PDG Realty assina memorando com bancos para acordo de reestruturação de dívidas – O Financista

Você pode gostar...

Comments
  • Cajuzinha 5 de maio de 2016 at 16:15

    CA, veja que lindo:

    “Poupança tem perda líquida de R$ 8,246 bilhões em abril, recorde negativo para mês

    Notícia Publicada em 05/05/2016 15:13

    No último mês, os saques superaram os depósitos em R$ 6,305 bilhões no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo”

    0
    ReplyLink

    Cajuzinha 5 de maio de 2016 at 15:19
    “maior retirada em 22 anos.”

    17+
    • avatar
    • Jovem Estudante 5 de maio de 2016 at 16:29

      Fico feliz em ter contribuído para esta marca histórica. Quero agradecer ao meu pai, minha mãe e pros amigos da Bolha.

      26+
      • avatar
    • neto 5 de maio de 2016 at 16:31

      Com relação ao SBPE, na tabela do dia 04/05/2016 consta uma perda de 8.79 bilhões no período de 01/04/16 até 28/04/2016. A perda acumulada no SBPE até março/2016 já era de 21,4 bilhões. São 30 bilhões de perda nos 4 primeiros meses do ano, sendo que a perda acumulada em todo o ano de 2015 foi de 50 bilhões.
      Fonte: https://www.bcb.gov.br/pre/SalaImprensa/port/Poupança%20Diária.xls

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • CA 5 de maio de 2016 at 17:13

        Neto,

        Consultando hoje o link acima, na pasta SBPE já consta a captação liquida negativa dos R$ 6,3 bilhões informada no artigo colocado pela Cajuzinha, porque já contém os dados de 29/4. No último dia do mês costuma ter muito mais depósitos, em função de pessoas que recebem o salário neste dia e já deixam programado um depósito automático, além de que, por ser dia de recebimento de salário por muitos, não ocorrem tantos saques (o salário dura pelo menos naquele dia…).

        De qualquer forma, ao consultarmos a pasta SBPE HIST no mesmo endereço acima, vemos que a captação liquida NEGATIVA de janeiro a abril de 2016 passou de R$ 27,7 bilhões.

        Fazendo algumas “contas de padaria” (sorry From):

        1) No total o governo prometeu em fevereiro R$ 25 bi do FGTS para subsidiar o crédito imobiliário durante TODO O ANO de 2016, para cobrir esta captação liquida negativa da poupança que já passou deste valor em apenas 4 meses! Isto significa que esta verba adicional, dividida entre fundo pró-cotista, CRI e outros mecanismos, é absolutamente insuficiente para recuperar estas perdas da poupança. Será difícil para o novo governo Temer destinar ainda mais dinheiro do FGTS para ficar cobrindo estes rombos, iria contra o que Armínio e Meirelles defendem, além de ser completamente improdutivo, pois o mesmo dinheiro que falta para o BÁSICO do dia-a-dia e obriga estes saques significativos da poupança, falta mais ainda para comprar um imóvel, ou seja, vão faltar compradores habilitados, sem contar que temos alto volume de vendas FALSAS na planta onde os pseudo-compradores não tem a menor condição de adquirir o crédito imobiliário, a situação da CEF, segundo técnicos do ministério da Fazenda, é de “terra arrasada”, os juros subsidiados via FGTS proporcionaram a distorção de nossa bolha e junto com ela fizeram com que a dívida das famílias com o crédito imobiliário em proporção à sua renda SEXTUPLICASSE de 2005 a 2015 roubando capacidade das famílias para qualquer outras despesas, etc., etc, etc…

        2) Pegando o gancho do que você comentou, se tivemos R$ 50 bilhões de captação liquida negativa em 2015 e em 2016 só em 4 meses já tivemos mais de R$ 27 bilhões, isto significa que a captação liquida negativa total de 2016 poderá ser mais que o dobro de 2015! Lembrando também que graças a isto e outros fatores, o crédito imobiliário concedido em 2015 teve queda de 33% no total e 50% no caso de usados, sendo que começamos o ano com crédito imobiliário concedido tendo queda de 69% em janeiro/16 e 50% em fevereiro/16. Como sabemos, todo este cenário não se deve exclusivamente a escassez da verba da poupança com uma cobertura “insuficiente” do FGTS, temos também efeitos da própria crise na economia, vendas FALSAS na planta, etc.

        Ao combinarmos o que consta acima com o recorde histórico na DESPROPORÇÃO entre estoque e vendas, péssima situação financeira de algumas construtoras (ver tópico de hoje, por exemplo), recorde de distratos (no total de 2015, passaram de R$ 8,5 bilhões para 10 construtoras), vemos porque tivemos uma queda acumulada de preço do M2 para imóveis usados em São Paulo que foi de mais de 40% nos últimos 24 meses segundo o CRECI SP, ou quedas do ticket médio para imóveis novos de 1 e 2 dormitórios, que segundo o SECOVI SP representaram 80% do total de vendas, que ficaram entre 27% e 30% em janeiro/2016 na comparação com janeiro/2015, dentre outras evidências de reduções RELEVANTES nos preços PRATICADOS das vendas dos imóveis.

        Considerando-se o que consta acima, fica claro que a tendência é que a queda de preços continue se intensificando, como inclusive o CRECI SP (Conselho Regional dos CORRETORES DE IMÓVEIS DE SP) destacou em sua última pesquisa publicada:

        http://www.crecisp.gov.br/arquivos/pesquisas/capital/2016/pesquisa_capital_marco_2016.pdf

        “A própria série de pesquisas do Creci paulista mostra que a tendência dos preços dos imóveis usados é de baixa, não de alta. De abril do ano passado a março deste ano, o preço médio do metro quadrado na cidade de São Paulo acumula queda de 23,41%.”

        12+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
    • SampaBoy 5 de maio de 2016 at 17:00

      Eu ja terminei de sacar tudo que eu tinha na poupanca este ano. Nao faz sentido mais a poupanca no cenario atual. Qualquer renda fixa, mesmo pagando 22,5% de imposto sobre o lucro supera a poupanca, ou seja, torna-se mais liquida que a poupanca.

      7+
      • avatar
    • CA 5 de maio de 2016 at 17:20

      Cajuzinha,

      Sobre esta notícia, o fato do mês de abril/2016 ter sido o pior em 22 anos quanto a captação liquida da poupança realmente impressiona e creio que usaram este número de 22 anos provavelmente porque a pesquisa iniciou-se nesta época…

      Embora o segmento imobiliário tente muitas vezes convencer as pessoas que o problema da poupança se deve a baixa rentabilidade, isto não é verdade. Já faz ANOS que a rentabilidade da poupança perde para outras aplicações conservadoras, pelo menos desde meados de 2013 e foi só em 2015 que os saques superaram os depósitos e de cara em montantes muito elevados. As pessoas não descobriram “da noite para o dia” que existiam outras aplicações mais rentáveis e tão seguras quanto a poupança, é óbvio que a própria crise em si, com inflação elevada, desemprego que cresceu rapidamente, renda real que teve queda, endividamento e inadimplência das famílias em patamares recordes é que puxaram e MUITO este volume muito elevado de saques da poupança.

      Como sempre digo, não existe solução mágica, todas as fontes da bolha imobiliária estão secando, sendo que os paliativos já enfrentam forte resistência via entropia, daqui pra frente continuarão caindo pelo despenhadeiro…

      14+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Bolhudo 5 de maio de 2016 at 16:23

    CVR- Fresquinho
    Fui atender um cliente e amigo agora mesmo, o cara era agiota, comprou 17 imóveis e queria viver de aluguel, está desesperado, oito inquilinos entregaram os imóveis por estarem desempregados e foram morar com pais e parentes, o imóveis mais caros de 2,5k de aluguel estão alugados pela metade do preço e tá difícil de receber em dia, está com 50% de vacância. Peguei um papel e fiz uma conta de padaria, como todo idiota ele acha que seus imóveis valem em média 500K cada ( KKKKKK) não me aguentei, falei pra ele 8.500kk te daria a 1% 85k todo mês se aplicado no banco, e pior você transformou todo teu dinheiro em casas e jogou na mão de pobres que não tiveram nem dinheiro para dar entrada num MCMV , seus inquilinos são os fodidos dos fodidos. Falei pra ele que com 8,5 milhões eu estava era andando de carrão, viajando o mundo e dando risada, não me aguentei eu tive de chamar o cara de otário ( indiretamente ) é claro, porque ele é um burro ignorante, grandalão e anda armado.

