Setor imobiliário engasga e se prepara para crescer menos – O globo

Você pode gostar...

Comments
  • neandertal 25 de janeiro de 2012 at 20:01

    Importando de um tópico anterior, acho que não viram:

    Shakespeare disse:
    23 de janeiro de 2012 às 12:05
    A Catho publica uma pesquisa salarial à qual tenho acesso. Seguem alguns dados do meu perfil:

    Região: Grande São Paulo
    Faturamento anual: Acima de R$ 300 milhões
    Ramo: Consultorias
    Área geral: Sistemas / Informática / Internet
    Área Específica: Sistemas (Projetos / Desenvolvimento / Consultoria)
    Cargo: Gerente de Sistemas (Projetos / Desenvolvimento / Consultoria)

    Salário Nominal (Bruto Mensal)
    Valores em R$ Média 1º Quartil Mediana 3º Quartil
    Todo o Brasil 9.501,00 7.183,00 8.845,00 11.448,00

    Remuneração Total Monetária (Bruta Anual)
    Valores em R$ Média 1º Quartil Mediana 3º Quartil
    Todo o Brasil 155.491,00 109.661,00 144.398,00 193.609,00

    Sabendo-se que um gerente deve ganhar 40% a mais do que o nível abaixo dele e os cargos gerenciais e de diretoria correspondem a uns 10% nas empresas, se vê que o tal salário de 10K realmente é para menos de 10% das pessoas (até porque 25% dos gerentes ganham menos de 120K/ano e se for olhar salário bruto mensal, só 25% ganham acima disso)

    Será que esses dados estão bons o suficiente? Se você quiser posso lhe enviar o link da pesquisa (é um link fechado) mas você pode responder a pesquisa com seus dados e ter acesso as informações compiladas no sistema para os níveis próximos ao seu.

    Abs

    neandertal disse:
    23 de janeiro de 2012 às 21:58
    boas informações!

    a diferença entre o mensal e o anual deve ser porque o anual inclui a parte variável (bonus, participacao nos lucros, etc), certo?

    pegando a mediana do bruto anual (144 mil) dá uns 12 mil / mes

    comentarios:
    – o (não muito elegante) colega João estava se referindo à renda familiar, portando 5 mil / mes pra cada um do casal. Não deixa de ser concordante com a teoria dele.
    – esses dados são da área de TI, teria outras áreas?

    dialogando como pessoas civilizadas (ao inves de sair na porradaria) chegamos a algum lugar.
    até eu que sou pré-historico sei disso.

    E se um gerente tá ganhando 12 mil brutos na mediana (que é mais “correta” que a média) e se tem que ser 40% mais que o nivel abaixo então quem tá abaixo está em 8,6 mil / mes.

    salário mediano de nível não-gerencial em 100k / ano… daí a quantidade de ix35, hilux, land rover nas ruas, não é só crédito

    Pergunta:
    É possível que estejamos em um bolha de salários também (é sério, não é ironia) ??

    0
    • Vinicius 25 de janeiro de 2012 at 20:19

      Pode até ser que esteja acontecendo uma bolha de salários… Mas se mesmo assim ninguém consegue comprar imóveis, a coisa tá preta !!!

      0
      • Pablo 25 de julho de 2012 at 10:25

        Pode até ser … 😀

        0
    • Vilmar Frajola 25 de janeiro de 2012 at 20:32

      Com 120K anuais nao da para andar de ix35, hilux, land rover!!

      Eu falo por experiancia propria, ano passado 130K como consultor de IT, não tenho nenhum desses, não iria comprometer um % da renda de um ano todo num automovel.

      0
      • Ricardo Eng 26 de janeiro de 2012 at 02:01

        Pior que tem muita gente que anda de ix35 com um salário de 10 mil por mês. A prestação em 48x dando um punto quitado de entrada chega a uns R$ 1500, o que é pouco. Mais uns R$ 1.000 de custos mensais diversos (seguro, IPVA, revisão), e o luxo cabe direitinho no bolso.

        Se já tiver a casa quitada, cabe fácil. Eu tenho funcionário que ganha 4 mil e compra Punto Sporting em 48x. Acho uma loucura, mas o povo inteiro está agindo assim.

        0
    • Felipe 25 de janeiro de 2012 at 21:46

      O que acontece hoje, é o que acontecia antes e o que acontecerá no futuro. Há muitos ganhando pouco e poucos ganhando muito.

      0
      • Cleyton 26 de janeiro de 2012 at 00:29

        Felipe, tem que acrescentar aí os que estão emprestando muito, quem ganhava pouco não tinha condições de fazer caca muito grande, hoje tem!

        0
    • Ricardo Eng 26 de janeiro de 2012 at 01:44

      Bolha de salários, por definição, não existe. Ninguém consegue “comprar uma vaga” a um preço alto e irreal e revende-la a um preço maior.

      E nenhum paralelo pode ser feito com outros casos. O que estamos observando é o crescimento da economia e a criação de novas responsabilidades dentro das empresas. Como o brasileiro estuda pouco, muitos cargos são difíceis de serem ocupados por pessoas realmente qualificadas e o salário oferecido acaba aumentando.

      Quem se envolveu em áreas especializadas (engenharia, medicina, etc.) se deu bem. Tem bastante gente que antes dos 30 ganha 15 mil + 5 salários de bônus anual.

      0
      • neandertal 26 de janeiro de 2012 at 12:00

        O ponto é: o crescimento do país é baseado em crédito e esse crédito é dinheiro “trazido do futuro”, que está sobreaquecendo a economia, e por tabela os salários??? Quando esse dinheiro faltar no futuro, vai detonar a economia, e os salários a reboque?

        “bolha” não no sentido comprar algo (emprego) pra especular, claro que isso não seria possível, mas sim no sentido que a economia estaria sobreaquecida de maneira superficial, causando inflação em tudo quanto é produto, e pra atender essa demanda, contratando mais e pagando melhor do que o que seria o “normal”.

        As pessoas estão ganhando o dobro do que deveriam?

        0
        • Ricardo Eng 26 de janeiro de 2012 at 14:48

          No caso de profissionais especializados, eu não acredito em uma retração. Uma vez que uma empresa decide atingir um tamanho específico, os funcionários de certas áreas são necessários independente do volume de vendas mensal da empresa.

          Ou seja: a empresa pode até vender menos, mas a fábrica continua precisando de manutenção e melhorias e os servidores continuam precisando de profissionais de TI para mante-los funcionando.

          O negócio é meio binário, sim ou não, para as profissões especializadas. Já quem é mais operário sofre mais.

          No caso de engenharia, os salários estão até baixos, se quer saber. Muita gente se formou em faculdades de esquina e poucas em boas instituições. E mesmo somando aqueles com diploma pouco valorizado, ainda existe um déficit.

          As empresas ainda pagam R$ 250 a hora por mão de obra terceirizada. Em breve pagarão R$ 150 por mão de obra própria. Quem é muito especializado consegue se segurar em uma empresa ganhando um salário assim, pois não precisa de muita supervisão e pode até mesmo ser o “dono” de um assunto específico dentro da empresa. Dessa forma, a terceirização é substituída por um cara muito qualificado.

          0
    • Shakespeare 26 de janeiro de 2012 at 10:47

      Sim, o total anual inclui prêmios, PPR, etc.

      O que a Catho disponibiliza para mim é somente aqueles que tem o perfil semelhante ao meu, somente empresas assinantes é que tem acesso ao estudo completo.

      E, por fim, concordo com você que a civilidade permite um debate de alto nível e que atinja melhores resultados.

      abs,

      0
    • Frank 26 de janeiro de 2012 at 10:52

      “É possível que estejamos em um bolha de salários também (é sério, não é ironia) ??”

      em algumas carreiras públicas, sem a menor dúvida.

      no mundo real (= privado), talvez algumas posições tenham precisado aumentar salário por conta de concorrência com de concursos públicos.

      há também os negócios da moda, q recrutam a peso de ouro normalmente por um curto espaço de tempo (como vem ocorrendo com petróleo no RJ, e já ocorreu na bolha de empresas de telecom uns anos atrás).

      0
  • Vinicius 25 de janeiro de 2012 at 20:01

    Primeiro 😀

    0
  • Ratinho 25 de janeiro de 2012 at 20:23

    Nada de novo, exceto que eles não entrevistaram os “especialistas” do secovi, ou do sindicato da construção.

    0
    • Zoom 25 de janeiro de 2012 at 21:41

      Já é um bom começo olhar a situação do outro lado da moeda. Esquecer um pouco esses especialistas e funcionários do SECOV e escutar o pessoal que estão comprando, saber o que acham é importante.
      O problema que por trás disso tudo tem um “fiapão” de interesse político e econômico fazendo a mídia postar certas matérias duvidosas.

      0
  • RPL 25 de janeiro de 2012 at 21:20

    Ploc.

    A bolha já estourou…

    Agora vem uma crise da brava porque quando as obras acabarem muita gente da nova “Classe C” que trabalhavam com obras vão perder o emprego e vão parar de pagar as suas dívidas (parar de consumir a nova classe C já parou).

    O especulador tinha dinheiro e pagou a vista lá pra 2008, consegue sair empatado se achar um desesperado num repique.

    Já o especulador dos 20%… Esse eu vejo 3 casos:

    – Não tem renda pra financiar – O imóvel volta pra construtora ou é repassado para algum desesperado num repique (lembrando que a construtora concorre com o especulador nesse caso).

    – Tem renda para financiar e consegue pagar o financiamento – Vai pagar o financiamento até ver que os preços não vão se recuperar (acredito que cerca de 2 anos) e vai jogar o imóvel no mercado de locação… Depois de um tempo vai chegar a conclusão que é melhor vender.

    – Tem renda para financiar porém tem de se apertar para pagar o financiamento – Ou paga o financiamento ou paga o condomínio – O subprime brasileiro. Provavelmente vai repassar sem ganhar nada pra alguém que consiga assumir a dívida –

    Aqui na região do ABC, vejo muitos anuncios de repasse que só o valor da dívida do apartamento é muito maior do que um apartamento pronto.

    Não existe Buy and Hold para imóveis.

    0
    • Hik 27 de janeiro de 2012 at 00:51

      Até existe em casos específicos, visto que há milhares de imóveis fechados há vários anos, por exemplo na capital paulista. Há artigos em “Estadão” da vida que já mostram esses dados.
      A cultura brasileira ainda prega que imóvel parado é investimento – não que eu concorde com tal.

      0
  • xyz 25 de janeiro de 2012 at 21:24

    Não sei de quando é este artigo, mas achei um trecho muito interessante, que se aplica perfeitamente ao brasil.

    “Chinese asset markets have become a giant Ponzi scheme. The prices are supported by appreciation expectation”

    http://a2zbusinessnews.com/china-bubble-will-burst-says-morgan-stanley.html

    0
  • Carlos Wagner 25 de janeiro de 2012 at 21:28

    Esses analistas esquecem-se, quando afirmam esperar crescimento do setor imobiliário para 2012, que com a estabilização dos preços, na melhor das hiporteses, uma grande fatia consumidora dos lançamentos das construtoras, os investidores, não estará presente nesse novo cenário.

    Ignoram o fato de que o mercado desacelerou devido a impossibilidade de consumo dos novos empreendimentos pelo cidadão comum pelos altos preços praticados no mercado.

    Diante disso, como podem os analistas esperarem crescimento para um setor da economia baseando-se em balanços e manutenção de fluxo de caixa das empresas envolvidas?

    Cado o motor que move a economia, o consumidor nesse cenário?

    0
  • Sir Income 25 de janeiro de 2012 at 21:50

    Prédio desaba no Centro do Rio
    Segundo Defesa Civil, há informações de vítimas.
    Prédio fica na Rua Treze de Maio.

    g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/01/predio-desaba-parcialmente-no-centro-do-rio-diz-prefeitura.html

    Absurdo!

    0
    • Felipe 25 de janeiro de 2012 at 21:56

      Pelo jeito a explosão foi causada por um vazamento de gás. Lamentável.

      0
      • Sir Income 25 de janeiro de 2012 at 22:12

        Outra explosão de gás?
        Absurdo!

        0
    • Lucas Mendes 25 de janeiro de 2012 at 22:41

      Sergio Naya rides again !

      0
    • Money addicted 26 de janeiro de 2012 at 00:01

      vi agora essa noticia, realmente um absurdo, e o absurdo maior vai ser q ngm vai ser punido, vao tratar como se ngm fosse culpado

      0
    • Anonymous 26 de janeiro de 2012 at 10:16

      Os imóveis do local vão valorizar 40% ao ano, ao invés de 30% como nos outros lugares do Rio. O bananense é completamente idiota e isso é muito provável de acontecer. Quanto ao tópico, quem conhece uma velha piada vai lembrar que O GLOBO acabou de falar “Sua avó subiu no telhado”.

      0
  • Ploc 25 de janeiro de 2012 at 21:51

    Aqui tem um pequeno snapshot de imóveis do ZAP que tiveram seus preços reduzidos. A grande maioria que está ainda tem anúncios ativos teve seus preços aumentados de forma totalmente aleatória desde 1% a 120% (não postados aqui).
    Isso era impensável a um ano atrás.

    ————-id-1842070—————————-
    Local: FLAMENGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 580000 Data: 22/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 620000 Data: 29/12/2010
    Variaçao…….: -6.5%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-2-quartos-venda-rio-de-janeiro-flamengo-rua-machado-de-assis/id-1842070
    ————-id-1611116—————————-
    Local: HUMAITA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 535000 Data: 28/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 598000 Data: 8/1/2011
    Variaçao…….: -10.5%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-2-quartos-venda-rio-de-janeiro-humaita-/id-1611116
    ————-id-1772939—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1350000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 1500000 Data: 10/1/2011
    Variaçao…….: -10.0%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-/id-1772939
    ————-id-1519010—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1950000 Data: 22/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2000000 Data: 13/11/2010
    Variaçao…….: -2.5%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-rua-clarice-indio-do-brasil/id-1519010
    ————-id-1818413—————————-
    Local: IPANEMA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 2100000 Data: 27/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2570000 Data: 14/1/2011
    Variaçao…….: -18.3%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-ipanema-/id-1818413
    ————-id-1650191—————————-
    Local: IPANEMA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 3200000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 3500000 Data: 29/9/2010
    Variaçao…….: -8.6%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-ipanema-rua-prudente-de-morais/id-1650191
    ————-id-55831—————————-
    Local: SAO CONRADO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 3680000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 4300000 Data: 3/1/2011
    Variaçao…….: -14.4%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-sao-conrado-estrada-gavea,da/id-55831
    ————-id-1587472—————————-
    Local: HUMAITA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 3500000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 4200000 Data: 1/9/2010
    Variaçao…….: -16.7%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-humaita-/id-1587472
    ————-id-1785205—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1980000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2080000 Data: 10/1/2011
    Variaçao…….: -4.8%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-/id-1785205
    ————-id-1740100—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1980000 Data: 27/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2080000 Data: 17/1/2011
    Variaçao…….: -4.8%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-/id-1740100
    ————-id-1828765—————————-
    Local: IPANEMA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 2750000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 3000000 Data: 18/12/2010
    Variaçao…….: -8.3%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-ipanema-/id-1828765
    ————-id-631618—————————-
    Local: LEBLON, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 2550000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2600000 Data: 14/7/2010
    Variaçao…….: -1.9%
    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-leblon-/id-631618

    0
    • GPTFN 26 de janeiro de 2012 at 11:53

      Mesmo com essa “redução” nos preços, ainda estamos longe da realidade. O valor do m2 ainda está muiitoooooo acima do que era em 2007/8. E o pior que existem muitas pocilgas, que eu considero inóspitas, como o apto do flamengo de 535k. Você vê pelas fotos ser inabitado, e continua a ser vendido por esse valor exorbitante.
      Mas tudo é questão de tempo.
      Com essa inflação real que ultrapassa a Selic facilmente, logo logo não adiantará mais pegar empréstimos, simplesmente pq não será possível salda-los.
      E ai a conta virá. Como sempre, o menos esclarecido pagará a conta.

      0
  • Cai cai balão 25 de janeiro de 2012 at 21:55

    Será que esse desmoronamento marcará o declínio dos preços? Reflitam sobre o desencadeamento disso.

    0
    • Felipe 25 de janeiro de 2012 at 21:57

      Acho que não. O prédio pelo jeito não era novo e a causa, segundo informações, não foi uma obra mal feita.

      0
    • Manuelao 25 de janeiro de 2012 at 22:56

      diminui a oferta, agora vai ter um aumento de 20% (*Ironic*)

      0
      • Manuelao 25 de janeiro de 2012 at 23:15

        foram 2 prédios… 30%

        0
        • Manuelao 26 de janeiro de 2012 at 07:40

          3… 35%

          0
  • Latam 25 de janeiro de 2012 at 22:04

    Pessoal, vou contar o que está acontecendo comigo:

    Minha família mora em Rib Preto e estou em Campinas a 1,5 anos morando numa kitnet. O apto de RP é próprio, 170 m2 , na Fiúza , 3 suites, 3 gar. A kit de CPS é uma cela onde pago R$ 800 de aluguel. Meu filho passou na facu em SP então minha digníssima esposa vem morar comigo em CPS. Tenho um primo que quer morar em RP , então alugamos nosso apto por 2.500 mobiliado ( valor de mercado 650K). Resolvi alugar em CPS um apto maior. Achei Condo Avalon 70m2 , valor 350K , por 2.150 mobiliado. Achei um absurdo, mas a pressão familiar por varanda, aceita cachorro, fartura de armários, etc me fez decidir rapidamente sem negociar muito. Estimo que estou perdendo, mas com o mata-mata do aluguel vou levando.

    Abraço a todos

    0
    • Leandro 25 de janeiro de 2012 at 22:16

      Latam,

      realmente esse seu aluguel saiu caro.

      Sou morador do Avalon e fiz a locação do meu ap de 82 m2, com armários embutidos, há pouco mais de 1 ano por R$1500. Atualmente, após a correção de 1 ano, pago R$1622.
      Há vários aps para locação aqui, é possível que encontre outro por um valor menor.

      0
      • Latam 26 de janeiro de 2012 at 08:24

        Leandro, grato pela resposta.

        O requisito é o mobilidado , pena que meu tempo esgotou e tive que fechar….mas 1 ano passa rápido.

        abs

        0
  • Pedro 25 de janeiro de 2012 at 22:12

    E a gente achando que juizes ganham “só” 20k! O TJ-RJ paga até 600k ao mês para desembargadores. O maior absurdo da história deste triste país. São estes fdp que inflacionam a porra do mercado imobiliário.

    0
    • Carlos Wagner 25 de janeiro de 2012 at 22:18

      Legislativo e executivo roubando adoidado. Judicioário se sentiu no direito, literalmente.

      0
    • Jonathas 26 de janeiro de 2012 at 09:58

      600k por mês é bem diferente de 600k em um mês.

