“Não veremos oportunidades no mercado imobiliário daqui pra frente”, diz assessor de investimentos – Infomoney

Você pode gostar...

Comments
  • carioca_real 27 de julho de 2016 at 21:31

    Claro claro… Índice do cimento do Amorinha mode on.
    Fala sério é muita cerificação desse povo.
    Mas calma que o Apocalipse Zumbi vem aí.

    30+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • carioca_real 27 de julho de 2016 at 21:32

      Digo, muita cretinice desse povo.

      18+
  • SampaBoy 27 de julho de 2016 at 22:07

    “Existe um limite de até que ponto os preços podem cair, isso acontece por conta dos custos envolvidos na construção”,

    Nesse ponto tenho que concordar …….. na hora que chegar em zero acho que para de cair.

    70+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • NOMADE 28 de julho de 2016 at 08:21

      talvez não e se ficar negativo o cara te pagar condomínio só pra não ver invadido?

      18+
      • avatar
      • avatar
  • Ogami 27 de julho de 2016 at 22:48

    Podem cair sim é muito. Isso tem um nome: Prejuízo. Sim! Prejuízo existe até para imóveis.
    Quanto maior a negação do ptoblema, maior os estragos.

    47+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • CarlosL 27 de julho de 2016 at 23:06

    Percebam que acabou aquelas justificativas bizarras de que era mês de carnaval, copa do mundo, férias, volta das férias, inicio do ano letivo sumiram…. Acho que após a olimpíada finalmente entregarão o ouro e ali na “Ilha Pura” para ser mais simbólico ainda…

    33+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • CarlosL 27 de julho de 2016 at 23:06

    Percebam que aquelas justificativas bizarras de que era mês de carnaval, copa do mundo, férias, volta das férias, inicio do ano letivo sumiram…. Acho que após a olimpíada finalmente entregarão o ouro e ali na “Ilha Pura” para ser mais simbólico ainda…

    15+
    • avatar
    • avatar
  • Gute 27 de julho de 2016 at 23:17

    Em Recife aluguéis seguem baixando. Fianças flexíveis. As imobiliárias seguem com fiador PF, títulos ou seguro-fiança. Muitos locatários fazem anúncios paralelos com menos exigências em sites de anúncios.

    13+
  • Alemon Fritz 27 de julho de 2016 at 23:27

    pra comparar:
    Portugal (com crise) é o país onde o preço das casas mais desvalorizou desde o ano 2000: cerca de 26%. Isso preparou espaço para uma para a atual valorização das casas. …pode cair mais antes de “subir” mais e isso é bom (1)
    E Aqui:
    o valor médio do imóvel de luxo nos últimos dois anos teve desvalorização real de 9,6% no Brasil. (que é menos afetado) (2)
    no acumulado dos 11 meses de 2015 a queda real de 7,44% quando se leva em conta a inflação medida pelo IBGE (9,47%) no mesmo período.
    a “queda geral” divulgada deve estar aqui em 10-15%, podemos cair ainda 15% se for na mesma tendencia de portugal… só pra comparar.
    1- http://www.oje.pt/desvalorizacao-casas-desde-2000-preparou-terreno-boom/
    2- http://www.otempo.com.br/capa/economia/desvaloriza%C3%A7%C3%A3o-de-im%C3%B3veis-de-luxo-soma-9-6-em-dois-anos-1.1314206

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • CA 28 de julho de 2016 at 05:46

    Sobre o tópico:

    Insistem na “fórmula mágica” baseada na “brilhante teoria”, desmentida mais de 100 anos atrás através de uma infinidade de evidências, de que o preço de venda nunca pode ficar abaixo do custo.

    Pior: continuam enganando e FAZENDO DE CONTA que o preço de venda já teria chegado a se equiparar ao preço de custo.

    Em outras palavras, se eu contratar dois profissionais, um para cavar um buraco no quintal de casa e outro para cobrir este buraco, posso pegar este custo e somar no preço de venda que todo mundo vai pagar por isto, apesar de em termos práticos, não ter absolutamente nenhuma finalidade.

    Os bancos também nunca poderão leiloar um imóvel por um preço abaixo do custo, apesar disso já ter acontecido em todos os países do mundo que já tiveram explosão de bolha imobiliária e também estar acontecendo no Brasil.

    Além disto, se eu construir imóveis com um preço que for o recorde mundial de custo em um país que for o mais pobre do mundo, sem nenhum comprador com renda ou crédito suficiente para compra-lo sequer pelo preço de custo, não haverá nenhum problema, mesmo assim posso ficar tranquilo porque com certeza venderei acima deste custo.

    Sem contar que se uma construtora quebrar, ela estará proibida de tentar vender abaixo do custo antes que isso aconteça, ela vai ter que dizer aos seus credores que “não está com vontade” de vender abaixo do custo, por isto “prefere” quebrar. Os credores, que receberão estes imóveis quando da quebra das construtora, também vão “preferir” quebrar ao invés de baixar o preço abaixo do custo para pagarem suas contas. Pelos efeitos em cascata, o Mundo todo vai quebrar, todos fazendo beicinho e batendo o pé, como uma criança mimada e dizendo: “eu não QUERO baixar o preço abaixo do custo” e como estamos em um Mundo em que querer é poder, onde não existe a necessidade para nenhuma empresa ou ser humano, então tudo bem…

    Como se não bastasse o que consta acima, o preço de custo no Brasil subiu muito acima da renda a partir de 2007, só que isto ocorreu impulsionado por fatores ARTIFICIAIS e portanto, insustentáveis, ou mesmo, impulsos temporários: volume recorde de construções e demanda por recursos humanos e materiais de construção Civil ocorreu devido a uma combinação de copa do Mundo, obras super-faturadas do pré-sal, lançamentos baseados em vendas FALSAS na planta e mega especulação, dentre diversos outros itens que estão explodindo agora e forçando a redução de custos.

    Só para finalizar, no Brasil, a partir de 2007 o índice do preço de venda (IVG-R) subiu mais de 240% acima do índice do preço de custo (INCC), ou seja, ainda há MUITO espaço para queda até o preço de venda chegar no preço de custo e não há limite após isto de quanto ainda poderá baixar.