    66+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Jovem Estudante 5 de maio de 2016 at 16:27

      RECEBA!!!!!!!!!

      9+
      • avatar
    • Danibolhista 5 de maio de 2016 at 16:52

      Ainda bem que os inquilinos não tinham dinheiro para entrar no MCMdívida, pois se tivessem eles entrariam e seria motumbados, como diz a Joelma “tem coisa que a gente não perde, a gente se livra…”

      13+
    • Danibolhista 5 de maio de 2016 at 16:53

      “…seus inquilinos são os fodidos dos fodidos…” KKKKKKK rindo alto.

      13+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • From_The_Tower 6 de maio de 2016 at 10:54

      huahuahuahuahua.
      Coisa linda !!!!
      CHUPA BRICK-LOVER !!!!

      3+
  • Libertario 5 de maio de 2016 at 16:27

    “O memorando prevê que os bancos avaliem cada um dos projetos e obras por eles financiados, com a possibilidade de conceder financiamentos para cobrir custos e despesas para finalização das obras e venda dos empreendimentos, disse a PDG. O documento também estabelece que os atuais vencimentos dessas dívidas sejam prorrogados por um período de 12 a 24 meses.”

    Então ainda vai demorar pelo 12 meses pra Pé de Gesso ruir ????

    6+
  • DRN 5 de maio de 2016 at 16:32

    É o último suspiro antes do óbito.

    Perdão, ainda existe o pedido de recuperação antes da falência.

    E o efeito SISTÊMICO será lindo de ver.

    13+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Lucas 5 de maio de 2016 at 16:44

      com a nova lei de falências é quase impossível falir, só se a empresa for muito beginner e não tiver advogados minimamente capacitados

      A tal recuperação judicial é o tempo que dão para os honestos se recuperar – os 1% – ou para os malandros sumirem com a granda da empresa – os 99%.

      Quase ninguém sai de uma recuperação judicial, é buraco sem volta, palavras do próprio setor.

      18+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • DRN 5 de maio de 2016 at 16:51

        Mas é para fraudar mesmo.

        Vc para de pagar as dívidas constituídas até o pedido e faz um novo superendividamento, inclusive com novos empréstimos, tira dinheiro da empresa e dá um CAMBAL. Daí é só deixar as sobras para uma massa falida que não paga sequer 5% da dívida toda (pré e pós pedido de recuperação).

        11+
        • avatar
        • avatar
        • DRN 5 de maio de 2016 at 16:52

          Eu sou advogado de credor. Infelizmente, vejo isso sempre. De todas as recuperações em que atuei, até agora SÓ UMA está pagando. Haircut de 50% e 20 parcelas semestrais. Até agora foram só duas parcelas pagas… Vamos ver o resto.

          10+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
        • LZ 5 de maio de 2016 at 16:57

          Do jeito que foi feito a coisa toda eu imagino a negociação:

          Bancos: “PDG você tem que nos pagar !!”
          PDG: “Senhores eu não tenho dinheiro e se eu quebrar levo vocês juntos comigo, pois não vou pagar a dívida e vocês terão imóveis não finalizados pra receber e não dinheiro que é o que vocês gostam, então vamos fazer o seguinte.. Vamos postergar a execução da dívida por mais 24 meses. É tempo suficiente de eu tentar vender tudo que tenho em estoque, finalizar as obras, fazer meu caixa girar e ir pagando vocês o máximo que puder, quando não houver mais jeito, vocês ficam com o que restar da PDG em imóveis prontos vlw ?”

          Basicamente é a última pá de cal da Pé de Gesso.
          Com esse folego a mais pegam mais empréstimos ou limpam o caixa da empresa e pedem recuperação judicial e dane-se os otários que compraram imóvel não finalizado com eles.

          25+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • Lucas 5 de maio de 2016 at 17:02

            agora imagina a posição do cara que espera pra receber o DISTRATO ???

            – posição de 4 com o dedo socado até o cotovelo –

            27+
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
            • avatar
    • Barnabezinho 5 de maio de 2016 at 16:51

      No fim a Morrer, a Brokebackfield, a Gafezes tão aí andando e falando… e a Pedegê na lama… quem diria….kkkkk!

      4+
  • Lucas 5 de maio de 2016 at 16:41

    Reeescrevendo o título:
    PDG em FALÊNCIA BRANCA

    e um pequeno LEMBRETE:
    – Distrato é DÍVIDA,
    – distratado é credor

    EU AVISEI

    25+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Danibolhista 5 de maio de 2016 at 16:55

      Eu não sei como vão fazer quanto ao pagamento do distrato, o STJ fez propaganda na TV dizendo que o distrato deve ser pago em uma única parcela imediatamente, mas o Pacto imobiliário prever que pode demorar 6 meses para pagar, sei não…

      4+
      • avatar
      • avatar
      • LZ 5 de maio de 2016 at 16:59

        Não vão pagar, simples assim.
        Deixa correr na justiça a trolha toda, quando chegar perto de alguém ganhar uma causa coletiva não vai haver mais dinheiro e nem PDG.

        Simples assim.

        13+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
  • DRN 5 de maio de 2016 at 16:53

    Alguém que conheça ITAPEVI pode me falar dos condomínios fechados de lá?

    0
    • Danibolhista 5 de maio de 2016 at 17:00

      Não conheço os condomínios de Itapevi não, mas conheço um pouco a cidade, eu não moraria lá não viu, só que o imóvel fosse muito bom por menos de cem mil. O meu caso é que não gosto de dirigir e também não gostaria de ter carro devido os custos e o transporte em Itapevi não é muito bom. Esse é o meu motivo, não sei qual é o seu, se você já tem carro e quer continuar tendo, e se todo mundo que mora com você dirige, não vejo muito problema, dependendo do lugar vai ficar longe de tudo, Itapevi é grande e tem áreas enormes de mato, tem que ver o bairro.

      1+
      • DRN 5 de maio de 2016 at 17:03

        Estou vendo um condomínio que fica bem próximo à Castelo. Não teria nem de entrar na cidade. Eu sou do extremo da ZO de São Paulo. Então, seria rápido para eu chegar.

        1+
        • Danibolhista 5 de maio de 2016 at 23:00

          Sei. Assim, eu morava em Embu das Artes, antigamente o metrô lilás era super vazio, tinha gente que dizia que foi um investimento furado porque o metrô ligava o nada ao lugar nenhum, todo mundo usava o ônibus para Pinheiros, quando inauguraram o metrô, as linhas que iam para Santo Amaro passaram a ir até o metro mesmo. Porém o caminho de Pinheiros passou a ficar insuportável, daí eu passei a ir via Capão Redondo, era uma belezura, eu ia sentada, chegava rapidinho no metrô e fazia baldeação e chegava em Pinheiros mais rápido do que de ônibus direto. Com o tempo a notícia se espalhou e o caminho do metrô também virou um inferno. Como eu e minha mãe trabalhamos na mesma empresa, ela resolveu comprar um carro, foi um bálsamo, porém o carro quebrou algumas vezes e já estávamos desacostumadas, inferno total, depois o carro foi roubado umas duas vezes, ô infernu, o lugar onde morávamos é longe de mercado, longe de boas farmácias, longe, longe, longe, passagem cara e o escambáu. Quando meu noivo me pediu para procurar imóveis, eu já estava escaldada dessa vida, mesmo que eu viesse a ter carro, eu não queria viver em um lugar que na falta do carro eu ficaria ilhada, imobilizada e ferrada. Eu comprei o meu bolhudinho em Jandira ao lado da estação de trem. Pelo que você está me falando, o seu obrigatóriamente paga pedágio pelo rodoanel, minha mãe também paga, dois inclusive. Minha irmã adolescente resolveu fazer curso técnico no senai, ela entra 07:00 em Barueri, ela não dirige, minha mãe tem que acordar as 5 da manha por causa dela, do contrário não dá para ir de ônibus. Então assim, depende, se você quer mesmo tentar, vê se faz um test drive pra ver se gosta da cidade, alugue um imóvel parecido e faça o teste, se gostar, daí faça uma oferta, do jeito que ninguém está comprando nada, tenho certeza que daqui a 1 ano ainda vai ter casa em condomínio em Itapevi pra vender, agora se vc não gostar, pelo menos é mais fácil cortar o vínculo com a cidade em uma casa alugada.

