Relatos dos leitores sobre o Feirão da Caixa em SP

Você pode gostar...

Comments
  • self 23 de maio de 2012 at 14:22

    Pelo visto, feirante (desses de feira, mesmo) trata o cliente muito melhor que corretor de feirão de imóveis. Lamentável. Mas só vejo essa postura mudar após o real estouro da bolha, quando os corretores vão ter, aí sim, que trabalhar de verdade e cativar o cliente.

    0
    • TG Brasil 23 de maio de 2012 at 17:54

      Faz algum tempo que procuro comprar um imovel, se não me falha a memória no inicio de 2010 iniciei as buscas, entretanto, meio assustado com os valores, dai que encontrei o bolha imobiliaria, desde este tempo leio o bolha, mas geralmente não comento. rs

      Também fui no Feirão da caixa aqui em Sp, no Centro de Exposições Imigrantes, mas na boa, achei que os caras estavam meio loucos lá!

      Estou procurando alguma coisa em São Bernardo do Campo, pode ser usado e tals… em uma das imobiliaria que consutei, tinha um apartamento no Irajá, 2 dorm, sala, cozinha, vaga de garagem…. Valor: 145.000,00 (valor que estava naquelas folhas de sulfite penduradas na parede) Já fiquei meio ressabiado com o valor, pois já tinha visto alguns mais em conta do Zapt… mas fui conversar com o corretor… me apresentou o ap, conversa vai conversa vem…. ele me disse que não era mais esse o valor do apartemento, que a secretaria tinha impresso errado, o valor agora era 160.000,00! (loucura!)
      Olhei de relance outro, centro de SBC 3 dorm. etc… 160.000,00, disse que era melhor comprar o de 3 dorm. então! o cara consulta o micro.. e a resposta? Esse tbm tah errado, o valor é 220.000,00!

      O interessante, é que podem consultar o zapt que se encontra apartamentos mais em baratos nessa região, isso pq esse site é bolhudo! Mas em função do feirão, os caras querem meter a faca…. ou seja, seria melhor que não tivesse feirão coisa nenhuma…

      Ainda bem que conheço o bolha… rs

      0
      • self 23 de maio de 2012 at 18:29

        Tendo o conhecimento do mercado (nem que seja atraves do Zep), eu ofereceria ao descorretor, na lambuja, 120K pelo apto de 145K que “na verdade” é de 160K, e ofereceria 130K pelo apto de 160K que “na verdade” é de 220K. Nem que seja somente para ver a reação do coitado homem trabalhador.

        0
      • ray 23 de maio de 2012 at 22:34

        no rio foi a mesma coisa…

        0
  • RAL 23 de maio de 2012 at 14:24

    Para quem quer comprar imóvel e tiver um pouco de curiosidade veja como esta as ações da Gafisa neste momento
    23/05/2012 as 14:24 :

    0
    • Rodigo 25 de maio de 2012 at 10:05

      Você já consultou o ranking de atraso em obras? A Gafisa é a líder em atrasos… consultar as ações só se for pra ter a certeza de que eles vão abrir falência. rs

      0
  • Engenheiro-SJC 23 de maio de 2012 at 14:25

    Este fds ocorrerá também um Feirão por aqui, em SJC.

    h t tp://www.ovale.com.br/nossa-regi-o/caixa-oferece-10-mil-imoveis-em-megafeir-o-em-s-o-jose-1.258472

    0
    • Engenheiro-SJC 23 de maio de 2012 at 14:35

      O que me chamou a atenção nesta matéria foi:

      “…
      A principal novidade neste ano é que a Caixa avaliará o crédito dos consumidores no local, podendo aprovar a carta de crédito durante o feirão. A opção vai agilizar a compra do imóvel.
      …”

      Não querem que o cara fique pensando muito para fechar a compra…rs.

      0
  • Sérgio 23 de maio de 2012 at 14:27

    Não era para ficar impressionado, mas estou!
    Acreditei, que nessa altura no campeonato, todo e qualquer possível cliente fosse ser tratado com o último da face da Terra. Ledo engano.

    0
    • LEOTEX 23 de maio de 2012 at 15:21

      Isso é técnica de vendas… O importante para o vendedor é dar a impressão de que não está pedindo, mas oferecendo.

      0
      • Rico 23 de maio de 2012 at 15:38

        Sim sim. Já vendi carros (meu primeiro emprego com 17 anos) e umas das táticas usadas é não fazer o consumidor pensar.

        Quanto mais rápido fechar negócio melhor.

        Já peguei a manha, quando vou comprar carro faço todos os cálculos, agradeço, falo que não estou podendo e espero o vendedor ligar. Se não ligar, é porque não vai negociar. Nunca procure um vendedor. Na pior das hipóteses, ele é preguiçoso.

        0
    • RosinhA 23 de maio de 2012 at 17:47

      Sérgio aguarde e verás……….

      0
  • Rafael 23 de maio de 2012 at 14:28

    E é isso mesmo o que pensam, acham que estão lhe fazendo um favor…

    São arrogantes e negam qualquer informação de bolha, inflam os preços e acham que está tudo bem, e o que tem haver a redução dos juros com o valor do empreendimento??

    Tenho a sensação que estão tentando passar a idéia de que imóvel é status

    Se todo mundo desse valor ao seu dinheiro essa palhaçada acabaria rapidinho.

    0
    • Revoltado 23 de maio de 2012 at 21:38

      Mas eles são status.
      Assim como carros, iphones, etc.

      0
  • Sir Income 23 de maio de 2012 at 14:29

    Os institucionais recusaram taxa de 6% aa + IPCA. Ninguém quer fazer negócio com o Tesouro Nacional, mas está 300%!

    Acho que tem algo muito grande que não sabemos o que é…

    Tesouro não vende lote de NTN-B

    22 de maio de 2012 – O Tesouro Nacional realizou nesta terça-feira, por meio do Banco Central (BC), leilão de Notas do Tesouro Nacional da série B (NTN-B).

    O lote de 1 milhão de NTN-Bs não foi aceito.

    As NTNs-B vendidas teriam vencimento em agosto de 2016, agosto de 2018 e agosto de 2022.

    O leilão seria quitado amanhã.

    Leia Mais: www .ultimoinstante.com.br/economia/renda-fixa/72002-Tesouro-vende-lote-NTN-.html#ixzz1veQaIDio

    www .tesouro.fazenda.gov.br/divida_publica/leiloes/downloads/resultados/Resultado.pdf

    www .tesouro.fazenda.gov.br/divida_publica/leiloes/downloads/Portarias/2012/ntnb/NTN-B_VENDA_2012.05.22.pdf

    0
    • Carlos_ 23 de maio de 2012 at 14:56

      taxa de 6% aa + IPCA???

      Pô, mas essa taxa está excelente. Sai no barato mais de 11% por ano.

      0
      • Sir Income 23 de maio de 2012 at 15:10

        O mais intrigante é que o leilão era somente para institucionais e eles não toparam. Talvez o mrk pudesse escrever a respeito.

        0
        • FRK 23 de maio de 2012 at 20:12

          Nao seria um “troco” pela questão dos juros?

          abs

          frk

          0
      • self 23 de maio de 2012 at 15:14

        Eu comprava tudo.

        0
        • Sir Income 23 de maio de 2012 at 15:29

          Para nós, pessoa física, só taxinha abaixo de 4,5%.

          0
      • Cleyton 23 de maio de 2012 at 16:42

        Apenas 11 bancos podem operar no primário:

        http://www.tesouro.fazenda.gov.br/hp/downloads/dealers/Dealers_Primarios_1Sem09.pdf

        Para os demais é como o Sir Income disse, 4,5%.

        Percebam que (não por acaso) o Banco Central não está nesta lista.

        0
      • Cleyton 23 de maio de 2012 at 16:43

        Apenas 11 bancos podem operar no primário:

        “http://www.tesouro.fazenda.gov.br/hp/downloads/dealers/Dealers_Primarios_1Sem09.pdf

        Para os demais é como o Sir Income disse, 4,5%.

        Percebam que (não por acaso) o Banco Central não está nesta lista.

        0
        • rodriguesmacedo 23 de maio de 2012 at 17:22

          A questão é que estes onze “dealers” podem fazer pressão para que o governo suba mais ainda a rentabilidade dos títulos. Ou vocês acham que o Tesouro Direto (para pessoa física) tem participação significativa na dívida pública?

          0
    • Anonymous 23 de maio de 2012 at 16:28

      Só um louco, daqueles que queimam dinheiro, acreditaria em título Bananense para 2016 ou, mais incrível ainda, 2022.

      … As NTNs-B vendidas teriam vencimento em agosto de 2016, agosto de 2018 e agosto de 2022 …

      0
      • outro 23 de maio de 2012 at 17:21

        e quem comprou em 94? era louco? mais de 2000%
        Titulos do tesouro devem ter sido o melhor negócio de renda fixa da Terra nesse período. No minimo, o melhor em risco-retorno

        0
        • Anonymous 23 de maio de 2012 at 17:55

          Em 1994, a Banânia tinha a maior taxa de juros do mundo e isso continuou válido até poucas semanas atrás. O RISCO poderia compensar. Agora, os companheiros querem baixar os juros na canetada, mas esquecem que deveriam também baixar o RISCO. Do contrário, é isso que estamos vendo – os prazos para aaceitar os títulos bananenses vão ficar, de agora em diante, cada vez mais curtos.

          0
          • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 18:17

            Mais curtos até que nível?

            (pergunta retórica)

            Em breve (entenda-se prazo de poucos anos) volta de aplicações a caminho do overnight.

            O governo simplesmente NÃO PODE parar de tomar dinheiro, pois a fonte da maior parte da inflação brasileira é seu claro, cristalino deficit.

            Se resolver trazer pra prazos mais curtos, tem de compensar rendimento baixo (e risco alto) com liquidez, ou “recuperabilidade”, sem quarentena.

            Coloquei hoje, posso tirar mês que vem, com “juros de tanto”.

            0
            • xangai 23 de maio de 2012 at 18:20

              falando em deficit::
              23/05/2012 – 15h11
              Dívida pública federal alcança R$ 1,88 trilhão
              “http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2012/05/23/divida-publica-federal-alcanca-r-188-trilhao.jhtm”

              O PIB continua pouco acima de R$ 2 tri … certo ?!?

              aiaiaiiiii

              0
              • RosinhA 23 de maio de 2012 at 18:27

                Xangai escuto uma música distante vindo do mar no Dilmanic.

                0
              • Charles 23 de maio de 2012 at 21:15

                Se nao me engano nosso PIB é de 3,6 tri.

                0
                • xangai 23 de maio de 2012 at 21:21

                  ta certo !! pouco acima de US$ 2 tri ( dolares ) ..

                  0
            • Anonymous 23 de maio de 2012 at 18:31

              Percebo que assistimos os mesmos filmes nos anos 80 e por isso mesmo já sabemos como termina.

              0
              • Raposão 26 de maio de 2012 at 09:34

                … mas agora seria em versão 3D, com uma cachoeira ao fundo.

                Att.
                Raposão, um tanto cinéfilo!

                0
  • Sérgio 23 de maio de 2012 at 14:31

    E tome Gazeta do POVO
    ht t p : / / w w w.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1257866&tit=Brasileiros-usam-ate-45-da-renda-para-pagar-dividas

    Brasileiros usam até 45% da renda para pagar dívidas

    Percentual, baseado em dados do Banco Central, estava em 24,94% em janeiro de 2007. Nível de endividamento da classe C pode chegar a 60% da renda anual
    23/05/2012 | 10:55 | Agência O Globo

    Fale conosco
    Comunicar erros
    RSS
    Imprimir
    Enviar por email
    Receba notícias pelo celular
    Receba boletins
    Aumentar letra
    Diminuir letra

    No momento em que o governo tenta conter de novo o desempenho fraco da economia pelo consumo, o peso das dívidas antigas alcança valores recordes no orçamento das famílias brasileiras. Em abril, só as dívidas financeiras representavam em média 45% da renda anual, segundo projeção do economista Simão Silber, da Universidade de São Paulo (USP), com base em dados do Banco Central (BC). Esse percentual era de 24,94% em janeiro de 2007 e de 35,8% no começo de 2010.

    “O comprometimento das famílias com o endividamento aumentou bastante recentemente e dá sinais de saturação. A questão é que o maior acesso a crédito no Brasil é acompanhado por taxas de juros ainda elevadas, o que significa um perfil de endividamento que não é saudável. Isso gera a armadilha da dívida. As pessoas vão se estrangulando e ficam presas aos bancos”, afirma o professor de Economia da Uerj Luiz Fernando de Paula, admitindo risco de aumento de inadimplência por causa das medidas de estímulo ao consumo anunciadas pelo governo.
    Além disso, atualmente, todo mês, mais de um quinto da renda das famílias já está comprometida com o pagamento de dívidas bancárias. Neste caso, essa fatia saltou de 18%, em janeiro de 2008, para 22% em fevereiro último. Um percentual muito elevado, segundo economistas, já que o consumidor ainda tem despesas como educação, habitação, transporte, saúde e alimentação. O excesso de dívidas acaba se traduzindo em aumento de inadimplência. Em março, a taxa, que considera atrasos acima de 90 dias, chegava a 7,4% dos financiamentos para pessoas físicas, ou R$ 38,85 bilhões.

    Classe C deve 60% de sua renda anual

    O educador financeiro Mauro Calil considera o grau de endividamento das famílias hoje elevado. Ele acredita que as novas medidas de incentivo ao consumo podem até ser favoráveis para a sociedade, por estimularem a economia, mas alguns indivíduos pagarão a conta, com mais endividamento.

    A situação no Brasil é mais delicada que em outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, a fatia da renda mensal para quitar dívidas bancárias varia de 15% a 17%. Em países ricos, o nível de endividamento pode até ultrapassar 100% da renda anual. Mas, como os juros são menores e os prazos muito mais longos que no Brasil, o peso final no orçamento mensal das famílias (que é o comprometimento) é proporcionalmente menor. Outro agravante no caso brasileiro, segundo o professor da Uerj, é o prazo mais curto dos financiamentos.

    “O endividamento e, principalmente, o comprometimento da renda mensal hoje são muito maiores que em 2008 e 2009, e o pacote do governo é o mesmo. Para voltar a se endividar com crédito, o consumidor tem de recuperar espaço no orçamento”, diz Luiz Rabi, gerente de indicadores de mercado da Serasa Experian.

    Cálculos da área econômica do banco Pine indicam que o nível de endividamento médio é ainda maior entre as famílias da chamada classe C, com renda mensal entre 2,5 e cinco salários mínimos (de R$ 1.555 a R$ 3.110): chegaria a 60% da renda anual.

    “Ultimamente as dívidas que esse extrato têm contraído são mais caras que em 2009, por exemplo. Até então, o endividamento era em CDC (crédito direto ao consumidor), agora há dívida em cheque especial, cujos juros são mais altos”, observa Marco Maciel, economista-chefe do banco Pine.

    Luiz Fernando de Paula lembra ainda que a baixa renda, além de só ter acesso a crédito com taxas de juros mais altas, tem menos facilidade para negociar suas dívidas com as instituições financeiras.

    O encarregado administrativo Daivison da Costa, de 31 anos, foi um dos que se viu envolvido em dívidas que não conseguia pagar. Em 2007, ele teve um cheque de cerca de R$ 2 mil protestado às vésperas de seu casamento. As despesas do dia a dia e os gastos com a cerimônia e com a casa nova dificultaram o pagamento.

    “Outro problema foi o parcelamento proposto pelo banco. As parcelas eram muito altas, incompatíveis com meus gastos mensais e com juros muito altos”, conta Daivison.

    A supervisora de vendas Jane Araújo, de 42 anos, contraiu uma dívida de R$ 1.600 no banco em 2007, mas só deu atenção ao problema quando o débito bateu R$ 6 mil: “Meu limite era de quase R$ 2 mil, e, a essa altura, era impossível pagar.”

    Silber, da USP, não vê nas medidas de estímulo ao crédito grande potencial para impulsionar a economia.

    “Por mais que o governo queira, vai ser difícil esticar tanto o crédito como já foi feito. E isso não ocorrerá por causa da estrutura atual. Os juros ainda são muito altos e dívidas, mesmo pequenas, já comprometem muito a renda. Além disso, os prazos dos empréstimos são curtos no Brasil”, diz Silber, lembrando que o prazo médio dos empréstimos para pessoa física é de 600 dias, menos de dois anos.

    A economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC) Marianne Hanson também acredita que o endividamento vai limitar o impacto dessas medidas, porque as pessoas estão mais cautelosas.

    As operações de crédito do sistema financeiro alcançaram 49,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, mais que o dobro dos 24,1% registrados em 2003. É consenso entre os economistas que a expansão do crédito agora ocorrerá num ritmo menos vertiginoso.

    Maciel, do Pine, ressalta ainda que a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veículos e do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nas operações de crédito são muito restritos à indústria automotiva.

    0
    • MrCitan 23 de maio de 2012 at 14:38

      Do jeito que vai indo, logo eles lançam um “Minha Comida, Minha Vida”.

      0
      • Thiago 23 de maio de 2012 at 15:29

        Haha, genial!

        0
      • Matente 24 de maio de 2012 at 14:35

        Por enquanto está mais com cara de Meu Shopping, Minha Vida. E dá-lhe corda pro povão se enforcar.

        0
  • MrCitan 23 de maio de 2012 at 14:31

    Engraçado que noticiam que foi um sucesso, mas na ponta do lápis, só foram ofertados menos de 10% do total.
    E sem a garantia de que seriam aprovados para financiamento.
    Esta parte do vendedor falar que os preços vão aumentar, não te deu vontade de soltar uma gargalhada, ou risada presa? 😀

    By the way, Alguém sabe dizer se existe o vídeo do tiozinho que dizem que dormiu na porta do feirão pra garantir lugar?
    Só de saber que foi verdade, se a gente analisar, é de cortar o coração de pena da ingenuidade do cidadão.

    0
    • augusto 23 de maio de 2012 at 14:55

      Ingenuidade ou burrice?

      0
    • Bruno Menesis 23 de maio de 2012 at 17:19

      Deu vontade de rir sim, mas ia acabar com o disfarce…rssrsr

      0
  • Johnny Real State 23 de maio de 2012 at 14:37

    Estou vendendo um ap. em São Paulo ao lado da estação mooca-bresser do metro. Apesar do meu nick sou o proprietário, 65 m2, último andar 18º, 02 dorms, 01 suite, sala expandida.

    0
    • Manuela 23 de maio de 2012 at 16:12

      Quanto?

      0
    • Anonymous 23 de maio de 2012 at 16:33

      Típico anuncio de venda bananense. Quer vender algo sem mostrar o preço. Isso é decorrência da inexistência de valor de referência. Como já escrevi aqui várias vezes, não existe mercado de imóveis na Banânia pela simples razão de que não existe referência de preço, ou valores anteriormente negociados. É como uma bolsa de ações, onde o preço da ação não é mostrado e o histórico de preços da ação não existe.

      0
      • Johnny Real State 23 de maio de 2012 at 16:57

        Anonymous, sem ofensas gratuitas por favor.

        Pessoas deste blog já visitaram o ap. e não tenho problema em falar o valor de 300k.

        0
        • Miguel Jacó 23 de maio de 2012 at 17:48

          Só isso?

          Aceito pagar 400k, para garantir que ninguém compre antes de mim.

          0
          • Johnny Real State 23 de maio de 2012 at 17:52

            Só vendo pra você dia 12/06/12, antes disso não faço negócio.

            0
          • Paulo 23 de maio de 2012 at 17:57

            johnny, não é uma crítica ao apto nem nada… mas 02 dorm + sala expandida em 65 m2. ????

            0
            • self 23 de maio de 2012 at 18:05

              Típico cubículo “prático e moderno”. Eu não compraria uma coisa dessas. Apartamento de 2qts tem que ter pelo menos 80m², e área de serviço conjugada com a cozinha não vale.

              0
              • Johnny Real State 24 de maio de 2012 at 10:44

                só comentários ofensivos, não sei pq tanto ódio no coração.

                0
              • Raposão 26 de maio de 2012 at 09:54

                kkkkk!

                Dentro em breve, após o hecatombe da bolha, o blog vai virar referência aos desesperados… No lugar de pedirem fortunas, pedirão esmolas, compaixão e caridade aos bolhistas.

                Boa sorte ao troll-seller!

                Att.
                Raposão,

                0
        • Fernandão Bolhudo 23 de maio de 2012 at 21:02

          R$300 paus saporra? E na Zona Leste ainda? Tá louco…

          0
          • Johnny Real State 24 de maio de 2012 at 10:44

            Tem gente pedindo 340 k, agora vender é outra história bem diferente.

            0
            • RLM 29 de maio de 2012 at 22:48

              Amigo, 6 mil reais o metro quadrado na zona lost só se vc me der junto uma caixa de gardenal. Tem ape nesse valor de m2 no coração do Itaim, a 2 quadras do kiaora em rua tranquila. Sua frase “tem gente pedindo X” ñ tem a menor força p/ os leitores deste site. Tem gente q pede qquer coisa pq ñ tá afim de vender. Ñ se baseie nos bocós. Peça o preço real q sempre foi q vc vende. Ou continue sonhando com o Papai Noel.

              0
    • RAL 23 de maio de 2012 at 16:41

      desculpa a franquesa é o Famoso PERTO DE TUDO:
      TUDO QUE NÃO FUNCIONA ( METRO)
      TUDO QUE NÃO ANDA ( RADIA LESTE)
      TUDO QUE É CARO ( CIDADE DE SÃO PAULO)

      0
      • Johnny Real State 23 de maio de 2012 at 17:03

        Não precisa pedir desculpas, é sua opinião.

        0
      • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 18:20

        Faltou o “Tudo que é tranqueira debaixo de viaduto.”

        (Perdão, não resisti, e posso falar, pois moro aí!)

        0
    • Douglas 23 de maio de 2012 at 19:45

      Sr, me desculpe, mas na acho justo pagar o valor de Apto de Classe B, e ter Como vizinho, Classe C, D, visto q seu Apto nao vale mtde disso.

      0
    • Charles 23 de maio de 2012 at 21:20

      Johnny

      Você tem conhecimento da situação do país por estar inteirado das discussões do blog. Por ter esse imovel pode nos dar um parecer de como anda a procura pelo seu apto na atual conjuntura? Poderia nos dizer tambem se as pessoas que ja se interessaram por ele ofereceram outros bens em troca ou se ja houve cadastros reprovados por insuficiencia de renda que inviabilizou a venda do imovel?

