Caixa renegociará carteira de crédito inadimplente – Isto É Dinheiro

Você pode gostar...

Comments
  • Cesar_DF 29 de março de 2017 at 14:04

    Ficou no final do tópico passado

    Fernando 28 de março de 2017 at 18:58
    Se fosse pelos seus comentários, não teria comprado o meu imóvel.
    Ainda bem que comprei.

    Cesar_DF 29 de março de 2017 at 11:47
    Fernando
    Se você comprou por um preço abaixo do “mean line”, dentro da fase de DESPAIR, então significa que você fez um bom negócio.
    Na minha opinião, você comprou no início da fase de FEAR.
    Fazendo uma analogia, acho que foi como você estivesse comprado um apartamento em Tokio, em 1992, quando ele já tinha desvalorizado 30% após o pico de 1990.
    Hoje este apartamento está valendo a metade do que valia em 1992.
    Todas as tendências atuais são de que os imóveis em São Paulo continuem desvalorizando, causado pelo superavit habitacional, a curva demográfica, a decentralização dos processos produtivos, etc.
    Existe uma possibilidade do Hell de Janeiro se tornar uma New Detroit City, dai existiria uma migração em massa para São Paulo, o que provocaria uma valorização dos imóveis.
    Só o tempo dirá se você fez um bom ou péssimo negócio.Excelente negócio já poderia garantir que não fez.

    33+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • perdido no rio 30 de março de 2017 at 13:42

      Perfeito! O fear já começou com as notícias na grande mídia (que alguns já apontavam aqui no blog desde 2014). Agora é ladeira abaixo por muitos meses ou alguns anos.

      1+
  • calango_df 29 de março de 2017 at 14:17

    Recorda é viver …
    http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1762.pdf

    “EXISTE BOLHA NO MERCADO IMOBILIÁRIO BRASILEIRO?” – IPEA – agosto de 2012.
    “6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
    Este trabalho estudou e empregou diversas metodologias, tanto em nível microeconômico quanto em nível macroeconômico, para verificar a possibilidade de existência de uma bolha no mercado imobiliário brasileiro. De maneira geral, os resultados apontam para a possibilidade concreta de existência de uma bolha no mercado de imóveis no Brasil. De maneira objetiva, a Tace fornece uma base teórica sólida para se apontar o governo federal, por meio de suas políticas fiscais e de estímulo ao crédito, como o principal responsável pelo surgimento desta bolha. A insistência do governo em aquecer ainda mais um mercado imobiliário já aquecido só tende a piorar o resultado final.

    Deve-se ressaltar também que a maioria dos contratos de financiamento habitacional no Brasil é feito com juros pós-fixados. Além disso, tal como os resultados da parte econométrica deste estudo sugerem, o mercado imobiliário é sensível e responde negativamente a um aumento nas taxas de juros. Isto é, aumentos nas taxas de juros podem trazer significativos problemas ao mercado imobiliário. Ressalte-se ainda que o aumento nas taxas de juros, provocado pelo Banco Central Americano, foi justamente o que ocasionou a explosão da bolha imobiliária nos Estados Unidos no período 2007-2008.

    Insiste-se em ressaltar que as atuais políticas fiscais e monetárias do governo brasileiro são claramente inflacionárias. Tais políticas levarão inevitavelmente ao aumento do custo de vida no Brasil, e a todos os demais custos associados com o recrudescimento do processo inflacionário. Lembre-se também que as taxas de juros internacionais estão
    em um patamar mínimo histórico. Isto quer dizer que, cedo ou tarde, as taxas de juros internacionais irão subir. Quando isto ocorrer, o Brasil também será obrigado a aumentar a taxa de juros doméstica. Os verdadeiros custos, associados às políticas fiscais e monetárias expansionistas adotadas pelo governo brasileiro, irão aparecer.

    Naturalmente, não se acredita que uma crise no mercado imobiliário brasileiro, caso aconteça, irá ter efeito catastrófico, como ocorreu no caso dos Estados Unidos e em alguns países da Europa, até porque a oferta de crédito no Brasil é ainda bastante restrita. Contudo, não serão desprezíveis. Quando o governo brasileiro for obrigado a aumentar a taxa de juros doméstica, haverá um impacto direto desta medida no setor imobiliário. Então, será a vez do Brasil lidar com uma crise criada exclusivamente pelo mau gerenciamento das políticas fiscais e monetárias do governo brasileiro. Não terá sido o mercado o criador da crise, mas o governo do Brasil.

    Para finalizar, quando esse desastre ocorrer, o governo irá procurar culpados. Culpará a todos, exceto sua falta de responsabilidade fiscal e monetária. O Brasil deveria aproveitar o atual bom momento da economia internacional para fazer os necessários ajustes de que o país precisa. Contudo, este momento está passando e a oportunidade está sendo desperdiçada. Quando a crise surgir, o governo dará uma resposta errada. Irá aumentar ainda mais os gastos, tornando a política fiscal ainda mais expansionista, e facilitará ainda mais o crédito, afrouxando ainda mais o lado monetário. Estas medidas
    tornarão a crise mais duradoura e profunda.

    Quando várias pessoas erram por um tempo prolongado e em magnitudes expressivas, existe um custo a ser pago. A interferência do governo apenas prolonga, piora e redistribui este custo. Ela não elimina o erro, apenas transfere os custos de um setor que cometeu o erro para o restante da economia. A “bolha” no mercado imobiliário brasileiro está sendo criada e sustentada pelo governo. Quando ela “explodir”, o governo se proporá a corrigir, de maneira errada, uma crise que ele mesmo gerou.”

    43+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • calango_df 29 de março de 2017 at 14:22

      Encontrei mais coisas interessantes e atuais…posto para quem tiver tempo de destrinchar.

      “ÍNDICES DE PREÇO E O MERCADO IMOBILIÁRIO: LITERATURA E ILUSTRAÇÃO – O CASO DE SÃO PAULO”
      http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2200.pdf

      “MERCADO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA URBANA NO DISTRITO FEDERAL:UM ÍNDICE DE PREÇOS DE IMÓVEIS PARA O DISTRITO FEDERAL”
      http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2161.pdf

      “O uso do imposto de transmissão de bens intervivos para o monitoramento do mercado imobiliário: uma metodologia para construção do observatório imobiliário no Distrito Federal”
      http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/150427_nt_n08.pdf

      6+
      • avatar
    • antifragile 29 de março de 2017 at 18:11

      Caramba…

      Relatório acertou em cheio.

      Só acho que ele foi brando quando diz o seguinte:

      “Naturalmente, não se acredita que uma crise no mercado imobiliário brasileiro, caso aconteça, irá ter efeito catastrófico, como ocorreu no caso dos Estados Unidos e em alguns países da Europa, até porque a oferta de crédito no Brasil é ainda bastante restrita.”

      Vai ter efeito catastrófico SIM!

      A bolha será o menor dos problemas.

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Juros Lover BSB-BH 29 de março de 2017 at 14:24

    Deixa eu ver se entendi…Pra modo de driblar o TCU, o Dilmo vai criar mais uma estatal com o intuito de absorver o crédito imobiliario podre da Caixa?….Pode isso Arnaldo? Vai Brasil, il , il……

    19+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 29 de março de 2017 at 14:39

      Os outros países fizeram isso, foi uma forma de evitar que os bancos perdessem o rating devido ao estouro do índice da baseléia

      22+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Digo 29 de março de 2017 at 15:45

        Dilmo é a Dilmanta sem a parte engrassada.

        17+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Juros Lover BSB-BH 29 de março de 2017 at 15:50

        Mas no´s já fizemos isso com a Engea…Somos tão bananenses que ao contrario dos outros países que precisaram pedalar uma vez no indice da basileia no´s já vamos pra segunda pedalada na basileia…deve ser o clima suiço …rsrs

        15+
        • avatar
        • avatar
        • Antigo 29 de março de 2017 at 20:46

          Olha aí, banco para os créditos podres!!!

          Eu nem conhecia essa jogada, sou inocente no ramo da malandragem, Cesar DF já havia me alertado que é constante em todas as bolhas mundiais.

          Habitar, que nome lindo!! Faz sentido, em breve todo mundo vai poder comprar uma habitação!
          De graça!! Só escolher um imóvel abandonado e se mudar!

          Explode coração! Explode bolha!!

          11+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
  • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 14:33

    -frases
    – para FORTEMENTE tentarmos recuperar PARTE dessa carteira”
    -que suspendesse a venda de carteiras de “créditos podres” por encontrar indícios de Ilegalidade..
    – o Habitar é uma empresa já criada e autorizada, mas ainda pré-operacional. ..

    -150biilhoes é essa carteira, ou mais
    – vão investir em cartões de seguridade e Venda de crédito podre pro BTG pactual via recovery (comprada por gringos)., mais 20 bancos abutres
    – portugal perdeu 5 bilhoes de euros na Caixa, podemos tolerar aqui uns 50bilhoes proporcionalmente.

