Preços dos imóveis começam a cair – Clipping

Você pode gostar...

Comments
  • Salles 22 de agosto de 2011 at 20:40
    • schmidt 23 de agosto de 2011 at 16:26

      Show

      0
    • rubens 24 de agosto de 2011 at 08:56

      Aí pessoal, saiu hoje no Bom dia Brasil. Eles ainda estão sonhando que não há bolha.
      http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1605943-7823-PRECO+DOS+IMOVEIS+CAI+PELO+TERCEIRO+MES+SEGUIDO,00.html

      0
  • Felipe 22 de agosto de 2011 at 20:51

    Mesmo com tudo mostrando que as coisas não caminham bem o cara ainda insiste em usar termos tucanos como ‘acomodação’.
    Ai meu Deus do céu!

    0
  • MrK 22 de agosto de 2011 at 21:34

    “O momento, agora, é de acomodação. As correções necessárias já foram feitas”

    mentirosos!!!!!!!!!!!!

    postei exatamente sobre isso no topico anterior, dos “prováveis próximos passos”, disse que iriam falar isso mesmo

    NÃO EXISTE ACOMODAÇÃO EM BOLHA, imaginem os “investidores” que pagaram R$4.1mil no metro quadrado e agora veem vendas a R$3.6mil ???? imaginem a corrida as vendas quando os aps ficarem prontos sem dono e o metro quadrado só caindo??? é só a ponta do iceberg!!!!

    vão dizer que qualquer quedinha de 10% é uma super oportunidade, não, não é, o mercado tem potencial de cair entre 20% e 40% dependendo do local !!!

    0
    • Zoom 22 de agosto de 2011 at 21:50

      MrK, 20% ou 40% tô achando pouco. Agora é a vez dos compradores em boicotar as compras e deixarem sobrecarregar a oferta.
      Hahahahaaaaa…

      0
      • MrK 22 de agosto de 2011 at 22:07

        zoom, isso é uma estimativa… assim, locais que não subiram tanto pode ser que caiam mais pra 20%..25%… já locais onde especularam demais, como BSB, zona sul Rio, Tijuca e algumas outras capitais pode chegar fácil a 40%, ou até passar

        mas o que quero dizer é que 13% nem de longe pode ser considerado um “ajuste” adequado!

        0
        • carlos wagner 22 de agosto de 2011 at 22:55

          Por definição queda de 13% ou de quanto for não é, nem nunca foi sinonimo, de acomodação. Acomodação é estabilização de preço, quando este chega num patamar aceitavel e considerado ideal para que seja consumido. O que esta acontecendo é exatamente o contrario, o patamar atingido inviabiliza o consumo.

          Quanto a sugestão de boicote dada pelo colega acima, acho que isso nao existe no Brasil. O brasileiro adora correr e fazer compras mesmo que a redução seja infima. Lembram da redução dos IPIs para automoveis na crise de 2008? Então, por causa de meros 1500,00 a população correu para as concessionarias e compraram tudo, mesmo sabendo que os carros continuavam o dobro do preço que em qualquer outro país do mundo.

          Eu acredito que desta vez o tombo nos preços vai ser grande, nao pelo fato do brasileiro ter consciencia em esperar baixar mais ou boicotar, mas por estarem atolados em dividas e não têm capacidade financeira em adquirir mais nada.

          Queda de efetivação de negocios imobiliarios, queda nos preços, crise internacional, ferias coletivas nas fabricas, isso é só o começo. Infelizmente, a coisa tende a piorar. Acredito que seja mais prejudicial ao Brasil o governo negar a existencia de bolhas de credito e imobiliaria e perder o tempo de tomar providencias serias e efetivas do que admitir tal existencia e manter o país nos trilhos.

          Mas tratando de Brasil, o vale tudo continua…

          0
          • Sérgio 25 de agosto de 2011 at 12:49

            Fabulosa a observação, meu camarada. Aqui no Brasil, grosso modo, não existe consciência a ponto de a população consumidora boicotar os imóveis à venda. Mas é certo que a maioria, a grande maioria, está endividada e não terá como adquirir imóvel algum aos preços “recém ACOMODADOS”. Ademais, com a quantidade de imóveis que começam a ser entregues nesse ano e em 2012, a oferta superará (já está superando) em muito a demanda por compradores sem dívidas. Isso, sem contar os que adquiriram imóvel sem levar muito em conta a capacidade de pagamento própria. Tenho amigos que trabalham comigo, que a despeito de terem uma renda razoável (6 mil liquidos) estão raspando o c…. com a unha para pagarem apartamentos e casas que financiaram a 1.900,00 por 30 anos. Frise-se que esses imóveis que financiaram são de 70 ou 80 m2 aqui em cascavel PR…. caixotes caríssimos e que não serão vendidos em sua totalidade, pois, os mesmos já cairam mais de 20 por cento e ainda não foram vendidos.
            Abraços e valeu pelo comentário.

            0
      • Arruda 24 de agosto de 2011 at 15:19

        Acredito que as pessoas mais sensatas já estão boicotando as compras há algum tempo…

        0
  • Ricardo 22 de agosto de 2011 at 21:49

    E um detalhe: os compradores afoitos de 1a. viagem foram os que elevaram o preço e a demanda. Agora estes estão endividados até a 3a. década (financiaram 30 anos). Já os “futuros” compradores são mais precavidos e atentos (em tese, mais esclarecidos), ou seja, não comprarão gato por lebre.

    Portanto, a tendência natural é de queda de preços . Lei da economia: quanto maior a oferta, mantendo-se a demanda (ou queda da mesma), variação negativa de preço.

    0
  • MrK 22 de agosto de 2011 at 22:08

    o melhor de tudo é que no meio dessa reportagem entoru publicidade do mayaan, o empreendimento que 80% foi vendido pra especuladores hahahahaha

    justiça poética?

    0
    • Fernando 23 de agosto de 2011 at 11:14

      Venderam alguma coisa do Maayan? Recebi um email de um corretor que davam 22% de desconto na tabela. O 2 qts no primeiro andar sai por R$332 mil (R$4800/m2) e um 3 qts por R$409 mil (R$4755/m2). Mesmo assim, ta muito caro para a chamada Barra (Cidade Jardim para mim é Jacarepagua). E venderam 80%???? Quando ficar pronta deverá estar, a preço de custo por R$6mil/m2 …. Na peninsula pode-se comprar um 2 qts pelo preço deste lançamento, não sei quem está comprando.

      0
      • MrK 23 de agosto de 2011 at 13:37

        Fernando, não vendeu 80% não, em expressei mal

        daquilo que vendeu, 80% foi pra investidores e 20% pra moradores

        mas a expectativa de venda que me passaram foi algo como 50% só (de reserva)

        0
      • schmidt 23 de agosto de 2011 at 16:37

        A região é curicica. Barra é só para os tolos.

        0
  • Daniel 22 de agosto de 2011 at 22:27

    Bem, em relação ao que a mídia foi propagando, a matéria foi boa. Mas em relação à verdade, ainda há um bom caminho a ser percorrido. A fase do ‘oba-oba’ passou. Acredito que no futuro a História não só vai dar nomes aos bois, como ainda vai colocá-los nos devidos currais.

    0
  • MrK 22 de agosto de 2011 at 22:28

    Essa vai especial pro Bolha e pro Duda:

    Lembram do André, aquela peça rara que era contra bolha e tal e se fazia de vitima aqui?

    Pois bem, achei no histórico o blog dele e fui dar uma olhada, ri demais! Pelo visto ele ainda frequenta muito aqui pra pegar inspiração, só que ele lá, através de um joga daqui e arruma dali, da as mesmas noticias com viés totalmente oposto. Vejam algumas pérolas:

    – Quanto a queda de preços medida recentemente, ele diz que é em função desses indicadores do secovi não usarem média movel, ele faz as contas com média móvel e a queda, matemágicamente vira uma alta em função de um aumento pesado de abril, é demais!!!!

    – Quanto aos imoveis no ZAP, ele faz um comparativo de 2008 pra cá (isso mesmo, 2008) onde segundo ele, copacabana só tinha 40 imoveis pra alugar (?!), vejam bem, em vez de notar o acumulo monstruoso de estoque dos últimos 6 meses, ele vai buscar referência em 3 anos atrás, quando o ZAP nem tinha um quinto do peso que tem hoje, é pífio!!!

    e por aí ele vai distorcendo tudo como consegue, com muita criatividade e nenhum senso crítico… é ótimo pra dar umas risadas, pois ele faz tudo parecer muito “profissional” e “isento”, como se fosse sério!!! eu mijei nas calças em alguns momentos

    0
    • carlos wagner 22 de agosto de 2011 at 23:05

      Tive a oportunidade de ler poucos posts do andré, mas constatei que ele é do contra. Se resolvessemos dizer que a bolha já acabou ele viria com teorias que a bolha agora está maior do que nunca.

      Ja conheci muita gente assim, do tipo que fica cantando uma mulher durante meses e quando ela resolve dar pra ele o cara pula fora e diz: Não quero comer voce nao, só queria saber se um dia voce iria querer dar pra mim…

      0
  • Veigalex 22 de agosto de 2011 at 22:30

    Estou ficando muito feliz com essas noticias.
    Como disse no Forum.. tem investidor que aumentou o preço atual, para tentar ludibriar os compradores.
    Nisso o corretor diz que da um desconto e tenta vender por um preço ainda alto.
    Quem vai comprar é hora de se vingar.. fazer uma proposta lá embaixo.. e deixar eles fazerem cara feia…

    0
    • DRN 23 de agosto de 2011 at 14:18

      Mesmo já tendo comprado, este tem sido um passatempo muito divertido!

      0
  • Elias 22 de agosto de 2011 at 22:59

    Impressionante como o mercado imobiliário brasileiro têm se comportado como uma bolha típica.

    Têm seguido todos os estágios, com precisão incrível.

    Trecho do capítulo 5 do livro do R. Aliber sobre história das crises financeiras, que o MrK indicou:

    Changing expectations

    “The standard model of the sequence of events that leads to financial crises is that a shock leads to an economic expansion that then morphs into an economic boom; euphoria develops and then there is a pause in the increase in asset prices. Distress is likely to follow as asset prices begin to decline. The pattern is biological in its regularity. A panic is likely and then a crash may follow.”

    Parece que a “pausa” já passou, e estamos vivenciando o início da grande correção.

