Carta ao blog e agradecimentos

Você pode gostar...

Comments
  • thiago fm 11 de março de 2012 at 18:42

    Aleluia!! Temos Papa !!

    0
  • Rafael 11 de março de 2012 at 18:43

    Miguel,

    Quando ocorrerá a mega desvalorização do real?

    0
    • Amadeos de Sampa 12 de março de 2012 at 22:00

      Essa pergunta merece uma enquete ! deixo essa pros universitarios…

      0
    • Indecoroso 13 de março de 2012 at 10:15

      Lembram daquele almanaque do Marty McFly que contava o resultado dos jogos que estavam por acontecer? Pois então, Miguel Jacó tem um parecido…

      0
    • Raposão 13 de março de 2012 at 20:56

      MIGUEL JACÓ,

      Meus parabéns!

      Em um país sério, creio que Vossa Senhoria seria uma celebridade financeira instantânea.
      Na banânia, só seria levado em consideração pela mídia corporativa se fosse uma mulher fruta ou algo similar ao Zina do Pânico, o falante do jargâo: Ronaldo du curintchia (sic).

      Att.

      Raposão, que não é “du curintchia”.

      0
  • Pedro 11 de março de 2012 at 18:50

    Parabéns! Texto sensato do início ao fim. Usar o dinheiro de uma vida inteira de trabalho para comprar uma mer*a realmente é o fim. Agora é sentar e aguardar o melhor momento de comprar minha casa sem dar minha vida, com trocadilho.

    0
  • Ze Bom Dirolo 11 de março de 2012 at 18:51

    A melhor data para se comprar um imóvel (a partir de agora) depende de uma análise individual, consubstanciada em diversos fatores como casamento, idade, filhos, distância da casa dos pais, distância do trabalho, conforto e outras dezenas…
    O que é melhor para mim com 30 e poucos anos não é, de repente, para outra pessoa.

    Logo….cabe a você….decidir e tentar desconectar do é imposto e procurar a melhor maneira de viver razoavelmente bem, o que não significa necessariamente comprar um imóvel.

    0
  • Corretor 11 de março de 2012 at 19:12

    Vamos combinar: o que é uma bolha?

    Acho que os preços podem ter uma desvalorização (em termos reais, não nominais) de um total de 20% nos próximos 3 anos. E isso nas cidades em que está havendo aumento descontrolado de lançamentos de unidades minúsculas e caras. E isso em relação ao pico de preços, que também é muito localizado temporalmente.

    Mas para mim isso não tem nada a ver com bolha.

    Bolha mesmo seria uma queda de 40 a 60% nos preços de imóveis novos e usados, em praticamente todas as grandes cidades. E isso é mais provável que não ocorra.

    0
    • Ze Bom Dirolo 11 de março de 2012 at 20:43

      Os imóveis já caíram de 10 a 20% do preço.
      O problema agora são os financiamentos de 20 a 30 anos, quando quem comprou vislumbrar que comprar outro imóvel é melhor do que continuar pagando o atual.

      0
      • Rico 11 de março de 2012 at 21:42

        Acho que o problema nem é esse e sim os imóveis comprados na planta com entrega prevista parar 2012 ou 2013.

        Muitos compraram na planta imobilizando capital acima do sensato para revender na entrega das chaves, que conforme a promessa dos corretores, iriam valorizar na casa de 40%.

        Agora com a entrega prevista, sem capital para financiar e o imóvel valendo 20% a menos que assinado no contrato e mercado parado, o que vão fazer.

        Esses investidores contaram com os ovos dentro da galinha. O problema que a galinha cansou e não está dando mais ovos.

        E agora?

        0
        • Anderson Silva 11 de março de 2012 at 22:49

          Muitos corretores estão com fortes dores de cabeça!!!

          eles sofrerão mais daqui pra frente neste cenário!!! Quem for inteligente certamente vai procurar outro ramo, ou voltar a fazer o que fazia antes.

          Muita gente entrou no boom imobiliário para a função de corretor. Ser corretor não é ter profissão!!!

          quanto aos donos das construtoras, estes querem mesmo é ver os preços cairem – já estão demitindo e num cenário de crise mais forte – vão demitir em massa!!!

          Estouro de bolha é um ótimo argumento para redução de custos, demissão!!

          ———
          ótimo argumento para comprar terrenos baratinhos ou pelo menos com preço justo – para depois estas construtoras entrarem em outro ciclo lucrativo.

          O grande investidor nunca perde!!!

          ——————
          o tiozinho véio que caiu na conversinha fiada de corretor de investir em imóvel – vai começar a lamentar bastante quando ver a dificuldade de repassar esta bucha. Manter o imóvel então – vai ser caro pra chuchu $$$$

          0
        • Vivendo de Aluguel 11 de março de 2012 at 23:09

          Rico, nos últimos anos, várias vezes vi na mídia analistas do mercado imobiliário e outros entrevistados favoráveis ao mercado imobiliário dizendo que imóveis subiriam, tranquilamente, 20% ao ano nos próximos 10 anos.

          Se alguém com segundo grau completo tentar entender o que isso significa, chegaria à conclusão de que (1.2^10) = 6,19. Quer dizer que, um imóvel que vale 100kR$ passaria a valer 619kR$ em 10 anos (uma pessoa instruída desconfiaria que tinha algo errado nisso).

          A segunda derivada disso, e esta mais absurda, é que construção civíl que representa 7% do PIB (ou algo próximo), passaria a representar quase 50% do PIB do país, considerando o crescimento de menos de 3% do PIB

          Aí, até uma pessoa não instruída e sem o menos bom senso concluiria que algo estava muito errado nas afirmações dos entrevistados. Ou os preços parariam de subir ou os lançamento seriam reduzidos ou os dois (que foi o que aconteceu).

          Bom, mas mesmo assim, os “investidores” seguraram os imóveis e, a cada mês subiam a tabela de preços, pedindo valores cada vez mais absurdos, com o apoio dos corretores, que mantinham o discurso (aproveite agora que amanhã ficará mais caro), e como todo investimento em Pirâmide ou similar, resultou no que estamos vendo, mercado travado e preços caindo!!!

          Agora, dá para ter dó de um “investidor” com este perfil?

          Esse é o tipo do cara que tem que perder tudo para não mais fazer o estrago que fez no país.

          0
    • Cleyton 11 de março de 2012 at 21:47

      “Vamos combinar: o que é uma bolha?”

      Meu amigo, se a essa altura do campeonato você ainda não sabe o que é uma bolha esse blog por acaso é sobre isso, recomento que volte alguns tópicos atrás e se informe melhor.

      Vou adiantar uma coisa, o que define a bolha não é o estouro mas o descolamento dos preços, o estouro é apenas uma consequência que se pode adiar mas não evitar, se tiver algo a dizer sobre o descolamento generalizado dos preços sou todo ouvidos.

      0
    • A espera de um estouro 11 de março de 2012 at 22:09

      É verdade…no Brasil imóvel nunca desvaloriza, a oferta ainda está muito aquém da demanda, a relação financiamento PIB nem se compara a dos EUA e blá blá blá…

      0
    • Carlos Wagner 11 de março de 2012 at 22:20

      Dar ouvidos e perder tempo respondendo ao corretor, cirilo, emtso é uma grande perda de tempo e um retrocesso nas discussões do blog.

      Quem entra aqui e vê que ainda estamos discutindo coisas que ja foram ditas ha mais de ano e meio acha o espaço pobre, o que nao é verdade. Ele apenas está sendo influenciado e retrocedendo em discussões já superadas.

      Fica a dica: Quem ainda achar que pode convencer um cara que vem ao espaço bolhaimobiliaria.com dizer que não acredita em bolha sem ao menos ter lido as principais discussões, perca seu tempo, mas por favor, não alonguem demais o tópico ok. No topico anterior tive que pular uma imensidão de comentarios dando ouvidos ao cirilo, isso cansa!

      0
      • Cleyton 11 de março de 2012 at 22:31

        Tem razão, não deveríamos alimentar os trolls, nesses casos um RTFH (Read the F*ck History) já seria suficiente para alertar os novos leitores de que isso já foi discutido, ou então bolar alguma forma de marcar esses lixos pro bolha ir apagando.

        0
        • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:53

          Cleyton – marcar seria muito legal, pois eu discuti muito com o Cirilo e peço desculpas pois só tenho 1 mês no blog… e realmente não dá pra ler tudo que vcs já postaram…

          0
          • Cleyton 12 de março de 2012 at 10:34

            Relaxa cara, eu também caí várias vezes nas trollagens dos corretores, eles sabem muito do histórico e a intenção é tentar deixar alguma questão em aberto no último post para deixar novos leitores em dúvida, então eles ressuscitam (troféu pá de ouro) assuntos que tiveram várias respostas porque sabem que o pessoal não vai ter saco de explicar tudo de novo.

            O RTFH cabe apenas para essas figurinhas que ficam tumultuando, o que claramente não é o seu caso! Desculpe se fiz parecer o contrário.

            0
    • Vivendo de Aluguel 11 de março de 2012 at 22:45

      Queda de 20% já aconteceu, como mencionou o Ze Bom, basta negociar. Portanto, toda valorização teórica que dizem ter ocorrido em 2011 já foi embora nos dois primeiros meses de 2012!

      Agora você está dizendo em uma queda de Real de mais 20% em 03 anos, já estamos em 40% de queda (20% destes 02 meses de 2012 + os seus 20% em 03 anos).

      Já que você mencionou queda Real, não podemos esquecer então que os preços serão corrigidos pela inflação nestes 03 anos e, com certeza, será pelo IPCA do Tombini, aquele indicador manipuladão ao extremo que, enquanto todos viram os preços subirem mais de 10% em 2011, ele vem com uma tremenda cara de pau (junto com a FIPE, claro) falar que a inflação foi “apenas” 6.5%, no teto da meta em 2011.

      Bom, esquecendo o governo que aí está e todas as lambanças que temos que engolir, podemos dizer que, a diferença entre inflação real e a divulgada pela Fipe é de mais 4% ao ano, tranquilamente.

      Então, em 03 anos, os preços sofrerão mais um gap de 12%.

      Assim, ao final temos uns 52% de perda do valor dos imóveis em relação a quem investir o dinheiro no período.

      52% em 03 anos significa comprar 02 imóveis em 2015 com o dinheiro que compramos um hoje, e ainda sobra dinheiro para pagar ITBI e outras coisas.

      Tá bom assim Sr. Corretor?
      Se prepara, compra um banquinho e um dominó para jogar com os aposentados na praça, a espera será longa!

      0
      • Fernando II 12 de março de 2012 at 14:29

        Vivendo de Aluguel, concordo que a inflação que sentimos está bem acima do IPCA…
        No entanto, vale notar que o IPCA usado como meta do BC é calculado pelo IBGE e não pela Fipe.

        0
        • Vivendo de Aluguel 12 de março de 2012 at 19:52

          Fernando, falha minha!

          Muito obrigado

          0
    • TC 12 de março de 2012 at 14:20
  • Sir Income 11 de março de 2012 at 19:40

    Ola, PessoAll.

    Hoje passei na frente de uma loja pão de açúcar que está fechada pois construirão um prédio. Vários corretores sentadinhos esperando os investidores. Muitas meninas de mini-saia. Nada contra. É preciso fisgar o peixe.

    Fiquei imaginando como pode uma loja que vende alimentos e outros itens necessários fechar para dar lugar a um empreendimento imobiliário. Imagino que a margem de lucro do pão de açúcar seja melhor do que Extra e Carrefour. Como pode uma loja ficar um ano ou mais fechada? Deixar esse faturamento para dar lugar ao faturamento na venda de imóveis. Tem algo errado. Muito errado!

    Abraços,
    Sir Income

    0
    • Carlos 12 de março de 2012 at 05:00

      Trabalho em uma area de acessoria em projetos de combate a incendios, e neste caso o que poderia estar ocorrendo é que algumas lojas foram vendidas para construção de predios mistos, ou seja, ocupação apartamentos, escritorios e no terreo uma loja nova que a construtora dá em pagamnto para o pão de açucar.
      Nos proximos anos serão construidos varios destes predios em sampa (se não houver uma quebradeira).

      0
    • Rodrigo 12 de março de 2012 at 09:26

      Não tem nada de errado! Supermercados em baixo dos prédios que serão construídos?? Será que estão criando mais clientes em um espaço ocioso? Será que terão mais lucro?

      Pão de Açúcar quer lucrar com prédios – e não é só com os dos supermercados

      Grupo lança projeto imobiliário e estuda mais 25 para os próximos três anos – edifícios serão construídos nos terrenos que já possuem lojas da rede. São Paulo – O grupo Pão de Açúcar resolveu acompanhar o boom imobiliário e aproveitar ainda mais os terrenos de seus supermercados. Através de parcerias com construtoras, o braço imobiliário da empresa, o GPA M&P, vai construir edifícios junto a supermercados do grupo. O Pão de Açúcar calcula que hoje tenha um potencial imobiliário de 1 milhão de metros quadrados – em terrenos que já possuem seus supermercados.

      “Não tínhamos feito nada porque o mercado imobiliário não era lá grande coisa”, disse Caio Mattar, CEO da GPA M&P (Malls & Properties). O Grupo Pão de Açúcar criou esse braço imobiliário em 2009.O Grupo Pão de Açúcar lança nesta semana, em São Paulo, o Thera Faria Lima, seu primeiro empreendimento imobiliário em parceria com uma incorporadora, aCyrela.

      Mattarafirmou que durante muitos anos defendeu que a empresa tinha um grande potencial imobiliário – e a equipe financeira queria saber como mostrar isso para o mercado.

      Se quando Mattar entrou no Grupo, há cerca de vinte anos, ele encontrou como máxima a frase “concentre, corte e simplifique”, agora, no braço que lidera, predomina o “sweat the asset” (suar os ativos, em uma tradução literal. “Tirar tudo que nosso ativos tem”, disse.

      Parcerias

      O Thera Faria Lima não é, no entanto, o primeiro empreendimento do Grupo Pão de Açúcar. Um teste já foi feito na cidade de São Paulo junto à loja Extra no Jaguaré, onde foram construídas seis torres residenciais. Os edifícios ficaram prontos há dois anos. Desde a inauguração da loja, em 2002, até hoje, as vendas dobraram, segundo Mattar, que credita parte do aumento aos 380 apartamentos.

      O modelo adotado é o mesmo do Thera Faria Lima e dos outros empreendimentos que serão lançados: parceria com construtoras. O Pão de Açúcar entra com o terreno e o supermercado e a construtora faz o edifício – a rede fica com uma participação sobre a venda das unidades. A empresa não divulga qual a participação. “Nós não temos a pretensão de construir nem de entender disso”, disse Mattar.

      Para Mattar, como o supermercado gera movimento em uma região, o segredo é comprar terrenos em áreas que não são muito valorizadas. “Onde você coloca o hiper tudo em volta muda e se valoriza”, disse. A ideia da GPA Malls & Properties é comprar terrenos em regiões novas, fazer o hipermercado e, quando a região estiver valorizada, procurar um parceiro para o empreendimento imobiliário. “E com o dinheiro da nossa parte das vendas, compramos outros terrenos e fazemos mais mercados”, disse. Dentro dos shoppings, por exemplo, o resultado das lojas não é tão positivo, “nossas lojas em shoppings nunca foram um sucesso”, disse Mattar.

      A GPA Malls & Properties planeja mais dois lançamentos para 2011 e estuda 25 projetos para os próximos três anos. Entre as localidades estudadas estão as principais capitais do país. De minimercados a hipermercados, são 615 lojas e a previsão é lançar 80 novas lojas no próximo ano – a projeção do Grupo Pão de Açúcar é lançar 120 lojas por ano. Do total, 30% podem ter edifícios acoplados. A previsão de receitas é muito grande, segundo Mattar, mas ele não detalha os valores.

      Beatriz Olivon

      Fonte: Exame.com

      h ttp://www.buildings.com.br/noticias/1402-pao-de-acucar-quer-lucrar-com-predios-e-nao-e-so-com-os-dos-supermercados

      0
  • Pedro 11 de março de 2012 at 20:18

    Bolha, vc teria como postar um gráfico com os acessos diários ao blog desde que vc o lançou? Isso mediria bem o interesse das pessoas sobre o assunto. Em qualquer roda de conversa o papo sobre a falsa valorização dos imóveis vem à tona. É incrível!

    0
    • Guilherme Eduardo 11 de março de 2012 at 23:22

      Concordo Bolha.

      0
      • MrJaime 12 de março de 2012 at 00:00

        Ao invés das estatísticas deste blog, sugiro algo mais significativo e menos propenso a críticas dos animadores de piscina do Bora-Bora de plantão:

        www . google.com/trends/?q=bolha+imobiliaria&ctab=0&geo=all&date=all&sort=0

        Esse link mostra que a partir do meio de 2011 o númeor de buscas pelo termo “bolha imobiliaria” no google passou a ser significativo.

        Mais importante, ao final do gráfico, o que representa o início de 2012, dá para a explosão no número de ocorrências!

        Mais abaixo, no mesmo site, há os principais locais de onde vêm as pesquisas: Brasília em primeiro, e Rio de Janeiro em segundo!

        Sugiro que o Bolha encontra um cantinho na página de início do Blog para colocar o link para o gráfico:

        www . google.com/trends/viz?q=bolha+imobiliaria&date=all&geo=all&graph=weekly_img&sort=0&sa=N

        Já era, pessoal (Corretor, Cirilo, Etmso). Todo mundo já sabe!

        0
        • MrJaime 12 de março de 2012 at 00:03

          *número
          ** sugiro que o Bolha encontre

          0
        • Salles 12 de março de 2012 at 08:12

          Outro grafico legal:

          ww w . google.com/insights/search/?hl=pt-BR#q=bolha%20imobiliaria&geo=BR&cmpt=q

          0
          • A espera de um estouro 12 de março de 2012 at 08:18

            Como o estouro da bolha parece ter alguma relação com a consciência da populaçào sobre o tema, me arrisco a dizer que a bolha estoura antes nos lugares que consultaram mais o Google. Na região nordeste, por exemplo, é capaz que demore mais, pois mais investitolos continuam entrando nessa ainda…

            0
            • Cai Cai Balão 12 de março de 2012 at 08:23

              Observem que o interesse sobre o tema nunca foi tão grande como é hoje. Consultei o insights um mês atrás e só via interesse em DF, SP e RJ. Além deles, hoje temos MG, PR e RS. A população está se conscientizando.

              0
  • Cleyton 11 de março de 2012 at 21:33

    O Dr. Miguel Jacó estudou, fez um modelo conjectural de como esperava que as coisas andassem e fez uma projeção do modelo com data e tudo, foi arriscado sem dúvida, mas como as previsões se concretizaram isso demonstra que o modelo está correto, aliás, corretíssimo.

    Vários “especialistas” fizeram seus modelos também dizendo como as coisas andariam, e no fim as coisas não estão saindo como o esperado, e invés de rever o modelo coçam a cabeça e ficam justificando sua total falta de competência.

    Essa é a diferença entre um palpite grosseiro e uma previsão estudada e bem feita, aguardamos com ansiedade as próximas projeções do modelo do Dr. Miguel Jacó, o resto é balela.

    0
  • GB 11 de março de 2012 at 21:48

    É triste, mas como tem gente que depende desse mercado para sobreviver.

    Para mim é só o desejo de comprar um mero objeto, a mesma coisa aconteceu com meu 1º carro ou 1ª TV de LCD.

    Pesquisando eu notei que tem alguma coisa errada no mercado, eu jamais vou pagar mais do que eu acho que valha, espero que esse pessoal que caiu no cesto de cuecas sujas logo recobra os sentidos.

    0
    • Shakespeare 11 de março de 2012 at 22:50

      e como imóvel, carro e TV não são gêneros de 1a. necessidade, por mim podem subir a vontade… só compro quando o preço me interessar. 😀

      0
  • Carlos Wagner 11 de março de 2012 at 22:25

    Como ficou perdido no final do topico passado, volto a postar aqui pra galera ver o video que fiz sobre a segunda parte da minha pesquisa sobre o mercado imobiliario em Taubaté.

    Dessa vez foquei me nos predinhos de até 5 andares e casas geminadas.

    “youtube.com/watch?v=kCagNrxQoHk&feature=youtube_gdata”

    Detalhe: Apartamento assim em 2007 custavam 45 mil reais. Hoje custam de 140 a 210 mil.

    0
    • Pepper 11 de março de 2012 at 23:10

      O vídeo é assustador: muitos imóveis em construção e, entre os que já estão prontos, muitas placas de “vende-se”. É quase um bairro inteiro no mercado.
      E o que ele diz é verdade: aqui em Taubaté conheço muita gente investindo em imóveis, pessoas que acabaram de comprar imóveis na planta (e pensam em comprar mais) ou estão construindo pra vender.

      0
    • xangai 12 de março de 2012 at 10:14

      nice.. isso sao fatos …

      na proxima, so por diversao , pega uns lancamentos com corretores as moscas !!

      saudacoes..

      0
  • Carlos Wagner 11 de março de 2012 at 22:35

    MIGUEL JACÓ

    Parabens pela contribuição, além da previsão é claro. É por causa de pessoas como você que o blog atingiu o grau de elevado conteudo e discussão em que nos encontramos.

    Como disse um colega acima, muitos analistas fizeram previsões, erraram feio e hoje ficam puxando daqui e dali para tentar justificar sua incompetencia. Enquanto isso, vemos pessoas comuns que arriscam fazer suas previsões baseadas na realidade do dia a dia e em discussões sensatas, acertam na mosca e nem sequer são remuneradas para isso. Incrivel não?

    É isso ai!

    0
  • Mr. Alex 11 de março de 2012 at 23:02

    Miguel,

    A internet é uma forma de libertação da mente se assim a utilizarmos.

    A maioria dos bananenses vão precisar reencarnar mais de 30 vezes antes de ir para um plano espiritual melhor.

    Por isso tem que encarnar alguns mais evoluídos no meio para ajudar no processo.

    Temos até na Bíblia a questão de quem se senta para planejar a construção da casa.

    Ora, se estas pessoal mal sabem somar e subtrair, temos antes que ter piedade antes de tudo. O status que tanto querem, como Tuquição e celular de R$ 1500 são simples materialização do estado de Ignorância em que se encotram. E estados mentais assim geraram coisas com a 2a. Guerra.

    abraços

    0
    • Piuas 12 de março de 2012 at 14:26

      Perfeito…
      Aliás, a maioria dos coments desse blog são de alto nível. Faz apenas duas semanas que descobri o espaço (no blogo do Kleber S, alguém comentou lá sobre esse blog aqui), mas me sinto em casa…
      Acho ‘ninja’ não haver moderação em comentários de blogs, mas um cara com o nick “corretor” que, sem nenhum embasamento, entra no espaço e tenta argumenta ruqe não há uma bolha deveria ter seu comentário excluído pelos admins… Eu encaro esse ‘corretor’ como um spammer fazendo propaganda em um espaço que não lhe pertence.
      Agora, sobre o texto, fiquei impressionado com o ‘mãe diná’ (desculpe a piada) que previu o dia da notícia da bolha… Um raciocínio perfeito e tão simples que me pergunto ‘por que eu não pensei nisso antes?”, mas já sei a resposta: “Por que o simples é complicado…”
      Aliás, eu tenho um apartamento que quero dar um destino. Estou pensando em trocar por um kinder ovo, alguém tem um aí pára me ofertar?

      0
      • Bolha Imobiliária 12 de março de 2012 at 15:22

        É saudável sempre aparecer alguém para contrariar o nosso propósito, e botar lenha na fogueira. Só modero quando há ataques pessoais.

        0
      • Cai Cai Balão 12 de março de 2012 at 15:29

        Já dizia o filósofo: “não concordo com suas opiniões mas lutarei até a morte pelo seu direito de defendê-las”. Deixa o corretor falar. A divergência é importante em qualquer debate.

        0
    • Piuas 12 de março de 2012 at 14:31

      Ah, e me esqueci de dizer o quanto eu torço para esse animal da Tuquisão quebre. Ele, que não entendeu o quanto estamos sendo logrados e não fez a sua parte não comprando nada por preços abusivos, nos trouxe até aqui e espero que se arrependa amargamente, quando estiver olhando para seu carrão, sem gasolina a uns meses, indo embora em um guincho da financeira que está executando sua dívida.

      0
  • Guilherme Eduardo 11 de março de 2012 at 23:05

    Assistindo Fantástico na Globo (SP): Acabou de passar no intervalo uma propaganda da EVEN. Dia 18 de março terá um evento aqui em São Paulo chamado Even Day com (conforme o anúncio) 1.000 imóveis com até 36% de desconto!!!! Estava quase dormindo no sofá e dei um pulo quando escutei!!!! 36% de desconto anunciado no intervalo do Fantástico!!! Telefone do Samu deve estar congestionado de tanto “investidor” que infartou kkkkkkk

    0
    • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 00:44

      Esses é que são espertos.

      0
    • sandridolo 12 de março de 2012 at 12:46

      Entrei no site do tal feirão, e fiquei tentado a adquirir o imóvel abaixo, tão belo é o local…rsrsrs

      http:// http://www.evenday.com.br/empreendimento.asp?empreendimento=53&regiao=oeste

      Os caras só podem estar de sacanagem….

      0
      • xangai 12 de março de 2012 at 13:27

        Isso eh so o comeco … estrategia desde lancamentos dessas construtoras… sempre ( pode ter certeza ) sempre reservam os “teoricamente” melhores aptos para vender depois. Melhor dizendo tentam sempre empurrar os piores primeiro.

        Pode ter certeza que esses imoveis sao apenas a ponta do iceberg.

        Acho que todos ja viram ( e escreveram tempos atras no blog ) aquela historia de “ultimas unidades” ou ate mesmo “uma pequena reserva” que a construtora faz para vender mais tarde e teoricamente ter valorizacao.

        Isso tudo ta muito ferrado mesmo.

        0
      • Ania 12 de março de 2012 at 17:09

        Belíssimo local mesmo! No coração do Petite Rivière, coisa muito fina, fácil acesso à favela São Remo e com vista para o límpido ribeirão do Jaguaré! (Eu posso falar mal do Rio Pequeno porque morei anos lá, mas quem nunca morou lá não pode, ok?)

        😉

        0
      • Luiz 12 de março de 2012 at 17:55

        olha lá o endereço: butantã
        o bairro butantã esta a uns 5 km de distancia deste local
        sem dizer que a escola politecnica hj é rota de caminhões entre o Ceagesp / marg. pinheiros e a raposo tavaveres / Rodoanel

        0
  • Sol de Sampa 11 de março de 2012 at 23:08

    Miguel Jacó, enquanto suas previsões futuras não são postadas vou arriscar dois caminhos de previsão…

    caminho a: se a crise do exterior for controlada (dentro das previsões dos países da Z do Euro),
    e nosso Governo conseguir vender a falsa estabiliade economica do País,
    a bolha será noticia entre novembro 2012 e março 2013 – lógico pós eleições, mas
    ainda contando com a variante PSDB x PT – que pode sair de tudo.

    caminho b: se a crise do exterior continuar tensa, em relação a Grécia, e nosso governo continuar tributos para incentivar a produção, mas em contra partida não haver negociações faceis nas datas bases das categorias, principalmente BB, CEF, PETROBRAS, INSS e Judiciario… a coisa estoura
    até novembro 2012…

    Com tudo, falta ainda a posição das Construtoras, das quais, saindo os balanços teremos visibilidade de o quanto a corda está enforcando… Numa situação drastica (que é a que eu acredito, com investidores externos saindo de fininho da bolsa) os preços dos imoveis entregues este ano vão sofrer uma queda brusca… Valores vão variar dependendo do caixa que cada construtora precisará e, isso com certeza, vai trazer o preço de todos imoveis para baixo… Daí vamos ver quem realmente entrou de gaiato no navio, e quem realmente se salvou do naufrágio.

    Acredito que até abril tenhamos dados interessantes para uma análise bem próxima da realidade que nos espera.

    0
    • Sol de Sampa 11 de março de 2012 at 23:09

      em tempo, corrigindo – caminho b – nosso governo continuar a cortar tributos.

      0
  • Guilherme Eduardo 11 de março de 2012 at 23:08

    Entrei no site da EVEN, tem um link na home page. Dizem que são “mais de 1.000 apartamentos e salas em São Paulo com desconto de até 36%”

    0
    • Sol de Sampa 11 de março de 2012 at 23:10

      è isso aí Guilherme, postei este ontem quando saiu… e o dia D é 18/03

      0
      • Guilherme Eduardo 11 de março de 2012 at 23:19

        Não tinha visto seu post…. mas você descobriu como?? Eu vi no intervalo do Fantástico. No final do ano quando tinha algum feirão assim deixavam meio escondido. Logo logo vira reportagem de jornal : “A valorização de 30% virou desconto de 30%”; “Investidor suicidou-se ao descobrir que seu apto de 600 mil hoje só vale 250mil”; “Sede da construtora X foi atacada ontem”; “24 corretores sofreram atentados nesse fim de semana”; “Imobiliárias contratam segurança privada com medo de depredação”.

        0
        • Sol de Sampa 11 de março de 2012 at 23:56

          Oi Guilherme, estava zapeando, pois persigo alguns imoveis e vejo o quanto estão baixando de preço (lentamente mas estão)…então postei no tópico anterior…

          depois do ZAP resolvi entrar na Lopes… e aí apareceu o evenday ahahah…

          a Rossi tb está fazendo promoção de aptos prontos … tem uns na Vila Leopoldina (que é vila anastacio) que estavam a $590k no inicio do ano, já estão em $540k…

          com certeza teremos mais…. muitos mais

          0
      • Vivendo de Aluguel 11 de março de 2012 at 23:37

        É a segunda vez que fazem este dia D, acho que a primeira foi em meados de 2011 e não venderam nada!

        Se mesmo com 30% não conseguiram vender, é pq o buraco é mais embaixo…. talvez uns 50% de desconto seja o necessário para iniciar uma negociação.

        Além disso eles anunciam até 30% de desconto, mas a maioria nem tinha desconto, era só pega trouxa.

