Piada do dia

Você pode gostar...

Comments
  • Paty 13 de setembro de 2011 at 17:05

    eu já dei boas risadas com essa noticia e já enviei por e-mail a todos os meus contatos

    0
  • Fred Henrique 13 de setembro de 2011 at 17:09

    Qual vai ser a desculpa ano quando não tiver de novo que vem, quando a bolha já tiver estourado?

    Falta de excesso de oferta?
    Excesso de falta de demanda?
    Demanda Deprimida?
    Nova classe média móvel?
    Os números do sindicato dos corretores referentes aos últimos 12 meses não terem saído?

    Sei não, viu?!?!

    0
    • Luiz 13 de setembro de 2011 at 17:37

      hehehe, boas
      talvez essa: “tem tão pouca oferta que não acharam nem o salão pra fazer a feira”

      0
      • Duda 15 de setembro de 2011 at 11:12

        Temos que rir para não chorar. Os argumentos chegam ser pateticos, vamos ver que inventan como desculpa depois…

        0
  • Fred Henrique 13 de setembro de 2011 at 17:10

    Destaque para:

    “As empresas estão vendendo muito”

    Ah! Sei. Gafisa que o diga.

    0
    • Bolha Imobiliária 13 de setembro de 2011 at 17:17
      • Luiz 13 de setembro de 2011 at 17:47

        duro ler aqueles comentarios de corretores analfabetos que não sabem escrever as palavras mais simples argumentando pela veracidade da justificativa.

        dá nojo ler aquilo,

        E ainda vem gente aqui reclamar da gente, caramba, eles tem a folha de Spaulo a disposição pra espalhar este nível de titica, deixema gente em paz.

        Bolha, kadê o histórico de comentários? tá fazendo mta falta

        0
      • Paulo - RJ 13 de setembro de 2011 at 18:05

        Sim os comentários são excelentes, as pessoas tem esclarecimento e percebem quando a coisa está manipulada. No O Globo, já nem publicam mais reportagem sobre imóveis e quando publicam não permitem comentários

        0
      • Marcelo 13 de setembro de 2011 at 18:18

        Bolha, a partir de hoje vai iniciar a bolha de noticias sobre o mercado imobiliario, se prepara porque vai ter pedidos de postagem a toda hora.

        0
    • Anonymous 13 de setembro de 2011 at 18:42

      Sacanagem!!! Justo agora que acabei de juntar um milhão e seiscentos mil Reais (1 milhão de dólares) para comprar meu 2 dormitórios de 60 m2 com varanda gourmet em São Paulo. Agora vou ter que me contentar com uma kitnet no Rio de Janeiro.

      0
      • Andrés 15 de setembro de 2011 at 13:17

        Isso sem contar as janelas de Vinil, lajes de isopor, e portas de papelão e sem acabamento interno pois se decidir comprar “com acabamento de 1° o preço já vai pra U$$ 2 milhões. PS. sorte no seu novo AP

        0
  • TH 13 de setembro de 2011 at 17:15

    Pouca oferta? O pessoal desse salão nunca ouviu falar do ZAP?

    0
  • Paty 13 de setembro de 2011 at 17:18

    Para muitos chegou a hora de procurar o Pai Michel lá de Piracicaba..kkk

    0
  • Carlos__ 13 de setembro de 2011 at 17:28

    Alguns investidores profissionais não são tão burros assim. As bolsas subiram no mundo todo hoje, menos aqui. Caiu bem pouco, praticamente estável.

    MAS, um determinado índice se destacou. O IMOB caiu -2,62%. Disparado a maior queda, o único a cair mais de 1,10%.

    Isso depois de liderarem as quedas de ontem. Nem todo mundo e bobo quanto a secovi acredita.

    O cancelamento caiu mal, e refletiu na bolsa.

    0
  • Mr. R 13 de setembro de 2011 at 17:35

    Gente, esse presidente do Secovi é um comediante.. e dos bons!!!

    0
  • Mrk 13 de setembro de 2011 at 17:36

    Esse adiamento foi so pra evitar que a imprensa filmasse o MICO do ano…fizeram pra evitar a publicidade negativ

    0
    • Carlos__ 13 de setembro de 2011 at 17:49

      Evitar não, minimizar.

      Mas como digo, a SECOVI fez a parte dela. A imprensa é quem está errada em repetir como papagaio, sem questionar.

      0
  • Carlos Wagner 13 de setembro de 2011 at 17:39

    Voces acham que é loucura comprar imoveis como quem compra tomates na feira? Então vejam essa noticia que saiu hoje no uol.

    13/09/2011 – 16h02
    Japonês cria hotel exclusivo para quem já morreu
    Do UOL Notícias
    Em São Paulo

    O mundo esta ficando maluco…

    0
  • Rogério 13 de setembro de 2011 at 17:43

    Mais uma informação pra endossar o que o Carlos disse.

    Maiores baixas de hoje 4ª, 5ª, 6ª são construtoras, respectivamente Gafisa, Rossi e MRV e tem mais construtora na lista, isso é só entre as 10 maiores baixas.
    Ai aparece esse ridiculo desse presidente da Secovi vem com uma estória dessas, ele pensa que todo mundo é idiota??

    GFSA3 7,10 -3,40%
    RSID3 11,16 -3,13%
    MRVE3 12,30 -2,84%

    Fonte: http://www.infomoney.com.br/ibovespa/altasebaixas

    0
  • Zoom 13 de setembro de 2011 at 17:53

    Gente, eu nao li isso. Aff…

    0
  • Mrk 13 de setembro de 2011 at 18:00

    O secovi detem o monopolio oficial dos dados de venda, assim como o fipezap o dado dos precos, sao dois lobos cuidando das ovelhas… Nao tem ninguem serio com dados oficiais, eles sabem disso, portanto vao usar da posicao privilegiada deles pra esconder a verdade o maxmo de tempo que der

    0
  • Salles 13 de setembro de 2011 at 18:01

    Gostei foi de um comentário que disse que o motivo do cancelamento foi o aluguel do salão onde seria realizada a feira estar muito caro….

    0
    • Luiz 13 de setembro de 2011 at 18:22

      caríssimo,
      na verdade não tem nem mais salão pra fazer feira,
      venderam tudo pruma concessionaria de carros

      0
      • Dani 14 de setembro de 2011 at 10:21

        Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk……………boa!

        0
  • Vinicius Lima 13 de setembro de 2011 at 18:20

    Para quem leu o livro de “1984” de “George Orwell” essa notícia é de dar aflição…

    Coitado dos que acreditam nessa mídia parcial.

    Vlw!!!

    0
  • Carlos__ 13 de setembro de 2011 at 18:37

    Pessoal, já disse antes que acho os gráficos no site do Andre muitas vezes uteis, e que nunca achei que ele tivesse má fé. Por isso fico a vontade para compartilhar alguns dados que acabei de ver lá.

    Crescimento de oferta de imóveis em alguns bairros do Rio de Janiero segundo o FIPE/ZAP, JÁ EXCLUINDO OS ANÚNCIOS REPETIDOS.

    Período: Julho de 2010 até agosto de 201. Escolhi esse periodo para ninguem dizer que é porque o ZAP era desconhecido antes e por isso o número inflou. Em meados de 2010 o site já estava mais que consolidado. Os percentuais estão aproximados:

    Meier 70%
    Tijuca 130%
    Barra 100%
    Botafogo 100%
    Copacabana 100%
    Leblon 60%
    Ipanema 60%

    Tirem suas próprias conclusões.

    0
    • Carlos__ 13 de setembro de 2011 at 18:38

      Período: Julho de 2010 até agosto de 2011

      0
    • Paulo Rocha 13 de setembro de 2011 at 19:28

      Pena que não tem o aumento no número de inidades de acordo com a faixa de preço. Aí sim daria para ver o absurda da situação!

      0
  • Anonymous 13 de setembro de 2011 at 18:50

    Eu acho que estivemos SUPERESTIMANDO a inteligência desse pessoal. Eles estão muito abaixo do que eu imaginava. Está claro que não temos adversário digno para uma discussão racional.

    0
    • Vinicius Lima 13 de setembro de 2011 at 19:05

      Agora sim eu estou começando a ficar assustado…Parece de propósito, pois li os comentários e a grande maioria percebeu que a matéria era parcial…

      0
      • Luiz 13 de setembro de 2011 at 19:27

        pior os comentários defendo a matéria, eram tão mal escritos, erros crassos de ortografia e logica, acho que os amigos eram pior que os adversários.

        o que eu falo a vcs o corretor médio no Brasil tem nível de mobral ou supletivo a distancia, tipo pagou-passou

        0
        • Luiz 13 de setembro de 2011 at 19:29

          pior ainda, os ataques que o blog esta sofrendo, ou ninguem reparou no code ai embaixo?

          não duvido nada logo logo o bolha recebe uma oferta pra fechar o site.
          mas eu confio nele. nem por 1 milhão perder o rpazer d eentrar pra historia

          0
  • DM 13 de setembro de 2011 at 19:45

    Manchete correta:

    Falta de oferta de COMPRADORES transfere salão imobiliario para 2012

    0
  • DM 13 de setembro de 2011 at 19:54

    Ví este comentário no Terra e vou plajear pois achei fantástico:

    CARTA DE UM AMERICANO AO AMIGO BRASILEIRO:
    Amigo, vocês brasileiros são podres de rico!

    Vocês pagam 40% de impostos em um automóvel. Uma Pajero Outlander 2010 custa aqui US$ 34.000 (R$ 56 mil). No Brasil esse carro não sai por menos de R$ 110 mil. É como comprar 2 carros e dar um pro governo.

    Na Flórida somos pobres: o governo estadual cobra 2% de imposto agregado (equivalente ao ICMS) e mais 4% do imposto federal. Aí no Brasil vocês pagam de 12% a 18% só de ICMS!

    Vocês pagam taxas com efeito bi-tributação, que a sua Constituição proíbe. Falando em Constituição, a nossa é a mesma desde 1787, enquanto a de vocês está na 7ª edição. Voces não se incomodam com a mais criminosa carga tributária do mundo?

    Nós somos pobres, por isso o governo isenta imposto até US$ 3 mil (R$ 4.900) enquanto aí no Brasil os ricos assalariados pagam a partir de R$ 1.290. E vocês têm desconto na fonte, ou seja, antecipam o imposto sem saber a renda. Aqui nos EUA nós declaramos no fim do ano, e se tivemos renda, aí sim recolhemos.

    Aí no Brasil vocês pagam escolas. Aqui nos EUA, como não somos ricos, mandamos nossos filhos para escolas públicas. E quando chegarem à faculdade, nada que empréstimos de juros baixos não resolvam. Os ricaços brasileiros pagam R$ 2,20 para cada 1 real emprestado. Nós, pobretões americanos, pagamos 22 centavos para cada dólar.

    E quando você me contou quanto paga pelo seguro do carro! Nós nunca poderíamos bancar tudo isso. Pelo meu Honda Civic 2010 (que pra nós é carro popular) eu paguei US$ 345 (cerca de R$ 573). Sem contar esse tal de IPVA, que não existe aqui. Meu Deus… vocês são milionários!

    Autor: sergio sodre

    0
  • jsantos 13 de setembro de 2011 at 20:02

    O Feirão foi cancelado, porque o terreno foi vendido para uma grande construtora, construção de um Mega empreendimento, para suprir a falta de imoveis.esqueceram de avisar o Crestano.

    0
  • jsantos 13 de setembro de 2011 at 20:05

    Mais 20 predios embargados em SP, fraude na Outorga onerosa.

    0
  • Schmidt 13 de setembro de 2011 at 20:10

    Na verdade o que faltou foi corretor. Segundo estes, os feirões são dias perdidos. Como não recebem remuneração (a maioria – só comissão quando vende) o gasto com combustível (ou passagem), estacionamento, alimentação é muito alto, considerando que nada vendem.

    0
  • JPM 13 de setembro de 2011 at 20:39

    eu vi alguns posts engraçados, comentando as desculpas que vão usar ano que vem. Mas isso é um engano.
    Se a bolha estourar pra valer, os corretores vão novamente encher o bolso de grana, quando os especuladores precisarem se livrar do estoque.
    Os corretores só se ferram no ponto de inflexão da curva. Na descida eles vão voltar a vender bastante. Provavelmente só mudarão o discurso, de “Compre agora porque vai subir!” para “Abaixe o preço para vender logo, para não perder muito mais depois!”.

    Ou seja, vão pegar os otários 2 vezes, e pode ser que o próximo Salão seja muito movimentado.

    0
    • Bananense 14 de setembro de 2011 at 00:44

      Engano seu. Qdo os imoveis caem abruptamente ocorre a fuga do capital. O mercado fica completamente parado sem compradores pois os que ainda tem dinheiro se assustam. O efeito psicologico eh muito forte e ocorre a supressao da oferta de credito. E os corretores passam fome pois nao vendem nada. Aqui nos EUA os corretores estao desesperados ate hoje pois nao conseguem vender nada desde 2008. Nao ha credito e as pessoas nao tem capital para comprar a vista. O dinheiro muda de maos. Será assim na Banania

      0
      • Fred Henrique 14 de setembro de 2011 at 08:41

        Concordo, vai passar do atual “compre agora ou não comprará nunca” para o “compre depois para não perder dinheiro agora”. Tenho a impressão que isso esfria o mercado por um bom tempo, pois o povo vai esperar que os preços caiam ainda mais.

        Acho que o Feirão de 2012 já está cancelado.

        0
  • Anonymous 13 de setembro de 2011 at 21:13

    De novo a valorização de 30%. Note que 70% são investidores. Para efeito de comparação:

    * Predinho naquela ruazinha conhecida como Broadway – 600 Reais/m2
    looplink . natl . cbre . com/xNet/Looplink/Profile/Profile.aspx?stid=cbre7&LID=17278604&LL=true&UOMListing=&UOMMoneyCurrency=&RentPer=PY&SRID=2057320096

    * Predinho num lugarejo no estado de New York (Rochester) – 800 Reais/m2
    looplink . natl . cbre . com/xNet/Looplink/Profile/Profile.aspx?stid=cbre7&LID=17251419&LL=true&UOMListing=&UOMMoneyCurrency=&RentPer=PY&SRID=2057320096

    * Predinho num lugarejo no estado de New York (Syracuse) – 1000 Reais/m2
    looplink . natl . cbre . com/xNet/Looplink/Profile/Profile.aspx?stid=cbre7&LID=15713939&LL=true&UOMListing=&UOMMoneyCurrency=&RentPer=PY&SRID=2057328492

    Nada com a Banânia, aqui voce encontra sala comercial por 14 mil Reais/m2.

    classificados . folha . uol . com . br/imoveis/973994-especialistas-indicam-diversificacao-de-investimento-em-imoveis . shtml

    Roberto Coelho da Fonseca, da imobiliária Coelho da Fonseca, diz que a oferta de imóveis junto a serviços valoriza o imóvel em 20% a 30%. Como exemplo, cita as unidades do Parque Cidade Jardim. “Custavam 30% acima do que o mercado praticava e foram todos vendidos”, assinala.

    Grande parte dos compradores desses imóveis são investidores. Segundo as corretoras, eles correspondem 70% dos clientes. Ligia Zaborowiski, 48, é um deles. Ela adquiriu um apartamento no Horizonte JK, na avenida Brigadeiro Faria Lima (Itaim Bibi, zona oeste).

    Ela pagou mais pelo metro quadrado (R$ 14 mil) do que a média da região (R$ 11 mil). Mesmo assim, espera que o empreendimento possa suprir a necessidade de acomodação de executivos. “Tenho clientes que não encontram hotéis ou flats legais.”

    0
    • j 13 de setembro de 2011 at 21:35

      Eu estou começando a acreditar que esta senhora Lígia seja a única compradora de bens na região. Em toda reportagem da FSP a citam, inclusive com frases diferentes e muito otimistas (inclusive o infame aluguel de R$ 10.000,00 de um apartamento de 54 metros quadrados que vale R$ 700.000,00, investimento que nenhum outro trará mesmo retorno).

      0
      • GPTFN 13 de setembro de 2011 at 22:05

        É verdade J, ela deve ser uma “laranja” bilionária do Eike Batista, ou de uma construtora, fingindo comprar esses imóveis, a fim de manter os preços artificialmente altos.

        0
        • trololó 13 de setembro de 2011 at 22:46

          h t t p : / / w w w 1.folha.uol.com.br/folha/classificados/imoveis/ult1669u937.shtml

          olhem a data

          0
          • GPTFN 13 de setembro de 2011 at 23:15

            a matéria é do início de 2004, mas o que vc quis dizer com isso?

            0
            • trololó 13 de setembro de 2011 at 23:31

              1) o ano que a imobiliaria foi fundada, quem é a consultora, e o que explica ter tantos imoveis “comprados” por essa pessoa

              2) a idade da moça

              3) em 6 anos, não acharam mais ninguém pra investir nos imoveis e dar entrevistas tentando assoprar mais ar?

              0
              • jack 14 de setembro de 2011 at 21:34

                Essa “senhora” da entrevistas como compradora !! hummm !!! … e tem jornais que publicam !!! hummmmmmm !!
                Otima pesquisa Trololo … pena que os nossos jornali$$$$tas e con$$$ultores economicos so publicam e nao pesqui$$$am antes .

                0
    • GPTFN 13 de setembro de 2011 at 22:02

      Anonymous,
      eu não sei vc prestou atenção,
      mas esses imóveis que você postou ficam no estado de NY,
      mas beemmm longe de Manhattan.
      Só pra constar.

      0
      • Anonymous 13 de setembro de 2011 at 23:50

        Estou sabendo, mas não consegui achar um prédio na Fifth Avenue que achei em outra ocasião com salas comerciais já alugadas pelos próximas 10 anos à venda por 8000 Reais/m2. Esse prédio está em outra mensagem quando comparei com sala comercial no Rio de Janeiro que VAZIAS estavam à venda por 17000 Reais/m2. A coisa está muito mais absurda do que voce pode imaginar.

        0
  • alex 13 de setembro de 2011 at 21:44

    Interessante ler esa materia na revista Veja sobre deficit habitacional, note que numeros falsos para enganar a populacao nao sao novidades

    detalhe que na epoca tbm estava se formando um bolha

    https://lh6.googleusercontent.com/-loVRFOYTO9M/Tm_12M-WswI/AAAAAAAAADc/pyO_nNBtco0/s640/deficithabitacional.gif

    0
    • alex 13 de setembro de 2011 at 21:45

      Materia da veja de 1995

      0
      • Anonymous 14 de setembro de 2011 at 10:07

        Pessoal
        Assim como em posts anteriores, um do Tiago sempre ficava por último com um “´Logo, não há déficit nenhum…”, agora é o do alex que fica sempre por último, gerando situações também engraçadas. Acompanhem:

        “tenho boas lembranças do Bozo(…)”
        E a resposta:
        “Materia da veja de 1995”

        “(…)Elen , estou meio cansado hj , e como quero tirar umas 5 com vc , volta daqui a 1 ano rssrrs”
        E logo abaixo:
        “Materia da veja de 1995”

        “Você está prestando um belo serviço pra sociedade.”
        De novo:
        “Materia da veja de 1995”

        “Abraços do Lucas Mendes”
        Novamente abaixo:
        “Materia da veja de 1995”

        Não fiquem brabos comigo, outra vez é apenas uma constatação.
        Abraço

        0
  • Jonathas 13 de setembro de 2011 at 21:57

    Claro que a reportagem está correta e existe um excesso de demanda.

    Vocês esqueceram que ontem ocorreu o Miss Universo em SP? O potencial que esse evento teve para aquecer o mercado de imóveis fez com que os 30% de queda fossem prontamente recuperados! Por isso a notícia hoje, um dia após o evento… O fato da Miss Universo também falar português influenciou um bocado…

    0
    • alex 13 de setembro de 2011 at 22:00

      KKKK

      eh verdade , e a miss eleita fala portugues , isso tbm aquece o mercado do brasil

      0
    • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 10:12

      AHAHAHAHA

      mto bom Jonathas! exatamente,,, eles querem convencer os cariocas que algumas semanas de olimpiadas são o motivo de os preços dispararem! To com medo do Rock in Rio no fim do mês aumentar os imóveis de Jacarepaguá mais uns 100%. Deve ter sido o UFC Rio que aumentou em 10 mil um ape infimo na minha rua.

      O que falar do SP fashion Week e da F1 no fim do ano?? comprem logo, hein! antes que esses eventos aconteçam!

      0
  • Glaucio 13 de setembro de 2011 at 22:47

    Olha, eu acho que a Apple devia seguir a estratégia do Secovi. Eles vão lançar o iPad 3, e já sabem que a demanda vai ser maior que a quantidade de aparelhinhos, então é só adiar o lançamento por mais 1 ano até conseguirem o suficiente pra todo mundo.
    O Bozo era palhaço, mas não fazia as crianças de idiota.

    0
  • Ral 13 de setembro de 2011 at 23:01

    Olha tenho o mesmo sentimento de todos ” indignação , revolta e nojo ” dessas matérias

    0
  • ildeu 14 de setembro de 2011 at 01:23

    ouvi uma conversa interessante de uns amigos , o cara tava reclamando de uma proposta que recebeu em seu imovel .Disse que o cara ofereceu 140 mil , e que achava que o apartamento vale 300 mil.Aí eu lhe perguntei por quanto tinha pagado na epoca que comprou . Ele não quis responder ao certo.Então percebi que foi bem menos que os 140 mil.Partindo da premissa que quanto menor o risco [imovel por exemplo] menor a chance de perca , mas tbém a chance ganhos expressivos de lucro[ poupança p.ex. pouco risco , pouca chance de grandes lucros , ações muito risco , mas tbem chance de altos lucros.Fica estranho que um investimento tão seguro ,possa promover tanto lucro.Nenhum investimento defensivo e conservador e quem tem milhoes de ” comprados” tem motivos de gerar 100% de lucro em pouco tempo .Isso por si confirma bolha imobiliaria.

    0
  • ildeu 14 de setembro de 2011 at 01:28

    E essa de esperar juntar mais imoveis pra vender , seria o mesmo que a Elen Roche ficasse nua em sua frente e vc dizer – Elen , estou meio cansado hj , e como quero tirar umas 5 com vc , volta daqui a 1 ano rssrrs

    0
  • Guilherme Eduardo 14 de setembro de 2011 at 01:33

    Gravei o vídeo da Bolha Espanhola no note e no celular. Hoje eu mostrei para dois colegas na faculdade. Um deles ficou espantado, afirmou que no Brasil está aocntecendo a mesma coisa. Aumento dos imóveis sem aumento de renda.

    Coloquem o vídeo em seus celulares!! toda vez que forem conversar sobre a bolha, mostrem o vídeo antes. Só não pausem o vídeo na parte que fala do SDM, porque senão vão querer comparar com o salário no Brasil, vão perceber que o nosso não dá para comprar nem “mierda” na Espanha….

    EUR 20.000 x R$ 2,34 = R$ 46.800,00/ano, ou R$ 3.900,00/mês. Quantas pessas no Brasil ganham R$ 3.900,00, o equivalente a 07 salários mínimos, todo mês? Lá isso é SDM! E consta no vídeo que os dados são de 2005! Ha, com uma renda dessa, os bancos só liberam aproximadamente R$ 120.000,00 de crédito imobiliário. Se isso for 80%, o camarada que recebe o SDM em tese desembolsou R$ 30.000,00 (20%) de entrada num apertamento de 48m2 e dois quartos com varanda a (cinquenta e) cinco minutos do centro/praia/rodovia/shopping/etc.

    Como dizem: é rir para não chorar…… kkkkkkk

    0
    • Jr. 14 de setembro de 2011 at 10:26

      Guilherme Eduardo e amigos.

      Qual é o video (link) citado ?
      Quero assistir e passar ao celular.
      Valeu.

      0
      • Carlos Wagner 14 de setembro de 2011 at 11:09

        Jr

        O video esta publicado na materia anterior aqui do blog.

        0
  • Guilherme Eduardo 14 de setembro de 2011 at 01:52

    Sabem os “jovens executivos”, Santo/SP não tem! pelo menos não jovens com condições para comprar imóveis. Olhem a notícia que encontrei no site da Folha:

    ——————————————————————
    13/09/2011 – 18h39

    Preço dos imóveis “expulsa” jovens de Santos

    Para tentar fugir do destino da maioria de seus colegas que largaram o curso de serviço social na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), em Santos, por não ter como pagar o aluguel de um apartamento na cidade, Mayara Alves, 20, mudou-se para a vizinha São Vicente.

    Um estudo feito pelos professores Daniel Vazquez e Humberto Alves, também da Unifesp, mostra que o caso de Mayara e seus amigos não é isolado.

    Segundo os pesquisadores, dados populacionais dos censos de 2000 e 2010 mostram tendências que não podem ser explicadas apenas pelo aumento da longevidade e pelo processo de envelhecimento da população.

    Enquanto as faixas etárias que mais cresceram na cidade foram as de 80 anos ou mais (68%) e de 70 a 75 anos (36,67%), aquelas abaixo de 24 anos tiveram redução do número de pessoas na última década.

    Para os pesquisadores, a principal razão desse êxodo é a falta de uma política urbana que incentive a construção de moradias adequadas ao perfil da população santista: uma média de 2,9 pessoas por domicílio e renda média per capita de R$ 1.700.

    “A prefeitura tem ferramentas para direcionar a produção de imóveis para áreas menos valorizadas, densas e verticalizadas”, afirma Vazquez.

    Para protestar contra essa situação, o educador físico William Faustino, 29, juntou-se a Mayara Alves e cerca de outras 50 pessoas na quinta-feira (8), na praia do Gonzaga.

    “Me casei e fui morar em São Vicente, porque não tinha condições de ficar. O boom imobiliário é apenas para as pessoas que não são daqui”, afirma.

    LANÇAMENTOS

    Uma pesquisa encomendada pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação), que analisou o lançamento de 20.542 imóveis em Santos, São Vicente, Guarujá e Praia Grande de fevereiro de 2007 a abril de 2011 confirma a suspeita de que está em curso um processo de elitização desse mercado em Santos.

    O estudo mostra que imóveis acima de R$ 500 mil são maioria entre os lançamentos na região, com 28% dos novos empreendimentos, seguidos pelos de R$ 200 mil a R$ 300 mil, com 3.169 unidades (17%).

    Unidades com quatro dormitórios foram as mais vendidas no período, com um giro de 19% ao mês.

    Santos detém 87% das unidades lançadas na região.

    “Há 205 requerimentos de construção de novos imóveis protocolados na prefeitura. Todos de alto padrão. Onde os jovens vão morar?”, diz o professor Kenny Mendes, que convocou o protesto.

    FELIPE CARUSO
    DE SANTOS
    ————————————-

    h t t p : / / w w w 1.folha.uol.com.br/cotidiano/974701-preco-dos-imoveis-expulsa-jovens-de-santos.shtml

    0
    • RT 14 de setembro de 2011 at 08:00

      “O boom imobiliário é apenas para as pessoas que não são daqui”

      No caso, a frase é referente a Santos.

      Mas poderia se aplicar ao Rio, Brasília, ou qualquer outro canto, dados os preços absurdos.

      É como venho dizendo ultimamente: os caras falam de “diminuir o ritmo de valorização”, ou de “preços acompanharem a inflação”, mas a verdade é que já faz tempo que não há espaço pra subirem mais um centavo que seja.

      Embora a reportagem seja referente a Santos, eu vinha me perguntando quando isso vai acontecer aqui. Os preços estão em níveis que as pessoas estão com dificuldade de pagar. Para onde essas pessoas vão? E quem vem para o lugar delas? A Zona Sul do Rio vai virar uma cidade fantasma?

      Ah, claro: a “nova classe média” vem para ocupar esses espaços.

      0
    • Felipe 14 de setembro de 2011 at 09:08

      É eu que sou moro lá percebo como as coisas estão.
      O problema é que quem mora em Santos nesses edifícios de “alto padrão” geralmente trabalha em SP, capital.

      0
      • Luiz 14 de setembro de 2011 at 09:26

        Prerzados Felipe e turma, vou repetir:

        isso de fazer vc se sentir pobretão é estratgégia de vendedor.

        eles ficam pondo medo em vcs, que tem investidor da china, de SP, do raio que o parta, e que vc está perdendo a corrida imobiliária, a menos que feche um pequeno emprestimo usando o contra-cheque do pai, da mãe da avó, do papagaio.

        M e n t i r a. não se deixem deseperar, esse jogo vira

        0
        • Carlos Eduardo 14 de setembro de 2011 at 09:48

          Fosse vocês olharia para outras cidades… com certeza existem outros lugares bons para se viver, onde a bolha é menos inflada doque ai em santos!

          obs: vale comparações para dentro e fora da brasil

          0
  • MrK 14 de setembro de 2011 at 06:06

    Pois é, o departamento de contra-informação e propaganda enganosa da bolha S/A está funcionando a pleno vapor, ESPEREM POR MAIS COISAS DESSE TIPO

    Felizmente parte das pessoas já acordarou para a bolha, mas parte ainda não, ainda existe um contingente grande de “enganáveis” que podem se influenciar com reportagens como essa, isso tudo foi previsto por nós.