      Esse relato pode contribuir muito para nós.

      Obrigado

      0
      • Johnny Real State 24 de maio de 2012 at 10:51

        Olá Curioso, relato com prazer minha saga.
        Este ap. está a venda desde DEZ/11. Tem apenas mais 03 unidades a venda no condomínio. São 02 torres, com 18 andares cada e 06 ap´s por andar.
        Porém peguei a chave no fim de Abril apenas, e as pessoas interessadas puderam começar a visitar, recebia pelo menos 02 ligações por dia, mas a maioria de corretor.
        As pessoas tem ido visitar frequentemente, porém nas últimas 02 semanas, não recebo ligação nenhuma, nem mais de corretor.
        Quase fechei o negócio no começo de Maio, a pessoa fez a proposta, eu aceitei, porém não concretizou, segundo a versão do comprador porque não conseguiu efetivar a venda do ap. dele.

        0
    • Muca CG Muita Treta 24 de maio de 2012 at 12:35

      Vou queimar o negócio desse senhor novamente. Ao lado da estação Bresser Mooca só existem galpões abandonados e cortiços. Estudei na universidade São Judas durante quatro anos e fui assaltado duas vezes. As duas únicas vezes que fui assaltado na minha vida, diga-se de passagem. Fora que há vários pontos de tráfico nesse lado mais baixo da Mooca, quase divisa com o Brás. Eu moro na zona leste e posso dizer que há vários lugares melhores. Esse apartamento dele sei até em que prédio fica. É um lixo minúsculo. Vale uns 150 mil. E olhe lá.

      0
      • Johnny Real State 24 de maio de 2012 at 13:12

        Obrigado pelo depoimento, continue postando.
        Abraços

        0
  • Sérgio 23 de maio de 2012 at 14:40

    Hoje, a massa de barasileiros que ainda não possuem casa – e que ainda é grande – não está comprando por motivo de preços exorbitantes e sim por falta de renda, seja por que não a possui suficentemente, seja por ela já estar comprometida com outras dívidas: é difícil saber qual dos dois motivos é o maior.
    Quem se arrisca?

    0
  • Adebisi 23 de maio de 2012 at 15:03

    Fui buscar uns convites de uma amiga minha que trabalha na MRV, e o cenário lá está desolador, nenhum comprador e dois corretores vendendo paciencia numa cara de desolação. Em 2010, no mesmo horario (por volta das 18h) tinha gente saindo pelo ladrão pra comprar apartamento.

    Um deles, enquanto procurava os convites, me perguntou se eu não queria comprar um apartamento, eu falei que não, que riai esperr, porque essa bolha imobiliaria tava fazendo com que pessoa com renda de 8k conseguisse comprar só em muquifo. O corretor me olhou com cara de tristeza, e só balbuciou: É pois é, e foi lá procurar os convites.

    Os convites estavam na mesma pasta de documentos dos clientes que fecharam negocio no dia. Havia apenas um pobre coitado na pasta.

    Triste demais. Morri de dóNOT

    0
  • luis jubileu 23 de maio de 2012 at 15:07

    encontrei a resposta de porque as nossas contrutoras preferidas cairam tanto ontem. A noticia foi de ontem mesmo nós é que não pestamos atenção em quao significativos eram os valores da fonte de financiamento barato e obitida fraudulento que aumantava o lucro das construtoras em prejuizo de dodos os trabalhadores que recolhem fgts. Com a abertura de investigacoes esse recurso secou. leiam as duas noticias e ficara claro como agua:

    Além de questões de conflitos de interesse na gestão de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) detectou que o fundo comprou debêntures de incorporadoras para financiar projetos fora do perfil de habitações de baixa renda, conforme mandam as regras.

    Nos relatórios, a CGU lista alguns dos empreendimentos que estariam desenquadrados do perfil de financiamento do FGTS, que deveria bancar obras de até R$ 500 mil a unidade (apartamento). Um deles é o London Green, da Gafisa, na Barra da Tijuca, bairro nobre do Rio de Janeiro. Os apartamentos têm de 67 a 319 metros quadrados, e alguns extrapolam o preço que podem ter para serem financiados. Outro citado é o Beach Class, em Fortaleza, da Moura Dubeux, que conta com spa, piano bar, ofurô e jacuzzi no térreo.

    Problemas de desapropriação de terrenos, atrasos nos projetos e obras de má qualidade são outros levantados pela CGU. A auditoria listou cinco empreendimentos da Tenda (empresa que hoje pertence à Gafisa) com essas características em São Paulo e Belo Horizonte. Em dois prédios faltava licença ambiental, enquanto em outro empreendimento a auditoria encontrou a obra abandonada por problemas com a prefeitura de São Paulo.

    Na parte do FGTS, a CGU apontou que o fundo vinha pagando à Caixa Econômica Federal taxas pela estruturação das operações de debêntures de 1% ao ano sobre o valor da emissão. Para a auditoria, a responsável por esse pagamento deveria ser a empresa que captou recursos com a venda das debêntures e não o FGTS. “A taxa de acompanhamento encarece toda a operação”, diz o texto da CGU. “A Caixa já é devidamente remunerada na operacionalização do FGTS.”

    Já a remuneração do fundo, segundo a auditoria, poderia ser aumentada. A CGU diz que os papéis das empresas adquiridos pelo FGTS são de “baixa rentabilidade” quando comparadas às taxas praticadas no mercado.

    As taxas pagas pelas incorporadoras equivalem à Taxa Referencial (TR) mais 8% a 10,75% ao ano, o que equivale de 8,15% a 10,91% ao ano a preços de hoje. É uma taxa inferior àquela que as construtoras pagam em emissões de debêntures vendidas em operações tradicionais do mercado de capitais. As construtoras alegam que as taxas de retorno dos papéis vendidos ao fundo seguem os custos dos financiamentos tradicionais concedidos pelo FGTS à habitação.

    Outro ponto que chamou a atenção da CGU foi o fato de a Caixa ter ficado com uma representatividade maior que a projetada no conselho curador do FGTS. O banco cedeu o funcionário Paulo Eduardo Cabral Furtado para o Ministério do Trabalho e Emprego, que, por sua vez, o colocou na secretaria-executiva do conselho curador. Pelo fato de a Caixa ser parte interessada no FGTS, já que recebe recursos pela prestação de serviços de gestão do fundo, a CGU considera que o banco deveria se ater à cadeira que já possui no conselho. Hoje, Furtado é conselheiro suplente do presidente do conselho curador.

    Procurado pela reportagem, o Ministério do Trabalho e Emprego, que detém a presidência do órgão, informou que não se manifestaria neste momento pelo fato de o novo

    e finalmente…

    Um dia depois da denúncia de esquema irregular na aplicação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o Ministério do Trabalho decidiu abrir uma sindicância interna para apurar os responsáveis e, com isso, afastar servidores envolvidos. Também será revista a política de investimento do dinheiro do trabalhador.

    A reportagem é de Edna Simão e publicada pelo jornal Valor, 23-05-2012.

    “Possíveis irregularidades precisam ser apontadas na sindicância interna. É claro que se forem acusados prejuízo ao erário serão adotadas medidas para ressarcir a conta dos trabalhadores”, explicou o ministro do Trabalho, Brizola Neto, em sua primeira coletiva à imprensa.

    O prazo para que a sindicância seja concluída é de 30 dias, porém, poderá ser prorrogada por mais 30 dias. Segundo o ministro, a sindicância vai avaliar quem deverá ser ouvido. Ou seja, até mesmo o ex-ministro Carlos Lupi, que é do PDT (mesmo partido de Brizola Neto), poderá ser convocado a prestar esclarecimentos. “A sindicância vai apurar todas as responsabilidades. Não posso nem incluir e nem excluir ninguém”, frisou o ministro.

    Na segunda-feira, o Valor divulgou relatórios da Controladoria Geral da União (CGU) que apontaram que a liberação de cerca de R$ 3 bilhões para incorporadoras imobiliárias pelo FGTS foi alvo de esquema irregular, que teria beneficiado funcionários da Caixa Econômica Federal e conselheiros do fundo. A auditoria da CGU apontou uma “situação de conflito de interesses públicos e privados”.

    De acordo com relatório da CGU, teriam participado do negócio Marcelita Marques Marinho, funcionária da Caixa, Celso Petrucci, integrante do conselho curador do FGTS, e André Luiz de Souza, membro do Grupo de Apoio Permanente (GAP) do conselho curador do FGTS e do comitê de investimentos do FI-FGTS. Hoje, nenhum deles ocupa o cargo.

    Ontem, Brizola Neto afirmou que para dar mais transparência as decisões do conselho curador todas as atas das reuniões, inclusive as que estão sob suspeita de irregularidade, passarão a ser divulgadas. “Se a sindicância apontar irregularidades, serão adotadas as medidas administrativas necessárias”, frisou o ministro.

    Para ele, será revista a política de investimento e o assunto será alvo de discussão em reunião extraordinário do fundo curador, cuja data ainda não foi definida. Além de esquema irregular de aplicação de recurso do FGTS, o relatório da CGU aponta ainda o baixo rendimento dos investimentos. “Vamos buscar apurar na sindicância as razões para o baixo rendimento”, disse o ministro.

    Em conversa com o Valor, o ministro da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage, informou estar satisfeito com as medidas anunciadas por Brizola Neto. “É uma nova esperança concreta que agora serão tomadas medidas”, contou Hage.

    Ontem, o Valor informou ainda que a CGU cobrou falta de ação do Ministério do Trabalho na investigação de denúncia. Brizola Neto explicou que foram encaminhadas as respostas de cunho administrativo à CGU, porém o órgão “não julgou procedente”. “A sindicância interna vai apurar como foram feitas as notas técnicas”, acrescentou o ministro do Trabalho.

    Por enquanto, Brizola Neto ainda não falou com a Caixa Econômica Federal sobre o envolvimento de funcionários do banco. Ele informou, no entanto, que o conselheiro do fundo curador, Paulo Furtado – funcionário da Caixa, cedido ao Ministério do Trabalho e que hoje é conselheiro suplente do presidente do conselho curador, será exonerado do cargo. Ele explicou que a decisão não tem relação com o relatório da CGU.

    Segundo ele, a saída de Furtado se deve as mudanças que vem efetuando no ministério desde que tomou posse. O nome de Furtado não é citado no relatório da CGU como envolvido em irregularidades. Por ser funcionário cedido da Caixa, a CGU entende que o banco teria ficado com uma representação maior no conselho.

    O presidente em exercício da Força Sindical, Miguel Torres, se reuniu ontem com Brizola Neto, e solicitou providências urgentes. A pedido da Força Sindical, segundo nota da assessoria de imprensa da entidade, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, iria protocolar requerimento na Comissão de Trabalho da Câmara convocando o presidente da Caixa, Jorge Hereda, para prestar esclarecimentos. Integrantes do sindicato também iriam pedir ao Ministério Público que investigue o caso.

    e para tem uma melhor ideia da importancia uma noticia de mais de um ano atraz

    O uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a compra de debêntures tem permitido às construtoras e incorporadoras multiplicar a quantidade de empreendimentos. Com os recursos obtidos em uma única emissão, as empresas conseguem crédito para financiar até três vezes o valor original da operação, graças ao prazo de carência, superior ao ciclo de produção das companhias.

    Recentemente, a Rodobens Negócios Imobiliários emitiu R$ 300 milhões em debêntures que foram adquiridas pelo FTGS. Com os recursos, a empresa estima construir nos próximos três anos de 4 mil a 10 mil unidades, dependendo das condições de mercado.

    “A debênture funciona como garantia. Como nosso ciclo construtivo é de aproximadamente 12 meses, podemos utilizar o crédito novamente. Por isso, dependendo da demanda, podemos girar até três vezes o valor da debênture durante o seu prazo de carência, que é de três anos”, explica Eduardo Gorayeb, presidente da companhia, que é especializada no segmento econômico (com renda de 3 a 10 salários mínimos) e tem suas operações concentradas no interior do País.

    Os papéis emitidos pela Rodobens possuem prazo de cinco anos e remuneram o FGTS com TR mais cupom inicial de 8,3% ao ano. A operação está atrelada ao crédito associativo da Caixa, o que possibilita o repasse do cliente para o agente financeiro ainda durante o período de construção do empreendimento. Assim, além dos recursos da debênture, a construtora recebe da Caixa o valor equivalente à venda da unidade. Anteriormente, o repasse só ocorria na entrega do empreendimento, o que limitava a possibilidade de as construtoras usarem uma única emissão para construir mais empreendimentos. “No total, produzimos 9 mil unidades no ano passado e pretendemos atingir 18 mil unidades em 2010 ao investir em novas estratégias para dar início a um novo ciclo”, acrescentou Gorayeb.

    Segundo Daniel Keller, diretor da Creta Planejamento e responsável pela estruturação e coordenação da operação da Rodobens, essa é a primeira emissão em que a vinculação ao crédito associativo está totalmente clara e regulamentada na escritura. Nas emissões anteriores de empresas do setor essa relação existe, mas não é explicitada. Verónica Garcia Seffino, que divide a direção da Creta com Keller, considera que, embora a operação em si seja complexa, pode demorar de quatro a cinco meses para ser estruturada, a procura por esse produto tem sido muito grande. “Em razão do aumento da demanda, acredito que esse tempo deve começar a diminuir a medida que o mercado começa a ganhar familiaridade com os mecanismos da emissão”, informa.

    Os analistas ressaltam que esse tipo de debênture é especialmente vantajoso para construtoras de ciclos mais curtos de produção, como é o caso da Rodobens. Prova do sucesso desse tipo de emissão é que a Caixa pretende destinar mais R$ 6 bilhões de sua carteira de habitação para debêntures, após já ter contemplado o setor com R$ 6 bilhões no ano passado.

    Condições ideais para crescer

    Conforme levantamento da Caixa, desde o ano passado, com a criação da carteira administrada residência do FGTS foram realizadas dez operações, com valor total de R$ 4,15 bilhões, e que atenderam a Gafisa, Rossi, Tenda, Moura Dubeux, PDG, Trisul, Odebrecht Realizações, Rodobens e OAS. A carteira administrada residencial do FGTS tem ainda aproximadamente R$ 8 bilhões disponíveis para investimentos no setor, dos quais, R$ 3 bilhões já estão comprometidos.

    Em 2009, as linhas de empréstimo com recursos do FGTS cresceram 65%. Os financiamentos para imóveis novos ou na planta aumentaram 109% na comparação com o ano anterior, atingindo R$ 9,4 bilhões, enquanto em número de unidades o avanço foi de 31%, passando de 110.021 para 144.309 unidades.

    As emissões de debêntures ligadas ao FGTS, por sua vez, começaram a ganhar força em maio do ano passado, quando a Caixa adquiriu através do Fundo R$ 600 milhões em debêntures simples, conversíveis, da Tenda. O montante, segundo a construtora, seria utilizado para finalizar seu primeiro grande ciclo de projetos enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) após a realização do IPO. Na ocasião, o diretor Financeiro, de Relações com Investidores e Administrativo da Tenda, Paulo Mazzali, afirmou que a companhia ainda não chegou a conversar com a instituição sobre a possibilidade de repactuação dos papéis. Mazzali revelou que, além da emissão, a Tenda obteve junto à Caixa um volume de mais de R$ 600 milhões em linhas, entre crédito associativo e financiamento à construção.

    Em setembro, a PDG Realty, que agora figura entre as maiores incorporadoras do País com a aquisição da Agre, liquidou a terceira emissão de debêntures também com recursos do Fundo, no valor de R$ 300 milhões. Com a operação, que tem prazo de cinco anos e carência de três anos, com juros de 8,75% ao ano mais TR, a incorporadora pretende financiar projetos enquadrados no programa “Minha Casa, Minha Vida”.

    Em dezembro, a Gafisa, que incorporou a Tenda no ano passado, emitiu mais R$ 600 milhões em debêntures com recursos do Fundo para financiar o desenvolvimento de 2,6 mil unidades de 12 projetos imobiliários. Pelos cálculos do presidente da companhia, Wilson Amaral, as debêntures vão financiar até 90% do custo de produção dos empreendimentos da empresa, com o preço médio por unidade estimado em RS 330 mil.

    No início deste ano, a Trisul também contou com o FGTS para a emissão de R$ 300 milhões em debêntures visando financiar a produção de empreendimentos de unidades de até R$ 500 mil. Segundo a companhia, os recursos seriam aplicados em 19 projetos, com total de 4 mil unidades e Valor Global de Vendas (VGV) estimado em R$ 550 milhões.

    Interessada em aproveitar as boas condições do mercado, a Rossi captou no mês passado R$ 500 milhões em sua terceira emissão de debêntures simples, com recursos do FGTS e vencimento em 1° de maio de 2015. Com custo inicial de 8,75% ao ano (+TR), os recursos captados serão integralmente destinados ao financiamento da produção de unidades residenciais enquadradas no SFH.

    ainda sera criada a sordidologia, a ciencia social que falta para aprendermos a fazer negocios no brasil.

    0
    • luis jubileu 23 de maio de 2012 at 15:10

      ate eu vou gritar CORRE NEGADIS… bando de ladrão.

      0
    • Engenheiro-SJC 24 de maio de 2012 at 12:01

      Pois é, apresentei esse mesmo tema no post passado…

      Aos poucos, mais detalhes desse lamaçal vão sendo revelados.

      Além dos tais debêntures, isso ainda permite às construtoras receberem da Caixa o valor do imóvel durante a construção!! Absurdo! Isso deveria acontecer só quando o imóvel fosse, de fato, concluído!

      Essa grana, óbvio, é usada para começar outras obras…

      Por um acaso isso não lhes faz lembrar exatamente do esquema da ENCOL????

      Não criaram a lei de Sociedade de Propósito Específico-SPE justamente para evitar este esquema???

      PLOC, PLOC!

      0
  • Eduardo 23 de maio de 2012 at 15:32

    Esses feirões eu vejo como arrastão de trouxa… Só sai pelado!!!

    0
  • lion 23 de maio de 2012 at 15:33

    Minha empregada conseguiria comprar algo em torno de 50mil pela Caixa com os rendimentos que tem, mas prefere alugar na favela por 380 reais perto do trabalho do que comprar (e pagar por 30 anos 300 reais mensais) uma gaiola a 40KM do trabalho.

    0
    • anamirandabh 24 de maio de 2012 at 09:20

      Ela está fazendo um bom negócio.

      Tem gente que tem mais $, mas menos cérebro

      0
  • Zoom 23 de maio de 2012 at 15:43

    O que me chamou muita atenção foi a quantidade de 21 k em contratos assinados e “encaminhados”. Praticamente 1/3 dos visitantes, aproximadamente.
    De cada 3 pessoas, uma assinou ou “encaminhou” o contrato.

    Fica uma dúvida.

    Será que essas 40 k pessoas foram apenas “sapiar”?

    0
  • lion 23 de maio de 2012 at 15:44

    Acabo de receber um e-mail de uma corretora desconhecida oferecendo algumas bolhas e no assunto do e-mail a seguinte frase:
    ” Para quem ainda tem um dinheiro guardado, vale apostar nesses investimentos! ” ou seja só pra quem tem dinheiro guardado pq a galera do financiado não pode mais..

    0
    • Vinicius 23 de maio de 2012 at 15:51

      Podia ser assim:

      ” Para búfalos que ainda tem um dinheiro guardado, vale apostar nessas armadilhas! ”

      0
    • John 23 de maio de 2012 at 16:06

      Pelo menos ela falou em “aposta”. Realmente é uma aposta, com risco muito grande, diga-se de passagem.

      0
  • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 16:06

    Estou atrás do meu ap usadinho mesmo, mas conheço a construção é foi bem feita a muitos anos, sempre olhando esses apartamentos que valiam na época que começou o oba oba 60k, exatamente a 2 meses atrás estavam no valor de 175k a 140k, hoje o mais caro que achei está 165k e o mais barato 125k bons tempos estão começando a voltar, acredito que o valor deles seja em torno de 90k mas se tiver por 100k já poderei comprar mesmo perdendo 1 pouco é o sonho ter um cantinho nosso de 55 m2 e sem dívidas.
    Vamos esperar para ver se baixar mais do que os 100k ficarei muito feliz .

    0
    • Johnny Real State 23 de maio de 2012 at 16:42

      Eskeleto, onde é esse apartamento que você menciona?

      0
      • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 16:56

        Eu acesso alguns sites por curiosidade para saber não fico observando semana a semana tanto é que eles modificam de 2 em 2 meses a maioria desses anúncios de imóveis usados, mas 1 dos que pesquiso as vezes é este lá tem de 130k até 170k, mas eu não olho tanto o máximo e sim o mínimo que é onde vou buscar olhar para comprar e são todos iguais.
        “http://imoveis.trovit.com.br/apartamento-jardim-alvorada-santo-andre”
        estou procurando o de 125k, mas como olhei 1 vez só não estou achando pois procurei no google e o anúncio estava fazia 5 dias.

        0
        • Rafael 23 de maio de 2012 at 17:03

          Estou procurando tbm no abc, taboão – pauliceia.

          0
          • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 17:06

            Andei vendo alguns em SBC, os apartamentos estão um pouco mais barato do que Santo André.

            referente ao de 125k que mencionei é esse Johnny
            http://imoveis.buskmais.com.br/detalhamento.php?id=106

            é apenas 1 que achei, mas antes não achava nem por 135k e no valor de 130k achei 3.

            0
        • RosinhA 23 de maio de 2012 at 17:34

          Eskeleto uma dica, no parque das nações, rua suiça, lugar mil vezes melhor, tem predinho com elevador, sem inadimplência, fácil acesso comparado ao Alvorada nesta faixa de preço, não sei se mora ai por perto, e seria sua preferência, mais bairro por bairro lugar por lugar acho um melhor negócio. Se procurar na Vila Assunção também encontra com elevador por um pouquinho a mais, compensa dar uma olhada.

          0
          • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 17:47

            Certo, obrigado Rosinha é que agente procura conforme as possibilidades e também porque minha família mora bem perto dali então a minha esposa e minha filha gostou da localização por causa de poder ir sem precisar eu ficar levando elas, mas valeu pela dica e vou olhar sim afinal é duro morar em prédio com inadimplência.

            0
            • RosinhA 23 de maio de 2012 at 17:50

              Eskelelo mais uma vez o valor é o mesmo, e com elevador, mas se precisa de mobilidade aí não dá mesmo, a distância é grande tem razão…

              0
              • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 18:29

                A distância não é tão grande assim, mas realmente se o padrão de vida for melhor vale a pena perder 1 tempinho para levar elas lá, tudo é de se pensar e no momento certo, mas fica uma boa dica.