    59+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 28 de julho de 2016 at 08:03

      E o que seria este “PREÇO DE CUSTO”
      Em Brasília no bairro Noroeste, quando todos vendiam por 14K/m2 o exército comprou um terreno de 1.000m2 por 11 milhões e iria construir um prédio para seus generais, iriam ser comercializados por 5k/m2
      Foi uma gritaria enorme do mercado, pois consideravam absurdo este valor, que conseguiram cancelar este projeto.
      De curiosidade, eu fiz uma planilha para ver o custo da construção, e sairia R$ 3.3k/m2
      Mesmo vendendo por quase 1/3 do valor de mercado, a construtora ainda teria um lucro bruto de cerca de 20 milhões.
      http://noticias.r7.com/distrito-federal/exercito-vai-construir-predio-de-luxo-para-generais-no-bairro-mais-caro-de-brasilia-pela-metade-do-preco-de-mercado-08092013

      Outro dia vi uma notícia aqui que bastaria comercializar 20% dos apartamentos, que dai já cobriria os custos de construção.
      Vejam bem, num VGV de 100 milhões, o PREÇO DE CUSTO é de 20 milhões.
      Num apartamento de 500.000 o preço de custo seria 100.000
      Por isso que vemos Fator X (venda dividido pelo aluguel) de 400X, pois este lucro está totalmente descolado da realidade.

      30+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Cajuzinha 28 de julho de 2016 at 05:50


    A faixa entre R$ 225 mil e R$ 500 mil concentrou a maior parte da demanda por crédito na Caixa nos últimos meses, fazendo com que os recursos secassem em pouco tempo. A previsão de reabertura da linha é a partir da primeira semana de agosto, diz a Caixa.”

    https://www.google.com.br/amp/g1.globo.com/economia/noticia/2016/07/fgts-realoca-recursos-do-pro-cotista-para-financiar-casa-propria-pela-caixa.amp?client=ms-unknown

    11+
    • avatar
  • alemonbnu 28 de julho de 2016 at 06:55

    CVR
    Procuro sempre analisar o que meus amigos e conhecidos estão fazendo para se virar nesta bolha imobiliaria. É fato que todos que tem cônjuge, sejam juntados, amasiados, casados ou tico-tico-no-fubá, enfim, todos querem ter um teto próprio seu. Então vou citar aqui como estão se virando.

    Casal de colega nr1:
    Ele: Estagiário
    Ela: Vende Jequiti
    Moram juntos em uma casa pequena, com jardim e churrasqueira.
    Compraram? Não. Depois que a avó faleceu, se mudaram para lá. A casa onde a avó morava é no mesmo terreno da casa dos pais da guria. Ok, resolveram seus problemas, sem ter que gastar 400k

    Casal 02:
    Ele: Não sei o que faz da vida.
    Ela: Professora do estado.
    Moram juntos na casa da avó dela, não sei o tamanho da casa.

    Casal 03:
    Ele: Trabalha na engenharia de producao de certa empresa
    Ela: Professora
    A casa dos pais dela é enorme, com garagem e oficina,pois o pai dela trabalha ali mesmo. Estao juntos há muito tempo, o rapaz mora com ela na casa do sogro.

    Casal 04:
    Ele: Auxiliar de producao
    Ela: Frentista de posto.
    Tem um pequeno filho, o rapaz mora na casa do sogro.

    Casal 05:
    Ele: Engenheiro
    Ela: Não sei o que faz
    Casal tem uma renda razoável, estão num financiamento há mais de 8 anos. Deve faltar aí uns 20 anos p pagar.

    Cenario geral: Quem tem renda melhor, entrou em financiamento e está com renda comprometida por vários anos. Quem tem renda menor está vivendo melhor, pois deram um jeito de nao pagar aluguel e nem comprar casa.

    68+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 28 de julho de 2016 at 07:53

      No caso dos casais 02, 03 e 04, o IBGE considera como déficit habitacional, pois se enquadram na categoria de “cohabitação” onde 2 ou mais famílias vivem na mesma casa.
      Existe a “máxima” do IBGE onde TODAS as famílias em cohabitação desejam sair desta situação e se mudarem para uma residência própria.
      Ai eu me pergunto, no passado, com aquelas casas enormes onde viviam três gerações de famílias, quando esto é um “estilo de vida” aceito por todos, seria déficit habitacional?

      39+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • From_The_Tower 28 de julho de 2016 at 08:50

      A realidade é essa.
      A maioria não tem condições de comprar . E em momentos de crise e baixo crescimento as pessoas dão um jeito. É um puxadinho aqui, uma invasão ali….. pega o terreno dos pais, dos avós e constrói mais um cafofo e assim vai.
      Anos 80 e 90 era assim para muitas pessoas.
      Lembrando que no começo dos anos 2000 uma família com uma boa renda – comprava ou quitava um imóvel com 05 ou 06 anos de trabalho.
      Era muito mais acessível em termos de preço. Hoje em dia os corvos querem 05 ou 06 anos de economia (FGTS) só de entrada.
      Xô Corvaiada !!! Xô !
      Viva o aluguel. Viva os juros recebidos.

      52+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Fernando-SSS 28 de julho de 2016 at 09:30

        É um deleite passear pelos classificados do acervo da folha.
        Este dias vi uma propaganda do “Plano 100” emm uma edição de 1999 se não me engano. Nostalgia!!!

        Sempre digo para meus tios e tias que na época deles era muito mais fácil ter casa própria, por isso todos viam o aluguel com mal olhos.
        Eles rebatem dizendo que o dinheiro é mais fácil hoje em dia e eu digo que não, que o crédito é mais fácil e o dinheiro segue a mesma dificuldade para conseguir.

        Mas…….. Old dogs don’t learn new tricks!

        54+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Andradez 28 de julho de 2016 at 13:02

        Por experiência na família não concordo que naquela época (década de 90) era mais fácil comprar imóvel, pelo menos financiado não era. Agora que os imóveis eram baratos, isso sim, principalmente considerando a relação do salário mínimo x custo de um imóvel médio ou valorização.

        Na década de 90 os bancos não emprestavam dinheiro tão fácil como hoje (sem a pessoa realmente conseguir comprovar uma renda). Não é a toa que naquela época teve muita construtura que ganhou dinheiro com financiamento próprio (dou exemplo da MRV). Tenho exemplo na família de compra de uma casa da MRV na segunda metade da década de 90 em que eles tiveram que devolver a casa por conta dos juros abusivos que aumentavam absurdamente a prestação. Não sei os detalhes, mas lembro que naquela época choveram ações na justiça sobre isso.