    Eu queria passar 1 dia na área de planejamento financeiro/planejamento estratégico dessas grandes construtoras pra ver o nível de tensão que deve estar, imaginem, em poucos meses seu produto simplesmete parou de vender e seu estoque está com alto risco de sofrer precificacao pra baixo!!! quer dizer… isso se eles tiverem uma área de planejamento…tenho minhas duvidas

    0
  • Lucas Mendes 14 de setembro de 2011 at 07:48

    Peço encarecidamento, ao administrador do blog, que tira a figura do palhaço Bozo no post. Essa figura iniguimática trouxe-me muitas alegrias juntamente com papai papudo e vovó Mafalda. Não é justo ser capa de notícia fantasiosa, semvergonha e ridícula. Tem culpa o palhaço? O palhaço somos nós (aqueles que ainda não acordaram sobre a bolha). Esse cara da SECOVI deveria ir para o Circe du Soleil, Escola Nacional de Circo, Tablado e outros lugares apropiados para suas falas “non sense”. Enfim Bozo é um dos meus heróis (principalmente um que vivia sorrindo trincadão….) Não é justo, compare o individuo da SECOVI com um frasco de òleo de peroba ou um frasco de Almeida Prado (por que dele esperamos somente que saia MERDA!!!!)

    Abraços do Lucas Mendes

    0
    • Luiz 14 de setembro de 2011 at 09:28

      ABAIXO ASSINADO
      quem quer a foto do TIRIRICA no lugar do bozo responde aqui

      tenho boas lembranças do Bozo,
      não podem ser maculadas por essa gente

      0
      • DRN 14 de setembro de 2011 at 10:32

        Concordo. Tiririca em vez do Bozo.

        0
    • Paulo Rocha 14 de setembro de 2011 at 11:10

      ponha esta foto: h t t p: / / thedailymind.com/wp-content/uploads/2008/09/joker.jpg

      0
  • Anonymous 14 de setembro de 2011 at 09:40

    Pra mim podia ser a foto do Sérgio Naya, nunca gostei de palhaço pintado.
    Não gosto do Bozo nem do Tiririca.

    A tempo:

    http://g1.globo.com/paraiba/noticia/2011/09/dura-para-sempre-diz-jovem-que-quer-garantir-futuro-com-imoveis.html

    Esse enrosco todo é também por culpa de playboyzinhos como este da matéria.

    0
    • Ar Quente 14 de setembro de 2011 at 17:02

      kkkk!
      A gente devia institucionalizar um selo Bozo do mercado imobiliário!!!
      Já temos vários candidatos… Inclusive o fanfarrão-mor que é o presidente da SECOVI-SP…

      0
    • RubroNegro 21 de setembro de 2011 at 00:03

      Que comédia! O “investidor” pesquisou durante longos DOIS MESES e procurou a ajuda do irmão, coincidentemente, CORRETOR, comprou na PLANTA esperando receber em 3 ANOS, para ALUGAR ou INVESTIR. Também é nítida a sua falta de experiência com relação a liquidez do mercado imobiliário, “Querendo ou não, o imóvel é uma previdência privada que vai durar para sempre, e QUANDO QUISER POSSO VENDER”.

      HAHAHAHAHAHAHA

      0
  • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 09:41

    Esse é o RJ que tem metros quadrados mais exorbitantes… Qualquer chuvinha é cáos no transito, enchentes, falta de luz.. vamos acordar… Que estrutura essa cidade tem pra ter esses preços?

    14/09/2011 07h56 – Atualizado em 14/09/2011 09h17

    Sete bairros do Rio estão em estágio de alerta por causa da chuva
    Os bairros são na Tijuca, Centro, Madureira, Penha, Bangu, Pavuna e Ilha.
    Incidência de chuva deve ser maior na Tijuca, segundo a prefeitura.
    Do G1 RJ

    imprimir

    Ponto de alagamento na Rua São Francisco Xavier,
    no Maracanã (Foto: Celso Pupo/FOTOARENA/AE)Sete bairros do Rio estão em estágio de alerta por causa da chuva que atinge a cidade desde a madrugada de quarta-feira (14). Segundo o Centro de Operações Rio, a região da Bacia da Baía de Guanabara entrou em estágio de alerta às 7h30, depois que a chuva se intensificou. Os bairros onde é maior a probabilidade de chuva intensa são Grande Tijuca, Centro, Madureira, Penha, Ilha do Governador, Bangu e Pavuna, segundo a prefeitura.

    Segundo o Centro de Operações, há possibilidade de chuva moderada à forte nas próximas horas, principalmente na região da Tijuca, na Zona Norte.

    O estágio de alerta é o terceiro em uma escala de quatro níveis e significa chuva forte nas próximas horas, podendo causar alagamentos e deslizamentos isolados.

    A chuva é provocada, segundo o Centro de Operações, por uma frente fria que passa perto do litoral carioca, trazendo umidade do oceano para a cidade. O restante do município segue em estágio de atenção.

    O trânsito também é complicado em vários pontos da cidade, onde vários bolsões d’água causam lentidão.

    Falta de luz
    O mau tempo também deixa trechos de cinco bairros sem luz nesta manhã. Segundo a Light, os locais atingidos ficam nos bairros de Jacarepaguá e Santa Cruz, na Zona Oeste, Bento Ribeiro, no subúrbio, Alto da Boa Vista e São Cristovão, na Zona Norte.

    De acordo com a Light, a falta de energia pode ter sido causada pela queda de galhos de árvores provocada pela chuva que atinge a cidade desde a madrugada. Técnicos da companhia foram acionados e fazem os reparos para restabelecer o serviço.

    Aeroportos
    Depois de ficar fechado por mais de uma hora, o Aeroporto Santos Dumont , no Centro, reabriu para pousos e decolagens às 8h05 desta quarta-feira (14). As decolagens são feitas apenas com o auxílio de instrumentos, segundo a Infrero. Já os pouso estão sendo feitos com apoio de GPS.

    O Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, também opera apenas com auxílio de instrumentos para pousos e decolagens.

    0
  • Elias 14 de setembro de 2011 at 09:47

    BC da China defende mudanças no setor imobiliário

    Medidas implementadas pelas autoridades para conter o mercado imobiliário devem permanecer pelo longo prazo, afirmou consultor do BC

    14 de setembro de 2011 | 7h 24
    Hélio Barboza, da Agência Estado

    CHINA – O crescimento do mercado imobiliário da China deve se desacelerar nos próximos dois a três anos, e o setor precisa de mudanças estruturais, disse Li Daokui, consultor acadêmico do Banco do Povo da China (PBOC, banco central), no Fórum Econômico Mundial, realizado em Dalian, cidade costeira do nordeste da China.

    As medidas implementadas pelas autoridades para conter o mercado imobiliário devem permanecer pelo longo prazo, afirmou Daokui. O foco das autoridades na venda de terrenos para incorporação residencial vai criar um problema para os atuais e futuros formuladores de políticas públicas, disse Daokui, sem dar mais detalhes sobre o problema. Ele sugeriu que os terrenos sejam destinados aos setores industriais e de serviços.

    “Isso será doloroso, mas teremos de fazê-lo ou a situação pode ficar pior do que a crise do subprime nos EUA”, disse Daokui. As informações são da Dow Jones.

    ——-

    Detalhe: “Isso será doloroso, mas teremos de fazê-lo ou a situação pode ficar pior do que a crise do subprime nos EUA”, disse Daokui. As informações são da Dow Jones.

    Isso me lembra as “Cidades Fantasmas” da China. Milhares de edifícios vazios, porque os chineses não podem pagar o preço pedido.

    Quero ver quando uma autoridade aqui vai assumir o problema, e ter a coragem de dizer o que disse esse Daouki.

    0
    • Carlos Wagner 14 de setembro de 2011 at 11:22

      Quanto às cidades fantasmas: Quando assisti ao video no youtube, na hora, me veio a cabeça que os chineses tem sorte, pois lá a população não invade essas areas. Já se fosse por aqui!!!

      Outro ponto que me chamou a atenção foi o post de um dos colegas mencionando que gringos estão investindo em imoveis no Brasil sem nem saber ao certo onde fica. Gente, se esses imoveis existirem, eles já estarão no lucro, mesmo que fiquem em areas alagadas ou no meio do brejo.

      0
  • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 09:50

    Passei o site da bolha pra dois amigos, que curtiram e estão difundindo… a conscientização cresce! parabéns Bolha!

    Você está prestando um belo serviço pra sociedade.

    0
  • Fred Henrique 14 de setembro de 2011 at 09:55

    Esse Post sobre a notícia “Falta de oferta transfere salão imobiliário em SP para 2012” me faz lembrar aquele comentário da Paty (salvo engano) noutro post, que ela dizia que teríamos uma Bolha da Alfafa.

    É de lascar, nesse ritmo, vai faltar mesmo alfafa para tanto jumento que se traveste de jornalista e corretor de imóvel.

    http://www.BolhaDaAlfafa.com. hehehe.

    0
  • Carlos Eduardo 14 de setembro de 2011 at 09:56

    Olha a vergonha!

    FGC já deu R$ 7,5 bi a bancos pequenos

    Os bancos de pequeno e médio portes já receberam R$ 7,5 bilhões este ano para se capitalizarem e evitar problemas de solvência – levando em conta apenas as operações de socorro com ajuda do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) – entidade mantida pelos bancos para garantir os depósitos da clientela em caso de quebra de uma instituição.

    A operação mais recente envolve o resgate do banco Matone, comprado pelo Grupo JBS, que recebeu em julho R$ 1,85 bilhão. O FGC emprestou cerca de R$ 850 milhões, o equivalente ao rombo encontrado nas contas do Matone, e o JBS capitalizou a instituição com R$ 1 bilhão, para fazer o novo banco funcionar.

    O banco mineiro BMG será capitalizado em R$ 1,5 bilhão, principalmente para cobrir o rombo do banco Schahin, comprado em abril. Desse total, R$ 800 milhões entraram no capital dia 11. Segundo fontes de mercado, o dinheiro veio do FGC, que intermediou a negociação. O novo aporte, de R$ 700 milhões, será concluído este mês.

    Discretamente, o FGC vem exercendo o papel de bombeiro que o Banco Central teve no passado, quando era preciso salvar bancos em dificuldades. A diferença é que agora o dinheiro é dos próprios bancos, que avaliam a situação, fazem as contas e assumem o risco das operações que levam adiante. O resgate do Panamericano, o maior de todos, foi autorizado pessoalmente pelos presidentes dos maiores bancos do País.

    De acordo com fontes que participam dessas operações, sempre que o custo de resgatar um banco é igual ou não muito maior do que o custo de reembolsar os clientes, o FGC escolhe a operação salvamento. No caso do Morada, do Rio, a escolha era entre cobrir um rombo de R$ 700 milhões ou desembolsar com os clientes R$ 150 milhões. Nesse caso, o FGC ficou fora.

    Embora não apareça na linha de frente, o BC acompanha todas as negociações. Troca informações e ideias com o FGC. Pelo menos quatro razões explicam as dificuldades dessas instituições. A primeira é que os empréstimos entre bancos ficaram mais difíceis desde a quebra do banco Lehman Brothers, em 2008.

    O segundo ponto é a dificuldade de os bancos menores venderem suas carteiras de crédito para os grandes. As instituições maiores passaram a ser mais criteriosas após o escândalo do Panamericano. A fraude contábil, que totalizou R$ 4,2 bilhões, se concentrou na contabilização das carteiras vendidas no mercado. Em terceiro lugar, bancos pequenos e médios especializados em crédito consignado perderam espaço para os grandes, que viram no segmento um filão relevante de lucros.

    Por fim, em janeiro de 2012, entra em vigor uma nova regra do BC que altera a forma como os bancos devem contabilizar a venda de carteiras de crédito. Hoje, ao repassá-las, elas podem colocar em seus balanços o valor cheio da negociação. A partir do ano que vem, o dinheiro só poderá constar no balanço depois que efetivamente tiver entrado no caixa do banco. O objetivo é que eventuais calotes sejam devidamente computados nos resultados. Os bancos já iniciaram o processo de adaptação, que evidenciou buracos em alguns.

    Ajustes. Apesar dos bilhões já colocados, os ajustes devem continuar. Dados do BC referentes ao primeiro semestre mostram que dez bancos têm Índice de Basileia abaixo ou pouco acima do mínimo de 11% exigido pela autoridade monetária. Ou seja, são bancos pouco capitalizados e que vão precisar de recursos para crescer, sobretudo no crédito.

    Além das operações que contaram com a ajuda do FGC – pois os bancos estavam com problemas no balanço -, bancos médios que estavam sólidos também fizeram reforço de capital. Um deles foi o Fibra, que recebeu recursos da família Steinbruch e do IFC (braço financeiro do Banco Mundial) em uma operação de R$ 240 milhões. Outro exemplo foi o banco Indusval, que fechou em março um aporte de R$ 200 milhões.

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,fgc-ja-deu-r-75-bi-a-bancos-pequenos,772313,0.htm

    0
  • nelson 14 de setembro de 2011 at 10:00

    Mulher da nova classe C quer carro novo, jantar fora e filho em escola paga.
    http://www.destakjornal.com.br/readContent.aspx?eid=1878&id=14,109074

    Desbravadoras do consumo

    Perfume importado, carro zero, filho em escola particular e TV fininha em casa. Esse não é mais o perfil de uma mulher da elite. É o que está conquistando a mulher da classe C.

    Uma pesquisa da Abril com o instituto Data Popular investigou os sonhos e hábitos de consumo dos 52,9 milhões de brasileiras da nova classe média, que cresceu em tamanho (38% mais pessoas) e massa de renda (mais 62%).

    Elas investem em conhecimento. Representam 66,4% das universitárias (contra 56,3% em 2002). Por isso, 70% das jovens não querem só um bom emprego, mas uma carreira interessante.

    Conforto e lazer ganham espaço. Pretendem trocar de carro (31%), viajar de avião (42%) e jantam fora.

    Elas também estão sofisticando o consumo, adquirindo bens e serviços antes restritos à elite. Gastaram R$ 19,7 bilhões com beleza neste ano, contra R$ 15,8 bilhões da elite. E não se trata apenas de creme para cabelo, como antes, mas de perfumes e maquiagem. Querem andar na moda e têm, em média, 16 pares de sapato.

    Elas não querem ficar magrelas, mas 39% tentam emagrecer, 66% buscam refeições balanceadas e cuidam da saúde, com consultas e exames, na mesma proporção que as classes A e B (61%).

    As mulheres da classe C também estão mais confiantes. Agora, sentem orgulho da cor – 48% se dizem negras ou pardas, contra 40% há 7 anos – e já admiram os cabelos cacheados.

    Elas contribuem mais e mandam mais em casa

    As mulheres da classe C ganharam poder. Em relação às da classe A, elas chefiam mais famílias e contribuem mais: são responsáveis por 41% da renda familiar, contra 25% das mais ricas.

    Dentro de casa, têm mais conhecimento. São mais escolarizadas do que os homens da mesma faixa e leem mais revistas (45% a 31%). Isso se reflete na forma como lidam com os maridos: 70% acabam responsáveis pelas compras. “Vou concordando com o o que ele prefere, mas na hora de decidir eu mostro outra opção, explico por que é melhor e, no fim, ele compra o que eu quero”, diz uma paulista de 37 anos que participou da pesquisa.

    Investindo em formação e na carreira, os empregos domésticos ficam aos poucos para trás. Em uma geração, passaram de 21% para 11%.

    Essas garotas querem mais e melhor. E, além de desbravar o mundo do consumo, deixarão para as filhas informações que não receberam. Diferentemente da mulher das classes A ou B, que pede conselho ao marido sobre o melhor carro, desde criança veste a grife tal ou corre para a mãe para saber sobre enxovais, a mu-lher da classe C não tem esse “conhecimento herdado”. Talvez isso explique o valor que dá ao que dizem novelas e revistas. Agora, quem conseguir se comunicar com as poderosas crescerá com elas.

    0
    • RT 14 de setembro de 2011 at 12:18

      “Perfume importado, carro zero, filho em escola particular e TV fininha em casa. Esse não é mais o perfil de uma mulher da elite. É o que está conquistando a mulher da classe C.”

      B-I-Z-A-R-R-O

      Só faltou dizer em quantas vezes vai parcelar tudo isso.

      0
  • FSH 14 de setembro de 2011 at 10:08

    Vocês viram esta entrevista?

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/preco-dos-imoveis-vai-parar-de-subir-diz-maior-imobiliaria-do-mundo?page=1&slug_name=preco-dos-imoveis-vai-parar-de-subir-diz-maior-imobiliaria-do-mundo

    Alguns interessantes e sem explicação que o rapaz não explica:
    – qual o tamanho da influência do câmbio na comparação do preço dos imóveis no Brasil x EUA? Será que não dá mesmo pra comparar?

    – se os terrenos estão caros a ponto das contrutoras diminuirem o número de lançamentos, porque o mesmo não pode acontecer com os imóveis? Será que os compradores não vão achar caro e deixar de comprar também?

    – para o preço do imóvel cair precisa que muitas famílias deixem de pagar os financiamentos? Acho que ninguém acredita que a taxa de desemprego cai continuara nos nível em que está (6%) com a economia brasileira desacelerando. Segundo dados do Ministério da Fazenda, 40% das famílias estão endividadas, possuindo mais de 20% de sua renda comprometida …

    – o crédito no Brasil é moderado? É moderado sim, mas em 2000 representava 20% do PIB e hoje representa mais de 40% … dobrou rapidamente e precisamos levar em conta que o brasileiro não é famoso por efetuar poupança e utiliza o crédito como complemento de renda! Para provar o argumento, vejam a evolução dos juros do cheque especial … está em 200% a.a.

    – o que vai acontecer quando acabarem os recursos da poupança pra fomentar o financiamento imobiliário? Empréstimo internacionais? Ahhhh … sim …. deve ser uma ótima opção com a Europa a ponto de quebrar e os EUA entrando em recessão. Acho que devem haver muitas opções mesmo!

    Conclusão: os próprios argumentos dos caras para justificar o sucesso do mercado imobiliário são argumentos para acreditarmos que existe uma bolha e que ela vai estourar logo mais.

    0
  • Rebecca 14 de setembro de 2011 at 10:18

    14/09/2011 08h31 – Atualizado em 14/09/2011 08h31

    ‘Dura para sempre’, diz jovem que quer garantir futuro com imóveis
    Investidor da Paraíba diz que ‘lucro’ da previdência tradicional é pequeno.
    Especialista afirma que todo investimento tem algum tipo de risco.

    Inaê Teles Do G1 PB

    Há dois anos o empresário Marcos Ramos decidiu que iria economizar nos gastos pessoais para investir no mercado imobiliário de João Pessoa e assim garantir seu futuro. “Deixei, por exemplo, de viajar com meus amigos e também de trocar o carro para aplicar nos imóveis”, disse.

    Marcos afirma que não investe em poupança nem em previdência privada, pois, na visão dele, o lucro seria muito pequeno. “Querendo ou não, o imóvel é uma previdência privada que vai durar para sempre, e quando quiser posso vender”, afirma.

    Para o jovem investidor, não basta ter apenas a vontade de aplicar o dinheiro, é preciso tomar algumas precauções. “Foram dois meses pesquisando para escolher o melhor investimento. Tive que levar em conta a localização do edifício e a credibilidade da construtora. Também pedi ajuda ao meu irmão, que é corretor”, disse Marcos, que optou por comprar um apartamento que ainda estava na planta, pois os preços são mais baixos do que os já construídos.

    Atualmente, Marcos tem 23 anos e já tem seu próprio negócio. A escolha do investimento foi um apartamento de 120 metros quadrados em Manaíra, bairro nobre de João Pessoa. Mas, como a compra foi na planta, ele vai ter que aguardar cerca de três anos para receber o imóvel. O objetivo é alugar ou vender o imóvel para pensar em novos investimentos.

    Mesmo pesquisando antes de investir, Marcos sabe que corre alguns riscos. “A construtora pode quebrar, por exemplo, e aí é importante avaliar bem antes de escolher onde investir”, afirmou.

    Palavra do especialista

    Para o economista Celso Mangueira, Marcos está investindo bem o dinheiro. “A vida é uma questão de escolhas e ele está no caminho certo para a idade dele. Abriu mão de gastar o dinheiro com outras coisas para garantir o futuro”, afirmou. Ainda segundo o economista, os imóveis garantem estabilidade e caso o investidor passe por algum tipo de dificuldade financeira pode, em último caso, se desfazer do bem para quitar suas dívidas. “Um patrimônio é sempre um patrimônio”, concluiu o especialista.

    Uma outra vantagem apontada por Celso é que o investimento, que começou de maneira despretensiosa, pode acabar virando a principal fonte de renda. “Se a pessoa tiver um ou dois imóveis pode até viver apenas do aluguel dos patrimônios”, destacou.

    O economista Celso lembrou que nos últimos anos o imóvel teve uma valorização muito grande com os programas de incentivo do governo, mas que pode cair a qualquer momento, como aconteceu nos Estados Unidos. “A crise estourou em 2008, mas a desvalorização dos imóveis é sentida até hoje”, explicou.

    Outro risco apontado pelo economista é que caso o investidor compre um imóvel financiado pode acabar não honrando as prestações e em um determinado momento ficar inadimplente. “Por fim pode até acabar vendendo o imóvel por um preço inferior ao que foi adquirido”, alertou o economista.

    Já em relação à previdência privada, Celso Mangueira explicou que o objetivo é garantir uma tranquilidade no momento em que a pessoa se afasta da vida produtiva. “É uma questão de futuro. A previdência privada vai definir o quanto você quer em uma renda suplementar daqui a tantos anos”. Mas mesmo com a sensação de estabilidade, o economista lembrou que “todo investimento é um risco”. De acordo com ele, “não existe nada que garanta que daqui a 20 anos a empresa responsável pela previdência não estará quebrada”.

    O economista aproveitou para dar algumas dicas sobre a previdência privada para Marcos. “Não sabemos se as condições que temos hoje serão garantidas logo após a nossa aposentadoria. É importante que ele avalie essa possibilidade, porque para países mais desenvolvidos essa é quase uma obrigação e está inserida na própria cultura, que no momento que precisar vai ter”.

    De acordo com Celso, os jovens em geral pensam em curtíssimo prazo e consequentemente têm uma visão imediatista. “A previdência não dá retorno imediato, mas vai garantir o futuro”. Para o economista, o ideal é unir os dois interesses. “Com o dinheiro que sobrar do aluguel do imóvel, ele pode investir na previdência privada”.

    0
    • Mr. R 14 de setembro de 2011 at 10:49

      Mas olha o comentário do economista:
      “O economista Celso lembrou que nos últimos anos o imóvel teve uma valorização muito grande com os programas de incentivo do governo, MAS QUE PODE CAIR A QUALQUER MOMENTO, como aconteceu nos Estados Unidos. “A crise estourou em 2008, mas a desvalorização dos imóveis é sentida até hoje”, explicou.”

      ainda

      “Outro risco apontado pelo economista é que caso o investidor compre um imóvel financiado pode acabar não honrando as prestações e em um determinado momento ficar inadimplente. “Por fim pode até acabar vendendo o imóvel por um preço inferior ao que foi adquirido”.

      Como isso pode ser um bom ivestimento??

      0
      • Luiz 14 de setembro de 2011 at 11:59

        dura pra sempre coisa nenhuma Rebecca,
        imóvel tem duração longa mas não dura pra sempre
        conforme desmitistifcamos aqui em posts anteriores

        – tem manutenção, se for em condomínio pior ainda,
        – tem gasto de reforma e modernização.

        Imóvel é igual carro, só que mais lento, com o passar dos anos até o projeto fica ultrapassadpo

        + Após apenas 15 anos ou menos ele se desvaloriza em média 50%.
        + Após 30 anos ou menos as reformas de requalificação e modernização custam o mesmo preço de um imóvel novo, as vezes até mais ( o que explcia tasntos imóveis abandonados)

        A valorização de localização não é garantida,
        o bairro pode se valorizar ou pode entrar em decadência (veja centros das cidades).

        Ou seja, após 30 anos o seu imóvel pode valer nada, pode valer apenas o valor do terreno, ou pode ter uma valorização desde que vc gaste outro apartamento em reformas de reqaulificaçãoe modernização.

        Imóvel sem reformas dura em média 30 anos.

        0
        • Rebecca 14 de setembro de 2011 at 12:16

          Concordo, só postei a reportagem porque achei um absurdo um “empresário” de 23 anos servir de parâmetro. O rapaz ainda cheira a leite e já está “investindo” em imóveis.

          Virou festa mesmo.

          0
          • Luiz 14 de setembro de 2011 at 12:47

            a pergunta central da reportagem é:
            o que vc prefere investir num apê ou gastar em festas e cerveja pelos proximos 30 anos?

            é esse tipo de concorrencia que os corretores querem acirrar entre a gente, eles querem fazer vc senri que está perdendo o seu tempo se divertindo e q vc deve economizar cada centavo e dar dinheiro pra eles, visto que uma casa prórpia é um sonho muuuito dificil.

            Pro azar deles, alguns aqui neste blog sabem exatamente quanto custa fazer uma casa, até como se faz uma do chão ao teto, e posso afirmar com certeza absoluta, estes preços estão completamente alucinados.

            0
      • Georgeis10 14 de setembro de 2011 at 13:42

        De fato, a reportagem confunde a louvável capacidade de poupança do jovem investidor com as escolhas de investimento dele (visivelmente furadas).
        Qualquer criança sabe que colocar todos os ovos numa única cesta é o caminho mais fácil para o empobrecimento futuro.

        0
        • Luiz 14 de setembro de 2011 at 13:54

          isso é explorar a raspa do tacho

          com vinte e poucos eu mal sabia onde ia morar, qunato mais investir
          quanto um jovem desses pode dar de entrada, cai direto no financiamento
          isso não é investir, é contrair emprestimo, tentar se alavancar por meio de um investimento de risco

          0
          • Guilherme Eduardo 14 de setembro de 2011 at 23:17

            Isso mesmo Luiz, alavancagem de alto risco.

            É igual você pegar R$ 10.000,00 emprestado no banco e investir em ações vc pega 10 mil e aplica em um grupo de ações. Fica trabalhando com daytrade durante uma semana e com um faro bom vende tudo e fica com o equivalente a R$ 13.000,00. Descontando as taxas das compras e vendas das ações, IR, liquidação antecipada do empréstimo, etc… sobra R$ 1.000,00. Pronto! você lucrou 10% em uma semana. Se você tiver boa intuição e conseguir repetir isso por 4 semanas, vc sairá do ZERO para R$ 4.000,00 em um mês. Fácil, não? Não é errado, mas também não é para qualquer um.

            0
  • Fred Henrique 14 de setembro de 2011 at 10:35

    Safra de reportagens da Globo afirmando que os mercados de imóveis estão suuuper aquecidos:

    g1.globo.com/paraiba/noticia/2011/09/dura-para-sempre-diz-jovem-que-quer-garantir-futuro-com-imoveis.html

    oglobo.globo.com/economia/mat/2011/09/13/lopes-mira-aquisicoes-imoveis-usados-para-crescer-925346640.asp

    extra.globo.com/casa/morador-de-outros-bairros-ja-investe-em-imoveis-na-regiao-central-do-rio-2609649.html

    extra.globo.com/casa/imoveis-na-regiao-central-do-rio-ja-tem-preco-da-modernizacao-2609573.html

    Destaque para a última reportagem, na qual o Presidente do Secovi usa sua “bolha” de cristal:

    “Há um grande investimento público e privado na região, motivado principalmente pela Copa e pelas Olimpíadas. As casas que não são tombadas tendem a valorizar bastante. Daqui a dez anos, teremos ali shoppings, áreas de lazer, restaurantes e muitos prédios. Vai ser uma ‘Nova Botafogo’ “.

    Na mesma toada “prevendo” o futuro, o Presidente do Creci-RJ:

    “É um local privilegiado, perto de tudo. O lugar do futuro. Os preços já subiram, mas ele vai valorizar ainda mais”.

    0
    • Annibal 14 de setembro de 2011 at 10:42

      Depois q comecei a acompanhar este blog, fiquei com nojo de ler alguns jornais, praticamente não os leio mais…

      0
  • Annibal 14 de setembro de 2011 at 10:38

    Acabei de recebr esse e-mail, achei interessante, fala sobre a pacificação dos morros do Rio, é longo, mas vale a leitura:

    Exército não aceita acordo de Cabral com traficantes

    Um assunto incômodo mas as pessoas precisam ser esclarecidas sobre a situação atualREPASSANDO… Por Helio Fernandes – Tribuna da Imprensa

    O MORRO DO ALEMÃO ESTÁ EM GUERRA ( DE NOVO) PORQUE NOS LOCAIS EM QUE O EXÉRCITO ESTÁ FAZENDO PATRULHAMENTO, OS MILITARES ( AO CONTRÁRIO DA POLÍCIA CIVIL E DA POLÍCIA MILITAR, DO GOVERNO SÉRGIO CABRAL) OS MILITARES DO EXÉRCITO NÃO ESTÃO PERMITINDO A VENDA PACÍFICA DE DROGAS NAS SUAS JURISDIÇÕES, QUEBRANDO, COM ISSO, O ACORDO DO GOV. ESTADUAL (S. CABRAL) COM OS TRAFICANTES.

    EM REPRESÁLIA, OS TRAFICANTES DO MORRO DO ALEMÃO, PATRULHADO PELAS TROPAS DO EXÉRCITO, DECLARARAM GUERRA TOTAL CONTRA SEUS OPOSITORES.

    LEIA O TEXTO ABAIXO PARA SABER MAIS

    “FAVELAS PACIFICADAS ?? COMO ASSIM ??

