Investidores deixam mercado e intenção de compra de imóveis diminui, revela pesquisa – Agência Estado/Broadcast

Você pode gostar...

Comments
  • rsmrsm 21 de junho de 2012 at 11:41

    O dinheiro que estava na bolsa passou para a poupança e por sua vez para os imóveis. Agora dos imóveis devem ir para aonde ???

    Abçs

    0
    • Jack Daniels 21 de junho de 2012 at 13:06

      Sarney?

      0
      • Booker 22 de junho de 2012 at 16:20

        boa!

        0
      • Mr. RLM 25 de junho de 2012 at 10:39

        Empresta para a Dilmaquinista. Em outras palavras: Letras do Tesouro Nacional;

        0
    • Miguel Jacó 21 de junho de 2012 at 13:12

      Para a bolsa, dólar, ouro, ou para outros países com perspectiva de ganhos rápidos.
      Depois que estivermos em crise profunda, talvez o povo entenda o que os estrangeiros queriam dizer quando chamavam o Brasil de país da moda.

      0
    • Luiz 21 de junho de 2012 at 13:24

      rsm, o $ tá indo pro ralo, pra luga rnenhum, o dinheiro está derretendo, enconlhendo, sumindo

      Isso se chama processo deflacionario, e não há nada que o governo possa fazer para impedir. Se imprimir mais pior.

      0
      • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 02:07

        Luiz concordo…. em que vc investe?

        0
    • GB 21 de junho de 2012 at 13:39

      Vai pra especulação com Telefones Fixos ?

      0
  • Felipe 21 de junho de 2012 at 11:49

    Todo mundo quer viver de renda nesse país, ninguém quer trabalhar…
    Vai ter tanto apartamento pra alugar daqui a 1 ou 2 anos que esse tipo de rendimento não vai valer a pena mesmo, vai perder até pra “nova poupança”

    0
    • Luiz 21 de junho de 2012 at 12:26

      já perde pra poupança faz mto tempo

      0
    • GB 21 de junho de 2012 at 13:44

      Todo mundo quer ter um segundo imóvel para alugar e viver de renda, mas se esquece que quem aluga também quer ter uma casa própria e depois quer ter uma segunda para viver de renda.

      E com esse exagero de construções, logo todos os que alugam vão ter a sua e ninguém vai alugar nada, aí essas casas vão pro mercado de venda e o preço baixa ainda mais.

      As Destrutoras fizeram uma meleca sem tamanho com o mercado imobiliário, mas também caíram na conversa de deficit e de especuladores jurando amor eterno para elas, quando parou de subir eles caíram fora (os mais desavisados ainda estão tentando sair), quem tem sorte de encontrar um otário e vende seu imóvel hoje sae o rolo que foi e não compra outro tão cedo.

      0
    • Ploc 21 de junho de 2012 at 18:26

      Hoje andei no Recreio -RJ (estava esperando por uma pessoa e resolvi dar uma caminhada na quadra)

      Dei a volta e em duas quadras vi 7 plaquinhas de anuncio de ALUGUEL e nenhuma para venda . Além disso havia um predio na estrutura de concreto com um pano gigante:
      “Senhores investidores ótima oportunidade ligue:xxxx” O prédio na estrutura e com alguma alvenaria sem ninguem trabalhando. Praticamente no esqueleto.

      É, acho que a festa acabou mesmo.

      PLOC

      0
  • Fabiano 21 de junho de 2012 at 11:57

    21/06/2012 – 03h30

    Petrobras convence Dilma e combustível deve subir até 10%
    A equipe econômica prometeu à direção da Petrobras definir, até o próximo mês, o percentual de reajuste de combustíveis reivindicado pela estatal e quando ele entrará em vigor

    Segundo a Folha apurou, a decisão de conceder o aumento já conta com o aval do Palácio do Planalto.

    Falta definir exatamente o percentual, que deve ser de 10% para a gasolina na refinaria, mesmo valor do reajuste de outubro de 2011.

    A expectativa é que comece a vigorar imediatamente e que não seja repassado integralmente ao consumidor.

    A ala política do governo tem defendido, porém, um adiamento estratégico para depois das eleições municipais, diante do receio de impacto negativo para os candidatos da base aliada. O Planalto ficou de dar uma palavra final após a Rio+20.

    A promessa do reajuste foi repassada à presidente da Petrobras, Graça Foster, antes da aprovação do plano de investimentos da estatal, de US$ 236,5 bilhões até 2016 –5,2% mais do que o anterior, que previa investimentos de US$ 224,7 bilhões entre 2011 e 2015.

    Graça já havia avisado à presidente Dilma que o congelamento de preço dos combustíveis estava afetando a geração de caixa da empresa e comprometendo sua capacidade de investimentos.

    O Conselho de Administração aprovou, na semana passada, um aumento pequeno nos investimentos. Ao elaborar o plano, a estatal embutiu nos cálculos reajuste de 15% nos combustíveis.

    Técnicos não acreditam, porém, que o governo venha a autorizar um aumento dessa ordem no próximo mês. O percentual tido como mais realista é de 10%, que não deve ser repassado totalmente para os consumidores.

    Oficialmente, o governo não confirma a decisão de conceder o reajuste, cuja possibilidade foi admitida anteontem pelo ministro Edison Lobão (Minas e Energia) –o que teve impacto positivo na valor das ações da Petrobras.

    Para evitar que o aumento seja repassado ao consumidor final, o governo pode se valer, novamente, da estratégia de reduzir o percentual da Cide (contribuição destinada a regular o preço dos combustíveis) que incide sobre o valor da gasolina e do diesel.

    O espaço para essa manobra está cada vez menor. Hoje, para reajustar o preço da gasolina em 8% sem repassá-lo ao consumidor final, o governo teria de zerar a cobrança da Cide sobre o combustível. No caso do diesel, o reajuste máximo seria de 4%.

    Imagino que se realmente ocorrer este aumento vai ser o tiro de misericórdia que estava faltando no mercado pois sabemos que com o aumento dos combustiveis todo o resto aumenta desde prestação de serviços , alimentos , bens de consumo .
    E o povo que ja esta endividado até o pescoço vai para o buraco de vez.

    0
    • Sr. LB 21 de junho de 2012 at 12:16

      Litro da gasolina comum vai custar mais de 3 reais…
      Depois vem o Governo divulgado índices irreais de inflação.

      0
      • Luiz 21 de junho de 2012 at 12:28

        e o povo refem do veiculo particular,
        todo mundo comprou um carro e foda-se o transporte publico

        0
        • Luiz 21 de junho de 2012 at 13:16

          cara, refletindo melhor, com o aumento da gasolina aí que a bolha dos veículos vai pro brejo, a crasse C (cê de Carnê) está com o orçamento contado, qualquer 10 reais a mais quebra eles.

          0
          • SF 21 de junho de 2012 at 14:34

            a cRasse Cê, a primeira coisa q faz com compra um 0Km em 72x, manda logo colocar Kit GNV no carro, e parcela tb em 36x.

            Se vc soubesse a quantidade de 1.0 com GNV aqui no RJ, vc se assusta

            0
            • Ademir 21 de junho de 2012 at 17:59

              Qual o problema ele é um cidadão como você.

              0
              • Ploc 21 de junho de 2012 at 18:29

                Correto. Só que o aneurisma vai explodir em um deles. Advinha em quem..
                Acho que vai ser naquele que ficar nervose sem conseguir repassar o bem e ainda com o banco batendo em sua porta. e não vai ser Knock, knock, knock não. Vai ser PLOC, PLOC, PLOC.

                0
              • SF 22 de junho de 2012 at 11:58

                “coretor”, cidadão como eu…..rs
                Se vc chama isso de cidadão…o q eu posso fazer!!!

                CIDADÃO contribui para o crescimento de uma nação.
                CIDADÃO se interessa de politica exercida na sua nação.
                CIDADÃO se lembra do politico em que votou há 15 anos atrás.
                CIDADÃO cuida do seu país.

                Se um cara que não tem a miníma noção do acontece economicamente no seu país….vide os casos de comprar carro em 72x, sem entrada… é chamado de cidadão, concordo com o Anonymus, abandonai a banania, pois isso aqui não tem mais jeito.

                Esse cara que você chama de cidadão, vai devolver o seu “carrão” para o banco….e vc é um dos que vai pagar a conta…. “coretor”

                GALERA…CADÊ O BAYGON PARA EXPULSAR OS “CORETORES” DAQUI

                0
                • Álvaro Guilherme 22 de junho de 2012 at 14:38

                  Ué, ele contribuiu no passado (adquiriu um bem), e pagou impostos, IPI e IOF, por exemplo.

                  Cada uma..

                  0
                  • SF 22 de junho de 2012 at 16:32

                    Cada uma mesmo.
                    Vide q quem mora em favela tb paga IPI e IOF, e outros mais, mas não paga IPTU, Luz, água.

                    É cidadão….sim é cidadão.

                    Cidadão é todo individuo apto a votar, isto está na constituição.

                    Qd respondi acima é no contexto de exercer seu poder de cidadania, como individuo que se preocupa realmente com o que acontece no seu país e não apenas com futebol, cerveja, carnaval, e um carnê de 72 prestações.

                    Se o “cidadão” tive bom senso e educação economica jamais faria uma dívida em 72x de um bem depreciativo conforme o uso.

                    É mais fácil e lógico juntar e comprar a vista, ou comprar um bem compatível com sua renda.

                    As bolhas e a pouca vergonha estão aí justamente pq neguim achou q ficou milhonário do dia pra noite, carros (carroças) caríssimas, apartamentos (gayolas) com preços fora da realidade, gasolina cara, passagem de ônibus, metrô, cara… etc…etc…etc

                    O cara que compra em 72x é cidadão???
                    Sim ele é cidadão…pois, pode votar!!!!!

                    0
                    • Álvaro Guilherme 22 de junho de 2012 at 17:38

                      “(…)Vide q quem mora em favela tb paga IPI e IOF, e outros mais, mas não paga IPTU, Luz, água.(…)”

                      Você paga IR corretamente?

                      0
                • Cleyton 22 de junho de 2012 at 20:55

                  “CIDADÃO contribui para o crescimento de uma nação.
                  CIDADÃO se interessa de politica exercida na sua nação.
                  CIDADÃO se lembra do politico em que votou há 15 anos atrás.
                  CIDADÃO cuida do seu país.”

                  (Aplausos em pé!!)

                  0
    • self 21 de junho de 2012 at 13:24

      A verdade é que a gasolina está muito barata. Se estivesse cara, não teríamos tantos congestionamentos nas cidades. Vejamos por este lado. :o)

      0
    • Álvaro Guilherme 21 de junho de 2012 at 14:49

      Zerar a CIDE é o último espaço para manobra.

      Depois disso, é aumento nas bombas, mesmo. E o etanol pegando carona.

      0
    • Seu Madruga 21 de junho de 2012 at 16:10

      A presidente da petrobrás quer aumentar a gasosa por que ela voa de vassoura… Ô muié feia!

      0
      • Cleyton 21 de junho de 2012 at 19:28

        Ahahaha, boa!

        Será que faz parte da estratégia do governo aumentar o combustível pra ver se a inadimplência abaixa? Quanto antes tomarem o carro do cara antes ele vai ter grana pra pagar o apertamento bolhudo!

        0
    • Ze Bom Dirolo 21 de junho de 2012 at 17:51

      Já entendi. O governo vai aumentar o preço do combustível e depois vai aumentar o imposto sobre as peças das bicicletas. Aí você vai poder andar de barra forte novinha por míseros 5 mil reais.

      0
      • SF 22 de junho de 2012 at 12:01

        Ainda bem q renovei as BIKES lá de casa mês passado, tá todo mundo com BIKE 0Km…. muito mais barato…..rs

        Carro agora, uma vez ou outra….passei a gastar 1 tanque de gasolina por mês!!!

        0
    • JPM 21 de junho de 2012 at 21:06

      Faltou comentar que, como no Brasil quase todo o transporte de mercadorias é feito por rodovias, todo e qualquer aumento nos combustíveis também aumenta o custo do frete e, portanto, se reflete em quase todos os setores da economia, senão todos.
      Um aumento de 10% no diesel deve gerar uma inflação de 2% ou 3% no curto prazo, e mais um pouco mais tarde, depois que os setores que não são diretamente afetados tambem compensarem nas suas margens.

      0
    • Francisco Quiumento 23 de junho de 2012 at 14:24

      O “pobrema” é que a CIDE é uma contribuição e, obviedade das obviedades, tem destinação específica.

      Logo, avisai aos pimpolhos do Margárina e ao próprio, vai ter uma destinação, DÃAAA :B (Emoticon Dentuço, em se tratando de Economia, no Brasil, uma permanente necessidade! ) , que vai ficar sem seus recursos.

      Repito, pois sou um chato do kct: CABÔ-SE!

      😉

      0
  • peterson 21 de junho de 2012 at 11:57

    desemprego em baixa historica, juros em queda historica, inflação em queda, dólar em alta (crise externa, fator esperado)…. fatores que favorecem o país. Medidas recentes questionaveis, porém acertadas as do governo Dilma, quer gostem ou não. Em tempos atraz uma crise deste porte já teriamos leiloado umas 3 estatais e pedido ajuda à baciada ao fundo monetario internacional. O Brasil tem tudo para sair deste crise global ileso, se e somente se, investir em todos os projetos de infraestrutura prometidos AO POVO (e não aos clubes), à copa e Jogos olimpicos

    0
    • RosinhA 21 de junho de 2012 at 12:04

      Peterson o problema que o dinheiro não está sendo encaminhado para os locais corretos, e grande parte do crescimento que disse pode ser que a conta desses números não seja assim tão satisfatória, entendo o que disse, mas não confio nos dados mostrados o buraco pode ser bem mais embaixo.

      0
      • RosinhA 21 de junho de 2012 at 12:05

        Meio dislexo mas acho que dá pra entender 😉

        0
        • Luiz 21 de junho de 2012 at 12:58

          peterson está completamente enganado, mas toh sem saco de explicar pra ele, coitado, depois do prejuizo que tomou com a gafisa deve ser dificil

          0
          • peterson 22 de junho de 2012 at 14:28

            n sou operador de ações…

            0
    • MrCitan 21 de junho de 2012 at 12:13

      As suas afirmações são questionáveis pelos seguintes pontos:

      – Juros em queda através da canetada, foi ruim, pois além de não refletir em quase nada no que diz respeito ao crédito ao povão, afugentou investidores, que não enxergam mais o Brasil como o queridinho do mundo.
      – Inflação em queda? Desculpe, mas acho que você não faz compra nenhuma, ou os seus pais devem te sustentar. É só ir ao supermercado mais próximo pra ver o que estou falando.
      – Falar em investimento de infra para a Copa e Olimpíadas, como solução para a crise, é muita ingenuidade, ou inocência, ou ignorancia do assunto.
      O país teve 10 anos para fazer as reformas necessárias ao desenvolvimento, mas não fez. Agora apertem os cintos, e apreciem o passeio na montanha russa chamada Brasil.

      0
      • peterson 22 de junho de 2012 at 14:39

        isso que vc disse é sua vontade sobre a realidade… mas n estou com saco para esplicar agora… tente ver o global não só o quintal..

        0
        • MrCitan 22 de junho de 2012 at 16:13

          Minha vontade?
          Poxa, achei que você iria refutar com argumentos mais plausíveis.
          Decepcionante…

          0
        • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:26

          Por favor, não tente eXplicar mais nada.

          0
    • Eskeleto 21 de junho de 2012 at 12:14

      Sobre o Desemprego.

      Com a redução de ipi e incentivos do governo as empresas estão segurando os funcionários, mas uma hora o ipi tende a subir pois eles não podem dar esse desconto eternamente e ai que a coisa vai explodir, pensa bem agosto acaba o de carro, linha branca acaba em julho, as construtoras estão empregando ainda por causa das obras que precisam ser entregues, mas e depois as vendas continuam boas? Logicamente que não e ai vai ter desemprego na construção também, já estão demitindo e contratando com salários menores, a china está desacelerando com isso diminui também o emprego aqui, e mais algumas coisas que não me recordo.
      Basta saber que oque vendem agora com ipi reduzido é quem tinha intenção de comprar em outubro novembro e dezembro, as pessoas com o aumento vão falar vamos esperar que logo logo eles baixam novamente e se não baixar ai trava tudo realmente.
      Logo logo teremos um boom nos empregos e ai vamos ver quem vai andar nú por ai.

      0
      • Paulo D. 21 de junho de 2012 at 13:33

        Eskeleto, to contigo,
        hj na folha tem uma notícia que o desemprego é o menor desde 2002, mas acrescenta que o salário médio caiu em 1% em relação ao mes passado….. fico pensando como o IBGE mede isso… cara, tenho ouvido de vários amigos que tá tendo corte em várias indústrias aqui de curitiba e de SP… empresas grandes que um corte é mais de 1000 neguinho pra rua…. como será que isso não reflete no dado do ibge??? e essa inflação??? tudo tá bem mais caro e parece que ninguém percebe…

        essas promoções de shopping pro dias dos namorados do tipo “R$ x de compras e vc ganha um cupom’… era algo em torno de R$ 50, R$ 100…. hj em dia tá R$ 450 ?!?!?!?! po, é mais de meio salário mínimo!!!!
        como não tem inflação???

        desculpa o desabafo mas as notícias que tão saindo eu não consigo ver a mínima conexão com a realidade!!!

        0
        • Pablo 21 de junho de 2012 at 14:11

          O que esta acontecendo com os empregos é o seguinte:

          1)A Industria esta demitindo ou empregando menos,mês a mês;
          2)O setor de serviços/construção civil vem absorvendo esta mão de obra.

          Estes 2 itens explicam o baixo nível de desemprego, ok?
          Lembrando que a construção civil esta finalizando projetos 2010/2011 e logo vai demitir pois com a redução nos lançamento não faz sentido manter esta MO.

          3)A industria esta pagando menos horas extras e trocando um salario de R$ 5000,00 por um de R$ 2500;
          4)O trabalhador que sai da Industria(mais qualificado) vai para o setor de serviços onde as exigências técnicas são menores, logo o salário é menor.

          Estes dois explicam a redução no rendimento médio, lembrando ainda que o salário mínimo subiu 14% este ano.

          PLOC!

          0
          • antonio henrique 21 de junho de 2012 at 15:09

            Calma lá. Não é que o salário mínimo subiu 14%. Isto é o que o governo disse, pra melhorar a imagem dele diante de pessoas incautas. Não se esqueça de considerar a inflação, que se tiver sido de 6%, por exemplo, até este valor, foi reajuste, a diferença disso para os 14% é que é ganho real, ou aumento.

            0
      • Leonardo 22 de junho de 2012 at 13:20

        Sem contar que esses descontos em impostos já estão tendo um efeito grave:o arrocho aos funcionários públicos federais.

        Os professores das universidades federais já estão em greve há um mês e nem foram chamados para a negociação ainda. Os funcionários públicos federais estão organizando uma greve geral porque também são ignorados pelo governo atual, em relação ao assunto. Só que o governo tá empurrando tudo isso com a barriga pra postergar essa crise, falando que vão pensar em aumento só em 2014.

        E pra reduzir IPI e subsidiar bancos tem dinheiro. Tá complicado.

        0
    • Anonymous 21 de junho de 2012 at 13:12

      juros em queda historica – voce comete grande engano aqui. Do modo como voce pensa, parece que faz muita diferença entre antigamente morrer com 12 tiros ou hoje morrer com somente 2 tiros, numa verdadeira QUEDA HISTÓRICA 😉

      0
      • antonio henrique 21 de junho de 2012 at 15:13

        Tem razão. Que houve uma queda, ainda que muito pequena, é possível considerarmos. Mas e o CET (Custo Efetivo Total)? Ninguém se lembra dele na hora de adquirir um empréstimo ou financiamento. Este as instituições financeiras aumentaram, como taxas administrativas, seguros etc., anulando a queda de juros.

        0
    • GB 21 de junho de 2012 at 13:54

      Esse Peterson é um dos últimos corretores sobreviventes em sua luta inglória para tentar mostrar pro pessoal que as coisas estão corretas, ele é resistente, eu gosto disso, creio que já criou resistência ao BAYGON.

      É uma das leis genéticas: em toda geração de baratas sempre há um indivíduo com resistência ao inseticida popularmente mais usado, tipo os irmãozinhos dele sucumbem, mas ele sobrevive, encontra outra corretora, digo, barata e passa essa resistência para os descendentes, é por isso que a gente tem que conversar com o Bolha pra ele fazer um rodízio de inseticida, quem sabe agora usar o DETEFON ou o RODIASOL ?

      0
      • Ana Maria 21 de junho de 2012 at 16:09

        Tem a Kássia Tavares também, defensora da inexistência de bolha

        http://www.politicaeconomia.com/2012/06/especulacao-com-imoveis-na-planta-nao-e.html

        E defensora das atrocidades contratuais das construtoras contra os compradores de imóveis

        http://www.politicaeconomia.com/2012/06/stj-permite-juros-antes-das-chaves-em.html

        Vale a pena conferir o blog dela.

        0
        • Engenheiro-SJC 21 de junho de 2012 at 18:00

          Ridícula a situação dessa tal Kassia Tavares…kkkk!

          A figura cria um blog para tentar provar que não há bolha imobiliária (principalmente combatendo as ideias postadas aqui neste blog) e os poucos leitores que lá frequentam, depois de todo o esforço dela em provar o contrário, concluem que , de fato, há sim uma bolha….. deprimente!kkk

          0
          • RosinhA 21 de junho de 2012 at 18:24

            0 comments todos os posts

            0
            • xangai 21 de junho de 2012 at 18:31

              ZERO COMMENTS … por que ela nao libera os meus comentarios !!

              ja soquei uns 30 …. e ela nem pra responder !! rsrsrsrssss … so por que acredito muito numa bolha … e as vezes fui mal educado com a “coisa” !!!

              essa “coisa” ( nao da pra saber se eh homen ou mulher ou crianca ) postou aqui no blog no passado !! o Luiz e o MRK puseram ela pra correr … rsrsrssss …

              0
              • RosinhA 21 de junho de 2012 at 18:35

                Xangai pena que perdi essa época deve ter nos posts antigos, se alguém tiver a localização queria ver. 😉

                0
                • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 11:31

                  Pessoal, o que vai comentar do post dessa _______ (complete com seu xingamento preferido)….

                  olha uma parte do post:
                  “Ademais, como a economia brasileira cresceu 40% entre 2004 e 2011, os juros de financiamento imobiliário caíram mais da metade desde então, o crédito imobiliário foi multiplicado por 5 no período e a Bolsa de Valores brasileira observou uma intensa valorização nesse período, os preços do mercado imobiliário subiram, como seria de esperar.”

                  fico me perguntando o que tem uma coisa a ver com a outra????

                  0
                  • peterson 22 de junho de 2012 at 14:42

                    hahaa analise dela é fantastica, atuns estão caros no japão, isso esplica a alta do milho. Malabarismos incriveis.

                    0
                • xangai 22 de junho de 2012 at 14:24

                  ops… achei umas participacoes da kassia no blog … voces tem que ler !! to dando rizada ate agora !!!!

                  “http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/10/07/momento-de-desespero-parte-1/”
                  “http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/10/10/como-vao-as-construtoras-fabio-portela/”

                  essa eh mais especial … temos a kassia elogiando o marco antonio !! kkkkk

                  “http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/10/04/ganha-forca-a-hipotese-de-bolha-no-pais-blogs-estadao/”

                  olha so esse sumariozinho dos meninos socando a criatura :::
                  =======================================================
                  Kassia disse:
                  outubro 6th, 2011 at 13:46

                  Olá, comprei imóvel na planta em 2010, e até agora os preços na região que comprei só subiram. Então estou bastante satisfeita com minha aquisição e não me arrependo nem um pouco. A obra está subindo rápido e as chaves devem ser entregues ou no fim de 2012 ou começo de 2013.
                  Comprei para investimento mesmo, da Lopes, e mesmo assim considero que fiz ótimo negócio.

                  Responder

                  MrK disse:
                  outubro 6th, 2011 at 14:06

                  Kassia por favor, quando da entrega das chaves volte aqui pra dizer se continua muito satisfeita…

                  hahahaha

                  Responder

                  Veigalex disse:
                  outubro 6th, 2011 at 14:18

                  O spreços ao redor podem ate estar subindo, mas veja se algum esta sendo vendido.
                  Ta todo mundo esperando . As Vendas estão paralisadas. O que mais me chateia é que a mídia finge que nada esta errado, e o pior fazem comparação com a catastrofe que acontenceu nos EUA.

                  Tente vender esse apartamento hoje.. e veja se vai vender rapido.

                  Responder

                  Kassia disse:
                  outubro 6th, 2011 at 14:56

                  Na realidade eu comprei dois imóveis no mesmo prédio. O momento certo de venda é nas chaves, quando pretendo vender um deles com um bom lucro, e, com esse lucro, quitar o outro, que iriei alugar.

                  Responder

                  MrK disse:
                  outubro 6th, 2011 at 15:19

                  sonho meu…sonho meu…
                  posso tudo que eu sonhaaar…

                  Responder

                  Evandro CPS disse:
                  outubro 6th, 2011 at 15:21

                  Nossa, acho que ja cheguei a uma conclusão sobre essa tal de Kassia tbm. Impressionante.

                  Responder

                  Duda disse:
                  outubro 6th, 2011 at 16:39

                  Kassia, eu pedí para Papai Noel um Rolls Royce neste Natal. Tenho 100% de certeza que esta vez ele vai vir com o presente. Pense que respondería para mim, mas não escreva. Isso mesmo é o que eu respondería para Vc. Sorte. Muita Sorte.

                  Responder

                  Pensativo disse:
                  outubro 6th, 2011 at 19:59

                  É isso mesmo Kassia. Compre dois imóveis na planta, vende um, quita o outro e Voilà la, do nada você tem imóvel próprio. Não precisa trabalhar, é só especular, como os americanos fizeram tanto e agora estão todos felizes da vida.
                  Você é uma pseudo-economista de araque mesmo.

                  Responder

                  Q disse:
                  outubro 7th, 2011 at 6:50

                  Eu to esperando o final do ano, vou investir 2 reais na Mega Sena da virada e assim vou conseguir comprar meu AP!

                  Responder
                  =======================================================

                  Bom … logico que a kassia le o blog do bolha todo dia ..

                  entao .. e ai Kassia ?!?! ja vendeu ?!? realizou lucro ?!? ja comprou mais uns 10 ?!?!?

                  0
                  • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:05

                    Obrigada por se dar ao trabalho Xangai, kkkkkkk, comprou pra vender na planta igual a alguns daqui que esperam especular até agosto, a gosto de quem não sei, vou ver depois com tempo o resto aí comento com você.

                    Mais uma vez obrigada Xangai de Santo André. 😉

                    0
                  • Sandro Guerra 23 de junho de 2012 at 20:36

                    Gente, não sou especialista na área, mas gostaria de dar minha contribuição:
                    Moro em Recife, no Bairro da Boa Vista, onde apartamentos de 39m (não sei como é que coloca “quadrado” na merda do teclado, desculpem), estão sendo vendidos por R$ 160.000,00.
                    Lembro que há três anos, encontrava-se imóvel, na Boa Vista, de 60m por R$ 55.000,00.
                    Estamos sendo assaltados com papel e caneta, e o pior, com a anuência ou cumplicidade do governo. A sensação que tenho é que “Minha Casa, Minha Vida”, por exemplo, virou meio de vida para construtores/incorporadores/especuladores. O mercado imobiliário está virando uma piada de PÉSSIMO gosto!

                    0
          • SF 22 de junho de 2012 at 12:10

            isso é devido a maldita inclusão digital……

            muito sem noção essa Kássia…

            não dá pra comentar lá!!!

            0
      • Anonymous 21 de junho de 2012 at 16:42

        GB,

        O DETEFON é do meu tempo e foi banido em 1997. Achei que voce fosse mais jovem do que eu 😉

        0
      • peterson 22 de junho de 2012 at 14:26

        sou operador de mercado de divisas colega…

        o problema da humanidade é ter certeza e não afirmar e afirmar sem ter certeza…

        0
        • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:24

          Lembro que você já disse antes que era estagiário em um grande banco.

          0
          • RPL 23 de junho de 2012 at 12:52

            Cleyton,

            Esse era o Cirilo!

            0
            • Cleyton 23 de junho de 2012 at 12:55

              Coincidência?

              0
      • pmoraesm 22 de junho de 2012 at 23:20

        O peterson não é corretor, é petista. O que dá quase na mesma.

        0
    • Ghaspar 21 de junho de 2012 at 14:35

      Se voce ler com atenção a informação do IBGE, verá que a massa de POPULAÇÂO ATIVA considerada é de 23 milhoes ocupados e 1,4 milhoes desempregados , o que dá o número que eles ” VENDEM”: 5,8% de desemprego.= 1,4 / 24,4 = 5,8%

      Ora então a massa ativa da população é de apenas 12,2% da população brasileira,
      Nos EUA é de 50%, na França 47% , no Japao 54% , BRASIL / IBGE 12,2 %

      PERGUNTO: ONDE ESTÃO OS OUTROS 176 MILHOES DA POPULAÇÃO BRASILEIRA.
      São todos aposentados, menores, incapazes ???

      O IBGE está de sacanagem…Antes os numeros do DIEESE ( desemprego de 10,6% ) eram a Biblia desse pessoal que está no Governo…Agora não servem mais…….
      ESTÃO DE SACANAGEM COM O POVO BRASILEIRO….

      0
      • Amadeos de Sampa 21 de junho de 2012 at 16:11

        “Mercado de trabalho forte é intrigante frente ao PIB, diz Schwartsman”
        “http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,mercado-de-trabalho-forte-e-intrigante-frente-ao-pib-diz-schwartsman,116807,0.htm

        No estadao, o economista aponta a “possibilidade de os indicadores que medem a atividade do setor de serviços não estarem funcionando corretamente no Brasil.”

        Ou seja, MANIPULACAO dos dados.

        Que coisa feia PTzada : um instituto antes respeitado desempenhando agora papel politco?

        0
        • Cleyton 21 de junho de 2012 at 19:32

          Pô, a inflação oficial é 6% e tudo sobe de 12 a 25%, precisa ser economista pra perceber que tem algo errado?

          0
          • peterson 22 de junho de 2012 at 14:23

            o indice oficial sempre difere do real colega, sempre foram feitas manobras, sempre… ignorar estes conceitos é mais uma bobagem dentre muitas publicadas por aqui… a inflação está caindo quer vcs acreditem ou não… e isso eu já tinha dito desde que falavam que ela iria galopar em duas casas decimais…

            0
            • Mateus B. 22 de junho de 2012 at 17:57

              Por favor, me diga onde?

              Carros e imóveis? O engraçado é que quando um imóvel sobe 200% não afeta a inflação, é a riqueza do povo que cresce.

              0
            • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:13

              “o indice oficial sempre difere do real”

              Bom, então pra quê diabos medir alguma coisa que não guarda relação com a realidade?

              Agora, a inflação caindo, vou considerar isso uma brincadeira (sem questionar o gosto).

              Só não me venha comparar a inflação atual com a dos anos 80 porque o Real é uma moeda de base nominal enquanto todas as suas antecessoras eram de base real (engraçado isso), ou seja, não tem mais correção monetária e gatilhos de aumento salarial, pelo bom ou pelo ruim são réguas muito diferentes.

              0
            • Rui 23 de junho de 2012 at 18:11

              O Brasil esta na eminencia de uma gigantesca deflacao. 80% da economia vai deflacionar, nos proximos anos. 20% inflacionar. Quase todas as bolhas na economia brasileira, estao estourando. Carros, eletronica, eletrodomesticos, telecomunicacoes etc, tudo em queda livre.Imoveis vai ser a proxima bolha a broxar. Quem nao esta gostando nada disso aqui, e’ a tchurma do fa-club e cheerleaders dos banqueiros.Banqueiro e’ tao bonzinho! ahahaha Mas esses buchas de canhao,nao contam porque nasceram para serem enganados. Nao se cansam de ser enganados. Se enganem que eu gosto! ahahahah E como tem visao torta, ficam olhando de esquerda, para os outros. ahahahaha E’ por isso, que todos os pela-sacos de banqueiro, tem o cacoete de chamar os outros de esquerdistas.

              0
      • RGD 21 de junho de 2012 at 21:36

        Gasphar, você acertou na mosca. Considerar o índice de desemprego do IBGE é como dar valor para o índice FIPE-ZAP Imóveis. É uma verdadeira piada, é um índice que não tem o menor valor.

        Já publiquei vários artigos aqui mostrando como o governo vem sistematicamente alterando as fórmulas de cálculo de índices econômicos desde 2003. Já alteraram o cálculo de índices de inflação, desemprego, dívida pública, comprometimento de renda, distribuição de classes sociais, violência, capacidade de aeroportos, etc. Um exemplo:

        Infraero muda cálculo e ‘amplia’ em 41% capacidade de aeroportos
        “http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5372826-EI306,00-Infraero+muda+calculo+e+amplia+em+capacidade+de+aeroportos.html

        A fala de um especialista do transporte aéreo diz tudo: “Com uma canetada, todos os problemas do setor acabaram”.

        É assim que o nosso país está melhorando nos últimos anos. Na canetada. Obras da Copa atrasadas ou não licitadas ? É só tirar da matriz de responsabilidade. Dívida pública alta ? É só colocar a dívida como sendo do Banco Central, invés do governo. Comprometimento da renda alta ? É só fazer umas pequenas mudanças de metodologia para o comprometimento da renda de cair de quase 30% para 22%. Superávit primário não vai ser alcançado ? É só considerar que ‘investimentos’ do PAC não contam. Classe média não está se expandindo ? É só mudar a definição do que é classe média.

        Tudo em um passe de mágica. Basicamente estamos vivendo em um circo, o governo fazendo ‘mágica’ e nós de palhaços.

        Só posso dar um conselho. Isso não vai acabar em pizza, vai acabar em muita merd*. Estejam preparados!

        0
        • peterson 22 de junho de 2012 at 14:20

          desmerecer o IBGE pela vontade dele estar errado é totalmente estupido…

          eu sinceramente acredito os indices de mercado pois procuro analisar suas metodologias, até o FIPE é razoável, rudemente analisando, mesmo que ele seja baseado em dados falaciosos com ituito de positivar o mercado, uma queda em sua tendencia revela uma verdade que é a queda na aceleração de preços, ou seja estagnação, fato verdadeiro atualmente, assim o indice mais desacreditado deste blog quando se curvar à baixa revelará a ruptura certa do mercado. Ficar ignorando-o é bobagem… temos que compará-lo como se fosse verdade e ver a verdadeira verdade ser revelada. simples e complexo.

          0
          • RGD 23 de junho de 2012 at 05:02

            O problema grave que eu vejo com o índice de desemprego do IBGE é que não retrata muito a realidade brasileira. Se você está desempregado mas faz qualquer tipo de bico para sobreviver, você não é considerado desempregado. Agora imagine uma pessoa, por exemplo, da classe C que perdeu o emprego no último mês. Qual é a chance dessa pessoa estar endividada ? Segundo algumas pesquisas recentes, provavelmente 40-50%. Agora qual é a chance dessa mesma pessoa estar fazendo algum tipo de bico (exemplo, garçom de festa) ? O índice do DIEESE é bem melhor pois considera esse tipo de desempregado.

            >> mesmo que ele seja baseado em dados falaciosos com ituito de positivar o mercado

            Não precisa falar mais nada. O índice FIPE-ZAP é uma aberração. Não devia existir. Só criaram esse índice pois era fácil de calcular.

            Quando você tem um índice que não retrata muito a realidade e constantemente você tem que ‘inventar’ algum tipo de desculpa para explicar as variações do índice, acho que é uma perda de tempo analisá-lo. Só isso. Exagerei quando falei que o índice do IBGE é uma piada, mas mesmo assim é um índice com pouco valor prático principalmente quando você tem o índice do DIEESE.

            0
    • Francisco Quiumento 21 de junho de 2012 at 15:12

      1) desemprego em baixa historica,

      Pode ser perfeitamente deslocamento para patamares salariais mais baixos.

      2) juros em queda historica,

      Em estado deficitário e endividado, gera inflação na certa, e fuga de capital estrangeiro.

      3) inflação em queda,

      Inclusive, por queda de consumo. Tem-se de transformar realizáveis em caixa, sempre.

      4) dólar em alta

      Em país altamente importador de matérias primas, bens de capital, intermediários semiacabados e produtos industrializados diversos, certeza de aumento de custos.

      Viu como é fácil pegar o que você acha leigamente que é uma maravilha e mostrar que são sintomas de problemas graves no horizonte?

      😉

      0
      • Paty 21 de junho de 2012 at 17:25

        É a verdade que assombra….

        0
        • peterson 22 de junho de 2012 at 14:12

          vc acabou de confirmar que não há crise interna nenhuma, apenas adaptações ao cenário externo. exatamente o que eu disse. pena que vc levou para o outro lado, faltou um pouquinho de percepção global…

          0
          • Francisco Quiumento 23 de junho de 2012 at 14:30

            Sim, e adaptação a um cenário externo de crise não é um “aperto”.

            E evidentemente, uma medida por semana, sempre colocando ponta na ponta, não é mostra que estejamos já num preâmbulo de crise.

            Sei.

            😉

            0
          • Marcos Eliziário Santos 26 de junho de 2012 at 00:11

            Sério. O que vem a ser percepção global? Defina isso em termos precisos, porque essa é o tipo da expressão que parece dizer algo, mas não significa absolutamente nada.
            Adaptações para o cenário interno? Sei… E garotão, que cenário interno vem a ser esse? Pode ser um cenário de crise, pode ser um cenário estável, ou seja, pode ser qualquer cenário. Logo, você não refutou o argumento do Francisco. Apenas declarou uma tautologia, basicamente você disse que mudanças na realidade acarretam mudanças nos valores observados nas medições dessa realidade.
            Parabéns garoto. Muito esperto você, pena que o velho truque de fingir que 0.5 é um número diferente de 1/2 só funciona com os eleitores do Lula e não com os leitores desse blog.

            0
    • Mineiro BH 21 de junho de 2012 at 19:00

      o Peterson mandava muito bem nos comentários, era dos tops aqui, mas ele perdeu o norte em algum ponto dessa história…

      0
      • peterson 22 de junho de 2012 at 14:09

        acontece que vcs estão vivendo em uma bolha de espectativas que não vão se realizar e eu só estou mostrando isso… sentindo-se contrariados acabam por me desprestigiar… mas terei razão logo logo…

        0
    • DM 21 de junho de 2012 at 19:19

      Acho que é o Peterson Foca!

      0
    • Silas Coul 22 de junho de 2012 at 11:03

      Vc vive no Brasil mesmo?! Amigo, não acredite em tudo q te falam. É ano eleitoral e uma enxurrada de informações ilusórias está sendo lançada nos meios de comunicação. Vc é inteligente e pode enxergar além da fumaça.

      0
  • RosinhA 21 de junho de 2012 at 12:01

    RosinhA disse:

    20 de junho de 2012 às 19:58

    Minha estória de como enxergo o mercado:

    De 2001 a 2010 os imóveis começaram a escalada de preços como foguetes, primeiro o lançamento um pouco lento, pois ainda não tem nenhuma inércia, depois pega a grande força, subindo com alta velocidade, logo após permaneçe com sua velocidade em mesmo ritmo e começa a desaceleração.

    Em 2007, 2008, 2009 com os dados da primeira crise Americana a bolsa despenca e os grandes investidores correm para um porto seguro o da alta valorização os imóveis, acho que mesmo que parte da população que perdeu em investimentos nesse período, voltou seus olhos para o setor, só que com taxas de corretagem que nos imóveis chegam a 6% e na bolsa 0,1% , começaram a colocar na conta esses números, e cada vez o aumento foi sendo maior, sem contar que a liquidez é muito pior, e o risco para mim depedendo do imóvel chega a ser o mesmo.

    Os corrretores se aproveitam dessa fase e “mostram aos compradores”, lucros exorbitantes de 50% ao ano, lucro fácil, venda rápida, compradores aos montes, muitas vezes investindo só a entrada e revendendo em cima de lucros totais.

    Todo o mercado começa a se estruturar para os ganhos:

    – Corretores em geral começam a vender consórcios.
    – Bancos começam a lucrar com as grandes taxas cobradas.
    – Construtoras começam a especular áreas e locais mais requisitados.
    – Corretores de imóveis tendo lucros nunca obtidos antes.
    – Dono de imobiliárias, construindo para venda, começando a deturpação dos valores.
    – Donos de terrenos especulandos valores em casas de 80 anos.
    – Construtores e prefeituras fazendo acordos milionários.

    entre outros…..

    Final de 2011 começo de 2012, os grandes especuladores já percebem que o mercado começa a dar sinais de saturação, vendem o que podem, e começam a sair do mercado, ocasionando a queda de vendas e de lançamentos, os menos experientes ainda compram com preço 3x ou 5x a mais “bolhudo” esperando lucro de 10X.

    Para mim a maior indicação de que o número de imóveis está acima do necessário, é que a multiplicação dos imóveis à venda é muito maior do que os imóveis para aluguel, percebe-se que a maioria já percebeu a real situação e está a espera de que o mercado se acomode, ou até mesmo começe a despencar, isso resume o seguinte: Pouca gente está comprando agora, a maioria já sabe que algo está errado. .

    Quando começam muitos murmrinhos sobre um assunto é que a coisa realmente não anda bem, quando os corretores começam a declarar que a coisa não está boa, que os negócios não vão bem, as construtoras com prejuízo, e todas as notícias ruins da economia, só podem significar o seguinte: O mercado está mal, ainda caminha porque muita gente ainda não obteve seu lucro, está empurrando, quando esse último pessoal cair fora, aí sim vamos ver qual a cor da roupa íntima de quem esta no lago, muitos vão se dar mal, principalmente aqueles que vão apostar a última moeda no Cassino da construção civil bem próximo do estouro.

