DCI: Valor dos aluguéis confirma Bolha – Observador do Mercado

Você pode gostar...

Comments
  • Jack Imóveis 10 de fevereiro de 2012 at 16:48

    Caros,

    Como eu sempre disse. Cada vez mais ouviremos os gritos de “O Rei está Nu!”

    Pena que o blog está contaminado.

    Abraços

    Jack – Cadê o Baratox?

    0
    • Bolha Imobiliária 10 de fevereiro de 2012 at 17:34

      Manda pelo formulario de contato quem vc acha que contamina, que dai faço um arrastão

      0
      • Jack Imóveis 10 de fevereiro de 2012 at 18:00

        Caro Bolha,

        A lista é curta, já enviei. Não perca tempo nos posts anteriores e guarde para o futuro.

        Abraços

        Jack – Censor

        0
      • Anonymous 10 de fevereiro de 2012 at 20:03

        E depois tem gente que implica que uso o termo Banânia. Po, já vai ter até ARRASTÃO no BLOG.

        0
  • RPL 10 de fevereiro de 2012 at 17:03

    Na minha opinião:

    1) Existe Bolha? Sim existe.
    2) Quando estoura? O ápice já passou e agora as pessoas estão se dando conta de que “não dá mais pra ganhar dinheiro flipando apartamento na planta” – Ou seja, já estourou.

    0
    • Carlos Wagner 10 de fevereiro de 2012 at 18:33

      Concordo!

      Agora é ladeira abaixo e descer a ladeira levará o mesmo tempo que levou para subir.

      Mas em resumo, o ápice já passou!

      0
      • Annibal 10 de fevereiro de 2012 at 20:19

        acho q não vai levar o mesmo tempo q subiu pra descer… o movimento de queda é sempre mais rápido do que o de subida (é o pânico das sardinhas q apostaram todas as economias no mercado) olha que aqui a subida foi veloz….

        0
        • Júlio Cesar 11 de fevereiro de 2012 at 00:58

          Acho muito engraçado o termo “sardinha”. As vezes passo em frente daques imóveis encalhados e me lembro deste termo que ouvi aqui. kkk

          0
        • Roberto Cesar 11 de fevereiro de 2012 at 06:18

          O estouro da bolha tende a ser rápido pois tudo mundo quer sair ao mesmo tempo. O fundo do poço normalmente é abaixo do nível quando a bolha começou a decolar. No entanto, as intervenções do governo tentando “salvar” o mercado pode estender essa queda. Vide o exemplo dos EUA onde os preços estão caindo a quase 5 anos, e o Japão, onde os preços estão caindo a mais de 20 anos.

          0
          • Cleyton 11 de fevereiro de 2012 at 10:04

            Roberto, eu acho que a perda de confiança no “investimento” seria um motivo mais sólido do que o desejo de sair na alta, fazendo um paralelo com os “micos” da bolsa, uma empresa ruim e sem fundamentos tem altas sucessivas pela perspectiva de lucro fácil, normalmente depois de um certo nível de queda o pessoal desiste dela, e claro, ela não atinge o topo imaginado porque os ditos tubarões saem um pouco antes.

            Imagino que a convicção de que imóvel não cai de preço seja o principal motor da dessa bolha, se esse paradigma for quebrado teremos uma situação nova e bem diferente, que no entanto ocorre diariamente nas bolsas pelo mundo a fora.

            0
            • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 14:22

              Esse paradigma será quebrado pelos desesperados que não conseguirão vender OU tomar um empréstimo OU ainda alugar para pagar o empréstimo pois o aluguel não vai cobrir o valor das prestações. Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega. No Brasil não vai ser diferente e vai levar décadas para se recupera, assim como Japão e EUA que está no quinto ano da recuperação como lembrado pelo Roberto Cesar. Vamos ter saudades dos poucos esqueletos deixados pela ENCOL.

              0
            • Roberto Cesar 12 de fevereiro de 2012 at 18:27

              Oi Clayton,

              Concordo com você. A motivação maior pra sair da bolha é o pânico e não a realização de lucros, já que a grande maioria dos que promovem a bolha são os oportunistas que vão com a manada e não entendem nada de mercado.

              0
        • alexNY68 13 de fevereiro de 2012 at 10:43

          Concordo

          0
      • Carlos Wagner 11 de fevereiro de 2012 at 13:32

        Quando eu disse que o tempo de queda pode levar o mesmo que o tempo da subida, é baseado no que houve em outros países que enfrentaram o estouro da bolha, como bem mencionado pelo colega Roberto Cesar.

        Acredito que a ladeira dos preços será descida em aproximadamente 2,5 a 3 anos, tempo que levou a nossa euforia. Isso justifica-se pelo fato dos repiques costumeiros que ocorrem nesse processo: muitos achando que os preços dos imoveis cairam a niveis justos, entram no mercado, pois uma queda de aproximandamente 20% recoloca grande quantidade de potenciis compradores no jogo novamente. Após o repique, os preços tenderão a cair mais para que outros tantos potenciais compradores possam jogar e assim sucessivamente…

        Acredito que o ápice ja passou e a bolha ja estourou pelo simples motivo de que investimento em imoveis não é mais sinonimo de ganhos de capital. O que está faltando é apenas o fator desencadeante do panico que leve ao efeito manada. Ai sim vai ficar devertido!!!

        0
        • Roberto Cesar 12 de fevereiro de 2012 at 18:30

          O próprio Bernanke já admitiu que imóvel não é um investimento seguro:

          rcesar.net/2012/02/bernanke-diz-que-mercado-imobiliario-nao-pode-mais-ser-visto-como-um-investimento-seguro/

          0
          • Carlos Wagner 12 de fevereiro de 2012 at 18:57

            Já visitei seu blog e li a materia….Não precisa nenhum Bernake vir a publico dizer isso para sabermos que imovel não é seguro, como qualquer outro investimento. A sua vinda só confirma o que poucos sabem e o que a maioria não deseja ouvir…hehe

            De uns anos pra cá, parece-me que a população dos mais variados países, principalmente do primeiro mundo, tornaram-se idiotas da noite para o dia. A economia mundial está sendo regida por incompetentes que insistem em tomar apenas medidas politicas quando a solução para os problemas devem partir de medidas tecnicas. As flutuações financeiras ocorrem basicamente porque alguns personagem aparecem na TV e dizem baboseiras sem fundamento e todos acreditam.

            Essa manipulação excessiva pode levar países a falencia somente por causa da especulação.

            0
  • Joab 10 de fevereiro de 2012 at 17:11

    A bolha está eminente. Conjugado no leblon de 26m2 por 660 mil é uma afronta a minha inteligência.

    0
    • Diego RJ 10 de fevereiro de 2012 at 17:18

      Este valor só chegou neste preco porque alguém comprou por 300, vendeu por 350, aí outro vendeu por 400, depois outro por 500. Acho que muito da alta dos imóveis é baseado no sistema de pirâmide e expectativa de vender mais caro “sempre”. No entanto, os valores devem retornar a patamares compatíveis com a renda apenas lá por 2014 ou mais, acredito eu. Isto deve-se ao fato de que o ciclo de alta/baixa dos imóveis não ser tão rápido quanto mercado de açoes, por exemplo. Além disso, o governo já declarou que moradia é prioridade, o que quer dizer que continua intervindo no mercado de imóveis.

      0
      • Carlos_ 10 de fevereiro de 2012 at 17:38

        Acho que os apartamentos nesse perfil não estão sendo vendidos e revendidos. É pura especulação do dono, que coloca a venda por um preço absurdo, se colar colou.

        0
      • RPL 10 de fevereiro de 2012 at 17:39

        Diego,

        Eu acho que a brincadeira parou quando alguém comprou por 280K…

        Daí, o vizinho achou que podia pedir 350K e o vizinho do andar de cima achou que podia pedir 400K porque era um andar mais alto… Daí, o vizinho do último andar pediu 500K porque tinha azulejos novos…

        E dai, estão pedindo 650K sendo que jamais foi vendido alguma coisa por mais de 280K no prédio… Simples assim….

        0
        • Pensativo 10 de fevereiro de 2012 at 19:51

          Vendo Fuscão 69 preto. Pneus carecas e estofamento precisando de reparos.
          Raridade no mercado, pois não há mais como construir, ops!!!, digo: fabricar.
          Valor: R$ 190,000.00
          Obs: preço pode ser reajustado sem aviso prévio.

          0
          • RPL 10 de fevereiro de 2012 at 20:03

            Pensativo,

            Se eu falar que pago os R$ 190.000,00 você aumenta o valor para R$ 220.000,00?

            Sabe como é, se todo Porsche é um Fusca e todo Fusca é um Porsche, e se existem Porsches sendo vendidos por 1,5 milhão, por que seu fusca não pode valer 220K?

            Esse é o pensamento do “Investidor Bolhudo” ao comprar um imóvel em Diadema e comparar com Mônaco…

            0
            • Júlio Cesar 11 de fevereiro de 2012 at 01:13

              Acho que vou comprar este fusca, mas vou vender ele por 280 mil. E já vou anunciar esta raridade, pois como este há poucos: localização privilegiada dos pedais, espaço interno aconchegante, excelente para ser usado no barro. Oportunidade Única!

              0
              • Moacir 13 de fevereiro de 2012 at 16:34

                Sem contar que a Copa do Mundo e as Olimpíadas estão aí! Turistas do mundo todo vão querer dar uma volta nesse Fusca. Vai ser possível alugá-lo por R$ 20.000,00 a diária, pois o mundo todo sonha em andar num fusca velho durante a copa…

                0
                • Avoador 14 de fevereiro de 2012 at 09:08

                  kkkkkkkkk é por isso e outras que sou fã deste site…rs

                  Igualzinho ao corretor, sempre tenta mostrar “vantagens” onde não existem.

                  0
        • RFR 15 de fevereiro de 2012 at 16:19

          O detalhe é que os dados utilizados se baseiam nos preços dos anúncios e não dos negócios realizados. Os mesmos imóveis são anunciados por diversas imobiliárias pela facilidade da internet com os preços sempre mais elevados para criar a sensação de aquecimento e inflar os resultados estatísticos, divulgados em seus sites. Um único dado chega a ser contado mais de 10 vezes, numa amostra estatística. Outra coisa, os imóveis estão quase sempre ocupados, e aquela família simplesmente quer se desfazer de seu único imóvel e passar para outro melhor, com a venda e a compra financiada já engatilhada, senão vai dormir na rua.

          0
    • Cirilo 10 de fevereiro de 2012 at 19:31

      Incrível isso, e o pior que nem são apartamentos novos, normalmente estão em construções dos anos 80, totalmente depreciados e com um condomínio bastante elevado, já que a manutenção consome muito dinheiro.

      Gostaria realmente de ter a oportunidade de conversar com o sujeito que deseja vender um imóvel como esse, para saber como iriam tentar justificar esses preços.

      0
    • FQ 11 de fevereiro de 2012 at 18:39

      Não existe lastro para estes preços. Todo preço precisa de um lastro, uma riqueza, conforto ou retorno qualquer que justifique o preço. Nestes atuais apartamentos não existe riqueza ou conforto gerado ou possível de ser gerado que precifiquem estes valores.

      Quando não encalhados, estes apartamentos são vendidos para suposto “investidores” que compram na expectativa pura e irracional de revender mais caro, como se tivessem descoberto uma máquina perpétua de lucro e valorização.

      O mercado real acabou faz tempo, resta apenas desavisados, amadores e investidores jogando entre si.

      O possível cliente real, o velho e conhecido morador, já está fora do jogo…

      0
  • Pepper 10 de fevereiro de 2012 at 17:44

    Acho que os preços podem até começar a cair já, mas lentamente, não como o tombo que gostaríamos. Boas oportunidades podem aparecer, mas ainda terão que ser garimpadas. Praticamente nenhum vendedor quer aceitar que, a partir de agora, vai lucrar menos do que já sonhava (e que não é aquele milionário que imaginava) – e a falta de dados confiáveis sobre os valores efetivos e dos poucos negócios realizados ultimamente só piora esse cenário.
    Tivéssemos dados oficiais sobre a quantidade e o valor dessas operações, seria quase “preto no branco”: as vendas travaram, o mercado estagnou e não aceita mais pagar preços absurdamente altos. Mas do jeito que estamos (aqui no RJ não conheço nenhum índice sério, só FipeZap, que é uma piada) ainda vão permanecer por um bom tempo as ideias teimosas tipo “ouvi dizer que um vizinho vendeu por $$$$$ e eu não aceito menos que isso porque imóvel sempre sobe”.

    0
    • Diego RJ 10 de fevereiro de 2012 at 17:50

      É isso mesmo! Concordo. Quem quiser comprar mesmo, tem que garimpar muito e negociar bem.

      0
      • Ana 10 de fevereiro de 2012 at 17:59

        Na minha opinião, quem quiser comprar mesmo e para morar, não deve comprar agora, pois irá amargar uma vida de sacrifício durante longos anos e ainda reclamando que poderia ter esperado mais para comprar num preço melhor.

        Alguns anos atrás, realmente, muita gente comprou rápido pq sabia que iria aumentar. Mas agora, os preços ultrapassaram e muito o limite da renda dos consumidores e a queda é iminente.

        0
        • Rodrigo 10 de fevereiro de 2012 at 18:13

          Ana,

          Mas se ninguém comprar, mesmo que seja para morar para não se sacrificar durante longos anos, haverá grande procura por imóveis alugados e o valor dos alugueis subirá.

          0
          • Carlos Wagner 10 de fevereiro de 2012 at 18:43

            A escassez de imoveis para aluguel está ocorrendo exatamente neste momento, quando todos querem vender e estão expulsando seus inquilinos. Mesmo com a oferta baixa para aluguel, os preços praticados, apensar de altos, ainda estão ao alcance das pessoas.

            Com a enrega de milhares de aptos, vendas travadas e imoveis fechados, haverá uma avalanche em oferta para aluguel e o preço cairá.

            A procura por aluguel sempre aconteceu e nem por isso os preços explodiram, nem mesmo com a redução da oferta justamente porque sabe-se que a renda de quem procura esse mercado nao comporta.

            A ideia de que quem não comprar esperando a baixa de preços pós estouro da bolha imobiliaria vai inflacionar o mercado de alugueis é equivocada justamente porque essas pessoas, hoje, estão morando em algum lugar e os imoveis ocupados por locadores continuarão nas mesmas proporções futuramente, o que aumentará será a quantidade de imoveis com a finalidade locação.

            0
    • Anonymous 10 de fevereiro de 2012 at 20:07

      Nem tanto, pois teremos muitos desesperados para repassar o financiamento. Acho que a plavra de ordem será REPASSO.

      0
      • Annibal 10 de fevereiro de 2012 at 20:24

        Concordo, acho q o problema vai ser q não adianta vc deixar anunciado por um preço bolhudo, pois se o seu vizinho estiver com a corda no pescoço (e vai ter mta gente assim) vc vai baixar o preço por analogia…. da mesma forma q subiu por causa do seu vizinho…. é o efeito manada…

        0
      • Cirilo 10 de fevereiro de 2012 at 21:03

        Realmente, tentarão repassar, mas para isso vão acabar tendo que reduzir os preços, já que a oferta será grande!

        0
  • Elias 10 de fevereiro de 2012 at 18:05

    Alguém havia comentado que não dá pra saber o quanto dos novos empreendimentos a serem entregues estão na mão de pessoas que querem morar e quantos estão com especuladores.

    Infelizmente, não há dados confiáveis, mas lembro muito bem de uma matéria que li há algusns meses no jornal “o Estado de São Paulo” ou “Folha de São Paulo”, em que uma incorporadora assumiu que mais de 70% das vendas eram para “investidores”. Tratava-se de empreendimentos mistos, aqueles em que há um prédio residencial e outro comercial no mesmo empreendimento.

    Se esse for o percentual da maioria dos empreendimentos a serem entregues até 2013, imagina o “pega pra capar” que vai ser nas chaves.

    Estou tranquilamente, sem dívida, esperando a nova classe média e os novos ricos comprarem todos estes apartamentos pra revenda. haha Vai ser lindo!

    Mas primeiro tem que pagar o cartão de crédito:

    Inadimplência sobe puxada por cartões
    Autor(es): » VICTOR MARTINS
    Correio Braziliense – 10/02/2012

    (…)
    Dados da consultoria de crédito e risco Serasa Experian também mostram inadimplência do cartão de crédito em ritmo de alta — houve crescimento de 3,5% em janeiro, frente a dezembro passado. O valor médio dessas dívidas não pagas, em decorrência dos juros e do alto endividamento do brasileiro, também se expandiu, passou de R$ 396,77 em janeiro de 2011 para R$ 657,92 em igual mês deste ano — um incremento de 65,8%.
    (…)

    Concessão mensal do crédito rotativo do cartão cresce 825% em 10 anos

    Meses – Liberação de recursos

    Dez/02 – 2,4
    Dez/03 – 2,9
    Dez/04 – 3,8
    Dez/05 – 7,1
    Dez/06 – 7,5
    Dez/07 – 8,7
    Dez/08 – 12,4
    Dez/09 – 15,0
    Dez/10 – 17,9
    Dez/11 – 22,2

    h ttps://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/2/10/inadimplencia-sobe-puxada-por-cartoes

    0
    • Mineiro BH 10 de fevereiro de 2012 at 18:59

      Com esse dado eu assustei, pessoal:

      O valor médio dessas dívidas não pagas, em decorrência dos juros e do alto endividamento do brasileiro, também se expandiu, passou de R$ 396,77 em janeiro de 2011 para R$ 657,92 em igual mês deste ano — um incremento de 65,8%.

      0
  • RAFAEL 10 de fevereiro de 2012 at 18:53

    Amigos,

    Comento muito pouco aqui também, mas reparei em uma coisa:

    A mega valorização que estão falando de Copa e etc incêndiou o mercado até o ano passado, mas agora não da mais, digo isso pq tem um empreendimento à 5 minutos do Maracanã e esta na faixa de R$ 240.000,00. Ta anunciando há mais de 4 meses e ainda tem várias unidades, só olhar no ZAP.

    Como pode ter um empreendimento com um “valor baixo” em uma área que receberá muitos investimento? É perto do Centro, 5 minutos à pé do Maracanã.

    Os apartamentos têm cerca de 60 mts2.

    Abcs

    0
    • Pedro 10 de fevereiro de 2012 at 21:42

      Se for aquele prédio que estão construindo no final da Marechal Rondon, 4000 reais/m2 ainda tá caro… não tem nenhum comércio perto e ainda corre o risco de ter uma bela “vista” pra Mangueira.

      0
    • Paulo - RJ 11 de fevereiro de 2012 at 01:08

      Se for o Mais Maracanã, está pessimamente localizado. dá para chegar no Maracanã em 5 minutos, se você não for assaltado no caminho.

      0
  • Cleyton 10 de fevereiro de 2012 at 18:58

    O texto é no mínimo infantil, parece feito por alguém que nasceu ontem.

    “O preço dos aluguéis, tanto residenciais quanto comerciais, não acompanhou a valorização dos imóveis”

    Que valorização? Pra mim valorização é quando algo sobe de valor, não de preço, quando a carne sobe 14% não dizemos que teve valorização.

    “o retorno mensal médio da locação era de…”

    Retorno mensal? Tipo aplicação? Imóvel foi muito utilizado como reserva de valor, então não deveria ter nada mais que a correção da perda do poder de compra da moeda, e olha lá.

    “Os aluguéis sempre foram baseados em percentual em relação ao preço de comercialização”

    E isso baseado em quê? Não passa da mesma bobagem de dizer que não caem de preço.

    Mesmo disfarçando os reais motivos no fim essa “conclusão” de que tem bolha é aquela típica coçada na cabeça de quem não sabe direito o que está acontecendo, vou dizer o que está acontecendo: PLOC

    0
  • Ze Bom Dirolo 10 de fevereiro de 2012 at 19:08

    Imaginemos um muro bem alto separando o mundo externo e uma caverna. Na caverna existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior. No interior da caverna permanecem seres humanos, que nasceram e cresceram ali.

    Ficam de costas para a entrada, acorrentados, sem poder mover-se, forçados a olhar somente a parede do fundo da caverna, onde são projetadas sombras de outros homens que, além do muro, mantêm acesa uma fogueira. Pelas paredes da caverna também ecoam os sons que vêm de fora, de modo que os prisioneiros, associando-os, com certa razão, às sombras, pensam ser eles as falas das mesmas. Desse modo, os prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade.

    Imagine que um dos prisioneiros consiga se libertar e, aos poucos, vá se movendo e avance na direção do muro e o escale, enfrentando com dificuldade os obstáculos que encontre e saia da caverna, descobrindo não apenas que as sombras eram feitas por homens como eles, e mais além todo o mundo e a natureza.

    Caso ele decida voltar à caverna para revelar aos seus antigos companheiros a situação extremamente enganosa em que se encontram, correrá, segundo Platão, sérios riscos – desde o simples ser ignorado até, caso consigam, ser agarrado e morto por eles, que o tomaram por louco e inventor de mentiras.

    Platão não buscava as verdadeiras essências na simplesmente Phýsis, como buscavam Demócrito e seus seguidores. Sob a influência de Sócrates, ele buscava a essência das coisas para além do mundo sensível. E o personagem da caverna, que acaso se liberte, como Sócrates correria o risco de ser morto por expressar seu pensamento e querer mostrar um mundo totalmente diferente.

    Mito da Caverna
    Platão

    0
    • xangai 10 de fevereiro de 2012 at 19:53

      liked it !

      0
    • Carlos Wagner 11 de fevereiro de 2012 at 13:42

      O Mito da Cverna de Platão – Muito bom!

      Eu ja conhecia. Ironicamente, muitos especuladores quando confrontados com esses argumentos de platão para evidenciar suas visões miopes da situação atual do mercado imobiliario, utilizam-se de outra parábola: Águia ou Galinha, para justificar que são visionários e que os pro-bolha são galinhas medrosas…

      Curioso neh!

      0
  • veigalex 10 de fevereiro de 2012 at 19:23

    A culpa é da azeitona na Grécia

    Em semana negativa para imobiliárias, ações da Rossi lideram perdas do Ibovespa

    w w w.infomoney.com.br/rossiresid/noticia/2339563-semana+negativa+para+imobiliarias+acoes+rossi+lideram+perdas+ibovespa

    SÃO PAULO – As ações da Rossi Residencial (RSID3) lideraram as perdas da carteira teórica do Ibovespa na semana, apontando recuo de 7,97% e fechando cotadas a R$ 9,93. Já o benchmark da bolsa brasileira obteve queda de 1,87% no período entre os dias 6 e 10 de janeiro, chegando aos 63.997 pontos.

    O ativo RSID3 figurou entre as cinco maiores desvalorizações do principal índice da BM&FBovespa em dois pregões nesta semana, ficando com a terceira maior queda na segunda-feira (6), ao registrar recuo de 2,31%, e a quarta posição no ranking das perdedoras na quinta-feira (9), com baixa de 3,38%. Entretanto, as ações ordinárias da Rossi apontam forte valorização de 24,13% no ano, enquanto o Ibovespa registra alta de 12,76%.

    Setor imobiliário domina perdas do Ibovespa
    Após uma alta acumulada de 16,15% do Ibovespa do começo do ano até a última sexta-feira (3), o índice apontou para uma realização com o recuo desta semana, sendo acompanhado pelas companhias do setor imobiliário, que têm como característica a forte volatilidade de suas ações. Desta forma, o setor foi responsável por três das cinco maiores quedas do benchmark no período.

    Os papéis do setor imobiliário são mais sensíveis às variações do Ibovespa, respondendo com mais força à movimentação do mercado brasileiro. Assim, em momentos positivos para a bolsa, essas ações tendem a registrar ganhos maiores, enquanto em momentos de aversão ao risco o setor também responde com desvalorizações mais elevadas.

    Destaques de queda da semana
    Entre as maiores quedas do Ibovespa na semana, destaque também para os papéis de Brookfield (BISA3, R$ 6,19, -7,61%), Duratex (DTEX3, R$ 9,67, -6,30%), Petrobras (PETR3, R$ 25,25, -5,99%), PDG Realty (PDGR3, R$ 7,35, -5,77%) e Dasa (DASA3, R$ 16,50, -5,44%).

    0
  • Dan 10 de fevereiro de 2012 at 19:24

    Importações da China desabam e geram temor sobre demanda

    As importações da China tiveram em janeiro a maior queda desde as profundezas da crise financeira global, gerando preocupação de que a demanda possa estar ainda mais fraca que o previsto, apesar da influência sobre os dados do fechamento das fábricas para o ano novo lunar.

    As importações desabaram 15,3% em relação a janeiro do ano passado -a maior baixa desde agosto de 2009. As exportações diminuíram 0,5%, no pior resultado desde novembro de 2009, segundo dados oficiais divulgados nesta sexta-feira.

    Embora gerem temor sobre a resiliência da demanda doméstica, que tem protegido a segunda maior economia do mundo da piora das exportações, os dados também são um alerta para a capacidade da China em sustentar a frágil economia global.

    “Uma queda de mais de 15% em janeiro não pode ser integralmente explicada pelo calendário lunar, e reforça a opinião de que a produção econômica está mais lenta que os indicadores podem sugerir”, disse Ren Xianfeng, economista da IHS Global em Pequim.

    Ainda assim, as distorções causadas pelo ano novo lunar deixarão as autoridades hesitantes em agir rapidamente. Analistas esperam que os formuladores de políticas avaliem os números de janeiro e fevereiro combinados antes de decidir se o ligeiro afrouxamento atual deverá ser intensificado.

    A grande queda das importações, combinada com o declínio menor das exportações, deixou a China com um superavit comercial de US$ 27,3 bilhões em janeiro, o maior em seis meses, contrariando expectativas de uma redução.

    As exportações para a União Europeia, maior mercado da China, caíram 3,2% em janeiro, no primeiro declínio desde fevereiro do ano passado.

    Os embarques para os Estados Unidos subiram 5,5%, desacelerando após a alta de 11,9% registrada em dezembro e marcando o menor ritmo desde fevereiro de 2010.

    (Por Aileen Wang e Kevin Yao)

    h t tp://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2012/02/10/importacoes-da-china-desabam-e-geram-temor-sobre-demanda.jhtm

    ___________

    Agora isso sim, é uma séria ameaça à economia tupiniquim…

    0
    • Mineiro BH 10 de fevereiro de 2012 at 19:29

      Vejam essa aí embaixo…

      Mas calma, na Banânia é diferente…

      Além de sermos governados, digo, guiados, pela cumpanherada, aqui imóvel nunca desvaloriza…

      ——————

      Hipotecas engasgadas nos EUA
      10 de fevereiro de 2012 | 18h14

      José Paulo Kupfer

      O deprimido mercado imobiliário é a grande pedra no sapato dos esforços para recuperar a economia americana. Com a crise, que começou com o estouro de uma endoidecida bolha imobiliária, já foram executadas, apenas nos últimos dois anos, cerca de dois milhões de hipotecas. De 2008 para cá, os preços dos imóveis residenciais, nos Estados Unidos, experimentaram um queda média de 30%.

      Como destacou o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, em discurso para empresários da construção civil, nesta sexta-feira, “as condições do setor de moradia são um grande obstáculo a uma recuperação mais acelerada”. Isso explica em parte o interesse do governo em desatar o mais rápidos possível o grande nó das hipotecas impagáveis, que continuam a assombrar os americanos e estão na raiz da lentidão no ritmo da retomada econômica.

      Está cada vez mais difícil e demorado executar hipotecas de proprietários inadimplentes. Nos últimos cinco anos, a redução do total de dívidas acumuladas pelas famílias já chega, nos Estados Unidos, a US$ 600 bilhões. O detalhe é que dois terços desse volume é representado por calotes, na imensa maioria referentes a dívidas imobiliárias.

      Os inadimplentes aprenderam a driblar as execuções de hipotecas e os bancos estão encontrando cada vez mais dificuldade em tomar as casas de seus devedores. O processo, atualmente, pode levar mais de três anos. Instituições financeiras, diante desse quadro, estão oferecendo “prêmios” em dinheiro a devedores que vendam mais rápido suas casas e se acertem com seus emprestadores.

      Ontem, o próprio presidente Barack Obama anunciou um acordo com cinco grandes bancos, que estavam sendo investigados por práticas abusivas no setor de hipotecas. Serão US$ 26 bilhões, entre pagamentos em dinheiro e reestruturação de dívidas, a maior parte com o objetivo de reduzir dívidas e imobiliárias e evitar execuções.

      O acordo foi uma forma oferecida aos bancos para que cessassem as investigações e, assim, fossem evitadas multas potenciais mais altas. Outros bancos estão na ponta da agulha para fechar acordos do mesmo tipo.

      Curiosidade: as ações do Bank of America, um dos cinco grandes com os quais o governo fechou esse primeiro acordo, subiram nesta sexta-feira.

      Segundo Obama, este é apenas um acordo inicial, já que as investigações em outras instituições e a busca de novos acordos prosseguirão. Existem, não custa lembrar, mais de US$ 250 bilhões em hipotecas em processo de execução e perto de cinco milhões de hipotecas em situação de risco.

      0
    • Paulo Rocha 10 de fevereiro de 2012 at 20:59

      Essa notícia de a economia da China estar parando já era esperada…

      www. bolhaimobiliaria.com/2012/02/05/economista-ricardo-amorim-nao-acredita-em-bolha-imobiliaria-no-brasil-o-pequeno-investidor/#comment-34680

      0
  • MrK 10 de fevereiro de 2012 at 19:32

    essa matéria está sendo generosa

    o aluguel médio no rio é de 0.3%, e encontra-se até abaixo disso em alguns casos, bolha total

    0
  • Sir Income 10 de fevereiro de 2012 at 19:48

    Que marolinha foi essa na Bovespa?

    Petrobrás caiu 7,84%! A queridinha do governo teve seu lucro reduzido em quase 52,54% frente ao mesmo período do ano anterior.

    Pergunto lhe, e o PIB? Como virá o resultado do quarto trimestre? E o lucro das construtoras?

    Abraços,
    Sir Income

    0
  • Sir Income 10 de fevereiro de 2012 at 20:22

    GREVE PM: a verdade sobre a segurana pblica na Bahia que a Globo não mostra

    www .youtube.com/watch?v=4Kv7tXx-Efw&feature=g-u-u&context=G2a6e5f6FUAAAAAAACAA

    0
    • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 10:30

      Este vídeo tem que ser divulgado para 10 milhões de pessoas. Por favor, pessoal da comunidade, ajudem a “levantar” este vídeo, e vamos acabar com a manipulação midiática de vez através da internet, o que vem aos poucos acontecendo.

      Acredito que a Internet será a nova revolução.

      0
    • Bolhado 11 de fevereiro de 2012 at 13:31

      Belas, fortes e sábias palavras!

      0
  • Dr. Estranho 10 de fevereiro de 2012 at 20:59

    Recebi hoje e-mail de corretor, super entusiasmado, para venda de apto retomado pela construtora. Oportunidade imperdível, com preço abaixo do mercado.

    Li, e deletei.

    Deveria ter sugerido a construtura para alugar a 0,3% do valor pedido.

    0
    • Dr. Estranho 10 de fevereiro de 2012 at 21:01

      Faltou crase no último parágrafo. Começo a me tornar um apedeuta analfabeto.

      Sorry

      0
    • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 14:55

      Casos assim – preço abaixo do mercado – serão regra de agora em diante. Com toda certeza, o imóvel foi retomodo de um “desesperados dos 20%”.

      0
  • Sir Income 10 de fevereiro de 2012 at 21:19

    O custo do uso político da Petrobras

    rodrigoconstantino.blogspot.com/

    0
  • RPL 10 de fevereiro de 2012 at 21:19

    Em um empreendimento na região do ABC que a construtora pede R$ 360.000,00 – (77m² na rua famosa por ter pontos de prostituição, próximo a avenida onde há prostituição de travestis) – não faz muito tempo achei um cara vendendo por R$ 40K + saldo de 200K com a construtora…

    Esse cara não tinha dinheiro para pagar a parcela das chaves… E conseguiu se livrar logo do enrosco vendendo sem lucro (mesmo por 240K ainda era caro).

    O mais engraçado é que alguns dos apartamentos dos “Investidores Bolhudos” ficaram prontos… E os caras querem por exemplo: R$ 310K, 320K, 400K….

    Eu achei a sacada da construtora genial! Vamos supor que o empreendimento esteja 80% vendido – Vale a pena ela chutar o valor dos 20% que restam lá pra cima, para o povo que comprou na planta chegar a fazer o financiamento bancário, assim ela recebe o dinheiro a vista e a trolha fica com o troux, ops, investidor.

    A idéia da construtora não é vender os 20% que restam… Pra quem tem margem de 100% ou mais, isso é peanuts… A idéia dela é empurrar os 80% da trolha pro banco e receber o dinheiro dos 80% que ela já vendeu….

    Isso só vale para construtora que tem caixa….

    0
    • xangai 10 de fevereiro de 2012 at 21:43

      RPL
      Esse eu conheco bem … estao acabando detalhes … acho que logo tem habite-se.!

      Nao vejo a hora de contar quantas luzes ficaram acessas dentre os ( acho eu ) +- 300 aptos.

      Vc deve conhecer tambem o empreendimento da frente ( “alto” padrao ) , fui visitar no modelo
      ha uns 2,5 anos atras. Logico que so tinha poucas unidades ” vendeu tudo em uma semana”..

      Ate hoje tem “algumas unidades a venda” , com corretores de plantao direto, e o desconto
      apenas com autonomia do corretor uns 13%. ( andar alto , melhor torre pra sol e vista, etc de 990 por 880 )

      bom ter mais gente do ABC por aqui ! ( alem do Bertz , etmso e acho que o jeca )

      0
      • RPL 10 de fevereiro de 2012 at 21:59

        Xangai,

        Por 240K eu fiquei até balançado (3 dorm – 2 gar)… Mas eu não estava afim de me endividar para morar em um lugar que depois que o sol se pôs, não dá pra sair na rua…

        Ainda não tem habite-se??? Eu tinha lido algo no jornal….

        Eu lembro de conhecidos com renda extremamente baixa que compraram no lançamento… Mas dúvido que consigam financiamento….

        0
        • MrJaime 10 de fevereiro de 2012 at 22:45

          RPL,

          Veja meu comentário logo mais abaixo. Realmente está ficando cada vez mais difícil conseguir financiamento. E justamente em uma hora ruim para isso, como você bem destacou.

          0
  • MrJaime 10 de fevereiro de 2012 at 22:20

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,condicao-de-credito-no-1-tri-de-2012-e-mais-restritiva-que-no-fim-de-2011,102578,0.htm

    “Para o crédito habitacional, a expectativa é de piora na oferta, passando de -0,25 ponto para -0,38 ponto. A demanda cresceu de 0,75 ponto para 0,88 ponto entre o último trimestre de 2011 e o primeiro de trimestre de 2012. E a expectativa em relação a aprovação de crédito dobrou, avançando de 0,25 ponto para 0,50 ponto. A taxa preferencial de juros recuou de 17,8% em setembro do ano passado para 16% em novembro de 2011.”

    A oferta de crédito habitacional vem diminuindo, e em 2012 vem diminuindo de maneira mais forte do que no ano passado. Justamente agora, quando a demanda aumentou (entregas de empreendimentos), a disponibilidade de crédito é menor. Se essa tendência continuar no decorrer de 2012, o número de repasses desesperados explodirá. Mas, para essa explosão a onomatopeia seria apenas…. PLOC.

    0
    • MrJaime 10 de fevereiro de 2012 at 22:40

      economia. estadao. com. br/noticias/economia,condicao-de-credito-no-1-tri-de-2012-e-mais-restritiva-que-no-fim-de-2011,102578,0.htm

      “Para o crédito habitacional, a expectativa é de piora na oferta, passando de -0,25 ponto para -0,38 ponto. A demanda cresceu de 0,75 ponto para 0,88 ponto entre o último trimestre de 2011 e o primeiro de trimestre de 2012. E a expectativa em relação a aprovação de crédito dobrou, avançando de 0,25 ponto para 0,50 ponto. A taxa preferencial de juros recuou de 17,8% em setembro do ano passado para 16% em novembro de 2011.”

      A oferta de crédito habitacional vem diminuindo, e em 2012 vem diminuindo de maneira mais forte do que no ano passado. Justamente agora, quando a demanda aumentou (entregas de empreendimentos), a disponibilidade de crédito é menor. Se essa tendência continuar no decorrer de 2012, o número de repasses desesperados explodirá. Mas, para essa explosão a onomatopeia seria apenas…. PLOC.

      0
  • thiago fm 10 de fevereiro de 2012 at 22:20

    Um dos indícios mais sólidos da bolha de preços dos imóveis é o chamado retorno do aluguel, que visivelmente vem caindo nos últimos anos. Partimos, portanto, do pressuposto de que numa situação de mercado saudável, o proprietário consiga obter uma taxa de retorno compatível com a renda mensal de uma aplicação conservadora como a poupança, por exemplo.

    A partir disso, é lógico inferir que por meio da diferença ou “gap” entre uma taxa de remuneração de aluguel considerada “normal” e a que vem sendo praticada atualmente de forma cada vez mais rebaixada, podemos estimar o tamanho da distorção da bolha e, consequentemente, o tamanho da correção do lapso em caso de estouro e retorno à situação de normalidade inicial, correto? Isso, é óbvio, num cenário ideal, em que não houvesse bolha nos preços dos aluguéis também, o que aparentemente não ocorre.

    De qualquer forma a brincadeira é convidativa. Vamos supor que o índice Fipe/Zap traduza a realidade e que seguindo o texto de base numa situação normal a taxa de retorno de 36 meses atrás fosse de 0,65% ao mês. Então, teríamos a seguinte situação em São Paulo, tendo como base os dados do Zap para um imóvel que custava supostamente R$ 200.000,00 há 3 anos atrás:

    Valor de venda inicial = R$ 200.000,00
    Aluguel há 36 meses atrás 0,65% = R$ 1.300,00

    90,9% de valorização do preço médio de venda dos imóveis em São Paulo nos últimos 36 meses

    200.000,00 + 90,9% ( 181.800 ) = Valor de venda atual = R$ 381.800,00

    39,5% de aumento no valor médio de aluguel no mesmo período

    R$ 1.300,00 + 39,5% (513,50) = valor de aluguel atual = R$ 1.813,50

    Taxa de retorno Atual = 1.813,50 / 381.800,00 = 0,47%

    Se o reajuste dos preços dos imóveis tivesse seguido o índice de correção dos aluguéis no período, mantendo a taxa de retorno de 0,65% teríamos:

    R$ 200.000,00 + 39,5% (79000) = preço atual hipotético = R$ 279.000,00

    Logo chegamos a uma supervalorização de 51,4% acima do reajuste do aluguel ou R$ 381.800,00 – 279.000,00 = R$ 102.800,00

    Se considerarmos SOMENTE a variável – taxa de retorno do aluguel e o fato de que o reajuste dos imóveis deveria caminhar de forma paralela ao dos aluguéis, para atingirmos o nível de 36 meses atrás (01/2009), teríamos que ter um decréscimo de aproximadamente 27% (102.800,00/ 381.800,00) ou conforme exemplo um corte de R$ 102.800,00 no valor de venda.

    Antes que os bolhistas ortodoxos de plantão digam ” Só 27%! #&@$!!! Lembrem que o cálculo leva em conta:

    – o famigerado Fipe ZAP;
    – índice de apenas 36 meses ( O descolamento dos preços começou antes disso );
    – uma situação em que o reajuste do aluguel é balizado como referência ( sabemos que o aluguel também se descolou da realidade, porém bem menos do que o preço de venda)
    – alguns colegas chegam a citar uma taxa de retorno de 3%, o que aumentaria muito o percentual sobrevalorizado e, consequentemente, bolhudo.

    Admitindo esse desvios não me surpreenderia se a correção ficasse entre 30 e 40%, puxando consigo, inclusive, o valor do aluguel pra baixo. Posso ver os ortodoxos radicais esboçando um sorriso agora … ;=)

    Cabe ressaltar, porém, que o mercado imobiliário é bastante complexo e, portanto, existem muitas facetas de um prisma difícil de enxergar e que também devem ser consideradas. Para os metódicos, a metáfora correta seria uma equação com muitas variáveis de ambos os lados. Essa é apenas uma delas.

    0
    • thiago fm 10 de fevereiro de 2012 at 22:25

      Corrigindo – taxa de retorno de 0,3%, não 3% como erradamente citei

      0
    • Cirilo 10 de fevereiro de 2012 at 22:49

      Para o aluguel acho que deve-se considerar 0.5% ao mês como uma taxa saudável, e não 0.65%.

      0
      • Shakespeare 11 de fevereiro de 2012 at 13:32

        o mesmo que a poupança?

        então é melhor deixar o dinheiro no banco, pois tem mais liquidez

        0
        • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 14:46

          Sim tem mais liquidez, mas deve-se considerar que além de receber os aluguel você ainda pode auferir algum ganho com a valorização do imóvel.

          Quando digo isso, não estou falando dessa alta absurda nos preços, mas sim um aumento acompanhando a inflação, ou algo próximo a ela.

          0
          • Carlos Wagner 11 de fevereiro de 2012 at 15:04

            Esse foi o motivo que levou gerações a pensar que imovel é o investimento mais seguro. Porém, o mundo mudou tão rapidamente que as pessoas só se dão conta disso quando o barco já afundou. É exatamente isso que está acontecendo: Imoveis não são mais lucrativo, não auferem mais previsões de valorização, muito pelo contrario, e alugueis rendem menos que as aplicações mais conservadoras.

            0
            • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 15:27

              Sim, na verdade não considero imóvel como investimento, o que acontece é que muitos brasileiros, até culturalmente e por alguns fatos históricos, enxergam no investimento em imóveis uma segurança que não conseguem ver nos bancos.

              0
            • Daniel Ribeiro 11 de fevereiro de 2012 at 20:33

              Imóvel é um investimento relativamente seguro quando se compra a vista e por um preço não especulativo.Comprar um imóvel financiado como investimento é tão non sense quanto pegar um empréstimo no banco para investir em ações. Mas o engraçado é que por mais absurda que seja a segunda afirmativa e por mais semelhança que guarde com a primeira, parece absolutamente normal pegar dinheiro emprestado para investir em imóvel.

              0
  • Motolo 10 de fevereiro de 2012 at 23:13

    Estive com um amigo que é dono de imobiliária e ele estima que o encalhe de unidades novas das construtoras esteja na ordem de 20-30%. Declarou com todas as letras que os preços nesses níveis estão insustentáveis. Vejam essa reclamação do site, as vendas travaram mesmo:

    http: / /www.reclameaqui.com.br/2383481/rossi-residencial-s-a/descaso-desrespeito-e-destruicao-de-um-sonho/

    0
  • ninja SP disse 10 de fevereiro de 2012 at 23:16

    Os malas do ABC sumiram não! , de tão ridicúlos eram ate divertidos.

    0
  • peterson 10 de fevereiro de 2012 at 23:24

    quem conseguir entender, segue mais um dos meus comentários : ” como havia dito a 5 meses atrás, com acerto de 100%, os repiques dos indicadores existentes revelam que estamos no topo da curva, seguiremos uma etapa de resistencia da queda, normalmente marcada por noticias forjadas, aqui surgirão os fatores de ruptura, fraudes, manipulações, maquiagem, troca de indicador, teremos ao fim do processo a concentração da manada para ruptura, veja que isso parece mascarado demais e dificil de acontecer, mas é exatamente aí que está o fio da meada, os grandes aplicadores sempre saem de cena às escondidas, o governo sempre é resistente ao erro, o povo sempre é burro para entender, a conta terá que ser paga de qualquer jeito. Agora vem as indicações, existe mágica na europa?, acho que não, tem uma bomba relogio e ninguém desarmou só esconderam o barulhinho, veja só, a china sinaliza um down gigante mas está tudo bem com as commoditys, há um golpe geral contra os BRICS e todos sabem disso, o governo percebeu a manobra e blindou as multifiliais parasitas, mas o fracasso será contabilizado em quedas estranhas mesmo em altas constantes, observem direitinho, PIB e Balança comercial, este ano começou estranho demais, como se nada fosse sério, esta parecendo que não tem jeito e que resolveram reiniciar o sistema, uma coisa é certa eu aposto contra o óbvio que tudo dará certo porque os caras são competentes… eu vejo merda voando no ventilador das grandes potencias e fedendo aqui. Eu aposto no ouro novamente. Quanto aos imoveis vejo mais um ano de patinação… sem grandes downs… mas posso estar errado de a gafisa ajudar..”

    0
  • Suelen 10 de fevereiro de 2012 at 23:52

    Golpe contra o BRIC?

    0
  • Anônimo 11 de fevereiro de 2012 at 07:46
    0
    • Moacir 13 de fevereiro de 2012 at 17:05

      Quando leio essas reportagens com pronunciamentos de representantes do mercado imobiliário, tenho a impressão que estamos num Mar de Rosas.
      Dá até vontade de largar tudo e virar corretor de imóveis, de tão bom que está o mercado e de tão otimistas que eles transparecem estar com relação a futuro de suscessivas valorizações e de forte expansão da renda…

      0
  • Menino_do_Rio 11 de fevereiro de 2012 at 08:40

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/as-causas-da-gradual-desvalorizacao-dos-imoveis
    “Mas no mercado imobiliário, as notícias ruins isoladamente não têm grande repercussão, apenas se estiverem inseridas dentro de um contexto negativo mais amplo. “Os fatores que desvalorizam um imóvel são problemas de longo prazo”, afirma o consultor imobiliário Alex Strotbek, que já atuou nos mercados de São Paulo e do Rio.”