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Digo 29 de março de 2017 at 15:41

    Primeiro banco quebrado este ano nos pampas.
    Cooperativa de crédito.
    Pequeno.
    Acho que vem mais por ai.

    5+
    • avatar
  • Digo 29 de março de 2017 at 15:43

    Sobre a bolha
    Quem criou, manteve e está segurando é quem licra com ela:
    Governo: mais impostos em toda cadeia e IR nas vendas
    Bancos: empréstimos

    Mas achp que o grande beneficiário é nesmo o governo

    8+
    • Digo 29 de março de 2017 at 15:46

      Dimanto fará de tudo para a bolha não estourar e criar p caos na economia.

      4+
  • Cajuzinha 29 de março de 2017 at 15:57

    Setor de serviços encolhe 2,2%, no pior resultado mensal desde 2012
    O setor de serviços no Brasil encolheu 2,2% em janeiro, na comparação com dezembro, no pior resultado mensal da série histórica iniciada em 2012. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a queda foi de 7,3%, descontando o efeito da inflação. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (Com Reuters)

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • CA 29 de março de 2017 at 17:10

      Cajuzinha,

      Daqui a pouco o Margarina e o Dilmo vão dizer que isto é um sinal de fundo do poço e que daqui pra frente tudo melhora, no melhor estilo otimismo UFANISTA…

      16+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Carlos 29 de março de 2017 at 19:59

        O bananistão consegue distorcer o tempo e o espaço, vão descobrir que no fundo do poço tem outro ainda mais profundo, e pasmem! ainda mais largo 😀

        7+
        • avatar
    • Carlos 29 de março de 2017 at 16:41

      Vai que o Justin Biba decida morar vizinho do véio, imagina ele ter que desviar de centenas de adolescentes histéricas todos os dias para ir na padoca 😀

      7+
    • antifragile 29 de março de 2017 at 18:16

      Ocupado por terceiros.

      Tem alguém com 300 mil sobrando e desejo de ganhar dor de cabeça por aí?

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • CA 29 de março de 2017 at 17:02

    Sobre o tópico:

    No relatório da CEF referente aos resultados do ano de 2016, eles “comemoram” uma grande redução na inadimplência do crédito imobiliário (atrasos acima de 90 dias), que teria caído de 2,03% sobre o total de crédito imobiliário para 1,63% na variação do 3T16 para o 4T16. A CEF alega que esta “fantástica” reversão da inadimplência é reflexo do “sucesso” de suas “renegociações” com os clientes.

    Vamos agora refletir sobre algumas incoerências neste discurso da CEF em seus relatórios oficiais:

    1) Comparando com o assunto do tópico, que é a criação de uma empresa abutre vinculada à CEF para absorver crédito podres vindos dos empréstimos imobiliários: qual o sentido de se criar esta empresa, se as “renegociações” são um “sucesso estrondoso”, com uma super-redução da inadimplência de um trimestre para o outro? Revender o que, se neste ritmo em menos de 1 ano já teriam alcançado a normalidade (o normal seria de menos de 1% de inadimplência, frente ao crescimento exponencial do crédito imobiliário concedido nos últimos anos);

    2) Se tudo está tão maravilhoso na redução da inadimplência pela CEF, por que ela já se pronunciou falando sobre a venda DIRETA por corretores selecionados, de mais de 20.000 imóveis que eles tem em estoque e que estes poderiam ter MAIS 20.000 imóveis para serem vendidos em 2017? Com tanta redução de inadimplência, de onde viriam tantos imóveis para serem leiloados?

    3) Se tudo está tão bem na redução da inadimplência pela CEF, por que ela está oferecendo descontos de ATÉ 80% nos preços iniciais em seus leilões?

    4) Se tudo está tão bem na redução da inadimplência pela CEF, por que mantiveram um saldo de provisão para inadimplência que é exatamente o mesmo percentual que já estava em dezembro/2015. Se a inadimplência está diminuindo substancialmente como eles apontam em seu relatório do ano de 2016, esta provisão não deveria reduzir?

    5) Ao final do 3T16 a CEF tinha mais de 8% de todo o seu crédito imobiliário concedido até hoje que estava com atraso no pagamento entre 15 e 90 dias. Nada disto se converteu em inadimplência superior a 90 dias no 4T16 e de quebra a inadimplência acima de 90 dias teve uma redução substancial, tudo isto em meio a aumento no desemprego e na crise da economia?

    6) Por que até o 2T16 tiveram que vender créditos podres para empresas abutres, com “descontos” de 90% para cima, se poderiam ter feito estas “maravilhosas” renegociações com os clientes já naquela época? Para que ter um prejuízo tão grande e desnecessário, se era só “renegociar”?

    7) Por que a CEF está descumprindo recomendações expressas do BC e retomando menos de 1/5 dos imóveis com inadimplência acima de 90 dias e ainda, daqueles retomados, muitas vezes adiando os leilões? Por que ela não “renegociou” antes com estes clientes e deixou chegar nesta situação? Se são poucos imóveis, inadimplência baixa, etc., para que se expor com o BC desnecessariamente?

    Embora as incoerências acima já sejam bastante relevantes, como sempre são apenas AMOSTRAS, tem muito mais que isto.

    Qual a explicação para tantas “incoerências”?

    A CEF não fez nenhum milagre e não fez a inadimplência despencar de um trimestre para outro em meio a um desemprego que não parava de crescer, ela apenas SIMULOU este resultado mirabolante nos seus relatórios oficiais, análogo às SIMULAÇÕES de melhoria que a PDG faz há anos também. Todos já viram o que aconteceu com a PDG e sabem o que esperar quanto à CEF, certo?

    A CEF colocou condições “de pai para filho”, deixando os clientes sem pagar, mas atribuindo a isto uma “carência” de meses ou quem sabe anos, de tal forma que não conste como inadimplência e/ou diminuindo sensivelmente as parcelas e aumentando em vários anos o prazo de financiamento, dentre outras alternativas heterodoxas e que não resolvem o problema, apenas tentam empurrar com a barriga a VISIBILIDADE das consequências inevitáveis…

    22+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • CA 29 de março de 2017 at 17:02

    Ainda sobre o tópico:

    Será que o que consta no artigo do tópico de hoje traduz uma solução MIRABOLANTE que vai fazer com que a CEF possa protelar a visibilidade da explosão da bolha imobiliária brasileira? NÃO! Por que não? Vamos avaliar as possibilidades:

    De onde vai sair o dinheiro para que uma nova empresa, vinculada à CEF, possa comprar os créditos podres?

    Se sair da própria CEF, vai destruir duplamente seus resultados, de um lado porque ela terá um desembolso para comprar os títulos pagando 10% sobre os mesmos (normalmente o que é pago pelas empresas abutres) e segundo porque terá que reconhecer um prejuízo de 90% sobre esta carteira vendida. Dados os volumes que estão especulando, o impacto nos resultados seriam muito relevantes, forçando a CEF a de qualquer forma ter que reduzir e muito sua oferta de crédito imobiliário, aumentar os juros e reduzir os prazos de financiamento. Este conjunto levaria a explosão a ficar mais visível de qualquer jeito, pois os distratos disparariam ainda mais e as vendas reais praticamente desapareceriam.

    O governo tem dinheiro para criar esta empresa? O déficit fiscal previsto de R$ 139 bilhões, que já seria o segundo pior da história, corre o risco de crescer muito só pelo novo rombo trazido pela queda na estimativa do PIB. Esta queda exige redução de despesas e aumento de impostos totalizando R$ 58 bilhões extras para o governo, isto só para fechar no segundo pior déficit fiscal de toda a história. Em outras palavras, sem nenhuma chance do governo desembolsar este dinheiro, seja para criar a nova empresa ou cobrir o rombo da CEF.

    Ah, mas e se criarem títulos que subsidiam as compras dos títulos podres pela nova empresa abutre? Muito manjado, foi usado intensamente durante a explosão da bolha imobiliária americana, difícil fazerem isto impunemente para um grande volume de títulos. Mesmo que façam, aproveitando a DESINFORMAÇÃO intensa no Brasil e o apoio da mídia, ainda assim terão muita dificuldade para encontrarem INCAUTOS com dinheiro no volume necessário.

    O mais provável, frente ao que consta acima e mais outras notícias que vem da CEF, é que eles façam uma combinação de GAMBIARRAS, possivelmente conforme abaixo:

    a) Para os mais de 20.000 imóveis atualmente em leilão, eles oferecem os “descontos” seletivos de até 80% em relação ao preço de mercado, ampliando o número de imóveis que terão este desconto;

    b) Para os 20.000 novos imóveis para leilão (informação em notícia de tópico anterior), eles praticam “venda direta” utilizando um grande número de corretores contratados em todo o país, novamente vendendo com elevados descontos, para tentarem desovar o mais rápido possível;

    c) O que sobrar de inadimplentes, que no Mundo REAL, fora dos relatórios oficiais da CEF certamente será no MÍNIMO o TRIPLO do que consta na somatória de “a” e “b” logo acima, a CEF dividiria entre “renegociações MIRABOLANTES”, repasse para empresa abutre própria ou de terceiros (se conseguir aprovar com TCU) e alguma outra GAMBIARRA que ela conseguir bolar até lá.

