Esqueça o FGTS Pró-Cotista! – Resimob

Você pode gostar...

Comments
  • CarlosL 2 de junho de 2016 at 20:39

    Que vai explodir , isso já é certo. A única coisa que espero é que seja aonde deve ser…

    8+
    • Minions 3 de junho de 2016 at 08:07

      Início da fase Despair.
      Panic próximo!

      8+
      • avatar
      • CarlosL 3 de junho de 2016 at 11:00

        Nada, esta mais para Denial apesar de eu não seguir como referência o gráfico dos EUA….

        4+
        • Lucas 3 de junho de 2016 at 14:13

          já estourou faz tempo
          mas se vc continua seguindo as notícias plantadas pelo setor, pode comprar que a hora é agora

          Sim estamos no início do DESESPERO, quando vendas a vista caem abaixo do preço de produção.

          18+
          • avatar
          • avatar
          • Cesar_DF 4 de junho de 2016 at 22:42

            Considerando DESPAIR como a fase onde é comercializado abaixo de sua média histórica, ainda continuo com minha previsão de 2017 a 2019

            1+
            • Lucas 6 de junho de 2016 at 12:44

              nunca se sabe ao certo

              calculos anteriores nossos indicavam que o auge dos estoques seria em 2014-2015
              erramos: o auge dos estoques foi agora no 1sem 2016,
              na verdade pode até não ter sido atingido ainda devido a tanta maquiagem no setor, mas vamos dar de barato essa pros corvos

              O fundo do poço imaginávamos lá em 2011 que seria algo entre 2015 (MRk e outros) e 2018 (EU e outros).

              Hoje diria que sem dúvida ainda cai esse ano 2016 e o próximo 2017, mas já venho localizando análises que vão cair pelas décadas seguintes então seria 2020 pra frente, 202x.

              Difícil prever a banania, duma coisa é certo:
              Quem tem certeza está MENTINDO!

              5+
              • avatar
              • avatar
  • Cesar_DF 2 de junho de 2016 at 20:49

    Confira como evitar prejuízos na hora de comprar imóveis na planta

    Processo para ressarcir prejuízos pode levar anos.

    Comprar imóveis na planta pode ter vantagens, como preço mais baixo do que os já construídos. Porém, especialistas afirmam que é muito comum que as pessoas caiam em golpes ou tenham prejuízos nesse tipo de negociação.

    O advogado Vinícius Camargo Silva explica que golpe é algo próximo ao estelionato, que é quando alguém alega ser construtor ou incorporador, engana o consumidor e some com o dinheiro.

    http://g1.globo.com/sao-paulo/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/mercado-imobiliario-do-interior/noticia/2016/05/confira-como-evitar-prejuizos-na-hora-de-comprar-imoveis-na-planta.html

    8+
    • avatar
    • avatar
    • JJJ_brasilia 2 de junho de 2016 at 21:00

      Confira como evitar prejuízo na compra de imóvel na planta:

      Fácil, não compre imóvel na planta!!!

      Kkkkkk

      64+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 3 de junho de 2016 at 14:15

        compra na planta sempre foi uma modalidade rara mesmo no BR.
        No resto do o mundo praticamente inexiste.
        o naplanta é um subproduto da bolha

        13+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • JJJ_brasilia 5 de junho de 2016 at 18:06

          Lucas,

          Grande veio, acertando sempre.

          3+
  • Cesar_DF 2 de junho de 2016 at 20:52

    Recuperações judiciais no setor de construção crescem 86%

    Entre janeiro e abril, 339 empresas da construção civil entraram em recuperação judicial e 218 faliram, segundo dados do Instituto Nacional de Recuperação Empresarial (INRE)

    O diretor da companhia, Cesar Scatena, conta que a combinação entre falta de novas obras e atraso nos pagamentos das obras em andamento comprometem muito a capacidade das empresas. Nos últimos meses, para suportar a falta de trabalho, a companhia decidiu cortar 90% do quadro de funcionários, diminuir a conta de telefone e mudar de prédio para reduzir custos.

    http://www.dcomercio.com.br/categoria/negocios/recuperacoes_judiciais_no_setor_de_construcao_crescem_86

    13+
    • avatar
  • Cajuzinha 2 de junho de 2016 at 22:31

    ” “As empresas estão fechando, os financimentos pararam e quem tem obra está com ritmo devagar. Fora isso, tem gente que não consegue pagar e devolve o apartamento que comprou.”
    Orlando Pozzani é dono de uma construtora e conta que o mercado da construção civil foi sim o mais afetado pela crise econômica. Para continuar no ramo ele tem se concentrado no segmento empresarial.“O mercado em Mogi está parado. Não dá para prever quando vai acabar.” E a ponta de toda essa paralisação no setor da construção começa nas imobiliárias.
    Roberto Najar, além de ser dono de uma imobiliária é também subdelegado regional do Creci.
    Ele fala que as vendas e locações de imóveis nesses primeiros meses do ano, em comparação com 2015, caíram de 10% a 15%. Najar recomenda que agora é hora para se negociar. “A hora é agora. O proprietário que quer vender ou alugar tem que fazer acordo para abaixar o preço. Quem tem dinheiro hoje tem melhores oportunidades.””

    http://g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/noticia/2016/06/queda-na-venda-de-imoveis-afeta-mercado-no-alto-tiete.html

    6+
    • avatar
    • Sergio Soares 3 de junho de 2016 at 08:52

      “Orlando Pozzani é dono de uma construtora e conta que o mercado da construção civil foi sim o mais afetado pela crise econômica.”
      Engraçado… como sempre o setor imobiliário é a maior vitima da crise e não (uma das) a causa dela!

      22+
      • avatar
      • avatar
  • Longa Manus 2 de junho de 2016 at 22:59

    Prezados, boa noite!!

    Como previ, saiu nossa REPOSIÇÃO da inflação (não é aumento viu?).

    Mas não irei abrir minha Baden Baden Gold agora e comemorar. Vou esperar o Presidente sancionar.

    Enquanto isso, paguem nossos juros e nossos salários (sem mimimi por favor…).

    20+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • CarlosL 2 de junho de 2016 at 23:49

      Se a cebola subiu 100% e eu não como cebola nem nada derivado dela, como fica? 😉

      7+
      • avatar
    • joselito 3 de junho de 2016 at 10:40

      Então agora, com o TEMER, vai?

      2+
    • tmarabo 3 de junho de 2016 at 11:27

      ué, não tem ainda o Senado pela frente??

      2+
  • CA 2 de junho de 2016 at 23:49

    Sobre o tópico:

    O que acontece em toda bolha imobiliária durante sua explosão?

    O crédito imobiliário seca.

    Da mesma forma que no inflar o crédito dispara, ele cai violentamente na explosão.

    Por que isso ocorre?

    Primeiro porque o excesso de uso via preços cada vez maiores dos imóveis e alto volume de transações vai secando o funding, segundo porque a bolha gera uma crise na economia que também seca os recursos, como no Brasil onde o aumento no desemprego, queda na renda, aumento no endividamento, na inadimplencia, na inflação e nos juros também levam a sangrias tanto na poupança como no FGTS e por fim, a escalada anormal na inadimplencia que sempre ocorre na explosão deixa os bancos com menos liquidez e com a obrigação de reduzirem a oferta de crédito e assim tendo que aumentar os juros cobrados também.

    Claro que a queda enorme na demanda também tem papel importante. No caso da LCI, usada como funding para financiamento de imóveis acima de R$ 750 mil, faltam compradores habilitados e sem lastro, a emissão se reduz radicalmente.

    Lembrando alguns números sobre a escassez de funding para o crédito imobiliário:

    Queda no crédito imobiliário concedido com verba da poupança no primeiro quadrimestre de 2016 foi de 56%

    FGTS pro-cotista com verba escassa e sem chance de reposição (ver artigo do tópico).

    Queda de 40% no LCI ofertado.

    A consequência inevitável?

    Distratos irão disparar ainda mais, a distorção entre oferta e procura se tornará uma aberração ainda maior, o desespero das construtoras para fazerem caixa e pagarem dívidas também vai disparar, juntamente com o pânico para investidores de imóveis e a necessidade de vender dos particulares super-endividados, assim como continuará crescente o volume de imóveis tomados por bancos e a necessidade dos mesmos de leiloar para manterem uma liquidez adequada, sem contar que do lado dos compradores, ficará cada vez mais claro a grande roubada que é entrar em um financiamento para comprar imóvel bem neste momento e com preços ainda muito acima do que estes imóveis valem, dentre uma série de outros fatores que forçarão quedas cada vez mais relevantes nos preços.

    27+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Marcos CG 3 de junho de 2016 at 12:05

      Alguém arrisca previsão de quando virá o vale de preços? CA?

      2+
      • avatar
      • CA 3 de junho de 2016 at 13:13

        Marcos CG,

        O “vale” demora anos, até porque enquanto não tiver a explosão mais visível e abrangente da bolha a economia vai continuar degringolando e é só depois de um tempo deste explosão mais visível e abrangente que a economia estabiliza e precisa de mais um tempo depois para que possa se iniciar uma recuperação efetiva da economia. Um pouco antes de se começar a recuperação mais efetiva da economia é que os preços alcançam o “vale”.

        A minha aposta é que as maiores quedas percentuais nos preços dos imóveis devem ocorrer entre o 2S16 e o 1S17, com preços continuando a cair após isto por mais alguns anos, só que de forma mais “discreta”.

        10+
        • avatar
        • avatar
        • Lucas 6 de junho de 2016 at 12:46

          CA

          minha hipotese é que nunca teremos explosão visível.
          neste país nada é confiável

          Só se o sergio moro processar o fingezap, aí talvez a verdade apareça

          4+
          • avatar
  • Carlos 3 de junho de 2016 at 02:47

    Bolhas explodindo em todos os lugares.

    The sharp rise in the construction of new apartments may be the catalyst for a “dramatic and destabilising” end to the current housing boom, the Organisation for Economic Co-operation and Development has warned.

    http://www.brisbanetimes.com.au/business/property/oecd-warns-australian-property-prices-facing-dramatic-and-destabilising-demise-20160602-gpaijc.html

    4+
    • Carlos 3 de junho de 2016 at 02:50

      O primeiro comentário foi justamente de um corvo muito provavelmente, mas a resposta foi pronta e precisa, bolhistas do mundo todo uni-vos:-D

      LyndonJun 3 2016 at 9:07am

      Is the RBA using the media to trying to discourage buying activity in the housing market?

      seen it comingsafely out of debt,Jun 3 2016 at 9:55am

      No, they are trying to save even more people from losing everything by pointing out the risks and downsides of excessive borrowing and buying at the top of an ultra hot housing bubble.