    Talvez haja um repique de alta, como mostra aquele gráfico que alguém postou. Sempre tem alguém mais afobado que acha que 10% é um ótimo desconto agora, que é a ultima oportunidade – essa será a conversa dos corretores e construtoras.

    Mas o quadro é evidente.

    Já está parecendo novela. Todo mundo sabe o que vai acontecer, mas fica esperando as cenas dos próximos capítulos. kkk

    0
  • Salles 22 de agosto de 2011 at 23:01

    Assunto caindo na mídia…. charges.uol.com.br/2011/08/19/cotidiano-boom-imobiliario

    0
  • Miguel David Silveira 23 de agosto de 2011 at 00:19

    Pessoal, mais uma vez quero parabenizar o MRK! Impressionante suas acertadas previsões. Estamos no segundo semestre e até O GLOBO de domingo reconheceu a existência da bolha. MRK, continue estudando pra manter o nível deste blog. Abs.

    0
    • MrK 23 de agosto de 2011 at 08:29

      miguel, fico muito feliz de podermos discurtir esse assunto, termos esse espaço, quem acertar o rumo das coisas certamente vai ficar muito melhor que os demais…. e até agora temos acertado! ,

      Até a compra de uma construtora, que eu falei muito, parece que tá caminhando a pleno vapor… ontem a cyrela foi botada na mesa no mercado financeiro hehehe

      agora imaginem a gafisa que nem consegue entregar o que vende, tendo que ainda administrar a cyrela por exemplo? coitado de quem comprou na planta…

      abraços e vamos monitorando!

      0
  • Apoena 23 de agosto de 2011 at 00:30

    Hoje de manhã li essa matéria e até vim até o blog pra ver se já estava aqui….

    Algumas pessoas acham que -13% (Taguatinga-DF) ou -1,7% (Noroeste -DF) não é nada. Acrescentando o valor dos juros pagos e da não remuneração da inflação a perda é bem maior.

    Conforme escrevi nesse blog há mais de um ano, primeiro são as ações do setor imobiliário que não se sustentariam (uma amostra do que vem no futuro), depois vêm o mercado físico.

    Sobre a queda dos preços das ações do setor imobiliário na bolsa nem é preciso falar mais né… Agora o próximo passo é a preocupação de quem está comprado em imóveis vendo seus investimentos andarem para trás… Já estava em hora, quantos milionários se fizeram com essa elevação de preços…

    Quem comprou e vendeu está de parabéns…. Agora a vez dos não comprados está chegando… E dá-lhe ursos… Tourinhos, está na hora de correr…

    Att,

    0
  • ildeu 23 de agosto de 2011 at 00:50

    Sabem qual a palavra que vai estourar a bolha no Brasil? A palavra DESCONTO.Essa palavra cheira mal pra algo que se tem ou se compra no sentido de investir ou especular.Quando se diz: e´ esse o preço e pronto ! ,soa melhor pro investidor que dizer :Vc compra que eu te dou um desconto ! e´ psicologico o efeito de que se está dando desconto é por que está com dificuldades e assim a tendência e´ de cair mais.Diferente de dar desconto em carro ou roupa onde o comprador não tem intenção de lucrar com a negócio .Dar desconto em algo que teoricamente tende a subir? e´ o mesmo que se um cambista na porta de uma festa que tá com cara que micou , te oferecer 20% de desconto no preço e vc achar que vai conseguir vender mais caro que isso , dificíl alguém acreditar.Quando se ouvir a palvra desconto pra tudo que é lado , quem não tem imovél e tá puto com esses preços vai deitar e rolar .Vai querer pagar na mesma moeda , especulando pra baixo .

    0
    • Adriano 23 de agosto de 2011 at 06:32

      Muito boa a sua observação e acho que vale mais considerações. Já tinha notado isso. Apenas mais um dos artifícios e falácias. “Desconto” e não “queda”. Desconto dá a entender que os preços retornarão aos patamares “nornais”. Dá nojo. Não estão nem aí se o corno vai ficar trabalhando 30 anos pra pagar algo que vale a metade. E o pior é ver o governo assistindo tudo de camarote já há muito tempo, e sem fazer nada.

      0
      • Carlos Wagner 23 de agosto de 2011 at 11:42

        Já é de dar dó ver o sujeito para 30 anos, com juros exorbitantes, por um imovel em seus preços normais, que quando colcados na ponta do lapis sai, após esses 30 anos pela bagatela de 3 vezes o valor do imovel comprado. Imagine agora o sujeito comprar algo ja inflacionado, quantos imoveis em condições normais ele estaria pagando?

        0
  • Observador 23 de agosto de 2011 at 08:12

    Matéria idêntica acaba de ser veículada no “Bom dia Brasil”, com dono de construtora afirmando que os preços ainda continuaram subindo, só que num rítimo mais lento.`É ou não é, piada de salão?”

    0
    • Zoom 23 de agosto de 2011 at 09:11

      Brother, o cara está vendendo o peixe dele. Sabemos que a seta dos preços mudaram de direção. Mas o pessoal que trabalha neste setor nunca irá falar que a coisa vai mal.

      0
  • xyz 23 de agosto de 2011 at 08:18

    Esta seria cômica, se este não fosse o NOSSO ministro da economia:

    h t t p://g1.globo.com/economia/noticia/2011/08/politica-monetaria-dos-eua-e-europa-traz-risco-de-bolhas-diz-mantega.html

    0
    • xyz 23 de agosto de 2011 at 08:24

      O mais triste é que ninguém sabe se é desfaçatez ou incompetência.
      Será que ele sabe que a política monetária expansionista a que se refere é IDÊNTICA à adotada aqui?

      0
  • RT 23 de agosto de 2011 at 08:23

    Engraçado como há um mês atrás, as previsões eram das mais otimistas nesses jornais. Agora, do nada, a “bolha” já está em todos eles. O que dizem hoje, “desdizem” amanhã. Mais um motivo pra não tomar tudo que a grande imprensa diz ao pé da letra.

    Faz menos de um mês que um “especialista” do Secovi-SP cravou: “Quem ficar 4 anos esperando uma bolha estourar vai morar mal por esses quatro anos.”

    Que vontade de entrevistar esse maluco quando a coisa ficar feia!!

    0
    • Adriano 23 de agosto de 2011 at 09:05

      Cara, o que a imprensa faz é confundir. Note a tática: “OK, aparentemente os preços estão mais altos do que deveriam, MAS é provável que continue a subir, só que dessa vez de forma mais sustentável. Em função disso, em alguns casos será possível até mesmo comprar o imóvel com excelentes descontos. LOGO, esta é uma excelente hora pra comprar o seu imóvel sem medo!!!”
      Passam a entrevistar somente gente comprometida que apoie esses argumentos. É quase criminoso….
      Vira uma discussão de maluco onde os valores discutidos lembram aqueles cobrados em Mônaco. Tentam a todo custo fazer o brasileiro acreditar que está rico, e que enriquecerá mais. “Pode se endividar a vontade pros próximos 30 anos, pagando 12, 13% de juros anuais”.

      0
      • Anonymous 23 de agosto de 2011 at 09:23

        É verdade.
        E o pior é que quem for um tanto fraco da cabeça, cai nesse conto.
        O sujeito acha que um financiamento de 30 anos termina depois de amanhã, mas não sabe se vai estar vivo daqui 5 minutos quando sair pra rua e ir trabalhar.
        Os imóveis custam igual Monte Carlo, mas o resto da estrutura é de Serra Leoa. Quem conheceu bairros nobres de São Paulo e Rio e o interior da Região Norte/Nordeste sabe do que falo.
        Tá tudo virado.

        0
        • Kal 24 de agosto de 2011 at 00:10

          A nossa bolha é diferente do EUA mesmo. Na terra do Tio Sam tínhamos uma economia de 200 anos forte que se sustenta com o consumo desenfreado, mas com um PIB e rendas compatíveis com o aumento de preços. O crédito subprime nesse país era irresponsável, mas servia para financiar as guerras e o “sonho” americano. Entretanto, os valores parecia corresponder à realidade, o que “estourou” foi o endividamento por conta desse financiamento do sonho americano a qualquer custo. Já no Brasil, o que fica evidente é a cara de pau, ganância e sei lá o que do povo brasileiro, bem como das construtoras. Sim, porque aqui não há crédito subprime, não há economia consolidada a ponto de estiumular o consumo desenfreado – na verdade o que houve – foi pessoas oportunistas que se aproveitaram do momento para verem seus lucros triplicarem e quadruplicarem de um hora para outra. E a parte mais gananciosa, sem dúvida veio das construtoras, ora, era tudo estratégia: lançar um empreendimento com um m² a 3000 mil e seis meses após um empreendimento igual já estava 4000 mil e assim iam alimentando a fantasia de que isso não ia parar e aguçando, lógico, a ganancia do cara que pagou 3 mil e em seis meses ganhou mais de 30% – o que esse cara vai fazer comprar de novo por 4 mil, pois logo em mais 6 meses o m² estaria 5, 6 mil. Agora essa é a situação, como muitos falaram aqui, os anúncios da casa própria vinha como investimento – então se todo mundo que compra é para investir, o que compra pra morar é idiota? Sim, pois quem vai comprar pra morar só pode ser idiota, porque não compra no lançamento, espera valorizar e depois paga bem mais………..Assim, foi dando certo, mas tá na hora dessa corda arrebentar e se arrebentar com quem quis ser esperto, só lamento.

          0
    • Cmmc 25 de agosto de 2011 at 12:58

      E o mais interessante é que se isso passa a ser finalmente noticiado na mídia, provavelmente a situação já está muito mais grave do que eles colocam. Do tipo, na hora que estourar, “não diga que a mídia não avisou”. A coisa já tá é preta!!!

      0
  • veigalex 23 de agosto de 2011 at 09:12

    Acontece que a mídia não dá a noticia conforme ela é!
    Para a população de baixa renda, o Ratinho ou o Datena deveria falar.

    Pessoal.. o preço de imóveis esta um roubo.. Não comprem nada agora!
    Deixem esses especuladores sentirem na pele!

    0
  • RT 23 de agosto de 2011 at 09:24

    Pelo menos, uma coisa boa a bolha trouxe: reunimos aqui vários especialistas (sem aspas) em mercado imobiliário.

    Sim, pois se estamos acertando as previsões mais que os “especialistas” que a todo tempo dão entrevistas nos jornais, então, sabemos mais que eles, certo?

    Se um dia eu cansar da vida de engenheiro, viro especialista em mercado imobiliário.