        Desconto tinha uma cobertura de uns 5MR$ em Moema que saia por uns 3.7MR$ no Dia D, porém, o valor real bem pago estava em torno de uns 2.7MR$.

        0
        • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:19

          Vivendo de Aluguel… não entrei em contato não pois os imoveis não me interessam… Mas tenho contato com 2 amigos que compraram num empreendimento, e sei que no inicio de janeiro a Even estava pedindo 787k num ap de 149m2 —- sei que hoje estão pedindo entre 740 e 760 k…. mas não quis saber quais eram as unidades……o empreendimento é ClubPark Butantã….

          0
        • Piuas 12 de março de 2012 at 14:39

          Eu espero um desconto bastante superior para começar a conversar. A um bom tempo tem um corretor me ligando por um apê no centro de sampa. O valor do metro quadrado era de 7.500 reais com previsão de entrega pós-copa. Quando ele me disse eu ri na cara dele… nem por falta de educação ou para tirar sarro, só não consegui segurar…. A promessa era a velha valorização de 40% na entrega das chaves e eu fiquei pensando: O cara quer argumentar que um apê no bixiga vai valer mais de 11 paus o metro quadrado?? E não tive escolha, não pude segurar a risada. Aí, tempos depois ele me ligou e disse que estava com uma condição especial e me conseguiria a 6.000. Aí eu pensei: “20% em dois meses…. que milagre é esse?” e respondi: Genaro, isso é um absurdo e eu já te disse o que pretendo. Quando o valor baixar de 3 mil reais o metro e vc tiver um apê para eu comprar e mudar, me ligue… Ele ainda não ligou, achoque está ocupado tentando convencer as pessoas daqui de que não há bolha, mais cedo ou mais tarde ele vai retornar. Aí eu pretendo sangrá-lo ao máximo, por ter mentido para mim.

          0
  • Vivendo de Aluguel 11 de março de 2012 at 23:16

    Miguel Jacó para Presidente do Banco Central!!!

    Pq esse Tombini, além de pau mandando do Governo, o que é uma temeridade num país com histórico do Brasil, não consegue acertar uma previsão econômica.

    Será lembrado como o Presidente do Banco Central que trouxe a inflação de volta ao país com estagnação da economia : famosa estagflação = bolha de preços da economia em Geral sem crescimento do país!

    É o Tombini fazendo história!

    0
    • Carlos Wagner 11 de março de 2012 at 23:36

      E o Mantega que nao consegue acertar a previsão do PIB mesmo com 11/12 decorrido do ano de 2011.

      Esse país é uma piada. O pior de tudo é que eles estão no cargo porque no fundo a Dilma os acha bons. Ou seja, são melhores do que ela. Mas o que esperar de esquerdistas com aversão aos estudos?

      Estamos perdidos…Preparem-se!

      0
      • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 00:27

        Será que o Mantega vai voltar para o país onde nasceu?

        0
  • Cai Cai Balão 11 de março de 2012 at 23:25

    Caro Jacó,

    Sempre achei muito corajoso da sua parte estipular uma data para o ar acabar. O balão parou de ser inflado e, como você bem previu, isso pode ter acontecido em 05/03/2012. A sua ousadia fez com que muitos te ridicularizassem. Eu achava engraçado, mas confesso: esperei ansiosamente pela data e fiquei surpreso com o que vi na última segunda-feira.

    Apesar de todas as distorções e do cansaço em ouvir o mesmo argumento, acreditem: ainda há quem fale na Copa do Mundo como propulsor para mais valorização imobiliária. Acho que o fôlego já acabou, mas, se os preços ao menos se mantiverem até lá (o que, por si só, já gerará corrosão no valor), o dia seguinte à grande final pode representar outro marco importante para quem perdeu o bonde em 2007-2009.

    Continuo firme na convicção de que haverá correções (e não será um soft landing). Se estiver errado, preferirei morar de aluguel a me filiar a esse regime neoescravocrata, que subtrai o teu livre arbítrio financeiro por 30 anos.

    0
    • GB 11 de março de 2012 at 23:38

      Pelo menos, no aluguel, você pode negociar o aumento, já no financiamento você vai ficar refém do banco por 30 anos e ele sempre vai dar um jeito de aumentar o máximo que ele puder, é unilateral, sem chance de negociar.

      A não ser que sua dívida chegue a ser tão grande que fique mais barato devolver e comprar outro, como muitos investidores vão notar logo logo.

      0
      • Cai Cai Balão 11 de março de 2012 at 23:54

        Ainda que o valor do aluguel seja imposto unilateralmente pelo proprietário, como noticiam alguns inquilinos que forem expulsos da ZS carioca em virtude dos altos preços, sempre há a possibilidade de procurar algo mais em conta, construir uma casa ou me filiar (ou instituir) uma sociedade de fins específicos, para a construção de um edifício.

        Não tenho filhos e não gostaria de ter que educar uma criança em um bairro de perfil muito baixo. Fica ruim proibir o teu filho de brincar com o filho do vizinho, mesmo sabendo que o chefe da família trabalha com agiotagem (ou atividades do tipo). Quem tem filhos pequenos deve conhecer bem as dificuldades de educar e vencer as influências ruins do ambiente.

        Excepcionalmente, voltaria a morar com meus pais. Como são loucos por criança e residem num apartamento enorme e subaproveitado, não seria de todo ruim. Só fico a me perguntar qual seria a repercussão mais maléfica à educação dos meus filhos: conviver diuturnamente com os avós ou brincar com filhos de 171.

        ô dúvida…

        0
        • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:29

          Cai Cai Balão,

          devo ter muito mais idade que vc …. tenho um filho de 22 anos, que infelizmente protegi demais, não faça isso… o mundo tá avançando muito rapido, as coisas estão mudando muito rapido e quanto mais
          seus filhos estiverem acompanhando os cenários em volta, mais estarão preparados ….

          Hoje meu filho tem que se virar e vejo que o nível de experiencia de vida dele é muito falho… Infelizmente quando temos filhos o que mais queremos é protege-los, mas nenhum musculo cresce sem esforço, nenhum cérebro se desenvolve sem desafios…. Manere com a redoma que vc quer colocar em torno da prole… Eles tem que vivenciar e serem orientados para poderem discernir…

          Boa sorte

          0
          • Oliveira 12 de março de 2012 at 09:29

            Discuta os problemas da casa na frente dos seus filhos, mostre a realidade para ele desde cedo. Ensine-o a criar suas próprias defesas…

            0
          • Pena 12 de março de 2012 at 13:01

            Não tenho filhos, mas acho que é por aí mesmo.

            0
          • Ricardo Eng 12 de março de 2012 at 14:34

            Concordo com você em partes.

            Concordo quando diz que pessoas superprotegidas sofrem por isso e possuem deficiências. Os pais tentam ajudar mas acabam atrapalhando um pouco. Ou, de uma forma geral, proporcionam um nível de conforto aos filhos que no final das contas terá um preço a ser pago.

            Reescrevo a definição pois considero que em muitos casos a pessoa paga um preço sim mas o balanço final da proteção e do conforto é positivo. Considero errado dizer que uma pessoa sem todo esse conforto, amor e proteção estaria melhor se tivesse sido largada por aí.

            Queria complementar, com base na mensagem do Balão: ele está corretíssimo. Criar os filhos em locais com atraso socioeconômico é um perigo. Simplificando para tirar um sarro, podemos dizer que sua filha ficará grávida de um motoboy e seu filho virará bandido.

            Muitas pessoas caem na tentação de comprar apartamentos bonitinhos lá no cafundó do judas. Aí colocam o filho naquela escolinha particular simplezinha do bairro, gastando pouco.

            Ficam felizes com toda aquela economia, fizeram um bom negócio, tomaram uma boa decisão de vida. Só que o ambiente também cria o seu filho.

            No caso do Balão, ele poderá dar mais liberdade ao filho morando em um bairro melhor. Se tivesse que morar no cafundó do judas, teria que trancar o filho em casa para que ele não virasse bandido. Óbvio que a educação dada pelos pais influencia muito, mas não faz milagres.

            0
    • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 00:25

      Os imóveis nunca mais vão valorizar na velocidade vista nos últimos 03 anos e 11 meses.

      0
      • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:33

        Zé, acho que para 2012 e 2013 os imóveis não vão valorizar é nada…. a não ser que venha u super aumento nos salarios chegamos no limite para aquisições ….

        0
        • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 00:35

          Estou falando para depois das quedas…2020, 30…
          Abç

          0
          • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:46

            Então Zé, Tô 100% cont6igo e não abro…. ahahahah

            0
          • Marcelo 12 de março de 2012 at 01:30

            Espero que em Brasilia os precos despenquem…Mas aqui e’ diferente, os funcionarios publicos sao milionarios (o Governador mesmo deve achar isso porque ja avisou que este ano nao tem aumento para contencao de gastos…)

            0
  • EduLon 11 de março de 2012 at 23:27

    Interessante a parte do texto que diz “depois de escutar na televisão o apelo presidencial incentivando o consumo”… Isto me fez lembrar algo. Tenho conta no Banco do Brasil e recentemente quando vou sacar dinheiro no caixa eletronico a primeira mensagem que aparece na tela eh algo do tipo ” festival do crédito, aproveite a promoção e realize seus sonhos”. Obviamente nao empresto, mas fico pensando quanta gente esta se enforcando com este credito facil que o governo esta empurrando goela abaixo do povao.

    0
    • Oliveira 12 de março de 2012 at 09:31

      Edu… eles já me ligam todos os meses oferecendo crédito… o BB está “louco” para emprestar.

      0
      • EduLon 12 de março de 2012 at 23:00

        Hoje teve uma novidade, recebi um SMS do BB dizendo que eu tenho credito pre aprovado e posso utilizar. Eh so ir ate minha agencia do BB…

        0
  • Anonymous 11 de março de 2012 at 23:48

    A situação da Europa lembra a situação de uma moça que está MEIO grávida.

    economia . estadao . com . br/noticias/economia+geral-economia,banco-central-europeu-ve-recessao-bem-leve-em-2012-midia,105635,0 . htm

    FRANKFURT, 11 MAR – A zona do euro terá uma “recessão bem leve” neste ano e vai ter um crescimento modesto no próximo, disse Benoit Coeure, integrante do conselho do Banco Central Europeu, neste domingo.

    0
  • Cosmos 12 de março de 2012 at 00:08

    ESTOUROS AO REDOR DO MUNDO

    É claro que o que vem acontecendo no Brasil é apenas um capítulo de um processo internacional que já pegou muitos países, causado por liquidez exagerada, taxas de juros muito baixas por muito tempo (nos países desenvolvidos), liberalização de investimentos estrangeiros, otimismo desmesurado etc.

    Hoje, estava com um tempo livre e resolvi fazer uma pequena lista de estouros de bolhas imobiliárias ao redor do mundo. Há muitos outros países que não inclui por não ter encontrado notícias atualizadas (como Croácia etc), e outros que têm bolhas famosas prestes a estourar (Austrália, Nova Zelândia, Líbano etc). Os percentuais de queda nos preços são sempre significativos. Caso achem mais países e referências ao percentual de queda para complementar a lista, agradeço!

    A variedade mostra que nenhum país está imune a esses períodos de euforia, aos quais se seguem fortes correções.

    Bulgária (em 2009, com o estouro da bolha, os preços caíram em média 40%)
    http: // www . novinite . com / view_news.php?id=107241

    China (Xangai e outras, queda de, até agora, cerca de 25-30% nos preços de lançamentos)
    http : // shanghaiist. com/2011/10/26/is…sting_shan.php
    http://www . macrobusiness . com.au/2012…h-van-onselen/

    Dinamarca (queda de 19% em termos reais, com expectativa de queda de mais 10% nos próximos dois anos)
    http://www . globalpropertyguide . com/Europe/Denmark

    Emirados Árabes Unidos (Abu Dhabi e Dubai, quedas de 60% a 45% nos preços, respectivamente):
    http://www . businessweek . com/news/201…n-bailout.html

    Espanha (queda de cerca de 17% até agora, voltando aos preços de 2005)
    http://economia . elpais . com/economia/…74_850215.html

    Estados Unidos (em algumas cidades, queda de mais de 65% nos preços)
    http://www . dailymail . co.uk/news/arti…IVE-YEARS.html

    Irlanda (queda de preços já superior a 50%)
    http://www . globalpropertyguide . com/E…/Price-History

    Japão (queda de 80% nos preços em poucos anos, seguida de estagnação de preços)
    http://www.housingjapan . com/2011/11/…estate-prices/

    Portugal (queda já de 40% nos preços)
    http://www.jornaldenegocios . pt/home….S_V2&id=541305

    0
  • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:11

    Bolha, acabei de dar uma passada no blog do Observador e o contador está acima de 178.000 acessos…
    seria bem legal um gráfico e os acessos no seu blog….

    sei que faz pouco tempo que entrei, mas o blog tem dado muita força para minha sanidade, e acho que ajudará muitos outros que estão ilhados nesse mercado irracivel…

    a união faz a força…. e com certeza este blog nos une.

    0
  • EduLon 12 de março de 2012 at 00:20

    Sobre endividamento:

    “Um terço dos idosos de Curitiba está endividado”

    Depois dos financiamentos para compras, despesas com saúde e empréstimos para familiares são as principais fontes de endividamento dos aposentados

    http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1232197&tit=30-dos-idosos-tem-dividas-no-cartao-ou-consignado

    0
  • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 00:33

    Imagino o início de uma operação sanguessuga.
    Tentar incentivar ao máximo qualquer crescimento com o intuito de que não haja recessão nesse governo.
    Mas….posso até estar errado, mas ainda acredito no caráter da nossa presidenta, embora não seja nem um pouco simpatizante no pt.

    0
    • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 00:42

      Pois é…. se o Governo não começar a implantar o que faz a Industria produzir, duvido muito que segurem o rojão até o final do ano…

      Um governo sério – a) mexe em toda a tributação b) mexe em toda a distribuição de renda….

      não estou falando em isenções periódicas e muito menos de bolsas familia…. o buraco é muito mais embaixo…. precisamos cobrar de todos (vereadores, deputados, senadores) uma reforma séria, estruturada e profunda para que o $$$ seja aplicado de forma correta…. não adianta ter programa de transparência se o próprio povo adora levar vantagem em tudo…..

      não temos muitos representantes que tenham realmente CONDIÇÕES E TALENTO para fazer o que deve ser feito… o maior defeito do sistema capitalista, por sinal é isso, somos vendidos por quem paga mais por seus interesses particulares…. infelizmente (ou felizmente) não somos eternos, então acho que antes da humanidade acabar haverá uma melhora nas condições sociais ….Mas não se engane, sempre tem um espertinho criativo que consegue dar ná em pingo d’água.

      0
      • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 01:06

        Agora me responda se tem como acreditar no Brasil.
        Aqui em Brasília foi amplamente divulgado o fim do 14º e 15º “salário” dos deputados distritais.
        Entretanto, sorrateiramente, no mês passado eles aumentaram 77 % a verba idenizatória para gastar com divulgação, consultoria, locação de imóveis e de automóveis. Agora estão empurrando um projeto de lei que dá o direito a um carrão de luxo para cada parlamentar.
        Dizem, inclusive, que aqui eles usam os veículos para afazeres particulares, agora vai você, mero servidor público fazer igual…

        0
        • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 02:05

          Zé, no post anterior (sobre a queda dos preços em PA) coloquei um link de uma petição para a reforma do congresso… não vou postar de novo pois o link faz com que caia na moderação…

          mas dê uma olhada… se concordar engrosse a fila de assinaturas – já tem mais de 11.000, talvez a gente consiga acabar com a farra….

          0
          • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 10:57

            Boa….vou olhar!

            0
      • xyz 12 de março de 2012 at 11:32

        Disse tudo!

        Quando o governo dá uma casa para um pobre, na verdade está “tirando” do outro pobre que não vai ganhar a casa.

        Quando o governo corta o IPI de um setor, está prejudicando os demais.

        Este é o governo dos lobbys.

        0
  • MrK 12 de março de 2012 at 04:24

    Mais uma vez meus parabens ao Miguel, nosso Mister M., por todas contribuicoes! Principe dos sortilegios!!!

    Eu sigo mais focado no estranhissimo mercado de alugueis, o mercado que recebeu os investidores bolhudos sem sucesso (compraram pra repasse e nao conseguiram repassar). Continuo tentando entender, de longe, o que se passa no Rio, onde os anuncios de alugueis partem de R$4.000 + taxas para aps de 80m2 (bairros bons).

    O lado da oferta esta claro: Esses investidores cansaram de pagar condominio, iptu, e vao alugar pra tentar revender mais pra frente, perto de copa ou olimpiadas, baixar o preco jamais.

    O lado da demanda e’ que nao esta claro pra mim: Estao topando esses precos? Estao pagando? Negocios estao sendo fechados assim, alugueis de aps pequenos a R$4mil, R$5mil?

    Ainda nao cheguei a uma conclusao…

    0
    • Anonymous 12 de março de 2012 at 06:43

      Na minha opinião, o InvestiTolo pensa da seguinte maneira: Não deu para vender e ganhar com a valorização do imóvel. Então vou alugar e assim pagar a prestação do financiamento mais os gastos de manutenção e ainda tirar algum extra. Nessa maneira de pensar, o InvestiTolo esquece que ficaria mais barato para o potencial inquilino financiar um apartamento na planta e esperar alguns anos, fazendo exatamente como ele fez.

      0
      • MrK 12 de março de 2012 at 07:32

        anonymous, isso pra mim ta claro (a cabeca do investidor), o que nao esta claro e’ o outro lado: A Demanda

        estao topando? estao fechando nesses valores absurdos?

        isso que me intriga atualmente

        0
        • LG 12 de março de 2012 at 08:16

          Mrk,

          A verdade é que não tem demanda. Moro de aluguel pagando 2k (contrato antigo), no mesmo prédio tem 3 apartamentos vagos, pois as pessoas não aceitaram os reajustes bolhudos, estão pedindo 4,5k. O primeiro ap que foi desocupado está vago faz 3 meses, o porteiro comentou que a proprietária está aceitando negociar até 4k. O segundo ta no mesmo barco, mas só tem 2 meses no mercado. O ultimo, tadinho do proprietário, está ‘reformando’ para alugar por 5k… ta bom viu! Nesse caso, sei que o inquilino acabou indo para a barra… Parece que está tendo um êxodo da ZS.

          Como referência: 3qt, flamengo, vaga, 100m2

          0
        • Anonymous 12 de março de 2012 at 08:38

          MrK,

          O potencial inquilino pensa em continuar onde está morando por alguns anos e comprar um apartamento na planta do mesmo padrão daquele que o InvestiTolo está oferecendo. Com isso ele pagará menos do que o aluguel pedido pois terá que arcar somente com a prestação e custos de manutenção. Além disso, deve ser beneficiado com a queda nos preços de venda. Portanto, a demanda deve ser muito baixa e insuficiente para sustentar esses valores de aluguel.

          0
        • Carlão_RJ 12 de março de 2012 at 14:37

          MrK
          Não sei se ajuda na sua análise, mas um amigo alugou no Barramares, faz uns 3 meses, um 3q com 2 vagas na garagem por 3,5K mais 1,5 de condomínio. O apartamento tem vista para o canal atrás do condomínio e deve tem uns 110/120 m2, creio. Ele pesquisou na ZS e achou os preços absurdos e não aceitou pagar, embora tivesse grana. Não acredito que tenha mercado para esses preços, não.

          0
          • MrK 12 de março de 2012 at 14:46

            mas carlao pra quem trabalha no centro, barra é simplesmente inviavel, é viver no transito, não dá

            e alem do mais esse preco ai do seu amigo, que somando tá R$5mil, é beeem carinho heim? com isso dava pra pegar um ap menor na zona sul com uma vaga só, e fugir do transito!

            0
            • Carlão_RJ 12 de março de 2012 at 15:01

              MrK
              Prá ele valeu, pois trabalha na Barra. Isso pesou bastante, mas mesmo assim ele achou os preços da ZS impagáveis pelo nível de Ap que ele viu. A Barra prá quem vai pro centro está, a meu ver, micada, mas o caso dele é particular e ele está satisfeito com a escolha.

              0
    • Mineiro quer bolha 12 de março de 2012 at 07:35

      MrK, acabei de uma noticia que o governo vai usa o banco publico(BB e CAIXA) para reduzir os juros pela metade, vc ouviu fala essa noticia?

      0
      • GB 12 de março de 2012 at 07:44

        Se isso for verdade, aí é que o pessoal que paga 15% a.a. por 30 anos se mata ou vão ter que renegociar a dívida para tentar pegar os juros novos e menores, coisa que o banco não vai querer assim tão de boa.

        É uma medida desesperada para tentar manter os preços altos, se o mercado estivesse tão forte quanto dizem a relação “dívida x orçamento pessoal” estaria equilibrada, todos estaríam pagando sossegadamente e não teríam que fazer isso.

        0
        • DRN 12 de março de 2012 at 09:25

          Olha, é meio comunista e eu não gosto, mas eu já salvei uns dois ou três com isso aqui:

          Art. 6º São direitos básicos do consumidor:
          V – a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;

          Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que:

          IV – estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade;

          § 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a vontade que:

          III – se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se a natureza e conteúdo do contrato, o interesse das partes e outras circunstâncias peculiares ao caso.

          Em suma, considero bastante plausível a tese de que, em razão da redução dos juros do mercado (fato superveniente), a obrigação de quem fez financiamento a juros maiores revele-se excessivamente onerosa. A tese ganharia força num cenário de desvalorização imobiliária abrupta.

          0
          • Frank 12 de março de 2012 at 15:11

            tb acho q o Governo (por meio dos bcos públicos, e tb fazendo pressão sobre os privados) terá interesse em reduzir os juros dos financiamentos contratados, pois seria uma maneira de prolongar a sobrevida do modelo (ou minimizar uma eventual derrocada).

            eu ainda acredito q o Governo fará de tudo a seu alcançe (e é muita coisa, no Brasil) para suavizar a vida do devedor (prolongando dívida, reduzindo juros, isentando IR, etc), e promover uma socialização dessa tunga para a toda sociedade – ie, o poupador vai pagar parte da conta da imprudência financeira de muitos.

            é um pouco o q Menino do Rio fala: Brasil, endivide-se ou deixe-o.

            0
    • Riodetudo 12 de março de 2012 at 11:12

      Eu acho que não adianta sermos inocentes e pensar que não tem gente capaz de pagar 4k por um aluguel de 2qtos em Ipanema. É evidente que existe muita gente com grana alta e às vezes o cara prefere pagar logo isso e não perder mais tempo porque economizar mil reais pra ele não é nada.

      Porém, isso é a minoria. Só que a lógica do investidor burro de imóveis é “se o vizinho conseguiu, eu também consigo”. Daí, o sujeito fica um ano esperando ter essa sorte e gastando+deixandodeganhar uma boa grana. O negócio é ter paciência e escolher porque aparecem boas opções de aluguel. Teve anúncio de 3 quartos com vaga por 2 mil em Botafogo semana passada e no mesmo prédio por 3 mil. Precisa pesquisar, olhar com calma e aparece – enfim, um pouco diferente da bolha para venda, que se tornou uma epidemia.

      0
    • FQ 12 de março de 2012 at 12:02

      Conheço muita gente na Zona Sul e ninguém que conheço paga ou pagaria mais de 3 mil de aluguel (4 mil com condomínio e iptu).

      Acho que esse valor de 4 mil (condomínio + aluguel +iput) é um limite médio de mercado atualmente na zona sul, nos casos em que o proprietário pediu mais que isso, o apartamento foi devolvido pelo inquilino e ficou vago.

      Quem pode, de fato, pagar mais que isso, o que é raro, prefere sair do apartamento e buscar outra opção mais barata ou até mudar de bairro e poupar dinheiro, pois ninguém gosta de rasgar dinheiro e o retorno não valeria tanto a pena.

      Existe um valor e um custo de oportunidade e retorno para tudo. Morar em Ipanema é bom? Sim, Muito bom, mas acima de um certo valor não vale tanto a pena, melhor ir para o Flamengo que é perto do centro e poupar dinheiro. Pois além do aluguel, em ipanema, tudo é mais caro, da academia ao sorvete.

      Além disso, famílias que possuem renda para pagar mais que esse valor (3mil) são raras e grande parte já possuem apartamentos próprio.

      0
      • Menino_do_Rio 13 de março de 2012 at 09:54

        Imóveis nos bairros da Z. Sul do Rio são cases inexplicáveis de liquidez com rentabilidade. É um misto de caos nos transportes e a beleza das praias que poderiam justificar a valorização dos imóveis da ZS.

        0
        • FQ 13 de março de 2012 at 11:34

          Menino,

          As praias da Zona Sul já eram (e são) bonitas á décadas e este fator sempre esteve precificado nos imóveis…Obviamente não justificam o aumento recente, como algo recém criado ou descoberto.

          Pelo contrário, as praias nos últimos anos ficaram mais sujas, cheias e quentes! Muita gente tem preferido entrar de sócio em clubes ou mudar para condomínios com infraestrutura pensando nos filhos!

          0
    • Vinícius 12 de março de 2012 at 13:18

      Todos temos que morar em algum lugar. Se não tenho imóvel próprio, tenho que comprar um ou alugar. Se o preço para comprar está caro demais, teóricamente, valeria a pena alugar. Se o aluguel está caro demais, teoricamente, valeria a pena comprar. Mas a realidade do mercado está muito distante disso. O que acontece na Zona Sul é que tanto o aluguel quanto o preço de venda subiram muito nos últimos anos. Muito mais do que a renda. Então, não vale a pena alugar porque está caro demais e não dá pra comprar porque está caro demais. Reultado: pessoas sendo expulsas da Zona Sul e indo para Tijuca. Pessos sendo expulsas da Tijuca e indo para o Meier. Pessoas sendo expulsas do Meier e indo para …… É a especulação imobiliária mostrando suas garras e interferindo diretamente na organização da cidade, elitizando as áreas próximas ao Centro e ao Porto Maravilha (Zona Sul, Tijuca e São Cristóvão). A Barra vem em segundo plano (o m2 custava o mesmo que em Botafogo e Flamengo em 2010. Hoje a Barra está mais barata que qualquer lugar da Zona Sul). O resto é subúrbio. Mas até regiões como Madureira, Del Castilho e Campo Grande estão em alta forte.

      0
      • Frank 12 de março de 2012 at 15:18

        bom resumo.

        o RJ tem uma peculiaridade agravante, pois há pouca oferta de áreas moráveis (na leitura da classe média alta) com acesso ao Centro (em menos de 1h).

        estamos falando basicamente da ZS.

        a (falta de) mobilidade urbana matou a Barra (ali na virada do fina dos 90 para 2000) como prolongamento natural desse perfil sócio-econômico.

        e então, esses demadantes passam a reavaliar áreas antes tidas por degradadas (ou esquecidadas), como Copa, Botafogo, Flamengo… q são as 1as opções óbivias, pois o GAP era menor, mas também Catete, Glória, Lapa, etc.

        e tb a Tijuca, ex-área nobre (renda média igual a de Ipanema nos anos 80), vem recebendo parte desse demanda q não quer ir p/ a Barra, e não consegue morar onde gostaria (ZS boa).

        0
        • FQ 12 de março de 2012 at 15:38

          Não existe esse papo de “aqui é diferente”, ou que “temos uma peculiaridade em tal local”.

          Trabalho numa empresa com gente de todo canto do Brasil, e todos têm o mesmo discurso. Em Santos é diferente por causa do Pré sal, Paraná por causa da Renault, Zona Sul pela praia, Tijuca pelas upps, Na Barra pelas olimpíadas, em Resende pela fabrica da votorantin, até em Barra Mansa dizem que é diferente pela falta de espaço físico.

          A maioria desses motivos já existiam a 10 anos atrás e não podem justificar a alta de 2010, ou seja, não são novidades ou um precificador recente.

          A zona sul do Rio sempre foi perto do Centro da cidade e sempre teve praia. Em Copacabana não existe mais terreno vazio a uns 30 anos! O metro do Flamengo e o aterro já existem a 20 anos!

          0
      • FQ 12 de março de 2012 at 15:30

        Quem vai morar em Ipanema e Leblon então?

        Vão importar inquilinos?

        Pois, a oferta de apartamentos vazios e a venda só tem aumentado!!!

        As famílias da classe A, potencias moradoras desses bairros, não podem pagar os atuais preços.

        As famílias da classe AA já possuem imóveis próprios na zona sul ou onde preferem morar. Quando compram é para investir, não para morar!

        Não adianta correr, imóvel não é papel, nem ativo virtual de carteira, imóvel é, antes de tudo,
        uma residência e precisa de um morador!

        0
  • GB 12 de março de 2012 at 07:33

    Como já foi dito, pegar empréstimo bancário significa ter $$$ hoje para antecipar uma compra que poderia se feita no futuro, mas pagando um preço alto por essa “bondade” do banco.

    Eu gostei de um apê com preço bolhudo de R$ 180k, ficaria bem mais perto do trabalho e economizaria tempo e gasolina.

    Fui ao banco para financiar os R$ 80k que faltavam, mas fiz as contas e notei que teria que devolver R$ 240k para o banco, então um valor que eu poderia pagar hyper-sossegadamente em 5 anos, ou menos, teria que ser obrigatoriamente, segundo o gerente, financiado em 15 anos.

    Eu fico imaginando daqui a 5 anos o gosto amargo de saber que a dívida já poderia ter sido quitada mas que teria ainda mais 10 anos a pagar e quanto $$$ foi jogado e ainda será jogado fora nisso.

    Eu toquei nesse assunto do longo prazo com o gerente, ele disse que eu posso antecipar os pagamentos sossegadamente, mas aí graças aos juros eu precisaria de 10 anos, pelo menos.

    E outra, mesmo antecipando eu tenho que pagar a taxa de administração e os 2 seguros obrigatórios, o que mostra que isso só existe para tirar $$$ do povo mesmo, onde já se viu pagar 2 ou mais taxas de administração no mesmo mês ou pagar por 2 seguros que só visam garantir o imóvel do banco e que depois de quitado não vai valer nada.