    A “pacificação” das favelas do Rio não passa de um acordo feito entre o governador e os traficantes, que podem “trabalhar” livremente, desde que não usem armas nem intimidem os moradores das comunidades.

    Em dezembro do ano passado publiquei, aqui no Blog, um importante artigo de denúncia, mostrando que a política de “pacificação” das favelas não passa de uma manobra eleitoreira do governador cabralzinho, que inclui um incrível e espantoso acordo entre as autoridades estaduais e os traficantes que atuavam (e continuam atuando) nessas comunidades carentes.

    O acordo está “firmado” sob as seguintes cláusulas:
    1 – Os traficantes somem com as armas da favela, com os “soldados” de máscaras ninjas, com os olheiros e tudo o mais.
    2 – A PM entra na favela, sem enfrentar resistência, ocupa os pontos que bem entender, mas não invade nenhuma casa, nenhum barraco, e não prende ninguém, pois não “acha” traficantes ou criminosos.
    3 – A favela é tida como “pacificada”, não existem mais marginais circulando armados, os moradores não sofrem mais intimidações, não há mais balas perdidas.
    4 – Em compensação, o tráfico fica liberado, desde que feito discretamente, sem muita movimentação..

    Até o Blog publicar esses artigos, ninguém havia tocado no assunto. A implantação das chamadas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) vinha sendo saudada pela imprensa escrita, falada e televisada como uma espécie de panacéia na segurança pública. Era como se, de súbito, as autoridades estaduais e municipais tivessem conseguido “colocar o ovo em pé”, resolvendo de uma hora para outra o maior problema da atualidade: a violência e o tráfico de drogas nos guetos das grandes cidades.

    Não há dúvida, esse é UM DOS MAIORES DESAFIOS DA HUMANIDADE. Como todos sabem, em praticamente todos os países do mundo, governantes e autoridades da segurança pública continuam sem saber como enfrentar e vencer o problema da criminalidade e do tráfico. Menos no Rio de Janeiro. Aqui, houve uma espécie de “abracadabra”, um toque de varinha de condão e, num passe de mágica, as favelas foram “pacificadas”, que maravilha viver.

    O mais interessante: não foi disparado UM ÚNICO E ESCASSO TIRO, os traficantes e “donos” das favelas não lançaram uma só granada, um solitário morteiro, não acionaram seus lança-chamas, seus mísseis portáteis, seus rifles AR-15 e M-16, suas submetralhadoras Uzi, nada, nada.

    No artigo-denúncia que publiquei no final de dezembro e nos outros que se seguiram em janeiro, chamei atenção para esse fato espantoso: ninguém reparou que a tal “pacificação” foi fácil demais, não houve uma só troca de tiros?

    O pior foi a atitude do governador cabralzinho, que deve pensar (?) que os demais cidadãos são todos imbecis e aceitam qualquer “explicação” que lhes seja fornecida pelas autoridades. Recordemos que foi ele quem teve a ousadia e a desfaçatez de vir a público e proclamar, textualmente: “DEI PRAZO DE 48 HORAS PARA OS TRAFICANTES DEIXAREM O CANTAGALO-PAVÃO-PAVÃOZINHO”.

    Como é que é? O governador esteve como os traficantes, “cara-a-cara”, e fez o ultimato? Ou mandou recado por algum amigo comum? Como foi o procedimento? Ninguém sabe.

    O que se sabe é que o governador alardeava (e continua alardeando) que, em todas as favelas onde a Polícia Militar instalou as UPPs, os traficantes e criminosos simplesmente sumiram, assustados, amedrontados, apavorados.

    Seria tão bom se fosse verdade!! Mas o que é a verdade para esse governador enriquecido ilicitamente, cuja mansão à beira-mar em Mangaratiba virou ponto de atração turística? Para ele, a verdade é a versão que ele transmite, por mais fantasiosa que seja, como se fosse um ridículo Pinóquio de carne e osso (aliás, muito mais carne do que osso, já caminhando para a obesidade precoce), a inventar contos da Carochinha para iludir os eleitores.

    Quando escrevi a série de artigos desmascarando a “pacificação das favelas”, houve tremenda repercussão (como ocorre com tudo que sai publicado nesse Blog ou na Tribuna da Imprensa). Mas a maioria das pessoas se recusava a acreditar. Não podiam aceitar que um governante descesse a nível tão baixo, criasse tão estarrecedora mistificação, tentasse manipular tão audaciosamente os eleitores.

    Mas meus artigos plantaram a semente da dúvida. Nas redações, os jornalistas começaram a questionar a veracidade do sucesso dessa política de segurança pública. Até que, há dois ou três meses, O Globo publicou uma página inteira em sua seção “Logo” (que é uma espécie de “pensata”), ironizando a facilidade com que as favelas teriam sido “pacificadas”. (Não me deram crédito nem royalties, é claro, mas fico esperando o pré-sal).

    No dia 2 de julho, mais uma vez O Globo, em reportagem de Vera Araújo, comprova que meus artigos de denúncia estavam corretos. Sob o título “FEIRÃO DE DROGAS DESAFIA UPP”), com fotos impressionantes feitas em maio na Cidade de Deus, a matéria mostra que o tráfico de drogas está e sempre esteve liberado, exatamente como afirmei.

    Ao que parece, a repórter nem chegou a ir à Cidade de Deus. As fotos na “favela pacificada” foram feitas por um morador do local, que as enviou ao jornal. Foi facílimo fazer a matéria, as imagens dizem tudo.

    No dia seguinte, mais um repique em O Globo, mostrando que, assim com o tráfico de drogas, também a exploração de caça-níqueis está liberada na comunidade “tomada” pela PM. As fotos, novamente, são de um morador da favela, que o jornal, obviamente, não identifica.

    ***
    PS – Isso não está acontecendo somente na Cidade de Deus.. Em todas as favelas pacificadas ocorre o mesmo.

    PS2 – Aproxima-se a eleição e, na campanha, o governador vai massacrar a opinião pública com a divulgação do êxito da “pacificação das favelas”. Este é o ponto mais forte de sua “plataforma” eleitoral, ao lado das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento).

    PS3 – Aliás, UPPs e UPAs, tudo a ver. As UPAs também são um golpe de marqueting político-eleitoral, conforme iremos demonstrar neste Blog.

    PS4 – O desgoverno de Cabral é um tema longo, do tipo “E o vento levou”.

    E seria bom, seria ótimo, se o vento o levasse permanentemente para longe de nós.

    Por Helio Fernandes

    0
    • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 12:39

      Annibal,

      De fato esse texto tem toda a razão… Desde há pacificação da cidade de Deus (favela próxima a meu bairro), sempre ouvi falar que ainda haviam bocas de fumo entocadas em alguns pontos, de forma discreta… Claro que, como não sou usuário, nunca fui lá constatar. Mas amigos usuários continuavam comprando, com mais facilidade ainda, só que, sem medo de tiroteios.

      A UPP é boa pro usuário de drogas… ehehehhe boa pro Cabralzinho, boa pros traficantes e um belo engodo pro povo carioca!

      Além de que, quando a UPP é montada, eles dão um prazo e avisos dias antes pros traficantes. O que é um absurdo! onde já se viu, voce avisar ao bandido que vai ocupar sua boca de fumo??

      sem contar que muitos bandidos saem dessas comunidades e vão pra comunidades distantes dos bairros de maior evidência.

      Eles estão literalmente jogando a poeira pra baixo do tapete e ainda ferrando outras comunidades que estão lotadas de vagabundos!

      Isso contribui pra bolha! somado a esse oba oba sem nexo todo em torno de olimpiadas e e copa!

      0
  • Annibal 14 de setembro de 2011 at 11:15

    Olha só esse anúncio, no autodromo…

    Acompanho alguns imóveis há alguns meses, inclusive esse… está posto a venda faz muiiiito tempo…

    No fim de agosto estava a 270k, mas agora passou pra 285k… só q não mudaram o texto q continuou falando em 270k, ou seja, no topo do anuncio ta 285k e no texto diz 270k…

    Esse ta pra vender desde o fim de 2010 (periodo em q comecei a acompanhar) pode ser q esteja a mais tempo…

    ele não vende e ainda reajustam ….

    w w w.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-2-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-BARRA-DA-TIJUCA-AROAZES/ID-2015605

    0
  • Marcos 14 de setembro de 2011 at 11:44

    Imob ladeira a baixo ==> -2,12 contra IBOV -0,41

    Só olhar na bolsa para verificar que o mercado imobiliário está fortalecido.

    0
    • Vinicius Lima 14 de setembro de 2011 at 12:08

      O sarcasmo é sempre bem-vindo nesse momento…heheheheehehehehe

      0
  • Mahmoud 14 de setembro de 2011 at 11:55

    Essa reportagem de 2010 é bem interessante

    “Bolha” espalha imóveis de 2 metros quadrados na China

    Hoje na Folha No bairro de Liulangzhuang, norte de Pequim, o mais novo empreendimento imobiliário está longe de se parecer com um dos recém-inagurados arranha-céus da cidade: trata-se de um minicomplexo de oito “apartamentos-formiga”, com apenas 2 metros quadrados cada um.

    Não é só o espaço exíguo que chama atenção. Quem ali mora são recém-formados que, mesmo empregados, são incapazes de acessar o superaquecido mercado imobiliário chinês, informa Fabiano Maisonnave em reportagem publicada neste domingo (2) pela Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

    De acordo com a reportagem, os gastos crescentes para financiar um apartamento se transformaram na principal preocupação da classe média chinesa. Segundo levantamento da Universidade Tsinghua, mais de 60% afirmaram que sua maior preocupação é conseguir pagar a moradia.

    Segundo o ranking anual da consultoria britânica Knight Frank, as cidades que mais tiveram incremento dos preços no ano passado são Xangai (52%), Pequim (42%) e Hong Kong (40,5%), de um total de 56 pesquisadas. São Paulo aparece em 11º (5,6%).

    A crescente distância entre o preço dos imóveis e a renda média tem causado um intenso debate sobre os riscos de uma bolha imobiliária que poderia estourar num curto prazo, interrompendo o crescimento econômico do país.

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u729041.shtml

    0
    • Rebecca 14 de setembro de 2011 at 12:18

      Eu acho engraçado como os jornais brasileiros reconhecem rapidinho a bolha alheia, mas, na hora de falar de Brasil, respondem como um mantra: “Não há bolha, não há bolha, não há bolha…”

      0
  • Joab 14 de setembro de 2011 at 12:07

    Pessoal,

    Há um certo tempo encontrei este site por acaso e passei a ser frequentador assíduo. Apesar disso este é o meu primeiro comentário. Há um certo tempo venho tentando conscientizar meus amigos sobre os absurdos de preços de imóveis que estão praticando no Brasil e principalmente aqui no Rio de Janeiro, onde resido. Está impossível adquirir um imóvel decente com preço justo. só para ilustrar, deem uma olhada nesta maravilha de apartamento que está sendo oferecido no leblon http://w w w.zap.com.br/imoveis/oferta/Apartamento-Padrao-1-quartos-venda-RIO-DE-JANEIRO-LEBLON-Borges-de-Medeiros/ID-2231997

    0
    • John 14 de setembro de 2011 at 13:09

      É o governo irresponsável dando crédito a vontade para pagar em 30 anos.
      Resultado: inflacionou absurdamente o mercado imobiliário e os aluguéis.
      Mas os preços descolaram e muito da renda e já vemos consequências disso – queda nas vendas. Daqui uns dois anos, quando o grosso dos apartamentos vendidos na planta em 2009/2010 serem entregues, creio que vamos ver grandes ajustes para baixo nos preços.

      0
    • Mahmoud 14 de setembro de 2011 at 13:15

      eahuauehuuaue, que favelão, e ainda cobrando 7 mil o m2 nesse cortiço de 34 m2

      0
      • Ed Luz 14 de setembro de 2011 at 15:01

        Ta com cara de ser na Cruzada Sao Sebastiao , que eh uma favela vertical encrustada no Leblon

        0
        • RubroNegro 21 de setembro de 2011 at 00:23

          235k nisso? #DeuMedo!

          0
    • Carlos Wagner 14 de setembro de 2011 at 13:34

      Na boa: Eu prefiro morar dentro de um fusca!

      0
      • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 14:57

        hahahahha mto boa

        prefiro morar numa fiat 147

        0
    • Annibal 14 de setembro de 2011 at 13:45

      não tentaram nem maquiar o apto antes de empurrar pra alguém…

      0
    • Lucas Mendes 14 de setembro de 2011 at 13:57

      Caramba mas que pocilga!!!!!!. Até a casinha da árvore deve estar melhor que essa porcaria. Meu canário vive melhor que o sujeito que morava nesse pardieiro. Já to achando que quem mora em Gericinó (onde popularmente fica o conhecido presídio de Bangu) aqui no Rio de janeiro, se for colocado numa cela individual ta melhor que muito lugar… com certeza melhor que essa pocilga anunciada!!!

      Abraços do Lucas Mendes

      P.S. Obrigado bolha! Bozo merece respeito.

      0
    • Luciana 14 de setembro de 2011 at 13:59

      Caraca. Pelo menos tem a garantia de ter a reforma do Lar Doce Lar, ou o do programa Domingo Legal ou do Programa do Gugu????????

      0
    • Mahmoud 14 de setembro de 2011 at 14:05

      O corretor desse imóvel deve tá falando: “ultima oportunidade de morar no Leblon por R$ 235 mil, ou é agora ou nunca!”

      0
    • Paty 14 de setembro de 2011 at 14:47

      Credo, realmente a situaçao ai no Rio saiu do Controle, uma pocilga como essa nao quero nem de graça

      0
    • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 14:59

      pagar 235 mil nesse lixo!!!???

      pra reformar gasta no minimo mais uns 50 (pra deixar habitável)

      0
      • Carlos Wagner 14 de setembro de 2011 at 15:07

        O problema nao é nem a reforma. Se o apartamento é esse lixo, imagina o predio?

        Do que adianta reformar o ap e continuar morando num treme-treme…

        Eu me recuso a acreditar que alguem que tenha 235 mil, ou tenha ao menos capacidade de financiar esse valor, sijeite-se a morar nesse tipo de imovel.

        Esse é o tipo de imovel que até usuario de crack não ficaria a vontade. E olha que eles são pouco exigentes..

        0
    • Philis 14 de setembro de 2011 at 15:01
    • Eduardo Zé 14 de setembro de 2011 at 15:08

      E cade o mar????

      O colchão velho vem junto????

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      0
    • Fred Henrique 14 de setembro de 2011 at 15:08

      Ótima oportunidade para investidor!!!

      Sugiro para os investidores que freqüentam o site pegarem um financiamento e correrem, pois oferta assim não dura muito. R$235 mil? Pechincha. Passando uma mão de tinta e dando uma lavada no chão passa fácil dos R$300 mil. Valorização de 30% ga-ran-ti-da!

      Falando sério: QUE MUQUIFO!

      0
    • Paulo - RJ 14 de setembro de 2011 at 15:19

      “É no Leblon o preço é este”,
      É o que vão falar, com o preço devidamente reajustado para 250.000,00 na semana seguinte.

      Agora falando sério, vale a pena acompanhar para ver se este pardieiro será comprado por alguém. Se isto acontecer, eu me rendo, a vaca foi pro brejo. Não tem bolha, pois o número de malucos ainda é grande o suficiente para manter esta loucura.

      0
      • aiwww 14 de setembro de 2011 at 16:04

        Amigo, essa imobiliária só vende coisas nesse nível. Depois que vi um morador do morro da Providência no Centro do Rio de Janeiro dizer que os barracos estão custando 100 mil .. tudo é possível … fiquei sabendo que o mesmo está acontecendo na favela da Maré .. a nova classe C está inflacionando as favelas !!! .. o pior é que isso se trata da mais pura verdade 🙁

        0
  • Platao 14 de setembro de 2011 at 14:19

    variações desse ano das ações até hj!

    Ticker Último PreçosDoAno Var. Var.%

    PDGR3 7,180 10,160 -2,98 -29,33%
    RSID3 11,030 14,790 -3,76 -25,42%
    BISA3 6,460 8,650 -2,19 -25,32%
    MRVE3 12,100 15,610 -3,51 -22,49%
    GFSA3 7,010 12,040 -5,03 -41,78%

    0
    • Ar Quente 14 de setembro de 2011 at 15:10

      Isso não está muito pior do que a própria bovespa esse ano.
      A BVSP foi de 70K -> 56K (-20%) enquanto o IMOB foi de 1K pra 830 (-17%).

      0
  • observador 14 de setembro de 2011 at 15:16

    Amigos,

    De tanto ouvir falar do tal FIPEZAP, resolvir fazer uma visita e quase tive um treco, os preços ai no rio estão absolutamente sem sentido. Quando tudo acabar o Rio vai virar terra arrasada. O MRK tem razão, em todo o Brasil os imóveis subiram linearmente sem justificativas plausíveis, mas no Rio a coisa degringolou de ves. Agora, para relaxar vou visitar um site de vendas de imóveis em Brasília. KKKK.

    0
    • Marcelo 14 de setembro de 2011 at 23:05

      Relaxar? No Wimoveis? Pode ser, pois ja postei um caso de um imovel que vejo a venda ha mais 7 meses (so que eu sei), e que baixou, de cerca de 900 mil para 700 mil… Espero que este caminho ladeira abaixo continue porque os precos de BSB sao ridiculos, e pior que muita gente, que as vezes tem so o imovel em que mora, fica apoiando esta insanidade pois viu seu patrimonio dobrar, as vezes triplicar de preco em pouco tempo.
      Obs: o imovel em questao ainda precisa de uma grande reforma para ficar apresentavel. Nao entendo como colocam a venda sem pelo menos dar uma mao de tinta.

      0
  • observador 14 de setembro de 2011 at 15:18

    …degringolou de vez…

    0
  • Mr. R 14 de setembro de 2011 at 15:20

    Eles podem tentar nos convencer do contrário, mas a cada dia mais noticias pipocam na mídia.. Uma busca rápida sobre o mercado de brasília e já se acha bastantes coisas sobre a decadência do mercado imobiliário. Mesmo quem tem preguiça de ler e buscar informação (quase todo brasileiro), já tá achando que esse negócio de imóvel é mico…

    O curioso e que em cada reportagem um “especialista” tem um “mas”.. Os preçoes estaõ caindo, mas… O imóveis estão encalhado, mas…

    Ex.:
    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/09/09/interna_cidadesdf,269063/precos-dos-imoveis-no-df-continuam-subindo-mas-abaixo-da-media-nacional.shtml

    http://correiobraziliense.lugarcerto.com.br/app/noticia/ultimas/2011/09/07/interna_ultimas,45068/construcao-civil-local-sofre-queda-mas-empresarios-apostam-em-uma-virada.shtml

    http://correiobraziliense.lugarcerto.com.br/app/noticia/ultimas/2011/08/22/interna_ultimas,45029/depois-de-uma-escalada-sem-precedentes-valor-das-moradias-comeca-a-cair.shtml

    http://www.lugarcerto.com.br/app/402,61/2011/07/21/interna_ultimas,44938/mercado-imobiliario-do-df-apresenta-tendencia-de-desaceleracao.shtml

    0
    • Paulo Rocha 14 de setembro de 2011 at 17:07

      Deviamos criar uma seção no forum chamada de “Paredão de Execução” para postar os nomes desses pseudo-especialistas e as asneiras que falam para que a posterioridade possa ver os absurdos que falam.

      0
  • observador 14 de setembro de 2011 at 15:28

    Amigos de Brasilia me ajudem, será que li errado, ap de 03 quartos, num empreendimento chamado Scenario Noroeste, valor: R$10.192,160, m2:89.405,00.É isso mesmo amigos candangos, se for mais uma terra arrasada a vista. Hoje só com rivotril.

    0
    • Anonymous 14 de setembro de 2011 at 16:11

      Falei com o corretor online. O de 3 dorm, 1 suite, 2 vagas custa $ 1.120,000 com 111 m2 para ser entregue no final de 2012. Portanto, cerca de 10 mil Reais/m2. Aqui nos EUA, por esse valor compro uma casa de 350 m2 com 5 dorm, 4 banh, 4 vagas num terreno de 16 mil m2 (4 acres).

      0
      • Leandro 14 de setembro de 2011 at 18:13

        Quer ficar abismado mesmo?
        Então veja essa casa caindo aos pedaços por 1.000.000, no Guará II, em Brasília.
        Pra quem não sabe, o Guará II tem uma boa localização, mas não é no plano piloto. Fica a uns 15 km do centro.
        O lote onde está construída a casa deve ter cerca de 200 metros quadrados.
        Será mesmo que há bolha? kkk…

        http://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-casa-guara-df-3-quartos-qe-38-conjunto-d-410126

        0
        • Marcelo 15 de setembro de 2011 at 00:02

          Se eu nao morasse em BSB acharia um absurdo, mas como ja me acostumei a ver essas “pocilgas” a precos de casa de “ser humano”, infelizmente nem esquento mais.

          0
        • Paulo 15 de setembro de 2011 at 08:38

          O preço tá errado. Deve ser 150k e não 1.150k. Mas pensando bem, pelo menos o imóvel é regular. Tem lotes em condomínios irregulares (terra da União) no Lago Sul sendo vendidos por 1M.

          0
          • Marcelo 15 de setembro de 2011 at 08:56

            Nao duvido que seja 1.150k pois ja postaram aqui “coisas” muito piores mesmo, no Guara, por 380k. Por isso que Aguas Claras esta tao inchada.

            0
          • Marcelo 15 de setembro de 2011 at 09:47

            Sua logica esta correta, um imovel deste nao deveria passar de 150k, talvez nem 100k. Sem logica sao os precos do DF. A desculpa e o valor do terreno. Mas tem tambem a copa do mundo…

            0
  • Annibal 14 de setembro de 2011 at 15:34

    Novamente bolsa e dólar subindo…. tem um ditado que diz que qdo a bolsa e dólar têm a mesma direção, alguém esta mentindo…

    0
  • Mrk 14 de setembro de 2011 at 16:06

    Pessoal, li um comentario aqui sobre um imovel encalhado no zap desde 2010 que so reajusta pra cima… Eu tb tenho visto isso muito, comeco a me perguntar se os corretores nao estariam influenciando os proprietarios a aumentar, dizendo que tem espaco garantido pra isso, com o intuito de manipular o fipezap.

    Sinceramente, essa alta de aps encalhados so serve pra isso, subir o indice fipezap, mais nada!

    0
  • Anonymous 14 de setembro de 2011 at 16:20

    Nos EUA é possível comprar KIT com todos os materiais para construir uma casa. Acredito que chegou num ponto que, mesmo pagando o imposto de importação, vai ficar mais barato IMPORTAR uma casa dos EUA. Eu já vi isso acontecer por volta de 1998 quando 1 Real ficou valendo 1 Dolar. Vi inclusive operários AMERICANOS construindo casas no interior de SP.

    0
    • Vinicius Lima 14 de setembro de 2011 at 17:39

      Hahahahhahahahahahaha!!! Importar uma casa dos EUA, isso sim seria uma coisa legal…

      Esse blog foi o meu achado do ano na net…

      0
      • profeta do apocalipse 14 de setembro de 2011 at 18:59

        eu tambem gosto!

        0
  • doom 14 de setembro de 2011 at 17:02

    O salão imobiliário da Bahia ocorreu no início deste mês.
    Buscando notícias antigas, vi que no evento do ano passado foram vendidas 418 unidades, referido como aumento de 35% em relação a 2009 (ou seja, em 2009 foram vendidas cerca de 310, correto?).
    Este ano a expectativa era vender 500 unidades.
    O site oficial do evento não noticiou o balanco final, mas de acordo com o site de uma das grandes imobiliárias daqui, o número total de unidades vendidas esse ano foi de 261.
    De qualquer forma, o salão está sendo noticiado como mais um grande sucesso.

    0
    • Mrk 14 de setembro de 2011 at 17:19

      Doom, a. Coisa mais irritante desse mercado eh que todos os dados sao controlados pelos interessados em manipular os mesmos, sao lobos cuidando das ovelhas, imobiliarias, secovi, fipezap… Eu queria ver alguem independente medindo…

      0
      • Anonymous 14 de setembro de 2011 at 17:47

        É por isso que digo NÃO EXISTE mercado imobiliário na Banânia. Nos EUA é possível consultar pela Internet, sem pagar absolutamente nada, toda a história de transação de um determinado imóvel (data da venda, valor da venda, comprador, vendedor). Ao contrário da Banânia, o valor negociado é o que consta nesse website e é utilizado para o pagamento do equivalente ao IPTU. Aqui não é do interesse do proprietário passar imóvel por um valor abaixo do negociado pois isso DESVALORIZA seu patrimônio.

        Para existir um MERCADO, os preços tem que ser CONHECIDOS pelos agentes desse mercado. Imagine uma bolsa de valores, onde os preços são tratados como os preços de imóveis na Banânia (conforme o corretor, varia 50%, 100%). É óbvio que uma bolsa de valores assim não funciona.

        0
      • doom 14 de setembro de 2011 at 18:38

        Exatamente. Fica tudo muito confuso, e eles pescam algum dado interessante para divulgar/distorcer e escondem todo o resto. O que o blog da imobiliária mostra é diferente do que mostra o site do evento. Esse número de 261 unidades, pelo que entendi, se realmente foi o número final, foi alcançado nos 3 primeiros dias, num total de 5 dias de evento. Será que nos últimos 2 dias não vendeu nada? Estranho. Eu achei que eles fossem usar a velha tática de divulgar os números em valor, e não em unidades, para tentar achar um número maior que o do ano passado. Mas acho que mesmo assim o valor não foi suficiente para enganar (78 milhões em vendas). Como efeito de comparação vai os dados dos anos anteriores:

        Em 2006, foram comercializadas uma média de 32 por dia, em 2007, o número subiu para 57 unidades por dia. Em 2008, foram 40 unidades comercializadas por dia. Em 2009 atingiu 65 unidades por dia e 2010 a média de unidades vendidas por dia chegou a 83.

        Sobre as vendas fechadas, a primeira edição do Salão, em 2006, teve saldo de R$ 106,5 milhões; em 2007, os números subiram para R$ 160 milhões. A edição de 2008 encerrou com R$ 92 milhões em vendas e, em 2009, este número subiu para R$ 115 milhões e em 2010 registramos R$106 milhões.

        Vou esperar mais um pouco para ver se eles confirmam esses números de 261 unidades (52,2 por dia) e valor de 78 milhões para 2011, como sendo o balanço final e não um balanço parcial. Independente de qualquer coisa, ficou muito longe das 500 unidades esperadas.

        0
  • Jr. 14 de setembro de 2011 at 17:17

    Continuação da piada:

    Fonte: http://www.ovale.com.br/nossa-regi-o/crescimento-do-mercado-gera-falta-de-corretores-de-imoveis-1.156444

    Arthur Costa
    São José dos Campos

    A expansão do mercado imobiliário somada à facilidade no crédito fizeram surgir um novo problema na região: a falta de corretores.

    Segundo estimativa do Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), o atual efetivo de corretores do Vale do Paraíba e Serra da Mantiqueira precisaria dobrar para atender as necessidades do mercado hoje.

    Atualmente, mais de 1.500 profissionais da região são cadastrados no Creci. Em todo o Estado, a defasagem é de 90 mil corretores.

    “O mercado está longe de uma estagnação. Mesmo tendo retração nos últimos meses, o setor continua crescendo em relação ao ano passado”, afirma o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto, que esteve ontem em São José dos Campos para falar com corretores da região sobre o encontro anual do da entidade em São Paulo no dia 22 de outubro. Nesse encontro, será feito um balanço das atividades do ano.

    Debandada. O delegado regional do Creci, Denerval Machado Rodrigues de Melo, destaca que profissionais de outras áreas têm migrado para o ramo imobiliário.

    “A tendência é de um crescimento de mercado. Em São José, teremos no final do mês o lançamento do Alphaville e um empreendimento de 800 apartamentos no Jardim das Indústrias. Estamos precisando de profissionais”, afirma.

    O corretor Rodolfo Luiz Leite, de 28 anos, trabalhava há quase um ano com vendas de lingerie para uma empresa de São José. Procurando estabilidade, ingressou na corretagem em outubro do ano passado.

    “Eu estava viajando muito. Por ser casado e ter filhos, preferi uma carreira promissora e que me desse estabilidade”.

    Qualificação. O problema de falta de mão de obra qualificada enfrentado pelas imobiliárias é semelhante ao das construtoras, mas, ao contrário da construção civil, o processo de especialização de corretores é mais rápido

    PS. Ops, eu já tava dando submit, antes de rir da piada…. kkkkk

    0
    • Carlos Eduardo 14 de setembro de 2011 at 18:07

      acho que a falta de corretores é porque eles não conseguem viver sem comer!!!

      e porque para vender um imovel está impossivel!

      além disso nenhum idiota está inclinado a perder tempo fazendo aquele curso do creci, sabendo que o mercado está cambaleante…

      O mercado imobiliario é uma panela de pressão sem o pino de escape….

      tá quase explodindo ….

      0
    • RT 14 de setembro de 2011 at 18:39

      “O corretor Rodolfo Luiz Leite, de 28 anos, trabalhava há quase um ano com vendas de lingerie para uma empresa de São José. Procurando estabilidade, ingressou na corretagem em outubro do ano passado.

      “Eu estava viajando muito. Por ser casado e ter filhos, preferi uma carreira promissora e que me desse estabilidade”.”

      UUHAUHAHAUAHUAHUAHHAUA!!!

