Aluguel cai, mas mercado não reage – Estadão

Você pode gostar...

Comments
  • Luladranus 6 de junho de 2016 at 20:54

    Milhares de novos desempregados todos os dias, renda caindo, inflação comendo solta, poupança exaurindo-se. Não há milagre, além do excesso de oferta, os possíveis inquilinos (ou candidatos a propriotarios), mesmo que queiram, já não conseguem mais manter o mesmo padrão de vida de antes, acabou o sonho dourado. Como diz o ditado, aceitem que dói menos.

    37+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Boruto 7 de junho de 2016 at 07:33

      Convenhamos que há muito tempo deixar dinheiro na poupança é o mesmo que guardar debaixo do colchão, some isso ao desemprego e ao fato de ser dos piores investimentos a se fazer, por isso o aumento dos saques.

      3+
      • Luladranus 7 de junho de 2016 at 12:15

        Não me refiro a poupança como o investimento em si. Se o cidadão fica desempregado e não consegue arrumar outro emprego, caso tenha algum $$ guardado, chega uma hora que acaba o seguro desemprego e as rescisões, aí neguinho se obriga a dilapidar suas economias.

        5+
        • avatar
      • CA 7 de junho de 2016 at 12:36

        Boruto,

        Desde janeiro/2014, quando a SELIC passou de 10% novamente, a poupança já era o pior investimento de todos. Por que não tivemos saques maiores que depósitos a partir deste momento e isto só começou a ocorrer em 2015, se segundo você, a causa da sangria da poupança é só a sua baixa competitividade com outros investimentos? Por que quando tínhamos uma rentabilidade bem menor da poupança em relação a outros investimentos, no período anterior a 2012, em especial até 2010, a poupança “bombou”, com depósitos MUITO maiores que saques, mesmo tendo rentabilidade muito pior que outros investimentos?

        Não entendi sua lógica, pois os fatos e dados DEMONSTRAM de forma inequívoca que o baixo rendimento da poupança em comparação com outros investimentos nunca foi limitante para aumento de depósitos, em contra-partida, foi só a crise aparecer de forma aguda que os saques da poupança passaram a superar os depósitos, para se ter ideia, dos últimos 17 meses, apenas em 1 deles a poupança teve mais depósitos que saques (em dezembro, em função do décimo terceiro salário). “Será” que a sangria da poupança não está muito mais relacionada com a crise do que com a rentabilidade?

        12+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • CA 7 de junho de 2016 at 12:38

          Corrigindo: você até mencionou o desemprego, junto com a rentabilidade, mas a questão é que ficou muito claro que o DETERMINANTE para sangria da poupança foi a crise na economia, incluindo o desemprego e não a rentabilidade. As pessoas que aplicam na poupança não aprenderam matemática financeira “da noite para o dia”, foi a crise que causou os saques, tanto é que ao longo de muitos anos existiram outros investimentos mais rentáveis e tão seguros quanto a poupança e mesmo assim ela mantinha os depósitos crescentes.

          5+
          • avatar
          • avatar
          • Lucas 7 de junho de 2016 at 16:36

            poupança é o investimendo da classe C
            sangra junto com o PT e sua euforia baseada na ilusão do crédito
            a conta chegou

            6+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
        • Boruto 8 de junho de 2016 at 07:42

          É sempre uma honra trocar uma ideia com você CA. Adoro suas análises.
          Você está certo, mas eu coloquei o desemprego como um dos possíveis fatores também.

          0
  • Lord of All 6 de junho de 2016 at 21:15

    Durante um ano (…) o aluguel baixou para 10 mil, mas o valor pedido para a venda foi mantido.”

    Imóvel “nem-nem”: Nem vendido e Nem alugado.

    76+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 7 de junho de 2016 at 07:50

      Gostei. Imóvel Nem-Nem.
      hahuahuauhauhahuaha

      23+
      • avatar
      • avatar
    • JJJ_brasilia 7 de junho de 2016 at 09:41

      Lord,

      Também gostei no imóvel nem-mem, kkkk.

      4+
      • avatar
      • avatar
  • Ribs 6 de junho de 2016 at 21:18

    Aqui tem sala comercial de 25m2 por 85 mil

    5+
    • avatar
  • mark 6 de junho de 2016 at 22:32

    Aqui no Rio os preços continuam altos, não estão mais subindo, mas também não caem. Continuo no time do soft landing, não vejo queda de mais de 30% nos próximos 2-3 anos no Rio, talvez só se a crise se aprofundar mais ainda.

    Antes do Lucas me crucifixar, quero dizer que eh bom ter opiniões ao contrários do concesso, porque senão esse blog viraria uma câmera de echo, onde onde todos passariam o dia inteiro falando a mesma coisa.

    30+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Minions 6 de junho de 2016 at 23:28

      Então vamos as contas: queda de 30% + 20% de inflação + 35% de SELIC (custo de oportunidade) e tú é do time do soft? O que seria mais hard que isso?

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • CA 7 de junho de 2016 at 07:24

        Minions,

        Pois é, falando em termos de custo de oportunidade, que foi a sua abordagem, temos que entre 2 e 3 anos o prejuízo será em média, entre 20% e 30% ao ano. Comparando com os EUA que é o exemplo clássico de explosão hard landing, que teve no ano que foi o auge da explosão, uma queda que considerando custo de oportunidade e inflação não chegou a 20%, sendo que este ano foi o de recorde de queda dos preços, podemos concluir, mais uma vez, o quanto o time soft landing não faz a menor idéia sequer do que seja soft…

        Experimenta então perguntar para eles qual o “embasamento” deles para esta previsão, o máximo que você vai ouvir é o mimimi socialista de que as minorias também tem direito de se manifestar, mesmo que não tenham nenhum fundamento em sua manifestação e absolutamente nenhum argumento racional, fato ou dado que subsidie o “raciocínio” deles, como nos “melhores” discursos de petistas, comunistas e afins, irão fugir do mérito da questão como o diabo foge da cruz, inventarão teses heterodoxas para justificar o injustificável e ao final ainda gritarão que é um golpe contra a democracia.

        11+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Minions 7 de junho de 2016 at 08:47

          Eu acho curioso quando enchem a boca pra dizer que o Brasil é fiderente dos EUA porque lá tinha o subprime (e blá blá blá) mas “esquecem” de dizer que lá os juros anuais são quase 0, bem como a inflação e, aqui, só a soma destes dois índices ultrapassa 20%/ano (que foi o “percentual” da explosão da bolha de lá). Ou seja, sem considerar os “descontos”, temos uma explosão de bolha equivalente aos EUA POR ANO!

