Pergunta do R$ 1 milhão – Parte 2

Você pode gostar...

Comments
  • eduardo 7 de dezembro de 2011 at 01:32

    reproduzo analise muito realista do blog perspectiva critica:
    Economia Estagnada: Por que após grande valorização imobiliária a economia patina?
    Pessoal, o Globo acabou de publicar artigo no Jornal O Globo On Line com o título “PIB brasileiro fica estagnado”, hoje, 06/12/2011. Confira no endereço http://oglobo.globo.com/economia/pib-brasileiro-fica-estagnado-no-terceiro-trimestre-3390761

    Mas não diziam que a inflação era galopante? Há três meses atrás, em setembro de 2011, não estavam dizendo que como o acumulado da inflação tinha atingido 7,5% de acumulado nos últimos 12 meses seria o fim do mundo?!?! E que por isso deveria ser aumentado so juros selic? Para conter a inflação galopante.. rsrsr

    Senhores e senhoras, fico muito satisfeito em estar apontando com responsabildiade a real evolução econômica do nosso País desde sempre, mas especialmente desde Janeiro a Abril de 2011, indicando que a inflação não estava descontrolada, que o controle não deveria ser por juros selic, que o controle inflacionário deveria respeitar as causas específicas (em grande parte externas) da inflação, que o controle interno deveria ser via medidas macroprudenciais para não prejudicar o PIB e o empregos de brasileiros, que as medidas do Banco Central só têm efeito 6 meses após admitidas e executadas, que desde abril a inflação recuava mensalmente e que o importante para o futuro ~´e a tendência de curto prazo da inflação e não a dos últimos doze meses…

    Você que está conosco pode estar surpreso de que tudo o que foi mencionado por nós ocorre e fecha um ciclo de fato. Nôa imaginamos somente que a Europa estaria no risco que está, da forma que se encontra hoje, apesar de que dissemos desde de o atingimento de relações dívida/pib exorbitantes desde dez 2010 por esses países, que a Europa somente limparia suas finanças públicas entre sete e dez anos.

    Bem, bem, bem.. Nós informamos você muito melhor do que jornais de grande mídia, neste quesito.. fico feliz em poder dizer isso, mas ficaria mais se ao invés de a grande mídia tentar induzir uma realidade econômica inexistente para justificar aumento de juros selic, fosse crítica e ajudasse o Brasil a debater as reais causas da inflação quando esta se apresenta e a discutir as melhores saídas para controlá-la, o que não fez durante todo o ano de 2011.

    Mas, estou aqui hoje para te explicar, de forma muito breve e simples um fato interessante. Após a bolha imobiliária americana e européia a economia degringolou. Após a bolha imobiliária brasileira, que ainda está aí, a economia patina e o terceiro trimestre de 2011 tem previsão de 0% de crescimento. Qual a conexão?

    Sim, houve no caso americano e europeu o problema dos títulos sub-prime, mas que se referiam a financimento de imóveis mais uma vez. E aqui este problema não ocorreu. Mas acontece algo que é comum e comnpreensível no fato de que grandes valorizaçãoes imobiliárias prejudicam a economia.

    Tudo que ocorrer exageradamente cria um desnível sistemático na economia, ou gera um reflexo, naturalmente, mas a questão imobiliária é muito interessante. Vejamos.

    Todo mundo precisa morar, comprando imóvel ou alugando imóvel. Mas se há uma supervalorização em curto espaço de tempo o que ocorre? A renda e o PIB não terão crescido suficientemente para compensar este aumento de dreno financeiro da economia.

    Veja, todo aumento de bens gera um dreno financeiro na economia. Alguns você pode deixar de comprar ou substituir por um tempo e isto é algo que arrefece o movimento de aumento daquele bem. Por exemplo, carro. Aumentou muuito carro. Não compre. O carro passa a baixar. Ninguém deixa de viver sem carro. Mas não é possível deixar de comer ou de morar. Mesmo na favela não há moradia gratuita plenamente.

    Assim amigos, a grande valorização de imóveis, apesar de ser ótima para os investidores em construção de imóveis e proprietários, gera um grande dreno financeiro na economia. A pessoa se endivida e mora e o que ocorre com as vendas de carros? Vendas de roupas? Restaurantes e etc? Não sobra dinheiro para essas outras coisas.

    É claro que o juros alto também leva a um freio na economia, mas a economia americana está com o mais baixo juros de sua história e o europeu idem, isso por si só não ativa a economia. Lá a situação é diferente daqui e não foi meramente a valorização de imóveis que criou a situação preocupante que há lá. O golpe econômico com a quebra do sitema de títulos subprime desolou a economia americana e européia, mas é importante tomar ciência desse efeito interessante da grande valorização imobiliária: não somente há enriquecimento de parte da economia e população, há um grande torno financeiro que é aplicado na economia que fica com muitos recursos direcionados a um setor da economia e desabilita outros setores, podendo gerar, como de fato está gerando no Brasil, estagnação econômica.

    Termino esse artigo dizendo que mesmo com essa estgnação do crescimento do PIB, nossa situação é muito melhor do que em todo o mundo. Mas a insistência em aumento de juros com o evidência de grande endividamento das famílias brasileiras, que passaram por benesses e estímulos de consumo pelo goverono por 2009 e 2010 como forma de impedir a queda de nossa economia, aliado ao estratosférico valor de imóveis para compra e venda e para aluguel no Brasil, está gerando a estagnação da economia. É reversível.. através de diminuição de juros selic, diminuição de tributação e correção de preços de imóveis, tanto em termos de compra e venda como em relação à aluguel.

    A correção imobiliária, a meu ver, se aproxima.

    p.s.: Desculpem, a frase final ficou um pouco longe do texto. Como cheguei a ela. Economia é muito interessante e tem diversos canais de intercomunicação. Todos querem entender esses canais, mas nunca se consegue fechar perfeitamente o circuito. Eu acredito que o exercício proposto por artigos como esse têm esse fim e que os artigos convencionais são muito herméticos e simples, criando uma ilusão de controle, que na verdade não existe. O que se pode fazer é enteder as variáveis o mais que se puder e constrastá-las de tempos em tempos e verificar seus efeitos. Isso evidencia que há canais limitados na economia, ou diríamos grandes canais que influenciam fortemente a economia e a alteração de fluxo financeiro nesses canais torna perceptível uma tendência de crescimento ou decréscimo em outros canais e/ou escoadouros.

    Explicando a última frase “A correção imobiliária, a meu ver, se aproxima”, tenho a dizer que como reflexo à perda de fôlego da economia já se vê a descompressão de taxa de juros selic e tributária, através de incentivos tributários. Falta uma outra forma de correção ocorrer: a correção imobiliária. Esta não é mais difícil nem mais fácil de ocorrer, mas depende exclusivamente de mercado, ao contrário da Selic e de tributos que são decididos.

    Mas a correção ocorrerá, por quÊ? Porque a supervalorização imobiliária drena valores da economia. Assim, as pessoas gastam menos em outros setores da economia e a economia desaquece. O problema é que se a baixa da selic e de tributos não for muito boa a ponto de compensar o endividamento das famílias ou se continuar aumento de aluguéis e imóveis, elas continuarão pagando caro para morar e não sobrando valores para outros setores econômicos. Assim pode iniciar processo de retração econômica e desemprego. Com desemprego ou com grande endividamento, as pessoas começam a não poder pagar hipoteca, financiamento imobiliário e/ou aluguel, e o desfazimento de negócios, o acionamento de garantias imobiliárias dos financiamentos não pagos, e os despejos ou trocas de imóveis alugados, gerarão aumento de oferta de imóveis no mercado para comrpa/venda e para aluguel, obrigando à baixa de preços de imóveis seja para compra/venda, seja para aluguel.

    p.s.2: Segundo o artigo O Globo On line suso citado, desde o terceiro trimestre de 2009, houve diminuição de crescimento de quase todos os trimestres posteriores em comparação com o trimestre anterior, chegando no 3º trimestre de 2011 a crescimento de 0% em relação ao segundo trimestre de 2011. As informações sobre expectativa econômica há tempos era de arrefecimento, mas durante 2010 e 2011 os jornais preocuparam-se só com inflação, sem ver o endividamento das famílias e a baixa na atividade econômica. Segundo o mesmo artigo os números de evolução de pib por trimestre, na forma crescimento%/trimestre são desde 1º trim 2009 até o 3º trim 2011: -1,7%/1º trim 2009; 2,0%/2º trim 2009; 2,5%/3º trim 2009; 2,4%/4º trime 2009; 2,0%/1º trim 2010; 1,6%/2º trim 2010; 1,0%/3º trim 2010; 0,7%/4º trim 2010; 0,8%/1º trim/2011; 0,7%/2º trim 2011 e 0,0% 3º trim 2011.

