Enquanto isto em Curitiba… Parte 2

Você pode gostar...

Comments
  • MrK 4 de novembro de 2011 at 20:26

    o mais engracado eh que as pessoas justificam o preco louco pela lei da oferta e procura… eles nao estudam muito e falam bobagens, pois segundo essa lei quando maior a oferta, menor o preco… e como vemos o encalhamento de imoveis, deduzimos que a oferta eh bem maior que a demanda e o preco precisa reduzir

    infelizmente criaram aberracoes como o fipezap que permite que o preco suba sem haver venda!

    0
    • Thiago 14 de novembro de 2011 at 16:45

      Boa MrK, vejo varios empreendimentos aqui em Curitiba, mas o preço tá la na Bahia!

      A desculpa utilizada pelos corretores é sempre a mesma, a Copa blablabla!!!

      0
      • fabio 29 de dezembro de 2011 at 13:54

        Aqui na Bahia os preços estão lá em cima. Surpresa saber que em Curitiba a história é a mesma. Daqui a uns dias até os preços do imóveis da minha casa minha vida estarão acima dos 200.000 Reais. Uma economia saudavel não é aquela em que os preços aumentam desconsoladamente, isto chama-se (escravidão por dividas) e sim aquela em que as pessoas conseguem comprar o que precisam com o trabalho que tem.

        0
    • Atribulado 21 de janeiro de 2012 at 18:26

      “maior a oferta, menor o preco”

      Afff maria

      cara, nunca que voce cursou economia… e se houver um aumento maior na curva de demanda do que na de oferta???
      isso é básico

      0
  • danilo 4 de novembro de 2011 at 20:43

    Bolha, vc teria a fonte desse gráfico? Obrigado

    0
    • Observador SP 4 de novembro de 2011 at 21:10

      Danilo e MrK,

      Na minha opinião, tá todo mundo no mesmo barco. O que nós lemos nos comentários aqui do Bolha, a realidade mostra que existe a tendência de queda.
      Prezado Bolha, o Danilo tem razão. Claro que não podemos ser tendenciosos, mas é importante colocar a fonte do tema.

      0
    • Bolha Imobiliária 4 de novembro de 2011 at 22:37

      Eu mesmo fiz este gráfico a partir de pesquisas ao site imoveiscuritiba

      0
    • Glaucio 5 de novembro de 2011 at 16:55

      Danilo, pesquisando por imoveiscuritiba aqui no blog, vc vai ver que desde o segundo trimestre deste ano o pessoal vem postando a quantidade de aptos. disponíveis no site imoveiscuritiba.com.br.

      0
  • Cleyton 4 de novembro de 2011 at 20:44

    Eu já estava começando a ficar apeensivo, nos outros posts todo mundo só fala em SP,RJ, BA, e aqui nada! Bom, parece que a fama do curitibano de não ser muito de mostrar os dentes está se confirmando, acho que isso vai ficar ainda mais interessante quando o índice de queda ficar forte nas outras capitais, quando o desespero bater vai ser generalizado! Ficar botando banca de europeu de nariz empinado de frente pro tsunami não vai dar certo por muito tempo, das duas uma, ou o curitibano é muito superior aos demais concidadãos ou está sendo terrivelmente negligente…

    0
    • MadCat 21 de novembro de 2011 at 10:58

      Não é que o Curitiba é superior nem se ache Europeu….O Curitibano médio….como é o meu caso e de vários colegas…..já entendeu que a Bolha vai estourar……..assim o que fazer?

      Simples, Economizar….para que quando a bolha estourar…você esteja em Situação privilegiada….muitas incorporadoras e proprietários irão se enrolar….quem tiver dinheiro vivo na mão…vai ter excelentes oportunidades de negócio, segundo….ESPERAR..(aliás quanto mais gente esperar, mais rápido a bolha estoura, sem vendas a coisas complica)…..por que não sabemos se a bolha estoura hoje, mês que vem ….ou em 2013….mas que vai estourar isso é questão de tempo…..

      0
      • Cleyton 21 de novembro de 2011 at 12:58

        Pois é MadCat, dos conterrãneos com quem conversei não encontrei um único que admita a bolha, mesmo percebendo que os preços estão irreais o pessoal fica teimando que vai desinflar devagar. Minha irritação foi com o tom de deboche que andei recebendo do pessoal daqui, e não é gente rica não. O que quero dizer é que a menos que eles sejam melhores que os outros vão cair no mesmo buraco, como pode nas outras capitais o preço cair e aqui ninguém arreda o pé um centavo e ainda fica te tirando?

        0
  • Rodrigo 4 de novembro de 2011 at 21:08

    Hoje recebi uma proposta de um empreendimento comercial no Flamengo (Nexus Offices | Flamengo – Rua Marques de Abrantes – RJ) uma sala comprida e estreita, mas o pior é o preço R$ 750.000 por 24,5m2, são 31 mil por metro quadrado, melhor ficar no aluguel de R$ 500,00 com metragem maior em um prédio com mais movimento, a poucos metros do local.

    O corretor ainda afirmou que só resta UMA unidade ahahaha!!! Que é melhor comprar logo porque os “investidores” já compraram ahaha!!!

    Investidor que não sabe fazer conta tem um monte! Vamos a elas:

    Conta de investidor
    750.000 x 1% = 7.500,00 de aluguel em 24,5m2 ahahahahahaha

    Realidade de quem não compra esse
    750.000 = aluguel de no máximo 1.000,00 (prédio novo, mas sem movimento) = 0,132%

    Com esse valor compro 2 nas proximidades e alugo pro R$ 600,00 = R$ 1.200

    ou

    Compro 3 na “Barra da Tijuca” “perto” do centro metropolitano futuro “centro”.

    0
    • Me 4 de novembro de 2011 at 23:38

      500 de aluguel por mais de 25 m2 na marques de abrantes? Imagino que você tenha alugado antes da alta, talvez não em bom estado, e desde lá o proprietário só corrigiu pelo igp-m, certo?

      Cheguei a encontrar 25 m2 por 300 nesta época, mais próximo ao largo do machado.

      0
      • Ana 5 de novembro de 2011 at 06:51

        Mas 7500 de alugel, ele jamais aluguaria, não é verdade? Que lucro essa pessoa vai ter nessa sala comercial. Comprar sala comercial tem que visar o aluguel, mesmo que inicialmente seja para uso próprio, pois a longo prazo sempre será usado ou por vc(-se desistir do negócio, aposentadoria ou outros) ou herdeiros e obter retorno de 750000 com um aluguel no máximo a 0,3%´(-o que na verdade o aluguel é menos que esse percentual), isso é muita burrice.

        0
        • Ana 5 de novembro de 2011 at 06:52

          Erro de digitação: “aluguel” e “alugaria”

          0
        • Me 5 de novembro de 2011 at 09:13

          Mais calma, não misturemos.

          Meu ponto não é sobre rentabilidade de aluguel. É só ler o que escrevi.

          0
  • Marcos 4 de novembro de 2011 at 21:21

    Lúdio diz que prefeitura prevê aumento do IPTU

    Da Reportagem

    O vereador cuiabano Lúdio Cabral (PT) prevê um novo aumento no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). A observação do petista tem como base a proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2012.

    Segundo ele, com base na arrecadação do imposto estimada na pela orçamentária, o Poder Executivo aumentará o imposto. A LOA está orçada em R$ 1,3 bilhão.

    Vereador de oposição, Lúdio fez um comparativo na arrecadação prevista na LOA em três anos. Em 2010, a estimativa era de uma receita de R$ 23 milhões contra R$ 40 milhões em 2011, e para o próximo ano o montante estimado é de R$ 54 milhões.

    Com estes dados, explica Lúdio, a proposta do prefeito Chico Galindo (PTB) em 2010, conforme projeto aprovado pela Câmara de Vereadores, era de aumentar em 230% o imposto.

    Após a pressão popular, liderada pelo petista, o prefeito recuou do reajuste de 230% e, por meio de decreto, concedeu um aumento de 95%. Porém, este percentual foi válido para 2011. Caso, o Poder Executivo não faça um novo decreto, diz Lúdio, passa a valer o índice aprovado pela Câmara.

    A prefeitura de Cuiabá argumentou anteriormente que não se trata de aumento do IPTU e, sim, de uma correção da planta genérica da Capital. “Se para 2012 o prefeito não editar um novo decreto, passa a valer a lei aprovada de 2010, que aumenta o imposto para 230%”, afirma o petista.

    Da base de sustentação do prefeito, o parlamentar Antonio Fernandes (PSDB) diz que não tem conhecimento do aumento. “Porém, se tratando de Lúdio, o vereador só falta trazer a bíblia aqui e falar que está errada”, ironizou o tucano.

    www .diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=401251

    0
    • Roberto Cesar 5 de novembro de 2011 at 17:34

      É a Ganância. os caras começam a ver os preços dos imóveis subir descontroladamente e querem que o IPTu acompanhe também.

      Aqui nos USA o valor do “IPTU” é atrelado ao preço de venda da casa. Com a bolhas as prefeituras começaram a receber rios de dinheiro e gastaram por conta. Quando a bolha estourou as prefeituras começaram a ter uma grande perda de receita. Resultado: policial, bombeiro e professores demitidos, cancelamento de varios serviços, caos total.

      0
  • Marcos 4 de novembro de 2011 at 21:23

    Procurem reajuste IPTU no google. Todo mundo querendo morder o contribuinte. Primeiro foram as construtoras e agora a prefeitura.

    0
    • luizdvd 4 de novembro de 2011 at 23:34

      A questão do iptu agora se resolve nas câmaras. Se tivermos câmaras de vereadores que compreendam que a situação de bolha é passageira e que os preços são irreais, não teremos reajuste. Do contrário, teremos um reajuste acachapante, que vai pegar todo o mundo, inclusive os novos milionários de uma casa, que vão ter que pagar o iptu proporcional. E tem mais, isto é para agora mesmo. Se o reajuste for votado em 2012, só entra em 2013. Portanto, olho vivo nas próximas sessões das suas Câmaras de vereadores.

      0
      • Anonymous 5 de novembro de 2011 at 04:55

        Se tivermos câmaras de vereadores que compreendam que a situação de bolha é passageira – E voce já viu alguma câmara de vereador capaz de compreender qualquer coisa que seja?

        0
        • luizdvd 5 de novembro de 2011 at 12:03

          Em breve teremos eleições. O caso é pressionar. Em Porto Alegre, em diversas vezes, a Câmara rejeitou o reajuste do IPTU. Pode ser que a pressão ajude.

          0
  • augusto 4 de novembro de 2011 at 21:41

    Noticia que saiu agora a noitinha quando presume-se grande parte do povo só volta a net na segunda:

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1001910-resgates-superam-depositos-na-poupanca-em-outubro.shtml

    Junte à outras que sairam hoje ou nestes dias:

    – vendas veiculos caem mais de 10% em outubro
    – lojas Marisa tem lucro reduzido no terceiro trimestre
    – banco Votorantim dá prejuizo no terceiro trimestre
    – grupo Pão de Açucar tem vendas menores
    – vendas imóveis usados em SP tem queda de quase 15% em agosto
    – caem alugueis em SP
    – a Even anuncia descontos de até 36% no preço de seus imóveis
    – a MRV oferece de graça muita coisa a quem comprar seus imóveis
    – lojas Renner vendem bem menos
    – etc, etc, etc

    Tudo isto chega a ser explicado pelos envolvidos de maneira cômica tentando enganar trouxas e manter o povo eufórico.

    Mas com o aumento da inflação, pagando-se um preço absurdo pelos combustiveis, alimentos, serviços, etc, o povão já começa a dar sinais de fadiga e dai…………………………………….

    0
  • observadora_cwb 4 de novembro de 2011 at 22:36

    Curitiba está abarrotada de lançamentos e imóveis na planta.
    Comprei cartas de consórcios e sigo investindo meu dinheiro. Só esperando esses empreendimentos serem entregues pra ver o PLOC!!

    0
    • Bolha Imobiliária 5 de novembro de 2011 at 13:28

      Legal. Eu também estou pensando em pegar consórcios e começar a pagar. A ideia é pegar o valor minimo, ir pagando, dar o lance, ser sorteado e pegar uma nova carta. Para garantir o minimo de crédito

      0
      • Carlos Wagner 5 de novembro de 2011 at 14:23

        Para fugir dos juros do financiamento, estudei muito a opção de consorcio. Porém, encontrei muitos relatos sobre a burocracia sobre a liberação do dinheiro após a contemplação da carta. Encontrei caos em que a demora foi tanta devido a perda de validade das certidões, verdadeiro desleixo das empresas, que quando a carta foi liberada o imovel havia dobrado de preço.

        Eu entrei em contato com construtoras da região para me certificar sobre a aceitação da carta de credito mediante consorcio no mercado. Unanimemente, fui informado sobre a burocracia e exigência das administradoras que, na maioria das vezes, inviabilizaram o negocio. Cuidado também sobre o valor da carta e a comprovação da renda do comprador, pois este deve comprovar renda superior a 3x o valor da parcela. Quando se compra a carta é uma maravilha, mas esses entraves vêm quando da contemplação da carta.

        Dica: Pesquises sobre a administradora no site reclameaqui antes de fechar negocio.

        Tenho comigo que no Brasil, devemos desconfiar de tudo. Se um negocio é bom demais pra ser verdade, é porque provavelmente é bom demais pra ser verdade.

        0
        • Bolha Imobiliária 5 de novembro de 2011 at 15:10

          Carlos, por este e tantos motivos que irei começar com uma carta baixa, digamos para ajudar na compra do imovel, terreno, sei lá o que for…Não vou pegar um valor integral do imovel, pois prefiro ir guardando dinheiro aos poucos, e ajudar no lance, do que tentar a sorte de ser sorteado…

          0
        • Ademir 23 de novembro de 2011 at 14:04

          Eu cai na besteira de fazer um consórcio pela CEF, no fim das contas tive que dar um lance de quase metade do valor da carta para ser contemplado, na hora de liberar o valor foi aquela novela, levou mais de 2 meses, as certidões venceram 3 vezes, tive que tirar tudo novamente com dinheiro de meu bolso, quase perdi o negócio, consórcio da CEF nunca mais.

          0
  • Thomaz 5 de novembro de 2011 at 00:20

    A bolha imobiliária brasileira não me preocupa. É como uma daquelas feitas com chiclete quando se compara com a bolha imobiliária (e de crédito subterrâneo) da China. Num governo ditatorial que mantém o povo e a economia em rédea curta, quando a coisa explode é para destruir tudo. Para os colegas engenheiros é algo como uma viga superarmada entrando em rompimento explosivo. Vamos torcer para que a economia chinesa esfrie, e não imploda. Neste caso o mercado imobiliário brasileiro murcharia como uma bexiga de borracha. Não é à toa que o governo dividiu o crédito imobiliário em faixas. O tal programa “minha laje minha vida” é intocável, rende votos. Além disso, nenhum político vai querer ver o povão sendo despejado das casinhas da CEF, ainda que tenha de mantê-los à custa de impostos. Quem vai pagar a “bolsa fiança”? Ora, quem paga imposto e que também tem condições de pagar aluguel: a classe média “B”. Não preciso dizer o que “B” significa…

    0
  • profeta do apocalipse 5 de novembro de 2011 at 08:02

    esse crescimento de preco causado por especulador so prejudicou familias de bem que precisam do apto ou casa para moradia. tem data certa pra acabar. sei que todos sao otimistas, mas nao acredito que copa e olimpiadas vao melhorar algo. o pais é vergonhoso. muita corrupcao, propaganda e tudo que fazem é pra prejudicar a bahia e a classe média. tudo muito caro, nao temos contrapartida, nao temos seguranca, educacao nem lazer publico. quem diria que um dia ja foi bom morar em salvador. no comeco dos anos 2000 tinhamos mais opcoes de lazer, mais seguranca, tudo era melhor e as coisas mais baratas.

    quando a bolha estourar o desemprego voltará com forca. aqui em salvador entao a coisa será triste… se preparem. nao sou pessimista. sou realista. tudo comecou em 2004 com jh ganhando a prefeitura e lula a presidencia.. entao a bahia caiu num caminho de esquecimento e sendo prejudicada em quase tudo. nao que achasse que fh fizesse muita coisa, mas lula levou todos os investimentos estruturantes para estados vizinhos. até sergipe recebeu piranema( ate hoje nao produz sua capacidade, foi superdimensionada), a br 101 todos receberam, refinarias, siderurgicas etc.

    o parque eolico daqui e a mineracao praticamente n tem dedo do governo, quando tem é pra atrapalhar.. abram o olho. estamos sendo sabotados.

    o bolsa familia gerou um crescimento do interior num primeiro momento, mas o que gerou? em interiores pequenos custo de vida aumentou muito. minha casa minha divida acabou piorando a situacao. temos favelas na mesma quantidade e ninguem consegue mais comprar apartamento. pra ter um imovel decente aqui o cara precisa ser milionario ou aceitar uma divida milionaria. a coisa será feia, abram o olho por favor.

    0
    • RT 5 de novembro de 2011 at 09:53

      “mas nao acredito que copa e olimpiadas vao melhorar algo”

      Creio que nem que melhorasse muito, a recente alta de preços se justificaria.

      Lógico que, se resolvessem todos os problemas da Tijuca (por exemplo) a ponto desta se equiparar a bairros da Zona Sul, a procura lá aumentaria (pois os preços lá são – ou eram – mais em conta) e aí, haveria uma valorização (fundamentada).

      Isso é uma coisa.

      Outra é sair dobrando os preços na cidade inteira… mesmo que ela melhore muito, se os salários continuarem os mesmos, quem vai comprar?

      0
      • profeta do apocalipse 5 de novembro de 2011 at 10:08

        assim que penso.. essa merda de governo nao regulamenta nada, acaba com a classe media, enche o povo de ilusao, nao conserta a previdencia e teremos varias geracoes de emigrantes indo pra pais desenvolvidos, como sempre tivemos…

        estou errado?

        0
        • RT 5 de novembro de 2011 at 10:50

          Pra falar a verdade, ainda não consegui formar uma opinião sobre a atuação (ou falta de) do governo nesta questão.

          Hoje, tendo a pensar que quem quer vender algo pode pôr a venda pelo preço que bem entender. Se eu quiser botar um Gol de 1996 pra vender por 100 mil, eu posso. Se eu VOU CONSEGUIR VENDER PRA ALGUÉM, é outro papo…

          Infelizmente, é assim no sistema em que vivemos. Se você não tem dinheiro pra garantir a habitação, vai morar na rua. Se você não tem dinheiro pra pagar um médico ou comprar comida, vai morrer (da doença ou de fome).

          Mas também tem o outro lado: faz pouco tempo, alguém lembrou daquele desenho animado do coiote (que passa da beira do penhasco e só se “lembra de cair” quando olha pra baixo e vê que não tem mais chão). Os interessados no mercado imobiliário pensam que podem fabricar dinheiro… acham que é só dizer “meu apê vale um milhão porque vai ter Olimpíadas aqui” e pronto, estão ricos. A meu ver, já passaram da beira do penhasco, mas ainda não olharam pra baixo, e continuam caminhando (elevando os preços).

          0
          • RT 5 de novembro de 2011 at 10:53

            Só complementando: não é que eu esteja feliz com essa alta de preços não! Sou mais um que junta sua grana todo mês e sonha um dia se livrar do aluguel!

            A situação não me agrada, mas acredito firmemente que seja passageira. Morei aqui a vida toda e sei que as pessoas não enriqueceram de três anos pra cá, a despeito do alardeado “surgimento da nova classe média”.

            PLOC! Quem viver, verá!

            0
          • DRN 7 de novembro de 2011 at 10:10

            Concordo. O Estado não tem nada a ver com isso. O Estado não é conselheiro nem muleta. Pode ter realizado política pública errada (MCMV), mas não obrigou ninguém a comprar. Brasileiro tem mania de achar que quando alguma coisa dá errado a culpa é do Estado.

            Não me entendam mal. Eu acho o governo do PT uma DROGA. São comunistas safados e sem vergonha que tomaram o poder em benefício próprio e querem se eternizar lá, transformando isso aqui numa China.

            0
    • Carlos Wagner 5 de novembro de 2011 at 14:01

      O que mais me preocupa é o fato que daqui 10 anos, vamos lembrar saudosos dos dias atuais em relação a tudo, principalmente a violencia. Pois a coisa vai estar tão feia que os indices de violencia atuais serão lembrados como se vivessemos num paraiso.

      Ja pasou da hora do povo tomar uma atitude e mudar essa situação. Os maleficios governamentais estão sendo empurrados goela abaixo homeopaticamente, assim o povo não percebe tanto o agravamento da situação economica, educacional, infraestrutural e de segurança.

      Mas o fato é que estamos alcançando todos os limites suportaveis. Daqui pra frente, a coisa não vai ser boa nao, muito menos racional.

      Quantos anos mais de promessas não cumpridas e infundadas serão necessários para que a população acorde?

      0
  • Guilherme Eduardo 5 de novembro de 2011 at 10:18

    Vocês viram isso:

    w ww1.folha.uol. com.br/mercado/ 1001948-site-ponta-de-estoque-vendera-imoveis-novos. shtml

    Site ‘ponta de estoque’ venderá imóveis novos

    Imóveis novos que não foram vendidos no período de lançamento serão o foco de atuação da recém-criada RealtON. A empresa, que começa a ofertar as unidades em janeiro de 2012, propõe-se a ser uma “ponta de estoque” de apartamentos.

    Os descontos no valor de unidades prontas e semiprontas ficarão entre 15% e 20%, de acordo com a negociação com a incorporadora, segundo o fundador, Rogério Santos, que atua há 25 anos no setor imobiliário.

    O negócio será feito em sociedade com o empresário Marcelo Lima, um dos controladores do grupo Artesia.

    “Estamos fechando parcerias com as incorporadoras. Para elas, é viável disponibilizar apartamentos com preços menores porque deixarão de ter o ‘custo comercial’ e ganharão liquidez.”

    Segundo estimativas da RealtON, as despesas das empresas com unidades em estoque podem chegar a 18% do valor delas. No caso dos apartamentos prontos, há ainda outros gastos, como IPTU e condomínio.

    “Além disso, os produtos em estoque perdem apelo de vendas, sem anúncios ou estande de comercialização.”

    A companhia atuará inicialmente na capital paulista e em cidades em um raio de até cem quilômetros. “Em janeiro, serão cerca de 50 imóveis nessa região. Após seis meses, queremos expandir para Brasília, Rio, Manaus e Salvador”, diz Santos.

    O cliente fará, gratuitamente, um cadastro por meio do site (www.realton.com.br). Desde o dia 28, quando ficou disponível para acesso, foram mais de 3.240.

    “Será possível ver as ofertas e, quando houver interesse, o cliente emitirá um cupom, que garantirá a oferta. O próximo passo será entrar em contato com um dos nossos ‘hosts’ [corretores] e oficializar o negócio. A prioridade será de quem imprimir o cupom e buscar a nossa empresa antes”, afirma.

    A forma de pagamento poderá ser negociada com a incorporadora ou banco.

    ————————-

    PLOC !!!

    0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:07

      Isso pra mim é assinar uma confirmação de que há bolha, pois se tivesse como os corretores falam: “ultima unidade”, “80% vendido” etc, não precisaria ter isso.

      0
      • Marcos 8 de novembro de 2011 at 00:21

        Na via das dúvidas me cadastrei. Toda industria tem uma forma de queimar seu estoque, pra mim, faltava uma no mercado imobiliario, achei uma grande idéia.
        Será só em Sao Paulo?

        0
  • BOLHABRAZIL 5 de novembro de 2011 at 11:08

    Pessoal, estou para alugar um ap. (comprar na alta nem morta) vejam se procede tal postura do locador:
    – quer me cobrar $300 por um contrato que o advogado dele irá fazer
    – só informa o valor do cond/iptu por telefone e não diz qual o nome da imobiliaria que administra e nem mostra a guia do iptu. como saber se o valor ta certo, tem cota-extra, etc.?
    – aceitou em dividir o custo de um armario de cozinha que ira ficar no ap. mas diz que não precisa colocar no contrato (eu pago a vista e ele vai descontar em x vezes do aluguel)
    – quer receber o aluguel via deposito no banco (tá alugando direto sem imobiliaria). e meu recibo do pagamento?

    tem algum advogado por aqui para emitir uma opinião sobre os fatos narrados?

    grata

    0
    • Carlos Wagner 5 de novembro de 2011 at 14:06

      Bolha

      Eu diria que, no minimo, trata-se de uma pessoa entorpecida de má fé. Muito cuidado. No seu lugar eu procuraria outro imovel cujo proprietario seja mais confiavel.

      Tenha em mente uma coisa: Nunca faça um negocio se houver uma possibilidade iminente de voce ter que recorrer ao judiciario para resolver seus problemas. Pois, nesse caso, os problemas estão apenas no inicio e seu sono não tem preço.

      Cilada: Corre Bino, corre….

      0
      • Luiz 7 de novembro de 2011 at 12:17

        … cilada
        fuja
        ou feche por um valor metade do mercado (pessoalmente eu não fehcava nem pela metade)

        0
    • luizdvd 5 de novembro de 2011 at 15:50

      Se não és do ramo do Direito e não estás a fim de brigar, não alugue este imóvel. Além dos problemas que citastes, ainda terás a vistoria e os problemas inerentes, muito embora ela seja tida pela maior parte da jurisprudência como uma proteção do locador; terás os problemas da manutenção do imóvel, terás os problemas da devolução do imóvel. Pelo início da conversa e as próprias dificuldades da execução do contrato, não deve ser gente séria.

      0
      • luizdvd 5 de novembro de 2011 at 15:51

        Digo citaste

        0
    • Ricardo 5 de novembro de 2011 at 16:52

      Trabalho na Receita (fiscalização) e acompanho diariamente esse blog.

      Um dos motivo que podem ter levado o locador a fugir de imobiliária é o não pagamento do Imposto de Renda – I.R, além da taxa de administração.. Vamos aos fatos:

      1 – as Imobiliárias são obrigadas a declarar os aluguéis /venda na DIMOB – Declaração de operações imobiliárias para a Receita Federal;
      2 – Ao declarar a DIMOB, a Receita tem uma ferramenta para cruzar os rendimentos declarados do locador mais OS RENDIMENTOS DO ALUGUEL. Ex: se o locador já está na faixa dos 27,5% de I.R e ele receber R$ 1.000,00 de aluguel, ele teria que pagar (ou sofrer desconto) de R$ 275,00.
      3 – Entretanto, mesmo sem imobiliária, o locatário DEVE (pode) declarar no Imposto de Renda. Desse modo, a Receita não perde o cruzamento, pois cruzará os dados do locatário com os recebidos pelo locador.

      4 – Detalhe: caso o locador tente sonegar, a multa mínima é de 75% sobre o valor mais os juros Selic. Ex: Fraudou 10.000,00, paga mais 7.500,00 (multa) e juros. Se comprovado dolo/fraude, paga 150%.

      0
      • Paulo 15 de novembro de 2011 at 18:25

        Aff! eu alugo um sobrado por fora de imobiliaria e nem sabia disso, vou conversar com meu locatario se ele declara o aluguel. Como questões Fiscais são mau informadas no Brasil gente, o povo se dá mau porque a propria Receita informa mau as pessoas…. precisamos ‘cavocar’ informações…

        0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:09

      Foge que é esquema.

      0
  • Diego 5 de novembro de 2011 at 11:20

    Salão do imóvel em Porto Alegre.

    De 28 a 31 de outubro aconteceu uma feira de imóveis de Porto Alegre (http://www.salaodoimovelrs.com.br). Interessante é que a feira acabou e até hoje não vi, nem no site e nem na “imprensa”, nenhuma nota acerca do “sucesso” do evento, com os tradicionais “recordes” de vendas.

    Me parece que Porto Alegre está com estoque bastante grande tbm, na esteira de Curitiba.

    Alguém de POA foi lá e pode nos dizer sobre o movimento?

    0
  • Anonymous 5 de novembro de 2011 at 11:30

    Vai deixar todo mundo surpreso, ninguém PREVIU isso aqui.

    Site ‘ponta de estoque’ venderá imóveis novos
    www1 . folha . uol . com . br/mercado/1001948-site-ponta-de-estoque-vendera-imoveis-novos . shtml

    Imóveis novos que não foram vendidos no período de lançamento serão o foco de atuação da recém-criada RealtON. A empresa, que começa a ofertar as unidades em janeiro de 2012, propõe-se a ser uma “ponta de estoque” de apartamentos.

    Os descontos no valor de unidades prontas e semiprontas ficarão entre 15% e 20%, de acordo com a negociação com a incorporadora, segundo o fundador, Rogério Santos, que atua há 25 anos no setor imobiliário.

    0
    • Leo 5 de novembro de 2011 at 13:34

      Essa é uma ideia boa … Finalmente um corretor inteligente que vai conseguir aproveitar bem e tirar um belo cascalho no inicio da ladeira dos preços.

      0
      • Leo 5 de novembro de 2011 at 13:41

        Isso vai ser lindo d+…. investidor malandrao que foi enganado pela construtora e pelos Consultores de Investimento vao ter que disputar venda com os que venderam a ideia do sucesso. hahaha … To doido pra ver isso acontecer….

        0
        • Carlos Wagner 5 de novembro de 2011 at 14:09

          Leo

          Só discordo da parte que voce fala que os investidores malandões foram anganados pelas construtoras e corretores.

          No meu ver, ninguem foi enganado. A cobiça falou mais alto.

          É a mesma estória de quem cai no golpe do bilhete premiado.

          0
          • Leo 5 de novembro de 2011 at 15:30

            Voce esta certo.. na real, os Consultores de Investimentos (hehe) só falaram o que os “Investidores” queriam ouvir naquela ocasiao… de qualquer maneira, sera mt divertido ver isso acontecer.

            Olha, passei por uma fase muito complicada com a familia inteira me perturbando em relacao a minha decisao de vender meu AP p/ aguardar o tao esperado momento. Devido aos problemas culturais que todos conhecem, minha familia quase me internou.. hehe Me senti como na parabola da caverna… conhece? Olha esse paragrafo:

            ” Caso ele decida voltar à caverna para revelar aos seus antigos companheiros a situação extremamente enganosa em que se encontram, correrá, segundo Platão, sérios riscos – desde o simples ser ignorado até, caso consigam, ser agarrado e morto por eles, que o tomaram por louco e inventor de mentiras. ”

            Fonte -> http://pt.wikipedia.org/wiki/Mito_da_caverna

            0
            • Me 5 de novembro de 2011 at 17:49

              Leo, você vendeu seu apartamento pra viver de aluguel?

              0
              • Leo 5 de novembro de 2011 at 22:56

                Isso… Agora estou morando de aluguel e o dinheiro aplicado rendendo bem mais que o valor do aluguel. Ate agora a estrategia ta funcionando…. confesso que no inicio nao foi facil, mas é isso. A vida é feita de apostas.

                0
                • Carlos Wagner 6 de novembro de 2011 at 01:29

                  Leo

                  Voce foi esperto. Eu faria o mesmo, apesar do risco.

                  Parabens e sucesso.

                  0
                • Me 6 de novembro de 2011 at 10:22

                  Cara, parabéns. Esse assunto gerou bastante discussão. Se tem tanto proprietário por aqui que acha que tem bolha, porque não vendem e moram de aluguel? Você é o primeiro que vejo falar aqui que fez isso. Parabéns, imagino que tenho que ter muita frieza pra fazer isso.

                  0
                  • Luiz 7 de novembro de 2011 at 12:22

                    o primeiro que vendeu sim

                    mas dezenas de outros preferiram o aluguel a comprar

                    Tem mta gente agora com o dinheiro da compra na mão e ainda prefere o aluguel

                    0
                • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:14

                  Tenho um ídolo, agora..hehehehe
                  Vou fazer isso. Tava procurando algo pra comprar, mas acho que vai ser mais jogo esse seu esquema Leo.

