí eu vendí um ap, como já falei outras vezes) A existencia da bolha já era algo escancarado. Quem não aproveitou para vender aí, vai ficar co m ap. encalhado. Terá que vender a preços muito mais baixos que os atuais.

        0
        • Duda 5 de julho de 2011 at 10:14

          E só para não deixar buracos de tempo: quem vendeu em 2007 e 2008, não obteve ganhos significativos, apenas trocados.

          0
          • Andre 5 de julho de 2011 at 10:41

            Duda,
            nao vale a pena ficar achando os pontos exatos q a janela se abriu e se fechou. Já disse q tem pessoas q fizeram excelentes compras (tanto moradia qto investimento) em 2008, 2009 e até final de 2010… A maioria por sorte mas algumas anteviram.

            Todas essas estão matematicamente salvas de estouro de bolha (supondo queda de 40%).

            Agora, dizer q não vende hoje… Sei nao… Acho q em qq época tem quem compre e quem venda.

            Abs

            0
          • MrK 5 de julho de 2011 at 13:18

            não caiam na matemágica do André

            essa salvação pra estouro de 40% leva em conta um pseudo-desconto de 20% na partida e uma valorização fiel ao fipezap, duas premissas pra lá de questionáveis, a primeira então nem se fala…

            quem comprou em 2009 e 2010 vai amargar PREJUIZO ao estouro, talvez quem fique no zero a zero foi quem comprou em 2008, no piso da crise, eu disse TALVEZ…

            0
          • Lucas2 5 de julho de 2011 at 14:35

            Essas janelas são na média.
            Em 2009 minha noiva comprou 50m a 110K (imóvel com mais de 25 anos e meio detonado precisando reforma, logo depreciação de 30% em relação ao novo, 2,2K/m2 -> 3,1K/m2), e eu 106m a 330K por um novo (3,1K/m2), ambos em região média de SP, acreditamos que fizemos negócios razoáveis, acreditamos não ter pago preço de bolha, embora não tenham sido pechinchas, estes mesmos imóveis hoje são negociados a 170K (MCMV empurrando) e 550K. Com certeza o menor tem mais liquidez, pois o MCMV torna possível o negócio, o maior não sei se vende por este preço, acho que só Deus sabe, mas também já vi pedirem até o dobro em APs similares, aí tenho certeza que é bolha, em resumo, para mim existem muitas bolhas, por cidade, bairro, avenidas, mas também existem muitas oportunidades, o que mata é não termos índices históricos.
            Esse AP de 50m que comentei, em 2001 no mesmo condomínio eu comprei uma unidade por 60K, logo a 1,2K/m2, corrigindo pela inflação do período dá para ver que nestes casos específicos, até 2009 a coisa ainda estava razoável, certamente se olhasse para outras áreas da cidade já enxergaria preços proibitivos em algumas e galinhas mortas em outras.

            0
          • Andre 5 de julho de 2011 at 14:37

            20% de desconto p/ quem comprou no final 2010.

            Do inicio de 2010 pra tras é preço de mercado mesmo.

            Quem quiser pegue o grafico e calcule. Quem não confia no fipezap, arruma outro (nesse caso eu ficaria agradecido se compartilhasse).

            Abs

            0
    • trololó 4 de julho de 2011 at 12:33

      classificados.folha.com.br/imoveis/937996-analise-apos-tres-anos-de-alta-preco-de-imovel-pode-cair-a-partir-dos-proximos-meses.shtml

      saiu no jornal!!!!!!! corre que tá acabando a mamata!!!!!!!!!!!!!!!!

      0
      • MrK 4 de julho de 2011 at 14:33

        Vejam que curioso, o André é tão fraco, mas tão fraco tecnicamente que ele mesmo se contradiz nas análises:

        Reparem que comédia o cidadão que carece de conhecimentos básicos:

        “MRK,vc não tem condição de me criticar. Não sabe nem portugues ou interpretação de texto. Escola pública dá nisso…”

        Tadinho se ele visse meu curriculo… mas não é isso que irei me focar, vou dar ênfase a contradição ambulante que é esse camarada:

        “Imóvel com 20% de desconto em out/2010 é FATO, duas pessoas próximas compraram (Recreio e Barra).Quer escritura escaneada?”

        Veja bem, o cara é totalmente contra análises desse tipo, ele bateu aqui em quem analisava com os proprios olhos (eu mesmo) e focava em dados oficiais, agora quando convém ele muda a estratégia e comeca a usar os proprios olhos e amostra de 2 pessoas? Estaria aprendendo algo ou somente se contradizendo?

        “MRK, se vc entendesse SÒ UM POUQUINHO de imóvel saberia que, de cara, se tira 10% do preço anunciado. O proprietário já bota o preço sabendo disso. Todo mundo sabe disso.”

        Outro sinal claro de contradição: Ele adora usar e idolatra o indice fipezap no blog tosco dele, se ele acredita no que disse acima, já deveria INVALIDAR o indice fipezap por lógica, mas o André é assim, só usa as coisas quando for a seu favor.

        “Se vc abrir o Zap agora vc acha 20% de desconto, quanto menos disputado for o bairro, mais provável. Tem pessoas com a corda no pescoço que precisam vender em 1 mes e não em 1 ano…”

        Mais uma vez ele mesmo mata o indice que é o coração do blog dele, o fipezap… hahahaha que patético

        Ele é muito fraquinho… volta la pro housingbubble sei la como é o nome daquele blog falido

        0
        • Andre 4 de julho de 2011 at 17:18

          Não sei se vale a pena te explicar, pois voce nao vai entender mesmo. Talvez o conceito de média seja muito sofisticado pra vc…

          Média é média, tem preços acima e abaixo, por isso chama média.
          Se a média é x, é perfeitamente possível que tenha alguns poucos a x+20% ou x-20%

          Eu não disse que x-20% é a média, e sim a EXCESSÂO. Não tem contradição nisso, seria contradição se eu dissese que baseado nessas duas exceções o preço médio é x-20%.

          Vc disse q é impossivel e eu mostrei q é possivel. Não disse q é regra. (como sempre vc distorce, exagera e não entende NADA do q eu digo)

          Tendeu?
          Obs.: Talvez a d. maria do cafezinho ou seu sobrinho possam te explicar…

          O Fipe-zap é por preço pedido e existe um gap de 10% entre pedido e efetivamente fechado. Isso invalida o indice de que forma??? É só calcular essa diferença e saber o preço fechado. Sempre existiu esse gap e sempre existirá. O indice sempre foi em cima do pedido, então qual a inconsistência?

          Não idolatro o fipe-zap, apenas reconheco q é o melhor indice q temos. Até q apareça um melhor é o q há. Só acho q os argumentos contra são fracos demais…

          Estou esperando até hoje algum argumento q invalide o indice e nada… MRK, Marcelo Ferreira, Sandra e nem sei mais quem, só jogam pedra e depois fogem.

          Lembrando q o argumento “é furado só pq EU ACHO q é manipulado” não vale né? Tem q conseguir evidencias dessa manipulação…

          Não vou mais discutir c/ vc pois vc força a baixar o nivel. Isso se chama troll.

          0
        • trololó 4 de julho de 2011 at 19:18

          o fipezap

          NÃO MENTE!!!!!!!!

          JAMAIS!!!!!!!!!!!!!

          NÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOOO MEEEEEEENNNNNNTEEEEEEEEEEEEE JAMAAAAAAAAAIIIIIIIIIIIIIISSSSSSS

          (olhos esbugalhados e baba escorrendo)

          0
  • roberto 4 de julho de 2011 at 10:33

    Está em cartaz na HBO um documentário muito interessante a respeito da bolha americana. Coincidência quem sabe ! O interessante é ver durante o início do documentário os especuladores dizendo : “Preço de imóvel não cai, é impossível , etc, etc, etc… Também achei interessante a sugestão de um banqueiro ao governo americano para evitar a queda nos preços dos imóveis, que foi:

    O governo deveria compras um quantidade grande de imóveis e queimá-los !!!!!!

    P.S. Já ouvi esta mas não era imóvel e sim Café.

    Mas voltando a vaca fria, é impressionante o numero de novos empreendimentos que são anunciados diariamente. O que fazer quando a demanda diminuir, será que teremos que queimá-los para manter o preço sempre em alta ?

    0
    • luiz 4 de julho de 2011 at 10:53

      Roberto isto está sendo feito no braisl, a Caixa já é a maior imobiliária do país, queimar o deixar apodrecer enqto a burocracia corre não é a mesma coisa.

      Na Espanha, as CAJAS são chamadas de banco imobiliário, o jogo, milhares de unidades apodrecendo, é a festa da tomatina com os imóveis.

      MRk, a recente queda é só um soluço, o governo ainda vai queimar muita munição antes do estouro, entre elas, a “sugestão” do Roberto.

      0
  • luiz 4 de julho de 2011 at 10:47

    pessoal, acrescente esse aos sues favoritos, sempre tem noticias interessantes lá
    http://www.observadordomercado.blogspot.com/

    normalçment eele publica lá e a gent ecomenta aqui pra dar uma centralizada

    0
  • olp 4 de julho de 2011 at 11:02

    caraca!!!

    oglobo.globo.com/economia/morarbem/mat/2011/07/01/imovel-na-orla-de-leblon-ipanema-fica-caro-ate-para-ganhador-da-mega-sena-924816658.asp

    0
    • MrK 4 de julho de 2011 at 11:32

      olp, oglobo e seu festival de materias pagas e desinformação

      eu já comentei demais sobre isso aqui, a cada dia o oglobo lanca uma reportagem pra validar esses preços astronomicos, pega bairros horriveis e dizem que estão uma beleza, cheios de potencial, pega bairros perigosos e diz que estão tranquilos, até o centro do rio recomendaram, pintam a realidade de rosa… incentivam o investimento em imoveis

      os motivos são obvios (menos pro andré)

      0
    • trololó 4 de julho de 2011 at 13:14

      meu amigo olp, veja bem, segundo algumas pessoas aí, não há bolha!
      os imóveis vão continuar se valorizando!!! 20, 30 até 50% ao ano!!!

      é completamente possível aliás, ACONSELHO você a comprar esse imóvel, já que em 2012 você estará bilhonário porque tem um apartamento de frente pro mar (e rodeado de favelas – mas isso é só um detalhe, assim como bueiros que explodem e arrastões).

      mas claro, o metro quadrado do brasil está completamente em patamar de outros na europa, o que indica claramente que não há bolha (apesar do cambio tresloucado distorcer completamente os valores)

      0
      • luiz 4 de julho de 2011 at 15:18

        pra comparar brasil com vaticano, litchenstein, monaco, Uk, espanha que seja, para conseguir realizar essa proeza é preciso nunca ter viajado nem até o uruguai. Ou é ignorancia ou má-fé
        me espanta as mansões de malibu valerem menos que os kits do leblon, me espanta mais ainda ambos valerem tanto.
        Só pra lembrar UK ainda tem olimpiada agora em 2012

        0
    • Ela 4 de julho de 2011 at 13:51

      Mas a parte mais interessante da matéria é esta, se não me engano, do diretor presidente da Ética Imobiliária:

      Para Marlei Feliciano, preços tão altos, mesmo em imóveis de alto luxo, são ruins para o mercado carioca pois acabam dificultando o fechamento de outros negócios:

      – O volume de negócios já caiu 40% de outubro para cá, quando os preços da Zona Sul atingiram seu teto. Agora, eles estão na fase final de ajuste e preços tão altos assim acabam sendo nocivos.

      Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/morarbem/mat/2011/07/01/imovel-na-orla-de-leblon-ipanema-fica-caro-ate-para-ganhador-da-mega-sena-924816658.asp#ixzz1R9k8BkD1
      © 1996 – 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

      0
  • roberto 4 de julho de 2011 at 11:42

    Olha lá esta começando:

    Análise: Após três anos de alta, preço de imóvel pode cair a partir dos próximos meses

    http://classificados.folha.com.br/imoveis/937996-analise-apos-tres-anos-de-alta-preco-de-imovel-pode-cair-a-partir-dos-proximos-meses.shtml.

    Ainda compara quem compra imovel na atual conjuntura ao esquilo do Era do Gelo. Esta é boa:

    Um esquilo busca avidamente sua noz na animação “A Era do Gelo”. Com a mesma obstinação, muitos focam cegamente a realização do sonho da casa própria. Mas, considerando o atual nível de preços dos imóveis, é mais vantajoso comprar ou alugar?

    0
  • guilherme 4 de julho de 2011 at 11:43

    Eu ia linkar aquela noticia do estadao sobre o aumento da divida externa das empresas, mas ja fizeram. O povo não tem dimensão da importância disso.

    Como brasileiro tem memoria curta não lembra o tamanho do estrago que a desvalorização do real fez para as empresas que tinham dividas gigantes em dolar no final do 2o. governo FHC. A ponto de empresas como a Sadia quase quebrarem.

    Eu não sei se depois de ler demais esse blog a gente tende a ficar meio “teoria da conspiração” ou pessimista no estilo daquela piada “vai todo mundo comer merda e não vai ter merda pra todo mundo”, mais quando a crise estourar não vejo mais nenhum país se safando, vai sobrar pra china, EUA, europa e uma fatia caprichada pro brasil, a crise de 2008 foi uma marolinha mesmo o tsunami econômico ainda está por vir.

    0
    • luiz 4 de julho de 2011 at 12:16

      será q a gente fica conspiranóico?
      por isso eu defendo os que tem opnião contrária à nossa a participar, desde que eles ataquem os argumentos e não as pessoas, coisa que infelizmente não tem acontecido.

      0
    • trololó 4 de julho de 2011 at 12:38

      vai sobrar pra china? e quem vai comprar da china se tá todo mundo quebrado??

      tipo, a china já deu sinal de desaquecimento. adivinha quem sofre? austrália e brasil, principais exportadores de matéria prima pra china

      0
  • JPM 4 de julho de 2011 at 12:10

    Se a alta dos preços dos imõveis no Brasil foi de 50% em 24 meses, o que dizer da alta dos imóveis em Ribeirão Preto (SP)?

    Os imóveis em Ribeirão subiram, nos últimos 4 anos, mais de 200%. Um apartamento de 1 quarto, no prédio onde moro, custava R$ 50.000 em 2007 e mês retrasado foi vendido um por R$ 160.000.
    Na avenida mais cara da cidade são comuns apartamentos sendo vendidos a mais de 1 milhão hoje, que valiam R$ 400.000 a 3 ou 4 anos.
    Em um raio de 1Km de onde moro existem 43 prédios em construção, variando de 15 a 20 andares e entre 4 e 6 apartamentos por andar, custando atualmente R$ 4.000/m2, que é um preço próximo ao das capitais.
    A maioria destes imóveis foi comprada, segundo os corretores com quem conversei, por investidores, que os colocarão a venda ou para alugar assim que forem entregues. Mas duvido que esses investidores tenham levado em consideração a quantidade de concorrentes que terão na mesma região.
    Não sei se temos mesmo uma bolha no Brasil. Os sinais apontam que sim. Mas os sinais, aqui em Ribeirão Preto, estão muito mais fortes.

    0
  • DRN 4 de julho de 2011 at 12:14

    Srs., na minha opinião, quem comprou para especular deve vender. Se não conseguir vender, resta resilir o contrato unilateralmente e pedir a devolução do que pagou. O Superior Tribunal de Justiça tem o entendimento de que a incorporadora deve devolver 75% do preço pago atualizado (ou seja, sem considerar a comissão de corretagem), mas muitos Tribunais Estaduais, dependendo dos desembargadores que receberem o processo em grau recursal, fixam o percentual de devolução acima desse patamar, por vezes até 90% do preço pago. Todos os contratos contêm cláusula que estipulam valor de devolução menor, mas todas elas são nulas. A única situação ruim é de que celebrou contrato com cláusula de constituição de arbitragem. Essa cláusula só é nula se o contratante conseguir comprovar (um email serve) que não conseguiu negociar a exclusão da dita cuja. Acredito que é melhor absorver o prejuízo e aprender com ele do que dar murro em ponta de faca e ver-se na potencial situação de pagar dois ou três financiamentos. Saudações.

    0
    • luiz 4 de julho de 2011 at 12:44

      Prezado DRN, passei ontem num bairro tipo C/D e me ep´santei com o numero de faixas anunciando venda de imóvel financiado pela Caixa.

      Considero este fato a ponta do iceberg, porém no momento atual , ainda considero factível realizar lucro com ágio. Acredito que quem tem o imovel na mão tbm vai se arriscar.

      0
      • DRN 4 de julho de 2011 at 14:43

        Luiz, não sei não. Eu acho que não vale a pena esperar considerando que o Tesouro está pagando tão bem. Minha dúvida é se o Brasil não vai ter de dar calote daqui alguns anos. Por isso é que também não adianta ficar enfiando todo o dinheiro em banco ou no tesouro. Eu diversifico. Meu dinheiro está em imóveis, ações, tesouro e bancos (dois). Eu não venderia os imóveis que tenho (especialmente a minha casa) para enfiar tudo no tesouro. Agora, quanto a cair fora do mercado imobiliário, acho prudente porque, lá na frente, se as construtoras realmente quebrarem, as chances de reaver algo tenderão a zero. Afinal, uma sentença condenando uma empresa quebrada a pagar uma dívida (por maior que seja a dívida) só serve para por num quadro e pendurar na sala. Já diz o mantra dos picaretas: quem não tem patrimônio não tem dívida!

        0
        • DRN 4 de julho de 2011 at 14:45

          Prezados, só para ficar claro. Eu entendo que devem cair fora do mercado o quanto antes aqueles que não têm dinheiro para quitar o saldo do preço na entrega das chaves. Quem tem o dinheiro (e não vai precisar dele) tem a opção (mais segura) de esperar pra ver no que vai dar, porque, ao final de uma quebra, sempre vem uma alta, não é isso?

          0
          • luiz 4 de julho de 2011 at 16:06

            Prezado DRN, tbm depende de aonde?
            Talvez SP seja uma cidade mais realista do que Rio ou BSB.
            Acho que nessas cidades e tbm POA, BH e talvez Fortaleza tenham mais estoque de munição
            O Rio principalmente, eles vem desde o Pan numa corrida desabrida.

            0
        • trololó 4 de julho de 2011 at 19:15

          daqui alguns anos é obvio que o brasil vai precisar dar o calote, se continuar desse modo…

          o superávit PRIMARIO do mes passado de 7 bilhões é falso, já que depois que se paga os juros, o balanço é de 14 bilhões negativos…

          industrias fechando, com empregos sendo exportados pra india e china, crédito fácil a juro barato no exterior, que entra com juro caríssimo pra especular, sendo que o governo tem que emitir títulos com juros mais altos ainda pra conseguir diminuir a inundação de dinheiro na economia brasileira…

          copa e olimpíadas pra vir, até hoje a grecia não sabe quanto gastou nas ultimas olimpíadas, ESTIMA-SE 5% do PIB na dívida que eles tenham hoje foi SÓ das olimpíadas, imagina então no brasil…. pior ainda foi ler que a ponte chinesa no meio do mar saiu a R$85 milhoes o km, enquanto a que tão pra construir no guaiba vai sair a R$400 milhões o km… quase quatro vezes!!!

          0
  • guilherme 4 de julho de 2011 at 13:10

    Adorei o termo “conspiranóico” e concordo com o luiz. Por isso acho mto válido ler opiniões diferentes, inclusive as do André. Só que na atual conjuntura realmente não sei para que lado a economia vai. Navegamos em uma infinidade de problemas. Poxa até os estados unidos e a europa estão indo mal e tem notícias da China começando a cair tmb. Eu não acredito em tudo que leio, nem questiono tudo que a imprensa publica (como vejo as vezes o mrk fazer).

    (Alías acho que essa história de crise na grécia uma grande lorota inventada pela imprensa, por isso resolvi comprar uns títulos gregos e portugueses a preços realmente convidativos, um corretor me disse que é barbada eles subirem.)

    0
    • trololó 4 de julho de 2011 at 13:21

      crise de 2008 foi empurrada com a barriga, o que não resolveu o problema, apenas retardou ele;

      grécia, portugal, espanha, reino unido, eua: déficits gigantescos com endividamento absurdo, com possibilidade real de calote ou moratória, que pode levar a efeito dominó. nos eua se fala em recessão por décadas, isso mesmo, no plural.

      se a china não consegue vender, não precisa importar, e os maiores exportadores pra china são austrália e brasil.

      brasileiros com 40% de dívida privada, fora as dívidas públicas, o que precisa somente é que alguém dê um empurrãozinho pras dividas não conseguirem serem pagas e levar a outro efeito dominó.

      câmbio louco que tá fazendo as industrias daqui diminuirem produção e empregos;

      tudo pode ficar bem, mas dependendo de quem tropeçar, pode levar muitos países juntos, o pior é que cada vez mais eu vejo nos noticiários coisas relacionadas a uma nova possível crise em 2012, talvez 2013, como por exemplo

      w w w .bloomberg.com/news/2011-06-11/china-economy-at-risk-of-hard-landing-after-2013-nouriel-roubini-says.html

      0
      • MrK 4 de julho de 2011 at 14:45

        trololo, os 2 primeiro paragrafos da tua análise dizem tudo

        A crise de 2008 expos uma situação INSUSTENTÁVEL no mundo, esta é: China produz, Eua consomem, China compra dolares e os Eua pagam com dívidas do tesouro americano

        Em resumo a China trabalha e poupa e o americano consume e se endivida, tudo maquiado por um cambio artificial na China. É quase um golpe o que os Eua fazem neles.

        Quando a bolha por lá explodiu ficou evidente a franqueza da economia americana atual, que não tem mais poupança, só débitos, e exportou grande parte da sua produção pra Asia, hoje a américa vive do status do dolar como moeda de reserva, esse é o fio de cabelo que sustenta eles de pé, pois com isso o FED imprime moedas e vai tapando o deficit trilhonário provisoriamente, é quase um calote aos poucos, vão trocando moratória por inflação… o problema que isso é insustentável a longo prazo.

        Que o pior esta por vir pra mim é claro e nitido, o que NÃO é claro e nitido é como vão se comportar Brasil e China nesse cenário, existe uma corrente forte que diz que a China vai trocar exportação por consumo interno, esses bilhões de itens que eles produzem serão consumidos por chineses que hoje produzem mas não ficam com nada, essa corrente não vê o consumidor americano como vital pra sobrevivencia chinesa, nesse cenário o Brasil sentiria, mas sofreria menos… acho um cenário possível

        Creio que o Brasil passará por balanço, mas nada absurdo, nosso maior problema hoje é interno, é a bolha imobiliária

        abracos

        0
        • Duda 5 de julho de 2011 at 17:12

          MrK, a bolha imobiliaria é um enorme problema. A inflação é outro enorme problema. O pior de todos será filho desses dois. Com o consumo diminuíndo por causa da inflação, e a bolha estourando, o deficit fiscal do Brasil vai ir para o espaço. Reformas profundas deveríam ser feitas, redução de gasto publico, mas a cor política e o autismo deste governo não enxergam isso, e nada poderão fazer nos 48 minutos do segundo tempo, mesmo que queram fazer. O risco Brasil aumentará, os capitais fugirão do Brasil (flight to quality), e teremos uma crise “argentina”, tal vez até com “corralito” e tudo a mais… Temos uma tormenta chegando… O assunto e pior, muito pior do que parece. Estou realmente preocupado com o que está chegando.

          0
      • luiz 4 de julho de 2011 at 14:53

        A tal crise em W ao invés de V, será que o cara tava certo?

        0
        • MrK 4 de julho de 2011 at 15:09

          luiz,

          NEM DE LONGE a solucao adotada pelo governo americano vai funcionar, eles estão apenas ganhando tempo, o problema americano é falta de produção e excesso de debito, voce acha que eles vao solucionar isso fazendo mais debito?!?!

          eu acredito que os EUA vao se recuperar, mas acho que vai levar muito tempo, vão ter que voltar a ser competitivos e reduzir impostos corporativos pra reconstruir parte do seu parque industrial, vão também ter que voltar a poupar, vão ter que sanar o debito do orcamento com corte de despesas e isso vai custar em qualidade de vida pras gerações seguintes, não vai ser fácil nem rapido nem indolor

          mas quando voce fala em crise tem que pensar no resto do mundo, não necessariamente a crise americana vai ser prejudicial pra china no logo prazo, no curto sim, pois eles estão de mãos atadas (A china tem 2.2trilhoes de dolares americanos), mas a China em breve irá expandir seu mercado interno e valorizar sua moeda, vai sofrer no curto mas pode ser bom no longo

          O Brasil como vai se comportar, pra mim ainda é um mistério

          0
          • luiz 4 de julho de 2011 at 15:25

            Mrk, está muito claro parta mim, que estão querendo empurrar a conta da crise pr achina.
            Como a China é forte, consegue se segurar
            Quem tá pagando a conta somos nós
            Os QExs deles geram inflação, mas aqui, não lá.
            Estão derretendo a divida deles, derretendo o valor da moeda, acontece que a divida está na china, azar deles, então o que fizeram, tabelaram o valor do yuan, ou será que vão afundar abraçados? Se sim, perdemos dos 2 lados.
            As outras possbilidades são:
            derrocada americna ae ascensão da china (duvido)
            china perde a força e explodem numa grande revolta (duvido)
            E por fim, os 2 se salvam juntos e aí a conta fica p gente em forma de inflação (o + provável)

            Sndo o mais provavel, o que vai acontecer temso 2 opções: comprar ativos e esperar o vendaval, ou comprar outras moedas antes da grande queda. Fica rparado é ser corroído até a alma.

            0
          • MrK 4 de julho de 2011 at 16:10

            “derrocada americana ae ascensão da china (duvido)”

            Cara, eu te juro que NÃO duvido disso, vou te falar porque:

            A produção do mundo hoje tá na China
            A China tem poupança, reserva
            A população da China não está afundada em Dividas, nem o seu governo
            A China tem um mercado interno sedento por consumo, hoje eles embarcam tudo pro mundo

            Acho que os EUA hoje não fazem bem a China, os EUA hoje na verdade são um PESO pra China, e em breve os orientais vão perceber isso, vou te explicar o que quero dizer:

            Imagina que caem numa ilha deserta 5 naufragos, 4 chineses e um americano, na hora de dividir as tarefas de sobrevivencia eles decidem o seguinte: Um chines vai pescar, outro vai caçar, outro vai buscar lenha pra fazer fogo, outro vai cozinhar, já o americano vai se ocupar de comer. Alguns dos economistas atuais se vissem essa ilha iria dizer que o motor da economia dessa ilha é o americano!! pois sem ele os chineses não teriam trabalho!!! isso faz sentido pra você??

            na verdade o americano é um peso pros chineses e a melhor coisa que estes poderiam fazer é expulsar ele da ilha… é exatamente isso que acontece no mundo hoje, a china produz, embarca, os eua consumem e emitem papel sem valor pra pagar por isso

            acho que a China vai desfazer isso, tendo uma dor de curto prazo, mas vai direcionar toda essa producao pro seu mercado interno sedento

            abraços

            0
          • Gus 4 de julho de 2011 at 16:35

            “derrocada americana e ascensão da china (duvido)”

            Esse é o cenário mais provável. A China vem dimuindo suas reservas em dólares americanos há tempos. Podem pesquisar onde quiserem… isso está aberto a todos… O Dólar já não é mais considerado como porto seguro, muito pelo contrário, é mico, basta verificar sua desvalorização contínua há tempos. Segundo George Soros, megainvestidor americano, o dólar americano já deixou de ser a moeda de reserva mundial e está a beira de entrar em colapso, e isso seria o melhor que pode acontecer para a economia norte americana. Podem pesquisar no youtube… tem várias entrevistas dele falando sobre isso…

            0
          • Duda 4 de julho de 2011 at 17:53

            MrK, esse exemplo e perfeito. Isso acontece no mundo de hoje, e eu acredito que todos estes solavancos e acomodações tem a ver com essa mudança no equilibrio de forças no mundo. Nos estamos felices, exuberantes, otimistas, por um unico motivo: a demanda de materias primas, alimentos e comodities por parte da China. A verdadeira nova potencia é a China e não nos… quando eles espirrem, nos pegaremos pneumonia

            0
          • luiz 4 de julho de 2011 at 19:19

            Mrk, adorei a comparação, divertida.

            acontece que vc subestima os americanos, eles são um pouco melhores que isso.
            Já foram o farol da civilização, os paladinos da liberdade, da inovação, a águia americana, na verdade é uma Fênix.

            O dia que o modelo chinês for o vencedor, me mudo pra marte, lembra do massacre da praça da paz?