    0
    • augusto 7 de dezembro de 2011 at 10:19

      Nunca vi uma análise tão bem feita como esta. Diz muito e de maneira fácil, sem tentar ser presunçoso escrevendo dificil só para aparecer.
      Certos analistas econômicos (como por exemplo um da rede Band que já foi famoso e hoje inicia a senilidade, e muitos outros) deveriam ler e meditar nas baboseiras que falam.
      A bolha imobiliária fomentada pelo governo, e desmentida por malandrões interessados nela ou comprados por estes, vai levar ainda algum tempo para estourar. Por isso se alguem comprar imóvel agora ou negocia um desconto de pelo menos 20%, ou será um grande imbecil, ficando com o maior mico da história

      0
    • dp 7 de dezembro de 2011 at 11:09

      Excelente texto. Apenas uma correcao, quando voce diz que “houve no caso americano e europeu o problema dos títulos sub-prime, mas que se referiam a financimento de imóveis mais uma vez. E aqui este problema não ocorreu.”. Eh importante fazer a distincao correta: subprime e refinanciamento sao coisas diferentes. Subprime sao creditos de qualidade inferior (concedidos a quem nao deveria ter recebido credito ou com colateral e garantias pifias). Refinanciamento (“financiamento de imoveis mais de um vez”) nao tem nada a ver com subprime. Pode-se refinanciar tanto credito prime e um sub-prime. O resto da analise esta otimo.

      0
    • Carlos Wagner 7 de dezembro de 2011 at 12:10

      Excelente texto. Que o redigiu é adepto das teorias da escola Austriaca.

      0
    • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 14:15

      MAs as pessoas que venderam seus imóveis por preços exorbitantes e embolsaram uma boa $$$ fazem o que? Não consomem? Esse dinheiro não volta para a economia em forma de consumo de outros bens ou investido?

      0
      • Galvão 7 de dezembro de 2011 at 15:45

        Não tenho dados, mas acho que uma boa parte dos que venderam utilizaram para comprar outro mais caro e dar a diferença. No caso dos novos quem embolsou foram as construtoras e os famigerados corretores.

        Acredito que a parcela dos que venderam e não pegaram os lucros para reinvestir não é um percentual significativo da população. Outro ponto é que o aquecimento da economia deveu-se em grande parte ao endividamento da classe média que passou a ganhar (um pouco) mais e a se endividar (muito) mais.

        0
      • Q 7 de dezembro de 2011 at 23:28

        Duas chances: ou arrumou uma dívida/arrumou mais grana e empatou num imóvel maior
        ou resolveu gastar e assim só terá uma casa melhor ou igual a vendida quando os imóveis cairem de preço!
        Quem lucra mesmo e fica com a $$$$ são as construtoras, imobiliárias e afins, concentrando a grana!!!! o $$$ que cem pessoas poderiam consumir fica na mão de um que não consome nem 1/2 do que as cem iriam consumir. A CONCENTRAÇÃO DE RENDA é o problema de nosso capitalismo baseado em oligopólios/monopólipos/intensa interferência governamental.
        A questão é simples: 500k ou 1000k num apartamento é muita grana!!!! Os concursados federais que ganham MUITO bem não conseguem, que dirá o resto!!!!!
        Pode até ter gente que por meios fraudulentos consiga ganhar muita grana (do governo p ex.) Mas eles são obviamente a grande minoria, afinal eles tiram do bolso da grande MAIORIA que paga os impostos em dia!!!!

        0
    • Galvão 7 de dezembro de 2011 at 16:11

      Exemplo prático do que o blog está dizendo, sobre como a bolha imobiliária drena valores da economia:

      Meu vizinho teve que renegociar o contrato de aluguel agora. Resultado: O aluguel passou de R$ 1.650,00 para R$ 2.500,00. Ou pagava ou saia. Como os preços dos aluguéis subiram generalizadamente ele concluiu que era melhor ficar. Portanto, como sua renda mensal não mudou, ele está “ganhando” menos R$ 850,00/mês.

      0
      • Atribulado 7 de dezembro de 2011 at 21:31

        Supondo que ele ganhe 7500 (o minimo p/ pegar um aluguel de 2500) só o dissídio de 7% já é um aumento de 525,00. Isso se não ganhou dissídio maior que a inflação.

        Aluguel aumentou muito…
        Chiou, chorou, esperneou, mas pagou… Sinal que tem dinheiro pra isso.

        O proprietário não pode forçar o preço pra cima se o mercado não absorve.

        0
        • Q 7 de dezembro de 2011 at 23:37

          A questão é: ele tem o dinheiro par pagar o aluguel, porém os 850 reais que ele gastaria indo ao Shopping, restaurante, passeio, presente, não existem mais!!!
          São poucos os que ficam com os 850 a mais (Pensado grande: são poucos os que ficam com o grande lucro das construtoras). A renda concentra e a economia para!!! Para vender qualquer coisa você precisa de comprador!!! Isto é obvio!!!!! Se toda a grana esta no bolso do vendedor, com o que comprador paga???? A ganância excessiva do vendedor de imóveis foi um tiro no pé!!!

          0
          • Atribulado 8 de dezembro de 2011 at 00:04

            Primeiro, não são 850,00 são 325,00 (850 – 525)
            Segundo, essa grana existe SIM, ela vai pro Shopping, restaurante, passeio, presente, do mesmíssimo jeito, só que quem vai gastar agora é o proprietário e não mais o inquilino.

            Agora diz, se as pessoas estão aceitando reajustes de aluguel bem acima da inflação, é porque elas próprias tiveram aumento de renda bem acima da inflação. Ou então o aluguel antigo comia um percentual muito pequeno do salário (ou seja, estava muito barato).

            0
            • MrK 8 de dezembro de 2011 at 05:54

              Atribulado, desculpe-me, mas sua conta esta errada

              voce esta assumindo que 100% do reajuste de inflacao do salario dele foi pra pagar o aluguel, e as outras contas, nao reajustam? saude, alimentacao, educacao, transporte?

              esse aumento de aluguel absurdo esta levando a maiores indices de inadimplencia e a menores gastos com contas discricionarias (diversao, jantar fora, etc…), agora NESSE caso especifico eu nao sei dizer, afinal o aluguel desse ap poderia estar muito defasado (poderia ser 30 meses de defasagem)

              0
              • Atribulado 8 de dezembro de 2011 at 12:35

                Não estou dizendo que tá mil maravilhas, só que o diabo não é tão feio como estão pintando, só isso.
                Provavelmente está sobrando menos do salario, pois tudo aumentou, mas também não dá pra ignorar o reajuste.
                Além disso tem contas que até diminuiram nos ultimos anos [ ex seguro de carro (Rio), os próprios carros (por mais que seja polemico), eletronicos (normal) ]

                0
                • Troll 14 de janeiro de 2012 at 10:58

                  Falar que carro baixou de preço é no mínimo desconhecimento…

                  0
  • LAM 7 de dezembro de 2011 at 02:49

    Considero bem plausível a hipótese levantada. Fatores como não-regulação do mercado imobiliário, aumento da arrecadação (o que propicia mais corrupção) e preços em alta motivam as pessoas a lavarem o dinheiro comprando imóveis caros.

    Apenas uma coisa não entendo muito bem, exemplificando: se um criminoso compra um imóvel por 1 milhão, fruto de lavagem, e o preço deste imóvel vier a cair futuramente (como nós esperamos), qual será a reação do comprador? Revolta por “perder” parte do seu investimento escuso ou alívio por poder vender para terceiros “idôneos” mesmo sendo um valor mais baixo, “limpando” o dinheiro? Pra quem desviou 1 milhão, limpar 500 mil parece um bom negócio, não?

    A menos que a roda da fortuna imobiliária seja perpétua, não creio que os criminosos consigam manter por muito tempo esse esquema de lavagem. Ou seja, um dos últimos pilares (ou sopros) da bolha pode ruir a qualquer momento!

    Há muito tempo deixei de acreditar que apenas o aumento da renda da “new mid class”, atrelado às facilidades de crédito, e os “investidores de 20%” seriam os únicos responsáveis por essa aberração que vemos no Brasil.

    0
    • Andrew 12 de dezembro de 2011 at 16:19

      Lembrando que não só de imóveis vivem os criminosos. É fácil ver também pelo enorme número de shopping centers nascendo em São Paulo..

      Não tem jeito, é uma máfia encrostada em todos os pilares da sociedade.

      0
  • MrK 7 de dezembro de 2011 at 05:25

    Creo que isso exista sim, mas nao considero esse movimento tao relevante pra bolha e digo porque:

    1- Lavagem de dinheiro sempre existiu nesse mercado, nao foi algo que comecou de 2 ou 3 anos pra ca, na verdade a receita tem sido ate mais atuante hoje do que em decadas passadas, eles conferem se o valor do imovel corresponde a realidade.

    2- Nao existe isso de comprar um imovel a vista sem declarar, se voce nao declarar voce nao lava o dinheiro (como a venda vai aparecer no seu IR se voce nao declarou que tinha o bem?!) na verdade o que o mercado imobiliario permite e’ vender por um preco e pagar parte por fora, esquentando algo como 10% ou 20% do valor do imovel, sempre existiu, especialmente feito por profissionais liberais que nao dao nota.

    acho isso sim um problema, acho serio, mas nao acho que esteja na raiz do problema…

    0
    • LUIZDVD 7 de dezembro de 2011 at 10:21

      SÓ PARA CONSTAR, HÁ UM DETALHE QUE NÃO FOI AVENTADO POR NINGUÉM. NÃO MAIS EXISTE ESTA HISTÓRIA DE NÃO DECLARAR E ACREDITAR QUE A RECEITA FEDERAL NÃO VAI TER CONHECIMENTO DA COMPRA. DESDE 1996 EXISTE A DOI – DECLARAÇÃO DE OPERAÇÕES IMOBILIÁRIA, DOCUMENTO QUE TODO TABELIÃO OU REGISTRADOR DO BRASIL DEVE PREENCHER E ENCAMINHAR À RECEITA FEDERAL NA HIPÓTESE DE REGISTRAR NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS.

