Estoque de imóvel novo sobe quase 20% no País – Estadão

Você pode gostar...

Comments
  • Luiz 29 de junho de 2012 at 13:25

    ué o estoque subiu?

    mas eles não tinham dito que iam desacelerar pra se ajustar à demanda e blablabla

    0
    • self 29 de junho de 2012 at 13:31

      Exato. Afinal, veja que bela estratégia: segurar o estoque hoje para guardar o ouro e vender caro no final – é o que podem alegar. Mas, tratando-se de um produto PERECÍVEL, não rola, né.

      0
      • antonio henrique 29 de junho de 2012 at 13:53

        Pois é, os interessados em adquirir imóveis lá na frente (assim como acontece com outros bens) terão como meio de negociação para redução do valor do imóvel a depreciação desse bem, que gira em torno de 4%, conforme os sites http://www.licitamais.com.br/noticias/news/2301.html e http://www.mmcontabilidade.com.br/flash/taxasdepreciacao.htm.

        0
        • Luiz 29 de junho de 2012 at 14:43

          antonio henrique, faz meses que este blog estava atras desse numero

          Quer dizer que segundo a boa técnica da contabilidade imovel deprecia 4% ao mês???

          nos ajude nisso, vc ira prestar um favor a toda a comunidade

          0
          • antonio henrique 29 de junho de 2012 at 14:51

            Desculpem-me, faltou dizer 4% ao ANO. Vlw Luiz.

            0
            • RosinhA 29 de junho de 2012 at 14:56

              Não concordo muito Antonio Henrique, o valor da depreciação depende de N fatores, poderia explicar por favor melhor em quais condições as empresas depreciam seus imóveis neste patamar anual. Pois para uma empresa a unidade física dependendo do ramo e área de atuação essa depreciação ficaria praticamente nula.

              0
              • RosinhA 29 de junho de 2012 at 15:03

                E outra se fixarmos 25 anos para depreciação total, acaba o país, se bobear tem muito carro mais velho andando por aí. Não seria o máximo aceitável do valor da depreciação anual? Ou este número e contabilizado para ações jurídicas da receita?

                0
                • serpentarius 30 de junho de 2012 at 11:31

                  Oi lindinha … para autos a depreciação é em 5 anos, 20% ao ano. É a lei.

                  0
              • hannamanana 29 de junho de 2012 at 15:54

                Acontece que, sim, a taxa de depreciação dos imóveis é de 4% ao ano… para a Receita Federal.
                Ou seja, a empresa apresentaria ao órgão o montante referido como uma despesa, de forma a deduzir dos seus resultados econômicos, um tanto por ano, o valor investido.
                Porém, a própria SRF, quando o instituiu, autorizava o uso da tabela apenas quando não houvesse um estudo técnico demonstrando que a depreciação daquele bem ocorria em outro ritmo.
                Por exemplo: você tem um torno. Pela tabela da Receita, em cinco anos ele já estaria depreciado. Se você tem um estudo ou parecer técnico mostrando que ele tem uma vida útil de 15 anos, pode usar uma taxa anual de 100%/15 ao invés da tabela da SRF.
                Mas, vale ressaltar que no meio do caminho, a lei 11.638 impôs que as empresas deveriam usar as taxas reais – ou seja, baseadas em estudos e laudos – para fazer a depreciação.
                Neste ano também foi instituído o Regime Tributário Diferenciado e ele trata da forma como deve ser aplicada a depreciação tanto para apresentação à SRF quanto para a contabilidade gerencial mesmo… mas, nem vou entrar neste assunto pra não alongar e porque eu sei pouco sobre isto.
                Portanto, este percentual citado é um referencial para contabilidade.
                Não deve ser considerado na realidade.

                0
                • Luiz 29 de junho de 2012 at 16:01

                  hana o que nso interessa aqui são grandes médias

                  portanto na média do emrcado os imovesi desvalorizam 4% ao ano, bem abaixo dos 10% ao ano de 1 veiculo, contudo é bastante significativo, é um dado real, médio e aceito, contudo n se pode aplicar em todos os casos

                  sim, no caso-a-caso a coisa muda mas no geral é isso aí, imovel desvaloriza 4% ao ano, bem proximo do que é hj a inflação.

                  Esta informação é uma estaca de prata no coração dos vampiros imobiliarios

                  0
                  • RosinhA 29 de junho de 2012 at 16:06

                    Luiz ainda não concordo com os números, pois em 25 anos valeria somente o terreno e veja o nível das construções brasileiras em geral a maioria tem mais de 30/35, os terrenos não podem valer tudo isso, se for colocado em debate os vampiros facilmente acabariam com os números diante da situação dos últimos anos, sabe como penso mas acho que é um número muito alto.

                    0
                    • Luiz 29 de junho de 2012 at 16:15

                      rosinha, errou na matematica, não é 4 x25 anos = 100%

                      é 4% a menos do total anterior, nunca chega a zero, conta de juros composto, fugiu da escola rosinha

                      em 25 anos reduz para 37% do valor incial
                      em 35 anos reduz p 23%
                      em 50 anso reduz p 13%

                      o que eu acho otimista
                      em 50 anos n vale o custo de demolir

                      0
                    • Luiz 29 de junho de 2012 at 16:18

                      o proximo
                      começa la embaixo

                      0
                    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 16:31

                      Sou analfa mas nem tanto KKKKKKKK. só um pouquito.

                      Luiz ainda não concordo com os números, pois em 25 anos valeria somente o terreno

                      Queria dizer 100% da depreciação da construção tirando o valor do terreno, o valor que sobra ainda acho muito alto para o terreno, por isso a valorização do imóvel em alguma coisa, mesmo em 50 anos.

                      0
                    • jacob 2 de julho de 2012 at 10:01

                      Nos meus tempos de estudante universitario, o professor ensino que imoveis depreciam 2% aa, juros simples, ou seja, duram 50 anos contabilmente. Mas se tiver alguma reforma efetiva (manutencao nao vale) o valor gasto é incorporado ao valor do imovel.

                      0
                    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 16:42

                      Se ficar mais de 15 anos inabitado, realmente a coisa fica feia, se não houver invasão antes.

                      No bairro em que moro, já tem prédios construídos com a “novíssima” tecnologia do concreto armado dos anos 20, que continuam bem e obrigado.

                      Tem também os castelos medievais de pedra, habitados por novos ricos tipo o Eike (epa!).

                      0
                    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 16:55

                      Você tem toda a razão, Álvaro.
                      Por isso que estou falando que aquilo é uma tabela da Receita Federal para cálculos contábeis de apuração do valor do Ativo Imobilizado de uma companhia.
                      São valores médios estimados pelo órgão, mas que – como eu disse – já não devem ser usados quando a empresa possui imóvel em condição de desgaste diversa da apresentada na tabela.
                      Na prática é muito variável – por região, inclusive, o quanto se desgasta.

                      0
                    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 16:52

                      Luiz…
                      Vamos entender o seguinte: a resposta que eu dei foi em função do link trasmitido pelo colega. A tabela enviada refere-se a taxas de depreciação definidas para a Receita Federal para uso das empresas na contabilização das Despesas com Depreciação do exercício.
                      Eu não sei qual é a taxa real de mercado de desvalorização de imóveis.
                      O que quis deixar claro é que esta tabela não poderia ser usada para verificarmos qual é a desvalorização real de um imóvel na praça.
                      Podemos ter coincidência de números (4% lá e 4% na “vida real”), mas não é pra isto que a tabela se destina.
                      E sim – na contabilidade não tem porcentagem de juros compostos para calcular a depreciação anual. O raciocínio da RosinhA está correto.
                      Ao registrar a baixa do Imobilizado pelas taxas sugeridas (Ativo Não Circulante), um imóvel levará 25 anos para “zerar” o seu valor contábil.
                      Estamos misturando os assuntos…
                      Você não precisa ofender as pessoas.

                      0
                    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:01

                      Buá buá ele me chamou de analfa de graça: :mrgreen:

                      Hanna conheço o Luiz faz um tempo, ele não quiz ofender, logo se acostuma, no começo eu sofri poucas e boas, depois e só alegria. 🙂

                      O que a Hanna mostrou com o torno está certo Luiz prazo de vida útil, 25 anos totalmente depreciado fugiu da escola moço. 😉 quando se tem paciência o troco é amargo kkkkk

                      0
                    • Desconfiada 29 de junho de 2012 at 18:22

                      Eu ia responder sobre isso, mas a Hanna já disse tudo. 🙂
                      Quando a empresa lança a depreciação, reduz o valor do EBT, que é usado pra calcular o Imposto de Renda. Daí é claro que ela não pode usar um número por escolha própria.
                      E aí, pro mercado real, este indicador também não funciona muito bem.

                      0
                    • serpentarius 30 de junho de 2012 at 11:42

                      Zera sim. Em 25 anos zera. Mas como disse, isso é uma ficão contábil, jurídica e econômica. Pra nós tem outras utilidades, mas essas ficaram no tópico que escrevi e ficou mais aqui embaixo.

                      0
                    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 16:21

                      Sem falar que imóveis são uns dos poucos bens que dão para serem totalmente recondicionados por uma reforma, ainda que cara.

                      Diferente de um avião, que após determinado número de pousos e decolagens, tem que ir para a sucata, mesmo que ainda apresente condições de vôo (medida de segurança por fadiga de material).

                      Diferente de um carro que, por melhor que seja o lanterneiro e o mecânico, não dá para fazer milagre.

                      Ainda há outras questões, como valorização/desvalorização por causa do local, urbanismo, etc.

                      0
                    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 16:33

                      Isso isso isso, que pensei e não conseguiu colocar.

                      0
                    • Luiz 29 de junho de 2012 at 17:12

                      rosinha vc sabe que eu adoro os seus comentarios
                      qdo faço eles vejo vc dando risadas, vc não é a doutora house do humor sacarstico? me senti em casa pra fazer brincadeira igual

                      minha companheira preferida de gadernal virtual

                      o ponto éque se vc não gastar 1 centavo a casa cai na velocidade de 4% ao ano, coisa que se vc alugar vc gasta quase zero.

                      isso os corretores não contam

                      0
                    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:18

                      Corrertorssauros extintos em 06/2012, por atividade de um blog chamado Bolha Imobiliária.

                      Nem esquenta Luiz, a Hanna também é muito HousinhA, gosto muito dos comentários dela.

                      0
                    • serpentarius 30 de junho de 2012 at 11:45

                      Rosinha, tá perfeito: é 4 x 25 = 100% de depreciação. Em 25 anos o valor contábil é zero. Mas é pra pessoa jurídica ok? Pessoa física vc pode notar que vc não faz diminuição de preço na sua declaração de imposto de renda.

                      0
                • RosinhA 29 de junho de 2012 at 16:12

                  Receita e leilões prejudiciais tudo a ver

                  0
                  • Luiz 29 de junho de 2012 at 17:19

                    repassei o debate lá pra baixo

                    0
                • serpentarius 30 de junho de 2012 at 11:39

                  A depreciação de imóveis para venda é zero. Só se estiver incorporado no permanente imobilizado é que acontece esses 4% ao ano (variações da nova legislação ainda geram dúvidas e não deve alterar o panorama geral).

                  A regra é/;

                  1.: automóveis, equipamentos em geral: 5 aos para depreciação total.

                  2. imóveis: 25 anos

                  Lembrando que é uma regra tanto de contabilidade gerencial quanto de contabilidade tributária. Lógico que tem exceções, essa é uma ficção contábil/econômica muito útil e serve de parâmetro para outras coisas.

                  Quanto ao estoque das empresas, mesmo não havendo a depreciação ficta, pode ser que sirva para medir o grau de desespero dessas empresas com estoques parados há muito tempo. E há uma depreciação real, os apartamentos precisam de cuidados, os prédios precisam de manutenção. Então há um custo mínimo que vai aumentando com o tempo (quanto maior o imóvel ficar no estoque da empresa, quanto maior é a possibilidade dele gerar gastos extras, e cada vez mais altos os custos da manutenção do bem no estoqu).

                  0
          • hannamanana 29 de junho de 2012 at 15:33

            Senti um cheiro de sarcasmo rsssss

            0
    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 13:37

      Vinte por cento é imóvel pra caramba.
      Faço a mesma pergunta..
      E não ia valorizar eternamente?

      0
    • Bolha Imobiliária 29 de junho de 2012 at 13:40

      O mercado não estava aquecido ?

      0
      • hannamanana 29 de junho de 2012 at 13:48

        E a desculpa? “Nosso estoque estava baixíssimo e optamos por trabalhar com um volume maior neste ano”
        Ahhhhhhhhhhhhh tá!

        0
        • FRK 30 de junho de 2012 at 14:19

          Essa foi a melhor.

          Tudo que é setor industrial se esforçando pra trabalhar sem estoque, e o cara que demora 2 anos pra produzir seu produto fala que buscaram um estoque maior… chamar a gente de burro é pouco…

          0
      • Rico 29 de junho de 2012 at 13:48

        Detalhe importante: Pelo que entendi esse é o estoque de construtora. Não computa os imóveis a venda por particulares que compraram na planta para vender quando pronto.

        Ou seja, o estoque a venda de prédios prontos deve estar girando por volta de 50%.

        Corrijam-me se estiver errado.

        0
        • Luiz 29 de junho de 2012 at 14:45

          50% ou mais

          fiz diversos caluclos diferentes e a sobreoferta para imoveis acima da faixa do MCMV chega a 67% na conta mais otimista.

          0
        • Silas Coul 29 de junho de 2012 at 16:10

          Muito bem notado. Eles falam como se estivessem em uma ilha. Não vêem q há inúmeros fatores contra eles.

          0
        • GB 29 de junho de 2012 at 18:47

          Se 70% dos vendidos for especulador que comprou gerando Shadow Inventory, então pode dar uns 70% de encalhes fácil.

          0
  • Elvis Pfutzenreuter 29 de junho de 2012 at 13:31

    É só baixar o preço para algo racional que a galera compra.

    0
    • charles 29 de junho de 2012 at 13:42

      Elvis

      Eles tbm acham isso: Se baixar tem quem compre!

      Mas, eu, particularmente, acredito que cada dia que passa menos pessoas com capacidade financeira de comprar existem. A hora que eles resolverem vender perceberão que não há mais compradores (pelo menos não dispostos ou com capacidade financeira de vender pelos preços que os construtores pensavam conseguir obter).

      O brasileiro ta vendendo o almoço pra comprar a janta…hehe

      Engraçado foi ler agora mesmo uma pesquisa que, novamente, a popularidade da presidenta bateu recorde juntamente com a aprovação do seu governo.

      “POVO BURRO TEM QUE SOFRER – Eis ai o sofrimento!”

      0
      • RMJ 30 de junho de 2012 at 01:25

        Charles,

        Nada de novo. Meses antes do naufrágio do plano cruzado, o então presidente José Sarney era extremamente popular. A popularidade do presidente Sarney afundou junto com plano cruzado. O mesmo pode ocorrer com a atual presidente.

        0
        • Cleyton 30 de junho de 2012 at 13:16

          A história, se não for de fato, parece muito cíclica.

          Tenho medo de acabar com saudades do Sarney (três pancadas na madeira)

          0
    • LEOTEX 29 de junho de 2012 at 14:09

      O pessoal não compra imóvel todo ano. Os recordes de vendas dos últimos anos tiraram muita gente do mercado. E mais: quem quer trocar de imóvel (vender o seu pra comprar) não contribui para diminuir o estoque. Sai um imóvel do mercado, entra outro.
      essa conta está difícil de fechar…

      0
      • serpentarius 30 de junho de 2012 at 11:53

        Permita discordar. Pode sim diminuir o estoque. A roda pode girar e entrar um consumidor novo nesse elo. E é o que acontece, só que o tempo gerado pra isso é longo, nunca vi estudos sobre isso, mas eu tenho um achismo que deve ser em torno de 10 anos, na média, para que um bem que em tese nao sairia de circulação encontrar alguem que tanto o queira e seja novo nessa roda da economia.

        0
    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:38

      No lugar em que morava, em outubro do ano passado os imóveis eram anunciados a um preço que hoje, apenas oito meses depois, acreditem se quiserem, são anunciados 33% mais caro.

      Ou seja, para voltar aos preços de outubro novamente, teriam que cair 25%.

      O pior é que vai ter desavisado achando que caiu muito, quando na verdade apenas igualará outubro de 2011, já bem bolhudo.

      Agora entendo porque o Rio é uma cidade olímpica. Preços “olimpicamente” indecentes.

      Essa é que é uma das coisas que mais me irritam em relação à bolha: Ninguém sabe extamente quando e a que preços ela alcançará, apesar das evidências.

      E eu, inocentemente achando que em meados de 2010 já era suficiente para estourá-la.

      0
  • Jaln 29 de junho de 2012 at 13:35

    Ainda vale a Lei da Oferta e da Procura: quando a Oferta acelera, a procura cai e com ela os preços minguam. Vamos ver se vai acontecer!

    0
    • Desconfiada 29 de junho de 2012 at 13:51

      Só uma pequena correção, a lei da oferta e da demanda não diz que a procura cai quando a oferta acelera.
      Com o aumento da oferta, o mercado tenta buscar um novo equilíbrio e a tendência é justamente o contrário: que a demanda suba também. E pra ela subir, um bom recurso é reduzir o preço.
      E aí o preço vai caindo, até que entrem compradores suficientes no mercado. Ou então alguém mete a colher nesta história e tenta subir a demanda na marra – tipo aumentando crédito, sabe? E como o povo brasileiro tem a mania de não olhar custo total, só a parcela, esse negócio deu certo por um bom tempo.
      Mas estas intervenções todas na economia tem um limite. Chega uma hora que não dá mais para “equlibrar” na marra. E aí, vou fazer igual o GB indica: pegar o balde de pipoca, sentar e assistir.
      Depois do que nosso governo ainda fazendo aqui, acho que até Keynes tá se revirando no túmulo.

      0
      • hannamanana 29 de junho de 2012 at 13:55

        Exatamente, pois não tem mais como inventar ou estimular o crédito.
        A maioria que teve acesso a crédito já usou-o ou está usando-o todinho.
        Só uma expansão drástica de renda poderia reequilibrar isto tudo, mas isto não é possível.
        E em geral, nem somos um povo de reservas.
        Não torço para que as coisas fiquem ruins, pois sobra para todos.
        Mas, é inevitável que não haja balançadas no mercado como um todo.

        0
        • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:43

          Ainda por cima, os recursos tradicionais da poupança já estão praticamente esgotados.

          Vão recorrer a derivativos para financiar um mercado instável? É ruim, hein!

          0
          • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:44

            Talvez o único sopro seja liberar mais o compulsório e direcioná-los para empréstimo habitacional.

            Mas nem sem se isso é legalmente possível, ou simples de implantar.

            0
          • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:46

            …mas nem SEI se isso é possível…

            0
            • hannamanana 29 de junho de 2012 at 15:58

              Também não sei…
              Mas, acredito que ainda sim, não conseguiriam segurar esta situação ou convencer pessoas a comprar estes papéis.
              Se bem que… eu não duvido da força dos maquiadores.

              0
              • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 16:04

                A correção “nem sei se isso é possível” foi em referência a um post que por algum motivo, não foi publicado.

                Não me referia ao comentário dos derivativos, mas sim sobre a hipótese de se liberar o compulsório dos bancos condicionando-os a empréstimos imobilários.

                Daí o contexto : Nem sei se isso é possível legalmente, ou fácil de ser implantado.

                0
                • hannamanana 29 de junho de 2012 at 16:57

                  Credo! Já pensou que desastre???
                  Seria o equivalente a jogar uma pedra prum náufrago “se apoiar”.
                  Não duvido de mais nada!

                  0
                  • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 03:17

                    Caros $$$ pra financiar habitação ainda tem… o que nao tem é capacidade de renda pra tomar o empréstimo….

                    0
      • serpentarius 30 de junho de 2012 at 11:57

        Sim, as 2 curvas: a de oferta e de demanda deslocam do seu eixo original. Haverá um novo patamar e um novo equilibrio de preços. Mas o qto deslocam é coisa pra mágico. Não tem economista nem ninguém que consiga acertar com precisão.

        0
    • aiwww 29 de junho de 2012 at 13:54

      Há alguns meses numa conversa com uma corretora eu a indaguei sobre a revogação da “lei da oferta e da procura”. Ela informou que desconhecia tal lei … desisti de dar explicação e terminei a conversa 🙂

      0
      • hannamanana 29 de junho de 2012 at 13:59

        Huahuahuahua… “saiu no diário oficial em que data?”
        Provavelmente ela também não conhece a Lei de Murphy rs

        0
        • Eduardo 29 de junho de 2012 at 22:59

          Deve conhecer sim… muito digna essa senhora… essa Lady Murphy…

          0
          • RKG 1 de julho de 2012 at 00:47

            KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

            0
      • Desconfiada 29 de junho de 2012 at 14:02

        Aiwww, aposto que quando você saiu ela foi lá perguntar pro depto jurídico se tinha risco disso dar problema!

        0
        • hannamanana 29 de junho de 2012 at 14:09

          Imagina a cena hahaha

          0
  • Ghaspar 29 de junho de 2012 at 13:47

    To doido pra ver o Indice zupt ZAPt zum…..de junho…quero ver a cara de pau….

    0
    • Desconfiada 29 de junho de 2012 at 14:00

      De vez em quando eu entro lá. Monitoro o Jardim Oceânico há tempos.
      Mas tenho cá pra mim o palpite de que lá será o último lugar onde ocorrerá o PLOC.
      “Investidor”/corretor/imobiliária admitindo a queda? Só quando o Brasil inteiro já souber disso.

      0
    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:37

      Matematicamente falando, este índice pertence ao conjunto dos números positivos e diferentes de zero.

      0
      • RKG 1 de julho de 2012 at 00:49

        Para os exatóides de plantão: x e R+

        0
  • marcelo CPS - SP 29 de junho de 2012 at 13:53

    O estoque subiu e o preço também subiu?

    vamos construir mais 1 trilhão de moradias quem sabe assim continue a valorizar mais 30% ao ano..

    ironic mode ON!

    Ultimamente deve ter muita piscina pra animar, por isso o Cirilo sumiu..

    0
    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 14:01

      Que pena que perdi a era dos Cirilos. Deviam ser divertidíssimos rssss.
      Pelo seu nick, vc mora em Campinas, né?
      Viu que no Guanabara e no Cambuí estão derrubando um monte de casas antigas pra construir mais prédios?
      Fora o resto da cidade…
      Agora quero ver se com estas notícias este povo realmente vai continuar fazendo isto…. Mas, a justificativa deles é que são bairros onde a procura é grande, tem demanda blablabla…
      Ahhhh tá

      0
  • Fernandão Bolhudo 29 de junho de 2012 at 13:56

    PQP!!! Como falam merda esses caras???

    Alguém aí acredita nas justificativas dos “especialistas” para a falência desse setor???

    Pô, teve “especialista” que chega a dizer a escatologia no sentido de que o crescimento do estoque foi uma “estratégia de recomposição de baixos estoques”!!!! Quem é o idiota que acredita nessa idiossincrasia???

    Cansei de aliviar para esses caras: são todos ladrões! Art. 171 do Código Penal!!! Além de estelionato, esses caras estão conseguindo praticar a quase todos os crimes previstos na Lei 8078/90 (CDC – arts. 66 a 74). Já dá para prender por uns 20 anos cada um desses FDPs!

    “In Cirilo We (don’t) Trust”!

    0
    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 14:04

      Mas, você não entendeu… É que os estoques estavam baixíssimos e a-go-ra é que estão trabalhando com números maiores!!! Hahahaha…
      Difícil, né!? O pior é que tem muita gente ainda acreditando nisto…
      De qualquer forma, acreditando ou não, as pessoas não tem mais dinheiro pra pagar estes produtos do jeito que estão. C’est fini.

      0
      • Fernandão Bolhudo 29 de junho de 2012 at 14:36

        É verdade… Foi falta de compreensão minha…

        É que, para se ter um mercado saudável, é necessário ter uma proporção de 50.000 imóveis à venda para cada comprador. Assim ele, o comprador, terá um ambiente saudável de preços de banana e maiores possibilidades de escolha!

        Como não pensei nisso antes! OBRIGADO ESPECULADORES!!! Gente boa!!! Vou lá comprar meu apê de 150m2 na melhor localização agora mesmo!!! Mas só pago R$200K aqui na Capital de SP. E olha que tá muito bem pago!

        0
        • hannamanana 29 de junho de 2012 at 21:59

          Viu!? A gente sempre aprende muito… mas, muito com eles hahaha

          0
    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:50

      Um novo paradigma administrativo, que vai contra o que foi aplicado nos últimos 30 anos:

      O negócio agora é ter estoques enormes!

      0
      • AF 29 de junho de 2012 at 20:18

        Just in time.

        Um imóvel pronto a hora que você quiser.

        0
  • Luis Felipe 29 de junho de 2012 at 14:02

    “Algumas empresas têm ações pontuais de vendas e de marketing. Mas ainda não é uma estratégia de todo o mercado.”

    Repararam no AINDA?? Ou seja, ainda não é, mas logo logo vai ser, quando a Bolha estourar !! PLOC !!

    0
  • lucas 29 de junho de 2012 at 14:14

    A resposta para a ganância desta galera está vindo!
    “se eles querem meu sangue verão o meu sangue só no fim.”

    0
  • hannamanana 29 de junho de 2012 at 14:14

    Enquanto isto, esta mesma MRV dos estoques baixíssimos tem vinculadas no site Reclame Aqui, mais do que dobro de reclamações mensais que tinha em Jun/11 onde dos consumidores que a avaliaram, apenas 21% voltariam a fazer negócios com ela.
    Se você vê a listagem encontra um monte relativo a atrasos.
    Será que os estoques estavam baixíssimos mesmo, mas é porque não tinha produto mesmo? Visto que tem um monte de gente reclamando?

    0
  • simone 29 de junho de 2012 at 14:21

    Eike Batista está falindo. corre gente !!
    Eike Batista cai de 7º para 46º homem mais rico do mundo Segundo cálculos feitos pela Forbes, fortuna do empresário brasileiro encolheu pelo menos 50% neste ano. Se
    a lista de bilionários da Forbes fosse divulgada hoje, Eike Batista não
    seria o sétimo homem mais rico do mundo e sim o 46º, informou
    reportagem da revista americana, da última quinta-feira.
    Segundo cálculos feitos pela própria Forbes, o empresário brasileiro
    perdeu praticamente metade de sua fortuna neste ano e tem acumulado
    agora 14,5 bilhões de dólares em patrimônio. Em março, quando a lista
    foi divulgada, a fortuna de Eike era de 30 bilhões de dólares.
    Mesmo com a perda expressiva, Eike continua como o homem mais rico do
    Brasil. Isso porque, a segundo posição é ocupada pelo banqueiro Joseph
    Safra – que tem fortuna de mais de 13 bilhões de dólares, de acordo com a
    Forbes.
    Na última quarta-feira, as ações da OGX caíram mais de 25% e encerraram
    o pregão negociadas a 6,25 reais. A queda estava relacionada à
    divulgação dos testes de vazão do Campo de Tubarão Azul, localizado na
    Bacia de Campos, no Rio de Janeiro, que decepcionaram o mercado e
    impactaram o desempenho da maioria das empresas de Eike no mercado.
    Na lista de bilionários da Bloomberg, Eike aparece, nesta sexta-feira,
    como o 27º homem mais rico do mundo. Segundo o ranking, o bilionário
    está com fortuna avaliada em cerca de 20 bilhões de dólares.
    http://veja.abril.com.br/noticia/economia/eike-batista-cai-de-7o-para-46o-homem-mais-rico-do-mundo

    0
    • Francisco Quiumento 29 de junho de 2012 at 15:01

      Não. Falido, ELE, não está. Mas o conjunto de suas empresas, a meu ver, passa inclusive por maquilagem de balanços, e pesadas.

      Para mim a frase MORTAL sobre o cenário foi esta:

      “Apesar de uma campanha de exploração excelente, que está sendo bem-sucedida, a OGX, principalmente, sempre vem a mercado com números que não consegue entregar.” – Hersz Ferman, sócio da gestora carioca Yield Capital.

      0
      • RosinhA 29 de junho de 2012 at 15:05

        Tipo assim era flanelinha imobiliário, passei a vender salgadinhos, você me contratou para fazer sua festa com 200 coxinhas e só consegui preparar 20, desculpa aí foi mal.

        0
      • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 15:54

        Ontem, no Valor Econômico, na matéria a respeito estava escrito um desabafo mais ou menos assim: “Essas empresas só funcionam na tela de um computador”.

        Para esse tipo de coisa ter sido publicada, imagine quantos palavrões não tinham no meio dessa frase.

        0
        • Pablo 29 de junho de 2012 at 17:08

          Melhor do que as telas dos computadores nas empresas “X” é a sala 3D que eles montaram para os investidores;

          E o Oscar de Efeitos Especiais vai para …

          0
        • CapEnt 29 de junho de 2012 at 21:16

          O pior tipo de bobo é o que gosta de ser enganado.

          Eike só tinha para vender na maioria das empresas dele vapor, e todo mundo sabia disso. Ele atirou para todo lado depois de acumular uma quantidade grande de dinheiro vendendo sonhos, numa espécie de sistema de piramide, para ver se alguma dava lucro. Só estava faltando ele abrir a BNX, especializada em produzir bananinha açucarada, depois de conseguir a concessão de uns acres de terra de algum grande fazendeiro.

          Agora é vapor que ele está produzindo agora.

          Se a OGX não começar produzir sério em um ano, vamos ver reportagens dentro de uns 10 anos de um ex-bilionário agora morando em 1 comodo no Heliópolis em São Paulo, ou sendo procurado pela interpol, que seja.

          0
    • Paulo D. 29 de junho de 2012 at 16:17

      Melhor comentário que ouvi hoje:

      somando o dinheiro que o Eike Batista e o Mark Zuremberg perderam esse ano dava pra salvar a Grécia…..

      0
    • Pimp 30 de junho de 2012 at 03:04

      Esse cara é uma invenção dos petralhas. Eu acho que esta lista da forbes é furadaça. Tem cara que deve ter muito e não quer aparecer.

      Dinheiro mesmo quem tem aqui é o Aloysio Faria e família Mofarrej…Esses tem à perder de vista tanto como pessoas físicas e com suas empresas. Eles deixaram algumas coisas boas por aqui, claro que poderiam deixar muito mais hehehe

      Torço para que esse cidadão fique quebrado a ponto de não poder mais pagar advogado para o filho 🙂

      0
  • Francisco Quiumento 29 de junho de 2012 at 14:23

    Lembram daquelas entrevistas de um “équispérti” do mercado dizendo que o aumento do estoque “visava a recomposição de preços” (ou lenga-lenga similar)?

    Liçãozinha das lojinhas de armarinho da esquina:

    ENTUPIU-SE? LIQUIDE!