    0
    • Zoom 23 de agosto de 2011 at 09:29

      RT, os caras querem tirar aproveito da situação e aparecer na mídia. heheheheeeee

      0
  • Zoom 23 de agosto de 2011 at 09:27

    Apareceu outra desculpa para o problema, “problema no mercado externo”. Será que estou ficando louco, mas escutei a dias atrás um pessoal dizendo que o Brasil não será afetado pelos problemas externos.

    Quem assistiu ao jornal Bom Dia Brasil de hoje saberá o que estou falando.

    E outra, no início da apresentação do jornal, a apresentadora disse que os preços dos imóveis teve uma queda nos 3 últimos meses, durante a matéria, foi dito que a diminuíção ocorreu na velocidade de aumento dos preços.

    Um exemplo clássico de demostração na velocidade dos preços.

    Janeiro/Maio = 130 KM/H (excesso de velocidade) – Multa gravíssima. heheheeeeee
    Junho = 100 KM/H
    Julho = 90 KM/H
    Agosto = 80 KM/H

    Resumindo o que foi dito, os preços estão caíndo de velocidade, diferente de dizer que os preços estão caíndo.
    Na realidade, tá todo mundo ficando lokoooo.. heheheheheheeeeee

    0
  • DM 23 de agosto de 2011 at 09:32

    Bolha é bolha!

    Realmente pode ser diferente, pode ser de sabão neutro, detergente, sabão de coco, sabonete. Ou seja o princípio causador pode ser diferente, porém o resultado quando se infla é o mesmo, o estouro!

    A maior desculpa é realmente justificar que é diferente, quem sabe história e se indaga facilmente não se engana. Um exemplo claro foi o erro do Hitler em invadir a Rússia na 2 guerra, foi o mesmo erro de Napoleão, porém de uma forma “diferente”.

    Só quero ouvir daqui um tempo as desculpas “diferentes” dos interessados em negar ou mesmo em tentar inchar ainda mais esta bolha.

    0
    • Zoom 23 de agosto de 2011 at 09:37

      Boa, eu também gostaria de saber como ficará a credibilidade daqueles que estão dizendo que não e nunca haverá bolha no país, que imóvel nunca caem os preços, que nos últimos anos não tiveram a correção correta dos valores e …… etc.
      Como ficará esses??????

      0
      • Paulo Rocha 23 de agosto de 2011 at 10:42

        deviamos ter uma secao especial so para eles no forum, com o nome, data e as asneiras que falaram.

        0
  • Zoom 23 de agosto de 2011 at 09:33

    Relato de um amigo dono de uma imobiliária, ” se não fossem os contratos de aluguel, eu estava “piiiiiiiiiiiiiii”.

    0
  • nelson 23 de agosto de 2011 at 09:37

    22/08/2011 22h23 – Atualizado em 22/08/2011 22h46
    Política monetária dos EUA e Europa traz risco de ‘bolhas’, diz Mantega
    Contra crise, países aumentam quantidade de recursos em circulação.
    Dinheiro ‘extra’ traz risco de bolhas imobiliárias em países emergentes, disse.

    Fabíola Glenia
    Do G1, em São Paulo

    O ministro da Fazendo, Guido Mantega, disse nesta segunda-feira (22), que a política monetária expansionista (que gera aumento da quantidade de recursos em circulação) adotada por países europeus e pelos Estados Unidos como forma de incentivar o crescimento econômico, representa risco de criação de “bolhas”.

    “As políticas monetárias expansionistas praticadas tanto pelos americanos quanto pelos europeus representam a armadilha da liquidez. Acho que nós estamos aqui numa típica armadilha da liquidez – quando você joga recursos financeiros, abaixa a taxa de juros, mas não há tomadores para investimento, porque não há perspectiva de demanda e incentivo para investimento”, afirmou o ministro.

    O que é guerra cambial
    É a disputa entre países envolvendo a cotação de suas moedas, com a tomada de medidas unilaterais para a desvalorização de suas divisas.
    Como ocorre

    A origem da disputa está na desvalorização contínua do dólar frente às moedas locais. Segundo economistas, os EUA ‘inundam’ o mundo com dólares para fazer frente aos efeitos da crise.
    O problema

    O dólar barato prejudica as exportações dos países, porque torna seus produtos mais baratos no mercado internacional. Os emergentes se tornam destino de muitos desses recursos ‘extras’.
    “Ninguém quer consumir e o dinheiro é usado para especular em commodities ou então nos mercados de países emergentes. Isso traz alguns riscos: risco de bolhas financeiras, bolhas imobiliárias nos países emergentes, e leva à guerra cambial”.

    De acordo com o ministro, a guerra cambial tende a “recrudescer, porque essa é uma arma que todos os países estão usando”, afirmou.

    As declarações foram feitas durante a entrega do prêmio Economista do Ano, organizado pela Ordem dos Economistas do Brasil, em São Paulo.

    Perspectivas
    Durante o discurso, Mantega disse que a perspectiva da economia mundial piorou recentemente, e não descartou risco de recessão. “Temos atualmente uma grave crise de confiança (…). Para os próximos dois anos teremos países com crescimento pífio. Os emergentes estão melhores, mas não estão isentos de risco”, afirmou.

    O ministro destacou que em um cenário de baixo crescimento, falta mercado para manufaturados. “Estamos partindo para a concorrência predatória”. “Mesmo os emergentes precisam dos mercados externos para continuar crescendo”.

    Diante de uma piora da economia mundial, o ministro da Fazenda disse que o país tem “muita bala na agulha” para responder a um agravamento da crise. Ele reforçou que a diretriz adotada atualmente pelo ministério da Fazenda, que é a diretriz da presidente Dilma Rousseff é a de buscar resultados ficais cada vez mais sólidos. Para isso, o governo aposta na contenção de novos gastos de custeio, para que haja mais espaço para manter o investimento e reduzir a carga tributária.

    0
    • xyz 23 de agosto de 2011 at 10:01

      Repito o comentário que fiz acima:

      O mais triste é que ninguém sabe se é desfaçatez ou incompetência.
      Será que ele sabe que a política monetária expansionista a que se refere é IDÊNTICA à adotada aqui?

      0
  • Observador 23 de agosto de 2011 at 09:39

    Adriano,

    A propósito, matéria veículada pelo jornal Estado de MINAS, domingo, 21/08/11, diga-se de passagem alatamente tendenciosa, ouvindo apenas SECOVI, dona da construtora EPO e uma contadora, utilizou-se, para sustentar que os preços ainda estão em patamares razoáveis, a comparação do preço do metro quadrado no Brasil como o preço do metro quadrado, pasme,em Mônaco (área territorial de 2.000 km2 e renda per capita US$150.822) e Hong Kong (área territorial 1.104 Km2 e renda per capita de U$37.400). Só para efeito de comparação o brasil tem área de 8.514.876.599 Km2 e renda per capita U$10.814).

    0
    • DM 23 de agosto de 2011 at 09:48

      Observador

      Eles estão certos, o patamar está razoável para eles que estão ganhando burras de $$$ com esta bolha.

      Para mim o patamar esta razoável para manda-los para aquele lugar.

      É tudo um ponto de vista!

      0
    • Ader 23 de agosto de 2011 at 13:21

      Li a matéria cujo título era: “Mais aquecido impossível”.

      0
    • Glaucio 23 de agosto de 2011 at 21:57

      Apenas uma correção: Mônaco tem 2 km², e não 2.000. É um dos menores países do mundo.

      0
  • Observador 23 de agosto de 2011 at 09:43

    Ratificando Brasil e não brasil.

    0
  • Lucas 23 de agosto de 2011 at 09:45

    Pô, os caras não querem largar o osso.
    Mesmo com vários indicadores apontando o desequilíbrio do mercado, e que para que o equilíbrio de restabeleça deve haver uma diminuição nos preços das vendas, eles ainda vem com esta conversa de que vai subir mas não tanto quando eles esperavam.
    Do meu dinheiro suado eles vão estar bem longe.

    0
    • Carlos 23 de agosto de 2011 at 10:58

      Do meu também !!! 😉

      0
  • Tiago 23 de agosto de 2011 at 09:58

    É absurdo o que estão cobrando aqui em osasco. Acabei de conversar com uma corretora que queria me vender um apartamento de 3 dorms (típico 75 metros de áreas) com churrasqueira na varanda (pra deixar o ap ainda menor) por 360mil… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    em osasco um apartamento popular por esse valor!!!!!!!!!!!!!!!! vão tomar no banho….

    eu falei pra ela… minha filha aqui é osasco e o bairro é um lixo! quem comprou vai chorar no futuro! infelizmente dá dó de quem acha que comprar casa é como comprar eletrodoméstico nas casas bahia… não olhar o juros de uma televisão não é o mesmo que não olhar o juros de uma trolha de 400 mil pra carregar para o resto da vida!!!!!!!!!

    dizem que venderam 80% em dois dias… infelizmente vai ter nego que vai chorar loguinho!!!!!!!!!!

    0
    • Carlos 23 de agosto de 2011 at 11:56

      Incrível. Tá difícil para vocês paulistas.
      Aqui em Porto Alegre não chegou nesse nível.
      Tá ruim, mas não tanto como aí. Agora é hora
      de aguardar e economizar mais um pouco.

      0
  • nelson 23 de agosto de 2011 at 11:17

    Tambem moro em Osasco e estou tentando comprar um 3 dormitórios na periferia e o preço
    esta na loucura relatada pelo Tiago (imóveis novos). Quanto a usados gira em torno de R$
    310 mil sendo que são maiores e melhor localização, mesmo assim esse valor esta fora da
    realidade. Vou continuar a garimpar e só compro quando julgar que esta com preço justo.
    Falo com conhecimento de causa, pois nasci e sempre morei em Osasco (SP).

    0
    • Carlos__ 23 de agosto de 2011 at 11:30

      Esses preços absurdos em Osasco me confirmam a impressão que tenho: a bolha partiu da base para o topo da pirâmide.

      Quando um apartamento custa quase 400 mil na planta em Osasco, quanto deveria custar um em São Paulo? E no Rio? E por aí vai.

      Os donos dos imóveis usados foram reajustanto seus preços para valores que eles nunca teriam coragem de cobrar por causa dos absurdos dos lançamentos.

      Alguem mais tem essa impressão?