    Eu aposto em 2018 para frente. Até lá nossas economias serão usadas pelo governo para dar crédito subsidiado aos seus eleitores (crédito este que está inflacionando tudo). O Brasil do pt está inviável para os poupadores…

    0
    • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 11:46

      menino voce não é bobo, eu sei disso, seus comentários são inteligentes e você tem a visão da distorção atual, mas você tem essa mania de empurrar o estouro pra anos luz a perder de vista (2018, 4o mandato do lula, coisas assim)

      acho que concordamos em muitas coisas, mas uma que certamente não é esse timming, estamos em 2012 e as vendas já travaram, os descontos comecaram e as construtoras estão bambas, como isso vai ser sustentado artificialmente por mais 6 anos? impossivel ao meu ver, impossível, não se deixe enganar só porque voce é proprietário, se eu fosse você venderia minhas kitnetes correndo 🙂

      0
      • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 15:17

        MrK,

        Sempre que encontro um nome tipicamente bananense como “Alex Strotbek”, eu procuro no Google para ver o que encontro.

        Aqui nas palavras do proprio sujeito:

        www . arealpires . com . br/alexstrotbek . php

        Graduado em Administração de Empresas, Comércio e Contabilidade pela escola de comércio Schweizerische Alpine Schule Davos, em Graubünden, Suíça, no ano de 1987.

        Entretanto, a escola é uma escola secundária, cujo nome traduzido para o Ingles é o seguinte:

        Swiss Alpine Secondary School Davos
        www . samd . ch

        Na banania seria equivalente a uma “escolinha de comércio cursada no período noturno”, na melhor das hipóteses.

        0
    • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 12:51

      Menino do Rio, é o seguinte:

      Como você deve morar no Rio, 2018 é uma data viável, mas somente para o Rio e lugares onde há muito investimento, como cidades que abrigam a indústria do petróleo (obs: para piorar sua situação, o Rio também é uma delas, talvez o pólo nacional).

      Mas, no restante do país, já tem até data para o estouro, que já ocorreu, começar a ser percebido pela massa: 05/03/2012. Isso mesmo que você acabou de ler, daqui a 23 dias.

      0
      • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 14:01

        da pra explicar o motivo dessa data?

        0
        • Rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 14:20

          ihhhhhhh o que será que vem durante ou logo após o carnaval?

          0
          • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 17:12

            Vem a conta, a fatura, novas contas (estudo) e o início do ano de 2012. Vai-se embora carnaval, ano-novo, férias, mas os gastos ficam, endividados e inadimplentes irão para o Guinness Book.

            Combustível vai ter que aumentar, não tem jeito nem política que segure isto.
            Greves e mais greves, enchendo o mercado de dinheiro.
            Salário mínimo reajustado.

            Tudo isto= pressão absurda empurrando a inflação nas alturas.

            Crédito será cada vez mais restrito.
            Bovespa ensaiando ser a nova bola da vez dos investidores.
            Despejados milhares e milhares de prédios novos e vazios no mercado em 2012.

            O que mais falta? Aparecer na Globo?

            0
            • Mineiro BH 11 de fevereiro de 2012 at 22:44

              e vero, o colega sustenta essa data há meses rs
              guardei pq é aniversario de uma pessoa importante pra mim…
              olha, acho coerente, essa segunda-feira vai ser uma espécie de dia da ressaca, virada de mes, pos-carnaval…

              0
        • Carlos Wagner 11 de fevereiro de 2012 at 15:01

          O Miguel Jacó vem falando dessa data ha algum tempo. Eu nem pergunto o motivo pra não estragar o velorio, opa, estragar a surpresa.

          Não seria nada mal essa previsão do colega se concretizar…hehe

          0
  • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 08:52

    Hoje em dia para rir, eu não assisti mais filmes ou séries de comédia, basta abrir o zap

    é uma comédia!!! eu quero um pouco do que esses proprietários andam fumando, sério

    vou contar uma história pra vocês, conversei com um camarada vendendo ap., ele queria um valor bolhudo eu ofereci 15% abaixo (não ia comprar, mas queria ver a reação), então ele fez contra-proposta aceitando abaixar 10%, mas não 15%, bateu o pé nos 10%, então eu disse que não tinha negócio

    hoje abro o zap e o ap dele (encalhado há meses e que ele já aceitava baixar 10%) SUBIU de preço!!! a impresão que dá é que o pessoal tá subindo de preço mesmo sem vender pra depois dizer que está dando um belo desconto!! o problema que o fipezap indica isso como valorização!! tá tudo errado!!

    0
    • Daniel Ribeiro 11 de fevereiro de 2012 at 20:25

      Eu acho que a oficialização do índice ZAP é caso de intervenção do Ministério Público, pois é uma fraude a economia popular. Se você conversar com uma pessoa qualquer que esteja por fora do que está rolando no mercado imobiliario, ela vai custar a acreditar que um simples site de anuncio na internet onde qualquer um anuncia e pede o que quer é a principal referência de preço pro mercado imobiliário nacional.

      É exatamente a mesma coisa que Mercado Livre virar referência em se tratando de comércio exterior. Parece piada.

      0
  • AJW 11 de fevereiro de 2012 at 09:43

    ” Um alerta: instituições financeiras retomam por dia cerca de 50 imóveis de mutuários inadimplentes.” fonte- Jornal da Cultura 10/02/2012

    A TV Cultura, em seu Jornal da Cultura, qual foi ao ar a partir das 23:30 desta sexta-feira, apresentou uma reportagem sobre inadimplência em São Paulo, onde mais de 50 por dia imóveis são tomados pelas instituições financeiras por falta de pagamento . Entre os comentaristas deste jornal as opiniões, para este tema foram que o forte endividamento e falta de uma compra consciente, feita por impulso, são as principais causas. Também comentaram sobre grande devolução de imóveis adquiridos na planta – 20% de entrada- e que na hora do financiamento o mesmo e negado, dai o comprador têm que devolver o apto. A bolha de preço não foi citada literalmente, mas foi comentado que os imóveis estão “muito valorizados”. Imagine 50 imóveis X 365 dias um total de cerca 18.250 ao ano só em São Paulo , isto porque o Brasil o crédito imobiliário e seguro, não é igual aos EUA. Imagine quando passar o carnaval e carnê do carro, IPTU, escola, IPVA e Fatura do Cartão vier??????

    Por ser uma TV estatal, isto mostra que a situação é pior do que aparenta…..

    0
    • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 09:51

      excelente garimpada! parabéns!

      a gente tinha que descobrir qual era a média anterior, pra saber o quanto aumentou, realmente 50 soa bem alto, mas se antes era 5 é uma coisa, se era 45 é outra… mas realmente parece alto, boa!!

      0
    • Annibal 11 de fevereiro de 2012 at 09:57

      Putz, se essa proporção se mantiver vai ser o caos… muito antes do q eu imaginava… bela novidade, obrigado por compartilhar…

      0
      • Rico 14 de fevereiro de 2012 at 11:08

        Caos nada, isso sempre aconteceu. Quem se ferra é o trouxa achando que ia ganhar dinheiro fácil.
        No banco já está tudo calculado.

        Mais uma vez esqueçam, os cavalheiros do apocalipse não vai aparecer.

        Mas fiquem espertos com os leilões, vai ter belas ofertas…

        Bem vinda bolha. Esqueçam o holocausto…

        0
    • Indecoroso 11 de fevereiro de 2012 at 12:04

      Sem contar que essas retomadas vão catalizar a relação oferta x procura junto às incorporadoras, que buscarão se livrar o mais rapidamente possível do encalhe a partir da política de descontos… Muitos bolhudos verão apartamentos idênticos aos seus sendo reofertados pelas incorporadoras com descontos de 10%, 20%, e a desconfiança gerada em alguns acabará rapidamente se disseminando por todo o mercado, deflagrando, assim, uma corrida pela antecipação dos repasses (inclusive de unidades ainda em construção), com a consequente queda livre dos preços a patamares de 60% a 50% do preço pré-ruptura. O espectro do estouro nunca foi tão presente…

      0
      • Paulo Rocha 11 de fevereiro de 2012 at 12:09

        Tambem é importante levar em conta o efeito psicológico entre os compradores. Vão deixar de de considerar imóveis um “investimento seguro”, e fora que tambem vão pensar “se esperar mais uns meses compro algo melhor e mais barato”.

        0
    • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 15:43

      A reportagem ainda não está na Internet, mas acredito que estará no seguinte endereço (Jornal da Cultura – sexta-feira, 10 de fevereiro)

      cmais . com . br/videos

      0
  • Elias 11 de fevereiro de 2012 at 10:16

    Estava lendo a revista ValorInveste de fevereiro, do jornal Valor Econômico.

    A matéria principal da capa é “Os ricos também devem – Endividamento preocupa a classe A e já se reflete até em grupos de ajuda com inadimplentes VIPs”

    Vale a pena a leitura, vou compartilhar algumas informações que achei interessante:

    – Já existe grupos de ajuda denominados “Devedores Anônimos” – D.A.
    – Em jan11, 61,3% das famílias com renda inferior a 10SM estavam endividadas, e em jan12 reduziu-se para 59,5%;
    – E jan11 48,9% das famílias com renda superior a 10SM estavam endividadas, e em jan12 aumentou para 53,4%.
    – Serasa aponta queda da qualidade do crédito, com a inadimplência aumentando ano a ano desde 2002, sendo 2011 foi o pior avanço.
    – A matéria diferencia “inadimplente” de “insolvente”. O primeiro é o que dá mais lucro aos bancos, pois embora atrasados, pagam a dívida com multas e juros elevadíssimos. Já o segundo é problema, pois perdeu totalmente o controle e o banco terá que dar desconto para receber algo.
    – Um relatório do Credit Suisse aponta o brasileiro como o mais consumista, poupando apenas 7% da renda. O Chinês poupa 30% (comentário meu – não evitou a bolha lá).
    – Há um trecho de Calil, do IBCPF, que vou transcrever: “Há ainda um excesso de otimismo. Não é raro encontrar consumidores das classes alta e média que financiam imóveis em 30 anos, acreditando que nas próximas décadas não passarão por percalços”.

    Percebo que o tema da Bolha e os seus riscos estão cada vez mais na mídia, na forma de alertas.

    O comentário do colega AJW pode indicar o começo daquilo que estamos falando há mais de um ano – que muita gente vai cair na realidade na hora das chaves.

    0
  • thiago fm 11 de fevereiro de 2012 at 10:33

    A questão é saber o quanto o sujeito pode aguentar sem vender. Creio que o mercado está precisando de uma pequena dose de pânico para reverter esse impasse.

    Estamos num momento de dúvidas sobre a economia. Muita gente acredita que os efeitos da crise serão atenuados em 2012 e a confiança do consumidor aparentemente voltou a subir timidamente. Isso tudo faz com que os proprietários ” paguem pra ver”.

    Não que eu torça pra isso, mas o barco precisa virar ou pelo menos sacudir forte para que venha o medo e desespero contagiem o mercado. Esses dois sentimentos obrigam as pessoas a tomarem decisões rápidas e não calculadas como, por exemplo, se desfazer de imóveis com cortes significativos.

    A oferta já superou a demanda no ano passado, o que deveria ter no mínimo estabilizado os preços dos imóveis, que, ‘oficialmente”, continuam subindo forte. Só isso basta para descredenciar o ZAP e afirmar categoricamente que o mercado não está saudável, cavando uma cova cada vez maior.

    Temos que lembrar que os primeiros a tentar vender agora são os investidores. Os mesmos que conseguiram grandes lucros nos últimos anos, isto é, essas pessoas acumularam muita gordura pra queimar e estão queimando-a nesse momento. Ainda que manter os imóveis, pagando condomínio, IPTU, ou mantendo aluguel rebaixado possa lhes trazer algum prejuízo, resta saber por quanto tempo um investidor pode abater esse peso negativo dos enormes lucros que obteve nos últimos anos. Em outras palavras, apesar de nossa pressa em ver o circo pegar fogo, os preços tender a andar de lado por algum tempo ou talvez, declinar suavemente antes de uma queda abrupta que, ao meu ver, viria com uma crise mais acentuada nos próximos anos.

    Até quando essa situação deve persistir? Não temos como ter certeza, mas da mesma forma que os preços concentraram sua trajetória de alta no triênio 2008/2010, os preços podem permanecer no limbo ou ‘lipoaspiração” no triênio 2011/2014, com queda abrupta após a Copa do Mundo, incentivada por dois motivos principais:

    desilusão do milagre da virada e valorização do Brasil, tão inocentemente aguardado pela maioria;
    endividamento do setor público e da população em geral pelos investimentos inúteis e superfaturados

    Alem disso, acho que um aumento do desemprego e queda do rendimento do trabalhador – o que já começou a ocorrer ao meu ver – levarão o país a níveis críticos de inadimplência, restringindo o consumo das famílias, especialmente da virtual classe C e parando o crescimento do país. Nesse momento o barco vira de vez e então teremos pânico

    0
  • Paulo 11 de fevereiro de 2012 at 10:37

    Tá tudo sob controle.

    oglobo.globo.com/economia/miriam/

    Coluna no GLOBO

    Contas em atraso

    O sistema financeiro brasileiro carrega R$ 154 bilhões em crédito inadimplente. No ano passado, o estoque de dívidas com atraso acima de 60 dias cresceu 23%. Os números estão atraindo investidores estrangeiros especializados no segmento de crédito podre. A inadimplência no financiamento de veículos cresceu 133% em 2011, ritmo cinco vezes mais rápido que o crédito concedido ao setor.

    Não estamos à beira de uma crise como a que outros países viveram, mas temos que olhar com mais respeito os números. Se o mercado de crédito no Brasil está crescendo muito rápido, também é veloz o ritmo do volume de inadimplência. Preocupados com o efeito desse crédito ruim sobre seus balanços, os bancos revendem os ativos a preços baixos para investidores especializados em cobranças de longo prazo.

    — É muito caro para um banco tentar recuperar um crédito vencido há mais de 180 dias, por exemplo. Esse tipo de cobrança foge da sua estrutura. Muitos preferem vender essas carteiras a outros investidores, especializados nisso. Apesar do prejuízo, os bancos melhoram o perfil de suas carteiras e recuperam parte do dinheiro emprestado — explicou o economista Paulo Bittencourt, da Apogeo Investimentos.

    A KPMG registrou em relatório que só o Santander vendeu R$ 16 bilhões em créditos podres. Aceitou levar um prejuízo de pelo menos 85%. Ou seja, se tinha, por exemplo, uma carteira que valia R$ 100, o banco revendeu a outros investidores por R$ 15. Pela lógica dos bancos, é melhor recuperar R$ 15 e tentar alguma rentabilidade sobre esse valor do que correr o risco de perder os R$ 100 e ainda ter que dizer ao mercado que carrega esse mico. Já para o investidor que compra, as chances de lucros grandes são altas, caso ele consiga fazer com que o devedor pague.

    A provisão que os bancos têm que fazer para carteiras de crédito com a mais baixa qualidade subiu 22% no ano passado, de R$ 51 bilhões para R$ 64 bi. Esse é o volume total de atrasos maiores que 180 dias, que são classificados com a letra H pelo Banco Central. Quando o crédito entra nessa classificação, o banco é obrigado a fazer uma reserva de 100% do valor concedido. A provisão feita pelos bancos estrangeiros aumentou 35%.

    A KPMG, que presta consultoria para bancos e investidores que querem atuar nesse mercado, estima que, além dos R$ 154 bilhões de crédito em atraso no país, há outros R$ 150 bi contabilizados como perdas pelos bancos, porque ultrapassaram o período de 365 dias inadimplentes. Segundo Salvatore Milanese, líder da área de reestruturação da KPMG, o crescimento do crédito no ritmo de 20% ao ano está chamando atenção de investidores estrangeiros especializados em inadimplência.

    — Os investidores sabem que tudo o que cresce a uma taxa de 20% ao ano uma hora terá que sofrer correção, porque nada pode subir indefinidamente até o céu. A taxa é insustentável, e quem olha para os exemplos históricos percebe isso. Quando comecei nesse mercado, em 2001, o percentual de crédito H era 1%. Hoje, subiu para 3%. Existe uma enorme correlação entre o crescimento forte do crédito e a alta do crédito inadimplente — afirmou.

    O que preocupa nesses números é que 42% do crédito em atraso no Brasil são de consumidores. Ou seja, muitos brasileiros que estão sendo estimulados a fazer financiamentos não estão conseguindo pagar as contas.

    O economista Felipe Queiroz, da Austin Rating, aposta que os atrasos não devem crescer tanto este ano porque a perspectiva é de crescimento da economia. Mas alerta que uma mudança brusca na Europa, que afete os níveis de emprego no país, tornariam o quadro pior:

    — A expectativa é que a inadimplência não aumente. Temos a economia com projeção de crescimento, aumento do salário mínimo, redução da Selic. Tudo vai facilitar os pagamentos. O que pode dar errado é um agravamento da crise na Europa. Uma recessão profunda por lá que tenha reflexo nas nossas exportações e na oferta de crédito.

    Os economistas costumam olhar só o crédito/PIB e dizer que, na comparação com outros países, os nossos 49% são baixos. Mas aqui o dinheiro é caro demais. Um vento contra pode complicar. Por isso, é hora de olhar esses números com lupa.

    0
    • Paulo 11 de fevereiro de 2012 at 10:38

      Acho que a Miriam tá lendo esse BLOG.

      0
      • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 10:56

        A miriam não é boba

        não a considero brilhante, mas tem experiência e não é boba, ela sabe o que está acontecendo, mas tem uma mordaça…

        Vejam que não citaram um outro problema grave, o pessoal que comprou imóvel e vai pegar financiamento na chave nos proximos 12 meses, é muita gente, isso vai gerar inadimplencia, seja no proprio crédito imobiliario ou seja em outras linhas (o cara para de pagar o carro pra pagar o imovel por exemplo)

        0
        • Cai Cai Balão 11 de fevereiro de 2012 at 12:09

          Ontem mesmo ouvi de um proprietário: “e ainda está barato, pois quando todos esses prédios altos estiverem prontos, verás outra valorização”. Cutucou-me como quem diz: é melhor se apressar.

          Mal vejo a hora da sobreoferta…

          0
    • xangai 11 de fevereiro de 2012 at 11:13

      well … muito interessante !!

      principalmente esse paragrafo … ja falado por varios ( banbanbans ) desse blog :::

      ” — Os investidores sabem que tudo o que cresce a uma taxa de 20% ao ano uma hora terá que sofrer correção, porque nada pode subir indefinidamente até o céu. A taxa é insustentável, e quem olha para os exemplos históricos percebe isso………….. ”

      Nada … NADA … MAS NADAAAA mesmo sustenta uma taxa de 20% ao ano !! certo ?!?!

      e … antes que os novos trolls escrevam … ::::: aqui NAO eh diferente !!!

      0
    • Dr. Estranho 11 de fevereiro de 2012 at 13:02

      Só esqueceram de avisar ao investidor estrangeiro que, no Brasil, calote é uma instituição sólida. Toda legislação e jurisprudência é paternalista em relação ao devedor. Exemplo: o indivíduo passa cheque sem a suficiente provisão de fundos. Estelionato (art. 171 VI CP); pena de 1 a 5 anos e multa. Ocorre que toda a jurisprudência trata como dívida civil, ou seja, ninguém vai preso. Outro exemplo, ainda em relação ao cheque: ele tem autonomia, ou seja, você não pode arguir uma relação pessoal para frustar o pagamento do cheque(o cheque pode ser endossado, e representa o crédito nele escrito, pouco importando a relação anterior que o originou). Ocorre que se a origem for uma relação de consumo, pode, nos juizados especias, ser frustado o pagamento se houver prejuízo ao consumidor emitente. Tenho mais exemplos, mas para concluir sem tornar o texto enfadonho, no Brasil, a prescrição é a mais eficiente ferramenta para o devedor. Não paga e em pouco tempo recupera o crédito. Não vejo como investimento comprar crédito podre no Brasil.

      0
      • Rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 14:38

        Isso ocorre que quem emite cheque sem suficiente provisão de fundos o faz por culpa, que não esta tipificado no CP.

        0
        • Ratinho 11 de fevereiro de 2012 at 16:13

          O que me surpreende é que ainda existe pessoas que usam cheques.. e outras que aceitam…

          0
        • Dr. Estranho 11 de fevereiro de 2012 at 16:24

          Culpa é o argumento de defesa que a jurisprudência engole. 90% dos cheques são dados sem a intenção de pagar. Isto se chama D O L O. Já recebi cheque, consultado e registrado como bom e o CRIMINOSO sustou o pagamento no mesmo dia. Claro que no Brasil as teses são sempre favoráveis ao criminoso, ou seja, como fica impossível provar o dolo, FODA-SE quem recebeu o cheque do F.D.P. Para exemplificar como as teses são para beneficiar criminosos vamos ao DANIEL DANTAS. Ficou impossível condená-lo porque a prova foi considerada ilícita (teoria americana da árvore envenenada, estupidamente reinterpretada pelos bananenses), ainda que verdadeira, e consequentemente o juiz não pode fundamentar a sentença.

          Mas a discussão aqui não é o sistema penal. Se ele funcionasse Paulo Maluf estaria preso. Curiosidade, a quem interessar, o relator julgou extinta a punibilidade de todos os crimes por esse cometido, pois ao fazer 70 anos os prazos prescricionais caíram a metade, e não restou ao relator do STF outro caminho senão o da extinção da punibilidade.

          Foi só um desabafo, pois o mercado imobiliário ficou repleto de espertos que tem a consciência que não se sujeitarão ao CP. Balanços fraudulentos também se sujeitam a legislação penal, nem por isso Silvo Santos e seus comparsas serão condenados.

          0
    • FQ 13 de fevereiro de 2012 at 10:34

      Excelente Matéria!

      0
  • Anônimo 11 de fevereiro de 2012 at 10:54
    0
    • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 11:09

      JLT, duas coisas chamam atenção na matéria

      primeiro é o BC decretar que o cenário externo melhorou, acho muito prematuro pra falar isso, parece desculpa pra por os planos dele em ação, ninguém pode afirmar nada ainda

      segundo é isso mesmo que você falou, ele está incentivando os bancos grandes a comprarem os pequenos e evitar a quebra dos mesmos, pois se um banco (mesmo pequeno) quebrar, gera um certo curto-circuito no sistema bancário, todo mundo fica com medo, a liquidez seca, o crédito para de fluir, gera muito stress, ele quer agir preventivamente…

      0
      • xyz 11 de fevereiro de 2012 at 11:32

        O que eu acho mais grotesco na matéria é que dá entender que nem os bancos querem que o BC reduza o compulsório. Simplesmente porque estão vendo o risco do crédito cada vez maior. Mas o BC insisti em querer obrigar os bancos a emprestarem mais dinheiro.

        Em cinco décadas de vida nunca vi tamanha irresponsabilidade.

        Estão jogando na privada décadas de esforço do pais para vencer a inflação.

        0
      • Bruno Valente 11 de fevereiro de 2012 at 16:01

        O que eu acho mais engraçado é o BCB dizer que o cenário externo melhorou, mas ao mesmo tempo dizer que o cenário externo está piorando para justificar a queda dos juros.

        Esquizofrenia total do BACEN…

        0
        • augusto 11 de fevereiro de 2012 at 18:25

          Bem tenho a impressão que o presidente do BC é um profissional de carreira e ávido por galgar cargos cada vez mais importante. Isto transforma-o em uma pessoa sem opinião própria fazendo o que seus chefes querem que seja feito. Isto poderá levar a desmoralizaçõa de uma instituição

          0
          • Carlos Wagner 11 de fevereiro de 2012 at 20:03

            Os tentaculos petitas estão estendidos sobre toda a administração direta e indireta e o BC não está fora dessa. O Tombini foi colocado lá justamente por ser capacho dos companheiros e conduzirá com maestria a politica traçada pelo Planalto.

            O governo traçou os rumos da politica economica do país em 2003, desde então vem colocando companheiros em cargos chaves para conduzi-la e manter o trem nos trilhos. Esse é o verdadeiro papel do BC. O resto é balela.

            0
  • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 13:01

    Notícia já prevista por mim (não que eu seja bom, mas por já ter visto antes este filme muitas vezes) alvo de críticas na ocasião de minha postagem, e agora oficializada para degustação de todos:

    “Bolsa brasileira é destaque mundial de alta em 2012; tendência deve continuar?”

    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2012/02/10/bolsa-brasileira-e-destaque-mundial-de-alta-em-2011-tendencia-deve-continuar.jhtm

    Acabou a era da especulação dos imóveis, mais curta do que eu imaginava, e retorna a era da Bolsa. Corram todos para seus corretores preferidos!!! (Vejo novos cursos de investimento a caminho…)

    0
    • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 14:08

      Outra noticia, do mesmo jorna, na mesma data.

      Bovespa tem maior queda do ano, puxada por baixa nas ações da Petrobras: A Bolsa brasileira emendou a terceira queda seguida nesta sexta-feira (10) e fechou a semana com perdas de 1,84%, contrariando a tendência de alta que prevalecia neste começo de ano …

      Uma foto (posição num dado momento) da bolsa não significa quase nada. O desempenho durante todo o ano de 2011 foi -18,11%.

      0
      • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 14:40

        O momento (ou posição, como queira) está explícito na sua reportagem, que fala desta semana, e devido exclusivamente ao desempenho ruim da Petrobras no quarto trimestre passado, puxando toda Bovespa para baixo. Análise mais pontual que essa, impossível.

        Agora comparar isto com o acumulado de quase 2 meses…você só pode estar de brincadeira!

        0
        • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 15:47

          Notou o detalhe? O desempenho durante todo o ano de 2011 foi -18,11%.

          0
          • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 16:17

            Nós estamos em 2012, companheiro. Há uma quebra de continuidade em tudo na virada do calendário, mesmo que isto não represente nada fisicamente. Planejamentos são refeitos, novas expectativas são criadas e destruídas, e por aí vai. Citar como exemplo especificamente os 12 meses do ano passado significa o mesmo que citar os 5 anos de crescimento exponencial da Bovespa antes da crise de 2008.

            O mundo está cada vez mais dinâmico, mais rápido, a constância deu lugar à mudança contínua. O que acontecia em anos há pouco tempo atrás, hoje acontece em dias, amanhã talvez aconteça em horas.

            0
            • Carlos Eduardo 11 de fevereiro de 2012 at 18:18

              Tá doido? ? ?

              “coloquem seu dinheiro na bolsa porque virou o ano ???”

              Nenhuma solução foi dada, para nenhuma das crises que derrubou a bovespa o ano passado! A grecia tem confrontos entre manifestantes e policia toda semana!

              nosso setor imobiliario está engasgado, e nem corretor tem mais desculpas para desfarçar o rojão, você realmente acha que a bovespa vai ficar suspensa no ar?

              na minha opinião isso é para pegar desavisado! não coloco dinheiro lá nem ferrando!
              eu que não vou dar saida para pilantra!

              obvio que posso estar enganado! mais os sinais parecem bem claros !

              0
              • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 18:40

                Concordo também, deixo apenas 30% do meu capital na bolsa, e em ações de empresas anti-cíclicas, como elétricas, operadoras de telefonia e de cartões de crédito.

                No mais é bom diversificar sim, eu pessoalmente só invisto em empresas sadias, e que além disso apresentem um bom pagamento de dividendos.

                0
            • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 20:01

              Não estou pedindo para ninguém aqui colocar seu suado dinheiro na bolsa. Já perdi dinheiro na bolsa, e quem leu o livro Axiomas de Zurique sabe que a bolsa é um jogo, nada mais do que isto.

              Só estou dizendo o que os tubarões farão independentemente se investirmos na ação A,B ou C. Independentemente, inclusive, de nossa existência.

              Um poço secou, outro tem que ser achado, ou inventado. Aguardem e verão (já começaram a ver, Tomé já pararia por aí…).

              0
  • Dr. Estranho 11 de fevereiro de 2012 at 13:08

    h ttp://oglobo.globo.com/economia/inflacao-oficial-acelera-em-janeiro-puxada-por-alimentos-3934605

    Se a inflação oficial acelerou a verdadeira pegou um foguete. O Brasil imita a Argentina.

    0
    • Shakespeare 11 de fevereiro de 2012 at 14:00

      Morei na Argentina quase um ano e os próprios argentinos faziam piada com os valores dos índices oficiais de inflação. A empresa na qual eu trabalhei tinha um funcionário especialmente para calcular o índice de inflação que eles usavam porque o do governo não servia para nada além das piadas e gracinhas.

      Aqui está muito semelhante e eu já apelidei o índice oficial de “índice do faz-me rir”

      0
      • bruno alexandre 11 de fevereiro de 2012 at 16:38

        shakespeare.

        Existe alguma maneira de o cidadão comum calcular o índice de inflação,mesmo de modo aproximado, já que não podemos confiar nos índices oficiais?

        0
      • Cai Cai Balão 14 de fevereiro de 2012 at 14:25

        Shakespeare, os índices brasileiros vão no mesmo caminho.

        Hoje senti isso, quando a diarista que nos presta serviço veio conversar sobre o reajuste da sua (meia) diária. Ela chega em casa às 8h e sai pouco depois das 13h, cobra R$40,00 + transporte. Sei que em algumas capitais no Brasil, esse valor é bem maior, mas aqui em Belém/PA a média é R$50,00 + transporte, para a diária cheia.

        Ela pediu para aumentar para R$50,00, pois “tudo subiu, a inflação subiu tudo”. Já pensaram, 20% em um ano? Penso que muita coisa acontece porque simplesmente “cola”, as pessoas não questionam e pagam o preço sem indagar as razões que o levaram a subir.

        Bem, quanto à diarista, vou ficar com ela uma vez por semana e lavar a minha própria roupa. Cheguei tardiamente à conclusão de que preciso me emancipar dessas comodidades.

        0
        • Paulo Rocha 14 de fevereiro de 2012 at 15:45

          Na verdade o aumento de R$40 para R$50 é um aumento de 25%, e enquanto isso o governo diz que a inflação ficou em torno de 7%…

          0
          • Cai Cai Balão 14 de fevereiro de 2012 at 15:48

            Obrigado pela correção, Paulo.
            Talvez nem eu quisesse acreditar num reajuste tão alto, hehe.
            Um abraço!

            0
        • Cai Cai Balão 16 de fevereiro de 2012 at 23:50

          Novo indício de inflação além dos índices oficiais: no lavajato onde deixo meu carro para limpar, que me cobrava há mais de um ano R$15,00 para o “grau simples”, hoje me cobraram R$20,00, porque tudo aumentou, inclusive a cera de polimento.

          33% a.a.? E se eu levar minha cera? “Não, Dr., pro senhor a gente segura o preço”.

          Obrigado.

          0
  • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 13:21

    Agora me falem, como esse corretores conseguem nossos emails?!

    Acabei de receber aqui um email de uma corretora me oferecendo um excelente lançamento, segundo ela, no coração de Ipanema, o Wave, da RJZ Cyrela.

    Apartamento composto por duas suítes, perfazendo 85m2! Apenas 4 unidades tipos ainda não foram vendidas, preço especial: R$ 3.200.000!!

    Agora me falem, quem em sã consciência vai gastar essa grana em um dois quartos?? O mercado só pode ter enlouquecido, são quase R$40.000/m2!

    0
    • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 13:32

      Ué, compra! Depois é só alugar por 0,6% do valor do imóvel, e terá um rendimento melhor que a poupança.
      Com os novos ricos, 19,2k por mês de aluguel vai chover gente querendo alugar este imóvel.

      Ipanema, depois do acesso pelo metrô, valorizou muito, pois agora os moradores deste bairro têm acesso a todos os bairros e comunidades do Rio de Janeiro, e vice-versa.

      0
      • Rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 15:05

        Se a praia ainda fosse limpa dava para pedir o dobro!?

        http: //200.20.53.6/meioambiente/arquivos/geag/praias/barra_e_zona_sul_historico_ano_corrente.pdf

        http: //200.20.53.6/meioambiente/arquivos/geag/praias/barra_e_zona_sul_qualificacao_anual.pdf

        Engraçado que quando chega o verão em Ipanema e no Leblon só há restrições no Jardim de Alah, ou seja, os coliformes fecais, saem do canal e vão direto para o alto mar sem ir para os lados, quanta tecnologia naquela região.

        0
        • Miguel Jacó 11 de fevereiro de 2012 at 15:26

          Ao contrário, quanto mais suja a praia, mais caro fica, pois assim menos pessoas entram no mar e a paisagem fica mais bonita, selvagem, natural, valorizando ainda mais a região. É por isso que Ipanema é o que é hoje, nenhum dia neste ano esteve recomendada ao banho de mar. Prevejo aumento de mais 20% até o final do carnaval. Aproveitem, corram!

          0
  • MrK 11 de fevereiro de 2012 at 14:05

    Bolha? Imagina!!

    Construtoras planejam entrega recorde de escritórios em SP e no Rio

    Mercado paulistano de edifícios comerciais de alto padrão receberá oferta adicional de 570 mil m² em 2012, cinco vezes mais do que em 2011

    economia.estadao.com.br/noticias/negocios,construtoras-planejam-entrega-recorde-de-escritorios-em-sp-e-no-rio,102643,0.htm

    0
    • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 14:15

      Pois é, não sei a proporção certa, mas acredito que boa parte desses espaços sejam pequenas salas para profissionais liberais, esses sim vão ter bastante dificuldade para serem locados ou repassados.

      A outra parte é composta por lajes corporativas, normalmente com mais de 400m2 de área cada.Nesse caso não acredito que hajam muitos problemas, a procura contínua bastante aquecida.

      0
    • Rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 15:26

      Tem algo ERRADO com essa matéria!!

      “No Rio, o recorde de entregas de escritórios de alto padrão foi quebrado em 2011. No ano passado, chegaram ao mercado 148 mil m², mais do que o pico do setor, registrado em 2008. Para 2012, a expectativa do mercado é superar 2011 e entregar 220 mil m² de imóveis comerciais no segmento, segundo a pesquisa da Cushman.”

      Nesses números estão incluidos o novo prédio onde ficará a Petrobrás no Centro do Rio de Janeiro? Só ali tem 115 m² divididos em quatro torres, que pertence a WTorre, ainda tem toda Barra da Tijuca, expanções Comerciais em vários shoppings, fora todos os empreendimentos comerciais em todo Estado do Rio de Janeiro.

      0
      • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 15:35

        Rodrigo, o novo prédio da Petrobras construído pela WTorre não entrou nessa conta, e nem deveria entrar, já que é um projeto build-to-suit – feito sob medida – que não será ofertado ao mercado, já que a própria Petrobras vai ocupar todo o prédio até 2029.

        0
        • Rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 15:41

          Então é por isso que os números são tão baixos, esta parecendo o Zap… falho.

          0
    • RMJ 11 de fevereiro de 2012 at 15:51

      Acompanho o blog há muito tempo. Moro em Brasília e não tenho dúvida de que existe bolha imobiliária. Tenho observado no famigerado Wimóveis que cada vez é maior o número de apartamentos colocados a venda aqui no DF. Tenho observado também que o preço do metro quadrado no DF está relativamente estável com tendência de leve queda. Na minha opinião os preços irão sofrer queda maior aqui quando forem terminados os inúmeros prédios residenciais que ainda estão sendo construídos em Águas Claras e quando o Setor Noroeste finalmente sair do papel.

      0
  • rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 14:58

    pessoal,
    to em recife e essa semana saiu uma materia informando que o nordeste tem o menor preço por metro quadrado do brasil.
    o que voces acham que vai acontecer?
    esse é o apice dos preços?

    http://blogs.ne10.uol.com.br/peinvestimento/2012/02/10/valor-do-metro-quadrado-construido-no-ne-e-o-menor-do-brasil/

    0
  • Lou 11 de fevereiro de 2012 at 15:31

    Matéria rádio CBN, Baixa o numero de turistas extrangeiros no Rio, para o carnaval, por causa dos preços abusivos, a maioria dos turista para o carnaval é do BR mesmo.
    Extrangeiro é bobo!? a farra TÁ ACABANDO, ANTES MESMO DE COMEÇAR.pagar preços de Monaco para ver bueiros explodir, predio cair, greve policia.enchentes , robalheria total. vai se achando, vai RIO.

    0
  • Rodrigo 11 de fevereiro de 2012 at 15:57

    Inflando a Bolha

    No mundo todo, nunca se viu tanta gente optar por viver sem companhia, por que será que isso acontece?

    h ttp://delas.ig.com.br/comportamento/sozinhos-e-felizes/n1597618898112.html

    0
  • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 16:45

    Trecho da matéria: “As causas da gradual desvalorização dos imóveis”:

    O mercado imobiliário brasileiro continua pujante, e embora a valorização já esteja mais modesta, ninguém acredita numa queda de preços em breve. Notícias negativas, porém, tendem a provocar reações passionais nas pessoas, com consequências reais. Quando há um desastre aéreo, por exemplo, cai o número de pessoas que viajam de avião; e uma casa onde se sabe ter havido um assassinato certamente terá dificuldade de ser vendida.

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/as-causas-da-gradual-desvalorizacao-dos-imoveis

    Acho que a reporter Julia Wiltgen está meio desinformada, vou mandar um email para ela no [email protected] sugerindo que ela dê uma olhada no blog!

    0
  • Menino do Rio 11 de fevereiro de 2012 at 16:55

    MrK,

    concordo que existe bolha mas acho que ainda vamos enchê-la por alguns anos, e nos melhores bairros das capitais, talvez nunca estoure…
    Sou servidor federal no Rio desde 2006, no último concurso para o órgão em 2010 (salários de 12M), a primeira coisa que os novos queriam saber ao entrarem era como ter acesso a crédito imobiliário. Mas uma leva está entrando este ano e a pergunta é a mesma: existe uma linha de crédito com juros menores no órgão? Vão pagar uns 9% a.a. e estão felizes da vida!
    Claro que é uma minoria da população, mas irão comprar justamente naqueles melhores bairros das grandes capitais brasileiras.
    Posso dizer que dei sorte em investir em imóveis lá em 2007, mas agora eu não sei onde achar algo para corrigir as perdas da inflação. Esse início de ano parecia bom para a bovespa. Câmbio eu discordo pois para os países em crise voltarem a funcionar eles terão que ser bons exportadores e o câmbio terá que estar do lado deles. Será ouro?
    Seria interessante o blog abrir uma discussão específica de onde investir até os preços dos imóveis ficarem praticáveis (para mim seria um investimento de longo prazo), iria ser de mujita utilidade para os futuros compradores!

    0
    • Daniel Ribeiro 14 de fevereiro de 2012 at 03:54

      O funcionalismo publico, especialmente os funcionarios das carreiras ligadas à justiça, tem a caracteristica de que é facil ganhar bem, mas não há perspectiva muito maior do que o salário inicial. Para um cara de seus 28 anos que estava duro feito um coco, vivendo de mesada do pai e estudando pra concurso, passar e entrar ganhando 12 k tá feliz igual a pinto no lixo, mas no atual cenário dos preços da zona sul do Rio um salário de 12 k não compra nada, nem financiando em 30 anos. Com essa renda no maximo ele consegue financiar num bairro como Laranjeiras um quarto e sala ou mesmo um 2 quartos “achado” pelos preços que estão pedindo, mesmo assim em 30 anos. Ninguém vai querer morar por 30 anos da vida num quarto e sala ou num 2 quartos sem vergonha sem garagem. Assumir uma divida por 30 anos pra comprar um quarto e sala é mais ou menos como uma abnegação existencial permanente, se for assim é melhor desistir de tudo e viajar pelo mundo vendendo artesanato, dedicar-se a alguma religião, virar missionario ou algo assim.

      0
  • Sir Income 11 de fevereiro de 2012 at 17:30

    SP: ações de despejo por falta de pagamento crescem 32,33%

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2337026

    Condomínio: número de ações por inadimplência sobe 53% em janeiro

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2337172

    Rentabilidade dos alugueis baixas e ainda precisam despejar. Péssimo investimento por enquanto.

    0
    • Anonymous 11 de fevereiro de 2012 at 22:39

      Eu me lembro de décadas atrás, em que também havia grande reajuste de aluguel no final do contrato, que acabava por expulsar muitos inquilinos. Só não entendo porque naquela época essa situação era chamada de carestia ou inflação e hoje de valorização.

      0
  • Menino_do_Rio 11 de fevereiro de 2012 at 17:35

    Bolha,
    Outra sugestão já que aparentemente o blog está com visibilidade crescente. Que tal, se fosse possível, criar uma área VIP com 10 ou 15 foristas mais participativos (dos quais vc conhece pela qualidade dos comentários). Isso iria aumentar em muito a credibilidade pois às vezes o blog fica muito poluído. Uso este blog como uma fonte de educação de finanças imobiliárias e os VIPs trariam essa informação muito mais qualificada, mas acredito que deveria ter participantes de diferente visões sobre a bolha imobiliária.

    0
    • FQ 13 de fevereiro de 2012 at 10:45

      O velho sonho do monopólio da palavra….Isso acabaria com a popularidade do Blog!

      As pessoas vão num fórum para debater, lerem e serem lidos. Ambiente democrático!

      0
      • Menino_do_Rio 13 de fevereiro de 2012 at 12:47

        Não é para acabar com o nosso espaço de opinião. Seria uma área onde alguns foristas mais qualificados discutiriam entre eles. Nós continuaríamos postando aqui e quem sabe algum VIP poderia levar nossos bons comentários para a área mais qualificada.

        Ninguém merece que um novo no fórum dê de cara com comentários desejando que os corretores desedentados morram de fome ou que o lula vai morrer em breve de cancer…

        0
        • FQ 13 de fevereiro de 2012 at 17:31

          Bem vindo a Internet!!!

          Amada por uns, odiada por outros.

          PS: Ainda bem que o Mark Zuckerberg não pensa igual a você! Iria ter muito perfil deletado!

          0
          • Menino_do_Rio 13 de fevereiro de 2012 at 18:20

            Bem que disseram que vários corretores desdentados travestidos de bolhistas frequentavam o forum…

            0
    • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 11:08

      Eu sou a favor de ter um mural com os melhores comentários, mas não sou adepto de área VIP, varanga gourmet, irish pups e etc…

      0
  • Menino_do_Rio 11 de fevereiro de 2012 at 17:53

    Para os coveiros de plantão a próxima capa da ISTOÉ: Lula, o mito se renova
    http://www.istoe.com.br/reportagens/190373_A+NOVA+FASE+DE+LULA

    E como sabemos, toda bolha imobiliária tem um forte fundamento político…

    0
  • RMJ 11 de fevereiro de 2012 at 18:21

    Senhores bolhistas,
    Percebi que havia algo errado com o mercado imobiliário quando me mudei para o Distrito Federal e me deparei com os absurdos preços praticados pelo mercado imobiliário local. Ao ler um artigo do Fábio Portela no blog O Pequeno Investidor descobri que, pelo menos no Distrito Federal, a Bolha imobiliária já estava formada. Ao acessar o blog (o que faço há muito tempo) percebi que a loucura dos preços do imóvel estava ocorrendo de norte a sul do pais. Agora vejo que as previsões feitas iniciamente pelo Fábio Portela e depois pelos requentadores do blog estão se concretizando. Está cada vez difícil esconder o problema da bolha imobiliária. A grande mídia não consegue mais se esquivar dos assunto. Está sendo obrigada a aborda a questão para tentar refutar a existência da bolha, valendo-se de argumentos cada vez mais frágeis.

    0
  • danilo 11 de fevereiro de 2012 at 20:41

    Um pouco fora do tema imobiliário, mas dentro do universo dos bancos.
    Conversando com um vendedor da maior concessionária fiat de Brasília, foi-me digo que as vendas despencaram. O motivo principal, segundo ele, é que os bancos Santander, BV, Itau, entre outros, nao mais aceitam financiamento sem entrada. Antes víamos 60 ou até 72x sem entrada, mas agora o máximo é de 48x com 20% de entrada, o que continua aburdo, mas já encalhou 20 propostas em 2 dias na mesa dele. Tudo assinado, mas recusado pelo banco. Parece que os bancos estao temerosos com o futuro sombrio de calote.

    0
    • John 12 de fevereiro de 2012 at 10:55

      Com inadimplência em alta os bancos precisam aumentar a rigidez.

      0
  • Atribulado 11 de fevereiro de 2012 at 21:32

    Os preços não caem, mas…
    o nivel do blog atinge nova minima…

    0
    • Cirilo 11 de fevereiro de 2012 at 21:59

      Pois é, e acredito que comentários proveitosos como esse ajudam ainda mais a diminuir o nível, não acha?

      0
    • augusto 12 de fevereiro de 2012 at 10:21

      Como a venda de imoveis cada mes atingem novas minimas segundo informações do proprio Secovi e Creci

      0
  • Anonymous 12 de fevereiro de 2012 at 01:56

    Na Banânia é diferente.

    28/06/2011 – Caixa, a ‘imobiliária’ com 8 mil imóveis em carteira

    Os 8 mil imóveis mencionados por Azevedo são os retomados pela Caixa no mercado da cidade de São Paulo. O executivo assumiu (15, junho) a gerência da Gilie/SP com o propósito de avançar no processo de recolocação desses imóveis no mercado.

    14/05/2009 – Oferta de imóveis retomados triplica no Feirão da Casa Própria de 2009

    A oferta de imóveis retomados de mutuários inadimplentes triplicou na edição 2009 do Feirão da Casa Própria da Caixa no Rio de Janeiro: passou de 860 para 3 mil unidades, mas o banco garante que este crescimento não está associado à crise ou a um aumento da inadimplência dos clientes.

    0
    • Carlos Wagner 12 de fevereiro de 2012 at 14:05

      “mas o banco garante que este crescimento não está associado à crise ou a um aumento da inadimplência dos clientes.”

      Interessante foi o fato do banco negar os motivos mais óbvios para que esse aumento ocorresse e não haver dado a explicação lógica que todos esperavam.

      Interpretem como quiser, mas eu acredito que o banco está recitando a cartilha que lhe foi imposta pelo governo, assim como o BC vem fazendo tentando se equilibrar na corda bamba pra coisa não desandar.