          14+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • Lucas 7 de junho de 2016 at 14:55

            vcs já falaram tudo
            soft é um auto-engano
            essas pessoas que compram livro de auto-ajuda do tipo lei da atração
            “e sorriem felizes: eu só perdi 30%”

            tasqueopairu, 30% do principal bem que uma família vai adquirir ao longo de toda uma vida é soft ????
            “ah, mas eu sou rico nem ligo de perder 100 mil reais”
            100 mil reais 0,2% da população vai ver esse número 1 dia na sua conta.
            nem vou falar das casas de 1 milha.

            amigo, vc se autocrucifixa, a gente só observa

            5+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
    • Mn 7 de junho de 2016 at 00:23

      O pior cego é quem não quer ver…

      Eu estou vendo o início da queda, algumas ofertas com preço ridículo (1/2 do que o vizinho está pedindo). Mas não vou divulgar não, não vou fazer pesquisa por você. O sangue está começando e tem muita gente entrando em pânico com suas intermináveis dívidas…

      O pior cego é o que não quer ver. Rio não vai ser hard; vai ser HARDCORE.

      20+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 7 de junho de 2016 at 14:57

        o pior cego é aquele que o motumbo vai furar o olho gostoso
        acho melhor voltar pra lá

        3+
        • avatar
        • avatar
    • SampaBoy 7 de junho de 2016 at 00:24

      Sim, bem dito pelo minions, inflacao + juros de aplicacoes (custo oportunidade) + tempo tornam a queda muito mais hard do que aparenta ser olhando apenas o valor absoluto de venda. Anyway…..crucifica Lucas!

      5+
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 7 de junho de 2016 at 14:56

        up

        0
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 07:30

      mark, o estado do RJ está falido, com um déficit mensal de 2 bilhões, não tem nenhuma perspectiva de aumento de arrecadação e a única salvação é ser socorrido pelo governo federal SQN kkkkk
      A cidade do rio de janeiro “investiu” 38 bilhões na olimpíada, ainda não foram vendidos 2 milhões de ingressos, daqui alguns meses ela começara a ter que pagar por esta dívida.
      Na cidade de Detroit o custo de vida ficou tão alto que as grandes montadoras de veículos resolveram sair da cidade, com isso caiu a arrecadação, expansão da criminalidade, fuga de cérebros, até que a cidade faliu. Imóveis não valem nada por lá.
      A queda na arrecadação em Detroit for por causa da saída das montadoras de veículos e da cidade do hell de janeiro por conta das quedas nos investimentos e na produção petrolífera, mas esta última seguirá o mesmo caminho da primeira.

      23+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 07:51

      Crise dificulta venda de apartamentos feitos para Olimpíada

      Apartamentos em prédios de luxo erguidos para as Olimpíadas podem ter dificuldade para encontrar compradores devido ao arrefecimento do mercado imobiliário no Rio de Janeiro, disse o prefeito Eduardo Paes, em entrevista à Bloomberg.

      As empresas terão dificuldade para vender as unidades dos 31 prédios da Vila Olímpica, onde 3.604 apartamentos foram erguidos para os jogos em agosto, ele disse. Menos de 300 deles foram vendidos até agora. Um empreendimento de quatro torres ao lado do campo de golfe Olímpico também está exposto à crise imobiliária, de acordo com Paes. Ilha Pura é uma joint venture da Odebrecht e Carvalho Hosken e o Riserva Golf, da Cyrela.

      Desde que o Brasil entrou na disputa para os jogos, há nove anos, o País e a cidade do Rio passaram da bonança à crise econômica. O boom nos preços dos imóveis, que por anos parecia não ter fim, acabou. Com o financiamento imobiliário mais caro e escasso, algumas incorporadoras estão vendo o estoque encalhar. A demanda também é prejudicada pelo aumento do desemprego e pela recessão, que caminha para ser a maior em um século.

      Das primeiras 600 unidades colocadas à venda no Ilha Pura, 40 por cento foram vendidas, de acordo com a Carvalho Hosken. “Estamos otimistas com a visibilidade dos Jogos Olímpicos, que certamente ajudará a impulsionar as vendas,” disse a companhia em um comunicado enviado por email. A Cyrella não respondeu a um pedindo comentários feito por e-mail.

      http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/2016/02/19/eduardo-paes-crise-dificulta-venda-de-apartamentos-feitos-para-olimpiada.htm

      13+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Cajuzinha 7 de junho de 2016 at 08:09

        E dessas qts são falsas?


        Das primeiras 600 unidades colocadas à venda no Ilha Pura, 40 por cento foram vendidas, de acordo com a Carvalho Hosken.”

        9+
        • avatar
        • avatar
        • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 08:43

          600 x 40% = 240 unidades vendidas de um total de 3.604
          Ou seja, foram vendidas 6,6% da unidades, as outras 93,4% estão encalhadas.

          8+
          • avatar
          • avatar
          • tmarabo 7 de junho de 2016 at 10:50

            nao foram vendidas 40%, é mentira. nem deveríamos elaborar questões a este respeito.

            3+
            • avatar
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 07:56

      As construtoras na segunda cidade do Brasil estão lutando para encontrar meios de desovar apartamentos, oferecendo vantagens como pagar as taxas de condomínio durante anos, cortar as prestações em 50% e dar viagens para Nova York. Outras oferecem carros compactos e eletrodomésticos aos potenciais compradores.

      Despencando de sua posição como um dos mercados imobiliários mais caros do mundo, o Rio hoje luta com seu maior excedente em décadas, levantando temores de uma quebra, enquanto dezenas de novos edifícios elegantes construídos para os Jogos Olímpicos de 2016 não atraem compradores. Para realçar o triste clima da economia local, os esqueletos de projetos de hotéis abandonados enfeiam a silhueta urbana.

      Estudiosos da história dos esportes muitas vezes esperam que essas crises econômicas se materializem depois de Olimpíadas, quando os gastos em construção secam e a enxurrada de turistas diminui. As ruínas dos locais construídos para os Jogos de Atenas em 2004 são um testamento das ressacas produzidas pelo excesso de gastos em estruturas com poucos usos práticos.

      Mas o Rio está acrescentando uma nova vertente a esse modelo, pois a economia aqui se deteriora acentuadamente nos meses que antecedem a Olimpíada, com a oferta excessiva de propriedades construídas para o evento exacerbando os choques da recessão nacional e os baixos preços do petróleo.

