Preço de imóveis em São Paulo tem desvalorização no trimestre – Infomoney

No quarto trimestre de 2016, os preços de imóveis em São Paulo tiveram desvalorização nominal de 0,8% em relação ao mesmo período de 2015, de acordo com uma pesquisa realizada pelo portal VivaReal. O preço do metro quadrado chegou à média de R$6.829.

Matéria completa em http://www.infomoney.com.br/imoveis/noticia/5999802/preco-imoveis-sao-paulo-tem-desvalorizacao-trimestre

9+

Você pode gostar...

Comments
  • Juros Lover BSB-BH 10 de janeiro de 2017 at 08:29

    What a surprise!!!!!!!….kkkkkkk… Se os números maquiados tão caindo , imagina a realidade…

    26+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Louro José 10 de janeiro de 2017 at 08:43

    Quem poderia imaginar hahahaha

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 10 de janeiro de 2017 at 08:59

    A “desvalorização anunciada” foi de -8,5% em 2015 e -5,5% em 2016.. sem falar dos “descontos”…. distratos de 41%… e queda de 50% nos CRIs pelo fgts … esse é um mercado estável.

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • tmarabo 10 de janeiro de 2017 at 14:14

      Ou seja, se um imóvel valia 100 no início de 2015, caiu 8,5%, valia 91,5 no final de 2015. Caiu 5,5% em 2016? Passou a valer 86,46 no final de 2016.
      Enquanto que nossos100zinhos aplicados renderam quanto?????????????
      PNJ!!!

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Money_Addicted 10 de janeiro de 2017 at 09:05

    CVR – Mae bolhista

    MInha mae trabalha para uma empresa que presta servico para a prefeitura (interior de SP), e ontem conversando com ela por telefone ela me falou q esta atrasado o pagamento.

    Eu perguntei se ela precisava de um $$ adiantado e ela respondeu q nao pois tem reservas e emendou q a maioria nao tem e esses sim estao na agua, disse ainda q esse povo acaba de receber o pagamento e ja corre pro banco sacar para gastar.

    [ ]s

    47+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • md_bh 10 de janeiro de 2017 at 09:53

      E tem uns analfabetos que corre para tirar do banco e guarda debaixo do colchão e se justificam dizendo que o banco “come” dinheiro.

      23+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Ilusionista 10 de janeiro de 2017 at 09:08

    na medida que o tempo passa, mais pessoas vão percebendo que se adiarem a compra do imóvel vão pagar cada vez mais barato…..E, por falta de compradores, os preços naturalmente vão caindo ainda mais….
    Vai caindo até quando houver uma “sensação de escassez”, só que os estoques dos imóveis desocupados aumentam a cada dia….
    uma conta que levará longos anos para equalizar…

    39+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Zé Carioca 10 de janeiro de 2017 at 10:00

      Na minha opinião a tendência é essa mesmo, aos poucos as pessoas vão percebendo que adiar a compra é mais vantagem e os preços vão cedendo. Espero que o pessoal do hard esteja certo e os preços caiam abruptamente, mas não é isso que tenho observado.

      32+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Nelson Schadenfreude 10 de janeiro de 2017 at 13:25

        Não haverá hard landing, na minha opinião, pois:
        – A maior parte das famílias é dona do seu imóvel. Por volta de 5% a 10% dos domicílios estão financiados.
        – destes, a maioria não está com a corda no pescoço. Chutemos que apenas 1/5 esteja (dá 1% a 2% dos domicílios, ainda muita coisa)
        – O grosso do crédito está com a Caixa, que é uma mãe. Tenderá a renegociar para adiar a retomada.
        – Bancos privados devem fazer o mesmo, esperando a recuperação da economia e a redução da inadimplência.

        Assim, a fração das famílias perdendo a casa será pequena, insuficiente para um hard landing.
        NO ENTANTO, as construtoras ainda continuarão sofrendo bastante, pois estão mais expostas ao grupo de maior risco de inadimplência, que tem fortes incentivos para fazer os distratos.
        Em suma, vejo acomodação lenta dos preços (com boa contribuição da inflação para o ajuste), mas uma situação ainda estressante para as construtoras.

        11+
        • avatar
        • tmarabo 10 de janeiro de 2017 at 14:18

          Já é hard landing, vide acima: se um imóvel valia 100 no início de 2015, caiu 8,5%, valia 91,5 no final de 2015. Caiu 5,5% em 2016? Passou a valer 86,46 no final de 2016.

          E é bem isto que eu vejo hoje: imóveis que pediam 1kk em 2014/2015 já estão com preço anunciado de 850k. Quando estiver em 600k eu penso no caso deles rsrsrsrsrsrs

          9+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
    • MauricioSP 10 de janeiro de 2017 at 10:25

      Sim, uma hora os imóveis podem começar a valorizar novamente, e começa um novo ciclo. Assim como hoje podemos olhar pra traz e dizer que o pico foi em 2012 ou 2013, daqui a alguns anos poderemos dizer que o fundo do poço foi em 2016 ou 2017. O difícil é acertar o timing. Quando um amigo meu disse que ia investir na bolsa, eu respondi “só lhe dou um conselho, compre na baixa e venda na alta!”. Mas no dia a dia é quase impossível saber, PETR4 a 15 está barato ou caro?! Quem pagou 6 está soltando fogos e quem pagou 22 está ainda esperando o “break even”

      13+
      • avatar
      • PFernando 10 de janeiro de 2017 at 10:50

        Existe uma coisa chamada análise. As expectativas fazem com que os ativos disparem de valor e formem bolhas. É difícil sim “prever” o que acontece mas pra quem pesquisou um pouco e tentou “adivinhar” o que estava acontecendo no Brasil já estava tudo escrito. Um dia vai subir, deve voltar a média e a média um dia sobe, mas deve (ou pode, tudo é probabilístico) cair abaixo da média porque os valores altos que compõem a média recente vão saindo). A expectativa de ganho futuro, no valor do ativo ou dividendos pagos por ele dá o preço. No caso da PETR4 alguns acreditaram que o governo ia mudar a política em relação aos combustíveis e investimentos na empresa e ia gerar mais retorno futuro. O preço sobe. Se eles tivessem errados iam perder mas a probabilidade de o governo fazer o que disse foi considerada boa para entrar. Assim que funciona. Quanto ao mercado imobiliário não se vê perspectivas de retorno futuro com o preço atual, então a probabilidade de ganhar é muito baixa em relação ao risco. Quando este valor conseguir dar algum retorno, os investidores de verdade “adivinham” novamente a hora de comprar e o preço sobe ou se mantem. Só que outro PT, outra copa, outra olimpíada, outra valorização do petróleo, do minério, da soja, outra China podem demorar um pouco pra acontecer juntos e outra bolha se formar e os preços atingirem um novo pico.

        9+
        • MauricioSP 10 de janeiro de 2017 at 11:27

          O problema da análise é como a teoria econômica do homo economicus, onde um indivíduo teria todas as informações para tomada de decisão racional. Mas a realidade é bem longe disso. Ninguém previu a guerra do Iraque, o ataque às torres gêmeas, a queda da URSS, o congelamento da poupança pelo Collor, a Quantitative Easing dos EUA e agora da Europa/Japão, para falar de grandes eventos econômicos que presenciei. A pessoa comum lê depois nos jornais e reage como pode…

          9+
        • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 12:41

          Pelos casos que analisei de bolha imobiliária, entre o pico e o vale são 6 anos, o que significa final de 2019 para brasília e 2021 para rio e sp

          12+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
  • Baby Boy 10 de janeiro de 2017 at 09:37

    Bisco 9 de janeiro de 2017 at 17:20
    Oxi, Sardinha? Sorrindo e acenando pra mim? Estes termos prontos e frases daqui do Blog não mostrarão que você está certo. Como eu disse, não gostar de renda variável é uma coisa e não querer investir nela é a escolha de cada um, mas classificar o investimento e eu só denota falta de conhecimento.

    Em resposta ao bisco:

    Tem razão. Eu nunca tive aula de finanças, eu nunca estudei mercado de capitais, eu nunca li um livro do assaf neto.

    Voce que é o diplomado no youtube sabe o que faz!

    Abraços.!

    5+
    • tucura 10 de janeiro de 2017 at 12:34

      Sua posição sobre renda variável é baseado em teoria ou você já operou?

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Baby Boy 10 de janeiro de 2017 at 12:57

        Caro,
        So entro na bolsa, se for para abrir capital da minha empresa e vender ações para idiotas como voce.

        4+
        • avatar
        • tucura 10 de janeiro de 2017 at 12:58

          Sem mais meritíssimo. proxímo!

