Demanda cai, inquilino sai e imóvel vazio é marca do DF

Você pode gostar...

Comments
  • Zizu 29 de outubro de 2016 at 21:32

    Ardam!!

    24+
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:45

      Ardam 2x…

      13+
      • avatar
      • avatar
    • Cesar_DF 30 de outubro de 2016 at 11:44

      E ainda nem começou o DESPAR
      Pelas contas que fiz, falta cair mais 22% , retornando aos valores de 2006, para começar o DESPAIR no DF.
      No EUA o despair durou 3 anos, na Grécia 6 anos.

      17+
      • avatar
      • avatar
  • Cambura-SC 29 de outubro de 2016 at 22:43

    Meu CVR,
    Sou rentista desde FHC, tenho casa própria, porém sempre tive vontade de ter casa na praia, achava que podia curtir a casa e ela ainda me renderia uns 0,25% do valor, alugando por dia na alta temporada, mas depois do que vi este ano, no litoral do Rio, Copacabana, Guaruja em SP, em balneário Camboriu, praias de Floripa, a maré subindo, inundando ruas na orla, casas e garagens de prédios, umas quatro vezes este ano, me assustei; E, finalmente conversando com um pescador idoso (uns 70 anos) no Campeche, Floripa ele me disse “nunca vi isso na minha vida”. Vou deixar meu dindin na renda fixa e pagar pousadas e resorts com os juros…

    64+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 30 de outubro de 2016 at 08:19

      .
      Eu ri com as fotos de um novo hotel em construção aqui em Itajaí que a entrada ficou embaixo dá, pedreiro com água no joelho… O investidor pira vendo isso. Já as casas antigas ficaram acima dágua.. kkkk
      imagina ainda pagar os “terrenos de marinha”.. no Uruguai tbm aconteceu

      13+
      • avatar
      • avatar
      • Death 30 de outubro de 2016 at 10:44

        Hotel anfíbio…kkkk

        14+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Cambura-SC 30 de outubro de 2016 at 21:58

        Eu não ri, só lamentei.

        6+
        • avatar
    • Lawkovyst 30 de outubro de 2016 at 10:21

      Melhor opção que poderá fazer na tua vida. Casa de praia são duas alegrias, primeira na hora da compra e a segunda na hora da venda.

      18+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Leonardo M. 30 de outubro de 2016 at 10:21

      Pois é! E o brasileiro sempre batia no peito e dizia:
      “No Brasil pelo menos não temos desastres naturais… ”

      Aham! Tá certú!

      16+
      • avatar
  • jpneto 29 de outubro de 2016 at 22:51

    22% em um mês é um negócio q mesmo bolhista custa a acreditar. Derrocada.

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:43

      Vai piorar, e muito… Só não sei a velocidade e até onde chegará…

      9+
      • avatar
  • CA 30 de outubro de 2016 at 02:40

    Destaco mais três trechos desta reportagem:

    ” A maior parte dos imóveis disponíveis para aluguel (72,9%) são residenciais. A capital fechou 2015 com 12,1 mil imóveis para alugar, um aumento de 52,6% em comparação ao ano anterior, quando havia 7,9 mil pontos disponíveis.”

    “Tivemos uma queda de poder aquisitivo no Brasil inteiro e o DF não fugiu à regra.”

    “Donos correm a negociar”

    Sobre o primeiro trecho, reforça o quanto o despencar vem sendo intenso e também contradiz um outro trecho em destaque da matéria que diz que esta situação piorou muito só em 2016, afinal o aumento de imóveis ofertados para alugar só em 2015 já havia sido de 50%. Sem contar que já temos tido notícias há anos sobre o aumento na desproporção entre oferta e procura, tanto para venda quanto aluguel.

    No segundo trecho, a eterna FUGA da realidade: FINGEM que o problema é só da queda da renda, não mencionam que o preço do aluguel subiu de forma anormal nos últimos anos, não mencionam que o número de investidores em imóveis que compraram para alugar ou revender simplesmente QADRUPLICOU desde 2008, disparando com a super oferta, não mencionam que em virtude dos preços surreais para venda de imóveis estas também despencaram e com isso muitos que antes haviam comprado para revender colocaram seus imóveis para alugar e a super oferta ficou ainda mais absurda, dentre uma série de outras OMISSÕES que observamos nesta notícia.

    Já sobre o terceiro trecho que destaquei acima, “Os donos CORREM para negociar”, tem tudo a ver com o famoso “efeito manada”, que ocorre em toda bolha imobiliária.

    25+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:43

      CA. O que acontece/acontecerá com os inúmeros imóveis desocupados das construtoras? acabados porém sem morador, devolvidos ou nem sequer vendidos, com condo atrasado, etc… Este imóveis inundam o mercado e muitos sequer aparecem nas estatísticas…

      15+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • CA 30 de outubro de 2016 at 11:38

        Death,

        As construtoras já há alguns anos estão vendendo estes imóveis com GRANDES descontos. Aliás, é isto que faz com que os investidores vejam que não vão conseguir repassar seus imóveis com ágio, levando-os a fazerem distratos, o que aumenta o super-estoque em poder da construtora e leva a novos descontos, retroalimentando o círculo vicioso de nossa bolha imobiliária.

        Veja no link abaixo alguns depoimentos a este respeito, do que já ocorria em 2013:

        http://defendaseudinheiro.com.br/comprar-imovel-em-tempos-de-bolha-imobiliaria

        Veja ainda uma promoção da PDG em set/16, onde temos imóveis com “descontos” de 50% ou mais em relação ao preço anunciado, sem contar que no meio desta promoção tínhamos até caso de imóvel lançado em 2008.