    0
  • charles 29 de junho de 2012 at 14:32

    Superavit primário foi de R$ 2,6 bi em maio e fica abaixo do registrado em 2011

    Pergunta: Como alguem pode ter superavit se deve 1,92 trilhões na praça?

    0
  • indião 29 de junho de 2012 at 14:44

    bolha,
    sei que vais me moderar (não posso me cadastrar no trampo, ok?) , mas o site permite uma sugestão?

    acho que o site vai bombar daqui pra frente, então EU criaria posts por cidade/região (SP, RJ, Salvador, BH, Porto Alegre, Floripa, etc..) incentivando os milhares de leitores a compartilhar “cases” de descontos/redução de preços tanto nos anuncios como nos negócios feitos, e outras informações locais importantes sobre imóveis, tipo “idade” do anúncio, nº de vendas, entrega de empreendimentos com baixa ocupação, novas estratégias de vendas dos “players” do setor, etc…

    pra não ficar só na sugestão, vai aí 3 cases aki da aldeia =
    1) em abril houve o “fulana Day” (leia “fulana” como uma construtora local), com descontos de mais de 30%!!! uns dias atras se conseguia essa mesma condição, apesar das unidades com desconto terem sido todas vendidas

    2) empreendimento “quase 100% vendido no lançamento”, a quase 6 meses atrás, com preço bolhudaço, consegui quase 20% de desconto em pouco mais de 15 minutos de conversa, andar a escolher…

    3) cobertura a venda em janeiro/2011 por R$ 1,2 milhões está anunciada agora por pouco menos de R$ 1,0 milhão… pela localização, prédio, área, acabamento, eu achava 1,2 mi meio bolhudo… estava errado, reconheço!

    0
    • Loren 29 de junho de 2012 at 16:59

      Acho ótima ideia. É um jeito de materializar tudo o que estamos vendo recentemente. Acho que temos que divulgar as coisas, não só pelo fato de nos beneficiarmos, mas pra prestar um serviço pra sociedade.

      0
  • Sérgio 29 de junho de 2012 at 15:13

    EQUAÇÃO DE PRIMEIRO GRAU explica o resultado de nossa bolha:

    Compras em queda;
    Vendas em queda;
    Produção em queda;
    ARRECADAÇÃO TIBUTÁRIA em queda;
    Geração de Emprego formal em queda;
    Lançamentos imobiliários despencado;
    Lucros dos bancos em queda;
    Rating dos bancos em queda;
    Expectativas futuras em queda;
    Superavit primário em queda;
    Balança comercial em queda;
    Commoditiess em queda;
    China em queda;
    Cegueira da população em queda.
    Ações Bovespa, generalizadas, em queda;
    .
    A seu turno…

    Inadimplência em alta;
    Gastos com juros em alta;
    Estoques de carros em alta;
    Estoques de imóveis em alta;
    Preços (de todas as coisas) em alta (apesar de dizerem que não);
    Refinanciamentos em alta;
    Busca e apreensão em alta;
    Ações por inadimplemento de condomínios em alta;
    Renúncia fiscal (governo) em alta;
    Gastos governamentais em alta (Keynes à Banânia);
    Negação midiática em alta;
    Nível de acesso em NOSSO BLOG nas alturas;
    Notícias internacionais das bolhas bananenses em alta;
    Temor generalizado do Hot Money em relação à Banânia em alta.
    .
    Não acredito ser necessário um matemático-sociólogo-economista-medium para decifrar esses dados: uma simples equação mental já aponta para o BURACO, pois o “chão” é pouco para o estrago que o PLOC vai fazer!

    0
    • Luiz 29 de junho de 2012 at 17:23

      aprovação do governo DILMA em alta

      0
  • RosinhA 29 de junho de 2012 at 15:38

    Bolha Imobiliária no Brasil KKKKKK, isso é somente para países desenvolvidos

    Mendes destaca crédito e nega medo de bolha imobiliária

    Por Glauber Gonçalves e Vinicius Neder

    O diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, disse não ver risco de bolha imobiliária no País. “O crédito vem crescendo de forma sustentável e não me traz preocupação com bolha”, disse. Mendes afirmou que a forma como o crédito é concedido no Brasil faz com que não haja riscos, explicando que a figura da securitização, que teria culminado da crise de 2008 nos Estados Unidos, é extremamente incipiente no País.

    “Na medida em que (a securitização avançar no Brasil), isso será feito com segurança. O aprendizado dos outros países contribuirá para que tenhamos uma regulação de securitização bastante prudente”, declarou em seminário sobre a crise global realizado nesta sexta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

    Sistema financeiro

    Mendes observou que o sistema financeiro brasileiro é sólido, com capitalização média de 16,3% pelo Índice de Basileia. Para o diretor, o rebaixamento de bancos brasileiros pela agência classificadora de risco Moodys, anunciado na quarta-feira à noite, foi um “ajuste técnico” e não impacta a capacidade de “funding” das instituições.

    Na palestra, Mendes apresentou dados de comparação internacional para mostrar que os bancos brasileiros apresentam solidez superior aos de outros países e destacou que o BC exige capitalização de 11%, enquanto as regras de Basileia preveem 8%. “Temos nível de capital acima do internacional, além de rigorosas regras de provisionamento, com liquidez acima do mínimo necessário”, afirmou.

    Segundo o diretor do BC, a autoridade monetária “roda” testes de estresse e sempre vê resultados positivos. O rebaixamento dos bancos pela Moody’s, portanto, foi técnico. “Eles mudaram o padrão de mensuração, que agora diz que não dá para o rating ser muito maior do que o soberano. E nossos bancos estavam bem acima (do risco soberano), porque de fato têm bons e sólidos fundamentos”, acrescentou.

    0
    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 16:01

      Você sabe o que vai acontecer quando a bolha estourar??????
      Vão dizer: ISSO NÃO É BOLHA, MINHA GENTE! Isto foi só uma diminuição da demanda… foi só uma diminuição da oferta…
      foi só uma arte do saci….

      0
      • Zé Bolha 29 de junho de 2012 at 18:38

        Onde arrumo uma peneira de pegar saci #[email protected]%&

        0
        • hannamanana 29 de junho de 2012 at 22:00

          Talvez a Caipora saiba rsss

          0
    • Francisco Quiumento 29 de junho de 2012 at 16:44

      Vale lançar uma frase nova:

      É O PREÇO, ESTÚPIDO!

      😉

      0
    • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 01:30

      acho que fiquei analfa …. o moodys rebaixou a nota e um “ser” alegou que foi apenas um ajuste técnico??? é isso mesm???!!!!

      bem eu gostaria que o “ser” explicasse que tipos de ajuste o moodys usa se não for técnico…. político????!!!!

      0
      • Cleyton 30 de junho de 2012 at 13:19

        Posso arriscar um palpite? A palavra “técnico” tem um sentido muito diferente para pessoas com formação propriamente técnica e para pessoas com formação humanas, em especial se nessa área de humana não teve nenhum contato ou até aversão à matemática (direito favorece muito esse tipo de formação incompleta, não é regra mas…)

        Eles chamam de (qualquer coisa) técnica quando não fazem a menor ideia do que está acontecendo.

        0
        • Sol de Sampa 1 de julho de 2012 at 02:00

          Cleyton, mas para alguém mesmo que não tenha formaçõ na área, nem nenhuma formação, mas está num cargo como o dele, é um desastre total a declaração… Se ele não entende de nada qual o peso da declaração a não ser humilhar o BC… o cara é diretor … isso é irresponsável e imperdoável, o cara passou um desconhecimento profundo de risco financeiro para bancos… esse deve ter um QI muito grande mesmo… Não dá pra acreditar, acho que os analistas que trablham pra ele devem estar se escondendo de tanta vergonha…

          0
          • Cleyton 1 de julho de 2012 at 15:51

            Não costumo atribuir à má-fé algo que pode ser explicável pela simples ignorância, quer dizer, é muito burro mesmo porque se tivesse um pingo de QI no mínimo ficaria quieto.

            Lamentável.

            0
        • Bananildo 2 de julho de 2012 at 10:38

          Realmente, a palavra “técnico” tem mil significados. Que nem uma menina que eu abordei na night, nos tempos áureos.
          Foi na boate “ITZ” em Goiânia. Não sei se ainda existe.

          – Que tipo de música você curte?
          – Ah, várias! Mas a que eu mais gosto é técnico.

          Pano rápido.

          0
  • Pablo 29 de junho de 2012 at 15:53

    Na onda das boas noticiais do dia(E QUE DIA!)

    “http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2012/06/29/credito-imobiliario-cai-em-maio-abecip-ve-reacao-no-2o-semestre.jhtm

    1)Teve redução de juros, (comido pelo aumento no seguro contra calote à longo prazo);
    2) Aumento de prazo para pagar, (Já que estamos vivendo mais poderia ir para 45 anos, faria diferença??);
    3)Mega-Hiper-Giga-Tera FEIRÃO da Caixa.

    Com tudo isso e não andou!

    PLOC!

    0
  • Fred 29 de junho de 2012 at 16:02

    Daqui a pouco as construtoras vão ter que comprar terreno pra estocar os imóveis encalhados.
    Em Santos a coisa tá feia. Podem usar a praia pra isso.

    0
    • Pablo 29 de junho de 2012 at 16:12

      Podem usar seu próprio estoque de terrenos!!!!!

      0
    • Ploc verde de limão 29 de junho de 2012 at 16:28

      Aqui em Santos a situação beira o ridículo mesmo. Mas sabe como é, os espertos já ganharam seu dinheiro manipulando o mercado e agora a conta vai ficar para nós pagarmos. Vão ferrar com a gente nos impostos.

      0
      • Ploc verde de limão 29 de junho de 2012 at 16:29

        É uma cidade onde os serviços são porcos e os preços são nas alturas.

        0
  • Said 29 de junho de 2012 at 16:16

    Impressionante o elevado número de notícias sobre crise no Mercado Imobiliário brasileiro no mês de junho. Uma seguida da outra. Uma pior que a outra…

    0
    • Pablo 29 de junho de 2012 at 16:26

      Havia escrito em posts anteriores:

      Jacob’s day.

      Gostaria de retificar para Jacob’s Month!!

      0
  • ch0qw3 29 de junho de 2012 at 16:55

    No RS, site de classificados faz promoção. O desconto para anúncios de 90 e 120 dias é de 50%.

    “http://www . penseimoveis.com.br/rs/anuncie?utm_source=Pense%2BImóveis&utm_medium=banner&utm_term=busca%2Bimoveis%2Brs&utm_campaign=Promoção%2BAnuncie%2BJunho%2BImóveis

    Será que os invertibobos estão cansando de pagar anúncios para não vender? Enquanto isso, as plaquinhas nas ruas se multiplicam.

    E tem corretor que ainda diz que os preços sobem 20% até o final do ano. Alguém acredita??

    0
  • marcelo 29 de junho de 2012 at 16:56

    Companheiros das tardes sem clientes de meu consultorio:
    Hoje , tenho a “triste” notícia para dar a todos vcs , esperançosos amigos bolhudos: Na tarde de hoje , dia 29 06 2012 acaba de falecer por insuficiencia pulmonar inflante aguda a nossa amiga bolha imobiliária; não deixa bens , não fez testamento e deixa viuvos os insetos corretores e corretoras , e construtores e construtoras , e crassistas tipo c especuladores….
    sabem porque dou esta notícia?
    Exatos 60 dias passados eu , homem brasileiro na casa dos 30 anos , casado e com um filhote de 2 anos , eu , que sou vitima perfeita do mercado imobiliario bolhense , fui ver um apErtamento da grandiosa vende tudo MRV no “excelente” favela-bairro em guadalupe , 48m² em frente a maravilhosa( sic corretor) avenida brasil e sabe quanto tava o valor? 148 mil reais!!!!!!! passada 2 semanas o corretor me ligou e ofereceu o mesmo ap por 130 mil reais…. ehoje ofereceu o mesmo apErtamento por “120 mil mas é só até domingo”!!!!!!!! o máximo que eu dou num 48 m² na grandiosa guadalupe é 90 pau e olhe lá!
    fora isso , todos os apartamentos que me interessam aqui na zona norte do rj (desculpem senhores , mas apesar de ser um bom ortodontista , estou em começo
    de carreira , sabe como é né!) estão hoje cerca de 10-20% mais baratos!
    Eui sei que os senhores devem ser , de acordo com os comentarios que leio , em grande maioria, ser moradores de bairros abastados , mas para mim e minha senhora um ap em madureira seria muito conveniente! pois bem , este ap de madureira estava 175 mil!!! eu falei para a patroa: tá caro , tá bolhudo…. pois bem sabe quanto tá o ap agora????? 125 mil!!!!!!!!!
    eu falei pra patroa que se chegar a cemzão nóis compreeeemo!!!!!!
    um grande abraço a todos os bolhudos e muito obrigado por este blog existir!!!! sem ele eu seria mais um endividado a vida toda!

    0
    • MrCitan 29 de junho de 2012 at 17:08

      A declaração de óbito mais engraçada que se tem notícia. 😀

      By the way, que continue assim, e que muitos outros imóveis como estes continuem a cair.

      0
    • Pedro 29 de junho de 2012 at 17:09

      Parabéns e mantenha o sangue frio, pois e só o começo …

      0
    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:13

      Companheiros das tardes sem clientes de meu consultorio

      Me encontro na mesma, estou ociosa montando quebra cabeça e pintando quadrinhos com as filhas.

      Quanto as notícias Yeah com diz o GB.

      0
      • Rico 29 de junho de 2012 at 23:00

        Pois é senhores profissionais liberais que vivem de projetos e de atender pessoas físicas e jurídicas de alguma forma: O efeito colateral está ai. Eu não comemoraria um hecatombe na economia, apenas um ajuste para volta a realidade nos preços, pois prejudicariam a todos, desde o auto intitulado onipotente servidor público até o profissional liberal ou de empresa privada. Quem não enxerga isso pode ser comparado ao investidor otimista, só que do outro lado da moeda.

        0
        • Danilo 1 de julho de 2012 at 10:39

          Algum servidor se denominou onipotente? Cuidado com as palavras

          0
      • RKG 1 de julho de 2012 at 01:38

        Mas é um grande privilégio poder ter tempo livre pra brincar com as filhas em pleno ambiente de trabalho!! É o emprego dos sonhos de mta mulher (o meu inclusive)!!

        0
    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 17:15

      É isso aí, meu caro!

      Perseverança e disciplina.

      Sem sacrificar o presente com prestações infinitas de imóvel bolhudo, daqui a alguns anos se surpreenderá com a possibilidade de comprar imóveis que hoje lhe parecem impossíveis.

      0
    • Justiceiro 29 de junho de 2012 at 17:49

      Nobre colega, essa apertamentinho custará entre R$ 50 – 60 mil reais lá para 2016…
      O preço está EXTREMAMENTE BOLHUDO.
      CEM MIL É MUITO DINHEIRO.
      Vamos valorizar os nossos VÁRIOS E VÁRIOS anos economizando…
      Aguarde mais uns 2-3 anos e pagará BEM MAIS BARATO.

      0
    • CAMBALHOTA 29 de junho de 2012 at 20:19

      E um corretor sem noção retrucou há algum tempo aqui no blog que seria pouco provável eu comprar minha cobertura de mín 120m2, 2qtos e 2 vagas, em Vila Isabel, Tijuca ou Grajaú por 350k.

      Já estou vendo que tendo paciência para achar um ponto confortável e sem arrependimentos na curva de baixa (to tipo, putz podia ter esperado um pouco mais), vou comprar por este valor ou menos, talvez com maior metragem e apetrechos (reformado, churrasqueira, piscina, etc).

      Como diria aquela música dos Raimundos:
      “EU QUERO É VER O OCOOOO!!!”

      Fiz meu dever de casa, guardei din din, tô líquido e acompanhando o mercado.

      Tenho até pena dos corretores ou proprietários desesperados que irão negociar comigo qdo eu pegar meu rico dinheiro e sair em campo decidido mesmo a comprar.

      Sei que a crise vai ser ruim pra todos, inclusive pra mim, mas infelizmente é o momento onde os preparados tomam os bens dos despreperados. Dinheiro não dá em árvore, só muda de dono.

      Obrigado Bolha, obrigado à todos, posto pouco, mas vou viciado no BLOG, leio no mínimo 5x por dia, pelo celular, notebook.

      0
  • Pablo 29 de junho de 2012 at 17:03

    Por hoje chega de más notícias;

    Atividade da construção cai pela sétima vez, aponta CNI

    “http://www.brasileconomico.ig.com.br/noticias/atividade-da-construcao-cai-pela-setima-vez-aponta-cni_118744.html

    PLOC!

    0
  • Luiz 29 de junho de 2012 at 17:17

    Alvaro Rosinha e hanananana, to transferindo od ebate pra cá pra baixo

    O fato é que se vc não gastar 1 centavo com manutenção a casa cai literalmente.

    O valor do terreno pode valorizar, mas tbm pode desvalorizar, pense em regiões degradadas do centro da cidade, exemplo campos eliseos aqui em SP, valia milhoes, hj é a cracolandia

    nÃO É VErdade que imovle valoriza sempre, vc precisa gastar pra manter e o custo equivale a 87% do valor de um imovel novo de 50 em 50 anos.

    Se vc alugar ao invés de comprar o custo disso é quase ZERO

    Toh falando manutenção, sem contar custos e taxas (condominio, iptu,…)

    0
    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:20

      Entendi Luiz, o difícil e ter esse maldito número, porque nos últimos anos não dá nem pra pensar.

      Corrertorssauros extintos em 06/2012, por atividade de um blog chamado Bolha Imobiliária.

      Nem esquenta Luiz com as brincadeiras, a Hanna também é muito HousinhA, gosto muito dos comentários dela.

      0
      • hannamanana 29 de junho de 2012 at 18:01

        Retribuo suas palavras 🙂

        0
    • Luiz 29 de junho de 2012 at 17:25

      E ANTONIO HENRIQUE, TBM TÁ NESSA DISCUSSÃO

      0
      • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:30

        Roubou o Gardenal do cachorro hein !!!!

        0
        • Luiz 29 de junho de 2012 at 17:56

          rosinha esse 4% é um dado da boa técnica da contabildiade, eles n inventaram, deve ter um fundo técnico mto bom

          A questão de ser juros composto é pq vc aplica 4% a menos todo ano e declara, juros composto é só a ferramenta matematica, não é uma ideologia a ser defendida (rsrs, que mundo vivemos hein, tem que defender até a matematica, dos argumentos humanistas)

          Agora se vc reformou o imovel, vc pdoe fazer um laudo e atestar na receita que com a obra o imovel valorizou X%. É o mesmo que vc ter uma aplicação e fazer um aporte novo, estará investindo no proprio imovel

          Claro que só se faz isso se vale a pena financeiramente, ou por valor intangivel qualquer, motivo familiar, emocional, sei lá.

          Sendo assim, o que os corretores dizem que valoriza é o preço do imovel zero km, mas dpeois que vc comprou ele, ele deixa de ser zero, daí entra na tabela da depreciação, do custo de manutenção, que varia caso a caso. Obvio que imoveis de melhor qualidade vãod epreciar mais lentamente, outros vem abaixo em 30 anos.

          – 4% é a velocidade média de todos juntos.

          (vc sabe que eu adoro debater com vc, admirar tbm é brincar, provocar, a gente se diverte e fica maisforte, fora isso nada pessoal, n dá pra ter ego no mundo virtual, vc estaria defendendo um nome ficticio um avatar?, n faria sentido)

          0
          • RosinhA 29 de junho de 2012 at 18:25

            KKKKKKK quando disse que roubo Gardenal do cachorro estava dizendo que está atrapalhado nos comentários hoje só isso.

            Concordo com você, disse somente que nos últimos anos devidos as altas malucas não dá pra pensar nesse número em valores exatos só isso, concordo com a desvalorização, quanto as reformas, com tudo, mas o cenário desses últimos 5 anos não foi real, o que quero dizer é que após o assentamento da poeira veremos o verdade total, daí poderemos tirar esse número com maior exatidão, poderá até ser maior que os 4% entendeu ?

            0
            • Luiz 29 de junho de 2012 at 18:32

              rosinha é questão de conceito, depreciação é uma coisa,d esvalorização é outra

              depreciação não para, assim como vc não pode parar o tempo, pra reduzir depreciação vc tem que gastar, se não gastar a casa cai

              (des)valorização é regido pelo mercado esse sim ta mais doidão que nois 2 junto, gadernal na veia.

              0
              • RosinhA 29 de junho de 2012 at 18:39

                Eu sei já perdi dinheiro com os dois, principalmente com desvalorização, por depreciação um imóvel do meu sogro estava ao lado de um lava rápido o Solupam derreteu até as paredes.

                So acho que os imóveis da MRV, nunca vão depreciar, vão valorizar eternamente.

                Volta aqui cachorro !!!!! O último Gardenal era meu safado !!!!! :mrgreen:

                0
                • Luiz 2 de julho de 2012 at 11:42

                  hahaha, sim Rosinha os da MRV vão durar apra sempre

                  Isopor leva mil anos para se decompor na natureza

                  0
    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 17:50

      Por falar nisso, ontem vi um anúncio de página inteira no Valor Econômico, enaltecendo a valorização no Brás, que foi de 197 (PQP) por cento nos últimos três anos, e fazendo uma chamada do tipo: Entre nessa oportunidade de investimento!

      Como a última vez que fui a Sampa já tem mais de 10 anos, pergunto: O que é que o Brás tem? Realmente não conheço.

      0
      • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:54

        Roupas de segunda barata, muita sujeira na rua, camelôs pra caramba, flanelinha mas de “carro”, ladrãozinho de carteira e bolsa de dia, e ladrãozão grandão de noite que rouba carro e sequestra.

        Enfim tem toda razão.

        0
        • hannamanana 29 de junho de 2012 at 22:04

          RosinhA, algum daqueles seus funcionários comprou imóvel na MRV? É porque tem um num site de reclamações fulo da vida porque na promoção “compre um apê e ganhe uma moto” ele comprou o imóvel, mas a moto ele ainda não recebeu. Ele está muito bravo pq disse que esperava a moto para poder vendê-la e abater o valor nas prestações… hihihi

          0
          • RosinhA 30 de junho de 2012 at 15:24

            Não ele tá pianinho tocando afinadamente bem…..

            Fiquei sabendo que ele procurou emprego e só encontrou trevas e desilusões…..

            Tá uma moça até o meu carro lavou na sexta por disse que não gosta de ficar parado…. O tempo passa…. o tempo voa…. e os funcionários desesperados ficam bonzinhos e na boa ……..é o sinal dos tempos vindo !!!!!!!

            Quanto a MRV é piada, tem algum animal que acredita nessa estorinha ainda, vou vender esterco enlatado, acho que vai ter muita procura, vou anunciar que é bom para passar na pele depois do banho….. duvidas que vende….? se qualquer m….. vende, pois aí vou eu, tentar lucrar com os investitontrouxastolos 😉

            0
      • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 01:50

        Muito coreano… os judeus venderam o ponto e se mandaram

        0
        • RKG 1 de julho de 2012 at 01:42

          e foram pra Higienópolis… :P… quem consegue esquecer o “Churrasco da Gente Diferenciada”? kkkkkkkkk

          0
    • hannamanana 29 de junho de 2012 at 18:00

      Assim ficou melhor… o layout estava ficando péssimo!
      Mas, eu te entendi e concordo com tudo o que você falou! Só achei que na discussão misturamos aquela tabela do Antônio (que é da SRF para depreciar os imobilizados das empresas) com a desvalorização “real” que é esta que você está explicando.
      Mas, acho bom que você e a HousinhA na verdade trocam farpas amigavelmente hahaahahah 🙂

      0
      • Luiz 29 de junho de 2012 at 18:24

        hana, os contadores devem ter calculado esse numero com base na depreciação real

        Do poucoque eu conheço a área de contabilidade, deve ser até um numero importado da europa, aglo embasado de forma robusta

        estamso falando em depreciação pelo tempo, e não de desvalorização.

        Se o imovel continua sendo vendido nominalmente pelo mesmo valor ao longo do tempo isso siginifica que a sua valorização suplantou a depreciação devido a questões externas do mercado. Porém isto não pode ser eterno, um dia a acasa cai, ou ser for um castelo construido de pedra, um dia pode precisa de banheiro dentro de casa, aí acontece o q aconteceu com milhares de castelos na europa, não valem o que custam.

        0
        • hannamanana 29 de junho de 2012 at 22:26

          O pior é que aquela tabela não foi criada pelos contadores e sim, pelos técnicos da Receita (em 1998). E eles, você sabe, né!? hahaha…
          Claro que tiraram de algum lugar, mas sempre salpicam suas porcentagens de ponderações que beneficiem o Fisco de alguma forma (como por exemplo naquele lance de você poder deduzir uns 3.000 e não sei quanto está, dos gastos com educação, ainda que uma faculdade anual ou qualquer creche por ai te custe de 8 a 10k no ano).
          Os contadores e legislação contábil (a lei que citei, o CFC, as definições da harmonização contábil pela IFRS) por outro lado te falam – use uma taxa definida por estudo ou laudo – não use uma tabela pré-formatada.
          Isto que falei é a Despesa com Depreciação – item da DRE, item admitido como dedução para o Imposto de Renda.
          O bem pode ser depreciado até que seu valor contábil seja de 0.
          Se você vender o bem por um valor maior do que o valor contábil, terá ganho e pagará imposto. Ao contrário, assumirá a despesa contábil.
          Para isto tudo estamos falando de bens de pessoas jurídicas.
          Esta taxa que estamos tentando descobrir qual é, entra nos parâmetros que você bem levantou, levaria em conta qualquer tipo de bem de todo o tipo de pessoa (física ou jurídica).
          Há todo um desgaste causado por N coisas em um imóvel que vai variar, inclusive pela localização.
          Se o custo da reforma do bem foi muito alto, realmente a casa cai. Ficam impraticáveis certas correções
          Mas, volto a dizer – concordo com você. Só estou tentando desvincular aquela taxa que nem os contadores (pelo menos, não os atualizados) mais usam, da realidade que você retratou.

          0
          • Luiz 2 de julho de 2012 at 11:43

            ok hana, entendo sua colocação

            mas ainda fic auma pergunta, s e´numero não é 4% ao ano
            Quanto é então?

            Qual é essa média para imovel residencial?

            0
  • RosinhA 29 de junho de 2012 at 17:40

    O sujo falando dos maus lavados: Caramba será que o setor imobiliário passa por dificuldades?

    Ironic Mode Extra Turbo Jet Master : ON

    São Paulo – O HSBC revisou as estimativas para 7 ações de empresas do setor imobiliário na Bovespa e o cenário pintado não é bonito. O setor enfrenta problemas estruturais e teve que pisar no freio e adiar novos lançamentos. Em 12 meses, o índice IMOB – que acompanha o setor – acumula uma desvalorização de 17%, enquanto o Ibovespa – principal índice da bolsa brasileira – cai 15%.

    “As empresas passam por um momento negativo, e vemos poucas perspectivas de que os investidores queiram pagar antecipadamente por promessas de uma mudança na situação, que deixaram de se concretizar no passado”, destaca o analista Felipe Rodrigues, em relatório. “Elas responderam com reduções acentuadas nos lançamentos de projetos e instituindo medidas para ‘arrumar a casa’”, diz.

    Ainda assim, Rodrigues afirma que mantém a opinião pessimista sobre o setor no curto prazo e que, apesar dos múltiplos baixos das empresas, uma elevação nas indicações para as ações tem que estar sincronizada a sinais mais claros de melhoria na execução dos projetos. Apenas a LPS Brasil e a BR Brokers, que atuam na intermediação das vendas, possuem recomendação equivalente a compra das ações.

    “Continuamos a gostar da história das corretoras de imóveis (imobiliárias), apesar de ajustarmos nossas estimativas de crescimento no mercado secundário para níveis mais conservadores. Nossa opinião positiva sobre o segmento continua a se apoiar nos retornos de dois dígitos do fluxo de caixa livre da BR Brokers e da LPS”, ressalta.

    Depois falam de empresa por empresa no link:

    “http://exame.abril.com.br/mercados/analises-de-acoes/noticias/o-que-o-hsbc-espera-para-7-acoes-do-setor-imobiliario

    0
    • Lourenço 29 de junho de 2012 at 18:00

      A Gafisa por exemplo foi rebaixado o preço alvo das ações de R$ 10,00 para R$ 3,50.
      Coitados dos que acreditam nesses “analistas” dos bancos, muitos já devem ter visto grande parte de seus investimentos “dilacerados”.

      0
  • Desconfiada 29 de junho de 2012 at 18:09

    É, gente… Este mês está bombando de notícias sobre o mercado imobiliário. Alguns ainda tentam desconversar, mas não tem jeito. A coisa está feia.

    Eu sempre achei que quando esta bolha explodisse, alguns notariam antes. Não seria uma manchete única de jornal, no mesmo dia, no mesmo horário. Quem está mais perto, vê primeiro. Depois a coisa se propaga, o assunto vai tomando manchetes, a informação chega pra mais pessoas.

    Daí fiquei lembrando das considerações do profeta Miguel Jacó. Lembro que quando ele deu a data de 12/junho, isto estava diretamente ligado ao início da Copa.

    A copa irá acontecer em junho e julho de 2014.

    Na boa, pra mim o MJ acertou de novo. A bolha estourou dois anos antes da copa. Vai ter uma enxurrada de informações nestes dois meses, vai ter muita gente descobrindo que consegue descontos se negociar e souber esperar. Os depoimentos vão chegar (já estão chegando) de todos os lugares.

    Até quando vai cair eu não sei. Também não sei em qual mês/ano os preços estarão no vale. Temos muitas opiniões e percepções interessantes aqui.

    Mas hoje, nesta simpática última sexta-feira de junho, eu vou voltar pra casa com a sensação que estamos vivendo um momento de ruptura. E talvez, quando eu estiver estudando história do Brasil com meus netos, eu poderei ler sobre a “Bolha Imobiliária Brasileira, que explodiu em meados de 2012 e provocou uma queda expressiva nos preços dos imóveis durante x anos no país”.

    0
  • Zenon 29 de junho de 2012 at 18:09

    Com essa maré toda, o INCC também tende a reduzir ou não há vinculação com esse cenário? Ah se eu tivesse conhecido esse blog antes, tava com meu sinal + balões + parcelas pagas até hoje (creio que conseguiria ter uma melhor negociação no futuro próximo).

    Aqui em João Pessoa/PB tem muita placa/anúncio de “vende-se”. E olha que tem um monte de lançamento a ser entregue entre 2013-2016.

    0
  • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 18:14

    Enquanto isso, as ações da OGX continuam com o maior volume pelo terceiro dia consecutivo.

    O problema é que o Ibovespa é composto de uma carteira teórica das ações mais negociadas nos 12 meses anteriores.

    Ou seja, daqui a um ano, os fundos de índices de ações atrelados ao Ibovespa vão ter que encarteirar esses micos.