                  0
                  • Leo 8 de novembro de 2011 at 15:09

                    O problema é conseguir vender… demorei quase 1 ano para vender.

                    0
                    • Troll 8 de novembro de 2011 at 20:58

                      Leo, imagino que tenha sido dificil de vender, mas no meu caso eu nao tenho imóvel. Só to juntando mesmo. Abs…

                      0
            • LB 7 de novembro de 2011 at 01:12

              Cara,

              Eu tô trabalhando para fazer a mesma coisa. Porém antes de vender meu AP, precisarei pôr a CEF na justiça…. é um caso meio complicado. Não sei se a decisão será favorável e vá sair a tempo de ‘vender’ na alta, mas estou esperançoso.

              Como acho que o PLOC ocorrerá mesmo no segundo semestre de 2012, acho que dá tempo….

              0
  • danilo 5 de novembro de 2011 at 11:45

    Nao acredito nesse tipo de site. Algum colega já nos trouxe o nome de uma proposta semelhante que, via internet, oferece imóveis com “grandes”descontos, mas o que vimos foram apartamentos de 3 quartos e 1 vaga por pouco menos de R$7mil o m2. Penso que, de imediato, seja mais um instrumento para divulgar ofertas, mas que na verdade continuam totalmente fora da realidade.

    0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:16

      Fico imaginando um site vendendo ap’s com descontos e chamando bolhaimobiliaria.com..hauhauahauahuahauahauhauahuahauahaua

      0
  • Cássio Pereira 5 de novembro de 2011 at 13:35

    Alguém tem os números do feirão wimóveis no df de outubro? não li nada a respeito

    0
    • Paulo 5 de novembro de 2011 at 14:05

      Notícia de um jornal sabidamente patrocinado pelas construtoras.
      h t t p: // coletivo.maiscomunidade.com/conteudo/2011-10-23/imoveis/6214/SALDO+POSITIVO+NOS+CINCO+DIAS.pnhtml

      Saldo positivo nos cinco dias

      Terminado o 6º Salão WImóveis, resultados positivos em termos de vendas e movimentação são comemorados tanto por empresários quanto visitantes

      Foram cinco dias nos quais Brasília respirou os ares do mercado imobiliário. Segunda força nacional em termos de negócios envolvendo imóveis, o Distrito Federal comemora o bom momento vivido pelo setor junto ao da construção civil. Estima-se que R$ 300 milhões tenham sido movimentados na sexta edição do Salão WImóveis.

      O segredo do sucesso está na organização. Entre os dias 19 e 23 de outubro, 35 pessoas entre colaboradores e parceiros colocaram em ação o planejamento que durou cerca de um ano. O comitê organizador foi formado por presidentes e colaboradores das principais entidades do setor de imóveis, casos da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do DF (Ademi-DF), do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do DF (Creci-DF) e da Associação dos Notários e Registradores do DF (Anoreg-DF).

      Haviam imóveis de todos os tipos e para todos os bolsos. Residenciais e comercias, apartamentos, casas ou salas, na planta ou prontos, novos ou usados, últimos lançamentos ou em liquidação de estoques. Na média geral, as transações tiveram valores entre R$ 80 mil e R$ 8 milhões, desde casas em Águas Lindas a mansões nos lagos Sul e Norte, passando por imóveis nas diversas regiões administrativas do Distrito Federal. E ainda, os tradicionais Guará, Águas Claras, Gama, Samambaia e os novíssimos Noroeste e Park Sul.

      Fernando Garrido, gerente de incorporação no Centro-Oeste da OAS Empreendimentos, acredita que o evento teve sucesso porque o mercado imobiliário brasiliense é forte e promissor. “A grande quantidade de oportunidades de trabalho geradas aqui em Brasília, especialmente na área pública, proporciona uma constante demanda por habitação. Há muitas pessoas que vêm de todo o Brasil para viver aqui”, completa.

      Sindicato vê futuro promissor para o DF

      O presidente do Sindicato da Habitação do Distrito Federal (Secovi-DF), Carlos Hiram (foto), crê que Brasília deve seguir acreditando em seu setor imobiliário para alavancar a economia. “Apesar dos anseios provocados pela crise financeira externa, Brasília se mostra alheia a isso. Tem potencial para crescer ainda mais, ao contrário do que muitos pensam, e pode fazer isso”, prevê. Hiram vai além e vê o WImóveis como o maior evento imobiliário do País. “Os números oficiais ainda não saíram, mas o fluxo de caixa dos estandes já mostra um resultado excelente. Particularmente, vejo o salão hoje como a maior reunião de vendedores e clientes que realmente fecham negócio. Foi gerado um grande valor agregado de vendas”, finaliza.

      0
      • Paulo 5 de novembro de 2011 at 14:09

        Resposta de um camarada corretor que não tem papas na língua, aparentemente um dos poucos profissionais que assumem o problema. w w w .skyscrapercity.com/showthread.php?t=1127753&page=125

        Querem saber a verdade? Esse salão wimoveis foi um fracasso total, de acordo com as informações REAIS (e não propagandas pagas), as vendas efetivamente fechadas não chegam a 30% do ano passado. Como eu disse em outro comentário, teve uma procura significativa por imóveis prontos para financiamento, na faixa de 150 a 350 mil. Lançamentos tiveram procura ínfima, quase nada. No nosso stand tivemos algumas prospecções mas venda mesmo, NADA. Isso que o stand era dos pequenos com apenas 18m², teve grande imobiliária com stand de 90m² e investimento feito de mais de 300 mil reais que não fechou nenhuma venda também.
        Mas não culpo totalmente o mercado, a meu ver aconteceram alguns erros de estratégia por parte do wimoveis tipo:
        – local errado pois o expo brasilia é muito identificado com o feirão da caixa, sem falar que o acesso e estacionamentos são muito ruins e distantes do pavilhão. O centro de convenções dá de 10 a 0 naquilo ali.
        – data imprópria, para se ter uma idéia, no sábado á noite o salão praticamente se misturou com o show do exaltasamba que ocorreu ao lado dentro do mesmo pavilhão.. na saída estava uma confusão de gente chegando para o show e gente saindo do salão. A impressão ficou péssima pois não tem nada a ver pagodeiros com casais atrás de um imóvel para comprar..
        E tem que ressaltar também que houve um pouco de falta de sorte afinal, foram dias de frio intenso, principalmente na sexta e no sábado e isso certamente afastou muitos possíveis visitantes.

        0
  • Leandro 5 de novembro de 2011 at 13:50

    Enquanto isso fui malhar em uma academia classe média alta aqui em Brasília e lá chegando encontro um corretor de imóveis de plantão dentro da academia, com mesinha e banner, anunciando seis meses grátis de academia pra quem fechar contrato.
    Em uma hora de malhação não vi o corretor conversar com ninguém…

    0
  • Rf 5 de novembro de 2011 at 13:54

    Mais uma construtora tentando queimar os estoques: Descontos Especiais e Escritura na mão GRATIS!!!

    http://www.oportunidadestrisul.com.br/site/index2.html

    0
  • Mr. R 5 de novembro de 2011 at 15:36

    Sobre o salão WIMOVEIS (paras o pessoal de outros estados, wimoveis é o site que monopoliza anúncios de imóveis no DF) que o colega mencionou acima, não há muitas fontes WEB. Mas, encontrei isso:
    1) Do ano passado:
    “…Ao fim dos cinco dias de evento, foram comercializadas 494 unidades, perfazendo um total de R$ 164 milhões em valores de venda….”

    2) Deste ano:
    “A gente teve de reajustar todos os nossos objetivos devido à crise e às dificuldades … ficamos supersatisfeitos com R$ 67 milhões e 164 unidades vendidas…”

    Referências:
    1) secovidf.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=312:5o-salao-wimoveis-cumpre-seu-papel-de-impulsionar-o-mercado-imobiliario-do-df&catid=38:ultimas-noticias&Itemid=81
    2) comunidade.maiscomunidade.com/conteudo/2011-10-29/imoveis/6587/PR%C3%83%C5%A0MIOS-AOS-DESTAQUES-DO-SAL%C3%83%C6%92O.pnhtml

    0
    • Anonymous 5 de novembro de 2011 at 16:55

      Mr. R

      Segundo a WIMOVEIS existem 2457 apartamentos PRONTOS mais 1349 em construção, totalizando 3806 apartamentos, à venda no Plano Piloto. O interessante é que existe uma letra vermelha indicando o valor do ágio.

      www . wimoveis . com . br/imovel/venda-apartamento-brasilia-df-2-quartos-sqnw-437768

      Valor do imóvel: 7.762.000,00 Reais
      Área útil: 70 m2
      Valor do m2: 110.886,00
      AGIO: 49.543,00 (imóvel já financiado)

      A classificação débil mental ou idiota está muito aquém para descrever alguém que paga 7 milhões de Reais por um apartamento de 70 m2.

      www . wimoveis . com . br/imovel/venda-apartamento-brasilia-df-4-quartos-sqsw-300-423202

      Valor do imóvel: 3.772.847,00 Reais
      Área útil: 370 m2
      Valor do m2: 10.197,00
      AGIO: 1.000.000,00 (imóvel já financiado)

      Esse outro quer um milhão de Reais de ágio.

      O que está acontecendo na Banânia? Só pode ser alguma coisa que foi colocada na água.

      0
      • Anonymous 5 de novembro de 2011 at 17:08

        O website wimoveis é muito interessante pois mostra o ÁGIO que as pessoas estão acreditando que vão ganhar e também o preço do imóvel. Nós já tivemos um psiquiatra frequentando aqui. Acho que ele deveria fazer um estudo, pois certamente estamos diante de alguma espécie de doença mental. Está além do meu alcançe fazer um estudo sobre essas pessoas – sou engenheiro e não tenho formaçào para tanto.

        0
        • Roberto Cesar 5 de novembro de 2011 at 17:48

          Essa doença mental chama-se ganância.

          0
      • Anonymous 5 de novembro de 2011 at 17:15

        164 unidades vendidas é cerca de 4% do estoque de apartamentos no Plano Piloto. Nessa velocidade vai levar 25 anos para zerar estoque. Vai ter suicídio quando a ficha cair e muitos.

        0
      • RPL 6 de novembro de 2011 at 01:58

        Será que o cara do primeiro apartamento não colocou um zero a mais? Erro de digitação mesmo….

        0
        • LB 7 de novembro de 2011 at 01:19

          Com certeza foi erro de digitação. Já vi no Wimóveis outros anúncios com este erro.

          0
    • Pedro 5 de novembro de 2011 at 17:11

      parabéns pela pesquisa. Mostra que foram vendidas menos de 1/3 de unidades em relação ao ano passado. Uma queda brutal.

      0
  • augusto 5 de novembro de 2011 at 15:42

    Um artigo sobre a quebrada Grécia, que poucos anos atras tambem sediou uma Olimpiada. Seremos amanhã a Grécia de hoje?
    http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,europa-descobre-seus-novos-pobres,794997,0.htm

    0
    • LB 7 de novembro de 2011 at 01:22

      Augusto,

      Eu já vi uma matéria na Web que prova que o PIB dos países que sediaram grandes eventos esportivos como Olimpíadas e Copas do Mundo caíram nos anos subsequentes de seu acontecimento.

      E a tal queda se deu principalmente pelo endividamento do país. Irei procurar a referência e postar aqui.

      Se alguém quiser se adiantar e postar aqui, fique à vontade 🙂

      0
  • Bubble Boy 5 de novembro de 2011 at 15:55

    Caixa sorteará casas para quem fizer uma conta poupança… capa do “O Dia” de hoje.

    0
  • Marcos 5 de novembro de 2011 at 17:44

    Entenda o truque da localização dos imóveis

    Veja dez empreendimentos imobiliários lançados neste ano cujo nome remete a um local bem mais nobre do que a área onde o prédio realmente será erguido

    exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/fuja-do-truque-da-localizacao-dos-imoveis

    Haaaaaaaaaaa! Pegadinha do malandro!

    0
    • Bolha Imobiliária 5 de novembro de 2011 at 18:50

      Eu vi esta reportagem hoje…hehe.
      É muito comum chamarem favela de boa localização

      0
      • Guilherme Eduardo 6 de novembro de 2011 at 01:33

        na última revista Exame (capa FUGA DA BOLSA) tem algumas reportagens sobre os imóveis e a queda de preço/venda. Devolução de imóveis em Portugal, fim do oba-oba, ações da Gafisa caindo + e 40%…. Não tem nada falando diretamente em bolha, mas quem lê a revista toda vai pensar duas vezes antes de comprar um imóvel para “investir”.

        0
      • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:23

        Como dizem os corretores cariocas: “vista para a comunidade”.

        0
    • Bubble Boy 6 de novembro de 2011 at 23:11

      Essa notícia é o retrato do mercado imobiliário do RJ.

      Imóveis em Paciência, Cosmos e Inhoaíba, bairros no meio do nada e longe de tudo, cercados de favelas, sendo vendidos como se estivessem no bairro de Campo Grande – que também não é lá essas coisas, mas que possui um grande número de compradores que se interessam pela “proximidade com a Barra da Tijuca”, que as construtoras tanto vendem. De perto não tem nada, pois no mínimo são 1h30 de trânsito até lá…

      0
    • Andre Luiz 7 de novembro de 2011 at 12:49

      O pior disso tudo é que a própria prefeitura entra nessa onda. Até no IPTU parte da Gávea já virou Leblon…

      0
      • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:25

        Cabral + Paes, vc ia esperar o que também né?

        0
  • ninja 5 de novembro de 2011 at 17:53

    SEM ALARDE, PROJETO DE LEI QUE PERMITE USO DO FGTS EM OBRAS DA COPA CHEGA AO SENADO.
    Os recursos serão provinientes do FI- FGTS ( fundo de investimento do FGTS) trata-se de um fundo que tem por objetivo aumentar a rentabilidade do dinheiro depositado do FGTS de todos os trabalhadores de carteira assinada. O FI FGTS investe em aplicações e empreitadas seguras, com alta garantia de retorno de investimento, ainda que a longo prazo. votação 08/11/2011. Ou seja obras da copa. seraaaaaaaaaaaaaaa!!!…

    0
  • Sérgio 5 de novembro de 2011 at 18:13

    Riqueza do brasileiro é igual a do americano de 1925, segundo Credit Suisse (h t t p : / / oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2011/10/25/riqueza-dos-brasileiros-hoje-equivale-dos-americanos-em-1925-413141.asp). Já os preços dos imóveis é igual ao dos americanos de 2018… só os preços, porque qualidade, infra-estrutura e cidadania……

    0
    • Mr. Alex 5 de novembro de 2011 at 23:18

      Boa !

      fora as carroças que só vende aqui… Classic, Palio Fire, Mille… R$ 25k !
      Um fone bluetooth custa $35 no Frys, aqui custa R$ 200…
      O índice Big Mac do Brasil-sil-sil é um dos mais altos do mundo…
      E em pesquisa recente, 78% da juventude brasileira se orgulha de ser brasileira. É lógico… como dizia meu Mestre de Kung Fu,como alguém vai saber se que o que possui é ruim, se nunca soube de algo melhor ?

      0
      • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:28

        “E em pesquisa recente, 78% da juventude brasileira se orgulha de ser brasileira.”

        É a geração PT, meu jovem.

        0
    • Augusto 6 de novembro de 2011 at 08:54

      Aqui nós temos preços e conversa de primeiro mundo , mas qualidade, produtos, povo, e realidade de terceiro mundão

      0
    • Profeta da Bolha 6 de novembro de 2011 at 23:15

      1925 + 4 = 1929
      2012 + 4 = 2016

      Apocalipse 13:18
      Abs.

      0
      • me 7 de novembro de 2011 at 11:08

        Tá de sacanagem, né?

        0
  • Willian 5 de novembro de 2011 at 18:30

    Estamos encerrando mais um ciclo mundial de crescimento acelerado. Ultimamente o capital vem migrando de uma economia para outra, de uma bolha para outra. Os países subdesenvolvidos são a bola da vez. A China está crescendo não pelo milagre do regime pseudo-comunista, mas porque o capital mundial migrou para aquele país desde a sua abertura econômica. O Brasil pegou carona nessa onda. As grandes multinacionais migraram para os países subdesenvolvidos em busca de mão-de-obra barata para lucrar mais. Os bancos fizeram o mesmo. O grande problema é que hoje a economia mundial está lastreada no dólar dos EUA. Os países europeus torraram a riqueza mundial criando uma população ociosa e preguiçosa, endividando seus governos. Para financiar as loucuras do governo americano, mais dólares foram impressos. Este ano o governo dos EUA teve problema em elevar o teto da dívida do país, que aumentou 70x desde a 2ª Guerra Mundial. Resultado: “nunca ante na história” deste mundo houve tanto dinheiro valendo nada. Combine-se superpopulação, crise econômica, inflação e gente insatisfeita para criar um caldo explosivo. E nada melhor do que uma guerra para começar tudo do zero. Os americanos já estão fechando o cerco em torno do Irã. Será que a bolha imobiliária brasileira é tão preocupante assim?

    0
    • profeta do apocalipse 5 de novembro de 2011 at 19:54

      genial. mesmo com commodities, real super valorizado etc nosso pib eh 1/14 do americano. eua em crise ainda por cima.

      tamo fudido de verdade como sempre estivemos. a sim.. nova divida interna é da ordem de 2 trilhoes, acho q em relacao ao pib eh maior q da grecia..

      0
      • RT 5 de novembro de 2011 at 22:26

        Calma, que a “nova classe média” vai continuar comprando televisores LED 40″, e assim, vai salvar o país.

        0
      • Mineiro BH 5 de novembro de 2011 at 23:17

        um ponto nunca abordado neste blog, acho, é a questão das nossas dívidas… alguém se habilita…? é aspecto importante….

        0
        • Observador SP 5 de novembro de 2011 at 23:49

          – para que reformou o imóvel pensando em revender por um valor mais alto…
          – quem está repassando o imóvel exigindo entrada em dimdim + financiamento a pagar de R$600.000,00 (pasmem)…
          – proprietários de imóveis vazios esperando comprador tem que pagar condomínio, e daqui a pouco IPTU…
          – IPVA, IRPF, gastos de fim de ano, dívidas de bens comprados em anos anteriores…
          – retração da economia brasileira devida a férias, ano novo, carnaval, inércia econômica…
          – crise mundial…

          Repito a pergunta do Mineuro BH: tudo isso é relevante?

          0
          • Carlos Wagner 6 de novembro de 2011 at 01:39

            A festa foi boa, mas agora chegou a hora da ressaca, ou seja, pagar a conta dos produtos adquiridos a perder de vista.

            O engraçado é que nos 2 ou 3 primeiros meses após comprar algo novo, a euforia acaba e o sentimento passa a ser que o fardo vai ser pesado para pagar e que aquilo não vale tanto assim. Quem ja financiou carro sabe bem o que é isso.

            Pior é olhar para o futuro e perceber que estará amarrado por 30 anos, pagando uma fortuna num imovel mal acabado.

            Do jeito que brasileiro é, nao vou me surpreender se começarem a abandonar o financiamento e deixar que os bancos tomem os imoveis. É meio irracional, mas não me surpreendo com mais nada de um povo que paga 30k num Uno Mile.

            0
            • Augusto 6 de novembro de 2011 at 08:46

              Mas o que valerá serpa o OBA-OBA, ZIRIGUIDUM-ZIRIGUIDUM, e olha nois ai, nois temu jogu di cintura

              0
      • Pensativo 6 de novembro de 2011 at 07:53

        Profeta do Apocalipse
        segundo o Factbook da CIA somos um sétimo da economia norte americana.
        Brasil: 2.172 Bi de dolares
        E.U.A: 14.660 Bi de dolares

        E a nossa dívida interna (bruta) é de 59% do PIB, enquanto que a grega é de 142,8%.

        Não sou economista, mas acho esquisito o governo utilizar como base a divida interna líquida, bem menor, em vez da a bruta, o mundialmente adotado.

        Outro ponto a salientar é que, diferentemente da dívida externa, a interna pode ser trocada por inflação, visto que esta é em moeda local e governo tem a impressora. A Grécia está ferrada porque não tem como trocar a sua dívida interna por inflação, pois a emissão de Euro não é controlada pelo seu banco central e sim pelo BCE. A moratória é a única solução que sobrou aos helénicos.

        0
        • Augusto 6 de novembro de 2011 at 08:44

          Mas a inflação alta pode fazer com que o governo atual perca muito apoio principalmente entre os mais pobres que são os que mais sofrem com alta nos preços

          0
        • Annibal 6 de novembro de 2011 at 10:04

          Não esqueça de contar os aportes milionários q fizeram no bndes… e outros q não sao contabilizados como divida…. ah e não esqueçam FNM q o governo vai emitir outra fortuna em títulos de longo prazo no mercado…

          0
      • Augusto 6 de novembro de 2011 at 08:52

        Esta divida é financiada internamente e em grande maioria pela população daqui, com os titulos que o governo vende, via bancos e fundos de investimentos.
        Por isso se a Selic cair muito (pois os juros do mercado financeiro não vão cair quase nada) poderá ser dificil para o governo manter a divida sob controle.
        De nada adiantarão os 350 bilhões de dolares de reserva, e os 450 bilhões de compulsório, pois a divida é muito maior que tudo isto, e só é mantida via titulos e mercado interno

        0
    • Roberto Cesar 6 de novembro de 2011 at 20:13

      Willian,
      Você falou corretamente, estamos chegando ao fim de um ciclo de crescimento que é insustentável. Foi um crescimento baseado em dívida e dinheiro de “banco imobiliário” (lembra daquele jogo?). Isso é uma bolha e, como toda bolha, vai estourar. O nível de dívida pública e privada chagou a um ponto que é impagável. Na realidade essas dívidas foram concedidas com o intuito de não serem pagas. Na minha visão, a dívida nada mais é do que a “forma moderna de escravidão”.

      Só que o nível de dívida chegou ao limite e a única saída é um “reset”, como num computador travado. Dá-se um boot, começa do zero e o que não foi salvo está perdido.

      Essas bolhas que estamos vendo em várias partes do mundo nada mais é que o capital esperto “salvando seus arquivos antes do reset”, ou seja, é uma grande transferência de riqueza dos 99% para os 1%. Quem está embarcando nas bolhas com o sonho de ficar rico vai tomar uma grande paulada na cabeça. Quem for pego com dinheiro de papel no grande reset vai ficar pobre.

      A economia mundial é lastreada em dólar, e o dólar é lastreado em porcaria nenhuma. Quando a crise de confiança chegar o dólar vai virar pó.

      Vi uma definição bem interessante sobre dinheiro de papel: “O valor impresso numa nota de papel tem o valor do papel onde esta impresso”.

      Gostei da sua colocação sobre os países europeus. Uma sociedade assistencialista como a europeia não iria durar muito mesmo. É insustentável.

      Quanto as guerras, concordo com você. Eu vejo uma guerra mundial num futuro não muito longe (1 a 2 décadas) que virá para corrigir não apenas os problemas econômicos como também o problema populacional. As manifestações populares estão se espelhando rapidamente, e o que tá causando isso? Uma onde de conscientização política dos jovens de todo o mundo? Porcaria nenhuma, o que tá causando isso é fome, desemprego, falta de perspectiva.

      Eu escrevi um post sobre superpopulação no meu blog, dá uma olhada quando você tiver tempo (é só colocar o mouse em cima do meu nome e clicar que ele abre um link pro meu blog).

      0
      • Carlos Wagner 6 de novembro de 2011 at 22:24

        Roberto

        Acompanho seu blog e li o post sobre a superpopulação. ótima materia.

        Suas ideias vão ao encontro do que penso a respeito da realidade em que vivemos e positivo o que disse acima.

        0
      • LB 7 de novembro de 2011 at 02:33

        Roberto César:

        Não sou da área de economia mas me interesso muito. Lembrei-me de uma dúvida antiga, que me veio à memória quando vc disse que:

        “A economia mundial é lastreada em dólar, e o dólar é lastreado em porcaria nenhuma. Quando a crise de confiança chegar o dólar vai virar pó. ”

        Se a crise da Europa se agravar, penso que o real perderá valor diante do dólar, uma vez que os investidores irão tirar as doletas de nosso mercado. Inclusive com a baixa da SELIC, o Brasil ficou menos interessante. Vc concorda com isto ?

        Estou sacando uma aplicação de um fundo indexado ao IBovespa para aplicar em um fundo indexado ao dólar… acho que o Real perderá valor em breve…. Não é muito dinheiro, mas quero protegê-lo para uso futuro.

        0
        • Roberto Cesar 7 de novembro de 2011 at 19:14

          LB,

          A crise da Europa é uma crise dos USA também devido ao alto grau de exposição dos bancos americanos à dívida soberana europeia. Quando a Europa cair (repare que a palavra correta é “quando” e não “se”) vai ter uma grande corrida para os títulos americanos e para o metais, principalmente ouro. As bolsas do mundo devem ter uma forte correção, talvez um crash, mas mais provável uma correção. Nesse momento. Os grandes investidores vão ter que buscar dinheiro de onde puderem para cobrir suas posições em aberto no mercado de ações, daí vai ter uma fuga de dólares dos países em desenvolvimento, inclusive o Brasil. Dolar vai subir e Real vai cair.

          Vai ser interessante ver o que vai acontecer com o ouro pois muitos investidores terão que
          vender ouro para cobrir suas posições e muita gente vai comprar ouro como reserva de valor, principalmente os Europeus. Eu acredito que o volume de compra será maior do que o de venda e o ouro continuara sua tendência de alta.

          Nesse meio tempo o dólar vai disparar no Brasil e o ibovespa despencar. Não deve ser um crash mas uma forte correção em ambos.

          Os USA não estão numa situação muito melhor do que a Europa e os bancos americanos tecnicamente vão quebrar. Claro que o FED vai intervir e vai imprimir dinheiro até cobrir o Everest, mas isso só vai adiar o inevitável. Quanto tempo a mais o dólar pode se segurar depois da falência da Europa é uma incógnita, só vai depender da confiança dos investidores nos títulos da dívida americana. Com a dívida disparando para cobrir o rombo dos bancos a confiança vai diminuir até o ponto de ruptura. Ouça bem essa palavra: “ruptura”. Será esse mesmo o efeito e vai ser devastador. Como eu disse antes, o dólar não tem nenhum lastro, apenas a confiança de que o governo americano vai honrar aquela divida, mas isso não vai acontecer. A divida americana e impagável.

          A confiança do investidor é um parâmetro psicológico, difícil de prever. Pode levar um mês, 6 meses, 1 ano, 5 anos, mas eu não acho que passe de 5 anos.

          Eu não colocaria nenhum dinheiro em nenhum fundo de ação nesse momento. O risco é muito grande. Existem opções de investimentos com menos riscos e mais liquidez que podem não pagar o mesmo que a bolsa mas eu acho que dormir toda noite achando que amanha posso
          acordar pobre, não tem dinheiro que pague isso.

          0
          • LB 8 de novembro de 2011 at 09:52

            RCesar,

            Obrigado pelas explicações. Pelo que pesquisei, tinha também a impressão que o dólar vai disparar, mas não tinha nem 1% dos informações que você nos passou aqui.

            Aprendi aqui, em seu site e no site ‘O Pequeno Investidor’ desde o crash de 2008. Naquela época investi em fundos atrelados à bolsa e perdi uns 24% do dinheiro aplicado desde então (apliquei quando o IBovespa estava na casa dos 70mil pontos). Se descontar a inflação, acho que perdi algo em torno de 35~40%. Mas não é algo desesperador para mim pois esta grana é menos de 10% do meu capital. Esta quantia foi parte do que recebi de uma ação trabalhista. Tô tranquilo quanto a isto 🙂 Posso ‘brincar’ com este valor.

            Vejo nesta hora a possibilidade de compensar minhas perdas. Já saquei fora a grana do fundo de investimento e vou colocar hoje mesmo em um fundo indexado ao dólar. Quando a correção vier, faço o movimento contrário.

            Agora, o que me chama atenção é: se os investidores já sabem da correção, pq já não vão sacando ‘aos poucos’ seu capital aplicado para evitar futuras perdas ?? Obrigado!!

            0
      • LEOTEX 7 de novembro de 2011 at 12:28

        dentro desse contexto, peço licença pra fazer uma pergunta:

        qual a melhor forma de se comprar ouro físico no Brasil? Nesse momento de incertezas, penso em destinar uma parte das minhas economias a esse investimento. Porém não me atrai a idéia de ter um papel qualquer em mãos, prefiro o próprio metal.

        quem tiver experiência e puder ajudar…

        0
        • Roberto Cesar 7 de novembro de 2011 at 19:23

          Leotex,

          Eu fiz uma pesquisa sobre o mercado de ouro no Brasil há um tempo atras e desisti de tentar qualquer coisa. É um mercado muito amador. Vi apenas duas empresas que pareciam sérias (sérias que eu digo não é que as outras seja caloteiras ou desonestas, mas que tem uma forma de comercio muito aquém da expectativa de qualquer investidor sério), e mesmo assim o spread era extremamente alto, ou seja, ouro teria que valorizar muito para que o investimento
          valesse a pena. Além disso, o grama do ouro no Brasil é bem mais caro que no mercado de NY e de Londres.

          Existem algumas empresas de venda de ouro nos USA que fazem remessa internacional. Talvez saia mais em conta do que comprar no Brasil. Eu só não sei se tem algum imposto de importação no Brasil para metais preciosos. Talvez uma ligação para a recita federal possa esclarecer isso.

          Estou colocando um link para um site que tem review de vários dealers de metais preciosos:
          http://inflation.us/reviews/

          0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:30

      “Os países subdesenvolvidos são a bola da vez.”

      Não seria melhor: “Os países subdesenvolvidos são a BOLHA da vez.”?

      0
  • Observador SP 6 de novembro de 2011 at 00:24

    Jornal O Globo: Aquecimento do mercado de construção civil gera demora EXCESSIVA na entrega de imóveis (05/11/2011)

    Atualmente, a compra de imóvel na planta é um grande risco. Eis algumas desculpas esfarrapadas das construtoras:
    – As construtoras reclamam da falta de materiais e de equipamentos, além de escassez de mão de obra especializada.
    – …os atrasos da empresa têm ocorrido não só pela escassez de mão de obra e equipamentos, mas também devido às chuvas dos últimos três anos… (desculpa fajuta, haha)
    – Houve uma espécie de overbooking no mercado imobiliário, por falta de planejamento das empresas. Algumas saíram lançando empreendimentos sem constatar se tinham condições técnicas de honrar suas obrigações…. (esta foi demais!)

    Prezados, não precisamos ser engenheiros ou administradores para saber que todo projeto é planejado considerando chuvas e recursos críticos como mão-de-obra, matéria e equipamentos.

    (http://oglobo.globo.com/economia/morarbem/mat/2011/11/04/aquecimento-do-mercado-de-construcao-civil-gera-demora-excessiva-na-entrega-de-imoveis-925741510.asp)

    0
  • MrK 6 de novembro de 2011 at 07:11

    Saiu uma reportagem hoje no oglobo sobre o problema sério dos atrasos de imoveis, temos pessoas do mercado admitindo que as empresas fizeram um tipo de “overbooking”, venderam mais do que tinham capacidade de entregar, que vergonha heim???

    IMAGINEM o que essas empresas terão pela frente no curto prazo:

    1- Queda de credibilidade enorme
    2- Litigio / problemas juridicos com consumidores
    3- Lançamentos que não vendem bem mais
    4- CONCORRENCIA de venda com os “investidores” que elas mesmas criaram
    5- Problemas sérios de caixa

    some 1 ao 5 e tenha uma tempestade perfeita…

    0
  • MrK 6 de novembro de 2011 at 07:31

    Vejam a loucura com casos reais, eu me lembro desse AP, pois é um dos vários que acompanho e está encalhado há 1 ano, é revenda de planta nas chaves.

    Ele comecou pedindo R$850mil, depois R$900mil depois subiu pra R$950mil mesmo sem vender!!!