    Resolvi continuar pagando aluguel, meu gerente sempre diz que estou fazendo a coisa errada, que “aluguel é $$$ jogado fora”, mas eu sempre digo que assim tenho mais liberdade, posso negociar os aumentos, que estou poupando a diferença, que ela está rendendo a meu favor e que “juros, taxas e seguros bancários também são $$$ jogado fora”.

    E a propósito, para aqueles que dizem que a bolha não existe: 3 meses depois e aquele apê legal ainda está a venda, mas de R$ 180k já com desconto, não me lembro qual era o preço FULL, agora o proprietário está pedindo R$ 165k e a imobiliária vive me ligando para ver se retomo o interesse nele.

    Mas eles têm outro pequeno problema também gerado pelo estouro da bolha: se este era o único apê no prédio a venda, de um mês para cá já apareceram outros 2 apês lá a preço de R$ 160k cada, agora eles têm concorrência.

    Eu vou esperar chegar a R$ 140k, até lá guardo mais um pouco, o que eu já tenho rende mais um pouco para mim também e vou acabar financiando esse valor menor como crédito pessoal, para não ter tantas taxas de vistoria, seguros e outras bobagens escondidas.

    0
    • GB 12 de março de 2012 at 08:18

      kkkkkkk, comportamento típico de investidor: o cara vê que o vizinho está vendendo um apê igual ao dele a R$ 200k, fica todo contente e continua com o dele fechado pois acha que ainda vai aumentar.

      Aí ele toma um susto e uma “injeção de realidade” vendo que esse mesmo vizinho reduziu o preço para R$ 165 e ele já se desespera e põe o dele a venda por R$ 5k a menos para tentar vender mais rápido e passar a perna no outro, mas aí aparece um segundo investidor seguindo o mesmo raciocínio e piora a situação geral deles.

      Dá vontade de chamar essas 3 criaturas para uma conversa e perguntar qual deles faz por R$ 140k ou menos.

      0
    • FQ 12 de março de 2012 at 11:33

      GB,

      aluguel não é dinheiro jogado fora, juros sim!

      Vivi caso semelhante e fiz as contas. No caso do meu financiamento, somente o valor dos juros embutido nas parcelas era igual ao valor do aluguel, ou seja, somente a parte de juros que compunha o valor da prestação mensal era do valor do aluguel, fora a parte da amortização.

      Sendo que eu teria que pagar este “aluguel” (juros) para o banco por 30 anos.

      Financiamento no Brasil é a maior furada, exceção apenas para o programa Minha Casa Minha Vida e seus subsídios para classe baixa, claro, fora isso, os juros são absurdamente alto e 30 anos de juros a 12% ao ano sufoca e mata sua saúde financeira!

      0
  • Xarles 12 de março de 2012 at 07:56

    Colegas Bolhudos, bom dia!

    Apesar de nunca ter postado, acompanho o blog assiduamente faz um bom tempo.

    O nível dos comentários realmente é muito alto, fato que ajudou a não entrar numa dívida monstruosa durante trinta anos. Confesso que quase fui contaminado pelo pavor de nunca mais poder comprar um imóvel, mas ainda bem que digitei “bolha imobiliária” no google no início de 2011.

    Pois bem, morei em Brasília durante nove anos e fui transferido para Sete Lagoas, cidade que fica a 70 km de BH. A cidade é muito bacana, tem quase 300 mil habitantes e muitas indústrias de grande porte instaladas. Gosto muito de Brasília, porém, não gostava de pagar caro para morar em um AP com ótima localização mas com estrutura pífia. Nem garagem eu tinha. Em BSB, antes de me mudar, tinha acabado de receber a proposta de renovação do aluguel. Eles estavam pedidndo 1800k por um AP de 60m, com uns 40 anos de uso.

    Comprar um AP então, nem pensar. Eu e a minha esposa somos servidores concursados e temos um razoável padrão de vida, porém, uma prestação de 5k (por 30 anos) certamente abalaria nossas finanças.

    Tive a oportunidade de mudar de Estado e não pensei duas vezes, afinal, sou de BH e minha família (pais e irmãos) mora bem perto.

    Na nova cidade estou morando em um AP de 110m, duas vagas, área de lazer, novinho em folha. O AP é lindo, diga-se. Estou pagando 1200k, o que é caro para os padrões da cidade.

    Existem vários anúncios de aptos à venda aqui na cidade. Tem um bairro novo com vários prédios novos e com muitos anúncios de aluguel e de venda.

    Essa semana me chamou a atenção em um prédio vizinho ao que atualmente resido. Liguei e eles estavam pedido 460k. Enviei um e-mail falando que este valor estava muito caro. Para minha surpresa, veio a resposta:

    Prezado XXXXXXXXX, boa tarde!

    O preço do apartamento de código I00623, o proprietário estava pedindo R$ 460.000,00, mas com a urgencia para a venda, abcabou de baixar para R$ 420.000,00.

    Gostaria de saber com mais detalhes o perfil do imóvel que procura, para lhe passar outras opções.

    Att.
    Corretor.

    Enviei outro e-mail dizendo que me aceitaria pagar 400k e agora o pessoal não para de me ligar.

    Por fim, tive que encerrar a conversa informando que esperaria o preço baixar mais, pois 400k ainda está muito caro. O corretor quase chorou.

    Resumo da ópera: a bolha vai estourar geral, até mesmo no interior. Quando o AP chegar na casa dos 350k começarei a pensar no assunto.

    Abs a todos.

    0
  • Mais um novo pobre 12 de março de 2012 at 08:00

    Começo a desconfiar de que a tese da bolha, por mais fundada em evidências que esteja, seja geograficamente restrita a certos mercados relevantes, em termos geográficos e materiais.

    Em outras palavras: há bolha no mercado de apartamentos novos, comprados para revenda por investitolos. Na minha cidade, isso ocorre, em especial, na Barra.

    Não haveria bolha em apartamentos antigos em bairros como Ipanema, Leblon, Gávea e Jardim Botânico. Aqui, haveria procura constante, limitação de espaço, e um mercado relativamente normal (ainda que normalizado a preços absurdamente altos).

    0
    • RD85 12 de março de 2012 at 08:21

      Caro amigo pobre,

      encaminho a atualização dos estoques de imóveis usados na Zona Sul (RJ):

      Quartos Oferta em 28/10/2011 Oferta em 01/03/2012
      1 1737 2112 (+22%)
      2 3508 4316 (+23%)
      3 4849 5935 (+22%)
      4 2331 2970 (+27%)
      NI 99 54
      Total 12524 15387 (+23%)

      Bairros “Destaque”:
      Botafogo +10%
      Copacabana +18%
      Flamengo +16%
      Gávea +84%
      Humaitá +25%
      Ipanema +41%
      Jardim Botânico +21%
      Lagoa +38%
      Leblon +37%
      Leme +30%
      São Conrado +50%

      Fonte: Zap Imóveis

      Vale destacar que segundo o presidente do Semnoçãovi-RJ, corroborado pelo Cirilo, o número de imóveis com número de quartos “Não Informado (NI)” despencou quase pela metade, refletindo o forte aquecimento do mercado imobiliário.
      A projeção para 2012 é que os “NI” sejam rapidamente vendidos, chegando a 0!

      0
      • GB 12 de março de 2012 at 08:25

        “Presidento do Semnoçãovi”, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

        Eu tenho visto muita declaração deles sendo postada aqui, todos dizendo que não existe bolha, que o povo tem que ser mais camarada e ajudar mais as construtoras a terem lucros, eu até entendo que eles estão distorcendo a realidade visando resguardar seus associados.

        Eles sabem o que está acontecendo, só não querem que aconteça.

        0
      • GB 12 de março de 2012 at 08:29

        O sol quente e a sunga vermelha cravada do Cirilo animador de piscinas está afetando o cérebro dele.

        Alguém tem que dizer para ele que as coisas não estão tão perdidas assim, que surgiu uma segunda oportunidade de carreira para ele: vendedor de salgados.

        0
        • Ploc Monster 12 de março de 2012 at 09:46

          Acho que ele esta com medo de a sua nova função de vendedor de salgados ser um fracasso, visto que se a coisa ficar feia a nova crasse mérdia nem salgadinho mais vai comprar. Olhe lá se enrolar umas bolinhas de queijo em casa mesmo para a festinha das crianças !

          0
      • Chapolin 12 de março de 2012 at 10:19

        Uns 750 imóveis entrando no mercado por mês! Cadê o equilibrio oferta/demanda?! Não me espanto. Domingo conversei com uns amigos em Laranjeiras e ouvi estórias que já havia escutado por aqui. Eles contaram que alugaram um apartamento por lá de uns conhecidos. Cerca de 10 meses depois, o proprietário pede o imóvel para colocar para vender. Eles tiveram que sair, e o apartamento continua para vender 1 ano em meio depois….

        0
    • Rodrigo 12 de março de 2012 at 10:16

      Mas os apartamentos novos da Barra da Tijuca custão menos da metade do valor de Ipanema, Leblon, Gávea e Jardim Botânico! Se os valores desses bairros baixarem a Barra vai continuar “valendo’ mais da metade dos preços praticados na Zona Sul. Imagina Leblon custando 300k e a Barra 150k

      0
  • marvin 12 de março de 2012 at 08:39

    Ontem peguei um panfleto na rua sobre o condomínio que estão fazendo ao lado do shopping abc (antigo mappin em Santo André), e estavam anunciando um “desconto” de até 113K!!! engraçado, se o desconto é de 113K, por quanto estavam vendendo aquilo??? E quem fechou negócio antes??? imagino o neguinho vendo uma bmw indo para o espaço kkkk. Se comprou para investir, aí que se f… mais ainda…

    0
    • xangai 12 de março de 2012 at 10:25

      opa .. mais um do ABC..

      Para quem conhece esse “empreendimento” eh facil lembrar que ja lancaram ha ano pelo menos… e continuam sempre com “ultimas unidades”.
      Vai ficar igual outros que vc deve conhecer com metade ( ou mais ) das luzes sempre apagadas a noite.

      0
  • marvin 12 de março de 2012 at 08:53

    Brincadeiras a parte, talvez a história se encarregue de mostrar a responsabilidade de cada um (acho meio difícil, pois a história no brasil é contada pela esquerda, e jamais vão assumir a culpa…).
    Enfim, temos o FHC, que, apesar dos defeitos, legou a Lei de Responsabilidade Fiscal, privatização de empresas que só davam prejuízos e serviam de cabidão, o plano real, e o incentivo para que as pessoas NÃO comprassem a prazo, mas guardasse o dinheiro para comprar à vista (eu era pequeno e não lembrava disso, quem me recordou foi um metalúrgico aposentado, e, aqui, neste singelo conselho, talvez resida a maior virtude de FHC…).
    Depois, veio o pt, que logo de cara comemorou a “festa da democracia” ao lado de fidel castro kkkk, e como não tinha nenhum plano, resolveu fazer tudo para “acelerar” a economia, inclusive usando empresas públicas (bancos e a petrobras), fazendo jorrar dinheiro do céu, incentivando as pessoas a gastarem, dando crédito “farto”… Nossa, como ninguém nunca pensou nisso??? logo se tornou um modelo de presidente, de eficiência, sendo festejado mundo afora… Só que a hora que a merda voar no ventilador, os maiores prejudicados serão, obviamente, seus principais eleitores, e, aí, os intelectuais voltarão para seu mundinho, ficarão quietinhos e esbravejando contra o consumismo capitalista… E dá-lhe mst invadindo esqueletos vazios… o brasil irá passar por maus bocados, infelizmente…

    0
    • GB 12 de março de 2012 at 09:15

      Faço minhas as palavras de um sábio colega de repartição pública: “No final eu posso até me ferrar, mas tem gente que vai se ferrar muito mais.”

      0
    • Anonymous 12 de março de 2012 at 09:28

      Para quem viveu durante PLANO CRUZADO, já sabe que vem INFLAÇÃO das grandes pela frente, ou talvez já tenha até mesmo iniciado. O plano cruzado também incorporou milhões de cosumidores no mercado em tempo relativamente curto sem nenhuma relação com o aumento da renda.

      0
      • Vivendo de Aluguel 12 de março de 2012 at 10:58

        Sim, com certeza.

        A inflação do Brasil sempre devido à oferta pouco elástica, portanto a taxa de juros era utilizada para controlar consumo, evitando a inflação “galopante” do passado. Pouco elástica entenda como, qualquer aumento na demanda não era acompanhada por aumento na oferta, mas sim por um aumento nos preços. Exemplo: sempre que o governo reduzia juros, ao invés do consumo aumentar, o que aumentavam eram os preços e o consumo ficava no mesmo patamar.

        Agora, com a abertura do mercado, podíamos contar com os importados para manter os preços mais comportados no país e aumentar um pouco o consumo.

        Com a restrição às importações através de aumento de IPI, cotas e outros absurdos que querem implementar associado ao crédito sem controle + queda na taxa de juros, o governo já usou tudo o que tinha para tentar ativar a economia (sem a menor responsabilidade).

        Resultado: os preços aumentaram como no passado e o país não ganhou nada, cresceu míseros 2.7%
        Um pouco de livro de história para essa cambada que está aí (Tombini, Mantega e equipe) não faria nenhum mal.

        0
    • DRN 12 de março de 2012 at 09:39

      Para começar a arrumar a casa tinha de acabar com a farra da previdência pública (federal, estadual e municipal) e diminuir os encargos para empregar as pessoas. Veja notícia do Valor de 06.01.2012:

      Agravou-se em 2011 o déficit do regime de previdência dos servidores federais, uma das principais fontes de desequilíbrio das contas da União. O Valor apurou que o déficit cresceu 10% e encerrou o ano em R$ 56 bilhões. A despesa com o pagamento de benefícios a 1,1 milhão de aposentados e pensionistas do Judiciário, Legislativo e Executivo, incluindo militares, se aproxima de R$ 80 bilhões. Enquanto isso, a receita com a contribuição previdenciária dos servidores foi inferior a R$ 25 bilhões. As contas do regime próprio de previdência dos servidores constituem uma preocupação constante para o governo. O déficit de R$ 56 bilhões é bem maior que o esperado para o Regime Geral de Previdência Social (entre R$ 34 bilhões e R$ 36 bilhões), que transfere mensalmente benefícios a 25 milhões de pessoas. Com o dinamismo do mercado de trabalho, a arrecadação do Regime Geral teve crescimento significativo, a ponto de reduzir o déficit em cerca de R$ 10 bilhões em relação a 2010.

      E se algum funcionário público vier dizer que contribuiu e blá, blá, blá, manda o cálculo atuarial do sistema aí para comprovar que as contribuições de 1,1 milhões de aposentados sustentam os 80 bilhões de gastos. Isso só no âmbito federal.

      0
      • Cicero Silva 12 de março de 2012 at 11:01

        Essa é fácil de responder: Até 1992 não se cobrava previdência dos servidores federais. Era zero!. Depois passou para 6%, hoje é 11%. Sobre tudo. Então temos uma leva de aposentados que não contribuiram ou contribuiram pouco (não por culpa deles, mas culpa do próprio governo, que nunca arrumou a casa).
        A arrecadação citada é somente da parte cobrada dos servidores! Se entrar a patronal (parte do empregador – governo), praticamente zera o déficit. Outra: o que o governo quer é que, a partir de agora, o servidor contribuia com 11% até o limite da previdência e – após esse valor, o servidor, querendo, contribui com mais 8,5% com o governo entrando com o dobro!. Ora, é, em síntese, praticamente a mesma coisa de hoje, onde já se paga 11% sobre tudo (na verdade o servidor contribui mais hoje do que com a atual proposta). Mais uma: pegue qualquer administradora de plano privado de previdência e veja o que você pode conseguir com 35 anos de contribuição – sem a parte patronal, não esqueça!.

        A questão mesmo é quem vai “administrar” o fundo.

        Particularmente, queria o mesmo tratamento da iniciativa privada: que o governo entrasse com a patronal (paritária, nada de dobro) e permitisse que eu investisse no fundo de previdência que escolhesse.

        Mais aí é pedir demais: liberdade com o meu dinheiro de aposentadoria? Nunca, mané!

        0
  • Anonymous 12 de março de 2012 at 09:16

    O seguinte arquivo Excel, mostra o total de unidades (apartamentos ou salas comerciais) lançadas nos últimos anos pela Camargo Correa Desenvolvimento Imobiliário.

    ccdi . riweb . com . br/ccdi_Institucional/download.aspx?id=220553

    2011 – 2091 (último lançamento em Agosto/2011 em Curitiba)
    2010 – 8157
    2009 – 3293
    2008 – 7275
    2007 – 4230
    2006 – 571

    Está nítido que a farra acabou, pois o número de lançamentos RETROCEDEU para ANTES DO INICIO DA BOLHA.

    0
    • Anonymous 12 de março de 2012 at 09:23

      Essa empresa bananense tem “land bank” – chique no úrtimo 😉

      Com o intuito de facilitar a visualização de seu land bank, a Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário inova e disponibiliza ao mercado um arquivo Google Earth.

      ccdi . riweb . com . br/ccdi_Institucional/download.aspx?id=218762

      0
  • Oliveira 12 de março de 2012 at 09:39

    Bom dia, pessoal.

    Alguém está monitorando os lançamentos para este ano aqui na Tijuca?

    Meu ap não vai comportar o 3o filho que está chegando até o fim do ano. Estava pensando em me mudar para Jacarepaguá. Mas me ocorreu que, assim como estão alugando bons imóveis lá por preços BEM acessíveis, dado o número de unidades entregues recentemente, isto poderia acontecer aqui na Tijuca também até o fim do ano.

    O que vcs acham da ideia?

    []

    0
    • Rodrigo 12 de março de 2012 at 10:30

      Se vc concorda com os preços dos alugueis em Jacarepaguá peça mais desconto porque vc gasta-lo na gasolina, carro, pedágio, psicólogo…

      Tijuca é bem diferente que Jacarepaguá!

      0
      • Oliveira 13 de março de 2012 at 12:46

        Rodrigo, os acessíveis a que me refiro são unidades de 1a locação da Calçada Construtora (q é diferenciada em relação às demais).

        Me refiro a Freguesia próximo da subida da serra para não pegar o transito interno de JPA.

        Imóvel de 4 quartos com 2 suítes não mto grande (110 m2), um dos quartos é praticamente qto de empregada, infra total etc, cozinha Todeschini, blindex nos banheiros, pronto pra morar: R$ 2000,00.

        Na Tijuca só dá pra alugar 3 qtos caindo aos pedaços com este valor. Mas tb aqui os lançamentos ainda não ficaram totalmente prontos, por isso queria monitorar a entrega de unidades este ano.

        []s

        0
    • Rodrigo 12 de março de 2012 at 10:43

      Oliveira,
      Eu tenho acompanhado e posso afirmar que os preços dos lançamentos não estão abaixando. Também estou na mesma situação e já pensei em comprar na freguesia, mas a distãncia e o transporte público precário, desanima…….por enquanto vou continuar aguardando…..

      0
      • Rodrigo 12 de março de 2012 at 10:55

        Quanto ao transporte público tem a obra do BRT:

        h ttp://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1047133&page=999

        h ttp://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1134205&page=999

        h ttp://www.cidadeolimpica.com/transportes/

        mas não acredito que resolverá, mas quem sabe!

        Segundo o ZAP imóveis, os preços dos imóveis na Freguesia deram um salto, principalmente nesses dois meses sabe o motivo?

        0
  • Mais um novo pobre 12 de março de 2012 at 10:05

    A Tijuca, sendo a Concal, é o novo Leblon.

    0
  • Cai Cai Balão 12 de março de 2012 at 10:18

    Relato fresquinho sobre redução nos preços de alugueis (conversa de elevador).

    Subíamos eu, um anima..(ops, corretor) e uma possível interessada num apartamento para alugar.
    A unidade vizinha a minha, que era alugada por R$1.500,00 há mais de um ano, ficou desocupada há quase um mês. Já pedem R$1.400,00 e continuam reclamando que o preço é alto.

    Trata-se de um 2/4 em Belém/PA (Batista Campos). Próximo daqui, alugam 3/4 a R$1.600,00 com condomínio incluso.

    Se as últimas batalhas serão travadas no campo do aluguel, já podemos testemunhar algumas baixas.

    0
  • Mais um novo pobre 12 de março de 2012 at 10:24

    Segundo as construtoras cariocas,

    A Tijuca é o novo Leblon.

    O Leblon é a nova Mônaco.

    Ipanema é a nova Quinta Avenida.

    São Cristóvão (!) é a nova Montmarte.

    0
    • Leo 12 de março de 2012 at 12:10

      E o Brasil é o pais do futuro !

      0
  • R2 12 de março de 2012 at 10:35

    Nao sei se alguem viu mas… a Cyrela esta dando imovel mobiliado em porto alegre. A noticia passou em 3 segundos a TV acho que foi sexta ou sabado agora. Foi tão rápida que minha mãe comentou: “olha… estão dando mobiliado”… hehehe… e eu repliquei: “isso se chama desespero/desconto”… hahahah

    0
    • Laranja 12 de março de 2012 at 11:57

      Recebi 2 panfletos este fim de semana. Um é o mobiliado Cyrela, outro é da Rossi dando desconto nos imóveis do Humaitá… De 170 por 140 e poucos…

      0
      • Leo 12 de março de 2012 at 12:08

        Pode colocar os valores mais proximos ao real ? Quanto estava e quanto esta ? Qual a proposta ?

        0
        • Laranja 13 de março de 2012 at 08:11

          Apto 2 dorm. 53,36 m² de 183k por 149k. Inclusive tava na capa do ZH classificados de domingo.

          0
  • Leo 12 de março de 2012 at 10:35

    Pessoal, segue o screenshot da minha planilha de controle dos imoveis a venda nos bairros:

    Tijuca
    Copacabana
    Ipanema
    Botafogo

    Acabei esquecendo de coletar alguns meses em 2011 mas da p/ ter uma boa ideia do crescimento da ponta vendedora.

    0
  • Leo 12 de março de 2012 at 10:36

    Link:
    h t t p : / / img813.imageshack.us/img813/7726/screenshot20120312at102.png

    0
  • Ronald 12 de março de 2012 at 10:44

    Esse blog vai ficar na história principalmente pela divertida previsão e acerto do Miguel Jacó.

    0
  • Zoom 12 de março de 2012 at 10:49

    Tá aí o porquê do aumento do imóveis ao curitibanos.

    Trabalhador de Curitiba e região teve maior alta de renda no país, 36%.

    Na última década, o avanço salarial na capital e na região metropolitana foi de 36,4%, o maior das sete regiões pesquisadas pelo IBGE.

    Fonte: h ttp://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1232501&tit=Trabalhador-de-Curitiba-e-regiao-teve-maior-alta-de-renda-no-pais

    0
    • Bolha Imobiliária 12 de março de 2012 at 11:07

      O meu subiu 15% em 3 anos…é muito ?

      0
  • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 11:06

    Casa do filme ‘Esqueceram de mim’ é vendida por US$ 1,5 milhão
    Residência de três andares tem 14 quartos e fica perto de Chicago.
    Local foi usado como locação no longa de 1990, com Macaulay Culkin

    A casa onde o personagem de Macaulay Culkin é deixado para trás por sua família no filme “Esqueceram de mim” foi vendida por US$ 1,58 milhão, segundo informações do jornal britânico “The Guardian”.

    A residência de três andares fica perto de Chicago e conta com 14 quartos. Embora a intenção dos proprietários fosse conseguir US$ 2,4 milhões pelo imóvel, eles aceitaram um valor mais baixo nesta quinta-feira (8).

    No filme de 1990, Culkin, na época com 8 anos, interpreta Kevin McCallister, garoto esquecido em casa por sua família, que sai de férias. Sozinho, ele deve proteger sua residência de dois bandidos, vividos por Joe Pesci e Daniel Stern, que tentam roubar a casa. “Esqueceram de mim” foi dirigido por Chris Columbus e seu roteiro foi escrito por John Hughes, de “Curtindo a vida adoidado”.

    0
  • João Paulo 12 de março de 2012 at 11:13

    Acho que as coisas ja estão caindo….
    Entrei em contato com a Rossi para verificar a comprar de um apartamento de 2 quartos no Cristo Rei: 197.000. Depois, uma vendedroa entrou em contato comigo, falando sobre algumas “unidades promocionais” (ele quiz dizer encalhadas…), e me ofereceu uma unidade a 172.000 com mais um Bonus de 15.000 ao final do contrato caso ocorra o pagamento em dia.
    Acho que são sinais de que a coisa ja esta feia em Curitiba….
    Eu não sei de onde eles irão arrumar tanto comprador para tantos lançamentos que estão ocorrendo por aqui. É uma coisa sem noção…

    0
    • Eduardo 12 de março de 2012 at 13:00

      Avisa a corretora que tu esperar baixar mais… kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      0
  • tcr 12 de março de 2012 at 11:15

    Galera, a coisa tá ficando feia!

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1060303-bancos-elevam-valor-maximo-de-consorcio-de-imovel-a-r-700-mil.shtml

    tentativa desesperada de segurar as vendas

    0
  • Cicero Silva 12 de março de 2012 at 11:15

    Algo que vivi:

    Em julho/2011 resolvi pintar minha casa. Paguei, à época, R$ 200,00 a lata de tinta (depois de procurar na cidade inteira – 800 mil habitantes, capital). Agora, nessa semana, para cobrir alguns defeitos localizados, precisei de DUAS latas da mesma tinta. Pensei: “Não vou procurar nada. É pouca coisa. Na primeira loja compro”. Comprei as duas latas, lixa, rolo, suporte, espátula e pincéis. Paguei no cartão de crédito a importância de R$ 340,00! Depois a ficha caiu! Procurei a nota fiscal e estava lá: a mesma lata de tinta custa, agora, R$ 150,00 (sem pesquisa!).

    Minha leitura: se a tinta caiu de preço (25% de desconto) é porque a procura caiu. Se a procura de acabamento caiu é porque a construção desacelerou. Já é reflexo da baixa! Corrijam-se os entendidos (minha formação é matemática, nada de economia – ou português, como perceberam…)

    0
  • Luciano-ctba 12 de março de 2012 at 11:31

    É, parece que a fonte secou:

    A venda de apartamentos novos em Belo Horizonte caiu 39,91% em 2011 na comparação com 2010. De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil foram comercializadas 3.726 unidades; no ano anterior foram 6.201.

    Os imóveis com valores entre R$ 100 mil e R$ 250 mi0, cuja venda despencou 72,51%, foram os grandes responsáveis pelo resultado negativo. No ano, foram vendidos 899 apartamentos nessa faixa de preço e nenhum abaixo de R$ 100 mil. Segundo o Ipead/UFMG, o valor médio de vendas de apartamentos novos em Belo Horizonte aumentou 13,57% em 2011.

    Atrasos no Minha Casa, Minha Vida, menos lançamentos e valorização dos terrenos são apontados como os fatores que levaram à queda. Ninguém do Sinduscon comentou a pesquisa.

    A queda nas vendas aconteceu em todos dos tipos de apartamentos: acabado, na planta e em construção. Os imóveis entre R$ 250 mil e R$ 500 mil tiveram estabilidade, com alta de 0,89% nas vendas. Para imóveis acima de R$ 500 mil o resultado foi alta de 13,03%.

    Os lançamentos seguiram a mesma tendência e tiveram queda de 39,47%. Entre os novos imóveis colocados à venda, apenas a faixa de R$ 250 mil a R$ 500 mil teve aumento. Foram 1.587 unidades, 5,24% a mais do que em 2010. Já na faixa de até R$ 250 mil a queda foi de 67,38%.

    Fonte: http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=197700,OTE

    0
  • Menino_do_Rio 12 de março de 2012 at 11:34

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1060491-juros-para-pessoa-fisica-recuam-para-menor-nivel-desde-1995.shtml
    “Para o coordenador do trabalho e vice-presidente da entidade, Miguel José Ribeiro de Oliveira, estas reduções podem ser atribuídas a fatores como as medidas que o Banco Central e o Ministério da Fazenda vêm promovendo para incentivar o consumo e evitar que a economia se retrairia diante do cenário externo (crise na Europa).”

    Brasil do pt, endivide-se ou deixe-o.®

    0
  • Menino_do_Rio 12 de março de 2012 at 11:44

    http://www.infomoney.com.br/aluguel-de-imovel/noticia/2367261-valor+aluguel+residencial+sobe+fevereiro+capital+paulista+aponta+aabic
    “Os aluguéis residenciais na cidade de São Paulo subiram 0,11% em fevereiro, ante o mês anterior, variação superior à do IGP-M (0,06% no período).”

    0
    • Leo 12 de março de 2012 at 12:43

      Meu investimento relacionado a inflacao rendeu neste mes 1,39… e ainda tem coisa pela frente.

      BraZil do PT, aposte na inflacao ou chore no financiamento !

      0
    • Luiz 12 de março de 2012 at 16:42

      pelo menos deram a noticia corretamente desta vez

      pior qdo divulgavam que subiu 18%, mas esqueciam de dizer que a média dos contratos é de 36 meses.

      ‘em terra de cego que tem 1 olho é rei’
      competindo até nos ditados

      0
  • Eduardo 12 de março de 2012 at 11:50

    Um dos grandes fatores dos aumentos dos imóveis na região sul do RS (Rio Grande e Pelotas), pode- ser afirmar com certeza a construção naval ou (ilusão naval), sei lá, segue notícia do colunista da folha:

    Elio Gaspari: ‘Reapareceu mico da construção naval’
    Uma geração de brasileiros já pagou por dois planos fracassados, o terceiro vai pelo mesmo caminho (EG)

    Elio Gaspari*
    Jornalista

    Nos últimos 60 anos, a Viúva financiou três grandes planos de construção naval. Os dois primeiros, nos governos JK e Geisel, foram à garra. O terceiro, de Lula, vai pelo mesmo caminho. Se o rumo não for corrigido, uma geração de brasileiros será tricampeã de um mesmo mico.

    Em 2003, depois de 20 anos de estagnação, a indústria naval brasileira foi anabolizada (revitalizada, na linguagem oficial), tornou-se a sexta do mundo, um negócio de US$ 50 bilhões que emprega 45 mil trabalhadores.