        Mas o exemplo é verdadeiro: naquela época, com 5, 6 anos o cara tinha a casa dele quitada. Lembro do caso de um colega que comprou sua casa em 2002 por 30 mil e vendeu ela em 2014 por 240. Quase 800% de “valorização” em 12 anos (a inflação do período foi de 111%)…hehe

        15+
        • avatar
        • From_The_Tower 28 de julho de 2016 at 16:57

          Não precisava de financiamento. Bastava economizar no banco mesmo. Minha comprou assim. Boleto em boleto.

          10+
          • avatar
        • Fernando-SSS 28 de julho de 2016 at 17:33

          Na época, qualquer pessoa que tivesse um trabalho um pouquinho melhor tinha condições de ter sua casa, não precisava de diploma universitário para ganhar 2k como assistente administrativo.

          O mais comum era comprar o terreno e construir, o que hoje é inviável.

          Me lembro até hoje que o terreno onde um dos meus tios morou foi trocado por duas linhas telefônicas; ele era torneiro mecânico.
          Um outro tio comprou o terreno com cheque pré-datado e o pai do meu vizinho trocou o fusca em um baita terreno, terreno este que agente ia soltar pipa e jogar bola. Saudades!!! :o(
          E não estou falando de “interior brabo” não, isto foi em São Caetano do Sul.

          Sempre digo que nasci na época errada.

          11+
          • avatar
          • avatar
          • Ilusionista 28 de julho de 2016 at 19:02

            lembro a uns 20 anos atrás que qualquer família simples fazia constantemente churrasco de primeira.
            Hoje, o que se vê mais por ai, são casais pendurados com altas prestações por décadas a vir, condomínio atrasado do “apê terracinho gourmet & lazer total de milhão”, o pouco que sobra mal dá para se alimentar direito, vivem a base de salsicha, carne moída e miojo.
            manter as aparências é o que importa.

            6+
    • Money_Addicted 28 de julho de 2016 at 09:48

      me permita discordar d um ponto, vc diz q quem tem renda menor esta vivendo melhor, nao sei se concordo, eles estao morando com os sogros.

      Obviamente q quem tem renda maior se tivesse alugado e nao financiado estaria em melhores condicoes, MAS nesse cenario q vc descreveu creio q eles ainda estejam melhores q os outros

      [ ]s

      13+
      • avatar
      • avatar
      • bolha real 28 de julho de 2016 at 15:08

        Quem tem renda menor já sofre por isso e sofre ainda mais por depender de alguém (morar “de favor”). Já quem tem renda melhor pelo menos tem aí um pouco de independência, porém se fizer escolhas erradas ficará escravo do trabalho eternamente. Cada um que se vire com seus problemas, quer se afundar em dívida e viver de status vai de cada um, só peço que paguem meus juros.

        11+
        • avatar
    • Thiaguinho 28 de julho de 2016 at 10:40

      Financiamento ou morar com a sogra, o que é melhor?? Acho que financiamento é fichinha…rs

      18+
      • avatar
  • Cesar_DF 28 de julho de 2016 at 07:41

    Ontem assisti THE BIG SHORT

    É interessante notar como bancos, corretoras, seguradora, agências reguladoras e até o próprio FED entram em conlúnio para evitar a queda do valor dos títulos, mas depois que o primeiro banco entra em insolvência, todo o sistema quebra de forma abrupta.

    Aqui temos as construtoras, os bancos financiadores e o próprio governo, onde os bancos sabem que as construtoras estão quebradas, mas ao invés de executa-las vão refinanciando os empréstimos, pois sabem que os imóveis dados como garantia não valem metade do valor nominal.

    O FED emitiu trilhões de dolares em títulos, para salvar todo o sistema. Ele pegou dinheiro do futuro e injetou no presente, ou seja, transferiu o problema para os filhos da geração atual que deverão pagar estes títulos daqui 20 anos. E se daqui 20 anos não tiverem dinheiro???

    https://pt.wikipedia.org/wiki/The_Big_Short

    36+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Fernando-SSS 28 de julho de 2016 at 09:32

      Muito bem sintetizado caro irmão!!!

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • From_The_Tower 28 de julho de 2016 at 16:58

      Inflaram outra bolha. Simples assim.

      9+
      • avatar
      • avatar
  • job 28 de julho de 2016 at 08:20

    Um grande problema é que Brick Lover não sabe matemática básica. E como disse um colega aí, eles gostam mesmo é de contar vantagem em rodas de amigos, familiares, e dizer que tem imóveis que valem x, y, z. Se o preço dos seus tijolos cair 60% até ano que vem, e dpois de 10 anos subir os mesmos 60%, pode ter certeza que ele vai nas mesmas rodas de amigos contar vantagem, pois subtração e prejuízo são duas variáveis que não entram nos cálculos dos Brick Lovers.

    18+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 28 de julho de 2016 at 08:47

      hauhuahuahuauhauhahua.

      Pergunte para um Brick Lover o que é custo de oportunidade do capital !

      Vai dar TELA AZUL. ERROR 404
      Bugou !

      27+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Krusty 28 de julho de 2016 at 12:25

        aconteceu ontem comigo

        9+
        • avatar
  • Cajuzinha 28 de julho de 2016 at 08:55

    Será que vai acontecer a mesma coisa que aconteceu com o Levy?

    “O ministro não diz publicamente, mas foi contra o governo levar adiante os reajustes aos servidores. Somente o aumento aos funcionários do Fisco custará R$ 11,2 bilhões até 2019, incluindo R$ 6,5 bilhões em bônus de eficiência para aposentados. Para Meirelles, é um exagero, sobretudo num momento tão difícil em que o país está vivendo.

    Não por acaso, o chefe da equipe econômica está trabalhado pesado para tirar poder do Ministério do Planejamento sobre os gastos. Para Meirelles, a pasta não fez nenhum esforço para conter a gula dos servidores. Muito pelo contrário. Deu apoio total devido à visão corporativista que prevalece por lá.”

    http://blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/meirelles-nao-engoliu-invasao-de-servidores-da-receita/

    20+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 28 de julho de 2016 at 09:18

    DESCOLAMENTO DA RENDA

    O CA já apresentou diversas evidências demonstrando que houve um descolamento do valor dos imóveis em relação a renda, e a tendência histórica é que o valor dos imóveis caia até entrar em equilíbrio com a renda. Aqui vai minha contribuição.