      Pausa pra respirar…

      UHAUAHHAUHAHAHHAUHAU!!!

      Vai nessa, rapaz! Aproveita enquanto pode! Logo logo, vai voltar a vender calcinha!!

      0
      • Dani 14 de setembro de 2011 at 18:44

        Kkkkkkkkkkkkkk…ótima!

        0
  • Annibal 14 de setembro de 2011 at 17:18

    Acabo de receber uma ligação de uma corretora que eu havia consultado no começo de 2010, me informando de uma grande oportunidade na área do autódromo… despachei rápido dizendo q estava juntando dinheiro e q estava muito caro… 280k num 3 qts na estrada dos bandeirantes…

    acho q estão ligando pra agenda toda…

    0
    • Mrk 14 de setembro de 2011 at 17:22

      Annibal, com certeza vc ta mentindo, afinal ta tendo escassez de imoveis, vc nao viu q ate cancelaram o salao de imoveis pq ta faltando imovel??? Duvido q um corretor iria ligar pra alguem do ano passado pra tentar vender no meio dessa escassez… Hahaha

      0
      • Leonardo RJ 14 de setembro de 2011 at 17:51

        é… e eu tb adoro mentir, por isso contei aqui outro dia que no inicio do boom eu cacei uma corretora direto por causa de um imóvel… agora ela me liga qse toda smn

        0
        • Dani 14 de setembro de 2011 at 18:39

          Semana passada também me ligou uma corretora de uma contrutora que procurei em 2007, pode? Daí eu fiz o que todo mundo deveria fazer: disse que não estava interessada porque os imóveis estão muito caros e eu vou esperar até a bolha estourar! kkkkkkkkkk….

          0
  • Carlos Eduardo 14 de setembro de 2011 at 18:01

    Uma coisa que me tras uma grande curiosidade, é como vão ser os discursos eleitorais!!!
    Será que o pt vai ter coragem de dizer que diminuiu o desemprego???
    vão falar algo sobre as moradias ? será que vão ter coragem de tocar nesse assunto MCMV!!!
    O MCMV já virou uma propaganda negativa do governo atual pelos efeitos colaterais que gerou.

    O pais tá um caos e ninguém toma providencia!!

    seria simples acabar com isso, cobrando uma multa altissima sobre o imovel parado! e desapropriando umas residencias! com um 0800 onde o cidadão informasse os imoveis parados em seu bairro, e com fiscais indo atrás.
    rapidinho as coisas voltariam aos eixos!!

    do jeito que anda só posso pensar que os politicos do nosso pais são todos comprados!
    e todos fazem parte desse cãos imobiliario!!!
    não tem 1 prefeito com culhão para acabar com essa merda!

    0
    • Paty 14 de setembro de 2011 at 18:24

      O discurso vai ser que a crise mundial atrapalhou o Brasil e o setor imobiliario sentiu. Ou que a oposição fez de tudo para acabar com a MCMV, é culpa da oposiçao é a presidenta nao sabia de nada.Ou tudo isso é teoria da conspiraçao e o mercado imobiliario esta cada vez melhor o que existe é uma tentativa de desmoralizar o governo..kkk eu poderia ficar aqui escrevendo umas 100 desculpas sem sentido que o governo vai inventar para ludibriar o seu eleitor(classe e,d e c), o mais triste que sei que o governo vai conseguir enganar esse povo como sempre enganou vão inventar mais uma bolsa da vida perto das eleiçoes

      0
  • RT 14 de setembro de 2011 at 18:53

    Se eu fizesse uma lista dos depoimentos mais assombrosos que já li aqui sobre a bolha, o seu estaria bem cotado.

    Pra quem não é do Rio, Maré e Providência são duas favelas dominadas por traficantes. A Maré deve ser o lugar de piores condições de higiene nesta cidade. Sei porque passo todo dia pela Linha Vermelha.

    Um conjugado em Botafogo, antes de toda essa zona, custava menos do que um barraco na Providência hoje “vale”.

    Quem tem 100 mil paga pra morar na Maré??

    Assustador…

    0
    • RT 14 de setembro de 2011 at 18:54

      Esqueci de clicar no “Responder”.

      Estava falando do seguinte depoimento:

      aiwww disse:
      14 de setembro de 2011 às 16:04
      Amigo, essa imobiliária só vende coisas nesse nível. Depois que vi um morador do morro da Providência no Centro do Rio de Janeiro dizer que os barracos estão custando 100 mil .. tudo é possível … fiquei sabendo que o mesmo está acontecendo na favela da Maré .. a nova classe C está inflacionando as favelas !!! .. o pior é que isso se trata da mais pura verdade

      0
    • Paty 14 de setembro de 2011 at 19:32

      Alagados, Trenchtown, Favela da Maré
      A esperança não vem do mar
      Nem das antenas de TV
      lembrei da musica…

      0
  • Richard 14 de setembro de 2011 at 19:02

    Uma coisa positiva do FIPZAP e também de alguns anuncios mentirosos, é que eles estão apoiando o aumento de preços. Quanto mais acelerado este aumento, mais rápido a bolha estoura.
    O que vcs acham disso ?

    0
  • Schmidt 14 de setembro de 2011 at 19:42

    O mercado parou de forma generalizada. A maioria dos seguimentos(automóveis, imóveis, vestuário, calçado e etc.) enfrentam vendas inferiores aos custos. Os caixas são esvaziados sem perspectiva de melhora. Por quanto tempo o governo vai esconder a verdade? Creio que mensagens positivas são importantes, mas lucrar com isso enquanto pode e mandar a economia para o brejo parece-me temerário.

    0
  • Travis 14 de setembro de 2011 at 19:43
    • RubroNegro 21 de setembro de 2011 at 01:27

      Meu Deus! Que sociedade consumista nós vivemos!

      Pior que essa correria toda é depois a fila do carnê e do cartão de crédito.

      0
  • Paulo Rocha 14 de setembro de 2011 at 20:17

    Viva ao lula e a sua grande classe C!

    h t t p : / / folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/975108-nossos-pobres-sao-mais-pobres.shtml

    14/09/2011 – 13h30
    NOSSOS POBRES SÃO MAIS POBRES

    Os números sobre o aumento da pobreza nos Estados Unidos só demonstram a profundidade da crise pela qual passa o modelo contemporâneo de capitalismo, assentado no predomínio do sistema financeiro.

    Aliás, Juan Somavia, diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, braço da ONU, lançou um apelo nesta quarta-feira: “Chegou o momento de colocar a economia real no comando da economia mundial, com um sistema financeiro a serviço dela”.

    Detalhou: “Isso significa colocar os investimentos produtivos na economia real no centro da formulação de políticas, propiciar um ambiente adequado para as empresas sustentáveis e uma menor oferta de produtos financeiros arriscados e improdutivos”, disse em discurso ao Parlamento Europeu. Poderia ter dito “basta de cassino”.

    De acordo, Somavia, mas duvido que seu apelo seja ouvido. A “pátria financeira” tem hoje o domínio da agenda global.

    Mas voltemos à pobreza nos Estados Unidos. Os números, eloquentes por si só, ganham um significado ainda mais sombrio quando são comparados com um dos pilares do chamado sonho americano, qual seja o que de que os filhos teriam uma vida melhor do que a dos pais (na média, claro).

    Se a pobreza só faz aumentar (há três anos consecutivos), desaparece essa segurança de horizontes.

    Mas, atenção, não é porque o Brasil está conseguindo reduzir a pobreza há já bastante tempo que temos motivos para festejar.

    Como bem mostraram a Folha-papel e a Folha.com, primeiro a porcentagem de pobres no Brasil é imensamente maior: 15% da população nos Estados Unidos é praticamente três vezes mais no Brasil (43% para ser preciso).

    Pior: os pobres brasileiros são muito mais pobres que os pobres norte-americanos. Lá, é pobre quem ganha no máximo o equivalente a R$ 700. Aqui, R$ 140.

    Nem adianta argumentar que o custo de vida lá é mais alto. Não é tão mais alto, não, de que dá prova o fato de que os brasileiros estão preferindo comprar imóveis em Miami porque são mais baratos do que no Rio ou em São Paulo.

    OK, é justo reconhecer que os Estados Unidos têm uns 200 anos, pelo menos, de progresso econômico que acaba reduzindo a pobreza, ao passo que o Brasil, nesse período, foi uma imensa gangorra de sobes e desces na economia, para apenas nos 15 últimos anos, pouco mais ou menos, estabilizar-se –condição sine qua non para melhorar a vida das pessoas.

    Mas, mesmo feita essa ressalva, não cabe complacência. Ainda mais que um dos grandes instrumentos para reduzir a pobreza –a educação– está em situação trágica no Brasil. Chega a ser humilhante verificar que um estudo da OCDE com 42 países colocou o Brasil no último lugar em estudantes universitários, na faixa etária de 25 a 34 anos. Só 12% dos jovens chegam à universidade.

    Tudo somado, ainda falta um mundo para que o Brasil justifique de fato o rótulo de “emergente”.

    0
    • Georgeis10 15 de setembro de 2011 at 10:48

      Isso é apenas a “oPIGnião” dele. Para quem não gosta de ver empregada doméstica comprando carro, um conselho: cresça e apareça.

      0
      • Luiz 15 de setembro de 2011 at 13:38

        ah petralha, não vem não com essa d acusr a gente de preconceito

        no mund cilizado uma empregada domestica pode comprar um belo caro com o valor do slario médio.

        Aqui uma emregada domestica compa uma porcaria dum Fiat usado com financiamento de até 4 anos por um preço absurdo de caro, e acaba pagando muitas vezes o valor do roprio slario

        carro popular zero na europa = 5 mil euros, slario médio 2.500 euros (indice x2)
        o mesmo carro no Brasil 30 mil reais, salario médio 1.500 reai, financiamento; +50% do vaor do carro (indice x30)

        Aqui o pov se fode 15 vezes mais pra compr um carro, sem falar na falta de opção de transporte publico, seguro,cUtos,gasolina pior e + cara do mundo, etc…

        Nossa relamação não é contra o povo subir de vida, é contra os maladros que stão enriquecndo as custas da escavização economica do povo, etre eles esse maldito governo petralha ladrão

        0
        • GPTFN 15 de setembro de 2011 at 17:15

          Nós temos a Inglaterra como um dos países mais caros do mundo não é?
          Não vou nem falar dos EUA que é brutal a diferença de preços.

          Então vejamos isso:
          Carro Ford Focus 1.6 Titanium COMPLETO (diesel) 0km
          (www . buyacar.co.uk/ford_focus_diesel_hatchback/car_16_tdci_115_titanium_5dr_33788.jhtml)
          preço: 15.593,00 libras = 42.489,37 reais, usando o conversor do banco central:
          (www4 . bcb.gov.br/pec/conversao/Resultado.asp?idpai=convmoeda)

          E no Brasil?
          não existe versão Titanium 1.6, então coloquei a versão 2.0
          www . configurador.ford.com.br/novo_configurador/drtc_monte.asp
          valor?
          somente 73.638,00 reais

          Sem falar que o modelo britânico vem com:
          Impostos pagos do ano (seria IPVA + Renavan)
          auto-Radio Sony
          Rodas de liga leve 16″

          precisa falar mais?

          0
          • Bananense 16 de setembro de 2011 at 11:59

            Hummmm.
            Vc esqueceu de mencionar que o Focus eh considerado um lixon de carro pros padroes internacionais.
            Ou seja, na Banania pagamos muito caro por porcarias de baixa qualidade.
            Aqui nos EUA vc compra um Focus completo por 22.000 dolares em qualquer concessionaria Ford. Me refiro a um Focus zero km, claro. Um 2010 com pouca milhagem vc compra com uns 15 mil dolares. Quer ver precos de carros usados a venda pelas pessoas nos EUA? Checa esse site aqui http://www.autotrader.com

            0
        • Georgeis10 16 de setembro de 2011 at 10:50

          Como eu disse: é tudo “oPIGnião”.

          0
          • Vinicius Lima 16 de setembro de 2011 at 13:34

            O que seria esse “PIG” no meio das palavras??? Camarada, pelos seus comentários no blog lhe aconselho a ler o livro 1984 do George Orwell, talvez lhe acrescente alguma coisa…

            Vlw!!!

            0
  • ERT 14 de setembro de 2011 at 20:20

    Isso é o retrado do Brasil.

    Sabe quando seremos um país chamado desenvolvido? NUNCA!!!!!!!!

    O maior legado que este governo vai deixar – especialmente para nossa juventude – é a noção QUE a corrupção é normal, QUE cenas como essas são normais, QUE o estado tem que prover tudo para o indivíduo, QUE receber esmola é normal, QUE bombeiros podem ser considerados heróis quando se aquartelam e cometem uma série de crimes, QUE grupos que quebram o congresso podem receber repasses de verbas “sociais’ no dia seguinte.

    Se eles fazem isso quando ainda podem comprar (parcelado), imagine o que farão quando a ficha cair e eles não puderem mais comprar.

    QUE A HISTÓRIA TENHA PIEDADE DO BRASIL.

    0
    • DRN 15 de setembro de 2011 at 11:09

      Infelizmente, parece que o Anonymus tem razão: a saída para o Brasil é o aeroporto. Mas eu prefiro a Europa ao Tio Sam.

      0
      • Paulo - RJ 15 de setembro de 2011 at 12:06

        permita-me um contraponto,
        Por mais problemas que o Brasil tenha, eu ainda prefiro viver aqui. Europa é ótima para ser visitada, tem boa estrutura, assim como os EUA. Mas também tem seus problemas. Pobreza, inclusive. Adoro viajar, mas meu lugar é aqui.
        Apesar de toda dificuldade, tenho bom emprego e vivo com dignidade aqui. Prefiro isto a viver subempregado nos EUA, por exemplo, ainda que esta não seja a única opção de emprego lá.

        0
        • DRN 15 de setembro de 2011 at 12:15

          Sem dúvida, concordo. Eu mesmo já disse isso ao Anonymus. Há outras variáveis envolvidas. Família e amigos, por exemplo. A uma certa altura da vida, é difícil realizar uma ruptura dessas. Agora, não é preciso ir para lá com sub-emprego. Se a pessoa validar o diploma e falar muito bem o idioma local, é possível concorrer pelos empregos melhores.

          0
          • Paulo - RJ 15 de setembro de 2011 at 13:24

            Nos EUA, concordo, com um bom currículo você entra lá com boas condições de conseguir um bom emprego, apesar de não ser a realidade da maioria.
            Na Europa já é mais difícil. A rigidez lá é maior

            0
          • Paty 15 de setembro de 2011 at 13:37

            Eu vive nos eua por 2 anos e meio meu marido engenheiro era gerente em uma empresa e eu aproveitei para fazer uma mba..nos voltamos pelos nossos pais e porque eu nao consegui me adaptar dejeito nenhum. Agora eu conheci muitos brasileiros que se deram mal nos eua e questao de sorte e contatos..

            0
            • Paty 15 de setembro de 2011 at 14:01

              vivi ops..

              0
      • O Poeta da Bolha 15 de setembro de 2011 at 18:45

        Ah, Europa!, teu epônimo é Cultura! Salve, salve, Velho Mundo, terra de bravos e césares, de musas e doutos!

        Aqui, as aves gorjeiam melhor, mas vê-se que a busca de terrenos para a especulação imobiliária – este celerado, torpe e inclemente gládio com que se munem os vis abutres – tem feito com que tombem as florestas, seu lar primaz.

        Ao menos temos, ainda, as mulatas – “último ouro do Brasil” -, e piadas como a supracitada.

        0
        • Anonymous 16 de setembro de 2011 at 09:15

          Parece texto do Arnaldo Jabor misturado com Pedro Bial.
          Mas gostei, ficou original.
          Ou não.
          Não sei.

          0
      • Duda 16 de setembro de 2011 at 13:04

        Com a minha esposa estamos analisando muito bem o que faremos do nosso futuro. E bem possível que as sugestões do Anonymus sejam as mais adequadas. Mesmo que alguns não gostem de escutá-las.

        0
        • Anonymous 16 de setembro de 2011 at 14:07

          Referi-me ao poema do Poeta da Bolha, mas não saiu como reply.

          0
          • Bolha Imobiliária 16 de setembro de 2011 at 16:05

            Agora senti na pele o que vocês sempre comentam, que o site tem alguns bugs…
            Como é coisa do wordpress, vou ver se tem algum update

            0
        • Sérgio 16 de setembro de 2011 at 15:29

          Essa sua frase é mais verdadeira do que imagina!
          .
          Caso fiquemos apenas esperando o inevitável, pois é o que é a história dessa bolha – e DEIXARMOS de LADO a LEI 11.908/09 ( a lei de salvação das construtoras e especuladores, conforme postei bem acima), será como chover no molhado.
          Por mais que estejamos com razão, será criada (de fato e não de direito) a IMOVELBRAS. Todo mundo que não comprou vai continuar sem e todo mundo que comprou não vai pagar e ficará por isso mesmo, como na época do BNH.
          .
          Não por ser minha, mas é um assunto que merece um TÓPICO à parte; e de preferência com comentários de operadores do direito.
          .
          O negócio é sério, apesar de minha concordância com todas as outras temáticas.
          .
          Lei 11.908, antiga MPv 443 de 2008.

          0
        • Bolha Imobiliária 17 de setembro de 2011 at 12:03

          Qual a sua idéia ?…

          0
  • Mahmoud 14 de setembro de 2011 at 20:26

    “Debandada. O delegado regional do Creci, Denerval Machado Rodrigues de Melo, destaca que profissionais de outras áreas têm migrado para o ramo imobiliário.

    O corretor Rodolfo Luiz Leite, de 28 anos, trabalhava há quase um ano com vendas de lingerie para uma empresa de São José. Procurando estabilidade, ingressou na corretagem em outubro do ano passado.”
    ———-
    kkkkk, cara, idêntico aquele video da bolha espanhola em que pessoas largavam o emprego ou a faculdade para trabalhar no ramo imobiliário. Impressionante como essas pirâmides e bolhas se repetem no mundo inteiro. Até a pirâmide da criação de avestruz (vc comprava um avestruz filhote e vendia 10 vezes mais caro 2 anos depois) estorou na Europa, depois nos EUA e por ultimo no Brasil. Vi nego largando o emprego em 2002/ 2003 para criar avestruz em sitios kkk

    0
  • Rogério 14 de setembro de 2011 at 20:51

    Vejam mais uma matéria querendo negar o que os números mostram, porem ele mesmo cai em contradição nos dois ultimos paragrafos.
    Se contradiz quando diz que os artigos que falam sobre a bolha se contradizem quando relatam um comprometimento maior da renda do brasileiro é gerado pelos juros altos e prazo de financiamento curto.
    Concordo parciamente com ele, ninguém discute que os juros no Brasil são altissimos, agora dizer que o prazo de financiamento é curto ele está brincando.

    Se os brasileiros estão com um compremetimento maior de renda e a inadimplencia não para de crescer isso parece ser um sinal de bolha de crédito, seja para financiamento imobiliario, automevel e etc, credito facil sem uma análise adequada quanto a capacidade de pagamento.

    Se eu estiver equivocado por favor me corrijam.

    http://blogs.estadao.com.br/jt-seu-bolso/febraban-risco-de-bolha-de-credito-no-pais/

    0
  • Rebecca 14 de setembro de 2011 at 21:45

    O texto é de julho, não sei se alguém já postou, mas vejo nele o nosso futuro. E isso me dá calafrios.
    ————————
    Espanha, dos anos de bonança às dívidas: Após estouro da bolha imobiliária, famílias mergulham na crise e desemprego vai de 8% para 21%

    Publicada em 02/07/2011 às 18h59m
    Priscila Guilayn, correspondente ([email protected])

    MADRI – Sem trabalho fixo, sem contracheque, o libanês Anuar, contagiado pela exaltação consumista que tomava conta da Espanha em 2006, em pleno boom imobiliário, entrou em um banco para pedir um crédito hipotecário. Imigrante e sem nenhum tipo de comprovante de renda, achava que, da conversa com o gerente, sairia com um “não rotundo e o rabo entre as pernas”. Nada mais longe da realidade naqueles anos de bonança, nos quais a Espanha se comportava como uma nova-rica. Anuar conseguiu comprar o apartamento que queria, de 230 mil euros, e o generoso banco ainda lhe ofereceu dois empréstimos pessoais para que ele pudesse reformar o imóvel.

    Anuar aceitou de bom grado. Mas achou mais razoável investi-los de outra forma. Alugou uma loja e montou uma confeitaria. Só teve desgostos. Aguentou aos trancos e barrancos durante um ano e meio até fechar o negócio. Sua veia empreendedora, no entanto, continuou pulsando. Em uma estação de trem viu que alugavam uma padaria com tudo dentro. Os primeiros sete meses foram um sucesso, mas a crise econômica de 2008 mudou o panorama. Anuar fechou a padaria, deixou de pagar a hipoteca e recebeu uma carta de despejo do banco.

    – Não sabemos aonde vamos. Mas a questão não é essa. A origem do problema é o que me causa desassossego: o banco jamais deveria ter me dado o crédito hipotecário. Ofereceram mundos e fundos. Não passava de uma estratégia dos bancos para fazer negócio às custas de pessoas de boa-fé que alimentam o sonho da casa própria. Agora, o apartamento é do banco, não temos onde morar e, o que é mais absurdo, continuamos com a dívida – conta Anuar.

    A história de Anuar não é, nem de longe, um caso isolado numa Espanha em ressaca há quase quatro anos. Ressaca de uma festa do setor da construção e do setor imobiliário, carro-chefe da economia espanhola quando o país deu adeus à peseta e boas-vindas ao euro. A queda dos juros de 15%, na década de 1980, para cerca de 5% ao entrar no euro foi um irresistível estímulo para o endividamento. As empresas renovaram suas máquinas, e as famílias apostaram na compra de imóveis. Esta é a segunda reportagem da série Desesperança na Europa.

    Entre os jovens, 45% estão desempregados

    Um dos responsáveis pelo fim da festa foi a crise financeira internacional, porque grande parte do dinheiro que a economia espanhola necessitava para funcionar vinha de fora: a Espanha, depois dos Estados Unidos, é o país com maior déficit externo. À dificuldade de conseguir financiamento externo somou-se a explosão da bolha imobiliária, entre 2007 e 2008. O resultado disso foi que, desde então, a taxa de desemprego passou de 8% a 21%, fazendo o país ganhar o nada agraciado título de primeiro colocado em desemprego na Europa. Os jovens são os mais afetados pela falta de trabalho (taxa de 45%).

    Na Espanha, quem avalia o apartamento para definir quanto uma pessoa deverá ao banco é o próprio banco. Quando o cliente deixa de pagar suas cotas hipotecárias, a instituição reavalia o imóvel por um valor invariavelmente bem inferior à primeira apreciação, feita para concessão do crédito hipotecário. O imóvel vai a leilão por 50% do preço fixado na última avaliação.

    Como hoje não há compradores, o banco fica com o apartamento, perdoando ao desesperado cliente somente o valor referente ao preço de leilão. À enorme dívida que ele carrega – é preciso ter em conta que, nos primeiros cinco anos de hipoteca, paga-se apenas juros, praticamente – somam-se mais dívidas: as custas do processo judicial aberto pelo banco contra o cliente, que variam entre 20 mil e 80 mil; e a multa pelo cancelamento da hipoteca, entre 30 mil e 50 mil.

    – É desalentador. As pessoas acabam mais endividadas do que quando assinaram o contrato de hipoteca. É uma dívida perpétua. Além de ficar na rua, se, algum dia, conseguem trabalho, terão seu contracheque embargado. Isso força a entrada na economia informal e na marginalidade. Precisam encontrar maneiras não-oficiais de ganhar dinheiro e de não declarar impostos – diz Eloi Castelló, porta-voz da Plataforma de Afetados pela Hipoteca, que está preparando uma Iniciativa Legislativa Popular, com meio milhão de assinaturas, para pedir à Câmara dos Deputados a reforma da Lei Hipotecária.

    – A situação está dificílima. Sabemos que a melhora será muito lenta. Mas não me permito desanimar. Se você se dá por vencida, aí, sim, o caminho fica ainda mais duro. Sou jornalista, mas o único trabalho que consegui é ficar na rua, durante cinco horas diárias ao sol, tentando convencer pessoas a contribuírem para uma ONG. Era isso ou telemarketing. Mas não entrego os pontos, embora esteja pensando em emigrar. Falo inglês e italiano e, na Itália, mesmo com crise, tem muita oferta de trabalho – diz Helena Fernández Bilbao, de 24 anos.

    Almudena Heredia, de 27 anos, não chegou a fazer faculdade como Helena. Começou a trabalhar cedo, com 16 anos, no comércio. Nunca tinha ficado sem trabalho até 2009. Com dois filhos para criar, sua vida degringolou: separou-se e voltou a morar com a mãe, impedida de trabalhar por problemas de saúde.

    – No meu caso, não se trata de conseguir chegar ao fim do mês. O problema é começar o mês. Ganho um subsídio do Estado, de 240, porque não tenho seguro-desemprego e ninguém na minha casa trabalha. O pai dos meus filhos nos dá outros 200, e a minha mãe recebe uma pensão por invalidez de 300. Com 740 para quatro pessoas, não basta fazer malabarismos. É preciso fazer magia – desabafa Almudena, cuja família é uma das 5.716 nas quais nenhum de seus membros trabalha, segundo pesquisa do Instituto Nacional de Estatísticas.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/mat/2011/07/02/espanha-dos-anos-de-bonanca-as-dividas-apos-estouro-da-bolha-imobiliaria-familias-mergulham-na-crise-desemprego-vai-de-8-para-21-924822170.asp#ixzz1XyfBrYXm
    © 1996 – 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

    0
  • Sérgio 14 de setembro de 2011 at 22:41

    Um assunto em que havia abordado aqui em outro tópico e que PARECEU não ter tido eco. No entanto, me parece um dos assuntos mais importantes por de trás da bolha: O MESMO ATO FASCITA DO GOVERNO AMERICANO AO NACIONALIZAR A FANNIE MAE E FRED MAC, ou seja, a promulgação da LEI 11908 de março de 2009. O que originou essa lei (antes MPv 443) foi a crise hipotecária e das subprimes americanas. Os nossos empresários, com medo do que aconteceu nos EUA, imploraram ao Lula para que “fizesse” algo para socorre-las em casos de dificuldades “mercadológicas” a que já anteviam (BOLHA). Portanto, em outubro de 2008, um mês após a assunção de U$ CINCO TRILHÕES (não está incorreto a quantia) pelo governo americano das dívidas implicadas da crise, o governo brasileiro lançou mão do MESMO EXPEDIENTE, editando a MPv 443; Essa MPv previa a compra de ações “e” EMPREENDIMENTOS de diversas instituições financeiras “e” CONSTRUTORAS (em h t t p : / / g 1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL831870-9356,00-CAIXA+PODERA+COMPRAR+PARTICIPACAO+ACIONARIA+DE+CONSTRUTORAS+DIZ+MANTEGA.html). Nesse mesmo mês, ainda em 2008, a Caixa já “abria as portas” da CAIXAPar (em h t t p : / / w w w 1.caixa.gov.br/imprensa/imprensa_release.asp?codigo=6609154&tipo_noticia=). Boa parte do empresariado nacional criticou muito tal lei, MENOS os construtores, por algum motivo.
    A primeira empresa a qual a CAIXAPar comprou foi o fabuloso PANAMERICANO (esse mesmo!), adquirindo 49% ações ordinárias e 36% das preferênciais. Foram oito meses de negociação, da qual participaram 03 empresas (privadas) de auditoria: o resultado é que não foram constatadas NENHUMA IRREGULARIDADE (??!!). Um ano depois ocorre o ROMBO e mesmo assim a CAIXAPar continuou.
    A CAIXAPar hoje conta com mais de 15 participações em empresas privadas, sendo que no balanço de rentabilidade de suas participações de 2010, 70% de suas “investidas” apresentaram prejuízo (em h t t p : / / c lippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/8/23/caixa-tem-perdas-em-aplicacao-do-fgts)
    Bem voltando ao tema principal. Essa Lei foi editada com a mesma finalidade do ato americano, de garantir eventuais COBERTURAS de prejuízos que algumas empresas possam incorrer, ou seja, premia-se o mau aempresário com dinheiro público.
    No entanto a Lei tinha data certa para perder sua eficácia: 30/06/2011, se não me engano, podendo ser prorrogado por mais 12 meses.
    O que quero dizer é que está claro a interveniência direta e gritante do Estado em empresas deficitárias e/ou empreendimentos fadados ao fracasso.
    .
    Bem a pergunta que gostaria de lhes fazer, apesar da retórica: até que ponto o governo poderia adquirir desses empreendimentos cujos imóveis variam de 200 K a mais de 1.000 K?
    .
    Numa hipótese de o governo adquirir o Splendor Tatuapé, em SPO, onde os aps estão todos acima de 1 MILHÃO. O governo se tornaria a maior imobiliaria do mundo.
    .
    Seria isso possível, digo de fato, pois, legalmente já é?
    .
    Lei Federal nº 11.908/09

    0
    • Adriano 15 de setembro de 2011 at 07:37

      É, impressionante. Já tinha lido sobre essa lei, mas não tinha ciência desses detalhes. O governo sabe que existe a bolha, se não a lei não teria sentido de ser. Só que a bolha contribuiu e muito para o crescimento do PIB, além do que já é sabido até por crianças de 2 anos, o promíscuo relacionamento entre construtoras e governo especialmente em época eleitoral. Assim, embora essa lei seja a “formalização” do reconhecimento da bolha, acho que não seja algo que valha a pena discutir, já que é ÓBVIO que o governo, com seus milhares de economistas bem formados, têm certeza disso. Me parece que o governo está esperando alguma crise mundial séria para usar como bode expiatório, ou melhor ainda, como tenho visto nas recentes declarações de SECOVI, mídia vendida e mesmo governo, estabilizar os preços e esperar que a inflação real corroa os valores dos imóveis onde tiver de corroer.