      Além do fiasco de vendas da Aldeia Olímpica, os preços dos imóveis residenciais no Rio caíram até 12% no último ano. Com a inflação anual chegando a quase 10%, isso significa que os preços das propriedades em algumas áreas aqui diminuíram mais de 20% em termos reais no último ano. E depois de computada a queda da moeda brasileira em 2015, muitos apartamentos custam cerca da metade do preço do ano passado em dólares.

      Os aluguéis de escritórios na cidade também estão em queda. Enquanto o Rio já havia superado Nova York como mercado imobiliário mais caro das Américas, os aluguéis mensais de escritórios hoje saem por cerca de R$ 140 o metro quadrado, contra R$ 297 (R$ 367 corrigido) em 2013, segundo a consultoria global CBRE. QUEDA DE 61,8% EM 3 ANOS É SOFT !!!!!

      13+
      • avatar
      • avatar

      • tmarabo 7 de junho de 2016 at 10:51

        mas o sujeito tem ou não tem que ser muito besta pra se deixar seduzir por uma viagem a nova york na hora de comprar um apartamento??????

        7+
        • avatar
    • alemaobnu 7 de junho de 2016 at 08:05

      Aqui na regiao do vale do itajaí determinado que imovel que está a venda a quase 1 ano e que venho acompanhando aumentou 5% de preço no novo anúncio que vi ontem. Mesmo “causo” de uma senhora que eu conheci que faleceu sem vender seu imóvel e aumentava o preço em torno de 5% anualmente. É como se pensassem: “nao querem comprar? vai ser pior pra voces, pois se nao comprar eu aumento o preço!”
      O que vejo aqui é em sua maior parte estagnação e aumentos pontuais de preços.
      Um ou outro reduz o anuncio em 10k e depois de umas semanas retorna ao valor que estava antes (+10k), nessa faixa aí.

      17+
      • avatar
      • Danibolhista 7 de junho de 2016 at 10:49

        “nao querem comprar? vai ser pior pra voces, pois se nao comprar eu aumento o preço!” kkkkkkkkkk

        15+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
    • Felipe 7 de junho de 2016 at 08:53

      tenho uma opinião parecida. é que eu vejo certos preços e não tem como não pensar “vai dar merda”.
      ontem vi um email – apê em Higienopolis, bairro de judeu aqui de SP. Denominado de luxo pelo autor, o ap tem 250 m2. Baixou de 3milhões e 700 para 3 milhões. é tão ridículo que esse tipo de imóvel se aumentar junto com a inflação tem que subir 300 mil por ano!
      Por isso, pegando um bom imóvel de valor compatível com a realidade e negociando bem o preço e usando, por exemplo uma taxa pró-cotista (que já não existe) de 7,8% dava bom negócio. Com a extinção da linha e taxa de juros parecendo que não vai cair, vamos ter mais quedas sim e, NMHO, mais fortes nos imóveis mais caros tipo “luxo lixo” primeiro.

      4+
      • tmarabo 7 de junho de 2016 at 10:54

        ” Baixou de 3milhões e 700 para 3 milhões. é tão ridículo que esse tipo de imóvel se aumentar junto com a inflação tem que subir 300 mil por ano!”
        Ou seja, corrigido pela inflação deveria custar 4,07kk e está “custando” 3kk, ou seja 73% do valor EM UM ANO. Isto É HARD. Sem contar que não vende por 3kk.

        6+
        • avatar
        • avatar
        • Felipe 7 de junho de 2016 at 13:28

          se vai vender eu não sei, sei que eu é que não vou comprar…
          considerando 10% de inflação, houve uma queda de mais de 25% do preço mesmo. Hoje, isso tem se repetido em todos os imóveis.
          Depois de um tempo de queda, o preço dos imóveis mais baratos vai chegando no limite – forçando queda maiores ainda nos mais caros e ruins.
          Infelizmente nosso ex-governo fez o favor de colocar um piso de 150 mil nos imóveis e não me parece que os governantes contemporâneos estão afim de mudar isso. Daí minha opinião de um achatamento que vai começar bem forte lá em cima e ser mais tranquilo na parte inferior… talvez nos imóveis comerciais não haja esse limite e, com muito comércio/negócio fechando, hajam ótimas oportunidades.

          2+
          • tmarabo 7 de junho de 2016 at 14:29

            verdade, é nessas horas que eu entendo a lição liberal de “deixar quebrar”… o governo “ajudar” nesta área é só fazer a população sofrer por mais tempo. talvez seja assim em todos os ramos da economia e eu que não veja, isto é, sempre que o governo ajuda um setor em crise só prolonga o sofrimento do povo, com raras exceções.

            1+
  • Carlos 7 de junho de 2016 at 05:46

    Como o “sonho da casa própria” pode fazer a tua vida miserável.

    Live & Learn: Buying a home left her house poor

    http://www.cnbc.com/2015/11/18/live-learn-buying-a-home-left-her-house-poor.html

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 07:20

    No Jornal Nacional de ontem
    http://g1.globo.com/jornal-nacional/videos/t/integras/v/jornal-nacional-edicao-de-segunda-feira-06062016/5075787/

    18:17 O pior resultado para a poupança em em 21 anos
    18:41 Produção de carros recuou 24% desde janeiro
    19:03 Imóveis que podem ser comprados com 500K

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 7 de junho de 2016 at 07:51

      ARDAM !!!!!

      6+
      • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 7 de junho de 2016 at 08:05

    Do JN de ontem.

    Pesquisa mostra como preço de imóvel muda de acordo com cidade
    http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/06/pesquisa-mostra-como-preco-de-imovel-muda-de-acordo-com-cidade.html

    7+
    • avatar
  • Alemon Fritz 7 de junho de 2016 at 08:49

    Imóveis encalhados do DF vão a programa de moradia

    p oferecer cartas de crédito para incorporar empreendimentos privados ao projeto Habita Brasília

    o empresário está com um empreendimento pronto de 150 apartamentos, mas não quer cadastrar todas as unidades porque já vendeu 40. Tudo bem. kkkkkk

    Empresários com empreendimentos residenciais particulares parados sem vendas serão convidados a inscrever as unidades nos programas habitacionais do governo

    http://www.jornaldebrasilia.com.br/politica-e-poder/imoveis-encalhados-vao-a-programa-de-moradia/

    6+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Nuno Rj 7 de junho de 2016 at 08:56

    Pessoal, alguém tem acompanhado essa possível futura crise na China, o chamado “subprime chinês”? Pelo que li, empresas com grandes dívidas bancárias e, para poder pegar mais empréstimos e continuar funcionando, transformam a dívida em ações e os bancos se tornam sócios. Assim, “escondem” a massa podre e vão aumentando o rombo.