      ASSIM, SOMENTE SE O REGISTRADOR NÃO PREENCHER A DOI, O É QUE GRAVE E DARÁ A ELE GRANDES DORES DE CABEÇA, A RECEITA FEDERAL NÃO SABERÁ DA COMPRA. E SIM, O CONHECIMENTO DA COMPRA NÃO DEPENDE MAIS DA BOA VONTADE DO COMPRADOR OU DO VENDEDOR.

      SE HOUVER DOI E NÃO FOI DECLARADO O BEM, O QUE EXISTIRÁ É UMA MULTA POR VÍCIO DA DECLARAÇÃO DE BENS.

      PORTANTO, SE EXISTE LAVAGEM DE DINHEIRO SEM DECLARAÇÃO, PRESUMO QUE O TRABALHADOR ESTE DO MERCADO IMOBILIÁRIO OU ESTÁ TRATANDO COM POUCOS REGISTRADORES INESCRUPULOSOS, OU TODOS SÃO INESCRUPULOSOS.

      ESTA SEGUNDA HIPÓTESE É MENOS PROVÁVEL E A PRIMEIRA TEM UMA TENDÊNCIA A APARECER, POIS A RECEITA FEDERAL JÁ MONTOU UM SISTEMA DE CRUZAMENTO DE DADOS PARA ESTES FINS QUE ESTÁ EM FUNCIONAMENTO DESDE 2008, SE NÃO ME ENGANO.

      A SITUAÇÃO É PIOR AINDA SE O COMPRADOR FOR SERVIDOR PÚBLICO, POIS A RECEITA RECEBE MENSALMENTE A INFORMAÇÃO DE QUANTO FOI PAGO AO SERVIDOR NA DIRF ENTREGUE PELO ÓRGÃO PAGADOR E, SE EXISTIREM SINAIS EXTERIORES DE RIQUEZA HÁ PROBLEMA.

      LOGO, PARA QUE EXISTA LAVAGEM, A AQUISIÇÃO É FEITA EM NOME DE TERCEIRO, COM PARTICIPAÇÃO DE POUCOS REGISTRADORES INESCRUPULOSOS. NÃO CREIO QUE O VOLUME DE NEGÓCIOS FEITOS NESTES TERMOS POSSA SER GRANDE O SUFICIENTE PARA MOVER O MERCADO.

      0
    • Cleyton 7 de dezembro de 2011 at 11:06

      Tem razão MrK, toda a lavagem de dinheiro só acontece na venda, o cara abre uma imobiliaria legalmente, compra um imóvel (ou carro) e vende, o lucro dessa transação é dinheiro limpo, não precisa sem ser verdadeira, o cara pode ter um laranja no escritório só emitindo notas fiscais de “corretagem”. O que torna os imóveis interessantes é o valor envolvido (lava-se mais com menos transações), só que envolve mais gente então começa a ficar perigoso, mais seguro é montar um restaurante, um hotel ou uma loja de tênis no shopping e também ficar emitindo notas de venda.

      Não creio que um criminoso “de classe” fique especulando imóveis como os “investidores” tradicionais.

      0
  • MrK 7 de dezembro de 2011 at 05:41

    Voltando a bolha, achei duas coisas curiosas recentes nos comentarios dos amigos:

    1- O Desespero do presidente do Serasa em vir pela 3a vez a publico pra negar uma bolha de credito, os textos dele sao agressivos com quem discorda e ele fala como se fosse o Deus soberano da verdade absoluta, parece mais uma crianca chorando pra mae e batendo na mesa “nao tem bolhaaaa nao tem bolhaaaa” …e os argumentos? fracos, muito fracos! O cara se baseia na “seriedade dos bancos nacionais” e nos juros reias altos (altos onde, cara palida? pra quem se acostumiu a viver com juros reais de 20% voce acha 5% muito? detalhe que 5% segundo o ipca, no mundo real e’ 0%, repito: alto onde?!)

    2- A Emissa de debendute da gafisa para “capital de giro” , veja bem, ela anunciou que nao esta pedindo dinheiro para investir, para novos projetos, para comprar uma empresa, enfim… pra coisas uteis, ela esta tomando dinheiro pra torrar porque o caixa esta afundando

    quem for MACHO que compre:

    O conselho de administração da Gafisa aprovou uma primeira emissão de notas promissórias comerciais no valor de R$ 230 milhões. A emissão se dará em duas séries, uma de R$ 150 milhões e outra de R$ 80 milhões, com valor unitário de R$ 10 milhões cada papel.
    “Os recursos captados por meio da distribuição pública das notas promissórias serão utilizados para usos gerais da companhia – capital de giro”, afirma a Gafisa em ata da reunião do conselho. As notas promissórias terão prazo de vencimento de até 360 dias corridos a partir da emissão.

    0
    • augusto 7 de dezembro de 2011 at 08:17

      E quem é que dá pelota para este tal presidente do Serasa?
      Autoridades americanas muito mais importantes que este senhor, negavam veementemente qualquer crise que pudesse estourar por lá.
      Atualmente autoridades máximas européias fazem a mesma coisa, e resolvem a crise por lá com reuniões inúteis (pelo menos para as bolsas de valores e parte da midia resolvem)

      0
    • Davi 7 de dezembro de 2011 at 09:50

      MrK

      quando ele fala 5% de juros reais já está descontada a inflação, 11% – inflação ~ 5%.

      Eu sinceramente, quero acreditar em bolha ou algo não tão agressivo como uma, mas o tempo passa e acho que pode não acontecer. Antes dos preços cairem 10, 20%, vai surgir uma demanda forte que vai dar um belo repique.

      O único evento que penso que pode gerar uma merda generalizada é desemprego, retração na economia e não vejo isso no horizonte ainda.

      0
      • MrK 7 de dezembro de 2011 at 09:56

        eu sei, mas e’ exatamente esse meu ponto

        estavamos acostumados a viver com juros reais de 20%, hoje temos a 5%, e ele acha que isso “nao e’ nada”, que nao tem bolha porque nosso juro real pode eh zero, mas a queda do nosso juro comparativamente, foi muito maior que nos EUA pre-bolha por exemplo!

        outro fator eh, juro real de 5% e’ valido se voce acredita no IPCA, eu nao acredito, pra mim nosso juro real esta proximo a zero sim

        espero ter sido mais claro agora!
        abs

        0
      • augusto 7 de dezembro de 2011 at 10:23

        Muitos negócios hoje já estão sendo feitos com descontos, inclusive naqueles vendidos pelas grandes construtoras.
        Sem desconto praticamente nada se vende, a não ser alguns poucos imóveis para compradores ingênuos, desatualizados e babacas

        0
      • Cleyton 7 de dezembro de 2011 at 11:17

        Davi, cabe ressaltar que o MCMV está praticando juros nominais de 5% (para rendas entre R$ 1.600,01 e R$ 3.100), se o IPCA ficar em 6,5% teríamos juros negativos (subsídio) em 1,5%, para outras faixas está em estre de 8% a 11% mesmo.

        0
  • Roberto Cesar 7 de dezembro de 2011 at 06:34

    Lavagem de dinheiro é conseguir fazer um dinheiro sem origem conhecida se tornar com origem conhecida. Por exemplo, um restaurante que dá prejuízo (tem poucos fregueses) mas o dono coloca dinheiro sujo como se viesse de fregueses (que não existem), fazendo aquele dinheiro ter uma origem limpa. O dono do restaurante pode simplesmente imprimir milhares de notas fiscais e pagar com o próprio dinheiro sujo, já que o (imaginário) fregues não precisa se identificar.

    No caso da compra do apartamento eu não vejo como a lavagem é feita. Se o sujeito compra um apartamento e não declara ao IR, quando ele vender o apartamento também não vai poder declarar. A origem do dinheiro continua suja.

    Outra coisa que eu li há muito tempo atras era que os cartórios mandam para a receita qualquer transcrição de compra/venda de imóvel.

    A não ser que haja algum mecanismo escuso que eu não to vendo, eu acho que não dá pra lavar dinheiro com compra de imóvel.

    0
    • MrK 7 de dezembro de 2011 at 06:40

      Exato,

      e’ como falei, ele compra por R$500mil por exemplo, declara que pagou R$400mil e paga os outros R$100mil por fora (dinheiro nao declarado)

      assim que receber o imovel ele revende por R$500mil, ou seja, os R$100mil sujos passam a ser limpos e aparecem como lucro imobiliario

      voce so consegue esquentar um % pequeno do valor do imovel, se voce forcar a barra e esquentar muito a receita te pega mole mole

      0
      • Ricardo 7 de dezembro de 2011 at 10:12

        Não duvide da capacidade do ser humano em ser estúpido. Eu conheço gente honesta que comprou apartamento de R$ 300 mil declarando menos de R$ 100 mil na escritura, por demanda de quem estava vendendo.

        Acabaram tendo que se explicar na receita. Um alegou ter se enganado de forma honesta e, graças a um advogado caríssimo, saiu dessa apenas perdendo dinheiro. O outro está sendo processado, coisa pesada. E é gente com dinheiro honesto mas que quis “facilitar pro lado do antigo dono do imóvel”. Como todo brasileiro espertão pensaram “sem problemas, faço igual quando for vender daqui uns 10 anos” ou “daqui 10 anos eu pago os 15% de imposto, mas hoje eu preciso pagar barato”.