    Eike e Paulo Coelho são realmente dois magos poderosos: Transformam m… em ouro.

    0
  • MrK 29 de junho de 2012 at 18:16

    REPAREM aqui eles falam somente de estoque em posse das construtoras, ou seja NÃO conta o estoque de imovels nas mãos dos proprietários especuladores

    hoje eu fui numa oficina em botafogo/Rio e vi a quantidade de prédios novos com aps vazios (sem cortina, ar condicionado, nada), é chocante, os prédios mais recentes (entregues de 6 meses pra cá) não deve ter nem 60% de ocupação e esses imoveis vazios NÃO ENTRAM nessa conta de 20%, ou seja a realidade é BEM pior, o estoque no mercado como um todo deve tranquilamente subido mais de 30% e não vai parar de subir por pelo menos 1 ano!!!!

    0
    • Álvaro Guilherme 29 de junho de 2012 at 18:30

      O curioso é que em Botafogo não se vêem muitas placas do tipo vendo/alugo.

      Ou é uma questão cultural, ou não querem dar “na pinta” de que está tudo vazio.

      0
    • Leonardo 29 de junho de 2012 at 18:34

      Conseguiu alugar seu apt? qual valor e onde fica? curiosidade mode on!

      0
    • Elias 29 de junho de 2012 at 23:11

      Caramba, nem tinha pensado nisso. A situação é bem pior mesmo.

      Na revista Construção Mercado da PINI de junho/12, há uma matéria chamada “Estoques na mira”, onde o Secovi admite que em São Paulo Capital, o aumento de estoque foi de 64,2% em relação a 2011.

      A Helbor teve aumento de 138% no estoque. A menos pior é a EZTec, pouco alavancada.

      0
    • RMJ 30 de junho de 2012 at 01:53

      MrK

      Você acertou na mosca quando afimou, acho que ainda na fase inicial do BLOG, que o ponto inflexão do mercardo imobiliário iria ocorrer quando os inúmeros imóveis que começaram a ser construídos em 2009-2010 fossem concluídos em 2012-2013.

      0
    • PBR 30 de junho de 2012 at 10:58

      MrK e colegas bolhudos,

      Alguém mais notou que o cerne da notícia deste post “O estoque de imóveis não vendidos pelas incorporadoras cresceu quase 20% nos três primeiros meses deste ano” na verdade não diz nada sobre o real tamanho deste estoque? Analisemos: Na minha modesta opinião, a definição de estoque de imóveis não vendidos é um número inteiro: x unidades, podem ser 5.000 ou podem ser 50.000 e representa o número de moradias cujo proprietário são as incoroporadoras. A notícia se limita a afirmar que este estoque cresceu 20%, ou seja, ele agora é 1,2x. Evidentemente, o impacto deste aumento é tão maior quanto maior for o estoque, considerando que o mercado é o mesmo.

      Em vários dos comentários os 20% foram considerados como sendo o próprio estoque tendo por base, creio eu, o número de unidades construídas no período. Então, gostaria de colocar aqui a minha dúvida: Será que está disponível em algum lugar um número que efetivamente represente o estoque disponível de imóveis? Acho que este é um número realmente importante, pois é fato que não se vende mais, e este indicador, acrescido do shadow inventory, irá indicar a intensidade do desespero que virá depois, pois todos estes imóveis concorrerão pelas mesmas poucas pessoas que ainda terão liquidez para comprar um imóvel. Agradeço comentários e análises desta colocação.

      0
      • serpentarius 30 de junho de 2012 at 12:54

        Não acredito ser possível obter esse nº em momento algum. Só possível mesmo através dos anuncios dos que estão à venda e os estoques de construtoras.

        O estoque de especuladores que ainda não foi vendido, pode vir a não ser mais posto à venda em qq momento, ele pode acreditar que os preços vão virar e outros motivos mais (tb depende, o comportamento desses especuladores, de capacidade gerencial, de capacidade financeira, perfil psicológico, mudança de estratégia etc).

        Vamos ficar no achismo mesmo.

        Ah!!! O estoque das construtoras tb é muito fácil de manipular pra não aparentar que cresceu demais. Acho que veremos isso em breve, pricipalmente com o fechamento de capital de algumas destrutoras, o que ficaria mais fácil a maquiagem, com menos órgãos controlando.

        0
    • Elias 30 de junho de 2012 at 16:55

      Segundo o Secovi-SP, em SP-capital, 2011 terminou com pouco mais de 13.000 imóveis em estoque nas mãos das construtoras, e no 1ro trimestre/2012 está quase em 20.000.

      Fora, como disse o MrK, o que está nas mãos dos especuladores.

      E mais – fora ainda os usados.

      O bicho vai pegar bem feio nos próximos meses, a situação só tende a piorar.

      0
      • PBR 1 de julho de 2012 at 09:02

        Olá Elias,

        Realmente, o número total de imóveis disponíveis deve ser bem maior que os 20k na mao das construtoras. Quando acabarem os trouxas (o grosso, porque sempre sobram alguns) o impacto vai ser grande. Mal vejo a hora.

        0
  • Eduardo Zé 29 de junho de 2012 at 18:41

    Vamos aumentar este estoque.

    Para especulador é mais barato, e quem precisa para morar se fud#u!!

    Quero reservar logo dez unidades!!!

    ———————————————————————————————–

    COMUNICADO

    Por solicitação da Cooperbrapa, retransmitimos as informações seguintes acerca de novos empreendimentos imobilários (em anexo encontram-se os fliers).

    Novas oportunidade para Investidores Embrapianos

    A COOPERBRAPA lançou 02 empreendimentos de 01 e 02 quartos na cidade de Samambaia – DF. Prédios de 11 andares cada. Terreno da própria cooperativa.

    EMPREENDIMENTO – 2 QUARTOS
    Projeto de 02 quartos, sendo uma suíte, sala de jantar/estar, um banheiro social, cozinha americana, garagem, com 51,52m² de área privativa. Situado na quadra QS 120 conjunto 08 Lote 02 – Samambaia Sul – DF.
    Custo por metro/m²: R$ 3.800,00 mil, para cooperados que vão utilizar financiamento bancário. Total do apartamento: R$ 195.776,00 mil.
    Custo por metro/m²: R$ 2.621,00 mil, para investidores. Total por apartamento: R$ 135.000,00 mil, à vista ou em 3 parcelas.

    EMPREENDIMENTO – 1 QUARTO
    Projeto de 01 quarto, sendo o mesmo suíte, sala de jantar/estar, 01 vaga de garagem, com 40,23m² de área privativa. Situado na quadra QS 122 conjunto 08 Lote 01 – Samambaia Sul – DF.
    Custo por metro/m²: R$ 3.800,00 mil, para cooperados que vão utilizar financiamento bancário. Total do apartamento: R$ 152.874,00 mil.
    Custo por metro/m²: R$ 2.685,00 mil, para investidores. Total por apartamento: R$ 108.000,00 mil, à vista ou em 3 parcelas.

    Após a formação de grupo de no mínimo 20 investidores para cada empreendimento, a entrega da obra será em 15 meses.
    Os interessados devem entrar em contato com a Cooperbrapa pelo telefone: (61) 3435-9329 e/ou pelo e-mail: [email protected].

    0
    • Virginia 30 de junho de 2012 at 18:44

      Gente, que piada. Esse valor por um imóvel #ovodecodorna na planta em uma das cidades-satélite com menos infra do DF!!!

      0
  • Avoador 29 de junho de 2012 at 18:51

    E segue o engasgamento de crédito….

    Sex 29/06/12 – 12h – Brasileiro nunca esteve tão endividado: comprometimento da renda das famílias já atinge 43%

    O Banco Central informou que a dívida das famílias brasileiras bateu recorde. Segundo o Banco Central, o valor das dívidas corresponde a 43,3% da renda das famílias no ano. É recorde histórico desde quando o banco começou a registrar os dados em 2005. Nessa época, segundo o Banco Central, o endividamento era de apenas 18,4% dos ganhos anuais. O dado mais recente, de abril, mostra uma alta em relação ao mês anterior quando o indicador estava em 42,9%. De acordo com o diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton, “a escalada do endividamento das pessoas reflete uma alta do crédito imobiliário e isso é um bom sinal já que o financiamento de imóveis é considerado mais seguro porque tem uma garantia real”.

    0
    • ch0qw3 29 de junho de 2012 at 19:01

      Conforme JN…

      “http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/06/endividamento-de-familias-brasileiras-e-o-maior-em-sete-anos.html

      0
    • Ze Bom Dirolo 29 de junho de 2012 at 19:19

      Há um tempo atrás eu falei que estava em 40 por cento da renda comprometida pelos meus cálculos estatísticos aleatórios e previsões jacobianas. No entanto, hoje eu já acredito que essa marca esteja na faixa de 48 por cento.

      0
    • Rui 29 de junho de 2012 at 22:50

      O nivel de endividamento do brasileiro, ainda e’ baixo, se comparado com outros paises. O mercado de credito, esta praticamente comecando.

      0
      • Francisco Quiumento 30 de junho de 2012 at 14:02

        /

        Não é de rir?

        Está se falando já de volume de inadinplência e tem personagem que confunde volume de crédito para bens de consumo e até serviços com volume de crédito de longo prazo para “bens de raiz” a juro baixos de países desenvolvidos.

        ACORDA, ALICE!

        🙂

        0
        • RosinhA 30 de junho de 2012 at 15:13

          KKKKKKKKKK

          0
        • Rui 30 de junho de 2012 at 22:53

          E’ de rir mesmo! aahahahaha tou rindo da tua cara. ahahahaha
          Quiumento. ahahahaha voce ja nasceu quiumento, ahahha ou foi se aprimorando? ahahahah vixe! que nome! ahahahah Inteligencia rara, o Brasil tem mais ou menos 45% de divida, em relacao ao PIB. oa EUA por exemplo tem 300% em relacao ao GDP (PIB). Quando os EUA tinham somente 45% do PIB, estavam na fase, de sua maior expansao economica. Capiche? voce gosta de passar vexame, Quiumento.ahahaha Tira a cabeca da areia avestruz! ahahahahah E nao me venha com mais baixarias Quiumento! ahahahaha

          0
          • Rui 1 de julho de 2012 at 15:26

            Galera do Rio, estamos com a bola cheia. Rio, patrimonio cultural da humanidade. Que gloria! Ser carioca e’ um orgasmo!

            0
  • Avoador 29 de junho de 2012 at 18:53

    “o financiamento de imóveis é considerado mais seguro porque tem uma garantia real”

    Para os bancos, claro.

    0
    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 18:57

      Ia comentar isso mesmo, meu que dá hora escrever:

      Já sabemos que a maioria não irá pagar, mas pelo menos temos garantias de imóveis bolhudos que cresceram de valor 30% aa nesse tempo.

      Meu esses analistas já tão virando motivo de chacotas, hehehe

      0
      • RosinhA 29 de junho de 2012 at 19:01

        Vai lá comandante Hamilton, mostra como é que se dá uma notícia.

        Que legal saber que de cada 10 pessoa aleatórias na rua quase a metade está endividada. Vamo Dilmão pacotão rápido, a coisa tá feia, manda o Requeijão trabalhar !!!!

        0
        • serpentarius 30 de junho de 2012 at 13:07

          Caras, tem gente que se ferra até pelos outros.

          Vou dar um exemplo de um amigo que ganha bem, é final de carreira da categoria de AuditorFiscal da RFB.

          Pois bem, separou-se da esposa … não aguentava mais ela se endividar sempre (e isso antes do crédito fácil). Outros motivos existiram … mas este o persegue até hoje.

          Como ela é mãe dos filhos dele, ele topou ser fiador do apê que ela mora (detalhe que 1/3 do salário dele vai pra pensão, que é a ex que administra tudo).

          Ela saiu do apê e foi alugar outro … tempos depois ele estava sendo executado pq ela não tinha pago aluguéis do apê anterior.

          Somando as dívidas que ele tem do tempo de casamento (já são 5 anos de sepraração mas as dívidas não acabam … uma ou outra sim … mas aquelas com juros estratosféricos são impagáveis) … bom somando essas dívidas … houve um erro do setor de RH, que permitiu que mais de x% fosse abatido do contra-cheque dele. Final: menos de R$ 500,00 ele recebeu no mês. Sendo que ele tem que comer, tranportar-se, pagar aluguel, etc.

          Dava pena de ver o transtorno mental que o sujeito fica.

          E a ex numa boa, financiando carro e tudo. E ele andando a pé ou, no máximo, ônibus. Ele prefere carona, mas anda mais a pé.

          Essa situação pode estar sendo invertida em outros casos: om homens perdulários e mulheres realistas. Mas vejo a situação atual como mais um motivo para aumento de separações futuras, pois a inadimplencia chegando vai haver muito mal estar entre os casais.

          serpentarius … trazendo a bolha pra dentro da sua vida

          0
          • RosinhA 30 de junho de 2012 at 15:15

            Sai pra lá serpentarius, casamento é somente uma vez e olha lá hein se não achar nada melhor ficar com papai e mamãe, pelo menos o custo da moradia fica mais baixo 🙂

            0
            • serpentarius 2 de julho de 2012 at 10:16

              rsssss

              0
    • RMJ 30 de junho de 2012 at 02:11

      Avoador,

      A garantia do banco é relativa. Para o banco o ideal é que o crédito tenha curso normal. Quanto o crédito entra em liquidação o banco passa a ter muitas despesas. Primeiro gasta com custas processuais e com honorários de advogado. Depois que retoma o imóvel, o banco passa a ter despesas com sua conservação. Ademais, quando o bem vai a leilão, em geral, a instituição financeira obtem preço (real) abaixo do que atribuído ao imóvel na época em que dado em garantia, tendo em vista a normal depreciação da coisa e também, em muitos casos, a falta de cuidado do ex-mutuário.

      0
  • Ploc verde de limão 29 de junho de 2012 at 18:58

    Quero ver quando a bolha do pré-sal se romper. Acredito que vai levar muito mais tempo do que disseram para começar a dar lucro.

    0
    • PBR 29 de junho de 2012 at 20:37

      Posso perguntar porque?

      0
      • Ploc verde de limão 30 de junho de 2012 at 00:30

        1) O trabalho e a tecnologia atual para essas profundezas não está de acordo(risco, alto custo e dificuldade).
        2) Com os problemas de ordem financeira que começa aqui e a fuga de investimento externo prejudica todo o trabalho.
        3) Mesmo que exista essa tecnologia para a extração, ela precisa de tempo para que seu emprego valha a pena e retorne o lucro esperado, ou seja tem que baratear a tecnologia.
        4) Problemas ambientais e a comunidade internacional pós golfo do México versus estudos indicando extinção completa da vida marinha nas próximas décadas.
        5) Talvez seja tarde mesmo. Daqui a vinte anos tenhamos tecnologias que poderão substituir o emprego do combustível fóssil, pois os preços dos barris estão aumentando drasticamente ao longo dos anos pela extinção dos poços de petróleo ao redor do mundo.
        6) A cada ano as empresas aéreas tem gastos cada vez maiores com combustível e está se tornando prejudicial para seu negócio.

        Quanto ao item 3 um exemplo é a tecnologia de celular que foi descoberta em 1940 por Hedwig Eva Maria Kiesler ou Hedy Lammar (se preferir o nome artístico dessa atriz) para fins militares, mas pelo seu custo só teve aplicação muitas décadas depois, pelo barateamento de componentes e melhorias na produção industrial.

        Se desejar posso elucidar ainda mais essa questão, pois tentei ser bem simples.

        0
        • PBR 30 de junho de 2012 at 14:02

          É cada um que me aparece… Para começar, teus argumentos não foram simples, foram simplórios, não dá nem vontade de responder, mas para o bem da informação e do esclarecimento, que é a grande virtude deste blog, vamos lá:

          1) Risco, alto custo e dificuldade são características de toda e qualquer extração de petróleo offshore, em terra é que é mole. O pré-sal, por ser mais profundo, tem custo maior (dificuldade e risco dependem essencialmente da capacidade técnica e seriedade do operador), mas em compensação são campos gigantes e com alta produtividade.

          2) Os investidores internacionais entraram pesado na petro quando o pré-sal foi anunciado (ação chegou a 50 reais). Depois que os petralhas anunciaram que o petróleo, na verdade, pertence ao partido (novo marco regulatório, cessão onerosa, conteúdo nacional, etc…) os investidores estrangeiros foram pulando fora aos poucos (petro hoje a 18 reais). Ou seja, a fuga de capitais já teve a maior parte de seu impacto.

          3) Você já ouviu falar em EVTE (estudo de viabilidade tecnico economica)? Apesar de o sindicato presidir a empresa (melhorou bastante com a gracinha), as gerencias que planejam e executam os projetos são compostas de engenheiros que, evidentemente, definem os projetos com base em EVTEs. Se o VPL (valor presente líquido) for negativo, não vai sair do papel. A última estimativa que ouvi falar foi que o limiar da viabilidade econômica se dá com óleo a 45 dolares.

          4) A comunidade internacional (leia-se: eco chatos dos EUA e Europa) deveriam ir encher o saco das petrolíferas de lá (BP e Chevron) que foram as responsáveis pelos últimos acidentes. Eles querem que limpemos a nossa bunda antes mesmo de ter cagado, enquanto seus conterrâneos estão com a cueca pesada. Com o Green Peace e o MST só tem dois argumentos possíveis: bala de borracha e gás lacrimogêneo. Ah, e quanto ao esquemático “pós golfo do México versus estudos indicando extinção completa da vida marinha” tive um professor, que foi a maior fraude que eu já tive o desprazer de conhecer, que amava esses esquemáticos, ele escrevia todos os programas das disciplinas desta forma. Explico porque: Ao apresentar dois assuntos independentes, se indica apenas ter algum conhecimento de ambos. Ao fazer o esquemático A versus B se dá a entender que se possui um conhecimento aprofundado de ambos, a ponto de compreender as implicações de um no outro. É um pedantismo bobo que na minha opinião só é usado por quem desconhece tanto A quanto B, mas quer posar de estudioso.

          5) Eu te desafio a apresentar aqui um panorama (considerando as principais variáveis tecnológicas e econômicas) para os próximos vinte anos mostrando como pode ocorrer a substituição dos combustíveis fósseis por outra fonte de energia. Não vale dizer nanotecnologia versus melhoria de processos versus energias renováveis.

          6) Essa eu demorei pra entender, pois foi tão sem sentido que chegou até a contrastar com as outras colocações, que pelo menos tinham um pouco de senso comum. Claro que o aumento do preço dos combustíveis prejudica as empresas de transporte, mas e daí? A discussão aqui vai convergir novamente para o tema da viabilidade econômica das formas de energia, e disso eu já falei acima.

          Se for para elucidar mais a questão com este tipo de argumentos, então pode ficar com eles para ti.

          0
        • Francisco Quiumento 30 de junho de 2012 at 14:06

          PBR continua com o berreiro de “trabalho lá e sei que vai dar certo!”.

          Nem necessita-se argumentar, deixa o tempo, o mais perverso dos professores, fazer em pedaços esta lenga-lenga.

          Só lamento, és um iludido, como TODOS os outros.

          😉

          0
          • PBR 30 de junho de 2012 at 14:20

            “nem necessita-se argumentar”

            Coloquei no google e deu o seguinte:

            Você quis dizer: nem consegue-se formular um argumento?

            0
            • Francisco Quiumento 30 de junho de 2012 at 21:37

              Sim, claro.

              Eu, por exemplo, não tenho prática nenhuma em debates, óbvio, ainda mais, com crentes*.

              *Oi, você!

              Agora, liçãozinha de casa, antes de continuar o esparramo:

              Miopia em Marketing

              😉

              0
            • Ploc verde de limão 1 de julho de 2012 at 00:38

              Usa sua cabeça e não reproduza a lavagem cerebral deste governo ou de seus patrões.
              A verdade é bem pior do que os jornais nacionais e internacionais apontam para não só o futuro do pré-sal, bem como novos conflitos e o preço do petróleo.
              Com a péssima gestão deste governo quanto tempo você acha que esse pré-sal vai levar.
              Meu amigo moro aqui em Santos e só vi piorar desde então. Não vi nenhum benefício até agora e o trânsito, violência edifícios vazios, custo de vida estão aumentando. Você não imagina a insegurança das pessoas aqui em relação ao pré-sal.
              Acredito que o único ingênuo, mal educado que argumenta proferindo palavras agressivas demonstrando descontrole emocional é você, pois não é necessário ser agressivo, sendo que isso, só demonstra insegurança.
              Argumentar com ignorantes inseguros realmente não vale a pena.

              http://veja.abril.com.br/multimidia/video/petrobras-uma-mentira-contada-durante-oito-anos

              Produção estagnada há três anos leva Petrobrás a criar plano de emergência
              Estadão 30 de junho

              http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2012/03/20/companhias-aereas-ameacadas-de-falencia-com-petroleo-a-us-150.jhtm

              0
        • PBR 1 de julho de 2012 at 09:26

          Concluindo:

          Em relação ao desenvolviemtno da produção no pólo pré-sal:

          1) Não há impedimentos de ordem tecnológica.

          2) Não há impedimentos de ordem financeira (a não ser que os petralhas inventem mais coisa).

          3) Idem a 2.

          4) Os eco-chatos podem espernear a vontade, eles não conseguem nem fazer com que os japoneses parem de pescar baleias e golfinhos, imagina se eles vão ser capazes de impedir as atividades da indústria petrolífera.

          5) Não existe alternativa viável aos combustíveis fósseis para os próximos 20 anos. Na minha opinião (isso é um chute) o barril passa de 200 dolares sem que se possa fazer nada a respeito.

          6) O aumento do preço do petróleo aumenta o custo do transporte, mas, não existindo alternativa possível, não há opção além de pagar a conta.

          Quanto as réplicas basta dizer o seguinte: Duvidar da credibilidade do argumentador, ofendê-lo, encontrar motivações psicológicas obscuras,etc… não produz nenhum efeito contra os argumentos. Vou continuar desmontando argumentos mentirosos que apareçam sobre esta questão, pois eu acredito que assim estou fazendo um favor a todos que aqui frequentam e estão interessados em saber a verdade. Se faço isso com excesso de veemencia, é porque já estou ficando de saco cheio de ouvir sempre as mesmas bobagens. Peço perdão se fui rude, não é essa minha intenção.

          Sem mais.

          0
  • Zé Bolha 29 de junho de 2012 at 19:04

    Questão para os entendedores, pra eu colocar no meu bizuário da bolha:

    “velocidade das vendas anual (porcentual de imóveis vendidos diante do estoque total)”. Vou chamar de VVa = Va / Ea

    Como se faz a conta:
    Va = soma de todos os imóveis primeira locação vendidos no ano?
    Ea = soma de todos os imóveis que foram entregues prontos no ano?

    Imagino que flutue bem, pois bons resultados de venda hoje (Va alto -> VVa sobe), converte estoque em fluxo de caixa nas construtoras, fazendo com que elas invistam levando a um estoque maior em até de 3 a 5 anos à frente; aí a demanda, momentaneamente atendida, diminui e a velocidade de vendas também (Ea sobe, Va cai -> VVa cai).
    E assim vai (iria) flutuando dentro de uma faixa aceitável de VVa do ponto de vista financeiro: dinheiro empatado no estoque versus necessidade de fluxo de caixa.
    Se este meu blá blá blá não está errado, qual faixa de valores para VVa seria considerada normal? O mercado considera alguma uma faixa como normal para VVa?

    No meio da rampa bolhuda VVa bateu 100%? Tinha lançamento com gente na fila 05:00 da manhã com um copo de café-com-leite numa mão e o copo de água-com-sabão e a argolinha pra fazer bolha na outra.

    Se ano passado eu tinha 100 de estoque e vendi 95, cair 13 pontos poderia ser uma flutuação normal (não, sabemos dos outros indicadores). Mas se eu tinha 100 e vendi 20, cair 13 é PLOC MONSTER!!!

    … chato eu, muitas perguntas.

    0
  • Silas Coul 29 de junho de 2012 at 19:13

    Gostaria de dar os parabens ao blog e aos usuários. Há cerca de 1 ano entrei aqui e meus olhos foram abertos para o problema. Agora há pouco, vejo uma apresentadora de um jornal da globonews falar de boca cheia “e essa bolha imobiliária, como fica?” E o chefe de uma corretora de ações dá as mesmas explicações os usuários do blog já citavam há um ano. Não sei se passaram a entrevistar as pessoas certas ou esses especialistas só se tocaram agora.

    0
    • ch0qw3 29 de junho de 2012 at 19:20

      Tinha que achar o link para esse vídeo. Vou dar uma procurada!

      0
    • RosinhA 29 de junho de 2012 at 19:35

      Que nada o chefe da corretora lê o blog todo dia, apenas usou-se control C

      In MJ he trust.

      0
    • Virginia 29 de junho de 2012 at 21:48

      Nem! É que antes ainda dava pra esconder… Agora não tem outro remédio a não ser ir cedendo, para não parecer tão palhaço num futuro próximo!

      0
    • AF 29 de junho de 2012 at 22:46

      Tá aí

      “http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/t/todos-os-videos/v/bolsa-de-valores-de-sao-paulo-fecha-com-maior-alta-em-tres-semanas/2018321/”

      07:02

      0
      • Riodetudo 29 de junho de 2012 at 23:05

        Parece que a festa dos imóveis acabou mesmo. O ultimo que sair, apaga a luz (se o imóvel ficar pronto…)

        0
        • AF 30 de junho de 2012 at 09:24

          Tem um outro também:

          “http://terratv.terra.com.br/Noticias/Noticia-do-Internauta/5006-421716/Homem-toma-pilula-e-morre-durante-condenacao-em-tribunal.htm”

          0
  • Ze Bom Dirolo 29 de junho de 2012 at 19:30

    Atenção senhores corretores. A partir de hoje compro o imóvel que você está vendendo….desde que seja com

    35 %

    DE DESCONTO. Até o mês passado eu estava pagando com 30%.

    Caso contrário, vai uma dica:

    Simpatia: Para vender um imóvel.

    Junte 100 folhas de manjericão, 100 de eucalipto e 100 de alecrim. Reze um pai nosso e peça a Deus que lhe ajude a vender o imóvel. Faça um belo pacote com todas essas folhas, como se fosse um presente. Em seguida procure deixá-lo num cartório de imóveis que não seja próximo de sua propriedade. Procure não voltar neste cartório até que realize o seu desejo e faça segredo.

    http://www.folhavitoria.com.br/geral/blogs/espacoastral/2012/03/21/conheca-uma-simpatia-para-vender-um-imovel.html

    0
  • Futuro comprador 29 de junho de 2012 at 19:37

    Deu na globonews, jornalista falando de boca cheia “bolha imobiliária” e dizendo que está torcendo para que os preços caiam para comprar seu cantinho. (video de cerca de 9 minutos assista a partir do setimo minuto)

    http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/t/todos-os-videos/v/bolsa-de-valores-de-sao-paulo-fecha-com-maior-alta-em-tres-semanas/2018321/

    0
    • Leno 30 de junho de 2012 at 00:31

      Cacildis!!

      Ela falou mesmo, direto e reto, sem eufemismo nenhum “Essa bolha imobiliária”. Se amanhã ela não estiver mais trabalhando lá já sabemos porque.

      0
  • Curioso 29 de junho de 2012 at 19:45

    Contando os dias pra ver os corretores do meu bairro baixarem a crista, mas por enquanto ainda se vende muito na região onde procuro… No início do mês fomos visitar um apartamento bolhudo (na minha OH 1000 THE opinião, parafraseando o GB) e adivinha? O FDP do corretor me ligou hoje pra dizer que foi vendido!!! pqp! Como tem trouxa nessa vida!

    0
  • Daniel Ribeiro 29 de junho de 2012 at 19:56

    Hoje eu dei uma volta a pé aqui pelo meu bairro (Icaraí – Niterói – RJ), há vários prédios de 5 ou 6 andares sendo demolidos para construção de novos empreendimentos. Para comprar prédios inteiros num momento desses tem que pagar o que os proprietários pedem, não é uma coisa barata. No meio da demolição já tem corretor sentando na calçada com placa “antecipe-se” ao lançamento . Como pode um negócio desses, eles já compraram esses imoveis a preços bolhudos, se não conseguirem vender vão quebrar.

    0
    • Eumesmo 29 de junho de 2012 at 21:20

      é q eles prometem aos pobres proprietários uma unidade novinha no prédio q será construído. Em regra, é assim que funciona.

      agora imagine só a decepção do cara q tinha um apartamento, acreditou no maravilhoso e único empreendimento com varanda goumert, academia, e piscina e descobrir q, se o prédio subir mesmo, o apartamento virá todo torto com material de 3ª ou 4ª, e por um precinho de fim de “murchamento” da bolha? claro q ainda corre o risco da construtora sólida com quem fechou negócio, não resistir a 1ª marolinha da crise q está chegando, e ficar sem nada mesmo.
      estouro da bolha é ruim pra praticamente todo mundo. azar da maioria, desta vez sou minoria.

      0
      • Daniel Ribeiro 29 de junho de 2012 at 23:43

        Eu acho que essa pressa toda de vender o tal do pré-lançamento (que é vapor e mais nada) é uma tentativa desesperada de captar dinheiro para terminar as obras em andamento, e não captar dinheiro para aquele empreendimento especifico. Isso aconteceu muito no inicio dos anos 70 quando houve um boom imobiliario semelhante, e muita gente perdeu todas as economias comprando aps na planta. É como aquela brincadeira da dança da cadeira, quando a música parar quem está em pé (ou melhor, quem não está com o prédio em pé) vai se lascar.

        0
  • Paulo 29 de junho de 2012 at 20:01

    Pessoal,

    Vendi meu imóvel a semana passada.
    Preço no zapt: 4872 o m².
    Preço real de venda: 4310 o m².
    12% de desconto em cima do zapt.
    Agora estou na dúvida se compro o imóvel que gostei ou moro de aluguel e espero, de camarote, o preço baixar.

    0
  • mauricio 29 de junho de 2012 at 20:50

    20% de sobreoferta

    mais uns 30% de investidores em sobreoferta

    endividamento e inadimplencia record

    OU SEJA:

    NÃO HÁ DEFICIT NENHUM!

    (cadê o deficit agora?)

    0
  • Marcos 29 de junho de 2012 at 20:57

    Vocês não entendem nada de mercado imobiliário, a tendência é dobrar de preço a cada ano. Na próxima semana, se o Corinthians ganhar a libertadores os imóveis deveram aumentar em pelo menos 50%, já se o boca ganhar a tendência é aumentar em 60%. O PT é um partido que tem poucos ladrões. Imóvel nunca perde valor. Faltou apenas um: 2+2=3

    0
  • Deurges 29 de junho de 2012 at 20:59

    Acabei de saber que a Capital Rossi vai devolver a grana de quem comprou esse empreendimento por não ter conseguido vender o mínimo para construir.