      0
      • thiago fm 12 de fevereiro de 2012 at 19:18

        O crescimento é relativo. Não adianta a quantidade de imóveis devovidos aumentar 10 vezes se a quantidade de imóveis financiados aumentou mais que isso no período

        0
  • Mr. NK (2.0) 12 de fevereiro de 2012 at 02:49

    Pessoal,

    Eu tenho uma dúvida: o fato de o Rio ser uma cidade que é foco de investimentos intensos vindos de países estrangeiros pode amortecer o risco de explosão da bolha?

    Digo isso, porque acho que a cidade tem sofrido muito com esses preços insanos e sempre que tento argumentar sobre o assunto, me falam sobre a questão do petróleo e investidores estrangeiros.

    O patamar insano de preços que o Rio alcançou pode ficar imune aos efeitos devastadores de uma bolha imobiliária?

    Acredito que não, se não países/cidades de primeiro mundo também teriam ficado imunes a isso. E, como todos nós sabemos, o Rio está muito longe de ser equiparado com uma cidade de primeiro mundo. Peço ajuda para essa questão.

    0
    • MrJaime 12 de fevereiro de 2012 at 03:48

      No longo prazo o valor dos imóveis acompanha o ritmo de crescimento da renda da população. Quando, no curto ou médio prazo, os preços dos imóveis crescem mais rapidamente que o a renda da população, então isso será corrigido.

      O que você precisa se perguntar e analisar, é se você acha que os imóveis no Rio valorizaram acima do que a renda da população tem crescido devido ao fato de que o Rio vem sendo foco de investimento intenso.

      0
    • Anonymous 12 de fevereiro de 2012 at 07:22

      14/05/2009 – Oferta de imóveis retomados triplica no Feirão da Casa Própria de 2009

      0
    • MrK 12 de fevereiro de 2012 at 08:33

      NK,

      A questão do Rio pra mim é a seguinte:

      Existem sim motivos reais para uma valorização dos imoveis, principalmente ligados ao setor de petroleo, os outros motivos alegados como upp, olimpiadas, copa, acho papo pra boi dormir, penso que essas coisas não valorizam a cidade como um todo, pois não trazem renda, servem apenas pra valorizar alguns bairros em detrimento de outros, por exemplo upp valoriza um imovel perto do morro e desvaloriza outra região, metrô da barra valoriza barra e desvaloriza zona sul, é apenas mudança de preferencia, pois isso por sí só não traz renda alguma!

      O ponto citado: Quanto desvaloriza? Olha a tendencia natural é o estouro devolver tudo aquilo que é especulação, mantendo o que é crescimento real, vamos dizer que os imoveis no rio subiram 130% desde 2008, quanto disso foi especulação? 50%, 80%? 100%? não sei dizer, é uma conta difícililma e a queda envolve inclusive aspectos emocionais e o momento economico, o meu palpite (e é apenas um palpite) é que dos 130% que subiu em média, 50% devem manter e 80% devolver, ou seja, um ap que custava 200mil em 2008 e foi pra 460mil, deve voltar pra 300mil, palpite..

      0
      • aiwww 12 de fevereiro de 2012 at 19:00

        Concordo. Não creio em quedas acima de 40%. Há pessoas que pensam que o estouro da bolha fará os imóveis valerem uma cocada + 1 mariola … não é assim.. vejo muitos anúncios de imóveis com moradores, esses são aqueles do “se colar colou”… meu palpite é que o estouro é iminente … vejo imóveis bons no Rio (já visitei mais de 100) sendo anunciados há mais de um ano sem morador. A cada dia que passa e não vende, os proprietários devem se perguntar o porquê de ainda não terem vendido. A água está no pescoço, quando eles começarem a se afogar aí aceitarão qualquer proposta, mas nada ultrajante. Nesse momento lembro de uma frase que se encaixa muito bem a esse momento: “OLHO GRANDE NÃO ENTRA NA CHINA”:)

        0
        • Cleyton 12 de fevereiro de 2012 at 19:07

          Não penso assim, só depois que a ficha cair de que imóvel não é investimento é que o peso da oferta vai se mostrar, a solução para que não seja ultrajante (não precisa descer à cocada + 1 mariola, mas um carro popular) será a demolição do excedente, o que também tem custo.

          Aposto em 60%.

          0
        • Anonymous 12 de fevereiro de 2012 at 20:17

          O número de tolos, embora grande, é finito. Uma hora eles acabam e nessa hora, o preço do imóvel vai ser comparável aos dos outros países. Acho que 2000 Reais/m2 é um valor máximo para qualquer imóvel na Banânia. Para valores atuais, já faz sentido abandonar a Banânia para ir morar nos EUA ou Europa.

          0
  • MrK 12 de fevereiro de 2012 at 08:43

    Eu não entro em bolsa desse jeito, só se for escolher ações muito especificas… veja bem:

    O Governo mudou o presidente da Vale pra poder usar o investimento da empresa de forma populista e não da forma que é melhor pro acionista
    O Governo mudou o presidente da petrobras e vai segurar o preço da gasolina, bom pra gente que é consumidor mas ruim pro acionista
    O Governo está usando os bancos estatais pra financiar a farra do crédito

    Você quer ser acionista desse governo? Só sendo maluco!! O Problema é que se voce somar o peso de Vale + Petro + BB no indice ibovespa da mais de 30%, ou seja, essas empresas podem arrastar a bolsa pra baixo facil facil..

    0
    • Ze_das_Couves 12 de fevereiro de 2012 at 09:17

      E se levarmos tambem em conta a participacao do BNDES na divida das empresas listada no bovespa chega a quanto?

      0
  • Menino_do_Rio 12 de fevereiro de 2012 at 10:13

    Segue o link para o conta-corrente especial deste fim de semana:
    http://globotv.globo.com/globo-news/conta-corrente/v/especialistas-avaliam-os-desafios-da-economia-brasileira-em-2012/1809218/

    A parte que fala sobre construção civil começa em 14:40, um dos convidados é da FGV e comenta que o crescimento deve continuar sobretudo nas cidades médias do Brasil. Todos negaram a bolha (isso eu discordo) e confirmam que esse mercado é um importante gerador de empregos e renda.

    0
    • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 10:43

      “esse mercado é um importante gerador de empregos e renda”

      Essa é uma indireta pro governo, uma deixa pro dinheiro público socorrer bolhados.

      0
  • augusto 12 de fevereiro de 2012 at 10:27

    Depois de nunca ter achado a resposta para o caso do ovo e da galinha, agora tenho uma outra dúvida :

    ” a inadimplência aumentou muito porque a economia desacelerou, ou a economia desacelerou porque a inadimplência aumentou muito?”

    Para mim a segunda hipótese é a mais real, pois nosso crescimento é, em grande parte, movido por empréstimos, e caloteiros não mais conseguem nada emprestado (a não ser de papaizinhos, titiozinhos, vovozinhos, e amiguinhos otários)

    0
    • Miguel Jacó 12 de fevereiro de 2012 at 12:13

      A economia desacelerou porque o Brasil tem mais dificuldades de exportar hoje, devido à crise européia. As importações do nosso Império, a China, estão diminuindo, temos que ver até que ponto isto influenciará nas exportações das commodities coloniais bananenses em curto prazo.
      O mercado interno está saturado, ajudou sim a desacelerar pois não se tem mais pra quem vender aqui dentro, está quase todo mundo endividado e os preços de tudo estão nas alturas.

      A solução é alugar o Brasil. É melhor do que entregar de graça.

      0
  • Carlos Eduardo 12 de fevereiro de 2012 at 11:40

    gente, essa semana uma moça do banco me ligou me oferecendo um AMEX!

    achei estranho pois já possuo cartão internacional, e disse a ela que faço pouco uso ..

    vocês acham que os bancos estão tentando empurrar as dividas do povo para as operadoras de cartão ?

    imagina só, soltar um cartão sem limites na mão do povo menos instruido!

    seria igual soltar uma granada na mão do cara, mais no caso ela explodiria lá fora ?

    0
    • Carlos Eduardo 12 de fevereiro de 2012 at 11:42

      outra coisa que tenho achado estranho é o tanto de ligações que o banco tem feito para tentar empurrar serviços !!

      Seguro disso e daquilo!

      será que estão precisando captar dinheiro ?

      0
      • Paulo Rocha 12 de fevereiro de 2012 at 12:11

        Isso depende, do ponto de vista do banco é bom empurrar estes serviços para pessoas que são bons pagadores. Os bancos ganham uma fortuna quando as pessoas não quitam as dívidas. Contando que as pessoas nao passem de inamdinplentes para insolventes.

        0
        • xyz 12 de fevereiro de 2012 at 13:08

          Acho que não é bem assim. Não sou economista, mas li um artigo que dizia que os bancos devem criar dinheiro (emprestar dinheiro escritural, que não existe) na mesma proporção uns dos outros, pois de outra forma geraria risco de quebradeira no sistema.

          Acho que quando o BC diminui o compulsório (mais liberdade para os bancos “criarem” dinheiro) e ordena BB e CEF a emprestarem, os outros bancos são obrigados a “correr atrás”, independente da qualidade do credor. Obvio que vão tentar empurrar o maior juros que puderem.

          0
      • Paulo - RJ 12 de fevereiro de 2012 at 22:15

        Creio que não, eu sempre recebi ligação de banco, mesmo antes do aumento de preço

        0
  • simone 12 de fevereiro de 2012 at 12:03

    Inadimplência alta, aluguéis em alta, imóveis começam a cair…
    Posted on February 9, 2012
    16 Votes
    Conversando com várias pessoas, algumas inclusive do setor imobiliário pude constatar que os preços dos imóveis já demonstram um pico, uma exaustão do movimento de alta exacerbada que vimos nos últimos tempos. A inadimplência começa a pesar também. Muitas pessoas estão vendendo seus imóveis e passando a morar de aluguel (como bons brasileiros, ainda tem muita gente que tem “vergonha” de falar que mora em imóvel alugado… Esse tipo de movimento, ao contrário, denota uma maturação da população no quesito da administração das finanças pessoais). Os preços dos aluguéis vem subindo pela maior procura do momento, indicando claramente uma exaustão do apetite em comprar. Podemos estar diante da virada.

    0
  • alda 12 de fevereiro de 2012 at 12:33

    Minha amiga esta desesperada ela comprou um ap, desta constutora, Construtora pode deixar prejuízo para linharenses
    SEX, 27 DE JANEIRO DE 2012 12:22 ACESSOS: 1908

    A Premax Engenharia é responsável por dois empreendimentos em Linhares, o Villa Veneto, já em construção, e o Residencial Linhares, mas os compradores podem ficar no prejuízo, porque a empresa pode ter falência decretada.

    O prejuízo é uma possibilidade porque há um processo de pedido de falência encaminhado a Vara Cível e Comercial da Comarca de Linhares, e está disponível no site do Tribunal de Justiça do Espírito Santo – TJES, sob o número 030.12.000479-8. Até o momento não houve decisão judicial a respeito do processo.

    O pedido de falência foi requerido pela UP Imobiliária no dia 20 de janeiro de 2012, depois de não conseguir receber uma dívida de R$ 600.000,00 referente à comissão das vendas de 200 imóveis do empreendimento Villa Veneto. O problema foi levado ao juizado e um acordo foi realizado, mas nunca cumprido.

    De acordo com o advogado da imobiliária, Cleylton Mendes Passos, o descumprimento do acordo e a falta de êxito em outras negociações levou a UP Imobiliária a entrar com um pedido de falência junto ao judiciário, “Há forte indícios de que a empresa já esteja quebrada e sua decretação de falência seja mero procedimento declaratório”, afirma o advogado, que utiliza o artigo 94 para fundamentar o pedido. O Art. 94 diz que “sem relevante razão de direito, não paga, no vencimento, obrigação liquida materializada em título ou títulos executivos prestados cuja soma ultrapasse o equivalente a 40 salários mínimos na data do pedido de falência”.

    A Premax Engenharia foi procurada pela reportagem do Portal Ouro Negro, e por meio do assessor jurídico da empresa, Herbert Marcelo de Andrade, emitiu a posição oficial da empresa em relação ao processo:

    “A Premax Engenharia é uma empresa solvente que vem passando dificuldades financeiras em virtude de fluxo de caixa, até porque para poder honrar seus compromissos fez uso de seu capital de giro, mas tem créditos, obras em andamento, tem contratos, ou seja, tem capacidade financeira para se recapitalizar. O nascimento desse pedido de falência decorre de uma cobrança indevida em virtude de um contrato que foi pago, e cuja parte faltante se refere a retenções”.

    A maior preocupação é a dos compradores dos apartamentos do Villa Veneto, que temem ficar com o prejuízo, como já aconteceu em casos de falência de construtoras no Espírito Santo, mas a Premax informa ainda que essa hipótese não existe:

    “No contrato com a Caixa Econômica Federal, há preocupação em segurar a obra, então no pior cenário, com a Premax insolvente, a Caixa providenciaria a contratação de um terceiro para continuar as obra, ou seja, não há prejuízo para o comprador, porque as obras são contratadas através do Minha Casa Minha Vida”.

    Até o fechamento desta matéria nenhuma decisão judicial foi divulgada e a Premax enfatizou que apesar dos problemas, está trabalhando para resolver a situação sem transtornos.

    Tiago Cau
    Redação Portal Ouro Negro

    0
  • Ana 12 de fevereiro de 2012 at 12:44

    Acho que foi aqui mesmo que eu li que os calotes iriam se concentrar na “Classe C virtual”, mas parece que a situação é pior ainda do que a que foi prevista: Classe A também está dando calote. Isso me faz crer que a queda será ainda mais violenta, porque nem os mais ricos vão conseguir manter o mercado se movimentando. Veja a matéria interessante que saiu no Estado de Minas de hoje:

    “Calote cai na classe média, mas dispara na classe A
    Limites exorbitantes de crédito levam novos-ricos a abusar do consumo de alto luxo

    Cristiane Bonfanti
    Victor Martins –
    Publicação: 12/02/2012 07:21 Atualização:
    Passar em um concurso público mudou a vida de João Silva*. De um simples advogado, ganhou status de juiz federal e elevou sua renda mensal de R$ 2 mil para R$ 24 mil. Mais do que aumentar o saldo na conta-corrente, Silva passou a viver um estilo de vida insustentável. Alugou um apartamento luxuoso por R$ 3 mil mensais. Começou a frequentar e a realizar festas caras e comprou um carro, uma Mercedes Benz , por R$ 120 mil, financiada em 72 vezes. Gastou o que podia e o que não podia por meio de cartões de crédito.

    Durante pouco mais de um ano, o juiz ostentou uma vida de milionário. Mas a fatura começou a mostrar seu peso. Para honrar todos os compromissos, Silva tomou três empréstimos com desconto em folha de pagamento (consignado). Recorreu ao limite de R$ 30 mil do cheque especial. Passou a sacar dinheiro no cartão de crédito a juros de quase 15% ao mês. Finalmente, chegou o momento em que não tinha mais de onde tirar dinheiro. Começou, então, a atrasar o pagamento de dívidas. Até que a concessionária que lhe vendeu a Mercedes encaminhou o nome dele para o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Foi um transtorno danado. Por lei, um juiz não pode constar na lista de caloteiros.
    Saiba mais…
    Classe C aumenta inadimplência por desconhecer ferramentas de cartão de crédito, diz lojista
    Nova classe média será mão de obra mais qualificada para indústria, apontam Senai e FGV
    Quase 60% dos brasileiros da classe emergente usam roupas de marca
    Bancos só veem queda do calote no 2º semestre

    Silva é um dos milhões de brasileiros de alta renda que se endividaram pesadamente e surfaram na onda do crédito farto dos últimos anos. Muitos, como ele, vieram de famílias humildes ou da tradicional classe média. Por meio de um concurso público ou mesmo pela dedicação de anos e anos de estudo que permitiram a conquista de um posto de trabalho com alta remuneração na iniciativa privada, passaram a fazer parte do que se convencionou chamar de novos-ricos. São eles, por sinal, os que comandam a escalada dos empréstimos e financiamentos no Brasil, a um ritmo de 20% ao ano, e os que mais impulsionam a inadimplência.

    Dados da Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apontam que, nos 12 meses encerrados em janeiro, enquanto o índice de famílias endividadas com renda inferior a 10 salários mínimos (R$ 6.220) recuou de 61,3% para 59,5%, nos lares com rendimentos acima de 10 salários mínimos disparou de 48,9% para 53,4%. Entre os mais abastados, as dívidas estão, em média, 63,1 dias atrasados contra os 62,8 dias dos que têm ganhos menores. “Temos um retrato muito interessante no país hoje. A nova classe média, que se esbaldou com o crédito fácil, botou o pé no freio. Já os ricos estão gastando além da conta e criando uma bolha preocupante de inadimplência”, diz Felipe Chad, sócio da Corretora DX Investimentos, especializada em finanças pessoais.

    Levantamento do Banco Central reforça a percepção de Chad. As dívidas acima de R$ 50 mil são as que mais crescem no país. Em 12 meses, até novembro do ano passado, tais operações avançaram 36%. Passaram de R$ 203,5 bilhões para R$ 276,7 bilhões. “Parte desse público engrossa a nova classe A, que antes não tinha tantos recursos e agora tem um fluxo de caixa elevado para gastar”, ressalta Chad.

    *Nome fictício”

    0
    • MrK 12 de fevereiro de 2012 at 13:14

      Ana,

      uma coisa é abrir de mão de um luxo que nunca se teve, outra é abrir mão de um luxo que se está acostumado! “Descer” é muito mais complicado do que “não subir”, por isso a classe A se recusa a baixar o padrão de vida, e com os preços de tudo indo as nuvens, recorre ao crédito pra manter aquilo que sempre teve, isso mostra como o brasileiro entende pouco de finanças pessoas e como as pessoas embarcam em aventuras que terminam mal, como os imoveis

      0
      • Leo 12 de fevereiro de 2012 at 13:31

        Falou tudo. Lembro que a uns anos quando minha vida $ melhorou, resolvi me mudar pro Leblon. Lembro que poderia ter comprado um AP por la naquela epoca ( 2008 ) mas acabei nao comprando. Acostumar com a vida no Leblon (subir o degrau) foi muito facil… Mas como nada dura p/ sempre, meu contrato de locacao terminou.

        Nao aceitei continuar morando na ZS pq sou contra a pagar os valores que estao pedindo e tbm, desde o inicio, acreditava, mesmo que sem muito embasamento, apenas por percepcao, na bolha imobiliaria.

        Enfim, resolvi abrir mao da Zona Sul e passar um tempo na Zona Norte p/ juntar mais $ e aproveitar melhor o momento que esta por vir (aposta pessoal). Nao foi nada facil vir p/ ca, entrei em depressao e nao é força de expressao. Mas é isso, fiz uma aposta, estou seguindo a risca e sempre leal as minha conviccoes.

        Alem disso, descobri que o bairro que atualmente moro tem diversas qualidades e o preconceito, que agora é conceito, se tornou agradavel.

        Isso tudo só p/ concordar com vc em relacao a dificuldade de descer o degrau.

        0
        • MrJaime 12 de fevereiro de 2012 at 14:28

          Leo,

          Você não está só. Eu também moro na zona norte por convicção de que os valores cobrados na zona sul nos últimos anos é insustentável.
          Realmente a adaptação de vir para cá é complicada, mas não se deixe abalar. Conheço muita gente que interessantemente também optou viver por aqui (Bonsucesso, Ramos, Olaria, Penha). Juizes, Procuradores, Pesquisadores, empresários e até estrangeiros. É claro que é a menor parte, mas são os mais adaptáveis e os que mais claramente tem como objetivo se capitalizar para fazer bons negócios e viver tranquilos longe de dívidas de 30 anos. (Muitos não entendem que dívidas como essa só terminarão de ser servidas quando a pessoa estiver se aposentando)

          Siga em frente!

          0
          • Daniel Ribeiro 14 de fevereiro de 2012 at 04:10

            E quem morava na Zona Norte? Certamente foi expulso também para algum lugar ainda pior. Quem morava em Benfica está morando aonde agora? Em Tomás Coelho?

            0
            • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 10:34

              Se você observar bem os engarrafamentos monstruosos da Av. Brasil a partir de Deodoro, verificará que há um aumento significativo de pessoas mudando para a Zona Oeste (Realengo, Bangu, Campo Grande e Santa Cruz). Ano passado Campo Grande superou a Barra da Tijuca no número de pedidos de obras na prefeitura do Rio. Conheço pessoas que moram nessa região e trabalham no Centro e normalmente perdem 5 horas por dia no trânsito. Me pergunto onde foi que a vida dessas pessoas melhorou. Pelo menos há duas semanas a prefeitura tirou os pardais da pista seletiva a partir de Parada de Lucas, permitindo que os carros entrem na seletiva e não sejam multados, diminuindo o engarrafamento, que passa a piorar novamente depois de Guadalupe.

              0
    • augusto 12 de fevereiro de 2012 at 13:31

      Renda acima de 10 sm, significa acima de 6,2 mil reais por mes até não sei quanto.
      Para mim renda familiar de 7 a 10 mil reais por mes, apesar de ser um bom rendimento nunca poderá ser considerada como familia rica.
      Ricos devem ser aqueles que ganham de 20 a 30 mil reais para cima.
      Não se esqueça que a pesquisa considerou renda familiar, e não renda pessoal.

      0
    • Shakespeare 12 de fevereiro de 2012 at 15:20

      Apartamento luxuoso por 3 mil?!! Onde?!! Em Paris?!!

      Pq na Banânia por 3 mil, qdo muito um 2 dorm xexelento…

      0
      • Lara 12 de fevereiro de 2012 at 18:59

        pois eu pensei a mesma coisa quando li: um aluguel de 3k não só não corresponde hoje a apartamentos de luxo, como não é o que vai destruir a renda de quem ganha 24k. possivelmente o endividamento neste caso se deu por consumo ou porque o aluguel foi bem mais caro que isso…

        0
        • DanielCM 12 de fevereiro de 2012 at 19:29

          e tem mais: esses 24k são na verdade, 21,7, se ele for juiz federal substituto ou 22,9 se ele for titular, o que daria algo em torno de 16k líquidos. até nisso o joão quebradinho da silva quer fazer pose.

          0
          • Mineiro BH 12 de fevereiro de 2012 at 20:11

            é isso que eu ia dizer, o valor de 24 é bruto …….

            0
            • Anonymous 12 de fevereiro de 2012 at 22:31

              É só ele começar a vender sentenças que consiguirá equilibrar o orçamento, afinal ele mora na Banânia.

              Desembargadores e juízes envolvidos em venda de sentença são denunciados pelo Ministério Público.

              www . tribunadaimprensa . com . br/?p=23203

              Esse tipo de processo envolvendo juízes é cada vez mais comum. Raramente, porém, ocorre punição, como nos casos do juiz federal Rocha Mattos e do desembargador Nicolau dos Santos Neto.

              0
  • Anonymous 12 de fevereiro de 2012 at 13:42

    Achei a fonte da idéia de que dessa vez é diferente no Rio de Janeiro. O mesmo de sempre argumentado por Bananenses que residem no Rio, mas em Ingles para parecer sofisticado – a cidade das faveval e dos bueiros explosivos. O Rio está ficando patético.

    04/Jan/2011 – Rio Real Estate Shielded From Burst
    riotimesonline . com/brazil-news/rio-real-estate/rio-real-estate-shielded-from-burst/

    Rio Apartments Group CEO Hakan Olsson foresees no bubble for several reasons. “First,” he says, “it is hard to get a mortgage in Brazil and a large portion of the property is bought with cash. You are not able to have higher mortgage payments than around 30 percent of your salary. This means there is no real speculation (as was the case in the U.S.).”

    Mortgage levels as a percent of Brazil’s GDP is roughly 3 percent in comparison with 65 percent in the U.S. and 46 percent in Spain, he says. Brazil’s sub-prime mortgages are only roughly 3 percent of the total mortgage market in comparison with 63 percent in the U.S. and 10 percent in Spain.

    Steve Rubens, a real estate lawyer working in Brazil, agrees that a boom and bust is unlikely because Brazil’s boom is much less “debt-fueled.” He also gave similar figures for mortgage as a percent of GDP, and points out that obtaining credit in Brazil is quite different than estrangeiros (non-Brazilians) may be accustomed to.

    “Housing debt is in its nascent stages in Brazil as compared to the U.S. or EU, and it is still difficult to obtain a mortgage, particularly with good terms. For instance, individuals with a decent income but not a fixed salary have difficulty obtaining a mortgage in Brazil.” explains Rubens. Foreigners often purchase property in Brazil by using a second mortgage on property in their home country allowing them to benefit from lower interest rates.

    0
  • MR. NK (2.0) 12 de fevereiro de 2012 at 14:27

    MrK,

    Obrigado pelas informações. Então, podemos dizer que apesar de o petróleo ser um fator que “enriquece” a cidade, por si só, não justifica o aumento insano de preços. Os outros fatores – Upps, etc. – “não geram” lucro, então, não podem ser colocados como pontos de destaque. Gostei da diferença real entre “crescimento real” e “especulação”. O que está acabando com a cidade e com o país é justamente essa especulação maluca que, obviamente, dificilmente se sustentará a longo prazo.

    MrJaime, respondendo a sua pergunta, acredito que a renda da população no Rio NÃO acompanhou o aumento dos valores dos imóveis. Existe uma disparidade imensa aí. Fica dificil até para a Classe A comprar um apartamento decente, imagina só então como fica para as classes B, C e mais inferiores… Não vejo a hora de a bolha estourar, a situação não pode continuar como está, apenas uma minoria lucra com isso.

    O que me incomoda é esses “pseudo-especialistas” ficarem negando a existência de uma bolha imobiliária. Isso realmente é trágico, eles podiam ficar calados pelo menos. No momento, negam a bolha, mas todos os fatores que são amplamente discutidos por aqui, já indicam um panorama muito diferente daquele que sujeitos como o Ricardo Amorim insistem em dizer. Enfim, vamos esperar um pouco para ver quem está certo…

    Detesto a situação atual do mercado imobiliário. Para mim, que estou começando a vida, parece que tudo fica quase impossível de conseguir – até mesmo se meu salário for muito bom. Esse tipo de disparidade não pode resultar em boas coisas…

    0
  • Lara 12 de fevereiro de 2012 at 14:52

    Contratos de risco

    Cresce número de reclamações por cobrança de taxas e valores indevidos na venda de imóveis

    MARCOS DE VASCONCELLOS
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
    Calhamaço com várias páginas e termos estranhos ao comprador leigo, o contrato de aquisição de um imóvel provoca dúvidas mesmo depois de concluída a transação.

    As taxas e os valores pagos nesse tipo de negociação têm sido mais questionados na Justiça, segundo especialistas ouvidos pela Folha.

    No Procon-SP (órgão de defesa do consumidor), as queixas contra incorporadoras e construtoras tiveram aumento de 26% na comparação entre o primeiro semestre de 2011 e o de 2010. Foram 1.981 reclamações nos seis primeiros meses de 2011.

    A alta não é proporcional ao volume de vendas do período, já que houve queda de 31,8% nos residenciais comercializados em São Paulo em comparação ao primeiro semestre de 2010.

    A diretora de atendimento do Procon-SP, Selma do Amaral, explica que o pagamento de taxas indevidas é o segundo principal motivo de reclamações ao órgão -dentro da categoria transações imobiliárias-, logo atrás do não cumprimento de contratos, como atraso na entrega ou defeitos.

    Uma das contendas é a comissão do corretor -paga ao profissional que intermedeia a venda e que varia entre 6% e 8% do valor da compra. Aqueles que adquirem o imóvel em estandes de venda têm recorrido aos tribunais e aos órgãos de defesa do consumidor para pedir ressarcimento da cobrança.

    Outros reclamam da cobrança de assessoria técnica contratada sem anuência, ou, ainda, de terem sido forçados a usar o serviço de despachante de determinadas empresas (veja à pág. 4).

    O Sati (Serviço de Assessoria Técnico-imobiliária) está entre as taxas mais questionadas. A cobrança, que costuma ser de 0,88% do valor do imóvel, é considerada imprópria pela comissão de direito urbanístico da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil), explica o advogado Marcelo Manhães.

    A venda de um serviço extra ou a cobrança da corretagem não são ilegais. Elas se tornam irregulares quando o comprador desconhece o que está adquirindo.

    Para o juiz Paulo Scartezini Guimarães, não adianta os serviços constarem do contrato se não estiver claro para o cliente do que se trata.

    “O problema é quando a pessoa paga sem ser avisada que aquele dinheiro não servirá para amortizar a dívida da compra do imóvel”, diz.

    0
  • Daniel 12 de fevereiro de 2012 at 18:11

    Caros Colegas,

    Primeiro gostaria de parabenizar o blog.
    Escrevo do Rio de Janeiro capital, como todos sabem a cidade “olímpica” (se isso fosse alguma coisa boa para nós moradores).
    Resolvi, juntamente com minha noiva ver alguns apartamento que tínhamos visto no zap.

    Marcamos a visita a um aptº na Visconde de Santa Isabel, bem em frente ao morro dos macacos em Vila Isabel. Pasmem, adivinha o valor cobrado pela imobiliária, “míseros” R$ 208.000, num Quarto e sala de 55m², com a “maravilhosa” vista para a favela.
    Sem comentários, o proprietário tratou de dizer que com a Upp não há problema algum…..
    FIcou insatisfeito quando disse que caso aceitasse financiaria o imóvel.

    Alguns fatos interessantes que os corretores deixaram escapar durante a conversa:
    Admitiram existir bolha, principalmente quando falamos que o imóvel há cerca de 3 anos valia R$ 80.000.
    Os corretores também admitiram com essas palavras: “imóvel caro (R$ 400 mil ou +.) está muito difícil de vender….
    O proprietário é português (lógico né) e como tal, investe adivinha em que? Imóveis, ele tem outros na zona norte, e está querendo vendê-los para trocar.
    O mesmo apartamento está anunciado no ZAP em mais de 7 corretoras diferentes e pasmem, com valores mais caros até o absurdo de R$ 215 mil.

    Caros colegas a situação nesse nosso país está muito complicada, uma valorização de mais de 260% em menos de 3 anos, não há UPP que justifique esse assalto a nossa inteligência.

    Desculpem me alongar no assunto, mas nunca esteve tão difícil montar um lar…
    abraços a todos.

    Daniel

    0
    • Dr. Estranho 12 de fevereiro de 2012 at 19:06

      Meu pai sempre repetia que não adiantava construir na favela ou perto dela. O preço sempre será o de favela. Se comprar não precisará de mais que 24h para se arrepender amargamente. Deixe o proprietário ficar com ele em seu portfólio. Tenha paciência e achará algo compatível com seu interesse.

      0
      • Daniel 12 de fevereiro de 2012 at 19:19

        É Dr. Estranho,

        É lógico que não serei louco de empatar minha grana num imóvel daqueles…..
        Bola para frente.
        Obrigado

        0
      • Anonymous 12 de fevereiro de 2012 at 22:33

        Meu pai sempre repetia que não adiantava construir na favela ou perto dela.

        Então, voce não deve construir NADA no Rio de Janeiro, pois tudo é perto de favela.

        0
    • Ploc 12 de fevereiro de 2012 at 19:24

      Daniel,

      No meu entender favela será sempre favela. UPP prá mim é acordo entre partes. E como tal pode deixar de existir a qualquer momento.
      Eu se tivesse um imóvel destes estaria vendendo antes das proximas eleiçoes pois vai que o acordo termina né?
      Seguramentente este proprietário já sofreu muito com este imóvel, seja residindo ou alugando.
      Abraços e Boa Sorte.

      0
    • LC 12 de fevereiro de 2012 at 19:41

      Daniel, minha família é toda de lá. Quando meu irmão casou (nos anos 90), viu um apt nessa área que tinha até buraco de bala. O proprietário queria praticamente só o condomínio e o IPTU. Nesse localização, não compraria nem em 100 anos. Se não tivesse saída, no máximo 2.000 o m2. Mais que isso é jogar dinheiro no lixo…

      0
    • Moyashi 12 de fevereiro de 2012 at 21:04

      Pode até ser que, por um milagre político-econômico-social-administrativo, as UPPs vinguem, permaneçam, durem 100 anos, que o tráfico se desarme. Mas, pense bem: sai tiroteio, os bailes funk continuam. Quem mora nas imediações de uma favela com baile funk sabe que delícia é tentar dormir com uma paisagem sonora daquelas.

      0
    • Paulo - RJ 12 de fevereiro de 2012 at 21:58

      Não tenho nada contra favela e quem more nela. Mas não acredito nem um pouco nesta histótia de UPP. Infelizmente, a violência pode voltar a qualquer momento. Se não agora, mas daqui a alguns anos

      0
  • Cirilo 12 de fevereiro de 2012 at 18:34

    Mesmo sendo do ano passado, só fui ver essa reportagem agora:

    noticias.r7.com/videos/precos-dos-imoveis-disparam-no-leblon-e-bairro-vira-area-quase-exclusiva/idmedia/4e0528933d140d3b4f7c7bf4.html

    Já não bastava as novelas “leblônicas”, agora com esse tipo de reportagem, aí fica realmente complicado.

    0
    • MR. NK (2.0) 12 de fevereiro de 2012 at 20:11

      Claro que essa reportagem tem dados verídicos (isto é, sabe lá Deus, se alguém realmente daria 40 milhões por uma cobertura na Orla), mas também tem muito sensacionalismo. Dizer que a Madonna quer vir morar no Leblon foi, no mínimo, de morrer de rir!!! Fico perguntando se alguém acreditou nisso. Ela esteve no bairro apenas uma vez para jantar em um restaurante japones. Quando vem ao Rio (o que não acontece há mais de um ano, se bobear dois), fica hospedada no Hotel Fasano, em Ipanema. Fala sério, né?

      Verdade seja dita: Rede Globo tem o poder (novelas do Manoel Carlos, reportagens sensacionalistas, etc.). Enquanto ela quiser que isso seja verdade, para a grande população isso vai ser verdade…

      Vamos só ver qual será o próximo lugar da moda aqui no Rio… Quem viver, verá…

      0
      • Cirilo 12 de fevereiro de 2012 at 20:33

        Pois é, acabei de ver aqui:

        http://diversao.terra.com.br/gente/noticias/0,,OI5328762-EI13419,00-Jornal+Ronaldo+quer+vender+cobertura+triplex+de+R+milhoes.html

        Será que nesse tempo a cobertura desvalorizou R$8.000.000!?

        0
      • Cirilo 12 de fevereiro de 2012 at 21:09

        Pois é, acabei de ver aqui:

        diversao.terra.com.br/gente/noticias/0,,OI5328762-EI13419,00-Jornal+Ronaldo+quer+vender+cobertura+triplex+de+R+milhoes.html

        Será que nesse tempo a cobertura desvalorizou R$8.000.000!?

        0
        • MR. NK (2.0) 12 de fevereiro de 2012 at 22:26

          De 40 milhões para 32 já é um avanço, né? Só resta saber se alguém vai comprar/ investir essa bela quantia num imóvel luxuoso no Rio de Janeiro!! Quem vai ser o louco??

          Se ainda fosse na Riviera Francesa…

          Quanta insanidade nesse país, Deus me livre!!!

          0
  • thiago fm 12 de fevereiro de 2012 at 20:44

    Tenho pena da nova geração. Aquela que, tendo concluído faculdade ou não, está começando a vida e ainda não tem nada no bolso, nem pai pra bancar o apartamento.

    Tenho pena também daqueles que casaram após 2010 ou estão pensando em casar e agora veem tão longe o sonho da casa própria. Talvez daqui alguns anos sejam chamados de “pobre geração da década de 10″,

    Posso antever nos jornais:

    ” Essas pessoas sofreram muito de “depretite”, uma patologia que se formou no começo do século atingindo uma grande parte da população brasileira. A faixa etária de maior exposição foi a faixa de 25 à 35 anos, pois não apresentavam resistência financeira, nem casa própria no período de encubação da doença entre 2008 e 2010. Os sintomas mais comuns eram distúrbios de sono, ( pesadelos com a casa própria), formação de bolhas na cabeça, angústia profunda e baixa estima por terem trabalhado tanto na época pra nada.

    O tipos mais agressivos e contagiosos ficaram conhecidos como depretite tipo classe B e C. Essa última se espalhou de forma ainda mais massiva e silenciosa, já que os especialistas da época não souberam identificar com precisão os portadores do mal, sendo que os testes da época mostraram-se inúteis. O Estado tentou, então, financiar e subsidiar o tratamento, mas, de fato, a maioria das pessoas não conseguiu acesso à ele. Os que conseguiram obtinham doses pequenas de 40ms a cada 30 anos. Muitos tiveram que devolver as cartelas não utilizadas.

    A cura? A cura só veio depois de alguns anos, após muito tempo de quarentena nas regiões periféricas. Veio a quebra das patentes da indústria, eliminou-se os atravessadores e os doentes finalmente puderam ter acesso à vacinas. Infelizmente as sequelas persistem até os dias de hoje.

    São Paulo 01/08/????

    Triste!

    0
    • Neo 12 de fevereiro de 2012 at 21:15

      Thiago,

      nao precisa ter dó que essa nova geracao já achou um jeito de conviver com isso.

      nao é de hoje que os jovens adultos nao tem condicoes de comprar o seu imovel, há muito tempo vem acontecendo isso.

      Algumas coisas acontencem na periferia:

      1 – O cara mora com os pais ate os 30 anos mais ou menos
      2 – Já viu uns casinhas de meio lote com 3 andares, sem reboco e com a laje sem telha? cada andar uma nova casa pro nova familia!

      “Favelificacao” é o futuro dessa [email protected]

      0
  • Leo 12 de fevereiro de 2012 at 20:52

    Acabei de conversar com um amigo que trabalha em uma empresa que vende moveis. Daqueles que voce projeta e a empresa faz.. cozinha, quartos, etc… Ele é funcionario e pegou uma fase boa onde sempre pagaram uma quantia relacionada a participacao nos Lucros. Ele me disse que esta preocupado pois o dono da emrpesa disse, ao pagar a ultima PL, que nao acredita que a empresa possa continuar pagando as PL por conta da mudança do mercado.

    Eles fizeram muito dinheiro no boom imobiliario pois todos estavam comprando os imoveis e fazendo projetos planejados pro novo apartamento… e isso nao esta acontecendo mais. Podemos interpretar isso como um desaquecimento da força compradora e TBM como aumento da força especuladora, que nao tem interesse em mobilhar os imoveis.

    Isso me fez pensar que é possivel medir a força do setor avaliando as diversas areas que andam junto com a venda de imoveis, alem do setor que fornece material p/ construcao.

    0
    • Carlos Wagner 12 de fevereiro de 2012 at 22:12

      Leo

      Muito bom seu comentario. Isso apenas comprova mais uma vez que discutimos aqui ha muito tempo: os imoveis que estão sendo construidos estão, na grande maioria, nas mãos de especuladores que não pretendem residir neles. Imoveis perderam sua função social de moradia com a euforia da especulação imobiliaria e habitantes com o desejo de torna-los um “lar” é um mero detalhe.

      0
  • nathália 12 de fevereiro de 2012 at 21:32

    Minha dúvida cruel:

    vocês acham que os preços de CASAS em bairros tradicionais devem cair de forma significativa quando a possível bolha estourar/murchar?

    A sensação que tenho ao procurar por casas na minha cidade é de que quase ninguém quer se desfazer desse tipo de imóvel, o que dá a impressão de que os preços poucos vão cair devido à baixa oferta.

    0
    • xyz 12 de fevereiro de 2012 at 22:14

      Meu achismo:
      Li um artigo que dizia que uma bolha seca no mesmo período em que inflou, ou seja, se demorou 4 anos para se formar, levará 4 anos para secar totalmente.

      Um efeito que percebo na minha cidade é que a diferença de preços entre áreas de pouquíssima disponibilidade de terrenos é pequena em relação às áreas de muita disponibilidade de terrenos. Portanto, acho que se a bolha estourar, não tenho dúvida que vai afetar mais os imóveis de áreas com muita disponibilidade de terrenos.

      0
      • xyz 12 de fevereiro de 2012 at 22:16

        Acho ou não tenho dúvida? Essa foi cruel.

        0
      • Etmso 13 de fevereiro de 2012 at 01:37

        Se os precos abaixarem 15% em 2 anos, a inflacao terá elevado o poder de compra dos potenciais compradores, então a demanda reprimida por conta da alta dos precos ira as compras, para entrarmos num ciclo virtuoso de queda dos precos, precisamos que a demanda esteja contida.

        Infelizmente a cultura do brasileiro nao e de morar de aluguel. Por mais que seja lógico, a massa quer a “casa própria” que na verdade e do banco.

        0
        • Annibal 13 de fevereiro de 2012 at 16:08

          Como é q a inflação eleva o poder de compra???????????????

          Jurava q fosse o inverso….

          0
          • Etmso 13 de fevereiro de 2012 at 17:09

            A inflação aumenta o poder de compra, pq existe uma coisa chamada DICÍDIO.

            Os assalariados recebem este Dicídio ano a ano, ele costuma ser maior que a inflação (em tese).

            Então se houver uma queda de 10% a.a e houver um dicidio de 10% a.a. o poder de compra do consumidor aumenta 20% a.a.

            Estes finaciamentos, de 30 anos, são normalmente quitados em 10 a 20 anos, por conta do dicídio. O crédito não é ruim, o problema foi a forma com ele foi “jogado” no mercado subindo os preços absurdamente.

            0
            • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 18:52

              A palavra “em tese” veio a calhar, de qualquer forma tem um equívoco aí:

              “Então se houver uma queda de 10% a.a e houver um dicidio de 10% a.a. o poder de compra do consumidor aumenta 20% a.a.”

              Nesse caso o poder de compra se manteria igual já que os produtos subiram 10% e o salário também 10%, logo, iguais. E em tese também porque a inflação sobe mês a mês e a correção é só uma vez por ano, não compramos comida uma vez por ano (ainda).

              “Estes finaciamentos, de 30 anos, são normalmente quitados em 10 a 20 anos, por conta do dicídio.”

              Na verdade o que “ajuda” é o uso do FGTS. Aliás, creio que um dos motivos de ter tanto servidor público por aqui é justamente o fato de não ter o FGTS (pra atrapalhar).

              0
            • Annibal 13 de fevereiro de 2012 at 20:13

              Você deve estar falando de Dissídio e não dicídio, acho q vc não sabe o q significa então vou explicar:
              Conflito entre empregador e empregado, ou empregados, submetido à Justiça do Trabalho (dissídio coletivo)
              O dissidio ocorre qdo uma negociação anual de salário realizada na data base de determinada categoria não logra êxito e se faz necessário o uso do judiciário para resolução da celeuma.
              Eu entendi sua equivocada intenção na primeira vez q vc escreveu, só q se a construção civil for mal das pernas, tudo mais vai ruir por consequência.
              Perceba q o Brasil não possui setor secundário desenvolvido e competitivo, tendo um peso grande do setor terciário (serviços), cujo maior destaque (disparado) é da construção civil… se o negócio ficar ruim vai ter mta gente q nem emprego vai ter, quem dirá negociação salarial e quem dirá mais ainda o tal do DISSÍDIO.
              PS – Qdo há dissídio a justiça estipula geralmente um indicador como o IPCA para reajustar os salário, na verdade vai haver e perda do poder de compra e não ganho como vc imagina.

              0
              • Etmso 13 de fevereiro de 2012 at 23:31

                Annibal,

                O ideal seria dolarizarmos o imóvel, ou fixar seu preço baseado em outro indicador. Pq com esta inflação, reajustes, ninguém sabe o preço de nada.

                Ouço pessoas dizendo, comprei por 200k e vendi por 500k em 5 anos ganhei 300k. ERRO FATAL, 200k a VPL pela inflação dá uns 300k então o GANHO REAL foi de 200k.

                Aí a impressa divulga, imóveis sobem 45% em 3 anos, mas o real foi 30% em 3 anos, o que dá 9% liquido a.a. Aí o cara teve aumentos reais (em tese) de 4% o GAP foi de 5%.

                0
    • Carlos Wagner 12 de fevereiro de 2012 at 22:18

      Nathália

      Ao meu ver, existem pessoas querendo vender e pessoas que precisarão vender os imoveis. Portanto, saiba diferenciar os potenciais vendedores dos especuladores que entraram nesse mercado com o intuito de se alavancar e ganhar dinheiro.

      Para os vendedores de ocasião, que moram nos imoveis que se valorizaram absurdamente, estes nunca viram tanto dinheiro nem em fotografia e querem aproveitar o momento. Então, se venderem, ótimo! Se não venderem, não tem problema!

      A queda de preços vai ocorrer nos imoveis que estão nas maos dos especuladores e das construtoras que necessitam fazer caixa. Isso trará o preço dos demais para baixo por equiparação de valores, idade do imovel, localização etc…

      Em bairros mais nobres, eu acredito que os preços demorarão mais pra baixar em virtude da classe social mais alta envolvida, pois eles tem dinheiro pra comprar mesmo com os preços bolhudos, é uma questão de adquirir um produto de luxo e não comprometer a vida financeira da familia. O que vai acontecer é cada vez mais as pessoas ficarem reticentes em pagar os preços praticados atualmente, o que causará uma redução nos preços.

      Espero ter ajudado.

      0
  • Paulo - RJ 12 de fevereiro de 2012 at 22:32

    Ainda que de forma tímida, vejo aumentar, pela região da Tijuca, o número de placas de vende-se na janela dos prédios. Em uma caminhada de fim de semana, vi 5 placas e um anúncio no poste da minha rua.

    Seria o pessoal que comprou outro na planta tentando vender o antigo ou apartamento alugado e agora posto a venda?

    0
    • Leo 12 de fevereiro de 2012 at 23:55

      Posso dizer o mesmo do Grajau… estou morando aqui a pouco tempo. A 3 meses quase nao tinha placa de Venda, hoje ta facil encontrar.