      17+
      • avatar
      • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 3 de junho de 2016 at 07:48
  • Seguidor do Bolha BH 3 de junho de 2016 at 07:48

    Evite levar ‘gato por lebre’ no Feirão Caixa da Casa Própria, que começa nesta sexta-feira (3)
    http://hojeemdia.com.br/primeiro-plano/evite-levar-gato-por-lebre-no-feir%C3%A3o-caixa-da-casa-pr%C3%B3pria-que-come%C3%A7a-nesta-sexta-feira-3-1.388802

    4+
    • avatar
  • Traderunner 3 de junho de 2016 at 08:08

    Pessoal, estamos rateando os relatórios da Empiricus (Fii, Vacas Leiteiras, Melhores ações da bolsa, daily pro, Estratégia com opções, Carteira Empiricus, Renda Fixa, Trader pro). Quem tiver interesse em participar, favor enviar email para [email protected]

    4+
    • Minions 3 de junho de 2016 at 08:23

      Na boa, isso é crime!

      23+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • fanfarraum 3 de junho de 2016 at 08:50

      Esse cara faz SPAM em outros sites também, como Infomoney.
      Admin, sugestão:
      1 – criar uma opção “Report” junto aos comentários.
      2 – se 5 usuários derem “Report” a mensagem some temporariamente.
      3 – a msg some definitivamente se algum admin aprovar o report

      18+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • Palmeirense Bolhudo 3 de junho de 2016 at 09:32

      Ja foi falado para ele isso varias vezes!

      5+
    • Boruto 3 de junho de 2016 at 10:53

      Cara, eu não assino a Empiricus. Meus investimentos são puramente fundamentados no DataEu com notícias que leio na internet e pelo conhecimento que adquiri lendo livros sobre mercado financeiro. Cara, acredita que eu to ganhando dinheiro?

      16+
      • avatar
      • odorico 3 de junho de 2016 at 11:12

        Eu assinei, mas não estou renovando nada, realmente acho que para quem acompanha um mínimo de notícias de economia, lê livros de investimentos e acompanha as diferentes análises e correntes de economistas já consegue fazer seus relatórios. Eupiricus.

        11+
      • wade 4 de junho de 2016 at 03:06

        Certo, mas os seus ganhos são “formidáveis”? Você investe em terras produtivas? Você sabia que gerações de famílias ricas protegeram seu patrimônio com elas?

        3+
    • wade 3 de junho de 2016 at 19:14

      Prefiro dar dinheiro para os pobres do que pagar Empiricus.

      9+
      • avatar
  • fanfarraum 3 de junho de 2016 at 08:54

    Relatório do CRECI-SP para a capital divulgado:
    http://www.crecisp.gov.br/arquivos/pesquisas/capital/2016/pesquisa_capital_abril_2016.pdf

    – Preço de aluguel tem maior alta em 6 anos e novos contratos caem 29,47% na Capital
    – Venda de imóveis usados cresce 16,6% e preço tem maior aumento desde 2010

    ???

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Sergio Soares 3 de junho de 2016 at 09:04

      Então eh dois que não entenderam nada! (Também acho esse tipo de “noticia” do CRECI no minimo Surreal).
      Tipo assim: – Apesar de estar chovendo muito, o telhado das casas estão totalmente secos!

      6+
      • avatar
    • Nuno Rj 3 de junho de 2016 at 10:05

      Eu devo ser muito burro, não consigo juntar lé com cré, como diz minha mãe. Como o mesmo relatório diz isso em 2 parágrafos seguidos:
      “Os aluguéis de imóveis residenciais na Capital tiveram alta expressiva em abril na comparação com março, com aumento de 16,68%” … “A consequência direta dessa esticada nos aluguéis foi uma queda de 29,47% no número de casas e apartamentos alugados no período”.

      Oi? Aumentou aluguel e a consequência foi queda? Ou será que a infeliz criatura quis dizer que aumentou a quantidade de imóveis VAZIOS em 16,68%, portanto no período já se tem uma redução de 29,47%?

      6+
    • CA 3 de junho de 2016 at 10:59

      fanfarraum,

      Quanto menor se torna a base de dados, mais fácil de ocorrer uma distorção no resultado, com variações maiores do que o esperado, tanto para cima, quanto para baixo, isto é uma questão estatística. Outro ponto, também olhando sob o prisma estatístico, é que os preços de vendas vinham de uma base já bastante deprimida, com queda acumulada do preço médio do M2 de mais de 40% nos 24 meses anteriores.

      O que provavelmente está acontecendo, pela combinação dos fatores acima e outros relacionados é o seguinte:

      ALUGUEL:

      Houve uma grande “migração” de alugueis mais caros para mais baratos. Isto fez com que os aluguéis mais baratos pudessem contar com um aumento de procura o que deu espaço para um aumento de preços. Em contra-partida, os aluguéis mais caros deixaram de ter procura e com isto, seu peso relativo na formação do preço médio caiu muito, prevalecendo o aumento do aluguel para imóveis mais “populares”.

      Sobre o volume de alugueis contratados ter caído, isto ocorre porque muitas famílias sequer tem condições de ir para imóveis mais baratos e voltam a morar com familiares e amigos, por isto que o mesmo relatório aponta que o volume liquido de alugueis (novas contratações menos devoluções) voltou a ficar negativo, além de fator comum a aluguel e vendas que detalho mais abaixo.

      VENDAS:

      Uma concentração de vendas em imóveis mais populares, segue o mesmo racional do que ocorreu para alugueis, as famílias não podendo comprar o imóvel mais caro, focam nos mais baratos, o que permite um aumento de preço dos mesmos em alguns casos, mantendo a estagnação para imóveis mais caros.

      Outro aspecto que certamente influenciou, é que esta pesquisa se refere a Abril e foi a partir de meados de Março e início de Abril que a verba do FGTS pró-cotista ainda estava sendo liberada (comunicado em fevereiro, mas oficializado neste período), sendo que o financiamento pró-cotista possui um juros muito menor e assim viabiliza mais negócios. Além disto, foi neste mesmo período que a CEF passou a liberar financiamento de 80% do preço do imóvel usado no lugar dos 50% de antes.

      Importante considerar que pela falta de verba do FGTS pró-cotista em janeiro e fevereiro, mais a sangria da poupança que já vinha se intensificando e o financiamento de apenas 50% do preço do imóvel usado neste período, o mercado ficou muito “travado” o que sustentou reduções mais relevantes de preços em janeiro e fevereiro mesmo vindo de histórico de quedas bastante acentuadas, logo quando o pró-cotista foi liberado, com maior percentual financiável para usados, viabilizou mais negócios.

      FATOR COMUM A VENDAS E ALUGUÉIS:

      Comentei alguns meses atrás por aqui: a partir da segunda semana de março/2016, começamos a ter uma euforia maior porque todos começaram a ver a possibilidade de impeachment cada vez mais próxima de acontecer. Esta euforia veio acompanhada de uma avalanche de análises de “especialistas” de que “agora é o melhor momento para comprar seu imóvel”. Com isto, combinado com fatores que mencionei acima, viabilizou os aumentos apontados na pesquisa do CRECI SP.

      Como também já tinha mencionado, tal euforia tem um “prazo de validade”, ela deve durar de um mínimo de 3 meses (de final de mar/16 a final de jun/16), podendo durar no máximo 6 meses (de final de mar/16 a final de set/16). Aparentemente esta euforia poderá gerar o famoso “bull trap”, com alguns caindo no golpe de desinformação de que agora é o melhor momento para se comprar imóvel. Eu mesmo relatei o caso de um diretor de empresa outro dia, assim como observamos relatos de outros participantes do blog sobre conhecidos que realmente acreditaram que agora é o melhor momento para se comprar imóvel.

      Por que esta euforia e o bull trap tem um prazo de validade tão limitado, conforme coloquei acima?

      Primeiro porque o funding está secando (ver meu comentário anterior, mais acima) e não há mais espaço para grandes manobras “heterodoxas”, até porque as ações apelativas tem eficiência cada vez menor.

      Segundo, porque a euforia com a recuperação mirabolante da economia da noite para o dia vai dar lugar à realidade em função de uma combinação de fatores:

      1) Elefante da sala: a crise política se mantem, as pessoas e empresas ainda não perceberam que isto não se resolve exclusivamente com o impeachment. A percepção clara quanto a isto às vezes demora um pouco, sempre teremos muitos “ilusionistas” vendendo milagres e os novos problemas vão aparecendo a conta-gotas;

      2) Bode da sala: a crise fiscal não tem solução rápida e indolor. Aliás, tudo indica que solução será insuficiente para o curto prazo e isto também desestimulará muito a euforia descabida. São necessárias algumas tentativas e erros até o pessoal entender de verdade esta realidade, durante algum tempo o pessoal acredita que tudo será viável, ignorando os desafios políticos e econômicos e também enquanto ignoram o tamanho dos buracos de CEF, BB, BNDES, Eletrobrás, fundos de pensão, etc. Estamos apenas no COMEÇO do reconhecimento do tamanho deste problema, com o pessoal vendo a demora para encaminhar ações quanto a previdência, o aumento concedido a funcionários públicos a menção resumida sobre problemas da Eletrobrás, mas nada que sequer tenha ido à fundo na real dimensão deste problema;

      3) Cabrito da sala: a lava-jato continuará afetando negativamente os resultados de 1 e 2 e trazendo cada vez mais novas variáveis que dificultarão a recuperação do setor de construção civil como um todo;

      4) Os efeitos da bolha imobiliária e de problemas acima agravarão cada vez mais a economia, com péssimos resultados sendo puxados pela construção civil e portanto esta “pseudo recuperação” será em escala muito baixa, que não permitirá nenhuma recuperação EFETIVA, ou seja, no cômputo geral continuaremos tendo aumento em distratos, aumento em imóveis retomados por bancos, ao mesmo tempo que aumentará a necessidade de construtoras de fazerem caixa para sobreviver, dentre outros fatores. Ficará claro ainda que a perda de empregos não arrefecerá da noite por dia, que a renda real continuará em queda, que super-endividamento e inadimplência são problemas que continuarão tendo piora por mais algum tempo e assim por diante. Até o pessoal entender que nada disto será afetado pela “euforia”, leva algum tempo.

      Em resumo, estamos naquela fase em que a pessoa está prestes a morrer, mas dá um sinal de recuperação que engana a todos… Neste caso, é um processo que, conforme comentei acima, deve durar no máximo até o final de set/16. Vamos continuar acompanhando…

      22+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 6 de junho de 2016 at 12:48

        ainda não está na hora de falar em recuperação
        essa bull trap no CRECI SP é só mais uma em tantas jogadas de números
        quando caiu 50% não foi divulgado, exatamente pra afundar a base e noticiarem com alvoroço que subiu 10%

        3+
  • Seguidor do Bolha BH 3 de junho de 2016 at 09:16

    Tá tranquilo, tá favorável?