        Enquanto negociava um apartamento em Moema me deparei com um sujeito que possuía um imóvel de 100m2 (estimado em R$ 800 mil por corretores sem noção, com um valor bolhoso de uns R$ 600 mil, sendo negociado por R$ 500 mil após “descontos”) escriturado como negociação de R$ 120 mil reais em 2010. Ou seja: comprou no ano passado, fazendo mutreta, e queria me repassar. Tentou argumentar que era honesto, que isso era normal. Disse que declarava (no IRPF dele) o excedente como benfeitoria.

        Ele pode até se achar esperto. Só que a receita tem um procedimento muito simples para botar essa turma na malha fina: eles capturam qualquer um que declare benfeitorias com valor muito similar ao valor do imóvel. Um imóvel de R$ 120 mil não pode receber benfeitorias de R$ 80 mil. No final das contas exigem que você entregue as notas fiscais dos serviços e materiais de construção.

        0
        • Murdoch 7 de dezembro de 2011 at 10:47

          Ricardo, é isso mesmo.
          Aqui no RJ a farra tá grande, até pq é uma cidade que não via entrar dinheiro há mto tempo!
          É mto mais difícil pegar. Se for pago em espécie e o proprietário não depositar essa grana nunca aparece!

          0
        • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:13

          Cuidado com as alegacoes… existe sim possibilidade de aumentar muito o valor do imovel. Eu mesmo comprei uma casa e praticamente coloquei no chao… so sobraram as paredes externas e depois construi de novo. O imovel mais do que dobrou de valor com as benfeitorias.

          Mas concordo que, em geral, apartamentos tem mais dificuldade disso acontecer, mas não é impossível

          0
          • Ricardo 7 de dezembro de 2011 at 16:51

            Você não pode demolir uma casa e não contar para ninguém. Precisa de um alvará e também atualizar o registro imobiliário de sua cidade. Uma vez concluída a construção, precisa estar 100% em dia na prefeitura e também receber atualização na escritura.

            O novo valor do imóvel será uma composição entre o valor do terreno e o pago para a construção da casa.

            0
      • Indecoroso 7 de dezembro de 2011 at 11:50

        Mas a lavagem de dinheiro em cima de imóveis geralmente se dá da seguinte forma (exemplo prático):

        Um ímprobo “A” que há muito tempo comprou um apartamento por R$ 200K e tem dinheiro sujo pulverizado em ativos não declarados ou na conta de familiares, vai simulando pequenos negócios com um laranja “B”, que um dia reunirá consigo todo o dinheiro que será lavado em nome do verdadeiro dono “A”. Tudo isso pré-combinado. Cumprida a etapa da concentração do dinheiro sujo nas mãos de “B”, este vai até “A” e simula uma compra e venda do imóvel de “A”, só que não pelo preço real (R$ 200K), mas por superfaturados R$ 500K, e nessa brincadeira acabam lavando fácil-fácil R$ 300K debaixo do nariz da Receita Federal. Essa prática se torna ainda menos suspeita se o contexto de valorização galopante ajudar a disfarçar o sobrepreço…

        Práticas como essas acontecem diariamente em leilões de gado e na venda de passes de jogadores de futebol! Lembram-se do caso da “bezerra” de 2,2milhões do Nenê Constantino? Por que existe tanto político envolvido com times de futebol e seus cartolas? Aliás, por que os times de futebol deixaram de ser “clubes” para se tornarem grandes empresas?

        Acorda, Brasil!

        0
        • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:15

          Mas a alegação aqui foi diferente… foi de que existe um efeito desses corruptos inflacionando os preços e não que eles estão se aproveitando do efeito bolha para lavar mais dinheiro sujo.

          0
      • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 14:05

        mas em cima desses 100 mil ele tem que pagar imposto de ganho de capital… Não sei se vale muito a pena para esquentar 100 mil, acho que eles alavancam mais o preço e esquentam uns 500 mil, 1 milhao, aproveitando a loucura dos preços

        0
  • augusto 7 de dezembro de 2011 at 08:13

    Anos atras quando estava a procura de um imóvel onde resido atualmente, havia encontrado um que me agradou.
    Nas discussões diretas com o proprietário, pois sempre evitei intermediações de corretores que para mim são totalmente dispensáveis, argumentei que meu dinheiro era limpo, e para minha surpresa recebi a resposta que pouco importava pois o que ele queria era a grana.
    Lógico que fiquei muito zangado e recusei aquele imóvel, o que não fez falta pois acabei encontrando outros até comprar um.

    0
  • Carcará 7 de dezembro de 2011 at 08:23

    A lavagem de dinheiro está tipificada na lei 9613/98 que há anos, desde de que Thomas Bastos era MJ, está para ser mudada. Assim, ainda hoje, juridicamente, o termo jurídico lavagem de dinheiro pressupõe o cometimento dos chamados crimes antecedentes, dos quais os mais comuns por aqui são o tráfico de drogas e crimes contra a administração.
    Em relação às imobiliárias/construtoras, há normas do COAF (seria a nossa FIU) que obrigam as construtoras a informar compra de imóveis atípicas (em dinheiro vivo, por exemplo). Há também obrigações acessórias, geralmente imputadas aos cartórios, de informar toda aquisição/venda registrada em cartório.
    Dessa forma, acredito que haja sim lavagem de dinheiro no setor, mas para o contexto de bolha é insigfnificante.

    0
  • DRN 7 de dezembro de 2011 at 10:19

    Só dá para “lavar o dinheiro” (crime que inclui outras condutas além de convertê-lo em ativos lícitos e que pressupõe a obtenção do dinheiro mediante a prática de crime antecedente – vejam lista abaixo) com imóveis, se o vendedor aceitar receber por fora. Exemplifico. Um polícito compra um imóvel de luxo no Leblon por R$5 milhões. Declara, na escritura, o R$1 milhão (dinheiro que ele tem declarado no IR) e paga R$4 milhões por fora. O vendedor, trouxa, não vai poder declarar o dinheiro. O comprador, agora proprietário, revende por R$4 milhões para um gringo trouxa e paga 15% de Imposto entre R$1 e R$4 milhões. Pronto, R$3,4 milhões limpos, mas o trouxa que vendeu por R$5 milhões, vai declarar só R$1 milhão e vai ter de gastar os outros R$4 milhões. Se colocar no banco, a Receita pega. Vai ter de mandar o dinheiro pra fora via doleiro, ou colocar no colchão até gastar tudo.

    I – de tráfico ilícito de substâncias entorpecentes ou drogas afins;
    II – de terrorismo;
    II – de terrorismo e seu financiamento;
    III – de contrabando ou tráfico de armas, munições ou material destinado à sua produção;
    IV – de extorsão mediante seqüestro;
    V – contra a Administração Pública, inclusive a exigência, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, de qualquer vantagem, como condição ou preço para a prática ou omissão de atos administrativos;
    VI – contra o sistema financeiro nacional;
    VII – praticado por organização criminosa.
    VIII – praticado por particular contra a administração pública estrangeira

    0
  • eam 7 de dezembro de 2011 at 10:32

    Também não acredito que a lavagem seja um fator com peso tão grande dentro das distorções encontradas no mercado imobiliário.

    A Receita tem aprimorado seus controles e fica cada dia mais difícil “maquiar” diferenças tão grandes na declaração.

    Creio quem “esquenta” dindin o faça de maneira sutil para não levantar suspeita, para mim só os “espertalhões desinformados” é que acabam sendo pegos.

    0
  • Sérgio 7 de dezembro de 2011 at 11:17

    Concordo com o pessoal de cima: lavagem de dinheiro existe, sempre existiu e desconheço que deixará de existir no futuro, mas não ´eponto relevante na formação da bolha.
    Entretanto, há as exceções: REGIÃO de FRONTEIRA. Conheço bem duas regiões (apesar de não ser nativo) que a lavagem come solto, sendo quase oficial (por debaixo dos panos): Foz do Iguaçu/Cascavel no Paraná e Campo Grande em Mato Grosso do Sul.
    Para quem não conhece e vem pra cá acha que está em meio a milionários: Frontier, BMW, Honda CRV são carros muito comuns, sendo Honda Civic carro popular. Nota: não há indústrias ou comércio forte, e os fazendeiros são poucos devido aos latifúndios.
    Mas ainda assim é irrelevante na formação da bolha: é somente mais uma forma de tornarem limpa suas “fontes de renda”.

    0
    • Paty 7 de dezembro de 2011 at 13:53

      Nunca vi isso em Campo Grande ms…. vc esta enganado…pode ate ter mais nao tao na cara como vc diz..

      0
      • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:54

        como está o preço dos imóveis por aí? e como é o valor histórico deles?