    Meu receio é isso tomar proporções mundiais e ser a nova crise financeira e falir alguns bancos por aqui. Tô mto paranóico? Vc acham que é mto arriscado manter os investimentos nos bancos médios (como os da easynvest) com prazo determinado?

    Uma matéria recente sobre isso: http://www.telegraph.co.uk/business/2016/05/06/warnings-mount-on-worlds-corporate-debt-china-crisis/

    10+
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 09:36

      Vira e meche o governo chinês proíbe que as ações de uma determinadas empresas sejam vendidas durante 6 meses. kkkkk

      4+
  • bolhista fulano de tal 7 de junho de 2016 at 08:56

    no tópico anterior, com relação à discursão sobre o vale dos preços do imóvel… como o CA falou, acredito que a fase do vale será logo antes da economia voltar a crescer. Acredito tb nisso tendo em vista que no Brasil nada acontece… nem bolha imobiliária, nem guerra civil (os números mostram que vivemos sim em guerra civil), depressão econômica… enfim, é tudo maquiado nessa banania. Ninguem vai derrubar preço a não ser que esteja necessitando. Existem algumas tentativas de elevar os preços do imóvel através de boatos pelos corvos e proprietários, mas como o mercado sempre se impõe, o preço não sobe. Acho que o maior amortecedor de queda de preços é essa nossa cultura de que aqui na banânia nada acontece de mal e é tudo lindo e tudo vai dar certo.

    6+
  • Igor Alves 7 de junho de 2016 at 09:10

    Minions

    Eu acho curioso quando enchem a boca pra dizer que o Brasil é fiderente dos EUA porque lá tinha o subprime (e blá blá blá) mas “esquecem” de dizer que lá os juros anuais são quase 0, bem como a inflação e, aqui, só a soma destes dois índices ultrapassa 20%/ano (que foi o “percentual” da explosão da bolha de lá). Ou seja, sem considerar os “descontos”, temos uma explosão de bolha equivalente aos EUA POR ANO!

    1+

    Caramba! Só essa explicação, pra qualquer um de banânia, que não possua um grave retardo mental, bastaria pra explicar o que o CA e outras pessoas fazem a ANOS!

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 7 de junho de 2016 at 09:12

    estatísticas
    no feirão foram oferecidos 75k imóveis e comercializados 13k = 17% (mercado aquecido….)
    o valor foi 2,9bilhoes =223k cada um. (média usados e novos)
    2015 pra comparar
    em 2015 os imóveis de até R$ 225 mil passaram de 11% do total de lançamentos em 2014 para 23% em 2015; os de R$ 225 mil a R$ 500 mil, de 48% para 53%; os de R$ 500 mil a R$ 750 mil, de 25% para 15%; os de R$ 750 mil a R$ 1 milhão, de 7% para 4%

    4+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 7 de junho de 2016 at 09:24

    Só não tem dinheiro…

    “O ministro das Cidades, Bruno Araújo, voltou a afirmar nesta segunda-feira (6) que o Minha Casa, Minha Vida (MCMV) não será interrompido.

    Ele admitiu, no entanto, que ainda não há recursos disponíveis para a faixa 1 do programa federal.”

    http://www.folhape.com.br/economia/2016/6/araujo-admite-falta-de-recursos-para-a-faixa-1-do-mcmv-0063.html

    11+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 10:44

    Entendendo o conceito de déficit habitacional, referente o censo 2010

    Existem, segundo o censo, pouco mais de 6,07 milhões de domicílios vagos, incluindo os que estão em construção. O número não leva em conta as moradias de ocupação ocasional (de veraneio, por exemplo) nem casas cujos moradores estavam temporariamente ausentes durante a pesquisa. Como veremos abaixo se removermos os “Conviventes com intenção de mudar” 1.579.263 e os casos de “Excedente aluguel” 2.293.517, sobrará apenas 1.371.745 de residências em déficit, ou seja, 2,1%. .

    O déficit habitacional é calculado como a soma de quatro componentes: domicílios precários (soma dos domicílios improvisados e dos rústicos), coabitação familiar (soma dos cômodos e das famílias conviventes secundárias com intenção de constituir um domicílio exclusivo), ônus excessivo com aluguel urbano e adensamento excessivo de domicílios alugados.

    Os critérios são diferentes, de acordo com o critério de imóvel próprio ou alugado. Por exemplo, a pessoa resolve alugar um imóvel vizinho ao seu trabalho, e com isso não gastar em transporte, se ele gastar mais de 30% da renda com aluguel, mesmo economizando na prestação do carro, combustível, manutenção impostos, etc, ele será considerado DEFICIT HABITACIONAL

    Um outro exemplo, um casal de 40 anos convivendo com uma filha de 20 anos e esta com neto de 2 anos. Se esta filha deseja se mudar para outra residência, será considerado DEFICIT HABITACIONAL por se enquadrar em “convivente com intenção de mudar”

    Uma residência rural, onde o banheiro fica na parte externa, a famosa “casinha” ou se a casa for de madeira e a parede não for “duplada” é também DEFICIT HABITACIONAL

    Se uma família gasta 50% da renda com a prestação da casa própria não é considerado déficit, mas desiste dela e se muda para outra residência pagando um aluguel de 30% da renda familiar, é considerado DEFICIT HABITACIONAL

    Uma família vivendo numa casa de 2 quartos, o casal com um bebê em 1 quarto e 4 outras crianças no outro quarto, é também DEFICIT HABITACIONAL, por ter mais de 3 pessoas por dormitório.

    Numa república morando 4 rapazes, se algum dele desejar mudar para outra residência e morar sozinho, entram na situação de conviventes com intenção de mudar, ou seja DEFICIT HABITACIONAL

    Pelo conceito de aglomerado subnormal (FAVELA), o IBGE considera o “conjunto constituído por no mínimo 51 unidades habitacionais (barracos, casas etc.) ocupando ou tendo ocupado, até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular), dispostas, em geral, de forma desordenada e densa, e carentes, em sua maioria, de serviços públicos essenciais. As residências DENTRO desta área são consideradas precárias e entram no DEFICIT HABITACIONAL. Não foi perguntado aos moradores dos “setores subnormais” SE eles querem se mudar dali, foi automaticamente considerado que SIM.