          6+
          • DRN 6 de maio de 2016 at 10:36

            Obrigado pelas considerações. Realmente, alugar antes é muito mais interessante. É preciso “testar” o bairro e o condomínio antes de comprar.

            3+
            • avatar
            • avatar
  • Lucas 5 de maio de 2016 at 17:00

    Leiam esse artigo do portal resimob
    ‘http://www.resimob.com.br/

    o próprio SETOR de corvos acusando o golpe

    Artigo: Seja bem-vindo à bolha dos distratos

    Quem criou o distrato foi a ganância, a ambição, a cobiça de se imaginar que o mercado é eternamente especulativo. […] Infelizmente, em poucos meses veremos o resultado. Será um acontecimento vultuoso, humilhante e ridículo, que ficará marcado para sempre em nossa história empresarial: a quebra de centenas de incorporadoras. Diferente das antigas bolhas que afetaram diretamente aqueles que nela investiram, a presente bolha extinguirá um período de especulação desenfreada e sem lógica com a falência de muitos incorporadores

    Abordando o assunto principal deste artigo, no dia 27 de abril de 2016 o setor de incorporação assinou o primeiro acordo que regulamenta a cobrança de multa em caso de cancelamento de vendas, os chamados distratos. A regulamentação faz parte de acordo que trata de regras dos contratos de compra e venda de unidades na planta. A nova regra prevê a multa fixa de até 10% sobre o preço do imóvel, além de perda integral do sinal e de até 20% dos demais valores pagos pelo comprador. A incorporadora terá seis meses para devolver os valores a serem ressarcidos, a não ser que a revenda da unidade ocorra em menos tempo.

    Com o todo o meu amor pela profissão, e respeito àqueles que lutam nesse mercado, informo muito abatido, que já é tarde demais. Agora não adianta mais. O volume de distratos foi tão grande que as consequências tornaram-se irremediáveis na situação atual.

    Mas quem criou o distrato? Quem é o culpado?
    Quem criou o distrato foi a ganância, a ambição, a cobiça de se imaginar que o mercado é eternamente especulativo. Todos nós fomos e somos responsáveis por esse momento.

    O começo disso tudo foi a sede insaciável de ganhar, ganhar de novo e voltar ganhar. Nosso mercado foi construído nas fundações amadoras de vendas na planta, que, aliás, são deveras ousadas e imponderadas.

    Analisando o negócio imobiliário, a venda de imóveis na planta é uma realização puramente tupiniquim. Outros mercados podem até oferecer tal modalidade, porém em número muito restrito. No mundo, é comum o incorporador obter o financiamento de todo o dinheiro necessário para se construir um empreendimento, e somente após sua conclusão, efetuar a venda de suas unidades autônomas. No Brasil, inventamos um modelo próprio. A moda brasileira, vendemos unidades na planta, e os compradores tornam-se co-investidores da empreitada junto aos bancos e ainda pagam um percentual pequeno da obra durante a sua construção.

    Lembro-me de uma reunião que tive em 2011 em minha cidade, Rio de Janeiro. Sem citar nomes, estavam presentes grandes incorporadores, empresários, construtores e imobiliárias. A nata do mercado de imóveis. Fiz uma palestra de aproximadamente 15 minutos, sendo 12 minutos dedicados à alta periculosidade de alavancar-se em tabelas de vendas de imóveis na planta, bem como suas consequências através de uma possível crise de distratos. Com poucas exceções, muitos riram de mim. Ninguém acreditou naquele pequeno incorporador que queria instruir grandes águias a “empresariar”. Em certo momento gritaram: “tira esse cara daí e manda ele para a escola”. Humildemente, saí daquela reunião e continuei minha vida seguindo meus preceitos profissionais e comerciais, sem deixar-me abalar por palavras ou frases.

    Alertas
    Há 11 meses, em 28 de maio de 2015, dediquei um artigo a questão do distrato. Naquele dia, alertei a todos sobre o poder do distrato, ilustrando toda a sua trajetória: do seu início até suas possíveis consequências, sem deixar de opinar sobre alternativas e soluções.

    Há 10 meses, em 16 de junho de 2015, já alertava sobre os dilemas do mercado imobiliário na próxima década. Em certa parte do texto, observei o seguinte: “Recentemente o mercado imobiliário enfrenta os problemas supramencionados [distratos e sustentabilidade do financiamento imobiliário]. São temas novos e nunca antes enfrentados no mercado imobiliário brasileiro. A continuidade do crescimento depende exclusivamente do debate amplo de modelos e conceitos novos. Literalmente, vivíamos numa década perfeita, onde o crédito era fácil e o distrato era raro, porém estamos no meio de uma tempestade perfeita a qual engloba problemas econômicos, políticos e burocráticos que realçam os dilemas enfrentados.”

    Na visão da última década, o “investidor” tornou-se um comprador de unidade(s) com um único fim: a especulação imobiliária. A operação de compra visava não apenas o lucro do ramo, mas, sobretudo aos das flutuações de preço dos imóveis. Esse “investidor” adquiria o imóvel sem qualquer conhecimento do ramo. Movido por uma forma de pagamento fácil e convidativa, em consequência da pequena poupança durante o período de obra (em torno de 20% a 30% do valor do imóvel), o “investidor” adquiria diversos imóveis em pouco espaço de tempo. Era uma figura cativa em imobiliárias e em contratos de promessa de compra e venda.

    Todos ganhavam! Para corretores e imobiliárias, o resultado foi instantâneo e positivo em curto prazo, uma vez que a venda era realizada e a comissão recebida integralmente pelas partes. Para algumas incorporadoras, essas vendas podres significaram uma gordura em seus balanços, visto que as unidades eram apontadas como vendidas para os seus acionistas. Entretanto, o resultado foi desastroso para o setor.

    Com o passar do tempo, os problemas se aprofundaram. A operação perfeita de uma incorporação, que seria o repasse de todos os clientes que optaram em financiar o saldo devedor às instituições financeiras, ruiu.

    O problema é que, após o distrato, o empréstimo tomado junto ao banco continua em nome do incorporador. Logo, se o comprador desiste da compra antes do repasse ao banco, o incorporador assume integralmente o valor que fora absorvido junto à instituição financeira para a construção da fração daquela unidade. O incorporador fica altamente imobilizado e devendo ao banco. Imaginem isso aos milhares. Imaginem distratos beirando 60% a 80% de um empreendimento. É o que acontece atualmente.

    Infelizmente, em poucos meses veremos o resultado. Será um acontecimento vultuoso, humilhante e ridículo, que ficará marcado para sempre em nossa história empresarial: a quebra de centenas de incorporadoras. Diferente das antigas bolhas que afetaram diretamente aqueles que nela investiram, a presente bolha extinguirá um período de especulação desenfreada e sem lógica com a falência de muitos incorporadores.

    Seja bem-vindo à bolha dos distratos!

    (Portal Resimob – Artigos – Opinião – 28/04/2016)

    7+
    • avatar
    • BolhaPOA 5 de maio de 2016 at 17:31

      Ele culpou a ganancia pela bolha, mas esqueceu da injeção desenfreada de dinheiro público, gerando uma falsa demanda.
      Só falta culpar o capitalismo…

      9+
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 5 de maio de 2016 at 18:10

        a merda toda precisaria dum livro pra indicar todos

        3+
        • avatar
  • Lucas 5 de maio de 2016 at 17:03

    ENQUANTO ISSO LÁ EM BRASILIA

    blablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablablabla

    nada como um belo palácio pra isolar aquela gente do mundo real
    obirgado niemeyer,
    obrigado lucio costa

    12+
    • avatar
    • avatar
    • DRN 5 de maio de 2016 at 17:06

      O povo perdeu o interesse. Já acabou. O povo quer ver logo o TEMEROSO começar a agir para ver se a situação melhora. Todo mundo de saco cheio do JEC.

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Lucas 5 de maio de 2016 at 17:11

        eu se fosse o temeroso não ficava com o estouro oficial da bolha no colo não

        eu mandava a mídia soltar A VERDADE COMPLETA, dentro de 5 dias, senão adeus contratos de propaganda.