    Hoje o rapaz passou pra R$1.100.000 !!! Pois bem, assim é MOLE dizer que o preco do imovel ta subindo e o fipezap pra cima, né??? Agora me digam, se ele não conseguia vender por R$900mil COMO vai vender por R$1.100.000??????

    só essa loucura do rapaz, jogou o m2 do humaita pra R$14mil hahahaha

    zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-3-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-HUMAITA-RUA-MACEDO-SOBRINHO/ID-2340810

    0
    • Pensativo 6 de novembro de 2011 at 08:03

      MRK,
      este imóvel não foi feito para vender. Ele é um imóvel coelho, responsável por alavancar os demais imóveis da região, tática esta que – por incrível que pareça – deu certo a pouco tempo atrás.

      0
      • MrK 6 de novembro de 2011 at 09:49

        eh exatamente isso que parece, alias esse tecnica foi muito usada por famoso investidor em decadas passadas no Rio, ele comprava varios imoveis no mesmo predio e depois vendia um por um preco “artificial”, e tentava impor esse preço como o mercado, algumas pessoas trouxas acreditavam e ele vendia o resto com lucros altos, no fim ele foi desmascarado, mas enriqueceu muito até la…

        Esse apartamento não pode ser sério, como o cara que está tentando empurrar o imovel ha 1 ano, sobe R$300mil o preço ??? hahah, ESSA É A MAIS PURA DEFINIÇÃO DE UMA BOLHA

        0
      • Mr. R 6 de novembro de 2011 at 14:29

        Acho que o índice “fipe-zap” deveria se chamar “fipe-zap-coelho” pra refletir melhor as práticas de mercado.

        0
    • Anonymous 6 de novembro de 2011 at 10:51

      MrK,

      Voce tem que redefinir seu conceito de loucura. A seguinte pessoa DECLARA que quer UM MILHÃO de Reais de ágio para vender um apartamento já financiado em Brasilia.

      www . wimoveis . com . br/imovel/venda-apartamento-brasilia-df-4-quartos-sqsw-300-423202

      Valor do imóvel: 3.772.847,00 Reais
      Área útil: 370 m2
      Valor do m2: 10.197,00
      AGIO: 1.000.000,00 (imóvel já financiado)

      0
      • LB 7 de novembro de 2011 at 01:52

        Conheço um cara que tem 20 milhões na conta. Ele vai se interessar por este imóvel:

        h t t p://w w w.youtube.com/watch?v=a__1OBmLIvg

        😉

        0
    • RT 6 de novembro de 2011 at 11:31

      Morei no Humaitá a vida inteira.

      Na Rua Macedo Sobrinho, foram 10 anos. Nessa rua, eu morava num apartamento três quartos, num prédio com garagem, e só. Sem play, nem nada disso.

      Em fins de 2007 (portanto, antes da loucura começar), uma vizinha nossa botou seu apartamento à venda. Recusou uma oferta de 300 mil. Pouco depois, se arrependeu, pois acabou só conseguindo fechar por 280 mil, já em 2008.

      Num outro apartamento alugado nesse mesmo prédio, os inquilinos propuseram ao proprietário 300 mil. O proprietário disse que se subisse pra 350 mil, fechava.

      Estou dando esses exemplos para dar uma ideia da “realidade” dessa região. Morei a vida toda no Humaitá e conheço o perfil geral de quem mora lá. São pessoas que trabalham, ganham bem e tal… mas daí a pagar 500 mil em apartamento, já são outros quinhentos. 900 mil, então, nem se fala. 1 milhão eu não vou nem comentar, pois duvido que sequer o proprietário leve esse preço a sério.

      Resumo da ópera: estão cobrando 900 mil por apartamentos numa região onde há três anos atrás, 500 mil já era um preço alto para a renda local. É possível vender? Duvido! Mas os entendidos seguem garantindo que “o mercado está aquecido”, e a “tendência agora é de acomodação”. Baixar? Impensável!

      0
    • LUIZDVD 6 de novembro de 2011 at 12:06

      Só queria entender uma coisa: o prédio parece inacabado. TEM ALGUM IDIOTA QUE ACEITA PAGAR MAIS DE UM MILHÃO POR 79M2.

      PERGUNTA PRO SILVIO SANTOS, PRO EIKE BATISTA OU PARA QUALQUER UM A QUEM NÃO FAZ FALTA 1 MILHÃO SE ELES ACEITAM.

      SÓ UM RETARDADO, QUE NÃO DÁ VALOR AO PRÓPRIO SUOR, ACEITA ISTO.

      COM 1 MILHÃO, EU QUE NÃO SOU ENGENHEIRO, CONSTRUO UMA CASA COM MAIS DE 300 M2 EM ÓTIMO PADRÃO E, PROVAVELMENTE, COM O TERRENO INCLUÍDO. SE NÃO DER NO RIO, TALVEZ EM ÁREA OU CIDADE PRÓXIMA.

      0
      • xyz 6 de novembro de 2011 at 13:18

        “SÓ UM RETARDADO, QUE NÃO DÁ VALOR AO PRÓPRIO SUOR”

        Acontece que hoje no Brasil é cada vez mais comum alguém ganhar 1 milhão sem derramar uma única gota de suor.

        Ironicamente o ministro do trabalho (que defende aqueles que ganham o sustento com o suor) vai começar a semana explicando mais um escândalo de corrução do governo. Se não conseguir será o sexto a tombar por corrupção em 10 meses de governo.

        0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 20:34

      hauhauhauhauahauhauahuahauahauahuahauahauhauahauhauahauhauahauhauaha….vontade de rir….14mil no humaitá???????
      uhauhauhauahuahauahua

      0
  • henrique 6 de novembro de 2011 at 08:04

    Eu acho engraçado quando vejo uma situação como essa q vc relata MrK.

    A pilantragem é tão grande que querem convencer o mercado a todo custo que a lei da oferta e da demanda foi revogada!!

    Pior: tem muito otário que ainda acredita nisso!!

    Aceitar essa balela é como acreditar na revogação da lei da gravidade.

    .

    0
    • Paulo SCSul 6 de novembro de 2011 at 18:44

      Lei da gravidade revogada.

      massa repele massa,

      estamos todos mortos pois voaremos em direção ao espaço sideral.

      0
  • Aline 6 de novembro de 2011 at 10:09
  • Veigalex 6 de novembro de 2011 at 13:54

    Pessoal

    De janeiro até hoje, qual seria o índice total de queda nos imoveis.. em São Paulo?
    Alguém tem ideia?

    Sempre tem comparação mês a mês.. e um acumulado.. alguém teria?

    0
  • AJW 6 de novembro de 2011 at 18:45

    “Juros baixos e prazos longos fazem classe A buscar financiamento para compra de imóveis de altíssimo padrão.” da Istoé dinheiro
    Foi-se o tempo em que o crédito imobiliário era usado apenas por famílias de classe média que passavam anos economizando para sair do aluguel. Cada vez mais um novo perfil de cliente integra as carteiras de financiamento imobiliário dos bancos. São os compradores de altíssima renda, que adquirem imóveis de luxo com valores que ultrapassam facilmente R$ 2 milhões. Não apenas os clientes de classe A estão optando pelo crédito, como estão escolhendo financiamentos de prazo mais longo possível, acima de 20 anos. Por trás da opção dos endinheirados pelo financiamento está uma conta simples. Muitos grandes investidores têm remuneração maior em suas aplicações financeiras do que os juros do crédito imobiliário. Qualquer semelhança com EUA é mera coincidência, e depois falam que a bolha Americana e diferente da nossa.
    http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/71790_MILHOES+A+PERDER+DE+VISTA

    0
    • Dr. Estranho 6 de novembro de 2011 at 19:06

      Milhão agora é trocado para ir no Boteco.

      0
      • Dr. Estranho 6 de novembro de 2011 at 19:10

        Quero um tremoço e uma cerveja!! Ô portuga, quanto dá? Ô gajo, um milhão ora pois.

        0
    • Anonymous 6 de novembro de 2011 at 19:31

      Muitos grandes investidores têm remuneração maior em suas aplicações financeiras do que os juros do crédito imobiliário.

      A diferença de remuneração não vai significar muita coisa quando o valor principal é milhões de Reais. Para pagar esses milhões de Reais somente com a diferença entre as remunerações levaria CENTENAS de anos. Já sei que os Bananenses estão MILIONÁRIOS, mas será que agora tornaram-se IMORTAIS?

      0
  • Dr. Estranho 6 de novembro de 2011 at 18:58

    Recebi esse e-mail ontem. É válido para anotação. Segue:

    “Segue uma boa opção para voce.
    Alegria Residencial, localizado na Estrada do Tinbiba.
    Não está pronto, a entrega tá prevista para março.

    Sei que não é freguesia, mas estou te enviando, pois achei bem interessante o desconto que estão dando, principalmente nas coberturas, querem zerar o estoque!!

    Em anexo apresentação e um mapinha.
    Segue o preço das unidades mais baratas que tem no imovel.
    Desconto de 5% em qualquer apto e 30 % em coberturas.

    2 qts com 59 m² (7º andar)
    De 237.100,00 por 225.245,00

    3 qts com 71 m² ( 2º andar)
    De 262.000,00 por 248.900,00

    cobertura 2 qts com 130,76 m²
    De 406.900,00 por 284.830,00
    122.070,00 de desconto !!

    Cobertura 3 qts com 141,17 m²
    De 438.600,00 por 307.020,00
    131.580,00 de desconto !!

    Promoção valida até final desse mes!!
    É o maior desconto que já vi em empreendimentos!!
    Ultimas unidades !! Não fique de fora !!”

    0
  • Thomas 6 de novembro de 2011 at 20:07

    Aproveitei o domingo para andar de bicicleta por Curitiba. O bom é que vc pode ver de perto as obras em andamento e as placas de “vende-se” nas janelas dos imóveis. Curioso que em muitos imóveis vê-se a placa de “vende-se” junto com o “aluga-se”. Coisa de “investidor” amador: ou vende com ágio ou deduz a despesa com o aluguel. Na av. Mariano Torres há um prédio comercial em construção que ainda está na metade, e já colocaram uma placa gigante para alugar. Com tantas obras em andamento não acredito que tenha gente em sã consciência comprando para morar. Neste momento só especuladores. Em algum momento vão ter de desovar os imóveis na praça. Ninguém de mediana inteligência coloca dinheiro em um imóvel para ficar vazio, pagando condomínio e IPTU. E com a inflação alta comendo o salário das pessoas, a tendência é reduzir o aluguel, porque ou você reduz o preço para o bolso do inquilino, ou paga do bolso a despesa do imóvel vazio. Melhor ficar no zero a zero do que perder o jogo.

    0
    • augusto 7 de novembro de 2011 at 10:44

      Chegaremos ao ponto onde as placas informarão : vende-se, aluga-se ou DOA-SE a quem pagar despesas de manutenção

      0
  • simone 7 de novembro de 2011 at 00:08

    04/11/11 – Servidor terá subsídio de até R$ 34 mil para imóvel

    Através do Programa Casa Paulista, o governo do estado de São Paulo concederá subsídio de até R$ 34,5 mil para o servidor público estadual adquirir casa própria. Oficializado ao final de outubro (2011), o programa somará 40 mil cartas de subsídio ao crédito e atenderá famílias com renda mensal bruta de até R$ 3,1 mil.

    O subsídio complementará o crédito imobiliário pré-aprovado por instituições financeiras, concedido para compra de imóvel na planta, novo ou usado, localizado na capital, na Região Metropolitana ou no interior do estado de São Paulo. Poderão solicitar a complementação ao financiamento os funcionários públicos civis e militares, ativos ou inativos.

    Os recursos para o Programa Casa Paulista, da ordem de R$ 640 milhões, têm origem no Fundo Paulista de Habitação de Interesse Social (Fphis). A meta do governo do estado é alcançar 40 mil operações no período de 2012 a 2015, a consolidar através da Casa Paulista – Agência Paulista de Habitação Social, criada ao final de setembro (2011).

    O valor do subsídio será variável de acordo com a renda familiar bruta mensal do servidor. O imóvel deverá ter valor máximo de R$ 150 mil, nas regiões metropolitanas; R$ 130 mil, nos municípios com população igual ou superior a 250 mil habitantes; R$ 100 mil, nos municípios com população entre 50 e 250 mil habitantes; e R$ 80 mil nas cidades com população inferior a 50 mil habitantes.

    Para candidatar-se ao subsídio, a família não poderá ter imóvel próprio ou outro financiamento habitacional, e nem ter sido atendida anteriormente por outros programas habitacionais do governo do estado de São Paulo.

    Para pleitear o subsídio, o interessado precisará ter o crédito aprovado em qualquer instituição financeira, pública ou privada, que opere com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS); ou do Programa Minha Casa Minha Vida. As inscrições para o Programa Casa Paulista – Servidores Públicos Estaduais serão abertas ainda neste ano e a liberação dos subsídios ocorrerá a partir de janeiro de 2012.

    Fonte: Portal Exame – 04/11/2011
    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/servidor-tera-subsidio-de-ate-r-34-mil-para-imovel

    0
    • Andre Luiz 7 de novembro de 2011 at 13:08

      Pô (Queria ter escrito a palavra inteira, mas…)!!!! Até o PSDB fomentando essa loucura??

      Realmente esse país não tem mais jeito.

      0
  • MrK 7 de novembro de 2011 at 05:25

    Tem algo muito errado com o Brasil..

    Amigos, como contei a voces sai do Brasil e estou morando uns meses em Cape Town (por isso os posts em horarios estranhos hehe) Cape lembra o Rio em termos de belezas naturais: Praia, Sol, Montanha, Verde e o povo eh bem descontraido, otimo lugar!

    Aqui em Cape Town eu faco um jantar de primeira qualidade por R$20… tomo um bom vinho por R$10, coisas que no Rio custariam respectivamente R$100 e R$40. Tudo aqui e’ mais barato: Roupa, Gasolina, Carro (E’ muito comum vermos BMW, mercedez, audis e ate’ ferraris nas ruas), por aqui carros como Polo e Honda Fit sao considerados de pobre, nao existe nada como um “uno vivassi”, lembrem-se que estamos falando de um pais em desenvolvimento!! Apesar de nao ser a lingua nativa da maioria, todos aqui falam.

    Um apartamento aqui com vista pro mar numa zona nobre custa proximo a R$500mil, coisa que no Rio facilmente passaria de R$2milhoes, na verdade com algo como R$200mil voce ja moraria aqui muito bem, coisa que no Rio moraria encarando uma favela, alias, em Cape Town nao existem favelas dentro da cidade! Sao muito afastadas!

    A REALIDADE DO RIO nao pode ser essa, os precos estao sim LOUCOS e VAO CAIR.

    Nao quero dizer que se pode comparar assim facilmente 2 cidades, mas esse abismo entre as 2 nao se justifica, Cape ainda e’ mais limpo, organizado, transito melhor… Rio nao VALE o que estao pedindo, da padaria ao imovel.

    0
    • Observador SP 7 de novembro de 2011 at 08:26

      Prezado MrK,

      Neste momento, somente os preços imobiliários estão errado no Brasilis.
      Os preços dos bens de consumo brasileiros sempre foram mais caros em relação aos EUA, geralmente são o dobro do preço. Basta comparar o preço do iPad vendido no Brasil e o vendido nos EUA. Isto acontece por 2 motivos: pagamos altíssimas taxas de impostos + altíssimos lucros de comerciantes e fabricantes (muitos esquecem desse último item).
      Os lucros ganhos por empresas e comerciantes brasileiros sempre foram um atrativo para as multinacionais (que digam as montadoras de carros)!
      Muitas vezes,meus colegas que viajam ao exterior aproveitam e compram o que pode lá fora – roupas, mochilas, malas, calçados e, claro, eletrônicos. Por isso, aproveite ao máximo sua visita ao Cape Town. Quanto aos imóveis, paciência a nós, pois a hora tá chegando!

      0
      • Anonymous 7 de novembro de 2011 at 09:06

        Observador SP,

        Com a globalização, agora podemos fazer a seguinte pergunta: Vou morar na Banânia por qual motivo? Eu já me fiz essa pergunta e mudei para os EUA. cansei de ser trouxa e pagar tudo 2 ou 3 vezes o preço nos EUA, não só os bens de baixo valor como voce citou, mas principalmente os de alto valor como carro, casa. Não faz sentido algum morar na Banânia, pois a qualidade de vida é baixa e o custo de vida é alto.

        PS: Atualmente estou na Alemanha, perto de Berlin, e posso dizer que os preços de casas aqui estão muito mais baixos do que na Banânia.

        0
        • Observador SP 7 de novembro de 2011 at 09:27

          Olá, Anonymous

          Vc tem razão. O problema aqui no terra Brasilis é que o povo não sabe dizer não, e são poucos que tem consciência: somos povo subdesenvolvido e queremos viver como superdesenvolvidos. É o que acontece hoje com os preços dos imóveis: tem gente que paga caro por imóveis que não valem nada.
          Do outro lado, estão aqueles que querem ganhar dinheiro fácil. Como está escrito numa reportagem: as imobiliárias querem experimentar até onde vai a resistência do bolso dos compradores, ou seja, não se vende pelo quanto vale, mas se vende pelo quanto o comprador (aquele que aceita) pode pagar.

          0
  • Menino do Rio 7 de novembro de 2011 at 07:43

    EXAME de hoje
    http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1003/noticias/a-farra-dos-precos-dos-imoveis-continua

    Última frase da reportagem:
    “Quem apostou contra a farra dos preços perdeu feio.”

    0
    • tiago 7 de novembro de 2011 at 11:38

      Frase tendenciosa essa né?

      0
    • augusto 7 de novembro de 2011 at 11:50

      Mais uma candidata séria para a reportagem piada do século e para convencer babacas, mentecaptos e imbecis
      Não falei que parte da midia iria começar a despejar baboseiras para otários acreditarem?
      Ninguem pode ir contra o fato de estatisticas do proprio Creci e outras entidades do setor, indicando que as vendas despencam e os preços começam a cairem. Para vender construtoras oferecem brindes e mais brindes.
      Perguntem a corretores conhecidos e em quem confiam como vão as vendas, E ESQUEÇAM-SE DE REPORTAGENS COMO ESTA CITADA

      0
      • Luiz 7 de novembro de 2011 at 12:45

        a Exame é uma espécie de revista Contigo dos executivos, só fofoca
        zero credibilidade

        pra ler sobre o Brasil, ou leia os estrangeiros ou a Veja. Só.

        0
        • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 13:58

          Eu descartaria a Veja.

          0
          • xyz 7 de novembro de 2011 at 15:39

            A Veja é tendenciosa como todos e tudo.
            MAS não podemos deixar de reconhecer os valiosos serviços que ela tem prestado à nação ao desvendar os inúmeros escândalos de corrupção.
            Parabens à Veja!

            0
            • Luiz 7 de novembro de 2011 at 15:51

              A VEja é a unica com credibilidade neste país, goste a gente ou não da linha editorial

              Só esse ano ela ainda vai derrubar o sexto ministro da Dilma e o governador Agnelo do DF

              0
              • Fernando 7 de novembro de 2011 at 16:05

                As denuncias contra o Sr Agnelo são beeeem antigas… de antes da campanha eleotiral de 2010.
                Porque SÓ AGORA a Veja resolveu “investigar e denunciar” algo já há muito tempo sabido?
                Alguém deve ter “esquecido” de pagar o jabá da editora abril e agora tá levando fumo.
                Credibilidade editorial? C tá de sacanagem né mestre?
                Santa ingenuidade, Batman!

                0
                • xyz 7 de novembro de 2011 at 16:34

                  Antes tarde do que nunca.
                  As denúncias podem ser antigas, mas Veja mostrou fatos novos, como os audios entregues pelo PM.
                  Não vou entrar no mérito dos interesses velados que a Veja pode ter no caso, pois não tenho conhecimento, MAS faço sinceros votos que ela continue desvendando ou mesmo requentando escândalos de corrupção.
                  Parabens à Veja!

                  0
                  • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 16:40

                    A Veja não faz isto por isenção. Serve a grupos econômicos e políticos que estão desesperados porque perderam a boquinha. Sem isenção, para mim dá no mesmo.

                    0
                    • Fernando 7 de novembro de 2011 at 17:01

                      Então o Sr deve concordar com a lógica de que “Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão”.
                      Existe sim diferença entre uma imprensa que age por interesse genuinamente cidadão do que por interesses escusos. E eu realmente me preocupo em perceber a dinâmica da Veja. Enquanto as coisas estão bem pro lado da Editora, todo pecado é perdoado. Quando algo sai do eixo do interesse, queimam corruptos que antes lhe serviam. Jogo de cartas marcadas, para cada “denúncia heroica” que a revista faz, quantos ela mantém acobertados? Para cada canalha exorcizado, quantos estão sob a saia da Editora Abril?
                      E se eu jogo dos dois lados, acobertando e desmascarando bandidos, de acordo com os meus interesses, qual é realmente meu grau de confiabilidade?

                      0
                    • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 17:08

                      Fernando,

                      Não sei se foi para mim, mas…

                      Não concordo com esta lógica não (ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão). Só para esclarecer, rs

                      Só não concordo com a linha da Veja e de boa parte da imprensa brasileira, só isto.

                      0
                    • Jack Imóveis 7 de novembro de 2011 at 23:31

                      Paulo,

                      Essa foi de rolar de rir. Desafio vc a listar 3 grupos econômicos cuja boquinha diminuiu nos últimos 8 anos.

                      Jack – Desafiador

                      0
  • Paulo 7 de novembro de 2011 at 10:31

    O mercado imobiliário baiano acumula o maior estoque de unidades de sua história. São 18 mil novos imóveis prontos e em construção à espera de compradores. A sobra nunca foi tão grande.

    “Canja de galinha e cautela não fazem mal a ninguém”, já dizia o velho provérbio. A Associação de Dirigentes do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA) tem recomendado prudência aos associados na hora de lançar novos empreendimentos.

    Nas reservadas reuniões do setor, a orientação, como se diz no popular, é “só ir na boa”. Para não aumentar o encalhe diante da escassez de compradores, os novos lançamentos devem ser muito bem planejados, com acurados estudos de demanda.

    Num mercado que sempre demonstrou disciplina para equilibrar oferta e demanda, o estoque elevado surpreende. A euforia do comprador com o maior acesso ao crédito agora arrefece diante do aumento de preços dos imóveis decorrente da inflação de custos e da baixa produtividade do setor.

    Mas o problema não é exclusivo da Bahia. Outros estados também sofrem a retração nas vendas e o crescimento do estoque de imóveis novos, a exemplo de São Paulo.

    A questão agora é saber se a tradicional lei de mercado vai prevalecer, causando a queda dos preços dos imóveis diante de uma maior oferta que demanda. Quem se habilita a responder?

    h t t p : //clipimobiliario.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17578:mercado-baiano-acumula-maior-estoque-da-historia&catid=34:mercado&Itemid=101

    0
    • Observador SP 7 de novembro de 2011 at 10:39

      Urubus, hora de sobrevoar a carniça !!!

      Galera, já tô pensando em deixar de comprar um ap em sampa para comprar em Salvador !

      0
    • augusto 7 de novembro de 2011 at 10:41

      Sem dúvida deram um tiro no pé quando aumentaram demasiadamente os preços.
      Os preços sem dúvida cairão, mas passaremos por mercado confuso, onde otários mentecaptos continuarão acreditando em altas sucessivas e para sempre; proprietarios , corretores e imobiliárias tentarão empurrar micos a babacas imbecis. Parte da midia com seus analistas será comprada para falar baboseiras (mas quem acreditar merece mesmo perder grana)
      Quem não estiver disposto e não souber negociar é melhor ficar longe do mercado imobiliário pelos próximos meses ou anos

      0
      • Observador SP 7 de novembro de 2011 at 10:52

        Falou bem augusto,

        O negócio é ter paciência.
        Como eu disse antes: quanto mais a carne estiver “maturada”, melhor!

        0
        • L1 7 de novembro de 2011 at 11:15

          O problema é que quem quer imóvel pra morar pode não conseguir esperar tanto. Ou vai pro aluguel, ou se submete aos preços… As vezes o cara já está na pressão p casar há tempos (meu caso… rs) e não sabemos quanto tempo podemos esperar.

          Vamos ouvir aquela velha ladainha:

          “Como você vai morar de aluguel, se tem um bom emprego e bom dinheiro junto e tem tanto empreendimento novo saindo? Você tá louco?”

          A pressão cultural não pode ser subestimada. Espero ver quedas em no máximo um ano, pois senão terei que tomar decisões bem complicadas e apostas bem penosas.

          0
          • Ader 7 de novembro de 2011 at 11:35

            L1,
            Melhor se submeter a pressão cultural por meses do que ficar escravo do financiamento para o resto da vida…

            0
          • thiago 7 de novembro de 2011 at 11:36

            Sinceramente?

            Nessas horas tem que mandar a família ir SE [email protected]#$%

            “Ah é, tem tanto prédio novo assim!? Então taí um bom presente de casamento!!”

            Dinheiro é meu, o problema é meu

            0
            • L1 7 de novembro de 2011 at 11:41

              kkkkkkkkkk
              concordo com você, caras…

              porém, temos que admitir que não é fácil postergar tanto tempo…

              ainda tem o fato de que eu “invisto” na poupança… e por conta disso fico com medo de ter meu dinheiro corroído pela inflação, que está tendendo a aumentar mais e mais

              0
          • Pedro 7 de novembro de 2011 at 11:40

            L1. Não vincule seu casamento com a compra de um imóvel. Isso pode estragar o relacionamento. Uma coisa não tem a ver com a outra. Casei recentemente e fui morar de aluguel, mesmo tendo dinheiro para comprar um apartamento. Porém não achei que era a hora de comprar, pois não quis me submeter aos preços abusivos praticados, tendo em vista estarmos no meio de uma bolha imobiliária jamais vista no Brasil. Estou muito feliz, com minha esposa, morando de aluguel. Pago 0,26% do valor do imóvel e sei que, se tiver paciência e não ceder às pressões, vou fazer um bom negócio em futuro próximo.
            Também sei que se o ambiente não estiver favorável posso continuar no aluguel e sendo feliz da mesma forma.
            O importante é o seguinte: não vincule a sua felicidade com a compra de um imóvel. Conheço várias pessoas que “realizaram o sonho do imóvel próprio” e não são felizes, porque achavam que isso seria o grande motivo de suas alegrias. Mera ilusão.
            Boa sorte e tenha paciência.

            0
            • L1 7 de novembro de 2011 at 11:51

              Concordo e compartilho seus raciocínios… acompanho o blog há quase um ano e assim como vocês, acompanho o mercado e as tendências…

              não vinculo a felicidade a um imóvel, porém é hábito feminino vincular um apartamento comprado a uma vida estável e sucesso financeiro.

              Sinto a pressão, mas não me deixo dobrar.. Acompanho o zap, a título de amostra do encalhe e tem sido animador ver que em jacarepaguá RJ (região que planejo comprar) o número de unidades a venda só aumenta. Isso pode ser forte indício de que teremos sucesso em nossas previsões. Além de também ver que a quantidade de “investidores” é bem maior do que parece.

              Esses investidores estão realmente com muita unidade na mão. Desejo força a todos e continuem com o movimento de “não compra”, pois podemos ser poucos, mas juntos, faremos alguma diferença sim. A conscientização tem aumentado e quanto menos nos curvemos diante dessa loucura toda, mais rápido teremos boas ofertas.

              0
              • Luiz 7 de novembro de 2011 at 12:56

                Sua mulher pode se tornar uma grande aliada.
                Temos excelente exemplos femininos neste blog.

                a mulher-porcelana é coisa do século passado.
                vcs devem pensar juntos, somar esforços

                e cuidado com o jogo sujo deles, o corretor sabe explorar isso num casal de pressionar pelo lado feminino.

                eu virei o jogo mudando o foco, mostrar o que podemos fazer com o mesmo dinheiro – viagens, compras, e depois da copa quem sabe comprar uma cobertura pela metade do preço

                0
              • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 13:55

                L1,

                Use este blog como um elemento a mais de informações – muito boas, por sinal – não como uma verdade absoluta. A decisão final do momento de comprar tem que ser sua e de sua noiva/esposa. Acompanhe o mercado, Jacarepaguá é uma área que deve sofrer primeiro a queda do preço aqui no Rio, junto com a “Nova Barra”.

                Pressão familiar realmente é flórida. Eu fico mais tranquilo pois não tenho esta pressão.

                PS: Sou “bolhista”, não estou estou estimulando ninguém a comprar agora (eu não compro). Lembrem-se do post do Arrependido.

                0
            • anonimo 7 de novembro de 2011 at 12:48

              Isso mesmo,
              conheço casais que se separaram pouco após a compra do imóvel próprio…o marido teve que se desdobrar para trabalhar mais e conseguir pagar as parcelas, que eram bem superiores ao valor do aluguel, e, resultado, GAIA.

              0
            • Murdoch 7 de novembro de 2011 at 14:42

              Companheiros, acho que devo completar com minha experiência…
              Eu e minha noiva ficamos 6 meses procurando pra comprar por teimosia dela, pq eu já queria alugar desde o começo.
              Ela teve que ver as porcarias sendo vendidas a peso de ouro para se convencer.
              Sabe o que eu fiz com o meu sogro que ficava pentelhando no ouvido que aluguel é jogar dinheiro no lixo?
              Levei ele pra ver 4 imoveis. Ele ficou tão chocado com o que pediam pela qualidade, que nunca mais abriu a boca pra dizer que aluguel era dinheiro no lixo.

              0
          • augusto 7 de novembro de 2011 at 11:41

            Primeiramente parabens pelo casamento vindouro.
            As quedas nos preços dos imóveis, virão dependendo de seu comportamento, pois lembre-se estará negociando com pessoas muito espertas, treinadas e até mesmo malandrinhas.
            Perceberão logo se é uma pessoa facilmente influenciada, e tentarão explorar esta sua caracteristica, fazendo-o entrar em frias.
            Nunca envergonhe-se de morar de aluguel mesmo podendo comprar algo e nunca dê bola para opiniões de comadres mal informadas e ultrapassadas, mas veja qual será no momento o melhor para voce. Um ” sacrificiozinho” no presente pode representar um ótimo negócio no futuro

            0
    • Ader 7 de novembro de 2011 at 11:32

      Frase muitas vezes repetida:
      “Ou seja, não há deficit nenhum…”

      0
  • O Poeta da Bolha 7 de novembro de 2011 at 12:11

    Indago, ó caríssimos, se já é de vosso conhecimento isto que encontrei alhures:

    h t t p : / / colunistas.ig.com.br/guilhermebarros/2011/11/07/procura-de-brasileiros-por-imoveis-em-miami-cresce-500-diz-brg/

    0
  • Luis Santos 7 de novembro de 2011 at 12:41

    Corretor é uma raça de calhorda mesmo, cadê o Ministério Público para organizar essa zona??? Como bem disseram aqui, muita gente (eu mesmo) acabou de alugar apartamento e deve viver assim nos próximos 10 anos por causa dessas técnicas do “apartamento coelho”, áreas em m2 mentirosas, valores escondidos em plantas, promessas milionárias de venda para proprietários que moram no local (e NÃO querem sair!!) e outras tramóias do gênero.

    0
  • Anonymous 7 de novembro de 2011 at 13:14

    Saldo da captação da poupança recua 62% até outubro, diz BC

    g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2011/11/captacao-recua-62-ate-outubro-para-r-105-bilhoes.html

    É… pelo jeito alguns recursos “pró-financiamentos” vão minguar antes mesmo do previsto.

    0
  • Andre Luiz 7 de novembro de 2011 at 13:27

    Um dado interessante no gráfico é que a curva dos imóveis mais baratos, (100 a 150 mil) está começando a aumentar.

    Já a dos imóveis mais caros (250 a 300 mil) é a mais estável, quase não aumenta.

    As faixas intermediárias (150 a 200 e 200 a 250 mil) ainda são as com maiores curvas de aumento.