    Concluindo agora não é hora de comprar, muito menos de fazer ofertas, deixem quieto o mercado, os corretores, para quem quer vender ou corretar, a pior coisa é não rebecer proposta alguma, assim ele começa a cair na real que o preço ou a qualidade de seu produto estão fora da realidade. Sei que é difícil para quem é do tipo ansioso, mas quem vai fazer os melhores negócios, são aqueles que deixarem para comprar na hora do desespero total dos vendedores e corretores, coisa que ainda não sinto em nenhum nem no outro

    0
    • hannamanana 21 de junho de 2012 at 14:42

      Definitivamente não é uma boa hora!
      No ano passado e no começo deste ano conheci um monte de gente que comprou imóvel. A maioria financiando pelo menos uma parte do bem.
      Ontem um colega estava “bravo” pois no prédio que ele comprou um apartamento no mês passado, estão vendendo um apartamento por 6.000 a menos com as mesmas características (e documentação em ordem). Ele achou que seria uma economia bem vinda (embora o imóvel ainda esteja bolhudo na minha opinião).
      Em alguns lugares, ainda que poucos, o preço já começa a dar uma caída.
      Mas, as construtoras continuam a todo o vapor, dando a impressão para os desavisados de que o mercado ainda está bombando.
      E aqueles imóveis de donos irredutíveis em abaixar o preço iludem os consumidores de que o mercado só tende a subir ou estabilizar.

      0
    • Ricardo Eng 21 de junho de 2012 at 15:04

      Exato. O crescimento do valor dos imóveis foi ESPECULATIVO. Não foi tão fortemente associado a crédito, como muitos pensam.

      Tanto que o crédito atingiu os usados só no fim de 2010 e início de 2011. Os dados oficiais estão todos aí, só não vê quem não quer.

      Até agora tem gente aqui no forum que acha que crédito faz imóvel na planta crescer.

      0
      • RosinhA 21 de junho de 2012 at 17:52

        Ricardo Eng concordo, acompanho mercado de imóveis desde 1998, especulação pura, aqui quanto mais caro o produto, melhor a pessoa acredita ser a qualidade, e funciona pelo jeito.

        0
    • antonio henrique 21 de junho de 2012 at 15:21

      Rosinha,
      Estou nesta espera a algum tempo, e sei que o tempo presenteará os sensatos com boas oportunidades. Só lamento por aqueles que infelizmente não puderem esperar.

      0
      • Luiz 21 de junho de 2012 at 15:48

        Rosinha, muitos “especuladores por acaso” entraram bem antes de 2008, esses aí ainda estão vendo lucro na coisa toda, muitos deles preferem continuar esperando uma nova reviravolta, que nunca vai ocorrer.

        Por exemplo: Nos EUA a queda está nesse momento 2012 está no mesmo patamar de 2002, 10 anso pra trás

        Aqui no BR não temos dados confiáveis, mas já vi preços de 2010 essa semana

        0
        • RosinhA 21 de junho de 2012 at 17:25

          Cassino Luiz, vai jogando, jogando, jogando, e um dia percebe que ficou pobre.

          0
    • Silas Coul 22 de junho de 2012 at 11:10

      Vc irá ganhar o prêmio nobel da bondade: a especuladora milionária e empresária do mercado de construção civil q dizia pra ninguém investir no ramo de sua empresa pq senão irao se dar mal. Mesmo sacrificando o seu futuro e de sua família ela alertava para ninguém investir nos seus negócios. Parabens, precisamos de mais gente como vc no mundo!!!!

      0
      • RosinhA 22 de junho de 2012 at 12:05

        Silas a construção é para aliviar a cabeça, gosto muito, e ainda bem que tenho outras fontes de renda, e nada do que tenho hoje está a venda, posso deixar para futuro 1 ou 2 décadas até o mercado se firmar novamente.

        Outra se não percebe construção civil é como uma profissão como qualquer outra, só não estou construindo agora por falta de boa mão de obra e lógico quero ver aonde o mercado vai parar.

        Finalizando não sou filantrópica e ninguém daqui é, não tire conclusões antecipadas, você pode errar com as pessoas, e obrigada pelos elogios agradeço vindo de sua parte, viu até você mudu sua opinião sobre minha pessoa. 😉

        0
        • Bananildo 22 de junho de 2012 at 21:01

          Acho que o Silas Coul tá querendo furar o olho do Chico Bento… implicância assim, já dizia minha avó, é paixão reprimida!

          0
          • RosinhA 23 de junho de 2012 at 12:50

            Bananildo coitado hahahahaha, que acabe suas esperanças agora !!!!!

            0
  • TS 21 de junho de 2012 at 12:10

    Bom dia amigos,

    Não poderia deixar de agradecer pelo post do Davi retirado do Broadcast.

    Pela primeira vez vi um dado consistente a respeito do percentual de especuladores. A base de dados da pesquisa parece também ser muito boa, já que pegaram pessoas com renda plausível para contratação de financiamento. O que me assustou foi a parcela desses ‘investidores” sobre o total de compradores, o que segundo a matéria beirava 46% e agora 39%.

    E nós aqui estávamos imaginando algo em torno de 30%. Quanta inocência não? Poderíamos dizer que a demanda real foi quase duplicada já que para cada 6 compradores legítimos havia 4 para especular. Tirando 46% das ofertas de imóveis do mercado os tais como a reportagem cita criaram um padrão de superaquecimento de preços que fez muita gente comprar para não perder o timing.

    O que aborrece ainda é que há uma proporção muito elevada de especuladores girando o negócio (em torno de 40%). Um exemplo do livro Bumerangue do Michael Lewis que me lembro, a bolha da Irlanda estourou porque o excesso de crédito fez com que os compradores e vendedores negociassem entre si mais caro simplesmente por conta do poder de compra e não por conta do valor real dos bens, exemplo: eu tenho um cachorro e você um gato, eu digo que meu cachorro vale um bilhão e seu gato um bilhão e nós negociamos eles porquê o banco nos dá o crédito e os avalia assim. O mesmo acontece com esses imóveis onde os bancos avaliam porcamente e dão financiamento simplesmente porque a torneira está aberta, e os investidores entram porque sabem que não vão pagar todo o bem. Uma queda brusca se daria se os investidores caíssem para um número mais modesto (em torno de 20%).

    Não tenho dúvida de que estamos a beira de um colapso no setor imobiliário com prejuízos para toda a economia e principalmente para aqueles que estão contraindo financiamentos de imóveis bolhudos. Considero bolhudos os imóveis comprados no último triênio e que representa a maior parte da carteira de financiamento dos bancos públicos.

    Alguns movimentos desesperados para salvar o que resta da embarcação:

    1. As construtoras vão focar a partir de agora no alto padrão. Sendo que esse “Alto-Padrão” é na verdade um padrão médio a preço bolhudo (600K a 1M). O “Alto-Padrão” é nada mais que um apartamento de 100 a 120m2 com 3 vagas de garagem perto de algum metrô em SP.

    2. A classe C que é a parcela que mais demandará imóveis nos próximos anos deverá sustentar um pouco a bolha dos 2 dormitórios. Há apartamentos de 2 dorms em bairros periféricos custando 20% mais do que casas novas.

    3. A pdg e gfsa têm insistentemente mandado e-mails em busca de investidores oferecendo 40% de desconto para aptos na planta a vista.

    4. Há muita gente com dinheiro e mau informada, principalmente no interior onde as fortunas advindas do agronegócio estão na mão de gente simples que vê na compra de automóveis caros e imóveis uma forma de vincular a imagem a uma nova elite. É uma pena mas essa parcela costuma dar alguma sustentação ainda ao mercado. Vide a quantidade de terrenos que a gfsa conseguiu vender a preços estratosféricos, apenas por causa da marca Alphaville. Visite cidades do interior de SP que têm menos de 20 mil habitantes e é fácil ver que o povo gosta de lá gosta de HILUX, COROLLA, CIVIC e etc.

    5. Na reportagem do A LIGA, o casal da classe C conseguiu comprar uma casa por 180MIL e achava que estava fazendo um bom negócio. Alguém falou para ela que a dívida dela é de 300mil com o banco? Para mim o afrouxamento das regras bancárias vai fazer com que a CLASSE C consiga sair do teto dos 170 mil para imóveis mais caros, é essa a intenção do governo. Não podendo aumentar o teto do MCMV diretamente o governo o faz de maneira sutil. Ele ainda pode eliminar a entrada para financiamento de imóveis, estender o prazo de pagamento para 40 anos, subsidiar mais ainda uma parte do imóvel e diminuir os juros reais para algo em torno de 6% a 7%.

    6. Manipulação e ocultação vergonhosa de números que ainda alimenta uma expectativa na mente iludida dos investidores, no programa A LIGA o consultor disse que o mercado têm em torno de 600.000 imóveis em estoque, por aí dá para ter idéia do volume de encalhados e como esse número vai aumentar muito quando as entregas dos apartamentos comprados em 2009, 2010 e 2011 acontecerem.

    0
    • Amadeos de Sampa 21 de junho de 2012 at 15:46

      TS, concordo contigo! Credito abundante com juntamente com a ganancia em lucro facil, sao os principais ingredientes de nossa bolha.
      Mas como diz o refrao daquela musica: “turn on the lights, the party is over”

      0
    • Ana Maria 21 de junho de 2012 at 16:14

      Você tem o vídeo do programa A LIGA sobre o assunto da bolha imobiliária?

      0
      • TS 21 de junho de 2012 at 16:22

        aliga.band.com.br/conteudo.asp?id=100000511219

        Se não me engano é a parte 4 ou 5 que fala de imóveis. Não é um programa sobre a bolha imobiliária, e sim sobre o mau uso do crédito.

        Um analista revela que os preços estão inflacionados e que a população não deve comprar.

        0
  • Luiz 21 de junho de 2012 at 12:55

    Esse post é MUITO BOM

    Quero que vcs percebam um detalhe quando falamso de médias
    Se a média caiu de 46% p 39% isso significa que em muitos casos o percentual de investidores deve girar em tonro de 80% a 90%

    Uma queda média de 7% é uma enormidade.

    A mania dos imóveis já está passando, mais rapido do que o previsto pelo bolhista mais otimista

    0
    • RosinhA 21 de junho de 2012 at 13:04

      Verdade Luiz, e o pior mais uma vez sendo enxerida, um prédio na rua das Figueiras em frente o Singular afixado dentro do elevador.

      Estamos processando a construtora Ra… pois ainda não possuímos os documentos necessários da posse do imóvel.

      Prédio médio/alto padrão torre B investidor tem N aps, não paga condomínio e deixa tudo para ser resolvido na justiça.

      O maio problema da Bolha não será a contaminação da economia em si, e sim os problemas psicológicos e mentais que serão a herança daqueles que compraram na planta com a simples intenção de possuir um lar.

      “NUNCA NA ESTÓRIA DESSE PAÍS SE VIU TANTA SUJEIRA” , não me refiro somente ao governo mas de maneira geral.

      0
      • Alemão 21 de junho de 2012 at 14:40

        Não paga condomínio, não levanta capital para benfeitorias, não paga a academia do prédio…. investidor com 6 apartamentos. Não estou inventando, é minha experiência atual. Cheguei a fazer uma proposta de 1/4 do valor do imóvel para ele… mas ele ainda não cedeu, mas já recebi ligações para eu reavaliar minha oferta… só para ter uma idéia, é oferecer 150k em imóvel de 600k….

        0
    • Frank 21 de junho de 2012 at 13:15

      eu ainda achei o % de participação elevado, mas temos q levar em conta q o mercado (qtde de unidades comercializadas) diminuiu de 2010 para 1o sem 2012.

      um outro aspecto é a concentração / distribuição desigual.

      certamente em certos tipos de apto, próximos a metrô, lançamentos novos em bairros moderninhos ou q devem receber investimentos (COPA, OLIMP, etc.), o % de investidores é bem maior do q essa média.

      ou seja, se fizermos um recorte pelos aptos q são preferencialmente alvo de investidores (certamente há um perfil de preferência, ainda q eu não saiba delinear com precisão), o % tende a ser bem maior mesmo.

      0
      • Luiz 21 de junho de 2012 at 13:20

        exato Frank, muito bem colocado. Na linha certa

        Considera nessa média as milhares de casas brasil afora financiados pelo MCMV que deve ser 99% morador X 1% investidor.

        Essa porcentagem deve ser totalmente diferente para vlaores acima e abaixo de 120 mil, mas aí tinhamos que entrar na metodologia do estudo (coisa que eu não fiz).

        0
        • Laranja 21 de junho de 2012 at 14:18

          Isso aí! E ainda temos que considerar que estamos dividindo os compradores entre usuários e investidores. Um usuário compra somente 1 imóvel, um investidor pode comprar 100 imóveis.

          0
    • hannamanana 21 de junho de 2012 at 14:57

      Além disto que você diz, me apeguei a frase:
      “motivada principalmente pela apreensão e saída de investidores desse mercado”

      Não sei se é somente isto, não.
      Quando ele fala que “o noticiário sobre a crise internacional e a preocupação com possíveis influências sobre o mercado brasileiro sustentou um quadro de apreensão entre os investidores de imóveis do País” eu acredito mais.
      Penso que o percentual de investidores que caíram fora é maior do que o citado – na prática, considerando o que vocês expuseram, mas tem muita gente “comum” com o pé atrás neste negócio.
      O engraçado é que ele diz que a demanda vai virar… bem, ele não poderia mesmo dizer outra coisa, né!? Hehehe

      0
  • Anonymous 21 de junho de 2012 at 12:58

    Com a permissão do Poeta da Bolha.: “deixai, deixai logo a Banânia, ide ao Velho Mundo ou à Terra dos Livres, onde estareis enfim pagando o justo preço.”

    0
    • Ze Bom Dirolo 21 de junho de 2012 at 15:25

      Meu amigo chegou dos Estados Unidos e disse que alugou um Edge por 39 dólares a diária. Eu falei para ele, já eu…. viajei para Fortaleza e aluguei um gol básico por 70 reais a diária.

      0
      • RGD 21 de junho de 2012 at 21:45

        Ze Bom Dirolo, há duas semanas eu aluguei um Ford Focus (modelo novo) nos EUA,e paguei $14 pela diária. Uso sempre o Priceline (Name Your Own Price) ou Hotwire, e geralmente nunca pago mais de $15 a diária. Os preços no Brasil estão absurdos.

        0
        • Ze Bom Dirolo 21 de junho de 2012 at 23:56

          Para você ver……aqui se for na localiza sai por 100 reais.

          0
  • Luiz 21 de junho de 2012 at 13:02

    noticia de queda:

    Encotnrei aqui na ZO de SP 2 apês pelo preço de 2010

    0
    • self 21 de junho de 2012 at 13:28

      Certifique-se de que o jornal de classificados não esteja com data de 2010. :o)

      0
    • TS 21 de junho de 2012 at 16:49

      Onde?

      0
      • Luiz 21 de junho de 2012 at 17:43

        av escola politecnica

        0
        • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 03:08

          Luiz tem 2 empreendimentos na Av. Escola Politecnica que realmente são lindos , um fica junto a USP e o outro é quase esquina com a Rod Raposo altura do km 16…

          O que ocorre – o que fica ao lado da USP – é da Cyrela – foi lançado por R$ 1.200,000, ou $ 1400.000,00 – tem oferta da pp Cyrela por 800 k
          o problema é entorno – tirando a vista pra USP o local é cheio de galpões e industrias (fica paralela a av. jaguaré -) da medo de andar de dia, imagina a noite…
          o outro quase esquina com a raposo – vc encontra até por 420 k aptos realmente lindos … o problema – fica nas costas do Parque dos Principes, a unica saída é via raposo – além do local ser extremamente ermo…
          outros 3 que tb são problematicos – é um conjunto de 5 predios na altura do km 12 da raposo ao lado do shopping raposo – o apto é razoavel – a varanda gourmet não tem ralo….
          outro é um empreendimento na atlrua do km 15 da raposo – e tem outro na altura do km 17 ou 18 – Mairarê …
          o galho de todo eles é que os locais são de ruim acesso – só tem saida via raposo… não valem a pena eles estão há mais de 2 anos com valores que vem caindo sistematicamente …. mas acho que só compraram na planta pois não conheciam os locais….

          0
          • Luiz 22 de junho de 2012 at 10:53

            o horizontes foi lançado por 400k em 2005 e chegou mesmoa 1,4kkk em 2010, mas agora ja caiu pra 790k.

            Acontece que o condominio é um imenso vazio, 80% são especuladores.
            A padaria + perto fica a 1 km e não é boa.

            0
  • shanti 21 de junho de 2012 at 13:38

    pessoal,
    o que vcs acham deste anúncio?
    http://www.canaldoimovel.com.br/imovel-detalhes.aspx?id_imobiliaria=59&ref=CA0543
    oportunidade ou fria?

    0
    • F. Paes 21 de junho de 2012 at 21:44

      Parece aquelas casas que o Gugu entrega no programa dele, com móveis estilo Casas Bahia.

      0
    • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 03:10

      fria

      0
    • Leonardo 22 de junho de 2012 at 14:17

      Segredo tá na última frase: “não aceita financiamento”.

      Isso quer dizer que o imóvel tem alguma irregularidade. É só dor de cabeça.

      0
  • John 21 de junho de 2012 at 14:21

    “Além disso, o noticiário sobre a crise internacional e a preocupação com possíveis influências sobre o mercado brasileiro sustentou um quadro de apreensão entre os investidores de imóveis do País nos últimos anos, acrescentou Araújo.”

    Não concordo. Os imóveis, em tese, servem justamente para proteger recursos contra o avanço da inflação e das incertezas do mercado. O que está afugentando os investidores e quem quer morar são os preços altíssimos. Simplesmente isso. Comprar para alugar não faz sentido atualmente, dado o baixo retorno, imaginem então comprar na alta pensando em revender. Vejo muita “perfumaria” para explicar a queda nas vendas, mas me parece tão óbvio (preços muito elevados)!

    0
    • Ze Bom Dirolo 21 de junho de 2012 at 15:24

      Não penso assim. Creio que a inflação atinge primeiro quem paga prestações. Atingindo essa classe, a tendência é a queda drástica nos preços dos imóveis causando euforia no mercado.

      0
  • Jack Imóveis 21 de junho de 2012 at 14:26

    Caros,

    É como se tivéssemos um deja vu por dia. Tudo que era falado aqui começa aser discutido nos meios de comunicação.

    Abraços

    Jack – Com sono

    0
    • RosinhA 21 de junho de 2012 at 17:28

      Sono às 14:26.

      RosinhA – enxerida 😉 ou fofoqueira 😉

      0
      • Bananildo 22 de junho de 2012 at 21:05

        Ou faltou café ou o Jack foi ter um almoço executivo de sexta-feira! hummmm

        Bananildo – Especulando.

        0
  • Eskeleto 21 de junho de 2012 at 14:27

    BOMM?

    “http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/06/criacao-de-empregos-formais-cai-445-em-maio-para-139-mil-vagas.html”

    0
  • Álvaro Guilherme 21 de junho de 2012 at 14:33

    “(…)A disposição dos consumidores em comprar um imóvel vem caindo lentamente no País desde 2010, motivada principalmente pela apreensão e saída de investidores desse mercado.(…)”

    A minha leitura é: A disposição dos CONSUMIDORES vem caindo POR CAUSA dos “investidores” (especuladores) desse mercado.

    De qualquer forma, se os “investidores” já não estão tão interessados, isso é UM GRANDE FAVOR ao público que quer imóvel DECENTE para morar.

    0
  • Mineiro quer Bolha 21 de junho de 2012 at 14:36

    Criação de empregos formais cai 44,5% em maio, para 139 mil vagas
    Segundo governo, esse é o pior resultado para maio desde 2009.
    No acumulado do ano, foram abertas 877 mil empregos com carteira.
    Alexandro Martello
    Do G1, em Brasília

    A criação de empregos formais recuou 44,5% em maio deste ano, quando foram abertas 139.679 vagas com carteira assinada, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgadas nesta quinta-feira (21) pelo Ministério do Trabalho.

    Em maio do ano passado, ainda de acordo com números oficiais, foram abertas 252.067 vagas de emprego formais. Este foi, também, do pior resultado para meses de maio desde 2009 (+131.557 empregos com carteira assinada). Em maio de 2010, foram criados 298 mil empregos – recorde para este mês.

    Acumulado do ano
    No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, segundo o Ministério do Trabalho, foram criadas 877.909 vagas formais de emprego. Isso representa uma queda de cerca de 25% frente ao mesmo período do ano passado – quando foram abertas aproximadamente 1,17 milhão de vagas.

    Trata-se, também, do pior resultado para o período de janeiro a maio desde 2009, quando foram abertas cerca de 180 mil vagas abertas. O recorde histórico para o período permanece sendo o ano de 2010, quando, de janeiro a maio, foram criados mais de 1,38 milhão de empregos.

    Crise financeira
    A queda no número de empregos formais criados, tanto em maio quanto no acumulado deste ano, acontece em meio à nova etapa da crise financeira internacional – que teve início em setembro de 2008 com o anúncio de concordata do banco norte-americano Lehman Brothers.

    No primeiro trimestre deste ano, por exemplo, a economia brasileira cresceu apenas 0,2% na comparação com os três últimos meses do ano passado. Para combater a desaceleração da economia brasileira, que vem sendo registrada por conta do fraco ritmo de crescimento ao redor do mundo, a equipe econômica anunciou, nos últimos meses, uma série de medidas.

    Além de o Banco Central estar baixando os juros desde agosto do ano passado, o governo também reduziu o IPI para a linha branca (máquinas, fogões e geladeiras), para automóveis, desonerou a folha de pagamento de alguns setores, liberou crédito para as empresas e para os estados do país com juros mais baixos, baixou o nível do compulsório (recursos que têm de ser mantidos pelos bancos no BC) e também reduziu a alíquota do IOF para empréstimos de pessoas físicas.

    Setores da economia
    Os dados do Ministério do Trabalho mostram que os que mais contribuíram para a geração de vagas com carteira assinada em maio deste ano foram: agricultura (+46.261 postos), Serviços (+44.587 postos), Indústria de Transformação (+20.299 postos), Construção Civil (+14.886 postos) e Comércio (+9.749 postos).

    “O bom dinamismo do setor agrícola está associado, em grande parte, às atividades vinculadas à presença de fatores sazonais na região Sudeste, relacionadas, principalmente, ao cultivo de Café (+25.995 postos) e de Cana de Açúcar (+12.250 postos)”, informou o governo.

    Regiões do país
    Em termos geográficos, acrescentou o governo, todas as cinco regiões evidenciaram expansão do emprego. A região Sudeste gou 101.876 postos formais no mês passado, enquanto que a região Centro-Oeste criou 13.473 vagas com carteira assinada. A região Sul, por sua vez, foi responsável pela abertura de 9.913 postos de trabalho, ao mesmo tempo em que a região Nordeste abriu 9.060 vagas. Já a região Norte registrou a abertura de 5.357 postos de trabalho em maio.

    0
  • Ghaspar 21 de junho de 2012 at 14:39

    NOTICIA NOS JORNAIS DE HOJE: DESEMPREGO A 5,8%…

    Se voce ler com atenção a informação do IBGE, verá que a massa de POPULAÇÂO ATIVA considerada é de 23 milhoes ocupados e 1,4 milhoes desempregados , o que dá o número que eles ” VENDEM”: 5,8% de desemprego.= 1,4 / 24,4 = 5,8%

    Ora então a massa ativa da população é de apenas 12,2% da população brasileira,
    Nos EUA é de 50%, na França 47% , no Japao 54% , BRASIL / IBGE 12,2 %

    PERGUNTO: ONDE ESTÃO OS OUTROS 176 MILHOES DA POPULAÇÃO BRASILEIRA.
    São todos aposentados, menores, incapazes ???

    O IBGE está de sacanagem…Antes os numeros do DIEESE ( desemprego de 10,6% ) eram a Biblia desse pessoal que está no Governo…Agora não servem mais…….
    ESTÃO DE SACANAGEM COM O POVO BRASILEIRO….

    0
    • Eskeleto 21 de junho de 2012 at 15:22

      Olhando essa relação a cada 8 pessoas 1 trabalha.

      0
      • Eskeleto 21 de junho de 2012 at 15:22

        E pelo que pesquisei é 190 milhões.

        0
        • Eskeleto 21 de junho de 2012 at 18:02

          Eu pesquisei e o IBGE faz pesquisa somente em 6 cidades metropolitanas e não no Brasil todo envolvendo somente os empregos formais.

          0
    • self 21 de junho de 2012 at 16:09

      Pois é. Será que o IBGE considera como População Economicamente Ativa apenas trabalhadores com carteira assinada? Bom lembrar que, no Brasil, trabalhadores informais são a maioria.

      0
  • Luiz 21 de junho de 2012 at 14:44

    olha a alegria de pobre como dur apouco

    GFSA3 2,98 -3,56%

    0
  • Luiz 21 de junho de 2012 at 14:46

    quarta-feira, 20 de junho de 2012
    w w w.observadordomercado.blogspot.com.br/

    Valor: Fim de festa para o mercado imobiliário

    Os imóveis fizeram a festa de muitos nos últimos anos. Para o presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes, os imóveis ainda são uma opção ao investidor, mas não para retorno em curto prazo. Nichos até recentemente aquecidos tendem à queda, como o dos imóveis comerciais. “Se a economia não tiver comportamento adequado, pode ser que a oferta não seja absorvida”, diz Bernardes.

    Não existe desconto, mas queda dos preços
    O surgimento de ofertas estimuladas por descontos, promoções ou promessas de renda garantida por um certo período é um sinalizador de preços em queda. “Neste mercado não existe desconto, mas preço que caiu”, analisa Luiz Roberto Calado, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef). “Em vez de revisar o preço, o vendedor oferece um benefício para manter o valor do imóvel”.

    Outro forte indício de acomodação é a entrega de imóveis com unidades disponíveis, invalidando a atratividade de aquisição na planta para a venda na entrega das chaves – a incorporadora sempre terá melhores condições de oferta do que o investidor. “Se não for para ocupar o imóvel, não é o melhor momento para investir no mercado da produção da indústria imobiliária. Os preços estão muito elevados”, diz Luiz Eduardo Pompeia, diretor da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp).

    Para João da Rocha Lima Junior, coordenador do Núcleo de Real State da escola Politécnica da Universidade de São Paulo, a melhor opção é investir em um grande empreendimento, via fundo imobiliário, já que proprietários individuais de imóveis menores estão mais expostos a fatores incontroláveis como a deterioração do produto pela qualidade de ocupação dos vizinhos. “É mais razoável participar de uma comunidade financeira do que uma imobiliária, cujos interesses podem ser conflitantes”

    0
    • Jack Imóveis 21 de junho de 2012 at 14:47

      GAME OVER

      0
    • Álvaro Guilherme 21 de junho de 2012 at 15:48

      “(…)Não existe desconto, mas queda dos preços(…)”.

      Então ficamos assim combinados.

      O que este Sr. se esquece, é que o mercado desconta tudo.

      0
    • TS 21 de junho de 2012 at 15:53

      Odeio quando esses blogs mudam o título original da reportagem só para esculhambarem de vez.

      A reportagem saiu no Valor Econômico e acredito que poderia virar tópico também. Acho que passou desapercebida.

      valor.com.br/financas/2717484/aplicacao-em-imoveis-passa-por-acomodacao

      18/06/2012 às 00h00
      Aplicação em imóveis passa por acomodação

      Os imóveis fizeram a festa de muitos nos últimos anos.

      0
  • hannamanana 21 de junho de 2012 at 14:50

    Gente… me ajudem, porque não consigo entender uma coisa, porque vejo muitos colegas aqui falando da Classe C e seu poder de compra de imóveis e consequente participação direta na bolha.
    Mas, estou lendo aqui que a classe C é considerada aquela cuja renda familiar de cerca de R$ 1.450 (eu nem lembrava qual era o valor considerado).
    Como é que a Classe C está, estava ou estará comprando imóveis com essa renda?

    0
    • Luiz 21 de junho de 2012 at 15:00

      a classe C com os juros subsidiados do MCMV estabeleceram um piso e compuseram uma demanda reprimida para o valor dos imóveis, em torno de 120k – 170k. O resto subiu foi por efeito dominó, o que os economistas chama de fator multiplicativo da acumulaçõ de riqueza.

      0
      • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:08

        Ok… é que na minha cabeça, uma família que tenha a renda de 1.450 por mês só poderia admitir uma prestação ao redor de 450 reais ainda que o gerente do banco admitisse a renda de todos na aprovação do negócio.
        Sendo assim, se o financiamento fosse de 30 anos, o máximo que daria pra comprar é um imóvel de aproximadamente 90 mil.
        Ou seja – aqui na minha cidade: nada (que esteja com a documentação em ordem).
        Aliás, no MCMV, uma colega comprou na planta (rá!) em 2010, acho e naquele momento estava tudo encaminhado para ela conseguir o subsídio, pois só assim poderia honrar o financiamento. Agora o imóvel “valorizou tannnnto” que havia saído da faixa do subdísio.

        0
        • Luiz 21 de junho de 2012 at 16:14

          a renda familiar mensal da C é de 1k a 5k, com subisidio decrescente

          Soma FGTS, salario do sogro, emprestimo do cunhado e vc chega no valor

          0
          • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:23

            Hahahaha eu achava que isso era lenda (esse panelão de rendas)

            0
            • TS 21 de junho de 2012 at 16:33

              Segue um link com a classificação das rendas por classes.

              Total – Classe AB -> população com renda domiciliar per capita acima de R$ 4591.
              Total – Classe C -> população com renda domiciliar entre R$ 1064 e R$ 4591.
              Total – Classe D -> população com renda domiciliar entre R$ 768 e R$ 1064.
              Total – Classe E -> população com renda domiciliar até R$ 768.

              http://www.cps.fgv.br/ibrecps/credi3/TEXTO_panorama_evolucao.htm

              0
            • TS 21 de junho de 2012 at 16:34

              Segue um link com a classificação das rendas por classes.

              Total – Classe AB -> população com renda domiciliar per capita acima de R$ 4591.
              Total – Classe C -> população com renda domiciliar entre R$ 1064 e R$ 4591.
              Total – Classe D -> população com renda domiciliar entre R$ 768 e R$ 1064.
              Total – Classe E -> população com renda domiciliar até R$ 768.

              cps.fgv.br/ibrecps/credi3/TEXTO_panorama_evolucao.htm

              0
              • TS 21 de junho de 2012 at 16:35

                Soou péssimo essa frase… que redundância porca 😀

                classificação por classes… kkkkkkkkkkkkkkkkk

                0
                • hannamanana 22 de junho de 2012 at 07:43

                  Eu achei perfeito “classificação por classes” hahahaha… bem avant garde, bem libertário, tropicalista, um grito de revolta ao português tradicional opressor das massas… HAHAHAHAHAHAH
                  Ai ai… acho que esse meu spray de própolis está me fazendo mal…

                  0
                  • Bananildo 22 de junho de 2012 at 21:08

                    Pô Hanna, acho que você deve ter comprado o mel com própolis do pessoal da Rio +20…

                    0
              • hannamanana 22 de junho de 2012 at 07:43

                Afff… sério?
                Ainda acho péssimo, mas… o que eu posso fazer, né?hehehehe

                0
          • O Irritado 21 de junho de 2012 at 17:31

            Insistem em dizer que não temos créditos “subprime”.

            OK, tudo bem, mas em compensação temos subprimos, subcunhados, subsogros e até onde o mix criatividade + malandragem permitir…

            Até quando? Até quando ?
            (OBS: Faltam 10 dias para 02/07/2012)

            0
            • hannamanana 22 de junho de 2012 at 07:44

              Huahauhaua yeah
              Subprimos é ótima

              0
    • xyz 21 de junho de 2012 at 15:00

      Recentemente a Secretaria de Assuntos estratégicosdo governo federal modificou a definição de classe média para fins de estatísticas oficiais.

      Classe média é a família que tem renda entre R$ 300 e 1000 por membro da família.

      Isso não é piada, é oficial.

      0
      • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:10

        Bem… se for por membro, se tiver 2 ou 3 pessoas trabalhando e ganhando 1.000 cada, ai eu entendo que eles possam financiar alguma coisa.
        Mas, sério? De 300 a 1.000????
        Por que 700 reais por pessoa dá uma diferença e tanto na qualidade de vida de uma família.
        Devia ter a classe C+, C++ hahaha…

        0
      • O Irritado 21 de junho de 2012 at 17:34

        Espere aí !

        Quer dizer que aquele pedinte no semáforo que consegue uns R$20 a R$25/dia já faz parte da “nova classe média” ?

        OBS: “flanelinhas” no RJ conseguem muuuito mais que isso….

        0
      • Mineiro BH 21 de junho de 2012 at 19:16

        na verdade é uma piada e é oficial…
        logo, é uma piada ([email protected]) oficial
        veja: o Governo acaba de criar, com essa classificação, a classe média que mora em favela e tem primeiro grau incompleto…

        0
        • Rafael KM 21 de junho de 2012 at 20:29

          Acho que em termos estatísticos não é piada.

          A maior parte da população é CLASSE C e ganha entre os R$300 e R$1000 por pessoa. Logo, se fizer um gráfico com a divisão de classes: A,B.C,D… veremos que a tendência é ser Classe C, logo a classe média é a classe C.
          As classes superiores à média são as classes A e B e as classes inferiores à média são as classes D e E.

          Agora se considerar em termos conceituais (como esté sendo considerado em todos os comentários), a Classe Média conceitual (aquela que mora bem, tem conforto, estuda, dá valor à saúde e educação) são as classes A e B.

          0
    • TS 21 de junho de 2012 at 15:26

      Eu não sei com exatidão a participação da CLASSE C no mercado imobiliário e também não acredito que esteja comprando imóveis bolhudos, mas ao meu ver ela vai ser a CLASSE que vai demandar mais nos próximos anos. A bolha não se originou por conta da CLASSE C e sim por conta das medidas do governo para ampliar o crédito imobiliário como aumento do prazo de financiamento, MCMV e falta de regulamentação do financiamento na planta o que permitiu a especulação e o superaquecimento. Outra coisa, os R$ 1450 é renda média, na classe C participam famílias com renda até R$ 5000.00, isso é necessário levar em conta na hora de abordar essa CLASSE. Leve-se em conta também que há a possibilidade de uso dos recursos do FGTS e da poupança que podem ser usados na entrada de um imóvel.

      0
      • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:19

        Eu fiquei imaginando a amplitude da renda considerada. Realmente, se 5.000 de renda entrarem no jogo, ai eu entendo.
        No mais, compartilho da mesma visão que você descreveu!!!
        E acredito que a classe C não teve acesso pleno aos imóveis e demandarão sim estes produtos. O duro é que … não tem imóvel acessível a parcela menos abastada da classe C pq este MCMV é tão furado…

        0
      • Felipe 21 de junho de 2012 at 16:19

        de R$ 300 até R$ 1000,00
        Se a família tem 3 pessoas, classe C será se ganhar de R$ 900 até R$ 3000, segundo os critérios.

        0
        • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:24

          Já pensou?
          Diferença imensa com 6 pessoas vivendo com a renda de 3 no total de 900 ou vivendo com 3.000
          Eu heim

          0
    • antonio henrique 21 de junho de 2012 at 16:00

      Esta é a classe que recentemente constataram uma renda per capta de nada mais nada menos que R$ 291,00. Antes chamada de classe C, agora chamada de classe média. Como bem disse o especialista consultado pelo programa A Liga do dia 19/06/2012, antigamente o empresariado brasileiro não gostava de vender para a classe C, mas agora que ela se transformou em classe média, eles querem vender para eles. Mas aumento no salário praticamente não ocorreu.

      0
      • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:25

        291???? Não entendo mais nada…

        0
        • TS 21 de junho de 2012 at 16:38

          Total – Classe AB -> população com renda domiciliar per capita acima de R$ 4591.
          Total – Classe C -> população com renda domiciliar entre R$ 1064 e R$ 4591.
          Total – Classe D -> população com renda domiciliar entre R$ 768 e R$ 1064.
          Total – Classe E -> população com renda domiciliar até R$ 768.

          cps.fgv.br/ibrecps/credi3/TEXTO_panorama_evolucao.htm

          0
          • xyz 22 de junho de 2012 at 10:23

            Essa é outra classifição. Pela classificacação do governo, a família que tem renda per capta maior que r$2.500, pertence ao topoo da classificação:alta classe alta.

            0
  • Laranja 21 de junho de 2012 at 15:01

    CORREIO DO POVO ANO 117 Nº 264
    PORTO ALEGRE, QUARTA-FEIRA, 20 DE JUNHO DE 2012
    Na ponta do lápis
    Imóveis novos têm maior venda em abril

    A taxa de velocidade de vendas de imóveis novos em Porto Alegre, que estabelece uma relação das vendas sobre as ofertas, foi de 11,71% em abril passado, superior ao índice de março que atingiu 8,44%. Os dados são da Pesquisa do Mercado Imobiliário elaborada mensalmente pelo Sinduscon/RS. No mês de abril foram negociadas 599 unidades na Capital, o que significa um incremento de 47,9% em relação a março passado, quando foram vendidas 405 unidades. A pesquisa apontou ainda que 32,89% dos negócios realizados em abril último foram com imóveis na planta, 64,94% em construção e somente 2,17% estavam concluídos.

    0
    • Gustavo A 22 de junho de 2012 at 13:41

      Ou seja, dos 599 apartamentos vendidos apenas TREZE eram usados ou recém construídos. Isso numa cidade de 1,5 milhão de habitantes.

      Esse índice de compra sem ser na planta era 4,5x maior que em outubro passado.

      Pode-se concluir que chegamos ao ponto em que o mercado é quase só especulativo.

      Acredito que são os investidores que ganharam dinheiro tempos atrás, recompraram na esperança de repetir a fórmula. Mas, de fato, não há compradores realmente interessados em morar.

      Em Porto Alegre temos um condomínio fantasmabem representativo, o Terra Nova Nature da Capa (que era vendido por uma entrada baixíssima), depois de um ano entregue, quase não há moradores entre os mais de 1200 apartamentos. Procurem na net e verão inúmeros anúncios de venda.

      0
  • Socorro!! 21 de junho de 2012 at 15:06

    muito boa a reportatem…mas achei o número de entrevistados muito alto…nem pesquisa de presidente da republica feita pelo Iboes tem 70 K entrevistas…acho que este número ta bem inflado..

    mas o caso dos investidores bate com o que falamos aqui e com o que o corretor me falou onteM….TEM MUITO INVESTIDOR COMPRANDO IMOVEL…

    0
  • Alex 21 de junho de 2012 at 15:08

    Pessoal
    Tenho aqui acompanhado diariamente esta discussão, porque estou no momento de comprar um terreno em SP.
    As disussões giram muito em torno de construção civil,construtoras, corretores, apartamentos vazios, descontos de grandes empreendimentos.

    Mas e os TERRENOS? Os terrenos pertencem a pessoa fisica, não dependem de construtoras nem de grandes empreendimentos.

    Há também uma bolha no setor de compra e venda de terrenos?
    Ou é apenas uma simples valorização por causa do mercado atual, que está aquecido?

    Podem me informar o que pensam sobre o mercado de TERRENOS?

    Obrigado

    0
    • self 21 de junho de 2012 at 16:07

      Pois é, sempre penso nisso. Lembra de quando uma família se formava, mesmo de baixa renda, comprava um terreno e ia construindo sua casa?

      0
    • hannamanana 21 de junho de 2012 at 16:34

      Aqui os terrenos também valorizaram, mas não tanto quanto os imóveis prontos.
      O custo para construir e a dificuldade em encontrar boa mão de obra segurou um pouco o preço do bem.
      Eu ainda sonho com um terreno para construir do meu jeito e principalmente – ter um quintal bom que pra mim é indispensável pra eu ficar plenamente feliz rssssss…
      Mas, voltando… eu ainda acho que – pelo menos na minha cidade – os preços estão um tanto altos, mas depende muito da região.
      Por aqui pipocam plaquinhas em terrenos perto do centro e áreas nobres “Aceito investidor”.

      0
    • RosinhA 21 de junho de 2012 at 18:12

      Você disse SP, imaginei a cidade….

      SP é uma cidade que não desfruta mais de espaços disponíveis para construções personalizadas como disse a Hanna, por isso a escassez de terrenos na cidade, o valor chega a ser muitas vezes maior que uma casa já construída, pois muitos MATAM a construção devido ao mal planejamento, sendo o preço inviável até para demolição. Por isso as construtoras pagam grandes valores em boas áreas.

      Se for interior a figura muda um pouco, mas ainda muitas cidades possuem a mesma característica de ter o mesmo valor de um terreno e um imóvel pronto dependendo de outros fatores como localização, proximidades de comércios, acessos etc.

      Enfim terrenos em SP em minha opinião tendem a valorizar acompanhando igualmente os valores de imóveis prontos, pois servem de base para uma futura construção, em contrapartida se houver decréscimo nos preços os terrenos tb irão acompanhar, mas tome cuidado, construir gera muito transtornos, e nunca vi ninguém fora do ramo que conseguiu construir sem estourar um pré orçamento definido.

      0
      • hannamanana 22 de junho de 2012 at 07:49

        Ah sim… acho que na capital só tem terreno sobrando lá em Engenheiro Marsilac, Jardim Nova América II, Parelheiros… rs
        Mas, aqui no interiorrrrrrrr ainda tem… aaaaainda tem opções de terrenos não tão extorsivos.

        0
      • Alex 22 de junho de 2012 at 12:44

        Rosinha
        Eu me refiro, especificamente, a JUNDIAÍ-SP.
        Aqui ainda temos terrenos disponíveis para a venda, e ainda há muita área a ser explorada, principalmente na região da Anhanguera, saída rapida para SP, e muito próximo do centro da cidade.
        Há muitos condomínios com terrenos de 350 a 1500m2 com terrenos disponíveis, mas com preços que variam de 600 a 1200 o m2 do terreno.
        E pouco são terrenos planos, pois a própria geografia da cidade e a proximidade com a Serra do Japi faz com que haja muitos com declive ou aclive acentuado.

        Acabei de ver um condomínio que acabou de ser inaugurado, ao pé da Malota, que é um dos condominios mais tradicionais de Jundiaí (que possui casas de 4000m2). Entrei em contato com eles, e os terrenos de 500m2 foram vendidos por R$ 700.000 em 1 mês. O condomínio inteiro é uma “ribanceira”, um aclive enorme, e não possui nenhuma estrutura.

        Vou postar o email que recebi deles na próxima mensagem.

        0
        • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:10

          Alex não vou falar dos terrenos de onde não conheço, mas Jundiaí está com a fama de cidade com qualidade de vida a 30 min de SP, esse é o problema .