            0
          • MrK 4 de julho de 2011 at 21:20

            luiz, concordo em genero numero e grau que prefiro um mundo liderado por americanos que chinenses… se fosse questão de gosto, eu não tinha duvidas, infelizmente to analisando friamente…

            por mais estranho que isso pareca, a China tá crescendo porque ela é hoje mais capitalista que os EUA, parece esquisito né? mas é isso aí, hoje os EUA tão com um modelo quase socialista (estado pesado na economia, impostos corporativos altos e sindicatos fortes demais), ja a China comunista está com um modelo de empreendedorismo (desburocracia, produção e poupança)

            sem contar que a forma como o governo Chines usa seu dinheiro (em infraestrutura) é muito melhores que o o governo americano (usa dinheiro pra socorrer empresas falidas e devolver dolares pro contribuinte torrar)

            0
  • guilherme 4 de julho de 2011 at 14:34

    Esse é o grande problema de ficar conspiranóico que nem eu estou atualmente . Pq se a economia realmente implodir no efeito dominó que se desenha aí nada vai importar mais seja se o seu dinheiro está rendendo no banco ou aplicado em imóveis, vai tudo junto para a vala. No fundo até ter comprado imóvel na alta tera valido a pena ao inves de deixar o dinheiro sumir com a quebra dos bancos.

    0
    • luiz 4 de julho de 2011 at 14:41

      Gulherme, a eterna desconfiança no governo brasileiro manteve ativo o mercado de imóveis, mesmo nos tempos mais negros da economia, imóvel sempre foi um porto seguro.

      Acontece que o tempo passou e a visão das pessoas tbm.

      Hj se algo for acontecer vc pode, por exemplo, comprar euro e tornar portável num simples cartão de plástico.

      0
    • trololó 4 de julho de 2011 at 19:06

      o que haverá é uma “correção”, do tipo preços caírem, e os compradores “que vieram do futuro” (através do crédito fácil) não estarão lá para comprar, gerando baixas vendas, economia estagnada, e desemprego maior.

      mas dinheiro continuará valendo sim, até que não soframos de inflação descontrolada novamente – aliás, a inflação atual é justamente em decorreência desses “compradores do futuro” que é tudo na base do crédito, além da desvalorização forçada do dólar, já que é tudo cotado em dólar, e como o dolar está se auto-desvalorizando acaba influindo nos preços de muitas coisas

      0
  • luiz 4 de julho de 2011 at 16:03

    Senhores, vejam o inconformismo deles com a realidade, muito ainda não acordaram do sonho leiam abaixo, tirei do site doctorhousingbubble.com. (lembra alguém, não?)

    Why the American dream is only a dream for most – Rent versus buying a home analysis in Culver City. Why it makes sense to rent in bubble cities and why the mainstream press fails to mention household incomes.

    Simply because people continue believing in something does not make it true. Last week a few readers sent over an article from the New York Times discussing that nearly 9 in 10 Americans still say that homeownership is an “important” part of the American dream. I always find these surveys to be fascinating since they target emotion rather than data. Of course, nowhere in the survey was income discussed but then again we are in the debt bubble delusion machine here. Interestingly enough lower in the survey 58 percent believed that lenders should require the standard 20 percent down. Do these people have any clue what is going on with FHA insured loans and their near nothing down 3.5 percent down payments? First, the question about homeownership does not reflect the ability to own a home at current income levels. I bet if you asked people “do you think education is important” you’d probably get a similar result but does that justify $50,000 a year for college? Yet this kind of psychological reasoning is what brings in the buyers into inflated areas like Culver City where yes, prices have fallen but are still solidly in a bubble. Today we’ll carefully examine why it makes sense to rent in many of these bubble cities.

    0
    • luiz 4 de julho de 2011 at 16:32

      esse é melhor ainda
      yyy.doctorhousingbubble.com/economy-becomes-financial-circus-based-debt-fueled-acrobatics-lessons-from-the-great-depression-home-values-1940-to-2011/#more-4688.yyy

      0
  • xyz 4 de julho de 2011 at 17:05

    Guilherme,
    Você tem razão. Mas minha convicção de que os preços dos imóveis estão muito além do razoável, me impede de fazer qualquer investimento neste setor. Prefiro deixar minha poupança em renda fixa, mesmo tendo sido vítima do calote da poupança na época do Collor.

    Naquela época o calote não foi de 100%. Recebemos boa parte do dinheiro de volta, após alguns anos.

    Acho que existe um gap muito grande entre estouro da bolha e calote geral do governo. APESAR de não podermos descartar a possibilidade dos dois ocorrerem simuntaneamente.

    0
    • MrK 4 de julho de 2011 at 18:45

      xyz, acho o risco de bolha em imovels alto, o de calote do governo baixo

      a bolha quando estourar vai prejudicar muito os especuladores que entraram no fim da farra, vai machucar alguns bancos também, os que emprestaram mal, vai machucar construtoras e imobiliarias

      hoje tem peão de obra ganhando R$4mil por mês, sabiam? parece impossível mas é verdade! Em breve esses caras vão voltar lá pros R$1.0mil e serão prejudicados também… os corretores de ocasião vão evaporar e procurar empregos de verdade… sofrerão um pouco

      mas daí o governo quebrar acho um looooooooooooongo caminho

      abs

      0
      • juliano 4 de julho de 2011 at 21:13

        acho que as primeiras a irem pro espaço são as pequenas financeiras… quebra uma, quebra geral

        0
      • xyz 5 de julho de 2011 at 08:32

        Concordo MrK. MAS enttendo que a exuberância da econiomia está fortemente atrelada à bolha imobiliária (que é uma sub-bolha da bolha de crédito). Hoje quem tem qualificação tem emprego (estamos importando mão-de-obra, como a Espanha no pré-crise).

        E o governo está se endividando fortemente e quando os sinais da bolha estiverem mais evidentes, acredito que o governo tomará medidas mais irresponsáveis ainda para manter o cenário (emitindo títulos). A dívida bruta cresce numa exponencial e a dívida “líquida” (divulgada) não reflete a real situação.

        Se (quando) o setor de construção civil declinar, toda a economia vai junto. E a arrecadação do governo cairá drasticamente, colocando em cheque a capacidade de pagamento.

        MAS concordo que o Brasil qubrar é um cenário muito mais difícil de acontecer, até porque antes disso, o FMI virá com um empréstimo salvador.

        0
  • Andre 4 de julho de 2011 at 17:21

    Aprendi bastante durante o tempo que debati por aqui, mas agora virou só baixaria e as melhores cabeças vazaram, conforme previsto aqui:
    http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/05/16/venda-de-imoveis-novos-em-sp-tem-queda-de-62-diz-secovi-folha-com/#comment-3866

    Então não tem pq perder meu tempo aqui. Hoje em dia, pra cada 1 grama de conhecimento adquirido, vem junto 1 tonelada de aporrinhação… Então o custo benefício não é atrativo.

    Obs.: Luiz, vc falar em educação ou ataque pessoal só pode ser piada né?
    http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/06/01/artigo-no-%e2%80%98financial-times%e2%80%99-ve-bolha-em-formacao-no-brasil-estadao/#comment-5320
    É o mesmo luiz???

    Achei aqui na minha lista de frases:

    “Se alguém quiser estudar um sistema mental que funcione inteiramente dissociado dos fatos e elimine imediatamente qualquer informação que contrarie sua visão de mundo, deve estudar a mente dos comunistas. São laboratórios insuperáveis”
    Jean-François Revel

    Substituam “comunistas” por “bolhistas” e vejam se encaixa.

    Abs (pra quem tem modos e não se mistura a essa balbúrdia)

    0
    • Bolha Imobiliária 5 de julho de 2011 at 08:42

      Quanto mais você critica o blog, mais aumenta nossa audiência. Ontem batemos o recorde de acessos, 50% a mais do que a média dos últimos dias…Continue assim…hehe

      0
      • Andre 5 de julho de 2011 at 08:58

        A crítica nao é ao blog em si, é à loucura de alguns usuarios…

        O “bolhismo” virou religião…

        Quanto à audiencia, só vai subir, a cada mes com o preço subindo 3% mais e mais pessoas são “expulsas” do mercado e virão se refugiar aqui.

        Agora o q eu não entendo: se é mentira q os imoveis estao subindo tanto, entao pq a audiencia aumenta?? Segundo malucos daqui os preços já estabilizaram.

        Não espero nenhuma resposta (convincente).

        Abs

        0
        • Bolha Imobiliária 5 de julho de 2011 at 12:34

          Talvez a resposta seja o tema “bolha imobiliaria” que tem aparecido mais na midia, e o numero de pesquisas sobre o tema na internet.

          0
          • Andre 5 de julho de 2011 at 12:51

            Sim, as coisas são correlacionadas, preços aumentando, mais e mais pessoas achando estranho e procurando pelo tema.

            Abs

            0
          • MrK 5 de julho de 2011 at 13:25

            resposta perfeita

            simplesmente o tema entrou em pauta, porque ganhou notoriedade

            hoje me delicio nos comentários dos jornais, oglobo ,folha, estadão, sempre que publicam algo de imoveis 80% dos comentários citam a bolha como certa, antes esse índices mal chegava a 30%

            0
          • Duda 5 de julho de 2011 at 15:08

            Mrk, em outubro / novembro do ano passado, mal tinha algúm site falando de bolha imobiliaria no Brasil. Este foi o primeiro site que abordou o assunto de forma sistematica, com enorme sucesso. Por aquela época, era (pelo menos para mim, e acredito tb que para o “Bolha”) que algo muito, mas MUITO anormal sucedia no mercado imobiliario. Os primeiros post tinham 20, 30 comentarios. Agora passam facilmente de 500, 600, 700. O Volume que esta ganhando na midia é exponencial, ate nos jornais e TV´s filiadas da Globo. Este assunto já ganhou massa crítica propria, Exame, Estadão, Folha, FT, está na boca do mundo… Por Sorte para todos nos!! Abs

            0
          • luiz 5 de julho de 2011 at 15:15

            Prezado “Bolha imobiliaria”,
            eu acho que a bolha só está começando a se formar, acho realmente que os imoveis continuam subindo que nem foguete, após breve estabilização nestes 3 meses passados, foi só um soluço.
            Este blog ainda dura uns anos, se prepara, pq o melhor/ ou o pior ainda está por vir.

            0
      • Duda 5 de julho de 2011 at 10:17

        E como vilão de novela. Sem vilão, novela não tem graça, nem audiencia.

        0
        • Andre 5 de julho de 2011 at 14:40

          No mundo real nao existe mocinho ou bandido, cada um faz o q é melhor para si.

          Os q criticam especuladores, corretores, construtoras estariam fazendo EXATAMENTE igual a eles, se tivessem oportunidade.

          Abs

          0
          • Duda 5 de julho de 2011 at 16:28

            Falo em sentido metaforico, claro. Sempre é bom ter opiniões diferentes. Abs

            0
          • Andre 6 de julho de 2011 at 12:23

            “No mundo real nao existe mocinho ou bandido, cada um faz o q é melhor para si.”

            Não sei se ficou claro:

            “Fazer o q é melhor pra si” NÂO É sinônimo de prejudicar outros.

            Existem situações de ganha-ganha e não apenas ganha-perde (jogo de soma zero).

            Abs

            0
        • luiz 5 de julho de 2011 at 16:38

          Sabe Duda, as vezes eu me preocupo seriamente com o nível moral da população deste país.

          0
          • Duda 5 de julho de 2011 at 17:38

            Sim, eu tambem. Sempre que vejo “os exemplos” divulgados pela nossa TV quase monopolica em novelas emitidas em horario Hiper Nobre, entendo porque existe tanto engano, tanta mentira, tanto desejo de fazer ganho a quailquer custo, sem importar nada, nem quantos prejudicados ficarem no caminho, não tem novela sem assassinato, sem engano, sem matrimonio de conveniencia, sem negocio sujo. E o pior: o povo gosta e se nutre disso.

            0
    • luiz 5 de julho de 2011 at 12:19

      Andre, estou a semanas evitando debater no nível pessoal com vc, mas como vc me citou pessoalmente lá vai.

      O senhor não tem educação nenhuma neste blog, vc vem aqui pra distorcer o comentário dos outros, inventar frases não ditas, provocar, criar celeumas inexistentes, tenta nos desmoralizar, e todo o tipo daquilo que vc memso chama de baixaria.

      Temos feitos marcação cerrada a vc e aos seus alteregos e prepostos, já que não caberia tanta vergonha numa pessoa só, não numa com o ego tão grande e tão frágil, eu provavelmente fui o ultimo a defender q vc participe, como vilão que seja, e se vc não percebeu eu estou do lado dos que acham que a bolha ainda não se formou, e tenho altas discussões aqui, mas por incirivel que pareça até de mim vc consegue brigar, eu que teria a opinião +proxima da sua.

      Mas não para por aí, olhei o seu blog, e lá vc conseque ter educação em 99% do tempo, se diz mais técnico, mais sério. Seria interessante vc trazer o seu melhor pra cá, ontem passei horas tentando entender pq o grafico GDP X sqM2 apresentava aquele paralelismo, e foi realmente um belo exercício até perceber que a relação de causa e efeito se dá com o income medio familiar.

      Minha sugestão é vc largar mão de frescura e discutir usando a sua sólida formação, ainda que inexperiente e incapaz de ler através dos números. Ao invés de tentar nos transformar em piores do que somos, é mais fácil vc trazer o melhor de vc pra cá. A audiência agradece.

      Agora se o seu interesse é só audiência, continue assim, o dono do blog até já te agradeceu.
      E como v c gosta de citações eu lembrei d euma boa: “acuse os outros daquilo que te acusam” está no manual de como vencer um debate mesmo sem ter razao, parece que vc leu ele, livro mto comum entre comunistas, esta na bibliorafia obirgatória do petralha olha só exatamente do que vc me chama, uau, tenho a impressão que quem está adorando este necomunismo de direita, inventado na china, é vc.

      obrigado.

      0
      • Ramires 5 de julho de 2011 at 15:51

        To com a galera aki.

        0
      • Andre 5 de julho de 2011 at 17:20

        Nao tenho interesse em discussao pessoal, e TUDO aqui se torna pessoal.

        Só uma obs.: quem reler meu comentario ve q nao chamei ninguem de comunista… Só disse q tem um comportamento parecido, pra defender a sua “causa”.
        É bem diferente.

        Já escrevi mais do q devia.

        Abs

        0
  • Carlos E. 4 de julho de 2011 at 17:57
    • Andre Luiz 5 de julho de 2011 at 16:14

      Essa matéria merece a capa do bolhaimobiliaria, hein?

      0
    • luiz 5 de julho de 2011 at 16:23

      Prezado Carlos, como temos falado aqui os jornalões estão sempre atrasados, já caiu um pouco nesses meses passados, provavelmente isso que inspioru a notícia, mas agora volta a tendencia de subir denovo.
      O jogo deles é pesado, e incautos por aí tem aos milhares. Se puder divulgue este blog.

      0
  • Joselito 4 de julho de 2011 at 21:33

    Acabei de passar na frente de um condomínio entregue há poucas semanas. (uns 50 aptos ao todo)
    O prédio estava com TODOS apartamentos com a luz desligada, ou seja, ou todo mundo foi dar uma voltinha ao mesmo tempo, ou o prédio tava vazio.
    PS. Tinha um porteiro bem tranquilo na portaria cuidado do prédio vazio, hehehehe

    Outra cena que nunca tinha visto na vida: Um prédio (pequeno porte, uns 10 aptos) entregue há poucos meses com TODOS os aptos com a placa vende-se.

    Minha conclusão: Quem comprou aptos nos últimos anos não o fez para morar e sim para especular.

    0
    • Gil 5 de julho de 2011 at 11:18

      O caso do prédio de 50 aptos pode ter explicação.
      Quando o prédio é entregue, tem que haver uma reunião entre os condôminos para ver como será realizada a mudança de todos para os aptos. Afinal de contas, não dá para mudar todo mundo junto. Normalmente funciona da seguinte maneira: se são 2 elevadores de serviço, serão duas mudanças por dia. Por isso quando os prédios são entregues demora-se a aparecer os moradores. Logicamente, essa é uma explicação possível, não estou dizendo que é isso.
      Digo isso porque no meu prédio aconteceu dessa forma. Eram 3 elevadores de serviço e foram autorizadas 3 mudanças por dia. Eu fui sorteado para o décimo primeiro dia.
      Valeu!

      0
  • juliano 4 de julho de 2011 at 21:44

    Financial Times: Brazil risks tumbling from boom to bust

    By Paul Marshall and Amit Rajpal

    Back in February, in an earlier Insight column, we highlighted the major build up of consumer debt at extremely high rates of interest, putting a significant cash flow burden on the repayment capacity of borrowers.

    Since then, the situation has deteriorated further. Pressures are building in the Brazilian credit cycle.

    The average rate of interest on consumer lending has jumped from 41 per cent in 2010 to 47 per cent most recently in May 2011. This rise from an already elevated level reflects the cumulative effect of tightening by the Brazilian central bank in order to contain inflation.

    The consumer debt service burden, which stood at 24 per cent of disposable income in 2010, is now slated to rise to 28 per cent in 2011.

    This compares with 16 per cent for an “overburdened” US consumer and a mid-single digit reading for other emerging markets such as China and India.

    In short, the cash flow burden is astronomical and rising.

    We calculate that the debt service burden for the so-called “middle class” in Brazil has now breached 50 per cent of disposable income, as high income earners have little need to borrow at rates which are punitive and most of the consumer credit is therefore being directed to the “middle class” for consumption.

    The strain is already evident among the smaller banks, which are finding it difficult to access funding. The central bank has now rescued or taken over three banks in distress over the past six months.

    Meanwhile, delinquencies in Brazil (defaults in excess of 15 days) have begun to move up rapidly, from 7.8 per cent to 9.1 per cent of total loans between December 2010 and May 2011. Delinquencies are now rising at a very hectic rate. They have risen at 23 per cent in the first five months of this year in absolute terms or at an annualised rate of 55 per cent.

    This is troubling as credit indicators have deteriorated even as the economy has stayed strong and the unemployment rates are at a record low.

    Normally credit indicators cyclically follow (read lag) the economic cycle. When they begin to deteriorate before any economic weakness it usually represents a structural problem relating to underlying cash flow or underwriting weakness in the quality of credit – Brazil has both problems.

    Over time as the economy weakens this is only likely to exacerbate weakness in the domestic credit cycle and could potentially create a fully fledged credit crisis.

    Ultimately, Brazil needs to restructure the way it dispenses credit to consumers. More of the lending needs to be collateralised (ie housing related).

    And the infrastructure to support credit expansion needs to be put in place, via a credit bureau which is able to share “positive” data (before a customer default) across the industry.

    More strategically, we believe the country has to build a higher savings rate and reduce cross subsidies to bring down the cost of credit to levels which are less punitive than currently both in nominal and, more importantly, real (adjusted for inflation) terms.

    Brazil has a national savings rate which was 17 per cent for 2010 (this includes savings by consumers, corporates and the government). This compares with a developed market average of 19 per cent and is significantly lower than an emerging market average of 32 per cent.

    Hence, if Brazil is to grow to its “potential”, it has to build a reasonable stock of savings which allows it to invest as the economy grows without creating bottlenecks and inflationary pressures that exist as a growth constraint today.

    These three basic foundations (ie the right level of collateralisation, the right infrastructure to support credit extension and the right level of lending rates) need to be in place to create a self-sustaining positive cycle.

    Without these buildings blocks we are afraid that Brazil will be exposed to significant boom-bust cycles. Unfortunately, we are currently at risk of transitioning from a boom to bust.

    The markets seem to be taking cognisance of these factors gradually with the Bovespa index now down 10 per cent since the start of 2011 in local currency terms, making it among the worst performing markets globally.

    Despite this, most analysts and investors still seem to be sanguine about the prospects for Brazil. The disconnect will be answered one way or the other before the end of this year.

    Paul Marshall is chief investment officer at Marshall Wace and co-manager of the Eureka Fund. The piece was co-authored by Amit Rajpal, portfolio manager of MW Global Financials Funds

    0
  • juliano 4 de julho de 2011 at 21:45

    Destaque para:

    “Brazil has a national savings rate which was 17 per cent for 2010 (this includes savings by consumers, corporates and the government). This compares with a developed market average of 19 per cent and is significantly lower than an emerging market average of 32 per cent.

    Hence, if Brazil is to grow to its “potential”, it has to build a reasonable stock of savings which allows it to invest as the economy grows without creating bottlenecks and inflationary pressures that exist as a growth constraint today.

    These three basic foundations (ie the right level of collateralisation, the right infrastructure to support credit extension and the right level of lending rates) need to be in place to create a self-sustaining positive cycle.

    Without these buildings blocks we are afraid that Brazil will be exposed to significant boom-bust cycles. Unfortunately, we are currently at risk of transitioning from a boom to bust.

    The markets seem to be taking cognisance of these factors gradually with the Bovespa index now down 10 per cent since the start of 2011 in local currency terms, making it among the worst performing markets globally.

    Despite this, most analysts and investors still seem to be sanguine about the prospects for Brazil. The disconnect will be answered one way or the other before the end of this year.”

    0
  • João 5 de julho de 2011 at 02:06

    Os depósitos que foram bloqueados pelo Collor foram devidamente devolvidos. Estavam numa espécia de
    “conta remunerada” diariamente. Em termos práticos ficou depois de lberados mais interessantes que a poupança, pois a correção era diária. Depois foi dado um prazo para sacá-los.

    0
    • Buginga 5 de julho de 2011 at 09:11

      O plano foi malfadado mas o Brasil não foi o único que teve Limitação de saques. A Argentina fez o mesmo em 2001 quando começou uma corrida aos bancos para sacar o $ e fazer ate remessa pro exterior. A perda de liquidez gerou a maior crise financeira daquele pais. O curioso é que lá existe deposito bancário em pesos e em dólares Para a população. Não sei exatamente o porque, mas imagino que seja herança do período de economia dolarizada do ministro Cavallo…

      0
      • Duda 5 de julho de 2011 at 10:36

        Só que os juros são ridiculos, deposi da crise, Argentina aprendeu que o melhor que pode ser feito com o dinheiro, e faze-lo circular. Por isso os crescimentos de PIB de 7, 8 ou 9% por ano desde 2003. Os bancos, ficaram só para custodia, não para tirar o sangue do povo.

        0
      • MrK 5 de julho de 2011 at 11:02

        Buginga, hoje esse risco é real em todos os mercados, pois NENHUMA MOEDA do mundo tem lastro mais, é tudo papel, tudo sobrevive a base da confiança das pessoas nelas

        O Dolar teve lastro em ouro até os anos 70, depois desfez isso, hoje é literalmente papel verde. Se todos moradores de um país decidem resgatar seu dinheiro num intervalo curto o país quebra, qualquer país hoje, pois todos estão emitindo papel a torto e a direito…a diferença é simplesmente quem tá emitindo mais, quanto mais pior, hoje lideram o ranking EUA e depois Europa

        0
  • Rebecca 5 de julho de 2011 at 10:25

    Mantega defende novas medidas para conter valorização do real

    VAGUINALDO MARINHEIRO
    DE LONDRES

    Atualizado às 09h46.

    O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou ontem em palestra para investidores em Londres que o Brasil pode tomar novas medidas para conter a valorização do real.

    “Medidas a gente não antecipa, a gente toma e depois comenta. Estamos de olho nesse problema [valorização do real].”

    Mas o ministro afirmou que os próximos alvos podem ser os mercados futuros e de derivativos.

    Mantega disse que o problema é a desvalorização do dólar, causada pelas políticas monetárias dos EUA.

    Pare ele, é interesse dos EUA manter o dólar fraco para aumentar as exportações e, assim, ajudar na recuperação econômica do país.

    O ministro disse ainda que países desenvolvidos, como EUA e os da Europa principalmente, estão com políticas monetárias atípicas, porque precisam recuperar suas economias. Enquanto essas políticas persistirem, diz, haverá pressão sobre as moedas dos países que crescem mais, como o Brasil.

    Depois, em conversa com jornalistas, Mantega se negou a comentar que medidas podem ser tomadas.

    Em resposta a reportagens e artigos publicados na “The Economist” e no “Financial Times”, que afirmaram que o Brasil está hiperaquecido e sob risco de uma bolha de crédito, o ministro disse que “a economia brasileira é quente, não superaquecida”. Disse também que não há nenhuma bolha, nem imobiliária, nem de crédito, e que os bancos do país estão sólidos.

    Mantega viaja hoje a Paris, onde participa de um seminário sobre o governo Dilma.

    0
  • juliano 5 de julho de 2011 at 11:16

    hahaha, essa é boa
    ““Medidas a gente não antecipa, a gente toma e depois comenta. Estamos de olho nesse problema [valorização do real].””

    a gente não prevê o problema, a gente espera estourar e depois justifica.

    BOA GUIDO!! e essa porta é Ministro da Fazenda

    0
    • trololó 5 de julho de 2011 at 12:30

      no sentido de que ele não vai antecipar o que pretende fazer pra cuidar do problema atual, justamente pra não deixar as pessoas se anteciparem a ação do governo.

      em outras palavras, ele quis dizer que não vai dizer pra platéia o que vai sair da cartola antes de tirar de lá.

      0
      • luiz 5 de julho de 2011 at 15:17

        quer segurar no gogó
        esse governo só fala, não faz e se faz não tem eficacia

        0
        • Ramires 5 de julho de 2011 at 16:00

          Algumas medidas “microprudenciais”, por nao surtir efeito algum. heheheeee

          0
  • DRN 5 de julho de 2011 at 13:07

    Vejam notícia. A fonte é suspeita (SECOVI). Todavia, penso que o aumento do aluguel pode sustentar o valor dos imóveis (não estou afirmando categoricamente como dono da verdade, mas é uma conclusão razoável). O aluguel de 4.272 corresponde a 0,5% de um imóvel no valor de R$854.400,00. Não está muito fora da realidade para um imóvel de 150 metros quadrados nos três bairros citados (Jardins, Moema e Vila Mariana). Estamos falando de R$5.696 por metro quadrado. Só não sei se o mercado está absorvendo.

    De todo modo, como eu disse no início, a fonte é suspeita.

    Reajuste do aluguel em São Paulo é o maior desde 2005

    Zona sul é a que concentra os bairros mais caros com valores de até R$ 4.272
    Do R7

    Publicidade

    O reajuste dos contratos novos de aluguel residencial bateu recorde ao atingir 16,7% em 12 meses, entre junho do ano passado e maio deste ano, no maior nível desde dezembro de 2005 – quando a medição começou a ser feita pelo Secovi-SP (sindicato da habitação). Os dados fazem parte do levantamento divulgado nesta quinta-feira (16).

    No mês passado, a maior alta ocorreu nos imóveis de dois e três quartos, que ficaram 2% mais caros. As casas e apartamentos de dois quartos subiram em média 1,1% e os imóveis de um dormitório foram os que menos aumentaram: só 0,8%.

    A exemplo dos meses anteriores, a zona sul é a que concentra os bairros mais caros para se morar de aluguel. Nos Jardins, Moema e Vila Mariana, o aluguel das residências de três dormitórios tem faixa de valores por metro quadrado entre R$ 23,78 e R$ 28,48. Dessa forma, um imóvel de 150 m² na região tem aluguel entre R$ 3.567 e R$ 4.272.

    O tipo de garantia mais usado pelo locatário foi o fiador, que respondeu por metade das locações efetuadas. A segunda modalidade mais utilizada foi o depósito de até três meses de aluguel, que viabilizou cerca de 30% dos contratos de locação. Um quinto dos proprietários e inquilinos recorreram ao seguro-fiança.

    As casas e os sobrados foram os tipos de moradias que foram alugados em menor tempo: entre 12 e 29 dias. Os apartamentos demoraram mais para serem comercializados, entre 17 e 36 dias.

    0
    • MrK 5 de julho de 2011 at 13:33

      cara, segundo ele os alugueis em 12 meses subiram 16,7%, segundo o mesmo indice preco dos imoveis subiram no mesmo periodo mais que o dobro disso

      ou seja, o indice aluguel/preço continua piorando, logo tornando o investimento em imóveis cada vez pior

      outra coisa, eu estranho quando leio 0.5%, aqui no Rio tenho lido consistentemente algo entre 0.35% a 0.40%, agora imaginem se continuar a baixar e atingir 0.30%? 0.25%? Eu lembro a todos que o único rendimento garantido de um imóvel é o aluguel, sendo este o índice que deveria definir o valor do investimento e não a valorização incerta do m2

      0
      • DRN 5 de julho de 2011 at 13:47

        MrK, eu concordo com vc, mas sou testemunha (de dois casos pelo menos) em que os proprietários estão forçando o aumento do aluguel para chegar aos 0,5% do valor do imóvel. Eles estão tomando por referência o valor do último imóvel vendido no edifício, e calculando o aluguel em 0,5% disso. Nesses dois casos que mencionei, os proprietários conseguiram. É mais ou menos isso (penso): na briga entre o mar e a rocha, o carangueijo é que se dá mal. Agora, é claro, se o inquilino tiver o dinheiro correspondente ao imóvel, empresta a 1% ao Tesouro, paga 0,5% de aluguel e perde 0,5% de inflação. Fica empatado. E vai ficando empatado até os preços caírem (nominalmente) ou até os preços se depreciarem pela inflação. Não sou economista, mas, em termos práticos, parece-me que é isso, não?

        saudações a todos.

        0
        • MrK 5 de julho de 2011 at 14:09

          ALTO LÁ DRN,

          existe uma diferença BRUTAL entre reajuste de aluguel e reajuste de preços de imoveis, A SABER:

          O Povo é muito mais tolerante com aumento do preco do imóvel, pois como o valor do imóvel está sendo pago em 360 parcelas, esse reajuste se dilui e pouco é sentido, além do que ele vê esse reajuste como um patrimonio incorporado (estou pagando mais caro, mas estou adquirindo um bem que vale mais).