          22+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • Bisco 10 de janeiro de 2017 at 15:41

            tucura, pelo visto o Baby Boy aí deve ser um mega empresário cheio da grana. Agora pergunto, se ele é, o que está fazendo aqui no blog? Deveria estar por aí ganhando dinheiro nos negócios hiper rentáveis dele.

            Mas é isto aí, o cara manja tudo e conhece vários autores e frases prontas….ixpertão demais!

            13+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
          • bolha real 10 de janeiro de 2017 at 19:21

            Cada uma que aparece né!?

            6+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
    • Nelson Schadenfreude 10 de janeiro de 2017 at 13:31

      Se alguém acha que o ajuste fiscal vai passar e alguma reforma vai ser feita pelo Temer, deve aumentar a posição na bolsa já. E realizar quando a reforma for entregue.
      Tem que ter sangue frio. A propósito: EZTC3 a 15.50 dia 2/1/17. Hoje está em 17.82. 14% em 10 dias. nada mal. Penso em realizar.

      5+
      • avatar
      • socrates 10 de janeiro de 2017 at 21:18

        ajuste fiscal? com tantos salarios acima do teto, ajuda sem contrapartidas decentes a filhos “gastões” e férias em pleno caos nacional… Eles nao estão nem aí para o país… Só estão esperando algo maior para ver se o pessoal esquece da Lava Jato e PRINCIPALMENTE das verdadeiras reformas que trariam competitividade ao país…

        2+
    • Bisco 10 de janeiro de 2017 at 15:38

      Cara, de boa…se você nem me conhece, pra que ficar falando essas coisas? Você não gostar de mercado de capitais, sem problemas!
      Assaf Neto é apenas um escritor técnico bem conceituado no meio acadêmico…citar ele não significa nada. Posso citar vários aqui se quiser e isso não vai significar que sou expert no assunto.

      E outra, quem começou a depreciar o tema foi você meu caro. Você me chamou de sardinha (termo pronto comum de investidores) e usou outra frase pronta aqui do blog (denotando total criatividade e conhecimento).

      Quando perguntei para você o porquê de não gostar de mercado de capitais, apenas queria entender seu ponto de vista e você chegou chutando o balde…na boa, uma cara que não tem o mínimo de educação para escrever realmente tem que viver citando autores e frases prontas para justificar seu conhecimento.

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Urso 10 de janeiro de 2017 at 17:30

        Bisco,

        Você ainda não percebeu que esse Baby Boy é alguma criança mimada e carente de atenção?

        Com certeza o pai dele esqueceu o computador ligado em casa e ele tá brincando com o teclado. Mas como toda criança carente e mimada, basta você não dar mais atenção que uma hora ele para de chatear.

        4+
        • avatar
        • avatar
        • Bisco 10 de janeiro de 2017 at 17:36

          Hahaha…boa…esse era meu último post mesmo para ele. Como disse nosso amigo: sem mais, próximo!

          3+
          • avatar
          • avatar
  • Cadeludo 10 de janeiro de 2017 at 09:40
    • Antigo 10 de janeiro de 2017 at 10:05

      kkkk

      Eu fico impressionado com a capacidade de vocês de achar essas matérias pagas.

      Todo dia são umas duas ou três praticando desinformação.

      Baita imprensa lixo que temos no BR.

      21+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Juros Lover BSB-BH 10 de janeiro de 2017 at 10:07

        A mídia no Brasil pra ser lixo tem de melhorar muito…

        24+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
    • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:06

      São uns Cadeludos mesmo !
      kkkk
      Mas que barbaridade.
      (com todo respeito ao nick do colega)

      12+
      • avatar
  • Alemon Fritz 10 de janeiro de 2017 at 10:06

    kkkk cada uma dos corvos
    “Então o momento para comprar é agora, até o meio do ano que vem”, diz. (agora até ano que vem…)
    “A desvantagem, ele conta, é que geralmente nesses casos se cobra uma entrada maior que aquela de antes ou durante a obra”… kkkkk (isso porque é estoque de sobras)

    “Manter essas unidades acaba sendo prejudicial para a construtora, já que, além do dinheiro que se deixa de arrecadar ao não vender, soma-se a isso custos como manutenção e taxa de condomínio…” compre que é bom agora..

    10+
    • avatar
    • avatar
  • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:08

    Mestre dos Magos, Alemon Fritz e turma de SC. Lembram que eu tinha postado várias vezes a situação da construtora ARKA de Bal. Camboriú. Pois é. O Residencial Bora Bora realmente não vai mais. Parou. (perto da 2700)
    Vários Jardineiros (adoradores de PrAnta) estão na Justiça reivindicando direitos.

    22+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:10
      • mestre dos magos 10 de janeiro de 2017 at 12:51

        Vixi a construtora já está praticando estelionato para continuar pedalando. Mas fica tranquilo From, em BC não tem crise.
        Ano passado fui ver um ap de estudante. E o corretor falou que não tem crise em BC, que se tivesse mil aps, estaria vendendo e alugando direto. Depois de mais uns 5 minutos de conversa…. Ele falou que teve que entregar o apartamento que ele alugava em BC, pois estava difícil de manter, e voltou a morar com os pais em Camboriú kkkkkk. Quando ele falou isso eu olhei para ele com aquela cara, mas não estava bombando os imóveis aqui em BC, cara ficou meio sem jeito e arrependido do que disse. Esses corvos kkkk.

        19+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • From_The_Tower 11 de janeiro de 2017 at 08:03

          Essa foi boa !!!
          Mudou o tom em poucos minutos !

          2+
    • BolhistaFloripa 10 de janeiro de 2017 at 12:20

      Eu lembro de você ter postado sobre esse prédio. Realmente, comprar na planta não é uma ideia inteligente.

      3+
      • avatar
      • From_The_Tower 11 de janeiro de 2017 at 08:03

        E eles ofereciam no final de 2014… prechinchas na PrAnta.
        de 800k por 400k. Era para pegar os incautos antes do estouro.

        2+
  • macca 10 de janeiro de 2017 at 10:10

    Pelo menos está pagando pelo que é dele. Só que não, já estão com saudades dos tempos em que pagavam aluguel (Pacaembu).

    http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2017/01/10/a-arena-foi-um-erro-diz-responsavel-por-estudo-de-contas-do-corinthians.htm

    16+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • LZ 10 de janeiro de 2017 at 13:44

      Pagando aluguel do Pacaembu, gerava lucro de quase 3Mi de reais POR JOGO!
      Agora paga pra jogar na Arena com custo inflado.
      JENIOS

      10+
      • avatar
  • Alemon Fritz 10 de janeiro de 2017 at 10:11

    kkk lembro de um “fininho” que vc falava..

    o nome agora Residencial Borra Borra, da Arka com o prejuizo.

    7+
    • avatar
    • avatar
    • vitera 10 de janeiro de 2017 at 10:12

      Alemon
      Fiquei curioso num outro tópico sobre o apartamento com IPTU de 7k. Quantos m²??? Um amigo tem um AP de 170m² zona nobre e paga 3,5k.

      6+
      • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:15

        Tenho CVR do Iptu do apto em que estou agora. (Balneário Camboriu)
        Apto novo. Entregue em 2015. 130 metros quadrados privados. Valor venal no carnê do IPTU X. Cobraram 1% do valor venal. Mais 0,3% da garagem (carnê separado)
        Relação do valor venal para valor pago: 6 vezes
        Anonymous pira !

        11+
        • avatar
        • avatar
        • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:16

          eu achei muito barato.
          Eu pagava no ex-apÊ de BC 800,00 reais + 190,00 da garagem.

          Em Curitiba fica na média de 800,00 . Dividido em 12 parcelas.

          6+
          • mestre dos magos 10 de janeiro de 2017 at 12:54

            Já vi ap de frente para o mar na barra sul, que é anunciado por 2kk, e na escritura está 28mil rsrsrs. Ocultação mode on. Queria saber como conseguiu escriturar por esse valor.

            8+
            • avatar
      • Alemon Fritz 10 de janeiro de 2017 at 10:23

        é um da Koerich, perto do shopping beira mar de floripa… não sei o nome aqui

        3+
        • Diego F. 10 de janeiro de 2017 at 11:42

          Deve ser o Linda Koerich, que tem aptos de mais de 400m².

          Moro na região e meu IPTU sai ~R$ 18/m², considerando lixo.

