Preços de imóveis têm forte desaceleração – Portal Exame

Você pode gostar...

Comments
  • jayme 4 de janeiro de 2012 at 13:28

    finalmente!!!

    sera que estamos comecando ??

    0
    • waldemar 15 de janeiro de 2012 at 14:23

      O indice fipe é forjado pelas corretoras e incorporadoras, não incorpora descontos.
      Quando o peços dos imóveis subia rapidamente, a CRECI SP divulgava dados no máximo com um mês de atraso. Agora os dados são divuldos com 3 meses de atraso. Por que será? Entre nos site e veja: último dado divulgado da pesquisa é setembro e outubro ( não lembro quem é, estado ou município de São Paulo). Quanto tempo os apartamentos estão parados para a venda pelos preços absurdos ninguém pesquisa. Por que?

      0
  • augusto 4 de janeiro de 2012 at 13:35

    Na cidade mais rica do Pais, São Paulo, em outubro o Creci sp detectou em pesquisa com dados fornecidos pelas próprias imobiliárias, um decréscimo de quase 2,5% no preço dos usados.

    0
  • jacob 4 de janeiro de 2012 at 13:42

    Se em dezembro o fipezap, que pega valor de oferta (e nao de venda), apresentou este resultado, imagina a REALIDADE dos proximos meses, com economia desaquecendo, incidencia das despesas de inicio de ano, aumento de salario minimo sendo repassado nos indices de correcao do saldo devedor e nos custos dos produtos de forma geral.
    Se eu fosse investidor da bolha ja estaria oferecendo desconto no meu apto uma hora destas…

    0
    • augusto 4 de janeiro de 2012 at 15:11

      Jacob voce foi muito feliz quando disse que o indice FIPE pega valor de oferta e não de venda.
      Resumo dizendo que é um indice fajuto, e nem um pouco confiável

      0
      • Luiz AG 4 de janeiro de 2012 at 16:29

        Mesma coisa para carro, tenta vender um pela tabela Fipe…

        0
    • Carlos Wagner 4 de janeiro de 2012 at 16:25

      Os corretores, empreendedores, imobiliarias e empresarios do setor ja perceberam: Se não baixar o preço, não vende; consequentemente, eles não sobreviverão por muito tempo arcando com os custos para manterem seus negocios.

      Resultado: Começaram a ceder.

      Mais uma previsão que está se concretizando. Afinal, havia outro caminho? hehe

      0
      • alda 5 de janeiro de 2012 at 13:12

        Isso é porque o brasileiro esta ganhando bem.

        0
    • alda 5 de janeiro de 2012 at 13:11

      SÃO PAULO – Quase 37% da população brasileira não tem condições de pagar suas dívidas, conforme mostram os dados do IEF (Índice de Expectativa das Famílias), divulgado nesta quinta-feira (5) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

      Os dados mostraram que apenas 13,2% dos entrevistados acreditam que terão condições de honrar os compromissos, enquanto 47,8% responderam, em dezembro, que conseguiriam quitar parcialmente as contas.

      Regiões
      Entre as regiões do Brasil, no Centro-Oeste é onde está o maior índice de expectativa quanto à capacidade de pagamento de contas em atraso. Por lá, 37,5% das famílias acreditam que vão conseguir pagar todas as suas contas em atraso. No Sudeste a taxa é a segunda maior do Brasil, de 23%:

      Expectativa sobre a capacidade de pagamento de contas atrasadas (%)
      Região Vai pagar totalmente Vai pagar em partes Não terá condições de pagar
      Centro-Oeste 37,5 25 37,5
      Nordeste 8,4 54,4 35,2
      Norte 2,2 37,0 60,9
      Sudeste 23 33,3 39,3
      Sul 16,4 63,9 18
      Fonte: Ipea – IEF

      Novas dívidas
      O estudo também mostrou que 6,8% das famílias entrevistadas planejavam tomar empréstimos ou financiamento para adquirir algum bem nos próximos três meses. Em relação às regiões do Brasil, no Nordeste é onde há mais pessoas interessadas em empréstimos para aquisição de bens (11,1%).

      No Centro-Oeste a taxa também é alta, de 6,8%, a mesma encontrada no Sudeste. Na sequência, vêm Sul e Norte, com taxas de 5,2% e 2,7%, nesta ordem.

      0
  • MrJaime 4 de janeiro de 2012 at 13:47

    oglobo. globo. com/economia/miriam/posts/2012/01/04/economia-desacelerou-preco-dos-imoveis-subiu-menos-424647.asp

    “O economista André Perfeito, da Gradual Investimentos, que fez o gráfico, destaca que, enquanto os preços dos alimentos sobem, outros apontam fadiga de alta, como os dos imóveis.

    – Esta alta simplesmente não pode continuar nestas taxas por muito tempo a não ser que a compra de imóveis seja pelo motivo especulação e não necessariamente para moradia – diz o analista.”

    É como eu costumo dizer: Quando alguam coisa sai na mídia de massa é porque o estágio já está bastante avançado.

    0
  • Pepper 4 de janeiro de 2012 at 13:58

    E diziam que o mercado de Brasília era diferente, o que justificaria a alta lá… A diferença é que foi o primeiro a cair!

    0
    • MrJaime 4 de janeiro de 2012 at 14:07

      Sr. Pimenta,

      Essa história de “Aqui é diferente” é uma constante em momentos de bolha.
      Sou novo no blog, e talvez vez o vídeo a seguir já seja conhecido por todos. Caso negativo, sugiro gastarem bons 15 minutos com bastante atenção:

      www. youtube. com/watch?v=-pnEO0ePkUA

      Definição de bolha: “Uma bolha ocorre quando a inflação de um ativo sobe acima do que os rendimentos podem sustentar”

      Frases destaque: “Desta vez é diferente” ou “Aqui é diferente”

      O vídeo mostra, também, um padrão muito comum do pós-burst: O preço geralmente decresce na mesma velocidade que subiu até alcançar um valor menor ou igual ao preço logo antes do início da bolha (descontada a inflação, é claro). Então, caso os preços realmente estejam começando a cair como a maioria aqui do blog acredita, o bom momento para comprar seria apenas daqui há 3 ou 4 anos.

      Quem ainda não assistiu ao vídeo, não deixe de assistir. Recomendo, também, o ótimo livro “Crash course” do mesmo autor do vídeo: Chris Martenson.

      0
      • Pepper 4 de janeiro de 2012 at 14:30

        MrJaime,
        agradeço pela indicação do video. Gostei muito.

        0
      • augusto 4 de janeiro de 2012 at 15:08

        Mr Jaime, por favor não consigo abrir o video, copio e colo ele na barra de endereços do navegador, mas só abre uma relaçãodo you tube, onde parece não constar o video.

        0
        • MrJaime 4 de janeiro de 2012 at 15:11

          Você precisa editar o endereço e tirar os espaços.

          Caso não funcione, faça, no youtube, um search por “curso crash capitulo 15”. Será o primeiro vídeo entre os resultados.

          0
          • augusto 4 de janeiro de 2012 at 17:28

            Obrigado MrJaime, consegui tirando os espaços.
            Ótimo video, parabens por te-lo achado e posto a nossa disposição. Será que nossos ilustres governantes, e empresários e bocós de mola do povo, que acreditam em Papai Noel, ou QUE DESTA VEZ SERÁ DIFERENTE, OU QUE O BRASIL É DIFERENTE, conhecem tal video?
            É impressionante ver como as coisas se repetem de tempo em tempo, só que agora temos a internet e blogs como este, para mostrar a burrice, ganância, e má intenção de uma pequena parte de pessoas, que tentam manipular milhões

            0
      • Cleyton 4 de janeiro de 2012 at 19:25

        MrJaime, muito bom o vídeo, apesar que discordo um pouco da velocidade da queda e da contaminação direta da bolsa, acho que se houver condições pessimistas (e há na europa e na china) a queda pode ser bem acentuada, boas empresas também costumam sair-se bem, mesmo que o índice geral caia, afinal tem gente de verdade trabalhando pra gerar riqueza e lucro.

        Uma coisa importante é que os estadunidenses tem cultura de poupança, já que lá os serviços públicos não são tão abundantes, aqui o pessoal não tem essa cultura e vai ser pego nadando pelado, ter prejuízo é uma coisa, dever as zorbas é um pouco mais complicado, vamos ver até onde o fôlego aguenta.

        0
      • Patrick 10 de janeiro de 2012 at 16:35

        Mr Jaime. Concordo totalmente com sei comentario. Sou novo no blog e, portanto, gostaria de tirar algumas duvidas. Sou carioca mas vivo na serra gaúcha há 3 anos. Eu sai do rio exatamente no momento em que essa palhaçada dos preços dos imóveis começou. O ape q eu morava no jardim botânico custava uns 300 mil na epoca. Hoje tem gente pedindo (e dando!!!) 700 mil. Um ovo de apartamento. Qdo converso com as pessoas eu noto 2 grupos de pessoas. Um q acha claramente que e uma bolha imobiliária e outro que acha os preços justificáveis e que a situação e decorrente pura e simplesmente do aumento da renda e da lei de oferta e procura. Curiosamente, os atuais proprietários dos imóveis se encontram no segundo grupo. Sem querer bancar o advogado do diabo e possível que não seja uma bolha? A banalização da palavra milhão nos valores dos imóveis e assombrosa. Se for uma bolha, o que iria acontecer com as pessoas que compraram na alta? Eu acho muito dificil que alguém q deu um milhão num 3quartos venda por 600 mil. Essas pessoas não podem manter o preco dos imóveis nas alturas, por mais irreal que seja?

        0
  • MrK 4 de janeiro de 2012 at 14:00

    MrJaime tem total razao, quando a coisa cai na midia é porque já foi pro brejo… Pra voces verem como as coisas sao… esse exemplo pra mim é o melhor do FIPEZAP:

    no predio onde eu morava tinha um ap a venda por 900mil (gavea), ficou vendendo 6 meses e nada…nada… o condominio la custa caro, entao o dono desistiu e botou pra alugar, conseguiu alugar. Logo apos um outro ap entrou a venda por 1.1milhao… esta ha 7 meses e nada, continua ate hoje, eis que soube que o dono do meu antigo ap, no mesmo predio, esta pedindo agora 1.3milhao no imovel, pois considera a coluna e o andar melhores em relacao ao de 1.1milhao.

    Em resumo: NAO venderam por 900mil, NAO venderam por 1.1milhao e NAO venderam por 1.3milhao…

    Mas pro criterio do FIPEZAP o predio valorizou 44% (900mil pra 1.3milhao) hahahahaha!!!

    o preco REAL desse predio sera conhecido quando um ap for realmente VENDIDO, e algo que me diz que sera, com sorte, na casa de R$800mil, pra voces verem o tamanho do abismo entre delirio e realidade!!!

    0
    • jacob 4 de janeiro de 2012 at 14:06

      Pra mim, pega o valor medio do aluguel no predio e divide por 0,55%, o resultado é o que ele vale.

      0
      • Eduardo 4 de janeiro de 2012 at 15:27

        Ou menos dependendo da “pressa” de vender!

        0
      • Galvão 5 de janeiro de 2012 at 09:36

        Concordo com essa lógica Jacob.

        Ontem estava fazendo essa conta na casa que moro aqui no Park Way em Brasília. O Aluguel que pago é R$ 1.800. Considerando que o valor do aluguel seria 0,5% do valor do imóvel, ele deveria valer: R$ 360k. O valor atual para venda está entre R$ 700k a R$ 800k (apenas nos lotes aqui na região estão pedindo R$ 600k).

        Portanto, na minha modesta opinião a bolha aqui está em aproximados 50%.

        0
    • xyz 4 de janeiro de 2012 at 15:29

      No ap que moro havia 2 placas de vende-se. Veio um aloprado e colocou uma terceira com valor quase 50% maior. As outras placas sumiram (pensei até que tinham sido vendidos), mas depois de duas semanas as placas voltaram, obviamente com preços “compatíveis” com o da terceira placa.

      Mas isso não é bolha, mas uma mera “correção” do mercado.

      0
      • augusto 4 de janeiro de 2012 at 17:35

        Como explica o video indicado pelo MrJaime, aqui não temos bolha, porque ” o Brasil é diferente” , e ” desta vez é diferente” . Nossa nova classe média com seus fabulosos rendimentos continuarão a comprar imóveis, cujos preços subirão ad eternum. Nossa massa de crédito é péquena em relação a outros Paises e outras baboseiras, DESTA VEZ É DIFERENTE, e somos diferentes

        Desculpem a ironia e brincadeira, mas temos que ridicularizar aqueles que tentam, agora desesperadamente e através de várias técnicas e instrumentos, continuar seu perigoso jogo. A Net e blogs como este são poderosas armas que não existiam antes, e que devem estar deixando aqueles mentecaptos loucos da vida.

        0
      • Júlio 5 de janeiro de 2012 at 13:06

        Acho que a gente podia entrar na brincadeira e colocar placas de anúncio em nossos imóveis também com o valor 50% acima do que vem-se se pedindo. Quem sabe ajuda a acelerar a inflação da bolha e acabar com ela de uma vez hehe

        0
    • Leo 6 de janeiro de 2012 at 16:03

      Mrk, por acaso esse predio fica na embaixador carlos taylor ?

      0
  • favelinho 4 de janeiro de 2012 at 14:12

    Desculpem a minha ignorância, mas não seria possível estabelermos um índice com base no ITBI arrecadado. Não refletiria o preço do metro caso a caso mas daria uma idéia geral do mercado, ou não?

    0
    • Jack Imóveis 4 de janeiro de 2012 at 14:43

      Caro Favelinho,

      Esse dado é publico?

      Abraços

      Jack – Perguntando

      0
      • favelinho 4 de janeiro de 2012 at 15:09

        Caro Jack, olha o que saiu no O Globo de hoje:
        Morar no Rio
        Veja como o mercado de imóveis no Rio está aquecido.
        O ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis), tributo que melhor reflete a alta de preços no setor, subiu 12% em valores reais em 2011.

        Acredito que toda informação sobre arrecadação é pública, só não sei onde obte-la.
        Agora compare a alta do ITBI com a do FIPE-ZAP.

        0
      • Jonathas 4 de janeiro de 2012 at 15:09

        Jack,

        Provavelmente você encontra no portal da transparência de seu estado.

        0
      • Andre Luiz 4 de janeiro de 2012 at 15:11

        Deveria ser, já que esse dinheiro entra e sai dos cofres públicos.

        Talvez as câmaras de vereadores e os tribunais de contas tenham esses dados, mas não saberia dizer como um cidadão comum poderia obtê-los sem uma petição ou até mesmo uma ação judicial.

        0
      • NTL 4 de janeiro de 2012 at 15:12

        Para a cidade de São Paulo:

        prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/financas/contaspublicas/index.php?p=3216

        0
      • Samuel 4 de janeiro de 2012 at 15:16

        Prezado Jack,

        Os valores arrecadados no portal da trasparência dos municipios.
        Em São Paulo: h t t p : / / w w w.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/financas/contaspublicas/
        Só que lá vamos encontrar valores, não há quantidade de fatos geradores (transações imobiliárias).
        O valor da arrecadação vem aumentando paulatinamente, no caso do ITBI. É complicado mensuarar a base de cálculo (valor do imóvel).
        Tem também o valor arrecadado a título de IPTU.
        Em comparações com anos anteriores há claro aumento dos dois tributos.
        Seja pela quantidade negociada, seja pela aumento expressivo da base de cálculo do tributo (no caso o valor dos imóveis).

        abraços.

        0
  • Menino_do_Rio 4 de janeiro de 2012 at 14:19

    Minha leitura desta notícia é diferente da maioria.
    Um aumento de 1,1% em um mês fraco para imóveis como dezembro, preços no teto e o mercado saturado; foi muito bom.

    Foi isso que imaginei em 2007, não queria que o PT usasse minhas suadas economias para fazer “inclusão social” eleitoreira. Daquela época até o fim da dinastia lulesca as poupanças serão corroídas pela inflação (imobiliária e serviços) e pela diminuição da remuneração dos investimentos.
    Mas pelo menos esse “socialismo” com o dinheiro de quem poupa pensando no futuro tem data marcada para acabar: o início do 4o. mandato do Lula. Até lá acredito em valorização acima do CDI + aluguel.

    Não fiquem achando que sou um vidente financeiro, eu deveria ter esperado mais um ano para me desfazer do FGTS_PETROBRAS e comprar imóveis, pois acho que os imóveis na área onde comprei tiveram os menor valor no final de 2008 e as açoes no meio de 2008.

    0
  • Kjungle 4 de janeiro de 2012 at 14:37

    No que se refere ao índice mais divulgado, o do ZAP, parece evidente a todos que nada tem a ver com a realidade. Deveria ser chamado de índice de esperança do vendedor, ou algo correlato.
    Ao que me perguntei se não haveria algo mais útil na rede, principalmente porque há empresas que precisam se planejar seriamente e que atuam no ramo imobiliário.
    Bom, até achei que se houvesse a informação seria mais sigilosa, mas parece que nem é tão assim:

    http://ademi.webtexto.com.br/rubrique.php3?id_rubrique=66

    Reparem a relação entre o número de ofertas e o número de unidades efetivamente escrituradas. O índice mais recente é de julho de 2011. Parece também que trata só de lançamentos, não pude ler o relatório todo.
    Estes índices é que deveriam ser divulgados, não os do ZAP.

    Sds

    0
  • Murdoch 4 de janeiro de 2012 at 15:15

    Acho essa notícia importante não só pra mostrar o momento do mundo hoje, como pq o Governo Federal ainda pode crer que atravessaremos isso como marolinha…

    Brasil capta US$ 750 mi ao emitir bônus com a taxa mais baixa da história
    O governo brasileiro captou U$S 750 milhões com a oferta de títulos Global 2021 (com vencimento em 2021), nos EUA e na Europa, com a menor taxa de retorno ao investidor (yield) da história para emissões do país: 3,449% ao ano. A demanda dos investidores superou a oferta inicial, que era de U$S 500 milhões.

    A operação será estendida ao mercado asiático, na madrugada desta quarta-feira. A taxa obtida pelo Brasil está 1,5 ponto porcentual acima do que é pago pelo governo norte-americano, cujos títulos são considerados os mais seguros do mundo para investimento.

    A liquidação da operação será no próximo dia 6. Os investidores também vão receber juros (cupom) de 4,875% ao ano a cada seis meses, nos dias 22 de janeiro e de julho de cada ano até o vencimento. Os títulos foram vendidos por 110,997% do seu valor de face.

    0
    • augusto 4 de janeiro de 2012 at 17:37

      Quero ver ele conseguir tal “façanha” quando o exceso liquidez mundial for corrigido

      0
  • Pedro 4 de janeiro de 2012 at 15:19

    Estamos começando a viver tempos mais realistas em relação aos preços de imóveis. O que ainda pode manter os altos preços é a saída de muitos apartamentos do mercado de venda. Aqueles que entraram porque os proprietários quiseram aproveitar a onda de valorização, vendendo seus muquifos por fortunas inimagináveis. O post do MrK retrata isso muito bem. O cara desiste de vender e coloca para alugar. Mas se quiser realmente vender vai ter que colocar um bom deconto, de pelo menos 20 a 25%. O aumento colocado pelo FIPEZAP é mentiroso! Na Selva de Pedra no Leblon a valorização foi de no máximo 15% em 2011. No prédio onde alugo um apto existem 3 à venda há mais de 6 meses e NADA.

    0
    • MrJaime 4 de janeiro de 2012 at 15:32

      Pedro,

      Se nego começar a tirar os anúncios de venda para tentar alugar, então a oferta de aluguel aumentará muito, o que pressionará os preços do aluguel para baixo. Isso fará com que a relação aluguel vs. preço do imóvel deteriore ainda mais, estimulando ainda mais pessoas a morar de aluguel.
      Como consequência, a demanda por compra de imóveis cairia, o que também pressionaria ainda mais os preços dos imóveis para baixo.

      0
      • Neo 4 de janeiro de 2012 at 15:43

        É disso que o povo gosta, aluguel barato

        PRA FRENTE BRASILLLLLLLLLLLLLL

        Aos que tomaram a pilula vermelha, só esperar

        0
      • Pensativo 4 de janeiro de 2012 at 17:35

        Aqui no Rio os imóveis já estão voltando a serem ofertados para aluguel. Aguardem até depois do carnaval e verão a enxurrada de imóveis disponíveis. E os preços, lógico, tentem a cair.

        0
        • Luiz 4 de janeiro de 2012 at 18:05

          Sem querer me emter na praia de vcs, o Rio já deu quase tudo o que tinha que dar

          Quase todas as principais favelas pacificadas
          Copa e olimpiada precificado
          Carnaval, verão, férias, temporada, rolando….
          Obras de estadio, do PAC, todas anunciadas em andamento
          Propaganda do tarja vermelha já estamos cansados de ver
          Petroleo, já somos uma arábia

          Daqui em diante a possibilidade de notícia nova boa é quase zero

          Agora é deixar que a natureza cuida, Darwin sabia.

          0
          • Paulo - RJ 4 de janeiro de 2012 at 18:43

            Tentaram correr uma maratona em ritmo de 800m rasos.
            Toda especulação a ser praticada em 10 anos foi antecipada para menos de 2 anos.
            Agora falta fôlego.

            0
  • Scotch 4 de janeiro de 2012 at 16:10

    Preço dos imóveis tende à estabilidade, diz construtora

    Incorporadora Yuny afirma que vendas já não estão tão aquecidas como em 2010 e que há menor pressão de especuladores sobre os preços

    Salvar notícia inShare.0 (0) Views (103) João Sandrini, de

    “… os investidores deveriam ser cautelosos ao investir em salinhas, principalmente em empreendimentos localizados em bairros com pouca vocação para o segmento comercial. “Hoje o mercado está muito bom, mas o investidor só vai receber esse imóvel daqui a três anos. Tem investidor que compra quatro ou cinco salinhas no mesmo prédio. Se houver vacância, o retorno do investimento vai por água abaixo.”…”

    http : / / exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/preco-dos-imoveis-tende-a-estabilidade-diz-construtora?page=1&slug_name=preco-dos-imoveis-tende-a-estabilidade-diz-construtora

    0
    • Neo 4 de janeiro de 2012 at 16:25

      De repente o país esta cheio de Robert Kyosaki

      ainda bem que o preço das casas nunca caem
      e não terá vacância, pois o país esta crescendo muito
      por aqui só passa marolinha

      0
    • Orozimbo 4 de janeiro de 2012 at 17:15

      “(…) há menor pressão de especuladores sobre os preços”

      Ué, o mercado todo não estava aquecido pelo excesso de demanda? Não vieram os “especialistas” dizer que não havia especuladores?

      0
      • augusto 4 de janeiro de 2012 at 17:40

        Não devemos esquecer ” nossa fabulosa nova classe média” com ” seus fantasticos rendimentos”, e nossa “exuberancia em fornecer crédito super racional”

        0
  • seisei 4 de janeiro de 2012 at 17:23

    Imóveis usados sobem até 175% em 2 anos em SP
    Por Suzana Inhesta

    Os preços dos imóveis residenciais comercializados na capital paulista valorizaram em até 175% nos últimos dois anos, segundo levantamento da empresa de administração imobiliária no Estado de São Paulo, Lello. A pesquisa analisou apartamentos de dois dormitórios, que registram maior procura na cidade, entre 50 e 100 metros quadrados em prédios com mais de cinco anos de existência e área de lazer, localizados nas regiões de Perdizes, Jardins, Santana, Mooca e Tatuapé. Os imóveis foram comercializados em 2009, retornaram ao estoque da administradora e foram revendidos em 2011.

    De acordo com a Lello, em nota, o valor médio do metro quadrado dos apartamentos nessas cinco regiões, foi de R$ 4,97 mil em 2011, com um aumento médio de 56,6%. “Isto significa que há dois anos o valor médio do metro quadrado do tipo de imóvel usado mais procurado na cidade era de R$ 3,1 mil, aproximadamente”, disse a administradora.

    O pico de valorização de preços foi registrado na região da Mooca, de até 175%, com média de 80%. Na área do Tatuapé, os apartamentos usados de dois dormitórios tiveram valorização de até 93%, com média de 56%. Já na região de Perdizes a valorização máxima observada foi de 86%, e a média, 51%. Na área dos Jardins a valorização média foi de 52% e, em Santana, de 51%, com picos de 54%.

    “A revitalização de bairros e a expansão da malha metro-ferroviária, aliada à alta demanda, ajudaram a valorizar o mercado imobiliário paulistano, que se tornou, mais do que nunca, uma excelente opção de investimento”, afirmou a diretora da Lello Imóveis, Roseli Hernandes, no comunicado. Segundo ela, na média, a rentabilidade bruta para quem comprou há dois anos foi de 2,35% ao mês, chegando, em alguns casos, a 7,3%, como no caso de apartamentos da região da Mooca.

    2012

    Para o ano, a Lello acredita que o imóvel continuará sendo uma boa aposta de investimento “seguro e rentável”. A tendência será de concorrer mais intensamente com os investimentos em renda fixa, cuja rentabilidade tende a cair com a redução da taxa Selic. “Não há bolha no mercado imobiliário, uma vez que ainda há farta disponibilidade de crédito e a demanda continua alta. Por isso não temos indicativo de que haverá qualquer redução no preço de imóveis usados. Pelo contrário, eles continuarão se valorizando, sendo ótima opção para investimento em locação e revenda”, declarou Hernandes.

    A diretora da Lello lembrou, ainda, que o preço médio do metro quadrado dos imóveis usados em São Paulo, maior cidade do país, ainda é bastante inferior às principais capitais mundiais, como Lisboa, Xangai, Moscou, Berlim e até mesmo a Cidade do Cabo. “Isso significa que ainda há espaço para a elevação dos valores”, completou a diretora.

    PELA REPORTAGEM É COMPRAR E CORRER PRO ABRAÇO….VAI SUBIR MAIS!(http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/76318_IMOVEIS+USADOS+SOBEM+ATE+175+EM+2+ANOS+EM+SP)

    0
  • Newton 4 de janeiro de 2012 at 17:28

    Já virão essa do InfoMoney/Uol Economia?

    Valorização de imóveis deve continuar até 2017, diz especialista:
    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/12/20/valorizacao-de-imoveis-deve-continuar-ate-2017.jhtm

    Acho uma afronta às pessoas inteligentes deste país, um absurto, um abuso. É do mesmo nível das “previsões” para crescimento dos valores em Brasília até 2022.

    E o pior é que tem gente que ainda acredita e vai correndo comprar um imóvel financiado antes que o preço aumente!

    0
  • Luiz 4 de janeiro de 2012 at 17:44

    BOLHA IMOBILIARIA NA CHINA ESTOURA

    Após anos de especulação, parece que toda a agressiva expansão monetária engendrada pelo Banco Central da China finalmente está apresentando a conta para aquele país outrora comunista. Como explicou Mises em sua famosa passagem em Ação Humana (cap. XX)

    NÃO HÁ meio de evitar o colapso final de um boom provocado pela expansão de crédito. A única alternativa é uma crise que virá mais cedo, provocada pela decisão voluntária de não se expandir mais o crédito, ou mais tarde, em decorrência de uma total e decisiva catástrofe de todo o sistema monetário.

    No jornal britânico The Telegraph, o experiente jornalista Ambrose Evans-Pritchard escreve:

    É difícil obter dados confiáveis sobre a China, mas sabemos que algo está definitivamente errado quando o Homelink, um website sobre imóveis daquele país, obtém a permissão de noticiar que os preços dos imóveis novos em Pequim caíram 35% em novembro em relação ao mês anterior. Se tal informação for verdadeira, ainda que remotamente, então aquele pouso suave almejado pelas autoridades chinesas foi extremamente mal calculado, e corre o risco de ficar fora de controle.

    A taxa de crescimento anual do agregado monetário M2 caiu para 12,7% em novembro, o valor mais baixo em 10 anos. A concessão de novos empréstimos encolheu 5% em termos mensais. O banco central começou a reverter sua política de aperto monetário agora que a inflação de preços começou a arrefecer, reduzindo a taxa do compulsório pela primeira vez desde 2008 com o intuito de atenuar a contração da liquidez.

    Na bolsa, as ações chinesas estão piscando vários sinais de alerta. O índice de Xangai já caiu 30% desde maio. Em relação ao pico de 2008, a queda já é de 60%, quase o mesmo tanto, em termos reais, da queda ocorrida em Wall Street de 1929 a 1933.

    Com várias manifestações desencadeadas pelos seguidos aumentos nos preços dos alimentos, a China está entre a cruz e a espada, tentando encontrar por meio de mais impressão de dinheiro uma saída para o desastre monetário que criou para si própria. A queda brusca na taxa de crescimento do agregado monetário M2 é um claro sinal de que uma forte desaceleração econômica está por vir. Em julho de 2008, a taxa de crescimento do M2 nos EUA literalmente despencou. Todos sabemos o que aconteceu dois meses depois. Para uma economia impulsionada por uma maciça expansão do crédito, o mais mínimo solavanco no fluxo de criação de dinheiro pode gerar desastrosas consequências.

    Após passar todo o ano elevando a taxa do compulsório, no vão esforço de tentar restringir a inflação de preços, o banco central chinês voltou a reduzir o compulsório há duas semanas, pela primeira vez em quase três anos; foi um claro sinal de que as autoridades monetárias chinesas estão lutando para tentar controlar a sua fatigada economia. Mas o planejamento central nunca funciona, obviamente. Ele consegue apenas criar mais distorções no mercado à medida que os burocratas tentam comandar e coordenar as ações individuais de milhões de pessoas — no caso da China, de mais de um bilhão.

    Para constatar os explícitos exemplos de investimentos insustentáveis gerados pela expansão artificial do crédito na China, basta olhar para os relatos sobre os mais de 60 milhões de apartamentos vagos, as cidades fantasmas e os parques de diversões abandonados.

    A China está a caminho de pouso brusco graças a mais um caso de ciclo econômico de expansão e contração criado pela política monetária de crédito fácil de seu banco central. Para aqueles que entendem as nuanças da Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos, isso era algo já esperado. E é só agora que os ‘especialistas’ estão finalmente se dando conta do que está acontecendo. E estão surpresos.

    0
    • augusto 4 de janeiro de 2012 at 18:05

      Mas é no mínimo curioso para não dizer outra coisa, o relativo silêncio sobre os problemas que a China começa a enfrentar e sem dúvidas enfrentará, principalmente na midia
      local ,e mesmo na internacional a omissão não é pequena

      0
    • Roberto Cesar 5 de janeiro de 2012 at 01:58

      A imprensa americana já está falando no estouro da bolha chinesa:

      rcesar.net/2011/12/bolha-imobiliaria-chinesa-esta-perdendo-ar/

      0
  • Johnny 4 de janeiro de 2012 at 17:49

    Ainda bem que não comprei um prédio popular há uns 5 meses atrás. Quase fechei.
    Eu ia entrar numa furada.
    Acabei não fechando porque percebi que meu salário não teria folga alguma para lazer por exemplo. Seria R$ 1600 de prestação, R$ 300 de condomínio. Como eu pagaria uma luz de 400 pratas já que eu teria que usar ar condicionado constantemente? Aqui no Rio não da pra dormir sem ar.
    Aconselho as pessoas a pensarem muito antes de comprar um imóvel hoje. Não se precipitem ao dizerem que os imóveis vão aumentar mais de valor. Isso não pode e não vai acontecer mais.

    0
    • Johnny 4 de janeiro de 2012 at 17:51

      Onde se lê “Ainda bem que não comprei um prédio popular…” leia-se “Ainda bem que não comprei um apto num prédio popular…”

      0
  • Luiz 4 de janeiro de 2012 at 18:13

    Hoje aconteceu algo de muito raro, interessante e novo na Bolsa

    Metade das empresas imobiliárias subiu, e metade caiu, na média deu zero

    Parece que elas finalmente pararam de agir em manada, será a nova fase de canibalismo entre elas está começando????

    Isso é importante acompanhar pq é a briga entre elas que vai catalizar o estouro

    0
  • gambati 4 de janeiro de 2012 at 18:26

    Se você pegar a própria variação do ZAP no RJ para alugueis desde 2008 dá uma variação de 93%, enquanto que para compra +/- 150% (descompasso entre o valor do bem e a sua renda).

    Minhas memórias sobre valorização de imóveis (mercado usados):
    Procurei por meu apto (flamengo, 2qts, zona sul RJ) em 2005/2006 (comprei no final de 2006). Também tive acesso aos valores anteriormente praticados (2003-2004) e percebi naquela época que a valorização anual era de 10-15% (e até o primeiro ano da série do zap registra isso). Os imóveis bons vendiam rápido enquanto que os ruins eram anunciados e progressivamente desvalorizados em até 20% até que se possibilitasse a sua venda. Naquela época os imóveis já eram anunciados com 10-20% de gordura para queimar numa negociação.

    Se eu olhar o valor da escritura anterior do meu imóvel (R$ 80 mil, 1998) e da minha compra (R$ 195 mil, 2006), percebe-se uma valorização de 12% ao ano (nominal).

    É certo que a expansão da oferta de crédito dos Bancos para o financiamento de imóveis (a juros relativamente baixos) fez expandir a demanda, de modo que se pode admitir uma valorização superior aos 12% a.a. anteriormente verificados, mas não tanto quanto os valores pedidos (FIPE-ZAP, 25% a.a.).

    Acabando-se a euforia do mercado, deve-se voltar ao valor de equilíbrio real entre oferta e demanda, o que implicaria uma redução de preços ou a manutenção dos preços atuais por um período mais longo, conforme já proposto pelos colegas do fórum bolha.

    Futurologia: Eu apostaria que o equilíbrio entre a oferta e a demanda projetando uma média entre o tanto (25% do FIPE-ZAP) e o tão pouco (12% pré expansão do crédito), algo na ordem de 18% ao ano. Dessa forma, para o período de 2008-2011 esperaria uma variação de 90-100% nos preços dos imóveis (o que alinharia a renda (aluguel) ao valor do bem). Ao se comparar com os valores do FIPE-ZAP (150%), podemos esperar uma queda de 35% dos preços pedidos, o que não é nada irrazoável. Ou seja, 1milhão pode valer de fato uns 650mil. Isso para os valores anunciados, fora o efeito barganha (+10-20%, conforme o estado do imóvel).