        Olhando os resultados de outras construtoras que também pedalaram fortemente no GOLPE das vendas FALSAS na planta, encontramos reduções drásticas de preços em virtude destes imóveis devolvidos, como no caso da Viver que teve queda de mais de 60% no preço do imóvel de padrão médio em 2 anos, ou a Tecnisa com queda de mais de 60% no preço de imóvel de alto padrão em apenas 1 ano…

        15+
        • avatar
        • avatar
  • Alemon Fritz 30 de outubro de 2016 at 08:30

    estoque de 16mil imóveis pra alugar e 50mil pra vender, ou seja 33% devem ser de ‘investidores” ixpertos

    11+
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:40

      deve ser um número muito maior de imóveis na realidade…

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Leandro sp 30 de outubro de 2016 at 08:41

    CVR

    Nos tempos da loucura do credito facil a cerca de 3 anos meu primo queria sair do aluguel e comprar um apto. Foi pesquisar repasse de aptos na planta prestes a serem entregue e encontrou uma manicure que comprou dois na planta e ja estava desesperada pois ja estavam pra entregar as chaves e ela nao tinha como financiar. Acabou perdendo as duas unidades. Sem preconceito quanto as classes mas ate flanelinha tava comprando na planta pra ganhar ágio.

    49+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:39

      Sim, tenho conhecidos que ganham muito bem e não dão conta de pagar parcelas e condo elevado…
      Há tb os q se desesperam ao ver que a TR só deixa amortizar 30 reais por mês ao invés dos cerca de 400 que era esperado…
      Felizmente p alguns, estão encontrando um otário p pegar seu ap e assumir a dívida… Minimizando assim o prejuízo…

      15+
      • avatar
      • avatar
  • Alemon Fritz 30 de outubro de 2016 at 09:03

    Lançamentos e vendas imobiliárias começam a crescer
    Setor espera ter chegado ao fundo do poço. Expectativa é de retomada

    http://oglobo.globo.com/economia/lancamentos-vendas-imobiliarias-comecam-crescer-20383333#ixzz4OZLfpNhE

    em 2014 e 15 falaram a mesma coisa.. vai ser 5-6 anos de queda ou não venda ainda.

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:36

      Até a necessidade bater a porta vamos ficar nesta enrolação. Estou esperando o dia em que vou comprar com preço abaixo dos fundamentos. nem que tenha que esperar até 2020…

      17+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • O Cramulhao de FHCigienopolis45 30 de outubro de 2016 at 10:42

        Mas você quer comprar por que? Pra realizar o sonho ou algo assim?
        Pra mim está difícil ver o horizonte no qual comprar vai ser melhor do que alugar no Brasil. Eu tenho um AP na Europa, que comprei quando a Bolha de lá estourou eu morava por lá, e ainda ganho com aluguel em Euros. Mas aqui no Brasil, pago aluguel, e acho que só vou ter algum imóvel no meu nome herdando da família. Isso se não continuar melhor vende-lo pra viver de juros…

        11+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Death 30 de outubro de 2016 at 10:49

          Comprar na baixa, vender na alta… Se for vantajoso… coisa para anos, com bastantes cálculos.

          14+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
        • CarlosL 31 de outubro de 2016 at 09:08

          Brow, eu penso quase na mesma linha….

          Conheci essa aldeia quando resolvi pensar na compra de um apto. e obviamente tomei um belo susto….

          Agora, visto que não me apego a imóvel, só fico apenas me preocupando qual será próximo para migrar quando tentarem aumentar o aluguel sem negociar, ou o condo subir demais, ou ambos….

          2+
  • CA 30 de outubro de 2016 at 10:03

    Ainda sobre o tópico:

    O que consta na matéria do tópico, sobre a desproporção entre oferta e procura levando a queda de preços, já ocorre há anos, vejamos algumas notícias sobre a mega especulação no inflar da bolha e depois a volta a realidade a partir de 2013 em Brasília:

    Em 2011, o movimento especulativo estava a pleno vapor, atraindo um volume ANORMAL de investidores com promessas do eterno crescimento de preços acima de qualquer coisa, como no exemplo dessa notícia abaixo:

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/12/28/interna_cidadesdf,284326/metro-quadrado-pode-chegar-a-r-25-mil-nas-areas-mais-nobres-de-brasilia.shtml

    Depois, já em 2013 e portanto MUITO ANTES da crise de 2015, o inicio da volta a REALIDADE:

    www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/12/1391790-especulacao-leva-a-queda-de-preco-nos-lancamentos-de-imoveis-em-brasilia.shtml

    Trecho do link acima:

    “…os preços dos imóveis lançados em Brasília apresentaram uma forte queda neste ano, com redução de 35,5% na comparação com os valores cobrados em 2.012…”

    Outra notícia a respeito, da mesma epoca:

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2013/09/01/internas_economia,385651/especuladores-sao-penalizados-pela-retracao-do-mercado-imobiliario.shtml

    Trecho do link acima:

    “Queda na procura impõe perdas de até 30% a quem comprou casas e apartamentos com a intenção de revender o ágio e obter lucro a curto prazo.”

    Mais uma notícia de 2013:

    http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2013/12/construtoras-queimam-estoque-de-imoveis-no-df-dizem-corretores.html

    Trechos da notícia acima:

    Trecho 1: “O estoque de imóveis está 30% maior que o de 2 anos atrás e corresponde a ‘aproximadamente a 15 meses de vendas.”

    Trecho 2: “Segundo ele, o DF deve fechar o ano com 19 grandes empreendimentos lançados este ano, volume 50% menor que o de 2012.”