                0
  • Paty 23 de maio de 2012 at 16:07

    Gente eu não sei se vcs notaram que nos comentarios das materias que estam saindo na internet sobre economia a palavra bolha é mencionada varias vezes.. A Bolha imobiliaria e as demais bolhas estao na boca do povo.

    0
  • MrK 23 de maio de 2012 at 16:22

    E a economia? Dolar batendo 2,10. BC queimando reserva. PIB zerado, familias devendo 45% da renda, Equipe economica batendo cabeça no desespero, inadimplencia em alta, bolsa sangrando, construtoras caindo 30% num unico mes…

    quem diria isso ha 3 meses atrás heim?

    o bolhaimobiliaria.com !!! 🙂

    0
    • RAL 23 de maio de 2012 at 16:37

      MrK , a minha maior duvida quanto a bolha nos imóveis ,seria apenas pela demanda reprimidada ? será que esta turma ao menor sinal de quedas nos preços não iria se desesperar e aquecer o mercado por mais um tempo ?? , ou fator importante que poderiamos discutir a partir de agora é a bolha dos preços : Restaurente , estacionamento , corte de cabele etc..

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 17:37

        Ral sim iriam, mas com dinheiro de quem? Quem tinha grana para pagar a vista comprou e já pagou, os bancos travaram tudo, quero ver onde vão leiloar aps recuperados, estou no aguardo….

        0
        • RafaelK 23 de maio de 2012 at 21:27

          Rosinha, quando o cenário mudar para um patamar de paradeira total, baixa substancial dos preços e dentre outras…. contando a partir de uma data X q já está identificado a bolha e noticias negativas tomarem conta dos jornais… vc pretende esperar quanto tempo para procurar um imóvel? 1 ou 2 anos? ou acredita que esses tempos serão difíceis e demorados podendo ser a melhor hora para comprar 5 anos após o ocorrido?

          Apenas a título de compartilhar:
          Hj recebi a vista do meu gerente comercial.. sou do ES e ele do interior de SC… ele mora em uma cidade de30 mil habitantes…no geral sua idéia é de que “Aquela por*** ta mt caro.. perderam a noção!! Esta loucura da caixa vai passar..daí vou pensar melhor em imóvel”!!

          Rapidamente visualizei q nao é exclusividade dos grandes centros.. ele nao entende de imóveis (nem eu).. mas entender do proprio dinheirinho suado… isso é importantissimo!!!

          0
          • RosinhA 23 de maio de 2012 at 21:50

            Rafel sempre construí para vender parei no começo de 2010, quando percebi que os donos se achavam mais espertos do que realmente poderiam ser, para o mercado imobiliário.

            Comprei muito na baixa 2007/2008, pois achava que iria ganhar grana com as unidades que iria construir, só que aconteceu o seguinte, um terreno que comprei de 10X80, dois para frente fiquei sabendo da morte dos donos, era de 5X80, não tendo condições de pagar o inventário ofertei aos herdeiros uma oferta boa para mim e para eles, e os mesmos aceitaram, quando conversei com o vizinho que ficou no meio, ele ficou assustado pois disse que iria construir 4 andares e ele prontamente se propos a venda do seu imovel pois o dele ficaria encaixotado e perderia valor, conclusão fiquei sem grana mas com terreno de 25X80 em um lugar excelente mas sem grana para construir nele todo.

            O que quero passar é que o mercado vive de oportunidades pontuais, não dá para prever uma data específica sendo boa ou ruim, agora oportunidades boas surgem quando conheçe quem está vendendo e o principal o porque está vendendo. Tipo O Silas só pensa em lucro esqueça um cara desse tipo, boas oportunidades sempre vem de herança, pois sempre tem um falido, separação de casais, e indimplência, esse será o grande filão que ainda não existe hoje, pagou 100K assumo a dívida ou morra com ela, ha não quer tenho outra 500 oportunidades do mesmo nível adeus, meu grosseiro, mas não se esqueça enquanto este cantava como cigarra você trabalhava como formiga.

            Rafael para e analise o porque da venda, isso lhe trará margem para analisar até onde pode barganhar o preço. Agora quanto ao tempo de compra, fique sempre esperto, o futuro não conseguimos ver, mas como já tem idéia de como vai ser, não será difícil analisar o melhor momento para compra.

            0
            • Bolhado 24 de maio de 2012 at 13:11

              Na minha opinião você errou ao comprar o terreno do vizinho, deveria ter construído os 4 andares, vendido ao menos uma ou duas unidades e ai sim ter comprado o imóvel já totalmente desvalozirado ou então aplicado seu dinheiro em dolar ou ouro. =D “Ah, mas aí outro ia comprar e eu ia perder a oportunidade”, poderia ter acontecido, mas veja agora, tem um baita terreno, mas sem liquidez, em um bear market e sem capital para tocar pra frente o restante do negócio. Perceba que na essência a oportunidade passou do mesmo jeito.

              Lógico que cada um é cada um, mas o mal do investidor é querer enfiar o bolo todo na boca.

              0
    • outro 23 de maio de 2012 at 17:28

      há 3 meses nao. Há 2 anos (ou seria mais).
      É aquilo, quem apostar qualquer coisa pelo tempo suficiente, uma hora acertará

      0
      • Bolhado 24 de maio de 2012 at 13:19

        Verdade! Em um tempo infinito qualquer probabilidade ocorrerá, mesmo que seja 0,00000000000000000000000000000000000000000000000000001%. Mas, caso tenha seguido as tendências e previsões do pessoal aqui do blog e cuidado bem do seu dinheiro, uma hora dessas você estaria com sua grana a salvo e com certeza teria lucrado muito com IMÓVEL, DÓLAR, OURO e AÇÕES, ou caso for mais conservador, até mesmo com tesouro direto que já teve seus bons momentos. Mas se seguiu os conselhos do pessoal do Folha.com, Globo.com, Secovi e InfoMoney, uma hora dessas, independente da sua renda ou classe, sua grana tava toda presa em financiamentos de 30 anos de imóveis, em um mercado em baixa, com alta probabilidade de estouro de preços e com boa parte da sua renda comprometida! ENTÃO É BOM PRESTAR ATENÇÃO NAS PREVISÕES CERTAS, PORQUE PREVER O MERCADO, ATÉ O ZEZÉ DA PAÇOCA PREVÊ E EM UM TEMPO INFINITO, UMA HORA ELE VAI ACERTAR.

        0
    • Leno 23 de maio de 2012 at 18:22

      bolhaimobiliaria.com, um blog de vanguarda.

      0
  • Socorro!! 23 de maio de 2012 at 16:24

    Mais uma ….

    hoje conversando com minha chefe …

    EU : quando vc comprou seu AP na Lagoa ( AP de 130 Metros perto dos Pedalinhos e do Corte do cantagalo )

    Ela; Inicio de 2009

    Eu: quando vc pagou?

    Ela: 550 MIL..mas estava em inventario..entao de cara paguei 450 e 100 paguei depois..

    EU: Hoje ele ta falando uma grana ,ne?..

    Ela: ta mesmo..minha vizinha ta vendendo o dela por 2 Milhoes…mas ate agora ninguem apareceu ninguem para comprar.

    FIM

    Sera que posso esperar que este AP volte para um preço aceitavel ? ( tipo 1 milhao) ??

    0
    • Joao 23 de maio de 2012 at 16:40

      Vejo que o preço deverá ficar no valor em linha com o poder de compra da população. O que não vemos hoje.

      0
    • Felipe33 23 de maio de 2012 at 16:44

      Socorro,
      Se tivesse aplicado 550k em 2009 (há 40 meses atrás), ao juros de 1% a.m., hoje vc teria 744k.
      Só para dar uma idéia da distorção de valores.

      abraços, Felipe.

      0
      • CTO81 23 de maio de 2012 at 17:43

        Até concordo que possa haver distorção de valores. Mas será que algum proprietario que esteja querendo vender por 2 milhões aceita 745 mil? Acho muito dificil o cara descer para 1 milhão, mesmo com todo cenário apocalíptico que parece se aproximar.

        Veja bem, não que eu não acharia ótimo comprar um imovel de 130m2 na Lagoa por 745, mas não consigo acreditar que vai estourar essa bolha toda, mesmo acompanhando o blog, lendo bastante e torcendo para que o Miguel Jacó acerte suas previsões. Fico achando que vai ter uma “leve” queda de 20-30% e olhe lá.

        Gostaria muito até de estar convencida do contrário, de que a bolha vai estourar, que vamos comprar pela metade do preço que estão pedindo hoje. Mas não consigo ver isso acontecendo (pelo menos na Z.S. do Rio).

        0
        • Socorro!! 23 de maio de 2012 at 17:52

          pior é que eu concordo contigo CTO81…

          0
          • Socorro!! 23 de maio de 2012 at 17:59

            pior é ver que com 550 K vc hoje compra um AP normal ( 90m2) na Tijuca ,do lado das novas Upps…

            ….ta osso imovel aqui no RIO…

            0
            • CTO81 23 de maio de 2012 at 18:05

              Socorro,

              vc já tem pra vc qual valor você acharia “justo” pagar no m2 na ZS?

              Claro que isso depende muito do estado do imovel, vaga ou não e localização dentro da ZS em si. Mas entre 8 e 10k o metro quadrado sabemos que não pode ser.

              Eu tenho já um valor em mente, mas queria ouvir a opinião de outras pessoas…

              0
              • Socorro!! 23 de maio de 2012 at 18:17

                cara…

                Eu nao tenho visto em toda a Zona Sul ja que meu dinheiro nao compra nem 1/4 …mas para Flamengo , Botafogo e Laranjeiras eu acho que 5/6K o m2 com garagem eu ja compraria ….hoje ta em torno de 9/10 K..estes sao os locais mais baratos…

                Lagoa / JB e Gavea eu colocaria uns 10/11 K o m2…mais ou menos

                Leblon e Ipanema uns 16 K o m2

                Isto e o que eu acho que vai ficar depois da bolha..pq eu sou Brasileiro e nao desisto nunca…mas nao sei quando pode acontecer

                0
                • CTO81 23 de maio de 2012 at 18:26

                  É, Socorro, então está batendo mais ou menos com o valor que tenho em mente. Algo entre 5 e 6 o m2 para copacabana com vaga e eu levo sem medo de ser feliz.

                  Alguém por aqui com outra percepção para trocarmos idéia?

                  0
                  • Leo 23 de maio de 2012 at 19:11

                    Eu nao penso nem em comprar imovel, mas chutaria em 10k no leblon como preço p/ inicio de conversa.

                    0
                  • Socorro!! 23 de maio de 2012 at 22:55

                    Copa com garagem neste preço e lindo..mas hj e impossivel de se achar….e acho que este ano ainda nao teremos esta baixa…mas quero muito errar esta previsão

                    0
        • Paulo 23 de maio de 2012 at 18:07

          Não conheço o RJ, então pode ter furo minha análise….

          se houverem poucos aptos de 130 m2 ou próximo disso na lagoa, realmente o preço pode demorar a cair… pois o proprietário pode ser meio cabeça dura e ficar segurando….
          agora se o cara fica com o apto vazio pagando condomínio ele uma hora resolve vender por menos, passa mais tempo e não vende, resolve baixar ainda mais, e assim vai…..
          e se alugar ele vai fazer a conta, qto dinheiro ganho com o aluguel e qto eu ganho de juros vendendo e pondo o $$ no banco….

          0
        • LB 23 de maio de 2012 at 22:10

          Aceita sim. Basta ele está precisando vender, o que não é difícil e, por vários meses ou até mesmo anos, não aparecer comprador querendo pagar este valor, o que também não é difícil.

          Quando o proprietário somar IPTU + Condomínio + custo do dinheiro imobilizado e constatar que outros AP’s já caíram de preço, ele certamente venderá pelo preço pedido. Ou vc acha que ele vai ficar até morrer ‘agarrado’ com o imóvel ?

          0
        • Bolhado 24 de maio de 2012 at 13:34

          Colocar preço todo mundo pode! Eu, por exemplo, só vendo minha bicicleta por 10mil, mas encontrar um otário que pague são outros quinhentos. Não sei o luxo do apartamento dela (ou não, com a bolha de repente é um kitnet rsrsrsrs), mas uma renda familiar de 4651 corresponde a de 3% da população brasileira, digamos que algum banana dê uma entrada de 500mil (coisa super rara hoje em dia, já que dindin sumiu), como vai aprovar o restante do financiamento?

          Do jeito que tem gente iludida quando o povão acordar, vai ter cidadão pulando de ponte! Outros vão segurar o imóvel na esperança que suba! Já outros vão ter de vender com baita preju por causa do endividamento geral e claro, outros vão tentar repassar e haverão devoluções! O futuro está bem negro no setor imobiliário, não há plano governamental que dê jeito!

          A verdade nua e crua é que os preços tem que acompanhar a renda da população, não adianta querer inventar moda! Casa, comida e roupa sempre vão ser o básico e andam atrelados a renda!

          0
      • Revoltado 23 de maio de 2012 at 20:39

        mas qual a relação entre uma aplicação de renda fixa e o valor de um imóvel?

        Pq vc nao compara ao facebook cujo valor de mercado passou de 2 bi para mais de 100bi.

        Não vejo nenhuma relação no que vc disse.

        0
    • Fred 23 de maio de 2012 at 17:27

      Acho que pra vender apartamentos como esse, hoje em dia, o dinheiro tem que ter chegado às mãos do comprador de um jeito muito “fácil”.

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 17:39

        Concordo, com você Fred, por isso muita gente ainda usa cheque, para recuperar a conversa do post anterior, eu mesma fico na NFE, não tenho saída é só pagar, pagar, e pagar.

        0
        • Fred 23 de maio de 2012 at 17:53

          A NFE também é minha companheira de jornada, Rosinha. Agora é trabalhar, trabalhar e trabalhar, como você disse outro dia. E pagar.

          0
          • RosinhA 23 de maio de 2012 at 18:23

            Sim perfeito !!!!!

            0
  • Neto 23 de maio de 2012 at 17:03

    Colega eskeleto, minha situação é idêntica a sua. Em 2009, alguns imóveis (usados) que visitei (interior, SP) estavam com preços fantásticos em relação a hj, que estão literalmente 3x mais. Em meu caso a localização ñ era a ideal, e os MRV´s (ok, são uma porcaria, mas fazer o q…) neste caso mais bem localizados e ideais para mim. Preço na época: 60 – 80 mil; hj: 130 – 200mil (uma aberração mercadológica) E me arrependo de não ter comprado em 2009!!. O q acontece é q NÃO tenho notado nenhuma queda dos preços aqui por enquanto! pelo menos neste segmento. Estava em um shopping e aproveitei para olhar o feirão q era no estacionamento do msm, e estava cheio sim, o “estande” da caixa com senha e tudo, tanto q nem permaneci mais de 3min no local. Aindo aguardo ansiosamente essa queda dos preços, mas quando? Por aqui nem sinal!

    0
  • Tod 23 de maio de 2012 at 17:13

    Pois é, mas ainda não consigo enxergar algum travamento do mercado com esse feirões movimentado bilhões por dia.

    0
    • RosinhA 23 de maio de 2012 at 18:22

      Conseguiu ver que a média dos valores vendidos foi de 130K, imagine onde estão estes imóveis….e não está certa sua opinião, bilhões em 3/4 dias, e não todos os dias.

      0
    • Paty 23 de maio de 2012 at 18:22

      Me desculpe mais isso não é real. a venda só se concretiza quando o dinheiro entra intenção de compra e outra coisa, o mercado esta travado sim, tenho uma amiga a 2 anos tentando vender o ap dela porque ela esta se divorciando, ela já baixou o preço 3 vezes e nada, esse é o mercado super aquecido…

      0
    • Leo 23 de maio de 2012 at 18:25

      Outro ponto, alem do total estar relacionado a soma de todos os dias, quanto imoveis haviam no inicio do pregao e quantos continuam em estoque ? Ai voce entendera o que esta acontecendo…

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 18:31

        Leo isso o que estão no feirão, já viu os sites de imobiliárias, tem milhões, fora aqueles que vendem direto como microconstrutores e alguns particulares

        0
    • augusto 23 de maio de 2012 at 20:14

      Meu amigão consulte o site do crecisp e veja que as vendas estão bem baixas na mairia das cidades do estado sp. As informações são das proprias imobiliarias

      0
    • LB 23 de maio de 2012 at 22:14

      Vc acha que um feirão que “vende” 9,7% da oferta obteve sucesso ?

      Perceba que o verbo ‘vender’ encontra-se entre aspas, pois o que houve foi um encaminhamento de propostas, o que não indica necessariamente concretização da venda.

      E, dentre das vendas realmente concretizadas, quantas foram para investidor e quantos para futuros moradores ? Você tem estes dados ?

      0
  • Z Neto 23 de maio de 2012 at 17:20

    Colega eskeleto, minha situação é idêntica a sua. Em 2009, alguns imóveis (usados) que visitei (interior, SP) estavam com preços fantásticos em relação a hj, que estão literalmente 3x mais. Em meu caso a localização ñ era a ideal, e os MRV´s (ok, são uma porcaria, mas fazer o q…) neste caso mais bem localizados e ideais para mim. Preço na época: 60 – 80 mil; hj: 130 – 200mil (uma aberração mercadológica) E me arrependo de não ter comprado em 2009!!. O q acontece é q NÃO tenho notado nenhuma queda dos preços aqui por enquanto! pelo menos neste segmento. Estava em um shopping e aproveitei para olhar o feirão q era no estacionamento do msm, e estava cheio sim, o “estande” da caixa com senha e tudo, tanto q nem permaneci mais de 3min no local. Aindo aguardo ansiosamente essa queda dos preços, mas quando? Por aqui nem sinal.

    0
    • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 18:25

      Nada é eterno esses preços vão se ajustar, mas temos que ser pacientes pois minha mulher quer um apartamento, mas não posso fazer igual esses irresponsáveis que tentam comprar a qualquer custo pois depois não conseguem pagar e ainda tem que ir pagar aluguel. Pior do que não ter comprado o imóvel é tentar conseguir agora a qualquer custo, não conseguir pagar as prestações depois e perder oque guardou ainda.

      Analisar hoje os empregos que estão correndo risco pela irresponsabilidade do oba oba nos setores hoje eu me considero feliz de poder deitar e dormir sem me preocupar se amanhã vou ter serviço, agora enquanto isso o ideal é ir guardando pois agora os 100k não vale nada (o mercado que coloca dessa forma ) , mas em 1 crise pode salvar a família toda e ainda te por dentro de 1 casa.

      0
      • Z Neto 23 de maio de 2012 at 18:43

        Gostei dessa, realmente vdd! hoje, 100mil é um valor quase q ignorado pelo mercado imobiliário…o povão só olha a prestação, e se cabe no bolso blz! mas numa **** crise, vão perceber q é muito dinheiro!

        0
    • augusto 23 de maio de 2012 at 20:08

      Prezado amigo, aconselho vc a entrar no portal do Creci-sp e consultar a quantidade de imóveis que tem sido vendidos em sua cidade. Vá para o link Pesquisas.
      Os dados da pesquisa são baseados em informações de vendas fornecidas pelas proprias imobiliarias. Quando no campo respectivo o preço minimo de venda por m2 de area util for o mesmo que o máximo significa que referente aquele imovel só um foi vendido. Quando nada é indicado para um determinado tipo de imóvel significa que nenhum foi vendido naquele mes.
      Os resultados indicam que na maioria das cidades quase nada tem sido vendido, e tb que os preços pagos por m2 de área útil são bem abaixos do que falam

      0
  • Tod 23 de maio de 2012 at 17:32

    Socorro, eu acho bem complicado um apartamento de 130m2 na Lagoa voltar a R$1.000.000, principalmente se for em algum prédio mais ou menos novo e coom 2 vagas de garagem.

    0
  • Ana 23 de maio de 2012 at 17:39

    Minha amiga me disse que no prédio dela tem um ap de 2 quartos para alugar por 1.300,00. É na Mariz e Barros, na Tijuca. Mas tá pra alugar desde novembro. O porteiro disse que o proprietário falou que já foram pessoas lá pra ver mas que ninfuém comprovou condições de pagar o aluguel.

    0
    • self 23 de maio de 2012 at 18:48

      Moro na área. Se for desses velhos sem garagem que tem na rua, não vale R$1.300 de aluguel mas nem a pau. Poderia valer (perto de) esse preço caso tivesse garagem demarcada e coberta, fosse novo, estivesse com tudo em ordem, armários bons e amplos, condomínio bem organizado etc.

      Ninguém aluga? Bem feito, oras. Quem manda não baixar o preço?

      0
    • ana carolina 23 de maio de 2012 at 19:20

      Moro na tijuca também num apartamento de 2 quartos + dependencias (uns 85m²), com vaga e o prédio tem toda infra (piscina, sauna..) Moro de aluguel e meu contrato é novo. Pago 1,6k. Quando eu aluguei, o proprietário disse que estava a venda por 500k, mas que ele havia desistido de vender (desistiu ou não conseguiu?). Há umas 2 semanas, uma vizinha colocou para alugar o apartamento. Preço: 2.800,00. Claro que não aluga! As pessoas perderam a noção!
      Estou na expectativa de esses preços voltarem ao normal…

      0
  • Ed_Bolha 23 de maio de 2012 at 18:30

    sei nao… to sentindo algo estranho aqui hoje… KD todo mundo??? ” dos nossos me refiro ” da pra alguem chegar junto aqui por favor…

    0
    • Leno 23 de maio de 2012 at 19:40

      O pessoal de sao paulo deve estar preso no transito, ou tentando embarcar no metrô. Hoje o dia aqui foi infernal.

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 19:42

        Leno acho que levaram o Luiz, metroviário assumido para ajudar, o cara sumiu. 🙂

        0
  • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 18:34

    Talvez pela gafisa e pdg ter se recuperado um pouco do vermelhão cedo, mas ainda tem quinta e sexta e sempre que fica verdinho depois vem 2 dias seguidos de tombo imenso.

    0
  • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 19:04

    Bolha Imobiliária,

    Percebi que os tópicos pararam de ficar bagunçado após retirar o botão DENUNCIAR ABUSO realmente pelo bem da organização do blog se for voltar esse botão precisa verificar esse bug que altera a ordem dos tópicos.
    Agora estou tendo uma satisfação grande em ler.

