Redução do consumo acarreta queda de 30% de aluguéis de centros comerciais, em Manaus – D24am

Você pode gostar...

Comments
  • Cesar_DF 15 de abril de 2016 at 15:38

    #OFF Aposentadoria – o efeito do juros composto

    Fiz três simulações, com juros de 0,5 0,7 e 0,9% ao mês

    Carregando mensalmente R$100 numa aplicação que renda 0,5% de juros ao mês
    Depois de 35 anos terá acumulado R$ 143,183.39
    Poderá sacar R$ 1.570 por mês desta aplicação que ela somente secará em 20 anos.
    Ou poderá sacar R$ 710 por mês e esta aplicação nunca decairá e vai acabar ficando de herança para os filhos.

    Carregando mensalmente R$100 numa aplicação que renda 0,7% de juros ao mês
    Depois de 35 anos terá acumulado R$ 254,959.38
    Poderá sacar R$ 3.120 por mês desta aplicação que ela somente secará em 20 anos.
    Ou poderá sacar R$ 1.780 por mês e esta aplicação nunca decairá e vai acabar ficando de herança para os filhos.

    Carregando mensalmente R$100 numa aplicação que renda 0,9% de juros ao mês
    Depois de 35 anos terá acumulado R$ R$ 471,779.26
    Poderá sacar R$ 6.350 por mês desta aplicação que ela somente secará em 20 anos.
    Ou poderá sacar R$ 4.200 por mês e esta aplicação nunca decairá e vai acabar ficando de herança para os filhos.

    19+
    • avatar
    • Zé Carioca 15 de abril de 2016 at 16:26

      O problema é conseguir qualquer um desses percentuais no longo prazo. Um retorno de 0,5% ao mês dá mais de 6% ao ano, quase os 7% ao ano que é o dito índice de retorno médio da bolsa americana no longo prazo (se tirar uns 2% de inflação daria 5% líquido ao ano).

      Um retorno de 0,9% ao mês dá mais de 10% de juros reais, o que é dificílimo de se obter, diria que nem um Warren Buffet seria capaz de obter tal retorno no longo prazo. Quando eu faço expectativa de crescimento do meu capital considero um retorno real dos investimentos de 5%, o que sinceramente já é alto. Para você se aposentar com segurança e viver bem (com a mesma renda da ativa) tem que juntar o equivalente a pelo menos uns 200 salários.

      9+
      • avatar
      • avatar
      • odorico 15 de abril de 2016 at 16:29

        Eu acho que consegue sim, se você travar taxas do tesouro direto 2035 e 2050. claro que em alguns momentos você vai pegar mais ou menos, mas acho que nos próximos 10 anos dá sim.

        2+
  • Dutra 15 de abril de 2016 at 15:43

    Ai as pessoas pensam como aparecem mais apartamentos a venda e para alugar do nada? Hoje no Jornal não sei se foi o nacional ou local, mostrou duas jovens que moravam sozinhas de aluguel e decidiram ir morar juntas, assim aluguel + condominio + despesas (consertos, aquisição de móveis, eletros), seriam divididos e logo estão economizando decorrem a crise, até a comida sai mais em conta, pois foi o que uma delas citou “em duas dá animo de fazer comida e cada dia uma cozinha e desse jeito não gastamos dinheiro comendo da rua”.

    8+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Ilusionista 15 de abril de 2016 at 16:37

      globo repórter nesta sexta vai falar justamente isto. Mudança de comportamento no dia a dia o que gera uma boa economia a longo prazo.
      Os italianos juntam um bom dinheiro durante alguns anos andando de Smart, aquele de dois lugares ou de scooter.
      Carros de luxo só para os ricaços de Mônaco.

      5+
      • avatar
      • avatar
  • Cajuzinha 15 de abril de 2016 at 15:47

    ” Se não houver o impeachment da Presidente Dilma e ela permanecer no poder até 2018, não haverá solução de continuidade e a crise na economia brasileira vai tender ao agravamento;

    • Se houver impeachment, o ambiente político vai sofrer alguma mudança favorável, melhorando o clima de confiança, mas a economia vai continuar em crise.

    Ou seja, a conjuntura de recessão tem vida longa e, possivelmente, só terá algum alento se houver um amplo e profundo ajuste fiscal, capaz de equilibrar o déficit orçamentário e estancar o percurso explosivo da dívida pública. A começar por forte queda na taxa SELIC, que está arrasando as contas do Tesouro Nacional.”