          0
  • Perdizes_sp 21 de junho de 2012 at 15:12

    Para o pessoal de SP segue link interessante do valor médio do m2 e valorização, esses valores correspondem aos bairros onde moram?

    “http://www.terra.com.br/economia/infograficos/valorizacao-imoveis-sao-paulo-2012/

    0
    • Curioso 21 de junho de 2012 at 15:25

      Eles querem que as pessoas se acostumem com os valores atualmente praticados como se fossem reais… O ultimo imóvel em Perdizes que fui visitar, no início desse ano, queriam 8 mil o m2. Eu ofereci 4 mil por m2. Me recomendaram ir procurar na Penha (ZL)… Putz! NAO COMPRO

      0
      • Seven 21 de junho de 2012 at 17:28

        Sabe o que acho engraçado??

        Justificam os preços com base no aumento nos preços dos insumos e da mão-de-obra. Se fosse assim, o preço seria sempre, no mínimo, oito mil (com o mesmo padrão de construção, evidentemente)…

        O único valor com variação significativa é o terreno. Mas ele é diluído e não justifica tal aumento…

        Abs.

        0
  • Pedro 21 de junho de 2012 at 16:11

    Prezados, conheci esse blog hoje e achei bem interessante. Considerando a experiência de vocês no mercado imobiliários gostaria de saber a opinião de vocês a respeito do meu apartamento. Gostaria de montar uma estratégia para troca do imóvel. O seguinte, comprei ele em 2010 naquela história dos 20% paguei 20 mil durante a construção e hoje possuo um saldo devedor de 100k, sendo que o “valor de mercado” dele hoje é de 220k. Gostaria de saber qual estratégia vocês me indicam para efetuar uma troca futura, considerando qua a bolha estoure em 2 ou 3 anos.

    1. Guardar o dinheiro para amortização em um investimento conservador e daqui 3/4 anos usar esse valor para comprar um outro imóvel apostando em uma queda dos valores. Alugar meu apartamento atual e usar o aluguel para pagar o financiamento do mesmo. (hoje o aluguel está em R$ 1.000 e a prestação no mesmo valor). Pode ser que o aluguel caia, mas daria pra cobrir quase toda a prestação.

    2. Quitar o apartamento o mais rápido possível e usá-lo na troca quando a bolha estourar.

    3. Vender o apartamento hoje por 220k, guardar a diferença de 120K + algumas economias em um investimento e pagar aluguel do próprio AP ou outro semelhante, esperando a bolha estourar para poder comprar outro.

    0
    • Curioso 21 de junho de 2012 at 16:51

      Se você não tem o velho apego ao título de “proprietário” ou do sonho da “casa própria” bananense… Vá de opção nr. 3… e não demore muito pra pensar.
      Mas se ter um imóvel é importante pra vc e sua família, fique como está. No futuro seu imóvel não valerá os 220 mil, mas você também não pagará preços bolhudos pela opção que escolher. Essa é a minha opnião.

      0
  • Rodrigo 21 de junho de 2012 at 16:23

    Pessoal,
    aqui em Recife tem uma consultoria bem conceituada no nordeste e até nacionalmente, a Datamétrica. Os consultores são em sua maioria professores da UFPE com doutorado nos EUA, além de terem experiência de mercado.
    Eles tem um blog e lá tem vários textos.
    Embora Recife seja uma das capitais com maior valorização de imóveis, eles estão alertando sobre a bolha há bastante tempo.
    Fica a dica:
    http://www.blogdatametrica.com.br/search?q=bolha

    0
    • Paty 21 de junho de 2012 at 17:39

      Que inveja de vc colega… Eu vou quase todos os anos de ferias ao Recife..Amo essa terra. Esse ano não vou, pois nossas ferias vão ser em julho-agosto e vamos viajar para o ,MT, MS, SC e RS..buaaaa.. Legal esse Blog que vc postou eu me lembro que no ano passado quando fomos ao Recife, todos os taxistas comentavam sobre os preços absurdos dos imoveis.

      0
      • Ze Bom Dirolo 21 de junho de 2012 at 17:47

        Vou fazer uma crítica ao que vi em Recife. Cidade boa, mas vi algumas pessoas jogando lixo pela janela dos carros. Como passei pouco tempo, acredito que isso não esteja dentro da normalidade. Vou analisar quando retornar a cidade.

        0
      • Rodrigo 21 de junho de 2012 at 17:53

        Sorte a sua que só vem aqui nas férias.

        Por aqui estão vendendo apto de 53m por 350 mil NA PLANTA.

        6,5k o metro quadrado de uma porcaria que fica longe do mar.

        0
  • Davi 21 de junho de 2012 at 16:23

    Pessoal, segue abaixo notícias do mês de junho que pesquisei, caso haja interesse em discuti-las

    =======================================================

    Dia: 14/06/2012
    08:34 ESPANHA: PREÇOS DOS IMÓVEIS RESIDENCIAIS AMPLIAM QUEDA NO 1º TRIMESTRE

    Madri, 14 – A queda nos preços dos imóveis residenciais na Espanha se acelerou no primeiro trimestre deste ano, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE). O dado sinaliza que o estouro da bolha imobiliária no pois provavelmente continuará pressionando a economia local e prejudicando o setor bancário.

    Os preços dos imóveis caíram 12,6% em comparação com o primeiro trimestre do ano passado, depois de diminuírem 11,2% no quarto trimestre de 2011 e 7,4% no terceiro. Após mais de uma década de boom imobiliário e de rápido aumento dos preços, o setor entrou abruptamente em crise em 2008, afetando a economia espanhola mais ampla. As informações são da
    Dow Jones. (Danielle Chaves)

    ===================
    Dia: 11/06/2012
    21:53 ESTADO: VENDA DE IMÓVEIS NOVOS CAI 13,4% EM ABRIL

    São Paulo, 11 – A venda de imóveis novos residenciais na cidade de São Paulo caiu 13,4% em abril, na comparação com o mesmo mês de 2011, e teve retração de 9,7% em relação a março, aponta pesquisa do Secovi-SP. O recrudescimento da crise europeia e a perspectiva de que a economia brasileira cresça pouco enfraqueceram o mercado no mês passado, apesar
    do esforço do governo para cortar juros.

    “Normalmente, abril tende a ser mais fraco do que março”, observa o gerente do Departamento de Economia do Secovi-SP, Roberto Akazawa. Apesar da contração no mês, as vendas de imóveis residenciais na capital paulista aumentaram 12,5% neste ano até abril, na comparação com o mesmo período de 2011. Entre janeiro e abril, foram vendidas 7.407 unidades.

    O resultado do primeiro quadrimestre indica que a tendência é fechar o ano com crescimento de 10% nas vendas, diz Akazawa. No ano inteiro de 2011, por exemplo, foram comercializados 28 mil imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo, um volume 20% menor do que no ano anterior. “Neste ano, não vamos atingir as mesmas quantidades vendidas de 2010 (35 mil unidades), mas a perspectiva é chegar a 31 mil imóveis”, diz o gerente.

    “O mercado imobiliário da cidade de São Paulo deve manter a tendência de crescimento no mês de maio, refletindo, principalmente, o movimento do feirão da Caixa”, prevê o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci. Akazawa lembra que, desde hoje, o prazo máximo mais dilatado oferecido pela Caixa para a compra de imóveis é de 35 anos, com juro menor, de 8,85% ao ano. Ele acha que essas condições de financiamento devem ter reflexos no volumes de negócios fechados neste mês.

    Mais da metade (52,4%) do número de unidades vendidas na cidade de São Paulo em abril foi de apartamento de dois dormitórios. A vice-liderança do ranking de vendas ficou com os apartamentos de três dormitórios (33,2%), seguidos pelos imóveis de quatro (9,3%) e um dormitório (5,1%).

    Ajuste

    Akazawa observa que o mercado imobiliário na capital paulista passa hoje por um processo de ajuste. Essa mudança ganha contornos mais nítidos quando se observa o recuo no número de lançamentos. Em abril, foram lançadas 1.622 unidades residenciais na cidade. Esse número é quase 24% menor que o registrado no mesmo mês de 2011. No primeiro quadrimestre
    deste ano, o total de lançamentos foi de 5.257 moradias, com recuo de 27,6% em relação ao mesmo período de 2011.

    A redução do número de lançamentos significa que as vendas estão sendo em boa parte feitas para desova de estoques antigos. Tanto é que, recentemente, várias construtoras e imobiliárias lançaram campanhas publicitárias relâmpago, com duração prevista de um fim de semana apenas, na quais eram oferecidos descontos generosos.

    “O período de euforia do mercado imobiliário vivido em 2010 passou, e hoje a perspectiva é de crescimento moderado”, diz Akazawa.

    Velocidade

    Essa moderação também pode ser observada no indicador de velocidade de vendas sobre a oferta. Em abril deste ano, 10,2% dos imóveis novos ofertados na cidade de São Paulo foram vendidos, um resultado ligeiramente menor do que o registrado no mês anterior (11%).

    Já em relação a abril de anos anteriores, a diferença é bem maior. Em abril do ano passado, o indicador de velocidade de vendas sobre oferta estava em 16%, e em abril de 2010, ano que foi espetacular para o mercado imobiliário, a velocidade de vendas sobre a oferta atingiu 25,3%.

    O gerente do Departamento de Economia do Secovi-SP pondera, no entanto, que o indicador acumulado em 12 meses está em expansão.

    Em dezembro do ano passado, o índice de velocidade de vendas sobre oferta acumulado em 12 meses fechou o ano em 56%, subiu para 57,9% em janeiro, foi para 59,1% em fevereiro e atingiu 60,4% em abril. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Márcia De Chiara)

    ===================
    Dia: 11/06/2012
    05:00 SECOVI: VENDAS DE IMÓVEIS NOVOS EM SÃO PAULO CRESCEM 12,5% NO 1º QUADRIMESTRE

    São Paulo, 11 – As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo somaram 7.407 unidades nos primeiros quatro meses do ano, um crescimento de 12,5% em relação ao mesmo período de 2011, quando foram vendidas 6.584 unidades. Por outro lado, o mercado imobiliário teve uma queda no volume de lançamentos de novas moradias. No mesmo período, os lançamentos somaram 5.257 unidades, um recuo de 27,6% ante as 7.262 registradas um ano antes.

    Os dados fazem parte da pesquisa sobre o mercado imobiliário divulgada hoje (11/6) pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). Para todo o ano de 2012, a entidade espera uma alta de 10% nas vendas e uma baixa de 5% nos lançamentos.

    Em valores monetários, as vendas somaram R$ 3,6 bilhões entre janeiro e abril, um incremento de 6,9% frente os R$ 3,4 bilhões do primeiro quadrimestre de 2011.

    Na comparação mensal, foram vendidas 2.007 unidades em abril, uma redução de 9,7% em relação às 2.223 unidades comercializadas em março. Já o volume de lançamentos atingiu 1.622 unidades, alta de 2,8% ante 1.578 no mês anterior.

    Em abril, os imóveis de dois dormitórios responderam por 52,4% do total das vendas. Em seguida, aparecem os imóveis de três dormitórios (33,2%), quatro (9,3%) e um (5,1%).

    A velocidade das vendas caiu para 10,2% em abril. Isso significa que foram vendidos 102 imóveis a cada 1 mil ofertados no mês, entre lançamentos e estoque. Em março, esse patamar foi de 110 (11,0%) e em abril de 2011, foi de 160 (16,0%).

    Para maio, a previsão do Secovi-SP é de crescimento das vendas, refletindo principalmente o impulso no mercado imobiliário promovido pelo Feirão da Caixa. (Circe Bonatelli)

    ==================
    Dia: 06/06/2012
    07:41 ESTADO: PREÇO DOS IMÓVEIS FICARÁ ESTÁVEL NESTE ANO, AVALIAM EMPRESÁRIOS

    São Paulo, 6 – Os preços dos imóveis deverão permanecer estáveis em 2012, segundo avaliação do superintende regional da Caixa Econômica Federal em São Paulo, Paulo Galli. De acordo com ele, nos últimos anos, houve uma recuperação do valor dos imóveis, o que deve fazer com que as próximas altas venham num ritmo mais moderado.

    “Há uma tendência de estabilização dos preços. Logicamente que em algumas áreas da cidade haverá uma valorização maior”, afirmou Galli.

    Na avaliação do superintendente da Caixa, o aumento dos preços dos imóveis nos últimos anos foi consequência do crescimento da demanda, impulsionado principalmente pelo aumento do crédito do setor. “Com o aumento do crédito nos anos anteriores, os preços voltaram para a realidade”, disse Galli durante almoço de confraternização com os vencedores do prêmio Top Imobiliário que é promovido pelo Grupo Estado.

    O prêmio está na 19.ª edição e reconhece personalidades e empresas do setor imobiliário que se destacaram no desenvolvimento dos seus negócios. “Esse é um prêmio já consolidado num setor que é muito importante para o crescimento do País”, afirmou Fabio Costa, diretor executivo de mercado anunciante do Grupo Estado. “O setor imobiliário abrange vários tipos de negócio, serve como um termômetro da nossa economia”, disse.

    Neste ano, entre as empresas vencedoras, estão a PDG Realty, na categoria Incorporadoras; a MRV, entre as construtoras; e a Lopes, na categoria Vendedoras. Ernesto Zarzur, presidente da EZTec, foi o vencedor na categoria Personalidade do Ano.

    Demanda

    Mesmo com a previsão de estabilização dos preços, os executivos do setor apostam que a demanda por imóveis deve aumentar nos próximos trimestres. Essa expectativa é impulsionada sobretudo pela redução dos juros para o financiamento imobiliário. “O mercado está mais seletivo, mas continua com ótimas oportunidades que a gente vai procurar explorar cada vez mais”, diz Otávio Flores, diretor de Negócio da Gafisa.

    Para Leandro Caramel, da Habitcasa, os próximos trimestres devem apresentar uma aceleração na venda de imóveis.

    “Os próximos trimestres devem ter uma subida e vão começar a responder positivamente para essa divulgação em massa do financiamento imobiliário”, afirmou.

    Portabilidade

    Na avaliação de Galli, da Caixa, o que pode ajudar a impulsionar o setor é uso mais frequente da portabilidade no crédito imobiliário. Com a redução dos juros para o financiamento do setor, o consumidor ganhou mais poder de barganha para buscar taxas melhores nos bancos.
    “O mercado de portabilidade ainda não está tão quente, mas eu acredito que a portabilidade vai começar a ser uma prática de mercado cada vez mais comum”, afirmou Galli. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    =====================
    Dia: 05/06/2012
    17:50 CAIXA: META PARA FINANCIAMENTO A IMÓVEIS PODE CHEGAR A ATÉ R$ 100 BILHÕES ESTE ANO

    Brasília, 5 – O vice-presidente de governo e habitação da Caixa, José Urbano Duarte, disse há pouco que a meta da instituição é atingir um volume de R$ 96 bilhões em crédito para imóveis este ano, podendo chegar a R$ 100 bilhões. No ano passado, de acordo com ele, a quantia repassada foi de R$ 80,1 bilhões.

    Duarte comentou que, no ano até maio, o total de empréstimo habitacional concedido pela Caixa foi de R$ 36,6 bilhões, ante R$ 25,06 bilhões registrados nos primeiros cinco meses de 2011. “O segundo semestre é mais intenso em negócio imobiliário”, justificou.

    O vice-presidente ressaltou também que maio foi um dos melhores meses de captação de poupança não só da Caixa, mas de todo o sistema financeiro. Por conta dos dados positivos, enfatizou Duarte, a Caixa tem condições de continuar a trabalhar até 2013 sem grandes alterações de composição de funding.

    Ele enfatizou ainda que a decisão de criar novas regras para o setor não têm qualquer relação com impacto da Selic sobre a poupança. “É possível (que tenha), mas não sei quando vai ser possível efetivamente. É uma tendência do futuro, mas ainda não é o motivador dessa mudança”, considerou.

    Duarte evitou falar sobre a necessidade de capitalização da Caixa. “Ainda não é hora de pedir capitalização ao Tesouro. Na hora que for a hora, a Caixa vai lá bater à porta”, disse. Sobre a informação revelada pelo Ministério da Fazenda, de que a linha de crédito voltada para o setor de material de construção civil ainda não deslanchou, o executivo disse que a instituição
    levará sugestões ao conselho curador do FGTS, que é quem trata do tema. (Célia Froufe)

    ==================
    Dia: 05/06/2012
    00:01 FIPE: PREÇOS DE IMÓVEIS SOBEM 0,9% EM MAIO, MAS VOLTAM A PERDER FORÇA

    São Paulo, 05 – O preço médio da habitação no Brasil continuou subindo em maio, mas em um ritmo menor que o verificado em anos anteriores. De acordo com levantamento divulgado hoje (5/6) pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o site Zap Imóveis, o valor médio do metro quadrado de imóveis residenciais em sete capitais do País atingiu R$ 6.594 em maio, um aumento de 0,9% ante abril. No mês anterior, a alta havia sido de 1,2%.

    O aumento acumulado nos primeiros cinco meses do ano foi de 6,3%, quase a metade do observado em 2011, quando o metro quadrado havia subido 12,0% até maio. “Isso confirma a tendência de desaceleração dos preços, que estamos vendo desde o ano passado”, observou Eduardo Zylberstajn, coordenador da pesquisa.

    A desaceleração no mês foi puxada pelo mercado imobiliário de Salvador, onde os preços tiveram queda pelo segundo mês consecutivo (-0,6% em abril e -1,3% em maio). As regiões metropolitanas de Belo Horizonte e do Distrito Federal também colaboraram para frear a alta do preço da moradia. Nessas localidades, a alta foi de 0,43% e 0,46%, respectivamente. O resultados já são menores do que inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPCA) esperada para maio, segundo projeções do mercado financeiro.

    Entre os maiores mercados do País, o Rio de Janeiro também manteve a trajetória de esfriamento dos preços, com alta de 1,1% em maio, resultado abaixo do 1,4% de abril. Na capital fluminense, o preço médio do metro quadrado atingiu R$ 7.991, podendo chegar a R$ 17,7 mil em bairros nobres como Leblon. Já em São Paulo, o preço dos imóveis avançou 1,2% em maio,
    repetindo o verificado no mês anterior. Na capital paulista, o preço médio do metro quadrado chegou a R$ 6.448.

    Na direção oposta, os preços da moradia em Fortaleza e Recife cresceram 2,4% e 1,9%, nessa ordem, resultados bem maiores que as altas de 0,1% e 1,4% de abril.

    Na média das capitais, os imóveis residenciais de quatro dormitórios foram os que apresentaram a maior alta mensal, com acréscimo de 1,3%. Em seguida, vieram as moradias de dois dormitórios (1,1%), três (1,0%) e um (0,4%).

    Fim da euforia

    Zylberstajn avalia que a acomodação dos preços está relacionada ao fim do período de euforia do mercado. Desde 2006, as taxas de juros do financiamento imobiliário caíram de 20% para algo em torno de 10% ao ano, e o prazo para pagamento aumentou de 4 anos para até 30 anos. “Isso possibilitou o ingresso de muitas pessoas nesse mercado. Agora, a euforia já passou e as condições para compra da casa estão mais consolidadas”, explicou o coordenador da pesquisa.

    Ele também lembra que o preço das imóveis já passou por um ciclo vigoroso de alta nos últimos anos, de modo que o preço da habitação já começou a ficar restritivo para boa parte dos compradores, dando mais equilíbrio ao mercado.

    Mesmo com o novo ciclo de corte da taxa básica de juros da economia (Selic) e o anúncio de redução das taxas para o financiamento imobiliário pela Caixa Econômica Federal e pelo Banco do Brasil, os efeitos sobre o preço dos imóveis daqui para frente serão mais limitados, avalia Zylberstajn. “Pode ocorrer um reforço da demanda, mas o impacto é muito menor e gradual. As mudanças mais importantes já ocorreram”, disse.

    Ele acrescenta que, se mantido o atual cenário de crédito, renda e emprego, a tendência é que o preço dos imóveis continue desacelerando no longo prazo, até que a média das capitais entre no mesmo ritmo da inflação. (Circe Bonatelli)

    =================
    Dia: 04/06/2012
    21:52 ESTADO: IMÓVEIS TÊM A MENOR ALTA EM 20 MESES

    São Paulo, 4 – O preço do metro quadrado dos imóveis residenciais prontos no País subiu em maio 0,9%, a menor variação desde setembro de 2010, quando o Índice FipeZap começou a ser pesquisado. O indicador reúne informações dos preços do m² dos imóveis, principalmente usados e também novos, exceto lançamentos, em seis regiões metropolitanas e no Distrito Federal. As informações são de anúncios na internet.

    “A alta de preço de maio deste ano é um terço da taxa registrada em abril de 2011 (2,7%), quando se iniciou a trajetória de desaceleração”, afirma o coordenador do indicador, o economista Eduardo Zylberstajn.

    Ele explica que o mercado imobiliário residencial passa por um ajuste, iniciado um ano atrás. De lá para cá, os preços têm tido algumas oscilações para cima, mas, na média, a trajetória é de desaceleração.

    O grande boom nos preços do mercado imobiliário que houve nos últimos anos foi provocado pela maior oferta de crédito, por condições facilitadas de financiamento, com juros menores e prazos maiores, e pelo fato de o mercado de trabalho apresentar crescimento de emprego e renda, tendo como pano de fundo uma forte demanda por imóveis.

    Com os lançamentos feitos pelas construtoras nos últimos anos, a oferta aumentou e as condições financiamento não tiveram grandes alterações. Portanto, a tendência de comportamento dos preços é de desaceleração. “O ajuste deve continuar”, prevê Zylberstajn. A pesquisa mostra que, com o resultado de maio, ocorreu a terceira desaceleração consecutiva dos preços dos imóveis.

    No vermelho

    De abril para maio, em três das sete regiões pesquisadas, a variação de preços do m² dos imóveis prontos ficou abaixo da inflação prevista para o período, de 0,46%, segundo o Boletim Focus, do Banco Central (BC). Em Salvador, por exemplo, pelo segundo mês seguido houve variação negativa nos preços, de -0,6% em abril e de -1,3% em maio. Em Belo Horizonte, a alta
    em maio foi de 0,43% e de 0,46% no DF.

    Em São Paulo, o maior mercado consumidor do País e referência para o setor, os preços do m² subiram 1,2% em maio, foi a menor variação registrada para o mês da série histórica. Neste ano, os preços dos imóveis anunciados subiram 6,3%, quase a metade do registrado em igual período de 2011 (12%) na região.

    O preço médio do m² nas sete regiões pesquisadas atingiu R$ 6.594. A maior cotação foi dos imóveis do Distrito Federal, cujo preço do m² foi de R$ 8.254.

    Na vice-liderança do preço do m² no mês passado, estão os imóveis do Rio de Janeiro, com R$ 7.991, seguidos pelas propriedades localizadas na capital paulista (R$ 6.448). O menor preço médio do m² no mês passado, apurado pelo Índice FipeZap, ocorreu em Salvador (R$ 3.618). “A demanda está mais comportada e não há mais aqueles casos de um edifício inteiro ser vendido num fim de semana”, diz Zylberstajn. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Márcia De Chiara)

    =================
    Dia: 02/06/2012
    15:20 ESTADO: R$ 4,6 BI EM IMÓVEIS DE ALTÍSSIMO LUXO

    São Paulo, 2 – Uma população crescente de milionários vem impulsionando o mercado imobiliário de altíssimo luxo no Brasil. O setor tem potencial para gerar R$ 4,6 bilhões em negócios no País nos próximos cinco anos, segundo levantamento do banco europeu Haliwell Financial Group, especializado em gestão de fortunas.

    Segundo o estudo, que analisa os hábitos de consumo dessa parcela da população e foi adiantado ao Estado, 54% dos milionários brasileiros pretendem adquirir um novo imóvel residencial no período de cinco anos. “A escolha é baseada principalmente no bem-estar. Esse consumidor quer conforto e mais espaço para hobbies. Áreas verdes e fácil acesso a estradas e saídas também são itens valorizados”, diz o vice-presidente para a América Latina do Haliwell Financial Group, Emerson de Pieri.

    Em um período de sete anos, entre 2003 e 2010, o número de milionários brasileiros deu um salto de 72%. Os dados mais recentes apontam para um grupo de cerca de 138 mil pessoas, concentradas sobretudo no Estado de São Paulo. O cálculo considerou pessoas com mais de US$ 1 milhão em ativos e dinheiro, excluindo o imóvel em que residem e dois automóveis.

    O status, segundo o estudo, é o principal motivador na hora da compra de um imóvel residencial de alto luxo, seguido da facilidade de locomoção e da perspectiva de valorização. “O grande desafio nesse nicho é conseguir surpreender. É um cliente detalhista, que busca projetos exclusivos”, afirma Luciano Amaral, diretor de incorporações da construtora JHSF, focada em
    empreendimentos de alto padrão. O primeiro passo, explica o executivo, é escolher um bom terreno e depois fazer um forte trabalho de marca, que envolva atendimento personalizado.

    Liderança

    Reduto de endinheirados, São Paulo ainda é a estrela do mercado imobiliário de luxo. O Estado reúne quase metade da população de milionários do País – 63.398 pessoas – e abriga as maiores fortunas do País. Desse montante, 45% estão na região metropolitana, onde o setor tem crescido de olho na terceira idade e bairros “alternativos”. “Há uma demanda forte nesse segmento, que não é afetada pelas crises econômicas”, diz o diretor da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), Luiz Paulo Pompeia.

    Segundo ele, no período entre 1990 e 2005 produziu-se pouco para esse público na área metropolitana paulista, movimento que começou a ser revertido em meados de 2006. “É um produto que tem liquidez muito boa, mas é preciso acertar a localização e o projeto de arquitetura”, destaca.

    Ainda são poucos os bairros da capital paulista que comportam empreendimentos desse tipo, mas já é possível ver os primeiros sinais de mudança. Levantamento da FipeZap a pedido do Estado mostra que regiões como Barra Funda, Lapa, Santana, Vila Leopoldina e Vila Mariana tiveram crescimento expressivo de moradores com alto poder aquisitivo em uma década.

    Em 2000, apenas 4,1% dos domicílios da Barra Funda tinham renda mensal acima de R$ 20 mil, índice que saltou para 9,3% em 2010, segundo o Censo. “Atualmente as pessoas com alto poder aquisitivo estão espalhadas pela cidade, pois há opções variadas em diferentes bairros. Não existe mais um padrão de alto luxo no setor imobiliário”, diz Fábio Rossi Filho, diretor de
    lançamentos do Secovi-SP.

    A mudança, segundo fontes do setor, reflete principalmente a escassez de terrenos nos bairros mais valorizados, como Ibirapuera, Vila Nova Conceição, Jardim Paulistano, Chácara Itaim, Vila Olímpia e Morumbi. O potencial de alta dos preços também é um diferencial. “A valorização nesses bairros mais afastados é extremamente superior à dos empreendimentos nas regiões top de linha”, afirma Pieri.

    Pirâmide etária

    “Estamos começando a nos tornar um país da terceira idade. Parte desse público tem INSS e aposentadoria privada e passa a ser relevante para o mercado de altíssimo padrão”, ressalta Pompéia, da Embraesp.

    De olho nesses clientes, e também em jovens e divorciados, ganha força o conceito de dois dormitórios de alto luxo. Tradicionalmente voltado à classe média, esse tipo de imóvel também passou a ser disputado pelos endinheirados. Área social grande, varanda mais ampla e número maior de vagas na garagem distinguem os projetos.

    A demanda já se mostrou grande. Lançadas em 2005 pela JHSF, as nove torres residenciais do empreendimento Parque Cidade Jardim foram vendidas em menos de um ano. Os apartamentos de duas suítes, de 240 m² cada, foram negociados à época por R$ 6 mil o m². Atualmente, segundo a construtora, chega a R$ 16 mil o m², uma valorização de 166% em sete anos.
    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Bianca Pinto Lima)

    0
    • Álvaro Guilherme 21 de junho de 2012 at 17:14

      Ou seja, segundo o Fipe-plunct-plact-zuuum, em cinco meses os imóveis praticamente já estouraram a meta oficial do IPCA de 4,5 + 2% de tolerância para o ano inteiro.

      Quem tem reposição salarial neste nível?

      0
  • mlc 21 de junho de 2012 at 16:28

    Já em Recife… (Miami mais barato do que Boa Viagem)
    http://www.youtube.com/watch?v=V-TqYbzKTfg&feature=player_embedded

    0
  • Felipe 21 de junho de 2012 at 16:31

    Leiam –

    ‘h’ttp://colunistas.ig.com.br/ricardogallo/

    Emprego e inadimplência: um diminuindo, o outro aparecendo

    0
  • Fred 21 de junho de 2012 at 16:40

    Incomodados com aluguel ficavam os seus avós!

    Anúncio publicado na edição de maio de 1935 da revista A Cigarra:

    “Uma verdadeira onda de alegria, resultante de uma convicção íntima de felicidade – envolve o sorriso sadio daquelles que podem dizer: – Eu não pago aluguel!

    Não perca tempo! Procure já a Companhia City, a maior organização immobiliaria e urbanística da América do Sul, estabelecida em São Paulo desde 1912”.

    O anúncio completo está aqui: http : //bit.ly/HB8GWt (na penúltima página da revista)

    0
    • Fred 21 de junho de 2012 at 16:46

      “Ahi, então, V.S. tambem poderá exclamar galhardamente, com o mais claro sorriso a aflorar-lhe os labios: Eu não pago aluguel!”

      0
    • Sérgio 21 de junho de 2012 at 18:36

      Essa frase será bem a conversa que os coRetores terão com os antigos proprietários num futuro bem próximo. Será proferida todos os dias nas praças e debaixo das marquises dos prédios abandonados: os mais novos mendigos brasileiros.
      A felicidade se dará por não possuirem mais dívidas, casas, carros, dentes….

      0
      • RKG 21 de junho de 2012 at 23:17

        KKKKKKKKKKKKKKKKK, ri alto deste seu comentário!

        0
  • ildeu 21 de junho de 2012 at 17:28

    tenho um amigo que tem uma concerssionaria hyundai em minha cidade ,ele me disse que vende uns 30 carros ao mês .Ele contratou um amigo em comum pra vender seguro [fica dentro da loja] , e esse me disse que não vende nem 10 por mês .Assim é o mercado , os caras aumentam muuuito a realidade .Esses aps que são vendidos por 300 mil ,quem compra fala que pagou 500 pra puxar a valorização… os preço nem subiram muito , na verdade subiu foi a imaginação do brasileiro

    0
    • self 21 de junho de 2012 at 17:37

      O fato de, grosso modo, o cara vender 30 carros e 10 seguros por mês não significa que 20 não tenham assegurado seus carros. A pessoa, afinal, não é obrigada a fazer seguro com a corretora associada à loja. Seu comentário, infelizmente, não quer dizer nada por si.

      0
      • Eskeleto 21 de junho de 2012 at 17:46

        Pelo que eu entendi ele disse que o cara falou que vende 30 por mês e esse outro que está dentro da loja que observa as vendas disse que não vende nem 10 e não que ele vende 10 seguros.

        0
        • Rafael 21 de junho de 2012 at 23:39

          Acho que Self não entendeu direito. Ele apenas ilustrou o que a própria mídia faz: Solta a mentira que aos poucos ela vai se tornando a mais pura das verdades!

          0
  • Luiz 21 de junho de 2012 at 17:49

    e o Imob ó:

    PDGR3 3,60 -4,76%
    BRPR3 22,90 -4,50%
    GFSA3 2,96 -4,21%
    BRML3 23,47 -4,01%
    CYRE3 14,96 -3,55%

    0
    • RosinhA 21 de junho de 2012 at 17:58

      Luiz tenho certeza que a maioria dos acionistas lêem o blog, quando a gente chuta o balde as ações despencam kkkkkkkk. 😉

      0
      • O Irritado 21 de junho de 2012 at 19:09

        BOA, RosinhA ! 😀
        É a nossa “outside information”!

        0
        • Rafael 21 de junho de 2012 at 23:42

          Levando em consideração que a Ibovespa quase entrou na casa dos 54.000 pontos, ficou barato essa queda das IMOB.

          0
          • Pablo 22 de junho de 2012 at 08:53

            Espera para ver hoje!

            0
  • Guilherme 21 de junho de 2012 at 18:20

    Acabei de fazer uma proposta de 240k a vista por um AP de 285k… o desconto eh baixo, so 15% a menos.

    70 metros , com armarios, 3 quartos e 2 banheiros.

    Vamos ver se rola!

    0
    • Pablo 22 de junho de 2012 at 08:52

      Com os armarios deve ter sobrado uns 50m2.

      0
  • KQT 21 de junho de 2012 at 18:34

    Há 5 meses pesquiso preços de imoveis em SP e Sao caetano, fiz proposta para alguns em abril. Os valores do Zap sao irreais e quem coloca para vender olha o valor que o vizinho ta pedindo. O cara pede 600 mil, o vizinho olha e acha que o dele vale 610 k e assim vai, ai ele nota que o vizinho ja vendeu, porem nao sabe que foi por um preço menor.
    Apto anunciado por 590 mil, chegou a 500 mil. Apto anunciado por 520 mil, falei que dava 460, nao aceitou, depois de 2 semamas o corretor falou que aceitaria, ja havia optado por comprar em 2013.
    A Rosinha que é de sto andre deve conhecer o pateo catalunya, eles falam que fica no bairro sta paula, mas ali é boa vista ou sta maria. Na epoca o corretor falou que tinha 60%de ocupaçao se nao me engano vai completar quase 2 anos de entrega.
    Quem conseguir esperar 2 a 3 anos é o ideal,mas no ano que vem oportunidades de bons negocios serão mais evidentes.

    0
    • RosinhA 21 de junho de 2012 at 18:49

      Fui hoje lá Torre 1, 5959 minutos para entrar vestida com kit status.

      Santa Paula KKKKKKKKKKKKKKK, a vizinhança é horrível, para pegar um pãozinho tem que tirar o carro da garagem e andar pelo menos 2km, para uma padaria razoável, coisa rara em SCS.

      Conclusões sobre o Ap, varanda Gourmet bonita espaçosa, junto com a sala, áreas comuns bonitas, prontas, elevadores de serviço já estão no osso devido as reformas, isolação acústica péssima segundo o morador.

      Meu resumo final FAVELA DE LUXO , um aglomerado de apts, todas as áreas juntas, imaginem problemas futuros com inadimplência, vizinhos etc, não moraria lá pelo apartamento em si mas sim pela forma que está construído é tudo junto garagem, elevadores etc, não me sinto a vontade em lugares assim. Tem prédios que entro mais antigos melhores mais espaçosos e melhores localizados. E nem imagino o valor se tratanto de SCS imagino 1kk para mais, e com certeza devem ter váaaaaaaarios nas mãos de especuladores, mas Pateo Catalunya soa bem com a cidade de super status são caetanense quanto mais eles adoram.

      PS: Orçamento meu mais barato 45% do que concorrente local, bom então pagar tudo mais caro para morar no ABC.

      0
      • Ricardo C. 21 de junho de 2012 at 19:36

        São Caetano por mais de 1milhao? A coisa já ta assim?

        0
        • RKG 21 de junho de 2012 at 23:23

          São Caetano é assim… Uma cidade que fica literalmente ILHADA quando chove forte, situa-se do lado do Heliópolis, tem pouquíssimos acessos, tudo se resume à Avenida Goiás… Eu acho Santo André 1000 X melhor… e mesmo assim quem mora lá come mortadela e arrota peru, se é que vc me entende…

          0
      • Marvin 21 de junho de 2012 at 22:45

        Me desculpem, mas TODO apartamento é favela de luxo; no máximo um curtiço com banheiro privativo… sei lá, essa é minha opinião… como pode um apartamento valer mais que uma casa muito maior????? alguém explica?????

        0
        • self 22 de junho de 2012 at 09:58

          Pois é, sempre quis entender isso. Note que tem muita gente que pensa que apartamento é “status”, principalmente em cidades do interior. Pensamento, aliás, que nunca me entrou pela cabeça. O que as pessoas preferem, afinal: morar apertadas ouvindo a briga do vizinho ou terem espaço para receber visitas, família, amigos à vontade?

          0
          • RosinhA 22 de junho de 2012 at 12:33

            Culpam a violência a limpeza mais fácil, como se nunca ninguém tenha que sair do cubículo todo dia para fazer alguma coisa, fora a prestação pro resto da vida o condomínio, que está subindo assustadoramente em todos os empreendimentos.

            É mais barato talvez pagar um segurança do que o condomínio.

            0
  • Todd 21 de junho de 2012 at 18:56

    ESTADO DE SÃO PAULO – 18/06/12

    Alugar e fazer caixa pode ser bom negócio

    Pagar locação por um período enquanto se guarda dinheiro para aumentar valor da entrada reduz juros e o tempo do financiamento

    SÃO PAULO – Aproveitar um prazo muito longo de financiamento imobiliário pode não ser vantajoso. Especialistas garantem que viver de aluguel por um período, para economizar e acumular mais recursos para elevar o valor da entrada na compra de um imóvel, pode ser mais interessante do que assumir uma dívida de até 35 anos.

    Em uma simulação feita pelo professor da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi) Mario Rodriguez Amigo, é possível entender melhor a operação.

    Supondo que a pessoa tenha uma renda familiar de R$ 10 mil ao mês e entre em um financiamento com prazo de 20 anos, com juros de 9,5% ao ano para adquirir um imóvel de R$ 300 mil. Ele poderá assumir uma prestação de R$ 3, 5 mil (teto permitido para essa renda). Em até cinco anos, se ele pagar um aluguel de R$ 1,5 mil ao mês e aplicar a diferença entre esse valor e o que pagaria de prestação no financiamento ( R$ 2 mil), acumularia R$ 101.343,65, ou seja, 1/3 do valor do imóvel.

    No mesmo período, se ele optasse pelo financiamento, teria abatido apenas R$ 73.750 do valor principal, ou seja, do total do bem sem contar os juros.

    Para o cálculo foi considerado um retorno de investimento líquido de impostos de 2% de juros real ao ano (aproximadamente 6% em termos nominais). No cálculo do aluguel foi utilizado um ajuste de 4% ao ano (inflação – TR). Já o financiamento foi feito pelo Sistema de Amortização de Constante (SAC).

    “O que interessa neste cálculo é observar o ganho ascendente do investimento nesse período de cinco anos, que possibilitou o acúmulo de 1/3 do valor do imóvel. O que aumenta de forma considerável o capital para dar entrada no imóvel”, explica.

    Segundo o professor, o financiamento passará a ser mais atrativo quando as taxas caírem para menos de 6% ao ano (que é o reajuste máximo de um aluguel), porque o custo de financiamento ficará mais barato do que o do aluguel e, no final, o tomador ficará com o bem.

    O vice-presidente da diretoria executiva do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef), Luiz Calado, compartilha a opinião com Amigo. Segundo Calado, quem fez um financiamento imobiliário para pagar no prazo de 30 anos, autorizado a partir de 2009, por exemplo, pagou somente os juros até agora.

    “Muitas pessoas costumam dizer que o valor gasto com o aluguel é um dinheiro jogado fora. Mas e os juros pagos no financiamento também não são?”, acrescenta o dirigente.

    0
    • Eduardo Pena 21 de junho de 2012 at 20:00

      Descobriram a roda!

      0
  • Ghaspar 21 de junho de 2012 at 20:05

    Terceira fase ou da negação da bolha. Quando a bolha começa a mostrar pequenos sinais ocorre uma negação sistemática levada a cabo por pessoas dolosas que estão atolados no negócio até o pescoço, estes sabem que não existe crescimento ad infinitum em nenhum setor. Os ingênuos formam fileiras com os dolosos e entram com o seu rico dinheiro em negócios duvidosos como compra de imóveis na planta com preços na hora da morte, com a idéia simples, simplória, que vai subir mais. Nada sobe para sempre, muito menos uma bolha. A venda destes imóveis pode ser lá na frente na bacia das almas……continua Fase 4

    Extraido do blog http://rcesar.net/2012/06/o-grande-reset/

    Vale a pena ler..

    0
  • Ghaspar 21 de junho de 2012 at 20:07

    Perdão ..O artigo é este:

    http://ofogareu.blogspot.com.br/

    Desculpem

    0
  • simone 21 de junho de 2012 at 21:02

    Super safra de uva produzirá super estoque de vinhos no RS. É crise a vista.

    A bordo da segunda maior super safra de uvas da história, os vitivinicultores gaúchos não sabem o que fazer com o super estoque de 313 milhões de litros de vinhos e sucos que administrarão no final deste ano.

    . O RS produz 90% do vinho brasileiro.
    Postado por Polibio Braga
    Enviar por e-mail
    BlogThis!
    Compartilhar no Twitter
    Compartilhar no Facebook
    Compartilhar no Orkut

    às 6/21/2012 05:20:00 PM 0 comentários

    0
    • Ze Bom Dirolo 22 de junho de 2012 at 00:02

      Agora eu vou para Serra Gaúcha….bah!

      Não me pergunte onde fica o Alegrete, segue o rumo….

      0
    • Justiceiro 22 de junho de 2012 at 10:39

      Basta baixar os preços.
      São extremamente caros.
      Ainda prefiro os vinhos comprados no hermanos, MUITO mais baratos.

      0
      • self 22 de junho de 2012 at 11:29

        E de melhor qualidade. A verdade é que, salvo exceções, gaúcho ainda não sabe fazer vinho. Junta isso com o fato de o consumidor brasileiro não ser nada exigente em porcaria nenhuma (veja os carros, imóveis etc…), aí já viu.