    NÚMEROS DO CENSO 2010
    Número de domicílios 62.996.532
    Déficit habitacional 5.244.525
    **Precárias 870.563
    ****Rústico 785.887
    ****Improvisados 84.676
    **Coabitação 1.757.160
    ****Cômodos 178.433
    ****Conviventes com intenção de mudar 1.579.263
    **Excedente aluguel 2.293.517
    **Adensamento aluguel 510.197

    Rústicos – são aqueles sem paredes de alvenaria ou madeira aparelhada.

    Improvisados – todos os locais e imóveis sem fins residenciais e lugares que servem como moradia alternativa (imóveis comerciais, embaixo de pontes e viadutos, barracas, carcaças de carros abandonados e cavernas, entre outros), o que indica a carência de
    novas unidades domiciliares.

    Cômodos são domicílios particulares compostos por um ou mais aposentos localizados em casa de cômodo, cortiço, cabeça-de-porco – entre outros.

    Convivente com intenção de mudar – duas famílias convivendo na mesma residência tendo uma delas a intenção de mudar-se

    Excedente aluguel – quando a família gasta mais de 30% com o aluguel da residência.

    Adensamento aluguel – mais de 3 pessoas por dormitório residindo numa residência alugada

    No tocante à metodologia do déficit habitacional, a identificação das famílias residentes nos domicílios resolveu apenas parte da questão relativa ao componente família convivente secundária. Não foi incluída no censo 2010 a variável que permitiria identificar, dentre as famílias conviventes, aquelas que, efetivamente, desejavam constituir um domicílio exclusivo. Por esse motivo não é possível identificar diretamente o percentual de famílias conviventes consideradas déficit. A solução proposta pela FJP para minimizar essa lacuna é simples e baseia-se na aplicação de um fator redutor de famílias conviventes, baseado na média aritmética dos percentuais de famílias conviventes consideradas déficit, observados nas
    Pnad 2009 e 2011. O número resultante da aplicação do fator redutor pode ser interpretado como o número de famílias conviventes secundárias com intenção de constituir um domicílio exclusivo que seria observado em 2010, mantida a tendência observada entre 2009 e 2011. Apesar de a solução proposta permitir mensurar um dos principais componentes do déficit habitacional, não permite determinar quais as famílias conviventes
    secundárias, de fato, têm intenção de constituir um domicílio exclusivo. Assim, não é possível obter qualquer informação sobre essas famílias, como o rendimento familiar, por exemplo.

    http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/131125_notatecnicadirur05.pdf
    http://www.fjp.mg.gov.br/index.php/docman/cei/deficit-habitacional/216-deficit-habitacional-municipal-no-brasil-2010/file
    http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392001000100009
    http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2010-12-11/numero-de-casas-vazias-supera-deficit-habitacional-brasileiro-indica-censo-2010

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 10:47
    • Lucas 7 de junho de 2016 at 14:50

      likei
      mas eu tenho uma visão mais simplista
      déficti não existe, é ZERO, cada um mora onde a renda lhe permite morar, seja no viaduto ou proprietário de 1 mansão por estação do ano.

      O que o censo levanta são pessoas que estam em condições diferentes do “normal” que é a familia “propaganda de margarina”.

      Tem NADA A VER o déficit do IBGE com os potenciais consumidores, ou no mínimo muito pouco, isso foi só mais um discrusinho de corvo pra aumentar o preço da venda.

      Então a questão é:
      QUEM sãos os potenciais consumidores de casas NOVAS ???
      Na minha visão simplista é a INTERSECÇÃO de 3 balõezinhos:
      1- Tem grana pra comprar
      2- Precisa comprar
      3- Quer comprar

      O IBGE levanta só o balão “2” e pequena parte do “3”
      Com a crise o balão “1” reduziu a quase ZERO
      Mas o 3 é o pior deles, é o +subjetivo, é o que mais foi inflado por causa da especulação, eles não geram a necessidade de uma casa nova, comprar pra investir não gera déficit, não gera consumidor, consumir é diferente de investir.

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 15:55

        Lucas, o IBGE faz vários pressupostos muito questionáveis
        1 – Quem mora na favela quer sempre sair de lá (setores subnormais)
        2 – É melhor empregar 60% da renda em um financiamento de 35 anos do que 30% em um aluguel
        3 – Se uma nennem com filho “deseja” mudar da casa dos pais já gera um “déficit habitacional”
        4 – Morar petro do trabalho, gastando mais com moradia e menos com locomoção gera déficit habitacional
        5 – Uma família numerosa numa pequena casa obrigatoriamente significa que a qualidade de vida é ruim.
        6 – Famílias à moda antiga, com 3 gerações vivendo numa mesma casa grande, gera déficit habitacional

        8+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Lucas 7 de junho de 2016 at 16:42

          eu li
          e tantos outros que já falamos antes

          o importante é deixar claro pra quem vm aqui buscar informação

          IBGE não calcula comprador de imóvel
          a coisa aí é manobra semantica de corvo pra dizer que existe um mercado enorme no BR

          5+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 7 de junho de 2016 at 11:09
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 11:20

      Promoção pensada para 666, o mínimo de entrada e só depois, na entrega, que irá ver o valor da prestação kkkkkkkkk

      Muitas empresas ofereceram arcar com os custos do Imposto de Transferência sobre Bens Imóveis (ITBI) e as taxas cartoriais de registro e escritura. Só com esses benefícios, é gerada uma economia entre 4% e 5% sobre o valor do imóvel. Algumas construtoras também ofereceram aos clientes a possibilidade de dar um sinal simbólico ou então de parcelar o valor da entrada.

      7+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Danibolhista 7 de junho de 2016 at 13:36

        Isso é furado, no contrato já tem cláusulas que prevê você perder tais benefícios.

        0
    • Danibolhista 7 de junho de 2016 at 11:40

      Seguidor do Bolha BH,

      O que acontece, segundo eles houve um aumento, ok, mas foi um aumento ínfimo perto das valorizações especuladas no passado. Em relação as construtoras, ela fazem o seguinte, vai um CVR aí, minha cunhada comprou o apê dela na pranta com o valor do contrato 90 mil. BLZ, só que ela arcou com várias coisas por fora, vamos botar aí 10 mil de comissão, sati, taxa disso e daquilo, mais 20 mil INCC, mais 10 mil de IGPM, mais 20 mil para fazer o acabamento e 20 mil de móveis planejados. Aquilo que era 90 mil quase dobrou de valor em termos de custos, não estou nem calculando o juros do financiamento dos 90 mil. O preço verdadeiro do imóvel de 49 metros quadrados é 160 mil, hoje os proprietários estão pedindo 250 mil. Eu acho caro. E com ela aconteceu o que o CA já tinha dito, as vezes você compra o imóvel hoje e mais pra frente o bairro desvaloriza, durante a obra construíra uma favela perto do apartamento. O que eu quero dizer é que é muito fácil usar a estratégia de preço anunciado para atrair o consumidor até o abatedouro, ela vai até lá achando que vai ter imóvel de 173 mil, sendo que o preço real dele é o dobro do anunciado. A “sorte” da minha cunhada é que ela e o marido ganham “bem”. Agora imagine uma família pobre que fez a simulação no site da Caixa com o valor de 90.000 e viu que dava? assim, a família suportaria pagar no máximo 100 mil, fez a simulação com 90 mil e deu certo, só depois que a família pagou a comissão do corretor que descobre que o buraco é mais embaixo, para efeito de estatística isso é uma venda realizada com sucesso e a publicidade passa a impressão que a coisa não está feia, que as construtoras inovaram, etc, etc, etc.