        7+
        • avatar
    • Lucas 5 de maio de 2016 at 17:12

      kkkk
      vou te copiar do outro lado da rua!
      pros sardentos e lazarentos poderm ler

      3+
      • Barnabezinho 5 de maio de 2016 at 17:21

        Yeah véio! tava faltando…

        4+
        • avatar
    • From_The_Tower 6 de maio de 2016 at 10:57

      São vocês mesmo do Resimob querendo propagar a alfinetada? kkkk

      1+
  • BolhaPOA 5 de maio de 2016 at 17:28

    Possível calote de 3.7 bilhões, divididos por 4 bancos, a princípio.
    Quase um bi para cada um.
    Que loucura.
    Tem as outras construtoras ainda.
    Foda de tudo isso é que ninguém avisou…

    9+
    • avatar
    • mestre dos magos 5 de maio de 2016 at 18:08

      As provisões que os bancos estão fazendo no momento, que até está diminuindo o lucro deles, não vão dar nem para saída rsrsrs.

      4+
    • joselito 6 de maio de 2016 at 12:26

      Vocês são como bestas cabalísticas do apocalipse.

      Se a Pede-Ge$$o não pagar, os bancos se tornaram proprietários plenos dos imóveis e estes, por sua vez, valorizam 30%a.a., ou seja, se não pagar, os bancos ficarão mais ricos!
      😛

      4+
  • CA 5 de maio de 2016 at 17:46

    Sobre o tópico, alguns números da PDG no ano de 2015, daqueles que tem maior relação com nossa bolha imobiliária:

    Estoques em 31/dez/2015: R$ 2,97 bilhões
    Vendas liquidas de distratos em 2015: R$ 552 milhões

    Pelos números acima, vemos que o estoque da PDG é o suficiente para mais de 5 ANOS de vendas!

    Com a piora esperada para vendas brutas, distratos e a economia como um todo, dá para acreditar que vão conseguir vender o suficiente para pagarem suas dívidas, mesmo com a reestruturação mencionada no tópico???

    Outro “detalhe”: o máximo considerado razoável para o segmento imobiliário, é que a proporção entre estoque e vendas não supere um ano, o que já é exageradamente elevado, imagine estoque para mais de 5 anos…

    De 12 construtoras com Ações na BOVESPA que analisei, a PDG é quem tem os maiores estoques em proporção à vendas, os estoques dela equivalem a mais que o DOBRO da média destas 12 construtoras!

    Distratos totais em 2015: R$ 1,9 bilhão.

    Este volume é o recorde histórico de distratos do segmento para apenas uma empresa, nunca antes na história deste país apenas uma construtora teve tantos distratos no período de 1 ano.

    Demais números também foram catastróficos.

    Lembrando que em 2011 a PDG era a maior empresa do segmento imobiliário em valor de mercado das Américas (sim, incluindo os EUA) e já em 2012 teve prejuízos bilionários e a derrocada começou a acontecer.

    Para quem não conhece a história, a PDG foi a pioneira e líder das vendas FALSAS na planta: em 2007, próximo do IPO da PDG, Enrique Bañuelos, pai da bolha imobiliária espanhola, entrou na PDG. A partir de 2008 a PDG começou com um altíssimo volume de lançamentos e vendas FALSAS na planta, para famílias que não teriam renda para adquirir o crédito imobiliário. Estas vendas na planta se converteram em mais de R$ 1 bilhão de distratos que só foram reconhecidos pela PDG no 4T11. Adivinhem quando Enrique Bañuelos vendeu suas Ações e resolveu voltar para a Espanha? Sim, é isto mesmo, foi logo antes da PDG divulgar os distratos e enquanto a empresa estava com o recorde de valor de mercado que mencionei mais acima. E ainda tem gente que não consegue ver como a bolha foi inflada, quais as ações dos “tubarões” e a similaridade com os golpes aplicados em outros países, mudando apenas os mecanismos.

    Vejam a reportagem abaixo sobre Enrique Bañuelos, é cômico como fazem as coisas de forma descarada e ainda usam a imprensa para limpar a barra daqueles que ajudaram a plantar nossa bolha e a destruição na economia que vemos hoje:

    http://veja.abril.com.br/noticia/economia/megainvestidor-enrique-banuelos-diz-adios-ao-brasil

    Trechos do link acima:

    “Depois de chegar de maneira ruidosa ao país, em meados de 2007, com a promessa de ficar, pelo menos, 40 anos…”

    “A saída do Brasil não foi repentina. Desde 2011, antevendo que o setor imobiliário havia atingido seu pico, vendeu sua participação na incorporadora PDG Realty.”

    “A volta do investidor à Espanha tem um quê de redenção. Bañuelos foi encarado por muitos como o maior culpado pela bolha imobiliária que arrastou seu país para a crise. ”

    Ah, o Sam Zell, um dos pais da bolha imobiliária americana fez o mesmo na Gafisa, com mesmos resultados e ela só se salvou porque vendeu 70% de sua “galinha dos ovos de ouro” (segmento Alphaville) para pagar suas dívidas…

    10+
    • avatar
    • avatar
  • Lucas 5 de maio de 2016 at 18:57

    CA, DRN, colegas

    lembram quando eu falava:

    “será sistêmico”
    “vai levar todo o setor financeiro”

    Em efeito dominó a inadimplencia afetará os bancos privados e mais ainda nos PUBLICOS, que por sua vez volta pro colo do governo.
    O risco de calote hoje é real!
    cuidem-se

    9+
    • avatar
    • Urso 5 de maio de 2016 at 20:45

      O que você sugere Lucas?

      3+
      • avatar
    • Bolhudo 5 de maio de 2016 at 21:52

      Lucas , era pra ser soft, mas já é hard, a correção será forte, rápida e profunda. As coisas se deterioram rapidamente, tenho medo do que está para acontecer, estou muito pessimista, pois trago traumas das antigas e recentes tragédias monetárias que assolou este país. Palavra tabu como confisco, calote e moratória nunca foram bem aceitas neste blog, eu mesmo achava certo exagero e até de má fé cita-las, embora no fundo em nossos subconscientes sempre nos acautelamos e nos preparamos “nunca deixe todos os ovos no mesmo cesto”, “melhor ter uma latinha de $ no banheiro”,” Quem puder que coloque em prática o manual do anonymous”. Na s próximas semanas veremos que tudo que foi discutido aqui se concretizar. Oremos, pois o chacoalhão será forte.

      9+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
    • DRN 6 de maio de 2016 at 10:38

      Até o temeroso tomar medidas e aprovar outras medidas que conduzam a tendência da dívida à estabilização, não farei novos aportes. Estou comprando dólares mesmo com o ágio absurdo do pedra preta gourmet.

      2+
    • joselito 6 de maio de 2016 at 12:28

      PROER taí pra isso.
      Argumenta-se que o povo se ferraria e, assim, mantem todo o dinheiro com os que ferraram o povo.

      2+
  • Cajuzinha 5 de maio de 2016 at 19:04

    ” Fitch rebaixa Brasil de BB+ para BB, com perspectiva negativa”

    5+
    • Cajuzinha 5 de maio de 2016 at 19:07

      ” . “A agência agora prevê que o crescimento ficará em -3,8% em 2016 e em +0,5% em 2017, abaixo da previsão de dezembro de -2,5% e +1,2%, respectivamente”, diz o comunicado.

      A Fitch diz que a “profunda contração econômica” reflete o alto nível de incerteza política, a confiança deprimida, a piora no mercado de trabalho e fortes ventos contrários, com os preços mais baixos das commodities, diante da desaceleração da China, e também as condições de financiamento externo mais apertadas. As perspectivas para o médio prazo parecem igualmente contidas, segundo a agência, já que a taxa de investimento tem recuado nos últimos anos e reformas microeconômicas para melhorar a competitividade e o ambiente para os negócios não representaram progresso significativo.”

      3+
  • O Bancário 5 de maio de 2016 at 20:16

    Vocês acham que esse provisionamento do BBDC da Sete Brasil foi muito dinheiro?
    Vou nem falar quanto a PDG tem de responsabilidade com o Bradescão. Vou deixar isso para a imaginação dos senhores.

    4+
    • avatar
    • Libertario 5 de maio de 2016 at 21:42

      Você que tudo vê na CDD, acha que tem risco grave lá?

      Eu imaginava que do rombo de 3.8b mais da metade seria CEF.