    “Pioraram as expectativas e previsões das atividades econômicas. Após o recuo de 3,8% do PIB nacional em 2015, espera-se a continuidade da recessão econômica e a queda do PIB em até 4,0%, neste exercício.”

    http://www.jb.com.br/informe-cnc/noticias/2016/04/15/sintese-da-conjuntura-a-decada-perdida/?from_rss=None

    4+
    • Dutra 15 de abril de 2016 at 17:00

      Para o mercado imobiliário será:
      Curto prazo: Animo no mercado
      Médio prazo: Novos lançamentos e pessoas voltando a comprar
      Longo prazo: pessoal vendo que não mudou muito, pessoas endividadas e sem renda suficiente e construtoras com excesso de imóveis disponíveis, depois uma uma pequena euforia.

      6+
      • avatar
      • odorico 15 de abril de 2016 at 17:22

        Eu não apostaria nessa ideia no médio prazo. Acho que não terá lançamentos e poucas compras apenas no estoque.

        4+
  • Rampion 15 de abril de 2016 at 16:05

    Com Dilma ou sem Dilma, com Temer, Cunha ou Renan o Brasil já está com o próximos anos perdidos. Mudarão apenas o ladrão, no fundo tudo continuará a mesma coisa. Por isso, não apoio lado coxinha ou mortadela. Pouquíssimos sacaram que a “luta” está no caminho errado. Aécio, Cunha, Temer, Maluf, Marquito, Lula e todos os outros corruptos sairão ilesos e os esquemas de corrupção continuarão a todo vapor. Previdência já era, quem tem 60 anos hoje talvez nunca se aposente com as reformas que virão, quanto mais quem está com menos.
    Obrigado colega Cesar_DF pelo texto que é uma grande fonte de incentivo para que todos aqui economizem pelo menos pra ter de onde tirar para comer daqui alguns anos. Realmente, comprar imóveis se mostra uma grande roubada nesse país governado por presidentes e administradores ladrões. Para compensar os rombos irão aprovar CPMF, aumentar IPTU, IPVA, cobrar taxas de LCIs e LCAs.

    22+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • tmarabo 18 de abril de 2016 at 11:39

      o PT adora esse discurso “todos são iguais”.

      pra mim, ‘isentão’ que não vê diferença entre uma Dilma e um Aécio, entre um PT e um PSDB, é pior do que petista.

      2+
  • Careca 15 de abril de 2016 at 16:23

    Fala pessoal, boa tarde. Já visito o site tem alguns anos e acompanhei diversos comentários e o mercado e realmente vocês acertaram diversas previsões mas fui contra e não vendi o meu apartamento, primeiro porque não precisava, pois estava praticamente quitado e segundo porque minha esposa era muito reticente quanto a venda para morar de aluguel e, por não tem o mesmo conhecimento que muitos por aqui, acabei não querendo mexer nesse, digamos, vespeiro.

    Pois bem…hoje, ela já percebe que o que eu vinha falando há mais de um ano realmente fazia sentido e ela começa a entender que deixar o dinheiro rendendo da venda de um imóvel em uma aplicação e viver de aluguel por um tempo pode sim ser realmente interessante… a questão é…vocês ainda acham que existe esse tempo para vender e esperar ou ele já passou?

    Digo… acredito que conseguiria vender meu apartamento por um preço justo rapidamente, primeiro por ele ter um tamanho bom, ter iluminado e e muito conservado. Tem apenas 10 anos de idade e minha idéia seria vender, aplicar o dinheiro em Tesouro Direto, CDB e LCA/LCI e negociar o aluguel… inclusive até pagando já 1 ano adiantado, por um desconto bem interessante.

    Acham loucura da minha parte ou não? Sejam sinceros.

    4+
    • avatar
    • Zé Carioca 15 de abril de 2016 at 16:34

      Na minha opinião se você já tem um imóvel e mora nele não vale a pena vendê-lo para aplicar aonde quer que seja. O risco é muito alto. Primeiro você perde uns 6% do valor do imóvel na venda só com corvotagem, depois ainda tem que pagar imposto de renda. Se o valor do imóvel for maior que 440k você joga fora quase 20% do valor da venda, abaixo de 440k é isento para único imóvel e fica só nos 6% do corvo.