    De cada 10 operários, 8 trabalham para encomendas da Petrobras. Tudo bem, mas um navio que custa US$ 60 milhões em Pindorama sai por US$ 35 milhões em outros países. Preço errado é veneno. Mais cedo ou mais tarde o mercado traz a conta. A Vale, que não é boba, contrata navios na China.

    O plano de JK foi à garra quebrando marcas de renome, como a Verolme e a Ishikawajima. Teve uma virtude: quem quebrou, quebrou.

    No governo Castello Branco, a professora Maria da Conceição Tavares viu o ministro Octavio Gouvea de Bulhões mandar a Verolme passear.

    Na ruína do plano dos anos 70, a coisa foi diferente. A Superintendência Nacional da Marinha Mercante garantiu empréstimos a estaleiros quebrados, eles não construíram os navios nem pagaram as dívidas. Passou o tempo e surgiu a expressão “papéis podres”. Designavam títulos garantidos pelo governo que valiam zero.

    De cada 10 operários, 8 trabalham para encomendas da Petrobras. Mas um navio que custa US$ 60 milhões em Pindorama sai por US$ 35 milhões em outros países. Preço errado é veneno. Cedo ou mais tarde o mercado traz a conta. A Vale, que não é boba, contrata navios na China

    No mandarinato de Itamar Franco, aceitaram-se esses papéis como moeda corrente para a compra de empresas estatais. Bingo, nascera a privataria. O banco Bozano Simonsen tinha algo como US$ 1,7 bilhão em “papéis podres” e seu dono, Julio Bozano, comprou a siderúrgica de Tubarão, a Usiminas e a Embraer. De náufrago da Sunaman passou a barão do aço. Hoje é o 960º homem mais rico do mundo, com US$ 1,3 bilhão. A Viúva vendeu patrimônio para quitar um plano ruinoso e, com dívidas ruins, empresários compraram estatais boas.

    Na outra ponta do balcão, aconteciam gracinhas: um dono de estaleiro, associado a um diretor da Sunaman, lançou um prédio na zona sul do Rio. Entre os compradores dos apartamentos, estavam dois diretores da superintendência e um ex-ministro.

    Graças à iniciativa de Lula, o Brasil voltou a ter uma indústria naval que constrói navios e plataformas para a Petrobras. O pedaço da grã-finagem que estava apensa aos negócios desse setor foi substituído por sindicalistas.

    O metalúrgico Luiz Sérgio, presidente do sindicato de Angra dos Reis, onde ficava a Verolme, tornou-se deputado, ministro da coordenação política e, posteriormente, da Pesca. Passou a arrecadar doações legais para suas campanhas no novo setor naval.

    Passados oito anos, mesmo com os juros camaradas do BNDES, os custos da indústria naval continuam altos. Um navio pode ser oferecido por US$ 80 milhões à Transpetro, enquanto outro, semelhante, é proposto à Petrobras por US$ 60 milhões.

    Um estaleiro que não cumpriu seus compromissos renegociou a dívida com o BNDES e fatura alugando suas instalações. No campo das gracinhas, a Polícia Federal, com a ajuda da Petrobras, estourou uma quadrilha de fraudadores de licitações de plataformas. Um gerente de reparos ganhou um Audi e duas viagens aos exterior. Aquilo que o PAC chama de estaleiro Jurong Aracruz, no Espírito Santo, ainda é um matagal.

    A joia da coroa dessa nova política foi a construção, em Suape (PE), do estaleiro Atlântico Sul, o maior do país. Em 2007, Lula assinou o contrato de encomenda de dez navios para a Transpetro, parte de um contrato de 22 embarcações, ao preço de R$ 7 bilhões. Era novo, tinha a apoio da Samsung coreana e o respaldo de grandes empreiteiras nacionais.

    Cinco anos depois, vai devagar, com serviços atrasados. Seu festejado “João Cândido”, lançado ao mar por Lula em 2010, continua lá, com problemas na estrutura. Quem sabia fazer navio era a Samsung, mas as empreiteiras deixaram-na com 6% do negócio. Agora o governo quer que ela controle o estaleiro.

    * Elio Gaspari, nascido na Itália, veio ainda criança para o Brasil, onde fez sua carreira jornalística. Recebeu o prêmio de melhor ensaio da ABL em 2003 por “As Ilusões Armadas”.

    0
  • Leo 12 de março de 2012 at 11:56

    Agora que a grecia direcionou o calota o foco vai p/ Italia ?

    E isso pq ainda tem as outras letras do porquinho ( PIIGS )

    http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/2367321-ibovespa+abre+pregao+queda+com+dados+negativos+china+italia

    0
  • FQ 12 de março de 2012 at 12:32

    Vocês já repararam que para cada região deste país ou para cada bairro das grandes cidades existe uma suposta justificativa das imobiliárias para defender que ali o caso é diferente?

    Copa do mundo, falta de espaço físico, praia bonita, metrô, Promessa Construção de alguma coisa qualquer…

    Todos pensam que descobriram o Edem escondido, descobriram que ipanema tem praia bonita, que copacabana tem metrô, que a Barra tem shopping center, como se essas coisas não existissem a 5 anos atrás…

    0
  • walyson Trautenmuller 12 de março de 2012 at 12:35

    A even está com descontos de até 36%, detalhe, noticiou ontem durante o fantástico.

    http://www.evenday.com.br/?gclid=CPyavrvX4a4CFYwj7AoddxdaaA

    0
  • GB 12 de março de 2012 at 12:49

    Apareceu mais um anúncio hoje (mais um) de um típico investidor que não está conseguindo pagar as prestações e vai acabar tendo que devolver o imóvel e perder o que pagou:

    “Vendo apartamento localizado no Ed. XXXXXXXXXX, R$ 20.000,00 de entrada + R$ 120.000,00 financiados pela CAIXA, apartamento em fase de acabamento, . . . blá-blá-blá . . .”.

    Pior que nem dá para ajudar essa criatura, tipo em fase de acabamento e só pagou R$ 20k, se pedir desconto nesses “vintão” ele vai acabar não recebendo nada.

    Esse vai acabar devolvendo e ficando feliz em não ter mais a dívida, esperto pra caramba.

    0
    • GB 12 de março de 2012 at 12:57

      Além de não receber nada ele ainda vai ter que pagar a comissão do corretor.

      0
  • GB 12 de março de 2012 at 12:56

    Esse é do tipo que eu gosto, o preço está menor, a pessoa está nas mesmas condições que a anterior mas já pagou um pouco mais:

    “Vende-se apartamento no . . . blá-blá-blá . . ., 42m², R$ 100.000,00 sendo R$ 40.000,00 de entrada e R$ 60.000,00 a transferir financiamento, . . .”

    Nesse já dá para pedir um belo desconto nessa “entrada” (lucro do investidor + comissão do futuro animador de piscina vendedor de “bolitas” de queijo), pena que o apê seja tão pequeno, o negócio é esperar que os de 60m² logo vão chegar arrebentando no mercado.

    0
  • Zoom 12 de março de 2012 at 13:00

    Dá-lhe crédito neles.

    Financiamento imobiliário cresce 22% em janeiro no país.

    Fonte: h ttp://www1.folha.uol.com.br/mercado/1060549-financiamento-imobiliario-cresce-22-em-janeiro-no-pais.shtml

    0
  • GB 12 de março de 2012 at 13:06

    “R$ 60.000,00 + transferência de R$ 78.000,00”

    “R$ 48.000,00 + transferência de R$ 87.000,00 com parcelas decrescentes de R$ 655,00”

    “apartamento bem localizado, R$ 100.000,00, preço imbatível”

    Eu ainda acho que um apê de 40m² (grande maioria das ofertas, o pessoal comprou pensando em ser o 2º imóvel e alugar mas está vendo que virou um pesadelo de 30 anos) devia custar uns R$ 90k aqui na região metropolitana de São Paulo, Zona Oeste, perto da Lapa, mas R$ 100k já é um preço legal pós bolha se pensarmos que se passaram 2 anos de inflação.

    0
    • GB 12 de março de 2012 at 13:12

      Ei, só uma pergunta, questão hipotética:

      Quando eles anunciam “R$ 48.000,00 + transferência de R$ 87.000,00” e uma imoBOLHAria vai a um “sanatório” e consegue alguém para tirar o problema das mãos do proprietario e “herdar” a dívida a juros altos, aí fica a pergunta: a comissão dela é sobre os R$ 48k ou sobre os R$ 48k + R$ 87k ?

      Se for sobre o preço total aí o proprietário vai notar que é para aprender e nunca mais investir em imóveis mesmo, assim como o pessoal que investia em linhas telefônicas e carros.

      PLOC, PLOC, PLOC !!!

      0
      • GB 12 de março de 2012 at 13:15

        Se bem que se eles estão pedindo R$48k, então já sabem que R$ 8k é do corretor.

        0
      • RPL 12 de março de 2012 at 19:53

        A comissão é sobre o valor do imóvel e não sobre o valor do ágio…

        0
  • Arbítrio 12 de março de 2012 at 13:22

    O cisco e a trave

    Escrito por Percival Puggina | 12 Março 2012
    Artigos – Economia
    http://www.midiasemmascara.org/artigos/economia/12885-o-cisco-e-a-trave.html

    Como pode a sexta economia mundial responder por pouco mais de um por cento do comércio internacional? Pois é. Como pode?

    “Por que vês tu o cisco no olho do teu irmão e não percebes a trave que há no teu próprio olho?”
    Lucas 6: 39-42

    Numa de suas parábolas, Jesus propõe a indagação acima para induzir os circunstantes a refletir sobre a própria conduta. A imagem contundente que usou pode ser aplicada, o tempo todo, às mais variadas situações porque, de fato, nossa atenção aos erros alheios é inversamente proporcional à que dedicamos aos erros que cometemos.

    Mas não é sobre moral ou religião que escrevo. É sobre o que está acontecendo com a economia brasileira neste momento em que começam a pipocar, aqui e ali, pequenos registros sobre o processo de desindustrialização em curso no Brasil. Quando comecei a falar nisso, ainda em 2010, em programas de rádio e tevê, as pessoas me olhavam como se uma ave de mau agouro tivesse pousado no microfone. Só faltava me dizerem – Xô! Era um tempo de euforias eleitorais, quando fazia parte do jogo afirmar que estava tudo muito bem, ainda que não fosse assim. Era um tempo em que o devidamente aparelhado IPEA cuidava de servir à mídia um indicador positivo por dia. Hoje, é a própria indústria brasileira de bens de consumo que proclama: está difícil exportar porque nossos preços não são competitivos e resulta impossível vender no mercado interno pois grande número de produtos importados chega às prateleiras com preços inferiores aos custos locais de produção.

    Cansei de advertir: a) que estávamos retornando ao perfil de país produtor de bens primários que tivemos na primeira metade do século passado; b) que voltávamos a ser meros exportadores de matérias-primas; c) que o Brasil não era valorizado lá fora como fornecedor, mas como mercado; d) que uma economia baseada na venda de commodities não paga bons salários para a massa trabalhadora e não gera desenvolvimento social sustentável; e) que, diferentemente dos Estados Unidos, nós não podíamos nos dar ao luxo da desindustrialização porque ainda obtínhamos notas de reprovação em desenvolvimento tecnológico. Pois mesmo diante desse quadro continuamos apontando cisco no olho dos outros. O culpado é o câmbio! Com esse dólar não tem jeito! O dólar e o euro estão sub-apreciados porque convém às exportações dos respectivos países! A culpa é dos ricos! A culpa é dos ianques! A culpa é dos outros! Eles não cuidam de seus desequilíbrios fiscais! Eles – oh, eles! – seguem a Lei de Gerson e querem vantagem em tudo…

    E a trave no nosso olho? Como pode a sexta economia mundial responder por pouco mais de um por cento do comércio internacional? Pois é. Como pode? Anote aí, leitor: mesmo com esse dólar, tivéssemos feito o que nos corresponde, conseguiríamos ser competitivos além das commodities (que compõem um mercado faminto, eminentemente comprador). No entanto, as traves no nosso olho são irritantes e causam cegueira. Com educação de baixíssimo nível; recursos humanos operosos mas pouco produtivos; transportes usando o modal mais caro e em más condições, sem ferrovias nem hidrovias; energia caríssima apesar de dispormos de fontes hidroelétricas em abundância; carga tributária chegando a 37% do PIB e um sistema oneroso de pagamento e controle; a maior taxa de juros do mundo; e por aí vai – como ser competitivo? Tudo que descrevi neste parágrafo é responsabilidade nossa e muito pouco foi diligenciado. É a trave no nosso olho. Tivéssemos feito o dever de casa, conseguiríamos ser competitivos e faríamos rodar nossa indústria mesmo com o dólar no patamar atual. Mas preferimos apontar o cisco no olho da Europa e dos Estados Unidos.

    0
    • FQ 12 de março de 2012 at 15:46

      Muito bom.

      0
    • Carlos Lopes 13 de março de 2012 at 10:28

      Arbítrio,

      Você conseguiu expressar com palavras o que sempre pensei a respeito deste país mas ninguém concordava. Estamos cegos diante dos nossos problemas e já conseguimos mais olhar um palmo a frente. Tudo neste país é extorsivo e opressor. Desde os comerciantes, que te cobram pelo que se pode pagar e não pelo valor do bem ou serviço oferecido, até os serviços essenciais oferecidos pelo Estado, que por não serem de qualidade te obrigam a pagar novamente pelo serviço privado. E os cidadãos acham isso normal!! Fico injuriado com esta situação, mas não vejo futuro para este país da Banânia…

      0
  • carlos 12 de março de 2012 at 13:52

    Mais gás para a bolha?

    http:// www 1. folha.uol.com.br/mercado/1060303-bancos-elevam-valor-maximo-de-consorcio-de-imovel-a-r-700-mil.shtml

    0
  • Brasileiro com orgulho 12 de março de 2012 at 13:58

    Site bem completo e interessante sobre o mercado imobiliario no mundo inteiro. Tem o valor médio do metro quadrado dos paises mais importantes do mundo. A titulo de comparação, acho interessante usarmos os valores médios dos paises em desenvolvimento.

    http://w w w.globalpropertyguide.com/

    0
  • Zoom 12 de março de 2012 at 14:24

    economia.estadao.com.br/noticias/economa brasl,a-historia-se-repete-pior,105662,0.htm

    “Na verdade, são duas coisas erradas. Lá,
    barato e sem mercado. Aqui, um
    absurdo com venda. A França pode estar barata, mas o Brasil
    está certamente muito caro. Tem outro exemplo recente: um amigo
    vendeu um quarto-e-sala em
    Copacabana, mas daqueles
    apartamentos que só têm vista para as
    paredes do prédio ao lado, e comprou
    um dois quartos-sala-cozinha ampla- vaga na garagem, com magnífica vista
    para o mar. E ainda colocou um troco no
    bolso. Pode?”

    Ploc?

    0
    • Zoom 12 de março de 2012 at 14:31

      “vista para as paredes”.
      Quem em sana consciencia adquiri um ap deste com valores estratosfericos.

      Ohhhh my GOD.

      0
    • Shakespeare 12 de março de 2012 at 15:16

      mas aí ele fez um milagre pq ele vendeu o ap pequeno pelo preço de hoje e comprou o maior pelo preço pré-bolha… ele voltou no tempo ou mudou de região?

      0
      • Indecoroso 12 de março de 2012 at 15:21

        Ahhh se eu tivesse um “capacitor de fluxo”…

        0
      • mauricio 12 de março de 2012 at 20:49

        errado, pelo texto colado acima, ele não diz ONDE foi que o cara comprou o apartamento novo.
        então ele provavelmente vendeu o ap de copacabana pra um banana idiota, e comprou algo no exterior, botou uma grana em dólar no bolso, deu um pé na bunda do brasil, e esta livre de uma maxidesvalorização do real

        0
    • Luiz 12 de março de 2012 at 15:23

      ainda assim França não e a melhor comparação pq ha uma bolha em Paris

      Pega irlanda, grecia, espanha, portugal, EUA ou Alemanha.
      Países onde não há bolha

      0
  • lrp 12 de março de 2012 at 14:24

    Pessoal, conversando com minha mae fiquei sabendo de um caso q quero compartilhar com vcs, o namorado da minha irma adquiriu um imovel na planta que deve ficar pronto no final do ano, trata-se de um imovel numa regiao nobre de BH, acredito q ele tenha uma boa renda pelo seus gastos e por ser autonomo e trabalhar muito, acontece q durante a obra ele esta pagando com uma herança recebida e minha mae falou q ele nao esta nem dormindo de preocupaçao pois tentou passar o imovel pra frente e nao conseguiu e o saldo devedor está alto, o condominio vai ficar pelo menos mil reais, e o gasto pra deixar o ap em condiçoes de morar é alto pois a construtora entrega o ap pelado. Imagino quantas pessoas estao nessas condiçoes. As pessoas fecharam negocio sem pensar e agora começam cair na real.

    0
    • Shakespeare 12 de março de 2012 at 14:47

      muitas, meu caro, muitas pessoas estão com esse problema e só tende a piorar!

      0
      • Luiz 12 de março de 2012 at 14:57

        a maioria,
        vão vender tudo o que tem pra honrar a dívida.

        irão se multiplicar os imoveis usados a venda no mercado, causando escassez no mercado do aluguel

        0
  • Shakespeare 12 de março de 2012 at 14:31

    uma corretora acabou de me enviar um e-mail falando que se eu comprar um apartamento ganhou um sensacional forno de micro-ondas.

    só não entendi se é por falta de dinheiro para dar outro prêmio melhor ou falta de vergonha na cara mesmo…

    0
    • Indecoroso 12 de março de 2012 at 15:18

      Como diz meu irmão: “haja bunda pra tanta pegadinha”…

      0
  • João Paulo 12 de março de 2012 at 14:32

    Pessoal,

    Qual investimento cujo rendimento esta diretamente relacionado a inflação? Estou a fim de colocar 1.000 por mês nisso.

    0
    • Vinicius 12 de março de 2012 at 14:37

      Tesouro direto NTN-B, cujos rendimentos são indexados à inflação.

      0
      • João Paulo 12 de março de 2012 at 14:41

        Valeu a dica!

        0
      • Tomaz 13 de março de 2012 at 08:56

        Aplico frequentemente em diversos tipos de investimentos, e me pergunto diariamente como fugir da inflação (o maior vilão do investimento, depois das taxas e IR cobrados). Cheguei a conclusão que, de forma geral, e considerando que a inflação que está aí não é a anunciada pelo governo (já deixei de acreditar nos índices oficiais desde fins de 2010), não há NADA que garantidamente vá cobrir a inflação.

        0
    • Zoom 12 de março de 2012 at 14:39

      Poupanca.

      0
      • Cai Cai Balão 12 de março de 2012 at 15:34

        Poupança, Zoom? Você só pode estar brincando, não é mesmo?
        Aquilo rende 0,5% a.m. + T.R. (que não reajusta PN). Além de tudo isso, o “investidor” ainda contribui para inflar ainda mais a bolha.

        Topo até perder dinheiro, mas não coloco meu dinheiro em poupança. Com juros caindo, continuo firme com CDB (0.81% da CDI e subindo) e Tesouro Direto (NTN-B Principal).

        0
        • Zoom 12 de março de 2012 at 16:50

          kkkk

          0
        • Vinicius 12 de março de 2012 at 19:37

          Esse cdb 81% do cdi é furada ainda mais com a selic caindo… Se quiser aplicar em cdb, procura uma corretora do tipo uma xp investimentos que vc consegue pelo menos um cdb acima de 100% do cdi… Essa corretora vende cdb de um monte de banco, inclusive do bradesco, itaú etc…

          0
          • Cai Cai Balão 12 de março de 2012 at 19:47

            Eu até tenho conta na XPi. Acabei optando pelo CDB do Banco do Brasil por conta da liquidez, apesar da baixa remuneração. Como é o resgate, nesses bancos que remuneram pra mais de 100% da cdi?

            0
            • Carlos Lopes 13 de março de 2012 at 14:34

              Cai Cai,

              O BB paga no mínimo 85% do CDI para qualquer cidadão e sem valor mínimo de aplicação.

              0
              • Bolha Imobiliária 13 de março de 2012 at 15:21

                Não…Acabei de sair de um teste com CDB, deu 81% pelo BB

                0
        • Guerreiro da luz 12 de março de 2012 at 21:52

          Dependendo do valor vc consegue até 97,5 do CDI num banco como o BB.
          Quanto ao investimento atrelado a inflação, eu gosto muito dos fundos do BB atrelados ao tesouro direto.
          A vantagem é que a carteira é diversificada, muito bem gerenciada e vc pode sacar a qualquer momento, sempre respeitando o d+3.
          Abs.

          0
    • Menino_do_Rio 12 de março de 2012 at 15:13

      Debentures BNDESpar, pode ser comprada pelo Itaú:
      https://bankline.itau.com.br/itautrade/AuxComum/main.htm?dados=BNDES%20PREFIXADA&tipo=A
      O vencimento será em 2016 e 2019.

      Como diversificação, afinal o BNDES não deve quebrar no caso do suposto ploc ocorrer antes do vencimento.

      0
  • Luiz 12 de março de 2012 at 14:37

    Faturamento da micro e pequena indústria cai 21,4% em um mês

    Ao todo, no primeiro mês do ano, as empresas de pequeno porte registraram receita de R$ 28,3 bilhões

    Concorrência dos importados prejudica as pequenas empresas

    O faturamento da micro e pequena indústria em janeiro deste ano na comparação com dezembro de 2011 apresentou expressiva queda de 21,4%.
    Sebrae de São Paulo.

    A queda na comparação com janeiro do ano anterior foi menor (3,2%).

    0
  • Etmso 12 de março de 2012 at 14:37

    Parece tendêncioso este seminário, mas a quem interessar.

    http://www.valor.com.br/seminarios/solucoes-de-financiamento-para-projetos-imobiliarios

    0
    • Amadeos de Sampa 12 de março de 2012 at 21:35

      O logotipo do seminario eh uma curva senoide apontando pra baixo. haha.

      Pegue na mao do Menino do Rio e bom seminario pra voces dois. Parece muito interessante.

      0
  • Rodrigo 12 de março de 2012 at 14:50

    Crédito imobiliário desacelera em janeiro e pode crescer 30% em 2012

    O sistema financeiro concedeu, em janeiro, R$ 5,68 bilhões em novos financiamentos habitacionais com recursos das cadernetas de poupança, o que viabilizou a aquisição ou construção de 33,7 mil moradias. O fluxo mensal de concessões caiu em relação a dezembro (R$ 8,23 bilhões), por causa do fator sazonal. Mas subiu 22% em relação a janeiro de 2011, informou a Associação Brasileira de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), entidade que representa as instituições financeiras captadoras de depósitos em poupança.

    O percentual reforça a expectativa de uma moderação no ritmo de crescimento do volume de contratações em 2012. Com exceção de outubro, em todos os outros meses de 2011, o volume mensal de novos financiamentos cresceu bem acima de 22% sobre igual mês do ano anterior. Em janeiro de 2011, por exemplo, o fluxo de concessões de crédito habitacional com dinheiro das cadernetas foi 61,4% superior ao verificado em janeiro de 2010.

    A Abecip projeta para este ano uma expansão de 30% no volume financeiro anual de novos contratos. Isso significa um ritmo mais moderado pois em 2011 o crescimento foi de 42% sobre o ano anterior. Frente ao de 2010, que chegou a impressionantes 65%, o aumento esperado em 2012 é ainda mais modesto.

    O presidente da Abecip, Octavio de Lazari Júnior, entende que 30% ainda é uma taxa expressiva. Ele diz que, após um período de fortíssimo crescimento, o fluxo de crédito habitacional com recursos da poupança no Brasil entra numa fase de crescimento mais sustentável. A desaceleração era esperada diante do aumento da base de comparação, explica. “Não dá para crescer 40% ao ano ou mais indefinidamente”, afirma.

    A Abecip não tem ainda dados consolidados mais recentes sobre o saldo dos financiamentos habitacionais oriundos da aplicação de depósitos em caderneta de poupança. O último dado disponível, apurado pelo Banco Central, indica que esse estoque estava em R$ 179,28 bilhões no fim de novembro de 2011. Considerando outras fontes, como o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), segundo maior fonte de recursos da modalidade, o saldo do crédito habitacional era de R$ 195,26 bilhões na mesma data.

    Desde então, esse valor já subiu, chegando a R$ 200,49 bilhões em dezembro de 2011 e a R$ 205,834 bilhões em janeiro de 2012. Comparando-se os saldos de dezembro de 2006 e de dezembro de 2011, enquanto o estoque de crédito como um todo subiu 177%, o saldo das operações de crédito habitacional se expandiu impressionantes 461%.

    Como proporção do Produto Interno Bruto, também houve um enorme salto nesses cinco anos. Em dezembro de 2006, o crédito à habitação representava 1,5% do PIB no Brasil. Em dezembro de 2011, essa relação atingiu 4,9% e, em janeiro de 2012, 5%, informa o BC. No mesmo intervalo de tempo, o total de crédito no Brasil saiu de 30,9% para 48,8% do PIB.

    O presidente da Abecip atribui tamanho crescimento, entre outros fatores, ao aumento da renda e do emprego no país. O marco regulatório do setor, aprovado em 2004, também fez a diferença, ao consolidar a alienação fiduciária como forma de garantia dos financiamentos imobiliários. Isso deu mais segurança jurídica aos bancos para emprestar, destaca.

    A aceleração do crédito habitacional também coincide com o fim, em 2008, do chamado FCVS virtual, apelido dado à possibilidade de os bancos contabilizarem como aplicações obrigatórias em poupança créditos que já não mais lhe pertenciam. Eram os créditos junto ao Fundo de Compensação de Variações Salariais (FVCS), fundo do governo que assumiu as dívidas deixadas por antigos mutuários do sistema financeiro da habitação em decorrência de subsídios implícitos dados pelos planos econômicos dos anos 1980 e 1990. A possibilidade de considerar esses créditos “virtuais”, que tinham sido vendidos com desconto para as massas falidas de instituições liquidadas pelo BC, liberava os bancos de uma parcela de suas aplicações obrigatórias em crédito habitacional. Quando começou a ser reduzido, em 2002, o FCVS virtual chegava a quase R$ 35 bilhões em valores da época.

    Valor Econômico, Mônica Izaguirre, 12/mar

    0
  • Luiz 12 de março de 2012 at 14:53

    Semana passada fiz uma pesquisa de campo com 2 imóveis vendidos no inicio do MCMV em 2008.

    É estarrecedor saber o que pode armar uma quadrilha formada por gerentes d(e) (c)aixa, construtora, imobiliaria, investidores e adminsitradora de condominio.
    Entender como age a mafia é entender como um imovel pulou de 75k para 150k em 3 anos.

    Até quem comprou na época boa hoje está sofrendo com a taxa de condomínio alta pra sustentar o esquema, os inadimplentes mancomunados com o sindico, que ta armado com a administradora, que ta ligado com a construtora, que por sua vez são da família dos invetidores e corretores. Dá até medo postar isso.

    Quando essa merda explodir vai voar bosta pra todo lado
    Cadê o MP, cadê os jornalistas? Cadê a lei?

    0
  • MrK 12 de março de 2012 at 15:05

    Quando nos perguntavam (meses atrás) a intensidade do estouro da bolha, sempre dizíamos que dependeria de alguns fatores externos, entre eles a situação geral da economia.

    Com esses números ruindo mês após mês, confesso que as chances de um ploc maior vão aumentando, hoje o único índice ainda de pé é o desemprego, mas ele é sempre o último a sentir o aperto.

    Se o desemprego piorar, aliado a esse momento fraco da industria e PIB ridículo, o ploc tem potêncial de ser devastador, em vez de 20%, como muitos esperam, podemos ver tranquilamente passar de 40%!!

    0
    • Luiz 12 de março de 2012 at 15:18

      MRK, eu e vc somos 2 dos +antigos do blog, devemos informar aos calouros do blog:

      Menos de um ano atrás “eles” prometiam, colocavam a mão no fogo, juravam que haveria valorização de 30% ao ano, quem em 5 anos o preço do imovel iria triplicar.

      Quem vai pagar essa valorização?
      Se a produção do país vem caindo mês-a-mês
      Até banana, gasolina e ferro estamos exportando menos.

      Não adianta imprimir dinheiro sem lastro Senhores. Isos é ilusão
      O grande boom vem aí.

      0
      • chapolin 12 de março de 2012 at 17:32

        Alguém podia resgatar as melhores “previsões” de aumento dos preços dos imóveis que estes corretores deixaram por aqui, já que agora eles só dizem que vai “estabilizar”.

        0
      • Roberto Cesar 13 de março de 2012 at 02:47

        Você quer dizer o grande “bust”.

        0
    • Murdoch 12 de março de 2012 at 16:10

      Eu tb frequento há um tempo, acho que pelo menos 9 meses. Sempre comentei aqui que o Governo ia gastar um arsenal pra segurar o que fosse possível e não deu outra. Acho que estão exagerando, mas…
      Eu ainda não tinha uma visão tão catastrofista quanto o MrK, mas com o que vem sendo feito já acho que o bicho vai mesmo pegar. E, depois que der a merda e a caixa preta estiver aberta vão começar as explicações. Poxa, mas não sabíamos que estava acontecendo isso ou aquilo e por aí vai.
      Só acho que ainda demora um bocado… EUA e Europa socaram dinheiro na economia que vão continuar entrando aqui por um bom tempo.

      0
      • Luiz 12 de março de 2012 at 16:32

        é vdade Murdoch, sempre tivemos respeitosas divergencias.

        eu achava que ia demorar até 2015, vc que poderia se prolongar indefinidamente, o Mrk dizia que já em 2013 a coisa ia começar a ficar feia

        Acho que nós 3 fomos atropelados, nenhum de nós imaginava que já em fevereiro haveria tantos indicadores negativos, a EVen dando desconto de 36% no intervalo do Fantástico.

