Descompasso entre preço de imóvel e renda afeta mercado – Valor Economico

Você pode gostar...

Comments
  • Adriano 8 de junho de 2012 at 00:05

    As partes que mais gostei:

    “Mas como há um volume enorme de entregas de imóveis, previstas para 2012 e 2013, o mercado começou a se questionar sobre o tamanho do problema.”

    “O Valor procurou o Secovi e a Abecip para saber se eles fazem estimativa de quantas pessoas ou casais no Brasil possuem o nível de renda necessário para tomar empréstimos nos valores atuais, mostrando o público-alvo potencial total desse mercado.
    Por meio da assessoria de imprensa, o Secovi, que representa as incorporadoras e construtoras de São Paulo, disse que esse tipo de estudo nunca foi feito pelo órgão. ”

    Patético. Não há mais o que a Dilma possa fazer. Chegamos a um ponto em que não existe mais a opção de desinflar a bolha aos poucos. Sei que quem comprou na bolha está completamente f… No entanto, acho difícil não sobrar para o resto da população. Pelo andar da carruagem, e pelas últimas da nossa presidenta, metida a Margaret Thatcher às avessas, se sentindo uma comuna dos anos 50, ela vai querer entubar em quem não teve nada a ver com a orgia imobiliária dos últimos anos.

    0
    • GB 8 de junho de 2012 at 08:01

      Não é engraçado ? Ir á mídia dizer que os valores estão “corretos” esse pessoal vai diretaço, mas fazer um simples estudo sobre “quantos podem pagar esse valor absurdo” eles não “conseguem” fazer.

      Por sorte o BID já fez isso por eles e o resultado não foi nada bom.

      0
      • CapEnt 8 de junho de 2012 at 19:04

        Pode ter certeza que eles fazem sim esse estudo, só não tornam público.

        0
    • Carlos Eduardo 8 de junho de 2012 at 13:15

      Pior de tudo é ter que ouvir ela falando que “Quem apostar na crise vai perder”

      Como se alguém estivesse torcendo para a crise e contra o Braçil …

      Na verdade estamos todos alertando o problema, faz pelo menos um ano e meio que sigo o blog e o povo aqui já sabia no que ia dar!

      E o que mais vemos é gente, indignado com os rumos de nossa economia, e com tanta lavagem de dinheiro e desvios de verbas publicas pagas com nossos impostos!

      O governo, permitiu e financiou isso e agora vem com esse papinho!
      à PARA VAI …

      eles podem até desmentir, mais a história está sendo escrita e eles não vão fugir dos atos cometidos, esse governo vai ser imortalizado como TRAPALHÃO e CORRUPTO que é, e talvez assim aprendamos a não colocar ignorante para ser presidente .. .

      AMEM ..

      0
      • Leonardo 8 de junho de 2012 at 14:04

        Você tá certo, mas aqui mesmo vemos um monte de gente torcendo pra crie mesmo ao invés de só alertar. As inúmeras referências à “Banânia” em tom jocoso são prova disso.

        0
        • Guibro 8 de junho de 2012 at 15:50

          O que as pessoas chamam de “crise” geralmente não passa da correção de um absurdo, o retorno à normalidade. Muitos ganham com o absurdo, muitos queriam que ele se perpetuasse, mas o fato é que toda distorção tem vida curta.

          Só sendo muito ruim de interpretação pra acreditar que nós queremos crise, fome, miséria. O que a maioria daqui quer é o retorno à normalidade, sem que o desgoverno escolha um setor pra “movimentar” e fazer propaganda com o nosso dinheiro.

          0
        • CapEnt 8 de junho de 2012 at 19:10

          Eu não torço contra o Brasil, eu torço mesmo é contra a Banânia: esse país paralelo que existe dentro do Brasil, onde tudo é farra, “esperteza” e bunda.

          Toda crise que o Brasil sofreu resultou em um pedaço da Banânia desaparecer e dar lugar para uma instituição séria. Só mais uma crise, daquelas bem feias, acho que finalmente a Banânia, representado pela estirpe mais podre de nosso governo e empresáriado, deixará de ser a âncora do Brasil.

          0
          • Rui 9 de junho de 2012 at 22:52

            Pois e’! hoje morreu o grande Ivan Lessa. O primeiro a chamar o Brasil, de Bananao. Claro, o Brasil dos maus brasileiros. Ele tinha um caso de amor, mal resolvido, com Brasil.A vida seria uma maravilha, se todo o mundo fosse um Ivan Lessa. Obrigado Ivan!

            0
        • Carlos Eduardo 8 de junho de 2012 at 19:18

          desculpa Leonardo eu não escrevi Braçil atoa !!!

          não veja isso como querer o mal para o país .. .

          é só uma espécie de protesto .. também costumo usar Banânia! e to com planos para fazer uma animação sobre a ” república das bananas ”

          ao meu ver, toda a critica e até protestos do tipo “Banânia”, “Braçil” ou sei lá mais o que .. é uma forma de apontar problemas

          se não ligássemos para o país, simplesmente não perderíamos nosso tempo discutindo soluções ou apontando problemas, simplesmente os ignoraríamos

          0
      • ray 8 de junho de 2012 at 18:35

        Não torço por crise.

        Se me dessem certeza que imóvel nunca iria desvalorizar, compraria o meu e seria feliz… só não quero ser babaca de jogar 10 anos de trabalho duro na latrina…

        0
    • Rui 9 de junho de 2012 at 19:31

      Adriano, quem faz a politica imobiliaria de precos, no Brasil, e’ o banco central.Nao e’ a Dilma. O banco central e’ independente do governo. A Dilma , nao da’ palpite. Para a Dilma, seria muito tri-legal, se houvesse um crash nos precos.Seria extremamente popular, como se pode aferir, neste forum. Todos aqui sao fans histericos, e estao de joelhos pedindo o estouro da bolha.

      0
      • Cleyton 9 de junho de 2012 at 21:52

        Não dá palpite? Você tá brincando né?

        0
        • Rui 9 de junho de 2012 at 23:41

          Cleyton, te digo mais! O banco central brasileiro, e’ subordinado ao BIS. Que e’ o banco central dos bancos centrais. E’ de la’ e nao do Brasil, que sao estabelecidas as politicas imobiliarias, para quase todos os paises do mundo. O banco central brasileiro, e’ somente um mero executor, dessas politicas, delineadas la’ fora.Politica monetaria, taxas de juros e outras coisitas mas, sao atribuicoes do banco central, que e’ autonomo do governo. Nao culpe a Dilma ou Fernando Henrique ou qualquer outro futuro presidente do Brasil, pelas politicas do mercado imobiliario. Preco de imoveis, petroleo, cacau, cafe etc , de todas as commodities, sao cotados do estranjeiro. A economia mundial, e’ uma so’. E planejada by design, por entidades internacionais.As imobiliarias e seus corretores e suas instituicoes sacanais, como SECOVI,
          apenas executam a agenda.Para os corretores seria mil vezes mais lucrativo, uma correcao de 50% no preco dos imoveis. Venderiam imoveis aos milhoes e fariam toneladas de grana, em comissoes.

          0
          • Cleyton 10 de junho de 2012 at 00:06

            Então como explicar, por essa perspectiva o curto espaço de tempo entre esses eventos:

            – Dilma vai à Alemanha puxar a orelha da Merkel,
            – A Merkel diz que não tem culpa de nós pagarmos juros altos,
            – A Dilma volta e diz que “não tem explicação” nossos juros,
            – O BC baixa os juros.

            O BC é muito menos autônomo do que parece, agora, estar subordinado à um órgão internacional é nova pra mim, assim estamos entregue aos ursos mesmo.

            0
            • Rui 10 de junho de 2012 at 19:26

              Cleyton e Davi, quem governa, nao e’ o governo. Quem governa sao as elites. O governo e’ meramente um instrumento das elites. Sempre foi assim.Como dizem os caras do “occupy Wall street”, corretamente, as elites sao 1% e nos miseros mortais , os 99%. Ou como o janio Quadros chamou: as forcas ocultas. ahahahah
              Sao essas superforcas poderosas, que realmente nos governam.
              Quando os presidentes dos governos, tem a veleidade, de nao cumprirem as ordens da superclasse, sao imediatamente expelidos ou neutralizados. O Getulio, janio e Goulart, que o digam. E antes que me acusem de teorias de conspiracao, sobre o controle dos bancos centrais, de quase todos os paises do mundo, por uma classe dirigente global, quem denunciou isso, entre muitas pessoas,pelo mundo afora, foram os presidentes americanos Thomas Jefferson , Garfield e Lincoln. Quem indica mesmo o presidente do banco central, no duro, e’ a elite. o ministro da fazenda, so serve de intermediario. O Banco central, subordinado ao BIS,e’ que manda na economia. E’ o banco central da elite, que controla o dinheiro, cria inflacao e deflacao, valoriza e desvaloriza a moeda, cria ciclos economicos,por ai’. E quem controla o dinheiro, controla o poder. O resto e’ mito!

              0
              • Obi-Wan 12 de junho de 2012 at 10:11

                Ponto pro Rui! O vídeo “Conspiração bancária”, postado neste próprio blog, ilustra muito bem essa situação! (h ttp :// www .bolhaimobiliaria.com/2011/12/10/video-conspiracao-bancaria/)

                0
          • Davi 10 de junho de 2012 at 11:36

            Meu, o Chefe do presidente do BC é o ministro da fazenda (o presidente do BC é indicação) ou o cara faz as coisas em linha com o que é mandado ou tá fora, há países que não é assim e se não me engano neles os presidentes de BC tem cargo eletivo, como o presidente da republica, ou seja, não tiram ele de lá facilmente.

            Fingir que é independente quando as coisas estão tranquilas é fácil, em situações como estas é que esta falsa independencia fica clara.

            0
  • Martinez 8 de junho de 2012 at 00:27

    É uma piada esse governo brasileiro, minha casa minha vida pra quem??? Querem vender casas pra populaçao , sendo q 90% do povo brasileiro ganha em media 1k por mes, parece piada isso. So estao fazendo inchar a bolha, e muitos imoveis estao na maos de especuladores. O tombo vai ser grande. Vou economizar e daqui uns 5 anos vou comprar meu imovel bem façeiro hehehe.

    0
  • Seu Madruga 8 de junho de 2012 at 00:28

    Resumindo, o brasileiro médio é um fudido, mal pago e ainda por cima cheio de dívidas. Ridículo mesmo são estas entidades mulambentas, secovis e abecip nunca terem feito um estudo de quantas pessoas podem comprar um imóvel bolhudo!!! Estes filhos duma puta nem sabem para quem vender, só sabem inflar preço! Agora morram com seus corpos recobertos de pústulas, malditos!

    0
    • Alfinete da bolha 8 de junho de 2012 at 00:44

      Kkkkkkkkk!!!

      0
    • Menino_do_Rio 8 de junho de 2012 at 07:30

      MUITO IMPORTANTE!!!

      http://odia.ig.com.br/portal/imoveis/justi%C3%A7a-financiamentos-antigos-de-im%C3%B3veis-v%C3%A3o-ser-quitados-1.449878
      “A Caixa Econômica Federal vai ter de quitar contratos antigos de financiamentos habitacionais assinados por mutuários até 31 de dezembro de 1987 com a cobertura do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS). Decisão da 5ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, em Brasília, garante ainda a devolução dos valores pagos desde outubro de 2000 a clientes que possuem esses contratos. A sentença beneficia aquele mutuário que, depois de pagar a última prestação prevista, ainda ficou devendo o saldo residual referente ao financiamento para a compra do imóvel.”

      Na boa, este país não merece o nosso suor trabalhando e poupando para o futuro. Essa é a solução do governo para o endividamento de 35 anos dos eleitores do lula. Merece um tópico exclusivo…

      Brasil do pt, endivide-se ou deixe-o.®

      0
      • Eduardo Pena 8 de junho de 2012 at 18:49

        Essa decisão foi devida a uma distorção nestes financiamentos ocasianada pela alta inflação e mudança de moedas. Na minha opnião a decisão JUDICIAL é justa.

        0
    • Rafael K 8 de junho de 2012 at 07:36

      pensei algo parecido…tá mais pro tipo:
      – Nunca fizemos estudo de PN…. até fizemos um estudo pra ver se era viável fazer um outro tipo de estudo… Estudo sobre projeção de lucro dos empresários! Mas pra que gastar dinheiro né?

      Pelo menos ja aparecem notícias óbvias por essa imprensa que parece q vive uma ditatura… Acho que estamos num ponto claro do ciclo… a imprensa vai divulgando msm com medo coisas óbvias, dados que todo mundo sabe… mas não se comprometem a fazer nenhuma crítica!!
      O novo rico classe média alta sentou em cima do dinheiro do imóvel q está debaixo do seu colchão inflável, mas no colo do cidadão pesa um catatau de carnês para pagar…!
      Até que um dia, com notícias catastróficas no exterior a imprensa aumenta o preço para esconder este assunto.. e ninguem paga mais este preço e explode… cai na boca do povo… a capa do jornal popular mais vagabundo vem com letras vermelhas CRISE… o povo vai correndo ligar a TV e cada emissora aparece com 10 ESPECIALISTAS que ficam medindo o tamanho da crise.. e repetindo dados óbvios!!
      Na boa… o sistema fede…. o ciclo fede!!!

      0
      • Marcos 8 de junho de 2012 at 09:16

        Concordo plenamente com seu comentário Rafael K. Acrescento minha experiência ontem (feriado): Fui até um plantão de um empreendimento que já era pra ter sido entregue em maio, atrasaram a obra e agora prometem entregar em agosto. Vi alguns preços de “repasse” e fui lá comparar com os preços da construtora. Uma corretora me atendeu, passou um preço bem abaixo da “tabela” se eu desse 30% do valor à vista, bem abaixo mesmo. Num dado momento ela deixou escapar a seguinte frase: Aproveite essa oportunidade, esse preço só está sendo possível porque muitos compradores estão em débito e devolvendo os aptos. e a construtora está oferecendo essa oportunidade. NA PRÁTICA MEUS CAROS, ALÉM DE TODOS OS PROBLEMAS NA ECONOMIA, AS CONSTRUTORAS ESTÃO ENFRENTANDO CONCORRÊNCIA DOS PRÓPRIOS CLIENTES, MUITOS COMPRARAM PORÉM POUCOS CONSEGUEM PAGAR, SEQUER CONSEGUEM PEGAR AS CHAVES.

        0
        • hannamanana 8 de junho de 2012 at 10:04

          É… agora o pernilongo foi embora mesmo. É o fim da picada.

          0
        • Cleyton 8 de junho de 2012 at 13:08

          Marcos, teve gente que entrou em dois ou três financiamentos sabendo que não iriam poder pagar as chaves na intensão de repassá-lo antes, embolsar a diferença e, na maioria dos casos, ajudar a pagar o primeiro.

          Essa “tática” era inclusive recomendada por corretores (e alguns deles inclusive praticaram), o problema é que faltou um plano “B”, e se não conseguir repassar a tempo?

          Aí vai ter vários “urubus” sem coração recolhendo imóveis da bacia das almas, hahahahaha.

          0
          • hannamanana 8 de junho de 2012 at 13:56

            Putzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz;
            Nem te falo… me recomendaram fazer isto (há 3 anos atrás)!

            0
  • Fernandão Bolhudo 8 de junho de 2012 at 00:34

    Imprensa “panos quentes”, tentando evitar pânico ou despertar a derradeira percepção da realidade no público, resolveu denominar a bolha imobiliária que vivenciamos “descompasso entre preço de imóvel e renda”…

    Temos duas formas de denominar uma coisa ruim: uma eufemista, outra literal. A eufemista é como chamar uma prostituta de “namorada onerosa”, etc.

    O problema não é exatamente os veículos serem tendenciosos e com abordagens unilaterais, por serem patrocinados pelos setores interessados. É a falta de percepção do povão mesmo!

    A imprensa esconde coisas e é pouco clara quando quer, ou quando uma parte de seus contratos de publicidade estão em risco. Mas não pode ser responsabilizada pela inépcia coletiva. Já disse o sábio que “para bom entendedor, meias palavras bastam”. Aqui na Banânia, os bons entendedores estão em falta.

    Por isso é importante a existência desses blogs. Eles só faltam “desenhar” o que está ocorrendo de fato. Até os jagunços entendem. Apoio o Bolha Imobiliária por isso mesmo!

    Mas a narcose existe. E os coretores e “especialistas no mercado imobiliário” estão a mil. Pilhados. A abstinência tem lhes feito muito mal. Enlouquecidos, começam a agredir e a comprar ações da Gafisa! Isso tudo além de ficar exercendo sua narcose aqui no Blog, com argumentos idiossincráticos demais para brotarem de uma mente sã, ao sustentarem a fraudulenta “teoria da valorização eterna”.

    Desde o ano passado tenho evitado contato com esses profissionais. Tenho me escondido. Inventado desculpas. Não quero visitar imóvel nenhum na companhia deles. Os tempos estão ruins para esse tipo de contato. Quando me deparo com uma situação em que é tratada a compra de um imóvel bolhudo, me vem à mente aquela frase famosa que remete à idéia de auto-proteção e fuga: “é uma cilada, Bino”

    “http://www.youtube.com/watch?v=86WRiqOTf4M

    0
    • Alfinete da bolha 8 de junho de 2012 at 00:46

      “Coretor” é animador de coreto.

      0
      • Fernandão Bolhudo 8 de junho de 2012 at 00:57

        Você está “coreto”!!!

        Mas, me parece que, em tempos de bolha imobiliária, corretor se torna “coretor” mesmo.

        0
    • GB 8 de junho de 2012 at 08:27

      Lá nos EUA (vou dar um exemplo deles pois os corretores adoram) quando um corretor se aproxima, o pessoal começa a correr e a gritar:

      It’s a trap !!!!! (Star Wars)

      0
    • Ghaspar 8 de junho de 2012 at 10:56

      ou

      http://youtu.be/ENjG0MRycPk

      kkkkkkkkkk

      0
  • Sol de Sampa 8 de junho de 2012 at 00:58

    Bem, a Valor informou sobre o problema… Será que sairá com alguma solução??
    Como os setores responsáveis que deveriam ter os dados, ou se preocupado pelo menos em ser uma linha de retaguarda tanto para apoiar quem constrói como para orientar quem vende e compra, e não se preocuparam em fazer sua lição de casa, pergunto pra que existem? Para reverberar dados sem nem ao menos constatarem sua veracidade?
    Interessante que a miopia do setor pode e vai prejudicar todas as partes… Se o SECOVI, CRECI, e afins tivessem um mínimo de visão poderiam regulamentar ou pelo menos colaborar com um crescimento sustentável e não para o enriquecimento de poucos… È da resonsabilidade deles a busca e tratamento de dados veridicos …
    Não vêem esses caros protagonistas de dados infundados (OU DA FALTA DE INFORMAÇÃO RELEVANTE) que eles apenas estão se mostrando ineficientes e totalmente desnecessários ???
    Acho que está na hora de eles prestarem maiores esclarecimentos para a população PELAS PROPAGANDAS SEM FUNDAMENTO, INCUTIDAS NO CHECK LIST DE VENDA DOS CORRETORES os quais são contribuintes diretos pela existencia Deles.
    Como se explica a credibilidade de Instituições que alardeam que imovel não desvaloriza, que valoriza 20 a 30% a.a. Que contribui para escolhas erradas que comprometarão a vida de muitas família por anos a fio??
    Esses setores são co-responsáveis por toda a lama que vem à tona…
    Acho que o ProCON deveria intervir sumariamente junto a essas instituições para que acabem com esses descalabrios …
    Temos que exigir respeito, dignidade…e verdade….

    0
    • Igor Eduardo 8 de junho de 2012 at 10:02

      A verdade é que regulamentar é trabalhoso e essa cambada de vagabundos não quer ter trabalho, quer dinheiro fácil… Então inventaram essas máximas de que imóvel valoriza 30% ao ano e arrumaram otários para empurrar a trolha… No final, eles estão pouco ligando se o mercado vai travar, quebrar, explodir e etc, pois muitos já ficaram ricos nas costas de otários…

      0
      • CapEnt 8 de junho de 2012 at 21:43

        O que é riqueza em um país que ter 1 milhão de reais não lhe qualifica nem mesmo para viver em bairro nobre e comprar um carro que presta?

        O que o povão daqui chama de riqueza é percepção ultrapassada da era que o Real valia alguma coisa. Hoje em dia, jantar em restaurante bom é mais 60 reais, apartamento ovinho de 80m² custa na faixa de uns 2 milhões em bairro bom e um Fiat Freemont, SUV de preço popular nos EUA, por aqui é mais de 80 mil.

        Mas fazer o que, para o Governo medíocre e fraco nosso, classe média é quem ganha mais de R$291 por mês.

        Nenhum desses “espertos” são ricos de verdade. São metidos a rico, e logo vão perceber que não vivem em um universo paralelo quando a economia começar pegar fogo.

        0
        • Troll 8 de junho de 2012 at 22:14

          Esqueça, o povo não enxerga isso e cego pela política populista no país desde 2003, continua elegendo o PT.

          0
        • Bolhado 9 de junho de 2012 at 09:27

          Perfeito!

          0
    • AF 8 de junho de 2012 at 13:53

      A solução é parar de injetar capital, mas o governo insiste a cada semana fazer o contrário.

      0
    • Rodrigo 10 de junho de 2012 at 11:27

      “Qualquer semelhança será mera coincidência…….ha! ”
      http://www.youtube.com/watch?v=UJ8-dJ5WCo4

      0
  • Fernandão Bolhudo 8 de junho de 2012 at 01:02

    A sala abaixo mencionada está interessante. O pessoal lá de Brasília está comentando a respeito dos descontos que se têm conseguido nos imóveis de lá. Tem comentário de forista que alega ter recebido 40% de desconto na compra direto com a Construtora. Numa dessas o investitrouxa que comprou na planta pelo preço cheio deve ter um treco nervoso…

    Vejam:

    “http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1127753&page=201

    Quando for negociar, tem que, no mínimo, levar essas informações embaixo do braço para tacar na mesa de negociações.

    0
    • CapEnt 8 de junho de 2012 at 21:49

      Uma boa métrica para ver se chegou a hora de ir negociar apartamento na planta é a altura da grama ao redor do stand da construtora.

      Se passou de 30cm, é que chegou a hora de ir ver o preço. Se passou de 50cm e tem cachorro dormindo em baixo da maquete, é porque não vai sair da planta.

      0
  • Fernandão Bolhudo 8 de junho de 2012 at 01:12

    Como o consumidor pode en­­tender se há ou não bolha imobiliária?

    Normalmente ele é o último a entender o processo. A percepção é de que o preço dos imóveis sobe muito e os salários não acompanham o ritmo. No primeiro mo­­mento, as pessoas sofrem de ilusão monetária e euforia, contribuindo para a alta dos preços. No segundo, quando o endividamento so­­bre a renda aumenta, que é o caso atual, as pessoas começam a se dar conta de que en­­traram na “casa er­­rada” e no “mo­­men­­to er­­rado”. Também quan­­do muitas pessoas fazem co­­mentários com amigos e familiares sobre o as­­sunto é indício de que exis­­te distorção. Quanto mais pessoas falam do processo é porque a preocupação é maior e também é um bom “indicador” da situação.

    Fonte: “http://www.gazetadopovo.com.br/imobiliario/conteudo.phtml?id=1205390

    0
    • AF 8 de junho de 2012 at 17:21

      Segue a íntegra:

      “Diversos antecedentes indicam que há bolha imobiliária no Brasil”
      Luciano D´Agostini, doutor em economia

      A formação ou não de uma bolha imobiliária no Brasil foi um dos assuntos mais debatidos durante o ano. A preocupação estimulou comparações com o que ocorreu em países como Estados Unidos e Espanha, onde a bolha estourou. Em um curso ministrado essa semana no Conselho Regional de Eco­­no­­mia do Paraná (Corecon), o doutor em economia Luciano D´Agos­tini citou exemplos de como se forma a bolha e conse­quências.

      Para ele, há bolha imobiliária no Brasil por diversos antecedentes, um deles a melhoria da renda da população. “Mais de 30 mi­­lhões de brasileiros saíram da linha de pobreza e entraram na classe de consumo, mas houve um espírito de consumo bem maior do que de poupança. Isso auxiliou o mercado imobiliário a inflar os preços, porque o público comprou o imóvel com um custo elevado de financiamento. Ao longo de oito anos os juros caíram, mas ainda são muito elevados”, disse. Ele destacou, ainda, política monetária e taxas de juros. Confira o que mais D´Agos­­tini falou sobre o atual cenário nos principais trechos da entrevista para a Gazeta do Povo.

      Que comparação o senhor faz do cenário brasileiro com países como Estados Unidos e Espanha, que experimentam a crise no setor?

      A percepção é a mesma. Os sintomas são os mesmos. O endividamento das famílias sobre a renda é um excelente indicador. En­­quanto existe crédito na economia, retroalimenta o sistema de preços. Ao secar o crédito, com o endividamento das famílias so­­bre a renda, as chances de uma correção para baixo nos preços e/ou aumento dos salários na economia são enormes. Descartada a segunda opção, sobra a queda de preços dos imóveis. Va­­le lembrar que estouros de bolha imobiliária no Japão 1991, Estados Unidos em 2008 e países europeus em 2009 a 2011, tiveram um pouco antes de seus estouros de preços do imóveis uma taxa de desemprego em seu país muito baixa. No Brasil temos baixo nível de desemprego (é recorde no regime de me­­tas) e a grande sacada é “como o governo manterá a taxa de desemprego baixa nos próximos anos” com a falta de dinamismo da in­­dústria, um dos motores do crescimento real da economia. Progra­mas sociais, por si só, não resolvem. Deve haver crescimento econômico com desenvolvimento.

      Como o país poderia se prevenir de situação semelhante a desses países?

      Baixar rapidamente as taxas de juros, fazer um controle mais vigorosos de entrada e saída de capitais estrangeiros, investir em tecnologia de produção, tributar mais extensivamente os imóveis para venda abaixo de quatro anos de existência. No caso de investir em produtividade do capital e do trabalho, aumentaria a produtividade total do se­­tor da construção ci­­vil. Nesse caso o segmento te­­ria uma eficiência bem me­­lhor do que os pí­­fios indicadores que temos hoje.

      Como o consumidor pode en­­tender se há ou não bolha imobiliária?

      Normalmente ele é o último a entender o processo. A percepção é de que o preço dos imóveis sobe muito e os salários não acompanham o ritmo. No primeiro mo­­mento, as pessoas sofrem de ilusão monetária e euforia, contribuindo para a alta dos preços. No segundo, quando o endividamento so­­bre a renda aumenta, que é o caso atual, as pessoas começam a se dar conta de que en­­traram na “casa er­­rada” e no “mo­­men­­to er­­rado”. Também quan­­do muitas pessoas fazem co­­mentários com amigos e familiares sobre o as­­sunto é indício de que exis­­te distorção. Quanto mais pessoas falam do processo é porque a preocupação é maior e também é um bom “indicador” da situação.

      0
      • AF 8 de junho de 2012 at 17:24

        obs.: Publicado em 21/12/2011

        0
  • KaTsu Nami 8 de junho de 2012 at 01:21

    O credito colocado alopradamente para estimular um consumo desordenado, um fim em si memso, sem investimento em producao, industria e infraestrutura, vestiu uma pesada luva de aco na mao invisivel do mercado. E essa mesma mao-tega acha que consegue fazer o trabalho delicado de um relogeiro para ajustes finos… Eh rir pra nao chorar!

    0
    • KaTsu Nami 8 de junho de 2012 at 01:22

      Relojoeiro. Autocorrecao aloprada.mpardon

      0
  • Bruno 8 de junho de 2012 at 03:26

    A situação econômica do país está se deteriorando mais rápido que o previsto.
    Só loucos comprariam imóveis nesses preços absurdos a essa altura do campeonato, ainda mais de construtoras que estão se dissolvendo em dívidas impagáveis.
    As desculpas para supervalorizá-los não colam mais.
    O otimismo irresponsável chegou ao fim. Daqui por diante serão apenas caras de velório para as más notícias diárias.

    0
  • Chino 8 de junho de 2012 at 08:11

    Pessoal, alguém viu o Jornal da Band aqui do Rio ontem? Depois de uma matéria totalmente vendida, tipo “os preços dos imóveis não chegaram aos limites”, entrevista com um corretor (isso, o personagem era um corretor) que finalmente havia conseguido adquirir um imóvel devido à benesse dos bancos brasileiros em esticarem os prazos e diminuirem os juros, me entra o apresentador e fala: “Mas há controvérsias”. E conclui com algo do gênero: “esse descolamento dos preços dos imóveis da realidade é o vulgo BOLHA. E COMO TODA BOLHA, OU ELA MURCHA OU ESTOURA”!!! kkkkkkkkkkk Os corretores e investidores devem ter tido insônia!

    0
    • KQT 8 de junho de 2012 at 11:18

      Foi no Jornal da Band, o Joelmir Beting que mandou bem no final. Jornal em rede naciomal, mas nao adianta o povão estava vendo a novela. Tenho 32 anos, sou medico ortopedista aqui em SP e estou cansado de alertar as pessoas mais humildes, mas as respostas sao sempre as mesmas: tá louco pagar aluguel, pelo menos pago o que é meu.. Doutor.. agora vou pegar um carro melhor e com a diferença no valor tô ploensando em colocar um som. Quando falo que moro de aluguel e estou juntando o dinheiro para comprar a vista ou pelo menos uma entrada de 75% e que tenho um carro mais simples (city at) que comprei ha 2 anos praticamemte a vista e nao paguei juros, os “palpiteiros” falam “pô se fosse eu pegaria uma BMW, daria os 50 mil de entrada e financiaria o resto”. “Pô.. Vc que é medico ainda nao comprou.. eu ja tô pagando o meu apto..” Quando a merda for lançada no ventilador aí vem as lamentaçoes..

      0
      • ICF 8 de junho de 2012 at 16:48

        Muito interessante a internet! Encontramos pessoas que pensam exatamente como nós. Também sou médico, praticamente da mesma idade tenho feito o que você está fazendo.

        0
      • Fernandão Bolhudo 8 de junho de 2012 at 18:43

        Muito a internet (X2).

        Não sou médico, mas também escuto essa ladainha de Colegas, familiares, até do sogro…

        Também tenho essa idade, já tenho mulher (que, por sorte, não é alienada e sabe que há uma bolha inflada no Brasil) e moro confortavelmente de aluguel, pagando valor muito menor do que só a parcela de juros necessária para financiar o quanto eu necessitaria para comprar um imóvel semelhante (coisa que dizem ser “errado” e que o “certo” seria se enforcar no financiamento). Prefiro meu dinheiro guardado nesses tempos de insanidades bolhudas!

        E esse negócio de carro, quanto mais o povo fala disso, mais eu tomo raiva. Meu carro é 2008 e é muito bom, pois contém todos os itens de segurança que um veículo precisa ter e sempre pago à vista. Trocar todo ano pra quê? Pra enriquecer essas montadoras rapineiras? Carro tem que ser usado por, pelo menos, 5 anos. O resto é ilusão do perfeito idiota latino americano, habitante da Banânia.

        Aliás, noutro dia vi na internet um idiota repassando um Veloster, em que ele deu entrada, assumiu um boleto grosso de 60 prestações de R$ 1900,00 e só havia aguentado pagar 12 delas… Para mim, esse carro, pelo que oferece e o preço que custa, simboliza o maior fracasso intelectual do consumidor. Realmente, o tipo de freguês desse carro é daqueles caboclos, que devem até as cuecas, e que ligam umas cornetas no porta-malas tocando funk – o perfeito idiota latino americano, habitante da Banânia.

        Boleto de prestações na gaveta e nada na carteira… Um show de imbecilidades típicas de um povo chucro como o bananense. É triste ver que esse povo é maioria no nosso país.

        0
  • Justiceiro 8 de junho de 2012 at 09:21

    Vcs realmente acham que essas construtoras, secovis da vida não fizeram um estudo da renda das pessoas?
    Fizeram sim…
    Mas fizeram um outro estudo: até quando aqueles brasileiros imbecis aguentam pagar esse assalto nosso até começarem a descobrir?
    Parece que deu pra cometer estelionato por uns 4 aninhos, hein…
    marginal lavou a baia!!

    0
    • hannamanana 8 de junho de 2012 at 10:02

      Também acho que muita gente de “dentro” sabia, mas como a oportunidade de especular e ganhar um dinheirinho falou mais alto, deixaram por isso mesmo.
      Se você pegar filmes e documentários sobre os meandros de fatos históricos mais antigos, veremos que sempre tem uma turminha que sabe dos riscos, dos podres, mas em benefício próprio dão andamento aos seus planos mirabolantes em detrimento da vida ou da tranquilidade futura de um grupo maior…

      0
  • Ploc Monsters 8 de junho de 2012 at 09:28

    Resumindo: O Brasil (brasileiro médio) tá fudido e mal pago, antecipou via crédito o consumo bolhudo e agora não tem mais futuro

    Só resta o governo aumentar via decreto a expectativa de vida para 100 anos !

    0
  • Johnny Real State 8 de junho de 2012 at 09:47

    Eu que tenho um comportamento financeiro prudente quase chorei quando fiz esse teste, imagina a maioria dos brasileiros.
    Teste interessante de como você lida com o seu dinheiro e quanto precisaria ter de reserva para estar relativamente tranquilo.
    “http://www.maisdinheiro.com.br”
    Canto direito da página

    0
  • hannamanana 8 de junho de 2012 at 09:59

    Este é o popular: é uma cilada, Bino!
    Rssss

    0
  • Socorro!! 8 de junho de 2012 at 10:02

    Pessoal

    Não precisa ser muito inteligente pra ver que que tem algo errado nestes preços de imoveis…nao tem logica . Pensem que uma familia que economiza R$ 10K liquidos por mes…ou seja, ganham uns 17 K brutos e vivem sem gastar muito(estes são 2/ 3 % da sociedade brasileira) vao ter que trabalhar uns 6 anos para comprar um dois quartos ( 75M2) com garagem , precisando de reforma no flamengo (hoje em torno de 750/ 800K) que é a Zona Sul B … ou podem ir para a Princesinha do Mar – Copacabana e mora num quarto e sala… e se quiser ir pra Ipanema so se for pra ficar com vista pro morro do Pavão – Pavãozinho..

    0
    • FQ 8 de junho de 2012 at 10:10

      Para uma família conseguir economizar 10 mil reais por mês, ela precisa ganhar pelo menos uns 30. Pode ter certeza disso.

      Um salario de 17 mil bruto equivale a uma renda total liquida de 10 mil.

      0
      • Johnny Real State 8 de junho de 2012 at 10:13

        17 k bruto é o equivalente a 12 k 750 líquido.
        Além disso a pessoa vai ter o FGTS pra juntar também.

        0
        • GB 8 de junho de 2012 at 10:25

          Uma pessoa com um salário desses dura pouco na empresa, pode escrever, os acionistas não gostam disso.

          A própria construção civil demitiu 35k para depois contratrar 11k com salários menores.

          0
        • FQ 8 de junho de 2012 at 11:32

          Johnny,

          Isso se a pessoa não pagar nenhuma previdência privada para uma aposentadoria sobre o seu salario real (17 mil) e ainda não ter nenhuma outra dedução em folha ou benefício descontado.

          Conheço gente que ganha quase 20 e fica com 13 liquido na mão. Obviamente, essa pessoa tem um excelente FGTS, um fundo de pensão e previdência privada, além de auxilio disso e daquilo, mas em dinheiro na mão, só ficam 13 mil.

          0
          • Cesar bolha 11 de junho de 2012 at 21:54

            Aqui na minha cidade (interior de SP) o pessoal com dinheiro morava em condominio fechado em imoveis com valores de 250 a 400k, com a bolha estes mesmos imoveis passaram a ser comercializados de 600 a 900k, ai fica a pergunta: se 90% do pessoal que mora nesses condominios tem renda familiar de 6 a 12k (mas compraram antes da bolha) ninguem mais com essa renda vai conseguir morar em condominio?

            0
      • Pimp 8 de junho de 2012 at 12:50

        Nesta faixa, trabalhando como PJ optantate pelo simples, paga-se em torno de 900 reais entre imposto (DAS) e contador.

        0
        • Pimp 8 de junho de 2012 at 12:57

          Retificando, 900 em média (depende do ISS da cidade) mais uns 200 de contador.

          Para quem sabe como administrar o salário, PJ é a melhor opção.

          0
    • hannamanana 8 de junho de 2012 at 10:17

      Dois terços? Acho que até menos…
      Mas, você tem razão… parece não ter coerência você levar um tempo imenso destes para quitar o imóvel, isto fazendo uma baita economia.
      Como disseram em outro tópico, deveriam lançar o programa Minha Vida, Minha Vida: uma pra pagar o imóvel, outra pra viver nele.
      Agora vou piorar seu cenário. Pense numa família que vive com dois salários mínimos (+/- 1.200) , que seja econômica e consiga juntar 400 reais por mês.
      Aqui na minha cidade, uma casa “marromenos”, com dois quartos, garagem e um quintal legalzinho, na periferia sai por – em média – 120.000 (sem Habite-se, aliás).
      Se o cara colocasse os 400 reais no banco e o preço do imóvel congelasse, ele levaria 25 anos pra pagar isso! Se estes 400 renderem uns 0,5% ao mês numa poupança, levará mais ou menos uns 15 anos pra pagar.

      0
      • GB 8 de junho de 2012 at 10:27

        Não são 2/3 %, leia-se de 2 a 3 %.

        0
        • GB 8 de junho de 2012 at 10:32

          Se fosse 2/3 daria 66,66666 . . . % da população ganhando R$ 17k por mês, isso seria o paraíso dos corretores, venderiam imóveis de R$ 1kk facinho.

          Mas a realidade é bem outra.

          NÃO COMPRE IMÓVEL COM ÁGIO.

          0
          • hannamanana 8 de junho de 2012 at 13:59

            Sorry… o “%” escapou dos meus olhos. Eu tinha entendido que 2/3 conseguem fazer economia. Rssss. Por isso que achei muito, pois conheço pouquíssimos poupadores.
            Já pensou????????? E provavelmente estes de 1K valeriam na verdade… 2/3 (rsss) disto

            0
    • hannamanana 8 de junho de 2012 at 10:17

      Se bem que este que estamos falando é o melhor dos mundos, porque se ele for financiar os imóveis que estamos citando… ai sim que a coisa ficará surreal!!!!!!

      0
    • Riodetudo 8 de junho de 2012 at 10:48

      Isso sem ter filhos. Se depender dos valores atuais, a humanidade vai sumir no Brasil a não ser que vc se endivide como faz a “nova” classe media.

      Ah esqueci, agora as pessoas vivem todas até os 90 anos com financiamento de 35 anos. Mas mulher começa a ter dificuldade para engravidar com mais de 35, o PT vai ter que mudar as leis de Deus também.

      0
      • hannamanana 8 de junho de 2012 at 14:04

        Rssss… pois é…
        Mas, o governo já acha que a gente vive bastante – vide fator previdenciário

        0
  • Igor Eduardo 8 de junho de 2012 at 10:17

    “Com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2009 e nos números da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE, é possível calcular que o 1% mais bem remunerado da população nas seis regiões metropolitanas pesquisadas (São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre e Recife) ganha R$ 21 mil por mês.”

    O engraçado é que até pouco tempo atrás, tinha maluco que vinha aqui afirmar que qualquer pessoa ganhava facilmente R$ 30 K por mês! O que será que aconteceu com esses assalariados abastados? Foram demitidos?

    0
  • Ploc Monsters 8 de junho de 2012 at 10:21

    Ele disse 2 ou 3 por cento da população que tem essa renda, mas acho que grande parte dessa população não tem esse poder de poupar pois tem um padrão de vida/ consumo mais elevado. Vejo por mim que tenho parentes nessa faixa de renda e estão mais ferrados que eu que ganho minha mixaria de 4k mês…

    0
    • Johnny Real State 8 de junho de 2012 at 10:39

      Você mora em São Paulo com os pais? quanto consegue juntar por mês?
      Conte nos um pouco da sua história…

      0
    • Justiceiro 8 de junho de 2012 at 10:42

      4K não é pouco não. Tem que ser bem competente pra ganhar isso.
      Dependendo da região que morar, dá pra juntar uma bela de uma grana, desde que ande a pé e não fique de frescura, como pagar tudo pra pegar as maria gasolina.

      0
    • Fernandão Bolhudo 8 de junho de 2012 at 12:30

      Ele tem razão. Ganho mais e gasto – aliás, gastava – muito mais.

      O fato é que nos tempos da marolinha, passamos a viver a ilusão de que estávamos ricos, e tudo o mais. Isso nos incutou uma necessidade absurda de gastar cada vez mais e mais caro.

      Felizmente acordei logo do transe. Saí daquilo tudo no ano passado. Joguei muito $$ pela janela. Mas, pelo menos, foi tudo à vista. Por uma questão de educação familiar, não tenho o hábito de parcelar nada.

      Atualmente, sou totalmente rígido com tudo. Agora tem até planilha de gastos. Tudo controlado.

      Aproveitei bastante do “entorpecer da marolinha”. Foi bom. Mas paguei muito caro por isso. Por sorte não restou dívidas daquilo tudo. Por sorte não financiei bolhudo nenhum. Mas perdi muito dinheiro que poderia estar aplicado… Espero não ser tarde demais para começar a enxergar a vida como ela é, com os olhos de quem efetivamente quer ver.

      Hoje tenho tentado aconselhar colegas que ainda estão no transe. Um grande amigo meu financiou um “bolhudasso”. Ele contou só depois que fez o negócio. Espero que dê tudo certo para ele. Torço para que ele nunca mais consulte o mercado ou que pelo menos não faça isso pelos próximos 25 anos.

      0
  • GB 8 de junho de 2012 at 10:21

    Lembram-se daquela pessoa que construiu a casa naquele loteamento fantasma e cuja casa foi assaltada 2 vezes em menos de 40 dias e por causa disso ela está num apto no centro pagando R$ 1.500 de aluguel ?

    Eles queriam R$ 590k no imóvel, agora querem R$ 500k para “vender rápido” e disseram que não reduzem nem mais um centavo, mas como o casal é aposentado já estão sofrendo para pagar o aluguel.

    Inclusive ela fica falando pra todo mundo que com esse $$$ eles vão comprar uma cobertura num bairro muito melhor aqui perto, é que a mesma imobiliária que está tentando vender o imóvel bolhudo deles também tem 2 coberturas bolhudas “mais baratas” que o imóvel dela, mas que também estão encalhados há mais de 7 meses.

    A ideia é boa: vendo a casa que é sempre assaltada, compro uma cobertura e ainda fico com $$$$ da diferença, e o corretor muito esperto vê nisso a oportunidade de ganhar nas 2 vendas.

    Mas do jeito que ela fica falando sobre isso no bairro, fica difícil achar alguém que tenha meio milhão para dar num imóvel isolado daqueles se no próprio bairro melhor (dessas coberturas) os imóveis estão mais baratos e ele é um bairro muito melhor, não tem nem como comparar.

    Esse é o ser humano: fazendo planos de se dar bem as custas de outro e nem se importa de colocá-lo nessa enrascada, mas creio que logo ela vai se cansar de pagar esse aluguel e vai ter que voltar ao outro imóvel para viver no medo de ser assaltada novamente.

    0
  • J W Cavallaro 8 de junho de 2012 at 10:27

    O GOVERNO DESESPERADO QUERENDO SALVAR A “ETAPA 7”

    Quer prova da bolha? Bem, faco aqui uma pergunta simples aos blogueiros que ira’ dar uma pista se ha’ uma bolha realmente ja’ quase estourando ou nao. A pergunta e’ esta: porque sera’ que quando qualquer pessoa fosse comprar carro novo ou usado no Brasil o vendedor sempre insistia para que se comprasse atraves de finaciamentos, rejeitando inclusive vender-lhe por dinheiro a vista?

    A resposta para essa pergunta revela’ um problema enorme escondido por tras de toda a economia e que estara’ surtindo o efeito agora e e’ a arma do crime da bolha que esta’ se formando. Vejamos a resposta.