    Algo me diz que os anúncios de imóveis mais baratos tenderão a aumentar. A corrida para sair primeiro dessa bolha sem imóveis em estoque começou.

    0
    • L1 7 de novembro de 2011 at 13:39

      Bem observado… Porém no RJ, ocorre o contrário ainda… os mais baratos ainda tem boa saída, enquanto os mais caros estão cada vez mais acumulados.

      0
      • Andre Luiz 7 de novembro de 2011 at 14:06

        L1, boa observação.

        Eu tinha pensado mais na redução de preços, os imoveis mais caros caindo de faixa. Mas o que você falou também faz sentido, ou seja, os mais baratos acumulando, pois estão inacessíveis às famílias de baixa renda.

        0
        • Luiz 7 de novembro de 2011 at 15:20

          corretas as observações

          a bolha se alastra antes de explodir

          os imoveis mais caros atingem o teto e se estabilizam, daí a estrategia do mercado é agir onde ainda há movimentação, nas periferias, nos usados, em reformas, em cidades distantes.

          Quando toda a capacidade de consumo se exaurir, depois disto, veremos os primeiros declínios.

          0
        • L1 7 de novembro de 2011 at 15:21

          eu acho que tem mta gente que antes almejava morar na zona sul do rio, agora está se contentando com jacarepaguá e zona norte…. isso justifica a “boa saída”dos imoveis até 200 mil e constante alta de preço desse tipo de imóvel. Na zona sul, com 200 mil só se for favelão

          com isso infla os preços de regiões antes mais baratas da região metropolitana. Pessoal com mais poder aquisitivo (classe média alta) disputando unidades com classe média baixa

          isso os que não fugiram pro aluguel

          0
          • Luiz 7 de novembro de 2011 at 15:48

            agora vc pensa isso em efeito dominó, as classes de renda todas sendo expulsas cada vez mais distantes dos centros.

            O efeito principal será na qualidade de vida.

            E qual a consequência: PRESSÃO NOS SERVIÇOS PUBLICOS
            Indo mais adiante: aumento de impostos pelos municipios pra cobrir o aumento nos serviços, em especial o IPTU.

            A bolha imobiliaria gera toda uma desorganização das cidades e das contas publicas

            0
  • Observador SP 7 de novembro de 2011 at 13:38

    Olhem só essa da revista Exame: A farra dos preços dos imóveis continua (07/11/2011)
    (http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1003/noticias/a-farra-dos-precos-dos-imoveis-continua)

    Eis um trecho da matéria: (…) A euforia no Rio se deve, em grande parte, às obras de infraestrutura e aos investimentos em segurança que estão sendo feitos para receber a Olimpíada. (…)

    Conversei com um amigo meu do Rio, e ele disse que a única infraestrutura convincente que até agora estão fazendo é uma ponte longe numa das regiões mais perigosas da cidade, perto da UFRJ. E com relação à segurança, somente UPPs, as quais atende somente às comunidades. O resto é maquiagem, fachada para gringo ver. Ele diz que não há melhoria em saneamento e sistema de drenagem (piora em épocas de chuva), os asfaltos são horríveis, não há policiamento nas ruas (além da grande corrupção dentro da polícia).

    Verdadeira propaganda paga.

    0
    • Murdoch 7 de novembro de 2011 at 14:25

      Observador SP, não sou nenhum defensor do governo, até pq acho que o resultado das UPPs não serão exatamente os esperados, mas tem bastante coisa sendo feita sim.
      3 corredores de ônibus de grande porte, as obras do Porto, bastante investimento em saneamento na Zona Oeste, algumas clínicas de famila que de fato funcionam…
      Se isso justifica esse aumento?
      Nem fodendo!
      O passivo é mto grande! Foram mtos anos largados.

      0
      • MrK 7 de novembro de 2011 at 15:46

        isso é uma PIADA

        estão tirando do papel projetos com 20 anos de atraso, em vez de 20 anos de deficit teremos só 10!! Grandes m…

        o metrô pra barra é uma PIADA, tinha que ir no minimo até o riocentro e deveria ser uma linha independente, o projeto atual vai ajudar muito pouco, está muito aquem da real necessidade

        na zona sul a solucao pro transito foi pintar uma faixa de azul e chamar de BRT, brincadeira né?

        a seguranca melhorou pra quem vive em comunidades ou em frente a elas, pra quem mora a mais de 200m de uma comunidade não mudou rigorosamente nada, fora isso o Rio continua sendo uma cidade com problemas básicos muito sérios.

        dizer que a infra justifica o aumento de preços é uma piada de muitissimo mal gosto

        0
        • Murdoch 8 de novembro de 2011 at 10:11

          Interessante.
          2 respostas que dei a esse post foram vetadas?
          Por que?
          Não é para debate?

          0
          • Luiz 8 de novembro de 2011 at 17:31

            Murdoch, não sou o administrador pra afirmar mas não acredito que vc foi vetado
            +provavel um porblemas qualquer desses de TI

            0
            • Bolha Imobiliária 8 de novembro de 2011 at 17:56

              Não vetei O Murdoch, ele não fez nada para merecer isto…Pelo jeito deve ser aquele bug do wordpress ocorrendo

              0
      • Wendell 7 de novembro de 2011 at 20:57

        “3 corredores de ônibus de grande porte” – Que já nascem ultrapassados, e certamente serão tão confortáveis quanto o metrô… A Transoeste é uma piada. Um milhão de paradas, saindo lotado de Campo Grande e lotando mais ainda em Santa Cruz. O maior benefício disso tudo vai ser o túnel – e só.

        “as obras do Porto” – Museu do Amanhã? Grandes bosta. O resto é especulação imobiliária pra dar mais fôlego ainda a bolha. E não, o VTL não vai sair.

        “bastante investimento em saneamento na Zona Oeste” – Aham. Lagoa de Jacarepaguá e Baía de Sepetiba mandam lembranças.

        “algumas clínicas de famila que de fato funcionam…” – Desconheço. Além de serem superfaturadas, assim como as UPAs, nunca têm médicos.

        0
  • henrique 7 de novembro de 2011 at 14:04

    Tenho o $$ pra comprar minha casa há tempos, mas vou esperar pelo menos até o primeiro semestre de 2013 pra começar a procurar alguma coisa.

    Até lá muitos empreendimentos serão entregues, os rumos da economia estarão bem mais claros (provavel desaceleração), muita gente que comprou pra revender buscará se antecipar ao “efeito copa” (vendendo antes de 2014), enfim, a pressão de venda aumentará sem que haja uma pressão de compra para sustentar os preços.

    É importante ter calma e paciência e não se precipitar com qualquer recuo de preços, promoções ou “descontos”.

    0
    • MrK 7 de novembro de 2011 at 15:49

      seu pensamento é bem parecido com o meu, sabe, não me preocupo muito se será mesmo inicio de 2013, quem sabe meio de 2012… mas estou tranquilo para esperar pelo menos mais 18 meses e isso vai dar muita tranquilidade, como voce disse, zilhoes de apartamentos (uma avalanche nunca antes vista) chegará ao mercado nesse tempo, com “investidores” precisando vender

      0
  • Observador SP 7 de novembro de 2011 at 14:29

    Mais uma notícia preocupante, do jornal O Globo: Diretor do FMI diz que economia mundial está à deriva (07/11/2011)

    (http://oglobo.globo.com/economia/mat/2011/11/07/diretor-do-fmi-diz-que-economia-mundial-esta-deriva-925747844.asp)

    Eis alguns trechos:
    – (…) A crise é gravíssima, com epicentro na zona do euro. A economia mundial está à deriva. (…)
    – (…) Na avaliação de Ricupero, o que se observa no Brasil é inflação maior com crescimento menor, na avaliação dele, “o pior dos mundos”. (…)
    – (…) O que parece evidente é que a economia brasileira mostra sinais claros dos efeitos da crise mundial. Analistas já projetam um crescimento da economia brasileira mais próximo dos 3% do que de 3,5%, o que fica perto das previsões para os EUA, em 2,5%. (…)

    0
  • Henrique 7 de novembro de 2011 at 14:30

    07/11/2011 – 08h37 (Folha de SP)
    “Marolinha” 2.0

    Em 2009, ano da “marolinha”, o PIB do Brasil encolheu 0,6%. Houve quedas dramáticas na indústria (-6,4%) e nos investimentos e construção civil (-10,3%).

    O PIB daquele ano espelhou a crise aguda nos EUA em 2008. Foi quando o Lehman Brothers quebrou e o mercado internacional de crédito se transformou em um “vale da morte”, onde bancos congelaram os empréstimos entre si e para empresas e consumidores.

    O atual estágio da crise na Europa, comparável a um 2008 americano, só que em câmera lenta, vai cobrando a sua conta.

    Quase 70% dos bancos dos mercados emergentes já experimentam um aperto nas condições de financiamento. Ou seja, têm mais dificuldades ou pagam mais por linhas de crédito que tomam de outros bancos para transformá-los em empréstimos para seus clientes e consumidores.

    No Brasil, a situação é distinta, pois os bancos estão bem capitalizados e têm dependência externa mínima. Mas eles também se retraíram em 2009, obrigando os estatais Banco do Brasil e CEF a entrar mais agressivamente em cena para manter o crédito ao consumo.

    O problema é daqui em diante, em 2012 particularmente. A indústria brasileira apresenta sinais evidentes de desaceleração, que terão impacto também sobre investimentos.

    Assim, o roteiro em câmera lenta na Europa (na comparação com a crise aguda dos EUA em 2008) também serve para o Brasil. O país será afetado, mas de forma mais gradual.

    O Brasil não é uma ilha, e seu comércio internacional hoje depende tanto dos países desenvolvidos quanto dos emergentes, onde há uma clara desaceleração em curso (até pelo aperto das condições de financiamento de seus bancos)

    O maior risco é a zona do euro e os EUA sofrerem um novo e contínuo desaquecimento. E voltarem a uma recessão.

    O nó desta crise é dificílimo de ser desatado sem uma mudança global no “estado das coisas” das últimas décadas.

    O acordo que vigorava até 2008 era mais ou menos o seguinte: países como China e Alemanha e outros com excedente de produção exportavam seus bens para outras áreas, como EUA, Espanha e mesmo Grécia, que financiavam essas compras se endividando.

    Esse endividamento atingiu tais proporções que se tornou insustentável. Logo, não haverá mais o crédito fácil das últimas décadas para financiar compras de quem não tem como pagar.

    O problema é que os países vendedores (Alemanha, China) terão cada vez menos oportunidades de vender o excedente que produzem.
    E os endividados (EUA, Espanha), cada vez menos apetite para comprar a crédito depois do trauma da atual crise.

    Faltarão compradores, o que desestimula produção, investimentos e empregos.

    Nesse cenário, a comunidade internacional sequer consegue uma solução rápida para uma questão relativamente pequena, como a Grécia.

    Isso dá a dimensão do problema e sofrimento que o mundo ainda tem pela frente.

    0
    • maurizio 7 de novembro de 2011 at 17:23

      Por piorar a China esta ralentando, o preço do mineiro de ferro já despenco de 30%,isso significa que a balança dos pagamento do brasil vai ter grandes problemas ja em Q4.

      0
    • Roberto Cesar 7 de novembro de 2011 at 19:51

      Querem ver em que pé anda as negociações sobre a crise europeia? Veja esse vídeo.
      É cômico mas é a pura realidade.

      http://www.macrobusiness.com.au/2011/11/xtranormal-european-rescue/?source=rcesar.net

      Merkozy (mistura de Merkel com Sarkozy) já não sabe o que fazer para continuar enganando as pessoas. Essa crise na Europa não tem solução, eles só tão empurrando com a barriga, tentando ganhar tempo, talvez esperando um extra-terrestre vir com uma nave espacial cheia de dinheiro porque no planeta Terra não existe dinheiro suficiente para salvar a Europa.

      Já conseguiram derrubar o George Papendreou, daqui a pouco vão derrubar o Berluscone, mas os problemas financeiros de Grécia e Itália continuam e só vão se agravar.

      0
  • Evandro CPS 7 de novembro de 2011 at 14:42

    Comecei um debate com um cara nesse video:
    h t t p ://www.youtube.com/watch?v=9rjoKoJUWpM&lc=BD3b0dHufDKdyR-f-jSh60EFQxoB8jEpZtneUjLCWyM&feature=inbox

    0
    • MrK 7 de novembro de 2011 at 15:54

      que peça rara

      esse pessoal do ramo imobiliario é muito irresponsavel, eles ficam vendendo essa ideia de valorização eterna e enganando nosso povo que não tem cultura financeira alguma…

      se ele acha um bom negocio pq ele nao compra 500 imoveis, depois vende e vai morar em monaco?

      0
      • Evandro CPS 7 de novembro de 2011 at 16:11

        Pois é cara! Um desses apartamentos (Ecolife), era para ser entregue em fevereiro 2010. Até hoje não saiu do segundo ou terceiro andar! (são 2 torres de 16 andares no total)!
        Na época era um bom negocio:
        4 dormitorios, 2 suites, 2 vagas, bela varanda com churrasqueira, e o melhor, vista privilegiada para o Pq. Taquaral (procure no google, um dos lugares mais nobres de campinas).
        Preço na época (2008): 280 mil reais!
        Com 280 mil reais hoje, dá até depressão ver o que compro! kkk
        Achei até um anuncio antigo, olha:
        h t t p ://www.quebarato.com.br/ecolife-lagoa-taquaral-campinas__13944F.html

        Enfim, a obra foi embargada e o dinheiro foi devolvido integral, exceto corretagem (um absurdo, mas nem com mta briga foi possivel recuperar).

        Enfim. O cara é uma piada.

        0
        • tiago 7 de novembro de 2011 at 17:48

          engraçado…

          aqui no jaguaré também embargaram o ecolife… agora estão oferecendo como colore jaguaré… na época 280 mil tmbm… deve ter muito nego que perdiu dinheiro a rodo!!!!!!!!

          0
    • Fred Henrique 7 de novembro de 2011 at 23:14

      Fazia tempo que eu não comentava, mas depois que conheci este cara, fiquei embasbacado. Será que ele REALMENTE acredita nisto que ele fala?

      Gostei da confusão mental neste vídeo. Assisti três vezes e sequer ENTENDI o que ele quis dizer. É um tremendo samba do crioulo doido:

      youtube.com/watch?v=56SPgt8A_bc&feature=related

      Já este outro vídeo, em que ele “prova” que não há bolha, parte daquele princípio goebbeliano da mentira repetida mil vezes. É deprimente, parece que basta ficar repetindo o mantra “o crédito no Brasil é responsável. A nova classe média é uma demanda reprimida. Os imóveis passaram por um período de estagnação”… :

      youtube.com/watch?v=fVb8Ema0UIo&feature=related

      0
  • Dan 7 de novembro de 2011 at 15:31

    Pedidos de falência crescem 21,3% em outubro

    Flávia Albuquerque
    Da Agência Brasil

    Comentários1
    Os pedidos de falência cresceram 21,3% em outubro na comparação com setembro, de acordo com o levantamento divulgado nesta segunda-feira (7) pela empresa de consultoria Serasa Experian. No período foram registradas 131 falências ante as 108 registradas no mês anterior. Na comparação o mesmo mês do ano passado houve recuo de 24,3%, já que, em outubro de 2010, foram feitos 173 pedidos de falência.

    Dos 131 pedidos de falência registrados em outubro de 2011, 86 referem-se a micro e pequenas empresas, 28 a médias e 17 a grandes empresas. Já em relação aos pedidos de recuperações judiciais, ocorreram 27 solicitações em outubro deste ano, enquanto no mês anterior foram 34.

    Para os economistas da Serasa, a alta mensal dos pedidos de falência pode ser reflexo do atual cenário de maior desaquecimento da economia. Entretanto, como já se iniciou um novo ciclo de redução dos juros, é pouco provável que presenciemos continuidade de crescimento dos indicadores de insolvência ao longo dos próximos meses.

    “O recuo nos pedidos de recuperações judiciais em outubro é um sinal de que, apesar das dificuldades financeiras, não se vislumbra um quadro de expansão da insolvência das empresas brasileiras no médio prazo”, dizem os economistas da entidade.

    h t t p://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/11/07/pedidos-de-falencia-crescem-213-em-outubro.jhtm

    0
  • BOLHABRAZIL 7 de novembro de 2011 at 15:35

    A queda de preços já começou!
    Quem é do Rj deve conhecer o “Cidade Jardim” que junto com o “Rio2” foram construídos em cima de um LIXÃO! (sim, o terreno era depósito municipal de lixo) aptos de 4 qtos e 150mt eram anunciados a 750mil. hj em dia tem VÁRIOS por 640mil……e o tiram 10mil do preço toda semana e NÃO VENDE. (CONDOMÍNIO = R$1.200/MES….KKKKK)

    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-4-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-BARRA-DA-TIJUCA-RESERVA-JARDIM-/ID-2219341

    e o engraçado é que tens uns sonhadores, lunáticos, ET´s sei lá o que que pedem no mesmo condominio quase 600mil por um 3qtos com 100mts. ou seja, querem vender o celta pelo preço do jetta. sem noção….

    outra: barra da tijuca – condominio blue. há pouco pedia-se num 2qts 500mil que há 3 anos eram vendidos por 180mil….já tá´pipocando anúncio de 3qts por 550mil kkkkkkkk.

    chora especulador!! chora corretor!!!

    saudações.

    0
    • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 16:58

      Esta questão da Barra é muito interessante. Eu lembro que a filosofia de se morar na Barra antigamente era a possibilidade de se morar em frente ou bem próximo a praia, ir a pé, sem preocupação.
      Agora constróem um monte de prédio perto do Autódromo, para chegar na praia você vai ter que ir de carro, e dizem que é Barra da Tijuca. Estão de brincadeira.

      0
  • MrK 7 de novembro de 2011 at 16:01

    MOMENTO COMEDIA… vendas de carro despencando

    Essa materia é hilariante, das 30mil unidades que cairam só 8mio são culpa dos importados e eles são os culpados pela queda segundo oglobo?!?? Alias, os importados cairam pelo ipi, mas os nacionais por causa do numero de dias uteis?!? Como assim, em feriado se vende importado e não carro nacional ?!?Alguem entendeu essa logica?!?!

    Fato é que o Brasileiro está atolado em dividas e chegou no seu limite

    Alta do IPI de importados contribui para queda de 10% nas vendas de veículos em outubro
    oglobo.globo.com/economia/mat/2011/11/07/alta-do-ipi-de-importados-contribui-para-queda-de-10-nas-vendas-de-veiculos-em-outubro-925747150.asp

    0
    • Mineiro BH 7 de novembro de 2011 at 16:15

      MrK e demais,

      Pegando seu gancho, lembro que já falamos disso há alguns dias: os malabarismos que vão aparecer durante a fase de “negação”… alguns de má-fé, outros por burrice e desinformação, muitos por mecanismos psicológicos ou mesmo por terem se vendido pura e simplesmente a algum agente do mercado…

      Achei muito sintomática disso a coluna de hoje do Cerbasi (Folha, Cad. Mercado)… observem como ele diz várias coisas ao mesmo tempo… francamente, li duas vezes e não consegui entender se ele acha que devemos comprar ou não…

      Alguém sabe dizer se ele em seus livros recomenda a compra, aqui em Banania, no atual cenário?

      Minha sensação foi: ele escreveu de uma forma que ele ao mesmo tempo não desagrada o “mercado” e tb fica isento de reclamações futuras, tipo “seu conselheiro financeiro de m., me mandou comprar e agora….!”…

      Leiam…

      ———————–

      GUSTAVO CERBASI

      O risco dos imóveis

      ——————————————————————————–
      Quando más escolhas são feitas, é possível perder dinheiro até no mais tangível dos investimentos
      ——————————————————————————–

      Quem está habituado a formar seu patrimônio em imóveis geralmente resiste a conhecer outros investimentos. Os argumentos para isso se baseiam na tradição, na segurança e na previsibilidade que o mercado de imóveis supostamente apresenta.

      Entretanto, sabe-se que é possível ganhar muito dinheiro com imóveis, e uma regra básica em economia prevê que, para obter mais rentabilidade nos investimentos, precisamos assumir mais riscos.

      É nesse ponto que podemos derrubar o argumento de quem prega a segurança dos imóveis.

      Comprar imóveis não é a mesma coisa que investir neles.

      Afinal, o ganho esperado para quem compra imóveis na planta e revende na entrega das chaves está por volta de 25% a 30%, antes dos impostos.

      O prazo de obra raramente é menor do que dois anos. Compradores geralmente ignoram custos adicionais como os de registro e de transferência e reformas adicionais para tornar a construção habitável.

      Depois de pronto, há o risco de vacância, que faz com que a possibilidade de lucro se transforme em custo.

      Levando tudo isso em consideração, o pouco ou nenhum ganho acima de produtos tradicionais de renda fixa faz dos imóveis uma alternativa com baixa recompensa sobre o risco assumido.

      Até esse ponto, não vejo motivo para criticar a compra de imóveis, desde que o comprador se sinta realmente mais seguro do que se seu dinheiro estivesse em um banco.

      Porém, pelo fato de não haver recompensa pelo risco, uma estratégia de compra e venda simples não é considerada, necessariamente, um investimento.

      O potencial de ganhos significativos com imóveis surge do conceito de alavancagem, que é o mesmo que investir apenas parte do valor para colher todo o resultado.

      Por exemplo, se você comprar na planta um imóvel que vale R$ 500 mil no lançamento, pagar apenas R$ 100 mil durante alguns meses e o revender por R$ 600 mil, passará ao comprador sua dívida (R$ 400 mil) e embolsará os R$ 200 mil da diferença. Em outras palavras, se não colocar todo o dinheiro, poderá ter ganhos de 100% ou mais sobre a parte que investir.

      É um ótimo negócio, quando dá certo. Se o mercado não estiver bom, o imóvel pode encalhar e o preço pode cair. Se você precisar revender, correrá o risco de receber menos do que investiu. É nesse tipo de situação que reside o chamado risco do mercado imobiliário. Perde-se dinheiro até no mais tangível dos investimentos, quando más escolhas são feitas.

      Existem outras possibilidades de alavancagem que diminuem sensivelmente esse risco.

      Por exemplo, há quem opte por investir parte do valor necessário para construir um imóvel, financie o valor restante e pague o financiamento com o rendimento do aluguel do mesmo imóvel.
      Após alguns anos, terá o valor integral do imóvel para si, mas grande parte do investimento terá sido custeada pelo inquilino.

      Para saber se uma estratégia dessas é segura ou não, é preciso fazer a lição de casa e perscrutar o mercado em busca de uma configuração de imóvel que tenha boa demanda, preferencialmente em regiões com potencial de crescimento e valorização, além de zelar para que a obra seja conduzida com eficiência e baixo índice de perdas.

      Na prática, comprar imóveis não dá muito trabalho, mas também não dá muito resultado. Já o investimento em imóveis tende a recompensar mais aqueles que mais conhecem o mercado. Ganha mais quem trabalha mais -essa é a melhor tradução para a ideia de mercado eficiente.

      O cenário brasileiro é extremante positivo para os próximos anos, com potencial de enriquecimento da população e consequente reflexo na evolução do preço dos imóveis. Isso não significa certeza de ganhos, mas sim certeza de que aqueles que mais trabalharem colherão mais.

      Quem acha que investe, mas não obtém resultados, deveria rever sua posição, pois pode estar perdendo dinheiro. Ou, no mínimo, deixando de ganhar muito mais.

      0
      • Marcos 7 de novembro de 2011 at 16:20

        É na euforia que os investidores de verdade vendem. Copa, olimpíadas, somos a bola da vez. Investimento bom é qdo ninguém fala dele.

        0
      • Jack Imoveis 7 de novembro de 2011 at 16:21

        Caro,

        O exemplo que ele da é péssimo. Nem o INCC ele põe na conta. Simplista demais.

        Jack – se conselho fosse bom ele vendia

        0
      • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 16:31

        Para mim ele foi até mais claro que muita reportagem: “Só entre nesta se souber o que está fazendo. Se for por impulso, tá lascado. E se perder grana não vá culpar os outros, o risco foi seu.”

        Vi (Li) gente comprando imóvel alavancado e na hora de vender nas chaves perguntar o que é ITBI (no site do pai rico).

        0
      • me 7 de novembro de 2011 at 16:38

        Falou e não disse nada.
        Pérola: “É um ótimo negócio, quando dá certo.”

        0
        • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 16:47

          Mas certos investimentos são assim mesmo. Quer ganhar mais, assuma mais riscos e saiba o que está fazendo. Bem parecido com investimento em bolsa, por exemplo. Você vai ganhar ou perder, de acordo com seu grau de conhecimento do mercado de investimento e os fatores de risco que você assumiu.

          Se fosse líquido e certo não teria graça.

          Tem gente ganhando em alavancagem em imóvel na planta, gostemos ou não. Agora, tem muito desavisado perdendo grana, só que destes ninguém fala.

          0
          • me 7 de novembro de 2011 at 16:52

            Se deu certo, é claro que foi ótimo negócio, diacho.

            “(…)Se fosse sólido, come-lo-ia.”

            0
            • Luiz 7 de novembro de 2011 at 17:00

              escritores ruins se encondem atrás de tautologias baratas e jargão hermético

              0
            • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 17:01

              Sim, ele falou o óbvio, que para nós, que acompanhamos o blog, é mais óbvio ainda. Mas ainda acho um discurso melhor do que “compre na planta porque vai subir 30% ao ano, garantido” ou “o preço de imóveis nunca caem” ou outros discurso que vemos por aqui

              0
              • me 7 de novembro de 2011 at 17:49

                Justificar um erro por outro deixa todos cegos, ou algo assim.

                0
      • Carlos Wagner 7 de novembro de 2011 at 17:48

        Esse jornal para o qual esse colunista trabalha é muito parcial e tendencioso. É chapa branca e devemos duvidar de tudo que lá é escrito, isso sem mencionar o baixissimo nivel dos colunistas.

        0
    • Marcos 7 de novembro de 2011 at 16:16

      Isto quer dizer que o aumento do IPI foi um tiro pela culatra. Ninguém deveria comprar carros. Porque pagar tão caro por esses carros nacionais?

      0
      • Luiz 7 de novembro de 2011 at 18:38

        acabei de ver o novo Palio, peladão sai por 31 mil completo 42k

        … a porcaria do carro esticaram uns centimetros aqui outro ali, trocaram os faróis, os cromos e os logos

        eles ainda não entenderam o recado dos consumidores
        não tenho duvida … vai micar

        0
        • Wendell 7 de novembro de 2011 at 21:02

          “eles ainda não entenderam o recado dos consumidores”

          Entenderam sim: O consumidor brasileiro quer status. Paga com o dinheiro que não tem por algo que não quer para mostrar pra gente que não gosta.

          É o “Preço Brasil” 😛

          0
        • Troll 7 de novembro de 2011 at 21:06

          Cara, o problema é que a “nova classe média” compra essas merdas.

          0
        • Carlos Wagner 7 de novembro de 2011 at 21:55

          Infelizmente tenho que concordar que o brasileiro quer status e compra tudo lhe que proporcione sentir-se por cima.

          Esse palio só vai micar por um motivo: O povo esta endividado. Pois de outro modo, venderia igual agua. Em 84 meses, sem entrada, é claro!

          0
  • Marcos 7 de novembro de 2011 at 16:10

    Comentário de uma amiga sobre imóveis novos em Santos: “Estranho que esses imóveis novos só tem uma vaga na garagem”.

    E esses imóveis novos são na faixa de 500 mil.

    Brasileiro rico, mas de família pobre. Esse é o futuro do Brasil!

    0
    • Ader 7 de novembro de 2011 at 16:57

      Será que realmente esses imóveis valem o que pedem e a construtora esqueceu de disponibilizar mais vagas? Pois quem tem o poder aquisitivo para compra-los certamente tem no mínimo 02 automóveis. Ou será que está tudo correto com o imóvel e o número de vagas, porém não vale o que pedem? Gostaria que alguém me explicasse isso, de preferência um corretor.

      0
      • Fernando 7 de novembro de 2011 at 18:19

        Penso nas seguintes opções:

        1) Dificultar o acesso dos moradores a vagas de garagem, assim criando um jogo especulativo sobre essas vagas, bem como estacionamentos na região.
        2) Percebeu-se a imensa crise econômica que espera o Brasil, com queda no emprego, salário, aumento de pobreza. As pessoas terão de se desfazer de seus carros e será raro alguém ter mais de um veiculo no futuro (rarararará)
        3) Com o aumento das infra-estruturas urbanas, pessoas morando mais proximas do trabalho, postos de saude bastante eficientes nos bairros, escolas de otima qualidade do ladinho de casa e um sistema de transporte publico altamente eficaz suplantarão a necessidade do cidadão de comprar carros. (rarararará)²

        0
        • Luiz 7 de novembro de 2011 at 18:34

          nada disso eles erraram mesmo

          na pressa fizeram projetos nas coxas

          0
          • RPL 7 de novembro de 2011 at 20:07

            Luiz,

            Na verdade, esses prédios têm apenas uma garagem para evitar que a pessoa leve mais 50 convidados durante a época de temporada….

            Inclusive em muitos deles, é definido que não pode ter mais do que 6 pessoas ocupando o apartamento.

            Acho que não foi em garagem que eles erraram… Mas pergunte pra um corretor se vai faltar água no prédio na temporada….

            0
        • xangai 7 de novembro de 2011 at 23:22

          todas as anterioress !! rsrsrsrsssssss.

          0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 21:08

      Moro em Santos. Santos vive sua própria bolha, dentro da bolha brasileira.

      0
    • DanielCM 8 de novembro de 2011 at 00:13

      se o padrão de vida de quem compra isso é formado por pessoas que, no mínimo, tem 2 carros, e o prédio só tem uma, vejo duas saídas: ou aquela construção está fora da sua faixa de preço, ou quem compra não vai morar lá (investidor). Ploc e ploc!

      0
  • me 7 de novembro de 2011 at 16:35

    Por curiosidade, entrei em contato com isso:

    http://www.zap.com.br/imoveis/oferta/Kitchenette-Conjugados-1-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-BOTAFOGO-/ID-2426776

    Apenas pediram meu nome e telefone, que o corretor entraria em contato.

    Tem um pessoal falando que boa parte de quem tá comprando é investidor ou especulador, mas não entendo como pode faltar tanto pra alugar.

    0
    • me 7 de novembro de 2011 at 17:07

      Me ligaram. Fica no morro.

      0
    • Paulo - RJ 7 de novembro de 2011 at 17:11

      Cara, que horrível

      0
    • MrK 7 de novembro de 2011 at 17:41

      pra voce me;
      com o valor desse lixo na favela voce compraria isso em cape town, uma cidade melhor que o rio

      capetown-westerncape.gumtree.co.za/c-Flat-House-Real-Estate-houses-flats-for-sale-PERFECT-STARTER-HOME-W0QQAdIdZ325530428

      hahahaha é serio, nao é brincadeira

      0
  • Evandro CPS 7 de novembro de 2011 at 16:42

    60% dos consumidores usarão 13º para quitar dívidas, diz Anefac

    Neste ano, 60% dos consumidores pretendem utilizar o 13º salário para o pagamento de dívidas, segundo aponta pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac), feita com 631 consumidores e divulgada nesta segunda-feira (7).
    Em outubro do ano passado, 57% dos entrevistados indicaram que usariam o dinheiro extra para quitar débitos. “Isso demonstra que a redução da atividade econômica e a inflação elevaram o endividamento dos consumidores”, diz a entidade, por meio de nota.