    “http://www.rossiresidencial.com.br/empreendimentos/pa/ananindeua/centro/vista-do-lago-pracas.aspx?id=SE-8103”

    Queriam vender imóvel classe E com preço de classe A.

    O mais engraçado foi a historia do nome desse empreendimento, como ele fica perto um condomínio de luxo aqui, onde vários políticos moram, o “Lago Azul”, eles deram esse nome “Vista do Lago Praças”, “Vista do Lago” pelo obvio e “Praças” para parecer mais chique, e olha que os recusaram vários nomes bons.

    E esse não deve ser o único.

    0
  • CAMBALHOTA 29 de junho de 2012 at 21:58

    Ainda bem que meu din din está na poupança velha. Mas mesmo os menos esclarecidos irão prestar mais atenção nos belíssimos movimentos do governo à partir de notícias como esta.

    http://oglobo.globo.com/economia/pela-primeira-vez-poupanca-tera-rendimento-menor-que-050-ao-mes-5357872

    0
    • Vampirito79 29 de junho de 2012 at 23:22

      Ta loko… agora ferrou se. o duro eh se correr o bicho pega e se ficar o bicho come. Não tem saída. Governo do carvalho.

      0
      • Daniel Ribeiro 29 de junho de 2012 at 23:34

        O problema todo é que atualmente não existe NENHUMA aplicação que te garanta ao menos preservar o dinheiro da inflação. Estamos numa situação pior do que estavamos nos anos 80, pois naquela época apesar da hiperinflação existiam várias modalidades de investimentos simplificados que acompanhavam os indices inflacionarios reais ou até mesmo os superavam. Não há mais como juntar dinheiro, é melhor comprar tudo em cerveja pra vender na esquina com ágio.

        0
        • Vampirito79 29 de junho de 2012 at 23:55

          De uma certa forma é o que eles querem que façamos, sacamos o dinheiro da porpança da dirma e gastemos, pois ela nao rende migalhas nenhuma mesmo.

          0
        • Cleyton 30 de junho de 2012 at 13:04

          Tem razão Daniel, isso é o que eu venho falando, que o real é uma moeda de base nominal.

          Parece coisa de criança, os índices são tratados em sua maioria “fazendo de conta” que não tem inflação, mas tem, então calculo que 6% hoje equivaleriam a 20% na forma antiga, com a diferença que o salário não acompanha mais.

          É só ver que antigamente repondo a inflação tava beleza, hoje em dia todo mundo exige ganho real que no fim também acaba defasado.

          0
          • Daniel Ribeiro 30 de junho de 2012 at 22:47

            O problema todo é que enfiaram na cabeça das sardinhas que é possivel efetivamente ganhar dinheiro sem trabalhar. Eu tenho uma amiga que é funcionária pública e vai a todas essas palestras sobre investimentos, se acha o Naji Nahas de saias. Ela jura que consegue fazer com facilidade 30% ao ano investindo corretamente e com segurança de investimento conservador. E acha também que a poupança antiga era coisa pra idiota sem “educação financeira”, usando os termos que ela aprendeu nessas palestras. O que me assusta é que a maior parte da classe média que tem curso superior pensa exatamente igual a ela, e não há santo que tire da cabeça da criatura isso.

            0
          • Daniel Ribeiro 30 de junho de 2012 at 22:53

            Isso sem falar que o governo vem se empenhando em desindexar a economia em tudo que possa proporcionar alguma segurança financeira ao cidadão, mas na hora do governo receber é tudo indexadinho bonitinho igualzinho nos anos 80.

            0
            • Cleyton 30 de junho de 2012 at 23:59

              Perfeito, “Seja feita a vossa vontade” beleza, mas na hora do “Venha a nós o vosso reino” necas.

              0
    • ray 30 de junho de 2012 at 00:46

      As pesoas falam aqui do tesouro direto.. .alguém tem mais info?

      0
      • xyz 30 de junho de 2012 at 10:06

        Tesouro direto é venda direta de títulos públicos para pessoas físicas.
        Para comprar é necessário a intermediação de um agente financeiro (banco ou corretora), mas tudo pode ser feito pela Internet.
        O imposto de renda é igual às aplicações em fundos (varia de 22,5 a 15%, sobre o valor do rendimento, dependendo do tempo de aplicação).
        Paga-se ainda taxa de custódia (acho que á 0,3 ou 0,4% aa) e taxa do agente financeiro que varia de 0% a 1% (alguns não cobram).
        Todo título tem um vencimento, mas o governo garante a recompra do título antes do vencimento pelo preço de mercado (uma vez por semana é possível vender títulos que ainda não venceram).
        Há títulos indexados à selic e títulos indexados pela inflação (oficial, não tem mais IGPM).

        0
      • Thomas 30 de junho de 2012 at 17:46

        Eu até tenho umas aplicações em tesouro direto, mas depois que fiquei sabendo que o governo criou a Engea (Empresa gestora de ativos) para transferir os créditos podres dos bancos para o Tesouro Nacional, comecei a ficar apreensivo.

        O povão compra carro a 60x “sem juros”, não consegue pagar a dívida que acaba parando nas contas do Tesouro Nacional, isto é, nas costas de todo mundo que paga imposto.

        Com a crise internacional a atividade econômica cai, as dívidas aumentam, a arrecadação dos impostos cai, e o caixa do governo fica no vermelho.

        A questão é saber se o governo vai dar calote primeiro nos poupadores brasileiros ou nos investidores estrangeiros que já estão vendendo os títulos para cair fora daqui.

        No Brasil quem faz as coisas certas sempre se dá mal, o precedente não nos é muito favorável.

        0
        • Cleyton 30 de junho de 2012 at 18:16

          Devagar aí Thomas, a Engea por enquanto vai só comprar, não creio que essa dívida vá para o tesouro, mas se for melhor ainda, como a dívida será maior o risco também será, e com eles os juros!

          No fim o governo vai ter que aumentar impostos pra pagar a dívida e os juros do tesouro serão um tipo de restituição aos poupadores, a menos é claro que dê calote, mas aí o estrago vai ser ainda maior.

          Nas que tenho não vou mexer, não aplico mais porque agora o governo está desdenhando, no fim ele vai precisar e aí conversaremos novamente.

          0
          • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 22:01

            O governo autorizou a EMGEA a comprar os títulos dos bancos privados também…

            Detalhe, a podrebrás, foi criada desde 2001, a coisa já era arquitetada faz tempo.

            0
        • xyz 30 de junho de 2012 at 18:18

          Amigo,

          Acho que este governo vai quebrar o país e pode dar calote, mas os ativos podres assumidos pelo tesouro não têm nada a ver com o tesouro direto.

          Teoricamente título público é mais “seguro” que poupança, mas às vezes os países quebram e dão calote.

          0
          • Cleyton 30 de junho de 2012 at 18:28

            Tem razão em partes, formalmente o tesouro direto é um programa governamental para dar acesso à população ao mercado secundário de títulos públicos (o primário é fechado à 11 bancos).

            Só que a dívida é a mesma, no primário, secundário e direto, então não se pode dizer que “não tem nada a ver” porque tem sim.

            0
  • Miguel Jacó 29 de junho de 2012 at 22:25

    1) A festa acabou.

    2) Não esperem que os integrantes do circo imobiliário admitam isso agora. Eles só vão admitir quando os preços estiverem lá embaixo, e culparão o governo e os “especuladores internacionais”.

    3)A bolha já estourou, só não vê quem não quer…30% de queda será o mínimo para “começarem a vender alguma coisa” novamente.
    Em algumas regiões, o mínimo de queda será de 50% (como RJ e SP capitais).

    Observem bem o que aquele maluco, de sobrenome Jacó, escreveu em março/2012:

    “Miguel Jacó disse:
    março 27th, 2012 at 17:43

    O Dia D já ocorreu, as pessoas agora estão se entreolhando incrédulas no que está ocorrendo.
    Não tive tempo ainda de estimar a sonhada Data Da Mínima, mas com certeza EU não compraria NADA antes de outubro de 2012 (isto é apenas um forte pressentimento, nada mais).
    Especialistas andam dizendo que a indústria não é mais fator determinante no percentual de empregados no país, não acreditem nestas pessoas.
    O governo finalmente começará a baixar os impostos, pois não tem mais saídas, ou faz isso ou o país quebra, todas as irresponsabilidades passadas e presentes chegaram ao limite.”

    0
    • Mauricio 30 de junho de 2012 at 08:14

      Na minha opinião a bolha ainda não estourou, os preços estão estabilizados e com descontos pontuais. Provavelmente os imóveis terão uma queda de preços de forma gradual e não abupta, mas de qualquer forma isto não será o paraíso que muitos imaginam. A recessão que está por vir até 2016 e consequentemente com ela a queda do valor de muitos bens, terá como consequencia a perda generalizada do poder de compra, mesmo com preços inferiores. Muitos que hoje imaginam que com suas economias poderão comprar imóveis estarão comprometendo as mesmas para despesas básicas devido a perda de renda e de emprego.

      0
    • simone 30 de junho de 2012 at 13:59

      Linha branca e móveis ganham redução de IPI
      O governo prorrogou a redução do IPI para os segmentos de linha branca (dois meses) e móveis (três meses). Como contrapartida, os fabricantes terão de repassar a vantagem ao consumidor e manter o nível de emprego.

      0
  • Diogo 29 de junho de 2012 at 22:29

    Boa noite, pessoal.

    Acompanho os comentários há muito tempo, porém nunca comentei. Gostaria de parabenizar o responsável ( ou responsáveis ) pelo site. Realmente foi uma bela iniciativa e é uma das poucas alternativas onde se pode ler, diferentemente da grande mídia, informações isentas de interesses.
    O que mais incomoda nas notícias veiculadas é que não apresentam embasamento nenhum. As pessoas apenas falam que imóvel nunca desvaloriza e ponto. Aqui não culpo somente os corretores, mas também os potenciais compradores. A ideia é comprar um imóvel que já está absurdamente caro para obter um lucro exorbitante em cima desse imóvel que será vendido para um desavisado que ficará a vida inteira pagando. Todo mundo querendo passar a perna no próximo.

    Tenho dois relatos:

    1) Moro na cidade de Osasco e hoje, andando pelo bairro onde moro, passei em frente a um empreendimento que foi entregue há pouco mais de um ano. Tinha quase vinte placas de vende ou aluga.

    2) Recebi o e-mail abaixo. Mais alguém recebeu? O nome do endereço de e-mail está diferente do nome apresentado no corpo da mensagem. O desespero está tão grande que os caras estão apelando oferecendo emprego de corretor para pegar o contato e tentar vender algo?

    Boa noite ,

    Meu nome é xxx , sou superintendente de vendas , venho através deste e-mail convidar você para trabalhar como corretor imobiliário no maior grupo de intermediações imobiliárias da américa latina , [Nome do grupo] .

    Inicio imediato para os seguintes produtos :

    Lançamento dia 23/06/2012 já registrado na prefeitura .

    [Links de três empreendimentos.Dois em São Paulo e um em Taboão da Serra.]

    Caso tenha interesse , favor responder este e-mail com nome e telefone de contato.

    0
    • Leno 30 de junho de 2012 at 00:17

      Eu também recebi este email ridículo.

      Querem criar uma bolha de corretores para tentar diminuir o estoque encalhado. Afinal, corretor não tem custo nenhum, então quanto mais melhor.

      0
  • Miguel Jacó 29 de junho de 2012 at 22:50

    Pessoal, o medo da Bolha Imobiliária já está na boca do povo, dos jornais e da internet:

    1) O Imparcial Ricardo Amorim, apresentador da GloboNews, apresenta argumentos fortíssimos para ficarmos tranquilos, e falou pela primeira vez na palavra “medo”:

    “O Medo da Bolha Imobiliária
    “Se você vem adiando o sonho da casa própria por este medo, relaxe”

    “http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/colunista/35_O+MEDO+DA+BOLHA+IMOBILIARIA

    2) Site de corretores ‘webcorretores”
    “Cresce receio sobre bolha imobiliária no País”

    “http://www.clippingimoveis.com.br/2012/06/cresce-receio-sobre-bolha-imobiliaria.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+ClippingImveis+%28Clipping+Im%C3%B3veis%29

    O especialista cita que o cara que prevê a Bolha no Brasil é o mesmo que previu a bolha da internet e a bolha dos EUA. Também apresenta argumentos contra a bolha, sobre os quais já não não tenho ânimo para comentar.

    0
    • Mark 29 de junho de 2012 at 23:46

      O “pelo menos em breve.” dele já joga o texto inteiro no lixo.

      0
    • Vampirito79 29 de junho de 2012 at 23:49

      Força Profeta, não desanime não. Estamos todos contigo e no mesmo barco.

      0
  • Daniel Ribeiro 29 de junho de 2012 at 23:05

    Ontem estive com uma corretora que foi colocar a casa da minha mãe a venda. Segundo ela, o mercado está aquecido e continuam vendendo tudo rapidamente, que 2 quartos de 1.200.000 no Arpoador vende em 1 semana.

    Eu acho que esse pessoal acha que repetindo um absurdo desses, a coisa se transforma em realidade.

    0
    • CapEnt 29 de junho de 2012 at 23:52

      Trata-se da variante pró-positiva da superstição que falar “coisa ruim” atrai ela.

      É mania do nosso povo, ele adora se enganar mesmo após a verdade atropelar ele.

      0
  • peterson 30 de junho de 2012 at 01:05

    o Brasil não faliu
    a bolha não estourou
    os preços não despencaram
    o desemprego não galopou
    a crise não contaminou o mercado
    resumindo todos profetas que dataram para junho erraram pois amanhã já é julho.
    como eu disse a realidade sempre confirma quem tá certo. Prepotente, arrogante, semi-deus, o que mais? , egocentrico,petralha, bla bla bla, até agora eu estava certo… tudo segue se adaptando como eu disse que iria ser… querem saber o que acontece nesta etapa, leiam meus posts de meses atraz, eu disse: os estoques aumentam e cantei a bola para outra coisa que ainda vai acontecer logo logo… e eu sou foda mesmo! acertei mais uma… simples e complexo.

    0
    • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 01:18

      Completamente endividados e não falimos?
      Desemprego completamente maquiado;
      Vc é burro ou se faz? o que mais se fala aqui é em queda nos próximos meses;
      Não contaminou o mercado? E os pacotes desesperados são o que?

      Entendi, a bolsa deu uma subidinha pra cair depois da reunião da cúpula européia e vc acha que está tudo bem?

      Cabeça enterrada feito avestruz?

      Investidor desesperado com o fim da farra?

      Não sei qual é a sua, mas pode cair fora que aqui ninguém será escravo de ninguém, a crise é péssima, mas o remédio amargo está a caminho e quanto a você, cai fora seu mané!!!!!!!

      Ps: Nem precisa vir querer me responder pq já tive que fazer um esforço enorme pra responder as suas imbecilidades primárias, não o farei novamente.

      0
      • Ed_Bolha 30 de junho de 2012 at 08:06

        super apoiado Andre Luis… apenas o simples fato de uma pessoa querer diminuir e menosprezar outras publicamente e ainda escrever “eu sou foda mesmo”, isso por si so ja mostra que so pode vir de um asno.

        0
        • FRK 30 de junho de 2012 at 19:03

          Peterson… só sobre esse comentário…

          “os preços não despencaram”

          Parece que você não andou lendo o blog nas últimas semanas, com dezenas de relatos de imóveis com os preços abaixando. Parece também que não andou lendo dezenas de jornais, com muitas, muitas matérias falando sobre receio de investidores, mercado em queda, pra não mencionar o título dessa matéria, que fala dos estoques se acumulando (e apenas nas mãos das construtoras).

          Lembro que você fez muito boas contribuições, mas aqui errou feio heim.

          Aqui no meu condomínio tem 4 unidades a venda a mais de 1 ano, e todas sem exceção já abaixaram os preços, e continuam encalhadas.

          abs

          0
    • Marcos 30 de junho de 2012 at 07:11

      Esse peterson ė lunático

      0
      • peterson 2 de julho de 2012 at 01:25

        acrescentado à lista dos invejosos….

        0
    • GB 30 de junho de 2012 at 07:14

      O Cirilo voltou !!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Mas nem o mais otimista esperava nada para junho, eu particulamente acho que as coisas vão degringolar após as eleições, o governo vai fazer tudo o que for possível para enrolar até lá e o pessoal votar no pessoal dele.

      0
      • Cleyton 30 de junho de 2012 at 13:31

        Sei lá, mas acho que o último capítulo da cartilha keynesiana do governo recomenda aumentar os gastos para incentiva o “espírito animal” [sic) dos empreendedores quando as ações do banco central começarem a surtir menos efeito.

        Não sei se o BC já tá nessa merda mas o último pacote já me parece o “tudo o que for possível”, vai faltar cartucho ou carta na manga.

        0
    • ch0qw3 30 de junho de 2012 at 09:00

      Acho que este cidadão não está passando bem. No mínimo sofre de algum distúrbio muito sério: alienação!

      Olha o mercado, meu caro. Está tudo claro como água. O problema é feio mesmo!

      0
    • xyz 30 de junho de 2012 at 09:41

      Não é fácil quebrar um gigante como o Brasil, mas vocês do PT conseguirão.

      0
      • GB 30 de junho de 2012 at 09:54

        Gigantes de verdade não vendem só commodities.

        A Alemanha é a maior exportadora de barras de chocolate, mas não tem nenhum pé de cacau em seu território, devíamos aprender algo com eles.

        O Brazil queria que os EUA aceitássem usar o etanol pensando em vender para eles, pronto, aceitaram e agora eles vendem para nós, isso não é estranho ?

        0
    • Pedro 30 de junho de 2012 at 09:53

      Essas criancas acreditam em imprensa, xuxa e AAS infantil….

      O buraco e mais embaixo.

      Benvindo novamente

      0
    • RosinhA 30 de junho de 2012 at 15:05

      Hehehe eu só falo desse jeito quando perdi muito $$$$, tomara que não seja seu caso Peterson

      0
      • peterson 2 de julho de 2012 at 01:36

        perdi 10k esta semana RO … vacilei no par USD X JPY , mas recuperei no par EUR X USD e dobrei com o par USD X CHF… eu so desabafei aqui, pois sou um cara metodológico, odeio profecias, acho uma idiotisse afirmar que “a logica nem sempre tem razão” que ” as emoções determinam as resistencias” que ” o coração que faz ter sentido” , o “sucesso está para quem corre atraz” … sinceramente bando de fracassado quem pensa assim, pois essas sao as frases mais seguidas pelos que menos tem sucesso na vida, ou seja a maioria…. a verdade é que a razão produz a lógica, as resistencias são fatores da emoção, o sentido que faz seu coração (vontade), o sucesso está para quem se adianta em tudo (supera)… assim faz sentido a quantidade de frustrados por metro quadrado nesta terra, pois já pensam como derrotados…. simples e complexo. resumindo tem bolha, não estourou, mas vai estourar, mas n sera logo e o Brasil seguirá em frente … ps>: acertei mais uma, havia dito que os brasileiros não iriam colaborar no estouro da bolha dos carros, pois é, vejam os numeros de venda de junho…bateu recorde historico…

        0
        • RosinhA 2 de julho de 2012 at 07:53

          As profecias são brincadeiras Peter, o MJ é bem racional pode ver em seus comentários.

          o sucesso está para quem se adianta em tudo (supera)…

          Esta frase uso desde que me conheço por gente

          0
  • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 03:04

    Enchi….
    Em alinhamento ecliptico galatico com a cabala do Profeta Miguel Jacó, apresento minha Astrologia Quantica, baseada na bola de puríssimo Cristal de Orion….(Ave!!!)

    Caros bolhudos de encarnação, diante do final da luz no tunel do MCE, se houver nas 2 proximas semanas a continução de dados positivos no seio do MCE… vamos todos para a barca de Noé pois o Dilmanic não vai segurar a bolsa… haverá a saída ou entrada negativa de investimentos estrangeiros, a bolsa não superará 54.000 pts comt tendencia a fechar julho com 46.000 pts… muita movimentação, todo mundo correndo atrás do rabo…. a cobra vai fumá…. (Saravá !!!!)

    se nas próximas 2 semanas Obama se fortalecer ou se manter nas pesquisas para reeleição e os numeros de USA forem os esperados ou positivos …. Real vai cair (junto com todas as moedas) mas Dollar vai se valorizar …. aumenta a divida… inflação a vista ´´e causando muitas infrações do governo para segurar outras petecas …. (é um momento ZEN … ZEN $$$$, ZEN $$$$, ZEN $$$)

    O que deve ocorrer diante desses 2 quadros é que os investimentos estrangeiros as suas casas retornam, pois os emergentes estarão muito mais voláteis … Veremos muitas chinesinhas no espaço… e ainda iremos recitar … minha terra tinha palmeiras onde cantava um sabiá… só que disso eu não sabia….

    Será o começo da bancarota dos emergentes, e no caso do Brasil principalmente se o governo quiser manter a qq custo até as eleições em 2013 teremos de cara … aumentos estrondosos na Energia Elétrica, gás e gasolina (não necessáriamente nesta ordem )))..Vamos te que reza, sugiro pegarem a dica da mãe Rosinha no site macumba.com, para podê se defendê….

    Natal estará alinhado com o perfil da moda …. anoréxico….

    Encerro por hoje minhas visões, muitas interfeerências negativas… deve ter corretô por aqui…

    e desejo ao mestre Miguel Jacó, que com sua numerologia cabalistica agnóstica (em contraponto ao Peterson, que poderia ser mais contribuinte, mas temos que dar desconto pelo fato diagnosticado dele estar na fase simples- complexo, que não permte que ele avance no mesmo ritmo da liturgia), e claro sempre disposta e aberta a visões contrárias…

    Que a Sol e Miguel Jacó estejam em seus corações e mentes… e que GAYA nos aguente… por que num vai dá…

    0
  • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 03:08

    Caro Miguel Jacó…. quiz encher o saco do Peterson e não conclui que desejo um bom final de semana pra ti, e pra nós… (inclusive pro cê viu Pet, te odeio não….)

    0
  • Fabiano 30 de junho de 2012 at 07:01

    A MAROLINHA ESTA VIRANDO TSUNAMI AQUI NO VALE DO PARAIBA AS DEMISSÕES NÃO PARAM DESDE O COMEÇO DO ANO , TENHO 3 AMIGOS QUE ESTÃO DESEMPREGADOS UM DELES FOI DEMITIDO DA EMBRAER A POUCO TEMPO.

    1.500 empregados da GM correm risco de demissão

    Desativação da linha de produção dos modelos Corsa, Meriva e Zafira preocupa os trabalhadores

    Arthur Costa
    São José dos Campos

    Cerca de 1.500 empregos na unidade da General Motors de São José dos Campos devem ser demitidos nos próximos meses.
    A confirmação do fim da produção da linha conhecida como MVA, responsável pela produção dos veículos Corsa, Meriva e Zafira teria sido feita ontem pela GM ao Sindicato dos Metalúrgicos.
    “Está cada vez mais claro que a General Motors está preparando uma demissão em massa”, disse o presidente do sindicato, Antonio Ferreira Barros, o Macapá.
    Ele se encontrou, ao lado do secretário-geral do sindicato, Luís Carlos Prates, o Mancha, com o diretor de Assuntos Institucionais da montadora, Luiz Moan, para discutir a situação da unidade da GM em São José.
    Segundo Macapá, Moan afirmou que os veículos produzidos no MVA vão deixar de ser produzidos, mas não precisou uma data.
    Quando o PDV (Programa de Demissão Voluntária) foi implantado em São José, Moan confirmou a O VALE que os veículos produzidos no MVA não estavam bem no mercado –as minivans Meriva e Zafira chegaram ao mercado há 10 anos.
    Ontem, a GM não se manifestou sobre o assunto.

    Solução. Outro tema tratado no encontro foi a transferência de produção do modelo Classic para São José, medida que poderia garantir a manutenção dos postos de trabalho no MVA –atualmente, o Classic é produzido em São Caetano do Sul e em Rosário, na Argentina.
    Macapá salientou que a GM disse “não ter veto para discutir novos investimentos”, mas não confirmou a transferência de produção do modelo.

    Reação. O sindicato prometeu intensificar suas mobilizações na próxima semana. Na segunda-feira termina o prazo de adesão ao PDV.
    “A empresa tem feito uma pressão forte para que os trabalhadores entrem no PDV, inclusive em supervisores. Vamos organizar mobilizações em São José, Brasília e vamos sensibilizar a GM”, disse Macapá.
    Uma nova reunião, desta vez com a presença do Ministério do Trabalho, está marcada entre GM e sindicato para a semana do dia 23 de julho. Os metalúrgicos tentam confirmar a participação da Prefeitura de São José e do governo do Estado.

    Impacto. Para o diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São José, Almir Fernandes, a extinção do MVA era algo esperado e resultado da falta de sensibilidade do sindicato para negociar com a GM.

    Volkswagen implanta PDV em Taubaté
    Taubaté

    A Volkswagen implantou ontem um PDV em sua unidade de Taubaté.
    A medida seria voltada aos aposentados que buscam deixar a empresa, afirma o sindicato da categoria.
    O programa faz parte do pacote de investimentos anunciado no início do ano para dobrar a produção da fábrica e estaria previsto para os próximos anos.
    Nos PDVs implantados em 2012, os trabalhadores recebem 0,7 salário por ano trabalhado. De 2013 a 2016, o benefício será de 0,4 salário por ano trabalhado.
    O sindicato fez questão de afirmar que a medida é diferente do PDV da GM em São José e que tem como objetivo preparar o trabalhador para sua aposentadoria.
    A entidade ressaltou que a produção na fábrica está próxima aos 75% de capacidade máxima. Os sábados de expediente que haviam sido extintos por excesso de estoque já foram retomados.

    Outro lado. A Volks não se manifestou sobre o assunto. A unidade da montadora em Taubaté emprega cerca de 5.200 trabalhadores.

    Orion entra no 4º dia de greve
    São José dos Campos

    Trabalhadores da Orion, empresa fornecedora da indústria automotiva da zona leste de São José, completam hoje quatro dias mobilizados contra o impasse nas negociações da PLR (Participação nos Lucros ou Resultados) 2012.
    Ontem, as conversas não avançaram. Curiosamente, uma comissão formada por funcionários negocia com a empresa, em vez do Sindicato dos Metalúrgicos.
    A proposta da empresa chegou a R$ 200. O sindicato reivindica R$ 1.200, em duas parcelas de R$ 600.
    Na tarde de ontem, a Orion chegou a oferecer uma proposta imediatamente rejeitada pelos funcionários que, ao invés de PLR, tratava de um reajuste salarial de 7,3% aos trabalhadores, sendo de 6,5% para aqueles que ganham mais do que R$ 2.000.
    A proposta também contemplava um abono que variava de R$ 50 a R$ 100 atrelado à metas de faturamento.
    A Orion possui cerca de 400 trabalhadores.

    Outro lado. O VALE tentou contato por telefone com a empresa, no entanto, ninguém retornou as ligações.

    Acordo. Chegou ao fim ontem mais uma greve dos trabalhadores da Sadefem, de Jacareí.
    A décima paralisação no ano havia começado há 12 dias, por falta de depósito do FGTS e INSS, atraso no pagamento de salário e suspensão de convênio médico.
    A suspensão da greve ocorreu após a empresa se comprometer a acertar a situação dos funcionários na próxima semana.
    A Sadefem tem cerca de 400 trabalhadores.

    0
    • GB 30 de junho de 2012 at 07:21

      Yeah !!!!

      Sindicato é que nem corretor, outra praga.

      Daqui a pouco essas empresas vão dar cursos de elaboração de Curriculum para esse pessoal.

      0
    • CapEnt 30 de junho de 2012 at 13:54

      Se montadora está abrindo o bico, pare para imaginar os fornecedores dela.

      0
  • Mauricio 30 de junho de 2012 at 08:29

    Imaginem isso na Copa…..Eta Brasil Véio

    Roubada durante a Rio+20, africana não consegue deixar o Brasil
    30 de junho de 2012
    Integrante da delegação do Níger que participou da Rio+20, Hadijatou Aboubacar teve os documentos roubados no Rio de Janeiro e ainda não conseguiu retornar ao país natal, na região subsaariana da África. Em entrevista ao Jornal da Globo, ela chorou e pediu que autoridades intercedam para que consiga voltar para casa a tempo de assistir ao casamento de um dos seus cinco filhos, no próximo dia 14. O Itamaraty informou que a estrangeira procurou, na última quinta-feira, o escritório no Rio de Janeiro, mas que o caso é de responsabilidade da na diplomacia da nação africana e o governo brasileiro pode ajudar apenas “dentro do possível”.

    Como o Níger não tem embaixada no Brasil, a nigerina ligou para os representantes do país em Nova York (Estados Unidos), porém os documentos ainda não foram encaminhados e o entrave prossegue. Hadijatou chegou ao Rio de Janeiro no dia 19 de junho e participou de várias discussões da Rio + 20. No dia 23, um dia antes de retornar, teve o passaporte roubado dentro de um shopping no bairro de Botafogo. Ela fez o registro de ocorrência, mas, mesmo com uma prova do assalto na mão, não conseguiu embarcar de volta pra casa, já que o avião faria uma escala em Roma e as autoridades italianas não autorizaram a viagem sem passaporte original. Desde então, a africana está hospedada na casa de uma professora de inglês que fazia traduções para participantes da Rio+20.

    0
    • amadeos de sampa 1 de julho de 2012 at 12:19

      saiu da Africa pra vir pra Selva, so podia dar nisso.

      0
  • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 09:37

    Consumo, consumo e mais consumo.

    “Mantega se cala sobre programas de demissão voluntária de montadoras

    O ministro da Fazenda, Guido Mantega, não quis comentar os programas de demissões voluntárias abertos por montadoras mesmo após a redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos leves. “Não vamos misturar as coisas”, disse ao ser perguntado sobre como o governo irá fiscalizar a manutenção do nível de emprego pelos setores beneficiados pela prorrogação do IPI reduzido para eletrodomésticos da linha branca e “linha marrom” (móveis, laminados, luminárias e papel de parede). A manutenção e expansão dos empregos é um dos compromissos assumidos pelos empresários reunidos nesta sexta-feira com o ministro, em São Paulo.

    Segundo Mantega, todos os meses o resultado do emprego é divulgado por setor e, para o varejo, “só tem aumentado o nível de emprego. Além disso, os salários estão aumentando, portanto a capacidade de consumo também é ampliada. [As medidas] estão dando bom resultado”, afirmou.

    Mantega afirmou que o governo trabalha para que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça mais do que no ano passado. “No segundo semestre, estaremos crescendo em ritmo entre 3,5% e 4%”, afirmou.

    Valor

    0
    • GB 30 de junho de 2012 at 09:56

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, está comprovado: Gardenal em excesso lesa o cérebro.

      Logo ele cai.

      0
      • amadeos de sampa 30 de junho de 2012 at 10:28

        pronto, agora eh oficial: Esse Mantega eh mesmo o Bobo da Corte

        0
      • RafaelK 30 de junho de 2012 at 18:55

        chamar ele de ventríloquo é até elogio!!!