      0
  • Ricardo 12 de fevereiro de 2012 at 23:24

    Uma amiga que estava procurando imóveis na ZS de SP ficou impressionada com um conjunto de prédios entregues em set/11 próximo ao Parque do Ibirapuera. Ela foi visitar mas achou muito caro para o tamanho do apartamento. R$600 k, não me lembro a metragem. Ela disse que ao final da visita já era noite e ela pode ver apenas 3 apartamentos com as luzes acesas nos 3 prédios que faziam parte do conjunto. Ela ficou impressionada porque meses depois da entrega a ocupação dos apartamentos era mínima. Eu disse que provavelmente a maioria dos compradores era de investidores e não de moradores. Detalhe: o condomínio é de R$ 800,00. Isso é que eu chamo de desinvestimento.

    0
  • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 00:22

    Não sei se o pessoal viu esse meu pois, porque ficou retido pelo link:

    Cirilo disse:
    11 de fevereiro de 2012 às 16:45

    Trecho da matéria: “As causas da gradual desvalorização dos imóveis”:

    O mercado imobiliário brasileiro continua pujante, e embora a valorização já esteja mais modesta, ninguém acredita numa queda de preços em breve. Notícias negativas, porém, tendem a provocar reações passionais nas pessoas, com consequências reais. Quando há um desastre aéreo, por exemplo, cai o número de pessoas que viajam de avião; e uma casa onde se sabe ter havido um assassinato certamente terá dificuldade de ser vendida.

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/as-causas-da-gradual-desvalorizacao-dos-imoveis

    Acho que a reporter Julia Wiltgen está meio desinformada, vou mandar um email para ela sugerindo que ela dê uma olhada no blog!

    Pois é mandei email para Julia, jornalista da Exame, e ela ficou de realizar uma ressalva na matéria, mudando para: “quase ninguém acredita numa queda de preços em breve”, vamos aguardar.

    0
    • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 00:25

      Fui olhar aqui agora, e já foi alterado, o trecho inicial era o que eu coloquei no post anterior, segue o novo trecho, já alterado e o email que recebi dela:

      O mercado imobiliário brasileiro continua pujante, e embora a valorização já esteja mais modesta, quase ninguém acredita numa queda de preços em breve. Notícias negativas, porém, tendem a provocar reações passionais nas pessoas, com consequências reais. Quando há um desastre aéreo, por exemplo, cai o número de pessoas que viajam de avião; e uma casa onde se sabe ter havido um assassinato certamente terá dificuldade de ser vendida.

      “Entendo o seu ponto de vista, e embora eu tenha escrito dessa forma em razão de uma visão predominante no mercado, é realmente impossível afirmar categoricamente que ninguém acredita numa queda de preços em breve. Farei a ressalva sugerida.”

      0
      • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 01:34

        Ficaria melhor assim:

        Entre os que nunca residiram (*) no exterior, ninguém acredita numa queda de preços em breve ou mesmo a longo prazo.

        (*) Existe uma diferença muito grande entre residir no exterior e visitar como turista ocasional. Leva tempo para abandonar as bananices que o bananense incorpora na personalidade só por residir na Banânia.

        0
  • Etmso 13 de fevereiro de 2012 at 01:23

    Na Europa houve e existe este descompasso entre valor do aluguel e valor do IMOVEL, e muito comum gerações morarem de aluguel, visto o preco dos imoveis, nem por isto os imoveis abaixaram o preco, exceto na Espanha onde houve uma crise generalizada.

    Mas nao podemos so olhar o aluguel, existe tb a valorização do IMOVEL, msm que seja mto baixa, 10% a.a. Num IMOVEL de 500k sao 50k e um aluguel de 0,3%am sao 18k no ano, total de rendimento no ano 68k que da mais de 15% aa

    Com a bolsa em baixa, poupança irrisória sendo comida pela inflacao, IMOVEL e um investimento com atratividade.

    Por falar em fatos isolados, um amigo vendeu esta semana um apto de 65m2 por 560k em Moema-SP

    0
    • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 17:04

      Etmso,

      Aqui no BLOG existem poucos tolos para acreditar no que voce escreve. Eu até considero investir em imóveis, mas jamais na Banânia.

      0
      • Etmso 13 de fevereiro de 2012 at 17:15

        Eu tb não acho justo os preços como estão, mas vamos analisar:

        Bolsa: Lucro da PB que é a blue ship brasileira chefe cai;
        Poupança: Sem comentários
        Fundos: Depende muito.

        A questão é, o brasileiro comum não tem onde colocar o dinheiro, e não conhece as opções que o blog conhece. Converse com um pessoa nascida na década de 60 e pergunta para ele o que ele acha de deixar dinheiro aplicado no Brasil. O blog não é a média da população.

        0
        • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 18:56

          “brasileiro comum não tem onde colocar o dinheiro”

          E não é só o comum não, mas de qualquer forma ainda é melhor aplicar aqui do que receber juros negativos naquele país que não tem nome.

          0
          • Annibal 13 de fevereiro de 2012 at 20:42

            Eu diria q o brasileiro comum não tem dinheiro p colocar onde quer q seja….

            0
          • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 23:01

            Está enganado, pois na Banânia o juros também está negativo. Além disso, voce corre risco de insolvência (Panamericano) com garantia de depósito de até 70 mil Reais e um alto risco de maxi-desvalorização, vaporizando seu dinheiro de um dia para o dia sguinte. No país sem nome, a garantia vai até 400 mil Reais.

            0
            • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 23:12

              “na Banânia o juros também está negativo”

              Como você chegou nessa conclusão? A taxa básica menos a inflação oficial ainda dá um juro (quase) real de pelo menos 3%!

              “alto risco de maxi-desvalorização, vaporizando seu dinheiro de um dia para o dia sguinte”
              “No país sem nome, a garantia vai até 400 mil Reais”

              Isso é verdade, e como não temos mais armas não creio que vá melhorar…

              0
              • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:49

                Muito simples, a inflação “oficial” é FALSA!

                0
  • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 05:03

    Acho que vou fazer uma oferta de 40 milhões por uma cobertura na Orla. Agora estou convencido de que o preço está abaixo do mercado. Nunca estive tão convencido.

    Fim de semana do Rio tem 223 detidos por urinar na rua

    www1 . folha . uol . com . br/cotidiano/1047821-fim-de-semana-do-rio-tem-223-detidos-por-urinar-na-rua . shtml

    0
  • Mr.Crowley 13 de fevereiro de 2012 at 08:13

    Olha o SECOVI atacando de novo.
    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,nao-ha-espaco–para-reducao-dos-precos-dos-imoveis-,835138,0.htm

    ‘ preços de imóveis dispararam nos últimos anos. Eles vão continuar a subir?

    Os preços vão subir, na média, no mesmo nível do crescimento da economia. Não acredito que exista espaço para redução de preços. Assim como não tem espaço para subir muito mais do que a economia. Mas é uma média, então essa relação será diferente em algumas regiões onde há mais ou menos oferta.’

    0
  • Muca CG Muita Treta 13 de fevereiro de 2012 at 08:15

    Prestem atenção nesse relato pessoal.

    Sexta-feira, encontrei um colega que estudou comigo na faculdade. Ele é 10 anos mais velho que eu, tem 36. Há dois anos, ele vendeu um apartamento de 60 m2 na Mooca por R$250. Consciente de que o país vivia uma bolha, guardou a grana para investir em um novo imóvel só depois do ploc. Nesse meio tempo, está vivendo em um imóvel de propriedade do pai. Trata-se de um sobrado no Tatuapé, há duas quadras da praça Silvio Romero, em uma paralela à rua Tuiuti. A casa tem pouco mais de 100m2 de área construída e um acabamento legal, até. E está à venda. Segundo esse amigo, o pai pede R$1,2 milhões no imóvel. Sabendo que ele conhece a bolha, perguntei: “vem cá, porque você não pede menos que os vizinhos? Assim você vende mais rápido”. Eis que ele me responde: “na real, meu pai não se importa em vender rápido. Ele quer essa quantia para passar uma aposentadoria tranquilo. Se alguém aceitar pagar isso, para ele tá ótimo. Se não, tudo bem também”.

    Quer dizer, o pai do cara quer ficar rico com a venda do imóvel. Só isso. Ele sabe que não vale, mas está praticando esse preço e bagunçando o mercado. É isso que infla a bolha ainda. Infelizmente.

    0
    • Davi 13 de fevereiro de 2012 at 09:04

      Eu acho que padeiro deveria começar a vendar um pãozinho a R$20, que o açougueiro deveria vender o kilo do alcatre a R$100 e o pasteleiro vender o pastel a R$30, se for de carne R$40.

      Este raciocínio do brasileiro é um nojo, e a porcaria do ZAP, como já cansaram de dizer aqui, usar o valor ofertado de venda para avaliar “valorização” e não o de fato relizado, tod mundo sai perdendo.

      Quando o cara pega um financiamento que faz com ele fique usando os recursos dele unicamente para pagar um imóvel, ele deixará de consumir outros bens e isso é ótimo para economia, execelente.

      0
      • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 10:59

        Tem razão! Não tinha pensado dessa forma.

        0
    • Ploc 13 de fevereiro de 2012 at 09:58

      Muca,

      Isso acontece na minha familia. Meus pais estão fazendo o mesmo. Se vender bem vão poder finalmente ter sua tão sonhada aposentadoria (eles dizem que só maluco para comprar neste momento mas vai que algum gringo maluco queira muito morar alí). A idéia é sair do Rio (para eles, qualidade de vida no Rio piorou muito) e comprar um imóvel mais barato numa cidadezinha menos cara que o Rio. E o dinheiro que sobrar (e vai sobrar muito) vão poder viajar muito na velhice. Se não vender, não perderam nada pois a vida segue.
      Você de fato acha que se a bolha estourar teremos esta quantidade de imóveis usados sendo ofertado? Não teremos não. Muitos vão suspender a venda na hora e colocar para alugar ou manter fechado. Aí descobriremos quem de fato entrou na furada.
      Nesse jogo, muitos perderão para que muitos ganhem. Você escolhe o lado que quer ficar.
      Abraços

      0
    • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 10:21

      … na real, meu pai não se importa em vender rápido. Ele quer essa quantia para passar uma aposentadoria tranquilo. Se alguém aceitar pagar isso, para ele tá ótimo. Se não, tudo bem também …

      … Se vender bem vão poder finalmente ter sua tão sonhada aposentadoria …

      Esse estratégia de SE VENDER por um preço absurdo, terei uma vida de rico e SE NÃO VENDER está tudo bem, só tem um probleminha – as pessoas são MORTAIS.

      Se essas pessoas estivessem conscientes da própria mortalidade, pensariam da seguinte forma: Que ótima oportunidade de vender por um preço alto, embora muito mais baixo do que os outros estão pedindo, e poder usufruir o dinheiro no tempo que me resta de vida.

      0
      • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 12:59

        Perfeita análise, Anonymous.

        Esse pensamento não faz nenhuma lógica, por dois motivos.O primeiro é esse que você mencionou, a vida não dura para sempre e esse imóvel de R$1.2M parado trás que beneficio para o proprietário?

        O outro seria o custo de oportunidade, se considerarmos que ele receba uma ofertar de R$900K, com esse valor se consegue algo entorno de R$7K/Mês líquido, ou seja, a cada mês que fica com imóvel perde, deixa de receber, esse valor.

        Normalmente essas pessoas tem um baixo grau de formação, e entendem bem pouco de finanças pessoais e economia, por isso tomam essas decisões inocentes.

        0
    • André 13 de fevereiro de 2012 at 13:39

      Seria culpa da nova “virtual classe C” (como disseram anteriormente) que ganha um dinheirinho e acha chique sair da Penha pra morar no Tatuapé? Mas peraí… Essa nova “virtual classe C” não anda podendo comprar apartamento nem em Guaianazes!

      Pessoal, sou engenheiro e estou em agonia profunda por não entender a lógica de se pedir – e alguns pagarem – tão caro por algo no TATUAPÉ!
      Por favor, alguma boa alma elucide-me.

      Ah, lembrei: são brasileiros vendendo e brasileiros comprando. Os preços não precisam ter lógica. Ufa!

      0
      • Muca CG Muita Treta 13 de fevereiro de 2012 at 14:53

        É isso mesmo. Não faz sentido nenhum cobrar R$ 1,2 milhão em um sobrado no Tatuapé. Não vale. Quem conhece o bairro, sabe. Tem uma ampla rede de serviços, metrô, mas quando eu estudei lá na minha adolescência, fui assaltado duas vezes. É um bairro perigoso, principalmente nas imediações da Silvio Romero. Enquanto isso, no bairro em que morava, Cidade Líder, nunca roubaram nem cueca no meu varal.

        0
  • Fritz 13 de fevereiro de 2012 at 09:53

    Não há espaço para redução dos preços dos imóveis’
    Para novo presidente do Sindicato da Habitação, preços vão acompanhar, em média, o nível de crescimento da economia
    13 de fevereiro de 2012 | 3h 08

    MARINA GAZZONI – O Estado de S.Paulo
    O empresário Claudio Bernardes toma posse hoje como novo presidente do Sindicato da Habitação (Secovi), em substituição a João Crestana, no cargo desde 2008. O Secovi, que representa as empresas do setor imobiliário, escolheu para representá-lo um empresário focado em urbanismo.

    A grande meta de Bernardes à frente do sindicato é colocar na pauta de discussões uma mudança no modelo de ocupação de grandes cidades e metrópoles. Ele também falou sobre as perspectivas de preços para o mercado brasileiro de imóveis, e de como a tendência atual é de ajuste ao ritmo de crescimento da economia.

    A seguir, os principais trechos da entrevista.

    As vendas de imóveis em 2011 caíram cerca de 20% em São Paulo e os lançamentos subiram um pouco, algo como 1%, segundo o Secovi. O que aconteceu?

    Existe uma acomodação natural. As vendas caíram em relação a 2011, mas desde 2006 têm crescido. Não quer dizer que haja uma bolha. Só que há uma acomodação no mercado. A diferença do mercado imobiliário de uma indústria é que eles detectam uma alteração na demanda, mandam desligar uma máquina e no outro dia a produção já está menor. No mercado imobiliário, é um processo mais lento. Não vamos crescer no mesmo ritmo dos últimos anos. Vamos crescer em média no ritmo da economia. Vai ser 4,5% ou 3,5%. Mas, em alguns bairros ou cidades, o crescimento será maior ou menor.

    Mas o Brasil possui um déficit habitacional. Como a demanda por imóveis caiu?

    Muitas pessoas querem comprar um apartamento, mas isso nem sempre se caracteriza em demanda. Para ter demanda, as pessoas precisam ter condição de compra. Ou seja, elas precisam ter dinheiro ou acesso a financiamento. Com o aumento da renda da população e a melhoria nas condições de crédito, muitas pessoas se tornaram potenciais compradores de imóveis nos últimos anos. E o mercado correu para tentar ofertar mais. Mas não conseguiu produzir na medida necessária para equilibrar o preço. Porque não tem terreno, tem problema de estoque de outorga onerosa e uma série de problemas. E, se o preço sobe muito, o número de potenciais compradores cai. Então, gera um excesso de oferta.

    O volume de lançamentos vai continuar a crescer?

    Não. Ele tende a se adequar à demanda. Se a demanda se mantiver nesse nível, a oferta terá de cair um pouquinho. Se o mercado produzir muito mais, existe uma tendência de que os preços comecem a cair. E, se caírem, as empresas perdem a margem de lucro. Então, param de produzir. Aí recomeça o ciclo.

    Os preços de imóveis dispararam nos últimos anos. Eles vão continuar a subir?

    Os preços vão subir, na média, no mesmo nível do crescimento da economia. Não acredito que exista espaço para redução de preços. Assim como não tem espaço para subir muito mais do que a economia. Mas é uma média, então essa relação será diferente em algumas regiões onde há mais ou menos oferta.

    De quanto é o déficit habitacional no Brasil?

    Depende da métrica para calcular. Mas a verdade é que temos um déficit talvez entre 6 milhões e 10 milhões. É enorme.

    É possível acabar com esse déficit?

    Sim. Outros países já conseguiram. No ano passado, conversei com o ministro de Habitação da China e soube que eles estão produzindo 10 milhões de unidades. Mas, para isso, é preciso ter condições de infraestrutura e desenvolvimento de projetos.

    Como o governo pode ajudar?

    Temos duas questões principais. A principal delas é a do terreno. O governo tem de ter uma cabeça voltada para soluções urbanísticas que viabilizem a construção em mais terrenos, para aumentar a oferta e reduzir o preço. Mas não adianta só isso. Temos um problema de infraestrutura. Se quiséssemos construir 10 milhões de moradias faltaria cimento, mão de obra e equipamentos. Não teríamos condições, mesmo que tivéssemos terrenos.

    O governo pretende aumentar a meta do Minha Casa, Minha Vida até 2014. É factível?

    É uma boa decisão e é factível. Mas precisa de estrutura de base. Se não tiver terreno em condição e preço, não vamos conseguir fazer.

    O que vocês precisam para viabilizar o programa?

    Vamos precisar de espaço urbano adequado. Para isso, vamos ter de criar um novo modelo de ocupação para viabilizar o adensamento das cidades em algumas áreas sem criar impactos negativos para a região.

    Como?

    Existem espaços nas cidades onde é possível fazer novas centralidades. Em São Paulo, há locais como Mooca, Pari, Santo Amaro, que são antigas áreas industriais, onde o preço não é tão alto, mas há espaços grandes. É possível fazer uma reurbanização, criando locais de lazer, escola, comércio e residências para todos os padrões.

    O mercado imobiliário depende do que para criar esses polos?

    Antes de tudo, o poder público precisa planejar a cidade dessa forma. O mercado imobiliário seria coadjuvante. O que estamos tentando fazer é apresentar um modelo à sociedade. Temos um grupo de estudos, fizemos um plano para São Paulo e já encaminhamos à Prefeitura.

    Por que vocês começaram por São Paulo?

    Porque está prevista uma reestruturação do plano diretor em 2012. Fizemos essa contribuição para ser um subsídio para a Prefeitura definir um novo plano diretor. E, se der certo em São Paulo, pode ser aplicado em outras cidades.

    Então o que podemos esperar? O mercado vai lançar projetos do Minha Casa, Minha Vida com imóveis residenciais e comerciais, por exemplo?

    O Minha Casa Minha Vida é muito importante para ajudar o País a reduzir o déficit habitacional. Esse modelo é vencedor e terá de continuar até acabar com o déficit. Se tivermos um novo modelo de ocupação urbana, surgirão alternativas para novos empreendimentos. Podemos ter projetos no Minha Casa, Minha Vida um pouco mais longe do centro da cidade, se ficarem próximos de uma linha de trem, por exemplo.

    Mas para isso vocês dependem da aprovação do poder público. Não é solução de curto prazo.

    Não é, entre aspas. Se houvesse vontade política, poderia ser viabilizado em um ano e meio.

    Mas o prazo para lançar 2 milhões de moradias no Minha Casa Minha Vida está correndo..

    Nesse período, precisaremos de ajustes. Os terrenos vão escassear mais e ficar mais caros. Precisaremos de mais subsídios, principalmente para a primeira faixa do programa, para famílias com renda de até três mínimos. Em São Paulo, o governo do Estado criou o programa Casa Paulista, que adicionou R$ 25 mil no limite de preço do Minha Casa, Minha Vida para metrópoles do Estado.

    O governo terá de aumentar novamente o teto do programa?

    Provavelmente. Até que se encontre uma solução mais duradoura para viabilizar uma oferta maior, que passa por um novo modelo de urbanismo. (Hoje, o Minha Casa, Minha Vida financia imóveis até R$ 170 mil.)

    Qual a sua principal meta como presidente do Secovi?

    Temos de procurar novos modelos de ocupação para as cidades. E é aí que eu acho que o Secovi, espero que na minha gestão, pode dar uma contribuição grande. Nós desenvolvemos o mercado imobiliário com as regras de ocupação definidas pelas cidades. Aí lançamos empreendimentos e somos acusados de provocar problemas de superlotação. O mercado imobiliário é visto como o vilão que cria problemas de trânsito. Mas só estamos tentando equilibrar oferta e demanda obedecendo às regras existentes. Se a gente não planejar a cidade, ela vai crescer de forma caótica. Isso é ruim para todos, não só para quem mora numa região, mas para o mercado também.

    0
    • Shakespeare 13 de fevereiro de 2012 at 14:41

      É por pensamentos assim que os preços estão da forma que estão:

      1) subiram demasiadamente
      2) estão se mantendo no patamar atual e
      3) as pequenas quedas que se verificaram foram em função daqueles que já começaram a se apertar e precisam vender

      Mas certamente eles vão começar a cair logo, pois a pressão do mercado, que foram bem analisadas por muitos aqui no blog vão falar mais alto do que as palavras vãs do Secovi

      0
  • MrK 13 de fevereiro de 2012 at 10:10

    Sugiro quem comprou imovel como investimento ir ao procon contra as empresas e o SECOVI por propaganda enganosa, o pessoal garantia 30% de valorizacao anual em media, veja agora o que o novo president do SECOVI disse em entrevista ao estado de sao paulo:

    “Não vamos crescer no mesmo ritmo dos últimos anos. Vamos crescer em média no ritmo da economia. Vai ser 4,5% ou 3,5%. Mas, em alguns bairros ou cidades, o crescimento será maior ou menor. ”

    “Os preços vão subir, na média, no mesmo nível do crescimento da economia. Não acredito que exista espaço para redução de preços. Assim como não tem espaço para subir muito mais do que a economia. Mas é uma média, então essa relação será diferente em algumas regiões onde há mais ou menos oferta.”

    e agora????

    0
  • Jack Imóveis 13 de fevereiro de 2012 at 10:36

    Caro Bolha,

    Caso voce tenha acesso, sairam diversas matérias sobre o setor imobiliário no caderno de economia do Estadão.

    Abraços

    Jack – Lendo

    0
  • RAFAEL 13 de fevereiro de 2012 at 10:50

    Amigos bolhudos,

    Depois dessa eu desisto.

    Quase R$ 9.000,00 o m2 na Tijuca no Rj.

    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-1-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-TIJUCA-/ID-2809453

    Como pode isso?

    0
    • Leo 13 de fevereiro de 2012 at 13:02

      Como pode? Simples, cada um pode pedir o que achar interessante… o problema é conseguir vender. 🙂 Simples assim…. o problema disso é que mesmo nao vendendo o ZAP aponta como valorizacao dos imoveis.. e assim segue o jogo. Bobo é aquele que cai nessa…

      0
    • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 13:08

      Praticamente USD 5.000/m2, estão de brincadeira!

      “Conjugadão Reformadão!”

      0
      • RAFAEL 13 de fevereiro de 2012 at 14:27

        Isso na GLORIOSA TIJUCA…….. Esse esta vazio, deve ter tirado o inquilino e reformado com intuito de vender, quero saber quem é doente que vai comprar por esse preço, não é possível, SÃO 28 MT2….

        0
        • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 14:34

          .. pessoal .. é da Coutinho .. FALA SÉRIO! … o pessoal dessa imobiliária combina os preços com os corretores das outras imobiliárias da região… fato confirmado por uma corretora dessa imobiliária que discutiu comigo por telefone…

          0
  • Suelen 13 de fevereiro de 2012 at 11:20

    Essa semana conversei com uma amiga enfermeira que mora em Serra na grande Vitória, ES há pouco tempo. Estavamos em uma conversa sobre a mudança dela para lá, nada a ver com bolha, coisa que ela nem sequer imaginava que poderia existir. Mas ela disse:

    “Suelen, tem muito prédio sendo construído naquele lugar, muito mesmo. N tem gente para morar naquilo tudo não, não é possível. Tudo com piscina, área de lazer…”

    E depois contou sobre uma colega que passou em um concurso para ganhar 14k em Brasília mas pediu transferência para MG porque não aguentou o custo de vida de lá e disse que morava em um quarto e sala e via que nunca ia poder comprar um ap maior.
    ACHEI INTERESSANTE ELA NEM SABER DE BOLHA, nem estar procurando ap, MAS ESTAR COM UM DISCURSO DE QUEM ACHA QUE A COISA TÁ ERRADA.

    0
  • MrK 13 de fevereiro de 2012 at 11:20

    Se alguem for assinante da folhaSP ou do UOL, poderia por favor colar aqui a coluna da marcia dessen chamada “O brasileiro tomou mais crédito em 2011 e não consegue pagar ”

    agradeco desde ja

    0
    • MrJaime 13 de fevereiro de 2012 at 11:35

      O brasileiro tomou mais crédito em 2011 e não consegue pagar

      A boa notícia: aumentou a oferta de crédito em 2011, com números próximos a 50% do PIB. Muitas pessoas físicas e jurídicas tiveram acesso aos recursos financeiros necessários para fluxo de caixa, capital de giro, compra de equipamentos e outras ações planejadas (ou não).

      Segundo a Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo, mais de 50% das famílias brasileiras têm algum tipo de dívida.

      A má notícia: as estatísticas indicam que aumentou a quantidade de pessoas que não dormem bem à noite porque não conseguem pagar suas dívidas.

      Ampla oferta de crédito, compras por impulso, nível elevado de taxa de juros e falta de controle do orçamento doméstico são ingredientes perigosos e podem provocar um bom estrago nas finanças da família. O índice de inadimplência subiu de 5,7% para 7,5% no ano passado, segundo o Banco Central.

      O IBGE divide a população brasileira em cinco faixas de renda ou classes sociais, com base no número de salários mínimos. As chamadas classes A (renda acima de 20 salários mínimos) e B (renda entre 10 e 20 salários mínimos) reúnem atualmente cerca de 42 milhões de pessoas.

      A classe C (renda entre 4 e 10 salários mínimos) reúne mais de 101 milhões de pessoas. E as classes D e E (entre 2 e 4 salários mínimos) englobam 48 milhões de pessoas.

      Podemos notar então que a distribuição da população brasileira em classes sociais não forma mais a figura de uma pirâmide como em 2005, período em que a grande concentração estava nas classes D e E. Em 2010, a classe C domina.

      Houve uma mudança significativa no perfil de renda da população brasileira, com a ascensão de muitas pessoas para classes superiores.

      Renda mais elevada, acesso ao crédito relativamente fácil, porém caro, e ir com muita sede ao pote para beber uma água que antes não podia beber levaram, possivelmente, muitas pessoas a dar o passo maior do que a perna.

      Estudos da Serasa Experian demonstram que a qualidade do crédito caiu nos últimos anos e apontam para maior chance de inadimplência. E se observa que essa queda na qualidade do crédito não é privilégio das classes mais baixas. Atingiu também pessoas das classes mais altas, que deixam de pagar em dia seus compromissos.

      POSSÍVEIS RAZÕES

      1) Tomar crédito para consumo, e o que é pior, por impulso. Contrair dívida para custear despesas supérfluas de refeições fora de casa, lazer, roupas e presentes, por exemplo, não é uma estratégia recomendável. Utilize crédito para comprar bens que ajudam na construção de patrimônio.

      2) Tomar a modalidade de crédito errada. Compras e despesas feitas por impulso, sem planejamento, são normalmente pagas com o cartão de crédito. E financiar a fatura do cartão é a forma de crédito mais fácil e mais disponível. Nem precisa pedir.

      Mas o problema é que se trata da modalidade de crédito mais cara que existe no mercado. Segundo a Anefac, a taxa de juros média dos cartões de crédito em dez de 2011 era de 10,7% ao mês.

      Uma despesa de R$ 2.000 parcelada em 6 meses vai custar R$ 3.680. Em 12 parcelas, vai custar R$ 6.773, e, em 24 parcelas, R$ 22.938!!

      Fácil perder o controle da situação com taxa de juros tão alta. As taxas de juros do cheque especial e dos empréstimos em financeiras são um pouco menores do que a taxa do cartão de crédito, mas também proibitivas. Evite.

      3) Não controlar despesas nem estabelecer limites. O brasileiro não tem o hábito de controlar seu orçamento. Os que controlam nem sempre o fazem com a precisão necessária e deixam de lançar no orçamento pequenas despesas que, no fim do mês, acumuladas, provocam um rombo no fluxo de caixa.

      Outro erro frequente é não lançar no orçamento as despesas que são pagas anualmente. Um bom exemplo é o carro. A maioria leva em conta somente as despesas mensais, tais como parcelas do financiamento, combustível, estacionamento e pedágios.

      E acredita que gasta com o carro, por exemplo, R$ 900 por mês. A maneira correta de apurar o custo do carro é somar as despesas anuais relativas a IPVA, seguro, licenciamento, manutenção e multas, por exemplo, dividir por 12 e adicionar ao valor das despesas mensais. Surpresa! Descobre que gasta com o carro algo em torno de R$ 1.300/mês (exemplo), muito mais do que pensava.

      O crédito ajuda a viabilizar sonhos e projetos de vida. Pode e deve ser usado em determinadas fases da vida, período da formação acadêmica, início de carreira, fase de casamento e filhos, de construção do patrimônio.

      O crédito certo, na dose certa, inserido no orçamento familiar, pode ser um acelerador de suas conquistas. Use com planejamento e de forma consciente.

      MARCIA DESSEN, Certified Financial Planner, é sócia e diretora-executiva do BMI Brazilian Management Institute, professora convidada da Fundação Dom Cabral e cofundadora do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros.

      0
  • FoxBravo 13 de fevereiro de 2012 at 11:24

    São Paulo, segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012
    Mercado
    Finanças Pessoais

    MARCIA DESSEN [email protected]

    O brasileiro tomou mais crédito em 2011 e não consegue pagar
    A boa notícia: aumentou a oferta de crédito em 2011, com números próximos a 50% do PIB. Muitas pessoas físicas e jurídicas tiveram acesso aos recursos financeiros necessários para fluxo de caixa, capital de giro, compra de equipamentos e outras ações planejadas (ou não).

    Segundo a Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo, mais de 50% das famílias brasileiras têm algum tipo de dívida.

    A má notícia: as estatísticas indicam que aumentou a quantidade de pessoas que não dormem bem à noite porque não conseguem pagar suas dívidas.

    Ampla oferta de crédito, compras por impulso, nível elevado de taxa de juros e falta de controle do orçamento doméstico são ingredientes perigosos e podem provocar um bom estrago nas finanças da família. O índice de inadimplência subiu de 5,7% para 7,5% no ano passado, segundo o Banco Central.

    O IBGE divide a população brasileira em cinco faixas de renda ou classes sociais, com base no número de salários mínimos. As chamadas classes A (renda acima de 20 salários mínimos) e B (renda entre 10 e 20 salários mínimos) reúnem atualmente cerca de 42 milhões de pessoas.

    A classe C (renda entre 4 e 10 salários mínimos) reúne mais de 101 milhões de pessoas. E as classes D e E (entre 2 e 4 salários mínimos) englobam 48 milhões de pessoas.

    Podemos notar então que a distribuição da população brasileira em classes sociais não forma mais a figura de uma pirâmide como em 2005, período em que a grande concentração estava nas classes D e E. Em 2010, a classe C domina.

    Houve uma mudança significativa no perfil de renda da população brasileira, com a ascensão de muitas pessoas para classes superiores.

    Renda mais elevada, acesso ao crédito relativamente fácil, porém caro, e ir com muita sede ao pote para beber uma água que antes não podia beber levaram, possivelmente, muitas pessoas a dar o passo maior do que a perna.

    Estudos da Serasa Experian demonstram que a qualidade do crédito caiu nos últimos anos e apontam para maior chance de inadimplência. E se observa que essa queda na qualidade do crédito não é privilégio das classes mais baixas. Atingiu também pessoas das classes mais altas, que deixam de pagar em dia seus compromissos.

    POSSÍVEIS RAZÕES

    1) Tomar crédito para consumo, e o que é pior, por impulso. Contrair dívida para custear despesas supérfluas de refeições fora de casa, lazer, roupas e presentes, por exemplo, não é uma estratégia recomendável. Utilize crédito para comprar bens que ajudam na construção de patrimônio.

    2) Tomar a modalidade de crédito errada. Compras e despesas feitas por impulso, sem planejamento, são normalmente pagas com o cartão de crédito. E financiar a fatura do cartão é a forma de crédito mais fácil e mais disponível. Nem precisa pedir.

    Mas o problema é que se trata da modalidade de crédito mais cara que existe no mercado. Segundo a Anefac, a taxa de juros média dos cartões de crédito em dez de 2011 era de 10,7% ao mês.

    Uma despesa de R$ 2.000 parcelada em 6 meses vai custar R$ 3.680. Em 12 parcelas, vai custar R$ 6.773, e, em 24 parcelas, R$ 22.938!!

    Fácil perder o controle da situação com taxa de juros tão alta. As taxas de juros do cheque especial e dos empréstimos em financeiras são um pouco menores do que a taxa do cartão de crédito, mas também proibitivas. Evite.

    3) Não controlar despesas nem estabelecer limites. O brasileiro não tem o hábito de controlar seu orçamento. Os que controlam nem sempre o fazem com a precisão necessária e deixam de lançar no orçamento pequenas despesas que, no fim do mês, acumuladas, provocam um rombo no fluxo de caixa.

    Outro erro frequente é não lançar no orçamento as despesas que são pagas anualmente. Um bom exemplo é o carro. A maioria leva em conta somente as despesas mensais, tais como parcelas do financiamento, combustível, estacionamento e pedágios.

    E acredita que gasta com o carro, por exemplo, R$ 900 por mês. A maneira correta de apurar o custo do carro é somar as despesas anuais relativas a IPVA, seguro, licenciamento, manutenção e multas, por exemplo, dividir por 12 e adicionar ao valor das despesas mensais. Surpresa! Descobre que gasta com o carro algo em torno de R$ 1.300/mês (exemplo), muito mais do que pensava.

    O crédito ajuda a viabilizar sonhos e projetos de vida. Pode e deve ser usado em determinadas fases da vida, período da formação acadêmica, início de carreira, fase de casamento e filhos, de construção do patrimônio.

    O crédito certo, na dose certa, inserido no orçamento familiar, pode ser um acelerador de suas conquistas. Use com planejamento e de forma consciente.

    MARCIA DESSEN, Certified Financial Planner, é sócia e diretora-executiva do BMI Brazilian Management Institute, professora convidada da Fundação Dom Cabral e cofundadora do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros.

    0
    • Daniel 13 de fevereiro de 2012 at 12:57

      Será um prenúncio da tempestade….

      Como vemos a Grécia caminha para o Calote, e deve levar outras economias para o buraco junto. O cenário global está ficando estranho.

      E ainda teimam em dizer que nada chegará no Brasil…..

      Vamos assistir de camorote as cenas nos próximos capítulos…..

      0
  • Suelen 13 de fevereiro de 2012 at 11:36

    Já viram essa matéria da exame: 11 razões para o preço dos imóveis seguirem em alta.
    1 – Os preços subiram muito, mas não são absurdos:

    …Um estudo do banco JPMorgan, por exemplo, mostra que o valor dos imóveis no Brasil corresponde a 5,5 vezes a renda anual média das famílias…

    0
  • Ana Alba 13 de fevereiro de 2012 at 11:51

    Olá gente, sou marinheira de primeira viagem nos cometários do blog, mas o acompanho diariamente. O que tenho na verdade é uma dúvida relativa ao investimento do meu suado dinheiro que já economizo a uns 5 anos. Vamos ao caso: tenho 60 k em poupança que me dá um rendimento sem comentários, o dinheiro só está aplicado porque não quero que ele perca tanto valor com a inflação que está aí. Acontece que um amigo me sugeriu que eu entrasse numa sociedade em conta de participação que investe em imóveis e promete rendimento de 2,5 a 3,6% ao mês. O dono na empresa é bem conhecido na minha cidade, pois é metido a intelectual (pós-doutorando em economia). A primeira vista fiquei tentada, mas me lembrei que tenho amigos virtuais que podem me falar um pouco a respeito desse tipo de investimento. Agradeço antecipadamente a ajuda!!!!

    0
    • self 13 de fevereiro de 2012 at 16:39

      “Quando a esmola é grande o santo desconfia.” Vai nessa, não.

      0
    • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 17:11

      Ana,

      Observe que 2.5% ao mes significa 34% ao ano. Um dos maiores vigaristas dos últimos tempos – Bernie Madoff – que enganou até bancos importantes como HSBC, prometia aos seus “investidores entre 10% e 17% ao ano. Portanto, NÃO entre nessa ARAPUCA.

      0
      • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 18:29

        Nesse caso, o Madoff conseguiu enganar grandes bancos e fundos, entre outros motivos, justamente por oferecer um rendimento “possível”.Caso os ganhos constantemente passassem de 20% a.a, aí sim levantaria muitas suspeitas.

        Quanto ao seu caso Ana, fuja disso, não existe essa garantia, esses ganhos são totalmente irreais.O máximo que se pode tirar hoje, com garantia, seria algo entorno de 10% a.a.

        0
        • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 22:55

          Está enganado. Quando o rendimento oferecido é muito maior do que a taxa de juros para risco zero (dívida soberana de países) é um forte sinal de suspeita. As pessoas que foram enganadas pelo Madoff, são do mesmo tipo das que caem no conto do bilhete premiado – uma mistura de ganância e ignorância. Foi o caso de muitas celebridades e grandes bancos, inclusive o Itau.

          0
    • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 17:51

      Tenha sempre em mente: Quando o negocio é bom demais pra ser verdade, é porque, provavelmente, é bom demais pra ser verdade!

      Não entre nessa. Deixe seu dinheiro na poupança e não se arrisque. Assista de camarote os espertahoes serem enganados, porque vão ser enganados, com certeza.

      0
    • Moyashi 13 de fevereiro de 2012 at 18:57

      Chuuuuta que é macumba!!!!! 🙂

      (todo respeito ao pessoal do candoomblé, é só a força de expressão).

      Os rapazes têm outras dicas melhores pra te dar. CDI, Rendda Fixa, etc. Não caia nesse conto do vigário.

      0
      • Moyashi 13 de fevereiro de 2012 at 18:58

        * perdoem as letras duplas… teclado ruim.

        0
    • suelen 13 de fevereiro de 2012 at 22:14

      Várias pessoas foram enganadas por um homem que prometia coisas assim aqui na minha cidadezinha. E era um homem conhecido.

      0
    • Paulo - RJ 13 de fevereiro de 2012 at 23:32

      É uma cilada, Binho!

      0
    • Shakespeare 14 de fevereiro de 2012 at 11:10

      Se você não tem muito apreço pelo seu dinheiro e gosta de arriscar muito eu recomendaria que você entrasse com um valor que não iria fazer muita falta se você o perdesse, tipo uns R$ 1.000,00.

      Agora se esse dinheiro vai lhe fazer falta ou você tem apreço pelo seu dinheiro e tem aversão a risco, pula fora dessa porque as chances de perder são elevadas.

      Só a título de comparação, eu não entraria…

      0
    • Vinicius Lima 14 de fevereiro de 2012 at 12:10

      It’s a Trap!

      0
  • Luiz 13 de fevereiro de 2012 at 11:52

    2012 será um ano muito interessante

    “Construtoras planejam entrega recorde de escritórios em SP e no Rio
    edifícios comerciais de alto padrão receberá oferta adicional de 570 mil m² em 2012, cinco vezes mais do que em 2011” (ESTADO)

    Quem leu a matéria viu que as construtoras empurraram os lançamentos de 2011 para 2012 com o intuito de empurrar a trolha prum momento melhor, porém elas tbm viram que 2013 será um ano ruim, e estão antecipando as obras previstas de 2013 p. 2012.

    O setor comercial é especialmente importante pq boa parte do PIB não vira renda, mas lucro de empresa, portanto o PJ é um consumidor tão importante quanto o mercado residencial. O castelo de cartas imobiliario é muito sensível, basta que qualquer uma das peças caia pra iniciar a reaçao em cadeia.

    A questão é: Qual? e Quando?

    0
  • Raposão 13 de fevereiro de 2012 at 12:08

    Saudações a todos!

    Acabei de ler esse artigo em um blog congênere ao Bolha:

    Especialistas falam sobre a bolha imobiliária

    (…)

    “Em São Paulo, por exemplo, praticamente todos os edifícios de escritórios compartilhados estão com preços inadequados, acima do valor justo”, afirma João da Rocha Lima Junior, professor titular de real estate da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e diretor do Grupo Unitas, que presta consultoria na área. O preço justo, ou adequado, teria que ser arbitrado a partir de uma combinação entre custos e expectativas de rentabilidade. Porém, em alguns segmentos, os investidores estão quantificando essa margem de renda no futuro baseados no cenário atual, o que aumenta a chance de superestimá-la. “Isso é um defeito de postura, que só pode ser corrigido com informação. Informação inadequada resulta em mercado desequilibrado.” E isso costuma variar entre diferentes tipos de produtos e também pela sua posição geográfica. Uma cidade como a capital paulista, por exemplo, pode estar com valores inadequados em um determinado bairro ou região. “No mercado residencial, os produtos de classe média, em bairros como Vila Mariana e Perdizes, também estão supervalorizados”, acrescenta.

    Na comparação entre os dois segmentos que podem ser foco de formação de uma bolha, o professor destaca que, se no caso dos escritórios o risco já existe e é bem real, no residencial as evidências dos últimos meses indicam que o mercado está mais lento, com os preços parando de subir, ao mesmo tempo em que a velocidade das vendas está caindo muito.

    Já para o professor de finanças da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), Samy Dana, o risco de estourar uma bolha no País reside justamente no segmento residencial. E o cálculo que ele faz para chegar a essa conclusão é muito simples. Hoje, o valor de um imóvel no centro paulistano está em torno de R$ 10 mil/m². Sendo assim, um apartamento de 100 m² vai custar R$ 1milhão, aproximadamente, sem considerar algum desconto que possa ter. Se esse dinheiro fosse colocado em uma aplicação conservadora, como a poupança, iria render em torno de 0,5% ou 0,6% ao mês, ou seja, R$ 6 mil. “Eu duvido que alguém pague R$ 6 mil ou mais para morar em um imóvel de 100 m² no centro do São Paulo. É melhor deixar rendendo no banco e pagar aluguel. Para o investidor também, é melhor não comprar e aplicar em outra coisa.”

    Segundo ele, esse descompasso entre o valor da residência e o aluguel, em um futuro próximo, vai levar o mercado a uma encruzilhada: ou os preços caem, ou a locação aumenta. “E eu não acredito que haja espaço para o aluguel subir, então os preços vão começar a cair quando as pessoas passarem a olhar de forma mais racional”, garante. Os motivos que impulsionam a alta, na opinião do professor, é o crédito barato, com pessoas que nunca tiveram acesso a financiamento conseguindo comprar imóveis; o famoso sonho da casa própria, onde o pensamento imperante é de que é melhor ter do que alugar, mesmo que isso vá de encontro à lógica financeira; e o fato de o setor ter andado de lado por muitos anos, com uma oferta muito pequena. “Há espaço sim para crescimento do mercado, mas não para crescimento de preços. Não dá para investir com o metro quadrado nesses valores”, ressalta.

    Na região central de São Paulo, Samy Dana calcula que os empreendimentos chegam a custar o dobro do seu valor real, situação que também se repete em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro. Essa atitude de maximizar os lucros sem contar o dia de amanhã já estaria se refletindo no mercado de ações, com os papéis de algumas construtoras sofrendo com fortes desvalorizações em 2011. “Não tenho dúvidas de que sofremos uma bolha imobiliária, e ela pode estourar em 2012, principalmente por causa da crise internacional. Os preços estão absurdamente altos, ainda mais nos imóveis residenciais das grandes cidades”, salienta.

    Para o professor João da Rocha Lima Júnior, o problema está justamente na dificuldade em perceber ou prever a formação de uma bolha, o que em geral só acontece quando ele se esvanece.
    Mas segundo ele não há muito o quê fazer perante isso. Pela Lei da Avidez e da Riqueza, se o vendedor tiver a oportunidade de comercializar pelo preço mais caro possível, ele vai fazer isso. Enquanto isso, se o comprador puder adquirir o imóvel por um valor mais barato, também não irá hesitar. “Dessa forma, esse jogo de forças de mercado não pode ser resolvido a não ser pelo seu próprio reequilíbrio.”

    Revista Construção e Negócios – Edição 37

    Pelo texto e salientando a opinião do lúcido professor Dana, 2012 poderá ser um ano emblemático no setor imobiliário tupiniquim.

    Att.

    Raposão, na contra-mão da lei da Avidez e da Riqueza (essa a todo custo bolhoso, hehe).

    0
  • Frank 13 de fevereiro de 2012 at 12:27

    “…Um estudo do banco JPMorgan, por exemplo, mostra que o valor dos imóveis no Brasil corresponde a 5,5 vezes a renda anual média das famílias…”

    os números q discutimos aqui uns posts atrás eram maiores.

    0
    • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 13:03

      Só tendo acesso ao estudo poderíamos afirmar alguma coisa, o que o pessoal costuma fazer aqui são suposições.

      0
    • Patricia Engª 13 de fevereiro de 2012 at 13:49

      Reportagem DCI: Renda do Rio é uma das menores do mundo

      São Paulo – A renda per capita da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, de US$ 7.636, é uma das menores do mundo, ao alcançar a 188º posição entre 200 regiões metropolitanas analisadas pelo Global Metromonitor 2011, do The Brookings Institute. Quando considerada a renda por habitante, o Rio está atrás de cidades como Santiago, no Chile, com US$ 8.494, e Cidade do Cabo, na África do Sul, com US$ 8.463. As cidades com as menores rendas per capita do ranking são Cairo, no Egito, e Mumbai, na Índia.

      http://www.dci.com.br/Renda-do-Rio-e-uma-das-menores-do-mundo-6-410208.html
      Data: 10.02.2012

      Ou eu não sei fazer conta, ou este número (5,5) está estranho…

      0
      • Felipe 13 de fevereiro de 2012 at 16:29

        Deve ser 55 vezes.