          7+
          • avatar
  • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 10:12

    Picos e vales
    Utilizando a ferramenta http://www.economist.com/blogs/dailychart/2011/11/global-house-prices
    Na aba “Prices in real terms”
    Selecionando: Greece, Ireland, Netherlands, Spain e United States
    Período de Q1/2000 a Q1/2016

    Chegamos aos valores e data de pico e vale
    Greece Q3/2007 (158.3) – Q4/2015 (88.1) = queda de 44%, mas ainda não atingiu vale
    Ireland Q1/2007 (175.0) – Q1/2013 (89.3) = queda de 49% em 6 anos.
    Netherlands Q3/2008 (130.2) – Q1/2014 (98.1) = queda de 25% em 5,5 anos
    Spain Q3/2007 (208.3) – Q4/2013 (118.9) = queda de 43% em 6 anos
    United States Q1/2006 (154.5) – Q1/2012 (100.9) = queda de 35% em 6 anos.

    Nota-se um padrão temporal de 6 anos entre o pico e o vale.
    Isto significa que Brasília, que atingiu o pico em dezembro/2013 (de acordo com o zap), o vale seria em dezembro/2019.
    Em São Paulo foi o pico foi em maio/2015 e Hell de Janeiro em março/2015

    25+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • MauricioSP 10 de janeiro de 2017 at 10:20

    Li hoje no Reddit sobre americanos que compraram casas em 2006 ou 2007, antes do estouro da bolha lá em 2008, e com preços que não se recuperaram até hoje
    https://www.reddit.com/r/AskReddit/comments/5mxegm/what_is_not_worth_buying/dc770jf/

    My in-laws bought their house in 2005/4 for $1.5M (ludicrous, I know), and it went down to low $700’s at the bottom of the market. Now they’re close to the break-even point. They plan on selling it.

    Interessante vários comentários sobre como o imóvel perdeu 1/3 ou mais do valor, e agora 10 anos depois está próximo do “break-even”, ou seja do valor que compraram. Claro que não consideram na conta o custo de oportunidade ou inflação…

    15+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:21

      Brick Lovianismo feelings……
      kkkk

      7+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 10:22

    Pera ai, o ZAP fala que o m2 em SP é , em média, de R$ 8.612 e o Viva Real fala em R$6.829
    Quem estará certo?
    http://fipezap.zapimoveis.com.br/preco-dos-imoveis-tem-maior-aumento-em-14-meses/

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • tfox 10 de janeiro de 2017 at 10:42

      o que o que eu acho legal é dar enfase “na maior alta em 14 meses” e ela ser de apenas o,12%… é de se matar de tanto rir

      17+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 10:24

    CA
    Onde o Fernando comprou o apartamento dele mesmo ?
    http://www.liveimoveis.com.br/valor-m2-venda

    7+
    • avatar
    • From_The_Tower 10 de janeiro de 2017 at 10:25

      O dele é diferente.
      O corvo jurou de pé junto que era uma pechincha.

      14+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • CA 10 de janeiro de 2017 at 10:50

      Cesar_DF,

      Se não me engano, foi na Vila Mariana.

      Sei que é a página ativa deste site neste momento, no entanto, no rodapé do mesmo tem a seguinte menção:

      “O Estado de São Paulo/ Caderno de Imóveis / Bolsa de imóveis / 06-03-2011”

      5+
      • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 11:02

        Agora que vi a nota de rodapé, estes valores são de 2011

        4+
        • Fernando 11 de janeiro de 2017 at 18:49

          Além disso, desatualizados para 2011. Diria que são de 2008.

          Sonho meu……

          0
  • MauricioSP 10 de janeiro de 2017 at 11:26

    O problema da análise é como a teoria econômica do homo economicus, onde um indivíduo teria todas as informações para tomada de decisão racional. Mas a realidade é bem longe disso. Ninguém previu a guerra do Iraque, o ataque às torres gêmeas, a queda da URSS, o congelamento da poupança pelo Collor, a Quantitative Easing dos EUA e agora da Europa/Japão, para falar de grandes eventos econômicos que presenciei. A pessoa comum lê depois nos jornais e reage como pode…

    3+
  • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 11:49

    Muito triste!

    “10/01/2017 às 05h00 21 Crise leva mais famílias a morar na rua

    Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/brasil/4831060/crise-leva-mais-familias-morar-na-rua

    5+
    • job 10 de janeiro de 2017 at 12:01

      Muito triste mesmo né Cajuzinha… ao menos se a população em geral tivesse um pouco mais de consciência, poupasse um pouco de dinheiro por mês, aplicasse em uma renda fixa com rentabilidade boa. Ia ter reserva de dinheiro pra se manter em caso de desemprego, ao menos por um tempo.
      Mas faz justamente o contrário, na maioria dos casos gasta dinheiro com celular caro, roupa de marca, se endivida até o pescoço com imóvel e carro, e acha que está progredindo na vida. Aí surge um imprevisto na vida e leva uma enrabada forte. Eu estava seguindo esse mesmo caminho na vida, que agora critico aqui nessa mensagem, estava com ap financiado, emprestimo pra compra de carro, e gastava todo o resto do dinheiro em eletronicos, nao sobrava um tostão por mês. Graças a Deus um colega me apresentou esse site, que posso dizer q mudou minha vida pra melhor, e hoje ja durmo bem tranquilo, sem dividas e vendo a renda crescer dia após dia…

      32+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • job 10 de janeiro de 2017 at 12:05

        Logicamente que não da pra generalizar tb, muitas pessoas de baixa renda só ganham o sufiente pra comprar comida e pagar o aluguel de um barraco, aí realmente é muito complicado…

        29+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 14:12

        Entendo sua crítica, mas como você bem disse “se manter em caso de desemprego, ao menos por um tempo.”, a questão é justamente esta, o tempo. Essa crise está muito longa e vai demorar ainda a passar, e, infelizmente, mesmo aqueles que fizeram o dever de casa, poupando ainda que um pouco, já não conseguem se manter. Muito triste!

        13+
        • avatar
        • avatar
    • Ilusionista 10 de janeiro de 2017 at 12:57

      um retrato de toda esta decadência é a região do Campo Belo, em SP, bem na Av. Roberto Marinho

      antes da Copa:
      atraiu muitos investidores pela grande expansão imobiliária e elevação do m2, justamente pela promessa da entrega do monotrilho que ligaria o Aeroporto ao estádio do Morumbi por causa da copa do mundo.
      hoje:
      inúmeras unidades de médio e alto padrão desocupadas a espera de “investidores”, a obra do monotrilho parada sendo ocupada por barracos de madeira, lonas no canteiro central, usuários de crack por todos os lados abordando os veículos……
      Muito deprimente para quem investiu alto e, ainda, olhando lá de cima do terraço gourmet observando toda aquela decadência…

      10+
      • avatar
  • Lucas 10 de janeiro de 2017 at 12:09

    voltei

    23+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • BolhistaFloripa 10 de janeiro de 2017 at 12:25

      Seja bem-vindo de volta, Sr.

      5+
      • avatar
      • avatar
    • Urso 10 de janeiro de 2017 at 12:35

      Ah Véi!

      4+
      • avatar
    • Libertario 10 de janeiro de 2017 at 17:35

      Até que enfim!
      Feliz ano novo. Com muito PMJ e noites psicodélicas.

      1+
      • avatar
    • Margarida 10 de janeiro de 2017 at 19:47

      Boa!

      1+
      • avatar
  • Alemon Fritz 10 de janeiro de 2017 at 12:39

    a pequena e estável mortalidade Brasileira:

    -MG registra 23 casos suspeitos de febre amarela, com 14 mortes
    -Mortes por febre amarela põem em alerta cidades do norte paulista

    se a febre amarela entrar no ciclo do mosquito Aedes vai ser feio, pois é de 5 dias, mais rapido que a dengue….

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Urso 10 de janeiro de 2017 at 12:39

    Dispair is coming.

    6+
  • Alemon Fritz 10 de janeiro de 2017 at 12:51

    Jornal hoje mostrando residencial que poderia abrigar 210 familias no recife… abandonado. ..sem previsão de retorno
    existem 15 obras, são 7 totalmente paradas e uma com 500 apartamentos… abandonados..
    todos os apartamentos foram depredados.

    8+
    • avatar
    • avatar
    • by pass 10 de janeiro de 2017 at 13:06

      Todos os dias vejo terrenos que poderiam abrigar milhares de famílias. Onde poderia ser concedido as pessoas desde que produzissem algo. Olha que bacana, o governo daria terra e cobraria imposto depois, seja sobre produtos, seja sobre a casa levantada com muito esforço. Mas não, isso seria sacanagem deixar pessoas pobres se virar para levantar o próprio barraco. O certo é MCMV, sim, claro, nois levanta a parada de todo jeito, depois vende e escravisa o coitado pelo resto da vida. Jornalismo daqui, já desisti!

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Nelson Schadenfreude 10 de janeiro de 2017 at 13:33

    Acordei com medo hoje. De Donald Trump.