          Já o reajuste de aluguel é OUTRA historia, pois este não é financiado em 30 anos, este é pago com o SALÁRIO mensal do inquilino, portanto existe um limite claro de até onde esse pode subir, não adianta o dono do imovel querer impor na marra, a maior prova disso é que de 2008 pra cá os imoveis subiram 200% e os alugueis em torno de 40%

          saudações

          0
          • DRN 5 de julho de 2011 at 17:01

            Concordo. O comprador engole mais fácil o aumento do preço do imóvel do que o aumento do preço do aluguel. Todavia, a estagnação dos preços dos imóveis (provocaca pela diminuição das vendas e pela inflação) aliada aos reajustes dos aluguéis pode reequilibrar, no curso prazo, a relação entre aluguel e valor do imóvel. Também concordo que não existe demanda eterna, mas pode ser que a coisa encontre seu equilíbrio se as construtoras diminuírem o ritmo de construção e o governo abrir as burras do tesouro para a CEF emprestar. Só estou conjecturando porque acho tudo isso muito instável. Melhor mesmo é sair logo para ver no que vai dar. Acho temeroso enfiar todo o dinheiro em título do tesouro. Penso que uma boa estratégia é alocação em imóveis rurais. Eles ainda estão baratos e o mundo, especialmente a China, tem fome!

            0
        • luiz 5 de julho de 2011 at 14:59

          DRN, estou bem ao par deste assunto. Os imóveis cujo aluguel sofreram os maiores reajsutes são os de alto luxo pq estavam muito defasados. Tenho um amigo que fechou a 0,25% do valor do imóvel.
          Tenha em mente que 0,5% é uma média que o mercado ta buscando e como toda média tem os extremos.
          Essa porcentagem é maior nos imóveis populares e menor nos de alto luxo, aí os caras vem e manipulam o índice mostrando só o lado que sofreu maior ajuste por estar mais defasado.

          Só como exemplo, o imovel do Palocci valia 5 milhões e era alugado por 5 mil. 0,1%
          Desse amigo que falei aluga por 2,5k e vale talvez até 2,5mi. (eu acho que é menos)
          Os comerciais tem taxas mais apertadas e tbm os de localização unica e privilegiada.

          0
    • RAL 5 de julho de 2011 at 13:58

      Como já discutimos ; quero ver a Renda do povo suportar por muito tempo estes aumentos.

      A impressão que dá é que estão tentanto impor um preço na marra e pronto e acabou.

      Na minha humilde opinião vale mais a pena morar na região metropolitana ou em uma vila do que pagar 4 mil de aluguel+ condominio , mais fazer o que cada cabeça sua sentença , cada bolso seu prejuizo

      0
      • luiz 5 de julho de 2011 at 15:09

        Ral, o mercado usa os mesmos argumentos que usaram pra inflar a bolha americana:
        O valor dos imóveis sobe com o cresciemntodo PIB e do pib percapta

        Acontece que o PIB sobe, mas é a renda familiar que precisa subir junto

        Expandir as regrasd do MCMV foi um tiro no pé, só os “investidores” estão se aproveitando dos subsídios o povão ta pagando aluguel, mas a renda tem q subir muito mais pra acompamnhar a valorização do metor quadrado pra dar conta de aluguel+prestações+condominio.

        0
      • Frank 5 de julho de 2011 at 19:44

        com o aluguel não há mágica:

        simplesmente será IMPOSSIVEL repassar para aluguel os aumentos nos imóveis.

        mas é claro q os proprietários – é claro – vão tentar empurrar a valorização dos imóveis para o preço do aluguel.

        minha leitura é: esse movimento expulsa pessoas dos bairros e é até bem-sucedido no começo, pois pega o topo da pirâmide q quer e pode pagar o preço.

        mas, à medida q a roda foi “girando”, os contratos forem sendo renovados, esse cliente premium (povo “topo da pirâmide”) com disposição para morar no bairro X acaba, e aí o preço terá q se ajustar ao cliente médio.

        0
        • luiz 5 de julho de 2011 at 19:49

          Frank entra no site do pequeno investidor.com e olha as tabelas do relatório do mercado de BSB.

          Me parece, segundo minha experiencia e apesquisa, que o mais apertado é o imóvel popular mesmo como falei, deixei o link aqui mas a moderação ainda não liberou

          0
  • MrK 5 de julho de 2011 at 13:41

    MOMENTO BOVESPA…

    maior queda do dia ROSSI -3%
    segunda maior queda MRV -2.8%
    terceira maior queda PDG -2.6%

    gafisa também segue seu martirio -1.5%

    todas caindo mais que o índice…

    Vou comprar gafisa a R$1,00, mesmo preço do almoco no restaurante popular do garotinho

    0
    • RAL 5 de julho de 2011 at 14:00

      Num sei não pode chegar antes que estamos pensado

      0
      • Duda 5 de julho de 2011 at 14:58

        Teremos surpresas, e bem fortes, antes do fim do ano. Estas empresas já entraram em parafuso. Não esquecer que tudo esta acontecendo duas semanas depois do MCMV 2, que supostamente era o salva vidas destas empresas. Daqui a pouco, tal vez dois meses mais, algúm escandalo envolvendo uma destas emprresas (a Gafisa, provavelmente) será capa de jornal.

        0
    • roberto 5 de julho de 2011 at 14:27

      Vai guardando as moedinhas MRK, pois já está difícil de achar moeda de 1 Real no mercado. Sabe como é a inflação corroendo o nosso dinheiro. Agora imagina o desespero de quem comprou ações de incorporadoras no inicio do ano ! Bom belo menos não vai faltar prédio para este povo se jogar.
      Descupe a brincadeira, mas não deu para aguentar.

      0
    • Ramires 5 de julho de 2011 at 16:06

      MrK, alem das quedas em porcentagem, haveria a possibilidade de postar os valores das acoes das empresas, soh pra gente ir acompanhando no blog. Se sim, obrigado.

      0
  • roberto 5 de julho de 2011 at 14:11

    Depois do refresco da semana passada avalanche volta com tudo:
    Ações da Rossi no momento despencando – 3,50 % e nenhum jornal comenta. Por que será ?

    Exemplo estadão:
    A Bovespa opera em baixa nesta terça-feira, seguindo a direção dada pelos mercados internacionais, em dia de correção técnica, após seis sessões seguidas de alta. Aqui, o principal índice da Bolsa é pressionado pela desvalorização de Vale,

    Coitada da Vale está servindo de bode expiatório ……

    0
    • Andre 5 de julho de 2011 at 14:59

      Dá uma olhada na composição do Ibovespa, pfv.

      Abs

      0
  • guilherme 5 de julho de 2011 at 14:49

    Engraçado como os jornais mandam um recado e a bolsa outro completamente diferente.

    0
  • luiz 5 de julho de 2011 at 15:03

    Dá pra resumir assim?
    Bolsa subindo, até a Vale e Ptr subindo e as imobiliarias caindo.
    Isso é efeito das novas mediudas macroprudenciais que o ministrto ameaçou tomar.
    As medidas até agora só fizeram aumentar o spread, o lucro dos bancos, sem mexer na inflação e acabou se reduzindo por si só, comodities em baixa, etc, e pelo pouco que a Selic subiu.
    Governo perdendo o controle da economia

    0
  • luiz 5 de julho de 2011 at 15:04

    Dono do blog, minha sugestão pra vc criar outro blog: Copa do mundo FORA do Brasil.
    não queremos copa domundo

    0
    • Bolha Imobiliária 5 de julho de 2011 at 16:05

      Hahahaha. Boa

      0
  • luiz 5 de julho de 2011 at 15:26

    Crédito imobiliário

    O presidente do Banco Central afirmou que a expansão do crédito imobiliário no Brasil ocorre em bases sólidas. Ele destacou a tendência de crescimento do crédito imobiliário, que ainda tem baixo nível de alavancagem em comparação com o resto do mundo. Tombini destacou ainda que o crédito imobiliário no Brasil é submetido a regras rigorosas, que garantem uma tendência de crescimento com menor risco de problemas.

    Tombini afirmou, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), que é possível ver moderação no crédito para o consumo, como reflexo das medidas adotadas pelo governo. Ele afirmou que medidas como a que estimula maior limitação de prazos nos financiamentos de consumo ajudam a dar maior estabilidade para o sistema financeiro. Segundo Tombini, o menor ímpeto no crédito ao consumo ajuda a moderar o crescimento do mercado interno em relação ao início do ano, embora a expansão ainda se dê com robustez.

    0
    • MrK 5 de julho de 2011 at 16:07

      O QUE ESSE PESSOAL NÃO ENTENDE É:

      POR MAIS que os bancos sejam rigorosos ao emprestar
      POR MAIS que não exista subprime aqui
      POR MAIS que o crédito seja baixo em relação ao PIB

      SE VOCÊ tiver uma infinidade de apartamentos em construção, na mão de gente esperando revender, e no momento da entrega de tais apartamentos, não houver demanda de morador aceitando pagar esse preço, é bolha explosiva! Você pode dizer que o crédito é o mais bem dado do mundo, e daí? O que isso tem a ver? Isso por acaso vai fazer surgir uma duzia de moradores ricos em cada esquina?

      Lembre-se: Bolha de NASDAQ tem nada a ver com crédito, bolha de tulipas idem…

      A gente tá construindo imovel como nunca na história, esperando revender a preços exorbitantes…

      0
      • luiz 5 de julho de 2011 at 16:16

        Mrk, e se o governo sugar o excesso de oferta segurando através da Caixa?
        Aí quem come o problema é o Banco, certo?
        Daí fica mais fácil justificar uma operação de salvamento da Caixa, tipo fusão com o BB e coberto pelo BNDES, ou seja, a conta vai pro nosso bolso.

        Compreende oque eu quero dizer qdo afirmo que a bolha ainda vai longe?

        0
        • MrK 5 de julho de 2011 at 16:53

          luiz, não sei se estou compreendendo seu ponto…poderia detalhar um pouco mais esse cenário? explica ele etapa a etapa para que eu possa visualizar, abs!

          0
          • luiz 5 de julho de 2011 at 17:25

            estou pensando alto, ok?
            imagine um cenário de beira de abismo e o governo querendo salvas as aparências a beira da eleição

            1. nivel de inadimplencia começa a subir
            2. imoveis cada vez+ voltam pro mercado
            3. sobre oferta, ameaça derrubar os preços
            4. queda dos preços ameaça valor dos imóveis
            5. se valor dos imoveis cai, mais gente desiste de apgar pq o financiamento ultrapassou o valor do bem
            6. pra salvar as aparencias o governo decide enxugar a sobreoferta escondendo os imoveis do mercado
            7. com o grande volume de imoveis inuteis na carteira, sobe o valor dos ativos imobilizados
            8. depreciação corroe a contabilidade da Caixa que começa a mostrar numeros negativos
            9. pra salvar as aparencias o governo funde Caixa com BB e usa financiamento do BNDES pra sanear os podres.

            fui mto conspiranóico???

            0
          • guilherme 5 de julho de 2011 at 17:37

            Foi um pouco, mais esses exercícios se mostram cada vez mais validos. E o pior de tudo numa operação dessas seria o governo pagando de salvar da Caixa e dos mutuários.

            0
          • MrK 5 de julho de 2011 at 19:07

            hmmm eu achei meio paranoico sim

            dois pontos ficaram confusos pra mim:

            “6. pra salvar as aparencias o governo decide enxugar a sobreoferta escondendo os imoveis do mercado” – Como ele faria isso? Comprando os imoveis devolvidos e se estocando de imoveis?! Acho improvavel, acho que eles podem fazer me*da sim, mas não essa… sabe-se lá

            depois não entendi o problema da depreciacao no balanco da caixa, ora, depreciacao é apenas um ajuste contável pra reducao de imposto, ele afeta o lucro contábil mas não o caixa, essa parte acho que não faz sentido mesmo

            0
          • luiz 5 de julho de 2011 at 19:18

            acho q sim, divaguei d+, vamos parar por aqui
            Só fiz este comentário laáá´em cima inspirado em 2 coisas que li:

            A caixa hj já é a maior imobiliária do país, com milharesde imóveis retomados, ou esperando a burocracia interna do banco, ou com o morador antigo ainda lá, …diversas situações que mantem o imóvel vazio e fora do mercado. Exatamente como ocorre hj na Espanha.

            Esses imóveis entram no balanço do banco como ativo em troca do dinheiro perdido no financiamento inadimplente, acontece que se estes imóveis são avaliados cada dia mais pra baixo, seja pq simplesmente vão apodrecendo com o tempo ou por abandono, ou pq o mercado entrou em parafuso, aí estes ativos viram ativos podres, então ou se maqueia a contabilidade não fazendo a correta atualização da depreciação, ou isso começa a pesar no balanço, de todo modo compromete o caixa pq uma parte grande é ativo imóvel.

            Junta isso com o fim dos recursos da poupança e pronto, mais uma operação de salvamento, vide sadia, perdigão, carrefour, panamericano, friboi, ….

            0
          • Pedro 6 de julho de 2011 at 07:39

            Luis, acho que você narrou uma das mais prováveis estratégias de salvamento do governo. Nos EUA, segundo vários sites, as empresas de hipoteca estavam deixando de tomar os imóveis dos inadimplentes (falamos de milhões de imóveis) para que os mesmos não fossem colocados de novo no mercado, aumentando ainda mais a oferta e derrubando ainda mais o preço após o estouro da bolha. Quanto a usar o bndes para salvar a caixa, isso já está sendo feito desde 2009, com os empréstimos do bndes.
            O governo pode até tentar segurar a bolha, mas a única coisa que ele pode fazer é adiar e aumentar os efeitos do estouro.

            0
          • luiz 6 de julho de 2011 at 07:56

            Pedro, era este o meu objetivo com todda essa divagação.
            o governo ainda tem força praseguar a situação por mto tempo,
            se vai estourar ainda vai demorar muito.

            0
  • Duda 5 de julho de 2011 at 15:52

    Estimados, fouçando no Cotizalia (tenho uma queda por este jornal económico espanhol) achei um artigo que fala da situação fiscal de muitos países. O foco e Estados Unidos. Porém… quando vemos a tabela das situação fiscal de todos os países, vemos que os que pior estão são Grecia, Portugal e Irlanda. Ate aí, nada novo. O apavorante e que em quarto lugar, aparece… (podem adivinhar se quiserem)… sim, o Brasil, “que se balança perigosamente sobre o abismo)… O interessante é que este indicador, asegura que os paises na ponta direita terão problemas nos proximos 18 meses. Bom, deixo com voces para ler e comentarem. Nossa situação não é nada boa. E não falo só da bolha. Algo pior está chegando.

    http://www.cotizalia.com/perlas-kike-vazquez/2011/borde-recesion-20110628-5716.html

    0
    • Duda 5 de julho de 2011 at 16:02

      Perdão, não diz que se balança perigosamente sobre o abismo. Isso tirei de outra noticia que estava lendo. Diz brincando com fogo… mais ou menos o mesmo, vamos combinar.

      0
      • Duda 5 de julho de 2011 at 16:07

        A ver se passa sem a demora da moderação. colocar as tres w antes…

        .cotizalia.com/perlas-kike-vazquez/2011/borde-recesion-20110628-5716.html

        0
        • Duda 5 de julho de 2011 at 17:43

          Pessoal, se alguém tiver dificuladade com o idioma, me avisem. Passo pelo tradutor do Google e colo amanha. SDS

          0
    • trololó 5 de julho de 2011 at 19:25

      já tinha visto, em outro jornal em inglês, mais combustível pra você ficar conspiranóico…

      o problema é que cada vez mais e mais aparecem noticias de gringos falando do brasil

      a tua noticia em
      w w w .rba-llc.com/pdf/TheDisconnectContinues.pdf (artigo em PDF)

      e outra mais legal em

      Which emerging economies are at greatest risk of overheating?

      w w w .economist.com/node/18895150?story_id=18895150&fsrc=rss

      é galera, é muiito sinal amarelo piscando na direção do brasil, vocês não acham?

      0
  • roberto 5 de julho de 2011 at 17:05

    Dia calmo no trabalho então resolvi fazer alguns cálculos:

    Consultei o site imoveiscuritiba, buscando apartamentos com valor acima de R$ 500.000,00. Encontrei 1.742 imóveis, confrontando com o numero estimado da população de Curitiba em torno de 1.851.215 podemos concluir que seria necessário 11% da população da cidade para cobrir esta oferta. Agora será que 11% da população de Curitiba pode pagar um imóvel acima de meio milhão? Outra duvida será que os abastados de Curitiba estão todos morando de aluguel ou na casa da mãe ou quem sabe em baixo do viaduto ?????

    0
    • luiz 5 de julho de 2011 at 17:31

      excelente, e divertido
      esse exercicio simples mostra o ridiculo dos argumentos deles.
      apesar de vc ter errado no calculo é 1%00 ou 1 por mil ou 0,1% e não 11%
      Seria 11% de todos os ricos, fazendo a conta de cabeça.

      0
    • MrK 5 de julho de 2011 at 17:36

      roberto, gostei da sua analise, vamos ponderar mais coisas, em grandes números:

      por exemplo, um ap de R$500.000 é pago em prestações de digamos R$5.000 +/-, considerando marido e mulher trabalhando, seria como dizer que os 2 tem que guardar R$2.500 CADA da sua renda liquida, ou seja, cada um tem que ter um salario bruto de +/- R$8mil (se a mulher não trabalha o marido tem que ganhar uns R$16mil)

      outra coisa interessante é que os aps COMECAM em R$500.000, ou seja as 2 rendas tem que comecar em R$8mil cada, ou seja, é daí pra cima

      se 11% de Curitiba ganha mais que R$8mil (marido e mulher cada) eu não sei dizer, mas suspeito que não…

      0
      • Evandro 5 de julho de 2011 at 18:12

        O pessoal ta mal de conta hein. O Luiz está certo.
        Isso representa 0,1% da população.

        Isso me faz pensar o quão errado estão os jugamentos feitos nesse site.

        Porque, veja bem, não é apenas um erro matemático, como também de lógica.
        Até uma criança de 8 anos percebe que 2 mil pessoas não representam 11% de uma cidade como Curitiba.

        Tem gente tão cega em busca da tal bolha que deixa de perceber coisas elementares.

        0
        • luiz 6 de julho de 2011 at 07:53

          Evandro concordo e discordo
          há esse risco de exagero sim aqui, como do outro lado
          as contas estão erradas, mas o raciocinio está certo, ele pegou só 1 site e a disposição das pssoas em mudar é de 1 em 100, talvez, muda-se uma media de 1 vez a cada 10 anos, chuo eu, a conclusão dele podeestar certa, apesar do aparente erro, atirou no que viu, acertou no que não viu, ou talvez ele fez tod o raciocinio e só não explicou o processo, parecendo errado, concluiu certo

          0
        • Duda 6 de julho de 2011 at 17:25

          Lamento colega. Completamente em desacordo. Sou o primeiro a criticar numeros mal calculados. E Vc esta julgando um site completo, com milhares de comentarios, só porque UM comentario tem um erro de calculo. Acho que o seu comentario, deve ser aplicado a Vc mesmo, e com todo o rigor… Gostou?

          0
    • Q 5 de julho de 2011 at 20:19

      Imóveis (casas e apartamentos) acima de 1 milhão de reais em Belo Horizonte segundo o site de imóveis LugarCerto: 1151! População de Belo Horizonte segundo o IBGE (2010): 2.375.444!
      Será que mais de 0,05% da cidade está interessada em imóveis de 1 milhão, digo mais porque se os preços sobem é porque a demanda é maior que a oferta… Isso em uma rápida pesquisa realizada em somente um site!!

      0
  • guilherme 5 de julho de 2011 at 17:34

    A ultima do dia é Portugal indo para o vinagre: Moody’s rebaixa rating de Portugal para “junk”

    A crise na Europa na minha opinião já está desenhanda, embora os países prefiram ficar agonizando do que se entregar. Só resta prever a extensão.

    0
    • MrK 5 de julho de 2011 at 19:10

      QUANDO a Moodys vai ter vergonha na cara de rebaixar a divida americana de AAA ?? São os maiores devedores do mundo, aumentam o teto da divida trilhonária sem parar, imprimem dolares pra fechar o rombo do deficit do governo, familias endividadas, balanca comercial negativa, FED e governo fazendo tramoias contábeis… Essa mesma agência deu AAA pros titulos subprime!!! QUERO VER REBAIXAR OS EUA!!! FANFARRÕES

      0
      • Frank 5 de julho de 2011 at 19:53

        é q “eles emite” dólar….

        eu discordo, acho q se os EUA derrapam, seria péssimo para o BR.

        esse arranjo geopolítico com os EUA no comando nos é muito + favorável do q uma China, ou – talvez pior – uma liderança indefinida, difusa e fragmentada.

        o BR está “aprendendo” a crescer e se desenvolver nesse estado de coisas: EUA como centro econômico e político do mundo, mas com União Européía e China fazendo interessante e forte contraponto.

        mas isso dá pano pra manga, não é tem p/ esse blog.

        abs.

        0
  • Duda 5 de julho de 2011 at 17:47

    Alguém sabe porque o SECOVI SP demora 3 meses para publicar as vendas? Não gosto das teorías conspiratorias, mas estão deixando na reta não acham? Dá para pensar que estão torturando os numeros, e com bastante crueldade, vendo esse atrrasso de 3 meses…

    0
    • Evandro 5 de julho de 2011 at 18:13

      Sem teoria da conspiração pessoal. Acompanho há algum tempo e eles sempre divulgam quase na mesma data.

      Para vendas, na segunda quinzena do mês, eles divulgam os resultados de 2 meses atrás.

      Depois do dia 15 de Julho, devem divulgar Maio.

      0
      • Duda 6 de julho de 2011 at 17:04

        Bom, vamos esperar então.

        0
        • Duda 6 de julho de 2011 at 17:34

          Mas se chegarmos ate agosto, sem os dados de maio, começarei a pensar que tem “outro” motivo para a tal demora. 4 meses sería demais, ou será que os dados são recolhidos com sinais de fumaça?

          0
          • Evandro 7 de julho de 2011 at 08:18

            Também não entendo por que demora tanto, porém pelo menos parece ter um padrão. Esperemos até Jul-30.

            0
  • França 5 de julho de 2011 at 18:02

    Amigos, boa tarde. Tenho acompanhado o blog e aprendido bastante. Gostaria de contar uma experiência real, vivida por mim, pra ver se vcs dão uma luz. Antes aviso que sei pouco de economia e imóveis. Sou piloto de avião, os números que acompanho são do velocímetro, altímetro, etc.
    Há 3 anos, um amigo de profissão comprou um apt no Flamengo por R$ 520.000. Na época, quase comprei, mas preferi juntar mais um tempo e financiar uma pequena parte. Passados 3 anos, o memso imóvel está avaliado em 1.000.000 !! Eu consegui ficar mais longe da compra, mesmo agindo com prudência e tendo agora mais dinheiro na mão!!
    Agora, pergunto aos mais experientes, surgiram tantos milionários no brasil?? Só eu fiquei pobre?? Pois mesmo tendo uma renda boa, junto com minha esposa, parece que estamos cada vez mais longe da compra de um imóvel. E olha que esse apt que descrevi do meu amigo não é grande coisa: tem 150 m2, em um prédio bem velho, sem infra-estrutura de lazer e com 1 vaga de garagem. Grato!!

    0
    • Anonymous 5 de julho de 2011 at 22:25

      França,

      Proponha para seu amigo vender o apartamento pelo valor de 1 milhão de Reais. Se ele encontrar alguém que pague esse valor, então ele ganhará cerca de 500 mil Reais em 3 anos, o que provavelmente é mais do que ele ganhou TRABALHANDO. Se ele não encontrar alguém que pague esse valor, então ficará evidente que esse preço é irreal. Na minha opinião, esses preços são irreais baseados em absolutamente nada.

      0
      • trololó 5 de julho de 2011 at 22:37

        150 metros, em predio velho e avaliando em 1 mi, e você ainda acha que o preço é irreal?
        isso é o que eu chamo benefício da dúvida!
        está claro demais que esse imóvel está sobrevalorizado, com uma “avaliação em valor virtual”, e se ele achar comprador, parabéns pra ele, que ficou milionário da noite pro dia.

        sabe o que me deixa louco?

        digamos que ele, com o apartamento de 1 milhao, alugue por 2% do valor do imóvel, o que seriam 20 mil reais por mês. isso, a 2%, e como falaram, imóveis estão na faixa de 0.5%, até menos.

        eu trabalho com ramo de guindastes, e aqui na cidade mesmo, em obras do governo, um guindaste, cujo custo de aquisição novo está em torno de 600 mil reais. o interessante é que o valor de aluguel do equipamento está em 35 mil reais por mês… ou seja, com o milhão do apartamento do seu amigo, você compra um guindaste, e sobra mais 400 mil reais, financia mais 200 mil reais e compra outro guindaste, e tem uma renda de 70 mil reais por mês… detalhe, 3 meses trabalhando e você já pagou os 200 mil que você financiou…

        e vejo gente pagando 600 mil em terrenos, comprando 2 ou 3 apartamentos de 200 mil… pra alugar

        0
      • MrK 5 de julho de 2011 at 22:40

        Franca, seja bem-vindo!

        Queria te falar três coisas:

        1- Primeiramente o ponto do Anonymous é valido, o fato de falarem que vale R$1 milhão não necessariamente quer dizer que haja compradores dispostos a dar isso, o quanto realmente vale hoje o mercado é quem diz e não o vendedor. Pode até ser que venda a R$ 1 milhão mesmo, mas tem que avaliar com cuidado, pois imóveis nesses patamares não se usa FGTS, não tem subsídio do “minha casa” e por ser usado não se pode financiar com entradinha minuscula com a construtora, isso restringe muito o número de compradores!

        2- A sua decisão lá atrás foi a correta, não se arrependa disso! Ninguém poderia prever essa loucura que houve e financeiramente poupar e financiar menos é melhor do que não poupar e financiar mais, não se sinta mal pela sua decisão.

        3- Quanto ao “fiquei pobre” eu diria que temporariamente, vou tentar explicar de forma curta… todo mercado é formado por bens e por dinheiro, quanto mais bens e menos dinheiro nele, mais barato fica o item, quanto menos bens e mais dinheiro, mais caro… no caso de imoveis temos os bens quase constantes (pois muito se constroi, mas pouco ainda foi entregue), mas o dinheiro aumentou MUITO por dois canais: 1- Crédito (permitindo que pessoas que nunca tiveram acesso agora tenham e torrem com imóveis) 2- Especulação (gente com grana atrás de rendimento alto, que tirou seu dinheiro de bolsa, fundos, etc… pra investir em imóveis), é como se eu falasse: Seus R$500mil hoje são pouco perto do que o mercado tem, há 3 anos era bem mais, por isso voce não compra as mesmas coisas de 3 anos atrás com esse valor.

        MAS NÃO se preocupe, as duas fontes de inundaram o mercado de dinheiro e elevaram o valor dos bens, uma delas vai evaporar (especulacao) e a outra vai diminuir (crédito), além disso teremos mais bens (Aps entregues) logo o mercado voltará aos patamares do passado, é o que tanto falamos aqui de bolha, e seus R$500mil terão valor alto novamente

        espero não ter sido confuso

        abracos e fique firme!

        0
        • luiz 6 de julho de 2011 at 07:43

          pREZAdo França, fique triste sim pq vc vacilou a três anos atrás.
          Minha sugesão é vc pegar os seus míseros 500 mil e se contetar com uma mansão em malibu ou em Bervely hilss, talvez uma maison na frança, com sorte um castelinho de segunda mão no interior da alemanha, já que um flat no aterro do flamego não é mais pro seu bico, pobretão, rsrs
          abrx

          0
  • Rebecca 5 de julho de 2011 at 18:12

    Folha:

    05/07/2011 – 17h18
    Intenção da classe média de comprar imóvel triplica em 2 anos

    TATIANA RESENDE
    DE SÃO PAULO

    Cerca de 9,9 milhões de brasileiros pretendem comprar um imóvel ou terreno nos próximos 12 meses, dos quais 47% pertencem à classe média, com renda familiar mensal entre três e dez salários mínimos. O número consta de um estudo do Data Popular apresentado nesta terça-feira no seminário “Tendências do Mercado Imobiliário”, realizado pelo Secovi (Sindicato da Habitação) de São Paulo.

    A intenção de comprar um imóvel era declarada por 1,5 milhão de pessoas da classe média no primeiro trimestre de 2009, número que passou para 4,7 milhões no mesmo período neste ano, triplicando o potencial de consumo nesse nicho.

    Falta de terreno leva Minha Casa, Minha Vida para o interior

    Essa quantidade já é superior ao total de consumidores que mostravam essa intenção no início de 2009 (4,4 milhões), considerando todas as classes sociais.

    O principal impulso para esse salto, de acordo com Renato Meirelles, sócio-diretor do Data Popular, é o programa federal Minha Casa, Minha Vida, lançado em março de 2009 para a aquisição de moradias de até R$ 170 mil.