        0
        • Shakespeare 12 de março de 2012 at 16:59

          E viva o profeta MJ que previu a data e quem daria a notícia!

          😀

          0
        • Pensativo 12 de março de 2012 at 18:18

          Luíz,
          alto lá. A EVEN está dando descontos de ATÉ 36%. É muito diferente que “descontos de 36%”.
          Não creio que ocorrerá no Brasil toda a hecatombe econômica que muitos falam aqui, porém tenho certeza que os preços dos imóveis estão atualmente descolados da realidade e voltarão lentamente ao preços “justo” nos próximos anos.

          0
          • Luiz 12 de março de 2012 at 18:24

            é vdde pensativo, não invalida a minha afirmação, mas é correto oq vc disse, o desconto pode ser menor que 36%.

            E o efeito psicologico de um desconto desses no horário mais nobre da TV brasileira?

            Conferi alguns dos descontos e vi que são reais, são descontos que eles vem dando desde o
            começo do semestre passado, acho q a Even é a empresa com mais juízo dentre todas as do Imob.

            Me coloco na situação do cidadão que pagou quase 1 milhão no Panorama e agora descobre que estão vendendo por ~700k. Que tal rasgar 300k?

            0
            • Pensativo 13 de março de 2012 at 02:00

              “Me coloco na situação do cidadão que pagou quase 1 milhão no Panorama e agora descobre que estão vendendo por ~700k. Que tal rasgar 300k?”

              Eu coloco a situação de maneira um pouco diferente. Há neste caso dois tipos de pessoa:

              – O que comprou para morar, como eu farei em um futuro breve. Neste caso o cidadão estará pouco preocupado se o imóvel valorizou ou desvalorizou, pois estará utilizando-o para moradia própria e de sua família. Se desejar vendê-lo no futuro, será para comprar outro imóvel, que possivelmente terá se desvalorizado também. Ou seja, se for para melhorar de moradia a desvalorização é até melhor que a valorização, pois naquela a diferença de preços para um imóvel superior tende a ser menor.

              – Já o que comprou para investir. Bem, neste caso o cidadão (leia-se investiTOLO) aprenderá duas lições bem úteis para futuros investimentos: ganhos no passado não implicam em ganhos no futuro e imóvel não é para amadores. Portanto, para este tipo de pessoa, eu quero mais que se exploda, azar o dele.

              Volto a afirmar que os preços dos imóveis cairão, simplesmente porque não há fundamentos econômicos e sociais concretos que justifiquem a triplicação dos valores que vimos quatro anos para cá. Neste caso, no mínimo 50% é gordura a ser queimada, porém ainda é um incógnita para mim de como será esta queima; será abrupta ou gradual? aposto as minhas fichas que variará de cidade para cidade, bairro para bairro. Exemplo: Em São Paulo/SP e Rio de Janeiro/RJ a queda será mais gradual e perdurará por anos. Já em Curitiba, Brasília, Salvador e Taubaté (rz rz rz rz) será como cachoeira depois da tormenta.

              0
  • Ploc Monster 12 de março de 2012 at 15:07

    Locomotiva emergente falha e reduz otimismo mundial

    Os recentes sinais de fraqueza econômica no Brasil aumentam uma preocupação crescente para a economia global: os mercados emergentes, que impulsionaram o crescimento mundial nos últimos anos, estão desacelerando.

    É uma grande preocupação em vista do fardo da crise da dívida europeia e da lenta recuperação dos Estados Unidos. Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul estão entre as economias dinâmicas que ajudaram o mundo a se recuperar da crise financeira de 2008.

    Desta vez, porém, não parece que elas terão o mesmo impulso, agora que lidam com problemas como moedas fortes, inflação, déficits e bolhas imobiliárias.

    “O esforço de carregar nas costas o peso do crescimento mundial começou a desgastar as economias emergentes”, disse o economista Eswar Prasad, da Universidade Cornell, que já deu consultoria de política econômica à Índia e outros países emergentes. “A capacidade dessas economias de contribuir para uma recuperação global está sendo testada.”

    As previsões de crescimento estão caindo em todos os países em desenvolvimento. Na segunda-feira, o primeiro-ministro chinês Wen Jiabao reduziu a meta de crescimento anual do país para 7,5%, depois de mantê-la em 8% desde 2005. Na semana passada, a Índia disse que sua economia cresceu 6,1% no último trimestre de 2011, o ritmo mais lento em dois anos. Os economistas preveem que o crescimento da África do Sul cairá para 2,5% este ano, muito menos que os 7% que o diretor do banco central do país, Gill Marcus, mencionou como meta um ano atrás, para tentar reduzir o alto desemprego.

    No Brasil, esta semana o governo informou que a economia cresceu cerca de 2,7% em 2011, menos de metade da taxa prevista pelo Ministério da Fazenda há um ano; e que a produção industrial caiu 2,1% em janeiro, a maior queda desde a crise de 2008. Além disso, o banco central reduziu o juro básico em 0,75 ponto percentual, um corte maior do que o esperado, para estimular o crescimento — o que também acendeu receios de inflação.

    Claro que a maioria das economias em desenvolvimento continua crescendo mais do que os EUA, a Europa ou o Japão. O investimento estrangeiro nos emergentes está se recuperando, e o aumento no preço das commodities deve ajudar o crescimento em países ricos em recursos naturais, como Brasil e África do Sul.

    “Os mercados emergentes ainda estão puxando o trem, mas é um trem que anda mais devagar”, disse Mohamed El-Erian, diretor-presidente da Pacific Investment Management Co., que administra cerca de US$ 1,3 trilhão em investimentos.

    Em 2009, ele foi um dos que cunharam a expressão “o novo normal” para descrever uma economia global onde os mercados emergentes iriam superar, consistentemente, o crescimento do mundo desenvolvido. El-Erian disse que sua teoria se sustenta, embora a responsabilidade recaia sobre os autoridades políticas da Europa para resolver a crise de dívida no continente e evitar que transborde para outras regiões.

    Mas já aconteceu uma importante mudança nesse conjunto variado que é o crescimento global. Em 2010, os economistas falavam de uma “recuperação em duas velocidades”, onde as economias emergentes disparavam à frente enquanto as ricas se estagnavam. Agora, ambas estão diminuindo. Em janeiro, o Fundo Monetário Internacional reduziu em 0,7%, para 5,4%, sua previsão de crescimento em 2012 para os mercados emergentes, feitas apenas três meses antes. O bloco cresceu 6,2% em 2011.

    Uma série de fatores explica a perda de impulso. A China está desacelerando deliberadamente para um ritmo de crescimento mais sustentável. Os fluxos de exportação para a Europa e os EUA estão caindo, assim como os fluxos de commodities para a China. Em alguns países pobres, reformas econômicas muito necessárias foram interrompidas, com base na expectativa de que as taxas de crescimento continuariam altas.
    [wsjamb1mar9]

    No Brasil, autoridades do governo culpam os EUA e a Europa por cortar os juros, enviando uma onda de dinheiro especulativo para essas regiões, supervalorizando o real e prejudicando a competitividade brasileira.

    Mas muitos problemas do Brasil são de origem local. Altos impostos, estradas ruins, burocracia extensa e corrupção endêmica tornam o Brasil um dos lugares mais caros do mundo para se produzir mercadorias.

    O resultado é que o setor industrial do país, cada vez menos competitivo, está morrendo uma morte lenta, enquanto seus exportadores de commodities e prestadores de serviços, como restaurantes e cinemas, estão indo bem. É uma tendência preocupante, pois a manufatura industrial é a área em que se criam bons empregos para uma população pobre e de baixo nível educacional como a do Brasil.

    Um desaceleração na China — o maior parceiro comercial do Brasil, África do Sul e outros exportadores de commodities — terá efeitos no mundo todo. A China compra minério de ferro e soja do Brasil; mais minério de ferro, e magnésio, cobre e outros metais da África do Sul, e carvão e cobre da Índia. Sem falar nos carros e artigos de luxo dos países ricos.

    A China cresceu a uma taxa média de 10% durante 30 anos — um feito que nenhum outro país jamais alcançou. Mas seu modelo de crescimento baseou-se demasiadamente em três pilares que estão agora sob pressão: exportações, investimentos em indústrias de capital intensivo e valorização dos imóveis.

    O banco de investimento japonês Nomura estima que as exportações da China em fevereiro caíram 15,2% comparadas com um ano atrás. Os preços dos apartamentos nas maiores cidades da China subiram tanto que se tornaram inacessíveis para a maioria da população, prejudicando o boom e criando dores de cabeça para os líderes.

    Agora, os líderes chineses deixam claro que os anos de crescimento acima de 10% estão chegando ao fim. A ideia é mudar para um crescimento que dependa mais do consumo doméstico. Isso pode dar à China uma base mais sólida para crescer bem no futuro. Mas gerenciar a transição e ao mesmo tempo continuar criando empregos será um desafio.

    A Índia é outra que está lidando com as consequências de um crescimento mais lento. Alguns analistas dizem que ela foi pega desprevenida por essa desaceleração, a qual tornou difícil para o governo cumprir suas promessas de gastos sociais e subsídios para combustíveis.

    A África do Sul também está escorregando para baixo das suas previsões de 4% de crescimento feitas no ano passado, prejudicada pela sua enorme dependência de exportações para a China. A produção mineral encolheu 13% em 2011, segurando o crescimento em 3%.

    “O desafio imediato que nós enfrentamos é não deixar a situação atual deteriorar”, escreveu na quarta-feira o ministro da Fazenda Pravin Gordhan, num editorial do jornal “Business Day”.

    0
  • GB 12 de março de 2012 at 15:55

    Eu cheguei há menos de 1 mês e estou espantado com o que está acontecendo.

    Eu tentei comprar um apê em dezembro passado e não precisava ser nenhum Einstein para notar que alguma coisa estava muito errada.

    Daí fazer uma pesquisa na internet e achar vocês foi algo natural.

    Hoje estou mais feliz pois tudo indica que o próprio mercado vai acabar se ajustando, sem essa do pessoal cheirar meia e achar que pode colocar o preço que quer.

    Eles podem muito bem continuar construindo aptos., dando empregos diretos e indoretos para um monte de gente, mas que o façam com preços justos.

    0
    • GB 12 de março de 2012 at 15:57

      kkkkkk, “indoretos” pegou mal, acho que criei uma nova palavra, leia-se “indiretos”.

      0
    • Shakespeare 12 de março de 2012 at 17:11

      GB,

      Veja bem: ninguém aqui neste blog e em lugar nenhum tem o poder de baixar magicamente os preços, muito menos forçar que as pessoas tenham bom senso e coloquem preços justos em seus bens, ainda mais se tratando de imóveis.

      O que as pessoas aqui fazem é uma análise consistente e embasada em fundamentos econômicos que permitem acertar, com certo grau de precisão, as tendências do mercado e o que está acontecendo atualmente com os imóveis.

      Você deve ler, entender o exposto e verificar se faz sentido, depois tomar suas próprias conclusões e definir como irá agir, dentro da sua realidade pessoal.

      Abs

      0
      • GB 12 de março de 2012 at 17:33

        Não sejam modestos, só nessa nossa espera o apê já caiu R$ 20k, em termos de finaciamento isso significa R$ 60k a menos para entregar ao banco.

        0
  • A.N.D. 12 de março de 2012 at 16:43

    Pessoal, tendo em visto a completa irracionalidade dos preços praticados atualmente, estou deixando a possível compra do imóvel para depois (depois da bolha rs).

    Atualmente possui cerca de 60 k aplicados numa cad. poupança. Estive olhando um investimento chamado LCI (Letras de crédito imobiliário) da Caixa Econômica Federal que, segundo a própria, não incide IR e, pelas minhas pesquisas, renderiam cerca de 1% ao mês.

    O que vocês acham desse tal de LCI? Vale a pena ou é furada?

    Aproveito para deixar os parabéns ao blog e comentaristas que, em sua maioria, parecem bem lúcidos nas mensagens.

    abraços

    0
    • A.N.D. 12 de março de 2012 at 16:45

      Corrigindo: Atualmente possui cerca de…

      Leia-se: Atualmente possuO cerca de…

      0
    • Bernardo 12 de março de 2012 at 19:17

      Hum… letras de crédito IMOBILIÁRIO.

      0
      • mauricio 12 de março de 2012 at 20:45

        me parece um excelente investimento colocar tua grana no mercado imobiliário com uma bolha gigantesca nunca antes vista neste país prontinha pra estourar ou já estourada…

        0
        • Davi 12 de março de 2012 at 21:16

          É um bom investimento sim. Estas operações tem lastro como garantia, ou seja, se der “&%$#@da” a garantia cobre o valor aplicado, mas por questão de honra eu não ponho 1 centavo em LCI e nem na POUPANÇA.

          São sim isentas de IR, mas pagam % CDI inferior … para aplicação de curto prazo até é uma boa caso o volume seja grande, caso contrário nem faz muita diferença.

          Há bancos grandes pagando acima de 100% do CDI para operações de longo prazo (a partir de 2 anos), são uma boa.

          Alternativa a LCI é a LCA (agronegócio), e meu chapa, 1% ao mês líquido não existe atualmente em operações indexadas ao CDI.

          0
          • Davi 12 de março de 2012 at 21:18

            Quis dizer que há grandes bancos oferecendo CDB´s de longo prazo e pagando acima de 100% do CDI.

            0
        • A.N.D. 12 de março de 2012 at 22:46

          Então Maurício, minha dúvida é exatamente esse: quais garantias a CEF dá para um investimento desses? Todo mundo fala em “cerca de 1% ao mês” mas eu gostaria de saber qual é a garantia desse percentual.

          Ex: o mercado imobiliário seguindo essa tendência de queda, como fica esse investimento? A CEF vai “bancar” os 1% ao mês?

          Sou completamente leigo em aplicações, por isso o tempo vai passando e eu deixo a grana na caderneta.

          abs

          0
          • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 23:04

            AND, as LCI são emitidas tendo como lastro a carteira de financiamento…. Lembrar que não é só dos 3 ultimos anos… é uma composição de toda a carteira de financiamento habitacional da CEF… Não lembro sobre a garantia de realização, mas sei que a CEF é a unica que podia emitir as LCI no mercado, devido ao grande volume que é característico dela, e tem garantia do Governo Federal…

            Como aplicação, sim é muito boa, mas a prazo superior a 24 meses, embora vc possa repassar a LCI (endossando), o grande forte é não ter IR.

            0
  • Zezinho 12 de março de 2012 at 17:06

    Pessoal, será que esse movimento de descontos que está iniciando (vide EVEN) será o Bull Trap?

    0
  • Carcará 12 de março de 2012 at 17:30

    12/03/2012 – 17h02
    Concessionárias criam ações para diminuir número de veículos em estoque
    Comente
    SÃO PAULO – No último fim de semana, concessionárias de todo país voltaram a investir em ações promocionais para atrair os consumidores.

    De acordo com o economista especializado em varejo automotivo, Ayrton Fontes, essas ações são reflexo da desaceleração das vendas nos meses de janeiro e fevereiro. Segundo ele, a queda aproximada foi de 17% no bimestre, se comparado ao mesmo período de 2011. “O desespero para a desova de estoques, hoje com mais de 40 dias, abriu uma verdadeira guerra de preços entre as marcas para tentar atrair o hoje inibido consumidor, atolado de dívidas do passado e sem muito ânimo para novas compras, principalmente de veículos e imóveis”, explica Fontes.

    Mercado ruim, boa oportunidade para o consumidor
    Segundo o economista, o momento está difícil para as montadoras, que, além de reduzirem drasticamente os preços, são obrigadas a subsidiarem as taxas de juros nos financiamentos com os bancos. “Este final de semana, anunciaram juros zero, de 0,49% e 0,99%, desde que com entrada de 50%”, conta.

    Fontes também conta que as concessionárias iniciaram uma nova operação financeira com as operadoras de cartão de crédito. Segundo ele, os consumidores já podem usar R$ 10 mil em 10 parcelas, para complementar a entrada no financiamento.

    Bom momento para o consumidor, que pode buscar descontos nas concessionárias. “As concessionárias, por sua vez, estão operando praticamente sem margem de lucro, além de estarem com altos volumes de veículos usados em seus estoques”, completa Fontes.

    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2012/03/12/concessionarias-criam-acoes-para-diminuir-numero-de-veiculos-em-estoque.jhtm

    0
    • Cleyton 12 de março de 2012 at 20:05

      “As concessionárias, por sua vez, estão operando praticamente sem margem de lucro”

      Nem a pau Juvenal, só cai nessa quem ainda acredita em juro zero.

      0
      • Pensativo 13 de março de 2012 at 02:07

        “As concessionárias, por sua vez, estão operando praticamente sem margem de lucro”

        É passou de 20% de margem para 15%. Praticamente zerou.

        0
  • Philis 12 de março de 2012 at 17:42

    Alguém além de nós percebeu que as empresas de Eike Batista são de papel…

    http : // not .economia .terra . com. br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201203121923_TRR_80972240

    0
    • realidade 12 de março de 2012 at 18:19

      Faz tempo…….hehehehe. Esse Eike vende sonhos e terrenos no Céu, e a chinesada cai bonito. É bilionário sem ter tirado uma gota de petróleo, apesar do papai dele ter deixado o mapa da mina da Banania, sr. Eliezer Batista……Capitanias-hereditárias……

      0
  • realidade 12 de março de 2012 at 17:42

    Esse Ricardo Amorim é um fanfarrão. Vai ser ufanista na casa da Mae Dinah. Acha que aqui na Banania é uma maravilha em todos os aspectos e não para de descer o cassete na Europa, EUA e Japão. Daqui a pouco ele tá trabalhando com o Franklin Martins. O que salva é o Mainardi que tira um sarro dele…..Jornalista-Economista, cujas previsões tão piores que a mãeDinah. Fora, pega o chapéu e se manda do Manhattan Connection

    0
  • Luiz 12 de março de 2012 at 18:13

    saudoso Marco Antonio o corretor mais idiota que já apareceu aqui, olha oi que ele falava:

    Marco Antonio disse:
    4 de outubro de 2011 às 13:12

    Jack, elas estão ocorrendo bem. Quando o imóvel já está pronto, é muito mais fácil a sua revenda. O que estava acontecendo a algum tempo atrás e que realmente ficou um pouco mais dificil é a revenda a curto prazo.

    Por exemplo: Você comprar um imovel residencial, e 1 mês depois você já o revende realizando um lucro de 20 a 30mil reais. Isso realmente estava acontecendo bastante e ficou mais complicado. Agora a revenda quando o imóvel já foi entregue continua firme e forte.

    0
  • Luiz 12 de março de 2012 at 18:16

    Marco Antonio disse:
    4 de outubro de 2011 às 14:53

    Fernando,

    Não existe diferença. Se for para consumidor final, ele vai usar o imóvel como moraida, se for para o investir ele vai revender na entrega das chaves(leia o que eu falei que as vendas de imoveis que acabaram de ser entregues estão a todo vapor) ou pagar o financiamento do imóvel com o aluguel recebido.

    0
  • Luiz 12 de março de 2012 at 18:18

    a melhor de todas promessa de 5x mais em 20 anos

    Marco Antonio disse:
    4 de outubro de 2011 às 15:14

    MrK,

    Volto a dizer, se o mercado a até pouco tempo atrás estava trabalhando com imoveis como investimento a curto prazo, isso só está se ajustando e voltando a realidade de que imovel é investimento de longo prazo. Imovel é patrimonio. Daqui a 20 anos o imovel que voce comprou hoje estará valendo 5 vezes mais. E por isso digo que as pessoas não vão parar de comprar e sim parar de especular em cima dele…

    0
  • Ghaspar 12 de março de 2012 at 19:08

    Em 2007 estava todo mundo na pindaiba , sem dinheiro pra comprar nem barraco de taipa, por 50 mil……..
    Em 2010, apenas 3 (TRES) anos depois estava todo mundo milionário , comprando apartamento de 500 mil………ou seja, a coisa não fecha…
    Conclusão: Vem merda grossa pela frente……

    0
    • mauricio 12 de março de 2012 at 20:23

      fale com a voz de lula, em alto e bom som:

      O EXPETÁCULO DU CRESCHIMENTO É OBRA DUPREZIDENTE

      “http://www.youtube.com/watch?v=GS0XggFyqK0&feature=related

      0
  • Amadeos de Sampa 12 de março de 2012 at 19:37

    Amigos da bolha,

    Comecei a acompanhar o blog desde Marco passado. Os que pensam iguais se atraem, e aqui no blog fiquei tranquilo pois apesar de remar contra a maré das opinoes da massa eu nao estava desacompanhado. O blog foi uma verdadeira terapia, pois alem de discussoes de alto nivel (nem sempre claro), informacoes interessante, links, sugestoes de livros, pude me divertir muito com os varios “experts” em economia como o saudoso Andre, e os corretores “animadores de piscina” futuros “vendedores de coxinha”.

    A bolha inchou ao seu maximo no ultimo trimestre do ano passado, levando a uma trava total do mercado. Agora depois do carnaval, eu nao esperava esse tsunami de noticias ruins que esta se desenrolando no Brasil! Tinha certeza que o ajuste viria, mas ele veio com forca muito grande. A manipulacao da midia, dos jornalecos (por favor, nao os chamem de Pasquim, pois esse merece o nosso respeito) que protegem interesses de poucos, nao consegue mais represar a verdade.
    Somos um triste pais pois perdemos uma chance unica de investirmos em educacao, em producao, em progresso. Foi muito dinheiro jogado no ralo, em tvs de plasma e varandas gourmet. Babaquices. Dinheiro desperdicado. que merda. que raiva que da.

    Gostaria muito de ajudar a espalhar o conhecimento acumulado nesse blog, pra que mais pessoas se interessem e entendam como funciona o basico de nossa economia. Coloquei no meu facebook 2 posts recentementes. Tive um like apenas. Pelo menos nao fui ofendido… essa eh a nossa amada Banania. triste e decadente.

    0
    • mauricio 12 de março de 2012 at 20:18

      concordo, também conheci o blog faz quase um ano, e realmente, agora o andre me dá saudades, ele que era um cara que há um ano atrás achava prematuro ou até descabido falar em bolha, queria ver a expressão na cara dele, então fui lá no blog dele, e dou de cara com isso: o indice fipezap de fevereiro. pô, é mole?!

      mas enfim, eu havia votado na enquete passada que demoraria uns 6 meses o estouro, e mesmo assim confesso que não achei que seria tão abrupto, estamos quase vivendo uma parada cardíaca imobiliária, agora é só ver o governo tentando usar o desfibrilador pra reanimar o paciente sem sucesso.

      imaginem como vai ser a nossa crise cambial daqui alguns anos? com essa agora imobiliária, numa velocidade de decadência dessas, eu imagino que a maxi venha ainda antes da copa

      PS: o captcha code desse post começa com KY, coisa que muito corretorzinho vai precisar usar, e todo o populacho bananense também

      0
      • Amadeos de Sampa 12 de março de 2012 at 20:52

        Valeu Mauricio. Haja KY pra tanta trolha que vem por ai! haha

        Ah. olha so. achei esse video : vemos o corretor animador de piscinas (megafones na mao) e sua duas ajudantes, a que aparece no final eh impagavel. haha. eh o estouro da bolha.

        http:// youtu.be/uofZqYo8E6U

        0
        • Charles 12 de março de 2012 at 21:19

          hauhahuahuhuahua

          Eh pobrada da porra….(Nada com os pobres e sim contra os pobres de espirito)

          0
  • GB 12 de março de 2012 at 19:39

    São os milagres do crédito fácil.

    Os bancos pararam de ganhar $$$ fácil com taxas administrativas sobre aplicações atreladas à SELIC, tinham que achar um novo meio de ganhar $$$, a resposta é enfiar financiamento imobiliário na goela de todo mundo e fazer propaganda para que o povo ache isso um bom “investimento”.

    0
    • Andre Luiz 12 de março de 2012 at 19:51

      Falando em crédito, hoje saiu no globo que os pedidos de créditos em fevereiro de 2012 diminuíram cerca de 8,7% em relação ao mês passado e 13,3% em relação ao mesmo mês do ano passado.

      Sinal de que o endividamento tem aumentado e as pessoas não podem aumentar ainda mais suas dívidas.

      Tudo isso vai refletir nos preços. Nós estamos em março e as lojas de shopping ainda estão em liquidação, que geralmente eram só em fevereiro. Alguém aí já viu a redução de preço do Fiesta 1.6? A Ford diz que é promoção (pague 1.0, mas leve 1.6). Mas eu acho que ela não está vendendo nada e precisou abaixar os preços.

      0
      • Valdir 13 de março de 2012 at 10:09

        Como vai Andre,

        Meu cunhado trabalha na Ford, e estive na casa dele esse fim de semana.
        Ele me disse que estão trabalhando de Segunda a Quinta, Sexta ficam em casa, devido a uma reforma na empresa que vai até o meio do ano, para segundo ele começarem a construir um carro global, que sera exportado para o mundo todo, achei a conversa meio estranha.

        0
  • MCS 12 de março de 2012 at 20:11

    Achei em meus arquivos passados! O primeiro parágrafo, quando fala sobre os três anos que antecederam a diminuição dos preços dos imóveis nos EUA, é interessante!!!!

    Um rombo de 1 trilhão de dólares
    | 12.06.2008
    Livro mostra que a monumental dívida dos fundos de pensão americanos deve
    desencadear mais uma crise no país

    Publicidade
    Por Samantha Lima

    EXAME Os primeiros sinais da atual crise no mercado imobiliário americano
    foram solenemente menosprezados em meio a um inebriante ciclo de
    crescimento nos Estados Unidos. Há cerca de três anos, o preço das
    residências já galopava rapidamente e a inadimplência era um risco
    iminente. Hoje, a crise domina as mesas de operações, os departamentos
    financeiros das empresas e até a campanha eleitoral americana. Antes que se
    consiga ter a exata dimensão de seu efeito, porém, o prenúncio de outra
    crise financeira começa a surgir — mais uma vez, sem que ninguém se dê
    conta de seu potencial poder arrasador. Dessa vez, o risco é que empresas,
    prefeituras e governos não consigam pagar todas as aposentadorias que
    prometeram aos contribuintes nas últimas décadas. É o que prevê o
    jornalista americano Roger Lowenstein no livro While America Aged — How
    Pension Debts Ruined General Motors, Stopped the NYC Subways, Bankrupted
    San Diego and Loom as the Next Financial Crisis (“Enquanto a América
    envelhecia — Como o déficit nas pensões arruinou a General Motors, parou o
    metrô de Nova York, quebrou San Diego e desponta como a próxima crise
    financeira”, em tradução livre). Pelos cálculos de Lowenstein, os fundos de
    pensão americanos acumulam um rombo de mais de 1 trilhão de dólares. E a
    situação só deve piorar nos próximos dez anos, já que estimativas apontam
    que o número de aposentados no país deverá dobrar nesse período.

    Roger Lowenstein é autor de best-sellers de negócios nos Estados Unidos,
    como uma biografia do magnata Warren Buffett, Buffett — The Making of an
    American Capitalist (Buffett — A Formação de um Capitalista Americano,
    publicado pela editora Nova Fronteira). Especialista em dissecar os
    bastidores de empresas, negócios e governos, ele foi por uma década
    repórter do The Wall Street Journal. Hoje, colabora na revista dominical do
    The New York Times. Para construir a tese de que a próxima crise financeira
    americana virá do sistema de aposentadorias, Lowenstein buscou as causas e
    o legado deixado por três episódios de grande repercussão: a crise do fundo
    de pensão da montadora GM, os direitos abusivos conquistados pelos
    funcionários do metrô de Nova York e o colapso financeiro da prefeitura de
    San Diego, na Califórnia. Para ele, são casos exemplares de como se formou
    o déficit de mais de 300 bilhões de dólares nos fundos de pensão da
    iniciativa privada e de 900 bilhões nos do setor público. Trata-se de uma
    distorção que surgiu durante as negociações trabalhistas a partir da década
    de 70, em que os empregados pressionavam por pensões maiores e pela
    possibilidade de se aposentar mais cedo. Os empregadores inadvertidamente
    cederam, já que a conta garantiria a estabilidade nos negócios na época e
    só seria paga num futuro muito distante. O problema é que o futuro chegou —
    e o cenário não é nada animador. Grande parte dos fundos já está no
    vermelho e Lowenstein teme que seja simplesmente inviável pagar tantas
    aposentadorias a pessoas que vivem cada vez mais.

    O resultado, segundo o autor, é uma bomba-relógio prestes a detonar a
    capacidade de consumo de mais de 60 milhões de americanos que hoje recebem
    ou terão direito a receber aposentadoria. Nos casos explorados pelo livro,
    a bomba já explodiu ou esteve muito próximo disso. Para Lowenstein, a má
    administração de fundos de pensão ajudou a levar a GM à pior crise de sua
    história, abalou as contas do metrô de Nova York e provocou até a renúncia
    do prefeito de San Diego. A GM, por exemplo, enfrentava nos anos 70 ameaças
    freqüentes de greve. Os funcionários exigiam se aposentar aos 55 anos, com
    benefícios cada vez maiores. Com medo de ver a produção cair, a empresa
    cedeu na maior parte das vezes. O peso das pensões aumentou
    progressivamente, e quem pagou a conta foram os milhares de acionistas. Nos
    anos 90, a GM cortou os dividendos pela metade e, sem capacidade de
    investir, perdeu mercado para os japoneses e seus carros mais modernos e
    baratos. Nos 15 anos até 2006, a GM transferiu 55 bilhões de dólares para o
    plano de pensão dos aposentados — quatro vezes mais que os 13 bilhões de
    dólares pagos em dividendos aos acionistas. Hoje, a montadora ainda tem de
    lidar com o fato de que há dez vezes mais aposentados do que funcionários
    contribuindo para os planos. Nos anos 60, a proporção era oposta.

    While America Aged

    Editora
    Penguin, 288 págs.