    Vejamos alguns depoimentos do ReclameAqui do ano de 2013 que confirmam o que consta acima, com informações dos investidores sobre as construtoras estarem vendendo mais barato na entrega do que eles pagaram no lançamento:

    http://www.reclameaqui.com.br/5362312/joao-fortes-engenharia-s-a/distrato/

    http://www.reclameaqui.com.br/6767862/joao-fortes-engenharia-s-a/distrato/

    Sobre o último depoimento acima, vejam que curioso a menção ao percentual de queda de preços, que coincide com o que foi apurado pela pesquisas das época:

    “A própria João Fortes lançou um novo empreendimento do mesmo porte que o meu 30% mais barato.”

    Aliás, tanto é verdade que a situação está crítica há anos, antes da crise de 2015, que basta observar o que consta na notícia abaixo, de 2014:

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2014/03/09/internas_economia,416485/desaquecimento-do-setor-imobiliario-faz-profissionais-abandonarem-carreira.shtml

    Trecho do último link, sobre corretores: “O encanto e a euforia deram lugar às dívidas.”.

    O que vemos no topico de hoje é apenas MAIS UM desdobramento da explosão da bolha imobiliária em Brasilia:

    Os investidores vendo os preços dos imóveis caindo há anos, colocam para alugar, o que só aumenta o prejuizo, porque além do preço do imóvel continuar caindo, o preço do aluguel também vai despencando junto, além do fato do recorde de ociosidade (nem vende nem aluga) fazer com que os “felizes” proprietários tenham que arcar com despesas de IPTU, condomínio, etc, ao longo de anos sem terem nenhuma contra-partida em receitas. Excelente negócio, não é mesmo?

    ???

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Labar 30 de outubro de 2016 at 10:27

    Acompanho vários 3 qtos pra aluguel aqui em Brasília e a situação da maioria é crítica. Muitos estão há mais de 6 meses pra alugar, com proprietário bancando condo de 800 esse tempo todo, fora as manutenções. A maioria desses aptos são originais com banheiro-jogos-mortais e cozinha estilo bar da mosca. Muitos donos são velhinhos que possuem 2 ou 3 aptos, mas não dependem dele pra viver, possuem gorda aposentadoria e um estilo de vida simples, dinheiro é só pra mercado e remédios, sem luxo. Preferem deixar fechado a baixar 300 reais no aluguel, muitos só alugam por imobiliária, mesmo que voce pague 1 ano inteiro de aluguel à vista, não retiram do contrato cláusulas abusivas como pagar seguro anual de 2k sendo que o pagador não reavê a quantia no fim do contrato… é tanta bizarrice que nem lembro…

    33+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Death 30 de outubro de 2016 at 10:34

      Deixe arderem… A super oferta de imóveis está explodindo. Logo teremos em muitos locais inesperados aluguel grátis ou quase isso…

      20+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Mentor 30 de outubro de 2016 at 13:09

      Haha…`”banheiro-jogos-mortais” foi muito boa!
      Moro em Cascavel ( velho oeste paranaense), quando vim para cá 04 anos e meio atrás fui ver algumas casas e sobrados para comprar, mas como os preços já estavam fora da realidade saí fora rapidinho. Sempre estou acompanhando os preços e volta e meia marco uma visita para ver um imóvel ou outro para acalmar os ânimos da patroa (666 que tem o sonho da casa própria). A dita valorização que se alardeava não aconteceu, os valores de anúncio até que se mantiveram e permanecem anunciados por longo tempo, e com as trolladas que dei em alguns CRV´S percebo que o negociável está em 15% até 25% abaixo do anunciado, porém ainda bolhudos.
      Acho que a vida dos CRV´S está “competitiva” em toda parte.

      15+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cesar_DF 30 de outubro de 2016 at 11:36

    Os numeros acima são apenas os formecidos pelas imobiliárias e construtoras afiliadas ao SECOVI-DF, não entram os particulares ou os “investidores independentes” então os números vetdadeiros serão seguramente o dobro disso. Existem também imóveis abandonados, imóveis em fase de partilha de espólio, imóveis de veraneio, imóveis já prontos que não receberam o habite-se.
    Alguns falam que entre os 900 mil imóveis residências de Brasília, 200 mil estejam vazios

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Leonardo M. 30 de outubro de 2016 at 11:46

    Idosos agora disputam vagas de estágio

    Passados 40 anos de trabalho, o diretor comercial Guilherme Lobarinhas virou estatística e, no fim de 2014, aos 68 anos, enfrentou o desemprego pela primeira vez. Enviou mais de 600 currículos, mas sem respostas. A única entrevista que conseguiu só aconteceu em fevereiro deste ano, depois de se inscrever para uma vaga de estagiário na agência de publicidade DMV Comunicação.
    Depois de seis meses como aprendiz, Lobarinhas foi efetivado e se tornou diretor da área digital. “Apesar de estar aposentado, eu não sei ficar sem trabalhar. Aqui coloco em prática meu conhecimento de décadas em venda”, afirma.

    Depois dos jovens com até 25 anos, são justamente os idosos, pessoas acima de 60 anos, os que mais sofrem com o cenário de desemprego, que já atinge 12 milhões de pessoas. Do quarto trimestre de 2014, último período antes da piora do mercado de trabalho, para o segundo trimestre deste ano, o desemprego entre os idosos cresceu 132%, de acordo com o Ipea.

    Com a crise econômica e a dificuldade de voltar ao mercado, são os postos de trabalho informal, as profissões liberais e mesmo as vagas de estágio que se mostram como oportunidade para essa mão de obra.