    O principal receio para os consumidores das classes C, D e E ao comprar um imóvel é não conseguir terminar de pagar o financiamento. Já para a população de alta renda, a preocupação mais citada é a de não receber a moradia.

    Meirelles destaca ainda que, para a classe média, o tamanho do imóvel é mensurado em quantidade de quartos, não em metros quadrados, atribuindo mais valor para os apartamentos com mais dormitórios do que para os maiores.

    ————–

    Eu tenho a intenção de ganhar na Mega-Sena ainda este ano.

    0
    • RAL 5 de julho de 2011 at 18:47

      Rebeca devemos ter muito cuidado com estas matéria mesmo.

      Estes dias no Site Infomoney saiu uma matéria com o seguinte Titulo : “Paulistanos preferem imóveis acima de 200 mil reais ” na hora fiz um rapido e direto comentário no site deles que claro foi rejeitado pelo moderador pois eu dizia que o publicador devia ter bom senso pois ninguém prefere pagar mais eu prefiro pagar R$ 1,00 mais se esta custando 200 mil como dizer que Paulistanos preferem comprar pelo amor de Deus é muito absurdo.

      Este matéria é a mesma coisa , primeiro que o numero de 9,9 milhões é a praticamente a população da Cidade de São Paulo e concerteza ele chutou 10 % do sendo do IBGE e mais como este cidadão fez esta pesquisa que amostragem ele usou , este cara tem que trabalhar no IBOpe, pois nem amostragem para Presidente da Republica é igual a dele.

      Somos 200 milhões de Brasileiro Sofredores não sei quantos tem imóvei proprio mais uma coisa é certa 200 millhões de Brasileiro gostariam de comprar um imóvel um terreno ou até um fazenda nos próximos 12 meses é o tipo de pergunta que sempre alguém vai responder ainda que nas entrelinhas que sim.

      A pergunta que devemos fazer para o povo deveria ser a seguinte : Você pretende ser Feliz nos próximos doze meses? se SIM segue o conselho NÃO COMPRE IMÓVEIS.

      0
      • MrK 5 de julho de 2011 at 19:15

        as organizacoes globo tão demais (donas do oglobo e folhasp), estão jogando matérias dia após dia dando a entender que comprar imóveis é a melhor coisa do momento, mas está assim DESCARADO, isso nem é teoria conspiratória isso é observação pura e simples.

        essa reportagem foi em SP, mas no Rio Oglobo a cada dia publica uma matéria enaltecendo um bairro, falando que é a bola da vez, e dando motivos dos mais diversos do porque devem comprar imóveis lá, nas matérias sempre entrevistam corretores e pessoal de imobliária pra dar um “tom” de credibilidade

        na verdade a imprensa está desesperada, porque seus maiores anunciantes hoje (lançamentos imobiliários) podem cair dramáticamente

        0
  • luiz 5 de julho de 2011 at 19:33

    em brasilia melhor alugar:

    http://opequenoinvestidor.com.br/wp-content/uploads/2011/07/Rentabilidade-Im%C3%B3veis-
    DF-1.pdf

    aquilo que eu falei antes pro DRN:
    imovéis de 1,5milhão -> rentabilidade ~0,25%
    imóveis populares -> rentabilidade ~0,48%

    0
    • MrK 5 de julho de 2011 at 21:36

      desculpe o termo, mas tem que ser um ANIMAL pra imobilizar R$1.500.000,00 pra colocar pra render a 0.25% com risco de locador, liquidez baixa e todos os tramites que envolvem imóvel

      não tem o que explique, nem diversificação, isso é coisa de completo desconhecimento financeiro puro e absoluto!

      0
    • DRN 6 de julho de 2011 at 10:21

      Luiz, são os dados do blog do pequeno investidor, não é? Vc tem razão. O aluguel está muito abaixo dos 0,5% lá em Brasília. Só acho que a especulação lá é maior. Penso que aqui em São Paulo a coisa está mais razoável. Noutro post eu relatei minha experiência pessoal. Comprei na planta em 30.12.2008 e recebi o apto em 12.05.2011. Paguei R$275 mil contando preço, corretagem, ITBI, escritura e registro. Os imóveis estão sendo vendidos por R$360mil. O ritmo de venda é lento, mas as vendas estão acontecendo. Eu não pus à venda. Estou morando nele e pretendo ficar por bons anos. Estão alugando por R$1.600,00 (0,44%). Por esse exemplo e por outros que vieram ao meu conhecimento é que eu fiz o raciocínio anterior. Em suma, penso que, em São Paulo, dá para comprar se (i) for para morar, (ii) for pagar sem financiamento e (iii) o metro quadrado não for superior a R$4.000,00.

      Agora, concordo com o MrK (quem não concordaria?): imobilizar R$1,5 mi para receber 0,25% é burrice.

      0
  • Rebecca 5 de julho de 2011 at 22:45

    quem se lembra?

    16/05/2006 – 15h26
    Construção de casas cai 7,4% nos EUA em abril

    da Folha Online

    As construções de casas tiveram recuo de 7,5% em abril, caindo para a taxa anualizada de 1,85 milhão, contra a taxa de março, que havia ficado em 2 milhões, informou nesta terça-feira o Departamento do Comércio dos EUA.

    A taxa de abril foi a menor registrada desde novembro de 2004.

    Ontem a Associação Nacional de Construtores de Casas dos EUA, divulgou pesquisa de confiança feita entre os membros da associação que mostrou o patamar mais baixo em quase 12 anos. A expectativa do setor ficou negativa pela primeira vez desde logo após os ataques do 11 de Setembro.

    A expectativa dos analistas do setor era de que a taxa anualizada do mês passado tivesse ficado em 1,95 milhão.

    As licenças para construção –vistas como um indicador de confiança das construtoras de casas na situação do mercado imobiliário– atingiram a taxa anualizada de 1,98 milhão, contra a taxa revisada de 2,1 milhões de março. Foi a primeira vez que o dado ficou abaixo da marca de 2 milhões desde fevereiro de 2004.

    A preocupação dos analistas do setor é de que os sinais recentes de perda de fôlego no mercado imobiliário sejam indicação do estouro da bolha do mercado imobiliário, o que poderia, no limite, causar uma recessão, uma vez que grande parte do crédito obtido pelos americanos tem como garantia seus imóveis: uma queda nos preços desses causaria dificuldades entre os consumidores para quitar dívidas.

    Alguns economistas, no entanto, vêem sinais de que o atual desaquecimento é gradual e pode ser positivo para a economia.

    0
  • Rebecca 5 de julho de 2011 at 22:49

    quem se lembra (parte 2)? hmm…

    15/02/2004 – 07h38
    Imóveis alimentam bolha de US$ 3 trilhões nos EUA

    CÍNTIA CARDOSO
    da Folha de S.Paulo, em Nova York

    Os imóveis nos Estados Unidos nunca estiveram tão caros. A média nacional dos preços nos últimos oito anos está aproximadamente 35 pontos percentuais acima da taxa de inflação.

    A valorização excessiva alimenta uma bolha de US$ 3 trilhões, segundo o Cepr (sigla em inglês para Centro de Pesquisa Econômica e Política, “think tank” baseado em Washington).

    O governo, leia-se o Fed (banco central dos EUA), não faz referências à formação de uma bolha no mercado imobiliário. Para certos economistas, porém, os sinais são inegáveis.

    O primeiro deles é a insustentabilidade da manutenção dos preços dos imóveis nos patamares atuais. Um dos grandes impulsos para a compra de imóveis nos Estados Unidos nos últimos anos têm sido as taxas de financiamento de hipotecas em níveis historicamente baixos.

    Para contratos de 30 anos, a taxa anual média beira 6%. Uma elevação –ainda que modesta– nos juros do Fed pode provocar uma alta das taxas de financiamento. Na avaliação de Dean Baker, co-diretor do centro, isso já seria o suficiente para provocar o estouro dessa bolha.

    Mas esse processo pode ser detonado pela própria dinâmica do mercado imobiliário. “O preço dos aluguéis não está crescendo nas mesmas proporções encontradas na venda de imóveis. Em algumas regiões, ele está até mesmo caindo”, avalia o co-diretor do Cepr. Essa situação, diz o economista, derruba o argumento de que o aumento populacional é o principal responsável pela trajetória ascendente dos imóveis para venda.

    Renda

    Michael Youngblood, diretor de pesquisas da Gmac-RFC –uma das maiores do setor de hipotecas nos EUA–, tem um parecer semelhante. Mas ele aponta outras razões para demonstrar a existência de uma bolha.

    “A variação dos preços das casas excede a variação da renda dos indivíduos”, diz. Segundo o levantamento da empresa, o preço de casas nas 318 áreas metropolitanas estudadas subiu 5% em um ano (entre setembro de 2003 e setembro de 2002). Nessas mesmas regiões, a renda cresceu, em média, 3,1%.

    Nas áreas onde houve uma maior disparidade entre a relação dos preços do imóvel e da renda, o economista apontou a formação de bolhas. No total, o levantamento detectou a formação de bolha em 29 mercados.

    Pela definição de Youngblood, uma bolha existe quando uma espécie de espiral de expectativa de ganhos mais altos no futuro é o principal combustível para a alta dos preços.

    Anos 90

    Essa visão é corroborada por Baker. As origens da atual bolha imobiliária, explica, remontam a fins dos anos 90. “Esse processo começou com a ultravalorização do mercado acionário. Esses investidores tinham muito dinheiro em mãos para gastar com casas. As pessoas passaram a especular com os imóveis, sempre na expectativa de retornos cada vez mais altos”, avaliou.

    O estouro da bolha de tecnologia, em 2000, também pressionou o mercado de residências, ao provocar um êxodo de investidores de ações de tecnologia para o mercado imobiliário.

    Hoje, alguns já vêem uma sobrevalorização do mercado acionário. “A média histórica da relação de retornos sobre os preços das ações é de 15 para 1. Hoje, vemos algo em torno de 24 para 1”, afirmou Baker. O economista, porém, não vê bolha.

    Mas a recessão –com depressão dos preços dos imóveis– pode ser muito mais grave que uma eventual implosão do mercado acionário. Hoje, 68% das famílias americanas têm imóveis, contra 52% das que possuem ações.

    0
    • luiz 6 de julho de 2011 at 07:48

      sabe o q é pior Rebecca, os argumentos sados aqui são os msmos usados há 5 aos atrás
      eles simplesmete traduzem os motivos deque não tem bolha, o melhorzinho deles é dzer que a vlorzação do pibpercapta (GDP) acompanha a valorizaçõ do metro quadrado, e escondiam q o orçameto das familas estava cada dia mais comprometido, igualznho aqui,
      valeu pelos posts.

      0
      • TH 6 de julho de 2011 at 08:55

        Aqui uma pequena correção:

        GDP significa Gross Domestic Product, que é o PIB em português, e não PIB per capita.

        PIB per capita seria GDP per capita em inglês. (O “per capita” não muda porque é latim)

        Sds

        0
    • Buginga 6 de julho de 2011 at 08:29

      Impressionante Rebecca!!!! Fiquei espantado com as semelhanças nos cenários e analises que houveram nos EUA com as que tem ocorrido aqui. Parabéns pelo post e por ter resgatado essas notícias. Elas mostram que as historias se repetem e que há uma incrível negação dos sinais que o mercado do BR. Vem mostrando. Um abraço

      0
    • Glaucio 6 de julho de 2011 at 11:04

      “Pela definição de Youngblood, uma bolha existe quando uma espécie de espiral de expectativa de ganhos mais altos no futuro é o principal combustível para a alta dos preços.”

      Ou seja, segundo Youngblood, há bolha no Brasil.

      0
      • luiz 6 de julho de 2011 at 11:50

        outra definição de bolha é quando os valores, de qualquer coisa, estão acima do seus fundamentos, não havendo base sólida de sustentação de longo prazo.

        0
        • MrK 6 de julho de 2011 at 13:29

          concordo luiz

          algo subir 200% não necessariamente é bolha, por exemplo, uma empresa que vende um produto que de repente explode e vira febre… tipo o facebook… e isso se traduz em rendimentos (grana) alta.

          o problema é quando algo sobe 200% sem ter nada solido que justifique, no caso dos aps, algo solido seria os alugueis, como os alugueis não subiram neeeem perto disso, está claro a bolha

          0
  • Ramires 6 de julho de 2011 at 08:26

    Saiu uma materia boa na revista que acompanha o jornal Valor, ValorInveste, falando sobre imoveis com o tema ” Ha bolha nos precos dos imoveis”.

    A maioria dos entrevistados sao pessoas ligadas a empresas do ramo discutido, estranho.

    Essa materia ta um pouco confusa.

    0
    • Bolha Imobiliária 6 de julho de 2011 at 08:27

      Suspeito demais…

      0
    • Ramires 6 de julho de 2011 at 08:30

      Ops…. achei a fonte.

      valoronline.com.br/impresso/primeira-pagina/3021/451545/ha-bolha-nos-precos-dos-imoveis

      0
  • MrK 6 de julho de 2011 at 09:25

    Materia do valor de hoje:

    “Muitos especialistas, porém, não acreditam que ela (bolha) exista, pois no Brasil a maioria ainda compra imóvel para morar.”

    DÁ PRA LEVAR UM TROÇO DESSES A SÉRIO?

    Ontem mesmo matéria do oglobo dizia que a maioria dos Brasileiros estava querendo focar o investimento em imóveis, eu tenho amigos que nunca compraram imóveis e hoje estão com 3, vários casos assim, todos os folhetos de venda de imóveis vem com a palavra “invista, rendimento”, existe um tsunami de dinheiro especulativo no mercado imobiliária, e o camarada tem a CORAGEM de soltar essa pérola???????? ahhh…

    0
    • Ader 6 de julho de 2011 at 16:25

      Caro MrK, já ouvi algo entre amigos que relaciona boa parte da grande venda de imóveis a lavagem de dinheiro… essa informação procede?

      0
      • MrK 6 de julho de 2011 at 22:45

        ader, acho que isso sempre existiu, por isso não sei se dá pra atribuir a alta dos preços a esse fator não

        acho que tem lavagem sim, mas não é a vilã desse boom, até porque a lavagem se dá mais fortemente em imóveis usados e os preços loucos hoje estão tanto em usados quanto na planta!

        0
  • França 6 de julho de 2011 at 09:33

    Amigos, obrigado pelos conselhos. MRK, entendi sim, foi bem transparente a sua explicação. Vou manter a estratégia e não vou entregar minhas reservas, fruto de anos de economia e trabalho, nas mãos de aproveitadores. O aluguel compromete pouco da minha renda e tenho um ótimo padrão de vida. É claro que quero ter meu imóvel, mas não consigo enxergar esse valor de R$1.000.000, como um valor corriqueiro no Brasil.
    Luiz, talvez siga o seu conselho!! De repente, morarei de aluguel a vida inteira no Brasil e depois compro uma casa em Malibu com os meus trocados… Lá, os bueiros não explodem e os mendigos não se amontoam nas esquinas, como aqui no pais dos milionários!! Abraço.

    0
    • luiz 6 de julho de 2011 at 11:02

      França, levando um pouco+ a sério, nós que frequentamos aqui já viomos mta gente vindo com a mesma pergunta: será que fikei pobre?
      eu mesmo fui 1 deles…

      de fato ninguém sabe a hora que o brasil vai entrar em estol (?).
      qto anos de autonomia ainda temos pra cointinuar subindo até virar todos bilionarios?
      realmente espero não estar enganado, de qq modo se tudo for mal ainda resta miami, um ap lá custa 90k.

      0
  • roberto 6 de julho de 2011 at 10:26

    Exato MRK e Luiz…

    Houve um erro na forma de colocar as informações: A proporção de apartamentos para cidadão é de 1 %, onde 10 % considero como o percentual de Curitibano com poder de compra a suprir a referida demanda. Portanto acredito que JÁ temos um volume alto de imóveis para um mercado JÁ saturado. Agora se o Luiz quiser que eu desenhe !!!!!

    0
    • roberto 6 de julho de 2011 at 10:30

      Desculpe Luiz

      O Evandro quiser que eu desenhe !!!!!

      0
    • luiz 6 de julho de 2011 at 11:54

      Na verdade é ainda menos, a classe A é pouco + de 5% das familias em Curitiba, destes, 10% teria que se propor a comprar tais imóveis só desse site, fora o resto

      0
  • Mauricio 6 de julho de 2011 at 10:46

    Nenhuma novidade, mas ai vai mesmo assim:

    “http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2011/07/06/aumenta-preocupacao-no-exterior-com-saude-da-economia-brasileira.jhtm”

    O bom momento da economia brasileira vem há tempos sendo propagandeado ao redor do mundo como exemplo para a recuperação após a crise global de 2008. No entanto, já começam a crescer as vozes divergentes que alertam sobre possíveis estouros de bolhas que levem a uma desaceleração no país.

    “As pessoas estão subestimando os problemas na economia brasileira”, adverte o analista Neil Shearing, economista sênior para mercados emergentes da conceituada consultoria britânica Capital Economics.

    “Entre os pontos de vulnerabilidade da economia brasileira apontados por analistas em relatórios e artigos recentes estão questões como a expansão do crédito com juros altos, a sobrevalorização do real, os riscos de inflação, o alto preço das commodities e a valorização excessiva no mercado imobiliário nas grandes cidades brasileiras.

    “O estouro da bolha de crédito deve ser bastante grave e levar a economia a uma desaceleração”, disse à BBC Brasil por e-mail, de Hong Kong, Amit Rajpal, gerente de portfólio do fundo de investimentos Marshall Wace.

    Em um artigo publicado nesta semana pelo diário econômicoFinancial Times, Rajpal e Paul Marhsall, diretor de investimentos do Marshall Wace, alertam para o risco de uma crise no setor de crédito no Brasil, citando um aumento dos gastos proporcionais das famílias brasileiras com o pagamento de suas dívidas e a perspectiva de aumento dessa proporção por conta dos juros em alta.

    “O peso no fluxo de caixa (das famílias) é astronômico e está crescendo”, escreveram.

    O artigo de Rajpal e Marshall é o último de uma série que vem aparecendo nas últimas semanas em diferentes veículos especializados para alertar sobre riscos enfrentados no Brasil.

    Em um relatório publicado na semana passada, a Capital Economics faz um alerta sobre as perspectivas negativas da indústria no Brasil, apesar do crescimento na produção registrado em maio, e sobre a contínua valorização do real, que “está distorcendo a economia brasileira”.

    A consultoria britânica mantém suas previsões positivas sobre a economia do país no curto prazo, mas advertiu em um relatório anterior sobre “um crescente risco de que a economia superaqueça ou que bolhas comecem a inflar”.

    Para a Capital Economics, a vulnerabilidade da economia brasileira advém de dois fatores: a força do fluxo de capitais para o país e o aumento rápido do crédito para o consumo interno.

    A consultoria avalia que o excesso de divisas nos países com grandes superávits em conta corrente, como a China ou a Alemanha, vai se manter, o que significa que os fluxos de capital para as economias emergentes, como o Brasil, também se manterão altos, já que o capital excedente nesses países buscará investimentos com taxas de retorno maior, por conta das altas taxas de juros.

    O relatório adverte que isso é um problema, porque essa entrada de divisas está sendo usada para estimular o consumo interno, com o aumento do crédito, em vez de gerar investimentos em capacidade produtiva, aumentando as pressões inflacionárias.

    A consultoria avalia que, apesar das ações pontuais do governo para tentar controlar os problemas apontados, “os desafios podem finalmente se provar grandes demais”.

    Para o analista Neil Shearing, essas eventuais bolhas devem estourar até 2013, mas não a ponto de levar a uma recessão.

    “Nossa previsão para 2013 é de um crescimento de 2% a 3%, que poderia ser considerado fantástico para as economias desenvolvidas, mas não para o Brasil, que precisa de um crescimento de pelo menos 3% a 4% para poder compensar o aumento populacional e gerar empregos”, observa.
    ‘Medidas limitadas’

    Amit Rajpal vê a possibilidade de uma desaceleração mais acentuada na economia. “Se vai haver ou não uma recessão vai depender da gravidade do estouro da bolha de crédito”, afirma.

    Para ele, o governo brasileiro falhou em não adotar medidas mais rápidas para conter o fluxo de capitais, para estimular as taxas de poupança interna e para conter os gastos públicos.

    Rajpal considera que as medidas já adotadas pelo governo para conter o crédito ao consumo “são muito limitadas em escopo”. “O crédito ainda está crescendo muito rápido e precisa ser contido”, afirma.

    No artigo publicado nesta terça-feira, Rajpal e Marshall observam que algumas medidas adotadas pelo governo, como a elevação das taxas básicas de juros, têm o efeito de aumentar o peso do serviço das dívidas sobre os devedores.

    Segundo eles, a taxa média de juros nos empréstimos para consumo já subiram de 41%, no ano passado, para 47% em maio deste ano, elevando com isso de 24% para 28% a proporção da renda disponível das famílias brasileiras usada para o serviço de suas dívidas (na classe média, essa proporção já teria passado dos 50%).

    Em comparação, a proporção da renda disponível para o pagamento de dívidas é de 16% nos Estados Unidos e ainda mais baixa em outras grandes economias emergentes como a Índia (4,8%) ou a China (6,5%).

    Eles advertem ainda sobre o aumento do índice de atrasos de mais de 15 dias nos pagamentos das dívidas, de 7,8% do total de empréstimos para 9,1% entre dezembro do ano passado e maio deste ano.

    Para Rajpal e Marshall, a queda de mais de 10% no índice Bovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, desde o início do ano pode ser uma indicação de que os investidores já começam a se preocupar com a saúde futura da economia brasileira.

    Os dois observam que muitos analistas e investidores ainda mantêm suas previsões positivas sobre a economia brasileira, mas avaliam que as dúvidas sobre as análises conflitantes devem ser respondidas antes do final deste ano.

    Em maio, o FMI (Fundo Monetário Internacional) também alertou para o risco de um superaquecimento da economia brasileira, mas elogiou as medidas tomadas pelo governo do país para cortar os gastos públicos e para reduzir os empréstimos concedidos pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
    Visão positiva

    Apesar dos crescentes sinais de alerta sobre a economia brasileira, alguns analistas mantém uma visão positiva e descartam estouros de bolhas.

    O economista americano John Williamson, do Institute for International Economics, de Washington, afirma que não existem sinais de bolhas e diz que o maior problema para a economia brasileira hoje é a questão da sobrevalorização do real.

    Ainda assim, Williamson, que ficou famoso por cunhar o termo Consenso de Washington, conceito que agrega políticas liberais aplicadas na América Latina nos anos 90, afirmou que não acredita que essa questão tenha o potencial de prejudicar seriamente o crescimento brasileiro ou de que tenha saído do controle.

    Para ele, a solução para o fortalecimento do real é “continuar aplicando as medidas que o governo já vem adotando”.

    Simon Knapp, economista sênior da consultoria Oxford Economics, afirma que o aumento do crédito no Brasil não preocupa e não vê sinais de bolhas no setor.

    “Apesar do crescimento, o nível de endividamento no Brasil ainda é modesto, de cerca de 50% do PIB, enquanto nos Estados Unidos e nos principais países europeus esse nível é três vezes maior”, observa.

    Enquanto Rajpal e Marshall vêem no aumento dos juros um fator para o possível estouro de uma bolha de crédito, Knapp afirma que o alto custo do crédito tem o efeito de manter os empréstimos a um nível aceitável.

    “Não creio que haja uma sensação geral de que o aumento do crédito seja um problema no Brasil”, diz.

    Ainda assim, ele prevê uma desaceleração considerável nos próximos anos, com um crescimento estabilizado em um “ritmo sustentável de 4% ao ano”.

    Para Knapp, o grande problema da economia brasileira hoje é a ameaça da inflação e a necessidade de balancear o controle dos preços não somente com o aumento das taxas de juros, mas também com o controle de gastos do governo.

    Ele observa que o aumento excessivo dos juros acaba gerando o efeito colateral de atrair mais capitais ao país e reforçar a valorização do real. Para evitar isso, observa, é necessária também uma política fiscal mais austera.

    “O Banco Central brasileiro se mostrou nos últimos anos bastante competente em conter os riscos de inflação”, comenta. “A política monetária brasileira certamente não é frouxa, mas o desafio é balancear isso com uma política fiscal mais dura também”, diz.

    0
  • MrK 6 de julho de 2011 at 11:11

    Caramba, tudo que esse bom relatório falou, nós já discutiamos aqui há meses, veja só 3 pontos do relatório que foram excessivamente discutidos aqui, que eu inclusive me lembro de ter levantado a bola junto com os amigos:

    “O relatório adverte que isso é um problema, porque essa entrada de divisas está sendo usada para estimular o consumo interno, com o aumento do crédito, em vez de gerar investimentos em capacidade produtiva, aumentando as pressões inflacionárias.” – SEMPRE FALEI ISSO

    “elevando com isso de 24% para 28% a proporção da renda disponível das famílias brasileiras usada para o serviço de suas dívidas (na classe média, essa proporção já teria passado dos 50%).” – TEMA RECORRENTE AQUI

    “Para Rajpal e Marshall, a queda de mais de 10% no índice Bovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, desde o início do ano pode ser uma indicação de que os investidores já começam a se preocupar com a saúde futura da economia brasileira.” – E O QUE TEMOS DITO EM RELAÇÃO A AÇÃO DAS CONSTRUTORAS?

    0
  • MrK 6 de julho de 2011 at 11:32

    gente…a gafisa tá caindo mais 2% hoje, já acumula 52% de queda… Que castigo, amigo!!!!!! vai virar póóóóó

    0
    • Marcelo Ferreira 6 de julho de 2011 at 14:50

      Não é só a Gafisa … as outras estão no mesmo caminho .. Rossi, PDG, MRV .. se o mercado estivesse “bombando” como os corretores dizem, essas ações não estariam sendo “bombardeadas” 🙂 .. não é por mal, acho que existe gente de boa fé em construtoras, mas todo mundo tem o que merece ..

      0
      • Anonymous 7 de julho de 2011 at 01:08

        Eu estou recebendo SPAM da Rossi oferecendo apartamentos a partir de 1 milhão de Reais. Onde já se viu vender um produto de mais de 1 milhão de Reais através de SPAM? Um claro sinal de que perderam o juízo.

        0
  • trololó 6 de julho de 2011 at 12:49

    w w w .bcb.gov.br/pec/appron/apres/Apresentacao_Tomibini_CAE_05-07-2011.pdf

    43% do nosso pib nada mais é do que crédito (ou como alguns vêem, dívida)…

    precisa dizer mais?

    sim:

    comparando com países PRIMEIRO MUNDO não é nada, já que eles chegam a mais de 100% do PIB no crédito…..

    não é a toa que estão quebrados!

    0
  • MrK 6 de julho de 2011 at 13:28

    Poupanca perdeu mais R$ 3bilhoes segundo materia do G1 hoje…

    isso é perigoso por 3 motivos

    1- Pais forte precisa de poupança para financiar sua produção e sua infraestrutura

    2- Menos poupanca menos dinheiro pra credito imobiliario

    3- Pode ser um sinal de que as familias estão apertadas e precisando resgatar suas economias pra quitar dividas e sobreviver (acho um sinal claro)

    0
    • João 6 de julho de 2011 at 19:04

      Creio que há transferência da poupança para outras aplicações. Investidores maiores sempre fazem isso. De quealquer maneira, segundo alguns analistas seria melhor restringir os emprestimos para o Mercado Imobiliário.

      Vamos ver…

      0
  • DRN 6 de julho de 2011 at 13:45

    Será que os recursos da poupança estão sendo gastos, ou será que estão sendo reinvestidos em fundos de renda fixa e títulos do tesouro? Com juros altos, o governo está chupando o dinheiro do mercado só para ele emprestar via BNDES para empresas meticulosamente selecionadas (doadoras fiéis ao PT e/ou aos seus membros). A vantagem é ter a máquina de imprimir dinheiro e ter 200 milhões de brasileiros para pagar tributos.

    0
    • MrK 6 de julho de 2011 at 13:50

      voce tem um bom ponto, com certeza deve ter volume migrando sim, na verdade a maior probabilidade é um pouco dos dois: Familias precisando resgatar pra fechar orcamento e migração de fundos

      mas os outros 2 pontos que citei continuam validos abs

      0
      • olp 7 de julho de 2011 at 11:04

        Mrk

        so pra te informar:

        a poupança perdeu 3bilhoes no 1 SEMESTRE
        os fundos captaram 45BILHOES!!!!
        e CDBS 44 BILHOES!!!!!

        abs

        0
        • MrK 7 de julho de 2011 at 13:13

          olp, fundos e cdbs não direcionam seu dinheiro pra credito imobliario, o X da questão

          além do mais essa captação massiva vem de fora do país…abs

          0
  • Marcos 6 de julho de 2011 at 16:11

    IMOB esta próximo 874 pontos com queda de 1,5%

    Onde esta o fundo?

    0
    • guilherme 6 de julho de 2011 at 16:51

      Vale a pena dar uma conferida.