    Autor
    O jornalista americano Roger
    Lowenstein

    “A América repousa sobre uma
    bomba-relógio de aposentadorias, e o
    problema se torna maior à medida que
    a população envelhece”

    Sucessivos prefeitos nova-iorquinos também sucumbiram ao medo de greves dos
    trabalhadores do metrô, capazes de gerar prejuízos de até 600 milhões de
    dólares por dia à cidade. Além de se aposentar cedo, os metroviários
    queriam garantir benefícios maiores do que os salários que recebiam na
    ativa. Em 2005, na mais traumática das greves, eles pararam a cinco dias do
    Natal — levando o prefeito Michael Bloomberg a acusá-los de “desonrar o
    conceito de serviço público”. Tanto em Nova York como em San Diego, as
    autoridades que lidavam com os sindicatos de trabalhadores viam na
    negociação uma forma de buscar apoio para suas ambições eleitorais e usaram
    as aposentadorias como moeda de troca. Em Nova York, a conta ficou para os
    cidadãos. Com o rombo da agência responsável pelo metrô chegando a quase 20
    bilhões de dólares, os preços das passagens aumentaram e os investimentos
    em novas linhas foram cortados. Em San Diego, a situação foi mais grave.
    Para camuflar a má situação das finanças da cidade, os prefeitos negociavam
    com sindicalistas maneiras de contribuir menos para os fundos prometendo
    aposentadorias maiores para o futuro. Descoberta a manobra, as agências de
    rating rebaixaram a classificação de risco da cidade. San Diego ficou sem
    crédito na praça e o prefeito Richard Murphy renunciou.

    O desfecho dos casos acentua a percepção de que há poucas saídas para
    enfrentar o futuro apocalíptico que se aproxima — mesmo porque o que já foi
    prometido pelos fundos de pensão, por lei, não pode ser revisto. Na GM e em
    outras grandes empresas, como a HP, a opção foi mudar o funcionamento dos
    planos de aposentadoria daqui para a frente — uma medida impopular, embora
    necessária. Os novos funcionários agora só levam para casa o que eles e a
    empresa conseguirem acumular. No setor público, os planos continuam
    exatamente iguais. Nova York, por exemplo, ainda não sabe como lidar com as
    obrigações crescentes com seus servidores. Em 2009, serão pagos 650 milhões
    de dólares em pensões aos metroviários — o dobro de 2005. San Diego também
    não reduziu o peso das aposentadorias, que consomem 26% da folha de
    pagamentos, ante 14%, em média, das cidades americanas. Para Lowenstein, as
    altas no mercado de ações nos últimos anos aliviaram um pouco o caixa de
    alguns fundos combalidos. Mas esses ganhos, que deveriam ser usados para
    compensar perdas, deram aos empregadores ainda mais disposição para
    negociar benesses.

    Embora preveja que o rombo nas pensões deverá afetar toda a economia, uma
    vez que as contas públicas entrarão em colapso e milhões de pessoas
    deixarão de consumir, Lowenstein está mais preocupado em apontar maneiras
    de proteger os aposentados do que em sugerir soluções para interromper a
    crise — que, para ele, é inevitável. Ele defende que o Congresso crie
    regras para coibir o reajuste nas aposentadorias e a redução de repasses
    para esses fundos. Para o jornalista, a única maneira de evitar o
    surgimento de uma legião de velhinhos desamparados é o país aumentar
    impostos para ampliar o sistema de previdência. Lowenstein evita atribuir
    aos trabalhadores parte da responsabilidade sobre a crise, já que foram
    eles que fizeram tantas exigências — sem considerar as conseqüências para o
    futuro. Ainda assim, a obra pode ser útil a quem quiser refletir sobre o
    que acontecerá se continuarmos a empurrar com a barriga a solução dos
    problemas da Previdência brasileira. Infelizmente, aqui como lá, as
    gerações futuras pagarão o preço.

    0
  • MCS 12 de março de 2012 at 20:24

    BAnco do Brasil quer quintuplicar carteira imobiliária em 5 anos, atacando quem ganha menos de R$5mil/mês. Será que vai fomentar ainda mais a bolha? espero que não!

    0
  • Ploc 12 de março de 2012 at 20:41

    Hoje vi que o prédio entregue em Jacarepagua (que estava todo vendido) tem há duas semanas uma mesinha com corretores logo na entrada do mesmo.
    Hoje resolvi perguntar:
    EU: Sr(a) pensei que tivessem todos vendidos o que aconteceu? Vejo que só 10% dos imovés tem luz durante a noite.
    CORRETORA: Na lata ela mandou: Ela respondeu, a maioria dos “proprietários” devolveram o imóvel para a construtora.
    EU: Estou esperando vender o meu (não tenho nenhum) para dar comprar um aqui.
    CORRETORA: Desculpa, acho que vai ficar dificil assim. a procura é muito grande e como o mercado está parado o seu deve demorar muito a vender. Quando voce conseguir vender já nao deve ter mais nenhum disponivel.
    EU: Ah! Tá. fui embora

    Agora entendo porque o predio está vazio.
    O que entendi também é que segundo ela o mercado de usado está parado mas o dela (que eu considero usado também pois já foi entregue a algum tempo) está muito quente.
    é triste.

    0
    • Anonymous 12 de março de 2012 at 22:12

      Ploc,

      Voce pode estar super-estimando a capacidade de um corretor em PENSAR. Essa pode ser simplesmente uma idiota (QI < 70) e nada além disso.

      0
    • Shakespeare 12 de março de 2012 at 22:38

      quando vc vai vender carro usado e comprar outro é igualzinho

      0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 08:03

      Agora entendi porque os predios tinham só 10% (sendo generoso) morando de fato e 3 plaquinhas de vende-se/aluga-se (Essas plaquinhas são dos que compraram e acham que ainda vão conseguir repassar para ganhando um ágio).
      O resto foi devolvido para a construtora e ela está com o pepino na mão. E obviamente não vai botar plaquinha de vende-se em cada um deles.
      Já perceberam que alugar por um valor que pague a prestacao do emprestimo não dá pois o local não comporta aluguel no valor pedido. E o proprietario agora esta competindo com os devolvidos ‘a construtora, ou seja, PLOC.
      Logo, predio vazio sem plaquinhas de vende-se ou aluga-se pode ser um indicativo de devolução em massa de unidades.
      Abraços

      0
  • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 22:13

    Pessoal de sampa, a even me mandou os vls dos aptos e respectivos empreendimentos….
    vem numa tabela, mas só deu pra separar listado…. é longo mas coloco para quem se interessar….
    tem alguns vls com até 1.300k de desconto……

    Empreendimento
    Bairro
    Região
    de
    por até
    Desconto de até

    Alameda Santos Offices
    Paraíso
    Sul
    2.150.000,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Allegro
    Jadrim Avelino
    Leste
    271.000,00
    221.000
    -18%

    Arizona 701
    Brooklin
    Sul
    835.600,00
    758.800
    -9%

    Arq Escritórios Moema
    Moema
    Sul
    538.000,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Art Pompéia
    Vila Pompéia
    Oeste
    517.000,00
    454.000
    -12%

    Atual Santana
    Santana
    Norte
    1.476.000,00
    1.010.000
    -32%

    Bela Cintra
    Bela Vista
    Centro
    EVEN DAY
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Cenário da Vila
    Vila Madalena
    Oeste
    749.000,00
    646.000
    -14%

    Club Park Butantã
    Butantã
    Oeste
    1.033.000,00
    837.000
    -19%

    Code Berrini
    Brooklin
    Sul
    399.000,00
    370.000
    -7%

    Code Campo Belo
    Campo Belo
    Sul
    700.000,00
    601.000
    -14%

    Concept
    Anália Franco
    Leste
    491.000,00
    388.000
    -21%

    Cube Campo Belo
    Campo Belo
    Sul
    522.000,00
    472.000
    -10%

    Diseno
    Campo Belo
    Sul
    343.000,00
    328.000
    -4%

    Design
    Campo Belo
    Sul
    2.050.000,00
    1.800.000
    -12%

    Fascínio Vila Mariana
    Vila Mariana
    Sul
    849.000,00
    632.000
    -26%

    Feel Cidade Universitaria
    Butantã
    Oeste
    284.400,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Giardino
    Jadrim Prudência
    Sul
    393.000,00
    299.000
    -24%

    Grand Club
    Vila Ema (SJC)
    São José dos Campos
    766.000,00
    580.000
    -24%

    Ideal Brooklin
    Brooklin
    Sul
    1.008.400,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Incontro
    Mooca
    Leste
    1.190.000,00
    901.000
    -24%

    Jd das Orquideas
    Taubaté
    Taubaté
    177.000,00
    152.000
    -14%

    Lessence
    Campolim
    Sorocaba
    1.074.000,00
    687.000
    -36%

    Level Alto da Lapa
    Alto da Lapa
    Oeste
    496.400,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Magnifique
    Anália Franco
    Leste
    4.113.000,00
    EVEN DAY
    Menos de 6.000/m²

    Moratta Vila Ema
    Vila Ema
    Leste
    287.700,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Mosaico Vila Guilherme
    Vila Guilherme
    Norte
    343.000,00
    317.000
    -8%

    Near Parque Santana
    Parque Santana
    Norte
    739.000,00
    596.000
    -19%

    New Age Michigan
    Brooklin
    Sul
    889.000,00
    796.000
    -10%

    Novità Butantã
    Butantã
    Oeste
    314.000,00
    Even Day
    Menos de 4.000/m²

    NY/SP
    Brooklin
    Sul
    357.400,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Panorama Vila Mariana
    Vila Mariana
    Sul
    1.027.000,00
    950.000
    -7%

    Park Club Jardim
    Jardim
    Santo André
    387.000,00
    290.000
    -25%

    Passione Due
    Freguesia do Ó
    Norte
    420.000,00
    357.000
    -15%

    Pateo Pompéia
    Vila Pompéia
    Oeste
    389.000,00
    Even Day
    -10%

    Praça Jardim
    Jardim
    Santo André
    387.000,00
    290.000
    -25%

    Praças da Lapa
    Lapa
    Oeste
    620.000,00
    528.000
    -15%

    Red Tatuapé
    Tatuapé
    Leste
    317.000,00
    269.000
    -15%

    Shopclub Guarulhos
    Vila Augusta
    Guarulhos
    217.000,00
    199.000
    -8%

    Shopclub Vila Guilherme
    Vila Guilherme
    Norte
    365.500,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Sophistic
    Campo Belo
    Sul
    4.665.000,00
    2.973.000
    -36%

    Spazio Vitta
    Vila Ema
    Leste
    264.000,00
    199.000
    -25%

    The One Klabin
    Klabin
    Sul
    2.291.000,00
    1.810.000
    -21%

    Timing Mooca
    Mooca
    Leste
    744.000,00
    596.000
    -20%

    True Klabin
    Klabin
    Sul
    619.000,00
    503.000
    -19%

    Veranda Mooca
    Mooca
    Leste
    1.579.000,00
    1.045.000
    -34%

    Vida Viva Butanta
    Butantã
    Oeste
    704.000,00
    Even Day
    -20%

    Vida Viva Parque Santana
    Parque Santana
    Norte
    637.000,00
    538.000
    -16%

    Vida Viva SÃO BERNARDO
    Centro
    São Bernardo
    672.000,00
    518.000
    -23%

    Villaggio Nova Carrão
    Vila Nova Carrão
    Leste
    254.000,00
    218.800
    -14%

    Vitrine Offices Pompéia
    Pompéia
    Oeste
    Even
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    Vivaz Vila Prudente
    Vila Prudente
    Leste
    404.000,00
    339.000
    -16%

    Window Belém
    Belém
    Leste
    267.200,00
    EVEN DAY
    EVEN DAY

    0
    • Felipe 12 de março de 2012 at 22:35

      Cara, tem que ser muito anta pra pagar R$ 900 mil pra morar na Mooca

      0
    • Shakespeare 12 de março de 2012 at 22:40

      Estão testando o mercado

      0
    • Amadeos de Sampa 12 de março de 2012 at 23:06

      o desconto referencia de 36.27% eh pra pechincha do dia.
      Sophistic Campo Belo Sul de 4.665.000 por 2.973.000 (=1.7M USD 1.25M EURO)
      Vou correndo comprar. Sera que ainda tem disponivel? tem varanda gurmê?

      0
      • Sol de Sampa 12 de março de 2012 at 23:09

        Não esquece do churrasco da laje….

        0
    • Andre 13 de março de 2012 at 08:41

      Na boa, continua MUITO caro. Onde já se viu pagar meio milhão num apto de 69m2…eu pelo menos vou esperar.

      Isso ai é aquela famosa liquidação em que a noite sobem 100% e de manhã dão 50% de desconto.

      0
  • Sir Income 12 de março de 2012 at 22:21

    Hoje vi um prédio em fase de acabamento. O mais interessante, tinham dois adesivos gigantes: um de vende e outro de aluga, ambos com o proprietário.

    O cara quer alugar antes de acabar a obra. Acho que a água ta batendo na bunda….

    Vou tentar filmar e colocar no youtube.

    0
  • Sérgio 12 de março de 2012 at 22:23

    Artigo antiguinho mas plenamente atual, além de (suponho) desconhecido da grande maioria dos bolhistas.
    Ainda: explicação irrefutável do que já está acontecendo, com detalhamento pormenorizado – em inglês:

    h t t p : / / people.hofstra.edu/jean-paul_rodrigue/jpr_blogs.html

    0
  • Charles 12 de março de 2012 at 22:57

    Há 1 ano o governo, analistas e midia sustentavam que a nova classe média emergente sustetariam a pujança imobiliaria no país. Querem ver em quem eles apostavam suas ficha?

    youtube.com/watch?v=NzloIHo-5uw

    Cá entre nós cambada, Voces conseguem enxergar essas pessoas negociando imoveis com racionalidade?

    Tirem suas conclusões!

    0
  • Anonymous 12 de março de 2012 at 23:23

    Lanchonete popular em AEROPORTO? Por que?

    Preço CONTROLADO? Por que?

    Primeira ‘lanchonete popular’ em aeroporto vai abrir em maio
    www1 . folha . uol . com.br/mercado/1060846-primeira-lanchonete-popular-em-aeroporto-vai-abrir-em-maio . shtml

    Na lanchonete serão vendidos 15 produtos com preços controlados. Um salgado, por exemplo, não poderá custar mais que R$ 3,20. Já o preço máximo do café será de R$ 1,60.

    0
    • Cleyton 12 de março de 2012 at 23:27

      Quando vi a reportagem pensei a mesma coisa, e quem vai controlar? Os fiscais da Dilma? Tomara que pelo menos sejam melhores que os do Sarney!

      0
      • Ze Bom Dirolo 12 de março de 2012 at 23:53

        Imagina a fila….

        0
    • Charles 12 de março de 2012 at 23:32

      A ultima vez que Dilma tentou controlar o preço de mercadorias, ela faliu uma loja de 1,99.

      0
  • Marcelo Arruda 12 de março de 2012 at 23:35

    É agora a Globo ta falando mais sobre o assunto.

    Chamada do Jornal da Globo – Brasil o país que teve o maior aumento nos valores de imóveis, no MUNDO

    Assistam o Jornal da Globo de hoje, vamos ver como vai ser a matéria, a chamada foi boa rsrs.

    0
    • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 00:34

      Olha a mídia batendo forte aí!!!!
      Prepara galera que vai começar….
      Uhuuuuuuuuuuuuuuu!!

      0
      • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 00:35

        Aeheheheheheheeh, A BOLHA FOI A CHAMADA DO JORNAL!!!!!!!!!
        A PERGUNTA: SERÁ QUE O BRASIL VIVE UMA BOLHA???
        Vamos ver o restante!!

        0
      • Pato 13 de março de 2012 at 10:31

        Cara, quando li esse comentário, a primeira coisa que me veio à cabeça foi um monte de corretores e “investitolos” dançando ao som de:

        (…)
        Bota a mão na cabeça(*) que vai começaaaaarr…
        O ReBOLHAtion, tion…
        ReBOLHAtion…
        (Repete indefinidamente)

        Foi ridículo, mas toda essa valorização artificial também foi ridícula.

        (*) Vão botar a mão na cabeça de desespero. E “rebolhar” bastante

        0
    • Marcelo Arruda 13 de março de 2012 at 00:35

      BOLHA no Jornal da Globo

      Bolha, acho interessante colocar essa matéria como topico.

      0
      • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 00:37

        Também acho: se não for matéria paga por construtora. Acho que não va ser não…
        vamos ver!

        0
        • Marcelo Arruda 13 de março de 2012 at 00:41

          Depois dessa chamada, na abertura do Jornal, se eles falarem besteira, vai ficar feio. Tambem acho que não é materia paga não.

          0
          • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 00:49

            Puta que pariu: especialistas falam que o preço dos imóveis no mundo vão cair!!!!!!!!!!
            RJ: copacabana se f……..metro quadrado por 9.600,00
            A quantidade de imóveis vendidos no Rio diminuiu 50%.
            Se tiver de repassar o imóvel as pessoas terão perdada de capital.
            Bom, foram esses os pontos principais da reportagem.
            Taí, Bolha, pode colocar como tópico no blog, pois foi excelente.
            Aquele abraço para todos.
            Quero ver quem vai comprar imóvel nessa merd……..!!

            0
            • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 00:52

              Desculpem a empolgação: é que continuo recebendo e-mail e telefonema de corretores, sempre dizendo: o momento é esse, vai comprar agora não… tu vai esperar um momento melhor, é? Os caras quase batem na gente pelo telefone….
              Ahahahhahaah

              0
          • Marcelo Arruda 13 de março de 2012 at 00:51

            Achei legal a matéria, mostrou os 2 lados, representante falando que tem quem pague os valores altos, e um economista dando a realidade que a pessoa vai ter prejuizo. Acho que eles jogaram a m*** no ventilador. Vamos ver a repercursão agora rsrs.
            Acredito que depois dessa matéria, muita gente (investidor) deve estar com o cabelo em pé rsrs.

            0
            • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 00:56

              Rapaz, de minha parte acho mesmo é que os investidores, principalmente do Rio, devem tar é com o c….na mão!!!
              Eehehehehe kkkkkkkkkkkkk.ahahahahaahahahah,
              Que bom: música para meus ouvidos..!
              Desculpem novamente a empolgação. Vou procurar me conter mais…

              0
              • Pensativo 13 de março de 2012 at 02:45

                Era o Ricardo Teixeira que mantinha os preços inflacionados no Rio. Agora que ele vai embora, está vendendo todos os seus imóveis na cidade.

                😀

                0
      • Paulo - RJ 13 de março de 2012 at 00:53

        Foi muito rápido,
        mostrou um representante do mercado imobiliário que disse que está alto porque tem quem pague e que 95% é de moradores (mais do mesmo)

        Depois o repórter disse que um levantamento de uma grande imobiliária carioca mostrou queda de 50% nas vendas dos imóveis em relação ao mesmo período o ano passado, concluindo que as pessoas já não estão mais dispostas a pagar pelos altos preços.

        E mostrou um economista dizendo que as pessoas já não estão dispostas a pagar este preço porque já sabem do risco do preço cair no futuro.

        Timidamente as coisa vão mudando.

        E depois um economista diz

        0
        • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 01:02

          Cara, veja: disseram que o país teve o maior aumento do mundo. Que muitos paises vivem uma bolha que tende a esvaziar. Que no Rio de Janeiro as pessoas não estão mais dispostas, em regra, a pagarem os preços pedidos e que aqueles que compraram com intenção de revender devem ter dificuldade e, possívelmente, perda do capital investido.
          É verdade que o dono lá da imobiliária disse que mais de noventa por cento dos compradores querem morar, mas qualquer pessoa de bom senso vai pensar, agora, vinte mil vezes em comprar imóvel. A bem da verdade, acho que no Rio a tendência é muito forte de estagnação!!!
          Assim, achei muito válida a reportagem. Ademais, veja que é o segundo Jornal de Relevo que trata da questão. Agora só faltam o JN e o Fantástico.

          0
          • Paulo - RJ 13 de março de 2012 at 01:19

            Guerreiro, os preços estão um absurdo. Boa parte das pessoas já sabe disso. timidamente a sociedade vai admitindo. Digo timidamente porque ainda tem muitos interesses envolvidos. Mas o caminho é sem volta. Os preços vão cair em 2012. Só não arrisco dizer em quanto.

            0
    • Carlão_RJ 13 de março de 2012 at 00:55

      Achei o mesmo blá blá blá de sempre. Aqui o link:

      h t tp:// g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2011/08/entenda-causas-do-crescimento-nos-precos-dos-imoveis-no-brasil.html

      0
      • Marcelo Arruda 13 de março de 2012 at 01:02

        Carlão, esse link é de 2011, a matéria de hoje ainda não esta no site.
        E não acho bla bla bla, afinal eles(globo) por poucas vezes falaram BOLHA imobiliaria.
        Levando em consideração a audiencia e o nivel desse jornal, acredito sim que as coisas estão mudando.

        0
        • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 01:05

          Sim, com certeza merece virar tópico no blog!

          0
        • Carlão_RJ 13 de março de 2012 at 01:08

          Ihhh!!, rapaz. Saí que nem uma besta atrás do vídeo que nem me dei conta da data. Então ignorem por favor e me desculpem.

          0
          • Marcelo Arruda 13 de março de 2012 at 01:10

            Carl”ao, ja coloquei o link correto la embaixo, valew. Abraços

            0
            • Carlão_RJ 13 de março de 2012 at 01:16

              Valew, Marcelo
              Já fui no link q vc colocou e assisti a matéria. Achei muito boa mesmo. A coisa tá mudando de rumo. Caramba!!, nem acredito.
              Abs

              0
  • Ze Bom Dirolo 13 de março de 2012 at 00:02

    Hoje tirei uma nota falsa em um caixa eletrônico.
    Brincadeira…..
    Até uma máquina tá tentando me enganar…só falta sair uma mão dali e passar a mão na minha bund…

    0
  • JohnnyRJ 13 de março de 2012 at 00:37

    O jornal da globo falou de bolha no setor imobiliário brasileiro que sofreu aumento absurdo no valor. Ainda evidenciou que poucos estão interessados em comprar… Vai falar mais ainda… Assistam…

    0
  • Sol de Sampa 13 de março de 2012 at 01:01

    Pessoal, pensando juntos –

    em 05/03 – a Globo anuncia a bolha no Bom Dia Brasil
    em 12/03 – anuncia no Jornal da Noite
    então complementando….

    em 19/03 – o anuncio vai ser no Jornal Hoje
    em 26/03 – vai para o JN e nóisssssss? Vamos pra galera ahahahahahah

    0
    • Pensativo 13 de março de 2012 at 02:42

      Ainda acho muito cedo para festejar. Falta muito para que o meu dinheiro volte a valer o que ele realmente vale.
      Com relação à bolha, essa estourou já no primeiro semestre do ano passado, com a queda acentuada da demanda e o que vemos agora é o inicio dos seus efeitos. O processo será longo, mas o viés é de queda, isso ninguém pode negar.

      Na economia, a grande mola impulsionadora do crescimento é a expectativa, ou seja, a economia tem caráter cíclico e agora começamos a entrar na descendente.

      0
    • Anonymous 13 de março de 2012 at 03:03

      Concordo com as datas. Acredito que essa vai ser a SEGUNDA profecia de alguém do BLOG a ser cumprida.

      0
    • Indecoroso 13 de março de 2012 at 11:13

      A Globo está fazendo divulgações homeopáticas sobre a bolha mais para ameaçar o Governo Federal do que para prestar um serviço à sociedade. A turma do Plim-Plim está pedindo para que o PT “compre” divulgações no sentido oposto, pra seguirem dizendo que nossa economia continua aquela “invencível locomotiva”.
      Esse ano é de eleições municipais e o resultado das urnas de outubro é decisivo para as presidenciais de 2014, e qualquer alarme dado em rede nacional acerca da eclosão de uma crise no setor imobiliário impactará drasticamente na quantidade de prefeituras que serão encampadas pelo PT como base de apoio para o futuro.
      Por isso acho cedo afirmar que o assunto ganhou espaço na grande mídia, pois tudo dependerá de quanto a coalisão de esquerda estará disposta a despejar nas contas da Rede Bobo para manipular a divulgação de matérias econômicas, pelo menos até o brumário…

      0
  • Marcelo Arruda 13 de março de 2012 at 01:09

    BOLHA no Jornal da Globo

    12/03/2012

    RECOMENDO.

    h tt p:// g1.globo.com/jornal-da-globo/videos/t/edicoes/v/brasil-lidera-lista-de-paises-com-maior-valorizacao-de-imoveis/1853987/

    0
    • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 01:19

      O bom foi que a mulher assistiu do meu lado!!! Mostrei o blog, minhas mensagens, a colocação dos colegas, etc. No final ela disse: puxa, é melhor mesmo a gente esperar ….
      Hoje vou dormir um pouco mais leve…..
      Aquela sensação de que tá ficando mais pobre, mudando por aquele pensamento: ainda bem que não cai na cilada…..
      Até amanhã

      0
      • Shakespeare 13 de março de 2012 at 10:19

        Continue na luta, Guerreiro, essa batalha é a primeira de muitas, mas ao final seremos os vitoriosos

        0
    • Edmilson 13 de março de 2012 at 02:40

      Achei muito significativa a reportagem.
      Pela primeira vez no mainstream se fala em possível perda de capital para quem começar a investir hoje.
      Vamos ver a repercussão dessa reportagem.

      0
    • Anonymous 13 de março de 2012 at 03:00

      Aos poucos a rede globo está preparando a população. Notei 2 coisas importantes:

      1 – A reportagem fala que os preços dos imóveis vão cair no mundo todo por causa da crise mundial.

      2 – Aponta como uma das 3 causas causas da valorização o CRÉDITO FÁCIL.

      Onde foi para aquela conversa da Banânia ser rígida em crédito e estar “blindada” contra a crise ?

      0
    • Tiago 13 de março de 2012 at 03:31

      Excelente a reportagem… detalhe que um cara que representava as imobiliárias disse que o consumidor tava pagando ainda pelos preços altos… em seguida a globo colocou o índice de venda de imóveis e disse que havia caído 50% em relação ao ano passado no primeiro bimestre…

      parece que a globo acordou né?

      0
    • Shakespeare 13 de março de 2012 at 10:09

      Bolha,

      Você pode fazer um post com essa reportagem?

      A galera animada agradece e o Cirilo e seus asseclas continuam animando a torcida na piscina

      0
  • MrK 13 de março de 2012 at 05:36

    A GLOBO E A BOLHA…

    Amigos, assim como voces estou feliz do topico chegar ao maior grupo nacional de comunicacao, mas nao vamos nos deixar levar pela euforia, nem fazer da globo nosso heroi solitario, vamos lembrar alguns pontos:

    1- A Globo e’ uma empresa capitalista, existe pra fazer dinheiro, ela quer audiencia, quer publico (nao a toa ela suporta times de maior torcida como flamengo e corinthians, em vez de fluminense e sao caetano por exemplo, pois o faturamento, a audencia e a tiragem com esses times e’ muito maior em funcao do numero de torcedores)

    2- A Globo a todo momento deve fazer a seguinte conta:

    A) Publicar reportagens anti bolha = Ganho pelas materias pagas, ganho pelos anuncios de imoveis das construtoras, ganho pelo portal ZAP
    B) Publicar reportagens sobre a bolha = Ganho audiencia (assunto polemico) e um pouco de credibilidade talvez.

    Qual paga mais? A ou B?

    Ate entao “A” pagava muito mais, por isso era CNB/ZAP/OGlobo todo mundo anti-bolha, comparando botafogo a paris e leblon a wallstreet, so’ que a coisa mudou, as vendas esfriaram, imoveis encalharam, as imobiliarias ja nao tem tanta grana pra comprar materias (e nem acreditam que vale mais a pena) e agora o potencial de vender jornal com “B” (sendo o primeiro veiculo grande a falar da bolha) comeca a valer mais a pena.

    Essa e’ minha visao, abracos!

    0
    • GB 13 de março de 2012 at 07:26

      Isso é verdade, já estão com menos $$$ dados os lucros menores, talvez tenham chegado a conclusão de que já nã vale mais a pena sustentar a bolha.

      Para mim essa bolha já estourou no ano passado, o problema e que ergueram um muro em volta dela para que as pessoas “normais” não enxergassem, é isso.

      A Globo pode falar o que ela quiser, só de dizer que as pessoas não querem mais pagar preços abusivos, embora seja o óbvio, já ganhou meu dia hoje.

      PLOC, PLOC, PLOC, PLOC, PLOC, PLOC MONSTER !!!
      PLOC, PLOC MONSTER !!!
      PLOC, PLOC MONSTER !!!
      PLOC, PLOC, PLOC, PLOC, PLOC, PLOC MONSTER !!!

      0
    • Fabio 13 de março de 2012 at 07:43

      Mrk

      Condordo com você. Com a baixa (ou trava) nas vendas o fluxo de dinheiro para as imobiliarias começou a desaparecer. O barco está mudando de rumo.

      0
    • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 11:08

      MRK

      Como sempre, perfeita a sua colocação. A Globo, neste momento, vai querer sair como se fosse o “mocinho” da historia, mas foi uma das grandes causadoras do processo de inflar a bolha.

      Eu ja havia postado algo parecido ha alguns meses e taí, dito e feito.

      Quanto às imobiliarias: elas estão vivendo das taxinhas de administração pagas pelos alugueis. Vendas, já era!

      0
    • Q 13 de março de 2012 at 11:15

      Além disso, estourar uma bolha imobiliária nas vésperas de uma eleição iria muito provavelmente mudar os rumos da mesma

      0
  • GB 13 de março de 2012 at 07:51

    Caras, foi o máximo, esse repórter mexeu no vespeiro, achei a reportagem super irônica, tipo “me engana que eu gosto”, bem anti-bolha mesmo:

    “. . . enquanto isso, veja só quem está no topo da valorização . . .”
    “ . . . e tem gente pedindo bem mais do que isso . . .”

    E vocês viram o tal do Presidente dessa tal “Associação de dirigentes do mercado imobiliário”, olha a cara dele no vídeo, nem ele acredita no que está falando quando diz que “90% a 95% é de comprador para morar”, as placas de “Vende-se” denunciam um quadro bem diferente, pelo menos ele fez o papel esperado dele.