    Por que a CEF diluiria as ações? Para MAQUIAR a gravidade do problema, dividindo entre vários pontos não chamaria tanto a atenção quanto centralizando.

    Por que a diluição não resolve os problemas da CEF? Porque os impactos nos resultados da CEF acontecem da mesma forma, forçando as reduções nos volumes do crédito imobiliário oferecido, o aumento dos seus juros e reduções de prazos, levando a aumento relevante nos distratos e nos problemas das construtoras. Mesmo que a CEF tenha sucesso em vender imóveis em leilões com grandes descontos, ainda assim a cada novo imóvel que eles venderem é um a menos que será vendido por construtoras e particulares, ao mesmo tempo que a queda do preço vai se espalhando e o desespero de outros vendedores aumentando, até chegar no efeito manada em que um agente corre para reduzir mais o preço e conseguir vender antes que o outro.

    Não existe solução MILAGROSA e SIMPLISTA. O Brasil não é mais “ixperto” (sic) nem muito menos um poder maior que outros países que passaram pela bolha imobiliária, é exatamente o CONTRÁRIO disto, sem contar que temos diversos agravantes como , por exemplo, uma crise fiscal em patamar recorde, uma bolha de corrupção institucional que é a maior do Mundo, está explodindo e que arrasta junto um grande número de políticos, além de ter impactos diretos sobre a economia, dentre outros problemas exclusivos e que só pioram as condições dos agentes para tentarem postergar a inevitável explosão mais visível da bolha. A cada nova tentativa, a cada nova gambiarra, só vão aumentando os prejuízos totais gerados, nada mais que isto…

    19+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 17:47

      os jeitinhos:
      -As ligs serão emitidas até junho, a chamada será até 30 de abril.. e ajudará a poupança no imobiliario
      e o título ser garantido tanto pela instituição financeira emissora quanto pela própria carteira…. (kkk)

      -Lone Star abre escritório no País com foco em distressed dividas, tem 5 bilhoes pra “investir” podendo comprar então 30 a 50bilhoes em créditos podres..
      -A PRA Group, empresa com sede em Norfolk, Virgínia, EUA, (que adquire dívida com pagamentos em atraso nos EUA e na Europa), assumiu o controle da segunda maior empresa de gestão de dívidas distressed do Brasil, a RCB Investimentos. Some a Recovery.
      – A caxão já se livrou de 20 a 30 bilhoes em podres e não deu nada…

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 18:03

        exemplo:
        Governo prepara entrega do Novo Banco a especuladores
        O Banco de Portugal anunciou, em Fevereiro, a passagem das negociações com o fundo abutre “Lone Star” a uma «fase definitiva, em condições de exclusividade».
        O fundo norte-americano ofereceu inicialmente 750 milhões de euros pela compra, com a promessa de uma recapitalização de valor idêntico. No entanto, pedia em troca uma garantia do Estado no valor de 2,5 mil milhões de euros,

        LONE STAR
        “Entregar o Novo Banco a um fundo-abutre norte-americano é uma autêntica irresponsabilidade”
        e, depois de pagar o problema com o dinheiro público, voltamos a entregar os bancos aos privados para eles fazerem exatamente o mesmo que faziam antes e entregarem-nos, passado um tempo, outra vez o banco com um buraco.

        9+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • CA 29 de março de 2017 at 18:23

          Alemon Fritz,

          Para começar, terão que obter aprovação do TCU. O problema não é só a perda para a CEF na venda dos títulos podres, mas também a infinidade de gambiarras que fizeram da outra vez, como vencer títulos que não estavam com inadimplência acima de 90 dias para empresa que pertencia à BTG com os mesmos 90% de “desconto” (por que será que é sempre a BTG nos rolos junto com a CEF? – Ver caso Panamericano).

          Outro ponto é que o volume real de inadimplência ainda está todo escondido e uma hora terá que aparecer, o que irá impressionar e mesmo com empresas Abutres estrangeiras, será muito difícil de maquiar a realidade, estimulando por outro canal o efeito manada.

          Estas empresas abutres estrangeiras conhecem a legislação brasileira? Sabem que aqui o malandro prefere deixar sem pagar por anos até o nome sair do SPC? Eles estão acostumados com legislações mais sérias e cumprimento da justiça, quando fizerem um estudo de caso mínimo e virem a infinidade de casos na justiça em que se fazem inversões de valores, com processos contra cobradores ao invés de exigirem os pagamentos dos devedores, talvez repensem sua “estratégia”.

          Se estas soluções mirabolantes via empresas estrangeiras fossem assim fáceis, bancos como Bradesco, Itaú, Santander e outros já estariam estimulando a vinda destas empresas para o Brasil e despachando suas carteiras de crédito podre, ao invés de insistirem nos leilões e também manterem “descontos” de até 80% para ofertas iniciais. Não adianta, não existem soluções SIMPLISTAS para esta situação, não só pelos motivos que coloquei no comentário anterior, mas também pelo que consta aqui e muito mais…

          11+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 18:36

            sim, concordo, mas penso o que faz então um fundo abutre aqui..que já tinha tentado ano passado.

            Quem é a Lone Star Funds
            Os segredos dos abutres que rondam o Novo Banco
            Mas como é possível comprar activos desvalorizados e transformá-los numa «galinha dos ovos de ouro» num espaço de dois ou três anos?

            Quando se trata de crédito à habitação, a prática da Lone Star é simples: se o devedor não paga, executa a hipoteca e vende o imóvel o mais rápido possível.
            https://www.abrilabril.pt/nacional/os-segredos-dos-abutres-que-rondam-o-novo-banco

            7+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • CA 29 de março de 2017 at 19:25

              Alemon Fritz,

              Sobre o trecho: “Quando se trata de crédito à habitação, a prática da Lone Star é simples: se o devedor não paga, executa a hipoteca e vende o imóvel o mais rápido possível.”

              O que é o mais rápido possível nos EUA, na Europa e no Brasil? EUA e Europa: imediato. No Brasil, quanto tempo você demora para tirar os habitantes, quando é imóvel ocupado? Quanto tempo demora para vender em leilão nestas condições por aqui e nos outros países?

              Outro ponto: a Lone Star tentou entrar no Brasil e ainda nem iniciou a operação. Vamos ver como fica depois, se realmente vai em frente, qual o volume real que vão efetivamente aplicar, se a CEF poderia ou não vender parte dos títulos podres dela para esta empresa, etc., etc., etc… Ainda é muito cedo para saber se isto será “fogo de palha” como as infinitas vezes que falaram sobre o Tsumoney, ou se terá alguma efetividade, mas a verdade é que nosso mercado é tão ruim que fica difícil até para que empresas abutres se desenvolvam tanto.

              Mesmo que a CEF tenha liberação do TCU para voltar a vender em grande escala para empresas abutres, mesmo que estas empresas aumentem sua participação e interesse no Brasil apesar de todos os entraves mencionados acima e vários outros, no final dá na mesma, a situação da CEF ficará crítica, não se vendem títulos com 90% de desconto em grande volume sem destruir os resultados e se isto ocorrer, os efeitos são os que coloquei acima, com os problemas da CEF aparecendo, forçando piora nas condições do crédito imobiliário concedido. Adicionalmente as empresas abutres muitas vezes não conseguirão renegociar com devedores nem com redução de 50% da dívida ou mais e poderão preferir tentar a venda direta dos imóveis, mas neste caso, de novo engordando a super-oferta de imóveis no mercado por um bom tempo e forçando cada vez mais a redução de preços. Repito: não há solução simplista, mirabolante, se houvesse já teriam estruturado faz tempo, este problema não surgiu agora. Se a CEF está procurando várias alternativas ao mesmo tempo, como venda direta por corretores, descontos de até 80%, tentar novamente venda para empresas abutres, é exatamente porque o tamanho do problema exige isto e não será apenas uma alternativa que vai resolver tudo, aliás, nem a combinação de todas estas alternativas e outras irão resolver, pois a essência do problema e de suas consequências continuarão lá.

              11+
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • CA 29 de março de 2017 at 19:35

                Complemento:

                Veja também a referência na notícia do link abaixo sobre o próprio Itaú ter comprado uma empresa abutre, aquela que era da BTG. A própria CEF usou este argumento para “justificar” sua iniciativa, o fato de outros bancos terem feito isto recentemente. Observe que ao mesmo tempo, ele também está fornecendo elevados “descontos” nos leilões dele. Ele não poderia simplesmente repassar TUDO de podre para a nova empresa, ao invés de perder tempo com leilões? NÃO. Pelos motivos que mencionei acima: chama muito a atenção centralizar todos os problemas em um lugar só, fica fácil demais medir o tamanho do buraco e demonstrar o quanto ele é absurdo, gera prejuízo do mesmo jeito para o negócio do banco e isto se reflete nos resultados dele, forçando que de qualquer forma ele seja mais restritivo no crédito, etc.