    Ou seja, imóvel usado na zona sul, velho e precisando de muita reforma (preço zap atual: R$ 1milhão) vai decair até R$ 650 mil e pra vender precisará ser anunciado por até 520mil.

    Tudo isso na minha humilde opinião.

    0
    • MrK 5 de janeiro de 2012 at 04:58

      excelente comentario, penso muito em linha com voce

      inclusive o potencial de queda que calculei por outra metodologia acabou ficando bem perto do seu, eu acho que se a economia andar razoavelmente o preco cai 30%, se a economia desandar feio pode chegar a 45%, entao eu diria que o seu 35% esta bem alinhado!

      quanto a gordura, hoje esta maior que a historica, acho que hoje ja se anuncia com 20% de gordura pelo menos… eh o famoso `vai que cola`

      0
      • maurizio 5 de janeiro de 2012 at 23:07

        Quando uma bolha do tamanho da bolha brasileira estoura a economia por definiçao acaba indo mal

        0
  • Paulo - RJ 4 de janeiro de 2012 at 18:37

    Notícias e comentários no O Globo, a respeito do aumento de aluguel no Rio (tirar os espaços).

    h t t p :/ /og lobo.globo.com/ imoveis/cust o-medio-do-aluguel-residencial-no-rio-sobe-21-em-2011-3563656#comments

    0
    • Pensativo 4 de janeiro de 2012 at 19:04

      É porque o Rio é a única capital em se pode ver uma tampa de bueiro voando. Com certeza isso é uma grande atração turística.
      oglobo. globo. com/rio/tres-bueiros-explodem-em-frente-ao-tribunal-de-justica-no-centro-do-rio-3567155

      0
  • Anonymous 4 de janeiro de 2012 at 18:48

    Brasil registra 2º maior ingresso de dólares da história em 2011
    www . folha . uol . com . br/poder/1029765-brasil-registra-2-maior-ingresso-de-dolares-da-historia-em-2011 . shtml

    A chamada é mais uma daqueles noticias otimistas de início de ano. Entretanto, lendo o texto voce descobre o seguinte:

    Novembro – deficit de 942 milhões de dólares
    Dezembro – deficit de 1,94 bilhão de dólares

    0
    • LAR 4 de janeiro de 2012 at 21:44

      realmente acho que a tendencia é de déficit… mas isso nao interessa ne msm… rs

      0
    • xyz 4 de janeiro de 2012 at 22:10

      Quase tudo foi no 1o. semestre.

      0
    • dp 5 de janeiro de 2012 at 17:59

      A noticia poderia muito bem ser ” remessa de lucros para o exterior bate recorde” que foi exatamente o que causou o resultado do 2o semestre. Mas ai a noticia teria conotacao negativa,ne? E como no Brasil tudo eh lindo e maravilhoso, nao pode ter noticia economica negativa.

      0
  • lrp 4 de janeiro de 2012 at 18:59

    artigo de 2006, antes da bolha americana estourar.

    Em 1991, o valor somado dos imóveis do Japão atingiu 18 trilhões de dólares, quatro vezes o preço de todos os prédios e casas dos Estados Unidos na época. Apenas o terreno do Palácio Imperial, em Tóquio, valia mais que todas as casas e prédios da Califórnia juntos. Embora fosse o auge da ascensão econômica e financeira do Japão, o preço estava muito além de quaisquer bons fundamentos econômicos. A bolha estourou, e vários dos bancos que financiaram a especulação imobiliária quebraram. O Japão entrou num longo período de estagnação econômica e os imóveis agora custam a metade do que custavam naquela época. Passados quinze anos, são os Estados Unidos que experimentam o mesmo fenômeno – só que em dimensões e com riscos muito maiores.

    Os dados são impressionantes: nos últimos dez anos, o preço médio das novas casas subiu 85%; metade dos empregos criados no setor privado americano desde 2001 relaciona-se ao setor imobiliário ou afins; em Manhattan, coração de Nova York, um apartamento de dois quartos custa em média 1,2 milhão de dólares. Diz-se que bolhas econômicas existem quando o preço de um determinado ativo sobe muito mais do que os conceitos econômicos conseguem explicar. É o que estaria ocorrendo hoje, segundo a maioria esmagadora dos economistas. Prova disso, dizem eles, é que a inflação, a renda e até os aluguéis nos EUA não acompanharam esses preços. Nos últimos dez anos, por exemplo, o valor do metro quadrado em Manhattan subiu 130%. No mesmo período, a inflação americana ficou em 25%. Se há uma bolha, como sustentam os economistas, ela um dia vai estourar, criando crises em cascata. Uma queda abrupta nos preços deixaria os americanos menos ricos e afetaria o crédito e o consumo – o que provavelmente afundaria o país numa recessão, com efeitos óbvios sobre toda a economia mundial. Na prática, se o preço dos imóveis despencar, os mutuários não conseguirão quitar os empréstimos que contraíram para comprá-los. A maioria dá o calote nos bancos, que, para ajustar seus balanços, cortam empréstimos às empresas. Daí à recessão é um pulo. Esse é o roteiro normal. Mas nesse caso existe uma agravante. Os consumidores e o ágil sistema financeiro americano descobriram uma maneira de ganhar ainda mais dinheiro com a própria bolha, usando suas casas como verdadeiros caixas eletrônicos. O mecanismo funciona da seguinte maneira: um imóvel comprado por 100.000 dólares há cinco anos pode valer hoje 150.000 dólares; o comprador vai até o banco, renegocia a hipoteca e faz um empréstimo dando como garantia essa valorização de 50.000 dólares. Se o preço dos imóveis desabar de uma hora para outra, o dono da casa terá dificuldades para quitar o empréstimo e fatalmente reduzirá os gastos de consumo. Como milhões de famílias americanas embarcaram na febre imobiliária, o estouro na bolha teria um grande efeito em cadeia em toda a economia do país, com possíveis abalos no sistema financeiro.

    Essa bolha, inflada pelas baixas taxas de juro, é atualmente o principal propulsor do crescimento da economia americana. A valorização anormal no preço das moradias tornou os americanos 5 trilhões de dólares mais ricos em dez anos, já descontada a inflação. Parte dessa montanha de dinheiro transformou-se em gastos, o que sustentou os elevados níveis de consumo no país nos últimos anos e mais que atenuou a alta do petróleo. O problema é que nenhum economista acredita que essa febre imobiliária se sustente, e, de fato, já existem sinais de arrefecimento no mercado imobiliário americano. O estouro dessa bolha é apontado pelos principais economistas do planeta como um dos maiores riscos para a economia mundial. A grande incógnita é saber até quando essa bolha durará – e qual será o tamanho do tombo quando o ajuste nos preços fatalmente ocorrer. Segundo cálculos do economista Dean Baker, do Center for Economic and Policy Research, o fim da bolha poderia significar uma queda entre 3,6 e 4,5 pontos porcentuais na taxa de crescimento do PIB. Ou seja, deixaria o país à beira de uma recessão. Isso ocorreria por dois motivos: um direto, que é a queda na atividade imobiliária; outro indireto, que é a freada no consumo que resultaria da eliminação do efeito riqueza. Outros economistas não acreditam em cenários catastrofistas. “O ajuste será feito com gradualismo, não haverá mudanças abruptas que prejudiquem mutuários ou que façam a maior economia do mundo perder o equilíbrio”, diz Mauro Miranda, especialista em investimento imobiliário da Fundação Getulio Vargas. E o que aconteceria com o Brasil se a bolha estourasse? Teoricamente, a redução no consumo americano afetaria as exportações brasileiras, mas não se sabe em que proporção. Riscos como esse fazem lembrar que a atual fase de crescimento da economia mundial não será eterna. E exigem de países como o Brasil pressa nas reformas que geralmente ficam na gaveta em tempos de bonança.

    0
    • Cleyton 4 de janeiro de 2012 at 19:54

      “O ajuste será feito com gradualismo, não haverá mudanças abruptas que prejudiquem mutuários ou que façam a maior economia do mundo perder o equilíbrio”, diz Mauro Miranda, especialista em investimento imobiliário da Fundação Getulio Vargas.

      Engraçado, o texto é de 2006, a ladainha repete-se agora com o nosso mercado, “mas agora vai ser diferente”, beleza de “especialista” hein!

      0
    • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 13:06

      _ curtir

      0
  • thiago 4 de janeiro de 2012 at 19:05

    Se isso não for bolha joga o “Marx” no lixo

    http:// exame.abril. com.br/ seu-dinheiro/imoveis/noticias/imoveis-usados-sobem-ate-175-em-2-anos-em-sp-2

    São Paulo – Os preços dos imóveis residenciais comercializados na capital paulista valorizaram em até 175% nos últimos dois anos, segundo levantamento da empresa de administração imobiliária no Estado de São Paulo, Lello. A pesquisa analisou apartamentos de dois dormitórios, que registram maior procura na cidade, entre 50 e 100 metros quadrados em prédios com mais de cinco anos de existência e área de lazer, localizados nas regiões de Perdizes, Jardins, Santana, Mooca e Tatuapé. Os imóveis foram comercializados em 2009, retornaram ao estoque da administradora e foram revendidos em 2011.

    De acordo com a Lello, em nota, o valor médio do metro quadrado dos apartamentos nessas cinco regiões, foi de R$ 4,97 mil em 2011, com um aumento médio de 56,6%. “Isto significa que há dois anos o valor médio do metro quadrado do tipo de imóvel usado mais procurado na cidade era de R$ 3,1 mil, aproximadamente”, disse a administradora.

    O pico de valorização de preços foi registrado na região da Mooca, de até 175%, com média de 80%. Na área do Tatuapé, os apartamentos usados de dois dormitórios tiveram valorização de até 93%, com média de 56%. Já na região de Perdizes a valorização máxima observada foi de 86%, e a média, 51%. Na área dos Jardins a valorização média foi de 52% e, em Santana, de 51%, com picos de 54%.

    “A revitalização de bairros e a expansão da malha metro-ferroviária, aliada à alta demanda, ajudaram a valorizar o mercado imobiliário paulistano, que se tornou, mais do que nunca, uma excelente opção de investimento”, afirmou a diretora da Lello Imóveis, Roseli Hernandes, no comunicado. Segundo ela, na média, a rentabilidade bruta para quem comprou há dois anos foi de 2,35% ao mês, chegando, em alguns casos, a 7,3%, como no caso de apartamentos da região da Mooca.

    0
    • Neo 4 de janeiro de 2012 at 19:40

      “Like a cancer”

      youtube.com/watch?v=gejkrnjERCc&NR=1

      0
      • Roberto Cesar 5 de janeiro de 2012 at 02:08

        Muito boa esta entrevista do Alessio Rastani. Eu coloquei um post no meu blog com esse video na época, mas sem as legendas em Português. Só achei estranho a tradução de “cancer” como “cancro”.

        0
        • Neo 5 de janeiro de 2012 at 11:35

          Because is portuguese from Portugal

          0
          • Roberto Cesar 5 de janeiro de 2012 at 14:00

            OI Neo,

            Eu pensei nisso mais ainda assim achei estranho. “Cancro” que eu conheço é DST.

            0
    • Felipe 4 de janeiro de 2012 at 20:42

      Pagar 196% a mais para morar num lugar como a Mooca é zoado hein! Nada contra o bairro que é até simpático, mais até pra mim pq já trabalhei na rua da Mooca e sempre vou comprar sapato na Di Pollini. Mas a proximidade da Radial Leste, aquela estação de trem horrível e todos aqueles galpões velhos, além do trânsito e das enchentes fazem de lá um lugar que eu pagaria no máximo R$ 200 mil por um apto de 100 m2.

      0
  • L C 4 de janeiro de 2012 at 19:28

    Pessoal, acabei de renovar meu aluguel por R$ 2.100,00 em um Flat em Botafogo (1 quarto – 60 m2), perto do metrô. Meu entendimento tem sido direito com o proprietário (sem corretor envolvido). Nunca tive discordância com ele, mas agora fiquei na dúvida. Dentro daquela lógica do valor justo ser 200 aluguéis (os imóveis aqui não estão vendendo por 420.000,00), se puderem me ajudar, vocês acham que foi um mau negócio (estava pagando 1.800,00) ?

    0
    • Pensativo 4 de janeiro de 2012 at 19:40

      Não foi, está sendo.

      0
    • Luiz 4 de janeiro de 2012 at 20:24

      depende da qualidade do flat, quais serviços vem junto, quantas vagas, se o condominio esta incluso
      a principio sua conta está certa
      o aluguel está alto

      aqui em SP imoveis deste valor, perto do metrô, se aluga facilmente por mil e poucos
      se bem que temos muito mais Metro, então dá um desconto

      0
    • Ploc 4 de janeiro de 2012 at 21:41

      Acho que agora não faz muita diferença né.
      Além do mais, cada caso é um caso.

      0
    • MrK 5 de janeiro de 2012 at 05:04

      amigo LC, a conta nao eh tao simples assim

      voce tem que embutir por exemplo o custo de mudanca, caso fosse sair do imovel… hoje em dia uma mudanca decente nao sai por menos de R$1.000, uma de primeira qualidade mesmo pode bater R$2.000!! fora isso na entrega do imovel voce sempre precisa pagar algumas coisas, pequenos reparos… e tem todo stress envolvido (desliga net, liga net, desliga luz, liga luz…etc…correspondencia…) ou seja, voce economiza e posterga isso tudo quando renova

      quanto ao valor ser justo ou nao, nao tem como dizer, nao conheco seu predio nem ap, como disse bem o Luiz, pode ser que esteja barato ou caro.. eu ja vi gente pagando isso em ap na voluntarios da patria, pior rua de botafogo…

      0
      • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 10:56

        por outro lado o proprietario morre de medo da vacância, pagar condominio sem receber nada, todo o streess de esperar desocupar, anunuciar pra alugar, pagar corretagem, as reformas necessárias com o imovel vazio, o stress de realugar, o medo do novo ocuapnte ser picareta e etc

        0
        • trackback 5 de janeiro de 2012 at 11:00

          Por isso que é sempre válido dar uma “chorada” com o proprietário!

          0
  • bertz 4 de janeiro de 2012 at 19:32

    Olá amigos vai algumas dicas onde sempre encontrei bons negócios.

    A maioria pode até já saber mas muitos que estão fazendo o primeiro negócio de suas vidas cuidado:

    Oportunidades:

    1- Comprar de casais recém separados e estão em litígio. Estes estao em briga de vida e morte e fazem qualquer coisa para se livrar da outra pessoa no caso o imóvel é o que ainda une estes dois. Sempre ouvem qualquer proposta.

    2- Briga em familia de partilha por herdeiros, mesma situação anterior onde tem sempre um que esta falido e quer vender por 3 o que vale 12.

    3- Imoveis com documentação enrolada, mais trabalhoso e nunca aconselharia para ser um a primeira e unica aquisição.

    4- Lugares movimentados em tipo ruas a avenidas de grande tráfego ninguem se interessa mais hoje com drywall e janelas acusticas com 3% do valor do imovél resolve o problema e estes são sempre bem localizados.

    5- Pessoas que pretendem ir para outras cidades (menores da atual), pois o valor do imovel estão olhando geralmente e bem menor e o sonho do sossego de vida de interior ou outro motivo vale a pequena desvalorização de seu atual imóvel

    Neste casos sempre achei excelentes opções de compra, vale a pena pesquisar o motivo da venda pois se não se encontrarem nos motivos acima aqueles que precisam vender por dinheiro mesmo ficam na mão de pessoas próximas (parentes ou amigos) ou dos donos de imobiliaria mesmo. que sempre fazem transações apenas de todo mundo pensar que não.

    Tenho um amigo dono de imobiliaria vende na média 5 imóveis por mês que ele avalia bem abaixo do mercado, compra com laranja e revende rápido pois só compra filé com preço baixo. Segundo ele 45% mais ou menos de seu faturamento gira por aí, cuidado pessoal, compre direto proprietário por mais safado que este seja é mais honesto que qualquer imobiliaria.
    .

    0
    • Neo 4 de janeiro de 2012 at 19:47

      “compra com laranja e revende rápido pois só compra filé com preço baixo”

      Ai vem um recém formado em engenharia mecatronica
      que acabou de “arrumar um trampo”
      querendo me passar uma bucha [grifo meu pois sao 1800,00 cada mensalidade] de investimento que fez…..

      chupaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

      aventureiros sao os primeiros a pagarem o pato

      0
  • Lucas 4 de janeiro de 2012 at 19:34

    Tem um condomínio na zona norte do Rio de Janeiro, o Arena Park, alguém aqui no blog já falou sobre ele, ele tem + ou – 950 unidades.
    Pois bem, já vi anúncio de ap de lá de 59 m2 sendo anunciado por até 315k.
    Esse condomínio eu acho que foi entregue a uns 3 meses (não tenho certeza, também não sei se entregaram todas as unidades, só sei que tem gente morando), agora é só entrar no zap no bairro meier que você vai ver ap de 192k.
    Oferta de ap de lá é o que não falta.
    Se vc passar noite pelo condomíno vai ver um monte de ap de luz apagada, se vc passar de dia vê um monte de ap sem cortina.
    Se em todos os condomínios grandes que forem entregues acontecer isso, vai chover ap.
    O cerco tá fechando.

    0
    • Pensativo 4 de janeiro de 2012 at 19:43

      É como eu disse, alugar nos próximos anos irá sair muito mais em conta.

      0
    • Lucas 4 de janeiro de 2012 at 19:52

      Pensativo, vejo isso como um bom parâmetro, acho que a tendência do preço é despencar!
      Quanto mais condomínios entregues, mais o cerco está fechando.

      0
    • Sergio Figueiredo 4 de janeiro de 2012 at 20:29

      Esse Arena Park é horrível. Antes fosse Méier. É em Pilares. Lugar estranho e longe de tudo. Chega a ser possível caminhar até o Norte Shopping, mas, quem teria coragem de caminhar nesse trecho à noite?

      0
    • Ploc 4 de janeiro de 2012 at 21:11

      Tem outro aqui do meu lado em Jacarepaguá (Rio) ~500 unidades, entregue em setembro de 2011 depois de vários atrasos.
      Se tiver 40 moradores é muito. É facil perceber durante a noite / o numero de carros na garagem e o volume do lixo na porta (quase nada).
      Vários anúncios nos sites de imóveis.
      Quem seriam estes proprietários que não apareceram para morar? Ou será que não foram todos vendidos como se dizia?

      0
      • LAR 4 de janeiro de 2012 at 21:30

        ta falando de qual?? Attivitá?

        0
      • Lucas 4 de janeiro de 2012 at 22:30

        É por causa destas coisas estranhas que eu prefiro esperar.
        Vamos ver o que vai acontecer.

        0
      • MrK 5 de janeiro de 2012 at 05:09

        quando morava no rio, vi sendo construido 3 predios na gavea, 2 cheguei a ver serem entregues, pareciam verdadeiras vilas fantasma

        tinha um que mesmo passados mais de 2 meses das chaves so tinha UMA, isso mesmo UMA familia morando, e era um predio de 28 imoveiss, chama-se ideal gavea… hoje tem repasses e ofertas de alugueis dos mesmos no zap

        um fanfarrao ta pedindo 6.000 pelo aluguel, o predio fica em cima do baixo gavea, barulhento todos os dias e cheirando a gordura da picanha do garota da gavea…tremendo fanfarrao, vai alugar nunca!!

        0
    • Rodrigo 5 de janeiro de 2012 at 09:48

      Não vale nem isso, rodeado de favelas, comunidades, ou seja, lá como queira chamar… e ainda tem o Trem e a Linha Amarela, mas vendo pelo lado bom seguindo os conselhos acima oferece uns R$ 50.000, só colocar janela acústica blindada. Difícil vai ser freqüentar a piscina! ahah!

      0
  • Neo 4 de janeiro de 2012 at 19:41

    “Like a cancer”

    youtube.com/watch?v=gejkrnjERCc&NR=1

    0
  • Ratinho 4 de janeiro de 2012 at 19:44

    A exemplo de muitos colegas aqui, morar de aluguel também me desagrada, mas o mercado não está nada favorável… Vejam, meus investimentos renderam neste mês R$ 9,90 a mais do que pago de aluguel; no entanto, o dinheiro que possuo pagaria apenas pouco mais da metade do que estão pedindo por um ap., venda, no mesmo andar, idêntico… Tem alguma coisa errada, né?!!!

    0
    • Luiz 4 de janeiro de 2012 at 20:13

      tem, e não é com vc

      0
  • Tatanka 4 de janeiro de 2012 at 20:30

    As notícias começam a pipocar. Estamos próximos da virada, agora é calma.

    0
    • Inteligivel 5 de janeiro de 2012 at 10:48

      Calma para quem está vendido em imóveis. Mas acho que será desespero para quem estava especulando com eles.

      0
  • RT 4 de janeiro de 2012 at 20:32

    Viram a matéria hoje no site do Globo, falando sobre o aumento de aluguéis no Rio ao longo do ano passado (“http://oglobo.globo.com/imoveis/custo-medio-do-aluguel-residencial-no-rio-sobe-21-em-2011-3563656#comments”)?

    Um leitor deixou um comentário interessante por lá:

    “Tenho 3 clientes na Zona Sul com apartamentos na quadra da praia tentando vendê-los há 2 anos. O nome dessa bolha é bolha assassina. Já que a especulação se dá devido as Olimpíadas, eu acho que eu vou comprar um apartamento em Londres em Libras Esterlinas pra assistir a de lá. Não adianta meu amigo. Nenhum rendimento acompanhou a Bolha e segundo a FGV, os preços terão “queda significativa” segundo seus próprios analistas e economistas.”

    0
    • RT 4 de janeiro de 2012 at 20:34

      Outro comentário, da mesma pessoa:

      “Mari Raphael, e você pensa que estão alugando por esse preço que estão falando aí com facilidade aqui no Rio? Isso é cascata! Pra justificar um up na cidade de UPP’s e tudo mais. Vendendo então, não tenho visto ninguém. Trabalho no ramo imobiliário e tem imobiliária aqui que não vende imóvel desde abril. As mais famosas vendiam em média 17 por mês, estão vendendo 4. Esquema Estado/Prefeitura/Mídia pra valorizar a cidade. Mas cadê grana pra pagar? Só as obras deles. Tudo mentira.”

      0
    • Felipe 4 de janeiro de 2012 at 20:36

      RT, acho que até os próprios corretores estão querendo que essa bolha exploda. Porque é melhor para eles fecharem vários negócios com valor “abaixo do mercado” do que um ou outro de vez em nunca com valor bolhístico

      0
    • RT 4 de janeiro de 2012 at 20:37

      Mais comentários interessantes, desta vez de outros leitores:

      “As placas “aluga-se” se multiplicam na cidade. Alguém tem noção do que é pagar R$3mil de aluguel sem contar o condomínio? É preço está inflado sim. Nenhum salário ou investimento rendeu tanto quanto este aumento de aluguel. Estamos vivendo uma bolha de preços que pode estourar ou desinflar. A estabilização do “preço de venda anunciado” (FIPE-ZAP) já indica que há poucos negócios fechando neste mercado. Falta um índice que indique o real valor negociado. Os descontos devem ser grandes nas vendas.”

      ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

      “Exatamente, Sergio. Escreveu a pura verdade. E ainda tem uns com papo furado que os turistas Europeus, Americanos etc. Vem comprar pra copa e pras olimpíadas. Esse boato devia dar cadeia. Além de eles estarem falidos, quem é que vai no país do outro e compra um apartamento pra ver 2 ou 3 jogos? Ridículo!”

      +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

      “Concordo com seu comentário. Também penso assim. Ninguém teve ganhos de salário nem próximo disso. Tenho certeza que alguns grandes especuladores causaram esses aumentos para ganharem rios de dinheiro ( e ganharam ). Quem precisa comprar ou alugar imóveis, está perdido. Espero que essa loucura acabe logo e os preços voltem à realidade brasileira. Parece que todo mundo ficou rico no Brasil….”

      0
  • RD85 4 de janeiro de 2012 at 20:43

    Usando as palavras do nosso amigo do “crash course”, o problema da bolha das tulipas foi quando as pessoas perceberam que “after all, bulbs were just bulbs”…. nesse caso, em breve o mundo vai perceber que “after all Brazil is just the same old Brazil”…
    Violência, corrupção, miséria, indústria esvaziada e ridícula, logística de país de quinta, falta de infra-estrutura mínima e competividade zero…
    Nada além de um grande “nadador”, que foi preparado ao longo de 8 anos de medidas impopulares que colocaram a casa em ordem para que em seguida se nadasse 9 anos (desde 2003) na onda da alta dos preços de commodities e do crédito farto e fácil ao longo da última quase década…

    0
  • RT 4 de janeiro de 2012 at 20:53

    cARALHOOOOOOOOOOO, alguém tá vendo o Jornal Nacional agora??? Os caras falaram que a “baixa disponibilidade de apartamentos na cidade” aumenta a disputa e eleva os preços!!

    Baixa disponibilidade como??? Eles já olharam o zap?????

    Disseram também que a disponibilidade de crédito farto explica os preços!!! Como se alguém pudesse pagar as prestações de um financiamento de 800 mil!!!

    E finalizou com o cara do CRECI dizendo que os preços “encontraram o ponto de equilíbrio”!!!

    0
    • Fabiano 4 de janeiro de 2012 at 21:06

      RT os caras perderam a noção da realidade
      Veja bem pelo próprio simulador da caixa se um cara quiser comprar um apto de 1 milhão e meio de reais , com uma renda de 30 mil mensais

      Teria que dar de entrada R$ 742.539,32 e financiaria R$ 757.460,68 em módicos 30 anos

      Primeira parcelinha somente 9 mil reais rs rs , alguém ai no site se habilita …. afinal somos todos classe média rs rs

      0
      • Felipe 5 de janeiro de 2012 at 07:50

        A Classe C com certeza paga fácil um desses.
        É só juntar umas 5 famílias e comprar um apê.

        0
  • Ploc 4 de janeiro de 2012 at 20:53

    Jornal Nacional acaba de apresentar uma matéria sobre a super-valorização dos imóveis no Brasil.
    E avisa que chegamos num ponto que não tem mais como aumentar.

    0
    • Cássio Pereira 4 de janeiro de 2012 at 21:02

      É a bolha no JN.

      0
    • Ploc 4 de janeiro de 2012 at 22:51

      Só para registrar:
      h t t p : //g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/01/pesquisa-mostra-que-valorizacao-dos-imoveis-no-brasil-passou-de-100.html

      Edição do dia 04/01/2012

      04/01/2012 21h31 – Atualizado em 04/01/2012 21h31

      Pesquisa mostra que valorização dos imóveis no Brasil passou de 100%
      Explicação está na estabilidade econômica que dá mais segurança para fazer negócios a longo prazo e na grande oferta de crédito.
      O preço dos imóveis em algumas cidades brasileiras está assustando muita gente.

      Em 2011, a valorização do metro quadrado chegou a quase 100% dependendo do bairro.

      O que já estava caro ficou mais caro ainda. Foi o que mostrou uma pesquisa feita pela Fipe com preços de apartamentos anunciados pela internet. Nos últimos quatro anos, a valorização dos imóveis em todo o país passou dos 100%.

      Em 2011, o preço do metro quadrado subiu 26% nas sete capitais pesquisadas.

      A explicação está na estabilidade econômica – que dá mais segurança para fazer negócios a longo prazo e na grande oferta de crédito.

      O que acontece em cada cidade também tem influência. No Rio, existem poucos imóveis disponíveis. A disputa aumenta os preços. A valorização em 2011 foi de 35%. Em Salvador, bairros inteiros estão sendo construídos. E o preços subiram menos de 7%.

      O valor do metro quadrado mais alto é o do Distrito Federal, seguido do Rio de Janeiro e de São Paulo.

      Em São Paulo, o bairro mais caro é o jardim paulistano. O metro quadrado está acima de R$ 9.500. Já os imóveis que mais se valorizaram ficam na Vila Califórnia. Os preços lá subiram 47% em 2011.

      No Rio de Janeiro, o Leblon tem o metro quadrado mais caro. Mais de R$ 17 mil. Já os imóveis de um bairro muito menos conhecido dos brasileiros, chamado Brás de Pina, quase dobraram de preço em 2011.

      O bairro fica perto fica perto do Morro do Alemão, ocupado pelas forças de segurança em novembro de 2010 e que vai receber uma Unidade de Polícia Pacificadora.

      “Um bairro que já teve a instalação de uma UPP, um bairro que está próximo de uma instalação nova de metrô, vai trazer uma valorização imobiliária”, explica o Eduardo Zylberstajn,

      Mas algumas diferenças persistem. Quem vendesse um apartamento de 100 metros quadrados no Leblon, em 2008, compraria um de 170 metros no Jardim Paulistano. No ano passado, daria para comprar um maior ainda, de 178 metros quadrados.

      A velocidade dos aumentos – no Brasil inteiro – começou a diminuir no segundo semestre de 2011. Quem trabalha nesse mercado acredita que esse é um bom momento para fazer as contas e decidir se é hora de comprar ou de vender.

      “Eu acredito que não aumente o preço muito mais do que aconteceu. Jamais, do que vinha acontecendo. O mercado agora entra dentro de uma realidade. Encontrou seu ponto de equilíbrio”, afirma José Augusto Nato, presidente do Creci.

      0
      • Ploc 5 de janeiro de 2012 at 00:06

        REDE TV – Leitura Dinâmica (h t t p ://www.redetv.com.br/jornalismo/leituradinamica/)
        Acaba de apresentar na TV uma matéria curta informando que o preço do metro2 está em patamares exagerados.

        0
        • Pepper 5 de janeiro de 2012 at 00:49

          E agora foi a vez do Jornal da Globo falar dos preços exorbitantes e comparar o preço de um imóvel de dois quartos, 80m2, no Leblon (mais de R$ 1.300.000,00) com endereços sofisticados semelhantes em outras cidades pelo mundo (Londres, Paris, NY, Buenos Aires, São Paulo). Só Londres foi muito mais cara. Novamente, analistas dizem que o mercado se auto-regulou e os preços de São Paulo, Brasília e Rio já alcançaram o topo.
          Tantas matérias no mesmo sentido num só dia! Se acabou a omissão é porque o assunto já está muito escancarado mesmo.

          0
      • Ronaldo 5 de janeiro de 2012 at 09:25

        Eu tambem vi a reportagem do Jornal Nacional.
        Realmente o assunto “preços fora da realidade” atingiu seu pico. Para a Globo noticiar no seu horario nobre significa que nao ha mais duvida.
        Como todos sabem, esse é o ultimo passo para comprovar algo que muitos ja sabiam …. agora é a oficialização para o povão (que comprou apto carrissimo e ta pagando em 30 anos achando que ia valorizar eternamente … hehe)

        0
      • Anderson 9 de janeiro de 2012 at 14:49

        Tenho quase certeza, mas que isso foi uma matéria paga foi !

        Não sou do ramo imobiliário, mas conheço corretores que estão passando por difuculdades financeiras pq não estão vendendo nada, pelo motivo de cada hora o Dono do imóvel achar que o seu bem tá mais valorizado e assim vai…

        0
  • thiago 4 de janeiro de 2012 at 21:01

    Analisem o comentário pelo lado correto. Quando um representante do setor diz que o mercado encontrou um ponto de equlíbrio, na prática isso quer dizer que a coisa está bem pior. É como nas greves! Quando a empresa e o sindicato indicam adesão de 50 e 100%, é bem provável que seja 75%.

    0
  • Ploc 4 de janeiro de 2012 at 21:25

    Alguém já percebeu a quantidade de empresas de mudança e frete na rua?
    Acompanho uma empresa familiar perto de mim que cresceu assustadoramente no último ano. O cara tinha um caminhão pequenininho e agora tem uma frota de 5 caminhoes gigantes. Comprou 3 carros. Duas motos. E, passou a tirar a maior onda na redondeza. No meu entender essa bolha gerou e está gerando muito emprego.
    Eu mesmo não aceitei pagar o valor pedido pelo administrador do imóvel que alugava na ZS do Rio e me mudei para outra região mais barata do Rio. Sei de vários amigos que já receberam a cartinha pedindo para aumentar o valor e geralmente é o dobro do anterior.
    Nessa dança das cadeiras as empresas de mudanças se deram bem. Pena que não enxerguei isso antes.

    0
  • thiago 4 de janeiro de 2012 at 21:28

    Estadão

    A subida do preço dos imóveis residenciais não vai dar trégua, mas, pelo menos, ficará mais comportada. Empresários da construção e analistas do mercado afirmam que o preço da moradia nas principais capitais do País já atingiu um nível compatível com os novos padrões da economia brasileira.

    A estimativa para 2012 é que, ao invés de disparar 27%, como em 2011, os preços médios das habitações subam em um ritmo um pouco acima da inflação, em torno de 10% ao ano, em cidades como São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. Em outras, como Rio de Janeiro, Vitória e Recife, o aumento deve seguir mais forte.

    “De maneira geral, o movimento de recuperação do preço dos imóveis já ocorreu, após quase dez anos de estagnação”, afirma o presidente da unidade brasileira da Federação Internacional das Profissões Imobiliárias (Fiabci), Basílio Jafet. “Para 2012, a alta deve ficar perto da inflação.”

    Na avaliação do coordenador de pesquisas imobiliárias do Ibope Inteligência, Antônio Carlos Ruótolo, o aumento anual deve ser bem menor do que o registrado em 2011. “O crescimento chegou a um nível insustentável. Isso já está tornando o preço do metro quadrado proibitivo para a maioria dos consumidores.”