    Aí logo em seguida vem o repórter com o “Mas um levantamento feito pela maior imobiliária do RJ revela: em janeiro e fevereiro deste ano a quantidade de imóveis vendidos diminuiu 50% se comparado com o mesmo período no ano passado, isso quer dizer que muita gente não está mais disposta a pagar os altos preços exigidos na venda de imóveis.”

    O tiro de misericórdia:
    “Esse imóvel está super valorizado, o valor já não corresponde a uma realidade concreta, há 2 anos eu poderia ter uma perspectiva de ganho com esse imóvel, hoje já não, se eu tiver que repassar esse imóvel amanhã eu tenho uma perda de capital.”

    É o Capitalismo em ação: enquanto tiver gente besta que pague e que não se importe em jogar $$$ fora, os preços aumentam, coisa simples assim.

    Eu quero daqui a 5 anos, olhar para trás e me orgulhar de minhas escolhas atuais, não quero ter o gosto amargo de estar num longo financiamento sabendo que joguei muito $$$ fora e que ainda terei muito o que jogar ainda.

    0
  • Sant'Anna 13 de março de 2012 at 07:54

    As vezes penso, ja to ai desde final de 2010 esperando que o momento chegue, que a bolha estoure, mas no fundo estou com um pressentimento que eu vo acabar comprando um imóvel (ja que irei casar), na crista da onda e logo depois vai cair, não importa quando eu compre, será um pouco antes da merda acontecer.

    0
    • Victor 13 de março de 2012 at 09:03

      Aluga até baixar, não faça uma besteira de que vá se arrepender pelos próximos 30 anos.

      0
    • Guerreiro da luz 13 de março de 2012 at 09:21

      Minha situação é parecida, por causa da influência de minha esposa. Quer muito se mudar. Mas ela sabe que pra a gente se proteger, apenas poderia comprar imóvel a preço bolhudo se vendesse o nossa a preço bolhudo também. O problema é neguinho comprar o nosso imóvel: ela tá vendo que o buraco é mais embaixo. Os vendedores, por sua vez, nem de longe pensam em aceitar o imóvel na negociação. Pra ser sincero só um pensou na ideia, mas acho que fez isso porque sendo o meu mais barato a liquidez seria melhor.
      Mas ontem ela se convenceu que o melhor mesmo é esperar! Quem tiver que se mudar, se casa, etc, o único caminho é, de fato, o aluguel, sob pena de fazer uma escolha que inevitavelmente abalará a situação financeira da família em poucos anos.

      0
      • Paulo 13 de março de 2012 at 11:23

        Eu estou na mesma situação, tenho que vender o meu bolhudo para comprar outro bolhudo.
        No caso de troca, o maior problema que observo e que os proprietários que aceitam imóvel de menor valor estão com os preços bem mais bolhudos do que os outros (10% a 15% acima) que não aceitam imóvel de menor valor.
        As vezes penso em vender por um preço bem abaixo do valor que estão pedindo pelos imóveis equivalentes e depois oferecer um valor bem abaixo do preço anunciado (desconto equivalente ao da minha venda) nos imóveis de meu interesse, mas ainda não estou certo que existe uma bolha, não a ponto de arriscar tanto.
        Acho que o teremos que esperar as cenas dos próximos capítulos dessa novela.

        0
        • Victor 13 de março de 2012 at 13:39

          Eu estou líquido, completamente vendido. O problema, como dizem, não é saber o que vai afundar – caso dos imóveis – mas saber o que não vai.

          0
  • GB 13 de março de 2012 at 08:08

    Eu estou procurando desde dezembro passado, não é muito tempo mas noto que já economizei uns R$ 25k só no preço dos apês por conta das últimas quedas e o aparecimento de mais oportunidades que estavam paradas.

    Também tem o fator “poupar mais $$$”, são 3 meses a mais, fora o 13º, fora o rendimento da poupança sobre o que já está guardado.

    E quem entrou há pouco tempo no financiamento está devolvendo os imóveis e forçando a queda, já notaram que ele vai recomprá-los bem mais barato dentro de pouco tempo.

    No final das contas a espera vai valer muito a pena.

    0
    • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 11:16

      Eu estou procurando imovel e acompanhando o mercado imobiliario desde 2009, quando consegui minha transferencia de SP- Capital para Taubaté, interior de SP.

      Minha ideia era vir pra Taubaté e logo comprar um imovel e sair do aluguel. Desde 2009 venho procurando e acompanhando o mercado, mas não comprei porque notei algo muito estranho: Os preços dos imoveis subiam muito mais rapido do que a minha capacidade de poupar. Então, resolvi esperar e ver no que ia dar toda aquela loucura. Fiz o certo!

      Mesmo com oa preços despencados, pós estouro da bolha, vou precisar de financiamento, mas pretendo comprar algo com que eu sonhe e ache que valha a pena pagar por ele durante um longo periodo e não comprar um apto pequeno, acabamento ruim, longe de tudo, construido por uma dessas tabajaras da vida e ainda pagar caro por ele. Deus me livre!

      Bom, acho que é isso pessoal. Esse é meu relato e espero ajudar muito dos novos colegas daqui a ter paciencia e esperar o momento certo.

      0
  • Cai Cai Balão 13 de março de 2012 at 08:20

    E-mail recebido agora há pouco, por corretor de imóveis:

    Ok xxxxx, o preço do m² em Belém esta fora de realidade e verdade, mais para conseguir alguma coisa de 3/4 com 2 vagas no Umarizal vai ser um pouquinho difícil. Ouvi falar que por causa das quedas nas vendas dos apartamentos, poderá haver uma retração nos valores dos imoveis. Se aparecer algum apto de 3/4, 2 vagas estarei te informando na hora. Abç.

    Esse viu o Jornal da Globo!

    0
  • Cai Cai Balão 13 de março de 2012 at 08:21

    E-mail recebido agora há pouco, de corretor de imóveis:

    Ok xxxxx, o preço do m² em Belém esta fora de realidade e verdade, mais para conseguir alguma coisa de 3/4 com 2 vagas no Umarizal vai ser um pouquinho difícil. Ouvi falar que por causa das quedas nas vendas dos apartamentos, poderá haver uma retração nos valores dos imoveis. Se aparecer algum apto de 3/4, 2 vagas estarei te informando na hora. Abç.

    Esse viu o Jornal da Globo!

    0
  • Cosmos 13 de março de 2012 at 08:37

    Pessoal, eu tinha postado isso lá atrás e acho que ficou perdido (ou talvez ninguém tenha achado muito interessante mesmo hehehe).

    “ESTOUROS AO REDOR DO MUNDO

    É claro que o que vem acontecendo no Brasil é apenas um capítulo de um processo internacional que já pegou muitos países, causado por liquidez exagerada, taxas de juros muito baixas por muito tempo (nos países desenvolvidos), liberalização de investimentos estrangeiros, otimismo desmesurado etc.

    Hoje, estava com um tempo livre e resolvi fazer uma pequena lista de estouros de bolhas imobiliárias ao redor do mundo. Há muitos outros países que não inclui por não ter encontrado notícias atualizadas (como Croácia etc), e outros que têm bolhas famosas prestes a estourar (Austrália, Nova Zelândia, Líbano etc). Os percentuais de queda nos preços são sempre significativos. Caso achem mais países e referências ao percentual de queda para complementar a lista, agradeço!

    A variedade mostra que nenhum país está imune a esses períodos de euforia, aos quais se seguem fortes correções.

    Bulgária (em 2009, com o estouro da bolha, os preços caíram em média 40%)
    http: // www . novinite . com / view_news.php?id=107241

    China (Xangai e outras, queda de, até agora, cerca de 25-30% nos preços de lançamentos)
    http : // shanghaiist. com/2011/10/26/is…sting_shan.php
    http://www . macrobusiness . com.au/2012…h-van-onselen/

    Dinamarca (queda de 19% em termos reais, com expectativa de queda de mais 10% nos próximos dois anos)
    http://www . globalpropertyguide . com/Europe/Denmark

    Emirados Árabes Unidos (Abu Dhabi e Dubai, quedas de 60% a 45% nos preços, respectivamente):
    http://www . businessweek . com/news/201…n-bailout.html

    Espanha (queda de cerca de 17% até agora, voltando aos preços de 2005)
    http://economia . elpais . com/economia/…74_850215.html

    Estados Unidos (em algumas cidades, queda de mais de 65% nos preços)
    http://www . dailymail . co.uk/news/arti…IVE-YEARS.html

    Irlanda (queda de preços já superior a 50%)
    http://www . globalpropertyguide . com/E…/Price-History

    Japão (queda de 80% nos preços em poucos anos, seguida de estagnação de preços)
    http://www.housingjapan . com/2011/11/…estate-prices/

    Portugal (queda já de 40% nos preços)
    http://www.jornaldenegocios . pt/home….S_V2&id=541305 “

    0
  • Mr.Crowley 13 de março de 2012 at 08:39
  • Johnny 13 de março de 2012 at 08:40

    Update do meu log de aptos através do site imoveiscuritiba.com.br

    Penso em filtrar por faixa de preço também, assim talvez podemos analisar se houve diminuição de “valor”.

    02/09 A – 2955 V – 10950
    02/10 A – 2777 V – 10894
    02/13 A – 2992 V – 10945
    02/16 A – 3027 V – 11013
    02/17 A – 3016 V – 11085
    02/22 A – 3030 V – 11168
    02/23 A – 3002 V – 11076
    02/24 A – 3024 V – 10860
    02/27 A – 3018 V – 11240
    02/28 A – 3024 V – 11283
    02/29 A – 3034 V – 11218
    03/01 A – 3068 V – 11410
    03/02 A – 3057 V – 11463
    03/05 A – 3041 V – 11539
    03/06 A – 3083 V – 11488
    03/07 A – 3081 V – 11763
    03/08 A – 3088 V – 11796
    03/09 A – 3079 V – 11735
    03/13 A – 3130 V – 11881

    Legenda: A – Aluguel; V – Venda

    Basicamente, depois de pouco mais de um mês, o número de aptos para aluguel subiu 175 unidades e para venda subiu 931 unidades.

    Isso quer dizer um aumento de 8,5% na quantidade para venda e 6% para aluguel em pouco mais de um mês.

    Agora quero ver a entrega de 7.5k de imóveis que vai acontecer em 2012 em curitiba. Por baixo, creio que pelo menos 3.5k serão de investidores e no mínimo 2k entrarão nos meus cálculos ao longo do ano, além claro, dos imóveis usados.

    0
    • Laranja 13 de março de 2012 at 08:58

      Johnny, tenho acompanhado os números em Porto Alegre e Canoas. Imagino que este imoveiscuritiba tenha anúncios de várias imobiliárias, não é?
      Sugiro que escolha um site de uma ou duas imobiliarias grandes para acompanhar também, para evitar distorções por anúncios múltiplos de um mesmo imóvel e anúncios que não são retirados após serem negociados.
      Aqui os números sobem, mas nada acentuado por enquanto…

      0
  • Menino_do_Rio 13 de março de 2012 at 08:49

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/imovel-em-area-nobre-nao-cabera-no-bolso-da-classe-media
    “Os apartamentos pequenos e bem-localizados devem continuar a encarecer nos próximos anos devido à grande demanda das pessoas que não querem morar longe do trabalho em cidades com trânsito caótico como São Paulo. A esse fator soma-se a escassa disponibilidade de terrenos nesses locais.

    Apesar de todas as facilidades para a obtenção de crédito imobiliário, Frankel acredita que, dentro de algum tempo, os preços dessas residências poderão ficar proibitivos para uma boa parcela das pessoas físicas brasileiras. Mesmo com prazos de pagamento mais esticados, as parcelas do financiamento já não caberiam no bolso da classe média. Restará, então, a demanda dos compradores com um excelente padrão de vida e dos investidores que buscam obter renda com o aluguel mensal dessas unidades.”

    0
  • Muca CG Muita Treta 13 de março de 2012 at 09:12

    Quem assistiu o Bom Dia, Brasil hoje?

    Exibiram uma matéria sobre o aumento do almoço fora de casa. Na notícia, constatavam que o preço subiu duas vezes mais que o IPCA. Em paralelo, eles alegavam que comer em casa, contudo, ficou mais barato de 2011 para cá. Para explicar esse fenômeno, apontaram, entre outros fatores, o aumento do valor dos alugueis comerciais como um dos responsáveis pela alta no preço praticado pelos restaurantes.

    Aos poucos, mesmo que de forma velada, o preço da venda e aluguel dos imóveis se transformam no vilão da vez.

    0
    • xyz 13 de março de 2012 at 09:27

      O governo é tão míope, que não percebeu que a bolha imobiliária está sufocando os pequenos negócios (e também os grandes) que funcionam com imóveis alugados.

      Li um artigo que falava dos preços absurdos no Brasil, mas dizia que mesmo com preços abusivos, as empresas nunca tiveram uma lucratividade tão baixa.

      Tudo isso tem um preço e um dia a fatura chega.

      Deus nos proteja!!!

      0
  • RAL 13 de março de 2012 at 09:25

    O fato é que os preços dos imóveis não irão cair. por dois motivos a saber:
    A) terra é um recursos finito.
    B) os maiores detentores de imóveis no Brasil : Igrejas , Americanos ( através de multinacionais) e grandes construtoras que herdaram imensas areas de Dom Pedro II

    Assim amigos temos que entender uma vez colonia sempre colonia.

    0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 10:18

      Então porque a casa que eu vendi no EUA em 2006 agora está valendo metado do preço? E o cara que comprou está enterrado nela pelo resto da vida?
      Será que lá nos States a terra é infinita? ou, digamos, os americanos não sao donos?
      Vai entender né

      0
    • Shakespeare 13 de março de 2012 at 10:30

      Ral,

      Analisando friamente:

      A) pura verdade, não é possível negar, por se tratar de uma verdade física, mas o aumento da população mundial vem declinando e muitos países já experimentam decréscimo populacional. Como as pessoas não são homogeneamente espalhadas pela terra análises locais devem ser feitas para verificar se o preço sobe ou desce em uma determinada região e isso quem faz é a Economia. Logo um argumento físico tem que ser analisado com ferramental econômico antes de se afirmar que os preços vão sempre subir porque a quantidade de terra é finita.

      B) caso o que você escreveu fosse pura verdade o preço dos imóveis então sempre teria sido alto, o que sabemos que não é verdade, até porque mais do que dobrou de preço nos últimos 5 anos mas o mesmo não ocorreu nos 5 anos anteriores e nem nos 5 antes deles. Isso demonstra que estamos vivendo um efeito sazonal e que vem sendo exaustivamente analisado aqui no Blog da Bolha. Existem fortes evidências de que realmente se trata de uma bolha. Caso você queira saber mais sobre o assunto sugiro uma leitura dos posts antigos.

      Por fim cuidado com a questão da valorização dos imóveis, porque o terreno pode valorizar, mas em geral a construção deprecia pelo uso.

      0
      • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 11:22

        Shake, perdeu seu tempo amigo. Pelo nivel do post do RAL ele nao entendeu sua explicação.

        PS: tbm perdi o meu.

        0
        • Shakespeare 13 de março de 2012 at 11:38

          Carlos,

          É possível que sim, mas prefiro acreditar que ganhei, porque sempre a informação pode ser aproveitada por outros que pensem semelhantemente 🙂

          Abs

          0
      • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 11:24

        Shake, perdeu seu tempo amigo. Pelo nivel do post do RAL ele nao entendeu sua explicação.

        PS: tbm perdi o meu…

        0
        • Shakespeare 13 de março de 2012 at 11:39

          Já estou em ritmo de animação do Cirilo na piscina do Borabora…

          Shake your body… 😀

          0
        • RAL 13 de março de 2012 at 12:14

          As explicações aqui são boas no campo da econômia, mais em termos de psicologia NÃO , vai explicar para o Sr José portugues ( dono de 25 casas de aluguel) que os imóveis estão caros , ele continua comprando e imobilizando o capital disponivel a qualquer custo, sabendo que especificamente no Brasil ainda que os imoveis fiquem desocupados gerando custos de manuntenção , os investidores preferem perder dinheiro no imobilizado do que correr o risco de diluir no monetario a saber : confisco da poupança do governo Collor. Assim não sabemos que estes aloprados de nosso política vão inventar.

          Uma simples opinião : O preço não cai e se duvidar ainda sobe.

          0
          • Shakespeare 13 de março de 2012 at 12:19

            o Tempo será o Senhor da Razão…

            quem viver, verá!

            0
          • Cleyton 13 de março de 2012 at 15:25

            Tá aí, esse merece, toma:

            RTFH (Read The F*ck History).

            0
            • Paulo Rocha 13 de março de 2012 at 18:45

              Cleyton,

              Vi que você já escreveu várias vezes RTFH (Read The F*ck History). Esta maneira de escrever está gramaticamente incorreta já que deveria ser f*cking e não f*ck. Alias, RTFH = “Read the fucking headline” ou “Read The Forum Header”

              fonte:
              http:// www. urbandictionary.com/define.php?term=RTFH
              http:// lowerleaguemanager.com/llm/glossary/

              RTFH – Read The Forum Header. This is generally said when someone has posted something which indicates that they haven’t read the forum rules. When put strongly, the F can mean something else. It is illegal to take offence at this, because if the poster has indeed read the rules, then this response would indicate that they hadn’t been understood, so the RTFH would still be valid.

              0
              • Cleyton 13 de março de 2012 at 21:26

                Putz, tem razão! Pior que usei justamente esse como referência mas faz muitos anos que não via escrito por extenso.

                Valeu o toque!

                0
    • Carlos Eduardo 13 de março de 2012 at 11:40

      Cabecinha!!! iiiiiii

      que vergonha!

      0
  • NoCash 13 de março de 2012 at 09:33

    Gostaria muito que alguem que conhecesse a zona sul do Rio fundamentasse suas opinioes e saisse do campo de especulacao. Por ira cair?

    Vivo em UK ha algum tempo e estou perto de retornar ao RJ. Acompanho o mercado imob ha 3 anos, 1 ou 2 quartos, em Leblon, Lagoa e Ipanema e tudo sobe exponencialmente, tanto para aluguel quanto para venda – salvo dois apartamentos encalhados (um na Alberto de Campos na frente da favela com 50 anuncios, e outro na Sacopa que nao vende). Alias…ate esses sobem, mas nao exponencialmente.

    Resumindo:
    1 quarto decente com as caracteristicas acima nao sai por menos de R$700,000 ou R$2500-3,000 aluguel
    2 quartos decente R$1.2mm ou R$5,000.

    Para deixar claro, morei 23 anos no Rio (tenho 30) e conheco bastante gente com qualificacao e bem empregados. So que nao ganham R$15mil liquidos ou tem capacidade de pagar R$1mm+. De onde vem esses compadores? E ate quando essa visao bullish durara?

    Sds
    Rodrigo

    0
    • FQ 13 de março de 2012 at 11:41

      Eu moro e Conheço muita gente na Zona Sul e ninguém que conheço paga ou pagaria mais de 3 mil de aluguel (4 mil com condomínio e iptu).

      Acho que esse valor de 4 mil (condomínio + aluguel +iput) é um limite médio de mercado atualmente na zona sul, nos casos em que o proprietário pediu mais que isso, o apartamento foi devolvido pelo inquilino e ficou vago.

      Quem pode, de fato, pagar mais que isso, o que é raro, prefere sair do apartamento e buscar outra opção mais barata ou até mudar de bairro e poupar dinheiro, pois ninguém gosta de rasgar dinheiro e o retorno não valeria tanto a pena.

      Existe um valor e um custo de oportunidade e retorno para tudo. Morar em Ipanema é bom? Sim, Muito bom, mas acima de um certo valor não vale tanto a pena, melhor ir para o Flamengo que é perto do centro e poupar dinheiro. Pois além do aluguel, em ipanema, tudo é mais caro, da academia ao sorvete.

      Além disso, famílias que possuem renda para pagar mais que esse valor (3mil) são raras e grande parte já possuem apartamentos próprio.

      0
    • FQ 13 de março de 2012 at 12:00

      Fora isso, a oferta tem aumentado bastante, a 3 anos atrás as opções de aluguel na zona sul eram poucas e os imóveis anunciados alugavam rápido, era um mercado sadio, entretanto, atualmente, há centenas de apartamentos anunciados para aluguel, muitas opções e muita oferta, anúncios encalhados a meses com valores altíssimos…

      É a lei do mercado, fria e dura, agindo e regulando! Se subiu o preço na marra, a demanda some, a oferta cresce, cresce… e a tendência irá se inverter mais rápido que subiu.

      No caso do aluguel, o mercado consumidor é ainda mais restrito, ao contrário de uma geladeira ou de um ipad que, mesmo estando caro, você pode comprar por impulso ou negligência, o aluguel é um compromisso mensal obrigatório que incide boa parte da renda, ou seja, não há espaço para caprichos, luxos ou impulso. O sujeito pode até comprar uma geladeira inox de 5 mil, mas não pode pagar 5 mil todo mês de aluguel.

      É igual a um apartamento de 1 milhão: A questão não se trata de achar uma mau negócio a compra, ou de se pensar duas vezes antes de efetuar a compra, a questão é que um potencial morador não pode nem cogitar a suposta compra por não ter a menor possibilidade de captação desta quantia. Com aluguel é a mesma coisa!

      0
      • NoCash 13 de março de 2012 at 12:26

        Felipe,

        Entendo tudo o que vc diz…mas o que eu escuto eh bem diferente.

        Tenho varios amigos voltando do exterior ou de SP pro Rio de Janeiro, que encontram dificuldade pra alugar apartamento (o que vai de encontro ao argumento que ha mta coisa sobrando nessas areas). Dizem que passam horas vendo espelunca e que quando encontram , tem que fechar logo.

        Alem disso, outros amigos que sempre moraram no Rio, estao saindo de casa e pagando esses alugueis ou precos absurdos. Estou dando exemplos praticos, e nao devaneios.

        Concordo que esta esticado e que tem muita gente comprometendo mais que 40% da renda, mas o mercado vai testando o limite….e pelo menos por enquanto tem gente pagando. Eh sustentavel no longo prazo? Isso eh conversa pro Jobi….mas sendo pragmatico – Leblon, Ipanema, Lagoa ta caro pra caramba e as pessoas continuam pagando. Conheco dois, repito, apenas 2 amigos que resolveram voltar a morar em casa dos pais dado os alugueis altissimos….

        0
        • FQ 13 de março de 2012 at 13:55

          A dificuldade encontrada por estas pessoas para se alugar um apartamento na zona sul não se deve a falta de oferta de aluguéis, mas justamente ao contrário, a dificuldade se deve aos altos valores cobrados. Os com preço justos, alugam ,os caros não. Simples assim. Basta olhar no Zap e ver a quantidade de apartamentos anunciados para alugar!

          Desta forma, a demanda que já era pequena, está migrando para outras opções, alterando planos ou abandonando temporariamente o mercado, e a oferta vai assim se acumulando em estoque. Neste primeiro momento, embora com apartamentos encalhados, muitos proprietários ainda relutam em ajustar seus preços ao limite aceitável na demanda.

          0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 12:29

      NoCash,

      Apt na ZS está vendendo? Não sei. mas até quase final do ano passado presenciei 3 vendas.
      – 2 vendidos para estrangeiros acreditando que é investimento;Não vão morar nem alugar. É veraneio.
      -1 brasileiro com bom salario que vendeu um imovel na Barra para comprar outro em IPANEMA. porque era mais proximo do Centro.

      0
      • NoCash 13 de março de 2012 at 12:42

        A impressao que dah eh que o mercado continua pagando…e estou falando com base em exemplos reais, como os seus acima, e nao factoides.

        O que me parece eh que grande parte das pessoas deste blog (ai me incluo) nao compraram o imovel e perderam o bonde, como eu. E ai soh resta remar mais, na base da emocao ao inves de razao. Eu tambem torco para a insanidade acabar ha pelo menos 2 anos. Mas a cada dia novos limites sao testados. Enquanto houver trouxa comprando, vai haver esperto vendendo.

        Por fim, custo a acreditar que veremos precos despencando em Lagoa, Leblon, Ipanema, Gavea…se ha demanda nos niveis atuais, imagina se cair 10%-20%…

        Odeio corretor e nao tenho vies algum, antes que me perguntem.

        0
        • Luiz 13 de março de 2012 at 14:09

          nocash vc tá falando besteira, aqui de SP deu rpa perceber
          vai lá no fipezap
          nesses bairros a valorização dos imoveis está perdendo pras aplicações há mais de 6 meses
          eles não vão cair, eles JÁ começaram a cair faz tempo, aluguel ainda pior.
          e olha que o fipezap não é confiável, imagina a realidade real.
          seu exemplo é fraco demais, pra cada um que volta pro BR, 10 vão embora

          0
          • NoCash 13 de março de 2012 at 14:20

            Luiz,
            Que lingua voce fala? Imagino que tudo menos Portugues. Pq o que vc falou nao faz o menor nexo…onde que a valorizacao em Leblon , Lagoa , Ipanema esta perdendo pra aplicacao ha 6 meses? E o que significa “realidade real”? E o que significa “pra cada um que volta pro BR, 10 vao embora”?
            Voce deveria pegar seu dinheiro, se eh que tem algum e investir em educacao, antes de tudo pra aprender a falar a sua lingua nativa. Depois, quem sabe, num futuro distante, aprender economia e se deve ou nao comprar um apartamento.
            Abs

            —————

            nocash vc tá falando besteira, aqui de SP deu rpa perceber
            vai lá no fipezap
            nesses bairros a valorização dos imoveis está perdendo pras aplicações há mais de 6 meses
            eles não vão cair, eles JÁ começaram a cair faz tempo, aluguel ainda pior.
            e olha que o fipezap não é confiável, imagina a realidade real.
            seu exemplo é fraco demais, pra cada um que volta pro BR, 10 vão embora

            0
            • Luiz 13 de março de 2012 at 14:31

              tá nervosinha?
              vai lá na psicina do borabora se animar vai
              não é culpa minha que o seu ramo faliu

              se alguém leu essa perda de tempo, e ficou na duvida, vai no fipezap e compara o Leblon com o CDI. Ta perdendo faz tempo.

              se alguém tem duvida sobre mim, morei anos no exterior e mesmo agora, tem muito mais gente indo do que vindo, o BR tem 5 milhões de emigrantes, alguns as vezes voltam, mas é minoria.

              0
              • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 14:51

                Luiz

                Eu disse que era perda de tempo. Voce caiu no jogo dos idiotas.

                0
                • Luiz 13 de março de 2012 at 14:57

                  prezado carlos wagner, acredito que respondendo as bobagens que eles falam com ponderação e mantendo-nos auto centrados, acabamos por desmacaracar esse corretores raivosos. Isso é útil pra quem ainda está em dúvida poder tirar suas próprias conclusões.

                  leia de novo acima, veja a imagem que fica.

                  0
            • FQ 13 de março de 2012 at 14:34

              NO cash,

              Vc esta equivocado colega!

              0
        • Pensativo 13 de março de 2012 at 14:55

          É engraçado como pessoas a nossa volta acham que Lagoa, Leblon, Ipanema, Gavea… são a Beverly Hills da America Latina. Que todos querem morar lá seja qual for o preço. Parece que nunca conheceram outras cidades com Florianópolis, Buenos Aires, Natal, etc.

          Grandes merda é a Lagoa, Leblon, Ipanema, Gavea! É super cheia, barulhenta, com gente mal educada, mendigos, flanelinhas (digo, Parking Assistance), favelas, etc. Alias, todo o Rio de Janeiro é assim. É tudo pura propaganda.
          Ah, mas tem praia. Grande merda novamente. O Brasil tem quase 7500 QUILOMETROS DE LITORAL. Ademais, vivo no Rio e fazem três anos que não vou a praia e á última vez foi em Santa Catarina.

          0
  • Bolhudo 13 de março de 2012 at 09:41

    Segura o B.O.

    ove das 14 regiões pesquisadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apresentaram recuo na produção industrial em janeiro.

    Os dados, que comparam os meses de dezembro e janeiro, mostram que Pará e Paraná tiveram as perdas mais acentuadas, com recuo na produção da ordem de 13,4% e 11,5%, respectivamente. O primeiro havia registrado avanço de 4,9% em dezembro, e o segundo revertendo três meses de taxas positivas que haviam acumulado expansão de 15,3%.

    Também registram queda acima da média nacional, de -2,1%, o Rio de Janeiro (-5,9%) e Ceará (-3,1%). As demais taxas negativas foram observadas nos seguintes locais: São Paulo (-1,7%), Santa Catarina (-1,6%), Minas Gerais (-1,3%), Pernambuco (-1,0%) e Espírito Santo (-0,4%).

    Em movimento oposto, de alta, figuraram a Bahia (12,6%), Goiás (3,3%), Rio Grande do Sul (0,5%) e Amazonas (0,1%).

    12 MESES

    No acumulado dos últimos 12 meses, o total nacional apontou queda de 0,2% em janeiro, primeiro resultado negativo desde março de 2010 (-0,3%), e manteve a trajetória de queda iniciada em outubro de 2010 (11,8%).

    Em termos regionais, sete dos 14 locais pesquisados também mostraram taxas negativas em janeiro desse ano e apontaram menor dinamismo frente ao fechamento de 2011.

    As taxas negativas mais acentuadas foram observadas no Ceará (-11,4%), Santa Catarina (-6,2%), região Nordeste (-3,8%) e Bahia (-3,2%), enquanto Goiás (8,5%), Paraná (6,1%), Espírito Santo (5,7%) e Amazonas (4%) registraram expansões.

    NACIONAL

    Diante de estoques elevados e da concorrência de importados, a indústria teve em janeiro a maior queda desde dezembro de 2008, quando vivia o auge da crise global.

    O setor recuou 2,1% no primeiro mês deste ano, após ter crescido 0,5% em dezembro.

    Com a queda de janeiro, a indústria acumula retração de 0,2% em 12 meses.