    Do restante dos consumidores entrevistados, 17% planejam usar esse dinheiro para comprar presentes, 12% vão poupar para as despesas comuns de começo de ano, 6% já receberam parte ou todo o 13º em 2011, 3% pretendem poupar a parte que sobrar e 2% querem aproveitar os recursos para ajudar na compra ou reforma da casa.
    De acordo com a pesquisa, 76% das dívidas que os consumidores pretendem quitar com o 13º salário são de cartão de crédito e cheque especial. Os compromissos com cartão de crédito atingiram 39% do endividamento e as dívidas com cheque especial, 37%.
    Segundo a pesquisa, 80% dos consumidores irão utilizar cartões de crédito para as compras de Natal. Os produtos mais procurados neste fim de ano serão eletroeletrônicos (74% das intenções), celulares (72%) e roupas (68%).
    “Diversos segmentos de compras apresentaram uma redução na intenção de gastos dos consumidores (brinquedos, bens diversos, eletroeletrônicos, celulares, linha branca e móveis), demonstrando uma maior cautela e redução de gastos dos consumidores seja por conta de um ano de 2011 um pouco mais difícil seja por conta do cenário externo”, afirma a Anefac.

    h t t p ://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2011/11/60-dos-consumidores-usarao-13-para-quitar-dividas-diz-anefac.html

    0
  • Carlos Wagner 7 de novembro de 2011 at 16:45

    Uma consideração sobre a bolha imobiliária

    Imóveis são bens. Como qualquer bem, seus preços são determinados essencialmente da mesma forma que os preços de todos os outros bens que existem em oferta limitada na economia, sejam eles carros clássicos, mão-de-obra qualificada, livros raros, moedas antigas, discos de vinil etc. Ou seja, os preços dos imóveis são determinados pela combinação de oferta limitada e intensidade da demanda.

    Logo, pela lógica, o que fez aumentar os preços dos imóveis no Brasil foi um rápido e contínuo aumento na demanda por eles. Esse aumento na demanda, por sua vez, é consequência do aumento contínuo, intenso e progressivo dos meios fiduciários, praticado pelo sistema bancário e coordenado pelo Banco Central. Isso significa que os preços dos imóveis aumentaram em decorrência do acentuado aumento da quantidade de dinheiro na economia. O único fator que explica esse boom imobiliário que ocorreu nos últimos três anos é a criação de meios fiduciários.

    Esse dinheiro criado do nada aportou primeiramente no setor imobiliário, financiando a juros baixos novas construções e empreendimentos. À medida que os projetos iam sendo aprovados, especuladores compravam apartamentos na planta apenas para revendê-los mais tarde, a um preço mais alto. Isso era possível justamente porque mais dinheiro ia sendo criado e jogado no mercado imobiliário, o que dava sustentação a esse processo de contínua alta dos preços.

    Essa criação contínua de dinheiro não elevou apenas os preços dos novos imóveis comprados. Elevou também os preços de todos os outros imóveis já existentes no mercado. Isso porque as pessoas que compravam imóveis na planta e os revendiam a preços mais altos utilizavam o lucro obtido nesse processo para adquirir outros imóveis que estavam com preços menores. E os vendedores destes imóveis, por sua vez, utilizavam esse dinheiro da venda para adquirir outros imóveis. Assim, o dinheiro criado do nada e jogado no mercado para financiamentos imobiliários ia passando sucessivamente pelas mãos de vários compradores e vendedores, elevando nesse processo os preços de todos os imóveis.

    No entanto, é claro que essas injeções monetárias não elevam somente os preços dos imóveis. Inevitavelmente, uma parte desse dinheiro sempre acaba “vazando” para fora desse ciclo — seja por meio de vendedores que agora resolveram gastar em outras coisas, seja por meio de operários e corretores que, com seus inevitáveis aumentos salariais, resolveram aumentar seu consumo de bens e serviços. Esse dinheiro irá parar em outros setores da economia, elevando também os preços nesses outros setores (a inflação do setor de serviços é especialmente notável).

    É desta forma que os meios fiduciários criados vão se espalhando pelo resto do sistema econômico, elevando o nível de gastos e, consequentemente, os preços de todos os setores por onde passa.

    O leitor mais atento já deve ter percebido que, caso houvesse apenas uma rodada de injeção monetária, ou apenas algumas poucas rodadas, a elevação de preços ocorreria até um certo ponto. Uma vez findada as injeções monetárias, e todo esse dinheiro novo já tiver perpassado toda a economia, os preços irão se estabilizar. Não haveria como eles continuarem subindo indefinidamente.

    Sendo assim, para que haja uma contínua e sustentada elevação dos preços dos imóveis e, por conseguinte, de todos os bens e serviços da economia, as injeções de dinheiro criado do nada têm de ser constantes e cada vez maiores. Essas injeções não apenas irão mais do que contrabalançar esse inevitável vazamento de dinheiro para fora do setor imobiliário, como também, em decorrência de já terem estabelecido um padrão de ganhos contínuos no setor imobiliário — desta forma criando e mantendo a crença de que é impossível ter prejuízos nesse setor —, conseguirão atrair para o mercado ainda mais financiamento. E assim o ciclo de alta se perpetua.

    Portanto, todo o processo de formação de bolha se resume à inflação monetária, e eleva os preços não só do setor imobiliário, como também de todos os outros setores da economia.

    Esse processo de formação de bolha só será interrompido quando a criação de meios fiduciários for interrompida. Geralmente isso acontece quando o Banco Central fica preocupado com o nível da inflação de preços e decide elevar os juros. Consequentemente, o fluxo de dinheiro para esse setor que está em uma bolha será interrompido. Os preços não somente pararão de subir, como na realidade irão necessariamente cair.

    Irão cair por uma combinação de dois motivos: pelo fato de que sempre há aquela parte do dinheiro que vaza e vai parar em outros setores da economia, pelos motivos já explicados acima, e pelo fato de que boa parte da valorização dos imóveis se dava justamente porque as pessoas estavam levadas pela crença de que os preços subiriam continuamente. Tão logo fica claro que o processo de aumento acabou, o mercado irá necessariamente entrar em declínio. E ele vai entrar em declínio simplesmente porque não mais se espera que ele continue subindo.

    w w w.mises.org.br/Article.aspx?id=1108

    0
    • Luiz 7 de novembro de 2011 at 16:58

      Carlos, gosto do Mises até a página 2, eles são tecnicistas demais, como se não houvesse mais nada, e, afinal, estamos ou não lidando com gente?

      Por exemplo, na fase de euforia não só não há vazamento como boa parte dos recuros que antes seriam gastos em outras coisas, passam a ser drenados para o mercado do produto da moda.

      A formação de preços não é apenas por demanda+dinheiro. Falta aí o principal copmponente: O DESEJAR. O produto precisa se vender, se mostra rnecessário, ou um iten de status, ou útil, ou realmente uma coisa muito boa que vai mudar a sua vida, te fazer melhor ou mais rico.

      A quebra do mercado não se dá apenas pela quebra do ciclo monetário, mas é antes uma quebra de cultura. Nos EU foi assim. Um belo dia eles se olharam para as suas casas cada vez maiores e mais vazias, familias cada vez menores, população cada vez mais dinamica, a casa passou a ser um peso. Ipads e iphones seguem em recorde de vendas ano a ano, mesmo com toda a crise. Pense nisso!

      0
    • TH 7 de novembro de 2011 at 17:44

      Se eu entendi corretamente, este texto procura afirmar que o processo de formação de uma bolha passa necessariamente pelo aumento do crédito.

      Isso não me parece correto. A bolha “ponto com” do final dos anos 90 não teve nada a ver com crédito. Ou as pessoas estavam pegando emprestimos pra comprar ações na bolsa? Não acredito que fosse esse o caso.

      Bolhas tem mais a ver com euforia generalizada e irracional do que com crédito. O crédito fácil e/ou irresponsável apenas torna as coisas ainda piores.

      0
      • MrK 7 de novembro de 2011 at 17:50

        Perfeito seu ponto

        o crédito na verdade é como jogar gasolina na fogueira, ele tem um papel de intensificar e fazer as bolhas muito piores, pois trazem pro mercado (pras bolhas) pessoas que sem o crédito não poderiam entrar, no entanto, técnicamente você pode sim ter bolhas com pouco ou nenhum crédito, como as da tulipa, nasdaq e muitas outras

        a bolha imobiliaria Brasileira é uma tempestade quase perfeita, eu diria que uma bolha perfeita (a mais devastadora) reune 3 ingredientes: Especulação + Crédito + Economia debilitada, como foi a recente bolha americana, por sorte nosso momento economico não é tão ruim

        abraçios

        0
        • Fernando 7 de novembro de 2011 at 18:00

          Outra coisa já exaustivamente debatida por aqui é o famoso “aumento de demanda”. Demanda por imóveis próprios é diferente de demanda por moradia. O cidadão vai comprar imóvel SE puder e SE for um bom negócio. Se não puder, ou não lhe parecer um negocio interessante, fica no aluguel e ponto final. Dessa forma, podemos chamar a demanda por imóveis próprios de RELATIVA. Isso de querer tratar imóvel próprio como “bem de primeira necessidade” é pasmaceira.
          Se assim o fosse, os compradores de imoveis atuais eram todos sem teto há 5 anos atrás.

          0
    • Mineiro BH 7 de novembro de 2011 at 17:46

      Tb tem uma questão que ficou de fora: esse “aumento fiduciário” se faz na forma de dívida, lá na ponta… e a capacidade das pessoas se endividar é limitada, ainda que pra alguns eu acho que não pareça…

      0
    • Sérgio 7 de novembro de 2011 at 18:10

      Os artigos do Mises geralmente são bons, mas sempre tem o viés extramamente liberal (o mises cultua a ideia que o mercado – e somente o mercado – é quem deve gerir todas os ciclos, níveis, etapas, processos , etc., da economia – SEM INTERVENÇÃO ESTATAL. Concordo com isso até um certo ponto,apenas.
      Outra: o Mises já errou feio sobre a Irlanda; enalteceu-a ao extremo, recomendando o modelo econômico daquele país aos quatro cantos do mundo. A história todo mundo sabe.
      Interessante que o Mises retirou a página do ar alguns dias depois de eu ter comentado o fato aqui no blog.
      Sobre o artigo em si.
      Não é só com a sensação ou a certeza de que o mercado imobiliário não subirá mais que fará com que os preços apenas caia. O artigo é de um sofisma bem montado, utilizando-se de fatos verdadeiros e outros nem tanto, para se chegar a uma conclusão aprazível – mas insuficiente.
      Mesmo que o governo continue criando dinheiro (meios fiduciários) existem outros fatores que ocasionarão a explosão da bolha – e não seu esvaziamento – além da sensação de preços no limite, conforme conclui o artigo.
      São eles:
      Todo dinheiro criado (oficialmente, ou fiduciário) através da avalanche de crédito NECESSITA ser ratificado: necessita que venha a corresponder a uma riqueza gerada (de fato). Ora, a riqueza de um financiamento só se concretiza com o pagamento de suas parcelas, logo poderá vir a ser uma riqueza futura. Por hora é somente dívida de um lado e dinheiro criado de outro.
      No caso de um imóvel, cada parcela paga corresponde a ratificação de menos de 0,3% dessa riqueza futura.
      Em tese, que vende o bem se dá bem, pois, transformou seu trabalho em riqueza. Entretanto, essa riqueza, como vimos, só será concretizada ao longo de 30 anos e se a outra parte conseguir honrá-la. Só que o vendendor não sabe e nem quer saber nada disso: ele irá adquirir outro bem qualquer. Isso se repetiu milhares de vezes nos últimos 3 ou 4 anos no Brasil. Resultado: existemmuitos outros produtos e/ou serviços contaminados com uma PSEUDO-RIQUEZA que não se sabe concretizável.
      Bem, voltando ao tema. Não é só a ideia do teto que fará baixar (explodir) os preços – e nem o principal:
      1 – Sobre oferta de imóveis: imóveis já existentes antes da bolha somados aos atuais (construídos e em construção)
      2 – Nível de endividamento das famílias nas alturas: apesar de o governo não admitir, mesmo tendo alterado a metodologia de cálculo: a realidade é cruel… queda nas vendas não só de imóveis, como de carros e comércio em geral. Tanto é verdade que assim como o governo, a própria mídia ta parecendo vendendor de feira na hora da CHEPA: estão utilizando todos os meios para incentivar o consumo;
      3 – Inadimplência: os sustentáculos das riquezas futuras, os escravos da casa própria já não conseguem quitar todos os ítens de seu orçamento doméstico, inclusive já fazendo compras de mercado em parcelas nos recém adquiridos cartões de crédito. Uma hora a massa (muitos já o fizeram) de endividados darão o grito. Estranhamente o eco desse grito de liberdade será PLOC (he he he).
      4 – Desemprego: infelizmente a parcela maior da nova classe media (serviços e construção civil) perderá o ganha pão – e com eles os cartões de crédito com que faziam as estripulias do consumo. Outros tantos, que não compunham a nova classe media, também serão arrastados.
      5 – (esse é desnecessário, mas bem vindo) A crise sino-euro-americana. Essa será o tiro de misericórdia, no moribundo mercado imobiliário (só imobiliário??!! he he) brasileiro. Em 2012, com a tempestade perfeita (sou fã do Nouriel), o tiro dará fim ao agonizante setor, ao governo e a uma cambada de f…duma p…. que só soube espoliar os pobres e destentados brasileiros burros.
      .
      Não creia em tudo que o mises publica. Crea em mim… he he he

      0
      • Luiz 7 de novembro de 2011 at 18:30

        fantastica discussão, li todos
        acho q Mises nunca foi tão (bem) criticado

        Destaco isso do Sergio: o teto, ou o topo não derruba a piramide, a base sim derruba.

        E também aponto um erro do Sergio:

        A concretização da riqueza de um imovel não é sua quitação, mas o que ele pode gerar de riqueza para a família que mora nele, e uma boa proxy disto se chama ALUGUEL.

        0
        • Sérgio 7 de novembro de 2011 at 20:03

          Concordo com sua observação. Apenas foi um erro ou de interpretação ou de colocação minha, pois, referi-me ao dinheiro criado através da venda do imóvel e não do imóvel em si.
          Mas muito boa a observação: vejo que o nível das pessoas que a aqui frequentam (em sua maioria) são semelhantes ou superior ao meu (isso é para ser um elogio, Luiz, apesar da virtualidade imposta . he he he)

          0
      • rsmrsm 7 de novembro de 2011 at 22:02

        Uma coisa importnte que esqueceram de citar é o fato da capacidade de compra. Não adianta nada aumentar os preços se ninguem tiver como pagar o financiamento.

        0
    • Carlos Wagner 7 de novembro de 2011 at 22:01

      Otimas criticas e observações. Apesar de eu gostar muito dos artigos do mises, as vezes eles tecem pensamentos e linhas de raciocinio que eu discordo, mesmo nao sendo especialista em economia.

      Mas valeu a discussão.

      0
  • me 7 de novembro de 2011 at 17:59

    Algumas perguntas(pelamordedeus, tenham serenidade na resposta, hehe):

    é impressão minha ou sampa tá bem mais interessante que rio?

    O que vocês acham dos bairros nos arredores do centro de sampa? Conheci um pouco de Liberdade e os arredores da estação Ana Rosa e me pareceu bem legal, tranquilo. É isso mesmo?

    0
    • Fernando 7 de novembro de 2011 at 18:02

      me, mais interessante em qual (quais) sentido (s) ?

      0
      • me 7 de novembro de 2011 at 18:19

        Custo/benefício.
        Os apartamentos em bairros equivalentes ou melhores, estão em melhor estado, localização melhor (metrô, comércio…) e estão mais baratos. É isso mesmo?

        0
    • MrK 7 de novembro de 2011 at 18:20

      cara, sao paulo em termos de infra eh bem melhor que o rio.. o atendimento tambem eh muito melhor, servicos em geral tem muito mais qualidade, o atendimento no rio eh o pior que ja conheci em todo o mundo, pior que o da frança

      antes tinhamos o problema do transito, mas sinceramente, qual diferenca entre o transito de SP e do RJ hoje? leva-se 2hs da barra pro centro tranquilamente…entao pra mim se equivalem

      a vantagem do rio sao as belezas natuais, isso sim nao tem como questionar

      0
      • me 7 de novembro de 2011 at 18:39

        Vish, deve ser a primeira vez que concordamos 100% em algo. Pareceu eu falando. Isso pra não falar em metrô. Gostam de colocar imagens da estação da Sé lotada, mas o que eu vi foi bem civilizado apesar da quantidade. Convido a quem achar aquilo ruim, que vá a estação estácio do Rio.

        Você quer dizer então que melhor do que sampa, aqui no rio, só a beleza natural? E por beleza sou bem restrito. É mais pra ver do que frequentar, seja poluição, crimes…

        Você é do Rio?

        0
        • Luiz 7 de novembro de 2011 at 18:46

          a gente aqui gosta de falar mal do nosso metrô
          mas já são quase 400 km de linhas ferroviarias de passageiros (mais de 30 linhas) destas apenas uns 100 km são decentes, mas o resto está quase todo em obras.

          O proximo passo serão linhas epxressas p Sorocaba, campinas e Santos (distancias de cerca de 80 km) com trens a 150 km/h

          E sobre a praça da Sé, não é pior que as do centro de Tokyo

          O transito ainda é pior que o do Rio, mas esta melhorando com rodoanel, metrôs, obras nas marginais e população estagnada. A tendencia é melhorar.

          0
          • RPL 7 de novembro de 2011 at 20:05

            Moro em Santo André e quando tenho que ir para SP aos finais de semana, vou de trem e metrô.

            Não fica devendo nada ao sistema metroviário que usei em NY nas minhas férias de Julho/2010.

            Durante a semana já não sei porque trabalho na região do ABC mesmo…

            0
      • Fábio 7 de novembro de 2011 at 19:08

        Estive de ferias recentemente (1 mes) na Europa, ficando na França, Suiça (top do top) e Italia e posso assegurar que o pior atendimento disparado é o de Roma, vc vai em restaurantes top, erram seus pratos, não gostam de dar informação, são antipaticos, todo mundo se acha esperto, gostam de tirar vantagem, comida de pessima qualidade. Agora a Suiça parece outro Planeta.E quando fazia amizade com os Suiços comentava dos preços e eles pareciam que tinham pena de eu morar nessa porcaria de zona sul do Rio de Janeiro.

        0
        • Fábio 7 de novembro de 2011 at 19:15

          E na França fui muito bem atendido, o fato de falar Frances ajudou e educação francesa no atnedimento em hoteis, restaurantes, ate no metro não se compara a pessima falta de gentileza que tive como experiencia com os italianos, fora aqueles gritos e desorganização nas ruas.

          0
          • Fernando 7 de novembro de 2011 at 19:39

            Diz a lingua maldosa que os italianos são os argentinos da Europa. Rsrsrs
            Eu curto os Hermanos pra caramba, mas penso que isso tem um fundinho de verdade.

            0
            • Fábio 7 de novembro de 2011 at 20:45

              Foi a maior decepção que tive, tenho descendencia italiana e pensei que justamente na França que a maioria tanto reclama, deve ser pq nao tenta se esforçar a falar o idioma deles, na italia procurava ao maximo falar italiano e quando percebia que voce era estrangeiro, ai a cobra fumava. O taxi aumentava 50%, taxas para sentar e para talhares, ja viram isso? rsss, taxa de hospedagem, taxa de tudo q é jeito e a vontade q eles tem de trabalhar, para ter uma ideia o Mcdonalds de Roma deve ser mais lento do Mundo, fora quando voce pede refrigerante e te servem vodca. Esse sim é o pior atendimento do mundo, teve um casal de alemães que eu vi, fizeram o pedido de um prato, veio outro, ai trocaram parece q veio pior ainda, daí o casal pegou e colocou o dinheiro no prato com a comida e tudo e ficaram reclamando da super organização italiana. Na boa, o rio esta anos luz da Italia.

              0
              • Paulo - RJ 8 de novembro de 2011 at 23:04

                A única vantagem de um brasileiro falar francês na França é poder xingá-los e eles entenderem. Sãom muito grossos

                0
    • Frank 8 de novembro de 2011 at 10:51

      me, SP é muito melhor do q o RJ em aspectos objetivos.

      nós cariocas, por puro provincianismo, temos dificuldade em aceitar isso.

      no BR, o Centro Sul (SP, MS e os estados do Sul) constitui um “país” à parte do resto.

      qq pessoa q viaje o país todo (como eu) e queira olhar a coisa sem paixões, vai chegar à mesma conclusão.

      0
      • me 8 de novembro de 2011 at 14:17

        Frank, eu não conheço MS, mas entendo perfeitamente o que diz. Sou carioca e tenho muita implicância com minha cidade. Mas é bem difícil encontrar alguma boa discussão imparcial sobre qualidade de vida nos lugares. Eu já acho o Rio uma grande bosta, mas queria poder encontrar discussões mais interessantes do que o argumento, mesmo polido, de que “minha cidade é fodona”.

        0
        • Luiz 8 de novembro de 2011 at 14:49

          me, não nasci em SP, 25% da familia nasceu no Rio, moramos aí alguns anos.
          sou flamenguista então posso falar da arquibancada: SP é fodona, apesar das merdas todas, e são muitas, mas só encontro melhor fora do continente.
          Ademais a gente sempre pode viajar pro Rio nos fds, acontece que quem está aqui prefere litoral norte ou floripa se for pelas “belezas brasileiras” sem falar do interior. Se isto te ajudar em tomar alguma decisão, fique livre pra perguntar

          0
      • Andre Luiz 8 de novembro de 2011 at 14:38

        Eu sou doido para me mudar do Rio. Apesar de morar aqui a vida toda.

        A princípio não trocaria por SP, pois acho o custo de vida parecido e sem tantas opções de lazer como o RJ.

        Já estive no MS e achei show. Cidades limpas, povo educado e honesto. Moraria fácil lá.

        Acredito que o Rio seja uma excelente cidade para quem tem grana, o que hoje em dia, significa muita grana mesmo. Talvez, um casal para viver bem aqui precisa de no mínimo uns 25mil líquidos por mês e pagar aluguel, porque comprar na Zona Sul é até pouco esse dinheiro.

        Eu curto muito o NE. João Pessoa e Natal são maravilhosas.

        0
        • MrK 8 de novembro de 2011 at 15:57

          como ja falei a voces, estou morando em cape town, é um rio de janeiro mais limpo, mais organizado, mais seguro e que custa metade do preço (menos da metade em certas coisas)

          além de tudo aqui se treina o ingles… tem muitas opcoes de lazer…

          agora, se tiver que ficar no Brasil, ai nao tem jeito, Rio é a melhor cidade, SP tem muitas vantagens, mas eu nao me adapto aquele clima, a poluicao é fogo, e nao ter uma praia faz muita falta pra quem ta acostumado

          de toda forma, nenhuma cidade no brasil hoje vale o que estao pedindo, nehuma!

          0
  • ildeu 7 de novembro de 2011 at 18:11

    o governo emprestou 37 bilhões no primeiro semestre pra credito imobiliario , 10% de todo patrimonio da poupança …isso vai dar merda ou não vai?

    0
  • Fernanda 7 de novembro de 2011 at 18:18

    Morei na Aclimação, pertinho da Ana Rosa. Considero um bairro muito bom…os preços lá, no entanto, estão impraticáveis. Vi lançamentos de 65 m2 por 480 mil reais na planta.

    0
    • Luiz 7 de novembro de 2011 at 18:26

      estou em SP por opção, Rio só a passeio.
      e é sim o mercado está menos desinteressante

      Fernanda, faz tempo isso né? Aclimação hj só se fala em multiplos de milhão

      0
  • Selvagem 7 de novembro de 2011 at 18:33

    A diferenca do Rio para São Paulo é que aqui em Sampa há ainda diversas áreas com bom potencial para construção. Em geral bairros que eram de classe baixa ou classe média baixa e próximos a áreas nobres estao virando bairros de classe média e classe média alta.

    A expansão é nitida da Paulista para a Bela Vista e Consolação, da Vila mariana para a Liberdade, da Saúde para o Bosque da Saúde, Ipiranga e Jabaquara , do Morumbi para Panamby, de Higienópolis para o Centro e da Pompéia para a Barra funda.

    O grande desafio de São Paulo a meu ver e reaproveitar o centro que passou muito tempo caido. Acho que um passo significativo seria acabar com o minhocao que gera uma fronteira de pobreza ali no centro e rever o urbanismo de certas áreas do centro para permitir maior ocupacao de moradores.

    Acho ridiculo que o centro de sao paulo tenha infra-estrutura boa mas a cidade invista para construir essa infra em outros pontos (tipo itaquerao) em vez de aproveitar a já existente.

    O grande problema são as contrutoras que preferem criar bairros novos ao invés de recuperar áreas urbanas. Sai mais barato.

    0
  • tiago 7 de novembro de 2011 at 18:55

    Segue aí uma daquelas pérolas dos classificados…

    Sujeito compra um apartamento… tá com dívida no banco e agora quer alguém para assumir o rojão…

    http://www.imovelweb.com.br/comprar-imoveis/sao-paulo-zona-oeste/bairros/apartamentos-53116354?lca=40,204,505&pg=66

    típico investidor bolhudo que não conseguiu financiamento agora e quer empurrar a encrenca em cima dos encautos… parece que só ele tem apartamento no jaguaré para vender… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    0
    • RPL 7 de novembro de 2011 at 20:02

      Esse daí a construtora logo logo já vende com desconto de 30% também!!!

      0
    • Troll 7 de novembro de 2011 at 21:27

      caraca, ri muito com essa: “investidor bolhudo”.

      uhahauahuahauahuahauahauahauhauahauhauahuahauahuahauha

      0
    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 08:14

      O sujeito quer 80 mil Reais na mão. Sou do tempo que a gente falava: E na bunada, não vai dinha?

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 12:42

        conheço este condominio, ele esta micado por varios motivos:

        1. só tem 1 vaga e é pra carro mini, sedã medio nã entra
        2. não tem opção de estacionamento num raio de 1 km
        3. tem um moinho do lado com entra/sai de caminhões noite adentro
        4. tem uma avenida barulhenta e engarrafada do outro lado
        5. tem graves problemas de projeto, é um ovo, a janela não fecha e outros
        6. a obra atrasou 8 meses
        7. nao fizeram uma das saidas da garagem, tem que dar a volta no bairro pra entrar na rua

        Passa lá na hora da novela: as 3 torres uma imensão escuridão mesmo 1 ano após a conclusão.

        A saída é devolver pra cosntrutora tentar vender por 250k, no maximo

        0
        • tiago 8 de novembro de 2011 at 20:47

          kramba… achei q fosse ruím… mas nem tanto… aquele lugar ali deve ser um barulho dos infernos… imagino a qualidade de vida né?????

          tem outros aí no webimovel por 300 mil… ou seja,… o kra quer 80mil na mão porque acha que merece… kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          0
    • Ricardo 8 de novembro de 2011 at 16:58

      Se ele me der 80 mil na mão eu fico com o APTO dele. Ainda está um pouco caro (é a 300m da favela do Jaguaré, está há 2h de distância do centro, a rua tem uma mão só e demora 20 minutos para ser percorrida de manhã), mas talvez eu consiga alugar por uns 1200 após uns 6 meses de espera.

      Mudei de idéia! Só aceito se ele me pagar 150 mil. Aí eu financio 185 na Caixa. Aquele apartamento não vale mais do que 150 mil mas com os preços atuais a gente tem que entender que está tudo mais caro. hahahaha

      Os juros mensais desse financiamento de 335 mil reais são superiores ao aluguel de um apto nos Jardins com mármore no chão. É fácil encontrar apê de dois quartos (em muitos casos duas vagas) nos Jardins por R$ 2.500-R$ 3.000. Se procurar bem e encontrar um proprietário que quer estabilidade de aluguel, você pega por R$ 2.000. O bairro tem muita rotatividade e os condomínios são altos.

      Esses empreendimentos são burros pois atingem faixas de consumo muito restritas, onde o consumidor não é tão estúpido assim e a oferta é muito maior do que a demanda. Existem poucas pessoas capazes de pagar R$ 3000 de aluguel e menos pessoas ainda DISPOSTAS a pagar isso.

      Qualquer financiamento com juros mensais nessa faixa concorrerá com esse mercado. Como a esperança do “comprar para ficar milionário revendendo depois” era apenas vapor, nem essa justificativa existe mais. Os juros passam a ser apenas juros e não são compensados por nenhuma valorização.

      Acabou a farra.

      0
  • Luiz 7 de novembro de 2011 at 19:04

    Estoques das montadoras têm maior nível desde novembro de 2008

    O estoques do setor automotivo subiu para 40 dias em outubro
    Já as vendas, na mesma comparação, caíram 10%.

    “Esse estoque não me assusta”, disse o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini

    Historicamente as vendas são mais aquecidas nos dois últimos meses do ano, o que deverá consumir parte dos veículos estocados.

    “Em novembro e dezembro há uma injeção com o décimo terceiro salário e, com isso, maior renda. A expectativa é que aumente o volume de vendas”, afirmou.

    eu: Tem 13o. pra salvar todo mundo?

    0
    • Cleyton 11 de novembro de 2011 at 20:06

      Quantos salários a “nova classe C” recebe no 13°? 50 salários? 90 salários? Ô remédio que cura todos os males!

      0
  • Eduardo Zé 7 de novembro de 2011 at 19:21

    Recebi este e-mail. Acho que serve para quem não sabe “investir” em imóveis. Na verdade acho que estão cadastrando trouxas!!!
    Vou ligar logo e reservar meu lugar, vai que…

    ———————————————————————————————
    Palestra Mercado Imobiliário
    De:Ferreira Corretor de Imóveis | Porto Alegre

    Boa tarde,

    Gostaria de convida-lo para participar de uma palestra sobre investimento no mercado imobiliário.

    Nesta palestra falaremos das perspecivas de futuro do mercado imobiliário brasileiro e as reais oportunidades de investimentos. Abordaremos também o novo conceito mixed use que é a mais nova tendências dos projetos imobiliáriios.

    Após a palestra teremos um coquetel exclusivo para os participantes e a apresentação do projeto NEO 360, pioneiro em uma região com grande potencial de valorização (Nova Carlos Gomes).

    CONFIRME SUA PRESENÇA RESPONDENDO ESSE EMAIL COM SEU NOME, TELEFONE E EMAIL PARA INCLUIRMOS NA LISTA DE CONVIDADOS.

    Atenciosamente,
    Ferreira
    (51) 9128.1701

    0
    • Marcos 7 de novembro de 2011 at 19:28

      Também recebi. Sou não vou porque moro em Santos.

      Ou seja, estão disparando para todos os lados.

      0
    • Paulo Rocha 7 de novembro de 2011 at 20:27

      Seria engraçado alguem ir lá e fazer uma porção de perguntas sobre a bolha imobiliária e em geral desmascarar-los na frente de todo mundo. rsrs

      0
      • Troll 7 de novembro de 2011 at 21:29

        Imagina só o fiasco, se o público dele fosse 90% dos leitores deste blog.
        Ia ser tenso.

        0
    • Adriano 8 de novembro de 2011 at 06:52

      Eu acho engraçado, pra não dizer patético, o forte apelo aos pseudo-investidores nos lançamentos de imóveis. “Valorização garantida” é quase uma palavra de ordem. A pessoa que compra para morar já deixou de ser o foco há muito tempo. É quase “acidental”, tipo “você também pode comprar para morar”.

      0
  • BOLHABRAZIL 7 de novembro de 2011 at 19:37

    http://odia.ig.com.br/portal/diversaoetv/html/2011/11/jennifer_aniston_compra_apartamento_de_us_9_milhoes_204759.html

    vamos lá (segundo a reportagem): U$ 9.000.000 x R$ 1,75 = R$ 15.750.000
    como o apto da famosa atriz (“A residência possui três grandes quartos, uma área quase 3 mil metros quadrados e uma vista privilegiada para o Gramercy Park- New York”). tem 3.000 metros quadrados —-> 15.750.000/3.000 = R$ 5.250,00 o metro quadrado em NYC-MANHATAN.
    aqui lugar mais ou menos é R$ 6.000 o metro quadrado, tem de R$ 14.000 em alguns lugares na zona sul e a RJZ Cyrela vai lançar a R$ 50.000,00 o metro quadrado em ipanema!
    fala sério…

    problema é que brasileiro tem cabeça de pobre e enquanto não realizar o “sonho da casa própria” não se aquieta…cultura de poupança é zero. o cara é mais feliz com uma dívida de 30 anos de um imóvel a ter um CDB de 1 milhão no banco e pagar 0,25% do valor do imóvel de aluguel.

    saudações.