      0
      • DRN 15 de setembro de 2011 at 10:42

        E olha como a coisa é marota.

        Nos artigos 1º e 2º, só se fala em aquisição de participação de instituição financeira:

        Art. 1o O Banco do Brasil S.A. e a Caixa Econômica Federal ficam autorizados a constituir subsidiárias integrais ou controladas, com vistas no cumprimento de atividades de seu objeto social.

        Art. 2o O Banco do Brasil S.A. e a Caixa Econômica Federal, diretamente ou por intermédio de suas subsidiárias, poderão adquirir participação em instituições financeiras, públicas ou privadas, sediadas no Brasil, incluindo empresas dos ramos securitário, previdenciário, de capitalização e demais ramos descritos nos arts. 17 e 18 da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, além dos ramos de atividades complementares às do setor financeiro, com ou sem o controle do capital social, observado o disposto no inciso X do caput do art. 10 daquela Lei. (Vide Decreto nº 7.509, de 2011)

        Mas, depois, no parágrafo únido do artigo 3º, mencionam negócios jurídicos com sociedades do ramo da construção civil sob a forma de SPE:

        Art. 3o A realização dos negócios jurídicos mencionados nos arts. 1o e 2o desta Lei poderá ocorrer sob qualquer forma de aquisição de ações ou participações societárias previstas em lei.

        Parágrafo único. Os negócios jurídicos referidos no caput deste artigo com sociedades do ramo da construção civil serão realizados com empresas constituídas sob a forma de Sociedades de Propósito Específico – SPE para a execução de empreendimentos imobiliários, inclusive mediante emissão de debêntures conversíveis em ações.

        A Dilma já prorrogou a vigência da Lei até 30.06.2012 por meio do (Vide Decreto nº 7.509, de 2011).

        Sérgio, EXCELENTE post!

        O PT quer mesmo que o país vire uma Rússia ou pior ainda uma China. Nós temos de impedir isso a qualquer custo.

        Comprando SPEs de construção civil, eles garantem que o empreendimento não deixe de ser entregue e, com isso, salvam os maus empresários, com o objetivo único de convencer a população que isso aqui é uma maravilha.

        Não é por outra razão que eles sonham em controlar a mídia.

        Se o fizerem, num futuro próximo, blogs como esse jamais ficarão no AR e todos nós (não só o Bolha) já estaríamos na cadeia!

        0
        • Sérgio 16 de setembro de 2011 at 15:21

          Penso, que por vias legais, a única forma de se evitar isso seria propagandear, através de redes sociais e do youtube. O meio jornalístico está vendido. O Ministério Público perdeu sua eficácia e o gerente dos bancos, aos quais teríamos acesso vão rir de nós após deixarmos suas mesas.
          A lei tá lá, firme e forte – e funcionando. Nós estamos aqui especulando dentro da legalidade sobre fatos que podem não se concretizar, única e exclusivamente por esta lei.

          0
  • Marcelo 14 de setembro de 2011 at 23:38

    Ja acharam um bode espiatorio: Agora a culpa e da imprensa internacional!!!!!!!

    quarta-feira, 14 de setembro de 2011 17:47
    Febraban diz não ver bolha de crédito no Brasil
    O economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Rubens Sardenberg, classifica como “totalmente fora de propósito a colocação de que haja uma formação de bolha de crédito no Brasil, especialmente no setor imobiliário”, conforme aparece, vez por outra, em artigos da imprensa internacional. Sua colocação foi feita durante coletiva online realizada hoje para divulgar a Pesquisa Febraban de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado referentes a setembro.

    Sardenberg disse que andou analisando os artigos publicados na imprensa estrangeira e comparando com os números oficiais do Brasil e não conseguiu ver nenhuma possibilidade de formação de bolhas no País. Aqui, disse, o crédito total equivale a 47% do Produto Interno Bruto (PIB), o que é um porcentual baixo. Além disso, continuou, o crédito no Brasil é bastante pulverizado. No setor imobiliário é da ordem de 4% e está concentrado na Caixa Econômica Federal (CEF). Ou seja, o setor privado está pouco exposto a essa modalidade de crédito.

    Para Sardenberg, os próprios artigos (sobre bolha de crédito no País) se contradizem quando relatam um comprometimento maior da renda do consumidor brasileiro. Ele explica que aqui há um maior comprometimento da renda porque a taxa de juros no País é muito alta e o prazo dos financiamentos é curto. Por isso, os brasileiros comprometem uma parcela maior da renda. Por outro lado, pondera, pagam suas dívidas em um prazo bem menor do que os americanos. “Mesmo assim, o comprometimento da renda é bem menor do que a imprensa internacional tem divulgado”.

    0
    • Marcelo 14 de setembro de 2011 at 23:41

      “expiatorio”

      0
    • RT 15 de setembro de 2011 at 07:35

      Chamo a atenção para uma coisa: outro dia, um colega comentou por aqui sobre como os que apresentam argumentos “anti-bolha” refutam sua existência com argumentos nada a ver.

      Você diz “há bolha porque ninguém tem renda pra sustentar esses preços” e eles respondem “não há bolha porque o crédito é seguro”.

      Destaco abaixo o que o sujeito disse na reportagem:

      “Aqui, disse, o crédito total equivale a 47% do Produto Interno Bruto (PIB), o que é um porcentual baixo. Além disso, continuou, o crédito no Brasil é bastante pulverizado. No setor imobiliário é da ordem de 4% e está concentrado na Caixa Econômica Federal (CEF). Ou seja, o setor privado está pouco exposto a essa modalidade de crédito.”

      Como eu mesmo comentei depois, eles sempre usam esse mesmo argumento para dizer que os preços não estão em bolha. Mas nunca falam quem vai ter renda para sustentar o cenário atual.

      0
    • Adriano 15 de setembro de 2011 at 07:52

      Confiar em febraban é pior que confiar em SECOVI. Banqueiro tem moral zilhões de vezes pior do que a de construtores, só que é milhões de vezes mais inteligente. Em outras palavras, qualquer coisa que venha da febraban, deve ser solenemente desconsiderada. O banqueiro brasileiro é ainda pior do que o usual porque não está acostumado a perder NADA. Então mesmo a carteira de imóveis representando pequena parte da sua carteira de ativos, já viram que fizeram merda. Como já mencionei aqui mesmo neste fórum, o único adversário real do banqueiro é ele mesmo (sua ganância). A luta é sempre entre lógica econômica/inteligência X ganância. E a ganância exacerbada é pré-requisito para o banqueiro crescer. E o pior, os comentários da imprensa internacional vieram num momento que as construtoras/febraban fazem uma pressão enorme para aumento do valor do imóvel usando o FGTS (750K), ou seja, quando eles podem raspar o tacho e garantir o deles, seria só enrolar o mutuário mais uns aninhos e se deixasse de pagar, fo..-se. O imóvel estaria valendo menos, mas é provável que o valor justo se aproximasse mais do que eles teriam registrado nos seus ativos, o mutuário entubaria o prejuízo, já que no leilão venderia por menos (ou seja, não teria nada de volta) e o banqueiro viveria feliz para sempre. Teria conseguido a proeza de transferir todo os recursos do FGTS para seu caixa só por conta da bolha.
      Já perceberam que a Dilma é um pouquinho mais técnica que Lula, e faz um docinho antes de abrir as per….., e já tinham desacostumado a ter que dar maiores explicações. Imagino a pressão que a Dilma esteja recebendo neste momento. Sinceramente, ainda tenho alguma esperança, que ela não acabe de enfiar o punhal e girar nos recursos do FGTS que é do corno do trabalhador.

      0
      • RT 15 de setembro de 2011 at 08:12

        Só o que faltava mesmo ela alterar esse limite máximo, como se ele já não fosse bem alto.

        Vai estar corroborando esses preços loucos se fizer isso.

        Só imagino a pressão que os agentes do setor não estão fazendo.

        Mas é sempre bom lembrar que o FGTS tem um rendimento ridículo, e leva muito tempo pra juntar uma grana apreciável nele. Eu acharia ridículo que resolvessem subir os preços ainda mais em caso de aumento, sob a alegação de que “o aumento do FGTS botou muito mais dinheiro no mercado”. Por essa alegação, uma pessoa que tem, digamos, 70 mil de FGTS… antes não ia comprar apartamento porque “só” poderia pensar em um de 500 mil. Mas agora que o limite aumentou, beleza??

        Não concordo com esse raciocínio. Pra mim, os preços já extrapolam em muito seu limite máximo possível: a renda dos compradores. Só com muita mágica pra conseguir aumentá-los e continuar vendendo.

        0
        • Adriano 15 de setembro de 2011 at 09:14

          “Eu acharia ridículo que resolvessem subir os preços ainda mais em caso de aumento”.
          Mais foi isso o que fizeram quando anteriormente o limite era de 200K e subiu para 500K. A remarcação dos preços foi automática.

          E o problema é que para usar os recursos do FGTS o imóvel precisa estar valendo menos do que 500K NO MERCADO QUANDO DA ENTREGA DAS CHAVES. Ou seja, esse povo todo que comprou na planta, se o imóvel deles estiver valendo MAIS do que 500K NO MERCADO, não conseguem usar o FGTS. Entende aogra o desespero? E no Rio e SP 500K, só tá dando para comprar quitinete.

          Raciocínio do banqueiro. Vamos lá e vou citar um exemplo extremo:
          – Valor justo do imóvel: 100K
          – Saldo do FGTS do côrno: 80K
          – Valor do imóvel na bolha: 300K
          – Côrno usa FGTS como entrada e fica devendo ao banco 220K

          O banco já têm então 80K, o imóvel quando a bolha estourar volta aos 100K. O risco do banco é então de 120K. Ele só precisa fazer o corno pagar ESSE valor. Com os recursos do FGTS que serão depositados após o início das prestações na conta do FGTS do trabalhador, tudo ficará mais fácil. O banco consegue fazer o côrno usar esses recursos fácil, fácil. Depois que ele amortizar os R$ 120K, fo—se ele. Pode deixar de pagar o quanto quiser.

          0
          • RT 15 de setembro de 2011 at 09:41

            Sim, tenho certeza que se aumentar o limite máximo para usar FGTS, os preços vão subir automaticamente.

            Minha intenção era mostrar o quanto isso está descolado da realidade. Juntar algo como 80 mil em FGTS leva anos. E 80 mil perto dos preços atuais já não faz nem cosquinha… Pra comprar um apartamento de 500 mil, ainda restaria 420 mil a financiar, a menos que a pessoa tenha algum guardado.

            Acho que pra poder financiar 400 mil, a pessoa tem que ter renda de algo tipo 12 mil.

            Se o governo aumenta o limite, e o preço é reajustado em “só” 50 mil reais, vão restar 450 mil a financiar.

            Mas sim, tenho certeza que os preços seriam reajustados. Hoje, qualquer coisa é desculpa. Copa, Olimpíadas, até UPP… perto disso tudo, FGTS até soa melhor como argumento a favor dos caras. Mesmo sabendo que, com o teto atual, usar o FGTS não garante…

            0
            • Annibal 15 de setembro de 2011 at 10:23

              para conseguir financiar 400k, o cara tem q ganhar algo em torno de 14k

              0
            • Adriano 15 de setembro de 2011 at 11:47

              “Acho que pra poder financiar 400 mil, a pessoa tem que ter renda de algo tipo 12 mil.”

              Eles vão aumentar o valor do imóvel de 500K para 700K, não tenho dúvidas. Vai dar mais fôlego a bolha. Como estamos no limite, eles farão um “desconto” de 50K e venderão por 650k. E o corno é que assuma a prestação. Eles estão falicitando o crédito. Essa história de que o no Brasil o crédito é responsável é uma balela sem tamanho. No Brasil o crédito imobiliário é INEXPERIENTE. Já o crédito convencional é tão sólido como uma gelatina. Mas como os juros SÃO ABSURDOS e os prazos curtos, compensa em muito as perdas com os inadimplentes. Eu não duvido nada que os banqueiros, espertos como são, já estejam se protegendo através de contratos de hedge com as construtoras baseados na valorização imobiliária ou coisa parecida, se não risco deles tende a aumentar e muito.

              0
              • Annibal 15 de setembro de 2011 at 11:54

                Eu fiz uma simulação na caixa e tinha dado esse valor como o da remuneração bruta para um jovem conseguir um financiamento de 400k na compra de um imóvel de 500k, dando 100k de entrada, mas sei q podem ter bcos com outros valores…. e conjugando idade com remuneração pode-se chegar a um valor melhor

                0
  • MrK 15 de setembro de 2011 at 05:15

    Atençao, dolar subiu pela 10a vez consecutiva, justamente num momento em que pipocam manchetes ruins do Brasil lá fora sobre bolha de crédito .. se o dolar realmente seguir essa tendência pelas próximas semanas o negócio vai azedar…

    vejam bem a pespectiva do investidor internacional pro Brasil:
    Juros Brasileiros em queda
    Bolsa Brasileira mais inflada (melhor investir nas bolsas internacionais)
    Mercado imobiliario travado
    Moeda Brasileira desvalorizando

    Não tem muito mais onde ele investir aqui, exceção somente pra investimento de empresas de setores especificos como oleo e gas, mas que sozinhas não seguram o rojão.

    Voltando ao mercado imobiliario, as vendas já travaram, o mercado imobiliario está em cima do muro só esperando bater um vento pra cair prum lado, se o dolar continuar subindo e as linhas de crédito comecarem a sair, o negócio vai ficar feio já já

    0
    • DRN 15 de setembro de 2011 at 10:47

      MRK, quando eu quis comprar 10k de dólar há dois meses vc desaconselhou… (rsrsrsrs).

      0
      • MrK 15 de setembro de 2011 at 12:00

        eu disse lá atras, que era melhor comprar ouro e franco suico, lembra? Ouro subiu bem mais que o dolar!

        falando do dolar…é bem verdade que ele tem subido e pode sim subir mais, mas como voce vai recomendar a compra de uma moeda que representa um governo quebrado? só porque o pessoal tá comprando? é meio dificil, em analise fundamentalista o dolar nao tem sentido comprar (mas pode sim subir mais pelo ‘fly to quality’ maluco que se tem visto)

        abs

        0
        • DRN 15 de setembro de 2011 at 12:19

          Mrk,

          É verdade. Vc recomendou franco suíço e ouro. Tenho de admitir, até porque está documentado.

          E eu também concordo que é realmente difícil prever uma alta com essa instabilidade. Na verdade, especular é sempre arriscado. Com moeda, com ações e com qualquer outro ativo, como (vejam só que coisa) com IMÓVEIS!

          Saudações e abraço.

          0
        • Duda 15 de setembro de 2011 at 13:58

          Bom, isto é fato: o ouro é e vem sendo o investimento mas rentável e seguro há 10 anos. Com as maquinas de fazer dolar (e em mais um ou dois meses, tmabem as de euros) ligadas a toda velocidade, o ouro continuará sendo o melhor investimento, por varios anos a fio. Para quem desejar optar por este investimento sugiro visitar o site da MARSAM. digitar no google direto.

          0
          • Luiz 15 de setembro de 2011 at 14:57

            eu comprei o fundo cambial pro motivos de viagem, 5 mil, quie já rederam 200 reais,s efosse 10 rendia 400.

            o duro é fazer esses lances com grnades quantidade de dinheiro, tem que ter estomago forte.

            Estou pensando em zerar o fundo camibal e esperar o proximo salto

            0
  • Carcará 15 de setembro de 2011 at 09:00

    Caro(a)s,
    vamos fazer um exercício de imaginação. Suponhamos que somos uma construtora e já havíamos adquirido um terreno para a realização de um empreendimento cujo VGV estimamos em R$ 100 milhões. Como sabemos que o nosso VGV está inflado em pelo menos 50% e os custos estão altissímos, ao analisar o cenário atual hesitamos em levantar o prédio, pois estamos com o seguinte dilema:
    1. Se fizermos o lançamento e derreter tudo (hipótese pouco provável) é possível que os investidores (tolos maiores) nos devolvam os apartamentos quando perceberem que são os últimos da fila;
    2. Se decidirmos levantar o prédio com nossos recursos (ou alavancados), teremos um prejuízo tremendo, pois compramos um terreno caro, a mão-de-obra está alta e meu VGV está cheio de gotículas de sabão.

    Acredito que diante desse cenário, a tendência vai ser as construtoras recuarem nos lançamentos e construções nos próximos 2 anos. E isso levará ao completo desarranjamento do setor, com consequências para toda economia (não estou entrando na questão do financiamento, subprime…), sobretudo em relação ao desemprego. São as consequências naturais do PLOC que a imprensa esconde, preferindo argumentar que não há subprime. Ah, eu nunca cai nessa de que o BC abaixou a SELIC pelo panorama externo. Eles perceberam que há uma bolha de crédito, em geral, e uma bolha imobiliária, em particular, e estão tentando fazer o que melhor fazem – culpar os outros.

    Em favor da tese de que as construções tendem a recuar, há duas notícias publicadas essa semana. Uma, a piada em comento do cancelamento do salão imobiliário por excesso de oferta. Outra, mais sutil, que postei acima, a informação de que a LOPES CONSTRUTORA decidiu apostar suas fichas a partir de agora no imóveis usados.

    Gostariam da opinião dos senhores e senhoras sobre esse pequeno exercício de imaginação.

    Abraços

    0
    • RT 15 de setembro de 2011 at 09:23

      “cancelamento do salão imobiliário por excesso de oferta”

      Uma pequena correção: excesso de DEMANDA, né?

      Milhares de integrantes da “nova classe média”, com seus super salários, quase saindo no tapa para entrar no salão e arrematar seu cubículo de 700 mil, dando metade de entrada (porque boa parte deles têm 350 mil, que nem é mais dinheiro) e financiando o restante em prestações que seus salários agüentam numa boa.

      0
    • MrK 15 de setembro de 2011 at 09:25

      amigo, minha opinião elas não tem muito dilema não… o preço está no melhor momento de todos por isso elas irão tentar enfiar o quanto mais apartamentos conseguirem, desovar mesmo, elas não tem a flexibilidade que uma imobiliaria como a LOPES tem de escolher com o que trabalhar (novos ou usados), ela só tem um produto (novos) e é esse que elas querem vender pelo maior preço possível

      se elas segurarem os lancamentos, correm o risco do preço cair e elas deixarem de surfar um pouco mais na onda.. prova disso é que os lancamentos estao com força total em termos de anúncios.. o que eu acho que elas farão em termos de fomentar demanda é dar descontos, mesmo com descontos tá valendo a pena pra elas

      0
      • Carcará 15 de setembro de 2011 at 13:14

        MrK,
        concordo em relação ao lançamento. Mas a questão é se os lançamentos serão concretizados? Eles enfiarão grana em um canteiro de obras que será entregue daqui a 4 anos, correndo o risco de uma desvalorização de 50%. Refiro-me à situação de não vender bem na planta ou vender aos que vão devolver? Eles vão realmente construir diante de um cenário tão negro?

        0
        • DRN 15 de setembro de 2011 at 14:35

          Eu também acho que vão tentar desovar os empreendimentos já lançados, mas que vão segurar outros, ou pelo menos segurar aqueles que se localizem em áreas mais saturadas.

          Uma informação de insider agora viria bem a calhar…

          0
    • Carlos Eduardo 15 de setembro de 2011 at 10:57

      Vou levantar uma polêmica aqui!!! rs

      imagino que estas construtoras já pertençam ao ( governo/alguns partidos politicos )
      ou um percentual de cada uma delas ( empresas )!

      até acredito em desavisados ricos pelo mundo que não tem onde enfiar grana…
      porem é muito estranho as reações que as construtoras tem na bolsa!
      é quase metafisico, contra a razão!!
      sempre que está em declineo! e mesmo tendo balanços cada vez pior!

      ai o governo arrecadando 1 trilhão de reais em pleno mês de setembro, ainda fala de criar mais impostos!

      não seriam esses impostos usados para criar essa bolha, afim de segurar os empregos de alguns peões e a lucro de outros partidos ???

      imagino parte desses milhões em impostos segurando a especulação na bolsa!

      sempre desconfiei que o MCMV fosse uma forma do governo lavar dinheiro, assim como as outras que vemos todos os dias!

      já trabalhei em orgão publico e pedi demissão por não querer pactuar com o que via lá, sei oque vi !!!

      sabemos oque está acontecendo!!! ou não ?

      0
  • JavaPauloMG 15 de setembro de 2011 at 09:43

    Olha ai amigos o desespero recebi via celular hoje

    Feirao de Imoveis Caixa 2011! Casas e aptos 2/3 qts em toda Grande BH com prestacoes a partir R$199! Programa Minha Casa Minha Vida! Ligue 3335-0222

    0
  • Sérgio 15 de setembro de 2011 at 10:30

    Bem, a existência da BOLHA é certa; seu estouro também; que todos os banqueiros, construtores, jornalistas e governantes sabem de sua realidade também é fato, apesar de agirem como avestruz; que vão botar a culpa na crise internacional, também é mais que certo.
    Com isso eles podem lançar mão da lei 11908, a exemplo do PROER de 1995.
    Pelo que conheço do governo dilma, ao qual pertenço, arrisco a dizer que ela não faria isso.
    Mas se fizer, teremos a mais nova estatal brasileira: a IMOVELBRAS.
    Resta saber se, no caso positivo, continuarão dando os subsídios de 23k ou de 50%!

    0
  • Carlos Eduardo 15 de setembro de 2011 at 11:01

    Vemos as pessoas cada vez mais dependente do governo…
    As empresa cada vez mais dependente do governo.. .

    ei brasileiro..
    você não podera ter nada sem ajuda do governo! e seja grato por ajudarmos você!!

    Populismo medilcre!

    jajá o governo cria a bolsa, bolsa … para ajudar essas empresas

    0
  • Paty 15 de setembro de 2011 at 11:54

    Governo fecha o cerco aos carros importados

    Preocupado com a recente invasão dos carros chineses no Brasil, o governo vai anunciar nos próximos dias mudanças na cobrança do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os automóveis, com o objetivo de tornar os automóveis produzidos no País mais competitivos.

    O ministro da Fazenda, Guido Mantega, se reúne hoje com representantes da associação do setor, a Anfavea, e das centrais sindicais para apresentar as medidas.

    Mantega e Fernando Pimentel, ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, também devem acertar hoje os últimos detalhes das medidas a serem anunciadas em breve.

    Quando o governo anunciou o Plano Brasil Maior, em agosto, estava prevista uma redução do IPI para as montadoras que investissem em inovação. A medida precisava, no entanto, ser regulamentada.

    O governo decidiu ampliar a abrangência dessas medidas para atender os pedidos das montadoras diante do crescimento acima das expectativas da importação de automóveis, principalmente dos chineses.

    A importação de carros chineses já representa hoje 11% do mercado de automóveis no Brasil.

    Enquanto isso, aumenta a quantidade de veículos produzidos no País nos pátios das montadoras. Os estoques de veículos novos atualmente acumulados no Brasil equivalem a 37 dias de vendas. O nível considerado normal está entre 28 e 30 dias, segundo a Anfavea.

    0
  • MrK 15 de setembro de 2011 at 11:56

    Voces ficam comparando Brasil com Europa ou America?

    Sinto dizer-lhes, mas a exceção de alguns paises da africa (alguns, pois tem paises africanos melhores que o Brasil), alguns da america latina, vietnam, laos e camboja… o Brasil é o pior lugar pra se morar no mundo. Carissimo, inseguro e pessimo servico do governo.

    No Brasil voce precisa ser milionario pra ter uma qualidade de vida que uma pessoa normal tem mundo a fora, nao estou falando de EUA, Europa, Australia, Canada… mesmo em países como Africa do Sul, Chile, Mexico, vive-se um milhao de vezes melhor que no Brasil

    0
    • Annibal 15 de setembro de 2011 at 13:33

      MRK,

      Concordo com vc, fui ao chile um pouco antes do problema com vulcão… é um lugar impressionante, uma “tripinha” entre o deserto e a cordilheira, onde protestos, terremotos e alguns problemas, mas vive-se bem lá… o povo é muito educado, carros são infinitamente mais baratos q aqui, ruas limpas, a periferia de lá é bem melhor q nossas favelas… além disso, pra quem é do Rio, como eu, não ouvi ninguém falando de pessoas com fuzis assaltando nas ruas….

      0
    • Duda 15 de setembro de 2011 at 16:33

      Falou tudo. A qualidade de vida no Brasil é, simplesmente, péssima. Não estou falando de salarios, ou de negocios, ou de investimentos. Estou falando de segurança, tempo livre, transporte, lazer, saúde, qualidade de educação, honestidade, cuidado do meio ambiente… e por aí vai. Como vc bem falou MrK, no Brasil tem que ser rico mesmo para conseguir ter essas coisas que em muitos outros paises são de graça (so viajar ate Argentina, Chile, Uruguay na propria america do Sul para confirma-lo). Na Argentina a universidade é de graça, não estuda quem não quer. Em Chile tem protestos para conseguir isso também. Quando iremos ter universidade gratuita para quem quiser no Brasil? Hj para fazer uma faculdade tem que ser rico. E duro de se dizer, mas o brasileiro é muito nacionalista simplesmente porque não tem educação. Se soubesse como é viver em outros países (e tem muitos) melhores, as revoltas e protestos começaríam na hora. A maioria por aqui fica conforme con voltar a casa as 20:30 para asistir a novela, ir durmir e acordar as 5:30 para pegar onibus. Vida de cão.

      0
  • felipe 15 de setembro de 2011 at 12:30

    Existe um bolha imobiliaria, porém ela não vai estourar.

    Não acredito que ela estoure porque o brasileiro sempre dá um jeito. Compram GOL por 40 mil reais, compram Honda CITY fabricado no Brasil por R$ 56 mil, enquanto o mesmo carro que é exportado para o México, ou seja, ele já pagou os tributos daqui é vendido lá por R$ 26 mil. O novo carrinho da VW que será lançado aqui no Brasil por R$ 50 mil, custa na europa R$ 27 mil e dizem que tem que ser vendido aqui por R$ 50 mil por causa das taxas de importação que são 35%, bem 35% de R$ 27 mil somando com R$ 27 mil não dá R$ 50 mil… E o povo compra.

    E vão continuar comprando, porque brasileiro gosta de futebol, cerveja e samba…

    0
    • Mrk 15 de setembro de 2011 at 14:12

      Amigo, ate concordo com parte do seu comentario, a parte q diz que brasileiro paa caro e paga mal, mas com imovel nao se trata de pagar caro, se trata de poder pagar, tem uma sutil diferenca… Ate acredito que o brasileiro pagaria esses precos loucos ss pudesse, viu? Mas ele ao pode e ai que ta o problema!ncarromeh caro? Eh! Mas uma coisa eh falar de 40mil, outra de 1milhao, abs

      0
    • DRN 15 de setembro de 2011 at 14:26

      Eu também não acho que vá estourar. Acredito nos descontos (10 a 20%) e em corrosão do valor pela inflação. E justamente porque, com descontos dessa ordem, o brasileiro (otário que é) vai voltar a comprar se, passados alguns meses, perceber que o preço não vai cair mais.

      0
    • Mahmoud 15 de setembro de 2011 at 16:34

      Em relação aos carros, eu já pensei nisso também. O que mais tem é brasileiro comprando carro de 80 mil (que vale 40), sacrificando metade do salário para pagar em 60 meses. E isso já ocorre há decadas, pois carro aqui sempre foi caro. Sempre teve nego quase passando fome mas fazendo questão de ter um carro caro. Se o povo acha normal fazer isso com carros, pode achar normal financiar cubículos por meio milhão. Isso talvez suavize um efeito da bolha, pois brasileiro adoooora pagar caro.

      0
      • Paty 15 de setembro de 2011 at 18:26

        Mahmoud, chegou a hora da escolha ou vc compra um carro ou uma casa, com a renda da familia brasileira fica muito complicado financiar uma casa em 30 anos e um carro em 5 anos.. a renda simplismente não permite.Por isso vivemos em uma bolha com td caro e economia parada meu sogro é comerciante e o mes passado ele nao teve lucro, nao empatou, levou prejuizo, ele disse que só teve prejuizo na epoca do Collor e agora esta no vermelho denovo..esse mes a situaçao vai ser a mesma para ele, nos estamos ajudando e daqui a 15 dias vou tirar ferias forçadas para dar um help para ele. Quantos pequenos comerciantes estão na mesma situaçao, na minha opiniao muitos..

        0
  • Dan 15 de setembro de 2011 at 13:01

    Índice que reajusta aluguéis quase dobra na primeira prévia do mês
    Thais Leitão
    Da Agência Brasil

    COMENTE
    Rio de Janeiro – O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), que serve como referência para reajuste em contratos de aluguel, subiu 0,43% na primeira prévia de setembro.

    A taxa, divulgada nesta sexta-feira (9) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), superou o resultado de igual período do mês anterior, que foi 0,22%. No ano, o indicador acumula alta de 3,93%, e no período de 12 meses, de 7,23%.