        0
        • Paty 7 de dezembro de 2011 at 14:09

          oi shakespeare, eu to morando nos eua agora mais ate a setembro eu morava campo grande ms, e vc conseguia comprar com 300 a 500 mil reais muita casa boa.. apts tbm… eu como queria construir e queria comprar um terreno posso te dizer do condominio onde eu pesquisava os preços dos terrenos de janeiro a julho o preço reduziu muito.. eu queria muito comprar um terreno de 560 metros quadrados em condominio fechado, classe media alta , em janeiro o terreno estava sendo vendido por 140 mil reais como dizia o corretor tava dado e era uma das ultimas unidades, em julho o mesmo terreno estava 110 mil e havia no condominio um monte de repasses eu a umas 2 semanas atras dei uma olhada no condominio, o terreno dos meus sonhos continua lá a venda ainda por 110 mil e os repasses so aumentam.. eu vou ficar aqui nos eua por 2 anos ou 2 anos e meio quando voltar vamos ver como as coisas vão estar…

          0
          • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 15:54

            Se tudo tiver corrido bem a bolha já vai ter estourado 🙂

            obrigado

            0
      • Sérgio 7 de dezembro de 2011 at 20:31

        Clg, mudei-me para CG em 2006 e acompanhei até 2008 o aumento dos preços de terrenos e imóveis. É bem verdade que lá os preços não chegam – nem de perto – aos dos grandes centros, mas ainda assim estão caros. Bem, por caro, já está respondido por vc mesma ao dizer que com 300 ou 500K dá pra comprar imóveis bons.
        Eu, mesmo que quisesse, não poderia, pois, que tenho renda de apenas 8k: tenho que me contentar com imóveis de até 190K, pois que tbem não tenho muito para dar de entrada.
        E lá, a não ser fazendeiros (que não plantam nada, pois, que os latifúndios são completamente improdutivos), não teriam outras pessoas para comprar, não fosse a lavagem de dinheiro vindas de pedro juan caballero (paraguai), divisa com ponta porã e Puerto Soares (bolívia), divisa com Corumbá.
        Sei disso por trabalhar na área, tendo cobrido boa parte do estado, especialmente CG, Dourados e Ponta Porã. O problema é que o negócio é infiltrado de uma tal forma na coisa pública, que até desembargador estava envolvido.
        CG não tem indústria, nem nada que justifique a pujança de seus cidadãos. Lembro-me de morar num condomínio próximo ao Comper da Julho de Castilho, classe média baixa, e o povo de lá parecerem milionários, pois, que só andavam em carros de luxo, mas trabalhavam como professores, funcionários da copel (energia eletrica), lojas.
        Se aquilo não é lavagem de dinheiro, não sei o que é; além de minha experiência na área de segurança pública não ter valido de nada.

        0
        • Paty 7 de dezembro de 2011 at 21:14

          eu morava lá e tinha dinheiro para comprar .. e nao participava de nenhum esquema de lavagem de dinheiro… eu sou filha da terra, morei mais de 10 anos fora de CG, mais nasci nessa cidade linda. Eu tbm conheço muita gente que tem dinheiro e sao pessoas de bem que nao possuem fazenda e nem participam de lavagem de dinheiro mais sao pessoas de bem.. falando assim vc desrespeita minha familia e amigos… uma pena esse seu comentario…

          0
        • Paty 7 de dezembro de 2011 at 21:21

          Sergio eu sou de campo grande, morei muito tempo longe de cg, na bahia, nos eua e em sc, eu conheço muita gente mais muita gente que tem dinheiro e nao pertencem a nenhuma organizaçao de lavagem de dinheiro ou possuem fazenda, para ter dinheiro é so economizar e guardar,eu mesmo poderia comprar um imovel em cg so nao o fiz por que sei que nao é a hora e sei que nao devemos comprar nada na alta e entendo tbm da lei da gravidade, td que sobe desce.. me desculpe mais esse seu comentario me ofende, ofende a minha familia e meus amigos uma pena que no Brasil exista tanta gente de visao limitada… uma pena

          0
        • Paty 7 de dezembro de 2011 at 22:23

          outra coisa a companhia de energia é enersul.. vc conhece muito o estado hem….

          0
  • jayme 7 de dezembro de 2011 at 11:53

    a pergunta de R$ 1.000.000,00 – nao da nem pra compra 1qto/sala na sernambetiba :((

    0
    • augusto 7 de dezembro de 2011 at 12:14

      Não se preocupe, Jayme, porque um imóvel nestas condições nunca será vendido, nem para voce, nem para mim, e nem para ninguém

      0
      • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:53

        mas tem muito imóvel por aí que está sendo anunciado nessa base

        0
        • augusto 7 de dezembro de 2011 at 16:24

          Fique calmo amigo, pois anunciar é fácil, o dificil é achar trouxas que paguem estes preços por caixinhas de fosforo.
          99,9% ou até mais destes imoveis nunca existiram ou serão vendidos, é puro blefe de que quer tapear otarios

          0
  • mahmoud 7 de dezembro de 2011 at 12:26

    Acho que o dinheiro sujo tem uma parcela considerável no mercado de imóveis

    Quem viu o Fantástico do último domingo? Estava mostrando Auditores da Receita que subornavam grandes empresas. Só um desses auditores tinha 20 imóveis, fora os outros que também torravam em vários imóveis.

    Tenho um amigo que mora em um condomínio de aps que custam entre 1,5 milhão a 3 milhões. Ele disse que lá moram Fiscal do Ibama, Fiscal de Tributos, Juiz do Trabalho, Diretor de Concessionária, ou seja, profissões que ganham cerca de R$ 10, 12 mil líquidos e que estão comprando aps de mais de R$ 2 milhões. Reparem que são profissões altamente corruptíveis. Isso que é uma cidade média, eu fico pensando em uma cidade como o RJ onde vai ter Olimpiadas, Copa, com tantas obras, construções, empreiteiras, empresas, o tanto de dinheiro que rola por fora desde lavagem até suborno de funcionários públicos. Um outro amigo meu acabou de vender uma sala e recebeu o pagamento de R$ 250 mil em uma mala de dinheiro.

    0
    • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:36

      MAs mesmo com o mercado em alta eles precisam ter uma parte (de 20 a 50%) do dinheiro legalizado para poder justificar a operação, como eles conseguem?

      0
      • Cleyton 7 de dezembro de 2011 at 13:38

        Para isso servem os laranjas.

        0
        • eam 7 de dezembro de 2011 at 13:47

          Mas vcs não acham que esse cenário só se justificaria diante um pomar, quiçá um latifúndio dos ditos “cítricos”, a ponto de influenciar todo o mercado???

          0
          • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:52

            certamente

            0
          • Ader 7 de dezembro de 2011 at 14:27

            Não subestimem a força, a influência, a cara de pau, a malandragem e a certeza da impunidade dos corruptos brasileiros…

            0
  • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:46

    A gente sempre ouve ou fica sabendo de casos de corrupção e lavagem de dinheiro e até parece que nos últimos anos isso vem se intensificando, mas imaginarmos que isso conseguiu interferir no mercado de imóveis como um todo me parece ser exagerado ou então a coisa está MUITO PIOR e aí só falta fechar o país!!!

    0
    • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:58

      espero que eu esteja errado com relação a isso…

      realmente espero!

      0
  • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 13:51

    Acho que a única solução para tirar a dúvida seria informatizar todo os registro de imóveis do país e cruzar os dados declarados com os proprietários de móveis e suas respectivas rendas declaradas, só assim para pegar:

    1) Cara que não tem renda mas tem imóvel caro no nome e que não veio de herança ou doação
    2) Cara que possui imóveis declarados e não declarados, achando que ninguém iria ficar sabendo
    3) Outros casos escusos ou pouco esclarecidos que seriam chamados a explicar a situação direitinho ou ir dar um passeio onde o sol nasce quadrado

    0
  • Marcos 7 de dezembro de 2011 at 14:07

    TERÇA-FEIRA, 6 DE DEZEMBRO DE 2011
    Brasil, Crise global | 14:06
    Indústria: aumenta a ociosidade

    colunistas.ig.com.br/ricardogallo/2011/12/06/industria-aumenta-a-ociosidade/

    Com o aumento do salário mínimo em 14% e esfriamento da indústria, melhor governo fazer algo para a bolha não estourar. Qual a carta na manga?

    0
  • me 7 de dezembro de 2011 at 14:16

    Existe alguma explicação para o timing? Quero dizer, porque isso só começaria anos atrás?

    0
  • Ader 7 de dezembro de 2011 at 14:17

    Reprodução de um post anterior sobre o assunto

    Anonymous disse:
    24 de novembro de 2011 às 18:47

    Conforme previsto no BLOG, alguns imóveis estão sendo comprados com dinheiro de corrupção. Segue noticia sobre cidade no interior de SP.

    eptv . globo . com/piracicaba/noticias/NOT,1,5,380611,Megaoperacao+embarga+50+imoveis+comprados+com+valores+superfaturados . aspx

    A megaoperação realizada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e o Ministério Público de cinco cidades do interior embargou 50 imóveis que foram comprados por integrantes do grupo denunciado. A Justiça concedeu mandados de busca e apreensão que resultaram na prisão de 12 pessoas, entre elas a mulher prefeito de Limeira, Constância Félix, nesta quinta-feira (24). Um imóvel em Piracicaba faz parte da lista. Há ainda imóveis em São Carlos, Limeira, Mogi Migim e São Paulo.

    De acordo com a investigação, os imóveis eram comprados em nome de pessoas próximas (“laranjas”), com valores acima do mercado, totalizando R$ 22 milhões. O grupo é investigado pelos promotores por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, sonegação fiscal, furto qualificado e falsidade ideológica.
    Responder

    *
    Ader disse:
    24 de novembro de 2011 às 19:55

    Até onde me lembro, fui o primeiro a postar sobre o assunto fazendo uma pergunta ao MRK. Em conversas com amigos surgiu essa informação, pois na época morava em Manaus (2008 a 2010) e era inacreditável ver a cidade mudar de casebres de madeira à verticalização com apartamentos de valores inacessíveis para um ser humano normal poder pagar, lá rola muita grana, muita corrupção mesmo, é o terceiro PIB do país. Hoje moro em BH, aqui também está tudo muito caro mas acho que a corrupção é bem menor.
    Responder

    0
    • Ader 7 de dezembro de 2011 at 14:30

      Complementando, em Manaus “se gritar pega ladrão! Não fica um meu irmão.”