    Boas condições para comprar
    http://www.otempo.com.br/capa/economia/boas-condi%C3%A7%C3%B5es-para-comprar-1.1312754

    Vamos investir em imóveis galera, a hora é agora. #sqn

    3+
    • avatar
    • Danibolhista 3 de junho de 2016 at 09:35

      A questão é que muito imóvel custava 150 mil, com a bolha passou a custar 350 mil, agora com a crise pode custar 250 mil, então a pessoa se empolga com a redução de preço e vai lá e compra, depois fica sabendo que imóvel semelhante no mesmo bairro está sendo negociado a 190 mil, daí vai lamentar porque comprou caro mesmo com o desconto. No site em questão está sugerindo que as pessoas comprem agora para especular, sqn, a frustração pode ser grande se comprar agora pensando em ganhar algum dinheiro.

      14+
      • avatar
      • avatar
      • Minions 3 de junho de 2016 at 09:45

        Vamos bancar o advogado do diabo.
        O que uma corvolária pode fazer neste momento?! O lógico seria escancarar a bolha, os preços caírem e eles voltarem a intermediar negócio, certo?!
        Mas a questão não é tão simples. Primeiro: os corvos tem contas a pagar. Segundo: o que dirão aos clientes, aos quais recomendaram comprar para investir? Diga para um sujeito que ele perdeu R$50…vai ficar muito bravo. Diga que ele perdeu 50k, 100k, 200k? Quem tem coragem?
        Portanto, seguindo a lógica da sobrevivência, ou auto-preservação (tem contas a pagar e não querem levar um tiro na cabeça), só resta continuar pedalando e empurrando a realidade pra frente.

        19+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Cesar_DF 3 de junho de 2016 at 10:20

          O cara comprou um apto de 100 m2 no Noroeste – DF em 2011 por 1.4KK, com o igpm deveria estar valendo 1.9KK, mas hoje está valendo 800K.
          O investimento dele deu um prejuízo de mais de um milhão de reais em 5 anos.
          O problema não é só este, as incorporadoras fizeram empréstimos dando como garantia e o land-bank, se este patrimônio desvalorizar 50-60% então o valor da garantia será menor que o empréstimo, e isto exigiria que o financiador antecipasse o pagamento ou aumentasse a garantia.

          20+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • Minions 3 de junho de 2016 at 10:26

            E prometeram que esse apto estaria valendo 2.5KK em pouco tempo, certo? (25k/m2)
            Aí o sujeito, que ficou 4 anos pensando que ficaria milionário, torrou 600k, fora o custo de oportunidade. Alguém vai entrar na estatística do anounymous.

            20+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • Cesar_DF 3 de junho de 2016 at 10:51

              CRONOLOGIA DA DESTRUIÇÃO

              Metro quadrado pode chegar a R$ 25 mil nas áreas mais nobres de Brasília(2011)
              O valor dos imóveis em Brasília avançará em ritmo mais lento nos próximos anos, mas certamente chegará a 2022 bem mais caro do que é hoje. Os últimos terrenos livres do Plano Piloto, como as Quadras 500 do Sudoeste e o Setor Noroeste, deverão estar ocupados. Para morar no centro do Distrito Federal, os brasilienses terão de encarar preços ainda mais altos. A classe média estará espalhada por condomínios horizontais de luxo. Cidades como Samambaia, Gama e Ceilândia, além dos municípios do Entorno, abrigarão centenas de prédios residenciais e comerciais. Dessa forma, o local de trabalho estará mais perto das casas.
              http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/12/28/interna_cidadesdf,284326/metro-quadrado-pode-chegar-a-r-25-mil-nas-areas-mais-nobres-de-brasilia.shtml

              Mais caro que Jardins, novo bairro de Brasília é inaugurado com lama e problemas de infraestrutura
              Em vez de ruas asfaltadas, muita lama. O lixo passa dias sem ser recolhido. A iluminação pública à noite não funciona. O transporte público não chega, assim como as correspondências.
              A descrição, que poderia se aplicar a um bairro de periferia das grandes metrópoles brasileiras, refere-se ao novo bairro nobre de Brasília, o Noroeste, inaugurado no final de 2012 em meio a um rol problemas urbanos.
              http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/02/03/com-metro-quadrado-mais-caro-que-jardins-novo-bairro-de-brasilia-e-inaugurado-com-lama-e-problemas-de-infraestrutura.htm

              Emplavi leva quase metade das projeções da segunda etapa da licitação do Setor Noroeste
              Construtora abocanhou 19 das 40 projeções licitadas no último dia 3 de dezembro. Investimento deve gerar cerca de 5.500 empregos diretos e uma injeção de R$1,5 bilhão na economia local
              http://www.proativacomunicacao.com.br/novo/noticias/emplavi-leva-quase-metade-das-projecoes-da-segunda-etapa-da-licitacao-do-setor-noroeste/

              Bairro de Brasília que já teve metro quadrado entre os mais caros do Brasil sofre com falta de estrutura e desvalorização
              Sem infraestrutura e com obras inacabadas, o Setor Noroeste, que já teve o metro quadrado entre os valores mais altos do Brasil, está longe de ser o que se esperava e os imóveis estão cada vez mais desvalorizados. O metro quadrado que em 2010 era vendido a aproximadamente R$ 14 mil, agora não passa dos R$ 10 mil.
              Quem comprou um imóvel no Noroeste, região nobre de Brasília, não imaginava que cinco anos após o inicio das obras, o projeto de cidade modelo, verde e inteligente ainda estaria no papel.
              http://noticias.r7.com/distrito-federal/bairro-de-brasilia-que-ja-teve-metro-quadrado-entre-os-mais-caros-do-brasil-sofre-com-falta-de-estrutura-e-desvalorizacao-25022015

              Setor Noroeste Frustração e decepção para compradores
              O drama dos moradores do Setor Noroeste tem três atos: se mudar, se estabelecer e se frustrar. Os prédios dispersos em meio a entulho e estruturas inacabadas estão longe de compor o bairro ecológico com “estrutura de primeiro mundo”, conforme prometido. Os problemas surgem desde o que deveria ser básico, a mudança, e se estendem a aspectos essenciais como limpeza e iluminação.
              A bancária Lilia Lima também enfrenta transtornos com o atraso na entrega do apartamento, localizado no mesmo prédio da comunicadora Denise Quadros. A solução, já que vendeu seu antigo apartamento na Octogonal para financiar a nova residência, foi buscar abrigo com o irmão, com quem divide espaço desde agosto deste ano. “É chato ficar sem casa própria”, desabafa.
              A situação a deixou desgostosa com o que deveria ser a realização de um sonho. Ela conta que bateu a sensação de arrependimento pelo negócio feito e a vontade de ter permanecido onde estava. “Era melhor ter ficado na Octogonal. É muito problema para a gente enfrentar”, destaca.
              Além do sentimento negativo, a atual infraestrutura do bairro também é motivo de desânimo para Lilia. “O ideal seria conseguir vender o apartamento. Aqui é ruim até para ter uma empregada doméstica, porque não passa transporte público por perto”, critica.
              A bancária afirma que tentou vender sua unidade ainda não entregue, mas o impasse responsável pelo atraso na liberação do Habite-se teria tornado a ação bastante complicada.
              http://www.jornaldebrasilia.com.br/noticias/cidades/590308/setor-noroeste-frustracao-e-decepcao-para-compradores/

              A bolha de distratos do Setor Noroeste em Brasília
              O Setor Noroeste em Brasília se configurou em um desastre financeiro para quem optou por comprar imóveis nesse local. Trata-se de uma situação tão surreal, que hoje se pode dizer que todos que compraram imóveis no Noroeste nos últimos cinco anos tiveram prejuízos.
              http://www.politicaeconomia.com/2013/08/a-bolha-de-distratos-do-setor-noroeste.html

              Distrato a vista ‘Terracap’
              Alguns nomes influentes da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) têm temido um grande problema no Setor Noroeste. É que uma única construtora, a Emplavi, arrematou 19 das 40 projeções da segunda etapa do Sudoeste, licitação realizada em outubro do ano passado.
              Para se ter ideia, o investimento apenas nos terrenos será de mais de R$ 350 milhões, o que corresponde a 1/4 do valor do custo total do Mané Garrincha. O receio dos graúdos da empresa que vendeu as áreas é que a empreiteira devolva parte das aquisições, uma vez que a construtora tem prazo para erguer os edifícios. Apesar de saber que a venda de imóveis no novo bairro não está nada animadora, o dono da Emplavi nega o distrato. Apenas publicamente, é claro.
              http://informandoedetonando.blogspot.com.br/2014/07/distrato-vista-terracap.html

              20+
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • avatar
              • Boruto 3 de junho de 2016 at 10:57

                Hahahaha
                Quero mais é que ardam nesse circo pegando fogo.

                11+
                • avatar
                • avatar
              • Lucas 3 de junho de 2016 at 14:16

                o granfinale foi índios invandindo terrenos abandonados no bairro

                13+
                • avatar
                • avatar
                • avatar
  • Alemon Fritz 3 de junho de 2016 at 09:51

    La burbuja inmobiliaria está a punto de estallar en Estocolmo
    En Estocolmo, la capital, los precios de las casas ya están empezando a frenarse. Una razón es que la gente simplemente ahora no puede permitirse comprar.
    http://gestion.pe/inmobiliaria/burbuja-inmobiliaria-esta-punto-estallar-estocolmo-2162026

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 3 de junho de 2016 at 09:57

    El regulador bancario sueco cree que hay una línea roja que los bancos no deberían pasar: el 600% de deuda total sobre la renta disponible anual. Y aunque espera que las entidades pisen el freno antes de tener que lanzar una prohibición, lo cierto es que el indicador estaba al terminar el pasado año en cerca del 540% en Estocolmo.

    se a renda anual for 50k o endividamento máximo tolerado é de 300k…

    4+
    • avatar
  • Cesar_DF 3 de junho de 2016 at 10:13

    Corretoras de imóveis são feitas reféns e roubadas por falso cliente

    Conforme boletim de ocorrência, as vítimas entraram em contato com uma mulher por causa de anúncio no site OLX referente a um imóvel. Elas combinaram de se encontrar com um homem que se identificou como Airton, próximo ao Terminal Aero Rancho. No local, o homem que disse que iria com a família, estava sozinho e disse que a esposa não pôde acompanhá-lo.

    O homem, então, entrou no Ford Fiesta de cor prata das corretoras e os três seguiram para o Bairro Los Angeles. Lá, as meninas mostraram dois imóveis para o falso locatário e depois da visita ele pediu que as duas o levassem até a casa dele para pegar documentos.

    Durante o trajeto em uma rua de pouco movimento, próximo do Mercado do Produtor, no Bairro Tijuca, o suspeito sacou uma arma e anunciou o assalto. Ele amarrou as mãos das vítimas e as colocou no banco de trás do veículo. O assaltante assumiu a direção e passou a dirigir pelas ruas do bairro, enquanto pegava os cartões de crédito das vítimas e passava as informações, por telefone, para outro comparsa.