        0
  • cristiano 21 de junho de 2012 at 21:14

    é brincadeira

    o governo ta rasgando dinheiro, o manteiga ta comendo nota de 100 com leite no café da manha, nos banheiros do palacio tem rolos de nota de 100, estão inventando o bolsa ajuda o gente fina, obras e mais obras sem objetivo, e isso tudo pra aumentar o tal pib.

    desemprego em baixos niveis, baixo nivel de qualidade, baixo nivel de renda, baixo nivl de segurança, enfim tosdos os niveis baixos

    o cara hoje em dia tem que ter duas facus pra comprar um ap no cdhn ( conjunto habitacional humilha neguinho )

    um aparelho que custa 10 la fora custa 30 aqui no minimo e se exagero
    tb pra inflar o pibinho

    o cara ta endividado até o pescoço e acha que melhorou de vida, bom melhorou mesmo, principalmente comparado ao carinha que usava tacape.

    eu to indignadaço, abalado, vivo em um mundo cheio de malucos querendo comparar o brasil aos paises de primeiro mundo, po vamo cai na real, nunca em um pais pobre como o nosso vai rolar uma crise como la, somos pobres, muito pobres inclusive, pra ficar coma a grecia temos que evoluir muito, nossos indices são fantasmas da idade da pedra manipulados por astutos fanfarroes.

    nunca vai haver uma bolha em um pais aonde 15 % da população trabalha, aonde metade da população é analfabeta funcional, aonde não se tem capacidade de se produzir um produto simples tecnologico.

    será que ninguem anda pelo paiz e olha ao redor

    0
    • Felipe 21 de junho de 2012 at 22:06

      Realmente, é só ilusão…
      O Brasil é o cara do bairro que compra um carrão financiado em 72x mas não tem ensino fundamental completo, não tem dinheiro pra comprar comida e mora de favor na casa dos fundos dos pais.
      E quando consegue mais algum crédito, põe um sonzão no carro pra ficar ouvindo funk bem alto heheheheh

      0
      • GB 22 de junho de 2012 at 07:57

        E anda sempre com o combustível na reserva.

        0
      • augusto 22 de junho de 2012 at 08:17

        São aqueles conhecidos como biluzinhos do papaizinho e da mamãezinha. Bando de incompetentes sem nenhuma vergonha na cara

        0
      • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 11:17

        O Brasil é o cara do bairro que compra um carrão financiado em 72x mas não tem ensino fundamental completo, não tem dinheiro pra comprar comida e mora de favor na casa dos fundos dos pais.

        Infelizmente você está corretíssimo.

        0
  • Ana 21 de junho de 2012 at 21:47

    Acabei de ter um ataque de masoquismo e dei uma olhada no site de classificados do Estado de Minas. Quase tive um infarto: as casas aumentaram de preço, e muito, de um mês para o outro. Onde é que esse povo tá com a cabeça? Quem é que vai financiar uma casa de 1.500K no bairro Floresta? Confesso que fico muito frustrada e quase entrego os pontos. Acho que nunca vou conseguir comprar um imóvel que me atenda e me recuso a morar em caixa de fósforos.

    0
    • Benjamin 22 de junho de 2012 at 09:32

      É, Ana, também moro em Bolha Horizonte e pactuo com o seu pensamento. Vou renovar o meu aluguel agora e se dentro destes 30 meses a coisa não der uma melhorada eu fujo daqui. Eu me recuso a fazer financiamento por prazo tão longo, gostaria de conseguir dar uma entrada de uns 60% e financiar o restante em uns dez anos no máximo.

      0
  • c 21 de junho de 2012 at 22:05

    Que legal. Até os mais desinformados agora estão começando a pensar. Em Belo Horizonte tem tanta placa de vende-se. Quem trabalha no ramo diz que vende bastante. O governo vai afundar muito antes da copa e mais ainda depois dela. O brasileiro tem mesmo este costume de não querer trabalhar, quer ser um rico de novela e acha que vai conseguir com as migalhas que o governo chama de renda de classe média e com o crédito. Acho até bom. Quero esta política arruinada junto com os idiotas que desencadearam esta valorização que serviu para atrapalhar a vida de quem está começando.

    0
    • RGD 22 de junho de 2012 at 03:45

      A minha namorada é corretora de imóveis em Belo Horizonte. Desde do ano passado, as vendas não estão boas. Pelo que acompanho do trabalho dela, parece que as vendas cairam pelo menos 40% em 2011 em relação a 2010. Outro dia ela me falou que os investidores já praticamente não compram mais por causa do alto preço dos imóveis. Por exemplo, os últimos hotéis que foram lançados na cidade encalharam, Muitos corretores já estão matando cachorro a grito e aos poucos os descontos estão começando a aparecer. Ontem mesmo ela já conseguiu um desconto de 10% para um cliente sem esforço nenhum. Os clientes dela que estão tentando vender estão com os imóveis todos encalhados a meses.

      0
      • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 07:44

        RGD, o problema maior o time … até os proprietarios internalizarem que os imóveis não vendem porque os preços estão fora da realidade vai levar um bom tempo, a não ser que um fato economico ruim seja amplamente divulgado pela mídia…
        Aí sim vão juntar o lé com cré.
        Mas sem uma massiva mídia em cima, somente com o tempo eles irão mudar, pois a velocidade de venda de uma imóvelé em torno de 6 meses a 1 ano… São prazos normais, sempre foram, pergunte a sua namorada…

        0
  • DBA 21 de junho de 2012 at 22:51

    Tenho lido muito este site, sem nunca comentar. Não tenho paciência para escrever. Hoje, quebrarei minha “regra”.
    Ponderei as evidências e acredito que os argumentos a favor da bolha têm mais peso do que os contra. Embora não esteja convencido de que a bolha será tão catastrófica para nós como foi para os EUA e para a Espanha, as evidências – anedóticas e estatísticas – são fortes. Eu mesmo, que não sou muito de sair de casa, fui visitar um amigo, que mora (de aluguel) num condomínio na Barra da Tijuca (RJ) e vi um pequeno pedaço desta história. Ele me contou que no prédio dele há apenas dois moradores fixos (sendo ele um desses moradores). Todos os outros apartamentos encontram-se vazios; no máximo, um ou outro dono vai ali passar o fim de semana. E no entorno vemos muito canteiros de obras, inexplicáveis num contexto onde os apartamentos já existentes estão majoritariamente desocupados.
    É fato: nós estamos repetindo todos os passos das crises lá de fora: juros e desemprego em níveis historicamente baixos, crescimento acelerado do crédito, crescimento consistente da renda (em especial no setor de serviços), poupança baixa, incentivo governamental ao gasto por parte do consumidor, deslocamento da razão preço do imóvel / poder de compra e preço dos imóveis aumentando a taxas significativamente maiores do que a inflação.
    É óbvio que o aumento do crédito aumenta a demanda por imóveis, tendo por efeito a elevação de seus preços. Porém, embora nossos bancos tenham sido muito mais criteriosos (comparados aos seus congêneres americano e europeus) na concessão de créditos, a elevação da renda do brasileiro se deu na esteira do aumento das commodities, relacionado à demanda chinesa. E um colapso nesta demanda pode, devido a uma provável bolha imobiliária na China (que talvez seja a maior da história), reverter todo o processo. Ou seja: se o nosso poder aquisitivo não se mantiver (por exemplo com um aumento do desemprego), estaria acionado um gatilho importante de uma crise que, retroalimentando-se, não se restringiria aos imóveis, afetando também a bolsa de valores e o agronegócio, entre outros setores.
    Um atenuante que temos no tocante à supracitada razão elevada preço do imóvel / poder de compra reside na alta concentração de renda do Brasil; embora o brasileiro médio não tenha renda para acompanhar a elevação dos preços dos imóveis, os brasileiros de renda alta e muito alta, ainda que não tenham tido aumento de renda consistente com o aumento dos imóveis, ainda tiveram como comprar para morar e investir. Porém, muitos deles provavelmente se darão mal por se julgarem tão sábios nos investimentos em imóveis.
    Aqui no Brasil, os bancos se sentem razoavelmente seguros devido à alienação fiduciária, porém tal garantia não é robusta o suficiente para um contexto de queda brusca e persistente no preço dos imóveis.
    Nossa jabuticaba de comprar imóveis na planta, com a presença elevada de investidores que não pretendem neles morar, é um fator adicional de risco.
    Bem feitas as contas, acredito que a economia esteja doente e que uma recessão, ainda que cruel para muitos (inclusive pra mim, que comprei um imóvel em 2010 a preços provavelmente bolhudos), será importante para sanar os erros econômicos na alocação de recursos, permitindo que no futuro possamos crescer sobre bases mais saudáveis. Se os políticos de visão curta permitirem, é claro…
    Para quem lê em inglês, recomendo o livro de Peter Schiff (corretor que advoga a economia austríaca e que ficou famoso por prever o colapso de 2008 e 2009; vide http://www.youtube.com/watch?v=8lpSnECTKW8&feature=player_embedded): The Real Crash – How to Save Yourself and Your Country.
    Por fim, creio que enquanto os juros nos EUA estiverem baixos, não teremos uma crise muito grave. Mas estes juros fatalmente subirão, provavelmente em 2014. Quando isso acontecer, os investimentos estrangeiros aqui no Brasil irão se desviar para o “porto seguro” e é possível que repitamos o desastre econômico da década de 80. O maior erro em economia é acreditar que “dessa vez será diferente”. Se esta frase estiver incorreta, pode ser para pior: se os Estados Unidos (como crê Schiff) não for mais considerado confiável (como tem sido até agora), multipliquem por 10 o choro e o ranger de dentes.
    Minha recomendação: poupem. E não invistam em ações nem em imóveis.
    Abraço a todos!

    0
    • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 18:21

      DBA, Bem vindo.

      o Peter já foi muito comentado e elogiado no Blog. E vc tem as mesmas previsões do pessoal daqui, pode se juntar a nós…

      Quanto a sua recomendação é o que a maioria tem feito, guadar para esperar o mercado voltar ao normal…

      0
    • Rui 23 de junho de 2012 at 18:38

      DBA, o Peter Shiff acerta razoavelmente no atacado, mas erra feio no varejo. Agora mesmo, ele como tem uma corretora de ouro, esta recomendando comprar ouro, porque segundo ele ,o pull-back, de correcao do ouro, teria terminado, agora, na faixa de $1570,00 dolares a onca. Eu nao acredito, que a queda do preco do ouro, pare ai’. Em minha opiniao, o ouro deva ir abaixo de $900,00 dolares, nos proximos tempos. Mas isso somente minha opiniao!

      0
  • Sr. LB 21 de junho de 2012 at 23:28

    Além dessa queda no número de investidores, temos que lembrar que grande parte da população ANTECIPOU sua compra de apartamento nos últimos dois/três anos. Como diz a escola austríaca de economia, uma venda que seria realizada no futuro foi feita no passado simplesmente por medo de não se conseguir comprar no futuro.
    Quem nunca escutou as pessoas falando: “se não comprar agora, daqui a dois anos não compra mais… vai estar muito caro”.
    E MUITA gente, inclusive gente esclarecida, embarcou nessa….
    Nesse caso, a demanda de compra futura será ainda menor, o que levará o mercado ainda mais pra baixo.

    0
  • Rafael 21 de junho de 2012 at 23:45

    Essa noticia que li no webmotors é verdade??

    Explosão de vendas traz problema de planejamento

    Ele acha que o governo deveria retomar o imposto de forma escalonada, e, principalmente, avisar todo mundo antes

    As vendas diárias da Fiat cresceram 90% este mês em relação à última semana de maio, o que deixou Edison Mazucatto, gerente de vendas da montadora, ao mesmo tempo feliz e apreensivo.

    “Com uma ação tão brusca no volume de vendas não há quem consiga fazer um planejamento”, disse, preocupado com o que pode acontecer no final de agosto, quando o governo promete voltar a cobrar o IPI integral, que foi retirado na última semana de maio.

    “Mesmo se o governo prorrogar a isenção do imposto, mas demorar para avisar o mercado, haverá uma corrida às concessionárias nos últimos dias de agosto, porque o consumidor vai querer aproveitar a oportunidade para comprar um carro mais barato, o que vai provocar nova distorção nas vendas”, disse o utivo.

    Ele acha que o governo deveria retomar o imposto de forma escalonada, e, principalmente, avisar todo mundo antes. Isso evitaria um forte impacto nos preços e a criação de a bolha de consumo no fim de agosto.

    As oscilações do mercado provocam problemas no planejamento tanto das concessionárias quanto das fábricas:

    “Como planejar os fornecedores se numa semana você vende dois mil carros por dia e na semana seguinte vende quatro mil?”, questionou Mazucatto, referindo-se aos números comercializados pela Fiat na última semana de maio e na primeira de junho.

    0
    • antonio henrique 22 de junho de 2012 at 08:29

      Vejam só como são as coisas no nosso mercado capitalista. A montadora se preocupa com o término da redução do imposto, e ficará pra nós, a massa falida, a preocupação com os transtornos causados pela enorme quantidade de carros nas ruas. Lamentável.

      0
  • Ze Bom Dirolo 22 de junho de 2012 at 00:04

    MRV em Brasília está fazendo o “zera estoque”.

    0
  • Ze Bom Dirolo 22 de junho de 2012 at 00:24

    Que notícia engraçada. Parece parente dando notícia de parente de familiar.

    ATRASOS NA ENTREGAS DE APARTAMENTOS

    A recente ebulição nas vendas de imóveis novos no Brasil é um fenômeno que pode ajudar a equacionar uma grande porcentagem do déficit habitacional. Os últimos anos têm se mostrado incentivadores, inclusive, da economia, com recordes de unidades vendidas, sobretudo de apartamentos novos. As vendas de imóveis na planta são resultados diretos da estabilidade econômica, aumento do emprego formal, abertura de crédito, entre outros mecanismos de fomento.

    Sob o ponto de vista jurídico, a modernização do arcabouço regulatório também significou um incentivo importante ao setor que financia a aquisição desses imóveis, com possibilidade mais ágil de recuperar o bem em caso de inadimplência do mutuário.

    Ocorre, porém, que junto com esse aumento expressivo nas vendas, vem crescendo em números alarmantes uma verdadeira “bolha” em construtoras que lançaram unidades, prometeram prazo confortável para entrega, mas não vêm honrando as datas previstas.

    A grande maioria dos contratos de vendas de imóveis novos já prevê, em cláusula específica, uma elasticidade de até seis meses além do prometido para entrega do imóvel, com o habite-se da prefeitura.

    Mesmo assim, muitas construtoras não conseguiram se programar corretamente e cumprir o contrato. Não se quer imaginar uma “bolha” de inadimplemento de construtoras como ocorreu no passado com a Encol. Porém, é certo que muitos compradores vêem seus sonhos alterados unilateralmente, por culpa de algumas construtoras.

    …….

    Sob o ponto de vista econômico-financeiro, deve-se analisar a compra de um imóvel na planta sob a ótica de investimento e da realidade imobiliária no momento, na região e até mesmo nas perspectivas de valorização, desvalorização ou estabilização do preço. Ao mesmo tempo, analisar as variáveis, como comprar outro imóvel semelhante, com preços atuais na aquisição.

    ttp://monitormercantil.com.br/2012/index.php?pagina=Noticias&Noticia=114371

    0
    • Ze Bom Dirolo 22 de junho de 2012 at 00:24

      Ops…’NOTÍCIA DE MORTE DE PARENTE”

      0
    • hannamanana 22 de junho de 2012 at 07:52

      É só entrar no site do Reclame aqui que veremos milhares de reclamações sobre isto de diversas construtoras. Não é de hoje!
      Em Campinas então… piorou, porque como se não bastasse o atraso habitual, no meio da obra é que a prefeitura resolveu embargar algumas obras, então tem gente que está a ver navios até agora.

      0
  • cesar bolhudo 22 de junho de 2012 at 01:57

    Acho que agora o mercado imobiliario realmente deu uma acelerada, mas não porque esta bom e sim porque estes são os ultimos espasmos, assim como o moribundo antes da morte tem aquela melhora creio que no mercado imobiliario o que esta ocorrendo é puramente a desova dos “investidores” pois estão mais de olho no mercado e sua percepção é melhor do que do resto dos compradores “reais”. Assim estão quebrando a resistencia dos compradores com descontos e se livrando.
    Ex: Meu irmão vendeu seu apartamento bolhudo na terça feira para um casal que já tem 3 no mesmo predio, 340k, deu um desconto de 20k, e na minha opinião até janeiro valerá 250k.

    A bolha estoura até Agosto, quem aposta em outra data?

    0
    • DBA 22 de junho de 2012 at 13:35

      Eu acho que não será tão rápido. Enquanto os juros americanos estiverem baixos, a dinâmica de evolução da bolha continuará lenta, devido aos maciços investimentos estrangeiros. Quando estes juros fatalmente subirem (o que deve acontecer em 2014), acredito que teremos uma reedição do desempenho econômico da década de 80. Ou então, se por outro motivo houver uma fuga maciça de capitais, aí começará, na minha opinião, nosso martírio.

      0
    • Rafael KM 22 de junho de 2012 at 19:25

      Pelo menos este casal está fazendo o certo, apsear de estar comprando na época errada. Com 4 apertamentos, transformam 3 em quartos com suíte e closet e o 4o em cozinha e sala de estar com lavabo! Talvez sobre espaço para a varanda Gourmet.

      0
  • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 07:48

    off topic

    pessoal, quem concordar por favor entrem na pagina
    “fale com a Presienta”
    e peça a mudança do código – com inclusão da pena de morte para –
    sequestros, latrocinio, trafico, formação de quadrilha… e suspensão do auxilio reclusão para esses casos… Para o restante dos presos – trabalho pesado pra pagar a propria comida…..

    A situação está ficando acima do limite suportável… Precisamos nos mobilizar para que exista um País …

    0
    • Anonymous 22 de junho de 2012 at 09:22

      Existem outros países para se viver.

      Deixai, deixai logo a Banânia, ide ao Velho Mundo ou à Terra dos Livres, onde estareis enfim pagando o justo preço E SEGURANÇA TERÁS 😉

      0
    • Paulo - RJ 22 de junho de 2012 at 11:11

      Pena de morte (salvo em caso de guerra) e trabalho forçado não podem ser aplicados no Brasil, pois constituem cláusula pétrea constitucional. Nem a presidenta e nem mesmo o congresso podem mudar isto, nos instrumentos políticos atuais. Só com a promulgaão de uma nova constiuição.

      PS: Não estou expondo minha opinião sobre o fato

      0
      • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 15:16

        Paulo, não podem alterar a constitução somente neste caso?

        0
    • Ane 22 de junho de 2012 at 11:13

      Quem dera o problema do Brasil fosse legal. É o que os políticos querem que nós pensemos às vezes. Mas o problema é institucional.

      0
      • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 15:21

        Ane do jeito que o judiciario é moroso o problema legal tornou-se institucional

        0
        • Ane 22 de junho de 2012 at 15:23

          Não é só o Judiciário. Muitas outras instituições não funcionam como deveriam.

          0
          • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 18:30

            Ane, particularmente não falo apenas do judiciario, conheço muita gente que trabalha nessa área, e trabalham muito… mas a morosidade, os procedimentos legais que são um grande travamento, poderiam ser melhorados e equacionados de forma a não prejudicar ninguém… é dificil demais e esperar 8, 10 20 ou 30 anos para solucionar uma questão…

            Quanto a Constituição não permitir a pena de morte e trabalhos forçados, acho que chegou a hora de ser modificada, mesmo. Assim, talvez um pouco de justiça se faça diante dos cidadãos de bem… Vale muito a pena ser criminoso, em qualquer esfera, desde que se tenha alguma grana muito, mas
            muito raramente se é punido….

            0
            • Cleyton 22 de junho de 2012 at 20:47

              Pra mim a questão não é legal ou institucional, é uma questão de seriedade, como não temos gente séria as legislações e instituições não são sérias.

              A pena de morte é cláusula pétrea porque alguém que estava ajudando a redigir a constituição ouviu falar sobre o que aconteceu a um tal de Robespierre.

              0
            • RMJ 23 de junho de 2012 at 02:09

              A pena capital não reduz a criminalidade. Sugiro a leitura do livro dos delitos e das penas de cesare beccaria.

              0
              • Sol de Sampa 23 de junho de 2012 at 03:06

                RMJ, também penso assim, mas hoje os criminosos estão matando muito mais do que na época que o livro foi escrito… tá na hora de dar uma limpa…
                hoje se mata por banalidade … a coisa tá muito feia…
                Acho um horror dizer isso, mas realmente tem que haver algo que de uma limpa … senão quando a crise não for mais oculta, vai ser dificil abrir a janela pra ver o sol….

                0
              • Cleyton 23 de junho de 2012 at 10:44

                Pode não reduzir a criminalidade mas reduz a superlotação nas penitenciárias.

                Não que eu seja a favor porque como aqui não é um país sério apenas pobres laranjas e provavelmente muitos inocentes é que seriam executados.

                0
  • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 08:41

    Isso corrobora aquilo que o MrK e tantos outros do blog vem falando faz tempo e também confirma a minha impressão pessoal sobre o assunto.

    O único problema é que ainda existem muitos, mas muitos mesmo, proprietários, corretores e outros agentes do mercado que ainda estão negando o fato e continuam insistindo em preços altos e na manutenção do ‘status quo’.

    A bolha caminha para o estouro e o X da questão é saber quando todos vão tomar ciência disso.

    0
    • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 18:45

      Shake…. tava com saudades de ti!!!.

      Concordo com o vc disse, realmente caminhamos para o estouro… Mas temos que considerar:

      não acho que o pessoal não baixa os valores somente por que o vizinho não abaixa… simplesmente eles não tem ideia dos valores mesmo, acreditam que o valor comercial é o que estão pedindo… eles estão do lado que não pesquisa preços, noticias …. bem verdade eles são alienados em relação a economia, formam a manada da oferta….

      do outro lado estamos nós, compradores, que paramos para avaliar os preços por um primeiro impacto – ou seja de sabere que temos um poder aquisitivo muito bom e mesmo assim não podemos comprar o objeto de desejo de forma tranquila…

      embora possa ser apredejada aqui, não acredito que os corretores tenham a intenção de sempre aumentar os preços, pelo smples fato de que não são pessoas treinadas para pensar, são somente papagaios que repetem o que ouvem… mas atualmente, eles estão se sentindo estranhos pois a maioria das vendas (poucas) que conseguem fazem está dando muito trabalho, e agora eles estão percebendo que existem 2 lados da questão … o que quer vender por preço absurdo e o que quer comprar por um preço justo…

      Acho que a manada da oferta somente mudará de posição, dentro do prazo normal de venda – 6 meses a 1 ano, ou seja se depois de 1 ano não conseguiram vender ou ao menos ter proposta começa a entender que tem que abaixar o preço…. Como essa manada não entrou na mesma época, então essa mudança será gradual… Entretanto, se algum fato economico vier a ser divulgado, ou se o desemprego subir assustadoramente, a mudança pode ser bem rapida… pois todos tentarão se capitalizar…
      Acho que a economia está por um fio, mas tb acho que o governo vai tentar segurar até passar as eleições… Só não sei se vão conseguir, pois a cada dia observa-se as escondidas numeros nem um pouco favoraveis…

      Digo isso com experiência própria…. até o final de 2011 não me preocupei com “bolha imobiliaria” pois estava vendendo …e vendi, quando comcei a procurar para a compra é que resgatei as informações da subida de preços alarmante e me dei conta de que existia bolha…. Eu dei muita sorte na venda, e estou no aluguel e vou esperar pelo estouro…

      0
      • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 22:56

        perfeita a análise, Sol, como sempre abrilhantando o blog com suas colocações.

        abs, irmão de Sampa

        0
  • Money Addicted 22 de junho de 2012 at 08:53

    nao sei se vcs viram o caso do brasileiro q foi condenado nos US por mentir para conseguir financiar 3 casas, acabo d ver na record uma materia grande com ele. O q qro destacar eh a diferenca entre US e banania, la ele cometeu um crime (pelo q foi apurado, eu nao estou julgando) e vai preso, enqto aqui a TV mostra ele como um coitado.

    0
    • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 18:53

      Money – Voce lembra da Jorgina – fraudadora do INSS….
      bem a pena que ela cumpre passou a regime semi-aberto e sabe por que? ela conseguiu emprego como assessora no CEDAE – RJ ….
      será que ela com o salario que ganha agora vai reembosar o que deve? heheheheh

      0
    • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 22:58

      imagina aqui no BR… gente fazendo transferência para a conta da esposa para simular ganhos maiores e/ou somando holerites até do faxineiro do prédio para mostrar renda que não teve… isso para não falar daqueles que usaram o Word para fazer holerites e que foram aceitos pelos Bancos !!!

      0
  • antonio henrique 22 de junho de 2012 at 08:55

    Crise derruba arrecadação e ameaça contas do governo

    Solução: criar mais impostos?

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1108631-crise-derruba-arrecadacao-e-ameaca-contas-do-governo.shtml

    0
  • Nasrú 22 de junho de 2012 at 09:12

    Conheço o SEGREDINHO no IBGE.

    1. IBGE considera BICO uma ocupação,

    2. se nos sete dias do levantamento do IBGE o trabalhador, mesmo que desempregado há um ano, não tiver enfrentado nenhuma fila de seleção será considerado apenas um “inativo”, e não mais desempregado.

    PLIM!!!!!! A mágica foi feita.

    0
    • GB 22 de junho de 2012 at 09:24

      Mas o conceito de PEA é bem isso mesmo, tipo se a pessoa não trabalha e não procura emprego, ela é excluída dele.

      Com todas essas “bolsas alguma coisa” ninguém quer mais trabalhar.

      0
  • Davi 22 de junho de 2012 at 09:14

    Ai BOLHA a notícia saiu do Estadão: agora tem link!!!!

    economia.estadao.com.br/noticias/economia%20geral,intencao-de-compra-de-imoveis-no-brasil-diminui-revela-pesquisa,116848,0.htm

    0
  • GB 22 de junho de 2012 at 09:20

    Eu achei esse percentual de investidores baixa, achava que seria em torno de 70% dada a velocidade com que as coisas eram vendidas, de repende todo mundo teve a idéia de comprar um segundo imóvel para vender e ter lucro ou viver de aluguel, eles não se importam com o imóvel, não pretendem morar nele.

    Mas aí eu vi que a pesquisa foi feita com a parcela da população que pode pagar por isso, não incluiram nela a grande maioria que ganha pouco mas viu na conversa do corretor uma grande oportunidade para tirar um $$$ extra pagando só R$ 299,00 por mês durante as obras, depois o aluguel paga por isso e no final o imóvel sai de grátis (discurso pronto de corretor, se fosse assim a construtora construia e depois alugava ela mesma).

    Na cidade onde trabalho (região metropolitana de São Paulo, ou seja, periferia pura), praticamente é tudo invasão, invadiram, construíram e trabalham em São Paulo como camelôs, aí eles vêem que estão construindo vários prédios e ficam animadinhos com a possibilidade de conseguir um $$$$$ extra com isso.

    E o pessoal quer que gente simples assim faça contas, logo vão ter que devolver tudo e acabou o sonho de ganhar um extra na moleza.

    Alegria de pobre dura pouco.

    0
    • GB 22 de junho de 2012 at 09:51

      A reportagem é muito interessante, mas no meu entender essa ainda é mais uma daquelas reportagens tímidas, ainda estamos na fase da “notícia pela metade para não causar pãnico”.

      Quando incluírem essa classe baixa (brincando de tentar especular) no estudo e divulgarem a real quantidade de imóveis do Shadow Inventory aí já era, mas isso só vai acontecer depois que a bolha estourar e o pessoal começar a trocar imóvel na planta por picolé (embora eu ainda ache que o dono do picolé vai sair perdendo na troca).

      Estão vendo o mercado de automóveis usados e o pessoal tentando repasse até de graça para se livrar de dívidas que valem mais que o bem ? O mesmo vai acontecer no imobiliário, mas muito mais forte pois os valores são maiores.

      Mas eu não culpo esse povo todo, a idéia de comprar algo por R$ 299,00 por mês na construção, depois fazer o aluguel pagá-lo e depois de 35 ans ter o imóvel “de graça” é bastante interessante e muito incentivada pelos corretores, mas o pessoal se esquece que inquilino dá trabalho, a coisa na teoria é mais fácil que na prática.

      0
      • hannamanana 22 de junho de 2012 at 10:17

        Bem colocado!
        Se gente, digamos, instruída e que deveria saber fazer projeções financeiras de negócios cai nessa, o que dirá dos demais!?
        No papel, o corretor mostra tudo muito lindo, mas na prática é diferente e poucos são os que explicam. A maioria quer fechar o negócio a qualquer custo.
        Há muitos anos atrás eu achava esta ideia perfeita e “sonhava” em fazer isto, mas não tinha ido ao mercado pesquisar efetivamente sobre a prática. Foi lendo, pesquisando (aqui no Bolha, vendo as reclamações no Reclame aqui, conversando com gerentes sérios de banco e etc.) é que mudei de opinião e achei que a prática é bem sucedida não em todos os casos e envolve um risco imenso.

        0
        • Davi 22 de junho de 2012 at 11:03

          Corretor deveria ser remunerado sem ganhar BONUS por venda, pois isso cria conflito de interesse. O cara se estiver no desespero (ou não), vai fazer de tudo mesmo para vender, ele depende daquilo. Se estivessemos no lugar do cara, possivelmente fariamos o mesmo pois o ambiente corrompe o homem.

          Não estou defendendo corretor não, mas não rola hipcresia, criticar nos outros o que possivelmente fariamos se estivessemos na pele deles.

          É ridiculo a remuneração estar vinculada a realização da venda, deveria estar associada a uma avaliação do cliente ao trabalho do corretor tipos assim:

          Salario fixo + bonus por média de boa avaliação dos clientes, isso sim. Ai os caras iam trabalhar de fato como CORRETORES mesmo, não pensei muito a respeito, mas a principio esta minha visão e nem sei se seria factivel, mas do modo como é, sempre vai ser esta sujeira.

          Além de tudo para piorar a falta de informações confiáveis de compra e venda de imvóveis, valores, por regioões, bairros, é péssimo. A desorganização ajuda as pessoas a se corromperem pois em meio a bagunça fica mais fácil usar o JEITINHO, A ENGANÇÃO ESPERTA tipicamente bananesa.

          0
  • Anonymous 22 de junho de 2012 at 09:50

    Deixai, deixai logo a Banânia, ide ao Velho Mundo ou à Terra dos Livres.

    Crise derruba arrecadação e ameaça contas do governo

    “http://www1.folha.uol.com.br/poder/1108631-crise-derruba-arrecadacao-e-ameaca-contas-do-governo.shtml”

    Com a economia do país perto da estagnação há quase um ano, sinais mais evidentes de perda de fôlego na arrecadação de impostos derrubaram as contas do governo federal no mês passado.

    Dados que serão divulgados oficialmente nos próximos dias mostram queda na receita de tributos ligados aos lucros das empresas, à produção do setor industrial e às operações bancárias.

    O governo já indicou que, diante do provável descumprimento da arrecadação tributária esperada para o ano, recorrerá a outras fontes de recursos para não ser obrigado a cortar mais gastos.

    0
    • Rafael K 22 de junho de 2012 at 10:21

      é ridiculo ler “ampliação dos programas sociais e dos investimentos na área de infraestrutura” … o PAC simbolo do PT nao concluiu nada… imagina o resto q nao foi feito… mt menos será feito daqui pra frente…

      To começando a achar q o Brasil ta virando aqueles países ditatoriais da Africa.. q o governo nao deixa nada pro povo!!!

      É uma pena ver uma geração política mal intencionada, capaz de gerar tanto mau a uma sociedade q a absorve sem entender… assim nao atingiremos a paz em nenhum nivel!!
      Disse q é uma pena… não q tenho pena do povo!! somos responsáveis por 99% da nossa condição!! E assim o povo… passará por mals momentos nesse sistema economico/politico que ainda teimam em dizer que está em desenvolvimento!!
      Faço uma adaptação de Kant “Não existe lei suficiente para quando se tem um povo maldoso”…

      0
    • Tomaz 22 de junho de 2012 at 10:32

      Muito interessante que em 2008/2009 tivemos uma notícia semelhante: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u551580.shtml

      A diferença está que em 2009 o LBrothers já tinha quebrado, os fatos já estavam consumados e só se vivia os efeitos dos fatos de 2008.

      A notícia de 2012 acontece em um momento em que a crise ainda está no forno. Fico imaginando como será a situação depois que a Grécia, Espanha, ou qualquer outro desavisado tiver definitivamente jogado a toalha.

      0
  • Socorro!! 22 de junho de 2012 at 10:07

    ontem conversando com um fornecedor ele me falou que a famila da esposa vendeu um AP por 600K no flamengo ( sem garagem e provavelmente apartamento antigo)…para quem conhece o flamengo o ap ficava perto da São salvador – perto do corpo de bombeiros..

    ficou na imobiliaria 6 meses para vender. mas vendeu para um medico no inicio deste ano…

    nao entendo como alguem pode dar 600 k num apartamento sem garagem e que provavelmente para dar uma atualizada vai gastar de 50 a 100K em obras…

    0
    • Álvaro Guilherme 22 de junho de 2012 at 11:05

      A vantagem do Flamengo (atualmente moro lá) é que é um dos poucos bairros do Rio em que você consegue chegar em casa antes de 30 minutos, caso trabalhe no centro.

      Tem o Aterro também. Os demais bairros da zona sul podem até ter praias melhores, mas pecam por terem quarteirões e mais quarteirões somente de prédios, sem nenhuma praça por perto. Quando tem, é uma praça que é excessivamente árida, ou pelo contrário, excessivamente sombria e úmida, e invariavemente tomada pelos mendigos e viciados. Não que não existem mendigos e viciados no Aterro. Mas pelo menos dá para espalhar mais, pelo espaço.

      0
      • Álvaro Guilherme 22 de junho de 2012 at 11:06

        (…)não que não EXISTAM mendigos e viciados(…)

        0
    • Ane 22 de junho de 2012 at 11:20

      Qual o tamanho do ap?

      0
      • Socorro!! 22 de junho de 2012 at 11:45

        Ane

        ele nao falou o tamanho..mas era uns 2/4…entao acredito que tenha entre 70 /75..nao mais do que isto..

        outro caso pro pessoal ..

        sabado passando pela rua ministro tavares de lira …tambem no flamengo….esta vendendo um imovel ( sem corretor..)..vi a placa e liguei por curiosidade para o proprietario…é um 3/4 , 90 M2 ..falou que estava todo reformado e sem garagem… primeiro andar frente.. pediu R$ 680K ( acho aquela rua barulhenta..para quem conhece o lugar o imovel fica perto da padaria São Luiz)

        0
        • self 22 de junho de 2012 at 13:32

          Rua super barulhenta, vizinhança insegura após certo horário, lugar bem muvucado e quase impossível p ex de alguma visita estacionar perto, e o mais absurdo: uma fortuna num apertamento SEM garagem. Essa gente não tem escrúpulos?

          0
    • Miguel Jacó 23 de junho de 2012 at 21:35

      Se este mesmo médico utilizasse os rendimentos da poupança antiga (0,56% ao mês), poderia pagar aluguel em lugar melhor, e ainda sobraria dinheiro.
      E não correria o risco no futuro de seu patrimônio perder valor…

      0
  • Eskeleto 22 de junho de 2012 at 10:32

    Hoje vai passar novamente no hoje em dia matéria sobre imóveis, concerteza estão comprados e querendo enfiar na cabeça das pessoas para comprar apartamentos a todo custo.

    0
  • Laranja 22 de junho de 2012 at 10:40

    “http://www.piniweb.com.br”
    Como resolver o descompasso entre a renda média dos brasileiros e o alto preço dos imóveis?

    Alongar o financiamento;
    Reduzir mais os juros;
    Esperar a renda subir;
    Essa é a verdadeira bolha;
    Todas as alternativas acima.

    VOTEM LÁ, PORQUE A BOLHA ESTÁ EM 2° LUGAR!
    Esperar a renda subir…. hahahahahaha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    0
    • Luiz 22 de junho de 2012 at 11:03

      pela enquete:
      36% acreditam em bolha, e olha que é uma revista “normal” do mercado

      0
      • Luiz 22 de junho de 2012 at 11:04

        corrigindo: 52% acreditam em bolha (agora somei com os que escolheram todas as alternativas)

        0
    • Bolha Imobiliária 22 de junho de 2012 at 11:19

      A verdadeira bolha já está em primeiro…hehe

      0
      • João Miguel 22 de junho de 2012 at 13:38

        Galera,

        na verdade essa subida repentina fui eu que causei huauhahusas
        Uma pequena analise em cima do javascript da página e já dá para descobrir como é feito o voto.

        Basta acessar esse link diretamente
        www. piniweb. com. br/portal/fixos/Parcial_Enquete.asp?Id=1511&Questao=4823&Pergunta=Como

        O controle de quem votou ou não votou é feito por cookies, ou seja, basta desabilitar os cookies no browser rsrs (quem não sabe como fazer isso só procurar no google, é facinho)

        Depois de acessar uma vez (com os cookies já desabilitados), basta apertar CTRL + F5 para votar novamente 🙂

        Vamos lá, vamos mostrar a força do blog!
        🙂

        0
        • Fernando II 22 de junho de 2012 at 15:03

          acabei de votar. 66,3% pra Bolha.
          até o final do dia chegaremos nos 99,9% …

          0
        • GB 22 de junho de 2012 at 19:31

          Que maldade gente, e bem no site amiguinho das construtoras.

          0
        • amadeos de sampa 22 de junho de 2012 at 20:23

          Agora em 85%. a caminho dos 90% !!

          0
        • amadeos de sampa 22 de junho de 2012 at 20:40

          90% !!!

          0
        • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 22:59

          rumo aos 99,9999% 🙂

          0
  • Joao 22 de junho de 2012 at 10:43

    Não não vê quem não quer. Prédio novo é prédio vazio, aonda for no RIO. Parem, olhem e constarão. PLOC

    0
    • Laranja 22 de junho de 2012 at 10:55

      AVANÇO DOS ESTOQUES!!!!

      Estoques na mira
      Volume de unidades não vendidas aumenta e torna-se foco das incorporadoras. Campanhas agressivas de descontos e incentivos à força de vendas são algumas das estratégias para se livrar do excesso

      “http://revista.construcaomercado.com.br/negocios-incorporacao-construcao/131/artigo260102-2.asp”

      0
      • Laranja 22 de junho de 2012 at 10:57

        Melhor ler do início, não é?
        “http://revista.construcaomercado.com.br/negocios-incorporacao-construcao/131/artigo260102-1.asp”

        0
        • TS 22 de junho de 2012 at 13:57

          Essa reportagem é digna de tópica… Bolha posta aí!

          0
      • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 14:06

        AHAHAHHA, 20 MIL UNIDADES EM ESTOQUE? HAHUAHUAUHAHUA Só se for 20 mil POR CONSTRUTORA.

        Esqueci! Eles só contabilizam como estoque o encalhe do encalhe do encalhe absoluto. Prédio em construção ainda é “lançamento”.

        Ou seja: são 20 mil unidades mofando. E creio eu que para São Paulo serão mais umas 50 mil em “futuro estoque”. Fora os quase 200 mil anúncios de imóveis usados no ZAP. Só para a cidade de São Paulo.

        0
      • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 23:01

        engraçado que estão começando a aparecer evidências que destroem totalmente o argumentos daqueles que sempre defenderam que não existe bolha alguma… e eles continuam insistindo nos argumentos.

        Quem será a criança que mostrará que o rei está nu?

        0
  • Pablo 22 de junho de 2012 at 11:10

    Só 70?

    Cyrela, em reestruturação, demite 70 pessoas

    22 de junho de 2012 abvclipping

    A Cyrela Brazil Realty, segunda maior incorporadora do país, demitiu 70 pessoas como parte do processo de unificação das áreas administrativas das divisões Cyrela, de médio e alto padrão, e Living, do segmento econômico. Pessoas próximas à diretoria estão incluídas nas demissões, segundo fontes. As duas áreas de negócios continuam com operações independentes. Antônio Guedes segue no cargo de diretor-geral da Living.

    Conforme nota da Cyrela, a unificação das áreas administrativas integra a “estratégia de estruturação organizacional que tem como objetivo otimizar o desempenho da companhia”. A intenção, segundo fontes, seria reduzir os custos fixos de manter a estrutura com as duas divisões administrativas.

    Um mês atrás, o diretor-presidente da Cyrela, Elie Horn, disse, em teleconferência, que a companhia precisa “se simplificar”, com o objetivo de ser mais lucrativa.

    A união de Cyrela e Living não é uma mudança isolada na companhia. Na semana passada, o Valor antecipou que Ubirajara Spessotto de Camargo Freitas deixará o cargo de diretor-geral da Cyrela São Paulo. Ontem, havia comentários, no setor de que Bira, como o executivo é conhecido, já saiu da companhia, mas a Cyrela diz que ele “permanece na empresa e inicia a transição para a saída em comum acordo com a empresa do cargo de diretor-geral da unidade São Paulo.”

    No mercado, existem diferentes versões para as razões da saída de Bira. Há quem diga que ele optou por deixar a companhia e quem afirme que ele teria sido demitido por não cumprir metas da Cyrela São Paulo nos últimos dois anos.

    A avaliação mais consensual é que a saída de Bira estaria relacionada ao processo de sucessão de Elie Horn na presidência da Cyrela. O executivo chegou a ser cotado como seu sucessor. O escolhido, segundo as fontes, seria Rafael Horn, um dos filhos de Elie. A Cyrela diz que a informação não procede.

    “A diretoria executiva da Cyrela está cada vez mais coesa e não tem o intuito de fortalecer nenhum posição especifica, atuando de forma integrada”, disse a Cyrela, em nota.

    O sucessor de Bira à frente da regional São Paulo será Gilson Hochman, diretor nacional de vendas da Cyrela. Essa unidade é considerada a mais bem sucedida.

    0
  • Davi 22 de junho de 2012 at 11:10

    07:00 CENÁRIO CONSTRUÇÃO/FINANÇAS: CAPTAÇÃO RECORDE DA POUPANÇA DÁ ALÍVIO A SETOR IMOBILIÁRIO

    São Paulo, 22/06/2012 – A captação recorde de recursos pela caderneta de poupança em maio, após as mudanças nas regras para cálculo da rentabilidade da aplicação, dá um fôlego adicional para o funding do crédito imobiliário. Até então, havia uma incerteza no mercado com a possibilidade de que as novas regras diminuíssem o volume de captações, comprometendo os recursos para o setor num momento em que o mercado busca novas fontes para sustentar a expansão dos financiamentos de imóveis no País.

    As aplicações na poupança bateram recorde no primeiro mês de vigência do novo cálculo do juro das cadernetas. Os últimos dados do Banco Central mostraram que os depósitos superaram os saques em R$ 6,26 bilhões em maio, valor 252% maior que o visto em abril e recorde para o mês na série iniciada com o Plano Real, em 1994.