    Basicamente em muitissimas operacoes, um vendedor de carros ou um corrector de imoveis alem de sua comissao normal de vendas, sempre ganhava comissoes por “atingimento de metas” provenientes de empresas que tinham algum interesse financeiro na transacao. Muitos ganhavam na participacao da “venda” do financiamento: corretores/imobiliarias/atendente/gerente de banco; etc. Muito similar aos processos que levaram a crise americana de 2008, esse processo constituia-se em poucas palavras num processo de 7 etapas, que sao as seguintes:

    1 – O vendedor/corrector + financeira geravam o credito atraves da facilitacao dos certificados de financiamento;
    2 – Os bancos emprestadores tomavam posse desses papeis em troca do dinheiro na conta do cliente. Ainda aqui, e’ importante entender que os emprestimos e’ o que na verdade e’ o que foram vendidos ao clientes e nao o produto em si que ele esta’ comprando e quer desfrutar. O banco na verdade compra o produto, ou seja o patrimonio (carro, imovel, etc) e da’ autorizacao de desfruto para quem comprou o financiamento do banco, na condicao de que esse honre os pagamentos. O nao pagamento desses financiamentos resultariam em perda do direito de desfruto do patrimonio. Cada financiamento portanto poderia ser chamado de CDO (collateralized debit obligation), ou seja, obrigacao de debito colateralizada, que resumindo quer dizer isso: se o dono da obrigacao de pagar nao cumprir com sua obrigacao o efeito colateral e’ a perda do direito de desfruto do patrimonio! O banco toma a posse!
    3 – Os bancos juntavam inumeros certificados de financiamento, (ou seja, obrigacoes de debito colateralizado), num unico instrumento ou fundo chamado de fundos de investimentos em direitos creditorios, os chamados FDIC.
    4 – Esses fundos FDIC’s eram entao divididos em fatias e entao cada fatia classificada conforme o risco, data de maturacao, cada um com suas peculariedades. O processo so’ era diferente da Americana, porque a “engenharia financeira a moda brasileira” e’ o que diferenciava. Mas em resumo, esses fundos podem ter alto risco em relacao a uma cadernetinha de poupanca, por exemplo, mas as chances de muito maiores juros tornavam-se muito atrativos;
    5 – Apos essa classificaco; transformavam esses papeis em diferente tipos de fundos, chamados FDCI’s tipo AAABr, BBBBr; etc; e entao eram entregues as corretoras para serem vendidas nas bolsas de valores. Esses papeis sao entao negociados nas bolsas e servem como produto de aplicacao financeira para investidores de todos os tipos, nacionais ou estrangeiros, mas principalmente objeto de desejo para investidores externos de empresas de administracao de capital privado;
    6 – Os bancos recebem os dinheiros dos devedores dos financiamentos e distribuiam o lucro relativo a cada papel para os seus cotistas com os titulos comprados nas bolsas;
    7 – Com o que sobrava, os bancos re-injetavam esses dinheiros no mercado atraves da facilitacao de credito para construtoras e outros investidores do mercado imobiliario, ao mesmo tempo para compradores e ai’ volta-se na etapa 1 de novo!

    Basicamente e’ um sistema de piramides. Pra quem nao tem memoria fraca, lembre-se do Alfa Clube, ou Omni Clube, por exemplo. Esse sistema so’ funciona se no final da piramide houverem pessoas entrando. Assim, se a etapa 1 for facilitada, entao esta’ iniciado o processo e o sistema continuara’ rodando bem.

    Aqui estamos vivendo o problema na etapa 7!!!

    O sistema no entanto comeca a se desmoronar quando comecam a haver problemas na etapa 6: acentuada margem de nao pagamentos e o banco comeca a acumular patrimonios e comeca a ter dificuldade em cumprir com a etapa 7. Quando isso comeca a ocorrer, a etapa 1 fica comprometida, porque os bancos passam a ter direiro aos patrimonios “colateralizados” dos clientes e retomam o diretiro e recolocam esses patrimonios no mercado. Aqui comeca mais um problema: os bancos concorrem com as construtoras e concessionarias. Ao mesmo tempo, os bancos comecam a ficar mais cautelosos na facilitacao de obtencao de credito: resultado mais oferta, menos demanda, menos gente entrando na etapa 1. E ai’ o problema se acentua e sai do controle, porque menos demanda e mais oferta significa que os patrimonios passam a valer menos do que o “dinheiro emprestado” e ai’ o problema de “nao pagamentos” na etapa 7 acentua a 1 e assim a cobra come o proprio rabo!!!

    Todas essas manobras do governo brasileiro para aumentar o acesso ao credito, endividando cada vez mais a populacao brasileira, nada mais e’ do que um desespero para continuar enfiando gente atras da piramide para a casa nao cair!

    O problema brasileiro e’ maior ainda, porque tudo no Brasil e’ financiado: o brasileiro deve nas Casas Bahia, na Magazine Luiza, na lojinha do bairro, na mercearia do bar, etc e entao deram-lhe a oportunidade de dever carro e casa!!!! Isso e’ um crime. Mais afundo, quando se olha acordos tais como a exemplo: o Santander/Banco Suisse na criacao do Credito Corporativo, onde a CEF entra como trustee, o balaio da “engenharia financeira a moda tupiniquim” transforma-se em monstro. O governo pode fazer de tudo pra tentar segurar ate’ as eleicoes municipais, mas pode ser que o volume de agua seja grande demais para estancar e a represa ira’ estourar.

    Conforme deu na Folha ontem, o Banco do Brasil devera’ comprar o Santander?

    0
    • Leo 8 de junho de 2012 at 10:59

      Muito bom seu post 🙂

      0
    • Elias 8 de junho de 2012 at 11:52

      Excelente post.

      Lembro quando comprei meu primeiro carro, fiz pesquisa e fechei na concessionária com menor preço. Quando fui pagar, disse que era a vista e quiseram dar pra trás – aquele era o preço com financiamento! Exatamente isto que você colocou.

      Lembrei também de notícia recente sobre atitude dos bancos de evitar retomar os carrros, e procurar renegociar com os inadimplentes – eles sabem e querem evitar que a pirâmide que você citou venha a ruir.

      A coisa está saindo do controle, vão tentar segurar até as eleiçoes, depois já era.

      0
      • hannamanana 11 de junho de 2012 at 10:55

        Realmente, era uma absurdo.
        O dinheiro na mão valia menos do que um financiamento. Os vendedores eram avessos a isto e quando o pessoal achava que ia ganhar um descontinho por pagar à vista, na verdade tinha era que chorar por um jogo de tapetes.

        0
    • Charles 8 de junho de 2012 at 15:08

      JW

      Muito bom seu post.

      Obrigado por compartilhar conosco…

      0
    • Ricardo Eng 8 de junho de 2012 at 19:43

      Muito bom o seu post… Esse ciclo é perverso quando está associado a elementos externos aos bancos, como por exemplo bolhas imobiliárias.

      Como a valorização do imóvel, que é irreal, passa a fazer parte do cálculo financeiro, o banco é contaminado com essa influência interna.

      E quando tudo vai abaixo, vai abaixo. Não adianta o povo ficar falando que “nos EUA era diferente”, pois estamos fazendo aqui a MESMA coisa que eles faziam lá. Vendendo crédito no varejo, a qualquer custo, e revendendo no atacado. O banco multiplica o capital que poderá aplicar no mercado, mas também multiplica o risco.

      0
    • Mr. Alex 9 de junho de 2012 at 22:51

      JD… acrescendo os calatizadores que se pode colocar em cada etapa.

      Por exemplo, reduzir os juros à paulada (pra rimar com Pau Brasil) é uma forma de fazer a bixiga inflar mais devagar. Mas tem revés… estimula as pessoas a tirarem do investimento e passar para a caixa do consumo, indo em direção ao “bolo dos não poupadores”.

      Outro catalizador forte é o fator psicológico, que pode estourar a corrida das sardinhas.
      Ex.: propagandas nazistas do Governo dizendo que tudo está 300% bem, que o BB é seu Grande Pai e vai te ajuda se precisar de grana, etc.

      Enfim, o governo tentar de todas as maneiras retardar a morte anunciada desta economia avivada por instrumentros de UTI.

      0
  • spina 8 de junho de 2012 at 11:00

    Estou com medo da conta!
    Não sei alguém já comentou, mas imaginem a possibilidade de uma anistia parcial do valor dos financiamentos.
    Financiamentos:
    até 130k- 55k de anistia.
    até 300k – 70K de anistia
    até 500k – 100k de anistia

    Tudo isso para fazer uma “justiça social” (ou qq outro nome bobo desses) e adequar a parcela a “atual renda” (pós quebradeira) dos brasileiros.
    Claro que pra financiar isso iriam tirar dinheiro de algum lugar pra pagar os bancos privados que financiaram a farra e não seria das construtoras que estariam “endividadas” (pois o dinheiro dos preços bolhudos já deve estar fora do Brasil faz tempo!) . Quem iria pagar essa conta seriamos nós com o FGTS, aumento da alíquota de imposto ou qq outra invenção populista pra agredir “as zelites” (quem ganha mais do que 3k per capita ao mês segundo dados do IBGE).

    0
    • GB 8 de junho de 2012 at 11:07

      Já estão tomando, só pra começar, R$ 10 bi de prejuízo só com automóvesis, anistiar os especuladores imobiliários seria a opção óbvia.

      É melhor perder parte e manter o pessoal pagando o resto que perder tudo.

      Alguém consegue ver alguma solução que não passe pela queda dos preços para patamares aceitáveis ?

      0
      • Justiceiro 8 de junho de 2012 at 11:20

        A queda dos preços é fato.
        O que pode ser feito é não perdoar nenhuma dívida. Pois não perdoar dívida de gente burra irá forçá-las a pensar centenas de vezes se o preço é justo ou não.
        Parece que brasileiro (90%) só aprende tomando naquele lugar.
        Então que tomem e que deixem quem realmente se sacrificou e usou de inteligência para aproveitar os preços justos.

        0
        • Frank 8 de junho de 2012 at 12:00

          o problema, meu caro justiceiro, é q a “gente burra” (e o efeito propagação de q deu M para uma galera significativa) são os eleirores.

          0
          • Justiceiro 8 de junho de 2012 at 12:28

            Sim, concordo.
            Eu dei aquela resposta considerando uma situação que considero ser a mais justa.
            Entretanto, já imagino que o desgoverno irá, se for necessário, socializar a dívida, como já faz em certos setores.
            Meu objetivo é um dia punir os transgressores diretos, que mais se aproveitaram dos ignóbeis.
            Eu sei, é um pensamento um tanto utópico.

            0
      • spina 8 de junho de 2012 at 11:28

        Adoraria ver o preço em um patamar sóbrio.
        Só não quero pagar a conta dos embriagados no banquete de promessas futuras.
        Fizeram isso com os carros e o povo mostrou que não sabe beber e encheu a lata! acorda no dia seguinte e descobre que não consegue pagar o carro. O Governo muito responsavelmente dá a dica do “Pra evitar a ressaca mantenha-se bêbado”.
        Acontece que o custo da bebedeira do imóvel vai ser muito mais onerosa do que a do carro.
        Estou pensando seriamente em seguir o conselho do Anonimous e sair dessa mesa antes do garçom voltar.

        0
      • Ricardo Eng 8 de junho de 2012 at 19:47

        O problema é que os bancos não possuem caixa para fazer isso. Estão comprometidos com os verdadeiros financiadores desses empréstimos.

        Se o banco topar “perder uma parte”, ele paga do próprio bolso. E, acreditem, o bolso de um banco (dinheiro que é realmente dele) é bem limitado. Lucram bilhões sim, mas não o suficiente para cobrir uma fatia de um mercado (crédito ao consumidor) que já chega a mais de 200 bilhões anuais.

        O que vai acontecer no Brasil é que os bancos, que pagam o PT em dia, vão repassar títulos podres para os bancos do governo. Maluf e Sarney vão parecer santos perto do que os políticos atuais farão com o dinheiro público em caso de crises bancárias.

        0
        • Igor Eduardo 8 de junho de 2012 at 22:21

          O governo já tem uma empresa para fazer essa limpeza nos créditos podres: EMGEA…

          “http://www.emgea.gov.br/”

          Inclusive circulou uma notícia em maio passado que a EMGEA iria comprar créditos vencidos da Caixa.

          0
  • GB 8 de junho de 2012 at 11:01

    Corram para as colinas !!!!!

    Propaganda na TV da CAIXA e do BB incentivando o pessoal a tomar financiamentos para carros, cada um falando da queda do IPI e porque é melhor pegar $$$ com eles e os 2 usando o logotipo do governo (Brazil, um país de todos) nas propagandas (isso é quase um “a Dilma mandou”).

    0
    • Paty 8 de junho de 2012 at 11:14

      Eu recebo diariamente o saldo e dados da minha conta do bradesco no Brasil, quarta feira eles me enviaram um e-mail me oferecendo credito pré aprovado para compra de um carro de até 90 mil reais, eu e meu marido começamos rir.. quanto mané cai nessas pegadinhas….

      0
    • Seu Madruga 8 de junho de 2012 at 11:18

      Kim Jon Dilma, a grande líder do Bostanistão, filha do adorado Líder Eterno, Kim Il Lulla, ORDENA, para a prosperidade eterna desta fabulosa Nação, que os cidadãos Bostanenses continuem a se endividar, a penhorar o futuro dos seus filhos, afinal o seu futuro é o futuro do Bostanistão!

      Brasileiro tinha o dom de comer mortadela e arrotar Peru. Agora que vai comer merda, qual sabor que irá arrotar? Brazil Shit flavoured!

      0
      • Mr. Alex 9 de junho de 2012 at 22:38

        opa… o Brasil começou com nome de Pau… Brasil… e acho que gosta de levar Pau até hoje…

        o mais velhos vão lembrar da nostalgica TV PAU, era um programa de você ficava gritando PAU, PAU ! e alguém do outro lado jogava o video game para você, apertando o botão do tiro a cada PAU…

        Bom, ainda temos a TV PAU ! (só não vou falar no furico de quem).

        0
    • Dan 8 de junho de 2012 at 11:20

      Pois é. No horário nobre, em vários canais, todos os intervalos comerciais veiculam a propaganda da caixa e do BB. É um trabalho de mídia massivo, aos moldes quase nazistas, uma verdadeira tentativa de lavagem cerebral. Me irrita tanto que paro de assistir a televisão!

      0
      • Cleyton 8 de junho de 2012 at 13:27

        Isso é duplipensamento (filme 1984):

        – Dívida é prosperidade,
        – Juro é salário,
        – PT é governo,
        – PAC é crescimento,
        – Copa é fortuna,
        – Amor é ódio (Essa é para quem não assistiu o filme entender as de cima).

        0
        • Cleyton 8 de junho de 2012 at 13:29

          Ops, faltou a melhor:

          – Imóvel é investimento.

          0
          • ruy 9 de junho de 2012 at 14:11

            Esse site eh muito bom. Parabens pelos comentarios, existe sim vida na internet alem da esgotosfera do PT. Aqueles militantes poluem todos os sites de noticias com vies pro-bolha, puro “Big Brother”do Orwell.

            0
    • spina 8 de junho de 2012 at 11:47

      O que mais me impressiona é que essa era a hora dos preços dos carros caírem para o padrão mundial. Ai entra o governo, corta uma parte dos impostos e diz que os carros estão baratos! PQP!
      Pq não deixar a lei da oferta e da procura fazer o seu trabalho? As montadoras não vão sair do pais que mais dá lucro a elas.

      0
      • Cesar bolha 11 de junho de 2012 at 22:37

        Rapaiz você falou tudo hein!

        0
    • SKNR 8 de junho de 2012 at 13:10

      Meu amigo, o desespero está tão grande pra colocar dinheiro no mercado e fazer circular que, semana passada, tranquilo assistindo TV no meu sofá, recebo uma ligação às 20:00h de uma dita “correspondente autorizada do Banco do Brasil”, que estava disposta a me oferecer as “excelentes oportunidades, com taxas de juros rebaixadas e valores pré-aprovados” para eu adquirir um financiamento – não deixei nem ela dizer o que queriam financiar, agradeci e falei que já tinha conseguido a minha alforria do sistema bancário.

      Mas, pensem bem: QUANDO um banco ligou pras pessoas pra OFERECER empréstimo na cara dura? “Por favor, se endivide, por mais poupador que vc seja!!”

      Engraçado foi ao final da conversa ela ainda dizer ‘mas o senhor não tem interesse em saber as ofertas por que? o senhor costuma poupar, é?’. Fiquei com muita vontade de rir, hehehehe

      0
      • Cleyton 8 de junho de 2012 at 13:54

        Você autorizou o Banco do Brasil a consultar a tua situação no BC para o cadastro positivo? Se autorizou se prepare!

        Eu não autorizei e quando chega ligação com DDD 11 (toda hora) eu nem atendo.

        0
        • SKNR 8 de junho de 2012 at 14:04

          Ih, rapaz, não faço a menor ideia… Mas não atendo o fixo, minha mãe que atendeu e resolveu me passar, apesar da orientação pra sempre dizer que estou fora. E, pro celular, esse pessoal do telemarketing ainda tá ligando pouco. Normalmente não atendo quando vejo DDD de fora tb.

          0
        • EduLon 8 de junho de 2012 at 21:45

          Cleyton, vc recebeu telefona do Banco do Brasil querendo incluir vocë no cadastro positivo? Falo isto, porque embora nao tenha 1 real emprestado em nenhum produto crediticio, decidi ir ao BB e solicitar a minha inclusao no cadastro positivo. ninguem na agencia sabia responder, ate que me disseram que o BB nao tinha operacionalizado e nao tinha como me incluir. Acessei o internet banking, pesquisei e nao achei nada, enviei email ao SAC do BB e foram evasivos na resposta. Se tem um jeito, gostaria de ser incluido no cadastro positivo.

          0
          • Cleyton 8 de junho de 2012 at 21:56

            Recebi uma mensagem no internet banking que tinha um link pra autorizar a consulta da situação no BC, imagino que tenha sido pra isso, afinal qual outro motivo eles teriam pra fazer esse tipo de consulta?

            Recebo pelo BB, pode ser que eles estejam de olho no meu consignado.

            Pode ser que não seja pro consignado, talvez seja só pra vender cadastro mesmo, hehe.

            0
            • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:05

              Faço o mesmo… ligação com DDD 11 que não é de nenhum dos meus parentes cadastrados… tchau! Não atendo!
              Engraçado que vocês estão falando de bancos, mas estou recebendo ligações de lojas que um dia lá atrás eu fiz cartão (“quando eu era um suricatinho” – como diz no filme rsss), mas nunca comprei ou há anos que não compro pra me mandar cartão.
              Inclusive, já me mandaram dois sem eu autorizar. O Bradesco já me mandou uns três do mesmo jeito. Fiz reclamação no Procon.
              A vontade era processar e fazer eles creditarem estes valores aprovados à revelia, na forma de dinheiro mesmo na minha conta. Já que querem me dar, né? Que ódio!

              0
      • Ricardo Eng 8 de junho de 2012 at 19:48

        Pior é o Itaú, que me liga dizendo que “tenho uma ótima renda e boas economias” e por isso “fui eleito para um empréstimo diferenciado.

        Porra, se eu tenho uma boa renda e boas economias, por que diabos eu pegaria dinheiro emprestado a 2% ao mês? É muita burrice.

        0
        • Mr. Alex 9 de junho de 2012 at 22:32

          E o Amex oferecendo dinheiro emprestado ?

          Ouvi na CBN que só no Brasil e na China, creio eu, se “financia” taaanto artigo de luxo… Relógios, bolsa e até Smart.

          É uma m*rda !!! Povo pobretão do casseta !

          A situação aqui na terra que começou com nome de Pau (sim, lembra das aulas de História… ) Brasil é ilusória, acho que vai ter filial da Disney aqui logo, logo… e o Mickey vai vender imóveis, artigos de luxo, entre outros…

          0
        • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:07

          Da vontade de falar “e quem deixou vocês ficarem retalhando minhas contas e expondo minhas movimentações para uma equipe de call center ficar me ligando”?

          0
          • Ricardo Eng 11 de junho de 2012 at 12:51

            Bem lembado. Eu sempre penso nisso…

            Todo “analista de crédito” tem acesso ao seu sigilo bancário completo. Aí eu descobri que os “analistas de crédito” não passam de pessoas com no máximo 25 anos de idade, formadas em QUALQUER LUGAR e ganhando menos de 3 salários mínimos.

            Ou seja: são atendentes de call center, como você disse. Antes eu achava que o call center não tinha acesso a essas informações e apenas te convenciam a comprar o produto. Que profissionais super sérios que selecionavam os clientes.

            O que acontece na realidade é que as duas equipes trabalham no mesmo prédio e são profissionais da mesma natureza. Apenas não se conversam.

            0
            • hannamanana 11 de junho de 2012 at 13:03

              Falou tudo, Ricardo!
              Até onde eu sei, eles têm sim um acesso limitado às suas informações.
              Porém, a quantidade que é disponibilizada já é grande pra mim.
              Um dia uma equipe me ligou e, ainda que eu, por motivos de precaução não lhe tenha fornecido dados naquele momento, ela me dizia “a senhora ainda trabalha na empresa X?”, “a senhora ainda esta no cargo Y?”, “a senhora é casada com fulano de tal?” e eu pensando… “nossa, ela sabe tudo!”. Eu acabei até cortando a conversa, porque eles queriam pq queriam me mandar um cartão que eu não aceitei receber, mas me mandaram mesmo assim.
              E eu sempre fico pensando o mesmo que você… porque tenho conhecidos que trabalham no Call Center e o perfil é este que você descreveu.
              Medo.

              0
      • MrLBS 8 de junho de 2012 at 23:27

        SKNR,

        Sou cliente do BB desde 1993. Juro a vc que nunca tinha recebido um telefonema deles para me ‘orientar’ quanto à investimentos. Pois bem, recebi a ligação de um funcionário de minha agência.

        Apenas para contextualizar, tenho um valor há um bom tempo na poupança que em tempos normais daria para quitar no mínimo 50% de um bom AP 3 quartos aqui em Recife, mais outro valor em CDB que daria para para quitar tb uns 50%, no mínimo, de um AP de 2 quartos e mais uma grana (11k) em um fundo atrelado ao dólar.

        O funcionário do BB me liga e faz uma proposta ‘das arábias’:

        Funcionário: “Boa tarde MrLBS, sou o fulano do BB. Vejo aqui que você tem uma aplicação na poupança. Veja bem, no último ano a poupança rendeu 6,9% enquanto a inflação já deu 7,5%. Ou seja, o sr está perdendo dinheiro. Temos um fundo de aplicação Previ 20 que nos últimos 12 meses rendeu 11%”

        Eu: “Bom, a inflação oficial do último ano não foi de 6,5% ?”

        Funcionário: “Foi sim, mas dos últimos 12 meses foi de 7,5%.”

        Eu: “Eu não tenho este dado, mas irei checar.”

        Já comecei a sacar a do cara. Ele joga para mim a inflação dos últimos 12 meses e compara com o rendimento da poupança de jan/2011 a dez/2011.

        Eu: ” O sr. fala que o rendimento do fundo foi de 11%. Mas rendimentos passados não me garantem rendimentos futuros. Eu não conheço este fundo mas irei olhar o prospecto. A propósito, em que investe este fundo”

        Funcionário: “Uma parte é CDB e outra é título do tesouro nacional”

        Eu: “É… só que ambos são atrelados à SELIC, e a previsão é queda brusca na SELIC” (este papo foi antes do último corte).
        Eu: “Além do mais, se eu tirar meu dinheiro da poupança e quiser colocar novamente, irei cair na ‘nova poupança’, o que diminui meu rendimento”

        Funcionário:”Errr… é verdade…”

        Eu: “Pois é. De qualquer forma irei dar uma olhada no prospecto. Ligue-me próxima semana”.

        Funcionário:”Ok, Sr. MrLBS, entrarei em contato”

        Até hoje ele não me retornou. É só encontrar alguém que tenha um pouco mais de conhecimento para eles sairem correndo com medo.

        Vê que sacanagem. Querem que eu tire meu dinheiro de uma aplicação para colocar em outra que certamente começará a remunerar menos – de outra forma não haveria pq criar a ‘nova poupança’. Porquê ele não me sugeriu tirar a grana do CDB ou do fundo atrelado ao dólar para colocar nesta nova aplicação ?? Simples: para eu me lascar.

        Imagino só a quantidade de clientes que vão na conversa deles. Putz… é de revoltar.

        Depois dessa… tive a total certeza que banco, seja privado, público, economia mista, etc, é tudo FDP.

        0
        • Cleyton 9 de junho de 2012 at 12:51

          Me ligaram oferecendo depósito automático do salário em poupança, fiz várias perguntas e como não encontrei nada de errado autorizei, mesmo achando muito estranho.

          Fora esse caso isolado, todos os outros eu digo que vou ler o prospecto e caso venha a ter interesse EU entro em contato, via de regra quem origina a chamada manda na ligação só por pegar o outro lado de”calça curta”.

          Ah mas se não aderir agora depois não vai dar, beleza então, é muito mais fácil evitar um problema do que se livrar dele.

          0
        • Rafael KM 9 de junho de 2012 at 16:04

          Também achei muito estranho. Tenho conta no BB desde 2003 e me ligaram do BB (pela primiera vez neste tempo todo) umas 2 semanas ANTES da implantação da nova poupança e me falaram que eu tinha dinheiro parado na poupança (como se eu não soubesse!) e se eu queria aplicar em outras coisas mais rentáveis. Aí eu disse que estava lá o dinheiro aguardando uma queda na BOVESPA para colocar no mercado e a pessoa do banco disse: ah, o senhor quer liquidez, então tudo bem! Agredeceu e desligou e nunca mais ligaram.

          Devem ter dado um decreto p/ o pessoal dos bancos ligarem para quem tivesse mais de determinado valor na poupança para tentar pegar este dinheiro. Mas como o colega disse, é só verem que entende um pouco do negócio e já não ligam mais.

          0
          • MrLBS 10 de junho de 2012 at 15:32

            Pois é! Eles querem é que nós tiremos o dinheiro da poupança (antiga) para deixar de remunerá-la (juros) com a regra antiga que, com a queda da SELIC, não é nada interessante para os Bancos, mesmo após terem tido lucros recordes nos últimos anos!

            0
        • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:08

          Hahahahah sensacional.
          E pior é que às vezes nem o funcionário que te ligou sabia direito fazer estas contas.

          0
  • Menino_do_Rio 8 de junho de 2012 at 11:11

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,caixa-tera-de-quitar-contratos-habitacionais-firmados-ate-1987,115422,0.htm
    “SÃO PAULO – Os mutuários da Caixa Econômica Federal (Caixa) com contratos de financiamento habitacional, com cobertura do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS), celebrados até 31 de dezembro de 1987, e cuja última prestação já tenha sido paga e ainda têm saldo residual, terão seus contratos quitados e ainda receberão de volta o que pagaram desde outubro de 2000. ”

    Isso é muito importante. O governo está dizendo: comprem, financiem e não precisam pagar tudo.
    Quem não tinha coragem para se endividar por 35 anos, recebeu um incentivo dos bons…
    O governo só não disse que se os mutuários não precisam pagar, quem pagará?

    0
    • spina 8 de junho de 2012 at 11:38

      Tinha muito medo disso!
      Anistiar dívida de financiamento é dar salvo conduto a tempestividade. Se o cidadão não consegue planejar os gastos ele é um mau pagador e não deveria ter acesso ao crédito facilitado.
      Essa ânsia de manter o crescimento a qq custo vai nos levar de volta aos anos 80.

      0
    • Frank 8 de junho de 2012 at 11:51

      pra quem ainda duvidava da capacidade de o governo criar saídas “criativas” para resolver as dívidas impagáveis….

      é o q eu digo aqui há algum tempo: qdo todos fazem o “errado”, o “errado” vira o “certo”.

      uma massa de devedores com dívidas impagáveis = ebulição social = prejuízo eleitoral = ação mitigadora do governante de plantão

      0
    • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 8 de junho de 2012 at 12:17

      Ops….não podemos misturar alhos com bugalhos…nesse caso os contratos eram de 20 anos e e cuja última prestação já tenha sido paga mas que ainda assim tenham saldo residual.
      Ora, nada tem isso com liberar o mutuario da divida – eles apenas querem o que é justo – se o financiamento foi de 20 anos e eles pagaram durante esse tempo todos e a dívida não foi quitada nesse periodo porque a correção do saldo devedor nunca chega ao fim não é licito extender unilateralmente o prazo indefinidamente ate que tudo seja pago. Não vejo nada de “anisitia” nessa noticia, apenas uma reparação de uma injustiça – foi por isso que o BNH quebrou – má gerenciamento governamental.

      0
      • spina 8 de junho de 2012 at 12:43

        Não concordo, pois o justo é que vc pague o valor emprestado mais o juros. Se vc fizer um empréstimo de 100k por 10 anos e escolher pagar 1 real ao mês e ao final do contrato escolher pagar todo o capital mais o juros é uma escolha sua. Foi oq esses mutiários fizeram. Eles escolheram pagar apenas o capital mês a mês e deixaram o juros pro final. Quando chegou no final eles não tinham dinheiro pra pagar os juros acumulados. Então o prazo foi estendido para o pagamento da dívida.

        0
        • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 8 de junho de 2012 at 13:39

          Spina as coisas não se deram assim – experimente ir la na caixa pegue um financiamento de 300K e fale que nos 30 anos irá apenas pagar só os 300K, e que os “juros” a gente acerta depois. – O que ocorreu nesses contratos é que o Capital + Juros financiados, foram transformados em parcelas que eram corrigidas de acordo com o salario (equivalencia salarial), porém, o saldo restante era corrigido de acordo com a inflação, Assim, acabou-se o prazo e as parcelas pagas durante os 20 anos não cobriram todo o valor corrigido do emprestimo. Puts…erro de calculo dos gestores do antigo BNH…é que nos anos de 1975/80 ninguem imaginava que a infalçao iria crescer tanto e os salarios ficarem tão achatados. Eles fizeram esse sitema pois como o consumo era estagnado parecia algo viavel. Naquela epoca – meu pai comprou a casa por esse sistema – só o marido trabalhava para sustentar a casa. O consumo era minimo – carro era luxo 1 só por familia, e assim a infalção foi crescendo crescendo, hoje acredito que nesses contratos o cara esatria devendo de 2 a 3 casas.

          0
          • spina 8 de junho de 2012 at 14:09

            Eu não sou tão novo a ponto de não me lembrar desses financiamentos. Lembro-me que meus pais compraram uma casa nesse sistema (1979 ano em que nasci), e por volta de 1982 quando perceberam que a dívida seria impagável eles a venderam para saldar a dívida e ainda deviam uma considerável quantia. Até 1987 meus nossas coisas em casa foram sempre magras (hauhaha). Em 1988 meus pais conseguiram pagar o saldo devedor e ficaram sem dívidas, na época eu não entendia como eles estavam pagando uma casa se nos morávamos do aluguel.
            Bom moral da história, meu pai por entender que não podia ficar com dívidas impagáveis, pagou por quase 10 anos uma casa que não tinha. Melhor seria se ele tivesse ficado com a casa e esperado essa “não anistia”.

            0
            • Cleyton 8 de junho de 2012 at 15:35

              A do meu pai também foi financiada no mesmo ano, quando ele terminou de pagar apareceu o infame saldo devedor, como não tinha como pagar ficou assim.

              Alguns anos depois passaram alguns advogados por lá pedindo uma procuração de plenos poderes para, em troca de uma “pequena” quantia (indefinida no momento) livrar a dívida, teve duas vizinhas locas que assinaram, não sei o que deu.

              Depois o BNH veio com uns papos assim, tipo, 50k liquida, depois 40k, etc, quando chegou a um valor que podíamos pagar meu tio que era auditor federal recomendou deixar assim porque eles não iam poder cobrar mesmo e estavam tentando não perder tudo, como a burrada foi deles que se danem.

              Algum tempo depois eles “deram” a escritura.

              0
      • Cleyton 8 de junho de 2012 at 13:40

        Andre você esqueceu uma coisa muito importante, a última prestação estava limitada aos ganho de rendimento do cara e não à dívida contraída, o saldo residual foi (in)consequência de uma política populista insustentável.

        Na prática refresca muito pouco porque o BNH quebrou mesmo e os prejuízos já foram computados, isso vai servir pra gente estúpida, achando que vai receber o perdão também, tentar fazer a mesma coisa hoje pelo SFI (deveria ser SIFU) e vai acabar penhorando o rabo sem saber.

        Uma observação importante, toda hora o pessoal fala de SFH pra cá, SFH pra lá (teto de valor, teto de juros, subsídios, etc) , só que ele só vale para o MCMD, quem não faz parte da camada “extremamente pobre” do país vai entrar pelo SFI, sem teto de juro, sem teto de valor e sem subsídio, e pior, com regras mais rígidas para a retomada do imóvel.

        0
      • Frank 8 de junho de 2012 at 15:21

        André, eu entendo o seu ponto, pode ser perfeitamente justo, á luz do entendimento atual, anistiar essa turma.

        o meu ponto é: isso dá o tom de como a administração lidará com o problema, em outro contexto (as consequencias da bolha atual, por exemplo.

        0
        • Frank – mas veja bem, isso não é bem uma anistia pois o contrato terminou pelo decurso do tempo. Outra coisa, essas pessoas que compraram, estariam hoje equiparadas ao plano MCMV – ou seja era o unico imovel comprado para moradia da familia com regras economicas mais justas pois as parcelas eram vinculadas ao salário (naquele tempo funcionario passava a vida inteira dentro de uma só empresa). Hoje em dia a CEF mudou radicalmente seus contratos – na decada de 95 a 200 milhares de contratos foram executados pela CEF reintegrando a posse desses imoveis. Depois do que ocorreu naquela epoca a CEF passou a agiotar os imoveis e não mais a financiar a moradia. Hoje, mesmo para o MCMV creio que as parcelas são proibitivas. Pobre mesmo, desses que ganham 700,00 a 1000k, nem de longe passam perto das exigencias da CEF, mas nos dias de hoje se nem a classe média consegue comprar algo porque é que pobre deveria receber alguma coisa? Definitivamente as coisas mudaram e muito.

          0
  • KQT 8 de junho de 2012 at 11:41

    O melhor exemplo são aqueles japoneses tradicionais que tem uma barraca de frutas ou de pastel na feira. Sempre os filhos estão em faculdades federais e conseguem estruturar a familia. Segredo !? Não.. meu Deus.. Vivem a realidade e investem na educaçao e estrutura familiar. O brasileiro ganha 600 conto por mes e compra um celular de 1000, calça de 200 e assim vive num mundo da fantasia. O governo estimula o consumismo e endividamento, e não oferece a base para o crescimento sustentável. E vamu.. que vamu.. Graças a Deus nosso país é abençoado pela natureza, basta os políticos para destruir..

    0
  • Elio 8 de junho de 2012 at 11:56

    Olha aí pessoal, os corretores está bancando até voucher no América…Pena que eles nãoi dizem no email que o valor do metro quadrado desse lixo é 5,5 K!!!!

    Neste final de semana, 09 e 10 de Junho, convido-lhe a visitar o stand do Coloratto, para conhecer o maravilhoso decorado e ainda você ganhará um Voucher para o Restaurante América.

    Quando chegar ao stand, não esqueça de procurar na recepção pelo Corretor

    Nobru da Brasil Brokers.

    Aguardo sua visita neste final de semana!

    Att,

    Nobru

    0
    • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:13

      Aqui também tá nessas de dar brindes pra quem visita os standes.
      Meu amigo sempre vai pra pegar as coisas (sem comprar apartamento algum) hahahahaha… Eu ainda não cheguei neste nível. rsss

      0
  • Paty 8 de junho de 2012 at 11:57

    Aposentada encara frio de 7 graus na fila do Feirão da Caixa, em SC
    08 de junho de 2012 • 11h19 • atualizado 11h56

    Fabrício Escandiuzzi

    O frio registrado nesta sexta-feira em Florianópolis não foi capaz de desanimar a aposentada Célia Cabral. Aos 61 anos, ela encarou o vento e a temperatura de 7 graus e ficou mais de duas horas na fila à espera da abertura do Feirão de Imóveis da Caixa Econômica Federal na capital catarinense.

    Moradora de Palhoça, cidade da região metropolitana de Florianópolis, Célia saiu de casa às 6h30 para garantir um lugar na fila. O frio intenso afastou os possíveis compradores pela manhã, e a aposentada acabou sendo a primeira a chegar. “Se eu soubesse que o movimento estava tranquilo assim, teria vindo um pouco mais tarde”, disse. “Mas é bom, pois assim consigo ver tudo com calma”.

    A aposentada destacou que o “maior sonho” de sua vida é se livrar de um aluguel de R$ 600. Ela procura por uma casa na região de Palhoça, para morar com uma das filhas. “Meus outros filhos moram lá e não quero sair de perto deles”, afirmou. “Mas 20 anos que pago aluguel. Quero dar um fim nisso. É dinheiro jogado fora”.
    Apesar de várias ofertas de imóveis que estarão disponíveis no Feirão, Célia disse estar “incrédula” com boas oportunidades. Ela criticou o preço dos empreendimentos na região metropolitana de Florianópolis. “Casa não tenho muitas chances de comprar. E o problema é que o preço dos apartamentos é absurdo perto do tamanho deles”, disse. “Pedem preço alto para lugares minísculos”.
    Além de Célia, outras cinco pessoas aguardavam a abertura do Feirão do Caixa. O militar Saulo Oliveira de Castro, 41 anos, disse que esperava uma movimentação maior. “Pelo menos assim tenho como caçar as melhores ofertas”, disse ele, que pretende comprar um apartamento de dois quartos. “Vamos ver se aqui os preços estão diferentes dos que já vi em imobiliárias. Senão não compensa”.

    0
    • GB 8 de junho de 2012 at 12:20

      O pessoal parece mais incrédulo.

      0
      • Paty 8 de junho de 2012 at 12:40

        Já estava na hora né…Os peixinhos já foram pescados e os peixes medios estam começando fugir da malha…

        0
  • Frank 8 de junho de 2012 at 11:57

    “O Valor procurou o Secovi e a Abecip para saber se eles fazem estimativa de quantas pessoas ou casais no Brasil possuem o nível de renda necessário para tomar empréstimos nos valores atuais, mostrando o público-alvo potencial total desse mercado.
    Por meio da assessoria de imprensa, o Secovi, que representa as incorporadoras e construtoras de São Paulo, disse que esse tipo de estudo nunca foi feito pelo órgão. ”

    amigos, esse é o trecho + importante e impressionante da matéria, q é muito boa (só mesmo no valor).

    nós já sabíamos disso, mas a assessoria do SECOVI ficar de calças arriadas e não conseguir dar uma resposta melhor do q essa é demonstração de amadorismo ululante (não confundir com lulante 🙂 ).

    vejam bem o disparate: a EMPRESA (=mercado imob) não está preocupada com a capacidade de seu CLIENTE (público-alvo) pagar pelos produtos q vende….

    0
    • Mr.Crowley 8 de junho de 2012 at 17:45

      Nao sabe=tem certeza que a vaca foi pro brejo, e nao quer admitir.

      0
      • Frank 8 de junho de 2012 at 19:17

        isso, mas podiam ter criado uma embromação qq mais palatável para tentar manter a roda girando….

        na verdade, os caras fiam-se na incompetência da mídia em geral, q dificilmente faz essas perguntas “complexas” como a q vimos agora.

        em geral, é só confete e purpurina.

        0
    • Leno 8 de junho de 2012 at 22:51

      Frank,

      Essa informação não me surpreende porque eu sempre acreditei que esse mercado foi direcionado para investidores. Portanto faz sentido que nunca tenham feito pesquisas para avaliar a capacidade de pagamento do povo.

      0
  • jc 8 de junho de 2012 at 12:19

    Boa. Agora os retardados do Brasil escutam os especialista dizendo um monte de clichês e fingindo que são burros como o resto do povo. Ganharam muito dinheiro nas costas dos nossos compattriotas ignorantes e metidos a intelectuais. O povo merece é a bolha mesmo. Acreditam em qualquer besteira que escutam, não sabem usar um porcaria de calculadora e fazer o mínimo de plajenamento, exceto para colcoar mais uma prestação e pagar por uma coisa que não necessitam e não vale a pena.
    Hoje, temos um monte de burros vivendo de aparências com o carro 0 financiado em mil prestações, mais um imóvel muito mais caro que o valor de alguns anos passados. Em breve, vamos ter um monte de gente quebrada reclamando que foi vítima de algum inimigo que o governo inventar. Estas pessoas são vítimas delas mesmas e da falta de controle sobre o que ganham. Elas existem para atrapalhar a vida de quem sabe ao menos o básico para fazer planos. Vamos junta dinheiro e ter uma vida normal depois que a fantasia do povo caír e levar anos de trabalho pelo ralo.

    A vida é justa num ponto. Se você alimenta uma ilusão, vai viver de ilusão, por um tempo. O brasileiro vive é de ilusão. Basta cerveja, futebol, mulheres bonitas na tv e crédito para financiar os sonhos de consumo.Contudo, uma hora a realidade nos chama. Tomara que desta vez ela venha com tudo. Todo dia eu vejo a Gafisa afundar e um monte de retardados investindo. Quero muito que a verdade venha com os 4 cavaleiros do apocalipse levando o mercado imobiliário e a política de crédito.

    0
  • Eskeleto 8 de junho de 2012 at 12:20

    O valor das ações da gafisa está chegando perto de 9% de valorização, seria devido a emissão dessas ações que fala no link que coloquei abaixo? Sendo assim estariam elevando os preços pois quanto mais alto for cotada mais grana vai dar quando fizerem as emissões ou não tem nada a ver?

    “http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2012/06/gafisa-vai-emitir-7025-milhoes-de-acoes-para-comprar-alphaville.html”

    0
    • Guilherme 8 de junho de 2012 at 12:27

      O preço das novas ações já foi fixado em 2,13……

      0
      • Igor Eduardo 8 de junho de 2012 at 17:18

        Somente uma correção: O preço das novas ações foi fixado em R$ 5,11.

        “http://www.infomoney.com.br/gafisa/noticia/2460566-gafisa+dispara+bolsa+apos+anunciar+emissao+acoes+para+adquirir+alphaville”

        0
        • Cleyton 8 de junho de 2012 at 17:36

          Pois essa eu não entendi, quem é que vai pagar 5,11 se pode ir a mercado e pagar 2,50?

          0
          • Igor Eduardo 8 de junho de 2012 at 21:30

            O pior é que as quedas consecutivas nas ações da Gafisa na última semana foram justificadas pela compra das parcelas restantes de Alphaville… Agora a compra se torna motivo de alta… Não sei, mas acho que é a mesma coisa da PDG x Vinci Partners, divulgam esses fatos pra sardinhada sair comprando e os tubarões liquidam suas posições com lucro, pois compraram na baixa nos últimos dias…

            0
    • GB 8 de junho de 2012 at 12:44

      Que absurdo, vão comprar a outra empresa usando $$$$ dos novos sardinhas e o pessoal está feliz por isso.

      Assim fica fácil cumprir com suas obrigações.

      0
      • spina 8 de junho de 2012 at 12:55

        Uma coisa é ela emitir as ações, outra coisa é alguém comprar. Mesmo pq com maior oferta de ações no mercado a tendência seria o preço cair, ou não?

        0
        • Eskeleto 8 de junho de 2012 at 13:23

          Então, no meu entender acredito que eles precisem colocar uma grana alí para mostrar o preço acima dos 2,13 ou seja quem comprar já sai ganhando tipw 0,10 centavos ou 0,15 centavos ou seja o pessoal vai comprar na hora que lançarem e ai depois a coisa despenca de uma vez, mas precisam primeiro fazer o comercial acredito eu.

          0
  • Mineiro quer Bolha 8 de junho de 2012 at 12:51

    Acabei de chegar da CEF, eu ouvi a funcionária da CEF falando para cliente a inadimplência está alta para CONTRUCARD, não está aprovando sem avalista e ainda precisa autorização do Escritório de Negócio, imagina a inadimplência restante segmento!!!

    0
    • Guilherme 8 de junho de 2012 at 13:07

      Meu caro, conheço gente que comprou casa e financiou no construcard em uma loja de material de construção (do antigo proprietário do imóvel)….não deve ser um caso isolado. ….

      0
  • Miranda 8 de junho de 2012 at 12:57

    Encontrei esse video na net. Dê uma olhada nesse video, e digam o que acharam!

    http://www.youtube.com/watch?v=bmfjq2gFV2Y&feature=plcp

    0
    • Cleyton 8 de junho de 2012 at 16:13

      O vídeo possui erros grosseiros de conceito, mistura tudo.

      Capital é o dinheiro aplicado em produção, é a parte que vai comprar tijolos e pagar os pedreiros, não é verdade que necessariamente alguém vai ficar mais pobre, o correto seria a construtora ter (poupado) todo o dinheiro pra completar a obra desde o início, nem mais, nem menos.

      Crédito e financiamento seria a antecipação do trabalho que ainda não foi realizado, esse não é propriamente capital porque simplesmente ainda não existe.

      Derivativos são o pacote, são subprimes, são LCI, nisso ele tem razão, são baseados em coisas que não existem, o multiplicador bancário também é dinheiro que não existe, o banco sempre empresta mais do que tem e não quebra só por causa disso.

      Oferta e procura não vem tanto ao caso porque a oferta esta artificialmente ampliada por financiamento e crédito, não é real, e é justamente crédito e subsídio que infla a bolha.

      A parte Ponzi só faz sentido na ampliação do crédito que acaba expandindo a oferta monetária, creio que tenha mais a ver com inflação do que bolha.