                Ah, então assim com esta distribuição das pseudo-soluções a situação fica “indolor” e “imperceptível”? Não! Como o buraco existe e é enorme, diluir não o diminui, apenas dificulta rastreá-lo e na prática é este tamanho de buraco de inadimplência geral (pessoas físicas e jurídicas, todas as finalidades e não só o imobiliário) equivalente a mais de R$ 300 bilhões que forçou os bancos a promoverem um credit crunch na ordem de R$ 1 trilhão, restringirem mais a oferta de crédito, promoverem um aumento recorde na taxa de juros final em momento em que a SELIC estava em queda, dentre outras consequências.

                Link: https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2017/03/23/lone-star-abre-escritorio-no-pais-com-foco-em-distressed-fontes.htm

                10+
                • avatar
                • avatar
                • avatar
                • avatar
                • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 19:54

                  sim, não serão todos os creditos podres num lugar só. e nem todos serão tão podres.

                  Pesquisei sobre a LoneStar e onde ela entra ela consegue, é o segundo maior fundo, mas o retorno é maior que a Blackstone. Compraram em portugal o banco que os chineses não conseguiram, no japão, na espanha, na indonésia (agora em março compraram muitos). o retorno deles é altissimo e nunca ficaram no vermelho (segundo seeking alpha).. Na espanha eles pegaram uns creditos podres e criaram um side bank seja lá o que isso for… e se livraram.
                  .. só estou chamando a atenção que aí tem truta ou garoupa..

                  7+
                  • avatar
                  • avatar
                  • avatar
                  • Carlos 29 de março de 2017 at 20:23

                    Hora de criar uma empresa de aluguel de mercenários Alemon, 666 não quer sair eles vão na casa do cara e quebram tudo, sem abrir a boca, apenas quebram tudo.
                    Depois de umas 2 ou 3 vezes creio que o 666 vai acabar se mudando.
                    Ainda que muito 666 quebra o imóvel todo só de pirraça, afinal a culpa é do dono ou do corvo que aceitou ele como inquilino 😀

                    https://www.youtube.com/watch?v=xJjCnWm5cvE

                    3+
                    • avatar
  • GameOverORetorno 29 de março de 2017 at 17:32

    Fala, cambada de sovinos. Esse espaço é quase que uma terapia para nos libertarmos da imbecilidade da sociedade atual. Tenho dinheiro no BB, XP, Sofisa, Daycoval. Tou cada dia mais líquido (ainda solteiro e sem filhos). Eu usava o nickname de GameOver e aprendi muito com vocês. Era quase que leitura diária. Sinto saudades da bruxa, mas ainda bem que lucas, CA, From e outros continuam na área.
    Bem, finalmente, chegou a minha vez de procurar tijolos para alugar.

    CVR1 – Peguei a chave com a imobiliária e fui ver uma casa, em bom estado e com bom preço de aluguel. Gostei da casa, mas um barulho de música me incomodou assim que cheguei, logo eu, que estou sofrendo com o barulho de um bar próximo a casa dos meus pais há 3 anos (isso dá uns 100 CVRs). Vi que vinha de duas casas depois. Show ao vivo, alto, chegando a outras casas. O encontro era de espécies humanas que não trabalham duro (depois, apurei que eram esquerdopatas, mimizentos e afins, etc.). Surpresa? Nenhuma. Perguntei ao vigia da rua: Como era isso? Ele disse: É toda semana, dia de quinta, hoje, sexta, é que fizeram, porque não teve ontem e vai até 1h da manhã. Tudo isso numa rua residencial, onde proprietários pedem mais de 500 mil por qualquer casa. Traumatizado, nem de graça moraria lá. Duas semanas depois, voltei a ligar pra imobiliária para algumas informações: Alô, seu Alberto? Corvetorfdp: Não tem nenhum Alberto não. Fui ver o site da imobiliária corretora, o nome do cara era Anselmo. Liguei na mesma hora. Não atendeu. Insisti. Não atendeu. Não retornou. O celular é o da área de “aluguel” da imobiliária. Energúmeno que não retorna uma ligação ou não está preparado para dizer “não, senhor, meu nome é Anselmo e eu trabalho na imobiliária X, em que posso ajudá-lo?”. Surpresa minha ao ler postagens, há anos, desse nobre espaço? Nenhuma.
    CVR2 – Tem uma amiga do trabalho, uma senhora, que está pagando meus juros. Pagou 24 mil à Caixa ano passado e descobriu que o Saldo Devedor do apertamento só foi abatido em 4 mil. Eu gosto muito dela, mas não me contive e soltei: PMJ! Normalmente, só sorrio e aceno. Falou que o apartamento no prédio era quase 500 mil à época e que agora já estavam “vendendo” por 350 mil. Muitos apartamentos vazios e muita gente que chegou, já saiu. Aliás, ninguém veiculou o verdadeiro êxodo nas cidades. Gente se amostrando, pagando aluguel caro/parcelinha de bolhudinho e simplesmente não conseguiu mais pagar, saindo de fininho. Ela possui um apartamento popular (aluguel de uns 500 reais) e não consegue interessado há 4 meses. Está ciente do risco de calote e de espécies complicadas como inquilinos. Ela me disse que foi mostrar a um casal há algum tempo e ficou com a sensação de que eram assaltantes e queriam um local para se esconder.
    CVR3 – Só tem cunhado corretor quem pode. Eu posso. Ele trabalha em outra cidade. Vamos à história: aluguel de um apartamento por 1.200. Interessada no apartamento ganha 2.400. Sem alguns dentes na frente (é sério), ficou empolgada e quis alugar o apartamento. Não vai!
    CVR4 – Casal de mulheres na mesma situação acima, mas o papai de uma ganha 12 mil. Foi o fiador e, neste caso, conseguiu alugar. Agora, foi!
    CVR5 – Prédio do cunhado com taxa de condomínio de 350 reais. Um morador deve mais de 10 mil reais de condomínio (acredite, se quiser). Síndica fez bicicletário para beneficiar o maridão e não combinou com ninguém. O que aconteceu: alguém entrou lá e roubou somente a bicicleta de mais de 3 mil reais do marido.
    Por isso eu digo: Game Over! Meu amigo, isso aqui não tem jeito não.

    73+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Carlos 29 de março de 2017 at 19:39

      Tive um colega de faculdade cuja família comprou uma casa em SP no final dos anos 90 por um preço muito bom mesmo, foram visitar e a rua até que era tranquila, do lado da caso tinha um barracão enorme e muito quieto no momento.
      Descobriram depois que era o barracão de ensaio de uma famoza escola de samba, ele me disse que não era muito ruim, o pior era entre Novembro e Fevereiro que eles estavam ensaiando a bateria para o carnaval 😀
      Outro amigo professor universitário foi fazer doultorado em um estado do norte e alugou uma excelente casa, só que na época das chuvas a rua alagava e a casa ficava quase que coberta pela água. Estava viajando na época e teve a sorte de ter bons vizinhos que arrombaram a porta e salvaram móveis, TV, roupas, etc.
      Claro que os corvetores não disseram nada a respeito destes pequenos detalhes.

      30+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Antigo 29 de março de 2017 at 20:51

      Excelentes CVRs

      Esse país é uma selva mesmo. Nós convivemos com animais irracionais.

      11+
      • avatar
    • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 09:33

      Legal !!!!
      Bom retorno !

      3+
      • avatar
  • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 20:05

    (76,6%) é de cartão de crédito. Também são fontes importantes de dívidas os carnês (15,1%), financiamentos de carro (10,2%), crédito pessoal (9,7%) e financiamento de casa (8,3%)

    estranhos esses dados.será número ou volume…

    7+
    • avatar
    • avatar
    • Carlos 29 de março de 2017 at 20:12

      É a pedalada individual, nego vai pagando só o mínimo e depois reclama que esta devendo até a alma pro satãder.

      6+
      • avatar
      • avatar
    • Antigo 29 de março de 2017 at 20:54

      A gente tem que considerar que a maioria dos brasileiros não tem parcelinha de imóvel. Ou já tem casa própria, herdada de pais, ou mora junto deles. Muita gente invadiu terreno e construiu por conta própria mesmo.

      A dívida do cartão é a que cresce mais rápido.
      Dependendo do nível de bananice da pessoa, ultrapassa até mesmo a dívida imobiliária.
      Deve ser por isso que é a mais expressiva. Não me espanta esse número. Qualquer energúmeno consegue cartão com limite maior que a renda. Muitos conseguem vários, 5, 7, 10, 15… e vão gastando e pedalando.

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Carlos 29 de março de 2017 at 21:01

        Fora os double ou triple bônus, isto é, nego deve cartão, imóvel bolhudo, bolhudo móvel, pro satã, pro pastor e para o jesus dono da padaria.