    O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) aumentou de 0,28% para 0,49%. Os itens que mais contribuíram foram: minério de ferro (de -1,94% para 2,97%), café em grão (de -2,57% para 7,59%) e soja em grão (de 1,97% para 4,09%). Também houve elevação em materiais e componentes para a manufatura (de -0,99% para -0,46%).

    O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) também pressionou o IGP-M no período, passando de 0,07% para 0,42%. Cinco das sete classes de despesa registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu dos alimentos (de -0,25% para 0,60%), principalmente frutas (de 1,24% para 5,53%), hortaliças e legumes (de -4,54% para -2,84%) e carnes bovinas (de -0,12% para 1,36%).

    Também apresentaram acréscimo em suas taxas os grupos vestuário (de 0,25% para 1,92%), saúde e cuidados pessoais (de 0,39% para 0,54%), educação, leitura e recreação (de -0,02% para 0,16%) e transportes (de 0,12% para 0,20%).

    Por outro lado, diminuíram as taxas de habitação (de 0,25% para 0,21%) e despesas diversas (de 0,08% para -0,01%).

    O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) foi o único componente do IGP-M a apresentar decréscimo no período, tendo passado de 0,16% para 0,10%. Os materiais, equipamentos e serviços diminuíram de 0,26% para 0,18% e o custo da mão de obra, de 0,06% para 0,01%.

    Para calcular o IGP-M, foram coletados preços entre os dias 21 e 31 de agosto.

    ___
    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/09/09/indice-que-reajusta-alugueis-quase-dobra-na-primeira-previa-do-mes.jhtm

    0
  • Elias 15 de setembro de 2011 at 13:46

    Ontem estive lendo sobre a bolha imobiliária do Japão, que estourou no início de 1990.

    O auge dos preços aconteceu em 1989, fruto do intenso fluxo de capital de anos anteriores para aquele país em busca da valorização de suas empresas na bolsa, combinado com a contínua valorização do iene – ganhava-se duas vezes, na bolsa e no câmbio. Este dinheiro capitalizou empresas e bancos. As empresas investiam, inclusive em empreendimentos imobiliários, e os bancos emprestavam para os ávidos investidores japoneses, que compravam mais ações e mais imóveis, realimentando o ciclo.

    Em 1989 ano a valorização atingiu seu ápice, a ponto de até mesmo estrelas do baseball não terem condições de comprar seu imóvel. Os bancos chegaram a desenvolver hipotecas de 100 anos, três gerações. Bem assim, a valorização do iene estava prejudicando a competitividade da indústria japonesa.

    Certo de que tais preços estavam na iminência de causar uma desarmonia social, o Banco Central tomou medidas para desacelerar o crédito imobiliário, para que a taxa de crescimento do crédito imobiliário fosse menor que a taxa de crescimento do crédito total.

    Com a desaceleração no crédito imobiliário, os investidores que compraram por último entraram em dificuldade: ficaram impossibilitados de contrair novos empréstimos pra pagar a diferença entre a renda do aluguel (menor) e a prestação da hipoteca (maior) – não dava mais pra financiar dívida antiga com dívida nova. Assim, tiveram que se desfazer dos imóveis, todos ao mesmo tempo (efeito manada), fazendo os preços caírem e jogando por terra a máxima de que “imóveis sempre se valorizam”.

    A renda do aluguel ficou menor que a hipoteca porque os preços dos imóveis subiram muito mais que a renda da população. Parece familiar?

    0
  • xyz 15 de setembro de 2011 at 13:55

    Decretada intervenção no OBOÉ.

    h ttp://www.valor.com.br/financas/1007798/bc-decreta-intervencao-na-financeira-oboe

    0
    • Carlos Eduardo 15 de setembro de 2011 at 15:50

      vergonha!

      é por isso que precisam de mais impostos!!!

      vão ter que intervir em muitas outras empresas!

      0
  • Anonymous 15 de setembro de 2011 at 14:02

    Mulher de malandro é aquela que gosta de apanhar e tem prazer em ser humilhada. Considerando esse conceito, acho que posso definir o CIDADÃO DE MALANDRO como aquele que gosta de pagar imposto sem nada receber em troca e gosta de ser tomado por trouxa pagando por qualquer bem ou serviço bem mais do que o seu valor. Essa definição cai como uma luva a todos os Brasileiros que preferem morar no Brasil.

    0
  • Anonymous 15 de setembro de 2011 at 14:04

    Minha mensagem sobre CIDADAO DE MALANDRO saiu em lugar errado. Veja acima.

    0
  • Anonymous 15 de setembro de 2011 at 14:07

    MULHER DE MALANDRO é aquela que gosta de apanhar e tem prazer em ser humilhada. CIDADÃO DE MALANDRO como aquele que gosta de pagar imposto sem nada receber em troca e gosta de ser tomado por trouxa pagando por qualquer bem ou serviço bem mais do que o seu valor. Essa definição cai como uma luva a todos os Brasileiros que preferem morar no Brasil.

    0
  • FQ 15 de setembro de 2011 at 14:41

    JORNAL VALOR ECONÔMICO – HOJE 15/09/11
    —————————————————————————
    Bancos aumentam rigor na concessão de créditos

    http://www.valor.com.br/financas
    —————————————————————————–
    Mesmo com corte da Selic promovido há duas semanas, bancos mantêm cautela na concessão empréstimos e financiamentos.

    Para tentar contornar a alta da inadimplência, desde o início do segundo semestre os bancos têm se mostrado mais “seletivos” e dessa forma devem continuar agindo, segundo executivos ouvidos pelo Valor.

    Embora o panorama esteja longe de ser catastrófico, o aumento da inadimplência combinado a pressões inflacionárias têm contribuído para redobrar a cautela das instituições financeiras, que estão mais rigorosas na liberação de crédito tanto para pessoas físicas como para micro, pequenas e médias empresas. “O cenário de menor consumo no mundo pode, sim, afetar o Brasil”, afirma Rogério Calderón, diretor de controladoria do Itaú Unibanco.

    O Itaú Unibanco foi uma das primeiras instituições financeiras a chamar atenção para a tendência de deterioração da qualidade de crédito no sistema, ainda no primeiro trimestre, por ocasião do anúncio de resultados de 2010. Mais à frente, o mercado pôde verificar que foi também um dos bancos que mais sofreram com o aumento do calote.

    Para Calderón, os impactos do aumento de inadimplência no resultado do banco deverão ser sentidos até o terceiro trimestre….

    0
  • Leonardo 15 de setembro de 2011 at 14:44

    http://noticias.r7.com/blogs/sophia-camargo/2011/09/08/estamos-vivendo-uma-bolha-imobiliaria-como-a-que-aconteceu-nos-eua/

    O kra diz que não vivenciaremos uma bolha imobiliária, mas dá seus conselhos: Quem quer comprar espere e quem quer vender essa é a hora…

    Que maravilha de entrevista… hauhaua

    0
    • Carlos Wagner 15 de setembro de 2011 at 17:23

      Ah. Achei que fosse uma reportagem seria. O entrevistado repetiu o mantra e disse coisas mais que obvias. Já a entrevistadora não entendia nada do assunto para que perguntas inteligentes fossem formuladas, ela deve entender de culinaria pelo jeito.

      Lamentavel essas entrevistas onde querem convencer as pessoas, a qualquer custo, que não existe bolha.

      Que tragam, ao menos, novos argumentos para que possamos avaliar aqui.

      0
  • Leonardo 15 de setembro de 2011 at 14:51
  • Carcará 15 de setembro de 2011 at 14:53

    Um pouco de história. Criso do Encilhamento no início da RB, aliás por culpa do RB

    “O deslumbre com a possibilidade de enriquecimento pessoal rápido, tanto nos gestores da economia da época, que trabalharam para se beneficiar do movimento, quanto da multidão de pequenos especuladores, que prejudicou à si própria ao se deixar manipular, ajudando a inflar uma bolha econômica, participando do processo sem ter vocação, conhecimento e experiência mínimos necessários[26] para que, atentando aos detalhes legais, pudessem tentar tirar real proveito do movimento, dispondo de estratégias de negociação próprias e controle de risco individual adequados que, teriam evitado inúmeras quebras e suas nefastas consequências.

    Embora o estouro da bolha tenha se dado entre 1890-91, seus efeitos econômicos e políticos se fizeram ao longo de toda aquela década, tendo somente ao final do governo de Campos Sales, com Rodrigues Alves no comando da economia brasileira, sido amenizados, porém a um alto custo social,[27] devido ao caráter tradicional e ortodoxo das medidas de ajuste econômico adotadas em consonância com solicitações do grande capital internacional.”

    0
  • Luiz 15 de setembro de 2011 at 15:52

    “O Brasil é uma merda mas é bom.
    A Europa é boa mas é uma merda”
    velho ditado

    Meu caso foi mais ou menos assim, o Br nunca esteve pra mim tão ruim a ponto de eu largar tudo e me mandar, nem nunca esteve bom a ponto de ficar satisfeito.

    A europa por pior que esteja, aind aé um n´viel de vida n vezes melhor que no Brasil

    O top daqui é pior que a média de lá, pq o top daqui inclui vc viver preso em condominios disso daquilo igual galinha de granja, com gente em sua maioria estupida e sem conteudo mas que por algum motivo esquisito consegue estar seu vizinho.

    0
    • Anonymous 15 de setembro de 2011 at 16:39

      Luis, O Brasil é uma merda e PONTO FINAL.

      0
      • Luiz 15 de setembro de 2011 at 17:17

        talvez eu mude de idéia 1 dia
        sequer cogito a possibilidade de morar,t rabalhar ou mesmo tirar férias nos EUA.
        por algum motivo inexplicavle nunca me atraiu

        0
    • Annibal 15 de setembro de 2011 at 17:27

      É exatamente assim q eu me sinto… vivendo ao redor de ignorantes, não somente por falta de estudo, mas por assimilar toda informação q lhes é dada sem questionar, aceitando como verdade absoluta tudo o q a caixa preta diz (tv)… não aguento ter q explicar coisas simples, tipo explicar q negar uma bolha por conta da relação dívida/PIB é uma desculpa esfarrapada… ninguém nem sequer reflete o q é uma bolha por definição, mas diz q não existe…

      0
      • FQ 16 de setembro de 2011 at 09:44

        Concordo Annibal!

        0
    • Miguel David Silveira 16 de setembro de 2011 at 12:56

      Luiz, estive como turista na Europa algumas vezes e posso te afirmar que a classe média daqui, principalmente a média/média e a média/alta, tem inúmeras regalias que lá simplesmente não existem (babá, faxineira, empregada, porteiro, …). Sem contar que por aqui come-se mais e melhor. Achei os povos de lá, de um modo geral, muito bonitos fisicamente, mas fiquei na dúvida se as pessoas são elegantes porque comem pouco. Por exemplo, vi muita gente na hora do almoço comendo sanduíche, andando. Alguns nem param pra comer. Não há comida por quilo ou loja de empadas, salgados, não existem camelôs vendendo bobagens (chocolates, …), enfim, tive a impressão que na média os povos lá tem mais cultura e melhores serviços públicos que aqui, mas o supérfluo quase não se vê, tudo muito econômico. Agora, naturalmente que é pouco provável que exista por lá (ao menos na Europa Ocidental) as vergonhas de nossos hospitais e serviços públicos.

      0
      • Duda 16 de setembro de 2011 at 16:06

        Miguel, da Europa conheço a Suecia. O que posso dizer? Já escreví acima o que penso. No Brasil falta qualidade de vida. Tanto falta, que a maioria nem sabe o que quer dizer “qualidade de vida”. Mas não vou me extender de novo sobre o assunto. Tem duas pessoas no site que moram ou moraram na Europa e explicaram perfeitamente bem o conceito, o que se perde quando voltaram para o Brasil. O Mrk também falou sobre o assunto. No momento atual, supostamente “bom” do nosso pais, ainda perdemos nos dois itens: “nivel de vida” (ligado ao poder de compra) e no item “qualidade de vida” perdemos muito mais feio ainda.

        0
  • Luiz 15 de setembro de 2011 at 15:54

    copiando pr fim
    “O Brasil é uma merda mas é bom.
    A Europa é boa mas é uma merda”
    velho ditado

    Meu caso foi mais ou menos assim, o Br nunca esteve pra mim tão ruim a ponto de eu largar tudo e me mandar, nem nunca esteve bom a ponto de ficar satisfeito.

    A europa por pior que esteja, aind aé um n´viel de vida n vezes melhor que no Brasil

    O top daqui é pior que a média de lá, pq o top daqui inclui vc viver preso em condominios disso daquilo igual galinha de granja, com gente em sua maioria estupida e sem conteudo mas que por algum motivo esquisito consegue estar seu vizinho.

    0
    • Miguel David Silveira 16 de setembro de 2011 at 12:58

      Luiz, repetindo o que já te falei, estive como turista na Europa algumas vezes e posso te afirmar que a classe média daqui, principalmente a média/média e a média/alta, tem inúmeras regalias que lá simplesmente não existem (babá, faxineira, empregada, porteiro, …). Sem contar que por aqui come-se mais e melhor. Achei os povos de lá, de um modo geral, muito bonitos fisicamente, mas fiquei na dúvida se as pessoas são elegantes porque comem pouco. Por exemplo, vi muita gente na hora do almoço comendo sanduíche, andando. Alguns nem param pra comer. Não há comida por quilo ou loja de empadas, salgados, não existem camelôs vendendo bobagens (chocolates, …), enfim, tive a impressão que na média os povos lá tem mais cultura e melhores serviços públicos que aqui, mas o supérfluo quase não se vê, tudo muito econômico. Agora, naturalmente que é pouco provável que exista por lá (ao menos na Europa Ocidental) as vergonhas de nossos hospitais e serviços públicos. Abs.

      0
      • Duda 16 de setembro de 2011 at 16:15

        Miguel, so para lembrar, na Suecia, as creches são municipais ou das proprias empresas. não precisa baba vinda da favela que torture teu filho com agua sanitaria misturado ao leite. Nos Usa que tambem conheço, as proprias empresas tem creches que seriam a inveja de qualquer um por aqui. Os problemas que aqui se resolvem pagando a baba, a faxineira, o segurança, naquelas sociedades estão resolvidos há muito tempo. Segurança ou porteiro não precissa, porque lá NÃO ROUBAM (isto na Suecia e boa parte da Europa). Aqui no Brasil ter tempo livre é um luxo para poucos. Vai ver na Inglaterra ou na França. Por lá, as pessoas tem Vida depois do trabalho, aqui isso não existe.

        0
  • Elias 15 de setembro de 2011 at 15:57

    Febraban nega bolha
    Correio Braziliense – 15/09/2011

    A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) descartou os rumores vindos do exterior a respeito da formação de uma uma bolha de crédito no país, particularmente no setor imobiliário. Para o economista-chefe da entidade, Rubens Sardenberg, são “totalmente fora de propósito” as afirmações nesse sentido. Ele informou que, após analisar artigos publicados na imprensa estrangeira e ao compará-los com os números oficiais do Brasil, não conseguiu enxergar nenhuma possibilidade de falhas no sistema financeiro nacional.
    (…)

    h ttps://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/9/15/febraban-nega-bolha


    Vamos repetir o mantra: não há bolha, não há bolha…

    0
  • Elias 15 de setembro de 2011 at 16:03

    SALÁRIO MÍNIMO VAI SUBIR 50% ATÉ 2015

    SALÁRIO MÍNIMO VAI A R$ 817 EM 2015
    Autor(es): Cristiane Bonfanti e Vera Batista
    Correio Braziliense – 15/09/2011

    A previsão é de que o valor chegue a R$ 817,97 em quatro anos. A alta, estimada em mais que o dobro da inflação projetada para o período, está no Plano Plurianual (PPA) enviado pelo governo ao Congresso. Já a partir de janeiro, o mínimo passa dos atuais R$ 545 para R$ 619,21, conforme prevê o Orçamento de 2012, também encaminhado ao Legislativo. Para o ano que vem, a peça orçamentária do Planalto não prevê ganho real para aposentados que recebem acima do salário mínimo nem aumento para o Judiciário. Em Brasília, após 20 anos, servidores do Distrito Federal terão regime jurídico próprio. O projeto de lei, apresentado pelo GDF, trata de temas como anuênio, licença-prêmio e até de novidades como a união homoafetiva.
    (…)

    —-

    Aumento do mínimo p/ a classe C pagar as dívidas, como previsto no blog.

    0
    • Fred Henrique 15 de setembro de 2011 at 16:17

      “A alta, estimada em mais que o dobro da inflação projetada para o período.”

      Ah, tá! Quer dizer que a inflação vai ficar quietinha…

      0
      • Rebecca 15 de setembro de 2011 at 17:52

        e o funcionalismo vai ficar quietinho, né? manézinho ganhando 800 pilas por mês e concursado ganhando 2, 3 mil… nem vai ter greve, imagina… vão ter que dar aumento pra todo mundo ou esse país vai parar. marquem aí. palavra de uma servidora do executivo com 15 anos de casa.

        abs

        0
        • Rebecca 15 de setembro de 2011 at 17:53

          e digo mais: quem vai pagar essa conta? de onde vai vir a grana? muito peido e pouco bosta, já dizia meu falecido pai.

          0
      • Carlos Eduardo 15 de setembro de 2011 at 18:25

        Eu mesmo já estou negociando meus 30% ao ano, em contrato! acredito que a empresa onde trabalho vai repassar isso.
        menos que isso caio fora do pais!

        Os jogadores de futebol também saem do país para ganhar mais, então!

        ; )

        0
        • Rebecca 15 de setembro de 2011 at 18:37

          carlos, nem digo cair fora do país, mas eu sei como essas coisas funcionam… a pressão é muito grande… estão querendo igualar mão de obra qualificada com não qualificada, na marra. a banânia simplesmente não tem bala na agulha pra isso.

          0
    • Paulo Rocha 15 de setembro de 2011 at 18:11

      É decepcionante ver como o Brasil não é um país sério. Esse governo é super incopetente. Em vez de ter como meta fazer o Brasil ficar mais eficaz e produtivo, só tentam aumentar os custos cegamente sem se importar com as consequencias. E o pior é que o povão acha que estão progredindo. Não entendem que essa politica só causara uma disparada na inflação e no final esses R$817,97 não vão valer muito mais dos os atuais R$ 545. Provavelmente esse aumento tambem causara mais desemprego. Bom, quem sabe toda essa inflação não “coma” os preços absurdos dos imóveis. Provavelmente iram falar que os preços só se estabilizaram.

      0
      • Luiz 15 de setembro de 2011 at 19:19

        o governo perdeu o freio a hiperinflação esta de volta
        o pior é que ele não pode voltar atrás, caso o faça cria quebradeira e desemprego

        10 anos de FHC jogados no lixo por uma ex-dona-de-loja-de-1-real falida, a molusca não servia nem pra vender bonequinhos do pokemon no centro de porto alegre

        0
  • Dan 15 de setembro de 2011 at 16:04

    Querem inflar a bolha ainda mais!

    Caixa reduz juros de financiamentos para consumidores e empresas

    Brasília – A Caixa Econômica Federal anunciou que decidiu reduzir as taxas de juros nas linhas de financiamento para consumidores e empresas. Segundo o banco, a decisão acompanha a queda da taxa básica de juros, a Selic, de 0,5 ponto percentual ao ano.

    Para as pessoas físicas, os juros serão reduzidos em 0,73 ponto percentual ao ano. No caso das empresas, a queda chega a 1,53 ponto percentual. Segundo o banco, as novas taxas entrarão em vigor na próxima semana.

    No segmento de crédito à pessoa física, foram contemplados produtos do grupo crédito pessoal. Entre eles, a antecipação de Imposto de Renda, o crédito pessoal na conta-salário, o crédito direto ao consumidor e o financiamento para pós-graduação, todos com redução de 0,73 ponto percentual na taxa anualizada.

    Para a pessoa jurídica, a queda abrange por exemplo as taxas de operações de desconto de títulos, com redução de 0,87 ponto percentual, e de capital de giro parcelado, com diminuição de 1,53 ponto percentual.

    “A queda das taxas neste momento vai refletir na manutenção dos níveis de produção, renda e emprego da economia brasileira, além de melhorar o ambiente para os novos negócios. Nesse sentido, essas reduções vão propiciar às empresas, em especial às de pequeno porte, melhores condições para contratação de crédito –ainda mais positiva nesta época do ano, quando são necessários recursos para o fortalecimento de estoque e o duplo pagamento de salários”, destaca a Caixa, em nota.

    h t t p://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/09/15/caixa-reduz-juros-de-financiamentos-para-consumidores-e-empresas.jhtm

    0
  • NTL 15 de setembro de 2011 at 16:05

    Compartilhando uma pérola que acabo de receber. Detalhe: ah, sempre as famosas últimas unidades… o engraçado é que o lançamento foi há mais de um ano e só agora a construtora as liberou… [sei]… nem é preciso dizer que o prédio já está quase totalmente vendido, né?!..hehehe

    Só faltou dizer que o preço é imperdível: a partir de R$ 570k pela unidade de 72m^2…. o_O

    w w w.coelhodafonseca.com.br/lancamento-Residencial-Apartamento-Vila+Mariana-Sao+Paulo-Modern+Life+Bacelar.aspx?IdLancamento=184

    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    Olá Sr (a). Cliente, boa tarde!

    Sou o XXXX XXXX corretor Exclusivo da Coelho da Fonseca.

    A construtora liberou as últimas unidades sobre o empreendimento Modern Life na Vila Mariana.

    Este empreendimento foi lançado em Junho de 2010 com previsão de entrega para fevereiro de 2013.

    Pela localização do empreendimento, pela proximidade com a futura estação de metrô Vila Clementino e pela qualidade e excelência da construtora, estamos com o prédio quase todo vendido, inclusive a construtora antecipou o início das obras.
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

    0
    • Fred Henrique 15 de setembro de 2011 at 16:15

      Essa do “liberou” é ótima. Até parece que a construtora estava segurando para vender depois…

      Até imagino o pessoal das vendas tendo que explicar para o potencial comprador em 2010 por que raios ele não poderia comprar:

      “Não senhor, essas unidades não podem ser vendidas agora, vamos dispensar o senhor e outros que querem comprar agora para ver se alguém compra ano que vem. Se quiser esperar, nós te mandaremos um e-mail.”

      0
      • Mrk 15 de setembro de 2011 at 16:40

        Hahahhahahahaha estao cara vez mais cara de pau!!! Lancaram ha um ano mas agora liberam as ultimas unidades hahahahahahahaha!!

        0
      • Anonymous 15 de setembro de 2011 at 17:16

        Fred,

        Voce está com implicância com as construtoras. O SECOVI já explicou que não se pode vender imóveis por causa da escassez da oferta.

        0
        • Fred Henrique 16 de setembro de 2011 at 08:42

          Pois é, Anonymous, além da escassez de oferta, tem a escassez de corretor, lembra??

          g1.globo.com/videos/jornal-nacional/v/faltam-corretores-de-imoveis-e-mao-de-obra-preparada-na-construcao-civil/1588975/

          Aí fica a dúvida, falta imóvel & corretor? Como é que pode?

          0
    • Mahmoud 15 de setembro de 2011 at 16:44

      Cada dia eu fico mais incrédulo. O cara tem que ganhar no minimo 20 mil por mês para financiar esses 570 mil, para viver com a família um cima do outro em 72 m2. E a construtora ainda diz que segurou para não vender rápido…

      0
  • Sérgio 15 de setembro de 2011 at 17:11

    No programa conta corrente (globo news) de ontem, o repórter havia recebido uma economista da FGV e fez uma primeira pergunta, sobre os números do emprego no país: a economista falou que o único segmento – que representa 50% dos empregos – serviços, fora o único que havia subido e moderadamente; continuou falando sobre os demais setores e quando anunciou as QUEDAS na industria e um desempenho AINDA PIOR na CONSTRUÇÃO CIVIL, o repórter, Sidney Resende, todo atrapalhado (como se estivesse vendo a esposa sair pelada do banheiro em sua casa cheia de estranhos), interrompeu-a para falar de um outro assunto que nada tinha haver.
    A economista ficou até meio confusa com a interrupção e com a outra indagação, mas teve presença de espírito e conseguiu dar sequência à reportagem, sem mais tocar no assunto.
    Intrigado, procurei na FGV qualquer notícia a respeito, mas não consegui ter acesso.
    Procurando na internet, a única coisa que achei, que não era só o que ela iria falar (falaria sobre números de queda de postos de trabalhos da indústria e CONSTRUÇÃO CIVIL), encontrei apenas o pessimismo dos construtores quanto ao rumo das coisas, todos culpando, é claro, a crise mundial. Segue:

    Empresários da construção estão cautelosos com crescimento
    Sondagem da FGV e do Sinduscon revela queda de 6,56% nesse critério em relação à pesquisa realizada em maio
    Fonte: Valor Online
    Os empresários do setor de construção civil estão mais cautelosos em relação à perspectivas de desempenho e crescimento econômico, conforme a Sondagem Conjuntural Nacional da Indústria da Construção, realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

    Foram ouvidos 241 empresários da construção de todo o país na pesquisa, realizada na segunda quinzena de agosto. O indicador referente ao crescimento econômico caiu pela quinta vez consecutiva e passou à perspectiva negativa pela primeira vez desde maio de 2009. De acordo com o levantamento, houve queda de 6,56% nesse critério ante a pesquisa realizada em maio e de 25,5% na comparação com o ano anterior, para 46,89 pontos.

    Nos critérios da pesquisa, valores abaixo de 50 significam desempenho ou perspectiva não favorável. A avaliação das perspectivas de desempenho piorou, com ligeira redução de 0,83% ante maio e de 8,3% ante um ano atrás, mas segue otimista, com 55,95 pontos. O indicador desempenho da empresa teve pequena melhora, de 0,22% no trimestre, mas piorou 8,5% na comparação anual, para 53,7 pontos.
    A pesquisa foi realizada antes de o Banco Central reduzir a taxa básica de juros Selic em 0,5 ponto porcentual. “A sinalização do governo de política monetária mais frouxa e política fiscal mais apertada é muito positiva”, diz o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan. Segundo ele, a tendência é de mais otimismo por parte dos empresários do setor.

    Na avaliação de Zaidan, a crise internacional não está afetando o setor. “A construção civil trabalha no longo prazo, e os contratos estão sendo cumpridos.” A estimativa do Sinduscon-SP para crescimento do setor em 2011 é em torno de 5%. No indicador perspectiva de evolução de custos, a avaliação ainda é pessimista, com 44,47 pontos, mas esse foi o maior patamar desde fevereiro de 2010.

    Houve melhora desse indicador de 8,02% no trimestre e de 3,6% na comparação anual. A pesquisa apontou pessimismo também quanto à inflação reduzida, com 39,19 pontos, com melhora de 45,52% ante maio, mas piora de 16,8% ante um ano atrás. Os empresários seguem pessimistas também quanto à condução da política econômica, mas o indicador avançou 15,34% na comparação com maio, para 47,44%.

    Disponível em w w w . g randesconstrucoes.com.br/br/index.php?option=com_conteudo&task=viewNoticia&id=7609

    0
    • Sérgio 15 de setembro de 2011 at 17:32

      Só para complementar.
      Hoje, os jornais da globo news, o dia inteiro, principalmente no fim da tarde, anunciava que a bolsa só se manteve no positivo GRAÇAS as grandes construtoras. Estranhamente (duas vezes) a única que não caiu foi a gafisa.
      A globo está querendo o que com tamanha mentira.

      0
      • Carlos Eduardo 15 de setembro de 2011 at 18:21

        sempre que a gafisa fica abaixo de R$ 7,00 .. .
        vem o dinheiro mágico salvador para comprar as ações da empresa! e ela magicamente tem se mantido!

        com essa inflação comendo desse jeito veremos muito mais greves!!

        quem vai se dar mal é quem não tiver poder de fazer seu próprio salário!! ou seja..

        o peão que depende do salário mínimo, que vai ganhar um almento simbolico e vai se lascar para viver porque a inflação vai comer mais do que o aumento que o governo dará!

        XT metendo os pés pelas mãos! e o XMDB só brigando por cargos para poder roubar mais

        rs

        0
    • Carlos Eduardo 15 de setembro de 2011 at 18:15

      http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1630187-7823-ECONOMISTA+FALA+SOBRE+DADOS+DO+CAGED+E+NUMEROS+DO+EMPREGO+NA+INDUSTRIA+PAULISTA,00.html

      tá ai o vídeo!

      0
  • Sérgio 15 de setembro de 2011 at 17:52

    Eu que mudei-me para cascavel, no oeste do paraná, saindo de volta redonda, no rio, já estou pastando,em virtude da diferença de cultura e distância de familiares, e comodidades. Imagine-se em outro país. Ademais, ir para outro país, em meu caso, e passar a ter um rendimento inferior ao que tenho aqui. Sem contar os desemprego, xenofobia, nacionalismos e crises que rolam por lá.
    Creio até que a qualidade de vida – material – seja melhor que aki. Mas será que usufruiríamos dessa qualidade ou seríamos mais um imigrante terceiro-mundista.