    A valorização dos imóveis foi impulsionada pelo crescimento do poder aquisitivo e da demanda da população, à medida que mais brasileiros deixavam a pobreza para ingressar na classe média, com melhores níveis de emprego e renda. / C.B.

    http:// economia.estadao. com.br/ noticias/economia,imoveis-devem-subir-acima-da-inflacao-em-2012,97912,0.htm

    O pior é ter que ler ” que o preço da moradia nas principais capitais do País já atingiu um nível compatível com os novos padrões da economia brasileira”

    Não sabia que o Brasil já tinha atingido o padrão de primeiro mundo. Estou na clase média e me sinto muito pobre quando olho os imóveis.

    Além disso a matéria é um pouco infundada. Encontramos os termos “o preço está compativel” e o “preço está proibitivo”, como se tivessem o mesmo viés.

    Prefiro crer no segundo termo

    0
  • LAR 4 de janeiro de 2012 at 21:28

    só sei que o dia que a inflação passar de 10% ao ano, eu compro uma bela de uma pepita de ouro com o dinheiro da poupança e guardo embaixo do meu colchão… heheheh

    sem contar o dólar… se passar de R$ 2,20 a mesma coisa…

    0
  • Anonymous 4 de janeiro de 2012 at 21:40

    Estou na Alemanha e pagando 2200 Reais/mes num hotel tres estrelas nos suburbios de uma cidade. Esse valor inclue estacionamento, TV a cabo e Internet. Na Banânia, o que consigo alugar por esse valor?

    0
    • Cigano 5 de janeiro de 2012 at 10:15

      Alemanha?? O sonho americano acabou?

      0
  • xyz 4 de janeiro de 2012 at 21:51

    Uma boa cobertura (laje) em comunidade pacificada do RJ.

    Veja que a banânia, como você se refere a este grande país, não deixa nada à desejar em relação ao pais onde você se encontra.

    O desemprego aí é um ponto percentual maior que o nosso, sem conta que as estatísticas aqui são muitas vezes mais confiáveis.

    0
  • LAR 4 de janeiro de 2012 at 21:55

    http://g1.globo.com/jornal-nacional/

    bolha no JN… acho q é motivo pra tópico e comemoração… a grande midia está tendo que mostrar

    0
    • Bolha Imobiliária 4 de janeiro de 2012 at 22:40

      O carinha que deu entrevista em nome do Fipe/ZAP entrou em contato comigo hoje. Ele pretende colocar um texto em esclarecimento sobre o indice

      0
      • Pepper 4 de janeiro de 2012 at 22:44

        Taí uma coisa que eu gostaria de ver.

        0
      • Veigalex 4 de janeiro de 2012 at 22:54

        Caraca o assunto ta bombando.. de tudo que é lado.. as açoes da Gafisa hoje despencaram um pouquinho..

        Bolha.. parabens.. estamos incomodando.. e informando..
        o gratificante é você ver aqueles que tiravam um barato de você, dizendo que os preços iriam subir.. adminitndo que tem algo errado.

        A reportagem foi meio comprada.. pois deveria falar da estagnação do mercado..

        Patricia Poeta: Venda de imovéis no Brasil esta estagnada!
        Bonner: Blogs como o Bolha Imobiliaria informam os internautas sobre a situação..

        kkkk iria ser o máximo..

        Vamos lá.. a Internet é fantastica.. colocou bolha no google.. vem pra ca.. e ai meu amigo.. o cara toma um balde de agua fria…

        Vamos divulgando.. a propaganda boca a boca é a melhor que tem..

        Vamos lá Fipe Zap.. diz ai porque os anuncios ficam em loop infinito.. nada expira..

        0
        • Bolha Imobiliária 5 de janeiro de 2012 at 10:58

          Pois é cara…Para nós, sem tetos está sendo gratificante…hehehe
          Digamos que não precisa saber muito de economia para entender que isto não ia continuar assim.

          0
          • Platão 5 de janeiro de 2012 at 14:23

            Parabens a todos do blog…. vão virar “estrelas” na TV…rs

            0
  • LAR 4 de janeiro de 2012 at 21:56

    imóveis em bras de pina dobraram de preço

    putz… bairro asqueirozo

    0
  • Sir Income 4 de janeiro de 2012 at 21:58

    Pessoal,

    Esse ano tivemos a menor taxa de desemprego. O pessoal do Itaú acha que foi provisório. Vejam comentário no blog do Ricardo Gallo:

    colunistas.ig.com.br/ricardogallo/2012/01/01/itau-comenta-desemprego-baixo/

    Temos eleições. Como a Dilma vai segurar a onda? Duvido que o PT entregue o poder fácil Vão usar todas as cartas na manga.

    Abraços,
    sirincome.blogspot.com

    0
  • MrJaime 4 de janeiro de 2012 at 22:18

    Gambati,

    Não devemos esquecer que durante a euforia trazida por expensão artificial de crédito, uma quantidade enorme de riqueza é mal direcionada (aos bancos, através de décadas de juros a serem pagos pelos compradores). Com isso, uma bolha sendo desinflada muitas vezes chega a preços menores do que os praticados pré-bolha (descontado a inflação, é claro). Isso ocorre até que a massa endividade tenha tempo para se livrar das (más) dívidas que assumiu, e a demanda volte a seu nível natural.
    O governo provavelmente tentará, como já tem tentado, evitar ao máximo que a economia busque o equilíbrio natural através da recessão causada pela ressaca do crédito e endividamento. Ao fazer isso, infelizmente ele só estará jogando mais gasolina ao fogo: estimulando o crédito e o consumo.

    Ludwig Von Mises, um dos pais da escola Austríaca de economia, alertou sabiamente:

    “Não há maneira de evitar o colapso final de um boom causado por expansão de crédito. A alternativa é se a crise virá mais cedo como resultado do abandono voluntário da expansão de crédito, ou mais tarde, com a catástrofe final da moeda envolvida.”

    Não é difícil entender o porque: Se eu ou você contraímos um empréstimo para consumir algo, estamos assumindo que no futuro consumiremos menos do que hoje, já que teremos que pagar a dívida adicionada a juros. Se milhões de pessoas fazem isso, o país está tomando crescimento emprestado do futuro. E o crescimento só seguirá enquanto o crédito (dívidas) continuar expandindo.

    0
  • carlos 5 de janeiro de 2012 at 00:44

    Posso estar fazendo um raciocínio um tanto simplista, mas uma vez que mesmo o CRECI já assume que os preços encontraram um “ponto de equilíbrio”, e que não devem aumentar como no passado, de imediato isto afugenta do mercado aqueles que compravam pra investir. Afinal, quem colocará grana num negócio que não promete render pelo menos mais que a inflação? Ao mesmo tempo, as pessoas que compraram apartamentos pra investir vão ficar tentadas a vender e aplicar o dinheiro em algo mais rentável. O problema é que quem vai querer comprar pra morar não vai ter condições de pagar o preço que o mercado especulativo quer. Não sei se a consequência será o estouro da bolha, mas que o preço dos imóveis deve cair, ah isso deve.

    0
  • carlos 5 de janeiro de 2012 at 00:49

    E só pra ilustrar o assunto: moro em Goiânia e no meio do ano passado estava vendo um apto pra comprar aqui. Pedida: 270K. Sondei e o cara aceitava até uns 255K. Optei por adiar a compra. Agora eu vejo o mesmo apto anunciado por 285. isto é, não vendeu por 270, nem por 255, que é o preço que ele aceitava, e agora quer 285. Lindo, não?

    0
    • Andre 5 de janeiro de 2012 at 06:26

      Carlos:

      Alguem aqui ja disse: Nunca tente comprar nada de quem nao quer vender. Por outro lado o proprietario do ap em questao nao sabe mas ja esta perdendo $$$ a nao ser que seja um daqueles vendedores que esteja morando/vendendo – ou seja nesse caso ele mora ate vender – nesse caso ele e o tipo de vendedor que que pensa assim: – “Esse e meu preço – se vender… vendeu” – Mas ele, tambem como um consumidor, quando recebe ofertas pelo imovel a primeira coisa que faz e “comparar” o valor da venda com a necessidade de comprar algo logo percebe que “nao compra nada”. Assim, o mercado fica engessado – parte por culpa dos vendedores que “nao precisam vender” e nao abaixam o preço e parte por culpa das incorporadoras que resolveram fazer dos imoveis um mercado parecido com essas feiras de automoveis – o problema e que os patios estao cheios e nao sabemos por quanto tempo vao segurar a bronca. Finalmente, se vc tivesse pago os 255 a 6 meses atras – esse dinheiro aplicado a 6% estaria em 265 – sera mesmo que vale a pena ter um imovel que nao vende por esse valor ou o dinheiro na mao liquido e certo?

      0
      • carlos 5 de janeiro de 2012 at 09:08

        Verdade, André. Agora, uma coisa realmente eu não entendo: o que os corretores ganham atribuindo preços irreais para os imóveis (e é claro que nesse caso tem o dedo de um corretor)? Afinal, a comissão de 5% de 240, por exemplo, não é assim tão diferente de 5% de 285, certo? Os caras simplesmente não estão conseguindo vender. Tem um outro apto que eu vi, que o cara queria 410, e aceitaria (eu acho) até uns 390. Isso ali em novembro do ano passado. Resultado: não vendeu e o preço subiu pra 420! Incrível. Quando eu for comprar o meu – e isto será esse ano, não tem jeito – vou perder a vergonha e oferecer 20% a menos da pedida. Porque a minha tese é: se a pedida é de 430, é porque o cara aceita até uns 390. Se não vendeu, é porque o preço real de venda é abaixo disso.

        0
        • Carcará 5 de janeiro de 2012 at 09:21

          Carlos,
          a média abutre (ou Carcará, como queira) é 60% do valor de 06/2011. Por 20% eles fecham agora.

          Abraços

          0
          • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 11:31

            Carlos, corretor no Br é uma espécie de jagunço que faz o trabalho sujo.
            Se o corretor não tá conseguindo vender com preço alto, então pra que o corretor serve?
            por isso os corretores estão do lado da alta

            EXISTIA aquele corretor que conhecia o bairro, que sugeria opções, que te levava p andar pela cidade no carro dele, garimpava oportunidades, com fortes conhecimentos jurídicos e urbanos, esse sim fazia valer a comissão, hoje ele não existe mais, foi engolido pelo dark side. Hj vc precisa de advogado pra lidar com corretores e construtoras.

            0
            • trackback 5 de janeiro de 2012 at 11:41

              Lado negro da força foi boa!!!

              Pagar corretagem em momentos como agora é revoltante!

              0
        • Andre 5 de janeiro de 2012 at 17:38

          Carlos o conselho que te dou e o seguinte – 1° nada de desespero na hora da compra, vc esta investindo para morar e nesse caso o imovel tem que ter todas as comodidades necessarias para suas necessidades – nao abra mao por causa do desespero de 1 vaga a mais, ou de 1 banheiro a mais, ou de 1 quarto a mais, ou de um playgrownd, piscina academias etc. (compre aquilo que necessita e seu dinheiro pode pagar).
          O que vc deve fazer – e eu ja fiz isso a alguns anos atras e simples: Bata perna nas regioes e ruas que vc. queira morar – simplesmente aborde os porteiros e zeladores perguntando se tem imoveis a venda – eles sao macomunados com os corretores – porem tambem sao macomunados com os donos dos apartamentos e nao perderao a oportunidade de ganhar um din-din. Muitos zeladores te mostram o AP e te colocam direto com o proiprietario (ai a negociaçao e sempre mais facil).
          Outra tatica e apresentar-se como “investidor nas imobiliarias e dizer que esta a fim de comprar um ap nas regiao tal e pagar ate R$ ja com comissoes e tudo mais – por incrivel que pareça, caso ele esteja com a corda no pescoço, vai fazer de tudo pra tentar forçar os proprietarios a vender e baixar o valor.
          Nao sei se esses conselhos foram uteis – mas eu mesmo ja comprei 2 aps ( ha muitos anos atras) assim; va com calma, os preços começam a cair e o futuro agora e so de baixa – talves consiga comprar um bom apartamento – Sorte para vc.

          0
          • carlos 7 de janeiro de 2012 at 16:34

            Valeu pelos conselhos, André. É por aí mesmo, ano passado eu quase comprei e vi depois que teria feito um péssimo negócio. Vou estudar a coisa com calma esse ano e espero fazer uma boa compra. Abraço.

            0
  • Mahmoud 5 de janeiro de 2012 at 01:39

    Mais um golpe da pirâmide a vista. Agora no Piauí:

    Piaui ganha nova forma de investimento imobiliário

    Com o aquecimento do mercado imobiliário, o piauiense vai ganhar uma nova forma de investir

    Imóveis – 12/12/2011 às 23:48h

    Com o aquecimento do mercado imobiliário, o piauiense vai ganhar uma nova forma de investir em imóveis com segurança e alta rentabilidade. É o InvestiFácil Imóveis, que será lançado no próximo dia 14, quarta-feira, no Hotel Metropolitan, e conta com a assinatura e a credibilidade da Econométrica Investimentos, do consultor Rafael Fonteles.

    O produto promete revolucionar o mercado imobiliário e financeiro do Piauí, atraindo novos investidores, que, através de uma Sociedade em Conta de Participação (SCP), vão poder financiar a construção de grandes empreendimentos imobiliários. Cada cotista receberá, após a construção e venda das unidades imobiliárias, o dinheiro investido com uma excelente rentabilidade.

    Segundo estimativas da equipe da Econométrica Investimentos e tendo com base estudos realizados em empreendimentos semelhantes, lançados nos últimos dois anos, a rentabilidade projetada (estimativa) para a primeira SCP da InvesteFácil Imóveis é de 2,39% a 3,26% ao mês. Rentabilidade esta já descontando todos os custos do projeto, exceto os impostos. Esse excelente retorno é possibilitado por três fatores: o custo da construção é menor do que o valor de venda das unidades prontas; há expectativa de valorização imobiliária na área escolhida para o projeto; os aportes são diluídos ao longo do tempo.

    0
  • Roberto Cesar 5 de janeiro de 2012 at 02:20

    O congresso está analisando uma lei para adiar o estouro da bolha. Querem dá dedução no IR para a prestação da casa própria:

    rcesar.net/2012/01/congresso-brasileiro-vota-lei-que-beneficia-os-ricos-e-ilude-o-povo/

    0
    • Felipe 5 de janeiro de 2012 at 07:59

      Isso é uma vergonha!
      Pq não incluem nessa vergonha quem paga aluguel? É pra morar também não é?

      0
      • Roberto Cesar 5 de janeiro de 2012 at 14:07

        Oi Felipe,

        Aqui nos EUA, onde essa nefasta dedução existe a longo tempo, as pessoas perguntam amesma coisa. Porque privilegiar quem financia e não quem paga aluguel. Só que aqui o movimento agora é reverso, eles estão querendo acabar com essa dedução pois as pessoas tão vendo que só os mais ricos realmente se beneficiam. Na Inglaterra, se não me engano, já acabaram com esse benefício pelo mesmo motivo.

        Mais uma vez o Brasil indo na contra-mão da história.

        0
    • Jonathas 5 de janeiro de 2012 at 10:29

      Fica tranquilo que isso é totalmente inconstitucional por vicio de iniciativa. Quem encaminhou o projeto foi uma deputada querendo aparecer. Deveria teri sido encaminhado pela nossa queridissima Presida.

      0
  • MrK 5 de janeiro de 2012 at 05:30

    Pessoal, essa conversa de que os imoveis chegaram ao “equilibrio” esta sendo dita pelas MESMAS pessoas e entidades que juravam que os imoveis valorizariam 30% ao ano por muito tempo ainda, por conta do deficit habitacional, pessoas que usaram esse argumento pra vender seus imoveis descontroladamente nos lancamentos!

    Eles dizem que a razao para o aumento de precos foi o deficit aliada a nova classe media, mas pera ai?? o defitit acabou? a nova classe media sumiu? nao!!! entao porque as vendas pararam? se o argumento deles era realista, as vendas deveriam continuar fortes e eles nao deveriam estar preocupados em inventar desculpas na midia…

    Agora, se a razao real para o aumento de precos foi credito solto e especulacao, ai sim faz sentido as vendas pararem, pois o credito uma hora consome todo orcamento disponivel via dividas, causando saturacao no poder compra, ja o especulador nao compra quando acha que os precos bateram no teto.

    Cada um eh livre pra acreditar no que quiser, mas saibam que se voce acredita na teoria do deficit e na nova classe media, entao os precos podem subir mais, pois ambos ainda estao ai, mas se voce acredita que foi credito solto e especulacao, os precos tendem a cair

    vamos aguardar….

    0
    • Andre 5 de janeiro de 2012 at 06:07

      Eu sinceramete nao vejo ainda aspectos reias de estouro – o que se percebe e apenas um mercado parado ja que os consumidores – ou por falta de grana ou por acharem os preços abusivos simplesmente pararam de comprar – o que fez com que o preço parasse de subir ja que essa situaçao – queda nas vendas – ja perdura ha mais de 6 meses. Entretanto ainda nao verifiquei uma real queda nos preços, ou aquele bando de especuladores abrindo mao de seus agios, parcelas atrasadas, ou execuçoes de hipotecas. Ainda penso que falta baixar o valor dos imoveis nao pela superoferta ou pelo fato de terem ficado caros mas sim pela falta de grana dos proprietarios que teriam que estar entre a cruz e a espada – de um lado a necessidade de vender pelo que derem mesmo perdendo um caminhao de grana e de outro a execuçao da hipoteca fazendo-o perder tudo – ai sim estaremos diante da verdadeira explosao

      0
      • Anonymous 5 de janeiro de 2012 at 07:29

        Andre,

        Em decorrência da soberba (orgulho excessivo, arrogância e vaidade), a pessoa vai negar que está precisando vender para equilibrar seu orçamento. Não percebe que vai chegar um tempo que haverá desespero. Ai, nós os abutres de plantão, compramos na “bacia das almas”.

        0
        • Felipe 5 de janeiro de 2012 at 08:01

          Falou e disse.

          0
      • MrK 5 de janeiro de 2012 at 08:11

        Andre, concordo que nao ha sinais de panico ou desespero, mas o mercado parado e’ sinal de que algo precisara ocorrer para oferta e demanda se encontrarem novamente, pois nao existe um mercado tao importante quanto esse ficar sem vendas, afinal construtoras, imobiliarias, corretores, fornecedores e varios outros dependem dessas vendas para viverem!!

        Some a isso o fato de que varias unidades estao ficando prontas com objetivo de revenda, ou seja, o que esta parado vai ficar parado e sobreofertado, nessa hora sera o estouro “oficial” e nao esta muito longe…

        0
        • neandertal 5 de janeiro de 2012 at 21:26

          nossssa… de novo essa ladainha? Vira o disco po!

          Dizem que se repete a mesma coisa 1000x quando é necessário convencer A SI MESMO dela.

          0
      • Moyashi 5 de janeiro de 2012 at 12:02

        André, não sei onde você mora, mas nos mercados que acompanho (Brasília e Campinas) já caiu o preço, sim. E caiu agora em dezembro. Ainda não voltou pro patamar pré-bolha, claro.

        Em Campinas a bolha não foi tão absurda como em outros lugares. Eu acredito que aqui os imóveis “apenas” dobraram de preço. Em Brasília eles triplicaram ou quadruplicaram. Imóvel de 350K está por 1.200 K… (3 quartos na Asa Norte).

        0
    • Felipe 5 de janeiro de 2012 at 07:55

      Vc lembra de quando falamos que a bolha estouraria quando no JN mostrasse uma reportagem dessas?
      Acho que estamos bem mais próximos do fim do que imaginávamos.
      Cadê o Miguel Jacó!?? rzrzrzrzrzrz

      0
  • Marcio 5 de janeiro de 2012 at 07:34

    Tenho uma renda familiar de 20k líquidos e uma reserva de 1.100k e aqui estou neste maravilhoso blog tentando entender o que está acontecendo. No Leblon, esta minha reserva não dá para comprar nada! No máximo um apartamento velho, precisando de reforma e sem vaga. Ridícula essa situação! Se eu pegar 200k no banco para pagar em 10 anos comprometo 20% da renda. Eu gostaria de saber quem são os compradores destes imóveis.

    0
    • Frank 5 de janeiro de 2012 at 12:03

      “Eu gostaria de saber quem são os compradores destes imóveis.”

      eu venho me fazendo essa pergunta há uns 2 anos.

      eu acho q, em particular na Zona Sul do RJ, dos q compraram para morar, a grande maioria fez upgrade de imóvel na região.

      o cara vendeu o 2 qts e passou para 3.

      ou trocou – por exemplo – Botafogo por Ipanema, com a mesma metragem.

      ele estava hedgeado (imóvel) na mesma região, e se valeu da valorização para dar o pulo (ainda q tenha pago + caro na diferença, q tb inflou na mesma medida).

      o imóvel de “entrada” p/ assalariado de outros bairros passou a ser: (a) imóvel menor do q ele desejaria ou (b) imóvel caquético.

      0
    • GPTFN 5 de janeiro de 2012 at 22:46

      Até 2008 700.000 no m2 era coisa de area nobre na Zona Sul.
      Agora até na baixada ta esse valor.
      Por que você não compra esse aqui:
      htt p://ww w.za p.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-4-quartos-venda-NOVA-IGUACU-CENTRO-/ID-2419817

      0
  • ARJ 5 de janeiro de 2012 at 08:01

    Pessoal, envio o link abaixo que fala sobre controle da mídia. Está intimamente relacionado com o que estamos vivendo agora:

    aepet.org.br/site/noticias/pagina/8215/Manipulao-Miditica-

    Abraço

    0
    • Carlos Wagner 5 de janeiro de 2012 at 12:42

      Excelente link. Favoritei!

      0
    • Dany 6 de janeiro de 2012 at 09:37

      Bravo! Esse link e pra repassar. Adorei.

      0
  • MrK 5 de janeiro de 2012 at 08:08

    Existe uma equacao basica no mercado: maior o risco, maior o retorno, aprende-se no 1o ano de economia ou administracao, risco e retorno sao coisas ligadas diretamente.

    Nao existe ganhar acima da poupanca sem risco, alias, tecnicamente ate a poupanca tem risco, muito baixo mais tem, e assim se constroi o mercado, tendo como base o risco soberano (governo). Como exemplo classico: Bolsa normalmente apresenta bons retornos (no longo prazo), mas o risco e’ alto e voce pode perder, como 2011 mostrou bem.

    O Problema com os imoveis e’ que a forma como foi colocada pela midia e entidades do setor parecia um investimento sem risco “preco nunca cai”, ora, quem nao gostaria de um investimento que rende 3 vezes a SELIC sem precisar correr risco?? TODO MUNDO!!! Pra ficar ainda melhor voce pode obter essa valorizacao toda sobre um principal, mas so’ pagando 20% dele, o lucro no final pode passar de 100% ao ano, 10 vezes a SELIC!!! E Sem risco!!! Por isso todo mundo voou pra cima desse mercado!!

    O ponto e’ que essa propaganda de que nao existe risco em imoveis eh mentira, o risco x retorno e’ uma lei tao certa quanto a da gravidade, existe SIM risco nesse mercado e como o retorno esta muito alto podem ter certeza, o risco tambem e’ muito alto!!!

    0
    • Leo 5 de janeiro de 2012 at 09:51

      Muito bom.

      0
  • Menino_do_Rio 5 de janeiro de 2012 at 08:21

    Para quem acha que não existe demanda para os valores dos imóveis:

    http://exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/o-mapa-da-riqueza-no-brasil
    “São Paulo lidera com 63.398 milionários”

    0
    • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 12:29

      menino, um simples exercicio pra vc ver que o cu não tem nada com as calças

      o numero de milionarios de SP é o triplo dos do Rio e 22 vezes maior que em Brasilia
      agora faz uma regressão com valor do metro quadrado.

      Conclusão: nenhuma.

      Seu argumento e nada é a mesma coisa, porisso ninguém mais perde tempo te respondendo.

      ps: regressão é uma formula matemática que estabelece correlação entre 2 dados valores, mesmo que sem qualquer relação de causa e efeito. Aliás a regressão acima nem paralelismo deu, é só uma dispersão aleatória, significando que outros dados são muito mais relevantes.

      0
    • Carlos Wagner 5 de janeiro de 2012 at 12:50

      Menino do Rio

      De acordo com seu raciocinio, os milhonarios são os consumidores capazes de manter o mercado imobiliario aquecido. Porém, esquecesse da premissa de que, para ser um milhonhario, a pessoa tem que ter certa cultura, bom nivel de escolaridade, disciplina economica e saber investir seu dinheiro para que o patrimonio financeiro cresça.

      Sua visão de milhonario é exatamente o oposto. Qual ser racional entrará num mercado estagnado, com preços na alta e previsões de estabilização, na melhor da hipoteses?

      Começo a acreditar que voce é um menino mesmo, raciocinio infantil é o que não falta.

      0
      • Dany 6 de janeiro de 2012 at 09:39

        Milionário

        0
    • dp 5 de janeiro de 2012 at 18:14

      O texto eh ate interessante, mas trata-se de um pitch para vender servicos de private banking.
      Os erros de ingles sao banais como “Real State” ao se referir a palavra “imoveis”.
      Triste…… da ate pena.

      0
    • GPTFN 5 de janeiro de 2012 at 22:52

      Dica: venda seu imóvel e vá para Roraima, lá só tem 28 milionários.
      Ou seja, lá vc será rei.

      0
    • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 00:36

      Demanda existe sim. Saiu no início do ano que 6% (10 milhões) vivem em moradias suburbanas (favelas). Tem demanda de sobra Menino do Rio. Olhando por esse lado, 63 mil é pouco perto de 10 milhões. É demanda para imóvel valorizar 30%aa por mais uns 10 anos. Só não sei se essa demanda toda tem condições de comprar imóvel com o metro quadrado custando 10,15,20 vezes a renda mensal.

      0
  • Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 08:58

    Referente a reportagem do JN de ontem, aquele tio que disse que o mercado encontrou o ponto de equilíbrio, não passa de um canastrão querendo levar os últimos trouxas.
    Na minha tosca opinião o mercado e seus preços encontraram o ponto máximo da curva, daqui para frente é queda livre.

    0
  • henrique 5 de janeiro de 2012 at 09:28

    Mesmo não condizendo com totalmente a realidade, achei válida a reportagem do JN.

    Primeiro porque colocou o assunto na grande mídia, quebrando o mito de que os imóveis sempre sobem de preço indefinidamente.

    Segundo porque certamente quem estava pensando em comprar para revender irá desistir do negócio, pois não há mais espaço para ganhos especulativos nesse mercado.

    Há inúmeros empreendimentos sendo iniciados neste exato momento, muitos deles por conta de fundos formados por grandes investidores que pretendem continuar especulando nesse mercado. Por conta dessa situação e do fato de que muitas outras obras estão em andamento e levarão algum tempo para serem concluídas, creio ainda que o mercado de trabalho na construção civil continuará aquecido. Passados uns 2 anos contados de hoje, não haverá salvação.

    No mais, nenhuma das medidas atualmente adotadas pelo governo me surpreende. Obviamente ele vai tentar sustentar esse mercado e tudo o mais que envolva o estímulo ao endividamento, com a finalidade de manter a economia aquecida o máximo de tempo possível.

    Contudo, o que vemos hoje é uma economia estagnada. Basta sair às ruas para observar que as expectativas do comércio e da indústria, principalmente em relação ao segundo semestre de 2011, não foram atingidas, pois a população está mais comprometida com o pagamento de dívidas e menos com o consumo.

    A política monetária leva em torno de 6 meses para fazer efeito. O primeiro semestre de 2012 será decisivo para sabermos se a política de afrouxamento monetário do BC surtirá efeito na economia. Se não surtir…

    O dólar vem fazendo fundos ascendentes. A bolsa, embora também venha fazendo fundos ascendentes há algum tempo, não consegue passar da região dos 60mil pontos.

    O cenário não me parece muito animador.

    abs

    0
    • Luiz AG 5 de janeiro de 2012 at 09:54

      Acredito em estabilização. A euforia está acabando, os preços de muitas coisas terão que ser ajustadas para baixo.

      O Brasil voltará a ser o que era? Graças a Deus, acredito que não. Falta um ajuste. Falta investimento de infraestrutura.

      A copa vai ser bom… bom para saber que temos muito a aprender.

      0
  • Veigalex 5 de janeiro de 2012 at 09:35

    Pessoal, o comentario deve ter passado desapercebido pela Maioria.

    O Bolha infomormou que o Analista do FipeZAP entrou em contato com ele para colocar um artigo sobre o indice!

    O que vocês acham?

    Esta nos comentarios mais acima…

    0
    • Leo 5 de janeiro de 2012 at 09:53

      Acho isso interessante… de qualquer maneira, pode ser uma manobra p/ melhorar a cara deles p/ , de repente, seguirem como referencia mesmo após o estouro da bolha.

      0
    • Lucas 5 de janeiro de 2012 at 09:58

      Eu vi, eu sugiro ao bolha que quando ele passar as informações que seja aberto um tópico pra que a gente possa debater.

      0
    • LAR 5 de janeiro de 2012 at 10:01

      se esse atigo foi sincero, e tiver grande difusão na mídia, pode alertar mais pessoas sobre a situação de preço de anúncio x preço da venda

      0
    • Andre 5 de janeiro de 2012 at 10:22

      Um dia destes recebi do ZAP um e-mail do tipo – Pesquisa de Qualidade – onde eles perguntavam o que tinhamos a dizer do site – desci o sarrafo – expliquei que os indices deles eram fajutos, que as “ofertas” chegavam as ser cômicas, e que o site era vendido as construtoras, incorporadoras, e imobiliarias – e finalizei dissendo que por favor não me enviassem mais e-mails pois sites igual ao deles para mim só serviam para dar risada quando estivesse triste ou em depressão. Acho que assim como eu varias outras pessoas responderam essa pesquisa dessa mesma forma. Outra coisa o ZAP precisa trazer “retorno” para seus anunciante e acredito que ele não estejam mais conseguindo bater as metas motivo esse que ocasionou 2 coisas – 1) a fuga dos anunciantes – Ja que não vende para que gastar rios de dinheiro lá. 2) Fuga dos clientes – Ja que é caro pra que eu vou procurar lá 3) Sem anunciantes e sem internautas o proprio site caiu no esquecimento por total falta de credibilidade…agora não adianta chorar, esses caras são assim – quando não tão com a mão na teta das construtoras querem por a mão na teta dos consumidores – comigo não! –

      0
      • Dany 6 de janeiro de 2012 at 09:44

        rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr…muito boa! Eles merecem ouvir isto!

        0
    • MrK 5 de janeiro de 2012 at 10:27

      entre um indice que te aponta pra direcao errada e nenhum indice, eu fico com a 2a opcao

      o FIPEZAP e’ um aborto da natureza, nasceu morto, nao conheco no mundo um indice serio que se baseia em precos pedidos e nao precos de transacao!!!

      Pra piorar, esse e’ um indice de um site de venda de imoveis (que lucra com anuncios) e que e’ dominado pelos anunciantes, no caso grandes imobiliarias, esses anunciantes forcam pra cima os valores utilizando todo tipo de tecnica mal intencionada:

      1- Duplicando anuncios de m2 alto
      2- Criando anuncios falsos
      3- Mantendo apartamentos ja vendidos
      etc…

      Alguns proprietarios desavisados olham essa valorizacao falsa no indice e acabam pedindo mais, pois acham que isso e’ o novo justo de mercado, ou seja, vira um circulo vicioso de loucura e fantasia…”eu aumento porque o fipezap disse que subiu”, mas no fundo ninguem vende nada!!

      0
      • Andre 5 de janeiro de 2012 at 10:47

        MrK;

        Muito bom, nossa percepção acerca desse site ZAP é bem parecida.

        Nossos ponto de vista vao de encontro – só gostaria de acrescer no seu post – que o ZAP é o maior urbanizador do Brasil – criando imoveis em bairros FALSOS.

        Pra eles todos os bons bairros são extensos e interminaveis – Bairros ruins que estão a quilometros passam a ser incorporados – de “alma e preço” – como se fossem nobres, porem não passam de um bairro popular – como acontece em S.Paulo no Morumbi – agora aqui tudo é Morumbi, ate a favela ali perto é Morumbi. Assim, agora os favelados (nada contra) podem encher a boca, estufar a pança – agora a classe C gasta muito e andou ficando um pouco pançuda – e prorromper – “–Eu moro no Morumbi….” …e durma nesse barulho.

        0
        • Andre 5 de janeiro de 2012 at 10:52

          Ps: corrigindo erro gramatical – nã é vão “de encontro” mas sim “ao encontro”

          0
        • Leo 5 de janeiro de 2012 at 12:05

          AHAHA Muito bom !

          Aqui no rio acontece o mesmo. Tem um bairro chamado Jacarepagua, inclusive construiram diversos predios ao lado do antigo autodromo DE JACAREPAGUA. De um tempo para ca, os predios que ficam naquela area agora sao vendidos como pertencentes ao bairro da Barra da tijuca.

          O mesmo se aplica ao Recreio… que agora tbm virou Barra da tijuca.

          0
          • Sergio Figueiredo 5 de janeiro de 2012 at 16:00

            Esse fenômeno em Jacarepaguá é digno de investigação. Trata-se da Avenida Embaixador Abelardo Bueno (veja no Google Maps) e, apesar de entre este lugar e a verdadeira Barra da Tijuca ter o aeroporto de JACAREPAGUÁ, o autódromo de JACAREPAGUÁ e a própria lagoa de JACAREPAGUÁ (que deu o nome ao bairro) o CEP desta rua consta como BARRA DA TIJUCA (veja no Busca CEP dos Correios)!! Incrível o poder de fogo destas construtoras que investiram pesado naquela região lançando os famosos condomínios RIO 2 que de Barra da Tijuca só tem o CEP. Quem mora lá, para ir a praia, precisa de carro igual como quem mora do outro lado da Linha Amarela.