      Isso é um auxílio moradia a que os juizes tinham direito por lei e que nunca foi pago pela administração (coisa da década de 90). Principal + Juros e Correção monetária realmente dá realmente muito dinheiro, mas, na época, era algo como 1,5k por mês em valores atuais…

      Ai não dá pra culpar os magistrados. tem carreira aí que tem direito a uma gratificação de qualificação instituída em lei há anos e que não é paga pela administração por “ausência de regulamentação” (basta um decreto da Dilma + uma portaria do órgão). Quando regulamentarem, vão ter que pagar os atrasados e os servidores vão ficar com fama de marajá por causa de 500 reais por mês que eram devidos há anos…

      0
      • Gabriel 26 de janeiro de 2012 at 12:33

        Bandidos, literalmente bandidos da sociedade. E o que produzem? Nada, hora-bolas!

        Esse tipo de governo que temos é o principal parasita da sociedade.

        Estamos indo ladeira abaixo, com a 5° engatada e sem freios.

        0
        • Etmso 26 de janeiro de 2012 at 13:34

          Tenho uma amiga que pai e mãe sao desembargadores, uma vez em 2006 eu acho, ela me falou que o pai dela nao sabia investir, so sabia comprar imoveis… ” o rio sempre corre pro mar … ”

          Ai meus caros, vejam como e o nosso pais, com dinheiro nosso (altos salários, BNDES, etc) estão tirando mais dinheiro nosso!!!

          0
        • Jonathas 26 de janeiro de 2012 at 18:58

          Eu particularmente produzo bastante, amigo e creio fazer jus, após anos de estudo na minha área de atuação, à remuneração que percebo.

          Preconceito contra servidores publicos é inadmissivel. Cansei, apos tantos anos me ferrando e trabalhando horas a mais do que deveria (sem receber nada a mais por isso) de ser considerado um pária aproveitador de boquinha do governo.

          Chega. Até hoje acham que temos aposentadoria integral com paridade e mordomias mil que não existem há 20 anos.

          0
  • thiago fm 25 de janeiro de 2012 at 22:21

    COMPLEMENTO DO POST ANTERIOR

    UMA ANÁLISE SOBRE DÉFICIT E DEMANDA

    O déficit habitacional total do Brasil em 2008 era segundo o Ministério das Cidades de aprox. 5,6 milhões, sendo que o déficit urbano era de 4,6 mi. Sendo São Paulo e Rio de Janeiro os dois estados com maior déficit do país e os mais acessíveis quanto aos dados, resolvi analisar os números tendo por base os dados de suas regiões metropolitanas, onde se encontra a maior parte dos investimentos e também onde se dá a maior mobilidade urbana.
    Infelizmente os dados são de 2008 e imaginamos que pode ter havido uma queda no déficit por causa da “ida as compras” depois desse período. Ainda assim, os dados são suficientes para comprovar que a justificativa da falta de imóveis não se sustenta se considerarmos a demanda real do mercado, considerando que cerca de 90% do déficit se concentra na faixa até 3 SM, que, de longe, está marginalizada do mercado imobiliário atualmente. Até agora temos dito que o mercado está louco, mas não lançamos mão de dados para isso. Portanto, vamos tornar a coisa um pouco mais séria, mesmo que a presente análise não apresente todas as variáveis necessárias.

    Déficit
    RMSP = 504403 domicílios
    RMRJ – 318818 domicílios

    Percentual do déficit conforme renda* na RMSP
    *SM= salário mínimo

    95,2% até 3 SM
    3,4% de 3 a 5 SM
    1,3% de 5 a 10 SM
    0% acima de 10 SM

    RMRJ

    91,1% até 3 SM
    4,3% de 3 a 5 SM
    3,1% de 5 a 10 SM
    1,5% acima de 10 SM

    Se considerarmos que somente quem ganha acima de 3 SM pode sonhar com um imóvel, temos que apenas 4,7% das famílias que compunham o déficit habitacional da RMSP em 2008 e 8,9% das famílias da RMRJ, faziam parte do déficit real na época. Tomando por base as famílias que ganhavam acima de 5 SM ( mais próximo da realidade das famílias que podem tentar adquirir alguma coisa com os preços de hoje) apenas 1,3% das famílias da RMSP e 4,6% das famílias da RMRJ faziam parte do que poderíamos chamar de déficit potencial de 2008 nessas regiões.

    Uma observação importante é que a partir de 2009 muitas famílias na faixa de renda de 3 a 5 SM trocaram o aluguel pelo MCMV, talvez diminuindo temporariamente o déficit nessa faixa de renda. No entanto, com a subida de preços acima do limite do programa, a faixa de 3 a 5 SM ficou praticamente saturada atualmente vide simulador CEF.

    Mas qual a relação entre déficit e demanda?

    A resposta é que nem todo déficit é demanda, nem toda demanda é déficit. Devemos ressaltar que déficit habitacional trata do contingente populacional que deseja adquirir, mas ainda não possui imóvel próprio, diferente da demanda real que engloba os consumidores potenciais, ou seja, aqueles não só desejam, mas estão financeiramente habilitados a comprar um imóvel, seja este o primeiro ou não. Para entender a diferença podemos analisar a distribuição de renda familiar do país que supostamente nos indicaria o potencial de compra de cada região, respeitando as particularidades e subjetividades do mercado imobiliário de cada local.

    Região Até3 SM De 3 a 5 SM De 5 a 10 SM Acima de 10 SM
    Centro-Oeste 82,90% 7,80% 6,50% 2,80%
    Sudeste 77,60% 11,00% 7,10% 4,30%
    Norte 84,00% 7,20% 6,90% 1,90%
    Nordente 91,30% 5,10% 2,10% 1,50%
    Sul 80,90% 9,40% 6,70% 3,00%
    Mun de São Paulo 59,11% 15,05% 13,75% 12,08%
    TOTAL 83,20% 8,40% 5,40% 3,00%

    Fonte: IBGE 2009
    SM = salário mínimo

    Se analisarmos superficialmente, considerando as diversas simulações de financiamento já feitas no blog e o preço médio dos imóveis ofertados na região Sudeste, por exemplo, poderíamos dizer que 11,40% das famílias são potenciais compradoras de imóveis. Todavia, estaríamos nos colocando em erro, pois a tabela trata da distribuição de renda de toda a população da região e precisaríamos saber quantas famílias desse corte já possui imóvel e quantas teriam intenção de trocar ou investir em imóveis nos próximos meses. Além disso, seria necessário levar em conta o custo de vida e endividamento das famílias, para chegar ao que seria a demanda real.
    De qualquer maneira, esses dados já nos permite chegar a aproximações mais convincentes do que antes. Ambos levantamentos deixam claro que apesar do tão alardeado aumento de renda das famílias, em média de 80 a 90% da população está excluída da demanda potencial do mercado imobiliário brasileiro, com algumas exceções e muito poucas famílias têm condições de pagar os valores absurdos que vemos ultimamente.

    Agora o que chama a atenção em ambos os casos e põe por terra a justificativa do déficit para elevação dos preços é a quantidade de imóveis vagos e em construção nessas regiões:

    Domicílios vagos e em construção 2008
    RMSP
    624833

    RMRJ
    463259

    Reservada as particularidades sobre a propriedade dos imóveis vagos e em construção da pesquisa, percebemos que os imóveis em condição de ocupação superam e muito o déficit de domicílios de ambas as regiões. Cabe lembrar que estamos falando do período anterior ao boom de lançamentos e estes também superam com folga em 2011 as vendas e a demanda natural das cidades.
    Só para se ter uma idéia segundo dados do Secovi, foram lançadas 70781 unidades novas na RMSP em 2010 com perspectiva de pequena redução para o fechamento de 2011, mas ainda com amplo crescimento do estoque de unidades não vendidas por volta de 100% no último ano.

    Composição do déficit

    RMSP
    29,6% coabitação
    50,9% ônus excessivo com aluguel
    3,9% habitação precária
    15,7% adensamento excessivo de domicílios alugados

    RMRJ

    32,7% coabitação
    53,3% ônus excessivo com aluguel*1
    6 % habitação precária
    8 % adensamento excessivo de domicílios alugados

    *1- Ônus excessivo = famílias com renda de até 3 SM que comprometem mais de 30% da renda
    *2- Coabitação= famílias que têm intenção de constituir novo domicílio e que dividem cômodos.

    OBS: As pessoas que optam por viver de aluguel e que, atualmente, são muitas não são consideradas nesta estatística.

    Percebe-se que respeitando os critérios estabelecidos para determinar o déficit, a quase totalidade representa famílias que não possuiriam condição de adquirir um imóvel na região metropolitana, tanto pela renda limitada quanto pela situação social. Quem vive em coabitação, geralmente mora com familiares e usa de muita cautela antes de se arriscar a perder o teto da família sem ter condições de arcar com isso.

    Então resta a pergunta do milhão:

    SE A IMENSA MAIORIA DAS FAMÍLIAS QUE COMPÕEM O FAMIGERADO DÉFICIT HABITACIONAL DO PAÍS NÃO TEM CONDIÇÃO DE COMPRAR E A QUANTIDADE DE IMÓVEIS VAGOS É ENORME E CRESCENTE, QUEM ESTÁ COMPRANDO? E PARA QUÊ?

    – Quem já possuía um imóvel e fez um upgrade?
    – Investidores?
    – novos compradores?

    Deixo aberta a discussão e possíveis adendos, correções e sugestões. Não tive tempo de fazer, mas que tal apurar o estoque ZAP dessas regiões e cruzar com esses dados, já que os mesmos tratam apenas de imóveis novos e os usados também devem ser considerados. Quem quiser fazer o mesmo com os dados de outros estados terá a oportunidade de fazer pelo link da fonte.

    Fonte:
    SECOVI/SP – indicadores
    DÉFICIT 2008 – Ministério das Cidades publicado em 07/2010
    http: //issuu. com/ricardozambrano/docs/deficit_vivienda_brasil_2008?mode=window&pageNumber=6

    0
    • Frank 26 de janeiro de 2012 at 10:46

      thiago, essa sua análise está excelente, e confirma o q sentimos por aí, bem encontra eco em outros números q temos visto por aqui nos últimos meses.

      ainda q eu ache q renda capturada por IBGE – IPEA seja inferior à renda de fato (há inclinação e meios de fazê-lo, por parte de uma parcela expressiva da população), o descompasso Preço p m2 X renda familiar média nas principais metrópoles está muito gritante.

      0
    • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 13:48

      Tiago sua análise é boa
      parabéns pelo esforço

      para facil entendimento de todos sugiro vc calcular uma porcentagem que mostre quanto é a sobreoferta conforme as suas hipoteses, daí faça um teste de sensibilidade, cenário zero pessimista, cenário zero otimista.

      Tbm fiz estas contas, de uns 3 modos diferentes, inclusive um deles esse seu, e os numeros sempre apontaram sobreoferta, no início comendo a dmeanda reprimida, mas a partir de 2010 até 50% acima da demanda gerada

      0
  • engana que eu gosto 25 de janeiro de 2012 at 22:58

    ZAP , tô zarpando dele.

    0
    • thiago fm 25 de janeiro de 2012 at 23:31

      Não confio no ZAP e Secovi, mas são as poucas fontes que não os próprios olhos para se ter uma idéia do estoque acumulado. Quanto aos preços nem pensar

      0
  • Guilherme Eduardo 25 de janeiro de 2012 at 22:59

    Uma forma de conseguirmos expor nossos argumentos é na base dos números. Posts com dados oficiais enriquecem muito o blog. Experiência pessoal também. Por isso, aviso a quem está lendo o blog que não sintam medo ou vergonha de escrever.

    0
  • engana que eu gosto 25 de janeiro de 2012 at 23:00

    SECOVI, seco faz tempo.

    0
  • ninja 25 de janeiro de 2012 at 23:04

    Entrevista da ganhadora do BBB 11:
    http://caras.uol.com.br/noticia/maria-melilo-sobre-suposta-doenca-estou-otima#image0

    Quando perguntada sobre como está utilizando o dinheiro da premiação de campeã da atração da Globo, Maria contou. “Estou investindo em imóveis, que nunca desvalorizam e vão me dar mais lucros mais tarde”.

    0
    • Bolha Imobiliária 26 de janeiro de 2012 at 11:13

      Esperta do jeito que ela é….hehe

      0
  • Guilherme Eduardo 25 de janeiro de 2012 at 23:17

    Um casal que consegue guardar R$ 1.500,00 líquidos todo mês consegue juntar em 2 anos na poupança (usei 0,60%am), saindo do zero, R$ 37.000,00. Para um financiamento é necessário uma entrada mínima de 20%, ou seja, eles terão 20% de R$ 185.000,00. Utilizando o simulador da CEF, coloquei uma renda de R$ 6.000,00 (R$ 3mil + R$ 3mil), imóvel novo, em SP, nasc 01/01/1985, com FGTS e sem convênio. Em 360 meses, com taxa de 8,66% + TR a.m., a parcela inicial é de R$ 1.539,12.

    Pergunto aos caros colegas:

    Quantos nesse Brasil tem uma renda familiar de R$ 6.000,00?
    Quantos, independente da renda, consegue guardar R$ 1.500,00/mês líquido?
    Com uma renda de R$ 6mil/mês, dá para comprar um imóvel hoje com 185k com uma padrão desejado por uma família com essa renda?

    Essa é uma conta simples para ser discutida em mesa de bar e argumentar com os “investidores”, mas que se for feita por algum especialista em economia e publicada em jornal causará um alvoroço no mercado imobiliário.

    0
    • Money Addicted 25 de janeiro de 2012 at 23:37

      falando em contas, peguei um exemplo de anuncio de um ap q ja esta a 6 meses, por 200 k, o condominio do mesmo eh R$350,00 (nao sei o iptu, mas coloquei na cta 100 mensal)

      depois de 6 meses os mesmos 200 sao hoje

      200.000 – (450*6) = 197300

      se tivesse vendido com 10% de desc e aplicado no cdb (a 0.7)

      6 meses

      180.000 +(6 meses rend) = $187,693.54

      a pessoa ainda estaria “no lucro” por nao aceitar uma eventual proposta de 10% de desc

      agora passando isso para um ano

      200.000 – (450*12) = $194,600.00

      180.000 + (rend cdb 12 meses) = $195,715.92

      eu fiz essa conta para demonstrar que para imoveis tudo eh mais “lento” nao eh como na bolsa por exemplo q as variacoes ocorrem em uma velocidade MTO maior, ou seja, para a pessoa dar um desc de 10% ela pode esperar ate 1 ano q compensaria recusar uma eventual proposta com desc.

      Isso obviamente estou falando apenas em numeros, claro que nessa conta entra a pressa pelo dinheiro, gastos imprevistos com o imovela e principalmente o efeito manada, pois assim como todos subiram pq todos falam, ou mehor falavam, q ia subir, qdo comecarem a falar q vai cair……vai ser uma blz 🙂

      []s

      0
    • Pepper 25 de janeiro de 2012 at 23:51

      E que tipo de imóvel custa 185.000 hoje? No Rio de Janeiro, quase nada.
      Tristes de nós que partimos do zero: jovens, sem herança, sem imóvel anterior (e olha que minha renda familiar é bem superior a essa usada no seu cálculo).

      0
    • Sem Nome 26 de janeiro de 2012 at 01:08

      Em São Paulo (Capital) com BRL 185 mil você não compra nem um apartamento na MRV na favela do Paraisópolis.

      0
      • Galvão 26 de janeiro de 2012 at 09:38

        Em Brasília dá pra comprar uma casa de [email protected] no final da Ceilândia (40Km do plano Piloto)

        h t t p : / / w w w .wimoveis.com.br/imovel/venda-casa-ceilandia-df-2-quartos-qnp-15-conjunto-r-471232

        0
  • carlos 25 de janeiro de 2012 at 23:28

    Começam a pipocar anúncios no principal jornal de Goiânia oferecendo apartamentos “com desconto”, “abaixo do preço de mercado”, etc.

    Será o começo do estouro?

    0
    • Guilherme Eduardo 26 de janeiro de 2012 at 00:02

      Ploc!

      0
  • Ploc 25 de janeiro de 2012 at 23:53

    Estou publicando outra vez.
    Aqui está uma pequena amostragem de imóves do ZAP (Rio) que estão publicados por no mínimo 1 ano e que tiveram seus preços reduzidos.
    Isso seria impensável a alguns meses atrás.
    Acho que alguem já percebeu que o melhor é sair na frente.
    ————-id-1842070—————————-
    Local: FLAMENGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 580000 Data: 22/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 620000 Data: 29/12/2010
    Variaçao…….: -6.5%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-2-quartos-venda-rio-de-janeiro-flamengo-rua-machado-de-assis/id-1842070
    ————-id-1611116—————————-
    Local: HUMAITA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 535000 Data: 28/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 598000 Data: 8/1/2011
    Variaçao…….: -10.5%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-2-quartos-venda-rio-de-janeiro-humaita-/id-1611116
    ————-id-1772939—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1350000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 1500000 Data: 10/1/2011
    Variaçao…….: -10.0%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-/id-1772939
    ————-id-1519010—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1950000 Data: 22/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2000000 Data: 13/11/2010
    Variaçao…….: -2.5%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-rua-clarice-indio-do-brasil/id-1519010
    ————-id-1818413—————————-
    Local: IPANEMA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 2100000 Data: 27/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2570000 Data: 14/1/2011
    Variaçao…….: -18.3%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-ipanema-/id-1818413
    ————-id-1650191—————————-
    Local: IPANEMA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 3200000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 3500000 Data: 29/9/2010
    Variaçao…….: -8.6%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-ipanema-rua-prudente-de-morais/id-1650191
    ————-id-55831—————————-
    Local: SAO CONRADO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 3680000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 4300000 Data: 3/1/2011
    Variaçao…….: -14.4%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-3-quartos-venda-rio-de-janeiro-sao-conrado-estrada-gavea,da/id-55831
    ————-id-1587472—————————-
    Local: HUMAITA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 3500000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 4200000 Data: 1/9/2010
    Variaçao…….: -16.7%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-humaita-/id-1587472
    ————-id-1785205—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1980000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2080000 Data: 10/1/2011
    Variaçao…….: -4.8%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-/id-1785205
    ————-id-1740100—————————-
    Local: BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 1980000 Data: 27/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2080000 Data: 17/1/2011
    Variaçao…….: -4.8%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-botafogo-/id-1740100
    ————-id-1828765—————————-
    Local: IPANEMA, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 2750000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 3000000 Data: 18/12/2010
    Variaçao…….: -8.3%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-ipanema-/id-1828765
    ————-id-631618—————————-
    Local: LEBLON, RIO DE JANEIRO – RJ
    Preço Atual….: R$ 2550000 Data: 07/12/2011
    Preço Anterior.: R$ 2600000 Data: 14/7/2010
    Variaçao…….: -1.9%
    h t t p://www.zap.com.br/imoveis/oferta/apartamento-padrao-4-quartos-venda-rio-de-janeiro-leblon-/id-631618

    Claro que tem muitos outros que tiveram o preço aumentado em até 120% em um ano. Sinal de que não existe nenhum critério.