    3+
    • avatar
  • B.Y.O.B 10 de janeiro de 2017 at 13:34

    O Brazil vem caindo no indice “Economic Freedom” ano após ano, atualmente é o 122º colocado, porém a média mundial vem crescendo todos os anos. Esse indice é bem interessante pois ele é composto por questões economicas, mas também politicas.

    http://www.heritage.org/index/heatmap

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 14:16

    Imóveis vão a leilão em Santos e Guarujá/SP
    Valores reduzidos estão estimulando cada vez mais pessoas de realizarem o sonho da casa própria

    kkkkkkkkkkkk

    As previsões para o mercado imobiliário em 2017 são positivas, o que significa novos lançamentos, valorização imobiliária e preços altos. Em leilão o cenário de compra é outro, os valores são baixos, ou seja, um escape. A Sold está realizando diversos leilões de imóveis que em sua maior parte não se restringem somente ao pagamento à vista. São imóveis com valores abaixo da avaliação e diversas formas de pagamento num leilão on-line no portal da Sold.

    http://www.diariodolitoral.com.br/santos/imoveis-vao-a-leilao-em-santos-e-guarujasp/94185/

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 14:24

    T Ó P I C O ! “A incorporadora tem registrado 70% de rescisões nos projetos. De janeiro a setembro, a Rossi teve vendas
    líquidas de R$ 68 milhões e distratos de R$ 500 milhões. ”

    Família volta a comandar Rossi depois de 15 anos Por Chiara Quintão e Graziella Valenti | De São Paulo”


    Ele será responsável pela interlocução com os bancos credores, nesta etapa crucial para a definição do futuro
    da Rossi, e ficará à frente de uma incorporadora que tenta se reinventar. “Os bancos querem identificar a
    intenção de perpetuidade da companhia”, disse João Paulo Rossi, em entrevista exclusiva ao Valor.
    A Rossi tem dívida bruta de R$ 2,026 bilhões ­ R$ 1,2 bilhão de vencimentos corporativos e R$ 800 milhões de
    financiamentos à produção. Segundo o Valor apurou, a companhia está negociando acordo em bloco com os
    principais credores ­ Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal ­ e oferecendo dação de ativos em
    garantia como pagamento. No fim de setembro, a Rossi tinha alavancagem medida por dívida líquida sobre
    patrimônio líquido de 240,4%.
    O retorno da família ao comando da operação foi apresentado aos bancos credores como um movimento que
    demonstra o empenho na busca de uma solução definitiva. A ideia é mostrar que a Rossi tem dono, e que eles
    querem garantir o futuro da empresa. O herdeiro executivo também chega para unificar a liderança e agilizar o
    processo de decisão.”

    10/01/2017 Família volta a comandar Rossi depois de 15 anos | Valor Econômico
    http://www.valor.com.br/empresas/4830984/familia­volta­comandar­rossi­depois­de­15­anos 1/1
    á dois anos sem lançar produtos e tendo atingido seu Valor Geral de Vendas (VGV) máximo de R$ 4,3 bilhões
    em 2011, no auge do setor, a Rossi mira o patamar anual de R$ 400 milhões a R$ 600 milhões, sem prazo para
    que isso ocorra. A empresa considera que será necessário retomar lançamentos para que seja possível pagar
    dívidas, mas a apresentação de novos projetos depende da melhora das condições de mercado. “A Rossi se
    preparou para ser a maior empresa do setor e, agora, se prepara para ser rentável”, afirma.
    Em julho de 2016, a Rossi concluiu a formalização de rolagem de dívida de R$ 820 milhões com o Bradesco,
    seu maior credor. Mas para que o acordo fosse bem sucedido, seria necessário a companhia gerar caixa, o que
    não ocorreu, principalmente devido aos distratos. Segundo o Valor apurou, a Rossi esperava quase R$ 100
    milhões a mais no seu fluxo de caixa, em 2016, o que não ocorreu.
    A incorporadora tem registrado 70% de rescisões nos projetos. De janeiro a setembro, a Rossi teve vendas
    líquidas de R$ 68 milhões e distratos de R$ 500 milhões. Também contribuiram para a frustração das
    projeções, menor velocidade de vendas em 2016, queda nos preços e demora na conclusão dos repasses de
    unidades prontas.
    O mercado avalia que a Rossi é uma das incorporadoras que pode ter de recorrer a uma recuperação judicial
    para equacionar sua situação financeira, mas o novo presidente diz que esse caminho só se justifica quando
    uma companhia não encontra outras saídas. A Rossi fará novos cortes na sua estrutura ­ o volume expressivo
    de entregas ocorridas no ano passado contribuirá bastante para isso ­, pretende ser mais agressiva na concessão
    de descontos e securitizar recebíveis, com o propósito de geração de caixa. “O nosso nome está à frente do
    negócio”, ressalta.
    A incorporadora continua a vender terrenos em regiões que deixaram de ser consideradas estratégicas.

    http://www.valor.com.br/empresas/4830984/familia-volta-comandar-rossi-depois-de-15-anos

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 14:26

      “Em julho de 2016, a Rossi concluiu a formalização de rolagem de dívida de R$ 820 milhões com o Bradesco,
      seu maior credor. Mas para que o acordo fosse bem sucedido, seria necessário a companhia gerar caixa, o que
      não ocorreu, principalmente devido aos distratos. Segundo o Valor apurou, a Rossi esperava quase R$ 100
      milhões a mais no seu fluxo de caixa, em 2016, o que não ocorreu.
      A incorporadora tem registrado 70% de rescisões nos projetos.”

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • LZ 11 de janeiro de 2017 at 07:13

        Ou seja, somente 30% do construído foi vendido.
        Olha ai o número mágico de 30% hauhaua.
        70% da produção da empresa virou estoque e pior, o valor financiado com os bancos não cobrem o valor de venda mesmo com redução de preço, pelo simples fato que o empreendimento foi construído com custos acima dos aceitáveis hoje pelo mercado.

        Mesmo que abaixe o preço, ainda é caro e não cobre os custos da Rossi.
        Ela não pode reduzir o preço dos ativos se não os ativos mais caros automaticamente caem de preço e a dívida fica ainda mais impagável.

        Já era…

        4+
        • avatar
    • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 14:31

      MELHOR PARTE:

      ” A Rossi fará novos cortes na sua estrutura ­ o volume expressivo
      de entregas ocorridas no ano passado contribuirá bastante para isso ­, pretende ser mais agressiva na concessão
      de descontos e securitizar recebíveis, com o propósito de geração de caixa. “

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • O Cramulhao de FHCigienopolis45 10 de janeiro de 2017 at 21:17

      Eu Falei…

      4+
      • avatar
      • avatar
  • Scaravelhoo 10 de janeiro de 2017 at 14:26

    Itaú Personalité….
    Alguém recomenda?
    Meu velho está com bom relacionamento com o banco e disse que os filhos poderiam gozar de pelo menos um ano de taxas privilegiadas… de acordo com investimentos de cada um.

    Não sei se entro pela comodidade ou se invisto pela easy invest mesmo…. a diferença de custos é muito relevante ou vale a consultoria do personalité?

    3+
    • avatar
    • B.Y.O.B 10 de janeiro de 2017 at 14:44

      Não serve para nada, invista por uma corretora, por mais que alguém te diga ao contrário no fim das contas o que vale são taxas baixas para aumentar seu lucro sobre os investimentos. Eu já fui correntista de quase todos os bancos “Prime”, Personalite, Estilo, Prime, Van Gogh. Eu mudava de acordo com a empresa que estava, e eles eram “bons” somente quando não tinhamos acesso as transações pela internet (mais de 10 anos atrás), eu sinceramente não lembro a ultima vez que fui ai banco para fazer algo a não ser sacar dinheiro.

      10+
      • avatar
    • progigo 10 de janeiro de 2017 at 16:06

      easynvest é uma boa, vira e mexe tem opções boas de LCA. LCI e LC… se não me engano, é uma das poucas que não cobram taxa de adm pra TD

      4+
      • avatar
  • Burbuja 10 de janeiro de 2017 at 15:10

    CVR – Mudança de paradigma

    Fala, pessoal! Semana passada comentei que sairia em busca de apto e postaria os CVR’s. No fim das contas não houve muito drama para encontrar algo que eu gostasse. Visitei apenas quatro apartamentos e fechei negócio. O que vim relatar é que nas breves conversas que tive com as pessoas ao meu redor, todos estão sentindo uma mudança de paradigma com essa crise, cada vez mais perceptível aos olhos da população que ela será longa e duradoura. Tenho esperanças que muita gente pode aprender pela dor sim. Alguns exemplos:

    – Todos os quatro anúncios que encontrei foram via Olx, sendo dois deles com corvo. Ao fazer contato todos estavam super disponíveis a negociar o valor. Outros que me mandaram preços caros eu agradeci e deixei pra lá. Depois ficavam implorando pra eu ir olhar o apto e ver se gostavam, ou se queria um mais barato. Acabava bloqueando eles no WhatsApp kkkk.