            0
            • neandertal 5 de janeiro de 2012 at 17:49

              Lagoa, autodromo e aeroporto de jacarepaguá têm esse nome porque estão localizados na baixada de jacarepaguá. E sim, todos os tres estão dentro dos limites da barra.
              A av abelardo bueno limita, do lado do autodromo é barra e do outro, onde estão o rio 2 e todos os prédios vendidos como “barra” é jacarepaguá, conforme consta em suas escrituras.

              E inclusive os preços são mais baixos que a barra “de verdade” e próximos aos de áreas nobres de jacarepaguá como a freguesia.

              0
            • Paulo - RJ 5 de janeiro de 2012 at 18:53

              Exato,

              O principal atrativo de se morar na Barra é estar próximo e poder ir andando para a praia. No Rio 2 até dá para ir andando, mas vai demorar umas duas horas.

              0
        • Thiago 5 de janeiro de 2012 at 13:22

          Não sei se os Srs. sabem o que acontece em Curitiba, acontece igual, mas tem um fenômeno curioso

          Bairros são “inventados”, Bigorrilho não, nome feio, melhor Champagnat

          Mossunguê então pior ainda, o bom é Ecoville

          Agora criaram o Batel Soho, que não é no Batel (nem em NY)

          0
          • Bolha Imobiliária 5 de janeiro de 2012 at 13:47

            Pior, o investimento da Thá, o 7th Avenue, construido do lado da rodoviária, com o jargão “Na nova 7 de setembro”. De novo ali, não tem nada, só um monte de prédios antigos, mendigos, fora a praça eufrásio cheio de “carçudos” no fim de semana

            0
        • Andre 5 de janeiro de 2012 at 17:22

          Alem do MORUMB,I aqui, toda a Zona Leste virou TATUAPE (Penha, Carrao, V.Matilde, Itaquera e agora vao incorporar Ermelindo Matarato como o mais novo integrante do valorizado e almejado “Tatuape”

          0
        • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 00:47

          A Tecnisa fez um pré-lançamento de um condomínio aqui em Osasco-SP (região metropolitana) chamado de Flex Bussocaba. Ele fica ao lado de um bairro com residências de alto padrão e um parque municipal chamado City Bussocaba. Acontece que tiveram de mudar o nome, por que ali fica atrás do bairro, numa área mais “pobre”. Lançaram como Flex Osasco. Parece piada, mas é verdade.

          Acredito que em muitos outros lugares deve ter ocorrido o mesmo.

          0
      • Anonymous 5 de janeiro de 2012 at 10:55

        Credibilidade é como virgindade – só se perde uma vez. O FIPZAP já era.

        0
    • Carlos Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 12:06

      Acho justo ele permitir um artigo aqui do site, lá no zap

      um artigo nosso sobre a bolha imobiliaria! Nesse caso acho válida a troca !

      ; )

      0
      • Carlos Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 12:07

        Essa pode ser a chance de provar por A+B que estamos certos e esfregar a realidade na cara do povo anti-bolha!

        0
        • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 12:22

          pra que?
          cada umque aposte conforme a sua razão
          no fim mediremos pelos resultados

          0
    • Carlos Wagner 5 de janeiro de 2012 at 13:03

      Essa estrategia é velha:

      “Vamos dizer isso…. Quando o vento mudar, a gente diz aquilo e continuaremos sendo ouvidos.”

      Se o Brasil fosse um país sério, as pessoas enterrariam empresas e sites como o ZAP.

      Eles vão conseguir se redimir dando a impressão de que foram os responsaveis por trazer os preços à realidade e sairão como “mocinhos”.

      Neste momento, eles precisam aparecer, divulgar suas opiniões em todos os canais da midia possiveis, até no Bolha.

      Sinceramente, acho que não deveria dar espaço pra eles aqui. São uns fanfarrões de todo jeito.

      0
    • Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 13:40

      Será que ele consegue explicar?

      Ou vai embrulhar para comer em casa?

      0
  • FoxBravo 5 de janeiro de 2012 at 10:29

    Segundo os especialistas os preços não vão subir mas também não irão cair nunca mais. Não é uma boa opção para investimento mas não devemos nos iludir esperando a queda de preços.

    Seguindo esse conselho eu teria que comprar um imóvel em uma região onde a maioria dos moradores teria uma condição econômica bem diferente da minha. Seria uma distorção muito grande.

    Hoje já noto isso onde moro (aluguel). Um apartamento, na entrega em 2007, era oferecido por 110K. Hoje se anuncia por 350K. Alguns loucos pagaram esse preço e hoje se nota claramente a condição econômica bem diferente da maioria.

    Essa grande distorção eu chamo de bolha!

    0
    • trackback 5 de janeiro de 2012 at 10:57

      Pode ter certeza, você tem razão.

      Estou numa situação identica a sua, no prédio onde moro (aluguel) tem dois apartamentos a venda por 370k. O pior é aturar alguns vizinhos, que compraram o ap por 110k, que se consideram “ricos” só por causa desta “valorização”.

      É uma comédia!

      0
      • GPTFN 5 de janeiro de 2012 at 23:06

        E o que você me diz desse anúncio:
        htt p://ww w.za p.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-IPANEMA-/ID-2705782

        Olhe bem as fotos.

        O candango tem TV´s de tubo. Nem uma de LCD ele conseguiu comprar.

        Nos 2 quartos há colchões no chão. Em um deles não há cama! Os colchões estão diretamente no chão!

        E pela qualidade das fotos, parece que foram tiradas com uma camera de rolo de filme ainda.

        Me diga se esse cidadão tem condições de pagar os 700.000 que ele pede nesse imóvel?

        0
        • trackback 6 de janeiro de 2012 at 09:10

          Pegadinha do malandro!

          Esse tipo de coisa já é comum!

          É rir para não chorar!

          0
  • Pedro 5 de janeiro de 2012 at 10:38

    Só para vcs terem uma ideia da mentira que é o índice do ZAP. Vi um apartamento anunciado no Leblon por 1.170K. Como tinha o e-mail da proprietária entrei em contato com ela oferecendo 950k. Ela me fez uma contra-proposta de 970k. Ou seja, 17% a menos do que o valor anunciado. E isso já faz 2 meses. O apartamento continua lá, não foi vendido. Acho que agora consigo até por menos.

    0
    • MrK 5 de janeiro de 2012 at 10:48

      Rapaz, no proprio ZAP tem apartamento do estacao sorocaba por R$1milhao, sendo que a propria gafisa ja esta ofertando a R$799mil, 20% abaixo

      agora me conta, onde esses 20% entram no fipezap? eu respondo: em lugar nenhum….

      ha 1 ano atras, nao tinha margem, nao tinha negociacao na maioria dos casos, era pagar o preco anunciado ou nao tinha negocio, ou seja, esses 20% eh uma queda de precos, mas segundo o indice a realidade eh outra…

      JA SEI, VAMOS CRIAR O INDICE FIPE-MINERIO, PRA DIZER O PRECO DO MINERIO DE FERRO NO MERCADO, QUEM VAI COMANDAR O INDICE VAI SER A VALE, OK??? hahaha

      0
      • LAR 5 de janeiro de 2012 at 13:24

        boa MRK

        tinhamos que usar esses argumentos com o individuo do ZAP.

        0
  • Thomas 5 de janeiro de 2012 at 10:52

    A audácia das imobiliárias é revoltante. Agora pagam aos jornais para publicarem notícias de estímulo ao “investimento” em imóveis.
    Falando numa suposta falta de imóveis para locação, querem criar a falsa idéia de que comprar imóvel para locar é um bom negócio.
    Ora, se vc leva 4 meses para locar um imóvel e 15 meses para vendê-lo, é sinal de que os preços estão inflados, e não de que faltam imóveis para locação.
    Falam em copa do mundo. Isso quer dizer que haverá uma catástrofe em 2015, depois que acabarem os jogos e não houver turistas para alugar os referidos imóveis?

    http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1209538&tit=Faltam-imoveis-para-alugar-em-Curitiba

    ———————–

    Faltam imóveis para alugar em Curitiba

    Segundo imobiliárias, a oferta só vai alcançar a demanda em 2013; entrega de lançamentos neste ano deve aliviar um pouco a situação

    O ano de 2011 será lembrado pelo mercado de locação de Curitiba como um ano em que faltaram imóveis para alugar. A perspectiva é de que apenas a partir do segundo semestre deste ano a quantidade de imóveis disponíveis para locação se aproxime da procura de locadores, mas apenas em 2013 é que se deve chegar a um ponto de equilíbrio, com oferta e demanda aproximadas.

    O principal indicador que mostra a baixa oferta de imóveis é a velocidade de locação em Curitiba, três vezes maior que a de venda de imóveis novos e cinco vezes maior que a de usados. Demora-se, na capital paranaense, entre três e quatro meses para um imóvel ser alugado. Enquanto isso, para vender um imóvel novo, a incorporadora espera em torno de 11 meses; a venda de um usado pode passar dos 15 meses de espera.

    “Isso faz com que o preço de locação cresça muito mais que o preço de venda, que deve continuar em alta. Um equilíbrio neste mercado deve começar a ser percebido a partir do segundo semestre de 2012, sendo mais forte em 2013”, analisa Fábio Tadeu Araújo, sócio da Brain e consultor da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário no Estado do Paraná (Ademi-PR).

    Retomada

    De acordo com o Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR), havia em novembro do ano passado 3.385 imóveis disponíveis para locação em Curitiba. Apesar de ainda não ser considerado ideal pelos especialistas, o número é 15% maior que a oferta no mesmo período do ano passado – o que reflete a retomada do setor, segundo a diretora administrativa de locação da Apolar Imóveis, Damares de Moraes. “O ano foi marcado pela procura maior que a oferta disponível, mas, no fim do ano, a partir de setembro, houve um crescimento na quantidade de imóveis. Esse aumento é reflexo dos imóveis que estão sendo entregues no fim de 2011 e que começam a estabilizar o mercado”, avalia.

    A maneira como os novos imóveis devem impactar o mercado de locação em 2012 ainda é uma incógnita, segundo Luís Nardelli, vice-presidente de locação do Secovi-PR. “As construtoras começam a entregar os novos imóveis, vendidos na planta nos últimos anos, mas não temos noção de quantos serão incorporados ao mercado de locação para diminuir nossa carência de imóveis, principalmente na faixa de preço entre R$ 800 e R$ 1,2 mil”, ressalta. De acordo com o levantamento do Secovi-PR, há em Curitiba 1.022 imóveis nesta faixa de preço, mas apenas 628 de um e dois quartos, os mais procurados. “É um estoque baixo, porque é nesta faixa que está o consumo”, pondera Nardelli.

    Preços em alta neste trimestre

    As imobiliárias de Curitiba estão, em média, trabalhando com imóveis cujo aluguel mensal está entre R$ 800 e R$ 1,2 mil. Esses preços, porém, devem subir a partir do primeiro trimestre de 2012, época em que há uma maior movimentação no mercado, principalmente por causa da chegada de estudantes universitários – a Universidade Federal do Paraná (UFPR), por exemplo, divulgou ontem o resultado de seu vestibular, e 20% dos aprovados são de fora de Curitiba e região metropolitana.

    Na Apolar, a média do valor de aluguel no fim do ano passado era de R$ 950, 18% a mais que no fim de 2010, quando o preço não chegava aos R$ 800. “Entre 2009 e 2010 vimos um boom no valor da locação em Curitiba, mas agora os preços estão mais equilibrados. Alguns valores irão se estabilizar, mas outros devem crescer, como apartamentos de dois e três quartos”, prevê a diretora administrativa de locação da Apolar Imóveis, Damares de Moraes.

    Imóveis de um e dois quartos também devem se valorizar em 2012, segundo a gerente-geral da imobiliária Gonzaga, Lucia Shaicoski. A média de preços dos imóveis da carteira da imobiliária está girando entre R$ 800 e R$ 900. “O apartamento de dois quartos, que custava R$ 800 no fim de 2011, deve chegar a R$ 950 em 2012, seguindo a valorização apresentada nos últimos três anos”, estima Lucia.

    A gerente-executiva da Galvão Locações, Marise Hartmann, explica que o crescimento nos preços reflete o aumento dos valores dos imóveis à venda. Ela compara 2011 com o ano de 2010 e afirma que os valores do aluguel subiram entre 25% e 30% na capital. “Entre 2012 e 2013 devemos ter outro boom de locação interessante: muitas pessoas que chegam para trabalhar em Curitiba por causa da Copa do Mundo de 2014 começarão a buscar um imóvel para locar”, ressalta Marise.

    0
    • Dr. Estranho 5 de janeiro de 2012 at 11:55

      Deve ser uma briga terrível entre os novos “milho”nários das classes C e D com seus nababescos 1500 reais brutos de salário. Todos querendo alugar um imóvel. Isso me lembra o tempo que trabalhei em Guaratinguetá/SP. Todos queriam preços exorbitantes pelos aluguéis. Até alugavam, mas fingiam não ver a sub-locação. Vi imóvel grande alugado por 6k, mas sub-locado para pelo menos 20 pessoas. Quando se tratava de apartamento, a covardia era imóvel com 10 pessoas morando pagar o mesmo condomínio de outro com 3.

      0
      • Ader 5 de janeiro de 2012 at 13:25

        Sei bem dessa estória de Guará… Não conheci mas já ouvi muitos relatos…

        0
    • Thomas 5 de janeiro de 2012 at 18:22

      Acabaram de chegar os carnês do ITPU de Curitiba.
      Um imóvel de R$ 500 mil, que é bem comum hoje, paga exatos R$ 4.751,62. Valor parcelado em 10 vezes com desconto de 7% à vista.
      Os “investidores” vão pagar parcelado, porque 0,7% ao mês de desconto é ridículo. Certamente o imóvel vai valorizar no mínimo 2% ao mês.

      0
      • Icf 6 de janeiro de 2012 at 00:01

        Na verdade o juro é de 1.65% ao mês.

        0
  • Pedro 5 de janeiro de 2012 at 10:55

    Já sei! Vamos criar o índice ZAP-PLOC. Cada um que souber de uma negociação concretizada passe para o Bolha que ele coloca no Blog o desconto consolidado do negócio. Assim vamos monitorando a queda dos preços.

    0
  • Murdoch 5 de janeiro de 2012 at 11:14

    Do blog do Cesar Maia de hj…

    NOTAS NOVAIORQUINAS!

    1. Em Manhattan são 14 mil taxis. Vão ser vendidas pela prefeitura mais 1 mil autonomias e autorizados os rádios-taxis a parar em qualquer lugar. Uma autonomia custa 700 mil dólares. A receita prevista é de 1 bilhão de dólares.

    2. A crise do mercado imobiliário, nem antes nem agora, sequer tocou em Manhattan. Um apartamento de 80 m², no Plaza (5a avenida, 50% apartamentos), sai por 3 milhões de dólares. Um apartamento na 3a com 67 ou 68, com 150 m², sai por 5 milhões de dólares.

    3. Os russos em especial, e também os chineses, estão comprando imóveis por qualquer preço. Agência se assustou quando um jovem de nem 30 anos ,de Cingapura, cobriu propostas e comprou imóvel de esquina na Park Avenue por 16 milhões de dólares.

    4. O consulado do Brasil em NY tem lista de espera para vistos de trabalho de americanos no Brasil. Especialmente setor de petróleo e mercado financeiro.

    5. O comércio da Rua Houston até China Town -baixa Manhattan- antes controlado por judeus, é, hoje, totalmente controlado por chineses.

    6. Empresas de ônibus de chineses estão fazendo baixa Manhattan a Boston por 17 dólares a pessoa. Fiscalização foi acentuada por desconfiança de tarifa tão baixa.

    0
  • Valdir 5 de janeiro de 2012 at 11:23

    Pessoal desculpem por perguntar…….mais……. Alguém viu o Jota por ai??

    0
    • Moyashi 5 de janeiro de 2012 at 12:13

      Depois das notícias de dezembro, nossos amigos trolls desapareceram!

      E agora parece que a mídia não consegue mais segurar as notícias. Esperaram o otimismo de fimd e ano passar pra lançar as matérias mais próximas da realidade.

      Quem será que está dando “riZada” agora?

      0
  • Dr. Estranho 5 de janeiro de 2012 at 11:48

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/mercado/1030102-apos-natal-frustrante-varejo-faz-liquidacoes-veja-opcoes.shtml

    Antes comemoraram o “aumento” das vendas. Agora dizem que o Natal foi frustante. É por essa e outras que em breve diremos: “não é que a escola austríaca estava certa?”

    0
    • Sir Income 5 de janeiro de 2012 at 12:01

      Procurem observar nos supermercados o tanto de produtos natalinos que sobraram.

      Abraços,
      Sir Income
      sirincome.blogspot.com/

      0
      • Rodrigo Costa 5 de janeiro de 2012 at 12:22

        É verdade. Ano passao fui ao Pão de Açúcar procurar um panetone da havana e havia apenas 4 unidades (no estoque) na semana entre natal e reveion. Ante ontem havia muito nas prateleiras.

        A minha esposa trabalha em uma agência de propaganda que atende uma grande marca de roupas (não posso citar a agência e a marca por motivos óbvios) que já está liquidando e já está com descontos ainda maiores programados para fevereiro.

        0
      • carlos 5 de janeiro de 2012 at 19:38

        Trabalho no corpo de bombeiros fazendo vistorias em predio, ontem estive em um hipermercado aqui em sao paulo, o estoque de panetones que sobraram do natal era gigantesco, fora outros produtos de fim de ano,,,,
        Eh a bolha dos panetones estourando…….
        Rsrs

        0
        • GPTFN 5 de janeiro de 2012 at 23:16

          Interessante vc dizer.

          A minha familia sempre gostou de chocotones e tal.

          Compravamos para nós e para dar de presente. Tipo uns 10.

          Mas esse ano só compramos 2. Não sei se foi por causa do preço, pq não questionei.

          Mas percebi essa diferença;

          0
  • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 11:56

    NÃO É NOSSA FUNÇÃO SALVAR O MUNDO

    senhores, este blog é uma área particular cujo anfitrião nos recebe tão bem e tantas coisas já discutimos aqui, evoluimos muito como grupo
    não temos a menor pretensão de salvar as ecomomias de quem quer seja, a menos a nossas próprias.
    Não precisamos negar ou provar nada pra ninguém
    Vamos assistir de arquibancada a GLOBO, Fipe, CRECI, SECOVI raparem os ultimos otários, coitados… Alguém tem dúvida?

    0
  • ninja SP 5 de janeiro de 2012 at 12:12

    Mooca 175% de valorização! i vende?
    Lello é imobiliária da Mooca, mais uma matéria c… da globo.mooca tudo encalhado inumeros predios sendo entregues . luzes da mooca, tudo apagado encalhado, baixa o preço que talves vende alguma coisinha. essa bolha tem que estourar logo.

    0
  • Regis 5 de janeiro de 2012 at 12:14

    Impressionante a ignorancia das pessoas e de investidores que se acham os mais espertos do mundo, leiam e comentem:
    http://acertodecontas.blog.br/financiamento-imobiliario/apartamento-na-planta-no-compre/#comment-266968

    0
    • Fernanda 5 de janeiro de 2012 at 13:30

      Quanto erro de português neste link. Boa parte dos comentaristas são corretores de imóveis.

      0
    • Carlos Wagner 5 de janeiro de 2012 at 13:43

      O tal do Gerson, refere-se ao bolhaimobiliaria como sendo um blog desqualificado…HEHE

      Confesso que fiquei impressionado com o nivel de especulação desse Gerson e do Amaury. Muitos podem achar que é burrice, mas nao, é ganacia.

      Eles ainda nao perceberam que são os otarios que realizaram os lucros dos “Sam Zell” da vida. A piramide chegou ao fim e eles são os babacas que vão ficar com o mico na mão….

      É por isso que não tenho pena dos especuladores, se eu puder, piso na cabeça pra afudarem ainda mais na merda.

      0
      • Paulo - RJ 5 de janeiro de 2012 at 18:35

        Pelo que li, o tal do Gerson comprou uma meia dúzia de aps na planta no final do ano passado e espera realizar um bom lucro com eles daqui a 2 anos.

        Mas eu concordo com uma coisa que ele falou. Eu sou medroso mesmo. Eu tenho muito medo mesmo de arriscar. Gosto de ganhar dinheiro, mas gosto mais ainda de não perdê-lo.

        Eu prefiro até mesmo a poupança

        0
    • augusto 5 de janeiro de 2012 at 14:35

      Só tem bocó escrevendo baboseiras naqule blog. O melhor é ignora-los e deixa-los com seus milhões ganhos

      0
    • Carlos Wagner 5 de janeiro de 2012 at 15:22

      Nos ultimos posts tem um tal de “Observador” que botou pra quebrar lá. O tal do Amaury espertalhão ficou pianinho…

      0
    • A espera de um estouro 5 de janeiro de 2012 at 18:50

      Esse blog é sensacional…um dos mais divertidos que lí ultimamente. Além dos erros de português, os comentários dos corretores querendo vender e dos compradores de imóveis na planta que se deram mal são fantásticos !!!

      0
      • Pepper 6 de janeiro de 2012 at 00:17

        Ainda não sei se gostei mais dos “espertões”, dos corretores desesperados pra vender ou dos relatos sinceros dos lascados com imóveis na planta e financiamento. Post muito divertido.

        0
        • Pepper 6 de janeiro de 2012 at 01:14

          São muitos os comentários e ainda não consegui acabar de ler todos, mas é incrível a quantidade de gente que acha que é a maior vantagem comprar imóvel na planta porque a entrada é bem pequena, se comparada com a de um apartamento pronto. Tirando todo o risco de o imóvel não ser entregue ou não ser tudo aquilo que foi prometido na venda, é óbvio que, se a entrada foi baixa, o saldo devedor sobre o qual incidem os juros ficará enorme! Como alguém que nem tem reserva se mete nessa! Ainda que seja pra especular, é um grande risco de não conseguir repassar e perder praticamente tudo. Definitivamente, isso não é o crédito responsável, como dizem. As construtoras não querem nem saber e concedem, sim, crédito muito irresponsável.

          0
  • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 12:20

    Hoje tem novidade na bolsa, pela primeira vez em meses as ações da GAfisa, qo volume supera em ranking o numero de negócios. Isso pode significar que ela achou o fundo lá perto de r$ 4 e pouquinho.

    ps: hj denovo caindo muito mais que quase todas as outras

    0
    • Neo 5 de janeiro de 2012 at 12:29

      zé com zé

      para ver se mais otários entram

      0
    • MrK 5 de janeiro de 2012 at 12:44

      eu avisei que isso era repique… ontem a acao da gafisa estava entre as 5 maiores quedas e hoje amarga mais 2% de queda ate o momento, voltando ao seleto grupo das maiores quedas…

      isso so vai mudar de verdade (colocar tendencia de alta) o dia que ela apresentar um balanco coerente, resultados interessantes e uma gestao de verdade, ou seja quando os investidores grandes puderem confiar no papel, hoje nao tem nada disso a vista…nada mudou, a gafisa tornou-se um papel pras sardinhas brincarem de analise grafica, stops, fibonacci e coisas do tipo…virou uma mafrig do setor civil hehehe

      0
      • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 13:01

        Mrk, vc esta certíssimo, eu mesmo que não opero, reoslvi dar uma olhada nestes padrões matemáticos que vc citou, as espirais, fractais, bollinger, so tais Ns e lá vai geometria, tem toda uam filosofia por trás disto, e um bando de “centaveiros” disputando pra ver quem é o mais tonto.

        olhei lá o Forun, eles não saem da frente do gráfico, se o vizinho desabar só vão peceber depois do pregão

        0
        • MrK 5 de janeiro de 2012 at 13:06

          me da o caminho pra esse debate ai e vamos trocar uma ideia com essa turma hehehe

          vamos perguntar se eles ja tem planos para gastar os R$0.23 centavos de dividendos que a gafisa vai pagar… sao muitas opcoes: Bala juquinha, um cigarro derby (um, nao um maco), uma bala de canela enrolada em papel…

          0
          • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 13:21

            Entrei no Forum do infomoney e andei lendo os seguintes

            Análise Quântica IBOV FRACTAIS
            Gafisa – Gfsa3 GFSA3 alexcont676892
            Construtoras – Setor Imobiliário. CYRE3

            eu comentei como lzro… escrevi 5 vezes e o feedback foi nivel primeiro grau incompleto
            já me deram um monte de estrelinhas
            mas tem que ir com luva de pelica senão rola banimento

            0
            • Leo 5 de janeiro de 2012 at 19:40

              Da uma olhada no topico de imoveis…. tem uma deixa que tenho ctz que voces vao adorar responder… A comparacao dos precos do Brasil com o restante do mundo.

              0
  • Fabiano 5 de janeiro de 2012 at 12:33

    Quase 37% dos brasileiros não têm condições de pagar suas dívidas

    Quase 37% da população brasileira (36,6%) não tem condições de pagar suas dívidas, conforme mostram os dados do IEF (Índice de Expectativa das Famílias), divulgado nesta quinta-feira (5) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

    Os dados mostraram que apenas 13,2% dos entrevistados acreditam que terão condições de honrar os compromissos, enquanto 47,8% responderam, em dezembro, que conseguiriam quitar parcialmente as contas.
    A dívida média das famílias brasileiras em dezembro foi de R$ 4.679,13, a quinta maior média mensal em 2011. O patamar mais alto foi atingido em fevereiro do ano passado (R$ 5.605,25).

    Das famílias consultadas, 56,1% afirmaram não ter dívidas. Na região Centro-Oeste, nenhuma família afirmou estar muito endividada e 90,9% das famílias declararam não ter dívida alguma.

    A situação é bem diferente na região Nordeste, onde 14,6% das famílias disseram estar muito endividadas.

    Agora eu pergunto e a tal classe média que esta bombando e comprando apartamentos de 500 k onde esta kkkk

    0
  • Neo 5 de janeiro de 2012 at 12:39

    Hacker, aproveitando que vc esta na terra dos olhos azuis, essa merda de euro vai acabar mesmo?

    hj parece que esta buscando mais um fundo

    Anonymous disse:
    4 de janeiro de 2012 às 21:40

    Estou na Alemanha e pagando 2200 Reais/mes num hotel tres estrelas nos suburbios de uma cidade. Esse valor inclue estacionamento, TV a cabo e Internet. Na Banânia, o que consigo alugar por esse valor?
    Responder

    0
    • Anonymous 5 de janeiro de 2012 at 14:52

      Eu acredito que está ocorrendo uma disputa (vida ou morte) entre o USD e o EUR para ver quem vai ser a moeda global. Se o USD perder, os EUA empobrecem do dia para a noite. Pelo sim, pelo não abri uma conta num Banco Alemão, caso precise salvar um troco que mantenho guardado nos EUA.

      0
      • Dany 6 de janeiro de 2012 at 10:11

        Sugiro nao falar estas coisas na net…..

        0
        • Anonymous 6 de janeiro de 2012 at 10:42

          Não tem problema algum. Desde 2008, embora pouca gente saiba, é completamente legal enviar dinheiro para outro país. Voce tem que declarar tanto no IR quanto diretamente no BC se for mais do que 100 mil USD.

          0
  • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 12:42

    Poupança tem captação de R$ 14 bi em 2011, pior resultado desde 2006

    No acumulado de todo o ano passado, captação líquida positiva de R$ 14,186 bilhões,
    valor 63,3% menor que o observado em 2010.
    O resultado é o pior desde 2006.

    0
    • augusto 5 de janeiro de 2012 at 14:21

      A de fundos tambem recuou, e a continuar assim quem comprará a divida do governo?
      Parece que na verdade está acabando a grana da praça, pois os preços estão muito altos, e as prestações consomem uma boa parte da renda

      0
      • xyz 5 de janeiro de 2012 at 14:31

        Com a economia brasileira pujante muitos esquecem que a selic não é só um instrumento de controle da liquidez (inflação).
        A pergunta que fica é se o governo vai ter fôlego para reduzir a selic para 9 (ou menos) como muitos no governo querem.

        Vendo só pelo lado da inflação eu diria que sim, pois o governo tem outros instrumentos para “controlar” a inflação, como mostrou no final do ano passado, mudando “estrategicamente” as ponderações que mais cresceriam este ano.

        Mas se tem uma coisa que desequilibra este governo é a falta de compradores para seus títulos, pois o grande pilar deste governo é dívida pública.

        0
  • Neo 5 de janeiro de 2012 at 12:42

    Parece que a bolha na bovespa vai estourar primeiro,

    kkkkkkkkkkkk

    0
    • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 13:24

      GFSA3 4.39 -3.1%
      RSID3 8.58 -3.3%
      CYRE3 15.49 -3.1%
      JHSF3 5.56 -1.2%
      BRML3 18.63 -2.5%
      MRVE3 11.79 -3.2%
      EZTC3 16.44 -1.7%
      PDGR3 6.20 -3.1%
      EVEN3 6.28 -1.9%
      HBOR3 21.30 -0.9%
      BRPR3 17.90 -0.6%
      IMOB 776 -2.3%

      isso pq ontem deu coisa boa no JN

      0
  • Andre Luiz 5 de janeiro de 2012 at 12:51

    Quem for assinante do Valor, dá uma olhada nesse vídeo.

    h t t p ://w w w .valor.com.br/video/1168350/o-preco-oculto-de-ter-um-imovel-em-miami

    Não sei se tem no youtube…

    0
  • MrK 5 de janeiro de 2012 at 13:01

    Bovespa tem bolha?

    Nao vou responder, mas vou sugerir uma simples conta, arredondando. O investimento em acoes deve render mais que a selic, em funcao do risco da empresa quebrar ser maior que o risco pais.

    A Selic rende juros, as empresas dividendos.

    Comprar empresa esperando ganhar no papel por “achismo” e’ o mesmo que especular em imoveis, a compra consciente e’ fundamentada na projecao de lucro e no dividendo, assim como imoveis seriam no valor do aluguel, o fato do aluguel estar tao baixo em % do preco evidencia a bolha, mas vamos voltar a bovespa.

    Estando a selic algo como 10%, os papeis das empresas deveriam render, digamos, 13% ao ano com dividendos (lembrando que dividendos nao tem impostos pra quem recebe e a selic sim), isso fecha a conta legal.

    Entao pegue o dividendo por acao da empresa em 2011 e veja quanto ele representa do valor do papel, nao esqueca que esse dividendo ao longo do ano tende a crescer em funcao do crescimento do lucro, dependendo do setor 5% a 15% ao ano… uma planilha de excel faz essa conta em segundos e ai voce pode dizer se a bovespa esta cara ou barata…. claro, tem acoes e acoes…

    0
    • Luiz 5 de janeiro de 2012 at 13:16

      curtir

      Falando assim em numeros gerais sem apontar uma açao
      -> Já esteve mais cara, mas não quer dizer que está barata

      Tbm acho dificil voltar ao patamar anterior a não ser que vc acredite no acerto das medidas do governo.

      Agora +importante que eu acahr ou não achar alguma coisa, é ver o que pensam os donos do dinheiro, e estes estão indo embora discretamente, igual aquele conto do negociante de mulas.

      0
    • aiwww 5 de janeiro de 2012 at 16:37

      é … mas aqui no Rio todo mundo ficou rico 🙂 … isso non exziste!

      0
  • Sir Income 5 de janeiro de 2012 at 14:12

    Para que serve um despachante imobiliário?
    “Facilitar” com a documentação?

    Isso ainda vai acabar mal!

    braz.mktsantos.com.br/display.php?M=125646&C=92405896999d01e50d1b12fc7d785f03&S=4&L=2&N=2

    Abraços,
    Sir Income
    sirincome.blogspot.com/

    0
    • Guilherme Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 23:31

      A finalidade dele é fazer um “despacho” para tentar vender o imóvel com preço inflado.

      0
  • GONÇALO BH 5 de janeiro de 2012 at 15:03
  • Tales 5 de janeiro de 2012 at 15:33

    Caros,

    Vocês se deram conta da falcatrua que as construtoras fazem na venda do imóvel na planta em referencia a corretagem? Fazem tu pagar a corretagem direto a imobiliaria….
    Quem paga a corretagem é o vendedor!

    0
    • LAR 5 de janeiro de 2012 at 16:13

      Tales

      tem como dar mais detalhes do assunto?

      0
    • Tales 5 de janeiro de 2012 at 16:32

      Supondo valor do imóvel 200mil. Eles te fazem pagar a corretagem separado de 10 mil direto a imobiliaria, com recibo da imobiliaria, e o imóvel fica por 190 mil.
      Ou seja, tu quem paga a corretagem ao invés da construtora. Isso vira uma dor de cabeça na hora de desfazer o negócio tendo em vista que caso eles atrasem, tu tem o direito te pedir tudo que pagou pelo imóvel + juros, ou seja, os 200 mil + juros. Só que como tu só pagou 190 mil, pois os 10 mil foram para a imobiliaria, isso vira mais um problema para conseguir de volta todo dinheiro pago.

      Colocando esse exemplo em um pagamento durante as obras, imagine que tu dê 10 mil de entrada, mais mensais de 1000 e ficou 1 ano pagando. Ao todo pagou 10 mil + 12 mil, 22 mil….daí desfaz o negocio, a construtora vai querer te devolver apenas os 12 mil descontada a multa de quebra de contrato que é +- 20%…ou seja, 12 mil menos 20%….pois os 10 mil q tu pagou de entrada foi para o corretor e eles alegam que não devolvem a corretagem

      0
    • Latam 6 de janeiro de 2012 at 15:08

      Caro Tales, é verdade. Caí nessa em ago/2008 num lançamento no Campo Belo em SP. Paguei R$ 20K de corretagem. Em set de 2010 vendi antes de ficar pronto. Apesar da valorização, ficou taco a taco com o CDI.

      Resumindo : Preço em ago/08 = 750 K

      coloquei do bolso : 200K

      preço de venda em set/10 = 930K

      minha parte = 300 K ( fora 3% para a incorporadora – 27 K )

      ou seja, entrei com 200K e saí com 300 K em 2 anos , para mim empatou com o CDI, dei graças , pois ia pegar um financiamento de R$ 650 K .