        6+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
  • Carlos 29 de março de 2017 at 22:24

    OFF – Acabo de receber uma proposta de trabalho no inferno }:D

    Local de trabalho: Alphaville (Barueri – SP).
    Horário de trabalho: de segunda a sexta das 08h00 às 17h00

    3+
  • Leonardo M. 29 de março de 2017 at 22:50

    CVR

    Shopping catuay em Londrina o mais tradicional dá cidade com diversas lojas fechadas.
    Eu e o pai fomos comer um Beirute em uma choperia tradicional deste shopping que estão lá faz 2 décadas.
    Antes eram 3 restaurantes grandes , um do lado do outro. Apenas este restaurante e choperia sobreviveu e os outros dois caíram fora.

    Lojas vazias, vendedores arrumando lojas pra ter o que fazer, olhar dos vendedores de desânimo, praça de alimentação vazia, até o Mac e BK vazios.
    Desânimo total…

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Carlos 29 de março de 2017 at 23:08

      Conheço algumas casos de gente que tem loja em shopping que foi sempre deficitária, sabiam disto e acreditavam que sempre ia ser assim.
      O motivo principal era dar ar gourmet aos seus negócios porque bananence é idiota em geral, pensam que marcas ou comércios são melhores porque “tem loja no shopping” da mesma maneira que pensam que quem exibe carrão ou “tem” imóvel bolhudo é rico ou pessoa de sucesso.
      Estes obviamente foram os primeiros a cair fora junto com os que abriram lojinha pra mulher ter algo pra fazer e os que tem comércio para lavar grana mesmo.
      Agora os “verdadeiros” pontos “gourmet” como McDonalds e similares estão indo pro saco, turma do big mack que decidiu adotar o dogão de dois real.

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 23:27

    Podres S.A.

    “Banco de Portugal protege Caixa Económica separando-a da associação dona”
    ele pretende transformar o banco em Sociedade Anónima… . Até ao final de Abril, a administração deverá apresentar uma proposta de novo nome comercial.
    O banco revelou “um buraco” de 107,529 milhões de euros em 2015.

    o Banco de Portugal quer acelerar o processo de separação entre Associação Mutualista e o banco Caixa Económica para evitar possibilidades de contágio entre perturbações com as aplicações financeiras da proprietária e os clientes do banco.

    “http://www.sabado.pt/dinheiro/detalhe/banco-de-portugal-protege-caixa-economica-separando-a-da-associacao-dona”

    5+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 23:30

    associação pretende reforçar a solidez da Caixa Económica alienando as carteiras de Crédito malparado e de Imóveis, retirando operações na África (Finibanco Angola e o Banco Terra) e passando o banco para sociedade anónima…. A falencia já era técnica.

    3+
    • avatar
  • Alemon Fritz 29 de março de 2017 at 23:36

    Porcentagem podre, pra comparar.. interessante.

    Portugal era o quarto país entre os 21 que integram a organização onde o crédito malparado tem maior peso (cerca de 13%) face ao total do crédito concedido, ficando atrás da Irlanda (cerca de 15%), de Itália (15%) e da Grécia (37%), que liderava a tabela….

    3+
    • avatar
    • Carlos 29 de março de 2017 at 23:45

      Logo logo banânia na lista: crédito, carne e políticos tudo podre.
      Aposto que seremos campeões.

      3+
      • avatar
  • CA 30 de março de 2017 at 05:23

    Noticia colocada mais acima pelo Márcio e que exemplifica bem o ciclo da pirâmide financeira das vendas FALSAS na planta: primeiro vendem para quem não tem renda para SIMULAR crescimento de vendas e subir preços ARTIFICIALMENTE, daí no ato da entrega, três anos depois, começam a ter distratos em volume anormal, destruindo o caixa, após isto ficam sem dinheiro para lançamentos e com isto até as vendas FALSAS na planta despencam, aparece a realidade, a empresa vai sobrevivendo aos trancos e barrancos até entrar em recuperação judicial e ao longo do tempo só piora, porque embora tenha super-estoques, não consegue fazer vendas de verdade, porque os preços estão fora da realidade e com isto os distratos ficam maiores que as vendas levando a receitas negativas, outra aberração que só existe no Brasil e no segmento imobiliário nos últimos anos, apesar de vendas na planta existirem por aqui ha décadas. A construtora vai retendo distratos sem “reconhece-los”, atrasando pagamento de fornecedores, vendendo terrenos e imóveis com grandes “descontos”, mas a está altura não tem mais salvação e entra finalmente em recuperação judicial, onde o ciclo prossegue, ela não faz lançamentos, não consegue vender os super-estoques porque preços são proibitivos e não consegue mais baixar tanto o preço quanto seria necessário para vender porque se vendesse tudo sobrariam dívidas e viria a falência, com isto as vendas negativas, com mais distratos do que novas vendas, continuam engordando seus estoques. Próximos passos: quebrar de vez ao “descobrirem” que situação é irrecuperável e um volume monstruoso de imóveis ser retomado por credores que terão que vender com grandes “descontos” para recuperarem liquidez…

    Segue link com a notícia sobre a Viver:

    http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/6289152/construtora-tem-prejuizo-100-milhoes-dividendos-leilao-acoes-mais-noticias

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Pure 30 de março de 2017 at 09:29

      Vou chover no molhado, mas…
      Parabéns CA e todos os demais que contribuem.
      Enxergaram todo esse cenário, anos antes.

      9+
      • avatar
      • avatar
    • CA 30 de março de 2017 at 07:12

      reznor,

      Os números bilionários da PDG ao final de 2016:

      Prejuízo líquido superior a R$ 5 BILHÕES

      Patrimônio líquido NEGATIVO de R$ 3,4 BILHÕES

      Distratos superiores a R$ 1,1 BILHÃO.

      Quem diria que entre 2010 e 2011 a PDG foi a maior construtora do país em lançamentos e vendas e maior construtora das Américas (incluindo os EUA) em valor de mercado!

      Aliás, não precisa ir tão longe no passado: entre janeiro e fevereiro de 2017, até antes da PDG pedir recuperação judicial, ela foi a empresa que teve a maior valorização no preco de suas Ações entre todas as listadas na BOVESPA!

      Pior: o segmento imobiliário como um todo, teve super-valorização nos preços de suas Ações no início do ano e foi o segmento em que as Ações mais subiram. Em meio a esta situação, a Info171Money (by PXdPF) “explicou” que este era um crescimento sustentável tanto pela análise fundamentalista quanto grafista!

      Impressionante como o pessoal da Info171Money e os sardinhas da BOVESPA puderam tirar a “brilhante” conclusão acima em meio a uma das maiores catástrofes do segmento imobiliário até hoje, em alguns aspectos superior à derrocada de 2012.

      Ah, mas eles apostavam nas “expectativas” positivas para o setor, em função das medidas DESESPERADAS do governo Dilmo. Pois é, um setor está visivelmente AFUNDANDO, um governo tenta socorrer no DESESPERO com medidas nitidamente insuficientes e sem efeito prático em meio a esta catástrofe e isto leva este setor a uma valorização recorde. Quanta alienação…

      O ciclo da PDG é o mesmo da Viver e de algumas outras construtoras (Brookfield, Rossi, Tecnisa, etc. que estão no mesmo caminho), ela só entrou um pouco depois que a Viver neste estágio de recuperação judicial, mas o destino inevitável é o mesmo, o de quebrar definitivamente, ficando grande número de imóveis pela metade, com alto prejuízo e trauma para compradores se MULTIPLICANDO no boca-a-boca por um grande número de pessoas que desistirão de comprar na planta, ao mesmo tempo que teremos grande número de imóveis devolvidos a credores que deverão revender com altíssimos descontos para recuperarem parte de sua liquidez, levando a redução de oferta de crédito e seu encarecimento, bem como a um efeito manada com os agentes em desespero para verem quem consegue baixar o preço antes para conseguir vender.

      Em tempo: tanto Viver, quanto PDG e Gafisa, já estão reconhecendo em seus relatórios oficiais as quedas nos valores dos imóveis de forma relevante, assim como CEF e todos os outros bancos já estão fazendo leilões com preço inicial com “descontos” de ATÉ 80% e o IVG-R do BACEN tem apontado quedas crescentes nos precos dos imóveis nos ultimos 18 meses, mas não se preocupem, segundo o FINGE ZAP, o maior PEGA-TROUXA do país, os imóveis ANUNCIADOS e NÃO VENDIDOS continuam com os seus preços crescendo nominalmente, então não há nenhum problema…

      14+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Alemon Fritz 30 de março de 2017 at 07:30

    Viver tem prejuízo de R$ 102,2 milhões no 4º trimestre
    1 bilhaõ e, dívida
    Outro impacto negativo veio das reduções de valores de terrenos cujos lançamentos foram postergados e imóveis negociados com descontos.
    Em 2016, o Ebitda ajustado também ficou negativo, em R$ 201,7 milhões, deterioração de 130,6%.
    Já no acumulado de 2016, a empresa teve mais devoluções do que vendas de imóveis.
    Mercado estável e natural

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • job 30 de março de 2017 at 08:34

      Realmente tá estável indo em direção ao fundo do poço…

      1+
    • perdido no rio 30 de março de 2017 at 14:16

      Pesquisei no Google e vi que as ações da viver estão em alta hoje. Mas esticando o período, vi que a desvalorização chega perto dos a mais de 99%. No gráfico, uma ação tem o valor de inacreditáveis 2 milhões de reais em 2012. Hoje, vale 2 reais. ALguém sabe dizer se isso tá certo? Vou tentar colar a imagem abaixo.