    Durante um certo período, o valor do imóvel cai abaixo da renda, esta fase é conhecida como DESPAIR.
    http://defendaseudinheiro.com.br/wp-content/uploads/2014/07/Post-bolha-imobili%C3%A1ria-Camboriu-imagem-2.png

    A relação valor do imóvel dividido pela renda anual é considerada a melhor forma de identificar bolha imobiliárias.
    The housing price-to-wage ratio may provide a better gauge of housing bubbles. Income is a broad measure that includes wealth from stocks and bonds, interests, rents, and government transfers and other sources. Wages constitute a more appropriate gauge of a region’s underlying productivity, accounting for remuneration for work actually performed.
    http://www.creativeclass.com/_v3/creative_class/tag/housing-bubble/

    Nas regiões metropolitanas do EUA, este índice pode variar de 1.5 a 18
    http://www.creativeclass.com/_v3/creative_class/_wordpress/wp-content/uploads/2009/05/housingbubblemap1.jpg

    Historicamente, no EUA
    1950: $7354 / $3,319 = 2.2
    1960: $11,900 / $5,620 = 2.1
    1970: $17,000 / $9,867 = 1.7
    1980: $47,200 / $21,023 = 2.2
    1990: $79,100 / $35,353 = 2.2
    2000: $119,600 / $50,732 = 2.3
    2010: $170,500 / $50,221 = 3.3
    http://www.mybudget360.com/the-magical-2-housing-ratio-between-median-nationwide-home-prices-and-household-income/

    A relação entre o valor da venda e do aluguel também é um indicador de bolha imobiliária, no mundo temos uma média de 100X.
    http://www.imf.org/external/research/housing/images/pricetorent_lg.jpg
    Price-to-Rent Ratio’
    The price-to-rent ratio provides a comparison between owning and renting properties in certain cities. The ratio uses the average list price with average yearly rent on two-bedroom apartments, condos and townhomes that are listed on http://www.trulia.com, a real estate search website. The price-to-rent ratio is calculated by dividing the average list price by the average yearly rent price, as follows:
    Price-to-rent ratio = Average list price / (Average Rent * 12)
    Trulia establishes thresholds for the ratios as follows:
    Price-to-rent ratio of 1 to 15 = much better to buy than rent (Fator X <180)
    Price-to-rent ratio of 16 to 20 = typically better the rent than buy (Fator X de 180 a 240)
    Price-to-rent ratio of 21 or more = much better to rent than buy (Fator X >240)
    http://www.investopedia.com/terms/p/price-to-rent-ratio.asp
    Conforme já dito pelo Lucas, no EUA, com suas taxas de juros, só vale a pena comprar um imóvel com um Fator X abaixo de 180, no Brasil, com suas taxas de juros maiores, seria 150X.

    Com o estouro da bolha no EUA, o FED injetou trilhões de dolares para salvar o mercado.
    Parte deste dinheiro foi usado para salvar os bancos, parte foi usada como capital especulativo buscando investimentos de curto e médio prazo em todo o mundo, e agora este capital especulativo acabou voltando para o EUA, fazendo ressuscitar a bolha imobiliária.
    http://media.peakprosperity.com/images/chs-10-4-15-1.jpg

    Estes trilhões de dolares continuam no mercado, buscando novos investimentos e os maiores retornos possíveis, e por isso ainda existe no mundo um descolamento entre o valor do imóvel e a renda.
    http://www.imf.org/external/research/housing/images/globalhousepriceindex_lg.jpg

    Os dados indicam que ocorreu um aumento do valor dos imóveis acima da renda, mas durante o governo do PT, este aumento da renda foi ilusório, baseado numa injeção de recursos no mercado que gerou endividamento, foi como se na hora da família declarar sua renda entrasse também o limite do cheque especial, e no governo do PT este limite do cheque especial triplicou.
    Então, o descolamento do valor dos imóveis em relação a renda foi muito maior do que os gráficos indicam, pois o aumento da renda foi irreal, não sustentável
    https://fernandonogueiracosta.files.wordpress.com/2012/07/renda-do-trabalho-x-valor-do-financiamento-imobilic3a1rio.jpg

    E no FIPE-ZAP, que usa uma metodologia com viés de eterna valorização eterna, foi mais gritante ainda
    https://poucodeprosa.files.wordpress.com/2012/07/renda-per-capita-x-alta-imc3b3veis.png

    Este aumento irreal da renda, gerou um endividamento recorde das famílias.
    https://fernandonogueiracosta.files.wordpress.com/2013/07/mudanc3a7a-do-perfil-de-endividamento-familiar.jpg?w=755&h=950

    Esta filosofia do endividamento, também se propagou pelas empresas.
    https://fernandonogueiracosta.files.wordpress.com/2013/07/dc3advida-das-empresas-2007-2012.jpg

    27+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • yanborges 28 de julho de 2016 at 09:44

    Muito bom galera…o problema é o povão. Nao sei se adianta muito esses indices, povao nao pensa. Na hora que o pais se estabilizar um pouco e a porcaria da parcela caber no bolso vao voltar a comprar.
    Da até pra traçar um paralelo com carro. Temos os carros mais caros do mundo, mesmo com a renda do povao sendo esdruxula. Pq nao para de vender? Pq a parcela cabe no bolso…entao enquanto o povao paga, vai sempre continuar assim, infelizmente.

    23+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • wing 28 de julho de 2016 at 09:51

      Foi o que eu sempre disse, vai cair o preço? está caindo… mas com preço justo? aí que está, nao existe preço justo pros brazucas, existe parcela justa na mente deles

      23+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Money_Addicted 28 de julho de 2016 at 10:00

        uma duvida, nao soh vc, mas diversas vezes o pessoal aqui escreve “preco justo”, na minha opniao nao existe preco justo – isso soa ate um pouco comunista (sem qrer ofender rs)

        na minha opniao, o vendedor vai qrer vender pelo preco mais alto possivel e comprador o mais baixo possivel.

        eu como “consumidor” de imovel (d um jeito ou do outro preciso morar) procuro o mais barato o q atualmente esta sendo alugar devidamente pago com juros q os bananenses pagam – isso eh eh justo pra mim 🙂

        [ ]s

        23+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • wing 28 de julho de 2016 at 10:13

          Realmente é dificil saber o q é justo, mas sabemos muito bem o que NÂO È JUSTO…e é o q vemos e temos visto nos ultimos anos

          12+
          • avatar
          • avatar
          • Mn 4 de agosto de 2016 at 05:09

            Justo é quando ambas as partes preferem o que o outro tem: um prefere o $$ do outro, o outro prefere o imóvel do primeiro.