      Abraços a todos do blog, muito inteligente, compartilho das opiniões.

      0
  • augusto 5 de janeiro de 2012 at 16:08

    Agora está no site do creci-sp, vide link abaixo, vendas de imóveis usados na cidade de São Paulo cairam 33,2%, e mesmo com os reços caindo quase 2,5%. Pesquisa é baseada em números fornecidas pelas próprias imobiliarias.
    Com as palavras os corretores de plantão , e proprietários que acreditam em Papai Noel
    crecisp.gov.br/pesquisas/pesquisa.asp

    0
    • augusto 5 de janeiro de 2012 at 16:10

      Completando no mes de outubro de 2011,pesquisa mais recente do creci-sp

      0
  • Sérgio Silva 5 de janeiro de 2012 at 17:04

    “Quase 37% dos brasileiros não têm condições de pagar suas dívidas” – olhem só essa matéria que pode indicar uma bolha de crédito no Brasil: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/precos-de-imoveis-tem-forte-desaceleracao

    0
    • Felipe 5 de janeiro de 2012 at 19:47

      Sérgio, o UOL corrigiu a reportagem – na verdade, segundo a reportagem, quase 37% dos brasileiros ENDIVIDADOS não conseguem pagar suas dívidas.
      Na frase que estava antes, dava impressão que 37% dos brasileiros estavam ferrados…

      0
      • no_one 6 de janeiro de 2012 at 10:40

        rsrsrs meio óbvio que só vai ter dificuldade para pagar dívidas quem tem dívidas!

        0
  • Veigalex 5 de janeiro de 2012 at 17:50

    Andre: Você deve ser da região da Penha!

    Tudo na zona leste virou penha. O AP é lá no Canganiba.. o cara coloca Penha.
    Imovel lá na Gamelinha, o cara coloca Vila Matilde.
    Aricanduva virou Carrão..

    Eu entro nos anuncios e mando emails falando.. Isso ai ta longe da Penha hein. kkkkk

    0
    • pmoraesm 5 de janeiro de 2012 at 23:26

      Aricanduva era Carrão no passado, agora já é Anália Franco….

      0
  • bertz 5 de janeiro de 2012 at 18:08

    SÃO PAULO – A valorização de imóveis usados em São Paulo chegou até 175% no período de 2009 a 2011, conforme mostra o levantamento realizado pela Lello Imóveis.

    Este pico de valorização foi encontrado na região da Mooca, onde a média ficou em 80%. No Tatuapé, os apartamentos usados de dois dormitórios tiveram valorização de até 93%, com média de 56%.

    Já na região e Perdizes a valorização máxima observada foi de 86%, e a média atingiu 51%. Nos Jardins a valorização atingiu a média de 52% e, em Santana, de 51%, ambas com picos de 54%.

    Preço médio
    Considerando as cinco regiões analisadas (Perdizes, Jardins, Santana, Mooca e Tatuapé) o preço médio do metro quadrado dos apartamentos analisados foi de R$ 4,97 mil em 2011, com valorização média de 56,6%. Dois anos antes o preço médio do metro quadrado destes apartamentos era de aproximadamente R$ 3,1 mil.

    Entre as regiões, o preço médio do metro quadrado mais caro, de R$ 7 mil, foi encontrado nos Jardins. Em Perdizes o preço do metro quadrado ficou em R$ 6,5 mil.

    Já em Santana,Tatuapé e Mooca o preço médio do metro quadrado ficou em R$ 5 mil, R$ 4,8 mil e R$ 4,5 mil, nesta ordem.

    Foram analisados apartamentos de dois dormitórios, entre 50 e 100 metros quadrados, que registraram maior procura na cidade.

    De acordo com a diretora da Lello Imóveis, Roseli Hernandes, a valorização dos imóveis foi impulsionada pela revitalização de bairros e a expansão das linhas do metrô.

    Na opinião de Roseli, em 2012, o imóvel continuará sendo uma boa aposta de investimento seguro e rentável, com tendência de concorrer mais intensamente com os investimentos em renda fixa, cuja rentabilidade tende a cair com a redução da taxa Selic.

    “Não há bolha no mercado imobiliário, uma vez que ainda há farta disponibilidade de crédito e a demanda continua alta. Por isso, não temos indicativo de que haverá qualquer redução no preço de imóveis usados. Pelo contrário, eles continuarão se valorizando, sendo ótima opção para investimento em locação e revenda”, afirma.

    OBS: SÓ FALA DE ALGUNS BAIRROS EM ESPECÍFICO, NÃO DO CONTEXTO GERAL DE VENDAS.

    0
  • FoxBravo 5 de janeiro de 2012 at 18:19

    O que mais me torra a paciência é a tal “pesquisa de mercado” que as pessoas fazem.

    Muitos, inclusive eu, aprendemos que antes de comprar alguma coisa devemos fazer uma boa pesquisa de preços. Os imóveis não seriam uma excessão.

    Então um amigo me diz que fez um excelente negócio ao comprar um apartamento. Consultou preços de mais de 50 imóveis na região e chegou a visitar mais de 20 imóveis. No final conseguiu um desconto de 10% com um proprietário e fechou o negócio.
    Detalhe que é um apartamento pequeno, com 1 vaga de garagem. Recém casado vai pagar uma prestação pesada por 30 anos.
    Perguntei se ele sabia dos preços desses imóveis a 3 anos atrás. Não.
    Se ele pensou que vai ter problemas para achar uma vaga decente para estacionar o carro da esposa, quando ela voltar a ter um carro. Não.
    Se ele consegue se imaginar morando naquele imóvel com duas crianças. Não.

    No final a resposta foi: mas esse é o preço dos imóveis. Não há nada mais barato. Pode procurar. Eu não tinha outra opção pois aluguel eu não pago porque é jogar dinheiro fora.

    Essa frase “é o preço, não podemos fazer nada” é a que escuto todos os dias. Pessoas aceitam pagar caro por um apartamento ou por um aluguel e ainda acham que estão pagando um preço JUSTO.

    0
    • dp 5 de janeiro de 2012 at 18:25

      FoxBravo, concordo com vc quanto a estupidez da frase “nao podemos fazer nada”. Reflete a passividade e a conformidade do bananense, que acha que eh esperto.

      Nao se surpreenda se no futuro ficar igual ao que ja acontece hoje com os precos dos carros na Banania. O sujeito paga o triplo do resto do mundo por uma carroca e o sujeito acaba tendo delirios achando JUSTO que um Honda Civic seja um carro de luxo…..

      0
    • Carlos_ 5 de janeiro de 2012 at 18:39

      É isso que me faz desistir do Brasil. Não posso concorrer com milhões de idiotas topando pagar caro por tudo: carros, imóveis, eletrônicos, roupas.

      Um bom exemplo. Quem viaja pela europa, estou falando de itália, frança, Alemanha, repara logo que a frota de carros é mias antiga do que os carros que vemos em São Paulo e Rio. E o número de carros de luxo é menor. Vale lembrar que pelo preço de um Astra compro um BMW 3 Series lá.

      Se você comparar o custo do carro financiado, vai ver que pela prestação de um gol 1.6 com ar brasileiro compramos um carro esportivo de luxo.

      E mesmo assim ninguem se dispõe a pagar esse preço por lá, preferem de um modo geral carros mais baratos.

      0
      • Tales 5 de janeiro de 2012 at 19:22

        É por isso que felizmente, ou infelizmente, estou negociando com uma empresa de fora a minha transferencia…

        0
        • dp 6 de janeiro de 2012 at 22:18

          Parabens Tales.

          Ha alguns anos fiz a mesma coisa. Foi a melhor decisao que tomei na vida.
          A segunda melhor foi decidir nao voltar nunca mais 🙂

          0
      • Thiago 5 de janeiro de 2012 at 22:45

        Não é só uma questão de aceitarem os preços

        Veja que táxi lá é tudo Audi, Passat pra cima, mercedes, etc

        Mas as pessoas que conheci lá, principalmente estudantes, usam o carro até quebrar mesmo (eles mantém a manutenção, mas não querem trocar de carro)

        0
    • Roberto Cesar 6 de janeiro de 2012 at 04:15

      Uma das frases mais faladas durante a bolha americana era exatamente essa: “pagar aluguel é jogar dinheiro no vaso e dar descarga”. Hoje com os mutuários debaixo d’água, é que as pessoas tão vendo que pagar um financiamento maior que o valor da casa é o verdadeiro “jogar dinheiro fora”. Isso vai acontecer em breve no Brasil.

      0
  • thiago 5 de janeiro de 2012 at 19:28

    http:// economia.estadao. com.br / noticias/economa%20brasl,investidor-brasileiro-poupa-menos-em-2011,98376,0.htm

    SÃO PAULO – Os investidores pouparam menos em 2011. Em três grandes indústrias desse mercado – a caderneta de poupança, fundos e Certificados de Depósito Bancário (CDBs) – houve diminuição da captação

    Segundo dados do Banco Central, a poupança registrou captação líquida positiva de R$ 14,186 bilhões, valor 63,3% menor ao observado em 2010 e o pior desde 2006.

    No caso dos fundos, que incluem desde aplicações conservadoras como renda fixa e DI até opções mais arriscadas como fundos de ações e multimercados, a captação em 2011, até o dia 30 de dezembro, foi de R$ 59,471 bilhões, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). A soma é quase 48% menor à verificada em 2010, quando a indústria de fundos captou R$ 113,977 bilhões.

    De acordo com dados da Cetip, o estoque de CDBs fechou 2011 em R$ 682,529 bilhões, um saldo de quase R$ 00 bilhões a menos do que o de 2010, de R$ 781,83 bilhões.

    Apesar da diminuição do ritmo de captação da poupança, o administrador de carteiras Fábio Colombo afirma que a caderneta pode ser vantajosa em alguns casos. “Se o investidor tem acesso a fundos de administração com taxa abaixo de 1,5%, os fundos acabam ganhando da poupança em rentabilidade. Se não consegue esse nível de taxa, é melhor ficar na poupança”, diz Colombo. Ele calcula que a rentabilidade da poupança no ano passado, de 7,45%, deva ficar cerca de 1% acima da inflação oficial de 2011 ainda não divulgada.

    0
    • Tales 5 de janeiro de 2012 at 19:35

      Se o povo não esta poupando, para onde está indo o dinheiro???
      Pagar dívidas?!?! Mas a inadimplência aumentou..

      0
      • pmoraesm 5 de janeiro de 2012 at 23:20

        Foi pra continuar vivendo, afinal de contas quase ninguém teve aumento que acompanhasse o avanço da inflação real (e não essa manipulada que o governo tenta nos fazer engolir).

        0
  • carlos 5 de janeiro de 2012 at 20:02

    Boa noite,
    Como ja citei anteriormente trabalho no Corpo de bombeiros fazendo vistorias em sao paulo, e o tenho a relatar aos leitores do blog eh que nos ultimos meses tenho verificado uma enorme quantidade de imoveis que pedem nossa vistoria apos um ano para renovacao de habitesse (pois para o imovel desabitado o nosso auto de vistoria vale por apenas um ano) e para surpresa alguns (principalmente os comerciais /escritorios) ,depois de um ano,ainda estao vazios.
    Acredito que eh soh uma questao de tempo….

    0
    • Tico RJ 5 de janeiro de 2012 at 20:18

      Ótima notícia!
      Incrível como a única barreira para o povo ter consciência queda do mercado imobiliário é a falta de informação.
      Acompanho apenas 1 imóvel e que não é vendido a meses – Que mercado tão bom é esse???

      0
    • ICF 6 de janeiro de 2012 at 16:14

      Gostei demais dessa informação! Vários sinais indiretos aparecendo.

      0
  • Felipe 5 de janeiro de 2012 at 20:17

    Citação artística retirada de h t t p://acertodecontas.blog.br/financiamento-imobiliario/apartamento-na-planta-no-compre

    “Nunca li tanta bobagem. Eu comprei um apartamento na planta no Guarujá em 2009. Preço: R$ 450.000,00. Estou pagando 20% até a entrega das chaves que vai ocorrer daqui alguns meses. Hoje, antes mesmo de ficar pronto, já vale R$ 800.000,00 devendo passar de 1 milhão ao término. Ou seja, se eu vendesse hoje por R$ 800 mil, pago o saldo devedor (de aprox. 360 mil) e me sobram 440 mil. Me diz onde vc aplica 90 mil reais parceladamente e no final recebe 440 mil. Ah, em tempo: eu não vendo por 800 mil. Se quiser, é 1 milhão.”

    AAAAAAAAAAAAMÉÉÉÉÉÉÉMMMMMMMMMMMMMM

    0
    • Sir Income 5 de janeiro de 2012 at 20:27

      E ainda dizem que não tem especulador comprando. Lamentável!

      0
    • Dr. Estranho 5 de janeiro de 2012 at 20:32

      Caracaaaaa. Que bom!!! Vou te dar um milhão por ele agora. Vou no supermercado e pegar a maior espiga de milho que achar. Obrigaduuuu pela super oferta. Enquanto isso vou trocar de carro com o meu didin.

      0
    • augusto 5 de janeiro de 2012 at 21:35

      Pede para ele entrar no site do creci-sp , consultar pesquisa de vendas de imóveis no Guaruja, a última é referente a setembro 2011, e ver se ele consegue vender seu imóvel lá. Na pesquisa verá que lá quase nada se vendeu, e as informações são das próprias imobiliarias

      0
    • Guilherme Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 23:45

      Ninguém aqui está falando que não valorizou. O problema é que a subida dos preços foi muito maior que a subida dos salários. Muitos que teriam condições de comprar seu imóvel 4 anos atrás hoje já não podem mais. As vendas estão caindo mês a mês.

      O “X” da questão é a liquidez que está próxima de zero.

      0
    • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 02:56

      Felipe, não seria melhor em vez de comprar no Guarujá, comprar uma mansão no exterior com os R$ 1 milhão que você está pedindo (um pouco mais de USD 500 mil)???? Ou até mesmo colocar o R$ no banco e ganhar (poupança 0,55) por volta de R$ 5.000,00 todo mês livre de IR???

      Obs.: Com R$ 5.000/mês dá para ficar num ótimo hotel um final de semana todo mês no Guarujá-SP. Ex.: Hotel Sofitel Jequitimar – apróx. R$ 950 diária. (deem uma olhada no site deles/google e vocês entenderão do tipo de hotel que estou falando)

      0
      • Felipe 6 de janeiro de 2012 at 08:35

        Guilherme, eu só postei um comentário de um cara que eu vi em outro blog rzrzrzrzrz
        Eu sou da turma dos sem-teto do blog heheheheh

        0
        • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 18:09

          nao entendi direito, desculpa. Ler blog 2h da madrugada de esse efeito colateral…..

          0
    • Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 10:23

      Negocia logo porque daqui a pouco começam a te cobrar o condomínio.

      E o saldo devedor.

      0
      • Luiz 6 de janeiro de 2012 at 13:00

        o saldo devedor corrige pelo INCC
        pagou 20%
        mas ela continua devendo os mesmos 450 mil

        0
    • ICF 6 de janeiro de 2012 at 16:18

      Eis o típico FDP especulador! Quer ganhar quase meio milhão de reais sem fazer nada. Desgraçado. Que se f. pagar as chaves. Dane-se.

      0
  • Tico RJ 5 de janeiro de 2012 at 20:25

    Prezados gurus de mercado de ações de plantão – gostaria de uma sugestão de vocês.

    Apesar da grande acúmulo de empréstimo que a Petrobras tem feito para a exploração do pré-sal, mas com perpectivas de grande aumento de produção (para até aproximadamente 2018) que irá duplicar sua produção, vale a pena comprar ações da petrobrás este ano? Parece-me que o valor das suas ações estão baixas.

    0
    • Inteligivel 5 de janeiro de 2012 at 20:39

      Assista:

      http: // www .youtube.com/watch?v=Gy7kYnMWBlQ&feature=autoplay&list=UUsra3f6ogpXhIZbSUe2OoaA&lf=plcp&playnext=4

      0
      • Veigalex 5 de janeiro de 2012 at 20:48

        O Bastter é muito bom.

        Quer entrar na bolsa, e quer aprender sem frescura.. veja os videos dele.
        Vc vai ter uma visão bem diferente.

        Ele fala de um jeito muito simples.

        bastter.com

        tem um perfil no youtube com tudo.. Bastter.

        0
    • Tico RJ 5 de janeiro de 2012 at 20:53

      Valeu, galera!
      Tico RJ mentalizando.

      0
  • Zoom 5 de janeiro de 2012 at 20:30

    Tá, alguma novidade na “mídia” sobre a queda das ações no setor imobiliário de ontem e hoje?
    Ou, apenas quando estas se saem bem eles noticiam os aumentos.
    Sacanagem……

    0
  • Sir Income 5 de janeiro de 2012 at 20:32

    Chamada do Jornal Nacional: A poupança teve a pior arrecadação em 5 anos!

    0
  • Sir Income 5 de janeiro de 2012 at 20:49

    Para quem vai viajar. Cuidado com o radar dedo-duro

    www .youtube.com/watch?v=vPh7EBIeT58&feature=feedu

    0
  • Ze Bom Dirolo 5 de janeiro de 2012 at 20:51

    Classificados de janeiro de 2010.
    Vendo cubo oco de 25 m2. Preço R$ 250.000,00..

    Classificados 2012.
    Vendo Kit linda, 25, 73m2, mobiliada, sofá macio, tv atraente, geladeira espaçosa, telescópio embutido na janela, massagem grátis, coleção da playboy, época, super interessante, armários com lindo mdf, parede linda verde musgo estilo fino, chuveiro e torneiras com duchas fortes, vaso sanitário com dispositivo de descarga com cordas de nylon ultraresistentes e porteiros com cursos de vigilantes no SENAC. R$ 97.720,00. Tratar: Corretora Nany Gata

    0
  • Shakespeare 5 de janeiro de 2012 at 21:03

    Informação importante para saber depois que a bolha estourar:

    12/10/2011 – 14h17
    Imóvel: conheça sete taxas abusivas e ilegais cobradas dos consumidores

    SÃO PAULO – Muitos consumidores que desejam realizar o sonho da casa própria acabam não prestando atenção àquelas letras miúdas inseridas no contrato ou, até mesmo, acabam aceitando as imposições das empresas no fechamento do negócio.

    Na avaliação do presidente da Amspa (Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências), Marco Aurélio Luz, é importante que o comprador tenha o apoio de um profissional especializado na área imobiliária, como um advogado ou economista, para não cair nessas armadilhas e evitar problemas futuros.

    “Porém, a realidade é bem diferente e infelizmente muitos contratos assinados na atualidade trazem a inclusão de adicionais onerosos que afetam o adquirente. As mais comuns são as taxas Sati, de interveniência, de transferência, de administração, de obra e corretagem, entre outras tantas prejudiciais ao mutuário”, destaca Luz.

    Conheça quais são as taxas abusivas
    Um bom caminho para tentar se proteger é conhecer quais as cobranças abusivas mais comuns no mercado imobiliário. Confira abaixo as 7 selecionadas pelo presidente da Amspa:

    1 – Sati
    “Uma das práticas mais recorrentes do mercado imobiliário é a taxa Sati, pela qual é cobrado o percentual de 0,88% sobre o valor do bem”, explica Luz. As imobiliárias impõem a cobrança ao proprietário do imóvel sob a alegação de existência de custos de assistência técnica e jurídica para fechar o contrato.

    “O recolhimento, porém, fere tanto o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, pela prática de submeter o fornecimento do serviço relacionado a outro, como também o código de ética da OAB, por impor um profissional contratado pela corretora”, alerta.

    2 – Assessoria imobiliária
    A obrigação de pagar pela assessoria imobiliária, inclusive, é do próprio vendedor e não do novo proprietário do imóvel. “A exceção é feita no caso de comum acordo entre as partes, com todos os esclarecimentos e retificações no contrato”, completa.

    3 – Comissão do corretor
    Outro procedimento ilícito é obrigar o comprador do imóvel a assumir o pagamento da comissão do corretor, nos casos em que a empresa o contrata para fazer a intermediação entre comprador e a incorporadora. A taxa varia de 6% a 8%, conforme determina o Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis).

    “Só no momento da assinatura ou, na maioria das vezes, após fechar o contrato, que o mutuário tem o conhecimento do pagamento da taxa indevida”, explica.

    Ele lembra que ainda há ocorrências em que a incorporadora separa o pagamento da porcentagem do agente comercial para que, na hora da rescisão do contrato, não tenha que devolver esse dinheiro, além da sonegação de tributos como o Imposto de Renda e induzindo o comprador a sonegar o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens de Imóveis).

    Porém, Luz lembra: “O pagamento é possível apenas quando o próprio adquirente contrata o profissional para lhe auxiliar na procura da casa própria”.

    4 – Transferência do imóvel (Cessão do Contrato ou de Renúncia)
    Quando o mutuário tenta transferir o imóvel em construção para outra pessoa, para que ela assuma as prestações do financiamento, ele encontra outra surpresa. “Para que a venda seja concretizada, as construtoras costumam impor o pagamento da taxa chamada ‘Cessão do Contrato ou de Renúncia’, que equivale a 3% do valor da propriedade”, explica.

    Ele orienta que os prejudicados contestem a cobrança na Justiça até conseguirem retirar o valor ou reduzi-lo a despesas administrativas da elaboração do contrato, pois a prática é abusiva, não tem previsão na legislação e fere o CDC.

    5 – Taxa de interveniência
    Ela se refere ao pagamento que pode chegar a R$ 3 mil ou, em alguns casos, a 2% do financiamento, quando o comprador não aceita a financeira parceira da incorporadora. “Sua imposição é considerada venda casada, e os órgão de defesa do consumidor, como o Procon, a condenam”, destaca Luz.

    6 – Taxa de administração
    Os bancos alegam que é cobrada essa taxa pelo serviço administrativo e na manutenção do contrato de financiamento. Embora a legislação determine que o limite cobrado seja de até 2% e apenas nas 12 primeiras prestações, algumas instituições chegam a cobrar de 20% a 30% da tarifa durante todo o financiamento.

    “Outra artimanha utilizada é oferecer juros abaixo do que é praticado no mercado, que é de 12% ao ano. Porém, a diferença ‘não cobrada’ é inserida justamente na taxa de administração”, lembra o presidente da Amspa.

    7 – Taxa de obra
    O mais novo tributo aplicado pelas construtoras é a taxa de obra, pela qual é cobrado um percentual de 2% sobre o valor do imóvel durante a construção. As empresas dizem que ela é referente aos juros da obra e cobram-na até que aconteça a liberação do “Habite-se” e de toda a documentação relacionada.

    “Isso é um abuso”, afirma Luz. Ele ensina que o artigo 51 do CDC considera ilegal a cobrança de qualquer taxa que coloque o consumidor em desvantagem exagerada.

    Veja dicas de como agir
    Para reverter a situação de desvantagem em que o mutuário se encontra, cabe a ele próprio fazer valer seus direitos. “Ele pode recorrer à Justiça para exigir a devolução de seu dinheiro, que deverá ser restituído em dobro, além de ser acrescido de correção monetária e juros”, orienta Luz.

    A devolução deve ocorrer em uma única vez, no prazo máximo de 10 dias e corrigida com os devidos encargos. Após o 15º dia, incide o acréscimo de 10% de multa e, caso não seja pago, os bens da imobiliária ou da construtora podem ser penhorados.

    “Portanto, fica claro que todas essas taxas são totalmente abusivas e sem qualquer justificativa”, alerta o presidente da Amspa. “Está na hora de acabar com essa injustiça”.

    Fonte: h t t p ://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/10/12/imovel-conheca-as-7-taxas-abusivas-e-ilegais-cobradas-dos-consumidores.jhtm

    0
    • LAR 5 de janeiro de 2012 at 22:34

      engraçado que o CRECI nao da esse tipo de orientação… a profissão de corretor NÃO é séria no Brasil

      0
    • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 00:05

      Dica do Gui:

      Se você está comprando imóvel e alguém utilizar como argumento a valorização futura em determinado prazo, peça para que esse dado conste no contrato, tendo o vendedor algum ônus se não valorizar o prometido.

      O cara muda de conversa na hora…..

      0
  • MrJaime 5 de janeiro de 2012 at 21:05

    The Economis (um dos principais jornais econômicos britânicos) – A bolha é mundial. Em alguns países ela já estouro, em outros deu repique após começar a esvaziar, e alguns outros ainda estão em valorização:

    h t t p : //www.economist.com/node/21540231

    Trecho interessante: “Por todo o mundo DIVERSAS calamidades econômicas e financeiras desde 2008 começaram com o estouro da maior bolha da história. Nunca antes os preços de imóveis cresceram tão rápido, por tanto tempo, em tantos países. Ainda assim, o estouro da bolha ainda está muito menos avançado do que o boom. Preços de imóveis tombaram 34% desde 2006 nos EUA para o ponto mais baixo durante este ano; na Irlanda, os preços despencaram ainda mais, em dolorosos 45% do seu pico em 2007; os preços caíram por volta de 15% na Espanha e Dinamarca. Mas em muitos outros países os preços caíram menos de 10%, como a Inglaterra e a Itália. Em alguns países, como a Austrália o Canadá e a Suécia, os preços recuaram, mas voltaram a crescer para novos recordes. Como resultado, muitos mercados de propriedades ainda parece desconfortavelmente sobrevalorizados.”

    Boa leitura!

    0
    • MrK 6 de janeiro de 2012 at 04:41

      meu palpite eh que isso tem a ver com fuga de capitais pra moedas fortes

      na australia e canada por exemplo, eles estao com moedas redondinhas, por isso muito investidor compra ativos la, incluindo casas, pra ter rendimento nessas moedas.. isso gerou a valorizacao la mesmo com precos caros, ja os paises com dolar e euro… ai ja viu ne

      0
  • Tico RJ 5 de janeiro de 2012 at 21:06

    Pessoal, para rir um pouco !!!
    BOLHA, se não for pedir demais, quando o PLOC for explícito coloque isto como tópico !

    Até os professores da Bahia que elaboram o vestibular têm consciência da bolha imobiliária – vejam a questão 03. Com certeza os bolhudos vão tirar DEZZZZZZ !!!

    http://www.anchietaba.com.br/canaldamatematica/resolucao/RESOLUCAO_VESTIBULAR_UFBA_FASE1_2011.pdf

    0
    • Lucas 5 de janeiro de 2012 at 22:18

      Muito legal!!!!!!

      0
    • Guilherme Eduardo 5 de janeiro de 2012 at 23:54

      Os alunos que tem algum parente corretor deve ter errado essa, por que imóvel NUNCA desvaloriza….

      0
  • doom 5 de janeiro de 2012 at 22:01

    Trechos da entrevisa com Carlos Alberto Vieira Lima, presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia (Sinduscon-BA):

    BNI: Quando assumiu, em 2010, a presidência do Sinduscon-BA, o senhor se deparou com uma recuperação do mercado, depois daquele abalo sofrido pela crise financeira mundial. Agora, o senhor é reeleito. E o mercado está começando a dar uma desacelerada, com queda do nível de atividade na construção e, no mercado imobiliário baiano, um estoque recorde de 18 mil imóveis em construção e prontos.

    CAVL: O que aconteceu, de fato, é o seguinte: houve um processo de realinhamento do mercado. No momento, realmente houve uma freada. Mas, tudo isso é em função da base que você tem. Se você tinha uma venda de 1.500 ao ano ou 2.000 imóveis, você tem um estoque em função do seu volume de vendas. Então, qual foi o volume de vendas no ano passado? Foi de 14 mil. Então, você tem um estoque de um ano e pouco, entre produtos lançados e entregues.

    BNI:Mas 18 mil imóveis em estoque não é um volume alto?

    CAVL:Houve uma oferta e uma paralisação. A tendência, em médio prazo, é diminuírem os lançamentos para que seja feito o ajuste no decorrer de 2012.

    BNI: Então, para o senhor, o estoque se regulariza no ano que vem?

    CAVL: O ajuste será em 2012. Os orçamentos já foram bem menores esse ano, porque o mercado foi inteligente. As empresas não são suicidas. Mas, de qualquer forma, a parada foi maior do que a expectativa nossa.

    BNI: Na avaliação do senhor, quando houve o breque nas vendas que causou esse estoque?

    CAVL: Essa parada foi desde o fim do primeiro semestre. O primeiro semestre foi razoável. A partir do final do primeiro semestre é que as vendas pararam. Outubro foi o mês mais crítico em vendas.

    BNI: Como está o mercado agora?

    CAVL: Está começando a ter uma procura a mais, principalmente pelos imóveis que já estão com o prazo de entrega mais próximo. E outros que já estão na iminência de serem entregues.

    BNI: A retração nas vendas teria sido decorrente do aumento dos preços dos imóveis?

    CAVL: Não. Eu não acredito que a questão do preço tenha sido o fator motivador. É a insegurança. É o pessoal com medo de perder emprego. É a crise. Agora, apesar de o mercado não está mais crescendo no mesmo ritmo, no setor da construção, o nível de empregos está aumentando. Hoje há mais de 193 mil pessoas empregadas. Não há redução de estoque de trabalhadores.

    BNI: E a lucratividade das empresas do setor?

    CAVL: A lucratividade está caindo e, em alguns aspectos, por causa da baixa produtividade. Você não pode transferir tudo ao preço, porque o cliente não aceita. E aí se perde a lucratividade.

    0
    • A espera de um estouro 5 de janeiro de 2012 at 22:12

      Esse cara é um fanfarrão…”o preço não é o fator motivador, o problema é a crise”…

      0
      • MrJaime 5 de janeiro de 2012 at 22:22

        Eles nunca irão admitir. Suponha que um cenário catastrófico se estabeleça. Eles sempre dirão que foi uma correção e que as coisas começarão a melhorar nos próximos meses. Concluirão, é claro, que “é o melhor momento para comprar, ou nunca mais fará um negócio como esse.”

        Foi assim nos EUA, na Irlanda, na Espanha, tanto no mercado imobiliário quanto na economia em geral. A diferença é que na economia quem faz o “marketing” são os políticos.

        0
      • dp 5 de janeiro de 2012 at 23:12

        Classico.

        Atribuindo um fato gerador externo que ele nao controla (“a crise”) a um problema interno que ele tem controle (“precos irreais”).

        Na mesma categoria da ” a culpa eh o sistema” …

        0
        • MrJaime 5 de janeiro de 2012 at 23:34

          Dp,

          Eu confesso que nem considero o pessoal do mercado imobiliário os principais culpados. Como indicado no link que eu mandei em um post mais acima (The Economist), a bolha imobiliária atual é um fenômeno mundial.

          Uma de suas causas principais é a enxurrada de dólares que o governo americano tem injetado nos bancos, e que os bancos com medo de investir tanto dinheiro lá, partiram para investir pesado em construtoras e incorporadoras por todo o mundo.

          Realmente estamos vivendo algo sem precedentes, e o “pós boom” trará um crash igualmente grandioso. Quem está economizando investindo com solidez terá ótimos oportunidades no futuro.

          0
          • Shakespeare 5 de janeiro de 2012 at 23:53

            Mas aí seria uma inflação mundial?!!

            0
            • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 00:04

              Existem duas vertentes Shakespeare,

              Alguns, como Paul Krugman e Mike Norman (Economistas da vertente Keynesiana) defendem que como o dólar é a moeda mundial, os EUA podem pegar dinheiro emprestado à vontade (pq pegam emprestado em dólar) e depois podem “monetize” que é um termo bonito para o que o Brasil fazia nos anos 80: imprimir dinheiro para pagar suas dívidas.

              Outros como Ron Paul (senador e candidato à presidência dos EUA), Peter Schiff e outros (Escola Austríaca de Economia) defendem que tamanhã expansão monetária do dólar causará uma fortíssima inflação.

              Você deve ter ouvido o Ministro Mântega falando de “guerra cambial”. Isso nada mais é do que cada país tentando desvalorizar sua moeda. Alegam que uma moeda desvalorizada turbina as exportações, pois os produtos daquele país ficariam mais baratos. Alguns, porém, argumentam que o efeito é apenas temporário, e que inflação é sempre ruim.

              Eu pessoalmente acredito que os efeitos negativos de tamanha injeção de dólares serão sentidos mais cedo ou mais tarde.

              De fato já estão sendo sentidos. É só sair nas ruas e ver o quanto tudo está absurdamente mais caro (e o mesmo ocorre na Itália, onde estive recentemente). Amigos que moram nos EUA, Espanha e austrália também reportam aumentos de preço fora do padrão para os respectivos países.

              0
              • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 00:16

                (off topic)
                Tenho medo que tenhamos uma nova guerra mundial. Em tempo de guerra as industrias trabalham a todo vapor para produzir material bélico, e no pós-guerra trabalham para reconstruírem os países destruídos. Além disso, nesses tempos ninguém fica analisando orçamentos, balanços, contas, etc. para mover seus exércitos e proteger seus povos.

                Guilherme: O medroso.

                0
              • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 13:22

                Então os dois casos conduzem a um efeito: INFLAÇÃO!

                Estou vendo no JH exatamente sobre isso agora

                0
  • Insanidade 5 de janeiro de 2012 at 23:16

    Encontrei este relatorio disponível sobre o preço médio dos imoveis

    Base: Abril a Outubro de 2011

    Pesquisa de Preços de Imoveis Residenciais – São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife

    Fonte: Ibope Inteligencia

    Link:
    http://www.ibope.com.br/download/relatorio_precos_imoveis.pdf

    Abraços!

    0
  • carlos 5 de janeiro de 2012 at 23:51

    A matéria é de novembro e já deve ter sido postada:

    http:// blogs.estadao.com.br/claudia-trevisan/chineses-protestam-contra-queda-no-preco-de-imoveis/

    O que me chamou a atenção foi esse trecho:

    “Desde o dia 22 de outubro, ocorreram pelo menos cinco manifestações nas ruas de Xangai promovidas por compradores que viram o valor das residências que compraram pouco meses antes cair de maneira abrupta com as novas promoções. Em uma delas, cerca de 400 pessoas carregando faixas invadiram e danificaram um dos showrooms da China Overseas Holdings, que oferecia apartamentos por um quarto a menos do que eles haviam pago no ano passado.”