    O aumento nos depósitos indica que a poupança ainda é considerada uma boa aplicação por parte dos investidores e que o fluxo de captação deve manter um ritmo forte ao longo do ano. Dentro desse cenário, o funding para o crédito imobiliário estaria garantido até meados de 2014, conforme indicam analistas do mercado. O setor temia que uma eventual queda nas captações levasse a um esgotamento dos recursos antes desse período, comprometendo o crédito habitacional. O temor era de que boa parte dos recursos da caderneta migrasse para fundos de investimento ou outras aplicações, como os certificados de depósitos bancários (CDB).

    Nos primeiros quatro meses do ano, os financiamentos para aquisição e construção de imóveis tiveram expansão de 5,2% em relação ao mesmo período de 2011, de acordo com pesquisa da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). A expectativa é que a alta se mantenha, reforçada pelo ciclo de redução dos juros e aumento do prazo de financiamento.

    A redução dos juros do financiamento habitacional começou em abril com a Caixa Econômica Federal. Depois, o Banco do Brasil também fez cortes, praticamente igualando suas taxas às da Caixa. Mais recentemente, a Caixa aumentou o prazo de financiamento, para inéditos 35 anos no mercado brasileiro. O Santander, que é forte no financiamento habitacional na Espanha, fez o mesmo.

    Por parte das incorporadoras, todas essas medidas de incentivo foram muito bem recebidas. As empresas do setor de construção agora apostam em um reforço na demanda por imóveis residenciais nos próximos meses. A expectativa é que a melhora nas condições de financiamento permita o ingresso de mais consumidores nesse mercado, contrapondo a forte alta no preço da moradia vista nos últimos anos. Além disso, a possível melhora na demanda deve ajudar as incorporadoras a gerar caixa por meio da venda de unidades em estoque, que cresceram em 2011 após um recuo no volume de vendas.

    Apesar da captação positiva da poupança, o desafio do setor para os próximos anos ainda é buscar alternativas de captação de recursos. A Abecip discute com o Banco Central a criação de letras financeiras imobiliárias. Em 2009, foi lançado com resultados animadores um ativo semelhante para os bancos captarem recursos, a Letra Financeira. Por isso, a expectativa é grande com essas letras, que podem chegar ao mercado ainda este ano.

    Além disso, são discutidos novos instrumentos de securitização. Com a queda da taxa básica de juros (Selic), a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) já vê aumento da procura por investidores por papéis lastreados no setor imobiliário, como as Letras de Crédito Imobiliário (LCAs), que podem oferecer retorno mais atrativo.

    0
    • Davi 22 de junho de 2012 at 11:20

      Acho que a ultima inha está errada:

      “como as Letras de Crédito Imobiliário (LCAs), que podem oferecer retorno mais atrativo.”

      LCA – Letra de credito do AGRONEGÓCIO
      LCI – Letra de crédito IMOBILIÁRIO

      0
  • Luiz 22 de junho de 2012 at 11:13

    DA SÉRIE, “CONTA OUTRA [email protected]

    O enigma do emprego

    21 de junho de 2012
    Celso Ming

    Os economistas vão agora dedicar-se a sessões de contorcionismo cerebral para tentar explicar como é possível a convivência no Brasil do atual raquitismo produtivo com o forte crescimento do emprego.

    Fonte: ESTADAO

    0
  • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 11:20

    ontem ouvi na CBN algo que me fez entender um pouco mais por que o desemprego não caiu….

    o IBGE divulga emprego formais e informais das regiões metropolitanas e por pesquisa!!! ou seja, se o cara tá fazendo um bico é emprego e ponto… e se ele não procurar emprego na ultima semana tá fora da lista de PEA…

    o Ministerio do Trabalho tem um dado ótimo que é do CAGED (documento que toda empresa envia mensalmente para o ministerio do trabalho dizendo quantos funcionários tem, quantos demitiu e quantos contratou) mas não divulga, só divulgou que o numero de contratações de maio caiu pela metade em relação a abril (que já tinha tido uma queda)….

    ou seja, contratando menos é óbvio que o numero de empregados reduziu… aumenta pessoal fazendo bico e por isso o IBGE não pega …..

    daqui a pouco esse numero do IBGE vai subir … daí quero ver dilminha falando que a economia vai crescer…..

    0
    • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 11:36

      Também tem a questão de que o crédito realmente traz empregos. Vende um longo futuro em troca de um presente curto, mas traz empregos no presente.

      Além disso, as atividades extrativas, agrícolas e agrupecuárias destinadas à exportação já empregam o mínimo de pessoas necessário para o nível de produção atual. Significa que não mandam embora. Pelo contrário: quanto maior a demanda local (empurrada pelo crédito e consumo fútil), mais contratam pessoas.

      Mesmo com crises internacionais e problemas diversos, o nível de emprego nos setores exportadores não cai. Pois é apenas o lucro que diminui, e não a produção.

      0
      • Luiz 22 de junho de 2012 at 12:25

        Diversos economistas estão “estranhando” os resultados de desemprego de Maio, o Ming e o Schwartz já publicaram alguma coisa.

        No link abaixo tabela interessante sobre aumento de desemprego no setor da construção (Itau)

        brazilianbubble . com/bearish-on-brazil-no-way-jose-labor-market-is-rock-solid-so-far/

        0
        • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 13:53

          Eu não acho tão anormal assim o desemprego estar baixo.

          A indústria automobilística, por exemplo, não demite. Ela reduz a renda de seus trabalhadores ao cancelar horas extras (que somam de 30 a 40% da renda de um metalúrgico) e fechar acordos com sindicatos para reduzir a carga horária e com isso reduzir os salários. O mesmo funciona para toda a cadeia dos metalúrgicos.

          A indústria química nunca demite, pois o número de funcionários independe dos níveis de produção. Quem produz são as máquinas e a empresa precisa de um número mínimo de pessoas (e em geral só contrata o mínimo) para operar e manter elas. Só demite quando otimiza processos ou fecha linhas de produtos inteiras.

          O setor de mineração é bem parecido com o setor químico. O agronegócio de grande porte é parecido para os segmentos fortemente mecanizados.

          O comércio está tentando ser competitivo em tempos magros. Estão, além de tudo, demitindo aqueles que ganham mais e recontratando um número maior de pessoas que ganham menos. Toda crise é assim, com as lojas trocando os vendedores por bestas quadradas recém-contratadas. Tal como na indústria automotiva, só que demitindo, reduzem a renda média das vagas de trabalho mas não reduzem as vagas.

          O trabalhador está empobrecendo, mas através de outros artifícios. Uma coisa interessante no Brasil é que o povo é bem burro. Então boas vagas raramente são fechadas, pois será difícil encontrar alguém mais tarde. Com o mesmo salário, pelo menos.

          Tem empresa que segura operador cachaceiro e ladrão durante anos, pois apesar de tudo o cara sabe trabalhar. Tentam trocar o cara toda hora, mas os novos funcionários nunca entregam resultados, pois são em geral meninos formados no SENAI e que acham que sabem tudo. Gastam o salário inteiro com “carrão da hora” e “sonzera da porra” e possuem o QI de um esquilo com Alzheimer.

          0
          • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 13:56

            E tem a construção civil, que em geral contrata gente que não estava trabalhando antes e que não vai procurar trabalho depois de ser mandado embora. A vida de peão é assim: trabalha 1 ano com carteira assinada e faz bico nos próximos 4.

            Então tudo fica meio que no zero a zero para a construção civil.

            0
            • Luiz 22 de junho de 2012 at 15:18

              Acontece o seguinte,

              Sa criação de emprego baixou -50%, se o PIB está praticamente no zero, se a PEA continua crescerndo, então como pode o desemprego ter diminuído?

              Os dados são conflitantes entre si, vai além de só incosistentência que vinha ocorrendo desde janeiro.

              ou manipulação, ou erro de metodologia

              0
              • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 21:34

                O conceito de “desempregado” é “procurando emprego há no máximo X meses, sem ter conseguido”. Após X meses, mesmo sem ter emprego, não é mais “desempregado”.

                É uma metodologia com “proteção contra más notícias”. Eu acho ridículo, mas faz parte.

                0
                • Pablo 22 de junho de 2012 at 21:54

                  Ricardo;

                  Reveja seus conceitos:

                  GM prorroga PDV em São José e abre outro em São Caetano

                  22/06/12 18:28

                  De acordo com a companhia, prorrogação visa adequação ao cronograma de produção, enquanto novo programa atende reivindicações do Sindicato.

                  A General Motors do Brasil prorrogou o Programa de Demissão Voluntária (PDV) para os empregados da unidade de São José dos Campos, anunciado em 5 de junho. Com a ação, o PDV irá até 2 de julho, conforme nota enviada à imprensa nesta sexta-feira (22/6).

                  Segundo a GM, a prorrogação foi necessária para cumprir o objetivo de adequação ao seu atual programa de produção.

                  “As razões desta decisão são baseadas na intensa competitividade do mercado brasileiro de veículos, além dos crescentes custos de mão de obra, matérias primas e insumos em geral”, informou a empresa.

                  Além disso, a General Motors abriu nesta sexta-feira um programa de demissão voluntária para os empregados horistas com contrato por prazo indeterminado de São Caetano do Sul.

                  De acordo com a companhia, essa decisão atende uma reivindicação do Sindicato dos Metalúrgicos da unidade.

                  0
                  • Ricardo Eng 25 de junho de 2012 at 00:11

                    E sua prova é um PDV? O fato de abrirem PDVs é exatamente uma prova de que esse setor é diferente e demite pouco.

                    Ainda é uma indústria que demite muito pouco diante de dificuldades. Em diversos outros setores flutuações muito menores nas vendas causam demissões imediatas. E o que facilita isso é o fato dos funcionários ganharem muito dinheiro com horas extras, por exemplo.

                    Eu não disse que é absolutamente impossível que essa indústria demita e sim que eles são diferentes do resto do mercado.

                    0
          • Davi 22 de junho de 2012 at 14:41

            No começo do ano, nao sei se vc se lembra (janeiro), uma comitiva de empresários foram a brasilia falar com a presidenta, certamente falaram:

            “E ai? Tem solução para evitar o desemprego ? ”

            “Governo: Sim, guenta ai que vamos falar com os banqueiros”

            Deu no que deu … acho que ia haver muito desemprego já no primeiro semestre e o governo então fez acordo com os empresários.

            0
            • Luiz 22 de junho de 2012 at 16:01

              Davi pra resolver o problema do desemprego desconfio que eles foram conver$ar com o pessoal do IBGE.

              Se vc não pode mudar o resultado, mude o universo de pesquisa.
              se os empregos criados caíram 50%, mude o total de população procurando emprego

              0
              • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 16:48

                fiz um trabalho de corno, fiquei catando dado no site do ministério do trabalho… de jan a mai desse ano o numerod e empregos criado foi de 1067k, no mesmo período em 2011–>1692k e em 2010–>2105

                ou seja, o crescimento do emprego é menos de metade do que 2011 e bem menor que 2011….. e o desemprego cai….sei….. agora conta a do portugues….

                0
                • Luiz 22 de junho de 2012 at 17:21

                  Paulo D, se vc tiver saco faz a conta do universo, a tal da PEA, pq é daí que eles tiram a porcentagem.

                  Ah mas eu sou capaz de apostar que o erro é assim bem crasso, [email protected] não tem nenhuma sofisticação. (ou morreu mesmo mto desempregado esse mês).

                  0
          • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:30

            Tem empresa que segura operador cachaceiro e ladrão durante anos, pois apesar de tudo o cara sabe trabalhar. Tentam trocar o cara toda hora, mas os novos funcionários nunca entregam resultados, pois são em geral meninos formados no SENAI e que acham que sabem tudo.

            Hahaha, muito bom tô passando por isso, agora sei porque é o “senhor preconceituoso”, ninguém entende, somente quem vive na carne.

            A vida de peão é assim: trabalha 1 ano com carteira assinada e faz bico nos próximos 4.

            kkkkkkkkkkk, isso mesmo, predrero tudo igual.

            0
  • Marcos 22 de junho de 2012 at 11:50

    Gostaria de compartilhar com os leitores deste blog, um recente artigo (publicado em 18/06/2012). Esse artigo fala sobre o rebaixamento da nota da Gafisa e da Tenda. A justificativa desse rebaixamento é aquilo que estamos “carecas” de saber, ESTOQUE ALTO E NÚMERO ELEVADO DE DEVOLUÇÕES, que eles chamam de distratos. Vejam o artigo completo em:

    0
  • Ricardo Eng 22 de junho de 2012 at 11:54

    Só faltava essa: vazamento de informações por parte de gerentes de banco metidos a corretor.

    Meu sobrinho está comprando um terreno baldio ao lado de sua casa, que está vazio há mais de 30 anos. A família dona do terreno finalmente resolveu os zilhões de pendências relacionadas a herança e processos judiciais e decidiu vender o terreno o mais rápido possível, sem ficar rezando pelo aparecimento de propostas de construtoras e afins.

    Ele ofereceu 100 mil à vista (por 150 m2, Vila Formosa, SP, a uns dois quarteirões do CERET) e aceitaram. Eu achei caro, mas possui valor estratégico para ele. Se construísse uma casa completa ali, o valor total com terreno ultrapassaria os R$ 250 mil, o que eu acho demais para aquela região. O local é bonito, cheio de praças, prédios de alto padrão e casas grandes (de quem chegou na região há zilhões de anos e foi crescendo na vida e comprando Captiva e CR-V em 72x), mas não deixa de ser “lá nos quintos da Zona Leste”. Lá os sobradinhos em terrenos de 100-120 m2 estão sendo vendidos por R$ 200 a R$ 250 mil, o que significa que ele pagou um “preço de mercado” pelo terreno. Na mesma rua já foi vendido um terreno parecido, levemente maior, por R$ 60 mil, em 2009.

    Negocia aqui, negocia ali e aceitaram pelos mesmos R$ 100 mil se ele financiasse também. De qualquer forma, ele pensou: vou financiar terreno + construção e economizar nos juros.

    Aí vai lá ele na Caixa, ver todos os detalhes. Como ele queria apenas construir um adendo para a casa dele, junto a um jardim grande com churrasqueira e etc., pediu um empréstimo de R$ 180 mil.

    O retardado do gerente acha que ele estava “sondando” imóveis no mercado e um corretor amigo dele começou a enviar propostas de casas entre R$ 150 e R$ 200 mil para ele. O engraçado é que enviou como sugestão uns 20 imóveis localizados em FAVELAS. Um deles era uma casa em terreno de 70m2 na FAVELA DE HELIOPÓLIS. PQP!!!

    Isso para mim é crime. Passar informações dessa natureza para vendedores é quebra de sigilo bancário. Ele já está conversando com a ouvidoria do banco e pensando em acionar criminalmente o gerente.

    0
    • RosinhA 22 de junho de 2012 at 12:07

      Ricaro Eng, não viu nada ainda procure saber sobre leilão de imóveis é ainda pior

      0
      • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 12:40

        rosinha, pretendia ver leilões em breve pois acho que vão pipocar imóveis de neguinho que não pagou financiamento…. mas fiquei com medo da sua frase….

        é forma de falar ou tem máfia mesmo????

        0
        • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:38

          Paulo D, máfia mesmo em todos os níveis, o Bradesco sempre manda os papéis de leilões pois sou correntista, dei um lance uma vez e o cara que comprou pagou 1k a mais somente, segunda vez mesma coisa dei 3k acima do mínimo, o mesmo cara arrematou por 1k a mais, pensei que ele estava no presencial, questionei a minha gerente ela levantou os dados e disse que sua oferta sempre vem 1 hora antes do final e nunca esteve presente.

          Pode ser que a Caixa e outros bancos seja diferente, mas sempre os compradores que conheci eram os funcionários dos bancos, pode ser apenas uma pequenina coincidência, mas veja o estado, pois a única que meu pai consegui comprar o maldito arrancou até os fios da parede, e a privada também, ainda bem que pagou barato !!!

          0
          • thiago fm 22 de junho de 2012 at 20:56

            Funcionário da CEF é proibido de comprar imóveis nos leilões do banco e por mais difícil que seja acreditar, não tem taxa mais atrativa que qualquer funcionário público extra – Caixa

            0
  • estudante 22 de junho de 2012 at 12:38

    Hoje me senti pobre.
    Fechei um serviço com um empreiteiro e ele me chega de astra SS 2008 (completo e teto solar).
    Estou no último ano de administração, estudei em um dos melhores colégios particulares de SP, sou empresário, e ando de corolla XEI 2004 e moro de aluguel.
    Vai entender.

    0
    • RosinhA 22 de junho de 2012 at 12:41

      Não se sinta assim meu funcionário anda com carro melhor do que o meu, so que o dele ainda restam 40 e poucas prestações,carro já foi sinônimo de status, hoje qualquer um financia o que quer, vai ver onde seu empreiteiro mora,e como mora, ficará surpreso.

      Ps: Prefiro corolinha 2004 do que o Astra 2008 😉

      0
      • estudante 22 de junho de 2012 at 12:51

        O que me entristece é exatamente essa ingenuidade (para não falar burrice).
        Como uma pessoa resolve comprar um carro financiado em meses e meses pagando juros elevados, ao invés de realmente se preocupar com uma melhoria na qualidade de vida.
        Por exemplo, a auxiliar de compras da minha empresa tinha terminado de pagar o carro dela, um palio, e já queria trocar e pular para outra divida. Tive que intervir, conscientizei ela a fazer um curso técnico para que mude de posição dentro da empresa e consiga uma salário melhor.

        As pessoas parecem que tem dificuldade em compreender o que é realmente melhoria na qualidade de vida, e isso não se resume a carros e casas financiados.

        0
        • self 22 de junho de 2012 at 13:25

          Prefiro chamar de burrice premeditada e consciente. Basta a pessoa olhar um pouquinho além do seu cabresto para ela perceber a lama em que enfiou o pé, afinal.

          0
        • DBA 22 de junho de 2012 at 13:44

          Sou um dos únicos no meu trabalho que não têm carro. E sou um dos que moram mais longe. Já me perguntaram, em tom de ironia: “você quer ser rico?” Como se fosse: “esquece isso, não dá, compre logo um carro!”
          Um dos meus colegas comprou um Sandero porque o vizinho tinha um Celta e ele queria um carro melhor do que o do vizinho. Depois que ele comprou o Sandero, o vizinho também comprou um. Que disputa imatura!

          0
          • self 22 de junho de 2012 at 17:30

            Quando te perguntarem novamente “você quer ser rico?” em tom de deboche, responda: “e você, quer ser pobre mas posar de rico?”.

            0
            • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:46

              Boa!

              0
        • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:40

          As pessoas parecem que tem dificuldade em compreender o que é realmente melhoria na qualidade de vida, e isso não se resume a carros e casas financiados.

          Frase perfeita sem comentários.

          0
    • hannamanana 22 de junho de 2012 at 15:57

      Se ele é um cara rico, cheio da bufunfa, capaz de encher a bolsa de várias gerações futuras… bom pra ele. Agora, se ele anda assim tendo quilos de códigos de barra de dívidas… coitado dele!
      De qualquer forma, o importante é que você viva bem.
      O índio pré-colonial não se sentia mal por andar nu.

      0
    • ray 23 de junho de 2012 at 19:17

      Meu amigo, tenho 2 faculdades e ando de carro 1000…

      Um homem não é o carro que pilota…

      0
      • ray 23 de junho de 2012 at 19:32

        mais…

        Um dos caras mais bem pagos da empresa q trabalho não tem carro.

        As pessoas tem o hábito de ver o carro como um símbolo de status e prosperidade: esquecem que ele é só um meio de locomoção(e diversão pra quem gosta).

        0
  • Fernandão Bolhudo 22 de junho de 2012 at 12:56

    Tem uma sala num fórum de discussão em que o pessoal faz bons posts.

    Há apenas uma pessoa que defende fortemente que o mercado está muito bom e sustenta que haverá mais altas.

    Tal sala tem uma ótima qualidade do ponto de vista dos argumentos, à vista dos dados trazidos.

    Recomendo a leitura e chamo a atenção para o fato de que o forista que defende o mercado imobiliário argumenta muito bem. É claro que ele usa sofisma em tudo e logo se percebe isso. Mas o melhor é que os outros foristas conseguem, de forma sempre respeitosa e com a mesma qualidade de argumento, derrubar a todas as argumentações pró especuladores imobiliários.

    Vejam: “http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1127753&page=212

    0
    • RMJ 23 de junho de 2012 at 02:44

      Acompanho esse sala há muito tempo, já que trata do mercado imobiliário de BSB. O interessante é que há participantes do fórum que são corretores e defendem a tese da bolha imobiliária.

      0
  • Fernandão Bolhudo 22 de junho de 2012 at 13:05

    Pessoal, o que acham disso:

    “http://www.politicaeconomia.com/2012/06/alugar-financiar-ou-comprar-um-imovel.html#more

    Trata-se de uma mensagem enviada por um consumidor ao Blog da Kassia Tavares. É uma ótima blogueira, por sinal.

    É interessante porque é uma situação concreta de pessoa que está atrás de imóvel para compra e como ele próprio anda avaliando isso.

    0
    • Luiz 22 de junho de 2012 at 13:25

      A Kassia ótima blogueira, kkkkkk

      Aqui ela ficou conehcida como a Tia de Paris, só falva merda pra justificar os preços de imoveis no Rio, e pior, pela conversa ficou claro que ela nao conhece nem Paris, nem o Rio.

      0
      • Fernandão Bolhudo 22 de junho de 2012 at 13:33

        Tá loco! Ela é corretora?

        Enfim… Ela, a pesar de escrever e argumentar muito bem, realmente não trouxe nada de novo no texto dela.

        O problema é o fato. Vivemos uma bolha imobiliária. Não adianta a pessoa, por melhor que possa advogar pela causa especuladora, tentar redesenhar essa bolha, transformando-a num quadrado.

        Não tem jeito. Comprar agora – ou mesmo a partir de 2009 em que os preços já tinha subido muito – é burrice e não terá salvação na ressaca que esse mercado está sofrendo e ainda tende a se aprofundar.

        0
      • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 13:45

        eu fiquei pensando que quem mandou a msg fossem alguém aqui do blog pois é um tapa na cara e ela nem consegue perceber…. tem a audácia de falar que vale comprar …… vale o (*&$ investe 800k no banco e paga aluguel que a pessoa ganharia muito mais…. boa blogueira só se a dilma for uma boa presidenta….

        0
        • Fernandão Bolhudo 22 de junho de 2012 at 14:18

          Sei quem é o figura. É um chará que trabalha comigo. O negócio dele é verdadeiro. Ele quer comprar de qualquer jeito. Mas ele mesmo não consegue entender como isso seria melhor para ele.

          É aquela velha história: a emoção falando mais alto. Mas nem esse lado emocional dele tem lhe retirado a derradeira razão. E olha que a situação financeira dele é realmente muitíssimo favorável, mesmo em tempos de crise, pois ele ocupa um cargo de estirpe superior no serviço público.

          A Katia, a pesar de escrever muito bem, não conseguiu convencer o cara. É que, nas palavras dele, “…a situação fática e o contexto racional atestam que comprar imóvel a esses preços bolhudos se transformou na mais verdadeira e genuína burrice.”

          0
          • Luiz 22 de junho de 2012 at 15:26

            escreve bem coisas nenhuma, enrola bem isso sim

            É o que há de pior na blogosfera, consegue ser pior que o site do André. Se for escrever aqui o que eles fazem, capaz de ficar feio pra mim.

            0
            • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 16:51

              quando o Collor poderia voltar a concorrer a cargos públicos lembro que ele foi no programa livre do serginho groisman… o publica tava xingando ele e o serginho disse “deixem ele falar”….
              lembro a pergunta: “o que vc faria se voltasse a ser presidente do Brasil”
              o collor enrolou passando por palavras bonitas, mas sem dizer nada de concreto…. no fim o pessoal estava aplaudindo ele (!!!!)

              é igual a kátia, fala bem, mas não diz nada.

              0
              • Luiz 22 de junho de 2012 at 17:17

                A tia kassia me lembra a minha faxineira

                Aminha faxineira trbalhava bem, derepente passou a trabalhar mal pra cacete, mas aí 6 meses depois agora recentemente voltou a trabalhar bem

                A tia kassia é que nem a minha faxineira, hora faz bem, ora faz mal feito, não importa.

                O trabalho dela não vale mais que 70 reais, nunca.

                0
    • Corvo 22 de junho de 2012 at 14:43

      A argumentação dessa Kassia é de jardim de infância….dá até dó…….

      0
      • Luiz 22 de junho de 2012 at 15:31

        vão os idiotas gastar tempo com a nova consultora financeira
        as vezes penso que até pode ser bom
        um idiota com mto dinheiro na mão é um perigo

        0
        • Fernandão Bolhudo 22 de junho de 2012 at 16:06

          Não seja tão otimista. Mesmo a idiotisse tem limite. E esse limite já foi alcançado. Azar dos especuladores.

          O que quero dizer com isso é que mesmo quem tem muito dinheiro na mão ou nem liga para o próprio dinheiro já puxaram o freio de mão e não estão comprando nada disso. Mesmo em seus devaneios imobiliários, o lapso de lucidez dos apressados e alienados compradores chegou: esse mercado virou uma fraude e todo mundo já sabe disso. Até os idiotas cheios de $$$ na conta.

          Fiquei chapado com a sugestão da Kassia em comprar um imóvel na planta. E achei meio louco o fato dela ter afirmado expressamente que o mercado está em tendência de queda. Isso foi bom, porque mostra que até os especuladores admitem que já está “dando merda” para eles.

          0
          • Luiz 22 de junho de 2012 at 16:20

            não acredito Fernando

            a tia de paris era uma dos que vinham aqui falar que imovel valoriza 20% ao ano.

            SENSACIONAL

            0
            • Fernandão Bolhudo 22 de junho de 2012 at 17:20

              Não enquente… Essa bolha vai estourar um dia. Cedo ou tarde. E acho que mais cedo do que a maioria imagina.

              Não tem como viver essa vida de rico num país de gente pobre. Eu tenho é dó de quem foi para o enforcamento de 30 anos.

              Os únicos que sofrerão menos, são os que pagaram à vista. A desvalorização vai doer. Mas muito menos do que no caso daqueles que foram à forca financeira do financiamento de décadas. E estes são a maioria dos bobos que caíram na rede do estelionato imobiliário que esse mercado se tornou.

              0
              • Luiz 22 de junho de 2012 at 18:08

                não mesmo, achei semana passada um que me interessa pelo preço de 2010.

                se estourou não sei, mas tá facil achar essas quedas, unica questão que tem que ser rapido.

                0
            • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:43

              Xangai postou lá em cima suas façanhas, vejam lá ….

              0
  • Ricardo 22 de junho de 2012 at 13:16

    Ontem, dia 21/06/2012, recebi (pela primeira vez) a ligação de uma corretora da Lopes. Ela ofereceu um investimento imperdível na região do Paraíso (SP).

    1 – Primeiro , ela explicou que era um ótimo investimento, que imóvel sempre valoriza e teria ganho certo. Afirmou que a demanda estava superaquecida (mas penso, se está aquecida, por que ela liga para mim).

    Respondi dessa forma: Vc coloca no contrato a valorização “certa” (lógico que ela disse “não posso, mas garanto”?
    Sobre investimento que sempre valoriza, afirmei que os Espanhóis, americanos e japoneses diziam o mesmo.

    Citei sobre a bolha de crédito, situação mundial caótica, aumento da oferta e queda da renda, acompanhada por aumento de inadimplência……….. Ou seja, ministrei um curso de economia (sou formado em economia).

    2 – A corretora, com os argumentos apresentados, nem tentou mais argumentar……………. Foi simpática, mas como dizem “contra fatos , não há argumentos”.

    A bolha se aproxima…

    0
  • TS 22 de junho de 2012 at 13:57

    Dica de tópico

    Reportagem passada pelo usuário Laranja

    revista.construcaomercado.com.br/negocios-incorporacao-construcao/131/artigo260102-2.asp

    0
    • xangai 22 de junho de 2012 at 14:10

      feirao … juros mais baixos … limpeza de estoque … uma curvinha que deve ascender um pouquinho depois de uma pequena queda e marasmo.

      se isso nao for famoso “bull trap” … realmente “aqui eh diferente” .

      0
      • TS 22 de junho de 2012 at 14:14

        Os estoque hj estão em torno de 34 bi.

        0
    • Ploc 22 de junho de 2012 at 15:17

      Alguém pode traduzir essa frase:

      “Segurar unidades serve para poder reajustar valores, cobrindo possíveis desvios de orçamento. Mas nosso motivo principal é assegurar o preço mais alto e fazer com que os compradores tenham a sensação de ganho”
      Emilio Fugazza diretor financeiro e de relações com investidores da Eztec

      Que porra é essa “assegurar o preço mais alto e fazer com que os compradores tenham a sensação de ganho”

      E essa aqui:

      “Se imaginarmos lucratividade de 20% e estoque de até 20% das unidades, boa parte do lucro será representado por esse estoque”
      Laerte Temple professor de gestão em negócios imobiliários da ESPM

      como assim imaginarmos? Eu posso imaginar lucro de -30% também …

      E como sabem de tudo:
      “Na contramão do que acontece em outras capitais, Curitiba é hoje uma cidade com estoque de imóveis praticamente zerado, segundo presidente da Ademi-PR, Gustavo Selig.”
      Eu não moro em Curitiba mas pelo que eu vejo aqui no blog não é bem assim não.

      Esse povo tá tomando algo muito bom mesmo.

      PLOC

      0
      • Francisco Quiumento 22 de junho de 2012 at 15:49

        “Segurar unidades serve para poder reajustar valores,”

        Deixa eu ver se entendi: o realizável deve ficar “na prateleira”, e o fluxo de despesas que tem-se, que se dane?

        Enquanto isso, a concorrência, com preço mais baixo, vende e passa-se a ficar com a mercadoria na prateleira “à força”?

        “cobrindo possíveis desvios de orçamento.”

        É, mas depois que os custos e gastos já foram feitos, o que resta é preço, e enfrentar o mercado.

        “Mas nosso motivo principal é assegurar o preço mais alto e fazer com que os compradores tenham a sensação de ganho.”

        Comprador que não compra não ganha coisa alguma, aliás, na verdade, não tem o gasto.

        E “sensação” em contabilidade e finanças é algo tão útil quanto orgasmo para um anestesiado em sala de cirurgia.

        😉

        0
      • Laranja 22 de junho de 2012 at 15:56

        Cara, nós sabemos desta tática da “sensação de ganho”, que inclusive faz o investidor ficar comprando, comprando, sem ao menos realizar (vender ou alugar) o primeiro imóvel adquirido… mas esta frase na reportagem, assim? Acho que falou demais…

        0
      • hannamanana 22 de junho de 2012 at 16:05

        “Segurar unidades serve para poder reajustar valores, cobrindo possíveis desvios de orçamento. Mas nosso motivo principal é assegurar o preço mais alto e fazer com que os compradores tenham a sensação de ganho”
        Segundo o Google Tradutor:
        “Você quis dizer…
        Escondemos todas as pingas, batizadas, medianas e puras, num armário trancado no alambique para assim fazendo com que, artificialmente, todas se valorizem por não estarem ai tão fácilmente ao alcance dos bebuns. Mas, nosso principal motivo é assegurar que no mercado elas saiam todas com valor alto e assim, o malaco saciado sairá com a sensação de que está experimentando a melhor bebida do planeta”

        0
        • RosinhA 22 de junho de 2012 at 19:45

          Hanna quando não apareçe fica chato 😉

          0
      • AF 22 de junho de 2012 at 17:20

        “Vender mais rápido ou mais lentamente também depende da necessidade de investir ou não em novos terrenos”

        E o CNPJ único?

        “segurar unidades em empreendimentos bem localizados, com pouca concorrência e boa procura é também uma estratégia adotada por alguns players”

        100% vendido no 1º dia de lançamento?

        0
      • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:33

        “Segurar unidades serve para poder reajustar valores, cobrindo possíveis desvios de orçamento. Mas nosso motivo principal é assegurar o preço mais alto e fazer com que os compradores tenham a sensação de ganho”

        – Significa cartelizar o mercado.

        “boa parte do lucro será representado por esse estoque”

        – Aqui ficou legal, lucro é estoque, então se a fábrica guardar tudo que ela fabrica em estoque beleza!

        “Na contramão do que acontece em outras capitais, Curitiba é hoje uma cidade com estoque de imóveis praticamente zerado, segundo presidente da Ademi-PR, Gustavo Selig.”

        – Aqui acho que ele deve estar falando em ocupação, ou seja, o estoque de imóveis ocupados está praticamente zerado, os que tem estão vazios, hahaha.

        0
        • Bolha Imobiliária 22 de junho de 2012 at 22:16

          Cara, só pra quem mora em Curitiba sabe o tamanho do absurdo que este sujeito está falando. O estoque pode estar zerado, mas não tem ninguém morando nos apartamentos. O Silva Jardins, aqui perto de casa, deve ter uns 100 apartamentos, ficou pronto agora. Tem somente 3 luzes acesas…
          Se não tivesse estoque, as construtoras não estariam desesperadas para tentar vender o que eles não tem…Cada uma que me aparece, me dá nos nervos

          0
          • Cleyton 22 de junho de 2012 at 22:20

            Tem um gigantesco no Barigui que de noite fica apagado, acho que nem o porteiro fica lá.

            0
            • Bolha Imobiliária 22 de junho de 2012 at 22:21

              Ah é, qual prédio que é este ? Trabalho praticamente do lado lá…

              0
              • Cleyton 22 de junho de 2012 at 22:49

                Aquele na Manoel Ribas perto do Dom Bosco, um pouco antes do portal.

                Costumo passar por lá a noite e tá sempre apagadão.

                0
  • Francisco Quiumento 22 de junho de 2012 at 14:13

    Boa tarde, “bolhófagos” * !

    1)

    Uma metáfora futebolística que muito me agrada:

    Santos, em tempos de Pelé e Pepe, enfiando uma sacolada de 8 a zero num timeco do interior paulista.

    Aos 43 minutos do segundo tempo, o Santos praticamente fazendo um “bobo” com a bola parta não piorar a humilhação, deixa escapar uma bola, e num lance que inclui sorte, o seu inferior adversário marca um gol meio “chorado”.

    O locutor da rádio local, empolgadíssimo, aos berros:

    -COMEEEEEEEEÇA A REAÇÃO!

    Pegaram?

    Gafisa, 2,94, com claros sinais de ladeira a baixo, MAIS.

    2) Impressionante é a psicologia dos corretores, que ainda acham que este papinho de “para o alto e avante” cola.

    3) Enquanto isso, a bolha paralela e significativa, em meio a enorme “espuma” que tornou-se nossa economia, já gerando manchetes de “semi-usados” (léxicamente, pergunto: que POHA é essa?) sendo vendidos cada vez mais baratos.

    Adivinhem se a industria automobilística não vai passar por lágrimas e rangidos de dentes?

    Falei. Não foi tiro no pé. Foi um SUV enorme, largado de um guindaste, de bico de parachoque, em cima dos dois pés.

    []s

    *Aqueles que devoram a bolha. 😉

    0
    • Seu Madruga 22 de junho de 2012 at 19:09

      Há, há, há! “semi-usado”?!?! Que porra é essa? Tá que nem o filho do vizinho que é semi-viado!!!! Ou aquela moça que fala que vc é o segundo homem da vida dela!!!! Desculpem os comentários politicamente incorretos, mas “sei usado” é demais!
      Senhor! Dai-me paciência, pois com força ainda mato um corretor de porrada!!

      0
  • Anonymous 22 de junho de 2012 at 14:15

    Gas prices down 6% this month

    “http://money.cnn.com/2012/06/22/news/economy/gas-prices/index.htm?source=cnn_bin”

    … The national average price of unleaded gasoline fell to $ 3.45 per gallon …

    Significa 3.45 / 3.785412 * 2.05 Reais/litro = 1.87 Reais/litro

    Enquanto isso, na Banânia que dizem ser auto-suficiente em pretóleo e além disso tem o pré-sal, a gasolina custa cerca de $ 2.45 Reais/litro em Sao Paulo (SP) e cerca de 2.60 Reais/litro em Salvador (BA).

    “http://www.precodoscombustiveis.com.br/”

    PS: Deixai, deixai logo a Banânia, ide ao Velho Mundo ou à Terra dos Livres.

    0
    • SF 22 de junho de 2012 at 15:17

      R$ 2,79999999999 no RJ…absurdo total!!!!

      detalhe, a gasosa tem 20% de etanol…e outras coisas mais q só Deus sabe!!!

      0
    • Engenheiro-SJC 22 de junho de 2012 at 18:20

      E vai subir 10% em julho!!!

      h t tp://www.dgabc.com.br/News/5964749/gasolina-deve-ficar-10-mais-cara-a-partir-de-julho.aspx

      0
  • charles 22 de junho de 2012 at 14:16

    Uma das coisas que é realmente única nessa parte do mundo (Lituânia) é ter acesso a muitas pessoas com experiência de primeira-mão sobre a vida sob o regime soviético.
    É bizarro dizer isso, mas as histórias que elas contam são extraordinárias.

    Ontem a noite fui jantar com alguns amigos, incluindo uma senhora que era apenas uma criança no fim de segunda guerra.

    Ele contou que sua família era rica proprietária de imóveis próximo a capital … até o dia em que o governo soviético veio, confiscou suas propriedades e mandou os adultos para a Sibéria.

    “houve tantas oportunidades de sair antes”, ela disse, “mas eles nunca imaginaram que as coisas ficariam tão ruins. Todos viam o que acontecia em outros países, mas minha família nunca imaginou que aquilo poderia acontecer conosco.”

    Apesar de que, muito provavelmente, as pessoas não serão mais mandadas para a Sibéria, a lição é ainda valiosa.

    É muito fácil olhar a sua volta e pensar “isso não pode acontecer aqui. Isso não vai acontecer aqui.” Mas isso é um pensamento ingênuo.

    Governos roubam e gastam dinheiro dos outros de uma forma negligente. Eles criam dinheiro de papel do nada, roubam o futuro de gerações que ainda nem nasceram, e criam barreiras entorpecentes ao crescimento real.

    Não existe ninguém que seja confiável para fazer a coisa certa.

    Aqui na Europa, o governo grego está se servindo das contas bancárias de seus cidadãos; o governo italiano está em vias de congelar as contas bancária sem prévio aviso.

    A polícia espanhola está envolvida numa luta sangrenta contra trabalhadores protestando contra as medidas de austeridade. Os líderes da UE em Bruxelas anunciaram sua intenção de impor controle de capitais como parte do plano de recuperação.

    Essa é a realidade atual. Isso pode acontecer aqui, e provavelmente acontecerá. E francamente, isso está se desenrolando quase que exatamente como já ocorreu inúmeras vezes na nossa história.

    Uma nação cresce e se torna rica baseada em princípios sólidos e no trabalho duro de suas primeiras gerações
    Eventualmente, ser rico se torna uma expectativa natural…. um “direito”, em vez de um objetivo a ser alcançado pelo trabalho
    A nação começa a viver além de suas posses para manter a alta qualidade de vida sem trabalho duro, se valendo de sua credibilidade para trocar a produção futura pelo consumo atual.
    Viver além de suas posses se torna insustentável em algum momento. O governo começa a desacelerar, cambalear, desvalorizar a sua moeda
    O mercado (ou melhor, as pessoas) finalmente se dão conta da fraude sendo perpretada
    Recessão financeira vem logo depois, altos impostos que roubam dos produtivos, juros reais negativos que roubam dos poupadores, etc
    Fuga de capital vem em seguida. As pessoas pegam seu dinheiro e fogem
    Os governos implantam controle de capitais, controle de fronteiras, controle de preços e salários, e tudo mais que podem para manter o status quo. As pessoas finalmente descobrem a quem realmente a polícia serve e protege
    Moratória (default) é o final do jogo; o sistema reseta e começa tudo de novo
    Isso não é nenhuma novidade. Desde a 3a dinastia de Ur (2000 AC) à Veneza medieval, às histórias dos impérios Romano e Otomano, o mundo está cheio de monumentos as grandes civilizações falidas.

    Nós estamos vendo a mesma coisa acontecendo agora. E com certeza, qualquer coisa é possível. Talvez os céus vão se abrir e unicórnios viram brincar e o mundo inteiro conseguirá se ajustar sem que haja luta.

    Mas voltemos a realidade: há consequências quando as nações vão a falência. E praticamente todas as nações ocidentais hoje estão insolventes. Isso é um fato. Certamente, as mentiras contadas por nossos líderes políticos podem até ser divertidas. Mas quanto mais revoluções, conflitos, moratórias, corrida aos bancos, pacotes de estímulos, nacionalizações, aumento de impostos, redução de pensões, etc, para que as pessoas entendam o que está acontecendo?

    Quem pode se dar ao luxo de ignorar a realidade? Você pode?

    “http://rcesar.net/2012/06/e-agora/”

    0
    • Anonymous 22 de junho de 2012 at 14:31

      A descrição aplica-se à perfeição aos EUA 😉

      Uma nação cresce e se torna rica baseada em princípios sólidos e no trabalho duro de suas primeiras gerações Eventualmente, ser rico se torna uma expectativa natural…. um “direito”, em vez de um objetivo a ser alcançado pelo trabalho. A nação começa a viver além de suas posses para manter a alta qualidade de vida sem trabalho duro, se valendo de sua credibilidade para trocar a produção futura pelo consumo atual. Viver além de suas posses se torna insustentável em algum momento.

      0
      • Fernando II 22 de junho de 2012 at 16:02

        lendo o post lembrei do livro “This time is different” da Carmen Reinhart. A História realmente se repete…

        0
      • hannamanana 22 de junho de 2012 at 16:08

        PERFEITO!

        0
  • Socorro!! 22 de junho de 2012 at 15:03

    E O RIO TA ASSIM…ONDE ISTO VAI PARAR ?? .ACABEI DE RECEBER ESTE EMAIL

    NA MELHOR LOCALIZAÇÃO DO CATETE.
    RUA CORREA DUTRA, COLADO AO METRÔ.
    SÃO 70m² EM SALA 2 QUARTOS DEPENDÊNCIAS COMPLETAS.
    6ª ANDAR DE FUNDOS PARA UMA VILA. CLARO E AREJADO.
    POSSIBILIDADE DE VAGA DE GARAGEM ALUGADA NO PRÉDIO.
    PREÇO R$ 610.000,00
    ACEITA PARTE FINANCIADA PELA CEF.
    VISITAS

    0
    • self 22 de junho de 2012 at 15:24

      Vamos lá.