      0
  • AF 8 de junho de 2012 at 13:45

    Creio que a notícia em evidência neste tópico somente serve de atestado, pela mídia, dos efeitos resultantes dos ciclos econômicos criados por injeção de capital, sem lastro, em um setor da economia.

    Todos sabemos que a farra do crédito criou este boom imobiliário e elevou o preço dos imóveis, como é previsto. Sabíamos que não foi pelo crescimento da renda.

    Se o ciclo tiver continuidade, também sabemos que notícias piores virão.

    0
  • Eskeleto 8 de junho de 2012 at 14:01

    Na atual situação continuo torcendo para que a Dilma continue fazendo essa burrada e adiando essa situação pois cada dia que ela adia é um dia mais preparado pois na atual situação ainda não tenho condições de comprar um apartamento a vista.

    0
  • Charles 8 de junho de 2012 at 14:04

    Estive na minha dentista essa semana. Ela é a presidente da comissão de moradores de um condominio de terrenos de alto padrão aqui na cidade. A corretora exclusiva do empreendimento é amiga dela e estava lá também.

    Como tenho intimidade e amizade com ambas ha anos, pude conversar informalmente com elas e a sinceridade prevaleceu ao me revelarem que há algo muito estranho no mercado.

    Quando perguntei se os terrenos estavam vendendo bem a corretora me disse: Até que estão sim, enquanto a bomba não estoura neh….

    Segundo a visão dela, os preços estão fora da realidade e só estão se mantendo porque ainda tem gente pagando, mas nem de longe os valores praticados refletem o que os terrenos realmente valem.

    Ainda complementando seu pensamento, ela disse que as construtoras perderam a mão e construiram muito mais imoveis do que a capacidade da população em habita-los.

    0
    • SKNR 8 de junho de 2012 at 14:09

      Recomenda pra elas assistirem ao vídeo do Espanhistão…

      0
  • J W Cavallaro 8 de junho de 2012 at 14:33

    Moro em Londres e por curiosidade peguei dois websites de carros usados, um britanico e um brasileiro ai escolhi um modelo de carro para comparar. Verifiquei o preco de 1 carro, VW Passat 2008, mesmo modelo. Depois verifiquei a tabela dai’, a tabela FIPE.

    Inglaterra: 6.999.00 libras esterlinas (£6,999.00)
    Brasil (FIPE): R$ 51.745,00

    A libra vale hoje R$3.12 portanto se dividirmos o valor do Passat brasileiro em libras ele vale: £16.585 libras!!!! O Passat brasileiro custa quase £10.000 libras a mais!!!

    So’ pra se ter uma ideia como (atraves de derivativos, quem quiser ler o meu post anterior ira’ entender as 7 etapas desse mercado de criacao e comercializacao de debitos) o Brasil tornou-se alvo de investidores estrangeiros. O mercado financeiro brasileiro e’ muito lucrativo. O Brasil e’ a teta do mundo!

    0
    • J W Cavallaro

      Mas como fugir sem ter opções? Quer carro no Brasil tem que pagar caro, caso contrario ande a pé.
      Quer Casa no Brasil, tem que pagar caro, senão more na Rua.
      Quer ter comida no Brasil, tem que pagar caro, senão morra de fome.
      A verdade é que todos aqui gostrariam de obter todos esses produtos em condições de igualdade de preço com os demais paises porém o governo jamais deixara isso acontecer. Vc compra um carro mas paga 3 – 1 pra vc, outro de lucro para as montadoras e outro pro governo. Em quase tudo que consumimos é assim.
      Pagamos iimpostos de 1° mundo e recebemos serviços de 5° categoria.
      A solução definitiva para isso é sair do pais mas isso nem todos podem por n motivos (familia, emprego, idioma, etc…etc). Para esse que ficam o negocio seria se organizarem de tal forma e formar ‘boicotes” que acabem por forçar o governo/montadoras baixarem os valores mas, no Brasil todos estão mais preocupados com o próprio umbigo do que com o resto. Eu, particularemente NUNCA comprei um carro ZERO – não por não possuir condições mas por achar de fato que estou jogando $$$ fora. Sempre compro com 3 ou 4 anos de Uso, uso-o por mais uns 5 e troco. Porém eu sou só uma gota no oceano.

      0
  • Socorro!! 8 de junho de 2012 at 15:39

    MUITOS JA FALARAM AQUI..MAS SEGUE O QUE SAIU NO JORNAL OGLOBO SOBRE O AUMENTO DO PRAZO DE 30 PARA 35 ANOS

    Diferença na prestação pode não valer a pena
    Valor da mensalidade de um financiamento de R$ 100 mil cai entre R$ 20 e R$ 40

    Cai entre R$ 20 e R$ 40 o valor da prestação de um financiamento imobiliário de R$ 100 mil, quando se aumenta o prazo de 30 para 35 anos. É o que mostra cálculo feito pelo economista Maurício Visconti, da Reit Soluções Financeiras. A simulação foi feita com a taxa fixa de 8,85%: pela tabela Price, a prestação, no pagamento em 30 anos, seria de R$ 769,63 (sem os seguros) e, pela tabela SAC — a mais utilizada atualmente —, de R$ 986,95. Aumentando o prazo para 35 anos, a prestação da tabela Price cairia para R$ 747,61 e da SAC para R$ 947,27.

    Se você está entre os milhões de brasileiros que sonham com a casa própria e já começava a comemorar as medidas anunciadas hoje pela Caixa Econômica Federal — que aumentou de 30 para 35 anos o prazo máximo para pagamento do crédito imobiliário e reduziu os juros do financiamento de 9% para 8,85% ao ano — é recomendável pegar lápis e papel e fazer as contas.

    — Vale a pena pagar cinco anos a mais para economizar R$ 20 ou R$ 40 por mês? — pergunta Visconti e completa: — Ampliar o prazo de financiamento não faz o cliente procurar mais crédito nem aumenta sua capacidade de pagar porque depois de um determinado prazo, o financiamento imobiliário é muito mais sensível à taxa de juros que ao limite de tempo para pagar.

    O economista Roberto Zentgraf concorda. Para ele, a medida é mais um incentivo ao crédito, mas dificilmente vai provocar mudanças, já que a redução das prestações, mesmo em financiamentos mais altos, é muito pequena.

    — Talvez só faça diferença para pessoas mais jovens, que com prazo maior para pagar, possam resolver pegar o crédito mais cedo. Mas não acredito que a medida tenha força suficiente para aumentar a procura pelo financiamento até porque os imóveis ainda estão muito caros e não acho que o valor da prestação seja o motivo pelo qual a procura por financimento imobiliário vem diminuindo — analisa.

    Já o economista Marcus Vinícius Valpassos acredita que a mudança dê algum espaço para o aumento das vendas, mas nada muito significativo.

    — A redução no valor da prestação vai girar em torno dos 4%. Isto significa que uma família com determinada renda pode arcar com imóveis até 5% mais caros do que podia anteriormente pagando a mesma prestação.

    Os três economistas também não acreditam que o prazo mais longo vá aumentar a inadimplência, já que ela está ligada à capacidade de pagar e não ao tempo de pagamento.

    — O mais importante para a inadimplência é a velocidade da amortização do saldo devedor e, em ambos os casos, ela é muito parecida — analisa Valpassos.

    Visconti lembra ainda que não existe um correlação direta entre inadimplência e o limite de tempo para pagar. Mas volta aos valores das prestações para analisar a questão:

    — Alguém que precise esticar em cinco anos o prazo do financimento para diminuir tão pouco a sua prestação está no limite de sua capacidade de pagamento. E se houver muita gente nesse limite, a probabilidade de inadimplência aumenta. Mas nesses casos, o banco nem deveria dar esse crédito.

    0
    • GB 8 de junho de 2012 at 16:42

      É esse tipo de cliente ruim que está procurando os bancos: aqueles cujas prestações não cabiam na renda mas agora cabem pois caíram R$ 20,00.

      Grande coisa.

      0
  • Fausto Luiz 8 de junho de 2012 at 16:43

    Então! Extraído do site “Alerta Total” – Comentar, até!

    A Economia vai mal
    Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Por Marco Antonio Villa

    A questão central no país é a precária situação econômica. Como de hábito não é o foco principal do debate político. Vale a pena listar algumas questões:

    1. a situação difícil dos pequenos bancos. O caso do Cruzeiro do Sul é somente mais um e não é o único;

    2. o setor da construção civil mostra sinais de esgotamento;

    3. o endividamento das famílias não para de crescer;

    4. problemas estruturais da economia não se resolvem com medidas tributárias (aumentando ou baixando impostos temporariamente);

    5. a tal “classe C” como instrumento de puxar o consumo para cima não passa de ficção;

    6. a falta de uma política industrial é evidente;

    7. os velhos gargalos da infra-estrutura se mantem apesar de dez anos de consulado petista;

    8. a baixa produtividade dos trabalhadores;

    9. a poupança interna é irrelevante;

    10. o governo não consegue planejar nada (apesar dos dois ministérios dedicados à esta função);

    11. o “modelo” de desenvolvimento criado nos anos 90 está fazendo água – e não é de hoje;

    12. governo trata a economia com descaso, acha que a palavra substitui a ação.

    13. a situação econômica internacional deve se manter neste patamar (ruim) por um bom tempo (especialmente a Europa e os EUA);

    14. temerosa de alguma medida impopular (mas necessária) para reequilibrar a economia a médio prazo, Dilma opta pela fraseologia vazia (com tinturas do velho populismo) e com medo de algum reflexo negativo nos índices de popularidade.

    15, a taxa de investimento é ridícula.

    O mais terrível é que o Congresso Nacional sequer passa perto de qualquer destas questões.

    Marco Antonio Villa é Historiador. Professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos. Bacharel e Licenciado em História, Mestre em Sociologia e Doutor em História. http://www.marcovilla.com.br/

    0
    • Charles 8 de junho de 2012 at 20:58

      Esse Marco Antonio Villa é um cara sensato e muito bem qualificado para tratar desse assunto.

      Infelizmente é uma voz que não tem repercutido como deveria.

      0
  • GB 8 de junho de 2012 at 16:49

    Alguém pode explicar o que está acontecendo com a Gafisa ?

    15% de valorização não é muita coisa ?

    Ainda mais que estão fazendo $$$$ para comprar a outra construtora ?

    O pessoal se perguntava como iam pagar esses milhões, a Gafe achou a resposta ?

    0
    • Cleyton 8 de junho de 2012 at 16:57

      Bull trap?

      0
    • GB 8 de junho de 2012 at 17:17

      Vão comprar a outra com o $$$ dos sardinhas, excelente negócio.

      0
    • Ricardo Eng 11 de junho de 2012 at 13:26

      A ação da Gafisa se tornou o que alguns (o termo não é muito comum) no mercado chamam de “ação gângster”. Tem esse nome pois não está mais atrelada ao funcionamento saudável do mercado e sim aos mandos e desmandos de poucos oportunistas que se aproveitam de alguns fatos isolados e em muitos casos plantados na mídia.

      Isso significa que não é mais possível avaliar o preço da ação conforme a performance da empresa e do mercado. O papel está atrelado a fatos artificiais como:

      Manipulação por parte de executivos
      Promessas infundadas, releases mentirosos ou atitudes incoerentes com a atual situação da empresa.

      Um exemplo é: lançar notas com remuneração extremamente baixa ou lançar ações para pagar por aquisições. São duas coisas que apenas empresas saudáveis e em pleno crescimento conseguem convencer o mercado a fazer.

      Outro exemplo: anunciar ações que mudarão de forma drástica a dinâmica dos negócios da empresa, mas que não fazem nenhum sentido para quem possui conhecimento técnico na área de atuação da empresa. Mesmo assim, muitos “investidores” caem nesse papo pois não possuem tempo para avaliar o que foi proposto, apenas apostam na alta.

      Manipulação na bolsa de valores
      Enquanto os executivos ajudam com outros fatos artificiais, algum acionista grande faz compras em massa que “confirmam” a falsa prosperidade da empresa e fazem a ação subir. Em muitos casos, compram as próprias ações através de laranjas. Dessa forma arriscam perder apenas o equivalente aos custos de corretagem.

      Isso permite que, enquanto a ação está em alta, vendam o máximo possível de papéis e pulem fora do negócio. Os executivos ajudam pois é nesse momento que também vendem a parte deles antes que o valor caia de novo.

      Em fóruns de idiotas que se acham inteligentes, ops, em fóruns de investimentos, os caras ficam teorizando que “depois que mudou X, a empresa está em um novo patamar”. Isso permite que o novo valor dure algumas semanas, enquanto as sardinhas preencham gradualmente as posições ocupadas pelos acionistas que estão pulando fora.

      Muitos papéis foram utilizados para esses fins nos últimos anos. Enquanto algumas duraram anos nessa posição, outras tiveram aumentos de 100%, 200% em um único dia e crash total no dia seguinte.

      0
      • Pablo 11 de junho de 2012 at 18:07

        É isso ai mesmo, mais uma noticia plantada:

        Santander recomenda compra de papéis da Gafisa
        Rafael Palmeiras ([email protected])
        11/06/12 17:50

        Na sessão desta segunda-feira, as ações da construtora (GFSA3) subiram mais 8%, cotadas a R$ 2,69.

        A equipe do Santander viu como positivo o anúncio de que a construtora deve adquirir a participação restante de 20% na Alphaville por meio de uma nova emissão de ações.

        “Essa operação implica um preço de emissão de R$ 5,11 por ação, significativamente maior do que atual preço. Consequentemente, o impacto de diluição de 14% que havíamos estimado é muito menor do que seria ao preço atual das ações”, destacam os analistas Alexandre Amson e Fabiola Gama, em relatório.

        Apesar da notícia positiva, os analistas mantêm uma posição mais cautelosa em relação à empresa e ressaltam que os fracos fundamentos da Gafisa continuarão a ser motivados por problemas relativos a cancelamentos de contratos na Tenda e a baixa lucratividade dos projetos da empresa fora das áreas metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro.

        Mesmo diante desse cenário, a equipe do Santander acredita que os papéis da Gafisa devam atingir um preço-alvo de R$ 10,70 até o final do ano.

        0
        • RosinhA 11 de junho de 2012 at 18:11

          Juntos !!!!!!!!!!! Afundando !!!!!!! Juntos !!!!!!!!!

          0
        • Bolha Imobiliária 11 de junho de 2012 at 18:14

          Engraçado, quando se lança novas ações no mercado, a tendência é de queda no preço das ações. Tá cheirando manipulação

          0
        • Ricardo Eng 12 de junho de 2012 at 00:49

          O banco provavelmente foi um dos maiores capitalizadores da empresa. Há mais de 1 ano atrás eles estimaram um valor que não se concretizou para a GFSA3.

          Provavelmente querem se livrar do mico e acharam que a opinião deles seria uma “self-fulfilling prophecy”. Mas não foi, ninguém deu ouvidos para eles e mesmo o jornalista da matéria diz que os analistas acreditam que devoluções e problemas com custos serão o fator determinante da empresa.

          Pensem bem: de que adianta comprar os 20% restantes da Alphaville? A Gafisa já tem o controle sobre a empresa. Será que os lucros são tão altos assim, que justifiquem a aquisição pelo simples motivo de remuneração do capital?

          0
          • Tomaz 12 de junho de 2012 at 10:19

            Eles tem que comprar esses 20% restantes por força de contrato. No escape!

            0
            • Ricardo Eng 12 de junho de 2012 at 12:25

              Sim, eu sei. Mas qual a lógica para a valorização do conjunto, com a conclusão dessa compra?

              Quem acredita que a empresa vale mais (e, portanto, compraria ações com base em boas notícias) deveria pensar “ah não, estão jogando dinheiro fora” com esse tipo de operação. O Santander acredita que a empresa valerá R$ 10 por ação em 1 ano. Significa que, aos olhos do banco, a empresa está pagando o restante da Alphaville com 100% de juros em 12 meses, já que está oferecendo as ações a R$ 5.

              A resposta é: não existe lógica nenhuma. As sardinhas compram por pura burrice.

              Estão emitindo ações porque ninguém empresta mais dinheiro para eles. Provavelmente estão dando calotes violentos em seus fornecedores e até mesmo nos bancos que estão tentando valorizar a empresa desesperadamente com releases manipuladores. Emitem a R$ 5 para não demonstrar fraqueza, uma vez que não pertencem mais ao universo das empresas que vivem de produção e sim das que sobrevivem através de aparências.

              0
              • Cleyton 12 de junho de 2012 at 20:22

                Muito bom, é isso mesmo.

                0
      • RosinhA 11 de junho de 2012 at 18:08

        Ricardo Eng, tudo muito certo, mas o importante é para onde esta grana está indo?, e até onde tudo que disse seria sustentável sem uma falência, em todos os ramos onde o $$$ é “roubado” a empresa quebra, qual seria em sua visão o futuro da Gardenalfisa fusão venda para um grupo Chinês maluco, se consegue enxergar esse futuro gostaria de saber sua opinião.

        0
        • Ricardo Eng 12 de junho de 2012 at 00:59

          Eu vejo uma simples falência tradicional para a empresa, com uma liquidação também tradicional. Os ativos serão vendidos por preços baixos, serão um grande negócio.

          Todos os executivos e seus parceiros se darão muito bem. Quem pagará a conta será o acionista anônimo e algum ou outro peixe grande que ficou de fora da festa.

          Mas mesmo os peixões lidam com o capital alheio e provavelmente acharão graça no que aconteceu. Se forem avisados com antecedência, e uma boa “comissão” sempre resolve isso, conseguem manobrar com calma e enfiar o (futuro) prejuízo na carteira de ações de algum fundo de pensão.

          Talvez essa própria movimentação do Satander seja nessa direção: o press release publica no que a empresa diz “acreditar”. Dessa forma, não será contraditório se direcionarem clientes e fundos para essas ações.

          0
          • RosinhA 12 de junho de 2012 at 12:19

            Otimo Ricardo estamos falando de Gafisa, e as outras, o buraco pareçe ser mais embaixo mesmo, pois todas se encontram na mesma situação, e o vírus lançado no mercado, pareçe que no momento está sem cura.

            0
  • Rodrigo 8 de junho de 2012 at 17:30

    Boooolhaaaaaaaa…

    Hoje, recebi um e-mail de um corretor com opções de apartamentos a venda no CONDOMINIO ESTRELAS (Barra-Autódromo) que acabou de ficar pronto. Ele mandou nada menos do que 16 OPÇÕES DE APARTAMENTOS DISPONÍVEIS……..todos com preços bolhudos.

    Isso sem falar de ontem, que recebi opções com “DESCONTO” no Bora Bora TIJUCA……está mais barato do que na pré-venda, mas ainda assim com preços bolhudos…..Engraçado, é que recebi isso do mesmo corretor, que na época do lançamento disse que os apartamentos iriam valorizar até 2016…KKKKKKK
    Detalhe: O empreendimento ainda não começou a ser construído.

    0
    • Socorro!! 8 de junho de 2012 at 17:48

      RODRIGO

      COMO PODE TER DESCONTO NO BORA BORA?? EU FUI LA E SO TINHA UM DISPONIVEL PARA VENDA….

      DEVOLVERAM ???RS

      0
    • Riodetudo 8 de junho de 2012 at 18:27

      Isso sem falar em 90% daqueles prédios que são Pechincha e Curicica.
      Barra só na cabeça do investidor otário que acreditou no corretor dizendo que era. É só procurar no CEP (aquele que o ZAP tb não usa para cadastrar nenhum dos anúncios na “Barra”….). Aliás, lá Vargem Grande e Vargem Pequena viraram Recreio, fala sério!!

      0
    • Anonymous 8 de junho de 2012 at 19:07

      > O empreendimento ainda não começou a ser construído.

      Esse nunca vai começar a ser construído, pois logo logo vai ficar evidente que nunca existiu renda para tanto.

      0
      • Riodetudo 8 de junho de 2012 at 19:25

        Que nem o tal do Vintage Way de São Conrado (um bucólico de frente para Rocinha e pendurado na auto-estrada Lagoa-Barra). Em novembro, a corretora GARANTIU que a obra começaria em dezembro. Estamos em junho e nem terminaram de derrubar a concessionária!!! Um dois quartos virados para a rua de dentro (a única tranquilinha por ali) custam a partir de 800 mil reais, valeu?? Mas é um “baita investimento”, segundo gerente de vendas da construtora. Ele só não disse que o prédio precisaria primeiro ficar pronto.

        0
  • MrK 8 de junho de 2012 at 19:00

    Hoje mais uma vez passei em frente ao américas business não sei das quantas, um prédio comercial entregue há alguns meses recheado de placas “aluga”, é curioso pois há uma briga no tamanho das placas, um bota uma maior, o outro ao lado aumenta, uma escalada pela maior placa, mas hoje notei uma nova enorme “repasso”, gigantesta… parece que o empreendimento é o mico dos micos, e ainda estão tentando lancar outros ao mesmo estilo, com a cara-de-pau de dizer que é “retorno garantido”

    cada dia mais evidente que a euforia era exagerada…

    0
    • GB 8 de junho de 2012 at 19:36

      Esses especuladores foram muito rápidos, se esperassem mais um tempo a construtora ia dar 1% de rendimento por 12 meses para eles, estão fazendo isso com todos hoje em dia.

      Quem mandou especular antes do mercado ter problemas ?

      0
  • Zozueh 8 de junho de 2012 at 19:19

    Momento musical

    No ritmo da novela Cheias de Charme, da Rede Bobo.

    “Esse IMOB… Esse IMOB… Se eu comprar as ações da Gafesa ela nem vai valer um e noventa e nove….”

    0
    • Ploc 8 de junho de 2012 at 20:18

      Aproveitando o titulo da novela “CHEIA DE CHARME”.

      Sr. Messias. dono do MESSIAS MARKET, anda preocupado de um lado para outro quando o funcionario pergunta se está tudo bem.
      O mesmo diz que acha que vai ter que fechar o negócio dele pois o proprietario está pedindo um aumento exorbitante do valor do aluguel e ele tá vendo que vai ficar dificil.

      A GLOBO passando lentamente as suas informações subliminares e trazendo situações do cotidiano para o contexto de suas novelas.

      PLOC, PLOC

      0
      • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:20

        Eu vi isso.
        Pensei “sério que vocês vão falar disto?”…
        Ora ora, heim…

        0
  • GB 8 de junho de 2012 at 19:44

    Alguém entendeu o que aconteceu com a Gafisa ?

    É só oferecer novas ações que elas sobrem ? Não deveria ser o contrário, tipo estão fazendo isso pois estão justamente sem $$$ em caixa para arcar com suas obrigações ?

    Será que venderam os R$ 70 KK ?

    Sinistro, eu nunca vou entender a Bolsa de Valores.

    0
    • Anonymous 9 de junho de 2012 at 03:06

      Infalivelmente caira. Esta subindo no boato do alphaville e caira no fato d33o alphavela.

      0
  • Revoltado 8 de junho de 2012 at 19:47

    OFF TOPIC:

    AMIGOS estou acompanhando um dos atos de tirania que pretende acabar com a ja duvidosa liberdade na internet, os chamados SOPA e PIPA lançados pelos EUA. Vou postar abaixo o que esta ocorrendo e porque acredito que se nada for feito a internet perdera muito de sua funcionalidade.Informaçoes obtidas num forum da net.

    MegaUpload Fechado.

    FileServe Função de compartilhamento desabilitada. Só o usuário que fez o upload pode baixar o arquivo.

    FileSonic Função de compartilhamento desabilitada. Só o usuário que fez o upload pode baixar o arquivo.

    Wupload Função de compartilhamento desabilitada. Só o usuário que fez o upload pode baixar o arquivo.

    FileJungle Excluindo arquivos. Bloqueado nos EUA.

    UploadStation Bloqueado nos EUA.

    FileSonic Função de compartilhamento desabilitada. Só o usuário que fez o upload pode baixar o arquivo.

    VideoBB Deletando múltiplos arquivos. Programa de afiliação fechado.

    Uploaded Bloqueado nos EUA.

    FilePost Deletando todo o material que não sejam executáveis, PDFs, TXTs, DOCs…

    VideoZer Deletando múltiplos arquivos. Programa de afiliação fechado.
    4shared Deletando múltiplos arquivos. Aguarda na fila do FBI.

    MediaFire Convocado a depor nos próximos 90 dias e terá de abrir as portas ao FBI. Pode cair a qualquer momento.

    Torrent org Poderá sumir com tudo em até 30 dias. “Ele está sob investigação criminal”

    Rede Share mIRC Aguarda a decisão do caso Torrent para continuar ou encerrar tudo.

    KoshiKO Operando 100%. Japão não irá aderir ao SOPA/PIPA.

    Shienko Box Operando 100%. China e Coréia não irão aderir ao SOPA/PIPA.

    ShareX BR / grupo UOL / BOL / iG Dizem que não irão aderir ao SOPA/PIPA. Sem mais informações no momento.

    Rapidshare Tem muita chance de ser o próximo da lista, mas diz não estar preocupado com a situação, e que o caso do MegaUpload foi um caso isolado. Só com conta premium e termo de responsabilidade com seu CNPJ para upar arquivos superiores a 100mb.

    Mirror Creator e Multiupload Estão praticamente na mesma situação e estão na lista negra do FBI. “Os seus donos já estão intimados a depor no FBI desde quarta-feira, mas sumiram do mapa.”

    HotFile Deletando múltiplos arquivos.

    Deposit Files Deletando múltiplos arquivos.

    Qual o próximo passo? proibir os torrents?

    0
  • GB 8 de junho de 2012 at 21:30

    Resumo do Jornal Nacional: IPI cai 7%, carros usados caem 15%, indústrias vendem o zero e ficam com o usado para vender.

    Um tiozinho compra um carro de 2 anos, 30% mais barato que um zero e fica feliz, ninguém sabe se ele vai conseguir pagar ou se tem a entrada ou se o banco vai aceitar financiar para ele em menos parcelas, ninguém tocou no assunto.

    Bolsa sobe um pouco, como as do exterior.

    Depois vem propaganda do Banco do Brasil dizendo pro pessoal levar suas dívidas para lá que eles facilitam as coisas.

    0
    • CapEnt 8 de junho de 2012 at 22:06

      Os bancos privados agradecem…

      Algo me diz que está em curso uma gigante operação para salvar os bancos do incêndio iminente: os bancos privados sabem que uma enorme parcela de seus títulos de crédito são de alto risco, então negociaram com o governo essa plano de redução de juros (que só os bancos públicos estão seguindo para valer) para transferir esses mesmos títulos para os bancos públicos (ou seja, tesouro nacional quando a bolha estourar).

      É o melhor para eles próprios: os grandes bancos privados ficam apenas com os credores de alta qualidade e se salvam da quebradeira geral. O governo porco se passa por bonzinho. E quem paga a divida quando a bolha estourar é o próprio povo por impostos.

      0
  • Ze Bom Dirolo 8 de junho de 2012 at 21:46

    Fora do tema….

    Mensagem a todos nesta data.

    ttp://www.youtube.com/watch?v=vlLh8K6FF8A

    0
  • EduLon 8 de junho de 2012 at 21:53

    AJUDA!

    Pessoal, o indice FIPE-ZAP leva em consideração os preços anúnciados, e não os que foram pagos efetivamente na compra. Uma vez foi publicado aqui em um dos posts, que havia um índice apenas em SP, de um clube de engenharia, associação de engenharia, algo do tipo, que media o índice de preço dos imóveis baseado nos valores efetivos realizados no mercado.
    Procurei no blog, no google e não achei. Se alguém aqui sabe qual é este índice me responda aqui abaixo. Lembro que foi comentado que já em 2011 o índice mostrava perda de valor dos imóveis.

    0
    • Anonymous 8 de junho de 2012 at 23:16

      > baseado nos valores efetivos realizados no mercado

      Não é possível saber essa informação. O motivo é basicamente CULTURAL. Do contrário, os dados dos cartórios de registro de imóveis estariam disponíveis na Internet, como estão nos EUA.

      0
  • Bolhudo 8 de junho de 2012 at 22:34

    Eu trabalho em um grande banco do Brasil. Se eu pudesse dizer tudo que eu visse. Às vezes tenho vontade de contar, principalmente das construtoras. Mas deixa pra lá. Alguém mais aqui trabalha em algum banco?

    0
    • MrLBS - sou o LB original... torquei para evitar um homônimo 8 de junho de 2012 at 23:00

      Apesar de estar fora do blog há um tempo, participo daqui desde o início (fim de 2010) sempre assinei como LB. Mas apareceu um outro LB por aí. Então influenciado pelo meu guru MrK, mudei de nome 🙂

      Bolhudo!
      Conta aí vai!! Eu sei mais ou menos o comportamento de bancos devido a estudos… acompanhando notícias e tal, de forma amadora. Mas gostaria de ouvir de um insider se o que temos como boatos é verdade!

      0
      • Bolhudo 11 de junho de 2012 at 10:22

        Vou dizer só uma coisa. Pior resultado do Banco em 10 anos. Não existe redução de juros, existe aumento de tarifas para motivar a queda. Não existe almoço grátis.

        0
    • Ze Bom Dirolo 8 de junho de 2012 at 23:04

      Não trabalho em banco, mas tenho conhecimento da Lei complementar 105. Entre a minha enorme curiosidade e sua integridade funcional, sugiro a última.

      0
      • Ze Bom Dirolo 8 de junho de 2012 at 23:05

        Salvo atividade ilícitas, evidentemente.

        0
    • Virginia 9 de junho de 2012 at 09:01

      Eu, na Caixa.

      0
      • Ze Bom Dirolo 9 de junho de 2012 at 11:38

        Opa…rs….

        0
        • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:23

          Será opção a)?
          hahaha

          0
      • Bolhudo 11 de junho de 2012 at 10:23

        Já viu o SCR das empresas objeto do blog?

        0
    • ruy 9 de junho de 2012 at 15:07

      Bancos gozam de uma contabilidade peculiar, como a das construtoras. Assim como as construtoras noticiam um andamento de obra a custo x e apropriam um lucro em cima, mesmo que no mundo real o andamento esteja mais lento e o custo esteja 2x(soh no fim do ciclo fazem os “ajustes”…), os bancos sao como bicicletas , enquanto der pra pedalar eles adiam as mas noticias. No BB temos hoje um movimento similar ao de 2008. Os bancoes nao param de dar mas noticias, tanto em relacao ao crescimento menor quanto em relacao a inadimplencia. E o BB nitidamente vai na contramao, visando aumentar a participacao no mercado. O BB vai eh logico terminar com um belo rombo, mas o tesouro esta ai para resgata-lo, assim como as pequenas malandragens. Observe que os creditos podres foram comprados pelo governo dos EUA somente no estouro da bolha, apos algumas instituicoes centenarias quebrarem.No Brasil, para dar mais folego para a alavancagem, o tesouro vai comecar agora mesmo a comprar creditos podres evitando o estouro do limite de alavancagem dos bancos publicos ou o pior, a deterioracao do balanco. Assim enquanto a nova empresa publica assume os podres, o BB divulga numeros reluzentes como os atuais, em que uma comparacao leiga pode ate imaginar que o banco esta muito melhor que os bancos privados. Em tempo ja existe uma empresa publica chamada Ativos que limpa os resultados do BB da inadimplencia inconveniente de amigos do rei. E quanto mais o BB se alavanca, mais a inadimplencia parece irrelevante. Infelizmente a queda de braco entre o mundo real e um governo com poder excessivo vai longe. Esses precos inacreditaveis continuarao enquanto a economia do pais for uma grande Casas Bahia. Que emissora vai falar algo contra o governo da Bolha com o BB anunciando mais que todos os outros juntos? Qual individuo do povo nao considera andar de Veloster a suprema ascensao social?

      0
      • Thomas 9 de junho de 2012 at 23:26

        O governo criou uma estatal só para assumir os créditos podres, vulgo PODREBRÁS.

        A reportagem é da “Istoé Dinheiro” que, ao contrário da sua prima “Istoé governo”, de vez em quando lança alguma notícia que não seja propaganda governamental.

        A lógica é que os governistas não lêem nem entendem de economia, então dá para publicar qualquer coisa em revista econòmica.

        http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/13790_PODREBRAS+ESTA+CHEGANDO

        PS.: gostei na referência ao veloster. É um carro representativo da população: parece muita coisa, mas na verdade é só imagem.

        Talvez o governo devesse contratar o marqueteiro da hyundai. O povo iria se arrepiar ouvindo a voz do locutor dizendo:
        “o melhor governo do mundo”, “o governo aprovado pelas revistas mais especializadas do universo”, “eleito o governo mais extraordinário do planeta”.

        0
        • Paulo Rocha 10 de junho de 2012 at 19:05

          Primeiro o governo cria a “Minha casa minha vida”, e agora cria o “Sua casa, minha divida”

          0
        • Mr. D 10 de junho de 2012 at 19:31

          E o governo socializando o prejuízo……….Já vimos esse filme

          0
  • Anonymous 8 de junho de 2012 at 23:59

    Eu fui o que tu es, tu seras o que sou.

    Preço ‘olímpico’ derruba ocupação hoteleira em Londres
    “http://www1.folha.uol.com.br/turismo/1101386-preco-olimpico-derruba-ocupacao-hoteleira-em-londres.shtml”

    As reservas para os hotéis de Londres durante o período da Olimpíada estão cerca de um terço abaixo do que foi registrado no verão do ano passado, num sinal de que os preços altos estão afugentando os visitantes, e que a realização dos Jogos talvez não contribua significativamente para uma recuperação econômica da Grã-Bretanha, disse uma empresa do setor na quarta-feira.

    0
    • Sol de Sampa 9 de junho de 2012 at 00:26

      Anonymous, quantas vezes precisam repetir que na bananias é diferente … parece que vc não leva a sério mesmo…. hehehehehe

      0
    • GB 9 de junho de 2012 at 07:34

      Eu já falei aqui: Bananense que se preze já está fazendo planos para esfolar os gringos até o último centavo pois acham que eles vão adorar isso.

      Eles já mostraram nessa Rio+20 e agora nessa Olim-Piada de Londres que não é bem assim.

      0
    • CapEnt 9 de junho de 2012 at 14:36

      Essa copa e olimpíada aqui vai ser um festival de desilusão tão grande para quem pensa que gringo é burro.

      Vão ficar tudo na mão.

      0
      • Charles 9 de junho de 2012 at 15:40

        Existe uma coisa que brasileiro não consegue perceber nos gringos:

        Brasileiro acha que gringo é burro; Mas burro é o brasileiro.

        Gringo não é burro não! Acontece que os estrangeiros não estão acostumados com o nivel de sacanagem do brasileiro. Simples assim!

        0
      • Rafael KM 9 de junho de 2012 at 17:02

        Normal.

        Atenas teve 10% visitantes a menos durante o ano das olimpíadas em relação ao ano anterior.

        E isto (com grande possibilidade) de terem contabilizado os atletas como visitantes.

        O link com o estudo está em algum tópico anterior, a quem interessar procurar.

        0
    • Neo 9 de junho de 2012 at 19:49

      As pessoas esperavam mesmo que um evento esportivo pudesse recuperar a economia de alguem ???

      santa ingenuidade batman

      0
      • Neo 9 de junho de 2012 at 19:51

        “recuperação econômica da Grã-Bretanha”

        quiça da cidade, imagina do estado

        0
  • Deurges 9 de junho de 2012 at 02:15

    Aqui já começou a feder.

    “http://diarioonline.com.br/noticia-204942-.html”

    Caixa tem que fornecer informações claras

    A Justiça Federal divulgou na noite desta sexta-feira (8) a determinação de que a Caixa Econômica Federal (CEF) esclareça aos consumidores durante o Feirão, que acontece em Belém até domingo (10), sobre a inexistência de garantia de financiamento  pré-aprovado para todos os imóveis colocados à venda durante o evento. Caso o banco descumpra a decisão, a multa é de R$ 10 mil.
    A decisão liminar foi da juíza da 2ª Vara Federal em Belém, Hind Ghassan Kayath. Segundo a decisão da juíza, caso necessário, a Caixa Econômica poderá ser intimada no local do evento, realizado no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.
    “Não basta que as empresas participantes do evento sejam instruídas acerca da informação a ser transmitida. Na condição de empresa pública organizadora do evento, a CEF também está obrigada a agir em prol dos  interesses do consumidor, promovendo publicidade clara que forneça diretamente ao público a informação acerca da real situação de cada empreendimento”, ressaltou Kayath.
    A ação que pediu a defesa dos direitos dos consumidores foi encaminhada à Justiça no último dia 21 pelo Ministério Público Federal (MPF). Assinada pelo procurador da República Bruno Araújo Soares Valente, a ação solicitou que a Caixa fosse obrigada a tomar essas providências em todos os feirões que realizar. A decisão liminar, no entanto, restringiu-se ao feirão em Belém. A ampliação dessa obrigação para todo o país será avaliada em decisão posterior, registra a decisão.
    HISTÓRICO
    O caso passou a ser investigado pelo Ministério Público Federal a pedido de famílias que se disseram enganadas. Em um feirão da Caixa em Belém, elas fizeram contratos de promessa de compra e venda com a Porto Rico Incorporadora de Imóveis para aquisição de unidades residenciais do empreendimento Vila Rica.
    A promessa da construtora era de entregar os imóveis em 2010. Mas isso não ocorreu porque a empresa não atendeu todos os pré-requisitos para aprovação do financiamento pela Caixa. “A ré Caixa Econômica Federal realiza feirões com o seu nome, para venda de imóveis, sem, no entanto, garantir os empreendimentos”, criticou o procurador da República no texto da ação.
    No final de 2011, o MPF encaminhou recomendação para que o banco regularizasse a propaganda dos feirões, mas a Caixa apenas limitou-se a dizer que “não tem gestão sobre as peças publicitárias, tampouco sobre o conteúdo divulgado”. (DOL, com informações do MPF)

    0
    • GB 9 de junho de 2012 at 07:37

      Ou seja “tô pôco me lixando”.

      Tipo “compre na alta e viva a emoção que só um imóvel na planta pode trazer”, mas compre bastante Gardenal..

      0
  • enteu 9 de junho de 2012 at 06:19

    Pelo segundo mês seguido, Salvador, região que já apresenta o menor preço do metro quadrado, apresenta queda nos preços dos imóveis. http://goo.gl/X7lYr

    0
  • Annibal 9 de junho de 2012 at 10:16

    Governo vai tirar do compromisso com a Fifa obras que não ficarão prontas para a Copa

    BRASÍLIA — A dois anos do início da Copa de 2014, o governo está consciente de que muitas das 51 obras de mobilidade urbana essenciais não ficarão prontas até o mundial, sem poder cumprir, assim, a promessa feita há cinco anos, quando o Brasil foi escolhido para sediar a Copa. Na prática, trata-se de uma manobra para driblar as exigências da Fifa e a cobrança da população. Integrantes do governo federal cogitam retirar essas obras da Matriz de Responsabilidades da Copa — que define compromissos de União, estados e municípios. O anúncio será feito em outubro, no próximo balanço da Copa. Até lá, estados e municípios têm uma chance derradeira para se livrar de desembaraços, licitar e dar início às obras.
    Entre as obras com maior possibilidade de serem retiradas da Matriz estão sete que nem sequer têm projeto: o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Brasília, o monotrilho de Manaus, duas obras viárias em Curitiba e duas outras em Porto Alegre. No caso de Brasília, o governo distrital já reconhece que não há tempo hábil para o VLT — obra de R$ 364 milhões — operar na Copa do Mundo. O Tribunal de Contas da União (TCU) passou a considerar a obra como “cancelada”. Em Manaus, o governo acaba de abrir edital para receber propostas até julho para essa obra de R$ 1,3 bilhão.
    — Em outubro vamos ter um retrato muito mais sólido do que andou e do que não andou, daí você poderá fazer uma avaliação de cada obra específica e teremos uma situação muito mais clara para poder tomar uma decisão daquilo que pode ficar no regime e o que não tem como ficar — disse Aguinaldo Ribeiro, ministro das Cidades.
    Os empreendimentos que saírem da Matriz seriam mantidos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ou no PAC Mobilidade Grandes Cidades (lançado em abril com R$ 32 bilhões), para assegurar a liberação de recursos e vantagens fiscais, mas sem pressão sobre prazos.
    — Essa seria uma sinalização à população de que as obras serão feitas no futuro, mesmo que com atraso — disse uma fonte do governo.
    Na proposta enviada à Fifa, quando o Brasil foi escolhido país-sede da Copa, as obras de mobilidade urbana foram classificadas como o maior legado tangível do evento à população brasileira. O balanço da Copa divulgado em maio mostra que, das 51 obras de mobilidade urbana, 23 não haviam saído do papel, mesmo quase cinco anos após o Brasil ter sido confirmado como sede da Copa.
    Caso Delta provoca mais atrasos
    O orçamento de mobilidade urbana para a Copa é de R$ 12 bilhões, dos quais, segundo a Controladoria Geral da União (CGU), foram contratados só R$ 4,7 bilhões, sendo que menos de R$ 700 milhões foram executados. Até março, o governo federal conseguiu liberar só 4,1% do valor de R$ 5,35 bilhões da Caixa Econômica Federal para os modais de transporte que servirão à Copa, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU).
    Algumas dessas obras tinham contrato com a Delta Construções, o que contribuiu para os atrasos. A prefeitura de Fortaleza (CE) rescindiu no dia 14 de maio contrato de R$ 145 milhões para construção de BRT, que voltou ao estágio de licitação. No Rio, a Delta também desistiu de participar da construção do BRT Transcarioca, deixando sozinha a sócia Andrade Gutierrez com um contrato de R$ 798 milhões.
    Estratégica na condução dessas obras, a Secretaria de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades esteve por quase cinco meses à deriva, desde que o ex-ministro Mario Negromonte deixou o cargo, em janeiro, até o fim de maio, quando Ribeiro conseguiu nomear um secretário, Julio Eduardo dos Santos, que possui experiência de serviço público em transportes na cidade de Santos (SP).
    Para Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho, técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), desde a Constituição de 1988 até meados do governo Lula, o governo federal se afastou do tema de mobilidade urbana. E só voltou a dar prioridade à área com a criação da secretaria, os preparativos da Copa e a edição da Lei de Mobilidade Urbana, no ano passado.
    Carvalho sugere que “a União poderia ter um papel mais forte na formação de sistemas de mobilidade sustentáveis nas metrópoles brasileiras, criando programas de investimentos diretos para compensar as dificuldades dos municípios e estados”.
    Para compensar o atraso, o governo incluiu na lei a possibilidade de decretação de feriado ou ponto facultativo nas cidades-sede em dias de jogos.
    A MATRIZ DA COPA
    A Matriz de Responsabilidade da Copa foi assinada no início de 2010 por representantes da União, dos estados e dos municípios e tem passado por revisões periódicas. O texto prevê as responsabilidades de cada ente e serve para auxiliar o controle interno (CGU, TCU e sociedade) sobre o ritmo das obras e os gastos. Estar na Matriz assegura às obras condições especiais, como a utilização de um regime de contratação menos rígido.
    Por outro lado, implica o compromisso com prazos de entrega das obras. Apesar de poder ser revista, retirar obras essenciais da Matriz põe em dúvida a capacidade do país de assegurar estrutura para o evento.

    0
    • GB 9 de junho de 2012 at 12:34

      Tá, que eles não iam entregar tudo o que prometeram pra FIFA deixar o mundial ser aqui: grande novidade.

      Mas e o que acontece com os preços dos imóveis que tiveram reajustes monstros por causa da promessa dessas melhorias ?

      0
    • GB 9 de junho de 2012 at 12:38

      Credo, só agora eu li essa bobagem: ponto facultativo os dias de jogos.

      Daqui a pouco vão mesmo é decretar toque de recolher nesses dias: quem não tiver uma máquina fotográfica nas mãos tem que ficar preso em casa para não atrapalhar a mobiidade de quem vier de fora assistir os jogos.

      E tem gente que valorizou o próprio imóvel achando que iam criar mil melhorias em suas cidades, bobagem.

      0
      • CapEnt 9 de junho de 2012 at 18:15

        Criou mil melhorias na conta bancária dos donos de construtora fantasma, das “Deltas” da vida, dos “Cavendish”, dos “Dirceus”, e assim vai… mas pensando bem, é o que o povo daqui merece.

        Na ditadura tínhamos a desculpa que o pessoal que beneficia esse tipo de gentalha não eram eleitos, agora não tem mais. Não tem mais nem a desculpa que ainda estamos aprendendo votar, como era comum no inicio dos anos 90.

        Essa do ponto facultativo era velha. Era algo que já era discutido no planejamento dos jogos, mas sempre com tom jocoso. Mas como tudo no Brazil, a piada costuma virar realidade.

        Tem duas outras que eram discutidos como piada, mas vão acabar virando realidade:
        – os circulares exclusivos para visitante dos jogos.
        – reserva exclusiva de vagas em hotéis para os estrangeiros em hotéis selecionados (ou seja, subsidiado pelo governo).