      Está difícil para vender, mercado travado e só vai conseguir comprador dando um desconto legal, se planeja recomprar lá na frente ainda vai pagar ITBI, certidões, aluguel no período. Só valeria a pena se você vendesse muito bem e recomprasse com uns 50% de desconto, ainda assim acho que a diferença que você pode embolsar não valer o risco.

      16+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Careca 15 de abril de 2016 at 16:53

        Entendi, Zé. Minha idéia é tentar vender por 650… tirando os impostos eu ficaria com uns 520 na mao para comprar outro…mas, realmente, ficaria muito complicado achar hoje um apartamento de 300 e que valesse a pena. É melhor, caso eu venda mesmo, comprar outro negociando a vista por um valor em conta e o dinheiro que sobrar fazer a reforma ou investimento no apartamento que eu precisar ou quiser e guardar o restante…ou esperar essa bolha estourar e comprar um segundo apartamento sem vender esse que eu tenho…né?

        2+
      • Loucodf 15 de abril de 2016 at 16:55

        Concordo. Se está perto da quitação não vejo grandes motivos para venda. Salvo se existir uma boa oportunidade de negócio etc.
        Já se prepara (conhecimento) para quando ele estiver quitado e investir a grana em outro segmentos. (Lembrar da máxima de ovos em cestas diferentes).

        Eu penso em ter uma casa (não tenho, vivo de aluguel), ter rendas variadas. (Dólar, TD).

        3+
        • avatar
    • odorico 15 de abril de 2016 at 17:21

      O imóvel atual te atende? Eu vivi esse drama em janeiro, cheguei a conclusão que meu imóvel não me atendia mais, pois ele precisava de uma reforma e eu também queria algo maior (impossível fazer num apartamento) . Opção 1: vender, Opção 2 alugar e complementar o aluguel de uma unidade maior e melhor.
      Fiz a opção 1. Só que meu imóvel foi menos de 440k e estava com ele há 6 anos. Lucro na operação foi 80 mil, o que mal deu o IPCA do período. Girar patrimônio não vale à pena, mas no meu caso ia ficar com algo que não queria, que não rende bom aluguel e tem condomínio caro. Enfim, ele era só localização. Somei a grana que tinha com o dinheiro do apê e cheguei aos 1kk distribuídos em ouro, dólar, renda fixa, fundos, e está dando 8k mês. Vou para um aluguel de 4k, mas vou pagar com o salário sem mexer nos 8k/mês. Acho que em 5 anos poderei avaliar melhor, mas acho que vai ser um bom negócio, sem contar os 5 anos morando melhor do que estou atualmente.

      16+
      • avatar
      • avatar
    • chigo 18 de abril de 2016 at 10:02

      O momento não é bom para vender. Devia ter vendido uns 3 anos atrás. Teria vendido o imovel a preço alto e comprado titulos ou açoes a preço baixo. Hoje está ao contrario. Então, como vc perdeu o “timing” deve ficar para outra vez.

      1+
  • Cajuzinha 15 de abril de 2016 at 18:31

    Oba!

    “Diretor diz que BC tem compromisso de manter Selic em 14,25% ao ano
    Agência Brasil
    Hoje às 16h25 – Atualizada hoje às 16h26
    O Banco Central (BC) tem o compromisso de manter a taxa básica de juros, a Selic, em 14,25% ao ano até que a probabilidade de atingir os parâmetros do Conselho Monetário Nacional (CMN) para a inflação, em 2016 e 2017, seja alta. A afirmação foi feita pelo diretor de Assuntos Internacionais do banco, Tony Volpon, em seminário nos Estados Unidos, organizado pelo JP Morgan.”

    http://m.jb.com.br/economia/noticias/2016/04/15/diretor-diz-que-bc-tem-compromisso-de-manter-selic-em-1425-ao-ano/

    5+
    • Cesar_DF 15 de abril de 2016 at 20:39

      Se continuar neste ritmo irá cair 30% em 1 ano

      3+
  • bolhista fulano de tal 16 de abril de 2016 at 08:17

    CVR 1
    Anteontem, o Juiz Federal da Vara que trabalho, que por sinal tem mtos amigos empresários disse que a caixa está quebrada, e por sinal ontem o gerente da CEF lá no prédio da Justiça foi lá pessoalmente em cada vara oferecer empréstimos/financiamentos/consórcio e disse que a hora de comprar imóvel é agora.
    CVR 2
    Fico feliz em lhes dizer que o mercado imobiliario tem menos um inquilino. Eu! rs. Tô me mudando para a casa de minha mãe, pois aqui onde estou está faltando agua todo mês e pago 1.100,00 de aluguel. Nos bairros mais bem localizados, o preço além de não baixar, não fica 1 semana sem alugar. Esse lugar que eu moro, a dona do apartamento me ofereceu manter o preço sem eu propor nada.
    Ainda tá soft.
    abraços