    Abraços,

    0
    • Daniel Ribeiro 1 de fevereiro de 2012 at 18:43

      Já tem um monte de apartamento de 3 quartos em copacabana anunciado mais barato que quarto e sala no mesmo bairro.

      0
  • Sérgio 26 de janeiro de 2012 at 00:13

    Há 12 meses: os preços nunca vão cair, pois que estavam defasados;
    Há 06 meses: os preços vão subir menos, pois que estão CHEGANDO AO TOPO;
    Há 03 meses: os preços vão subir pouco ou estabilizar, pois que estão no TOPO;
    Há 02 meses: os preços vão estabilizar no topo;
    Há 01 mês: os preços vão “estabilizar para BAIXO” (só um pouquinho);
    Há um dia: os preços “dificilmente” terão uma QUEDA ABRUPTA em 2012.
    .
    Alguém ainda, em sã consciência, acredita que se trata de previsão mística o anúncio do estouro da bolha (que já ocorreu).
    Isso é como registro de filho de pobre: ocorre meses ou anos depois.
    2013 com imóveis de preço de 2008…. 50% é pouco.

    0
  • Sir Income 26 de janeiro de 2012 at 00:59

    TRÊS PRÉDIOS NO CHÃO

    Proprietária de um dos prédios que desabou no Rio relata o que aconteceu

    video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1784440-7823-PROPRIETARIA+DE+UM+DOS+PREDIOS+QUE+DESABOU+NO+RIO+RELATA+O+QUE+ACONTECEU,00.html

    Que loucura! Como isso pôde acontecer?

    0
    • Sir Income 26 de janeiro de 2012 at 01:12

      Infelizmente, esse exemplo mostra que não devemos colocar todas nossas fichas num investimento. É preciso pensar muito bem antes de financiar um imóvel em 30 anos.

      0
  • lrp 26 de janeiro de 2012 at 01:28

    O escritor irlandês Julian Gough passou os anos do Tigre Celta com pouco mais do que amor e uma cabana. Agora a residir em Berlim, aqui fica a sua história sobre manter-se cético (e sem chavo), enquanto o resto do país enlouquecia (e rebentava) com a febre do imobiliário.

    Julian Gough
    Durante os anos de grande crescimento económico da Irlanda, dava imenso trabalho evitar ganhar dinheiro. Consegui controlar-me, transformando-me num escritor de ficção impopular. A minha namorada conseguiu-o tornando-se artista. Os nossos amigos faziam dinheiro; nós fazíamos arte. Tudo bem. Perfeito. Afinal, o dever sagrado do escritor irlandês é manter-se completamente dessincronizado da Irlanda.

    Mas a seguir ao ano 2000, o crescimento genuíno transformou-se na bolha do imobiliário que tirou os pés das pessoas da terra. Em breve, The Irish Times tinha um suplemento sobre imobiliário mais grosso do que o jornal. Os meus amigos começaram a comprar casas cada vez mais caras. O endividamento alastrava e a Comunicação Social chamava-lhe prosperidade. David McWilliams, isolado entre os jornalistas financeiros irlandeses, analisou a situação com clareza. O economista Morgan Kelly escreveu um artigo espantoso, dissecando cada bolha de imobiliário da história. A Irlanda percorria cada passo, no vermelho. O país estava lixado. Disse-o a todos os meus amigos. Eu continuava a viver em Galway, no oeste, mas eles tinham-se mudado todos para o coração do Tigre Celta, Dublin.

    Não quiseram dar-me ouvidos. Eu estava errado. Afinal, estavam cada vez mais ricos e eu mais pobre. Com a nação inteira embriagada, se se falava de uma bolha, a reação podia ser agressiva. Bertie Ahern, o primeiro-ministro irlandês daquele tempo, fez um discurso na televisão em que atacava pessoas como Kelly e McWilliams, por ficarem “sentados na linha lateral, resmungando e lamentando-se… Não percebo como as pessoas que entram nessa não cometem suicídio”. O público riu e aplaudiu.

    Bancos irlandeses recomendavam duas hipotecas
    Entretanto, os nossos amigos começaram a ter filhos e a mudar para casas maiores. Mas mantinham a anterior. Eu ficava abismado. Não existem duas regras de ouro em matéria de investimento: diversifique a sua carteira e não contraia empréstimos para especular? Mas os bancos irlandeses recomendavam agora ao comum dos trabalhadores que dobrassem as suas apostas, com duas enormes hipotecas.

    Nesta altura, as conversas na Irlanda iam dar sempre às propriedades. As pessoas tiravam fins de semana para irem comprar apartamentos na Bulgária. Na montra do nosso vendedor local tinha apartamentos portugueses. Contudo, comigo, os meus amigos não falavam acerca de imobiliário e da bolha; ficavam irritados quando eu puxava o assunto. E deixámos de nos ver com frequência.

    Uma pessoa começa a sentir-se como um passageiro das cabinas do porão do Titanic, que viu o icebergue rasgar o navio a todo o comprimento e entrou no salão de baile para avisar as pessoas… e todos continuaram a dançar, sendo gentilmente acompanhado à porta. Porque nesta altura, na Irlanda, se não se possuísse propriedades e não se estivesse a ganhar bom dinheiro, era-se gentinha do porão. Rendas, preços, consumo de cocaína… tudo andava numa efervescência. A minha namorada e eu ficámos esclarecidos, certa noite, no hotel do Bono, quando demos pelos nossos amigos a comprar garrafas de champanhe medíocre por 90 euros, como dantes compravam cervejas. Alguém disse: “Ah, no fim dividimos a conta”. Olhámos um para o outro. Com 10 euros nos bolsos, planeávamos fazer durar a nossa água tónica até ao fim da noite. Tínhamos a renda em atraso. Pedimos desculpa, demos-lhes os nossos 10 euros e saímos. A Irlanda tinha-se transformado numa nação de proprietários sem dar por isso. E nós éramos inquilinos.

    Preços das casas triplicaram numa década
    Entretanto, acabei o meu estranho romance sobre a Irlanda moderna. Os bandidos eram um pato-bravo e um ex-primeiro-ministro. Compreensivelmente, ninguém quis publicá-lo. O livro não fazia sentido nenhum! Os preços das casas irlandesas tinham triplicado numa década. Éramos ricos. A história era essa, a Irlanda era vencedora, fique lá caladinho.

    Pouco depois da rejeição do livro, ficámos sem dinheiro. A nossa filha tinha acabado de nascer e fomos postos na rua no dia de Ano Novo de 2006. A nossa proprietária Tigre Celta era uma pessoa muito simpática, mas tinha re-hipotecado a casa para comprar mais propriedades. Não podia baixar a renda, que já não cobria, nem por sombras, o pagamento da hipoteca. Mas isso não tinha importância nenhuma, porque os preços do imobiliário iriam crescer eternamente.

    Continuávamos a ter bons amigos, apesar de nunca os vermos. Um casal de bancários arranjou-nos uma casa em Dublin por metade da renda. Mas o crescimento económico foi… crescendo e, em pouco tempo, não conseguíamos pagar nem metade de um aluguer irlandês. Uma amiga de um amigo de Los Angeles ofereceu-nos a sua casa, numa aldeia em França, sem pagarmos renda. Emigrámos pela Ryanair, por 50 centavos cada um. Levámos duas mochilas, em que os artigos mais valiosos eram uma panela e um portátil. Aguentámo-nos na Irlanda nos anos de pobreza e desemprego – mas não conseguimos sobreviver ao grande crescimento económico.

    A casa era minúscula, encantadora, a quatro quilómetros da loja mais próxima. Andávamos com o carrinho para trás e para diante, através de campos de alfazema e de milho. Enquanto a Irlanda crescia incessantemente, nós estávamos tesos, sentados debaixo de um sobreiro, a fazer um piquenique e a cantar. Então, houve um editor que comprou o livro. Arranjámos casa, no meio de muitos outros artistas tesos, na barata e falida Berlim. Um agente inspecionou os nossos impostos irlandeses nos anos do grande crescimento económico. Os nossos rendimentos eram muito, muito abaixo do salário mínimo; abaixo mesmo do subsídio de integração. Assobiou e disse: “Sie leben auf Liebe und Luft”. Vocês vivem de amor e ar.

    Irlanda, o mais rico dos pequenos países da Europa
    Um ano mais tarde, ganhei o BBC National Short Story Award, o prémio da BBC para contistas, com uma história que cruzava o Fianna Fail, o partido regente da Irlanda, com o Feiticeiro de Oz. As pessoas pensaram que era uma brincadeira. Fui convidado para ir ao maior programa de debates da Irlanda. Uma grande limusina foi-nos buscar ao aeroporto e levou-nos para um hotel de cinco estrelas acabado de inaugurar, construído com as reduções de impostos dadas pelo Fianna Fail aos construtores apoiantes das suas campanhas. Nessa noite, quando me perguntaram porque saí da Irlanda, o mais rico dos pequenos países da Europa, contei-lhes a história acima. E disse que o crescimento do imobiliário não era real. Que era como assistir a uma estranha religião que se espalhava por toda a nação, com as pessoas a apontarem para as casas e a dizer: “Vês esta casa? Vale cinco milhões de euros”. E não vale.

    No meio do silêncio, no frio que se gerou na sala, percebi que todos ali tinham comprado uma propriedade e estavam a planear comprar outra. Tinham hipotecado a sua casa para comprarem aos filhos outra casa que, em breve, não ia valer quase nada. Estavam condenados, sem saberem. Um quarto da população olhava fixamente para mim. Acho que nunca me senti tão sozinho.

    Volto à minha terra algumas vezes por ano e encontro-me com os amigos, cada vez num restaurante mais barato. Continuo teso, mas agora já posso pagar a minha parte da conta. Continuamos sem falar de imobiliário.

    0
    • O_alquimista 26 de janeiro de 2012 at 01:49

      Irp, boa história!! Recomendo a leitura do livro Bumerangue de Michael Lewis. O livro narra as crises da Islândia, Irlanda, Grécia, descreve um pouco sobre a Alemanha e a California. No nosso caso, vi muitas semelhanças com a Grécia, Islândia e Irlanda. A conta vai chegar…

      0
      • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 13:52

        sempre bom ler uma visão diferente
        os perdedores do sistema pensam melhor fora da caixa

        e realmente é preciso muito esforço para ser pobre na europa

        0
  • Paulo 26 de janeiro de 2012 at 01:31

    Conforme sugestão do Guilherme Eduardo.

    Moro em BH, segue abaixo dados retirados no site IPEAD/UFMG – opção: mercado imobiliário(localizado no lado direito no alto da tela) – Série histórica de comercialização – acessar arquivo 11_2011_Construção.pdf

    Dados de vendas abaixo referente a cidade de Belo Horizonte, por ser tratar de uma instituição respeitada resolvi repassar os dados e a forma de acesso, nota-se uma grande queda nas vendas desde julho de 2011.

    Reparem que ao longo de todo o ano de 2010 foram vendidos 6201 apartamentos e entre janeiro e novembro de 2011(não está disponível ainda o mês de dezembro) a quantidade de vendas teve uma queda brusca e foi de apenas 3148.

    A tabela 9 apresenta a evolução da quantidade de imóveis residenciais (apartamentos)
    vendidos.

    Período Quantidade de Unidades Vendidas
    Nov/09____ 474
    Dez/09____ 357
    Jan/10_____617
    Fev/10_____461
    Mar/10_____613
    Abr/10_____348
    Mai/10_____396
    Jun/10_____376
    Jul/10______849
    Ago/10_____716
    Set/10_____325
    Out/10_____393
    Nov/10_____498
    Dez/10_____609
    Jan/11_____236
    Fev/11_____574
    Mar/11_____550
    Abr/11_____169
    Mai/11_____259
    Jun/11_____572
    Jul/11______182
    Ago/11_____101
    Set/11______188
    Out/11______152
    Nov/11______165
    FONTE: Fundação IPEAD/UFMG

    0
    • Sir Ploc 26 de janeiro de 2012 at 09:10

      Gostei também do Gráfico 2, que mostra a série histórica das velocidades de vendas. Consolidei as informações desde Dez/09:

      Dez/09 17,12
      Jan/10 28,29
      Fev/10 23,97
      Mar/10 30,99
      Abr/10 13,28
      Mai/10 18,06
      Jun/10 13,88
      Jul/10 33,25
      Ago/10 31,78
      Set/10 15,41
      Out/10 19,25
      Dez/12 27,66
      Jan/11 13,29
      Fev/11 28,84
      Mar/11 25,24
      Abr/11 7,07
      Mai/11 10,97
      Jun/11 26,19
      Jul/11 10,09
      Ago/11 4,97
      Set/11 8,94
      Out/11 7,29
      Nov/11 7,90

      Também moro em BH e a impressão que tenho é de que realmente as vendas estão paradas. Entretanto, vejo que os proprietários não largam o osso e continuam aumentando o preço de imóveis que estão há mais de 1 ano parado.

      0
      • Sir Ploc 26 de janeiro de 2012 at 09:16

        Acho que assim fica melhor de visualizar:

        Dez/09 —— 17,12
        Jan/10 —— 28,29
        Fev/10 —— 23,97
        Mar/10 —— 30,99
        Abr/10 —— 13,28
        Mai/10 —— 18,06
        Jun/10 —— 13,88
        Jul/10 —— 33,25
        Ago/10 —— 31,78
        Set/10 —— 15,41
        Out/10 —— 19,25
        Nov/10 —— 24,36
        Dez/10 —— 27,66
        Jan/11 —— 13,29
        Fev/11 —— 28,84
        Mar/11 —— 25,24
        Abr/11 —— 7,07
        Mai/11 —— 10,97
        Jun/11 —— 26,19
        Jul/11 —— 10,09
        Ago/11 —— 4,97
        Set/11 —— 8,94
        Out/11 —— 7,29
        Nov/11 —— 7,90

        0
    • Benjamin 26 de janeiro de 2012 at 10:12

      Se isso não for queda brusca eu não sei o que é… Último semestre com unidades vendidas sempre em um patamar inferior a 200 por mês. Mesmo se desconsiderarmos o ano de 2010 por ter sido atípico, ainda assim é bem mais baixo do que em 2009.

      0
  • aiwww 26 de janeiro de 2012 at 01:38

    Pessoal, três prédios desabaram por volta das 20:15 na noite dessa quarta no Centro do Rio …

    Eu estava em frente ao prédio que desabou no Centro do Rio (rua 13 de maio) no momento do desabamento. Estava malhando na Biofit (academia do outro lado da rua) e vi a explosão e a queda. Ficou tudo branco por alguns minutos e então quando a poeira baixou eu abri a janela da academia e vi que o prédio havia desabado. Aí o pessoal esvaziou rapidamente a academia e eu peguei o metrô. Não fiquei ferido. Apenas a nuvem branca de poeira começou a entrar na academia. Eu estava terminando de malhar … era para ter saído um pouco antes e passaria por ali .. mas como mudei a minha série hoje, acabei levando mais tempo e estava no último aparelho … nem tomei banho .. só troquei de roupa e saí correndo da academia … trabalhei nesse prédio até outubro do ano passado e conheço várias pessoas que trabalham na TO (www.to-brasil.com), uma empresa de TI que funcionava nesse prédio … o pior é que já estão querendo botar a culpa na lojinha do universo natural, que nem usava gás .. eu sempre comia lá e eles só usavam micro ondas … conversei com um amigo que trabalhava lá e estava havendo um treinamento na TO, tinha mais de 15 pessoas nesse treinamento .. A empresa não existe mais… vários terceirizados da TO trabalham na TI da engenharia da Petrobras … tirei duas fotos ..

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=331292026910392&set=a.331292023577059.79308.100000887933410&type=1&theater

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=331292453577016&set=a.331292023577059.79308.100000887933410&type=1&theater

    0
  • Cai cai balão 26 de janeiro de 2012 at 02:32

    Parece que começaram a quebrar o tabu, pois o assunto tá ganhando a imprensa:

    Desculpem-me se isso já foi postado por aqui, mas transcrevo postagem recente em “http://www.gazetamaringa.com.br/blog/suacarteira/”

    23 de janeiro

    Já faz tempo que estou devendo um post sobre o mercado imobiliário e a possível bolha de preços que vem se configurando há vários anos em diversas cidades do país – inclusive em Maringá.
    Inicialmente, devemos recapitular alguns fatores amplamente conhecidos que, nesta análise, permitem supor que os preços de imóveis no Brasil tinham no passado recente bons motivos para subir. A seguir (num próximo post), vamos falar sobre os fatores que caracterizam as bolhas de ativos no setor imobiliário e, finalmente, no último da série, exporei o porque acredito que vivemos alguma das etapas características de uma bolha de imóveis.
    a. Crescimento econômico. É o fator óbvio ululante. Uma maior disponibilidade de recursos provenientes do crescimento econômico, pelo lado da oferta, encoraja empreendedores e dá liquidez ao mercado – ponto crítico para os imóveis. Além disso, pelo lado da demanda, o aumento da massa salarial e do emprego formal permite a muitas famílias planejar a aquisição de um imóvel ou construir sua casa própria – fato que sofreu ainda realimentação positiva pelos próximos fatores listados.
    b. Aumento do crédito. Com a inflação razoavelmente controlada (apesar da vigorosa expansão do consumo ocasionada pelo aumento do nível de ocupação e da massa de rendimentos), as famílias passam a ter a chance – antes impossível – de programar-se para adquirir imóveis ou financiar uma obra como um projeto de longo prazo. No caso da construção civil, na esteira do crédito entram em cena os pequenos empreendedores que fornecem terrenos e a mão-de-obra necessários à sustentação desta expansão, principalmente nas franjas e vazios urbanos de cidades grandes, mas também das pequenas e médias. A escassez de mão-de-obra decorrente leva ao aumento dos custos da construção civil, que também realimenta os preços. Ainda assim, o crédito imobiliário no Brasil é muito mais restrito que em outros países (o que serve de argumento para, sumariamente, descartar a hipótese de bolha de preços em imóveis por alguns apressados, pelos aproveitadores e pelos desatentos aos demais fatores que caracterizam a existência de bolhas de ativos).
    c. Redução na atratividade imediata dos investimentos em instrumentos financeiros. Uma taxa Selic em trajetória de queda estrutural passa a tornar os aluguéis interessantes para os rentistas com visão de longo prazo, frente às aplicações financeiras em renda fixa – afinal, os imóveis têm o apelo de serem investimentos tangíveis, o que é culturalmente muito valorizado nas culturas de origem ibérica. Some-se a isso o fato de que a deflação dos ativos ligados ao mercado de capitais (a popular “queda da Bolsa”) ocasionou a realocação para os imóveis de parte dos recursos anteriormente disponíveis para ações e fundos de investimentos. O pequeno especulador, movido pela ganância, começa a acreditar que o imóvel é um investimento livre de riscos e de ganhos certos (desconsiderando todos os riscos inerentes a qualquer mercado de ativos), o que aumenta ainda mais a liquidez conjuntural do mercado de imóveis e fornece impulso altista extra aos preços – que parecem jamais poderem ser reduzidos novamente (ilusão da valorização nominal, que ignora os efeitos acumulados da inflação sobre um mercado em desaceleração).
    Seguiremos no próximo post.