        0
  • Fred 9 de junho de 2012 at 10:55

    Bom dia, pessoal.

    Acabei de saber de uma coisa que me deixou meio desorientado. Talvez por desinformação, ou por ingenuidade, não sei.

    A Even comprou várias casas (algumas bem bacanas) na esquina da rua Haddock Lobo com a Matias Aires, num local bastante valorizado aqui em São Paulo, e já está pondo abaixo algumas delas. Vão construir edifício(s) residendial(is), pelo que me disseram hoje cedo alguns funcionários que estavam por ali, e ainda negociando outros imóveis que ficam grudados nesses.

    Diante da (previsão de uma) estagnação generalizada e do medo de boa parte da população do que pode vir pela frente, isso pode ser uma estratégia de chutar alto contando com uma decisão emocional de quem possa ter “dinheiro sobrando”?

    Essas “casas pela metade” me pareceram fora da nova ordem…

    0
    • Fred 9 de junho de 2012 at 10:59

      “residencial” / “ainda estão negociando”

      0
    • Felipe 9 de junho de 2012 at 11:41

      Quando a minha mãe fazia bolo, a parte que eu mais ficava esperando era a sobra da massa, geralmente ficava numa tigelona.
      Eles querem fazer a mesma coisa – sabem que a tigela vai ser lavada e que o restante da massa já foi pro forno. Essa é a hora de RASPAR O TACHO!

      0
    • Anonymous 9 de junho de 2012 at 11:51

      Não existe algo como “dinheiro sobrando”. A melhor explicação é que a EVEN mais IDIOTA do que voce imagina.

      0
      • GB 9 de junho de 2012 at 12:41

        Não, idiota foi quem pagou R$ 5,00 numa ação da Gafe que vale R$ 2,00 só para eles terem $$$ para comprar a outra construtora.

        0
  • thiago fm 9 de junho de 2012 at 12:35

    A única coisa que justificaria uma valorização dos imóveis e das cidades sedes como um todo, seriam as obras de infraestrutura, que, se fossem finalizadas, representariam um legado concreto de dois grandes eventos.

    Não tenho dúvida de que os estádios ficarão prontos, da mesma forma que não tenho dúvida de que nem metade das demais obras serão feitas.

    Não é possível predizer até que ponto o efeito psicológico COPA – OLIMPÍADAS contribuiu para tamanha especulação no preço dos imóveis, mas com certeza, foi responsável por uma parcela considerável do excesso de otimismo que tomou conta do mercado nos últimos anos e que, obviamente não se realizou.

    De qualquer maneira, já que aguardo há quatro anos, não custa nada esperar pra ver pelo menos mais dois anos, talvez um pouco mais no RJ.

    0
    • GB 9 de junho de 2012 at 12:48

      O mercado imoBolhário vive de boatos, vai ser um balde de água fria quando começarem a cancelar tudo o que é obra de infraestrutura nova, vai ser ótimo.

      Podem ver, o imóvel nunca se vende por si só, sempre os corretores vem com a história de que ficam perto de alguma coisa ou de outra, já existente ou que pode vir a ser construída.

      O seu novo imóvel sempre fica próximo a um shopping que vai ser construído algum dia.

      0
    • Ze Bom Dirolo 9 de junho de 2012 at 14:21

      A única coisa q

      0
    • Ze Bom Dirolo 9 de junho de 2012 at 14:24

      A única cois que justificaria a valorização infinita dos imóveis se o filme MIB fosse baseado em fatos reais como já disse no blog, ou seja, se em nosso planeta tivesse um grande fluxo de extraterrestres.

      ttp://www.youtube.com/watch?v=v-drVbjRl10&feature=related

      0
  • AF 9 de junho de 2012 at 12:46

    Enquanto não liberam asinformações de abril…

    2. FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS
    2.1 – Financiamentos Imobiliários Efetivados
    Tendo como base todo o território nacional, de outubro de 1.994 a março de 2.012, foram concedidos financiamentos para construção de 1.101.874 unidades. Nesse mesmo período, foi também financiada a aquisição de 1.141.987 imóveis prontos. O valor total dos financiamentos concedidos foi de R$ 255,92 bilhões. Esse valor é bem superior ao da captação líquida dos depósitos de poupança no mesmo período (depósitos – retiradas) que registrou R$ 101,91 bilhões.

    Fonte: BC

    Ou seja, mais de R$ 154 bilhões em fincanciamento sem lastro em poupança.

    0
    • MrLBS 10 de junho de 2012 at 15:48

      AF,

      Mas não se contabiliza, ou seja, não se soma à captação o saldo já existente na poupança antes de 1994 ?

      0
  • Mrk 9 de junho de 2012 at 12:47

    Saiu no oglobo de hoje que a brooksfield ja admite queda,ou desconto, de 10% no preco dos imoveis negociados na zona sul do rio…

    Ainda eh pouco, mas pra quem falava em alta de 20% ao ano ha 10 meses atras…. E falava aquela bobagem que zona sul nao cai pq nao tem espaco… O mantra dos tolos…

    0
    • GB 9 de junho de 2012 at 13:03

      Pouco a pouco as mentiras vão caindo, essas empresas não vivem de vento, se querem vender têm que se adequar.

      Se bem que eu acho que essas “promoções” ainda estão muito tímidas.

      Hoje eu durmi muito bem, sem nenhuma dívida nem carnê de 35 anos para pagar, acordei disposto a manter o que eu tenho lá na poupança e não conversar com nenhum corretor.

      0
    • Socorro !! 9 de junho de 2012 at 13:14

      MrK

      avaliando os precos da Zona Sul em quanto deve ser a queda para termos um preco honesto ? 25 a 30%%? chega a tudo isto?

      0
      • Lucas Mendes 9 de junho de 2012 at 14:07

        Moro na Zona Sul do Rio e pra chegar a um preço no mínimo “razoável” teria que cair 50%. Tem gente pedindo no conjugado em copa a bagatela de R$300.000,00. Dois quartos sem garagem R$ 500.000, portanto o mínimo do mínimo seria 50% pra começar. Aqui perderam a noção do bom senso. do ridículo e agora que as tais “melhorias” que a Copa trariam só vai ficar nos Estádios quero ver o que vão dizer.

        Abraços do Lucas Mendes

        0
  • thiago fm 9 de junho de 2012 at 13:12

    “://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201206091300_TRR_81281320”

    Em tempos de crédito fácil, guarde até 6 salários para imprevistos

    Em uma série de propagandas de um grande banco do País, chamada de “possibilidades”, o narrador entoa a expressão “vai que” e tenta mostrar que as imprevisibilidades estão rondando todo mundo o tempo todo. Com as “torneiras” do crédito abertas, parte dos consumidores foi atrás do primeiro imóvel ou carro e se esqueceu de guardar parte para os momentos de emergência. Segundo analistas, antes de buscar mais crédito no mercado para pagar essas dívidas, o ideal é se livrar de todos os financiamentos para evitar complicações financeiras. Para não passar o sufoco, o recomendado é manter uma reserva correspondente ao valor de quatro a seis meses de salário apenas para enfrentar os períodos de turbulência.

    “Perdeu o emprego e não tem dinheiro para pagar, é hora de correr para vender os bens, se livrar dos ativos antes de fazer dívidas. Se precisar, é melhor vender por um valor menor que o do mercado para garantir o capital e não pagar juros”, diz o consultor financeiro e diretor da Projeção.com, Ricardo Borges.

    Segundo ele, essa reserva, porém, não pode ser tratada como uma poupança ou investimento. Ou seja, não será esse valor que, no futuro, será usado para comprar um bem. É um valor que deve ficar aplicado em um investimento que permita retirada rápida, como a poupança, e deve ser gasto apenas com emergências e reposto na primeira oportunidade.”Essa é a estimativa de tempo média para arranjar outro emprego, mas varia de acordo com o salário e a formação. Quanto maior o cargo na pirâmide, mais difícil a recolocação”, afirma Borges.

    Para o educador financeiro Ofir Viana Filho, o ideal é importante vender o bem financiado rapidamente para não perder dinheiro. No caso de um automóvel, por exemplo, a empresa pode requerer a posse do bem após três meses em caso de falta de pagamento. Isso significa que, se o comprador não vender o bem nesse período, vai simplesmente perder o dinheiro de várias prestações já pagas. “Venda o bem enquanto ainda vale a pena para alguém comprar e quite as dívidas. Quem perde a renda principal só vai ter despesa, então a prioridade é eliminar os débitos”, conta.

    Para o gerente geral do Instituto Nacional de Investidores (INI), Mauro Calil, o financiamento sem entrada e em um número alto de parcelas pode fazer com que, em tempos de dificuldade, nem a venda do bem sirva para quitar toda a dívida. “Se o consumidor comprou um carro popular em 60 meses, por exemplo, o valor de mercado do carro pode ser menor do que a dívida que a pessoa ainda tem com as prestações.”

    Na hora do aperto, antes de escolher quais as dívidas quitar primeiro, é importante levantar a capacidade de pagamento e ver até quanto vai poder usar por mês com os débitos, diz Calil. Posteriormente, a melhor opção é a negociação. “O importante é se livrar das dívidas mais caras, que não são necessariamente as mais altas, mas aquelas com as maiores taxas de juros. Vale também tentar renegociar o valor e pedir abatimento dos juros. Mas é importante negociar dentro da sua capacidade de pagamento e honrar todas as prestações, ou esse consumidor nunca vai sair da lista de endividados”, comenta.

    Segundo o professor de contabilidade e planejamento da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) Amauri Liba, a pessoa deve comprometer no máximo 25% do orçamento com todas as dívidas exatamente para não ter q se desfazer do bem em um momento mais complicado. “Se o comprometimento máximo for esse, no caso de um casal, por exemplo, se um perder o emprego com a renda do outro é possível não atrasar o pagamento. Mas se a pessoa tem a reserva de emergência possivelmente não terá problemas, conseguirá uma recolocação antes de entrar na inadimplência.”

    Entenda
    – Para se preparar para momentos de dificuldade e não ter que vender bens, analistas sugerem que toda pessoa mantenha uma reserva equivalente ao valor de quatro a seis meses do atual salário
    – Essa reserva não pode ser considerada um investimento, ela deve estar separada para momentos incertos como perda de emprego, doença na família.
    – A reserva deve ficar em uma aplicação de alta liquidez (de fácil retirada), como a poupança
    – Caso não tenha essa reserva, especialistas afirmam que para não ficar inadimplente é melhor vender os bens financiados para evitar pagamento de juros
    – Uma vez inadimplente, é importante saber a sua capacidade de pagamento, tentar renegociar primeiro as dívidas mais caras (com juros mais altos) e honrar

    SE AS PESSOAS SEGUISSEM ESSA LÓGICA TALVES AS BOLHAS SOMENTE MURCHASSEM. NÃO CREIO QUE NO BRASIL, A MAIORIA SIGA ESSES CONSELHOS

    0
    • thiago fm 9 de junho de 2012 at 13:17

      “TALVEZ!!!”

      0
    • Eskeleto 9 de junho de 2012 at 13:41

      As pessoas mal conseguem pagar as prestações vão conseguir guardar reserva, são raros os casos e isso para carro, já no caso de apertamento você pode até tentar mais vai se sacrificar muito e ainda tem as taxas todo ano e entrega das chaves então mesmo que guarde já está comprometido, o negócio é rezar por 30 / 35 anos para as coisas continuarem certinhas. Os Espanhóis realmente não rezaram o suficiente.

      0
      • Rafael KM 9 de junho de 2012 at 17:11

        Quem guarda 6 salários pensando em momentos difíceis não entra em financiamento. Junta e paga à vista.

        1% da população.

        Gostei do trecho “Quanto maior o cargo na pirâmide, mais difícil a recolocação”, ou seja, o emprego do investitolo.

        0
  • Júlio Cesar 9 de junho de 2012 at 14:59

    Dentro de todo este cenário de crédito fácil e governo atirando pra todo lado, vejo que quem tomou mais tiros fomos nós, quem pagou mais caro até agora pela crise de 2008 e a atual fomos nós, pessoas que precisam ou vão precisar de um imóvel pra morar. Mas agora acredito que contra nós o governo não pode fazer mais nada de substancial, pois cada medida que ele toma se mostra ineficaz e fortalece cada vez mais os argumento de quem acredita numa bolha imobiliária. O governo pode até ter dinheiro pra colocar neste mercado doente, mas ele tem outras mil prioridades e mil cobranças, e pagará muito caro se resolver gastar dinheiro com um mercado que precisa mais de regulação do que de dinheiro em si.

    0
    • Charles 9 de junho de 2012 at 15:57

      “se resolver gastar dinheiro com um mercado que precisa mais de regulação do que de dinheiro em si.”

      Note que foram as tentativas de regular o mercado que levou a situação a este patamar insustentavel.

      Portanto, discordo de voce nessa ultima frase. Tudo que nao precisamos mais é de regulação de mercado.

      0
      • Adriano 9 de junho de 2012 at 16:27

        Eu diria que precisamos de “informação confiável” do mercado imobiliário, algo que sinceramente acredito que estamos muiiiiiiiiiiiiiiito longe de ter. Exemplo: valores reais negociados, transações CONCRETIZADAS, perfil dos compradores, quantidade de imóvel dos compradores, nacionalidade dos compradores, forma de pagamento nas compras, e assim por diante. No Brasil estamos muuuuiiiiito longe de ter sequer os valores reais negociadas e as transações EFETIVAMENTE concretizadas (compras à vista ou finaciamento com banco).
        Se tivermos um banco de dados confiável com essas informações, temos tudo que precisamos, mas duvido que tenhamos algum dia.

        0
        • GB 9 de junho de 2012 at 16:51

          O BC já se tocou que o Flipt-Zapt-Zum não vale nada, que o setor não tem informações confiáveis e está elaborando um cadastro com os financiamentos de verdade.

          Aí vamos saber oq ue acontece no mundo real, não no mundo de faz-de-contas e dos descontos por baixo dos panos dos corretores.

          0
        • Lucas 9 de junho de 2012 at 17:05

          Acho que o que falta é realmente regulamentação!
          Na China o preço caiu 40% depois que teve uma pequena regulamentação contra os especuladores que dificultavam o acesso das famílias aos imóveis.
          E outra, pras construtoras vender pra investidor é dar um tiro no pé, amigo hoje e concorrente amanhã.

          0
          • Charles 9 de junho de 2012 at 17:19

            A china não pode servir de exemplo para justificar opiniões sobre regulamentação de mercados pois é um país Ditatorial extremamente regulamentado e com pouquissima liberdade de mercado e iniciativa privada. O que causou a bolha imobiliaria deles foram razões peculiares que divergem em muito das nossas.

            Nosso mercado, em geral, sempre foi bagunçado, com pouca informação confiavel mas nem por isso discrepancias com a que estamos vivendo nao apenas no setor imobiliario foram tão evidentes tendo como causa a intervenção estatal na tentativa de regulamentar o mercado.

            Não podemos esquecer que a tentativa de regulamentação de mercado com o lançamento do MCMV no setor imobiliario, bem como agências reguladoras para todos os lados é que nos obrigam hoje a pagar as maiores taxas telefonicas, a gasolina mais cara, as maiores tarifas bacnarias e os preços absurdos de imoveis. Temos que abrir o mercado para o maximo de concorrentes possivel.

            Esqueçam essa estoria de regulamentação…

            0
            • Lucas 9 de junho de 2012 at 19:57

              Essa é a minha opinião, pelo que eu vejo e conheço das coisas que acontecem no Brasil!
              Já li, aqui mesmo no blog, muitas opiniões e matérias, no caso eu juntei tudo e cheguei a esta conclusão de que deveria haver uma regulamentação!
              Agora se fazem uma regulamentação de forma errada, aí já é outra estória.
              Eu sou do Rio de Janeiro, eu tenho observado tudo, me tornei um obcecado mesmo pelo assunto, eu olho imobiliárias, eu olho construções, eu vejo sites de anúncios e cheguei a conclusão que as coisas não vão ficar do jeito que está! É bolha mesmo e das grandes, agora eu quero ver o que vai acontecer!

              0
      • juliocesar 9 de junho de 2012 at 19:01

        Charles, quando eu disse regulação, tinha em mente a ideia de o mercado se auto regular, sem a intervenção estatal. O problema é que o governo não quer deixar isto acontecer, não quer deixar compradores e vendedores resolverem entre si o problema e ver o “pau quebrar” e acaba entrando no meio sempre.

        0
  • GB 9 de junho de 2012 at 15:16

    Aí, 2 boas notícias hoje: não vão construir todas essas infraestrutura prometidas (se construírem os estádios já vai ser um milagre) e a BrookShit dando deconto de 10% (já é alguma coisa).

    Mada mal para um sabadão de feriado.

    0
    • Júlio Cesar 9 de junho de 2012 at 15:25

      GB, é isto aí, daqui pra frente vamos ter muitas notícias boas. É como diz aquela frase profunda que resume tudo: PLOC.

      0
    • anamirandabh 9 de junho de 2012 at 16:38

      Lembrando que segundo M. Jacó, a decepção com as obras da Copa serão o início do fim da bolha

      0
  • Julia 9 de junho de 2012 at 17:48

    Caras de pau!!!

    “http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1102442-receita-sugere-que-contribuinte-invista-restituicao-no-tesouro-direto.shtml

    0
    • Eskeleto 9 de junho de 2012 at 18:10

      kkkkkkkk, investir nos títulos HAHAHAHA
      o pessoal vai pegar essa grana para aliviar um pouco o cartão de crédito estourado, pagar a parcela do carro atrasado ou então dar de entrada em 1 carro bolhudo.

      0
  • Erick Cartman 9 de junho de 2012 at 17:54

    boa noite a todos.
    anda acompanhando esse assunto de bolha a um tempo.
    observo que sempre estamos no baseando por imoveis novos.
    mas e aqueles imoveis antigos que não tem muita ou não tem nada de infra estrutura ( piscina aquecida, sacada, sauna, churrasqueira na sacada ) que mesmo assim os preços subiram seguindo o ritmo da bolha. o que aconteceria ?

    0
  • bernie_rj 9 de junho de 2012 at 18:31

    Acompanho o blog já tem um tempo e acho que uma das maiores informações que podem ser trocadas aqui sáo impressões e experiências que nós mesmos vivemos no mercado. Então aí vai:

    Mais indícios de PLOC!!! Hoje fui ver um imóvel de 2 quartos (75m2) com vaga em Botafogo aqui no Rio. Valor: R$450.000. Apesar do apto ser um lixo (o prédio é quase uma favela, a planta é uma m… e a vista é horroroza), um valor como este nem sonhava em aparecer há alguns meses atras, mesmo para um apto lixo como este. A corretora falou que o proprietário está desesperado para vender, bla, bla,bla… Estou na esperança deste apto ficar ainda um bom tempo para vender (até porque é bom outros proprietários verem este tipo de anúncio no jornal), mas eu acho que, infelizmente, algum mané (que vai perder menos que outros que compraram a preços mais bolhudos, mas vai perder) vai acabar comprando…

    0
  • Júlio Cesar 9 de junho de 2012 at 19:06

    Charles, quando disse regulação, tinha em mente a ideia de o mercado se auto regular, sem a intervenção estatal. O problema é que o governo não quer deixar isto acontecer, não quer deixar compradores e vendedores resolverem entre si o problema e ver o “pau quebrar” e acaba entrando no meio sempre.

    0
    • GB 9 de junho de 2012 at 19:14

      Na verdade eu acho que o problema não é nem o governo: são os bancos !!!!

      Para eles está ótimo, tipo vendedores cobram valores absurdos, o comprador não tem esse $$$, o banco entra no meio e “ajuda” completando o valor e “fidelizando” o camarada por um longo tempo.

      E o governo deixa rolar solto pois é um jeito dos bancos ganharem bastante $$$$ e ninguém está mandando os compradores aceitarem isso, simples democracia.

      0
      • Júlio Cesar 9 de junho de 2012 at 19:25

        É GB, tem muita gente interessado que o preço dos imóveis continuem caros. Mas como muitos dizem aqui. esqueceram de combinar com os compradores.

        0
        • GB 9 de junho de 2012 at 19:52

          Essa é a parte mais cruel, pois aumentaram e nem perguntaram pra única parte que vai meter a mão no bolso (a.k.a. os compradores) se ele, pasmem, aceitam participar desse oba-oba com o $$$$$$ deles !!!!!

          Por sorte o que fizeram não tem forças para se manter por si só, eles precisam gastar muito para manter as mentiras na mídia comprada, propagandas e em stands cada vez mais luxuosos e montados por muito mais tempo.

          0

      • Charles 10 de junho de 2012 at 00:17

        Democracia: Poder exercido pelo povo mediante seus representantes.

        Olha, um lugar onde o governo diz o que vc deve comprar, de quem deve comprar e quanto deve pagar não pode ser chamado de democratico.

        A atual democracia é limitada ao fato de ainda sermos “livres” para elegermos nossos representantes mediante o voto. Mais uma falacia do estado democratico bananense.

        “Se o voto fosse capaz de mudar os rumos de um país, ele já teria sido proibido ha muito tempo!”

        0
    • GB 9 de junho de 2012 at 19:19

      Eu não sei se vocês já conversaram com seu gerente bancário sobre financiamento, tudo tem que ser do jeito que o banco quer, qualquer flexibilização (juros menores, menos taxas, menos seguros) não é aceita pois são ordens da Matriz deles, é complicado, você pode pagar em 15 anos mas ele insiste para que você faça em 35 (para ter mais taxas e seguros, maior “fidelização”), não dá para negociar.
      ,
      É por isso que gosto de aluguel: se você paga direitinho e não dá trabalho é fácil negociar que ele não seja reajustado ou que seja menor ou até trocar de imóvel, agora vai tentar fazer isso com um financiamento bancário.

      0
      • Renato C 10 de junho de 2012 at 10:31

        Este excesso de burocratização e inflexibilidade é um sinal dos nossos tempos, não há nada melhor do que fugir disto.

        0
  • GB 9 de junho de 2012 at 19:08

    Não entendo por que os corretores pegam no pé da RosinhA por ela fazer parte das construtoras, eu mesmo vou abrir uma imobiliária na primeira oportunidade que eu tiver e vou trabalhar nos 2 até me aposentar no serviço público.

    A vantagem é que terei muito mais acesso e amizades dentro dos Órgãos Públicos e na cidade que qualquer corretor já pôde sonhar.

    E não vou precisar me matar de trabalhar, depois que me aposentar eu posso até dedicar mais tempo, mas sem aquela necessidade de ganhar muito pois terei a aposentadoria, bem legal.

    0
  • bernie_rj 9 de junho de 2012 at 19:28

    Acompanho o blog já tem um tempo e acho que uma das maiores informações que podem ser trocadas aqui sáo impressões e experiências que nós mesmos vivemos no mercado. Então aí vai:

    Mais indícios de PLOC!!! Hoje fui ver um imóvel de 2 quartos (75m2) com vaga em Botafogo aqui no Rio. Valor: R$450.000. Apesar do apto ser um lixo (o prédio é quase uma favela, a planta é uma m… e a vista é horroroza), um valor como este nem sonhava em aparecer há alguns meses atras, mesmo para um apto lixo como este. A corretora falou que o proprietário está desesperado para vender, bla, bla,bla… Estou na esperança deste apto ficar ainda um bom tempo para vender (até porque é bom outros proprietários verem este tipo de anúncio no jornal), mas eu acho que, infelizmente, algum mané (que vai perder menos que outros que compraram a preços mais bolhudos, mas vai perder) vai acabar comprando…

    0
    • Ane 9 de junho de 2012 at 19:57

      É verdade, esse valor está mais abaixo do que o praticado há um tempo atrás. No início do ano passado vi vários aps quarto e sala, sem vaga, em média de 40m por 380/400 mil reais no flamengo. E todos eram um lixo (isso era o que mais me impressionava). Mas n sei como está o preço atualmente, porque há um ano atrás parei de procurar.

      0
    • Charles 10 de junho de 2012 at 00:13

      Eu sou caipira do interior de SP e fico impressionado com voces, pessoas que moram no Rio, quando se referem a aptos pequenos, por valores absurdos e citam “com” ou “sem” vaga de garagem.

      Gente… 450 mil é muito dinheiro e no minimo deveria ser um imovel excelente com mais de 1 vaga de garagem e toda a infraestrutura.

      Mudou-se para o meu predio um senhor carioca aposentado que disse estar fugindo da loucura que se tornou o Rio. Ele comprou a cobertura duplex do prédio com solarium e tudo, num edificio de medio/alto padrao, na melhor localização da cidade, com 2 vagas por 270 mil.

      Onde quero chegar? Quero dizer que as pessoas em geral contribuem para está loucura agregando valor a verdadeiros pardieiros e alguns inda acham absurdo os preços cairem 30% pelo fato de ser Rio de Janeiro.

      0
      • RosinhA 10 de junho de 2012 at 11:16

        Charles somos dois, mais acho que até os caipiras não são mais bobos. 😉

        Miguel Jacó: Interior sua melhor previsão até hoje 😉

        0
      • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:46

        Vejo o mesmo por aqui que é interior.
        Um interior meio inflado, na verdade, já que a bolha por aqui também está com o IMC indicando obesidade mórbida… Mas, com 450K acho que eu comprava um ótimo apertamento com 2 vagas.

        0
    • Socorro !! 10 de junho de 2012 at 09:44

      450 k com vaga em botafogo pro padrao atual ta de graca ..era vista pra favela?

      ….vai baixar mais..e isto que eu percebo agora….

      0
  • Anonymous 9 de junho de 2012 at 21:46

    Estamos 300% preparados para SOCIALIZAR o PREJUIZO!

    Fundo de pensão pode perder R$ 1,5 bilhão no Cruzeiro do Sul

    “http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1102471-fundo-de-pensao-pode-perder-r-15-bilhao-no-cruzeiro-do-sul.shtml”

    Fundos de pensão de estatais, Estados e municípios correm o risco de amargar prejuízos após terem investido pouco mais de R$ 1,5 bilhão no banco Cruzeiro do Sul.

    0
    • Carlos Eduardo 10 de junho de 2012 at 10:55

      Nunca antes da história desse país!

      O mais engraçado dessa história é que o babaca do servidor publico nem sabe o que está acontecendo!
      E ainda defende esses moldes de administração publica!

      0
  • Juraci 9 de junho de 2012 at 22:29

    Sou medico residindo em sp capital. Nao sabia da existencia desse blog. Sou casado porem sem filhos. No final de 2010 estava interessado em um ap na aclimacao 1200.000 130 m2 fui algumas vezes tentar visitar teria q negociar a entrada e financiar. Nao era bem atendido por corretores. Justificavam q a procura era grande e q cada corretor passava a vez qdo sentiam q o objetivo era pesquisa de preco. Final do ano passado c os ganhos meus e de minha esposa tinhamos condicao de quitatr 25% do valor original do imovel na compra. O corretor do mesmo empreendimento por incrivel q pareca nos ofereceu 25 % de desconto e poderiamos comprar a vista. As obras estavam iniciando. Moro em um ap cujo aluguel foi reajustado agora p 1800 rs. Em 2007 o filho da proprietaria me ofereceu por 250 mil. Em jan 2011 o advogado do filho me ofereceu por 550 mil. Mesmo com $$$ em caixa p quitar o ap a vista decidi na frente da minha esposa e corretor q nao iria comprar. Nao faz sentido essa variacao de preco. Entendo q todos q postam aqui tem um pouco de$$ guardado e teriam como dar uma entrada em um ap desejado. Mas ninguem eh imaturo p se endividar por mais de 10 anos no pais da malandragem onde o ppal foco atual da midia eh qual outro politico eh amigo de um bicheiro ladrao. Tenho $$ p comprar a vista pq eu e minha mulher ganhamos bem mas as custas de trabalho suado por barios anos. Nao precisa ler esse blog p entender q ta tudo mto estranho. O atendimento na corret desse imov foi totalmente diferente esse a ultima vez. Nao paro de receber span de corretor na minha caixa de email.
    Pra mim isso eh facil mas imagino p quem tem filhos seja nem diferente

    0
    • GB 10 de junho de 2012 at 08:24

      É verdade, acabou o oba-oba com dinheiro de especulador e eles já descobriram isso.

      Agora o negócio é pegar uma pipoca, sentar-se confortavelmente na poltrona e esperar para ver até onde esse mercado afunda.

      0
    • Anonymous 10 de junho de 2012 at 11:08

      A minha sugestão é colocar o dinheiro numa poupança nos EUA – é tudo perfeitamente legal. Voce não paga taxa alguma para manter a conta e o depósito é garantida até 250 mil USD por pessoa. Portanto, uma conta para voce e outra para sua esposa, teria garantia total de 500 mil USD (cerca de 1 milhão de Reais). Depois é só aguardar a catástrofe na Banânia e comprar imóvel na bacia das almas.

      0
      • MrLBS 10 de junho de 2012 at 22:13

        Anonymous:

        Há mais de ano vejo seus posts falando de como abrir uma conta nos EUA. Eu tenho interesse em fazê-lo pois pretendo, em alguns anos, submeter-me a um processo para ser aceito em um programa de mestrado nos EUA ou Canadá.
        Portanto, tenho interesse em ir mandando aos poucos – mensal ou bimensalmente – uma graninha para uma conta nos EUA….

        Tenho algumas dúvidas: Qual o rendimento de uma poupança nos EUA ? É fácil transferir dinheiro dos EUA para o Canadá (imagino que sim) ? Depois de aberto minha savings account, como posso fazer depósitos nela a partir do Brasil ? (sou cliente do BB)

        0
        • Anonymous 10 de junho de 2012 at 23:17

          O BB é o pior banco para transferir dinheiro para outro país. A primeira providencia é abrir uma conta no Itau, de preferência no Itau Personalite. Voce pode transferir até 3 mil USD por mes, pela Internet, sem dar explicação alguma. Para abrir a conta nos EUA voce tem que comparecer pessoalmente numa agência de algum banco nos EUA. Algum tempo atrás, O HSBC, começou a abrir conta nos EUA para pessoas aí na Banânia. O resultado foi que teve que fechar todas essas contas quando uma auditoria interna constatou que isso é ilegal. Portanto, não caia nessa conversa.

          Ser aceito num programa de mestrado é mais fácil do que voce imagina. Na verdade, basta provar que voce tem DINHEIRO para pagar pelo mestrado e pela estada nos EUA. Os demais requisitos são irrelevantes, embora assustem muitas pessoas desavisadas.

          0
          • MrLBS 11 de junho de 2012 at 10:55

            Anonymous:

            Estarei indo à San Francisco – Palo Alto, mais especificamente – visitar uma Universidade e participar de um curso de 1 semana. Após isto, passarei mais 1 semana e meia rodando por aí. Acho que vou aproveitar a oportunidade e já abrir uma conta. Vi em outro post que vc, ao que me lembro, indica abrir a conta no Wells Fargo, por ser um banco nacional.

            Pelo que vi no site da Wells Fargo, mantendo no mínimo USD 300,00 na conta não há taxa de manutenção da mesma. Vi também que o APY é baixo (imagino que isto seja os juros pagos). Obviamente é baixo pq as taxas de juros são baixos nos EUA.

            Pergunta: não há mesmo nenhuma outra taxa de manutenção em se mantendo os USD 300,00 lá?

            Obrigado pelas orientações!

            0
            • Anonymous 11 de junho de 2012 at 12:55

              MrLBS,

              APY significa Average Per year. A taxa de juros está baixa, mas na minha opinião, o problema agora é SEGURANÇA e não RENDIMENTO. Uma poupança (savings account) nos EUA vai proteger seu dinheiro da inflação e da desvalorização do Real. O depóstio tem garantia até 250 mil USD (nada na Banânia chega perto disso). Por ser uma savings account voce não vai pagar taxa alguma para o banco (o Wellsfargo foi sugerido somente por conveniência, por ser perto de hoteis que são pertos do aeroporto de MIAMI). Por ser estrangeiro não residente, voce não vai pagar imposto de renda para o Uncle Sam. Aberto a conta nos EUA, voce vai poder transferir até 3 mil USD/mes sem problema algum. O melhor banco é o ITAU PERSONALITE, onde voce mesmo faz a transferência pela Internet.

              0
    • hannamanana 11 de junho de 2012 at 11:51

      Cheguei a mesma conclusão (mas, olhando uma faixa de valores muito menor). Tinha algo estranho.
      Na verdade, cheguei neste blog há uns dois anos (mas, nunca tinha postado) quando comecei a buscar informações na internet.
      Era o único blog (ou um dos pouquíssimos sites) que me esclareceu sobre o que estava acontecendo. Ai sim que finquei o pé e não comprei nada.
      No começo, ficava frustrada por ver minhas pequenas economias se descolarem dos preços dos imóveis e quase fui correndo comprar, antes que subissem mais. Foi a melhor coisa que fiz – não comprar.
      Agora… aguardo o Ploc. Não muito feliz, pois temo a contaminação da economia. Mas pelo menos não estarei endividada.

      0
    • RafaelK 11 de junho de 2012 at 18:06

      Olha… não sei se é o viés de confirmação, ou o assunto está se tornando mais comum.
      Hj fiquei sabendo q minha prima, ao conversar com um dos maiores do setor de imóveis (entendem como uma senhora empresa com um os prédios mais caros do ES) ele mesmo nao aconselhou imóveis… apenas o mercado de investimentos para hotelaria….

      A pouco conversava com um cliente que falando de preço de imóveis.. disse q o filho estava com 3 apartamentos financiados! Mas o filho dele não tem bosta no * pra cagar… mal mal tem um corollinha 2011!!
      Pode até ser q ele faça algum dinheiro… mas se nao der certo.. vai ser pra rachar o cidadão no meio….

      0
  • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 00:25

    Boa noite amigos, Sou novo no forum, e percebo que aqui existe vida inteligente por isso compartilho com vocês algo que no ultimo mês tem me assustado. A proximidade de uma crise gigantesca, maior que todas as vistas nos últimos anos, que tenho discutido com economistas próximos e que pouco é noticiada, pois em grande parte ela é mascarada. E em momento algum, será falado abertamente nos jornais e telejornais, que o governo tem sido ineficiente e pior ainda, fomentado os fatores que agravarão essa crise em detrimento do lucro de instituições bancárias e da indústria automobilística. Portanto, publico este pequeno texto contento algumas das reflexões surgidas em rodas e grupos de estudo nas ultimas semanas. Nosso povo não pode ser pego de surpresa por essa grande armadilha montada por grupos econômicos completamente descompromissados com o nosso bem estar. Tentarei resumir de forma clara e direta, apesar da profundidade do assunto.
    Comecemos pela china, a beira da crise e nos últimos anos encenando um crescimento artificial.
    Proprietária de praticamente metade dos títulos da dívida pública norte-americana e maior compradora das commodities (produtos básicos de amplo consumo, sendo eles agropecuários, industriais e financeiros, no nosso caso, agropecuários e industriais) brasileiras. Os nossos amigos chineses possuem um PIB composto em 20% por obras de construção civil, o mesmo vem promovendo a construção de verdadeiras cidades fantasma (sim, cidades vazias, sem ocupação. Vídeos com documentários sobre o assunto podem ser vistos no youtube) a fim de manter a sua economia aquecida, some-se a isto, o fato de lá também haver uma especulação imobiliária sem precedentes, com preços exorbitantes e muito acima da capacidade de compra do cidadão médio chinês e atual estagnação nas vendas (qualquer semelhança ao nosso país não é mera coincidência) não é difícil de perceber, sem a necessidade de um diploma em economia, que esse mecanismo não será sustentável. E uma grande prova disso, é que enquanto discutimos uma queda de juros até o final do ano para talvez 7,5% o governo chinês anunciou ontem a redução de sua taxa de juros que foi recebida com uma baixa na bolsa, afinal ao contrário dos tolos brasileiros, os investidores perceberam que essa medida evidencia um esforço antecipado do governo ao anuncio das estatísticas macroeconômicas de maio, objetivando a manutenção da sua economia aquecida. Trocando em miúdos, haverá sim um decréscimo da economia chinesa, e só aqui no Brasil, é que achamos que é uma boa notícia a redução de nossa taxa de juros. Medida essa tendo como único objetivo, aumentar o consumo (aquecer/movimentar a economia) e disfarçar o indisfarçável, que a nossa economia está combalida, com índices de desemprego e o endividamento crescendo insidiosamente. Enquanto isso apoiado pelo estimulo do governo para compra de automóveis e a aquisição de imóveis, por meio da baixa temporária do IPI, diminuição de juros de financiamento e aumento do prazo de financiamento, cresce assim o endividamento da virtual classe média, e maior será o problema após o estouro da nossa bolha imobiliária. Nossos financiamentos que segundo o nosso governo foram concedidos com excelentes critérios de avaliação, na verdade já começam a se revelar novas fontes de inadimplência, já sendo inclusive criada uma empresa pública para a compra dos títulos podres dos nossos bancos. Isso mesmo amigos, fomentaram o problema e ainda irão transferir para o povo brasileiro a resolução do mesmo. Uma vez que a empresa pública vai comprar os tais títulos podres com dinheiro público. O seu e o meu imposto. Os automóveis, que foram financiados em incríveis 80 meses, com a fabulosa isenção de IPI, já não são mais pagos pela classe média. E não espere ler isso nos jornais. E como todos sabem, a matemática é clara, quanto maior o endividamento, menor o consumo. E quanto menor o consumo, maiores as demissões. E quanto maior às demissões, maior a inadimplência, menor o consumo e assim vai… Alguma dúvida de que estão nos empurrando para o abismo. Mas tudo bem, desde que a bomba estoure apenas depois das eleições, ou depois da Europa, aí fica fácil jogar a culpa nos outros. “Foi reflexo…”
    Mas voltemos por hora à China, enquanto nos distraímos acompanhado a crise na Grécia e o socorro aos bancos espanhóis, não estamos nos focamos no que realmente causa medo ao Sr. Obama (Além da M….. bater no ventilador antes das eleições norte-americanas). Apesar de a China estar diversificando suas exportações, já sendo responsável por 41% da exportação de navios para o mundo, e sendo a exportação de maquinário tanto leve como pesado, responsável por 38,7% de suas exportações, visando mercados como Índia, América do Sul e Oriente Médio. São para os Estados Unidos, Japão e Europa que ainda correspondem 48% das exportações chinesas. E assim, como uma via de mão dupla, em caso de uma crise chinesa ocasionada pela diminuição de suas exportações para a Europa e Estada Unidos em crise. E colapso iminente de sua indústria de construção civil, um possível leilão de títulos da dívida pública norte americana pertencentes ao governo chinês, inundaria o mercado, desvalorizando o dólar, causando o estouro da pouco divulgada, bolha dos títulos da dívida pública norte-americana. E isso sim causaria um legítimo colapso econômico mundial (e se você gosta de acreditar no papo do governo e acha que estamos 300% preparados para a crise, basta se lembrar que nossa economia se encontra apoiada em grande parte na exportação de commodities, e quem consome metade delas? Isso mesmo, nossa amiga China. Você ainda tem dúvidas que afundaremos juntos?). Aí se encontra o motivo pelo qual o Presidente dos Estados Unidos tanto tem se queixado, pedindo soluções para a crise européia, a qual estaria supostamente impactando e impossibilitando a recuperação da economia norte-americana (tudo bem, pelo menos isso tem um fundo de verdade. Um fundo.). Neste momento obviamente vocês devem estar se perguntando, de onde vem o problema então? De todos os lugares. (e olha que nem me delongarei na crise européia, escolhida para retirar o foco da próxima bolha norte-americana, ou até mesmo na impressão desenfreada de moeda norte-americana sem lastro) Assim como em um organismo, com órgãos interdependentes, em um mundo globalizado as economias dos países também o são. Vivemos uma crise sem uma única causa e sem uma única bolha, mas na verdade com varias bolhas sobrepondo-se. E como maior risco, o estouro da bolha dos títulos americanos (ocasionando a quebra do dólar na opinião de muitos) que para nossa preocupação, já e discutido por economistas em todo mundo, não como algo que possa acontecer, mas quando vai acontecer. Se isso lhe soa como impossível e/ou ficção científica, para muitos, isso interessa, pois o desejo e a sanha dos banqueiros internacionais por uma moeda única, impressa pelo FMI, não e coisa nova (lembrando é claro que a mesma já se encontra cunhada, podendo ser visualizada no Google, e o seu lema, “unidade na Adversidade” aguardando apenas a sua implantação), mas um desejo antigo de famílias tradicionais como os Rothschilds e Rockefellers. Tendo isso em vista me pergunto: Não seria muita coincidência uma bolha imobiliária estar explodindo no Brasil esta semana, os bancos espanhóis recebendo ajuda pelas perdas com a inadimplência também gerada por uma bolha lá? E é claro, nossa amiga China, caminhando para a crise e com uma colossal bolha imobiliária prestes a explodir, implodindo a indústria de construção civil chinesa. É muita coincidência junta. Se um conselho é cabível nesse momento, seria o de não endividar-se. Não cair na armadilha de assumir um financiamento de imóvel (com preços bolhudos) ou de automóvel, o compromisso do governo não é com o seu bem estar, mas tão somente com o lucro dos bancos. Se você está especulando no mercado imobiliário (comprou imóveis para uma posterior venda supervalorizada), acreditando que o seu imóvel independente de onde for, iria valorizar eternamente, por mais que ele tenha valorizado nos últimos dois anos, acorde para a realidade, a desvalorização já está ocorrendo, e se aproxima de uma queda abrupta. Trocando em miúdos, venda logo antes que ele perca o valor (um dos motivos da bolha imobiliária ter se formado, foi o interesse de ganhar dinheiro fácil com essa absurda, e injustificada super valorização). Esteja atento quanto a sua empregabilidade. E poupar é a melhor opção neste momento. Cabe aqui mais uma observação, se você acha que a crise de 2008 está acabando, e que há crescimento no Brasil, procure pesquisar o termo: “Alavancagem da economia”. Não estamos crescendo, e a crise que virá, deixará a de 2008 parecendo um passeio de roda gigante. The party is over my friends. E a trilha sonora? Run to the hills – Iron Maiden.
    O último como sempre apaga a luz.

    0
    • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 00:43

      A propósito, vedam seus imóveis por um preço justo, pois ninguém mais está sendo bobo. Foi isso que quis dizer ao falar para venderem antes da baixa abrupta.

      0
    • Júlio Cesar 10 de junho de 2012 at 01:17

      André Luis RJ/ZS, gostei do seu comentário. Realmente hoje as coisas estão todas interligadas e o que há de bom ou ruim em um país reflete em outro. O que mais me intriga é que tivemos bolhas imobiliárias pelo mundo afora, em países mais ricos que o Brasil, e ainda boa parte das pessoas sequer cogita a possibilidade de uma bolha imobiliária aqui no Brasil, porque aqui é diferente.

      0
      • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 02:01

        Pois é Júlio, em minha humilde opinião (e não coloco nenhum viés conspiracionista, mas tão somente o interesse de grupos financeiros sem escrúpulos), todas essas bolhas foram bem planejadas e coordenadas, é a tradicional estratégia de tomada de riqueza real, onde se tomam os imóveis daqueles que não pagam a hipoteca, ou aqui no nosso caso, a fidelização/escravização eterna junto ao sistema bancário.

        0
        • Júlio Cesar 10 de junho de 2012 at 14:00

          André, na minha opinião, a bolha imobiliária brasileira surgiu de forma aleatória e atrapalhada, e à medida que os imóveis iam ficam mais caros, atraíram a cobiça de grupos que passaram a fomentar este ciclo. Mas confesso que senti um mal estar só de pensar que isto tudo pode ter sido planejado.

          0
      • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 02:24

        Ainda em tempo Júlio. As pessoas acreditam que aqui é diferente por uma simples ignorância auto-imposta, movida por uma esperança tola de melhorar de vida instantaneamente, simplesmente vendendo seus ultra mega super valiosos imoveis, infinitamente valorizáveis. Os corretores, sem o menor escrúpulo e vergonha na cara os enganam dizendo AMÉM!

        0
    • Charles 10 de junho de 2012 at 01:34

      André

      Já estamos discutindo esse assunto aqui há quase 2 anos e acertamos, até agora, os desfechos pelos quais a economia iria passar.

      Seu comentario prova que não somos os unicos que estamos percebendo essa crise gigantesca no horizonte.

      Quanto a sua preocupação em divulgar esses fatos e não deixar que a população seja pega desprevinida, sinto lhe informar, mas já foram pegos quando entraram na farra do consumo.

      Nossa estagnação economica atual é exatamente por causa disso: O limite de endividamento da população está esgotado. Não tem mais como continuar nesse rumo.

      O remedio? Chegou a hora de pagar a conta e como sabemos: é impossivel pagar dividas e consumir ao mesmo tempo! Portanto a estagflação (estagnação economica + inflação) é iminente.