        0
      • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 17:33

        interpretação erronea.

        5,5 deve ser o preço do metro quadrado em relação a renda.

        0
    • Raposão 13 de fevereiro de 2012 at 14:28

      (…) os números q discutimos aqui uns posts atrás eram maiores.
      Eu diria até que eram número mais otimistas!

      Com o aumento do salário mínimo, mas sem aumento real perante a inflação pela qual já tive notícias de que o governo manipula os índices modificando a metodologia em elaborá-lo, ainda existe margem para ser mais temerário os cálculos dessas agências.

      0
    • FQ 13 de fevereiro de 2012 at 14:33

      Mesmo que seja tal valor, este já seria um absurdo para os atuais juros praticados pelo mercado. Tornando a conta impagável!

      A conta é simples! Conta de engenheiro: Direta e Objetiva.

      Premissa 01 – O financiamento só pode comprometer no máximo 30% do salario (regra atual);
      Premissa 02 – Prazo máximo de financiamento 30 anos (regra atual);
      Premissa 03 – Juros de 11% a.a. (juros de mercado atual fora do minha casa minha vida);

      Fazendo a conta……. (de trás para frente)

      Resultado: Nos atuais juros de mercado, um indivíduo só conseguiria financiar no prazo de 30 anos, comprometendo 30% da sua renda, o total de 2,5 vezes o valor de sua renda anual, ou se preferirem, 30 vezes sua renda mensal.O resto deveria ser dado de entrada.

      Este número citado na matéria ainda é uma média simples e burra, se considerarmos que nas grandes cidades esta proporção do custo do imóvel sobre o salário aumenta, vamos todos ter que morar em favelas!

      0
      • Shakespeare 14 de fevereiro de 2012 at 10:56

        As perguntas que ficam são as seguintes:

        1) Quantas famílias tem rendas de 200 k por ano para financiar aptos de 500 k?

        2) E quantas, das famílias que não tem renda dessas possuem 200 k, 300 k, ou 400 k para poderem financiar 300 k, 200 k ou 100 k, dependendo de suas rendas anuais (120 k, 80 k ou 40 k)?!

        Realmente eu não sei como será possível nos preços atuais…

        OBS: Até acredito que famílias com renda de 120 k, consigam ter 200 k guardados e podem financiar os 300 k restantes para comprar os apartamentos de 500 k, mas hoje em dia, por esse pre;co não se encontram apartamentos muito bons!

        0
  • Sir Income 13 de fevereiro de 2012 at 13:15

    Jornal grego chama Angela Merkel de nazista
    10 de fevereiro de 2012 | 18h50
    Sílvio Guedes Crespo

    Atualizado às 19h31

    blogs.estadao.com.br/radar-economico/2012/02/10/jornal-grego-publica-fotomontagem-de-angela-merkel-com-suastica/

    Situação complicada!

    0
    • Raposão 13 de fevereiro de 2012 at 14:23

      Se o caos se instalasse na Banania e fosse copiado o austero pacote do governo grego, a classe C “virtual” (como bem levantou outro leitor) acordaria do sono tropical profundo para realidade fustigante em um possível pós-PT, caso não se mude as políticas macroeconômicas nessas terras abrasadoras.

      Não querendo puxar a sardinha pro lado de ninguém, mas os PIGS (Portugal, Italia, Grécia e Espanha) nunca foram um exemplo de virtude na Europa: corrupção, mau versação de dinheiro público, ausência de planejamento econômico, dentre outros males. Quaisquer semelhanças com Banania não seria mera coincidência.

      Raposão, around the world!

      0
      • Carlos Eduardo 13 de fevereiro de 2012 at 18:28

        Não é só semelhança! Eles são nossos professores!

        A corte de portugual veio para o brasil fugindo de dividas …

        A america do sul toda é culturalmente ligada a espanha e portugual, sem contar os italianos de SAMPA ! Opa!

        temos muito haver com esse povo, somos tão bons com gestão quanto eles, acho que a solução do brasil é tercerizar o governo!

        Talvez devessemos pedir para fazer parte do reino unido!
        rs

        será que custaria mais do que o nosso ministro dos esportes com suas ongs ?

        0
  • Luiz 13 de fevereiro de 2012 at 14:56

    4 anos depois do estouro da Bolha Americana o ex-presidente Bernake resolve falar:

    “Bernanke Diz Que Mercado Imobiliário Não Pode Mais Ser Visto Como Um Investimento Seguro”
    (12 de fevereiro de 2012)

    … 4 anos depois

    Imaginem QUANDO os palhaços do CRECI e do SECOVI vão admitir alguma coisa

    0
  • Profeta dos Pampas 13 de fevereiro de 2012 at 15:42

    Estamos na fase de comer pelas beiradas!!!
    O pânico já está instituído em corretores e construtoras.
    Inadimplência, devolução de imóveis, construtoras falindo e promoções em quase todas imobiliárias são os indícios no qual falamos muito nos ultimos meses.
    Tudo que a um tempo atrás era previsão vêm se concretizando.
    Podemos projetar uma redução mais acentuada dentro de 2012 e em 2013 um decréscimo na ordem de 30%.
    Impressionante é não ler a história recente com um pouquinho de inteligência. O governo insiste em estimular os mesmos incentivos dados a 3 anos no pós crise. Crédito, crédito, crédito. Já viram o número de automóveis usados pra vender?
    Aqui em Porto Alegre e região não tem mais onde enfiar tanto carro. E quando o cidadão vai lá colocar o seu automóvel num negócio recebe de proposta 60% do valor que pagou a 3 anos.
    O indicador que criei para ter certeza da bolha é o seguinte:
    Vou visitar um ap ou casa. Dou uma olhada na decoração, puxo um assunto com o proprietário e faço a análise um tanto quanto cruel se a pessoa teria condição de comprar o próprio apartamento pelo preço que está pedindo e com uma entrada de 40% para financiar o resto.
    Resposta em 9 de cada 10 visitas? Não.
    Tchê é bolha!!!

    0
    • FQ 13 de fevereiro de 2012 at 17:25

      Verdade.

      Esse é um cenário no mínimo engraçado.

      0
    • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 17:31

      Profeta.

      Como ja disse aqui, eu mando 50% do valor. Ja fui muito xingado, mas ultimamente, tenho me supreendido, tem gente que para pra pensar e quer avaliar a proposta.

      Os ventos estão mudando…

      0
    • Daniel Ribeiro 14 de fevereiro de 2012 at 04:19

      Eu diria que praticamente ninguém atualmente teria condições de comprar o próprio imóvel. Nem os ricos. Nem o cara que mora numa cobertura de 20 milhões numa praia da Zona Sul do Rio, não poderia compra-la. Esta é uma realidade que é exatamente a mesma tanto para o taxista que tem um quarto e sala em copacabana comprado na década de 90 quando o bairro não valia nada, quanto para o empresário que tem uma cobertura de 400m2 na Vieira Souto, porque quando ele comprou era caro, mas não era estratosférico. Era, digamos, algo plausivel. Um ap de cobertura nas praias de Ipanema, Leblon ou São Conrado são caras até pra jogador de futebol de time grande. Afinal, mesmo que o cara ganhe 1 milhão por mês, ele demoraria muito tempo para juntar dinheiro dentro de sua curta carreira.

      0
  • Mr.Crowley 13 de fevereiro de 2012 at 16:10

    No site O pequeno investidor tem um post sobre divida e renda per capta, e da muito mais que 5…deu 14,74.

    http://opequenoinvestidor.com.br/2011/05/relacao-entre-renda-per-capita-e-preco-dos-imoveis-tambem-indica-bolha/

    0
    • Moyashi 13 de fevereiro de 2012 at 19:04

      Gente, please, parem de escrever “per capta”. Capta vem do verbo captar. A expressão é “per capita”, com i, significa “por cabeça”. É que dá agonia cada vez que leio isso… Não é nada pessoal, Mr Crowley, você não foi o único.

      Moyashi – professorando (e imitando Jack)

      0
  • D9 13 de fevereiro de 2012 at 16:27

    Srs,

    Considerando a formação de um cenário semelhante a crise americana (sub-prime),
    qual seria a melhor opção para proteger o dinheiro (atualmente aplicado em reais) ?

    Será que o real sofrerá desvalorização frente ao dolar com a provável crise ?

    0
  • Suelen 13 de fevereiro de 2012 at 16:34

    Com certeza o profeta dos pampas está certo. Pelo zap dá para ver. Há aps de 600.000, 700.000 mil no Rio cujas fotos mostram que o morador atual não compra uma cadeira há anos. Alguns parecem muito piores do que casas de favela sinceramente.

    0
    • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 17:29

      Ja tinha reparado nisso tbm em anuncios de casas modestas mas com preços escandalosos…hehe

      Acabei de ver, em minhas andanças pela net, no site de uma imobiliaria grande da cidade o anuncio de uma casa num bairro considerado humilde, casa velha, grade enferrujada, cada comodo pintado de uma cor diferente, nenhum movel planejado, tudo velho, televisão de tudo e um chevete caindo aos pedaços na garagem por 220 mil.

      O cara nunca viu essa grana nem fotografia.

      Para financiar esse imovel o cara tem que dar 44 mil e comprovar renda de 8 mil.

      Será que alguem com essa renda se sujeita a viver num pardieiro?

      0
      • Daniel Ribeiro 14 de fevereiro de 2012 at 04:23

        Concordo em parte com você, mas acho que está sendo um pouco preconceituoso. Muita gente simplesmente não liga para essas coisas, não tem isso como prioridade. Eu tenho um amigo que ganha uns 60 k por mês e a vida dele é exatamente assim. Não chega a ter um chevette na garagem, tem um civic com uns 5 anos de uso, móveis e eletrodomesticos bem velhos, descuidado da manutenção da casa. Enfim, ele não liga. Mas a gente sabe que a maioria das pessoas liga, então acaba não sendo parâmetro.

        0
    • Rodrigo 13 de fevereiro de 2012 at 19:11

      Alguns! Quanta generosidade, 90% parece que não dá valor onde mora, também se for reformar somente a cozinha vai gastar no mínimo uns 20.000, dentre armários e eletrodomésticos novos.

      0
  • zabiziz 13 de fevereiro de 2012 at 18:22

    Tenho acompanhado bastante o blog aqui. É indiscutível que o mercado está muito aquecido ainda. Mas eu atualmente não sei o quanto dessa bolha é inflação e o quanto é “valorização”. Uma pessoa com poucos anos de experiência e com nível superior e em um bom emprego ganhava cerca de R$2.000,00 em 2001. Hoje uma pessoa na mesma situação ganha R$7.000. Isto é um aumento nominal na renda de 3.5 vezes. Considerando isto, um aumento de 3.5 vezes no m2 dos apartamentos não seria algo absurdo. O problema é que em muitos casos o aumento do m2 tem sido superior a 3.5 vezes. A inflação oficial de 2001 até 2011 foi de 100%.
    Enfim acho que estamos sim em uma bolha, mas muito do aumento dos preços acho que ocorreu devido a inflação e a bolha ainda não atingiu níveis absurdos…acho que ainda pode piorar.

    0
    • rsmrsm 13 de fevereiro de 2012 at 18:35

      Você está certíssimo em dizer isto. Tanto é, não sei se notou, as vendas estão bombando, o ZAP tem poucos imóveis a venda, o mercado está com falta de corretores e tem muita gente com dinheiro para comprar imóveis que estão em falta no mercado.

      0
      • MrJaime 14 de fevereiro de 2012 at 00:09

        Número de anúncios de imóveis à venda no ZAP:

        Copacabana: 5000
        Ipanema: 1900
        Leblon: 1800
        Botafgogo: 1600
        Flamengo: 1100
        Tijuca: 3000
        Barra: 8800
        Recreio: 4700

        Sobre as “fortes vendas”:

        Belo Horizonte: Queda de 42% nas vendas em 2011
        Porto Alegre:: Queda de 23% nas vendas em 2011
        São Paulo: queda de 28% nas vendas em 2011

        Referências:
        h t t p : / / terratv. terra. com. br/Noticias/Brasil/Sao-Paulo-registra-queda-de-28-na-venda-de-imoveis_4194-381065.htm
        h t t p : / / wp. clicrbs. com. br/acertodecontas/2012/01/11/venda-de-imoveis-novos-em-porto-alegre-cai-23/
        h t t p : / / www. hojeemdia. com. br/noticias/economia-e-negocios/construc-o-civil-corta-16-mil-empregos-1.376578

        0
      • MrJaime 14 de fevereiro de 2012 at 00:26

        Eu havia me esquecido de quebrar o terceiro (e também equivocado) argumento do rsmrsm, onde ele diz que o brasileiro está com renda para comprar imóveis:

        Inadimplência em 2011 é a maior em 2 anos:
        h t t p : / / g1. globo. com/economia/seu-dinheiro/noticia/2012/01/inadimplencia-de-pessoa-fisica-fecha-2011-no-maior-nivel-em-quase-2-anos.html

        Em Jan/2012, inadimplência cresce 16% em relação a jan/2010:
        h t t p : / / zerohora. clicrbs. com. br/rs/economia/noticia/2012/02/inadimplencia-do-consumidor-cresce-16-6-em-relacao-a-janeiro-de-2011-3658449.html

        0
    • Dan 13 de fevereiro de 2012 at 18:55

      Recém formado, R$ 7000? Em que país?

      0
      • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 19:07

        No Brasil, dependendo da sua área e em qual universidade que você estudou, se tira sim R$7.000.

        Aqui na empresa mesmo, os Trainees entram ganhando R$3.500, fora todos os benefícios.Se efetivados, passam a ganhar algo entorno de R$6.000, isso pessoas formadas a menos de 1 ano.

        0
        • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 22:13

          Na Vila Mimosa tem menina tirando 10k por semana .. isso aí é trocado!!!

          0
      • Zabiziz 13 de fevereiro de 2012 at 20:08

        O salário inicial no bndes é de R$8.420. Na petrobras R$6.300.

        0
        • Zabiziz 13 de fevereiro de 2012 at 20:15

          Ainda segundo bndes e petrobras, segundo os proprios sites, em 2001 o inicial era de R$2.200 na petrobras e de R$2.930 reais. Tomando estas duas empresas como base o salário inicial subiu 2.9 vezes.

          0
          • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 21:11

            Eu concordo. Aqui na padaria da minha rua tem padeiro tirando 12 mil !!! E olha que a mulher dele faz docinhos em casa e está tirando o DOBRO !!! hauhauahuahua … eu que trabalho para a Petrobras to pensando em mudar de ramo … patróleo não dá mais dinheiro .. o negócio agora é vender DOCINHOS !!! Por que o senhor também não vai fazer docinhos e larga esse vida de corretor???

            0
        • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 21:35

          … valos lá corretores travestidos …
          de acordo com o último edital da Petrobras .. disponível em

          pciconcursos.com.br/concurso/petrobras-petroleo-brasileiro-sa-350-vagas

          REMUNERAÇÃO: salário básico de R$ 4.117,07 com garantia de remuneração mínima de R$ 6.217,19.

          SIGNIFICA DIZER QUE O SALÁRIO É DE R$ 4.117,07 + BENEFÍCIOS, TOTALIZANDO R$ 6.217,19.

          DIGAMOS QUE UM CASAL DE RECÉM FORMADO POR MILAGRE CONSEGUIU PASSAR AO MESMO TEMPO NO MESMO CONCURSO … A RENDA BRUTA DO CASAL DARIA R$ 8.234,14 … AOU SEJA … PODERIAM PAGAR UMA PRESTAÇÃO DE NO MÁXIMO R$ 2.470,24 …
          ISSO DARIA PARA COMPRAR UM IMÓVEL DE R$250.000,00 COM UMA ENTRADA DE R$27.000,00 E UMA DÍVIDA DE 30 ANOS!!! VAMOS DIZER DE TENHAM UM FILHO… O FILHO DO CASAL JÁ SERIA ADULTO HÁ TEMPOS AO FINAL DOS 30 ANOS!

          O SENHOR QUER MESMO NOS CONVENCER QUE ISSO É VIÁVEL???

          OUTRA PERGUNTA … ONDE NUMA CAPITAL BRASILEIRA HÁ UM IMÓVEL DECENTE POR R$250.000,00???

          O SENHOR ACHA QUE UM CASAL COM ESSA RENDA ACEITARIA VIVER NUM MRV, TENDA, ETC????

          UMA DÍVIDA DE 30 ANOS SIGNIFICA 360 MESES COM UMA DÍVIDA SOBRE SUA CABEÇA.. SUA VIDA É GUIADA PELA DÍVIDA .. NADA DE VIAGENS AO EXTERIOR .. NADA DE CARRO NOVO … SÓ DÍVIDA, DÍVIDA, DÍVIDA …

          O SENHOR NÃO TEM VERGONHA NA CARA??? OU ACHA QUE AQUI SÓ TEM OTÁRIO?

          0
          • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 21:46

            Aiwww

            Desses 8k e pouco, tire 2k de imposto retido na fonte. Refaça sua conta e constate que a coisa é ainda pior.

            0
            • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 22:33

              Eu sei que há imposto, mas a Caixa utiliza a renda bruta para calcular o finaciamento.

              Salário Bruto – R$ 4.117,07 –
              INSS TETO – R$ 430,78
              IRRF 22,50% – R$ 277,27
              Total – R$ 4.117,07 R$ 708,05
              Salário Líquido
              R$ 3.409,02

              .. o casal teria uma renda líquida de R$6.818,04 … tirando a prestação de R$ 2.470,24, sobraria R$4.347,80 para o casal gastar nas despesas …

              suponhamos que o casal:
              – gaste nos finais de semana … -R$400,00
              – compre duas mudas de roupa … -R$200,00
              – coma fora 5 dias por mês … -R$250,00
              – tenha um carro (gasolina) … R$200,00
              – faça duas compras no supermercado … -R$500,00
              – tenha uma despesa com luz + água + gás + tv + internet + telefone … R$400,00
              – gaste em despesas diversas -R$500,00
              ——–
              total:R$2.450,00

              Sobram R$1.897,00

              … isso para um casal de funcionários da PETROBRAS !!!

              0
              • Annibal 14 de fevereiro de 2012 at 09:46

                Putz… refaz essas contas pq eu sozinho gasto mais q isso em tudo q vc orçou….

                0
                • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 10:37

                  Isso é um suposição, cada família possui suas despesas fixas, uns tem filhos pequenos, outros gastam com remédio, outros gastam R$300, 00 num salão de beleza …

                  0
          • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 21:53

            Tem que ver isso aí:

            “Você acha que uma pessoa com essa renda aceitaria viver em um MRV ou Tenda?”

            Bom, se ela realmente quiser comprar um imóvel, não vejo outra maneira dela comprar alguma coisa nova.Não que eu a aconselhe comprar imóvel agora, muito pelo contrário, as condições estão extremamente favoráveis para quem deseja alugar.

            0
            • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 22:34

              O senhor mora num imóvel da MRV ou moraria numa masmorra dessa???

              0
          • Paulo - RJ 13 de fevereiro de 2012 at 23:28

            Aiwww,
            O valor de 6 e pouco (que já é maior atualmente) é o valor bruto mesmo. Não inclui os benefícios.

            Não acho absurdo o que foi falado. O apartamento em que moro atualmente deveria valer em torno de 90.000,00 ou 100.000,00 em 2001. Se multiplicasse por 3,5 daria 300.000,00 a 350.000,00. Caro, né? Só que estão pedindo 550.000,00 / 600.000,00

            0
          • Zabiziz 13 de fevereiro de 2012 at 23:34

            aiwww
            Primeiramente percebe-se que provavelmente você nunca conversou com um corretor. Se tivesse perceberia que dificilmente algum se daria ao trabalho de calcular inflação, pesquisar salários e fazer algum cálculo primário.
            Segundo, seus comentários não agregam em nada. Quando postei meu comentário tinha a esperança de que alguém pudesse fazer alguma crítica construtiva, alguma correção ou confirmação do que havia postado. Simplesmente ficar gritando não vai ajudar em nada você nem ninguém aqui no fórum, só vai ajudar para que pessoas que queiram fazer um debate construtivo parem de acompanhar o blog.
            Terceiro, eu não disse que estava fácil comprar imóvel, nem que funcionários da petrobras ou do bndes poderiam fazer financiamentos enormes. Apenas disse que a situação de um funcionário que acaba de entrar nestas duas empresas não é muito diferente daquela encontrada em 2001. Ficou pior, sem dúvida nenhuma, acho que ninguém discorda, mas tem pessoas aqui que acham que os imóveis vão cair 50%, 60%…Eu pessoalmente acho bem difícil.
            O m2 em botafogo (zona sul do Rio) em 2001 era cerca de 2mil reais. Se você considerar que a renda das pessoas triplicou nesses 10 anos, o m2 em botafogo de 6mil reais significaria que a dificuldade para se comprar um imóvel em 2012 estaria igual a que estava em 2001. No entanto, o m2 em botafogo está em torno de 8 mil reais. Acima sim do que foi o aumento da renda. Isto significa que se os preços caírem 25% teríamos algo compatível do que foi em 2001. 25% e não 50, ou 60. Esta é minha opinião. Agora se você prefere ficar perdendo o seu tempo fazendo comentários sarcásticos ou agressivos pior para o blog e para aquelas pessoas que gostariam de fazer um debate construtivo e que fatalmente vão parar de perder tempo lendo coisas inúteis aqui e procurar outro lugar.

            0
            • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 00:07

              “Quando postei meu comentário tinha a esperança de que alguém pudesse fazer alguma crítica construtiva”

              Desculpe, mas creio que não aceite críticas, a não ser que concorde com elas para considerá-las construtivas. Se for isso o senhor veio ao lugar errado.

              “Ficou pior, sem dúvida nenhuma, acho que ninguém discorda, mas tem pessoas aqui que acham que os imóveis vão cair 50%, 60%”

              Em momento algum que os imóveis cairão 60%. Se ler meus comentários anteriores verificará que “chuto” quedas de até 40% dependendo da região. Imóvel não se compra com uma “cocada + 1 mariola” …

              “O m2 em botafogo (zona sul do Rio) em 2001 era cerca de 2mil reais. Se você considerar que a renda das pessoas triplicou nesses 10 anos”

              Em momento algum refutei a idéia da valorização, apenas mostrei em NÚMEROS a INVIABILIDADE dos valores atuais. Minha namorada trabalha no poder judiciário e até lá as pessoas estão com dificuldades para comprar imóvel.

              “Agora se você prefere ficar perdendo o seu tempo fazendo comentários sarcásticos ou agressivos pior para o blog e para aquelas pessoas que gostariam de fazer um debate construtivo e que fatalmente vão parar de perder tempo lendo coisas inúteis aqui e procurar outro lugar.”

              Perdoe a sinceridade, mas o blog é democrático. Se não quiser ler, basta pular os comentários de quem não o interessa. Escrevi números e contas simples. Não vim aqui dizer coisas estapafúrdias como “na empresa X um funcionário júnior ganha 7 mil”. Vivemos no BRASIL com “S” e sabemos que essa não é a realidade de 99,9% das empresas desse país. Não adianta querer justificar preços abusivos com o caso do irmão do cunhado que mora no outro quarteirão … vemos aqui no blog que há pessoas no país INTEIRO, não apenas no mundinho de Botafogo ou Copacabana, etc… Estamos numa festa de pica vestidos de bunda, e só.

              0
              • MrJaime 14 de fevereiro de 2012 at 00:15

                IBGE: Renda média no Rio de Janeiro em 2011: R$ 1.719,35

                Fonte:
                Jornal O Fluminense: h t t p : / / jornal. ofluminense. com. br/editorias/economia/plantao/rio-de-janeiro-registra-maior-aumento-da-renda-media-entre-2003-e-2011

                ACORDA BRASIL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

                0
            • Cleyton 14 de fevereiro de 2012 at 00:30

              Zabiziz, sem querer me meter na briga de vocês, mas o que tem de errado algo que triplicou de preço cair 60%?

              Por exemplo, se algo aumenta 100%, pra voltar pro valor antigo tem que cair 50%, então se aumentou bolhado em 150% os 60% seria o mesmo valor anterior!

              0
          • Insanidade 14 de fevereiro de 2012 at 10:15

            Eu já tentei, mas não consigo imaginar o que é uma dívida de 30 anos.

            Vou dar o meu exemplo: Comprei meu AP financiado a principio em 8 anos, direto com a construtora, mas acabei pagando em pouco mais de 4 anos, isso a mais de 12 anos…

            Só digo uma coisa, quase no final, ja estava pagando pouco mais de R$2.000 na prestação e esses 4 anos e pouco pareciam uma eternidade. Foram os 4 anos mais longos da minha vida.

            30 anos??? Sinceramente, não consigo imaginar…

            0
    • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 19:09

      “Mas eu atualmente não sei o quanto dessa bolha é inflação e o quanto é “valorização” … A inflação oficial de 2001 até 2011 foi de 100%”

      Você mesmo se contradiz, quanto os imóveis subiram de preço (e não de valor) nos últimos 3 anos? E nos últimos 10? O do meu cunhado em 7 anos foram 400% em relação à última venda que soube, 650% em relação ao preço pedido hoje (leia-se zap).

      “a bolha ainda não atingiu níveis absurdos”

      Vai ser absurdo quando passar e 1000%?

      A propósito, a comparação salarial que vc fez (apesar de eu não concordar com ela) dá só 250%.

      Outra, compare o valor venal com o que está sendo pedido por aí, tá certo que o venal é desatualizado em relação ao mercado, mas para esse imóvel que citei precisaria de uma “pequena” correção de 488% ou 782% pro zapeado.

      Pense melhor a respeito.

      0
    • aiwww 13 de fevereiro de 2012 at 21:00

      Eu concordo. Aqui na padaria da minha rua tem padeiro tirando 12 mil !!! E olha que a mulher dele faz docinhos em casa e está tirando o DOBRO !!! hauhauahuahua … eu que trabalho para a Petrobras to pensando em mudar de ramo … patróleo não dá mais dinheiro .. o negócio agora é vender DOCINHOS !!! Por que o senhor também não vai fazer docinhos e larga esse vida de corretor???

      0
    • pmoraesm 13 de fevereiro de 2012 at 22:01

      Pra ganhar R$ 7.000,00 só se for recém formado nas categorias de base de algum time grande de futebol…

      0
      • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 00:23

        E olha que tem muito time grande aqui do Rio com os salários atrasados. Não sei quanto ganha o Cortez que saiu do Botafogo para o São Paulo, mas mesmo com toda essa ascenção, o máximo que ele conseguiu aqui no Rio é um “apertamento” no Cores da Lapa, um pombal da PDG com apartamentos de 40 m2 sendo vendidos a R$400.000,00. Detalhe, a pia do banheiro é no corredor, porque não cabe dentro do banheiro (mesmo nos imóveis de 3 quartos).

        0
  • Ze Bom Dirolo 13 de fevereiro de 2012 at 18:29

    Ze Bom Dirolo disse:
    10 de fevereiro de 2012 às 19:08
    Imaginemos um muro bem alto separando o mundo externo e uma caverna. Na caverna existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior. No interior da caverna permanecem seres humanos, que nasceram e cresceram ali.

    Ficam de costas para a entrada, acorrentados, sem poder mover-se, forçados a olhar somente a parede do fundo da caverna, onde são projetadas sombras de outros homens que, além do muro, mantêm acesa uma fogueira. Pelas paredes da caverna também ecoam os sons que vêm de fora, de modo que os prisioneiros, associando-os, com certa razão, às sombras, pensam ser eles as falas das mesmas. Desse modo, os prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade.

    Imagine que um dos prisioneiros consiga se libertar e, aos poucos, vá se movendo e avance na direção do muro e o escale, enfrentando com dificuldade os obstáculos que encontre e saia da caverna, descobrindo não apenas que as sombras eram feitas por homens como eles, e mais além todo o mundo e a natureza.

    Caso ele decida voltar à caverna para revelar aos seus antigos companheiros a situação extremamente enganosa em que se encontram, correrá, segundo Platão, sérios riscos – desde o simples ser ignorado até, caso consigam, ser agarrado e morto por eles, que o tomaram por louco e inventor de mentiras.

    Platão não buscava as verdadeiras essências na simplesmente Phýsis, como buscavam Demócrito e seus seguidores. Sob a influência de Sócrates, ele buscava a essência das coisas para além do mundo sensível. E o personagem da caverna, que acaso se liberte, como Sócrates correria o risco de ser morto por expressar seu pensamento e querer mostrar um mundo totalmente diferente.

    Mito da Caverna
    Platão
    _______________________________________________—-
    Responder
    xangai disse:
    10 de fevereiro de 2012 às 19:53
    liked it !

    Responder
    Carlos Wagner disse:
    11 de fevereiro de 2012 às 13:42
    O Mito da Cverna de Platão – Muito bom!

    Eu ja conhecia. Ironicamente, muitos especuladores quando confrontados com esses argumentos de platão para evidenciar suas visões miopes da situação atual do mercado imobiliario, utilizam-se de outra parábola: Águia ou Galinha, para justificar que são visionários e que os pro-bolha são galinhas medrosas…

    Curioso neh!

    Responder
    ________________________________________________________________________________
    Ze Bom Dirolo disse:
    10 de fevereiro de 2012 às 19:08
    Imaginemos um muro bem alto separando o mundo externo e uma caverna. Na caverna existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior. No interior da caverna permanecem seres humanos, que nasceram e cresceram ali.

    Ficam de costas para a entrada, acorrentados, sem poder mover-se, forçados a olhar somente a parede do fundo da caverna, onde são projetadas sombras de outros homens que, além do muro, mantêm acesa uma fogueira. Pelas paredes da caverna também ecoam os sons que vêm de fora, de modo que os prisioneiros, associando-os, com certa razão, às sombras, pensam ser eles as falas das mesmas. Desse modo, os prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade.

    Imagine que um dos prisioneiros consiga se libertar e, aos poucos, vá se movendo e avance na direção do muro e o escale, enfrentando com dificuldade os obstáculos que encontre e saia da caverna, descobrindo não apenas que as sombras eram feitas por homens como eles, e mais além todo o mundo e a natureza.

    Caso ele decida voltar à caverna para revelar aos seus antigos companheiros a situação extremamente enganosa em que se encontram, correrá, segundo Platão, sérios riscos – desde o simples ser ignorado até, caso consigam, ser agarrado e morto por eles, que o tomaram por louco e inventor de mentiras.

    Platão não buscava as verdadeiras essências na simplesmente Phýsis, como buscavam Demócrito e seus seguidores. Sob a influência de Sócrates, ele buscava a essência das coisas para além do mundo sensível. E o personagem da caverna, que acaso se liberte, como Sócrates correria o risco de ser morto por expressar seu pensamento e querer mostrar um mundo totalmente diferente.

    Mito da Caverna
    Platão

    Responder
    xangai disse:
    10 de fevereiro de 2012 às 19:53
    liked it !

    Responder
    Carlos Wagner disse:
    11 de fevereiro de 2012 às 13:42
    O Mito da Cverna de Platão – Muito bom!

    Eu ja conhecia. Ironicamente, muitos especuladores quando confrontados com esses argumentos de platão para evidenciar suas visões miopes da situação atual do mercado imobiliario, utilizam-se de outra parábola: Águia ou Galinha, para justificar que são visionários e que os pro-bolha são galinhas medrosas…

    Curioso neh
    ______________________________________________________________________
    Só esqueceram de um detalhe…..

    Aos 40 anos ela está com:
    • As unhas, compridas e flexíveis, não conseguem mais agarrar suas presas, das quais se alimenta.
    • O bico alongado e pontiagudo se curva.
    • Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas, em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil!
    Então, a águia só tem duas alternativas:
    • Morrer
    • Ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.
    Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar.
    Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.
    Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas.
    Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.
    E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então mais 30 anos.

    0
    • Miguel Jacó 13 de fevereiro de 2012 at 20:18

      Apenas mais 3 semaninhas raspando o bico, pessoal…o porre final (carnaval) está chegando e depois chegará a dura realidade. Queiram ou não os investidores deste mercado.

      Grécia em estado de guerra com mais de 48 prédios incendiados, notícia que era pra estar bombando em todos os sites. E o que vemos na globo, folha, estadão da vida? O caso Lindemberg, de mais de 4 anos.

      O que eu quero dizer é que os prédios não vão parar de ser incendiados e muito menos os imóveis não vão continuar nas alturas por causa da globo. Tenho um terreno, queria ter dinheiro para construir 4 aptos para vender por 2,5 x o preço que gastaria para construí-los, mas só vejo placas de vende-se na cidade que quero fazer isto e o preço do material de construção nas alturas.
      Portanto, eu teria que ser um dos maiores defensores da continuidade da bolha, mas sou realista. Mudarei de planos e comprarei meu primeiro apto para morar mesmo, lá por meados de 2013 (fundo do poço imobiliário) e viverei estudando para concursos.

      0
  • Ploc 13 de fevereiro de 2012 at 19:08

    Hoje bati um papo com o segurança do tal condominio em Jacarepagua que tem em torno de 500 unidades entregue em set/2011. A ocupação é de 10%. MInha pergunta foi: cade os outros moradores? e ele disse: Estes imóveis fechados são de pessoas que compraram pra investir (revenda ou aluguel) quem tinha que mudar já mudou. O mesmo sacou uma lista com imóveis a disposicao para venda e aluguel e perguntou, voce quer um?
    Após saber o valor eu respondi que o valor do aluguel estava muito caro para mim.
    Agora veja o disparate: uma casa pertinho do condominio (geminada) com dois quartos e o dobro do espaço alugou recentemente por 700 sem condominio e o cara acha que vai aluguar um apt por R$1300 + taxas na mesma quadra?
    O mercado está maluco mesmo. Ou a área comum vale tanto assim?

    0
    • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 19:36

      Na minha cidade, Taubaté, tem um predio que foi lançado ha 2,5 anos com preço de 400k, a entrega das chaves está prevista para breve, tanto que ja tem anuncios de aluguel nos site de imobiliarias da regiao. Para venda pedem 1,2 milhões e aluguel de 5,5k + despesas.

      Atravessando a rua, num outro empreendimento do mesmo padrao, de 400k o preço ja baixou para 364k e os aptos entregues deste a metade de 2011 continuam vazio, media de ocupação de 15%, com alugueis de 2,4k + despesas.

      Como pode 2 empreendimentos parecidissimos, na mesma localização, terem preços tão diferentes entre si somente pelo fato das construtoras serem diferentes.

      PS: Padrão de acabamento similar.

      0
      • Cleyton 13 de fevereiro de 2012 at 19:51

        Ou seriam “investidores” diferentes?

        Imagino que essa diferença seja uma expectativa de lucro que será fatalmente frustrada, espero que esse povo não precise do dinheiro tão cedo!

        0
      • Anonymous 14 de fevereiro de 2012 at 06:40

        entrega das chaves está prevista para breve – só irá perceber que não aluga e nem vende depois de algum tempo após a entrega das chaves, então restará ABAIXAR preço de venda e aluguel, exatamente como o do outro lado da rua.

        0
  • schmidt 13 de fevereiro de 2012 at 20:07

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/colunas/marciadessen/1047853-o-brasileiro-tomou-mais-credito-em-2011-e-nao-consegue-pagar.shtml

    Essa é a regra. Exceção é quem paga.

    0
    • Ploc 13 de fevereiro de 2012 at 20:48

      Matéria na integra:
      FONTE: Folha.com
      São Paulo (SP): O brasileiro tomou mais crédito em 2011 e não consegue pagarMARCIA DESSEN

      A boa notícia: aumentou a oferta de crédito em 2011, com números próximos a 50% do PIB. Muitas pessoas físicas e jurídicas tiveram acesso aos recursos financeiros necessários para fluxo de caixa, capital de giro, compra de equipamentos e outras ações planejadas (ou não).

      Segundo a Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo, mais de 50% das famílias brasileiras têm algum tipo de dívida.

      A má notícia: as estatísticas indicam que aumentou a quantidade de pessoas que não dormem bem à noite porque não conseguem pagar suas dívidas.

      Ampla oferta de crédito, compras por impulso, nível elevado de taxa de juros e falta de controle do orçamento doméstico são ingredientes perigosos e podem provocar um bom estrago nas finanças da família. O índice de inadimplência subiu de 5,7% para 7,5% no ano passado, segundo o Banco Central.

      O IBGE divide a população brasileira em cinco faixas de renda ou classes sociais, com base no número de salários mínimos. As chamadas classes A (renda acima de 20 salários mínimos) e B (renda entre 10 e 20 salários mínimos) reúnem atualmente cerca de 42 milhões de pessoas.

      A classe C (renda entre 4 e 10 salários mínimos) reúne mais de 101 milhões de pessoas. E as classes D e E (entre 2 e 4 salários mínimos) englobam 48 milhões de pessoas.

      Podemos notar então que a distribuição da população brasileira em classes sociais não forma mais a figura de uma pirâmide como em 2005, período em que a grande concentração estava nas classes D e E. Em 2010, a classe C domina.

      Houve uma mudança significativa no perfil de renda da população brasileira, com a ascensão de muitas pessoas para classes superiores.

      Renda mais elevada, acesso ao crédito relativamente fácil, porém caro, e ir com muita sede ao pote para beber uma água que antes não podia beber levaram, possivelmente, muitas pessoas a dar o passo maior do que a perna.

      Estudos da Serasa Experian demonstram que a qualidade do crédito caiu nos últimos anos e apontam para maior chance de inadimplência. E se observa que essa queda na qualidade do crédito não é privilégio das classes mais baixas. Atingiu também pessoas das classes mais altas, que deixam de pagar em dia seus compromissos.

      POSSÍVEIS RAZÕES

      1) Tomar crédito para consumo, e o que é pior, por impulso. Contrair dívida para custear despesas supérfluas de refeições fora de casa, lazer, roupas e presentes, por exemplo, não é uma estratégia recomendável. Utilize crédito para comprar bens que ajudam na construção de patrimônio.

      2) Tomar a modalidade de crédito errada. Compras e despesas feitas por impulso, sem planejamento, são normalmente pagas com o cartão de crédito. E financiar a fatura do cartão é a forma de crédito mais fácil e mais disponível. Nem precisa pedir.

      Mas o problema é que se trata da modalidade de crédito mais cara que existe no mercado. Segundo a Anefac, a taxa de juros média dos cartões de crédito em dez de 2011 era de 10,7% ao mês.

      Uma despesa de R$ 2.000 parcelada em 6 meses vai custar R$ 3.680. Em 12 parcelas, vai custar R$ 6.773, e, em 24 parcelas, R$ 22.938!!

      Fácil perder o controle da situação com taxa de juros tão alta. As taxas de juros do cheque especial e dos empréstimos em financeiras são um pouco menores do que a taxa do cartão de crédito, mas também proibitivas. Evite.

      3) Não controlar despesas nem estabelecer limites. O brasileiro não tem o hábito de controlar seu orçamento. Os que controlam nem sempre o fazem com a precisão necessária e deixam de lançar no orçamento pequenas despesas que, no fim do mês, acumuladas, provocam um rombo no fluxo de caixa.

      Outro erro frequente é não lançar no orçamento as despesas que são pagas anualmente. Um bom exemplo é o carro. A maioria leva em conta somente as despesas mensais, tais como parcelas do financiamento, combustível, estacionamento e pedágios.

      E acredita que gasta com o carro, por exemplo, R$ 900 por mês. A maneira correta de apurar o custo do carro é somar as despesas anuais relativas a IPVA, seguro, licenciamento, manutenção e multas, por exemplo, dividir por 12 e adicionar ao valor das despesas mensais. Surpresa! Descobre que gasta com o carro algo em torno de R$ 1.300/mês (exemplo), muito mais do que pensava.

      O crédito ajuda a viabilizar sonhos e projetos de vida. Pode e deve ser usado em determinadas fases da vida, período da formação acadêmica, início de carreira, fase de casamento e filhos, de construção do patrimônio.

      O crédito certo, na dose certa, inserido no orçamento familiar, pode ser um acelerador de suas conquistas. Use com planejamento e de forma consciente.

      MARCIA DESSEN, Certified Financial Planner, é sócia e diretora-executiva do BMI Brazilian Management Institute, professora convidada da Fundação Dom Cabral e cofundadora do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros.

      0
  • thiago fm 13 de fevereiro de 2012 at 21:13

    13/02/2012 – 17h14
    Três em dez prédios entregues em São Paulo têm defeitos na obra

    http: //economia.uol. com.br/ultimas-noticias/infomoney/2012/02/13/tres-em-dez-predios-entregues-em-sao-paulo-tem-defeitos-na-obra.jhtm

    0
  • Carlos Wagner 13 de fevereiro de 2012 at 21:43

    Presenciei uma discussão acima em que é debatida a hipotese da baixa no valor dos imoveis e o aumento salarial por causa dos dissidios coletivos de trabalho. Aparentemente, concluimos que com o poder de compra aumentado do trabalhador, os imoveis seriam facilmente adquiridos caso abaixassem de preço, mas o panorama que deve ser analisado é outro. Vejamos:

    Numa crise o crédito tende a ficar mais rigido e secar. Junte-se a isso o fato do brasileiro estar utilizando sua capacidade de endividamento limite. Nesse cenário, o consumo diminui, independentemente do que o governo faça, e a industria terá que reduzir custos com matéria prima, quantidade de pessoal e, principalmente, SALARIOS.

    Como sabemos, no Brasil é inconstitucional a redução dos vencimentos dos trabalhadores, portanto a unica saida será a demissão em massa e a recontratação posterior com salarios mais condizentes com a atual conjuntura de mercado.

    Nesse momento, além da falta de credito, o trabalhador terá seu poder aquisitivo diminuido instantaneamente o que abrirá margem para a redução de preços dos imoveis sem que isso volte a aumentar a demanda e re-inflacionar o mercado.

    Por que será que o governo, mesmo presenciando o aumento dos salarios de praticamente todas as categorias de trabalhadores no país, é tão reticente em dar os devidos reajustes para o funcionalismo estatutario? Alguem arrisca a resposta tão obvia?

    Fica a questão para reflexão!

    0
    • Cai Cai Balão 13 de fevereiro de 2012 at 22:27

      Excelentes ponderações, Carlos Wagner.

      Não vejo como ser diferente. Venho tentando entender a dinâmica do mercado imobiliário desde que saí de casa e a conclusão alcançada é essa: a classe média não tem mais poder de compra para residir decentemente. Os imóveis que estavam sendo ofertados a vendidos no mesmo dia, em meados de 2008-2010 (início da crise econômica mundial que se estende até então) começam a ser entregues. Como já anunciado por muitos foristas bolhistas, o nível de ocupação é baixo (muitas vendas a especuladores).

      O brasileiro médio que hoje tem seus 25 ou 30 anos passou a infância e adolescência inteira ouvindo seus pais apontarem vizinhos e desafetos como “moradores de aluguel”, alusão feita aos que não tinham capacidade financeira para adquirir seus próprios imóveis.

      Hoje em dia, ainda se exige conhecimentos básicos de finanças pessoais para que alcancemos a conclusão de que viver de aluguel é vantajoso. Aos que optaram por financiar imóveis em 30 anos, cabe-lhes aprender com a vida (e os com orçamentos domésticos nunca antes feitos, que passarão a ser utilizados depois de alguma inadimplência).

      Resta-nos esperar. Por vezes, padeço de alguma revolta por ver essa política econômica beneficiando o endividamento irresponsável em detrimento da poupança. Meu consolo está na fé (e nas evidências) de que esse sistema não é sustentável.

      Um abraço!

      0
      • Daniel Ribeiro 14 de fevereiro de 2012 at 04:56

        Ninguém mais tem dinheiro para residir decentemente, apenas quem é rico. E quando eu digo rico, significa não aquele que ganha muito bem independentemente qual seja este valor e sim aquele que tem muito mais dinheiro do que a própria expectativa de consumo. Ou seja, grandes industriais, banqueiros, etc. Mesmo o cara que pertence a classe AAAAAAAAAAAAAAAA não tem dinheiro para comprar um apartamento que seja condizente com a sua realidade. Um cara que juntou 3 milhões e tem essa grana para dar a vista não vai querer morar num apartamento qualquer, mesmo que seja um 4 quartos razoavel. Por outro lado não existe financiamento para este valor e muito menos quem possa paga-lo, porque quem ganha muito sofre variações de renda ao longo dos anos muito maiores do que quem ganha proporcionalmente pouco. É fácil encontrar por aí executivos de grandes empresas que no passado chegaram a ganhar mais do que o equivalente hoje a 60 mil por mês vivendo com menos de 10 mil. Há alguns que simplesmente estão fora do mercado de trabalho e não conseguem ganhar nada, são sustentados por filhos ou consomem patrimonio conquistado ao longo dos anos. Financiamento em 30 anos é um engodo até para quem concede, é um espaço de tempo muito grande para qualquer tipo de analise de crédito. Ninguém neste planeta pode avaliar o crédito de ninguém ao longo dos próximos 30 anos, nem mesmo dos filhos do Abilio Diniz ou do Eike Batista. Em 30 anos tudo pode acontecer, e não é mera força de expressão.

        0
  • Ploc 13 de fevereiro de 2012 at 21:46

    50 IMÓVEIS RETOMADOS EM SP POR DIA.
    Aqui está o link para a garimpada do AJW lá em cima.
    Vale a pena ver. Começa a partir de 5:15
    h ttp://tvcultura.cmais.com.br/jornaldacultura/jc20120210bl2
    Vejam o caso do atraso do pagamento no financiamento, será que é isso mesmo? O cara perde o imóvel se atrasar uma parcela? Então é pior do que eu pensava. Não vai ser PLOC vai ser BUMMMMMM.
    Que não falte emprego.

    0
    • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 22:49

      Está disponível no YouTube

      www . youtube . com/watch?v=3NXHdOY5gC0

      50 imóveis são retomados por dia de mutuários inadimplentes só no estado de SP.