    0
    • Bolha Imobiliária 23 de maio de 2012 at 19:18

      É que o botão denunciar criava um “buraco” na árvore de comentários, dai resolvi tirar fora…Tendo novos problemas vou moderar as mensagens apenas editando a mesma

      0
  • Paulo Rocha 23 de maio de 2012 at 19:12

    Acabei de assistir um documentário muito interessante da BBC sobre a crise economica. O documentário vem em 2 episódios, ainda só tive tempo de assistir o primeiro. Achei bem interessante

    Título: BBC The Partys Over How the West Went Bust
    1/2
    “http://www.youtube.com/watch?v=yEG4OcUQu3
    2/2
    “http://www.youtube.com/watch?v=pPAUWvuZ2LQ

    0
    • Cleyton 23 de maio de 2012 at 19:55

      Paulo o primeiro endereço está errado, faltou um I no final.

      “http://www.youtube.com/watch?v=yEG4OcUQu3I

      0
      • FRK 23 de maio de 2012 at 20:34

        Baaaaumm…..

        Valeu a dica…

        0
    • Ploc 23 de maio de 2012 at 20:32

      Paulo,
      Material Muiot Bom
      Valeu.
      PLOC

      0
  • RosinhA 23 de maio de 2012 at 19:39

    Conversando via msn com uma amiga que está em Paris, me revelou de forma estranha que o mar não está para peixes, questionada ela me revelou, que estão passando a mesma situação daqui, povo endividado e BOLHA IMOBILIÁRIA PRESTES A ESTOURAR.

    O Molusco de lá começa a colocar idéias idênticas daqui, será a “NOM” brincadeira, mas o engraçado é que não tinha ouvido nenhuma repercussão disso aqui até agora, vou tentar me informar melhor com ela, pois o papo foi mais formal e de amizade.

    0
    • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 19:48

      França é um país que não entendeu ainda que a casa do “tratamento holandês” caiu.

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 19:51

        Caramba todos os status do mundo eram de mentirinha então, fico triste por isso. 🙁 Como diz o Anonymous ( Os americanos são muito melhores). 🙂

        Ironic Mode – ON

        0
      • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 19:56

        Ô inferno! Fui pesquisar “tratamento holandês” / “dutch treat” no Google para referenciar e descobri que o termo, rapidamente pesquisável, perdeu-se, pois era comum de ser usado nos anos 90, quando o conheci!

        Explico: os Países Baixos, no pós-guerra foram os primeiros a adotar a coisa “estado provedor”. Claro que por isso, foram os primeiros a terem apertos, e se adaptaram bem com medidas que foram ser mais bem conhecidas quando o fenômeno de se “apertar a coisa” foram aplicados pela Alemanha, que está aí, forte como deve por isso.

        A França é, dos ridos, o mais relutante em acabar com seu insustentável “saco de bondades”. A Grécia, talvez o mais insano, em ser o mais pobre e tentar aplicar uma coisa impagável pela sua economia e “extraível” carga tributária, pois:

        “Todos querem viver às custas do Estado, mas esquecem que o Estado vive às custas de todos”. – Frédéric Bastiat

        0
        • RosinhA 23 de maio de 2012 at 20:09

          Boa Franscisco deu vida a ironia

          0
    • xangai 23 de maio de 2012 at 20:29

      aiaiaiiiii … !!!

      Recessão Pode Deflagrar o Estouro da Bolha Imobiliária Francesa
      8 de maio de 2012
      “http://rcesar.net/2012/05/recessao-pode-deflagrar-o-estouro-da-bolha-imobiliaria-francesa/”

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 20:41

        Por isso gosto do Xangai ele é tipo nosso espião, fica quietinho trabalhando a favor do homem do martelo o Bolha. 🙂

        E Xangai aja perfume francês para retirar todo cheio de ….. que vai ficar por lá.

        A dona Angela preferia morar no campo cuidando de porcos ou fazendo chucrutes, tá louco ela pensa, em que mourão eu fui amarrar meu burro.

        0
        • Charles 23 de maio de 2012 at 21:42

          Ah, desculpa ai…Postei de novo embaixo o mesmo link do xangai. É que quando li voce lá em cima, logo postei e depois vi que ja tinham feito isso…

          0
      • Ivan 24 de maio de 2012 at 15:01

        Interessante esta parte:

        “Pelo jeito a receita foi a mesma no mundo inteiro: crédito fácil, incentivos dos governos e a estupidez da população em achar que todos podiam ficar ricos com imóveis.”

        Ah, mas esqueci… Aqui é diferente!!! (ironic mode on)

        0
        • Cleyton 24 de maio de 2012 at 16:29

          A favor de imóveis em épocas de inflação e crises financeiras tem o fato do tijolo valer sempre o preço de um tijolo em qualquer moeda e com qualquer inflação, ou seja, conservação de valor.

          Agora, o “salto” entre reserva de valor e investimento eu realmente não sei de onde surgiu.

          0
    • Charles 23 de maio de 2012 at 21:41

      Rosinha

      Essa é pra vc, hehe

      “http://rcesar.net/2012/05/recessao-pode-deflagrar-o-estouro-da-bolha-imobiliaria-francesa/”

      Bom apetite….

      0
    • chapolin 24 de maio de 2012 at 09:51

      Passei uma semana em Paris em Abril. Vez por outra, andando pela rua, eu parava na frente de alguma imobiliária e ficava vendo preço de imóvel, tanto para alugar como para comprar. Não que estivesse pensando em comprar ou alugar lá, mas com esta loucura daqui, a gente acaba “viciado” em olhar preço de imóvel para comparar, hehehe. Os preços estão altíssimos. Se for dentro de Paris mesmo (não vi nos banlieus), qualquer apartamento, em predio sem elevador, com MENOS de 50 m2, está por mais de 400 k Euros! Muitos por 600 k Euros para cima!

      Uma coisa que achei interessante é que eles tem uma escala gráfica, parecida com os que tem aqui em eletrodomésticos mostrando o quão econômicos eles são. Mas no caso são faixas de preço por m2.

      0
  • Eskeleto 23 de maio de 2012 at 20:07

    Se as pessoas se colocassem no lugar da Grécia = consumidor final / Alemanha = Banco e França = Construtora, poderiam analisar melhor a situação do endividamento da casa.

    E ai entenderiam que os outros países que não tem a ver com a história é a população no todo 🙂

    Se alguém tiver um modelo melhor para essa analise pode corrigir.

    0
    • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 20:19

      O problema é quando a Alemanha é o banco, a indústria, uma boa parte da freguesia, uma boa parte da horta, a família mais rica e os vizinhos só um bando de famílias mais ou menos perdulárias que acharam que pode-se gerar riqueza só trocando papel, e a Grécia é uma praia de hotéis com um bando de gerentes e hóspedes desmiolados e irresponsáveis.

      Aí coisa fica FEIA MESMO.

      0
  • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 20:12

    SEMI OFF:
    Os imóveis que podem ser ciladas

    Oito investimentos imobiliários que podem gerar dor de cabeça para o comprador desavisado

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/os-imoveis-que-podem-ser-ciladas

    PS: Não é meio tarde para sair isso, não?

    0
  • Tod 23 de maio de 2012 at 20:15

    Aqui em BH nada de queda dos preços nos melhores bairros como Lourdes e Funcionários, sendo que um amigo meu comprou em 2010 um 3 quartos de 95m2 por R$620.000 em contrução e vendeu agora por meros R$810.000, é mole?

    0
    • Charles 23 de maio de 2012 at 21:45

      Lenda Urbana…

      0
  • RosinhA 23 de maio de 2012 at 20:15

    Em anexo ao hospício e a igreja devido ao grande número de solteiros no blog ou que pretendem casar, a RosinhA Bubble Business, destaca sua nova idéia:

    Blog dos que não conseguem com sua renda compra uma casa sozinho/a, explico.

    Será assim:

    Perfil: homem com 100K de poupança procura mulher com 300k para cima para juntar valores.

    Mulher com 150K procura homem com 800K para comprar kit no Leblon.

    Homem com 200K procura homem sem grana mesmo, só pra ter companheiro. 🙂

    Acho que vai ser um sucesso!!!!!!!.

    0
    • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 20:29

      …e viverão felizes para sempre, abraçados em suas misérias e lamúrias, com sua previdência e poupança transformados no abriguinho contra às intempéries, apenas enfeitadinho.

      😉

      0
    • Charles 23 de maio de 2012 at 21:46

      Eu sou mais modesto. Estou me contentando com uma mulher que ao menos não seja isenta de IR.

      0
      • Mineiro BH 23 de maio de 2012 at 23:03

        tb me contento com uma que não seja perdulária (tipo a noivinha, que comentou ontem), e que tenha uma renda de uns 3.000 ao menos… poupança não precisa ter ahahahahahaha

        0
  • Miguel Jacó 23 de maio de 2012 at 20:16

    Comunico aos senhores que a última medida de incentivo do governo, de baixar o IPI para provocar descontos em automóveis, foi o tiro de misericórdia na bolha imobiliária no Brasil. Explico:

    Hoje em dia, a imensa, a enorme, a grande maioria dos brasileiros não tem condições de adquirir simultaneamente um imóvel e um automóvel novo.
    A saída seria: financiar um ou outro.

    Brasileiro sonha com a casa própria.
    Brasileiro é apaixonado por carro.

    Casa própria com preços bolhudos.
    Automóveis com mega-ofertas de 10% e com taxas baixas de financiamento.

    Aguardem e verão…

    0
    • Francisco Quiumento 23 de maio de 2012 at 20:28

      O chato, repetindo sua lenga-lenga: a bolha imobiliária é grande, mas é uma bolha que está dentro de outra maior, a de crédito. Esta, inclui bolhas de crédito para automóveis, material de construção para reformas, móveis, eletro-eletrônicos, vestuário e calçados, e por fim até “em cash” para gastos correntes.

      “Quando se compra cebola a crédito no supermercados, alguma coisa vai mal.” – Curiosamente, Delfin Neto.

      Vivemos no Brasil não numa bolha, mas num espuma desgraçada.

      Só lamento.

      0
    • Charles 23 de maio de 2012 at 21:47

      Como sempre: Faz sentido!

      0
  • Silas Coul 23 de maio de 2012 at 21:05

    Isso é uma estratégia de venda. E como disse no último post: a bolha não está preste a estourar pois o governo vai fazer de tudo para mascarar o real situação, inflando e postergando a ruptura da bolha.

    0
    • Leo 23 de maio de 2012 at 21:21

      O governo ja esta fazendo. com base no seu texto podemos pensar que… ?

      As medidas estao inflando ? Nao.

      0
      • RosinhA 23 de maio de 2012 at 21:24

        Ele está esperando até agosto………. isso é uma estratégia de vendas.

        0
        • Silas Coul 23 de maio de 2012 at 22:03

          E vc espertona? vai especular até quando com seu terreno de mais de 2milhoes de reais? ou vai esperar a bolha estourar e sair correndo desesperada pra vender por 1/5 do preço?

          0
          • RosinhA 23 de maio de 2012 at 22:08

            Minha diferença para você é que se ele valer 350K amanhã perceberei que o mundo voltou ao normal, e para você o mundo acabou !!!!!!!!

            Entendeu Espertão !!!!!!!!!!!!!!

            0
            • Silas Coul 23 de maio de 2012 at 22:40

              Quando chegar a esse preço, favor me oferecer que comprarei e saberei melhor o q fazer com ele.

              0
              • RosinhA 23 de maio de 2012 at 22:48

                KKKKKKKKKKKKKKK, vai financiar na caixa !!!!!!!!!!!!!!!!!!

                Esse Silas Monkey Cirilo, é hilário, quando esse terreno chegar a esse valor você toma gardenal de litro faz uns três anos. Chega de trollar com você, vamos analisar boas coisas.

                KKKKKKKKKKKK, eu compro, kkkkkkkkkkkk, cada um que apareçe. Procurou um blog para ser acolhido e está sendo destruído.

                0
                • D9 24 de maio de 2012 at 14:31

                  Não faz assim com o menino Rosinha, o rapaz não tá recebendo comissão, deve estar passando dificuldade… hehehhehe

                  Tenho pouca simpatia com Corretores…

                  Abraço p/ vc Cirilo!
                  As coisas vão melhorar … não, pensando bem, não vão não.

                  0
            • Leo 23 de maio de 2012 at 23:01

              Mandou mt bem… ahah

              0
            • Bolhado 24 de maio de 2012 at 13:52

              Hahahahahaha! Essa doeu! Em breve os Cirilos estarão correndo atrás da próxima bolha ou alimentando o próximo esquema de ponzi (Herbalife e derivados)

              0
    • Leno 23 de maio de 2012 at 21:28

      Digamos que o governo consiga segurar até 2014 e a bolha estoure em 2015, e dai? o que isso resolve? Quanto mais essa bolha inflar, pior será quando estourar, até porque teremos uma agravante, a conta da copa e das olimpiadas.

      Não entendo porque voces acham que postergar o estouro vai aliviar alguma coisa.

      Minha percepção pelos seus comentarios é que voce quer apenas ganhar tempo para repassar seus imoveis, depois que se f..

      0
      • Revoltado 23 de maio de 2012 at 22:08

        Leno, da pra perceber que vc esta com “ansioso” pelo estouro, mas leia novamente o que ele escreveu.

        O que vc respondeu nao tem nada a ver com o que ele expôs!

        Ele disse que acha que a bolha ainda vai levar mais tempo para estourar e ponto. Não falou nada sobre ser melhor ou pior estourar agora ou depois.

        Eu acredito que existam 2 possibilidades no curto/médio prazo:

        1 – A ocorrencia de uma crise, e essa ser o alfinete que explodirá a bolha. Aqui os valores despencariam em pouco tempo, e dependendo da gravidade e do tempo para superar a crise os valores sofreriam forte redução. Esse cenário não é bom pois na minha opiniao ninguém realmente se dá bem num ambiente de crise. Como na Espanha e EUA.

        2 – A manuntenção da situação de “estagflação” atual: industria, comercio, bolsa, etc “andando de lado” enquanto o poder de compra da população é corroido pela inflação. Seria um cenário de esvaziamento da bolha, pois a redução dos preços seria de forma mais lenta, porém continua. Algo como ocorre em Portugal.

        0
        • Silas Coul 23 de maio de 2012 at 22:44

          Muito boa sua análise.

          0
        • Leno 23 de maio de 2012 at 23:02

          Revoltado,

          Diria que estou apreensivo, e não ansioso. Minha maior preocupação hoje ė conseguir ter uma noção sobre os rumos da economia nos próximos anos, o quanto a empregabilidade da minha área será afetada.

          Com relação ao Silas, vejo apenas ele dizer que governo vai tentar mascarar a bolha.Isso parece obvio não? Qual governo não faria isso?

          O que não vi até agora (e desculpe se eu estiver enganado) ė uma explicacao de como o governo poderá conseguir isso na atual conjuntura econômica. Por isso penso que essa ideia de postergar o estouro ė mais um desejo do que algo que ele realmente acredita.

          0
          • Bolhado 24 de maio de 2012 at 13:56

            O governo que faria isso seria um governo responsável, talvez o da República de Platão ou da Utopia de Thomas More.

            Mas veremos que se o bicho ficar muito feito, o governo declarará inimigos os maldosos bancos, as gananciosas imobiliárias e as perversas montadoras!

            MAQUIAVEL EXPLICA!

            0
        • Johnny Real State 24 de maio de 2012 at 11:07

          Eu ainda acredito no soft landing.

          0
      • Silas Coul 23 de maio de 2012 at 22:18

        Infelizmente essa é a dura realidade. Mas grande parte disso tudo é a forma como o governo fez para estimular um crescimento temporário da economia, pensando apenas na sucessão do poder. A ruptura bolha será ruim para 99.9% da população.

        0
      • LB 23 de maio de 2012 at 22:24

        Leno,

        Resolver, não resolve. Mas o governo pode ainda se releger por mais 4 anos, perpetuando uma verdadeira dinastia dia 16 anos no poder.

        Aí, quando houver um PLOC, que para mim não passa de 2013, eles inventam alguma desculpa esfarrapada: reflexo da crise da Europa, recessão nos EUA, cancelamento da visita do Papai Noel ao Brasil, etc… qq coisa!

        0
        • Leno 23 de maio de 2012 at 23:12

          LB,

          Eu entendo que para jogar a culpa na crise da Europa não é necessário esperar muito, as coisas já ocorrendo e os efeitos já estão sendo sentidos por aqui. Além do mais, pensando em reeleição, seria melhor deixar estourar o mais distante possível de 2014, afinal, brasileiro tem memória curta, e o governo teria mais tempo de usar o marketing para acelerar o esquecimento.

          0
          • LB 24 de maio de 2012 at 08:50

            Leno,

            Concordo que o melhor seria a bolha ‘pipocar’ logo. Além de permitir que o mercado ‘gire’ novamente, ou seja, compras e vendas realmente acontecendo, mostraria ao brasileiro que milagres econômicos não acontecem de uma hora para outra sem uma reforma ampla no funcionamento do Estado, da postura do cidadão como parte integrante da sociedade, etc. Crescimento econômico com base sustentável advém de muito trabalho, muito esforço, muita reforma íntima pessoal. Muita, mas muita mesmo. É só mirarmos a história do Japão e Alemanha pós-guerra e, mais recentemente, da Coréia do Sul.

            Porém, um PLOC agora surtiria efeitos (aumento de desemprego, contribuição para uma recessão, etc) que perduraria por mais de 2 anos e, assim, o problema ainda estaria às vistas. Certamente a reeleição, que o atual governo já dá por certa, poderia ser comprometida.

            O pior do pior mesmo é que, em se tratando de política, não temos muitas escolhas plausíveis.

            0
            • Mário 24 de maio de 2012 at 17:19

              A FARSA DA DEMOCRACIA
              Votar é abdicar.
              Não obstante, os escravos modernos sentem-se ainda cidadãos.
              Acreditam poder votar e decidir livremente quem conduzirá seus assuntos como se ainda pudessem escolher.
              Mas quando se trata de escolher a sociedade em que queremos viver, vocês acreditam que exista uma diferença fundamental entre a social-democracia e a direita nacionalista, na França, entre os democratas e os republicanos nos e.u.a?
              Entre liberais e conservadores na Colômbia?
              Não existe nenhuma oposição visto que os partidos políticos estão de acordo no essencial: a conservação da presente sociedade mercantil.
              Nenhum dos partidos políticos que possam ter acesso ao poder põem em questão o dogma do mercado.
              E são esses mesmos partidos que, com a cumplicidade midiática, se camuflam nas telas.
              Riem por pequenos detalhes com a esperança de que tudo continue igual.
              Disputam em saber quem ocupará os postos que lhes oferecem.
              Essas pobres crenças são difundidas por todos os meios de comunicação, com a finalidade de ocultar um verdadeiro debate sobre a escolha da sociedade em que queremos viver.
              A aparência e a futilidade dominam sobre o enfrentamento das idéias.
              Tudo isso não se parece em nada, nem de longe, a uma democracia.
              A democracia real, se define em primeiro lugar, antes de tudo, pela participação massiva dos cidadãos na gestão dos assuntos da cidade. É direta e participativa.
              Encontra sua expressão mais autêntica na assembléia popular e no diálogo permanente da vida em comum.
              A forma representativa e parlamentar, que usurpa o nome da democracia, limita o poder dos cidadãos ao simples direito de votar, ou seja: a nada.
              Escolher entre cinza claro e cinza escuro não é uma escolha verdadeira.
              As cadeiras parlamentares são ocupadas em sua imensa maioria pela classe economicamente dominante.
              Seja da direita, ou da pretensa esquerda social democrata.
              Não tem que se conquistar o poder, tem que se destruí-lo.
              É tirano por natureza.
              Seja exercido por um rei, um ditador ou um presidente eleito.
              A única diferença no caso da democracia parlamentar, é que os escravos têm a ilusão de escolher, eles próprios, o mestre que deverão servir.
              O voto os fez cúmplices da tirania que os oprime.
              Guy Debord (Da Servidão Moderna)

              0
  • joka 23 de maio de 2012 at 21:55

    Rosinha, Mrk E quem mais puder , me ajudem a entender esse relatório que a Universidade Federal de Minas soltou sobre o mercado imobiliário de BH- Nele fala em queda do valor, mas o significado ampliado disso, nao pude depreender. Quem da um Help?

    http://www.ipead.face.ufmg.br/site/siteipead/documentos/imobiliario/comercializacao/2012/02_2012_construcao.pdf

    0
    • RosinhA 23 de maio de 2012 at 23:18

      Joka não conheço o mercado aí , cada um tem sua peculiaridade, mas pelo entendimento das tabelas 5, 6 e principalmente16, posso analisar que o oba oba acabou, principalmente em 10/2011, onde ocorreram as maiores quedas, não da para obter parâmetro pois são só de novos e lançamentos, os usados não estão na pesquisa e influenciariam bastante com seus números, agora a 16 é legal nada desses números quase ainda está de pé é só promessa, será que acaba?

      0
  • AF 23 de maio de 2012 at 21:56

    FDS que vem também será a vez de Porto Alegre ter feirão da CEF.

    Já tenho os valores dos anos anteriores para fins de comparação. O aumento dos preços está muito evidente, com um menor numero unidades vendidas e maior faturamento.

    0
  • Silas Coul 23 de maio de 2012 at 22:26

    Existem 3 momentos prováveis para o estouro: 2013(se a economia mundial entrar em colapso), 2015(após as eleições e copa, isso se a economia mundial esteve estável nos 2 anos anteriores). E, caso a economia mundial fique estável e os pacotes de estímulos que estão inflando e postergando o estouro da bolha funcionarem, temos o pico, q será em 2017(após olimpíadas, com fuga de capital estrangeiro e total endividamento da sociedade). Antes disso, só reajuste de preços em áreas ultrabolhudas, mas ainda muito acima do valor real.

    0
    • Anonymous 23 de maio de 2012 at 22:56

      Voce só esqueceu um detalhe – a RENDA. Qualquer crescimento que não se baseia na renda é insustentável.

      A perda de 10 bilhões de Reais dos bancos bananenses (mais exigentes que os bancos Americanos quando o assunto é empréstimo) com o simples financiamento de automóveis foi escancarada ontem. As datas mágicas (olimpíadas, copa, etc) não se aplicam também aos automóveis? Afinal, se voce precisa de um imóvel novo para assistir a copa, com muito mais razão precisa de um automóvel novo para ir até o estádio.

      Quanto voce acha que irão perder com o financiamento de imóveis? Como voce acredito que os companheiros farão tudo para manter-se no poder. Entretanto, na minha opinião, voce está superestimando a capacidade deles de empurrar os problemas com a barriga.