      3+
  • Cajuzinha 5 de maio de 2016 at 21:59

    ” A PDG, que possuía 58,1% do capital social da REP, vai receber pela transação 26 imóveis localizados em São Paulo, avaliados em aproximadamente R$ 33,868 milhões.
    Especialistas apontaram que, apesar de positiva, a negociação do ativo seria melhor com troca por dinheiro, em vez de unidades. A LDI, através de seu braço de incorporação, tem como foco o segmento de médio e alto padrão, cujas vendas têm sofrido por causa da restrição de crédito no mercado e deterioração da confiança dos consumidores frente à recessão da economia nacional.
    Trigueiro afirmou que as unidades estão em um único empreendimento localizado em São Paulo, que possui liquidez razoável. Para ele, apesar do aumento de estoque, as unidades são bem avaliadas e não devem ter problema para venda.”

    http://m.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20160505/presidente-pdg-diz-que-acordo-com-bancos-abre-caminho-para-pensar-futuro/369689

    4+
    • avatar
    • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 06:03

      ” nquanto isso, os cancelamentos de contratos em Gafisa ficaram acima da média dos últimos 12 meses e subiram de 124,8 milhões no primeiro trimestre de 2015 para 170,3 milhões de janeiro a março deste ano.

      “Diante das atuais incertezas no cenário político-econômico e seus reflexos no mercado imobiliário, não vem sendo possível reduzir, com maior efetividade, o volume de cancelamentos”, afirmou a companhia no balanço.”

      4+
      • CA 6 de maio de 2016 at 07:51

        Cajuzinha,

        Conforme comentei acima, a Gafisa, juntamente com a PDG, foi uma das pioneiras da pirâmide financeira das vendas FALSAS na planta no Brasil.

        Como isto aconteceu?

        Em 2005, Sam Zell, um dos pais da bolha imobiliária americana, que fez a venda de maior valor para um empreendimento durante o auge do inflar da bolha americana, veio para o Brasil e entrou com participação na Gafisa. Pouco depois a Gafisa fez abertura de capital na BOVESPA e ele expandiu ainda mais a sua participação. Em 2007 a “febre” da compra de terrenos e em 2008 a Gafisa fez um alto volume de vendas FALSAS na planta, para famílias que não teriam renda para adquirir o crédito imobiliário no ato da entrega do imóvel. Em 2011, pela primeira vez em sua história, a Gafisa teve centenas de milhões de distratos registrados referentes a estas vendas FALSAS na planta e estes distratos passaram de R$ 1 bilhão em 2012.

        Do mesmo jeito que Enrique Bañuelos da PDG, adivinhem quando Sam Zell abandonou a Gafisa? Foi em 2010, antes dos distratos das vendas FALSAS na planta aparecerem, que foi em 2011 e enquanto o valor da Ação da Gafisa estava no seu auge, exatamente como ocorreu com Enrique Bañuelos. Ele teve um lucro de mais de 200% com estas operações, “negocio da China”, não é mesmo?

        Da mesma forma que ocorreu com Enrique Bañuelos, Sam Zell foi enaltecido pela imprensa brasileira, ou seja, os tubarões que implantam os golpes que prejudicam milhares de famílias e trazem muita destruição para a economia ainda saem como heróis e “gênios”. Vejamos no link abaixo um artigo a respeito:

        http://m.economia.estadao.com.br/noticias/geral,sam-zell-vende-participacoes-na-gafisa-e-br-malls-imp-,619804

        Outros pontos importantes:

        Em 2012 a Tenda, segmento de imóveis populares da Gafisa teve volume absurdo de distratos, com isso, em 2013 a Tenda suspendeu todos os seus lançamentos e a Gafisa teve que vender 70% da sua “galinha dos ovos de ouro”, o segmento Alphaville, só para pagar estas dívidas e continuar pedalando com mais vendas FALSAS na planta, com os lançamentos em larga escala a partir de 2014 que já estão se transformando em novos recordes de distratos agora e por aí vai…

        Lembrando que a grande concentração nas vendas FALSAS na planta é exatamente para as famílias de baixa renda, porque são elas que confiam cegamente nos corretores, não recorrem a nenhum advogado para rever o contrato, sequer lêem o contrato, não sabem sobre o INCC durante a construção, não tem nenhuma noção sobre a situação do mercado imobiliário e não fazem nenhuma pesquisa a respeito, não tem nem idéia do que é a lei de oferta e procura, não tem nenhuma visão sobre o que ocorre na economia e efeitos em sua vida, nunca ouviu falar sobre bolha imobiliária, etc, etc, etc…

        Em outras palavras, todo o imenso incentivo dado pelo governo para formação e manutenção de nossa bolha imobiliária serve por um lado para enriquecer tubarões de outros países e por outro para destruir o pouquíssimo patrimônio das famílias mais pobres, é isso que o governo chama de “programa social”…

        17+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 08:47

          CA, E X C E L E N T E!

          1+
          • avatar
    • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 07:57

      ” O objetivo é antecipar a uma melhora na economia, diante da possibilidade de a taxa de juros começar a cair este ano, bem como a inflação.”

      4+
      • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 07:58

        ” A ideia é autorizar os bancos a usarem 5% das captações da caderneta (entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões) em empréstimos habitacionais fora do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), usando novos indexadores, como Taxa Selic (14,25% ao ano) e índices de preços (IPCA, INPC e IGP), que estão entre 9% e 10% ao ano. Hoje, só é permitido aplicar a TR (Taxa Referencial), mais juros limitados a 12% ao ano.”

        3+
        • Ilusionista 6 de maio de 2016 at 10:02

          venda de títulos de securitização do crédito imobiliário..

          “Ao substituir a TR por outros indexadores , explicou um técnico da área econômica, o banco consegue transformar a dívida imobiliária, que é de longo prazo, de até 30 anos em títulos negociados no mercado. É a chamada securitização do crédito. Dessa forma, o banco consegue antecipar o recurso emprestado em prazo relativamente curto (seis meses). Ele explicou que a instituição financeira poderá usar uma fonte de recursos mais barata (poupança), montar uma carteira e vender esses títulos no mercado, em um efeito multiplicador”

          4+
          • avatar
          • avatar
          • Bruno.12 6 de maio de 2016 at 11:54

            EUA…lembra muito 2007/08, sim ou claro??

            5+
            • avatar
            • avatar
        • CA 6 de maio de 2016 at 10:03

          Destaco outros trechos, que ajudam a entender o mecanismo e ao que se destinariam estas ações quanto ao crédito imobiliário:

          TRECHO 1: “Ao substituir a TR por outros indexadores , explicou um técnico da área econômica, o banco consegue transformar a dívida imobiliária, que é de longo prazo, de até 30 anos, em títulos negociados no mercado. É a chamada securitização do crédito.”

          Sobre o trecho acima, procurem no Google sobre bolha imobiliária americana, securitização de crédito e subprime para entenderem melhor o que significa.

          TRECHO 2: “o caso dos financiamentos habitacionais, o alvo seriam clientes de renda alta, dispostos a comprar imóveis que superem os R$ 750 mil fixados no SFH (formado por poupança e FGTS). Com a escassez dos recursos da caderneta, os bancos têm recorrido a fundos como os das Letras de Crédito Imobiliário (LCI) juntamente com a poupança, mas os juros acabam ficando acima de 13% ao ano, durante 30 anos. Substituindo a TR, técnicos estimam que a taxa ficaria em 6% ao ano, mais um índice de preços.”