        0
    • ch0qw3 30 de junho de 2012 at 10:40

      Promover o consumo quando o povo está atolado em dívidas… Evite a ressaca, mantenha-se bêbado!

      Foram pelo menos 10 anos para investir pesado em educação, ciência e tecnologia, infraestrutura visando agilidade e competitividade… o que aconteceu??? Resolveram deixar o povo feliz e, mais uma vez, o país perdeu o bonde do desenvolvimento.

      É triste!

      0
      • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 10:57

        Veja este vídeo.

        Jornal da globo com Willan Waak

        Bom, no final já escutamos a tal palavra “bolha” e como sempre, todos os setores ligados ao governo sempre nega a situação. Pasmem!

        -http://g1.globo.com/jornal-da-globo/videos/t/edicoes/v/pacote-do-governo-tenta-evitar-um-esfriamento-da-economia/2018897/

        0
    • CapEnt 30 de junho de 2012 at 13:43

      O Guido Mantega é nossa versão do Ministro da Informação do Iraque na era Saddam, o Muhammad Saeed al-Sahhaf, o famoso “Comical Ali”.

      Nem com as bombas caindo na cabeça dele, ele dizia que a guerra do Iraque havia sido perdida e que Saddam se estrepou nas comitivas com a imprensa.

      http://www.youtube.com/watch?v=W9aW1atFLMM

      0
  • fcoelho 30 de junho de 2012 at 11:12

    Apenas 3 em cada 10 brasileiros poupam algum dinheiro, diz CNI

    Levantamento realizado com 2000 pessoas de 142 municipios

    Alguns dados interessantes:
    Quanto maior a renda maior o endividamento
    36 % nao tem conta corrente

    http://oglobo.globo.com/economia/apenas-3-em-cada-10-brasileiros-poupam-algum-dinheiro-diz-cni-5178879

    0
  • simone 30 de junho de 2012 at 11:59

    Inadimplência do cartão de crédito está em quase 30%
    Quarta-Feira, 27 de Junho de 2012
    Quase 30% dos empréstimos no cartão de crédito estavam inadimplentes há mais de 90 dias no mês de maio, mostram dados divulgados pelo Banco Central. É a maior taxa entre as categorias de financiamento acompanhadas pela autoridade monetária. A inadimplência média dos consumidores e empresas foi de 6% no mês passado, o maior percentual da série história, iniciada em junho de 2000. No caso dos consumidores, a inadimplência foi de 8% no mês passado, acima dos 7,8% registrados em abril e o maior percentual desde maio de 2009. No caso da inadimplência das empresas, o percentual se manteve em 4,1% no mês passado. Além do cartão de crédito, os calotes também cresceram na categoria financiamento de veículos (de 5,9% para 6,1%), cheque especial (de 10,1% para 11,3%), crédito pessoal (de 5,6% para 5,7%) e aquisição de bens (de 13,5% para 13,9%). Apesar desse cenário de alta da inadimplência, as taxas de juros cobradas do consumidor continuaram em queda. A taxa média para pessoas físicas no mês passado caiu de 41,8% ao ano para 38,8% ao ano, a menor da história. No caso dos financiamentos para pessoas jurídicas, a queda foi de 26,3% para 25%.

    0
  • simone 30 de junho de 2012 at 12:03

    CARTÕES FAZEM CREDIÁRIO DE ATÉ 48 VEZES PARA ATRAIR NOVA CLASSE MÉDIA
    Segunda-Feira, 04 de Junho de 2012
    O crescimento do consumo da nova classe média brasileira tem levado as operadoras de cartão a ampliar o parcelamento oferecido aos consumidores. Cielo e Redecard agora oferecem linhas de crediário em suas maquininhas e a possibilidade de os consumidores fazerem as compras em até 48 prestações nas lojas.
    Especialistas em finanças pessoais, porém, recomendam cautela em parcelamentos de longo prazo.
    A Redecard acaba de lançar o Crediário Redecard. Quem tiver cartão de crédito da Caixa Econômica Federal ou do Itaú, das bandeiras Visa ou Mastercard, já pode fazer o parcelamento das compras usando a modalidade crediário.
    Nos cartões da Caixa, o parcelamento poderá ser feito em até 48 vezes. Os juros cobrados vão variar de 0,89% ao mês (para o Cartão Azul) a 1,9% ao mês (para os demais cartões).
    Nos cartões do Itaú, será possível parcelar em até 24 vezes. Os juros, nesse caso, vão variar de 0,9% ao mês a 3,9% mensais, dependendo do cartão, segundo o banco.
    O limite do crediário, nesses dois casos, estará vinculado ao limite do cartão, que é determinado pelo banco que emite o cartão e varia de acordo com cada cliente. Isso significa que, ao usar o crediário, o consumidor terá o limite do cartão reduzido.
    Consumidor pode fazer simulação antes de finalizar a compra
    Os comerciantes que recebem cartões nas maquininhas da Cielo também podem oferecer aos clientes, agora, uma linha de crediário. A parceria da operadora é com o Bradesco e o Banco do Brasil.
    Clientes que possuem o cartão de crédito Ourocard, do Banco do Brasil, podem parcelar as compras em até 48 vezes, a juros mensais que variam de 1,55% a 1,98%. O Bradesco não informou as taxas que vai cobrar nem o prazo de parcelamento que vai oferecer.
    Antes de efetivar a compra, o cliente pode pedir ao lojista uma simulação do valor que pagará se optar pelo crediário ou pelo cartão de crédito, por exemplo. Essa simulação poderá ser feita na própria maquininha.
    O parcelamento oferecido nas maquininhas da Cielo não interfere no limite do cartão de crédito. Quem usar o crediário acessará outro limite, determinado pelo banco que emitir o cartão. O limite de crédito das funções crédito e débito permanecerão inalterados.
    Empresas querem atingir a nova classe média
    O objetivo das empresas é atingir especialmente a nova classe média brasileira. “Com o crediário, conseguimos atingir um público diferente”, diz a diretora de produtos clássicos da Cielo, Mônica Berti. “Os bancos tinham linhas de crediário e queriam facilitar o acesso delas aos clientes. O que o sistema faz é uma automatização do antigo carnê.”
    O diretor-executivo da Redecard, Carlos Henrique Zanvettor, diz que o crediário da operadora estará disponível, neste início de operação, para cerca de 53 milhões de consumidores, “o que abrange majoritariamente a população pertencente à classe C”.
    Em abril, uma nova empresa de cartão de crédito chegou ao mercado prometendo oferecer parcelamentos em até 200 vezes, ou mais de 16 anos. A ideia da Shopcards era substituir os tradicionais carnês das lojas de móveis e eletrodomésticos e oferecer o cartão nos locais em que essa modalidade de pagamento geralmente não está disponível, como consultórios médicos.
    “Vamos estimular o consumo, porque hoje muitos consumidores deixam de comprar mais por causa do seu limite de crédito”, diz o vice-presidente da Shopcards, Marcello Gimenez.
    Uma das primeiras parcerias firmadas pela Shopcards foi com o Shopping D&D, em São Paulo, especializado em decoração. Até agora, porém, os cartões da empresa ainda não chegaram nas mãos dos consumidores. Segundo Gimenez, isso deve acontecer até 15 de junho. Os juros médios no parcelamento, segundo ele, serão de 3,5% ao mês.

    0
    • GB 30 de junho de 2012 at 13:14

      Corri negadis, é friis, vai levar no furévis.

      0
  • Tito 30 de junho de 2012 at 13:13

    Hoje fui ver um empreendimento em Porto Alegre, loteamento/terreno de 6 x 20, bairro afastado, entrega em 18 meses, R$ 78.000,00 parcelado em 48 meses, stand de vendas as moscas vale no maximo R$ 45.000,00, esse povo ta viajando, pedreiro R$ 150,00 por dia, jardineiro R$ 100,00 por dia, faxineira 120,00, pizza R$ 40,00 aquela redonda regular, R$ 4,00 para entregar, escolinha de crianca R$ 1 salario minimo, ta masi caro tudo que Londres com salario de 3 mundo, comedia… LE MASON E TOMBE!!! PLoc

    0
    • ch0qw3 30 de junho de 2012 at 13:30

      Que nada Tito

      Ficamos todos ricos de uma hora para outra. Não te deste conta ainda?

      *Operando no modo irônico nível 100!

      0
    • simone 30 de junho de 2012 at 13:52

      Em abril, uma nova empresa de cartão de crédito chegou ao mercado prometendo oferecer parcelamentos em até 200 vezes, ou mais de 16 anos. A ideia da Shopcards era substituir os tradicionais carnês das lojas de móveis e eletrodomésticos e oferecer o cartão nos locais em que essa modalidade de pagamento geralmente não está disponível, como consultórios médicos.
      “Vamos estimular o consumo, porque hoje muitos consumidores deixam de comprar mais por causa do seu limite de crédito”, diz o vice-presidente da Shopcards, Marcello Gimenez.
      Uma das primeiras parcerias firmadas pela Shopcards foi com o Shopping D&D, em São Paulo, especializado em decoração. Até agora, porém, os cartões da empresa ainda não chegaram nas mãos dos consumidores. Segundo Gimenez, isso deve acontecer até 15 de junho. Os juros médios no parcelamento, segundo ele, serão de 3,5% ao mês.

      0
    • Profeta dos Pampas 30 de junho de 2012 at 20:01

      Onde era Tito? Zona ultra sul?
      Fui com minha esposa lá hoje para ver uma cliente dela. A patroa é arquiteta.
      Cara tem mais prédios e loteamentos de casas na ZS de POA do que no resto da cidade..
      Se já é um inferno ir e vir da ZS em dia de semana imagina quando tudo aquilo ficar pronto…

      0
  • Raio 30 de junho de 2012 at 13:27

    Repassando, para que todos atentem para o caminho que vamos sendo levados a seguir.

    Alexandre Garcia

    05 de Junho de 2012
    Bolha de sabão
    O Rei Juan Carlos esteve com a presidente Dilma esta semana.
    Fico imaginando a chefe de estado do Brasil a dizer ao chefe de estado da Espanha: “Eu sou você, amanhã”, tal como na propaganda de vodka.
    Não é difícil chegar a essa conclusão. A crise na Espanha começou quando se decidiu que a expansão imobiliária seria uma solução maravilhosa para o crescimento do país: criaria emprego na construção civil ao mesmo tempo em que resolveria do problema da habitação. Empregou-se muita gente e estrangeiros começaram a chegar aos milhares para atender à demanda de mão-de-obra. Tijolo e concreto se tornaram sinônimos de riqueza. Áreas verdes foram cobertas por construções, assim como o cinturão verde de muitas cidades.
    Em poucos anos, o preço do metro quadrado disparou e o boom da construção atraiu especuladores. O metro quadrado da habitação subiu mas os salários não. Os bancos, para manter a roda circulando, baixaram exigências para financiamentos, não se importando com a renda do financiado nem com as garantias. Imaginaram que se o imóvel estava se valorizando tanto, se o devedor não pudesse pagar, venderia o imóvel por mais preço e ainda sobraria dinheiro. E ofereceram crédito para comprar casa, carro, móveis, eletrodomésticos, viagens… A dívida se tornou fator de crescimento.
    Mas aí, estourou a bolha dos Estados Unidos. Os espanhóis se retraíram, o consumo caiu, vieram as demissões e se descobriu que o país se sustentava tirando do futuro; nunca houve realmente riqueza nem subida na escala social.
    Você que me lê, e percebe as semelhanças, bata na madeira para torcer que por aqui não aconteça o mesmo. Os sinais são alarmantes: o PIB brasileiro do primeiro trimestre deste ano, segundo o IBGE, aumentou apenas dois décimos por cento(0,2%). A inflação vai crescer o dobro do PIB neste ano.
    Na Veja desta semana, a excelente Lya Luft chama de “ilusão” o que está acontecendo no Brasil. Ela mostra como também estamos sacando do futuro. “Palavras de ordem nos impelem a comprar, autoridades nos pedem para consumir, somos convocados a adquirir o supérfluo, até danoso, como botar mais carros em nossas ruas atravancadas ou em nossas péssimas estradas…Estamos enforcados em dívidas impagáveis, mas nos convidam a gastar ainda mais, de maneira impiedosa, até cruel.”- escreveu ela. Nossa bolha está inchada.
    E é de sabão.

    0
    • ch0qw3 30 de junho de 2012 at 13:48

      “O metro quadrado da habitação subiu mas os salários não.”

      Na minha opinião, esta frase basta.

      Se a renda não acompanha a escalada de preços, quem vai poder pagar pelo bem?

      0
    • Ploc Monsters 30 de junho de 2012 at 13:49

      Quero ver ele falar isso no JN !!

      Mas é verdade, CORRI NEGADISSS !!!!!

      0
    • RMJ 30 de junho de 2012 at 17:39

      Raio

      Qual é a fonte da notícia?

      0
  • Neide 30 de junho de 2012 at 13:33

    Petrobras: uma mentira contada durante oito anos (entre outras):

    http://veja.abril.com.br/multimidia/video/petrobras-uma-mentira-contada-durante-oito-anos

    0
  • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 13:36

    Fui ver um ap e ofereci 50% do vlr – 350 k …. a @##$¨%$#@$%¨da corretora me disse … se eu sobesse do vlr nem tinha trazido vc aqui (sic), e se recusou a passar a oferta, dizendo que era ofensa….

    k entre nós … ultima vez que ligo pra uma flanelinha de imóveis…. nem percebem que o mercado poderia regulr muito mais rapido…. mas enquanto ainda vendem ap de até 500 k não tão nem aí ….

    então atenção pessoal que quer comprar no entorno e na propria vila Romana, tem aptos não anunciados com vlrs bem menores … é só sair d prédio em predio …. dispensem o desserviço de corretrouxas…

    vamos ver mais pra frente …

    0
    • simone 30 de junho de 2012 at 13:55

      Linha branca e móveis ganham redução de IPI
      O governo prorrogou a redução do IPI para os segmentos de linha branca (dois meses) e móveis (três meses). Como contrapartida, os fabricantes terão de repassar a vantagem ao consumidor e manter o nível de emprego.
      Postado por Polibio Braga

      0
      • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 14:20

        Simone, descobriram o “medo” do governo. Querem manter os trabalhos, então terão que reduzir o IPI ou outros impostos porque nós não vamos baixar os preços.

        É minha gente, pimenta no “zoio” dos outros é refresco, neh!

        0
        • simone 30 de junho de 2012 at 14:59

          Como contrapartida, os fabricantes terão de repassar a vantagem ao consumidor e manter o nível de emprego.

          0
    • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 14:37

      Sol, essa foi boa. Parabéns. kkkkk

      0
    • Justiceiro 30 de junho de 2012 at 16:26

      Sol teria que oferecer 20% do valor, pra esses loucos aprenderem que não estamos de brincadeira.
      Me chame de louco, mas quando o fundo do poço chegar, teremos diminuição de preços da órbita dos 50 a 80%.
      Os percentuais de quedas serão maiores nas cidades em que a putaria foi maior, mas TODAS as cidades da Banânia irão sofrer.

      0
  • Tito 30 de junho de 2012 at 13:43

    Ate quando vai durar nosso estoque de sardinhas, incrivel, a lei do mais trouxa funciona infinitamente aqui, sempre encontram um otario para comprar imovel bolhudo que vai encontrar outro otario pra vender e assim infinitamente, ou melhor acho que esta acabando o dinheiro, la vem 40 anos de financiamento, se cabe no bolso vamos comprar, vcs ja perceberam que a maioria dos brasileiros abaixo de 35 anos naos sabe fazer conta, sao pessimos em matematica? sera que foi tudo pensado? apesar da pressao da mulher e da familia permaneco estoico e nao compro nao nao compro, perco a mulher mas nao compro imovel bolhudo, fico aqui com minha pipoca assistindo e esperando o estoque de sardinhas acabar…vao su fu…….especuladores de mer……..

    0
    • Sol de Sampa 30 de junho de 2012 at 13:54

      acho que a maiorira que compra é no desespero… nem empre prcisam comprar de imediato não…

      é a velha informção atavica na cabeça … pagar aluguel é jogar $$$ fora, então preferem jogar o futuro fora… acho que devemos colocar todos os dias no blog….. ESPERE, NÃO COMPRE, NÃO FINANCIE AGORA…. AGUARDE E GUARDE SEU $$$$ EM 2 ANOS VC VAI AGRADECER A DICA….

      0
    • CapEnt 30 de junho de 2012 at 16:53

      Uma pessoa com 28 anos de idade comprando um apartamento financiado em 35 anos, irá ter 63 quando acabar de pagar.

      Isso é praticamente pagar aluguel para banco, porque até os 63 anos de idade, o apartamento será na verdade da pessoa, ele apenas está autorizado morar nele.

      0
  • Justiceiro 30 de junho de 2012 at 13:55

    Sugestão ao colega Bolha Imobiliária:
    – Criamos neste site uma tabela com os preços cobrados no Brasil desde 1990, por região, para traçarmos comparativos com os índices oficiais;
    – Criação de link com as melhores dicas e manuais dos usuários;
    – Estipulação precisa da bolha bananense e de quando ela irá estourar;
    – Coibição da ganância e PACTO (FACULTATIVO) dos usuários para só comprarmos no fundo do poço;

    Assim, poderemos acelerar a queda ainda mais e também teremos dados para esfregar na cara dos estelionatários o quanto estão roubando a população.

    Para começar, temos que coletar os dados dos usuários, com relatório dos preços em cada ano.

    O que pensa, Bolha?

    0
  • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 13:59

    Para o pessoal que não viu ao vídeo, prestem muito atenção.

    “Vamos torcer para cair os preços desta bolha imobiliária”. rsrsrsrsrsss…

    -http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/t/todos-os-videos/v/bolsa-de-valores-de-sao-paulo-fecha-com-maior-alta-em-tres-semanas/2018321

    0
    • Carlão_RJ 30 de junho de 2012 at 14:27

      O trecho mencionado começa aos 7:04 min.

      0
      • Carlão_RJ 30 de junho de 2012 at 14:31

        E a repórter que teve que lembrar, pois o especialista esqueceu, que existe um negócio chamado preço. Esses especialistas são uns gênios.

        0
    • Avoador 30 de junho de 2012 at 14:29

      kkkkk

      Esta dos 3 ultimos minutos do video merecem um hiper tópico!

      aH… E no final, a reporter: ” vamos torcer pros preços cairem tbm…. que é pra eu comprar meu cantinho.”

      kkkk

      0
      • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 14:42

        Conheço várias pessoas que irão esperar e “torcer” para que os preços baixam. Resumo, tudo parado e enroscado.

        0
    • Jurandir Araguaia 30 de junho de 2012 at 15:49

      A própria Globo e os jornalistas já falam abertamente em BOLHA IMOBILIÁRIA.

      0
  • ch0qw3 30 de junho de 2012 at 14:12

    Um corretor me ligou ontem dizendo que se fechasse negócio até hoje ele ainda conseguiria reduzir 5%. Disse que na semana que vem a tabela será reajustada, subirá 18%. Fui obrigado a responder: desculpe, acabei de descobrir que sou pobre, estou fora do mercado.

    0
    • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 14:29

      Queria ver a cara do sujeito. Eu responderia que vou esperar ano que vem, mas quem sabe se encontrar algo com um bom desconto (40, 50%), eu comprarei. kkkk Como diz meu amigo, fudido por fudido é TRUCO.

      0
  • antonio henrique 30 de junho de 2012 at 14:51

    Desaceleração da economia vai afetar a vida do brasileiro

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=206457,OTE

    0
  • Tito 30 de junho de 2012 at 15:18

    Pessoal o preco do m2 construido com material aqui em porto alegre esta entre R$ 1.200,00 – R$ 1.800,00 aprox dependendo do material e acabamento, isto com construtora pequena entregando a chave na mao, alguem pode me dizer os precos do m2 construido ai pelo Brasil??
    NAO NAO COMPRO PERMANECO ESTOICO COM MINHA PIPOCA PERCO A MULHER MAS NAO COMPRO BOLHUDO…..

    0
    • Justiceiro 30 de junho de 2012 at 16:21

      Eu entendo que uns R$ 1.000 por m² de alta qualidade, em bairro bom seria o justo. Mas em POA deve estar quase 4k…
      Esse ano não tem como comprar… e ano que vem acho um pouco complicado tb.
      Quem sabe em 2014 fica bom.

      0
  • Murilo eng 30 de junho de 2012 at 15:34

    Boa tarde! Esse e meu primeiro post

    Conheci o blog a pouco tempo mas já posso admitir que admiro todos vcs aqui por suas idéias e pelos conhecimentos compartilhados. Gostaria de compartilhar novos pontos de vista com vcs.

    1- A bolha é fato, logo os preços caem, e ficar especulando quanto, quando, e como é divertido (ainda mais com historias pessoais), mas já me cansou um pouco. Logo convido vcs a pensar o que acontecera, no Brasil depois desse fenômeno, vamos dizer daqui a 10 anos.

    2- Compartilho a idéia de que torcer para o “quanto pior melhor” seja péssimo para todos, já que por mais que o nosso tão sonhado imóvel esteja a um preço incrível, ter que viver em tempos precários, onde o restante da sociedade esta caindo aos pedaços e péssimo. Em suma, o que economizamos com o imóvel iremos ter que gastar com segurança, educação, saúde, etc.

    3-Concordo também com aqueles que dizem que perdemos uma grande chance de investir em infra-estrutura, e isso nos coloca bem atras de países como os EUA e a Europa.

    4-O desejo de sair do pais não é compartilhado por todos, logo para aqueles que vão ficar por aqui como eu, resta os meus pensamentos sobre o Brasil daqui a 10 anos.

    5-Dentre todas as vantagens do Brasil, há uma que poucas pessoas lembram ou mesmo se omitem em dizer- A eficiência na arrecadação de impostos. Eu sei, é triste imaginar como nosso dinheiro é mal investido e tal, mas fato é que o Brasil caminha para um fisco de primeiro mundo, o que ao meu ver, no mundo pós apocalíptico desta crise será algo de extrema importância. Pelas seguintes razões.
    a)Na Grécia, as pessoas não pagavam impostos, quando a crise chegou, a arrecadação despencou e sem dinheiro é praticamente impossível fazer as coisas andarem, sem dinheiro todo o governo para, com o governo parado as pessoas não tem os seus direitos assegurados, logo se negam a pagar impostos. É um circulo tenebroso de se romper.
    b)A medida que todos pagarem seus impostos, fica mais fácil de competir, seja você empregado, ou empregador, pois as regras começam a valer para todos.
    c) Qaundo todos pagarem seus impostos, vamos querer saber onde vai o dinheiro, e com isso iremos fiscakizar, analisar e reclamar. É por isso que medidas como a lei da transparência, e leis que permitam que os impostos sejam descriminados no preço de tudo que pagamos são essenciais. ( imagine alguém cobrando um carro por 16 mil e na hora que chegar no caixa ver 10mil a mais para o fisco)
    d) Os impostos quando bem utilizados são a melhor maneira de fazer bens públicos, vá você juntar dinheiro para asfaltar a rua da sua casa, para ver quando custa.

    Aguardo os comentários de vocês.

    P.s. Moro de aluguel, trabalho em um postode combustível e também odeio pagar impostos.

    0
    • RosinhA 30 de junho de 2012 at 22:23

      Murilo me desculpe se não mora no mesmo país que eu moro:

      Seu item 5 é inteiro um absurdo, pagamos muito e não temos retorno de nada somente isso. A medida que todos pagarem impostos, não é possível que não compre nada, tudo aqui é taxado no mínimo em 40%, quanto ao asfalto, me dê qualquer licitação na mão, compro as máquinas, arrumo funcionários, e vou passar o resto da vida conhecendo o mundo, pois isso é para poucos, estude o assunto e veja quem são os reis do lixo, quentinhas, e prestadores de serviços, irá se surpreender.

      Daqui a 10 anos seu post será igualzinho não mudará nada, talvez piore.

      0
      • Alemão 30 de junho de 2012 at 23:58

        Falar de como será o Brasil em 10 anos…
        Impostos… nem dá para pensar em rebater tudo… Mas te confesso que com somente o meu IPVA tu asfalta boa parte da minha rua. Fora isso que todos os seguros contra roubo, blindagem, seguro de vida, o imposto da gasolina e do próprio carro…
        Esse primeiro post poderia não ter existido

        0
    • Pimp 30 de junho de 2012 at 23:43

      Em 10 anos +- a Av. Dos bandeirantes em SP já foi recapeada 2x. O material empregado é um lixo. Compare com o asfalto das rodovias “privatizadas”.

      O dinheiro público é mal empregado com materiais de 5.a categoria para sobrar para o bolso de alguém e para que os ciclos se repitam com maior freqüência.

      0
  • fcoelho 30 de junho de 2012 at 15:49

    Apenas 3 em cada 10 brasileiros poupam algum dinheiro, diz CNI

    Levantamento realizado com 2000 pessoas de 142 municipios

    Alguns dados interessantes:
    Quanto maior a renda maior o endividamento
    36 % nao tem conta corrente

    -http://oglobo.globo.com/economia/apenas-3-em-cada-10-brasileiros-poupam-algum-dinheiro-diz-cni-5178879

    0
  • Ricardo C. 30 de junho de 2012 at 16:01

    Se as construtoras colocaram o pé no freio como é possível que o nível do emprego na construção não tenha caído? Isso que é muito estranho.

    0
    • Ploc Monsters 30 de junho de 2012 at 16:06

      Será que estão esperando mais uns 2 meses em um sonhado repique ?

      Depois disso provavelmente vai ser demissão em massa, inclusive pelo valor da mão de obra do setor onde qualquer pedreiro meia colher quer ganhar mais que médico

      0
      • Ricardo C. 30 de junho de 2012 at 17:14

        Acho que eles transformaram os peões de obra em corretores pra vender os encalhados hahaha só se for

        0
    • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 16:44

      O que segura o desemprego na c. civil foram as contratações passadas, pois existem várias torres sendo levantadas. No vídeo acima, globonwes, o economista ” Jason Voorhees” explica o que falei. Ele chama atenção para a demanda renovável que não existe. Segundo semestre que nos aguarde.

      0
      • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 16:52

        Ops, O que segura os empregos…..

        0
    • AF 30 de junho de 2012 at 17:47

      Vou usar o argumento daquele cidadão, o qual achei razoável.

      O desemprego ainda não caiu porque existem muitos prédios em construção, mantando assim os postos de trabalho.

      No momento que os prédios forem sendo acabados, aí o bixo pega.

      0
    • GB 30 de junho de 2012 at 20:20

      Eles demitiram 35k em março e contrataram 11k em abril, mas com salários menores, na prática é o mesmo que perder clientes pois com salários menores a renda cai e não compram nada.

      Aí demitiram 20k em maio, mas acabou sendo compensado pelo aumento nos serviços, sempre tem um ramo compensando, aí não tem problema, os corretores foram vender cafezinho nos quiosques dos shoppings.

      Sem os trouxas dos investidores comprando tudo e a qualquer preço o oba-oba já era, digam adeus aos lançamentos, já tem imóvel sendo construído até demais por aí.

      0
  • Fernandão Bolhudo 30 de junho de 2012 at 16:03

    Meus rolês aqui perto de casa estão cada vez mais cômicos. Às vezes me pergunto: para quê tanto lançamento se tem tanta placa de “vende-se” em prédios usados???

    Aqui nos Jardins-SP, uma das regiões mais caras da cidade, se vê placas de “vende-se” em profusão. Aqui sempre teve coisa para vender. Mas atualmente tem muito mais!

    Noutro dia brinquei com uma corretora aqui do prédio. Ela disse que os daqui do prédio não saem por menos de R$700~800k, a depender da situação interna. Eu disse a ela que dava R$400k, independentemente das condições internas. Ela disse que eu “tava de brincadeira”. Eu disse que tava mesmo, e repliquei que provavelmente por esse preço eu poderei comprar coisa ainda melhor, logo que o estouro dessa BOLHA IMOBILIÁRIA BRASILEIRA forçar os preços caírem geral. Completei dizendo que mesmo que tivesse os R$400k numa aplicação, isso pagaria meu aluguel aqui e, além disso, sem ter que pagar ITBI, custos de Cartório. Isso sem falar na comissão de corretor que vivem querendo enfiar de forma ilegal no comprador…. E olha que tem que contar a vantagem da minha mobilidade urbana que continua 100%, mais a perspectiva de congelamento dos alugueis e até queda por causa da BOLHA que jogou milhares de apartamentos no mercado só aqui na região nobre de SP e entorno próximo.

    0
    • Fernandão Bolhudo 30 de junho de 2012 at 16:04

      E, completanto o raciocínio, “in cirillo we (don’t) trust”!!!!

      0
      • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 16:43

        Fernandão e qual foi a resposta corretrouxa?

        0
        • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 16:44

          da corretrouxa?

          0
        • Fernandão Bolhudo 30 de junho de 2012 at 17:39

          Ela disse que eu sou “muito novo e que tinha mais é que buscar novos horizontes na vida mesmo”. Disse isso e se despediu, andando até a portaria meio de cabeça baixa.

          O que ela quis dizer com isso não sei…

          Meu palpite é no sentido de que ela deve achar que comprar imóvel é coisa importante, visto que todas as pessoas do mundo “se cansaram de tudo” e que querem “morrer em paz”, encostadas em algum lugar sem preocupação. Acho que é assim mesmo que a maioria pensa.

          Afinal, para comprar a preço bolhudo tem que estar muito quimicamente chapado ou com uma firme crença de que está para morrer e que precisa “ter onde cair morto” mesmo.

          O duro é que esse pessoal “das antigas” que pensa assim nem se deu conta de que para “cair morto” não é necessário ser dono de nada. Mesmo a sala do alugadão te acolhe nessas horas, hehehehe. E mais: o que deve 30 anos de sua vida, extremamente ameaçado pela queda da renda e pela inflação que vai fazer a TR que reajusta o contrato explodir, vive pior e até morre mais cedo.

          Ou seja, a verdade é que faz bem quem paga o justo e à vista. E isso só quando a bolha acabar e os preços tornarem ao normal (se bem que, nessa crise, os preços não vão ter a sorte de ficarem “normais”, pois correm sérios riscos de ficarem abaixo do normal, quando chegarmos ao fundo da curva mais funda dessa crise, que tende a durar um bom tempo).

          0
          • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 17:57

            Qdo alguém te falar que pagar aluguel é jogar dinheiro fora, lembre essas pessoas que os dois apartamentos que vc paga a mais nos juros do financiamento também é um dinheiro jogado fora, com toda certeza o valor gasto com aluguel enquanto vc poupa para comprar a vista, não deve corresponder a metade dos juros pagos ao longo de 35 anos (TRINTE E CINCO ANOS!!!!!!!!!!!!!) de financiamento.