      0
      • Kal 24 de agosto de 2011 at 00:16

        A nossa bolha é diferente do EUA mesmo. Na terra do Tio Sam tínhamos uma economia de 200 anos forte que se sustenta com o consumo desenfreado, mas com um PIB e rendas compatíveis com o aumento de preços. O crédito subprime nesse país era irresponsável, mas servia para financiar as guerras e o “sonho” americano. Entretanto, os valores parecia corresponder à realidade, o que “estourou” foi o endividamento por conta desse financiamento do sonho americano a qualquer custo. Já no Brasil, o que fica evidente é a cara de pau, ganância e sei lá o que do povo brasileiro, bem como das construtoras. Sim, porque aqui não há crédito subprime, não há economia consolidada a ponto de estiumular o consumo desenfreado – na verdade o que houve – foi pessoas oportunistas que se aproveitaram do momento para verem seus lucros triplicarem e quadruplicarem de um hora para outra. E a parte mais gananciosa, sem dúvida veio das construtoras, ora, era tudo estratégia: lançar um empreendimeA nossa bolha é diferente do EUA mesmo. Na terra do Tio Sam tínhamos uma economia de 200 anos forte que se sustenta com o consumo desenfreado, mas com um PIB e rendas compatíveis com o aumento de preços. O crédito subprime nesse país era irresponsável, mas servia para financiar as guerras e o “sonho” americano. Entretanto, os valores parecia corresponder à realidade, o que “estourou” foi o endividamento por conta desse financiamento do sonho americano a qualquer custo. Já no Brasil, o que fica evidente é a cara de pau, ganância e sei lá o que do povo brasileiro, bem como das construtoras. Sim, porque aqui não há crédito subprime, não há economia consolidada a ponto de estiumular o consumo desenfreado – na verdade o que houve – foi pessoas oportunistas que se aproveitaram do momento para verem seus lucros triplicarem e quadruplicarem de um hora para outra. E a parte mais gananciosa, sem dúvida veio das construtoras, ora, era tudo estratégia: lançar um empreendimento com um m² a 3000 mil e seis meses após um empreendimento igual já estava 4000 mil e assim iam alimentando a fantasia de que isso não ia parar e aguçando, lógico, a ganancia do cara que pagou 3 mil e em seis meses ganhou mais de 30% – o que esse cara vai fazer comprar de novo por 4 mil, pois logo em mais 6 meses o m² estaria 5, 6 mil. Agora essa é a situação, como muitos falaram aqui, os anúncios da casa própria vinha como investimento – então se todo mundo que compra é para investir, o que compra pra morar é idiota? Sim, pois quem vai comprar pra morar só pode ser idiota, porque não compra no lançamento, espera valorizar e depois paga bem mais………..Assim, foi dando certo, mas tá na hora dessa corda arrebentar e se arrebentar com quem quis ser esperto, só lamento.nto com um m² a 3000 mil e seis meses após um empreendimento igual já estava 4000 mil e assim iam alimentando a fantasia de que isso não ia parar e aguçando, lógico, a ganancia do cara que pagou 3 mil e em seis meses ganhou mais de 30% – o que esse cara vai fazer comprar de novo por 4 mil, pois logo em mais 6 meses o m² estaria 5, 6 mil. Agora essa é a situação, como muitos falaram aqui, os anúncios da casa própria vinha como investimento – então se todo mundo que compra é para investir, o que compra pra morar é idiota? Sim, pois quem vai comprar pra morar só pode ser idiota, porque não compra no lançamento, espera valorizar e depois paga bem mais………..Assim, foi dando certo, mas tá na hora dessa corda arrebentar e se arrebentar com quem quis ser esperto, só lamento.

        0
    • Lucas2 23 de agosto de 2011 at 11:51

      Em 2001, eu procurava meu prmeiro AP em Osasco, meu limite era 60K, visitei vários nesta faixa, e encontrei um por 58K, 50m, 2dm, uma vaga, bom estado de conservação, idade de uns 7 anos, e condomínio baixo, na região próxima do Shopping Continental, acho que um 1500m do Shopping .
      Então vamos aos cálculos:
      Em 2001: Usado: R$ 1.160,00/m2 – Novo=R$ 1.508,00 (valorizei 30%)
      Inflação do período 100%
      Trazendo os valores de 2001 para 2011 e desconsiderando outros fatores:
      Estes seriam os preços hoje sem MCMV, sem crédito, sem euforia, sem prazo de 30a, etc:
      Em 2011: Usado: R$ 2.320,00 – Novo: R$ 3.016,00
      Imóvel hoje: Usado: R$ 116.000,00 – Novo: R$ 150.800,00

      0
      • Carlos__ 23 de agosto de 2011 at 12:04

        Lucas,

        Vamos colocar além da inflação mais 100% de aumento. Já seria um dos maiores aumentos de preços da história do mercado imobiliário mundial, 100% acima da inflação em 10 anos.

        Mas eles estão mais do que o dobro disso. 400% de aumento, 300% em cima do valor corrigido. Não consigo entender como esses imóveis são vendidos na planta com essa velocidade. Estão caros demais. Para mim a peça final desse quebra-cabeças é entender essas vendas nas plantas. Será que são todos investidores mesmo? Tem tanto investidor assim no Brasil?

        0
        • RT 23 de agosto de 2011 at 12:10

          “Não consigo entender como esses imóveis são vendidos na planta com essa velocidade. Estão caros demais. Para mim a peça final desse quebra-cabeças é entender essas vendas nas plantas. Será que são todos investidores mesmo? Tem tanto investidor assim no Brasil?”

          Estou contigo. Sei que tem algo errado porque a renda das pessoas não acompanhou nem de perto a “valorização” dos imóveis nos últimos dois anos.

          Mas quando vejo essas velocidades de vendas, também não sei o que pensar… é uma peça que não consigo encaixar.

          Sou mais um a fazer sua pergunta: “Será que são todos investidores mesmo? Tem tanto investidor assim no Brasil?”

          0
          • Paulo Rocha 23 de agosto de 2011 at 12:24

            Bom a pode até ser que sejam investidores, mas não investidores profissionais. Talvez seja melhor chamar-los de apostadores amadores.

            Tem muita gente que investiu dinheiro em imóveis ser ter noções mais profundas de economia. Muito foi baseado em “verdades” antigas, sem levar em considereção vários fatores que mudaram (crédito, subsídios, psicologia/euforia, etc). Tambem tem muita gente que pensa que aluguel é jogar dinheiro fora, independente do valor do aluguel, o custo de oportunidade. Várias pessoas aqui neste blog já comentaram que com os valores atuais, é possivel pagar o aluguel e ainda ter dinheiro sobrando se investirmos o dinheiro em outras aplicacoes.

            0
          • Carlos__ 23 de agosto de 2011 at 12:55

            Paulo, mas o número é muito grande. Tanta gente assim investindo, em todas as cidades, em todos os estados, pagando valores absurdos?

            Porém não entendo porque alguem pode pagar por um na planta, que só vai ficar pronto dentro de alguns anos, MAIS do que o preço de um usado. Na Barra, por exemplo. Milheres e milhares de apartamentos prontos a venda. Por que alguem que quer comprar para MORAR não compra um usado desses e se muda amanhã. Por que ele prefere pagar MAIS para esperar 2, 3 anos? E nesse meio tempo? Mora de aluguel? Vai conseguir segurar as duas despesas? Ou mora em um imóvel próprio, que vai entrar no mercado de disponíveis quando ele se mudar?

            Ao mesmo tempo que é estranho tantos investidores, é estranho tanta gente comprando na planta, por um preço superior a usados em bom estado e prontos para morar, se o objetivo é usar o imóvel como habitação. Alguem por favor resolva esse mistério 🙂

            0
          • Paulo Rocha 23 de agosto de 2011 at 13:43

            Carlos,

            Mesmo quem compra para morar vair ter que ter um teto sobre a cabeça durante a construção, não importa muito se é imóvel próprio ou aluguado. O que eu acredito é que até uns anos atraz imóveis na planta davam um certo lucro depois da entrega e quando repassado. Tambem não tinhamos tantos projetos em construção simultaneamente. O que aconteceu foi um estouro no número de empreendimentos e um dilúvio de crédito fácil. E no ínicio hávia muitas estórias de gente fazendo um belo lucro. E como nada estava sendo entregue, não suprimia a demanda de quem precisa de um lar. Não só isso, todos os empreendimentos absorviam a demanda de “investidores”. Então comecaram a testar o mercado. Já que tem gente disposta a pagar que nem loucos x por um apê, por que não aumentar o preço com 25% no próximo lançamento, e assim por diante.

            Isso combinado com a “verdade” de que imóvel é um ótimo investimento, que nunca desvaloriza, criou a euforia que passamos. Com lançamentos “derretendo” em horas, a impressão só se fortaleceu. O pessoal começou a querer entrar na farra também sem avalizar se o negócio era sustentavel ou não. Ai o pessoal começa a se gabar para amigos e família que fizeram um exelente negócio, é a festa vai continuando, não como um circulo, mas como um espiral de uma mola, mas num certo ponto voce chega no final da “mola”. Aí como o preço não tem mais como subir e despenca.

            0
          • MrK 23 de agosto de 2011 at 13:48

            AMIGOS, ISSO NÃO É ESTRANHO NÃO

            é fácil explicar porque na planta vende mais do que usado:

            Na planta, você paga financiado apenas 20% do valor do imóvel, sem comprovar renda, em suaves prestações até a chave (quando o comprador quer revender), logo é fácil comprar pra investior, lembram da corretora falando que vendia 80% pra investidores??

            Já o imovel usado não permite essa brincadeira, a pessoa precisa financiar quase 100% na cabeça (70%-80% dependendo do banco), não tem como financiar só 20%, então fica caro e o investidor não tem como comprar.

            0
          • Ader 23 de agosto de 2011 at 14:09

            Comentei com MrK há alguns meses que em conversa com amigos, surgiu a informação que boa parte desses investidores teriam origem na lavagem de dinheiro…

            0
          • Eduardo Zé 23 de agosto de 2011 at 15:01

            Isso é mentira de corretor.

            Ele diria:

            – Vendemos 10 % dos aps??

            Não!!

            0
          • Felipe 23 de agosto de 2011 at 16:25

            A gente não pode deixar de considerar o poder aquisitivo dos ladrões, traficantes, políticos bandidos, sonegadores etc em todo esse ciclo.
            Acho que a compra de um imóvel na planta é uma segurança perfeita pra quem lava grana.