    O Sua Carteira está no Twitter: http://twitter.com/suacarteira ! Siga-nos e fique por dentro das novidades do mercado em tempo real!

    0
    • Bolha Imobiliária 26 de janeiro de 2012 at 11:10

      Tenho um amigo de Maringá que me mostrou este link ontem, não transcrevi pois ainda está incompleto, ele falou que continua no proximo post…

      0
  • Cai cai balão 26 de janeiro de 2012 at 03:46

    Dá pra acreditar no que falam os meios de comunicação? A Folha noticia que a ONG Repórteres Sem Fronteira rebaixou o Brasil em 40 colocações, no ranking de 2011-2012.

    Justificam que o rebaixamento se deve ao “alto índice de violência”. Em que medida pressões políticas e econômicas podem ter influenciado no rebaixamento? Estou sendo muito conspiracionista?

    Vejam em “http://www1.folha.uol.com.br/poder/1039334-ong-coloca-brasil-em-99-posicao-de-ranking-da-liberdade-de-imprensa.shtml”

    ONG coloca Brasil em 99ª posição de ranking da liberdade de imprensa

    A ONG Repórteres Sem Fronteiras colocou o Brasil na 99ª posição de seu ranking da liberdade de imprensa 2011-2012 sobre as condições de trabalho dos jornalistas em179 países.

    Com isso, o país caiu 41 posições em relação ao relatório de 2010, último a ser divulgado. O ranking é feito desde 2002.

    Segundo a organização, o Brasil é o país da América Latina que mais caiu no período. O motivo foi o “alto índice de violência” contra os jornalistas, em especial nas regiões Norte e Nordeste, de acordo com ela.

    A entidade cita o assassinato de três jornalistas como argumento, mas não fala quais são.

    No ano passado, a Repórteres Sem Fronteiras divulgou notas contra a morte de, pelo menos, quatro profissionais brasileiros –Valério Nascimento, Luciano Leitão Pedrosa, Ednaldo Figueira e Gelson Domingos da Silva.

    Nos primeiros lugares da lista estão Finlândia, Noruega e Estônia. Nos últimos, estão Turcomenistão, Coreia do Norte e Eritreia.

    Na América Latina, o Uruguai, na 32ª posição, foi o melhor colocado. Na frente do Brasil estão Argentina (47º), Chile e Paraguai (ambos na 80º).

    Outro dado que chama atenção da lista é o fato de os Estados Unidos terem caído 27 posições, indo para o 47º lugar. A queda se deve as prisões feitas de jornalistas que estavam cobrindo os protestos do “Ocupe Wall Street”.

    0
  • MrK 26 de janeiro de 2012 at 05:30

    Pessoal, belo topico

    curioso que esse problema (grave) do caixa das construtoras a gente discute aqui ha quase um ano!!! Na epoca em que esses “especialistas” recomendavam comprar o papel com target de 150% de valorizacao

    …agora, somente agora, que o problema se tornou imenso e inegavel eles vem comentar cheios de polidez, delicadamente, que a coisa nao esta tao boa.. com a bolha e’ a mesma coisa, comecamos a falar da bolha no auge (ou estourando) no final de 2011, eles negam, mas so daqui a 6 meses virao a publico (atrasados como sempre) admitir que a coisa “nao anda assim tao boa”, o nome disso e’ parcialidade.

    Queria aproveitar o post pra falar da “cidade olimpica”, fui ler o jornal…as noticias, quando nao eh transito infernal, bueiro voando ou violencia, agora e’ desabamento de predio.. sinceramente, o que o gringo tem na cabeca pra investir em imoveis la? Alguem precisa dizer pra essa turma que comprar predios de construtoras quase falidas, em cidades perigosas e mal cuidadas, com a populacao endividada, pode nao ser um bom negocio… mas nao adianta, a maioria nunca botou os pes aqui, ou quando botou foi pra uma caipirinha rapida no copacabana palace, vendo bund*s na praia, igualzinho fizeram com o COI

    ai se arrependimento matasse, ne COI?

    0
  • Mansur 26 de janeiro de 2012 at 07:55

    Venho acompanhando este blog durante muito tempo e quero até parabenizar a todos pelos comentários de alto nível, todos aqui estão de parabéns!
    Nunca postei nada aqui simplesmente por estar do outro lado da mesa, ou seja, sou investidor(Sardinha como muitos preferem nos chamar), vivo da compra e venda de imóveis, compro ele a vista na planta e coloco a venda quando ele está pronto (com escritura).
    A verdade senhores é que concordo que nossa forma de ganhar dinheiro é um câncer para a sociedade e para a economia, mas não estamos sozinho nessa, as construtoras também se aproveitam da situação e digo mais, muitos aqui se tivessem capital financeiro também fariam o mesmo, simplesmente porque é muito fácil ganhar dinheiro neste mercado levando em consideração o fato de que o brasileiro é muito ingênuo, e querem saber mais? A classe mais ignorante são os de classe média alta, esses são muito fáceis de serem enrolados, é só massagear o ego deles, falando de sua condição, seu status que eles já falam: onde assino?
    Exemplo disso foi uma última venda que fechei recentemente, comprei dois apartamentos da EZTEC na vila mascote em um empreendimento chamado Prime House, na ocasião adquirir os imóveis por 305.000 cada, isso em julho 2011 e semana passada vendi por 510.000 (claro que tive que pagar os 6% da imobiliária), Mas foi a minha obra prima pois não imaginei que fosse tão fácil vender neste momento de incertezas um imóvel com apenas 80 metros e uma vaga de garagem, mas me surpreendi com a liquidez do imóvel neste bairro, para quem não conhece a vila mascote, é o lugar que o cidadão não tem grana para comprar em moema, brooklin ou campo belo mas também não quer morar longe desses bairros, é tipo o iX35 da hyundai, ou seja, o consumidor não tem grana para comprar uma X5 da BMW e acha que comprando um iX35 terá o mesmo status, porém ele se esquece que o iX35 é a nova tucson na argentina e muito inferior ao X5..rsrs.
    Voltando ao assunto… concordo com tudo que já vem falado neste blog, estamos em um bolha dentro da bolha mas a nossa economia ou o consumidor brasileiro é um caso para estudos pois quando ele coloca um objetivo na cabeça ele compra sem pensar, seria a mesma coisa que colocar uma cenoura na frente de um burro.
    Tinham que ver a carta do casal que comprou, eu olhava nos olhos dele e via que eles estavam se achando a pessoa mais esperta do mundo.
    Só estou contando este relato para vocês porque decidi sair deste mercado e investir em imóveis comerciais senão jamais teria colocado meu comentário aqui, e claro, se houver uma queda como todos estão prevendo aqui eu mesmo serei o primeiro a voltar, porém se este cidadão que comprou meu imóvel por 510.000 porque ele venderia por menos no futuro caso aconteça essa tão sonhada queda nos preços?

    0
    • MrK 26 de janeiro de 2012 at 11:28

      mansur, agraco o relato pois e’ bom sim ouvir quem esta do outro lado, quando esse fala de forma ponderada e ilucida (seu caso)

      vou te dar minha opiniao, pois acho que seu comentario merece um debate produtivo!

      1- Nao considero o especulador um cancer, claro que o trabalho dele nao e’ dos mais “bonitos”, mas o especulador da liquidez ao mercado, compra um risco (sim, pois comprar na planta envolve risco) e e’ recompensado por esse risco, alem do mais especular com imovel nao e’ CRIME, pra mim, se houve alguem pra se culpar pela bolha foi o governo, que atraves de diversas atitudes erradas deixou que isso acontecesse (ha quem diga que teve boas intencoes, mas vc sabe, disso o inferno ta cheio!), logo voce esta longe de ser um bandido ou imoral ao meu ver!

      2- Casos como o seu existem VARIOS, tenho amigos (e bota plural nisso) que fizeram o mesmo, o ponto e’; Esta havendo mentira e enganacao nesse mercado, por parte de algumas pessoas com respaldo da imprensa, a mentira repetida a exaustao e’: Preco de imovel nunca cai! Invista e o lucro e’ garantido! Preco de imovel SIM cai, e nao e’ porque voce, o bertz o menino_do_rio ou sei la quem ganhou nesse mercado que os proximos ganharao!!! E’ isso que precisa ser dito: Tem riscos SIM e voce pode perder SIM e muito!

      3- Por mais alienado que for o consumidor brasileiro (e voce tem razao ao dizer que e’) isso nao sustenta uma bolha eternamente, eh preciso mais que alienacao pra isso girar mais tempo, vide as vendas secando…

      4- Quanto a imoveis comerciais, o risco e’ todo seu, eu acho que a bolha esta presente tambem nesse segmento, mas eu nao me meto onde os outros investem hehehe, boa sorte

      abracos!

      0
      • bertz 26 de janeiro de 2012 at 12:47

        Mrk concordo com voce e mais ainda com o Mansur, mais acho uma coisa, se houver queda no comercial o país estará praticamente falido, porque se o comércio sentir os efeitos de uma bolha imobiliaria, todos sentiremos, todas profissões entre nós aqui culminam em venda de qualquer coisa que seja (COMÉRCIO).

        Tenho acompanhado os alugueis e preço de imóveis a pelo menos 10 anos seguidos, se comparar o comercial sempre é dobrado, por isso estou saindo do residencial tambem, já deu como disse o Mansur. Estou indo pro comercial por necessidade própria, também por que acho que vai ser um pouco menos imune a quedas, e no meu caso vou usá-lo para lucrar não pra especular.

        Gostaria de seu argumento sobre isso.

        0
        • Shakespeare 26 de janeiro de 2012 at 14:54

          Os imóveis comerciais (salas de 40 m2, por exemplo) já estão em bolha, segundo o Dr. Rocha Lima do Núcleo de Real Estate da USP.

          Isso já foi discutido aqui, algumas semanas atrás. É o único caso em que existe a afirmação taxativa e documentada da bolha no país chamado Brazil.

          0
          • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 15:35

            não só salas comerciais, o nucleo de real state da poli na carta 26 eles vão mais longe que isso

            0
        • MrK 26 de janeiro de 2012 at 16:21

          amigo bertz,

          não sei exatamente onde voce planeja comprar tais salas comerciais, mas no Rio, acho que a bolha comercial é enorme, alias, amigo meu de uma grande construtora já até admitiu isso!!!

          em regioes como barra, jacarepagua estão subindo zilhões de salas comerciais, que simplesmente não existe demanda, elas só estão subindo porque um monte de “investidor” acha que vai aluga-las por um alto rendimento, mas não existem empresas, médicos ou dentistas com grana querendo TANTAS salas, são exageros absurdos!!

          mas não sei se isso está em todo país, mas no Rio está claríssimo

          abs

          0
      • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 13:02

        Prezado Mansur, agradecemos a sinceridade, mas sinto divergir. Qdo vejo algo anormal sou mais impelido a me afastar, no maximo escrever uma cronica como o fantastico post do LRP acima, do que descobrir um modo de me dar bem.

        Contudo não desdenho sua atividade, ela tem importância, vc dá equilibrio ao sistema tirando de quem não póde ter muito e destinando à produção. E penso que este seu post tbm faz aprte da estratégia de divulgar a mudança de estratégia dos investidores, e por isso seu silnecio terminou.

        Veja que educação não nos falta, gastamos 25% da receita em educação há masi de 10 anos e continuamos na mesma, pior, sem referências, pois veja o que europeus, americanos e asiáticos não fizeram.

        abrx

        0
    • Anonymous 26 de janeiro de 2012 at 12:16

      … porém se este cidadão que comprou meu imóvel por 510.000 porque ele venderia por menos no futuro caso aconteça essa tão sonhada queda nos preços?

      O cidadão vai vender por menos pela simples razão de que não terá como pagar as prestações do financiamento. Agora, se o cidadão pagou 510 mil Reais à vista, é um trouxa. Todos sabemos que o trouxa e seu dinheiro logo se separam.

      0
    • realidade 26 de janeiro de 2012 at 15:16

      uma resposta simplista as duas últimas linhas de seu post é a seguinte: Se o “esperto” que comprou seu apto, perder o emprego ou sua renda cair devido a um imprevisto qualquer, ele simplesmente não conseguirá honrar as prestações do financiamento camarada que adquiriu, portanto terá que sair do imóvel, revendê-lo por menos. Caso nada disso aconteça, certamente não irá vender por menos. Note também que cada possui uma estratégia, mas pode vir acontecer da super oferta de salas comerciais no futuro. Ninguém falava que “flats” seriam um mau negócio no início da década de 90. Depois viraram micos devido a super oferta. Recuperaram apenas 20 anos depois. Só uma opinião e boa sorte.

      0
      • bertz 26 de janeiro de 2012 at 17:33

        Srs Realidade, luiz, mrk, quando digo comercial aqui do ABC, não são salas, aqui se alugam salões tipo 10X30m para vários setores de comércio tipo: revenda de automóveis(To Fora),drogaria, oficina mecânica, sacolão, entre outra lojas diversas de comércio de rua, é bem diferente do que estão pensando.

        Exemplo meu cliente construiu um salão próprio e tinha distribuidora de doces, um cara do Bradesco chegou e disse: Quer alugar o salão ao banco por 10 anos por 18K ao mês, eu foi para dentro pegou as chaves e disse pro cara, a chave tá aqui, os doces podem ficar com você, e onde é que eu assino? Cara esperto, nem relutou em pensar.

        Vejo que se estiverem bem situadas em ruas de bom comércio, o tempo que ficam paradas é bem pequeno, falo de minha cidade pois Santo André deixou de ser industrial e virou grande prestadora de serviços. Lógico que a oportunidade acima é quase impossível, porem acho mais segura que imóvel residencial. O Xangai sempre gosta de lugares, o do banco Bradesco é na Martim Francisco de esquina na frente da escola.

        0
        • bertz 26 de janeiro de 2012 at 17:35

          DESCULPE ELE FOI PARA DENTRO

          0
          • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 18:23

            o que não falta é galpão vazio nessa região do ABCD, conheço bem SBC e um pouco das outras.
            Na avenida do estado que dá acesso então, são milhares
            Esse caso aí q vc comentou é mosca branca

            A região corre risco de alagamento, concessionarias e lojas já perderam carros diversas vezes e vou te falar mais, pelo projeto que fizeram no ribeirão dos meninos só vai piorar e os espaços pra fazer piscinão acabaram.

            Até o metro vai ser elevado, isso se conseguirem construir com tanto petista e sindicato dando palpite

            0
            • bertz 26 de janeiro de 2012 at 18:37

              Luiz não concordo galpão industrial é diferente de salão comercial, já disse acima quando falei do ABC ter deixado sua vocação industrial, quando digo salão, falo em piso no chão, banheiros legais,vidros na fachada, coisa diferenciada. Igual a restaurantes, tem aqueles que dá para ver gordura de 1900,isto sem ver a cozinha e tem os diferenciadas, coisa moderna limpa e agradável de entrar.

              0
    • marlon 26 de janeiro de 2012 at 17:29

      tem que comemorar mesmo. como voce comentou, se surpreendeu com a liquidez do imóvel na região. Como esta partindo para os imoveis comerciais, poderia comentar se foi influencia dos comentários aqui ou ainda uma visão particular do mercado?

      0
      • Mansur 26 de janeiro de 2012 at 21:04

        Marlon, sua pergunta é muito boa.
        Estou saindo por não acreditar mais neste mercado, já deu o que tinha que dar, ou seja, os preços realmente estão muito altos, é pura insanidade sendo assim meu risco aumenta consideravelmente.
        Vou exemplificar um caso de uma última tentativa de investimento:
        – Estive em um Stand de vendas da brookfield na chácara santo antonio, o empreendimento chamado Las Ventanas, este imóvel ficará pronto depois da copa de 2014, o preço: 690.000 R$ a metragem 105m, daqui a dois anos chutando baixo ele estará custando 850.000 R$…, em apenas 105 metros? É quase 1 milhão de reais e sinceramente não creio que até lá terá louco para pagar isso em um apartamento no qual está localizado em um lugar que não se sabe se vai dar certo ou não, sim! não sabemos mas eles, os corretores ficam enchendo sua cabeça falando que chácara Santo Antonio será a nova moema… Dá pra acreditar?

        0
  • MrK 26 de janeiro de 2012 at 08:13

    curioso, apesar da importancia da noticia ela simplesmente esta escondidissima no site (tentem achar sem usar o link!)

    ela esta laaaa em baixo, dentro do morar bem, dentro de economia, possivelmente a noticia mais escondida do site, ela esta depois inclusive de materias BEM mais antigas ou sem importancia, como “Rolos de papel ganham as paredes” materia sobre decoracao com papel higienico que deve ter uns 5 dias ja…

    aaaahmmm

    0
  • Felipe 26 de janeiro de 2012 at 08:23

    Pessoal, ainda é difícil de saber se é verdade ou não, mas foi divulgado na Folha de SP que foram 3 os prédios que caíram no Rio. E a causa do primeiro desabamento foi um problema estrutural.

    0
  • Elias 26 de janeiro de 2012 at 08:47

    FMI dá sinal de alerta de que a crise pode se agravar
    Valor Econômico – 26/01/2012

    (…)

    Um “pouso forçado” da economia de alguns dos países emergentes que têm sustentado o dinamismo mundial, como a China, poderia criar novas ondas de instabilidade e jogar o mundo mais perto da recessão. Esses países passaram por rápida e significativa expansão do crédito e elevação dos preços dos ativos imobiliários. A inversão do ciclo poderá causar sérios estragos, sugere o FMI.

    h ttps://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/26/fmi-da-sinal-de-alerta-de-que-a-crise-pode-se-agravar

    0
  • walyson Trautenmuller 26 de janeiro de 2012 at 09:22

    Nos primeiros 20 dias deste ano a Caixa Econômica Federal aprovou R$ 4,38 bilhões em créditos imobiliários, um aumento de 75,2% em relação ao mesmo período do ano passado. Essa expansão dá uma ideia do ritmo que o banco estatal quer imprimir às suas operações.

    http://www.valor.com.br/financas/2504742/caixa-acelera-credito-imobiliario-e-libera-r-4-bi

    0
    • h lee 26 de janeiro de 2012 at 12:16

      Desse jeito, acho dificil estourar alguma bolha. CEF injetando todo esse dinheiro e nesse ritmo, acho que só em 2014.