    “O estágio é também um emprego, algo tão difícil para pessoas nessa idade. E ainda é uma ajuda para quem a aposentadoria é insuficiente, especialmente porque muitos passaram a ajudar mais nas contas de casa”, diz o professor de Recursos Humanos da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), Marcelo Treff.

    Especialistas em recrutar estagiários também registram aumento de cadastros de candidatos mais velhos. No banco de dados do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) há 7,2 mil profissionais com mais de 40 anos estagiando. Desse total, 2,73% passaram dos 60 anos. No site da recrutadora Nube, as estatísticas mostram que estagiários a partir de 40 anos tiveram alta de 21,6% de 2015 para 2016.

    “Existem companhias que têm adotado a estratégia de contratar pessoas mais experientes porque perceberam que têm grandes ganhos com a diversidade da força de trabalho”, diz a coordenadora de treinamentos na Nube, Rafaela Gonçalves.

    A percepção das recrutadoras é reforçada pelo ensino superior, onde o número de matrículas de pessoas a partir dos 60 anos cresceu 8,5% de 2014 para 2015, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacional (Inep). Estudante do 5.º semestre de Pedagogia, Dirce Gonçalves, de 61 anos, completou o estágio obrigatório e logo foi selecionada para um estágio remunerado na rede de ensino de Jundiaí (SP). “Era um sonho. Agora, quero seguir na área, porque ainda existem muitas coisas para fazer.”

    Porém, se os candidatos chegaram à terceira idade, o mercado de estágio ainda dá seus primeiros passos. Segundo Luiz Edmundo Rosa, diretor nacional de desenvolvimento de pessoas da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Brasil), a inserção de idosos nesse tipo de vaga é inexpressiva.

    “É uma solução isolada e pontual, que pode até ter um lado de oportunismo, em que não se precisa registrar o trabalhador. São poucas as oportunidades em que o estágio é realmente de aprendizado, porque essa é uma fase para quem está começando uma carreira”, diz Rosa. Para ele, o mais importante para o idoso é “sentir que tem uma ocupação”.

    A vontade de se sentir útil é o que faz o médico pesquisador da terceira idade e presidente do Centro Internacional da Longevidade (ILC) no Brasil, Alexandre Kalache, acreditar que o idoso é um elemento que pode beneficiar uma empresa. Para ele, o mais velho consegue atenuar tensões no ambiente de trabalho, fazendo a ponte entre os mais jovens e a chefia. “As preocupações são distintas, ele valoriza mais o emprego, raramente falta e, no geral, não está preocupado em construir carreira mas, sim, em deixar um legado.”

    Segundo Kalache, os idosos de hoje, a geração babyboomer – nascida após a 2ª Guerra Mundial -, trazem a cultura da sua juventude para se aventurar em novas experiências, inclusive na vontade de continuar trabalhando. “Essa foi a primeira geração que teve adolescência e não começou a trabalhar aos 12 ou 13 anos. Agora, está criando a gerontolescência. Esses idosos vão experimentar, se rebelar.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    4+
    • avatar
    • Ilusionista 30 de outubro de 2016 at 16:20

      tem que fazer apenas uma diferenciação entre trabalhos intelectuais e braçais, acho que para os que exercem funções de “inspiração”, enquanto a mente estiver boa, não há limite de idade.
      Inclusive porque depois de uma certa idade, começam a ficar contaminados com a síndrome da Dercy Gonçalves (disse a centenária, um dia, que queria morrer em cima de um palco) nada contra quem tem o desejo de “pifar” em cima da mesa do escritório do que aproveitar o que resta da vida para viajar pelo mundo afora.

      Agora, para os que exercem funções de “transpiração”, mais conhecidos como trabalhadores braçais que dependem de grande esforço físico, fica muito complicado arrumar trabalho após os 40 anos de idade..

      6+
      • avatar
    • cesarkebrado 30 de outubro de 2016 at 20:25

      É uma boa para ambas as partes patrão e empregado, mas, logo logo algum politico “isperto” vai propor e será aprovado no congresso – art. Xl – o trabalhador idoso não podera ser demitido desde o dia que completar 60 anos se ainda não tiver, e deverá lhe ser garantida fila preferencial e assentos preferenciais tanto no refeitorio como nas demais dependencias da empresa, kkkkkk. Infelizmente aqui na banania tudo se estraga, auguns poucos “ispertos” se beneficiam (acões trabalhistas) e a MAIORIA dos “beneficiados” depois se fode. É o que esta acontecendo hoje com as gravidas, quem quer dar emprego para uma provavel gravida ? Isso que dá ter uma população de 80% de analfabeto funcional, o tico e o teco não funcionam direito, não conseguem pensar além da primeira jogada., por isso eles tem mais é que comprar imovel bolhudo mesmo e colocar o pai e a mãe dando fiança, os bancos adoram, Santander com lucro que subiu 15% em 2015 enquanto a economia do País caia -3%.

      7+
      • avatar
  • cyberpsi 30 de outubro de 2016 at 11:59

    cvr
    pago aluguel fechado com condominio e iptu. recebi cobranca de condominio. ha dois meses alguem da imobiliaria “esquece” de pagar o boleto.
    brasilia.

    19+
    • avatar
    • avatar
    • cesarkebrado 30 de outubro de 2016 at 20:32

      Uma imobiliária fechou aqui ano passado, não pagava o IPTU que recolhia dos inquilinos já fazia mais de ano, os propriotarios só descobriram quando a prefeitura notificou do debito, outro dia vi uma ação na justiça que tem contra ela, tá parada porque o oficial de justiça não acha os sócios para responder.