    – Ao visitar o que gostei, que já estava com um valor muito bacana pra região, pedi um desconto de 20%. O corvo falou que era impossível a proprietária ceder com esse desconto, devidos aos custos de condomínio. Falei que o anúncio estava na Olx fazia dois meses e era mais um argumento pra ela aceitar fechar. O corvo nem esbravejou, eu notava ele meio cabisbaixo, sem aquela moral de outros momentos (aluguei apto em 2013 e 2015 e o comportamento deles era outro, faziam terrorismo com subida de preços e interessados fictícios), dizendo que realmente fazia sentido e iria falar com ela (fosse outra hora nem mandaria a proposta). No final das contas fechamos com um desconto menor e alguns reparos a serem feitos com urgência pra que eu entrasse. Também não pediram nenhum tipo de garantia, apenas o aluguel adiantado.

    – Sobre os outros três que visitei, um era com corvo. Também começou cheio da marra, dizendo que seria difícil negociar o valor (ofereci uns 15% OFF) porque o apto era muito disputado e numa região privilegiada. Continuei olhando o apto e falei que realmente mesmo que ele aceitasse a minha proposta não me interessaria, pois os móveis embutidos eram muito feios e pouco funcionais. O corvo mudou o discurso e ficou mais flexível, dizendo que ia “tentar” levar a minha proposta. Agradeci, mas disse que realmente o apto não me interessava mais.

    – Ao conversar com as pessoas sobre os valores que eu encontrava (aptos de 3 quartos por 2 mil reais, quase o dobro da renda média da cidade), todos comentam: “ah, esses preços são insustentáveis, vai cair muito, o mercado tá parado, imóvel não vale tudo isso”, etc etc etc. Fosse outra hora diriam “é esse o valor mesmo, se não alugar agora vai aumentar e etc…”.

    – Complemento: estou adorando pesquisar preços de móveis nas lojas e conseguir até 15% off, prioridade na entrega, atendimento VIP, só pelo simples fato de poder pagar à vista kkkkk. A maioria não acredita quando pergunto, tentam esclarecer que não pode ser nem em 1x no cartão ou débito, é em espécie mesmo, e quando confirmo que pagaria dessa forma ficam surpresos.

    Conheci esse blog em 2013, quando percebi que havia algo muito errado com o mercado, como quase todo mundo aqui, e estou cada vez mais adepto do bolhismo. Naquela época já tentava poupar um pouco, mas me deprimia um pouco não poder comprar/financiar a morada desejada. Hoje posso pagar 100% do aluguel (com condomínio e IPTU) apenas com os juros, e ainda sobra pra pagar mais alguma conta. E o melhor de tudo: no local que desejo, onde tenho qualidade de vida (claro, um apto simples). Minha meta em 2013 era chegar na situação que estou agora pra desencanar de comprar imóvel. Agora a meta é ter o suficiente pra alugar um apto de mais alto padrão e ter todas as contas pagas com os juros até o início de 2019. E até lá que sigam afundando os apaixonados por tijolos!

    68+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 15:45

    Diante dos problemas financeiros das incorporadoras, os bancos aumentaram a exigência do patrimônio de afetação para financiar as obras, o que deve elevar o uso do instrumento.

    Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/empresas/4781651/bancos-tendem-exigir-mais-o-instrumento ou as ferramentas oferecidas na página.

    6+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Lucas 10 de janeiro de 2017 at 16:36

      cabo de sair do banco na mesma page d ejornal
      – a noticia da roçi
      – essa da provisão dos calotes acima do esperado
      – e a melhor de todas a CVM entrou no segmento dos condos – hotéis, aquela joça que os corvo tentava empurrava toda vez que a gente psiava num resort, agora precisa de registro na CVM e seguir as regras, que mesmo não sendo lá grande coisa é uma pancada nas maracutaias corvísticas, isso é um pulo pra considerar os na-planta como investimento mobiliário. Acabou a farra!!!

      17+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cesar_DF 10 de janeiro de 2017 at 15:51

    Moradores ficam no prejuízo

    Autoisenção nas despesas de condomínio de apartamentos vazios ainda em posse de construtoras é ilegal e gera custos que impedem investimentos internos

    Prática comum entre construtoras e incorporadoras, a autoisenção de taxas condominiais prejudica moradores. Além disso, a exoneração é ilegal, pois as empresas enquanto responsáveis pela entrega do condomínio e pela venda dos apartamentos permanecem proprietárias dos imóveis ainda não comercializados, sendo, portanto, condôminos.

    A síndica de um residencial localizado no Setor Bueno, que não quis se identificar, explica que dos 88 apartamentos, 28 pertencem à incorporadora. Sendo assim, a cobrança que hoje custa R$ 630,66 poderia custar aos moradores R$ 430. Ou seja, a taxa de condomínio poderia ser até 30% mais barata para os moradores se a construtora arcasse com as despesas.

    http://www.opopular.com.br/editorias/economia/moradores-ficam-no-preju%C3%ADzo-1.1200443

    19+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • progigo 10 de janeiro de 2017 at 15:59

    sou leitor do blog há uns 4 anos, antes do grande “cisma”, mas só agora fiz meu cadastro aqui… muito agradecido pelas infos que obtenho aqui e espero contribuir com o que puder

    só tenho um CVR off pra postar, ocorreu hoje (quando tiver mais, vou psotando, sou FP então já viu, aqui a safra é grande…):

    – Sra. progigo teve visto B1/B2 recusado hoje – não deram motivos válidos pra recusa… apresentou toda a documentação, inclusive ela tem renda bem maior da que eu tinha quando tirei o meu há 6 anos atrás;
    – maior parte do povo que saiu do consulado antes dela também saiu com cara de anus;
    – aumento na recusa de vistos em 2016 foi de 3x comparado com 2015 (de 5% para 15% – eu acho que já deve tá na metade só em 2017 – depois o Trump que é o xenófobo…);

    Conclusão: manada de bananenses em despair tentando tirar visto e dar uma de ixperto pra emigrar pros EUA aproveitando enquanto Trump não assume dia 20; governo sacando a Gersonilidade geral e carimbando todo mundo.
    não acho muito que vai rolar todo esse bloqueio quando o Trump assumir: o cara é business man, quando vierem no pescoço dele os empresários do setor hoteleiro (tipo, ELE MESMO) e quem trabalha com turismo no geral, ele provavelmente vai ceder…

    23+
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 10 de janeiro de 2017 at 16:37

    Tô loco pra contar as 9dades e fazer as previsões 2017 do véio
    vi muita coisa nesses 15 dias, muita pra contar
    assim que o BB virar a página eu começo

    12+
    • avatar
    • avatar
    • Libertario 10 de janeiro de 2017 at 17:38

      Da uma amostra já.
      Faz o índice pelo menos.

      5+
      • avatar
  • Cajuzinha 10 de janeiro de 2017 at 16:40

    Emprego na construção civil cai pelo 26º mês em novembro
    No acumulado de 12 meses, saldo negativo é de 437 mil postos de trabalho no setor.

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Money_Addicted 10 de janeiro de 2017 at 17:26

    CVR – FGTS

    Para nao perder o costume eu deixo aqui o meu mimimi pois o meu fgts “rendeu” apenas 0.047 liquido, isso sem contar a dor de cabeca q tive, enqto isso os investidores em imoveis estao tirando muito mais do q isso sem dor de cabeca nenhuma.

    #SQN

    [ ]s

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Libertario 10 de janeiro de 2017 at 17:44

      Mesmo rendendo menos da metade da inflação (como diria o Arthur) se comparado a maior parte dos anuncios de imoveis, vale mais a pena deixar o dinheiro rendendo pro governo, do que comprar um bolhudo.
      Melhor ganhar menos do que gastar.

      7+
      • avatar
      • avatar
  • O Cramulhao de FHCigienopolis45 10 de janeiro de 2017 at 21:29

    Acho que vou fazer dois gols com um chute : mudar pra um apartamento melhor, e pagando mesmo. De quebra, vou mandar o propriOtário pastar! Até quinta decido onde vai ser a nova morada!

    Ah, que alegria morar a 5 minutos andando do trabalho em plena SP-capital, coisa que só o aluguel em período de “despair ” proporcionam.