      0
      • Cai Cai Balão 13 de fevereiro de 2012 at 23:45

        Vergonha alheia do representante da Associação dos Mutuários…

        0
      • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 00:16

        Achei o video muito interessante. Primeiro uma matéria que mostra o assistencialismo que está instalado em nosso país. Empresários querendo isenção total de impostos por 4 anos. O que aconteceria seria o sujeito abrir e fechar uma empresa a cada 4 anos, para nunca pagar imposto. O famoso “barata a voar…”. Depois um senhor que assinou uma alienação fiduciária pedindo arrego. Acho que ele nem sabe o que significa alienação fiduciária. Depois um comentarista quer que a dívida do indivíduo inadimplente seja renegociada a um prazo maior, mas não se pergunta se a dívida já não havia sido negociada pelo prazo máximo do SFH (30 anos). Ou seja, poderíamos criar a dívida eterna, reeditando o BNH. Já vi esse filme … termina com banco falindo, país no buraco e décadas de estagnação.

        0
  • simone 13 de fevereiro de 2012 at 21:51

    Porto Alegre: vendas de imóveis novos despencaram 27,25% em 2011
    Foram desastrosas as vendas de imóveis novos em Porto Alegre no ano passado. O Sinduscon revelou nesta segunda-feira que em 2011 as vendas despencaram 27,25% (4.133 casas e apartamentos).

    . Os lançamentos também caíram ( -17,54%), chegando a 5.017 unidades.

    . A boa notícia é que em dezembro (sbore novembr0 as vendas de imóveis cresceram 8,69%, mas se comparadas com o mesmo mês do ano anterior, a taxa foi muito baixa. Em dezembro de 2010, as vendas avançaram 19,18%.

    – As vendas de imóveis no ano passado foram prejudicadas por greves brancas na Smov, Smam e secretaria do Planejamento, todas da Prefeitura de Porto Alegre.

    0
    • Profeta dos Pampas 14 de fevereiro de 2012 at 10:37

      Tem um empreendimento que no meu ver vai ser o divisor de águas em Porto Alegre.
      O Central Parque da Rossi. Centenas de apartamentos de mais de 600M. Muita gente tá contando com a venda do seu para poder mudar para o Central.
      Vai ser um bom termômetro.

      0
  • pmoraesm 13 de fevereiro de 2012 at 22:08

    Fazia tempo que eu não atualizava o número de imóveis anunciados (zap) na região do meu bairro… os “estoques” estão bombando!

    Agua Rasa Anália Franco Vl Regente Feijó Total
    17/nov 190 308 124 622
    18/nov 190 304 124 618
    21/nov 189 306 124 619
    22/nov 199 305 125 629
    23/nov 229 374 133 736
    24/nov 225 367 133 725
    25/nov 225 393 131 749
    23/dez 195 340 198 733
    13/fev 244 431 136 811

    0
  • Anonymous 13 de fevereiro de 2012 at 22:46

    Reportagem do Jornal da Cultura 10/02/2012, 05:20

    www . youtube . com/watch?v=3NXHdOY5gC0

    50 imóveis são retomados por dia de mutuários inadimplentes só no estado de SP.

    0
    • Cirilo 13 de fevereiro de 2012 at 23:06

      Cara, só um adendo, que vergonha desses comentaristas, nunca ouvi tanta besteira em um espaço tão curto de tempo.

      0
      • xyz 13 de fevereiro de 2012 at 23:36

        Também estou impressionado com o nível dos comentaristas.
        Como um canal de televisão abre espaço para pessoas tão ….

        0
        • Anonymous 14 de fevereiro de 2012 at 06:30

          De fato, só bobagem. Entretanto, a informação de 50 imóveis/dia retomados em SP é importante e estava escondida até agora.

          0
      • Raposão 14 de fevereiro de 2012 at 11:32

        Saudações!

        De fato, parecia uma ópera bufa: uma jornalista perdida na conversa, um político seboso com argumentos genéricos e um comentarista estilo ring de luta-livre. Vi que era da programa da TVE, pela marca d’água no canto direito inferior do vídeo (que pelo que eu saiba, tem mais comissionado “cumpanheiro” do que profissionais em seu quadro de funcionários). Não me espanta, mas me entristece ver que isso está se refletindo na qualidade de uma emissora de TV anteriormente voltada a assuntos didáticos e culturais.

        Com o endividamento dos bananenses, creio que a coisa tende a piorar e dar ainda mais trabalho para o falido e corrupto judiciário bananense. Fiquei surpreso pela rapidez na execução das retomadas dos imóveis, pois a tal instituição e reconhecida universalmente por sua morosidade, incontáveis recursos e decorrentes contradições institucionais.

        OFF TOPIC

        Ao final do vídeo, na chamada para o próximo bloco do telejornal, foi reportado que um delegado foi afastado depois de festa de presos no Paraná.

        Really? It’s Brasil (Banania Land)!

        Raposão, vendo que na Banania tem festa até dentro de cadeia.

        0
    • Engenheiro-SJC 16 de fevereiro de 2012 at 14:20

      Concordo que a info dos 50 imóveis sejam retomados por dia no estado de SP é uma notícia até então não divulgada… MAAAAS, essa matéria me deixou mais curioso… primeiro a repórter começa divulgando dados percentuais (aumento de 48% do empréstimo imobiliário em 2 anos e queda de 6% na inadimplência no último ano) e depois fala um número absoluto (50 imóveis retomados por dia no estado SP) concluindo que a coisa é preocupante, o que parece até contraditório se a inadimplência tem caído…

      Acredito que o cenário está, de fato, piorando mas a matéria não dá pra concluir isso…os colegas aqui tem mais dados para análise

      Várias perguntas: As retomadas de imóveis tem aumentado? Qual a tendência? Qual a média histórica? Qual a porcentagem dessas retomadas? e , principal, Qual a fonte dessas informações??

      Algo que seria bem interessante saber tb é a % dos imóveis financiados por SFH e SFI e a % de retomada de cada um deles…

      Se alguém puder ajudar…

      0
  • jayme 13 de fevereiro de 2012 at 23:20

    e essa bolha que nunca estoura heim…
    esta se tornando apocrifa! 🙂

    0
    • Shakespeare 14 de fevereiro de 2012 at 10:06

      a Paciência é uma virtude!

      0
    • MrK 14 de fevereiro de 2012 at 10:54

      A bolha estourar publicamente depende de 2 coisas:

      1- Numeros e indices que mostram o estouro
      2- Noticias nos jornais sobre o estouro

      Infelizmente quem comanda os numeros e indices (ex: fipezap) tem interesse em esconder a realidade e quem comanda os jornais so’ produz materias tendenciosas porque tambem tem interesse em esconder a realidade ($) , ou seja, o estouro quando virar publico, eh pq ja ocorreu ha meses!!

      0
  • Sir Income 13 de fevereiro de 2012 at 23:27

    SELIC vai cair mais… novo presidente do SECOVI faz menção ao esgotamento de recursos na poupança
    Posted on February 14, 2012
    Em discurso de posse hoje, o novo presidente do Secovi faz um discurso meio apocalíptico, meio que “acusando o golpe”, longe de de ser um discurso alegre e positivo de quem está assumindo um cargo. A matéria é do Estadão, saiu no yahoo finance:

    “Novo presidente do Secovi critica insegurança jurídica

    O novo presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Claudio Bernardes, assinou hoje o documento de posse no cargo durante cerimônia realizada na capital paulista. Em seu discurso, ele criticou a falta de segurança jurídica e a falta de terrenos disponíveis para construções na cidade. “Sem segurança jurídica é impossível realizar investimentos de longo prazo”, disse Bernardes.

    Em relação a falta de terrenos, Bernardes defendeu que haja um adensamento das zonas urbanas já ocupadas, com aprimoramento da infraestrutura e revitalização de bairros degradados para receber novos empreendimentos residenciais. “Para isso, é fundamental que haja vontade política e diálogo com a sociedade e com a iniciativa privada”, afirmou, defendendo a integração dos projetos de planejamento urbano com projetos de planejamentos do mercado imobiliário.

    Bernardes disse ainda que o mercado imobiliário continua com a demanda aquecida e atraente para investimentos internacionais, além de contar com um sistema eficiente de crédito. “Ainda que se fale no esgotamento dos recursos da poupança destinados ao crédito imobiliário, o mercado já está trabalhando com outras opções para complementar os financiamentos”, lembrou.

    O novo presidente disse ainda que nos últimos cinco anos o setor de construção civil no País passou por uma franca expansão, impulsionado pelo crescimento econômico do País e do crédito imobiliário. “Nossa meta é estrutura o mercado imobiliário para trabalharmos de forma pujante, mas sem sofrer sobressaltos”, afirmou.

    tradingcafe.wordpress.com/2012/02/14/selic-vai-cair-mais-novo-presidente-do-secovi-faz-mencao-ao-esgotamento-de-recursos-na-poupanca/

    casa caindo… ou explodindo

    0
  • Sir Income 14 de fevereiro de 2012 at 00:26

    SEGUNDA-FEIRA, 13 DE FEVEREIRO DE 2012

    Urbanista vê relação estreita entre Kassab e mercado imobiliário

    www .clippingimoveis.com.br/2012/02/urbanista-ve-relacao-estreita-entre.html

    0
    • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 00:32

      Aqui no Rio a relação entre nosso prefeito e as construtoras é bem mais estreita. Veja a matéria abaixo:

      Contratos sem licitação do município com a Delta mais do que dobraram na atual gestão

      Leia mais sobre esse assunto em oglobo.globo.com/rio/contratos-sem-licitacao-do-municipio-com-delta-mais-do-que-dobraram-na-atual-gestao-2758180#ixzz1mJsID4yA

      0
    • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 00:40

      Veja que não são só os prefeitinhos que estão envolvidos com as construtoras … agora entendo o motivo de um tio meu que faz parte da cúpula do governo, ficar com tanta raiva quando falo de bolha imobiliária …

      SALVADOR – No “Globo” de terça-feira, 30, o jornalista Sergio Roxo contou uma historia fantástica, sobretudo porque verdadeira, irrespondível:

      1 – “O ex-presidente Lula retoma a vida de palestrante internacional. Contratado pelas empreiteiras OAS e Queiroz Galvão, o ex-presidente irá à Bolívia, à Costa Rica e a El Salvador. Lula viaja em jatos particulares bancados pelas empreiteiras e acompanhado de assessores. Ele recebe cerca de 300 mil dólares por palestra no exterior”…

      2 – “ O giro do ex-presidente começou em Santa CruzdeLa Sierra na Bolívia, onde participaria à noite, com o presidente boliviano Evo Morales, de uma reunião com movimentos sociais… De manhã, pago pela OAS, Lula falaria a empresários, industriais, produtores rurais e integrantes da Câmara Boliviana de Hidrocarbonetos”…

      3. – “A empreiteira brasileira é responsável pela construção de uma estrada de 415 milhões de dólares, cerca de 660 milhões de reais, que enfrenta protestos por cortar uma área indigena. Os índios ameaçam impedir a execução da obra, que tem financiamento do BNDES”…

      ***
      QUEIROZ GALVÃO

      4. “O giro do ex-presidente continua amanhã com visita a El Salvador para palestra contratada pela construtora Queiroz Galvão…”

      Resta decifrar um enigma: Lula recebe das empreiteiras 300 mil dólares por “palestra”, por serviços já prestados ontem, que estão sendo prestados hoje ou que serão prestados amanhã?

      Vamos reconhecer que, em matéria de “consultoria” e lobby, diante de Lula, Palocci e José Dirceu são dois neófitos, dois aprendizes.

      Fonte: tribunadaimprensa.com.br/?p=22916

      0
      • Néon 14 de fevereiro de 2012 at 01:11

        Vergonha, estou quase lançando um blog/site convocando as pessoas a boicotarem os pedágios nos feriados! Essas construtoras nadaram de braçada e agora vem a verdade.

        Nesse feriado fique na sua cidade, vá aos parques, atracões locais, mas nao alimente esses pedágios fdp’s

        0
  • Apocalíptico 14 de fevereiro de 2012 at 01:46

    Puxa que barril!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Estadão: governo-vai-elevar-ir-de-aplicacoes-atreladas-a-selic

    BRASÍLIA – O governo prepara mudanças na tributação do Imposto de Renda (IR) incidente nas aplicações financeiras de renda fixa, como fundos de investimentos e CDBs. O objetivo da proposta em estudo é desestimular, por meio de um imposto mais alto, as aplicações que acompanham o sobe e desce da taxa básica de juros, a Selic. O governo quer fazer os investidores migrarem para aplicações com correção prefixada ou atrelada à inflação.

    A ideia é aproveitar o momento de queda da taxa Selic em direção ao nível de um dígito para atacar de forma mais efetiva a chamada cultura do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), informou ao Estado um integrante da equipe econômica. Uma fonte da Receita Federal confirmou os estudos.

    Hoje, grande parte dos fundos de renda fixa são os chamados DIs, que aplicam em títulos públicos pós-fixados. Ou seja, se a Selic é puxada para cima, o rendimento sobe; se é reduzida, a rentabilidade cai.

    Na avaliação do governo, quanto maior é essa vinculação, menor é o impacto das decisões de juros do Banco Central sobre o ritmo de consumo da população e nos investimentos das empresas. Quando o BC quer esfriar a economia, por exemplo, eleva a Selic. Na prática, ao fazer isso, a autoridade monetária reduz a quantidade de dinheiro em circulação no mercado.

    No entanto, hoje, esse efeito é limitado porque a alta da Selic engorda as aplicações de grande parte dos investidores que estão nos fundos DIs ou nos CDBs (que, em sua maioria, também seguem a Selic pós-fixada), deixando mais dinheiro para consumir.

    O governo está aproveitando um momento de queda da Selic para mudar a regra. Não dá para tentar fazer essa mudança quando a Selic está subindo e todo mundo ganhando dinheiro.

    As mudanças devem afetar o ganho dos investidores, principalmente nas aplicações de curto prazo. Seriam impactados tanto o aplicador de classe média, que investe em CDBs de bancos e fundos de investimentos, quanto instituições financeiras e empresas que fazem grandes negócios com renda fixa.

    O estoque de investimentos em produtos criados pela iniciativa privada com renda fixa é de R$ 1,5 trilhão, e 89% desse total estão atrelados ao CDI (taxa de juros de referência do mercado financeiro nacional, que segue a Selic pré ou pós-fixada). Na dívida em títulos do governo, que soma R$ 1,8 trilhão, os papéis pós-fixados somam 30% do total.

    As discussões começaram no Grupo de Trabalho do Mercado de Capitais, que avalia medidas de aperfeiçoamento do mercado. O grupo é formado por representantes do Ministério da Fazenda, BC e Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O governo está conduzindo os estudos com cautela porque qualquer mudança mal feita ou precipitada pode provocar distorções.

    0
    • Ze Bom Dirolo 14 de fevereiro de 2012 at 12:55

      Acho que vou abrir uma Ong do tipo: “Preservação dos “troxa” na fauna brasileira”.
      Só para explicar, troxa é um animal que vive no Brasil, acredita e aceita qualquer coisa “imposta” a ele. Se acha inteligente, mas na verdade são mais desprovidos de capacidade intelectual do que o autralopthecus. São quadrúpedes, mas se disfarçam de bípedes. Gostam de sentar em tocos para descanso e se alimentam de outros animais, embora sua alimentação natural seja a banana e outras frutas.

      É capaz do governo impedir a criação dizendo que tal instituição se restringe a animais em extinção.

      Os banqueiros internacionais estão ficando bilionários às custas da gente.

      0
  • Anônimo 14 de fevereiro de 2012 at 09:36
    0
    • Cai Cai Balão 14 de fevereiro de 2012 at 14:15

      Com essa oscilação toda (para baixo), ainda é vantajoso aplicar em títulos com lastro na taxa SELIC? Não sou nenhum exert, mas tenho preferido papéis do Tesouro Direto, principalmente os NTN-B Principal, com vencimento em 2035.

      Consegui taxas que oscilaram entre 5.85% a.a. e 5.5% a.a. + IPCA. Não seria melhor?

      0
      • Davi 14 de fevereiro de 2012 at 16:01

        Tem que levar conta os custos administrativos e que faixa de IR vai cair pelo prazo da aplicação, ainda fico no CDB de grandes bancos 101% CDI 102% CDI …

        Este negócio de arrastar os aplicadores para investimentos PRE-FIXADOS me parece cilada, mais do que nunca o cara vai ter que ficar esperto com a política economica para fazer uma aplaicação de longo prazo, pois se o juros entra em tendencia de alta, nego vai ficar na dúvida entre resgatar ou esperar o prazo para redução da aliquota do IR.

        0
        • Cleyton 14 de fevereiro de 2012 at 16:19

          “Este negócio de arrastar os aplicadores para investimentos PRE-FIXADOS me parece cilada”

          Tem razão mas pelo motivo errado, como o governo está pensando em dar uma afrouxada na inflação os pré-fixados ficariam mais “baratos” pra ele pagar.

          Quanto aos títulos que o Cai Cai Balão citou, eu também gosto das NTN e creio que sejam melhores que CDBs, o que me deixa chateado foi o recolhimento das séries C (na verdade não foi de todo mal porque o IGP-M perdeu pro IPCA no acumulado dos últimos 4 anos) e a redução violenta nas taxas da série B, cheguei a comprar a 8%aa.

          0
  • walyson Trautenmuller 14 de fevereiro de 2012 at 10:23

    Pessoal, imagino que alguém já deve ter postado aqui sobre este site, mas de qualquer forma vai a dica:
    – Ele promete descontos de até 30% em imóveis e me parece que estará operando a partir da próxima segunda: http://www.realton.com.br/

    0
  • Ana Alba 14 de fevereiro de 2012 at 10:36

    Como me sinto em casa nesse blog e tenho aprendido muito (sou advogada por formação, mas já estou me interessando bastante por economia, rsrsrs) vou relatar meu caso, numa cidade ainda não mencionada aqui no blog! Sou casada há dois anos e já juntamos uns 180k. Meu marido e eu, não temos filhos, temos uma renda mensal de 12.5k. Penso que há alguns anos poderiamos, com essa poupança, já termos dado uma boa entrada em algum imóvel, mas nada. Moramos de aluguel e estamos à procura de uma casa, não por termos um sonho, mas por termos garantia de mais liberdade. Residimos em Teresina/PI, 2ª pior renda per capita do Brasil, com grande desigualdade social, e com nosso salário poderíamos ser considerados classe A. Acontece que esses pobres ricos não conseguem nada decente (acabamento, localização, vizinhança) para comprar. Os preços aqui estão impraticáveis. Ap de 70m, velho, estão pedindo 400k. Qualquer lançamentozinho é iniciado a 3k, (os mais inhos) e 4k pra frente os melhores! Perto da casa de minha mãe, região boa, mas não é nenhum Leblon estão pedidndo 500k por terreno de 900m². Se isso não é uma bolha, eu não sei o que é. O povo aqui não tem dinheiro pra bancar isso, só investidor, que em um caso conhecido, no lançamento do Alphaville aqui em Teresina comprou vinte lotes, com certeza não pra morar, só pra especular. Ainda bem que eu e meu marido estamos em sintonia e não vamos compar nesses preços pra enriquecer a ganância de quem quer ganhar sendo safo.
    P.S. Obrigada pelos conselhos acima sobre sociedade em conta de participação. Ou eles estão de má-fé ou vivem no mundo da Alice e vão acordar molhados.

    0
    • aiwww 14 de fevereiro de 2012 at 10:48

      Obrigado pelo seu relato. Teresina, como qualquer outra capital aqui no país dos espertos também está sofrendo com a quadrilha (imobiliárias + governo + construtoras + bancos + especuladores). Serve para mostrar que a ganância é contagiosa e já atingiu todas as capitais há tempos. infelizmente só mesmo uma crise para colocar os pingos nos “is”.

      0
      • ICF 14 de fevereiro de 2012 at 19:39

        Isto! Aqui em Recife, costumam justificar os preços exorbitantes pelos investimentos que estão chegando ao estado. Principalmente no entorno do porto de Suape. Mas, se fosse por isto, não deveríamos estar vendo esta bolha espalhada pelo Brasil inteiro. Até nos confins do sertão pernambucano os preços explodiram!!

        0
    • MrK 14 de fevereiro de 2012 at 11:04

      Excelente relato!

      Primeiramente merece os parabens pela decisao racional e inteligente, porque EU SEI que a compra de uma casa e’ uma decisao muitas vezes mais emocional e o lado racional se deixa levar, podendo se arrepender por 30 anos ou mesmo de outras formas piores (inadimplencia, retomada), portanto voce demostrou que tem um lado racional forte e tomou a decisao mais correta nesse momento, na minha humilde opiniao

      outra coisa interessante e’ vermos como esse papo de olimpiadas, copa, metro e’ bla bla bla, que grandes mudancas temos em teresina pra justificar esses precos? nada! so’ credito bolhudo e especulacao, como a amiga bem relatou!

      0
    • Cai Cai Balão 14 de fevereiro de 2012 at 14:13

      Cara Alba,

      Conheci Teresina recentemente e ocupo um cargo público em Belém/PA. Como já adiantou o MrK, por aqui nada justificaria os aumentos, pois não teremos Copa, Olimpíadas nem sabemos direito o que é metrô (o transporte coletivo aqui, por sinal, é uma bo*&%)! A fartura do crédito para ser, de fato, a única explicação para os aumentos vertiginosos que temos testemunhado.

      Estou firme, convicto na certeza de que isso é bolha. Corretor nenhum me convence de que esse mercado é sadio, nem mesmo esses índices fajutos divulgados aqui e acolá.

      0
    • Etmso 14 de fevereiro de 2012 at 16:34

      Isto que não me entra na cabeça, como podem cobrar estes preços em Teresina, Belém, Natal, similares a São Paulo, Rio e BSB.

      Qualquer indicador nestes últimos 3 é maior. Vejam que nos EUA a bolha estorou e regulou este disparato, hoje Miami é 1/2 de NY, derrubou Miami e outras capitais regionais e NY permanceu caro, cada dia, cada relato, vejo isto mais claro.

      PIB
      PIB per capta
      Renda per capta

      0
    • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:42

      … estão pedidndo 500k por terreno de 900m² …

      Estou morando nos EUA no subúrbio de uma região metropolitana. Aqui, um terreno de 1000 m2 custa cerca de 50 mil Reais. A infraestrutura que tem aqui perto supera em muito o que vi de melhor em SP.

      0
  • Luana 14 de fevereiro de 2012 at 10:45

    Recebi ontem um SMS, e reproduzo aqui:

    Carnaval de Premios em Bloco MRV. De 10 a 26/02, compre um apto e ganhe um ambiente equipado (quarto, cozinha ou sala). Consulte regulamento. Ligue 3512-4556 (MRV)

    0
    • suelen 14 de fevereiro de 2012 at 11:31

      Socorro! Sou de uma cidade do interior da zona da mata mineira que tem aprox. 7.000 habitantes e nenhuma atividade econômica. O dono de m terreno de uns 100 m, fora do centro da cidade me disse que ofereceram 60.000 no terreno e ele n quis. Achei conversa de louco, mas fui contar para minha mãe e ela disse que eu tô com inveja. Socorro!

      0
      • Etmso 14 de fevereiro de 2012 at 16:42

        Suelen,

        Qual a sua cidade da Zona da Mata?

        Meus familiares são de São Miguel, cidade de 7 mil habitantes tb, lá um lote custa 60 mil a 100 mil, casas custam 200 mil. O hectare de terra chega a custar 30 mil.

        Em Viçosa MG, um apartamento de 45m2 custa mais de 200k, cidade de 80 mil habitantes.

        Em São Paulo, um apartamento de 45m2 custa 350k em um bairro classe média, bom.

        Por isto que eu acho que os preços não abaixarão em Rio, SP e BSB.

        0
        • suelen 14 de fevereiro de 2012 at 18:43

          Minha cidade é Laranjal/MG. Viçosa tem a universidade que deve garantir uns aluguéis.

          0
        • Vesgo 16 de fevereiro de 2012 at 22:54

          Então você acha que o preço em RJ/SP/BSB não cai porque os preços no interior estão caros? Que tal se perguntar: O que justifica o forte aumento dos preços de imóveis no interior do Brasil nos últimos anos? R: Expansão de crédito! O Brasil inteiro viu seus imóveis inflacionarem devido a essa expansão, e o Brasil inteiro verá desvalorização (em menor ou maior escala) quando a expansão de crédito parar. Ouvi alguns comendanto que é um fenômeno mundial. Fui ler sobre o assunto, e agora entendo que somos apenas mais um no meio da “maré mundial”

          0
  • Chino 14 de fevereiro de 2012 at 11:40

    Pessoal, acho que os corretores todos de nosso país lêem a mesma cartilha: visitei no ano passado um apartamento literalmente todo quebrado, numa região um tanto quanto degradada, mas próximo de onde gostaria de morar. O cara pedia 250.000 e já estava há 1 ano e nada. Qual a minha surpresa de ver o mesmo imóvel no bomnegocio.com por, pasmem, 310.000!!!! Será que a lógica predominante é essa mesmo?? Não vendo entao aumento o preço??

    0
    • Paty 14 de fevereiro de 2012 at 11:50

      Como diz meu marido, todos estão “preparando” os preços por que já sabem dos descontos que vão ter que dar.. ele aumentou para 310 com a intenção de vender pelos mesmos 250. Com esse desconto o futuro comprador se acha o mais esperto, com o ego inflado acha que fez o melhor negocio do mundo.. pura psicologia..
      outra coisa as pessoas falam em 200 mil reais como se fosse dinheiro de banana… ou eu tô ficando louca, ou as pessoas não possuem a minima noção do que é 200 mil reais..

      0
      • Chino 14 de fevereiro de 2012 at 12:34

        pois é, eu até entendo isso… mas nao parece meio óbvio que se nao vendeu por 250.000, há mais de ano, NÃO vai vender por 310.000??

        Eu semprei pensei que deveria haver mais transparência na negociação de imóveis, para você ter certeza de que não está sendo ludibriado por um cidadão que comprou por X e alguns anos depois quer revender por 3 ou 4 X ?? Esse esquema que rola lá fora de termos acesso aos dados (valor de compra e venda, proprietário) disponíveis na internet teria que haver aqui para dar transparência ao processo. Será que nao poderíamos dar início a uma petição pública, algo do gênero, nos mobilizarmos para moralizar a questão da habitação em nosso país. Porque hoje para voce ter acesso a isso, só tirando a certidao do imóvel, leia-se gasto a partir de R$60,00 e prazo mínimo de 1 semana para conseguir isso. Somos vítimas dessa máfia de cartórios que impera em nosso país. Esses dados deveriam estar disponíveis a um clique de distância do interessado. É uma sugestão de tentar algo, mesmo que virtualmente.

        0
      • MrK 14 de fevereiro de 2012 at 12:46

        concordo com a teria do seu marido, mas existe um problema, quando esses “espertos” aumentam o preco pra dar desconto e vender ao preco antigo, eles criam esses fipezaps loucos da vida pra cima, ou seja, mesmo que nao tenha sido a intencao deles, o indice aponta uma alta como verdadeira quando na realidade e’ falsa, nao houve alta! E ai o que ocorre? quem nao aumentou, aumenta pra seguir o mercado, ou seja e’ uma alta de um desconto falso inflando uma alta de reajuste a mercado falso!!!!

        NAO TEM UM nesse blog que nao conheca aps encalhados ha meses (ou anos) que tenha aumentando o preco mesmo sem conseguir vender, nao tme um!

        0
        • Paty 14 de fevereiro de 2012 at 12:54

          é MrK por isso que eu acho que os indices deveriam ser formados pelo valor de venda e nao pelo valor de anuncio….

          0
          • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:34

            Paty,

            Na Banânia é impossível construir um índice pelo valor negociado pelo simples motivo de que 99.99999% dos valores transacionados em cartório são absolutamente falsos. Acho que o melhor que dá para fazer é um índice com os valores obtidos em LEILAO pela CAIXA.

            0
      • Pedron 14 de fevereiro de 2012 at 13:51

        Eu acho que tem uns caras que realmente acreditam que teve essa valorização toda. Ele olha para os vizinhos, todo mundo subindo de preço e ele pega a onda. Deve estar até feliz de não ter conseguido vender ainda, já que agora vale mais.E sai contando pra todo mundo que o imóvel dele tá valendo tanto e que logo vai dobrar de preço.

        Enquanto isso, fico só assistindo de camarote.

        0
    • Shakespeare 14 de fevereiro de 2012 at 11:55

      tá tudo dominado!

      0
  • DRN 14 de fevereiro de 2012 at 12:55

    Aqui, Olimpíadas geraram “valorização” imobiliária.

    Na Itália, correram da de 2020 (roma.corriere.it/roma/notizie/cronaca/12_febbraio_14/monti-cdm-roma-alemanno-olimpiadi-2020-1903276387660.shtml):

    “Ha prevalso la considerazione che l’Italia non può permettersi un’avventura con troppe incognite e con costi non chiari. La crisi economica, il caso di Atene 2004 e i costi raddoppiati per l’Olimpiade che si svolgerà a Londra (27 luglio-12 agosto 2012) sono stati decisivi nel convincere il premier ad un no comunque doloroso, perché Monti è il primo a sapere che l’organizzazione di un’Olimpiade può rappresentare una grande occasione di sviluppo. Ma non in questo momento e non a queste condizioni”.

    0
  • Luiz 14 de fevereiro de 2012 at 13:12

    O governo [email protected] está criando uma verdadeira armadilha pra sua população.
    Aqueles que não se endividaram até o pescoço serão comidos pela inflação e o imposto de renda.

    Tudo em prol da ideologia de auto perpetuação no poder.

    Os [email protected] criaram uma maneira legal de confiscar o dinheiro de quem tem e escravizar os pobres com dívidas eternas

    0
    • Carlos Wagner 14 de fevereiro de 2012 at 15:46

      Luiz

      Achei interessante seu vicio de escrever [email protected] com o @ no lugar do “A”. Acho que voce pegou esse vicio para tentar fugir da censura da Folha.com neh? Eu, quando escrevia lá, tambem tinha que disfarçar assim para poder publicar meu ppensamento livre da censura deles.

      Jornaleco cumpanheiro aquele. De tanto eu falar em bolha imobiliaria, reprovação aos metodos governamentais e criticar os colunistas vendidos, eles me bloquearam permanentemente sem nem mesmo eu ter usado palavras de baixo calão ou ofendido alguem.

      A gente quer acreditar que vive num país livre, mas esta cada dia mais nitido que nao é verdade. Só pelo fato do governo mudar regras de IR nas aplicações financeiras, constatamos que não somos livres, somos manipulados e devemos investir no que o governo quer, consumir de quem o governo quer que sonsumamos pagando os preços e comprando os produtos que o governo acha que devemos comprar.

      Caros amigos, é inacreditavel ler tantos relatos de pessoas inteligentes aqui do blog torcendo por uma crise financeira para que as coisas voltem ao seu eixo e racionalidade. Não temos saida, estamos reféns de um bando onde a catastrofe é nossa unica saida.

      Quando, em nossos piores pesadelos, poderiamos achar que chegariamos a esse ponto?

      0
      • Luiz 14 de fevereiro de 2012 at 16:02

        não é vicio,
        é pra fugir das milicias que patrulham a internet
        parece mentira, mas chegamos a isso

        Sempre que alguem escreve a palavra-maldita aparece uma onda de falsas acusações

        0
  • Paulo Rocha 14 de fevereiro de 2012 at 13:19

    E o governo fazendo de tudo para controlar a mídia!

    www1.folha.uol.com.br/mercado/1048495-governo-quer-definir-limites-para-sites-estrangeiros-de-noticias.shtml

    14/02/2012 – 12h17
    Governo quer definir limites para sites estrangeiros de notícias

    Publicidade

    SOFIA FERNANDES
    DE BRASÍLIA

    O governo federal quer definir o quanto antes o enquadramento legal para os sites noticiosos no país. O Ministério das Comunicações e a AGU (Advocacia Geral da União) estão discutindo se a internet deve ser considerada um meio jornalístico, assim como emissoras de TV, rádio e jornais.

    A implicação mais imediata que o governo busca com essa definição, que virá em um parecer da AGU, é sobre a atuação de empresas estrangeiras em sites de notícias.

    Caso o parecer indique que internet é um meio jornalístico, todo site do ramo deverá seguir as mesmas regras que os meios de comunicação tradicionais, inclusive a que limita a 30% o capital estrangeiro de empresas do setor.

    O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou que a discussão veio à tona depois de carta enviada pela Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) para o ministério e AGU sobre a intenção do jornal eletrônico americano “Huffington Post” de lançar uma versão brasileira, o “Huffington Brasil”.

    “Não estamos falando de blog. Estamos falando de produção de conteúdo, contratação de jornalistas. Empresas que tenham cheiro, cor, andem como um jornal”, disse Bernardo, após seminário “Políticas de Telecomunicações”.

    Segundo o ministro, o debate ainda está começando, e não há prazos para classificar a internet. No entanto, o governo tem pressa e quer definir essa questão paralelamente ao novo marco da mídia, que está em fase de debates internos no governo.

    Bernardo frisou que não há uma proposta de mudança na Constituição nem da legislação que define as regras para participação estrangeira na mídia brasileira.

    0
  • Dudinha 14 de fevereiro de 2012 at 14:35

    Comprou um Uno, mas pagou o valor de um Tucson? Veja quanto custa parcelar

    Confira no infográfico como os juros encarecem as compras parceladas e os financiamentos e veja dicas de especialistas para não perder dinheiro e comente

    http:// economia .ig.com.br/financas/meubolso/pagou-uma-tucson-mas-levou-um-uno-veja-quanto-custa-parcelar/n1597624327061.html

    O mesmo raciocínio vale para o financiamento de imóveis, ainda mais com os preços bolhudos…

    0
    • Shakespeare 14 de fevereiro de 2012 at 15:04

      eu não compro nem bala de goma a prestação, mas algumas lojas não fazem desconto para o preço a vista e parcelado no cartão, ou dão um desconto pequeno no boleto (menor do que a inflação do período) então acabo parcelando no cartão sob protestos… mas sempre pago a fatura cheia! Nada de fazer o pagamento mínimo…

      0
      • Cai Cai Balão 14 de fevereiro de 2012 at 15:13

        Só faço grandes compras se puder pagá-las à vista. Acaso não seja beneficiado pelo desconto, parcelo em quantas vezes puder no cartão e aplico o respectivo valor em TD. Não é conveniente ganhar 5% de desconto quando se pode parcelar em 12%.

        No período, a inflação me leva 6% (de acordo com os índices oficiais) e o Tesouro me paga mais 5,5%. Ah, e ainda ganho as milhas que não ganharia se pagasse no cash.

        Com o mínimo de conhecimento prévio em finanças pessoais, dá pra acumular uma gordurinha. Adoro as festas em bar, em que a conta é rateada no final. Sempre tem aqueles que preferem pagar no dinheiro porque abominam cartão de crédito. Saco o dinheiro deles, antecipo minhas aplicações e ganho 40 dias de juros. Uma delícia…

        0
        • neandertal 14 de fevereiro de 2012 at 17:33

          operações interessantes do ponto de vista financeiro, mas do ponto de vista prático não vale a pena, dado os baixos valores envolvidos.

          0
          • Cai Cai Balão 17 de fevereiro de 2012 at 10:06

            É, os valores geralmente são baixos. No entanto, crio uma obrigação e antecipo aplicações futuras. Acaba valendo a pena, uma vez que o dinheiro seria gasto de todo jeito.

            0
        • thiago fm 14 de fevereiro de 2012 at 21:55

          Aprendi que o que nos dá dinheiro não é a remuneração que se obtém de uma aplicação, mas o dinheiro supérfluo que se deixa de gastar.

          Tenho certeza que vale mais a pena cortar um pouco as festas de bar do que esperar pelos juros de qualquer aplicação, por mais alta que seja.

          0
          • Cai Cai Balão 17 de fevereiro de 2012 at 10:11

            Pois é. De nada adiantaria ter várias dessas operações num mês, se no fundo meus gastos com lazer estão fora da minha realidade. Mas, como medida espairecimento e, por sua vez, indispensável à manuntenção da boa qualidade de vida, pode ser aliada à antecipação de investimentos. Fica a sugestão aos amigos bolhistas.

            0
      • Cai Cai Balão 14 de fevereiro de 2012 at 15:20

        Quando não oferecem descontos plausíveis para o pagamento à vista, em dinheiro, compro no cartão de crédito sem o mínimo de culpa, parcelando em quantas vezes me for possível. Outro dia desses me ofereceram 5% de desconto na aquisição de um computador, podendo ser parcelado em 12x (sem juros) no cartão de crédito.

        Dividi no cartão, apliquei o valor do computador em Tesouro Direto (5,5% a.a. + IPCA) e ainda ganhei as milhas. Adoro farras em bares com amigos ortodoxos, que não usam cartão de crédito e pagam o rateio com dinheiro. Em contas altas, pago a conta inteira, embolso a grana e aplico no dia seguinte, em títulos do TD ou CDB.

        Enquanto eles estão quites, sem a mínima preocupação com “dívidas”, ganho 40 dias de juros e um punhado de milhas.

        0
        • Shakespeare 14 de fevereiro de 2012 at 16:24

          hehehe

          sem contar que as milhas viram ouro! 🙂

          0
  • Enteu 14 de fevereiro de 2012 at 14:53

    Um em cada quatro inquilinos da cidade São Paulo devolveu o imóvel no ano passado ao proprietário porque comprou a sua própria casa.

    http://www.diariosp.com.br/noticia/detalhe/12324/Diminui+o+numero+de+pessoas+que+pagam+aluguel
    http://estadao.br.msn.com/economia/em-s%C3%A3o-paulo-26percent-saem-do-aluguel

    0
    • eam 14 de fevereiro de 2012 at 15:53

      Sinceramente, se alguém quer comprar um imóvel e pagar juros por 20 e 30 anos só pra “realizar o sonho da casa própria”, que assim seja, cada um com seus problemas. Espero, realmente, que estes 25% consigam pagar suas dívidas para manter seu “sonho”, assim a oferta de imóveis para aluguel (que no cenário atual é a escolha mais sensata, do ponto de vista financeiro) crescerá e o preço se tornará competitivo.

      O problema é que não vislumbro um cenário econômico estável no médio prazo (talvez nem no curto), portanto se der uma “dor de barriga” na 2ª maior economia do mundo, vai ser um Deus nos acuda por aqui.

      0
      • DRN 14 de fevereiro de 2012 at 17:05

        Eam, concordo. É vantajoso “do ponto de vista financeiro”.

        Se uma pessoa tem R$300 mil e tira R$2.400,00 líquidos, paga o aluguel e apura uma sobra. Se o Banco quebra ou se o governo cria um empréstimo compulsório (Collor, lembra), bau-bau. Vc fica sem dinheiro. Se, além disso, a pessoa perde o emprego, danou-se. Vai morar na rua ou voltar para a casa dos pais. Agora, imagina a situação psicológica de um cidadão casado e com filhos?

        Vamos para outra situação, sem empréstimo compulsório nem perda de emprego. A pessoa acidentalmente atropela alguém na rua, ou, culposamente, comete algum ato, no exercício de sua profissão, que cause dano a alguém. É processada e condenada. O dinheiro é bloqueado. Tudo bem, há meios de desviar o dinheiro etc., mas também existe instrumentos para coibir isso, como o arresto.

        Agora, a casa é bem de família e, portanto, não pode ser excutido, salvo poucas hipóteses (como para saldar o empréstimo de aquisição da própria casa ou dívida afiançada).

        Por isso, acho que as pessoas devem comprar sim seus imóveis, mas poupando até ter o dinheiro, e não assumindo dívidas para pagar em 30 anos.

        E há outros aspectos além desses.

        0
        • Rodrigo 14 de fevereiro de 2012 at 20:01

          “O dinheiro é bloqueado” e “a casa é bem de família”,

          Caro DRN,

          exite o antes e depois deste julgamento

          h ttp://www.conjur.com.br/2008-ago-22/promotor_condenado_indenizar_escritorio_mp_reage

          agora só pagando aluguel (o dono é o proprietário) com carro financiado (dono é a instituição financeira) e o salário entra todo mês no bolso…

          0
        • joselito 14 de fevereiro de 2012 at 21:22

          Não esqueça que enquanto você está pagando finaciamento o dono do imóvel é o BANCO.
          O imóvel só fica seu quando você quitar o financiamento.

          0
        • eam 15 de fevereiro de 2012 at 14:19

          DRN, no campo das possibilidades, tudo, mas tudo mesmo pode acontecer, ainda mais se tratando de Brasil, perder o emprego é, ao mesmo tempo, o menor e o maior dos problemas neste quadro q vc pintou.

          Concordo que ter o imóvel próprio traz muitas vantagens, mas, uma vez mais, considerando o cenário atual (preço exorbitante, economia instável, urbanismo e qualidade de vida degradantes) reafirmo que o melhor a fazer é alugar por um preço razoável ao invés de endividar-se por 20 ou 30 anos e comprometer 20% da renda, quando não mais do que isso.

          Quem sabe quando o mercado imobiliário se ajustar a patamares salutares (mais uma vez: financeiramente falando) possamos voltar a falar nas vantagens de se comprar um imóvel, mas hoje essa opção está fora de cogitação, pelo menos pra mim.

          0
    • Paulo Rocha 14 de fevereiro de 2012 at 16:22

      Deve ter sido o pessoal do “minha casa, minha senzala” que literalmente entregou a chave de volta para o proprietário. Vão passar os próximos 30 anos com a corrente em volta do pescoço. Dalhe chicotada!

      0
  • Eduardo 14 de fevereiro de 2012 at 15:59

    Olha o estrago!!!!!

    Quando ainda trabalhava em Dois Irmãos RS em 2007, lançaram este imóvel, custava na planta R$240.000,00 milhas… E pelo jeito encalhou e o banco tomou os imóveis da construtora…

    O tio do Bradesco está vendendo:

    http://www.shopinvest.com.br/imoveis/hotImoveis/imovel/descricao.asp?idPatrimonio=160

    O mais engraçado é que isto é tratado como investimento…. faz me rir…

    0
    • Dr. Estranho 14 de fevereiro de 2012 at 20:03

      O prédio é feio.

      0
    • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:26

      Tem 2 apartamentos em LEILÃO no seguinte website. Um por 235 mil Reais e outro por 217 mil Reais. Segundo o website, já haveria um lance de 285 mil e outro de 240 mil respectivamente. ACREDITEI PIAMENTE !!!

      www . milanleiloes . com . br/Editais/Bradesco20111126/Lotes.asp?E=RS

      0
      • Eduardo 15 de fevereiro de 2012 at 09:07

        Quando concluíram a obra, no início de 2011, estavam pedindo nas imobiliárias da cidade 400 mil dilmas, por um de três dorm, 2 vagas…

        0
  • Annibal 14 de fevereiro de 2012 at 16:05

    PIB da Grécia cai 7% no quarto trimestre de 2011

    O Produto Interno Bruto (PIB) da Grécia no quarto trimestre de 2011 registrou uma queda de 7%, em comparação ao resultado do mesmo período de 2010. Em nota divulgada nesta terça-feira, o Instituto de Estatísticas do governo do país reforçou que os números ainda serão ajustados. No terceiro trimestre do ano passado, o PIB grego havia recuado 5%. Segundo cálculos extraoficiais da agência Bloomberg, a economia grega registra no ano uma contração de 6,8%, acima do recuo de 6% estimado no orçamento do governo de 2012.

    A Grécia está no quarto ano consecutivo de recessão, registrando sucessivas quedas desde 2008. A economia do país tem sido afetada pelas medidas de austeridade que tentam salvar suas fracas finanças públicas e a sair da crise da dívida. No fim de 2011, o país projetava que sua economia fosse se contrair mais de 5,5% no total do ano, sem esperanças de uma recuperação antes de 2013.

    No último domingo, o Parlamento de Atenas aprovou novas cortes de gastos públicos equivalentes a € 3,3 bilhões, em um novo pacote de medidas de austeridade, exigidas pelo acordo com líderes da União Europeia (UE) e do FMI, para receber um novo pacote de empréstimo, de € 130 bilhões.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/pib-da-grecia-cai-7-no-quarto-trimestre-de-2011-3967188#ixzz1mNfJNFIQ
    © 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

    w w w . oglobo.globo.com/economia/pib-da-grecia-cai-7-no-quarto-trimestre-de-2011-3967188

    0
  • Annibal 14 de fevereiro de 2012 at 16:07

    Moody’s ameaça o Reino Unido, que seguirá adiante com seu plano de ajuste

    O Reino Unido teve sua nota máxima de solvência “AAA” ameaçada de rebaixamento pela agência Moody’s nesta terça-feira devido à fragilidade de sua economia e à crise da vizinha Eurozona, mas o governo já anunciou que não irá mudar sua política de austeridade radical.

    A agência de classificação financeira estuda retirar no médio prazo a nota máxima “AAA” deste país, assim como a de França e Áustria.

    O Reino Unido foi incluído, assim, no mesmo pacote que países da Eurozona dos quais tenta se desvincular de todas as formas possíveis.

    O governo do primeiro-ministro conservador David Cameron optou por interpretar esta advertência inesperada como um estímulo para seguir em frente com seu programa de austeridade.

    “A advertência desta agência é muito clara: a nota do Reino Unido será rebaixada se nossa determinação política de nos ocuparmos da dívida enfraquecer ou se decidirmos fazer novos gastos ou pedir mais dinheiro emprestado”, reagiu rapidamente o ministro das Finanças, George Osborne, que falou também de um “balde de realidade”.

    A Moody’s expressou dúvidas sobre a aplicação da política de ajuste fiscal do governo devido às perspectivas ruins de crescimento do país.

    A economia britânica se contraiu 0,2% no quarto trimestre do ano passado, o que coloca o Reino Unido à beira de uma nova recessão, enquanto o desemprego encontra-se em um ponto máximo em 17 anos.