      7+
      • avatar
  • dilbertsc 30 de outubro de 2016 at 12:32

    Essa matéria me fez lembrar da Tia Kassia. Ela voltou a atividade mas continua negando a bolha.
    Eu me divirto com essa gente.

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • CA 30 de outubro de 2016 at 13:14

    Contagem regressiva? 10, 9, 8…

    http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/pdg-pedira-recuperacao-judicial.html

    ​”A PDG, que já foi a maior incorporadora imobiliária do Brasil, deve entrar com seu pedido de recuperação judicial nos próximos dez dias.”

    24+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 30 de outubro de 2016 at 17:26

      bem, é só ver o histórico da empresa (nenhuma surpresa),
      da pra rir lendo a sequencias de “desentendimentos”, gastos etc

      2010, até a entrada da Vinci, o valor de mercado da PDG já havia caído 65%. Sayão e seus sócios … inventaram a PDG. A empresa nasceu em 2003 com dinheiro dos sócios do banco de investimento Pactual.
      Sayão dividia o controle do banco com André Esteves e comandava a área de investimentos em empresas. Com a venda do Pactual ao banco suíço UBS em 2006, Sayão tornou-se bilionário.
      A PDG cresceu comprando concorrentes até se tornar a maior incorporadora do país.
      Chegou a lançar 9 bilhões de reais… por ano e a valer 12,5 bilhões de reais na Bovespa.

      2010, bem perto do auge, os ex-sócios do Pactual venderam suas ações, e a PDG passou a ter o capital pulverizado na bolsa. Nos dois anos seguintes, …. um problemão a resolver — as obras atrasavam, os custos explodiam, as ações começavam a desabar.
      Em 2012, os dois executivos mais graduados da PDG ­— Zeca Grabowsky e Michel Wurman — saíram da empresa, num esdrúxulo processo sucessório que deixou a incorporadora acéfala.
      a Agra, incorporadora criada por Bañuelos após a compra das empresas Abyara, Agra e Klabin Segall, nunca chegou perto da liderança de mercado.

      Meses depois de sua formação, Bañuelos se desentendeu com Luiz Roberto Silveira Pinto, o sócio que administrava a companhia, e fez um acordo com a PDG Realty. A Agra foi incorporada em troca de ações da PDG, que se transformou na maior empresa do setor. Com o negócio, Bañuelos ganhou uma participação de aproximadamente 5% no capital da incorporadora .
      A PDG emergiu como potência imobiliária… abriu o capital em 2007. Três anos depois, deu seu maior passo – a compra da Agra, então comandada pelo investidor espanhol Enrique Bañuelos..

      -Sayão, que era conselheiro da companhia, decidiu voltar com mais poder. Com 483 milhões de reais, comprou 9% das ações e assumiu o controle da PDG. As ações custaram 4 reais. valem 1,46 real. (2014)

      http://exame.abril.com.br/revista-exame/alguem-esta-muito-errado/
      http://istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20160928/pdg-prepara-para-pedir-recuperacao-judicial/417393
      http://exame.abril.com.br/revista-exame/o-bilionario-enrique-banuelos-perdeu-a-briga/

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Dr. Estranho 30 de outubro de 2016 at 17:44

    CVR.

    Realmente o zapt-zupt perdeu a utilidade. Eventualmente deixo um pedido de informações sobre determinado imóvel e como resposta recebo ligações incovenientes de outros corretores sobre empreendimentos que sequer tenho interesse. Tal fato reforça a ideia de que só site serve apenas para sustentar índices imaginários. Outra curiosidade foi um contato com a EVEN. Nem telefone deixei e recebo spam de whatsapp, após uma sala de bate-papo onde o número do telefone não é obrigatório. A cidadã oferece um imóvel, cotado a 630k, mas a venda por 388k mais um carro zero. Não existe desconto dessa natureza ou desse quilate. Muito menos preciso de carro. Ainda assim trabalham com números assustadores para uma economia em UTI. Ano que vem piora.

    21+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Leandro sp 30 de outubro de 2016 at 18:44

    CVR

    Sábado o dia todo um corretor ligando para minha sogra dizendo que ela deixou os dados interessada em um imóvel, ela não deixou dado nenhum , não fez cadastro nenhum e nao tem a minima intenção em comprar imóvel , malditos corvos devem estar pegando dados em operadora de telefonia e ligam tentando a sorte, eles tem todos os dados como nome completo endereço e etc..

    10+
    • avatar
  • Libertario 30 de outubro de 2016 at 20:48

    CA
    Gostaria da sua opinião sobre uma hipótese que surgiu em minha (in-frutifera) mente:

    Imaginando um crash das construtoras, iniciado por Rossi, MRV, Gafisa, etc. em 2017.

    Logo, preço dos imóveis desabariam ainda mais.

    Mas se paralelo a este evento, houvesse o crash do sistema financeiro europeu, ou Geele chinesa, ou o problema com a chuva de dólares gerados pelo Obama.

    De alguma forma a gangorra poderia pesar para o lado do ativo “imóvel” contra o ativo “cash” se alguma dessas outras GHOMES escorrer / ocorrer?

    6+
    • avatar
    • avatar
    • CA 31 de outubro de 2016 at 04:33

      Libertário,

      Quanto maior a crise, pior para o segmento imobiliário. Em uma crise, mais do que nunca, vale a expressão “Cash is king”. Varia apenas qual é o seu “cash”, em que moeda e onde ele estará…

      Quanto menos liquidez, pior para o segmento imobiliário, pois menos dinheiro haverá circulando na economia, menos crédito estará disponível, mais dinheiro estará alocado em ouro ou em outras moedas, maior será a fuga de capitais em países considerados de alto risco como o Brasil. Sem dinheiro disponível e sem crédito imobiliário farto e barato, não há como gerar nenhum impulso para este segmento.