            0
          • Virginia 30 de junho de 2012 at 18:18

            a verdade é que faz bem quem paga o justo e à vista. – falou tudo

            0
          • GB 30 de junho de 2012 at 20:31

            O povo hoje é zumbi demais, não entenderiam a lógica do aluguel nem que esta atropelasse ele, eu não tenho dó quando Despejo ninguém ou Apreendo o carro desse pessoal que não sabe fazer contas.
            .
            E eu diria mais, com financiamento hoje você acaba pagando 3 imóveis.

            Entre um aluguel de R$ 1k e uma prestação de R$ 2k, eu fico com o aluguel e poupo esses R$ 1k para mim, no final do ano tenho mais de R$ 12k, ou seja, paguei R$ 12k de aluguel ao invés de pagar R$ 36k pro banco.

            Fora que é muito mais fácil negociar reajuste com o proprietário que com banco, isso não tenho a menor dúvida, o banco vai reajustar de qualquer jeito, sempre no máximo possível e a culpada é sempre a “Central” deles.

            A Vi está certa: se cada R$ 1k de desconto são R$ 3k a menos para dar ao banco, daí a importância de poupar de um lado e conseguir um belo desconto do outro.

            0
    • Vampirito79 30 de junho de 2012 at 16:48

      Fico estarrecido como os corretores defendem os preços dos imóveis. Eles estão de brincadeiras.

      0
    • xyz 30 de junho de 2012 at 18:07

      A culpa é dos corretores novatos, que não sabem diferenciar uma placa macho de uma fêmea. Se separassem os machos das fêmeas na hora de afixarem, não davam tanta cria.

      0
      • GB 30 de junho de 2012 at 20:33

        kkkkkkkkkkkkkkk, boa !!!!!

        0
  • Tati 30 de junho de 2012 at 16:37

    Recebi um e-mail da Thá

    Vem aí o 1º Thá Red Day, a maior oportunidade do ano para você comprar um legítimo Thá. São dezenas de imóveis em Curitiba e em Santa Catarina, todos em condições superespeciais. Serão apenas 12 horas de negociação diferenciada e exclusiva.

    Aproveite seu novo Thá!

    O tal Red day é hj. Nesses condomínios clubs é possível ver a dimensão da coisa. Aquele Boulevard Rebouças tem mais de um ano de pronto e anuncios pipocam no imoveiscuritiba.
    Quando os demais ficarem prontos, vai ser legal!!

    0
    • Fernando 1 de julho de 2012 at 10:16

      E quando a gente passa na frente desse condominio? completamente vazio.
      Tem outros dois aqui no hugo lange, na margem da nossa senhora da luz que tambem tem uma ocupacao super baixa. e ha mais de um ano.

      0
  • Todd 30 de junho de 2012 at 17:24

    Produção estagnada há três anos leva Petrobrás a criar plano de emergência

    Principais áreas da Bacia de Campos têm excesso de água no petróleo extraído e resultados da estatal não acompanham alta do consumo.

    Estadão – 30 de junho de 2012

    RIO – A produção nacional de petróleo está estagnada há três anos e desde 2003 a Petrobrás fracassa em atingir as suas metas de extração de petróleo e gás. A origem do problema está na queda de eficiência operacional da Bacia de Campos, a principal do País, responsável pela produção de até 85% do petróleo consumido internamente. O nível de eficiência na bacia caiu de 90% para 70% em três anos, de acordo com diagnóstico reservado da própria Petrobrás.

    A constatação levou a nova direção da estatal a montar um plano emergencial na tentativa de recuperar os níveis perdidos. Além da queda de eficiência na capacidade de processamento e produção, grandes áreas produtoras da Bacia de Campos, como o Campo de Marlim, passaram a produzir uma quantidade maior de água. É normal, na produção de petróleo, serem extraídos água, óleo e gás. Mas o ideal é uma proporção menor de água. Os técnicos da Petrobrás estão avaliando o que está ocorrendo em Campos.

    A produção de petróleo na bacia, que se estende por cerca de 100 mil quilômetros quadrados, do litoral sul do Espírito Santo ao norte do Estado do Rio, estancou em 2009, quando atingiu 1,69 milhão de barris diários, contra 1,54 milhão no ano anterior. Desde então, esse recorde não foi superado.

    A derrocada produtiva em Campos pode ser apontada como uma das causas da crise que atinge a Petrobrás. As metas de produção estipuladas pela estatal não são atingidas há nove anos, em parte porque desabou o índice de eficiência das unidades de Campos.

    Incômodo. A queda da eficiência operacional pode ser traduzida da seguinte forma: as unidades da bacia que historicamente produziam até 90% da capacidade passaram a produzir 70%, sem que a petroleira tenha conseguido reverter esse decréscimo ao longo dos últimos anos.

    O tema incomoda tanto a cúpula da estatal que, ao tomar posse, no início de fevereiro, a presidente Graça Foster determinou como prioridade número um de sua gestão a recuperação da Bacia de Campos.

    Foi implementado o Programa de Aumento da Eficiência Operacional (Proef), específico para a bacia. Uma das tarefas do programa é reduzir a produção de água em campos importantes como Marlim Leste e Roncador, dois dos cinco chamados “campos gigantes” da bacia. Sob essa denominação a estatal classifica campos com reservas acima de 1 bilhão de barris.

    Em maio, quando foi divulgado o balanço da Petrobrás referente a 2011, os diretores José Formigli (Exploração e Produção) e Almir Barbassa (Finanças) referiram-se em pronunciamentos públicos, teleconferências e entrevistas ao que chamaram de “ineficiência” da companhia e às providências tomadas com o objetivo de reverter esse quadro.

    A presidente Graça voltou a falar na última segunda-feira, em explanação sobre o Plano de Negócios 2012-2016, recém-lançado pela Petrobrás, sobre os problemas da produção em Campos. “É preciso urgentemente que aumentemos a eficiência operacional da Bacia de Campos”, disse ela.

    A quantidade de óleo extraído na bacia em maio passado (1,67 milhão de barris diários), divulgada pela Petrobrás, confirma a estagnação, justamente no momento em que o País mais precisa de petróleo, por causa do crescimento do consumo no mercado interno e o consequente aumento das importações dos derivados, especialmente gasolina, como forma de evitar o desabastecimento.

    0
    • xyz 30 de junho de 2012 at 18:01

      Esta em andamento na Petrobrás um impressionante super mega plano de investimento no total de quase 400 bilhões nos próximos anos.

      Não tenho dúvida alguma, que com a administração atual, deste plano só restará a super mega dívida.

      0
    • Francisco Quiumento 30 de junho de 2012 at 21:44

      PBR! CADÊ VOCÊ?

      😀

      Fora as mancadas da “poderosa”, com as refinarias e sua “fissura”por gasolina, quando o mundo inteiro (expressão, pois o que presta, óbvio) tem se voltado para o diesel.

      Nas palavras de meus amigos e ex-professores lá da Replan:

      PISADA NO TOMATER!

      😉

      0
    • Marcio 1 de julho de 2012 at 22:36

      Os poços sao velhos, e´ um declino “natural”. Mas o que dizem a boca pequena e´ que a curva de producao doi escolhida de modo a produzir muito no incio da vida do poço e pouco no final, e nao ter uma producao mais homogenea durante a vida do poço que leva a uma maior produtividade ao longo do tempo. Foi uma decisao para inflar os lucros de curto prazo

      0
  • Ploc Monsters 30 de junho de 2012 at 17:45

    Quando todo mundo (interessado) começa a negar um fato é que ele existe:

    Alerta google:

    Notícias 6 resultados novos para bolha imobiliaria no brasil

    Hipótese de bolha imobiliária é descartada por fundos e incorporadoras
    MSN
    SÃO PAULO – A hipótese de uma bolha imobiliária no Brasil foi descartada hoje por executivos de incorporadoras,… SÃO PAULO – A hipótese de uma bolha …
    Analistas rebatem o BIS e dizem que não há risco de bolha imobiliária
    MSN
    O Brasil não corre nenhum risco de registrar uma bolha do setor imobiliário no curto e médio prazos, ponderaram… O Brasil não corre nenhum risco de …
    Mendes destaca crédito e nega medo de bolha imobiliária

    IstoÉ Dinheiro
    … Aldo Mendes, disse não ver risco de bolha imobiliária no País. … Mendes afirmou que a forma como o crédito é concedido no Brasil faz com que não haja …

    Previ busca aplicar 6% em imóveis até fim do ano
    R7
    A Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (BB), tem como meta chegar ao fim do ano com 6% … para quem não há bolha imobiliária no País.

    Jornal do Comércio
    O alerta do BIS – o banco central dos bancos centrais – de que o Brasil corre o risco de uma bolha imobiliária foi rebatido por especialistas, …
    Crédito bancário supera marca de 50% do PIB pela 1ª vez na história

    Globo.com
    … sobre o possível aparecimento de “bolhas” de crédito em países emergentes. … Esse crescimento do crédito no Brasil é influenciado, em parte, …

    0
  • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 18:02

    Imagino o surto psicótico pelo qual passaram as pessoas que financiaram em 35 anos (TRINTA E CINCO ANOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!) um imóvel de 800.000,00 dilmas, que ao final do financiamento custaria uns 2.000.000,00 !!!!!!!!!!!!! Ao descobrir que seu amado imóvel perdeu valor e voltou a custar 250.000,00. OS MANO PIRA!!!

    Mas falando sério, estou aqui imaginando no aumento de casos depressão e divórcios que seguiram a grande queda.

    0
    • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 18:06

      * passarão
      * de depressão
      * se seguirão

      kkkkkkkkkk É a cervejinha de sábado rsssssssss

      0
    • Virginia 30 de junho de 2012 at 18:29

      Nem me fale. Eu tenho um amigo que mal comprou já se arrependeu.
      Olha, e para não falar em suicídios, viu?! às vezes a depressão resulta em tragédia! 🙁

      0
      • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 18:37

        Pois é, outro dia uma colega de MBA comentou que havia comprado um ap aqui na ZS/RJ, a área mais bolhuda do planeta, e comentou que estava em dúvidas com relação a sua decisão.

        Confesso que fiquei com pena e nada disse, pois sei que ela torrou todas as suas economias pra isso.

        Não se pode tirar a esperança de alguém, as vezes é tdo que lhe resta.

        Com relação aos corretores e especuladores… NO MERCY!!!!

        0
        • Virginia 30 de junho de 2012 at 18:57

          Coisa é quando vc dá conselhos à pessoa, ela não te ouve e ainda desconfia que vc está é de olho gordo pra cima da realização do “sonho” dele. Aconteceu comigo, e fiquei magoada com meu amigo.
          Mas relevei a desconfiança pq ele tem um perfil tão ultraconservador (valorização eterna de imóvel é/era dogma pra ele) que não foi capaz de considerar seriamente meus argumentos, e também pq na verdade nos conhecemos há menos de 1 ano.
          Agora que ele se mudou pro seu personal egg, nunca tem dinheiro pra nada. Fico penalizada, já contei essa história aqui outras vezes.
          Assim como percebia antes o olhar dele, se esquivando receoso da “energia negativa”, quando eu falava sobre o apê, hoje eu o percebo ainda esquivo, mas por motivo bem diferente: parece ter um pouco de vergonha de falar a respeito comigo, e ao mesmo tempo sinto que tem vontade de falar, até de me cobrar por não ter sido mais insistente com ele.
          Situação chatíssima.

          0
          • O Irritado 30 de junho de 2012 at 19:10

            “Personal Egg”?

            HA!HA!HA! Adorei !
            Posso usar ?

            0
            • Virginia 1 de julho de 2012 at 00:03

              Quem quiser usar o personal egg entre na fila, pois só cabe uma pessoa de cada vez!!!
              😀

              0
              • O Irritado 1 de julho de 2012 at 01:19

                Vlw, Virginia!

                Que risco !!
                Se entrar correndo pela porta pode sair direto pela janela !! 😀
                Antes de comprar um “virtual personal egg” observe muito a planta (afinal, é a única coisa real que se dispõe no momento…) 😉

                0
          • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 19:45

            O triste Virgínia, é que casos como esses, serão comuns daqui pra frente, dá uma lida na postagem que coloquei abaixo sobre um texto publicado por um norte americano, cantei a bola umas semanas atrás e não deram muita atenção, mas a verdade é que a crise que se aproxima, é a maior da história humana.

            0
  • SPSPJULIANO 30 de junho de 2012 at 18:41

    Eu nunca gostei muito da posição do anonimus de ficar falando para o povo se mudar para os Estados Unidos, mas nunca tive um texto tão bom em mãos para se contrapor a opinião dele.

    Segue os texto.

    (P.S. Não quero comprar briga com ninguém não, mas o tipo de informação que segue abaixo ajuda a compreender um pouco melhor os fatores que influenciam a econômia do mundo).

    Fuga do dólar, maior ameaça à hegemonia dos Estados Unidos

    publicado em 28 de junho de 2012 às 22:54

    O colapso financeiro que enfrentamos: quando é “mais cedo ou mais tarde”?

    por Paul Craig Roberts, no Centro de Pesquisas da Globalização,

    Desde o início da crise financeira e do Quantitative Easing [QE, equivalente a emissão de dólares pelo Tesouro dos Estados Unidos] há uma questão diante de nós: como o Banco Central norte-americano pode manter taxa de juros zero para os bancos e taxa de juros reais negativas para poupadores e acionistas quando o governo dos Estados Unidos está acrescentando 1,5 trilhão de dólares à dívida nacional todo ano, através dos déficits de orçamento? Não faz tempo o Banco Central anunciou que manteria a política por mais 2 ou 3 anos. Na verdade, o Fed [BC norte-americano] está preso a esta política. Sem a taxa de juros artificialmente baixa, o serviço da dívida nacional seria tão grande que levantaria dúvidas sobre a qualidade do crédito do Tesouro dos Estados Unidos e a viabilidade do dólar, e os trilhões de dólares em derivativos relacionados à taxa de juros e outros derreteriam.

    Em outras palavras, a desregulamentação financeira que levou à jogatina de Wall Street, a decisão do governo dos Estados Unidos de resgatar os bancos e mantê-los flutuando e a política de juros zero do Banco Central colocaram o futuro dos Estados Unidos e de sua moeda em uma posição perigosa e insustentável. Será impossível continuar a inundar os mercados de ações com 1,5 trilhão de dólares em novos papéis todo ano quando a taxa de juros dos papéis é inferior à taxa de inflação. Todos os que compram papéis do Tesouro estão comprando um bem em depreciação. Além disso, o risco de investimento nos papéis do Tesouro é muito alto. As baixas taxas de juros significam que o preço pago pelo papel do Tesouro é muito alto. Um aumento na taxa de juros, que virá mais cedo ou mais tarde, vai provocar o colapso do preço dos papéis do Tesouro e provocar perdas de capital dos investidores, tanto domésticos quanto estrangeiros.

    A pergunta é: quando é mais cedo ou mais tarde? A proposta deste artigo é examinar a questão.

    Vamos começar respondendo a uma pergunta: como esta política insustentável conseguiu durar tanto tempo?

    Um número de fatores contribui para a estabilidade do dólar e do mercado de ações. Um fator muito importante é a situação na Europa. Existem problemas reais lá e a imprensa financeira mantém nosso foco na Grécia, na Europa e no euro. A Grécia vai deixar a União Europeia ou será expulsa? Os problemas da dívida soberana vão se estender à Espanha e Itália e essencialmente a todos os lugares com exceção da Alemanha e da Holanda?

    Haverá o fim da União Europeia e do euro? São todas questões muito dramáticas, que mantém o foco longe da situação norte-americana, que provavelmente é muito pior.

    O mercado dos papéis do Tesouro também é ajudado pelo temor que os investidores individuais sentem em relação ao mercado de ações, que se transformou num cassino pelas “negociações de alta frequência”.

    “Negociação de alta frequência” é negociação eletrônica, baseada em modelos matemáticos. Firmas de investimento competem na base da velocidade, capturando ganhos em frações de um centavo e ficando de posse dos papéis por apenas alguns segundos. Não há investidores de longo prazo. Contentes com seus ganhos diários, eles liquidam suas posições ao final de cada dia.

    “Negociações de alta frequência” são responsáveis por de 70 a 80% do mercado de ações. O resultado é a azia dos investidores tradicionais, que estão deixando o mercado de ações. Eles acabam comprando papéis do Tesouro, porque estão incertos sobre a solvência dos bancos, que pagam quase nada de juros, enquanto os papéis de dez anos do Tesouro pagam taxa nominal de juros de 2%, o que significa, usando o Índice de Preços ao Consumidor oficial, que os investidores estão perdendo 1% de seu capital por ano [diferença entre a taxa de juros paga pelo Tesouro e a inflação].

    Usando a medida correta de inflação dos Estados Unidos, de John Williams (shadowstats.com), os investidores/emprestadores estão perdendo mais. Ainda assim, a perda é cerca de 2 pontos percentuais menor que se o dinheiro ficasse depositado nos bancos. Ao contrário dos bancos, o Tesouro pode pedir ao Banco Central dos Estados Unidos que imprima dinheiro para resgatar seus papéis. Assim sendo, o investimento nos papéis do Tesouro pelo menos dá um retorno nominal, ainda que o valor real de retorno seja muito menor.

    A mídia financeira prostituta nos diz que a fuga de investidores na dívida soberana europeia — do euro em risco — e a fuga de investidores do contínuo desastre do mercado imobiliário, em direção ao papéis do Tesouro, acabam fornecendo o financiamento para os déficits anuais de U$ 1,5 trilhão de Washington. Investidores influenciados pela imprensa financeira podem, de fato, estar respondendo assim. Outra explicação para a estabilidade das políticas insustentáveis do BC norte-americano é o conluio entre Washington, o Banco Central e Wall Street. Trataremos disso mais adiante.

    Ao contrário do Japão, que tem a maior dívida nacional de todas, os norte-americanos não são donos de sua própria dívida pública. A maior parte da dívida dos Estados Unidos é de propriedade de estrangeiros, especialmente da China, Japão e da OPEP, dos países exportadores de petróleo. Isso coloca a economia dos Estados Unidos em mãos estrangeiras. Se a China, por exemplo, for indevidamente provocada por Washington, poderia jogar U$ 2 trilhões em bens denominados em dólar nos mercados mundiais. Todos os tipos de preço desabariam e o Banco Central dos Estados Unidos teria de imprimir dinheiro rapidamente para comprar os instrumentos financeiros despejados pela China.

    Os dólares impressos para comprar os bens descartados pela China expandiriam a provisão de dólares nos mercados de moedas e derrubariam a taxa de câmbio do dólar. O Banco Central dos Estados Unidos, sem moeda estrangeira para comprar os dólares, teria de apelar para swaps cambiais com a Europa, com seus problemas de dívida soberana, por euros; com a Rússia, cercada pelo sistema de mísseis dos Estados Unidos, por rublos; com o Japão, um país até o pescoço com seus compromissos com os Estados Unidos, por ienes. Assim, o BC norte-americano compraria dólares com euros, rublos e ienes.

    Estes swaps cambiais seriam registrados contabilmente, seriam irresgatáveis e tornariam o uso de novos swaps problemático. Em outras palavras, mesmo que o governo dos Estados Unidos fosse capaz de pressionar seus aliados e marionetes a trocar suas moedas fortes por dólares depreciados, não seria possível repetir o processo. Os integrantes do Império Americano não querem ficar com dólares mais que os BRICs.

    No entanto, para a China se livrar de seus bens em dólares todos de uma vez, seria custoso, já que o valor dos bens cairia no momento em que eles começassem a ser descartados. A não ser que a China enfrente um ataque militar dos Estados Unidos e precise enfraquecer o agressor, a China, como um ator racional, preferirá sair do dólar lentamente. Nem o Japão, a Europa ou a OPEP querem destruir sua própria riqueza, acumulada com os déficits comerciais dos Estados Unidos, mas há indícios de que todos pretendem se livrar de seus bens denominados em dólar.

    Ao contrário da imprensa financeira dos Estados Unidos, os estrangeiros que têm bens em dólar observam o orçamento anual dos Estados Unidos e o déficit comercial do país, observam a economia que afunda, observam a jogatina a descoberto de Wall Street, observam os planos de guerra da hegemonia delirante e concluem: “Tenho de ser cuidadoso para sair disso”.

    Os bancos norte-americanos têm um forte interesse em preservar o status quo. Eles são donos de grandes quantidades de papéis do Tesouro e potencialmente serão maiores donos ainda. Os bancos podem emprestar do BC dos Estados Unidos a taxa de juros zero e com esse dinheiro compram papéis do Tesouro, de vencimento em 10 anos, que pagam juros de 2%. Ou seja, os bancos têm lucro nominal de 2% para usar contra eventuais perdas em derivativos. Os bancos podem emprestar dinheiro do BC de graça e usá-lo como garantia para suas transações em derivativos. Como diz Nomi Prins, os bancos não se livram dos papéis do Tesouro porque isso seria jogar contra seus próprios interesses e sua fonte de financiamento grátis. Além disso, no caso de uma fuga estrangeira dos dólares, o BC dos Estados Unidos poderia aumentar a demanda estrangeira por dólares exigindo que bancos estrangeiros que operam nos Estados Unidos aumentassem suas reservas, que são denominadas em dólar norte-americano.

    Eu poderia prosseguir, mas acho que é o suficiente para demonstrar que mesmo os atores envolvidos no processo, que poderiam acabar com ele, têm muito a ganhar não balançando o barco. Preferem, silenciosa e lentamente, sair do dólar, antes que a crise bata. Isso não é possível indefinidamente, já que o processo gradual de saída do dólar resultará em quedas contínuas dos bens denominados em dólar, que levarão a uma corrida em busca da porta de saída, mas o povo norte-americano não é o único povo delirante no mundo.

    O lento processo de saída do dólar pode derrubar a casa norte-americana. Os BRICs — Brasil, a maior economia da América do Sul; Rússia, a economia com armas nucleares e produção independente de energia, da qual a Europa ocidental (marionete de Washington) depende para energia; a Índia, que tem armas nucleares e é um dos dois gigantes da Ásia; a China, que tem armas nucleares, é o maior credor de Washington (depois do próprio BC dos Estados Unidos), fornece produtos manufaturados e de alta tecnologia e é o novo espantalho para justificar a próxima guerra fria lucrativa do complexo industrial-militar; a África do Sul, maior economia da África — estão em processo de formação de um novo banco. O novo banco vai permitir a estas cinco grandes economias conduzir comércio entre si sem usar os dólares norte-americanos.

    Além disso, o Japão, marionete dos Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial, está próximo de fechar um acordo com a China pelo qual o iene japonês e o yuan chinês serão trocados diretamente. O comércio entre os dois países asiáticos será conduzido em suas próprias moedas, sem o uso do dólar. Isso reduz o custo do comércio entre os dois países, ao eliminar o pagamento de comissões na conversão dos ienes e dos yuans em dólares e de volta em ienes e yuans.

    A explicação oficial para este novo relacionamento direto, que evita o uso do dólar norte-americano, é conversa de diplomata. Os japoneses esperam, como os chineses, sair da prática de acumular cada vez mais dólares estacionando o dinheiro dos superávits comerciais em papéis do Tesouro dos Estados Unidos. O governo marionete do Japão espera que Washington não exija o cancelamento do acordo com a China.

    Agora chegamos aos detalhes. A pequena porcentagem de norte-americanos que está informada sobre o que está acontecendo fica em dúvida sobre o motivo pelo qual os banqueiros escaparam de seus crimes financeiros sem serem processados. A resposta pode ser que os bancos “muito grandes para falir” são adjuntos de Washington e do Banco Central dos Estados Unidos na manutenção da estabilidade do dólar e do mercado de papéis do Tesouro, diante da política insustentável que acabamos de explicar.

    Primeiro vamos dar um olhada em como os grandes bancos podem manter a taxa de juros dos papéis do Tesouro baixas, menores que a inflação, apesar do constante aumento da relação dívida/PIB dos Estados Unidos — preservando assim a capacidade do Tesouro de sustentar a dívida.

    Os bancos muito grandes para falir têm um enorme interesse em manter a taxa de juros baixa e no sucesso das políticas do Fed [Banco Central]. Os grandes bancos estão em posição de garantir o sucesso da política do BC. O JPMorganChase e outros bancos gigantes podem derrubar a taxa de juros dos papéis do Tesouro e, com isso, forçar alta no mercado de ações, ao vender Interest Rate Swaps (IRSwaps), swaps de taxa de juros.

    Uma companhia financeira que vende IRSwaps promete pagar taxa de juros flutuante em papéis com taxa de juros fixa. O comprador está comprando um acordo que requer dele pagar uma taxa de juros fixa em troca de receber uma taxa de juros flutuante.

    A razão para o vendedor do IRSwap fazer o negócio é sua crença de que a taxa de juros vai cair. A própria venda faz a taxa cair, provocando aumento no preço dos papéis do Tesouro. Quando isso acontece, como demonstram os gráficos aqui, há uma recuperação no mercado de papéis do Tesouro que a mídia financeira prostituta atribui a “fuga em direção ao porto seguro do dólar e dos papéis do Tesouro”. Na verdade, há indícios de que os swaps são vendidos por Wall Street sempre que o Banco Central precisa evitar o aumento da taxa de juros para proteger sua política insustentável. A venda de swaps cria a impressão de uma fuga em direção ao dólar, mas nenhuma fuga acontece. Como os IRSwaps não exigem troca de valores ou bens reais, são apenas uma aposta nos movimentos da taxa de juros, não há limite no volume de venda de IRSwaps.

    Este aparente conluio sugere a alguns observadores que a razão pela qual os banqueiros de Wall Street não foram processados por seus crimes é que eles são parte essencial da política do Banco Central de preservar o dólar norte-americano como moeda mundial. Provavelmente o conluio entre o BC e os bancos é organizado, mas não tem necessariamente de ser. Os bancos são beneficiários da política de juros zero do BC. É do interesse dos bancos apoiá-la. Um conluio organizado não é necessário.

    Vamos agora tratar do ouro e da prata. Baseado em análises confiáveis, Gerald Celente e outros analistas previram que o preço do ouro seria de 2 mil dólares por onça no fim do ano passado. Ouro e prata continuaram durante 2011 sua alta de dez anos de duração, mas em 2012 o preço do ouro e da prata foram derrubados, com o ouro caindo 350 dólares de seu valor recorde, de U$ 1.900 por onça.

    Em vista da análise que apresentei, qual é a explicação para esta reversão? A resposta mais uma vez é a aposta na queda dos preços. Gente que tem conhecimento do setor financeiro acredita que o BC (e talvez também o Banco Central Europeu) faz vendas a descoberto através de bancos de investimento, garantindo quaisquer perdas com o apertar de uma tecla de computador, já que bancos centrais podem criar dinheiro do ar.

    Gente de dentro me informa que uma pequena porcentagem dos que compram querem a entrega física do ouro ou da prata, mas se contentam depois com acordos financeiros. Não há limite para a venda de opções de ouro ou prata. Estas vendas podem exceder o valor total da quantidade conhecida de ouro ou prata.

    Gente que tem acompanhado o processo por anos acredita que a venda dirigida pelo governo de opções de compra de ouro ou prata acontece faz muito tempo. Mesmo sem participação do governo, os bancos podem controlar o volume das negociações de papel lastreado em ouro e lucrar com as oscilações decorrentes. As vendas recentes tem sido tão agressivas que não apenas reduzem a alta de preços dos metais, mas provocam sua queda. Essa agressividade é sinal de que o sistema está prestes a dissolver?

    Em outras palavras, “nosso governo”, que alegadamente nos representa, em vez dos poderosos interesses privados que elegem “nosso governo”, com suas contribuições multimilionárias de campanha, agora legitimado pela Suprema Corte republicana, está fazendo o possível para nos privar — meros cidadãos, escravos, trabalhadores escravos e “extremistas domésticos” — do direito de proteger nossa riqueza da política de deboche da moeda praticada pelo Banco Central. Vendas a descoberto [naked short-selling] evitam que aumento da demanda por barras físicas de ouro ou prata aumentem o preço dos metais.

    Jeff Nielson explica outra forma pela qual os bancos fazem vendas a descoberto de ouro e prata, ainda que não os possuam fisicamente. Nielson diz que o [banco] JPMorgan é curador do maior fundo de prata existente e é também o maior vendedor de prata a descoberto. Sempre que o fundo aumenta sua reserva de barras de prata, o JP Morgan vende uma quantidade igual a descoberto. As vendas compensam o aumento que resultaria de maior demanda física pela prata. Nielson também diz que os preços de metais podem ser contidos com o aumento das garantias exigidas dos interessados em comprar ouro ou prata. A conclusão é de que os mercados de ouro e prata podem ser manipulados tanto quanto os mercados de papéis do Tesouro e de taxas de juros.

    Por quanto tempo podem continuar as manipulações? Quando a proverbial m…. vai atingir o ventilador?

    Se soubessemos a data precisa, seriamos os próximos megabilionários.

    Seguem alguns catalisadores que podem detonar o fogo que consumirá o mercado de papéis do Tesouro e o dólar norte-americano:

    Uma guerra, exigida pelo governo israelense, contra o Irã, começando na Síria, que interrompa o fluxo de petróleo e, portanto, afete a estabilidade das economias ocidentais ou que leve os Estados Unidos e suas marionetes da OTAN a um conflito armado com a Rússia ou a China. O aumento nos preços do petróleo degradaria ainda mais as economias dos Estados Unidos e da União Europeia, mas Wall Street ganharia direito nas vendas de petróleo.

    Uma estatística desfavorável que acorde os investidores para o estado da economia dos Estados Unidos, uma estatística que a mídia prostituta não consiga esconder.

    Um confronto com a China, que leve o governo chinês a decidir que derrubar os Estados Unidos para um status de terceiro mundo valha um trilhão de dólares.

    Outros erros no mercado de derivativos, como o recente do JPMorganChase, que derrube de novo o sistema financeiro dos Estados Unidos e nos relembre que nada mudou.

    A lista é longa. Existe um limite para o número de erros estúpidos e políticas financeiras corruptas que o restante do mundo está disposto a aceitar dos Estados Unidos. Quando aquele limite for atingido, acabou para o “único superpoder do mundo” e para os donos de bens denominados em dólar.

    A desregulamentação financeira converteu o sistema financeiro, que no passado serviu a empresas e consumidores, num cassino cujas apostas não estão cobertas. Estas apostas descobertas, juntamente com a política de juros zero do Banco Central, expuseram o padrão de vida e a riqueza dos norte-americanos a grande declínio. Aposentados que dependem de sua poupança e investimento não ganham nada e são forçados a consumir seu capital, com isso acabando com o capital dos herdeiros. A riqueza acumulada é consumida.

    Como resultado da transferência de empregos para o exterior, os Estados Unidos se tornaram um país dependente de importações, de bens manufaturados, roupas e sapatos estrangeiros. Quando a taxa de câmbio do dólar cai, os preços nos Estados Unidos sobem e o consumo nos Estados Unidos sofre. Os norte-americanos vão consumir menos e seu padrão de vida vai cair dramaticamente.