    As mulheres ficaram em poder do bandido cerca de duas horas. Depois de conseguir o que queria, o ladrão pediu que o comparsa fosse o buscar. Ele fugiu levando aliança de ouro, celulares, sacola de roupas no valor de R$ 800 e R$ 115 em dinheiro.

    http://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/corretoras-de-imoveis-sao-feitas-refens-e-roubadas-por-falso-cliente

    5+
    • avatar
    • avatar
    • Ribs 3 de junho de 2016 at 13:21

      Ladrão roubando ladrão, rs

      9+
  • Cajuzinha 3 de junho de 2016 at 10:14

    Tópico

    “A queda na arrecadação da Prefeitura do Rio com o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) — pago por quem compra uma moradia — vem se acentuando, devido ao agravamento da crise econômica que atinge também o setor imobiliário. Segundo a Secretaria municipal de Fazenda (SMF), apenas nos quatro primeiros de 2016, o valor arrecadado com a taxação caiu 12,8%: foram R$ 174,3 milhões este ano, contra R$ 199,9 milhões no mesmo período de 2015. A quantidade de recolhimentos recuou ainda mais (19,6%), com a queda das vendas de casas e apartamentos.
    No primeiro quadrimestre do ano passado, o tombo na arrecadação em relação ao mesmo período de 2014 havia sido menor, de 8,62%. Com isso, R$ 19 milhões deixaram de entrar no caixa. De janeiro a abril deste ano, foram R$ 25,6 milhões.
    O ITBI equivale a 2% do valor de mercado do imóvel. Com a crise, muitos proprietários têm reduzido os preços para conseguir vender seus bens. Isso, no entanto, não fez o valor do imposto cair até agora, apesar de o cálculo ser feito com base nos valores declarados em outras operações da mesma modalidade. De acordo com a Secretaria municipal de Fazenda, o motivo é que os preços dos imóveis em transação estão estabilizados. A pasta alega que a queda na arrecadação se deve ao número menor de transações realizadas.”

    http://extra.globo.com/noticias/economia/arrecadacao-da-prefeitura-do-rio-com-itbi-cai-13-19432147.html#ixzz4AWPlI7Eh

    4+
    • avatar
    • Cajuzinha 3 de junho de 2016 at 10:17

      Parte verdadeira: “Leonardo Schneider, vice-presidente do Sindicato da Habitação do Rio (Secovi Rio), concorda, mas ressalta:
      — Sabemos, pelas transações de mercado que acompanhamos no dia a dia, que há negócios sendo fechados com descontos cada vez maiores

      Parte mentirosa: “Eu diria que (os abatimentos são) entre 5% e 10%.”

      6+
      • avatar
    • Cesar_DF 3 de junho de 2016 at 10:25

      O Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) apresentou queda na receita. Enquanto em abril de 2015 caíram nos cofres públicos locais R$ 29 milhões referentes a esse tributo, no mesmo mês deste ano, o valor caiu para R$ 27 milhões. Como a alíquota em 2016 subiu de 2% para 3%, a queda fica ainda mais expressiva.

      http://quidnovi.com.br/brasilia-como-ela-e/arrecadacao-do-gdf-com-impostos-aumenta-r-116-milhoes/

      6+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • FabianoSJC 3 de junho de 2016 at 13:32

        Simples , basta o prefeito aumentar a alicota para 3,5 % rs … Afinal “administradores públicos” tem essa ideia de que se esta arrecadando menos , basta aumentar os impostos.

        9+
        • avatar
        • avatar
  • Cajuzinha 3 de junho de 2016 at 10:31

    “RETRAÇÃO ECONÔMICA ELEVA OFERTA DE IMÓVEIS COMERCIAIS EM MAIS DE 50%
    O número de imóveis comerciais para locação ou para venda cresceu mais de 50% no período de um ano em Ponta Grossa. Se, em abril de 2015, haviam 578 empreendimentos disponíveis para a locação, agora, ao final de abril de 2016 são 892, segundo os números do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), do Sindicato da Habitação e Condomínios (Secovi Paraná). Aumento que é reflexo do momento de retração econômica do país, durante a qual muitas lojas fecharam as portas e outros futuros empreendedores desistiram de iniciar um investimento nesta área do comércio.

    Se o número de imóveis comerciais para aluguel cresceu 54,3%, o número desses imóveis à venda teve uma alta ainda maior, de 66,4%: os 137 estabelecimentos comerciais disponíveis à venda em abril de 2015 agora são 228. ”

    http://arede.info/jornaldamanha/DINHEIRO/107325/RETRACAO-ECONOMICA-ELEVA-OFERTA-DE-IMOVEIS-COMERCIAIS-EM-MAIS-DE-50

    5+
    • avatar
    • avatar
    • Cajuzinha 3 de junho de 2016 at 10:32

      ” “Muitos empresários pararam as atividades e não quiseram iniciar novas atividades. Os imóveis ficam acumulando e hoje tem bastante oferta e pouca procura. Aí o imóvel que custava R$ 2 mil a locação, foi baixando para R$ 1,8 mil, R$ 1,6 mil”, diz.”

      ” Em abril de 2015, Ponta Grossa tinha 2.599 imóveis residências para a venda, enquanto agora, ao final de abril deste ano, há 2.998 ofertas. O número de terrenos também passou de 1006 para 1352. Com isso, somando os comerciais à venda, Ponta Grossa possui 4.578 imóveis à venda, contra os 3.742 ao final do quarto mês do ano passado. “

      7+
      • avatar
      • avatar
      • Brazil mode OFF 3 de junho de 2016 at 13:36

        Cajuzinha, vc tbem é de PG?

        1+
        • Cajuzinha 3 de junho de 2016 at 17:15

          Não. Aracaju

          1+
    • Minions 3 de junho de 2016 at 10:33

      Ponta Grossa é a cidade natal do motumbo.

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Brazil mode OFF 3 de junho de 2016 at 12:00

        Opa… ai mexeu comigo rsrs. Moro em Ponta Grossa – PR

        3+
  • Lord of All 3 de junho de 2016 at 10:36

    Uma hora é a poupança, depois o FGTS e a LCI . . .
    Palpites para qual será a próxima manobra pra arrumar “dinheiro” para o financiamento imob.?

    16+
    • avatar
    • avatar
    • Boruto 3 de junho de 2016 at 11:04

      Mendicância.

      15+
      • avatar
    • CarlosL 3 de junho de 2016 at 11:09

      Um novo fundo maluco com regras loucas e confusas que no final remunera menos que a poupança…

      9+
      • avatar
      • avatar
  • Marcos CG 3 de junho de 2016 at 12:12

    Post no tópico anterior:
    “From_The_Tower 1 de junho de 2016 at 13:41
    […]
    CDB – 105 % do DI – Santander
    […]”
    From_The_Tower, você conseguiu isso falando com gerente no Santander?
    Pelo que vi, o banco está pagando 100% do CDI depois de 3 anos (CDB Recompensa Mais).

    5+
    • avatar
    • From_The_Tower 3 de junho de 2016 at 23:16

      Em 2013 era possível.
      Agora esse patamar caiu.

      1+
  • tmarabo 3 de junho de 2016 at 13:03

    CVR – preço aluguel e força da mídia. Rio Grande-RS
    Falei com um amigo que se mudou para um apartamento: 1,6k + 250 reais de condomínio.
    Em conversa com o dono da imobiliária fiquei sabendo que o aluguel já foi de 2,5k, na época das plataformas. Depois disso, foi baixando… 2k, o proprietário recusou proposta de 1,8k no passado, sangrou e agora alugou por 1,6k, depois de DOIS ANOS com o apartamento fechado. Detalhe: é um apartamento com “preço de venda” (cof, cof, cof) de 450/500k.
    Outra coisa: conversando com o conhecido ele me disse que viu na TV que “o momento é bom para comprar, pois os preços estão baixando”. Então eu disse pra ele quanto renderia 450/500k no banco ou quanto ele pagaria de financiamento. Falei sobre a regra de ouro de que, para um aluguel de 1,6k (BEM PAGOS, vai cair ainda o valor médio na cidade) só valeria a pena comprar o apartamento por no máximo 320k.

    Moral da história: muita gente perdendo dinheiro por não fazer contas básicas e muita gente acredita plenamente em reportagem que diz que agora já tá bom pra comprar (Bear Trap/ Bull Trap mode on).

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Ribs 3 de junho de 2016 at 13:24

      Não fique divulgando tais coisas, rs

      10+
      • avatar
    • Soy Bananes 3 de junho de 2016 at 14:40

      No máximo do máximo mesmo, segundo o consenso geral aqui, o valor não pode ser maior que 150x o aluguel, ou seja, 240k na venda para seu amigo.

      10+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • tmarabo 3 de junho de 2016 at 15:38

        150 vezes o aluguel o cara estaria pagando aluguel a 0,666…% (rsrsrsrsrs) do preço. com certeza valeria a pena comprar!! mas 200 vezes o aluguel dá o aluguel como 0,5% do preço. não é mau negócio comprar.
        claro, tem que olhar se o preço do aluguel está adequado ao mercado, expectativa de que os imóveis irão desvalorizar, e o custo de oportunidade em uma aplicação financeira. mas a conta de 200 vezes não é ruim.

        4+
        • avatar
  • rogerio 3 de junho de 2016 at 14:03

    Tínhamos que montar uma planilha com os valores “reais” de venda pra acelerar esse mercado a baixar os preços….como se fosse a cotação do dólar paralelo!! heheh

    12+
    • Brazil mode OFF 3 de junho de 2016 at 15:10

      Como definiríamos esse valor real, com quais indicadores?

      2+
  • Moreira 3 de junho de 2016 at 14:19

    Colega que comprou no noroeste disse “um dia valoriza”! Vendeu um ap de 100 metros em águas claras de frente par o parque e pegou um duplex de 78m por 800k no noroeste final do ano passado. Ainda na casa dos pais com o marido (não tem filho e idade de ambos acima de 40 anos), não recebeu o ap. Financiou metadinha as 12% pelo banco amigo santander. Disse que este banco estava melhor pq, difente da caixa, incluía no fincanciamento o valor do ITBI.

    21+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Skidwasted 3 de junho de 2016 at 17:24

      Então, ano que vem a bolha estoura pela lentidão da queda dos preços.

      4+
    • Alemon Fritz 3 de junho de 2016 at 17:25

      bem didático, diminuiram as vendas, desvalorizou, baixou o preço, bolha burst

      4+
  • wade 3 de junho de 2016 at 19:05

    Diego, obrigado pelas informações detalhadas no tópico anterior sobre cidades do interior. Eu sabia que eu estava sendo muito específico e não esperava resposta, quanto mais tão específica. Valeu mesmo.

    5+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 3 de junho de 2016 at 19:49


    Por considerarem aumento no risco de inadimplência, os bancos estão restringindo o acesso ao crédito, o que dificulta e até impossibilita a compra de imóveis, já que muitas famílias dependem do financiamento imobiliário.