    0
    • John 7 de novembro de 2011 at 21:11

      Tenho uma certa pena dos cariocas. Em Brasília a situação está terrível, mas no Rio pelo visto está muito pior. Creio que o litoral seja mais visado pelos estrangeiros, só pode…

      0
    • Thomas 7 de novembro de 2011 at 22:58

      Falando em Manhattan, hoje vi mais um empreendimento sendo lançado em CURITIBA. É o “7th Avenue – Live & Work”, localizado no cruzamento da Av. Sete de Setembro com Conselheiro Laurindo. Certamente uma alusão à Sétima Avenida de NY (D. Pedro I deve estar se revirando no túmulo). Nada estranho para uma cidade que batiza seus bairros com nomes como “Batel SoHo”, “Ecoville” etc. Torço para que dê certo, já que o empreendimento está localizado a alguns metros da rodoferroviária, em uma região que não me arrisco a passar de carro à noite. O preço é uma incógnita, certamente em níveis de NY. Considerando-se que hoje havia engravatados entregando folhetos na esquina do empreendimento (prefiro as meninas de boné), presumo que adotarão uma estratégia de vendas agressiva.

      0
    • Murdoch 8 de novembro de 2011 at 10:30

      R$ 5.000/m2 nem na Tijuca hj em dia…

      0
  • Ce 7 de novembro de 2011 at 22:33

    Aqui em Brasília,
    Enviei diversas propostas de um imóvel que tenho para possível troca por imóveis menores,
    através do site wimoveis.
    Para minha surpresa de 20 propostas, 18 responderam que não aceitavam pois necessitavam vendê-los para
    pagarem outros que haviam comprado.

    0
  • MrK 8 de novembro de 2011 at 05:57

    Como mencionado acima a situacao do Rio eh triste pra quem quer comprar, mas quem tem imovel e quer vender tambem nao consegue

    Pras pessoas que nao fazem tanta questao de vender ou nao precisam, tudo bem, mas imagine que voce:
    1- Foi transferido pra fora do pais
    2- Recebeu o imovel de heranca e nao se interessa ou precisa vende-lo
    3- Se divorciou e nao vale ficar mais no imovel ou precisa vender
    4- Comprou pra investir e o aluguel nao paga o financiamento
    5- Comprou na planta e nao quer pegar o financiamento
    6- Foi demitido ou por algum baque financeiro precisa reduzir o padrao de vida e precisa de grana

    existe uma classe muito grande de gente que precisa vender, esse mercado travado, sem negocios, nao pode perdurar, eles precisarao enfrentar a realidade e baixar precos

    0
    • augusto 8 de novembro de 2011 at 08:02

      MRK creio que já existe muita gente reduzindo preços, mas em off.
      Para os babacas que não sabem negociar, ou acreditam em papai noel, ou são ultrapassados e muito mal informados, vale o SE COLAR, COLOU,e consegui passar um mico

      0
    • Paty 8 de novembro de 2011 at 10:10

      Quando eu em 2010 vendi minha casa por motivo transferencia na empresa do em marido, vendi pelo valor justo metro quadrado x cub da construçao conforme o acabamento mais o valor do terreno, tive um lucro bom, o dindim da familia esta investido e nos dando rentabilidade. Na epoca os corretores avaliaram minha casa quase 45 porcento a mais, porém eu queria vender e nao ficar milonaria em um negocio.

      0
    • Andre Luiz 8 de novembro de 2011 at 13:01

      Acredito que estamos naquela fase que os preços vão dar uma abaixada, as pessoas vão voltar a comprar e eles subirão de novo.

      O momento agora, para quem quer vender, é abaixar um pouco o preço e ver se cola.

      Para quem precisa comprar, é a hora de oferecer propostas lá embaixo e também ver se cola.

      Os preços estão muito sem parâmetro. Você imóveis parecidos por preços completamente diferentes e imóveis totalmente distintos por valores próximos.

      Embora não aconselhe ninguém a comprar nesse momento, pois o mercado ainda vai cair, é possível achar boas oportunidades, juntos às pessoas que o Mrk falou.

      0
      • Carcará 8 de novembro de 2011 at 20:46

        André Luiz,
        quando as pessoas tiverem que comprar de verdade (pgto s vista ou financiamento dos 80%) pode ter certeza que os preços caem. A outra alternativa é o país ter de repente se enchido de milionários.

        Abs.

        0
  • Adriano 8 de novembro de 2011 at 07:10

    Um relato pessoal interessante. Uma amiga com boa formação e renda de 15K, comprou na planta no auge da bolha para morar. Está completamente endividada (ch especial, financeiras, carro, etc). A mesma não está aguentando mais. Comprometeu grande parte da renda. O imóvel ainda não foi entregue, e ela está se dando conta agora que assumir uma alta prestação durante 20 anos é loucura, ela não irá aguentar. Ela comprou o imóvel opr R$ 550K. Falou que só está tranquila porque a GAFISA “garante” que na entrega o imóvel estará “valendo” R$ 780K, e que ela pretende negociar o imóvel e ficar com o troco para comprar outro, financiando uma parcela menor (a velha história de pagar um “pequena” parte e ganhar sobre tudo). Falou que já têm gente vendendo por R$ 680K. Ela mesmo afirma que existem MUITOS “investidores” no empreendimento. Aí perguntei:
    a) Você sabe se esses investidores conseguiram vender? b) Se o seu imóvel estiver valendo mesmo R$ 780K, todos os outros teoricamente acompanharão a mesma tendência de valorização, OK? então provavelmente o seu poder de comprar na realidade terá até mesmo piorado, mesmo que você consiga vender por esse preço certo? c) além disso, você têm um salário muito alto. se você não consegue assumir as prestações por muito tempo, não devem existir muitas pessoas numa situação melhor que a sua.

    Ela ficou quieta, seu semblante mudou. Notei que caiu a ficha, fiquei até com pena. Ela se refez e disse: Não sei, o que você falou tem sentido, mas imóvel só valoriza. Coitada, fiquei com pena. Ainda pensei em dizer: e se lá na entrega, estiverem vendendo por menos do que o valor que você comprou (detalhe, o imóvel foi lançado por R$350k, como eu disse ela comprou no auge da bolha)? mas aí seria muita maldade.

    O que percebo é que as construtoras sustentarão a mentira com a faca no pescoço ATÉ o corno assumir o financiamento

    0
    • augusto 8 de novembro de 2011 at 08:00

      Só uma coisa, se esta pessoa tem boa formação e uma renda tão alta, como pode ser tão babaca em acreditar que os preços de um determinado bem só sobem, sendo o infinito a meta?

      0
      • LB 8 de novembro de 2011 at 13:17

        Augusto,

        Acredito sim que ela tenha boa formação. Para ganhar 15K no Brasil, só mesmo tendo boa formação (ou sendo político ou um comerciante/empresário que tenha ‘tino’ natural para negócios).

        O que acontece é que no Brasil não há educação financeira. Eu mesmo sou formado em engenharia eletrônica, pós-graduado e estou começando a me instruir sobre economia há um pouco mais de 2 anos….

        Lembro de uma matéria que saiu num daqueles ‘Globo Repórter’ falando sobre Cingapura, um um dos países com a maior quantidade de milionários do planeta, mostrando aulas de educação financeira para garotos com 7 anos. Impressionante. Na aula mostrada,o professor estava ensinando a não comprar supérfulos, não comprar um produto baseado na “marca” (como tanto o brasileiro gosta de fazer).

        Veja em: h t t p://w w w.youtube.com/watch?v=zceKMu8YrPo

        0
        • Frank 8 de novembro de 2011 at 15:02

          são 2 carência cruciais q qq formação no Brasil deveria suprir:

          1) beabá econômico-financeiro (q vai de encontro ao seu ponto)
          2) beabá jurídico-legal

          No Brasil, esse aspecto ganha relevo até maior do q em outros países, dada a complexidade (na verdade é um ZONA) do arcabouço legal e da falta de homegeneidade das decisões judiciais (sob o argumento do “livre convencimento do juízo singular” – ou algo q o valha)

          0
          • LB 8 de novembro de 2011 at 23:06

            Frank,

            Perfeita sua colocação. Crescemos sem conhecer nossa legislação, sem conhecer nossos direitos, sem conhecer o conceito de Estado, sem conhecer o papel de cada poder. Como podemos cobrar mudanças se não conhecemos o funcionamento de nosso país ?

            0
    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 08:04

      Adriano,

      Se sua amiga tivesse BOA formação não faria o que fez. Voce deveria ter falado que na data da entrega do imóvel, a GAFISA pode nem EXISTIR. Diga para colocar à venda AGORA pelo que pagou e ficar contente SE conseguir vender.

      0
    • RT 8 de novembro de 2011 at 08:22

      Interessante relato.

      O que mais me chamou atenção foi que sua amiga tem uma renda muito alta e está com dificuldades para pagar um preço (550 mil) que, perto dos absurdos que vemos por aí (700 mil, por exemplo, hoje virou um preço “normal”), nem é tão alto.

      Se uma pessoa com essa renda está com dificuldades para pagar esse preço… pra ver o quão insustentável são os patamares atuais.

      0
      • Adriano 8 de novembro de 2011 at 09:03

        É mesmo. O problema é q uma pessoa com uma renda como essa, não quer viver como mendigo. Então, compra carro zero bom (financiado). Colégio dos filhos caro. Férias no exterior, porque ninguém é de ferro. E por aí vai…. O financiamento vai consumir 30% da renda BRUTA dela, ou seja, quase metade da renda líquida. E sobre imóveis no valor de R$ 700K, é realmente interessante porque embora trabalhe numa instuição pública onde todos ganham MUITO BEM, não conheço NINGUÉM, repito, NINGUÉM que tenha financiado um imóvel de 700, 800, 900K. Em outras palavras, pedir R$ 800K é fácil, eu quero ver é vender. Na planta deve até ter gente, mas financiar mesmo, não conheço ninguém. É igual cabeça de bacalhau.

        Em relação a formação acadêmica dela, tem mestrado e tudo. Mas formação acadêmica alguma proteje a pessoa contra a falta de bom senso. É só olhar para a história e ver o que as maiores mentes foram capazes de fazer. A natureza humana nos empurra para “fazer o que todo mundo está fazendo”, “é agora ou nunca”, “não têm como desvalorizar”. As grandes corporações fazem sua propaganda em cima disso, e não sobre argumentos “racionais”. Alias, para mim uma das maiores asneiras em relação a termos cunhados no campo econômico é “agente econômico racional”, “escolha econômica racional”. Na minha opinião, isso não existe majoritariamente. De qualquer forma, quando uma pessoa consegue romper com essa pressão, ela passa a estar em grande vantagem, pq passa a ver tudo de forma muita mais fria e objetiva.

        0
        • RT 8 de novembro de 2011 at 09:31

          “Em outras palavras, pedir R$ 800K é fácil, eu quero ver é vender”

          Concordo com você.

          Muito me espanta como esses preços absurdos estão freqüentes.

          Faz pouco tempo, um corretor com quem nunca mantive contato me enviou um e-mail com QUARENTA imóveis usados à venda na Zona Sul do Rio.

          Nesse e-mail, a oferta mais barata era uma quitinete em Copacabana, por 400 mil. TODOS os outros estavam de 750 mil pra cima. Metade custava mais de um milhão.

          Uma conhecida minha tentou vender seu apê de 2 quartos, também no Rio, por 650 mil. Um apartamento onde alguém que ganhasse 15 K jamais pensaria em morar. Passou um ano sem vender e acabou desistindo.

          Desde que a farra dos corretores e construtoras começou que bato nessa tecla: a renda da população não comporta nada perto dos preços atuais. Os imóveis não estão “caros”. Pra ficarem “caros”, os preços têm que cair muito!

          0
          • Adriano 8 de novembro de 2011 at 10:58

            E aí RT conhece alguém da classe média que tenha financiado R$ 800K OU 1MILHÃO? Não conheço ninguém, é igual cabeça de bacalhau mesmo.

            0
            • RT 8 de novembro de 2011 at 18:54

              O máximo que conheço é um colega que acaba de comprar um apartamento (pra morar) no Catete, por 700 mil.

              Só que ele já tinha apartamento quitado há muitos anos, no Recreio. Vendeu por 370 mil e financiou o restante.

              0
              • Rodrigo 9 de novembro de 2011 at 20:49

                A esperança é a ultima que morre. Só não queria pagar diferença! Pelo visto é no Quartier Carioca, se for tem fama de cabeça de porco.

                0
      • John 8 de novembro de 2011 at 09:07

        Esse detalhe da renda insuficiente para bancar o preço do apartamento também me chamou a atenção. Mas me chamou a atenção também a evidente falta de experiência da moça…investiu uma bolada e se endividou por vinte anos sem nem conhecer os riscos do negócio. A mídia faz propaganda e fala da subida exponencial dos preços e todo mundo sai comprando na alta e se endividando por 20, 30 anos. Loucura!

        0
      • tiago 8 de novembro de 2011 at 09:27

        dinheiro não leva desaforo para casa…

        sua amiga deve estar contando que os 20 anos de 4a 5 mil de prestação não levam em conta uma possível doença ou desemprego

        não dá para entender como as pessoas assumem dívidas tão altas sem saber exatamente o que vai acontecer nos próximos 10 minutos

        0
    • RT 8 de novembro de 2011 at 09:37

      “Ela se refez e disse: Não sei, o que você falou tem sentido, mas imóvel só valoriza.”

      Uma coisa que me impressiona faz tempo é a quantidade de pessoas instruídas e inteligentes que são completamente desastradas quando o assunto é dinheiro.

      Conheço gente assim aos montes, e não entendo. É tão difícil entender que se endividar é ruim, arriscado e deve ser feito com cuidado? Ou entender que não se pode gastar mais do que ganha? Ou entender que o limite do cartão de crédito não é renda sua e que, um dia, a fatura chega???

      0
    • MrK 8 de novembro de 2011 at 11:05

      Rapaz, veja que coisa interessante bom base em seu exemplo

      Pense em quantos % das pessoas ganham mais de R$15k (deve ser menos de 0.5%)

      Agora , Pense em quantos % dos imoveis valem mais de R$550k (na cidade do Rio deve ser uns 15%)

      Sera que nao tem algo errado ai??? hmmmmmmmm

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 12:30

        … consultando a minha tabela, acima de 7.500k mensal é 1%
        15k tem que ser necessariamente menos que a metade disto.
        um bom chute seria 0,25%
        se for Rio cerca de 5 mil familias cariocas no total
        se for SP 10 mil familias.

        0
      • Paulo 8 de novembro de 2011 at 13:12

        Na compra de um imóvel temos que considerar a renda familiar.

        0
        • Luiz 8 de novembro de 2011 at 14:41

          a probabilidade dela casar com alguem com a mesma renda ou maior é de 0,00000625
          ou de 6,25 em 1 milhão.
          (0,25% x 0,25%)
          Ou é solteira ou devia jogar na loteria.

          0
          • Luiz 8 de novembro de 2011 at 14:42

            considerando que a moça é bi, senão divide por 2 essa conta, e que não faz questão de idade

            0
          • Fausto 8 de novembro de 2011 at 14:45

            Isso se ela colocar o nome de todas as pessoas do estado num saquinho e sortear o pretendente. Mas considerando que uma pessoa que faça parte do 0,25% tenha em seu círculo de amizade várias outras pessoas deste 0,25%, então as chances dela são bem maiores.

            0
            • Carlos Wagner 8 de novembro de 2011 at 14:55

              Segundo o Kit Gay do ministro Haddad (em minusculo), se ela for bissexual ela terá 2x mais chances de encontrar um parceiro perfeito.

              Essa é a nova lógica estatistica utilizada pelo governo para compor sua classe emergente.

              0
              • Pensativo 8 de novembro de 2011 at 15:13

                kkkkkk

                0
            • Luiz 8 de novembro de 2011 at 15:19

              Fausto, pode apostar que quem ganha 15k mensais e ainda esta solteiro/livre têm fortes exigencias quanto a aparencia da pretendida.

              Diria que as chances dela são zero, a não ser que seja muito … muito …. simpatica.

              0
              • Mineiro BH 8 de novembro de 2011 at 17:06

                Hahahahaha

                Adoro qdo o forum dá uma amenizada na economia e deriva pra uma certa “sociologia” rs

                Dou minha contribuição: no comportamento da moça tem sim ignorância financeira, mas tem também algo já comentado aqui: o lado “171”, “espertinho”, de “levar vantagem”, que, infelizmente, carregamos sim…

                Essa aí escutou o zumbidinho e embarcou…

                Aliás, fiquei outro dia sabendo que um conhecido (médico bem sucedido, digamos) que está meio nessa mesma canoa…

                A figura embarcou num financiamento gigantesco e de 30 anos, de um imóvel numa espécie de Jacarepaguá / Barra de BH (Vila da Serra)…

                Lamento repetir, mas essa galera vai surtar e feio, qdo perceber a burrada que fez…

                0
  • Paulo 8 de novembro de 2011 at 07:53

    Mais um Relato – Retirado do FORUM bolha imobiliária de Bsb

    Eu conheci um cara que tá precisando vender urgente um apartamento de 100 metros quadrados no Park Sul. O apartamento tem sido anunciado por 850 mil até 750 mil. Ele resolveu colocar um anúncio de 720 mil urgente (não sei em que veículo). Sabe o que aconteceu? Umas dez pessoas ligaram para ele não para comprar, mas para convecê-lo a retirar o anúncio. Todo mundo falou para ele dar o desconto direto para o comprador se fosse o caso…

    Não sei se ele fez isso, mas vejam o absurdo da situação! Nunca imaginei que chegasse a esse ponto.

    0
    • augusto 8 de novembro de 2011 at 07:57

      Os corretores atualmente não tem o que fazer o dia todo, pois não vendem mais nada, e portanto ficam fuçando anúncios e agindo (sujo até, mas é o jogo) por baixo do pano.
      O desespero deles vai ficar ainda maior, quando por falta de rendimentos não puderem honrar suas despesas familiares e pessoais.
      E ainda vem emissoras de TV fazerem reportagens que faltam corretores!!!!!!!!!

      0
    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 08:10

      Paulo,

      Isso só vai fazer o problema piorar. Vai aumentar o desespero das pessoas que não conseguem vender pelo valor que elas ACHAM que vale. Vão aguentar até não poder mais e aí muitos vão optar pelo suicídio ao invés de um grande prejuízo.

      0
    • John 8 de novembro de 2011 at 08:36

      Mas corretor é chato, heim? Quer se meter até no negócio dos outros! Mas é isso aí…tudo para manter a ILUSÃO de que preço de imóvel não cai, desacelera. To até curioso para ver o que acontecerá quando começarem a entregar o Noroeste, o que vai ter de gente querendo disputar a venda com construtora não é brincadeira.

      0
    • Paulo Rocha 8 de novembro de 2011 at 08:37

      Seria engracado o pessoal que nao tem apartamento e que querem comprar começar a anunciar imóveis que não tem a um preço bem abaixo do “mercado”. So para ver o desespero dos investidores…. rsrs

      Talvez isso seja a maneira mais fácil de estourar a bolha!

      0
      • Ricardo 8 de novembro de 2011 at 16:32

        A sua idéia é genial!

        Bem que poderia rolar um crowdsourcing de anúncios fake por R$ 3000 – 4000 o m2. Uma massa deles, deixando desesperados os especuladores metido a espertos.

        hahaha ia ser muito engraçado.

        0
        • Mineiro BH 8 de novembro de 2011 at 17:08

          Hahahahahaha

          a turma do Ocupe Wall Street não faria melhor…

          0
          • Pesquisador 8 de novembro de 2011 at 21:47

            idéia boa hein

            0
          • Troll 8 de novembro de 2011 at 21:47

            Gostei muito da ideia, seria legal criar um site paralelo tipo zap pra colocar esses fakes e com telefones fakes, mas pra ficar legal, acho melhor inflar a bolha mais um pouquinho…

            0
        • Guilherme Eduardo 8 de novembro de 2011 at 23:40

          ONY – Ocupe Nova York

          OFZ – Ocupe FipeZap !!!

          hehehehe

          O interessante seria fazer o ataque em duas séries. Primeiro seria inflado os preços a valores anormais, na Barra da Tijuca ia pular de R$6mil/R$7mil para 15/20 mil. Muitos acabariam aumentando os preços também (provavelmente sairia alguma notícia falando que a valorização retomou fôlego). A segunda fase: esses anúncios de gás hélio seriam retirados, e entrariam em cena os chumbinhos, que derrubariam os preços semana após semana, levando todos ao desespero. Mas teria que ser algo organizado. O aumento poderia ser feito de uma vez só, mas a queda teria que de pouco em pouco, para os índices entrarem em tendência de queda. Acho que cair 10% por semana já causaria um grande “reboliço” nos auto-intitulados investidores.

          0
          • Fred Henrique 9 de novembro de 2011 at 17:25

            Em um país sério, esse tipo de manipulação do mercado daria cadeia.

            No Brasil…

            0
          • Troll 9 de novembro de 2011 at 21:28

            Caraca, ia ter neguin se jogando de prédio..hehehehe

            0
      • Troll 8 de novembro de 2011 at 22:39

        Seria muito interessante trollar esses caras assim..hehehehe

        0
        • Mineiro BH 9 de novembro de 2011 at 11:30

          Gente, hahahahahahaha

          Essa seria a guerrilha do Século XXI…

          Usar contra os caras os métodos deles…

          Pior que, qdo eles vierem a público desesperados dizendo que o indice tá sendo manipulado, vai ficar claro pra todo mundo que o índice já era…. manipulado… só que por eles, ahahahahaha

          0
    • tiago 8 de novembro de 2011 at 09:25

      o nome disso é cartel

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 12:12

        eu vi isso acontecendo algumas vezes, visitando um imovel o corretor descobre que tem outro no mesmo condominio por valor mais baixo. Daí ele pressiona o proprietário a vender mais caro

        0
      • LB 8 de novembro de 2011 at 16:58

        Tiago,

        Mas o mercado de Brasília é cartelizado. Acredito que de todo o Brasil também. Há uns 3 anos atrás dei entrada num AP em Brasília. Conversando muito com o corretor que me vendeu, reclamando do preço e tal, ele me falou que o então Presidente da ADEMI-DF, que por ventura é dono da Soltec Engenharia, convocava reunião mensal entre as construtoras para definir o preço do metro quadrado construído.

        0
    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 12:22

      Paulo,

      Procurei Park Sul na WIMOVEIS. Como a maioria dos imóveis não está pronta e voce consegue saber o ÁGIO que as pessoas querem ganhar, cheguei a lembrar da primeira bolha documentada na História – a das Tulipas. Entretanto, em Brasilia é como se estivessem contando com as Tulipas que AINDA VÃO NASCER.

      0
  • Laranja 8 de novembro de 2011 at 09:54

    Saiba como os preços sobem e as vendas vão aquecidas no mercado gaúcho de imóveis
    Fonte: Políbio Braga

    Nem é preciso ser um expert para perceber a enorme valorização dos imóveis em todos os municípios brasileiros. Em Porto Alegre, o boom de lançamentos é inédito, o que significa uma resposta ao aquecimento da demanda.

    . A revista Exame que está nas bancas, revelou que neste ano, imóveis localizados em bairros emergentes como Humaitá, já registraram valorização de 36%. Os principais jornais gaúchos estão forrados de ofertas. O mercado imobiliário é o maior anunciante de rádio, jornal, Internet e TV no RS.

    . Nesta segunda-feira, o Sinduscon do RS, mediu a taxa de velocidade de vendas (relação das vendas sobre as ofertas) de imóveis novos em Porto Alegre e apurou que ela foi de espetaculares 16,30% em setembro , resultado bastante superior ao de agosto, quando atingiu a 7,68%. É levantamento da Pesquisa do Mercado Imobiliário, elaborada mensalmente pelo Sinduscon/RS.

    . Em relação a setembro de 2010, também houve forte incremento, uma vez que nesse período a taxa foi de 10,31%. A taxa média doze meses de velocidade de vendas em setembro de 2011 atingiu a 10,30%, resultado bastante inferior ao observado nos doze meses fechados em setembro de 2010, quando foi de 14,26%. No mês de setembro, isoladamente, foram negociadas 680 unidades, contra 285 unidades em agosto, o que representou um incremento de 138,6%. Já na comparação com setembro de 2010, houve crescimento de 78%, pois nesse último período foram vendidas 382 unidades.

    – Acumulado do ano é muito ruim – Em termos acumulados, de janeiro a setembro de 2011, foram negociadas 3.127 unidades, o que significa queda de 24,72% na comparação com igual período do ano anterior, quando haviam sido comercializadas 4.154 unidades.

    0
    • Observador SP 8 de novembro de 2011 at 10:04

      Parece que o comportamento das imobiliárias de São Paulo, Rio e Brasília tem contaminado o país inteiro, porém se esquecem que o bolso do povo brasileiro não é de país desenvolvido.

      0
    • Andre Luiz 8 de novembro de 2011 at 10:49

      Laranja,

      Não conheço muito Porto Alegre, mas Humaitá não é um bairro bem pobre ali numa zona industrial, próxima ao Aeroporto?

      Agora virou bairro emergente?

      0
      • Laranja 8 de novembro de 2011 at 11:24

        André, é este mesmo. O bairro é caracterizado por conjuntos habitacionais (BNH), favelas, habitações populares (Projeto Entrada da Cidade), pavilhões e muita área livre.

        Acontece que a Rossi está construíndo muitos aptos (pequenos, porém acima do MCMV), que estão quase prontos e valorizando (2d 53m² = 160, 170k). A Arena do Grêmio também está sendo contruída no bairro e junto com ela algumas melhorias são esperadas. Vai mudar, mas mesmo assim, tenho minhas dúvidas quanto a consolidação de um “Novo Humaitá” alardeado pelos empreendedores… o que tem de ruim vai continuar lá!!

        0
    • Diego 8 de novembro de 2011 at 18:05

      Esse jornalista é conhecido. Credibilidade zero. Famoso pelas notícias valorizando qualquer coisa.

      Quanto a Humaitá, ali estão construindo “conjuntos habitacionais” com padrão acima do MCMV. Um, perto da arena do Gremio, é uma favela, com o devido respeito, com dezenas de prédios de 4 andares. Mais longe, numa área industrial e cercada de áreas invadidas (ao lado do trem), a Rossi está tentando revitalizar o bairro. Tudo na planta e para investidor.

      0
  • Paty 8 de novembro de 2011 at 10:21

    nao gosto muito de fofocas sobre pseudo famosos mais essa me chamou atenção
    Perlla vende sua casa em Vargem Pequena

    Foto: Wesley Costa/AgNews

    De acordo com a coluna Retratos da Vida, do jornal Extra, a cantora Perlla vendeu sua casa, localizada em um condomínio de Vargem Pequena, no Rio de Janeiro.

    A publicação conta que ela não estava mais conseguindo pagar as mensalidades de R$ 4.300. A atriz Miryam Martin teria se interessado pelo imóvel, mas não fechou a compra

    0
    • Piaui 8 de novembro de 2011 at 10:54

      E consegue alugar a mesma casa por 2500,00.

      0
  • danilo 8 de novembro de 2011 at 11:00

    httt p://estadodeminas.lugarcerto.com.br/app/noticia/noticias/2011/11/08/interna_noticias,45467/donos-de-lojas-usam-a-copa-para-elevar-em-ate-180-o-valor-dos-alugueis-em-bh.shtml

    A frase mais importante é a última e espero que, depois do estouro, os especuladores digam : ” A ESPECULAÇAO É LEGÍTIMA, MAS EU ME LASQUEI

    : Segundo Cavalcanti,“O pessoal reclama que o aluguel subiu muito, mas esquecem-se do quanto ele caiu até 2004. O mercado tende a cobrar essa diferença”. O Mercado Central experimenta, ainda de acordo com ele, a clássica pressão por demanda. “Se não tem oferta e o fluxo de interesse em determinada região é crescente, os preços vão subir mesmo. Precisamos mudar esse discurso de que o especulador é bandido. A especulação é legítima”, defende.

    0
    • Andre Luiz 8 de novembro de 2011 at 12:41

      Danilo,

      De certa forma, todos aqueles que estão apostando numa bolha imobiliária, eu inclusive, somos especuladores. Especulamos que os preços vão cair, por isso permanecemos líquidos, na tática do urubu, só sobrevoando o moribundo, esperando ele morrer e aí se fartar.

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 14:33

        Danilo e luiz isso é uma questão de semantica de ética e de lógica

        especular na origem da palvra significa refletir, ou seja o cara reflete o que tá em volta e vende seu imovel pelo valor que ele investiu + as conveniencias do entorno e do momento. Não necessariamente é um mau.

        Especulação torna-se um monstro quando o investimento é publico, pago por toda a sociedade, e o lucro é abosrvido somente pelo individuo particular favorecido.

        É este o caso da bolha imobiliária em questão.
        Governos responsáveis ja teriam tomado providências, o nosso só põe mais lenha na fogueira.

        0
  • Lucas 8 de novembro de 2011 at 11:01

    O preço dos imóveis já é um assunto discutido até pelas pessoas que não estão querendo comprar nem vender, conversando com os amigos olha o que eles dizem:
    Um comprou um ap em Botafogo em 2007 por 320K e agora disse que está valendo 950K.
    Outro comprou uma cobertura em 2008 na zona norte do Rio por 280K agora disse que está valendo 500K.
    Mas a que me causou mais espanto foi uma que comprou uma casa em Jacarepaguá em abril deste ano por 600K, só conseguiu comprar porque vendeu a que tinha para dar de entrada, e disse que agora está valendo 900K.
    Bom, são todos colegas de trabalho que ganham um pouco mais que eu por serem mais antigos e que com certeza, hoje não conseguiriam comprar aonde moram.
    É o milagre da multiplicação do dinheiro, quase todo mundo no Rio de Janeiro virou milionário da noite pro dia.
    Nesta mesma conversa, uma das pessoas falou que tem uma conhecida que trabalha numa grande imobiliária que já admitiu que 2012 vai ser um ano muito difícil.
    Minha opinião atual:
    1° – Realmente existe um cartel, tanto das construtoras quanto das imobiliárias.
    2° – O Governo já deveria intervir de alguma forma, eles podem até negar a existência de uma Bolha, mas o movimento de especulação é muito claro, se a maioria das compras são financiadas com dinheiro da poupança o Governo não pode deixar o setor sem fiscalização;
    3° – No mínimo, deveria existir uma Lei que só permitisse que as construtoras efetuassem novos lançamentos se estivessem com seus prazos de entrega em dia.

    0
    • Augusto 8 de novembro de 2011 at 12:01

      Podem valer no papel, mas quero ver vender pelos preços que dizem que vale.
      É o famosos whisfull thinking, ou o me engana que eu gosto.
      Pago até 10% a mais do que pedem se conseguirem demonstrar que tem compradores pelos preços absurdos

      0
    • Guilherme Eduardo 8 de novembro de 2011 at 23:52

      Um forma de brincar com esses nossos amigos que se acham espertos e tratá-los como ricos. Se eles podem bancar imóveis que valem R$ 1 milhão, então tem cacife para isso. Comece a falar do carro. O cara tem um carro popular? Pergunte quando ele vai trocar e carro, só por curiosidade:
      Ô Zé, vc tem um 2 quartos em Botafogo que tá valendo R$ 1.200.000,00 né. É o Gol, quando que você cai vender e comprar um blindado? Vc sabe né, agora que você tá rico não dá pra ficar dando sopa pra bandido não. Compra um Jetta, tá lindo! 2010 Blindagem N3 tá uns 90 mil…. (hehehehe)

      0
  • Selvagem 8 de novembro de 2011 at 12:02

    Aumenta a inadimplência de veículos

    Parcela de financiamentos com prestações atrasadas acima de 90 dias atingiu 4,4% do total em setembro, com alta de 1,9 ponto no ano

    MÁRCIA DE CHIARA – O Estado de S.Paulo

    Enquanto os juros cobrados do consumidor na compra a prazo de veículos recuam desde maio, a inadimplência nessa linha de crédito não para de crescer. Pelo sexto mês consecutivo, a parcela de créditos com atraso superior a 90 dias aumentou em setembro e atingiu 4,4% do saldo financiado ou R$ 7,3 milhões, segundo cálculos da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef).