    Será que teremos passeatas no Brasil também?

    Porque o preço dos imóveis já tá baixando… aqui em Goiânia tem um monte de descontos em apartamentos que acabaram de ser construídos… exemplo:

    http://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-apartamento-goiania-go-3-quartos-rua-14-461990

    Anúncio de ontem, onde se oferece um desconto de até 30 mil sobre o preço de tabela.

    Como será que quem comprou pelo preço de tabela está se sentindo agora?

    0
    • Mineiro BH 6 de janeiro de 2012 at 16:03

      Humn…

      Não, não teremos protestos…

      Leia o texto do Igor Gielow sobre o brasileiro, comparando-nos com os russos… Folha de terça, 3, salvo engano.

      Conclusão: somos mais “bovinos” do que um povo muiiito bovino, o russo…

      0
  • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 00:02

    Estava dando uma olhada nos posts em geral e percebi uma coisa. Geralmente tem gente falando nos preços acompanharem a inflação.

    Daí nasceu uma dúvida: Seria possível dizer que a correção de preços pela inflação está sendo confundida com valorização, fazendo com que várias pessoas digam que NUNCA viram imóvel cair de preço? Se um apartamento, por exemplo, aumentou 6,5% esse ano, na verdade não teve aumento, ele ficou a mesma coisa, certo?

    0
    • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 00:09

      Em parte isso é verdade.

      Da valorização dos últimos anos você precisa sempre descontar a inflação para saber o ganho real dos imóveis, ou de qualquer investimento.

      O governo disponibiliza uma ferramenta muito interessante para você corrigir valores segundo diversos índices de correção (ex: IGP-M, IPCA, etc..):

      h t t p s : / / w w w 3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCorrecaoValores.do?method=exibirFormCorrecaoValores

      (retire os espaços no início do link)

      O truque desagradável é que o governo calcula os índices de inflação para mascarar a desvalorização real da moeda. Isso acontece não só no Brasil, mas nos EUA também e em outros países também.

      0
    • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 00:15

      Neste vídeo, Chris Martenson explica como o governo americano “maqueia” os índices oficiais para fazer com tudo pareça melhor do que está na realidade. No Brasil fazemos (governo) o mesmo, mas não conheço uma referência tão didádica quanto essa:

      h t t p : / / w w w .youtube.com/watch?v=X37Gz3shjU0

      De fato, quando tiverem tempo, recomendo a todos assistirem todos os capítulos deste video/livro. É muito elucidativo. Boa “leitura”. (:

      0
  • ICF 6 de janeiro de 2012 at 00:44

    Há poucos anos, a lei do inquilinato sofreu importante modificação aumentando a proteção aos proprietários. Na ocasião, a mídia divulgou que, com esta proteção maior, haveria uma diminuição nos valores dos aluguéis pois mais proprietários colocariam seus imóveis para alugar (porque haveria uma maior facilidade na retomada do imóvel). Ocorreu o contrário e os aluguéis aumentaram muito com os proprietários exigindo revisão acima do IGPM. O aluguel que eu pago já aumentou 66% na comparação com o momento da mudança da lei.
    Lembro que, quando eu era criança, o aumento nos valores dos aluguéis e do preço de compra dos imóveis se chamava CARESTIA…hoje chamam de VALORIZAÇÃO.

    0
    • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 02:32

      Mas aluguel não é igual comprar imóvel, o teto é mais baixo. Imóvel dá para comprar com crédito, aluguel não. Se aumentar muito o cara sai e vai morar num lugar mais ruim, porém mais barato. Eu pelo menos não conheço nenhum banco que faça “crédito locatício”.

      imaginem os jornais: Seu aluguel aumentou? Não tem problema! Contrate agora mesmo o nosso Crédito Locatício! OU Aluguel R$ XXX, obrigatório fiador ou 3 meses adiantado. Aceito cartão de crédito Visa/Master/Hipercard/Amex.

      0
      • Renato C 6 de janeiro de 2012 at 03:02

        Guilherme, meu caro.

        Não dê idéia !!! Do jeito que o mercado está… qualquer sandice ou ironia vira realidade !

        0
      • MrK 6 de janeiro de 2012 at 08:05

        a titulo de informacao, eu acompanho tambem o mercado de alugueis sempre que tenho um tempo, vejo a coisa travada igual no mercado de vendas

        e’ curioso como existem imoveis cobrando 50% ou 60% a mais em relacao a outros no mesmo predios ou de tamanho, estado e localizacao semelhantes, temos sempre a figura do proprietario com bom senso (ou que cansou de esperar) e o proprietario fanfarrao que joga o aluguel nas alturas e fica ali mofando se achando espertao

        na Gavea, normalmente os apartamentos bons de 2 quartos sao alugados a R$3.000, vira e mexe surge um assim e fica anunciado por 1 ou 2 meses no maximo, acaba fechando, vi isso no meu ex-predio tambem, mas volta e meia surge um pedindo R$4.000 , R$5.000… e fica la mofaaaando, pagando condominio e iptu, o cabeca dura segura ate onde pode e acaba desistindo quando ja tomou preju suficiente

        Um amigo meu alugou ha pouco no leblon, a dona pedia R$5.000, ele ofereceu R$3.500 e acabaram fechando a R$4.000, essa e’ a tendencia, ja saturou…o aluguel nao tem credito como o amigo bem falou

        0
        • Anonymous 6 de janeiro de 2012 at 08:33

          MrK,

          Estou na Alemanha, pagando 2200 Reais/mes num hotel 3 estrelas, incluindo estacionamento, TV a cabo e Internet. O hotel está localizado nos arredores de uma cidade e também aluguei um carro. A idéia de que transporte público na Europa é a escolha certa é mito. Se eu estivesse num hotel na cidade poderia utilizar o transporte público. Entretanto, o hotel na cidade sairia mais caro do que o hotel nos arredores da cidade somado ao aluguel do carro. No Rio de Janeiro, segundo o xyz, eu alugaria uma cobertura (laje) numa comunidade pacificada. É claro que teria o “parking assistance” e fogos de artifício vez por outra com a explosão de bueiros. Acho que ainda assim, prefiro a Alemanha.

          0
          • Muca CG Muita Treta 6 de janeiro de 2012 at 09:17

            Atualmente, estou procurando imóvel para alugar. Há muitos imóveis novos disponíveis em apartamentos e condomínios de casinhas (quem mora em SP, sabe do que estou falando). Isso atesta que todos aqui estão certos: especulador burrinho comprou achando que venderia fácil e agora está pondo para alugar, já que os gastos estão altos e eles precisa lucrar um pouco. Fora isso, tá fácil conseguir desconto. Apesar do preço estar na altura e a redução só ajustar o valor do aluguel para algo próximo da realidade, 20% está quase sempre garantido como desconto nos contratos de locação. Mas tem que pedir, chorar. Se não, o corretor faz aquela cara de desgraçado e diz “é, o mercado está aquecido”. Aquecido. Ahã.

            0
  • Paulo SCSul 6 de janeiro de 2012 at 01:16

    Aquele blog do acerto de contas é ridiculo

    O cara compra um AP por 180.000 e depois de um ano ele vale 230.000

    So que ele esqueceu:

    Quando vende o AP por 230.000 o leão come 15%

    Mais 6% de comissão da imobiliaria

    Mais encargos de IPTU, condominio, agua e luz

    Vamos fazer as contas:

    230.000 – 15% – 6% = 181.000

    Nem descontei IPTU, condominio, agua e luz.

    Para que o imovel de lucro na venda, tem que valorizar muito, de modo a compensar a
    mordida do leão e outros encargos.

    0
    • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 02:21

      Além disso, as construtoras cobram taxa de transferência, geralmente R$ 2mil, R$ 3mil ou 1 a 2 %.

      IR + corretagem + taxa de transferência = quem vendeu se deu bem, quem não vendeu tá com um mico na mão!

      0
      • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 02:35

        * faltou um pedaço: quem vendeu ATÉ O FIM DE 2010 se deu bem

        0
    • ploooooccc 6 de janeiro de 2012 at 02:30

      paulo, a conta não se faz assim como vc postou.

      lucro imobiliario de 15% é sobre o ganho (230-180)

      o certo é: 230-180= 50
      50 x 15% = 7500
      6% = 13800

      resumindo: 230.000-7500-13800= 208700
      compra = 180000
      lucro = 28700

      aprende a fazer conta antes de falar m*
      grato

      0
      • Cleyton 6 de janeiro de 2012 at 13:40

        Pô, não precisa falar assim com o cara também, ele errou, acontece, quem nunca errou fazendo esse tipo de conta?

        O mais importante é fazer as contas, com o tempo a gente vai acertando e aprendendo.

        0
    • Carcará 6 de janeiro de 2012 at 08:08

      PauloSC,
      o ganho de Capital sobre o qual incide IR a 15% é a diferença entre o valor de venda e de compra. No caso em questão, 230-180=50, dando um IR de 7,5K.

      Abraços.

      0
    • Eita mah 6 de janeiro de 2012 at 23:18

      Prezado Paulo,
      Só um detalhe relacionado ao seu cálculo, o valor do IRRF a ser pago na operação, cuja alíquota é 15%, terá como base de cálculo o valor efetivo do ganho de Capital, ou seja, Valor de Venda (230.000) – Custo de Aquisição (180.000).
      Mas deixa de ser um aspecto relevante a ser considerado.

      0
      • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 18:55

        “Só um detalhe relacionado ao seu cálculo, o valor do IRRF a ser pago na operação, cuja alíquota é 15%, terá como base de cálculo o valor efetivo do ganho de Capital, ou seja,
        Valor de Venda (230.000) – Custo de Aquisição (180.000). Mas deixa de ser um aspecto relevante a ser considerado.”

        Não deixa de ser relevante se considerar que não pode descontar a inflação, o IPCA acumulado desde 2007 dá mais de 30% que vai somar no ganho de capital, ou seja, o cara vai pagar 15% também sobre a inflação de 30%, no fim é uma perda dupla, perde valor de compra do dinheiro e perde no imposto.

        0
  • Guilherme Eduardo 6 de janeiro de 2012 at 02:18

    Troll no Gerson do acertodecontas!! respondi um post dele assim:

    Se é certo que o imóvel vai valorizar, por que toda vez que eu pedia para os corretores colocarem no contrato eles falavam que não era possível? Desistir de várias compras na planta por causa disso. Se eu comprar algum imóvel seu desses que valorizam 20% aa você garante isso em contrato para mim?

    Obs.: Mania de advogado.

    Obrigado.

    0
  • MrK 6 de janeiro de 2012 at 04:59

    Acho engracado esse papo de que “pagar aluguel eh jogar dinheiro fora”

    e pagar juros astronomicos, eh o que?!
    e pagar agio, eh o que?!

    Jogar dinheiro fora eh nao saber fazer contas!

    A ultima vez que fiz essa conta de breakeven, dava algo como 9%, ou seja, se voce acredita hoje que os imoveis ainda vao se valorizar 9% ao ano TODO ano por 30 anos, entao pode comprar, se voce acha que vao valorizar menos que isso, ficar de “lado” ou cair, aluguel eh financeiramente a melhor opcao

    Repito: Mesmo que o imovel nao caia, se ficar estavel ou subir 5% ao ano, aluguel eh mais vantajoso financeiramente.

    Eu como acho que vao cair, quando voltar ao BR alugarei ate achar que atingiu um patamar bom pra compra.

    0
  • MrK 6 de janeiro de 2012 at 09:20

    Pra quem curte um bom artigo de comedia, saiu o IPCA do ano, milagrosamente ficou no teto da meta 6.50% !!! como uma cena de acao do missao impossivel, o mocinho foge do dragao no ultimo segundo…

    engracado eh analisar os grupos, por exemplo, bebidas e alimentos segundo o indice subiu 7%…hahahaha eu lembro que agua e refrigerantes subiram horrores por aumento de IPI, o chopp subiu 11%, comida no supermercado simplesmente disparou, pra la de 15%, eu queria saber onde esse pessoal ta fazendo compras… me avisem se alguem descobrir!

    outra noticia curiosa foi a desistencia da vale em trabalhar com oleo e gas e vender tudo, deixar de concorrer com a petrobras… curioso essa decisao pouco depois do PT ter expulsado o presidente antigo

    com esse governo manipulador e mentiroso que temos, esse pais caminha a passos largos pro fundo do abismo

    0
    • augusto 6 de janeiro de 2012 at 09:32

      Bem eu já havia dito que teriamos exatamente 6,5%. O IBGE mais uma vez perde credibilidade, para manter seus diretores nos cargos que ocupam. Exatamente como na Grécia, onde governantes pré crise manipulavam indices.
      Por outro lado voces viram uma noticia que saiu tarde da noite de ontem e não mais foi divulgada, informando que industria automobilistica iniciou demissões em dezembro. Vão tentar esconder ao máximo, mas era certo, pois se produção aumentou 3%, e industrias previam 5%, e lógico prepararam-se para este indece maior, vai sobrar gente

      0
      • MrK 6 de janeiro de 2012 at 09:35

        outra noticia pra voce, amigo augusto

        “… as vendas a prazo aumentaram 4,79% no ano passado em relação ao ano anterior…Já a inadimplência continuou subindo pelo décimo primeiro mês consecutivo, com alta de 2,29% em relação a dezembro de 2010. No acumulado de 2011, o número de registros no SPC cresceu 5,34% em relação ao ano anterior.”

        sera que a nova classe media no fundo sao um bando de caloteiro? hehehe

        0
    • MINEIRO QUER BOLHA 6 de janeiro de 2012 at 09:39

      duvidoooooooooooooooooo, governo cara de pau

      0
    • Eric 6 de janeiro de 2012 at 09:47

      Eu não consigo entender esses índices de inflação. Se até o meio de 2011, estava acumulada uma inflação nos últimos 12 meses de cerca de 12%, como “milagrosamente” chegou ao teto da meta? É só ir em qualquer supermercado para ver que mesmo itens básicos na alimentação estão nas alturas. E qualquer compra bobinha, que você leve meia dúzia de sacolas, já dá no mínimo 80-100 Reais. Isso sem incluir produtos de limpeza e algum supérfluo, senão vai até onde sua imaginação levar.

      0
      • MrK 6 de janeiro de 2012 at 10:02

        Eric, existe um caminhao de desinformacao nesse assunto, a inflacao precisa ser artificialmente baixa para o governo e empresarios, o motivo e’ simples:

        1- Quanto mais baixa a inflacao, mais baixos podem ser os juros e sobra dinheiro pro governo gastar ou roubar

        2- Quanto mais baixa a inflacao, menores os reajustes salariais, sobra mais dinheiro pro governo gastar ou roubar, ou pros empresarios terem lucro

        3- Quanto mais baixa a inflacao, menor a pressao sobre a moeda do pais.

        4- Lembre-se ainda que a inflacao e’ uma especie de imposto silencioso, pago por todos nos, pois quando os precos sobem, sobem os impostos proporcionalmente, entao o governo esta arrecando um bocado a mais “fingindo” que nada esta acontecendo.

        No fim do dia e’ tudo uma estrategia pro povo tomar no lombo sorrindo, achando que esta tudo bem, no fundo ele ta pagando uma fortuna a mais de impostos, tendo reajustes negativos no poder de compra, seus investimentos nao rendem nada e a midia nem noticia isso.

        0
        • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 10:30

          Para completar,

          Quando o PIB é cálculado, desconta-se a inflação, pois parte do aumento do PIB bruto é causado pela inflação. Portanto, um índice de inflação calculado abaixo da realidade faz com que o cálculo do PIB resulte em um valor acima da realidade.
          Por tanto, vamos acordar. Não só a inflação foi muito acima de 6.5% neste ano, como o PIB foi muito abaixo dos 2.8% que estão prometendo para 2011.

          PS: O Governo já anunciou que modificará a fórmula para o cálculo do IPCA em 2012. A modificação na fórmula resultará em redução de 0.4% no índice, como em um passo de mágica. A justificativa oficial é de que o padrão de consumo do Brasileiro mudou, e o cálculo precisa acompanhar esta mudança.

          Entretanto, nunca antes na história desse país (seja qual for o governo presente) a mudança no cálculo de um índice de inflação resultou em um valor maior do que o cálculo anterior.

          0
          • Annibal 6 de janeiro de 2012 at 10:46

            Na verdade, acredito q estamos entrando num período de estagnação real e indo rapidamente para recessão, só q isso não aparecerá nos números oficiais, somente irá aparecer quando for tarde demais para a maioria das pessoas se preparar…

            0
        • Eric 6 de janeiro de 2012 at 11:28

          MrK e MrJaime,

          Muito obrigado pelos esclarecimentos.

          0
    • realidade 6 de janeiro de 2012 at 10:59

      Concordo plenamente com teus dois posts acima. Primeiro quem fala em pagar aluguel é jogar dinheiro fora não sabe fazer conta nem pra ir na feira. O cara paga 1% de juros ao mês na prestação + incc ou igpm na prestação do imóvel inflado(preço) e pagar 0.4% no aluguel é jogar dinheiro fora.Quando o preço do imóvel derreter 30% quero ver……fora a liquidez.

      Segundo, o governo aqui chegou no descalabro de manipular esses índices (vide IPCA) para os palhaços do BC não terem que escrever a cartinha para o ridículo Mantega dizendo o por quê da fuga da meta ou teto (6.5%). BC independente só pra gringo ver……Estamos iguais aos hermanos argentinos ou venezuelanos – o governo “dita” a inflação, não constata e o povão ignorante acredita. Palhaçada…..

      0
      • Jomar 6 de janeiro de 2012 at 11:39

        Gente, vamos dar um desconto para quem não gosta de pagar aluguel. Sem ironia.
        O fato é que condomínio, IPTU e outras taxas são pagas de qualquer jeito pelo morador, seja ele inquilino ou proprietário. São gastos fixos, logo não entram na conta nem para um lado nem para o outro… É evidente que sempre vai ser melhor poupar para comprar à vista, mas isso simplesmente não é possível para a esmagadora maioria da população. As pessoas ou pagam o aluguel, ou pagam a prestação.
        Se você falar para uma pessoa que, se em vez de pagar 1% do imóvel por mês durante 30 anos, é mais jogo ela alugar por 0,4% e aplicar 0,6%, para poder comprar o mesmo imóvel em 15/20 anos, acredito que o poder de convencimento vai ser pequeno, apesar da diferença brutal dos números…
        Além disso, também tem o aspecto do seguro embutido no financiamento, que quita o imóvel em caso de morte ou invalidez. Apesar de ser um custo a mais, isso também dá segurança para a família do mutuário. De novo podemos dizer: procure uma seguradora que pague um prêmio maior pelo valor mensal… Mas quantos pagam seguro de vida quando estão apertados?
        Na minha humilde opinião, se é para falar de males menores, em termos econômicos o melhor mesmo seria morar com os pais até juntar dinheiro para comprar o seu imóvel em um daqueles casos que apareceram em alguns posts atrás (encalacrado, em inventário, proprietários de divorciando, etc…). Ou seja, alugar é bom negócio quando você já tem dinheiro para barganhar e pode se dar ao luxo de esperar uma oportunidade. Quando o caso não é esse, não há como negar que o financiamento imobiliário é uma das modalidades de crédito mais baratas que existem para as pessoas físicas.
        Concordo que entrar em financiamentos de longo prazo é terrível, você paga mais de duas vezes o imóvel, e já aconteceu, em um passado recente, da dívida ficar maior do que o valor do apartamento. Mas, para quem as únicas opções são o juro ou o aluguel, não há solução boa…

        0
        • bertz 6 de janeiro de 2012 at 13:08

          Estou 100% favor, esperei para comprar meu segundo imovel 5 anos e comprei em 2009 antes do absurdo das altas, paguei 160k sobrado de 320m2 terr. e 250ac. só o terreno na época valia 250k, mais ele ficou jogado as traças porque havia briga de herdeiros e os corretores hoje só querem filé, depois que acertei com os donos, arrumei um corretor só para fazer papéis, exigencia dos vendedores, mais como voçe mesmo falou tava na boa era segundo imovel, agora no terceiro porque querer fazer comercio, estou procurando, senão não compraria agora, é fazer proposta de 50% do valor, se der deu se não quiser vamos levando até dar um baixada legal.

          Morei com meus pais até a compra do primeiro imovel, mais meus amigos vivinham de Audi, Mercedes, Muntang, e eu só de milzinho, agora eles continuam com os mesmos carros, e mesmo ano tambem todos 2000 pra baixo, faixa de 18k e sem teto, morando com os pais, não muito diferente da vida que eu tinha antes. HHEHEHEHE

          DITADO DA FORMIGUINHA NUNCA CAIRA DE MODA.

          0
          • bertz 6 de janeiro de 2012 at 13:18

            Desculpe-me Muntang não Mustang, esse era o amigo que perderia menos com a desvalorização do carro mais vendeu, então……….

            0
        • Carlos Wagner 6 de janeiro de 2012 at 15:05

          “Ou seja, alugar é bom negócio quando você já tem dinheiro para barganhar e pode se dar ao luxo de esperar uma oportunidade.”

          Jomar

          Aluguel, atualmente, é vantajoso em todos os sentidos. Sem precisar citar os motivos financeiros ja tão esclarecidos aqui, digo apenas que:

          Por que uma pessoa financiaria um imovel pagando uma prestação cara se ela poderia alugar algo num padrão infinitamente maior, mais conforto, melhor acabamento, pagando menos?

          Isso serve tanto para quem tem o dinheiro pra pagar a vista como para quem tem apenas o valor para dar entrada e pagar prestações.

          Eu fiz isso em fevereiro de 2011 e estou muito feliz. Eu acho que “o sonho da casa propria” tem que ser a realização de um sonho, ou seja, viver num imovel que voce sempre sonhou, no padrão de vida que voce sempre sonhou e não apenas se contentar em ter um teto, por pior que seja, apenas para poder chama-lo de “seu”. Isso é, literalmente, comprometer sua qualidade de vida e a saude financeira da sua familia por 30 anos.

          É isso!

          0
        • DanielCM 6 de janeiro de 2012 at 16:34

          Acho que cada um faz o que quer. Se eu estivesse pagando um financiamento, seria algo em torno de 2000 mensais, contra 725 do aluguel. É como dizia o Bezerra: “bolso de otário é nas costas e virado de boca pra baixo”.

          0
          • ICF 6 de janeiro de 2012 at 22:27

            Se, há um ano, eu tivesse comprado um ap no prédio em que moro, por 500k < do que o cara tá pedindo hoje, eu estaria pagando de prestação inicial R$7.000,00, fora a correção pela TR (e tendo dado 300k de entrada!). Hoje pago R$2.500,00 (contrato vencendo em maio). Mesmo que o proprietário queira 100% de aumento, ainda será menor que a parcela do financiamento.
            E a diferença eu tenho conseguido guardar!

            0
      • Tomaz 6 de janeiro de 2012 at 17:52

        Quando me falam essa, eu sempre digo que “Eu pago para morar. Agora, se pago aluguel ou juros, aí é uma questão de qual está mais barato.”

        Quase ninguém entende…

        0
    • xyz 6 de janeiro de 2012 at 11:27

      O que mais me revolta é ver este governo jogar no lixo todo o esforço que o país fez para se livrar da inflação.

      Quanto a Petrobrás é uma pena o FHC não ter conseguido privatiza-la, apesar de que a vale foi privatizada mas o PT conseguiu “estatizar” a administração.

      Esses gigantes da economia brasileira e seus acionistas vão pagar muito caro.

      0
      • augusto 6 de janeiro de 2012 at 13:58

        No caso da Vale o governo só conseguiu intrometer-se devido a ajuda do Bradesco, que depois que perdeu a liderança para o Itau, tornou-se o maior puxa saco do governo do PT

        0
        • DanielCM 7 de janeiro de 2012 at 02:39

          Deve-se tbm creditar as mudanças na Vale ao Eike, que se alinhou ao governo para que a manobra se concretizasse.

          Pena que o povo tem a memória curta: quando fizeram o filme do molusco, a mídia dizia que a “obra” foi financiada por empresários. Alguém aí sabe que empresário doou dinheiro??? Adivinha?

          Por isso, nunca investi na Vale nem na Petrobras. Já pago muitos impostos para contribuir com a politicalha nacional.

          0
  • carlos 6 de janeiro de 2012 at 09:59

    A matéria é de novembro e já deve ter sido postada:

    http:// blogs.estadao.com.br/claudia-trevisan/chineses-protestam-contra-queda-no-preco-de-imoveis/

    O que me chamou a atenção foi esse trecho:

    “Desde o dia 22 de outubro, ocorreram pelo menos cinco manifestações nas ruas de Xangai promovidas por compradores que viram o valor das residências que compraram pouco meses antes cair de maneira abrupta com as novas promoções. Em uma delas, cerca de 400 pessoas carregando faixas invadiram e danificaram um dos showrooms da China Overseas Holdings, que oferecia apartamentos por um quarto a menos do que eles haviam pago no ano passado.”

    Será que teremos passeatas no Brasil também?

    Porque o preço dos imóveis já tá baixando… aqui em Goiânia tem um monte de descontos em apartamentos que acabaram de ser construídos… exemplo:

    http: / / www . wimoveis.com.br/imovel/venda-apartamento-goiania-go-3-quartos-rua-14-461990

    Anúncio de ontem, onde se oferece um desconto de até 30 mil sobre o preço de tabela.

    Como será que quem comprou pelo preço de tabela está se sentindo agora?

    0
    • augusto 6 de janeiro de 2012 at 10:03

      Quem perdeu na compra está se sentindo o que realmente são , isto é BOCÓS

      0
      • Amate 6 de janeiro de 2012 at 23:10

        Comportamento de manada,

        As opcoes de investimento que eles tem lá esta perdendo feio para inflacao, logo todos foram arriscar nos imoveis

        QUANDO ESTAVA SUBINDO todos estavam sorridentes, feito pai de recém nascido, procura ai no google “aumento na quantidade de milionarios chineses”

        Olha essa manchete: Número de milionários chineses cresceu 12% em 2010

        Destaque para a penultima frase: “A rentabilidade das ações das bolsas de valores e a alta no valor de bens imobiliários foram os principais motores do crescimento, destacou John Thiel, um alto executivo do Bank of America.”

        link :
        http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI243729-18055,00-NUMERO+DE+MILIONARIOS+CHINESES+CRESCEU+EM.html

        Agora que o mercado caiu os utimos especuladores que nao conseguiram sair vao protestar nas ruas quebrando as coisas. Pau neles, se eu fosse do governo mandava descer o cacete! Fizeram tudo sabendo que tinha risco.

        Outra matéria:

        “Milionários chineses são cada vez mais”

        http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=1744633

        AGORA OLHE ESSA MATERIA E TRACE UM PARALELO:

        “Totall de milionários no Brasil sobe para 155 mil em 2010”

        http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-milionarios-brasileiros

        Ou seja, tire as suas “póprias” conclusoes, parasafreando a nova classe media

        0
    • Anonymous 6 de janeiro de 2012 at 10:38

      Parece que alguém andou falando para os Chinese que preço de imóvel nunca cai e agora estão protestando porque foram trouxas. Chegou a hora desses Chineses abrirem o olho.

      0
    • Ader 6 de janeiro de 2012 at 11:29

      É incrível como a mídia um dia publica uma notícia e depois outra que contadiz a primeira. Realmente não se pode confiar, parece que surge uma notícia e eles vão repassando para as pessoas sem uma análise mais crítca.

      http://economia.ig.com.br/empresas/construtoras-americanas-aprendem-a-negociar-na-china/n1597521064226.html

      0
    • aiwww 6 de janeiro de 2012 at 12:41

      “… mas aqui é diferente” .. pensamento da classe média investidora

      0
  • MrK 6 de janeiro de 2012 at 10:58

    Esse “mito” de preco de imovel nunca cai vem do seguinte…

    imovel tradicionalmente e’ um ativo pessimo pra se especular e ganhar dinheiro, pois se imobiliza muito capital, o aluguel e’ ruim, ele deprecia ao longo do tempo, liquidez baixa, tem varios impostos, taxas, cotas, dores de cabeca, imobiliarias, anuncios etc… entao por anos e anos os “financeiros” e “investidores” ficaram longe disso, era investimento de aposentado conservador, consequencia: O Preco nao subia nem descia muito, ele era afetado mais pelos rumos economicos normais… os financeiros focavam sua grana em bolsa, ouro, titulos, empresas, fundos, commodities agriculas etc… como a inflacao aqui sempre foi alta, preco de imoveis (nominais) realmente nao era normal cair

    agora teve essa “mania” de imoveis e os precos triplicaram, porque os ” investidores” sentiram a oportunidade por conta dessa enxurrada de credito imobiliario, MCMV, desoneracoes, crise de confianca nos mercados e outras coisas… ou seja, o cenario mudou TOTALMENTE, o problema que essa maxima “preco de imovel nunca cai” foi feita no cenario antigo, onde nao havia especulacao, credito farto, subsidios etc… basicamente estao querendo usar uma frase de 1980 num contexto de 2011

    eh o mesmo que afirmar que linha telefonica eh um belo investimento hoje em dia… eh preciso se atualizar

    0
    • Cleyton 6 de janeiro de 2012 at 13:37

      Falou pouco e disse tudo, aliás MrK, seus comentários tem sido cada vez melhores!!!

      0
    • Mineiro BH 6 de janeiro de 2012 at 16:33

      O MrK faria bonito na CBN ou na bancada do jornal das 22h, na Globo News…
      (estou falando sério)

      0
      • ICF 6 de janeiro de 2012 at 22:36

        Faça isso não…estraga o cara!

        0
      • MrK 7 de janeiro de 2012 at 06:19

        Eu iria, mas eles preferem chamar os “conhecidos” mesmo q eles tenham rabo preso e opinioes fracas…

        0
      • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 13:32

        O MrK é um oásis de saber no meio do deserto de desinformações que os meios de comunicação, em geral, tentam nos impor…

        Ainda bem que o temos conosco!

        0
  • trackback 6 de janeiro de 2012 at 11:27

    Off Topic

    Achei interessante essa matéria, pois pouco se noticia sobre valorização de terrenos rurais:

    O aumento dos arrendamentos deve crescer ao longo do ano, estimulado pela valorização do preço da terra no País, segundo Zanfelício. “Ainda mais em um momento em que as companhias buscam reduzir a alavancagem, esse tipo de procedimento deve crescer”, afirma.

    O analista lembra que o valor gasto com o arrendamento é bem menor do que o que seria utilizado na aquisição de áreas próprias. Posteriormente, ao reduzir o endividamento, as companhias podem voltar a comprar terras.

    A Fibria já manifestou que deve seguir nessa linha. O presidente da empresa, Marcelo Castelli, afirmou em agosto que a companhia não pretende comprar mais terras em Mato Grosso do Sul para a unidade 2 de Três Lagoas. “Se for preciso, vamos fazer apenas mais alguns arrendamentos. A produtividade com os arrendamentos está melhor do que esperávamos”, disse, acrescentando que a companhia chegou à meta de ter 30% das suas florestas em terras próprias e 70% em terras arrendadas para o empreendimento.

    agencialeia.com.br/leia/integra.aspx?Tipo=noticias&ID=1315110594

    0
  • Sir Income 6 de janeiro de 2012 at 11:30

    Bom dia.

    Com dívidas e alta dos juros, captação líquida da poupança recua 62% em 2011.

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2305779

    Abraços,
    Sir Income
    http://sirincome.blogspot.com/

    0
  • Sir Income 6 de janeiro de 2012 at 11:36

    Bom dia. Quando vai faltar dinheiro para o financiamento imobiliário mesmo?

    Com dívidas e alta dos juros, captação líquida da poupança recua 62% em 2011

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2305779

    Abraços,
    Sir Income
    sirincome.blogspot.com/

    0
    • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 13:34

      Quando acontecerá é difícil prever, mas o fato é que ocorrerá:

      1) A própria reportagem cita que a captação foi menor do que a do ano anterior
      2) A quantidade de empréstimos imobiliários lastreados pela poupança estão bem acima da captação positiva da mesma
      3) Parte importante do dinheiro que entrou na poupança veio de investidores que fugiram das ações e estão “aguardando” mudanças para injetar o dinheiro em algum outro ativo

      0
      • Jonathas 6 de janeiro de 2012 at 14:53

        Pois é.

        Olha que dados interessantes:

        abecip.org.br/m22_redir.asp?cod_pagina=849&cod_link=5449

        Saldo em Nov/2011 – R$ 327 Bi
        Financiamentos em 2011 até novembro – R$ 71,7 Bi (21% do saldo)

        Agora olha essa matéria com posicionamento da mesma entidade:

        exame. abril.com.br/economia/brasil/noticias/vai-faltar-dinheiro-de-poupanca-para-financiar-imoveis-alerta-abecip

        A parcela mais crítica: “O presidente da Abecip, Luiz Antonio França, disse que, em cerca de dois anos, o valor dos financiamentos deve chegar ao limite de 65% do saldo das cadernetas que os bancos são obrigados a ofertar. A partir de então, os empréstimos não crescerão mais até que os depósitos da poupança aumentem ou seja encontrada uma outra fonte de recursos para o crédito imobiliário.”

        0
  • Luiz 6 de janeiro de 2012 at 12:20

    Artigo: Metrô – entre a ação e a palavra

    Para fazer metrô em outros Estados, o governo federal entrega dinheiro direto do Orçamento; para São Paulo e Rio de Janeiro, libera apenas empréstimos.

    Não há malabarismo retórico que esconda uma triste realidade para os paulistanos: o governo dederal do PT nunca investiu um único centavo no metrô de São Paulo.

    Por isso, é lamentável e infeliz o artigo do deputado petista José de Filippi Jr., publicado neste espaço em 12 de dezembro de 2012 (“Metrô de São Paulo, a Coragem para Mudar”), com críticas risíveis e eleitoreiras com relação ao meio de transporte público mais dinâmico e eficaz da maior metrópole do país.