    Obs: falávamos das coisas

    Obs2: corre negada!!! …. acho que o despair chegou nos “intocáveis” dos Jardins. Tem classe média alta baixando o preço dos bolhudos vazios po 2 , 3 meses! Só não deem seus Whatsapps para os corvos : é msgs das 7 da manhã ate 10 da noite!

    24+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • O Cramulhao de FHCigienopolis45 10 de janeiro de 2017 at 23:41

      Correcao: apartamento maior, pagando MENOS!

      Obs: falávamos das coisas ruins sobre alguém no tópico anterior….eis as coisas boas nesse tópico, entre elas, o poder de negociação proporcionado pela liquidez!

      2+
      • avatar
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 11 de janeiro de 2017 at 08:50

        Obs: maldito corretor ortográfico. Digo que falávamos de ALUGUEL, e que a capacidade de negociação que períodos de desespero proporcionam.

        3+
        • avatar
        • avatar
        • Exterminador de Corvos 12 de janeiro de 2017 at 15:23

          Rapaz…..
          Eu sou muito ruim de negócio mesmo. Eu não consigo isso e estou tentando há algum tempo. Moro vizinho a Higienópolis e o que eu vejo aqui são centenas de aptos fechados. Faço as propostas e nem me respondem de volta…estou quase mudando de bairro porque quero que o meu dinheiro valha mais. O proprietário do meu apto atual já baixou 10% no último ano, mas eu quero mais. Com o que eu pago hoje, seu eu puser mais R$300,00 a.m. em tese eu poderia pegar um apto do dobro do tamanho….mas eh cada ap porcaria aqui na região que dá raiva…
          Ah, comparei com outras regiões, e em Santa Cecília está no preço dos Jardins…..tem apto em Pinheiros, ali na João Moura por exemplo, mais barato que nas travessas da Av. Angélica…..surreal esse bairro…
          Alguma sugestão, amigo ?

          0
    • odorico 11 de janeiro de 2017 at 07:14

      CVR 1: Passeando pelo lago gaúcho aqui em BSB já vejo anúncio no lago gaúcho do tipo “compre uma casa e ganhe carro na garagem”….tipo venda casada…kkk.
      CVR 2: Tenho um conhecido em órgão da elite federal, servidores que furam teto constitucional. Ele é 666 e veio me falar de oportunidades que eu deveria aproveitar. Ele disse que nos classificados da intranet está chovendo anúncios de imóveis alto padrão no noroeste, sudoeste, asas e lago direto com os colegas com mensagens do tipo: “estudo qualquer proposta”. Ele é novo lá, mas os anunciantes são sempre servidores das antigas, que se gabavam de ter 3 ou 4 imóveis em regiões nobres. Enfim, a ficha está caindo até pra elite do funcionalismo do DF que notou que imóvel é “imóvel”, isto é, você não consegue fazer o que quer na hora que quer. Imagina o cara ter 4 imóveis “nem-nem” com condomínio de pelo menos 1 mil cada.

      22+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cadeludo 11 de janeiro de 2017 at 00:21

    estou me coçando pra entrar vendido em pdgr3 estão atraíndo sardinhas na compra
    só tenho medo de tomar uma rasteira dessa gentalha da bovespa

    4+
    • avatar
  • Carlos 11 de janeiro de 2017 at 01:04

    OFF – Recomendação, já recomendei aquí mas acredito tem muita gente nova que não conhece ainda.
    Para quem entende inglês ou está estudando vale muito a pena ouvir os programas de Tom Leykis.
    O monólogo da hora 1 hoje é excelente e fala sobre crise, tempos difícies, frustração, motivação oportunidades e sucesso.
    Toda segunda-feira tem a Money Monday sobre como investir e principalmente como economizar dinheiro.

    O stream repete o programa o dia todo, vale muito a pena ter uma assinatura e poder baixar os programas e escutar onde quiser, inclusive tem milhares de horas de conteúde desde 2012.

    Tem apps para Android e IPhone também.

    Hour 1: Take advantage of the situation of those spinning their wheels since the election of Trump.

    https://www.premiumtom.com

    5+
    • avatar
    • Rene Fraçoá 11 de janeiro de 2017 at 11:00

      Boa Carlos, já viste as 101 regras dele? Tem no youtube, traduções etc…vale muito a pena conferir.

      1+
  • odorico 11 de janeiro de 2017 at 07:01

    Façam como o Mauro Halfteimoso, não matem a galinha de ovos de ouro….
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2017/01/11/CONSIDERE-A-INFLACAO-NA-HORA-DE-FINANCIAR-UM-IMOVEL.htm
    A dica é sempre: PNJ e sem estresse.

    8+
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 11 de janeiro de 2017 at 08:05

      Lembram da dica que ele deu para um casal?

      pqp… .tirem os filhos da escola particular… mas continuem pagando os tijolos mágicos. É um Brick Lover mesmo !
      Ele considera a inflação do período para correlacionar com o Saldo Devedor. É justamente o contrário. O Dono do imóvel (banco) fez isso.
      Considerou a inflação e o indexador para COBRAR os juros.

      7+
      • avatar
  • Cesar_DF 11 de janeiro de 2017 at 07:26

    Os números que demonstram como a olimpíada BOMBOU

    Taxa de ocupação de assentos de ônibus = 47% (queda de 20% em relação a 2015)
    Queda no movimento dos aeroportos em 500 mil pessoas, em relação a 2015.

    Londres registrou queda no turismo no mês da Olimpíada em 2012, Pequim também caiu na sua vez em 2008, ambos os casos destrinchados pelo autor Andrew Zimbalist no livro Circus maximus. Os turistas regulares mudam de destino para evitar congestionamentos, riscos para a segurança e preços inflacionados. O Brasil, nas cidades envolvidas com o evento, também recebeu menos pessoas.
    a pergunta que fica é: valeu gastar R$ 40 bilhões para que o Rio de Janeiro atraísse 167 mil passageiros a mais?

    http://epoca.globo.com/esporte/epoca-esporte-clube/noticia/2017/01/olimpiada-frustra-empresas-de-onibus-rio-recebeu-10-menos-passageiros-em-agosto.html
    http://epoca.globo.com/vida/esporte/noticia/2016/10/no-mes-da-olimpiada-os-aeroportos-registraram-quase-500-mil-passageiros-menos.html

    9+
    • avatar
    • avatar
    • Minions 11 de janeiro de 2017 at 08:03

      Ah, mas teve o legado! rs
      Vila Olímpica, Itaquerão…

      7+
      • avatar
      • avatar
  • Alemon Fritz 11 de janeiro de 2017 at 07:59

    Flux car index (foi mais):

    Fluxo total de veículos nas estradas acumula queda de 3,6% em 2016, diz ABCR
    (-6% nos pesados)
    Já no Rio de Janeiro o ano fechou com baixa de 3,4% (sendo -2,2% nos leves e -9,4% nos pesados). E em São Paulo a contração total foi de 3,7% (-2,9% nos leves e -6,2% nos pesados).
    www em.

    5+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 11 de janeiro de 2017 at 08:07

      Aqui em BC está muito calmo.
      Sai agora há pouco para a feira ali na Central. Vazio… vazio.
      Estou vendo mais ônibus da Argentina do que carros bananenses.
      Realmente essa depressão econômica tem disso.
      Povo chegou ao pináculo do endividamento. Ainda se come na BNN mas o resto é tudo na base do crédito (rapa de tacho)

      5+
      • avatar
  • From_The_Tower 11 de janeiro de 2017 at 08:09

    CVR
    Conversando com minha sogra sobre IPVA. Ela comentou que os três carros da casa dela… custarão de IPVA, DPVAT e L. (7.000,00) em 2017.
    No Paraná é na média de 3,5% o tributo.
    Aí eu falei…. pois é … eu pagarei do meu KIA Semi-Novo … 500,00. tudo.
    kkkkk
    Ela quase caiu dura. Aqui em SC é 2%.
    😉

    A galera não faz conta né!? Só compram… por impulso e depois vão levando no tóba.

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Leonardo M. 11 de janeiro de 2017 at 08:49

      SC é o melhor estado da Banania pra se viver(por enquanto).
      RS tá falido, até o PR já passou o PIB do RS.
      Tá cheio de gaúcho subindo pra Floripa, BC e Joinville atrás de emprego.

      Estamos em uma depressão pior que de 1929/1930 graças ao governo corrupto do PT/PMDB. Mas o grande culpado foram os asnos que colocaram esse tranqueiras lá.