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Master Yi 16 de abril de 2016 at 10:40

      O foco agora são os servidores públicos. No centro administrativo onde trabalho sempre ocorre panfletagem de imóveis. Essa semana, inclusive, tinha uma aglomerado de umas 30 pessoas, todas uniformizadas e com bandeiras, achei que estava rolando algum tipo de manifestação, mas não, era apenas divulgação de empreendimentos.

      4+
      • cpssa 16 de abril de 2016 at 13:09

        Esse fato foi em Salvador, né?

        0
        • Master Yi 18 de abril de 2016 at 09:25

          Exatamente!

          0
    • Cesar_DF 16 de abril de 2016 at 16:42

      Fulano de tal, nos próximos anos veremos muita gente para a casa dos pais, ou amigos se unindo para pagar um só aluguel.
      Mas pera aí, o Amorinha falou que existia uma demanda de 1 milhão de imóveis por ano, somente com casamentos e divórcios kkkk

      7+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • Boruto 18 de abril de 2016 at 11:32

        Por isso que tá cheio de kitnet com visão para a favela com preço de apartamento com vista para o Central Park.

        0
  • Cajuzinha 16 de abril de 2016 at 09:27

    “16/04/16 07:00 – Economia
    Construção civil projeta retomada apenas em 2017
    Estudo divulgado pelo SindusCon-SP e Deloitte traçou o perfil do setor em 10 cidades, incluindo Bauru

    Cinthia Milanez”

    0
  • Alemon Fritz 16 de abril de 2016 at 10:45

    sem crise, bolha
    “Mesmo se não houvesse crise, os escritórios estariam sofrendo”, diz executivo do setor imobiliário – InfoMoney

    http://www.infomoney.com.br/imoveis/investimentos-imobiliarios/noticia/4877193/mesmo-nao-houvesse-crise-escritorios-estariam-sofrendo-diz-executivo-setor

    3+
    • avatar
  • Alemon Fritz 16 de abril de 2016 at 11:36

    Passando tentativa de propaganda do app zapi no o de casa
    apresentador mixuruca seleciona uma área pequena da cidade e o aplicativo mostra
    27 ofertas (fica todo feliz) , …outra seleção um pouco maior.. 52 imóveis variando de 400 k a 1 “milhao” … era muito marcador … quem tá vendendo deve ter ficado de olho arregalado pela concorrência..
    muitas plaquinhas.. vc dá um like numa delas de que tem interesse… ( será que o preço deve aumentar ou um corretor te telefonar)…

    4+
    • avatar
  • Cajuzinha 16 de abril de 2016 at 13:08

    “Santos destaca que o mercado imobiliário destinado a atividades comerciais está, no momento, saturado. A pesquisa mostra que, somente em Santo André, 510 empreendimentos estão em construção e, segundo o representante do SindusCon-SP, não há procura por esse tipo de imóvel, sejam salas comerciais, lojas ou galpões.”

    http://www.dgabc.com.br/Mobile/Noticia/1951199/apesar-da-crise-setor-de-construcao-ve-demanda

    3+
    • avatar
    • avatar
  • Cajuzinha 16 de abril de 2016 at 13:12


    Para o analista Marcelo Motta, do banco JP Morgan, o sucesso da empresa reside exatamente nessa escolha de onde se fixar dentro do programa habitacional do governo. “A MRV está na faixa ‘premium’ do MCMV, dependendo dos recursos do FGTS para a concessão de crédito. E os recursos do FGTS, mal ou bem, já estão definidos para os próximos três anos”, explica Motta. “A Eztec vai sofrer mais do que a MRV porque trabalha numa faixa a partir de R$ 300 mil. E, neste mercado, os recursos para financiamento estão escassos”, destaca.”

    http://m.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20160416/baseada-minha-casa-minha-vida-mrv-assume-lideranca-setor/363109

    2+
    • CA 16 de abril de 2016 at 14:17

      Cajuzinha,

      Como sempre, mentem e enganam o máximo que podem, ou então simplesmente “engolem” tudo que a empresa quer.