      1+
      • perdido no rio 30 de março de 2017 at 14:16

        0
        • perdido no rio 30 de março de 2017 at 14:16

          não consegui usando o img src=”http://imgur.com/midJIp9″ entre <>

          0
  • Moreira 30 de março de 2017 at 07:59

    Abigos, olha esse CVR:

    Colega comprou lote de 400m na Vicente pires. Está em fase final de construção do lar, casa de 230m.

    Lote pelado, sem escritura, com possibilidades de o governo regularizar e cobrar pelo lote – pagou 200k
    Construção – já está em 250k. Faltam móveis e armários
    Tinha um Jetta- vendeu e pegou um voyage
    Renda – professor do df 6k líquido em média
    Já tem um filho

    Pretende juntar os panos com a atual namorada, a qual disse q quer ter dois filhos. Detalhe, nao trabalha. Papai sustenta. Na verdade, a família tem um salão de festa m, fonte de renda primária.

    O colega disse que e investimento, que um lote ao lado, comprado por 200k,4 meses depois foi vendido por 250k.., bla bla.
    Disse que não
    Sabe investir, que não tem pretendao de investimento….
    Mora em um ao de 56m em águas claras e vai alugá-lo.

    Alguns detalhes que não são explicitados na conversa mas sei por outras fontes:
    Colega gosta da vida bolhudaaa ( festa, bebidas, comida, carro, roupa, muito próximo dos primos – que tem mais granas)
    Dava aula particular em faculdade – foi mandado embora!
    Papai banca de 80% a 90% de tudo ( atual ao – que soube ser financiado) lote, construção).

    E o final da conversa: disse que está com a corda no pescoço, mas que será por apenas dois anos!

    21+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 30 de março de 2017 at 08:40

    O Brasil ainda está falindo
    EM 2018 agora os otimistas estão falando num aumento de 1,5% do PIB

    JÁ EM 2019
    SE não houver crise econômica mundial (europa, china)
    E SE o PIB brasileiro crescer 2,5%
    E SE este aumento do PIB se refletir no pagamento dos impostos
    E SE as contas do governo estiverem certas
    ENTÃO TALVEZ o Brasil consiga fechar as contas (saldo fiscal zero)
    https://www.youtube.com/watch?v=KHCKs23r-aU

    SE em 2020 não for declarada moratória, poderão estourar um chanpagne

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • antifragile 30 de março de 2017 at 13:41

      No início eu não gostava dos vídeos desse rapaz, mas devo confessar que fui cativado pela sua inteligência e pelo conteúdo elucidativo. Agora acompanho sempre.

      2+
  • Louro José 30 de março de 2017 at 08:44

    Vai repassar tudo pra EMGEA

    3+
  • Alemon Fritz 30 de março de 2017 at 08:51

    Amorinha o advinho diz que em 115 anos o Brasil sempre cresceu 5% após a crise e nenhuma crise no mundo (172 paises) do mundo e da galaxia que ele analisou durou mais de 6 anos, mesmo em guerra. Portanto, a Banania vai crescer, só não enxerga quem não quer…

    6+
    • avatar
    • avatar
  • CA 30 de março de 2017 at 08:57

    Aconteceu o ÓBVIO, aquilo que o próprio governo já tinha dado pistas de que iria acontecer desde o último trimestre de 2016 e que desde então, enquanto nós advertíamos por aqui, a imprensa fazia de conta que nem sabia:

    http://g1.globo.com/economia/noticia/governo-anuncia-alta-de-tributos-e-corta-r-421-bilhoes-em-gastos.ghtml

    Trechos do link acima:

    “As medidas anunciadas foram:
    Bloqueio de R$ 42,1 bilhões em gastos públicos
    Receita extra com a reoneração da folha de pagamento: R$ 4,8 bilhões
    Receitas extras com relicitação de 4 hidrelétricas: R$ 10,1 bilhões
    Receita extra com a equiparação da alíquota de IOF de cooperativas de crédito, com a cobrada de bancos: R$ 1,2 bilhão”

    “Essa medida não é considerada de fato um aumento de impostos. É a eliminação de uma opção adotada pelo governo anterior e que não funcionou. Não é um aumento de impostos”, disse a jornalistas.”

    Comento (CA):

    Sobre o Meirelles estar preocupado com “semântica”, dizendo que não é aumento de imposto, mas sim redução de desoneração, ou “re-oneração”, é outra alienação da realidade, pois o que realmente interessa é que as empresas vão pagar mais para o governo e este dinheiro estará menos disponível para investimentos ou despesas por estas empresas, ou seja, dê o nome que quiser, mas os efeitos não mudam nada.

    Quais são os próximos efeitos esperados, sobre os quais também já falamos HÁ MESES por aqui?

    1) Efeito recessivo das medidas:

    Se o governo vai gastar R$ 42,1 bilhões a menos, são menos empresas contratadas, menos produtos e serviços adquiridos. Aquelas empresas que deixaram de vender para o governo terão redução em seu faturamento. Naqueles casos em que o impacto for maior, certamente acaba gerando aumento no desemprego para estas empresas e daí os efeitos em cascata continuam.

    Da mesma forma na eliminação de desonerações: sobra menos dinheiro para as empresas, que com isto investem e gastam menos para outros fins, afetando seus fornecedores com redução de compras, ou seus clientes com aumentos de preços e estes clientes, por sua vez, veem sua capacidade de compra reduzida também e diminuem o consumo.

    Nada do que consta acima é novidade, os efeitos recessivos de ajustes fiscais no curtíssimo prazo são inevitáveis e já se sabe que é assim há DÉCADAS ou SÉCULOS, sendo que no caso do Brasil, desde o final do ano passado o governo já sabia que as contas não fechavam e ia sobrar rombos, o que aconteceu é que fizeram o mesmo de sempre, foram iludindo as pessoas e fazendo de conta que nada disto ia acontecer…

    2) Efeito “circulo vicioso”:

    Se a recessão vai aumentar, como demonstrado pelo item 1 acima, o que vai acontecer? A arrecadação total de impostos que depende em muito da evolução do PIB, vai cair, o rombo das contas públicas vai aumentar e com isto, o governo terá que fazer um contingenciamento adicional de despesas que por sua vez estimula a retomada do circulo vicioso, ou seja, podemos esperar novas quedas na previsão do PIB pela combinação dos itens 1 e 2 que constam aqui.

    “Detalhe”: graças à PEC do limite de gastos, as reduções de despesas do governo em 2017 terão que se manter em 2018, com os mesmos efeitos citados nos itens 1 e 2…

    Para “apimentar” ainda mais a situação, não podemos esquecer do quanto ainda vai se agravar da situação do segmento imobiliário e da CEF, dentre outras situações que poderão aparecer (novas revelações de Lava-Jato, novos desdobramentos das crises fiscais nos Estados e Municípios que estão em situação financeira mais precária, etc.

    O que consta acima são mais constatações do que tende a acontecer, dentro de uma ótica mais realista, algo completamente diferente do que o governo, o segmento imobiliário e seus asseclas plantam de DESINFORMAÇÃO, como aliás já fazem HÁ ANOS, desde antes da crise começar a aparecer…

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • rpoa 30 de março de 2017 at 08:59

    Também tenho a percepção de descolamento dos preços da realidade.
    Recentemente adquiri imóvel (separação) e comprei porque não me habituei com aluguel (nunca tinha morado de aluguel antes – achei chato). Procurei muito e paguei algo que entendi como justo.

    Mas o que me causa perplexidade é, apesar das falências de construtoras e o mercado “travado”, e os corretores dizendo que em alta renda está bombando, ao verificar a arrecadação de ITBI em Porto Alegre se identifica uma redução real em 2015, mas em 2016 já já equalizou (após a redução).

    Arrecadação ITBI Porto Alegre Crescimento IPCA Crescimento REAL
    2016 156.139.526,65 7,2% 6,29% 0,8%
    2015 145.671.989,62 -2,6% 10,67% -12,0%
    2014 149.618.994,17 5,5% 6,41% -0,9%
    2013 141.842.026,68 10,4% 5,91% 4,2%
    2012 128.473.824,82 13,5% 5,83% 7,2%
    2011 113.201.128,06 22,7% 6,50% 15,2%
    2010 92.231.516,18

    Poxa.. quem tem bufunfa para continuar comprando tanto imóvel….