            0
          • Mori 23 de agosto de 2011 at 17:04

            É muito difícil saber o limite do que é demanda baseada na estabilidade econômica do país (do qual o crédito tem um fator positivo importante), nas ofertas do mercado e daquilo que virou especulação… Fatos importantes que vejo no mercado:

            – As condições econômicas no Brasil foram mais favoráveis no período e aliado ao MCMV e ao crédito, proporcionaram a pessoas que tinham péssimas condições de vida a comprarem uma casa. Sei que muitos dirão que isto não existe, mas eu vejo muitas pessoas humildes aproveitando essa oportunidade única (que para elas vai ser mesmo, afinal sem o crédito que vai secar, nunca terão nada) e toparam pagar um financiamento de 30 anos com parcelas decrescentes iniciando R$ 400 (salário de R$ 1.200). Afinal, por que pagar um aluguel de R$ 200-300 em favela, cômodo único se podem optar por um apartamento (pequeno, é verdade), mas com 2 quartos e 45 m2 com alguma área de lazer e podem zelar pela segurança de seus filhos?
            – Antes do crédito farto, a maior parte da oferta de novos imóveis era de apartamentos maiores e valores mais altos, desconsiderando uma característica cultural relevante nos últimos anos, que é a quantidade de pessoas que decidiram morar sozinhas ou um aumento na taxa de casais sem filhos. Sem oferta de imóveis menores, a lei da oferta e procura impulsionou o valor dos imóveis menores, tanto que hoje mais de 70% dos lançamentos se destinam a esse público. Mas nesse meio tempo, o preço dos menores subiu, impulsionando o preço dos maiores também. Não estou me referindo a falácia de jovens executivos ou recém-formados que inundaram o mercado, mas coloco como exemplo aqui em São Paulo o trânsito infernal que fez com que muitas pessoas saíssem do ABC, Zona Norte, Leste (meu caso) para que pudessem ter uma melhor qualidade de vida. E posso dizer que onde trabalho e no meu círculo de amizade da juventude, tenho inúmeros exemplos e pessoas que seguiram na mesma toada.
            – Efeitos-cascata dessas movimentações, aliados a valorização (parcela especulativa e real). A escalada do preços fez com que as pessoas que anteciparam a compra tivessem condições de adquiri um apartamento maior e mais bem localizado. Novamente meu caso, devido a interesses pessoais, vendi meu apartamento e adquiri uma revenda de outra pessoa que havia comprado um apartamento maior. No meu caso nenhum dos envolvidos eram especuladores e obviamente só comprei porque o valor estava consideravelmente mais baixo ao que é medido como “valor de mercado” (4,5 mil x 6 – 6,5 mil m2 dos novos lançamentos na ZS de SP).

            Esses são apenas alguns exemplos para demonstrar que parte do aumento decorre de demanda mesmo, porém não tenho dúvidas que os preços já atingiram níveis especulativos há algum tempo, principalmente quem entrou na onda dos lançamentos em 2.010 e 2.011.

            E no momento acho que é impossível falar em um patamar de descontos ou redução do valor do m2, porque cada um está pedindo o que quer, não há um balizamento de preços em que se possa estabelecer o % de sobrepreço. Quem está a procura, acho mais prudente buscar o valor de 2.007/2.008 e estimar qual a valorização razoável nesse cenário de melhora econômica como limite do quanto seria aceitável pagar.Levando isso em consideração, na região em que comprei minha avaliação era que até 50% (ou 30% descontada a inflação do governo) estaria dentro do aceitável e segui nessa diretriz para minha compra.

            0
          • Lucas 23 de agosto de 2011 at 21:45

            Mori, creio que uma parte do aumento é aumento real e o preço não volta aos patamares de 2001 (que pode ser estendido até 2008, talvez 2009), claro que corrigindo a inflação. Sabemos que há muitos fatores que justificam um certo aumento, tanto em relação ao aumento de demanda quanto aumento de custos. Por demanda: financiamento mais longo, renda realmente maior (com mais gente ganhando algum dinheiro – menor desemprego), crédito disponível, juros baixo em relação aos anteriormente praticados. Por custo: terrenos (nas grandes cidades) cada vez mais escassos, mão-de-obra mais cara, etc.

            0
    • Vailton 29 de agosto de 2011 at 09:49

      Olá Nelson !!
      Tudo bem cara, eu também sou Osasquense e moro aqui.. andei dando uma olhanda naquele lançamento lançamento da Tecnisa (Bussocaba City) que está fazendo uma puta propaganda daquilo alí. Eles dizem que estão vendendo as últimas unidades,no entanto, se você deixar o telefone lá, eles vão ficar te ligando 3 vezes por dia. E olha que no dia o vendedor me disse “Se você for vir confirmar sua vaga próximo ao dia da entrega vai precisar vir de helicóptero de tanta gente que vai ter” rsrsrsrs é mole? Minha opinião é – aquele será um típico lançamento que está sendo empurrado majoriatariamente para gente com não tem condições de arcar com um financiamento tão absurdo e portanto é uma roubada.
      Eu moro aqui na Paulicoop, aqui um apto de 70m2 3d custa 200 mil, e a ultra bem localizado, perto de tudo, Rodovias, 4 shoppings, estações, centro comercial, poupa-tempo etc… Mas atenção, nem pense em comprar na planta ou ainda em construção, pois a construtora é picareta. Tem uma torre aqui do meu lado que está em construção desde 2005 !!!! Muitos dos mutuários já pagaram 100% do imóvel (imagina o desespero deles).
      Bom mas está dada a dica, boa sorte e paciência na procura aí !
      Vailton

      0
  • Adriano 23 de agosto de 2011 at 11:44

    Observador. Realmente, é ridículo. Eles estão tentando manter a máscara a qualquer custo.
    Lembro recentemente de um dos argumentos de um desses representantes SECOVI. Ele disse que não existe subprime no Brasil, porque o mutuário não hipoteca o imóvel já financiado por conta de aumento de valor de mercado. Só posso supor má fé em cima de um argumento falacioso demais. Porque o que está acontecendo no Brasil, é EXATAMENTE A MESMA COISA! Com uma única diferença que não muda em nada a essência da coisa: O valor foi repassado para o mutuário original indiretamente via venda para OUTRO mutuário que comprou financiado. Quem pagou? O banco (que financiou as 2 vezes). Quem recebeu? O 1° mutuário sortudo que “realizou” seu investimento. O banco está com uma garantia QUE NÃO VALE o valor financiado, Pelo menos no início, já que houve poucas amortizações. E o pobre corno do novo mutuário, esse está fud…. de verde e amarelo.
    Inclusive, imagino que o desespero atual das construtoras e bancos, tenha como ÚNICO OBJETIVO, passar todo o custo para os mutuários. Não fiz os cálculos, mas imaginemos o seguinte: O Banco está com uma garantia de 60% do valor do financiamento na mão. Uma bomba relógio. Quanto mais o financiamento for amortizado, melhor para o Banco será a relação de garantia. Ou seja, se eles conseguirem que o estouro da bolha seja postergado para daqui a 5 nos, por exemplo, o prejuízo deles sem dúvida será MUITO menor.

    0
  • Carlos 23 de agosto de 2011 at 11:48

    Imóveis vão continuar subindo de preço por mais 4,5 anos, em alguns casos.

    Nos casos de quem está comprando na planta agora, que serão reajustados pelo INCC até as chaves.

    0
    • aiwww 24 de agosto de 2011 at 14:31

      Com certeza. Imagino uma valorização de 150% até o final do ano 🙂 .. e 30% ao mês no próximo ano !

      0
  • jsantos 23 de agosto de 2011 at 12:16

    Bom Dia Brasil- globo- os preços estão se acomodando,menos lançamentos, motivo crise no mundo, mas a tendência ainda è de aumento, ainda que em menor escala , portando quem ainda não comprou corra, porque está acabando!!!. chega ser hilário, eles tem lugar garantido no pânico na tv.

    0
  • Pascoal 23 de agosto de 2011 at 12:22

    A bolha estourou em 6 a 8 meses o preço dos imóveis estará no chão.

    0
  • Duda 23 de agosto de 2011 at 12:41

    Cada noticia de preços descendo, leio com um sorriso… é inevitavel… não posso me segurar, no fim podemos festejar estas noticias que boa parte do povo aguarda há anos.

    0
    • Carlos__ 23 de agosto de 2011 at 13:02

      Duda, ainda é MUITO cedo para comemorar. A curto prazo a coisa pode virar, ou só estagnar. Fora isso existe um governo jogando lenha na fogueira.

      0
      • DRN 23 de agosto de 2011 at 14:07

        Concordo. E também acho que se o preço diminuir um pouco mas se mantiver no mesmo patamar, as compras vão voltar a acontecer. Estamos assistindo a uma queda de braços. De um lado, os potenciais compradores na espectativa de que os preços caiam (os quais, enquanto isso, estão se capitalizando). De outro, as construtoras e os “investidores” (variando entre os que têm muito a nenhum fôlego para segurar o rojão). Se tivesse de apostar, apostaria no lado das construtoras. Primeiro porque o volume maior de imóveis está nas mãos delas (muitos imóveis compradoes por “investidores”, sabemos, retornam à construtora quando da entrega das chaves). Elas têm melhores condições de se organizar e têm o governo ao lado.

        0
        • Duda 24 de agosto de 2011 at 13:35

          Mas vamos combinar: há 6 meses alguém imaginava noticias na mídia sobre QUEDA de preços? Acho que ninguém. Os que falavamos isso, eramos chamados de loucos, em forma direta… Pessoal, as coisas estão acontecendo num ritmo muito rapido. Em 6 meses mais, o estouro da bolha estara na capa de todos os jornais. Só aguardar…

          0
  • alguem disse 23 de agosto de 2011 at 13:11

    Lucas 2
    Seu cálculo, perfeito. imóvel que hoje pede 300K, vale 100K.qdo começou? no iniício de 2009 MCMV 130K, subsidio até 23K, Aumento limite de credito classe média para 600K, pzo 30 anos . Brasil bombando! aquuuiiii!!!! , só marolinha , ele é o cara. ganhar eleiçoes em 2010. conclusão aptmentinho de coab que valia 60K em 2009, foi para 130K, ai foi tudo em cadeia.

    0
    • Lucas2 23 de agosto de 2011 at 13:30

      OK, mas +-60K era o valor de 2001, em região periférica de Sampa, e o AP era pequeno, simples e no 12º andar.