      0
      • MrK 26 de janeiro de 2012 at 12:23

        diga-me se estou errado, mas esses numeros se referem a liberacao nas chaves, certo? ou seja o que se ve agora e’ reflexo das vendas de 2009/2010 na planta, certo?

        entao isso nao quer dizer que o mercado esta subindo, quer dizer apenas que o mercado subiu la atras, eh como um efeito retardado! como a queda de vendas foi em 2011, a CEF so deve mostrar queda no credito em 2013/2014, estou certo? abs

        0
        • Elias 26 de janeiro de 2012 at 12:29

          Também entendi isso.

          0
        • walyson Trautenmuller 26 de janeiro de 2012 at 12:43

          Concordo!

          0
        • Benjamin 26 de janeiro de 2012 at 20:39

          Mais ou menos, MrK. A CEF não está liberando financiamento só para imóveis na planta, portanto, não dá para dizer que esse valor maior se refira aos imóveis de 2009 e 2010. Acho que o cálculo é um pouco mais complicado, embora eu não faça ideia de como fazê-lo.

          0
  • Cai cai balão 26 de janeiro de 2012 at 09:35

    Bom dia ADVFN (hoje saem números sobre vendas de imóveis).

    Agenda do investidor para esta quinta-feira
    Hoje a FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) divulga o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), índice que mede a variação de preços para o consumidor na cidade de São Paulo com base nos gastos de quem ganha de um a vinte salários mínimos. A FGV divulga o INCC-M que mede a evolução dos custos de construções habitacionais. O Banco Central publica a Ata da última reunião do COPOM (Comitê de Política Monetária) na qual se discute os fatores que influenciaram o corte de meio ponto percentual na taxa básica de juros e perspectivas econômicas para o futuro próximo. O IBGE divulga a Pesquisa Industrial Mensal Emprego e Salário com dados relativos ao comportamento do emprego e dos salários nas atividades industriais, abrangendo todo o Brasil. Nos EUA os Pedidos de Bens Duráveis serão divulgados pelo Departamento do Comércio, indicando o nível de atividade da indústria norte-americana. O Departamento do Comércio também divulga o número das Vendas de Imóveis Novos. O Departamento do Trabalho divulga os Pedidos de Seguro-Desemprego semanal. A Conference Board divulga o Índice dos Principais Indicadores, que busca traçar o rumo da economia norte-americana para os próximos seis meses.

    O que vem por aí? Dá pra esperar mais trollada?
    Um abraço!

    0
  • Glaucio 26 de janeiro de 2012 at 09:55

    Pra mim, o mais importante está no final do primeiro parágrafo:
    “(…) necessidade de gerar caixa”.
    Lembrando que o entrevistado está recomendando ações de algumas construtoras, ou seja, não é totalmente isento.

    0
  • Tosco 26 de janeiro de 2012 at 10:26

    Bom pessoal, vou deixar aqui o meu relato. Estou há mais de 1 ano procurando imóvel para comprar com minha noiva e simplesmente não conseguimos encontrar nada decente. No desespero de “vai continuar a subir, daqui a pouco nao consegiremos comprar mais nada” quase fiz a asneira de comprar apt de 1 quarto, confiando na valorização absurda, para mais à frente trocar por um maior. Juntos temos uma renda de 8.000, temos uma poupancinha de 70k + ou -, e o máximo que conseguimos financiar pela Caixa é 200.000, isso com uma prestação de quase 2.000 por mês. Moramos em Niterói/RJ, e aqui não conseguimos encontrar um 2 quartos decente com garagem e elevador por menos de 350.000 (e provalvemente nesse valor estará precisando de reformas), nos bairros próximos de onde moramos Icaraí/Ingá/Santa Rosa.
    Fiquei muito feliz de ter encontrado esse site pois ja pesquisava o assunto há algum tempo, lia muitas coisas, mas estava convencido de que essa situação veio pra ficar. Isso estava gerando uma frustração muito grande e um estresse danado em nós, e eu me achando pobre demais para morar aqui no RJ. Restavam as opções de 2 quartos que ficam bem próximos a comunidades ou ruas que alagam, coisas desse tipo, mas graças a Deus nao cometemos esse desatino… Há duas semanas vimos um imóvel de 2 quartos, escada e sem garagem ser vendido por 290.000 em 1 semana, isso com 3 pessoas diferentes oferecendo isso, valor cheio, acho que as pessoas ainda estão um pouco loucas, nem se tivesse essa grana pagaria isso tudo, apesar de, no geral, achar que os imóveis estão demorando mais para ser vendidos.
    Devemos casar em 1 ano e já desencanei de ser proprietário (ainda que sob protestos da futura esposa), se a situação ainda nao tiver amenizado vou partir para o aluguel e esperar ver o que acontece. Queria agradecer a todos que postam notícias interessantes e comentários enriquecedores, minha convicção de que essa situação não pode se manter aumentou e estou mais tranquilo.
    Por um tempo acreditava que RJ estivesse pra se tornar uma Paris, onde só 2% das aquisições são feitas por assalariados, pois todos os corretores com quem você fala só dizem: você tem que correr, não vai encontrar mais nada, depois de um tempo você fica vacinado contra essa conversinha de corretor. Não desejo o mal dos atuais proprietários ou especuladores, mas espero ansiosamente por uma reversão nesses preços de maneira que voltem à realidade.
    Grande abraço

    0
    • Lupo Cattivo 26 de janeiro de 2012 at 12:04

      Tosco,
      Parabéns pelo seu relato!
      Ninguém tem bola de cristal para saber se o preço dos imóveis vai subir, cair ou andar de lado (e a afirmação dos corretores de que o preço vai continuar subindo é tão verdadeira quanto uma nota de três reais). A maioria costuma estar errada (a maior parcela da população é pobre e não rica). Considerando que o volume de vendas de imóveis tem caído significativamente e o mercado está sobrecomprado, acredito que a sua escolha pelo aluguel é a mais sensata. Não conheço ninguém no mercado, que seja ansioso, que tenha ganhos regulares e consistentes. Em geral, a pessoa ansiosa compra na alta quando vê o o ativo subir sem parar….. E o desfecho, salvo sorte descomunal, é de prejuízo certo!!!!

      0
      • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 13:29

        Tosco, estou há 6 meses acompanhando o blog e já lemos centenas de relatos iguais ou parecidos com o seu.

        Sabe quando pastores passaram a vestir terno e ganhar mto dinheiro, o mesmo se passa com corretores, MAS tira o terno, a hp, e meia duzia de argumentos decorados e vc fica em duvida se eles servem até pra lavar carro.

        0
  • Xangai 26 de janeiro de 2012 at 10:44

    .

    0
    • Fred Henrique 26 de janeiro de 2012 at 11:00

      ,

      0
      • Shakespeare 26 de janeiro de 2012 at 14:47

        0
        • Indecoroso 26 de janeiro de 2012 at 15:04

          Minuto de silêncio??

          0
          • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 17:12

            vaca amarela?

            0
            • Zé Coxinha 26 de janeiro de 2012 at 22:08

              O silêncio que precede o esporro.

              0
              • Pablo 25 de julho de 2012 at 10:26

                A tá :E

                0
  • Paulo Franc 26 de janeiro de 2012 at 11:49

    1º Eu não acredito no SECOVI
    2º Após tantas e tantas discussões aqui, e várias de excelente qualidade, não devemos dar ouvidos a um simples jornalista que apenas escreveu o que ouviu, ele não manja NADA!
    3º Mais um Martini por favor!

    0
  • etmso 26 de janeiro de 2012 at 12:00

    Muita gente que declara IR não tem imóvel e não tem relação conjugue e ao mesmo tempo não estão nas estatisticas de deficit de moradia.

    Tinhamos que encomendar de forma independente uma pesquisa. Escolhendo pontos chaves das cidades (centros empresariais, avenidas, shoppings, etc).

    Renda?
    Tem intenção de comprar um imóvel nos próximos anos?
    Bairros de Interesse?
    Faixa de valor máxima que você pagaria?
    Qual o % de financiamento?
    Prazo máximo que você esperaria para comprar?

    De posse destes dados com uma amostra representativa, fazer o tratamento, estratificando por bairro / valor e cruzar com a oferta.

    Seria muito útil, para que o governo/construtoras/bancos/corretoras e principalmente nós do blog e trolls tivessemos mais noção das ações a serem tomadas nos próximos anos.

    0
  • MrK 26 de janeiro de 2012 at 12:19

    Bolha de salarios?

    Tema interessante levantado aqui, heim! CEOs brasileiros estao entre os mais bem pagos do mundo!

    Olha que faz um certo sentido, li analises que concordo, com a economia superaquecida por todo credito e toda expectativa infantil dos gestores de empresas (sim, mesmo gestores de grande empresas com 200 MBAs fazem projecoes infantis de crescimento eterno, e depois pagam caro por isso!) houve nitidos exageros!

    Muita gente foi contrada (principalmente em 2010 e inicio de 2011) a peso de ouro, veja bem: Se o mercado paga X para uma pessoa, dificilmente ela vale 2X, o normal seria ela migrar por 1.2X ou 1.3X… (premio de risco) e subir aos poucos, mas durante uma euforia nada e’ muito normal!

    A Lei no Brasil proibe reducao de salarios, entao o que vai acontecer? Se as vendas continuarem a cair pela exaustao do modelo atual (como temos visto) o unico jeito pra diminuir custos e’ cortar parte dos empregados, e normalmente sao cortados aqueles muito “caros” e que tem baixo “custo de saida” , em outras palavras: Quem entrou a pouco tempo e ta ganhando muito, o citado 2X!!!!

    Assim como o credito e a expectativa se auto-alimentam, o oposto tambem e’ verdade, se as vendas cairem, as demissoes vem em seguida e logo depois das demissoes as vendas caem mais, claro…e segue o ciclo recessivo, um puxando o outro ate uma acomodacao.

    Minha opiniao: Estou certo de que isso vai ocorrer, mas quando esta dificil de dizer, essa “bolha” ou ajuste (ajuste seria o termo mais correto nesse caso) pode demorar um bom tempo ainda…

    e antes de me crucificarem: Nao, nao estou torcendo por isso, eh apenas uma analise fria.

    0
    • h lee 26 de janeiro de 2012 at 12:30

      Concordo 100% com este cenario. Vivemos hj uma bolha de salario de alto nivel. Tenho amigos que sao diretores ou vice presidentes que tem despesas mensais de mais de 30.000,00 reais por mes! Eles estao morrendo de medo de serem mandados embora, pq teriam que cortar empregada domestica, motorista e ate o ingles dos filhos. O turning point e o inicio do ciclo recessivo daria pela deflacao e o desemprego dos assalariados.

      0
      • lrp 26 de janeiro de 2012 at 12:51

        Vejo q as pessoas estão ganhando bem, mas suas despesas sempre superam suas receitas, na casa do meu tio tem 6 pessoas, so 2 estão com o nome limpo, minha mae tem uma boa pensao do exercito, quase 10k bruto, ela ta com o nome sujo e minha irma tb (culpa da minha irma q coloca ela descontrolada). Meus dois melhores amigos estão com ap financiado, um comprou outro falando q era pra investir, eu nem falei nada pra nao perder a amizade. Quando falo q pago 1100 de aluguel as pessoas pensao q sou burro. Entao evito ate comentar, so falo q nao tenho dinheiro pra dar entrada. Moro em BH. Minha irma é corretora e ela nem atende mais a classe media pq ninguem tem dinheiro pra comprar mais nada, so poucos afortunados estao comprando, jogadores de futebol, medicos ricos.

        0
        • Rico 26 de janeiro de 2012 at 14:07

          Recebi 70% de aumento de 2 anos para cá. Não aumentei meus gastos. Meus gastos estão com base no salário “de mercado”.

          Lógico, como tá sobrando dos gastos fixos, me dou o direito a algum luxo de vez em quando. Mas nada que de uma hora para outra não dê para cortar caso precise.

          Outra coisa para deixar bem claro, engenheiro ganhava 1 mil a 15 anos atrás. Isso é salário para quem estudou 5 anos e investiu 70 mil em uma faculdade?

          Por isso Engenheiro está caro. As empresas mataram uma geração inteira de engenheiros pagando salários de vendedores de loja de eletrodomésticos. Quem vai investir uma grana alta para trabalhar por comida?

          Ainda vai demorar muito tempo para essa bolha salarial desinflar.

          0
          • Frank 26 de janeiro de 2012 at 22:35

            é verdade, o caso dos engenheiros é à parte.

            eu e quase todos os engenheiros q se formaram ali em meados dos anos 90 não fomos trabalhar com Engenharia – é mercado financeiro, é consultoria de negócios, é TI (esses foram os 3 principais).

            de repente, de uns 4 anos pra cá o país retoma grandes obras de infra, PETRO e VALE alavancam investimentos cabulosos,e …cadê os engeneheiros com experiências ?

            resultado: estão contratando coroas (q estiveram ativos no boom de engenharia dos anos 70) a peso de ouro, e recém formados.

            há um “buraco” de uns 25 ~25 anos de ausência de engenheiros.

            pode demorar um pouco a reequilibrar, daí os salários mais atraentes q temos visto.

            já Direito… o país já está ficando sobreofertado em advogados (atraídos para a carreira por conta da oferta significativa de concursos com polpudos salários de entrada – na casa dos 20 K).

            0
          • Menino_do_Rio 27 de janeiro de 2012 at 09:09

            Neste período eu tive 55% de aumento, mas a renda familiar mais que dobrou (sem considerar meus investimentos).
            Com certeza as recentes famílias compradoras de imóveis tiveram grandes aumento reais, e isso se refletiu nos preços, e a tendência é continuar…

            0
        • Shakespeare 26 de janeiro de 2012 at 14:38

          Vc sabe de algum apartamento na região da Savassi de 1 quarto e mobiliado por volta de R$ 1.500,00?

          0
    • Menino_do_Rio 26 de janeiro de 2012 at 15:22

      É isso mesmo, o mercado é que manda…
      O esperado alfinete virá só no 4o mandato do lula.

      equação básica do mercado imobiliário brasileiro:
      desemprego baixo + salários altos + juros (subsidiados) baixos + crédito farto = IMÓVEIS EM ALTA.

      0
    • Shakespeare 26 de janeiro de 2012 at 15:24

      Ao longo de 2010, vi muitas pessoas da empresa em que trabalho, que ganhavam 2k, 3k saindo para ganharem 4k, 5k.

      Mas o mercado estava aquecido e tinha consultoria pagando qualquer valor que a pessoa pedisse para poder entregar os projetos.

      em 2011 isso parou, e o movimento que vi foi de que algumas dessas pessoas estavam desempregadas ou pensando em voltar a trabalhar na empresa em que trabalho.

      Até acho que existiu um movimento de aumento de salários em algumas categorias, mas acredito que isso é natural na economia, de toda forma isso foi para os custos e foi repassada, daí a explicação de uma parcela da alta de inflação do ano que passou.

      Ainda assim, nada justifica o aumento desmensurado no preço dos imóveis que vimos nos últimos meses.

      0
    • neandertal 27 de janeiro de 2012 at 00:51

      “CEOs brasileiros estao entre os mais bem pagos do mundo!”

      claro, com o real valorizado desse jeito…

      0
  • Ze Bom Dirolo 26 de janeiro de 2012 at 12:39

    Para quem quer saber de Brasília. Sou um pequeno investidor. Há alguns meses meus investimentos não estão mais em imóveis.
    Relato.
    Nos últimos dias comecei a perceber que alguns amigos tiveram que mudar porque os proprietários estão pedindo os imóveis. As notícias sobre desvalorização estão tomando um ar maior e até os desinformados estão começando a tomar conhecimento disso.
    Resolvi dar uma corridinha por em um bairro nobre em Brasília chamado Asa Sul (que de nobre não tem nada) e percebi uma situação diferenciada. Imóveis com placa “vende-se”. Sempre morei na asa sul e posso dizer que isso não é comum nos últimos anos, salvo a época daquele juros sobre juros da CEF. No trecho pequeno que faço essa corrida, duas quadras, embora tenha visto apenas quatro faixas, posso dizer que corri durante quatro anos e nunca tinha visto isso.
    Minha aposta para Brasília é a seguinte. Os preços começaram a cair e vão cair mais.
    As pessoas relutam a tentar vender imóveis ainda pelos preços que acham que valem, mas ninguém vende. Acompanho os classificados todas as quintas e domingos desde junho do ano passado, inclusive, nos últimos meses com mais intensidade para saber se fiz um bom negócio em vender dois imóveis que tinha. Tem imóvel anunciado desde setembro, outubro e nada de vender. Tem kit, apt de 01 quarto, 02 e 03. Os apartamentos maiores estão dando mais trabalho ainda para vender. Vejo anúncios de abril.
    Na minha opinião. Nesse primeiro momento.
    Imóveis de 100 mil vão cair para 80.
    Imóveis de 200 mil vão cair para 160.
    Imóveis de 300 mil vão cair para 240.
    Imóveis de 400 mil vão cair para 320.
    Imóveis de 500 mil vão cair para 400.
    Imóveis de 600 mil vão cair para 480.
    Essa é minha opinião caso o Brasil não entre na crise.
    Caso entre na crise, os imóveis acredito que devem cair 50 %.
    Gostaria de dizer que não comemorei a realização de Copa e Olimpíadas no Brasil. Geralmente os países entram em crise após esses eventos. Portanto….

    0
    • Ana Paz 26 de janeiro de 2012 at 14:18

      Já disse e repito: já ocorre o mesmo na Princesinha do Mar (Copacabana)…

      0
    • Moyashi 26 de janeiro de 2012 at 16:37

      Bomdirolo.

      eu também sempre morei na Asa Sul, fora uma fase em que meus pais estavam bem e moramos no Lago Sul. Sempre moramos de aluguel. Meus pais dizem que era quase impossível comprar imóveis, mas acho que simplesmente eles não guardavam $$ por que na época da hiperinflação do Sarney, a ordem era gastar imediatamente por que o papel perdia valor ao longo do mês. Não moro mais em Brasília, mas minha irmã e pai continuaram aí. Ninguém consegue mais viver na Asa Sul. A jovem classe média que sempre foi classe média está indo pra Águas Claras, um lugar mal planejado, confuso e árido, sem área verde e com muitos terrenos baldios. Minha irmã mora lá, está financiando à moda clássica: 30 anos, mas já abateu uns 5 desses anos com FGTS. Ela e o marido pretendem quitar em dez anos, + ou-. Meu pai foi morar naqueles condomínios irregulares do Jardim botânico (já está tudo regularizado). A cidade planejada foi planejada pra ficar parada. Não entendo o que tinham na cabeça: achavam que a população ia ficar estável? Ainda mais nos anos 50, que as famílias ainda tinham 4-5 filhos!