      “NA MELHOR LOCALIZAÇÃO DO CATETE.
      RUA CORREA DUTRA, COLADO AO METRÔ.”

      Mentira. Primeiro que tem rua melhor no bairro. Segundo que nenhum ponto desta rua é COLADO ao metrô. OK, a estação Catete fica bem próxima, mas não é colada nem ao cruzamento com a Rua do Catete.

      “SÃO 70m² EM SALA 2 QUARTOS DEPENDÊNCIAS COMPLETAS.
      6ª ANDAR DE FUNDOS PARA UMA VILA. CLARO E AREJADO.”

      Duvido que a cozinha seja arejada, com ventilação direta. Pergunte ao corretor se cabe uma boa cama king size com dois criados-mudos em cada um dos quartos, fora bons armários e escrivaninha. Duvido.

      “POSSIBILIDADE DE VAGA DE GARAGEM ALUGADA NO PRÉDIO.
      PREÇO R$ 610.000,00”

      Nunca entendi esse “possibilidade” de vaga. Ou tem ou não tem, bolas. O preço tá bolhudíssimo; ofereça 40%.

      “ACEITA PARTE FINANCIADA PELA CEF.”

      Não faz diferença ao vendedor aceitar financiamento ou não, pois ele vai receber a grana da mesma maneira. Novamente: ofereça 40%.

      0
  • Sir Income 22 de junho de 2012 at 15:06
    • self 22 de junho de 2012 at 17:24

      DESCOBRIU A AMÉRICA

      0
    • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:28

      E para pessoas físicas? Seria igual mas ao contrário?

      0
  • Paulo D. 22 de junho de 2012 at 15:18

    toca meu celular:
    “por favor o sr. Paulo”
    “sou eu.”
    “sou da coelho da fonseca e queria te convidar para um lançamento ao lado do metro jabaquara…”
    ameaço falar alguma coisa interrompendo-a
    “ah…. o sr. também não quer, hoje eu não to com sorte”

    fiquei com tanta dó da menina pois o desanimo na voz dela era real…. cansaço e desanimo…. deve ser contratada pra fazer lançamento bombar….

    0
  • Laranja 22 de junho de 2012 at 16:00

    Anonymous, esta é especial pra ti:

    22/Junho/2012
    Setor imobiliário volta a apostar nos flats

    Para evitar superoferta, Secovi lança manual que regula a construção e prevê responsabilidade do incorporador pela rentabilidade na operação.

    HAHAHAHAHAHA!

    “http://www.piniweb.com.br/construcao/mercado-imobiliario/setor-volta-a-apostar-nos-flats-261331-1.asp”

    0
    • Luiz 22 de junho de 2012 at 16:22

      FLATS ???
      ISSO É SÉRIO???

      HAHAHAHA

      0
  • Fabiano 22 de junho de 2012 at 16:13

    Junho 22, 2012 – 14:46

    GM abre novo PDV em São José, segundo sindicato

    Ainda de acordo com o sindicato, a medida se estende também à fábrica de São Caetano; montadora diz que a decisão também foi baseada na intensa competitividade do mercado brasileiro de veículos

    São José dos Campos

    Atualizada às 15h40

    O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos emitiu uma nota na tarde desta sexta-feira anunciando que a GM (General Motors) abriu um novo PDV (Programa de Demissão Voluntária) na fábrica da cidade. Ainda de acordo com o sindicato, a medida também se estendeu à fábrica de São Caetano.

    A nota diz que o PDV foi aberto para todos os funcionários da produção.

    E no último PDV anunciado pela GM, encerrado no dia 15 de junho, 186 trabalhadores aderiram à medida.

    Outro lado. Confira a íntegra da nota enviada pela montadora:

    ‘A General Motors do Brasil decidiu prorrogar para até o próximo dia dois de julho de 2012, o Programa de Dispensa Voluntária (PDV) anunciado no último dia cinco de junho de 2012, para os empregados da unidade de São José dos Campos (SP), incluindo horistas e mensalistas. As razões desta decisão são baseadas na intensa competitividade do mercado brasileiro de veículos, além dos crescentes custos de mão de obra, matérias-primas e insumos em geral. A empresa considera necessária a prorrogação do prazo inicial, com o objetivo de se atingir o ajuste estrutural adequado para o seu atual programa atual de produção’.

    0
    • RKG 22 de junho de 2012 at 23:13

      Mas é uma pouca vergonha absurda… A GM só não faliu por conta dos lucros bolhudos da filial tupiniquim… Eles querem continuar lucrando no mínimo 50% no valor de produção + impostos, e sobra para o povão, que é cortado na primeira oportunidade… Por que será que a Gurgel não deu certo? Quem manda nisso aqui são as multinacionais… Leiam o Veias Abertas da América Latina, do Eduardo Galeano, e entenderão…

      Deixai, deixai ó iluminados que leem atentamente a estas mensagens a Banânia, antes que os tempos findem…

      0
      • Bitbio 25 de junho de 2012 at 10:04

        Cara me desculpa, mas Veias abertas da América latina é uma das maiores porcarias literárias de todos os tempos. Mimimi comunista de namoradinha de Lenin (não é viúva pq na época a URSS tava viva e forte). Seguem a cartilha a risca Venezuela e Bolívia, por ai vemos a beleza da coisa pois são duas superpotências que governam metade do mundo civilizado. Tive o desprazer de resenhar esse livro em 1900 e araci de almeida numa matéria chamada EPB em minha primeira faculdade. O autor com sorte cortou os pulsos com uma faca de manteiga no governo FHC.

        0
  • KaTsu Nami 22 de junho de 2012 at 16:39

    Matéria:

    ” Evento da Acrefi discutiu o cenário interno e os rumos da economia e inadimplência das famílias brasileiras

    Diante de um cenário de instabilidade externa e temores em relação ao crescimento econômico nacional, a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) realizou, nesta semana, um evento sobre “Varejo e oportunidades de investimento no Brasil”.

    Érico Sodré Quirino Ferreira, presidente da Acrefi
    Durante o cerimonial de abertura, o presidente da instituição, Érico Sodré Quirino Ferreira, analisou o cenário interno e os rumos da economia no país, tendo como ponto de partida as perspectivas da macroeconomia. “Estamos em um ritmo menos acelerado no cenário econômico. Endividar o consumidor, com índices de inadimplência já elevados, não é a melhor alternativa para alavancar o crescimento”, pontuou Ferreira, mencionando que “o momento requer atenção”.

    Carlos Henrique de Almeida, assessor econômico da Serasa Experian, destacou que o Brasil continua crescendo, mesmo que em ritmo menor. “O comércio vem sendo o principal sustentáculo da economia. A evolução do crédito, neste contexto, tem sido determinante”, ponderou. Segundo ele, o crédito crescerá lentamente no 2º semestre. “A inadimplência ao consumidor deve atingir 7% até o final deste ano, dentro da curva que estamos acompanhando mensalmente”, projetou o economista.

    O crescimento da classe média como resposta para manter o ritmo de consumo em alta foi o tema de Samantha Pearson, correspondente do jornal Financial Times no Brasil. “O crescimento da classe média de 2005 a 2011 colocou 40,3 milhões de pessoas na classe C no mercado. A renda média familiar aumentou 66% e, tivemos no Brasil, no ano de 2010, 22 milionários por dia. É um resultado atraente para investimentos”, ressaltou.

    Samantha alerta que o brasileiro gasta um quarto do seu salário em dívidas, o que é motivo de preocupação. “O consumo como principal responsável por não deixar que aconteça uma queda muito acentuada no PIB (Produto Interno Bruto) está se esgotando. É preciso pensar rapidamente em um novo modelo”, enfatizou.

    O economista Paulo Rabello de Castro, sócio fundador da RC Consultores, disse que a situação na Europa, nos Estados Unidos e mesmo nos países emergentes deve impactar os preços das commodities. Na visão dele, o modelo de crescimento com base no investimento retraído em infraestrutura e incentivo ao consumo das famílias, não possibilita o País avançar como deveria. “É necessário deslocarmos incentivo a todos os setores, tendo a sociedade um papel fiscalizador ativo neste movimento”, considerou.

    A valorização da moeda norte-americana contra o real também foi tema abordado por Castro durante o evento. “Podemos ter picos de elevação cambial com o dólar atingindo até R$ 2,20, mas essa oscilação deverá normalizar entre R$ 1,90 a R$ 1,95”, projetou o economista, que finalizou de maneira otimista lembrando que “o varejo continuará crescendo no próximo ano, mesmo que de forma mais lenta. O Brasil, mesmo diante de qualquer crise, terá uma sobrevivência espetacular”.

    Autor: Redação
    Fonte: Meta Análise ”

    FOnte: ‘http://www.consumidorrs.com.br/rs2/inicial.php?case=2&idnot=%2021660

    0
    • Eskeleto 22 de junho de 2012 at 17:04

      Acho que eles erraram só no finalzinho

      A valorização da moeda norte-americana contra o real também foi tema abordado por Castro durante o evento. “Podemos ter picos de elevação cambial com o dólar atingindo até R$ 2,20, mas essa oscilação deverá normalizar entre R$ 1,90 a R$ 1,95”, projetou o economista, que finalizou de maneira otimista lembrando que “o varejo continuará crescendo no próximo ano, mesmo que de forma mais lenta.

      COM DESTAQUE PARA ESTE PEDACINHO:
      O Brasil, mesmo diante de qualquer crise, terá uma sobrevivência espetacular”.

      0
      • Rui 23 de junho de 2012 at 19:05

        Para mim, o dolar, vai acima de $2,50 , em menos de 1 ano e em 2 anos deve chegar, no minimo a $3,20

        0
  • Luciano-ctba 22 de junho de 2012 at 17:04

    Indústria pede prorrogação de redução do IPI

    Representantes da indústria de eletrodomésticos pediram hoje (20) ao Ministério da Fazenda a continuidade da desoneração de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para produtos da linha branca (máquinas de lavar, geladeiras, fogões e tanquinhos). Anunciado no fim do ano passado, o benefício está previsto para acabar no próximo dia 30.

    O presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Lourival Kiçula, fez o pedido ao secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. Segundo ele, Barbosa pediu que o setor apresente um estudo sobre o desempenho das vendas que justifique a prorrogação do benefício em um novo encontro, ainda sem data marcada.

    Caso a desoneração seja estendida, esta será a segunda prorrogação do benefício fiscal. Originalmente, o desconto de IPI para a linha branca acabaria no fim de março, mas foi estendido por três meses. Na época em que foi anunciado, o incentivo tinha como objetivo estimular as vendas de eletrodomésticos no Natal.

    Desde dezembro do ano passado, a alíquota sobre os fogões, que pagavam 4% de IPI, está zerada. O imposto foi reduzido de 15% para 5% para as geladeiras e de 20% para 10% para as máquinas de lavar. A alíquota sobre tanquinhos, que era 10%, também caiu para zero.

    Fonte: EXAME.com
    Data da informação: 22/06/2012

    0
  • Luciano-ctba 22 de junho de 2012 at 17:07

    Brasil tem o maior número de rebaixamentos de ratings desde 2009

    Nova York – As empresas brasileiras têm tido suas notas de crédito rebaixadas no maior ritmo em três anos com a desaceleração da economia. Isso eleva os custos de captação para companhias, da Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais SA à Suzano Papel & Celulose SA.

    As agências Standard & Poor’s e Moody’s Investors Service rebaixaram notas e perspectivas de companhias do Brasil 27 vezes este ano, comparado a 21 vezes em todo o ano de 2011. No México, foram 11 rebaixamentos. A taxa dos títulos em dólar da Usiminas com vencimento em 2018 saltou 116 pontos-base para 6,16 por cento desde que a Moody’s cortou a classificação da dívida da companhia no mês passado.

    A economia brasileira teve a menor expansão desde 2009 no primeiro trimestre, levando o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a abandonar sua meta de crescimento de 4,5 por cento este ano. A produção industrial teve em abril uma retração inesperada pelo segundo mês seguido, mesmo com as medidas de estímulo à economia tomadas pelo governo. Enquanto a perda de força das exportações para a China derruba o crescimento brasileiro, o México se beneficia da retomada nos Estados Unidos.

    “Se virmos mais revisões negativas para o crescimento mundial, isso pode resultar em mais ações negativas para o Brasil, já que o País está mais exposto à Europa e à China do que o México, que se beneficia da exposição aos EUA”, disse Filippe Goossens, analista da Moody’s, em entrevista por telefone de São Paulo. “Setores que são mais cíclicos por natureza verão pressão ainda maior.”

    Perspectiva de crescimento

    A estimativa de crescimento econômico para este ano foi reduzida pela sexta semana consecutiva na pesquisa do Banco Central com analistas de 18 de junho. A expansão desacelerar de 2,7 por cento em 2011 para 2,3 por cento, de acordo com a estimativa mediana de 100 economistas.

    O Credit Suisse Group AG projeta que a China, maior parceiro comercial do Brasil, vai se expandir 7,7 por cento este ano, o menor ritmo desde 1999. O banco disse ontem que o Brasil deve crescer 1,5 por cento em 2012.

    As exportações brasileiras para a China vão cair este ano, após terem chegado a US$ 44 bilhões em 2011, segundo a Associação Brasileira de Comércio Exterior. As commodities representam pelo menos 80 por cento das exportações brasileiras.

    O presidente do BC, Alexandre Tombini, reduziu o juro básico em 4 pontos percentuais desde agosto, no maior corte entre o Grupo dos 20. A taxa Selic caiu para a mínima histórica de 8,5 por cento para estimular o crescimento econômico.

    “Economia vigorosa”

    Para ajudar a impulsionar a economia, o governo também cortou impostos sobre bens de consumo e industriais e aumentou os empréstimos de baixo custo concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

    “Até o fim de 2012, nós teremos uma economia vigorosa”, disse Márcio Holland, secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, em e-mail enviado em 19 de junho em resposta a perguntas da reportagem. “Nos próximos trimestres, o crescimento vai se acelerar, puxado por uma expansão dos investimentos e estimulado pela demanda doméstica.”

    A assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda se recusou a comentar ontem.

    Episódios de inadimplência pela Rede Energia SA, Centrais Elétricas do Pará SA e Lupatech SA também provocaram rebaixamentos no Brasil.

    Concordata da Celpa

    A Celpa, sediada em Belém, entrou com pedido de recuperação judicial em fevereiro, levando a S&P a cortar nota de crédito para default em 1 de março. A Rede Energia, controladora da Celpa, foi rebaixada pela Fitch Ratings para restricted default em 13 de junho.

    Uma porta-voz da Rede Energia não quis fazer comentários.

    A Lupatech, provedora de serviços para petrolíferas sediada em Caxias do Sul, teve sua nota de crédito rebaixada em seis níveis para selective default em 23 de abril após ter adiado um pagamento de debêntures.

    O desaquecimento da economia está dificultando a captação de recursos e o alongamento de prazos, disse Milena Zaniboni, analista da S&P.

    “Tivemos mais calotes este ano e isso é algo que indica que este ambiente está mais desafiador para empresas que já têm problemas de liquidez”, disse Milena em entrevista por telefone de São Paulo. “Algumas das empresas com expectativa de levantar capital ou tentar estender prazos estão tendo dificuldades.”

    A Moody’s rebaixou em 10 de maio a classificação da Usiminas, sediada em Belo Horizonte, em dois níveis para Ba2, dois níveis abaixo do grau de investimento, em meio ao enfraquecimento da demanda por aços planos para fabricação de automóveis. As vendas de veículos desabaram 9,8 por cento em maio em relação a um ano antes, de acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores.

    ‘Bastante boa’

    A assessoria de imprensa da Usiminas se recusou a fazer comentários.

    As ações da Usiminas acumulam desvalorização de 31 por cento este ano.

    Para Alexandre Muller, chefe de pesquisa de crédito corporativo do BTG Pactual SA, a qualidade de crédito das empresas brasileiras é “bastante boa”.

    “Claro que temos algumas distorções, mas as companhias têm em média boa liquidez e bons perfis de amortização no longo prazo”, disse Muller em entrevista por telefone de São Paulo. “Da perspectiva de estrutura de capital, as empresas estão ótimas. Não se vê empresas extremamente alavancadas por aqui. Da perspectiva de liquidez, o risco de refinanciamento é muito confortável, na média.”

    Fonte: EXAME.com
    Data da informação: 22/06/2012

    0
  • buginga 22 de junho de 2012 at 17:37

    Do site marginalrevolution sobre o índice de posse de moradia em diferentes países da europa.
    Só pra contextualizar, o índice brasileiro é de 74% de posse de domicílios pelas famílias. Vejam o post abaixo:

    I saw an El Pais spread on this, which I cannot find on-line. Here are the European countries with the highest owner occupancy rates:

    1. Romania, 97.5%

    2. Lithuania, 93.1%

    3. Croatia, 90.1%

    4. Slovakia, 90.0%

    How about the lowest rates?

    1. Switzerland, 44.3%

    2. Germany, 53.2%

    3. Austria, 57.4%

    Get the picture?

    0
    • Luiz 22 de junho de 2012 at 18:06

      vc tá interpretando errado.
      Ta dito aí ocupação pelo proprio morador.

      Quer dizer, o cara é dono de uma casa aluga, pra outra pessoa e ele mesmo vai morar em outro lugar, por causa de trabalho, estudo, viagem, ….

      Esse indice mostra o coeficiente de mobildiade da população, logico que os da zona do euro é muito maior.

      To errado?

      0
      • Crase 22 de junho de 2012 at 19:15

        Seguindo seu raciocínio (mobilidade urbana) se cada macaco tiver seu galho (próprio) e eles decidirem uns irem para galhos de outros então poderemos ter 0% de posse, sendo que ninguém paga aluguel… (recebe e repassa a outro). Mas se os macacos resolvem voltar aos galhos originais resulta 100%. Se parte deles voltam, então tem-se um valor entre 0 e 100%. Mobilidade urbana (ou símia).

        0
        • Crase 22 de junho de 2012 at 19:18

          Em tempo, eu mesmo não havia entendido esses números quando foram postados em outro comentário…

          0
      • Frank 22 de junho de 2012 at 20:52

        é isso.

        o índice de proprietários q moram em imóvel próprio.

        a minha leitura é de q nesses países + desenvolvidos há percentualmente + pessoas morando de aluguel, e a propriedade é + concentrada.

        essa concentração de propriedade nas mãos dos famigerados “investidores” pode ter um componente de um movimento mais amplo (e lento) q seria a concentração da propriedade urbana e a consequente expansão do aluguel…uma hipótese apenas.

        0
        • Frank 22 de junho de 2012 at 20:53

          digo, aqui no Brasil….

          0
          • Luiz 25 de junho de 2012 at 11:02

            sim, aqui no BR,

            pq é obvio que mais da metade dos suiços não são Sem-teto

            0
  • Favero 22 de junho de 2012 at 18:36

    Pessoal, esses corretores tem uma lábia que quase nos tira da realidade. Estava acompanhando o lançamento de um empreendimento e quando falei que nao ia comprar se nao fosse por menos de 300.000(estao pedindo acima de 450.000) começou uma infinidade de argumentos querendo me convencer que eu estava fazendo a coisa errada e que no final do ano estaria por 650.000 o mesmo. Olha, só voltando para o blog para me fazer voltar a enxergar a realidade desses preços bolhudos pois estava quase me convencendo.
    Agora segundo o corretor no final do ano ele me ligara, para conversar sobre a alta do mercado.
    Enfim, vamos ver quem estava certo hehehe

    Abraço pessoal e obrigado pelas informaçoes!

    0
    • self 22 de junho de 2012 at 21:57

      Quero ver se ele vai ligar, mesmo. Aliás – se a pessoa não está disposta a comprar hoje por mais de R$450K, por que no final do ano ela pagaria R$650K? Sobre isso eu adoraria ver a resposta de um corretor.

      0
    • GB 22 de junho de 2012 at 22:33

      Eu acho que ele não vai ligar, talvez nem seja mais corretor até o final do ano, kkkkkkkkkkkkkkkk.

      0
      • Favero 23 de junho de 2012 at 07:23

        Eu até falei para ele que como juros eu pagaria duas pós graduaçoes por ano, o que ele achava que era melhor hahaha

        Ai ele me manda: Qual o preço que você quer pagar?

        Quero pagar os preços praticados em 2008, se me vender um apartamento na Conceição por 250 mil eu fecho…

        Mas vou fazer questão de ligar a ele…

        0
    • GB 22 de junho de 2012 at 22:39

      A toda poderosa MRV me ofereceu um apê em janeiro por R$ 218k, agora em maio eu consultei ela novamente sobre o preço, aí vieram com toda aquela conversa de que os imóveis valorizaram muito NESTE ANO e pediram R$ 213k (???????????????).

      Se valorizou muito, então por que caiu R$ 5k mesmo eles tendo pago condomínio e encargos por todos esses meses ?

      Conversa fiada, em dezembro eu vou consultar novamente, ele ainda vai estar encalhado e vão pedir menos por ele e vai continuar essa conversa de “valorizou muito neste ano”.

      0
      • self 23 de junho de 2012 at 01:17

        Da próxima vez, não se esqueça de perguntar sobre o isolamento acústimo entre os apartamentos, e entre os cômodos do mesmo apartamento, bem como o pé-direito. A MRV tem que entender que o consumidor quer imóvel de qualidade.

        0
  • Favero 22 de junho de 2012 at 18:45

    Esqueci de comentar uma passagem com o corretor no telefone:

    – Corretor: Eu também gostaria que os precos estivessem mais baixos pois ganho mais comissão se eu vender para mais pessoas..
    -Eu: Mas se estão mais altos você não ganha mais comissão…
    -Corretor: Não….

    Ahh tá senta lá Claudia hahaha

    Quer dizer que ele trabalha mais, tem que lidar com com mais pessoas para ganhar menos % e faz isso porque gosta das pessoas? Quer ajudar a sociedade?

    Acho que vou é desistir de falar com corretor, parece que acham que somos estúpidos…

    Favero

    0
    • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 23:07

      Favero,

      Nesse caso ele não deixa de ter certa razão:

      Se um corretor vende 1 apt de 400 mil por mês a cada 2 meses ele recebe ao final de 6 meses comissão sobre 1,2 milhão

      Agora se ele tenta ficar vendendo só apt de 1 milhão e demora 6 meses para vender, ao final a comissão será menor.

      Foi isso que ele quis dizer, é melhor ganhar comissão menor mas constante do que uma comissão gorda que demora muito a aparecer.

      0
      • Favero 23 de junho de 2012 at 07:20

        Shakespeare, concordo contigo, mas se o mercado está ótimo como ele disse, e os preços que estão cobrando são os justos porque ele venderia 1 imovel cada 6 meses? Ele estava deixou claro que venderia 1 predio no lancamento em um fim de semana…

        0
  • Elias 22 de junho de 2012 at 18:57

    Mas a construção civil…

    Desemprego e salário caíram em maio. Analistas temem piora à frente
    Autor(es): agência o globo:Marcio Beck
    O Globo – 22/06/2012

    (…)

    Construção civil cortou vagas em maio

    Segundo o IBGE, seis segmentos registraram alta nas contratações em maio sobre abril, com destaque para o de Educação, Saúde e Administração Pública, com alta de 2,7%. Construção civil foi o segmento que mais cortou vagas, com queda de 2,9% de abril para maio.

    0
    • GB 22 de junho de 2012 at 22:44

      Em março foram cortadas 35k vagas na construção civil.

      Já em abril contrataram 11k, mas com salários menores.

      Se em maio caiu, em junho eles contratam por salários ainda menores, no final o povo está cada vez com menos renda, fica cada vez mais difícil pagar as contas.

      Como sou grato por minhas contas não dependerem de trabalhar nesse setor doente.

      0
  • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 19:07

    GLOBO NEWS AGORA 19.07 HS

    AUMENTO DE 7,83 % NA CASOLINA E 3,94% NO DIESEL … SEM REPASSE PARA O CONSUMIDOR …. ZERARAM O IMPOSTO…

    ALGUEM ACREDITA QUE DEPOIS DAS ELEIÇOES ISSO NÃO ERÁ REPASSADO?

    0
    • Sol de Sampa 22 de junho de 2012 at 19:10

      POR FAVOR É DA GASOLINA E NÃO CASOLINA…. A PRESSA É INIMIGA DO TECLADO HEHEHE

      0
      • Cleyton 22 de junho de 2012 at 21:51

        Na verdade o que me incomoda não são tanto os erros mas as maiúsculas.

        Por favor, não faça isso.

        0
        • GB 22 de junho de 2012 at 22:46

          kkkkk, o colega pegou mania de corretor anunciando imóvel no BomNegócio.

          0
        • Sol de Sampa 23 de junho de 2012 at 03:22

          Cleyton, peço desculpas, não costumo usar maísculas não… mas as vezes escapa.. dá pra perdoar??

          normalmente o tempo fica mais curto e acabo escrevendo sem rever… não gosto de errar, mas eu e esse maldito teclado ainda não somos parceiros, estava acostumado com o outro note … mas chego lá…

          e em homenagem a vc não escrevo mais com maíusculas….ok?

          0
          • Sol de Sampa 23 de junho de 2012 at 03:23

            em tempo … acostumadaaaaaaa….. ahahahahah

            0
          • Cleyton 23 de junho de 2012 at 10:56

            Imagina, não fique tão preocupada com os erros, o pessoal costuma destacá-los pra demonstrar a falta de cultura dos corretores que não sabem nem escrever, evidentemente não é o seu caso pela qualidade dos comentários que faz, trocar umas letras de vez em quando acontece.

            Fico lisonjeado, mas você é sempre bem vinda, mesmo em maiúsculas, hehe.

            0
    • Ploc 22 de junho de 2012 at 20:59

      O povo vai poder continuar pagando o mesmo valor de combustivel pois o governo alterou a CIDE (O tributo, incidente sobre a comercialização de combustíveis,
      foi criado em 2001 para financiar a infraestrutura de transportes e programas ligados ao setor.)
      Voce vai poder botar gasolina no carro mas vai rodar em estradas piores.
      A acionistas da Petrobars ficam satisfeitos os preços das ações sobem e pagamos pelo pneu furado e torca de amortecedor e suspensão.

      Será que estou vendo coisa demais?
      Agora voces acreditam mesmo que a CIDE vai ficar baixa assim? duvido, com certeza que quem mamava nessa teta vai começar a reclamar e após eleições o povo vai tomar.

      PLOC

      0
      • Guilherme Eduardo 23 de junho de 2012 at 14:10

        Só lembrem de uma coisa. Se a CIDE caiu, algum outro imposto terá de subir (ou ser criado) para compensar. Talvez o governo não queira prorrogar o IPI mais baixo para eletrodomésticos da liha branca, que termina em 30/06/2012.

        0
  • Todd 22 de junho de 2012 at 19:16

    Consultoria britânica reduz projeção de PIB brasileiro para 1,7%
    Valor 22/06/12

    A consultoria britânica Capital Economics reduziu suas projeções para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2012 e 2013, citando a perspectiva de desaceleração na China, a possibilidade de ruptura na zona do euro e a limitação do consumo no mercado doméstico pelo nível de endividamento das famílias.

    A Capital cortou a previsão do PIB em 2012 de 2,5% para 1,7% e, para 2013, de 3,8% para 3,5%. Esta é a terceira instituição a reduzir sua projeção para a economia brasileira para nível abaixo de 2% neste ano.

    No início do mês, logo após a divulgação do PIB ajustado do primeiro trimestre (+0,2% ante o último trimestre de 2011), a Nomura Securities baixou sua estimativa para 1,9%. Anteontem, foi a vez de o banco Credit Suisse reduzir sua previsão para 1,5%, valor que indignou o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O número, disse ele, é uma piada. “Vai ser muito mais do que isso”, declarou na ocasião.

    A Capital Economics ponderou em relatório divulgado nesta sexta-feira que a China deve ter recuperação do ritmo econômico, mas que será breve. “Parece haver uma fadiga no modelo de crescimento liderado pelo investimento no país. É mais provável que a economia da China surpreenda para baixo, que para cima. Isso deve provocar recuo nos preços das commodities, o que prejudica o Brasil”, avalia.

    Quanto ao cenário interno, a consultoria argumenta que o crescimento do crédito nos últimos anos deixou os consumidores endividados e o mercado imobiliário supervalorizado. “Os esforços de estimular a economia devem ser menos eficazes que no passado. Esse cenário deixa mais espaço para a queda dos juros”, diz a Capital, que devem permanecer baixos por um período maior que o esperado pela maioria dos analistas.

    0
  • Alex 22 de junho de 2012 at 20:10

    vejam o efeito da bolha nos terrenos de Jundiaí:

    anuncio de Novembro de 2011: terreno por 375 mil

    http://jundiai.olx.com.br/terreno-jd-santa-tereza-iid-231161224

    anuncio de Maio de 2010: mesmo terreno por 320 mil

    http://www.aegimoveisjundiai.com.br/imovel.php?id=706

    E já tem imobiliaria oferecendo por 290 mil!!!

    0
    • GB 22 de junho de 2012 at 22:47

      A gente podia ver quem aqui é de Jundiaí e fazer um churras pós estouro da bolha.

      0
    • Shakespeare 22 de junho de 2012 at 23:02

      para baixo e avante!!! 😀

      0
    • Alex 23 de junho de 2012 at 12:34

      Ops.. correção: Onde se lê Maio de 2010, leia-se Maio de 2012 !

      0
  • Wladimir Frontino Teixeira 22 de junho de 2012 at 21:25

    Artigo extraído da página do PCO – http://www.pco.org.br/conoticias/ler_materia.php?mat=36865

    Acompanho as idéias que trancrevo mais adiante com pessimismo muito maior. Hoje, conversando com um colega da área, a quem emprestava conceito da pessoa madura e correta, até que fiquei sabendo, pela mesma, que está imensamente endividada e “rolando” suas dívidas com dinheiro de clientes, fiquei “passado”. Não é o primeiro caso de tresloucamento financeiro de amigos muito próximos que estão à bancarrota, mas este em particular me surpreendeu justamente por sua postura aparentemente sóbria, seu bom apartamento financiado, seu grande e ostensivo automóvel. Certo é que estou cercado de f…..alidos!
    P.S. tenho reservas, meu automóvel é novo e quitado, tenho imóveis e aplicações várias e nunca, mais nunca, utilizo um centavo de meus clientes.

    Segue o artigo:

    Inevitável
    Setor imobiliário em crise

    Diminuição na intenção de compra de imóveis demonstra que o setor imobiliário pode ser um dos próximos a afundar na crise econômica

    22 de junho de 2012

    A compra de imóveis no Brasil vem caindo gradativamente. Depois do “boom” gerado nos últimos anos, a crise está atingindo um dos principais setores usados pelo governo para propagandear a prosperidade econômica no País.

    Atualmente, o índice de interesse de compra de imóvel atingiu 53% no principal mercado imobiliário do País, em São Paulo. Para se ter uma ideia, o índice, no final de 2010, um dos auges deste mercado, alcançava os 76%.

    Isto se deve em grande parte à saída de investidores deste mercado, ou seja, um esvaziamento da chamada “bolha imobiliária” que foi criada artificialmente para atrair investidores.

    Os dados são da empresa de pesquisa imobiliária Datastore, divulgada pela Agência Estado, que avaliou a intenção de compra de imóveis de médio e alto padrão para os próximos doze meses, e nesta avaliação, o resultado foi ainda pior, chegou a 27% de intenção. Se hoje a intenção é de 53%, a queda para daqui um ano vai ser maior ainda, reduzindo pela metade o interesse na compra de imóveis.

    O mesmo se verifica nas demais cidades pesquisadas, Porto Alegre, Brasília, Campinas (SP), Salvador, Recife, Fortaleza, São Luís e Campo Grande.

    A pesquisa entrevistou compradores com poder de compra de R$ 3,5 mil a R$ 8 mil mensais.

    De acordo com um dos responsáveis pela pesquisa, Marcus Araújo, “muita gente já comprou seus imóveis para investimentos, e a demanda desse público diminuiu” (O Estado de S. Paulo, 21/6/2012).

    Muitos compram imóveis para alugar ou revender e como os investimentos estão em queda no setor, a compra tem diminuído bastante.

    Ainda segundo Araújo, “os investidores são compradores mais qualificados, porque têm dinheiro na mão para aplicar e tomam decisões rápidas. Assim, eles funcionam como uma locomotiva, puxando o restante do mercado (…), quando compram em massa, criam uma sensação de escassez para os demais consumidores. Se deixam de comprar, ocorre o contrário. É uma cadeia psicológica forte.” (idem)

    Com ou sem sensação psicológica o fato é que o mercado imobiliário brasileiro, assim como os demais, dos Estados Unidos, Europa e China, vai entrar em colapso, pois foi um subproduto de uma falsa propaganda da prosperidade econômica. Agora que a crise está se aprofundando no Brasil, a farsa fica evidente e a tendência é de desmoronamento de todo este mercado.

    0
    • GB 22 de junho de 2012 at 22:56

      Vixi Maria !!!!! O que vou fazer com meus 4 apês que comprei na planta ?

      BAZINGA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      0
    • Leonardo 57 23 de junho de 2012 at 00:08

      Quando até o PCO fala em bolha imobiliária é que a coisa está realmente feia, hein?

      0
      • Leno 23 de junho de 2012 at 17:17

        As propagandas da Soninha tambem abordam esta questão. Claramente ela faz uma critica a construção civil pelos preços insanos praticados. Não estou dizendo que gosto dela, só estou passando a informação.

        0
  • TragaLuz 22 de junho de 2012 at 22:17

    Depois de muito ler, essa é até minha segunda postagem e resolvi dar meu parecer tecnico sobre o assunto.

    Trabalho em uma Incorporadora média-grande, no setor operacional ta empresa, estou a cerca de 4 anos no mercado, ou seja, presenciei todo o boom do mercado. O que a empresa e seus diretores tem nos passado, e inclusive em reunioes e conversas entre as salas é que o mercado realmente diminuiu muito as suas velocidades de vendas.

    Agora um detalhe super interessante que posso passar aos senhores é que nao so a incorporadora em que trabalho mas as que mantenho contato é que estao evitando vender apartamentos para INVESTIDORES.

    Na incorporadora que trabalho já estao cobrando taxas de cessao de direito em torno de 4% isso pelo que notei tem espantado muito os investidores… EM 2009 eram muitas as cessoes de direito que o escritorio fazia por mes, isso porque a Incorporadora vendeu cerca de 700 imoveis entre 2008 e 2011.

    Mais por que subiram a taxa?

    O que aconteceu foi que muitos imoveis os compradores/investidores nao conseguiam financiamento e ai a incorporadora comia a bronca do espaculador. Resumo da opera, estamos nesse momento colocando DIFICULDADE para vender para investidor de proposito, pois sabemos que aquele nao irá conseguir financiamento.

    E voces sabem, até melhor que eu, que a poupanca do cliente gira em torno de 30% até as chaves, ou seja, isso é um poder de alavancagem imenso.

    Estamos mais exigentes no credito, antes, em 2008, 2009 a coisa era bem mais solta, mas como comecamos a entradar os imoveis de 2009 começamos a observar que pouquissimas pessoas conseguiram financiar os imoveis, digo, aqueles que compraram para especular e nao sairam antes de ir pro financiamento.

    Outro ponto de vista que noto dentro do nosso escritorio, é que por mais que muitas pessoas usem o financiamento, boa parte amortiza esse valor antes de assinar com o banco, digo isso que quase 60% dos casos.

    E a grande maioria tem utilizado entre 8-12 anos de financiamento, isso para imoveis até 500 mil, que é o foco da incorporadora.

    Outro ponto de vista que notei em 2008 e 2009, principalmente 2010, é que muitos corretores conseguiam os clientes, mas estes convenciam seus clientes a comprarem 2 ou 3 imoveis, pois o que acontecia:
    – O cliente tinha um sinal que correspodia a 15% ou 20% do exigido pela construtora.
    – o CORRETOR, faminto por comissao, acabava convencendo ao cliente que ele podia com a mesmo valor comprar 2 imoveis dando 10% de sinal em cada, e com a valorizacao de 1 pagaria a diferenca do outro.

    Moral da historia: O corretor ganhava 2 comissoes, e a Incorporadora que so exigia 8-10% acabava realizando 2 vendas, mas como a Incorporadora nao fazia um tratamento de filtragem boa dos clientes acabava nao percebendo que o cliente nao tinha condicoes financeiras de comprar 2 imoveis…

    ou seja senhores, muito deste aumento se deu a ambicao dos corretores que estimulavam seus compradores a comprar mais imoveis pois o sinal exigido pela incorporadora era bem menor, seria uma especie de alavancagem….

    O que tenho notado é que o mercado acomodou-se sim, pois esses aventureiros sumiram, as incorporadoras nao querem mais vender para aquele que quer PAGAR pouco e REPASSAR logo, ganhando a diferenca.

    O que nós da incorporadoras notamos: “vamos lancar com precos estourados, afinal de contas a velocidade ja esta enorme”…

    Nao deu outra, os lancamentos acabaram sendo feitos com precos la emcima e estes clientes sendo mau orientados por seus corretores comprando os imoveis com espectativas de subir mais ainda com precos altos…

    INCRIVELMENTE a inadimplencia ta até baixa, nao chega a 2,5% da carteira, isso me impressiona mesmo, pois ainda sim, as pessoas preferem pagar a moradia do que pagar outra coisa.

    Resumo senhores, os precos acomodaram-se e vao continuar assim por um bom periodo, sabem por que? Porque as incorporadoras querem vender para MORADOR FINAL, aquele financia os 70% do pós-chaves, e nao para ESPECULADORES, que querem pagar 2% ou 3% de sinal e revender o mais rapido possivel, pois esse, nao tem renda comprovada e muito menos condicao de financiar…

    Com relacao aos descontos, estao acontecendo sim, tem que pedir desconto, se voce for morador final vá em frente.

    Bem é isso senhores, eu nao vo divulgar qual empresa trabalho, mas caso queiram discutir, tenho as ferramentas e posso compartilhar com voces, pelo menos a nivel de informacao de uma incorporadora de médio-grande porte.

    Abracos.

    Ha, e antes que venham falar do portugues, digitei tudo isso no iPad, é meio chato colocar algumas letras, então relevem isso… 🙂

    0
    • TragaLuz 22 de junho de 2012 at 22:35

      Outro detalhe, que nao comentei, um dos diretores, principalmente o diretor comercial da empresa junto com o de engenharia, ja estao inclusive cogitando fazer empreendimentos em condominio fechado, pois assim diminuiem drasticamente a exposicao ao risco, e ao financiamento do especulador, e tambem acabam liquidando todo o apartamento assim que o mesmo fica pronto, a um preço de custo, onde nao sao levados em consideracao LUCRO imobiliario, custo de financiamento a producao, marketing, stand de vendas, taxas e outros.

      Tudo isso sao custos que sao repassados a obras de incorporacao.

      Bem, eu acho que o futuro vai acabar indo para as obras em condominio, e os especuladores, aqueles que ja foram da avestruz master, do boi, do dolar, do carro de frotista e etc vao sair do ramo de imovel….

      Abracos.

      0
      • Justiceiro 22 de junho de 2012 at 23:06

        Então, pode dizer aos seus chefes que muitas pessoas com grana no bolso, só vão comprar, quando os preços cairem – ao menos – aos patamares americanos.
        Os que têem grana e querem comprar terrenos/casas/apartamentos irão assistir de camarote até os preços cairem.
        Com o perdão da palavra, quem compra imóvel, terreno, apartamento, hoje, para morar, na boa, é imbecil demais.
        Tenho grana na poupança e ela rende MAIS do que o que pago de aluguel… não tenho NENHUM motivo para comprar essas trolhas bolhudas e pega trouxa….

        0
      • Anonymous 23 de junho de 2012 at 01:22

        Procure o significado de CONTRADIÇÃO. Aposto que voce vair ter uma grande surpesa 😉

        … Resumo senhores, os precos acomodaram-se e vao continuar assim por um bom periodo …

        … Com relacao aos descontos, estao acontecendo sim …

        0
      • AF 23 de junho de 2012 at 10:04

        Bem, eu acho que o futuro vai acabar indo para as obras em condominio, e os especuladores, aqueles que ja foram da avestruz master, do boi, do dolar, do carro de frotista e etc vao sair do ramo de imovel….” ,

        Por aqui ainda tinham os investidores de entrega do liquigás e towner de dog..

        0
    • Glaucio 22 de junho de 2012 at 22:59

      Não acho que os preços vão se acomodar, pois no patamar que estão, ninguém consegue comprar. Não haverá demanda suficiente para tanto imóvel. Cubículos muito mais caros que casas de verdade nos EUA, sendo que somos um país maior em terras habitáveis. Os preços devem cair pela metade para começarem a ficar aceitáveis.

      0
    • GB 22 de junho de 2012 at 23:05

      O maior problema das construtoras foi ignorar os consumidores finais e ir na onda dos especuladores.

      Consumidor final quando compra ele tira o imóvel do mercado, especulador quando compra até tira o imóvel do mercado por um tempo, mas é certo que vai voltar pois ele não vai morar nele, ele vai querer fazer o lucro, é Shadow Inventory, ele existe mas ninguém sabe o tamanho da bronca.

      Consumidores finais são mais exigentes, especuladores compram qualquer coisa, desde que prometam que vai valorizar.

      Consumidores pagam até o final, especuladores querem pagar os 20% e deixar a valriação do INCC e o restante pro trouxa que comprar dele.

      Pode falar pros seus chefes que estamos felizem em saber que as construtoras acordaram pra grande e incrível bobagem que fizeram, era certo que os especuladores iam dar um pé na bunda de vocês assim que parasse de valorizar, mas se querem realmente vender para consumidores finais, preço justo hoje é essencial, caso contrário pode ficar encalhado.

      0
      • TragaLuz 22 de junho de 2012 at 23:18

        Voce disse tudo.
        Exatamente isso. As incorporadoras obviamente que nao podem vetar a venda de um investidor, até por que eles nao sabem quem sao, por isso, que estao colocando taxas altas de cessao para exatamente vetar estes aventureiros.

        Cheguei a ver um corretor que comprou um imovel da nossa empresa que pagou 12% do imovel e repassou, com 4 meses, repassou para um cliente final, é isso que as incorporadoras nao querem, esse tipo de especulador, que paga pouco e que retorno.