    De acordo com o relatório que será divulgado hoje pela associação, elaborado a partir de dados do Banco Central e das empresas filiadas, a fatia do calote no total dos financiamentos aprovados quase cresceu dois pontos porcentuais este ano. Em dezembro de 2010, a inadimplência acima de 90 dias correspondia a 2,5% do saldo financiado e em setembro estava em 4,4%.

    Bancos. O aumento da inadimplência apareceu nos resultados trimestrais dos principais bancos. Na divulgação dos resultados do terceiro trimestre do Banco do Brasil (BB), o destaque negativo foi para as operações do Banco Votorantim (BV), do qual o BB é dono de 50%. A inadimplência do BV subiu de 3,2% para 4,3% dos créditos a receber, do segundo para o terceiro trimestre. A força do BV está no financiamento de veículos.

    O Itaú Unibanco foi outra instituição que registrou aumento do calote do consumidor. No segundo trimestre esse indicador estava em 5,8% e em setembro tinha subido para 6,3%. “Não há vilão no assunto inadimplência, isto é, todas as categorias de crédito (pessoal, cartões e veículos) contribuíram igualmente para o crescimento do índice no trimestre”, diz Rogério Calderon, diretor de controladoria.

    O Bradesco também exibiu o aumento da inadimplência da pessoa física no resultado trimestral. Em junho, o crédito em atraso acima de 90 dias correspondia a 5,7% da carteira de empréstimos e, em setembro, essa fatia tinha subido para 6%.

    “Houve alta generalizada na inadimplência de veículos no terceiro trimestre, em algumas instituições mais e em outras, menos”, diz Jair Lantaller, presidente do Instituto Geoc, que reúne empresas de cobrança.

    No últimos 60 dias, o presidente do Instituto Geoc conta que cresceu 18% o volume de trabalho para as empresas de cobrança, puxado especialmente pelos financiamento de carros que não foram pagos. O perfil da inadimplência de veículos recai sobre carros populares, com prestação entre R$ 700 e R$ 800.

    Essa informação é confirmada por outra pesquisa feita pela agência de varejo automotivo MSantos com empresas de cobrança. Os consumidores, com renda familiar entre R$ 2 mil e R$ 3,5 mil, que financiaram veículos em até 60 meses a partir de 2009, puxam hoje a fila dos inadimplentes, diz a pesquisa.

    De acordo com a Anef, o aumento da inadimplência contrariou as expectativas do início do ano e é explicado pelos efeitos da inflação que prejudicaram a quitação dos débitos. Lantaller, do Geoc, acrescentou outro fator que contribuiu para o aumento do calote: o cartão de crédito. Uma enquete feita com inadimplentes pelo instituto que ele preside mostrou que o inadimplente dá prioridade ao pagamento do cartão em detrimento de outros débitos, porque assim reabilita o crédito.

    Para Calderon, do Itaú Unibanco, a inadimplência vai melhorar nos próximos trimestres com a elevação da massa salarial e a redução da inflação e dos juros. Para outros executivos do setor financeiro, no entanto, o calote vai se estabilizar só no início do segundo trimestre e os acréscimos de renda não serão suficientes para estancar a inadimplência no curto prazo.

    ________________________

    “Para Calderon, do Itaú Unibanco, a inadimplência vai melhorar nos próximos trimestres com a elevação da massa salarial e a redução da inflação e dos juros” . Vai, vai sim. Se tá aumentado pq vai diminuir com o aumento da crise? A inflação ta comendo a renda desse povo, renda já comprometida com juros. E o sujeito pagando cartão para poder continuar comprando. Ahhhh quando essa roda parar…

    0
  • BOLHABRAZIL 8 de novembro de 2011 at 12:15

    CASO REAL:
    tenho um grande amigo que comprou uma cobertura no recreio-rj há 4 anos atrás aproximadamente (construtora Rossi). são 2 torres com 540 aptos no total.
    pagou na época 400.000 pelo imóvel, parte a vista e parte pela CEF. hj ta querendo sair pq a familia aumentou (consequentemente as despesas tb) e a prestação ficou muito cara (3.000/mes em 25 anos). a ideia é vender, quitar o saldo do financiamento e com o que sobrar pegar outro apto (não cobertura) quitado. negócio da china! deu 100.000 de entrada assumo 300.000 de financiameto. vendo por 950.000 (valor que tá pedindo), quitos os 300.000 e com os 650.000 de lucro compra um apto quitado. segundo ele o seu é o melhor dentre as outras pq fez isso, fez aquilo no apto…..
    essa semana me disse que o imóvel tá anunciado em praticamente em todas as imobiliarias da região e como ele tem pressa baixou para 900.000 mas não tira nem 1 centavo! (até onde eu sei quem dita preço é comprador, senão nunca sai negócio).
    pois bem, já se vão mais de 3 meses que o “plano genial” foi posto em prática, porém sabem quantas visitas ao imóvel tiveram………ZERO!
    os corretores dizem para ele que o imovel é bom, o preço é esse mas que tem que trabalhar mais a venda, demora, blá, blá, blá……
    impressionante como o emocional dos proprietários fala mais alto que o lado racional.
    fico só observando……onde isso vai parar eu não sei, mas presumo que a coisa vai ficar muito feia.
    saudações

    0
    • danilo 8 de novembro de 2011 at 12:21

      Se ele nao reduzir a filha dele vai debutar morando no Recreio.

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 12:29

        650k compra aquele 2 qtos do colega aí de cima

        0
    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 12:30

      O sujeito só quer ganhar 125% em 4 anos – um rendimento de 1.7% ao mes ou 22% ao ano. Como dizia antigamente: E na bunada, não vai dinha?

      0
      • Paulo 8 de novembro de 2011 at 13:33

        Na verdade um pouco mais que isso. 850% em 4 anos.

        0
    • MrK 8 de novembro de 2011 at 12:41

      esse tipo de pessoa me lembra muito aquele “investidor” de acoes cabeca dura que diz “eu nao vendo minhas acoes por menos de 15, de jeito nenhum”!!

      tipo o cara que comprou uma acao a 15, ela esta ha 2 anos valendo 5 e ele segue la “por menos de 15 nao vendo”

      eh muito dificil pro ser humano aceitar a sensacao de perda, uma hora que esse cara botou na cabeca que o imovel vale 900mil, pra ele qualquer coisa abaixo eh perda, ele prefere viver na ilusao confortavel do que na dura realidade… mas uma hora a realidade bate a porta

      0
      • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 13:00

        MrK,

        Uma hora a realidade vai se impor, isso é certeza. Mas vendo o tamanho da decepção que esse tipo de pessoa ai ter, estou convencido que alguns irão preferir o suicídio. Lembre que tivemos vários suicídios por muito menos – na época do bloqueio da poupança. Muitas pessoas optaram pelo suicído ao invés de encarar um prejuízo financeiro.

        0
      • xyz 8 de novembro de 2011 at 13:05

        È o caso dos milhares de compradores da capitalização da Petrobras, que compraram a 26,30 (se não estou enganado) e até hoje esperam a cotação voltar para este patamar para não “perderem”. São tão míopes que não percebem que já perderam.

        0
    • Glaucio 8 de novembro de 2011 at 13:17

      Olha a lógica do cara: quer vender um apê por 950k pra comprar um melhor por 650k. Se existe imóvel melhor por 650, por que alguém iria comprar o dele de 900?
      Troféu Bolha de Ouro pro sujeito!

      0
      • Guilherme Eduardo 8 de novembro de 2011 at 23:56

        Falou tudo Glaucio:

        “quer vender um apê por 950k pra comprar um melhor por 650k. Se existe imóvel melhor por 650, por que alguém iria comprar o dele de 900?”

        0
    • augusto 8 de novembro de 2011 at 13:22

      Desculpe, mas seu amigo mais parece um imbecil que acredita em papai noel, e não passa de um fantoche nas mãos de corretores

      0
  • Luiz 8 de novembro de 2011 at 12:26

    consultando a minha tabela, acima de 7.500k mensal é 1%
    15k tem que ser necessariamente menos que a metade disto.
    um bom chute seria 0,25%
    se for Rio cerca de 5 mil familias cariocas no total
    se for SP 10 mil familias.

    0
    • MrK 8 de novembro de 2011 at 12:48

      entao vejamos

      550mil nao compra nada, nem mais ou menos, na zona sul
      550mil nao compra nada muito bom na barra, nem na tijuca
      com esse valor o cara vai comprar ou no recreio (la no fim do mundo) ou em Aps ruins na tijuca ou zona norte a dentro

      praticamente com 550mil uma pessoa esta excluida de toda parte boa da cidade, fica a pergunta: como pode uma pessoa que faz parte dos top 0.25% nao conseguir morar minimamente bem? isso eh sustentavel?

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 13:08

        Mrk, a coisa pode ser ainda pior, dependendo dos resultados do censo 2010 serem liberados para renda.
        Somos um páis pobre,a renda média é de 1.500 reais em cidades ricas
        15k é dez vezes a renda média.
        Acredito que com o alargamento da classe C e achatamento doas classes A e B essa porcentagem seja ainda mais exigua. A pergunta que fica é> de onde vem os tais ricos que compram no Rio? veja que aind aesta havendo vendas, poucas mas há, qeum são?

        0
        • Felipe 8 de novembro de 2011 at 13:13

          Traficantes, corruptos, ladrões de banco, estelionatários, sonegadores devem ser mais de 80% dos que compram hoje em dia.
          Os outros 20% são jogadores de futebol, artistas famosos, empresários e outros que ganham dinheiro honesto.

          0
          • Paulo - RJ 8 de novembro de 2011 at 22:11

            E chineses

            0
        • Ana Paz 8 de novembro de 2011 at 13:18

          QUEREM UMA NOVIDADE? Lá vai:

          Imóvel em leilão na Caixa Econômica: RUA BARATA RIBEIRO,N. 622 Apto. 201, COPACABANA, RIO DE JANEIRO, 3 quartos, 143m², sem vaga de garagem.
          Preço inicial da concorrência pública: R$331.200,00.
          Significa avaliação de R$2.316,08 / m².
          Td bem que o imóvel está ocupado. Desocupar é fácil para qualquer advogado RAZOÁVEL.
          Eis o link> http://www1.caixa.gov.br/Simov/detalhe_imovel.asp?QS_NU_IMOVEL=2021250000095

          Tem mais: significa que já tem gente que financiou e NÃO ESTÁ CONSEGUINDO PAGAR.
          Preparem-se para a chuva!!

          0
          • Sérgio 8 de novembro de 2011 at 13:49

            Esse será o termômetro oficial do estouro. Ótimo.

            0
          • Carlos Wagner 8 de novembro de 2011 at 14:49

            Não conheço bem o Rio pra saber se essa rua é valorizada ou não, mas um apto de 143m2, até em Taubaté, custa bem mais que isso.

            Só pelo fato da Caixa avaliar o metro quadrado a 2.316,08k, significa que os preços estão inflados artificialmente, e qualquer que seja o emprestimo para aquisição de imoveis supervalorizados, os bancos correm serios riscos de terem que amargar grandes prejuizos financeiros numa possivel retomada do bem alienado.

            Será que a instituição financeira lider em emprestimos habitacionais no Brasil vai dar um tiro no proprio pé avaliando o metro quadrado abaixo do praticado no mercado?

            Por favor, solicito aos cariocas opinarem sobre o valor aproximado do metro quadrado na regiao para que possamos concluir se meu pensamento procede.

            0
          • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 14:55

            Alguém precisa avisar a CAIXA que vale muito mais do que ela está pedindo. No mesmo edifício tem um 84 m2 por 650 mil Reais.

            www . ibiubi . com . br/imoveis/apartamento+venda+copacabana+rio-de-janeiro+rio-de-janeiro/r-barata-ribeiro+zap/IUID2088039/

            Apartamento Copacabana Rio de Janeiro
            End: R. Barata Ribeiro 662 Copacabana Rio de Janeiro RJ

            Excelente apartamento, original 3, 2 quartos, podendo voltar a 3, só repor parede, sala em cachimbo longo, piso Panquet Paulista, banheiro,. reformadíssimo, cozinha no original com armários, área e dependências completas, hall privativo, elevador com chave. Maiores informações 2112-0600 ou e-mail: [email protected] valor do imóvel pode ser alterado sem prévio aviso.

            Detalhes

            Valor: R$ 650000
            2 quartos
            Área útil: 84 m2
            R$ 7.738,10 por m2

            0
          • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 14:56

            Alguém precisa avisar a CAIXA que vale muito mais do que ela está pedindo. No mesmo edifício tem um 84 m2 por 650 mil Reais.

            www . ibiubi . com . br/imoveis/apartamento+venda+copacabana+rio-de-janeiro+rio-de-janeiro/r-barata-ribeiro+zap/IUID2088039/

            Apartamento Copacabana Rio de Janeiro
            End: R. Barata Ribeiro 662 Copacabana Rio de Janeiro RJ

            Excelente apartamento, original 3, 2 quartos, podendo voltar a 3, só repor parede, sala em cachimbo longo, piso Panquet Paulista, banheiro,. reformadíssimo, cozinha no original com armários, área e dependências completas, hall privativo, elevador com chave.

            Detalhes

            Valor: R$ 650000
            2 quartos
            Área útil: 84 m2
            R$ 7.738,10 por m2

            0
          • Frank 8 de novembro de 2011 at 14:59

            imóveis ocupados (ou com embaraçoes judiciais) sofrem um deságio.

            de 30%, 50% ou às vezes até mais.

            não sei se dá pra tomar isso como indício de queda.

            0
            • Carlos Wagner 8 de novembro de 2011 at 15:06

              Voce tem razão. Mas a questão é:

              Se a Caixa avaliou este imovel como valendo 2.3k o metro como valor mais que satisfatorio para cobrir os encargos financeiros remanescentes, como ela poderá vir a avaliar outro imovel na regiao como se o metro quadrado custasse 7,5k caso o montante da divida fosse maior?

              O que não pode acontecer é existir 2 pesos e duas medidas.

              Nesse cenario, os bancos correm grandes riscos de terem seus bens alienados desvalorizados, consideravelmente.

              0
              • Ana Paz 8 de novembro de 2011 at 15:33

                Os preços de imóveis em concorrencias e praças públicas têm como preço que as pessoas podem pagar, de preferência a vista. Têm deságio sim, mas estão mais proximos da realidade.
                Mesmo com um deságio de 50%, o bem nao valeria, no mercado, mais de R$660.000,00.

                Esse imóvel NÃO VALE R$7.000,00 o m². É em Copa, mas a rua é desvalorizada e barulhenta.
                Assim, como poderia um 2 quartos, de 84m² no mesmo local ser vendido por R$650.000?

                Por óbvio, a caixa não deseja ficar concedendo, infinitamente, financiamentos sobre todos os bens, pois financiamento = risco.
                Ela sempre estaria pagando por eles, sem nada receber dos mutuários.
                Vejo imóveis no Posto 4 e 6, muito melhores, com preço igual ao noticiado pelo Anonymous, ENCALHADOS!!! Preço de anúncio não é real.

                0
                • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 15:46

                  Ana,

                  A CAIXA tem condiçoes de fazer um índice imobiliário sobre valores negociados, embora com a ressalva do imóvel estar ocupado. Mesmo assim, seria um índice bem mais realista do que o FIPE-ZAP. A CAIXA não faz esse índice porque não quer (ou alguém mandou não fazer). É trabalho para estagiário fazer um 1 ou 2 seamanas.

                  PS: Dá vontade de enviar um email para o sujeito que está vendendo o apartamento de 84 m2 por 650 mil Reais para avisar que, se ele, comprar o da CAIXA, vai ganhar por baixo uns 700 mil Reais na venda – hehehehehe

                  0
                  • Selvagem 8 de novembro de 2011 at 16:57

                    Temos que ser honestos. Não vejo essa notícia como termometro de bolha.

                    Preços em hasta pública em geral são menores mesmo, como dito acima. Isso não é nenhuma novidade, os imóveis nestes casos são vendidos acupados, e isso já é um grande fator para o preço ter um deságio.Já vi muita gente se dar mal comprando nestas condições , já que é possível recorrer contra a hasta pública e protelar por alguns anos o posse do imóvel.

                    Existem em vários fóruns imobiliárias especialistas em adquirir este tipo de imóvel e repassá-los a preco de mercado.

                    Por isso cuidado.

                    Teríamos um termometro de bolha apenas se hovuer um aumento expressivo de execuções de inadimplementes de tal modo que os imóveis ao serem devolvidos ao mercado acabem influindo na oferta.

                    Muita calma nessa hora.

                    0
                    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 18:17

                      Selvagem,

                      Um dos argumentos do financiamento responsável tupiniquim é justamente que AGORA ficou fácil retomar o imóvel.

                      0
              • Ana Paz 8 de novembro de 2011 at 20:28

                Fiz uma observação sobre isso há muito tempo, aqui mesmo nesse blog.
                A super valorização do bem na hora da avaliação pode ter consequencias negativas para os bancos no futuro.

                E não acho q tenhamos que ficar discutindo infinitamente o significado dessa retomada de imóvel que noticiei acima. Só quis ressaltar a realização de retomadas (que não ocorreram em relação a apenas um imóvel) e o preço de avaliação atual desse tipo de imóvel (que fazem parte da minha pesquisa).
                Quanto ao mais, remeto os blogueiros à crise européia.
                Atualmente, os preços de imóveis tomados por instituições financeiras em Portugal forçam para baixo os preços de imóveis de mercado dos demais, já que há muita oferta nesse nicho. E os bancos nao querem ficar com imóveis nas mãos.
                O que antes era apenas entrada, hoje é suficiente para comprar os “Retomas de banco” (como são tratados na Terrinha).
                O problema é que ninguem acreditou que isso ia acontecer e manteve dinheiro na mão.

                Para aqueles que possuem maior dificuldade de compreensão, recomendo o videozinho da “Bolha Espanhola”, também postado neste site.

                Para aqueles que insistem na tese do mercado imobiliário a todo vapor, sugiro que comprem o imóvel, para posterior revenda. Tem mesmo que acreditar no próprio discurso.

                0
          • Andre Luiz 8 de novembro de 2011 at 14:59

            Isso vai ficar cada vez mais comum.

            Creio que se tornará um problema, porque a Justiça Brasileira é muito paternalista. Se muita gente começar a perder suas casas, vai causar uma comoção social. Não duvido que os magistrados passem a reduzir as parcelas, talvez até para adequá-las ao valor de mercado dos imóveis neste futuro hipotético e quem comprar um imóvel nessas condições pode até não levá-lo.

            É um risco grande.

            0
            • Frank 8 de novembro de 2011 at 16:27

              concordo, há uma boa chance de isso acontecer.

              a meu é ruim, pq não existe almoço grátis, e se as parcelas desses financiamentos irresponsáveis vierem a ser diminuídas pela Justiça, essa tunga do banco seria “repassada” para todos os clientes de alguma maneira.

              0
            • Troll 8 de novembro de 2011 at 22:15

              “… porque a Justiça Brasileira é muito paternalista.”

              Fruto de uma constituição frouxa construída em um país recém saído da ditadura, onde um governo firme era visto como facista pelos bandidos, arruaceiros e sindicalistas.

              0
          • LUIZDVD 9 de novembro de 2011 at 00:10

            Prezada Ana,

            Pena que não consegui ler anteriormernte o blog e tecer meus comentários. Alerto a todos, DESOCUPAR RESIDÊNCIAS NÃO É FÁCIL, nem para advogados razoáveis.

            Tem-se que ter muito cuidado com leilões, processos de execução e afins.

            Há necessidade de avaliar com carinho todo o processo que deu origem ao leilão, avaliar todas as intimações, o valor de avaliação, etc, TODA A SITUAÇÃO FÁTICA QUE ENVOLVE O LEILÃO DEVE SER ANALISADA COM LUPA.

            Processos são anuláveis e estas discussões podem parar no STJ ou STF, dor de cabeça e ranger de dentes por anos.

            E não precisa muita coisa para anular. Também não faz diferença se foi a CEF que levou a leilão, embora eles tenham um corpo de advogados competentes e que tendem a cuidar das coisas.

            LEILÃO NÃO É UM NEGÓCIO PARA INICIANTES.

            TAMBÉM NÃO FAZ DIFERENÇA SE O IMÓVEL JÁ ESTÁ DESOCUPADO.

            A ÚNICA SEGURANÇA, E MESMO ASSIM SUJEITA A CHUVAS E TROVOADAS, É EXAMINAR TUDO COM LUPA. TALVEZ COM DUAS LUPAS.

            UM NEGÓCIO DE 300 MIL NÃO PODE SER FEITO SEM ENORMES CAUTELAS. TALVEZ PERDER TODO O DINHEIRO NÃO SEJA UM RISCO, MAS DEPOIS DE PAGAR, PARA RECEBER DE VOLTA E SEM ESTAR MORANDO É UM BAITA PROBLEMA E EU JÁ VI ACONTECER VÁRIAS VEZES.

            COM LEILÃO, TODO O CUIDADO É POUCO.

            QUANTO AO MORADOR E AO PROPRIETÁRIO EXECUTADO, SE POSSÍVEL OBTENHA UMA ESCRITURA PÚBLICA DECLARATÓRIA NO SENTIDO DE QUE ELE NÃO TEM MAIS INTERESSE NO IMÓVEL E NÃO TEM INTERESSE EM ANULAR O PROCESSO DE EXECUÇÃO. MESMO ASSIM, O RISCO SEMPRE EXISTE.

            0
            • Richard 9 de novembro de 2011 at 10:05

              Acho que não é tão preocupante assim.

              Eu tenhovários amigos que compraram imóveis com a caixa ocupados e demoraram de 3 a 6 meses para desocupar.

              Eu tenho também um imóvel ocupado e o meu inquilino não pagou o aluguel por 2 meses e em 1 mes eu tirei ele de lá.

              Meu irmão tem uns 10 imóveis alugados e nunca teve dor de cabeça em desocupa-los.

              Pode ser que eu não estou vendo o mercado como um todo. Más eu não estou vendo muita dificuldade em desocupação.

              Espero que eu esteja certo.

              Abçs

              0
            • Ana Paz 9 de novembro de 2011 at 21:00

              Eu conheço o procedimento. Trabalho no Judiciário.
              Leilões realizados pelo agente financeiro diretamente, em especial, são infinitamente mais seguros já que o valor do preço é pago ao próprio banco.
              Além disso, o Judiciário não é paternalista assim não.
              O direito do arrematante que já possui o título registrado entrar na posse do imóvel, se postulado corretamente (o que não é difícil), é quase sagrado.
              Vale a pena pesquisar, se for do interesse de vocês. Só não posto aqui, por não ter relação direta com o assunto tratado no site.

              A Justiça do Rio de Janeiro, em especial, é muito célere… talvez seja mais complicado em outros locais.

              0
  • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 13:17

    Chegamos na fase de DIVISÃO do ágio.

    Anuncio na WIMOVEIS em Brasilia, pelo corretor Fabio Bento.

    Cód do Imóvel: 308027
    Localização SMAS TRECHO PARK SUL PRIME, Ap 407, Torre A

    VENDO URGENTE

    Apartamento comprado na primeira tabela (lançamento do empreendimento)

    Omitindo a descrição, o interessante vem a seguir:

    DIVIDE O ÁGIO

    Ágio – R$ 179,000.00
    Saldo Devedor com a Construtora – R$ 420,000.00
    Total – r$ 599,00.00

    0
    • Ader 8 de novembro de 2011 at 16:15

      Vão querer arrumar um tolo maior para pelo menos rachar o prejuízo.

      0
  • NTL 8 de novembro de 2011 at 14:55

    Quando a gente vê fotos como as 4 primeiras deste site, dá para se ter uma noção mais clara do que realmente significa excesso de demanda por algo (espaço, lazer, água ou moradia)…

    boston.com/bigpicture/2011/11/world_population_where_its_thi.html

    0
  • Luiz 8 de novembro de 2011 at 15:03

    “Investors remain complacent, apparently convinced that there is no bubble or, if there is one, that it will continue to expand for some time—and even then not burst but rather slowly deflate.”

    by investment guru Gary Shilling, Forbes, July 2005.

    0
    • Ader 8 de novembro de 2011 at 16:12

      A mesma conversa…
      Ploc!

      0
  • Luiz 8 de novembro de 2011 at 15:59

    Mercado de grandes propriedades no Brasil atinge recorde

    fonte: BBC BRASIL
    Empresa especializada no mercado imobiliário mundial afirma que o setor brasileiro seguiu “pegando fogo” no terceiro trimestre de 2011,

    Relatório da consultoria Real Capital Analytics (RCA), baseada em Nova York, afirma que o volume de vendas de propriedades no Brasil atingiu o recorde de US$ 3,5 bilhões no terceiro trimestre de 2011.

    A pesquisa da RCA analisa vendas de propriedades em 37 países com valores acima de US$ 10 milhões –na maioria, grandes propriedades como terrenos, prédios comerciais, industriais, residenciais e hotéis.

    O volume de vendas de propriedades cresceu 35% no terceiro trimestre do ano na comparação com o mesmo período do ano anterior.

    No entanto, o ritmo de crescimento nas vendas de propriedades caiu pela metade no terceiro trimestre. A desaceleração na região foi provocada por um movimento de baixa no mercado de hipotecas nos Estados Unidos. Já a América Latina e o Brasil permanecem com o mercado aquecido, segundo a RCA.

    “A América Latina é o únicocom momento positivo. O Brasil continuou pegando fogo, com o volume no terceiro trimestre atingindo o recorde de US$ 3,5 bilhões, logo atrás do Canadá, que está em desaquecimento”, afirma o relatório da empresa, que também destaca movimentos positivos no Chile e no México.

    0
    • augusto 8 de novembro de 2011 at 16:52

      Real Capital Analytics ???????????!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
      Quem é esta “famosissima” empresa?
      Ploc

      0
    • Ader 8 de novembro de 2011 at 17:31

      “O Brasil continuou pegando fogo…” Realmente… no final só sobrarão cinzas.

      “…logo atrás do Canadá, que está em desaquecimento”, afirma o relatório da empresa, que também destaca movimentos positivos no Chile e no México.” Se o Canadá está em desaquecimento como pode também ser destaque de movimento positivo? Muito mal escrito, é momento conforme primeira linha do último parágrafo ou movimento conforme última linha do último parágrafo?

      0
      • Luiz 8 de novembro de 2011 at 17:39

        O movimento dividido pelo valor minimo:
        3,5 bi dividido por 10 milhoes
        resulta em 350 imóveis no maximo, uma pulga no galinheiro

        A explicação pode ser a própria Bolha que jogou mais imóveis dentro desta faixa.

        Esse numero é aquele do tipo autoalimentavel, por exemplo: pibpercapita aumenta e explica o aumento do preço dos imóveis, mas é o proprio aumento do preço dos imoveis que aumenta o pib.

        0
    • Carlos Wagner 8 de novembro de 2011 at 17:43

      “Relatório da consultoria Real Capital Analytics (RCA), baseada em Nova York”

      – Não é a toa que os Estados Unidos está no vinagre….

      0
    • Anonymous 8 de novembro de 2011 at 18:29

      Veja de onde vem os dados sobre a Banânia. Uma empresa que já faz 2 anos que está no Brasil e claro, já sabe TUDO de mercado imobiliário, talvez até mesmo o endereco da imobiliária que aluga o escritório para eles.

      www . rcanalytics . com/datapartners.aspx

      O parceiro Bananense é www . vidaimobiliaria . com . br

      A Vida Imobiliária Brasil, atua no mercado brasileiro há 2 anos é já é tida como líder do setor no segmento de informação sobre Real Estate Market.

      0
      • Carlos Wagner 8 de novembro de 2011 at 21:19

        Hoje, qualquer um pode ser o que quiser no brasil. Qualquer zé ruela pode ser ministro, temos uma presidenta que conseguiu falir uma loja de 1,99 em POA. Então, abrir uma imobiliaria e se tornar especialista em alguma coisa em apenas 2 anos, nao me surpreende, desde que vá na mesma direção da cartilha do governo.

        Tem algo de muito estranho acontecendo no brasil…

        0
        • Troll 8 de novembro de 2011 at 22:27

          Qualquer um pode ser empreendedor. Veja, até minha empregada tá abrindo uma empresa. Diz que é uma griffe de roupas. Eita nova classe média do lula….

          0
          • Cosmos 8 de novembro de 2011 at 23:42

            Não saquei exatamente o problema de a sua empregada poder abrir uma empresa…

            0
            • me 9 de novembro de 2011 at 09:29

              Pois é. Maldita classe média…

              0
  • ninja 8 de novembro de 2011 at 19:23

    Jornal da gazeta 19hs. construtora PDG engana milhares de compradores em Barueri SP, vende imoveis pelo MCMD e agora na hora das chaves e do financ.a CEF não aprova, o preço esta fora do vlr.a prestação que seria 600k passa para 1200. Hora das chaves!! e agora josé!!!!!

    0
    • Bolha Imobiliária 8 de novembro de 2011 at 20:28

      Bem que eu imaginei que iria acontecer isto… :S

      0
  • DRN 8 de novembro de 2011 at 19:30

    Vejam:

    h t t p ://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201111081714_RTR_1320772456nN1E7A70YD

    Está liberado para comentários.

    0
  • Diogo 8 de novembro de 2011 at 19:55

    Olá pessoal, acompanho o blog a algum tempo e só para compartilhar a desculpa dos preços altos, vou publicar um E-mail que recebi:

    Eu: Este imóvel estava encalhado quando custava 85000,00 quem dera agora por 95000,00. Aproveitem pra achar um otário agora, pois logo log o a época de vacas magras voltará.

    Corretor: Diogo

    É fácil alguém se esconder no anonimato, e falar besteiras, porque não deixou o seu telefone

    Se você está incomodado com esta situação, não critique e sim construa a sua própria casa.

    Este imóvel nunca esteve encalhado, e sim as pessoas não tem o valor de entrada , para financiar o saldo

    Deve ser o seu caso, como não tem dinheiro para comprar, fica criticando os imóveis dos outros.

    Saia do anonimato e mostre a sua cara.

    Venha nos fazer uma visita

    Eu: Olá, aprecio a sinceridade em sua resposta. Meu telefone é 91xxxxxx, caso queira conversar a respeito. Venho acompanhando o preço dos imóveis desde 2007 aqui nesta cidade, acompanho as tendências e vejo que os imóveis atingiram um preço impraticável. Com o MCMV (comprar votos), as casas que então destinavam-se para pessoas de baixa renda, e que estavam a um preço aceitável, com o subsídio do governo, começaram a subir desaceleradamente, o que fez com que as casas de maior valor também subicem por consequência. Devido a isso, mais a aceleração da economia e especuladores investindo em imóveis na planta, o cenário atual é de instabilidade econômica, embora o governo, junto aos meios de comunicação tentam ao máximo distorcer e falam o contrário. O que prova a instabilidade e a iminência de uma crise são as medidas desesperadas do governo. Um exemplo é a diminuição da taxa básica de juros, quando a inflação acumulada do ano já tenha ultrapassado o teto previsto. Inúmeras notícias sobre o aumento da inadimplência, queda drástica nas ações das maiores construtoras do país.Resumindo o brasileiro está endividado e a economia estagnada. Gostaria sim de construir a minha própria casa, porém os terrenos subiram juntamente com todos os imóveis, apresentando preços impraticáveis também. Se as pessoas não conseguem os 10 ou 20% de entrada, é por que o preço está muito alto, é mais uma prova de que os preços não condizem com a realidade do mercado. Assim como nos Estados Unidos e Espanha, estamos passando por uma bolha imobiliária, o que aconteceu com esses países? Tiveram de aprender do jeito mais difícil que algumas coisas tem que ter o preço controlado pelo governo, o imóvel é uma delas. Sem me delongar mais, e como já disse, aproveitem pra vender agora, pois tempos difíceis virão. Realmente, e como vc mesmo previu, não tenho dinheiro, mas sempre tive o sonho da minha casa própria. Apesar de pobre, pelo menos não sou burro, isso já é um bom começo…
    Tenha uma boa noite….