      Não sei, mas tenho a impressão de que a classe média foi sendo achatada. Um apê de 3/4 na Asa Sul, de 300, 350k foi pra 1.200k. A pergunta que não quer calar, que todo mundo se faz aqui: ficou todo mundo rico de repente e eu na rabeira? Mas não: todos os meus amigos e parentes estão com as mesmas dificuldades, ou moram bem apertado ou moram bem longe. Uma tia que passou uns dez anos no Rio, voltou a BSB e pensava que ia alugar um apê. Que nada: foi morar na casa dos dois filhos, por que viu que o salário não vale nada.

      Espero que seus prognósticos se confirmem, pelo menos o primeiro cenário.

      0
  • Anonymous 26 de janeiro de 2012 at 12:43

    Ou os bananenses ficaram ricos ou está na hora de fazer uma fézinha no dolar porque virá uma maxi-desvalorização mais dia menos dia.

    January 24, 2012 – Florida’s tourism gets a boost from a Brazilian invasion
    edition . cnn . com/2012/01/24/travel/brazilian-tourist-invasion/index . html

    Orlando (CNN) — “Oi — Sejam bem-vindos!” — meaning “Hi, welcome!” — is a Portuguese phrase heard more and more these days at Florida’s tourist spots.

    That’s because Florida is the top U.S. vacation destination for Brazilians, who are taking advantage of a favorable exchange rate and low prices. Brazilians outnumbered all other international travelers to Florida in 2011, up 41% from the previous year, according to state tourism officials.

    0
    • Thiago 26 de janeiro de 2012 at 13:56

      Sinceramente?!

      Achar que o dólar nunca vai subir novamente é como achar que preço de imóvel nunca cai

      Ele pode variar sim, se desvalorizar , mas é uma variação muito menor do que ocorre se o Brasil espirrar

      Dúvidas? Pergunta para uma certa Aracruz

      0
      • alexNY68 27 de janeiro de 2012 at 11:02

        A realidade eh que o real esta super valorizado artificialmente em +- 40% , ano passado desvalorizou 20% ,

        o que causa isso eh pura especulacao puro carry trade

        com certeza vai desvalorizar muito mais , por enquanto o super corrupto governo brasileiro esta emprestando dinheiro no mercado extrerno para manter o real assim ateh todos os companheiros do lula tranferirem suas fortunas para fora do brasil , este ano promete

        0
  • Zeca Gado 26 de janeiro de 2012 at 12:50

    Ontem fui em um stand de vendas e o vi que o corretor que me atendeu nem sabia falar direito, vocês precisam ver a hora que ele tentou falar: Fitness.
    kkkk foi hilário.. bom mas enfim, fiquei pensando se este mesmo cidadão consegue abstrair uma informaçaõ ao lê uma determinada matéria na folha, imagina fazer previsões do futuro como:
    – Olha, o preços ainda vão subir mais.
    Eu perguntei a ele:
    – Jorge, de acordo com suas previsões e seu “Vasto” conhecimento no mercado imobiliário, você está querendo dizer que este mesmo imóvel que está custando hoje 540.000 (ap 84 metros na saúde) daqui a 3 anos custará 900.000r$ ?
    Se hoje está dificil para encontrar alguém com renda para comprar imagina quando chegar ao valor que voce ta falando como vai ser?
    Ele olhou pra mim e:
    … .. ..zz..zzz.
    Ficou mudo!

    0
  • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 13:23

    Com todo o respeito às vítimas, o desabamento no Rio vai criar uma onda psicologica negativa no mercado.

    Mas não diziam que imóvel é garantido?
    Que dura 100 anos?
    Que valoriza sempre?
    Não gasta quase nada com manutenção?

    O desabamento expõe o risco, senão por problema seu, o problema do seu vizinho

    em tempo: recebi uma oferta de cruzeiro 7 noites, temporada, o casal cabine boa, destino chique BsAs, punta e montevideo: 2 mil reais, coisa que se vendia antes por 10 mil.

    0
    • Etmso 26 de janeiro de 2012 at 13:57

      Se eu tivesse imóvel no Rio, correria para uma seguradora. Pensa aquele aptos milhonarios de Copacabana da década de 30. Deve ter imóvel com parede de pau a pique (barro e bambu).

      Sou de SP mas estou no Rio, a poeira aqui no centro e grande, parece o 11 de setembro…triste.

      0
      • Ana Paz 26 de janeiro de 2012 at 14:52

        Pior foi ouvir um historiador e arquiteto dizer hoje, no jornal da TV, que conheceu um engenheiro “que dizia, de uma maneira bastante galhofeira, que os prédios aqui não desabam, porque um está preso no outro, está encostado no outro”.
        E depois, “que os prédios antigos, eu posso dizer, estão em muito melhor estado que os prédios mais recentes”…

        http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1784786-7823-HISTORIADOR+FALA+SOBRE+DESABAMENTO+NO+RIO,00.html

        Oh, e agora, quem poderá nos defender??

        0
      • Paty 26 de janeiro de 2012 at 15:06

        Milhonario seria quem planta milho..kkk
        Milionários no Brasil seria quem possui um milhão (1 000 000) ou mil mis em reais …

        0
    • Sir Income 26 de janeiro de 2012 at 14:19

      Noticiário internacional questionando a viabilidade do Rio sediar as Olimpíadas, mas a Globo fez uma propaganda positiva.

      0
      • Ze Bom Dirolo 26 de janeiro de 2012 at 14:44

        Botaram uma capa vermelha no Brasil e ele achou que podia voar….

        0
    • Ader 26 de janeiro de 2012 at 16:06

      Ainda bem que no Brasil não tem terremoto, se tiver não sobra pedra sobre pedra.

      0
      • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 17:02

        as vezes penso se não seria bom um tsunami, um furacão, um terremoto, uma guerra

        jogar fora o rascunho e começar tudo denovo, do zero

        0
    • Mineiro BH 26 de janeiro de 2012 at 18:52

      Nem de graça quero ir…

      Cruzeiro não rola…

      Qdo não é acidente é maionese estragada…

      0
  • Rodrigo 26 de janeiro de 2012 at 13:24

    O episodio ocorrido no Rio de Janeiro pode minar a confiança de que imóvel é investimento seguro e nunca cai, literalmente. Pode levar a reflexões dos possíveis futuros compradores.

    0
  • holmes 26 de janeiro de 2012 at 13:36

    As ações das construtoras inclusive Gafisa que todos sabem estar quebradinha, disparam na bols ahoje

    0
  • Rico 26 de janeiro de 2012 at 14:02

    Estou sofrendo dessa “bolha” – bolha em termos, porque onde ganho 1.000 a consultoria que trabalho ganha 2.000. Falta muita gente especializada na minha área.

    Mas não aumento meus gastos fixos para o novo patamar. Meus gastos fixos estão no padrão do salário do mercado.

    Claro, um agradozinho de vez em quando faço, mas não comprometo a renda padrão.

    0
    • Carlos_ 26 de janeiro de 2012 at 14:25

      Rico, qual a sua área? TI? Vc faz muito bem não subindo os seus gastos, também faço assim.

      0
      • Rico 26 de janeiro de 2012 at 17:01

        Isso mesmo, estou tirando em média 14 mil por mês. Como sou um consultor especializado em uma área que tem pouca gente, emprego de 9 mil reais arrumo fácil.

        Estou mantendo meus gastos em 7,5 mil (lembrando que sou separado e pago pensão), o que sobra para meu uso coisa de 4/5 mil para meus gastos pessoais (vestuário, gasolina, cursos, plano de saúde, aluguel, etc, etc) o que se pensar direito não é muito. O resto eu guardo.

        De vez em quando faço uma viagem, compro um mimo, mas coisas a curto prazo e a vista.

        Podia estar andando de carrão, indo a cada 6 meses para a “Gringolândia’, mas quem é consultor sabe como é… em crise os 14 mil vira 7 mil rapidinho…

        Ah sim, tem gente que vai achar muito… Ok, realmente para média é. Mas são 15 anos de experiência e comendo livros. Não vai acordar Especialista do dia para noite, como se pode tornar um Corretor rico na bolha.

        0
  • Carlos_ 26 de janeiro de 2012 at 14:27

    Enquanto isso, nos EUA…
    Isso porque é o país mais rico do mundo e a taxa de juros é negativa, sendo mais baixa que a inflação. Mas na cabeça do pessoal aqui no Brasil ainda é forte o mito que “preço dos imóveis não cai nunca”

    Venda de casas novas nos EUA diminui e preços caem em dezembro

    WASHINGTON, 26 Jan (Reuters) – A venda de moradias novas nos Estados Unidos diminuiu pela primeira vez em quatro meses em dezembro, e o preço médio das casas caiu, reduzindo esperanças de que o setor imobiliário possa ajudar a economia neste ano.

    O Departamento de Comércio dos EUA informou nesta quinta-feira que o total de vendas caiu 2,2 por cento, para taxa anual com ajuste sazonal de 307 mil unidades.

    Economistas ouvidos pela Reuters previam taxa de 320 mil. O ritmo de vendas de novembro foi revisado ligeiramente para baixo.

    O preço médio de casas novas caiu 2,5 por cento, para 210.300 dólares, a maior queda em quatro meses. Comparado a dezembro do ano passado, o preço médio caiu 12,8 por cento.

    0
  • augusto 26 de janeiro de 2012 at 14:39

    Última pesquisa Creci sp para cidade de SP, relativo vendas de usados em novembro comparativamente com outubro:
    ” Venda de imóvel usado tem alta de 28,18% com retomada dos financiamentos em SP”

    0
    • Gaba 26 de janeiro de 2012 at 14:53

      Comparar Novembro 2011 com Outubro de 2011 é fácil, gostairia de ver Novembro 2012 com Novembro 2011…

      A comparação precisa ser anual….

      0
  • Henrique 26 de janeiro de 2012 at 15:03

    E a verdade vai, aos poucos, aparecendo na imprensa:

    REVISTA VEJA 25/01/12 – (sobe desce pg. 52)
    DESCE
    MERCADO IMOBILIARIO
    “Em 2011, a venda de imoveis novos em SP teve o pior resultado desde 2006”.

    0
    • D9 26 de janeiro de 2012 at 15:25

      Não tem nenhuma lógica…
      Se o mercado está aquecido, existe uma demanda reprimida …
      COMO é possivel esse “pior resultado desde 2006” ??
      Provavelmente é a galera esperando o carnaval passar para voltar a investir…

      Pergunta:
      Ouvi falar que o JPMorgan comprou umas ações da Gafisa (acredito que no dia 24)
      e hoje (26) a GFSA3 subiu consideravelmente.
      É normal isso ? Tem alguma explicação técnica ??

      0
      • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 15:42

        é normal.
        Dizem que o JP é um player ativo, que semanas atás venderam em 4,50
        agora recompram em 4,20. Depois do repique vendem tudo de novo. Dizem

        Se são boatos ou verdade ninguem sabe

        A estratégia seria minimizar o prejuizo monstro.
        Muita gente tem ações desde quando ahcavam que ia subir pra r$ 16,0.

        0
      • Anonymous 26 de janeiro de 2012 at 16:22

        Um dos analistas do JP Morgan tem 3 anos de experiência. Acho que já faz a barba sozinho. Pode confiar.

        www . infomoney . com . br/mercados/noticia/2304013-fluxo+caixa+das+empresas+setor+imobiliario+guia+boa+perspectiva+para

        SÃO PAULO – Apesar das principais empresas do setor de construção civil terem registrado um desempenho em bolsa abaixo do Ibovespa em 2011, o JP Morgan acredita que o ano que se inicia deve ser mais promissor para estas companhias. Segundo o banco, o aumento do fluxo de caixa pode ajudar a aumentar o otimismo dentro do segmento.

        As top picks dos analistas Marcelo Motta e Marina Mansur continuam sendo a MRV (MRVE3), PDG (PDGR3) e Rossi (RSID3)

        Confira as recomendações do JP Morgan para o ano de 2012 para o setor imobiliário:

        Empresa Preço-Alvo
        Cyrela R$ 17,00
        Gafisa R$ 8,00

        br . linkedin . com/pub/marcelo-motta/19/188/b03
        Universidade de São Paulo
        Graduated, Economics
        2004 – 2008

        0
      • augusto 26 de janeiro de 2012 at 16:35

        Não entendendo nada de bolsa, se é que dá para entende-la.
        Só sei que neste mes as ações estão subindo muito, inclusive com uma coisa que nunca ocorreu, isto é 9 pregões seguidos de alta, sem realizações de lucro, o que dizem seria o normal.
        Tudo sobe, com noticia boa ou ruim, e neste ultimo caso ou dizem que já havia sido precificado, ou que foi menos ruim que o esperado, então fica bom. A Europa resolveu como num passe de mágica todos seus problemas repentinamente. Nos EUA acabou a crise dizem
        Empresas que diziam estar quebrando como a Gafisa tem suas ações em disparada, e outras grandes construtoras que dizem que vão vender menos, tambem sobem muito na bolsa

        0
        • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 16:53

          isso da GFA disparar não é verdade, disparou coisa nenhuma
          estão tentando plantar a noticia desde 1o de janeiro e ainda não colou

          continua em 4,50 e arredores
          sobe um pouco, fazem noticia
          desce um pouco, fazem silencio

          perdeu rating da Fitch no dia que divulgaram a prévia da contabilidade

          0
          • augusto 26 de janeiro de 2012 at 17:27

            Tambem concordo Luiz, acho que tem gente muito poderosa preparando uma bela aprontada em cima daqueles que acreditarem no céu de brigadeiro atual da economia.
            Especulação pura e simples, e tentam fazer crer que está tudo resolvido.
            E por falar em enganação vi hoje uma reportagem de um big boss do Magazine Luiza dizendo que janeiro está sendo ótimo para eles, e inclusive a mega liquidação, inicialmente de um dia, foi estendida por um fim de semana todo. Ora nos anos passados ela não estendia-se por mais dias, porque na sexta feira, antes das 12 h tudo, já tinha sido vendido. E neste ano no sabado após o inicio da mega liquidação passei em duas lojas da rede, que estavam ainda abarrotadas de mercadorias e pouquissimos clientes. Para mim é um tipico exemplo da enganação geral que tentam nos impor neste inicio de ano

            0
    • Pedro 26 de janeiro de 2012 at 15:34

      Se a comparação fosse com 2010 tudo bem, mas com 2006, então a coisa tá feia mesmo. Em 2011 foi vendido menos ainda que na crise de 2008, isso só se traduz em um PLOC muito grande.

      0
  • MrK 26 de janeiro de 2012 at 16:17

    pessoal falando aí das vendas fracas…estão todos errados!!! NAO SE ESQUECAM, eles cancelaram o salao do imovel pq tinha tanta demanda que não daria pra atender…. hahahaahahaahahahahhaa!!!!!!!!!!!!!!!

    0
    • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 16:49

      me lembra a estoria do cara que foi no restaurante por kilo e comeu tanto, mas tanto, que o restaurante faliu

      0
  • MrK 26 de janeiro de 2012 at 16:35

    NINGUÉM É OBRIGADO A ACREDITAR!!!

    vejam o video e percebam o que ele diz exatamente dos 3:50 até os 4:28 (PS: Foi gravado em dezembro)

    eu particularmente gosto desse cara

    youtube.com/watch?v=yPcdc3tpZNQ&feature=related

    0
    • augusto 26 de janeiro de 2012 at 16:54

      Para mim o que eles disseram é super certo, mas na pratica os governos, banqueiros, empresarios fajutos, e investidores, apoiados por povo irresponsavel e ávido por comprar, estão conseguindo empurrar situações totalmente desfavoraveis com a barriga, e no momento estão ganhando o jogo e ainda de goleada.
      Outro video na mesma linha que está na página do primeiro :Os Riscos de Irrigar o Mercado com Dinheiro para Solucionar Crises. Entrevista com James Hunter, que tambem deveria estar ocorrendo, mas na pratica……….
      Só espero o dia, em que as coisas erradas aparecerão, e como dizem : ” se uma coisa tem o risco de dar errado, ela certamente dará”.
      Por enquanto estamos sendo até gozados pelos irresponsaveis que se beneficiam de situações artificiais, mas já faz algum tempo que isto está ocorrendo, e ninguem pode negar que eles são mesmo pderosos e irresponsaveis.

      0
    • Leo 26 de janeiro de 2012 at 17:02

      Na mosca!

      0
    • Anonymous 26 de janeiro de 2012 at 18:12

      A grande diferença entre depositar dinheiro num banco da Banânia ou num banco dos EUA resume-se no seguinte: O SEU dinheiro estando num banco dos EUA pode ser enviado para qualquer banco do mundo, inclusive um banco na Banânia, a qualquer momento que VOCE desejar. Agora, tente enviar o SEU dinheiro que está num banco da Banânia para os EUA e voce irá perceber que não é VOCE quem manda no SEU dinheiro. Parece uma diferença insignificante, mas nos EUA voce faz o que desejar com SEU dinheiro. Esse detalhe compensa até mesmo pagar para ter o dinheiro depositado lá, o que parece incompreensível para o Ricardo Torres do Trading Café.

      0
    • tulio 26 de janeiro de 2012 at 20:50

      P.Q.P.
      Genial!!!
      Ótima dica de vídeo MKR.
      Valeu

      0
  • Chapolin 26 de janeiro de 2012 at 16:41

    Como vocês avaliam esta notícia? (depois do link, coloquei o texto que me preocupou). Os fundos de pensão vão aumentar seus investimentos em imóveis? É isso mesmo?

    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/24/longe-das-metas-fundos-de-pensao-assumem-mais-risco

    “O conforto da renda fixa acabou”, decreta Eustáquio Lott, diretor superintendente da Valia, fundo de pensão dos funcionários da Vale. Lá, a meta é reduzir o percentual de títulos públicos de sua carteira de R$ 14,6 bilhões dos atuais 62% para 57%, num horizonte de cinco anos. No lugar, entram aplicações em imóveis e investimentos estruturados, como Fundos de Investimento em Participações (FIPs). Segundo Lott, os FIPs representam 2,5% da carteira da fundação e devem mais que dobrar nos próximos cinco anos, para até 6%. O foco é em projetos de infraestrutura e em fundos que visem ganho por meio da implementação de governança corporativa em companhias fechadas. Em imóveis, a Valia pretende sair de 5,9% para até 8%.”

    0
    • augusto 26 de janeiro de 2012 at 18:10

      Creio que quando compram imóveis eles são os de natureza corporativa, e não residenciais. Se estiver certo é mais uma noticia plantada para justificar mais altas sem lastro, e enganar os desavisados
      Mas se muitos começarem a sair de titulos do governo, quem irá financiar a imensa divida pública interna de nosso governo (ou alguem pensa que a reserva de dolares pelo BC foi feita com dinheiro caido do céu, os aportes para BNDES, CEF, etc). Com juros muito baixos compensa sair dos fundos que aplica em titulos do governo e ir para CDB ou mesmo comprar dolares. A bolsa só para profissionais ou otários

      0
    • Anonymous 26 de janeiro de 2012 at 18:17

      Quem manda na VALE é o governo federal da Banânia. Isso ficou claro com a demissão de seu Presidente Roger Agnelli pouco tempo atráz. Não tem nada estranho na VALE responder ao chamado do governo para aumentar o credito imobiliário. O sujeito está cuidando do seu próprio emprego.