    Apesar de medidas de economia de todo tipo, a desaceleração das receitas fiscais complica a tarefa do governo de reduzir uma dívida que superou pela primeira vez no fim de 2011 a marca simbólica do bilhão de libras.

    Além disso, o Reino Unido não está protegido da crise na vizinha Eurozona, com a qual realiza uma parte importante de seus intercâmbios comerciais, lembrou a Moody’s.

    A oposição trabalhista aproveitou a advertência para reiterar seus chamados a uma moderação do ajuste para reativar a economia.

    “Está claro que a austeridade não funciona, seja na Grécia, na Irlanda, no Reino Unido ou em outros países”, afirmou o porta-voz das Finanças do partido trabalhista, Ed Balls.

    A analista da Capital Economics Vicky Redwood considerou que a advertência da Moody’s é um “leve golpe para o ministro das Finanças, mas também parece ratificar os planos de austeridade do governo”.

    A coalizão governamental de conservadores e liberais-democratas, no entanto, parece ter pouca margem de manobra, com uma economia à mercê dos sobressaltos da Eurozona e lares que estão reduzindo os gastos em um contexto sombrio.

    w w w.jb.com.br/economia/noticias/2012/02/14/moodys-ameaca-o-reino-unido-que-seguira-adiante-com-seu-plano-de-ajuste/

    0
  • Annibal 14 de fevereiro de 2012 at 16:08

    Standard & Poor’s reduz nota de 15 bancos espanhóis

    Economia
    13/02 às 18h28 – Atualizada em 13/02 às 18h59
    Standard & Poor’s reduz nota de 15 bancos espanhóis
    Agência AFP
    Tamanho do Texto:+A-AImprimir
    Publicidade

    A agência de classificação de risco Standard & Poor’s reduziu nesta segunda-feira a nota de 15 bancos espanhóis, incluindo os líderes do setor, após ter diminuído a nota da Espanha em 13 de janeiro passado.

    Entre as instituições afetadas estão Santander, BBVA, Bankia e CaixaBank, informa a agência em comunicado.

    A agência reduziu a classificação de solvência creditícia de 10 bancos em um nível e de outros cinco em dois níveis.

    No caso do número um do setor, o Santander, houve uma queda de A+ para AA-, e a nota do segundo maior banco espanhol, BBVA, passou de A+ para A, informou a agência.

    Antes disso, nesta segunda-feira, a agência Fitch reduziu a nota de quatro bancos espanhóis, Santander, BBVA, Bankia e Caixabank, após ter reduzido a da Espanha no mês passado.

    Segundo a Fitch, a nota do Santander perdeu dois graus, enquanto que as do BBVA, Bankia e CaixaBank caíram um nível, a maioria com perspectiva negativa, o que poderá levar a novas reduções no médio prazo.

    Estas reduções são consequência do rebaixamento promovido pela Fitch em janeiro da nota soberana da dívida da Espanha, explicou a agência em um comunicado.

    Em janeiro, a Fitch reduziu a nota de cinco países da Eurozona, entre eles Espanha e Itália, citando a “marcada deterioração das perspectivas econômicas”, em um momento em que cada vez mais economistas prevêem um ano de 2012 sob recessão ou estancamento.

    A Espanha, que registrou um crescimento fraco em 2011 (0,7%) cairá previsivelmente na recessão neste trimestre e o Banco da Espanha prevê um retrocesso de 1,5% do PIB para o conjunto de 2012.

    jb.com.br/economia/noticias/2012/02/13/standard-poors-reduz-nota-de-15-bancos-espanhois/

    0
    • Apocalíptico 14 de fevereiro de 2012 at 21:58

      Há um bom tempo saí do Santander, depois que vi agências se multiplicando por todo o país, inclusive em favelas e cidades pequenas do interior.

      Meu suado dinheiro de pobre eles não levam! Só o governo brasileiro tem direito a me roubar desavergonhadamente enquanto eu finjo que não vejo. :-p

      0
  • Dan 14 de fevereiro de 2012 at 16:26

    Governo estuda subir IR de aplicação ligada a Selic, como CDB, diz jornal
    Do UOL, em São Paulo

    Mantega nega estudo para subir IR de aplicação ligada a Selic, como CDB
    O governo estuda aumentar o Imposto de Renda (IR) sobre aplicações financeiras de renda fixa que acompanham a variação da Selic (taxa básica de juros), com o objetivo de reduzir a atratividade dessas aplicações e estimular investimentos em papéis corrigidos por juros prefixados ou atrelados à inflação. Seriam afetadas aplicações como fundos de investimento e CDBs.

    A informação consta de reportagem publicada nesta terça-feira (14) pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, que cita duas fontes não identificadas. A ideia seria aproveitar o momento de queda da Selic -que já reduz a rentabilidade de fundos atrelados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI)- para elevar o IR sobre esses investimentos, o que diminuiria ainda mais sua atratividade.

    Ainda segundo a reportagem, o governo entende que a vinculação dessas aplicações à variação da taxa básica de juros reduz o impacto das decisões de política monetária do Banco Central, já que uma alta da Selic, que diminui a circulação de dinheiro na economia, acaba elevando os rendimentos de aplicações ligadas à taxa básica, colocando mais recursos na economia.

    h t tp://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/02/14/governo-estuda-subir-ir-de-aplicacoes-ligadas-a-selic.jhtm
    ______________

    É patente que o governo busca com essa medida atrair investimentos para a poupança. Juros baixos e outras aplicações seguras rendendo pouco, mais lenha na fogueira maldita dos imóveis. É inacreditável. É de uma irresponsabilidade alarmante…

    0
  • Cirilo 14 de fevereiro de 2012 at 17:22

    Realmente, tem que ver isso aí, o Brasil é um país sem nenhuma uniformidade, e os preços subiram tanto em cidades em que realmente houve um aumento da demanda, quanto em outras em que não aconteceu nada.

    Resultado? Alguns lugares terão quedas fortes, algo entorno de 40%, já outros uma queda mais sensível, algo entorno de 15%~20%.

    0
  • Miguel Jacó 14 de fevereiro de 2012 at 17:36

    Eles estão usando todas as armas para o povo manter dinheiro na poupança ou adquirindo imóveis.
    Isso já não é uma bolha, é uma bomba atômica imobiliária.

    Acho que vou é comprar ouro ou sair do Brasil, capaz de roubarem meu dinheiro se eu manter na poupança, como ocorreu na era Collor.

    Preocupante, estou ficando sem saídas…

    0
    • augusto 14 de fevereiro de 2012 at 21:35

      Abra uma conta em banco americano, pois o dolar mesmo que fique estacionado por um ou dois anos, aumentará em relação ao real breve. Se ficar estagnafo por dois anos, e depois subir 30% vc terá ganho cerca de 10% ao mes. Não se preocupe pois os bancos atuais são grand edemais para quebrar, e se os de lá tem risco os daqui tambem tem.. Só que lá a garantia é muito maior que na banania
      Quanto aos titulos do governo brasileiro que deve no mercado interno quase 2 trilhões de reais, eles que vendam para o moluscão, que nesta altura estará queimando aonde sempre deveu estar.
      Em relação a poupança deixe eles se virarem para arrumar grana para o mercado imobiliários, e quando o calote atingir niveis altos os bancos terão que torrar os imóveis retomados

      0
      • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:13

        Abra uma conta em banco americano – Já dei essa sugestão várias vezes aqui no BLOG, inclusive detalhei passo a passo de como proceder.

        0
        • Miguel Jacó 16 de fevereiro de 2012 at 18:54

          Onde está seu passo-a-passo, Anonymous? Procurei e não achei.

          0
  • MrK 14 de fevereiro de 2012 at 17:57

    O mundo está de cabeca pra baixo

    nunca vimos EUA quebrados, Europa quebrada e “Brasil” na moda, isso é inédito!

    pra dar uma noção de como o mundo tá cego, tá como um bebado intoxicado: O Governo brasileiro está mentindo o indice de inflação descaradamente, mudando formula e gerando números totalmente ficticios e os investidores não estão penalizando por isso, estão tomando no lombo e sorrindo, só mesmo num mundo louco! tá todo mundo doidão!!

    só com a explosão de inadimplencia que vão acordar, mas aí vai ser tarde pra alguns!

    0
    • Dan 14 de fevereiro de 2012 at 20:16

      MrK,

      Na verdade, os efeitos da inadimplencia ja comecam a aparecer.

      Banco Votorantim tem prejuízo de R$ 656 milhões no 4º trimestre por conta da provisao para inadimplencia.

      Saiu hoje no Valor Economico.

      Sera que a bolha no Brasil eh assim tao diferente dos EUA?

      http://www.valor.com.br/financas/2529876/banco-votorantim-tem-prejuizo-de-r-656-milhoes-no-4?utm_source=newsletter_tarde&utm_medium=14022012&utm_term=banco+votorantim+tem+prejuizo+de+r+656+milhoes+no+4º+trimestre&utm_campaign=informativo&NewsNid=2528656

      0
      • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:10

        A diferença é que nos EUA é BUBLE e na Banânia é BOLHA – até o número de letras em cada palavra é o mesmo.

        0
        • DP 15 de fevereiro de 2012 at 13:11

          It’s actually BUBBLE with double “B”, but you made I nice joke anyways.

          0
          • trimmador 16 de fevereiro de 2012 at 18:22

            Seu inglês não está tão legal assim… Para corrigir, e em inglês, melhor seria se você fosse fluente.

            0
            • DP 16 de fevereiro de 2012 at 18:57

              Nao sei o porque do seu comentario. 10 anos de America talvez tenham me deixado burro.

              0
      • Rico 16 de fevereiro de 2012 at 09:27

        Nesse caso é. Um dos sócios do BV é o Banco do Brasil, o qual o dono é quem tem a impressora de dinheiro.

        0
        • Rico 16 de fevereiro de 2012 at 09:31

          Aliás, o BB não comprou o BV para ganhar dinheiro. Comprou para manter a carteira de crédito de veículos vendendo e rodar a economia.

          Para o governo interessa mais fazer financiamentos, mesmo com prejuízo. Ele arrecada do outro lado do imposto.

          Alguns aqui parecem que fugiram das aulas da economia. Como já disse, assim como tem muita gente cega pela valorização imobiliaria, tem muita gente cega esperando pelo estouro da bolha.

          0
          • DP 16 de fevereiro de 2012 at 11:27

            Pois eh… cego ou nao, ter um (des)governo dando uma de banqueiro da nisso. Ainda bem que a arrecadacao bate recorde atras de recorde . Minha alegria eh ter saido da Banania ha 8 anos e saber que meu imposto nao eh usado para essas cagadas.

            0
    • Ze_das_Couves 14 de fevereiro de 2012 at 22:03

      daqui a pouco chega a fatura do cartao ou a conta para muita gente…. 😛

      Olha outro exemplo: visa platinum na europa custa por ano no max 70 euros. No brasil quiseram me cobrar a anuidade de 6x 70 reais por cartao mais 35 adicionais para a esposa. So mantinha cartao no brasil pq tinha a vantagem de comprar passagem com direito a 2 malas de 32 kg’s…

      0
    • Oliveira 15 de fevereiro de 2012 at 10:28

      Os peixões vai sair na hora “H”.

      0
    • Andre 16 de fevereiro de 2012 at 08:33

      Acreditar que os EUA estão na pior é no mínimo inocente. O mesmo da Europa. Os países que estão na pior por lá foram foram os “explorados” do passado.
      Agora a bola da vez é o Brasil! Vejamos o que acontecerá daqui há alguns anos. Se o molejo dos dribles fáceis vai funcionar para salvar os individados e inadimplentes.

      0
      • Andre 16 de fevereiro de 2012 at 08:35

        “endividados” rs

        0
  • Luiz 14 de fevereiro de 2012 at 18:26

    Anunciaram hoje que vão soltar mais crédito pra compra de carro
    Amanhã vem tabela nova do zero km

    0
    • Rodrigo 14 de fevereiro de 2012 at 19:48

      A frota de veículos no estado do Rio deverá quase dobrar, saindo dos atuais 1,8 milhão para 3 milhões até as Olimpíada de 2016, com uma média de um carro para cada dois moradores. Porém, o preço a pagar será alto…

      h ttp://www.segs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=36045:frota-de-carros-no-rio-deve-quase-dobrar-ate-olimpiadas&catid=71:categoria-veiculos&Itemid=367

      0
  • Apontador 14 de fevereiro de 2012 at 18:35

    OFF TOPIC:

    Típico “novo rico” empolgado: Comprou Um Renault Fluence em 60x R$2010. Depois de 10 meses de uso, percebeu que pagar 120mil reais em um Fluence é algo meio sem noção. Resultado:

    http://www.zap.com.br/carros/oferta/RENAULT-Fluence-Dynamique-CVT-20-16V-2011-SANTANA-DE-PARNAIBA/ID-1844711/

    0
    • Dr. Estranho 14 de fevereiro de 2012 at 20:07

      Se ele pagar mais 15, sem usar o carro, eu compro.

      0
    • Anônimo 14 de fevereiro de 2012 at 20:19
      0
      • Mr. Alex 15 de fevereiro de 2012 at 02:36

        Agree

        0
      • Carlos Eduardo 15 de fevereiro de 2012 at 05:45

        O carro mais caro do mundo, para os maiores bananas do mundo!

        tudo faz sentido!

        0
        • Pedron 15 de fevereiro de 2012 at 10:36

          A forma como os bananas gastam dinheiro com carro merece um blog à parte.

          0
    • Carlos Wagner 14 de fevereiro de 2012 at 21:10

      Desculpem, tive que trolar. O cara entrega o carro de graça pra quem assumir a divida, escrevi:

      “Rapaz, de graça ainda está caro heim… Se voce me der 30 mil, eu livro vc dessa bucha. Topa?”

      Será que ele vai me xingar?

      0
      • Apocalíptico 14 de fevereiro de 2012 at 22:05

        Esse caro custa +-30mil no méxico. Esse maluco está pagando por QUATRO FLUENCES. MEO DEOOSSSS

        0
      • Apocalíptico 14 de fevereiro de 2012 at 22:09

        Também trolei:

        “Caro vendedor,

        Tenho disponibilidade para comprar à vista. Pago 54mil, direto para sua conta corrente. A dívida, entretanto, ficaria contigo.

        Se tiver interesse, favor entrar em contato.”

        0
        • Rodrigo 14 de fevereiro de 2012 at 22:29

          Isso ai compra, depois anuncia por uns R$ 200.000, vai ter fila de espera igual imóvel.

          0
      • Shakespeare 15 de fevereiro de 2012 at 10:21

        Não me contive e fiz a minha pergunta também:

        Porque alguém em sã consciência pagaria à prazo o dobro do preço à vista que já é o dobro do preço justo do carro, comparando com outros países do mundo?

        0
      • Philis 15 de fevereiro de 2012 at 11:20

        Acho que a trollagem funcionou: ele modificou o anúncio e aumentou o preço do carro.

        0
    • augusto 14 de fevereiro de 2012 at 21:46

      Anne Warth, da Agência Estado

      SÃO PAULO – A inadimplência no financiamento de veículos atingiu o maior nível dos últimos anos, de acordo com dados da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef). Em 2011, o saldo de inadimplência acima de 90 dias para pessoa física no Crédito Direto ao Consumidor (CDC) atingiu 5%, ante 2,5% em 2010. Em 2004, dado mais antigo disponibilizado pela entidade, a inadimplência era de 2,1%; em 2005, 2,2%; em 2006, 3,3%; em 2007, 3%; em 2008, 4,3%; e em 2009, 4,4%. “A inadimplência foi o grande susto de 2011”, afirmou o presidente da Anef, Décio Carbonari.

      No ano passado, a inadimplência média na compra de carros novos foi de 2,5%, bem menor que a de carros usados, entre 7% e 8%, e a de motos, de 11%. Segundo o executivo, o crescimento da inadimplência ocorreu principalmente entre os consumidores de menor renda, entre R$ 2 mil e R$ 3 mil. Este segmento foi o mais afetado pela queda do rendimento médio. “A renda dos trabalhadores foi afetada pelo aumento da inflação, sim”, afirmou. Com uma inflação de 7%, um consumidor com renda de R$ 3 mil perdeu, em média, R$ 150 em cada mês do ano. “Para quem paga uma prestação de R$ 600, trata-se de um esforço significativo”, afirmou.

      0
    • D9 15 de fevereiro de 2012 at 11:31

      Apontador,

      Dei muita risada desse cidadão … é impressionante. Agora, isso não é OFF-Topic não.

      Por causa desse tipo de cidadão é que as coisas estão como estão.
      A bolha do crédito infla, usando o combu$tível que vem dos bolsos dessa gente.

      Esse exemplo é o famoso:
      “Não quero saber quanto custa, só quero saber o valor da prestação e em quantas vezes divide.”
      Por isso, apto que vale 200k é vendido por 300, 400, 500k … divide em 360x.

      0
  • Observador_SP 14 de fevereiro de 2012 at 20:12

    apenas a titulo de curiosidade, venho acompanhando apartamentos neste prédio há mais de um ano. Em fev do ano passado, estava em torno de R$ 420k . Agora comparem estes 2 imóveis no mesmo prédio, com diferença de preço gritantes entre eles. (O apartamento que vi em Fev do ano passado foi alugado, pq o dono não conseguiu vender, o acabamento era semelhante aos das fotos)

    h t t p://imoveis.trovit.com.br/index.php/cod.frame/url.http%253A%252F%252Fwww.agenteimovel.com.br%252Fimovel%252Fa-venda%252Fvila-mascote%252Fsp%252F1170396.htm%253Futm_source%253Dtrovit%2526utm_medium%253Dcpc%2526utm_campaign%253Dtrovit/id_ad.1y181LLv1B1i1j/type.1/what.apartamento%20jonia/pos.2/org.1/pop.1/publisher_id./referer_id.1/t.1

    h t t p://imoveis.trovit.com.br/index.php/cod.frame/url.http%253A%252F%252Fwww.agenteimovel.com.br%252Fimovel%252Fa-venda%252Fvila-mascote%252Fsp%252F1188558.htm%253Futm_source%253Dtrovit%2526utm_medium%253Dcpc%2526utm_campaign%253Dtrovit/id_ad.1jubj1IIMt/type.1/what.apartamento%20jonia/pos.8/org.1/pop.1/publisher_id./referer_id.1/t.1

    0
  • walyson amaral 14 de fevereiro de 2012 at 20:25

    Pessoal, olha outro prédio caindo, desta vez vai ser no brooklin.
    Este Edifício fica na rua Nebraska entre as ruas Nova York e Av. Portugal.

    http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5612115-EI8139,00-Rachadura+faz+Defesa+Civil+interditar+apartamentos+em+SP.html

    0
  • Rodrigo 14 de fevereiro de 2012 at 20:26

    Olha quem paga os altos preços da Zona Sul!

    Sabrina Sato, comprou um apartamento no Leblon por 1,5 milhão de reais. Passada a fase do pagamento, a apresentadora do Pânico na TV, que ganha aproximadamente 300 mil reais por mês, está na fase da compra de móveis para a sua nova morada. Lojas de decoração na Barra da Tijuca tem sido o alvo predileto da moça.

    Por esse preço no Leblon só kitnet, isto é, loft pois se trata de Leblon.

    Quem quiser passar o Carnaval hospedado em grande estilo no Copacabana Palace terá de desembolsar 57 240 reais. É o preço do pacote de cinco diárias em uma suíte do hotel.

    De quebra ainda devem tomar ovo na cabeça…

    0
    • Thiago 15 de fevereiro de 2012 at 09:56

      Vá para o Rio e seja assaltado, se não é pelo pessoal do morro é pelos taxistas, hotéis, vendedores, etc

      57mil reais!? Faço coisa muito melhor com isso no Ano Novo.

      0
    • Shakespeare 15 de fevereiro de 2012 at 10:10

      Essa moça ganha em um mês mais do que eu em 2 anos de trabalho suado e estafante.

      Provavelmente os predicados e habilidades dela são mesmo muito maiores dos que os meus, ou nossa sociedade está precisando rever seus valores…

      0
    • Andre da Bolha de Plastico (para evitar homonimos) 15 de fevereiro de 2012 at 19:50

      Nao estou fazendo aqui nenhuma critica aos cariocas apenas vou narrar e descrever como me senti no Rio. Sou paulista e estive no Rio de Janeiro e posso te dizer – sinceramente nao vi nada no rio que valesse realmente a pena. Sao Paulo tambem nao e bom pra se morar mas no Rio, principalmente, nas Ruas Centrais onde andei, -Rua Rio Branco, Largo da Carioca, Barao do Rio branco – Pça da Republica e todo aquele miolo esta totalmente degradado – muita gente humilde – pobre, e feia (fazer o que e a realidade) Camelos, e Sujeira. Copacabana – que fui de metro ate la nem as mulheres mais prestam – Durante a semana na Praia so tem Pu..ts e Tra vecs e Gay – ou seja um local altamente GLS o qual nao curto – a praia esta limpa, o mar bonito mas os frequentadores…pelo amor de deus (Uma Especie de Sao vicente com mar e areia limpa) . Se eu fosse um turista …nunca mais voltava mas nem pra buscar uma mala esquecida” – Outra coisa Quando esta se chegando no Rio – a Dutra-Av Brasil que em sao paulo e toda ladeada por industrias (Guarulhos ) – Jacarei – Taubate – s.J.Rio Preto e outras no Rio, ao chegar na capital esta cheio de propriedades abandonadas e cortiços – uma visao que chega a chocar qualquer um – como pode ter tanata coisa simnplesmente largada ao abandono? chega a assustar mesmo, especialmente se o carro quebrar ali. Agora se morar no Rio significa ficar restrito a frequentar 10 quarteiroes ai da o mesmo que em q.q lugar do mundo vc ficar em um condominio fechado. Para isso nao precisa ser no Rio, nem em Sao Paulo. Sinceramente se eu conseguir me organizar em termos de trabalho meu destino sonhado de residencia sao 2 – Maceio ou Curitiba ali sim realmente se vive com qualidade – Pelo desculpa se alguem se sentir ofendido mas essa e a minha narrativa e opiniao do que vi e nao entendo como o RJ tem o m² imoveis mais caros do Brasil. Culpa disso tem parte a Globo que por anos “endeusou o RJ” mas ela mesma caiu fora e veio sorrateiramente para sao paulo onde daquia a alguns anos definitivamente passara a manter seu nucleo central. Resta tambem o fato de ter sido Capital Federal antes de Brasilia – de la pra ca so ficou saudades dos tempos aureos de um RJ que ja nao existe mais no cartao Postal mas sim nas Noticias Policiais.

      0
      • Vinicius Lima 16 de fevereiro de 2012 at 10:49

        Andre, sou do RJ e não me senti ofendido pois você simplesmente relatou o que viu e não disse nenhuma mentira…Só não saio do RJ pois toda a minha família é daqui.

        0
  • Mdc 14 de fevereiro de 2012 at 21:39

    Há bolha no Brasil? Sim

    Integrantes da “antiga classe média” tem ou terão condições de comprar 3 quartos de 150 m2 no Leblon?Não… Talvez a próxima geração.

    Simples assim: os preços irão cair, mas Leblon é Leblon, Lago Sul é Lago Sul, Higienópolis é Higienópolis e assim por diante.

    Para os imóveis nestes bairros voltarem a se tornar acessíveis para “mortais”, apenas com hecatombe econômica, mas nesta hipótese, a renda despenca, ativos são corroídos, etc, etc

    Agora, após a bolha, a classe média pode voltar a sonhar com Flamengo, Botafogo, Santana, Campo Belo, Asa Norte, etc, etc, etc

    Enquanto isso, continuamos a pagar aluguel para morar em um local decente ou nos contentamos em pagar muito caro para morar mal

    0
    • Felipe 14 de fevereiro de 2012 at 22:54

      MDC, tem uma ferramenta no site do IBGE chamado Cidades. Nessa ferramenta, vc pode ver vários dados de qualquer cidade no Brasil
      Dei uma olhada em um desses dados da cidade do Rio de Janeiro muito interessante.
      Há aprox. 27000 indivíduos que ganham mais de 30 salários mínimos no Rio.

      Bem pouco pro valor médio dos imóveis né?

      0
      • Cirilo 15 de fevereiro de 2012 at 00:40

        Pouco?

        Meu amigo, você só pode estar brincando, e outra coisa, tem que se considerar que muita gente que mora no Leblon/Ipanema, por exemplo, comprou imóvel a muito tempo atrás, ou seja, hoje tem uma renda “baixa”, mas suficiente para se manter em um imóvel próprio nessas regiões.

        0
        • Leo 15 de fevereiro de 2012 at 09:01

          Conheci muita gente durante o tempo que morei por la. Alguns bem de vida e muitos que só estao la pq os pais deixaram o AP. Uma parte desses que moram em APs que eram dos pais nao conseguem nem pagar o condominio. Conheco 2 pessoas que estao brigando com o condominio por conta da inadimplencia… E nós sabemos como isso acaba, LEILAO!

          A grande maioria nao teria bala na agulha p/ comprar Ap por la. Muita gente vive de aparencia e do Legado deixado pelos pais.

          0
  • Rodrigo 14 de fevereiro de 2012 at 22:05

    Alguém já ouviu falar em Serviços de Assessoria Técnico Imobiliária (SATI), pois então é melhor prestar atenção:

    h ttp://classificados.folha.uol.com.br/imoveis/1046933-cresce-numero-de-reclamacoes-por-cobranca-de-taxas-indevidas-na-venda-de-imoveis.shtml

    h ttp://casaeimoveis.uol.com.br/tire-suas-duvidas/leis-e-direitos/a-imobiliaria-pode-cobrar-pela-assessoria-juridica-na-aquisicao-de-um-imovel.jhtm

    0
  • Ploc 14 de fevereiro de 2012 at 22:10

    Hoje resolvi olhar os imoveis que aumentaram de inicio de janeiro/2011 até hoje.
    Cheguei as seguintes conclusões:
    (1) tem gente (provavelmente imobiliarias) publicando anuncios falsos para inflar o preços dos imóveis (acho que isso já foi levantado aqui)
    (2) ou as imobiliarias e proprietários não tem a minima ideia do valor que devem anunciar um imóvel.

    O que leva alguem aumentar um imóvel em de 10 a 40 % em 40 dias?

    0
    • chapolin 16 de fevereiro de 2012 at 12:37

      Esse em Copacabana certamente é um, mas exageram demais…

      h t t p:// goo.gl/zihLi

      Aumentar 10 vezes o preço? Ou talvez queriam aumentar “só” 90 k e erraram na digitação.

      0
  • thiago fm 14 de fevereiro de 2012 at 22:12

    Mesmo que o preço só estabilize, o que eu acho difícil, isso já trará um efeito psicológico negativo para quem pretende financiar imóvel.

    Está claro e límpido que o aluguel está compensando financeiramente em relação ao juros do financiamento. No entanto, quem está optando por financiar logo pensa: Ah, pago um pouco mais agora e ganho na valorização do imóvel amanhã! Pra ele isso compensa a eventual diferença.

    É óbvio que se o preço dos imóveis para de subir as pessoas vão pensar com muito mais cautela antes de assumir uma prestação de financiamento.

    0
    • rsmrsm 14 de fevereiro de 2012 at 22:49

      Enquanto o governo estiver enfiando crédito no mercado, mais tempo esta bolha demorará a estourar.

      0
  • MrJaime 14 de fevereiro de 2012 at 23:14

    O Globo:

    RIO — A Cyrela Empreendimentos Imobiliários está obrigada pela Justiça a modificar, de imediato, uma cláusula de contrato de adesão e devolver aos consumidores 75% do valor pago na compra de um imóvel em caso de rescisão contratual, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. A decisão da juíza Márcia Cunha, da 2ª Vara Empresarial da Capital, atendeu a requerimento do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) em ação civil pública, com pedido de antecipação de tutela.
    Segundo o MP, a empresa deve modificar o parágrafo 6º da 14ª cláusula do contrato de adesão, considerado abusiva por prever, de forma progressiva, a perda de 75% até 90% dos valores pagos pelo consumidor quando este decidir suspender os contratos. A empresa, ainda de acordo com o MP, recusou-se a firmar um termo de ajustamento de conduta (TAC), alegando que não haveria qualquer dispositivo legal que a obrigasse.
    Para o promotor Pedro Rubim Fortes, repassar ao consumidor uma obrigação do fornecedor, ou seja, arcar com os riscos do empreendimento, viola o Código de Defesa do Consumidor (CDC) e a jurisprudência do Tribunal de Justiça do Rio e do Superior Tribunal de Justiça.
    A Cyrela informa que não tem conhecimento sobre a ação em questão e que não foi intimada oficialmente.

    Leia mais sobre esse assunto em h t t p : / / oglobo. globo. com/economia/justica-obriga-cyrela-mudar-seu-contrato-3974685#ixzz1mPOzkSt3

    © 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

    0
    • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 03:02

      Até que enfim alguém está tentando acabar com o Capitalismo SEM RISCO que sempre existiu na Banânia, principalmente na construção civil. Se a CYRELA deseja que os compradores assumim o RISCO, então deve trabalhar com EMPREGADA deles e nunca como DONA do negócio.

      … Para o promotor Pedro Rubim Fortes, repassar ao consumidor uma obrigação do fornecedor, ou seja, arcar com os riscos do empreendimento …

      0
  • Sir Income 14 de fevereiro de 2012 at 23:49

    Rio tem renda per capita alta e 350 mil pessoas vivendo na miséria
    Ao mesmo tempo em que possui a terceira melhor renda domiciliar per capita do país, estado também abriga uma multidão de pessoas vivendo na linha da extrema pobreza

    exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/rio-tem-renda-per-capita-alta-e-350-mil-pessoas-vivendo-na-miseria?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

    0
  • Cirilo 15 de fevereiro de 2012 at 00:36

    Não de onde que o pessoal aqui tirou que renda per capita é referencial para alguma coisa aqui no Brasil.A renda per capita é uma média burra, em país com o maior índice de desigualdade do mundo, esse dado não serve para absolutamente nada, a não ser enganar as pessoas.

    0
  • MrK 15 de fevereiro de 2012 at 05:22

    Eu discordo dsse papo “leblon sempre sera leblon”

    se voce olhar a quantidade de empregos realmente bem remunerados no Rio (diretores de empresa, gerentes seniors de multinacional, medicos bem sucedidos, artistas, juizes, empresarios etc…) e a quantidade de imoveis em leblon+ipanema+lagoa+gavea+jardim botanico…vai ver que ta sobrando imovel!

    nao e’ por acaso que a gente ve anuncios de aps carissimos com moveis caindo aos pedacos, e’ a classe media (antiga) morando nesses bairros…

    esse argumento de leblon sera sempre leblon so vale pra mim se o numero de ricassos na cidade for bem maior que o de aps nessa regiao nobre, pra mim nao eh, acho que preco vai cair la sim

    0
    • M. NK (2.0) 15 de fevereiro de 2012 at 14:58

      Concordo plenamente com o MrK – que, alias, é um dos comentadores mais sensatos e realistas desse site -, que esse papo de “Leblon vai ser sempre Leblon” é papo furado.

      Quem realmente tem grana – isto é, a minoria da minoria – não vai querer se apertar em apartamentos super pequenos, em prédios antigos, apenas para morar morar no bairro. E, aqui no Leblon, muitos prédios são bem antigos e os apartamentos não oferecem o conforto que outros espaços da cidade podem oferecer. Falo isso com conhecimento de causa.

      O que vai manter as pessoas aqui é o vínculo afetivo com a região. Com certeza, será sempre uma das áreas nobres da cidade, mas não tem como suprir a demanda de todo mundo que pode pagar para morar com conforto. Fora que, por mais que nesse momento esteja essa onda que o país está super próspero, essa prosperidade não é consistente, nem bem elaborada… Enfim, vamos ver o que vai acontecer com esses financiamentos absurdos, esse uso abusivo do crédito, essa disparidade de preços, etc…

      E mais, vamos ver, quais regiões a cidade vai querer investir no futuro… um bairro de pouquíssimo espaço, com milhares de prédios bem antigos, não vai poder oferecer o que outras regiões podem oferecer – apartamentos maiores, casas, coberturas, etc…

      O futuro a Deus pertence.

      0
    • Daniel Ribeiro 15 de fevereiro de 2012 at 18:38

      Esses imóveis estão caindo aos pedaços porque a classe média antiga, como você chamou, foi a classe saqueada para subsidiar a falsa pujança das classes baixas. Outro dia o zelador do meu prédio disse que deu orçamento de 300 reais para fazer um conserto qualquer na casa de um morador, e ele achou caro. O zelador disse: Hoje em dia todo mundo tem 300 reais no bolso, até eu tenho. Como ele que mora num apartamento na zona sul pode ter achado caro. Falta alguem explicar a ele mora de graça num ap na zona sul num ponto nobre, que não tem sequer medidor de energia pois era algo que além de ser muito barato uns 20 anos atrás, o zelador era um coitado morto de fome. Hoje não é, mas continua morando de graça, tendo luz de graça, ar condicionado que ele usa todo dia às minhas custas e eu não, porque tenho que economizar pra pagar a conta de luz e de água DELE. E no final do ano ainda quer caixinha de natal. Por isso ele tem 300 reais no bolso, e o morador não.

      Outro dia ele estava comemorando os 15% de aumento que o sindicato conseguiu para os empregados de condominios, e eu falei pra ele que a tendência é que os condominios não tenham mais tantos empregados. Ah, o cara virou bicho, falou: ah não, tem que ter, condominio tem muito dinheiro, pra morar em zona sul tem que pagar!

      Ao mesmo tempo tenho notado que os empregados em geral depois do “enriquecimento” não tem mais o mesmo respeito e subserviência aos moradores. Tratam os moradores como se fosse camarada de boteco, sem respeito e cerimônia alguma. Isso antes não acontecia.

      0
      • Moyashi 16 de fevereiro de 2012 at 15:42

        Eu não acho errado que porteiros / empregadas, mecânicos de automóveis ganhem bem. Em países desenvolvidos é assim. Acho inclusive que os brasileiros estão bastante mal acostumados com tantos lacaois lhes servindo. O negócio é que os lacaios também estão acostumados com isso.

        Assim como empregada doméstica virou artigo de luxo — as famílias da jovem- e antiga – classe média que não conseguem dividir bem as tarefas domésticas entre homem e mulher no máximo contratam diarista umas poucas vezes por semana, mas se sabem distribuir bem, dispensam essa figura tradicional — coisa de quem tem muito dinheiro, o próximo “artigo de luxo” que vai sumir das prateleiras é o porteiro. Creio que vão começar a aparecer apenas os seguranças noturnos. De resto, arraste suas compras sozinho, abra sua própria porta, procure sua correspondência.

        Se o seu porteiro tá achando ruim, talvez ele tome um susto daqui a uns anos.

        O que encarece o valor de um condomínio é elevadores + folha de pagamento.

        0
        • Moyashi 16 de fevereiro de 2012 at 15:44

          * lacaios

          (última postagem de Moyashi. Só volto a postar em junho. Espero estar lendo ploc-news nos grandes jornais quando voltar a ter acesso à internet)

          0
          • Daniel Ribeiro 16 de fevereiro de 2012 at 21:11

            Você está muito enganada. Eles estão ganhado bem sim, principalmente considerando sua formação. E custo de vida deles é muito baixo. Zelador de edificio por exemplo, tem apartamento de graça em bairro bem localizado, e muitas vezes não paga sequer energia elétrica. O salário de um zelador de prédio equivale em termos comparativos a alguém que ganhe uns 3.000 reais líquidos ou até mais, considerando os quesitos habitação gratuita em local nobre, livre inclusive de IPTU e condomínio, ausência de despesas com transporte e energia elétrica gratuita. Se considerar os inúmeros “bicos” que faz durante o expediente, passa disso com facilidade. Já faz tempo que não são mais pobres coitados, mas continuam beneficiando-se da condescendência alheia.

            Eu acho que tanto predio com um monte de porteiros quanto empregada doméstica são dispensáveis em muitos casos. O problema é que eles não entendem que quanto mais caro ficam, diminui a própria empregabilidade. Mas, eles acham mesmo que o mercado é obrigado a contrata-los. Não duvido que em breve consigam a aprovação de alguma lei obrigando condomínios a contratar um número x de porteiros.

            0
  • MrK 15 de fevereiro de 2012 at 07:41

    Estrategia atual do governo federal resumida:

    1- CONSUMA! Nao importa se precisa, consuma sem parar, se nao tiver dinheiro pegue emprestado e consuma com dividas! Parcele e esqueca os juros!

    2- NAO SE PREOCUPE COM O AMANHA! O Brasil esta na moda, nao ha desemprego, nao se preocupe em poupar, nao tenha medo de consumir com financiamentos longos, se tiver que comprometer muito da sua renda, faca, mas nao deixe de consumir! Voce pode, voce e’ classe media!

    3- NAO POUPE! Nao deixe o dinheiro no banco, se deixar sera penalizado pela inflacao mascarada, o que voce investe hoje nao compra o mesmo depois de 1 ano com os juros liquidos, entao nada de dinheiro no banco, gaste! CONSUMA feito louco!

    4- NAO POUPE! Se insistir vou aumentar impostos e inviabilizar de vez seus investimentos!

    sera que vai terminar bem???

    0
    • marvin 15 de fevereiro de 2012 at 08:45

      MrK, é óbvio que isso não vai terminar bem, mas o governo não está nem aí… vão conseguir manter essa situação por alguns anos ainda, talvez até depois da copa… E quando a bomba estourar, os intelectuais (que apoiam em massa este desgoverno do pt) vão encontrar um “moinho de vento” para botar a culpa: pode ser o “capitalismo”, a “elite branca do sul”, o “imperialismo norte-americano”, “FMI”, etc, etc… ou seja, a culpa NUNCA vai ser do lulismo… A tendencia, inclusive, acho que é aumentar mais ainda a intervenção do estado na vida do cidadão, sempre indo cada vez mais para a esquerda, com esse modelo de “estado robin hood”

      0
    • eam 15 de fevereiro de 2012 at 11:54

      O que mais me deixa indignado, MrK, é que o brasileiro não percebe que não houve crescimento com base sólida, ou seja, em aumento de produtividade e competitividade.

      Este “espetáculo do crescimento” tem base em “terreno arenoso”, no aumento de gastos do Estado, no crédito sem critério e no capital especulativo externo, que continuará por aqui até o momento em que as grandes economias mundiais, em especial EUA e Europa, se recuperarem (pelo visto isso vai demorar, mas não tenho dúvidas de que acontecerá).

      Enquanto alguns riram da desgraça alheia, dos “branquinhos de olhos azuis”, estes mesmos esquecem que estamos singrando os mesmos mares e o pior: que estamos “esquecendo” de fazer nossa própria “lição de casa”. Quando a maré virar (e vai, acredite, a economia funciona em ciclos, como mtas outras coisas nesta vida), não teremos margem para manobras e, mais uma vez, “daremos marcha ré”.

      0
    • FQ 15 de fevereiro de 2012 at 12:01

      Eles estão copiando esta “estratégia” adotada diversas vezes pelos EUA em tempos de crise ou de incertezas. Entretanto há duas grandes diferenças:

      1 – Nos EUA o dinheiro é fácil e barato, a população têm um grande poder de compra real na mão (sem precisar de crédito) e ainda assim, quando precisam do crédito, ele é baratíssimo.

      2 – Nos EUA os produtos de consumo do dia a dia são baratos e acessíveis ao orçamento mensal da população. Lá não é preciso financiar uma blusa ou um panetone em 10 vezes.

      3 – A população possui uma maturidade e uma “experiência” financeira e de consumo absurdamente superior à nova classe média brasileira, que compra o que não precisa com o dinheiro que não tem e nem terá, e pelo preço acima do que realmente vale.

      4 – Nos EUA o calote (inadimplência) é algo sério e passível de punição real, desta forma, temido e evitado pela população. No Brasil é algo natural e banal, tido como uma solução…

      Onde isto vai dar?

      0
  • Tiago 15 de fevereiro de 2012 at 09:59

    vale a pena ler
    enfoque dado a bolha de crédito

    h t t p:// w w w.revistavalor.com.br/home.aspx?pub=1&edicao=58
    Responder

    0
  • Zoom 15 de fevereiro de 2012 at 10:11

    “Brasil irá cortar cerca de R$ 50 bi do Orçamento, diz Pimentel”.

    Concerteza, irão cortar gastos da educação, saúde, segurança e …..
    Duvido que cortam do setor imobiliário.

    Fonte: h ttp://www1.folha.uol.com.br/poder/1048955-brasil-ira-cortar-cerca-de-r-50-bi-do-orcamento-diz-pimentel.shtml

    0
  • Ze Bom Dirolo 15 de fevereiro de 2012 at 10:24

    Quero ver qual vai ser a TV corajosa que vai anunciar a queda no preço dos imóveis….
    A Itália já entrou em recessão…O italiano tá sem dinheiro até para comer pizza….

    0
    • JPM 15 de fevereiro de 2012 at 13:08

      Hehe… É provável que os SECOVIs da vida afirmem que, graças à recessão na Itália, os italianos estão vindo para o Brasil, comprando imóveis aqui, e fazendo os preços aumentarem.
      A cara de pau desse pessoal é incrível. E a imprensa publica qualquer coisa que tenha bons argumento$.

      0
  • Ze Bom Dirolo 15 de fevereiro de 2012 at 10:35

    Aqui em Brasília já tem um corretor que está falando para os proprietários que os preços cairam bruscamente e só pega imóvel com o preço mais baixo para vender. Tá vendendo bem mais barato, mas tá ganhando dinheiro ainda…Já liguei algumas vezes para ele e percebo que os preços dos imóveis que ele está vendendo estão 20 a 30 por cento da média anunciada. É o único que ainda tá rindo à toa…..Ele vendeu um apt de 4 quartos na Asa Sul por 1/3 do preço de outro anúncio. Diz ele que o casal de proprietários estava em processo de separação.

    0
    • Shakespeare 15 de fevereiro de 2012 at 13:54

      É na hora da crise que os espertos se locupletam

      0
    • Mohawk 15 de fevereiro de 2012 at 15:01

      Passa aí os dados dessa raridade de corretor sensato em Brasília.

      0
      • Ze Bom Dirolo 15 de fevereiro de 2012 at 18:41

        Só corrigindo. Por menos de 2/3. O imóvel valia dois milhões e pouco mais ou menos (de acordo com outros anunciados) ele vendeu por 1 e 200. Um apartamento muito bom….. Espero que ele não descubra quem sou eu….hahaha

        0
  • Ze Bom Dirolo 15 de fevereiro de 2012 at 10:51

    Crescimento do Brasil baseado em recursos naturais preocupa Ipea
    Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada afirma que a alta participação dos setores de uso intensivo de recursos naturais na economia torna difícil uma estratégia consistente de crescimento sustentável para o Brasil.

    http://ambienteja.info/ver_cliente.asp?id=175140

    http://ambienteja.info/ver_cliente.asp?id=175140

    0
  • Ronald 15 de fevereiro de 2012 at 11:04

    Pessoal o comentário da Miriam Leitão hoje vale um tópico no blog:

    Brasil deve olhar com cuidado o crescimento do crédito – (Inadiplência cresce mais q o crédito!!!)

    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/miriam-leitao/MIRIAM-LEITAO.htm

    0
    • FQ 15 de fevereiro de 2012 at 11:46

      Embora não seja fã dela. Ela vai acabar fazendo história, pois tem se antecipado e sido uma das poucas vozes lúcidas na atualidade, ainda que timidamente e politicamente correta.

      0
      • Shakespeare 15 de fevereiro de 2012 at 13:58

        Certamente ela lê o blog bolhaimobiliaria 🙂

        0
    • Paulo 15 de fevereiro de 2012 at 13:05

      oglobo.globo.com/economia/miriam/

      Crescimento do crédito e sinais de atraso merecem atenção
      O lucro dos grandes bancos diminuiu, por causa do aumento da inadimplência, como mostra matéria de hoje do “Valor”. Eu havia chamado atenção para isso, na coluna de sábado. Estou olhando para esse tema com lupa. O crédito no Brasil está crescendo muito. Como o lucro dos bancos são exuberantes, em geral, não se olha para dentro dos balanços para ver se há problemas.

      Muita gente me pergunta se o crescimento do crédito no Brasil pode representar algum risco. Quando eu comentava esse assunto com os economistas, eles diziam que não, que no Brasil a relação crédito/PIB é baixa, de 49%, sendo que nos outros países está em 70%, 80%, 100%. Essa resposta, no entanto, nunca me satisfazia.

      Então, eu e o Alvaro Gribel, que trabalha comigo na coluna, fomos olhar os números por dentro e chegamos a dados impressionantes. O total de crédito com atraso grande no Brasil chega a R$ 154 bilhões; mas é claro que o percentual é ainda pequeno.

      O estoque das dívidas com atraso de mais de 60 dias cresceu 23% no total do sistema bancário brasileiro. A inadimplência para a modalidade de veículos, que tem os juros mais baixos, avançou 33%, mais do que o aumento do crédito concedido.

      Ou seja, o percentual do crédito em atraso está aumentando; os atrasos estão crescendo mais do que o aumento do crédito, que está num ritmo de 18% ao ano.

      Todos esses sinais devem ser olhados com lupa para se evitar qualquer problema maior. Não podemos repetir os erros dos outros países.

      Segundo a manchete de hoje do Valor, os lucros dos cinco maiores bancos – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander – caíram 9,2%, porque subiu de 5,7% para 7,3% a inadimplência das pessoas físicas.

      No último trimestre de 2010, a provisão – reserva que os bancos têm de fazer para enfrentar o prejuízo com o calote – consumiu 20,1% da margem financeira do banco. No último trimestre de 2011, subiu para 31,3%.