      Os recursos do FGTS para o MCMV estão “definidos” para os próximos 3 anos???

      Mal o governo anunciou o MCMV fase 3 e que teria até 2018 o montante de 3 milhões de imóveis em construção nesta fase e o próprio governo voltou atrás e fez uma redução de 1 milhão de unidades, o que não é pouca coisa.

      O PMDB já se manifestou publicamente contrário ao uso excessivo do FGTS no MCMV e para outros créditos habitacionais e dando a entender que deveria reduzir isto.

      A crise fiscal do governo é complementada por uma crise recorde de inadimplência da CEF. O resultado da CEF em 2015 já foi fortemente abalada pelo volume de provisões para inadimplência que foi obrigada a fazer. No MCMV faixa 1 a inadimplência está acima de 20%, nas outras faixas, embora muito abaixo disto, ainda está bem acima da média. Só o que a CEF já vendeu de créditos podres para empresas abutre já é o equivalente a mais que o triplo da somatória do que BB, Itaú e Bradesco venderam de títulos podres.

      A combinação destes fatores não permitirá que o governo cumpra sua “promessa” de ter 2 milhões de imóveis do MCMV em construção até 2018, podendo ter um atraso enorme nestas projeções, além de novos cortes ou até um cancelamento do programa dada a sua inviabilidade, tudo depende de como evoluirão fatores como impeachment, inadimplência da CEF, etc…

      Em resumo, este “dinheiro definido” do FGTS / MCMV é tudo, menos garantido… Piora muito se considerar o que consta abaixo.

      Com relação ao “sucesso” da MRV, vejamos algumas informações, baseadas no relatório dela com dados totais de 2015:

      DISTRATOS: em 2015 a MRV bateu seu recorde histórico de distratos. Em relação as construtoras de forma geral, ela foi a segunda que mais teve distratos, ficando atrás somente da PDV que é hors concours neste quesito. Só no ano de 2015 e só da MRV foram mais de R$ 1,6 bilhão em distratos, sem contar que se consultarem no ReclameAqui verão reclamações de quem pediu distrato à MRV e está aguardando resposta há muito tempo, que não entrou nesta conta. O grande volume de distratos, sempre é quanto a imóveis de baixa renda, em especial o MCMV, até porque este é o público que é mais fácil de ser ENGANADO com vendas FALSAS na planta para famílias que não terão a menor condição de adquirir o crédito imobiliário no ato da entrega dos imóveis. Em tempo: como pode ser dito que uma empresa que teve este resultado quanto a distratos não tem tantos problemas quanto ao crédito imobiliário, se foi exatamente a recusa de crédito imobiliário a grande causa para estes mais de R$ 1,6 bilhão de distratos em apenas 1 ano???

      LANÇAMENTOS: a MRV foi a única construtora que aumentou os lançamentos em 2015, dentre 12 que sempre analiso e que tem Ações na BOVESPA. Por que ela fez isto, se ao final de 2014 ela tinha um estoque que era o equivalente a mais de 1 ano de vendas, sendo que o ideal do segmento é 6 meses, 9 meses seria o razoável e o objetivo é nuca passar de 1 ano? Não deveriam ter focado nas vendas de estoque e reduzirem o lançamento, para buscarem um maior equilíbrio entre oferta e procura, como toda empresa de qualquer segmento faz? É claro que graças a esta “estratégia”, a proporção do estoque em relação a vendas aumentou mais ainda e já ultrapassou os 18 meses ao final de 2015! Por que uma atitude tão “incoerente”? Simplesmente porque estão PEDALANDO, ou seja, precisam de muitos lançamentos porque é no momento do lançamento que se faz o maior volume de vendas FALSAS na planta, exatamente porque a entrada será distribuída em 36 meses durante a construção, logo o valor de cada parcelinha mensal será o menor possível, atraindo mais INCAUTOS que não terão condições de adquirir o crédito imobiliário na entrega do imóvel;

      VENDAS: tiveram queda de 18%, parece pouco, mas deve-se considerar que a MRV fez elevadíssimo volume de vendas FALSAS na planta, conforme explicado no item anterior, logo este é um resultado MAQUIADO pelo novo volume de vendas FALSAS na planta.