            0
    • Money_Addicted 28 de julho de 2016 at 09:55

      concordo com a questao de q se couber no bolso o otario compra, a diferenca eh q o financiamento do populixo acaba em 3 no max 5 anos, do bolhudo leva a vida inteira, ou seja, o ciclo do carro eh a menor, do bolhudo tem q esperar a cria do otario crescer para comecar um novo ciclo.

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Alemon Fritz 28 de julho de 2016 at 10:32

        falando em ciclo eu estava vendo a piramide etaria do brasil, acabou de passar uma onda de compradores (observando acima de 24 anos), agora esta uma queda no numero de pessoas jovens.
        Vem outra pequena onda até 2021 (que agora esta morando com os pais e provavelmente vai continuar) dai pra frente é caxão.. será cada vez menos jovens!
        de agora em diante é produzir imóvel fantasma para depois 2025.
        As universidades vão ter uma pequena subida só ano que vem e um bonus de 5-6 anos pra compensar quem não entrou. depois quedas de 25%. .

        14+
        • avatar
        • Mr.Brightside 28 de julho de 2016 at 11:13

          na piramide deve analisar também que quem nasceu na década de 80 tem muitos irmãos, era difícil conhecer alguém que é filho único, normal alguém que nasceu nesta época ter mais de um irmão.
          na década de 90 as pessoas tiveram geralmente dois filhos e aumentou o numero de filhos únicos, através do aumento de usos de anticoncepcionais e fora isso houve aumento de casais sem filhos.
          com os preços dos imoveis hoje está alto a saída da casa dos pais está mais difícil.
          Então hoje que nasceu da década de 80 se preocupa ainda em ter casa, pois não conseguirá todos os filhos morarem na casa dos pais por muito tempo. logo tem que alugar uma casa ou tentar comprar uma casa por necessidade de espaço.
          Enquanto para quem nasceu na década de 90 geralmente não está nem ai para sair da casa dos pais, mesmo se encontrar alguém para casar, as chances de um do casal ser filho único é grande e pode ainda morar com os pais de seu cônjuge. logo tem a possibilidade de não haver necessidade de alugar uma casa muito menos de comprar uma.

          21+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
  • Igor Queiroz 28 de julho de 2016 at 09:49

    assunto que não tem sentido com o tópico.
    O novo presidente do BC chegou alardeando que ia deixar o cambio flutuar, ai todo dia fica nessa papagaiada de swaps reversos, ai fica esse mimimi que prejudica os exportadores, esses fdps não pensam na maioria da população que sofre com essa inflação + recessão + dólar alto

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • joselito 28 de julho de 2016 at 09:53

      A maioria da população “só” tem o voto.
      Os exportadores, de forma organizada, têm mais “coisas” para oferecer ao tomador de decisões do BC.

      13+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • CarlosL 28 de julho de 2016 at 09:55

        Seus argumentos valem para a questão da Selic, do qual você provavelmente se beneficia…. É complicado mas é bem por ai; Essas manobras indiretamente seguram a Selic no patamar que ela esta

        7+
        • avatar
        • avatar
        • joselito 28 de julho de 2016 at 10:06

          Tava pensando “fora” da questão econômica, e mais na questão do “crony capitalism”*, levando em consideração setores organizados (neste caso, os exportadores) com outros “desorganizados” (o resto), rsrsrs.

          * Capitalismo Clientelista: é um termo que descreve uma economia em que o sucesso nos negócios depende das estreitas relações entre os empresários e funcionários do governo

          9+
          • avatar
        • bolha real 28 de julho de 2016 at 15:36

          A selic alta é um ilusão, se você focar somente neste quesito, o BC está dizendo que não terá redução da selic porque a inflação está alta. O que importa são os juros reais, tanto faz se a Selic está em 14,25% com inflação em torno de 8% de hoje, ou selic de 10% com inflação no centro da meta.

          9+
          • avatar
          • avatar
    • Luke Bolha 28 de julho de 2016 at 10:32

      A balança comercial por enquanto está tendo superavit.

      RESULTADOS GERAIS
      Na quarta semana de julho de 2016, a balança comercial registrou superávit de US$ 852 milhões, resultado de exportações no valor de US$ 3,637 bilhões e importações de US$ 2,785 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 13,021 bilhões e as importações, US$ 9,170 bilhões, com saldo positivo de US$ 3,851 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 103,273 bilhões e as importações, US$ 75,771 bilhões, com saldo positivo de US$ 27,503 bilhões.

      4+
      • avatar
    • markito 28 de julho de 2016 at 12:05

      e o dia que acabarem os dólares pq não há ele na balança comercial você vira uma Venezuela. Tem que haver um equilíbrio, pois não há consumo interno no momento… solução é sim a exportação no atual cenário.

      8+
      • Boruto 28 de julho de 2016 at 12:34

        Só que exportação gera escassez no mercado interno. Escassez gera aumento de preços (inflação) e como o Brasil exporta mais produtos agrícolas/alimentos imagina o preço de que sobe forte nesse cenário?

        7+
        • avatar
    • bolha real 28 de julho de 2016 at 15:27

      o BC está se desfazendo do estoque de swap, por isso das intervenções.

      4+
      • avatar
  • Cajuzinha 28 de julho de 2016 at 10:32

    Arrecadação soma R$ 98,129 bilhões em junho, pior resultado para o mês desde 2010

    6+
    • avatar
    • Luke Bolha 28 de julho de 2016 at 11:02

      E seguimos com a máxima de que cortar gastos é SACRILÉGIO!