      0
  • Marcos 7 de dezembro de 2011 at 14:19

    QUARTA-FEIRA, 7 DE DEZEMBRO DE 2011

    Mais de 25 mil pessoas físicas deixaram a bolsa neste ano

    papobovespa.blogspot.com/2011/12/mais-de-25-mil-pessoas-fisicas-deixaram.html

    0
  • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 14:27

    O efeito maior da alvagem é derrubar preços, explico:

    Primeiro, acho que a lavagem de dinheiro no mercado imobiliário é insignificante, considerando todos os bons argumentos acima do Mrk e demais.

    A lavagem pode ocorrer na construção…
    Raciocina: vc compra o terreno, declara, ok. Gasta pra construir rápido, tijolo, pedreiro, taxase etc…
    Depois declara o imóvel, ou vende ou transforma num restaurante
    Tudo o que vc auferir a partir daí tem como justificar, mesmo que vc esteja tendo prejuízo, gastando mais do que ganhou, o seu ganho tem certidão.

    Nesse sentido a lavagem derruba o valor do mercado, e não aumenta.

    0
    • Ader 7 de dezembro de 2011 at 14:38

      Acredito que há muitos casos de lavagem de dinheiro no mercado imobiliário, mas não foi o motivo que desencadeou todos esses aumentos que vemos hoje. Quem lava dinheiro com imóveis está apenas aproveitando uma boa oportunidade com tantos imóveis disponibilizados para serem comercializados. De forma alguma esta bolha está relacionada com lavagem…

      0
  • FQ 7 de dezembro de 2011 at 14:54

    3 Pontos importantes:

    1 – Como disse Mrk, a lavagem de dinheiro em imóveis existe sim, mas sempre ocorreu. Não surgiu agora e nem muito menos teria crescido tanto a ponto de fomentar os preços dos imóveis.

    2 – Na compra de apartamentos novos (Gafisa, Cyrela,…) é impossível lavar dinheiro ou não declarar o valor real da compra. A lavagem de dinheiro só poderia ser feita em imóveis usados com valores venais desatualizados e a bolha foi provocada, principalmente, por imóveis novos!

    3 – O texto do tópico é ingênuo e ao contrário do que se auto-proclama a ser, não tem experiência no mercado e na declaração de bens imobiliários, mostra-se infantil e elaborado por quem nunca efetuou uma declaração de bens para a Receita. Atualmente todos as negociações só podem ser declaradas com o CPF (ou CNPJ) das partes envolvidas e todos os dados são cruzados, para se efetuar uma suposta “lavagem”, esta tem que ser em comum acordo entre as partes e exatamente iguais nas declarações, aonde o vendedor economizaria no lucro imobiliário e o comprador poderia omitir a despesa real (lavagem) e gastaria o dinheiro sem mostra-lo ao fisco.

    0
    • FQ 7 de dezembro de 2011 at 15:08

      Mas, de qualquer forma, acredito que o tópico foi bom para elucidar o fato.

      Valeu Bolha.

      0
      • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 15:55

        bate, depois assopra, rsrs

        aproveitando:
        Poderia estar havendo lavagem de dinheiro externo???

        não tenho a menor idéia como isso funciona.

        0
        • FQ 7 de dezembro de 2011 at 16:09

          Luis,

          Morde e assopra??? Quem pediu para criticar o texto foi o próprio autor do tópico, o Bolha! rsrs O texto não é dele. Leia com atenção que você vai ver escrito no final do tópico:

          “E vocês, nossos leitores, o que acham desta opinião ?”

          Ploc!

          0
          • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 16:32

            morde???
            se eu ler com atenção vc tbm vai?

            0
            • FQ 7 de dezembro de 2011 at 16:50

              Luiz, a expressão “folclórica” popular é “morde e assopra”. Não coloquei entre as aspas, ou seja, o texto é meu e não uma citação. Leia com atenção! rsrs

              0
              • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 18:27

                desculpa a ignorancia, eu não assito novela

                0
                • FQ 7 de dezembro de 2011 at 20:27

                  ???

                  0
    • Fabiano 8 de dezembro de 2011 at 22:27

      Caro Felipe, acredito que o leitor que encaminhou o artigo é menos ingênuo e burro do que você imagina. veja o trecho da cartilha do COAF sobre lavagem de dinheiro no mercado imobiliário e trechos de reportagens tiradas da internet que coloco abaixo. Ingenuidade é achar que os mecanismos de controle da receita e do COAF são perfeitos como alguns colegas mencionaram acima. Lavagem de dinheiro com imóveis só parece difícil para quem é honesto.

      “Mercado imobiliário – a lavagem de dinheiro é uma prática muito freqüente no setor imobiliário. Por meio da transação de compra e venda de imóveis e de falsas especulações imobiliárias, os agentes criminosos lavam recursos com extrema facilidade, principalmente se eles utilizam recursos em espécie. A criatividade das organizações criminosas faz com que suas atuações no setor sejam extremamente dinâmicas, dificultando o trabalho de
      detecção das ilegalidades. A ausência de controle do setor imobiliário também facilita a ação dos criminosos.
      https://www.coaf.fazenda.gov.br/downloads/cartilha.pdf

      COAF multa empresas do setor imobiliário
      http://cartilhadofgts.com.br/?category_name=coaf-multa-empresas-do-setor-imobiliario

      Traficantes lavam dinheiro com imóveis
      ESTRATÉGIA
      DILSON PIMENTEL
      Com o dinheiro da venda de drogas, os traficantes, no Pará, compram principalmente imóveis. É uma das maneiras de “lavar” os recursos ganhos de forma criminosa. “Detectamos que 90% do lucro das drogas é ‘lavado’ em compra de imóveis, que são colocados sempre em nome de parentes”, diz o delegado Hennison José Jacob Azevedo, diretor da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), ligada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). Segundo ele, o grande traficante, ao ser preso, não fica mais pobre. Ao contrário. “Ele fica mais forte ainda, pois a Polícia apreende somente a droga, mas o dinheiro fruto do tráfico continua com o traficante”, completa.
      É por isso que, de dentro da cadeia, o criminoso continua gerenciando seus negócios criminosos, “ficando até mais poderoso”, acrescentou o policial civil. Hennison também informa que o dinheiro é depositado em contas-correntes que não são localizadas pela Polícia. Muitas vezes, diz o delegado, os imóveis são comprados na periferia da cidade. As investigações da DRE descobriram que um certo traficante, que hoje está na cadeia, construiu vários kitchenettes no município de Marituba.
      Ainda segundo as apurações, um outro traficante tem um imóvel em Belém que vale quase R$ 1 milhão, afirma Hennison.
      http://parabrasilurgente.blogspot.com/2011/06/traficantes-lavam-dinheiro-com-imoveis.html

      0
  • Paulo SCSul 7 de dezembro de 2011 at 15:20

    Se é possivel fazer lavagem de dinheiro com imoveis, porque so agora este tipo de atividade esta aumentando o preço dos imoveis. Se lavagem de dinheiro aumentasse o preço dos imoveis, os mesmos estariam caros desde que o Brasil é Brasil.

    Se o cara quer lavar dinheiro mesmo, ele vai a uma igreja, da 10 milhoes e o pastor diz que foi tudo doação, pois igreja não emite nota e o doador é anonimo.

    0
    • xyz 7 de dezembro de 2011 at 23:19

      Simplesmente porque nunca houve tanto dinheiro sujo circulando.

      0
  • Mineiro BH 7 de dezembro de 2011 at 15:26

    Jornais de hoje… falando em lavagem, vejam os volumes mencionados… vindo inclusive aqui pra BH, gostaria de saber quantos imóveis eles compraram…

    ——————————–

    (…)
    As investigações apontaram que moradores do Complexo faziam depósitos fracionados e sucessivos, com valores não compatíveis com suas rendas, em contas correntes de empresas fantasmas de Belo Horizonte, em Minas Gerais, que seriam do ramo mercantil. Em dez meses, foram movimentados cerca de R$ 80 milhões em apenas quatro empresas. Num único dia, em 4 de janeiro de 2011, foram movimentados R$ 16 milhões numa única conta.

    – O diferencial dessa operação é que estamos conseguindo estagnar os depósitos. Isso é prejudicial para eles, que agora não têm como lavar o dinheiro, pois o gestor do processo foi preso – disse o subchefe operacional da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso.

    Ao todo estão sendo cumpridos 24 mandados de busca e apreensão no Complexo do Alemão, Olaria, Anchieta e Cordovil. Os agentes ainda tentam cumprir um mandado de prisão. Entre os seis mandados expedidos, havia um contra Macarrão, que já está preso, e outro contra o irmão dele. Os outros procurados são os responsáveis financeiros das empresas. Durante a operação foram capturados, em Belo Horizonte, os donos de quatro empresas que lavavam dinheiro do tráfico. Segundo a polícia, ele são Heitor Fernando Carneiro da Silva, apontado como o cabeça da organização; David Walisson da Silva e Ricardo Henrique Miranda Moreira. Este último é sócio de duas empresas que recebiam depósitos do tráfico do Complexo do Alemão.