    A falta de credibilidade em relação ao futuro também pesa, já que alguns compradores, mesmo que possuam acesso ao crédito, evitam contrair dívidas de longo prazo em um momento de turbulência.

    Zylberstajn avalia que ainda não é possível fazer previsões de quando o setor será reaquecido, já que, para isso, é preciso que haja solução das questões macroeconômicas. ”

    http://www.dgabc.com.br/Mobile/Noticia/1972833/preco-do-metro-quadrado-residencial-tem-queda-real

    4+
    • avatar
  • BOLHA JOKER 3 de junho de 2016 at 20:39

    LEILAO!! Bolhistas olhem que leilão interessantíssimo eu achei!!! Imóvel financiado pelo Bradesco em 04/2012, em 07/2013 o Bradesco ja retomou o imóvel, foi feita tentativa de venda via leilao em 2013, e pasmem está em nome do Bradesco até o momento, e está para ser vendido via leilão novamente, imaginem que prejuízo para o banco, todo esse tempo o valor imobilizado nesse imóvel empacado!!

    matricula: http://www.zukerman.com.br/arquivos_complementares/I10280lote011matricula.pdf?par1=659864456&par2=1167895842&par3=1200006290

    leilao:http://www.zukerman.com.br/ns/detalhe_online.php?IDLeilao=8650&IDLeilaoLote=102675&telaCat=1

    8+
    • From_The_Tower 3 de junho de 2016 at 23:18

      Putz. Que elefante branco.

      5+
      • avatar
  • Alemon Fritz 4 de junho de 2016 at 00:32

    Jornal da globo dizendo que tem muito estoque, exorbitante, que tá dificil, junto com propaganda do feirão e um cara falando que estava tremendo qdo assinou o contrato de 30 anos…
    agora vai

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Carlos 4 de junho de 2016 at 03:32

    OFF – Desmanche de carros na terra dos livres, coitados, tão pobres, na bananaland todos são ricos e não precisam deste nível de eficiência e valor agregado.

    https://www.youtube.com/watch?v=g8sDU2N2AQU

    6+
  • pedrovinix 4 de junho de 2016 at 05:26

    Pessoal teria uma conta ou tabela que desse pra adequar o valor do imóvel x renda ?
    exemplo com um salário de 5 k líquidos daria pra pagar X de aluguel ou um imóvel de 150 X.

    5+
    • avatar
    • Alemon Fritz 4 de junho de 2016 at 09:15

      normalmente recomenda-se 6x a 8x a renda anual, 60k x 6 =360k pra adquirir, no brasil varia de 11 a 27 anos de renda pra um imóvel.. ver estocolmo que coloquei lá acima

      3+
  • Ilusionista 4 de junho de 2016 at 09:11

    Ex jogador “galã bonitão” Rai chamando as sardinhadas que ainda não estão no cartão vermelho (SPC) para o Feirão…….

    http://globoplay.globo.com/v/5070784/

    9+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 4 de junho de 2016 at 11:00

    Inacreditável!

    ” A funcionária publica Lenilda de Oliveira, que já morou de aluguel e atualmente vive com os pais, pois não conseguia pagar aluguel, está pretendendo comprar a sua primeira casa no feirão.”

    http://m.diariodigital.com.br/geral/feirao-de-imoveis-tras-facilidades-para-a-populacao/145198/

    18+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 4 de junho de 2016 at 11:18

    Preço do metro quadrado tem queda real de 8,21% em 12 meses

    Estamos em processo de queda e o setor imobiliário vem mostrando os piores resultados nos últimos meses. Os preço estão estáveis, mas os imóveis têm se desvalorizado em relação a outros produtos da economia, que têm crescido com a inflação. (kkk kkk kkk)
    opina que alguns proprietários de imóveis têm desistido da venda e migrado para a locação enquanto aguardavam um possível reaquecimento do mercado. Por isso, segundo ele, o preço do aluguel caiu mais do que o da venda. (vai sonhando)
    http://oglobo.globo.com/economia/preco-do-metro-quadrado-tem-queda-real-de-821-em-12-meses-19430835

    9+
    • avatar
    • avatar
  • Mente do Mal 4 de junho de 2016 at 21:19

    Off- Dúvida – colega motumbado pela Rossi se enrolou na separação.
    Cenário tão estapafúrdio que eu custo a acreditar, mas um colega do trabalho veio me contar:
    Ele se separou há algum tempo e tentou deixar o apê financiado para a ex-mulher esperando que ela pagasse as parcelinhas, mas o apê ainda estava no nome dele e ela não pagou nada. Daí a Rossi ao invés de alienar o apartamento, deixou a dívida rolar com os juros e depois terceirizou as parcelas não pagas com uma outra empresa, que contatou o colega. O acordo oferecido para ele se livrar da dívida foi o seguinte: Ele paga 100 reais e a Rossi aliena o apartamento e ele se vira para pagar a dívida com a empresa terceirizada, de cerca de 30k. Aconselhei ele a procurar um advogado, já que eu não saberia dizer se ele ainda pode tentar o distrato e se livrar da dívida de alguma forma. Pode isso, Arnaldo? Não liquidar o bem que é a garantia do contrato e terceirizar as parcelinhas, de forma que mesmo que ele entregue o apartamento ele não tenha como fugir das parcelas que ele atrasou? Alguém saberia se isso é mesmo legal?

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • JJJ_brasilia 5 de junho de 2016 at 00:49

      Mente,

      Bom procurar um advogado, mas antes de ser motumbado mais uma vez, fale para ele ir ao PROCON tentar uma ajuda, lá não gasta dinheiro, só o deslocamento.

      3+
      • avatar
      • Mente do Mal 5 de junho de 2016 at 02:18

        Valeu. O colega se acomodou no colo do príncipe. Vou dar a dica, o resto é com ele.

        1+
    • joselito 6 de junho de 2016 at 09:59

      Dá uma pesquisada no conceito de “due to mitigate the loss”.

      É um instituto americano aplicável no Brasil pela ideia de boa-fé.
      Em resumo, é a obrigação do credor de agir para reduzir suas perdas. Em outras palavras, quando voce diz que a Rossi “deixou a divida rolar” para pegar mais juros, ela agiu de má-fé, cabendo nulidades (no caso dos juros, pelo menos).
      Enfim, isso é UMA das teses que ele pode levantar.

      1+
      • tmarabo 6 de junho de 2016 at 11:26

        verdade, há um dever do credor de cobrar logo a dívida e não deixá-la rolando um tempão para depois se ressarcir em um leilão do imóvel. Senão é fácil: deixa a dívida correr até chegar próximo do valor do imóvel e depois o leva a leilão.
        Duas decisões do Superior Tribunal de Justiça:

        3. Preceito decorrente da boa-fé objetiva. Duty to mitigate the
        loss: o dever de mitigar o próprio prejuízo. Os contratantes devem
        tomar as medidas necessárias e possíveis para que o dano não seja
        agravado. A parte a que a perda aproveita não pode permanecer
        deliberadamente inerte diante do dano. Agravamento do prejuízo, em
        razão da inércia do credor. Infringência aos deveres de cooperação
        e lealdade.
        4. Lição da doutrinadora Véra Maria Jacob de Fradera. Descuido com o
        dever de mitigar o prejuízo sofrido. O fato de ter deixado o devedor
        na posse do imóvel por quase 7 (sete) anos, sem que este cumprisse
        com o seu dever contratual (pagamento das prestações relativas ao
        contrato de compra e venda), evidencia a ausência de zelo com o
        patrimônio do credor, com o consequente agravamento significativo
        das perdas, uma vez que a realização mais célere dos atos de defesa
        possessória diminuiriam a extensão do dano.
        (REsp 758.518/PR, Rel. Ministro VASCO DELLA GIUSTINA (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/RS), TERCEIRA TURMA, julgado em 17/06/2010, REPDJe 01/07/2010, DJe 28/06/2010)

        5. Dever da instituição financeira de promover o leilão
        extrajudicial no prazo de 30 (trinta) dias da consolidação da
        propriedade (cf. art. 27 da Lei 9.514/97), com o objetivo de evitar
        o crescimento acentuado da dívida.
        6. Dever de mitigação das perdas do devedor (mutuário), atendendo
        aos deveres impostos pelo princípio da boa-fé objetiva (“duty to
        mitigate the loss”). (REsp 1401233/RS, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 17/11/2015, DJe 26/11/2015)

        1+
        • joselito 6 de junho de 2016 at 13:15

          Boa!
          Acabo de descobrir que eu não sabia o nome do instituto, kkkkkk.
          DUTY, not Due….. rsrsrsrs.

          Construtoras agindo de má-fé. Agora conta a novidade! rsrsrs

          1+
  • Cajuzinha 4 de junho de 2016 at 22:27

    Interessado, mas não comprador kkkkkkkkk


    04/06/2016 18:05

    Procura por imóveis aumenta, mas interessados ainda não fecham negócio
    Feirão acontece neste sábado e domingo no Shopping Norte Sul Plaza e espera atrair 5 mil interessados

    Alberto Dias e Renata Volpe”

    http://www.campograndenews.com.br/economia/procura-por-imoveis-aumenta-mas-interessados-ainda-nao-fecham-negocio

    4+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 4 de junho de 2016 at 22:32

    http://atarde.uol.com.br/mobile/economia/noticias/1776183

    ” aumento do desemprego incrementa o número de brasileiros que abrem seu próprio negócio. Os microempreendedores individuais (MEIs) já alcançam a marca de 6 milhões de pessoas. No entanto, segundo a Receita Federal, seis em cada dez estão inadimplentes, com o recolhimento dos impostos em atraso há mais de 90 dias.”

    6+
    • avatar
    • avatar
    • SampaBoy 5 de junho de 2016 at 22:53

      esses caras falam demais, da ate preguiça de ler , primeiro que eles colocam, como todo bom otimista, que o impeach da anta é a grande virada da economia brasileira. quanta asneira , se expectativa fosse tudo a bolsa ja tinha disparado e o dolar caido, nao aconteceu nada disso no ultimo mes sendo que atualmente a expectativa é a mais alta de todas. como o temer pelo jeito nao vai fazer nada demais senao o congresso nao aprova nada, creio que essa expectativa vai é cair mais ainda daqui a pouco. e se a dilma quando tentou abaixar a selic deu no que deu quando a economia ainda estava boa, imagine agora que estamos no fundo do poço se os caras abaixarem a selic o que vai acontecer…nao sou economista , mas essa ideia de que a economia de um pais pode dar uma grande virada so em uma expectativa otimista eu nao engulo

      4+
      • avatar
  • Leandro sp 5 de junho de 2016 at 01:27

    O começo do fim.