      14+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • tmarabo 7 de junho de 2016 at 14:37

        ah, sim, o que tem de comprador que compra apartamento na planta e depois descobre que não tem piso, torneiras, às vezes nem mesmo louça de banheiro (ah, a gente não bota pro comprador escolher o que quiser….) é MUITA grana que vai nisso.
        sem contar quando entregam o imóvel pronto, mas sem móveis na recepção, sem cerca elétrica na volta do prédio, sem todos os móveis no salão de festas ou sala de jogos…. VAI MUITA GRANA nisto também.

        6+
        • avatar
        • avatar
        • tmarabo 7 de junho de 2016 at 14:37

          pra mim o melhor é comprar um prédio já com uns cinco anos de pronto. aí já teve estes gastos, já se sabe as zebras do prédio etc.

          5+
          • avatar
          • avatar
  • O Poeta da Bolha 7 de junho de 2016 at 11:24

    PESADELO

    Em vez de sonhar com um meio
    de conquistar a Musa Bela
    sonhei ontem um sonho feio
    de invejar o mortadela.

    No lugar de minh’amada mãe
    estava a trágica matrona:
    a vermelha e dentuça Dilmãe
    severa, esúpida e mandona!

    Eis que na alta madrugada
    O bom Poeta se levanta
    e co’a expressão assustada
    pergunta: “Sou filho da Anta?”

    Que maldade, mãe de verdade,
    no sonho, tomar o teu lugar,
    a lambisgóia da maldade
    na Democracia do Sonhar.

    Protestarei no Etéreo
    contra esta zoeira de Morfeu,
    juntarei provas das mais duras
    do crime de entrar no sonho meu.

    E que não se repita o trote
    do mau sonho após a labuta!
    O Poeta não é filhote
    nem de anta, e nem de p_ta!

    ====

    CVR do Poeta, ou CVP (Caso da Vida do Poeta):

    empresas grandes de TI, com projeção internacional, vêm sofrendo menos com a crise, embora tenham, claro, adotado planos internos de contenção de gastos. Onde trabalho muitos profissionais competentes daixaram a empresa para se dedicar a cargos melhores em outras; porém ninguém tem sido contratado para substituí-los. Ou seja, muitos trabalhando por dois ou três, como este invulgar que vos fala.

    31+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 7 de junho de 2016 at 11:40

    CVR de uma coRetora de imóveis que conheço:

    “Como eu disse a você, tenho um amigo que tinha onze imóveis, perdeu quase tudo, e está andando de ônibus…, o meu presidente (da Lopes imobiliária) quase quebrou porque de todos os lançamentos ele comprava, um imóvel, eu comprei o Air Home Garden, paguei 30% da construtora, devo 350 mil de financiamento, sendo que o imóvel vale 270 mil, tive que entrar na justiça para reaver o que eu paguei, e de outro pago meu financiamento da Caixa desde outubro de 2013 e hoje devo exatamente o valor que financio, porque incorporei 3 parcelas ao valor principal… Somos todos vítimas. Nesta confusão toda quem bate recorde de lucratividade são os bancos…”

    Pois bem, na hora do bem bom, do samba do crioulo doido, quando a ganância fala mais alto, comprou imóveis imaginando que se sairia bem, e olha que ela é coRetora hein.

    39+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 7 de junho de 2016 at 11:52

      acho que eles tem algum problema mesmo, conheço um casal (dono de imob e funcionária!!!) que moram .. de aluguel, mas reclamam que é caro (950bolivares brasileiros, 2Q), eu:
      -ué, mas vcs não conseguem coisa melhor hein…
      – nossa corvolária não trabalha com aluguel e a gente fica na mão dos outros e Itajaí tá caro… (kkkk). Tomem, ardam…

      14+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • tmarabo 7 de junho de 2016 at 14:33

        muita imobiliária se quebra por fazer beicinho pra aluguel. trabalhar com aluguel é ter o fixo garantido.

        8+
        • avatar
  • Scaravelhoo 7 de junho de 2016 at 14:33

    CRV – pessoal…

    Vamos lá galera, apreciaria muito, mais uma vez, a opinião de vocês.

    Eu e mais dois amigos pensamos na ideia de comprar dois lotes de 500 metros e e fazer um sitio conjugado onde haveria 3 casas pequenas e uma área de lazer comum para os três chalés.
    Somo muitos amigos e nossas esposas se dão super bem. Eles tbm possuem mais grana do que eu, então acho que o risco pra mim não seria tão grande.

    Um dos amigos achou um empreendimento chamado “Quintas do Pontal” um loteamento que fica na beira do Lago de Furnas. Ele é operado por uma corretora chamada Brasil Brokers….

    O preço está 90k por 500 m².

    Daí fica a pergunta: “É cilada bino?”

    2+
    • Scaravelhoo 7 de junho de 2016 at 14:35

      Vale ressaltar que, se eu fizer essa casinha de campo comunitária, minha esposa deixa de me pressionar para comprar apartamento e aceitaria viver de aluguel na cidade grande….