    0
    • Fernanda 16 de setembro de 2011 at 11:11

      Meus pais moram até hoje em Cascavel. Passei parte da minha adolescência aí. Bem-vindo ao “wild west”! rs

      0
  • Marcos - CTBA 15 de setembro de 2011 at 19:43

    Gostei muito de conhecer este site e mais ainda quando vejo que é frequentada por pessoas de alto nível, já que o assunto é piada, segue o link para mais uma http://correiobraziliense.lugarcerto.com.br/app/noticia/ultimas/2011/09/15/interna_ultimas,45085/febraban-nega-bolha-de-credito-particularmente-no-setor-imobiliario.shtml

    0
  • Andrade 15 de setembro de 2011 at 21:53

    Essa questão do viver melhor aqui ou lá nos eua ou europa é muito relativa e tem muito que se lhe diga!
    Eu vivi quase 31 anos na suiça e agora moro no brasil à 1,5 anos, atraído pelo badalado boom brasileiro e posso falar com “conhecimento de causa”, estou arrependidissimo, e louco pra voltar pra lá!
    Logo logo esse famoso boom me desencantou em relação aos preços em geral, pricipalmente… e super chocante foi e continua sendo o preço dos imoveis, sem que nada justifique isso, ja que acessos, infraestrutura etc continua longe, muito longe de poder justificar esses valores extratosféricos praticados hj no brasil!
    É óbvio que aqui as pessoas sao mais alegres, mais hospitaleiras/acolhedoras, o valor da familia é mais forte, o clima é mais agradavél etc
    Mas no geral perdi muito mais do que ganhei, na minha humilde perspetiva é claro!
    Existem coisas que a gente só passa a dar valor quando as perde, a sensação de poder andar na rua em qualquer lugar … a qualquer hora do dia e da noite com a cabeça leve … sem preocupação alguma, só pra arear as ideias, é simplesmente algo a que se dá valor quando alguem passa a viver no brasil onde isso é impossivel na grande maioria dos lugares, aqui me sinto como numa prisão … vivendo rodeado de muros e de cerca elétrica, sem “algum horizonte em vista”!
    O tratamento com o qual certas camadas da sociedade tratam outras pessoas também é algo impossivel de engolir, quando num país como a suiça que apesar de também ter seus problemas próprios … a sociedade não deixa de ser uma sociedade muito IGUAL, em contraponto com a sociedade brasileira que é extramamente DESIGUAL. De novo, quem cresceu aqui e com “esses valores, e/ou mentalidade… não vai reparar muito nesses detalhes, são coisas “normais” mas pra quem viveu este tempo todo lá… conta sim e MUITO!
    O preço das coisas aqui … já que este blog trata da presúmivel bolha imobiliária… também está um absurdo… apesar dos preços das casas ainda continuarem sendo mais caros na suiça do que aqui, mas isso requer outro detalhe, no brasil os preços estao mesmo assim mais baratos em preço absoluto, já que se tiver em conta o poder de compra dos dois países, aí sim, a bolha vira um balão gigante no brasil! Eu tenho bastante dificuldade em estabelecer uma lista de bens no brasil que sejam mais baratos em relação à suiça, é que como todos sabem até a banana está mais cara em SP do que Nova Iorque, carros, eletronicos e muitos outros produtos estão fora do normal. A nivél de preços dos serviços lá continua mais caro, pois qualquer profissional/trabalhador lhe é garantido um salário digno de pagar aluguel, ter carro, e tudo mais que alguém necessita, inclusive uma doméstica … pode ganhar entre 25 a 45 francos suiços … por hora (49 a 88 Reais), aliás… é por isso também que a grande maioria nao tem doméstica… no máximo… vem alguém … algumas horas/sem.
    A qualidade das coisas, sobretudo bens manufaturados… são aqui … duma qualidade “no geral” péssima… e o k mais revolta é k vc aqui paga mais por muito menos qualidade! Pra terem uma ideia em 30 anos lá, nunca, mas nunca mesmo chamei um bombeiro, eletricista, ou seja o k for! É claro tbm que lá não se chamam essas pessoas pois … de novo … eles recebem um bom salário… logo… algo que fácilmente seja feito é realizado pelas próprias pessoas para não pagarem muito por pouco!
    Em relação aos preços dos bens… é claro que aqui se paga um absurdo de caro … pelas razões que todos sabemos! E isso me leva a abordar outro tema quente, que é o aspeto tributário, lá na suiça as pessoas reclamam que pagam muitos impostos… e pagam mesmo, mas a diferença está em todas as infra-estruturas de topo que o país disponibiliza pra seus habitantes, não há um buraco nas estradas no pais inteiro… e quando acontece… pois tbm acontece… nao demora no máximo de uma semana pra ser concertado com qualidade. Escolas e universidades … gratuitas entre as 10 melhores do mundo, sistema de saúde dos melhores que existem, medicamentos só se paga 10% do valor total… E quando vc literalmente vê onde foram parar seus impostos… vc dá um desconto no fato de ter a sensação de ter pago muito. Ao contrário do brasil onde a carga tributária é a mais alta do mundo… e ao contrário de lá… as infraestruturas não são de 3ro mundo não… provavelmente sejam de “4to mundo” de tão ruim que são… ainda mais com esse absurdo do tamanho da carga tributária…
    O problema tbm reside de viver num país onde a impunidade reina em absoluto, e o povo em geral não vai além de despejar suas reclamações/insatisfações em lugares como este, e outros lugares comuns, mas nada de se revoltar… pois lá não tem revolta pois nao precisa, as pessoas que dirigem o país no geral sao honestas, comprometidas e julgadas pelo seu trabalho nas urnas!
    Outro aspeto muito diferente é o peso da burocracia … que no brasil desmoraliza qualquer um… já que é preciso ter uma paciencia de epefante pra pevar algo em diante nos meandros dessa administração pôdre que temos ao nosso dispor!
    Enfim, voltando ao tema central do blog, se essa bolha nao estourar logo… mais nefastos e devastadores serao os efeitos, já que o brasil vive à custa do comercio das comodities, dos juros altos que funcionam como um imão pro investidor estrangeiro… até quando? E da politica suicida de acesso ao crédito fácil!
    Apesar de o brasil estar crescendo economicamente… e esse aspeto sendo super valorizado pela propaganda do governo a realidade economica e fundamental nao encontra suporte e principalmente pelo bando de ladroes que dirigem o país No geral eu penso o seguinte, o brasil tá se saindo bem … sim… dessa crise… mas no meu entender nao é possivel que este sucesso seja duradouro e sustentado com o nivel de politicos à frente do país… nao dá… a farra sempre acaba uma hora!
    É uma pena, pois este povo merece um outro futuro, diferente ao do que andam pintando por aí!
    A ver vamos…
    Abraços pra todos.

    0
    • carlos wagner 15 de setembro de 2011 at 23:17

      Andrade

      Seu relato me fez pensar mais atentamente quanto a possibilidade de viver num lugar civilizado. Sinto que nao mais faço parte da população deste país. A falta de educação do povo é alarmante. Não respeitam fila de idosos, param em vagas reservadas para deficientes e ainda acham ruim e querem brigar se reclamamos e ainda por cima querem cobrar do governo pela desonestidade e corrupção. Com que moral?

      Só tenho receio de abandonar tudo aqui por ser servidor federal com estabilidade de emprego e ser deficiente fisico, o que dificulta arrumar emprego e me aventurar em lugares desconhecidos.

      Mas quem sabe, se a coisa azedar de vez, eu vá embora e lague tudo por aqui.

      Obrigado por contribuir com seu relato.

      0
    • Leandro 16 de setembro de 2011 at 00:21

      Ótimo relato!
      Parabéns por trazê-lo ao site.

      0
    • Duda 16 de setembro de 2011 at 08:33

      Andrade, seu depoimento, simplesmente, não tem preço! E uma coisa que todos que tivemos a sorte de conhecer outros paises mais, digamos “civilizados” temos comprovado. Aqui o triunfalismo potenciado desde o governo nos ultimos anos tem cegado a população, não estamos indo bem não, e a coisa pode apodrecer a qualquer momento. Mas fica dificil falar isto para as pessoas que estão no embalo, simplesmente não acreditam, não sabem, ou pior, não querem saber. Não sei como está sua situação de vistos, cidadania, mas se fosse vc eu já estaría vendo como voltar para a Suiça.
      ABS

      0
    • Paulo Rocha 16 de setembro de 2011 at 11:31

      Andrade,

      Concordo plenamente com o que você escreveu. Já faz 21 anos que moro na Noruega. Durante anos tenho pensado em voltar para o Brasil mas estava querendo juntar uma grana antes de voltar. Mas nos últimos 2 anos tenho gradualmente ficado cada vez mais desanimado com essa ideia. Eu considero a alta dos preços de imóveis algo temporário. Não vejo como este patamar seja sustentável. O que mais me atraia para voltar eram as memórias de crescer no Rio, indo a praia e em geral me divertido. Tenho boas memorias desta época. O clima também é muito melhor e o pessoal mais animado e aberto como você mencionou.

      Infelizmente vida de adulto não é tão tranquila e fácil. Segundo uns amigos meus, eu conseguira ganhar facilmente entre 8000 12000 reias ou talvez até mais. Eu acho esse salário baixo levando o custo de vida no Brasil. Estaria ganhando bem menos do que o que eu ganho atualmente e ainda teria que me preocupar com criminalidade, transito horrível, mais instabilidade profissional. Também teria despesas com escola particular, plano de saúde e várias outras coisas que são “gratuitas” aqui na Europa. Mas o que mais me desanima é toda a burocracia, corrupção e impunidade no Brasil, e a sensação que nunca conseguiremos mudar esta mentalidade. Temos a maldição de ter um povo ignorante, e enquanto votar em eleições for obrigatório não conseguiremos mudar. O Povão não sabe votar direito e pensar no longo prazo e são facilmente engados. Se o Brasil realmente fosse uma democracia não puniriam quem não vota. Em todas as democracias não votar também é uma escolha. No Brasil é preciso votar para ter carteira de trabalho e para fazer várias outras coisas. O engraçado é que deputados, vereadores e outros que vivem de ficar “votando” não são obrigados a comparecer ao trabalho todos os dias. Ou seja, os “votadores profissionais” são pagos independente do trabalho (mal) feito. Claro que estes politicos querem manter o status quo, já que a verdadeira classe média (não aquela do lula) e até a classe alta baixa são os que bancão em grande parte esta palhaçada. A classe alta (alta mesmo) fica fazendo mutretagens com o governo e ganhando vários benefícios então também não tem interesse em mudar as coisas.

      Alem do que eu mencionei acima também tem toda a palhaçada de como as empresas tratam os consumidores. Cobram por serviços que você não encomendou, ou cobram mais do que o devido. Para você tentar resolver o problema tem que gastar horas ou dias tendo dor de cabeça. Estes problemas não existem aqui na Europa. Um simples exemplo, um colega meu do trabalho encomendou um linha de banda larga de uma empresa, no dia seguinte ele descobriu uma oferta melhor de outra empresa. Então ele só mandou um email para a primeira empresa cancelando o pedido. Ele não gastou nem 3 minutos escrevendo o email. Depois de 1 hora ele ganhou uma confirmação de que o cancelamento tinha sido efetuado. No meio tempo também telefonaram para ele para ver se dava para dar uma oferta melhor. Mas como a segunda empresa oferecia uma linha mais rápida ele resolveu usar a segunda empresa. No Brasil, pode até pode ser que teriam cancelado a encomenda, mas aposto que enviariam a conta nos próximos meses e seria um sacrifício eles darem um jeito.

      Outro dia estava conversando com uma funcionária do departamento de RH de uma empresa petrolífera aqui na Noruega. Ela me contou como achavam um absurdo o nível de burocracia brasileira. Fora a corrupção. Deu como exemplo um caso em que um funcionário noruegues estava envolvido em um acidente de transito. Um outro motorista bateu no carro dele. Esse mesmo motorista tinha assumido a culpa e o caso já estava resolvido, quando chegaram 2 policias. Eles queriam “prender” o funcionário norueguês. Este norueguês não falava português, e os policias não entendiam inglês. Então o norueguês telefonou para o escritório, e uma secretária foi lá ajudar-lo. Os policias ficaram irados e ameaçaram de prender a secretária também. Estavam querendo receber R$5000 para “liberar” o norueguês que não tinha feito nada de errado.

      Com todas essas coisas estou achando que vale mais apenas continuar a morar aqui e só passar as férias no Brasil. Dessa maneira consigo ter uma vida descente e tranquila sem problemas. O dia a dia de viver no Brasil com certeza não é melhor do que viver na Europa. Talvez durante as férias e fim de semana seja.

      0
  • Marcos 15 de setembro de 2011 at 22:40

    E ainda querem me fazer crer que os imóveis aumentaram por conta do aumento da renda. Prefiro ainda a tese de que os imóveis estavam dormindo e de repente se lembraram de aumentar…rs

    Renda média mensal do brasileiro cresceu quase 30% entre 2004 e 2009, diz Ipea

    15 de setembro de 2011 • 12h22
    Por: Diego Lazzaris Borges

    SÃO PAULO – A renda média real da população brasileira cresceu 28% entre 2004 e 2009, de acordo com estudo do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Segundo o levantamento, em 2004, a renda média per capita (por pessoa) da população brasileira era de R$ 495,12, enquanto em 2009, ela estava em R$ 634,65.

    A evolução da renda foi, segundo o instituto, motivada pelo crescimento econômico e a geração de empregos ocorridos durante este período. Além disso, as mudanças demográficas e o lento aumento da escolaridade da população adulta também contribuíram para o resultado, afirma o Ipea.

    Menos desigualdade
    A desigualdade social também diminui nestes cinco anos analisados. Segundo o Ipea, entre 2004 e 2009 a desigualdade na distribuição de renda entre os brasileiros, medida pelo coeficiente de Gini, foi reduzida em 5,6%.

    O número de brasileiros vivendo com renda mensal superior a um salário mínimo também aumentou. De acordo com o levantamento, em 2004, 51,3 milhões de brasileiros (equivalente a 29% da população) viviam com renda per capta igual ou maior do que um salário mínimo. Em 2009, haviam 77,9 milhões de pessoas (ou 42% da população) que viviam com esta renda mensal.

    Entretanto, em 2009, o Ipea ainda identificou 107 milhões de brasileiros vivendo com menos de R$ 465 per capita mensais (o salário mínimo da época).

    Vulneráveis, pobres e extremamente pobres
    Segundo o documento, a população nas faixas de renda classificadas como extremamente pobre, pobre e vulnerável diminuiu em números absolutos.

    O número de vulneráveis (com renda per capta entre R$ 134 e R$ 465) caiu de 82 milhões para 80,8 milhões entre 2004 e 2009. A renda média deste grupo, por sua vez, aumentou em 4%, de R$ 267,49 para R$ 278,82.

    Os pobres (com renda média per capta de R$ 67 a R$ 134), passaram de 28,2 milhões para 17,5 milhões no mesmo período. A renda média destas pessoas também aumentou, de R$ 101,61 para R$ 104,64 (2%).

    Já os extremamente pobres (com renda média per capta até R$ 67) que somavam 15 milhões em 2004, passaram para 8,7 milhões, de acordo com o levantamento. “A diminuição do tamanho dos três estratos de baixa renda implica mobilidade ascendente”, diz o estudo do Ipea.

    www .infomoney.com.br/financas/noticia/2210761

    0
    • carlos wagner 15 de setembro de 2011 at 23:21

      Acho engraçado. Ontem vi uma reportagem daquele inutil do candido vacareza dizendo que a queda de 36% na geração de empregos não é desaceleração, pois desaceleração é quando os numeros pasam a ser negativos. Vejam o absurdo. Em qualquer dicionario desaceleração é quando a velocidade cai e não quando atinge niveis negativos.

      Em contrapartida, alegam que a renda do brasileiro cresceu mostrando numeros ridiculos. Segundo eles, uma parcela da população teve aumento de 101 reais para 104 reais e outros tantos milhoes passaram de 267 para 289. Puts, será que são esses brasileiros que estão inflacionando o mercado imobiliario?

      0
      • Paulo Rocha 16 de setembro de 2011 at 03:36

        Esse cara deve ser o tipo de pessoa que quanda esta caido do topo de um abismo nega e fala que ele não esta caindo, e sim que o fundo do abismo esta subindo.

        Desaceleração = número negativos, realmente esta é a piada do dia!

        0
      • Marcos 16 de setembro de 2011 at 14:31

        Isso se chama desinformação.
        Enganar o povo através de falsas verdades.

        0
  • TH 15 de setembro de 2011 at 22:45

    Um tempo atrás algumas imobiliarias (notadamente a Coutinho imóveis, do Rio) estavam mantendo no ZAP anúncios de imóveis que já haviam sido vendidos, apenas colocando tarjas vermelhas escrito “vendido” nas fotos dos imóveis. Talvez eles pensassem que com isso passariam a idéia de que o mercado está aquecido, porque os imóveis estão sendo vendidos.

    Hoje fui verificar os imóveis da Coutinho no ZAP e não encontrei nenhum com a tarja vermelha de “vendido”. Agora me pergunto: Será que eles não estão mais vendendo nada? Será que resolveram passar a tirar os anúncios dos imóveis vendidos para que a oferta de imóveis do ZAP não aumentasse demais?

    Alguém tem outra hipótese?

    0
  • carlos wagner 16 de setembro de 2011 at 01:45

    Uma consideração sobre a bolha imobiliária

    Imóveis são bens. Como qualquer bem, seus preços são determinados essencialmente da mesma forma que os preços de todos os outros bens que existem em oferta limitada na economia, sejam eles carros clássicos, mão-de-obra qualificada, livros raros, moedas antigas, discos de vinil etc. Ou seja, os preços dos imóveis são determinados pela combinação de oferta limitada e intensidade da demanda.

    Logo, pela lógica, o que fez aumentar os preços dos imóveis no Brasil foi um rápido e contínuo aumento na demanda por eles. Esse aumento na demanda, por sua vez, é consequência do aumento contínuo, intenso e progressivo dos meios fiduciários, praticado pelo sistema bancário e coordenado pelo Banco Central. Isso significa que os preços dos imóveis aumentaram em decorrência do acentuado aumento da quantidade de dinheiro na economia. O único fator que explica esse boom imobiliário que ocorreu nos últimos três anos é a criação de meios fiduciários.

    Esse dinheiro criado do nada aportou primeiramente no setor imobiliário, financiando a juros baixos novas construções e empreendimentos. À medida que os projetos iam sendo aprovados, especuladores compravam apartamentos na planta apenas para revendê-los mais tarde, a um preço mais alto. Isso era possível justamente porque mais dinheiro ia sendo criado e jogado no mercado imobiliário, o que dava sustentação a esse processo de contínua alta dos preços.

    Essa criação contínua de dinheiro não elevou apenas os preços dos novos imóveis comprados. Elevou também os preços de todos os outros imóveis já existentes no mercado. Isso porque as pessoas que compravam imóveis na planta e os revendiam a preços mais altos utilizavam o lucro obtido nesse processo para adquirir outros imóveis que estavam com preços menores. E os vendedores destes imóveis, por sua vez, utilizavam esse dinheiro da venda para adquirir outros imóveis. Assim, o dinheiro criado do nada e jogado no mercado para financiamentos imobiliários ia passando sucessivamente pelas mãos de vários compradores e vendedores, elevando nesse processo os preços de todos os imóveis.

    No entanto, é claro que essas injeções monetárias não elevam somente os preços dos imóveis. Inevitavelmente, uma parte desse dinheiro sempre acaba “vazando” para fora desse ciclo — seja por meio de vendedores que agora resolveram gastar em outras coisas, seja por meio de operários e corretores que, com seus inevitáveis aumentos salariais, resolveram aumentar seu consumo de bens e serviços. Esse dinheiro irá parar em outros setores da economia, elevando também os preços nesses outros setores (a inflação do setor de serviços é especialmente notável).

    É desta forma que os meios fiduciários criados vão se espalhando pelo resto do sistema econômico, elevando o nível de gastos e, consequentemente, os preços de todos os setores por onde passa.

    O leitor mais atento já deve ter percebido que, caso houvesse apenas uma rodada de injeção monetária, ou apenas algumas poucas rodadas, a elevação de preços ocorreria até um certo ponto. Uma vez findada as injeções monetárias, e todo esse dinheiro novo já tiver perpassado toda a economia, os preços irão se estabilizar. Não haveria como eles continuarem subindo indefinidamente.

    Sendo assim, para que haja uma contínua e sustentada elevação dos preços dos imóveis e, por conseguinte, de todos os bens e serviços da economia, as injeções de dinheiro criado do nada têm de ser constantes e cada vez maiores. Essas injeções não apenas irão mais do que contrabalançar esse inevitável vazamento de dinheiro para fora do setor imobiliário, como também, em decorrência de já terem estabelecido um padrão de ganhos contínuos no setor imobiliário — desta forma criando e mantendo a crença de que é impossível ter prejuízos nesse setor —, conseguirão atrair para o mercado ainda mais financiamento. E assim o ciclo de alta se perpetua.

    Portanto, todo o processo de formação de bolha se resume à inflação monetária, e eleva os preços não só do setor imobiliário, como também de todos os outros setores da economia.

    Esse processo de formação de bolha só será interrompido quando a criação de meios fiduciários for interrompida. Geralmente isso acontece quando o Banco Central fica preocupado com o nível da inflação de preços e decide elevar os juros. Consequentemente, o fluxo de dinheiro para esse setor que está em uma bolha será interrompido. Os preços não somente pararão de subir, como na realidade irão necessariamente cair.

    Irão cair por uma combinação de dois motivos: pelo fato de que sempre há aquela parte do dinheiro que vaza e vai parar em outros setores da economia, pelos motivos já explicados acima, e pelo fato de que boa parte da valorização dos imóveis se dava justamente porque as pessoas estavam levadas pela crença de que os preços subiriam continuamente. Tão logo fica claro que o processo de aumento acabou, o mercado irá necessariamente entrar em declínio. E ele vai entrar em declínio simplesmente porque não mais se espera que ele continue subindo.

    Conclusão

    Bolhas e ciclos econômicos são iniciados por reduções nos juros, mas são sustentados por aumentos na oferta monetária, os quais são mais importantes do que o nível nominal dos juros. Sendo assim, é perfeitamente possível haver bolhas no Brasil, mesmo com sua taxa de juros nominal sendo reconhecidamente alta.

    Uma observação à parte: os aficionados podem comparar a evolução dos meios fiduciários com a evolução do Ibovespa. O processo de alta das ações funciona semelhantemente ao processo descrito de alta dos imóveis. De 2003 a 2011, o Ibovespa funcionou de acordo com a evolução dos meios fiduciários (e não poderia ser diferente). O aumento ocorrido a partir de meados de 2003, o soluço ocorrido no primeiro semestre de 2005, a recuperação do segundo semestre, o crescimento trôpego do primeiro semestre de 2006, e finalmente a disparada até abril de 2008, quando chegou à cotação máxima. A estagnação dos meios fiduciários em 2008 derrubou acentuadamente o índice, o qual recuperou-se fortemente em 2009, manteve-se alto em 2010, e caiu de novo em 2011.

    A atual evolução dos meios fiduciários indica que a economia está adentrando uma fase contracionista. Caso o atual padrão seja mantido, uma recessão tende a ocorrer já nos próximos trimestres. Caso o atual padrão seja revertido, a recessão pode ser evitada, mas ao custo de uma inflação de preços perigosamente acima do teto da meta.

    O fim do boom do setor imobiliário é algo que deve ser fervorosamente desejado. Não apenas porque sua eventual continuação gera um crescente estado de mania e obsessão, no qual fortunas são criadas sem nenhuma causa racional, meramente em virtude da pressão de um crescente fluxo de dinheiro que busca vazão em canais que nada mais são do que sonhos e esperanças vazios, mas principalmente porque tal atividade gera um grande desperdício de capital. Recursos que poderiam ser mais bem aproveitados em outros setores da economia acabam sendo desviados para uma atividade esbanjadora de recursos e destruidora de capital, escasseando e encarecendo toda a oferta de bens de capital e de mão-de-obra para o restante da economia.

    E o mesmo deve ser dito para a desaceleração da economia brasileira e a consequente correção de todos os seus atuais desequilíbrios. Que ela venha rápido para que possa ir rápido. Quem mais perde com os atuais desarranjos são justamente aqueles que possuem menos recursos e menos influência política.

    Fonte: h t t p :// w w w .mises.org.br/Article.aspx?id=1108

    0
    • Luiz 16 de setembro de 2011 at 16:41

      prezado Carlos, já faz 2 séculos que Adam Smith escreveu as regras da lei da oferta e da procura.

      Daívieram as teorias de preço de equilibrio entre curva de oferta e curva d eprocura e todo o blablabla.

      Acontece que mais recentemente na década de 80,a lguns ecopnomistas que depois ganharam premios nobel, observaram que os preços não seguiam mais essa regras de oferta e procura. Já faz 30 anos que as boas faculdades de economia passaram a ensinar cocneitos novos, de equilibrio de Nash, teoria dos jogos, assimetria d einformação entre outros.

      Não se engana, quando trabalhei com petralhas 15 anos atrás eles já desenvolviam técnicas de treinamento de negociação baseados nestes conceitos.

      O mercado imobiliario age de forma colaborativa, um aumenta o preço pq o outro aumentou e assim segue adianta no benefíciod e todos, uma vez apradas as vendas ninguem quer perder, portanto vão continuar aumentando os rpeços irracionalmente.

      Apenas um corte abrupto neste jogo poderá alterar a condição atual de incremento de preços, até lá ou ganham todos, ou todos morrem abraçados. Não existe nenhuma possibilidade de soft landing.

      0
  • Ricardo 16 de setembro de 2011 at 06:20

    Rossi “racha a conta” com o cliente em Ribeirão Preto e São Carlos
    BEATRIZ IMENES

    Nova campanha da incorporadora propõe a quitação de até 18 parcelas como bônus

    A Rossi, uma das principais incorporadoras e construtoras do País, lança uma campanha inovadora e ousada. Trata-se da “A Rossi racha a conta com você”, que garante ao cliente um bônus de até 18 parcelas mensais, na compra de uma unidade. Ou seja, durante as obras, o cliente paga um mês e a Rossi paga o outro até a entrega do imóvel. Esta iniciativa é uma ação nacional e válida para os contratos assinados até o dia 30 de setembro de 2011.

    A empreitada chega para impulsionar as vendas e oferecer um atrativo a mais para os clientes. A promoção engloba todos os empreendimentos Rossi Ideal Jardim Ipiranga, Neo e Trio Ribeirão, em Ribeirão Preto e Tríade, em São Carlos.

    Confira o regulamento da promoção em http://www.rossiresidencial.com.br/rachaaconta

    Neo Ribeirão

    O Neo Ribeirão está sendo construído em parceria com as empresas WTB Empreendimentos (Grupo WTB) e Lindencorp. Localizado no Parque Curupira, apontado como o próximo grande eixo de desenvolvimento urbano da cidade, o empreendimento conta com o Neo Offices, conjunto de três torres integradas com salas corporativas modulares; o Neo Mall, centro de compras, serviços e área de alimentação; e com o Neo Convention, centro de convenções com capacidade de receber mais de 600 pessoas, equipado com tecnologia de ponta e amplo Business Center.

    No aspecto ambiental, o projeto contará com uma série de itens de Sustentabilidade como o controle de iluminação das áreas comuns, sistema inteligente de controle dos elevadores, do uso de água e do consumo de energia. Ele também terá reuso de águas pluviais, utilização de metais e louças ecologicamente eficientes com “duo flux” e a instalação de amplas janelas para melhor ventilação e incidência de luz natural. Ao todo, serão 4.755 metros quadrados de área verde preservada. Todos esses processos serão monitorados pela consultoria ambiental Cushmam & Wakefield, líder em soluções integradas para o setor imobiliário, presente em mais de 60 países.

    Trio Ribeirão

    Assim como o Neo, o empreendimento está sendo construído também em parceria com a WTB Empreendimentos (Grupo WTB) e Lindencorp. O Trio Ribeirão terá o conceito Mixing Building, com moradia, trabalho e compras/serviços em um espaço integrado.

    Serão dois edifícios, cada um com 22 pavimentos. A torre Trio Home terá apartamentos de alto padrão, que variam de 54 a 84 metros quadrados, de um ou dois dormitórios com suíte. O Trio Office contará com 260 conjuntos, entre salas e lajes corporativas. As duas torres serão integradas pelo Trio Mall, um centro comercial com cerca de dois mil metros quadrados, composto de unidades voltadas para serviços de alta qualidade. O empreendimento oferecerá 578 vagas de estacionamento coberto.

    Rossi Ideal Jardim Ipiranga

    O projeto é fruto da parceria entre a Rossi e a Jábali Aude. Ao todo, serão 256 apartamentos distribuídos em oito torres com quatro pavimentos. As unidades possuem 46,44 e 36,89 metros quadrados de área privativa, com dois dormitórios, varanda e uma vaga na garagem.

    Localizado bairro Ipiranga, na zona norte de Ribeirão Preto, o Rossi Ideal Jardim Ipiranga terá uma completa área de lazer com quadra poliesportiva, piscina adulto e infantil, deck molhado, área de convivência e playground. O condomínio também terá infraestrutura para central de gás e segurança com guarita. A localização do empreendimento é privilegiada, pois está próximo de avenidas e ruas de grande circulação, comércio, escolas, creches, postos de gasolina, bancos, lojas e supermercados.

    Tríade

    Localizado no Parque Faber, bairro de alto padrão em São Carlos, o projeto possui salas moduláveis de 38,36, 40,0 e 46,57 metros quadrados. Todas possuem infraestrutura para receber equipamentos de alta tecnologia em vídeo, áudio e telecomunicações. Serão três condomínios independentes de escritórios, integrados por uma agradável praça arborizada que valoriza a convivência entre condôminos.