      .bmfbovespa.com.br/indices/ResumoEvolucaoDiaria.aspx?Indice=IMOB&idioma=pt-br

      Se for ver a serie historica os niveis estao voltando a 2009, estranho que os preços ainda não se refletem na queda,

      só paar responder o indice comeca em 2008, despenca abaixo de 400 e vai subindo desde entao.

      0
      • MrK 6 de julho de 2011 at 17:05

        eu não acompanho esse índice, mas acompanho as grandes do mercado

        as 2 principais (Gafisa e cyrela) estão em queda livre sem perdão desde Novembro, amargando perdas na casa de 50% e 40%… isso é muito grave… e nem é ataque especulativo de desmonte de posição não, isso é fundamento puro e simples, pega o balanço da gafisa e você vê uma empresa endividada, sem caixa, com lucro e vendas declinantes

        0
        • Anonymous 7 de julho de 2011 at 01:04

          MrK,

          Lembro de ter lido uma entrevista do filho do dono da Cyrela. Ele tem 27 anos de idade e acumula os cargos de diretor financeiro, administrativo e de recursos humanos. Se eu tivesse ações da Cyrela, ficaria preocupado. Os trouxas que compraram ações das construtoras em 2007, num mercado incipiente, me fazem lembrar do CEO da ENRON – Os acionistas são os idiotas úteis. Na Banânia eles estão pagando a farra dos lançamentos. Na minha opinião, os controlladores dessas empresas já devem estar desviando dinheiro para fazer um pé-de-meia.

          0
  • JP 6 de julho de 2011 at 22:42

    Olhem um vídeo bem humorado sobre a bolha espanhola:

    http://www.youtube.com/watch?v=D60d7XnSlNQ

    “Qualquer semelhança é mera coincidência…”

    0
  • Anonymous 7 de julho de 2011 at 01:23

    MrK,

    “O Dolar teve lastro em ouro até os anos 70, depois desfez isso, hoje é literalmente papel verde” – voce está enganado nesse ponto. O dolar está lastreado em petróleo. Em troca da proteção dos EUA, alguns ditadores do mundo Arabe, concordaram em vender petróleo somente em Dólares. Não é por acaso que a Arabia Saudita abriga bases Americanas – o inimigo da familia Real é a população do pais. Além desse lastro, existe um outro que só Dolar tem – o PLUTÔNIO. Pense um pouco e entenderá o que quero dizer. Vou dar uma dica – O Japão digamos que “viu a luz” em 6 de Agosto de 1945.

    0
    • Marcelo 7 de julho de 2011 at 09:19

      OFFTOPIC TOTAL

      O padrão ouro não era tácito. Não existe nenhum lastro “de direito” para o dólar hoje. Isso é fato.

      Bomba atômica a Rússia tem até mais que os EUA. Por que não é a mesma coisa? Só pra pensar…

      0
  • VALDECIR 7 de julho de 2011 at 06:29

    Estou achando que a crise ja instalou no brasil:

    Estoques de montadoras sobem a nível crítico e Fiat dá férias coletivas

    SÃO PAULO – A indústria automobilística fechou o semestre com venda recorde de 1,73 milhão de veículos, mas começa a se preocupar com o alto estoque nos pátios das fábricas e revendas. No fim de junho, havia 342 mil carros à espera de compradores, o equivalente a 33 dias de vendas. Para evitar que ultrapassem a margem considerada crítica pelo setor, acima de 35 dias, algumas empresas vão diminuir o ritmo de produção.

    A Fiat vai dar uma semana de férias coletivas na fábrica da Argentina, onde são produzidos os modelos Siena vendidos no Brasil. O grupo pode ainda parar a fábrica de Betim (MG), por uma semana, neste mês ou em agosto. “A partir de 35 dias de estoque começa a pesar significativamente nos custos das empresas”, diz o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini.

    Consultadas, as assessorias da Ford, General Motors e Volkswagen informaram não ter, neste momento, informações sobre medidas desse tipo.

    É o terceiro mês neste ano que os estoques chegam a 33 dias, mas é a primeira vez que ultrapassa o volume total de vendas do mês, de 304,4 mil unidades, 4,5% a menos que em maio.

    Belini diz que o grande número de marcas atuando no mercado justifica, em parte, o elevado estoque. A inadimplência nos financiamentos é outro fator que destoa do bom resultado do semestre, embora, segundo Belini, não chegue a ser preocupante.

    O atraso nas prestações vencidas há mais de 90 dias é de 3,6% de todos contratos, numa trajetória crescente. Era de 2,6% em janeiro, foi a 2,8% em fevereiro, a 3% em março e a 3,2% em abril.

    A produção no semestre cresceu 4,1% em relação ao ano passado, para 1,71 milhão de veículos, enquanto as vendas aumentaram 10%, com resultado superior ao da produção. As importações subiram 38%, para 390 mil unidades, o equivalente a 22,8% de tudo o que foi vendido.

    As exportações cresceram 3%, para 249,9 mil unidades. “Seguimos aumentando o déficit na nossa balança comercial, que foi de 40 mil veículos no primeiro semestre de 2010 e atualmente é de 140,1 mil”, informa Belini. Por isso, qualquer medida cambial que seja adotada pelo governo é bem vista. “Espero que haja medidas efetivas”, diz. O executivo lembra que o “Brasil é a bola da vez” e tem recebido “entrada violenta de capitais”.

    Na terça-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que o governo poderá adotar novas medidas para tentar conter a queda do dólar no País.

    Porto cheio. Uma das recentes ações adotadas pelo governo para inibir importações, o da obrigatoriedade de licenças prévias, deixa os portos lotados. Segundo Belini, há 99 mil licenças pendentes. A média de prazo para liberação é de 15 a 20 dias.

    A indústria automobilística continua ampliando o número de funcionários. Com a abertura de 592 novas vagas em junho, o setor encerrou o semestre com 142,7 mil trabalhadores, o maior contingente em quase 22 anos.

    A Anfavea mantém sua projeção de crescimento de 5% para as vendas neste ano (para quase 3,7 milhões de unidades), e de 1,1% na produção (3,68 milhões de veículos). Belini acredita que as medidas macroprudenciais anunciadas a partir de dezembro e a alta dos juros “agora estão tomando forma no mercado”. Por isso, o ritmo de crescimento das vendas pode não se manter na casa de dois dígitos.

    http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios+industria,estoques-de-montadoras-sobem-a-nivel-critico-e-fiat-da-ferias-coletivas,not_74916,0.htm

    Que venha a bolha!!!!!

    0
  • Jonas 7 de julho de 2011 at 09:09

    Olá bom dia a todos, topico no mínimo interessante, “Minha casa, minha ruína”, do blog o Fogaréu; quero ver quando este negocio explodir o que os nossos caros governantes vão falar, tristes estaram aqueles q compraram com o ágio exorbitante. Que país é esse !

    0
  • Finanças Inteligentes 7 de julho de 2011 at 09:49

    Acho que o mercado está sim superaquecido mas não podemos afirmar que há uma bolha. Só é possível confirmar a existência de uma bolha depois que ela estora. Este superaquecimento está começando a refletir nas vendas dos imóveis neste 2º trimestre, estão caindo consideravelmente e o preço já deu sinais de correção também. Os imóveis estão em um preço totalmente fora de mercado, mas não acredito em queda brusca dos preços, a não ser que a inadimplência aumente juntamente com a taxa de desemprego. Aí teremos crash.

    Abcs,

    0
  • xyz 7 de julho de 2011 at 10:26

    Fipe/zap de junho está disponível.
    E a bolha continua inflando muito forte, no mesmo rítmo alucinante desde o início do ano (tanto na venda como no aluguel).
    Apesar de ser um índice feito por entidades muito interessadas no mercado imobiliário e medir o “anunciado” e não o “negócio fechado”, não deixa de ser um termômetro importante.

    Tenho observado aqui em Fortaleza uma multiplicação das placas de “vende-se”, mas observo também que o mercado ainda está muito aquecido.

    Interessante que para 40 placas de “vende-se” vemos uma de “aluga-se”. Isso explica o porque do aluguel está subindo também muito forte, pois como o Mrk escreveu, ninguém financia aluguel em 30 anos. Ou seja, o mercado de aluguel rege-se mais pela lei da oferta e procura. Acontece que investidor quer “renda” e enquanto achar que seu imóvel está “rendendo” mesmo fechado o cenário não muda, mas quando ver que o imóvel fechado é prejuízo, as placas de “aluga-se”, assim como as de “vende-se”, vão se proliferar.

    Outro fator é que a economia está importando mão-de-obra. Quem tem qualificação tem emprego. E o emprego está crescendo muito forte.

    MAS infelilzmente o crescimento da economia está longe de ser saudável e sustentável. Está sustentado em pilares de areia, como o brutal endividamento da população e do governo e a forte entrada de capital especulativo.

    Mesmo agnóstico, só posso dizer: DEUS NOS PROTEJA!

    0
    • RAL 7 de julho de 2011 at 11:41

      Embora não seja o tema principal , obsrve uma outra bolha perigosa

      BOLHAVESPA

      ← E as ações caem…Bovespa tem que dividir o índice por 10… vai ser difícil atingir os 5 milhões de CPF’s assim

      É, a meta de 5 milhões de CPF’s fica cada vez mais distante e o prazo está chegando ao fim. 2012. A Bovespa terá que se re-inventar, com uma nova mega blaster emissão de ações com o uso do FGTS e ainda dividir o índice por 10. O dólar está em 1,56 e a bolsa em 62.000. Nosso índice vale 40 mil dólares. o Dow Jones 12.000, o CAC de Paris, 6.500, o FTSE100 de Londres, 9.000. Então fica difícil e oprime as pessoas ter que ter 62.000 reais para comprar a carteira teórica do IBOVESPA. Fica interessante porém a 4.000 reais…

      0
    • luiz 7 de julho de 2011 at 11:47

      é um mercado de baixa elasticidade, a correia que puxa o preço da venda leva meses pra puxar o preço do aluguel, mas ambos são apoiados numa mesma coisa, a renda familiar dos consumidores.

      Acho eu que pro mercado nívle A já deve estar estabilizando, mas o que vai puxar a média p cima é o popular, por exemplo na região do Itaquerão tem terreninho com barraco sendo vendido por 100 mil. Acho!

      Resta lembrar que o aumento do SM de 2011 já está contratado em quase 15%.
      E é bem isos que difere minha opinião das dos demais, a bolha está só começando,
      e vai que nem bicicleta, se parar de pedalar cai.

      0
    • Marcelo 7 de julho de 2011 at 15:29

      Aqui em Niterói, FIPEZAP caindo pelo segundo mês consecutivo em vários bairros. Apenas em Icaraí (algo como Copacabana, mal comparando) a subida se ACENTUOU. Total descompasso com o restante da cidade. Mas é como o ditado, quanto maior, maior a queda.

      0
  • Lucas 7 de julho de 2011 at 11:05

    Galera, eu sempre passo pelo blog mas esta é a primeira vez que vou postar.
    Acho que a especulação ainda é muito grande devido aos vários imóveis vendidos na planta e que ainda não foram entregues, tem condomínio de quase 1.000 unidades que era pra ser entregue em 02/2010 e até o momento nada, ou seja, as obras estão muito atrasadas e isso da muita margem pra especulação. Vi minha reportagem que o próprio MCMV 1 de um milhão de unidades só foram entregues até agora 300.000.
    Por onde eu passo no Rio de Janeiro eu vejo obras, mas condominio entregue que é bom quase nenhum, quando eles eles forem entregues vai haver muita movimentação e daí mas pressão pra quem tá especulando.
    Quando estas unidades estiverem realmente disponiveis no mercado a coisa tende a melhorar

    0
    • Lucas 7 de julho de 2011 at 11:07

      no lugar de Vi “minha” reportagem, digo, vi uma reportagem

      0
      • MrK 7 de julho de 2011 at 13:19

        Lucas, o Rio tá mesmo um verdadeiro canteiro de obras pra todo lado. tem bairros em que ruas inteiras serão compostas por predios com menos de 5 anos de vida (alguns entregues, outros em construcao e outros em terreno)

        A sua análise sobre o futuro do mercado se parece muito com a minha.

        O que vai ser um termometro MUITO BOM pro momento atual não é o FIPEZAP , vai ser a publicacao de resultado do 1o semestre das construtoras, no caso do Rio em especial a Gafisa que constroi muito por aqui, aguardemos.

        0
  • Samuel 7 de julho de 2011 at 11:42

    Senhores,

    Li uma matéria interessante, não corroborando a tese de bolha imobiliária.
    Adianto que os comentários que fizeram lá, foram tão interessantes quanto o artigo publicado.

    Um forte abraço

    w.odiario.com/blogs/papodebolsa/2011/06/26/o-brasil-esta-vivendo-uma-bolha-imobiliaria/

    0
    • xyz 7 de julho de 2011 at 12:22

      Interessante é que o artigo coloca as olimpíaddas como marco. Antes das olimpíadas os preços não caem, depois ninguém sabe.
      Considerando que faltam 5 anos e que os empreendimentos lançados hoje demoram 4 anos para serem entregues, este argumento idiota para convencer “investidor” só pode ser usado por mais 1 ano.
      Outro argumento que não cola mais é que o deficit habitacional é de 5 milhões. De fato o censo 2010 disse que temos 6 milhões de imóveis desocupados (sem contar os de veraneio).

      Agora o mais patético é dizer que os fundamentos da economia brasileira são sólidos (crédito fácil, crédito fácil, crédito fácil e muita especulação).

      Obviamente o aumento da renda e do empredo é fato, e permitiu boa parte da população ter um holerite para contratar um financiamento.

      Mas infelizmente para nosso castelo de areia desmoronar basta um sopro mais forte.

      0
      • luiz 7 de julho de 2011 at 12:40

        Xis, concordo com vc, exceto dizer q os argumentos não colam+
        Cola sim.
        Olimpiada 16 é só no rio, porisso eu acho que começa a cair depois da copa.

        O interessante naquele artigo é que o cara flaa que não importa tanto os fundamentos, mas que uma quantidade grande de pessoas ache a mesma coisa.

        0
        • MrK 7 de julho de 2011 at 13:17

          esse negocio de olimpiadas é das coisas mais engraçadas pra mim:

          Veja bem, invista em imovel aqui e se financie a perder de vista, voce vai ficar rico, o imovel na planta vai ser entregue la pra 2013 mas olhe, venda em até 2 anos, ok? porque se não voce vai quebrar…

          quem investiria num negocio assim????

          0
          • Duda 7 de julho de 2011 at 14:09

            Mrk, vc explicou de forma brilhante porque é impossivel que os preços se mantenham ate depois do mundial. A autoría é sua, mas vou repeter, com sua licença. Se todos esperam que os imóveis caiam em preço depois do mundial, irão vender ANTES do mundial, para se garantir um bom preço de venda (muito lógico). Agora, muitas ofertas, produzem QUEDA de preços, pela velha e boa lei de oferta e procura. Então, teremos uma queda de preços ANTES do mundial (2012-2013).

            Agora eu agrego: Quando isto começar, Rio cairá na mesma situação, ninguém acreditará mais no conto das Olimpiadas, os preços serão furados lá tb., tal vez com um “delay” dum ano ou ano e meio, mas nunca chegando até os Jogos.

            0
          • olp 7 de julho de 2011 at 14:26

            Duda,
            voce tinha falado que ja veriamos queda esse mes..

            nao é nesses numeros que estao sendo divulgados nao ne? É no proximo mês, é isso?

            Obrigado

            Abs

            0
          • Duda 7 de julho de 2011 at 17:15

            Sim, olp, mas o que falei é que a queda começa neste mes (de fato, já estou monitorando preços na minha cidade, POA, “na unha” pois não temos indicadores oficiais confiaveis por aqui). Cada fim de semana pegarei alguns imoveis (10, para ser exato) e vou seguir os preços. Isso ate fim de 2012, quando (suponho eu) teremos preços um 40 % mais baixo que hoje. Ate lá, são 17 meses, pelo que teremos uma queda de 2,5% mensal. Cara, isso só é minha suposição… fique claro…

            0
  • MrK 7 de julho de 2011 at 14:42

    GALERA, olhos abertos pra divulgação do resultado do 1o semestre das construtoras, através dele teremos uma visão mais fiel que o fipezap, além de muito mais completa, veremos:

    Quantidade de imoveis vendidos vs 2010

    Lucratividade do setor vs 2010

    Quantidade de caixa (saúde financeira) das empresas

    Estimativas de vendas (preço e quantidade) pros próximos trimestres (algumas divulgam)

    Tenho boa experiencia com análise de balanço e resultado em função de já ter trabalhado com isso, certamente irei comentar, vai ser interessante vermos como andam nossas grandes protagonistas! Os calendários ainda não sairam, mas imagino que não escapem das próximas 2 ou 3 semanas!

    0
    • Marcelo 7 de julho de 2011 at 15:37

      Devem estar pensando em um jeito otimista de mostrar a realidade que nós todos já observamos por aqui. Até porque o derretimento delas na bolsa não deve estar tornando as coisas mais fáceis…

      0
    • Duda 9 de julho de 2011 at 21:26

      Os numeros destas empresas já devem estar sendo ferozmente torturados…

      0
  • guilherme 7 de julho de 2011 at 14:43

    A julgar pelo Fipe/zap não só não teremos queda tão cedo, como a coisa ainda vai subir bastante

    0
    • MrK 7 de julho de 2011 at 15:10

      manipular o fipezap é mole mole

      mas manipular uma divulgação de resultados, apesar de possível, é muito mais difícil…

      se é verdade que o indice está subindo e continuará subindo seria natural as construtoras estarem subindo na bolsa e não declinando horrores… pois o preco dos imoveis pra eles equivalem ao preco da commoditie pra uma empresa do ramo, é como o barril de petroleo subir 200%, ter pespectiva de continuar subindo e a petrobras ficar de lado…impossível!

      0
      • luiz 7 de julho de 2011 at 15:26

        Pode sim colega, aliás tem acontecido, o barril subindo e a ptr só cai há anos.
        Veja que eu nao discordo dos seu argumentos, só acho q o timing ainda não é esse.

        E vc tme que ver a olimpiada e copa como inflacionadores de terrenos, materiais e mao-de-obra devido aos gastos pulbicos na infraestutura e todo obaoba que o cerca
        Acho q os investidores já estarão se retirando do mercado a partir dos proximos anos, conforme os próprioos ocrretores vem afirmando nos blogs, mas ainda haverá bastante massa pra comprar e manter a subida ate o estol.

        0
        • MrK 7 de julho de 2011 at 20:21

          luiz

          aponte-me um momento onde o barril subiu 200% de valor e a acao da petro caiu 50%, nunca vai achar…

          mas no mercado imobiliario eu te aponto isso mole mole hehehe

          0
  • DRN 7 de julho de 2011 at 15:33

    Prezados, acabei de receber ligação de uma corretora da Lopes. Quis vender um apto em Alphaville. O edifício está pronto, mas nem todas unidades foram vendidas. Antes o approch era só por email. Agora, estão ligando no celular como se estivessem vendendo serviço de telefonia celular. Sinal claro de desespero.

    0
  • DRN 7 de julho de 2011 at 15:53

    É o dinheiro da poupança e dos CDBs indo direto para o TESOURO. Quem tem coragem de comprar títulos com vencimento a partir de 2017?

    Valor Online | 07/07/2011 15:39

    Notícia anterior Volátil, Ibovespa perde força e inverte sinal
    Próxima notícia Tesouro vende R$ 6,59 bi de LTN e NTN-F; juros sobem

    Texto:

    O Tesouro Nacional vendeu hoje 8,5 milhões de títulos federais com rendimento prefixado, representados pela Letra do Tesouro Nacional (LTN) e Nota do Tesouro Nacional da série F (NTN-F).

    A LTN é um papel de prazo mais curto e pagamento de juro na data do resgate. A NTN-F tem prazo mais longo com pagamento semestral de juro. As taxas de remuneração desses papéis subiram no leilão, acompanhando a inclinação da curva de juros na BM&F.

    As LTNs com vencimento em outubro de 2012 foram vendidas a 12,7875% ao ano; o vencimento janeiro de 2014, a 12,7629% ao ano; e o lote janeiro de 2015, a 12,6939% ao ano. As NTNs-F com vencimento em janeiro de 2017 foram vendidas a 12,55% ao ano; e o lote janeiro de 2021 saiu a 12,4199% ao ano.

    A operação será quitada amanhã cedo, com a transferência de R$ 6,594 bilhões do sistema bancário para as contas do Tesouro.

    0
    • olp 7 de julho de 2011 at 17:04

      caramba…

      achei que esse dinheiro tivesse saindo pra salvar os endividados

      0
  • John 7 de julho de 2011 at 16:16

    Sobre esse negócio de olimpíadas e copa do mundo, em minha opinião só se justifica o aumento no valor dos imóveis em lugares mais distantes que terão um “upgrade” na infra-estrutura. Por exemplo, onde não tinha asfalto e passou a ter, onde não tinha estação de metrô e passou a ter, etc. A Copa do mundo não deve impactar em lugares que já são bem localizados e bem estruturados. O máximo que pode acontecer é o preço dos imóveis que foram beneficiados com a copa subam e empurrem os outros (o que não deixaria de ser uma especulação). Mesmo assim, o que o país está fazendo para melhorar a infra-estrutura? Mal começou a tratar do básico do básico que são os estádios, imagina então levar desenvolvimento que justifique valorização nos imóveis.

    0
    • MrK 7 de julho de 2011 at 20:24

      voce está corretissimo John

      a maior prova da especulação é essa, no Rio onde os precos mais subiram foi na zona sul, região que nada tem a ver com as olimpiadas ou obras de melhorias!

      na região onde o Rio vai ter os maiores invesitmentos: Metro, vila olimpica, asfalto, linhas de onibus rapidas etc… que é a Barra, os precos subiram 1/3 o que subiu na zona sul

      entao como dizer que olimpiadas é o fator? não é… é especulação pura e como zona sul tem mais procura é lá que vão especular

      0
  • Murdoch 7 de julho de 2011 at 16:48

    Prezados, venho há um tempo acompanhando o blog, mas nunca postei. Como estou procurando apto para comprar há exatos 7 meses e agora decidi alugar resolvi colocar minha história para que, de repente, tenhamos mais insumos pra discutir algumas coisas que me causaram estranheza nesse período.
    Desde o início, queria alugar, mas minha noiva relutava. Considera rasgar dinheiro… Procuramos por aluguel 1 mês e só bomba, o que a traumatizou um pouco até que ela me deu uma chave de galão pra comprar.
    A ideia inicial era comprarmos um imóvel de aproximadamente R$ 600K. Daríamos 300 de entrada e financiaríamos o resto tentando quitar o mais rápido possível. Com a renda bruta que temos, teríamos acesso a créditos maiores, mas a ideia era não alavancar em excesso e não poder sequer ir a esquina comer um pastel.
    Visitamos mais de 80 aptos! Não foram telefonemas e anúncios. Repito que efetivamente fomos conhecer 80 aptos! Desses, diria que 6 eram aproveitáveis, porém subindo o que estávamos dispostos a pagar. Percebemos que nenhum deles valia o sacrifício e mais, o valor do aluguel começou a encostar no valor do rendimento. O custo de oportunidade mudou. Finalmente, depois de fazer um Excel, convenci minha nova de que o melhor era alugar.
    Mas o mais importante foi o que observei nesse período:
    1) O mercado inundado de pseudo corretores. Um monte de despreparados querendo lucros rápidos.
    2) Os corretores mais antigos putos da vida com os novos entrantes dispostos a todo tipo de baixaria. Roubando agendas com dados de clientes e por aí vai. Comigo teve um caso que foi o cúmulo. Dois corretores de uma mesma imobiliária aqui no RJ, me ligaram no mesmo dia oferecendo o mesmo apto com diferença de R$ 60K . Isso num imóvel de R$ 650.
    3) Todos com um discurso decorado de que vem Copa, Olimpíadas, que a Zona Sul do RJ é mto pequena e que o preço não para de subir. Até concordo que os ptos são válidos, mas a maior parte do que vi eram pocilgas, destruídas, prédios caindo aos pedaços nos quais se pediam mais de R$ 600K. Sempre indagava minha noiva. Será que estamos sendo exigentes e quem tem uma renda familiar como a nossa, está disposto a viver em pocilgas desse tipo? Tem tanta gente com 600 mil reais pra gastar com lixo? Se o cara sabe que a subida é até as Olimpíadas ele vai esperar passar a competição pra tentar vender?
    4) Percebi mta gente comprando na planta convencido de que era bom investimento dando R$ 80 mil de entranda e financiando R$ 600. E eu sem coragem de financiar 300. Numa dessas, um corretor queria me convencer de que um imóvel que me ofereceu de 800 mil em Botafogo na planta, daí a dois anos valeria mais de 1 milhão. Como tinha tanta certeza eu não sei…
    5) Ruas antes desvalorizadas pela proximidade com favelas sendo enquadradas no mesmo valor de m2 do resto do bairro só por conta da UPP. Bons exemplos são as Ruas da Matriz e das Palmeiras em Botafogo, que há 2 anos não valiam nada. Aí tenho outra questão. A UPP é uma solução tão milagrosa assim? Vi que dos 80 aptos que olhei mtos eram entulhos que não eram vendidos nem por 200K que agora, pra aproveitar o momento, estavam anunciados a 600.
    6) Cheio de estrangeiro enfiando dinheiro. Vi num imovel que quase comprei em Copacabana o desespero do corretor para que eu fizesse logo a oferta, pq tinham 2 gringos de outro corretor de olho. Depois ele me contou que ele tem um cliente grego (deve ser o único com dinheiro lá) que está comprando sem parar, dá uma pequena reforma e vende em seguida com ágio de mais de 50%. É tanta grana que as imobiliarias estão ganhando que o prêmio anual para o melhor corretor nesta imobiliaria foi um BMW X6 Okm.
    7) Há um frenesi da classe média se gabando de que sua propriedade hj vale não sei qtos milhões! Sempre pergunto: vai vender?
    8) Percebo que não conheço tanta gente com renda familiar mto maior que a minha e da minha noiva pra comprar tanto assim nessa faixa.
    9) Que o Rio estava de fato abandonado e melhorou mto eu não tenho dúvida. Vejo um número grande de empresas vindo pra cá, mas curiosamente não vejo tanta gente assim ganhando mto mais por conta disso.
    10) Vejo que mtos amigos com boa renda familiar se achando pobre, perdendo poder de compra.
    11) Um japonês que veio passar 3 meses aqui, executivo de petróleo, excelente padrão de vida, achou os preços do Leblon similares aos de Tóquio.
    12) Pela primeira vez ouvi um anúncio numa rádio popular daqui do RJ de uma financeira oferecendo crédito colocando o imóvel como garantia. NUNCA vi isso no BR, mto menos anúncio no rádio!
    13) Cada vez conheço mais casos de endividados.
    14) Comer fora no RJ está mais caro que em Paris.

    Tem mais coisas, mas não vou encher. Ainda não sei se é mesmo imobiliária ou não, mas alguma coisa está fora da ordem.

    Abs

    0
    • luiz 7 de julho de 2011 at 17:53

      Sua história é parecida com a minha,
      A diferença que meu objetivo era mudança de sao paulo para sao paulo, cansei do bairro antigo onde compramos a 50 mil e hoje vale 500 mil (2 dorm perto do metrô – ZS).

      Decidi alugar, mas sabe oque incomoda realmente é esse exército de vendedores mal letrados falando de cima pra baixo com a gente, imitando aquela cara de nojo das novelas: ‘esse é 500 mil’, ‘esse é 2 milhão’, ‘esse é 3’. E apotnado aquelas casinhas caindo aos pedaços na periferia.

      Oras, pela porcentagem da corretagem, eu vou é mudar de profissão, mas não deu outra, meses depois a loucura acabo aqui em SP. Acho q no Rio vcs vão purgar mais tempo.

      0
    • Fábio 7 de julho de 2011 at 19:09

      Murdock eu tbm estou noivo, vou me casar em outubro e um pouco diferente pesquiso imoveis para comprar desde setembro de 2009, lembro que no começo de setembro vi dois imoveis em copa de 3 quartos com suite e vaga escriturada no valor de 460.000 e 480.000 esse ultimo na rua 05 de julho que considero top e mesmo assim achava caro. Pois bem, 1 mês depois, precisamente no dia 02/10/2009 com o anuncio das olimpiadas os preços subiram uns 40% de um dia para o outro se conseguir jornais desse período voce entenderá. A partir daí desisti de comprar e resolvi alugar e fazendo uso do mesmo excell para a noiva.

      0
    • MrK 7 de julho de 2011 at 20:38

      MURDOCH

      TE APLAUDO DE PÉ

      Seu relato é a perfeita constatação da realidade, sem olhar macroeconomia, sem olhar indicadores, sem olhar política, você descreveu constatações que o seu bom senso pôde detectar e foi impecável.

      Gostaria de discutir alguns dos pontos relatados por você, pois muitos já foram explorados aqui, vou usar a numeração do seu excelente texto:

      3) Voce não caiu nessa historinha pra boi dormir, infelizmente muita gente cai, parabéns!