      0
      • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 18:45

        exato

        é o governo convocando seus elgionarios para dividr a conta do pato

        vcs viram que eu psotei outro dia o quanto está custando pra Caixa o panamericano e de brinde o Brazil real state finance.

        0
  • Carlos_ 26 de janeiro de 2012 at 16:53

    Para o pessoal que se pergunta por que as ações da construtoras estão subindo: o BC disse que os juros vão cair para menos que 10%. É por isso.

    0
  • Capital H 26 de janeiro de 2012 at 17:09

    Bom, aconteceu comigo hoje (16/01/12) por volta de 10h:

    Recebi uma msg no celular de ap com prestação de 576,00 e o tel de contato. Maravilha! Retornei de imediato. Direto ao ponto, falei sobre o ap com a prestação do anúncio.
    Daí, minha surpresa:
    – R$576 mensais direto com a construtora, juntamente com uma entrada de +-R$7.500,00, mais 3 parcelas de +- R$3.700 em 30, 60, 90 dias, mais…
    – Peraí, não tenho esse dinheiro das parcelas em 30, 60 e 90 dias. Quanto custa o ap?”
    – “Bom, tem de 250mil, 240, 260…
    – Pô, estou ligando exclusivamente por causa das prestações no anúncio. Tenho um amigo que financiou um ap de 150k dando 30k de entrada e as prestações ficaram por volta de 1100! Quanto mais um de 250mil!
    – Quanto é a sua renda?
    – R$3000,00
    – Realmente, sua renda é baixa pra financiar um imóvel…
    Resumindo, fui enganado pelo anúncio, é mole?

    0
    • Tales 26 de janeiro de 2012 at 17:54

      Capital H,

      Vc é de BH? Recebi tb uma msg com essa prestação de 576,00 para apto na região da Pampulha. É esse?

      0
      • Capital H 26 de janeiro de 2012 at 18:53

        AFIRMATIVO!!!!!

        0
  • Shakespeare 26 de janeiro de 2012 at 17:40

    Hoje em dia nem renda de 15 k está permitindo financiamentos com entrada menor do que 30%

    Os caras apertaram muito a mão ao torcer o parafuso e espanou…

    0
  • bertz 26 de janeiro de 2012 at 17:51

    Legal pra quem tá começando ler os tópicos aqui:

    youtube.com/watch?v=yPcdc3tpZNQ&feature=related

    0
    • MrK 26 de janeiro de 2012 at 18:03

      amigo bertz, ja que voce gostou desse, veja tambem esse:

      youtube.com/watch?v=v3rjmkDmoBQ&feature=related

      0
      • augusto 26 de janeiro de 2012 at 18:40

        Muito bom MrK.
        Apesar de não ser correto usar o feeling, creio que neste ano tanto nossos governantezinhos vaidosinhos, como os de outros paises (que por sinal estão sendo um a um expulsos de seus cargos pelo povo nas eleições), apoiados por banqueiros, investidores, empresários fajutos, povo irresponsavel, analfabeto, e ávido por consumir, imprensa interessada em faturar mais e mais, vão conseguir empurrar com a barriga mais uma vez.
        Mas após 2014 com o final das obras suntuosas e carissimas para a Copa (estadios e infra estrutura em muitas cidades), ninguem segura a derrocada do Brasil. Desemprego sem dúvida aumentará,e como consequencia a inadimplencia, pois quase todo mundo tem divida.
        As olimpidas serão em uma só cidade, o que será pouco para nosso pais.

        0
        • RD85 26 de janeiro de 2012 at 19:27

          Péssima fonte de informações, mas um amigo que trabalha na Uruguaiana comentou hoje comigo que as vendas de natal de 2011 foram decepcionantes (comparativamente a 2010 e 2009), que nenhum dos vendedores que ele conhece bateu as metas dos respectivos donos.

          0
    • MrK 26 de janeiro de 2012 at 18:07

      se voce gostou desse, veja tambem esse

      youtube.com/watch?v=v3rjmkDmoBQ&feature=related

      0
  • thiago fm 26 de janeiro de 2012 at 18:28

    Eu esperando os preços dos imóveis caírem e os imóveis estão caindo primeiro…rs…com o devido respeito.

    0
  • augusto 26 de janeiro de 2012 at 18:44

    Antes que me esqueça, hoje as ações da OGX estavam continuando o rali do mes e subiram 1,1%.
    Mas neste sábado vence o prazo, prorrogado inumeras vezes, desta empresa começar a produzir experimentalmente em seus “fabulosos” campos de petroleo que descobriu. Está chegando a hora da ” cobra começar a fumar”. Tchan, tchan, tchan, tchan

    0
  • Cai cai balão 26 de janeiro de 2012 at 18:50

    O que me dizem disso?

    Financiamento de imóveis atinge R$ 80 bi em 2011 e bate recorde

    TONI SCIARRETTA
    DE SÃO PAULO

    Os bancos concederam R$ 79,9 bilhões em empréstimos para a construção e compra de imóveis em 2011 com recursos da caderneta de poupança.

    O resultado é 42% maior do que em 2010 e novo recorde histórico do setor, segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

    No ano passado, foram financiados 493 mil imóveis –17% a mais do as 421 mil unidades do ano anterior– com recursos do chamado SBPE (Sistema Brasieiro de Poupança e Empréstimos).

    Para 2012, a Abecip prevê uma desaceleração nas concessões de novos financiamentos.

    A expectativa é que os empréstimos cresçam entre 30% e 35%, segundo Octavio de Lazari Junior, novo presidente da associação.

    0
    • Luiz 26 de janeiro de 2012 at 19:14

      Representa 1% de todos os lares brasileiros

      Pelas minhas contas é o dobro da demanda anual nova com renda suficiente para adquirir imovel. Retiro desta conta os que já possuiam imovel pq ao comrpar um novo, devolve o antigo ao estoque.

      Até 2009 ainda havia demanda reprimida pra consumir o excesso, a partir daí penso que há (1) ou sobreoferta, ou (2) expectativa de aceleração do crescimento de renda / demanda pra suprir o excesso, ou (3) expectativa de que mais trouxas vão querer se dar bem na roleta.

      0
      • thiago fm 26 de janeiro de 2012 at 21:23

        Luiz,

        Se considerarmos que a oferta vêm superando a demanda de 2010 para frente, a sobreoferta deve ser ainda maior do sua estimativa. Não tenho os dados de domicílios mais recentes, mas em 2008 o total girava em torno de 58 milhões de unidades no Brasil com déficit estimado de 9,7% sobre esse total.

        ” No ano passado, foram financiados 493 mil imóveis –17% a mais do as 421 mil unidades do ano anterior– com recursos do chamado SBPE (Sistema Brasieiro de Poupança e Empréstimos).”

        Perceba que esses são dados apenas dos imóveis financiados com recursos da poupança. Devemos somar à esses os financiamentos com recursos do FGTS, que em 2010 foram de nada menos que 668.332 unidades, conforme dados do CBIC. Não encontrei a quantidade financiada com esses recursos em 2011, mas devem ter se mantido estáveis.

        Pra ser mais exato foram 421.386(SBPE) + 668.332(FGTS) = 1.089.718 unidades financiadas em 2010.

        Essa é a quantidade de vendas por meio de financiamento apenas. Por experiência e, de acordo com os últimos levantamentos do CRECI, as vendas costumam se dividir entre pagamentos à vista e financiamentos. Logo a venda de imóveis pode ter alcançado a marca de 2 milhões de moradias em 2010 ( Estimativa ), o que significaria uma oferta não de 1, mas de mais de 3% sobre o total de domicílios (novos e usados) em um ano. Parece pouco, mas de acordo nossas análises isso é muito para o número restrito de potenciais compradores nesse momento.

        Mas não acaba aí! Ainda que aceitemos que 2010 tenha sido um ano de vendas aquecidas, a oferta é sempre muito superior as vendas efetivadas. Se tivéssemos dados sobre o tempo de disponibilização e velocidade de vendas entre usados e novos, talvez pudéssemos chegar a oferta real de imóveis num determinado período.

        Dessa forma, não me surpreenderia se chegássemos a conclusão de que o número de imóveis colocados à venda em 2010 por empresas e particulares, por exemplo, tenha sido muito superior a 2 milhões de unidades.

        0
        • Luiz 27 de janeiro de 2012 at 12:35

          peguei aqueles numeros pq era no meu entender os que tinha maior possibilidade de se referirem a imoveis novos, agora vejo que subestimei

          Minhas estimativas de demanda são baseadas em movimento entre classes, mas tbm havia considerado aderente com a estimaitva de defiocit e de taxa de matrimônio

          Nunca escrevi isso antes pra ninguem em meses neste blog, te convido para escrevermos um artigo juntos com esse objetivo: dar números e logica ao calculo de demanda da melhor maneira que os dados publuicos disponiveis nos permitirem.

          0
          • thiago fm 27 de janeiro de 2012 at 18:53

            Estou garimpando alguns dados e quando tiver algo melhor compilado a gente troca informações. Talvez com o fechamento dos dados de 2011 tenhamos uma base mais adequada sobre isso.

            0
  • bertz 26 de janeiro de 2012 at 19:33

    Ótimo vídeo para os novatos do blog, simples mais explicativo

    http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=aROJxl6eP5Q

    0
  • thiago fm 26 de janeiro de 2012 at 19:49

    http:// www. avimobiliaria.com .br/noticias.php?id=224&categoria_id=1

    Ajustes no mercado de imóveis

    Os preços dos imóveis subiram, em média, mais de 90% nos últimos três anos e, segundo reportagem do Estado (26/12), parecem, agora, tender para a estabilização. Isso ajudaria a evitar uma escassez de recursos das cadernetas de poupança, que, junto com os do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), abastecem as carteiras de financiamentos à moradia.

    O mercado imobiliário viveu um período de euforia, em 2009 e 2010, que provocou a alta dos preços. Em 2011, o ritmo das vendas diminuiu. Na comparação entre os primeiros dez meses de 2010 e 2011, segundo levantamento do sindicato da habitação (Secovi), houve queda de 20,8% do número total de unidades comercializadas. Em outubro último, o recuo foi ainda mais forte (-37,7% em relação ao mesmo mês de 2010).

    Para 2012, os especialistas esperam uma maior estabilização dos preços dos imóveis – e esta é uma boa notícia para os compradores em potencial.

    Em 2011, segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-SP), o número de lançamentos de imóveis, em São Paulo, superou o de 2010. Boa parte desses imóveis será colocada à venda em 2012. Havendo maior oferta de moradias, será mais fácil a estabilização de preços, observou a economista Ana Maria Castelo, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

    O gestor de investimentos Fábio Colombo considera que os preços dos imóveis são “altíssimos” e a professora Denise Vasconcellos, da Universidade Mackenzie, sugere que “estamos próximos do teto”. Para o presidente do conselho de corretores (Creci-SP), José Augusto Viana, os sinais de queda das vendas confirmam que os preços são altos – e estes terão de “parar de subir ou novos negócios não serão feitos”.

    A experiência histórica mostra que, desde os tempos do Banco Nacional da Habitação (BNH), crédito farto é fator decisivo para a manutenção de preços elevados no mercado de imóveis. Entre 2010 e 2011, a oferta de crédito imobiliário aumentou de cerca de R$ 90 bilhões para R$ 117 bilhões, calcula o Sinduscon. Os empréstimos asseguraram o ritmo da atividade imobiliária e deverão atingir R$ 152 bilhões, em 2012, dos quais R$ 107 bilhões com recursos das cadernetas de poupança e R$ 45 bilhões, do FGTS.

    Entre janeiro e novembro, segundo o jornal Valor, os financiamentos concedidos com recursos das cadernetas de poupança atingiam R$ 71,6 bilhões, com aumento de desembolsos de 43% em relação aos R$ 50 bilhões do mesmo período de 2010. A maioria dos bancos privados prevê que o ritmo de crescimento do crédito ainda será de 30% a 40%, em 2012, mas alguns projetam esse aumento em 25% e a Caixa Econômica Federal (CEF), em apenas 15%, somando os empréstimos com recursos das cadernetas e do FGTS.

    Mas o crescimento do crédito imobiliário – cujo ritmo oscilou entre 50% e 70% ao ano, na segunda metade da década passada, com a exceção de 2009 – já não é tão acentuado e as perspectivas, agora, são de um avanço mais lento em 2012.

    Sem tanta pressão dos tomadores, os recursos da caderneta de poupança deverão atender à demanda por mais dois anos, na pior das hipóteses, ao contrário das previsões mais pessimistas.

    Essa hipótese é fortalecida pela queda da taxa Selic, que torna a remuneração das cadernetas (de 7,45% ao ano, em 2011, não sujeita ao IR na fonte) atraente para os poupadores, nota o diretor de crédito imobiliário do Banco Santander, Antonio Barbosa. Além disso, o esfriamento da demanda por imóveis destinados à classe média, apontado pelos levantamentos do Secovi, deverá provocar um crescimento mais lento da procura de recursos pelas construtoras.

    Recursos fartos depositados na poupança permitirão aos mutuários tomar empréstimos a custo reduzido. Enquanto isso, outras fontes mais recentes – certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) e letras de crédito imobiliário (LCIs), além dos fundos imobiliários – serão mais bem testadas nas operações de crédito à moradia, de forma a oferecer resposta rápida, no futuro, quando os recursos das cadernetas escassearem.

    VEJAM QUE A QUEDA DA VENDAS TEM SEMPRE UM TOM AMENIZADOR. A ESTABILIZAÇÃO DOS PREÇOS AGORA É BEM-VINDA, “PARA QUE NÃO SE ESGOTEM OS RECURSOS DA POUPANÇA”, UMA NOVA OPORTUNIDADE PARA OS “COMPRADORES EM POTENCIAL”

    ME POUPE, POR FAVOR!

    0
  • gambati 26 de janeiro de 2012 at 20:11

    estava a navegar no forum e a TV ligada na Globo e eis que a novela das 19hs apareceu o assunto. O personagem recebeu uma bolada (5 milhoes) diz a sua mãe que esse dinheiro nao da pra nada e os imoveis estao caros de mais. A mae exige 1 milhao para comprar um apto em ipanema. O filho propoe um ap de 100mil e eles discutem.

    O assunto ja chegou nas novelas!!

    0
  • Etmso 26 de janeiro de 2012 at 21:45

    Devemos ficar atentos a uma informação importante. O numero de casas na zona rural desabitadas vem crescendo. O Brasil deixou de ser rural a alguns anos e este êxodo vem causado um abandono de lar rural. Com a crescente industrialização e mecanização do campo, as famílias tem se mudado para a cidade.

    Esta na hora do IBGE governo federal se mobilizar e apresentar numeros, estatísticas recentes, para evitar que a população seja influenciada por estes artigos com pouco embasamento estatístico, fundados em interesses de grupos econômicos.

    Ou alguma universidade, mestrando ou doutorando abraçar esta causa e estudar a fundo esta situação.

    0
  • thiago fm 26 de janeiro de 2012 at 21:50

    http: //exame.abril.com .br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/um-quarto-dos-inquilinos-deixa-aluguel-por-casa-propria

    São Paulo – Um em cada quatro inquilinos da cidade de São Paulo que devolvem as chaves do imóvel alugado o fazem para se mudar para a casa própria, diz levantamento da imobiliária Lello. Os inquilinos preenchem um formulário no ato da entrega onde informam o motivo da desocupação. Entre janeiro e novembro de 2011, 26% dessas pessoas disseram ter comprado um imóvel.

    O segundo motivo mais apontado pelos inquilinos que devolvem as chaves foi a mudança para outra cidade ou estado, que respondeu por 18% das desocupações dos imóveis. Em 15% do total de desocupações, foi o proprietário que pediu o imóvel de volta, para uso próprio ou REVENDA
    Entre os motivos menos apontados para a devolução das chaves estavam mudança para um imóvel mais próximo ao local de trabalho (10%), aluguel de um imóvel maior (9%) e mudança para imóvel menor (5%).

    Curiosamente, os valores altos dos aluguéis em algumas regiões de São Paulo não foram, no ano passado, grandes motivadores de devolução de chaves por parte dos inquilinos. Os motivos menos apontados foram valor alto do aluguel (4%) e dificuldades financeiras (3%). Os restantes 10% das desocupações tiveram outros motivos.

    0
    • xyz 26 de janeiro de 2012 at 22:16

      “Casa própria” é força de expressão. De fato a casa é do banco.

      0
      • JCH 23 de fevereiro de 2012 at 12:38

        concordo

        0
    • Sir Income 26 de janeiro de 2012 at 22:24

      Se 26% foi de compra de imóvel e 18% para outro estado, significa que deveria ter mais imóveis a disposição para aluguel com menor procura para locação.

      Será que parte desses imóveis foram para revenda?

      Ou questão: Aluguel será bom investimento no futuro? Lembram da época que se alugava telefone? Esse é só para quem tem mais de 30 e poucos anos.

      0
  • Sir Income 26 de janeiro de 2012 at 22:33

    Imprensa externa liga acidente no Rio a despreparo para Copa
    26 de janeiro de 2012 | 15h33
    Sílvio Guedes Crespo

    blogs.estadao.com.br/radar-economico/

    Esses prédios feitos a toque de caixa vão valorizar até a copa.

    0
  • Sir Income 26 de janeiro de 2012 at 22:38

    Nivaldo Cordeiro no Twitter: “Quem precisa de um Bin Laden para derrubar edifícios? Os brazucas se matam sozinhos pela incúria do poder público”

    0
    • Ratinho 26 de janeiro de 2012 at 22:47

      Imagine se esse país tivesse terremoto, quando uma marolinha já faz tudo isso.

      0
  • carlos 26 de janeiro de 2012 at 22:38

    Quem viu o Sardenberg agora na Globo News? Vou tentar reproduzir aqui o raciocínio do cara: a renda dos trabalhadores está subindo, então eles compram imóveis, o que faz os preços subirem, e aí as construtoras lançam mais imóveis, pra aproveitar o preço alto, e pagando mais para a mão de obra, o que movimenta a economia, e faz com que mais pessoas financiem imóveis, e aí o preço sobe, e por aí vai.

    Impressionante um cara desses ter espaço na mídia. Ou não, se considerarmos o nível da mídia no Brasil.

    0
    • O_alquimista 26 de janeiro de 2012 at 22:46

      Foi fraquinho mesmo. Ainda foi ironico falando que a bolha não existe.