      0
  • marcelo 23 de agosto de 2011 at 13:29

    obrigado especuladores pela grana que ganhei investindo nas ações das empresas da construção civil nos ultimos anos.. bom que já caí fora desse mercado, que daqui pra frente ninguem sabe o que vai acontecer.. é ótimo ter certeza de que enquanto alguns poucos ganham muito o povão como sempre paga a conta.. um grande abraço a todos!

    0
    • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 00:33

      Parabens xara, vc fez uma jogada especulativa de verdade (bolsa de valores), com resultado real. E o que vc disse a respeito de quem vai pagar o pato e a pura verdade, ja fiz outros comentarios (agressivos mesmo) a respeito dos brasileiros pessoas fisicas, classes media e baixa, que estavam se achando super-espertos ao “mexer no vespeiro” do mercado de imoveis. A conta pode ate nao chegar tao cedo, mas que vai ser amarga vai…

      0
  • Galvão 23 de agosto de 2011 at 13:55

    Um dado interessante de se observar é que nos preços atuais, a maioria das pessoas que têm a sua casa (os que não compraram de 2007 pra cá), não teriam condições (renda suficiente) para adquirir a sua própria casa se fosse hoje. Pra mim, isso é um indicador de que os preços estão fora da realidade.

    0
    • MrK 23 de agosto de 2011 at 14:05

      eu vou além: A maioria das pessoas que têm a sua casa não poderiam compra-la NEM com um desconto de 40%

      0
      • Carlos__ 23 de agosto de 2011 at 14:29

        Digo isso sempre. Com os preços de hoje metade da zona sul do Rio não poderia comprar suas próprias casas. Metade sendo conservador.

        0
  • nelson 23 de agosto de 2011 at 14:06

    Em janeiro de 2008 comprei um Siena 1.8 completo por R$ 45.000,00 e no mesmo mes comprei
    o apto que resido até hoje em Osasco, basico 2 dormitórios por R$ 90.000,00 a vista, equivalente a 2 Sienas na epoca. Hoje apto igual ao meu, esta sendo vendido em meu prédio por R$ 210.000,00 mil, ou seja, o equivalente a 4 Sienas 1.8 zero kilometro 2011/2012. Corrigindo o valor do apartamento no período 2008 à 07/2011 teriamos algo em torno de R$ 130.000,00 ( 10% aa de inflação real). Exemplo real só para ter idéia do aumento irreal no
    imóvel.

    0
    • Andre Luiz 23 de agosto de 2011 at 16:07

      Se o preço voltasse para R$130.000,00 seria uma queda de 38%, mais ou menos a média que o pessoal aqui do blog já comenta há meses que os imóveis vão cair.

      0
  • Jack Imóveis 23 de agosto de 2011 at 14:14

    De um amigo que acabou de assitir a matéria do Bom dia Brasil:

    “Ferrou, mas não podemos falar ainda”

    0
    • Carlos 23 de agosto de 2011 at 14:26

      é engraçado ver o desespero da globo!

      semana passada teve uma semana de reportagens falando de aquecimento do mercado imobiliario!
      agora essa do bom dia brasil! falando que os imoveis estão se “acomodando”,,

      qual será o próximo passo? fantastico?

      vender imovel no Fautão ?

      kkkkkkkkkkkkkkkkk

      0
  • Carlos 23 de agosto de 2011 at 14:16

    algo me diz que o brasil ou “banania” como dizem aqui no site!

    passará por mudanças incriveis! a ganhancia e exploração estão em niveis altissimos!
    ” nunca vistos antes nesse país! ”

    meu desejo é que os peços inflem mais! quanto mais inflar mais será dificil encontrar 1 tolo maior sujeito a trabalhar a vida toda para pagar 1 imovel, existem outras saidas!

    imagino que isso crie até um sistema migratório das pessoas com maior qualificação e possibilidades! quebras de paradigmas! e mudança no comportamento das pessoas!

    0
    • schmidt 23 de agosto de 2011 at 20:25

      É possível.

      0
  • alguem disse 23 de agosto de 2011 at 14:21

    Lucas2

    más, o aptamentinho da coab em 2001 valia uns 30K

    0
  • Galvão 23 de agosto de 2011 at 14:26

    Pessoal,
    O livro indicado pelo MRK, Manias, Panics, and Crashes – A History of Financial Crises
    Charles P. Kindleberger and Robert Z. Aliber – John Wiley

    Pode ser encontrado gratuitamente no link abaixo.
    http://www.traders-library.com/download/Robert%20Aliber%20-%20Manias,%20Panics,%20and%20Crashes%20A%20History%20of%20Financial%20Crises.pdf

    0
    • MrK 23 de agosto de 2011 at 15:55

      para tornar a leitura mais dinâmica, sugiro ignorar os exemplos de 1600 hehehe, passar direto essas partes e ler mais sobre as teorias e problemas recentes

      no inicio tem um grande resumo que é muito interessante

      se quiser ler tudo vai fundo!

      0
  • Rogério-Goiás 23 de agosto de 2011 at 16:47

    h t t p : / / economia.estadao.com.br/noticias/negocios%20comercio,emprego-forte-estimula-consumo-mas-familias-estao-mais-cautelosas-,81279,0.htm

    Daniela Amorim, da Agência Estado

    RIO – O mercado de trabalho forte tem contribuído para o endividamento das famílias. No entanto, elas estão mais cautelosas na hora de ir às compras, segundo a economista Marianne Hanson, da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

    VEJA TAMBÉM

    ESPECIAL: Como a crise internacional vai afetar a sua vida
    IPC-S sobe 0,31% na 3ª quadrissemana de agosto
    Total de famílias endividadas tem 3ª queda mensal
    Crise pode afetar negociação salarial

    A CNC divulgou nesta terça-feira, 23, a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), que mostrou uma queda no nível de endividamento das famílias, de 63,5% em julho, para 62,5% em agosto. Foi o terceiro recuo consecutivo na taxa, embora ainda encontre-se em patamar superior ao de agosto de 2010, quando estava em 59,1%.

    As medidas macroprudenciais, os juros mais altos e as incertezas em relação ao cenário internacional e à economia brasileira estariam contribuindo para que os brasileiros sejam mais cuidadosos ao contrair dívidas. “Hoje, existe uma incerteza muito grande dos agentes econômicos em geral. Então, na hora de consumir, existe uma cautela maior”, disse Marianne.

    A economista ressaltou, porém, que a Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias, divulgada pela CNC na semana passada, mostrou que as famílias ainda estão propensas a consumir. “Acho que o que está preponderando em relação a essas incertezas é que o mercado de trabalho ainda está muito forte. O setor que emprega mais, o de serviços, ainda vai muito bem, não foi afetado pela demanda mais fraca da indústria. O comércio e os serviços estão com resultados bastante favoráveis ainda, estão empregando, estão reajustando salários, com reajustes reais”, avaliou Marianne.

    Ela lembrou ainda que a pesquisa de emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a junho, mostrou que a massa real de salários cresceu 6,2% na comparação com junho do ano anterior, contribuindo como estímulo para novas dívidas. “Um crescimento de 6,2% ainda é bastante elevado. As famílias estão vendo que está havendo menos emprego, menos renda, mas ainda estão com dinheiro no bolso. Isso está permitindo até que esse endividamento muito elevado não vire uma taxa de inadimplência muito alta. A inadimplência está subindo, mas está subindo pouco, devagar, e está permitindo que as famílias continuem consumindo”, explicou.

    A Peic divulgada hoje mostrou um ligeiro aumento na inadimplência, com 24,4% das famílias declarando que fechariam o mês de agosto com contas em atraso, contra um porcentual de 23,7% em julho. “Se você for comparar a trajetória anual do número de famílias com dívidas com a trajetória do número de famílias com contas em atraso, você pode perceber que, apesar desse crescimento das famílias com dívidas, a inadimplência não está acompanhando tanto. Ela (a inadimplência) está crescendo, mas moderadamente”, avaliou Marianne.

    Entre as famílias que ficariam inadimplentes em agosto, 8,2% disseram que não teriam condições de quitar seus débitos, porcentual estável em relação aos 8,1% apurados em julho, mas consideravelmente menor em relação aos 8,8% de agosto de 2010. “Em relação ao ano passado, mais famílias estão propensas a quitar suas dívidas e isso é positivo também. Isso mostra uma cautela do consumidor, sem dúvida”, afirmou a economista.

    O tempo médio de atraso no pagamento das dívidas registrado em agosto é de 57,5 dias. No mesmo período do ano passado, o atraso registrado era de 59,9 dias. Já o tempo médio de comprometimento com as dívidas foi de 6,9 meses em agosto, com uma fatia média de 30% da renda comprometida.

    0
    • Rogério-Goiás 23 de agosto de 2011 at 16:51

      O interessante é que mesmo o nível de endividamento caindo de 63,5 para 62,5 a inadimplência aumentou de 23,7 para 24,4.

      0
  • Eduardo Luz 23 de agosto de 2011 at 17:38

    Hoje a tarde fiquei 40 min ao telefone com uma corretora que me ligou desesperada pra vender qualquer coisa, imovel comercial , residencial ,aqui no rio de janeiro
    Ela ia jogando os argumentos batidos do mercado de um otimo investimento ,e eu educadamente fui contraargumentando tin tin por tin tin , inclusive que o tal investimento que ela estava me oferecendo esta rendendo menos que a poupança.
    Que diabo de mercado aquecido eh essa que em pleno boom imobiliario as acoes das contrutoras estao desabando no mercado 30,40, 50%.
    Me surpreendeu no final das contas a paciencia dela de ficar argumentos todos contrarios ao mar de rosas que lhe so eles veem

    0
    • MrK 23 de agosto de 2011 at 21:52

      eduardo, da proxima responda assim:

      “minha querida, voce está uns 2 anos atrasada, pq nao volta no tempo e me liga em 2009, daí sim eu compro pra revender… mas naquela epoca não te interessava sair ligando, né? pois é…”

      0
  • profeta do apocalipse 23 de agosto de 2011 at 18:19

    Valorização de imóveis despenca em Salvador
    10:23:54
    imprimir

    A capital baiana registrou a menor valorização no preço dos imóveis entre as principais capitais brasileiras, no período de janeiro e julho deste ano. De acordo com dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), as unidades habitacionais em Salvador tiveram uma correção de apenas 2,9%, variação inferior ao INCC, de 6,06%, índice que indica a inflação acumulada do setor. Leia mais na coluna BN Imóveis.

    a bomba vai estourar em 12 meses, achei que ia ter mais folego!