      1+
      • CarlosL 7 de junho de 2016 at 14:45

        Se não for para morar lá , sei não……

        3+
      • Minions 7 de junho de 2016 at 15:00

        Eu não faria isso pois a chance de vocês perderem a amizade será grande (desculpe falar sem conhece-los). Eu acho que é como um casamento: com o tempo, a chance de desgastar é grande, ainda mais se houver proximidade. E, pelo que me consta, amizade entre as mulheres é bastante difícil, talvez seja só aparência. Faça um teste: alugue uma casa na praia e fiquem 15 dias juntos. Se der tudo certo, ótimo, senão…

        16+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
      • Danibolhista 7 de junho de 2016 at 15:06

        Sei não…
        O objetivo da gambiarra no campo é fazer a esposa deixar de querer tijolos na cidade? Quem é amante de tijolos não se satisfaz assim não, viu? depois de comprar no campo, vai ter comprar na cidade, ou então depois que enjoar do campo, vai querer vender o do campo para comprar o da cidade, mais aí, como a compra do sítio foi uma gambiarra entre amigos, vai ser complicado sair dessa. Como é que você vai passar pra frente uma coisa que não é só sua? Não é mais fácil conversar com jeitinho com ela? já vi gente comprar casa em praia e sítio depois se arrepender porque não o usa o suficiente para compensar os gastos, no começo é maior novidade, mais depois…

        6+
        • avatar
      • ZenStress 7 de junho de 2016 at 17:10

        1) Casa de campo: 2 alegrias;
        2) Use ALUGUE TEMPORADA ou AIR BNB e você gasta menos, com mais qualidade e variedade, sem risco de destruir a amizade.

        6+
        • avatar
      • Lucas 7 de junho de 2016 at 19:23

        eu tenho algo nesse esquema, depopis dum tempo enjoa, e o csuto fica

        3+
        • avatar
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 16:00

      Os terrenos subiram bem mais que o valor dos imóveis, aliado ao fato que o LAND BANK das construtoras vai ser pulverizado pelos bancos, a tendência nos próximos 2 anos é de uma enorme queda no valor dos terrenos.

      5+
      • avatar
      • avatar
  • Resimob 7 de junho de 2016 at 14:38

    Olá,
    Estou escolhendo alguns artigos e traduzindo para o inglês. O que vocês acham da ideia?
    Muitos querem expressar o que está acontecendo internamente, mas a barreira do idioma impede tal informação.
    Seguem artigos já traduzidos.

    Artigo: Seja bem-vindo à bolha dos distratos.

    Versão português: http://www.resimob.com.br/a-bolha-dos-distratos/

    Versão inglês: http://www.resimob.com.br/welcome-to-the-brazilian-bubble-of-dissolutions/

    Artigo: Valores de terrenos despencam no mercado imobiliário.

    Versão português: http://www.resimob.com.br/valores-de-terrenos-despencam-no-mercado-imobiliario/

    Versão inglês: http://www.resimob.com.br/land-prices-fall-in-the-brazilian-real-estate-market/

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Danibolhista 7 de junho de 2016 at 14:41

      Resimob

      Adorei! muito bom!

      6+
      • avatar
      • avatar
      • Resimob 7 de junho de 2016 at 14:43

        Obrigado. Dá trabalho mas acho que desta forma conseguimos expor nossa situação para outros mercados.

        6+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Soy Bananes 7 de junho de 2016 at 15:00

          Se você quiser ajuda para traduzir, me ofereço sem problemas!

          4+
          • avatar
          • avatar
          • Resimob 7 de junho de 2016 at 15:03

            OK! Obrigado!

            2+
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 19:57

      Resimob
      Acho que você bateu apenas no espaço amostral, mas não entrou no cerne da questão: a metodologia
      Por exemplo, em 100 imóveis, se os 20 com menor custo/m2 forem vendidos (por exemplo 5k/m2), e os 80 mais caros ficarem encalhados(10k/m2), o valor por m2 irá subir, pois os mais baratos sairam da base de dados, e como permaneceram os mais caros, calculando-se o valor médio destes que sobraram irá haver uma indicação falsa de “valorização” nos imóveis.
      O segundo problema é que o FIPE ZAP não leva em consideração o valor real no momento que a transação é concluída, então estes “descontos” nunca irão aparecer.
      É muito comum que um imóvel permaneça até por anos na base, e o proprietário reajustando ele em 5% todo ano, afinal de contas, o “imóvel nunca baixa” kkkk
      Por causa disto, este índice tende a nunca baixar, e quando acontece, por exemplo, uma baixa de 1%, significa que na real foi de 10% pelo menos.

      3+
      • avatar
  • Lucas 7 de junho de 2016 at 15:00

    Fingezap delcarando quedas de 19%
    bateram a cabeça?

    que nada, senhores, essas salinha são tão lucrativas, baratíssimas de fazer que podem alegar 80% de queda e nada vai mudar!

    As construtoras continuarão surfando em cima dos incautos.
    Sabe quanto elas valem: ZERO
    pode baixar 100%, tem tantas, mas tantas que nunca serão ocupadas.

    11+
    • avatar
    • avatar
    • EngenheiroSP 8 de junho de 2016 at 07:35

      Seria interessante pegar o preço de alguns hoje espalhados por ai (na mãos dos “investidores”) e comparar com o que vai aparecer nesse dia para ver se a eztec já assumiu mesmo o ploc

      1+
      • avatar
  • Luladranus 7 de junho de 2016 at 18:51

    http://atarde.uol.com.br/economia/noticias/1776802-quatro-de-10-pedidos-de-segurodesemprego-ficam-na-malha-fina

    Na prática, o efeito imediato é que, para algumas pessoas, o tempo para a obtenção do seguro, que normalmente leva 30 dias depois de protocolado o pedido, saltou para 120 dias. Acrescidos os trâmites iniciais, a ida e vinda de recursos e os prazos de agendamento nos departamentos públicos, esse prazo pode se estender por até oito meses desde a baixa na carteira de trabalho, segundo conta o supervisor-geral do seguro-desemprego da Sert, Miguel Sanches. “Essa é uma realidade nova que o segurado enfrenta”, conta Sanches. “É muito tempo para quem está desempregado.”

    3+
  • Resimob 7 de junho de 2016 at 19:01

    Novo artigo: FipeZap é confiável?

    Versão português: http://www.resimob.com.br/fipezap-e-confiavel/

    Versão inglês: http://www.resimob.com.br/is-fipezap-a-reliable-index/

    Sugiro como tópico. Acho que teremos muito gente falando sobre o FipeZap.

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cesar_DF 7 de junho de 2016 at 20:00

      Resimob
      Acho que você bateu apenas no espaço amostral, mas não entrou no cerne da questão: a metodologia
      Por exemplo, em 100 imóveis, se os 20 com menor custo/m2 forem vendidos (por exemplo 5k/m2), e os 80 mais caros ficarem encalhados(10k/m2), o valor por m2 irá subir, pois os mais baratos sairam da base de dados, e como permaneceram os mais caros, calculando-se o valor médio destes que sobraram irá haver uma indicação falsa de “valorização” nos imóveis.
      O segundo problema é que o FIPE ZAP não leva em consideração o valor real no momento que a transação é concluída, então estes “descontos” nunca irão aparecer.
      É muito comum que um imóvel permaneça até por anos na base, e o proprietário reajustando ele em 5% todo ano, afinal de contas, o “imóvel nunca baixa” kkkk
      Por causa disto, este índice tende a nunca baixar, e quando acontece, por exemplo, uma baixa de 1%, significa que na real foi de 10% pelo menos.