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Antigo 30 de março de 2017 at 09:10

      Lavagem de dinheiro mesmo.
      Com os avanços das operações contra corrupção, a tendência é essa prática reduzir um pouco.

      5+
      • avatar
    • rpoa 30 de março de 2017 at 09:11

      melhor refazendo tabela acima
      Arrecadação ITBI Porto Alegre Crescimento IPCA Crescimento REAL
      2016 156.139.526,65 7,2% 6,29% 0,8%
      2015 145.671.989,62 -2,6% 10,67% -12,0%
      2014 149.618.994,17 5,5% 6,41% -0,9%
      2013 141.842.026,68 10,4% 5,91% 4,2%
      2012 128.473.824,82 13,5% 5,83% 7,2%
      2011 113.201.128,06 22,7% 6,50% 15,2%
      2010 92.231.516,18

      1+
    • CA 30 de março de 2017 at 09:13

      rpoa,

      Com a disparada de vendas na planta em todo o país, que cresceu de forma exponencial com a bolha e que tem entrega em prazo de 3 anos, uma boa parte do que você vê nos números de 2016 é reflexo de 2013 e não do próprio ano de 2016.

      Como exemplo, 2015 caiu como reflexo da derrocada do segmento imobiliário em 2012 (o pior resultado para o segmento até então, com quedas em lançamentos de mais de 40%), mas em 2013 foi ensaiada uma “pseudo recuperação” em algumas localidades, via mega-especulação, onde o “crescimento” se transformou em mais distratos, mas o total reduzido de vendas reais, similares ao de 2012, acabou se refletindo como “estabilidade” nos números do ITBI de 2016.

      Este é o famoso “efeito retrovisor”. É o mesmo que acontece, por exemplo, com o IVG-R do BACEN. Tivemos pesquisas de diferentes empresas, em diferentes localidades (*), que tendo como base o preço NEGOCIADO, apontaram quedas relevantes nos preços de vendas de imóveis lançados em 2013. Quando isto se refletiu em quedas de preços no IVG-R? Somente entre 2015 e 2016, quando estes imóveis foram entregues e as pessoas foram adquirir o financiamento imobiliário, que é quando o BACEN captura a evolução do preço. Novamente, negociações de 3 anos atrás, sob a realidade de mercado da época, dando a impressão de que só agora os preços caíram…

      (*) Exemplo da pesquisa da Geoimovel que apontou queda de 35,5% nos preços negociados de lançamentos em Brasília no ano de 2013, ou da EMBRAESP que apontou queda média de 9% nos preços de lançamentos em São Paulo no início de 2013 (queda de 17% no caso de 3 dormitórios em São Paulo neste período).

      4+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • CA 30 de março de 2017 at 09:25

        Lembrando que no caso dos novos, o apartamento comprado na planta 3 anos atrás OBRIGATORIAMENTE tem reajuste pelo INCC durante todo o período de construção e quando chegar no momento do registro da venda e pagamento do ITBI, o valor que está sendo pago pelo comprador já é muito maior. Ocorre que também desde 2013 já temos diversas evidências de que o preço real de mercado do imóvel no momento da entrega, aquele que é praticado pela construtora ao vender imóvel pronto no mesmo empreendimento, é menor do que aquele da pessoa que comprou na planta 3 anos atrás. Qual a consequência para o ITBI: registra preço de venda mais elevado que o praticado realmente pelo mercado naquele momento.

        Fora tudo que coloquei acima e no comentário anterior, muitas prefeituras ficaram com escassez de dinheiro e tiveram que aumentar e muito sua arrecadação, algumas aumentaram o percentual de ITBI, o que talvez não se aplique no caso de Porto Alegre que já era muito alta, mas que aconteceu em outras cidades. Às vezes, as prefeituras não reajustam diretamente a alíquota do ITBI, mas aumentam a tabela de valores venais, o que força aumento do ITBI ( o valor venal é o mínimo a declarar para servir de base para o cálculo do ITBI). Exemplos:

        http://www.gazetadopovo.com.br/imoveis/nova-aliquota-do-itbi-entra-em-vigor-no-final-de-marco-eith1pr4fe6uzz2044vddole6

        http://exame.abril.com.br/economia/prefeitura-eleva-itbi-em-ate-150-em-sao-paulo/

        3+
        • avatar
        • avatar
  • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 09:39

    CA, não resisti e copiei um comentário seu para postar no outro lado da rua.
    Raramente lá em tópicos sobre imóveis. Então aproveitei.

    Está tudo acontecendo como prevíamos em 2010 – 2013. Afiem os facões. O dinheiro eu sei que está devidamente acumulado. Será cada vez mais rentável pagar aluguel com os juros e ou comprar o então imóvel. Se bem que eu estou sentindo que a maioria prefere não comprar e sim VAZAR da Banânia.
    kkkk

    15+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • CA 30 de março de 2017 at 09:50

      From,

      Dei uma olhada agora, de fato o comentário tem tudo a ver com o tópico postado lá.

      Sim, aquilo que foi falado por aqui desde o início do blog se concretizando e vários anos depois a imprensa falando a respeito, ainda assim, com uma infinidade de distorções e desinformação, para fazer de conta que as causas são diferentes.

      O que temos comentado com mais intensidade sobre leilões nos últimos tempos, a imprensa só vai dar um destaque maior quando a ABERRAÇÃO não puder ser mais disfarçada, como sempre, com anos de atraso e uma infinidade de MAQUIAGENS para disfarçar a gravidade dos fatos…

      5+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 09:54

        Sim. Será assim.
        E dessa maneira os efeitos são sempre mais danosos. Pois além do setor ficar completamente arrasado e desacreditado… milhares de pessoas sentirão-se angustiadas. Mas foram escolhas.

        6+
        • avatar
        • avatar
      • outsider 30 de março de 2017 at 11:15

        the truth is NOT out there

        the truth is not out there
        the truth is here
        truth = (dados/fatos/argumentos do CA) + média(opiniões de TODOS os leitores do BIB)

        2+
        • avatar
  • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 09:40

    Boss e amigos:
    Site de leilão ontem em Curitiba: NENHUM IMÓVEL ARREMATADO em primeira praça. NENHUM !!!
    Agora 50% OFF e torcer para vender em segunda praça.
    ARDAM !!!

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Dr. Estranho 30 de março de 2017 at 09:41

    2015-2016 foi ruim? 2017 será pior. E 2018 a construção Civil estará na beirada do fundo do poço. Aguardemos a decisão da recuperação da Pé de gesso. Matematicamente não há como salvar. Deferir a recuperação poderá causar mais estrago que líquida-lá. Continuem líquidos, pois como disse o pior ainda não chegou.

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 09:47

      Vai ser merda por todos os lados, estarão pressionados:
      1) DESTRUTORAS: Sem fluxo de caixa, com grandes estoques gerando custos fixos, muitas unidades hipotecadas em bancos como garantia;
      2) Bancos: com muitas unidades em garantia sem a devida quitação pois não tem vendas por parte das destrutoras, número crescente de leilões sem arrematação , perigo de crise sistêmica no fluxo de pagamentos (pessoas desistindo de pagar) ;
      3) Pessoas físicas: Assistindo ansiosas as destrutoras concedendo grandes descontos, quem comprou para especular está com a batata quente na mão pois não encontra o pato maior, quem comprou para morar e pagou á vista perdeu dinheiro, quem comprou para morar e financiou em décadas levará dupla penetração do Motumbo

      20+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 09:52

    Até o Corvo Móvel foi leiloado (tentar postar imagem pela primeira vez)

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Dr. Estranho 30 de março de 2017 at 10:21

    Duodécimos do TJ em MP (RJ) ainda não foram repassados. Isso permite que haja intervenção federal embasada na CRFB. Será que o Pezão quer que isso aconteça? O mais engraçado é ler no Face que um comerciante está a beira de fechar as portas, na Tijuca, porque seus principais clientes são servidores. Com um pouco de sorte este comerciante tb paga parcelinhas que cabem no bolso. Importante: Quero saber da Pé de gesso. Vai ou não vai?

    5+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Bolhudo 30 de março de 2017 at 10:39

    Padeiro, olhe isto.
    Prédio de luxo em Balneário Camboriú corre risco de ser demolido
    http://www.radiopiratuba.com.br/noticias/noticia/id:6245;predio-de-luxo-em-balneario-camboriu-corre-risco-de-ser-demolido.html
    O empreendimento foi projetado para ter 75 andares em duas torres, sendo o primeiro imóvel do país a ter uma marina construída em anexo para os proprietários dos apartamentos. O imóvel leva assinatura do renomado estúdio de design italiano Pininfarina, reconhecido internacionalmente por realizar projetos para marcas como Ferrari e Rolls-Royce.