      Inflação? Sim, com a saida de capital estrangeiro restará um volume monetario sem lastro na economia nacional, essa é a inflação da base monetaria. Aumento de preços é a consequencia disso tudo.

      Segurem se nas cadeiras, começamos a descer a montanha russa…

      0
      • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 02:16

        Charles
        Com certeza meu amigo, já estamos pegos aqui no Brasil por esse esquema. O aviso ao qual me referia, é sobre a bolha dos títulos públicos americanos, que é pouquíssimo comentada, e essa sim, teria o poder de colapsar toda a economia mundial, pois a mesma pode finalmente alcançar o intento dos tradicionais banqueiros europeus/FMI, que é a derrocada do dólar, impossibilitando assim o resgate da dívida mundial, seguindo-se de liquidação e incorporação de todos os grandes bancos ao redor do mundo, e reestruturação da dívida sob a nova moeda. Que como disse antes, JÁ ESTÁ CUNHADA. É de dar medo. Eu particularmente tenho recomendado a todos para converterem sua economias para o ouro, que é a única coisa que terá valor, e muito, durante o processo de conversão das moedas, as quais valerão menos que a celulose na qual estão impressas. O que me assusta é que não se discute mais a possibilidade da queda do dólar, mas sim quando acontecerá. E sobre isso que falo sobre não ser pego de surpresa. Assistindo a globo news a noite (sei que o canal é manipulado), principalmente depois das 22:00. Sempre tem um economista ou outro deixando “escapar” uma coisa ou outra, fora o que se fala abertamente nas reportagens on line. Realmente amigos, chegou a hora do salve-se quem puder. Faço MBA na FGV, e vcs precisariam ver com que veemência, quase um pânico, os professores de lá negam os indícios de uma mega crise global. Mas nas rodas, a boca, pequena tudo é falado.

        0
        • maislocodoqueburro 10 de junho de 2012 at 12:02

          uma nova moeda internacional com uma base de paises mais ampla para substituir o euro integrando paises ainda mais desuniformes do que os da uniaos europeia seria pegar o que deu errado e ampliar para ver se da certo. Seria estupido demais achar que se x destruiu riqueza 2x vai criar riquesa ao inves de destruir em dobro. É tao imbecil e nefasto que corre mesmo o risco de ser adotado (da mesma forma que o dilmanic tenta se livrar da ressaca do aumento do serviço da divida nos orçamentos bebendo mais, isto é facilitando a contratação de novas dividas ainda maiores e mais longas).
          Achei um disparate quando lí a postagem do andre luis mais refazendo o caminho que chegou ao euro temos: os antigos bancos independentes e sujeitos a corridas bancarias e falencias (por isso mesmo vigiados mais de perto pelos depositantes) sendo substituidos estabelecimentos integrados em um cartel oficial (com instâncias decisórias e implementação coercitiva das regras por todo o setor) de bancos chamado banco central com uma concorrencia tao verdadeira quanto a que existe entre os franquiados de uma rede de fast-food. Depois esses bancos centrais foram integrados em um cartel de bancos centrais chamado banco central europeu. O proximo passo realmente seria um banco central mundial.
          Aí o problema é que um banco desonesto ou mal administrado (como saber a diferença já que as decisões de investimento são sempre incertas?) poderia no passado sofrer a perda de confiança dos depositantes que, ao mudar seus depositos de instituição levavam à falencia o banco ruim. Tal movimento passou a existir apenas em relação a paises (os investidores poderiam deixar de confiar em um pais mal administrado e tirar os investimentos de todas as instituições bancarias) e mais recentemente na europa apenas em relação ao continente inteiro, esse risco sumiria de vez, já que voce nao poderia tirar os recursos mal administrados para outra instituição pq com o banco central mundial todos os bancos do mundo seriam uma franquia da mesma intituição, com concorrencia puramente aparente, como concorrem entre si os gerentes de uma rede de hipermercados com várias filiais na mesma cidade.
          O problema da falta de confiança do investidor em uma instituição bancaria sumiria assim que só houvesse uma instituição e igualmente a falta de confiança no euro ou no dolar ou em outras moedas sumiria pq só haveria uma moeda sendo impossivel vende-la para trocar por uma mais confiável da mesma forma que seria impossivel trocar os recursos de instituição se todas serao a mesma institução em endereços diferentes e com gerentes com leve autonomia, como a que os gerentes do carrreeeffoo… tem nas suas lojas. Para resumir assim que o banco central mundial tornar impossivel para o investidor proteger seu dinheiro ele obviamente vai ser roubado como sempre acontece com qualquer coisa que nao possa ser protegida…
          No fundo estamos assistindo a um movimento que tem como objetivo eliminar a liberdade dos cidadaos. Primeiro fazem a coisa parecer uma conspiração dos devedores para no final expropriar os credores com a colaboracao, durante o processo, dos custodiadores (instituições financeiras administradas por pessoas que fazem tudo por dinheiro). Ao incentivarem a tomada de credito os governos aumentam as fileiras do seu exército de devedores, digo, grupo de interesses que confia no governo para livra-los do dominio dos judeus, digo, das dividas com aqueles cidadaos que trabalhavam muito e consumiam pouco para no futuro consumirem mais e trabalharem menos quando os endividados que enfim e em troca, trabalhariam para eles parte do tempo. No que vai resultar no final a necessidade de produção de bens (depois que a plebe imediatista consumir a produção sem investir sequer na manutenção das industrias) e como sera atendia a necessidade de moeda como facilitadora das trocas comerciais e principalmente de possibilitadora de contratos longos o suficinte para se erguer qualquer coisa séria, seja uma refinaria ou uma siderurgica. Nao sei o planejamento sera centralizado em um primeiro momento e depois o contrario, se a china vai se tornar democratica e o ocidente ditatorial, já que a politica pode ser tao ciclica quanto a economia, se vao haver gerras civis no meio do caminho… quem tiver uma ideia me fale mas o que eu pessoalmente estou fazendo é comprar terras agricolas e ações de umas poucas empresas que acho bem administradas. Embora elas, tanto as terras como a proriedade das empresas, nao ofereçam garantia contra movimentos politicos radicais e ou impostos confiscatórios pelo menos eu tenho uma promessa com fronteiras delimitadas. No caso do dinheiro de papel nenhum governo garante a compra de nunhum bem em proporçoes fixas, ou seja eles não tem que quebrar nenhuma promessa para inflacionarem o quanto quiserem. E para quem acha que nesse cenário de catastrofe inflacionaria seria vantagem ter um imovel financiado em 35 anos lembro que os financiamentos sao corrigidos pela TR que embora esteja em um por cento ao ano tem seu valor fixado de forma absolutamente arbitraria pelo governo (eles fingem que tem um criterio mas se vc pesquisar o criterio vai ver que tem uma conta gigante de médias e cortinas de fumaça varias mas que um determinado valor x da conta é arbitrado pelo banco central a seu bel prazer o que torna todas as operações anteriores mero disfarce). Acho possivel que os governos inflacionem tanto o dinheiro quanto as dividas e no fundo fazer divida em uma moeda que vc nao controla tem sempre um que de estupidez. Uma mineiradora so deveria se endividadar em minerio, um agricultor em soja ou em bois e um trabalhador em horas de serviço na qualificação que ele possui. Toda a divida que nao for nominada no que vc produz é no fundo e desde o nascimento uma temeridade.

          0
          • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 21:48

            Isso mesmo Mais Loco.

            Basta fazer um trabalho de engenharia reversa. Digo engenharia, porque realmente acredito que tudo isso está sendo arquitetado.

            0
        • Cesar bolha 12 de junho de 2012 at 02:51

          Andre, quando você fala em ouro, seria tipo os fundos lastreados em ouro, ou realmente ouro custodiado? eu tenho uns 400k e já penso a algum tempo nisso já que só vou comprar quando a especulação acabar, provavelmente meados do ano que vem.

          0
          • André Luis ZS/RJ 13 de junho de 2012 at 01:06

            Boa noite Cesar, me refiro a ouro com certificado de pureza, que pode ser adquirido em instituições bancárias como o Itaú

            0
    • henrique 10 de junho de 2012 at 09:14

      André, concordo em parte com vc. Digo em parte porque não vejo um cenário catastrófico, tampouco uma ruptura da utilização do dólar como moeda de reserva.

      De fato, o mundo está inundado de dólar, mas até o momento não há nenhuma outra moeda que possa substituí-lo em tal tarefa. Veja que estamos passando por um momento de crise e, apesar de tudo o que foi dito sobre o dólar, ainda assim os investidores correm para os títulos americanos. E por que? Porque os EUA, apesar de todos os problemas, ainda possuem uma economia extremamente dinâmica, com enorme capacidade de inovação e geração de valor (de onde surgiram as últimas grandes invenções?), possuem as melhores universidades e, principalmente, são a maior potência bélica do planeta.

      Não digo que a substituição do dólar como moeda de reserva não ocorrerá. Esse assunto já está na pauta e, inclusive, alguns países vêm tentando realizar transações comerciais sem sua utilização (p. ex., China e Japão). Mas o abandono completo do dólar está fora do nosso horizonte, creio.

      No mais, também não vejo nenhuma catástrofe econômica acontecendo ou em vias de acontecer.

      Isso porque os ciclos econômicos vão se seguindo e agora estamos passando por um período de baixa (no Brasil, ainda estamos começando). Daqui a algum tempo, os empresários americanos e europeus começarão a investir novamente, o nível de emprego começará a aumentar, os juros aumentarão, os consumidores começarão a gastar, o endividamento e a alavancagem aumentarão por conta da sensação de otimismo… Depois, o consumo diminuirá por conta do endividamento excessivo (Brasil, agora), o PIB diminiurá, os juros cairão, as demissões aumentarão, o governo estimulará a economia e se endividará ainda mais, depois imprimirá moeda, a economia começará a melhorar de novo, a inflação aumentará, os juros subirão…

      Essa crise é forte, é séria, mas será superada, assim como tantas outras. Sorte de quem souber aproveitá-la.

      abs.

      Henrique

      0
    • Leo 10 de junho de 2012 at 09:42

      Nossa, muito bom seu post. Tinha tempo que nao lia algo com esse nivel.

      Qual a sua estrategia atual p/ proteger seu dinheiro ?

      0
    • Gabriel Borges 10 de junho de 2012 at 12:01

      André, qual empresa pública foi criada para comprar créditos podres oriundos de financiamento imobiliário?

      0
      • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 21:42

        Olá Gabriel, a empresa se chama EMGEA.

        http://www.emgea.gov.br/Faqs?pos=0

        Os bonitos eufemismos usados nas explicações sobre a função da empresa, nada mais são do que: Estamos aqui para comprar títulos podres.

        Vou procurar a notícia que anuncia a liberação da compra de títulos podres privados.

        0
    • RafaelK 10 de junho de 2012 at 15:15

      André, certa vez li que se ouvir um poeta, acreditará que um botão de camisa é uma peça importantissima para a humanidade… se vc ouvir um medico vai parar de comer gordura, fazer exercicios e etc… se vc ouvir um economista, vai acreditar q a china trará colapso financeiro para o mundo….!
      Mas msm imaginando q vc nao é um economista ja q nao foi tão técnico em seu comentario, mostrou sua capacidade de ligar os fatos e realizar as escolhas para sua vida… nao sei se é o q chamamos de inteligencia, mas acredito q seja!
      Entramos na velha história de subjugação das nações… já q nao podem mais ser territoriais por algum estado da ONU, q seja nos moldes obscuros de dominação financeira e de outras formas de poder… qt as familias q citou, q lemos na net q sao as detentoras do poder.. nao temos 100% certeza se sao elas… algo que se aproxima da certeza é q alguma famila/confraria/imperio (seila) possui ganancia semelhante e q é capaz realmente de mudar o destino da maior parte de nós…

      0
    • Bolha Paraná 10 de junho de 2012 at 22:43

      E a segurança do dinheiro de poupadores, aplicado nos grandes bancos (Habc, Bradesco, Itau, entre outros) em forma de poupanca, cdb, cdi, entre outros, corre risco?

      0
      • André Luis ZS/RJ 13 de junho de 2012 at 01:15

        Bolha, pense em um processo onde a dívida pública dos países afetados não possa ser resgatada por falta de capacidade financeira ocasionada por um super desvalorização monetária (lembrando que em vários períodos da história em diversos países isso ocorreu, quando uma quantidade descomunal de dinheiro era necessária para comprara um pão). Não seria difícil de ocorrer um processo de incorporação, dentro de um outro processo de reestruturação da dívida, sob uma única moeda cunhada por um único banco central (como o FMI). Logo eu não confiaria meu dinheiro a uma instituição que poderia ser incorporada/confiscada.

        0
    • EduLon 10 de junho de 2012 at 22:44

      André e demais,

      Uma coisa precisamos estudar para entender o mundo: geopolítica. As coisas que acontecem no mundo não acontece por acaso, e os grandes deste mundo ( representantes do capital, multinacionais, bancos) sempre arranjam uma forma de expandir os seus ganhos e o seu poder.
      Realmente é o que você fala, foi arquitetado. Vejo isto através da própria globalização, que no fundo se concretizou da forma que eles desejavam: a globalização do movimento de capitais financeiros, especulativos, em qualquer país do mundo hoje em dia.
      Eles trabalham primeiro para desregulamentar os mercados, mudar leis, etc, para que assim consigam atingir seus objetivos. A própria lei de Basiléia é isto. Diz que para cada unidade monetária, você pode empresta-la 8, 9 vezes… nos EUA para cada dolar chegou a ser emprestado 200 vezes. Aí quando se está muito alavancado, se poucas pessoas vão retirar seu dinheiro já se quebra um banco. É uma pirâmide, que faz com que um país inteiro quebre. E aí ocorre a socialização das perdas, através de cortes em políticas sociais para pagar a m* feita pelos bancos.
      Mas voltando a geopolítica, não foi por coincidência que grande parte dos países latinoamericanos viveram a ditadura, depois a troca das emissoras de comunicação por outras mais alinhadas com os EUA, depois o neoliberalismo, também teve a descolonização da África e a independência dos países, agora a primavera árabe ( cujos opositores receberam dinheiro dos eua e europa). Enfim não há nada de novo sob o sol nas ultimas centenas de anos, que não esteja sobre o controle de alguns. Talvez a ascenção da China. Há uma frase que diz: quem controla o presente controla o passado, e quem controla o passado controla o futuro. Quando se controla a midia, bancos voce tem o controle de todos. Determina os ganhadores e perdedores. E é isso que esta acontecendo hoje em dia no mundo. Bem, meu texto está ficando meio desconexo mais seguem outras informações: o FED não é do governo americano, é privado. Esta é a razão pela qual quando teve a crise, poucos bancos receberam bilhões de reais e centenas de bancos pequenos fecharam. Desde 1929 diz-se que estas crises são fabricadas para que bancos pequenos fechem e os grandes assumam seu controle ou expandam seu marketshare. Ou tem a demonização do Irã, depois que o mesmo resolveu vender gás natural para a China, pois quando vendia para a Europa não era visto como tal.
      Enfim, finalizando, as pessoas pensantes hoje em dia acabam sendo taxadas como ” seguidoras de teorias de conspiração” mas tem um ramo destas teorias que é muito mais propriamente geopolítica do que qq coisa.

      0
      • Matente 11 de junho de 2012 at 10:27

        EduLon, vc falou tudo. Aqui no meu trabalho sou tachado com frequência como teórico da conspiração. As pessoas são muito ingênuas.

        0
        • EduLon 11 de junho de 2012 at 23:40

          Bem, é por isso que eu me expresso minhas idéias apenas com pessoas que estão abertas ou em blogs como este, pois no dia-a-dia., como já falaram aqui no blog, o pessoal está mais interessado no cachorrinho que apareceu no gugu, na roupa da mulher da dança dos famosos… do que em assuntos que realmente impactam no destino de suas vidas. A melhor coisa é achar um grupo com interesses similares ( ainda que idéias divergentes) para manifestar suas opiniões.

          0
      • André Luis ZS/RJ 13 de junho de 2012 at 01:16

        That´s right!

        0
  • Neo 10 de junho de 2012 at 02:56

    ttp://www.youtube.com/watch?v=hyz21vHINWY&feature=g-all-u

    0
  • Neo 10 de junho de 2012 at 03:11

    Abriu as pernas pra um
    Agora todos vão querer

    Aja 100bi pra todo mundo!

    ttp://www1.folha.uol.com.br/mundo/1102531-irlanda-quer-renegociar-seu-resgate-sob-o-molde-espanhol.shtml

    0
    • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 08:00

      Isso é fácil entender, vamos colocar a Irlanda como o pessoal que comprou imóvel na alta ou seja que pediu ajuda e teve uma ajuda, mas com pontuações. Agora a Espanha que está tendo um tratamento diferente, consideramos isso como o agora quem consome agora e está tendo uma “vantagem” na qual não é vantagem, mas é melhor do que antes, comparamos isso com a queda dos juros e entendemos que eles tiraram a austeridade.
      Comparar oque acontece lá sobre países e comparar sobre pessoas é exatamente igual estamos vendo, e o desfecho disso saberemos quando não concordarem em renegociar a ajuda, pois seria a mesma coisa de renegociar os contratos fechados “depois que houve queda nos juros” com bancos no qual eles não querem nem saber.
      Vão mostrar que quando fechado o acordo não tem volta e ai vai acontecer a situação do boom, pois outros países vão pensar bem antes de fazer qualquer acordo.

      0
    • augusto 10 de junho de 2012 at 09:13

      Empurraram com a barriga o real problema, mas logo mais reaparecerá ainda mais grave. A falta de lideres mundiais competentes é total. E quando não há gatos nas casas os ratos ficam se lambuzando, até as populações desses roedores atingir niveis tão altos, que a natureza se ecarregará de resolver o problema

      0
    • Carlos Eduardo 10 de junho de 2012 at 10:49

      A Irlanda está mais é certa!

      porque mesmo estando em recuperação, devem exigir o mesmo tratamento dos corruptos espanhóis!

      E tem mais daqui para frente todos os outros países também pedirão ajuda exigindo os mesmos termos! A laranja podre está contaminando o grupo.

      O que parece é que a zona do euro, não pretende seguir os modelos de sucesso alemão e sim o lado francês.

      0
      • Neo 10 de junho de 2012 at 12:24

        Acho difícil voltar atras

        Na minha concepção vale a data que foi assinada no contrato e ponto, senão não tem sentido fazer contratos.

        O que a irlanda pede é mesma condição retroativa, isso não vai conseguir não, agora os novos pedintes ai sim vão forçar essas arregalias.

        —————————-

        pegue um exemplo mais simples do que o Eskeleto falou dois posts acima:

        Assinou o contrato 9 meses atras, olha o negocião

        36×1180 = 42.480,00
        entrada = 4.000,00
        total = 46.666,00

        O vendedor quer 14.800 a vista e mais 27 x 1.180,00 ( conforme anuncio abaixo )

        O zero custa a vista 41.450 ( conforme anuncio abaixo )

        ttp://carro.mercadolivre.com.br/MLB-238810411-chery-cielo-hatch-2011-preto-aceito-troca-transfiro-divida-_JM

        ttp://carro.mercadolivre.com.br/MLB-239024667-chery-cielo-16-16v-hatchback-okm-2012-temos-corspaliocelt-_JM

        No ano passado foram vendidos (50 modelos mais vendidos ) cerca de 2.758.651 (por isso minha cidade, que é média, tá um caos, mais de 2milhoes de carros a mais nas ruas no ano)

        Existe uma estimativa que 70% são financiados então teriamos 1.931.055 financiamentos de automóveis nas carteiras dos bancos cujo valor de divida se encontra consideravelmente superior ao valor do bem atual. Imagina então se pegarmos 2010 e 2009.

        O cara quando faz as contas do carne e vê o produto novo na loja deve dar um suadouro ( principalmente se começar a rolar uns boatos de demissão na empresa, ferias coletivas, redução de turnos, etc…)

        Não duvido que o governo extenda a redução do IPI em agosto ou mesmo diminua alicota, derretendo ainda mais o valor bem.

        Fico imaginando o que se passa na reuniao desses caras: “Se der 4milhes de carros vendidos em 2012 resolvemos nossos problemas!”

        0
  • Thomas 10 de junho de 2012 at 07:50

    Aos poucos a imprensa começa a publicar o que já era óbvio há tempos. Veremos com mais frequencia as expressões EUFORIA, CONSUMO, BOLHA, CRISE.
    A corrida dos lemingues está chegando ao fim. Salve-se quem puder!

    ================================================================

    Gazeta do Povo – Paraná
    Crédito em risco
    Publicado em 10/06/2012

    A notícia da decretação, por ato do presidente do Banco Central, de Regime de Administração Especial Temporária (Raet) no Banco Cruzeiro do Sul S/A e de quatro sociedades do mesmo grupo empresarial traz em si conteúdo preocupante, quanto mais se interpretada em coordenação com os recentes dados econômicos e medidas de reativação da economia adotadas pelo governo federal, que indicam contágio do Brasil pela crise econômica global, em que pese o esforço das autoridades governamentais em demonstrar o contrário.

    A euforia de crédito verificada nos últimos tempos em nosso país, impensável há poucos anos, possibilitou o acesso de uma enorme massa de partícipes ao mercado de consumo, com a aquisição simultânea de bens muitas vezes supérfluos, em desproporção à renda familiar, tendo-se conhecimento de casos extremos em que famílias de classe baixa adquiriram dois ou três veículos simultaneamente, além de trocar todos os seus eletrodomésticos por modelos novos. O que importava era a parcela.

    Em tais circunstâncias, as instituições financeiras cobravam os juros que bem entendiam, e passavam a gerir enormes carteiras de crédito – em alguns casos, respaldadas por garantias dos próprios bens adquiridos; em outros, no chamado crédito consignado. Ocorre, entretanto, que a falta de hábito dos tomadores de empréstimos em administrar suas dívidas fez com que os índices de inadimplência saltassem a patamares muito elevados, o que, aliado ao fato de os bancos federais terem baixado sobremaneira suas taxas de juros, comprometeu o equilíbrio econômico-financeiro das instituições financeiras que operam somente com foco no crédito pessoal.

    Os motivos para a instauração de tal regime especial foram, conforme o Ato-Presi n.º 1.217, de 4 de junho de 2012, o “comprometimento da situação econômico-financeira e a grave violação das normas emanadas do Conselho Monetário Nacional e do Banco Central do Brasil”. Eufemismo para quebra.

    Estamos, então, vendo o estouro de uma bolha de crédito pessoal, a exemplo das bolhas de crédito imobiliário que se viram nos Estados Unidos e na Espanha?

    O que traz preocupação, neste momento, é o risco sistêmico, ou seja, a possibilidade de que mais instituições financeiras também sejam atingidas, o que gera a desconfiança dos investidores nos papéis das instituições financeiras que atuam no setor de crédito e de seus correntistas, os quais, naturalmente, receosos de amargar perdas, transferem seus recursos para instituições que acreditam sólidas. É o que se vê, em outra medida, ocorrer na Grécia, na Espanha e na Itália, onde há fuga em massa de capitais para os bancos alemães, tidos como imunes à crise que assola o continente europeu.

    Há um ditado popular macabro que diz que acidente de avião nunca vem sozinho, que sempre mais dois ocorrem em curto espaço de tempo. Por analogia, pode-se dizer que “intervenção” também não vem sozinha, pois as medidas a serem tomadas pela autoridade monetária devem ser abrangentes e eficazes. O que se espera, assim, é que o Banco Central do Brasil tome as medidas necessárias para acalmar o mercado financeiro, injetando os recursos necessários para evitar o risco sistêmico de quebras, naturalmente lançando mão das medidas legais que assegurem a responsabilização pecuniária dos controladores e administradores das instituições que vierem a ser objeto do regime especial, evitando-se que o prejuízo recaia, como habitualmente sói, no bolso do contribuinte.

    Fabio Malina Losso, advogado de Losso, Tomasetti & Leonardo, é doutor em Direito Civil pela USP e membro do Conselho da Harris School of Public Policies, da Universidade de Chicago. É liquidante do Banco de Desenvolvimento do Paraná S/A (Badep).

    0
  • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 08:14

    Quanta cara de pau

    http://oglobo.globo.com/rio/pacote-da-prefeitura-preve-reducao-de-impostos-para-construcao-de-predios-sustentaveis-5159087

    Depois que vendem um monte de apartamentos bolhudos agora vão usar a Rio + 20 para propaganda de venda de apartamentos sustentáveis é ridículo.
    Por que não fizeram antes?
    É porque agora não estão vendendo então tem que dar desconto para esse tipo de empreendimento só para o pessoal sair comprando.
    Por que para caminhões eles colocaram como lei e para apartamentos não colocaram como lei agora se 1 morador fechar 1 varanda perdem o direito é dar para depois tirar.
    A cidade começou errada e vai terminar errada não tem jeito.

    0
  • GB 10 de junho de 2012 at 08:32

    Os corretores dizem que aqui no Brazil as coisas serão diferentes que na Espanha.

    Claro, a Espanha nem pediu ajuda e foi ajudada pelo Bloco do Euro.

    Quem vai ajudar o Brazil é o mesmo que já está ajudando a Argentina: ninguém.

    0
    • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 08:54

      Lógico somos çólidus, estamos 300 trocentos preparados.

      Brasil firme igual prego na bosta.

      0
    • Neo 10 de junho de 2012 at 12:25

      FMI

      mas ai não será bem uma ajuda

      0
  • augusto 10 de junho de 2012 at 09:05

    Ontem a Espanha pediu e receberá uma grana fabulosa.
    Agora começam as ret´pricas sobre como definir em palavras esta ajuda financeira.
    Tudo baboseira, pois na realidade seus bancos estavam é quebradinhos da silva, devido a especulação imobiliaria (bolha) que lá havia se iniciado e estourado pouco tempo atras (como toda bolha um dia estoura).
    Aqui a bolha de veiculos está começando a estourar, mas como refere-se a valores relativamente pequenos, e este governozinho vai dar um alentozinho extra, ainda que o consiga por pouco tempo, terá poucas consequências no geral.
    Mas sem dúvidas a maior de todas as bolhas, onde grandes somas são envolvidas, a IMOBILIÁRIA, está ainda aumentando, sendo suportada por este governozinho fisiológico e incompetente. Não creio que já esteja estourando, mas ainda aumentando e atingindo tamanho colossal, como creio que foi o mesmo na Espanha, EUA, etc.
    Mas como aqui tudo sempre foi diferente, somos um povo super super, temos uma cristina kirchner tupiniquim, o Joelmir Beting ainda não senil, e estamos 300% preparados para advsersidades, NADA HÁ O QUE TEMER (só rindo mesmo né) – e olhem que ainda temos 350 bi de us$ em reservas (creio que os americanos tinham muito mais e não evitaram a quebradeira)

    0
  • henrique 10 de junho de 2012 at 09:12

    André, concordo em parte com vc. Digo em parte porque não vejo um cenário catastrófico, tampouco uma ruptura da utilização do dólar como moeda de reserva.

    De fato, o mundo está inundado de dólar, mas até o momento não há nenhuma outra moeda que possa substituí-lo em tal tarefa. Veja que estamos passando por um momento de crise e, apesar de tudo o que foi dito sobre o dólar, ainda assim os investidores correm para os títulos americanos. E por que? Porque os EUA, apesar de todos os problemas, ainda possuem uma economia extremamente dinâmica, com enorme capacidade de inovação e geração de valor (de onde surgiram as últimas grandes invenções?), possuem as melhores universidades e, principalmente, são a maior potência bélica do planeta.

    Não digo que a substituição do dólar como moeda de reserva não ocorrerá. Esse assunto já está na pauta e, inclusive, alguns países vêm tentando realizar transações comerciais sem sua utilização (p. ex., China e Japão). Mas o abandono completo do dólar está fora do nosso horizonte, creio.

    No mais, também não vejo nenhuma catástrofe econômica acontecendo ou em vias de acontecer.

    Isso porque os ciclos econômicos vão se seguindo e agora estamos passando por um período de baixa (no Brasil, ainda estamos começando). Daqui a algum tempo, os empresários americanos e europeus começarão a investir novamente, o nível de emprego começará a aumentar, os juros aumentarão, os consumidores começarão a gastar, o endividamento e a alavancagem aumentarão por conta da sensação de otimismo… Depois, o consumo diminuirá por conta do endividamento excessivo (Brasil, agora), o PIB diminiurá, os juros cairão, as demissões aumentarão, o governo estimulará a economia e se endividará ainda mais, depois imprimirá moeda, a economia começará a melhorar de novo, a inflação aumentará, os juros subirão…

    Essa crise é forte, é séria, mas será superada, assim como tantas outras. Sorte de quem souber aproveitá-la.

    abs

    0
    • xyz 10 de junho de 2012 at 10:46

      Os americanos continuarão ainda por muito tempo a serem a maior potência econômica, bélica, científica, tecnológica e ainda um dos maiores produtos de matérias-primas e alimentos do mundo.

      Num cenário catastrófico serão a última nação a quebrar.

      Óbvio que o dólar vem ao longo dos anos se desvalorizando, motivado especialmente pelas grandes emissões QE1, QE2, etc.

      Nem o império romano foi eterno, mas o dólar continuará por muito tempo a ser o grande porto seguro da economia mundial.

      0
      • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 21:27

        Pois é amigo, mas no caso de uma orquestração para um colapso financeiro global, nada melhor do que quebrar o dólar. É isso que me preocupa, esse paradigma carregado por todos de que o dólar é muito forte e insubstituível, ou ainda, que demora muito para ele cair;

        0
    • André Luis RJ/ZS 10 de junho de 2012 at 21:25

      Compreendo Henrique, mas o que me preocupa, é uma falsa luta contra a crise, levando a uma crise generalizada. Em caso de colapso, o dólar não seria substituído por uma moeda vigente. Mas na verdade teríamos uma reestruturação da dívida sob uma nova moeda cunhada e controlada pelo FMI, a mesma já se encontra cunhada, pode ser vista na internet e seu lema é “Unidade na Adversidade”.

      Como sempre digo: Quanto mais absurdo, mais óbvio me parece.

      0
  • fausto Luiz 10 de junho de 2012 at 10:22

    Então! Comentar, até!

    domingo, 10 de junho de 2012
    Golpe dos juros: Quem caiu?
    Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Por Jorge Serrão

    O golpe dos juros baixando é um processo de grande teatralidade política e uma piada econômica. A Velhinha de Taubaté até se empolgou com a Guerreira Dilma fingindo que lutava com os Banqueiros da Maldade. Pena que era tudo ficção. Os bancos, que sempre ganharam muito com a usura alta, continuam faturando alto com o ilusionismo da taxa referencial de juros em queda. Resumo da ópera bufa: quem sempre cai no conto dos vigaristas, sai perdendo e paga a conta é o otário do consumidor-correntista.

    Pesquisa do Procon de São Paulo comprova o golpe. As tarifas cobradas pelos principais bancos aumentaram até 41% em um ano. Enquanto a taxa referencial de juros teve sua queda histórica de 11% para os 8,5%, com o governo dando ordem para os bancos baixarem também os seus juros e liberarem mais crédito aos ávidos consumistas (perdão, consumidores) sem grana, o golpe transcorria nos bastidores bancários. Sempre bem informados, os bancos agiram preventivamente para manter os lucros ou – quem sabe até – lucrar um pouquinho mais.

    A pesquisa do Procon comparou o valor de pacotes oferecidos nos meses de maio de 2011 e maio de 2012 pelos sete principais bancos privados e públicos: Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Safra e Santander. Os tais bancos públicos, onde parece que a Dilma e sua turma dão alguma ordem, foram na mesma balada. O Banco do Brasil teve uma elevação nos preços nivelada, com altas de 9,5% e 10%. A Caixa Econômica Federal teve seus pacotes reajustados mais elasticamente, com o menor aumento do pacote de 2,99% e o maior de cerca de 30%.

    Para surpresa da Velhinha de Taubaté (só ela mesmo se surpreende), o aumento das tarifas bancárias, na maioria dos casos, ficou acima da inflação acumulada no período, de cerca de 5%. O Itaú registrou o maior aumento no preço cobrado por um pacote: 41%. No HSBC, o menor aumento foi de 6,4%, enquanto o máximo foi de 20%. O banco Safra fez dois reajustes, de 11% e 28%. O Santander fez as menores alterações, até porque já tinha tarifas nem salgadas, com seu único pacote subindo 3%.

    O Banco Central do Brasil baixou a taxa Selic, porque a Dilma mandou (?), mas a previsão de inflação continua elevada. O comitê de nove iluminados do BC do B errou na conta? Enquanto a resposta não aparece, certo é que o golpe nos juros também atingiu em cheio aquele trabalhador da classe B e C que apostava em se aposentar investindo em Previdência Privada. Ficaram péssimos na fita aqueles investidores que tinham planos com elevadas taxas de administração cobradas pelos bondosos bancos. Ou terão de aumentar o valor da contribuição mensal, ou vão demorar mais para se aposentar com o valor programado.

    Sorte geral é que, no discurso da propaganda oficial, tudo vai bem. O problema são os números. A Velhinha de Taubaté não acredita neles. Azar dela! A economia opera em estagnação. Diferente do endividamento dos simples mortais que continua subindo. Em maio, o indicador de dívidas não pagas cresceu 4,3% em comparação com o mesmo mês de 2011. É a 15.ª elevação em 16 meses. Eis a conseqüência esperada do modelo lulista de incentivar o gasto das famílias com uma política agressiva de expansão do crédito, com juros caindo, mas ainda elevados.

    O Brasil é uma ilusão econômica. Tem potencial para ser o gigante do futuro, mas trabalha como o anão do presente, sempre acumulando malditas heranças de incompetência política e econômica. O modelo de ensino, baseado na (m)idiotização, só amplia o número analfabetos funcionais – incluindo a turma com diploma superior e pós-graduação. A infraestrutura, sempre carente de modernização, é uma promessa nunca cumprida. Os investimentos produtivos ficam inviáveis com um impostor sistema tributário que sustenta o cada vez mais perdulário Estado Capimunista.

    Para piorar: os segmentos esclarecidos da sociedade não conseguem se unir para formular um Projeto de Nação para o Brasil. Assim, somos condenados a viver como aquele vira-lata raivoso que corre sempre atrás do próprio rabo. E, conforme a maldição prevista nesta modalidade de corrida, quem sempre corre atrás nunca chega em primeiro lugar.

    A Velhinha de Taubaté, apesar de tudo, continua otimista. Há um tempão o Governo do Crime Organizado esquarteja nossa Nação. Mas a gente só dá importância mesmo para a desinfeliz que mata e corta o marido infiel em pedacinhos. A estupidez é cruel! O crime dela, certamente, terá castigo. O cometido pelos demais criminosos que assassinam o Brasil, dificilmente.

    Uma imagem forte pelo menos vem á mente. Já pensou se a loura Elize Kitano comparecer a um Congresso da União da Juventude Socialista para pedir que todos façam uma mobilização de rua para defendê-la do monstruoso “monopólio da mídia” no processo do Mensalão? Ainda bem que isso não vai acontecer… Assim, a tal da “batalha final” terminará empatada. O placar moral em favor do time da penitenciária? Fácil: – 1 x -1…

    Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: http://www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

    O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

    A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

    © Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Junho de 2012.

    0
  • thiago fm 10 de junho de 2012 at 10:23

    BOLHA – APESAR DO TÍTULO O CONTEÚDO É BOLHÍSTICO! BOTARIA DE TÓPICO

    OLHA O QUE SE ACHA QUANDO MENOS SE ESPERA…!

    Escondido sob o título ” Como lucrar com imóveis” encontramos duas confissões de um economista que dá dicas sobre como investir em imóveis. Por incrível que pareça, a resposta indica o contrário – os sintomas de uma bolha imobiliária

    EXAME

    Como lucrar com imóveis em três ou quatro anos?

    Jovem de 18 anos deseja comprar um imóvel com parte dos lucros após três ou quatro anos

    Dúvida do internauta: Tenho 18 anos e estou no primeiro ano do curso de Economia. Trabalho como segundo câmera e editor para um fotógrafo da minha cidade e, há um ano, comecei a poupar para comprar um carro, o qual devo adquirir em agosto ainda com o benefício da redução do IPI. Pretendo pagar 25.000 reais por ele. Com a poupança que estabeleci e a quantia que ganho no trabalho, conseguirei pagá-lo à vista. Meu próximo objetivo é comprar um terreno, permanecer com ele por algo em torno de três ou quatro anos, e vendê-lo em seguida para comprar um imóvel. Mas seria mais vantajoso comprar logo o imóvel, ao invés do terreno?

    Resposta do economista Luiz Calado*:

    Nossa história de início de carreira é parecida. Também precisei atuar em outras áreas, que não Economia, para ter o suficiente para comprar meu carro e investir. Ler um relato como o seu é estimulante e me incentiva a continuar auxiliando as pessoas com seus investimentos.

    Respondendo à sua dúvida: no seu caso é mais vantajoso comprar o imóvel. A razão é o curto prazo indicado como sua intenção para lucrar com o terreno. Investimentos em terrenos, no geral, exigem prazos maiores do que quatro anos para possibilitar um retorno excepcional. Além disso, você ficaria com o risco muito concentrado num único tipo de investimento, apesar de isso não caracterizar um problema para jovens de perfil agressivo, como parece ser o seu.

    Dentro do prazo de investimento que você menciona, você poderia pensar em comprar o terreno e construir, porém precisaria estar preparado para lidar com os desafios do mercado da construção civil, o que lhe exigiria extrema determinação. Só com a burocracia perde-se 1 (um) ano, e ainda sem a garantia de que será bem sucedido. Veja o que aconteceu com um empreendimento em São Paulo que pronto, mas não consegue obter a licença para funcionar.

    Um bom investidor em terreno identifica regiões com bom preço e que serão beneficiadas na próxima década com a expansão da cidade e de sua infraestrutura. Isso inclui construção de shoppings, praças, e chegada de transporte público. Mas dez anos é um prazo que você não deseja esperar.

    Considerando isso, a melhor opção é comprar um imóvel. O qual, por sua vez, não será garantia de lucro imediato. O MERCADO ESTÁ SE ADAPTANDO ÀS QUEDAS DE PREÇO QUE VÊM ACONTECENDO DESDE 2010 (AINDA QUE OS ” INDICADORES NÃO CAPTEM”). Eu não aposto numa nova alta de preços, os balanços das incorporadoras nos mostram ESTOQUES ALTÍSSIMOS, na ordem de 30 bilhões de reais, como mostra a edição da Revista EXAME da segunda quinzena de Abril. Mas isso não significa que seja impossível lucrar. Há duas maneiras de comprar por um preço abaixo do mercado e vender com resultado positivo.

    1. Imóveis em leilões: JÁ É PÚBLICA A INFORMAÇÃO DE QUE A INADIMPLÊNCIA ESTÁ AUMENTANDO E AUMENTARÁ AINDA MAIS. A CONSEQUÊNCIA DISSO É QUE MUITAS FAMÍLIAS NÃO CONSEGUIRÃO PAGAR OS IMÓVEIS QUE FINANCIARAM. Sendo assim, os leilões serão cada vez mais comuns e, nestas ocasiões, existe a possibilidade de fechar bons negócios.

    2. Imóveis com problemas: aqueles que necessitam de reformas que ninguém quer fazer, mas só funcionam se você tiver tempo e paciência para lidar com o ambiente das construções.

    Aproveito para elogiar o seu estilo empreendedor. Ter um carro aos 18 anos é a realização de um grande sonho para a maioria dos jovens. Se eu fosse um famoso “pedagogo financeiro” diria: atente-se ao custo do carro, do seguro e do IPVA. Mas quer saber? Realize seu sonho, seja feliz e que isso lhe permita ter mais fôlego para trabalhar e conquistar ainda mais!

    *Luiz Calado é economista, doutorando em finanças sustentáveis e autor dos livros “Imóveis: seu guia para fazer da compra e venda um grande negócio” e “Fundos de investimento: Conheça antes de investir”.

    “http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/dicas-de-especialista-para-seu-dinheiro/noticias/como-lucrar-com-imoveis-em-tres-ou-quatro-anos”

    0
    • thiago fm 10 de junho de 2012 at 10:27

      O mais engraçado sem dúvida é o autor colocar que os “indicadores” não captam as quedas. Essa é a declaração mais clara de que o ZIPT- ZAPT é uma farsa.

      OBS: As aspas são originais do texto

      0
    • ray 10 de junho de 2012 at 12:07

      Muito interessante…

      0
    • Júlio Cesar 10 de junho de 2012 at 14:53

      Excelente matéria, uma confissão escondida, um verdadeiro ato falho.

      0
    • Mineiro BH 10 de junho de 2012 at 22:56

      ato falho heim…

      0
  • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 11:22

    Estou assistindo uns vídeos no youtube embora não é muito recente digamos que é do dia 24.05, mas comentaram sobre a bolha imobiliária e depois desconversaram falaram que não tem evidências e todo o bla bla bláaa, mas o cara mesmo já mostrou a evidência no comentário.
    vou passar os links está dividido em 3 partes e sobre o comentário da bolha encontra-se na 2a parte

    1a parte -“http://www.youtube.com/watch?v=-UYEbws3_Ng”
    2a parte – “http://www.youtube.com/watch?v=VIqOOsFAo-Q”
    3a parte – “http://www.youtube.com/watch?v=_dYwaMvcz8Y”

    0
    • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 11:45

      só para quem não quiser assistir todo o bla bla bláaa a parte da bolha está na 2a parte em exatos 6 minutos.

      0
      • Neo 10 de junho de 2012 at 12:39

        “Não tem estudo cientifico que comprova bolha”

        porra, nem nos EUA os caras sabiam, dias antes de estouras a maioria ainda estava iludida

        comentarios assim devem encher os ouvidos dos que estão comprados na planta e o saco de quem é realista.

        0
        • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 12:58

          Como vai fazer um estudo se eles não tem nada para ser estudado?
          Como querem saber se estamos ou não em uma situação se não sabem nem qual classe está muito endividada, qual a proporção desse endividamento, se as construtoras estão bem ou mal, como querem fazer algum estudo assim?
          Seria a mesma coisa de pegar uma pessoa autônoma que não sabe quanto ganha, mas faz compras no cartão e fica endividada e fala estou conseguindo pagar então está bem e depois começa a não conseguir, como a pessoa vai saber qual está sendo o problema se não tem 1 controle.

          0
    • Neo 10 de junho de 2012 at 12:46

      impressionante como os bolhistas tesouram aqueles que acreditam que algo esta errado

      De 5 pessoas na mesa só uma acredita na bolha e quando falou foi massacrado.

      0
  • RosinhA 10 de junho de 2012 at 11:52

    Estava este final de semana na Serra da Mantiqueira em SP, o que realmente constatei foi que a desaceleração começou, não só no comércio, mas nos itens supérfulos de status e principalmente aqueles onde se podia gastar sobra de $$$$.

    Serra Negra cidade turística do interior de SP, vive praticamente com exclusividade do turismo, vendas de roupas, restaurantes, hotéis, passeios, encontros entre outros. Conversando com comerciantes locais a revelação: Os principais compradores os da Grana, estão sumindo, hotéis fora de temporada com grandes quantidades de vagas, comércio de produtos de maior valor agregado em decadência, e o principal imóveis:

    Com uma pequena visita pela cidade podemos constatar a quantidade assustadora de placas vende-se e troca-se, aluga-se tem poucas, o interessante são as trocas, aceitam qualquer oferta em qualquer lugar, principalmente nas dezenas de condomínios de luxo e médio padrão da cidade.

    Uma casa me interessou bastante essa abaixo:

    “http://www.imobiliariacisne.com.br/imovel.asp?id=428

    4 salas, 5 dorm, 5 suites, 7 banheiros e piscina, 7000 m2 terreno e 1200 construção.

    Preço do valor da área construída 0,7k médio, a construção não é nova tem 13 anos mas em compensação é super bem feita, falta apenas modernizar os acabamentos.

    Agora vem o X da questão, pedia no começo do ano 1,2K, agora 850K, é proprietário de SP, e já aceita até carro. O Charles tem razão, quando a população descobrir que algumas dessas cidades não estão nem a 100km de SP, e o melhor Jaguariúna tem polo industrial, grandes empresas, está a poucos Kms de Campinas e olhem o estilo da casa que meu pai diz que vende por 630K, tirando imobiliaria e comprando direto:

    “http://www.mdimoveisjaguariuna.com.br/imovel-detalhes.aspx?ref=CH0010&pret=0

    Não estou dizendo que esses valores são acessíveis, mas estão em decadência, pois o movimento de compra e venda é menor, o principal é o seguinte: qualquer casa desse porte no Rio ou em SP seria inestimável o valor, sei que em uma grande metrópole não vou ficar, arrumando uma cidade onde tenha boas escolas e oportunidades de trabalho, tô fora, adeus metrópoles, se quiser fazer compras ou lazer vou para outro país, fora a oportunidade de economizar com pomar próprio entre outros milhões de fatores favoráveis.