      7+
      • avatar
      • avatar
  • SBC 28 de julho de 2016 at 10:55

    Duvido não virar tópico….
    ARTIGO: GIGANTE DA CONSTRUÇÃO SE APROXIMA DO COLAPSO.
    http://observadordomercado.blogspot.com.br/2016/07/artigo-gigante-da-construcao-se.html

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Luke Bolha 28 de julho de 2016 at 11:08

      e segue o feretro

      5+
      • avatar
      • avatar
  • deuruim 28 de julho de 2016 at 11:22

    cvr- ontem ouvi um corvo dizendo que o mercado de imoveis aqueceu, caiu o preço e as pessoas estão querendo comprar… detalhe q ele estava no momento atuando em sua segunda fonte de renda, vendendo produtos pro salão de beleza, fiquei c uma vtde de perguntar qtos imoveis ele vendeu no mês, mas n tive coragem.. .a Dona do salão perguntou: mas não está difícil pra conseguir financiamento? A ave responde: eu trabalho com financiamento próprio da construtura, eles aprovam até pra quem nome sujo….. Vai?

    29+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • mestre dos magos 28 de julho de 2016 at 13:37

      E depois tem um monte de especialistas dizendo que no Brasil o mercado imobiliário é diferente dos outros países. Aqui temos instituições fortes, e o crédito é feito de forma rigorosa, fala sério. Olhem o caso dos Bancos enrolados com as construtoras, a maioria não executa as garantias por que são insuficientes para garantir os valores emprestados, e irão ter muita dor de cabeça com isso, logo preferem ir postergando as dívidas.

      Tem pessoas que não conseguem comprar uma TV na esquina, devido a problemas no Serasa, mas conseguem ir em uma construtora e comprar um imóvel. E tem gente que acha que aqui é diferente rsrsrsrs.

      18+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • joselito 28 de julho de 2016 at 14:43

      Famosa VENDA FALSA, ou PIRÂMIDE.

      Quando corvos dizem que o mercado esquentou, eu concordo, e digo: esquentou mesmo, ta que nem batata quente…..

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Rampion 28 de julho de 2016 at 14:49

      Quando o sujeito começa a carreira de corvo parece menina nova casando com cara velho, acha que vai se dar bem na vida, mas, uma hora constata que entrou numa furada.

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Mn 4 de agosto de 2016 at 05:41

        Quem entrou na furada? A gatinha ou o vovô?

        0
  • Luke Bolha 28 de julho de 2016 at 11:31

    Eu estava pensando sobre o Zika Virus e seus efeitos a curto prazo na oferta de imóveis. Pode ser que no curto prazo o Zika Virus acabe ajudando os casais a morarem com seus pais pois quando não se tem filhos não existe uma pressão tão grande para que se vá morar em um local próprio principalmente por causa de espaço, quando se tem um filho é necessário muito mais espaço, porém quando se é apenas um casal fica mais fácil de se acomodar.

    Não que isso irá afetar em larga escala o mercado, mas pode sim afetar um pouco o estoque de imóveis.

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 28 de julho de 2016 at 12:20

      O Zica e esta recessão irão contribuir com a diminuição da taxa de fecundidade, já estamos abaixo do 2.1 que é o ponto de equilíbrio.

      Em 2011 achavam que chegaria em 250 milhões até 2060
      http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2011/04/29/brasil-tera-no-maximo-250-milhoes-de-habitantes-estima-presidente-do-ibge.htm

      Em 2013 achavam que chegaria em 228 milhões em 2042
      http://g1.globo.com/brasil/noticia/2013/08/populacao-do-brasil-atingira-maximo-de-2284-milhoes-em-2042-diz-ibge.html

      Agora é estimado 204 milhões em 2030, e a partir disso só cairá.
      http://www.universitario.com.br/noticias/n.php?i=5833

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 28 de julho de 2016 at 14:49

        são fontes diferentes ibge e ipea, métodos devem ser diferentes, não se deve comparar se for seguir a técnica perfeita

        mas vá lá que tenham alguma diferença pequena, ainda assim essa noticia que vc nos passou é um violento golpe

        7+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
    • RC 28 de julho de 2016 at 12:42

      Luke Bolha, a única coisa que concordo com seu pensamento é que o Zika pode afastar a ideia de casais de terem filhos, do resto penso exatamente o oposto.

      A questão de ao ter filho necessitar de mais espaço para mim só interfere em optar por um apartamento/casa com um quarto a mais, e a meu ver favoreceria morar mais perto, ou até mesmo com os pais (avós do filho), que “ajudariam” na criação (na necessidade de não ter como contratar uma babá ou colocar em uma creche, ou mesmo nos dias que ambas não puderem estar com a criança).

      Eu quando casei queria o meu espaço, o espaço para a nova família que estava formando com minha esposa, não queria interferência dos meus pais ou sogros nessa nova família, e não havia ainda nenhum planejamento quanto a filhos.

      A volta das famílias (sejam elas com ou sem filhos) a casa de parentes relatadas atualmente para mim tem relação diretamente financeira. Independente de ter filho ou não, se apertar vão voltar a morar com os pais, gostando ou não.

      7+
      • avatar
    • Lucas 28 de julho de 2016 at 14:51

      luke
      é pior
      o zika vai ferrar a previdencia, o país poderá falir se nada for feito

      como diz o slogan, daqui 20 anos quando velhos aposentados não tiverem um numeral de adultos por tras trabalahndo, imovel será o menor dos problemas

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Observador 28 de julho de 2016 at 11:44

    Simples…se os preços se “acomodarem” estão perdendo na faixa de 10% ao ano, numa aplicação conservadora.

    Já caiu nominal 30-40%…mais uns 5 anos “acomodados”, perdendo os investimentos na casa de 10% pelo menos ao ano…é ÇOFTI???

    Uma pergunta aos jurólatras do site: o que acharam das novas regras do BIVA?

    6+
    • avatar
    • avatar
    • obrahma 28 de julho de 2016 at 11:53

      Acredito que nos moldes que eles vinham aplicando era insustentável(como de fato as mudanças sugerem isso).
      Para o investidor se tornou mais arriscado pois eles não irão mais garantir os investimentos ou reembolsos em casos de inadimplência.

      5+
      • Observador 28 de julho de 2016 at 11:56

        Então…fico pensando se o prêmio maior pago compensa o risco.