    Fonte: http:// www1. folha.uol.com.br/ poder/ 1061021-producao-industrial-cai-em-nove-de-14-estados-em-janeiro-diz-ibge.shtml

    0
  • Leandro 13 de março de 2012 at 09:48

    Olá a todos!
    Participo do Blog praticamente desde que ele foi criado, sempre defendendo a existência da bolha. Ultimamente praticamente não tenho postado, limitando-me a ler os debates.
    Apesar do início da queda dos preços, acho que ainda temos um certo caminho até ocorrerem quedas expressivas.
    Acredito que as vendas deram uma certa travada, não pelo conhecimento da população acerca de uma “bolha”, mas sim pela falta de condições de compra mesmo.
    Explico: esse fim de semana um casal de amigos com renda de quase 20 mil líquida veio me perguntar o que achava de um “investimento” em duas quitinetes por cerca de 300 mil cada (quase 12 mil o metro quadrado), aqui em Brasília.
    Após falar que seria um péssimo negócio, eles resolveram adiar a compra por um ano (falei que nesse prazo ocorreriam quedas expressivas).
    As pessoas não conseguem enxergar que com uma renda de 20 mil reais um casal, mesmo em Brasília, tem o direito de MORAR MUITO BEM nos melhores bairros. Não é normal ter que se endividar por 30 anos para morar em um cubículo.
    Também esse fim de semana tive notícia de um outro casal de amigos (os dois funcionários de Bancos públicos) que estão comprando um apartamento.
    Conclusão: acredito que as pessoas, quando tem o mínimo de condições, continuam comprando, mesmo que apartamentos que teoricamente não deveriam condizer com sua renda. Poucos são os lúcidos que enxergam a realidade.
    As pessoas são vão acordar quando ocorrerem quedas expressivas. Até lá, muitos já terão arruinado suas vidas financeiras.
    Eu faço minha parte e defendo a existência da bolha há mais de dois anos (sempre sou o chato e do contra nas conversas), mas acredita quem quer…

    0
    • Leandro 13 de março de 2012 at 09:50

      correção: só vão acordar…

      0
    • Shakespeare 13 de março de 2012 at 10:06

      Leandro,

      O que me conforta, no meu caso, é que eu não preciso de um imóvel novo. Estive procurando por um porque daria mais conforto para minha noiva e eu e porque estamos planejando ter um filho, assim gostaria de ter um lugar fixo em SP para a família, mas nos preços atuais realmente não dá.

      Com isso, por não ser um bem de primeira necessidade e ter sempre a opção do aluguel, ainda que esse também esteja caro, eu posso ficar sentado esperando o circo pegar fogo e vendo os palhaços correndo para apagarem as chamas.

      O mercado sempre será assim, pessoas pedindo o maior valor possível e outras pagando ou não em função de suas necessidades, mas no final a maioria sempre vencerá então, enquanto a maioria for de pessoas que se submetem a juros por 20 ou 30 anos para morar mal, essa será a tônica do mercado, quando isso não for mais verdade, a situação se inverterá.

      Ao meu ver a segunda situação já passou a ser verdadeira e agora só precisamos esperar o mercado encontrar seu novo ponto de equilíbrio, ainda que instável!

      0
      • Leandro 13 de março de 2012 at 10:10

        Concordo contigo!
        Também estou somente aguardando!

        0
  • NTL 13 de março de 2012 at 10:01

    Inadimplência do consumidor aumenta 18,3% em fevereiro
    economia .uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2012/03/13/inadimplencia-do-consumidor-salta-183-em-fevereiro-diz-serasa.jhtm

    SÃO PAULO (Reuters) – O nível de inadimplência do consumidor brasileiro aumentou 18,3% em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano passado, informou nesta terça-feira a Serasa Experian, acumulando alta de 17,4% nos dois primeiros meses de 2012.

    Apesar da alta, a empresa de análise de crédito ressaltou que o resultado representa uma desaceleração ante o primeiro bimestre de 2011, quando houve aumento de 25,4%.

    Já em relação a janeiro, o índice caiu 0,9%, marcando o terceiro recuo mensal consecutivo, puxado por quedas na inadimplência com bancos e cheques sem fundos.

    “Os juros altos, os gastos típicos de início de ano e as incertezas sobre a crise global fizeram com que o consumidor tivesse cautela e controlasse seus gastos”, afirmaram os economistas da Serasa, se referindo ao resultado mensal. “A menor quantidade de dias úteis em fevereiro também colaborou para a queda dos registros de dívidas não pagas no mês”.

    A inadimplência com bancos e com cheques sem fundos -que têm os maiores pesos no índice- favoreceram a queda do indicador mês a mês, com quedas de 1,5% e de 4,7%, respectivamente.

    Já os títulos protestados recuaram 18% no mês passado, enquanto as dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água) subiram 1,6%.

    0
  • Gabriel 13 de março de 2012 at 10:17

    Ministério Público do Trabalho leva MRV ao Cade
    Por Laura Ignacio | De São Paulo
    Advogado Pedro Dutra: trata-se de matéria própria do âmbito trabalhista, que não deveria ser levada ao Cade
    Em uma estratégia inédita, o Ministério Público do Trabalho da 15ª Região (Campinas) enviou uma representação contra a MRV Engenharia ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Ao analisar os dados econômicos do balanço da empresa, o órgão decidiu enviar a representação à autarquia para pressioná-la a cumprir a legislação trabalhista. “Não é algo a ser verificado em série, mas devemos fazer o mesmo em relação a outras empresas, de outros setores econômicos, com essa mesma característica”, afirma o procurador Rafael de Araújo Gomes. Em razão disso, se uma companhia de capital aberto tiver várias condenações trabalhistas e seus demonstrativos financeiros registrarem crescimento no resultado, correrá o risco de ter que se defender perante o órgão regulador da concorrência.

    A principal sanção que poderia ser aplicada a uma empresa nessa situação é uma multa de 2% a 30% do faturamento bruto alcançado no ano anterior ao início do procedimento no Cade.

    Ao buscar informações sobre a MRV em várias partes do país, o Ministério Público afirma ter encontrado condenações trabalhistas, contra as quais não cabe mais recurso, no Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo. Segundo o órgão, foram vistos desde casos de terceirização fraudulenta até a manutenção de trabalhadores em condições análogas a de escravos. “No mesmo período em que explodiu o número de ações individuais contra a empresa na Justiça trabalhista, a procuradoria percebeu, em demonstrativos financeiros e comunicados ao mercado da MRV, que a produtividade da empresa também explodiu”, diz o procurador.

    Para ele, a situação caracterizaria infração à ordem econômica porque a MRV passou de uma colocação discreta à 8ª no ranking das empresas do setor. “Uma empresa que tenha sucesso às custas dos direitos trabalhistas dos seus funcionários cria o risco de contaminar todo mercado”, afirma.

    O diretor de relações com investidores da MRV, Sérgio Lavarini, diz que a empresa não está auferindo ganhos financeiros ferindo direitos da concorrência. “Em nenhum momento a MRV deixou de comparecer em audiência trabalhista no Ministério Público ou em delegacia do trabalho. E nunca deixou de cumprir Termo de Ajustamento de Conduta, além de sempre honrar os direitos trabalhistas, inclusive em relação a empreiteiros contratados pela MRV que, por infortúnio, fecharam as portas”, afirma.

    O especialista em direito da concorrência, o advogado Pedro Dutra, do Pedro Dutra Advogados, afirma que se a empresa teve lucro e ações trabalhistas ao mesmo tempo, não há fundamento que justifique uma representação ao Cade. “É a infração decorrente do abuso de poder de mercado que leva a matéria ao Cade”, diz. ” Isso é matéria própria do âmbito trabalhista”, completa.

    Para a advogada Nadia Demoliner Lacerda, do escritório Mesquita Barros Advogado, esse é o primeiro caso de atuação pró-ativa para evitar que uma empresa mantenha prática trabalhista lesiva aos empregados. Segundo ela, a estratégia do MPT revela uma tendência que já se refletiu na Justiça do Trabalho quando juízes decidiram protestar títulos executivos, de sentenças trabalhistas, para impor às empresas o pagamento de dívidas trabalhistas.

    0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 10:30

      Estranho né?

      0
    • xyz 13 de março de 2012 at 11:00

      Este é o país onde todo agente público se acha no direito de fazer o que quer.

      Direitos trabalhistas se discute na Justiça do Trabalho, que tem todos os instrumentos necessários para fazer valer suas decisões.

      0
      • Leandro 13 de março de 2012 at 13:40

        Você que não entendeu, a MRV tem vários processos trabalhistas transitados e julgados, não cabendo recurso, ou seja divida, essa divida não esta lançada no balanço, ou seja o balanço representa a realidade, esta sendo distribuído lucros fictícios, e estão deixando as dividas para o futuro.
        O mas interessante dessa noticia é essa empresa possuir certidão positiva da Justiça Trabalhista, sem a CND essa empresa não pode trabalhar com o MCMV.

        0
        • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 14:47

          Leandro

          Muitissimo bem lembrado.

          0
        • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 14:48

          Leandro

          Muitissimo bem lembrado…

          0
    • Arbítrio 13 de março de 2012 at 11:36

      Há dois anos um casal “comprou minha casa, minha vida” na planta. O financiamento seria 100%. Foi pago R$3000,00 na assinatura do contrato. Após este período a casa não está pronta, mas a MRV está cobrando uma entrada de R$17.000,00, ou seja, isso não havia sido combinado. A casa, estava avaliada num valor de 75.000,00, agora, cobram 87.000,00. A MRV culpa a CEF. O casal já fez várias reclamações, mas nada foi resolvido. Decidiram cancelar o contrato, mas não sabe o quê fazer. Local: Valparaiso – GO.

      0
  • Rosye 13 de março de 2012 at 10:18

    OI, acompanho o blog desde o meio do ano passado, quando comecei a procurar aptos para comprar com meu marido e finalmente sair do aluguel. Nem preciso dizer que me apavorei com as condições do mercado, nem fazia ideia de quanto os preços estavam fora da realidade. Embora ele estivesse mais disposto a entrar num financiamento, eu bati o pé, pois o que nos era oferecido eram aptos minúsculos, ainda na planta, em áreas pouco valorizadas do Rio (com muitas favelas no entorno) e por preços absurdos. Eu tinha certeza que não se tratava de simples valorização, tava na cara que aquilo era bolha, fui pesquisar e achei o blog pra confirmar. Enfim, ficamos na nossa e até aceitamos um reajuste no nosso aluguel (após negociação, num valor abaixo do que o proprietário queria, mesmo assim, um pouco alto pro nosso orçamento, mas como já moramos lá há anos, o fator “preguiça de mudar” com a vontade de esperar pra comprar, ao invés de alugar outro, pesou na decisão). Qual não foi a surpresa por recebermos ontem um e-mail de um desses corretores com o seguinte conteúdo:

    “Prezado cliente,

    Retornaram à venda 10 unidades no XXXX, na Taquara, e 5 unidades no YYYY, no Cachambi.

    Havendo interesse em algum desses lançamentos, entre em contato com a maior brevidade possível.”

    Interpretem o “retornaram” da maneira que quiserem… hehehehehehe!

    0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 11:25

      Rosye,

      Parece que só vem a comfirmar o que notei semana passada. Devolução em massa para construtora.
      Basta seguir o gráfico de caracteristica de uma bolha. Na primeira reduzida vai ter gente comprando achando que esta fazendo um bom negócio mas depois deste periodo via ser CABUMMMMMMMMMMMM!

      Boa sorte!

      0
      • Rosye 13 de março de 2012 at 12:30

        Com as notícias ruins começando a pipocar na mídia, a porteira abriu e começou a debandada. Ponto pra nós, que tivemos paciência! Tô feliz! Vamos ver o quanto mais teremos que aguardar para pagar o justo, a minha entradinha continua na aplicação, esperando o momento de ser usada com seu devido valor… boa sorte pra todos nós!

        0
  • Davi 13 de março de 2012 at 10:29

    09:09 SERASA: INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR CAIU 0,9% EM FEVEREIRO

    São Paulo, 13 – O Indicador de Inadimplência do Consumidor, calculado pela Serasa Experian, registrou em fevereiro o terceiro recuo mensal consecutivo, com queda de 0,9% em comparação a janeiro. De acordo com a empresa, os juros altos, gastos extraordinários de início de ano (impostos e despesas escolares) e a crise internacional convenceram o consumidor a controlar seus gastos. Além disso, fevereiro foi um mês com menos dias úteis por conta do carnaval, o que colaborou para a queda dos registros de dívidas não pagas.

    Em relação a fevereiro de 2011, houve aumento de 18,3% no indicador de inadimplência. No acumulado dos dois primeiros meses do ano, ante o primeiro bimestre de 2011, a alta foi de 17,4%, o que, segundo a empresa, indica uma desaceleração da inadimplência em relação ao primeiro bimestre de 2011, cuja alta em relação ao mesmo período de 2010 havia sido de 25,4%.

    A inadimplência com bancos e com os cheques sem fundos puxou a queda em fevereiro. Enquanto o primeiro tipo de dívida, que representa 49,7% do indicador, recuou 1,5% ante janeiro, os cheques sem fundo – com peso de 10% – caíram 4,7%. Os títulos protestados apresentaram queda de 18%, mas esse item é responsável por apenas 1,4% da formação do indicador da Serasa Experian.

    A única alta verificada em fevereiro ocorreu nas dívidas não bancárias (cartões de crédito, lojas em geral e prestadoras de serviços), que têm peso de 39% no indicador. Esse item subiu 1,6% ante janeiro.

    Apesar da queda da inadimplência em fevereiro, o indicador apontou crescimento no valor médio de todos os quatro tipos de dívida. O maior aumento foi verificado no valor médio dos compromissos não bancários, que passaram de R$ 329,08 em fevereiro de 2011 para R$ 474,57 no mês passado, uma alta de 44,2%. Os cheques sem fundos pularam de R$ 1.265 para R$ 1.415,18 no período (11,9%), títulos protestados passaram de R$ 1.219,54 para R$ 1.301,97 (6,8%) e dívidas com bancos tiveram um leve aumento de R$ 1.289,14 para R$ 1.294,91 (0,4%). (Equipe AE)

    0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 10:46

      Xii, agora estou começando a ficar com medo. Será que vou ser demitido?
      Pelo menos não tenho dividas de 30 anos com imóveis ou carro. Vai dar para comer até as coisas voltarem ao normal.

      0
  • JohnnyRJ 13 de março de 2012 at 10:35

    Tenho percebido uma decaída no gráfico do zap imóveis em alguns bairros do RJ.
    Vai ter que cair muito ainda pra que eu volte a pensar em comprar um imóvel no Rio. Ainda não tenho imóvel, portanto diante dessa bolha decidi alugar um. Espero que muitos pensem dessa forma. Não caiam na ilusão de adquirir um imóvel agora com essa pequena queda. Precisamos dar um bom gelo neles!

    0
    • Ploc 13 de março de 2012 at 11:38

      Johnny,

      Hoje não me preocupo mais se alguém vai comprar ou não. Como disseram o viés é de queda. O mercado vai se regulando naturalmente.
      Particularmente prefiro que vá devagar para que não cause muito dano á economia.
      Quem tem contrato de aluguel, curta a viajem assistindo de camarote. E não se assuste se o proprietário aceitar ter o valor do aluguel revisto para baixo em breve.
      No momento que vejo uma placa de aluga-se e após algum tempo o proprietario só aceita venda é que o bicho pegou e ele quer se livra do mico.

      Abraços

      0
  • GB 13 de março de 2012 at 10:37

    Ei, não é que eu seja mão-de-vaca, os bancos têm que entender que eu tenho outras necessidades, não vou dar 1/3 dos meus rendimentos mês após mês só para pagar esses juros, taxas e seguros abusivos, também preciso gastar com itens de 1ª necessidade, como jogos, mulheres e bebidas.

    0
  • Simon 13 de março de 2012 at 11:24

    Matéria direcionada aos inestiTOLOS recém-publicada na exame…

    http: // exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/imovel-em-area-nobre-nao-cabera-no-bolso-da-classe-media?page=3&slug_name=imovel-em-area-nobre-nao-cabera-no-bolso-da-classe-media

    0
  • observador-brasil 13 de março de 2012 at 11:26

    O CRÉDITO AUMENTOU E O CALOTE TAMBÉM !

    acho interessante esta reportagem pq demonstra o comportamento do consumidor brasileiro, se em dias de vacas gordas está assim imagina numa eventual crise?

    Inadimplência do consumidor sobe 18,3% em fevereiro, diz Serasa

    O Indicador de Inadimplência do Consumidor, calculado pela Serasa Experian, registrou em fevereiro o terceiro recuo mensal consecutivo, com queda de 0,9% em comparação a janeiro. De acordo com a empresa, os juros altos, gastos extraordinários de início de ano (impostos e despesas escolares) e a crise internacional convenceram o consumidor a controlar seus gastos. Além disso, fevereiro foi um mês com menos dias úteis por conta do carnaval, o que colaborou para a queda dos registros de dívidas não pagas.

    Em relação a fevereiro de 2011, houve aumento de 18,3% no indicador de inadimplência. No acumulado dos dois primeiros meses do ano, ante o primeiro bimestre de 2011, a alta foi de 17 4%, o que, segundo a empresa, indica uma desaceleração da inadimplência em relação ao primeiro bimestre de 2011, cuja alta em relação ao mesmo período de 2010 havia sido de 25,4%

    A inadimplência com bancos e com os cheques sem fundos puxou a queda em fevereiro. Enquanto o primeiro tipo de dívida, que representa 49,7% do indicador, recuou 1,5% ante janeiro, os cheques sem fundo – com peso de 10% – caíram 4,7%. Os títulos protestados apresentaram queda de 18%, mas esse item é responsável por apenas 1,4% da formação do indicador da Serasa Experian.

    prestadoras de serviços), que têm peso de 39% no indicador. Esse item subiu 1 6% ante janeiro.

    Apesar da queda da inadimplência em fevereiro, o indicador apontou crescimento no valor médio de todos os quatro tipos de dívida. O maior aumento foi verificado no valor médio dos compromissos não bancários, que passaram de R$ 329,08 em fevereiro de 2011 para R$ 474,57 no mês passado, uma alta de 44 2%. Os cheques sem fundos pularam de R$ 1.265 para R$ 1.415,18 no período (11,9%), títulos protestados passaram de R$ 1.219,54 para R$ 1.301,97 (6,8%) e dívidas com bancos tiveram um leve aumento de R$ 1.289,14 para R$ 1.294,91 (0,4%).

    FONTE: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2012/03/13/internas_economia,283116/inadimplencia-do-consumidor-sobe-18-3-em-fevereiro-diz-serasa.shtml

    0
  • Carlos_ 13 de março de 2012 at 11:30

    Lucro da Even cai 30% no 4º tri; vendas recuam no ano

    SÃO PAULO, 13 Mar (Reuters) – A Even apurou uma queda de 30 por cento no lucro líquido do quarto trimestre, para 47,4 milhões de reais, conforme dados divulgados na noite de segunda-feira, afetada pelo descompasso entre vendas e lançamentos no período.

    Nos três meses até dezembro, a geração de caixa operacional da construtora e incorporadora, medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), somou 97,5 milhões de reais, 18,5 por cento inferior ao valor visto um ano antes, enquanto a margem caiu de 21,1 para 17,7 por cento.

    O resultado veio com volume de lançamentos uma vez e meia superior ao de vendas. No trimestre, enquanto os lançamentos quase triplicaram na comparação anual, para 701,4 milhões de reais, as vendas cresceram 9,6 por cento, a 477,9 milhões de reais.

    Os números consideram apenas a parcela da Even nos empreendimentos, sem a participação de parceiros.

    Diante deste cenário, a receita líquida da empresa foi 3,1 por cento menor entre outubro e dezembro, somando 550,8 milhões de reais.

    No fechado de 2011, a receita também recuou, em 2,4 por cento, para 1,908 bilhão de reais, com as vendas caindo 21,4 por cento, a 1,6 bilhão de reais. Já os lançamentos foram 35,5 por cento maiores, em 2,1 bilhões de reais.

    Também no fechado do ano, o lucro líquido cedeu 10,4 por cento, totalizando 226,1 milhões de reais, enquanto o Ebitda atingiu 359 milhões de reais, 12,4 por cento inferior ante 2010.

    A Even encerrou dezembro com estoque equivalente a 1,348 bilhão de reais. Já o banco de terrenos da companhia possuía potencial para lançamentos de cerca de 6,1 bilhões de reais.

    A empresa informou ainda que, em reunião realizada em 9 de março, seu conselho de administração aprovou aumento do limite de opções de compra em 579.563 ações ordinárias da companhia.

    (Por Vivian Pereira)

    Responder

    0
    • Carlos_ 13 de março de 2012 at 12:59

      Destaco:

      “O resultado veio com volume de lançamentos uma vez e meia superior ao de vendas”

      0
      • Etmso 13 de março de 2012 at 14:36

        Atento a um item:

        “…Já o banco de terrenos da companhia possuía potencial para lançamentos de cerca de 6,1 bilhões de reais…”

        Estas construtoras juntas, tem todos os terrenos disponiveis e imaginaveis para construção de empreendimentos, raparam tudo.

        Além do estoque de imóveis eles tem o estoque de terreno, que pagaram preço alto. O estoque tá alto, muito alto, e nada de efetivamente abaixar o preço. Isto que eu acho muito estranho, já era hora de abaixar, mas isto poderia desencadear uma crise em cadeia. Por isto ele seguram tanto o preço no alto, dando estes falsos descontos.

        0
  • João Paulo da Silva Simões (Contagem - MG) 13 de março de 2012 at 11:32
  • Ania 13 de março de 2012 at 11:38

    E vcs viram que no Jornal da Globo eles usaram “aumento populacional” como argumento para o aumento dos preços? Achei meio picareta. O que vcs acham? Será que estavam se referindo aos que nasceram nas décadas de 70 e 80 e agora estão querendo casa própria? Não entendi… Alguém pode me dizer o que acha?

    0
    • Oliveira 13 de março de 2012 at 11:49

      Ania, não é só este fator dos nascidos nas décadas de 70 e 80 que provoca aumento de demanda por imóveis.

      O nascimento do 1o filho também ajuda… 🙂

      0
  • NoCash 13 de março de 2012 at 12:07

    E ai? Existe alguem alem do FQ que comenta o meu post?
    Abs

    0
    • Carlos Wagner 13 de março de 2012 at 13:44

      Mais do mesmo, perda de tempo e de inteligencia. Leia o blog e deixe de ser preguiçoso…

      Voce esta no lugar errado…

      0
      • NoCash 13 de março de 2012 at 13:55

        Devo estar mesmo…pra ler um post vazio como o teu ,devo estar.

        0
        • Luiz 13 de março de 2012 at 14:13

          vc só falou merda
          nem o fipezap sustenta as suas sandices

          0
  • Bolhudo 13 de março de 2012 at 13:34

    Economia global piora neste ano, inclusive para emergentes, diz Mantega

    A crise na economia mundial vai piorar neste ano, afetando também os países emergentes, o que inclui o Brasil, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele participa nesta terça-feira (13) de uma audiência no Senado para falar de economia brasileira e mundial.

    “A má notícia é que a economia mundial vai desacelerar neste ano. Apesar de todas as medidas na Europa, como o socorro à Grécia, vai haver essa piora. Não só nos países desenvolvidos, mas os emergentes também serão afetados”, afirmou Mantega. “Mesmo países como China e Índia, que, em geral são pouco afetados pelos problemas internacionais, também irão desacelerar.”

    Para o ministro, no entanto, o Brasil tem como enfrentar a piora da situação. “O Brasil sai fortalecido de 2011, com condições de enfrentar essa crise de 2012.
    Mas para isso precisa ação muuito forte do governo, do Congresso, de empresários e de todos os cidadãos brasileiros.”

    Mantega afirma que o país precisará de investimentos em infraesttuura para poder transportar com mais eficiência suas mercadorias destinadas à exportação. “Nossas exportações são cada vez maiores. Isso significa necessidade de portos, ferrovias, estradas. Temos de reduzir os custos dessa logítica, para nossas empresas serem competitivas no exterior. E temos de reduzir custos de energia também.”

    O ministro também afirmou que o consumo tem de continuar a ser estimulado. “Outro desafio importante é que o Brasil continue mantendo o mercado consumidor dinâmico.”

    Ele disse que os imóveis tiveram um papel importante na economia nacional. “O que mais cresceu foi o financiamento habitacional. Significa que a população já esta consumindo alimentos, bens de consumo, carro, geladeira e tv. E agora, esta consumindo a casa própria.”

    0
  • Vinícius 13 de março de 2012 at 14:02

    Contagem regressiva para aumentarem o limite do SFH…

    0
  • Pedro 13 de março de 2012 at 14:30

    Pelos comentários aqui, vejo que há muito “wishfull thinking” por parte dos comentaristas, contudo a realidade aponta em outra direção.

    Todos nós queremos que os preços dos imóveis se retraiam até um valor razoável, mas pelo que vejo o motor principal para esta alta absurda é um mercado que ficou muitos anos estagnado somado à um aumento na demanda (facilidade de crédito) com uma oferta limitada de imóveis, principalmente na ZS onde não há espaço para construir.

    No meu ver, haverá mais uma freada nos preços, com eventuais pequenas baixas. Falar em bolha é exagero.

    0
    • FQ 13 de março de 2012 at 15:54

      “wishfull thinking”?

      Com o mercado derretendo na nossa frente?

      As construtoras despencando na Bolsa, imobiliárias paradas, lançamentos encalhados, vendas voltando aos patamares de 2005, todo mundo assustado com os preços, todo mundo saindo do mercado por falta de dinheiro, em qualquer mesa de qualquer bar só se fala na Bolha, inadimplência subindo, economia retraindo…

      Quem estar no “wishfull thinking” ?

      0
    • Luiz 13 de março de 2012 at 16:04

      hahaha, esse aí parece que ficou congelado 6 meses e só acordou agora

      wishfull coisa nenhuma, destrinchamos todos os numeros, indices e indicadores
      A queda é eminente.

      Pedro, pelo menos vc admite que vai baixar um pouquinho, outros corretores vinham nos visitar prometendo que os preços iam triplicar, e foi nessa esperança que a Bolha se formou.
      Seu comentário é só mais um hopefull thinking

      0
  • Mineiro BH 13 de março de 2012 at 15:41

    Só faltou falar da bolha…

    Posto em homenagem ao ótimo post do Amadeos de Sampa (12/03, 19h37)

    —————————————

    Vinicius Torres Freire

    Dilma sem economia

    O que sobra do governo da presidente além da sua meta de fazer o país crescer mais de 4% neste ano?
    COM QUANTAS palavras se faz um governo? Qual meia dúzia de palavras definiria o governo Dilma Rousseff até aqui? PIB, câmbio, juros, PAC, gestão, ministros enrolados, broncas, trem-bala, aborto?

    Quais dessas palavras representam um projeto da presidente? Se riscarmos do caderninho o palavrório econômico, o que sobra?

    A última pergunta é meio injusta, decerto. Governar é dar ao menos a aparência de que o governo faz algo pela renda do cidadão. Trata-se do senso comum político-eleitoral e de curto prazo.

    Mas mesmo o mínimo denominador comum (MDC) dos governos do mundo moderno (exclui teocracias, ditaduras etc.) vai além do objetivo de “aumentar a renda” (crescimento econômico sem piora da distribuição). Melhor dizer que o MDC dos governos mais prestantes envolve a ideia de bem-estar material e de provimento de oportunidades mais igualitárias.

    Nessa versão ampliada, mas ainda realisticamente medíocre do “bom governo”, o que Dilma nos propõe? O “Brasil sem Miséria”, o plano de auxiliar os miseráveis fora da rede do Bolsa Família, basicamente. O plano de mandar uns milhares de jovens estudar no exterior e o de fazer mais escolas técnicas, ambos ainda quase no papel apenas.

    Não sabemos o que Dilma (seu governo) pensa do que as crianças devem aprender na escola, provavelmente um dos três assuntos mais importantes do país. Sim, educação básica é tarefa de Estados e municípios. Mas, se a presidente está fora do debate ou da coordenação de um assunto tão essencial, o que mais ela está fazendo? O trem-bala? “Gestão” (cobrar minudências cotidianas da construção da obra x ou y ou z)?

    O que Dilma pensa da universidade? Sim, as universidades são autônomas, as paulistas em particular, para não dizer quase soberanas, o que é um problema -universidades públicas têm de prestar contas. Não sabemos se Dilma se importa com a sonolência esplêndida e burocrática do sistema universitário, se tem projeto para isso que é o centro das nossas ditas “sociedade do conhecimento”.

    Quanto à política politiqueira, parlamentar, Dilma é só uma aprendiz esforçada das caminhadas nesse pantanal. Se não se perder numa crise feia, já estará no lucro. Além do mais, é uma presidente que viu mais de meia dúzia de ministros cair de podre e tanto apodrecer no pé.

    No mais, Dilma não propõe reforma administrativa ou política do Estado. Assiste de longe às querelas do Judiciário. Nem se animou a tocar nem um dedo na imensa teia plena de moscas-mortas que é a administração pública.

    Barroca, balofa, inadministrável, com milhares de fundações, superintendências, estatais, feudos de rapina, ONGs grudadas como cracas, a coisa pública federal foge do controle até do terceiro escalão, que dirá do presidente. A máquina pública conspira tanto contra o governo quanto contra o cidadão e contra a economia privada.

    O que Dilma propôs para faxinar e azeitar o SUS? Espera que todos tenham planos de saúde privado (vários tão fracos e lotados como o SUS, ou então carésimos)? Do tamanho e uso das Forças Armadas?

    O espaço é curto para tantas mais perguntas. Mas parece que a imaginação no poder também o é.

    [email protected]

    0
  • Patrícia 16 de março de 2012 at 02:55

    Há todos os indicativos de que os preços de imóveis vão começar a cair. O Jornal Nacional de 15/03 anunciou que para que continuem em alta as vendas no mercado imobiliário serão necessários cada vez mais recursos da poupança, mas os depósitos não estão crescendo no mesmo ritmo. Vejam a reportagem:
    http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/03/de-cada-100-imoveis-financiados-60-recebem-recursos-da-poupanca.html

    0