    0
    • Anonymous 10 de junho de 2012 at 12:15

      … sei que em uma grande metrópole não vou ficar, arrumando uma cidade onde tenha boas escolas e oportunidades de trabalho, tô fora, adeus metrópoles, se quiser fazer compras ou lazer vou para outro país …

      Acho que a solução é MORAR em outro país 😉

      0
      • RosinhA 10 de junho de 2012 at 12:20

        Vou procurar alguma coisa em Indaiatuba, quero ver o coração apertar 😉

        0
        • Johnny Real State 10 de junho de 2012 at 13:41

          Rosinha, eu comprei em Indaiatuba, quintas de Terra Cota e não me arrependo.
          Abs.

          0
          • RosinhA 10 de junho de 2012 at 17:51

            Johnny terrenos grandes são excelentes para construção, parabéns pareçe ser um bom empreendimento, e as cidades da região estão em pleno crescimento, acho que realmente fez um bom negócio, ainda mais se comprou no lançamento.

            0
            • Johnny Real State 11 de junho de 2012 at 11:28

              Rosinha,
              Vou precisar de uma construtora, você atende aquele região?
              Começo as obras em 2013

              0
              • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:37

                HAahahahaha Johnny, não sou empresária do ramo de construção, faço pequenas construções pelo prazer e pelo lucro óbvio, mais como todos percebi algo errado começando pelos valores dos terrenos, os pequenos e micros estão comendo o pão que o Diabo amaçou, pois largaram seus empregos para viver exclusivamente disso, e quebraram a cara.

                Eu tinha um bom pessoal, o segredo maior está na limpeza e desperdício, se for pegar alguém analise a obra, se as ferramentas e carro do cara for um lixo, e assim que ele é tb, não tem saída pesquise bastante, o caro não são os materias e sim desperdício e cronogramas atrasados, pague somente o que foi acertado antes, nunca adiante nada.

                Se precisar de outras infomações que puder ajudar, mesmo a distância pode perguntar, mas tem muita gente boa aqui que com certeza vai ajudar na opiniões.

                Vai postando as fases, tirando fotos é muito legal.

                0
                • Johnny Real State 11 de junho de 2012 at 12:41

                  Obrigado pelas dicas Rosinha, espero ano que vem o preço da mão de obra e do material de construção ainda esteja acessível.
                  Vou colocar o passo à passo da obra.
                  Abs!

                  0
    • RosinhA 10 de junho de 2012 at 12:18

      Aguardando comparação do Anonymous do zillow 😉 coloque lugares que não tenha terremoto, furacões, neve, e com a mesma metragem, brincadeira hein anonymous, por enquanto não troco a Banânia, se bem que Santo André ainda é interior comparado a SP, mas quanto mais longe melhor.

      0
      • Anonymous 10 de junho de 2012 at 16:37

        No seu caso, o ideal é a Carolina do Sul. O ponto importante é que na Banânia existem casas boas como voce mostrou, mas é como viver isolado num aquário, pois grande parte da cidade não chega nem perto. Não consegui achar uma casa tão caro como voce, mas talvez as que seguem possam servir. As escolas públicas são de qualidade muito boa, muito superior às escolas particulares na Banânia. As primeiras casas ficam na costa (praia), as últimas no interior.

        $ 354,000 USD
        “http://www.zillow.com/homedetails/5710-Longleaf-Dr-Myrtle-Beach-SC-29577/11151217_zpid/”

        $ 399,000 USD
        “http://www.zillow.com/homedetails/4091-Matanzas-Dr-Myrtle-Beach-SC-29577/52206069_zpid/”

        $ 269,000 USD
        “http://www.zillow.com/homedetails/2200-Audubon-Dr-Rock-Hill-SC-29732/90071662_zpid/”

        $ 334,500 USD
        “http://www.zillow.com/homedetails/2420-Emma-Grace-Ln-Rock-Hill-SC-29732/2145400832_zpid/”

        $ 376,000 USD
        “http://www.zillow.com/homedetails/1601-Cureton-Ct-Rock-Hill-SC-29732/11853425_zpid/”

        0
        • RosinhA 10 de junho de 2012 at 17:46

          Engraçado Anonymous, sei que o valor da mão de obra e os materiais utilizados fazem a diferença no preço final, por isso mesmo poucos anos depois de uma bolha imobiliária, ainda tenho a impressão de que os custos aí ainda são altos, se bem que comparo com nossas condições e salário. Lógico não podemos comparar infraestrutura e salários, são coisas totalmente diferentes.

          0
          • Anonymous 10 de junho de 2012 at 22:18

            O seu grande erro é pensar que o preço do PORCO (produto) é caro porque o preço do MILHO (insumo) é caro. É justamente o contrário – o preço do milho é caro porque o preço do porco é caro. O mesmo acontece com contrução civil e voce certamente acompanhou a subida do preço dos terrenos, materiais e mão de obra. Agora, tudo isso vai cair de preço na Banânia, na verdade despencar. Eu acompanho os preços da construção civil, pois tenho amigos que trabalham no mercado bananense. Posso garantir, que terreno com qualidade de vizinhança semelhante é VINTE VEZES MAIS BARATO nos EUA. É um absurdo, mas é verdade. Um simples terreno com a qualidade de vizinhança de um Alphaville, aqui nos EUA custa 20 Reais/m2. Isso ajuda a explicar o preço das casas.

            Vai continuar preferido Santo Andre a Myrtle Beach?

            “http://www.visitmyrtlebeach.com/”

            0
            • RosinhA 10 de junho de 2012 at 22:28

              Estamos no ABC perto de Long Beach 😉 , mas ainda tenho esperanças nesta terra cheia de Banânias Podres.

              0
              • Anonymous 10 de junho de 2012 at 23:04

                Como diz o ditado, a esperança é a última que morre. Voce vai morrer bem antes 😉

                0
        • Seu Madruga 10 de junho de 2012 at 18:06

          Anonymous:

          Obrigado por fazer meu domingo “melhor”! E aí pode até ter furacão, mas pelo menos não tem arrastão, tivemos 3 em condomínios e um em restaurante ontem aqui em SP. Só continuo aqui pois tenho carreira e família no Bostanistão, terra dos endividados e lar dos espertos!
          Bostanistão, Bostanistão,
          Como amamos seus ladrilhos de abacaxi!
          E as dívidas eternas,
          Cujas parcelas,
          Em breve passarão de geração em geração!
          BOstanistão, verás que um filho seu não foge à dívida!

          0
        • Leo 10 de junho de 2012 at 19:14

          Eu fico mt triste em olhar esses anuncios nos US. Comprar AP/Casa por la é mole.. o dificil é conseguir visto para residencia. Eu com 1.5 milha… era bye bye Brazil na hr !

          0
        • MrLBS 12 de junho de 2012 at 00:22

          Pena que em san francisco (sillicon valley) as casas são caaaras…

          0
    • hannamanana 11 de junho de 2012 at 12:00

      RosinhA,
      Aqui em Campinas deves conhecer o Cambuí e Guanabara, certo?!
      (Cito estes por que são os bairros que costumo mais transitar de carro)
      Nestes, pipocaram as placas de vende-se a aluga-se.
      Só que percebo que a maioria ainda está apegada no preço e não quer ser “o primeiro” a abaixar, achando que o vizinho vai “ganhar dele” no quesito “venda pelo melhor preço”. Vão esperando sentados…
      No prédio do meu trabalho, haviam 2 salas comerciais que ficaram uns 7 meses vazias. Agora, um foi alugada, mas a outra, nem sinal de alugar… E o preço nem está muito fora, pelo que soube.
      (Adoro Indaiatuba!)

      0
      • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:26

        Hanna, acho que começa pelo interior onde a renda é menor, e com certeza os preços se saírem 30% nas capitais, no interior vai ser de 50%. Estudei na PUC, em Campinas, a cidade tem de tudo mais tb ficou com os problemas das grandes vamos cair fora.

        Você tem mais sorte está mais perto, logo chego lá. 😉

        0
        • hannamanana 11 de junho de 2012 at 13:26

          Realmente. Vim pra cá quando criança e a cidade era outra.
          Crescimento desordenado + corrupção deixaram a cidade distante de onde ela poderia ter chegado. Ma va bene…
          Falando em PUC (também me formei lá – Contábeis), aquela região eu achava que seria fantástica, mas depois de quase todos os meus amigos ter as casas assaltadas e aquela barulheira de bares, não quero nem de graça. Ou melhor, me dêem de graça pra eu vender.
          Eu acho que o preço está mudando sim. Mas, esta porcentagem que você falou é capaz de se realizar em até quanto tempo?
          (Chegaremos lá! :-))

          0
  • Anonymous 10 de junho de 2012 at 12:03

    GAFISA S.A.
    CNPJ/MF nº 01.545.826/0001-07
    NIRE 35.300.147.952
    FATO RELEVANTE

    GAFISA S.A. (BOVESPA: GFSA3, NYSE: GFA) (“Gafisa” ou “Companhia”), em cumprimento ao disposto no parágrafo 4º do artigo 157 da Lei nº 6.404/76 e na Instrução CVM nº 358/2002, vem a público informar o que segue:

    Em complementação aos Fatos Relevantes divulgados em 1º e 6 de junho de 2012 relativos à Terceira Etapa do Acordo de Investimento e Outras Avenças celebrado em 02.10.2006 (“Acordo de Investimento”), tendo por objeto a aquisição da totalidade das ações do capital social de Alphaville Urbanismo S.A. (“AUSA”), a Companhia informa que, nos estritos termos do referido Acordo de Investimento, a cotação de R$ 5,11 utilizada para determinar o número de 70.251.551 ações de emissão da Gafisa a serem emitidas para a Alphapar – Alphaville Participações S.A. foi apurada com base na média aritmética diária (dias de pregão) da cotação de fechamento em R$/ação da Gafisa no período entre o 5º e o 20º dia útil anteriores à data do recebimento da avaliação que definiu o valor final da operação, qual seja 23 de março de 2012.

    A decisão da Companhia por esta opção de pagamento em ações se deu por ser economicamente interessante, além de evitar a alavancagem. A Terceira Etapa deverá contratualmente seguir estrutura idêntica à adotada nas etapas anteriores, em que foram incorporadas sociedades titulares das participações na AUSA.

    A Companhia informa ainda que recebeu em 7 de junho de 2012 notificação dos acionistas da AUSA expressando o entendimento – legal e contratualmente equivocado, na interpretação da administração da Gafisa e de seus assessores jurídicos — acerca da interpretação do Acordo de Investimentos, com base no qual deveria supostamente prevalecer o preço de emissão de R$3,70, com a emissão de 97.055.876 ações, o que levaria a uma indevida diluição dos acionistas da Companhia, razão pela qual esta insistirá, pelos meios necessários, na aplicação correta do critério contratado.

    Não obstante o disposto no item anterior, a Companhia continua trabalhando no detalhamento da estrutura de implementação da Terceira Etapa, buscando realizá-la tão pronto quanto possível, e manterá o mercado informado acerca de quaisquer novos eventos.

    São Paulo, 8 de junho de 2012.

    GAFISA S.A.
    Andre Bergstein
    Diretor Executivo Financeiro e de
    Relações com Investidores

    0
    • Dr. Estranho 10 de junho de 2012 at 12:30

      Estão usando a GAF_ESTA para salvar outras para ao final o governa salvá-la. Muito comum com os bancos. É o que tem feito o B_T_PQP_PACTO_DEVIL em relação ao PAN__SILVIO_LADRAO e agora com o CRUZ_CREDO DO SUL. Essa salvação será com o meu, o seu, o nosso imposto.

      0
  • Juanito 10 de junho de 2012 at 12:33

    olá, queria saber se alguém tem previsão ou pelo menos me dar uma situada sobre o estouro dessa bolha, pois estava pensando em comprar um apto aqui na Tijuca/Rj e o preço está muito elevado. Um apto de 100m² de 3 quartos está na faixa de 800.000,00 a 1.500.000,00. Alguém tem noção de quanto que poderá baixar o preço pós estouro ?? Desde já agradeço.

    0
    • Gabriel Borges 10 de junho de 2012 at 13:01

      Nem Jesus

      0
    • Eskeleto 10 de junho de 2012 at 13:02

      Quando digamos que seria a pergunta de 50 bilhões.
      Sabemos que o governo está adiando, diz que tem muitas cartas na manga, mas de repente podem cortar os braços sem ter usado todas.
      Sabemos que isso será breve entre 2012 até 2015 no meu ver, e paciência é a melhor arma neste momento, quem não conseguir esperar irá chorar.

      0
      • thiago fm 10 de junho de 2012 at 13:30

        Segundo Miguel Jacó será depois de amanhã!

        0
    • Seu Madruga 10 de junho de 2012 at 13:58

      A resposta é: quantas pessoas no Bostanistão tem (ou podem financiar) 800.000 a 1.500.000? Destas pessoas, quantas querem comprar um imóvel? Destas Que querem comprar um imóvel, quantas pretendem comprar na Tijuca? O resultado é que a oferta está muitíssimo acima da demanda, os imóveis que eram vendidos em semanas agora passam meses Encalhados, sem perspectiva de venda. Sempre tem um ou outro maluco, mas esá mais fácil ganhar na mega sena. A bolha irá estourar quando estourar a crise e os investitolos e propriotários precisarem de dinheiro para saldar as outras dívidas, daí haverá choro e ranger de dentes, e eu estarei rindo prá caralho!

      0
      • Dr. Estranho 10 de junho de 2012 at 14:06

        Digamos:

        Se o indivíduo está na classe dos que ganham acima de 20mil(membros de poder, executivos e etc); você acha que vai querer morar na Tijuca?

        0
      • RosinhA 10 de junho de 2012 at 14:16

        Tb acho Seu Madruga, o MrK mostrou aquele imóvel na Vila do Chaves por 1kk, citei um exemplo acima por 0,7k m2 construido, fora o valor do terreno, juntos devem chegar a 0,4k m2 total.

        To começando achar que o Rio e alguns locais de SP, realmente são de primeiro mundo, não é possível, acho que a Kátia e o Andranta tem razão. (Ironic Mode On).

        Seu Madruga melhor 14 meses de aluguel atrasada, do que 35 em uma prestação desgraçada. 😉

        0
    • Silas Coul 10 de junho de 2012 at 15:00

      Em out/nov 2013 vc já poderá comprar, mas ainda não será pelo preço justo e serão poucas opções. Se tiver paciência, aguarde até meados de 2017 e vc vai passar o rodo!

      0
    • Vasconcellos 10 de junho de 2012 at 15:12

      Tambem acompanho bastante os imóveis na Tijuca e, opinião minha, quem pede “a sério” 1m num apto de 3qts na Tijuca come merda/toma lsd vencido… Uma coisa é ‘Joãozice-sem-braço”, outra é crer realemnte que um pedaço de pedra entalhado num lugar mais ou menos possa valer isso. Mas esses em breve tomarão um medicamento chamado Ladentrin…

      0
      • RosinhA 10 de junho de 2012 at 18:03

        Hahahaa Vasconcellos gostei dos novos nomes, lsd vencido deve ter um efeito psicodélico menor, por isso poderemos ter tendências de quedas mais rapidamente disse o dono da Patrishit.

        Ladentrin, pode ser usado também como supositórios, vide a bula do Secovi.

        0
  • Gerson 10 de junho de 2012 at 13:18

    Matéria exibida no Paraná TV segunda edição de 09/06/12:
    “”h tt p://g1.globo.com/videos/parana/paranatv-2edicao/t/curitiba/v/preco-de-imoveis-para-de-subir-em-curitiba/1985686/””
    Essa matéria passou na TV. O que é muito bom, apesar do eufemismo de sempre da teoria da “estabilização de preços” para não dizer que vai cair. O fato de ser exibido no jornal local de maior audiência aqui no Paraná já é alguma coisa, pois sabemos que a imprensa escrita é acompanhada por poucos em nosso país. Imaginem o cidadão, avaliando a escalada de preços dos últimos anos e acostumado com a mídia comprada vendendo que a valorização seria eterna, já se desesperando para comprar de uma vez “antes que suba mais” e de repente vem uma notícia dizendo que o preço parou de subir. A tendência natural desse potencial consumidor é evitar ir a compra loucamente e refletir mais antes adiando a compra.

    0
  • Marci 10 de junho de 2012 at 13:44

    Preciso de orientação. Não vou comprar imóvel a preço bolhudo que não sou louca. Vou pacientemente aguardar o desabamento. Onde seria mais seguro deixar meu dindin?

    0
    • Ane 10 de junho de 2012 at 14:08

      Pelo que eu li por aí e no blog do Samy, é na poupança mesmo ou no tesouro direto.

      0
    • GB 10 de junho de 2012 at 14:11

      Tesouro Direto.

      0
    • Seu Madruga 10 de junho de 2012 at 14:13

      Enfia na poupança da Dilma!

      0
    • GB 10 de junho de 2012 at 14:59

      A poupança velha da Dilma é melhor, mas não dá para depositar mais nada nela, tem que ser a poupança nova da Dilma ou o Tesouro Direto (melhor opção).

      0
      • GB 10 de junho de 2012 at 15:11

        É inegável que quanto maior o valor que você puder dar à vista, menor os problemas ou o valor que vai ter que desembolsar no futuro.

        O importante não é o rendimento da poupança: é a diferença que você consegue guardar da diferença entre mensalidade do financiamento e o aluguel, isso sim faz a diferença.

        Lembre-se que mesmo no SAC vai levar uns 10 anos para a mensalidade cair alguma coisa, mas cada R$ 1k que você guardar hoje são R$ 3k a menos para dar para o banco, é isso que os corretores não conseguem entender.

        0
        • GB 10 de junho de 2012 at 15:16

          Uma vez tentei explicar isso pro gerente do meu banco e ele disse que é arriscado, pois os imóveis sempre valorizam, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

          Se gosta tanto do SAC, então fica pra ele.

          0
        • Marci 10 de junho de 2012 at 17:11

          exatamente….

          0
    • Júlio Cesar 10 de junho de 2012 at 15:09

      Todo o meu $$$ está aplicado na poupança veia. Apenas me sinto melhor assim, apesar de conhecer outras opções de investimento.

      0
    • Anonymous 10 de junho de 2012 at 16:40

      Abra uma poupança, mas nos EUA. Os bancos não cobram taxa alguma, voce ganha um juros (pequeno, mas ganha), o depósito é garantido até 500 mil Reais. Depois espere pela inflação e maxidesvalorização do Real.

      0
    • Ze Bom Dirolo 10 de junho de 2012 at 17:33

      Curiosidade.
      Muita gente aqui tem o dinheiro no CDB. O que vocês acham???

      0
      • GB 10 de junho de 2012 at 17:39

        É a mesma coisa que o Tesouro Direto, mas é pior pois paga mais taxa de administração.

        0
        • xyz 10 de junho de 2012 at 19:27

          CDB é muito diferente de tesouro direto.
          CDB é um título emitido pelo banco e tesouro direto é título do governo.

          Tesouro direto também tem taxa e imposto.

          0
        • Igor Eduardo 10 de junho de 2012 at 19:46

          CDB não tem taxa de administração.

          0
      • Cleyton 10 de junho de 2012 at 18:42

        Eu acho ruim, hehe.

        0
      • Igor Eduardo 10 de junho de 2012 at 19:48

        É ruim, mas com o nível de risco que oferece, não existem muitas opções no mercado… Ainda mais agora, que o poupador virou inimigo de estado para o nosso ilustre governo!

        0
      • Mineiro BH 10 de junho de 2012 at 23:08

        tenho uns 20k, fico pensando em tirar… mas a aliquota minima… só em 03/2013, acho…
        entao fico na duvida, enrolando…
        tb nao deixa de ser uma diversificação…….

        0
      • Davi 11 de junho de 2012 at 11:19

        Eu acho ótimo desde que seja de um grande banco, e uma aplicação que lhe renda no minimo 100% do CDI. A parte ruim disso é que na renovação ai vc vai ficar “preso” de novo por mais 2 anos para ter aliquota de 15% de IR.

        0
  • marvin 10 de junho de 2012 at 14:04

    é preciso saber ler nas entrelinhas… agora acho que bateu de vez o desespero nas nossas “otoridades”… não bastasse o aumento no prazo para financiamento, os “incentivos” ao endividamento para ver se “a roda da economia gire com força” (parafraseando aqui a nossa “presidenta”, que gosta de usar termos bregas, mas que a população “entendi”), fiquei chocado com a liberação, logo no primeiro lote de restituição, de declarações que tem uma grande soma a restituir… geralmente, mesmo entregando a declaração na primeira semana, a restituição de uma pessoa que conheço (e restitui muito), sempre vinha no final… agora liberaram já de cara, no “maior lote de restituição já visto na história deste país”…. é, acho que o governo está desesperado para ver se “faz a roda da economia girar”, só que, todo mundo que eu conheço que tem bala na agulha, está sentado num “colchão de dinheiro”, só esperando o baque…

    0
    • RosinhA 10 de junho de 2012 at 14:20

      Marvin nas entrelinhas pode-se ler, “Vamos devolver rapidamente a arrecadação recorde, e deixar os idiotas felizes, antes que eles percebam que pegamos pesado demais com o bolso deles”

      0
  • alexny68 10 de junho de 2012 at 16:18

    http:// www. nuestracasaimoveis.com/st1/imoveis/detalhes.cfm?url[email protected][email protected]/VH/YVqYgUC8m42bpLjqqV

    KKKKKKKKKKKKKKKKK comico

    apartamento de 800 mil com entrada de 50 mil!!!!!!!!!!!!

    Característica especial

    Imóvel p/ investidor

    0
    • Anonymous 10 de junho de 2012 at 17:43

      Detalhe: Ainda não exite e provavelmente nunca vira a existir.

      0
  • Sol de Sampa 10 de junho de 2012 at 17:10

    off topic
    alerta!!!!

    pra quem é funcionario de estatal acompanhem de perto … estão querendo por lei, tirar a conribuição paritaria (parte empresa) das previdencias fechadas… parece que estão fazendo consulta publica que vai até amanha…
    11.06…. entrem no site da previdencia fechada … e verifiquem…

    0
  • Neo 10 de junho de 2012 at 17:41

    Agora é Portugal que quer umas tetas gordas

    ttp://www1.folha.uol.com.br/mundo/1102674-oposicao-de-portugal-exige-renegociacao-do-resgate-europeu.shtml

    bola de neve, todos vao pedir

    0
    • GB 10 de junho de 2012 at 18:23

      Espanha, Irlanda e Portugal não são lá grande coisa, iam pedir e precisam de ajuda.

      O legal vai ser quando a Itália pedir ajuda.

      0
  • SIMONE 10 de junho de 2012 at 19:43

    Governo Dilma vai tirar do compromisso com a Fifa obras inacabadas para a Copa
    A dois anos do início da Copa de 2014, o governo federal está consciente de que muitas das 51 obras de mobilidade urbana essenciais não ficarão prontas até o mundial, sem poder cumprir, assim, a promessa feita há cinco anos, quando o Brasil foi escolhido para sediar a Copa.

    . Na prática, trata-se de uma manobra para driblar as exigências da Fifa e a cobrança da população. Integrantes do governo federal cogitam retirar essas obras da Matriz de Responsabilidades da Copa — que define compromissos de União, estados e municípios. O anúncio será feito em outubro, no próximo balanço da Copa. Até lá, estados e municípios têm uma chance derradeira para se livrar de desembaraços, licitar e dar início às obras.

    . Entre as obras com maior possibilidade de serem retiradas da Matriz estão sete que nem sequer têm projeto: o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Brasília, o monotrilho de Manaus, duas obras viárias em Curitiba e duas outras em Porto Alegre.
    Postado por Polibio Braga

    0
    • GB 10 de junho de 2012 at 20:04

      Tá, prometeram há 5 anos e de lá pra cá os imóveis dispararam, será que agora que não vão fazer essas melhorias os imóveis vão despencar ?

      Mercado ImoBolhário Especulativo Brazileiro: fácil para subir, difícil para cair., é sério, mas é pura teimosia.

      Vai ver foi por isso que os especuladores tubarões caíram fora, 5 anos de promesas e nada, viram que a “valorização” era de mentirinha

      0
    • GB 10 de junho de 2012 at 20:11

      Gente, se conseguirem terminar os estádios já vai ser um milagre, ainda dá para passar a Copa para a Inglaterra, muito melhor.

      Por sorte tem essa tal Copa das confederações 1 ano antes da Copa, é aí que a FIFA desiste daqui e as bolha implode.

      Eu espero que mantenham as parcelas pagas em dia, quero comprar barato e sem prestações atrasadas.

      0
    • RosinhA 10 de junho de 2012 at 20:17

      Simone a única herança que a Copa poderia nos deixar, seria algum tipo de infraestrutura, a tempos que vários do blog já diziam isso, eu também temia por isso, uma enxurrada de dinheiro correndo pelos buracos obscuros desse nosso país.

      Escreveram uma verdade hoje, brasileiro se junta até para formar torcida por eliminação de BBB, para assuntos importantes é fácil, culpem o governo e beleza, alguém que tome providências, fazem CPI com representantes do povo, pegam dois ou três para Judas e o resto se salva, a corja é fechada, detém poder de imprensa e de $$$ em seus Estados, não existem mais partidos é só o maluco PC do B e o resto é tudo igual, enquanto não forem agredidos de forma dura não vejo nenhum horizonte para essa Pátria Amada.

      0
      • RosinhA 10 de junho de 2012 at 20:25

        Rui me permiti de usar suas palavras, que para mim são super corretas:

        Palavras do Rui acima:

        “Quem governa sao as elites. O governo e’ meramente um instrumento das elites. Sempre foi assim.Como dizem os caras do “occupy Wall street”, corretamente, as elites sao 1% e nos miseros mortais , os 99%. Ou como o janio Quadros chamou: as forcas ocultas. ahahahah
        Sao essas superforcas poderosas, que realmente nos governam.
        Quando os presidentes dos governos, tem a veleidade, de nao cumprirem as ordens da superclasse, sao imediatamente expelidos ou neutralizados. O Getulio, janio e Goulart, que o digam. E antes que me acusem de teorias de conspiracao, sobre o controle dos bancos centrais, de quase todos os paises do mundo, por uma classe dirigente global, quem denunciou isso, entre muitas pessoas,pelo mundo afora, foram os presidentes americanos Thomas Jefferson , Garfield e Lincoln. Quem indica mesmo o presidente do banco central, no duro, e’ a elite. o ministro da fazenda, so serve de intermediario. O Banco central, subordinado ao BIS,e’ que manda na economia. E’ o banco central da elite, que controla o dinheiro, cria inflacao e deflacao, valoriza e desvaloriza a moeda, cria ciclos economicos,por ai’. E quem controla o dinheiro, controla o poder. O resto e’ mito!”

        Muito bom penso da mesma forma. Informações geram $$$$, e elas nunca faltam para políticos e elites desse país.

        0
        • EduLon 10 de junho de 2012 at 22:02

          Quem domina a economia mundial são 1.318 empresas em conjunto detêm a maioria das ações das principais empresas do mundo – as chamadas blue chips nos mercados de ações. Elas detêm um controle sobre a economia real que atinge 60% de todas as vendas realizadas no mundo todo.
          Mais informações no link abaixo:

          h ttp://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=rede-capitalista-domina-mundo

          0
      • Mineiro BH 11 de junho de 2012 at 15:54

        Meu recado é o seguinte:
        Ratos e baratas deixam voluntariamente a casa de alguém?
        Não, eles precisam ser expulsos… de algum modo…
        Simples assim!

        0
  • SIMONE 10 de junho de 2012 at 19:46

    Restituição de Lula sai logo no primeiro lote
    * Clipping Lauro Jardim, http://www.veja.com.br

    Lula foi agraciado pela Receita Federal e receberá restituição do seu IR no dia 15. O dinheiro será depositado em sua conta no Banco do Brasil.
    Postado por Polibio Braga

    0
  • Fox 10 de junho de 2012 at 20:14

    é tópico certo bolha….
    oglobo.globo.com/economia/bancos-de-poupanca-sao-principal-foco-de-ajuda-na-espanha-5164596

    0
  • RosinhA 10 de junho de 2012 at 20:37

    Queimem suas munições o problema é que dívida é igual a brigadeiro ninguém resiste, e o brasileiro já está com indigestão.

    O governo decidiu fixar data para a redução do IOF sobre crédito para pessoa física.O governo anunciará medidas de estímulo ao crédito. A munição anti crise está sendo intensificada.

    O governo decidiu fixar data para a redução do IOF sobre crédito para pessoa física. O ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, disse que na semana que vem o governo anunciará medidas de estímulo ao crédito. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, deve cortar o IOF de 3% para 1,5%, retornando a alíquota para índice de março deste ano. Essa medida está sendo avaliada já há uns dez dias.
    O Conselho Monetário Nacional também decidiu aliviar a situação dos pequenos e médios bancos, os primeiros a sentir os efeitos da escassez de crédito em momentos de crise. Há estudos ainda para a concessão de incentivos fiscais para setores da economia que estiverem sofrendo os efeitos da desaceleração.
    O entendimento no governo é que a crise europeia piora dia a dia. Ao mesmo tempo, não há sinais claros de uma recuperação da economia brasileira de outubro para cá, mesmo depois que o Banco Central reduziu os juros e flexibilizou medidas de aperto do crédito. A munição anti crise está sendo intensificada

    0
    • Mineiro BH 11 de junho de 2012 at 15:57

      Gente, precisamos nos dar ao trabalho de criar duas coisas aqui no blog:

      – uma seção com um apanhado de declarações dos Ricardos Amorins da vida, na linha “Não há bolha” e “A economia está ótima”… tipo, desde o início do blog…

      – e a seção “medida econômica do dia / da semana”…

      Acho que vai ser divertido…

      0
  • simone 11 de junho de 2012 at 01:21

    Parcelado com Juros
    Clientes CAIXA agora também podem parcelar suas compras com taxas de juros reduzidas. Com o Parcelado com Juros, clientes dos cartões de crédito CAIXA, pessoas físicas (exceto o Cartão Consignado), podem parcelar suas compras em até 48 vezes com juros mais baixos.

    Para o Cartão Azul CAIXA, a taxa de juros é de 0,89% a.m., e para os demais Cartões de Crédito CAIXA – Electronic, Nacional, Internacional, Gold, Platinum, Black e Infinite, a taxa de juros é de 1,90% a.m.

    Para aproveitar o Parcelado com Juros, basta o cliente solicitá-lo ao estabelecimento comercial no ato da compra.

    0
  • Ze Bom Dirolo 11 de junho de 2012 at 01:56

    Acabei de conversar com uma pessoa que queria conversar muito desde o final do ano passado. Um grande investidor que considero que tem uma grande visão sobre investimentos em imóveis. Tem vários imóveis por aqui.
    Perguntei para ele sobre o que ele achava do mercado imobiliário em Brasília.
    Ele disse na lata. “Vai dar merda!!”. E mais…..disse: “Eu já tinha essa visão há 3 anos atrás e fiquei na dúvida durante esses anos se deveria ou não comprar mais imóveis. Hoje não compro mais. Pelo contrário, vendi, por exemplo, um imóvel em dezembro. O pessoal me chama de pessimista, mas não tem como não ser.”

    0
    • Ze Bom Dirolo 11 de junho de 2012 at 02:00

      Ah…e disse. “Hoje quem tem uma visão mais aguçada consegue perceber que os preços anunciados são fictícios.”

      0
    • GB 11 de junho de 2012 at 07:46

      Não precisa ser nenhum Einstein para notar que vai dar merda.

      0
      • Ze Bom Dirolo 11 de junho de 2012 at 10:18

        A diferença foi o fato dele sempre apoiar esse tipo de investimento admitir isso de maneira tão enfática.

        0
  • Sol de Sampa 11 de junho de 2012 at 04:17

    Investimentos sofrem consequências da baixa produtividade brasileira

    Retorno dos negócios e competitividade pioram com encolhimento produtivo

    09 de junho de 2012 | 23h 09

    A estagnação da produtividade é o gato que subiu no telhado em termos de crescimento, e o fato deste processo durar vários trimestres é um sinal de que a economia também deve entrar em estagnação”, avalia Samuel Pessôa, sócio da consultoria Tendências e pesquisador do Ibre.

    O economista Claudio Frischtak, presidente da Inter. B – Consultoria Internacional de Negócios, considera que análises sobre produtividade só fazem sentido em prazos mais longos, e que é prematuro julgar que há uma tendência de queda a partir do governo de Dilma. Ele nota que o indicador no curto prazo tende a acompanhar as oscilações do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2003, por exemplo, o difícil primeiro ano do governo Lula, quando a economia cresceu apenas 1,15%, a produtividade teve uma queda de 2,4%.

    Pessôa retruca que “dois anos de fato é pouco, mas é suficiente para olhar a tendência na margem”. Ele nota que é especialmente preocupante que a produtividade esteja em baixa com o emprego em alta, ao contrário do que ocorreu em 2003, quando o desemprego subiu.

    Silvia Matos, economista do Ibre, fez cálculos com os números do Brasil que mostram que a queda da produtividade está contribuindo para a forte desaceleração dos investimentos.

    “A causalidade vai da produtividade para o investimento”, ela diz. A razão para se investir menos, quando cai a produtividade, é que o retorno dos negócios piora, e a competitividade se deteriora.

    Investimento. Segundo Silvia, para cada ponto porcentual de crescimento da produtividade, os investimentos crescem 4 pontos porcentuais adicionais ao longo de um ano. “Se a produtividade seguisse crescendo no ritmo anual do segundo mandato de Lula, de 1,9%, os investimentos teriam crescido 13% em 2011, e não 4,7%.” Para 2012, a economista prevê crescimento nulo dos investimentos, e queda de 1% na produtividade.

    Segundo Pessôa, é impossível manter um ritmo forte e sustentado de crescimento apenas aumentando os investimentos e as horas trabalhadas. “É um crescimento de tipo soviético, que acaba se esgotando”, ele alerta.

    No caso do Brasil, acrescenta o economista, seria mais difícil ainda crescer com um mau desempenho da produtividade. A razão é que o País tem uma baixa taxa de poupança, inferior a 20% do PIB, e precisa da poupança externa para complementar o financiamento dos investimentos. Se estes crescem muito, é necessário trazer grandes volumes de poupança externa, o que significa aumentar o déficit em conta corrente para níveis arriscados.

    Segundo dados da Penn World Table, base de dados internacionais da Universidade da Pensilvânia, a produtividade brasileira cresceu uma média de 3% ao ano de 1955 a 1976.

    No período turbulento da economia brasileira de 1977 a 1995, que vai do segundo choque do petróleo ao Plano Real, a produtividade caiu fortemente. No governo de Fernando Henrique Cardoso, o indicador ficou praticamente estagnado, voltando a crescer a partir de 2004.

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:13

      Vai entender Sol, como incentivar o consumo interno se estamos produzindo cada vez menos. Inflação ou Desemprego escolham suas cartas que começe o jogo

      0
      • Sol de Sampa 11 de junho de 2012 at 14:41

        Rosinha, estou desconfiada não de inflação, mas de uma deflação se a economia continuar a desacelerar.

        0
  • Eskeleto 11 de junho de 2012 at 07:04

    OFF TOPIC

    “http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2012/06/reducao-do-ipi-aumenta-procura-por-seminovos-completos-em-revendas.html”

    nesta matéria só esqueceram de mencionar que ele vai pagar mais barato no carro, mas que o carro dele simples vai valer menos ainda na base de troca.

    0
  • Eskeleto 11 de junho de 2012 at 07:18

    Aluguéis comerciais no Brasil superam até Nova York
    A escalada nos preços dos imóveis residenciais no Brasil se repete no mercado de escritórios. Está tudo ficando mais caro. Mas uma enorme safra de construções pode ajudar a segurar os preços

    Maria Luíza Filgueiras, de
    inShare (0)
    Salvar notícia
    Germano Lüders/EXAME.com

    Escritórios em São Paulo: 22 novos prédios devem ficar prontos neste ano
    São Paulo – Alugar um escritório virou um drama para as empresas instaladas no Brasil. Os preços subiram 60% em média nos últimos quatro anos — e em algumas avenidas de São Paulo e do Rio de Janeiro, onde estão 85% dos imóveis comerciais de alto padrão do país, os valores chegaram a triplicar.

    Leia Mais

    09/06/2012 | Ladrões levaram R$ 500 mil em arrastão na Bela Cintra
    09/06/2012 | Dois rebocadores afundam na Baía da Guanabara
    09/06/2012 | Gastos da Copa do Mundo sobem para R$ 27,4 bilhões, segundo TCU
    08/06/2012 | Brasil assume a presidência do Mercosul
    Em alguns casos, é possível alugar salas mais baratas na Park Avenue ou na Quinta Avenida, alguns dos endereços mais badalados de Nova York. E, apesar disso, a disputa pelos espaços aqui tem sido intensa. De 2008 para cá, prédios inteiros foram alugados antes de as obras serem finalizadas.

    Recentemente, porém, o mercado começou a mudar. Os preços continuam em ascensão — mas, no Rio, a valorização já perdeu força. Depois de aumentar 22% no primeiro trimestre de 2011, os valores de locação subiram 6% nos primeiros três meses deste ano.

    Em São Paulo, a valorização ainda beira os 20%, só que a demanda está menor. A taxa de imóveis vagos chegou a 12% no primeiro trimestre, a maior desde 2006.

    Um mercado cíclico

    O mercado de imóveis comerciais é cíclico — períodos de três a cinco anos de bonança costumam ser seguidos por fases de acomodação. Essas oscilações quase sempre estão ligadas ao desempenho da economia: quando o crescimento diminui (ou quando há retração), as empresas seguram investimentos e contratações e, assim, precisam de menos escritórios.

    É comum que essa fase ruim coincida com o pico de entrega de novos prédios — as incorporadoras lançam os empreendimentos na fase de euforia, mas eles só ficam prontos de dois a três anos depois. Aí, pronto: os preços desabam.

    Foi o que ocorreu em 2002, quando o Brasil vivia um período complicado — havia dúvidas sobre como seria o primeiro governo do presidente Lula, o país negociava um empréstimo de quase 50 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional e a crise na Argentina desviava investimentos estrangeiros da América Latina. Cerca de um quarto dos escritórios ficou desocupado nessa época, um recorde, e os valores dos aluguéis caíram 16%.

    “http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1018/noticias/alugueis-comerciais-no-brasil-superam-ate-nova-york”

    0
    • TG Brasil 11 de junho de 2012 at 08:08

      Como é que é?????

      É comum que essa fase ruim coincida com o pico de entrega de novos prédios — as incorporadoras lançam os empreendimentos na fase de euforia, mas eles só ficam prontos de dois a três anos depois. Aí, pronto: os preços desabam.

      Isso não acontece com o mercado de resindenciais né?

      0
      • Eskeleto 11 de junho de 2012 at 08:14

        “Em São Paulo, a valorização ainda beira os 20%, só que a demanda está menor. A taxa de imóveis vagos chegou a 12% no primeiro trimestre, a maior desde 2006.”

        Isso porque estamos aquecidos ainda andam dizendo por ai, imagina a hora que desaquecer vai ficar pior que em 2002, provavelmente vai ser recorde atrás de recorde.

        0
  • Ana 11 de junho de 2012 at 08:46

    Essa aqui merece tópico. Saiu hoje no Estado de Minas. Parece até que foi escrita por um leitor do Blog!

    ” Fragilidade da economia brasileira vem à tona com a crise

    Especialistas veem inconsistências no crescimento econômico brasileiro e defendem urgência de um projeto de longo prazo

    Sílvio Ribas – Estado de Minas
    Publicação: 11/06/2012 07:14 Atualização:
    O megainvestidor Warren Buffett, terceiro homem mais rico do mundo, sabe como poucos o segredo da multiplicação do dinheiro. Não à toa, suas declarações ganham dimensões extraordinárias, por mais irrelevantes que sejam. Pois veio dele uma frase que traduz de forma simples e clara o Brasil de hoje: “Quando a maré baixa é que descobrimos quem estava nadando nu”. Até o fim de 2010, o país, mesmo com todas as suas deficiências, tirou proveito do maior ciclo de crescimento global em três décadas. Mas bastou o planeta botar o pé do freio e afundar em uma recessão que pode durar anos para que a economia brasileira revelasse a sua face real. Sem transformações estruturais de longo prazo, agarrada ao imediatismo, mantém o pé na mediocridade que a condena a crescer aquém do seu potencial e de suas necessidades.

    Endividamento das famílias pode prejudicar os planos do governo

    O resultado desse quadro desolador se reflete nas estimativas do mercado e do próprio governo, que insiste no discurso de que o país já recuperou as forças e está pronto para avançar entre 4% e 5% ao ano. Diante do que se vê na indústria e no varejo, e mesmo no setor agrícola, se o Produto Interno Bruto (PIB) crescer entre 2% e 2,5% neste ano, a presidente Dilma Rousseff terá que se dar por satisfeita. Apesar de sua fama de boa gestora, não conseguiu tirar do papel as reformas que atacariam os velhos entraves ao desenvolvimento sustentado. Limitações na infraestrutura de transportes, pesados custos de produção e enorme burocracia para os negócios vão produzir o segundo PIB raquítico de sua administração. Pior: mesmo com toda a pressão do setor privado por ações concretas pró-crescimento, é possível que os próximos dois anos consolidem o chamado “voo de galinha”.

    Para analistas ouvidos pela reportagem, essa urgência está ficando cada vez mais evidente, com o esfriamento das economias mundial e, sobretudo, a desaceleração da locomotiva chinesa, principal parceiro comercial do país. As medidas anunciadas semana passada pelo Planalto para tirar a economia da estagnação, novamente baseadas na oferta de crédito e que se juntam ao esforço pelo corte de juros bancários e à desoneração de setores industriais considerados estratégicos, foram alvo de críticas. Muitos enxergam na expansão de 0,2% do PIB no primeiro trimestre do ano em relação ao último de 2011 a confirmação do esgotamento de um modelo que deu certo aqui na crise global de 2008 e 2009.

    MUDANÇA “A esta altura já está claro para todos que o governo não considera mais o tripé formado por meta de inflação, superavit primário e câmbio flutuante como essencial ao crescimento”, avalia Sérgio Vale, consultor da MB Associados. Segundo ele, sem contar com ventos favoráveis do mercado global, restará ao país retomar a agenda reformista, como privatizações e reduções permanentes de custos, para investir e produzir mais e melhor, esperando colher frutos menos imediatistas.

    Especialistas sustentam que o primeiro trimestre foi o pouso do declínio do PIB iniciado no fim de 2010. A economia deve ter reagido em maio, novamente graças ao consumo empurrado por estímulos oficiais. Para crescer mais, talvez seja preciso conter gastos de custeio e acelerar investimentos. A economia que cresceu 7,5% em 2010, virou “pibinho” de 2,7% no ano passado, percentual que poderá ficar igual ou pior nos 12 meses terminados em dezembro próximo. A previsão do Banco Central (BC) para o PIB de 2012 caiu para 2,72%, na quarta redução seguida, bem longe dos 4,5% garantidos inicialmente pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

    Dívidas devem frear o consumo

    “O consumo não consegue sustentar a economia por muito tempo. Precisamos incentivar a competitividade e as exportações de manufaturados”, afirma o economista Renato Fonseca, gerente-executivo de pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Mais do que afrouxamento fiscal em favor da demanda doméstica, o setor produtivo torce por programas de desoneração vinculados a estratégias empresariais.

    José Luís Oreiro, professor da Universidade de Brasília (UnB), concorda com a tese e aponta o endividamento das famílias como o mais forte sinal de que a política econômica exige correções de rumo. Com 25% da renda comprometida com juros e prestações de dívidas, é relativo o espaço para o brasileiro a ampliar capacidade de consumir, mesmo com estímulos fiscais e monetários. Para se ter ideia, nos Estados Unidos, incluindo automóveis e hipotecas, o comprometimento da renda livre está em 16%.