    Por enquanto, apenas 35 andares estão de pé. A previsão de término da obra é para 2019. No site da imobiliária, uma das unidades é anunciada por cerca de R$ 4 milhões, com três suítes, banheira de hidromassagem e três vagas de garagem………

    6+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 30 de março de 2017 at 10:54

      Sim… isso geralmente acontece em Bal. Camboriú e Vale do Itajaí. As fundações de meio ambiente municipais liberam a obra… depois veem as fundações estaduais + ministério público e tomam essa decisão. Fica um suspense no ar….. muito suborno acontece…. e depois de uma certa resistência acabam liberando a obra. Depois vem a turminha do habite-se e acontece a mesma coisa.
      Conheço parte dessa turma. É um grande esquema de putaria + lavanderia.

      17+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cadeludo 30 de março de 2017 at 11:07

    é com grande pesar que anuncio que vou lá pagar o IPVA.
    o governo babava pelo boom automotivo
    se não pagar ipva e iptu te tomam teu bem
    um imóvel nunca será somente seu, se não pagar o anual o direito de posse, perde
    se não pagar financiamento então já perde antes de ter

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 30 de março de 2017 at 11:17

    Banco BVA espera vender R$ 2,3 bi de créditos ruins em leilão…
    Instituições como Grupo BTG Pactual e Jive Investments vêm comprando ativos distressed, de empréstimos a imóveis. A Lone Star Funds, empresa de investimento com sede em Dallas, EUA, fundada pelo bilionário John Grayken, está abrindo escritórios no Brasil..

    https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2017/03/30/banco-bva-espera-vender-r-23-bi-de-creditos-ruins-em-leilao.htm?cmpid=copiaecola

    3+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 30 de março de 2017 at 11:19

    Lone star feelings:
    “O mais importante é vender todos os ativos o mais rapidamente possível para evitar que percam valor”, disse Seixas…

    4+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • EngenheiroDF 30 de março de 2017 at 11:29

      Quero ver a CEF pronunciando as mesmas palavrinhas!!!!

      7+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • SampaBoy 30 de março de 2017 at 11:43

    Inflação do aluguel sobe 0,01% em fevereiro

    O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou tímida alta de 0,01% em março ante avanço de 0,08% em fevereiro, divulgou na manhã desta quinta-feira, 30, a Fundação Getulio Vargas (FGV).É a taxa mais baixa para o mês desde 2009

    excelente investimento !

    http://www.dcomercio.com.br/categoria/economia/inflacao_do_aluguel_sobe_0_01_em_fevereiro

    4+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • SampaBoy 30 de março de 2017 at 11:48

      corrigindo: 0,01 foi em março e nao fevereiro (que foi 0,08)

      1+
  • Leonardo M. 30 de março de 2017 at 11:55

    Falei com um colega que trabalha no centro espacial europeu e o mesmo me disse que a central europeia espacial não tem interesse em explorar o Brasil, o motivo:

    Homens e mulheres pelados
    Muitas queimadas
    Ocas de baixa qualidade
    Viu muitos sacrifícios aos deus das drogas
    Templos faraônicos pra Salomão
    Rios poluídos
    Guerreiros usando ainda arco e flecha enquanto o mundo já está na pólvora
    Músicas esquisitas com índias rebolando até o chão

    A única coisa que ele me disse que viu de bom por imagens de satélite foi o aeroporto de guarulhos, parece que está bem moderno e ampliado e pode ser uma rota de fuga.

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • EngenheiroDF 30 de março de 2017 at 11:56

    Sem querer ser folgado (já que eu mesmo não vou fazer), mas alguem já fez alguma analise dos números do 4o trimestre das construtoras com capital aberto ?

    1+
  • SampaBoy 30 de março de 2017 at 11:58

    Com todo seu petróleo, Venezuela está sem gasolina. É o socialismo

    “É algo inimaginável, que lembra a afirmação atribuída a Milton Friedman ou a outro economista, William Buckley, de que, se o socialismo for instituído no deserto do Saara, em poucas semanas começará a faltar areia.
    Em termos de produção de petróleo, a Venezuela ocupa a nona colocação mundial. Tem óleo cru e combustível refinado para, teoricamente, jamais correr o risco de não ter oferta para sua demanda.
    Mas estamos falando do “socialismo do século 21”, essa mistificação instituída por Hugo Chávez (1999-2013) e prosseguida com a mesma incompetência por Nicolas Maduro.
    A situação venezuelana é hoje tão caótica que Maduro pediu há dias às Nações Unidas ajuda logística para arrumar o setor de medicamentos, que também entrou em colapso, com menos de 20% dos produtos nas farmácias.
    Não acaba aí. A Venezuela é o país em que, por falta de farinha de trigo importada, não há mais pão em parte das padarias de Caracas, e onde o governo prendeu padeiros, acusando-os de participar da “guerra econômica” contra o establishment bolivariano.
    Ou, como último exemplo, nos jardins zoológicos venezuelanos 50 mamíferos de maior porte deixaram de ser alimentados e morreram de inanição, algo que havia apenas ocorrido, na recente história da humanidade, em Berlim, e nas últimas semanas do regime nazista
    O problema está na má gestão. E quem afirma isso é Ivan Freites, dirigente da Federação Unitária dos Petroleiros, em entrevista ao portal de oposição Tal Cual.
    A maior refinaria do país, a de Paraguaná, está com 67 de suas 82 torres de refinamento desativadas por falta de manutenção. A refinaria de Puerto la Cruz e a de El Palito deixaram de funcionar.

    http://www.dcomercio.com.br/categoria/economia/com_todo_seu_petroleo_venezuela_esta_sem_gasolina_e_o_socialismo

    Uma importante lição : não adianta ter “potencial” , nao adianta ter materia prima, … se o negocio for mal administrado vai pro buraco do mesmo jeito

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • EngenheiroDF 30 de março de 2017 at 12:05

      Em todos os casos de tirania, o primeiro passo é desarmar a população. Hugo Chaves não fudiu a regra. Colaborem com o Movimento Viva Brasil do Bené Barbosa. 100 reais por ano.

      4+
      • avatar
      • avatar
  • Brazil mode OFF 30 de março de 2017 at 12:19

    DESAFIO

    Vamos tentar falar algo “positivo” em relação ao mercado imobiliário. Ex: Coisas que irão melhorar, coisas que ja melhoraram, sei lá…. coisa desse tipo.

    3+
    • avatar
    • avatar
    • Antigo 30 de março de 2017 at 12:22

      Perdi esse desafio já.
      Passo a bola para o Fernando.

      2+
      • avatar
    • SampaBoy 30 de março de 2017 at 12:23

      Com o dinheiro que temos hoje, poderemos comprar, daqui ha alguns anos , um imovel com o dobro do tamanho do que podemos comprar hoje

      5+
      • avatar
      • avatar
    • Zé do Brejo 30 de março de 2017 at 12:25

      Nro de desempregados vai aumentar, diminuindo poder de compra e empurrando inflação pra baixo.
      Ficará mais barato contratar, o que pode incentivar abertura de novas empresas, que não durarão muito tempo pois precisrarão alimentar ao leão faminto.
      É, não tem noticia boa, não tem jeito, não tem conserto.

      2+
    • EngenheiroDF 30 de março de 2017 at 12:32

      Cada vez mais proprietários de lojas e salas topando alugar por… ZERO (pague o condominio e o IPTU pq não to aguentando sangrar mais).

      4+
      • avatar
      • avatar
    • anti_corvo 30 de março de 2017 at 12:52

      Então tá, la vai:
      http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2017/03/nova-medida-de-credito-deve-impulsionar-a-construcao-civil-na-serra-9760197.html

      “O presidente do Sinduscon Caxias, Oliver Viezzer, comemorou a novidade. Ele acredita que a medida vai impulsionar as vendas do setor” – ta bom.

      Tem que abrir em janela anônima, senão pede login.

      1+
    • Cesar_DF 30 de março de 2017 at 13:24

      Haverá uma grande expansão no mercado dos fabricantes de faixas e cartazes de ALUGA-SE

      8+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Alemon Fritz 30 de março de 2017 at 13:12

    se decidam kkkkk

    Condições do mercado imobiliário se deterioram
    VEJA.com-10/03/2017
    As condições gerais do mercado imobiliário encerraram o ano passado com a menor média histórica da série do Radar Abrainc-Fipe.

    -Secovi-SP prevê um 2017 positivo para o mercado imobiliário
    Jornal SP Norte (Blogue)-17/03/2017

    3+
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 30 de março de 2017 at 13:15

    Feirão oferece mais de 4 mil casas e apartamentos na Grande Goiânia
    Com entrada de graça, evento inicia nesta quinta-feira e vai até domingo.

    comentários:
    Barracão com preço de mansão a gente vê por aqui !
    -Quer conhecer um apartamento com banheiro de 0,94 cm de largura e um barulho infernal vindo da Avenida Castelo Branco . Venha conhecer! Residencial Ecovillaggio Castelo Branco. Um absurdo!

    3+
    • avatar
  • Cesar_DF 30 de março de 2017 at 13:22

    NOVO TÓPICO

    0