    No lançamento a uns 5 anos atras essas salas foram vendidas por 300k, alguns investitrouxas chegaram a pedir 400k, hoje à construtora vende por 199k. Queda de 30%???? Número macabro.

    http://m.vivareal.com.br/imovel/sala-comercial-1-quartos-limao-zona-norte-sao-paulo-com-garagem-32m2-venda-RS199900-id-66747937/

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Carlos 5 de junho de 2016 at 08:56

    A vantagem de se morar nos pombais, infelizmente a banalândia é um país pequeno, minúsculo mesmo e os bananences adoram morar como pombas.

    “os prédios faltam equipamentos de segurança e, em 18 anos, nunca foi feita a manutenção no conjunto habitacional, onde moram 880 famílias.”
    ” o laudo de vistoria dos bombeiros contra incêndio está vencido há 16 anos.”

    Quem vai pagar para arrumar o pombal já que os digníssimos moradores não se importaram com isto até agora? Você meu caro contribuinte 😀 😀

    “As famílias que vivem no local não tem dinheiro para fazer as reformas e pedem ajuda do poder público.”

    http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2016/06/moradores-de-cdhu-em-marilia-fazem-denuncia-ao-ministerio-publico.html

    A cereja do bolo:

    “Mais de um quarto das famílias contempladas com a casa própria financiada pelo governo paulista são devedores de mais de três parcelas: 25,82%, ou 541 mutuários.”

    “http://www.diariodemarilia.com.br/noticia/50297/cdhu-de-marilia-tem-recorde-de-inadimplencia-entre-mutuarios

    E você aí trabalhando como uma mula para pagar os impostos direitinho, tem hora que desanima mesmo, será que vai?

    17+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Cadeludo 5 de junho de 2016 at 12:04

    milionários detentores de sobrados estão tentando alugar a parte de baixo. ao invés de um puxadinho constroem uma escadinha lateral.
    isso é uma tendência Jenial na bananolândia, como não pensaram nisso antes?

    14+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • JJJ_brasilia 5 de junho de 2016 at 13:00

      Cadeludo,

      Mas eles não eram ricos? Agora dividindo moradia com estranhos….

      5+
      • avatar
      • avatar
      • SampaBoy 5 de junho de 2016 at 22:31

        Mas eles dividem “o que é deles”, e tambem, se invadirem o imovel tudo bem, afinal “é deles, mesmo invadido” .

        5+
        • avatar
        • avatar
  • Ilusionista 5 de junho de 2016 at 14:23

    riscos de se comprar um imóvel que na planta ( na realidade é algo que não existe fisicamente, terá ainda que ser construido para ser entregue).

    http://www.conjur.com.br/2016-jun-05/construtoras-resistem-devolver-valores-apesar-jurisprudencia?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

    6+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • bolhista cearense 5 de junho de 2016 at 22:43
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 05:51

    TÓPICO

    ” ALUGUEL CAI, MAS MERCADO NÃO REAGE

    MÁRCIA DE CHIARA – O ESTADO DE S.PAULO
    05/06/2016 | 05h01

    Com crise, é cada vez maior número de lojas de rua e de salas comerciais vazias”

    https://www.google.com.br/amp/m.economia.estadao.com.br/noticias/geral,aluguel-cai-mas-mercado-nao-reage,10000055310.amp?client=ms-unknown#

    9+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 05:52

      ” No primeiro trimestre deste ano, 25,9% dos escritórios de alto padrão destinados a locação estavam vagos na cidade de São Paulo, segundo a Cushman & Wakefield, empresa especializada em administração desses imóveis.

      “Esse indicador é um dos mais elevados dos últimos dez anos”, afirma André Germanos, executivo associado de mercado de capitais da Cushman. Apesar da menor oferta de novos escritórios, ele não acredita em recuos significativos nos índices de vacância de escritórios neste ano e no próximo.

      O quadro é semelhante no caso das lojas de rua. Marcos Hirai, sócio-diretor da GS&BGH, calcula que entre 13% e 15% das lojas estejam vagas. “Esse índice é gritante. De um ano para cá, o quadro piorou e se estendeu para outros setores.”

      Um ano depois de ter percorrido os principais corredores comerciais de São Paulo, o Estado voltou na semana passada aos seis imóveis vagos visitados na época. Apenas dois estão alugados e por um preço menor do que o pedido inicialmente.”

      7+
      • avatar
    • CA 6 de junho de 2016 at 07:30

      Cajuzinha,

      O fato do preço cair e o mercado não reagir é típico de toda bolha imobiliária.

      Isso acontece porque a subida de preço foi completamente anormal e enquanto a queda não for igualmente anormal, a recuperação dos negócios não poderá acontecer. Claro que também não será algo automático, pois também depende da economia se recuperar da destruição causada pela bolha imobiliária.

      Como exemplo, no caso dos imóveis comerciais que são o tema deste artigo que você mencionou, somente no período de 2007 a 2011 a rentabilidade do aluguel TRIPLICOU, pelo que foi levantado pela FGV. É óbvio que muitos pequenos negócios foram se tornando inviáveis, vindo a fechar em especial porque os empreendedores não conseguiram pagar o aluguel, ao mesmo tempo, uma infinidade de novos negócios deixou de iniciar porque o preço de aluguel de uma área comercial se tornou proibitivo, em contrapartida, a oferta disparou, pois todos queriam virar milionários da noite para o dia alugando imóveis comerciais.

      Óbvio também que o que consta acima foi destrutivo para economia por mais de 1 canal: redução de negócios levando a redução de empregos e do PIB, distorção entre oferta e procura levando lançamentos de imóveis a despencar, com isso derrubando empregos e PIB novamente, exaustão da liquidez dos agentes envolvidos, levando a aumentos anormais em endividamento, inadimplência, recuperações judiciais e falências, além de causar redução drástica no consumo daqueles que viam sua liquidez exaurida, dentre uma série de outros efeitos em cascata, todos eles típicos de uma bolha imobiliária.

      11+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 08:22

        Você sempre mostrou isso, CA: ” O fato do preço cair e o mercado não reagir é típico de toda bolha imobiliária.” Caem os preços e as vendas continuam diminuindo.

        9+
        • avatar
        • CA 6 de junho de 2016 at 09:06

          Cajuzinha,

          É isso aí, esta é uma situação que muitos ignoram, por isto que as pessoas acabam caindo nos famosos “bull trap” e no canto de sereia do segmento imobiliário de que “agora é o melhor momento para comprar”. É por isto também que o vale dos preços demora para ser alcançado, durante muito tempo os proprietários tentam se convencer que “já chegou no fundo do poço e portanto, a tendência é de melhorar”, daí ficando aguardando, como naquele filme “à espera de um milagre”, que depois de toda a destruição que causaram para o segmento imobiliário e economia ao longo de ANOS, da noite para o dia tudo voltará ao normal…

          O pior é que, de fato, aqueles que tem o conhecimento pleno do que consta acima são apenas os “cacifes”, os executivos que comandam construtoras, redes de imobiliárias de grande porte, diretores nos meios de comunicação e nos bancos, etc., sendo que estes fazem o possível e impossível para manter um discurso que mascare por completo este cenário. A DESINFORMAÇÃO é a única arma que restou…

          8+
          • avatar
          • avatar
          • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 11:02

            Lembro de há muitos anos atrás, o banco Comind por 2 semanas oferece taxas de overnight absurdamente altas, o que atraiu centenas de milhares de investidores. Dai ele quebrou e todo mundo ficou na mão.

            6+
            • avatar
  • Alemon Fritz 6 de junho de 2016 at 07:26

    vai pra cima em 2016 (frutinha mode on)

    Feirão da Caixa em São Paulo movimenta quase R$ 3 bilhões,,,,,
    13 mil contratos de 75 mil disponíveis,,,, e queda de 73%.. hahha

    mas No ano passado, a Caixa registrou R$ 11,05 bilhões em negócios no Feirão da Casa Própria, montante 29,2% menor que os R$ 15,6 bilhões de 2014.
    kkkk
    http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2016/06/feirao-da-caixa-em-sao-paulo-movimenta-quase-r-3-bilhoes.html

    5+
    • avatar
    • fanfarraum 6 de junho de 2016 at 08:45

      Alemon, esses valores de 2014 e 2015 , aonde tu tirou?

      Achei aqui
      http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/04/feirao-da-casa-propria-movimentou-mais-de-r-3-bi-em-sp-diz-caixa.html outros valores.
      Seria:
      2014: R$ 3,5 bilhões
      2015: R$ 3,02 bilhões
      2016: R$ 2,9 bilhões

      Uma queda significativa, mas nem perto do que tu comentou

      7+
      • avatar
      • fanfarraum 6 de junho de 2016 at 08:47

        Alemon, os teus dados de 2014 e 2015 são NACIONAIS e não da cidade de São Paulo.

        4+
        • avatar
      • Alemon Fritz 6 de junho de 2016 at 09:52
        • fanfarraum 6 de junho de 2016 at 10:08

          Blz, mas são dados nacionais. A notícia tá mal escrita mesmo:

          “No ano passado, a Caixa registrou R$ 11,05 bilhões em negócios no Feirão da Casa Própria, montante 29,2% menor que os R$ 15,6 bilhões de 2014. Não foram divulgadas expectativas para o desempenho da edição deste ano.”

          Dados nacionais:
          2014: R$ 15,6 bilhões
          2015: R$ 11,05 bilhões
          2016: R$ ??? bilhões

          Dados da cidade de Sao Paulo:
          2014: R$ 3,5 bilhões
          2015: R$ 3,02 bilhões
          2016: R$ 2,9 bilhões

          4+
          • avatar
          • From_The_Tower 6 de junho de 2016 at 10:13

            Lembrando que são propostas de negócios. Nem todas irão concretizar-se.

            4+
            • avatar
            • avatar
          • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 10:59

            3 bilhões a 9K/m2 daria 33,3 m2, que dividido por 70m2 = 4,7K imóveis financiados em 1 ano.

            3+
            • avatar
    • Danibolhista 6 de junho de 2016 at 14:22

      Estou recebendo direto mensagem da Caixa para ir no feirão. Minha amiga disse que a maioria dos imóveis que ela pode comprar está ocupado. Confere isso produção? tem imóvel ocupado sendo oferecido no feirão.

      2+
  • Alemon Fritz 6 de junho de 2016 at 07:32

    Bom dia Brasil
    pergunta: é hora de comprar ou de esperar… hehehehe

    6+
    • avatar
    • Danibolhista 6 de junho de 2016 at 15:18

      Esperar sentado, em pé cansa.

      3+
      • avatar
  • Seguidor do Bolha BH 6 de junho de 2016 at 08:08

    Alemon Fritz:
    Pelo menos para os imóveis de luxo é melhor esperar… hehehehe

    Desvalorização de imóveis de luxo soma 9,6% em dois anos
    http://www.otempo.com.br/capa/economia/desvaloriza%C3%A7%C3%A3o-de-im%C3%B3veis-de-luxo-soma-9-6-em-dois-anos-1.1314206

    8+
    • avatar
    • avatar
  • Alemon Fritz 6 de junho de 2016 at 08:14

    o valor médio do imóvel de luxo nos últimos dois anos teve desvalorização real de 9,6% no Brasil, e a inflação acumulada – de março de 2014 a abril de 2016 – ficou em 20%.