      Como exemplo prático, observe os efeitos destrutivos para o segmento imobiliário que se intensificaram muito no início de 2015 quando tivemos na China o começo dos efeitos colaterais da explosão da bolha imobiliária de lá, quando foi gerado um temor quanto a esta bolha e seus efeitos em escala global, tanto que o dólar disparou aqui no Brasil nesta época em função da fuga de capitais por este temor. NINGUÉM foi se “proteger” em imóveis e nem economistas “vendidos” como o Amorinha defendem esta “brilhante” tese, ao contrário, eles tentam usar estas crises internacionais para justificar a queda na economia e o aumento da intensidade na crise imobiliária, usando estes eventos internacionais para mascarar o que foi nutrido de destruição internamente pelas vendas FALSAS, mega especulação, crédito imobiliário podre, etc.

      9+
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 31 de outubro de 2016 at 12:32

        desculpa a intromissão, mas já intrometendo

        falando em outras palavras e já confirmando o que o CA escreveu:
        numa situação de crise, o fluxo de caixa se torna ainda mais crítico, falando em palavras simples, o dinheirinho que as familias tem pra pagar as contas do dia-a-dia fica ainda mais curto (desemprego/inflação/impostos), mais necessidade do crédito rotativo e do cheque especial, o mesmo raciocínio valido para empresas, agora imagina isso tudo numa bola de neve, a familia não compra, a empresa não vende, mais necessidade de crédito, os juros aumentando, mais calote, uma espiral negra: guerra total por dinheiro… Cash is King. Se for moeda forte, ainda melhor, se for moeda fraca, o governo precisa pagar um bonus pelo risco.

        PS: Daí veremos a fase das liquidações, liquidação de ativos de baixa liquidez (imóveis) é justamente o que vem por último.
        Ganhei um bom dinheiro especulando na crise de 2008, fazendo exatamente este raciocínio, enquanto todo mundo falava em apocalipse do dólar, eu entrava forte. Ganhei um carro em 15 dias, não acho que vá acontecer denovo, já que este raciocínio se popularizou” fim do PS

        3+
        • avatar
  • Alemon Fritz 30 de outubro de 2016 at 21:56

    problemas na cosntrução no fantástico
    casa de areia, 8milhoes de imóveis, sonho da casa
    problemas, rachaduras… aluguel,
    300 predios condenados.., desde 1986…
    pelo jeito estão criando demanda 3000 famílias e 500k familias
    no prejuizo.. as seguradoras passam pra caxa, a caxa não sabe

    assim sereslve no brasil, imagina na bolha…

    6+
    • Alemon Fritz 30 de outubro de 2016 at 21:58

      problemas na construção no fantástico
      casa de areia, 8milhoes de imóveis, o sonho da casa
      problemas, rachaduras… pagar aluguel,
      300 predios condenados.., problemas desde 1986…
      pelo jeito estão criando demanda pois 500k familias estão
      no prejuizo.. as seguradoras passam pra caxa, a caxa não sabe

      assim se resolve no brasil, imagina na bolha, tudo de novo.

      6+
      • avatar
      • avatar
      • Cesar_DF 31 de outubro de 2016 at 07:30

        500 mil imóveis de 60m2 a 2K/m2 então temos uma demanda para as construtoras do MCMV de R$ 60 bilhoões

        6+
        • avatar
        • Cesar_DF 31 de outubro de 2016 at 07:31

          Ihhh, só tem um problema, este dinheiro vai sair do SEGURO feito pelos mutuários contra a CEF.
          Será que vai ter dinheiro para isso ?

          5+
          • avatar
          • avatar
    • Carlos 31 de outubro de 2016 at 02:37

      Construiram lixos ©Rosinha, tanto aquí quanto na China, veja o estado que estão os condomínios:

      https://www.youtube.com/watch?v=_lAoTBVTTO8

      Bananence se acha o bom mas tem muito mais a ver com os chineses do que pensa, a mesma falta de capacidade de viver em comunidade, o hábito de se aproveitar de tudo e todos e muito mais coisas desabonadoras.

      Não, não vai mesmo 😀

      4+
  • macca 31 de outubro de 2016 at 05:36

    Desconto virou eufemismo para queda de preço em razão da BOLHA: É que quando a economia bombar novamente o ano que vem (rs) as construtoras e proprietários cancelarão os descontos de 25% e o preço volta ao normal:

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/10/1827695-crise-amplia-para-ate-25-desconto-na-compra-de-imovel-novo-ou-usado.shtml

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Soy Bananes 31 de outubro de 2016 at 07:55

      Tentei comentar nesta matérias mas a censura nos comentários da FSP me tirou a paciência. Parece que a palavra BOLHA é proibida lá.

      6+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cesar_DF 31 de outubro de 2016 at 06:50

    Leilão Terracap DF
    Semanas atrás, coloquei sobre o leilão de um terreno de 21 mil m2 em águas claras, pelo valor mínimo de 37,8 milhões
    http://www.terracap.df.gov.br/uploads/edicts/57c60f987545f.pdf
    ele não teve lances, e agora, 1 mês depois a Terracap coloca novamente 3 grandes médios, de 1429m2 por 6,4KK , 1890m2 por 8,4KK e 7388m2 por 13KK.
    http://www.terracap.df.gov.br/uploads/edicts/57f832c2566a7.pdf
    No Noroeste, a Terracap desistiu de leiloa-los, mas não baixou o valor, diferente das práticas de leilões que vão reduzindo o valor do bem nos leilões de 2a e 3a praça a Terracap não faz isso, sendo o principal agente distorcedor do mercado imobiliário Brasiliense.