      0
    • LB 24 de maio de 2012 at 09:11

      Há alguns meses atrás, em uns dos posts, houve uma enquete aqui de quando a bolha iria estourar.

      Eu votei que era em 2013. Depois das últimas notícias: desestímulo à poupança, a situação da Europa que certamente irá decorrer em uma fuga de capitais do mercado brasileiro e alto nível de endividamento da família brasileira, estou plenamente convencido que não passa de 2013.

      Sim, considero a possibilidade do governo ainda baixar juros na canetada. Mas, mesmo assim, acredito que de 2013 não passa.

      0
    • Charles 24 de maio de 2012 at 11:03

      Dado seus posts anteriores no blog, sua análise é puro achismo. Voce nao tem a minima ideia, muito menos base cientifica ou de dados, do que esta falando.

      Capiche?

      0
  • Rodrigo 23 de maio de 2012 at 22:31

    Segundo a escola Austriaca de economia, uma bolha tem o efeito de locar recursos escassos para atividades não essenciais ou produtivas. A crise nada mais é do que a realocação desses recursos para fins mais produtivos. Portanto a crise, resumidamente, é boa para todos.

    0
  • Rodrigo 23 de maio de 2012 at 22:35

    pois a economia sempre tende ao equilíbrio entre oferta e demanda e, se não houver impressão de dinheiro que causa inflação, aumento de produtividade e queda de preços, como no setor de informática por ex.

    0
  • Rodrigo 23 de maio de 2012 at 22:39

    quando o governo usa o aumento do dinheiro circulante para manter determinado setor ele faz três coisas: premia a baixa competitividade, mantém a distorção e causa inflação.

    0
  • RPL 23 de maio de 2012 at 22:48

    Pergunta:

    Sou só eu ou os outros bolhistas também são contra a Copa do Mundo aqui em 2014???

    Teriamos como fazer um manifesto contra a copa?? Mesmo que seja um blog?

    0
    • Leo 23 de maio de 2012 at 22:57

      Eu sou conta a Copa, Olimpiadas e qualquer outra palhacada. Na minha opiniao, por mais que seja voto vencido, estes tipos de eventos deveriam ocorrer após votacao. Afinal vivemos em uma “democracia” (?) .

      Torço para que cancelem logo a copa por conta do ritimo das obras….

      0
    • Mineiro BH 23 de maio de 2012 at 23:06

      que Copa?
      2014 vai ser na Alemanha ou no Reino Unido…

      0
      • LB 24 de maio de 2012 at 09:25

        Vai ser nos EUA. Eles entregaram um documento à Fifa informando que suas infraestruturas estão prontas.

        h t t p : / / brasil247.com/pt/247/esporte/2762/EUA-se-articulam-para-tomar-a-Copa-de-2014.htm

        0
    • Cicero Silva 23 de maio de 2012 at 23:08

      Inicialmente era a favor da copa e olimpíadas.

      Acreditei que poderíamos ser um pouco sérios. E que tal eventos deixariam coisas boas para a sociedade (infra).

      Mas logo vi a pornografia explícita (orçamentos).

      Então tive que concrodar que ainda não temos cultura para organizar qualquer espetáculo minimamente razoável, sem tanta roubalheira.

      ps: por igual razão, percebi que a transposição do São Francisco era/é um engodo. Ou simplesmente um motivo para favorecer algumas pessoas.

      0
      • RPL 23 de maio de 2012 at 23:15

        Eu sempre fui contra….

        Tive a oportunidade de fazer algumas viagens internacionais… E cada vez que eu voltava pra cá, eu via a diferença… Infelizmente, não temos (e não vamos ter) educação pra sair do buraco….

        Quando tivemos oportunidade ($$$ do boom das comodities) para fazer algo para longo prazo, não fizemos…

        A nossa próxima chance, vai ser conseguir tirar algo do pré-sal… Mas eu não tenho esperanças que esse dinheiro vá ser usado para fazer algo melhor para nossos filhos e netos…

        0
    • Lady M. 23 de maio de 2012 at 23:09

      Junho é o limite para a Fifa desistir da Copa aqui. Mas isso não vai acontecer.

      http://br.noticias.yahoo.com/dos-101-empreendimentos-copa-41-sa%C3%ADram-papel-162333798–spt.html

      0
    • Leno 23 de maio de 2012 at 23:28

      Eu sou contra a copa porque entendo que para o país ganhar com o evento já ė necessário ter ao menos um mínimo necessário para sedia-lo, e não transformar o país num canteiro de obras, retirando investimentos de outras áreas sociais e colocar em obras que pouco servirão após o evento.

      0
    • MrCitan 23 de maio de 2012 at 23:42

      Fazer uma espécie de “Manifesto da Copa” devirtuaria o real sentido do site, que é trocar experiências e opiniões sobre o mercado imobiliário e outros pontos referentes.

      Esta Copa caiu no colo do Brasil lá em 2007, e desde então se tornou apenas um trunfo para benefício de poucos, e que como vemos, está se tornando numa grande promessa de fracasso, ou na melhor das hipóteses, de um evento que vai ser movido na base da gambiarra.

      “http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/05/apenas-1-dos-investimentos-para-copa-foram-efetuados-diz-governo.html”

      E com a Europa em crise, e com o Brasil dos serviços com preços caros de qualidade duvidosa, é de ficar precavido se TODOS os estádios serão usados para receber os turistas estimados.

      0
      • GB 24 de maio de 2012 at 00:02

        Qualquer semelhança, mera coincidência, isso pode acontecer com os novos estádios da Copa:

        “http://exame.abril.com.br/economia/mundo/noticias/5-estadios-feitos-para-megaeventos-que-viraram-grandes-micos

        0
        • RPL 24 de maio de 2012 at 00:09

          O que me assusta é que os estádios citados na matéria custaram na faixa de USD 100 M a USD 150M…

          Os daqui vão custar bem mais que isso…

          0
  • MrCitan 24 de maio de 2012 at 00:22

    Pelo que eu vejo sobre os pacotes econômicos que pipocam no Brasil nestes dias, e também dos relatos de muitos daqui, fica uma sugestão para que o Anonymous, possa nos ajudar com dicas de como conseguir um visto H-1B para os EUA. 🙂

    0
    • RGD 24 de maio de 2012 at 05:12

      MrCitan, eu tirei esse visto H1B quando vim para os EUA há quase 11 anos. Basicamente para conseguir esse visto, alguma empresa nos EUA precisa querer te contratar e mostrar que não existe nenhum americano desempregado com as mesmas qualificações que você. Além disso, existe uma quota anual para o visto H1B, que acredito que já está acabando. Esse website tem várias dicas:
      “http://redbus2us.com/plan-schedule-to-apply-h1b-visa-fy-2013/

      Como o website acima explica, o ideal é primeiro procurar um emprego com uma empresa que patrocina vistos H1B. Acredito que todas as empresas da área de tecnologia, inclusive a minha empresa, patrocinam o visto sem problema nenhum, desde que exista quota. Por exemplo, se uma empresa tentasse te contratar agora, você só poderia começar a trabalhar provavelmente em outubro de 2013.

      A minha sugestão inicial é que você crie um perfil em Inglês completo na rede LinkedIn com toda a sua experiência e qualificações e adicione todos os contatos que tiver. Só nas duas últimas semanas, eu recebi 2 e-mails de “recruiters” por causa do meu perfil no LinkedIn. Aqui está uma parte dos e-mails que eles me mandaram:

      “I’m a recruiter at Google working with engineering managers throughout the organization to fill specific software engineering roles.
      Your background in Computer Science and experience at your company could be a strong fit for a number of engineering roles currently open at Google. …”

      “I’m networking for top software development talent for Microsoft’s cloud and developer tools businesses and your background aligns well with what we’re looking for. Are you or someone you know interested in discussing full-time roles with Microsoft, now or in the future? ..”

      Boa sorte!

      0
  • Dr Luz 24 de maio de 2012 at 00:31

    Noticia fresca do Jornal do Brasil
    Ate que enfim
    h t t p ://www.jb.com.br/rio/noticias/2012/05/23/precos-de-imoveis-no-rio-comecam-a-cair-apos-supervalorizacao/

    0
    • Curioso 24 de maio de 2012 at 00:51

      Blza Luiz!

      Bolha, acho que vale mais um tópico!!!!

      Vamos prestigiar as primeiras notícias sensatas sobre o estouro da Bolha! (para aqueles que acreditam que tá houve um estouro)!

      0
    • Fred 24 de maio de 2012 at 06:19

      Muito bom! Mesmo em bairros pretensamente intocáveis e ainda que com dinheiro na mão, EU não vejo por que comprar hoje, se existe uma forte chance de baixa em maior ou menor medida.

      0
    • Davi 24 de maio de 2012 at 08:48

      “O problema não são as vendas, mas um déficit imobiliário, tanto do lado comercial quanto do residencial.

      (não é não, imagina …)

      A demanda profissional continua aumentando, o mercado ainda está aquecido, as próprias construtoras estão demandando a mão de obra”, apontou. “

      (uhummmm)

      Os valores estão caindo mesmo, mas é apenas um ajuste do mercado, que está supervalorizado, e agora está voltando a um preço mais ajustado. A queda deve ficar neste patamar de 20% a menos”.

      (sim um pequeno ajuste, ponta vendedora falando em pequeno ajuste de 20%, esperem o dobro)

      0
      • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 09:02

        “O problema não são as vendas, mas um déficit imobiliário, tanto do lado comercial quanto do residencial.”

        Alguém me traduz o enrolation-vendedorês, por favor?

        Desde já, grato.

        0
        • GB 24 de maio de 2012 at 09:22

          Vindo de um pessoal que até 7 meses atrás dizia que ia valorizar 30% a.a., que de 4 meses atrás dizia que ia valorizar 10%, que de 2 meses dizia que ia estabilizar, continuar falando que as vendas “estão bombando” e que vai ter um “leve” ajuste para baixo parece-me bastante lógico hoje.

          Não adianta esperar nada deles, quando o TITANIC bateu no Iceberg a banda continuou tocando e sabemos que sempre vão maquiar as coisas, é que falar hoje em 30% de valorização é ridículo, se houvesse alguma possibilidade eles ainda estariam com esse discurso pronto.

          E essas medidas do governo para o autobilístico, se ajudar (eu duvido), só ajudam as montadoras, vai piorar o mercado de usados, o pessoal já está lotado deles e não vão mais aceitá-los na troca pelos novos, ou se aceitar vão ter que dar de graça e os donos não vão querer.

          0
  • Socorro!! 24 de maio de 2012 at 08:28

    ..otima a noticia do JB….pena que é um jornal que saiu de circulação no Rio e agora ta so na internet ( para mim tinha acabado de vez)…

    entao, vamos divulgar galera……fazer novo topico… fazer uma corrente via email…colocar no facebook ,…sinal de fumaça……temos que fazer chegar este tipo de noticia ao povao…vamos fazer algo…rs…

    0
  • Socorro!! 24 de maio de 2012 at 08:37

    ..lendo a reportabem é cristalino ver como corretor so fala mer… e são contraditorios entre o que eles falam e entre eles mesmos

    primeira pérola..

    1º Houve uma parada de consumo pelas pessoas que adquiriram sua casa própria. Ainda está se vendendo muito bem, mas deu uma parada.

    CARACA MALUCO…OU VENDE BEM OU NAO VENDE…COMO É ISTO DE TA VENDENDO MUITO BEM MAS DEU PARADA…A UNICA COISA QUE PARA E ANDA PARA E ANDA E ENGARRAFAMENTO!!! …RS

    2º Historicamente, o mercado nunca trabalhou até março, e a semana santa também impossibilita uma noção melhor de como o mercado está. Só a partir desse mês as informações serão mais concretas
    ENTAO…QUANDO VC COMPARA JAN A MAR DE QUALQUER ANO VC TEM SEMPRE OS MESMOS EVENTOS ( CARNAVAL ,FERIAS , SEMANA SANTA ).. ENTAO COMO NAO DA PARA COMPARAR UM ANO CONTRA O OUTRO ??

    TEM MAIS UMAS Merdas que estes caras estão falando ,mas vou parar por aqui

    0
    • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 10:18

      a meu ver, o problema está ainda maior nos condomínios que estão ficando prontos na Barra; a maioria já tem mais de um ano e, como ninguém mora, estão em estado de abandono (eu vi isso em vários)

      minha pergunta de sempre: vc vai querer morar num lugar vazio, deprimente e em estado de abandono? mesmo que baixe para 1/3 do valor, eu não quero isso pra mim e na zona oeste inteira está acontecendo isso com os lançamentos

      0
      • Paulo - RJ 24 de maio de 2012 at 10:41

        Não sou expert em economia, nem entendido em mercado imobiliário, mas esta pedra de que a área mais bolhuda do Rio era a “Barra Olímpica” e que lá abaixaria mais que outras áreas eu cantei desde o início do ano passado, quando comecei a frequentar o blog. Não sei se isto já está acontecendo.
        O fundamento utilizado para isto foi a lógica (muito lançamento para pouca demanda).

        Obs: Não me refiro à Barra como um todo. Morar a 2,3, 4 quadras da praia continuará com preço maior, mesmo com o problema de mobilidade (sair do bairro para trabalhar no Centro, por exemplo). Me refiro ao novo bairro que estão chamando de Barra Olímpica, que engloba pedaço de Jacarepaguá e Curicica.

        0
        • Paulo - RJ 24 de maio de 2012 at 10:46

          Foi mal, este comentário era para responder o post do Socorro!, abaixo

          0
  • Socorro!! 24 de maio de 2012 at 08:43

    ja ouvi falarem no Forum que a baixa vai começar por Botafogo quando entregarem os APartamentos que estão sendo construidos…

    Lendo a reportagem eu acho que ela ta certa quando afima que na Barra os preços ja COMEÇARAM a cair.. eu acho que a baixa começa na Barra ( principalmente a Olimpica)…estes dias eu comecei a ver apartamento na Barra pelo ZAP ….galera, tem muita coisa la de 1 º Locação para vender.. eu ate achei barato para o padrao de HJ( logico que o padrão de HJ ta caro pra cacete)…acho que muita gente comprou AP na barra para especular e agora ta querendo vender…

    A BAIXA DE PREÇO VAI VIR DA ZONA OESTE PARA A ZONA SUL !!!

    0
    • Paulo - RJ 24 de maio de 2012 at 10:45

      Não sou expert em economia, nem entendido em mercado imobiliário, mas esta pedra de que a área mais bolhuda do Rio era a “Barra Olímpica” e que lá abaixaria mais que outras áreas eu cantei desde o início do ano passado, quando comecei a frequentar o blog. Não sei se isto já está acontecendo.
      O fundamento utilizado para isto foi a lógica (muito lançamento para pouca demanda).

      Obs: Não me refiro à Barra como um todo. Morar a 2,3, 4 quadras da praia continuará com preço maior, mesmo com o problema de mobilidade (sair do bairro para trabalhar no Centro, por exemplo). Me refiro ao novo bairro que estão chamando de Barra Olímpica, que engloba pedaço de Jacarepaguá e Curicica.

      0
      • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 11:21

        Também acho que os prédios antigos vão demorar mais a cair.

        Mas tem muito mais área da Barra. Aquele trecho em frente à reserva (final da Barra, início do Recreio) também está micado. Já visitei apartamentos ali este ano e está tudo vazio e com área comum largada. A Peninsula também tem vários prédios tristes, visitei um no final do ano passado com “Espaço Zen” desabando…

        Isso em falar no emblemático Pier (na Barrinha), inaugurado a um ano e meio e sem ninguém morando até hoje… (de noite, não tem NENHUMA luz acesa em qualquer dos prédios).

        0
  • Roberto 24 de maio de 2012 at 09:26

    Só T R O U X A para comprar carro zero neste pais !!!!!!!!!!!!

    “Na prática, o que houve foi a institucionalização dos preços que já eram adotados pelas concessionárias. Como as lojas andavam às moscas, fabricantes e importadoras estavam concedendo bônus para seus produtos e as autorizadas cortaram praticamente a zero as margens de lucro para continuar operando.

    Levantamento feito por Autos mostrou que nas novas tabelas há modelos com preço praticamente igual ou até maior do que os que estavam sendo adotados nas concessionárias da capital.”

    “http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,precos-reduzidos-ja-eram-adotados-nas-revendas-de-sp,113634,0.htm’

    0
  • peterson 24 de maio de 2012 at 09:34

    Segue mais uma combinação de análises, para aqueles que não gostam dos meus posts favor pular a leitura, quero discutir fundamentos, não ideologias profeticas emotivas : por sí só este relato demonstra que o setor não enfrenta crise consolidada. Eu não gosto de fantasiar, o fato é que as construtoras ainda estão com grande carteira de venda, o problema não está sendo esse, quando chegar neste problema daí as coisas ficam sérias e a ruptura acontece, ocorre que as construtoras estão sem CAIXA pois suas vendas não estão no ritmo anterior, assim elas não conseguem ROLAR as dividas com novos lançamentos, para piorar a carteira de lançamentos deve ser revista para BAIXO pois ocorreram muitas avaliações erradas anteriores e há um alto indice de devolução, assim as vendas AINDA BOAS acabam por desovar o que em tese já estava vendido. Quanto ao setor em si, existem particularidades que mantem a CC andando, o primeiro e mais importante é que a CC tem uma inercia de adaptação, a estagnação ocorreu em fins de 2011, não será agora que tudo vai parar de ser construido, na verdade faltam as obras relativas às vendas até este período e estas não são poucas. Outra coisa importante é que o mercado de CC é dominado pelo médio construtor, este é muito mais dinâmico e não participa de feirões, por outro lado engrossa o caldo, neste setor temos a maior possibilidade de ruptura de bolha, pois não tem muito caixa, nunca teve, poucos conseguem manter-se com emprestimos do BNDES, como ocorre com as grandes, percebe-se que há um movimento claro de redução de preços neste tipo de obra, forçada pela nescessidade do construtor, assim, para mim o foco desta bolha deveria estar na sustentação dos médios construtores, não há como o governo mantê-los, assim, as noticias da saúde destes é que são fundamentais.

    0

    • MrJaime 24 de maio de 2012 at 10:00

      Você pode tentar florear da maneira que quiser, mas o fundamento de todos os problemas do mercado imobiliário está no fato de que os preços só aumentaram devido à expansão não-sustentável do crédito entre 2007 e 2011.

      Esta expansão não ocorrerá mais. Com isso, o CAIXA não será alimentado, pois faltarão VENDAS.

      Vale ressaltar que o início da queda de preços, que estamos vendo inicando agora, não é o problema. É a solução! O Problema foi, justamente, a valorização irreal sustentada por expansão exponencial de crédito. Agora, estamos começando a tomar o remédio amargo que trará a cura.

      A raiz do problema é esse. Vamos descomplicar e manter o foco no que é importante.

      0
      • peterson 24 de maio de 2012 at 10:39

        O Problema Sr Jaime, é que o relato deste tópico relata exatamente o contrário, que as vendas ainda estão ocorrendo, a ponto do comprador ser mal tratado, e penso que estão mesmo, não há redução no volume de vendas, há redução no volume de lançamentos por causa das devoluções, as vendas continuam, sem crescimento imagino, mas continuam firmes e fortes. Ocorre que existe toda uma cadeia que não participa de feirão, que não tem vantagens de financiamentos subsidiados, nem podem ficar muito tempo sem vender SEUS LANÇAMENTOS, assim, estes serão os primeiros a registrar quedas bruscas, não o foco da maioria deste blog, que são as grandes construtoras. acho que agora ficou claro.

        0
        • MrJaime 24 de maio de 2012 at 10:57

          Peterson (Legal trocar idéias contigo)

          1) Isso de maltratar o comprador faz parte do teatro dos vendedores. Essa tática, infelizmente, fisga a massa, pois os fazem pensar: Meu Deus, eu preciso entrar nessa, é agora ou nunca!

          2) Dê uma olhada no ‘número de unidades vendidas’ em SP, em BH e no Rio. Durante todo o ano de 2011 pipocaram notícias de quedas do número de vendas da ordem e 30%-40% em relação ao ano anterior. Nesse ano, a queda no número de vendas continua. Veja alguns exemplos:

          Set/11: SP acumula queda de vendas de 38% no ano
          economia . terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201109191010_RTR_1316426843nE5E7K805W

          02/Fev/12: Queda de 38.% nas vendas EM RELAÇÃO a 2011:
          jconline . ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2012/02/03/vendas-de-imoveis-caem-385_porcento-30851.php

          Mar/2011: Em março, queda de vendas foi de 68%
          www . pco.org.br/conoticias/ler_materia.php?mat=29459

          Set/11: BH: Queda de 41% nas vendas
          estadodeminas . lugarcerto.com.br/app/noticia/noticias/2011/12/22/interna_noticias,45631/venda-de-imoveis-cai-41-44-em-bh.shtml

          Meu comentário: É claro que ainda vende, mas num ritmo bem inferior ao ritmo que sustentava a valorização irreal.

          Você pode pesquisa por “queda vendas imóveis” no google e verá centenas de notícias em jornais de grande circulação.

          0
          • peterson 24 de maio de 2012 at 11:27

            o problema é que a sua matéria retrata as vendas gerais, e neste cenário estão TODOS os agentes vendedores, as vendas das construtoras estão seguindo, basta ver a lógica do ocorrido com o relator do topico…

            quanto à esta estratégia de matratar o comprador, acho que trata-se de um equivoco, pois isto não reflete a realidade, onde o comprador é quase sempre muito bem tratado até a venda, após ela é que os problemas de maus tratos costuma ocorrer. O que refletiu e foi relatado é que devido ao volume de negociações o vendedor não deu a minima por uma demanda de 150k. E isto é certeza, não achismo de uso de tecnicas emotivas.

            0
    • Tod 24 de maio de 2012 at 10:04

      Perfeita análise Peterson, um comentário realmente discutindo fundamentos, brilhante!

      0
      • RosinhA 24 de maio de 2012 at 11:23

        Muito bom Peterson, esqueceu só de mencionar que em SP, dominam microconstrutores, principalmente no interior, mas seria uma situaçao localizada. E eles já não ganham o que ganhavam antigamente, podendo alterar seus planos no futuro, e isso também tem de ser levado em conta.

        0
    • BolhaBH 24 de maio de 2012 at 10:11

      Peterson escrever bem não é ficar dando voltas e firolando.

      Você vai aprender muito aqui.