    Outras cidades brasileiras têm recebido tratamento diferente do PT, ainda que suas populações, por motivos distintos, também não tenham sido beneficiadas.

    Em Salvador, um dos casos mais sintomáticos da incapacidade gerencial do partido, o governo federal, junto com a prefeitura e governo do Estado, investiram R$ 700 milhões numa linha com 6 km de extensão. A obra, que foi iniciada há 12 anos, ainda não transportou um único passageiro sequer.

    Neste ano, como faz costumeiramente, o governo federal percorreu novamente o país prometendo investimentos diretos em diversos metrôs. Novamente, os paulistas não foram contemplados, a não ser com palavras vazias.

    Filippi Jr. cita decisão do governo federal que mudou as regras para acelerar a “liberação” de dinheiro para o metrô de São Paulo.

    Omite o deputado que empréstimo não é investimento direto do Orçamento federal. É dinheiro que será pago a juros com o trabalho do contribuinte paulista.

    Ou seja: para os moradores de outros Estados, o governo federal do PT entrega dinheiro direto do Orçamento; para o Estado do próprio deputado Filippi Jr., só “libera” se obtiver o dinheiro de volta, com juros.

    Diante da total falta de sensibilidade federal, o governador Geraldo Alckmin está acelerando cada vez mais os investimentos no metrô de São Paulo. Somente em 2011, já foram entregues quatro novas estações na Linha 4-Amarela (Luz, República, Butantã e Pinheiros), com mais 5,4 quilômetros na rede.

    Os investimentos realizados proporcionaram aumento de 800 mil usuários diários nesse modal. Hoje são 4,4 milhões de usuários no metrô paulista, número maior do que toda a população do Uruguai. Essa ampliação não teria sido obtida com “baixa capacidade de realização” ou com um “sistema esgotado”, como julgou o deputado.

    A ampliação do sistema inclui uma boa notícia para os moradores da região metropolitana: com a nova linha 18, o metrô vai chegar ao ABC, região do deputado.

    0
  • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 13:34

    Quando acontecerá é difícil prever, mas o fato é que ocorrerá:

    1) A própria reportagem cita que a captação foi menor do que a do ano anterior
    2) A quantidade de empréstimos imobiliários lastreados pela poupança estão bem acima da captação positiva da mesma
    3) Parte importante do dinheiro que entrou na poupança veio de investidores que fugiram das ações e estão “aguardando” mudanças para injetar o dinheiro em algum outro ativo

    0
    • Platão 6 de janeiro de 2012 at 15:28

      Ou seja, não há déficit nenhum!!!

      0
      • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 17:32

        Ora,

        Se os empréstimos crescem mais que a poupança, então as pessoas estão devendo mais do que poupam. Isso é déficit!
        Sem contar o segundo déficit que é gerado quando os investidores de ações no Brasil realizaram suas perdas e voltaram para a poupança.

        0
  • D9 6 de janeiro de 2012 at 13:52

    Srs,

    Acompanho o site a algum tempo mas é o primeiro post.
    Hoje não resisti e resolvi “trollar” uma corretora/spammer.

    Dados enviados na proposta (spam)

    Imóvel: 23,94 m2
    Local: Shopping em Águas Claras (Cidade Satelite de Brasília)

    Unidade 912 – 23,94m²
    Sinal:R$ 12.361,82
    27 mensais: R$ 618,09
    5 Semestrais: R$ 3.531,95
    Parcela Especial Dez/2012: R$ 14.931,00
    Parcela Especial Dez/ 2013: R$ 17.260,74
    Financiamento bancário: R$ 94.761,80
    Total: R$ 172. 607,40

    Unidade 512 – 23,94m²
    Sinal:R$ 11.613,29
    27 mensais: R$ 580,66
    5 Semestrais: R$ 3.318,08
    Parcela Especial Dez/2012: R$ 14.911,00
    Parcela Especial Dez/ 2013: R$ 16.590,42
    Financiamento bancário: R$ 90.521,12
    Total: R$ 165.904,20

    – Reply (meu) resumido
    Tenho interesse, mas não vou financiar nada, quero apenas a vista.
    Preciso adequar o valor às minhas possibilidades, no caso 100k a 110k.
    é Factive ?

    – Resposta (2hs depois, sem nenhum outro tipo de contato, a não ser o email)
    “…podemos tentar algo em torno de 8% para pagamento à vista…”
    “…E podemos montar um plano bem diferenciado…”
    “…E se o senhor for adiantando as parcelas vai obtendo descontos expressivos…”

    – Reply 2 (meu)
    Que pena, mas se alguma coisa mudar, possibilitando os 100-110k me avise.

    ——–

    Resumindo, 8% é possível diminuir, sem nem ao menos falar pelo telefone…
    Vamos ver a próxima resposta …

    0
  • Samuel 6 de janeiro de 2012 at 14:37

    Prezados,

    Vocês deram uma lida nas expectativas para 2012 do Samy Dana???
    O artigo leva o nome de Cautela em 2012.
    h t t p : / / crn.itweb.com.br/32100/cautela-em-2012/

    Abraços

    0
    • Carlos_ 6 de janeiro de 2012 at 15:46

      Reproduzo parte do texto do link acima:

      “12 Bolha imobiliária: Evidencia-se no Brasil o surgimento de uma bolha imobiliária, que se forma desde 2008. A bolha fica evidente quando comparamos a taxa de aluguel (aluguel sobre valor de venda do imóvel) com a taxa anual Selic. Com o agravamento da crise, existe a chance desta bolha estourar, depreciando significativamente o valor dos imóveis no Brasil, principalmente nas capitais.”

      0
  • Murdoch 6 de janeiro de 2012 at 14:59

    O que preferimos desconhecer
    Por Armando Castelar Pinheiro

    Quando as Torres Gêmeas foram atingidas, em 2001, o serviço secreto americano fez uma revisão dos seus procedimentos para descobrir por que um evento que poderia ter sido previsto, dadas as informações disponíveis antes, pegou o país de surpresa. Entre os achados, a conclusão de que o pensamento em grupo inibia ou ignorava a visão daqueles que pensavam “fora da caixa”. Era como se uma interpretação da realidade aceita pela maioria, por ser mais verossímil ou apenas mais atraente, se tornasse “realidade” e impedisse que se atentasse para sinais evidentes de que outras realidades eram possíveis.

    No último dia de 2011, Geoffrey Wheatcroft voltou a um tema parecido em artigo publicado no The New York Times, intitulado “A World in Denial of What it Knows”, em que discute as coisas sabidas e ignoradas (“unkown knowns”). Basicamente, o artigo argumenta que a crise econômica resultou da opção (inconsciente?) da maioria de ignorar coisas que eram sabidas, mas inconsistentes com a realidade em que as pessoas preferiam acreditar.

    Será que algo assim pode estar ocorrendo com o Brasil? Estaremos fazendo vista grossa para os riscos que corre a economia brasileira? Minha visão é que sim. Mais gente parece achar o mesmo. Luiz Stuhlberger resumiu essa percepção em entrevista ao O Estado de S. Paulo (25/12/2011): “O Brasil está bem, mas há sinais de que algo está errado”.

    Preço elevado das exportações e a forte entrada de capitais explicam o que parece “errado” na economia
    A forma como penso esse quadro é que estamos bem, mas convivemos com desequilíbrios dinâmicos que podem desencadear crises se o ambiente externo ficar menos favorável. Stuhlberger citou exemplos: “Imóvel está caro, nosso Big Mac é o mais caro do mundo, nosso Corolla é o mais caro do mundo, a nossa arte está ficando a mais cara do mundo. As vendas no varejo estão crescendo muito acima da indústria de transformação. (…). A razão investimento/consumo mostra o Brasil como um dos piores do mundo. O investimento público também é um dos mais baixos do mundo. Nossa previdência é a pior”.

    A escalada do preço dos imóveis preocupa muita gente. No Rio, esses preços subiram em média 38% ao ano no último triênio, totalizando uma alta de 160% em três anos. Nesse meio tempo, o rendimento médio mensal das pessoas ocupadas na região metropolitana do Rio de Janeiro subiu 50%. Se antes era necessário trabalhar dez anos para comprar um imóvel, agora são precisos 17,3 anos.

    Em dólar, a alta dos imóveis cariocas nesse triênio foi um pouco maior, de 169%. Esse aumento se compara com a alta de 80% no preço dos imóveis americanos no triênio 2002-05, auge da bolha imobiliária, que foi a maior elevação em um período de três anos nos EUA, pelo menos desde 1987.

    Pode-se argumentar que o Rio é um caso especial: tem Olimpíadas, pacificação de favelas etc. Mas os números de São Paulo não são muito diferentes: no mesmo período, os imóveis ficaram 129% mais caros, enquanto o rendimento médio das pessoas ocupadas subiu 36%: se no início de 2008 se necessitava de 10 anos de trabalho para comprar um imóvel na cidade, agora são precisos 16,8 anos, a mesma alta que no Rio. A série nacional é mais curta, mas segue o mesmo padrão: alta média anual de 27% nos preços de imóveis, contra um aumento de rendimentos de 7,8%.

    A taxa de câmbio parece outro preço fora do lugar. Em termos de taxa de câmbio efetiva real para as exportações de manufaturados, em 2011 o real esteve 36% mais apreciado que na média dos últimos 31 anos. De 2002 para cá, a apreciação foi de 71%. Nesses nove anos, o rendimento médio real subiu 7,3%, com uma alta de 13,4% no salário real por hora trabalhada na indústria. Considerando que a produtividade por hora trabalhada na indústria subiu apenas 10,6% nesse período, é fácil concluir que o custo unitário do trabalho em moeda estrangeira aumentou bastante desde 2002. Não admira que aqui o Big Mac e o Corolla custem tanto.

    Dois fatores principais explicam o que parece “errado” na economia. Um, a forte alta do preço das exportações, de 143%, em dólar, entre 2002 e 2011. Isso impediu a expansão do déficit externo e sancionou um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e, em especial, da demanda doméstica acima do potencial, além de elevar a riqueza percebida de muita gente.

    Dois, a forte entrada de capitais no sexênio 2006-11. Somando grosseiramente os resultados anuais do balanço de pagamentos em percentagem do PIB, tem-se que nesse período o déficit acumulado em conta corrente foi de 8,1% do PIB, enquanto o superávit na conta capital e financeira somou 23,3% do PIB. Houve, portanto, uma sobra de 15,3% do PIB, dos quais, grosso modo, 9,5% do PIB foram parar nas reservas internacionais, com um pequeno impacto expansionista. Os demais 5,8% do PIB, porém, foram direto para estimular a economia.

    Sem o preço favorável das commodities e a forte entrada de capitais, o real não teria se valorizado tanto, o crédito teria crescido menos, a demanda doméstica também, os juros estariam mais altos e, muito provavelmente, os imóveis, o Big Mac, o Corolla e a arte não estariam tão caros. Como reagir a esse estado de coisas não é óbvio, mas ignorá-lo não é boa opção.

    Armando Castelar Pinheiro é coordenador de Economia Aplicada do IBRE/FGV e professor do IE/UFRJ. Escreve mensalmente às sextas-feiras.

    0
    • Frank 6 de janeiro de 2012 at 19:04

      “No Rio, esses preços subiram em média 38% ao ano no último triênio, totalizando uma alta de 160% em três anos. Nesse meio tempo, o rendimento médio mensal das pessoas ocupadas na região metropolitana do Rio de Janeiro subiu 50%. Se antes era necessário trabalhar dez anos para comprar um imóvel, agora são precisos 17,3 anos.”

      o Castelar sintetizou a coisa nesse trecho.

      0
  • Latam 6 de janeiro de 2012 at 15:42

    Atualizando….

    Caro Tales, é verdade. Caí nessa em ago/2008 num lançamento no Campo Belo em SP. Paguei R$ 20K de corretagem. Em set de 2010 vendi antes de ficar pronto. Apesar da valorização, ficou taco a taco com o CDI.

    Resumindo : Preço em ago/08 = 750 K

    coloquei do bolso : 200K

    preço de venda em set/10 = 930K

    minha parte = 300 K ( fora 3% para a incorporadora – 27 K )

    ou seja, entrei com 200K e saí com 300 K em 2 anos , para mim empatou com o CDI, dei graças , pois ia pegar um financiamento de R$ 650 K .

    Abraços a todos do blog, muito inteligente, compartilho das opiniões.

    0
    • Latam 6 de janeiro de 2012 at 15:50

      e isto com a esposa e a sogra praticamente me chamando de burro…

      0
      • trackback 6 de janeiro de 2012 at 16:27

        Hahahahaha !

        Normal, com todo respeito, a maioria das mulheres são assim!

        Estou solteiro, quando encontrar uma mulher “pão dura” eu caso na hora!!!!

        0
    • neandertal 6 de janeiro de 2012 at 18:20

      cdi entre a ago/2008 e set/2010 deu 50% ?

      0
  • Mineiro BH 6 de janeiro de 2012 at 15:45

    Pra rir, manchete do Estado de Minas de hoje:

    “Mais de 87% dos lojistas culpam a chuva por queda nas vendas em BH
    Comerciantes correm atrás do prejuízo e anunciam descontos de até 80%”

    2 comentários:

    – alguém aqui no site previu que essa desculpa anda ia aparecer, no caso dos imóveis…

    – 80% de desconto? não creio… e a bolha do varejo, vai estourar também?

    0
    • augusto 6 de janeiro de 2012 at 18:10

      Pode deixar o moluscão e o PT vai mandar enquadrar a chuva

      0
      • augusto 6 de janeiro de 2012 at 18:11

        leia-se VÃO no lugar de VAI

        0
  • Luiz 6 de janeiro de 2012 at 16:21

    Queda dos preços dos imóveis na China afeta vendas no varejo
    Por The Wall Street Journal

    Os preços dos imóveis na China caíram pelo quarto mês seguido em dezembro, aumentando a pressão sobre os consumidores chineses em um momento que tanto a economia doméstica quanto a global dependem cada vez mais de seus gastos.

    http://www.valor.com.br/internacional/1168248/analise-queda-dos-precos-dos-imov eis-na-china-afeta-vendas-no-varejo

    0
  • trackback 6 de janeiro de 2012 at 17:14

    Será??!!

    Poupança tem rendimento real de 0,94% em 2011, diz entidade

    “O pior desempenho real da poupança foi registrado em 2002 quando o investidor teve ganho real negativo de 2,9%. O segundo pior desempenho aconteceu em 2004, com ganho real de 0,46% e, em 2001, houve o terceiro pior desempenho com 0,89% de ganho real, segundo dados da consultoria.”

    http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201201061656_TRR_80692190

    0
    • no_one 6 de janeiro de 2012 at 20:33

      Descontando-se a inflação de 6,5% é esse valor mesmo, a poupança rendeu quase 7,5% antes de descontada a inflação… Isso é, considerando-se a inflação maquiada pelo governo…

      0
  • Elias 6 de janeiro de 2012 at 17:53

    Outro excelente comentário, MrK.

    Valeu a dica do livro do Peter Schiff – Como a economia cresce e porque ela quebra. Muito interessante, mas depois de ler, dá medo de comprar dólar.

    Pra quem está frequentando há pouco tempo o blog, eu recomendaria a leitura deste livro, e também do seguinte:

    – livro do Robert Aliber que o MrK havia indicado: “Manias, Panics, and Crashes (A History of Financial Crises)”;
    – Documentário “Inside Job” da Sony Pictures, vencedor do prêmio de Cannes 2010.
    – Vídeo da bolha espanhola que postaram aqui no blog (Espanistán).

    0
    • MrJaime 6 de janeiro de 2012 at 18:37

      Olá Elias,

      Outra referência que recomendo:
      – O livro “Crash Proof” de Chris Martenson. Procure por “curso do crash” ou “crash course” no youtube. O vídeo está resumido em +-20 vídeo-capítulos.

      Abração!

      0
  • Leo 6 de janeiro de 2012 at 19:14

    MrJaim, MrK, Luiz, e quem puder responder,

    Qual a opiniao de voces em relacao a comparacao, apresentada no video, entre o PIB e a divida ? E esse ponto relacionado a nossa realidade ?

    0
    • MrJaime 7 de janeiro de 2012 at 02:48

      Leo,

      Atualmente a dívida do setor público está em 36.6% do PIB, o que é considerável um nível saudável.
      Veja: h t t p : / / economia.estadao.com.br/noticias/economia,divida-do-setor-publico-corresponde-a-366-do-pib-em-novembro,97554,0.htm

      Dois fatores principais tem colaborado para que a dívida do setor público não saia do controle:
      1) Altas históricas nas commodities (minérios, produtos agrículas, etc) nos últimos anos. A Maior parte de nossa exportação é de commodities. Com isso, temos captado muito dinheiro
      2) Entrada de dólares no brasil via IED (Investimento Estrangeiro Direto). Entrou tanto dinheiro por este “canal’, que o governo anunciou que começaria a olhar mais de perto. Este canal de entrada serve para que estrangeiros realizem investimentos de longo prazo no Brasil. Entretanto, depois que o dinheiro entra é difícil acompnhar para onde ele vai. Então, desconfia-se que estejam usando este canal para chegarem ao mercado financeiro no Brasil.
      O link abaixo, do final de 2011, reporta os principais países que investiram no Brasil via IED em 2011:
      h t t p : / / clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/12/16/eua-lideram-ranking-de-ied-no-brasil

      0
      • Leo 7 de janeiro de 2012 at 14:44

        Quando comento sobre a bolha, algumas pessoas dizem que aqui nao tem bolha por conta do PIB. Sinceramente esse é um argumento que nao consigo rebater pois nao sei se o estouro da bolha depende da relacao com o PIB.

        Pelo pouco conhecimento que tenho, bolha é bolha e independe do PIB.. pelo simples fato de que em algum momento a força compradora ficara esgotada e a força vendedora terá que se adaptar a nova realidade.

        Qual a sua opiniao em relacao a bolha e o PIB, a divida tem q comer uma fatia maior do PIB ou uma coisa nao depende necessariamente da outra?

        0
        • MrJaime 7 de janeiro de 2012 at 22:21

          Leo,

          A relação do qual as pessoas argumentam em discussões sobre a bolha deve ser a razão entre a dívida do crédito imobiliário no Brasil e o PIB no Brasil.
          Em geral, as pessoas argumentam que o montante de empréstimos imobiliários no Brasil ainda é pequeno em relação ao PIB, se comparado a outros países.
          Esse argumento é muito fácil de refutar: Os juros destes empréstimos aqui são os maiores do planeta. Logo, a relação dívida imobiliária X PIB do Brasil nunca poderá chegar nem perto de outros países.

          0
  • Menino do Rio 6 de janeiro de 2012 at 19:22

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/retorno-da-poupanca-em-2011-e-um-dos-piores-em-17-anos
    “A caderneta de poupança repetiu em 2011 o desempenho de 2010 e teve o quarto pior retorno líquido desde a implantação do Plano Real em 1994”

    É isso que eu venho tentando explicar: o pt vai continuar remunerando mal nossas suadas economias para dar crédito subsidiado à nova classe média (que continuará votando neles para ter esses agrados). Essa política de inclusão social com o dinheiro dos que poupam pensando no futuro vai acabar privilegiando quem só se individa com juros subsidiados e ainda gera inflação para nós pagarmos. Ou vcs acham que 2011 só teve 6,50% de inflação…
    Eu acho que devemos, em vez de torcer para os imóveis caírem, torcer para o fim da dinástia lulesca.

    0
    • Anonymous 6 de janeiro de 2012 at 20:19

      Menino,

      O problema que voce percebe na Banânia é muito mais amplo. Os EUA estão com taxa de juros ZERO faz anos. Parece que está ocorrendo uma saturação de dívidas no mundo todo. A única maneira de continuar fazendo o sistema monetário funcionar por mais alguns anos é justamente ZERANDO a taxa de juros. É somente uma estratégia para ganhar tempo, pois a natureza da dívida é exponencial ao longo do tempo, portanto é EXPLOSIVA.

      0
    • Fernanda 6 de janeiro de 2012 at 20:39

      Penso que boa parte dos que acompanham este blog já torcem pra isto faz uns 10 anos..rs

      0
    • palhacada 6 de janeiro de 2012 at 21:42

      Concordo com vc. O pt so sai quando o brasil virar cuba…quem quiser aceite, quem nao quiser que va embora….esse pais e uma palhacada mesmo!

      0
  • Shakespeare 6 de janeiro de 2012 at 21:42

    Conversando agora há pouco com um taxista ele me contou a seguinte história:

    Ele tinha um apartamento de 70 m2 em Interlagos e, segundo o corretor deveria valer uns 170 k no estado em que estava. Ele reformou e colocou para vender querendo 220 k.

    Um dia ele foi com o corretor e um pretenso comprador fazer a visita ao imóvel e conseguiu, sem que o corretor percebesse o contato do comprador. Eles se conversaram e ele ficou sabendo que o corretor havia falado que o preço era 250 k. O comprador ofereceu 200 k e acabaram fechando em 210 k.

    Com esse dinheiro ele financiou uma casa próximo ao Extra Interlagos por 270 k e ficou morando com os sogros por um tempo, agora que a casa foi entregue ele está se desdobrando na praça para pagar o financiamento, que no caso dele foi de 60 k, no início do ano.

    Este é um relato real coletado faz menos de 30 min…

    0
    • Shakespeare 6 de janeiro de 2012 at 21:45

      detalhe: ele vendeu mobiliado

      0
      • dp 6 de janeiro de 2012 at 22:05

        Interessante relato Shakespeare.

        Dois pontos me chamaram a atencao pelo fato de exemplificarem perfeitamente quao primitivo o mercado da banania eh.

        1) Tanto o preco inicial de 170k quanto o preco pos-reforma de 220k foram determinados a partir do vento. Sem base de comparacao que va alem do “meu vizinho pediu x” ou ” meu primo disse que vale y”. Achismo puro.

        2) O corretor superfatura o imovel de 220k para 250k

        3) O comprador e o vendedor passam a perna no corretor e fecham o negocio sem envolver o intermediario

        Quem ja viveu fora sabe como eh uma transacao imobiliaria no exterior.

        Aqui nos EUA eh muito mais transparente, etico e padronizado. Alem do mais, o preco eh determinado a partir de dados reais (Transacoes ocorridas nos ultimos 6 meses)

        Por essas e outras eu dou muita pouca credibilidade as analises do mercado imobiliario da banania, principalmente quando sao feitas pela turma que nunca experimentou nada diferente.

        Desculpem o desabafo.

        0
        • Anonymous 7 de janeiro de 2012 at 12:46

          Já falei isso várias vezes aqui. Em decorrência da ausência completa de dados, acredito que a única maneira de expor a bolha imobiliária Bananense é colecionar num determinado website, fotos de edifícios, tiradas à noite, mostrando poucos apartamentos com luzes acesas. Alguém vai ter que fazer esse serviço público, já que os cartórios de imóveis não servem para absolutamente NADA. São coisas assim que me fazer lembrar o quanto o Bananense é TROUXA.

          0
          • Bolha Imobiliária 7 de janeiro de 2012 at 15:50

            Cara, pensei em fazer isto. Tem um conjunto de predios recem-entregues aqui em Curitiba, durante a noite, estive vendo, pouquissimas luzes acessas lá…

            0
        • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 12:54

          o seu desabafo é o reflexo do sentimento de todos nós

          0
  • Diego 6 de janeiro de 2012 at 22:28

    Inteligente é aquele que, ao invés de estar torcendo todo este tempo para que a tal bolha estoure, esteve lucrando com esses aumentos absurdos do mercado. Agora com sinais mais concretos de esfriamento do mercado imobiliário é a hora de realizar os lucros e mudar de foco de investimento.
    Os “abutres” como alguns mesmos se denominam só vão conseguir comprar imóveis baratos com o suposto estouro da bolha e lucrar com isso no longo prazo.
    Ainda com sinais tão claros de esfriamento do mercado imobiliário tenho minhas dúvidas sobre o suposto estouro de tal bolha esse ano, pois em épocas de crise externa o governo sempre tentará sobreviver ao quadro externo através da sobrealimentação do mercado interno. Este comportamento é observado aqui no nosso país desde antes da segunda GM. Tanto é possível observar este comportamento que vemos as últimas medidas do governo: baixas consecultivas de taxa básica de juros, aumento acima da inflação do salário mínimo, prorrogação da redução do IPI para construção civil para até final de 2012, nova redução do ipi da linha branca.

    Agora uma notícia do portal exame dizendo que o preço dos imóveis em São Paulo aumentou APENAS 1,41% no mês parece brincadeira de mal gosto! 1,41% é muita coisa! Isso significa que o investimento em imóveis atualmente está remunerando muito acima dos títulos do tesouro.

    0
    • Anonymous 7 de janeiro de 2012 at 18:16

      Diego,

      Voce está fazendo confusão entre patrimônio e dinheiro. São coisas bem difentes, mas a maioria só percebe quando precisa de dinheiro urgente e descobre que só tem patrimônio. Conheço uma pessoa com milhões em patrimônio que teve de emprestar dinheiro de amigos para salvar a sogra com uma cirurgia urgente.

      0
    • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 19:01

      Taí outro com papinho de corretor de bairro, caso você não seja o joao (coisa que duvido mas não aposto) lê o que eu escrevi pra ele porque não estou com saco de repetir, esses argumentos apelativos e sentimentais me tiram do sério, “Inteligente é aquele que…” fica indo nos blogs chamar os outro de trouxa né, vai nessa.

      0
    • peterson 7 de janeiro de 2012 at 20:26

      acho bacana estes comentários pois percebemos o quanto são cegos os “espertos” da bolha, ora veja só, existe uma espécie de lagarta que entra na fruta verde e começa a maturá-la precocemente, assim consegue consumir a fruta fora de época, o problema é que os passaros em tempos de poucas frutas acabam comendo a lagarta e poucas sobrevivem, existuia um pássaro chamado dodô, ele não voava era manso e não fugia das pessoas, foi extinto assim que a civilizaçao chegou na europa, a bolha é legal porque sobe em uma rampa de 30° e desce em outra de quase 90°, assim quem tem imóvel fica sem dinheiro e quem não tem patrimonio e tem dinheiro fica com tudo…. quem viver verá… sempre é assim e não será diferente no país das coisas bizarras..

      0
  • Sir Income 6 de janeiro de 2012 at 23:13

    A Ilusão dos juros altos para o investidor

    www .youtube.com/watch?v=PwwJlvrG5p8

    Abraços,
    Sir Income
    sirincome.blogspot.com/

    0
  • Amate 6 de janeiro de 2012 at 23:32

    “monetary policy is spectacular”

    trouxa, levou um monte de gente pro buraco

    http://www.youtube.com/watch?v=meNZyjPjPRQ

    0
    • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 18:49

      Amate, acho que já tinha visto esse video por aqui, mas agora reparei algo mais, a “âncora” do jornal dá uma risadinha antes de passar para o primeiro comentário do cara mais lúcido, aquele que tem o fundo azul sem graça e parece que está amarrado, o outro tem o fundo todo colorido e se mexe muito, na intervenção que ela faz com o palhação ela vem com perguntas que ele já tem a resposta na manga, o outro ela só fica alfinetando, parece o jornal daqui, mas aqui não temos o cara lúcido!

      Outra coisa que reparei é que eles estão na primeira fase de uma grande verdade, segundo Schopenhauer seria a ridicularização, o ataque feroz e a aceitação.

      0
  • Henrique 7 de janeiro de 2012 at 00:55

    Aqui em João Pessoa nem sinal de redução nos valores dos imóveis…mesmo que seja a título de especulação, os sites subiram todos os preços.

    0
    • nathália 7 de janeiro de 2012 at 10:09

      Aqui em Recife idem. Acho que a maré baixa vai demorar mais a chegar no Nordeste.

      0
      • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 11:08

        é porque está indo de ônibus… mas pode esperar que chega aí…

        0
      • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 11:21

        Henrique, nathália, tem que ter paciência gente, sendo uma anomalia econômica a bolha não se manifesta de maneira uniforme, as quedas apresentadas são indícios de que a nossa teoria está correta e se concretizando e a teoria dos lucros perpétuos está furada, infelizmente não temos bola de cristal para antecipar os acontecimentos, por isso o povo aqui comemora cada passo em direção ao estouro, apesar do dia ser incerto o a sequência dos fatos já foi “profetizada” há muito tempo.

        O lado bom disso é que a história mostra que os locais que mais resistem tem as maiores quedas porque quando o pessoal se dá conta da tragédia a correção é feita a partir de patamares maiores gerando uma possível explosão de oferta, esse é sonho de qualquer bolhista!

        0
      • A espera de um estouro 7 de janeiro de 2012 at 12:08

        Nathália

        Sou de Recife também e tenho percebido a estabilidade dos preços e nas vendas. O que parece dificultar em Recife é o grande número de investimentos em Suape que tem trazido muita gente de fora com salários altos. Acho que isso vai começar a ser sentido quando a crise internacional chegar por aqui…

        Um dado interessante é que aqui no nordeste o pessoal está mais endividado. Conheço muita gente que entrou em financiamento esperando vender os imóveis que moram atualmente no ato da entrega para amortizar no financiamento. Em médio prazo esses fatores se reverterão em maior oferta, especialmente daqueles que querem sair do buraco. Acho que ainda esse ano começaremos a ver quedas…

        Apenas um relato. Em uma conversa com um corretor peguntei sobre como andava a questão dos preços. Como todo corretor ele não pestanejou “ainda vão subir mais, tem muita procura”. Perguntei em quais imóveis ele estava trabalhando e ele disse “estou dando um tempo na corretagem e me dedicando a outras atividades”. Ou seja, parece que o mercado já não está dos melhores…

        0
        • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 12:56

          o importante é, quando for comprar um imóvel fazer a oferta do considerado preço justo e deixar bem claro que não a aumentará, isso forçará os proprietários a ver a realidade e se ajustarem ao preço justo de mercado…

          0
  • thiago fm 7 de janeiro de 2012 at 07:52

    http:// economia.estadao.com.br/noticias/economia%20brasil,montadoras-voltam-a-demitir,98433,0.htm

    A indústria automobilística brasileira encerrou 2011 com recorde de produção e de vendas, mas também com demissões, fato que não ocorria desde junho de 2009. Em dezembro, foram cortadas 669 vagas nas montadoras, sendo 529 pelas fábricas de veículos e 140 pelas de tratores. O setor fechou o ano com 144.710 funcionários, ainda assim o maior contingente dos últimos 25 anos. Em relação a 2010, há 8.610 empregados a mais nas fábricas atualmente.

    Após 28 meses seguidos de aumento do quadro de pessoal, as montadoras pararam de contratar em novembro e, no mês passado, promoveram cortes, sinal de que o fôlego do setor diminuiu. Novas baixas vão ocorrer. A fabricante de caminhões Scania, do ABC paulista, avisou que não renovará contratos de 138 funcionários.

    Eles foram contratados em regime temporário por um ano, prazo que vence até março. A empresa também está promovendo dispensas na matriz sueca e alega dificuldades com a crise na Europa e incertezas quanto à demanda na América Latina.

    Para o consultor da CSM WorldWide, Fernando Trujillo, o bom momento da indústria automobilística registrado no fim de 2010 e início de 2011 “acabou”. Ressalta ainda que o aumento das importações “afeta muito a produção local”.

    No ano passado, foram vendidos no País 3,63 milhões de veículos, dos quais 23,6% importados, a maior parte pelas próprias montadoras, que trouxeram produtos principalmente da Argentina e do México. O total de carros nacionais vendidos (2,77 milhões) é 2,8% inferior ao de 2010. Já o volume de importados (858 mil) é 30% maior.

    A produção de 3,4 milhões de unidades foi apenas 0,7% superior ao resultado de 2010. O número inclui 541,5 mil veículos exportados, alta de 7,7% na comparação com o ano anterior.

    A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) projeta para este ano aumento de 4% a 5% nas vendas e de 1,1% na produção. A exportação deve recuar 5,5%.

    “A produção não deve recuperar o mercado perdido para os importados”, diz Trujillo. Segundo ele, a medida do governo federal, que aumentou em 30 pontos porcentuais a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados de fora do Mercosul e do México, não vai ajudar na recuperação da produção nacional porque afeta uma minoria de produtos que vem de outros países, incluindo China e Coreia.

    Reajustes

    Além do repasse parcial da alta do IPI para os importados, de cerca de 15%, 2012 começou também com reajustes nas tabelas sugeridas pelas montadoras para os carros nacionais. O varejo, porém, continua oferecendo descontos até porque os estoques seguem altos, apesar da redução ocorrida em dezembro, o melhor mês do ano em vendas, com 348,4 mil unidades.

    No fim do ano havia 347,3 mil carros nos pátios de montadoras e revendas, o equivalente a 30 dias de vendas. Em novembro, o estoque era de 373,5 mil veículos, ou 35 dias de vendas.

    Segundo revendas, na virada do ano a General Motors aplicou reajustes médios de 1,6% nos modelos da marca. Ontem, a Volkswagen distribuiu novas tabelas com aumento médio de 1%. O último reajuste oficial da marca havia ocorrido em maio.

    Quatro modelos tiveram reajuste maior, na casa dos 3%, porque passaram a ser equipados com airbag e freio ABS. A inclusão dos equipamentos no Gol Power, Gol Rallye, Voyage Comfortline e SpaceFox Trend resultou em aumento de R$ 1,3 mil.

    Até novembro do ano passado, o IPCA (índice oficial de preços do IBGE) indicava queda de 2,8% nos preços de mercado dos carros novos. A inflação no mesmo período estava em 6%.