    10+
    • avatar
  • MINEIRO SPY 31 de outubro de 2016 at 08:05
  • Louro José 31 de outubro de 2016 at 08:25

    O fim da ilusão imobiliária
    O Financista 31.10.16 07:40

    Reportagem da Folha que tenta vender a ideia de que é um bom momento para comprar imóvel — em razão da queda dos preços motivada pela recessão — traz a seguinte declaração de um dos entrevistados:

    “No passado, algumas construtoras lançavam imóveis e vendiam em 24 horas. Agora, você acha empreendimentos com cem unidades vagas.”

    É o fim de uma ilusão que enriqueceu facilmente muitos incorporadores e corretores. Em cidades como Brasília, especuladores travestidos de investidores chegavam a arrematar uma dezena de imóveis no mesmo lançamento.

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • odorico 31 de outubro de 2016 at 08:45

    Ouvi uma boa nesse fim de semana de um “bolhista” conhecido: “Imóvel é o travesti dos investimentos. Renda variável, mas o povão acha que é renda fixa”

    23+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Leonardo M. 31 de outubro de 2016 at 08:47

    Sem sucesso, incorporadora da Vila Olímpica tentou vender dois prédios a um investidor
    Por: Mauricio Lima 30/10/2016 às 16:54

    Cidade fantasma

    Incorporadora da Vila Olímpica, no Rio, a Carvalho Hosken tentou vender dois prédios a um investidor. Chegou a oferecer 50% de desconto para que o interessado comprasse as duas torres inteiras. O negócio não foi fechado.

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Money_Addicted 31 de outubro de 2016 at 08:50

    CVR – continuacao – transferwise

    Semana passada eu testei esse servico e acabou de creditar na minha conta, o CET ficou em 3.23

    [ ]s

    6+
    • avatar
    • avatar
  • calango_df 31 de outubro de 2016 at 09:06

    CVR 1

    Estive no fds na feira do Paraguai em Bsb para arrumar a tela do meu celular que trincou. Chego lá, tinha uma Bnn típica emergente, com roupinha apertada e barriguinha pulando da calça, com seu celular pica das galáxias, iphone 4567, já sendo atendida com o mesmo problema. Daí seguiu o seguinte diálogo:

    -Senhora Bnn, para arrumar essa tela custará 580 temeres.
    (olhar de surpresa e incredulidade)
    -Poxa, tudo isso…(semblante já ficou triste e o olhar procurou o chão). Dá para dividir em qtas x? Desconto? aceita vale transporte? tem como dar entrada com o 13º?

    Nisso, enquanto a Bnn se recuperava do golpe no fígado, explico meu problema ao atendente e ele sentencia: “para esse ´simprão´, trocar a tela custará 70 temeres”.

    Tive dó da senhoria…

    23+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • odorico 31 de outubro de 2016 at 09:26

      Vejo muito isso com conhecidos que compram bmw, volvo, audi, mercedes semi novos… para ostentar, já que o preço desses cai muito em 3 anos. Aí na hora de pagar seguro e fazer troca de óleo ficam reclamando. Fora a história de não pagar estacionamento. Anda de audi e para na chuva….essa é boa…..bananense é sem noção, sempre me senti deslocado nesse país, acho que meu espírito é norueguês….mas com essa cara de odorico não é fácil se misturar com os nórdicos.

      27+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • EngenheiroSP 31 de outubro de 2016 at 10:06

        Já vi gente com aifone 6 abrindo crediário pra comprar blusa de 60 mango.

        Juros garantidos, rentista feliz

        24+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
  • calango_df 31 de outubro de 2016 at 09:10

    CVR 2

    Amigo me convida para ir a bienal do livro em Bsb neste fds. Detalhe: o último livro que leu foi o resumo do Machado de Assis para a prova de literatura de qto tinha 13 anos. Dai, considerando que o brasileiro é o um dos povos que menos lê no mundo, acredito que eles visitam tal lugar com o mesmo espírito de quem visita um zoológico. Enfim, preferi não perder o amigo e declinei do convite. Horas depois ele joga no grupo do zap q lá tava uma bagunça…

    12+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Juros Lover BSB-BH 31 de outubro de 2016 at 09:44

    Brasília tem outra caracteristica… Sempre teve muito, mas muito imóvel fechado de especulador/lobista/corrupto que nem eram ofertados para locação… Ficavam simplesmentes parados…Pois aposto que na situação atual tem muito desses bolhudinhos fruto de lavagem que tão entrando pro mercado pra venda ou aluguel…

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Luladranus 31 de outubro de 2016 at 09:58

    Até parece uma notícia animadora para os 666s, mas no final é apenas merchandising de um curso profissionalisante.

    https://noticias.terra.com.br/dino/engenharia-civil-setor-deve-voltar-a-crescer-e-demanda-profissionais-qualificados,ae83552cc1e3ccc328629ef92ffcd50bqijgdagl.html

    5+
  • rogerio 31 de outubro de 2016 at 10:08

    “em terra de bolha, quem tem inquilino é rei…”
    rogerio, 2016.

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Zé do Brejo 31 de outubro de 2016 at 10:22

      Em terra de bolha, O INQUILINO É REI
      Zé 2106

      21+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cajuzinha 31 de outubro de 2016 at 10:16

    CA, viu isso?