      0
      • peterson 24 de maio de 2012 at 10:43

        adverti que aqueles que não gostam de meus posts o pulassem, para não resultar em comentarios como este, mas, aproveito e retifico a parte do meu texto em : ocorre que as construtoras estão sem CAIXA pois suas vendas não estão crescendo no ritmo anterior

        0

    • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 10:22

      “assim elas não conseguem ROLAR as dividas com novos lançamentos”

      Hein?

      0
      • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 10:24

        Faltou:

        Colocar ponta na ponta um dia quebra.

        0
    • Annibal 24 de maio de 2012 at 10:24

      As vendas podem até não estarem”zeradas” como muitos (inclusive eu) gostariam, mas não é preciso que travem literalmente para que as construtoras quebrem, basta se se mantenham baixas para q gerem problemas de caixa nas construtoras, q estão super alavancadas.

      Isso sem levar em conta as pequenas, que devem estar num sufoco sem tamanho… tentaram aproveitar ao máximo o “bom período” e agora possuem um estoque avaliado acima da realidade… qdo a conta chegar, vai ter ajuste de balanço para atualização de estoque (imóveis não vendidos e terrenos)… ai vão aparecer as debilidades do setor… e creio q estes ajustes negativos não ocorrerão apenas no ramo da construção civil… ta todo mundo alavancado…

      0
      • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:01

        “ta todo mundo alavancado…”

        BINGO PLUS!

        0
      • Revoltado 24 de maio de 2012 at 13:08

        Concordo em parte. Pelo que me parece o setor que está com mais força no momento é o de imóveis para baixa renda principalmente o MCMV.
        A velocidade das vendas foi reduzida e o mercado vê isso. Somado ao fato dos balanços com grande redução nos lucros ou até com enormes prejuizos vem aos baixos valores em caixa das empresas e os anuncios de redução na quantidade de lançamentos, que iniciaram o panico na bolsa “derretendo” as ações das construtoras;

        0
    • Murdoch 24 de maio de 2012 at 10:50

      Peterson, curti seu post.
      Desde que comecei a ler o blog, há mais de um ano, coloco aqui que a coisa não ia ser tão rápida. Até lá, todo lastro teria que ser consumido e ainda não foi. Sempre insisti com a questão do calendário político. Isso não tem preço para o Governo Federal. Vai gastar o que tiver que ser gasto.

      0
    • Charles 24 de maio de 2012 at 11:25

      Carissimo Sr Peterson – o sentimental

      O sentimentalismo, dito por voce no inicio do post, foi começado por voce mesmo com a choradeira que não iria mais brincar… Então, não me venha com xurumelas…

      Outra ponto importante em distacar na sua brilhante analise é que estamos dizendo isso ha anos aqui, mas agora voce vem com maus uma aula e relata mais do mesmo…

      Convenhamos: Seus posts ja foram melhores, mas sua arrogancia o levou a ruina…

      0
      • peterson 24 de maio de 2012 at 13:03

        ok, mas sinceramente não vi em lugar algum absolutamente nada igual ao que disse aqui.

        0
      • Mineiro BH 24 de maio de 2012 at 15:46

        Eu aqui tenho sido seu fã Peterson, mas acho que vc tá meio inebriado e perdeu o foco… por outro lado, vc de fato levantou uma questão bacana a ser explorada aqui, a questão do construtor médio…

        0
        • peterson 24 de maio de 2012 at 16:19

          o mercado mundial está muito volátil e estou perdendo 12hs por dia tentando alocar os recursos no melhor mercado, por isso devo estar sem um parametro definido neste blog… sou do mercado FX para ter idéia minha média é usar no máximo 12 stop loss (paradas de perda) ao mês, somente semana passada foram 35, na média eu uso 50 stop profit (realizar lucro) ao mês, somente semana passada usei (alguns sem necessidade tamanha a velocidade da volatilidade) 300 stops. Minhas operações superam 500 e tive que voltar minha cota inteira para USD (desde dia 7) e agora preciso esperar a estabilização do CHF(blindo meu dinheiro em CHF, mas o CHF estava e está perdendo dede dia 30/04 frente ao USD em % muito alta), ou você acha que é so o BRL que está se desvalorizando?, esqueça isso, o Brasil ainda está bem, o problema é global, aí a situação está ficando cada vez pior…

          0
  • CAMBALHOTA 24 de maio de 2012 at 09:47

    Bolha!!!
    Sem pestanejar a notícia do JB deveria virar tópico urgente. Eu já divulguei no meu face e por e-mail à amigos interessados no assunto.

    E pra não dizer que não falei de flores:
    http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2012/05/blatter-volta-cobrar-brasil-nao-esta-fazendo-o-trabalho-no-tempo-certo.html

    0
  • Tod 24 de maio de 2012 at 09:57

    É pessoal, com nosso Brasil com pleno emprego, fica difícil acreditar em um estouro agora:

    Desemprego cai para 6% em abril, aponta IBGE

    Taxa de desocupação no País é a menor para abril desde 2002, quando iniciou a série histórica; em março indicador havia sido de 6,2%

    O desemprego brasileiro caiu para 6% em abril, ante 6,2% em março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

    O resultado do mês passado é o melhor para abril desde 2002, quando iniciou a série histórica.

    Pesquisa da Reuters mostrou que, pela mediana das previsões de 17 analistas consultados, a taxa seria de 6,2% no mês passado. As estimativas variaram de 6% a 6,4%.

    0
    • MrJaime 24 de maio de 2012 at 10:10

      Basta você olhar à sua volta. Os preços ja estão caindo, e a queda é conhecida tanto pelo CRECI quando por uma das maiores imobiliárias do RJ.

      0
      • Tod 24 de maio de 2012 at 10:19

        Não adianta o preço cair em um imóvel ou outro em determinados bairros ou cidades específicas do Brasil, para a caracterização da ruptura de uma bolha os preços deverão cair em todo país.

        E com pleno emprego, não há a menor chance de isso acontecer, essa é a verdade, triste, mas a realidade.

        0
        • Galvão 24 de maio de 2012 at 10:33

          Discordo. Pleno emprego, com renda média de R$ 1.800. Compra o quê???

          O que vai desencadear a queda é a estagnação das vendas, com a saída dos investidores, que compraram até 2010 e que agora precisam vender.

          Esse é o principal ponto. Por isso o discurso ensaiado dos interessados em velar a realidade de que a maioria que comprou foi para morar. Eles sabem que admitir isso é um tiro no pé.

          Por que admitir que a maior parte dos imóveis foi vendido para investidor é assumir que a “forte demanda” dos últimos anos foi artificial.

          Isso já foi explicado aqui diversas vezes.

          Já até com peninha dos que estão tentando vender os ágios e não conseguem.

          0
          • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 10:36

            “Discordo. Pleno emprego, com renda média de R$ 1.800. Compra o quê???”

            BINGO!

            0
          • Tod 24 de maio de 2012 at 10:41

            Calme lá, renda média de R$1.800 por pessoa, ou seja, na prática você acaba tendo uma renda média de R$4.000 por família, lembrando que isso é uma média e que em determinadas cidades temos milhões de pessoas ganhando muito acima disso.

            Não vejo muitos problemas nas vendas dos imóveis comprados pelos investidores, já que a maioria vai começar a ficar pronta em 2013 e até lá o governo já vai ter reduzido os juros para casa dos 7.0% a.a, ou até menos.

            0
            • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 10:52

              Muito bem. PIB per capita de 11 mil dólares compra o que? Imóvel de 50 mil (note o valor!) dólares financiado em quantos anos, restando o que para o “resto”?

              0
            • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:05

              Outro detalhe; o governo reduzir juros, deficitário como é, só fará sumir o capital estrangeiro e tornar insustentável seu déficit, fora, por si só, elevar a inflação, que pulveriza o poder de compra e de pagamento de titularidades.

              Sinuca de bico.

              0
        • BolhaBH 24 de maio de 2012 at 10:39

          Amigo o governo já está preparando novo desesperado pacote para incentivar o mercado imobiliário.

          Hoje a coisa funciona assim:

          Não acredite em tudo lê nos jornais, em especial, dados positivos diante da realidade de inadimplência, indústria encolhendo e vendas travadas em diversos mercados.

          A bolha vai demorar a estoura e pode ser que não estoure como se pensa, pois o governo ama intervir na economia e deixar a conta para o povo como está fazendo com IPI dos carros neste momento.

          Ao invés de deixar o mercado se ajustar normalmente, forçando o preço dos carros a cair, ele inventa corte de impostos, fazendo o Tesouro se curvar aos desejos das matrizes automobilísticas no exterior. País vendido é assim.

          E essa medida foi tomada em meio a maior inadimplência do setor, ou seja, estão incentivando o consumo em meio a grande calote.

          Vai ser a mesma coisa com a bolha imbobiliária.

          0
          • GB 24 de maio de 2012 at 10:53

            Inclusive, para o DIEESE (muito mais confiável e imparcial que o IBGE e suas metodologias de análise criadas pelo governo), o desemprego em março fechou em 10,8%.

            Todo aspirante a corretor vem aqui falar essas bobagens vinculadas por órgãos do governo.

            0
          • Tod 24 de maio de 2012 at 10:55

            BolhaBH, entendo seu ponto de vista, entretanto não vejo como comparar setores tão distintos, construção divil e indústria automobilística.

            Além disso tudo, é claro para todos que o brasileiro paga quase o triplo por um mesmo automóvel em qualquer outro país do mundo, te faço uma pergunta, há quantos anos o brasileiro está comprando carros mesmo pagando 3x vezes a mais do que o seu real valor?

            Acredito que muitos, se fosse assim como você fala, essa bolha no mercado de automóveis já teria estourado a muito tempo, e teríamos um Civic aqui por R$30.000, assim como você encontra hoje no México, porque ainda então compramos Civic aqui por R$65.000?

            Achar que toda a economia vai se desmontar em um piscar de olhos chega a beirar a insanidade.

            0
            • BolhaBH 24 de maio de 2012 at 11:27

              Também acho que nada vai cair ou despencar.

              Só para 2014 é que vamos ter algumas situações assim de queda de 40 – 60%.

              Até lá vai se falar em inadimplência e e queda do consumo.

              E a Copa vai aquecer forçadamente a economia interna com as obras apenas em 5% concluídas… resta saber se vai ser suficiente para encobrir a bomba que vai ser depois de 2014.

              0
        • peterson 24 de maio de 2012 at 10:50

          a queda, que não é geral, pois no geral os preços estão estagnados (esta sim a real situação atual), está fazendo o pessoal se iludir com uma ruptura eminente, mas NÃO HÁ FUNDAMENTOS… Empregos em alta, juros em financiamentos em baixa, promoções, em contraste com dividas em alta e só.

          0
          • Annibal 24 de maio de 2012 at 11:38

            Peterson,

            Se vc considerar q as vendas reduziram, q o governo atrela todos os acordos dele a manutenção do emprego, que o endividamento das famílias têm aumentado (acima da capacidade de pagamento) e outras notícias relacionadas a queda do poder de compra… poderá prever num futuro próximo quedas maiores de demanda e aumento do desemprego com um possível estouro na inadimplência, o q por si só poderia ser um gatilho considerável para uma ruptura e fuga dos atuais compradores ora disponíveis…

            0
        • xyz 24 de maio de 2012 at 11:04

          Não vejo como uma “realizada triste”.

          Considero positivo o aumento do emprego (se for de fato verdade e não manipulação de números do IBGE).

          Mas tem toda razão quando diz que a bolha não estoura num cenário de pleno emprego.

          Todos os meses são dezenas de milhares de holerites que entram no mercado para obter financiamento e o governo ainda tem margem para gerenciar a inadimplência que está aumentanto.

          O governo deveria aproveitar para corrigir a rota,
          MAS infelizmente já deu sinais muito claros que não vai corrigir nenhuma rota, pois acredita (ou não) que estamos no rumo certo. Rumo ao abismo.

          Tenho medo que o país quebre junto com o estouro da bolha.

          0
        • Curioso 24 de maio de 2012 at 12:21

          Você esqueceu de mencionar que na mesma notícia também foi divulgado que a RENDA CAIU…

          0
    • Fabio 24 de maio de 2012 at 10:29

      Por quê será então que em situação de pleno emprego o governo está tomando medida atrás de medida para incentivar a consumo?

      Se o emprego está em alta as vendas de bens deveriam estar em pleno vapor. E a tx do PIB estaria bem maior que meros 0,15%.

      Estranho, não é? Parecem dois mundos paralelos, o real e o que sai na mídia.

      0
      • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 10:42

        Uma das coisas que me fizeram ficar viciado neste blog é os conceitos de Economia séria que são jogados em respostas curtas e diretas para afirmações irreais que são lançadas pelos que tentam maquilar a realidade que enfrentamos.

        Como não temos reserva alguma, o brasileiro é obrigado a manter-se num emprego barato, a indústria é obrigada a se manter vendendo, o governo é obrigado a fomentar o consumo e obrigado a manter-se emitindo títulos.

        Logo, afirmar que “temos emprego” é groselha, e não é este “emprego” ou “medidas do governo” para em suma, não cairmos dentro do buraco que mais cedo ou tarde virá que fará com que um imóvel de 50 metros quadrados valha uma aposentadoria maior que o salário que paga-se hoje para quem trabalha.

        Tão simples e claro quanto isso.

        0
        • RosinhA 24 de maio de 2012 at 12:39

          Muito bom Franscico to virando sua fã, cutuca a ferida, direto e correto, uma verdade da condição humana que todo mundo mente. A única variável é sobre o quê.

          0
        • Curioso 24 de maio de 2012 at 13:20

          Boa!
          É como se estivesse agindo como o próprio governo.
          Tapando o sol com a peneira pra não enxergar a realidade como ela é! E o pior neste caso é que a pessoa se diz consciente.
          Dando uma de psicólogo sem sê-lo, em alguns comentários é como se a pessoa estivesse tentando convencer a si mesmo.

          0
      • Tod 24 de maio de 2012 at 10:46

        Fabio, só para você ter uma ideia a taxa de desemprego dos EUA está hoje na casa dos 10%, sem nenhuma dúvida, a taxa de desemprego do Brasil é uma das menores do mundo atualmente.

        Temos uma população de quase 200 milhões de pessoas, sendo ela extremamente concentrada na região Sudeste, principalmente nas capitais.

        O que vemos é um início de um processo de desindustrialização brasileira, o que todo não é ruim, já que estamos fortalecendo muito nosso setor terciário, que está conseguindo absorver boa parte da mão de obra.

        0
        • GB 24 de maio de 2012 at 10:59

          Para o DIEESE (muito mais confiável e imparcial que o IBGE e suas metodologias de análise criadas pelo governo), o desemprego em março fechou em 10,8%.

          Todo aspirante a corretor vem aqui falar essas bobagens vinculadas por órgãos do governo.

          0
        • Fabio 24 de maio de 2012 at 11:40

          Não seria de todo ruim se nosso setor de serviços fosse desenvolvido. Mas esse setor está puxando a inflação para cima. Como resultado temos um setor caro e ineficiente.

          0
    • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 10:30

      O que tem a ver direta e inflexivelmente, taxa de emprego com comportamento de preços de um determinado setor, ou mesmo, de todos?

      A própria taxa de emprego pode ser mantida alta com redução de salários médios, ou a taxa de emprego pode ser mantida baixa com salários altos, pois afinal, salário também é “um preço”, que pode ser inflado.

      Economia está mais sempre para uma complexa teia que uma escada, degrau a degrau, ou uma cadeia interligada linearmente.

      😉

      0
    • anamirandabh 24 de maio de 2012 at 10:43

      Depois do auge vem, por definição, a decadência. Se não houver decadência, então não era o auge.

      Os 6% provavelmente estão além da curva natural de desemprego (procure depois sobre o conceito de NAIRU). Dificilmente o desemprego irá baixar mais, com probabilidade alta de aumentar. E aí…

      …haverá FOGO e RANGER DE DENTES.

      0
    • Eskeleto 24 de maio de 2012 at 10:50

      Com o governo baixando impostos e fazendo acordos para as montadoras não demitir estamos em pleno emprego nossa parabéns pela avaliação, vamos ver até quando meu querido montadoras = 20% do pib vão aguentar, imagina se elas começam a demitir onde vai esse índice, vale lembrar que o banco de horas dos funcionários foi pro saco né, passa ai perguntando quanto cada 1 tem e vai se espantar, e para finalizar o termômetro são as vendas e a inadimplência isso ai vale lembrar que é até agosto se desovar os carros beleza leva mais 1 tempo agora se não vai ficar tudo travado pois as montadoras estão trabalhando com 71% da capacidade isso é andar pro lado.

      0
      • GB 24 de maio de 2012 at 11:59

        “Acordos para não demitir” são tudo de bom mas são medidas pontuais e até mesmo eles dependem de resultados para serem mantidos.

        Eu acho que essa redução não vai ajudar muito os novos e vai piorar a situação dos usados.

        0
  • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 09:57

    ZAP VAI PRO RALO!!!!! Parece que O Globo (jornal) finalmente se tocou que o mercado de imóveis atual é uma farsa. Vem publcando várias notícias sobre isso e agora resolver fazer o seu próprio site de classificados:

    http://oglobo.globo.com/economia/o-globo-lanca-seu-novo-classificados-do-rio-4992210

    Ou seja, vai priorizar o seu próprio site para venda e aluguel ao invés daquele ZARGH!!! Quero ver agora como fique o “índice fip-zap-enganação”!!!

    0
  • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 09:58

    ZAP VAI PRO RALO!!!!! Parece que O Globo (jornal) finalmente se tocou que o mercado de imóveis atual é uma farsa. Vem publcando várias notícias sobre isso e agora resolver fazer o seu próprio site de classificados:

    http:// oglobo.globo.com/economia/o-globo-lanca-seu-novo-classificados-do-rio-4992210

    Ou seja, vai priorizar o seu próprio site para venda e aluguel ao invés daquele ZARGH!!! Quero ver agora como fique o “índice fip-zap-enganação”!!!

    0
    • Eskeleto 24 de maio de 2012 at 11:00

      Não se iluda tanto pois a Globo no todo é uma mídia comprada na qual irá movimentar melhor os pauzinhos para parecer real, mas na verdade não vai ser a realidade, ela só vai parecer um pouco mais realista pois ninguém da ponto sem nó e fazem isto somente para deixar as pessoas que acreditam que vai cair o preço, mas logo logo vem com altas irreais também.

      0
      • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 11:16

        Não acho que seja por aí. O pessoal dá a entender muito por aqui que a mídia é toda comprada, etc, etc… È muito mais produtivo valorizar quando sai algo de bom do que ficar detonando todo mundo. Existem interesses mas nenhum veículo grande vai ser idiota a ponto de esconder a realidade por muito tempo. Se O Globo ficasse só defendendo imóveis (e nas últimas semanas tem sido o contrário), a maioria que compra ia parar de ler porque não é (tão) idiota. O problema é que a maior parte dos brasileiros – se lêem – acompanham as mídias populares (Extra, Meia Hora, etc) e nesses casos o ponto de vista dos editoriais é beeeem diferente… É na linha Feirão da Caixa, MCMV, etc.

        Se vc ver essa notícia do site de classificados, vai ver que eles gastaram uma GRANA pagando uma agência de Barcelona para fazer um novo caderno e portal de imóveis. Para mim, estão praticamente abandonando o ZAP! Resta saber como será esse site novo mas devem botar só quem paga e não essa zorra do Zarght.

        0
    • GB 24 de maio de 2012 at 11:02

      Só entrei 1 vez nesse Zap, achei os preços tão fora da realidade que não voltei mais.

      Pena que estatísticas oficiais sejam tomadas em relação a dados postados pelos próprios interessados (corretores), não me parece ser um índice muito parcial.

      0
      • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 11:17

        o ZAP é um lixo total por isso tem sido essa porcaria sem resultados

        0
      • GB 24 de maio de 2012 at 11:19

        Desta forma esses índices maquiados servem apenas para tentar “justificar” a posição do mercado: que os preços subiram e têm que se manter assim por que eles querem.

        Mas quem paga a conta não teve chance de se defender, nem perguntaram se ele queria pagar por esse oba-oba do lucro fácil e infinito.

        0
  • Observador 24 de maio de 2012 at 09:59

    Mais uma noticia interessante referente à cidade onde o imóvel se valoriza ad eternum:

    “Preços de imóveis no Rio começam a cair após supervalorização”

    “http ://www .jb.com.br/rio/noticias/2012/05/23/precos-de-imoveis-no-rio-comecam-a-cair-apos-supervalorizacao/”

    0
  • simone 24 de maio de 2012 at 10:15

    Brasil: saída de dólares é a maior desde 2008
    Ao ritmo de uma crise que parece acelerar para um desfecho turbulento na zona do euro, os investidores externos retiraram pela conta financeira US$ 5,19 bilhões do Brasil em pouco mais de duas semanas de maio (até o dia 18), quantia semelhante à de dezembro de 2008, quando o mundo vivia plenamente as consequências desastrosas da falência do Lehman Brothers.

    . Investidores em ações formam um dos contingentes principais da fuga do risco. Até o dia 21, retiraram liquidamente US$ 3 bilhões, enquanto o Ibovespa recuava em tombos sucessivos até os 54.716 pontos de ontem, com uma queda de 20% desde o pico de 13 de março. Só em maio, o recuo atinge até agora 8,5

    0
    • peterson 24 de maio de 2012 at 11:06

      isto explica a queda do indice, não a queda do indice que explica a fuga de $.

      é importante esta abordagem porque aí percebe-se que a crise não é Brasileira, a crise é global, assim trata-se de um movimento esperado do mercado, que o faz sempre, como em ciclos repetitivos, com exemplos comparativos no proprio texto. Com esta análise, ainda é possível, sair ileso da crise global, basta o governo tomar as medidas certas para este momento, até agora, as que o governo tomou surtiu pouco efeito, logo não eram as medidas certas…

      0
      • GB 24 de maio de 2012 at 11:22

        O estranho não é o mundo estar em crise, isso é cíclico, o estranho é o Brasil estar fora dela, isso mostra que alguma coisa está distorcendo a realidade (a.k.a. excesso de $$$$$ estrangeiro, mas por sorte ele já está indo embora e volta tudo à normalidade).

        0
    • Revoltado 24 de maio de 2012 at 14:09

      Para quem consegue juntar as peças do quebra-cabeças tem uma imagem se formando…

      0
  • Tod 24 de maio de 2012 at 10:56

    BolhaBH, entendo seu ponto de vista, entretanto não vejo como comparar setores tão distintos, construção civil e indústria automobilística.