          Sobre este trecho, alguns pontos a serem destacados:

          a) Se a nova taxa ficar em 6% ao ano, mais a SELIC, teremos 20% ao ano de juros, MUITO superior ao custo atual de 13% ao ano usando a LCI. Mesmo que usem o IPCA, a taxa ficaria neste momento superior aos 13% ao ano. Por que então fariam isto? Primeiro porque a securitização antecipa rendimentos para o banco, transferindo o RISCO para os INCAUTOS que comprarem estes títulos. Segundo, porque eles deixaram claro no artigo que a grande aposta é na queda da inflação e dos juros no curto prazo, o que viabilizaria taxas inferiores aos 13% anuais que temos atualmente;

          b) Eles falam sobre “destravar o crédito imobiliário” e isto consta em destaque na notícia, mas vejamos alguns dados:

          b1) Vão autorizar os bancos a usarem entre R$ 10 bi e R$ 15 bi da poupança para financiarem imóveis acima de R$ 750 mil com os juros mencionados no parágrafo anterior, que teriam uma tendência de no curto prazo se tornarem menores. Será que isto terá efetividade? Nos grandes centros, temos um volume muito representativo de imóveis com preços acima de R$ 750 mil, como exemplo, utilizando como referência apenas o site imovelweb, consultando exclusivamente apartamentos a venda (sem somar casas, sobrados, etc) e só para a cidade de São Paulo, temos 128.146 imóveis anunciados com preços a partir de R$ 750 mil. Fazendo a famosa “conta de padaria” (sorry novamente From The Tower), temos 128.146 * R$ 750 mil = R$ 96,1 bilhões. Esta conta foi com base em apenas 1 site, para 1 tipo de imóvel, em somente 1 cidade e ainda multiplicando pelo preço de R$ 750 mil por imóvel, sendo que temos muitos imóveis bem acima deste preço e apesar disto tudo, a verba “milagrosa” que vai “destravar o crédito imobiliário” para imóveis acima de R$ 750 mil equivale a menos de 10% do montante!

          b2) Segundo estudo feito anteriormente, temos hoje, só na cidade de São Paulo, uma oferta de imóveis de 3 dormitórios que é o suficiente para mais de 20 anos de vendas e imóveis de 4 dormitórios que são o suficiente para mais de 30 anos de vendas, tendo como base as ofertas do imovelweb e as vendas de novos para compradores finais e usados informados por SECOVI SP e CRECI SP dos últimos 12 meses. Por que uma distorção tão absurda, típica de bolha imobiliária? Por que menos de 10% da população de São Paulo tem renda suficiente para financiar imóveis a partir de R$ 500 mil pelo prazo de 30 ANOS, mesmo com juros benéficos do SFH para a faixa de preços entre R$ 500 mil e R$ 750 mil, sendo que 90% destas famílias já possuem imóvel próprio e dentro dos 10% restantes, algumas optaram por simplesmente não comprar em virtude de mobilidade, ganho financeiro, etc. Ao “subirmos a régua” para imóveis a partir de R$ 750 mil, a situação fica pior ainda.

          b3) As famílias de mais alta renda estão sofrendo forte perda de rendimentos, tivemos 100.000 lojas no Brasil que fecharam em 2015, muitas delas de empreendedores individuais que se enquadravam na faixa de rendimento acima, pesquisas indicam que muitas empresas estão trocando executivos seniores por executivos juniores e assim por diante, ou seja, temos queda sensível na parcela da população que se enquadra na faixa de rendimento que usufruiria deste “benefício” de crédito imobiliário mais barato para imóveis a partir de R$ 750 mil, piorando a desproporção que consta em b1) e b2) logo acima.

          b4) Estas famílias com rendas maiores são as mais informadas sobre a crise na economia, entendem um pouco melhor sobre oferta e procura, pesquisam mais sobre o segmento imobiliário, etc., ou seja, não ficarão tão tentadas assim a entrar em financiamento imobiliário neste momento, não em um volume que seja suficiente para resolver estas monstruosas distorções entre oferta e procura mencionadas nos itens acima.

          Em resumo, novamente serão ações que baterão de frente com a ENTROPIA e portanto terão efetividade quase nula. Será só mais uma medida para fazer MÉDIA com o segmento imobiliário e dizer que com o novo governo vão tentar apoiar este setor, mais um pouco do “você finge que me engana, que eu finjo que acredito” e de prático só vai servir para os corretores, com apoio da mídia, tentarem convencer as famílias de maior renda que “agora vai”, para ver quantos conseguem enganar e comprarem imóveis. Qualquer “migalha” ajuda a não passarem fome e a esta altura, não conseguem fazer nada que realmente possa ser efetivo.

          7+
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • avatar
          • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 10:17

            CA, lendo com calma a notícia agora, veja:

            “A equipe econômica está fechando um pacote de medidas para estimular a economia,
            que já vinham sendo discutidas, a ser entregue ao novo ministro da Fazenda, Henrique
            Meirelles, num eventual governo Temer”

            Não quer dizer que é isso que será feito pelo Meirelles, que já declarou estar ciente da Bolha Imobiliária, assim, acho que precisamos aguardar os próximos acontecimentos…

            4+
            • avatar
            • avatar
            • CA 6 de maio de 2016 at 10:37

              Cajuzinha,

              Tinha lido este trecho também, cabe aguardarmos se vão dar andamento a estas ações ou não, mas creio que se já está sendo publicado pelos meios de comunicação é porque o novo governo de alguma forma já está querendo sinalizar que não irá “abandonar” seus amigos do segmento imobiliário, mesmo que na mesma base do governo anterior, com ações do tipo “você finge que me engana, eu finjo que acredito” e que servem só para serem utilizadas para enganar os potenciais compradores com a ideia do “agora vai”, o que no final não gera resultado prático nenhum, é só ver a notícia sobre as reclamações quanto ao fundo pró-cotista feitas para associações de mutuários que consta em comentário do Palmeirense Bolhudo mais abaixo…

              4+
              • avatar
              • avatar
              • avatar
  • Palmeirense Bolhudo 6 de maio de 2016 at 09:56

    Cadê os corretores de imóveis onde estão com essa crise?

    Ora, ora, com a baita crise imobiliária na Província do Grande ABC, micos espalhados por todos os quarteirões, homens e mulheres de venda desapareceram das mesas de restaurantes badalados ou discretos. Há quem afirme que alguns recorrem a marmitas, outros a bares populares; não faltam os que só lancham. A situação está preta.

    Mentiras protegidas

    Não esperem que jornais de papel e digitais mostrem a realidade do mercado imobiliário. A arte da dissimulação é vergonhosa. Engana-se descaradamente o distinto público consumidor de informações. Um setor de ampla influência e abrangência socioeconômica segue protegidíssimo pela mentira e pelo engodo.

    O mercado imobiliário está em baixa, com viés de baixa ainda maior. Os preços desabam. A queda leve em relação à inflação, como apontam corporações lobistas disfarçadas de institutos de pesquisa, é embuste. A queda é violenta. Há descompasso gigantesco entre oferta e demanda. A paralisia da economia agrava ainda mais o quadro. Principalmente nesta Província de PIB vinculadíssimo demais à indústria automobilística, também em pandarecos. O ambiente para negócios na região, há muito à deriva, agora está muito pior, por conta das demissões e pré-demissões no setor automotivo.

    http://www.publicidadeimobiliaria.com/2016/05/cade-os-corretores-de-imoveis.html

    4+
    • avatar
  • Palmeirense Bolhudo 6 de maio de 2016 at 10:03

    Agora vai, essa ação vai liberar o dinheiro dos financiamentos #SQN

    Associação de mutuários ingressa com ação coletiva contra a Caixa

    Em fevereiro deste ano, o Conselho Curador do FGTS aprovou a liberação de R$ 8,2 bilhões para financiamentos de imóveis pela linha pró-cotista. No entanto, vários compradores têm reclamado que, mesmo tendo o financiamento aprovado, o valor não é liberado em razão da falta de recursos. Usada para o financiamento de imóveis de até R$ 400 mil, a linha pró-cotista possui taxas que só não são mais baixas do que as praticadas pelo banco no programa Minha Casa Minha Vida.

    Em virtude disso, motivada pelas reclamações que recebeu nos últimos meses – uma média de 20 por dia –, a Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH) ajuizou uma ação coletiva em face da Caixa Econômica Federal. De acordo com o diretor do escritório de representação da ABMH em Rondônia, José Carlos Lino Costa, no documento a Associação requer o cumprimento dos contratos e indenização por danos materiais e morais para todos os consumidores que sofreram com essa situação. “Antes disso, já havíamos notificado a instituição financeira acerca do caso, porém não houve qualquer manifestação”, revela.

    https://chicoterra.com/2016/05/06/sugestao-de-pauta-associacao-de-mutuarios-ingressa-com-acao-coletiva-contra-a-caixa/

    2+
    • avatar
    • CA 6 de maio de 2016 at 10:28

      Palmeirense Bolhudo,

      A informação acima combina perfeitamente com o que comentei meses atrás, desde que o governo anunciou as medidas de “salvação” do segmento imobiliário, primeiro em janeiro/16 e depois complementado em fevereiro/2016 e combina mais ainda com tópico recente do blog, em que foi colocado aquele excelente e bem embasado estudo sobre a distribuição de verbas do pró-cotista do FGTS, trabalho feito pelo site resimob e que foi replicado em comentário de Lucas mais acima.