    0
    • augusto 9 de novembro de 2011 at 12:14

      Corretoo Diogo deixe de falar besteira, pois se o imóvel não encontra compradores porque ninguem te a grana sufuciente para dar de entrada, então ele está SIM ENCALHADO.
      Parece que a falta de ter o que fazer começa a atrapalhar a mente das pessoas

      0
  • Ce 8 de novembro de 2011 at 20:51

    Pessoal em conversa com um conhecido que mexe com a folha de pagamento dos magistrados em
    Brasília com ganhos aproximados de 21K, Ele me informou que um desses, tentou fazer financiamento e desistiu, pois não conseguiria pagar um ap. 2 qts por 850K no Noroeste em BsB, segundo as contas:
    Aluguel: 3.5K
    Prestação do carro: 2K, mais roupas, viagens, Pensão Alimentícia, restaurantes,etc.
    Com prestação do ap :3k mensais, pelo imóvel na planta, anuais de 30k, ao final de 3 anos, não conseguiria financiar o imóvel com nenhum banco.

    0
    • LUIZDVD 9 de novembro de 2011 at 00:43

      SÓ UM DETALHE: 21 K BRUTOS. LÍQUIDO FICA POR 13 OU 15 K A REMUNERAÇÃO MÉDIA DOS MAGISTRADOS

      0
  • tiago 8 de novembro de 2011 at 21:11

    Tenho muita pena desse pessoal daqui… ficam aí achando que a bolha vai estourar só porque não tem 50 mil no m2 do apartamento no rio de janeiro…

    brincadeira gente… tmbm tô fudido… ganho bem e não consigo sair do meu 2 dorms… parece que desanima ver nego andando de hilux… mercedez… toyota e corolla e eu sem coragem pra trocar meu siena … kkkkkkkkkkkkkkkkk… fico imaginando se todo mundo tá tão milhonário assim…

    kda vez que vow na concessionária ver um carro básico tenho vontade de morrer… principalmente pq os básicos tem os juros mais altos… q [email protected] né??? aí os altos ficam impraticáveis… e pagar 40 mil para andar de siena novo não dá né????

    qdo vow ver apartamento fico pensando na quantidade imensa de boletos que dão a perder de vista dentro da minha gaveta… imagina o cara com uma dívida de 300 meses… imagina a conta que o cara faz… depois de 10 anos apenas 33% dos boletos foi vencida…

    falando aqui da minha região… o jaguaré SP… deviam ir no stand do reserva jaguaré.. dá até dó dos corretores… já está a uns 2 meses con placa de breve lançamento e apto decorado pronto… mas não conseguem lançar…

    produto errado né???? esses dias me ligaram de lá falando que era para ir lá q ia lançar… perguntei o preço… 5,7k o m2.. aí eu disse… kramba tem gente que tá pagando isso?????… a corretora disse q sim… que eu corria o risco de perder a “oportunidade”… kkkkkkkkkkkkk… só falei assim.. ué.. se tem tanta gente assim então pq vc me ligou????? virgi…

    enfim… por aí vai… qdo a bolha estourar eu sei que vai tudo vai ficar mais fácil…

    0
  • Rodrigo 8 de novembro de 2011 at 21:46

    É… as propagandas estão melhorando muito para ter que convencer as pessoas a comprar parece tudo perfeito…

    h ttp://www.youtube.com/watch

    0
  • Rodrigo 8 de novembro de 2011 at 21:46

    ops

    ht tp://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=xynMqZTz388#!

    0
  • Lucas 8 de novembro de 2011 at 21:56

    Tô aqui em casa vendo um programa chamado “trato feito” (HISTORY CHANNEL) em que o cara tem uma loja de penhores e compra peças antigas para revender.
    O que gosto deste programa e ver o dono negociando a compra dos objetos, engraçado é que quase sempre ele oferece ao vendedor 50% do preço que a peça é avaliada.
    Nota-se claramente que ele tem o controle da situação quando vai adquirir a mercadoria, afinal de contas quem tem dinheiro manda, é ele quem vai entrar com o “soberano”.
    Já no mercado imobiliário brasileiro a coisa é bem diferente, quem manda são as construtoras e as imobiliárias, já que quem acaba entrando com o “soberano” são principalmente os bancos, em especial a CEF, que caso acabe quebrando por causa disso o prejuízo vai ser repartido por todos nós.
    Incrível.

    0
    • Troll 8 de novembro de 2011 at 22:34

      huahauahuahuahauahuahauaha…tb to vendo o programa…mto legal.
      Já tentei trollar proprietários de imóveis oferecendo preço baixo, só que nego fica putinho..huhhuhauahuahauahuahauha

      0
      • Lucas 9 de novembro de 2011 at 07:33

        Programa muito bom, sempre gosto de assistir.
        Pena que as táticas que aprendi com ele não tão dando certo no mercado de imoveis.

        0
        • Ader 9 de novembro de 2011 at 11:13

          Também gosto muito do programa, só que não dá para usar os mesmos artifícios dele com imóveis, pelo menos nesse momento ainda não.
          “Quer vender ou penhorar?”

          0
          • Troll 9 de novembro de 2011 at 21:34

            Daqui um tempo chegaremos na fase do “Quer vender ou penhorar?”, quando os bolhudos não conseguirem mais honrar os financiamentos.

            0
  • RPL 8 de novembro de 2011 at 22:28

    Fiz umas contas sobre o preço justo de um apartamento no ABC:

    – Para cada m2 de terreno, os construtores constroem 3m2 de apartamento.
    – Para cada m2 de terreno, o preço anunciado é de R$ 1.000,00 (anunciado!!!).
    – O custo para construção varia entre R$ 500,00 e R$ 1.500,00 dependendo do padrão, considerando o padrão médio: R$ 1.000,00/ m2.

    Ou seja, R$ 333,33 do custo do terreno diluido no m2 do apartamento + R$ 1.000,00 de construção = R$ 1.333,33.

    Considerando 50% de margem de lucro, o m2 deveria ser vendido por R$ 2.000,00.

    Comparem com o valor de mercado hoje e vejam o espaço para queda de preços.

    A propósito, esse é o preço do imóvel novo. O imóvel velho sofre depreciação e etc…

    Ou seja, baseado em custos, fica óbvio que o mercado está irreal…

    0
    • Troll 8 de novembro de 2011 at 22:37

      boa análise RPL, mesmo usando o custo de 1500 ficaria bem abaixo do praticado hoje…

      0
      • RPL 8 de novembro de 2011 at 22:57

        Eu nem considerei que normalmente no terreno é feito permuta…

        Ou seja, no caso hipotético de um prédio de 15 andades com 4 apartamentos por andar de cerca de 50 metros – O valor do terreno seria equivalente a 1MM BRL.

        Provavelmente a construtora pagaria para o proprietário entre 5 e 10 apartamentos, cujo custo dela (apenas da construção) seria entre R$ 5 x 50 m2 x 1000 = R$ 250.000,00 a R$ 500.000,00 (10 x 50m2x1000).

        E o dono do terreno ainda ia achar vantajoso porque a tabela de preços da construtora considera o preço do m2 de 4K aqui no ABC. Ou seja, o dono do terreno estaria “recebendo” entre 1 MM BRL e 2 MM BRL. Dependendo de quão bom for o negociador da construtora…

        Se considerarmos que a construtora pagou ao dono do imóvel com 1/6 das unidades do prédio, a margem é maior ainda.

        Ao invés de 60 apartamentos, a construtora venderia 50 e não teria o custo do terreno… Ou seja, a construtora gastou R$ 3 MM para construir 3 mil m2.

        Só que ela ainda tem 2.500 m² para vender… Se vender por R$ 1.200,00 ela acha o break even point…

        R$ 1.800,00/m2 considerando margem de 50% é muito mais do que justo…

        0
        • DRN 9 de novembro de 2011 at 10:18

          Não é todo dono de terreno que aceita apartamento. Se o cara tem bala na agulha (como têm os donos de terrenos grandes aqui em SAO-SP), pede dinheiro alto. Na Vila Leopoldina, por exemplo, chegaram a negociar a R$3.500,00 o metro quadrado do terreno.

          0
    • Carlos Wagner 8 de novembro de 2011 at 23:07

      O apontado pelo colega é o custo + lucro aceitavel por nós, consumidores. Porém, o praticado hoje no mercado é: 1) reflexo do quanto as pessoas estavam dispostas a pagar, o mercado vinha testando os limites até que chegaram no teto; 2) A valorização descolada da realidade do imovel, ou seja, gordura.

      Fiz uma conta parecida ha algum tempo aqui no blog onde eu demonstrava qual o valor que acho justo na redução dos preços baseando me no apto onde moro. O apto com 3 dorm, boa localização, area de lazer completa e otimo padrão foi lançado em 2007 por 89k, hoje pedem 300k. Pela variação dos custos da construção mais valorização aceitavel, deveria custar hoje entre 150 a 180k. Conclusão: O que justifica pedirem 300k por ele?

      AH, e hoje vi anuncios onde já estão pedindo 340k pelos mesmos que estavam anunciados por 295/300k há varios meses e não foram vendidos. Ta todo mundo maluco…

      0
  • BOLHISTA33 8 de novembro de 2011 at 22:32

    O ATOR ERIBERTO LEAO GANHOU 400.000 PRA FAZER ESSE COMERCIAL… EM PALMAS O AP DE 2 DRM EM AREA NOBRE, 90 M2 600.000 O DE 3DORM 800K E O DE 4DORM 1000K… … SERA QUE VENDE? http://www.youtube.com/watch?v=1L3-awtZXog

    0
  • BOLHISTA33 8 de novembro de 2011 at 22:42
  • Leandro 8 de novembro de 2011 at 22:57

    Meio fora de tópico, mas queria narrar uma percepção minha de hoje:
    Hoje comprei uma barra de cereal da Nestlé e quando fui comer achei muito pequena. Quando olhei a embalagem, vi a informação de que a porção foi reduzida em 20%. Conclusão: aumento de preço de 20%. E pelo que estou sabendo, a mesma tática tem sido aplicada no pão de forma e outros produtos! Será que essa inflação disfarçada entra no cálculo do Governo?

    0
    • RPL 8 de novembro de 2011 at 23:01

      Acredito que não…

      O governo, não quer dar o braço a torcer em relação a inflação para não alimentar a “bolha inflacionária”.

      Quanto mais baixo o indice que o governo mostrar ao mundo, menos os salários são corrigidos e menor pressão inflacionária….

      0
    • LB 8 de novembro de 2011 at 23:09

      Esta tática também está sendo utilizada pelo governo norte-americano para ‘tapear’ sua população…

      Veja no blog de nosso colega Roberto César (que muito contribui aqui) : h t t p://rcesar.net/2011/10/inflacao-mascarada-nos-estados-unidos/

      0
    • Paulo Rocha 9 de novembro de 2011 at 08:39

      Bom na verdade o aumento no preço foi de 25%, já que você está pagando o mesmo preço e recebendo só 80% da mercadoria.

      0
      • Leandro 9 de novembro de 2011 at 12:11

        Bem lembrado Paulo Rocha.
        Cálculos percentuais sempre enrolam o consumidor.

        0
    • Fausto 9 de novembro de 2011 at 13:36

      Cuidado, pois porcentagem tem pegadinhas.
      Se a barra, por exemplo, custa R$1,00, pesa 100g e foi reduzida para 80g, houve redução de 20% do peso, como informado.
      Mas, considerando o mesmo valor para ambos os pesos, o custo por grama sobe de R$0,01 para R$0,0125, ou seja, aumento de 25% no preço.

      É como falaram aí, porcentagem engana.

      Essa tática existe há tempos, com tudo quanto é produto alimentício. Antigamente os biscoitos doces, tipo recheados e wafers, vinham com 200g. Atualmente Mal passam de 140g, alguns vem com míseros 100g.

      0
    • Troll 9 de novembro de 2011 at 21:40

      Claro que o PT não computa isso. Pro PT a inflação só vale quando o preço sobe.

      0
  • Guilherme Eduardo 8 de novembro de 2011 at 23:20

    Eu também sei onde fica. Se vocês olharem na última foto, tem um prédio marrom no fundo. É um moinho. Lá é carreta e caminhão dia e noite…. O empreendimento ficou bonito, mas não vale isso tudo não, quem conhece ali não paga essa fortuna não. Na minha opinião, fizeram prédios bonitos, com área de lazer bonita, com preço de classe média alta, mas o apto é um ovo, a obra atrasou mais de 06 meses, muitos relatam falhas na construção (construído “nas coxas”), e está num lugar ruim para imóveis residenciais.

    0
  • Paulo SCSul 8 de novembro de 2011 at 23:47

    Prezados

    algo estranho ocorre no youtube.

    Alguns meses atras, eu digitava “bolha imobiliaria” na procura e encontrava mais de 40 videos.

    Agora parece que mais de 70% do videos foram removidos.

    Sera que alguem esta cencurando a internet ?

    0
  • Guilherme Eduardo 9 de novembro de 2011 at 00:11

    Bolha, abre um tópico com esse vídeo:

    h t t p://ww w .youtube.com/user/jornaldagazeta#p/a/u/1/1-PnTWmmdRs

    0
    • LUIZDVD 9 de novembro de 2011 at 01:09

      ISTO É UMA SOMA DE IGNORÂNCIA DO POVO E MÁ-FÉ DOS VENDEDORES.

      MUITA GENTE FEZ ISTO.

      ASSIM, TOMEM OS SEGUINTES CUIDADOS:

      TODA A INFORMAÇÃO DE CORRETOR DEVE SER DOCUMENTADA, OU EM PAPEL, OU EM GRAVAÇÃO EM VÍDEO OU MP3; NÃO SE ACANHE E GRAVE MESMO. UM GRAVADOR CUSTA 80 REAIS, 160 REAIS. UM FINANCIAMENTO FRUSTRADO CUSTA A SUA VIDA FINANCEIRA;

      LEIA TUDO O QUE DIZ RESPEITO AO FINANCIAMENTO, TANTO NA CONSTRUTORA, QUANTO NO BANCO;

      NUNCA ACREDITE EM TUDO O QUE O CORRETOR E O VENDEDOR DISSEREM, CHEQUE TUDO. O DINHEIRO É SEU, NÃO DELES. O NEGÓCIO DO CORRETOR E DO VENDEDOR É SÓ VENDER. AH, MAS O CORRETOR RESPONSÁVEL SE DER PROBLEMA – É, MAS SE NÃO TIVER PATRIMÔNIO PENHORÁVEL, FOI-SE A RESPONSABILIDADE CIVIL. AH, MAS TEM A RESPONSABILIDADE CRIMINAL – QUEM JÁ VIU UM CORRETOR PRESO POR GERAR PREJUÍZO AO COMPRADOR, ISTO SEM CONTAR QUE SE ACABAR EM MENOR POTENCIAL OFENSIVO É DIFÍCIL SER PRESO.

      INFELIZMENTE, ESTA É A REALIDADE, NÃO EXISTE REAL PROTEÇÃO AO COMPRADOR, MESMO COM A LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA DOS CORRETORES.

      0
      • Anonymous 9 de novembro de 2011 at 07:42

        luizdvd,

        Deus, na sua infinita sabedoria, colocou um sistema automático no mundo para resolver qualquer tipo de problema. Esse sistema chama-se SELEÇÃO NATURAL. As criaturas são ou PREMIADAS ou PUNIDAS conforme a escolha que fazem. No caso desses compradores, eles serão PUNIDOS. É assim que funciona o mundo, se voce não gosta do sistema, vá reclamar com Deus.

        0
    • Eduardo Zé 9 de novembro de 2011 at 11:38

      Enganam o povo, o mais humilde, pegam o dinheiro da entrada constroem pois o mané já pagou mesmo, e vai ter que “revender” desesperadamente.

      Deve ser essa a história da “nova classe média”, pacote da enganação. E abre a caixa e tem um espelho: “tá te vendo trouxa”. Me lembra o Plano Collor.

      O Brasil mostra a sua cara!!!

      0
  • Tico RJ 9 de novembro de 2011 at 00:11

    Pessoal,

    Atualmente procuro imóvel no RJ, zona sul, apenas para me situar e espero comprar após o Big-PLOC.
    Vejam os fatos aqui no Rio, zona sul:
    1 – O cúmulo do cúmulo: existem apartamentos antigos com menos de 50m² perto de uma favela sendo vendidos a 350k, prédio sem elevador e sem garagem, há mais de 1 ano. O incrível é que as imobiliárias não abaixam o preço. Há 1 ano esses aptos eram vendidos a 200k.
    2 – Porém, o que vale é a realidade: ando observando um ap de valor inicial de 570k. Depois de 4 semanas já foi para 550k. Liguei para o corretor, e estão dispostos a dar um desconto. Não sei de quanto, mas significa que é um bom sinal.
    3 – Observo apartamentos vendidos nos sites das imobiliárias, e tem mais de mês que muitos estão encalhados.

    Ou seja, ou abaixam os preços, ou os prejuízos vão incomodar proprietários e corretoras.

    0
  • veigalex 9 de novembro de 2011 at 00:46

    Bolha.. ja me perdi neste tópico.
    Abre outro.

    O fórum esta bombando..

    0
  • Rodrigo Costa 9 de novembro de 2011 at 09:33

    Recebi um e-mail hoje da EVEN com uma tabela de descontos de até 36%.

    Saquem só:
    http://megasonhoeven.com/

    Me lembra as “oportunidades” a Camargo Correa.

    PLOC!

    0
  • Rodrigo Costa 9 de novembro de 2011 at 09:34

    Recebi um e-mail hoje da EVEN com uma tabela de descontos de até 36%.

    Saquem só:
    h t t p://megasonhoeven.com/

    Me lembra as “oportunidades” a Camargo Correa.

    PLOC!

    0
  • MrK 9 de novembro de 2011 at 09:43

    Lembram que falavamos que o pessoal seria criativo pra vender sem baixar preco? Agora tem a promocao da MRV (seu 13o em dobro), o quanto voce der do seu 13o a MRV da tambem hahaha

    e assim vai a criatividade: Ganha carro, ganha moto, ganha SKY, ganha 6 meses de condominio, ganha 13o em dobro…

    some a isso tudo esses sites de promocao de imovel a la peixe urbano

    Essas construtoras devem estar desesperadas, pois estao sentadas em dividas gigantescas, precisando de caixa de qualquer jeito e as vendas caindo dia apos dia… elas criaram um monstro e agora ele esta acordanda assombra-las

    0
    • Tico RJ 9 de novembro de 2011 at 10:30

      Galera, olhe só essa,
      Venho observando o mercado de imóveis na zona sul, Rio de Janeiro, pois após o big-ploc (espero que seja em breve)
      sonho em comprar um belo ap barato. Vejam só os fatos recentes:
      Fato 1 – Existem aptos com menos de 50m2, antigos, sem elevador, sem garagem e perto de favela sendo vendidos
      na Laranjeiras por 350k há mais de ano. Há um ano estes apartamentos estavam a 200k. O absurdo é que quase não são vendidos
      e as imobiliárias insistem em manter o preço (ou continuar aumentando – será?).
      Fato 2 – A realidade é quem manda: fico apenas olhando um ap que começou a ser vendido a umas 4 semanas ou mais a 570k, hoje
      está a 540. Liguei para a imobiliária e já estão dispostos a reduzir o valor, não sei para quanto mas isso já é um bom sinal.
      Fato 3 – Há 2 meses venho observando nos sites das imobiliárias que muitos apartamentos estão encalhados.

      Ou os preços são reduzidos, ou os vendedores irão ficar incomodados com os prejuízos!

      0
      • Rodrigo 9 de novembro de 2011 at 21:15

        E o BOPE vai se mudar para Maré, esta todo mundo com medo nessa comunidade cuidado na hora da compra! A maioria dos apartamentos que estão sendo vendidos na região esta ocupada, isto é, se vender muda-se para um “melhor” e ainda vai pagar financiamento se não vender continua morando, portanto se os preços desta região caírem os moradores retiram os imóveis da venda.

        0
    • augusto 9 de novembro de 2011 at 12:05

      Mas o maior prêmio eles não divulgam, ou seja o de troféu de um grande imbecil e idiota a quem se dispuser a pagar os altissimos preços, acreditando que os preços de imóveis só sobem e nunca caem

      0
    • John 9 de novembro de 2011 at 12:17

      Uma das coisas mais esquisitas que observo no mercado de imóveis atual é o tratamento da venda de um imóvel como se fosse a venda de uma geladeira. Fazem propaganda de imóveis utilizando faixas nas ruas, panfletagem em semáforo, oferecem descontos, brindes, etc. E detalhe: tudo isso envolvendo um patrimônio com preço estratosférico. Acho que não existe precedente para uma farra dessas. Na minha opinião o governo exagerou na dose do crédito, pois o aumento de renda nem de longe acompanhou o aumento no preço dos imóveis e hoje praticamente não existe mais metda de inflação.

      0
  • Richard 9 de novembro de 2011 at 10:08

    Referente ao anuncio da CEF do ap em copacabana da nossa amiga Ana Paz:

    http://www1.caixa.gov.br/Simov/detalhe_imovel.asp?QS_NU_IMOVEL=2021250000095

    Não está mais aparecendo na forma de pesquisa e sim se digitar o link assima direto.

    Será que alguem já comprou este imóvel ?

    0
  • Richard 9 de novembro de 2011 at 10:19

    Vejam este imóvel no RJ:

    http://www1.caixa.gov.br/simov/detalhe_imovel.asp?QS_NU_IMOVEL=7054540005654

    O preço é menos da metade do mercado. E está desocupado.

    0
  • Andre Luiz 9 de novembro de 2011 at 11:43

    Mais uma pérola do blog “O Observador do Mercado”. Sinais de bolha a vista:

    Estadão: Crise imobiliária derruba venda de material de construção

    As vendas do varejo de materiais de construção caíram 7% em outubro, ante o mês anterior, segundo pesquisa mensal realizada pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), em parceria com o Ibope. O resultado marca a primeira queda mensal do ano. Em nota, o presidente da Anamaco Cláudio Conz, afirma que o desempenho de outubro surpreendeu a todos no mercado, pois, geralmente este é um dos melhores meses para o varejo do setor.

    Diante do atual cenário, a entidade voltou a reduzir a projeção nas vendas de 2011.

    Segundo Conz, em outubro de 2010 também foi apurada uma queda considerável nas vendas. Nas categorias pesquisadas, cimento teve a maior queda nas vendas, com 7,3%. Metais e argamassas também apresentaram forte baixa, ambos com declínio de 6%.

    Na opinião de Conz, a indústria terá de trabalhar bastante para inverter a tendência.

    0
    • augusto 9 de novembro de 2011 at 12:03

      O próximo passo é desempregar funcionários do setor, que sem renda não pagarão seus emprestimos.
      A venda de material caiu apesar das obras faraônicas de desperdicio do dinheiro público na construção ou reformas de estadios para a acopa 2014

      0
      • Andre Luiz 9 de novembro de 2011 at 12:16

        Muito bem lembrado, Augusto.

        Apesar das obras faraônicas do governo, ainda assim as vendas dos materiais de construção caíram. Imagina se não tivessem esses gastos públicos…

        0
  • John 9 de novembro de 2011 at 12:17

    Uma das coisas mais esquisitas que observo no mercado de imóveis atual é o tratamento da venda de um imóvel como se fosse a venda de uma geladeira. Fazem propaganda de imóveis utilizando faixas nas ruas, panfletagem em semáforo, oferecem descontos, brindes, etc. E detalhe: tudo isso envolvendo um patrimônio com preço estratosférico. Acho que não existe precedente para uma farra dessas. Na minha opinião o governo exagerou na dose do crédito, pois o aumento de renda nem de longe acompanhou o aumento no preço dos imóveis e hoje praticamente não existe mais meta de inflação.

    0
    • MrK 9 de novembro de 2011 at 12:26

      exatamente, chega a ser comico, alguns descontos valem algo como 1% do valor do AP, o mais caro que vi (o uno) dava menos de 10% do valor do ap, e pra piorar voce so ganhava o carro na ultima parcela se pagasse tudo em dia ate as chaves, ou seja, descontando o valor do dinheiro no tempo o desconto se muito dava 8%

      como pessoas vao mobilizar o maior patrimonio de suas vidas, em dividas de 30 anos, por precos estratosfericos por causa de um desconto de 2%…5%…8%… sinceramente…

      EH SO O COMECO!! AGORA EH LADEIRA ABAIXO!!

      0
    • Murdoch 9 de novembro de 2011 at 12:38

      John, qdo eu estava procurando para comprar isso foi um dos aspectos que mais me impressionou. Foi um dos fatores para acender meu alerta de que algo estava errado.
      Geralmente era um corretor tosco, sem nenhuma experiência, me tratando como miserável por estar procurando imóvel de 650k.

      0
  • Marcos 9 de novembro de 2011 at 12:21

    Embroma Brasil

    www .youtube.com/watch?v=_RwFpWD3Tb0&feature=feedu

    0
  • Murdoch 9 de novembro de 2011 at 12:46

    Pessoal, gostaria de dividir uma observação minha já antiga, mas tinha esquecido de colocar aqui.
    Qdo eu estava procurando apto pra comprar, olhava os anúncios e neles geralmente tinha um código da imobiliária indicando o imóvel no site.
    Uma coisa me chamou atenção. MTAS imobiliárias tinham o site um pouco diferente um dos outros, mas usando sistemas de procura e demosntração do imóvel idênticos.
    Mtas vezes sistema parrudo demais para pequenas…
    Como se houvesse uma consolidação dos imóveis por grande grupo e pulverizado em várias imobiliárias…

    0
  • augusto 9 de novembro de 2011 at 13:04

    Não acredito que pelos próximos anos os preços de imóveis em geral irão cair muito , apesar de todos concordarem que os preços subiram demais e de estar muito dificil vender um imóvel nas condições atuais.
    Assim quem comprar agora certamente levará prejiozo.
    Se comprou para moradia própria e não pretende vender por um bom tempo, irá diluir o prejuizo. mas ele sempre existirá.
    Os investidores profissionais, ou aqueles que entram para ganhar e sabem o que fazem, já abandonaram a compra de imóveis aqui e migraram para outros mercados (imóveis nos EUA?), ou estão retraidos com imóveis pois não são burros.
    Os pseudo investidores, ou seja aqueles otários com dinheiro e muito mal informados, ultrapassados, ou mesmo babacas, são atualmente o alvo principal dos corretores e imobiliárias. Seduzidos pelo argumento que imóvel só sobe e nunca cai de preço, e rodeado de exemplos recentes de lucros fabulosos, resistem por algum tempo. Mas como o meio que os cerca é de pessoas tambem mal informadas e imbecis, acabam sucumbindo. Acabam comprando e perderão muito dinheiro. São os mesmos estúpidos que sempre perdem grana nas bolsas.
    Bem se alguem ganha dinheiro, alguem perde, ou se existem espertos é porque há imbecis. Mas o dinheiro é deles e eles que se fod………….

    0
    • John 9 de novembro de 2011 at 13:24

      Aparentemente os preços já estão caindo, o que acontece é que os preços dos ANÚNCIOS continuam intactos ou subindo. Mas para acontecer uma queda substancial e CLARA em curto prazo, seria preciso, na minha opinião, um baque forte no crédito ou a quantidade de especuladores que entraram alavancados se mostrar grande diante do volume total de proprietários.

      0
      • Carcará 9 de novembro de 2011 at 13:49

        John,
        deixa os imóveis ficarem prontos em 2012 e 2013. Aí você notará que os preços baixarão substancialmente, pois a oferta aumentará bastante.

        abs

        0
  • Marcos 9 de novembro de 2011 at 13:20

    WEDNESDAY, NOVEMBER 2, 2011

    The 10 Largest Home Lenders in Brazil
    Here is a list of home lenders in Brazil, ranked by mortgage assets:

    1. Caixa Economica (state-owned): US$47.6B
    2. Itau Unibanco (Brazil): US$9.7B
    3. Bradesco (Brazil): US$6.5B
    4. Banco Santander (Spain): US$4B
    5. Banco do Brasil (state-owned): US$1.7B
    6. HSBC (UK): US$1.5B
    7. Banrisul (state-owned): US$770M
    8. Citibank (USA): US$230M
    9. Banco de Brasilia BRB (state-owned): US$152M
    10. Banco Safra (Brazil): US$136M

    Source: Exame

    www .brazilianbubble.com/2011/11/10-largest-home-lenders-in-brazil.html?spref=tw

    0
  • Elias 9 de novembro de 2011 at 13:30

    Mais uma carta do baralho vai caindo.

    Aperto do crédito = impossibilidade de rolar dívidas = ploc

    Sinais de aperto de crédito global à vista
    Autor(es): Por Nirmala Menon e Tom Fairless | The Wall Street Journal
    Valor Econômico – 09/11/2011

    A liquidez mundial está prestes a voltar a secar, à medida que o sistema bancário europeu se desalavanca, alertou o novo diretor do órgão mundial de supervisão do sistema bancário, que acrescentou que a economia real vai sofrer um impacto em breve.
    (…)

    0
  • Elias 9 de novembro de 2011 at 13:32

    Calma gente, disseram que ela vai se “estabilizar”.
    Aham.

    Inadimplência no comércio sobe 5,9% em outubro
    Autor(es): EDUARDO RODRIGUES
    O Estado de S. Paulo – 09/11/2011

    Mesmo com o arrefecimento da expansão das vendas no comércio varejista, o consumidor brasileiro continua comprando acima da sua capacidade de pagamento, o que tem elevado a taxa de calote. Em outubro, a inadimplência nas vendas a prazo aumentou pelo nono mês consecutivo na comparação com 2010, de acordo com dados divulgados ontem pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL).
    (….)

    0
  • DioCtba 9 de novembro de 2011 at 20:47

    Fui pesquisar alguns imóveis na planta para comprar aqui em Curitiba e só fiquei mais impressionado com o absurdo dos preços. Corretores buscam justificar preços por coisas estúpidas. É rir pra não chorar… Já decidi investir meu dinheiro e esperar esse efeito copa passar (a maior das justificativas dos preços “justos”).

    Um adendo: TODOS os imóveis que verifiquei tem previsão de entrega para o final do primeiro semestre de 2014 (Bem na época da copa).

    0
    • Thiago 14 de novembro de 2011 at 16:58

      Iden DioCtba,

      Corretores vem com desculpa esfarrapada da Copa, preços astronomicos.

      O negócio e investir o dinheiro e esperar ate 2015, mas podemos esperar que no segundo semestre de 2013 o cenário comece a mudar!

      0
  • qosmiotech 21 de novembro de 2011 at 16:46

    Um corretor fanfarrão chegou pra mim argumentando os preços absurdos em curitiba da seguinte forma…”hoje ta caro, mas vc sabe que amanha vai estar mais ainda…..”
    ou seja, “seja troxa hoje, pq amanha vc vai continuar sendo troxa, pois iremos(mercado) roubar ainda mais vc”
    cheguei a encontrar imovel de 10 anos de uso em bairro classe B/C a R$4,300 reais o metro….

    0
  • Lauro Valente 19 de março de 2012 at 08:30

    E agora já está em 1867 imóveis no valor de 150 a 200k.

    Caramba.

    0