    “Estudo indica que pico nos preços do imobiliário foi atingido no 3.º trimestre de 2014
    De acordo com um estudo da Universidade de Macau encomendado pelo Governo, a idade dourada do mercado imobiliário do território foi atingida entre Julho e Setembro de 2014. Mas desde aí, os preços têm vindo a registar quebras contínuas.”

    https://pontofinalmacau.wordpress.com/2016/10/31/estudo-indica-que-pico-nos-precos-do-imobiliario-foi-atingido-no-3-o-trimestre-de-2014/

    5+
    • avatar
    • CA 31 de outubro de 2016 at 11:43

      Cajuzinha,

      Não tinha visto. Não tenho acompanhado notícias sobre Macau e região, mas é sempre interessante saber como fora daqui a imprensa não é tão parceira do segmento imobiliário e atiram com um mínimo de independência, publicando notícias sobre pesquisas que são desfavoráveis à este segmento…

      2+
  • Ilusionista 31 de outubro de 2016 at 10:52

    OFF:
    Para quem quiser entender um pouco mais sobre os hábitos de consumo dos bananenses, a matéria é bem divertida, do jornalista Fred Melo em seu programa na TV Gazeta, vídeo com 26 minutos, mas vale muito a pena
    só deveria incluir os consumidores de terraço gourmet/lazer total, que parcelaram em 420 meses, sem as mínimas condições de pagar….

    https://www.youtube.com/watch?v=nLSuwwCkUEk

    4+
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 31 de outubro de 2016 at 11:50

    se explodam
    função à la Uber para avaliação de corretores de imóveis
    Os usuários do aplicativo de locação de imóveis poderão dar notas que variam de uma a cinco estrelas
    ( devia ser de 1 a 5 motumbos)
    http://exame.abril.com.br/tecnologia/quintoandar-traz-funcao-a-la-uber-para-avaliacao-de-corretores/

    3+
    • avatar
  • Lucas 31 de outubro de 2016 at 12:07

    CRISE IMOBILIARIA E PROFECIAS DO BLOG

    E o que esperar para o futuro?
    Dicas:

    1) neste segundo turno o eleitor deu seu recado, venceram os candidatos que mais se alinharam com o discurso liberal, os candidatos que mais se afastaram do mimim cultural, seja pra cá ou pra lá, independende de partidos, posições e preferenciais, o eleitor está cansado como um todo dessa brigaiada, não quer guerra institucional, a pessoa comum que trabalha, estuda e sustenta o País quer viver em Paz! com MENOS ESTADO

    2) Indicadores econômicos quase todos indicando que o inverno está só começando, será longo e negro.

    3) Necessidade de ajustes fiscais e reformas vai cair como uma bomba no colo do governo, estatais e sindicatos, somado com o item 1:
    Cidades “estado-dependentes” como RJ, BsB e ABC paulista irão sofrer as trevas.

    E pra não dizer que só vejo tudo preto, alguns setores de base começam a dar sinais de melhora, mas daí a refletir no cotidiano do povo será um longo caminho.

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Juros Lover BSB-BH 31 de outubro de 2016 at 13:15

      Ilusão de que o povo quer menos estado…Bananense quer muito estado, o estado super babá de preferência… É bastante provavel que em 2022 voltem correndo pra alguma candidatura com promessas estatais…

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Awulll 31 de outubro de 2016 at 13:26

        Essa criançada que tá nas escolas hoje vai crescer.
        Se tornarão lideranças na esquerda.
        Nem tanto por defenderem algo que acreditam, mas mais por estarem com a sensação de poder, sentindo-se líderes.
        Não bastam 10 liberais pra cada socialista. Eles sempre fazem mais barulho e convencem muita gente.

        3+
        • avatar
        • avatar
  • Cesar_DF 31 de outubro de 2016 at 12:14

    DÉFICIT PÚBLICO EM ACELERAÇÃO

    O setor público consolidado registrou déficit primário em setembro de R$ 26,643 bilhões, o pior resultado para o mês desde o início da série do Banco Central (BC), em dezembro de 2001. Um mês antes, o saldo negativo estava em R$ 22,267 bilhões. Em setembro de 2015, o déficit tinha somado R$ 7,318 bilhões.

    http://www.valor.com.br/brasil/4761399/deficit-primario-do-setor-publico-aumenta-para-r-266-bi-em-setembro

    3+
    • avatar
    • Louro José 31 de outubro de 2016 at 13:28

      Não teve ajuste fiscal.
      Tô vendo crescimento negativo ano que vem.

      4+
      • avatar
  • odorico 31 de outubro de 2016 at 19:00

    CVR – em brasília órgãos do executivo, legislativo e judiciário da esfera federal fazendo estudos sobre impactos da pec 241. Todo mundo desesperado, pois a pec usa como base o valor do orçamento 2016 pago, isto é, orçamento realizado. Como orçamento não é levado a sério, planejam nas alturas, empenham metade, realizam 30%. Como vai valer o realizado 2016 como base para os próximos 10 anos mais correção IPCA, o pessoal está em polvorosa. A verdade é que está todo mundo em pânico. órgãos vão ter que economizar energia, papel, água e principalmente pessoal. Terceirizados de Brasília preparem-se para demissões (o maior gastos dos órgãos é com pessoal) e para o reajuste salarial para baixo (você será demitido e depois aceitará ganhar menos em outra empresa). FPs preparem-se para trabalhar. Se PEC 241 passar o ajuste no serviço público vai ser forte. Concursos, esqueçam. Até FP vai ser contra concurso para não ter que dividir a fatia do bolo. Comissionados serão poupados no início, mas na hora que faltar dinheiro para papel higiênico no órgão até o padrinho político do cara abre mão, principalmente dos “oreia seca”. Viva o mansueto.

    7+