      Também combina com a notícia publicada pela Cajuzinha logo acima, dando conta de novas ações para “destravar o crédito imobiliário” e que terão os mesmos efeitos PÍFIOS relatados pela associação de mutuários neste artigo. Apensa mais do “você finge que me engana e eu finjo que acredito”, que bate de frente com a ENTROPIA…

      4+
      • avatar
      • avatar
      • CA 6 de maio de 2016 at 10:28

        Correção: “Apensa” não, era “Apenas”

        0
      • Palmeirense Bolhudo 6 de maio de 2016 at 10:34

        CA,
        Muito obrigado pelas suas excelentes analises, dedicar seu tempo para destrinchar sempre as noticias e mostrar a realidade, obrigado!
        Hoje só não enxerga quem não que as crises e as bolhas que vivemos!

        3+
        • avatar
        • avatar
    • Bruno.12 6 de maio de 2016 at 11:57

      Esses mutuários são sortudos mesmo…foram impedidos de serem motumbados, teriam que estar pulando de alegria!

      7+
      • avatar
      • avatar
  • Danibolhista 6 de maio de 2016 at 10:14

    Gente, eu comprei um imóvel da Trisul, um imóvel que deveria ser do MCMV da faixa de pessoas que podia pagar um preço próximo ao preço de mercado, como a renda minha e do meu noivo passava do limite, não podíamos entrar no programa, mas o empreendimento era do porte MCMV, depois de um seriado de dor de cabeça eu fui pesquisar a dita cuja. Alguém da parte da construtora disse que a Trisul estava em crise porque a culpa foi dos pobres. Ela tinha perfil de trabalhar com público de alto padrão e eles degrigolaram quando resolveram entrar em programas populares sem o conhecimento desse tipo de gente. Que agora eles queriam retomar sua atividade como antes, ou seja, queriam largar os pobres e voltar a trabalhar com os ricos, porque os pobres não pagavam. Pois bem, eu me senti ofendida com isso, era uma mentira deslavada, se o pobre não paga em 30 dias já recebe uma cobrança extrajudicial e depois era assediado a fazer o distrato perdendo muito e a construtora facilmente vendia para outro pobre analfabeto desavido. Então a culpa não era do pobre, o pobre por não saber o que estava acontecendo era o que mais enriquecia a construtora entregando seu dinheiro suado.

    Agora vem a melhor parte, depois de esculhambar a classe trabalhadora que caiu no conto do MVMdívida, eles fizeram um lançamento popular ao lado do meu bolhudo, voltado para os pobres, MCMV, na olx vc encontra apê de até 160 mil. Daí eu achei estranho… a Trisul lançando imóvel em uma cidade dormitório, a mais pobre da região metropolitana de SP, MCMV? o que deu neles? os ricos que possuem os melhores advogados foram avisado que não é o momento de comprar? Olha que eles estão investindo pesado em propaganda deste empreendimento, em cada catraca do trem tem um troço colado perto do leitor do bilhete, em todos os painéis das paredes têm, olx, panfleto, teve um corretor que foi lá no condomínio e colocou embaixo da porta de cada morador o panfleto, e até agora ainda tem unidade.

    2+
    • CA 6 de maio de 2016 at 10:31

      Danibolhista,

      Eles precisavam aumentar lançamentos de imóveis populares para fazerem mais vendas FALSAS na planta e simular que a situação não está tão ruim. O público de baixa renda é o principal para eles enganarem nesta pirâmide financeira, expliquei isto melhor em meu comentário sobre os resultados da Gafisa no 1T16, mais acima neste tópico.

      6+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Danibolhista 6 de maio de 2016 at 10:42

        é eu vi, eu comentei mesmo pra reforçar, alguém tinha dito que é preciso pedalar bastante pra bicicleta não cair.

        2+
  • DRN 6 de maio de 2016 at 10:24

    PQP, até que enfim saiu o relatório do FGC de 2015.

    É muita OPRESSÃO.

    -http://www.fgc.org.br/libs/download_arquivo.php?ci_arquivo=176

    0,32% dos clientes têm mais de 250 mil garantidos pelo FGC

    87,97% dos clientes têm até 5 mil garantidos pelo FGC

    Vejam a página 14

    No mais, queda de poupança e conta corrente. Aumento de CDB, LCA e LCI.

    10+
    • avatar
    • avatar
    • DRN 6 de maio de 2016 at 10:28

      Em 31.12.2015, 711.115 tinham mais de 250 mil. Tudo bem que TD, ações e quotas de fundos não entram na conta.

      Considero que a grande maioria dessas pessoas, pelo perfil poupador, já tem imóvel próprio e quitado.

      Daí pergunto: quando chegarão os marcianos COM ALTA RENDA que comprarão os imóveis ESTOCADOS no brioco das construtoras a preços ESTRATOSFÉRICOS???

      8+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • RecebendoJuros 6 de maio de 2016 at 10:44

        Infelizmente o relatório do FGC considera 1 cliente como a combinação de 1 CPF x 1 instituição financeira.
        Então, quem tem 2 milhões de reais divididos entre 10 bancos com 200 mil em cada um aparecerá no relatório como 10 clientes que tem entre 150.000,01 e 200.000,00. E não como 1 cliente que tem mais que 250 mil.
        Imagino que os 711.115 “clientes” do relatório devem ser compostos por:
        – Gente que tem tanto dinheiro que mesmo investindo em 30 bancos diferentes fica com mais de 250 mil em cada
        – Gente que tem pouco mais que 250 mil mas mantém tudo em 1 só banco.
        Na prática acho que teve ter muita gente com uns poucos milhões que acaba caindo várias vezes nas faixas menores pois divide o dinheiro entre várias instituições tendo o cuidado de manter menos que 250 mil em cada uma.

        9+
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • avatar
        • DRN 6 de maio de 2016 at 10:47

          Essa informação é importante. Vc sabe onde está essa explicação no relatório?

          2+
          • avatar
          • RecebendoJuros 6 de maio de 2016 at 10:54

            Página 13:
            “Em números absolutos, são 220 milhões de clientes²”
            “² Um cliente é contado mais de uma vez se possuir depósitos em mais de uma instituição ou conglomerado financeiro”

            5+
            • avatar
            • DRN 6 de maio de 2016 at 11:02

              Correto.

              Realmente pode acontecer a diluição que vc disse.

              Todavia, ainda temos de colocar as pessoas jurídicas (CNPJ) na conta.

              2+
        • From_The_Tower 6 de maio de 2016 at 11:05

          Eu tenho conta em 03 bancos. 03 corretoras . E aplicações em 07 bancos via corretora.

          1+
          • RecebendoJuros 6 de maio de 2016 at 11:15

            E deve ter mais que 250 mil em cada… hehehhe
            PADEIRO_MILHONARIO_MODE=ON
            Brincadeira. 🙂
            Faz tempo que estou pra te perguntar se vc continua com investimentos na Walpires. Tenho umas LCx/CDB vencendo e estou pensando em tirar o dinheiro de la.
            O site não é simples de usar, e as opções de investimento em RF estão cada vez mais fracas.

            3+
            • avatar
            • avatar
  • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 10:31

    Adivinhem quem publicou isso:

    “Existe um momento ideal para financiar um imóvel?
    A única regra é o momento financeiro. O ideal é que a pessoa não deixe o sonho de ter uma casa própria com medo dos juros, já que em muitos casos é uma opção melhor do que pagar um aluguel. Procurar o auxílio de consultor e pesquisar taxas de diferentes bancos ajuda muito nesta fase inicial, uma vez que a taxa do juro financiada pode ser menor que o valor do aluguel. “Você está antecipando um sonho, mas que não pode pagar de uma vez só”, avalia Fonseca.”

    http://g1.globo.com/especial-publicitario/zap/imoveis/noticia/2016/05/como-driblar-crise-e-ser-dono-de-um-imovel.html

    2+
    • From_The_Tower 6 de maio de 2016 at 10:59

      Os brick-lovers não ligam para a lógica financeira. Eles se utilizam do crédito do jeito que for pois o tijolo é mágico e sempre vencerá qualquer aplicação e sempre ganhará da inflação. 😉
      Portanto a crise se dá por incapacidade financeira mesmo. Porque comprar os brick-lovers querem de qualquer jeito.
      Só faltou combinar com a renda local e capacidade de endividamento.