    11+
    • avatar
    • From_The_Tower 6 de junho de 2016 at 10:11

      Lembram das matérias comentando que a BNN gerava novos milionários a cada dia?
      huahuahuahuahua
      Tijolo é meda forte SIM !!!! Comprem !!! Comprem !!! Comprem !!!

      10+
      • avatar
  • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 10:52

    Redução da taxa de fecundidade e da demanda por imóveis

    40% dos casais brasileiros adiaram gravidez ou conhecem quem adiou com medo do zika

    http://epoca.globo.com/vida/noticia/2016/06/40-dos-casais-brasileiros-adiaram-gravidez-ou-conhecem-quem-adiou-com-medo-do-zika.html

    7+
    • avatar
    • Alemon Fritz 6 de junho de 2016 at 12:11

      nascem 14,16 milhoes de brasileiros por ano, ou seja serão 5,6 milhões de crianças a menos nesse e no próximo ano…. a pop diminuirá mais rapidamente ainda… e antes de 2040, estabilizando em 2018 (era 2020).

      7+
      • avatar
  • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 10:53

    Seguindo o caminho da bolha do EUA

    Rio finaliza edital para securitização da dívida
    O governo do Rio de Janeiro trabalha para apresentar ao mercado dentro de dois meses o edital da operação da securitização da dívida ativa do Estado, que soma atualmente cerca de R$ 60 bilhões.

    http://www.valor.com.br/brasil/4589937/rio-finaliza-edital-para-securitizacao-da-divida

    6+
    • avatar
    • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 13:44

      CA, acho que este mereceria um comentário seu!

      2+
      • CA 6 de junho de 2016 at 16:04

        Cesar_DF,

        Esta história de “securitizar” a dívida ativa, soa muito estranho, concordo com você, lembra o que foi feito com o subprime americano, onde pegaram um monte de financiamentos que eles sabiam que nunca seriam pagos, empacotaram em títulos a serem revendidos para terceiros e estes por sua vez venderam para quartos, quintos, etc., fazendo com que um problema localizado atravessasse continentes e se tornasse um problema global.

        Como mencionei em outro comentário, a perda de liquidez, levando diversos agentes a “quebrarem”, é uma das consequências de toda bolha imobiliária e daí começam a ocorrer estas “soluções criativas”. O mais normal em se falando de créditos podres, seria fazer venda para empresas abutres, especializadas em comprar o montante da dívida com um desconto que pode chegar a até 90% e depois conseguir recuperar uns 20% do total. Neste tipo de operação, o prejuízo para o credor original da dívida é elevado, mas uma grande parte da dívida já é considerada “irrecuperável” e está provisionada como não recebível, você apenas “oficializa” de forma definitiva que é irrecuperável, por outro lado, gera caixa de forma imediata e ajuda a “apagar incêndios”. A CEF tem se utilizado muito deste recurso de venda de créditos podres para empresas abutres, segundo consta, só o que ela já revendeu para estas empresas já foi o TRIPLO da somatória do que BB, Bradesco e Itaú fizeram do mesmo tipo de operação. Já utilizar securitização soa estranho, afinal, por quanto vão repassar estes títulos? Estão usando algumas mudanças de lei que ocorreram no ano passado para operacionalizar isto, de novo, suspeito.

        6+
        • avatar
        • avatar
  • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 10:55

    Muitas pessoas que moram de graça agora vão ter que mudar para outros imóveis.

    O Ministério do Planejamento espera arrecadar mais de R$ 836 milhões com a cobrança da taxa de ocupação dos quase 480 mil imóveis da União. A Pasta poderia arrecadar até mais. No entanto, isso não acontece, pois há imóveis cuja cobrança não é efetuada em razão de serem ocupados por pessoas com baixa renda ou por órgãos públicos. Essa cobrança é vital para o governo a essa altura para reforçar o caixa. Os inadimplentes ficam sujeitos à inscrição na Dívida Ativa do governo. Em casos extremos, o ocupante que não pagar a taxa pode ser despejado do imóvel. EXPRESSO perguntou ao Ministério do Planejamento qual é a taxa de inadimplência dos ocupantes, mas a assessoria não deu retorno após quatro dias do pedido.

    6+
    • avatar
    • avatar
  • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 10:56

    Em crise, Rio-2016 é obrigado a fazer cortes e negociar resgates

    Com 2 milhões de ingressos ainda sem serem vendidos e a dificuldade de conseguir novos patrocinadores, os organizadores dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 são obrigados a fazer novos cortes em serviços para impedir que o orçamento estoure e que o evento acumule um déficit. Uma série de pedidos de federações esportivas e comitês olímpicos nacionais está sendo rejeitada. Do aluguel de carros, compra de impressoras, uso de serviços e até gasolina, a ordem é a de cortar.

    9+
    • avatar
    • joselito 6 de junho de 2016 at 13:18

      Conta outra….

      1+
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:07

    “Vem mais juro e inflação por aí

    Economia 06/06/2016 10:18:10

    Os economistas que mais acertam os passos do Banco Central entendem que o juro agora irá cair menos neste ano. Segundo o Top5 da pesquisa Focus, a Selic deve cair de 14,25% para 13,75% (projeção anterior era de 13,5%). Isso porque a expectativa para a inflação subiu para 7,12%, de 7,06%.”

    6+
    • avatar
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:09

    “Pedidos de recuperação judicial disparam 95% e batem recorde até maio, diz Serasa

    Notícia Publicada em 06/06/2016 10:05

    Considerando apenas o mês de maio, houve alta de 87,8% na comparação anual, para 184 pedidos”

    5+
    • avatar
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:11

    “Caixa precisa de até R$ 25 bi

    Empresas 06/06/2016 07:11:51

    De acordo com estudo de analistas obtido pela Bloomberg News, a Caixa Econômica Federal precisa de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões, o que equivale a cerca de 2% da arrecadação federal de 2015.”

    7+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:25

    http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2016/06/05/internas_economia,769586/situacao-real-da-inadimplencia-no-pais-e-pior-do-que-mostram-os-indica.shtml

    “A economista-chefe da SPC Brasil, Marcela Kawauti, atesta que o número dos inadimplentes no País hoje é seguramente maior que os 59 milhões de pessoas que ficaram com seus CPFs sujos, segundo levantamento da própria SPC Brasil. Ela explica que do levantamento, já com dados de abril, não constam os devedores inadimplentes da região Sudeste.

    “O mercado de crédito tem trabalhado no escuro. Não consegue ter uma visão clara do total de inadimplentes”, observou o diretor da PH3A, empresa especializada em recuperação de crédito, Marcelo Monteiro. Segundo ele, com a taxa crescente de desemprego há muita gente com dívidas já atrasadas que os birôs de crédito não conseguiram ainda incluir nas listas de devedores inadimplentes.

    Estudo da Serasa estima em 60 milhões o número de inadimplentes no País, totalizando dívidas em atraso no montante de R$ 256 bilhões. É a maior marca já registrada desde que a Serasa iniciou a medição, em 2012. À época, 50,2 milhões de pessoas enfrentavam dificuldades para manter em dia suas contas. De janeiro a março, mais de dois milhões de devedores entraram na lista por falta de pagamento. Segundo o economista-chefe da Serasa, Luiz Rabi, os birôs de crédito costumam incluir os clientes nas listas de inadimplentes depois de 60 dias de atraso nos pagamentos”

    3+
    • avatar
    • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:26

      “A Associação Nacional dos Birôs de Crédito (ANBC) prevê que os índices de inadimplência só vão se recuperar a partir de 2018. Segundo a Associação, essa demora deve-se fundamentalmente à tendência de aumento do desemprego, principal causa da inadimplência a partir de 2015 – que eleva o endividamento.

      Além disso, há uma queda na renda real da população. Se no ano de 2015, a renda média real do trabalhador teve um recuo de 0,2%, em termos reais, frente ao ano de 2014, apenas no primeiro trimestre deste ano, a queda na renda real já é de 3,2% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.”

      3+
  • Manoel Joaquim 6 de junho de 2016 at 11:35

    Alguém aqui ainda considera o Uber como forma de ganhar dinheiro? Acredito que as pessoas estão praticamente pagando para trabalhar e não percebem. Fiz uns cálculos abaixo. Vejam se faz sentido:

    Dizem que um motorista pode chegar a faturar R$ 1.500 por semana (no melhor dos casos). Isso equivaleria a R$ 72.000 brutos ou R$ 52.200 líquidos após desconto do IR.

    Vamos aos gastos considerando que o indivíduo comprou (à vista) um carro 0 km de R$ 40.000. Estou tomando valores extremamente conservadores, levando em conta que o carro será trocado a cada 5 anos e percorrendo 200 km diários.

    Abaixo estão as médias para 5 anos:

    Combustível = R$ 100.000
    Custo de oportunidade (40 k investidos) = R$ 33.700
    Desvalorização do veículo = R$ 23.000
    Custo para adquirir outro veículo de 40 k após 5 anos = R$ 23.000
    IPVA = R$ 6.000
    Seguro (não passeio) = R$ 15.000
    Revisões/óleo/manutenção = R$ 10.000
    Pacote de dados/celular = R$ 6.000
    Balas/Água/Limpeza = R$ 3.000
    Total: R$ 120.000

    Dividindo por 12 para 1 ano:

    Combustível = R$ 20.000
    Custo de oportunidade (40 k investidos) = R$ 6.740
    Desvalorização do veículo = R$ 4.600
    Custo para adquirir outro veículo de 40 k após 5 anos = R$ 4.600
    IPVA = R$ 1.200
    Seguro (não passeio) = R$ 3.000
    Revisões/óleo/manutenção = R$ 2.000
    Pacote de dados/celular = R$ 1.200
    Balas/Água/Limpeza = R$ 6.000
    Total: R$ 44.000

    Considerando o ganho de R$ 52.200 – R$ 44.000 = R$ 8.200, dividido por 12 equivale a míseros R$ 683. Se levar em conta na análise multas, batidas, dias doentes, etc, a pessoa estará PAGANDO para trabalhar.

    Faz sentido?

    10+
    • avatar
    • Manoel Joaquim 6 de junho de 2016 at 11:38

      * Correções: Dividindo por 5 para 1 ano.
      * Balas/Água/Limpeza = R$ 600

      2+
    • deuruim 6 de junho de 2016 at 13:30

      Isso na remota possibilidade no carro não ter sido financiado

      3+
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:39

    http://hojeemdia.com.br/primeiro-plano/inadimpl%C3%AAncia-faz-leil%C3%B5es-de-im%C3%B3veis-quadruplicarem-em-minas-1.389076

    “A média mensal de casas e apartamentos que são oferecidos nos pregões subiu de 100, em 2014, para 400, neste ano. Somente entre os dias 8 e 20 de junho, a Caixa vai leiloar 255 imóveis. Há, ainda, as outras instituições financeiras e construtoras.”