      12+
      • avatar
      • avatar
  • From_The_Tower 11 de janeiro de 2017 at 08:12

    CVR2 – A caminho da conversão bolhística
    Ano retrasado comentei com meu irmão sobre o Tesouro Direto.
    Agora estou aqui no apê dele e pedi para ver o extrato da conta.
    O danadinho pegou pré-fixado para 2018 a 16,45% a.a.
    Boa garoto !!!
    Ele viu que rendeu mais de 20% nominal. Aí ele perguntou: “por quê o povo coloca dinheiro na poupança… se aqui dá o dobro!?”

    kkkkk
    Agora ele quer as 2035 e 2050. Mas aí expliquei para ele ter paciência e esperar um momento mais propício. Tivemos grandes oportunidades em 2015 e 2016.

    15+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Leonardo M. 11 de janeiro de 2017 at 08:50

      Quas o triplo meu caro colega kkkkk poupança se quer paga inflação

      2+
      • avatar
    • Exterminador de Corvos 12 de janeiro de 2017 at 16:34

      Taí uma coisa que já passou da hora de eu dominar. Eu não tenho $$ em poupança há muto tempo, mas TD eu não consigo entender. Alguém indica um manual ?

      0
  • Brazil mode OFF 11 de janeiro de 2017 at 08:14

    OFF TOPIC (bem off)
    Boss, desculpa ai pelo post mas acho que vale a informação. Fique a vontade para excluir caso ache improprio.

    Esqueça IPVA, documentação, seguro e custos de manutenção
    ”https://portosegurocarrofacil.com.br/home”

    4+
    • avatar
    • CA 11 de janeiro de 2017 at 09:14

      Brazil mode OFF,

      Muito caro ainda. Para “equalizar” a comparação, você teria que pensar na hipótese de comprar um carro zero todo ano e neste cenário, ainda assim o aluguel pela Porto Seguro sai mais caro.

      Talvez a conta feche e bata com o “emocional” dos pretensos compradores, se considerarmos o seguinte público-alvo (que deve ser aqueles em que eles miram): pessoas que gostariam de ter um carro zero todo ano (=STATUS) e que só compram carros com financiamentos a serem pagos ao longo de anos, arcando com juros elevados, sendo que estas pessoas não querem ter trabalho para revender carro depois, pagar impostos, fazer a manutenção, etc.

      Neste caso que mencionei acima, colocando na conta os juros para aquisição financiada, o “trabalho” com manutenção, burocracia e pagamento de impostos mais o desejo “insaciável” quanto a STATUS, pode até ser que consigam gerar um volume de negócios, mas ainda assim, insuficiente, porque o ganho financeiro se realmente existir, neste cenário ainda será muito baixo e quanto ao status, a pessoa não vai poder dizer que “é dele” (*), sem contar que em meio a crise que vivemos, eles terão poucos interessados que ao mesmo tempo contarão com crédito aprovado e interesse por este status / conforto, se disponibilizando a ter este custo fixo pesado todo mês.

      (*) Se bem que é o mesmo com imóveis, a pessoa enche a boca para dizer que é dele um imóvel financiado em 30 anos, sendo que de acordo com a legislação, o imóvel durante este período pertence ao banco, ele tem apenas o direito de uso enquanto não atrasar mais que 3 parcelas e se quitar tudo que deve, aí é que vai ser dele

      OBS1: fiz uma simulação e considerei 20% de perda do preço no primeiro ano, mais IPVA, Licenciamento, custo de primeira manutenção (considerando atingir 10.000 KM antes de 12 meses) e custo do capital ao longo do tempo pela diferença entre desembolso inicial integral para comprar à vista versus pagamento mensal como aluguel e ao final, o custo do aluguel oferecido pela Porto Seguro ainda estava muito superior.

      OBS2: racionalmente vale mais a pena contar com Uber e carro alugado para viagens esporádicas, ou comprar carro usado, ou utilizar transporte público, opcionalmente como alternativa de mais prejuízo e mais “conforto”, mais ainda mais favorável que esta opção da Porto Seguro, comprar um carro semi-novo ou novo à vista com bom desconto e utilizar ao longo de vários anos. Não recomendaria uma opção como esta da Porto Seguro ou comprar carro novo financiado com base em preço de tabela cheia e os juros pornográficos que são usuais, ainda mais na hipótese de trocar por carro novo em curto período (ex: 2 anos), ambos tem um custo x benefício muito ruim, que só na cabeça de quem é obcecado por status e não tem dinheiro para bancá-lo é que se justifica.

      5+
      • avatar
      • avatar
    • LZ 11 de janeiro de 2017 at 09:32

      Serviço ainda é caro.
      Eu tenho um March, se somar meus custos anuais (IPVA, Seguro, Manutenção), eles ficam na casa dos 3.700,00 a 4.000,00 por ano.
      O carro me custa a média de 333,00 por mês.
      O custo por mês do “Carro Fácil” da porto custa 1660,00 ao mês.
      O custo de serviço deles está 4x mais caro que meu carro.

      Mesmo que eu pegar o carro e vender ele e gerar rendimentos em cima da grana usando o serviço deles, ainda sim custa caro.

      6+
      • avatar
      • avatar
      • Money_Addicted 11 de janeiro de 2017 at 09:48

        colega, soh uma dica, no custo do carro vc precisa colocar a depreciacao e o custo de oportunidade

        7+
        • avatar
        • avatar
        • odorico 11 de janeiro de 2017 at 11:09

          Também acho. Você perde 5% do valor do veículo ao ano (média) no primeiro ano é mais. Sem contar que o dinheiro de um carro aplicado você consegue pelo menos 0,4% mais correção. O que abateria do valor a ser pago no aluguel.

          1+
          • avatar
  • O Cramulhao de FHCigienopolis45 11 de janeiro de 2017 at 08:58

    Sobre a “ROCI” :

    Acho que tem um certo fake de demônio de um bairro nobre paulistano que tinha dito que a coisa era pior do que se esperava, e da taxa de Default combinada com inadimplência era de 67% .

    Esse demônio só na sabia (porque não deixaram ) que os distratos que diziam estar entre 40 e 50% já haviam chegado nos 70%.

    Enfim, como ele disse : é pior do que se imagina.

    Obs: parabéns para quem acertou a sequência da Ciranda da Quebradeira (foi o CA, não?) …depois da PédeGesso vem a ROCI. E depois é a Brookfieds, não ?

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • CA 11 de janeiro de 2017 at 09:40

      Cramulhao,

      A sequência, da esquerda para direita, é a que consta no link abaixo:

      http://defendaseudinheiro.com.br/wp-content/uploads/2014/05/Post-23-imagem-2-corrigida.png

      Na época apostei que a Brookfield poderia quebrar antes da “Roci”. O motivo foi a análise da situação da Brookfield quanto a dívida líquida versus patrimônio liquido ser ainda pior que a da “Roci” e pelo fato da “Roci” estar adotando um conjunto de ações mais “parrudas” à época, como o abandono dos imóveis populares que eram o grande foco dos distratos, abandono de praças menos viáveis, downsizing mais radical entre as construtoras, foi a que primeiro começou a vender terrenos em larga escala, etc.

      Na prática, após este período, a Brookfield ainda conseguiu manter lançamentos, mesmo tendo super-estoques (inclusive no ano de 2016), ou seja, ela pedalou e com isto seus resultados estão mais maquiados que os da “Roci”, mas a Brookfield ainda continua em péssima situação financeira. Tentou sair da BOVESPA (OPA) em 2016, mas não conseguiu, provavelmente vai continuar tentando, pois esta é uma estratégia fundamental deles para que possam fazer todo e qualquer tipo de gambiarra, inclusive intensificar vendas falsas na planta ou adiar reconhecimento de distratos, com muito mais liberdade, com menos fiscalizações.

      Já a “Roci”, em virtude de ter a segunda maior desproporção entre estoque e vendas dentre todas as construtoras já em 2012/2013 (ver gráfico no primeiro link acima, a “Roci” só perdia neste quesito para a Viver), tendo assumido a liderança inconteste neste quesito a partir de 2014, apesar de todas as ações que mencionei acima, está sentindo o peso destes super-estoques que só geram custos crescentes versus receitas cada vez menores e principalmente, como não teve lançamentos em 2016, não pode maquiar os números com vendas falsas na planta. Por isto que o “sonho” da “Roci”, apesar de super-estoques absolutamente absurdos e distratos em percentual recorde incrementando ainda mais estes estoques, é o de voltar a fazer lançamentos em 2017, para que as vendas falsas ajudem a iludir o público e para tentarem ganhar fôlego via falsas esperanças para os credores.