    As sérias consequências dos enormes erros cometidos em Washington, em Wall Street e nos escritórios das corporações estão sendo enfrentados como uma política insustentável de taxa de juros baixa e por uma imprensa financeira corrupta, enquanto a dívida se acumula. O Banco Central já passou por esta experiência antes. Durante a Segunda Guerra Mundial o Fed manteve as taxas de juros baixas para ajudar o Tesouro a financiar a guerra, reduzindo assim os juros pagos na dívida acumulada no esforço de guerra. O BC manteve os juros baixos comprando papéis da dívida. A inflação resultante, no pós-guerra, levou ao Acordo BC-Tesouro de 1951, pelo qual o Banco Central deixou de monetizar a dívida e permitiu o aumento das taxas de juros.

    O presidente do Fed, Bernanke, tem falado sobre um “estratégia de saída” e disse que quando a inflação ameaçar, ele poderá evitá-la tirando dinheiro do sistema bancário. No entanto, ele só pode fazer isso vendendo papéis do Tesouro, o que significa aumento na taxa de juros. Um aumento na taxa de juros ameaça a estrutura dos derivativos, causando perda no mercado de ações e aumento no custo das dívidas privada e pública. Em outras palavras, evitar a inflação causada pela monetização da dívida causaria problemas mais imediatos que a inflação. Em vez de provocar o colapso do sistema, o BC não escolheria inflacionar?

    Eventualmente, a inflação erodiria o poder de compra do dólar, o uso dele como moeda de reserva mundial e a nota do crédito do governo dos Estados Unidos seria rebaixada. No entanto, o Fed, os políticos e os gângsters financeiros prefeririam uma crise mais tarde, em vez de uma crise agora. Entregar um navio que afunda para a próxima geração é melhor que afundar com ele. Enquanto os swaps de taxa de juros puderem ser usados para impulsionar os preços dos papéis do Tesouro e enquanto as vendas a descoberto de ouro e prata puderem ser usadas para evitar o aumento no preço dos metais, a imagem falsa dos Estados Unidos como porto seguro para os investidores pode ser perpetuada.

    No entanto, os 230 trilhões de dólares em apostas em derivativos feitas por bancos norte-americanos podem trazer suas próprias surpresas. O JPMorganChase foi obrigado a admitir que sua perda recente de 2 bilhões de dólares em derivativos foi maior que isso. Quanto mais, ainda não sabemos. De acordo com o Controlador da Moeda, os cinco maiores bancos dos Estados Unidos emitiram 97,7% de todos os derivativos. Os cinco bancos que emitiram 226 trilhões em derivativos são jogadores comprometidos. Por exemplo, o JPMorganChase tem um total de U$ 1,8 trilhão de bens em carteira, mas U$ 70 trilhões em apostas em derivativos, uma relação de 39 dólares em apostas em derivativos para cada dólar na carteira. Tal banco não precisa perder muitas apostas até sucumbir.

    Bens, naturalmente, não são capital sem risco. De acordo com o relatório do Controlador da Moeda, em 31 de dezembro de 2011 o JPMorgamChase tinha U$ 70,2 trilhões em derivativos e apenas U$ 136 bilhões em capital. Em outras palavras, as apostas do banco em derivativos são 516 vezes maiores que o capital que cobre aquelas apostas.

    É difícil imaginar uma posição mais irresponsável e instável para um banco, mas o Goldman Sachs é o campeão. Com apostas de U$ 44 trilhões em derivativos, o banco tem apenas U$ 19 bilhões em capital, resultando em apostas 2.295 vezes maiores que o capital do banco para cobrí-las.

    Apostas na taxa de juros representam 81% de todos os derivativos. São estes derivativos que sustentam os altos preços dos papéis do Tesouro, apesar dos massivos aumentos da dívida dos Estados Unidos e de sua monetização.

    As apostas em derivativos dos bancos dos Estados Unidos, de U$ 230 trilhões, concentradas em cinco bancos, são 15,3 vezes maiores que o PIB dos Estados Unidos. Um sistema político falido que permite a bancos desregulamentados fazer apostas 15 vezes maiores que a economia dos Estados Unidos é um sistema destinado a fracasso catastrófico. Quando se espalhar a informação sobre esta fantástica falta de responsabilidade dos sistemas político e financeiro dos Estados Unidos, a catástrofe vai se tornar realidade.

    Todos querem uma solução, então vou sugerir uma. O governo dos Estados Unidos deveria simplesmente cancelar os U$ 230 trilhões em apostas em derivativos, declarando-as nulas. Como bens reais não estão envolvidos, apenas a jogatina em valores, o único grande efeito de cancelar todos os swaps seria tirar U$ 230 trilhões de risco do sistema financeiro. Os gângsters financeiros que querem continuar a lucrar enquanto o público subscreve suas perdas iriam gritar e protestar alegando a santidade dos contratos. No entanto, um governo que pode matar seus próprios cidadãos ou jogá-los na masmorra sem processo legal pode perfeitamente abolir todos os contratos que quiser em nome da segurança nacional. E, com certeza, ao contrário da guerra contra o terror, purgar o sistema financeiro da jogatina dos derivativos melhoraria muito a segurança nacional.

    * Paul Craig Roberts foi secretário assistente do Tesouro dos Estados Unidos, editor assistente do Wall Street Journal, colunista da Business Week e professor de economia.

    0
    • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 19:19

      Já cantei essa bola sobre sobre a possibilidade/iminência da quebra do dolar umas semanas atrás.

      Teoria de conspiração… bobagem, pois bem agora que temos respaldo do nobre senhor gringo, segue novamente o texto que aqui publiquei.

      E como disse uns dias atrás, master reset a caminho, qdo falo de um remédio amargo que irá curar a duras penas essa sandice é disso que falo.

      . A proximidade de uma crise gigantesca, que tenho discutido com economistas próximos e que pouco é noticiado, pois em grande parte ela é mascarada. E em momento algum, será falado abertamente nos jornais e telejornais, que o governo tem sido ineficiente e pior ainda, fomentado os fatores que agravarão essa crise em detrimento do lucro de instituições bancárias e da indústria automobilística. Portanto, publico este pequeno texto contento algumas das reflexões surgidas em rodas e grupos de estudo nas ultimas semanas. Nosso povo não pode ser pego de surpresa por essa grande armadilha montada por grupos econômicos completamente descompromissados com o nosso bem estar. Tentarei resumir de forma clara e direta, apesar da profundidade do assunto.
      Comecemos pela china, a beira da crise e nos últimos anos encenando um crescimento artificial.
      Proprietária de praticamente metade dos títulos da dívida pública norte-americana e maior compradora das commodities (produtos básicos de amplo consumo, sendo eles agropecuários, industriais e financeiros, no nosso caso, agropecuários e industriais) brasileiras. Os nossos amigos chineses possuem um PIB composto em 20% por obras de construção civil, o mesmo vem promovendo a construção de verdadeiras cidades fantasma (sim, cidades vazias, sem ocupação. Vídeos com documentários sobre o assunto podem ser vistos no youtube) a fim de manter a sua economia aquecida, some-se a isto, o fato de lá também haver uma especulação imobiliária sem precedentes, com preços exorbitantes e muito acima da capacidade de compra do cidadão médio chinês e atual estagnação nas vendas (qualquer semelhança ao nosso país não é mera coincidência) não é difícil de perceber, sem a necessidade de um diploma em economia, que esse mecanismo não será sustentável. E uma grande prova disso, é que enquanto discutimos uma queda de juros até o final do ano para talvez 7,5% o governo chinês anunciou ontem a redução de sua taxa de juros que foi recebida com uma baixa na bolsa, afinal ao contrário dos tolos brasileiros, os investidores perceberam que essa medida evidencia um esforço antecipado do governo ao anuncio das estatísticas macroeconômicas de maio, objetivando a manutenção da sua economia aquecida. Trocando em miúdos, haverá sim um decréscimo da economia chinesa, e só aqui no Brasil, é que achamos que é uma boa notícia a redução de nossa taxa de juros. Medida essa tendo como único objetivo, aumentar o consumo (aquecer/movimentar a economia) e disfarçar o indisfarçável, que a nossa economia está combalida, com índices de desemprego e o endividamento crescendo insidiosamente. Enquanto isso apoiado pelo estimulo do governo para compra de automóveis e a aquisição de imóveis, por meio da baixa temporária do IPI, diminuição de juros de financiamento e aumento do prazo de financiamento, cresce assim o endividamento da virtual classe média, e maior será o problema após o estouro da nossa bolha imobiliária. Nossos financiamentos que segundo o nosso governo foram concedidos com excelentes critérios de avaliação, na verdade já começam a se revelar novas fontes de inadimplência, já sendo inclusive criada uma empresa pública para a compra dos títulos podres dos nossos bancos. Isso mesmo amigos, fomentaram o problema e ainda irão transferir para o povo brasileiro a resolução do mesmo. Uma vez que a empresa pública vai comprar os tais títulos podres com dinheiro público. O seu e o meu imposto. Os automóveis, que foram financiados em incríveis 80 meses, com a fabulosa isenção de IPI, já não são mais pagos pela classe média. E não espere ler isso nos jornais. E como todos sabem, a matemática é clara, quanto maior o endividamento, menor o consumo. E quanto menor o consumo, maiores as demissões. E quanto maior às demissões, maior a inadimplência, menor o consumo e assim vai… Alguma dúvida de que estão nos empurrando para o abismo. Mas tudo bem, desde que a bomba estoure apenas depois das eleições, ou depois da Europa, aí fica fácil jogar a culpa nos outros. “Foi reflexo…”
      Mas voltemos por hora à China, enquanto nos distraímos acompanhado a crise na Grécia e o socorro aos bancos espanhóis, não estamos nos focamos no que realmente causa medo ao Sr. Obama (Além da M….. bater no ventilador antes das eleições norte-americanas). Apesar de a China estar diversificando suas exportações, já sendo responsável por 41% da exportação de navios para o mundo, e sendo a exportação de maquinário tanto leve como pesado, responsável por 38,7% de suas exportações, visando mercados como Índia, América do Sul e Oriente Médio. São para os Estados Unidos, Japão e Europa que ainda correspondem 48% das exportações chinesas. E assim, como uma via de mão dupla, em caso de uma crise chinesa ocasionada pela diminuição de suas exportações para a Europa e Estada Unidos em crise. E colapso iminente de sua indústria de construção civil, um possível leilão de títulos da dívida pública norte americana pertencentes ao governo chinês, inundaria o mercado, desvalorizando o dólar,%2

      0
    • Marcus 1 de julho de 2012 at 12:18

      Fui um dos poucos a combater o pregador anônimo aqui … bem como suas “verdades” e “manueis”.

      Se vc tem capacidade para tradear no mercado de câmbio … ok …go ahead.

      Mas induzir as pessoas a transferir suas economias para o dolar é muito …muito perigoso no atual momento.

      O texto original acima, em inglês, encontra-se em:
      “http://www.paulcraigroberts.org/2012/06/05/collapse-at-hand/”

      Daqui a pouco ele aparece dizendo que o dolar valorizou trocentos por cento esses meses e anualizando a valorização domesmo. Esquece de ver a figura maior tanto do passado, quanto do futuro.

      Uma pessoas extremamente inteligente e competente só precisa de 1 movimento para ser milionário … basta entrar na ponta certa da opção, da opção, de determinado ativo em determinado momento de grande amplitude. Assim se fazem milionários e suicidas.

      Então se vc não é kamikase ou o crème de la crème da analise gráfica e financeira de derivativos … estude os diferentes tipos de investimentos. Suas rentabilidades passadas e presentes … diversifique e espere pelo inverno..

      Quem segue dica de alguém é pq ainda não encontrou seu próprio caminho. Se vc acha alguma dica financeira interessante, desnuda a mesma … entenda o pq ela realmente seria interessante.

      0
      • Crixus 1 de julho de 2012 at 23:36

        De fato o anonymous com sua formula maravilhosa chega a ser cansativo

        Em economia nada eh tão fácil e simples como ele prega

        0
  • EduLon 30 de junho de 2012 at 18:47

    Tudo o que sobe cai.

    ” Eike Batista cai de 7º para 46º homem mais rico do mundo Segundo cálculos feitos pela Forbes, fortuna do empresário brasileiro encolheu pelo menos 50% neste ano” .

    Até o preço dos imóveis…

    0
    • Carlos Eduardo 30 de junho de 2012 at 23:25

      Quem sabe isso não coloca esse povo no lugar dele!

      no caso “o milagre economico brasileiro”, “o sexto maior pib do mundo”

      e outras babozeiras que fomos obrigados a ouvir nos ultimos anos!

      Talvez assim voltemos a nos preocupar com a base, a estabilidade da moeda para poder fazer o pais crescer de forma concreta!

      Ao invés tentar ” inventar um crescimento mágico na base da canetada”

      0
    • Zé Bolha 1 de julho de 2012 at 22:37

      46ø mais rico do mundo… que queda… queria não… rs

      0
  • CAMBALHOTA 30 de junho de 2012 at 18:57

    Excelente texto. Se 10% dos que lessem tornam-se estes ensinamentos básicos uma prática diária, não estaríamos nesta situação…

    http://oglobo.globo.com/blogs/elevador/posts/2012/06/17/nao-desperdice-sua-carreira-com-dividas-450938.asp

    0
  • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 19:41

    Me desculpem pela postagem tripla, dei refresh sem querer e acontecu isto, voltando ao assunto, cantei a bola semanas atrás, teve gente que criticou.

    Depois não podem dizer que não avisei.

    0
    • SPSPJULIANO 30 de junho de 2012 at 19:58

      E ai André, vamos comprar ouro ?

      Físico (em barras ou moedas) ou em custódia (bancária) ?

      0
      • Justiceiro 30 de junho de 2012 at 20:09

        Estou na dúvida se compro ouro ou títulos do governo brasileiro.
        Deixar a grana que sobra na poupança nova está me deixando nervoso.
        Acredito que teremos um soft landing na desvalorização do dólar.
        Sobre o ouro, me parece que o melhor é o físico, em moedas…

        0
      • GB 30 de junho de 2012 at 20:44

        A Telefônica está dizendo pro pessoal comprar telefones fixos, segundo ela é garantia de valorização futura e grandes ganhos.

        0
        • Justiceiro 30 de junho de 2012 at 21:16

          hahhahahahahahaha.

          0
        • Francisco Quiumento 30 de junho de 2012 at 21:51

          GB, por favor, fala que isso foi piada.

          0
        • Júlio Cesar 30 de junho de 2012 at 23:29

          GB, vc não desiste desta ideia de investir em telefone fixo. Pensa bem, o pessoal fala que valoriza eternamente, que até dá pra alugar e ganhar uma graninha extra, que é investimento seguro, sem riscos, a imprensa ate tenta passar uma boa imagem deste investimento, mas vai por mim, uma hora isto vai dar zebra.

          0
          • GB 1 de julho de 2012 at 00:24

            Gente, é só para esse povo todo (os zumbis) irem lá e fazerem a felicidade da empresa, ela merece, faz um bom trabalho obrigando o pessoal a contratar internet rápida condicionada a pagar provedor que não faz nada, maior venda casada e nem ficam vermelhos de vergonha (hoje tem os di grátis, mas não tinha até um tempo atrás).

            Telefone fixo você instala e ganha uma despesa mensal, é que nem terreno em condomínio fechado ou apto, como você pode dizer que é um bom investimento algo que te dá despesa alta de condomínio ? Assim o “lucro” vai embora rapidinho, você não pode baixar o preço pois quer recuperar tudo o que gastou e você perde os cabelos tentando achar alguém para empurrar o problema.

            É só uma questão de tempo, as notícias estão muito ruins, também já vimos isso acontecer em outros 5 países (EUA, Japão, China, Irlanda e Espanha), os imóveis não valorizam há 8 meses e até a TV comprada já está falando nisso, é esperar para ver até onde vai a paciência dos proprietários com as promessas dos corretores, logo vão tentar vender para tentar empatar mas vão ver que nem isso vai ser possível.

            Os compradores que se seguraram até agora estão na mira do mercado, mas para desespero dos especuladores e destrutoras podemos nos segurar um pouco mais, estamos vendo como estão as coisas e não vamos ter dó desses especuladores.

            GB: não compra imóvel com ágio ON.

            0
            • Daniel Ribeiro 1 de julho de 2012 at 03:52

              Uns 20 anos atrás, a tia da minha namorada na época vivia do aluguel de meia dúzia de linhas telefônicas. Eu falei pra ela se desfazer daquilo, comprar algum imovel pra alugar ou coisa parecida enquanto linha valia alguma coisa…. ela achou que era bobagem.

              0
      • Seu Madruga 30 de junho de 2012 at 21:23

        Armas, munição e remédios e alimentos… Se a merda explorir desse jeito, é bom investir em comodities com aplicação prática quando os zumbis, digo, craçe C, bater na porta.

        0
      • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 21:37

        Sempre físico. No Itaú é possível comprar em barrinhas com certificado de pureza 99%

        0
        • Carlos Eduardo 30 de junho de 2012 at 23:18

          O unico problema que vejo nessa operação é que o Itaú, aquele banco que roubou os pertences das pessoas em suas gavetinhas, na paulista messes atrás.
          Ele vai saber onde estão as barras, caso eles precisem mandar buscar novamente na tua casa! Assim como o bc!

          Já que vai comprar ouro já compra uma metralhadora, porque o nivel de segurança do país que vivemos não é por acaso!

          O crime é uma arma nas mãos dos politicos!

          se a moeda do pais quebrar de vez, viveremos o faroeste! é melhor ter bastante munição!

          A propriedade individual não é respeitada aqui, vide MST que invade terras produtivas ou não e tem aval do governo para isso !

          Eu tô com a teoria do Anonimus, pois detro da banania ninguem vai te respeitar!

          0
          • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 23:40

            Moedas antigas (principalmente as de prata, mais comuns) são uma boa solução.

            0
          • André Luis ZS/RJ 1 de julho de 2012 at 00:00

            Pois é meu camarada, como diria Geroge Orwell, “Muitos odiarão a nova ordem mundial, e muitos outros morrerão lutando contra ela.”

            0
          • Cleyton 1 de julho de 2012 at 00:00

            Por isso fizeram a lei do desarmamento, vamos ter que fazer flechas de garrafas pet porque nem bambu não se acha mais.

            0
          • Virginia 1 de julho de 2012 at 07:27

            vocês tão me assustando!! affff

            0
  • ET de Varginha 30 de junho de 2012 at 20:03

    Gostei da sugestão dada acima de regionalizar as discussões, seria uma boa iniciativa para observar mais de perto o estrago da bolha.
    Vai meu depoimento: Em São José dos Campos (interior de SP) tenho visto uma mudança interessante: aumento da oferta de imóveis de aluguel. Tenho procurado imóveis na região do Jd Aquarius, uma área de classe média alta e tenho visto diversos imóveis que estava de olho, sendo alugados. Teve um que estava namorando desde janeiro (detalhe que o imóvel ainda estava no contrapiso e o prédio foi entregue no final de 2010). Estava anunciado em cerca de R$ 3200/m2 (valor alto no meu pto de vista para apto sem piso, porém não muito distante dos R$ 2500-2800 que acho que seria justo).Descobri o fone do proprietário e ele liguei direto para ele, e me disse que está colocando piso e armários para alugar ou vender daqui uns 3 meses. E aí subiu o preço 40 mil para depois de arrumar o apto. Pior que eu queria sem piso e sem armário, coitado, me esnobou e ficou sem saber que com um pouco de boa vontade dele, eu resolvia o problema. Vai gastar $ para fazer algo que a meu ver vai desvalorizar o imóvel (pelo menos para mim). Algum comentário de SJC?

    0
  • André Luis ZS/RJ 30 de junho de 2012 at 21:39

    Falando sério, já tenho estocado grãos, farináceos, conservas e enlatados. Além de remédios e produtos de limpeza para no caso de uma maxi desvalorização monetária e super inflação.

    0
    • Virginia 30 de junho de 2012 at 22:31

      POxa. Não tinha pensado nisso…

      0
    • GB 1 de julho de 2012 at 00:02

      Desde que o governo mantenha os serviços de internet rápida, pra mim pode vir a crise que vier, já estarei pronto.

      0
    • O Irritado 2 de julho de 2012 at 01:50

      Karamba, André Luis!!

      Tipo “Eu sou a Lenda” (com o Will Smith)?

      0
  • Francisco Quiumento 30 de junho de 2012 at 21:50

    Comentário groselha:

    Dei uma longa caminhada hoje por Moema e pelos Jardins e depois Paulista (não se assustem, caminho muito mesmo!).

    Como o comentário feito acima, somo:

    É de assustar o estado patético dos stands e a quantidade assustadora de escritórios e apartamentos com plaquinhas catrefas de vende-se.

    Tem uma gíria da molecada carioca de uns anos atrás que diz bem o que senti:

    TREVAS…

    O mercado não está “saturado”, está botando unidades pelo ladrão.

    Com o nível de alavancagem que se tem, a coisa vai ser pavorosa em Sampa, não tenho mínima dúvida.

    0
    • hannamanana 1 de julho de 2012 at 16:01

      Quer dizer que até ai vemos a florada das plaquinhas?!
      Campinas está bombando com a safra de plaquinhas desta última semana.
      E enquanto isto, mais casas estão sendo derrubadas para dar lugar aos prédios…
      I’ll see…

      0
  • Philis 30 de junho de 2012 at 22:20

    A loucura no RJ continua, pelo visto….

    http : //www. zap. com. br/imoveis/oferta/Casa-Padrao-3-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-GAMBOA-RUA-SILVINO-MONTENEGRO/ID-3216924

    0
    • Neo 30 de junho de 2012 at 23:33

      nossa que casa velha, piso vermelhao, um horror por 650k

      nem a pau juvenal, só se for pra demolir e fazer outra

      0
    • Alex 30 de junho de 2012 at 23:44

      Nossa, parece piada colocar uma casa desta a venda

      0
    • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 1 de julho de 2012 at 08:34

      Voces não entenderam nada…no valor esta computado intrinscicamente o retorno que o new owner terá ao vender o material usado como reliquia as casas especiliazidas do ramo – Museu do azulejo, Madeiras de demolição e muitas outras coisas mais – afinal onde, hoje, se pode conseguir uma maravilhosa privada verde palido dessas?

      0
  • AAC 30 de junho de 2012 at 23:20

    Como falei alguns posts atras, estou temporariamente em Vitoria…Citei o caso de um predio que vi onde todos os apartamentos de um predio quee vi tinha uma placa de aluga…todos mesmo…hoje andando por Vila velha em uma semaforo me entregaram um folder e em letras garrafais estava o preço do apartamneto, primeira vez que recebo um folder com o preço e em destaque…Em breve volta para Manaus, lá acabaram de lançar um mega empreendimento chamado reserva inglesa, cheio de frescura, preços a partir de 450.000,00…é legal mas vale 250.000,00…acho que vai micar…o mais legal era ver o stand vazio, mas cerca de 30 carros parados na frente…acho que eles os flanelinhas emprestam o carro da familia toda para fazer um marketing…

    0
    • flavio 2 de julho de 2012 at 08:31

      AAC vc é de Manaus tb ??

      Incrível a quantidade de apartamentos prontos na faixa dos 600 k vazios. Equilibrium, Gardem Club, Tiago de Melo, Opera de Paris, entre outros, todos tem ” últimas unidades”.

      0
  • Virginia 30 de junho de 2012 at 23:24

    Gente, essa nova personagem do Zorra Total, Adelaide, é uma crítica rasgada à #novacrassecê!!!
    Ela pede esmola no metrô, mas tem um tablet na bolsa… Pede esmola pra colocar silicone nos seios!! kkkkkkk 😀

    0
  • Ed_Bolha 30 de junho de 2012 at 23:28

    Alguem escreveu aí encima e eu repito; tambem nao quero arrumar polemica com ninguem… ( anonimous ) Contudo, ja que outras pessoas tambem se manifestaram, aí vai mais uma vez… O dollar simplesmente nao é mais um porto seguro. Depois de 31 anos de America & BR (continuously off & on) , tendo visto tanta turbulencia na economia brasileira e sempre tendo o dollar como moeda segura, hoje nao vejo mais assim… dollarcollapse.com , financialcollapse.com …. ‘d rather hurt with the news than facts…

    0
    • Cleyton 1 de julho de 2012 at 00:04

      O dólar manteve seu poder de compra por 300 anos quando a quantidade dele era estável, isso não ocorre mais desde 98 (crise dos tigres asiáticos), de lá pra cá está só na inércia e perdendo velocidade.

      0
  • Alex 30 de junho de 2012 at 23:35

    Confesso, eu estava determinado a comprar um terreno aqui em Jundiaí. Já tenho tudo pronto e engatilhado, estou apenas megociando os centavos com a proprietário. E eu não ia financiar nada, ia pagar a vista.
    Mas depois de ler esse site, viciei nos comentarios. Acesso 4x ao dia para ver as atualizações. E hoje DESISTI de comprar o terreno. Na procura de terrenos, tenho visto tanta casa à venda que fiquei assustado. Em um mesmo condomínio, onde encontrei 2 terrenos bons (mas caríssimos), há muitas casas à venda, ainda por preços absurdos. Casas que eu não pagaria 300 mil estão a venda por 1.200.000. Esses preços TEM que cair, porque não vai existir louco que vai comprar essas casas. Uma ou outra será vendida, mas esse pessoal vai ter que voltar à realidade e aaixar, no mínimo, 40%. No mínimo.
    Então prefiro guardar meu dinheiro, deixar investido, ao invés de comprar o terreno e começar a construir, e daqui a 2 anos, já com muito mais dinheiro, comprar uma das casas com um valor muito mais barato.
    Detalhe: eu tenho um benefício aluguel de minha empresa. Por mais 2 anos a empresa paga o aluguel da casa onde eu vivo. Depois será por minha conta.
    Não vou entrar no mercado agora, quero esperar essas placas de Vemde-se se multiplicarem, enferrurragem, e daqui a 2 anos tenho a esperança de pagar muito menos pela minha casa.
    Uma dúvida: será que 2 anos serão suficientes?

    0
    • GB 30 de junho de 2012 at 23:55

      Ei, nós seremos concorrentes quando os preços caírem aqui em Jundiaí, mas vai ter muita coisa boa à disposição e quase ninguém com grana, todos já vão estar com suas dívidas ou complexados pois já gastaram o que tinham com imóveis e vão estar vendendo baratinho.

      0
  • GB 1 de julho de 2012 at 00:00

    Ei, esse negócio de “compre telefone fixo” é pura ironia, ainda mais colocando que a “Telefônica diz que vai ter super valorização”, super desinteressada, é a mesma coisa que uma vaca carregando uma placa escrita “COMA FRANGO !!!”.

    É que a maioria desses especuladores perdeu $$$ especulando com telefones fixos, eles não gostam de ler nada lembrando-os disso (ou bois e avestruzes) e que isso pode acontecer novamente, mas agora com imóveis, kkkkkkk.

    0
  • GB 1 de julho de 2012 at 00:26

    Gente, é só para esse povo todo (os zumbis) irem lá e fazerem a felicidade da empresa, ela merece, faz um bom trabalho obrigando o pessoal a contratar internet rápida condicionada a pagar provedor que não faz nada, maior venda casada e nem ficam vermelhos de vergonha (hoje tem os di grátis, mas não tinha até um tempo atrás).

    Telefone fixo você instala e ganha uma despesa mensal, é que nem terreno em condomínio fechado ou apto, como você pode dizer que é um bom investimento algo que te dá despesa alta de condomínio ? Assim o “lucro” vai embora rapidinho, você não pode baixar o preço pois quer recuperar tudo o que gastou e você perde os cabelos tentando achar alguém para empurrar o problema.

    É só uma questão de tempo, as notícias estão muito ruins, também já vimos isso acontecer em outros 5 países (EUA, Japão, China, Irlanda e Espanha), os imóveis não valorizam há 8 meses e até a TV comprada já está falando nisso, é esperar para ver até onde vai a paciência dos proprietários com as promessas dos corretores, logo vão tentar vender para tentar empatar mas vão ver que nem isso vai ser possível.

    Os compradores que se seguraram até agora estão na mira do mercado, mas para desespero dos especuladores e destrutoras podemos nos segurar um pouco mais, estamos vendo como estão as coisas e não vamos ter dó desses especuladores.

    GB: não compra imóvel com ágio ON.

    0
  • André Luis ZS/RJ 1 de julho de 2012 at 00:38

    Incrível texto que mostra a atual situação mundial, qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência.

    2011: A Brave New Dystopia
    by Chris Hedges

    As duas grandiosas visões sobre uma futura distopia foram as de George Orwell em 1984 e de Aldous Huxley em Brave New World. O debate entre aqueles que assistiram nossa decadência em direção ao totalitarismo corporativo era sobre quem, afinal, estava certo. Seria, como Orwell escreveu, dominado pela vigilância repressiva e pelo estado de segurança que usaria formas cruas e violentas de controle? Ou seria, como Huxley anteviu, um futuro em que abraçariamos nossa opressão embalados pelo entretenimento e pelo espetáculo, cativados pela tecnologia e seduzidos pelo consumismo desenfreado? No fim, Orwell e Huxley estavam ambos certos. Huxley viu o primeiro estágio de nossa escravidão. Orwell anteviu o segundo.

    Temos sido gradualmente desempoderados por um estado corporativo que, como Huxley anteviu, nos seduziu e manipulou através da gratificação dos sentidos, dos bens de produção em massa, do crédito sem limite, do teatro político e do divertimento. Enquanto estávamos entretidos, as leis que uma vez mantiveram o poder corporativo predatório em cheque foram desmanteladas, as que um dia nos protegeram foram reescritas e nós fomos empobrecidos. Agora que o crédito está acabando, os bons empregos para a classe trabalhadora se foram para sempre e os bens produzidos em massa se tornaram inacessíveis, nos sentimos transportados do Brave New World para 1984. O estado, atulhado em déficits maciços, em guerras sem fim e em golpes corporativos, caminha em direção à falência.

    […]

    Orwell nos alertou sobre um mundo em que os livros eram banidos. Huxley nos alertou sobre um mundo em que ninguém queria ler livros. Orwell nos alertou sobre um estado de guerra e medo permanentes. Huxley nos alertou sobre uma cultura de prazeres do corpo. Orwell nos alertou sobre um estado em que toda conversa e pensamento eram monitorados e no qual a dissidência era punida brutalmente. Huxley nos alertou sobre um estado no qual a população, preocupada com trivialidades e fofocas, não se importava mais com a verdade e a informação. Orwell nos viu amedrontados até a submissão. Mas Huxley, estamos descobrindo, era meramente o prelúdio de Orwell. Huxley entendeu o processo pelo qual seríamos cúmplices de nossa própria escravidão. Orwell entendeu a escravidão. Agora que o golpe corporativo foi dado, estamos nus e indefesos. Estamos começando a entender, como Karl Marx sabia, que o capitalismo sem limites e desregulamentado é uma força bruta e revolucionária que explora os seres humanos e o mundo natural até a exaustão e o colapso.