      4) REALMENTE é insana a quantidade de pessoas financando 10% do imovel na planta e depois jogando tudo pra 30 anos, quanto a promessa do seu corretor, eu viraria pra ele e perguntaria: “vai ser feita alguma melhora no predio pra ele valorizar 200mil em 2 anos?”

      6) Essa é a especulacao que tanto falamos, seja gringo, seja local, seja empresa, tem muita gente comprando pra revender, seja usado que maqueia seja novo na planta, existe uma demanda especulativa que não é pra morar, essa demanda quando sair,e vai sair, vai destroçar o mercado imobiliario.

      7) Esse ponto gera misterio em muita gente, foi igual o caso do piloto França há poucas linhas cima, eu conheco gente com renda mensal acima de R$12mil que não consegue em um lugar decente, veja bem essa renda é muito superior a média da cidade! como um cara assim ficou “pobre”? não ficou! é que o mercado está inflacionado por crédito demais e dinheiro especulativo, esses dois efeitos (credito + especulacao) trouxeram tanto dinheiro que todo mundo ficou mais pobre comparativamente! mas sabe qual a boa noticia? esses dois não ficarão assim pra sempre!

      Pra finalizar concordo que o Rio esta crescendo em empresas, mas os salarios estão estagnados, tenho muito amigo mudando de empresa pra ganhar igual ou 5% a mais, são raros os casos em que se realocam com uma boa diferença! É uma ilusão achar que tá todo mundo ganhando fortunas porque não estão

      0
      • Murdoch 8 de julho de 2011 at 10:43

        Mrk, obrigado pelo elogio e muito obrigado pelos comentários.
        Vc não sabe o que eu penei pra convencer minha noiva e meu sogro de que alugar era melhor alternativa. Eles tem aquela cabeça antiga de que poupança é tijolo.
        Felizmente, o cuidado com o dinheiro que juntamos com sacrifício falou mais alto.
        Agora minha diversão é a seguinte. Como eu estava com mtos corretores com meu nome, qdo eles ligam digo que desisti de comprar e que estou esperando a bolha estourar. Se o cara faz um discurso no meu ouvido e for dos malas digo que ele tem que se preocupar em arranjar emprego.

        Abs

        0
        • Marcelo Ferreira 10 de julho de 2011 at 18:23

          Já fiz exatamente isso! huahuahauhau

          0
    • Frank 8 de julho de 2011 at 10:01

      Interessante seu comentário, destaco alguns trechos com os quais concordo e q me estarrecem deveras:

      “Sempre indagava minha noiva. Será que estamos sendo exigentes e quem tem uma renda familiar como a nossa, está disposto a viver em pocilgas desse tipo?”

      – também não entendo quem, a propósito de morar + perto do trabalho, aceita morar em lugares que…eerrrr…até há pouco tempo eram conhecidos pela “boa freqüência” norturna.

      “Vi que dos 80 aptos que olhei mtos eram entulhos que não eram vendidos nem por 200K que agora, pra aproveitar o momento, estavam anunciados a 600.”

      – é gente querendo surfar na onda e desancalhar abacaxis p/ clientes q até 2~3 atrás simplesmente não existiam. Alguns são aptos q eu não aceitaria nem de graça, de tão insalubres e purulentos – mas admito q essa é uma posição “higienista” e fresca 🙂

      “Percebo que não conheço tanta gente com renda familiar mto maior que a minha e da minha noiva pra comprar tanto assim nessa faixa.”
      “Vejo um número grande de empresas vindo pra cá, mas curiosamente não vejo tanta gente assim ganhando mto mais por conta disso.”

      – pois é, ninguém sabe onde estão esses novos ricos do RJ….eu estou procurando até hj. Um ou outro cara bem sucedido no mercado financeiro, isso sempre houve no RJ. Empresa de energia pagando bem, tb. O momento é favorável, o número de pessoas ganhando melhor aumentou, mas os salários estão + ou – na mesma. O q vejo é apenas + gente ganhando, mas a referência de “bom salário” avançou proporcionalmente pouco.

      0
  • Roger 7 de julho de 2011 at 17:55

    Nos EUA e na Europa tinham bolhas imobiliárias, aqui no Brasil temos bolha imobiliária, bolha no setor financeiro e ate bolha no setor automotivo; como é possível que um carro feito no Brasil possa custar o dobro que em países vizinhos, muitas vezes sendo importados desde o Brasil. e não falemos de carro importado que é pior ainda.

    0
    • DRN 7 de julho de 2011 at 19:28

      Bem lembrado. Esse preço cobrado pelos carros no Brasil não tem justificativa. Eu já decidi que meu próximo carro vai ser elétrico. Até lá, vou usar os meus dois carros (um de 2006 e o outro de 2008) e ficando com o dinheiro no bolso. Como outros colegas já disseram aqui, o negócio é ficar líquido. Tesouro para o curso prazo e ações para longo prazo. Imóvel, só se for rural e para arrendamento (de preferência para produção de cana). E isso só para não deixar 100% dos recursos com tesouro ou banco, porque não dá para saber o que vai acontecer. Com a maioria que o PT tem no Congresso, até a lei da gravidade eles podem querer revogar. A esperança é que eles não queriam perdera as “comissões” na negociação dos contratos com dinheiro público. Eu me pergunto, será que um dia seremos um país sério?

      0
      • Fernando 7 de julho de 2011 at 20:33

        infelizmente voce pode morrer com o dinheiro na mao para comprar um carro eletrico. meu irmao trabalha no setor comercial da fabrica da nissan aqui em curitiba e ha algumas semanas perguntei se havia alguma previsao de lançamento do Leaf, o carro totalmente eletrico deles. Meu irmao foi categórico: “nunca vao lançar carros eletricos no brasil, por causa do lobby do petroleo e etanol. No maximo, vao haver carros hibridos carissimos”.
        Simples assim!

        0
        • John 7 de julho de 2011 at 21:44

          Sem contar que se já houve apagão no passado o que dizer de um contexto em que milhões de pessoas recarregam o carro na tomada? Se o Brasil não está preparado para Copa, menos ainda para planejar um aumento tão grande na oferta de energia.

          0
  • marcio 7 de julho de 2011 at 18:12

    murdock faço minha suas palavras penso exatamente igual a vc. Tenho uma renda de 10k q penso ser uma boa renda para nível brasil e a cada ano q passa me sinto mais pobre. So quem nunca viajou para fora para pagar esses absurdos q vivemos por aki em td como casa carro jantar fora e etc… Eu sei é de uma coisa os politicos nao vao parar de roubar pq esse povinho é um povinho de m….. Nao faz nada entao eu vou é me mandar para o exterior.

    0
  • trololó 7 de julho de 2011 at 19:50

    hahahah
    “Numa dessas, um corretor queria me convencer de que um imóvel que me ofereceu de 800 mil em Botafogo na planta, daí a dois anos valeria mais de 1 milhão.”

    hahahahaha

    se o negócio é tão bom, então só posso dizer que a imobiliária, construtura, e corretor, são verdadeiros TROUXAS de te passarem um apartamento de 800k na lambuja, que vai valorizar 200k em 2 anos…

    meu amigo corretor, se vai valorizar tanto, então porque VOCÊ NÃO COMPRA:?!?!?!

    0
  • jsantos 7 de julho de 2011 at 19:53

    Um imóvel só vale o lucro que ele pode gerar ( aluguel) , nas taxas atuais no minimo 0,5% do vlr do imóvel, fora disso é pura especulação. Exemplo no meu bairro z leste SP, aptamentinho de 45 mts pedindo 300k , vlr real que consegue alugar R$1200k tira R$300 de condominio sobra 900K, conclusao vlr real do imóvel 200k, isso não é bolha!!!.Compra troxa.

    0
  • Guimarães 7 de julho de 2011 at 19:55

    Olá Roger, é interessante a gente tentar separar um pouco os conceitos também. Bolha é bolha, preços elevados é outra coisa. No caso dos carros, teríamos indício de bolha se as pessoas tivessem comprando o ágio para vender na entrega (já aconteceu no passado, inclusive com linhas telefônicas) – especulação.

    Entendo que nessa área (como em várias outras ligadas ao consumo) temos é um excesso de tributação. Exemplo clássico são os combustíveis.

    Em relação a bolha imobiliária, aí sim encontramos indícios fortes quanto a sua formação. Vou além, arrisco um palpite de que o aumento da taxa de juros tem mais chance do que outros fatores para ser a causa de seu estouro.

    Como se diz na bolsa de valores, acho que os comprados vão enfrentar um cenário de tormenta a partir deste semestre. Se os sábios dos foruns estiverem certos, repito a máxima: “o mundo é dos vendidos”.

    []s

    0
    • MrK 7 de julho de 2011 at 20:42

      concordo

      bolha é uma coisa, preço caro é outra

      se fosse por ai teriamos bolha do bic mac….

      pra mim temos bolha no mercado imobiliario, e por incrivel que parece na bovespa algumas bolhas já estouraram, a ação da gafisa caiu 52% já e tem potencial pra cair mais ainda, é uma ação que foi comprada com espectativa de gerar um ganho X e tá dando um ganho 10% de X… belo exemplo de bolha

      0
      • MrK 7 de julho de 2011 at 20:43

        atencao, quando digo ganho refiro-me a dividendos, a lucro da empresa… que emburacou

        0
  • Charles 7 de julho de 2011 at 21:16

    Venda de imóveis usados em SP cai pelo 2º mês consecutivo
    PUBLICIDADE

    DE SÃO PAULO

    A venda de imóveis usados na capital paulista voltou a cair em maio, de acordo com levantamento divulgado nesta quinta-feira pelo Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo). Foi a segunda queda consecutiva na comparação mensal.

    Segundo a pesquisa, feita com 476 imobiliárias, o índice de vendas foi de 0,5221 em abril para 0,4937 no mês seguinte.

    A locação de imóveis residenciais na cidade também teve queda, de 3,31% em maio ante abril, acumulando três meses de baixa.

    “Houve uma forte alta dos aluguéis novos em abril, de 5,15% na média dos valores de locações efetivamente contratadas, o que contribuiu para essa queda na procura em maio”, afirmou José Augusto Viana Neto, presidente do Creci-SP.

    Segundo ele, o reflexo “dessa reação já se fez sentir em maio mesmo, com a queda de 0,74% na média dos valores dos aluguéis contratados”.

    0
    • trololó 7 de julho de 2011 at 21:40

      e olha que o sétimo feirão da caixa na cidade de sp foi em maio…..

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      se segura galera
      fortes emoções

      HAJA CORAÇÃO

      0
    • Ratinho 8 de julho de 2011 at 07:51

      O que significa esse índice?? Qual foi o percentual da queda?

      0
  • DRN 7 de julho de 2011 at 22:17

    Prezados, seria possível estimar o percentual de queda dos preços? É claro que cada imóvel tem seus fatores específicos de valorização ou desvalorização (a localização, o principal deles). Todavia, na média, seria possível chutar (com cabeça erguida, olhando pro gol) esse percentual de queda?

    0
    • trololó 7 de julho de 2011 at 22:24

      só se pode olhar dados daquilo que já aconteceu:

      agá agá tê tê pê dois pontinho barra barra 2.bp.blogspot.com/-qQCbxx5E3jw/Te2cMdxEWlI/AAAAAAAAAGg/HIhGyZ21sTc/s1600/housing-price-declines.png

      0
  • MrK 7 de julho de 2011 at 23:22

    DRN, só consigo te dizer uma coisa:

    Em média as bolhas fazem os ativos passarem um pouco do dobro do preço razoável, normalmente a bolha estoura entre 100 e 120% de valorização real

    No Brasil a inflação é alta, então é esperado esse limite subir, digamos pra algo entre 120% e 140% (falando na média sempre, cidades especificas e bairros especificos podem extrapolar)

    A correção normalmente faz o preco voltar ao patamar original corrigido pela inflação, então é dizer mais ou menos o seguinte:

    Imovel valia 100mil
    No auge da bolha bate 240mil
    Na correção final voltaria pra uns 120mil

    logo uma queda de 50% é a esperada entre o pico e o chão da bolha!

    mas lembre-se, isso são grandes números, média geral, conta grossa… tem milhares de “poréns” nessa história, por exemplo, uma cidade em que houve crescimento de verdade (renda subiu, mais empresas pagando bem, etc…) o imovel pode voltar só 30% ou 35%… entende?

    0
    • luiz 8 de julho de 2011 at 12:25

      Mrk, começo a suspeitar q vc está certo, essa bolha não dura até 2015 não.

      0
  • DRN 8 de julho de 2011 at 10:33

    Vcs viram a opinião do Mauro Halfeld:

    Ele disse que a alta dos preços pode continuar, embora em ritmo mais lento. Está vendido também, ou é uma hipótese razoável?

    At., Douglas.

    0
    • DRN 8 de julho de 2011 at 10:40

      Talvez ele fique receoso por conta da quantidade de pessoas que a opinão dele atinge. Daí assume posições “em cima do muro”.

      0
      • Duda 8 de julho de 2011 at 11:29

        DRN, as opiniões encima do muro vão ficando cada vez mais sem “mercado”. E como responder “NIM”, ler algo que não tem conlusão, cheio de “poderia”, “devería”, “tal vez”, neste momento, para mim, virou perda de tempo. So alguém que agora comece a se tocar do problema que estamos metidos, pode dar bola para essas opiniões mornas. Quando fizer um mes desde a publicação dos valores na bolsa pelo Bolha (isso será em 14 de julho), as construtoras terão caído 10%, isso SÓ em um mes, e com o MCMV2 no meio…

        A queda começou, e se tudo seguir no caminho normal, ja veremos algum reflexo nos preços, ainda neste mes.

        0
  • roberto 8 de julho de 2011 at 11:48

    Atenção:

    Esta é para vc Mrk: Gafisa abaixo dos R$ 7,00 reais a ação. Vai preparando as moedinhas !!!!!!!
    Agora R$ 6.98, -2.51%

    0
    • roberto 8 de julho de 2011 at 11:53

      O problema de comprar ações das incoporadoras na baixa é que vc vai receber seu dividendos em apartamentos na planta !!! ahahahahahaha

      0
      • DRN 8 de julho de 2011 at 12:03

        Em ações, sou investidor de longo prazo para ganhar com dividendos. Como não “manjo” de analisar os documentos contábeis das empresas, fico com as barbas de molho e só compro o que a corretora do Itaú me indica (para carteira de dividendos). Todavia, dá uma vontade de colocar uns 10 k na Gafisa para ganhar um dinheirinho. Quando for a hora, por favor, avisem.

        0
        • luiz 8 de julho de 2011 at 12:18

          2015?

          0
        • Anonymous 8 de julho de 2011 at 12:27

          A hora foi por volta de 2007 (lançamento), para vender em 2008 (alta). Agora, voce vai arriscar a perder esses 10k. É melhor comprar telesenas, pelo menos voce terá 5k.

          0
        • Bolha Imobiliária 8 de julho de 2011 at 13:17

          Fique longe de recomendações feitas por bancos…Eles recomendam uma ação para poder desovar o que eles tem…

          0
          • MrK 8 de julho de 2011 at 14:06

            AMIGOS,

            quando a ação da gafisa veio de R$15 pra R$9,0 vi DEZENAS de banco recomendando a compra, dizendo que havia batido o fundo do poço e era hora de investir pesado, pespectivas positivas etc…

            pera aí… como uma ação que o lucro por ação cai 90%, cai 30% em valor e já é hora de comprar?!

            eu cansei de dizer em foruns que essa ação cairia MUITO além dos R$9,00 e riram de mim…bem, agora ela está a R$6,95 (quem comprou a 9,00 perdeu mais de 20%) e continuo a dizer: AINDA CAI MAIS

            quer saber o melhor momento de comprar gafisa? Depois que ela publicar um balanço desastroso, os investidores venderem a qualquer preço, compre antes do governo anunciar um plano de recuperação ou uma fusão de “companheiros”. A hora de comprar será a hora do resgate, mas é um risco do caramba, pq se o governo não socorrer…

            0
  • luiz 8 de julho de 2011 at 12:17

    Economia brasileira é ‘bicicleta difícil de pedalar,’ diz ‘Financial Times’

    Em editorial, jornal adverte que valorização do real e boom de crédito ameaçam interromper o ciclo de crescimento econômico do Brasil.
    08 de julho de 2011 | 8h 17

    leiam no caderno de economia do dablio dablio dablio ponto estadao

    0
    • profeta do apocalipse 8 de julho de 2011 at 12:35

      bem .. isso ai é so o que venho dizendo. exportador de commodities, alias, como toda vida foi, desde a colonizacao…

      o povo adora falar que pontes e estradas sao elefantes brancos… mas ninguem discute que estadios sao… ridiculo demais… pais podre, povo extremamente mal qualificado, empresarios picaretas…

      nem na bolsa invisto mais.. essas empresas fazem de tudo pra maquiar dados, hora a coisa estoura. se voces perceberem que a crise nao foi anunciada e a bolsa so faz cair vao pular fora de qualquer investimento…

      ate o pre sal vai crescer a economia de um determinado lugar e gerar um numero limitado de empregos. o pt é podre.. o interior do piaui podera receber royalties, mas gastará com show de garota safada, avioes do forro ou parangolé…

      um pais onde a engenharia é totalmente desvalorizada, que praticamente nao ha engenheiros de carreira na politica e tal merece cair em crise e ter inflacao até aprender…

      engracado é o bndes entrar no ramo de supermercado ao inves de focar a infraestrutura precaria desse pais…

      “O jornal observa que o real se valorizou 40% em termos reais desde 2006 e que no mesmo período as importações brasileiras quase dobraram, enquanto as exportações cresceram apenas 5%”

      0
  • luiz 8 de julho de 2011 at 12:22

    Queria fazer um dasabafo aqui.

    Este blog é das poucas coisas sensatas e boas que existem, vemos a cada dia relatos reais e sinceros de gente normal que trrabalha, estuda e poupa

    Estou cansado dos grandes jornalões e blogs dos grandes articulistas infestados pela Al Qeda eletronica dos petralhas que patrulham qualquer um que queira falar mal do governo e escondem a realidade com números, graficos e tabelas deivdamente torturados pela ideologia esquerdista.

    0
    • Marcelo 8 de julho de 2011 at 14:40

      Não acho que tenha só “direitista” aqui, mas…

      0
      • Duda 9 de julho de 2011 at 21:00

        De fato, não tem não. O que tem é muita gente sensata. O vc ve com bons olhos a realidade do mercado imobiliario e do país?

        0
  • Anonymous 8 de julho de 2011 at 12:32

    Estou nos EUA. Tem casa (100 m2, 2 dormitorios, 2 banheiros) em condominio na FL, a cerca de 2 km da praia, sendo vendida por 110 mil Reais. Estou na dúvida, não sei se compro aquele apartamento do Rei Roberto Carlos na planta (54 m2, 730 mil Reais) ou MEIA DUZIA dessas casas na Florida.

    0
    • trololó 8 de julho de 2011 at 12:35

      e peter schiff falou essa semana que só não vai cair mais porque o governo vai logo anunciar o qe3, do contrário tem tudo pra abaixar mais ainda os preços, segundo ele

      0
    • luiz 8 de julho de 2011 at 12:48

      Aproveita pra economizar na garagem,
      um Civic completo usado aí vc acha por até 10 mil reais , enqto aqui vc teria q desembolsar 50 mil pelo menos

      E manda pro França, o coitado gostaria de morar num flat num aterro do rio, será que uma praia na Fl não serve?

      0
  • Said 8 de julho de 2011 at 12:37

    Tenho acompanhado este blog. Gostaria de compartilhar minha experiência usando números reais:

    Comprei meu primeiro imóvel, em março de 2008 um apt de dois quartos em um bairro nobre e totalmente residencial na Zona Sul do Rio(Cosme Velho, para quem não conhece não é “um” Leblon, mas é um bairro muito bom do Rio, pertinho do Cristo Redentor, prédio com infra, piscinas, salão de festas etc), um duplex com duas suites, duas varandas, vaga na escritura, vista indevasavel para o verde, sem comunidades proximas, sol da manha, com 95 m². Paguei na época R$ 360.000,00, sendo que deste R$ 110.000,00 eram financiados.

    O prédio fez sucesso pois é bem bonito, a região é bem valorizada residencialmente embora na minha opinião a construção tenha falhas e ele não era prédio pro “resto” da vida. Estava fora do Rio por transferencia em meu trabalho entre 2009-2011 (inicio). Em junho de 2010 vi os preços disparando e como o apt estava fechado, eu longe, pagando cerca de R$ 1500,00 por mes de financiamento, pesquisei daqui e dali, comecei a acreditar na bolha e resolvi vender. Vendi fácil por R$ 650.000,00, quitei o financiamento e investi o dinheiro em aplicações conservadoras (DI e LCI). Hoje acho que ele “esta valendo” R$ 800.000,00 “fácil”. Muitos apt menores que esse (com cerca de 75 m²) no mesmo predio são oferecidos por até R$ 750.000,00, mas não são vendidos. Estão a cerca de 7 meses anunciando!

    Por um tempo me arrependi de minha iniciativa. Acho que fui muito ousado e que apesar de ter ganho dinheiro, os meus R$ 240.000,00 de 2008 viraram em 2,5 anos R$ 520.000,00, podia ter ganhado mais e que deveria ter esperado a “crista da onda” que para mim é agora! Mas vai saber.

    Hoje acho que os preços estão perto de começar a cair. Não aos níveis dos EUA em 2008, que cairam entre 40 e 60%. Pelo que tenho pesquisado, apostaria aqui no Rio,algo entre 25% e 35%. Quando? Vai saber! Eu não acho que essa bolha tenha folego para sustentar até 2014/2016. Acho que entraremos em uma estabilidade de preços até 2012, uma primeira queda ainda em 2012 e uma queda maior em 2013. Mais sou só um leigo entusiasta no assunto, que tem lido um pouco sobe o tema.

    Detalhe: este meu ex-apt hoje não consegue ser alugado por mais de R$ 3000,00.
    Era essa a experiência para compartilhar com vcs.
    Um abraço a todos.

    0
    • Anonymous 8 de julho de 2011 at 13:47

      Said,

      É provável que voce tenha ganho mais dinheiro com a especulação imobiliára do que com seu trabalho. Portanto, sinta-se feliz com isso pois uma situação assim é insustentável. Além disso, se o apartamento não consegue ser alugado por mais de 3 mil, então somente um tolo gastaria 800 mil Reais para receber 3 mil Reais de aluguel.

      0
      • Said 8 de julho de 2011 at 14:16

        Oi Anonymous,

        Concordo com voce. Antigamente achava uma grande burrice pagar aluguel. Pagar por algo que nunca seria seu. Hoje, apesar de não ser o meu caso, acho totalmente viável e o faria sem problemas!
        É hoje, em muitos casos, a escolha mais inteligente do mercado e conheço muitos que já o estão fazendo por opção em vista dos caminhos oferecidos por essa loucura de preços.

        Um abraço e parabéns pelos comentarios. Tenho acompanhado.

        0
    • MrK 8 de julho de 2011 at 14:19

      Said, voce conseguiu um lucro de mais de 110% em 2 anos, nenhum investimento no mundo dá isso, só mesmo uma bolha em crescimento (evento difiícil de pegar)

      voce pode não ter entrado no piso e não ter vendido no pico, mas o que importa? 110% nem o madoff prometia nos fundos dele, você mesmo sem intenção fez um investimento belíssimo

      cuidado agora ao retornar pro Rio pra comprar imóveis, não perca todo seu belo lucro pagando preço de bolha

      parabéns

      0
      • Said 8 de julho de 2011 at 14:32

        Mrk,

        Obrigado! Concordo com vc. E faço a seguinte observaçao: nenhum investimento com “ganho” anual de 50% ou mais, em uma economia que a inflação declarada é de “7%” pode ser saudável.

        Como todos vcs não sou muito fã dos corretores, mas entre eles tem gente legal que trabalha nesse meio a muitos anos, acho que até para eles a bolha não será uma boa, por mais que estejam ganhando agora poderão perder muito.

        É como falava um ex-chefe meio é melhor comer carne moida todo o dia, do que comer dobradinha seis dias na semana e 1 dia bife com batata frita.

        Um crescimento mais lento e saudável é sempre a melhor opção.

        Faz sentido! Um abraço.

        0
  • John 8 de julho de 2011 at 12:51

    Pessoal, é evidente que as ações das construtoras estão tomando uma surra. Concordo. Mas só abrindo um parêntese: geralmente quando o Ibovespa cai, a maioria cai junto. É preciso levar em conta isso. No mais, realmente o que se vê é a queda acentuada de papéis ligados ao mercado imobiliário. Eu, particularmente, acho isso muito estranho porque não falta incentivo do governo para beneficiar as construtoras. São programas habitacionais de grande amplitude, crédito farto, etc. Talvez os grandes investidores já tenham “previsto” vacas magras para setor em médio prazo, só pode. Sobre os imóveis, tenho visto que, na minha cidade, os preços dos imóveis usados de poucos metros quadrados estão estacionados há vários meses. Tenho a impressão de que as construtoras continuam querendo impor um movimento de alta, através de anúncios inflacionados para os lançamentos, mas NA PRÁTICA o mercado não está absorvendo esses preços. Ou seja, já estou vendo um maior descompasso entre os lançamentos, cujos preços são impostos pelas construtoras, e os preços dos imóveis usados, que têm os preços controlados pelos próprios proprietários.

    0
    • roberto 8 de julho de 2011 at 14:20

      Olá John, só mais um detalhe ao seu comentário: O índice das construtoras está caindo sempre mais que o dobro do índice BOVESPA. Exemplo hoje Gafisa -2.51% IBOVESPA -1,20 %. Portanto não é de se perguntar : Será que as ações das incorporadoras não estão ajudando (por que existe outros também) a jogar índice para baixo. Ou melhor será que o índice das incorporadoras não o maior culpado pelo resultado péssimo do IBOVESPA no primeiro semestre ?

      0
    • MrK 8 de julho de 2011 at 14:23

      John, algumas construtoras grandes amargem 54% de perda.. o ibovespa nem de loooonge tem isso

      na minha opinião, quando um papel cai mais de 50% é porque tem muita gente achando que a empresa tem risco sério de quebrar ou de ficar uns bons anos sem lucrar, um papel não cai 54% por ajuste… enfim, ambos cenários (quebra ou lucro zero) indicam que o investidor mais esperto está bastante preocupado com o futuro do mercado imobiliário

      0
  • roberto 8 de julho de 2011 at 14:36

    É revoltante a mídia Brasileira noticia Estadao:

    Do lado negativo, Braskem PNA lidera a queda (-2,70%) seguida de Hypermarcas ON (-2,66%) e CSN ON (-2,57%)

    Só esqueceram de mencionar por exemplo a Gafisa com -2.79%. Será que esqueceram mesmo ? Quando deve render os Banner no site do Estadão? Será que vale tanto assim ao ponto de um grande jornal esconder os fatos ??????

    0
  • MrK 8 de julho de 2011 at 15:00

    roberto, o que você acha desse investimento?

    você me dá R$15,00 e eu te devolvo 23 centavos por ano, ou seja, um rendimento fenomenal de 1,5% ao ano? isso era a ação da gafisa que os bancos queriam empurrar!!! 23 centavos é o dividendo anual dela

    hoje com a queda melhorou um pouco, voce investe 6,95 e ganha 23 centavos de dividendos, um rendimento fenomenal de 3.3% ao ano, quase um quarto da SELIC!!! uau!!!!

    agora adicione a esse rendimento ridiculo uma empresa que o CEO saiu, uma empresa que vive uma queda de 40% nas vendas, uma empresa com divida de 70% do patrimonio, caixa indo pra negativo e vivendo ‘possivelmente’ numa bolha…agora me diz, tem ou não tem espaço pra cair mais?

    0
    • DRN 8 de julho de 2011 at 15:06

      MrK, o cenário das outras contrutoras com ação na bolsa é o mesmo (PDG, Brookfield, MRV, Even)?

      0
      • MrK 8 de julho de 2011 at 15:33

        DRN,

        como todo setor tem as melhores e as piores gerenciadas… empresa com problema de liquidez, caixa minguando, atolada de terrenos comprados a preço de ouro, gerência pouco capacitada etc.. sofrerão mais!

        Hoje dá pra dizer que todas andam mal, mas as maiores são as piores (gafisa e cyrela), as menores patinam menos porque vendem mais pra baixa renda e portanto tem os subdisios do minha casa, minha vida, além de serem menos alavancadas

        mas não tenha duvida, quem direciona o mercado são gafisa e cyrela, as pequenas não tem poder de fogo pra ditar regra, apenas acompanham os preços das maiores, se essas duas baixarem o preço as outras todas precisam seguir.

        0
    • roberto 8 de julho de 2011 at 15:09

      Muito bem colocado MrK…

      No meu sentimento ainda tem muito espaço para queda. Não vamos esquecer que em um passado recente as ações chegaram a valer R$ 3,40. Portanto se alguém quiser arriscar grande para ganhar grande o negocio é esperar as ações caírem abaixo de R$ 4,00. Grande risco, insisto, mas quem não arrisca não petisca. Por enquanto é aguardar a derrocada….

      0
      • guilherme 8 de julho de 2011 at 15:44

        Tmb acho que as ações do imob ainda tem bastante margem de queda. Isso se vc olha la no site da bolsa o indice esta voltando para niveis de 2009, mais ainda mto acima de quando teve a crise em 2008.