      5+
      • avatar
  • BOLHA JOKER 7 de junho de 2016 at 19:19

    CVR BANCARIO- Bom atendendo um cliente essa semana, que queria tirar duvidas sobre financiamento, viu um apartamento no centro de São Paulo, que está na planta 0% construido, não tem uma viga se quer no lugar, e estaria avaliado por 350 mil e a construtoria está vendendo na promoção por R$180.000,00, o cliente todo animado querendo fazer esse investimento.
    Então eu disse:
    Meu senhor, investimento em um apartamento na planta? Apartamento na planta não existe, você está pagando por algo que não saiu nem do chão, quem garante que vai entregar essa obra? Quem garante que a construtora não vai quebrar? Investimento você faz em CDB, LCI….
    Pensei em capitalização até pq ele ganharia mais dinheiro do que esse investimento na planta ne?? Mais deixeis pra proxima rsrs
    Cliente agradeceu os conselhos vai pensar melhor. FICAaDICA!!!

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • BOLHA JOKER 7 de junho de 2016 at 19:31

      Detalhe para estratégia da construtora infla o preço para supostos 350k em uma avaliação de algo que nem se quer existe e da um desconto para pega trouxas, e ai vai?

      9+
      • avatar
      • avatar
      • Skidwasted 9 de junho de 2016 at 07:28

        Igual um site de sapatos faz com a mulherada.
        Minha mulher cai direto.

        0
  • Cajuzinha 7 de junho de 2016 at 19:39

    CA e BANCÁRIO, tão sabendo de algo a respeito?

    ” Possível fusão entre BB e Caixa deixa funcionários das duas instituições em pânico
    7 de junho de 2016 Política 74 Visualizações

    Há um clima de tensão entre funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Circula pelos gabinetes dos dois bancos a informação de que um processo de fusão entre eles estaria em estudo dentro do governo de Michel Temer.
    A ideia que circula entre técnicos da equipe econômica prevê a transferência de todas as operações da Caixa para o BB, com exceção da área imobiliária. Com isso, a Caixa se transformaria em uma agência imobiliária, responsável exclusivamente pelo financiamento da casa própria.”

    http://conexaopenedo.com.br/2016/06/possivel-fusao-entre-bb-e-caixa-deixa-funcionarios-das-duas-instituicoes-em-panico/

    8+
    • avatar
    • BOLHA JOKER 7 de junho de 2016 at 19:50

      Não ouvi falar nada disso, nem se quer algum comentário.

      2+
    • CA 7 de junho de 2016 at 21:47

      Cajuzinha,

      Só ouvi a respeito hoje.

      A justificativa dada foi o pior: a maior manipulação da CEF foi para que ela financiasse a bolha imobiliária durante uma década e o que decidem manter com ela e que não estaria sujeito a manipulações políticas é exatamente o crédito imobiliário? Kkkk

      0
  • alemaobnu 7 de junho de 2016 at 20:59

    É midia especulando. Nao tem 1 pingo de verdade SEQUER.

    3+
  • Cajuzinha 7 de junho de 2016 at 21:07

    WASHINGTON – O Brasil deverá sofrer uma queda de 4% no Produto Interno Brito (PIB) neste ano, prevê o Banco Mundial. A projeção foi divulgada nessa terça-feira no relatório “Perspectivas Econômicas Globais” e é pior do que a última edição do documento, em janeiro, que previa recessão de 2,5% para 2016.

    As perspectivas para 2017 também foram reduzidas. Em janeiro, O Banco Mundial previa alta de 1,7% no PIB do ano que vem. Agora, a indicação é de queda de 0,2%.

    Em abril, durante a reunião do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI), a primeira instituição estimou queda de PIB em 3,5% e a segunda em 3,8% para o Brasil neste ano.

    3+
    • avatar
    • avatar
    • Alemon Fritz 7 de junho de 2016 at 23:17

      o PIB da espanha caiu incriveis 4% com a Bolha sabida, aqui já está quase nisso sem oficializar.
      Os corvos só querem a comissão, um AP vale no máximo a entrada e só o que valerá.

      0
  • bolhista cearense 7 de junho de 2016 at 21:09

    O assunto já foi cogitado antes, mas foi esquecido pela pressão dos sindicatos. Agora volta, como seria esta aquisição de capital para esta agência imobiliária sem a poupança?

    1+
  • Luladranus 7 de junho de 2016 at 21:26

    Mais um comuna ludibriado pelo sapo barbudo de nove dedos kkkkk

    http://www.msn.com/pt-br/noticias/crise-politica/como-cidad%C3%A3o-me-sinto-tra%C3%ADdo-afirma-marcelo-serrado/ar-BBtYB4a?li=AAggNbi&ocid=mailsignoutmd

    O Brasil tem jeito
    Sou otimista por natureza. Se não for assim, como seguir em frente diante de tanta adversidade? Mas a situação atual do país é preocupante e triste. O que atrapalha são os governantes, o poder, a ingerência demasiada de gente que não olha o povo. Políticos e empresários que só trabalham para os próprios interesses. O resultado está aí: a cada dia mais um escândalo de corrupção e incompetência. Se for fazer uma análise, vamos notar que é assim há muito tempo. Mas com o PT me senti traído como cidadão. Ao votar na proposta deles, acreditei em uma mudança real. Apostei nos caras esperando uma renovação saudável e quase nada disso faz mais sentido hoje. Eles realizaram, sem dúvida, coisas boas para os mais pobres. Mas em certo momento o fascínio pelo poder falou mais alto. Que pena. É preciso zerar tudo. Convocar novas eleições. Aproveitar os bem-intencionados que restam e criar uma nova ordem. É a saída.”

    0
  • Alemon Fritz 10 de junho de 2016 at 12:44

    Com crise, mercado imobiliário do Recife aluga mais imóveis do que vende
    Na tabela a maioria dando menos que 0,005 o metro quadrado no aluguel em relação a venda, até 0,003

    http://noticias.ne10.uol.com.br/economia/noticia/2016/06/09/com-crise-mercado-imobiliario-do-recife-aluga-mais-imoveis-do-que-vende-619730.php

    0