    SABEMOS QUE O SETOR AUTOMOBILÍSTICO É UM DOS TERMÔMETROS DA ECONOMIA

    0
  • joao 7 de janeiro de 2012 at 07:58

    a verdade é que somos lisos….
    imovel de 250 tá 400. subiu muito? sim
    mas pra quem tem grana paga e pronto (ainda troca o carro da esposa e leva a mulecada pra disney).
    pra quem vive contando moeda como nós fica esse sufoco…..torcendo pra haver um ploc.
    se eu tivesse bala na agulha pagava logo e pronto, não ficava torcendo pra ploc nenhum.
    quanto mais torço mais os preços sobem….nem sinal de baixa. essas reportagens que apontam queda deve ser dos “micos”. coisa boa aqui no rio d janeiro não cai nem a pau juvenal.
    to me convencendo que os patamares mudaram e pronto. quem comprou, comprou, quem não comprou corre atrás….

    desabafo de um assalariado classe média.
    saudações.

    0
    • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 16:53

      É por pensar e agir dessa forma que se alimenta este mercado predatório que aumenta os preços de forma abusiva.

      Vou lhe dar um exemplo simples: meus pais moram em SP e eu fiquei fora por 2 anos, agora que estou de volta reparei que numa padaria ao lado da casa deles tem um cartaz anunciando um refrigerante mais uma coxinha por R$ 5,00. Cinco Reais!!! Dois anos atrás não era nem R$ 2,50 mas certamente por ser a região coração financeiro do país, existem aqueles jovens yupies que pagam isso e não reclamam, assim vai se formando a bolha. Enquanto as pessoas tiverem condição de pagar isso, mesmo que seja tirando de algum outro lugar, os preços se mantém, quando uma crise vier ou as pessoas perceberem que os valores são irreais e pararem de comprar, o comerciante vai ter que baixar os preços.

      Com os imóveis, ao meu ver, já aconteceu isso. Atingiu o valor em que as pessoas não podem mais pagar nem querem mais pagar, porque perceberam que os valores atingiram um patamar irreal.

      Por favor, amigo, Segure seus impulsos e passe a divulgar as boas informações que lê aqui no blog da Bolha, assim você ajudará a que as pessoas se conscientizem e percebam a realidade

      0
    • L C 7 de janeiro de 2012 at 18:13

      João, concordo com vc parcialmente. Desde 2006/2007 o patamar mudou sim, mas a questão é saber se esses preços estratosféricos de 2009 p/cá vieram p/ficar ou não. Eu tenho grana p/comprar à vista até esses meia bomba anunciados em Botafogo/Copacabana, mas no meu caso a questão é saber se é razoável vc jogar fora um patrimônio construído com sacrifício em 25 anos e ainda gastar em obra.

      O que nesse momento começa a me preocupar é o aluguel e essa anunciada queda da SELIC. Se o aluguel continuar subindo como neste último ano, aí sim daqui a alguns anos concordarei com você…

      0
      • Leo 7 de janeiro de 2012 at 19:08

        Sobre os alugueis. Li no forum aqui no bolha, em um post que nao lembro o autor, sobre a possibilidade na valorizacao dos alugueis no inicio do estouro da bolha. Gostei tanto do post que guardei nas minha anotacoes. Segue:

        Caso hipotético:

        Zé tem um imóvel que valia R$ 200 mil em 2009, e que rendia R$ 1.000,00 de aluguel. Em 2011 vence o contrato de aluguel (2 anos) e ele percebe um fato interessante. Na cidade tem apartamento pior que o dele sendo a venda por R$ 270/280 mil, e que aumentam de preço a cada 40 dias. Avaliou então que seu apartamento vale R$ 310/320 mil, e que até o final do ano chega em 350 mil. Assim, ganhará um bom dinheiro se vender rápido, e se demorar alguns meses não tem problema porque ele foi ver um lançamento na planta e o corretor falou que imóvel sempre valoriza, e que nos próximos anos a tendência é de valorizar entre 25-40% ao ano! Final da história: Zé tira o imóvel do mercado de locação e coloca para vender.

        Isso reduz a quantidade de imóveis disponíveis para locação, o que naturalmente aumenta o valor dos aluguéis.

        0
    • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 18:29

      joao, somos é muita gente! Vc vem com esse jeito malando de humilde com papinho de corretor de bairro achando que aqui só tem trouxa né, vá se catar!

      Cansei de ouvir “aqui é pra quem pode”, “tem que pedir opinião pro papai”, “imóvel nunca cai de preço”, “alugar é jogar dinheiro fora”, etc, no entanto pra seu governo (e de outros) tenho grana pra comprar qualquer merda a vista (tá nem todas, e só uma, mas não vem ao caso), e sei que muita gente aqui também tem.

      Não aceitar, pro exemplo, pagar 15 contos em uma cerveja sem estar em lugar promíscuo não significa não ter grana, não significa ser muquirana, não significa ser assalariado, não significa ser classe média (tá, pula essa), não significa não ter bala na agulha, não significa ficar torcendo pelo mal dos outros e não significa convencer-se de patamar nenhum mudou ou será que ser trouxa mudou de nome?

      Estou especialmente irritado porque já fui pisoteado várias vezes por esse tipo de papinho quando não tinha grana, agora que tenho quem vai mandar no preço sou eu e pronto…

      0
      • Xangai 7 de janeiro de 2012 at 21:23

        Faco exatamente minhas as suas palavras…

        So vou repetir/enfatizar para esses caras realmente “irem se catar” !!

        0
    • carlos 7 de janeiro de 2012 at 18:54

      O pior é que não é nada disso. O preço subiu porque nego começou a comprar pra especular. E outra coisa, tem muita gente que vai pra Disney e anda de carrão e tá devendo até as cuecas no cheque especial e no cartão.

      0
    • D9 10 de janeiro de 2012 at 17:03

      “Quem comprou, comprou, quem nao comprou, não compra mais…”
      É engraçado que o cidadão tenta defender que não exista bolha com uma dessas…
      Se não tem mais quem possa comprar, como você vai vender ?
      Se não vende, como apurar lucro ?
      Como diriam, “A regra é clara” Lei da oferta e procura…
      – Pergunte a um corretor se o momento é bom para comprar…
      – Depois pergunte se o momento é bom para vender…
      – Aí, finalmente, pergunte como pode ser bom para comprar e para vender ao mesmo tempo.
      heheheheheh

      0
  • bertz 7 de janeiro de 2012 at 08:44

    Olha a falta de liquidez ai geeeeeeeeeeeeennnte… tá chegando o carnaval, hehehehehe.

    http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2012/01/07/construcao-de-6900-casas-do-minha-casa-minha-vida-esta-parada-em-salvador.jhtm

    0
  • Sem Nome 7 de janeiro de 2012 at 12:14

    Muito se fala na bolha dos preços de venda dos imóveis, porém sem dúvidas também temos uma bolha dos preços dos aluguéis dos imóveis residencais (mesmo considerando que a relação preço/aluguel reduziu de 0,6% para 0,3%).

    Moro em São Paulo (Capital) e estou pesquisando uma oportunidade de trabalho em Curitiba. Sou de Curitiba e sei que o nível de renda lá é muito menor que o de São Paulo (um profissional de nível gerencial, por exemplo, ganha mais que o dobro em SP), porém os preços dos aluguéis (considenrado um apartamento em um bairrro de primeira linha) não está muito diferente entre as duas capitais.

    Os preços dos aluguéis em Curitiba não refletem o nível de renda da cidade, provavelmente tenha muitos imóveis para alugar vazios, ou então, as pessoas estão se endividando para pagar aluguel.

    0
    • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 12:58

      será que a movimentação dos funcionários da BRF (Sadia+Perdigão) entre Itajaí e Curitiba tiveram uma parcela de participação nisto?

      0
      • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 13:29

        Não creio que tenha sido significativa, pode até ter relevância no entorno das fábricas, mas os preços altos estão (e já estavam) generalizados em toda a cidade.

        0
      • Sem Nome 7 de janeiro de 2012 at 13:54

        Tenho impressão de que há mais empresas saindo de Curitiba do que chegando….Alguns exemplos: Kraft retornou para São Paulo, Exxon Mobil vendeu a divisão de postos de gasolina, reduzindo o seu quadro em Curitiba, Philips Morris mudou-se para São Paulo, ouvi dizer (não sei se é verdade) que algumas áreas da BRF foram transferidas para São Paulo.

        Enfim, tudo indica que os preços dos aluguéis em Curitiba não condizem com a realidade. Aliás, o custo de vida em Curitiba nos últimos anos aumentou de tal forma, que não compensa mais sair de São Paulo e ir para Curitiba com um salário menor (acredito que a relação do custo de vida São Paulo X Curitiba, a qual já foi de 2X1, agora seja de apenas 1,1X1). O detalhe é que pouquíssimas multinacionais (talvez umas 5 ou 6) que estão em Curitiba, praticam uma política de cargos X salários iguais as praticadas em São Paulo, geralmente o salário é muito menor (menos da metade).

        0
    • Leo 7 de janeiro de 2012 at 19:10

      Aproveitando este sub topico, vou repetir o post que acabei de fazer em relacao aos alugueis. O texto nao é meu, retirei do forum do bolhei. Nao lembro o autor.

      Veja:

      Caso hipotético:

      Zé tem um imóvel que valia R$ 200 mil em 2009, e que rendia R$ 1.000,00 de aluguel. Em 2011 vence o contrato de aluguel (2 anos) e ele percebe um fato interessante. Na cidade tem apartamento pior que o dele sendo a venda por R$ 270/280 mil, e que aumentam de preço a cada 40 dias. Avaliou então que seu apartamento vale R$ 310/320 mil, e que até o final do ano chega em 350 mil. Assim, ganhará um bom dinheiro se vender rápido, e se demorar alguns meses não tem problema porque ele foi ver um lançamento na planta e o corretor falou que imóvel sempre valoriza, e que nos próximos anos a tendência é de valorizar entre 25-40% ao ano! Final da história: Zé tira o imóvel do mercado de locação e coloca para vender.

      Isso reduz a quantidade de imóveis disponíveis para locação, o que naturalmente aumenta o valor dos aluguéis.

      0
      • D9 10 de janeiro de 2012 at 17:14

        Leo, acho que esse caso do camarada retirar da locação para vender é a realidade.

        Só que tem um outro aspecto, retirar da locação para vender, aumenta ainda mais
        a quantidade de imóveis a venda (muito imóvel vendendo = queda de preços).

        Próximo passo, o cidadão percebe que vender não está fácil e volta a alugar,
        minimizando o prejuízo (IPTU, Condomínio, etc) … aí, pelo mesmo princípio,
        (no caso a lei da oferta e procura), os preços do aluguel, são forçados para baixo.

        0
  • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 12:52

    07/01/2012 – 06h00
    Construção de 6.900 casas do “Minha Casa, Minha Vida” está parada em Salvador
    Carlos Madeiro
    Do UOL, no Recife

    A construção de 6.940 casas populares está parada em Salvador (BA), sem data para reinício. Segundo a Caixa Econômica Federal, o problema foi causado pela “falta de liquidez” de duas de construtoras, que largaram as obras de pelo menos 12 conjuntos na região metropolitana da capital baiana. As unidades são financiadas pelo programa habitacional do governo federal “Minha Casa, Minha Vida”.

    A paralisação das obras é considerada a maior intercorrência já registrada pelo programa, criado pelo governo federal em 2009 e que já concluiu a construção de aproximadamente 650 mil casas.

    Na última terça-feira (3), o diretor-executivo de habitação da Caixa Econômica, Teotônio Rezende, foi até Salvador tentar uma solução negociada para o impasse. A ideia é que as obras dos conjuntos populares sejam retomadas o mais breve possível, já que informações apontam que algumas das construções estão paradas desde setembro.

    Segundo Rezende, a primeira alternativa para resolver o problema é esperar que as construtoras apresentem documentos que comprovem condições financeiras para receber financiamentos e seguir com a obra. Caso as construtoras não retomem as atividades, uma nova empreiteira será contratada para complementar as obras, que estão em diferentes estágios de construção.

    “Quando um problema desse acontece, a Caixa sempre tenta uma solução com a construtora contratada. Temos mecanismos para isso. O que estamos fazendo na Bahia é viabilizar condições para ela que possa concluir os investimentos. Mas independente disso, damos a garantia de que as obras serão concluídas, com ou sem essas construtoras”, afirmou.

    O diretor da Caixa explicou que dos 6.940 empreendimentos apenas 162 são financiamentos, enquanto os demais são de recursos provenientes do FAR (Fundo da Arrendamento Residencial). A maioria das unidades seriam entregues a família com renda entre um e três salários mínimos. “O fato de estarmos renegociando essa dívida não altera em nada o valor da obra. Não estamos aumentando o preço em nenhum centavo. Se renegociarmos, a construtora é quem vai arcar”, assegurou Rezende.

    Sobre a paralisação das obras, Teotônio Rezende anistiou a Caixa de qualquer culpa e garantiu que as duas construtoras já receberam os valores das partes das obras executadas. “Essa paralisação ocorreu por absoluta falta de liquidez das construtoras. A Caixa está reiterando que isso não tem nada a ver com o custo das unidades. O custo foi o apropriado e o pagamento ocorreu em tempo hábil. Alguns desses empreendimentos estão em fase inicial, enquanto outros estão mais avançados. As construtoras recebem conforme executam os serviços”, pontuou.

    A Caixa Econômica informou que a construtora Prime está com quatro obras em andamento, enquanto a RCA tem pelo menos oito empreendimentos. Para a construção das unidades, a Caixa autorizou mais de R$ 220 milhões. Desse total, o banco estatal já pagou R$ 118 milhões à Prime, de um total R$ 160 milhões, e R$ 31 à RCA, dos R$ 67 milhões contratados.

    Para Rezende, os problemas de paralisação de obras do programa são “absolutamente pontuais” e não se repetem pelo país. “De quase 1,6 milhão de unidades, temos menos de 1% de problema. Isso é totalmente previsível. É na Bahia que estão concentrados os problemas”, apontou o diretor.

    O UOL tentou, nesta quinta (5) e sexta-feiras (6), entrar em contato com as construtoras responsáveis pelas obras, mas as ligações não foram atendidas nas duas empresas. Segundo informações extraoficiais, as empreiteiras estão com serviços suspensos e portas fechadas.
    1,4 milhão de casas contratadas
    Segundo balanço da Caixa Econômica Federal até o dia 22 de dezembro, 1.405.920 unidades habitacionais já foram contratadas pelo Programa “Minha Casa, Minha Vida” desde 2009. Ao todo, 685.829 casas foram concluídas e 521.738 já foram entregues.
    O programa pretende construir 3 milhões de casas populares até 2014.

    0
    • Cleyton 7 de janeiro de 2012 at 13:24

      “Mas independente disso, damos a garantia de que as obras serão concluídas, com ou sem essas construtoras”

      É tiozão, pode se preparar pra afrouxar a gravata, dobrar as mangas e pegar a pá…

      “Essa paralisação ocorreu por absoluta falta de liquidez das construtoras.”

      Ué, não é o financiamento da caixa que garante essa liquidez?

      “As construtoras recebem conforme executam os serviços”

      Se não recebeu é porque não executou a última etapa né.

      “Isso é totalmente previsível.”

      Aham, então porque não previu antes de contratar?

      0
      • Tico RJ 7 de janeiro de 2012 at 15:50

        Os podres estão começando a cheirar mal.
        Para um mercado que se diz que está em alta…, ou foi má gestão ou a coisa tá começando a pipocar.

        0
  • Dr. Estranho 7 de janeiro de 2012 at 13:37

    h ttp://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1031241-baixada-santista-tem-60-das-praias-improprias-em-sao-paulo.shtml

    Depois das mensagens de quase falência das construtoras, que valorizaram os imóveis, mais uma importante:”cocô boiando na praia garante 30% ao mês”.

    0
    • augusto 7 de janeiro de 2012 at 14:07

      A foto estampada na primeira página da Folha de São Paulo de hoje, com uma banhista pulando um esgoto de uma praia da cidade de Praia Grande seria cômica se não fosse realidade nojenta. E olhem que o IPTU desta cidade é um dos mais caros do Brasil
      Naquela cidade com imóveis caros mas atualmente sem vender quase nenhum, de 100 em 100 m no máximo, em todas as praias, existem rios de esgôto que saem das ruas, cortam toda a extensão da faixa de areia, e tranquilamente com suas bactérias , virus e fungos patogeênicos , dirigem-se ao mar. Teóricamente são águas pluviais, mas que tem contaminação no meio, é certeza, demonstrada pelas bandeiras vermelhas da Cetesb.
      É como dizem pagar caro para pisar em merda não dá né

      0
      • Shakespeare 7 de janeiro de 2012 at 17:33

        o bananense anda atolado na m… até o pescoço, mas por isso mesmo anda de cabeça erguida!

        0
    • Sir Income 7 de janeiro de 2012 at 14:12

      Em Praia Grande, só alegria.

      www .youtube.com/watch?v=pgrcuvXIOtI

      Os imóveis também aumentaram por lá também…

      0
  • rmad 7 de janeiro de 2012 at 18:04

    Pessoal, tenho acompanhado atentamente nos últimos 5 anos os preços de imóveis em Brasília e no Rio.
    Em 2007 sai do Rio e me mudei para Brasília. Estava juntando grana para futuramente comprar um imóvel no Rio e poder voltar pra Terrinha. Quando cheguei em Brasília fiquei impressionado com os preços altos dos imóveis e o pior é que desde 2007 os preços não pararam de aumentar. Isso durou até final de 2010, quando os preços estagnaram e por enquanto seguem assim, até com leve tendência de queda, pois os corretores e proprietários já estão percebendo que pelos valores de hoje não dá mais.
    Acabei ficando pressionado pelo medo de continuar esperando e não conseguir comprar o meu imóvel no Rio, porque obviamente o meu salário não acompanhou a valorização imobiliária. Foi então que em 2010 eu comprei um apartamento da construtora João Fortes de 3 quartos, na planta, localizado no Recreio dos Bandeirantes. Paguei 315k pelo ap com 30% até as chaves.
    Será que fiz mal negócio e talvez fosse melhor tentar vender o quanto antes para segurar a grana para uma futura queda nos preços? E a construtora João Fortes, alguém conhece alguma informação relevante?

    0
    • aiwww 8 de janeiro de 2012 at 14:04

      Se olhar os classificados do ZAP encontrará 721 imóveis anunciados nesse perfil, 3 qts e 1 vg com metragem entre 60 e 90 m2. Veja o caso desse imóvel

      zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-RECREIO-DOS-BANDEIRANTES-AVENIDA-GENARO-DE-CARVALHO/ID-2595495

      … veja você mesmo a quantidade de imóveis vazios na Av. das Américas e atrás do Shopping Recreio …

      … se comprou para morar, e não trabalha no Centro (2h de distância), não vejo problema .. mas se comprou para especular .. eu botaria as barbas de molho …

      0
  • Dany 7 de janeiro de 2012 at 19:17

    Vejam no Wikipedia Portugues, bolha de credito ou bolha especulativa… http://pt.wikipedia.org/wiki/Bolha_de_cr%C3%A9dito

    0
  • Zé Coxinha 7 de janeiro de 2012 at 20:12

    Eu já achei a minha pão-durinha! Estava fazendo alguns cálculos aqui hoje e, feliz, liguei pra ela pra dizer que estamos poupando algo em torno de 55% dos nossos salários (não temos TV a cabo, telefone fixo, nos deslocamos na maioria das vezes de bicicleta, cortamos nossos próprios cabelos, etc). Ela, não satisfeita, deu o ultimato: “- Só isso?? Pois a partir do mês quero chegar aos 75%!!”.

    Ai de mim… rsrs.

    Em tempo: 7 meses de casados, morando de aluguel, com os 2,5 anos pagos adiantados e um terreno 12×30 comprado, em fase de legalização. Não somos ricos, pelo contrário, nossa faixa salarial mal nos insere na dita “classe C”.

    0
    • Zé Coxinha 7 de janeiro de 2012 at 20:13

      O post acima foi em resposta ao trackback, 6 de janeiro de 2012 às 16:27.

      0
      • trackback 8 de janeiro de 2012 at 13:13

        Meus Parabéns!!!

        Ainda encontro uma dessa para mim!

        Sucesso!

        0
  • carlos 8 de janeiro de 2012 at 08:06

    Mais um exemplo: tem um prédio aqui em Goiânia em que os preços variam de 500 a 600 mil. Pois bem, tinha um que estava a 499 mil, NÃO VENDEU, e o cara subiu pra 520!

    http:// opopular.lugarcerto.com.br/realestate?tp=LUGARCERTO&name=db:Detalhe&adnumber=161413555&parceiro=OPOPULAR

    Só rindo!

    0
  • Ghaspar 8 de janeiro de 2012 at 13:50

    Estou à beira da loucura..
    Alguem PELO AMOR DE DEUS me explique como em 2008 estava todo mundo na merda e em 3 (TRES) anos ficou todo mundo milionário……..
    VEM MERDA GROSSA PELA FRENTE…….

    0
    • Marcelo 9 de janeiro de 2012 at 00:53

      Os “especialistas” devem achar que todo mundo passou em concurso publico de nivel superior em Brasilia.

      0
  • Ze Bom Dirolo 8 de janeiro de 2012 at 15:34

    Queridos amigos,
    Infelizmente não temos muito a comemorar em 2012.
    Mas você sabe o porquê?
    Explico. Em uma data próxima, fomos informados que a Copa do Mundo e as Olimpíadas seriam realizadas no Brasil. Aí veio o pré-sal, a oferta de crédito e outros fatores. A construção civil fez com que o PIB brasileiro fosse lá no alto. Ah….Brasil, Brasil, meu Brasil brasileiro. O “Brasil é a 6ª economia do mundo”. É para rir, né?. Com certeza quem acredita nessa estória deve acreditar em mula sem cabeça, papai noel e curupira. Em falar nisso, será que curupira existe? Não não, claro que não, deixa para lá.

    Pois bem senhores, o subprime brasileiro, “Minha casa minha vida”, já tá indo por água abaixo e isso demonstra que nem a parcela menos informada de nossa população cai em conto da carochinha. O que posso dizer de tudo isso é que chegamos no ápice do emprego, do crédito fácil e do desenvolvimento, pelo menos no que se é possivel atualmente.

    Os imóveis subiram de preço de maneira desordenada e a grande parcela da população que poderia comprar imóvel já comprou. Muitos imóveis foram construídos e estão sem compradores. Cadê os compradores? Eles não existem mais. E agora? Muita gente vai morar de aluguel neles e entregar os imóveis alugados mais antigos.

    Em Brasília, por exemplo, tem gente que vai sair do aluguel na asa sul ou asa norte para morar de aluguel no noroeste (bairro nobre) onde os preços não param de cair. No início, o metro quadrado saia pelo valor de 13, 14 mil e hoje já está beirando os oito, devendo cair ainda mais.

    Em falar em Noroeste, pesquisei hoje nos wimoveis quantos apartamentos estariam à venda no referido setor. Pasmem, mas foram encontrados 798 (setecentos e noventa e oito). Isso mesmo senhores, no wimoveis hoje tem quase 01 bilhão para se vender em um bairro pequeno chamado noroeste em Brasília e ninguém compra nada (som de grilo). Um bilhão de reais…parece até coisa de orçamento público anual.

    Uma meia dúzia de corretores continua a sustentar que uma quitinete vai valer um milhão em 2016 e que o Brasil é o país do futebol. Deixa eu falar para vocês. O Brasil não é mais o páis do futebol e ninguém tem mais dinheiro para comprar imóvel. Os que podem fazer um financiamento não estão utilizando qualquer substância entorpecente para entrar nessa loucura de empréstimo a ser pago em vinte ou trinta anos.

    Você pode virar para mim e falar: “isso é papo de quem não comprou imóvel ainda”. Só para vc saber, eu tinha 03 imóveis e vendi um. Se vc fizer uma proposta razoável vendo mais um para vc.

    Parece que hoje tem jogo de futebol mais tarde. Bom, como eu não assisto mais futebol atualmente e há alguns anos não assisto mais corrida. Vou verificar o meu rendimento esse mês no banco e sair para assistir um filme norte-americano.

    Abç.

    0
  • Luciano Umber 9 de janeiro de 2012 at 09:04

    Eu sou dono de casa em uma cidade (Marília-SP), e alugo um apto. em outra (São Paulo). A minha realidade é a seguinte. O preço do meu imóvel está alto (obaaaa) mas ninguém compra (áhhh). Não que eu queira vender, pois a minha mãe mora ali, e eu só venderia para comprar outra coisa, mas as outras coisas estão caaaaras também. Meu aluguel é baixo, pois a dona do imóvel faleceu e ele está em fase judicial de inventário. Tive sorte pois os herdeiros (tb de outra cidade) não atentaram para o negócio. Todavia eu precisava mudar, só que o meu salário não consegue pagar os alugueis de São Paulo, ou até consegue, mas é trabalhar para pagar aluguel, Seria quase 35% do meu salário só com aluguel (dura realidade).

    Em minha opinião essa fanfarra seguiu a seguinte fórmula:
    1 – O Governo Federal pegou o caminho mais fácil para alavancar a Economia, que é a Construção Civil. Eu concordo com isto, mas ao invés de deixar todo o investimento nas mãos de mega investimentos eu transferiria um pouco para ajudar as prefeituras a diminuirem o valor do IPTU (por metro quadrado) incentivando as pequenas reformas e ampliações. Com a redução do IPI, que é centrado para os municípios, a arrecadação municipal caiu tanto que as prefeituras estão fazendo loucuras. – Uma história real para vocês – Em Marília, anos atrás, o prefeito pagou helicópteros para filmar a cidade por cima e ver a expansão das casas no sentido de cobrar mais IPTU. Nesta, tinha um rapaz que guardava seus caminhões dentro do quintal, estes acabaram sendo considerados como área construída e o IPTU veio lá em cima.

    Eu acredito ser uma burrice cobrar IPTU por área construída. Em minha opinião, sendo a construção civil tão importante economicamente, é de interesse nacional ajudar as pefeituras arrecadarem de outras fontes.

    2 – Gula – O Setor Imobiliário vai bem. recebe à vista mesmo. O setor que põem dinheiro nessas construções só Deus sabe. Em minha opinião, o aluguel e o preço do imóvel subirem juntos é sinal de fumaça. Puts grilo. Ou o sujeito compra ou aluga, Embora esteja havendo um tal boom econômico, é importante os economistas entenderem que para uma minoria que tem milhões, um pontinho precentual vale muito, mas para o miserável não é nem um rabo de galo no boteco por mês. A maior parte dos mortais ou compra ou aluga, é muito estranho subir os dois juntos, o que para mim aponta para uma artificialização dos preços imobiliários. Eles (Setor Imobiliário) não calculou o preço dos alugueis pelo preço do imóveis, eles estão artificializando o preço dos alugueis para subir o preço dos imóveis. Mais uma vez em Marília, tem casa perto da minha sendo alugada por R$500,00 sendo que, a anos atras não saia nem por R$250,00. Resultado, esta parada a meses, e pelo visto o interesse das imobiliária e de fique parada mesmo para que seja colocada a venda. Enquanto o aluguel for alto e continuar aumentando, o valor do imóvel “se justifica”.

    3 – Boom econômico daqui, boom econômica dai. Eu não vejo essa explosão toda de maneira uniforme. Para mim, centros como São Paulo e Rio de Janeiro tendem a murchar enquanto centros como Recife/Suape tendem a crescer, então, era de se esperar um crescimento menos uniforme. Mas não é isso o que se vê.

    Enfim, como eu não sei, mas em minha opinião essa história ainda vai feder.

    0
  • Anderson 9 de janeiro de 2012 at 11:45

    É uma hora boa ou não para trocar o apto no Rio de Janeiro. Tenho um apto de R$ 350.000,00 e quero vender e comprar um de R$ 500.000,00…uma parte em dinheiro e outra para financiar…no momento que estamos vale a pena ou eu aguardo até o fim do ano ?

    Vale lembrar que esse não é meu único imóvel, tenho salas e alugadas e o que preciso é apenas de uma apto maior. Se puderem dar uma dica, pois nesse blog tem muita gente que entende bem a nossa economia.

    Obrigado

    0
  • Caramuru 9 de janeiro de 2012 at 13:45

    Email que recebi estes dias (reparem na última observação da mensagem, haha):

    BOM DIA,

    VENDO APARTAMENTO BROOKFIELD – “HOME DESIGN”, LOCALIZADO NA RUA PROFESSOR JOSE LEITE E OITICICA, 435 – BROOKLIN – SAO PAULO – SP – APTO 0202 – SEGUNDO ANDAR.

    SEGUE INFORMAÇOES:

    IMOVEL LANÇADO EM ABRIL DE 2011.

    ENTREGA PARA JANEIRO DE 2014.

    VALOR DE VENDA LIVRE DE COMIÇAO (PARA PROPRIETARIO): R$ 65.000.00

    FLUXO RESTANTE COM CONSTRUTORA:

    23 X R$ 1.210.00

    ANUAL ABRIL DE 2012 R$ 22.500.00

    ANUAL ABRIL DE 2013 R$ 22.500.00

    CHAVES JANEIRO DE 2014 R$ 34.000.00

    FINANCIAMENTO: R$ 377.000.00

    VALOR DO IMOVEL R$ 548.000.00

    – EU RODRIGO ARELLO, AUTORIZO A TRABALHAR A VENDA DO IMOVEL LOCALIZADO NA RUA PROFESSOR JOSE LEITE E OITICICA, 435, APTO 0202, SENDO, SEM EXCLUSIVIDADE, VALOR DE VENDA LIVRE DE COMISSAO E SEM CONTRATO. TAXAS DE TRANFERENCIA POR CONTA DO COMPRADOR.

    MAIS INFORMAÇAOES, A DISPOSIÇAO.

    ABRAÇO RODRIGO ARELLO. (PROPRIETARIO)

    OBS:. VALOR DO M2 NA REGIAO É DE R$ 10.000.00 A R$ 11.000.00, ESTOU PASSANDO A R$ 8.000.00

    0
    • Luiz 9 de janeiro de 2012 at 16:35

      acabei de passar nessa rua, meu dentista fica na esquina
      é um bairro simples, não tem cabimento uma kit valer mais de meio milhão
      acho que 200k está mto bem pago
      o prédio é candidato a edificio fantasma junto como todos os outros do campo belo que alias tem a venda com mais que 100 m2 pelo mesmo preço desse aí, mas preço anunciado pq morador que é bom, zero, edificio fantasma

      0
      • Caramuru 9 de janeiro de 2012 at 17:34

        O que mais impressiona é a cara de pau do vendedor, querendo se livrar da bomba e ainda com uma postura de que está dando um desconto com m2 abaixo do mercado. Tsc..

        Aliás, parabéns ao idealizador e participantes mais assíduos do blog. As discussões e nível das análises / informações são de 1a. Acompanho há alguns meses já, apesar de não postar.

        Abs

        0
        • hong 16 de janeiro de 2012 at 18:22

          Moro em sampa e quem falou que o m2 do brooklin é 10.000???? Tem gente vendendo ape novo em campo belo por 6.000 o m2. Entao no brooklin deve ser uns 5.000,00. E mesmo assim, nao estao conseguindo vender pois construiram mais de 100 predios em uma regiao afastada com pessimo acesso e sem metro. Lugar de pseudo classe média alta emergente.

          0
  • Leonardo 10 de janeiro de 2012 at 00:07

    A bolha imobiliária é real, deve estourar em breve e devemos ser realistas, analisando friamente o que isso vai afetar e o que não vai afetar, visto que o mercado brasileiro conta com características muito específicas. Fiz uma humilde análise a respeito:

    http://leorossatto.wordpress.com/2012/01/09/a-bolha-imobiliaria/

    0
    • Bolha Imobiliária 10 de janeiro de 2012 at 11:55

      Eu li seu texto ontem, estava pensando em publicar aqui para o pessoal discutir. Gostei do texto pela simplicidade

      0
      • Luiz 10 de janeiro de 2012 at 14:49

        pode ser colocado pra discussao sim
        ao meu ver tem falhas lógicas, imprecisões e alguns erros, mas no todo é bom
        é exatamente essa imperfeição que torna o texto muitíssimo interessante pra discussão.

        0
      • Leonardo 10 de janeiro de 2012 at 15:23

        Opa, se quiser publicar, sinta-se à vontade. Obviamente existem algumas imperfeições no texto, bem passíveis de discussão, mas a intenção foi tentar descrever um pouco do cenário em uma linguagem simples. Abraço.

        0
        • Luiz 10 de janeiro de 2012 at 18:50

          gostei de vc ter tocado na questão urbana, podiamso aprofundar isso qdo o bolha postar.

          isso de condominios fechados é raríssimo em paises civilizados, pq a mdeobra é mto cara, tais condominios só prosperam em estados mais pobres americanos a maioria com campos de golfe

          aqui qualquer clsse média baixa está comprando num condominio fechado, isso não é razoável

          0
  • peterson 10 de janeiro de 2012 at 12:53

    t1[sobe em uma rampa de 30°] – numeros sempre positivos – crescimento recorde -aceleração- euforia -t2[ repica em dentes de serra em um patamar alto] – saem os mestres – entram os dummies – euforia – esperança-desacelerção – ilusão – falsificações – montagens – mentiras -marketing- fraudes t3[desce em uma rampa de quase 90°] – desespero – falencias – numeros sempre negativos – efeito cascata – depreciação

    etapas básicas …. em tempo t1 >t2 >t3 sempre!

    0
  • João Paulo 2 de agosto de 2012 at 13:14

    Pessoal, a preocupação com a Bolha e futura quebradeira está mexendo com o maior banco privado do Brasil. Vejam estes comerciais encomendados pelo Itaú pedindo para os clientes terem mais consciência ao comprar imóveis:

    http://www.youtube.com/embed/GRDzwLIDQdk
    http://www.youtube.com/embed/SoevB_H_7m4

    Quando um banco que sempre quis que os clientes não tivessem consciência e se afundassem em dívidas lança uma propaganda dessa é mais uma confirmação do que há muito tempo já sabíamos: A vaca tá indo pro brejo. Quando o pessoal começar a devolver os imóveis, esta garantia do financiamento perderá cada vez mais valor, principalmente os mais caros, deixando o banco com uma fraca moeda.

    0