        0
        • Leandro 23 de junho de 2012 at 00:02

          Como assim “evitar esses aventureiros” ? As incorporadoras foram as que mais fomentaram a especulação imobiliaria. Não se vê uma propoganda de imovel sem a palavra investimento. Não lembro de ter visto um anuncio sequer que destacasse a qualidade, conforto ou segurança do empreendimento.

          0
    • AF 23 de junho de 2012 at 10:17

      Tragaluz,

      Umas das útimas notícias da semana era a “indústria” imobiliária divulgando que o cenário de imóveis estava direcionado para quem queria comprar imóvel para morar, em virtude de que o nº investidores estava diminundo…

      Este teu post mostra no mínimo que a notícia era … paga! E tratava-se de estratégia comercial do setor.

      ps. 99,9% das notícias são compradas, mas não contem para ninguém.

      0
      • AF 23 de junho de 2012 at 10:25

        Pra quem não leu esta notícia, sugiro o início do tópico… 😉

        0
      • Mineiro BH 23 de junho de 2012 at 16:26

        Digamos que o post do TRAGALUZ na verdade poderia ser assinado pelo Sr. TRAGAMATERIAPAGA…
        Coitado, veio aqui numa tentativa desesperada do Setor de vender pro público uma versão um pouquinho mais digna de sua desonestidade…
        Bem, temos que admitir que é melhor do que mandarem o Cirilo… acho que agora foi o chefe dele que assumiu a coisa ahahahaha

        0
  • Renatao 22 de junho de 2012 at 23:07

    E a PDG, hein! Empreendimento na Z/L: Quem compra um apto, ganha um carro 0km.

    E tem troxa que cai nessa?

    0
    • self 23 de junho de 2012 at 01:24

      O negócio é pedir o valor de dois carros como desconto. No mínimo.

      0
    • Leonardo 57 23 de junho de 2012 at 01:57

      Insanidade. Tão atirando pra todo lado.

      0
  • TragaLuz 22 de junho de 2012 at 23:08

    O problema meu caro Glaucio, é que voces tem que entender que os donos de terrenos tambem cresceram os olhos, e colocaram os preços lá pra cima, e obvio que esse valor tem que ser repassado pro comprador.
    É por isso que digo, os preços tem que recuar do a partir do terreno.
    o incorporador antes fechava o terreno a um preço até acima do mercado, pois sabia que iria ter comprador dos imoveis mais caros, por isso e os donos de terrenos comecaram a perceber isso tambem e subiram seus precos…

    Com a procura (morador final + especulador) la em cima os diretores e até mesmo donos de terrenos nao sabiam mais nem quanto valiam os terrenos e imoveis, porque vendiam a x e meses depois tava xx, ou seja, juntou-se a especulacao dos corretores, com de possiveis investidores, vulgarmente falando aqueles que nem sequer sabem o que é investir com a ganancia dos proprietarios de terreno, o final disso é = morador final acuado, pois pra morar ia ter que comprar imovel caro…..

    0
    • GB 22 de junho de 2012 at 23:30

      Não só o terreno aumentou de preço, mas também a mão-de-obra e os materiais de construção, inclusive vemos construtoras demitindo e contratando por valores mais baixos.

      Eu particularmente acho que construiram demais, tem prédio demais sendo erguido por aí, o problema é que como foram construídos com mão-de-obra e materiais bolhudos, vai ser um belo prejuízo tentar vender isso aí por preços que os consumdores finais estejam interessados em pagar, mas não pensaram nisso, então toma.

      “Todo mundo nasce com um cérebro, mas mentes são extremamente caras e a Natureza não as disperdiça com qualquer um, muito menos com diretores de construtoras.” GB

      0
      • GB 22 de junho de 2012 at 23:33

        ops, “desperdiça”, kkkkkkkkkkkk.

        0
    • Glaucio 22 de junho de 2012 at 23:53

      Lei da oferta e da procura. Foi responsável pela alta e será responsável pela baixa. E pelo que sei, muitos donos de terrenos recebem unidades do empreendimento como pagamento em vez de $$$.

      0
    • Glaucio 23 de junho de 2012 at 00:14

      E-mail que acabei de receber de um corretor da Lopes:

      Boa tarde,
        
      Gostaria de informar que neste final de semana, dias 23 e 24 de Junho de 2012 excepcionalmente nestes dois dias, a Lopes juntamente com os incorporadores, estará oferecendo aos clientes, desconto de até 30% nos empreendimentos abaixo relacionados.
       
      Estamos com uma campanha massiva para a   divulgação destes  produtos, através de TV, jornais, rádio e distribuição de folders.
       
      Att,
      Xxxxxxxxxx

      Ué, 30% de desconto? Mas eles pagaram caro nos terrenos, como podem diminuir tanto o preço?
       
       

      0
  • Vilma 23 de junho de 2012 at 02:52

    Hoje um corretor desesperado montou um pequeno stand com um guarda sol de praia em cima e fixou um banner na frente anunciando um pré-lançamento no pechincha – rj. Lembrava até um vendedor de picolé. Procerei na net pelo nome do empreendimento (Vernissage Residence Clube) para tentar descobrir a faixa de preço – vi um anuncio a partir de 380 mil. Fui na net pois nem cogitei a possibilidade de ir falar com ele. Entrega prevista para 2015. Eles só podem estrar de brincadeira.

    0
    • ray 23 de junho de 2012 at 18:51

      Eu duvido que tenha morador pra essa quantidade de imóveis novos enormes do pechincha, principalmente a esses preços absurdos pra um bairro de transito ruim e longe do centro.

      0
  • Sol de Sampa 23 de junho de 2012 at 03:33

    Hoje fiz uma coisa que estava querendo há muito mas a oportunidade não aparecia.

    Adoro ler as trolladas nos corretores, pois bem, faz uns 4 meses que um corretor manda emails e telefona pra oferecer o mesmo empreendimento, a cada vez o preço cai um pouquinho… ,Já cansei de dizer que o apto não me interessa…. mas não dá jeito.

    Mas no email de hoje ele errou o campo….e deixou todos os contatos à mostra..Então, não tive duvidas peguei o anuncio dele, e coloquei um bilhetinho … mudei o assunto para: Dê valor ao seu dinheiro, não delete antes de ler…
    e no email convidei todo mundo pra visitar o blog antes de comprar…

    GB essa é pra vc …. este ato me lavou a alma….quero ver se ele escreve de novo…

    0
    • Shakespeare 23 de junho de 2012 at 08:33

      Perfeito!!!
      Fantastico 🙂

      0
    • GB 23 de junho de 2012 at 09:21

      Estou orgulhoso, já está aprovado na escola de trollagem.

      “O aluno superou o mestre.”, kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      0
  • Ninja SP 23 de junho de 2012 at 05:40

    O preço do terreno só aumentou depois que eles aumentaram o dos apto,o que é natural,Até parece! vendo meu terreno baratinho e pago o apto bolhudo. só que as construtoras fizeram um grande estoque de terrenos em 2006/2007. Até hoje no meu bairro tem o monte de terrenos, onde derrubaram as casas, colocaram tapume e não construiram nada, fomos assediados pelos coretores das construtoras a vendar as casas, para demolir ,verdadeiro terrorismo. pagavam 2k o mt2 ,terreninho de nem 2000m2construiram predio de 25 andares, ridículos hoje “vendem” os aptos por 7k o m2. quem vendeu a casa, e não comprou nada, aplicou o $, tá sem dormir , rezando pra esta bolha estourar. fcou sem a casa e o $ agora so compra lixo em bairro pior. mesmo que o preço caia 50% ainda assim tão no lucro. vários predios já foram entregues, e muitos outros serão, tudo apagado. construiram demais no bairro ,qualidade de vida no bairro so piorou, transito, barulho, assaltos.E agora? Cadê os compradores com renda para isufruir dessa exuberância toda .outra coisa predios de alto padrão de construtoras griffes, cheios de problemas, verdadeiros lixos, ou seja FAVELA VERTICAL.

    0
  • Luciano 23 de junho de 2012 at 05:54

    TROFEU CORRETOR MAIS BREGA DO BRASIL

    Oi pessoal.

    Nas minhas buscas por imóveis em Curitiba, tenho encontrado todo tipo de anúncio: com preço bolhudo, com localização mentirosa, com fotos falsas, com erro de português, com metragem errada, e… bem, tenho encontrado vários anúncios bregas e sem noção.

    O anúncio abaixo foi encontrado hoje. Está tudo em caixa alta, mas isso é compreensível, tendo em vista que o autor é um corretor. Se quiserem, passo o link da raridade.

    Vejam que irresistível:

    TUDO QUE UMA CASA TEM QUE TER ESSA TEM.. SIMPLESMENTE BELÍSSIMA!!!!!
    DUVIDAMOS MAIS LINDA E MELHOR CUSTO BENEFÍCIO (como se houvesse um padrão matemático para aferição de beleza).. LOCALIZAÇÃO MARAVILHOSA!!!
    COLADINHA DO SUPERMERCADO CILLAS E PARALELA A JOSÉ DE OLIVEIRA FRANCO, A DOIS PASSOS DA AV. VICTOR FERREIRA DO AMARAL E FÁCIL ACESSO AO CENTRO DE CURITIBA ESTANDO A 7 MINUTOS DO CENTRO, INCRÍVEL RESIDÊNCIA ENSOLARADA, CONFORTÁVEIS 94M² EM CONDOMÍNIO FECHADO, NADA A FAZER “ENTRAR E MORAR“.. MONTADÉRRIMA (ui, ui, ui!!!), DIVIDIDO DA SEGUINTE MANEIRA: 03 DORMITÓRIOS (SENDO 01 SUÍTE MONTADA COM ARMÁRIOS, CAMA, RACK E C/BÓX BLINDÉX), PISO COM MADEIRA LAMINADOS, 01 SALA DE ESTAR AMPLA P/2 AMBIENTES, 01 COZINHA CLIMATIZADA (ar condicionado na cozinha!?) COM DECORAÇÃO ESTILO AMERICANA, AMPLA E AREJADA C/ARMÁRIOS EMBUTIDOS E GRANITO, 01 BWC SOCIAL C/BÓX BLINDÉX (valha-me Deus…) E ARMÁRIOS, 01 ÁREA DE SERVIÇOS COBERTA COM ARMÁRIOS, 01 VAGA DE GARAGEM P/2 CARROS COBERTA, ÁREA DE LAZER, JARDIN, VENHA PARA MELHOR, VERDADEIRA RARIDADE!!! PRIVILÉGIO DE FARTO COMÉRCIO / TRANSPORTE E COMODIDADE.. QUER MAIS? CONDOMÍNIO ZERO, FALTAM PALAVRAS (ainda bem…).

    OPORTUNIDADE ÚNICA!!!
    INVESTIMENTO CERTO.. R$230.000,00

    Apesar de ser um pouco engraçado, chego a me preocupar, porque o mercado imobiliário está nas mãos de analfabetos funcionais deste tipo. E é este tipo de energúmeno quem lida com documentação de compra e venda e registro de imóveis.

    Se vocês tiverem anúncios imbecis como este, postem aí.

    0
    • bolhudo 23 de junho de 2012 at 09:04

      Luciano você percebeu que os comerciais de vendas de imóveis aqui em Ctba é feito no estilo venda d veículo! agora sábado de manhã canal 02 tv bandeirantes da tv aberta os comerciais de carros e imóveis se mesclam, dá-me a entender que investidores ( expé-culadores ) de imoveis são os mesmos que venderam automóveis a juros de 10% ao mês no oba-oba de aprovação de crédito pro baixa-renda.

      0
    • RPL 23 de junho de 2012 at 12:38

      Uma vaga de garagem para 2 carros?

      Vou comprar uma Romi-Isetta e um Smart!!!!!!!!

      0
      • Cleyton 23 de junho de 2012 at 12:52

        Pode ser uma forma mais honesta de dizer que um dos carros vai ficar obstruído.

        0
  • Eskeleto 23 de junho de 2012 at 06:40

    Oque pode derrubar muitas construtoras também são outras que fizeram a coisa melhor e que não tem encalhes, exemplo não sei se tem mais vamos analisar este ponto.

    Construtora A tem 2 mil ap em estoque grande porte
    Construtora B tem 6 mil ap em estoque grande porte
    Construtora C tem 200 ap em estoque baixo porte.

    Mesmo a construtora C sendo pequena ou média exemplo ela vendendo os encalhes abaixo vai gerar capital para fazer lançamentos não bolhudos e derrubar as grandes.

    As grandes mesmo dando desconto de 30% não consegue concorrer com os lançamentos com material e mão de obra mais barata, pois a construtora de pequeno e médio porte pode comprar terrenos bem mais barato também com o argumento que está tudo parado.

    Eu vejo pequenas construtoras sendo grandes e as grandes quebrando, vamos ver onde vai dar isso.

    0
    • GB 23 de junho de 2012 at 09:28

      Foi o que aconteceu com os dinossauros, tornaram-se gigantes lentos e preguiçosos e perderam lugar para os mamíferos ágeis e espertos.

      Todo mundo fala em um asteroide que caiu na Terra, mas eu acho que a extinção deles era inevitável: os mamíferos estavam profiferando rápido e se alimentavam justamente dos ovos deles (adoro ovos), então façam as contas.

      Se as grandes falirem, ninguém vai dar pela falta, tipo construíram demais e com tudo caro e agora estão aí com imóveis caríssimos que vão voltar para o mercado depois que falirem e forem vendidos só visando pagar impostos e dívidas trabalhistas.

      0
  • Justiceiro 23 de junho de 2012 at 10:01

    To procurando no google, mas, na boa, tá dificílimo conseguir achar o histórico de preços dos imóveis aqui da cidade.
    Achei um baita apartamento, 114 m2, dois quartos, sacada, garagem, churrasqueira, gás central, acabamento é de bom nível, no centro da cidade…
    só que na imobiliária tá R$ 350.000,00.
    Sei que os carinhas do RJ diriam que o preço é bom, mas to falando de preço praticado em uma cidadezinha de 60 mil habitantes…
    caro pra caralho…
    Então, como conseguir encontrar no google os históricos…???
    Alguém tem um site especial que faça a mágica?

    0
  • KQTT 23 de junho de 2012 at 10:08

    Nos ultimos meses tive contato com 4 corretores. Apenas 1 era realmente um corretor, os outros era Casas Bahia (aproveite, esse preço é apenas hoje; valorização certa, melhor qualidade, apenas 20 km do shopping, 30 km do metro, la garatia soy yo; tem que comprar hoje, amanha já não garanto esse preço). Os 3 corretores eram mais novos, com certeza aproveitaram o Boom imobiliaria e fizeram o curso de 3 semanas e viraram corretores. O unico que foi realmente um corretor trabalha ha mais de 30 anos nesse ramo, fez o papel de corretor, que realmente é de consultoria na compra do imovel. Apos a diminuição nas vendas, quero ver para onde irão migrar esses corretores casas Bahia. Ganharam dinheiro nos ultimos anos, mas também perderam a oportunidade de construir uma carreira mais sólida em outras profissões.

    0
  • thiago fm 23 de junho de 2012 at 10:09

    A impressão que tenho é de que A EXAME é uma revista em cima do muro, Por outro lado é a única revista de expressão que traz aquele ???. Sinto que a revista tem medo de se comprometer, mas no fundo sabe o que está acontecendo. No final “os perdedores” hão de rir por último…

    A hora é de comprar ou vender imóveis?

    Uma inédita pesquisa mostra o mapa dos imóveis em mais de 1 000 bairros de 41 cidades e revela que o Brasil foi o segundo mercado que mais valorizou no mundo — mas que a alta começa a perder força

    São Paulo – Comprar um imóvel é um dos ritos de passagem para a vida adulta. As pessoas casam e sonham com a aquisição de uma casa para ter uma base sólida e criar os filhos. Nos últimos seis anos, com o destravamento do crédito imobiliário, cerca de 1 milhão de famílias brasileiras conseguiram realizar esse sonho.

    Como as incorporadoras passaram a lançar prédios e loteamentos cada vez mais luxuosos e confortáveis, intensificou-se o costume de medir o status social de uma pessoa com base no número de metros quadrados e na localização do imóvel em que mora. À medida que o tempo foi passando, o aumento da demanda começou a elevar os preços num ritmo alucinante.

    Em 2009, a alta no valor dos imóveis no país foi de 22%, a terceira maior do mundo. Na época, não faltaram previsões de que não havia espaço para mais aumentos. Veio 2010, a valorização chegou a 25% e o Brasil ficou com o primeiro lugar no ranking das maiores altas.

    Nesse processo, o mercado imobiliário brasileiro se tornou o mais caro da América Latina. Quem comprou sua casa antes do boom viu seu patrimônio dar um salto.

    E milhões se sentiram deixados para trás — gente cuja renda e capacidade de endividamento não aumentaram na mesma velocidade dos preços ou, ainda mais frustrante, pessoas que pensaram demais e acabaram atropeladas pela avalanche.

    Impedidas de realizar o projeto da casa própria até agora, os “perdedores” da recente expansão imobiliária pareciam fadados a comprar algo aquém do plano inicial — ou condenados ao aluguel. A boa-nova: o filme ainda pode ter final feliz.

    A pedido de EXAME, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, órgão ligado à Universidade de São Paulo, realizou a mais ampla pesquisa já feita sobre o mercado imobiliário brasileiro. Os técnicos da Fipe analisaram os preços de imóveis em 40 cidades mais o Distrito Federal — que, juntos, contam com 50 milhões de pes­soas e representam um quarto da população brasileira.

    Trata-se, sem meias palavras, de um esforço inédito no país para conhecer a realidade de um dos setores mais importantes de qualquer economia. Nas páginas que se seguem, estão detalhados valores de imóveis novos e usados em mais de 1 000 bairros analisados. No seu conjunto, a pesquisa mostra um vigor impressionante do mercado brasileiro

    Nos 12 meses encerrados em março, a alta média dos imóveis foi de 23%, a segunda maior do mundo — só perdemos para a Índia. Mas talvez a observação mais importante diga respeito aos últimos seis meses. Fica claro que o ritmo louco de valorização parece estar perdendo fôlego

    Nesse período, a alta foi de 8,4%, número ainda robusto, mas bem menor do que os 13,5% do mesmo período um ano antes. A desaceleração fica evidente em seis das principais capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza.

    “O ciclo de alta no mercado imobiliário brasileiro está diretamente relacionado à expansão da economia. Quando a ideia de uma ‘nova era’ passou a permear a imaginação das pessoas, os preços dos imóveis ficaram fora de controle. Agora essa escalada parece perder força”, diz Robert Shiller, professor de economia da Universidade Yale e uma das maiores autoridades mundiais no assunto.

    O Rio de Janeiro é exemplar dos dois fenômenos retratados na pesquisa, tanto a escalada de preços no último ano quanto a freada de arrumação mais recente. No primeiro trimestre deste ano, os imóveis valorizaram 4,1%, ante 9% nos primeiros três meses do ano passado.

    Embora a zona sul da cidade ainda seja considerada a Manhattan brasileira, com os bairros mais caros do Brasil, já é possível encontrar apartamentos com descontos em partes da cidade. A situação não é muito diferente em Belo Horizonte. Ali, no caríssimo bairro de Vila da Serra, a construtora Cyrela está há mais de dois anos tentando desovar dez unidades do em­preen­di­men­to Olympus.

    Até a disputada Brasília passa por situação semelhante. No Setor Noroeste, a construtora Rossi baixou de 11 000 para 8 000 reais o preço do metro quadrado em unidades do condomínio Persona Libertate.

    A percepção de que os preços estavam aumentando num ritmo insustentável, aliada às incertezas do mercado internacional, fez com que o consumidor brasileiro começasse a demorar mais tempo para fechar uma compra. Se há dois anos em São Paulo vendiam-se empreendimentos inteiros em um único fim de semana, agora leva-se em média dois meses para desovar os lançamentos.

    “Não há mais desespero. Os consumidores têm analisado cada projeto com calma”, diz Mirella Correa, sócia da imobiliária Lopes, com sede em São Paulo. O número de unidades financiadas em todo o país no primeiro trimestre deste ano caiu 1% na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança.

    É a primeira reversão no ritmo nos últimos dez anos. Essa desaceleração está sendo sentida nas incorporadoras. Em 2010, a velocidade de vendas em nove capitais do país foi de 15%, ou seja, de cada 100 imóveis disponíveis para a venda no mês, 15 foram negociados

    Nos primeiros três meses de 2012, esse percentual foi de 10,4%. “O setor é muito sensível à percepção de preços”, diz Fábio Nogueira, presidente da Brazilian Mortgages, a maior companhia hipotecária do país. “Quando eles sobem muito, as pessoas tendem a esperar que caiam para comprar.”

    Um novo momento

    Qual das duas facetas do mercado — o que produz a segunda maior valorização do mundo ou o que vê empreendimentos demorarem para ser desovados — melhor traduz o momento atual? Essa pergunta é decisiva para saber o que fazer agora. E a resposta não é simples, já que o Brasil de hoje é um misto de otimismo (se comparado ao restante do mundo) com decepção (se comparado às previsões quase delirantes de investidores e membros do governo).

    Aos poucos, vai se consolidando a noção de que estamos no meio do caminho — muito melhor do que a maioria, mas distantes dos países mais pujantes. O ritmo mais modesto da economia (o produto interno bruto cresceu 2,7% no ano passado e a estimativa é de um número não muito diferente neste ano) tem impacto direto no mercado imobiliário.

    De maneira geral, os preços aumentaram bem mais do que a massa salarial. Nem a queda dos juros dos empréstimos imobiliários — que, em média, passaram de 14%, em 2006, para 9%, neste ano — conseguiu compensar. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, os imóveis valorizaram, em média, entre 80% e 110% nos últimos quatro anos.

    Há casos em que os valores mais que triplicaram. Nesse mesmo período, o rendimento da população cresceu menos de 30%. E o endividamento do brasileiro pulou de 27% da renda anual em 2007 para os atuais 44%.

    Diante de consumidores já não tão dispostos a pagar qualquer preço por um imóvel, as construtoras voltaram às pranchetas e reviram seus planos para 2012. As 11 construtoras de capital aberto do país devem lançar empreendimentos que equivalem a 41 bilhões de reais em vendas.

    Embora o montante seja 1 bilhão superior ao do ano passado, há uma nítida brecada no ritmo. Desde 2009, os lançamentos vinham crescendo 20% ao ano. A alta agora foi de 2,5%. O motivo da desaceleração nos lançamentos é o estoque atual de imóveis não vendidos, estimado em 30 bilhões de reais, o mais alto da história do país.

    Em função disso, a expectativa é que nos próximos meses a maior parte das incorporadoras centre esforços para liquidar os imóveis. Empresas como Gafisa, Even e Trisul já têm oferecido descontos de até 30% em alguns empreendimentos. O momento, portanto, começa a favorecer o comprador.

    “Para quem deseja adquirir um imóvel, essa é uma boa oportunidade”, diz Eduardo Gentil, sócio da consultoria Trust Gestão Imobiliária, de São Paulo. “As construtoras estão flexíveis para negociar preços e formas de pagamento. Mas é preciso escolher as empresas com histórico de qualidade e pontualidade na entrega.”

    Em economia, tão importante quanto o “quê” é o “quando”. A análise temporal é decisiva para decifrar o setor imobiliário atualmente. No curto prazo, parece claro que o mercado passa por um ajuste. Nos meses à frente, a expectativa é que os preços, em média, aumentem mais ou menos em linha com a inflação, seguindo o padrão de mercados mais maduros.

    De certa forma, é semelhante à trajetória de outros segmentos da economia brasileira. O forte crescimento da demanda por bens e serviços não veio acompanhado de investimentos na mesma proporção. Não faltam exemplos desse descasamento: o aumento do número de passageiros nos aeroportos, o crescimento de carga nos portos e a expansão de carros nas estradas.

    No setor imobiliário, a euforia dos últimos anos revelou uma série de gargalos: mão de obra escassa, alta nos preços de matérias-primas e nós de logística. O resultado foram apartamentos fora do prazo, problemas de qualidade e uma enxurrada de consumidores insatisfeitos.

    Isso sem falar nos estouros de obras no balanço das construtoras — só a Cyrela reconheceu em 2010 um rombo de 500 milhões de reais. “As construtoras descobriram que não estavam dando conta da expansão”, diz Eduardo Zylberstajn, pesquisador da Fipe responsável pela pesquisa.

    Como o menor ímpeto das construtoras foi compensado por menos avidez do comprador, o resultado é um mercado mais equilibrado — no fundo, uma boa notícia. Mas as coisas mudam de figura quando o olhar se desloca para o futuro mais distante. Os juros para o crédito imobiliário — principal motor da compra de imóveis — devem cair mais nos próximos anos

    O último relatório do Banco Central aponta para uma taxa básica de juro de 8% em 2012 — se confirmada, o menor patamar da história. A experiência internacional mostra que, quando o custo do financiamento cai, os consumidores respondem. No Chile, considerado o mercado imobiliá­rio mais desenvolvido da América Latina, a taxa de juro dos imóveis era de 7,5% em 2002.

    Hoje, é de 4,5%. No período, a participação do crédito imobiliário passou de 12% para 20% do PIB. No Brasil, o crédito para imóveis representa apenas 5% do PIB, mas pode dobrar de patamar nos próximos anos. Isso somaria um volume de 700 bilhões de reais em contratos de financiamento até 2017 — mais que o triplo dos alocados atualmente.

    E deve colocar mais lenha no setor, estimulando novas rodadas de valorização (e aí as notícias parecem melhores para quem está na ponta vendedora). Até porque, na comparação internacional, os imóveis aqui ainda estão baratos.

    Não há nenhuma evidência dos problemas que afundam economias inteiras, como a espanhola. Como se verá a seguir, de norte a sul do Brasil os sinais são positivos. Bom para quem investe em imóveis. Melhor ainda para a economia do país.

    0
    • Lucas 23 de junho de 2012 at 13:43

      Reportagem bem em cima do muro!
      No pior dos cenários todo mundo só vai ter condições de comprar imóvel através de financiamento, e o abismo entre valor dos imóveis e renda das pessoas vai aumentar mais um pouco.

      0
  • AF 23 de junho de 2012 at 10:58

    – Estoques altos;
    – Preços altos;
    – Construtoras versus Investidores (crunch no crédito?);
    – Construtoras versus Corretores.

    Creio que neste cenário os preços não irão estabilizar como querem e propagandeiam os articuladores deste mercado…

    0
    • AF 23 de junho de 2012 at 11:31

      E ainda:

      – Desaba intenção de compra; (e com tendência de mais queda)

      0
  • Dr. Estranho 23 de junho de 2012 at 11:29

    Resumo da ópera: as próprias construtoras e imobiliárias terão que ajustar o mercado sob o risco da bancarrota. O traficante afastou o “crackudo” para não perder o “bom comprador”. Apesar da analogia grosseira(atirem pedras se desejarem), sabemos que o tráfico de drogas só sobrevive graças a sua estrutura empresarial.

    Glossário:
    crackudo = para bom entendedor, pingo é letra.
    bom comprador = aquele que não aborrece.

    0
    • Guilherme Eduardo 23 de junho de 2012 at 13:25

      Geralmente o crack é evitado por alguns traficantes porque ele acaba rápido demais com a pessoa, tirando um consumidor do mercado mais cedo.

      No caso dos imóveis, acredito que a “eterna valorização” seria o crack.

      0
  • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 23 de junho de 2012 at 11:46

    Hoje vendeu aqui no bairro onde moro de aluguel uma casa velha (precisa gastar mais uns 100k pra deixar ele legal) – com 6m de frente e 25 de fundos por 450K (pelo menos era o que pediam) tempo da venda – 2 meses (Não sei se foi esse realmente o valor da negociação) – Na lapa estão pipocando em todas as ruas (Aurelia – Faustolo – Coriolano) Lancamentos sem parar – sinceramente não estou mais entendendo – Ou eu estou pobre, ou os imoveis estão em preço real ou, muita gente que comprou vai perder dinheiro.
    Isso me faz questionar o seguinte – se realmente vivemos em uma bolha porque as construtoras continuam a lançar e os compradores a comprar em preços altissimos? Por favor alguem me ajude a entender….:( 🙁

    0
    • GB 23 de junho de 2012 at 11:55

      Pelo que temos visto esse tipo de gente tem se tornado cada vez mais raro, e não podemos descartar a possibilidade de ser lavagem de $$$$$.

      Sempre vai ter um aqui e outro ali sendo vendido por preço bolhudo, sempre vai ter algum desavisado caindo na lábia do setor, mas com 5.000 corretores só na região da Lapa isso me parece ser pouco para manter esse pessoal na ativa gastando combustível.

      Hoje em dia o corretor qe vender 1 imóvel no mês o SECOVI põe a foto dele na parede para que os outros o admirem: “Corretor do mês”. kkkkkkkkkkkkkk

      0
      • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 23 de junho de 2012 at 12:33

        GB

        Lavagem de Dinheiro? Como o cara paga 450K e lava dinheiro? Se ele paga os 450K a unica forma de lavar dinheiro e por que o valor da venda foi de 200K ai ele limpa 250K – mas se na hora de revender ele fizer isso por 450K ele tera que pagar 15% sobre o lucro de 250K – o que vai dar cerca de 38K – mais despesas de escritura e impostos de transmissões a despesa total dessa manobra dá cerca de 4% transmissão inter vivos cerca de 10K – escritura uns 2,5k e registro uns 1,2k ou seja cerca de 53k de despesas – agora, pra lavar 250k vc gasta 20% será que isso compensa? – A verdade é que eu acho que quanto mais dinheiro o cara tem mais idiota ele vai ficando – ele pensa que é tão facil ganhar dinheiro que ja não se importa mais com o valor das coisas – o que pedem ele vai pagando – só pode ser isso…não vejo outra explicação. Imagina voc~e ganha 50 – 60 100K todo o mes tem um saldo de 1kk – sai comprando como se fosse a padraia comprar paezinhos – chega em casa e grita – Querida comprei uma casa!!!! e ninguem ta nem ai continuam a assistir a TV como se nada tivesse acontecido…

        0
        • Guilherme Eduardo 23 de junho de 2012 at 13:31

          Em relação a quem tem mais gasta mais, penso igual. Muitos também estão comprando por status: O cunhado comprou um de R$ 150 mil? Compre de R$ 250 !!! Você comprou por R$ 250 mil? Sua tia comprará por R$ 350 mil…. e assim vai.

          Mas como comprar se o dinheiro não é eterno??? Crédito !!!! Muitos estão comprando no prazo máximo ou rapando as economias para darem de entrada.

          0
    • RosinhA 23 de junho de 2012 at 13:12

      André não se esqueça da base da pirâmide, esses compradores provavelmente já tinham um imóvel, compram outro as vezes “financiando pouco”, devido as facilidades de crédito de hoje.

      O bananeiro é consumista, se sobrar 1k ele compra celular novo, e quem poupa um pouco a mais, tem como imóvel aquele famoso porto seguro e que ultimamente só valorizou, por isso o investimento.

      Por incrível que pareça, ainda não consigo enxergar um estouro eminente, alguns setores de comércio e indústria vem sofrendo com a estagnação, mas o que ainda aconteçe é que esses setores estavam acostumados com uma margem imagine de 2X, com a queda a margem passou para 1,7X, essa queda ainda não afetou o andamento dos negócios, apenas impediu um crescimento ascendente que vinha acontecendo, esses setores apenas estagnaram, por isso a sensação de parada, mas ainda não interfere em uma crise mais grave, partindo para desemprego e subida alta na inadimplência.

      Acho que o mercado parte para saturação final do ano que vem, pois há ainda inúmeras unidades a serem entregues este ano e ano que vem (Inclusive da Coisa Kassia), enquanto a crise não interferir no montante de empregos e salários a coisa vai caminhar, estagnado o mercado com certeza já está, os preços chegaram ao topo, as boas ofertas vão aparecer mais ainda timidamente pois muitos ainda querem comprar, e não se esqueça do principal: “Nem todo mundo que está vendendo, tem certeza de que realmente quer vender, isso é um fator muito importante”

      0
      • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 23 de junho de 2012 at 16:55

        Rosinha, tudo blz ai?

        Sempre vejo seus comentarios e seus problemas com [email protected], eu tambem sou um igual a vc. Trabalho com clientes classe A (minhas vendas atualmente estão só crescendo – a ponto de não dar conta e ver meu estoque caindo) – vendo superfulos ativos (joias) – e vivo tendo problemas com [email protected] codigo 629 e 630 – ja me especializei em preencher essa desgraça e ate tive que arranjar um funcionario só para isso. Realmente acredito que os empresarios (unico das empresa) continuam ganhando bem porem os ganhos não acompanharam a “valorização” dos imoveis. Além do que os salários dos funcionários teve um aumento infimo perto da valorização imobiliária. (Ocorre que as empresas – as que dão certo pq Algumas (MUITAS) fecham antes dos 2 aNOS) não se multiplicam como as pessoas – logo o rendimento das mesmas só se limita ao empresário e, por mais que ele ganhe seu numero é limitado e portanto, não teriam como alavancar o mercado de imoveis constantemente no tempo (comprar 1 e precisam de tempo pra se captalizarem novamente). A coisa é mais ou menos assim – o sujeito não tem onde por $$$ e põem em imoveis. Acho que é diferente do que ocorreu nas demais bolhas – aqui realmente as pessoas estão comprando por não terem onde enfiar $$$ – não temos dados suficientes para avaliar a real situação de quem realmente anda comprando tantos imoveis (pois antes desse boom 2005 em diante – quem tinha $$$ sempre investiu em imoveis e continuou a investir) agora temos que separa o joio do trigo – quem é realmente comprador de imoveis e que se transformou em “investidor” – ja de cara te digo “investidor de carreira” nãop compra apto. ele compra casas – conheco 1 q.só faz isso – derruba tudo e faz moradia PARA 3 ALUGAREM no mesmo terreno – o cara anda de mercedes SLK conversivel é não te paga 1 café (mesmo ele convidando) – agora investir em ap. é algo totalmente diferente do que esse cara faz – ele compra realmente para lucrar na locação (pelo que ouvi dizer tem mais de 120 inquilinos) – ele não paga condominio, não deixa imoveis vagos e tampouco paga altos valores – é por isso que não acredito em INVESTIDOR DE APTOS – esse é um negocio que ja nasce semi-morto em decorrencia das despesas. Rosinha, continuo no aguardo e tenho consciencia dos preços irreais – só não da pra se conformar com tantoi $$$ rolando como se fosse nada.
        PS Peço desculpas por eventuais erros pois aqui há uma patrulha de “professores” que ao invés de se preocuparem com o conteudo ficam de olho na FORMA – no me rompan los cojones estos politacamentes correctos

        La estúpida burbuja inmobiliaria que vivimos desquició al país, alteró sus bases productivas, prostituyó a una generación de empresarios y condenó a la esclavitud a una generación de jovenes.

        0
        • RosinhA 23 de junho de 2012 at 17:24

          Acho que é mal de empresário enxergar a realidade 😉

          André está totalmente certo, escrevi lá no começo o cronograma dos investidores, concordo com você, a bolha será diferente, pois tb observo a mesma questão no investimento de quem tem muito $$$, e está certíssimo, o antigo investidor de imóveis aquele que já “vivia do ramo” pois tem outras fontes, pode comprar 1 o ou 2 aps apenas, o resto é casa tem toda razão, ele sabe que possuindo o terreno, pode investir seu $$$ aos poucos, comprando sem nota, enviando cheques de terceiros a fornecedores, entre outros, é a melhor forma de fugir do governo, pois esse $$$ era devido de impostos, e se tiver que pagar somente uma parte na venda do imóvel o cara sai sorrindo e pagando café pra todo mundo 😉

          Quanto a patrulha Pasqualense que se rolem de raiva !!!!, postam 1 ou 2 vezes escrevendo: Aqui era melhor agora tá ruim, preguissa não se escreve dessa forma, etc, o que vale é a mensagem, não a escrita !!!!!!! Porque não fazem seu próprio blog, moderando comentários com erro de protugueis, assim deixa menos trabalho para o Bolha !!!!! Agregar nada mas chupinhar idéias ok.

          Quanto a frase dos empresários, perfeita, vamos deixar uma herança maldita :mrgreen:

          0
          • Cleyton 23 de junho de 2012 at 17:51

            herrar é umano, não saber escrever é bananense (ou coisa de coRetor).

            0
  • Sol de Sampa 23 de junho de 2012 at 12:21

    André, acho que estamos na mesma região, e vou te dizer uma coisa, não estão vendendo a rodo não, estou no aluguel e no meu prédio um apartamento levou um ano pra ser vendido a 600k – 120m2… tem outro que não vende por que as garagens são ruins…

    Acima informei de um empreendimento que vc deve ter visto – Matisse na rua Duilio – 94 ms – começaram anunciando com um preço dizendo que já era mais baixo que dos concorrentes em fev pp. a 6600 m2, caiu para 6400, 6200 e hoje estão tentando passar a 5900 m2 e a cobertura a 5500… e não vende … 50 % alegam que está vendido, eu não acredito.O prédio já está de pé na fase de acabamento para entregarm até maio de 2013…

    Outro na região é o Pateo Mondeo da Gafe… lançaram a 1100 kk, baixaram para 800 k em março e subiu novamente em maio para 1080kk, este mes baixaram 10k e tem anuncio no bomnegocio de repasse a 750k…

    Então fica frio, eu também estou angustiada, pois quero arrumar meu lar, como todos aqui, mas se desesperar não vai resolver… As quedas reais começarão a aparecer no final do ano, pelas construtoras nos lançamentos e no meio do ano com aptos usados… antes disso um ou outro que já está ha mais de 1 ano e não vendeu que deve cair de preço… Tenha calma…

    0
    • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 23 de junho de 2012 at 13:24

      Sol

      Calma eu tenho de sobra – o que eu não tenho e $$$$ – estou juntando mas me sinto remando contra a maré – minha expectativar é juntar uns 300k ate 2014 mas creio que isso vai ser grana de pinga – portanto, só estou observando e acredite, morando de aluguel numa casa de 500k pagando 1,8k (me sinto um milhonario) – o problema é que a gente vê coisas qua ate deus duvida…os preços que vc esta citando ai são incrivelmente irreais – tanto os que cairam como os que não cairam – 600k – 800k 1100k – esses valores são coisa de louco meu!!!! como diria o Faustão. Por isso é que eu digo – ou os preços estão normais – ou eu estou pobre – ou muito comprador vai perder $$$$ ao pagar esses valores. Minha perpectiva seriam valores em 250 a 350k mas no momento estamos falando no dobro – Como não pretendo comprar nada até passar a copa vou continuar com minhas economias só assistindo – só acho curioso os valores atualmente pagos pelos imoveis – será que o povo realmente ainda acredita que os valores são justos e que se não comprare agora nunca mais vão comprar?

      Un día estaba Diógenes comiendo un plato de lentejas.(lentilhas) En ese momento llegó(chegou) Aristipo, otro filósofo que vivía con lujo(luxo) adulando(bajulando) al rey Alejandro Magno y le dijo(disse):
      Mira(olhe), si fueras(fosses) sumiso(submisso) al rey, no tendrías que comer esa basura(lixo) de lentejas(lentilhas)
      Diógenes le contestó:
      Si tú aprendieras a comer lentejas(lentilhas), no tendrías que que degradarte adulando(bajulando) al rey

      0
      • Sol de Sampa 23 de junho de 2012 at 18:03

        André, a minha previsão é que com 300 k agente faça a festa… como eu te disse estou num apto muito gostoso, de 120 m2, no mesmo andar, quando mudei em abril, haviam fechado negócio com o outro apto… levou um ano de negociação e acabou sendo vendido por 600k,

        conversa vai, conversa vem com o zelador, depois de 1 mes no prédio ele
        falou do outro apto que esta a venda (foi retomado pela construtora) e faz mais de 1 ano e não vende… pra vc ter uma idéia em maio a construtora teve que pagar 20k de condominio atrasado, fora o iptu… ele me segredou
        que se eu fizesse uma proposta ele levaria até lá e convenceria que tá dificil, e ainda me disse, sem mentir… e ainda me alertou sobre as vagas… que realmente são muito ruins … se não fossem eu teria proposto exatamente
        320 k e vou lhe dizer uma coisa… acredito que a construtora teria aceitado…
        Embora goste muito do prédio, do zelador e dos funcionários que são muito bons mesmo, o apto é um pouco pequeno pra o que juntei na vida heheheh,
        preciso de um acima de 127 ms… É uma pena, pois realmente gostei muito …ma tenho 30 meses pela frente e vou aproveitar até o ulltimo minuto..

        Também me sinto pobre olhando os preços de venda, mas como o mundo gira e a vida da reviravoltas, acho que estamos começando a curva ascendente …

        A GAFE com o páteo mondreo, baixou 10 k porque não vende…. região pode ser boa maravilhosa, mas com esses preços de 10 k om2 não vai sair do projeto….

        Veja, nem o matisse que está por 5900 o (quase a metade) estão conseguindo vender… estão desesperados por uma proposta, eu fiz a minha
        250 k na cobertura de 188 m2 e ainda com a condição de caber uma cama de casal com 2 criados mudos na suite, pois na planta original de 94 não cabe mesmo…se houver alguma resposta eu posto …

        Mas fique menos ansioso, depois das eleições as coisas vão se precipitar … pode juntar sua grana que vai ser mais que suficiente….

        Outra dica, uma construtora de renome na região é a Paulo Mauro, que teve um lançamento que foi vendido num final de semana, pois bem, eles estão com um pretenso lançamento na Coriolano, que ainda não foi “divulgado”, mas tem stand no local e a moça flecha todos os finais de semana… não tá saindo do lugar .. o stande tá vazio há 3 meses … ou seja aquele empreendimento que venderam em 2 dias foi the last…..

        Vamos trocar figurinhas… fale o tamanho que vc quer se eu ver algo que valha a pena dou um toque ok?

        0
    • Guilherme Eduardo 23 de junho de 2012 at 13:39

      Cuidado com o que vocês veem por aí. Muitos lançamentos contabilizam como vendidos apartamentos que receberam propostas, mas a venda pode ou não ser concretizada. E tem também alguns que a própria incorporadora reserva. Vá em algum stand de lançamento “80% vendido” e diga que quer comprar em dois ou três andares nos quais os apartamentos estão todos como vendidos. Na hora eles vão falar que não tem, mas pegarão sua poposta. Se você tiver o nome limpo, em um ou dois dias te ligarão falando que teve uma devolução, mas que te outras pessoas na fila e que você tem que fecar logo.