        Eu gostaria muito de ver o circo pegar fogo. E isso dependeria de uma quebra da gafisa ou da cyrella. Algo que não parece muito improvável depois da crise que houve com a Tenda. Seria algo proporcional à quebra da Encol, com um monte de noticiario.

        0
        • MrK 8 de julho de 2011 at 15:50

          guilherme, estou contando os dias pro relatorio semestral da gafisa

          se tiver que chutar uma, essa é a bola da vez, a situação de caixa deles é desesperadora, estão afogados em dividas e o presidente até já se mandou!

          0
          • Samuel 8 de julho de 2011 at 17:44

            Senhores,

            Não sou um expert em mercado financeiro e ações, mas resolvi dar uma olhada nas demonstrações financeiras da Gafisa, já que todo mundo comentou dela aqui.
            Pelo que observei a Gafisa não está com prejuízo no último semestre… nem de longe isso aconteceu:
            (R$ – MIL)
            Lucro do 1º trimestre /2011 = 20.765
            Lucro do 1º trimestre /2010 = 69.564

            De fato há redução no lucro da empresa, se olharmos a receita bruta veremos que ela teve uma redução de 12% comparando o trimestre de 2010 com o de 2011, acredito que este seja um dos fatores que justificam o resultado menor deste ano com o ano passado.
            Menos vendas em relação aos períodos anteriores… isso foi noticiado….
            Eu reparei que o custo da venda dos bens e serviços teve uma pequena redução percentual entre os trimestres em coparação, no trimestre de 2011 o custo teve uma queda de 7%. (não sei a quantidade de unidades negociadas – FxOxDxA – fica difícil comparar custo de um trimestre com outro). A redução do custo e sua manutenção nesta patamar se deve, acredito eu, a redução da quantidade de transações feitas neste primeiro trimestre de 2011.
            Mas algo me chamou realmente a atenção… foi o fato de que neste trimestre a despesa com Imposto sobre Vendas de Imóves dobrou em relação ao mesmo trimestre do ano passado… Eu tenho uma certa curiosidade de saber a razão disto…A quantidade de imóveis negociados não aumentou, o que aumentou foi o preço e este é base de cálculo para o valor do imposto sobre a venda de imóveis… talvez esta seja a explicação…
            Quanto à Demonstração do Fluxo de Caixa, eu reparei que houve um consumo de caixa nas atividades operacionais, entretanto as atividades de investimento geraram recursos suficientes para cobrir esse consumo. Notei que este trimestre de 2011 a Gafisa teve que consumir recursos na atividade de financiamento, vale lembrar que no 1º trimestre de 2010, houve geração de caixa pelas atividades de financiamento (tomaram dinheiro emprestado).
            Eu não sou bom em análise de balanços… mas me arrisco a calcular o retorno sobre o patrimônio líquido (lucro líquido / patrimônio líquido):

            1º trimestre 2011 = 0,54%
            1º trimestre 2010 = 1,83%

            Legal, houve redução. Só dá para falar isso. Para entender melhor o que se passa, eu deveria ter algum paradigma… o que seria um número adequado e aceitável para o mercado da construção civil?
            Senhores, eu ainda tenho uma certa dificuldade em enxergar com clareza a ligação entre a queda dos papéis destas construtoras com a queda do preço do imóvel. Por favor, se alguém puder explicar melhor…
            O fato é que esse ano não está tão bom quanto o ano passado para a construção civil… mas ainda não consigo afirmar que tais empresas irão quebrar e começar a vender seus produtos amargando algum prejuízo ou com uma brutal redução na margem de lucro…
            Por fim senhores, termino meu post lembrando (já foi falado aqui várias vezes) pq acredito na redução do preço deste ativo:
            – o aumento do valor do imóvel não foi acompanhado pelo aumento da renda da população;
            – o aluguel do imóvel não condiz com o valor investido em sua aquisição;

            Só não sei como se dará, quando se dará ou de que forma se dará!!!

            Abraços,

            Obs: Pessoal, vamos nos esforçar para respeitar a verdade alheia e tentar tolerar o questionamento do próximo. O espaço aqui é destinado a conversa civilizada… Sei que minhas observações podem ser tolas para muitos aqui… são mais dúvidas minhas que qualquer outra coisa.

            0
          • MrK 8 de julho de 2011 at 18:07

            Samuel, será que estamos falando da mesma gafisa? hehehe!

            Primeiramente bem-vindo a discussão!!! é bom trazer seus questionamentos, pois pode ser o mesmo de outras pessoas e pode ser que sejam melhores que os meus!!!

            Bem, eu tenho uma visão da empresa bem diferente de você (nada demais), alguns pontos:

            1- Se voce olhar o relatorio tem sim quantidade vendida (caiu algo como 44% nessa leitura)

            2- O lucro liquido caiu 90% contra o ultimo tri e 79% contra o mesmo tri do ano passado!

            3- Veja o indice divida/patrimoniu saltar de 34% pra 72%

            4- A receita liquida caiu 14% só porque o preço disparou, pois o volume caiu muito, ou seja, se preço declinar a receita vai vir abaixo rapidamente

            5- Veja o caixa em 1 ano cair de R$2.1 bilhoes para 900milhoes!!!!!!!!!

            pra mim os dados são bastante ruins, alias o CEO não sairia por “bobagem”, e a ação não cairia 54% por bobagem…

            abraços!!

            0
  • roberto 8 de julho de 2011 at 15:19

    Outra questão interessante é a questão dos imóveis X Valor Ações construtora.

    Se imaginarmos que no ápice da bolha de ações das construtoras (exemplo Gafisa) chegou a valer R$ 14,48 e vamos considerar que esta Bolha explodiu (por que vemos a ação valendo R$ 6,95), podemos constatar : Desvalorização em torno de 50 %. E assim não podemos traçar um paralelo no caso de um estouro de bolha imobiliária ? Friso aqui que estamos falando do mesmo mercado : imóveis e ações de construtoras, não é a mesma coisa que valar de alhos e bugalhos, portanto tem uma correlação intima.

    0
  • Marcos 8 de julho de 2011 at 15:40

    IMOB caindo 1%. 5,11% de queda nesta semana. O céu não é de brigadeiro. E a terra é de lama.
    Se as empresas do setor vão mal, como pode o produto final subir? É como a mineradora ter prejuízo e ouro valorizar? Estranho, não?
    Alguém conhece um índice americano similar ao IMOB?

    0
  • guilherme 8 de julho de 2011 at 15:54

    Só para ilustrar como o mercado é pilantra confiram essa reportagem de marco de 2011.É uma pérola da analise errada. As ações despencando e os “analistas” recomendado os papéis como uma grande oportunidade…

    agatetepedabliudabliudabliu.exame.abril.com.br/mercados/noticias/cyrela-decepciona-mercado-mas-queda-das-acoes-abre-oportunidade

    0
    • MrK 8 de julho de 2011 at 17:55

      hahah sensacional

      quem acreditou nele já tá perdendo 6%, mas o melhor foi a previsão de fechar o ano em R$27, ou seja quase 100% de ganho em relação ao preço de hoje, esse cara tem que passar oleo de peroba na cara hahahahahah

      0
  • roberto 8 de julho de 2011 at 15:56

    Ta ai um bom BLOG. Manipulação da midia no mercado de ações…..

    0
  • guilherme 8 de julho de 2011 at 16:08

    Mrk, a grande questão tmb é saber o quanto a coisa vai para o brejo. Vc acha que já é caso de quem tem imovel na planta da gafisa começar a perder o sono?

    0
    • roberto 8 de julho de 2011 at 16:32

      Desculpe me intrometer, mas:

      Na minha opinião quem comprou imóvel na planta pela Gafisa com intuito de vender na entrega das chaves (ágio especulação) é bom por as maguinhas de fora. Pois vai competir no preço de venda com a construtora que irá baixar os preços para fazer caixa o mais rápido possível.

      0
      • MrK 8 de julho de 2011 at 17:48

        roberto, quem comprou pra especular assino em baixo do seu comentário…é bom se preocupar, a gafisa vai ter que queimar estoque se ainda tiver

        agora, quem comprou pra morar não vejo tanto risco ainda, tem que ver caso a caso, pois a lei hoje tem umas saídas pro caso da construtora quebrar, pode ser que tenha um prejuizinho mas acho que nada como no caso encol não

        abs

        0
  • Elias 8 de julho de 2011 at 17:26

    Solução: fusão entre cyrela e gafisa, com o BNDES aportando $$$ pra salvar o caixa das empresas.

    Vamos fazer “campeãs nacionais”! Quem se preocupa com os consumidores?

    E o engraçado é que o governo quer combater a inflação fomentando monopólios.

    0
    • DRN 8 de julho de 2011 at 18:19

      Falou e disse. O governo escolhe algumas empresas e exige, como contraprestação, doações para as campanhas, de modo a se eternizar no poder. Que lástima o Serra não ter sido eleito. Não é nenhuma madre teresa de calcutá, mas pelo menos ia tentar segurar a gastança pública. E já falaram aqui: em vez de enviar dinheiro em infraestrutura (porto, aeroporto, hidrovia, rodovia, malha de trem, indústria de todos os níveis), o BNDES financia apaniguados. É uma piada.

      0
  • França 8 de julho de 2011 at 17:55

    Amigos, boa tarde. Muitos aqui acreditam que uma crise econômica se aproxima do Brasil, não só pela conjuntura do mercado imobiliário, bem como por outros fatores como inflação, cenário externo, endividamento das famílias, valor do dólar, etc.
    Caso esse cenário comece a se confirmar, qual seria a maneira mais indicada de proteger o capital? Pergunto porque dólar ninguém quer comprar, imóveis já sabemos que estão acima do preço real, o mercado de ações hoje desafia até os especialistas. Quanto à renda fixa, alguns me dizem que têm receio de uma brusca desvalorização do real. Então o que sobra?? abraço!

    0
    • DRN 8 de julho de 2011 at 18:16

      Segundo li várias vezes, quem é rico de verdade (muito rico mesmo), compra ouro.

      0
  • juliano 8 de julho de 2011 at 18:30

    olhem só… saiu na Folha

    08/07/2011 – 11h53
    Demanda por crédito cresce apesar de alta nos juros, diz Serasa

    Publicidade

    DE SÃO PAULO

    O aumento das taxas de juros e condições de crédito mais apertadas não impediram o crescimento da demanda por crédito nesta primeira metade do ano, como aponta uma pesquisa da Serasa Experian, a partir das consultas feitas mensalmente a sua base de registros.

    Neste primeiro semestre, a quantidade de pessoas que procurou tomar crédito aumentou 13,7% na comparação com o primeiro semestre do ano passado. Essa taxa é pouco inferior às taxas verificadas nos anos anteriores (em torno de 16%) nos dois anos anteriores.

    Somente em junho, houve uma queda de 3% na demanda por crédito, ante maio, mas ainda é 21% superior ao registrado em junho do ano passado.

    “A desaceleração da demanda do consumidor por crédito exibida durante o primeiro semestre de 2011 parece ter ficado aquém do esperado face à sequência de elevação dos juros e à adoção das medidas macroprudenciais”, constata a área de análise da Serasa, antecipando mais ajustes dos juros básicos pelo Banco Central.

    Por faixa de ganhos, a demanda dos grupos de menor poder aquisitivo (renda mensal até R$ 500) e maior poder aquisitivo (entre R$ 5 mil e R$ 10 mil por mês) tiveram as maiores taxas de crescimento no semestre: 34,8% e 19,2%, respectivamente.

    No mês, no entanto, foram justamente nesses dois grupos que a contração na procura por crédito foi maior: 4,1% e 5,2%.

    0
  • guilherme 8 de julho de 2011 at 18:40

    Eu ainda acho que a tendencia é o dólar subir, não é possível o cambio cair mais. Acredito profunamente que teremos em breve outra maxidesvalorização. Antes do lula isso seria uma aposta certa, o grande problema é os EUA estando na vala não deixa de ser uma aposta perigosa.

    0
    • MrK 8 de julho de 2011 at 19:37

      rapaz, por incrivel que parece tenho duvidas nesse tema

      eu acho que no Brasil temos duas economias em paralelo:

      Uma economia REAL, que cresce, principalmente em oleo e gas, pre-sal, e alguns investimentos estrangerios abrindo empresas e outra economia ficticia que cresce a base de crédito e bolha… qual das duas tá inflando o pib hoje eu não sei, é difícil separar, mas acho que uma se aguenta e a outra despenca

      o ponto é que mesmo se tivermos uma contração em 50% dos setores da nossa economia (algo bem provável), ainda assim estamos melhores que os EUA, se nossa situação é ruim a deles é pior, eles são hoje os maiores devedores do mundo, tem um rombo no orcamento impossivel de fechar, balanca comercial negativa, exportaram toda sua producao pra ásia, tem taxas de juros artificialmente baixas e só não entraram numa recessão forte de verdade porque o dolar tem status de moeda de troca mundial, se isso cair, eles vão sofrer uma depressão!

      é aguardar e ver no que dá!

      0
  • juliano 8 de julho de 2011 at 19:03

    Estadão:

    ‘Minha Casa’ vai beneficiar famílias com renda de até R$ 1,6 mil

    Segundo portaria publicada no Diário Oficial, governo irá produzir 860 mil unidades para famílias enquadradas nessa faixa de renda até 2014
    08 de julho de 2011 | 13h 54

    O Ministério das Cidades publicou nesta sexta-feira,8, no Diário Oficial da União a portaria 325, pela qual estabelece as novas diretrizes para a aquisição e alienação de imóveis que devem beneficiar famílias com renda de até R$ 1,6 mil, dentro do programa “Minha Casa, Minha Vida”.

    No texto, o governo defende a meta física de produzir 860 mil unidades para famílias enquadradas nessa faixa de renda com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) até 31 de dezembro de 2014. Segundo Maria Henriqueta Alves, assessora técnica da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), os recursos para as outras 340 mil unidades restantes previstas para esse público devem estar distribuídas entre o Programa de Subsídio à Habitação (PSH) e o Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). Conforme a portaria, o plano de metas de contratação para o exercício de 2011 deverá ser apresentado até 31 de julho.

    Ao fazer o anúncio da nova etapa, em 16 de junho, a presidente Dilma Rousseff se comprometeu em fechar 2 milhões de contratações dentro do programa até o final de 2014, das quais 1,2 milhão serão destinadas para famílias enquadradas na primeira faixa de renda, que passou de R$ 1.395 para R$ 1,6 mil. Entre 2011 e 2014, o governo prevê investimentos de R$ 125,7 bilhões, sendo R$ 72,6 bilhões de subsídios e R$ 53,1 bilhões de financiamento.

    Pela nova tabela de valores, nos municípios das regiões metropolitanas de São Paulo, Jundiaí, São José dos Campos, Jacareí e Distrito Federal, o preço máximo para aquisição de um apartamento fica em R$ 65 mil e para casa em R$ 63 mil. Para municípios dessas regiões com população entre 20 mil e 50 mil habitantes, o teto ficou em 53 mil para apartamentos e casas, sendo que nos demais municípios o limite para a compra de casa fica em R$ 57 mil.

    No Estado do Rio de Janeiro, na capital e respectivas regiões metropolitanas, os valores passaram a R$ 63 mil (apartamento) e R$ 60 mil (casa). Já para cidades com população entre 20 mil e 50 mil habitantes no estado, os valores ficaram em R$ 51 mil (casa), enquanto que para os demais municípios o preço ficou em R$ 55 mil.

    0
  • trololó 8 de julho de 2011 at 20:57

    SÃO PAULO – Com queda em todos os cinco pregões da semana, as ações da MRV (MRVE3) relataram a maior desvalorização do Ibovespa no período entre 4 e 8 de julho, acumulando perdas de 12,77%, enquanto o benchmark da bolsa brasileira caiu 2,97%.

    O desempenho foi mais forte em relação às outras empresas do setor imobiliário que também fazem parte do Ibovespa, tais como PDG (PDGR3, -6,56%), Gafisa (GFSA3, -6,43%) e Rossi Residencial (RSID3, -6,03%).

    Com a queda desta semana, as ações da MRV acumulam perdas de 23,30% no ano, sendo a terceira pior performance dentre as imobiliárias do Ibovespa em 2011, ficando a frente apenas da Gafisa e da Cyrela, que já caíram 40,61% e 33,1%, respectivamente.

    0
    • juliano 8 de julho de 2011 at 21:01

      ouch.

      0
      • MrK 8 de julho de 2011 at 21:19

        pedra cantanda: quando publicarem o resultado do 2o trimestre vai ser sangue nessas ações…

        0
    • Duda 9 de julho de 2011 at 20:55

      ai ai ai… sinto dor pelos acionistas que não sairam a tempo… mas estavam avisados…

      0
  • Mauricio 9 de julho de 2011 at 12:25

    “http://www1.folha.uol.com.br/mercado/941321-em-sp-imovel-novo-e-vendido-com-velocidade-menor.shtml”

    Em SP, imóvel novo é vendido com velocidade menor

    Publicidade

    DE SÃO PAULO

    Quem começou a procurar apartamento novo para comprar na cidade de São Paulo em 2010, no auge do boom imobiliário, e ainda não fechou negócio começa a sentir diferença nos estandes vendas dos lançamentos, informa reportagem de Carolina Matos para a Folha.

    A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    A velocidade de venda dos empreendimentos, principalmente de padrão médio-alto (com valor do m² entre R$ 5.501 e R$ 8.000), já está bem menor que em 2010, em um efeito dos preços elevados sobre a demanda.

    Imobiliárias ouvidas pela Folha admitem a redução, embora resistam em informar percentuais. Mas fontes do mercado afirmam que o cenário do ano passado, com casos de empreendimentos inteiros vendidos em um fim de semana, deu lugar à negociação de menos unidades no lançamento.

    Um corretor que atua há mais de 15 anos em São Paulo classifica o mercado de 2010 como irreal. E diz que, hoje, se 30% das unidades são vendidas no lançamento, o resultado já é excelente. A expectativa para, ele, é comercialização do restante em seis meses.

    Já na avaliação de João Crestana, presidente do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), mesmo essa estimativa é muito otimista.
    Editoria de Arte/Folhapress

    0
    • MrK 9 de julho de 2011 at 13:02

      são vários os sinais de que podemos realmente estar passando pelo pico da bolha

      a duvida é se vai se acomodar nesse preço por algum tempo ou se vai comecar a cair devagar, uma “explosão” da bolha com queda forte eu ainda não consigo ver nos próximos 2 ou 3 meses… não tem nenhum evento que sinalize isso ainda

      0
      • Duda 9 de julho de 2011 at 20:53

        Pois é, a demanda parando é um bom sinal. Falta ver ainda nos preços, amanha farei meu controle semanal, com o jornal na mão. Mas também veremos eles descendo… a lei da oferta e procura, não pode ser suspensa. Nem pelo Fabio Rossi, nem pelo Mauro Halfeld (é assim que se escreve?), nem pela Globo, nem pelo governo… hehehehe

        0
  • marcello 9 de julho de 2011 at 13:00

    Mauro Halfeld Sexta, 08/07/2011

    Onda de alta dos preços dos imóveis pode continuar

    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/MAURO-HALFELD.htm

    0
    • MrK 9 de julho de 2011 at 14:58

      esse cara nao foi o mesmo que ha uns 2 meses atras decretou no ar que existia uma bolha imobiliaria sim?

      eu ainda nao ouvi o link, mas ele por acaso mudou de ideia?

      0
  • RAL 9 de julho de 2011 at 13:01

    A empresa Chevrolet , as vezes edita uma progandas as sextas-feira onde diz :

    “Não compre automóveis tal dia espere e teremos uma surpresa pra todos”

    O povo brasileiro devia dar uma lição no setor imobiliario e deixar de comprar por alguns meses , claro que tem muita gente que injustamente iria sofrer , mais é melhor sofer pouco agora que amargar uma depressão duradoura ( Espanha e EUA)

    0
  • marcello 9 de julho de 2011 at 13:09

    Mauro Halfeld

    Quarta, 06/07/2011

    ‘Vou vender um apartamento de R$ 400 mil e não sei como investir o dinheiro’

    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2011/07/06/VOU-VENDER-UM-APARTAMENTO-DE-R-400-MIL-E-NAO-SEI-COMO-INVESTIR-O-DINHEIRO.htm

    0
    • MrK 9 de julho de 2011 at 15:19

      Mauro Halferd disse há pouco tempo que viviamos uma bolha imobiliaria, deu diversos argumentos pra isso, agora ele do nada recomenda um espectador a comprar um ap financiado hoje mesmo??? Logo depois recomenda outro a manter o investimento em imoveis comprando outras unidades?!?!

      Mauro, cadê a sua credibilidade???????? Será que ela tem preço???????

      0
      • MrK 9 de julho de 2011 at 15:24

        marcello, aqui está o link:

        cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2011/05/02/CREDITO-FACIL-TRIPLICA-VALORES-DE-IMOVEIS-DE-BAIXA-RENDA-EM-CINCO-ANOS.htm

        Senhor Mauro Halferd, poderia se explicar porque depois de ter dito isso recomendou a compra financiada de imoveis hoje mesmo pra um espectador??????? e recomendou outro a investir em imóveis??????? Cadê sua credibilidade????????

        0
        • Samuel 9 de julho de 2011 at 16:32

          Mrk,

          Até faz sentido a explicação que ele deu…
          A pessoa tem um único imóvel, não se sabe o grau de instrução financeira que tem, ele recomendou que ela troque o imóvel de valor maior por dois de valor menor.
          Eu acho que faz sentido… lembrou que o alguel de imóveis mais baratos são mais rentáveis…
          Eu acho que seria irresponsabilidade dele aconselhar a venda do imóvel para aplicação em ações ou outro mercado mais complexo (afinal ele não sabe qual o grau de instrução do cidadão).
          Bem… também não acho que a explicação que ele deu para essa consulta, vá de encontro à afirmação de exagero nos preços do mercado imobiliário.

          Abraços

          0
          • MrK 9 de julho de 2011 at 16:53

            Samuel,

            ele não recomendou a venda, a venda já era fato consumado pelo espectador, a duvida do mesmo era se aplicava no mercado ou investia em outro imovel, se o proprio Mauro disse que vivemos uma bolha, a conclusão lógica seria aplicar em qualquer coisa MENOS num mercado inflado, certo?! QUE tipo de economista recomenda aplicar num mercado em bolha??!?!

            outra coisa foi o post anterior, ouça lá, de um camarada em duvida se vivia de aluguel, financiava ou guardava pra comprar a vista… de novo, se o Mauro afirmou categoricamente que há uma bolha nos preços e INCLUSIVE que era melhor alugar, como ele agora pôde sugerir que o camarada financie ?!?! Totalmente CONTRASENSO

            a opinião desse Mauro pelo visto é fácil de “influenciar$$$$”

            0
          • Samuel 11 de julho de 2011 at 11:29

            Prezado Mrk,

            Não sei se é dinheiro, mas acho que ele mudou de ideia…
            Ou talvez… bem… acho que a gente não tá conseguindo interpretar o cara…rs
            O ideal seria pergutnar diretamente para fonte…o que vc acha???
            Hoje de manhã ele já deu outra dica: novamente o mercado imobiliário.

            h t t p : / / cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/MAURO-HALFELD.htm

            Abraços

            0
      • RAL 9 de julho de 2011 at 23:54

        MrK , tive a mesma sensação ele foi comprado, pois está falando agora que os preços podem subir um pouco mais e nunca mais pronunciou a palavra Bolha.

        0
        • RAL 10 de julho de 2011 at 00:05

          Inclusive postei um comentário na CBN diretamente para o Mauro será que vai ser aprovado?

          “Mauro gostava muito dos seus comentários , disse gostava no passado.
          Primeiro vc fica desesperado afirmando que temos uma bolha imobiliaria , depois não tem coragem de pedir para o suposto ouvinte esperar alguns meses para tomar a decisão de comprar um imóvel que vai trazer a ele onus por 30 anos ?

          Segue um ditado pra vc meditar :
          ” Todo homem tem seu preço e alguns dão até desconto”

          0
      • Bolha Imobiliária 10 de julho de 2011 at 16:38

        Verdade. Quando fiquei sabendo desta nova reportagem, me lembrei disto que ele falou. É opinião comprada…ainda mais vindo nas organizações globo.

        0
  • luiz 9 de julho de 2011 at 16:05

    Samuel, Jonh e MRk, entrando no assunto de vcs, achoq a queda das imobilarias se deve ao superaquecimento do mercado, pressão de custos subindo e compadoes escasseando
    simples assim
    Samuel, ese blog tem espaço sim pra divergecia leal, gostei mt da quaidade do seus argumetos, apsar de aida saudáveis,vejo queas empresas do ramo estão num rumo perigoso.

    0
  • juliano 9 de julho de 2011 at 16:25

    ESTADÃO:

    Imóveis usados fora de alcance

    Categoria: Agenda, Análise, Casa própria, Imóveis, Tecnologia

    LUCIELE VELLUTO

    O alto preço dos imóveis na cidade de São Paulo tem espantado os compradores. A pesquisa mais recente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP) mostra que a venda de unidades usadas caiu 5,44% em maio, enquanto o valor do m² subiu 4,33%, em média.

    “O preço está chegando no limite que as pessoas podem pagar. A queda das vendas é consequência desses valores cada vez mais elevados”, explica o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto.

    Maio foi o segundo mês consecutivo em que o levantamento do Creci-SP detectou recuo na comercialização de imóveis usados na capital paulista. Na opinião de Viana Neto, o período ainda não foi suficiente para que os proprietários com unidade à venda parem de aumentar os preços.

    “Muitos donos de imóveis não se conscientizaram que chegamos a um limite. Eles olham com entusiasmo o boom imobiliário e continuam a subir o preço. Falta percepção de quem quer vender.”

    As imobiliárias e corretores de imóveis já sentiram o efeito do avanço dos valores praticados no mercado. Para André Ambrosano, corretor da Nova Jardim Imóveis, que atua no Jardim da Saúde, zona sul, a situação preocupa. “Os imóveis estão cada vez mais caros e as vendas seguem em queda. Hoje, estão pedindo um valor para a classe média que esse consumidor não pode pagar”, diz.

    Fenômeno benéfico
    Ambrosano acredita que a diminuição dos negócios ainda deve durar mais alguns meses até o mercado ter a percepção de que é hora de recuar. “As vendas terão de cair sete, oito meses para o proprietário perceber que precisa reduzir o preço, pois o que ele está pedindo está fora da realidade.”

    Para Viana Neto, por pior que seja para o mercado imobiliário, a redução das vendas será salutar para trazer os valores dos imóveis à realidade econômica dos consumidores. “Estamos chegando num momento de assentamento dos preços”, analisa.

    Menos descontos
    A pesquisa de maio mostra também queda dos descontos oferecidos aos compradores, mesmo com os preços em alta. O desconto médio em bairros como Bosque da Saúde, Mandaqui, Lapa e Tatuapé, por exemplo, recuou de 5,49% do valor do imóvel a 3,77%.

    Entre as unidades que tiveram aumento no mês, o maior foi registrado pelas unidades de padrão médio em bairros como Ibirapuera, Morro do Ingleses e Moema. A alta foi de 49,22% no preço médio do m², que passou de R$ 4.250 em abril para R$ 6.341,90 nas vendas fechadas em maio.

    A maioria das compras de usados no mês foi financiada – 54,89% do total, sendo 25,53% negócios fechados com o intermédio da Caixa Econômica Federal. Em seguida vêm as vendas à vista, com 43,4% dos contratos.

    0
    • MrK 9 de julho de 2011 at 16:58

      juliano, bom texto

      quando leio isso lembro logo de uns relatórios soltados há coisa de 6 meses atrás que continha projeções de 5 e 10 anos pro mercado imobiliário, é claro que todos eram feitos por entidades do setor, alguns assinados até por economistas.

      essas projeções davam conta que o preço dos imovéis subiria de 10% a 20% ao ano, pelos próximos 10 ANOS!!!!!! em outras palavras, os imóveis já mega-inflacionados iriam dobrar de preços em coisa de 4 anos, esses relatórios ainda devem estar disponíveis por ai na internet.. .e sabe qual o pior? Tem gente que acreditou!!!

      0
    • John 9 de julho de 2011 at 17:01

      Acho que é mais ou menos o que acontece com as ações. Frequentemente o sujeito acha que os preços ainda vão subir mais e decide esperar uma maior valorização para vender. Há também o caso em que os preços começam a cair mas o inestidor usa o argumento do “longo prazo” para segurar as ações e esperar que elas recuperem o preço no futuro. Quanto aos imóveis, o momento de euforia é muito recente, então acho que os proprietários que querem vender não vão dar o braço a torcer tão cedo. Mas se as construtoras resolverem abaixar os preços dos lançamentos, talvez daqui um ou dois anos comecem a aparecer bons negócios.

      0
  • MrK 9 de julho de 2011 at 17:05

    Vamos dar risada?