    Os mandados de busca e apreensão no Rio estão sendo cumpridos em residências de pessoas que recebiam do tráfico para fazer depósitos em diferentes contas correntes. Chamados pela polícia de “agentes depositantes”, eles estão sendo investigados e poderão ser indiciados no processo.

    A 2ª Vara Criminal de Maricá decretou o sequestro dos saldos e também bloqueou R$ 5 milhões e as contas correntes que faziam parte do esquema de lavagem de dinheiro. As investigações foram realizadas pelo Núcleo de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (NUCC-LD), em parceria com a Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), e com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core).

    No dia 1º deste mês, foi realizada a operação Scriptus, que resultou na prisão de 16 pessoas acusadas de envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro articulado pelo traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, que está preso há dez anos em penitenciárias federais de segurança máxima. O Núcleo de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, da Polícia Civil, identificou cinco empresas usadas para lavar os lucros obtidos por Beira-Mar com a venda de drogas e armas. Juntas, as firmas — com sedes em Foz do Iguaçu (PR), Belo Horizonte (MG) e Campo Grande (MS) — movimentaram R$ 62 milhões em 2010.

    0
  • Charles 7 de dezembro de 2011 at 15:26

    Preço de imóveis não deve cair, afirma Bueno Netto Empreendimentos
    Por Chiara Quintão | Valor
    SÃO PAULO – O mercado não suporta mais aumentos de preços de imóveis, segundo o presidente da Bueno Netto Empreendimentos, Adalberto Bueno Netto. “O comprador não quer e não vai pagar por novos aumentos. Não vamos trabalhar contra o mercado. Não vamos ter altas de preços no próximo ano”, disse o executivo. Mas, conforme Bueno Netto, não há expectativa também de redução de preços dos imóveis.

    Ele disse não esperar queda dos valores cobrados pelos terrenos, assim como dos custos com mão de obra, ainda mais quando se considera que haverá o início da execução dos empreendimentos para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016.

    “O mercado já deu sinais de que o preço parou, mas nós não podemos mais arcar com altas dos insumos.” É preciso rever, portanto, segundo ele, a produtividade do setor, por exemplo, reduzindo o prazo das obras, o que permite economia de custo administrativo. “O primeiro ponto para melhorar é a competitividade da execução das obras, para produzirmos mais depressa.”

    Em relação aos materiais, ele afirmou que o valor dos insumos no Brasil é o dobro do mercado internacional e defendeu as importações. “Temos de abrir o mercado para a instalação de novos fornecedores, com o objetivo de haver mais competitividade”, disse.

    Bueno Netto ressaltou que o setor vive momento de inflexão da curva dos últimos quatro anos, iniciada com a abertura de capital das empresas, em que fontes de recursos como a poupança foram suficientes para atender à demanda. O período foi marcado também pelo crescimento da economia, ressaltou Bueno Netto. “O crescimento foi a principal característica do ciclo.”

    Segundo ele, os terrenos no município chegaram a ter altas de 300% no período. Nos últimos quatro anos, os estoques de outorgas onerosas e Cepacs, que permitem ampliar o potencial consultivo, foram bastante reduzidos, de acordo com o executivo.

    Ele citou também que o setor imobiliário é um dos mais onerados com carga tributária e taxas, e que os custos com Cepac também devem ser contabilizados como tributação.

    Bueno Netto acrescentou que o setor está tendo dificuldades com mão de obra e com entregas, por falta de qualificação de profissionais.

    O quadro de alta de custos de insumos e mão de obra foi transferido para o comprador, o que fez com que o preço médio do metro quadrado para a classe média passasse de R$ 3 mil para R$ 7 mil na cidade de São Paulo no período, quando também houve expressivo aumento no volume comercializado.

    Já o presidente do Secovi-SP, o Sindicato da Habitação, João Crestana, disse que o mundo está olhando para o Brasil de forma sem precedentes, e que é necessário olhar o mercado imobiliário de maneira globalizada.

    Segundo Crestana, o mercado imobiliário “está bom”, ainda que não excepcional. “Estamos num bom caminho, mas temos muitos desafios”, diz Crestana, ressaltando que incorporadoras, imobiliárias e administradoras precisam estar unidas.

    (Chiara Quintão | Valor)

    0
  • Menino_do_Rio 7 de dezembro de 2011 at 15:46

    No início do ano, recebi uma proposta de compra da quit em copa. Não iria aceitar por razões que vocês discordam (e muito), mas continuei a negociação só para servir de termômetro para futuras negociações. Como achei a pessoa muito ingenua perguntei como seria o pagamento, ele disse a vista. Daí fui perguntando qual era o banco dele, como seria a transferência, se seria um TED etc. Ele disse que seria dinheiro em espécie, disse que iria pensar e não liguei para ele (no cartão que ele me deu ele era gerente de vendas). O porteiro do prédio disse que ele apareceu outras vezes me procurando e ligou várias vezes dizendo que não tinha problema por estar alugado. Lógico que pedi para dizer que já tinha vendido para o inquilino, e ele desistiu. Já fui procurado outras vezes por uns corretores muito suspeitos…

    0
    • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 16:35

      não somos tão diferentes assim
      leva uma inércia de tempo até a curva flertir

      se eu fosse dono de uma quit em ipanema, estaria pensando seriamente em vender exatamente agora

      mas tem que se antecipar pq quando a tendencia muda, o tempo de venda muda mais ainda, e aí vc pode perder o timing.

      0
    • Anonymous 7 de dezembro de 2011 at 17:37

      Menino,

      … Ele disse que seria dinheiro em espécie …

      Eu até acreditária que alguém estaria disposto a comprar imóvel no Rio de Janeiro, À VISTA, nesse nível de preços, DESDE QUE o dinheiro tivesse origem em venda de drogas. Voce perguntou se o potencial comprador conhecia o NEM?

      0
    • Troll 14 de janeiro de 2012 at 11:26

      Já ouviu falar em derivada igual a zero?

      0
  • Elias 7 de dezembro de 2011 at 15:58

    Aplicações na poupança caem 97,1%
    Autor(es): FERNANDO NAKAGAWA /
    O Estado de S. Paulo – 07/12/2011

    Cadernetas atraíram R$ 30,6 mi em novembro, pior resultado para o mês desde 2002; no acumulado do ano, a capitação é de R$ 10,5 bi
    (…)

    “O resultado do mês é anormal. Novembro é um mês geralmente com folga no orçamento familiar graças ao 13º salário. Talvez antevendo esse desempenho, o governo pode ter corrido para incentivar a economia”, diz o professor de finanças do Insper, Ricardo José de Almeida, ao comentar que ficou surpreso com os dados.

    (…)

    “Isso pode ser o primeiro sinal de que o endividamento das famílias chegou a um limite. Porque se as dívidas aumentam e cresce o comprometimento da renda, chega um momento em que não há mais como poupar”, explica Almeida.

    Se essa hipótese for confirmada, o professor diz que a recente medida do governo de incentivar as operações de crédito pode ser entendida como uma “boia de resgate” para quem está nessa situação de grande endividamento porque, com mais oferta de financiamentos, os clientes ganham um bom instrumento para “rolar” as dívidas.

    h t t p s://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/12/7/aplicacoes-na-poupanca-caem-97-1
    ————–

    Acho importante prestar atenção nos próximos movimentos.

    Na bolha imobiliária do Japão, a bomba estourou quando os mutuários superendividados não conseguiram mais rolar suas dívidas.

    Ademais, é mais um sinal de que a fonte de recursos da poupança secará em breve.

    0
    • peterson 7 de dezembro de 2011 at 17:28

      esta noticia DEVERIA VIRAR TOPICO, não especulações de que lavagem de dinheiro cria bolhas, é ilógico e improdutivo e nem gastarei meu tempo tentando contestar, agora esta matéria é RELEVANTE E MUIIIIIIIITO, pois trata-se de um indicador esperado ( nós esperávamos), com ele confirma-se aquilo que muitos aqui falam, que as familias brasileiras estão SIM muito endividadas e não somente poucas delas como vem mensurando outros dados dos bancos. Isso também mostra que não há um relacionamento dos empréstimos e que a divida compromete GRANDE PARCELA das economias a ponto de quase zerar pois 30 milhões é uma mega sena acumulada, temos portanto problemas sérios em curto prazo sendo combatidos pelo governo com as medidas da semana anterior, TUDO SE ENCAIXA, alguns desse blog possui grande sintese de percepção, outros nem tanto e alguns são completamente emotivos com os movimentos e não percebem a grandiozidade do blog no coletivo, o quanto estamos prevendo o futuro baseado nos movimentos do presente… acertamos mais uma! ( se fosse um investimento seria lucro de 10% rsrsrs)

      0
      • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 17:50

        do mesmo Fernando Nakagawa, da Agência Estado, 07 de dezembro de 2011

        Fluxo cambial é negativo em US$ 168 mi na 1ª semana de dezembro
        Diferente das últimas semanas, saldo foi liderado pelas operações de câmbio para o comércio exterior

        Dezembro começou com a continuidade do movimento de saída de dólares do Brasil.

        acabou a crise lá… Adeus dinheiro.
        pior, com a China em declínio

        0
        • Felipe 7 de dezembro de 2011 at 21:23

          Vamos ver qual é a próxima jogadinha pra ver se adiam mais um pouco. E o engraçado é que, quando dizemos isso a pessoas do nosso convívio, acham um absurdo, que estamos torcendo contra e não sei o quê. Mais tá na cara de todo mundo!