      5+
      • avatar
      • avatar
      • From_The_Tower 6 de maio de 2016 at 11:02

        E o fato de não existir mais euforia por parte dos investiotários. Esses não conseguem mais repassar. ARDAM !

        2+
  • Cajuzinha 6 de maio de 2016 at 10:36

    Ainda sobre a Gafezes

    “Imóveis devolvidos valem abaixo do preço original de compra
    A maior parte dos distratos foi em imóveis comerciais, que possuem impacto maior na reversão da receita. Pesou também o fato de as unidades cujas vendas foram canceladas terem valores inferiores aos preços originais acrescidos de correção, quando são comercializadas novamente.”

    http://observadordomercado.blogspot.com.br/

    4+
    • avatar
  • Bolhudo 6 de maio de 2016 at 10:56

    Contratos de gaveta bombando.
    Existe outro estoque oculto de imóveis, se trata dos imóveis do MCMV que estão sendo vendidos e alugados por baixo dos panos, não aparecem no Zap, imobiliárias ou OLX. Contratos de gaveta bombando, sem falar que depois de 10 anos eles entram no mercado legalmente

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • From_The_Tower 6 de maio de 2016 at 11:00

      Bananense adora um contratinho de gaveta.
      Ir ao cartório, contratar um bom advogado (DRN) e pagar as taxas no Registro de Imóveis dá muito trabalho.

      5+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • DRN 6 de maio de 2016 at 11:13

        Obrigado pela deferência.

        2+
        • avatar
    • Minions 6 de maio de 2016 at 12:44

      Considerando a qualidade da construção, em 10 anos eles estarão no chão!

      5+
      • avatar
    • Alemon Fritz 6 de maio de 2016 at 12:50

      abrange 25% dos imóveis dessa linha no nordeste e norte, conforme reportagem na terça feira.
      em 4milhoes de casas seriam 1milhão delas nessa situação.. nesse caso observem que a casa esta sendo por mais uma família (diminui mais a demanda), o dono real deve estar na casa dos pais, ou a casa ficou no nome da companheira.

      2+
      • avatar
      • avatar
      • Alemon Fritz 6 de maio de 2016 at 13:01

        e a 350 reais de aluguel ou parcela, isso movimentaria mais R$ 350milhoes de reais sem a Caixa ver… kkk

        0
  • Traderunner 6 de maio de 2016 at 11:11

    Pessoal, estamos rateando os relatórios da Empiricus (Fii, Vacas Leiteiras, Melhores ações da bolsa, daily pro, Estratégia com opções, Carteira Empiricus, Renda fixa). Quem tiver interesse em participar, favor enviar email para [email protected]

    1+
    • Minions 6 de maio de 2016 at 11:23

      Isso não é ilegal?

      8+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • Rei 6 de maio de 2016 at 11:15

    Diante disso, alguém compraria PDGR3 à R$3,80? (atualizado).

    2+
    • Boruto 6 de maio de 2016 at 11:56

      Visto as perspectivas futuras… Não. Isso vai acabar como a OGX.

      6+
      • avatar
      • avatar
  • DRN 6 de maio de 2016 at 11:25

    Prezados, preciso de uma informação rápida: o LCI do Satã é sem liquidez diária, correto? E são quantos porcentos do CDI? Agradeço.

    2+
    • avatar
    • Bruno.12 6 de maio de 2016 at 12:01

      Também gostaria de saber…e sobre o BB, quanto do CDI??

      0
      • DRN 6 de maio de 2016 at 12:03

        BB está 80% do CDI

        1+
        • Boruto 6 de maio de 2016 at 12:09

          BB baixou para 70% do CDI. Tá tendo pouca demanda por crédito imobiliário por parte das construtoras.

          3+
          • DRN 6 de maio de 2016 at 12:21

            80% na LCA.

            3+
            • avatar
          • Bruno.12 6 de maio de 2016 at 16:02

            Ainda assim está melhor do que a poupança;

            1+
            • avatar
  • DRN 6 de maio de 2016 at 11:34

    Propostas indecentes. Mandei hoje 1,5k por metro quadrado só para testar numa casa em condomínio (casa nova, nunca habitada e com acabamento de primeira). O cidadão está pedindo 3,3k por metro quadrado. Deixe espumar…

    2+
    • avatar
  • Bolherengo 6 de maio de 2016 at 11:38

    OFF – Aposentada junta R$ 1 mi em 30 anos na poupança e abre escola de esportes

    http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2016/05/06/aposentada-junta-r-1-mi-em-30-anos-na-poupanca-e-abre-escola-de-esportes.htm

    Um grande exemplo sobre planejamento a longo prazo, foco, perseverança, disciplina e todas as demais virtudes que valorizamos aqui.

    Só uma observação: Ela investiu R$ 1kk e tem um lucro de R$ 81.600,00 por ano, ou seja: R$ 6.800,00 por mês (= 81600 / 12). 0,68% de rentabilidade. Tá mais ou menos na média do que conseguimos tirar na renda fixa.

    6+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Palmeirense Bolhudo 6 de maio de 2016 at 12:11

      Essa e quase bolhista, tem que dar os parabéns para ela, juntou R$ 1 Milhão na poupança, imagina se tivesse diversificado ou em algum outro rendimento melhor que a poupança? Com certeza iria ter um valor muito maior, e talvez tivesse deixado rendendo invés de abrir essa academia.

      5+
      • avatar
      • avatar
      • Bolherengo 6 de maio de 2016 at 12:22

        Quando ela começou a poupar, ainda não tinha a opção do Tesouro Direto (embora ela tenha afirmado que já fez aportes no CDB). Na época do FHC, dizem que a poupança era um bom investimento (eu não lembro, pois nessa época eu ainda não fazia parte da população economicamente ativa). Até mesmo na era Dilma, antes do Mantega mudar a regra de rentabilidade, a poupança também foi considerada um bom investimento. Ela só remou contra a maré de uns 3 ou 4 anos pra cá.

        4+
        • avatar
        • avatar
  • Boruto 6 de maio de 2016 at 11:39

    Juros do TD tá uma porcaria.

    3+
  • Bruno.12 6 de maio de 2016 at 12:03

    OFF: bolhinha ardedo em Bel Zonte: http://www.otempo.com.br/em-um-%C3%BAnico-quarteir%C3%A3o-15-lojas-s%C3%A3o-fechadas-na-savassi-1.1293462
    “Em apenas uma volta pelo quarteirão cercado da Savassi pelas ruas Antônio de Albuquerque, Alagoas e avenida Getúlio Vargas, é possível contar 15 lojas fechadas.”

    1+
  • Alemon Fritz 6 de maio de 2016 at 13:33

    Governo contrata 25 mil moradias populares no Minha Casa Entidades
    Modalidade do Minha Casa Minha Vida tem parceria com entidades civis.
    Presidente Dilma Rousseff fará o anúncio em evento nesta sexta.

    o governo já contratou por meio do Minha Casa, Minha Vida 4,2 milhões de unidades habitacionais (2,6 milhões já foram entregues aos beneficiários, beneficiando 10,4 milhões de pessoas).

    http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/05/governo-contrata-25-mil-moradias-populares-no-minha-casa-entidades.html

    0
  • DRN 6 de maio de 2016 at 14:55

    -http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,nao-e-mais-o-mesmo,10000049377

    SELIC não vai cair.

    0
  • DRN 6 de maio de 2016 at 15:04

    Governucho quer colocar os ricos “para correr” daqui:

    -http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,imposto-pago-a-estados-para-transmissao-de-heranca-pode-ser-deduzido-da-base-de-calculo,10000049507

    0
    • DRN 6 de maio de 2016 at 15:07

      “Além da correção da tabela, foram anunciadas nesta manhã outras quatro medidas. São elas: aplicação das alíquotas de 15%, 20% e 25% sobre doações e heranças; tributação do excedente do lucro das empresas optantes pelo regime de lucro presumido e pelo Simples Nacional; tributação dos direitos de imagem e voz; e diminuição dos benefícios fiscais previstos no Regime Especial da Indústria Química.”

      1+