    Segue trechos de um relatório imobiliário escrito em Maio/2011

    ““Nas ‘cidades caras’ do planeta, há imóveis ofertados, por exemplo, a U$ 3 milhões. No Brasil, onde o custo de vida é comparado a tais cidades, imóveis com perfis correspondentes deveriam custar, no câmbio atual, por volta de R$ 4,5 milhões, mas custam muitíssimo menos. Por isso, reafirmo: em nosso País, o imóvel ainda é muito barato. O preço vai subir””

    “O bairro será qualquer um, desde que possua boa infraestrutura de comércio, serviços e locomoção. Cada bairro terá os seus núcleos sofisticados, que atenderão aos desejos de “status”. No mercado como um todo, para ajustar os preços à realidade os imóveis alcançarão uma valorização de 30%”

    Assina esse relatório Fábio Rossi, dirigente da Sotheby’s Brasil

    0
    • Anonymous 9 de julho de 2011 at 18:51

      Preço de imóveis no País deve dobrar em 5 anos, diz Sotheby’s TERRA 04/05/2011 Os preços médios dos imóveis devem dobrar em cinco anos no Brasil, segundo expectativa do presidente da corretora de luxo Sotheby’s no Brasil, Fábio Rossi.

      Estratégia: Vou comprar 2 daqueles apartamentos do Rei Roberto Carlos (54 m2, 730 mil Reais). Daqui a 5 anos, vendo os 2 apartamentos, terei 1460 mil Reais e então compro QUINZE casas naquele condominio na Florida que comentei em mensagem anterior. E ainda tenho a possibilidade de encontrar o Rei no elevador.

      0
      • Duda 9 de julho de 2011 at 20:28

        Pelo visto o desejo do Fabio Rossi não está ajudando as ações da sua empresa.

        0
    • trololó 9 de julho de 2011 at 19:11

      então tá bom, já estou comprando minha máquina de fazer tijolos não com cimento ou barro, mas com notas de dólares, talvez assim saia mais barato do que pela rossi…

      só não sei com que tinta vou pintar.. acho que vou mesmo é folhear a casa com ouro, quem sabe assim ela consiga ficar no patamar das “cidades caras” do brasil

      0
  • Glaucio 9 de julho de 2011 at 22:21

    Em 1 de abril, o Bolha postou dizendo que fez uma pesquisa no imoveiscuritiba.com.br por imóveis à venda. Resultado: 7817 imóveis (não informou que tipo).
    Em 6 de maio, fiz lá outra pesquisa, só por apartamentos. Resultado: 8197 unidades.
    Hoje, pesquisei o mesmo site, busquei novamente apenas apartamentos. Resultado: 8727.
    Cadê o déficit habitacional?

    0
    • MrK 10 de julho de 2011 at 11:46

      queria ter feito a mesma coisa no Rio, pena que não anotei

      mas tenho a sensação de que a quantidade de imoveis a venda está subindo fortemente por aqui também… essa situação de oferta crescendo, demanda diminuindo e PREÇO crescendo não se sustenta por muito tempo…

      0
      • Lucas 11 de julho de 2011 at 08:44

        Creio que o preço alto (virtual) trouxe mais ofertantes ao mercado, pois o sujeito vê o vizinho “vendendo” (pondo a venda) a preço exorbitante, então tenta também. Outra situação é o cara que aluga percebe que pelo preço (virtual) do imóvel dá para igualar com décadas de aluguel então põe a venda também.

        0
    • Bolha Imobiliária 10 de julho de 2011 at 16:34

      Eram somente apartamentos…Não cheguei a ver casas e sobrados.
      Fora que selecionei alguns imoveis que estão encalhados a pelo menos 6 meses…

      0
  • Schmidt 9 de julho de 2011 at 22:28

    Vou só ilustrar com passagens pessoais. Tenho conhecido que trabalhava em uma concessionária de automóveis(na época do ágio) que dizia não precisar de vale-transporte ou vale-refeição porque a venda “bombava”. Dizia que almoçava todo dia em churrascaria e só se deslocava de carro . Ficou anos desempregado e ajoelhava aceitando emprego sem carteira assinada, mas com cesta básica. Outro dia dei carona a outro conhecido(corretor de imóveis). Perguntei por que estava a pé e ele desconversou. Logo depois fiquei sabendo que no feirão da caixa ele deixou o carro na rua porque não tinha dinheiro para pagar o estacionamento. Teve o carro rebocado e não pode retirá-lo no depósito, pois devia IPVA. O desespero dele foi porque como estava com dois meses de atraso na prestação logo viria a busca e apreensão. Como se trata de servidor aposentado pegou um consignado e resgatou o carro. Só narro esses fatos para demonstrar que quando as coisas vão bem o natural é demonstrar um pouco de prosperidade, mas o que vejo e corretor comendo farofa e arrotando peru. Não são capazes de usar celulares próprios. Entram na fila para usar o nextel da empresa. Resumindo, temos uma geração de “creci’s” que logo precisarão de curso de especialização para arrumar emprego. Não quero com isso menosprezar a categoria, mas como já disse o MRK, temos o efeito manada, que não é só de especuladores, mas também de desesperados por emprego e despreparados para enfrentar a realidade. 200k em um imóvel suburbano de 50m quadrados não é aceitável para a nossa realidade. Não existe subida eterna. “O apogeu é início da decadência”. O ponto de vista aqui não é o português, pois a expressão carece do bom uso da coesão e coerência. Tento apenas ilustrar um sentido filosófico de que qualquer período, seja ele econômico ou político, decai.

    0
  • Jonas 9 de julho de 2011 at 23:29

    Aqui em Belo Horizonte, só em um site ” lugar certo ” existem mais de 9700 apartamentos anunciados, tenho pesquisado a mais de 2 anos e nunca vi tantos imoveis no anuncio, conversando com um corretor ele relatou-me que os vendedores já estão mais prontos a ouvirem um contra proposta, fato quase impossivel a 08 meses atrás. Proximo as vias principais o que mais se percebe e o aumento de faixas de imoveis em lançamento, Fico feliz pois achei que não poderia comprar outro imovel em um local melhor. Mas a esperança voltou, agora vou poder escolher um melhor apartamento. rsrsrsrs.

    0
  • juliano 10 de julho de 2011 at 14:01

    Folha de hoje:

    Empréstimos de baixo valor entram na mira do BC

    Banco passará a fiscalizar crédito com valor a partir de R$ 1.000

    Objetivo é avaliar melhor o risco que a forte expansão dos empréstimos representa para bancos

    ÉRICA FRAGA
    DE SÃO PAULO

    O Banco Central vai passar a monitorar pequenos tomadores de crédito.
    O principal objetivo da medida é avaliar melhor o risco que a forte expansão de empréstimos nos últimos anos representa para o sistema financeiro, especialmente para bancos de menor porte.
    A Folha apurou que, a partir do fim de outubro, o BC passará a acessar informações detalhadas de cada operação de crédito com valor a partir de R$ 1.000.
    Numa segunda fase “cuja data ainda não foi definida”, o BC poderá monitorar de forma individualizada todos os financiamentos, mesmo os de valor muito baixo.
    Hoje, o departamento de fiscalização tem acesso a dados agregados de todos os empréstimos concedidos pelo sistema financeiro.
    Além disso, já recebe e monitora dados individualizados “como informações cadastrais do cliente, valor e modalidade do empréstimo contraído e montante de juros” de operações com valor igual ou superior a R$ 5.000.
    Ao reduzir esse montante, o BC ampliará o poder de fogo do departamento de fiscalização. Será possível fazer um mapeamento mais detalhado das notas de crédito que os clientes recebem das instituições financeiras.
    Essas classificações variam de acordo com um conjunto de informações, como renda, nível de endividamento e histórico do cliente em pagar ou não as parcelas em dia.
    Há nove tipos de notas possíveis para empréstimos concedidos por instituições financeiras no Brasil, que podem oscilar de AA (a melhor possível) a H (a pior de todas).
    Com o monitoramento mais abrangente, o BC poderá verificar se um cliente que contraiu empréstimos de valor relativamente baixo em mais de um banco recebe avaliações parecidas de todos.

    LUZ AMARELA
    Se forem descobertas discrepâncias grandes nas notas concedidas, uma luz amarela acenderá no departamento de fiscalização.
    Em um caso desses, é possível que o BC conclua que o sistema de avaliação de crédito do banco que concede nota mais benigna que seus pares apresenta deficiências.
    Como resultado, a instituição poderá ter de aumentar suas provisões (recursos reservados para cobrir prejuízo com possível calote).
    Uma das principais preocupações do departamento de fiscalização é garantir que os bancos tenham estruturas eficientes de gestão de risco de empréstimos.

    FISCALIZAÇÃO
    O forte crescimento do crédito e a expansão da parcela da renda de pessoas físicas destinada a quitar dívidas reforçaram a necessidade de ampliar a fiscalização sobre as operações de menor valor.
    Na esteira da expansão da renda, o percentual de operações de crédito destinadas a financiar o consumo saltou de 7,9% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2003 para 17,5% em maio de 2011.
    O BC também vai desenvolver, a partir dos novos dados a que terá acesso, avaliação mais detalhada da exposição dos bancos às diversas modalidades de crédito, como financiamento para compra de carros e cheque especial.

    0
  • LB 10 de julho de 2011 at 14:43

    “Ações de construtoras tombam após BofA rebaixar recomendação”

    Notícia de 5 dias atrás, porém acho interessante pois está dentro do contexto debatido:

    http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/acoes-de-construtoras-tombam-apos-bofa-rebaixar-recomendacao

    É também interessante destacar da notícia:

    “A construtora e incorporadora MRV Engenharia & Participações (MRVE3) foi retirada da carteira recomendada do BofA.”

    E o comentário de um ‘internauta’ isento 😛

    “Não se deve tomar decisão sob anásile desses bancos, pois são uns tremendos especuladadores,. A captação para financiar as vendas das construtoras são pela poupança com taxas de juros abaixo da Selic e portanto tem baixo impacto. MRVE, principal beneficiada do programa minha casa minha vida e com bom retorno sobre o patrimonio liquido e PL em torno de 9, o que recomenda-se a compra pois seu preço alvo para 31/12 está em torno de 19,00 com upside de 46,60% sobre o fechamento de hj 12,96.”

    Aposto que este comentário foi feito pelo Diretor Financeiro da MRV 🙂

    0
  • Ramires 10 de julho de 2011 at 14:51

    FMI: calote da dívida dos EUA coloca em risco economia mundial
    fonte: Estadão 10/07/2011

    0
    • MrK 10 de julho de 2011 at 15:05

      sem chances, não vão dar calote…

      não o calote como nós conhecemos

      eles vão fazer o que vem fazendo há anos, um tipo de ‘calote disfarçado’, eles simplesmente imprimem mais dolares e vão pagando os credores… isso vai desvalorizando a moeda deles contra o mundo todo, por isso o dolar tá tão barato, eles tem imprimido bilhões do puro ar

      0
      • trololó 10 de julho de 2011 at 15:09

        contra-terrorismo da francesa lagarde por retaliação do que as empresas de rating americanas vem fazendo com a europa…

        0
  • Marcos 10 de julho de 2011 at 17:03

    Olhem o anúncio abaixo. Começaram as promoções. Além da aparecer a familiar palavra INVESTIMENTO. Sinto que esta faltando óleo no mercado.

    QUER VIAJAR DE NAVIO?

    Compre seu imóvel na BELA IMÓVEIS e ganhe 1 Cruzeiro para 2 pessoas com todas as taxas Portuárias pagas. Bela Imóveis a melhor opção para o seu Investimento. Entre em contato com nossos corretores. PROMOÇÃO COMPROU GANHOU! Não é sorteio. Promoção válida até 30/07/2011. Tels. (13) 3322-7877 / (13) 7850-5281 e (13) 3017-9444 C.108870

    classificados.atribuna.com.br/imoveis/ad/141151833

    0
    • MrK 10 de julho de 2011 at 20:41

      hahahah ganhe um cruzeiro?

      caramba, já vi promocoes melhores, tinha uma dando um carro de luxo

      daqui a pouco eles vão oferecer um passeio de charrete

      0
  • Ramires 10 de julho de 2011 at 18:56

    Os caras devem estar bravos.

    Novos valores aprovados para o ‘Minha Casa’ decepcionam, diz CBIC

    Para Câmara Brasileira da Indústria da Construção, mudanças no programa são um ‘desestímulo à participação da iniciativa privada’

    08 de julho de 2011 | 16h 32

    SÃO PAULO – Os novos valores anunciados nesta sexta-feira, 8, pelo Ministério das Cidades para a segunda etapa do “Minha Casa, Minha Vida”, na opinião da Câmara Brasileira da Indústria da Construção são um “desestímulo à participação da iniciativa privada”. Em nota, a entidade afirma ter recebido com cautela e preocupação o conteúdo da portaria com detalhes sobre a continuidade do programa. Para o presidente da entidade, Paulo Simão, os novos limites regionais de preço dos imóveis para a faixa de renda mais baixa do programa (até R$ 1,6 mil) poderiam, inclusive, levar as empresas a optarem por outros tipos de empreendimentos.

    “Acredito que esses valores terão de ser revisados ou o programa continuará emperrado. Esses acréscimos estão muito aquém da realidade. Vamos conversar a partir da próxima semana com o Ministério das Cidades e com a Caixa para rever isso”, afirma Simão em entrevista à Agência Estado, ao definir a portaria como “decepcionante”.

    Desde o início das negociações para essa segunda fase, a CBIC vinha propondo ao governo uma variação linear nos valores. Diante da incidência de sobreposições, o ajuste sugerido pela CBIC era de 30,7%. Esse índice seria o mínimo, na avaliação da entidade, para assegurar o andamento normal do programa. A CBIC pondera ainda que o cálculo do índice sugerido não considerou aspectos fundamentais como a variação do preço dos terrenos, que foi muito superior à variação do custo da construção, e o fato de que os novos valores serão utilizados por um longo período.

    Preços defasados e distorções

    As distorções de preço em localidades do país onde os valores estavam defasados desde a primeira fase do programa e apresentaram uma variação extra de custos, como Bahia, Minas Gerais, Rondônia e Acre, não foram resolvidas. No caso da Bahia (em especial, Salvador) e Belo Horizonte, foi registrado um reajuste de apenas 23,9% – número bem inferior a média estimada para o País.

    A situação se mostra ainda mais crítica em projetos contratados no período de transição entre as duas etapas do programa, onde deveria ter sido contemplada a variação do custo, as novas especificações e o aumento do trabalho social. Entretanto, a variação aplicada pelo governo foi de 13%, ao passo que apenas a inflação media do período ficou em 17,56%.

    Outra grave distorção, aponta a CBIC, é o tratamento dado às realidades específicas de alguns estados. Na primeira fase do “Minha Casa”, determinados estados tinham um valor único para todos os municípios. Nesse nova etapa os estados foram divididos em capital e Região Metropolitana, Interior e municípios entre 20 e 50 mil habitantes. De acordo a entidade, isso inviabiliza a existência do programa em cidades como Caxias do Sul e Santa Maria (RS); Blumenau e Joinville (SC); Londrina e Maringá (PR) e Juiz de Fora ou Uberlândia (MG), por exemplo, onde o custo de produção é equivalente ao custo da capital.

    Em termos gerais, os técnicos do setor acreditam que as regras ficaram mais difíceis para os empreendedores que desejam atuar no segmento econômico. “Entre a obra pronta e a legalização se leva mais ou menos dois meses. Agora a empresa também ficará responsável pela obra pronta por mais 60 dias depois do empreendimento legalizado. A necessidade desse prazo não ficou clara no texto e isso deve implicar em mais custos para as construtoras”, observa Maria Henriqueta Alves, assessora técnica da CBIC.

    0
    • trololó 10 de julho de 2011 at 19:49

      lendo as entrelinhas, é sinal de que o governo está prestando atenção, e ainda que lentamente, começa a trabalhar de modo a segurar mais as pontas, pro negócio não desandar de vez

      0
      • Anonymous 10 de julho de 2011 at 20:35

        Valor médio 55.188,00 Reais para uma casa de 39.6 m2. Portanto, 1394 Reais/m2. Isso é 25% MAIS CARO que uma casa em condomínio na Florida (100 m2, 110 mil Reais) que comentei anteriormente.

        0
        • trololó 10 de julho de 2011 at 20:41

          e a tendência é a tal casa na flórida se desvalorizar ainda mais daqui pra frente (com os mortage reset que vão até 2012 mortgagefanatic.blogspot.com/2009/05/loan-reset-threat-looms-till-2012.html ) ao passo que, pelo menos até final do ano, os preços no brasil tendem a inflar ainda mais

          0
          • Anonymous 11 de julho de 2011 at 09:58

            No auge da bolha no Japão, os Japoneses chegaram a acreditar que o palácio imperial valia mais do que o estado da California. A Banânia já está achando que uma casa do MCMV vale mais do que uma casa em condominio na Florida. Aqui voce compra um terreno por cerca de 30 mil Reais (1000 m2, bem localizado) e o PREÇO da construção da casa está na ordem de 1600 Reais/m2, ou seja, equivalente ao CUSTO da construção na Banânia. Tem algo muito errado acontecendo no mundo.

            0
  • MrK 10 de julho de 2011 at 20:48

    olha só, o problema com a economia americana (que alguns aqui já discutem há meses) comecou a aparecer nas capas de jornais e ganhar mais espaco

    o negocio lá é sério, eu particularmente acho quase impossível um calote, mas uma recessão e um desequilibrio grande acho muito provável, os EUA não poderão se manter do jeito que estão, isso está claro e isso vai abalar o mundo de alguma forma.

    hoje o Brasil vive de linhas de crédito internacionais, sincertamente não sei prever como esses gringos vão reagir a uma recessão mais séria nos EUA e possivelmente Europa, pode ser que eles nem mexam no dinheiro deles aqui no Brasil (é possível), mas pode ser que sim, se comeca um efeito manada eles saem todos pra não perderem na conversão do cambio pras moedas deles…é preciso ficar de olhos abertos, uma sacudida no imperio americano pode afetar nosso mercado de crédito e por consequencia o imobiliário, pode ser um gatilho…

    0
  • João 11 de julho de 2011 at 04:05

    Não sei se é coincidência ou o mercado está em desaquecimento. Nunca recebi tantos telefonemas e e-mail’s oferecendo imóveis como nesse início de Julho. Um dos corretores me disse que a empresa aceitaria negociação(sem especificar muito ) mas que era necessário estar presente ao local/stand pois um diretor estaria alí para negociar.
    Continuo colocando minhas parcas economias na RF atrelada à SELIC e vou esperar a bomba estourar.

    0
  • Murdoch 11 de julho de 2011 at 17:17

    Companheiros, preciso dividir com os senhores o que aconteceu hj dentro da minha saga…
    Postei aqui há alguns dias que desisti da compra e parti para buscar um aluguel… Pois bem, de todos os corretores que eu tinha contato, apenas 2 considero profissionais melhores. Fui pedir a um deles que me ajudasse indicando um bom corretor para aluguéis, pq se os de compra são ruins, vcs não podem imaginar os de locação…
    Pois falando com ela, contei que tinha desistido, achava que não era hora, etc. Achei que ela fosse fazer que nem os outros que diriam que eu estava louco, arriscando, enfim o blá, blá, blá de sempre…
    Ela só perguntou 2 vezes se eu estava certo da decisão. Qdo confirmei ela disse o seguinte:”vc está certíssimo! Espera isso explodir e compra. Só tem apto caro e destruído.”
    Detalhe ainda mais surpreendente. Ela mesmo disse que quer que exploda, pq ela tem 21 anos no mercado e disse que nunca viu tanto pilantra trabalhando e que o preço mto alto reduz as vendas. É melhor vender 3 aptos de 300 num mes do que 1 de 600.
    Apenas para compartilhar a experiência.

    0
    • Said 11 de julho de 2011 at 17:38

      Com certeza.
      É um pensamento lógico e que muitos estão tendo

      0
    • luiz 11 de julho de 2011 at 18:48

      Na época do auge vi um desdentado iletrado na PDG ostentado um carro zero km francês.
      Foi ele quem me fez tomar a decisão, se estes tipos ganham dinheiro é pq alguém está perdendo, e esse alguém não será eu. Veja que não é preconceito, é uma questão de conceitos de cadeia alimentar, o burro puxa a carroça e o homem vai em cima, e não o contrário.

      Murdoch, sai de um comprado e fui pro alugado pq queria me mudar de bairro, gostaria ter comprado outro, mas o aluguel vale mto a pena.

      Conselho: trate com o dono, peça o telefone na portaria, insista, ou pela net. Eu consegui com uma coincidencia do dono estar perto. A lei hj ajuda muito, não precisa de intermediários.

      0
  • ildeu 18 de julho de 2011 at 19:15

    Descobri nos ultimos meses pq eu que trabalho e ganho super bem[pelo menos pelas estatisticas] ,ando de C4 palace e um tanto de gente na mha cidade que nao faz nada , fica só em festa , ou tem sub-empregos andam de hilux sw4 , bmw ,audi de 100 mil … É´o famoso POKEMON ! a 5 anos atras ter dinheiro pra comprar 10 carros populares era um sonho,hj quando se ve um lote em periferia ,longe do centro valer 200 mil ,um apartamento mixuruca 300 mil ,vc imagina que 300 mil nao ´e´nada .Mas sera´ que nao e´ nada mesmo? ´será´que o mundo mudou tanto em 5 anos .Vi a folha de pagamento da prefeitura de minha cidade e os salarios sao 1 mil , 2 mil e poucos ganham mais de 4 mil reais .Um gerente do itau´nao ganha 5 mil liquidos.Um delegado de policia em sao paulo ganha 5 mil tbem .tenho amigos com empresas medias , com 20 funcionarios e eles me falam que nao tiram 10 mil no fim do mês..Imoveis nao serao POKEMONS ,pois nao podem se esconder , mas que tem muita gente comprando confiando em nao pagar e ver no que isso vai dar , isso tem!

    0
    • Paty 18 de julho de 2011 at 21:14

      Desculpe a ignorância mais o que seria POKEMONS no contexto economico.

      0
  • Andres 20 de julho de 2011 at 10:07

    Antes de mais nada gostaria sde saudar a todos e fazer uma analise nao tao tecnica nem catedratica mas sim pela simples observaçao do andar das coisas .
    Vejam minha situaçao: Tenho 1 imovel que nao da mais para morar devido ao barulho e poluiçao ocasionadas por mudanças no transito. Minha rua era pacata e virou avenida da noite pro dia. Supostamente minha casa vale uns R$ 350 mil mas na real creio que vallha uns 200 mil – terreno de 150mts – 6,50 de frente e morre com 4m de fundos com casa velha – decada dos anos 60, com estuque, 2 vagas porem toda reformada nao precisando fazer nada nela – para comprar q.q coisa nessa metragem na Zona Oeste/Vila Anastacio/Lapa de Sao Paulo o valor e de 400 mil – isso quer dizer que mesmo que eu venda a minha casa por 300 ainda teria que por 100 mil pra comprar um imovel igual ou pior que o meu na mesma regiao. Tenho acompanhado os jornais e notei ate com certo espanto hilario que os imoveis anunciados nao vendem e com o passar do tempo os proprietarios – como se nao bastasse alem de nao venderem, ainda aumentam o preço. Liguei para alguns desses visionarios e o argumento e que “–comprando meu imovel com os que estao sendo vendidos meu preço estava muito baixo e se eu vender nao consigo comprar outro” Fica entao aquela coisa de mera “especulaçao” egocentrica onde ninguem vende nada mas enchem a boca pra falar – -“– Tenho um imovel que vale meio milhao”…
    Nesse caso so posso pensar que o sujeito nada mais esta fazendo do que “especular” sonhando em que algum dia vai aparecer um “louco” endinheirado e comprar o tal imovel – o que dificilmente ira ocorrer. Essas pessoas estao iludidas pelo “boom” imobiliario dos anos anteriores (de 5 a 7 anos atras) onde vendeu-se muito – e hoje todos tem sua renda comprometida pelos proximos 10 ou 20 anos de parcelas infindaveis e caras – e ninguem esta mais comprando nada. Alias naquela epoca os imoveis ccustavam na planta 100mil e hoje pedem 400mil??? – Decidi que para mim na atual conjuntura vou sair da minha casa (e pol-a a venda ou alugar) e alugar uma outra por cerca de 1800,00 numa regiao melhor que a minha e numa casa que em tese deveria valer uns 400mil – ou seja – alugar algo e o caminho mais sensato a fazer – pense um pouco se vc hoje tivesse 350 mil na mao para que iria comprar um imovel se vc. pode alugar e ainda ganhar dinheiro com seu capital? 350 mil podem te render 3500, vc gasta 2000 de aluguel e mora numa casa de 400mil que talvez hooje vc nao possa ter. No meu enteder so esta comprando imovel o consumidor entre a “cruz e a espada” – e aquele que a renda lhe permite pagar um aluguel compativel com uma prestaçao mas nao tem dinheiro para comprar nada a vista – apenas para dar entrada em algo – e ele pensa assim – ja que e pra pagar aluguel prefiro pagar algo que vai ser meu – so que ele comete um grave erro nessa filosofia de botequim – 1) a grande maioria dos imoveis vendidos em parcelas baratas sao micro apartamentos de ate 50 mts quadrados – o que convenhamos e bem pequeno – no momento da compra ele releva essa circunstancia mas com a chegada de filhos etc ele percebe a armadilha em que se colocou. 2) condominio – ao meu ver um cancer…ja morei em predio e ate sindico fui – nao quero nem de graça – o condominio sempre sera refem de ter um bom sindico o que raramente acontece – o que eu gasto com agua, luz, e manutençao etc em minha casa de 150M nao da 1/2 do que 1 condominio em q.q apartamento meia boca – Sem dizer que estou preservando o que e unicamente meu e nao de todos. 3) O comprador “acredita” que podera manter sua renda pelo periodo das prestaçoes – isso e uma loteria – nada garante ao comprador que ele podera pagar por 10 ou 20 anos as parcelas do imovel e, deus o livre, se algo acontecer nesse periodo vender um imovel com residuo nao e missao das mais faceis – portanto esteja preparado para a possibilidade de perder um caminhao de dinheiro. 4) Como ele e um trabalhador pouco racional, preocupado em seu sustento diario e pressionado pelas circunstancias de ser um “sem teto” – ainda e levado a crer pelos falsos gurus em premissas insofismaveis do tipo – “Dinheiro na mao e vendeval” – “Comprando imoveis voce nunca perde dinheiro” “Aproveite agora pois oportunidades assim vc. nunca mais tera” etc…quando vai ver ja esta dentro se seus 50m² – Deprimido, cheio de parcelas, mas se auto consolando “agora sim tenho minha casa porpria”
    Eu tenho hoje 3 imoveis todos comprados ao longo da minha vida a vista – 1 kitnet 32m no centro de sao paulo comprado em meados de 2000 por miseros12.000 dolares – hoje estao falando em 120.000 reais (algudo por 700,00) – foi o 1 ap onde morei e comecei a minha vida, casei e tive 2 filhos nesse ap – tenho a casa onde mora comprada em 1995 por 70.000- hoje o “mercado diz que vale 350” e 1 sala comercial onde trabalho no centro comprada por 40.000 a uns 4 anos atras. Nao tenho carro zero nem nuca tive e nem pretendo ter.
    Para se ter um ideia hoje eu mesmo nao poderia comprar nem em 10 anos a casa que tenho ganhando mais do que eu ganhava – isso e um absurdo..
    Essa e a atual visao e a contribuiçao que posso dar que tenho do mercado imobiliario – Preços irreias, pessoas individadas, imoveis encalhados e absurdamente ainda subindoooo….cuidado, a queda sera dura e dolorida especialmente para os que nao souber interpretar os nitidos sinais de “paranoia consumista”
    Abraço a Todos,
    Andres

    0
  • João 25 de julho de 2011 at 03:06

    Mercado imobiliário do DF apresenta tendência de desaceleração.
    Esse é o título e uma reportagem do Correio de 24/07.
    Início da Bolha?

    0
  • LEONARDO 18 de março de 2012 at 18:45

    Boa noite pessoal,

    Moro em Brasília/DF, estudo na Universidade Católica de Brasília, faço Administração. Estou concluindo o curso, fazendo o TCC.
    Meu TCC aborda o seguinte tema: Há bolha imobiliária no mercado imobiliário do Distrito Federal? Um estudo de caso
    Problema: É possível avaliar se há bolha imobiliária no Distrito Federal através das séries histórias e informações citadas?

    Pelo que vi, você são bastante antenados e informados sobre o assunto.
    Peço a colaboração de quem puder me ajudar a concluir este trabalho. Ele é um pouco complicado porém muito interessante.
    Quem poder me ajudar agradeço, com informações, artigos, acervos e notícias referente ao tema. Pode me mandar por e-mail.

    E-mail: [email protected]

    Estou tratando no trabalho sobre:
    > Bolha imobiliária – conceito;
    > Bolha nos EUA;
    > Retorno;
    > Preço de imóveis dois quartos;
    > Séries históricas de informações sobre o setor;
    > Indíces contribuintes;

    Agradeço desde já atenção de todos e o espaço para eu poder contribuir e participar.
    Peço a gentileza de me ajudarem, quando precisarem também estarei a disposição.

    0