    3+
    • avatar
    • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:41

      “Agora, com o acirramento do arrocho econômico (e a necessidade de capitalização dos bancos), as negociações se tornaram impossíveis. Reaver o imóvel, só na Justiça.”

      “E por que têm aumentado os certames?
      Porque aumentou a inadimplência. E porque os bancos estão sem dinheiro. Ao executar mais ações, de forma mais rápida, eles se capitalizam. Afinal, quando o banco executa a ação e leva o imóvel a leilão, ele recebe de uma só vez todo o valor que seria pago em 20 anos, por exemplo.”

      POSTEI ACIMA:

      Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 11:11
      “Caixa precisa de até R$ 25 bi

      Empresas 06/06/2016 07:11:51

      De acordo com estudo de analistas obtido pela Bloomberg News, a Caixa Econômica Federal precisa de uma injeção de capital de até R$ 25 bilhões, o que equivale a cerca de 2% da arrecadação federal de 2015.”

      4+
      • avatar
      • CA 6 de junho de 2016 at 12:18

        Cajuzinha,

        Mais um interessante exemplo da NECESSIDADE versus o QUERER É PODER:

        Os bancos TEM que se capitalizar. As famílias ficam inadimplentes nos pagamentos de seus imóveis porque elas NÃO TEM dinheiro para pagar por eles. O verbo TER, traduz a NECESSIDADE que caracteriza toda explosão de bolha imobiliária ao redor do Mundo: as construtoras, vendedores particulares (investidores ou não) e os bancos, baixam os preços porque eles PRECISAM fazer isto e não porque eles “QUEREM”.

        No caso dos bancos, para atingirem a liquidez NECESSÁRIA para sua Operação, serão OBRIGADOS a reduzirem os preços dos imóveis, porque como temos visto, NENHUM imóvel tem sido vendido na primeira praça e a MAIORIA destes não é vendido nem na segunda praça pela metade do preço da primeira e a situação continua se agravando com aumento da inadimplência e também da distorção entre oferta e procura, o que também OBRIGA as construtoras a darem maiores “descontos”, fazendo com que os imóveis dos bancos fiquem ainda mais ENCALHADOS e a liquidez cada vez mais prejudicada, o que forçará reduções cada vez mais relevantes nos preços, retroalimentando o ciclo.

        De novo: esqueçam a teoria do QUERER É PODER, aquela teoria de que os vendedores de imóveis de forma geral não vão QUERER reduzir os preços, que imóvel não é tomate e por isto não estraga nem se desvaloriza (kkkkkk – como se não tivesse existido nenhuma explosão de bolha imobiliária no Mundo!), isto é apenas mais um dos itens que o segmento imobiliário INVENTOU e a ala soft engoliu sem espírito crítico.

        9+
        • avatar
        • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 13:38

          CA concordo totalmente
          Dos leilões que acompanho,
          nenhum saindo na primeira praça,
          nenhum saindo na segunda praça com 20% off,
          alguns saindo em segunda praça com 50% off

          6+
          • avatar
          • avatar
  • Felipe 6 de junho de 2016 at 11:45

    Cajuzinha

    “Vem mais juro e inflação por aí

    Economia 06/06/2016 10:18:10

    Os economistas que mais acertam os passos do Banco Central entendem que o juro agora irá cair menos neste ano. Segundo o Top5 da pesquisa Focus, a Selic deve cair de 14,25% para 13,75% (projeção anterior era de 13,5%). Isso porque a expectativa para a inflação subiu para 7,12%, de 7,06%.”

    1+

    acredito nessa taxa de Selic de 13,75% e inflação oficial de 8-8,5%

    1+
    • avatar
    • Felipe 6 de junho de 2016 at 11:47

      Boss poderia fazer um bolão da previsão.
      Dólar, SELIC, inflação. Faz uma previsão só e no final do ano quem acertar ganha o direito de receber 7000 likes em um comentário.

      4+
      • avatar
      • avatar
      • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 13:35

        Imprevisível, na minha opinião
        Se o PMDB não cair e o Temer conseguir alavancar as concessões de infraestrutura E reforma da previdência >>> dolar e selic para baixo.
        Se PMDB cair e marcarem novas eleições
        — Se PT ou PSOL ou PcdoB ganharem, —>> New Venezuela paradigm
        — Se PMDB renovado ou PSDB ganharem e ocorrer as reformas da primeira linha –>> dolar e selic para baixo
        — Se for outro partido com viés esquerdista >>> dolar e selic para cima
        — Se um capitalista ganhar, como o bolsonaro, ou o NOVO ganhar >>> dolar e selic vai descer o morro

        3+
        • Boruto 6 de junho de 2016 at 14:03

          Cara você está se esquecendo que o FED quer subir os juros dos EUA. Em um primeiro momento o resultado vai ser um efeito manada de queda na BOVESPA e a abertura de uma nova janela de oportunidade para comprarem ativos brasileiros na bacia das almas.

          5+
          • Awulll 6 de junho de 2016 at 14:08

            Esse querer do FED tá só ameaçando há alguns anos e até agora nada.

            6+
            • avatar
            • avatar
        • Felipe 6 de junho de 2016 at 15:50

          acho que o valor do dólar está em função muito mais dos acontecimentos externos do que internos. Independente de quem ganhar ou perder, não virando uma venezuela grandona, acho que esse valor de R$ 3,50 – R$ 3,80 se mantém.

          1+
        • tmarabo 6 de junho de 2016 at 15:52

          Só há duas opções:
          1- Temer ser o presidente. Hipótese provável.
          2 – Temer cair e marcarem novas eleições.
          2.1 Temer cai antes de outubro:
          2.1.1 PT ou PSOL ou PcdoB ganham —>> RIP Brasil.
          2.1.1 PMDB renovado ou PSDB ganham: luz tênue no fim do túnel.
          não existe bolsonaro ou novo ganharem.
          2.2 Temer cai depois de outubro. Eleição indireta pelo Congresso: o presidente a ser eleito. vai de Eduardo Cunha, passando por Lula a QUALQUER OUTRO. Loteria total.

          1+
          • avatar
          • Cesar_DF 6 de junho de 2016 at 17:46

            “No Brasil, até o passado é imprevisível”, The Economist
            “No Brasil, até o passado é incerto” – Pedro Malan (Ministro da Fazenda no governo FHC)

            1+
            • avatar
  • mark 6 de junho de 2016 at 13:53

    https://streamable.com/m60x

    “Cerveró diz que Dilma sabia de tudo“

    2+
  • Dr. Estranho 6 de junho de 2016 at 14:34

    Ainda tem muito espaço para piorar.

    1+
  • Tiago 6 de junho de 2016 at 15:40

    06/06/2016 às 15h29 1 Poupança tem maior saque para maio desde 1995

    Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/financas/4590765/poupanca-tem-maior-saque-para-maio-desde-1995 ou as ferramentas oferecidas na página.
    Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor ([email protected]). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

    2+
    • avatar
    • fanfarraum 6 de junho de 2016 at 15:49

      “A caderneta de poupança completou o quinto mês consecutivo de saques. Em maio, as retiradas superaram os depósitos em R$ 6,591 bilhões, o pior desempenho já registrado para o mês. Os saques líquidos no ano totalizam R$ 38,888 bilhões”

      3+
      • avatar
      • avatar
    • fanfarraum 6 de junho de 2016 at 15:52

      Nos últimos 17 meses, apenas 1 mes teve mais depósito que saque (dez/2015). Sendo que dezembro pega 13°.

      jan/2015 | -5.528.549
      fev/2015 | -6.263.849
      mar/2015 | -11.438.430
      abr/2015 | -5.850.986
      mai/2015 | -3.199.143
      jun/2015 | -6.260.663
      jul/2015 | -2.453.946
      ago/2015 | -7.501.891
      set/2015 | -5.293.369
      out/2015 | -3.264.068
      nov/2015 | -1.302.926
      dez/2015 | 4.789.953
      jan/2016 | -12.031.621
      fev/2016 | -6.638.828
      mar/2016 | -5.379.716
      abr/2016 | -8.246.291
      mai/2016 | -6.591.556
      2015/16 | -92.455.879

      2+
      • avatar
  • Tiago 6 de junho de 2016 at 15:42

    Retirada do mês de mai foi 6.591 bi.

    1+
    • avatar
  • Felipe 6 de junho de 2016 at 16:10

    pessoal tava falando de securitização….
    em 2010 ou 11 eu fiz um CRI da Caixa. Depois de um tempo fiquei com medo e pensei que era cagada, tinha colocado R$ 15 mil.
    Hoje, como o título já foi quase todo pago, percebi que até foi um bom negócio – teve mês que rendeu mais 1% líquido, isso nas fases mais bravas da SELIC a 8%. Hoje já vejo com bem mais ressalvas, acho que se disponibilizarem esse tipo de investimento pode ser um maravilha e dar um retornão ou dar PT.

    2+
  • Ilusionista 6 de junho de 2016 at 16:21

    fortes emoções no feirão em SP neste fds
    evolução do “Panem et circenses” com muita pipoca, palhaços, buzinas, confetes, choradeira, desejos de mais um filho…

    http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2016/06/feirao-da-casa-propria-teve-grande-movimento-em-sao-paulo.html

    0
  • Cajuzinha 6 de junho de 2016 at 19:40

    ?????

    ” Outro fator que, segundo ele, impulsiona as vendas são os distratos. Com o aumento das rescisões contratuais e as incorporadoras querendo reduzir estoques, as negociações melhoram, “vale lembrar que nestes casos, são unidades em lançamentos que têm o metro quadrado mais caro”.

    Segundo ele, as negociações continuem em bairros já consagrados, como a Vila Nova Conceição, Jardins e o Itaim Bibi. “Lembrando que alguns bairros, como Jardim Europa e Jardim Lusitânia (região do Parque do Ibirapuera) ainda têm grande concentração de casas.”

    O diretor da Coelho da Fonseca acredita que em momentos de crise como atual, o vendedor precisa ser mais criativo, uma vez que das vendas são mais difíceis e demoram mais para serem finalizadas. No entanto, ele lembra que novas possibilidades para a conclusão dos negócios são abertas nessas fases, como a permuta, que pode ser feita com imóveis de praia, de campo, com terrenos e também com unidades comerciais.

    Em suas projeções, Sita acredita que o segundo semestre deste ano deve ser melhor em vendas para a imobiliária. “O primeiro semestre de 2015 foi bom, já o segundo foi ruim. Os seis primeiros meses deste ano devem ser mais fracos e o segundo mais forte”, acredita.”

    http://economia.estadao.com.br/blogs/radar-imobiliario/mercado-reduz-foco-em-imovel-e-alto-padrao/

    0