    Sobre a Rossi

    A Rossi é uma das principais incorporadoras e construtoras do Brasil. Com 30 anos de atuação, tem presença em 91 cidades do País, mais de 260 empreendimentos em construção e mais de 41 mil unidades entregues. A empresa atua em diversos segmentos do mercado imobiliário e tem no seu portfólio inúmeros sucessos de vendas de imóveis residenciais e comerciais, nos mais variados perfis de renda. Com base em valores como inovação, valorização das pessoas e sustentabilidade, a empresa acredita na construção de relacionamentos de longo prazo com colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros e acionistas. A Rossi entende que sua missão vai além da construção de residências e locais de trabalho. Seu compromisso é com projetos de vida. Visite: http://www.rossiresidencial.com.br ou acesse pelo celular o portal mobile da Rossi: http://www.rossiresidencial.com.br/mobile. Novidades sobre a empresa também são divulgadas diariamente por meio do canal corporativo no twitter: @Rossi_brasil.

    0
    • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 11:32

      Simples matematica.

      Voce paga uma percela e ela paga outra até a entrega das chaves. Ela valoriza o imovel e cobra as parcelas que ela deixou de cobrar de voce no saldo devedor.

      0
  • MrK 16 de setembro de 2011 at 08:35

    Essa medida do governo pra carros é ASSUSTADORA

    Em vez de aumentar incentivos para que a industria nacional se modernize, seja mais produtiva e consiga operar com margens normais, eles preferem DEFENDER a ineficiência e as margens absurdas. é um RETROCESSO sem tamanho.

    Isso É MUITO SÉRIO, pois demonstra como pensam as lideranças economicas Brasileiras, TRISTE, em vez de estimular competição eles aumentam IOF de compras no exterior, imposto de importação… daqui a pouco vão limitar viagens ao exterior para favorecer o turismo nacional!

    Com lideranças economicas como essa, eu tenho CERTEZA que a bolha vai EXPLODIR e não murchar. Eles são muito fraquinhos.

    0
    • xyz 16 de setembro de 2011 at 09:02

      O que você poderia esperar do país onde o açucar tem uma carga tributária maior que o veículo (nacional)?

      O governo não tem o menor interesse em reduzir a carga tributária do açucar simplesmente porque se assim o fizer, estará realocando a produção de cana para o açucar, aumentando o preço do álcool. E combustível barato dá voto, tanto é que antes do recente aumento do dólar, a Petrobrás estava subsidiando álcool, importando por R$1,35 e repassando por R$1,09. Esta diferença piorou com o recente aumento do dólar.

      0
    • Adriano 16 de setembro de 2011 at 09:05

      MRK, o governo está fechado com seus patrocinadores. Isto mesmo, patrocinadores. E não é força de expressão. É um teatro, e não estão nem mesmo se preocupando em mascarar suas ações com algum alegado fundamento econômico. Já partiram para fase do “esculacho”. Sempre foi assim no Brasil e é assim em qualquer lugar do mundo. O problema é que como o povo brasileiro está cada vez mais “pacífico” (leia-se: côrno), eles não se preocupam mais com as repercussões ou com a desestabilização social. As margens das montadoras brasileiras são as maiores do mundo, e TODOS sabem disso. Só que as montadoras querem manter a galinha dos ovos de ouro produzindo a mesma quantidade de ovos para SEMPRE. É compreensível o papel das montadoras. Eu fico até imaginando o lobby deles: “Dilma, seremos obrigados a demitir. E chamaremos todos na imprensa para mostrar que não tivemos outra opção. Imagine o desgaste político Dilma. Além disso, vocês sabem que se estivermos felizes todos vocês estarão também. Sempre fazemos rir quem nos faz rir (tropa de elite)”.
      Eu posso apostar que a próxima ação “econômica” do governo, será aumentar o limite de financiamento com FGTS para 750K. Quando a bolha estourar, vão resolver fácil, fácil. Os bancos privados venderão suas carteiras de crédito imobiliário pelo valor registrado para os bancos públicos (pior cenário) ou fundos imobiliários (melhor cenário) de bancos públicos. Quem ficará com o prejuízo será o côrno do brasileiro ou cotista do fundo.
      A situação é insustentável, porque sabemos que o côrno do brasileiro NÃO É RICO, não tem como se endividar mais. O resultado só pode ser INFLAÇÃO ou CALOTE.

      Ontem eu vi uma entrevista da Mirian Leitão, sobre a falácia da cesta básica. O caro dizendo que HÁ MUITO TEMPO o brasileiro parou de consumir fubá e farinha, mas estes itens continuam importantíssimo para medição da inflação. A INFLAÇÃO REAL ESTÁ MUITO MAIOR QUE OS NÚMEROS DIVULGADOS.

      0
      • Fred Henrique 16 de setembro de 2011 at 09:34

        Pois é,

        Eu gostaria de morar na cidade onde a inflação real é, pelo menos, parecida com a oficial.

        Aqui em Fortaleza, passa fácil dos 10% nos últimos 12 meses.

        0
    • Fred Henrique 16 de setembro de 2011 at 09:31

      MrK,

      Desde que eu vi a notícia estou tentando lembrar de alguma reserva de mercado que tenha sido positiva a médio e longo prazo.

      Se lembrar de alguma, por favor, compartilhe.

      0
    • Bolha Imobiliária 16 de setembro de 2011 at 10:55

      Exatamente isto que eu estava pensando enquanto vinha para o trabalho. As montadoras não abrem mão da sua margem de lucro que é 3 vezes maior do que em outros paises, para tentar reaquecer as vendas…Agora, se fosse o povão, eles iam deixar se quebrar…Bem assim mesmo

      0
      • DRN 16 de setembro de 2011 at 11:36

        Freemont no http://www.fiat.it/cgi-bin/pbrand.dll/FIAT_ITALIA/home.jsp

        E$27.200,00

        Freemont no http://freemont.fiat.com.br/monte-seu-carro/

        R$81.900,00

        Segundo o Bacen, em 15.09.2011, http://www4.bcb.gov.br/pec/conversao/Resultado.asp?idpai=convmoeda:

        E$1,00 = R$2,37

        Então, o Freemont da Itália custa R$64.464,00.

        Diferença de R$17.436,00, ou 27,05%.

        0
      • DRN 16 de setembro de 2011 at 12:13

        DRN disse:
        O seu comentário está aguardando moderação.
        16 de setembro de 2011 às 11:36
        Freemont no http: //w w w .fiat.it/cgi-bin/pbrand.dll/FIAT_ITALIA/home.jsp

        E$27.200,00

        Freemont no http: /freemont .fiat.com.br/monte-seu-carro/

        R$81.900,00

        Segundo o Bacen, em 15.09.2011, http: // w w w 4.bcb.gov.br/pec/conversao/Resultado.asp?idpai=convmoeda:

        E$1,00 = R$2,37

        Então, o Freemont da Itália custa R$64.464,00.

        Diferença de R$17.436,00, ou 27,05%.

        Responder

        0
        • DRN 16 de setembro de 2011 at 12:46

          Mais um

          Ford Titanium hatch nos EUA: US$22.700,00

          Ford Titanium hatch no Brasil: R$74.000,00

          Taxa de câmbio segundo o BACEN em 15.09.2011 = R$1,71 = US$1,00

          Então, o Ford Focus dos EUA custa R$38.817,00.

          Diferença de R$35.183,00 ou 90,64%

          0
    • Platao 16 de setembro de 2011 at 11:34

      O risco do jumento chifrudo!!!

      Imaginem um cruzamento ideal entre a vaca e o jumento: o híbrido seria exímio para puxar carroça e ainda daria litros de leite. Mas e se acontecesse o contrário: nem dar leite nem servir para a tração? Seria só um jumento com chifres! É o que costuma acontecer quando uma economia aberta (ou quase) adota medidas para proteger um determinado setor, sob o pretexto de proteger empregos nacionais ou sei lá o quê.

      O governo anunciou nesta quinta que vai elevar em 30 pontos percentuais o IPI de carros e caminhões que não cumprirem as novas exigências estabelecidas pelo governo: as montadoras vão ter de utilizar ao menos 65% de conteúdo nacional ou do Mercosul nos veículos, investir em pesquisa etc. — há 11 requisitos; para que não haja o aumento, será necessário cumprir pelo menos 6.

      “É uma medida que garante a expansão dos investimentos no Brasil, o desenvolvimento tecnológico e a expansão da capacidade produtiva no Brasil”, afirmou Guido Mantega. É mesmo? Era o que se dizia no tempo de um clássico do protecionismo, que fez milionários e deixou o Brasil nas cavernas: a chamada Lei da Informática, de triste memória. Pode acontecer o contrário do que diz Mantega: novas empresas desistem de investir no Brasil; as que já estão aqui aproveitam para aumentar o preço e não se vêem obrigadas a concorrer; o lucro é garantido, e o brasileiro passa a pagar caro por carro meio vagabundo… É o jumento de chifres.

      É evidente que o governo decidiu escolher mais um setor para “proteger”. Por que não os outros? A rotina para responder ao desequilíbrio macroeconômico será, então, essa, revestindo a concessão de privilégios de interesse estratégico? O presidente da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotoras (Abeiva), José Luiz Gandini, fornece uma informação importante. Ele não tem motivos para gostar da medida, é evidente, mas dado é dado: em 2010, foram comercializados 120 mil carros estrangeiros num mercado de 2,5 milhões de automóveis — 4,8% do total apenas.

      Mantega e o ministro Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia) alegaram que isso vai proteger os empregos brasileiros etc e tal. É um argumento clássico do protecionismo, não é? O fato é que o que está exportando empregos é o câmbio. Mercadante, grandiloqüente como sempre, afirmou que quem quiser se aproveitar do mercado brasileiro vai ter de investir aqui: “Mesmo porque, lá fora, não tem muitas opções”.

      Vamos ver. De imediato, uma coisa é certa: o consumidor vai pagar o pato. E também vai se dar mal aquele setor da economia que investiu no mercado de carros importados segundo as regras então vigentes. Se os empregos vão ser mesmo protegidos, o tempo dirá. Medidas semelhantes, em outros momentos, só geraram atrasos e alimentaram pançudos. Nem leite nem tração. Só jumento de chifres.

      Por Reinaldo Azevedo

      0
      • FQ 16 de setembro de 2011 at 11:39

        Muito Bom!

        0
      • Pedro 16 de setembro de 2011 at 12:45

        E o Brasil ainda reclama do protecionismo americano e europeu e fazem a mesma coisa.
        Governo populista é fogo!!!

        0
      • Duda 16 de setembro de 2011 at 16:30

        Otimo artigo! vai ser isso mesmo, preços altos, carros piores…

        0
      • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 16:42

        Leiam esse artigo sobre a taxação sobre os importados.

        http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1084

        Vale a pena ler. Não percam a oportunidade.

        0
        • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 16:42

          http://w w w.mises.org.br/Article.aspx?id=1084

          0
      • Guilherme Eduardo 16 de setembro de 2011 at 18:16

        “O governo anunciou nesta quinta que vai elevar em 30 pontos percentuais o IPI de carros e caminhões que não cumprirem as novas exigências estabelecidas pelo governo: as montadoras vão ter de utilizar ao menos 65% de conteúdo nacional ou do MERCOSUL nos veículos, investir em pesquisa etc. — há 11 requisitos; para que não haja o aumento, será necessário cumprir pelo menos 6.”

        Seria possível então a JAC, LIFFAN, CHERRY, e outras chinesas montarem fábricas no PY ou nos hermanos e vender sem o acréscimo do IPI aqui??? Pelo que eu entendi sim. Alguém pode esclarecer? Se isso for verdade, dá na mesma, não?

        E se eles resolverem abaixar mais o preço, pq li um boato que os carros chineses seriam mais baratos, mas que as outras montadoras pediram para não vender muito barato não.

        0
    • FQ 16 de setembro de 2011 at 11:49

      Agora, ao invés do sujeito comprar o moderno, seguro e belo Hyundai i30, ele vai ser “obrigado” pelo governo a levar para casa o sucateado, ridículo, obsoleto e deplorável, Astra da Chevrolet… Isso é uma piada!

      O i30 é atualmente o importando mais vendido no Brasil, devido simplesmente a ridícula concorrência dos seus pares nacionais: Astra e Golf. Este dois últimos, ao contrário das versões novas e modernas comercializados na Europa/USA, são vendidos no Brasil em versões inseguras de 20 anos de idade com pequenas re-estilizações e adaptações, versões aposentadas no resto do mundo.

      Obrigado Governo!!!

      0
    • Galvão 16 de setembro de 2011 at 17:10

      Comentário mais cedo na CBN, não lembro o nome do cara, mas é da revista auto esporte.
      Ele disse que essa medida é totalmente inócua em relação à justificativa do governo de gerar empregos no Brasil. Outra coisa, muitos carros são importados da Argentina e México sem IPI e parece que nesse caso não vai ter alteração. Esses carros são da FORD, VOLKS, CHEVROLET. Ou seja, a decisão do governo foi contra os carros Chineses e coreanos. Acho que tem a ver com o que foi dito aqui sobre preservar os patrocinadores, ou as grandes montadoras européias e americanas.

      0
      • Carlos Eduardo 16 de setembro de 2011 at 17:28

        Não podemos esquecer que os chineses que mandam no brasil!!

        nossas exportações em sua maioria é feita para eles! como será que ficará essa relação?

        0
        • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 17:42

          Carlos

          Tambem pensei nisso assim que os genios economicos anunciaram essa estupidez. Se houver retaliação chinesa, o processo acelerará o estouro da nossa bolha? Que arrisca a opinar?

          0
          • Guilherme Eduardo 16 de setembro de 2011 at 18:20

            So quero ver se eles abaixarem o preço, mesmo com o IPI…. aí o bicho pega, pq se sem o aumento já é mais barato. Será que o governo criará um “Bolsa Veículo”????

            MCMV = Meu Carro Minha Vida = KKKKKKKK

            0
  • xyz 16 de setembro de 2011 at 08:52

    “Levantamento da TeleCheque mostra crescimento de 78% no volume de cheques devolvidos no segmento de alimentação”

    h ttp://exame.abril.com.br/economia/noticias/consumidor-de-baixa-renda-esta-com-dificuldade-de-pagar-compra-em-supermercado

    Alimento é prioridade zero. Maior que saúde, habitação, transporte ou qualquer outra.

    0
  • Leandro 16 de setembro de 2011 at 09:09

    Artigo fresquinho do economista Leandro Roque:

    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1108

    0
    • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 11:38

      Leandro

      POstei esse artigo alguns posts acima. Excelente materia, vale a leitura.

      0
    • augusto 16 de setembro de 2011 at 11:59

      é BOM ESTE TAL DE GEORGIES NUNCA TENTAR LER ESTET ARTIGO POIS NÃO TEM INTELIGENCIA PARA ENTENDE-LO

      0
  • Galvão 16 de setembro de 2011 at 10:16

    Do jeito que as coisas estão indo, o governo vai tentar impedir de todo jeito fazer os ajustes necessários para dar uma sensação pro povão de que as coisas estão indo bem. Na próxima eleição jogam a bomba na mão da oposição pra arrumar a casa (lógico que Lula não volta, pra não pegar o rojão), e daí jogam a culpa da bagunça que vai se formar nos outros.

    0
  • Georgeis10 16 de setembro de 2011 at 10:57

    Esse blog apresenta muito pouco de concreto, opinião de amadores.
    Mas é um bom meio de conhecer a mente da classe média conservadora que culpa o governo pelo próprio insucesso.
    Entro todo dia prá rir um pouco.
    Continuem com o sonho dourado de que a tal “bolha” vai “estourar”.

    0
    • Philis 16 de setembro de 2011 at 11:31

      Se os comentários dos petralhas continuarem a ser admitidos, passarei e não visitar mais o blog.

      0
      • Duda 16 de setembro de 2011 at 16:36

        Philis, don´t worry. Dá para ver o desespero destes tristes corretores…

        0
      • Jak 18 de setembro de 2011 at 22:15

        Se os “corretoresss” se divertem … imagina noss os “sem sucesso” !!! kkkkkkk.kkk.kkk..

        alias… como todas as nossas avos ja falavam… “quem ri por ultimoo……..” !!! kkk..kk..kkkk

        0
    • Ricardo 16 de setembro de 2011 at 11:37

      Georgeis10,

      devemos desconfiar de toda unanimidade. Entretanto, qual a base teórica ou prática que você tem para discordar das informações apresentadas neste Blog?

      Os comentários deste blog, salvo exceções, são fundamentas com exemplos, passado (ex: crise japonesa), presente (crise espanhola) e situações previstas por vários estudiosos.

      Portanto, desmerecer este fórum sem argumentos é algo estranho. Desculpe a pergunta, mas por acaso, você é investidor ou pretende investir? Ou melhor, depois de acompanhar este fórum,se você tivesse 500.000,00, compraria um “apertamento” de 60m2?

      0
      • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 11:42

        Ricardo

        Esse não o perfil do coitado acima. Ele é petralha, teve o salario minimo aumentado e agora pode andar de avião e nao quer perder isso. Ta se cagando!

        O problema é que a petralhada vem aqui desmerecer os participantes mas não tem QI para apresentar uma argumentação e proporcionar uma reflexão de outros pontos de vista, coisa que agregaria conhecimento.

        Eles só sabem gritar.

        Coitados. O pior é que eles vão pagar essa conta e ficar sem emprego.

        Mas nao se iludam. Ele nao é investidor, nao tem 500 mil pra comprar nada. Ele é um coitado.

        0
    • Selvagem 16 de setembro de 2011 at 12:11

      Quero agradecer a sua participação. Tenho certeza que os argumentos fundamentados e sólidos que você apresentou contribuiram demais para engrandecer nossa discussão. Por favor conte-nos mais sobre essa sua visão complexa e privilegiada do mercado imobiliário para que possamos desfrutar e compartilhar de toda essa sua sabedoria. Estou especialmente interessado no ponto de que você nos chama de amadores. Por gentileza, queira descrever sua participação no ramo para que possamos admirar sua incrível carreira profissional e sua imensa habilidade de prever o rumo do mercado

      0
      • Vinicius Lima 16 de setembro de 2011 at 13:29

        Ironia transbordando pelos poros…heheheheehheheehhehe

        Tem um humoristas (só chamando assim) que simplesmente discordam, mas sem apresentar nenhum argumento, mas como estamos na Banânia, isso não me assusta mais…

        Vlw!!!

        0
    • Fred Henrique 16 de setembro de 2011 at 14:26

      Insucesso… Poxa, essa me afetou…

      Vou pensar nisso hoje à noite enquanto bebo uma (ou duas) garrafas de Jack Daniel’s, tirando o gosto com maminha, baião de dois e torresmo…

      FILHO, ACORDA!

      Eu até agradeço o governo pelo meu relativo sucesso. Eu trabalho para o governo. Eu culpo o governo pelo insucesso dos OUTROS e do PAÍS como um todo.

      Aposto que, se tivessem pegado o povo desse blog e colocado no Ministério da Fazenda no começo de 2011, este país não estaria na beira do abismo agora.

      0
    • Duda 16 de setembro de 2011 at 16:22

      Vc apresenta muito de “concreto” no seu comentario. Sobre todo muito concreto (e tijolo) que quer vender e pelo visto, não consegue…

      0
  • Lucas 16 de setembro de 2011 at 11:17

    Hoje no ZAP na região Barra/Recreio há 13.755 imóveis anunciados para venda, imagina eu precisando de dinheinho urgente tendo que vender um imóvel nesta região?
    Ainda tem gente que vem aqui chamar nos chamar de fracassados.
    Quero ver quando este milagre acabar.

    0
    • augusto 16 de setembro de 2011 at 11:43

      Se nós somos fracassados eles são babacas , otários, imbecis que acreditaram que papai noel exise

      0
  • Paulo 16 de setembro de 2011 at 12:53

    http:// w w w .mises.org.br/Article.aspx?id=1108
    Muito bom!!!

    0
  • Paulo 16 de setembro de 2011 at 12:56

    http:// w w w .mises.org.br/Article.aspx?id=1108
    Muito bom!!!

    0
  • Tiago 16 de setembro de 2011 at 14:00

    Pra quem quer comprar apartamento de 50m2 e pagar R$ 500 dá uma olhada nesse link antes, vale a pena dar uma buscada aí. Cheio de filézinho…

    http://www.trulia.com/property/3063081791-4204-Golf-Club-Ln-Tampa-FL-33618

    0
    • Tiago 16 de setembro de 2011 at 15:44

      digo R$500k

      0
  • Marcos 16 de setembro de 2011 at 14:28

    Preço dos imóveis vai parar de subir, diz maior imobiliária do mundo
    Presidente do braço brasileiro da Century 21 acredita que valorização imobiliária está muito perto do fim – mas também não há perspectiva de queda de preços

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/preco-dos-imoveis-vai-parar-de-subir-diz-maior-imobiliaria-do-mundo

    Quem foi que apertou o breque?

    0
    • Mrk 16 de setembro de 2011 at 17:20

      meu amigo, por favor me responda: se os precos estagnaram e a demanda secou, como o mercado vai desovar milhoes de aps comprados por investidores sem precos cairem???

      0
  • Querendo Comprar 16 de setembro de 2011 at 14:39

    DECRETO Nº 7.565, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011.
    www. planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7565.htm

    Dispõe sobre a criação e a manutenção do índice de preços de imóveis no Brasil.

    A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea “a”, da Constituição e tendo em vista o disposto no Decreto-Lei no 759, de 12 de agosto de 1969, e na Lei no 5.878, de 11 de maio de 1973,

    DECRETA:

    Art. 1o A Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE deverá adotar as providências que se fizerem necessárias para a criação e divulgação do índice de preços de imóveis no Brasil.

    Parágrafo único. Caberá ao IBGE a definição da metodologia de cálculo do índice de preços de imóveis, bem como a adoção das demais providências necessárias para implementação, manutenção e contínuo aprimoramento do referido índice.

    Art. 2o O IBGE poderá firmar parceria com a Caixa Econômica Federal para que esta forneça, respeitadas as exigências de sigilo e confidencialidade a que se sujeita, informações e conhecimentos técnicos necessários à criação e manutenção do índice.

    Parágrafo único. O IBGE, visando ao contínuo aprimoramento do índice de preços de imóveis, poderá firmar parcerias com outras instituições financeiras ou agentes de mercado.

    Art. 3o O IBGE definirá cronograma para a criação e implementação do índice de preços de imóveis.

    Art. 4o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

    Brasília, 15 de setembro de 2011; 190º da Independência e 123º da República.

    DILMA ROUSSEFF
    Guido Mantega
    Miriam Belchior

    Este texto não substitui o publicado no DOU de 16.9.2011

    0
  • LG 16 de setembro de 2011 at 15:05

    SÃO PAULO – Foi publicado nesta sexta-feira (16) o Decreto 7.565, que trata da criação e manutenção do índice de preços de imóveis no Brasil. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) será o responsável pela criação e divulgação do índice.

    De acordo com o texto do decreto, será definido, pelo Instituto, um cronograma para a criação e implementação do índice.

    O decreto entra em vigor nesta sexta feira.

    Parcerias
    Ainda conforme o documento, o IBGE poderá firmar parceria com a CEF (Caixa Econômica Federal) para que sejam fornecidas as informações e conhecimentos técnicos necessários para a criação do índice.

    O Instituto ainda poderá firmar parcerias com outras instituições financeiras ou agentes de imóveis.

    0
    • Jak 18 de setembro de 2011 at 22:49

      bom … na minha leitura … existe de fato nas altas ( se podemos falar assim !?) esferas do governo uma muito atual preocupacao com os precos e indicadores de imoveis no Brasil !!?!?! sera que a bolha que , para eles nao existe, na verdade existe !!!?!? ( — acho que novamente temos “duplipensar” )

      0
  • Sérgio 16 de setembro de 2011 at 15:14

    Para bom entendedor, duas palavras bastam para ver um dos requisitos para o estouro da bolha: SAÍDA de DOLLARES.
    .
    Um ou outro noticiário tratam do assunto com a mesma desfaçatez com que trata a avalanche de imóveis e seus preços irreais: anunciam que terá pouco efeito na Petrobras, que poderá influenciar suavemente a inflação e coisas do tipo. Em momento algum tratam como de fato é, ou seja, COMEÇA O PROCESSO de RETORNO DO CAPITAL às suas ORIGENS. E tudo por uma única razão: desconfiança (eufemismo) da possibilidade de escaparmos a uma recessão.
    .
    Nada, nada, são aproximados U$ 700 BILHÕES investidos em nosso país nos últimos anos, sendo aproximados 450 BI em setores PRODUTIVOS (leia-se, todos os setores que produzem riquezas: industria, petróleo/gas, extrativismo) e os demais U$ 250 BI nos DEMAIS.
    .
    A informação dos 450 BI foi retirada do RENAI, do ministério do desenvolvimento, indústria e comércio; a dos 700 BI de informação da Global Financial Advisory.
    .
    O recente aumento do dollar, que passou dos 1,55 há poucas semanas, e já está na casa dos 1,70 É UMA TENDÊNCIA que já me permite revisar o valor de 1,80 para dezembro para cima.
    .
    A única coisa que poderá impedir essa tendência é se acontecer o mesmo de 2008, quando o FED injetou – na economia americana – centenas e centenas de bilhões de dollares e esses vieram parar em boa porcentagem tudo aqui.
    Ou seja, com a fomentação de liquidez nos bancos europeus, o dinheiro que seria para movimentar a economia local, acaba na mão de poucos que mandam tudo para especular nos ditos emergentes.
    Mas se isso não acontecer, adeus dollar barato e bem vindas casas e apartamentos baratíssimos.

    0
  • Elias 16 de setembro de 2011 at 15:23

    Tem um ditado que diz: o sábio aponta para a lua, mas o tolo olha para o dedo.

    Comprar imóveis hoje é olhar para o dedo.

    As pessoas sérias que discutem nesse blog têm estudo e bom senso, não acreditam em tudo que os jornais veiculam, buscam fontes mais independentes de informações, incluse internacionais. Tampouco aceitam tudo o que corretores e representantes do governo e mercado falam, porque têm senso crítico.

    Por fim, os “conservadores” são os mais preparados para enfrentar a fase contracionista do ciclo econômico, e vão assistir de camarote os “alavancados” pagarem a conta dos seus exageros, sejam eles pobres, ricos ou classe média.

    0
  • Mrk 16 de setembro de 2011 at 18:02

    O Artigo da mises postado aqui eh realmente muito bom e vale a leitura, dou meus parabens, o unico detalhe que eu adicionaria eh que ele trata todo o tempo o ipca como sendo uma inflacao valida, quando ja discutimos muito isso aqui

    Nao faz sentido o preco de housing subir 30%, as contas 15% e eles falarem que a inflacao ta em 6% por causa do preco da beterraba e do fuba…

    0
    • Roberto Valle 17 de setembro de 2011 at 21:17

      Desculpa MrK, mas a beterraba não inflacionou não. Aqui em Petrópolis ela custava 1,60 o quilo, hoje, comprei na feira por R$ 1,00 o quilo.

      Hehehe, só tendo muito bom humor para acreditar nos indicadores econômicos fornecidos pelo governo.

      0
  • Carlos Wagner 16 de setembro de 2011 at 18:20

    BOLHA

    PQ OS POSTS ESTÃO TODOS BAGUNÇADOS? Será que é só no meu micro que estão aparecendo assim ou alguem mais notou?

    0
    • Bolha Imobiliária 16 de setembro de 2011 at 18:40

      Cara, deve ser bug do wordpress. Não tenho muito o que fazer…Vou abrir um tópico para chat

      0
      • Fausto 16 de setembro de 2011 at 19:45

        Bolha, ao invés disso, pq não incentiva o pessoal a postar mais no fórum? Fica mais organizado e sem bugs.

        0
        • Bolha Imobiliária 16 de setembro de 2011 at 20:27

          A grande maioria sabe que tem o forum…mas acho que gostam daqui…hehe

          0
  • Carlos Eduardo 17 de setembro de 2011 at 10:34

    Golf Carbiolett
    http://www.youtube.com/watch?v=S74nP_BFqos

    Golf do Brasil ou seria Brazil … ou Banania
    http://www.volkswagen.com/br/pt/carros/Golf_.html

    0
  • roberto 19 de setembro de 2011 at 10:58

    Começou a derrocada, .;;;;;;;

    Estadão HOJE.

    Após fracassar na sua proposta de fazer imóveis populares, construtora reestrutura operação para tentar voltar a crescer …

    SÃO PAULO – Uma pilha com dezenas de caixas de papelão logo na entrada do 18.º andar do número 37 da Avenida Paulista é o sinal mais visível do que vem acontecendo na construtora e incorporadora Trisul, uma das dez maiores de São Paulo. Quatro anos depois de abrir o capital na bolsa, a empresa fracassou na sua proposta ambiciosa de fazer imóveis populares, sendo obrigada agora a reformar a casa para sobreviver.
    Há dez dias, a ferida da Trisul ficou ainda mais exposta com a divulgação dos resultados do segundo trimestre. Os números, entregues com atraso, ainda não foram auditados. Mas já dá para ver que a situação do seu caixa é delicada: a companhia teve prejuízo de R$ 33,6 milhões no período, uma queda de 300% em relação ao ano anterior, e uma margem ainda pior (-17,4%) que a dos primeiros três meses do ano, que já havia sido negativa.

    0