    0
    • xyz 23 de agosto de 2011 at 19:14

      Não subestime a capacidade do governo de assoprar a bolha.
      Acho que o governo ainda vai tentar assoprar o quanto puder.
      ACONTECE que até o fôlego do governo acaba.
      O setor imobiliário é a “menina dos olhos” do governo. Enquanto o governo puder vai pegar muitos bilhões da dívida pública para “investir” no setor, via CEF e BNDES.

      0
      • Zoom 23 de agosto de 2011 at 20:32

        Brother, os caras estao apreensivo com o mercado interno, eles nao sabem o que poderah surgir nos proximos meses, eles estao pedindo para os caras nao aprovarem projetos que gastarao mais dinheiro.
        Tao cum medu, mas msm assim eh bom abrir o zoio.

        0
  • caco disse 23 de agosto de 2011 at 18:36

    globo- Bom Dia Brasil, construtoras, imobiliarias, secovs da vida tentando laçar os ultimos otários,esta chegando a hora dos pobretão tirar aforra e rir muito;e para os b#@tas dos corretores que olhavam a gente de cima, como se a gente fedesse a [email protected]&da, vir trabalhar pra nós como ajudante de pedreiro, para reformar, ou por piso nos aps que nos iremos comprar com otimos descontos.

    0
  • RT 23 de agosto de 2011 at 19:52

    Tem um argumento daqueles que, como eu, crêem na existência da bolha, que eu não entendo.

    Me refiro ao “metade dos que moram hoje na Zona Sul não poderiam, hoje, comprar seus apartamentos”.

    Realmente, é verdade. Mas isso, por si só, é uma prova de bolha?

    Há casos de apartamentos no Leblon que estão na mesma família desde a época em que o bairro era um areal distante, um mero ponto final de linhas de ônibus. De lá para cá, o Leblon passou de bairro distante a bairro mais desejado da cidade.

    Tem algo que não estou vendo?

    0
    • xyz 23 de agosto de 2011 at 20:57

      Isso por si só não “prova” nada.
      Mas a rapidez com que isso ocorre é um sinal que há uma forte distorção no mercado.
      A pergunta óbvia é: se metade dos moradores não teriam mais capacidade de adquirir, quem teria?
      Num movimento normal é comum que famílias que não têm um padrão financeiro dos moradores de um bairro sejam gradativamente “expulsas” do local, a partir de ofertas “tentadoras”.
      Supondo que o mercado não tenha distorção e que os preços de ipanema estão corretos.
      Supondo ainda que 50% das famílias de lá tenham um padrão financeiro incompatível com
      ipanema (supondo que compraram há muito tempo).
      Gradativamente estas famílias/herdeiros vão acabar vendendo seus imóveis.

      0
    • Galvão 23 de agosto de 2011 at 20:58

      Aí você está avaliando uma característica de um bairro. Pode ser que para o caso específico do Leblon esse dado não seja condição suficiente para a existência de uma bolha. Mas olhando de modo global, como por exemplo vejo aqui em Brasília, essa questão é pra mim, sem sombra de dúvidas uma prova dos preços irreais.

      0
    • Carlos__ 23 de agosto de 2011 at 21:19

      Não acho que isso seja uma prova de bolha. Até porque bolha não tem prova e por isso mesmo o que eu procuro é observar são situações estranhas, que agridam o senso comum, indicadores de um mercado que pede uma correção cedo ou tarde.

      Com casos assim passam a ser a norma e não a exceção, eu acho estranho. Em um bairro apenas, tudo bem, pode ser um momento de transição. Mas na cidade inteira? No Brasil inteiro?

      0
    • RT 23 de agosto de 2011 at 22:53

      Tem razão. Não tinha olhado a questão por essas óticas.

      O Leblon é realmente uma exceção.

      0
  • eduardo 23 de agosto de 2011 at 20:04

    Aqui em aracaju-se apartamento na planta de 75 metros ta custando a partir de 310 mil,, e olhe que estou falando de uma cidade com 600 mil habitantes que não tem renda pra isso. A loucura é tamanha que apartamento pra entregar em 2014 esta mais caro que apartamento pronto recem entregue.

    0
  • Anonymous 23 de agosto de 2011 at 20:20

    Nem todo mundo concorda que o preço vai cair. Por exemplo, um sujeito que foi o fundador da Banana Games (*) e hoje é Presidente de uma incorporadora acha que não.

    Existe bolha imobiliária no Brasil?
    youtube.com/watch?v=nbRrb1o8b90

    Os imóveis no Brasil podem ser mais caros que em outros países?
    youtube.com/watch?v=56SPgt8A_bc

    Como comprar um imóvel para investir
    youtube.com/watch?v=95HLYj4CRzM

    Como medir a rentabilidade de um imóvel comercial?
    youtube.com/watch?v=FAoSYzbGucU

    (*) About Banana Games: With headquarters in Sao Paulo and with branch offices in Miami, Banana Games is the first and foremost online gaming site in Brazil. Banana Games distributes games, licenses gaming solutions, and creates custom games for corporate clients. “We’re looking forward to licensing PlayLink’s games throughout South America,” said Alexander Lafer Frankel, founder of Banana Games …

    0
    • Wendell 24 de agosto de 2011 at 10:09

      HAHAHA, ri muito com o nome da empresa… “Banania” Games 😛

      0
      • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 14:13

        E depois tem gente aqui no forum que fica incomodada quando trato o Brazil por Banânia.

        0
  • lopes51 23 de agosto de 2011 at 20:34

    Boa noite!!!!
    Vejo o Blog a um bom tempo e estava vendo sobre a LCI e surgiram algumas duvidas quem puder me ajudar em algumas duvidas fico grato.
    1 – Ela funciona como um CDB?
    2 – Ela tem garantia de Crédito até 60 mil moluscos como os CDBs?
    Agora vamos pra algumas informações que tenho
    1 – Ela não paga IR.
    2 – Valores acima de 100 mil moluscos estão pagando 100% do CDI.(Isso na CEF).
    3 – O CDI com a nova Selic acompanha ela.
    4 – Se tiver garantia até 60 mil é negocio aplicar.
    Agora vamos a algumas conclusões.
    O valor dos financiamentos imobiliarios deve subir pois o titulo é lastreado em imoveis.
    Hoje ainda tem poupança e pra onde está indo esses LCIs de hoje? Construtoras será?
    5 – Pra mim esse quadro é insustentavel em qualquer prazo e por isso a minha preocupação quanto ao valor que o BC garante no investimento.
    Aguardo os comentários para saber onde posso aplicar esperando esperando como urubu na carniça pra comprar um imovel pra juntar os trapos com a dona onça pois os imoveis que tenho hoje não vendo pois é coisa de familia e ai so da rolo e briga kkkkkkk.

    0
  • Elias 23 de agosto de 2011 at 22:03

    Minha opinião é no sentido de que os preços não se acomodarão neste patamar, não se estabilizarão.

    Este é só o começo da queda, vai cair mais.

    Não existe “platô” na curva de preços nos casos de bolha. Assim que atinge o pico, tem uma breve pausa e começa a despencar.

    Os preços continuaram subindo no 1ro semestre de 2011, deram uma breve pausa e agora caem há 3 meses consecutivos. Isso é tendência.

    Talvez haja um repique, seja pelos “descontos”, seja pela relativa melhora da economia em virtude do fim do ano, 13ro, etc.

    Também acho que a partir de janeiro, como alguém falou, com os impostos chegando, o bicho vai pegar.

    0
    • MrK 23 de agosto de 2011 at 22:11

      Elias, trabalhei já no mercado financeiro, tenho muitos amigos de bancos que hoje são figuras top e que sabem muito mais do que os bancos divulgam ao publico

      eles dizem que o cenário base traçado pro 1o semestre de 2012 é NEGRO

      na minha opinião negro é exagero, acho que um cenário fraco é mais provável, mas mesmo assim, eles estão no dia a dia, eu não… um olho no peixe e outro no gato, só por precaução

      0
      • Anonymous 23 de agosto de 2011 at 23:00

        MrK,

        Veja os videos no YouTube em mensagem acima. Garante que voce vai gostar.

        0
  • Glaucio 23 de agosto de 2011 at 22:04

    A pesquisa Secovi nunca demorou tanto!!!!

    0
  • MrK 23 de agosto de 2011 at 22:06

    pra mim, a coisa mais engraçada recentemente, tem sido esses corretores desesperados, ligando, mandando email, enviando anúncios, um verdadeiro marketing de guerrilha… junto com todas as forças das construtoras, anunciando, pagando matérias…. uma verdadeira LAVAGEM CEREBRAL em cima dos menos instruidos: comprem! comprem! comprem!

    Eles usaram muito a técnida do medo, com um argumento COVARDE, que era: Compre agora ou NUNCA mais comprará, se ouvia muito isso aqui no Rio: “Se você não comprar agora, nunca mais morará no seu bairro” e as pessoas amedrontadas faziam merda porque estavam desesperadas com a idéia de nunca mais morar perto de seus amigos e familia.

    POR MIM TODO CORRETOR QUE FEZ TERRORISMO COM AS PESSOAS PODE MORRER DE FOME!!!!!!!!!!!!!

    0
    • Ricardo 23 de agosto de 2011 at 23:17

      Nesse caso, quase todos corretores estariam englobados.
      Vamos aos “argumentos” deles:

      1 – Imóvel é o melhor investimento;
      2 – se não comprar agora, outro comprará;
      3 – Está uma pechincha……
      4 – Esse imóvel combina com você;
      5 – Garanto que ele valorizará , pelo menos, 30% em 1 ano (vide 2009-2010);
      6 – O bairro vai receber melhorias (Shopping, metrô….);
      7 – Bolha………. Isso não existe……… Esse imóvel irá valorizar e muito (olha o preço do imóvel em Mônaco e compare com o Brasil);
      8 – Tá barato pra caramba (igual ao 21 – Embratel);
      9 – Enfim, compre………. VC É O CARA!!!

      Pergunto:
      Agora, se fosse tão bom investimento, porque ele não vende para os seus familiares.

      0
      • Galvão 24 de agosto de 2011 at 08:48

        30% é o percentual mágico. hehehehehe. Todos usam esse valor. Deve vir na cartilha do curso de formação de corretor.