          0
        • Q 8 de dezembro de 2011 at 00:12

          É verdade Luiz, se eles conseguissem resolver a crise européia e/ou americana, no dia seguinte ia sair tanto dinheiro do Brasil para lá que acho que os computadores do Banco Central iam travar!!

          0
    • Bolha Imobiliária 7 de dezembro de 2011 at 16:12

      Aham…a partir da meia noite estará no ar

      0
  • simone 7 de dezembro de 2011 at 17:06

    Nova proposta para Lei da Copa limita meia entrada e libera álcool
    O Deputado Vicente Cândido (PT-SP) apresentou ontem seu parecer sobre a Lei Geral da Copa, o qual libera a venda de bebidas alcoólicas em estádios. A permissão vai além dos eventos da Fifa (Copa das Confederações e Copa do Mundo) porque promove alteração no Estatuto do Torcedor para garantir a mudança também em jogos de campeonatos nacionais.

    . O relatório, atendendo à demanda da Fifa, limita o direito a preços mais baixos em ingressos para estudantes e idosos a uma cota social, que atenderá também a indígenas e beneficiários de programas de transferência de renda, caso do Bolsa Família. Como já foi acertado um pedido de vista, o projeto será votado pela comissão na próxima semana.

    . A liberação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios é uma exigência da Fifa para atender a um de seus patrocinadores, a americana “Budweiser”. O relatório altera o Estatuto do Torcedor para determinar a permissão da venda em bares, restaurantes ou estabelecimentos similares dentro dos estádios.

    0
    • Frank 7 de dezembro de 2011 at 19:57

      “limita o direito a preços mais baixos em ingressos para estudantes e idosos a uma cota social, que atenderá também a indígenas e beneficiários de programas de transferência de renda, caso do Bolsa Família”

      convenhamos, isso é uma palhaçada inexplicável.

      carteiras de “estudantes” com 35 anos…tá bom.

      0
      • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 20:04

        Tenho 10 anos a mais e sou estudante… de pós

        0
  • Paulo Rocha 7 de dezembro de 2011 at 17:37

    Enquanto isso a bolha na China continua a estourar….

    youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=5Vm7DRQ6tPU#!
    blogs.worldbank.org/transport/rise-of-the-chinese-ghost-town

    0
  • Zoom 7 de dezembro de 2011 at 18:05

    Povo, acho q ess matéria não tem nada de mais…. olham aí.

    Mercado imobiliário não vai conseguir manter preços altos em 2012

    SÃO PAULO – O mercado imobiliário chega a um momento de inflexão na curva de crescimento, iniciada há cerca de quatro anos, avalia o presidente da Bueno Netto Empreendimentos, Adalberto Bueno Netto. Ele avalia que, em 2012, os consumidores já não estarão mais dispostos a pagar os elevados preços praticados pelo mercado imobiliário.

    Durante a mesa-redonda com o tema “Perspectivas para o Brasil em 2012 e Tendências do Setor Imobiliário”, realizada nesta quarta-feira (7) pela Fiabc/Brasil (edição brasileira da Federação Internacional das Profissões Imobiliárias), em parceria com a Secovi-SP (Sindicato da Habitação), Netto afirmou que o mercado consumidor já começou a dar sinais de que não pretende sustentar mais os elevados preços das casas. Desta forma, acredita que as empresas não vão conseguir continuar praticando preços altos.

    Valorização dos insumos
    Durante seu discurso, Netto explicou que, do lado das construtoras, o cenário não é otimista. Todos os principais insumos do setor, como terras, materiais de construção e mão de obra vêm apresentando aceleração nos preços.

    No caso dos terrenos, os preços chegaram a valorizar 300% nos últimos quatro anos, pontua Netto, ressaltando que não espera queda dos valores para os próximos anos. Ele cita os preços dos terrenos na periferia, que há quatro anos custavam R$ 300 o metro quadrado e hoje já são comercializados por R$ 1 mil.

    A mão de obra também segue pressionando os custos das construtoras, desde os profissionais mais qualificados, como os engenheiros, até os menos qualificada, como pedreiros, serventes e mestres de obras. “Qualquer engenheiro que ganhava R$ 3 mil há quatro anos hoje ganha na faixa de R$ 10 mil a R$ 12 mil. O pessoal de obras antes ganhava R$ 1 mil hoje tira R$ 5 mil, R$ 6 mil”, diz Netto.

    “Esse quadro completo de custos foi sendo transferido, até o momento, de uma forma direta para o comprador”, explicou Netto. O consumidor acompanhou nos últimos quatro anos esse aumento de preços, mas parece que chegou ao seu limite. “O mercado não suporta mais o aumento de preços, o comprador não quer e não vai pagar novos aumentos”, observa Netto.

    Para confirmar essa tendência, Netto ainda citou dados sobre o mercado imobiliário de Miami, onde cerca de 20% dos negócios feitos por lá são de brasileiros. “O comprador usa seu dinheiro onde melhor interessar”, afirmou Netto.

    Produtividade da construção civil
    Apesar do difícil cenário da construção civil, Netto ainda vê saídas. A melhora da produtividade, por exemplo, seria uma delas. É preciso rever o modelo atual de produtividade, já que este leva em conta um custo baixo de mão de obra, o que não existe mais.

    Permitir a abertura do mercado nacional para mais empresas estrangeiras, que comercializam materiais de construção, seria outra ajuda, já que aumentaria a concorrência e pressionaria os preços desse insumo para baixo.

    Fonte. Infomoney 07/12

    0
    • Luiz 7 de dezembro de 2011 at 18:26

      numa construção, segundo ele:
      qualquer engenheiro ganha 12 mil
      qualquer pedreiro ganha 6 mil.

      Os dados do IBGE 2010 não mostram isso não.
      A renda média de um brasileiro qualquer ainda está em 700 reais.
      ou alguém acha que pedreiro é assim um cargo sensacional?

      Sabe o que me espanta: o nível de conhecimento desse presidente de qualquer coisa.

      0
      • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 20:19

        Interessante que o INCC nao subiu tanto, e os custos de insumos, forma MDO nao subiram alem da inflacao… lembrando ainda que a MDO é só uma parte do custo, entao somente uma parcela do aumento está explicada por profissionais que ganham mais, e olha que isso não é generalizado, mas é só para aqueles que tem maior produtividade.

        Outra parcela são os terrenos, mas isso tb faz parte da bolha…

        0
      • Felipe 7 de dezembro de 2011 at 21:27

        Luiz, o piso salarial de engenheiro é de 8,5 mínimos, se não me engano.
        Mas tem muiiito engenheiro que ganha bem menos e tem alguns que ganham bem mais.

        0
        • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 22:13

          8,5 se ele tiver jornada de 8 horas. Se for jornada de 6 horas sao 6 SM

          0
    • FQ 7 de dezembro de 2011 at 20:33

      Zoom,

      Excelente texto! Sensato e coerente.

      Vale a pena ler.

      No Rio e em Sampa os salários de Gafisa e Cyrela já estão neste patamares.

      0
      • shakespeare 7 de dezembro de 2011 at 20:42

        Entao estao errados, o mercado nao tem como pagar isso, a prova está aí com as vendas paradas e o número de lançamentos diminuindo… em breve começarão as demissões

        0
  • Um passarinho me 7 de dezembro de 2011 at 21:45

    Onde isso vai parar? Rio a segunda cidade mais cara da América! Detalhe: Em 2008 ocupava a posição 141 no mundo e hoje é a 22a.

    Seria bom cruzar esse dado com o ranking de renda per capita das cidades pra revelar o tamanho da distorção.

    http://exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/rio-de-janeiro-e-segunda-cidade-mais-cara-da-america-2?page=1&slug_name=rio-de-janeiro-e-segunda-cidade-mais-cara-da-america-2

    0
  • Ghaspar 8 de dezembro de 2011 at 12:57

    Parabens ao autor do artigo…..Se me permitem , gostaria de cpmplementa-lo com exemplo numerico:
    Segundo o proprio Governo, pegue-se um cidadão da Classe A – considerado RICO:

    Suponha-se que esse individuo, RARISSIMO no Brasil ganhe 12.000,00 por mes…..
    Após o I.R. restam-lhe aprox. 8.500,00 ….liquidos
    Compromete 3.000,00 na prestação de um imóvel DURANTE 30 ANOS. Sobram-lhe 5.500,00
    Um individuo desses não anda a pé ou em transporte publico.
    Agregue-se mais 1.000,00 para automovel ( aí incluidos IPVA, prestaçao/ depreciação, Seguro, Combustivel, Manutenção/Revisoes etc etc )
    Sobrou 4.500,00…..Agora adicione-se CONDOMINIO, Conta de luz, Telefones….
    Até agora falamos exclusivamente de custos FIXOS…
    Se tiver filhos em idade escolar e planos de saude, este bem remunerado cidadão está liquidado……e FORA DA ECONOMIA…
    Pra trocar uma geladeira ou um fogão, vai ter que rebolar…….kkkk

    0
  • Adriano 12 de dezembro de 2011 at 21:26

    Por coincidência hoje um amigo me disse que a lavagem de dinheiro com imóveis em Brasília e arredores é em escala industrial. Lavanderia industrial.

    0