      0
      • Guilherme Eduardo 23 de junho de 2012 at 13:39

        * fechar logo

        0
        • Anonymous 23 de junho de 2012 at 15:13

          Se quer o “fecar logo” está correto, pois comprar imóvel hoje é fazer uma CAGADA 😉

          0
  • RPL 23 de junho de 2012 at 12:56

    Rosinha,

    Estava dirigindo ontem pelos lados do Campestre e para não passar na frente do BPM na Alameda (sabe como é com os últimos acontecimentos), acabei fazendo um desvio e passei em um lugar com uma faixa na frente informando que havia mudado de endereço!

    A faixa é sua?!?!? Se for qualquer dia passo para tomar um café e conversar sobre os bolhudos!

    0
    • RosinhA 23 de junho de 2012 at 15:20

      não não é RPL, aonde está dizendo?

      0
      • RPL 24 de junho de 2012 at 01:14

        Numa travessa da Al. São Caetano!

        Tem uma faixa enorme dizendo que a Decoradora Rosa Fernanda havia mudado! Pensei que fosse você pelo bairro e pelo nome e pelo bairro!

        Comentei na hora para a minha namorada! (que depois de muita conversa começou a concordar com a bolha depois de muito tempo).

        0
        • RosinhA 24 de junho de 2012 at 08:35

          Hehehe RPL, não sou eu não, na verdade eu e meu marido temos nomes iniciados por RÔ, eu o chamo de Rôsinho e ele de Rôsinha ou Housinha devido ao seriado, não tem nada a ver como nome Rosa, é um diminitivo das primeiras letras de nossos nomes RO :mrgreen:

          Conheço a loja da Rosa Fernanda, ela trabalha com decoração de flores, ela cresceu bastante e agora fora arranjos e cestas de enfeites, seu forte é casamentos aproveitando-se da bolha 😉 mas ela é super competente mereçe o crescimento, começou do nada particamente.

          0
  • Douglas 23 de junho de 2012 at 13:09

    Proximo de onde moro, PDG anuncia, compre um apartamento e “ganhe em carro”, o imovel deve custar no maximo 250, claro q eh sorteio, fazem isso para atrair o povo, se isso nao for uma medida desesperada, para um Mercado q se diz em extrema valorizacao, precida apelar assim? Estao apelando, mentindo, pois vc esta concorrendo e nso ganhando, a um ano atras nao vi isso… O apocalipse chegou..

    0
  • Cacá 23 de junho de 2012 at 14:10
    • RosinhA 23 de junho de 2012 at 17:31

      Cacá eles tem o Anonymous de lá também 🙂 Forreta

      Os comentários são melhores até que o texto:

      forreta
      23.06.2012 – 08:48 denunciar

      Mas que povo… deixem Portugal e venha para a Suiça…
      Somos todos escravos, desde dos descobrimentos que aplicamos escravatura e as riquezas roubadas nao eram investidas mas usadas para o bem estar da monarquia… hoje em dia nada mudou… fujam desse pais, venham para Suiça que vos ajudarei.
      Deixo aqui um motor de busca para encontrar trabalho na Suiça: woorkle.com

      GALAICOLUSITANO
      23.06.2012 – 12:19 denunciar

      POIS DEIXAI OS BANCOS ESTOURAR. QUE NINGUÉM LHES PAGUE MAIS NADA A ESSES VIGARISTAS.
      A LADROAGEM COMEÇA A TREMER. VOU-ME RIR…
      SUGESTÃO: PONHAM O MONEY EM BANCOS DE OUTRO CONTINENTE.

      caovidado
      23.06.2012 – 01:17 denunciar

      A malta do BETÃO e os autarcas são, neste país, responsaveis por muitos “crimes” contra a comunidade (urbanizações péssimas, acessos terríveis, corrupção camarária, etc). Nenhum empreiteiro fazia casas sem ter no mínimo 100% de lucro, com dinheiro da banca que também enchia os bolsos. Agora vão para o diabo que os carregue!

      0
      • Cacá 23 de junho de 2012 at 20:39

        Hehehe. Verdade RosinhA… Só faltou o tutorial sobre como abrir conta nos bancos suíços.

        0
      • Anonymous 23 de junho de 2012 at 21:41

        Deixai, deixai logo a Banânia, ide ao Velho Mundo ou à Terra dos Livres 😉

        PS: Quem seguiu o manual do Anonymous, aumentou a quantidade em Reais em cerca de 20% nos últimos 5 meses.

        0
  • CAMBALHOTA 23 de junho de 2012 at 14:38

    Dando uma olhadinha rápida nas coberturas acima de 120m2 na tijuca, com 2vgs. Sempre me deparo com vários anúncios do mesmo imóvel por preços e metragem MUITO diferentes, olhem só:

    ## Anúncio 1 => 210m2 => 585k
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-4-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-TIJUCA-RUA-SAO-MIGUEL/ID-2344868

    ## Anúncio 2 => 282m2 => 580k (CRESCEU 72m2 e DESCEU 5k) 😮
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-4-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-TIJUCA-/ID-3216356

    ## Anúncio 3 => 252m2 => 530k (CRESCEU 42m2 e DESCEU 55k) 🙂
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-4-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-TIJUCA-/ID-2987561

    Ou seja, assumindo somente estes números, temos no mínimo uma queda sem contestações de 9,4% entre o anúncio mais caro e o mais barato.

    Ou seja, com 20 segundos de uma procura básica e prestando atenção das fotos se fosse comprar já tinha economizado o valor de um bom carro médio.

    Outro exemplo agora cobertura com 1 vaga só em Vila Isabel:

    ## Anúncio 1 => 130m2 => 510K
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-V.-ISABEL-/ID-2740279

    ## Anúncio 2 => 140m2 => 495k (CRESCEU 10m2, DESCEU 15k)
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-V.-ISABEL-RUA-VIANA-DRUMOND/ID-3169744

    ## Anúncio 3 => 130m2 => 484k (Voltou aos 130m2, DESCEU 25k)
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-V.-ISABEL-/ID-3219897

    Temos no mínimo uma diferença de 5% entre o anúncio mais caro e o mais barato (25k, já compra boa parte da mobília!)

    Na boa, vou continuar no meu aluguel por mais um tempo com certeza. Se em 2 min vc constata isso no ZEPLT, se tiver tempo de bater perna, ir nas corretoras, bater de portaria em portaria nos bairros ou rus que te interessam, etc, vai pegar discrepância ainda muito maiores.

    0
    • Ploc 23 de junho de 2012 at 17:28

      TIJUCA
      ## Anúncio 1 => 210m2 => 585k
      De Nov/2011 ate Maio/2012 = R$505k

      ## Anúncio 2 => 282m2 => 580k (CRESCEU 72m2 e DESCEU 5k)
      Anuncio novo não tenho registro

      ## Anúncio 3 => 252m2 => 530k (CRESCEU 42m2 e DESCEU 55k)
      Anuncio esta no ZAP desde abril/212 com mesmo valor

      Vila Isabel
      ## Anúncio 1 => 130m2 => 510K
      Em Dez/2011 = R$ 489K
      Em Abril/2012 = R$ 494K
      Em Junho/2012 = R$ 510K

      ## Anúncio 2 => 140m2 => 495k (CRESCEU 10m2, DESCEU 15k)
      Anuncio novo não tenho registro

      ## Anúncio 3 => 130m2 => 484k (Voltou aos 130m2, DESCEU 25k)
      Anuncio novo não tenho registro

      PLOC

      0
  • Ze Bom Dirolo 23 de junho de 2012 at 15:03

    Só para aquecer a cabeça dos corretores, liguei para 4 e ofereci metade do valor do imóvel. Um deles até que queria conversar mais.

    Trollagem do dia. Só pago a metade. Faço parte de uma pequena minoria que o corretor tem chance de fazer negócio atualmente…..É bom eles pensarem bem, pois essa minoria está em extinção…

    0
  • Leno 23 de junho de 2012 at 16:39

    A especulação imobiliaria é uma forma de terrorismo.Principalmente quando feita em imoveis destinados aos mais pobres.

    Mês passado conheci um empreendimento do MCMV no litoral sul de SP. Mas é o verdadeiro MCMV, que constrói para quem realmente não tem nada. Neste empreendimento os beneficiados pagarão o valor simbólico de R$100.00/mês durante 10 anos, e pasmem! o apartamento me pareceu melhor que muitos vistos no mercado custando 300k.

    Mas nem tudo são flores, principalmente para os pobres. A especulação já deu suas caras por lá, e já tem fdp repassando os ap para quem pegou a fila tarde, tirando a oportunidade de muita gente ter acesso a um direito basico. E tudo isso,obviamente,é compactuado com a banda podre da prefeitura da cidade, que permite pessoas fora do perfil sejam cadastrados e recebam o beneficio, tirando um direito que não tem preço para muitos em troca de 5k,10k para poucos.

    0
    • ray 23 de junho de 2012 at 18:41

      Não entendo como o governo pode permitir repasses bolhudos de MCMV, é um programa social…

      0
    • xyz 23 de junho de 2012 at 19:01

      O que os esquerdopatas não conseguem entender é que mesmo na 1a. faixa do MCMV (onde o governo dá a casa), é um programa nefasto, pois quando dá para 1 acaba “tirando” dos outros 99 que ficaram sem receber. O programa deveria ser mais inteligente para beneficiar os 100, deixando uma parte do esforço para eles também. O estado paternalista está ensinando o povo a viver de esmola.

      0
      • Leno 23 de junho de 2012 at 20:36

        Não vejo dessa forma colega. A questão não é contemplar 100%, mas garantir que os que foram contemplados realmente se encaixem no perfi do programa.

        Neste caso há sim um esforço exigido dos beneficiados, afinal, R$100.00 para quem vive com um salario minimo ou menos representa muita coisa.

        O que vejo como falha neste programa alem de permitir a especulação, é a falta de acompanhamento dos imoveis entregues ao longo do tempo, visando garantir que o mesmo não seja repassado para terceiros sem conhecimento do governo, ou virem objetos de especulação.

        0
        • simone 23 de junho de 2012 at 20:51

          CONHEÇO GENTE OM DINHEIRO QUE COMPRA VÁRIOS MINHA CASA MINHA VIDA COM PREÇO DE 100 MIL , PRA DEPOIS REVENDER OU VIVER DE ALUGUEL

          0
          • xyz 23 de junho de 2012 at 22:58

            Também conheço investidores deste mercado, mas quem não conhece? São tantos os exemplos.

            O pior é que toda essa especulação com dinheiro público é fomentada pelo nosso governo incompetente e irresponsável.

            0
    • ana carolina 24 de junho de 2012 at 08:29

      Pelo que eu sei, pelo menos no Rio de Janeiro, não é possível alguém com maior renda se enquadrar no MCMV primeira faixa (de 0 a 3SM), pois o cadastro é feito na Secretaria Municipal de Habitação que checa os documentos e o perfil e só assim, através de um sorteio, o cara tem direito a uma unidade no Programa. O que não impede o repasse, mesmo sem o titulo de propriedade (que só é dado ao fim dos 10 ou 15 anos de financiamento). No entanto, nas faixas a partir de 3SM, isso acontece e muito. Um empreendimento de 3-6SM tem muitas unidades adquiridas por “investidores”. O único problema é que o investidor não vai obter os benefícios do programa: juros mais baixos e o subsídio de até 23k. Acho que o MCMV tem falhas demais! Não acho que o sujeito de 0-3SM deva ‘ganhar” um apartamento. Porque, de que adianta ganhar um apartamento e não conseguir pagar a luz, a água ou o condomínio caro? Mesmo que ele seja bem intencionado, acaba, por impossibilidade financeira, repassando o bem…

      0
      • Cleyton 24 de junho de 2012 at 17:28

        Ana, é justamente aí que está a maior fragilidade do programa, entregar para os municípios o cadastro, tem todo o tipo de falcatrua, documentos falsos, revenda, etc.

        Eu sobe só de dois casos que deram problema mesmo, um alguém denunciou na TV e pegaram o funcionário, outro foi em Porto Alegre, eles ameaçaram retomar as casas vendidas com contrato de gaveta já que eles tinham dado as casas para os que moravam em áreas de mananciais e tinham o cadastro de todo mundo.

        0
  • Neo 23 de junho de 2012 at 17:44

    http://aliga.band.com.br/conteudo.asp?id=100000511219&m=fa0f70397c8199a7e39b2433843d36c0#Episodio

    Dá um play no video acima e pula para o 8 minutos e ouçam o que esse cara fala sobre o preço dos imoveis … kkkkkkk ….

    A reporter fica sem jeito e fala “mas se tá esse preço nao é pq tem gente pagando?!?”

    Tem, tinha, eram investidores (grifo meu) kkkkkkk ploc!

    0
    • Leno 23 de junho de 2012 at 19:31

      Olha o que a menina do video diz: “….O aluguel tem aquela dificuldade. Se voce ficar desempregada….voce está fora…”

      O que ela acha que acontece se estiver pagando financiamento da casa que ela acha que é dela, e ficar desempregada?

      0
      • Cleyton 23 de junho de 2012 at 20:23

        Pelo menos no aluguel tem aquela graninha que estava sendo guardada pra comprar, só vai atrasar um pouco.

        Se o salário não deu pra guardar nada também não ia dar pra financiar, se dava pra guardar mas não guardou então tem mais que os outros (mais que se f* mesmo).

        Resumindo, perfeito!

        0
  • PBR 23 de junho de 2012 at 20:30

    Recebi e-mail de um corretor com um pré-lançamento na rua cabral em Porto Alegre:

    Prezado XXXXX

    Está previsto para o mes de julho o lançamento do Quartier Cabral, localizado no numero 600 da Rua Cabral, é um empreendimento do Melnick Even.

    Como todos os lançamentos da Melnick tem uma velocidade de venda muito boa, já estamos efetuando o cadastramento de interessados. No momento não dispomos de tabela de preço que será disponibilizada no lançamento. serão apartamentos de 140,78 m2 com 03 suites, dependencia de empregada, churrasqueira e toda infraestrutura de lazer em uma região super valorizada
    Estou anexando apresentação do empreendimento e fico a tua disposição para eventuais esclarecimentos.

    Dá vontade de bater… “estamos efetuando o cadastramento dos interessados”. Como se fosse um favor vender essa trolha bolhuda. E ainda por cima anuncia sem nem dizer o preço. Pelo local e padrão, duvido que peçam menos de 800.000,00. Dei uma trolladinha de leve na resposta:

    Prezado XXXX,

    Obrigado pelo contato. Estou interessado em adquirir uma unidade com 2 vagas. Tenho um contrato de aluguel até a metade de 2014, qual é a data prevista para a entrega? Quanto aos valores, já que ainda não tem tabela, ofereço uma proposta inicial de 350.000,00 a vista. Mas atenção, esta oferta é válida somente para o mês de julho, aproveitem enquanto ainda tem gente com dinheiro na mão para comprar. Dadas as condições do mercado, a próxima proposta será bem mais magra. Aguardo teu contato.

    0
    • simone 23 de junho de 2012 at 20:47

      moro em porto alegre , fica perto do ipa e do cord

      0
      • PBR 23 de junho de 2012 at 22:22

        É, porto tá osso, MAIS de 5k o m2 em qualquer coisa + ou -. Um indício que vi de redução de preços foi um 2 quartos de 70 m2 no bom fim (Due Fratelli) que ofereceram por 460 e vi anunciado por 405. Claro que isso também pode ser alguma diferença de unidade, andar, etc… Tu tens pesquisado os preços? Tens observado alguma tendência?

        0
    • PBR 23 de junho de 2012 at 23:27

      O pior é que o sujeito respondeu, pelo visto ele não atinou na trollagem, e achou que eu oforeci 350 na ingenuidade. Vejam só a resposta dele:

      Prezado XXXXX:

      O empreendimento que te apresentei será lançado no mês de julho/2012, é uma torre com excelente posição geográfica. No momento não foi emitida tabela de preço, o que ocorrerá por ocasião do lançamento, mas não tenho dúvida que o preço não ficará abaixo de R$ 6.000,00 o metro quadrado, que é o valor da região, como a área é de 140 m2, imagino que não fique abaixo de R$ 840.000,00. A data de entrega, como estamos em fase de pré lançamento também deve ficar para dezembro/ 2015, porem essas informações a Melnck irá confirmar no lançamento. Você tem um ótimo potencial de compra, também tenho outros lançamentos com maior bre vidade no prazo de entrega , porem é importante saber:

      Numero de dormitórios ?
      Área aproximada do imóvel ideal?
      Bairros do teu interesse?
      Se tens interesse de financiar uma parte do valor do imóvel ou busca no mercado um imóvel de R$ 350.000,00.

      Tenho empreendimentos para apresentar nessa faixa de valor mas em regiões distintas, inclusive com entrega durante o ano de 2013.

      Já sei do prazo ideal de entrega e da necessidade de duas vagas, temos que considerar que alguns bairros estão com uma valorização muito crescente, mas por incrível que pareça é onde a velocidade das vendas é maior o que nos permite fazer bons investimentos.

      Me informa estas tuas necessidades que estarei te colocando a par do que tem no mercado.

      Detalhe: “Regiões distintas”… Fico imaginando quais as características que distinguem estas regiões daquela do empreendimento: Pobreza? Violência? Falta de urbanização? De transporte? Bom, vamos esperar pra ver. Respondi o seguinte:

      Prezado XXXX,

      Para facilitar teu filtro, vão abaixo informações do meu perfil e do perfil de imóvel que desejo:

      Dados pessoais:

      Engenheiro, 31 anos, casado, sem filhos.

      Dados do imóvel:

      2 ou 3 dormitórios
      2 vagas
      no mínimo 110 m2 de área útil, andar alto
      Bairros de interesse: Bom Fim, Rio Branco, Bela Vista, Moinhos de Vento e adjacências.

      Embora o contrato de aluguel vá até 2014, posso rescindí-lo caso apareça uma boa oferta de um imóvel pronto.

      Desde já agradeço a tua ajuda.

      Eu ia botar a renda familiar junto na descrição, ia ser ótimo pra finalização da trollada, mas fiquei meio assim, já que estou usando meu e-mail verdadeiro. Vai que o cara é bandido? Aí eu passo de potencial otário para potencial alvo de um sequestro relâmpago.

      0
    • augusto 24 de junho de 2012 at 09:53

      Podemos iniciar um cadastramento nacional de corretores que não fossem mentecaptos; Creio que um caderninho de bolso com pouquissimas páginas serviria como material para o cadastro

      0
  • Miguel Jacó 23 de junho de 2012 at 21:24

    Não faz um mês que algumas pessoas da equipe de comentaristas econômicos da Globonews comentavam que o Brasil vivia em um bom momento, era o país da moda, e todas as atenções mundiais estavam voltadas para nós. Em resumo: diziam que o país estava muito bem, obrigado.

    Nestas últimas semanas, porém, observo gradualmente a “mudança de opinião”: agora o PIB não ultrapassará 2,5 , a crise da Europa está chegando aqui, os dados de desemprego decrescente não batem com a realidade, as medidas de incentivo ao consumo não estão surtindo efeito etc etc etc…

    Faz 2 anos que acompanho este blog, e faz praticamente 1 ano que eu cantei a pedra, assim como alguns daqui, ainda meses antes. Será que é tão difícil assim enxergar a realidade? Ou será que jogaram a toalha? Ou o que será que aconteceu neste último mês que mudaram tanto suas opiniões?

    Então pergunto: se ATÉ a imprensa já está tornando pública a real situação (claro, com atraso de 1 ano), alguém ainda duvida que estamos na iminência da explosão catastrófica da bolha?

    0
    • RosinhA 23 de junho de 2012 at 21:42

      Samy comentou tb Jacó:

      “http://blogdosamy.blog.uol.com.br/

      0
    • AF 23 de junho de 2012 at 22:55

      O pior é que vamos crescer pouco sobre uma base pequena (pibinho de 2011).

      Uma coisa que realmente quero ver é ter pib 4,5% no 2º semestre (1º tri foi 0,2%).

      Isso é dito pelo mesmo cara que quinta-feira falou que não teria aumento na gasolina.

      0
    • augusto 24 de junho de 2012 at 09:50

      É o que dá ter tantos jornalistas formados em faculdades fraquissimas. São mal informados, conduzidos por interesses ou por falta de preparo, e só acordam tarde demais. A imprensa com isto começa a perder credibilidade

      0
      • Zoom 24 de junho de 2012 at 11:13

        Já perdeu faz tempo… mentirosa, manipuladora, sensacionalista, ……..

        0
  • GB 23 de junho de 2012 at 22:32

    Nossa, o que tem de anúncio de terreno à venda com repasse do resto da dívida é uma coisa impressionante.

    Tinha um carinha com 3 terrenos de 150m², um ao lado do outro, alguém brincando de ser especulador, comprou pensando que ia pagar só o começo, que o bairro ia crescer e ele ia vender os dele depois com um belo lucro, coitado, conheço o loteamento e ninguém está construindo nada lá, está às moscas, é incorporadora brigando contra quem já comprou para ver quem consegue vender, kkkkkk..

    Inclusive ele quer R$ 30k em cada um e repassa R$ 75k (em cada um) de financiamento.

    Aí, aproveitando a tarde de folga e no intuito de tocar terror na alma dos especuladores com seus micos encalhados, entrei em contato com vários só mandando a seguinte mensagem:

    “Bom dia, eu tenho interesse no terreno mas não quero dar a entrada, só tenho interesse no repasse da dívida, tem jeito ?”

    A maioria deles vai gelar quando ler isso e não vão nem dormir lembrando que nenhum interessado de verdade entrou em contato, que nenhum corretor consegue vender, que o PIB está baixo e a próxima mensalidade já está próxima para pagar e eles nem podem cobrar no preço pois se aumentar o preço aí é que não vende mesmo.

    0
    • Anonymous 23 de junho de 2012 at 22:55

      Fica melhor assim:

      Eu tenho interesse no terreno. Entretanto acredito que estamos perto do estouro da bolha imobiliária que vem se formando desde 2007. Portanto, só vou considerar a compra se pagar somente a dívida. Pense que posso estar tirando um peso do seu orçamento.

      0
    • Justiceiro 23 de junho de 2012 at 23:12

      Um amigo meu pagou 70k num com quase 500m²… achei caro demais, um roubo..
      Na boa, GB, 105k para uma porcaria de 105m²?
      Esse investidor tem mais é que falir… ou falir e ser preso…

      0
    • Zoom 24 de junho de 2012 at 11:19

      Fica melhor assim:

      Obrigado, vou continuar no aluguel e esperar o estouro da bolha.

      Por mim, o cara vai morrer com essa pika na mão e só irei adquirir algo de pessoas sensatas, consciêntes da situação. E olha que existem, hein!

      0
    • Paulo Rocha 25 de junho de 2012 at 07:26

      Eu entraria em contato, mas num primeiro momento só pediria para ele confirmar o valor da dívida e o prazo das mensalidades. Aí depois de um mes e un 4-5 dias antes do próximo prazo proporia comprar pagando 10% a menos que o valor da dívida dizendo que o terreno nem vale tanto assim mas que pelo menos ele se livraria da bomba. E é para se decidir logo, já que ele não é o único comprador.

      0
  • AF 23 de junho de 2012 at 22:34

    Ao invés de “Investidores deixam mercado e intenção de compra de imóveis diminui, revela pesquisa – Agência Estado/Broadcast” este tópico poderia ser:

    – Investidores são expulsos do mercado e intenção de compra de imóveis diminui, revela pesquisa – Agência Estado/Broadcast ;

    – Expeculadores deixam mercado e intenção de compra de imóveis diminui, revela pesquisa – Agência Estado/Broadcast ;

    – Tiraram o joio do trigo do mercado e intenção de compra de imóveis diminui, revela pesquisa – Agência Estado/Broadcast

    Entre tantos outro. 🙂

    0
    • GB 23 de junho de 2012 at 22:48

      Investidor tem $$$$ e quer investir para ter lucro, claro.

      A maioria saiu da renda fixa assim que a SELIC baixou, aí acabaram indo para imóveis, um investimento arriscado pois a liquidez é baixa.

      Aí como tinha gente interessada as destrutoras resolveram atender a seus pedidos e começaram a construir loucamente, aumentndo os custos e fazendo a alegria dos especuladores e bancos.

      Em set/2011 os investidores notaram que ia valorizar menos que a poupança e aí resolveram vender, fazendo a alegria de jornais e sites de anúncios, para tristeza das destrutoras que de um dia para outro pararam de vender e ainda tinham que competir com todo esse Shadow Inventory.

      0
  • AF 23 de junho de 2012 at 23:21

    Financeirização e crise dos imóveis

    No caso da construção de um imóvel, as relações entre o mundo real e a economia virtual são de natureza distinta. Em geral, as deformações têm início no processo de financiamento das construções. São bens de valor relativamente elevado para o padrão de renda da maioria das famílias. Em razão disso, o sistema financeiro é obrigado a constituir mecanismos para a concessão de crédito imobiliário de longo prazo, capaz de oferecer prestações e condições compatíveis para os interessados. Os casos mais freqüentes são os de hipotecas de 2, 3 ou mais décadas. No caso brasileiro, utiliza-se como lastro para esse tipo de empréstimo os mecanismos de poupança compulsória (como o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS) ou o sistema da caderneta de poupança.

    Em termos gerais, nos momentos de expansão do crédito há uma tendência inerente ao sistema de constituição das chamadas “bolhas de preços”. O sistema todo passa a operar como que inflacionando os preços dos imóveis: existe crédito suficiente, há aumento de demanda, as empresas construtoras atendem pelo lado da oferta. Assim, as condições parecem ideais para um salto à frente. Para aqueles que estão operando no dia-a-dia desse tipo de mercado, tudo parece normal. Mas basta um mínimo de distanciamento para se perceber que ele está completamente deslocado dos preços da economia real.

    Os primeiros sinais de crise começam a surgir nos momentos da chamada “realização” dos ganhos. As expectativas com relação ao passado começam a não mais se realizar, tal como pretendido pelos agentes intervenientes no mercado. As empresas não cumprem com as promessas de entrega dos imóveis, os compradores começam a ter problemas para fazer face às obrigações financeiras dos empréstimos contraídos. Os preços elevados de compra e venda revelam-se estar em um verdadeiro mundo da fantasia. Como os tomadores de empréstimos não tinham condições de renda para assegurar as condições dos contratos em horizontes de várias décadas, as instituições financeiras criaram mecanismos de repasse do risco de não-pagamento das hipotecas. São os mercados derivativos de risco de inadimplência, onde os agentes apostam na maior ou menor especulação quanto às hipóteses dos contratos serem ou não honrados.

    Há instituições financeiras de segunda linha especializada na comercialização desse tipo de “ativo tóxico”. Em seu conjunto, o sistema opera como as conhecidas “pirâmides da alegria” – na verdade, de ilusão e fantasia. Enquanto tudo está em movimento, tem-se a falsa sensação de normalidade. Porém, quando há uma primeira falha e não se consegue cumprir o prometido, está criado um efeito dominó e tudo passa a se desfazer como um castelo de cartas. O devedor não consegue pagar a prestação. O banco exige o imóvel dado em garantia. As instituições que ficavam com o risco não têm como repassá-lo à frente. Rapidamente aumenta a oferta de imóveis para venda e os preços vão lá para baixo.

    Quem consegue vender, dá-se conta que o valor obtido na operação é muito menor do que o constante no contrato de empréstimo contraído. O mundo real se impõe ao da especulação artificial. A crise está escancarada.

    “http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=5636”

    0
    • Ze Bom Dirolo 24 de junho de 2012 at 00:08

      Perfeito.

      0
    • Rafael KM 24 de junho de 2012 at 00:16

      Mas aqui no Brasil é diferente.

      Com esta história do imóvel na planta e a (in)competência das construtoras em entregar no prazo, muita gente vai se safar da dívida devolvendo o imóvel para a construtora, tão logo comece o preço a despencar e vejam que não terão como repassar o imóvel com lucro, de modo que a devolução devido ao atraso na entrega das chaves vai ser a salvação de muitos espertos, já que vai ter ocorrido ANTES do financiamento real e o investitolo vai perder só o que foi pago durante a construção (e nem vão arcar com o reajuste do INCC!). E isto é mais vantajoso justo para o pessoal que comprou no meio para o final da bolha, pois quem comprou no início já recebeu o imóvel e já repassou, ou tá recebendo agora e vai se lascar.

      Será que as construtoras se deram conta disto aí?

      Eu vejo no horizonte muitas falências de construtoras. E esse é o motivo. Não vejo outra perspectiva, a não ser que entreguem todos os imóveis no prazo ou no mesmo mês. Mas no reclameaqui, nas reportagens na tv e nos relatos de compradores (principalmente os que compraram para morar, e não para especular) vê-se que o destino é esse aí mesmo.

      Não creio que os bancos levem a pior.

      Nas crises de fora alguém tem notícias das construtoras?

      0
      • GB 24 de junho de 2012 at 08:27

        A devolução não é a salvação desses metidos a esperto e que queriam se aproveitar para ter lucro fácil.

        Além de perder 30% eles vão ter que esperar a destrutora vender o imóvel devolvido para receberem os outros 70% e isso não está fácil, a destrutora vai querer vender os dela e deixar o tempo passar e se ela falir, aí já era.

        0
      • GB 24 de junho de 2012 at 08:42

        Acho que no máximo isso pode livrar o cara das prestações seguintes.

        O lance é torcer pro pessoal continuar insistindo em tentar vender para outro otário com lucro, aí continuam pagando e o problema só aumenta e a choradeira vai ser maior.

        Não pagar é muito pior, ele pode ser processado por não cumprir com suas obrigações, mesmo que o imóvel não valha o que ele está pagando, kkkkkkkk (esse aí nunca mais investe em telefone fixo ou imóvel).

        0
    • KaTsu Nami 24 de junho de 2012 at 10:00

      Corretissimo. Acho ateh que merece puxar um novo topico.

      0
  • sReal 24 de junho de 2012 at 00:26

    Pela minha avaliação, um apartamento em situação normal deveria custar:
    – 1 quarto (50 m2) = U$ 30.000,00 => R$ 65.000,00
    – 2 quartos (60 m2) = U$ 40.000,00 => R$ 80.000,00
    – 3 quartos (70 m2) = U$ 50.000,00 => R$ 100.000,00
    O CUB(metro quadrado construíd) acima de R$ 1.000,00 é especulação.
    Houve um ganho extraordinário na área de construção, que por sua vez atraiu diversos empreendedores que tinham saído do mercado

    em épocas normais. Também trouxe novos empreendedores, mesmo do estrangeiro, como a ACS da Espanha, que possui milhares de imóveis

    prontos e abandonados nas costa espanholas devido a crise espanhola. A mesma patrocina o time do Real Madrid que se encontra em

    crise. Essa mão-de-obra farta, e preço muito acima da realidade e dificuldade em conseguir financiamento bancário, fará que novos empreendimentos acima de R$ 120.000,00 sejam totalmente ignorados. O salário médio do brasileiro de classe média/alta gira em torno de R2,500,00. Para obter o financiamento para R$ 120.000,00, o banco exige salário/renda de cerca de R$ 4.500,00 para pagamento em 30 anos!!! Do mês atual até o início de 2013 serão liberados milhares de empreendimentos, e com a correção pelo INCC muito imóveis que foram comprados na planta por R$ 130.000,00 a R$ 150.000,00 mais os famigerados kits acabamentos em 2009/2010 deverão negociar o financiamento por R$ 180.000 a R$ 250.000,00, cujas rendas comprovadas deverão ser entre R$ 6.500,00 a R$ 9.000,00. Resumo, não conseguiram financiar nem mesmo 1imóvel, e se comprou mais, vai se dar muito mal. Bom, o que pensam sobre isso?

    0
  • Neide 24 de junho de 2012 at 01:11

    No caso de “distrato”, ou seja, devolução antes da entrega das chaves, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor, a construtora tem que devolver pelo menos 70% de tudo que foi pago durante a construção. E fica claro que as construtoras sabem muito bem disso.

    0
    • GB 24 de junho de 2012 at 08:21

      Correto, mas a coisa não é assim tão fpácil, tipo devolve e recebe os 70% de volta, ele está arriscado a perder os 100% que pagou.

      É que a destrutora só vai devolver quando conseguir vender o imóvel devolvido para ourtra pessoa, então além de perder 30% ainda vai levar um bom tempo para o camarada ver esses 70%, isso se ela não falir antes, aí como ele não é Governo e nem ex-funcionário, pode não ter $$$$ quando chegar a vez dele receber.

      E como ela também tem imóveis à venda, encalhados, concorrendo com as devoluções que receberam, você acha que vão se esforçar para vender os dela ou os de devolução primeiro ?

      Vida de especulador não é fácil, os tubarões saíram em setembro e deixaram o problema para os pequenos, coitados.

      O engraçado é que eles tem as prestações para pagar, ou seja, estão jogando mais $$$$ no negócioe nem sabem o que vai acontecer no final, eu particularmente acho que vai acontecer como na especulação de telefones fixos: vão perder tudo do dia pra noite.

      0
    • augusto 24 de junho de 2012 at 09:43

      Negócio da China hem, já se perde pelo menos 30% do pago.
      KKKKKKKKKKKKKKKKKK

      0
  • RPL 24 de junho de 2012 at 01:18

    Para os casadores do Blog, a bolha das festas de casamento já tá explodindo….

    Em vários sites de compras coletivas se encontram festas de casamento de tudo quanto é jeito….

    Ou seja, se vcs nao sucumbirem a pressão das noivas por uns 3 anos, para apartamento e festa, provavelmente vcs consigam economizar o dinheiro da faculdade das crianças.

    0
    • Bolha Imobiliária 24 de junho de 2012 at 10:50

      Eu acabei de sair da bolha do casamento, mas a minha esposa não me convence tão cedo sobre o apartamento…Ela já está convencida por sinal

      0
    • Mineiro BH 24 de junho de 2012 at 13:31

      vender um casamento em site de compra coletiva?
      era só o que faltava…
      eu, particularmente, só caso se achar uma mineira bolhista, digo, inteligente… ahahahaha

      0
  • AAC 24 de junho de 2012 at 03:29

    Esses dias estavam falando sobre terrenos aqui no blog….Essa foi a minha estrategia, comprei no começo do ano, preço semi-bolhudo, a intenção é construir para morar, sô não sei quando, mas por enquanto estou observando o mercado comendo pipoca…Eu heim, dar dinheiro para esses cambistas imobiliarios, creio que assim encontrarei meu timing e me aproximarei do preço justo. “Quem me dera eu fosse, burro assim eu não sofria tanto”.

    0
  • Ed_Bolha 24 de junho de 2012 at 09:09

    Me desculpem se isso foi abordado em abril e eu nao vi…

    Alguem por favor conteste esse cara e me ajude a voltar a sobriedade;

    http://ricamconsultoria.com.br/news/entrevistas/melhor-economista-e-palestrante-ricardo-amorim-fala-sobre-mercado-imobiliario

    0
    • Fernandão Bolhudo 24 de junho de 2012 at 12:18

      Mas o Ricardo Amorim não é o garoto Cyrela?

      0
      • RosinhA 24 de junho de 2012 at 12:48

        Homem de 200 mil pontos da bolsa tb, um coretor elitizado

        0
  • rose 24 de junho de 2012 at 09:49

    mais uma notícia sobre inadimplência, saiu hoje no estadão:

    Inadimplência demora mais a cair do que o previsto

    “http://estadao.br.msn.com/economia/inadimpl%C3%AAncia-demora-mais-a-cair-do-que-o-previsto”

    0
  • thiago fm 24 de junho de 2012 at 10:11

    Nunca pensei que diria isso, mas parece que o brasileiro está começando a segurar a mão com relação ao consumo, deixando nosso querido Mantega falando sozinho. Vamos ver até quando o brasileiro resiste…o problema é que já pode ser tarde.

    “http://economia.estadao.com.br/noticias/economia%20brasil,inadimplencia-em-alta-limita-a-expansao-do-consumo,117023,0.htmInadimplência em alta limita a expansão do consumo”

    Nível de calotes bateu em 7,6% em abril, a maior marca desde setembro de 2009

    23 de junho de 2012 | 23h 22

    O Brasil está atravessando a quarta crise de inadimplência dos últimos 15 anos. E, desta vez, a onda de calotes dos consumidores está demorando mais a passar. A demora frustra os planos do governo de obter uma arrancada mais forte da economia com pacotes de incentivo ao consumo, como ocorreu na crise de 2008.
    Nos últimos meses, a economia andou de lado, influenciada principalmente pelo baixo nível de investimentos e pela frustração com a produção do campo. O governo baixou impostos para facilitar a venda de geladeiras a carros. Segundo os primeiros dados do comércio, o consumidor reagiu, mas sem euforia.

    A principal explicação está na inadimplência. Em abril, o nível de calotes bateu em 7,6%, maior marca desde setembro de 2009, segundo o Banco Central. Segundo economistas, lojistas e executivos de bancos, a tendência é de queda gradual, mas o calote só deve recuar para níveis normais, em torno de 6,5%, no fim do ano.

    A maior dificuldade do brasileiro para pagar as dívidas em comparação com outros períodos de pico de calote se deve à forte ressaca do consumo. Pesquisa da Serasa Experian, feita em março com 350 mil inadimplentes, revela que 64% deles tinham dívidas em atraso que superavam 100% da renda mensal. Ficaram de fora pendências com contas de água, luz e outros serviços. “Isso significa que, para limpar o nome, a maioria dos inadimplentes precisa desembolsar o salário inteiro do mês”, diz o economista responsável pelo indicador, Luiz Rabi. É o pior resultado em dois anos.

    Em 2001, 2005 e 2008/2009, a disparada do calote foi provocada pelo aumento do desemprego. Desta vez, no entanto, o desemprego bate recorde de baixa e a inadimplência, de alta, só que por excesso de endividamento.

    O comércio e os bancos têm avaliação semelhante. Na semana passada, o presidente do Santander Brasil, Marcial Portela, disse que a inadimplência deve começar a se estabilizar no fim do ano. Até lá, o calote e as provisões para possíveis perdas devem continuar subindo.

    “A inadimplência não deve ceder rapidamente. O retorno para níveis normais deve ocorrer mais para o fim do ano”, prevê o economista da Associação Comercial de São Paulo, Emílio Alfieri. Ele lembra que o último pico do calote do crediário ocorreu em abril de 2009. Naquele mês, a inadimplência líquida, que considera os carnês não pagos, descontados dos renegociados, em relação às vendas financiadas de três meses anteriores, foi de 10,3%, mas recuou para 6,5% cinco meses depois. Em abril deste ano, o índice atingiu 8,5% e teve uma ligeira queda em maio para 8,1%, motivada por uma campanha de renegociação.

    Mas dados preliminares mostram que, na primeira quinzena de junho, o calote voltou a subir num ritmo superior ao das renegociações, invertendo a tendência observada desde abril./ COLABORARAM RAQUEL LANDIM E ÁLVARO CAMPOS

    0
    • Neo 24 de junho de 2012 at 11:43

      Acabei de ler essa noticia no estadao e entendi o seguinte:

      – A classe C usou e abusou do crediario
      – pesquisa com 350mil caloteiros revelou que 64% deles deve 100% do salario (cumulo do ridiculo)

      – apar disso os especiistas projetam que o indice de inadimplencia vai “voltar ao normal” lá pro final do ano!

      esse previsao até o mais ingenuo dos mortais sabe: vao usar ferias e 13o pra pagar esse atraso

      MAS, deixar de pagar por quase um ano esses caras vao fechar com os mesmo 100% ou 150 – 200% ?????

      é para ingles ver!

      0
  • Michael 24 de junho de 2012 at 19:39

    É muito difícil entender o mercado imobiliário. Vou descrever minha situação:
    No final do ano de 2010, fui conhecer um estande de venda de Even. O imovél em questão era o Cube – Campo Belo (São Paulo), lançamento à época. Em resumo, tratava-se de um apartamento com 69 metros e valor de em torno de R$ 520.000,00. Hoje, por curiosidade em razão da notícias de desaquecimento do setor, fiz uma pesquisa e constatei que aquele mesmo apartamento está sendo vendido por 680.000,00.

    Concusão: É muito difícil acreditar em crise no setor imobiliário com os valoresdos imóveis subindo a cada dia. Sinceramente, fico mais perdido que cego em tiroteio, afinal, se nao tivesse procura o imóvel nao teria o valor ofertado.

    0
    • Luiz 26 de junho de 2012 at 15:20

      Esse clube Campo Belo vai passar o monotrilho na janela dos caras

      Os imoveis naqueles prédio caíram de preço uns 20% depois que começou a obra, fizeram de tudo pra embargar a obra.

      Ninguem compra apartamento de meio milhaõ com um trem passando embaixo da janela.

      0
      • Michael 26 de junho de 2012 at 17:28

        Luiz, entendo seu pensamento, mas mesmo que tenha desvalorização de 20%, concorda comigo que há de se considerar um bom investimento desde o lançamento ? Afinal, pulou de 520 mil para 680 mil.
        Além do mais, se o parque linear terá uma valorização conseiderável.

        0
        • Luiz 27 de junho de 2012 at 16:46

          Michael
          Acabei de achar um usado 3 dorm / 1 vaga na região por 350k.
          Não adianta ir contra os fatos.

          Esses preços que vc cita é pro cara pagar 20% de entrada e passar o resto da vida tentando flipar, pq a Bolha já estourou.

          E Pq Linear coisa nenhuma, aquilo lá é o canteiro central duma avenida de 5 faixas de cada lado. Se bobear ainda colocam corredor de onibus e um terminal no fim da avenida.

          0
          • Michael 27 de junho de 2012 at 20:07

            É isso aí, logo logo, compro o meu por preco justo. As vezes reflito se estou ficando louco ou estou desinformado. Cheguei achar que os imóves estivessem com preço justo em razão das vendas relâmpagos. Eu passeava nos estandes de venda, achava tudo caro e me deparava com corretores com sorriso de orelha a orelha dizendo: “já vendeu tudo”.

            0
            • Luiz 28 de junho de 2012 at 12:25

              Michael

              Vendeu tudo coisa nenhuma
              Assinar “Promessa de compra e venda” não é vender

              Vender é escritura na mão e financiamento pago
              O verdadeiro dono nessas “vendas” é o banco ou a construtora.

              Eu quero o preço justo mais uma indenização pelo tempo que vcs corretores me fizeram esperar a bolha estourar

              0