        4+
      • obrahma 28 de julho de 2016 at 12:04

        Talvez seja interessante apenas para diversificar ou ainda para aquela porcentagem destinada ao “CAR – Capital Alocado ao Risco”

        3+
  • Seguidor do Bolha BH 28 de julho de 2016 at 11:51
  • Seguidor do Bolha BH 28 de julho de 2016 at 11:54

    Não sei se já publicaram anteriormente.

    PDG se aproxima de um colapso
    http://www.resimob.com.br/pdg-se-aproxima-de-um-colapso/

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • LucianaSilva 28 de julho de 2016 at 12:43

    Hoje eu recebi um e-mail da Brookfield Corporações. Normalmente eu não abro e-mails de propaganda, ainda mais na minha conta profissional. Mas decidi abrir:
    “Agora é a hora de comprar seu imóvel. Não perca essa oportunidade”.
    Fui ver o valor, R$167mil (parecia razoável), mas quando olho a metragem, 30m2 (imaginem morar num ovo destes), empreendimento SPOT em Águas Claras.
    Nem sei porque ficam mandando uma coisa destas para mim Eu não sou e nem moro em BSB…..kkkk.

    13+
    • avatar
    • avatar
    • markito 28 de julho de 2016 at 13:51

      Ao invés de SPOT deveria chamar PLOFT, pois antes em brasília 30m2 era igual a 250 mil (isso usado),

      8+
      • avatar
  • Lucas 28 de julho de 2016 at 12:47

    ENQUETE DE ONTEM
    RESULTADO

    Se depender da maioria nosso estouro será à ESPANHOLA, uma década caindo
    Se estourou em 2012, espererem até 2022 pra chegar no fundo.
    que delicia um estouro à espanhola

    isto posto, o estouro americano veio logo atrás (2018/19)
    e o japonês tbm veio encoxando logo depois (+2030)

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 28 de julho de 2016 at 13:22

    MENTIRA
    “Existe um limite de até que ponto os preços podem cair, isso acontece por conta dos custos envolvidos na construção”

    OS CUSTOS NÃO IMPEDEM QUE O PREÇO CAIA ABAIXO DISTO
    se fosse assim, bastava eu mandar um peão fazer buracos no meu terreno e outro tampar que os custos iriam valorizar o meu imóvel.

    a coisa é muito simples, se o preço está acima do custo a produção aumenta, se o preço cai abaixo do custo a produção para, os estoques vão sendo vendidos até esgotar ou até o preço voltar acima.

    Os preços somente voltarão acima do custo quando o superestoque estive para acabar,
    MAS como vimos pelas contas do CA do César ou do Samy Dana de qualquer um que perca um pouquinho de tempo levantando dados
    os estoques estão crescendo ainda mais por conta da crise e podem durar no mínimo 3 anos, talvez uma década, ou até mesmo NUNCA se esgotar em algumas capitais pela reverssão do fluxo populacional, queda de fecundidade, zika virus e a crise.

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 28 de julho de 2016 at 14:03

      Jovens buscam comprar casa própria antes do casamento, em Goiás:
      Clientes com idade entre 20 e 35 anos:
      -O advogado Carlos Ernesto Nunes Filho, de 27 anos, se casou há oito meses
      -Comprar um apartamento antes de casar também foi a decisão do taxista Luciano Miguel Ferreira, de 28 anos
      -O taxista Atílio Ferreira, de 30 anos, adquiriu um apartamento em 2015, junto a sua noiva, a professora Larissa Laisa, de 28 anos.
      Começamos a juntar dinheiro, vendemos celulares e outros objetos e, com isso, juntamos dinheiro para dar entrada em um apartamento, só que vimos que o mesmo era diferente do mostruário. Então tivemos que fazer um destrato e acabamos perdendo R$ 3 mil em dinheiro. ..
      proxima onda de compras só em 2020…se tiver. por isso o desespero
      http://g1.globo.com/goias/mercado-imobiliario/noticia/2016/07/jovens-buscam-comprar-casa-propria-antes-do-casamento-em-goias.html

      9+
      • avatar
  • Alemon Fritz 28 de julho de 2016 at 13:54

    no jornal hoje mostrando que a galera não faz conta pra
    ver se vale a pena abastecer com etanol “pois é muito complicado”
    sempre usam o mesmo pois demanda regra de 3.

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Nuno Rj 28 de julho de 2016 at 14:03

    CVR Aracaju

    Dúvida difícil: comprar por R$ 1,2 milhão ou alugar por R$ 980?

    Compra: http://se.olx.com.br/sergipe/imoveis/excelente-apartamento-no-ed-mansao-domani-citta-69656968
    Venda: http://se.olx.com.br/sergipe/imoveis/edificio-mansao-domani-citta-210152932

    Finjamos que os R$ 980 são sem IR nem comissão nem nada: uma rentabilidade de incríveis 0,082%!

    Deve ter alguém bem enforcado…

    20+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cajuzinha 28 de julho de 2016 at 14:58

      Acho que esses dois preços são para venda mesmo. Apenas erro de digitação. Unidades diferentes.

      8+
      • avatar
      • avatar
      • Nuno Rj 28 de julho de 2016 at 15:43

        Poxa… vdd. Não tinha visto que está anunciado na categoria “Venda > Apartamentos”. Obrigado pela correção, Cajuzinha! 🙂

        5+
        • avatar
    • Nuno Rj 28 de julho de 2016 at 15:40

      oops, compra e aluguel rsrs

      4+
  • Lord of All 28 de julho de 2016 at 14:25

    “Não veremos oportunidades no mercado imobiliário daqui pra frente”

    Concordo. Não serão “oportunidades”, serão galinhas-mortas mesmo. Ou rojões acesos que ninguém quer segurar.

    8+
    • avatar
    • avatar
  • rpoa 28 de julho de 2016 at 15:52

    o descolamento do preço dos imóveis e renda é notório. OK!
    quanto ao “piso” de preços pelo custo de construção, acho que tem algum fundamento (em algum momento podem cair abaixo, mas não ficam “sempre” abaixo, senão a equação não fecha).
    e enquanto tiver gente comprando um corolla ou cruze zero e pagando R$ 100 mil (que absurdo) vai ter gente pagando R$ 1 milhão por pouco mais de 100m2……

    9+
    • avatar
    • avatar
    • yanborges 28 de julho de 2016 at 16:00

      Foi o que disse ali em cima tb. Exemplo dos carros vale bem…se a parcela cabe no bolso, povao vai comprar. Por mais que num caso seja 3 ou 5 anos de divida e o outro a vida toda, voce tem 2 “logicas” de pensamento corroborando com a logica da “parcela cabe no bolso” . 1)”melhor pagar financiamento do que aluguel, que pelo menos o negocio é seu” e 2) “a parcela é menor que o aluguel e ainda cai com o tempo! que maravilha!”