    “O modelo de crescimento baseado mais no consumo que no crescimento está fazendo água. A desindustrialização acelerada dos últimos seis anos também tirou capacidade de colaboração do setor produtivo mais dinâmico da economia”, acrescenta. “O leque de medidas anunciado para estimular a economia pode até ser correto. O problema é que as soluções encontradas não estão devidamente amparadas por um plano de desenvolvimento de longo prazo”, observa Victor Leonardo de Araújo, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

    Na sua opinião, a exemplo de outros períodos da história econômica do país, o foco ideal deveria ser a promoção de cadeias produtivas e a elevação do investimento, e não só dos gastos públicos. “O ideal é dobrar a taxa de investimento público dos atuais 2,5% do PIB, enquanto se busca vencer gargalos de competição externa, como câmbio e infraestrutura. Essa seria uma forma de reduzir a fragilidade das contas externas do país, com exportações concentradas em produtos básicos.(SR)

    Resgate na Espanha
    O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, disse ontem que seu país evitou um resgate completo de sua dívida soberana devido a medidas adotadas para cortar o déficit público e a reformas econômicas empreendidas. No sábado, a Zona do Euro fechou acordo de empréstimo de 100 bilhões de euros para os bancos espanhóis. “Se não tivéssemos feito o que fizemos nesses cinco meses, o que se teria cogitado seria a intervenção na Espanha”, disse Rajoy. Sete antigos bancos de poupança do país, que já receberam ajuda do governo, serão os primeiros a usar os recursos. Os bancos espanhóis concederam grandes volumes de empréstimos a empresas do setor imobiliário durante o boom de prosperidade que acabou em 2008, deixando credores com empréstimos podres em construtoras e complexos de edifícios de apartamentos inacabados. “

    0
  • Socorro!! 11 de junho de 2012 at 08:58

    vale como novo tópico ? destaque do GLOBO.COM

    Começa a valer ampliação de prazo de financiamento de imóveis na Caixa
    Prazo passa de 30 para 35 anos em operações com recursos de poupança.
    Também entra em vigor nova redução das taxas de juros no banco.
    Do G1, em São Paulo

    Tweet
    3 comentários Começam a valer nesta segunda-feira (11) a nova redução das taxas de juros para financiamento de imóveis e a ampliação, de 30 para 35 anos, no prazo máximo para esse tipo de operação, feito com recursos da poupança. As novas regras haviam sido anunciadas pela Caixa Econômica Federal no último dia 5. As mudanças só valem para novos financiamentos.

    Para imóveis financiados pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), a taxa cai de 9% para 8,85% para todos os clientes. Dependendo do grau de relacionamento com a Caixa, a taxa pode chegar a 7,8%.

    Fora do SFH, a taxa de juros, que é de 10% ao ano, cai para 9,9% a partir de segunda-feira, para todos os clientes. Dependendo do relacionamento que a pessoa tenha com o banco, ela pode chegar a 8,9% ao ano.

    Em todos os casos citados, não está incluída a Taxa Referencial (TR).

    FGTS
    Quando as novas regras foram anunciadas, o vice-presidente de Governo e Habitação da Caixa, José Urbano Duarte,Duarte, disse que a Caixa estudava estender as mudanças também para financiamentos de imóveis construídos com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Isso, porém, depende de autorização do Conselho Curador do fundo.

    O prazo de até 35 anos e as novas taxas de juros valem, portanto, apenas para clientes com renda familiar superior a R$ 5,4 mil mensais e que financiem imóveis construídos com recursos da poupança, de qualquer valor.

    Clientes com renda de até R$ 5,4 mil e que financiem imóveis de até R$ 170 mil podem optar pela operação dentro das regras do FGTS, que possui taxas de juros mais atrativas – hoje elas são de, em média, 5,3% ao ano.

    Simulação
    A Caixa fez uma simulação das vantagens com as medidas anunciadas. Para uma pessoa com renda familiar de R$ 10 mil, o limite de financiamento sobe de R$ 267 mil para R$ 280 mil. Se for cliente do banco, esse valor chega a R$ 303 mil.

    O cliente ainda pode optar por reduzir o valor da prestação do financiamento. Para uma operação de R$ 267 mil, a prestação cai de R$ 3 mil para até R$ 2.604 mil.

    O banco informou que, nos primeiros cinco meses do ano, a Caixa financiou R$ 36,66 bilhões dentro de sua carteira de imóveis, valor 46% maior que o registrado em igual período do ano passado (R$ 25,06). Para 2012, a estimativa do banco é que o valor financiado chegue a até R$ 100 bilhões, contra R$ 80 bilhões de 2011.

    Construtoras
    A Caixa também anunciou redução da taxa de juros para financiamento destinado a construtoras, para produção de habitações, com recursos da poupança. E a ampliação do prazo de financiamento, de 24 para 36 meses.

    Segundo o banco, a taxa de juros dentro do programa Plano Empresa da Construção Civil, que hoje é de 11,5% ao ano, vai ser reduzida a 10,3% a partir de segunda-feira para todos os clientes. Se a empresa tiver relacionamento com a Caixa, essa taxa pode chegar a 9%.

    0
  • Laranja 11 de junho de 2012 at 09:35

    Preço dos imóveis está 19% mais caro
    w w w.band.com.br/noticias/economia/noticia/?id=100000509450
    Saiu também no Metro – Porto Alegre

    A expansão do setor vai na contramão de dezenas de outros países, como Portugal e Espanha, afetados pela crise financeira internacional
    Em maio os imóveis brasileiros tiveram a menor alta mensal de toda a série histórica (0,9%) / Divulgação/ Arquivo Em maio os imóveis brasileiros tiveram a menor alta mensal de toda a série histórica (0,9%)

    Mesmo com a economia mostrando sinais de desaceleração no início do ano, a grande oferta de crédito fez o Brasil ficar entre os países com as taxas mais elevadas de valorização dos imóveis em todo o mundo.

    Um levantamento da Global Property Guide, consultoria que orienta investidores, mostra que o país só ficou atrás da Índia no quesito preço de casas e apartamentos.

    A pesquisa comparou dados do primeiro trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado e considerou os mercados de 36 nações. O Brasil e a Índia foram os únicos onde a valorização de preços superou a casa dos dois dígitos (18,70% por aqui e 24,41% para os imóveis indianos).

    A expansão do setor vai na contramão de dezenas de outros países, como Portugal e Espanha, afetados pela crise financeira internacional. E a tendência é de manutenção do crescimento.

    O relatório da Global Property Guide mostra que a valorização dos imóveis também ocorreu na comparação entre o primeiro trimeste deste ano e o último de 2011 (2,57%). Outros levantamentos, no entanto, começam a mostrar uma desaceleração.

    Segundo o índice FipeZap, em maio, os imóveis brasileiros tiveram a menor alta mensal de toda a série histórica (0,9%). O índice começou a ser calculado em seis cidades e no Distrito Federal em 2010. Por conta disso, analistas mais pessimistas temem que o Brasil sofra as consequências do estouro de uma “bolha imobiliária”.

    Para o professor Samy Dana, da Escola de Economia da FVG (Fundação Getúlio Vargas) isso deve ocorrer até a Copa do Mundo, em 2014. “Muitas pessoas têm comprado imóveis esperando que eles valorizem até lá. Mas eu não creio que seja um bom investimento”, opina.

    O especialista aconselha pequenos investidores a avaliarem outras alternativas de aplicação, como os títulos do tesouro direto. Para quem planeja comprar a casa própria, o melhor é economizar e fazer as contas. O financiamento pode ser uma boa opção, mas, em muitos casos, outros investimentos geram juros capazes de cobrir o aluguel.

    0
    • Luiz 11 de junho de 2012 at 10:50

      isso é malandragem

      o preço do m2 sobe pq os apes e casas modernas estão cada vez menores, mas o preço final que o povo pode pagar é o mesmo.

      o preço subiu zero, aliás pra manter a valorização em m2 deve estar caindo em unidade.

      A velha malandragm de mudar a regua pra mostrar uma ilusão

      0
    • GB 11 de junho de 2012 at 11:34

      Fonte: Fipt-Zapt-Zum.

      0
  • Luiz 11 de junho de 2012 at 10:24

    Bom dia denovo colegas (cadê o meu comentário?)

    Sentiram minha falta?

    0
    • xangai 11 de junho de 2012 at 10:37

      po brother … tava preocupado !!
      vai me que desistiu … e comprou um ap de 50mts por R$2milhoes ..?!?!

      “this is the end… my only friend… the end” ( The Doors )

      0
      • Luiz 11 de junho de 2012 at 10:40

        nem f*dendo cara,

        só parei de comentar pq o estouro da bolha está completament eobvio, vi apartamento de 1 milhão oferecido com urgencia por 500 mil, vi de 500 por 300, de 350 por 250, a casa tá caindo mais rapido que o esperado.

        Acredito que em alguns casos vai cair 80% do pico pro vale que deverá ser entre 2015 e 2017

        0
        • Luiz 11 de junho de 2012 at 10:51

          I wanto to feel the end
          And enjoy the consequence
          (skazi)

          0
          • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:10

            Ok Luiz devolvo agora o cargo de brigas e discussões com coretores a quem lhe é devido. Não tenho mais paciência para escutar esta gente.

            Luiz está oficialmente empossado, em seu antigo cargo.

            (CAÇADOR DE CORETORES E TROLLS) 😉

            0
            • Luiz 11 de junho de 2012 at 13:11

              Rosinha, não chuto cachorro morto
              acho que o assunto “corretor” já foi finalizado, percebeu que eles sumiram.

              Antes discutiamos na teoria, agora é só abrir o jornal e ver os preços das unidades caindo. O pife-pafe precisaria apontar valorização do real por metro quadrado p compensar a diminuição das unidades tipo

              GAMEOVER

              Rosinha, qum esperou esse ultimo ano se deu bem. Se comprar agora vai pagar + barato e juros bem menores, calcula aí uns 20% a menos que ano passado.

              0
          • Leo 11 de junho de 2012 at 18:21

            Luiz… Conhece Skazi ? Esse cara ai eh uma aberracao….

            0
            • Luiz 12 de junho de 2012 at 11:34

              na vdade é composição do infected com versão destroyer da aberração
              os iguais se atraem amigo

              0
    • Mineiro BH 11 de junho de 2012 at 16:09

      oi Luiz!
      eu já ia te citar e falar da sua ausência!
      eu ia dizer pro pessoal parar de encaixar aspectos conspiracionistas em histórias e teorias bem fundamentadas, isso de falar que por trás de tudo está um seleto grupo de banqueiros anônimos e que se reúnem secretamente no Himalaia todos os anos tira a credibilidade, é uma bobagem…
      daí eu digo, inventar bobagens conspiracionistas me irrita igual te irrita falar mal do metrô de SP…
      abs bem vindo

      0
      • Luiz 12 de junho de 2012 at 11:35

        amigo não me irrita falar mal do metrô
        me irrita a MENTIRA

        obrgado e abrx

        0
      • André Luis ZS/RJ 13 de junho de 2012 at 00:54

        Mas ninguém está inventando nada, tdo que foi aqui citado se refere a fatos que podem facilmente ser pesquisados. Com uma simples pesquisa o Sr. poderá verificar que o o grupo Rothschild é líder em aquisições de empresas privatizadas no Brasil. Fatos estão disponíveis, e a internet é a melhor ferramente de pesquisa já desenvolvida (APESAR DE NÃO SER MAIS LIVRE). No mais, é óbvio que mentes bloqueadas, vitimas de um antigo processo de alienação/repressão (no Brasil oriundo na antiga reforma da lei de diretrizes e bases, afinal, pra que cacetetes quando vc pode simplesmente retirar de um povo a capacidade de observação, constatação e protesto?) não se apercebam que um simples processo de desinformação e desacreditação pode transformar uma informação em um comentário jocoso. No entanto, não é por isso que nos refutaremos a combater esse processo com simples fatos. Afinal, contra fatos não há argumentos. Abraços.

        Toda verdade passa por três estágios.
        No primeiro, ela é ridicularizada.
        No segundo, é rejeitada com violência.
        No terceiro, é aceita como evidente por si própria.
        Arthur Schopenhauer

        ]

        0
  • FQ 11 de junho de 2012 at 10:36

    BRICS ENFRENTAM A RESSACA DO CRESCIMENTO

    Com o agravamento da crise internacional, emergentes lançam mão de suas armas para conter a desaceleração econômica – e evitar o declínio de um apogeu que ainda não aconteceu

    Consta no capítulo número um de qualquer obra ou estudo econômico que, sempre após uma fase de explosão de crescimento de um país, é inevitável um período de desaceleração – ou até mesmo de contração da economia, em alguns casos. Essa “ressaca” ocorre com mais força quando, durante o período de extrema bonança, os países não fazem as mudanças necessárias para permitir um crescimento sustentável da economia no futuro. Esse destino implacável (e recorrente na história) parece ter sido esquecido por boa parte dos governantes dos Brics – e também pelo mercado global. Mas, ao que tudo indica, é chegada a hora de os mercados emergentes pagarem a fatura pelos problemas que não solucionaram ao longo dos últimos anos.

    Desde o final de 2011, Brasil, Rússia, Índia, China e a novata África do Sul assistiram a um esfriamento de sua pujança, puxado pela crise na Europa e pela dificuldade de recuperação da economia americana. Com exceção da Rússia, que manteve em 2011 o mesmo crescimento do ano anterior, todos os países do grupo tiveram desaceleração. O primeiro trimestre deste ano não foi melhor, sobretudo para o Brasil, que, a despeito de inúmeras medidas de estímulo à indústria e ao consumo, cresceu apenas 0,2% no período – número abaixo das estimativas mais pessimistas.

    Se, durante a crise financeira de 2008, os Brics eram vistos como a tábua de salvação da economia mundial, o economista Jim O’Neill, do Goldman Sachs, e criador do termo BRIC, acredita que o cenário mudou. Em uma carta enviada aos investidores do banco no início da semana, O’Neill externou sua preocupação. “É inegável que, com exceção da Rússia, os dados do primeiro trimestre dos BRICS foram desanimadores. O crescimento do Brasil e da Índia foi particularmente fraco e os dados de inflação na China acentuam a sensação de que as coisas não estão tão bem quanto os otimistas esperavam”, afirmou.

    A avaliação é de que o governo não fez as reformas necessárias e, por essa razão, o país está mais sujeito às intempéries da crise internacional. “Em períodos de stress, os investidores se preocupam mais com a falta de reformas estruturais e com a volatilidade dos ciclos de crescimento. No caso do Brasil, ainda há a preocupação adicional com a questão da abertura econômica”, afirma Robert Wood, da Economist Intelligence Unit (EIU).

    http : //veja .abril.com.br/noticia/economia/brics-enfrentam-a-ressaca-do-crescimento

    0
  • Laranja 11 de junho de 2012 at 10:39

    Vendas de imóveis residenciais novos em SP caem 9,7% em abril
    11 de junho de 2012 • 09h47 • atualizado 10h14

    As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 9,7% em abril na comparação com março, somando 2.007 unidades, informou nesta segunda-feira o sindicato que representa o setor imobiliário na capital paulista, Secovi-SP.

    No acumulado dos quatro primeiros meses de 2012, as vendas exibem alta de 12,5%, em 7.407 unidades, frente ao mesmo período de 2011.

    O resultado do quadrimestre está acima da previsão do Secovi para este ano, de crescimento de 10% nas vendas.

    “Parte do ajuste ocorrido no quarto mês do ano foi reflexo de notícias econômicas, que sinalizam para este ano crescimento próximo ao de 2011, apesar das medidas anticíclicas governamentais, incluindo a redução da taxa básica de juros”, afirmou a entidade, em nota.

    Em termos de Valor Geral de Vendas (VGV), o volume comercializado entre janeiro e abril totalizou R$ 3,6 bilhões, aumento de 6,9% em um ano.

    Em abril, foram lançadas 1.622 unidades em São Paulo, 2,8% mais em relação a março. No acumulado do ano até abril, entretanto, o volume de lançamentos foi 27,6% menor, atingindo 5.257 imóveis.

    Para o fechado de 2012, o Secovi estima queda de 5% nos lançamentos.

    h tt p://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201206111247_RTR_SPE85A025

    0
  • Francisco Quiumento 11 de junho de 2012 at 10:55

    Ações da Gafisa em espasmo pós “jogadinha”. Sardinhas alegres e felizes, mas logo o lago seca.

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:07

      Lago não sabia que eram sapos, pensei que fosse oceano. Sabe que de milhões filhotes de sapos somente alguns sobrevivem 😉

      Ironic Mode On

      0
      • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:53

        Frajola Grande Sapo Boi, e os girinos tentando fazer a metamorfose para tirarem o pé da lama algum dia.

        0
  • self 11 de junho de 2012 at 11:15

    Fato que os preços já estão caindo. Em outro front, quando poderemos ver melhores imóveis lançados (plantas, qualidade da construção etc) e ver acabar a farra dos cubículos?

    0
  • Davi 11 de junho de 2012 at 11:42

    h t t p ://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201206111247_RTR_SPE85A025

    0
  • Socorro!! 11 de junho de 2012 at 11:45

    TA NO IG…..ESTES DADOS PODEM SER LEVADOS A SERIO ?

    Vendas de imóveis novos em São Paulo crescem 12,5%, aponta Secovi
    As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo somaram 7.407 unidades nos primeiros quatro meses do ano
    Agência Estado | 11/06/2012 09:09:38
    Texto:
    As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo somaram 7.407 unidades nos primeiros quatro meses do ano, um crescimento de 12,5% em relação ao mesmo período de 2011, quando foram vendidas 6.584 unidades.

    Por outro lado, o mercado imobiliário teve uma queda no volume de lançamentos de novas moradias. No mesmo período, os lançamentos somaram 5.257 unidades, um recuo de 27,6% ante as 7.262 registradas um ano antes.

    Os dados fazem parte da pesquisa sobre o mercado imobiliário divulgada nesta segunda-feira pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). Para todo o ano de 2012, a entidade espera uma alta de 10% nas vendas e uma baixa de 5% nos lançamentos.

    Em valores monetários, as vendas somaram R$ 3,6 bilhões entre janeiro e abril, um incremento de 6,9% frente os R$ 3,4 bilhões do primeiro quadrimestre de 2011.

    Na comparação mensal, foram vendidas 2.007 unidades em abril, uma redução de 9,7% em relação às 2.223 unidades comercializadas em março. Já o volume de lançamentos atingiu 1.622 unidades, alta de 2,8% ante 1.578 no mês anterior.

    Em abril, os imóveis de dois dormitórios responderam por 52,4% do total das vendas. Em seguida, aparecem os imóveis de três dormitórios (33,2%), quatro (9,3%) e um (5,1%).

    A velocidade das vendas caiu para 10,2% em abril. Isso significa que foram vendidos 102 imóveis a cada 1 mil ofertados no mês, entre lançamentos e estoque. Em março, esse patamar foi de 110 (11,0%) e em abril de 2011, foi de 160 (16,0%).

    Para maio, a previsão do Secovi-SP é de crescimento das vendas, refletindo principalmente o impulso no mercado imobiliário promovido pelo Feirão da Caixa.

    0
    • Anonymous 11 de junho de 2012 at 11:53

      q2 / q1 = 1.125 (unidades vendidas crescem 12.5%)

      (p2 * q2) / (p1 * q1) = 1.069 (faturamento cresce 6.9% )

      Usando algebra elementar, coisa que o SECOVI desconhece, voce conclui que o preço médio CAIU 5%.

      p2 / p1 = 1.069 * q1 / q2 = 0.95 (preço médio CAI 5%)

      0
      • Francisco Quiumento 11 de junho de 2012 at 12:04

        Hehehe… (risada sádica)

        Repito: este contexto todo que se vê no Brasil, e empolgações baratas de jornalismo de matéria paga, é destruível facilmente por canetinha vagabunda, papel de pão e calculadora de camelô.

        Enquanto isso, o garrote da infraestrutura, junto com a forca do foco de investimentos, que se lixam para os desejos ufanistas do governo e de um volume enorme de empresários sem mínima visão, continuam apertando seus laços.

        0
        • RosinhA 11 de junho de 2012 at 12:19

          O Quiumento é muito bom, gosto das combinações escrachadas, mas sempre diretas. 😉

          0
      • Luiz 11 de junho de 2012 at 13:07

        se o preço médio dos novos caiu 5%
        o preço dos usados caiu 10% já agora no 1o semestre de 2012.

        A julgar pelas ofertas atuais, os nuemros do 2o. SEMESTRE vão apontar quedas médias de 10% a 25% com picos de 50%. E olha que processo de estouro da manada nem começou ainda.

        0
    • Sérgio 11 de junho de 2012 at 12:02

      Está aí sua resposta: MENTIRA, reportagem falsa e enganosa, pois, que segundo matéria da Caixa, só no Feirão de Spo foram comercializadas mais de 21 MIL unidades. Quem diz a verdade? Ou melhor: Alguém diz a verdade?

      “”
      21/05/2012 – 08h03
      “Feirão da Caixa” em SP movimenta mais de R$ 2,5 bi em negócios
      Comente

      SÃO PAULO (Reuters) – A oitava edição do “Feirão da Casa Própria” em São Paulo registrou um aumento de 20% no volume de negócios em relação ao ano passado, superando R$ 2,53 bilhões, informou a Caixa Econômica Federal neste domingo (20).

      Segundo a instituição, responsável pelo evento ocorrido entre 18 e 20 de maio, o valor é equivalente a 21.155 contratos assinados nos três dias de feira, que contou com 61.775 visitantes.

      O “feirão”, que também acontece em outras capitais do país e reúne grande volume de imóveis voltados principalmente à população de baixa renda, é visto como um dos mais importantes por construtoras e incorporadoras que priorizam o segmento econômico, como a MRV Engenharia.

      “O resultado deste ano foi um sucesso. Ultrapassamos os R$ 2 bilhões realizados em 2011… isso demonstra que o público está cada vez mais qualificado e que a queda de juros agradou os interessados em adquirir a casa própria”, disse o superintendente regional da Caixa, Paulo José Galli.

      No evento, foram oferecidos 218 mil imóveis na capital, região metropolitana e litoral, sendo 193,5 mil usados e 24,5 mil novos ou na planta. Do total, 15,2 mil unidades se enquadravam no Programa “Minha Casa, Minha Vida”.

      A edição deste ano foi favorecida também pelas recentes rodadas de cortes nas taxas de juros.

      No final de abril, a Caixa reduziu em até 21% os juros no crédito imobiliário pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Imóveis de até R$ 500 mil tiveram as taxas cortadas de 10% para 9% ao ano para todos os clientes do banco.

      Segundo o banco, os juros para financiamento imobiliário variam de 4,5% a 10% ao ano, mais TR, com prazo de pagamento de até 30 anos.

      A Caixa realiza o “feirão” em Uberlândia, Campinas e Porto Alegre de 25 a 27 de maio e em Belém e Florianópolis de 8 a 10 de junho. No total, serão oferecidos mais de 430 mil imóveis.””””

      0
      • Andre da Bolha de Plastico (Para evitar Homonimos) 11 de junho de 2012 at 14:34

        Sergio, mas a noticia diz respeito aos 4 primeiros meses, ou seja somente ate abril – os imoveis do feirão não estão nesse calculo. Eles entrarão no proximo quadrimestre e “alavancarão” ainda mais os percentuais das vendas, por mim, sinceramente quero que se exploda se esta ou não vendendo pois IMOVEL BOLHUDO EU NÃO COMPRO.

        “Quem gasta muito com superfulos podera ter que vender o necessário….”

        0
        • Sérgio 11 de junho de 2012 at 19:37

          É verdade…. como sou burro… he he he.
          Mas não tanto, a ponto de comprar um imóvel… he he he…
          Burro pela metade……

          0
  • CHARLES 11 de junho de 2012 at 11:51

    Eu e minhas grosserias:

    – Acabei de receber uma ligação de um corretor de imoveis, o qual contatei ha + ou – um mes para saber se ainda tinham aptos direto com a construtora num certo empreendimento aqui da cidade.

    Ele me ligava todo dia, até que deu um tempo.

    Hoje me ligou e ja veio com a conversinha de que eu devia me apressar por semana que vem haverá uma valorização bla bla bla.;..

    Interrompi a conversa dizendo: Meu amigo, para continuarmos conversando e para que voce não perca sua credib8lidade junto a mim, voce tem que parar de mentir. Essa estoria de valorização e de que devo me apressar é mentira. Os preços não vão valorizar e sim desabar.

    O cara perdeu o rumo, ficava gaguejando… Ficou todo sem jeito, pediu desculpas e desligou.

    Até que ele é bem educado. Fiquei com dó depois. Mas fazer o que neh? Esse papinho me irrita. Perco a cabeça com essas baboseiras!!!

    0
    • Fernandão Bolhudo 11 de junho de 2012 at 16:07

      Mas o que você fez foi bom. Foi bom para o crescimento profissional do próprio corretor.

      Entre hoje e amanhã ele passará por um período de expiação de seu comportamento e de todas as mentiras e manobras que lançou mão para fraudar a inteligência dos clientes.

      Se ele for uma pessoa inteligente, provavelmente redesenhará toda a sua estratégia de trabalho e passará a negociar com mais cautela, profissionalismo e, acima de tudo, dados verdadeiros.

      Espero que seja esse o caso.

      0
  • FQ 11 de junho de 2012 at 12:25

    Lançamentos residenciais em São Paulo caem 27,6% no quadrimestre

    O número de lançamentos residenciais na cidade de São Paulo mostrou leve recuperação em abril na comparação com março, mas ainda acumula queda de quase 30% no início do ano em relação a 2011.

    Com a alta de 2,8% no mês, o volume de lançamentos subiu para 5.257 unidades no quadrimestre, número 27,6% inferior ao registrado em igual período do ano passado.

    Os dados constam de levantamento da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio) divulgado pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) nesta segunda-feira.

    As vendas nos quatro primeiros meses do ano tiveram um aumento de 12,5% em relação a 2011, com 7.407 unidades comercializadas no período. Em valores, o avanço foi de 6,9%, para um total de R$ 3,6 bilhões.

    Com menos lançamentos e alta nas vendas, a oferta de imóveis novos na capital paulista recuou 10,6% desde dezembro. O estoque ao final de maio contava 17.632 unidades.

    htt p ://ww w1. folha.uol.com.br/mercado/1102873-lancamentos-residenciais-em-sao-paulo-caem-276-no-quadrimestre.shtml

    0
  • Leonardo 11 de junho de 2012 at 12:45

    Alguma notícia relevante em relação à Gafisa? Estranhíssima essa subida de mais de 10% nas ações dela hoje, já tá em R$ 2,73

    0
  • Vinícius 11 de junho de 2012 at 12:50

    SÃO PAULO – As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 9,7% em abril na comparação com março, somando 2.007 unidades, informou nesta segunda-feira o sindicato que representa o setor imobiliário na capital paulista, Secovi-SP. A entidade não informou o dado referente a abril do ano passado.

    No acumulado dos quatro primeiros meses de 2012, as vendas exibem alta de 12,5%, em 7.407 unidades, frente ao mesmo período de 2011. O resultado do quadrimestre está acima da previsão do Secovi para este ano, de crescimento de 10% nas vendas.

    “Parte do ajuste ocorrido no quarto mês do ano foi reflexo de notícias econômicas, que sinalizam para este ano crescimento próximo ao de 2011, apesar das medidas anticíclicas governamentais, incluindo a redução da taxa básica de juros”, afirmou a instituição, em nota.

    Em termos de Valor Geral de Vendas (VGV), o volume comercializado entre janeiro e abril totalizou R$ 3,6 bilhões, um aumento de 6,9% em um ano. Em abril, foram lançadas 1.622 unidades em São Paulo, 2,8% mais em relação a março. No acumulado do ano até abril, entretanto, o volume de lançamentos foi 27,6% menor, atingindo 5.257 imóveis. Para o fechado de 2012, o Secovi estima uma queda de 5% nos lançamentos.

    0
  • Vinícius 11 de junho de 2012 at 12:55

    11/06/2012 – 09h22
    Lançamentos residenciais em São Paulo caem 27,6% no quadrimestre
    Publicidade
    DE SÃO PAULO

    O número de lançamentos residenciais na cidade de São Paulo mostrou leve recuperação em abril na comparação com março, mas ainda acumula queda de quase 30% no início do ano em relação a 2011.

    Com a alta de 2,8% no mês, o volume de lançamentos subiu para 5.257 unidades no quadrimestre, número 27,6% inferior ao registrado em igual período do ano passado.

    Os dados constam de levantamento da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio) divulgado pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) nesta segunda-feira.

    As vendas nos quatro primeiros meses do ano tiveram um aumento de 12,5% em relação a 2011, com 7.407 unidades comercializadas no período. Em valores, o avanço foi de 6,9%, para um total de R$ 3,6 bilhões.

    Com menos lançamentos e alta nas vendas, a oferta de imóveis novos na capital paulista recuou 10,6% desde dezembro. O estoque ao final de maio contava 17.632 unidades.

    0
  • Avoador 11 de junho de 2012 at 13:02

    off topico mas bem condizente.

    Sáb 09/06/12 – 11h – Pesquisa do governo (em maio) indica que a queda de preços dos veículos novos foi de apenas 0,49%

    A redução de IPI para os carros zero quilômetro forçou a queda nos preços dos usados. Mas, segundo economistas, é preciso fazer as contas para saber quando vale a pena comprar um seminovo. Pesquisa feita pelo governo em maio mostra que a queda de preços entre os veículos novos foi de 0,49%. Já dos usados, 1,40%. Na prática, os modelos mais velhos estão custando até 15% menos. O economista Francisco Barone fez as contas pra dizer quando vale a pena comprar um usado. Segundo Barone, o carro seminovo com até dois anos de uso tem que sair ente 20% e 30% mais barato. “As agências, as concessionárias querem desovar os seus usados. Até porque se elas vendem os novos é porque aceitam os usados em troca. Então é uma boa oportunidade pra fazer negócios”, revela o economista.

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 17:52

      Legal o zero fica 0,49% mais barato, o seu usado perdeu 30% e quem ganhou foi ……… As concessionárias !!!!! Viva o brasileiro esperto que sabe fazer contas !!!!!!!

      0
  • Avoador 11 de junho de 2012 at 13:03

    Off Topico mas bem condizente:

    Sáb 09/06/12 – 11h – Pesquisa do governo (em maio) indica que a queda de preços dos veículos novos foi de apenas 0,49%

    A redução de IPI para os carros zero quilômetro forçou a queda nos preços dos usados. Mas, segundo economistas, é preciso fazer as contas para saber quando vale a pena comprar um seminovo. Pesquisa feita pelo governo em maio mostra que a queda de preços entre os veículos novos foi de 0,49%. Já dos usados, 1,40%. Na prática, os modelos mais velhos estão custando até 15% menos. O economista Francisco Barone fez as contas pra dizer quando vale a pena comprar um usado. Segundo Barone, o carro seminovo com até dois anos de uso tem que sair ente 20% e 30% mais barato. “As agências, as concessionárias querem desovar os seus usados. Até porque se elas vendem os novos é porque aceitam os usados em troca. Então é uma boa oportunidade pra fazer negócios”, revela o economista.

    0
  • Leonardo 11 de junho de 2012 at 13:08

    Mais um aspecto empolgantedo “cozinha way of life”:

    Nome composto em inglês vira febre em prédios de São Paulo
    DE SÃO PAULO

    Nomear edifícios com palavras estrangeiras, numa proliferação de “gardens”, “maisons”, “châteaux” “parks”, “places” virou febre e ganha cada vez mais força no mercado imobiliário. Levantamento da Folha feito mostra que aproximadamente oito em cada dez novos empreendimentos de grandes construtoras têm nomes em outros idiomas, a maioria deles em inglês.

    A informação é de reportagem de Giba Bergamim Jr. publicada na edição deste domingo da Folha (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Nos últimos anos, a novidade são os nomes compostos em inglês, estratégias calculadas de marketing para atrair compradores.

    “Com a consolidação da forma de construir através de incorporadoras, o apelo comercial se tornou mais forte, com o nome sendo usado para agregar valores de referência ou de sofisticação”, explica José Eduardo de Assis Lefèvre, professor da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP).

    0
    • Leonardo 11 de junho de 2012 at 13:17

      COXINHA

      0
      • RosinhA 11 de junho de 2012 at 17:49

        hahahaha Leonardo foi um dos meus primeiros post:

        Mansão dos Nobres — Apartamento de 50 m2

        Morada dos Clássicos — Apartamento com janela na cozinha

        Luzes Parisienses — Varanda Gourmet para comida francesa, muita pouca quantidade por sinal.

        Status ou você tem ou se endivida 35 anos para adquirir.

        0
        • RosinhA 11 de junho de 2012 at 17:50

          muita pouca é dose hein analfa !!!!

          0
          • Charles 11 de junho de 2012 at 23:22

            Muita Pouca
            Cagou e sentou em cima

            0
  • chapolin 11 de junho de 2012 at 13:09

    Encontrei no meu anti-spam. Não veio com a indicação da cidade.

    Achei sensacional o título: “É sério. Não é piada” Hahaha.

    —– Mensagem encaminhada —–
    De: xxx xxxx – Corretor
    Para: XXXX
    Enviadas: Terça-feira, 5 de Junho de 2012 14:01
    Assunto: É SÉRIO. NÃO É PIADA – NÃO É SORTEIO AGORA VOCE COMPRA UM SOBRADO E GANHA 2 CHAVES. UMA CHAVE DO SOBRADO E, OUTRA DE UM CLIO 0KM NA GARAGEM

    É SÉRIO.

    NÃO É PIADA – NÃO É SORTEIO

    AGORA VOCE COMPRA UM SOBRADO E GANHA 2 CHAVES.

    UMA CHAVE DO SOBRADO E,

    OUTRA DE UM CLIO 0KM NA GARAGEM

    OBRA EM ANDAMENTO. ENTREGA PREVISTA PARA JANEIRO DE 2013.

    TUDO ISSO COM APENAS R$ 4.390,00 DE ENTRADA.

    POUCAS UNIDADES. FAÇA JÁ SEU CADASTRO E GARANTA UMA RESERVA.

    Contate: xxxxx – Creci xxxx – Fone xxxx xxxx
    xxxxx – Creci xxxx – Fone xxx xxxx

    0
  • Carlos Eduardo 11 de junho de 2012 at 13:11

    Número de pedidos de falência para maio é o maior em três anos, diz Serasa

    O mês de maio registrou 203 pedidos de falência, segundo revelou nesta segunda-feira (11) o indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações. É o maior resultado para o mês desde maio de 2009, quando foram efetuados 255 requerimentos. Na época, a economia global sofria os efeitos da crise econômica internacional.

    Em maio de 2011, por sua vez, foram realizados 168 pedidos de falência; e em abril último, 165. Dos 203 requerimentos de falência em maio, 105 foram de micro e pequenas empresas, 67 de médias e 31 de grandes.

    Segundo divulgou a Serasa em nota, “o baixo crescimento econômico, as incertezas globais e o impacto gradual das medidas de estímulo ao consumo estão ampliando as pressões sobre a cobrança de débitos empresariais, gerando maior volume de falências requeridas”.

    As recuperações judiciais requeridas também evoluíram no mês (82), sendo o maior número para o mês de maio desde a edição da nova Lei de Falências, há sete anos.

    Ainda de acordo com o Serasa, “este avanço revela que há empresas em dificuldades no país e que somente com a retomada do crescimento econômico, esperada para o segundo semestre, essa situação deve ser revertida.”

    fonte:
    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/numero-de-pedidos-de-falencia-para-maio-e-o-maior-em-tres-anos-diz-serasa.jhtm

    0
  • chapolin 11 de junho de 2012 at 13:32

    Não fala da situação atual, mas bem cabe no contexto que atravessamos agora.

    **************

    Finanças do casal: consultor sugere adiar compra do imóvel e mulher como ‘gerente’

    “http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/casais-erram-ao-comprar-imovel-muito-cedo-diz-consultor-financeiro.jhtm”

    Compra de imóvel traz duas desvantagens

    O consultor financeiro aconselha que os casais pensem muito antes de entrar numa dívida de longo prazo, como a compra de um imóvel. Ainda que o aluguel seja visto como ruim por parte grande parte dos casais, Cerbasi diz que ele pode ser o caminho mais seguro, especialmente quando os dois são jovens.

    Ele cita duas consequências negativas quando o casal assume a compra de um imóvel muito cedo. Uma é a limitação geográfica que a compra dessa casa ou apartamento traz. “Você acaba condicionando suas escolhas profissionais a um certo limite geográfico, a uma cidade ou até um país, porque, afinal, está comprometido com uma moradia pelos próximos 20 anos.”

    A outra desvantagem para um casal que compra um imóvel ainda jovem é o próprio aperto financeiro que essa decisão pode acarretar. Quem assume um financiamento como esse fica mais receoso em mudar de emprego e pode deixar de aceitar uma boa proposta pelo medo de ficar sem renda.

    “As pessoas que não têm dívidas, que têm imóvel alugado, têm mais flexibilidade para se ajustar ao contexto e vão ousar mais nas experiências da carreira, provavelmente tendo mais oportunidades de incremento na renda do que aqueles que ficam com o orçamento engessado ainda muito precocemente”, afirma.

    Isso não significa, diz ele, deixar para comprar a casa própria apenas quando os dois já estiverem idosos. “Não quero dizer que isso deve acontecer aos 75 anos, mas talvez cinco ou dez anos depois da idade média que as pessoas compram uma moradia, que hoje é em torno dos 30 anos de idade. De 35 a 40 anos de idade, a pessoa já tem uma condição bem melhor de renda ou de carreira para fazer uma escolha mais definitiva.”

    0
  • xangai 11 de junho de 2012 at 14:08

    uma pena que nao mencionam se tem construtoras(zinhas) no meio…anyway ::

    11/06/2012 – 08h38
    Número de pedidos de falência para maio é o maior em três anos, diz Serasa

    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/numero-de-pedidos-de-falencia-para-maio-e-o-maior-em-tres-anos-diz-serasa.jhtm

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 17:45

      É Xangai depois vem me criticar, quando digo que o mercado parou, e quem tem emprego que se agarre a ele, dias piores virão.

      0
  • xangai 11 de junho de 2012 at 14:09

    uma pena que nao mencionam se tem construtoras(zinhas) no meio…anyway ::

    11/06/2012 – 08h38
    Número de pedidos de falência para maio é o maior em três anos, diz Serasa

    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/numero-de-pedidos-de-falencia-para-maio-e-o-maior-em-tres-anos-diz-serasa.jhtm

    0
  • Sir Income 11 de junho de 2012 at 14:10

    Com renda de classe média, trabalhador diz que só faz ‘o básico’
    Classe média tem renda per capita entre R$ 291 e R$ 1.019, diz governo.
    Especialistas afirmam que muitas vezes estatística não reflete realidade.

    g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2012/06/com-renda-de-classe-media-trabalhador-diz-que-so-faz-o-basico.html

    0
    • Johnny Real State 11 de junho de 2012 at 14:21

      Maio tem maior número de falência em três anos…

      “http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/numero-de-pedidos-de-falencia-para-maio-e-o-maior-em-tres-anos-diz-serasa.jhtm”

      0
  • Loren 11 de junho de 2012 at 14:32

    Esse mercado é tão confuso que já nem consigo mais avaliar se essa notícia é boa ou ruim…. Parece que falam demais por não ter nada a dizer…

    As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 9,7% em abril na comparação com março, somando 2.007 unidades, informou nesta segunda-feira o sindicato que representa o setor imobiliário na capital paulista, Secovi-SP.
    No acumulado dos quatro primeiros meses de 2012, as vendas exibem alta de 12,5%, em 7.407 unidades, frente ao mesmo período de 2011.
    O resultado do quadrimestre está acima da previsão do Secovi para este ano, de crescimento de 10% nas vendas.
    “Parte do ajuste ocorrido no quarto mês do ano foi reflexo de notícias econômicas, que sinalizam para este ano crescimento próximo ao de 2011, apesar das medidas anticíclicas governamentais, incluindo a redução da taxa básica de juros”, afirmou a entidade, em nota.
    Em termos de Valor Geral de Vendas (VGV), o volume comercializado entre janeiro e abril totalizou R$ 3,6 bilhões, aumento de 6,9% em um ano.
    Em abril, foram lançadas 1.622 unidades em São Paulo, 2,8% mais em relação a março. No acumulado do ano até abril, entretanto, o volume de lançamentos foi 27,6% menor, atingindo 5.257 imóveis.
    Para o fechado de 2012, o Secovi estima queda de 5% nos lançamentos.

    0
  • Carlos Eduardo 11 de junho de 2012 at 14:32

    Galera tá rolando uma petição para cassação da deputada Cidinha Campos do Rio de Janeiro!

    quem achar viável por favor assine e replique a informação

    Explicação
    http://www.youtube.com/watch?v=K44hYh1kOZE

    Cassação da deputada Cidinha Campos
    http://www.avaaz.org/po/petition/Cassacao_da_Deputada_do_Rio_de_Janeiro_Cidinha_Campos/

    0
  • Carioca cauteloso 11 de junho de 2012 at 15:06

    Notícia novinha da imprensa, com total isenção… De novo crescimento e valorização. Só o povo não vê… Esse Secovi-sp é f…

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/06/venda-de-imoveis-residenciais-novos-em-sp-cresce-125-no-quadrimestre.html

    0
    • Sergio Figueiredo 11 de junho de 2012 at 18:44

      Eu já sabia que o jornalismo das Organizações Globo funciona com diversas redações que são praticamente independentes entre si. Inclusive, parece que as diversas redações são estimuladas a competir entre si.

      Falo isso, pois é interessante notar que a editoria do “Jornal O Globo” deu uma manchete oposta sobre este mesmo fato.

      http://oglobo.globo.com/imoveis/vendas-de-imoveis-residenciais-novos-em-sp-caem-97-em-abril-5167588

      A diferença é que a redação do G1 deu foco nos resultados do Quadrimestre e a redação do O Globo deu foco no mês de Abril. É a mágica do jornalismo econômico onde é possível apresentar um mesmo fato da maneira que mais interessar a redação que estiver divulgando-o.

      0
  • Francisco Quiumento 11 de junho de 2012 at 15:20

    “Momentos InfoMoney”

    1) OGXP3 continua comportamento de baixa a R$ 9,89 / -2,47%

    2) Resgate de 100 bilhões não impede agravamento da crise na Espanha

    3) Pesquisa no site aponta 34% dos votantes (incluindo euzinho) com crescimento do PIB para 2012 abaixo de 2% e 32% par entre 2 e 2,5%.

    E segue o show com o circo com goteiras diversas e incêndio no carrinho do pipoqueiro.

    0
  • Ana 11 de junho de 2012 at 15:24

    Estou postando de novo porque talvez tenha passado despercebido. Vale a pena a leitura. A análise corrobora muito do que já foi dito aqui.

    Essa aqui merece tópico. Saiu hoje no Estado de Minas. Parece até que foi escrita por um leitor do Blog!

    ” Fragilidade da economia brasileira vem à tona com a crise

    Especialistas veem inconsistências no crescimento econômico brasileiro e defendem urgência de um projeto de longo prazo

    Sílvio Ribas – Estado de Minas
    Publicação: 11/06/2012 07:14 Atualização:
    O megainvestidor Warren Buffett, terceiro homem mais rico do mundo, sabe como poucos o segredo da multiplicação do dinheiro. Não à toa, suas declarações ganham dimensões extraordinárias, por mais irrelevantes que sejam. Pois veio dele uma frase que traduz de forma simples e clara o Brasil de hoje: “Quando a maré baixa é que descobrimos quem estava nadando nu”. Até o fim de 2010, o país, mesmo com todas as suas deficiências, tirou proveito do maior ciclo de crescimento global em três décadas. Mas bastou o planeta botar o pé do freio e afundar em uma recessão que pode durar anos para que a economia brasileira revelasse a sua face real. Sem transformações estruturais de longo prazo, agarrada ao imediatismo, mantém o pé na mediocridade que a condena a crescer aquém do seu potencial e de suas necessidades.

    Endividamento das famílias pode prejudicar os planos do governo

    O resultado desse quadro desolador se reflete nas estimativas do mercado e do próprio governo, que insiste no discurso de que o país já recuperou as forças e está pronto para avançar entre 4% e 5% ao ano. Diante do que se vê na indústria e no varejo, e mesmo no setor agrícola, se o Produto Interno Bruto (PIB) crescer entre 2% e 2,5% neste ano, a presidente Dilma Rousseff terá que se dar por satisfeita. Apesar de sua fama de boa gestora, não conseguiu tirar do papel as reformas que atacariam os velhos entraves ao desenvolvimento sustentado. Limitações na infraestrutura de transportes, pesados custos de produção e enorme burocracia para os negócios vão produzir o segundo PIB raquítico de sua administração. Pior: mesmo com toda a pressão do setor privado por ações concretas pró-crescimento, é possível que os próximos dois anos consolidem o chamado “voo de galinha”.

    Para analistas ouvidos pela reportagem, essa urgência está ficando cada vez mais evidente, com o esfriamento das economias mundial e, sobretudo, a desaceleração da locomotiva chinesa, principal parceiro comercial do país. As medidas anunciadas semana passada pelo Planalto para tirar a economia da estagnação, novamente baseadas na oferta de crédito e que se juntam ao esforço pelo corte de juros bancários e à desoneração de setores industriais considerados estratégicos, foram alvo de críticas. Muitos enxergam na expansão de 0,2% do PIB no primeiro trimestre do ano em relação ao último de 2011 a confirmação do esgotamento de um modelo que deu certo aqui na crise global de 2008 e 2009.

    MUDANÇA “A esta altura já está claro para todos que o governo não considera mais o tripé formado por meta de inflação, superavit primário e câmbio flutuante como essencial ao crescimento”, avalia Sérgio Vale, consultor da MB Associados. Segundo ele, sem contar com ventos favoráveis do mercado global, restará ao país retomar a agenda reformista, como privatizações e reduções permanentes de custos, para investir e produzir mais e melhor, esperando colher frutos menos imediatistas.