      Daqui a algum tempo os podres da MRV vão se tornar tão visíveis que não dará mais para os “especialistas” mentirem tão descaradamente ou serem tão ignorantes quanto ao que realmente acontece. Se bem que, se com distratos de mais de R$ 1,6 bi em apenas 1 ano eles ainda não entenderam, talvez não QUEIRAM entender nunca, não é mesmo?

      11+
      • avatar
      • avatar
  • Dutra 16 de abril de 2016 at 13:34

    CVR
    Mês passado comecei a pesquisar a quantidades de apartamentos onde eu moro no zapimóveis (não incluem, flat, cobertura, casas, lotes etc).
    Há um mês um pouco mais de 8.200 imóveis (apartamentos) disponíveis, há duas semanas 8.020 (pensei, a crise acabou) rss, eis que hoje são quase 8.400 imóveis, eu sei que devem ter muitos anúncios repetidos, assim como tem gente que não anuncia nele e muitos imóveis em construção, mas tenho pesquisado só para me basear de como anda o mercado imobiliário, isso vai acabar mal.

    10+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • Dutra 16 de abril de 2016 at 13:35

      Obs: a cidade em que eu moro tem entre 460 a 480 mil habitantes.

      2+
    • Bolhudo 16 de abril de 2016 at 15:22

      Dutra , eu tentei fazer um acompanhamento de anúncios de imóveis no OLX e BOM NEGOCIO uma época atrás, tentei montar uma planilha com gráficos , desisti pois a máfia imobiliária deste país manipula os números e hoje está pior, pois as organizações GLOBO domina todo o mercado de anúncios de imóveis do país, veja o exemplo que se transformou o ZAP imóveis, uma ferramenta a serviço da BOLHA, existem hoje no país um estoque OCULTO maior do que o anunciado, são imóveis hibernando na tentativa de esperar o “inverno” passar, são imóveis com cortinas, as vezes com as luzes acesas para dar impressão de serem habitados, são o que podemos chamar de “velhos imóveis novos”, não poderão ser alugados para não perderem a classificação de novos pelo banco. O custo de manter estes imóveis escondidos é enorme, imagine a quantidade de apartamento pagando condomínio, IPTU, e taxas, casa e sobrados com pintura desbotando, mato crescendo, vidros quebrando, infiltrações, vandalismo que rouba a fiação elétrica ? Eles tentam blindar a BOLHA IMOBILIÁRIA a todo custo. Alguns acham que nossa bolha murchará por anos, mas agora estou sentindo que vai ser um estouro brutal.

      12+
      • avatar
      • avatar
      • avatar
      • avatar
  • zedabolha 16 de abril de 2016 at 15:05

    Pensando em me separar da jararaca e em alugar uma sala comercial e fazer de residência, só para mim. heheheeee

    4+
    • avatar
  • alemaobnu 16 de abril de 2016 at 20:45

    CVR
    Interior de SC, terreno à venda por 110k já faz mais de 6 meses. Localizado em área onde caso chova forte, “vai pegá água”.
    Olhei hoje o anúncio é o preço subiu para 111k.
    É Famosa técnica: Nao vendeu? Sobe o preço que vende.
    Minha opiniao: quando a inflação corroer, vende.

    7+
    • avatar
    • avatar
    • avatar
    • avatar
  • Zek Ariok 16 de abril de 2016 at 21:44

    http://m.jb.com.br/rio/noticias/2016/04/16/rio-de-janeiro-consegue-liminar-para-pagar-juros-mais-baixos-a-uniao/?from_rss=None

    O RJ conseguiu uma liminar pra pagar juros simples à União ao invés de juros compostos.
    Isso abre precedente pra uma grande insegurança jurídica, todo mundo vai querer revisar seus contratos.

    2+
    • rogerio 16 de abril de 2016 at 23:39

      RS e SC ja tinham conseguido….

      1+
    • L.A. 18 de abril de 2016 at 07:52

      Zek Ariok,

      Não sei qual a tua população para “todo mundo”.
      Se forem todos os Estado sim. Aliás, SC, RS, MG, AL, SP, RJ e PA já possuem ações na justiça. Pelas informações que tenho, inclusive AL já teria assinado o aditivo e agora quer o recálculo.
      A questão é que a Lei Complementar nº 148/14 estipulou uma coisa, já o Decreto da Dilma outra. Na Lei consta que será acumulada e não capitalizada.