      O que estou querendo dizer é o seguinte: o Brasil ainda não tem problema de crédito, mas deve olhar com cuidado esse crescimento do crédito e os sinais de atraso. Aqui ele é caro demais, ao contrário de outros países. Enquanto o Brasil estiver crescendo, o emprego e a renda avançando, tudo bem; mas se tiver um vento contra, isso pode virar uma bola de neve. Por isso, temos de tomar cuidado.

      0
  • Luiz 15 de fevereiro de 2012 at 11:13

    As coisas estão mudando acabei de ver um Nissan 7 mil reais + barato que um fiat com quase os mesmos opcionais. Pena que ainda não dá pra importar casa.

    0
    • Paulo Rocha 15 de fevereiro de 2012 at 11:17

      Importar casa até que dá. O difícil é importar terreno, ou até mesmo mais transparência na economia.

      0
      • Luiz 15 de fevereiro de 2012 at 12:22

        terreno tem de sobra, um dos paises mais despovoados do mundo
        se a bolha fosse só no rio/sp ainda vai, mas o que explica bolha até no Piauí?

        0
        • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 15:27

          De fato, terreno tem de sobra. Entretanto, ignorância, incompetência e interesse tem mais, muito mais.

          Vereadores do “bem” – sempre diminuem o tamanho do lote mínimo acreditando que com isso o preço será menor. O preço será sempre o máximo que a renda permite pagar. Diminuindo o tamanho mínimo do lote somente causa adensamento e baixa significativamente a qualidade de vida agora e no futuro.

          A legislação é feita para impedir a aprovação de qualquer projeto residencial. Aqui entra o interesse do Prefeito que irá vender facilidades. Entra também ignorância dos ambientalistas – aquele tipo que quer proteger as antas pois sente que são seus semelhnates.

          0
          • Paty 15 de fevereiro de 2012 at 16:26

            Anonymous, agora vc ofendeu á amiga ambientalista aqui..kkk

            0
            • Carlos Wagner 15 de fevereiro de 2012 at 17:08

              Paty

              Mas a piada foi boma…hehe

              0
  • eam 15 de fevereiro de 2012 at 11:32

    Bolha, há algum problema na postagem das respostas (reply) hoje? Tentei fazê-lo e não consegui, após segunda tentativa o site informa que detectou resposta semelhante.

    0
  • augusto 15 de fevereiro de 2012 at 12:04

    Na última pesquisa do Creci-sp sobre vendas de usados em novembro no estado SP que apontou aumento de 46% na venda de usados, há algumas inconsitências que demosntram ou êrro grosseiro nas talelas ou outra coisa qualquer com informações vindas das imobiliarias.
    Por exemplo:
    – em guarujá foi informado na campo da pesquisa de preço/m2 de área,que em determinada área da cidade não houve nenhuma venda de aptos de 3 dormitórios, mas na pesquisa por valor total de vendas na mesma cidade foram vendidos apartamentos de 3 dormitórios nos valores minimos e maximos de 350 a 700 mil reais. Ora é uma tremenda discrepância nas informações.
    – em um detarminada cidade de porte médio para grande do interior, os dados levam a conclusão que chegou a ser vendido apto de 500 m2 de área útil. Duvido que nesta cidade haja imóveis com tal tamanho de área útil, mesmo considerando coberturas.

    0
    • RR 15 de fevereiro de 2012 at 19:03

      Olá, Augusto. De um tempo pra cá, tenho usado o Zap pra conferir preço de apartamento de 2 dormitórios na Praia do Tombo, no Guarujá. Naquele gráfico que indica a variação do valor do metro quadrado, a curva que indicava a variação ocorrida entre dez./2011 e dez./2012 era praticamente uma linha vertical. Agora voltei lá e vi que o “cenário” mudou. Essa mesma curva (entre 2011 e 2012) “se horizontou”. Das duas uma: ou “o mar mais limpo do mundo” deixou de atrair tanto assim e por consequência os preços caíram (…), ou, exatamente por causa desse apelo, apartamentos à venda em outros locais da cidade passaram a ser anunciados como sendo no Tombo, e isso fez “baixar” o valor do metro quadrado na região. Não me veio à cabeça nenhuma outra tramoia, apesar de imaginar que elas provavelmente existem.

      0
      • RR 15 de fevereiro de 2012 at 19:07

        Quis dizer “entre jan./2011 e jan./ 2012″…

        0
  • Ze Bom Dirolo 15 de fevereiro de 2012 at 12:27

    Eu me pergunto todo dia quem foi o infeliz que teve a idéia de que o Brasil poderia sediar as Olimpíadas e Copa do Mundo…..

    Roma desiste de sediar Olimpíadas de 2020 por crise econômica

    http://tribunadonorte.com.br/noticia/roma-desiste-de-sediar-olimpiadas-de-2020-por-crise-economica/212117

    0
    • chapolin 15 de fevereiro de 2012 at 13:42

      Quanto a Copa, o problema tem solução. Até agora tudo correndo como previsto, ou seja, está tudo atrasado, como havia sido previsto. No Rio então, as obras de infraestrutura vão a ritmo acelerado. Diziam que não havia espaço para novos hotéis, mas agora os prédios antigos estão indo abaixo, e agora é só tirar o entulho e construir no lugar. Para completar, agora a polícia resolveu tirar férias para curtir o carnaval. Com certeza vão fazer o mesmo para assistir os jogos.

      Mas há como garantir os aeroportos prontos, infraestrutura de transporte funcionando, polícia nas ruas, hotel, etc.: Vamos transferir esta Copa para os Estados Unidos. Diremos que é para comemorar os 20 anos da copa de 94, algot tipo “Copa 94+20, a copa do Brasil!”.

      Vai ser bom para todo mundo. Dá uma forcinha para a retomada economica americana, e como até lá vai estar cheio de brasileiro indo para lá fazer as compras de supermercado, eles aproveitam e assistem os jogos com mais conforto e segurança. Desta vez não vai faltar público. E se não quiserem repetir os EUA, a gente faz na Rússia que para a Copa de 2018 está mais adiantada do que a gente.

      Se a proposta não vingar, o melhor vai ser tirar férias coletivas e viajar para o exterior na época para assitir pela televisão. Vai ser bem mais barato e seguro do que ficar por aqui.

      0
  • @SP 15 de fevereiro de 2012 at 13:42

    Notícias antigas, mas só fiquei sabendo deste evento só agora. Vamos ver como o Rio vai receber os “milhões de jovens” que vão peregrinar para ver o papa no ano que vem na Jornada Mundial da Juventude.

    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    JMJ Madri gerou 354 milhões de euros
    h t t p : / / pt . rio2013 . com/jmj-madri-gerou-354-milhoes-de-euros/

    Que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) movimenta milhões de jovens em todo o mundo, que peregrinam para estarem em comunhão com a Igreja e se encontrarem com o Papa, a maioria da população já sabe.

    (..)
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    Dinheiro para promover evento católico sairá do bolso do carioca
    h t t p : / / noticias . r7 . com/cidades/noticias/dinheiro-para-promover-evento-catolico-saira-do-bolso-do-carioca-20111209.html

    Marcado para acontecer em 2013 no Rio de Janeiro, a Jornada Mundial da Juventude, um evento católico que trará o Papa Bento 16 ao Rio de Janeiro, provoca polêmica e já arranca críticas da população. O Aterro do Flamengo será o palco principal, mas ocorrerão atividades paralelas em diversos pontos da cidade.

    (..)
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

    0
  • Joca 15 de fevereiro de 2012 at 13:44

    O infeliz eu nao sei, mas o incentivador foi o Grande Molusco!!

    Ovacionado e alçado a estadista hour concurs no mundo inteiro! kkkk

    Vamos torrar dinheiro em coisas que nao precisamos, pra continuar com
    educação ruim, infra-estrutura ruim e exportando materia prima!!

    E tem gente que acredita que agora somos um pais rico…

    0
  • Zoom 15 de fevereiro de 2012 at 14:38

    As vezes chegamos a pensar onde chegaremos com essa situação, todo mundo compra carro, casa, eletrônicos e nós meros coitados poupando nosso suado dinheirinho e observando todos com essas gastância, com tudo isso, bate uma revolta e um estado de que não somos ninguém. Não chega a ser pesimismo esse sentimento, mas querer comprar uma “casa”, um carro ou sei lá e não poder comprar por que os preços estão fora da realidade é complicado.
    Acredito (amos) que tudo isso um dia acabará e viveremos todos nós aqui em plena fatiscação de ter tido a hora certa e de ter aguentado o sofrimento de esperar que não é fácil.
    Desculpem o desabafo, isso é o que estou sentindo em relação a situação econômica do “País”.
    Desconsiderem os erros gramaticais.
    Obrigado!

    0
  • FQ 15 de fevereiro de 2012 at 14:46

    Enquanto isso…

    O povão segue assistindo ao Julgamento do Lindemberg no caso Eloá…(enquanto não começa o bbb)

    Boooooom!

    0
  • eam 15 de fevereiro de 2012 at 14:49

    Alguém ouviu esse comentário do Mauro Haldfeld? Ilustra muito bem o quão preparado é o brasileiro médio com relação às suas finanças:

    h t t p ://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2012/02/08/TENHO-TRES-EMPRESTIMOS-PARA-PAGAR-MAS-NAO-SEI-QUAL-PRIORIZAR.htm

    Resumindo, para quem não tem acesso ao aúdio ou nao pode acessar o site…

    O sujeito escreveu para o Mauro Haldfeld dizendo que possuia 3 dívidas:
    – financ. imobiliária de 180k c/ juros de 8.2% a.a.
    – financ. auto de 30k c/ juros de 1.5% a.m.
    – consignado de 15k c/ juros de 1.3% a.m.
    A dúvida???
    Bom… ele vai receber 50k em março e quer saber qual das dívidas ele deve quitar primeiro, ou se ele deve abater um pouco de cada uma.

    É por essas e por outras que eu acho q o brasileiro médio não está preparado pra entrar no mercado de crédito, pelo menos não com esse perfil e nível de “educação” financeira.

    0
    • Anonymous 15 de fevereiro de 2012 at 15:19

      Os bancos também não estão preparados para emprestar dinheiro, pois não existe um “credit score” na Banânia (e nem vai existir). Uma das maiores piadas que já ouvi sobre os bancos bananenses é justamente sobre a qualidade do crédito. Se soubessem alguma coisa sobre crédito, saberiam que as taxas de juros praticadas é equivalente a matar a galinha dos ovos de ouro.

      Habitacional – 8.2% ao ano + TR(?)
      Consignado – 16.7% ao ano + TR(?)
      Auto – 19.6% ao ano + TR(?)

      0
      • Luiz 15 de fevereiro de 2012 at 15:27

        a coisa é pior do q vc imagina
        a minha gerente do Santander não sabe fazer conta de juros compostos
        será que ela está lá pq tem um rabo grande?

        0
        • UFM 15 de fevereiro de 2012 at 15:41

          Acompanho o blog a um bom tempo mas nunca postei. Olhando o link da CBN que foi postado anteriormente achei esse comentário do ano passado que é bastante interessante

          h t t p ://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2011/05/02/CREDITO-FACIL-TRIPLICA-VALORES-DE-IMOVEIS-DE-BAIXA-RENDA-EM-CINCO-ANOS.htm

          0
        • Money Addicted 15 de fevereiro de 2012 at 15:57

          a minha do itau tambem nao sabe….e nao me importo pois ela tem outras qualidades bem mais interessantes ….rs

          0
    • Shakespeare 15 de fevereiro de 2012 at 16:23

      Essa é fácil, se ele vai receber 50K, põe tudo na poupança e contrata mais uns 2 ou 3 financiamentos somando 500K por 30 anos com juros nas alturas…

      0
  • Luiz 15 de fevereiro de 2012 at 15:32

    Imoveis comerciais fonte ESTADAO:

    A taxa de vacância de 1,6% em São Paulo nos últimos três meses do ano foi maior que a taxa de 0,5% do trimestre anterior e acima também do 1,2% registrado no mesmo trimestre do ano anterior. Entre as regiões pesquisadas, as mais ocupadas foram Barra Funda e Chácara Santo Antônio, com vacância zero, Berrini e Paulista, com vacância de 0,4%, e Vila Olímpia, com 0,5%.

    Apesar de baixo, o nível de vacância de 1,6% em São Paulo no quarto trimestre de 2011 foi o maior do ano passado. Além disso, ele interrompeu um ciclo de queda da vacância que perdurava desde o fim de 2009, quando estava em 8,4%, e seguiu até o terceiro trimestre de 2011, quando atingiu 0,5%, a menor do ranking global da Colliers. A consultoria atribuiu a elevação no fim do ano passado a um clima de maior cautela entre o empresariado. “Com os preços altos dos alugueis e as incertezas vindas da Europa, muitas empresas puxaram o freio de mão”, disse André Strumpf.

    Para 2012, a consultoria estima que serão entregues 500 mil metros quadrados de imóveis corporativos classe A em São Paulo, um volume bem maior que os cerca de 190 mil metros quadrados entregues em 2011. O aumento é explicado pelo crescimento do mercado imobiliário e pelo atraso na conclusão de empreendimentos importantes do ano passado, como o Pátio Malzoni (de 68,6 mil metros quadrados, na Faria Lima) e o Brascan Century Plaza, Torre Corporate (de 29,9 mil metros quadrados, em Alphaville).

    Com o crescimento da oferta, Strumpf estima um aumento da taxa de vacância para o nível de 3% em São Paulo e de 8% se contabilizados o estoque da capital e de Alphaville. No entanto, o gestor descarta a possibilidade de recuo nos valores de locação, argumentando que a demanda continuará crescente e que boa parte dos novos empreendimentos a serem entregues já têm contratos firmados de pré-locação. “Não haverá queda, apenas um crescimento mais moderado em relação a 2011, na faixa de 10%.”

    o estoque vai aumentar 28%
    os preços ainda vão subir 10%
    Será?

    0
  • Sir Income 15 de fevereiro de 2012 at 15:33

    Dólar a R$ 1,80 é visto como “limite” para compra de imóvel nos EUA

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2341904

    Pelo visto, os brasileiros estão comprando tudo!

    0
    • Cirilo 15 de fevereiro de 2012 at 16:01

      É bom aproveitar enquanto o BRL está forte, porque só assim mesmo.

      0
  • Cirilo 15 de fevereiro de 2012 at 15:57

    É pessoal, dando uma olhada no valor das ações de algumas costrutoras, comparando com a mínima do ano passado:

    GFSA3 – Chegou a 4.00, agora está 5.30 (+32%)
    EZTC3 – Chegou a 14.00, agora está 20.40 (+45%)
    CYRE3 – Chegou a 14.00, agora está 18.07 (+28%)

    O que está acontecendo?

    0
    • duvida 15 de fevereiro de 2012 at 16:01

      Esta acontecendo que voce acredita que existe uma bolha..
      por isso quando vê esses numeros fica doidinho querendo entender…
      ehehehhehehehehehehh

      0
      • Cirilo 15 de fevereiro de 2012 at 16:04

        Amigo, as construtoras sempre foram empresas lucrativas, mesmo antes do aumento dos preços.Elas não dependem do aumento para possuírem bons ganhos, o que aconteceu foi uma política burra dos gestores, se endividaram e cresceram demais, ou seja, aumentaram muito os custos o que acabou reduzindo as margens.

        0
        • duvida 15 de fevereiro de 2012 at 16:14

          mas isso é o que voce acredita..
          voce faz uma pergunta “O que esta acontecendo?”.
          e depois diz o que esta acontecendo.
          tu sabe ou nao sabe o que ta acontecendo? eu sinceramente tenho certeza que nao..

          0
          • Cirilo 15 de fevereiro de 2012 at 17:02

            ?

            Eu não falei o que está acontecendo, mesmo porque a bolsa não depende somente da economia real.

            E não é o que eu acredito, basta pegar os balanços das construtoras desde do ano 2000, analisar um por um, e você verá a mesma coisa.

            0
            • duvida 15 de fevereiro de 2012 at 17:16

              Cirilo, foi mal, pensei que voce tinha respondido a sua propria pergunta…
              ainda bem que voce acredita que para se ter uma bolha muitas coisas devem influenciar..
              não é como a maioria das pessoas que querem acreditar que existe uma bolha apenas olhando para os preços dos imoveis e ficam na angustia querendo que os preços caiam o mais rapido possivel.
              Tem que ter paciencia, se existe uma bolha a bichinha vai demorar pra estourar, pelo menos na região nordeste ainda tem muito o que aumentar os imoveis, fora a economia que so faz favorecer a compra.
              O problema é com o passar do tempo as pessoas não derem conta de seus compromissos, coisa que nao parece que vai acontecer nem tao cedo..

              0
    • Shakespeare 15 de fevereiro de 2012 at 16:21

      Repique?!

      0
    • Miguel Jacó 15 de fevereiro de 2012 at 19:47

      O que está acontecendo: especulação no mercado de ações em relação a estas ações.

      O que tem a ver com o estouro da bolha: nada. As pessoas/investidores não vão achar os imóveis mais baratos/lucrativos por que as ações das construtoras subiram.

      Quando o dinheiro ou crédito acaba, é por que acaba mesmo. Quando o preço não tem mais como subir, é por que ninguém mais está especulando, nem comprando mais nada.

      Simples.

      0
    • Carlos Eduardo 15 de fevereiro de 2012 at 20:01

      Tenta comparar com a máxima!

      GAFISA
      pico da gafisa em 2011 era de 11.36
      se está em 5.30 é porque perdeu 53,34%

      CYRELA
      quase se recuperou max 18.46 e atual 18.09

      EZTC3
      está no pico mesmo!

      não sou economista e também estou com a pulga atras da orelha!

      0
    • MrK 16 de fevereiro de 2012 at 05:12

      Cirilo, qualquer coia que voce comparar contra a minima vai apresentar uma alta!!!

      e sabe o que eh mais incrivel???

      qualquer coisa que voce comparar contra a maxima vai apresentar uma queda!! juro!! pode testar…

      0
  • nelson 15 de fevereiro de 2012 at 16:00

    15/02/2012 – 14h54
    Governo anuncia corte de R$ 55 bi no Orçamento de 2012
    DA REUTERS
    DE SÃO PAULO

    Atualizado às 15h13.

    O governo federal anunciou nesta quarta-feira (15) um corte de R$ 55 bilhões no Orçamento de 2012.

    O número é 10% maior que o contingenciamento anunciado no início de 2011, de R$ 50 bilhões, e também busca garantir mais investimentos ao longo do ano.

    O governo já afirmou que os cortes neste ano garantirão o cumprimento da meta de superavit primário (economia feita para o pagamento dos juros da dívida pública), de R$ 139,8 bilhões.

    O corte pode ser positivo do ponto de vista fiscal, de economia do gasto público, por exemplo. Mas há um lado negativo neste contigenciamento: a possibilidade de limitações ou recuo nos investimentos estatais, uma das preocupações governamentais.

    Ontem, o ministro Guido Mantega (Fazenda) ressaltou que os investimentos deverão crescer mais do que 10% em 2012 e que, diante do cenário econômico internacional, o Brasil estará “remando contra a corrente”.

    Outro objetivo do corte orçamentário é assegurar o espaço para o afrouxamento da política monetária, com a redução da taxa básica de juros (Selic) pelo Banco Central. Com isso, o governo pretende estimular o mercado interno a induzir o crescimento econômico, em um cenário possível redução da demanda externa provocada pela crise da zona do euro.

    COMUNICADO

    Os cortes preveem, segundo comunicado dos ministérios do Planejamento e da Fazenda, uma despesa obrigatória –que envolve gastos com pessoal, entre outros– menor em R$ 20,512 bilhões. Já as despesas discricionárias, que mantêm os programas dos ministérios, foram reduzidas em R$ 35,010 bilhões.

    O governo informou ainda que os investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), Minha Casa Minha Vida e Brasil sem Miséria serão totalmente preservados.

    No anúncio, o governo disse que as receitas com tributos foram reduzidas em R$ 24,6 bilhões no Orçamento deste ano. Já as contribuição da Previdência Social foram reduzidas em R$ 4,8 bilhões.

    No final do ano passado, quando as discussões sobre os cortes começaram, os técnicos do governo chegaram a colocar na mesa um corte entre R$ 60 bilhões a R$ 70 bilhões. Mas, os valores começaram a ser reduzidos diante do cenário externo mais adverso, com impactos negativos no crescimento brasileiro.

    Tanto é que, na peça original do Orçamento enviada e aprovado pelo Congresso Nacional, a estimativa de crescimento do PIB para este ano era de 5%.

    Para mostrar que esse cenário já não era possível e preparar o terreno para anunciar um corte menor, o Ministério da Fazenda divulgou na segunda-feira passada que reduziu sua previsão de expansão do PIB de 5% para 4,5% em 2012, o que já contempla redução de receita.

    No início deste mês, quando as conversas dentro da equipe econômica engrenaram com mais força, o Ministério da Fazenda chegou a defender um contingenciamento em torno de R$ 50 bilhões, ou até um pouco menos, justamente para não deixar a economia desacelerar.

    CORTES QUE NÃO SAÍRAM DO PAPEL

    Apesar do esforço para mostrar mais austeridade fiscal, o histórico do governo em cumprir os cortes anunciados não é dos melhores.

    Em 2011, o contingenciamento anunciado foi de R$ 50 bilhões mas, na prática, apenas cerca de R$ 30 bilhões no ano acabaram sendo de fato cumpridos.

    Apesar disso, também no ano passado, o governo conseguiu cumprir a meta cheia de superavit primário depois de dois anos recorrendo ao abatimento dos investimentos do PAC do cálculo para fechar a conta.

    ——————————————————————————–

    0
    • xyz 16 de fevereiro de 2012 at 00:31

      Vai ser igual ao ano passado.
      Só anúncio, mas na prática não cortam nada.
      Pelo contrário, a farra de dinheiro do tesouro repassado ao BNDES e CEF vai é acelerar, na medida que o governo perceber qualquer ameaça ao mercado imobiliário.

      0
  • Menino_do_Rio 15 de fevereiro de 2012 at 18:15

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/as-melhores-opcoes-para-investir-em-imoveis

    “O mercado imobiliário, como sempre, é uma alternativa que salta aos olhos dos mais diversos tipos de investidores que buscam obter uma renda estável com a venda ou aluguel do imóvel. De maneira geral, investir em apartamentos, salas comerciais e lotes, na maioria dos casos, é sempre um bom negócio, principalmente com o aquecimento da economia que impulsiona cada vez mais o setor.”

    0
    • MrK 16 de fevereiro de 2012 at 05:09

      Menino, defina renda estavel com venda de imovel? nao existe certo? essa reporter carece de conhecimentos

      quanto a aluguel, sim existe renda estavel, estavelmente baixa!! 0.3% ao mes com risco de inadimplencia, belo investimento!

      0
      • Anonymous 16 de fevereiro de 2012 at 05:36

        Esse mesmo texto saiu em outros veículos de comunicação SIMULTANEAMENTE, o que revela tratar-se propaganda PAGA. A NETIMOVEIS é uma revista digital do mercado imobiliário de belo horizonte. É primário, só mesmo um “menino” para acreditar em algo assim. Um “homem”, dificilmente acrediaria.

        issuu . com/revistanetimoveis/docs/revistanetimoveisbh

        Uma das maiores oportunidades está na aquisição de imóveis na planta, que geram maiores lucros em relação aos imóveis já construídos. “Esse é, sem dúvida, o melhor investimento. Quando o apartamento fica pronto, o lucro que seria do construtor passa a ser do investidor. Muitos jovens, inclusive, optam por alugar o imóvel assim que ele é entregue. Dessa forma, podem pagar uma parte das prestações do financiamento com o valor recebido do aluguel”, diz De Fillipo.

        0
  • Luiz 15 de fevereiro de 2012 at 19:01

    Por volta de setembro de 2011 todos aqui no blog vimos um grande soluço no mercado imobiliário. As vendas caíram em 30%-40%

    De lá pra cá entramos num ritmo de valorização lenta e vendas estáveis num patamar bem mais baixo.

    Disto, temos algumas hipóteses p 2012:
    1. Era só um soluço, os preços e as vendas continuarão subindo loucamente
    2. Continuará subindo acompanhando a inflação
    3. Continuará no mesmo patamar nominal e a inflação vai comer o preço
    4. Inverterá a tendência para se ajustar à renda da população
    5. Entrar em colapso com efeito manada e vendas abaixo do valor de produção.

    Os números apontam para 5, os fatores externos podem levar p 4 ou até 3
    Os mais otimistas, corretores incluso, admitem a opção 2 na melhor das hipoteses.

    0
    • Miguel Jacó 15 de fevereiro de 2012 at 19:53

      “1. Era só um soluço, os preços e as vendas continuarão subindo loucamente”
      Estamos em 2012, não mais em 2008.

      “2. Continuará subindo acompanhando a inflação”
      Não tem mais espaço nem dinheiro disponível para subir, está todo mundo esgoelado.

      “3. Continuará no mesmo patamar nominal e a inflação vai comer o preço”
      Já estão caindo, atualmente em torno de 20% do máximo.

      “4. Inverterá a tendência para se ajustar à renda da população”
      Para mim é o mais provável.

      “5. Entrar em colapso com efeito manada e vendas abaixo do valor de produção.”
      Não entrará, pois a selic está baixa, renda fixa uma porcaria, e querem por que querem cobrar IR de quem aplica na poupança.

      Brasil, o país mais corrupto do mundo.

      0
  • Riodetudo 15 de fevereiro de 2012 at 21:40

    Eu ainda não consegui compreender o fenômeno dos prédios novos fantasmas na Barra e Recreio no Rio. Passei pela Av.América (principal) no fim de semana e vi que a maior parte continuam apagados. Desde 2009!!!! Na Peninsula (pseudo-zona de luxo), muitos tb continuam vazios.

    Se quase ninguém mora ali, para mim não é prédio mas um bloco de concreto grande. Isso não é investimento e sim uma FURADA. São apartamentos se deteriorando a anos, já escrevi isso aqui antes. E coloco de novo para ver se alguém me explica que são os idiotas donos desses lugares (os vazios). Não adianta vir com números de bolsa de valores, primeiro prédio tem que ter morador, princípio básico!

    0
    • aiwww 15 de fevereiro de 2012 at 23:58

      Eu também já relatei essa situação aqui. Aqueles com varanda em forma de onda entre a Barra e o Recreio (literalmente no meio do nada), não custam menos de 500 mil. Já aqueles atrás do Shopping Recreio (zona rural segundo a prefeitura) saem por 800 mil. Todos prédios fantasma. Só tenho uma palavra para definir um sujeito que empatou uma grana alta nesses lugares: OTÁRIO.

      0
      • MrK 16 de fevereiro de 2012 at 05:06

        A barra/recreio e’ realmente uma situacao muito complicada

        veja, soh naquela regiao no zap temos algo como 15mil imoveis a venda e mais varios em construcao, imaginem a vila olimpica quanto predio vao jogar ali?? nao tem demanda pra isso tudo e a barra tem problemas estruturais serissimos o que afasta moradores finais (investidor compra, mas quem quer morar?)

        acho q a coisa fede na barra… ja ja…a unica coisa que pode salvar isso eh se muita empresa grande for pra la, soh, nao tem outra esperanca!

        0
    • FQ 16 de fevereiro de 2012 at 10:24

      Vou dar um relato:

      Há algum tempo atrás, fui ver alguns apartamento na Península… visitei alguns prédios que tinham sido entregues a mais de 2 anos. Prédios grandes, vários blocos, andei pelo hall, piscina, garagem, elevadores… Andei pelo condomínio em varias partes, por um bom tempo e mesmo assim não cruzava com nenhuma outra pessoa, não via nem sombra de moradores… Parecia um condomínio fantasma.

      Depois de um tempo, quando finalmente vi um grupo de pessoas pelo condomínio, eram clientes visitando apartamentos com um outro corretor.

      Depois disso, saí e andando na Rua, vi uma placa de vende-se em outro prédio e fui falar com o Porteiro. Pronto. Apareceu do outro lado da rua, um suposto morador, querendo vender um dos imoveis que possuía, disse que tinha 3 apartamentos na península e queria me vender 1.

      Nisso, o porteiro chamou um corretor que morava no prédio que estava com a placa), que desceu correndo para a rua, chegou e disse que também estava vendendo um dos apartamentos que ele próprio tinha investido na Península. Fique ali naquele cenário esquisito, com cara de pato a ser abatido na lagoa (ou península), escutando aquele papo de valorização eterna e copa….

      PS: Depois disso, cheguei em casa, fui no computador, digitei “Bolha Imobiliária” no Google e cheguei aqui neste Blog.

      0
      • jayme 16 de fevereiro de 2012 at 20:11

        ta cheio de gente morando la agora..
        adoraria morar la.. mas o bolso nao permite.

        0
  • Sir Income 15 de fevereiro de 2012 at 22:13

    Jovens de baixa renda terão passagens de avião gratuitas, prevê projeto
    Texto do Estatuto da Juventude foi aprovado na CCJ e beneficia cidadãos com idade de 15 a 29 anos

    www .estadao.com.br/noticias/cidades,jovens-de-baixa-renda-terao-passagens-de-aviao-gratuitas-preve-projeto,836315,0.htm

    O seu, o meu e o nosso imposto indo para….

    0
    • Cai Cai Balão 15 de fevereiro de 2012 at 22:20

      Isso é um completo absurdo. Justamente quanto aos jovens, na idade em que a natureza lhes proporciona o maior vigor para o trabalho, a política bananense quer estabelecer privilégios para a criação de uma nação de encostados.

      Fico me perguntando como seria a repercussão dessas intenções nas populações de idosos em países europeus, principalmente na Grécia, cujas aposentadorias estão sendo ameaçadas pela nova política de austeridade.

      Que vergonha…

      0
      • Miguel Jacó 15 de fevereiro de 2012 at 22:32

        Só notícia ruim vem deste governo. Eu leio mas estou custando a acreditar como podem as coisas piorarem a cada dia que passa.

        Uma idéia pior que a outra, uma decisão pior que a outra, uma maracutaia maior que a outra. O Brasil está sendo destruído.

        0
        • xyz 16 de fevereiro de 2012 at 00:17

          Mesmo sendo os 10 anos de maior corrupção da história recente (disparado), a corrupção não é o maior mal deste governo, mas é, este governo, a mais “perfeita” composição de incompetência e irresponsabilidade.

          O pior legado que este governo vai deixar é a cultura incutida na juventude de desprezo pelo trabalho e valorização da “esmola” e da lei de Gerson, patrocinada pelas centenas de “bolsas”. O país vai pagar um preço muito alto (e justo) por isso.

          Há décadas já dizia o poeta nordestino: “seu doutor uma esmola a um homem que é são, ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”.

          0
          • Migueljacó 16 de fevereiro de 2012 at 08:04

            Perdemos nossa adolescência e início da fase adulta nos quebrando, estudando, trabalhando, enfim, perdemos parte de nossa vida, para um motivo:

            Sustentar a cachaça, a cerveja, a festa e a vadiagem de vagabundos.

            0
  • Sir Income 15 de fevereiro de 2012 at 22:33

    QUARTA-FEIRA, 15 DE FEVEREIRO DE 2012

    Vendas de imóveis usados crescem 44,96% em novembro em São Paulo

    www .clippingimoveis.com.br/2012/02/vendas-de-imoveis-usados-crescem-4496.html

    Aumentaram as vendas de usados porque os novos estão muito caros? Ou tá tudo vendendo?

    Maldita bolha.

    0
  • Sir Income 15 de fevereiro de 2012 at 22:39

    Mansão de Whitney Houston é colocada
    à venda por R$ 3 milhões
    O anúncio indica que a casa tem 1.167 metros quadrados e cinco quartos

    noticias.r7.com/internacional/noticias/mansao-de-whitney-houston-e-colocada-a-venda-por-r-3-milhoes-20120215.html

    E no brasil, 3 milhões por um ap do lado da favela… fala sério!

    0
    • MR. NK (2.0) 16 de fevereiro de 2012 at 01:20

      Eu ri muito com essa matéria! Quanta ironia… e imaginar que aqui no Brasil, com 3 milhões, você tem que batalhar MUITO para conseguir um apartamento razoável, numa área nobre, que não esteja caindo aos pedaços e te ofereça o minimo de conforto que o valor pressupõe oferecer. Imagina se essa mansão fosse aqui no Rio de Janeiro? Iria custar, no mínimo 40 milhões (vide o triplex do Ronaldinho no Leblon)… Aff…

      Brasil (ops, Banânia) = mercado imobiliário mais insano e injusto do mundo.

      0
    • Indecoroso 16 de fevereiro de 2012 at 12:52

      Só pra vocês terem noção do grau de insanidade do mercado brasiliense:

      Apartamento reformado e mal localizado. Valor: R$ 3 milhões.
      htt p://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-apartamento-brasilia-df-4-quartos-sqs-316-bloco-a-480058
      ______
      Apartamento de 270m, condomínio de R$ 3000 mensais. Valor: R$ 4,5 milhões.
      htt p://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-apartamento-brasilia-df-4-quartos-condominio-complexo-ilhas-do-lago-458293

      Pois é!

      0
      • Indecoroso 16 de fevereiro de 2012 at 12:55

        E esse repasse bolhudo! Vejam:

        ht tp://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-apartamento-brasilia-df-4-quartos-sqnw-471559

        0
  • Leo 15 de fevereiro de 2012 at 23:22

    Ai Pessoal que esta animado com a alta da Bolsa…. tudo indica que é festa de sardinha. Os gringos estao pulando fora e logo na cara do carnaval. Pq sera ?

    h t t p : / / http://www.dadosdabolsa.com/imagens/graficos/investidores.mes.png?tempo=1329184800

    0
    • Sir Income 15 de fevereiro de 2012 at 23:49

      Leo,

      Eu vi esse gráfico e tenho a mesma impressão que você.

      Ainda tem levar em conta que, para os gringos, sair com dólar a R$ 1,72 é um ótimo negócio.

      Abraços,
      Sir Income

      0
  • xyz 16 de fevereiro de 2012 at 01:32

    Até minha santa mãe, em sua ignorância de quem nunca sentou num banco de escola, já percebeu a bolha, obviamente com uma visão meio opaca de quem tem mais de 80.

    Ela disse: Você viu a quantidade de placas de vende-se na porta do prédio? É culpa do condomínio (taxa) que ninguém aguenta mais pagar. Quem paga sou eu e nem é tão caro.

    0
  • Andre da Bolha de Plastico (para evitar homonimos) 16 de fevereiro de 2012 at 07:59

    Pra quem gosta de estudar numeros, graficos e comparativos temos aqui a Apresentaçao institucional da Brooksfield para 2012 – vejam em 2010 alcançamos o maior numero de imoveis financiados de toda a historia – e o que eu digo – quem nao pode comprar, compra. (com credito) e quem “pode” comprar nao compra – preço abusivo – esse e um verdadeiro Oxiomoro.
    h t t p :/ / ri.br.brookfield.com/brookfield/web/arquivos/Brookfield_Institucional_23012012_PT.pdf

    0
  • Fabiano 16 de fevereiro de 2012 at 09:19

    Aqui no meu prédio muitos proprietarios se mudaram para outros aptos maiores e alugaram os seus
    Resultado inadimplencia no condominio saltou para assustadores 22 %
    Fora que muitos não estão tendo grana para pagar o aluguel tb , SJC é uma cidade rica porém dinheiro não esta dando em arvore , converso com meus amigos e todos estão apertados de grana , agora me respondam de onde vem a grana do povo que esta comprando aptos a 500 k ???
    Sendo que botei o meu apto a venda por 170 mil e só me aparece maluco oferecendo carro , terreno , papagaio e a sogra como parte de pagamento rs rs

    0
    • Dr. Estranho 16 de fevereiro de 2012 at 10:06

      Tenho um amigo que paga 700 reais de condomínio em um prédio velho sem infraestrutura e estacionamento apertado(mal cabe um fusca).

      A palavra inadimplente é politicamente correta para aquele que passa por situação financeira imprevisível (ex: desemprego, doença e etc). Para aquele que não paga porque vive além das suas posses eu chamo de caloteiro.

      Tem um profeta aqui no blog que coloca o “apocalipse” para 05/03/2012. Não digo que chegaremos a tanta precisão, mas comércio 3 meses sem vender, ou vendendo abaixo do custo, queima o caixa e começa navegar em juros. Quem é pequeno fecha.

      0
  • Dr. Estranho 16 de fevereiro de 2012 at 10:15

    h ttp://oglobo.globo.com/economia/previa-do-bc-mostra-que-pib-do-brasil-cresceu-279-em-2011-3986002

    Quase dois meses depois do fim do ano fiscal resolvem falar a verdade.

    PIB DIMINUINDO E INFLAÇÃO AUMENTANDO. Caminhamos para estagnação econômica com inflação. Nome bonito: ESTAGFLAÇÃO.

    Uma visão otimista seria a construção civil mantendo o bom nível de crescimento econômico. Mas crer que os abutres mantenham o crédito, apenas para o crescimento saudável, é utopia. Então todos nós pagaremos o pato.

    0
  • Sir Income 16 de fevereiro de 2012 at 10:26

    Farmácia é assaltada 42 vezes em Curitiba

    www .youtube.com/watch?v=nMa1n79oEUI&feature=g-u-u&context=G28c5e01FUAAAAAAAAAA

    Que absurdo!

    0
  • FQ 16 de fevereiro de 2012 at 10:32

    Vou repetir aqui um relato que postei acima, acho que vale a pena ler:

    A algum tempo atrás, depois de ficar cansado e desconfiado de tanto ver apartamentos caros, horríveis, velhos, fedorentos e barulhentos na zona sul do Rio, resolvi dar uma vistada na Barra.

    Fui ver alguns apartamento na Península… visitei alguns prédios que tinham sido entregues a mais de 2 anos. Prédios grandes, vários blocos, andei pelo hall, piscina, garagem, elevadores… Enfim, andei pelo condomínio em varias partes, por um bom tempo e mesmo assim não cruzava com nenhuma outra pessoa, prédio vazio e entregue a tempos, e não via nem sombra de moradores… Parecia um condomínio fantasma e quando finalmente vi um grupo de pessoas pelo condomínio, eram clientes visitando apartamentos com um outro corretor.

    Depois disso, saí dali meio desconfiado, achando tudo muito estranho, e andando na Rua, vi uma placa de vende-se em um outro prédio na rua e fui falar com o Porteiro. Pronto. Apareceu do outro lado da rua, do meio do nada um suposto morador, querendo me vender um dos imoveis que possuía ali, disse que tinha 3 apartamentos na península e queria me vender 1. Era um “investidor”.

    Nisso, o porteiro do prédio com a placa de vende-se, chamou um corretor que morava no prédio, que desceu correndo para a rua, chegou e me disse que também estava vendendo um dos apartamentos que ele próprio tinha investido na Península. Em dois minutos parados na esquina da Península, fui cercado por investidores vendendo seus apartamentos… Fique ali naquele cenário esquisito, com cara de pato a ser abatido na lagoa (ou península), escutando aquele papo de valorização eterna e copa do mundo… Quando pude, saí correndo!

    PS: Depois disso, cheguei em casa, fui no computador, digitei “Bolha Imobiliária” no Google e cheguei até aqui neste Blog.

    Essa foi minha história!

    0
    • rsmrsm 16 de fevereiro de 2012 at 10:38

      Vc não imagina a quantidade de mosquitos que existem naquela região a noite.

      É ruim aplicar 400 K ou 600 K naquela região.

      0
    • Riodetudo 16 de fevereiro de 2012 at 11:11

      Então, a Peninsula é emblemático neste sentido. Ano passado inauguraram um tal de Peninsula Way que começou em 500 mil, hoje pedem 700 mil e (os mesmos!) continuam encalhados! O prédio está vazio. Visitei outro prédio da região e aqui vai o pior: achei uma bela droga. Uma portaria simples, área de lazer semi-abandonada (tinha um “espaço zen” quase desabando), apartamentos fracos com pé direito baixo, pelados e sem nenhuma dependência. Fala sério, quem é que bancou essas obras minha gente!? Numa boa, a maioria dos corretores mal tem dinheiro para comprar um imóvel razoável, essa história deles terem dito que moravam lá é mentira pra tentar te convencer que ao menos alguém morava lá!

      0
      • chapolin 16 de fevereiro de 2012 at 12:20

        De 500 para 700 num ano não é nada comparado come este maluco aqui na rua professor Saldanha, na Lagoa: http://goo.gl/T18yS

        Depois de 7 meses sem vender, ele DOBROU o valor pedido!

        Alguém consegue explicar? É loucura? Estratégia para influenciar índices como FIPE-ZAP?

        0
        • aiwww 16 de fevereiro de 2012 at 14:13

          Este aqui estava anunciado a 300 mil há uma semana e agora está anunciado a 395 mil. Detalhe, observe a imobiliária, Julio Bogoricin. Não tenho dúvidas que houve remarcação dos preços em outras filiais da Julio Bogoricin. E assim por diante as outras imobiliárias. A estratégia deles é deixar o comprador sem saída e forçá-lo a aceitar os preços abusivos. Por isso eles dizem que o preço não cairá, pois são eles quem “avaliam” os imóveis e dessa forma eles influenciam o preço de acordo com a vontade deles. Se não venderem tudo bem, não são eles que arcam com os custos do imóvel fechado. Este imóvel que citei está anunciado há 1 ano.

          zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-JD.-GUANABARA-/ID-2782780

          0
          • Voluntário 16 de fevereiro de 2012 at 23:34

            Quando vejo algum imóvel que me interesse, e cujo valor certamente estará inflado pelo efeito bolha eu já mando na lata:

            “apreciei seu imóvel todavia ele está custando muito acima do preço que considero adequado e justo, portanto só posso oferecer X reais (onde X geralmente é menor do que 3.000). Caso haja interesse em negociar meu contato é…”

            Por enquanto ainda não tive respostas mas algo me diz que muito em breve terei!

            0
    • Diego RJ 16 de fevereiro de 2012 at 11:53

      Ótimo relato, Felipe!
      Isto dá a real situação do “desespero” dos investidores.

      0
    • MrK 16 de fevereiro de 2012 at 17:18

      amigo, conheco muito bem a peninsula, posso te dizer que o mico vai ser enorme, sabe por que? é uma região de preços caríssimos num lugar onde os ricos não querem morar (por ser muito longe e ter o transito infernal)

      ou seja, como voce vai vender uma avalanche de apartamentos de milhoes de reais onde só a classe media (a legitima) e alguns poucos ricos (que trabalham na barra, mas são poucos) querem?? vai encalhar, preço pra baixo, inevitável, e ainda vem MUITO imovel por ali lá

      alias, até pouco tempo atrás tinha apartamento da peninsula ainda na mao da construtora vendendo no promoimoveis e era predio entregue ha mais de 1 ano e meio!!!!!!!

      0
  • Sir Income 16 de fevereiro de 2012 at 10:40

    Promoção da caixa para aumentar depósitos na poupança.

    SE ESSA CASA FOSSE MINHA

    Promoção “Se Essa Casa Fosse Minha”: Você poupa e ainda concorre a prêmios!

    Imagine economizar dinheiro e já começar o ano bem, conquistando a tão sonhada casa própria!

    Poupe R$ 200,00 e concorra todo mês a uma casa no valor de 200 mil reais!

    Para participar da promoção “Se Essa Casa Fosse Minha”, os titulares de poupança devem apresentar captação líquida – diferença entre depósitos e retiradas – a partir de R$ 200,00 no mês de apuração, em pelo menos uma de suas contas.

    A participação na promoção é gratuita e automática, sem necessidade de cadastramento. Mais informações no regulamento da promoção, disponível em: http://www.seessacasafosseminha.com.br

    0
    • Júlio Cesar 16 de fevereiro de 2012 at 11:26

      Pelos preços que andam os imóveis, este premio de 200 mil da Caixa não vai dar pra comprar muita coisa. O engraçado que por causa da bolha algumas promoções estão defasadas: há pouco tempo vi na televisão uma promoção da empresa x que dava uma casa no valor de 90.000 reais. Dei risada na hora e imaginei eles entregando o premio em parceria com o Minha Casa Minha Senzala.

      0
  • Galvão 16 de fevereiro de 2012 at 11:50

    Bom, segundo o IBGE (Tabela 2904 – Distribuição do rendimento nominal mensal, Valor do rendimento nominal médio mensal e Valor do rendimento nominal mediano mensal das pessoas de 10 anos ou mais de idade, com rendimento por sexo e classes simples de percentual em ordem crescente de rendimento)

    A realidade é a seguinte:
    90% das pessoas ganham:
    – até R$ 1.768,99. (Brasil)
    – até R$ 2.286,17 (RJ)
    – até R$ 2.244,98 (SP)
    – até R$ 2.763,77 (DF) –> nesse caso 80% das pessoas.

    Portanto, considerando um casal, se não estiverem incluido nos 10% da população que ganham mais de R$ 2.244,98 (SP), teriam uma renda mensal de aprox. R$ 4.500,00.

    Daí é só fazer as contas.

    0
  • Anonymous 16 de fevereiro de 2012 at 11:57

    Do texto apontado pelo de “Menino_do_Rio”

    “O mercado imobiliário, como sempre, é uma alternativa que salta aos olhos dos mais diversos tipos de investidores que buscam obter uma renda estável com a venda ou aluguel do imóvel. De maneira geral, investir em apartamentos, salas comerciais e lotes, na maioria dos casos, é sempre um bom negócio, principalmente com o aquecimento da economia que impulsiona cada vez mais o setor.”

    Veja como é fácil constatar que é uma notícia paga. Basta pegar uma parte do texto, por exemplo “O mercado imobiliário, como sempre, é uma alternativa que salta aos olhos dos mais” e utilizar a busca avançada do Google. Voce constatará que o mesmo texto aparece em vários meios de comunicação na mesma data, revelando disseminação a partir de uma única fonte. Observe que tanto EXAME quanto TERRA não tem credib