    Especialistas sustentam que o primeiro trimestre foi o pouso do declínio do PIB iniciado no fim de 2010. A economia deve ter reagido em maio, novamente graças ao consumo empurrado por estímulos oficiais. Para crescer mais, talvez seja preciso conter gastos de custeio e acelerar investimentos. A economia que cresceu 7,5% em 2010, virou “pibinho” de 2,7% no ano passado, percentual que poderá ficar igual ou pior nos 12 meses terminados em dezembro próximo. A previsão do Banco Central (BC) para o PIB de 2012 caiu para 2,72%, na quarta redução seguida, bem longe dos 4,5% garantidos inicialmente pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

    Dívidas devem frear o consumo

    “O consumo não consegue sustentar a economia por muito tempo. Precisamos incentivar a competitividade e as exportações de manufaturados”, afirma o economista Renato Fonseca, gerente-executivo de pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Mais do que afrouxamento fiscal em favor da demanda doméstica, o setor produtivo torce por programas de desoneração vinculados a estratégias empresariais.

    José Luís Oreiro, professor da Universidade de Brasília (UnB), concorda com a tese e aponta o endividamento das famílias como o mais forte sinal de que a política econômica exige correções de rumo. Com 25% da renda comprometida com juros e prestações de dívidas, é relativo o espaço para o brasileiro a ampliar capacidade de consumir, mesmo com estímulos fiscais e monetários. Para se ter ideia, nos Estados Unidos, incluindo automóveis e hipotecas, o comprometimento da renda livre está em 16%.

    “O modelo de crescimento baseado mais no consumo que no crescimento está fazendo água. A desindustrialização acelerada dos últimos seis anos também tirou capacidade de colaboração do setor produtivo mais dinâmico da economia”, acrescenta. “O leque de medidas anunciado para estimular a economia pode até ser correto. O problema é que as soluções encontradas não estão devidamente amparadas por um plano de desenvolvimento de longo prazo”, observa Victor Leonardo de Araújo, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

    Na sua opinião, a exemplo de outros períodos da história econômica do país, o foco ideal deveria ser a promoção de cadeias produtivas e a elevação do investimento, e não só dos gastos públicos. “O ideal é dobrar a taxa de investimento público dos atuais 2,5% do PIB, enquanto se busca vencer gargalos de competição externa, como câmbio e infraestrutura. Essa seria uma forma de reduzir a fragilidade das contas externas do país, com exportações concentradas em produtos básicos.(SR)

    Resgate na Espanha
    O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, disse ontem que seu país evitou um resgate completo de sua dívida soberana devido a medidas adotadas para cortar o déficit público e a reformas econômicas empreendidas. No sábado, a Zona do Euro fechou acordo de empréstimo de 100 bilhões de euros para os bancos espanhóis. “Se não tivéssemos feito o que fizemos nesses cinco meses, o que se teria cogitado seria a intervenção na Espanha”, disse Rajoy. Sete antigos bancos de poupança do país, que já receberam ajuda do governo, serão os primeiros a usar os recursos. Os bancos espanhóis concederam grandes volumes de empréstimos a empresas do setor imobiliário durante o boom de prosperidade que acabou em 2008, deixando credores com empréstimos podres em construtoras e complexos de edifícios de apartamentos inacabados. “

    0
    • Ze Bom Dirolo 11 de junho de 2012 at 17:12

      Eu só discordo dos 25% de comprometimento.
      Levando em consideração uma pequena amostragem de 10 pessoas de classe média e baixa, cheguei a conclusão de 40 %.

      0
  • xyz 11 de junho de 2012 at 16:08

    OFF TOPPIC.
    OFF TOPPIC?????? Acho que não.

    ttp://www1.folha.uol.com.br/poder/1101771-subsidio-do-tesouro-para-bndes-atinge-r-28-bi-em-tres-anos.shtml

    Pelo que entendi, 28 bilhões é só o custo (diferença de juros que o tesouro capta em relação ao juros que o BNDES empresta), pois só em 2010 o tesouro repassou mais de 100 bi ao BNDES.

    Esse é sem dúvida o maior saque à nação da história.

    0
    • anamirandabh 11 de junho de 2012 at 16:47

      Sem dúvida alguma. É mais que o Bolsa Família, que atende a milhões de pessoas

      0
      • xyz 11 de junho de 2012 at 19:30

        O bolsa família é o programa mais nefasto da história, pois (1) não há o menor esforço do governo em atingir os mais miseráveis, e (2) está “acostumando” o povo a viver de esmola, E ISSO VAI CUSTAR MUITO, MUITO, MUITO CARO, pois quando a onda da commodities esfriar, o país precisaria aumentar a produtividade, mas como aumentar a produtividade se o povo foi acostumado com a esmola?

        Não há nada mais digno que tirar o sustento do suor do trabalho, mas o governo tenta provar o contrário, ensinando o povo a se orgulhar de um “cadastro” em uma das dezenas de “bolsas” ou de um benefício fraudado do INSS.

        0
        • Leonardo 12 de junho de 2012 at 01:55

          Esse argumento é ridículo. Tem noção real do nível de vida da galera do Bolsa Família? Do nível de escolaridade, do quanto eles foram negligenciados pelos governos durante décadas, do quanto eles conseguiam trabalhando?

          Quem não tá conseguindo mão de obra com bolsa família é dono de carvoaria ou coletor de caranguejo em mangue, que pagava R$ 0,50 por dia pro sujeito trabalhar pra ele 12 horas por dia.

          Bolsa família é o menor dos problemas. Pelo menos liberta essa galera miserável de uma situação degradante. Problema é esse monte de ajuda aos bancos, às montadoras e às construtoras sempre que eles tem o menor problema. Isso vem desde a década de 90, segue até hoje, os caras continuam sendo desonestos com os juros e preços e não precisam dar nenhuma contrapartida, porque “geram emprego”. Se TODO esse dinheiro tivesse ido de fato pra população mais pobre nesse período, não teríamos mais miséria no Brasil, e ainda teríamos uma educação e uma saúde aceitáveis. É coisa de muitas vezes o Bolsa Família.

          0
          • xyz 12 de junho de 2012 at 08:31

            Respeito sua posição, mas acho totalmente equivocada.
            Dono de carvoaria não consegue mão-de-obra escrava simplesmente porque o mercado de trabalho está muito aquecido, até porque como disse, não há o menor esforço do governo em atingir os mais miseráveis.

            Quando eu vejo (vá nas favelas e tembém verá) adolescentes engravidando para terem acesso ao bolsa família, tenho plena convicção que isso não vai acabar bem.

            0
            • xyz 12 de junho de 2012 at 08:42

              Em tempo: não sou de forma alguma contra programas de distribuição de esmola, mas isso que está aí hoje é uma aberração.

              0
          • Stark 12 de junho de 2012 at 09:41

            Leonardo,

            Concordo. Quanto ao que o XYZ disse: “Dono de carvoaria não consegue mão-de-obra escrava simplesmente porque o mercado de trabalho está muito aquecido” não é bem verdade. O mercado está aquecido em regiões que de maneira geral não incluem as que vc encontra minas, plantações de cana e coisas que o valha. O que o governo fez foi criar uma “competição” artificial onde não existia antes. Dessa maneira criando um salário mínimo que os latifundiários, donos de carvoaria e tal se veem obrigados a exceder se quiser que alguém trabalhe nas condições inumanas que eles costumam oferecer aos seus trablhadores. O fato de discordarmos de determinados governos não pode nos tornar avessos a tudo que eles fazem. Assim como não podemos ser a favor de tudo o que os governos que apoiamos fazem.

            0
  • Mateus 11 de junho de 2012 at 17:34

    Professor Samy Dana sendo citado em jornal de grande circulação, gratuito, é verdade, mas que atinge, grandes massas. Pagina 9
    A noticia não realça muito, mas ja esta valendo.

    http://www.readmetro.com/en/brazil/metrobh/

    0
  • JohnnyRJ 11 de junho de 2012 at 18:43

    Segundo Miguel Jacó, amanhã é o grande dia.

    0
    • Zoom 11 de junho de 2012 at 22:53

      Profeta Miguel Jacó, estamos junto e misturados.

      0
      • Bolha Imobiliária 11 de junho de 2012 at 22:56

        Agora me lembrei. A profecia bate exatamente com o meu ultimo dia de férias. Mas lembrem, que a profecia foi editada por ele mesmo, depois do aumento de 30 para 35 anos do tempo do financiamento. Antes que algum lunático ache que acreditamos em videntes, vamos explicar que se trata apenas de uma lenda do blog…

        0
        • Cleyton 11 de junho de 2012 at 23:01

          Ih, o Bolha foi capturado por Agentes da Matrix!!!

          Só lembrando que a data foi adiada.

          0
  • Mineiro BH 11 de junho de 2012 at 18:45

    Vejam o que o Paul Krugman escreveu sobre a China hoje:

    http://blogs.estadao.com.br/paul-krugman/2012/06/11/repressao-financeira-ao-estilo-chines/

    0
  • Cleyton 11 de junho de 2012 at 19:40

    Agora sim tô puto! A bolha me pegou de jeito!

    O restaurante que eu costumava almoçar (e que não era barato) mudou porque o olhudo do dono pediu 12k no aluguel! Dá pra acreditar?

    Agora por causa desse bosta não tenho mais onde comer, fdp!

    0
  • Sérgio 11 de junho de 2012 at 19:52

    Os picos de alta que a gafisa obteve nos últimos dias foram em função “da aplicação intracardiaca de adrenalina”: ela já tinha “morrido”, mas a reviveram.
    Esqueceram-se, porém, que ela é doente terminal; ou, por outro lado, fizeram isso de propósito, para dar tempo de ela “fazer o testamento”.
    Mais um ponto pro Miguel Jacó. Do próximo TOMBO a gafisa não mais se levantará e, quiçá, trará a “toalha de mesa” (da festa) consigo, jogando as sobras, os ossos e os caroços para cima dos comensáis!
    Me deu até fome, agora… he he he

    0
  • Joka 11 de junho de 2012 at 20:08

    veja a mais recente decisão do STJ:

    04. Responsabilidade. Incorporação imobiliária.

    Construção. O incorporador, como impulsionador do empreendimento imobiliário em condomínio, atrai para si a responsabilidade pelos danos que possam advir da inexecução ou da má execução do contrato de
    incorporação, abarcando-se os danos resultantes deconstrução defeituosa (art. 31, §§ 2º e 3º, da Lei n.4.591/1964).
    Ainda que o incorporador não seja oexecutor direto da construção do empreendimento imobiliário, mas contrate construtor, permanece responsável juntamente com ele pela solidez e segurança da edificação (art. 618 do CC). In casu, trata-se de obrigação de garantia assumida solidariamente com o construtor. Por conseguinte, o incorporador é o principal garantidor do empreendimento no seu todo,solidariamente responsável com outros envolvidos nasdiversas etapas da incorporação. Essa solidariedade decorre da natureza da relação jurídica estabelecida
    entre o incorporador e o adquirente de unidades autônomas e também de previsão legal, não podendo ser presumida (art. 942, caput, do CC; art. 25, § 1º, do CDC e arts. 31 e 43 da Lei n. 4.591/1964). Conclui-se, assim, que
    o incorporador e o construtor são solidariamenteresponsáveis por eventuais vícios e defeitos de construção surgidos no empreendimento imobiliário,
    sendo que o incorporador responde mesmo que não tenha assumido diretamente a execução da obra.

    0
  • Elias 11 de junho de 2012 at 20:18

    Essa matéria quase passou despercebida…

    Moody’s vê queda de qualidade de crédito corporativo no Brasil
    Autor(es): Por Aline Lima | De São Paulo
    Valor Econômico – 11/06/2012

    A tendência de desvalorização do real e do preço das commodities vai enfraquecer a qualidade de crédito das empresas brasileiras, segundo avaliação da agência de classificação de risco Moody”s. Além de fabricantes de papel e celulose e companhias aéreas, algumas construtoras residenciais também devem sofrer um aumento de pressão. “Isso ocorrerá porque o setor enfrenta estouros de orçamentos e desafios logísticos para processar um número muito elevado de unidades sendo entregues, além do aumento dos custos de materiais”, afirma em nota Filippe Goosses, vice-presidente sênior da área de crédito corporativo. “É improvável que o setor tenha fluxo de caixa positivo até o fim de 2012, ou mesmo no começo de 2013”, completa.

    (…)

    Se até a Moodys está vendo, só cego pra não ver.

    0
  • Elias 11 de junho de 2012 at 20:21

    Matéria quase passou despercebida… vejam o que fala sobre construtoras residenciais.

    Moody’s vê queda de qualidade de crédito corporativo no Brasil
    Autor(es): Por Aline Lima | De São Paulo
    Valor Econômico – 11/06/2012

    A tendência de desvalorização do real e do preço das commodities vai enfraquecer a qualidade de crédito das empresas brasileiras, segundo avaliação da agência de classificação de risco Moody”s. Além de fabricantes de papel e celulose e companhias aéreas, algumas construtoras residenciais também devem sofrer um aumento de pressão. “Isso ocorrerá porque o setor enfrenta estouros de orçamentos e desafios logísticos para processar um número muito elevado de unidades sendo entregues, além do aumento dos custos de materiais”, afirma em nota Filippe Goosses, vice-presidente sênior da área de crédito corporativo. “É improvável que o setor tenha fluxo de caixa positivo até o fim de 2012, ou mesmo no começo de 2013”, completa.

    (…)

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 22:10

      Estouro de orçamentos? não sabem o valor do que constroem?

      Desafio Logístico? será que levam o cimento das sedes para o local da construção?

      Número elevado de unidades entregues? e o valor que já contavam como recebido?

      Aumento no preço dos materiais? Se não demorassem tanto para construir, não dava tempo para a subida dos preços.

      É improvável que tenham fluxo 2012/2013, caramba ainda bem que não comprei nada na planta, eles são amadores que tem ações na bolsa.

      0
  • Joka 11 de junho de 2012 at 20:57

    Bolha,
    Veja a mais recente decisão do STJ:

    04. Responsabilidade. Incorporação imobiliária. Construção.
    O incorporador, como impulsionador do empreendimento imobiliário em condomínio, atrai para si
    a responsabilidade pelos danos que possam advir da inexecução ou da má execução do contrato de incorporação, abarcando-se os danos resultantes de construção defeituosa (art. 31, §§ 2º e 3º, da Lei n.4.591/1964).
    Ainda que o incorporador não seja o executor direto da construção do empreendimento imobiliário, mas contrate construtor, permanece responsável juntamente com ele pela solidez e segurança da edificação (art. 618 do CC). In casu, trata-se de obrigação de garantia assumida solidariamente com o construtor. Por conseguinte, o incorporador é o principal garantidor do empreendimento no seu todo, solidariamente responsável com outros envolvidos nas diversas etapas da incorporação. Essa solidariedade decorre da natureza da relação jurídica estabelecida entre o incorporador e o adquirente de unidadesautônomas e também de previsão legal, não podendo ser presumida (art. 942, caput, do CC; art. 25, § 1º, do CDC earts. 31 e 43 da Lei n. 4.591/1964).
    Conclui-se, assim, que o incorporador e o construtor são solidariamente responsáveis por eventuais vícios e defeitos de
    construção surgidos no empreendimento imobiliário, sendo que o incorporador responde mesmo que não tenha assumido diretamente a execução da obra.

    0
  • joka 11 de junho de 2012 at 21:01

    Bolha,
    Veja a mais recente decisão do STJ sobre incorporadoras:

    04. Responsabilidade. Incorporação imobiliária. Construção.
    O incorporador, como impulsionador do empreendimento imobiliário em condomínio, atrai para si
    a responsabilidade pelos danos que possam advir da inexecução ou da má execução do contrato de incorporação, abarcando-se os danos resultantes de
    construção defeituosa (art. 31, §§ 2º e 3º, da Lei n.4.591/1964).
    Ainda que o incorporador não seja o executor direto da construção do empreendimento imobiliário, mas contrate construtor, permanece responsável juntamente com ele pela solidez e segurança da edificação (art. 618 do CC). In casu, trata-se de obrigação de garantia assumida solidariamente com o construtor. Por conseguinte, o incorporador é o principal garantidor do empreendimento no seu todo, solidariamente responsável com outros envolvidos nas diversas etapas da incorporação. Essa solidariedade decorre da natureza da relação jurídica estabelecida entre o incorporador e o adquirente de unidadesautônomas e também de previsão legal, não podendo ser presumida (art. 942, caput, do CC; art. 25, § 1º, do CDC earts. 31 e 43 da Lei n. 4.591/1964).
    Conclui-se, assim, que o incorporador e o construtor são solidariamente responsáveis por eventuais vícios e defeitos de
    construção surgidos no empreendimento imobiliário, sendo que o incorporador responde mesmo que não tenha assumido diretamente a execução da obra.

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 22:01

      Joka agora imagine os dois (Sócios) dando garantias de 5 anos total sobre essa lixaiada que está sendo construída, acho que não vai sobrar pedra sobre pedra, terá que ter um juizado especial somente para julgamentos de Lixos Bolhudos com Varandas Gourmet, e mesmo assim vai demorar pelo menos 20 anos o julgamento, pois estará lotado.

      0
  • Anonymous 11 de junho de 2012 at 21:06

    DA SÉRIE “OS BANCOS BANANENSES SÃO RIGOROSOS COM CRÉDITO”

    Fraude em crédito faz Banco do Nordeste afastar executivo

    “http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/banco-do-nordeste-confirma-fraudes-e-afasta-suspeito-de-beneficiar-cunhados.jhtm”

    A instituição financeira é voltada ao desenvolvimento regional do Nordeste e tem 90% de seu capital sob o controle do Governo Federal.

    O valor total das operações de crédito irregulares ultrapassaria R$ 100 milhões. O Banco do Nordeste confirmou a existência das fraudes, mas não citou valores.

    0
    • xyz 12 de junho de 2012 at 09:13

      Esse é apenas mais um escândalo, entre vários, envolvendo este banco, que o FHC quase conseguiu privatizar, mas infelizmente não conseguiu.

      Combater a corrupção é diminuir a máquina estatal (não significa enfraquecer o Estado).

      0
  • Raul 11 de junho de 2012 at 21:40

    PIADA DO DIA.
    ACABEI DE RECEBER NO MEU EMAIL E REPASSO

    Boa tarde!

    Clientes e amigos,

    amanhã, terça-feira, 12.06.12, o último evento Terça Perfeita no Stand do Perfectt Life Style.

    Coquetel com risoto de camarão, vinhos e canapés…

    Últimos dias para conhecer o decorado perfeito do Noroeste

    Amanhã, a partir das 18 horas, no stand do Perfectt Life Style, no Boulevard Shopping!

    Segue em anexo, convite

    Att.

    0
  • Troll 11 de junho de 2012 at 21:41

    Povo fazendo minha alegria:

    h t t p : / / g 1.globo.com/economia/noticia/2012/06/percentual-de-cheques-sem-fundos-e-o-maior-desde-2009-diz-scpc.html

    0
    • RosinhA 11 de junho de 2012 at 21:51

      Troll to sentindo na pele isso, semana retrasada foram 32 cheques 31 motivos 11 e um com problema de assinatura, hoje o maridão veio com presente de 25 cheques motivo 11, não deixo ordem de reapresentação pois alguns são de clientes nossos, e eles renegociam datas quase não perdemos nada, mas cheques de terceiros aí a porquinha ta torcendo o toucinho nem o rabo mais, pois os donos desses cheques, começo a perceber que estão começando a passar dificuldades, pois tem que me pagar à vista senão sem conversa para novas compras, o ciclo vicioso está abrangendo cada vez mais e com maiores valores, quem não ficar esperto vai rodar mesmo.

      0
  • veigalex 11 de junho de 2012 at 22:13

    Sou mais oitentista.. a minha banda de cabeceira é o velho e bom The Cure.. alguém ai gosta?
    New order? Smiths? Bauhaus?

    O bom e velho Plastic na penha!

    Abraço!

    PS: Em busca de um AP não bolhudo…

    0
    • Patricia Engª 12 de junho de 2012 at 08:23

      Hai Veigalex, gosto dessas e de outras muito boas como Siouxsie and the Banshees, Sistes of Mercy, Echo and the Bunnymen, The Mission…

      Saudade da época do Madame Satã, e da época que comprei meu apertamento na Bela Vista pelo mesmo valor de um Polo zero….rs

      0
      • Nasrú 12 de junho de 2012 at 15:00

        Caráaaaaaca,
        cheio de gótico nessa parada! Época de Madame Satã rulez! hehehehehe

        0
        • veigalex 12 de junho de 2012 at 23:12

          Opa… Gotico na veia.. mas sem lapis no olho e outros palhaçadas…
          A musica dos anos 80 é a muito boa…

          Ótimas bandas..

          0
  • F. Paes 11 de junho de 2012 at 23:24

    Não sei se alguém citou, mas assisti essa reportagem hj no Bom Dia Brasil. Para os que foram ao delírio com o comentário do jornalista da Band falando de bolha, prestem atenção no comentário da Renata Vasconcellos aos 2:54′.

    http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/06/comecam-valer-novas-regras-da-caixa-para-financiamento-de-imoveis.html

    0
  • Bruno 11 de junho de 2012 at 23:31

    Meia hora pro dia D hein! 8)
    Ainda tem uns 5% de mim que quer acreditar que algo vai acontecer amanhã =P

    0
  • Fernandão Bolhudo 12 de junho de 2012 at 01:13
  • xangai 12 de junho de 2012 at 08:46

    11/06/2012 – 06h00
    UOL — Finanças do casal: consultor sugere adiar compra do imóvel …

    well..well..welllll..
    no caso da folha … da ate para imaginar que eles desistiram de “mandar comprar” e estao indo para “mandar alugar” …

    de qq forma … sao as contas e estrategias obvias que o pessoal do blog reconhece.

    ahhh… a parte da mulher ser gerente financeira do casal … concordo desde que sejam as meninas que fazem parte do blog !!!

    =========================================================
    11/06/2012 – 06h00
    Finanças do casal: consultor sugere adiar compra do imóvel e mulher como ‘gerente’
    ” economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/06/11/casais-erram-ao-comprar-imovel-muito-cedo-diz-consultor-financeiro.jhtm ”

    Compra de imóvel traz duas desvantagens
    O consultor financeiro aconselha que os casais pensem muito antes de entrar numa dívida de longo prazo, como a compra de um imóvel. Ainda que o aluguel seja visto como ruim por parte grande parte dos casais, Cerbasi diz que ele pode ser o caminho mais seguro, especialmente quando os dois são jovens.
    =======================================================

    0
  • RAFAEL 12 de junho de 2012 at 09:09

    Me digam,qual é a lógica de anunciarem um ap por um preço, ficar mais de 1 ano para vender e subirem 20% do valor, mas que m### é essa?

    0
    • Socorro!! 12 de junho de 2012 at 09:58

      ..tambem tendo entender isto..mas nao consigo..coisa de Brasil..

      0
    • Stark 12 de junho de 2012 at 10:59

      Entender até entendo, se tem cabimento aí é outra história. Vejo duas razões pra fazerem isso:
      1- Eles estão recebendo propostas com desconto de 20% em média. Então aumentam mais ou menos nessa proporção pra simular um aceite eventual. Dessa maneira o novo proprietário fica feliz acreditando ter feito uma barganha e o vendedor feliz por ter conseguido o preço que queria. Como os anúncios do ZAP não colocam a data original do anúncio, o comprador perde o poder de barganhar baseado no tempo que o AP tá parado.
      2- Acreditam que o fato de não estarem tendo oferta é pq estão numa faixa de preço abaixo de onde os potenciais interessados (o público alvo suposto) procuram. Quando vc faz uma busca o primeiro filtro costuma ser o do valor. Então se o cara coloca no filtro entre 400 e 500, o de 390 não aparece. Se o vendedor acredita que o público alvo dele é o que busca entre 400 e 500 então ele mete 450 lá e depois aceita a barganha que vier.

      P.S.: Estou tentando explicar a insanidade.
      P.S.2: A melhor forma de notarmos a bolha é o deslocamento de preço de “venda” e o do aluguel. Para aluguel valer a pena do ponto de vista de um investidor ele teria que ser no mínimo 0.6% do valor do imóvel. Caso contrário até a poupança é melhor. Agora, veja o rio de janeiro onde existe uma profusão de aps de mais de 1 milhão e veja se algum deles o cara consegue um alguel de 6000. Por experiência própria isso não acontece nem no mais louco sonho.

      0
      • RAFAEL 12 de junho de 2012 at 11:23

        Bem obsrevado, o STF liberou o aborto de fetos anencéfalos, porém vemos que alguns sobreviveram e estão vendendo imóveis….

        E pior, outros comprando.

        0
  • Socorro!! 12 de junho de 2012 at 09:15

    O INICIO DO FIM….

    Lagarde afirma que é preciso salvar o euro em menos de 3 meses

    A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, afirmou em entrevista concedida à cadeia “CNN” que é preciso salvar o euro “em menos de três meses”.

    Segundo a “CNN”, a afirmação de Lagarde é uma resposta ao prognóstico do investidor multimilionário George Soros de que a Europa tem três meses para salvar a moeda única. “A construção da zona do euro levou tempo, e é uma tarefa que está em construção neste momento”, explica Lagarde.

    A diretora-gerente não quis, por outro lado, tentar prever se a Grécia sairá da zona do euro – será uma questão de determinação política, afirmou -, mas desculpou-se por suas recentes declarações sobre a evasão fiscal nesse país.

    “Também acredito que o cumprimento das obrigações fiscais é um instrumento necessário para reinstaurar a situação de qualquer país, entre eles a Grécia”, acrescentou

    0
  • Ploc 12 de junho de 2012 at 09:46

    É impressionante o ser humano. Presenciei varios casos no qual a pessoa vende um imóvel por preço bolhudo e na hora de comprar outro diz que o mercado está muito caro e que o preço vai ter que cair pois assim não dá.
    Esse pessoal tá bebendo o que?
    PLOC

    0
    • Zoom 12 de junho de 2012 at 11:12

      PLOC, tentamos vender pelo melhor preço e depois na hora da compra pelo preço mais baixo. Isso é o mercado.
      E quando o camarada fala que o dele é melhor e vale mais.

      0
  • Davi 12 de junho de 2012 at 09:54

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/colunas/valdocruz/1103149-o-risco-do-risco.shtml

    12/06/2012 – 07h03
    O risco do risco

    O fraco desempenho da economia brasileira em 2012 só fez aumentar, dentro do governo, o coro dos que defendem uma redução do superávit primário para elevar os gastos federais e, com isso, dar novo fôlego ao país. A tese parece defensável. O Brasil precisa elevar seus investimentos para recuperar o tempo perdido. Só que a proposta pode se virar o risco do risco.

    Explico: o superávit primário é aquela economia que o governo faz para pagar juros de sua dívida. Faz parte da política fiscal austera do governo Dilma para auxiliar o Banco Central em sua estratégia de seguir reduzindo as taxas de juros, até que fiquem num patamar de país civilizado.

    Reduzir essa economia do governo federal pode colocar em risco essa política do Banco Central, articulada com a presidente Dilma, na montagem do que foi chamado de novo mix da política econômica.

    Só que o risco do risco dessa estratégia é essa grana extra, que seria liberada com a redução do superávit primário, acabar indo para gastos de custeio e não para investimentos. Seu efeito seria reduzido, podendo até dar um empurrãozinho na economia agora, mas não resolveria os problemas do país.

    E esse é um risco elevado. Afinal, não está faltando, neste momento, dinheiro para investimento. Está faltando é capacidade gerencial para investir esses recursos, principalmente nos ministérios dos Transportes e das Cidades -onde há sobra de dinheiro em caixa, sem comprometer as metas do ajuste fiscal.

    Daí que o governo pode até liberar mais grana para os ministérios, mas eles não teriam condições de aplicá-la, ainda neste ano, em investimentos, podendo desviá-la para outras áreas.

    É por isso que tanto a presidente Dilma como o ministro Guido Mantega (Fazenda) não estão aceitando discutir, neste momento, a ideia de reduzir o superávit primário, atualmente de 3,1% do PIB (Produto Interno Bruto). Dilma e Mantega têm dito aos demais ministros que, primeiro, o governo tem de gastar o que está disponível em caixa. Depois, então, seria até possível tratar do assunto.

    O fato é que, por mais que o governo se movimente, o país tende a crescer na casa dos 2,5% neste ano. Acima disso, praticamente impossível. Abaixo, infelizmente, possível. Esse é o maior temor da presidente Dilma. Que está fazendo novas sessões de reuniões com sua equipe para articular medidas destinadas a reanimar a fraca economia brasileira neste ano.

    Tudo indica que até a próxima semana um novo pacotinho estará sendo lançado. Medidas visando destravar os investimentos públicos. O que não dá para entender, por outro lado, é como algumas ações ficam engavetadas, sendo liberadas apenas quando bate um sentimento de urgência no ar.

    É o caso da concessão ao setor privado dos aeroportos de Confins (MG), Galeão (RJ) e Salvador (BA). Só agora, quando o IBGE divulgou o fraquíssimo crescimento do primeiro trimestre, é que o Palácio do Planalto deu o sinal verde para a privatização destes aeroportos. Que estavam na fila, mas ainda dependiam do aval palaciano. Ou seja, está faltando rapidez na hora de o governo tomar algumas decisões

    0
  • J W Cavallaro 12 de junho de 2012 at 10:03

    BRASILEIROS, PREPAREM-SE PARA O EFEITO ORLOFF

    Obtive ontem esta reportagem em ingles da Reuters: AMERICANOS SOFRERAM DECLINIO RECORD EM RIQUEZA DURANTE A ATUAL RECESSAO
    (Americans Suffered Record Decline In Wealth During Recession: Report – Reuters | Posted: 06/11/2012 2:02 pm Updated: 06/11/2012 3:04 pm – Link: http://www.huffingtonpost.com/2012/06/11/americans-suffered-record_n_1587387.html)

    Extraindo da mesma reportagem:

    “O valor da riqueza liquida da familia americana, que e’ a soma dos patrimonios menos a somas das dividas, caiu de $126.4 trilhoes de dolares em 2007 para $77.3 trilhoes em 2010…” e na mesma reportagem: “Muito embora declinios em valores de acoes ou negocios foram fatores importantes para algumas familias, A DIMINUICAO DA RIQUEZA LIQUIDA DA FAMILIA AMERICANA PARECE TER SIDO CAUSADA MUITO MAIS FORTEMENTE POR UM GRANDE COLAPSO NO PRECO DOS IMOVEIS.”

    Essa perda significa praticamente perder praticamente 40% da riqueza familiar!!! Ou seja: ASFAMILIAS AMERICANAS PERDERAM PRATICAMENTE 40 % DE SUA RIQUEZA

    PORQUE MEU TITULO ACIMA, “O EFEITO ORLOFF”?

    Quem aqui nao se lembra dos famosos comerciais da Vodka Orloff dos anos 80? (logico que os mais jovens nao irao se lembrar!). Esses comerciais ficaram famosos pela frase :”Eu? Eu sou voce, amanha!!!” e acabou sendo utilizado para se cunhar o termo “efeito Orloff”.

    Link: http://www.youtube.com/watch?v=038jv7crrUU

    O efeito Orloff no comercial da vodka e’ positivo, mas fazendo-se uso de sadismo, basta inverter os papeis, da’ para fazer uma comparacao.

    Imagino agora a classe media brasileira perguntando a classe media americana:

    – — Quem e’ voce?
    – – Eu? Eu sou voce, amanha!!!

    ———————————————————–

    0
  • Francisco Quiumento 12 de junho de 2012 at 10:03

    Enquanto isso, no terreno das pequenas variáveis que apontam muito do que há de cupim debaixo do polido verniz..

    REUTERS: PIB – Mercado reduz estimativa de avanço do PIB para 2,53%

    Número de pedidos de falência para maio é o maior em 3 anos, diz Serasa.

    Percentual de cheques sem fundos é o maior desde 2009, diz SCPC.

    Na Band News FM, de hora em hora, entrevista sobre endividamento relacionado especialmente a financiamento de automóveis.

    E o palhaço aqui, inúmeras vezes chamado de histérico, comendo sua pipoca, num banquinho, assistindo o festivo circo pegar fogo.

    0
  • Francisco Quiumento 12 de junho de 2012 at 10:19

    Recibido por mim hoje :

    Stephen Kanitz ; Juros Sobem 43% e Ninguém Noticia?

    No mês de maio, os juros estabelecidos pelo Banco Central do Brasil aumentaram em 43% e ninguém noticiou.

    Estão fazendo ainda matérias sobre a queda dos juros. Inacreditável!

    Saber que os juros subiram 43% é muito importante para todos tomarem decisões corretas quanto aos planos de investimentos e aplicações financeiras.

    Flutuações, para cima de 43% ou para baixo, são preocupantes porque mudam rapidamente o cenário econômico financeiro e geram instabilidade. O gráfico acima mostra a maluquice da nossa política monetária nominalista.

    Um mês atrás, os juros oferecidos pelo Banco Central, depois do IR, era de 1,6%. (8,5% – 20% IR – 5,1% de inflação projetada)

    Hoje está em 2,3%. Um aumento de 43% na taxa de juros em menos de um mês.

    O que ocorreu foi a queda da estimativa da inflação de 5,1% para 4,5%, e a manutenção do “juro nominal” neste período.

    Este é o problema do Nominalismo Econômico, nunca se sabe ao certo qual é o juro de um país.

    Esta maluquice toda decorre do fato de que no Brasil estabelecemos o preço do dinheiro em termos nominais, e não em termos reais.

    Usamos um sistema de coordenadas nominais e não reais.

    A ciência econômica ainda não descobriu o que os contadores descobriram 500 anos atrás, a diferença entre regime de caixa e regime de competência.

    “Juro” nominal é de fato o que entra (ou sai) do caixa, mas isto não significa que seja o “custo” do dinheiro.

    Realistas usam o regime de competência, o que exclui a inflação que não é custo. É uma receita, mostra quanto sua dívida será mais fácil de ser paga no futuro.

    0
    • Seu Madruga 12 de junho de 2012 at 11:35

      Não entendi nada! A nossa estimada líder, Presidenta Kim Jon Dilma, não ordenou que os juros abaixassem, para a glória eterna do Bananistão?

      0
  • J W Cavallaro 12 de junho de 2012 at 10:36

    BRASILEIROS, PREPAREM-SE PARA O EFEITO ORLOFF

    Obtive ontem esta reportagem em ingles da Reuters: AMERICANOS SOFRERAM DECLINIO RECORD EM RIQUEZA DURANTE A ATUAL RECESSAO
    (Americans Suffered Record Decline In Wealth During Recession: Report – Reuters | Posted: 06/11/2012 2:02 pm Updated: 06/11/2012 3:04 pm – Link:http://www.huffingtonpost.com/2012/06/11/americans-suffered-record_n_1587387.html)

    Extraindo da mesma reportagem:

    “O valor da riqueza liquida da familia americana, que e’ a soma dos patrimonios menos a somas das dividas, caiu de $126.4 trilhoes de dolares em 2007 para $77.3 trilhoes em 2010…” e na mesma reportagem: “Muito embora declinios em valores de acoes ou negocios foram fatores importantes para algumas familias, A DIMINUICAO DA RIQUEZA LIQUIDA DA FAMILIA AMERICANA PARECE TER SIDO CAUSADA MUITO MAIS FORTEMENTE POR UM GRANDE COLAPSO NO PRECO DOS IMOVEIS.”

    Essa perda significa praticamente perder praticamente 40% da riqueza familiar!!! Ou seja: ASFAMILIAS AMERICANAS PERDERAM PRATICAMENTE 40 % DE SUA RIQUEZA

    PORQUE MEU TITULO ACIMA, “O EFEITO ORLOFF”?

    Quem aqui nao se lembra dos famosos comerciais da Vodka Orloff dos anos 80? (logico que os mais jovens nao irao se lembrar!). Esses comerciais ficaram famosos pela frase :”Eu? Eu sou voce, amanha!!!” e acabou sendo utilizado para se cunhar o termo “efeito Orloff”.

    Link: youtube.com/watch?v=038jv7crrUU

    O efeito Orloff no comercial da vodka e’ positivo, mas fazendo-se uso de sadismo, basta inverter os papeis, da’ para fazer uma comparacao.

    Imagino agora a classe media brasileira perguntando a classe media americana:
    – — Quem e’ voce?
    – – Eu? Eu sou voce, amanha!!!

    ———————————————————–

    0
  • casal20 12 de junho de 2012 at 10:51

    idéia p/ o pessoal (se é que alguém já não fez)

    cada vez que recebermos um e mail de alguma construtora(recebo uma média de 5 por dia) , respondemos simplesmente c/ http://www.bolhaimobiliaria.com

    acabei de responder um p/ a Gafisa, vamos ver

    0
  • Marcelo Arruda 12 de junho de 2012 at 11:05

    Pessoal, desculpem o que vou falar. Respeito o gosto de todos e não tenho nada contra. Porém, acompanho e participo do blog, com informações sobre bolha imobiliaria.
    Ultimamente o blog tem muitas pessoas, ja está dificil de acompanhar a quantidade de matérias, e se fugir do foco, não vamos mais ter paciência de entrar no site e acompanha-lo.
    Desculpem o desabafo, e não quero discutir, só gostaria que o blog tivesse o foco que sempre teve na minha época de 1 ano atras.

    Obrigado e desculpe a sinceridade!

    0
    • Riodetudo 12 de junho de 2012 at 11:12

      Penso o mesmo. Confesso que desanimei de continuar acompanhando esta semana….

      0
  • Zoom 12 de junho de 2012 at 11:08

    Gafe(saaa) no red….

    0
    • Eskeleto 12 de junho de 2012 at 11:29

      Será que acabou o happy hour para eles?

      0
      • Zoom 12 de junho de 2012 at 12:14

        O mercado está com um pé atrás com ela, mesmo com a divulgação da emição de ações e compra da alfaphaville.

        0
  • Francisco Quiumento 12 de junho de 2012 at 11:11

    Até titia Miriam “Salve seu Porquinho, Arrebente seu Porquinho” mostra que a coisa está muito mais feia que pintam determinados nossos “desgovernantes”:

    Como anda a situação da Grécia, da Espanha e da Itália

    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2012/06/12/como-anda-situacao-da-grecia-da-espanha-da-italia-450057.asp

    0
  • Luiz 12 de junho de 2012 at 11:38

    HAPPY JACO’S DAY colegas

    quem esperou esse ano (faço aniversario no blog) vai pagar uns 20% mais barato, vai pagar juros menores, vai poder escolher melhor e de quebra escapou de comprar um ape que pode nunca ser entregue.

    0
  • J W Cavallaro 12 de junho de 2012 at 12:01

    Quem aqui nao se lembra dos famosos comerciais da Vodka Orloff dos anos 80? (logico que os mais jovens nao irao se lembrar!). Esses comerciais ficaram famosos pela frase :”Eu? Eu sou voce, amanha!!!” e acabou sendo utilizado para se cunhar o termo “efeito Orloff”.

    procure no you tube: “eu sou voce amanha vodka orloff

    O efeito Orloff no comercial da vodka e’ positivo, mas fazendo-se uso de sadismo, basta inverter os papeis, da’ para fazer uma comparacao com a nossa bolha.

    Entao, imagino agora a classe media brasileira perguntando a classe media americana:

    – – Quem e’ voce?
    – – Eu? Eu sou voce, amanha!!!
    ————————————————

    Extraido de uma reportagem em ingles, Reuters, de ontem:

    “O valor da riqueza liquida da familia americana, que e’ a soma dos patrimonios menos a somas das dividas, caiu de $126.4 trilhoes de dolares em 2007 para $77.3 trilhoes em 2010…” e na mesma reportagem: “Muito embora declinios em valores de acoes ou negocios foram fatores importantes para algumas familias, A DIMINUICAO DA RIQUEZA LIQUIDA DA FAMILIA AMERICANA PARECE TER SIDO CAUSADA MUITO MAIS FORTEMENTE POR UM GRANDE COLAPSO NO PRECO DOS IMOVEIS.”

    Essa perda significa praticamente perder 40% da riqueza familiar!!! Ou seja: ASFAMILIAS AMERICANAS PERDERAM PRATICAMENTE 40 % DE SUA RIQUEZA!

    Efeito Orloff!

    ———————-
    Noticia: (Americans Suffered Record Decline In Wealth During Recession: Report – Reuters | Posted: 06/11/2012 2:02 pm Updated: 06/11/2012 3:04 pm)

    0
  • Elias 12 de junho de 2012 at 21:18

    Sugestão de post:

    Venda de imóveis novos cai 13,4% em abril
    Autor(es): MÁRCIA DE CHIARA
    O Estado de S. Paulo – 12/06/2012

    h ttp://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/6/12/venda-de-imoveis-novos-cai-13-4-em-abril

    0
  • Lion 20 de junho de 2012 at 11:52

    Gente, olhem o que acabou de sair no site do Itaú sobre o mercado imobiliário:

    “Mercado imobiliário
     
            Após o forte crescimento verificado nos últimos anos, o setor imobiliário residencial passa por ajustes. O foco do setor este ano vem sendo a redução de estoque e a geração de caixa. Consequentemente, os preços de imóveis este ano também devem subir menos do que em anos anteriores, acompanhando apenas a alta dos custos (ainda pressionados pela mão de obra).
     
            A velocidade das vendas é boa (não ótima), alinhada com 2011. Em geral, as vendas são focadas mais no estoque existente do que em novos lançamentos, cujo volume deve ser igual ou inferior ao do ano passado.  Um sinal da acomodação dos novos projetos vem dos segmentos fornecedores do setor, que reportam redução adicional no ritmo dos pedidos entre abril e junho (depois de um primeiro trimestre já mais fraco do que em 2011).
     
            Os financiamentos imobiliários residenciais seguem em ritmo menor do que vinha sendo registrado até o ano passado. A recente extensão do prazo de financiamento para 35 anos pela Caixa Econômica Federal é um fator propulsor, além de reduções nas taxas de financiamento anunciadas pelas instituições financeiras. Mas ainda não se traduziram em aceleração das concessões. A inadimplência no setor é baixa e está sob controle.
     
            O mercado de construção comercial, por sua vez, permanece aquecido. Além da demanda por escritórios, o setor hoteleiro deve crescer 25% em 2012 com relação a 2011, cerca de 80 resorts estão sendo planejados e há procura por instalações industriais. Para os shoppings centers também existe espaço para avançar no Brasil, embora o movimento nos últimos lançamentos tenha sido, em média, um pouco abaixo do esperado.”
     
     O texto me deixou reflexiva, fico pensando… Será que na iminência de uma crise no setor imobiliário o banco seria franco com os clientes, divulgando a projeção verdadeira? O que ele ganharia e/ou perderia com isso? Será que nós aqui do bolha estamos criando uma “bolha” de expectativas com relação aos preços?

    Enfim, está matéria foi divulgada na sexta-feira (15/06), será que eles contavam com esta notícia aqui, publicada hoje no valor econômico?

    “Mercado imobiliário
     
            Após o forte crescimento verificado nos últimos anos, o setor imobiliário residencial passa por ajustes. O foco do setor este ano vem sendo a redução de estoque e a geração de caixa. Consequentemente, os preços de imóveis este ano também devem subir menos do que em anos anteriores, acompanhando apenas a alta dos custos (ainda pressionados pela mão de obra).
     
            A velocidade das vendas é boa (não ótima), alinhada com 2011. Em geral, as vendas são focadas mais no estoque existente do que em novos lançamentos, cujo volume deve ser igual ou inferior ao do ano passado.  Um sinal da acomodação dos novos projetos vem dos segmentos fornecedores do setor, que reportam redução adicional no ritmo dos pedidos entre abril e junho (depois de um primeiro trimestre já mais fraco do que em 2011).
     
            Os financiamentos imobiliários residenciais seguem em ritmo menor do que vinha sendo registrado até o ano passado. A recente extensão do prazo de financiamento para 35 anos pela Caixa Econômica Federal é um fator propulsor, além de reduções nas taxas de financiamento anunciadas pelas instituições financeiras. Mas ainda não se traduziram em aceleração das concessões. A inadimplência no setor é baixa e está sob controle.
     
            O mercado de construção comercial, por sua vez, permanece aquecido. Além da demanda por escritórios, o setor hoteleiro deve crescer 25% em 2012 com relação a 2011, cerca de 80 resorts estão sendo planejados e há procura por instalações industriais. Para os shoppings centers também existe espaço para avançar no Brasil, embora o movimento nos últimos lançamentos tenha sido, em média, um pouco abaixo do esperado.”
     
     O que acham? Espero pra comprar um imóvel por um preço justo ou já começo a procurar um teto sob alguma ponte aqui de SP?

    0