      Art. 2o A União adotará, nos contratos de refinanciamento de dívidas celebradas entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, com base, respectivamente, na Lei no 9.496, de 11 de setembro de 1997, e na Medida Provisória no 2.185-35, de 24 de agosto de 2001, e nos contratos de empréstimos firmados com os Estados e o Distrito Federal ao amparo da Medida Provisória no 2.192-70, de 24 de agosto de 2001, as seguintes condições, aplicadas a partir de 1o de janeiro de 2013: (Redação dada Pela Lei Complementar nº 151, de 2015)
      (…)
      § 2o Para fins de aplicação da limitação referida no § 1o, será comparada mensalmente a variação acumulada do IPCA + 4% a.a. (quatro por cento ao ano) com a variação acumulada da taxa Selic.

      Não acredito que isso irá ter impacto para todos os contratos bancários.
      Aqui entram as disposições de Direito Público, fazer somente o que a lei dispõe e nada mais.
      Os contratos bancários estão na seara do Direito Privado, fazer tudo o que não está proibido por lei.

      3+
      • L.A. 18 de abril de 2016 at 07:53

        Retificando: MS também impetrou ação para tal.

        2+
  • Cajuzinha 16 de abril de 2016 at 22:29

    “O Banco Central possui um indicador chamado IVG-R (Índice de Valores de Garantia de Imóveis Residenciais Financiados). Ele mede a variação de preços de imóveis residenciais que foram utilizados pelos bancos como garantia de financiamentos. Observe no gráfico que entre 2001 e 2015 os imóveis ficaram 5 vezes mais caros ou 543,4% de valorização (fonte)…. ”

    Leia texto completo em: http://www.clubedospoupadores.com/imoveis/comprar-vender-investir-imoveis.html

    2+
  • Veigalex 18 de abril de 2016 at 06:23

    Boss..o que aconteceu?

    2+
    • Bolha BOSS 18 de abril de 2016 at 09:01

      BD cheio
      Nem perdi meu tempo arrumando ontem pela manhã, deixei para outra hora

      2+
  • Palmeirense Bolhudo 18 de abril de 2016 at 07:24

    Lançamento de imóveis em SP é o menor desde 2004 – Economia – Estadão

    Em meio às incertezas na economia e política, as construtoras e incorporadoras colocaram ainda mais o pé no freio no mês de fevereiro. Na cidade de São Paulo, apenas 171 unidades residenciais foram lançadas no período, o menor valor já registrado em um mês desde 2004, quando começa a série histórica do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP).

    “É praticamente nada, esse resultado mostra que o mercado está parado aguardando uma modificação do cenário econômico. Não acredito que a gente tenha daqui para frente um mês tão ruim como esse”, afirma Flavio Amary, presidente do Secovi-SP.

    http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,lancamento-de-imoveis-em-sp-e-o-menor-desde-2004,10000026632

    2+
    • Cajuzinha 18 de abril de 2016 at 08:10

      TÓPICO!
      Nunca antes…. Kkkkkkkk

      “O forte ajuste do mercado imobiliário ainda não tem data para acabar. Mas Amary, presidente do Secovi-SP, aponta as perspectivas para o médio e longo prazo.”

      2+
  • Cajuzinha 18 de abril de 2016 at 08:58

    “A perspectiva para a Selic em 2016 foi reduzida de 13,75% para 13,38% e foi mantida em 12,25% ao fim de 2017, segundo os economistas consultados pelo BC (Banco Central) para o Boletim Focus. ”

    “A projeção para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2016 foi revisada para baixo pela 12ª semana consecutiva e passou de queda de 3,77% para retração de 3,80%, segundo o Boletim Focus. Para o próximo ano, a expectativa para o PIB foi reduzida de crescimento de 0,30% para 0,20%.”

    1+
  • Bolhudo 18 de abril de 2016 at 11:07

    O Zap conta com uma ferramenta que substitui o corretor de imóveis , é o ” quanto vale ? “, com esta ferramenta você pode saber quanto vale seu bolhudo ou do seu vizinho, é a GLOBO tomando conta do mercado imobiliário, com base nos preços anunciados vão tentando blindar a bolha, já ganham por anúncios, não importa se alguém vende alguma coisa ou não, quanto mais bolhudos anunciado melhor, e se ficarem 5 anos anunciados melhor ainda !
    http://www.zapimoveis.com.br/quanto-vale-este-imovel-mapa-dos-precos

    3+
    • avatar