      A disputa está em andamento ainda, vamos ver como vai ficar esta sequência. As duas últimas do gráfico acima (MRV e Gafisa) são as que estão mais pedalando via lançamentos em volumes relevantes e vendas falsas na planta, por isto parece que vivem em um “Universo Paralelo”, mas é apenas um grande truque de ILUSIONISMO sendo estendido ao máximo, o mesmo truque praticado por Viver, PDG e Rossi ao longo de anos, sabemos como isto acaba…

      O link com o trabalho completo para entender porque desde os resultados oficiais das construtoras referentes aos anos de 2012/2013 já era possível prever quais iam quebrar, consta abaixo:

      http://defendaseudinheiro.com.br/a-bolha-imobiliaria-e-o-subprime-brasileiro

      7+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • LZ 11 de janeiro de 2017 at 09:56

        Hoje seja quem pode pedalar ainda continua, mas não vai fugir da quebra.
        Quem não pode mais pedalar tá caindo da bike, Viver, PDG, Rossi…
        Vai virar pó cada uma delas e ao que parece o Governo não vai salvar ngm, até pq não tem $$ para salvá-las.

        Combinou crise de $$ do governo, mais a lambanças das construtoras.
        Pelo jeito não vai haver milagre para elas.

        8+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Leonardo M. 11 de janeiro de 2017 at 10:09

          Exato e multiplica por 250 o caso da Encol nos anos 90 pra hoje.
          Esse vai ser a “marolinha” das construtoras.

          5+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • LZ 11 de janeiro de 2017 at 10:25

            Vai ter tanta gente em escala Nacional com casas compradas com as obras paralisadas e tendo que assumir a construção ou casos que nem do chão vai sair.
            Que nunca mais BR vai querer comprar na planta

            6+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
  • Baby Boy 11 de janeiro de 2017 at 09:05

    CVR
    Estou estressado.
    Vou tirar uma folga , com dinheiro dos 666 pagadores de juros,
    Tchau!

    5+
    • avatar
    • tucura 11 de janeiro de 2017 at 10:38

      Isso, aproveita e lê mais um livro. baby ‘microcefálico’ boy.

      6+
  • Alemão 11 de janeiro de 2017 at 09:20

    OFF
    A previdência superavitária
    Inicio hoje um conjunto de quatro textos em favor da reforma previdenciária. Por já ter escrito muito sobre o assunto e dada a dinâmica que marcará o tratamento da questão no Congresso – onde os opositores à reforma levantarão objeções a aspectos específicos – não vou expor nos artigos as razões, conhecidas por todos, que sustentam a necessidade da reforma e sim irei me deter nas críticas principais que costumam ser feitas a propósito do tema. Os pontos abordados serão: 1- a tese de que “a previdência é superavitária”; 2- a possibilidade de substituir a reforma pela cobrança da dívida ativa; 3- a idade mínima em comparação com a expectativa de vida e 4- as diferenças regionais. Hoje tratarei aqui do primeiro ponto.
    Texto completo em: http://www.valor.com.br/opiniao/4832386/previdencia-superavitaria

    2+
    • avatar
    • joselito 11 de janeiro de 2017 at 09:38

      Site block para non subscribers 🙁

      3+
      • fanfarraum 11 de janeiro de 2017 at 12:37

        Inicio hoje um conjunto de quatro textos em favor da reforma previdenciária. Por já ter escrito muito sobre o
        assunto e dada a dinâmica que marcará o tratamento da questão no Congresso ­ onde os opositores à reforma
        levantarão objeções a aspectos específicos ­ não vou expor nos artigos as razões, conhecidas por todos, que
        sustentam a necessidade da reforma e sim irei me deter nas críticas principais que costumam ser feitas a
        propósito do tema. Os pontos abordados serão: 1­ a tese de que “a previdência é superavitária”; 2­ a
        possibilidade de substituir a reforma pela cobrança da dívida ativa; 3­ a idade mínima em comparação com a
        expectativa de vida e 4­ as diferenças regionais. Hoje tratarei aqui do primeiro ponto.

        Abordo o tema pela importância que assumiu. Esclareço para o leitor, porém, que considero espantoso que uma
        ideia tão esdrúxula quanto essa da qual estamos falando tenha alcançado a repercussão que assumiu. Há quem
        sustente a tese, assim como há grupos nos EUA que argumentam que “Elvis Presley não morreu” ou que a
        notícia de que o homem chegou à Lua não teria passado de uma fraude cinematográfica. Há de tudo no
        mundo e qualquer um é livre de acreditar no que quiser, desde “Elvis não morreu” até a existência do ET de
        Varginha. A verdade, porém, é que Elvis morreu e o homem chegou à Lua. Pensar o contrário é digno da
        literatura fantástica.

        Entenda o leitor do que estamos falando. Em 1995, a receita de contribuições do INSS foi de 4,6 % do PIB e a
        sua despesa com o pagamento de benefícios, de igual montante, caracterizando uma situação de equilíbrio de
        caixa. Em 2016, estima­se que esses percentuais terão sido da ordem de 5,7 % e 8,1 % do PIB, respectivamente.
        Em outras palavras, o INSS em 21 anos terá passado do equilíbrio de caixa a um déficit de 2,4 % do PIB. Os
        críticos alegam que isso é falso, porque se a receita do INSS incorporar algumas outras rubricas tributárias hoje
        arrecadadas pelo Tesouro Nacional (TN) e parte da sua despesa for assumida pelo Tesouro (sempre ele!) o
        déficit se tornaria um superávit. O leitor deve estar se perguntando que mágica é essa e se, afinal de contas, o
        TN fica em Marte, a ponto de desviar para lá os problemas que, afinal de contas, afligem a quem vive nas
        fronteiras demarcadas entre o Oiapoque e o Chuí. Vejamos essa alquimia contábil mais de perto.

        Vamos considerar que o Governo Federal inclui duas entidades: o TN e o INSS. Para efeitos de simplificação,
        vamos assumir que o primeiro tem duas fontes de receita (A e B) e o segundo uma (C). Concretamente, nos
        termos do debate, A pode ser representada por impostos, B por contribuições exceto a previdenciária e C pela
        contribuição previdenciária. Por sua vez, assume­se aqui que o TN tem um gasto (D) na forma de despesas
        gerais e o INSS dois tipos de gasto, com benefícios urbanos (E) e rurais (F). Assim, temos as equações

        Resultado TN = A + B ­ D
        Resultado INSS = C ­ E ­ F
        Resultado Governo Federal = A + B ­ D + C ­ E ­ F, que é equivalente a
        Resultado Governo Federal = A + B + C ­ D ­ E ­ F

        Em que consiste a contabilidade criativa do batalhão antirreformista? Numa manipulação algébrica que levaria
        a deslocar a receita B de contribuições exceto a previdenciária do TN para o INSS e repassar a despesa F rural
        deste para o TN. Como ficariam então as equações? Assim:
        Resultado TN = A ­ D ­ F
        Resultado INSS = B + C ­ E

        O que acontece com o resultado do Governo Central? Ele é igual à soma dos dois resultados anteriores, ou seja,
        Resultado do Governo federal = A ­ D ­ F + B + C ­ E, que é equivalente a
        Resultado Governo Federal = A + B + C ­ D ­ E ­ F

        Como o leitor já percebeu, no final não mudou nada! Sim, caro leitor, o que os antirreformistas propõem é,
        pura e simplesmente, dar uma volta de 360 graus, mudando toda a classificação da contabilidade fiscal para
        deixar tudo rigorosamente como está.
        O centro da discussão é que há questões que é preciso deixar bem claras:
        A despesa primária ­ exceto juros ­ do Governo Central passou de 14% do PIB em 1991 para 23% do PIB em
        2016.

        No Brasil, a idade em que as pessoas se aposentam em média por tempo de contribuição é de 53 anos no caso
        das mulheres e de 55 anos no caso dos homens.

        Pelas projeções do IBGE, em 2017 o número de pessoas entre 15 e 59 anos de idade é de 136 milhões e o de 60
        anos e mais, de 26 milhões; em 2050, o primeiro grupo será menor (128 milhões) e o segundo terá se
        multiplicado por um fator 2,5 (66 milhões).

        Não estamos discutindo uma questão contábil: estamos lidando com uma questão física de matemática
        elementar: a relação entre as pessoas que estarão com 60 anos e mais e o grupo que genericamente se
        considerou no passado como de “idade para trabalhar”, nos próximos 33 anos, passará de 19% para 52%.
        Quem enche a boca para afirmar que a reforma previdenciária pode ser evitada mediante uma reclassificação
        contábil não entendeu a essência da questão ­ ou entendeu e substituiu a matemática pela ideologia.

        Fabio Giambiagi, economista, é superintendente da área de Planejamento e Pesquisa do
        BNDES e coorganizador do livro “Economia Brasileira Contemporânea: 1945/2010” (Editora
        Campus). E­mail: [email protected].

        2+
        • joselito 11 de janeiro de 2017 at 13:19

          valeu!

          1+