      0
      • carlos 26 de janeiro de 2012 at 23:00

        Pois é, queria que alguém perguntasse a ele se ele acha normal um apartamento de 90 metros custar 600, 700 mil reais. Se tem tanta gente que tem renda até mesmo pra financiar isso em 30 anos, pagando 5, 6 mil por mês pra morar num cubículo.

        0
    • h lee 26 de janeiro de 2012 at 23:15

      Este pseudo economista Sandenberg, é na verdade, porta voz da Febraban. É lógio que ele nao vai falar que tem bolha de crédito e nem de imóveis. Ele é pago pra manter o status quo e a exploração ridícula dos agiotas, ops, bancos sobre os otários, ops, brasileiros.

      0
  • engana que eu gosto 26 de janeiro de 2012 at 23:01

    Só a entrada de 30% com esses preços bolhudos já é o vlr real do imovel, ainda vai ficar pagando aluguel por 30 anos para o banco.

    0
  • engana que eu gosto 26 de janeiro de 2012 at 23:29

    As sexta-feira na CBN por falta de merda pra fala ele fica fazendo um enquete mais ridícula ainda, é uma xaropada de temperança e pe na jaca, uma idiotice.

    0
  • Cirilo 27 de janeiro de 2012 at 01:53

    Costumo postar bem pouco aqui, mas acompanho diariamente os comentários aqui.

    Hoje me deparei com o relato de “investidor” intitulado Mansur, que se orgulhava de “flipar” um apartamento obtendo brutos BRL 205.000,00.Além disso o nobre colega investidor ironizava não só os compradores como também o brasileiro em geral.

    Aí que mora o problema, ele provavelmente não faz ideia que as construtoras e incorporadoras também caçoam dele, enquanto ele acha que fez um excelente negócio ele na verdade assumiu um risco que não interessava aos verdadeiros investidores.Na verdade, as empresas mal conseguem acreditar que um indivíduo pessoa física está disposto a arcar com os riscos e além disso com 6% de comissão imobiliária, 2.5% de ITBI para registro de escritura e ainda pagar imposto renda sobre seus ganhos, caro Mansur, você não sabe, mas fez um grande favor para EZTec ao adquirir os apartamentos na famigerada Vila Mascote.

    Como a comissão e os impostos para registro do imóvel são cobrados sobre o valor de venda, eles impactam consideravelmente no lucro líquido da operação.Fazendo uma conta simples nosso nobre colega pagou BRL 43.350,00 somente nessas “pequenas” taxas, fora o imposto de renda sobre o lucro obtido.

    Mas sabem como é, o brasileiro é um sujeito ingênuo, assim muitos acabam investindo nessa modalidade.Caso fossem melhor informados saberiam como funcionam os FIP’s, Fundo de Investimento Privado, que entram como parceiros na construção dos empreendimentos sendo que os investidores além de não pagarem comissão ou ITBI, são isentos de IR, já que a construtora já paga os devidos impostos sobre os enormes ganhos.

    No mais, é sempre bom ponderar bastante sobre qualquer investimento, as grandes construtoras sempre tiveram condições de erguer um edifício sem vender sequer um apartamento dele, alguém aqui realmente acha que se fosse um negócio muito vantajoso e ainda com baixos riscos elas repassariam essas unidades para investidores mediante uma pequena entrada?

    Caro Mansur, você não sabia, mas estava carregando um risco enorme, que não interessava aos grandes, e ainda por cima estava disposto a ajudar como algumas despesas junto ao nosso querido governo.

    0
    • MrK 27 de janeiro de 2012 at 05:13

      Prezado Cirilo,

      Primeiramente gostaria de encoraja-lo a comentar mais, pela altissima qualidade do seu post, aposto que voce tem muito a contribuir, pois sua visao foi, na minha humilde opiniao, impecavel

      E foi exatamente isso que falei ao Mansur, ele comprou um “risco”, que ele nao viu, por sorte o risco nao se materializou e ele conseguiu fazer lucro, mas poderia perfeitamente ter prejuizos, grandes ou pequenos! Onde estao os riscos?

      – Construtora quebrar
      – Obra embargar
      – Apartamento nao sair conforme prometido (ja vi muito) e com vicios
      – Atrasos de anos / riscos juridicos
      – Mercado cair de preco (risco de perder na revenda)
      – Problemas na regiao/entorno que desvalorizem o imovel (risco de perder na revenda)
      – Construtora baixar preco da tabela (risco de perder na revenda)
      etc..etc..

      Entao, nao ache que comprar na planta e ganhar na revenda e’ bondade de construtora ou corretor amigo, e’ COMPRAR RISCO… e o ponto que fico batendo com ele e o bertz, e’ que esse risco e’ muito maior do que parece, so’ que pelo periodo de euforia exagerada os riscos parecem que ficam invisiveis pra alguns!!!

      0
      • bertz 27 de janeiro de 2012 at 11:00

        Amigo MRK, como disse várias vezes antes, não estou investindo em imóvel residencial, ou melhor nunca comprei nem nunca compraria um imóvel de construtora explicação abaixo:

        1- Todos os imóveis com que lucrei até hoje foi comprado com valor muito depreciado de mercado (casa velha), no entanto nossa família tem uma não diria tradição mais um gosto muito grande por construção em geral. O imóvel que comprei em 2009 que paguei 160K valia só o terreno na época 250K, no entanto niguém queria comprar porque não sabe realmente o custo de uma construção, ou nunca tiveram uma experiência em reforma, a maioria que compra e vai reformar só se ferra, pois nunca souberam o valor real de nada.

        2- Risco tem em tudo em sua vida, perguntaria em qual aplicação está investido seu dinheiro hoje? Não tem risco nenhum? Aí voce vai me dizer é menos arriscado que um imóvel de uma construtora, concordo em partes vou explicar o porque.

        O ponto em que quero chegar é que alguns só estão vendo preço de imóveis em constutoras, no Zap, e algumas listas tendenciosas que saem por ai. Eu particularmente procuro vantagens onde os outros não estão enxergando, como no imóvel citado acima. Todos aqui estas especulando no mesmo lugar construtoras, em imóveis novos, e em meu horizonte qualquer catador de papel de rua já sabe que estes futuramente serão inviáveis, é chover no molhado.

        Nunca vi ninguém postar até agora que está procurando um terreno, para construir seu imóvel, ou empresa sem os riscos por voce citados acima, chance de quebrar, falta de liquidez etc,etc,etc, todos só procuram o que está anunciado e pronto, é uma loucura.

        Não quero me gabar pelo meu pouco sucesso até agora, muito pelo contrário, quero ajudar outras pessoas que talvez estão nos acompanhando e querem comprar seu imóvel e que talvez nunca pensaram em abrir seu próprio negócio, sei lá se livrar de patrão, ter uma estabilidade, qualidade de vida, por melhor que esteja sua carreira todos gostariam de investir em um sonho próprio.

        Especulação em cima de números para mim é para cachorro grande, não é para mim que me considero vira-lata. Me sinto muito bem quando planejo meu sonho e ele se realiza, dá aquela satisfação pessoal, e vontade de partir pra outro, mas cada um tem o seu, e respeito muito isso.

        Mas lembre-se MRK e amigos nos momentos de piores crises é que surgem as melhores oportunidades, fiquemos atentos, e torço para bolha não afetar gente como nós, tipo nosso emprego, mais que ferre só os grandes especuladores deste país.

        0
  • MrK 27 de janeiro de 2012 at 05:21

    Vejam a malandragem, reportagem do oglobo em letras garrafais (Essa sim em destaque):

    Desemprego baixo impulsiona crédito imobiliário em 2012
    Volume de financiamento deve crescer 30%, aponta Abecip
    Reuters

    SÃO PAULO – O crédito imobiliário no país deve crescer 30% em 2012, alcançando recorde de 103,9 bilhões de reais, impulsionado por desemprego baixo e alta na renda

    _________________________________________________________

    Um desavisado que le isso pensa o que? “Opa! O mercado vai crescer em 2012, pois o volume de credito vai crescer, e tudo por causa de renda e desemprego baixo”

    mas esta ERRADO, o credito imobiliario vai crescer em 2012 porque representa a entrega das chaves de quem comprou em 2010 (ano do pico), quem tava no credito com a construtora e agora vai pro financiamento no banco!! ou seja nao tem NADA a ver com uma “prosperidade” no ano que vem, eh muito mais efeito retardado do que houve em 2010!!!

    jornalismo de quinta categoria…

    0
    • Fernando 27 de janeiro de 2012 at 08:20

      Tanto faz eles anunciarem esse tipo de coisa tendenciosa. Quem podia comprar ja comprou. No momento atual, existem pessoas que nao tem condição para comprar e pessoas que simplesmente não querem comprar pelo valor exorbitante dos imóveis.
      Ao longo de 2011 houve dezenas de “ótimas notícias” sobre o crescimento do mercado imobiliario e, mesmo assim, o resultado foi de queda acentuada nas vendas.
      Essa questão é muito mais parecida com a lei da gravidade do que com o “desejo” dos especuladores.
      Quem viver, verá.

      0
  • MrK 27 de janeiro de 2012 at 07:53

    recomendo a leitura do artigo abaixo

    dabliu dabliu dabliu. imil.org.br/destaque/o-preferimos-desconhecer/

    0
  • Lucas 27 de janeiro de 2012 at 07:55

    As pessoas estão malucas, olha só este anúncio, se isto não é bolha nós estamos condenados pelo resto da vida:

    http://w ww.bomnegocio.com/rio_de_janeiro/apartamentos?ca=21_s&cg=1020&st=a&o=2

    0
  • Menino_do_Rio 27 de janeiro de 2012 at 07:58

    Para quem já é ou vai ser investidor em imóveis, seguem as dicas:

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/4-licoes-da-tragedia-do-rio-para-quem-investe-em-imoveis

    4 lições da tragédia do Rio para quem investe em imóveis:
    1. Faça seguro da sua propriedade
    2. Acompanhe as obras no empreendimento
    3. Visite seu investimento periodicamente
    4. Diversifique

    e antes que algum pseudo-humorista diga:
    5. Não compre na alta

    0
    • Anonymous 27 de janeiro de 2012 at 08:52

      Caso não seja trouxa, NÃO compre na Banânia, também conhecida como Brazil (com z mesmo).

      0
      • Joselito 27 de janeiro de 2012 at 09:35

        Esperto mesmo foi quem comprou nos EUA em 2007

        0
    • Ana Paz 27 de janeiro de 2012 at 16:46

      Dá para curtir essa última dica?

      0
  • Etmso 27 de janeiro de 2012 at 09:04

    Segue as ESTATÍSTICAS do Bolha Imobiliária no Brasil

    Ranking Global: Posição 347.584
    Ranking Brasileiro: Posição 9.760

    Idade média: 18 – 24 (sem criança)
    Local de acesso: Trabalho
    Tempo no site médio: 04:45 (o pessoal deve deixar a janela aberta do blog)

    O assunto: “bolha imobiliária” pelo google é procurado mais nas seguintes cidades:

    1. Brasilia, Brazil

    2. Rio De Janeiro, Brazil

    3. Curitiba, Brazil

    4. Belo Horizonte, Brazil

    5. Sao Paulo, Brazil

    Nos últimos 12 meses, o assunto “bolha imobiliária” foi mais procurado em SET/11 e registra alta;

    No Brasil a palavra “ZAP” e “Imóveis” teve uma ligeira queda nos últimos 12 meses nas procuras do Google, mas “ZAP” nos últimos anos (iniciando em 2006) registra alta com picos no inicio de todos os anos;

    http://www.alexa.com/siteinfo/bolhaimobiliaria.com#

    http://www.google.com.br/trends/?q=bolha+imobiliaria&ctab=0&geo=br&geor=all&date=ytd&sort=0

    0
  • Ana 27 de janeiro de 2012 at 09:32

    Quem é de BH acompanhou o drama dos proprietários dos apartamentos dos prédios no bairro Buritis, que perderam seus imóveis devido a erros técnicos na avaliação da segurança dos terrenos, e foram vítimas da ganância das construtoras e da PBH, que liberou os alvarás para as obras. O que muitos falaram aqui, que as vendas no Rio cairiam devido ao desmoronamento dos prédios no Centro já se faz sentir aqui em BH, em relação aos prédios do Buritis.

    Vendas de imóveis no Buritis enfrentam baque
    Desmoronamento de prédios causado pelas chuvas de fim de ano reduziu em até 50% procura por apartamentos na região atingida
    Notícia Vídeo

    Geórgea Choucair – Estado de Minas
    Publicação: 27/01/2012 08:09 Atualização:

    Prédio com anúncio na área onde houve deslizamento: negócios paralisados nas ruas próximas ao desastre

    As chuvas e os deslizamentos no Buritis respingaram nos negócios de imóveis no bairro. Logo depois da tragédia, a procura por apartamentos na região chegou a cair até 50% em relação a um período normal. A queda foi maior nas proximidades da área com risco de desabamento. As imobiliárias esperam retomar o fôlego de vendas a partir de fevereiro, quando terminam as férias e terá diminuído a repercussão do desastre.

    A GR Imóveis é focada no comércio de imóveis no Buritis e tem 780 unidades disponíveis para locação no bairro. Desde o episódio do desmoronamento as vendas caíram cerca de 20%, informa Eliane Padilha, supervisora de vendas da imobiliária. “O desastre aconteceu no período de férias, quando as vendas costumam cair também”, afirma Eliane. A rejeição dos clientes, segundo Eliane, é maior nas ruas Protásio de Oliveira Pena e Laura Soares Carneiro, nas proximidades do deslizamento. “Nessas duas ruas não fizemos nenhuma venda desde dezembro”, diz Eliane.

    Adelson Moreira é vigia de um edifício de 10 andares nas proximidades do desastre. A maioria dos apartamentos está à venda, mas os interessados não chegam. “Desde o fim do ano passado a procura caiu em torno de 80%. Antes do deslizamento a gente recebia cerca de 10 corretores por dia para mostrar os apartamentos. Agora vêm dois ou nenhum”, diz Adelson.

    A Cob Imóveis, imobiliária da construtora COB, é focada principalmente na venda de imóveis de alto luxo no Buritis. O gerente Mário Leon de Almeida conta que a procura por imóveis chegou a cair pela metade na região em função do deslizamento de terra, mas voltou a se aquecer a partir de agora. “Algumas pessoas falaram que havia muitos prédios caindo no bairro, mas a gente explicava que eram fatos isolados. O mercado reagiu como nos períodos de troca de governo. Deu uma parada, mas voltou a se aquecer”, diz Almeida.

    Cerca de 90% das vendas da Séculos Imóveis são no Buritis. Neste mês, a procura caiu cerca de 15%, informa o gerente Carlos Alessandra Ferreira. “Não sabemos se foi em função das férias. Vamos ter certeza em fevereiro”, diz Ferreira. Já a gerente da Aceti Netimóveis, Gabriela Lara, afirma que as vendas caíram apenas na rua do desastre, a Laura Soares Carneiro. “Lá está quase impossível vender. Só quando tivermos um parecer sobre a rua. Mas no resto do bairro não sentimos queda de venda”, diz.

    O deslizamento no Buritis levou prédios a serem lacrados e moradores impedidos até de pegar objetos pessoais. Trincas e rachaduras foram descobertas nos pilares. O desastre causou queda de vendas não só no bairro como também em “pirambeiras” de outras regiões. “Notamos queda de procura nas ruas mais íngremes. As pessoas estão preferindo as ruas planas”, diz Eliane, da GR Imóveis.

    Pirambeira O ponto é um dos principais critérios na avaliação dos imóveis. As unidades em ruas íngremes podem ter desvalorização em até 40%, tanto no aluguel quanto na venda, informam as imobiliárias. A velocidade de vendas dessas unidades é, em média, de quatro a cinco vezes menor do que outros imóveis semelhantes na região, mas em ruas planas.

    0
    • O Poeta da Bolha 28 de janeiro de 2012 at 14:01

      Vide testemunho da vergonha e do descaso… quase um impropério:

      h t t p : / / w w w .youtube.com/watch?v=yMWWoaMCsLg

      0
  • bertz 27 de janeiro de 2012 at 11:17

    Aí pessoal to postando muito estes dias porque o comércio está simplesmente parado, já chequei meus telefones para ver se estão funcionando várias vezes, sai na rua e da pra jogar um bolinha, sumiram todos aqueles carros financiados ou já foram recuperados em busca e apreenção?.Situação tá começando a ficar interessante até para quem tem uma pequena grana na mão, final do mês ou final dos lucros.

    0
  • bertz 27 de janeiro de 2012 at 11:35

    apreensão desculpe

    0
  • Pedro 27 de janeiro de 2012 at 13:52

    h t t p : //br.finance.yahoo.com/news/Reclama%C3%A7%C3%B5es-construtoras-inmoney-927110210.html?x=0

    Reclamações contra construtoras crescem 59% em 2011, diz Amspa

    SÃO PAULO – Em 2011, houve um aumento de 59% nas reclamações, contra as construtoras, de proprietários de imóveis comprados na planta, de acordo com balanço realizado pela Amspa (Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências).

    As reclamações contra as instituições financeiras também mostraram alta, de 16%. De acordo com o levantamento, as queixas mais relatadas em 2011 foram referentes a problemas como atraso na obra, vícios ou defeitos de construção, taxas abusivas como Sati (Serviços de Assessoria Técnico Imobiliária) e corretagem e cobrança de juros sobre juros e leilões de imóveis.

    Construtoras e bancos
    “Das muitas queixas que recebemos todos os dias, quase 60% delas são contra construtoras, as outras queixas são relacionadas a bancos. É nítida a falta de conhecimento dos mutuários. Por conta disso, ficam à mercê dessas instituições”, afirma o presidente da instituição, Marco Aurélio Luz.

    Entre janeiro e dezembro do ano passado, foram registradas 2.199 reclamações contra as construtoras e 32% dos reclamantes deram entrada na justiça, ou seja, 956 mutuários. Desta forma, houve um crescimento de 48% nas ações judiciárias, frente aos dados de 2010.

    Em relação aos casos de desacordo no financiamento, as reclamações atingiram o número de 769 em 2011, contra 664 do ano anterior, representando uma elevação de 15,81%. Dos consumidores insatisfeitos, 530 moveram ação no ano passado, contra 411 em 2010, atingindo um aumento de 28,89%.

    “Numa comparação entre as queixas de construtoras e bancos, aqui na Amspa, entre 2010 e 2011 tivemos 185% a mais de casos envolvendo construtoras e 120% em 2010”, ressalta Luz.

    0
  • Raposão 28 de janeiro de 2012 at 16:19

    Por falar em coisas do grupo O Globo…

    Dizem que relembrar é viver (ou sofrer, pra alguns):
    http://www.youtube.com/watch?v=XFcg4Nz9daM&feature=related

    Trágico como os ciclos teimam em querer se repetir!

    0