      7+
      • SampaBoy 28 de julho de 2016 at 20:30

        Não é a toa que a queda dos juros pela nossa ex presidanta em 2013 provocou uma “corrida pela casa propria” e uma especulação de preço espetacular pelas construturas . Não é a toa que o Brasil é um dos paises com maior taxa de juros no mundo. Quem fabrica essa distorção é a fome desmedida do brazuquinha em fazer financiamentos. Imovel mais ainda que carro. O cara vai la, ve que cabe as parcelinhas, fechou negocio….ele não mede as consequencias , ele não calcula o minimo, ele não se importa em trabalhar uma decada na vida apenas para pagar os juros, ele nao se importa em f… com o resto das coisas da vida por causa disso, emfim, ele não se importa em entregar a alma para o diabo, desde que ele consiga o maldito sonho do tijolo proprio.

        8+
        • avatar
  • fanfarraum 28 de julho de 2016 at 16:26

    http://oglobo.globo.com/economia/negocios/para-fazer-caixa-uniao-poe-venda-29-imoveis-sem-leilao-19803176

    Para fazer caixa, União põe à venda 29 imóveis sem leilão
    O valor estimado dos ativos é de R$ 80,308 milhões

    5+
    • avatar
    • avatar
    • Loucodf 28 de julho de 2016 at 17:30

      Não ta fácil pra ninguém.
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      “Vale 80 milhos, mas não tem ninguém que pague”

      6+
      • avatar
  • Jacob 28 de julho de 2016 at 17:20

    Alguem por favor fure meus olhos:

    “http://www.latadear.com.br/pd-c79c0-lata-de-ar-do-rio-de-janeiro.html”

    5+
    • FabianoSJC 28 de julho de 2016 at 17:34

      Ja pensou abrir a lata e ao invés de “ar” sair uma bala perdida rs

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • rogerio 28 de julho de 2016 at 17:54

    Tava pensando, se realmente aquela história de que 20% dos aptos vendido cobre todo o custo do prédio. Digamos que sejam vendidos 50% dos aptos do prédio, qual a necessidade de baixar muito o preço pra vender?
    Por favor argumentos….

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Luke Bolha 28 de julho de 2016 at 19:11

      Se não está vendendo pelo preço pedido é melhor baixar para poder vender e logo em seguida aplicar em algo mais rentavel, a outra opção é ficar com imóvel indefinidamente esperando a tal valorização ( ou desvalorização ) arcando com os custos de manutenção.

      3+
      • avatar
    • Cajuzinha 28 de julho de 2016 at 19:15

      Pelo que entendi esses 20% é o que AINDA falta terminar da obra. Postei em outro tópico uma notícia que dá a entender que funciona assim: em razão dos distratos as construtoras não estão conseguindo finalizar a obra, então se estiver faltando até no máximo 20% do valor pra terminar a obra, a CEF empresta.

      3+
      • CarlosL 28 de julho de 2016 at 21:02

        Não me soou assim não; Eu entendi que contando que se venda 20% do empreendimento, o que segundo eles cobre o custo da obra, o financiamento para a construção é liberado….

        3+
    • EngenheiroDF 28 de julho de 2016 at 20:26

      Rogério, não existe isso de 20% das vendas pagar 100% do custo. Se fosse assim não haveria construtoras quebrando. Atualmente boa parte das construtoras estão queimando estoques pra fazer caixa. Queimando estoques com prejuízo. Em Brasília alguns exemplos:

      Nas 9 torres da PDG em frente ao cemitério de taguatinga, onde a venda dos apartamentos de 50 m2 esta por volta e 160mil reais, eles CERTAMENTE estão vendendo com prejuízo.

      As torres construídas pela João FOrtes atrás do conjunto Nacional (VIsion, Fusion, Le Quartier, Biarritz e San Morritz), la houve um fim de semana que apartamentos de 32 m2 foram vendidos por 125 mil reais. provavelmente neste caso eles não tiram nem o custo de construção (mão de obra e material).

      Vários apartamentos estão sendo vendidos no Noroeste abaixo do custo. Só pra fazer caixa.

      4+
      • avatar
    • CarlosL 28 de julho de 2016 at 21:16

      Se procede, e eu acho que procedia pelo menos de 2009 a 2013, o apto ficando vago gera prejuízos mensais pois degrada, a construtora tem de arcar com condomínio, iptu, etc….

      2+
  • JJJ_brasilia 28 de julho de 2016 at 18:28

    CVR

    Acabo de receber um e-mail de uma empresa que sou sócio na BOVESPA, vai me pagar dividendos. É grana na conta, sem coRvo, IR, é grana.

    8+
    • avatar
  • SampaBoy 28 de julho de 2016 at 21:00

    Da-lhe Otimismo !

    “Comitê de Avaliação da Conjuntura da ACSP constata que existe apenas uma expectativa sugerida pelos índices de confiança de empresários e consumidores. Mas são poucos os números que confirmam o otimismo, mesmo moderado.
    As previsões sobre o desempenho da economia podem ser resumidas da seguinte forma: há uma expectativa de melhora, mas ao mesmo tempo são quase inexistentes os indicadores para que isso aconteça.”

    http://www.dcomercio.com.br/categoria/economia/ha_muita_fumaca_e_pouco_fogo_nas_previsoes_de_recuperacao

    1+
  • Luladranus 28 de julho de 2016 at 21:26

    Segundo Figueiredo, a família sempre se mostrou aberta a outras parcerias para negócios no Brasil. Ele diz que quer construir algo em São Paulo, mas que a crise econômica tornou o Brasil “um mercado inóspito nos últimos dois anos”.
    “Agora o país está virando, já sentimos muita diferença, mas ainda estamos olhando as oportunidades.”

    http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2016/07/28/por-que-o-maior-empreendimento-de-trump-no-brasil-encalhou.htm

    1+