    “O partido busca todo o poder pelo poder”, Orwell escreveu em 1984. “Não estamos interessados no bem dos outros; estamos interessados somente no poder. Não queremos riqueza ou luxo, vida longa ou felicidade; apenas poder, poder puro. O que poder puro significa você ainda vai entender. Nós somos diferentes das oligarquias do passado, já que sabemos o que estamos fazendo. Todos os outros, mesmo os que se pareciam conosco, eram covardes e hipócritas. Os nazistas alemães e os comunistas russos chegaram perto pelos seus métodos, mas eles nunca tiveram a coragem de reconhecer seus próprios motivos. Eles fizeram de conta, ou talvez tenham acreditado, que tomaram o poder sem querer e por um tempo limitado, e que logo adiante havia um paraíso em que os seres humanos seriam livres e iguais. Não somos assim. Sabemos que ninguém toma o poder com a intenção de entregá-lo. Poder não é um meio; é um fim. Ninguém promove uma ditadura com o objetivo de assegurar a revolução; se faz a revolução para assegurar a ditadura. O objeto da perseguição é perseguir. O objeto de torturar é a tortura. O objeto do poder é o poder”.

    O filósofo político Sheldon Wolin usa o termo “totalitarismo invertido” no livro “Democracia Ltda.” para descrever nosso sistema político. É um termo que não faria sentido para Huxley. No totalitarismo invertido, as sofisticadas tecnologias de controle corporativo, intimidação e manipulação de massas, que superam em muito as empregadas por estados totalitários prévios, são eficazmente mascaradas pelo brilho, barulho e abundância da sociedade de consumo. Participação política e liberdades civis são gradualmente solapadas. O estado corporativo, escondido sob a fumaça da indústria de relações públicas, da indústria do entretenimento e do materialismo da sociedade de consumo, nos devora de dentro para fora. Não deve nada a nós ou à Nação. Faz a festa em nossa carcaça.

    O estado corporativo não encontra a sua expressão em um líder demagogo ou carismático. É definido pelo anonimato e pela ausência de rosto de uma corporação. As corporações, que contratam porta-vozes atraentes como Barack Obama, controlam o uso da ciência, da tecnologia, da educação e dos meios de comunicação de massa. Elas controlam as mensagens do cinema e da televisão. E, como no Brave New World, elas usam as ferramentas da comunicação para aumentar a tirania. Nosso sistema de comunicação de massas, como Wolin escreveu, “bloqueia, elimina o que quer que proponha qualificação, ambiguidade ou diálogo, qualquer coisa que esfraqueça ou complique a força holística de sua criação, a sua completa capacidade de influenciar”.

    O resultado é um sistema monocromático de informação. Cortejadores das celebridades, mascarados de jornalistas, experts e especialistas, identificam nossos problemas e pacientemente explicam seus parâmetros. Todos os que argumentam fora dos parâmetros são desprezados como chatos irrelevantes, extremistas ou membros da extrema esquerda. Críticos sociais prescientes, como Ralph Nader e Noam Chomsky, são banidos. Opiniões aceitáveis cabem, mas apenas de A a B. A cultura, sob a tutela dos cortesãos corporativos, se torna, como Huxley notou, um mundo de conformismo festivo, de otimismo sem fim e fatal.

    Nós nos ocupamos comprando produtos que prometem mudar nossas vidas, tornar-nos mais bonitos, confiantes e bem sucedidos — enquanto perdemos direitos, dinheiro e influência. Todas as mensagens que recebemos pelos meios de comunicação , seja no noticiário noturno ou nos programas como “Oprah”, nos prometem um amanhã mais feliz e brilhante. E isso, como Wolin apontou, é “a mesma ideologia que convida os executivos de corporações a exagerar lucros e esconder prejuízos, sempre com um rosto feliz”. Estamos hipnotizados, Wolin escreve, “pelo contínuo avanço tecnológico” que encoraja “fantasias elaboradas de poder individual, juventude eterna, beleza através de cirurgia, ações medidas em nanosegundos: uma cultura dos sonhos, de cada vez maior controle e possibilidade, cujos integrantes estão sujeitos à fantasia porque a grande maioria tem imaginação, mas pouco conhecimento científico”.

    Nossa base manufatureira foi desmantelada. Especuladores e golpistas atacaram o Tesouro dos Estados Unidos e roubaram bilhões de pequenos acionistas que tinham poupado para a aposentadoria ou o estudo. As liberdades civis, inclusive o habeas corpus e a proteção contra a escuta telefônica sem mandado, foram enfraquecidas. Serviços básicos, inclusive de educação pública e saúde, foram entregues a corporações para explorar em busca do lucro. As poucas vozes dissidentes, que se recusam a se engajar no papo feliz das corporações, são desprezadas como freaks.

    […]

    A fachada está desabando. Quanto mais gente se der conta de que fomos usados e roubados, mais rapidamente nos moveremos do Brave New World de Huxley para o 1984 de Orwell. O público, a certa altura, terá de enfrentar algumas verdades doloridas. Os empregos com bons salários não vão voltar. Os maiores déficits da história humana significam que estamos presos num sistema escravocrata de dívida que será usado pelo estado corporativo para erradicar os últimos vestígios de proteção social dos cidadãos, inclusive a Previdência Social.

    O estado passou de uma democracia capitalista para o neo-feudalismo. E quando essas verdades se tornarem aparentes, a raiva vai substituir o conformismo feliz imposto pelas corporações. O vazio de nossos bolsões pós-industriais, onde 40 milhões de norte-americanos vivem em estado de pobreza e dezenas de milhões na categoria chamada “perto da pobreza”, junto com a falta de crédito para salvar as famílias do despejo, das hipotecas e da falência por causa dos gastos médicos, significam que o totalitarismo invertido não vai mais funcionar.

    Nós crescentemente vivemos na Oceania de Orwell, não mais no Estado Mundial de Huxley. Osama bin Laden faz o papel de Emmanuel Goldstein em 1984. Goldstein, na novela, é a face pública do terror. Suas maquinações diabólicas e seus atos de violência clandestina dominam o noticiário noturno. A imagem de Goldstein aparece diariamente nas telas de TV da Oceania como parte do ritual diário da nação, os “Dois Minutos de Ódio”. E, sem a intervenção do estado, Goldstein, assim como bin Laden, vai te matar. Todos os excessos são justificáveis na luta titânica contra o diabo personificado.

    A tortura psicológica do cabo Bradley Manning — que está preso há sete meses sem condenação por qualquer crime — espelha o dissidente Winston Smith de 1984. Manning é um “detido de segurança máxima” na cadeia da base dos Fuzileiros Navais de Quantico, na Virginia. Eles passa 23 das 24 horas do dia sozinho. Não pode se exercitar. Não pode usar travesseiro ou roupa de cama. Médicos do Exército enchem Manning de antidepressivos. As formas cruas de tortura da Gestapo foram substituídas pelas técnicas refinadas de Orwell, desenvolvidas por psicólogos do governo, para tornar dissidentes como Manning em vegetais. Quebramos almas e corpos. É mais eficaz. Agora todos podemos ir ao temido quarto 101 de Orwell para nos tornarmos obedientes e mansos.

    Essas “medidas administrativas especiais” são regularmente impostas em nossos dissidentes, inclusive em Syed Fahad Hasmi, que ficou preso sob condições similares durante três anos antes do julgamento. As técnicas feriram psicologicamente milhares de detidos em nossas cadeias secretas em todo o mundo. Elas são o exemplo da forma de controle em nossas prisões de segurança máxima, onde o estado corporativo promove a guerra contra nossa sub-classe política – os afro-americanos. É o presságio da mudança de Huxley para Orwell.

    “Nunca mais você será capaz de ter um sentimento humano”, o torturador de Winston Smith diz a ele em 1984.”Tudo estará morto dentro de você. Nunca mais você será capaz de amar, de ter amigos, do prazer de viver, do riso, da curiosidade, da coragem ou integridade. Você será raso. Vamos te apertar até esvaziá-lo e vamos encher você de nós”.

    O laço está apertando. A era do divertimento está sendo substituída pela era da repressão. Dezenas de milhões de cidadãos tiveram seus dados de e-mail e de telefone entregues ao governo. Somos a cidadania mais monitorada e espionada da história humana. Muitos de nós temos nossa rotina diária registrada por câmeras de segurança. Nossos hábitos ficam gravados na internet. Nossas fichas são geradas eletronicamente. Nossos corpos são revistados em aeroportos e filmados por scanners. Anúncios públicos, selos de inspeção e posters no transporte público constantemente pedem que relatemos atividade suspeita. O inimigo está em toda parte.

    Aqueles que não cumprem com os ditames da guerra contra o terror, uma guerra que, como Orwell notou, não tem fim, são silenciados brutalmente. Medidas draconianas de segurança foram usadas contra protestos no G-20 em Pittsburgh e Toronto de forma desproporcional às manifestações de rua. Mas elas mandaram uma mensagem clara — NÃO TENTE PROTESTAR. A investigação do FBI contra ativistas palestinos e que se opõem à guerra, que em setembro resultou em buscas em casas de Minneapolis e Chicago, é uma demonstração do que espera aqueles que desafiam o Newspeak oficial. Os agentes — ou a Polícia do Pensamento — apreenderam telefones, computadores, documentos e outros bens pessoais. Intimações para aparecer no tribunal já foram enviadas a 26 pessoas. As intimações citam leis federais que proíbem “dar apoio material ou recursos para organizações terroristas estrangeiras”. O Terror, mesmo para aqueles que não tem nada a ver com terror, se torna o instrumento usado pelo Big Brother para nos proteger de nós mesmos.

    “Você está começando a entender o mundo que estamos criando?”, Orwell escreveu. “É exatamente o oposto daquelas Utopias estúpidas que os velhos reformistas imaginaram. Um mundo de medo, traição e tormento, um mundo em que se atropela e se é atropelado, um mundo que, ao se sofisticar, vai se tornar cada vez mais cruel”

    0
    • PBR 1 de julho de 2012 at 15:48

      Grande André,

      Levou meu voto de melhor leitura do ano. Já estou procurando os livros do Huxley.

      0
    • PBR 1 de julho de 2012 at 16:17

      Grande André,

      Levou meu voto de melhor leitura do ano. Estou procurando os livros do Huxley neste momento. Obrigado pela contribuição.

      0
  • veigalex 1 de julho de 2012 at 01:30

    Enquanto isso o google insights nao nega.. nada

    “http://www.google.com/insights/search/?hl=pt-R#q=bolha%20imobiliaria&cmpt=q

    0
  • ch0qw3 1 de julho de 2012 at 01:36

    Depois desta leitura, acho que fugir para as montanhas não fará muito sentido…

    “http://www.project-syndicate.org/commentary/a-global-perfect-storm

    O vídeo também não motiva muito…

    “http://www.bloomberg.com/video/roubini-we-are-heading-for-a-global-perfect-storm-fPAXkJVOTpaqlgZm38eMHg.html

    Mas os imóveis na banânia, haaaaaa, estes nunca cairão de preço! 🙂

    Ironic Mode level 5000++

    0
  • veigalex 1 de julho de 2012 at 02:13

    Sou amante da 2º guerra mundial.
    Não pela tragédia e pela loucura do bigode.
    Gosto porque foi um acontecimento que mudou o mundo em diversas vertentes.
    Avanço tecnológico incrível, reorganização geopolítica, as nações aprenderam um pouco sobre cooperação.
    Enfim.. uma época incrível.

    De lá para cá.. tivemos alguns conflitos bélicos, mas todos eles com um interesse específico de um dos lados.

    Aonde quero chegar?

    A esse momento que estamos vivendo hoje no mundo.
    Os mais lunáticos irão fazer o Zeitgeis 2. Os EUA minando o Euro para o dólar se manter o lastro do mundo.

    Mas e ai? será que temos algo por trás disso ou o que estamos presenciando nada mais é do que o resultado da Ganancia Humana?

    Sei não.. mas que terei historia para contar para meus filhos eu terei..

    0
    • Leno 1 de julho de 2012 at 10:26

      Eu também acredito que o mundo está próximo de passar por grandes revoluções. Só não sei vamos conseguir contar isso para os nossos netos.

      0
      • André Luis ZS/RJ 1 de julho de 2012 at 15:56

        Leno particularmente acredito que a nossa geração é a ultima a pensar que é livre, a próxima saberá claramente que não é, serão sim escravos do sistema financeiro com direito a unicard e tudo.

        0
        • SPSPJULIANO 1 de julho de 2012 at 23:05

          Ninguém é livre, nunca fomos, nem mesmo a nossa geração.

          Sempre fomos massa de manobra de quem detém o poder econômico e vive da renda que obtem do capital juntado por (quase sempre) sorte.

          Essa questão da bolha imobiliária é o melhor exemplo.

          Vou contar de uma casinha que meu pai tem no interior de São Paulo que ele comprou na década de 90 por não mais do que R$20.000,00 nos dias de hoje e que antes da boha imobiliária não rendia mais do que R$100,00 de aluguel (cerca de um terço do salário mínimo da época).

          Hoje, depois da distribuição de renda promovida pelo governo lula, que “enriqueceu toda a classe C” essa casa vale uns R$60.000,00) e rende R$300 de aluguel ( cerca de metade do salário mínimo atual).

          Dai eu me questiono todos os dias da justiça dessa situação (mesmo eu sendo o herdeiro do imóvel) Cade a justiça da situação…. se quando ninguém tem renda o imóvel não vale nada e não rende muito, quando todo mundo tem renda a pessoa continua não podendo comprar o imóvel pq toda a nova renda vai para um aluguel mais alto e o imóvel aumenta seu preço.

          Não adianta, o sistema capitalista é uma servidão voluntária…. (segue link abaixo)….. O ministério da saúde adverte, se vc não quer chorar não assista ao link abaixo.

          “http://www.youtube.com/watch?v=B7hSxm67izU&feature=fvsr

          0
  • Pedro 1 de julho de 2012 at 02:17

    Pessoal, um pouco em off-topic….
    Os novos lançamentos todos já sabemos que são de baixa qualidade de material e que muitos sequer escondem isso… Andei pensando, será que estão fazendo com os imoveis a mesma coisa que fazem com os bens de consumo? Digo sobre a obsolência planejada…. Um imovel feito para durar X anos…? Ou será somente para baixar o custo e aumentar a margem de lucro?
    Abraço ao pessoal, e muito obrigado ao Bolha, sem este blog muitas pessoas teriam feito uma escolha errada que custaria anos de trabalho em vão!

    0
    • Laranja 1 de julho de 2012 at 07:11

      Não, obsolecência programada ainda não, porque nem um bom nível de industrialização das obras temos… é desprogramada mesmo, não certificamos materiais, não obedecemos as NBRs, não levamos em consideração as diferenças no clima…

      Esta correria toda não está permitindo um avanço na área da construção civil. Temos pressa! Não temos tempo para treinar mão-de-obra, fazer pesquisa e ensaios de materiais e aplicar novas tecnologias com eficiência.

      Os conceitos de durabilidade, manutenção predial, etc, são recentes no Brasil. O empreendedor só quer cumprir a garantia e o usuário, acha que um imóvel dura para sempre, de preferência sem manutenção nenhuma.

      0
      • Profeta dos Pampas 1 de julho de 2012 at 16:13

        E aí Laranja.

        E os devaneios do mercado imobiliario em POA continuam…
        Na ZH (veículo globo) de hoje um babaca do diretor da Brasil Brokers disse que só em maio e junho venderam 300 imóveis e o mercado ainda está´aquecido hahahhaha
        E ele negou a bolha…
        Se tá bueno pra que negar…

        0
  • Crixus 1 de julho de 2012 at 02:46

    Pessoal!
    Gostaria de levantar uma questão p analise
    Vocês acham que imoveis do minha casa minha vida também reduzirão mto seus precos c o estouro?
    Digo isso pq o teto nas grandes capitais de 170k fez c que aparentemente imoveis dessa modalidade dessem uma segurada no preço (claro que sem entrar no mérito da qualidade das construções e ou bairros)
    Sem contar que a maior demanda e a única que merece o título de “demanda reprimida” vem da classe c, que inegavelmente eh o publico alvo do mcmv. Será que sem querer querendo o governo minimizou o estrago, ao estipular esse teto e felizmente nao o tendo aumentado?(ainda)
    Me parece que essa demanda ainda existe, e ao contrario dos imoveis que nao se enquadram na faixa, tem mta gente salivando p comprar esses imoveis. Só esperando reduzir suas dividas, que são mtas, pra conseguir juntar a entrada, o que tradicionalmente, com a educação financeira media do brasileiro, nao eh fácil…
    Por mais que os precos estejam altos, a classe c ainda conseguiria, caso a economia nao vá pro saco
    Enfim, gostaria de estimular o debate pro assunto mcmv, pois essa peculiaridade do nosso mercado, pode ser um diferencial em nossas analises
    Abcs

    0
    • Sergio Figueiredo 1 de julho de 2012 at 07:58

      Se os imóveis de fora do MCMV caírem de preço, estes cairão também. Visitei um empreendimento deste em fevereiro deste ano lá em Belford Roxo/RJ. Estavam pedindo 110k em apartamentos sejam eles prontos ou não. Até hoje quando passo lá , ainda tem muitos a venda. Terão que fazer um ajuste forte para vender aquelas 900 personal eggs (adorei) que eles chamam apartamentos.

      0
    • GB 1 de julho de 2012 at 08:08

      MCMV ? Aquilo ali está mais para MCMDívida.

      Já subiram o limite de R$ 130k para R$ 170k e magicamente esses imóveis subiram também para o máximo.

      Aí o pessoal reclama daqualidade e o engenheiro diz que trata-se de imóvel de baixo padrão, kkkkkkk.

      Eles não aumentam esse limte máximo novamente pois não caberia mais em suaves prestações por 35 anos da “Nova Crasse Cê” que quer imóvel para especular e auferir renda com aluguel.

      0
  • xyz 1 de julho de 2012 at 09:15

    A valorização que estava garantida até as olimpíadas agora está garantida eternamente:

    ht tp://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/07/rio-recebe-o-titulo-de-patrimonio-cultural-da-humanidade.html

    0
    • RosinhA 1 de julho de 2012 at 09:45

      O Rio como Patrimônio da Humanidade

      O Iphan trabalha na candidatura do Rio de Janeiro como Paisagem Cultural da Humanidade há alguns anos, em parceria com a Associação de Empreendedores Amigos da Unesco, e da Fundação Roberto Marinho

      Para mim isso explica muita coisa. Não que as paisagens realmente não sejam maravilhosas, mas esconder problemas graves com policiais usando fuzis de guerra, e onde a própria polícia não tem autorização para adentrar em certos lugares dominados por milícias.

      Orgulho de ser brasileiro, é uma frase que nunca me entrou na cabeça, gosto muito do país, mas esse bordão criado para datas festivas como Copa, Olimpíadas, e usado sempre com apresentadores vestidos de verde e amarelo de uma emissora tendenciosa, que oculta todos nossos problemas. O brasileiro por sua própria falta de indagação é facilmente manipulável, pergunte vocês ai do Rio, aos seus amigos colegas ou na rua mesmo, o que acharam do novo título, todos vão dizer que se orgulham, e que foi ótimo, ninguém infelizmente terá a capacidade de questionar o conjunto de toda a obra infelizmente.

      E antes que me chamem de preconceituosa, serve para o Brasil inteiro, não só ao Rio, vejam os índices de criminalidade neste ano, somente em SP 127 homicídios, até ontem, nos orgulhamos de porcarias, e deixamos de lado o mais importante que é viver bem e tranquilo, seria o mínimo, e ainda não temos, não adianta beleza se por dentro somos totalmente podres.

      0
  • Alex 1 de julho de 2012 at 09:15

    Compartilho uma sugestão já dada aqui.
    Bolha, porque não cria tópicos de discussão para organizar melhor as discussões?
    Exemplo, criar tópicos por regiões do país, por assumtos: construções, terrenos, apartamentos, casas, política, veículos, dívida, juros, previsões…
    Todo mundo discute tudo aqui, os assuntos continuam válidos, mas se muda de topic, as comversas anteriores ficam esquecidas, e fica muito bagunçado.
    Mantem tuddo isso em um topico “discussões anteriores” ou algo parecido, e a partir de agora, começa a organizar por assunto…

    0
    • Miguel Jacó 1 de julho de 2012 at 10:43

      Excelente idéia! Verifiquei este tipo de organização em outros fóruns, normalmente é um sucesso.
      Neste formato perde-se no esquecimento comentários e notícias excelentes, e com esta sugestão de novo formato poderia se manter um tópico “notícias”, que, em última análise, é o que ocorre aqui.

      Bolha, se fizer isso, o Blog vai bolhar (mas não vai explodir…hehehe).

      0
      • Eskeleto 1 de julho de 2012 at 11:28

        Aproveitando, crie um cantinho para o choro dos que compraram bolhudos afinal será o mais visitado.

        0
      • Bolha Imobiliária 1 de julho de 2012 at 12:39

        Já foi feito um forum a pedido do pessoal, mas não teve sucesso, e assim eu desativei…

        0
        • Alex 2 de julho de 2012 at 08:23

          Na verdade não dá para se manter os 2 ativos. Ou é um, ou outro.
          Esse aqui não deixa de ser fórum também, mas com notícias e comentáios espalhados, misturados, confusos.
          Tem muita informação boa a importante aqui, mas difícil de ser encontrada.
          Essa minha resposta, por exemplo, será lida por poucos, porque já existe um novo tópico. Já começarão a ler os novos tópicos e comentários lá contidos, e outras notícias relevantes ficam esquecidas.
          Se alguém precisar de alguma informação, vai se perder, porque para procurar é muito complicado. E aí assuntos ficam repetitivos e sem nexo.

          0
        • Crase 2 de julho de 2012 at 12:09

          Faz sentido que não tenha tido sucesso. Tudo num só lugar parece atrair mais gente e maior diversidade gerando milhares de comentários. Fragmentar seria prejudicial, pois essa energia de interação (e diversidade) reduziria e os comentários também, enfraquecendo a discussão. Se os milhares de comentários fossem organizados não seriam mais milhares. =/
          é só uma teoria…

          0
    • Justiceiro 1 de julho de 2012 at 10:54

      Fiz uma sugestão a ele anteriormente. Foi ontem.
      Acho que ele deu uma saída.
      Talvez hoje a noite ou amanhã ele possa dar uma lida e analisar…
      O ponto é que, como o google não mostra o histórico de preços de todas as regiões, infelizmente, é necessário que, nós – usuários conscientes – façamos essa análise percentual para verificarmos os aumentos ocorridos na Banânia na última década.
      Assim, poderemos precisar melhor o gráfico do estouro a nível geral e regional…
      Abraço!!

      0
  • scotch 1 de julho de 2012 at 11:08

    Bolhudos de plantão, eu, como praticamente todos aqui do blog, já estou de saco cheio de economizar, esperar, economizar e esperar pelo imóvel que eu quero, com o preço que eu entendo que seja justo. Bom, procuro um AP na região de Jacarepaguá, Rio de Janeiro, e vi um empreendimento novo da Construtora Calçada, que não é o tal valor justo que eu busco, mas é um valor acessível, dentro da minha realidade financeira. Os últimos lançamentos que eu cheguei a ver nessa região foi no ano de 2011, e o m2 estava R$ 5.000,00 (um absurdo), neste novo empreendimento, quase um ano depois, o m2 custa algo em torno de R$ 4.600,00 (que também é super caro). Estou na super dúvida sobre o comportamento do mercado. Às vezes eu acho que somente os imóveis da Zona Sul Carioca que serão reajustados, porque lá os imóveis passaram a custar milhões, mas nos outros bairros, eu já não sei. Bom, aguardo a opinião de vcs.

    0
    • Eskeleto 1 de julho de 2012 at 11:22

      Então vai e gasta meu e seja mais 1 a chorar ajude a bolha a aumentar afinal o tombo é maior e o choro também. Se você percebeu que de 2011 para 2012 teve diminuição de 400,00 no m2 e acha isso o suficiente para se endividar bom não perca tempo.
      Leio todos os textos aqui e já cansei desse pessoal achar que está na hora de comprar, se ler as notícias, ler o blog e ainda acha que está na hora de comprar vai fundo. E já que quer um conselho: aproveita a economia e compra lenços de papel malotes de 100 caixas com 1000 lenços para chorar pelo resto da vida.

      0
      • DBA 2 de julho de 2012 at 10:08

        Uma dúvida: quando vocês falam de R$/m2, leva-se em conta somente a área construída ou todo o terreno, falando-se de uma casa?

        0
        • Luiz 2 de julho de 2012 at 11:30

          scoth, vai lá no flipezapt (que não é confiavel)

          jacarepagua está em desvalorização faz 6 meses mesmo num site que é pro-proprietario.

          0
  • MrK 1 de julho de 2012 at 11:28

    minha impressão é que a aqui no Rio o negócio já tá feio mesmo nos imoveis comerciais, todos os imoveis entregues estão lotados de placa de aluga-se e há meses já, fora que muitos outros imoveis comerciais ainda estão subindo

    é exatamente o mesmo movimento dos residenciais, só aconteceu antes porque a construção é em geral bem mais rápida e menos burocrática, se as empresas não tivesse atrasando tanto (por vezes mais de 1 ano de atraso) o residencial já tava assim também

    0
    • Mineiro quer Bolha 1 de julho de 2012 at 12:30

      Eu trabalho na área de segurança do trabalho numa multinacional, na sexta feira conversando com vendedora de EPI`s(Equipamento Proteção Individual), ela me falou que Maio e Junho vendeu nem 40% que ela vendia antes, o principal está sendo construção civil e industria da transformação, cada mês esta só caindo as vendas, já estão falando que essa crise vai pior que 2009. O que você MrK dessa crise? O governo está sentido a arrecadação está caindo mês a mês, aumento da divida publica, demissões nas montadoras, como você avalia?

      0
      • thiago fm 1 de julho de 2012 at 15:29

        Não sou Mrk, mas nem precisa pra saber o que acontecerá quando imóveis lançados em tempo de economia crescendo 7,5% aa forem entregues numa realidade de crescimento 0 ou recessão. Vacância total!!

        0
  • Sol de Sampa 1 de julho de 2012 at 23:31

    Economia patina mesmo com pacotes
    Iuri Dantas e Fernando Dantas, de O Estado de S. Paulo

    BRASÍLIA – Surpreendido com o impacto da crise internacional na economia brasileira, o governo não conseguiu calibrar as dezenas de medidas de estímulo ao tamanho do problema. Como consequência, as estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estão em queda desde o início do ano. Hoje, o Banco Central (BC) já projeta expansão de apenas 2,5%, menor que os 2,7% de 2011.

    As medidas tomadas pela equipe da presidente Dilma Rousseff, a primeira economista a comandar o País, esbarram, ainda, no alto endividamento das famílias e no receio dos empresários em investir.

    Diante do cenário adverso lá fora e do desânimo de consumidores e empresas no País, será difícil evitar um crescimento pífio este ano. A projeção média do mercado já caiu para 2,26%.

    “Está havendo hiperatividade, o governo precisa de calma”, diz o economista Luiz Eduardo de Assis, ex-diretor do BC. Ele lembra que o governo tomou uma série de medidas para depreciar o câmbio, como o IOF em captações externas. Mas este foi parcialmente revertido recentemente, por causa da forte desvalorização. No caso da desoneração da folha, ela depende do produto, o que aumenta a complicação burocrática das empresas.

    “Esse tipo de medida não ajuda a criar o ambiente de estabilidade necessário aos investimentos”, diz Assis.

    Segundo fontes próximas ao governo, mesmo na equipe econômica há dúvidas sobre o excesso de intervenção na economia. Alguns dos seus membros acham que o efeito é pequeno, e que as frentes mais promissoras para acelerar o investimento seriam a reforma tributária e a redução do custo da energia.

    Para Rodrigo Zeidan, professor de Economia da Fundação Dom Cabral, “o governo está sendo surpreendido com dados econômicos cada vez piores”. Ele defende a criação de condições para o crescimento de longo prazo: “Preferia conviver com um PIB mais fraco com medidas estruturais, como essas reformas que a gente não faz desde o governo retrasado”.

    Na quarta-feira, o governo anunciou novo pacote de medidas para estimular a economia, desta vez focado em compras públicas de máquinas, veículos e equipamentos de saúde e educação. As medidas, que aumentaram em R$ 6,6 bilhões as despesas com compras governamentais, visam impulsionar o investimento público.

    “Precisamos ver se o investimento vai de fato se efetivar, pois o que a gente viu até agora foram intenções”, argumenta Mauro Rochelin, professor de economia do Ibmec.

    Um dos principais componentes do fraco desempenho da economia neste ano são os investimentos, que caíram 2,1% no primeiro trimestre ante igual período de 2011. Há previsões, como a do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), de que os investimentos terão crescimento nulo este ano.

    Carlos Kawall, economista-chefe do banco de investimentos J. Safra e ex-diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acha que as medidas de redução tributária que têm sido tomadas não são prejudiciais. “A carga tributária é muito alta, e é preciso fazer a desoneração nos impostos que distorcem mais”, diz.

    Mas, para Kawall, o mais importante seriam mudanças profundas no sistema tributário e a retomada das concessões de infraestrutura ao setor privado: “É preciso dar ao setor privado horizontes mais de médio e longo prazo, para que tenha condições de aumentar as decisões de investimento”.

    Fernando Sampaio, economista e sócio-diretor da LCA Consultores, diz que o desaquecimento da economia provocado pela crise internacional exige medidas pontuais. “A situação seria mais difícil se o governo se omitisse.”

    Sampaio lembra que o Brasil e outros países de perfil semelhante, diferentemente das nações ricas, não “queimaram todos os cartuchos” na primeira rodada da crise, depois do colapso do Lehman Brothers, em setembro de 2008. “Algumas medidas atuais são reedições, idênticas ou similares à medidas que tiveram efetividade maior na virada e ao longo de 2009”.

    Segundo o economista, a penetração maior de geladeiras, lavadoras de roupa e automóveis na casa do brasileiro, somada ao alto comprometimento da renda para pagamento de dívidas, limitam o impacto dos cortes de impostos adotados desde o final do ano passado.

    Faxina. Os investimentos públicos, propulsores da economia, também foram freados no governo Dilma por motivos políticos, ressalta Rochelin, do Ibmec: “Os ministérios responsáveis pelos grandes investimentos, como Transportes e Cidades, tiveram mudança de comando, o que atrasou os projetos”.

    Além da faxina da presidente nestes ministérios, a empresa com maior volume de contratos do PAC, a Delta Construções, entrou com pedido de recuperação judicial neste ano depois das denúncias de envolvimento da empresa no esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira, alvo de uma CPI no Congresso.

    0