    Além disso tudo, é claro para todos que o brasileiro paga quase o triplo por um mesmo automóvel em qualquer outro país do mundo, te faço uma pergunta, há quantos anos o brasileiro está comprando carros mesmo pagando 3x vezes a mais do que o seu real valor?

    Acredito que muitos, se fosse assim como você fala, essa bolha no mercado de automóveis já teria estourado a muito tempo, e teríamos um Civic aqui por R$30.000, assim como você encontra hoje no México, porque ainda então compramos Civic aqui por R$65.000?

    Achar que toda a economia vai se desmontar em um piscar de olhos chega a beirar a insanidade.

    0
    • Eskeleto 24 de maio de 2012 at 11:06

      Você já viu importação de imóveis 50% mais barato?
      Tenta comprar uma casa lá fora e trazer aqui para dentro.
      O carro você compra mais barato lá fora e traz aqui para dentro os impostos comem tudo.
      O IPI de carros importados diz tudo, proteção interna.
      Agora os imóveis você acompanha o preço que está e acha que é real, mas você não tem um comparativo exato lá fora com aqui dentro, pois cada bairro região e estado tem valores diferentes.

      Os trabalhadores são reféns, ou compra 1 carro ou anda de metrô e vive oque aconteceu ontem em SP.

      0
      • peterson 24 de maio de 2012 at 11:17

        apenas para esclarecer, no Brasil o valor final do carro, e isso já foi verificado POR DIVERSAS PESSOAS, por diversas consultas, por diversos blogs, custam 30% fabricação 30% impostos e 40% lucro.

        assim o custo de se importar diretamente um carro será relativamente mais barato que comprar o mesmo modelo no Brasil, pior ainda, o mesmo carro fabricado no Brasil com impostos de toda cadeia de produção e tudo mais, além do custo de transporte, é vendido cerca de 40% mais barato na argentina… o problema maior são os lucros elevadissimos, o imposto é secundário, admite-se que também é elevado.

        0
      • Tod 24 de maio de 2012 at 11:17

        Eskeleto, não estou falando somente de carros importados, haja vista que o próprio City fabricado aqui no Brasil é vendido no México por R$25.000 enquanto para nós chega por R$56.000.

        HONDA CITY BRASILEIRO É LANÇADO NO MÉXICO COM PREÇO INICIAL DE R$ 25.800 – COMO É POSSÍVEL?
        carplace.virgula.uol.com.br/honda-city-brasileiro-e-lancado-no-mexico-com-preco-inicial-de-r-25-800-como-e-possivel/

        Quanto a política tributária, o governo só abusa do povo porque ele “se permite” ser abusado, se não vendesse nenhum carro aqui a 3x o valor real, não daria outra, no outro mês os preços apareceriam com redução de 50%.

        Com os imóveis o trabalhador também é refém, ou compra um, ou paga para usar o de alguém, não existe almoço grátis.

        Sinceramente, porque que você acha que com imóveis vai ser diferente? Ainda mais com essa fartura de crédito barato?

        0
        • Eskeleto 24 de maio de 2012 at 11:51

          Porque até o momento em que os carros custam 30k as pessoas se deixam levar, mas quando se trata de um apertamento de 50m2 que custa 400 ou 500k muitos vão pensar muito e tem os aloprados que compram sem saber as consequências, se a pessoa para financiar um carro já fica inadimplente imagina para 1 casa.
          O rombo de uma casa não paga é equivalente a mais de 10 carros o tombo é bem maior se deixarem continuar essa subida.

          0
    • GB 24 de maio de 2012 at 11:07

      Só por curiosidade, você é corretor ?

      Tem 4 imóveis na planta ?

      Que tipo de jornal você está lendo ?

      Já ouviu falar no DIIESE ?

      Dá uma olhada nesse link, os dados são de março, só a Construção Civil demitiu 35k (2% do total) só nesse mês e nada indica que tenha melhorado de lá para cá:

      “http://sistemaped.dieese.org.br/analiseped/2012/201203pedmet.pdf

      0
    • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:10

      Carros são caríssimos no Brasil principalmente por carga tributária*, não propriamente por haver uma bolha de preços no setor.

      *Governo deficitário novamente.

      A bolha no setor automobilístico é pelo seu exagerado financiamento, e insustentabilidade pela renda brasileira frente ao endividamento, já evidenciado pelo enorme volume de apreensões.

      0
      • GB 24 de maio de 2012 at 11:15

        Cara, falando em Busca e Apreensão, recebi uma ontem para cumprir, sem brincadeira, fiquei 2 semanas sem receber nenhuma nova.

        Realmente os bancos estão com os pátios cheios e estão preferindo deixar os carros com os compradores inadimplentes até o fim do processo, aí não tem jeito.

        Sinal dos tempos.

        0
        • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:17

          Fenômeno maluco este.

          Apreender implica agora em elevação de custos (“pátio”).

          0
          • GB 24 de maio de 2012 at 11:25

            Não só o pátio, mas eles têm que pagar o localizador também (é o cara terceirizado que encontra o carro, que avisa e acompanha o Oficial de Justiça na Busca e depois leva o carro para o pátio).

            O negócio sai mais caro do que imaginam.

            0
            • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:35

              Pelo menos o repomen dos estadunidenses já “trazem” (note as aspas) o carro.

              Mais um célula que esqueceram de criar e/ou preencher n planilha maravilhosa que sé mostrava lucro.

              0
      • peterson 24 de maio de 2012 at 11:20

        ERRADO

        carros são caros no Brasil por causa do LUCRO elevado
        a carga tributária é a segunda causa

        procure detalhes disso no google!

        0
        • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:25

          Sim, agora, uns 10% que seja de lucro são o que causam o preço após uma carga tributária no setor de 27% a 40%, e em paradoxo com isso, as montadoras volta e meia estão de pires na mão para o governo resolver seus apertos pois senão colocarão gente na rua.

          Como sempre recomendo: caneta BIC, papel de pão e calculadora de camelô.

          😉

          0
      • Tod 24 de maio de 2012 at 11:22

        Francisco, na verdade existe uma bolha no setor porque os impostos são altíssimos.

        E esses impostos somente são altos porque existem trouxas comprando milhares de carros por dia aqui, o que te faz acreditar que com imóveis será diferente?

        0
        • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:27

          Impostos alto são causados por um mercado que os busca pagar?

          Engraçado, eu jurava que era pelas suas alíquotas, e porque o estado necessitava de tal volume de receitas!

          🙂

          0
          • Tod 24 de maio de 2012 at 11:34

            Pois é, o problema é que não adianta o estado necessitar de receber tal montante, poucas vendas resultam em poucos impostos, e pronto.

            E ainda, o volume não necessariamente está ligado a alíquota, já que mesmo com uma alíquota menor, se tivermos uma maior quantidade de carros vendidos, teremos mais impostos recolhidos.

            0
    • GB 24 de maio de 2012 at 11:11

      Por que nenhum corretor sabe conjugar o verbo “haver” ?

      O Cirilo era campeão em errar nele.

      0
    • Charles 24 de maio de 2012 at 11:29

      Outro disfarce?

      Vai passar o dia todo no blog Sr. Estagiario?

      Mas, no fundo, esta sendo bom, pois assim pulo varios topicos e consigo chegar ao fim dos comentarios e me manter atualizado no blog, haja vista a maioria ser inutil por causa de sua senhoria.

      0
      • Curioso 24 de maio de 2012 at 12:33

        Charles, me explique:

        um escreve o outro apoia, o que apoiou faz um adendo e o anterior corrobora…

        O que tem me intrigado é que embora o discurso tenha mudado é muita argumentação pra desdizer o que ele afirma acreditar…

        0
        • GB 24 de maio de 2012 at 13:11

          Pega o IP deles, podem ser a mesma pessoa.

          0
    • augusto 24 de maio de 2012 at 11:32

      Uma coisa é pagar mais por um bem de relativo baixo valor, e outr coisa é pagar mais por um bem de valor superior centenas de milhares de reais.
      E olhe que a industria automobilistica do pais sempre contou com o auxilio deste governozinho fraquinho dos puxa do molusco

      0
    • Revoltado 24 de maio de 2012 at 14:22

      3x só é pouco.

      Se vc considerar que ele não é comprado a vista e sim financiado, vc chega facil a 5x ou 6x, graças as nossas taxas de juros.

      Aproveitando a discussão sobre veiculos:

      Tenho um vizinho que comprou um vectra 0km ano passado e financiou em 60x “quase” sem entrada (a parcela cabe no bolso… ). E agora ele veio me contar que esta com problemas para pagar e quer passar o carro.

      Vamos as contas:
      Preço do veiculo quando comprou: 62k
      O total com o financiamento: 92k
      Valor oferecido atualmente pela concessionaria: 40k

      Ou seja o carro nem um ano de uso tem e o cara já está prestes a ficar com um passivo de 52k e sem o carro! O prejuizo que ele vai levar é quase o valor do carro!

      O que vcs me dizem disso?

      0
  • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:22

    Serei longo, mas juro, não resisti, pois li várias coisas que simplesmente me assustaram pelos delírios econômicos que envolvem.

    Só espero não ser baygonizado…

    Alguns pontos, esperando não bagunçar o tópico pelo relativo desfoque:

    1) Única copa que realmente deu dinheiro, em tempos que acredito não serem paleontológicos, foi a de 94, nos EUA. Mas pouco interessa megaeventos para o rolar diário e sustentável (ô jargão chato!) da economia. Muito mais importante são as obras de infraestrutura. Estas manterão a atratividade de cidades, tanto para moradia quanto para negócios e turismo. Vide Barcelona, com sua Olimpíada.

    2) Se riqueza no subsolo resolvesse alguma coisa, países como a Nigéria e a Indonésia, cada uma a seu modo, não teriam seus problemas e seriam um paraíso de soluções. A Indonésia vendeu suas riquezas barato, e como sempre, “a prataria da família acaba”. A Nigéria, surtou de se deslocar economicamente para o petróleo, abandonando outros segmentos (seu contrário é a Noruega, que somou o petróleo às suas riquezas – daqui tira-se que desenvolvimento NÃO É ter recursos, e sim, sua mobilização constante, e tal requer sofisticação de formação da população).

    3) Diferentemente de outros países com suas bolhas, seremos pegos com uma significativa desindustrialização. Não podemos aqui ser comparados com os EUA, por maior exemplo, pois sua industrialização, sob diversos aspectos, foi motivada não por perda de competitividade, mas por busca de menores custos (leia-se mão de obra barata), e sendo sua economia madura e, basicamente, aquilo que definimos como um país rico (o ‘mais de todos’, com o favorável diferencial de que possui carga tributária baixa e enormes reservas de mão de obra de “seu” baixo custo), aprimorou o setor industrial com a inovação, excelência e exclusividade, em suma, na agregação de valor, e livrou-se de um sem número de indústrias fortemente poluidoras, sem falar no enorme crescimento do setor de serviços, é claro.

    4) “O preço é a somatória de custos e desejo de lucro com os quais aquele que quer vender enfrenta o mercado.”

    Pouco interessa o panaca da semana (quando não o otário do minuto) berrar aos quatro ventos que seu produto (por exemplo, um imóvel) valerá tanto daqui a tanto tempo, se é seguro como investimento ou se alugado (marquemos este ponto*). O mercado primeiro pagará ou mesmo se endividará, o que no prazo dá no mesmo, aquilo que PODE, por mais que aquilo desejar, e depois, o valor que julga como justo/viável. Portanto, os preços sempre se acomodam à “pressão” do que a economia como um todo diz que estes tem de ser.

    Logo, qual mercado aceita um bem que tenha um valor que permanentemente no tempo eleve-se de valor para ser adquirido?

    * Aluguel é, classicamente, a remuneração no tempo pela TERRA, da mesma maneira que o salário o é pelo trabalho, e o juro, do capital, não propriamente pela área de algo em cima desta. Por este simples motivo fundamental, quando você tem em cima de um terreno um prédio de 10 andares, com um apartamento por andar, do lado deste pode surgir um de 20 andares, ocupando mesma área, com ganho de escala em sua construção, com preços mais baratos e rendimento na locação mais alto, ou valor na revenda maior e não só aquele vender mais, mas o seu VALER MENOS.

    Mesmo esquecendo a depreciação – “O tempo a tudo destrói.” – este simples fator de competição, mostra que o conceito de imóvel como “investimento” só possui nexo num corte limitado de tempo, naquilo que definimos como “oportunidade”, o banal “compro hoje, vendo logo depois”. Portanto, esta argumentação de uma aquisição de bem, por mais que seja sólido, “de raiz”, que se comporte de maneira análoga a uma mercadoria permanentemente consumida, ou um investimento de capital, produtivo, de serviço, etc, é por fim apenas uma falácia.

    5) O governo não poderá ficar, por mais que queira, continuar aplicando planinhos paliativos de redução setorial disso ou daquilo. O problema, essencialmente, é macro na escala e no tempo. Cada vez que cortar algo (impostos) cortará para si receitas, e não cortando gastos, manterá (como se já não fosse isso uma desgraça por si) seu pesado déficit. Este leva a juros, que jura (perdão), que não tem de manter altos para ter mínima atratividade. Aqui entra um detalhe maravilhoso: muitas vezes o mercado prefere perder no tempo (inflação x juros reais) no seguro, com “riscos” de ganhos no tempo, como com títulos dos EUA, do que ganhos prometidos como certos, mas com riscos maiores.

    Se tal não fosse verdade, quando os juros tenderam nos países industrializados à taxas reais negativas, haveria uma corrida desenfreada pelos papéis e investimentos em paraísos da estabilidade como os latinos-americanos e africanos [SARCASMO].

    Quanto o ampliar volume de crédito, ou mesmo o obviamente inflacionário (que sempre penaliza fortemente os mais pobres) aumentar o meio circulante (leia-se digitar dinheiro, já que hoje somos “modernos”), só elevará o que austriacamente (lindo, não?) chamaria “Kater”, a ressaca.

    Um detalhe: Imóvel não é um bem “pessoal”. É muitas vezes, o envolvimento de uma família inteira. O próprio mercado percebe isso quando financia imóveis baseado na renda familiar. Assim, podemos não ter criado – perdão, CRIAMOS um problema de indivíduos, mas de grupos familiares inteiros e descendentes destes.

    Por fim, não afirmo, e certamente aqui ninguém afirma, um cenário dantesco, de Armagedom, o fim dos tempos, aquelas coisas biblicóides.

    Economia não colapsa de todo, vide a Crise de 29, mas pode levar tropeços doloridos e que causam anos de sacrifísicos para sua plena recuperação, e outros tantos para alcançar-se a tranquilidade e conforto desejados.

    Falando de maneira simples: Não se bota todos os ovos na mesma cesta, botar ponta na ponta chega o momento que quebra, não existe almoço grátis e quem tem, tem medo, e DEVE TER.

    0
    • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:29

      ERRATA: sacrifícios, dedos dos infernos.

      0
    • MrCitan 24 de maio de 2012 at 11:35

      Somente complementando o item 1, pelas notícias que se vê ultimamente, aqui na Banânia (usando o jargão do Anonymous 😀 ) infelizmente só vai sobrar os estádios como legados, pois as obras de infra, que foram prometidas, muitas ainda estão no papel, e outras só serão concluídas após os eventos citados.

      0
      • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 11:43

        Original de um texto meu, publicado na Veja no ano passado:

        https://docs.google.com/document/d/1ZUslVjWkwGW0JBAhNUBDBgftud527tpocTR7EuGilXU/edit

        Mais nada a declarar.

        0
      • GB 24 de maio de 2012 at 11:53

        O pior é que, quase sem exceções, todos os imóveis valorizaram por conta da promessa de mais infra-estrutura no local.

        É contar com o ovo antes da galinha, mas corretores adoram isso, eles avaliam por boatos e colocam + 20% em cima para garantir.

        0
    • RosinhA 24 de maio de 2012 at 13:08

      Por mim não uso baygon, sento escuto e presto atenção, só sei analisar alguns nichos de mercado, por isso gosto muito daqui, aprende-se sobre tudo, inclusive mercado imobiliário 🙂

      Me pareçe um cara bem realista que não acredita em “milagres”, posso estar errada, me corrija, mas gosto disso, pena que não poderá frequentar a igreja dos milagres da Bolha, não teria o perfil de dizimista 😉

      0
      • GB 24 de maio de 2012 at 13:13

        Rosinha, não frequente essa igreja dos milagres da Bolha, lá, como não poderia deixar de ser, o dízimo é de 20% !!!!!!!!!!!!!

        0
  • augusto 24 de maio de 2012 at 11:28

    Chega a ser cômica a manchete de ontem que os bancos perderam 10 bilhões com inadimplência no financiamento de veiculos.
    Até dias atrás “analistas de atissimo nivel e funcionarios tb de altissimo nivel” do governo diziam que financiar carros não tinha nenhum risco pois a garantia eram os carros financiados.
    kkkkkkkkk e mais kkkkkkkkkkk.
    Dentro de pouco tempo os mesmos picaretas “de altissimo nivel” tambem terão que explicar muitas outras coisas que qualquer cego vê que está errado, ou sendo forçado pelo governozinho dos puxa do molusco

    0
    • Tod 24 de maio de 2012 at 11:37

      Augusto, na verdade os bancos ainda não perderam R$10 bilhões, esse valor equivale ao montante dos financiamentos que estão atrasados e que deverão ser renegociados.

      0
      • GB 24 de maio de 2012 at 11:42

        Pelo menos 96% disso eles vão perder, fora as custas judiciais, advogados, . . .

        Os caras vendem para pagar sem entrada em 70 meses, aí depois de pouco tempo o camarada descobre que o carro vale menos que a dívida dele, aí é preferível repassar para alguém a custo zero ou devolver para o banco.

        0
        • Bolhado 24 de maio de 2012 at 14:01

          GENIAL! Eu também me desfaria! Afinal o carro é a reserva de domínio! kkkkkk

          0
  • GB 24 de maio de 2012 at 11:39

    E não entendo de Bolsa de Valores, mas aprendi um pouco desde que comecei a acessar este Blog.

    Ultimamente tenho reparado que de manhã as construtoras chegam a derreter, agora mesmo GafeS/A e MRV estão caindo 4%, aí o dia vai passando e lá para tarde elas se recuperam totalmente ou ficam com quedas menores.

    Eu fico imaginando a grana que esse pessoal gasta para tentar manter as ações das construtoras contra a maré, deve chegar a milhões, a pergunta é por quanto tempo esse pessoal vai conseguir fazer isso.

    É como um colega já postou aqui o que aconteceu, tristemente, com ele:
    “Cara, GafeS/A tá derretendo, R$ 4,11 é o fundo do poço, daí é só valorização, pode comprar”.
    “Cara, GafeS/A tá derretendo, R$ 3,80 é o fundo do poço, . . .”.
    . . .
    “Cara, R$ 2,61 é o fundo do poço, . . . “.

    E tem gente que acha que o governo vai socorrer todas, incluindo o automobilístico e as demais.

    0
  • ray 24 de maio de 2012 at 11:47

    “http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,cliente-nao-entende-desconto-e-mercado-para,113635,0.htm”

    Pensam que o povo é babaca… talvez estejam certos…

    0
  • GB 24 de maio de 2012 at 11:50

    Bolha, legal você moderar a mensagem e não apagá-la, assim os posts ficam em seus lugares e a dedetização é atingida.

    Posso fazer uma sugestão ? Se for possível mostrar a data de entrada do usuário aqui no Blog a gente vai saber se é das antigas ou se é um Nick criado só para tumultuar.

    Ultimamente tem aparecido muita gente que nunca vimos e na sua maioria eles sempre vêm com um discurso pro-corretores e pró-mercado (só hoje apareceram mais 2 por aqui).

    0
    • MRCG 24 de maio de 2012 at 17:20

      Concordo, seria interessante informar a data de entrada do usuário.

      0
  • Socorro!! 24 de maio de 2012 at 12:01

    Déficit das contas externas sobe 50% em abril, para US$ 5,4 bilhões
    É o maior déficit para meses de abril desde o início da série, em 1947.
    Em abril, investimento direto somou US$ 4,66 bi, e não cobriu déficit externo.
    Alexandro Martello
    Do G1, em Brasília

    1 comentárioO Banco Central informou nesta quinta-feira (24) que o déficit em transações correntes (balança comercial, serviços e rendas), um dos principais indicadores das contas externas, subiu 50% em abril deste ano, para US$ 5,4 bilhões.

    Com isso, bateu recorde para meses de abril. No mesmo mês do ano passado, o resultado negativo das contas externas foi de US$ 3,59 bilhões.

    saiba mais

    Após recuar por dois meses, gasto de brasileiro no exterior volta a subir Em meio à crise, remessas de lucros ao exterior recuam 44% até abril De janeiro a abril deste ano, ainda segundo a autoridade monetária, o déficit das contas externas somou US$ 17,49 bilhões. Isso representa uma queda de 4,8% frente ao mesmo período do ano passado (US$ 18,37 bilhões).

    Para todo este ano, entretanto, a previsão do Banco Central é de um déficit de US$ 68 bilhões para a conta de transações correntes. Se confirmado, será o maior resultado negativo de toda a série histórica da autoridade monetária, que começa em 1947. O maior déficit das contas externas foi registrado, até o momento, em 2011 (-US$ 52,5 bilhões).

    Componentes das contas externas
    As contas externas são compostas pela balança comercial, pela conta de serviços (viagens internacionais, seguros, pagamento de ‘royalties’ e licenças e aluguel de equipamentos, entre outros) e pelas rendas (juros, lucros e dividendos).

    Nos quatro primeiros meses deste ano, a balança comercial registrou um superávit de US$ 3,31 bilhões, contra um saldo positivo de US$ 5 bihões em igual período de 2011, ao mesmo tempo em que a conta de serviços registrou um déficit de US$ 12,64 bilhões (contra um resultado negativo de US$ 10,87 bilhões nos quatro primeiros meses do ano passado).

    Na conta de rendas, foi registrado um déficit de US$ 9 bilhões no primeiro quadrimestre deste ano, contra um resultado também deficitário de US$ 13,62 bilhões em igual período de 2011.

    Investimentos estrangeiros diretos
    A autoridade monetária também informou que o ingresso de investimentos diretos na economia brasileira somou US$ 4,66 bilhões em abril deste ano. Com isso, o valor não foi suficiente para cobrir o déficit das contas externas de US$ 5,4 bilhões do período.

    Nos quatro primeiros meses deste ano, os investimentos estrangeiros totalizaram US$ 19,6 bilhões, com queda de 14,95% frente a igual período de 2011, quando o ingresso de investimentos somou US$ 23,05 bilhões. Apesar da queda, o valor dos investimentos, na parcial do ano, cobriram o “rombo” de US$ 17,49 bilhões das contas externas.

    .Para todo este ano, a previsão do Banco Central é de um ingresso de US$ 50 bilhões em investimentos estrangeiros na economia brasileira. Com isso, o BC estima que a entrada de investimentos no país não será suficiente para “cobrir” o rombo das contas externas.

    Para fechar a conta, o Brasil precisará se apoiar na entrada de recursos para o mercado acionário, para renda fixa ou em empréstimos do exterior. Em 2011, os investimentos estrangeiros somaram US$ 66,6 bilhões – recorde histórico.

    0
    • anamirandabh 24 de maio de 2012 at 12:16

      Mas como os juros estão baixos, será difícil atrair investidores externos para financiar o Brasil.

      A não ser que… aumentem os juros. Com o povo superalavancado e aumento de juros.

      A outra opção é deixar o câmbio resolver isso, desvalorizando cada vez mais o real. Isso gerará inflação, o que demandará aumento de juros (lembre-se do consumidor endividado). A opção é deixar a inflação girar livre, e lembremos do processo que começou na década de 1970 e só terminou em 1994.

      Em qualquer caso, haverá FOGO e RANGER DE DENTES!

      0
      • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 12:37

        Inflação “girar livre” é o trabalhador de baixa renda ter de sair em disparada para comprar uma lata de azeite que sej para seu slário não virar pó.

        0
      • D9 24 de maio de 2012 at 15:44

        Se deixarem a inflação correr solta, voltaremos aos anos 80 (econômicamente falando)

        0
  • Murdoch 24 de maio de 2012 at 12:14

    Pessoal, posso estar errado, mas acho essa uma das notícias mais impressionantes recentemente.
    Dilma teria barrado compra do Santander pelo BB, diz jornal
    http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/aquisicoes-fusoes/noticias/dilma-teria-barrado-compra-do-santander-pelo-bb-diz-jornal

    Venho acompanhando esse banco em questão. Pra mim, esse é o banco símbolo da bolha de crédito no Brasil.

    0
    • MRCG 24 de maio de 2012 at 17:24

      Qual banco?

      0
  • GB 24 de maio de 2012 at 12:22

    Ops, meu radar de matéria paga pró-mercado imoBolhário se aproximando disparou:

    “Hora de comprar ou de vender?
    Uma pesquisa inédita feita a pedido de EXAME pela Fipe, da USP, revela que o Brasil foi o segundo mercado que mais valorizou no mundo ”

    “Quais as cidades nas quais o preço médio do metro quadrado mais subiu — e quais tiveram as maiores quedas. Veja ainda os bairros mais valorizados do país

    Quanto vale seu imóvel novo ou usado? Um levantamento mostra o preço do metro quadrado em mais de 1000 bairros de 40 cidades mais o Distrito Federal”

    “http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1017/

    0
    • Riodetudo 24 de maio de 2012 at 12:45

      a Editora Abril é uma vergonha: Exame, Veja (principalmente)… só essas duas já estragam o jornalismo todo

      0
  • Fabiano Gomes 24 de maio de 2012 at 12:27

    A BOLHA SÓ IRÁ ESTOURAR QUANDO AUMENTAR O DESEMPREGO OU A SELIC AUMENTAR

    É preciso entender que o que está mantendo a nossa bolha (inflando-a ou desinflando-a lentamente) são dois pilares: CRÉDITO e EMPREGO. E o governo sabe disso e tem trabalhado com ambos. Senão vejamos: política de diminuição dos juros e spread bancário para fomentar o crédito para consumo, políticas de renúncia fiscal que em contrapartida exigem que a indústria não demita.

    O fato da renda não acompanhar o aumento do preço dos imóveis, apenas evidencia a bolha, mas não é fator para causar a sua ruptura ou estouro. Esse descompasso entre RENDA e PREÇO ajuda a desinflar a bolha, mas quedas vertiginosas só serão observadas com a ajuda de um fator psicológico. E de onde poderiam vir tais fatores:

    1) O fato da população perceber que não tem mais acesso facilitado ao crédito por conta de um aumento repentino das taxas de juros ou devido às restrições e rigor bancários – percebam que isso já está ocorrendo e é exatamente por isso que o governo no início do ano tem atacado com vigor as taxas de juros e o spread bancário, tornando-se o “salvador” do povo: “Graças a Deus o governo está combatendo os banqueiros gananciosos, pois agora poderei fincanciar meu próximo carro e/ou adquirir meu primeiro imóvel ou refinanciar minha casa”, é o que mais se escuta do povão quando este resolve falar de economia.

    2) Houver um aumento do desemprego para no mínimo 10%. Nesse caso, somando o fato do alto endividamento da população brasileira, o desemprego corroerá mais fortemente a renda do cidadão médio, que o levará a consumir menos; consumindo menos, a atividade comercial e industrial despencam, o que vai provocar mais desemprego, culminado assim em uma crise econômica, na qual pode ser evidenciada o ESTOURO de uma bolha, inclusive a imobiliária.

    Um observador atento verá que crédito farto e emprego pleno existiram meses antes nos países que hoje são o epicentro da crise mundial. A Espanha por exemplo, MESES antes do início da crise, concedia crédito farto, sua dívida não passava de 50% do PIB (após a crise ela praticamente dobrou de tamanho) e seu índice de desemprego era abaixo de 8,0%. Alguma semelhança com o Brasil pré-crise?

    Concluindo, nossa bolha imobiliária só estourará quando houver diminuição na concessão de crédito ao consumidor (através do aumento de juros ou de maiores restrições por parte dos emprestadores, ou seja, os bancos) e/ou houver uma aumento do desemprego para faixa próxima dos 10%. E o governo sabe disso e por isso tem atacado ferozmente ambos na esperança de que uma crise mundial ocorra (na Europa, talvez) e assim possa jogar parte da responsabilidade de nossa crise para os nefastos “países capitalistas desenvolvidos” e não sair como o principal vilão e causador da nossa crise tupiniquim. Enquanto houver pleno emprego e os juros estiverem caindo a bolha imobiliária não irá estourar.

    0
  • Crixus 24 de maio de 2012 at 12:31

    minha ideia é bem simples sobre o estouro e queda de preços.

    Ocorrerá grande redução se o país continuar nessa decadência econômica que se iniciou no seg semestre do ano passado, com inadimplência alta e vendas do comércio e industria patinando. Queda de 20% a 50% dependendo da região.

    Caso o país se recupere economicamente, mesmo que sem grande crescimento do PIB, mas pelo menos não entrando em recessão, haverá um ajuste pequeno dos valores. Queda em torno de 10 a 30% (não acredito muito nessa hipótese, pois o cenário não está favorável)
    Isso se daria porque o brasileiro, quando tem dinheiro, não dá valor, e cai em papo de corretor muito fácil. Existe hoje uma demanda reprimida pelos altos valores, que, com qualquer redução, voltará a comprar, o que justificaria preços altos, porém ainda, dentro da realidade econômica (não leiam isso como preço justo)

    Ou seja. A gravidade da nossa crise econômica é, como sempre pensei o estopim para o estouro, ou pouso um pouco mais suave

    0
  • Guilherme Eduardo 24 de maio de 2012 at 12:51

    “http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1017/

    dia 30/05 nas bancas, revista EXAME:

    Hora de comprar ou de vender?
    Uma pesquisa inédita feita a pedido de EXAME pela Fipe, da USP, revela que o Brasil foi o segundo mercado que mais valorizou no mundo

    * E aí pessoal, fiquem de olho!!!

    0
  • Paulo 24 de maio de 2012 at 12:59

    incrível como tem neguinho no blog que é super contra a existência de bolha, depois de ser meio esculachado vem com um discurso que em outro setor, pode ser, talvez…..

    pra mim tem uma argumento que não falha que é:
    Renda média da pop brasileira é R$ 21.252/anual (IBGE – 2011)
    mas tem marido e mulher é família que compra residência, bla, bla, bla… sobe pra 42.504/ano. Vamos dizer que eles morem de favor na casa da sogra que como é boazinha paga o café da manhã deles, considerando que eles só gastam com transporte pro trabalho e com comida.

    transporte- R$2 a passagem * 2 passagens dia * 2 pessoas * 360 dias no ano = R$ 2.880
    Alimentação – R$ 5 por refeição * 2 refeições dia * 2 pessoas * 360 dias no ano = R$ 7.200

    Renda “líquida” anual do casal = R$ 32.424

    ou seja, eles vão ter que trabalhar 10 anos para comprar um apto bem mais ou menos pelos preços de hoje!!!! morando de favor, sem escola, sem remédio, sem uma cervejinha no final de semana, sem cigarro, se nada!!!!! ou seja, a pessoa tem que sobreviver (não viver) para em 10 anos um casal conseguir juntar algum…..

    e quero ver dar certo isso, pois guardando até o dinheiro da camisinha vai ter filho, daí sobe o gasto…hehe

    0
    • GB 24 de maio de 2012 at 13:21

      É por isso que eu gosto do meu jeito de levar a situação, tipo fico no aluguel, ano que vem negocio para ele não subir (como já fiz muito no passado pois sou um cara que paga direitinho e tem gente que valoriza isso), guardo a diferença, poupo um pouco mais, me divirto vendo as peripécias do mercado tentando explicar por que não valorizam mais, é uma beleza.

      O melhor de tudo é não depender desse mercado para sobreviver, aí dá para pegar um saco de pipoca e só curtir o que está acontecendo, um dia os preços voltam ao normal e compro algo mais barato e melhor do que compraria hoje e ainda me livro de entrar num abobagem de 15 anos de dívida (pelos meus cálculos).

      0
    • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 14:08

      Caros Paulo e GB

      Exatamente, é isso aí.

      Outro dia, sentado num balcão de padaria, aproximou-se de mim o segurança, e perguntou-se se deveria financiar uma casinha e largar do aluguel.

      Nas costas de um papelzinho usado para uma comanda, mostrei que em 10 anos de seu aluguel, com a diferença poupável, teria uma reserva para dar entrada acho que era em um quarto do imóvel, reduzir sua dívida e um detalhe que todos se esquecem: quem deve um aluguel, deve, digamos, este mês, um outro, forcemos um terceiro, mas pode ter acumulado reservas para um ano de desemprego, bem “justo”. Por outro lado, se torra tudo que tem num financiamento, não fica com reserva para coisa alguma, e ainda por cima, tem uma enorme dívida para pagar, todo mês entrando (o que em coisa alguma, nisto, diferencia-se de um aluguel).

      Ah! Quase esqueci! Num caso, do financiamento, os juros são CONTRA VOCÊ, no outro, a seu favor.

      0
      • Bolha Imobiliária 24 de maio de 2012 at 14:10

        Seu e-mail está errado…Aceitei seu comentário, mas verifique isto

        0
        • Francisco Quiumento 24 de maio de 2012 at 15:00

          OK

          0
    • Bubble Breaker 24 de maio de 2012 at 14:08

      Paulo, seu post foi bom, mas acho os valores que vc lançou nas despesas estão muito baixos…

      Aqui em SP, pego metro e ônibus para trabalhar, e gasto R$ 9,30 por dia. Se fosse só ônibus, seriam R$ 6,00 por dia.

      Comida, qualquer refeição, no lugar mais porco possível, não sairá por menos de R$ 8,00.

      Fora isso, tem outras despesas como remédios, vestuário e tudo o mais.

      A verdade é que um mano que ganha R$ 20.000,00 por ano e tem família não consegue guardar dinheiro algum… isso é fato!

      Pelo contrário, tem ainda que fazer dívida para levar uma vida com o mínimo necessário.

      E sobre a bolha, um relato pessoal – fui muito ridicularizado entre amigos e familiares qdo comecei a diviulgar as idéias do blog, há exatos 14 meses…

      Hoje, 80% dessas pessoas já admitem e torcem pela bolha… o quadro mudou e os preços tem caído sim… e cairão ainda mais…

      Por fim, um fato que presenciei ontem: corretores estavam sentados na porta de um lançamento, em mesas armadas na calçada porque o stand ainda não estava pronto. Uma moça parou para conversar com eles e disse: “Vcs precisam de gente para panfletar?” E o corretor respondeu: “Não, nós mesmos temos panfletado no tempo livre!”.

      A roda girou…

      0
      • Paulo 24 de maio de 2012 at 14:36

        Breaker, é isso mesmo, eu chutei os gastos lá em baixo, mínimo do mínimo e fica inviável comprar apartamento…..

        isso é pra acabar com argumento de neguinho que diz que 1800 de renda é individual, mas é o casal que compra, cabe no orçamento, etc….

        realmente me revolta…

        e uma cosia que discordo de vc, eu NÃO torço pra bolha….
        torço pro meu corinthians, torço pra ganhar na Mega-sena… isso eu não tenho como prever, agora a bolha é totalmente previsível!
        (imagino que vc não usou com esse intuito a palavra torcer, mas temos que mostrar que não estamos esperando algo inesperado acontecer, é algo previsível e baseado em fatos!)

        0
        • Bubble Breaker 25 de maio de 2012 at 13:23

          O meu “torcer” foi exatamente neste sentido que vc explicou, me expressei mal mesmo!

          Torci ontem para o Santo se ferrar, mas não rolou…

          0
    • Revoltado 24 de maio de 2012 at 14:48

      Refeição a 5 reais só se for no restaurante do Betinho, ou se for lanche.

      Cachorro quente de barraquinha nao sai por menos de 2,50 + uma coca pequena 1,50 + 1 chocolate 1,00 = 5 reais.

      Se vc for realmente comer comida (arroz feijao etc) um PF barato está por volta de 11 reais ( sem bebida).

      0
  • Eskeleto 24 de maio de 2012 at 13:15

    Você ainda é bonzinho com os números, esqueceu água, luz, telefone.
    Fora que gastar 20 reais de refeição já que tem de comer fora é muito pouco, pois quando o casal trabalha dificilmente fazem marmita e sim comem nos lugares por ai.
    Media para alimentação é 8 reais mínimo.

    0
  • GB 24 de maio de 2012 at 13:47

    Eu acho que esse Tod (que apareceu hoje) e esse peterson (que apareceu ontem) são a mesma pessoa, o modo como um elogia o outro e o timing e a sincronia entre os posts é perfeito, parece até um balé.

    Amanhã vai aparecer outro novo para formar o “trio corretores estão certos e o brasil segue cada vez melhor, por favor comprem imóveis”.

    Eu não entendo eles, o pessoal daqui é vacinado, não adianta ficar pregando isso aqui.

    0
    • peterson 24 de maio de 2012 at 15:57

      o problema é exatamente este, tentar advinhar baseado em sentimentalismo, sem fundamentos, assim chega-se a este tipo de conclusão, a primeira vista perfeitas, que faz sentido para que as lê, onde faz todo sentido, mas que não passa de uma ilusão, de fato, quanto mais se emprega o sentimento na análise, mais ela se distancia do que realmente é, deve-se afasta-la do analista e aproximá-la do analisado, por isso poucos realmente possuem este dom, pois os agentes do mercado são humanos e sentimentais, quando o analista se funde na vontade do resultado, ele manipula-o para que seu sentimento tenha sentido, involuntariamente, chegando a equivocada conclusão, belamente refletida pelo GB neste post, um erro em achar que eu sou quem não sou e ter certeza que isso desacredita tudo que foi dito por ambos. Em tempos, eu Peterson, não sou o Tod e não surgi do dia para noite neste blog, estou aqui desde o seu terceiro post… sem mais!

      0
  • GB 24 de maio de 2012 at 14:24

    “Os imóveis que podem ser ciladas
    Oito investimentos imobiliários que podem gerar dor de cabeça para o comprador desavisado”

    “http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/os-imoveis-que-podem-ser-ciladas

    0
  • Thiaguinho 24 de maio de 2012 at 15:00

    Recebi um e-mail de um corretor oferenco apartamento em BH. Engraçado que no final do email ele escreveu: “Faça seu dinheiro trabalhar para você, invista em imóveis”…
    Será?

    0
  • BolhaBH 24 de maio de 2012 at 15:16

    Será essa a data do início do aprofundamento da crise?:

    EXAME – “Grécia vai deixar o euro em 1º de janeiro de 2013, diz Citi”

    Economista Michael Saunders, do Citigroup, prevê desvalorização da moeda e forte queda na atividade econômica após saída

    São Paulo – A saída da Grécia da zona do euro tem data marcada: dia primeiro de janeiro de 2013. Esta é a aposta do economista Michael Saunders, do Citigroup.

    Em seu relatório, ele diz que, apesar das muitas incertezas, há razões para acreditar que a Grécia deixa a zona do euro no início de 2013, o que deve ser seguido por “uma forte desvalorização da moeda, com forte queda na atividade econômica em 2013 e modesta recuperação mais para frente”.

    O economista acredita ainda que o “contágio” de outros países da zona do euro é inevitável e que ele já está acontecendo, em certa medida.

    Em resposta à saída da Grécia da zona do euro, o analista prevê que o Banco Central Europeu vai cortar taxas a 0,5% e retomar seu programa de operações de refinanciamento em longo prazo.

    O economista do Citigroup antevê ainda um segundo pacote de resgate a Portugal e Irlanda, algum tipo de programa da Troika para a Espanha e suporte aos títulos do governo da Espanha e da Itália.

    A saída

    De acordo com o analista, o Banco Central europeu garantirá a liquidez dos bancos gregos – substituindo depósitos perdidos – até as eleições de 17 de junho.

    Mas o analista não acredita que as eleições serão capazes de produzir um governo viável que possa seguir o plano da Troika, levando a um impasse entre o governo grego e seus credores e à suspensão dos recursos de fundos internacionais.

    “As reservas de dinheiro do governo são limitadas e, provavelmente, estarão esgotadas até o final do ano”, prevê o analista.

    Em um relatório anterior, Saunders elevou o risco de saída da Grécia da zona do euro para 50% a 75%.

    http://exame.abril.com.br/economia/noticias/grecia-vai-deixar-o-euro-em-1o-de-janeiro-de-2013-diz-citi

    0
    • Seu Madruga 24 de maio de 2012 at 21:22

      Michael Jacó?

      0
  • Profeta dos Pampas 25 de maio de 2012 at 21:54

    Bolha pelo Brasil,

    Rodando por RJ, SP, PR e RS nesta semana constatei diversas situações que comprovam a bolha.
    Vamos lá.
    Campinas SP – No embarque em VCP notei a conversa de duas pessoas ligadas a investimentos (sardinhas talvez) um falava para o outro que tava com o ceu na mão que os rendimentos da carteira dele estavam em declínio e ele não sabia mais o que fazer. O outro sugeriu que talvez tivessem que retornar ao mercado financeiro.. PLOC 1
    Curitiba – PR – Impressionante a qtde de imóveis a venda em Curitiba. A cada três edifícios novos e usados dois tinham vários imóveis a venda. Não sei quem disse aqui que a bolha estouraria primeiro em Ctba. Começo a concordar com isso.PLOC 2.
    Curitiba – PR – No voo de volta a POA estavam sentados em minha frente um senhor e um cara mais novo (filho provavelmente). O mais velho extremamente preocupado lendo uma Gazeta enquanto o mais novo entregava para ele diversos recortes de jornais falando sobre a situação crítica de vendas do mercado imobiliário atual. Durante o diálogo o mais novo soltou essa: “Vamos colocar a meta de 100 pra eles esse final de semana” É a grande oportunidade do semestre. Feirão da Caixa de Porto…
    PLOC 3.

    0
  • Fabio 28 de maio de 2012 at 08:29

    Nesta última sexta-feira recebi dois contatos muito interessantes:

    No primeiro deles recebi, via correio, um folder (muito bem feito, aliás) de apresentação de um imóvel comercial na região de Santo Amaro, ou seja a cerca de 20km de casa (e cerca de 1h e meia de carro no trânsito de SP), pela bagatela de R$16k o metro quadrado. Detalhe do desespero: “Os primeiros 100 clientes a visitarem o estande levam para casa uma garrafa de Red Label”

    O segundo contato via telefone, uma corretora me liga para oferecer um imóvel comercial na região da Vl. Leopoldina (mais perto de casa). Frente à minha recusa, sob o argumento de que não tenho interesse em imóveis comerciais neste momento, me oferece um pré-lançamento em Perdizes (região onde moro) de 126 m2 a módicos R$1.638.000,00 ( o que daria cerca de 13k o m2) Comecei a argumentar sobre o absurdo dos preço e etc, ela acabou por se irritar dizendo que o azar era meu e que estaria perdendo uma excelente oportunidade, já que o último da região haviam vendido a 11,5k o m2.
    Eu só conseguia rir…

    0
  • PSG 29 de maio de 2012 at 11:45

    Foi exatamente isso o que aconteceu comigo no último Feirão da Caixa. Esse ano nem nos demos o trabalho de ir até lá. Até pq não tem diferença nenhuma do já estamos vendo com os corretores.
    A arrogância deles me mata! Eu era literalmente a “Mulher invisível” do meu namorado, até mesmo quando vou visitar os apartamentos. Só que não é possível que eles não saibam que se eu não gostar de alguma coisa, eles não vendem nada (não só eu mas todas as namoradas, noivas esposas…)
    E quando ouviram o valor do imóvel que agente queria, a cara mudava. (não sabiam como fazer pra se livrar dos mulambos, ou sabiam.)
    Quando nos davam atenção, com toda delicadeza do mundo vem aquela frase: “Desculpe perguntar, mas qual é o valor do seu salário? Quanto você tem pra dar de entrada?”
    Em um dos stands após essa perguntinha discreta, o corretor quis oferecer um AP mais caro. Pq o valor que agente queria era pro Programa Minha Casa Minha Vida. (Sem comentários)
    Só que, apesar de termos crédito aprovado para assinar nossa dívida eterna, não estamos afim de passar a vida toda pagando por uns míseros 55m2. Onde não ficaria feliz em estender minhas roupas em cima do fogão que é do lado do tanque.

    0
  • Insatisfeito 8 de junho de 2012 at 23:00

    É mais ou menos assim: abaixam os juros, acrescem taxas e sobem os preços dos imóveis além de diminuir o tamanho dos imóveis, é o verdadeiro apertamento, no caso de casas, querem provar que um lote Não é 250 mts quadrados, mas sim 125mts quadrado, é brincadeira, pior tem gente que se diz feliz…

    0