        0
    • Ricardo 24 de agosto de 2011 at 07:06

      Eu li uma reportagem sobre um cara nos EUA que reclamava com corretores, no auge da bolha, sobre o absurdo dos preços dos imóveis e que aquilo não era sustentável. Eles riram dele dizendo que ele não tinha “perfil de comprador” e que ía morrer pagando aluguel no imóvel dos outros. O cara, chateado, foi para casa, mas se recusou a comprometer o futuro financeiro dele. Quando a bolha estourou (momento da reportagem) o cara se lembrou desta história quando estava comprando uma casa maior do que ele tinha pensado antes, por um preço bem menor.

      0
  • Mr. Alex 23 de agosto de 2011 at 23:01

    “O Mercado Imobiliário Brasileiro não tem bolha.

    E os recrutas da Marinha não foram submetidos a treinamento excessivo, foi só Vírus Infuenza.

    O Sarney pode usar o helicóptero público à vontade, e depois ainda pode pedir reembolso, limitado a R$ 1700,00 por hora de voo.

    O Sarney está correto em pedir para cassar liminar que extingue o teto de R$ 30 mil Reais aos nobres Senadores e seus assessores.

    Tudo isso é muito bom e me dá orgulho; vou pagar em 30 anos, não desisto nunca”.

    ass.: Brasileiro.

    0
    • Anonymous 23 de agosto de 2011 at 23:35

      Acho que fica melhor assinado assim:

      Brasileiro, trouxa de nível mundial

      0
    • Carlos Eduardo 24 de agosto de 2011 at 10:12

      Com a nossa corrupção jamais semeremos um pais digno …
      jamais competiremos a niveis internacionais, e jamais seremos primeiro mundo!

      o PR sózinho desviou dinheiro que dava para fazer várias copas do mundo!

      Ô bolha, sugiro 1 blog politico!!!

      0
  • Ivan 23 de agosto de 2011 at 23:12

    Moro no meio oeste catarinense, numa cidade conjugada com outra onde um rio as separa. População total de mais ou menos 60 mil (as duas juntas). Pois bem, tem em torno de 50 prédios em construção (não sei pra quem vaõ vender os apartamentos). Hoje no meu trabalho ouvi dois colegas comentando sobre um loteamento que tinha saído há uns 30 dias e que do total de 100 lotes já haviam sido vendidos quase todos, só restavam 6. Detalhe do preço: 80 mil. Pelo porte da cidade é carissimo, já que é lugar novo, sem infra, e longinho do centro. Não vale nem 40 mil. Na minha opinião pra vender assim só pode ter “investidor” na jogada! É gente, nem cidade pequena escapa dessa bolha!

    0
    • Anonymous 23 de agosto de 2011 at 23:38

      Ivan,

      Estou morando nos EUA. Aqui um terreno de 1000 m2, num lugar nobre (fora dos grandes centros como Miami, New York, etc), seguro e com toda a infraestrutura (escola, supermercado, etc) custa por volta de 20 mil Reais. A banânia perdeu a noção faz tempo, até mesmo no meio oeste Catarinense.

      0
      • Ivan 24 de agosto de 2011 at 15:09

        1000 m2? Se fosse desse tamanho seria ótimo, mas o tamanho padrão de lotes aqui é 360 m2, mal cabe uma casa decente com garagem e área de lazer.

        0
    • Mr. Alex 24 de agosto de 2011 at 00:16

      Ivan,

      Segura ae, Irmão ! Ajuda quem quiser e puder ser ajudado.

      Por isso formamos um País, até as [email protected]@das são iguais de norte a sul.

      30 anos de financiamento…

      Casamento de 30 anos é coisa rara, trabalhar no mesmo emprego 30 anos, só se for o Sarney.

      Não tem nexo, invista em lazer, saúde e boa alimentação antes, ganha-se muuuito mais.

      abraços,
      Mr. Alex.

      0
      • Ivan 24 de agosto de 2011 at 15:15

        Pois é, mesmo emprego por 30 anos só se for funcionário público ou então um ótimo empresário que saiba sair de todas as crises ileso (mas com bastante trabalho).
        Financiamento por 30 anos é loucura, uma imensa loucura, ainda mais nesse país. Financiar por 5 anos já é um risco!
        E o pior é que as pessoas acham “normal” os preços nesses níveis, não dá nem pra começar uma conversa decente que já querem mostrar que o louco é você.

        0
        • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 20:23

          Se Hitler utilizando propaganda de massa conseguiu transformar os alemaes da classe media (de velhos a criancas) em assassinos, imagina se aqui no Brasil esse mesmo tipo de propagnada nao pode transformar os pobres e a classe media em “investidores” super-experts em imoveis, da noite pro dia, mesmo tendo o mais alto nivel de ignorancia financeira?

          0
  • ildeu 24 de agosto de 2011 at 00:53

    moro numa cidade de 400 mil habitantes , os lotes em regiões antigamente desvalorizadas ,depois de favelas , estão no mesmo preço que bairros nobres ,uma vez que se compra um lote de 500 m2 nas areas nobres por 120 mil , nas mais pobres 180 m2 por 40 mil .Antes de 2006 , com 40 mil vc comprava uma area de 2/3 mil m2 nessas areas proximas de favelas.Pegaram uma area a 5 km da cidade e fizeram um condominio rural .O alqueire nessas areas custa uns 30 mil reais .Cercam , constroem 1 piscina , 1 campo de futebol , 1 quadra de tênis e uma portaria [no maximo se faz isso com 300mil] aí venden cada lote de 1000 m2 por 60 mil,ou seja cada alqueire[48 mil m2] se faz uns 3 milhões .E tem gente que compra , eu me recuso a enriquecer os outros com meu trabalho , de uma maneira tão obviamente fácil .Tem 1 outro de luxo [mas que no maximo vai gastar 2 milhões com infraestrutura ] que custa 160 mil o lote de 600 m2 .São 500 lotes , ou seja , vai se apurar quase 800 milhoes de reais num area fora da cidade E´ ou não uma bolha de lucro?

    0
    • lopes51 24 de agosto de 2011 at 01:23

      Em uma cidade vizinha da minha estão fazendo um condominio, lotes de 1000 m2 outro dia fui ver os absurdos.
      O corretor me falou que estava SUPER BARATO que em 6 meses estária valendo 180 mil.
      Ai eu falei: é verdade uma pena mesmo que não posso comprar pois sou pobre, ai perguntou do meu emprego e eu falei ai ele começou a insistir me levou pra ver e tal, me falou que meu emprego era bom e tal e eu falei com o lote a 120 mil sou pobre e daqui a 6 meses virei favelado pq nunca vou conseguir comprar.
      Ai o corretor vem com uma proposta MARAVILINDA: vendo o seu carro da de entrada fianacia o resto em 24X ai eu perguntei fixas? não com pequena correção da SELIC mais INCC, ai eu muito mentiroso respondi nossa que oportunidade maravilhosa. Vou ver de vender o meu carro so que assim com meu salario não consigo pagar as prestações pois eu sou pobre e o corretor vc tem um bom emprego ai eu retruco o emprego pode ser bom porém não consigo comprar.
      Detalhe o loteamento fica do lado de uma fabrica de gelatina e tem um cheiro MARAVILHOSO.
      Mais o mercado esta distorcido mesmo pois um terreno de 125m2 por aqui em lugar onde é cheio de traficante estão pedindo 30 mil, isso os terrenos mais baratos do municipio.
      ai me pergunto como pode o m2 da bimboca custar 240 moluscos.
      O q vejo é que os preços aparentemente pararam de subir e os imoveis estão com vendas bem baixas e cada vez que vc entra no site das imobiliarias sempre tem mais imoveis a venda(casas) terrenos tem mais eles não colocam no site mais se for nas imobiliarias vc encontra uma oferta maior tb.
      Tava quase comprando um terreno de 1400 m2 por 45 mil so que a pessoa desistiu de vender (a dona do loteamento tinha vendido 3 lotes com esse que ia comprar e desistiu de vender ai adivinha o q aconteceu o loteamento está suspenso pra vendas ai os valores subiram kkkkkk.
      Detalhe o loteamento tem 30 anos e até hoje não vendeu tudo e as ruas são de terra e so tem agua esgoto é na tradicional fossa.
      Se o brasileiro desse valor pro seu dinheiro esse tipo de coisa não iria acontecer e falta de cultura financeira.

      0
      • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 01:51

        lopes51,

        Repetindo o que escrevi para o Ivan. Estou morando nos EUA. Aqui um terreno de 1000 m2, num lugar nobre (fora dos grandes centros como Miami, New York, etc), seguro e com toda a infraestrutura (asfalto, agua, esgoto, gas, eletricidade, escola, supermercado, etc) custa por volta de 20 mil Reais. É claro que tem terreno caro também, mas a grande maioria da população pode pagar um terreno de 20 mil Reais. Alguma coisa está mutíssimo errada na Banânia. Acho que chegou a hora de apoiar movimentos como o MST, não só com “ocupação” no campo, mas principalmente na cidade. Um simples terreno sem esgoto e com ruas de terra não pode custar mais que um terreno nos EUA com infraestrutura COMPLETA!!!

        0
        • lopes51 24 de agosto de 2011 at 02:50

          Concordo com vc na verdade deveriam ser mais baratos, que ai nos EUA.
          O fato que percebo é que do jeito que andam as coisas por aqui classe MERDIA BANANENSE vai virar favelado.
          Depois o pessoal vem reclamar de indice de violencia, mais quer coisa mais violenta que o esbulho do povo pelo nosso governo.
          Em um pais que falta tanta infraestrutura pq os recursos de bolsa familia e tal não geram empregos e ajudam a dinimuir nossa carencia em infraestrutura.
          Apesar que ai viraria bolsa construtora, o governo populista não se elegeria e por ai vai.
          Anonymous o q vc acha da LCI? e MRK gostaria de sua opinião sobre isso que ja trabalhou com sistema financeiro.
          Me parece que na CEF tem LCI a 83,5% do CDI, dependendo do valor escutei falar em 100% do CDI, se for isso mesmo os juros devem aumentar muito quando a poupança acabar.
          Gostaria de saber pra onde esta indo esses valores pois essas capitações em LCI são caras e enquanto tiver poupança não compensa financiar atraves dela, ai fica a minha pergunta pq os bancos estão entrando nesse mercado?
          Posso estar errado mais se essa alavancagem acontecer e o pessoal pagar juros de 15% ao ano o estouro vai ser maior ainda gerando mais crise e preju pra todo mundo o q é ruim.

          0
    • Ivan 24 de agosto de 2011 at 15:22

      Ildeu,

      Em 2009 comecei a procurar terreno pra construir minha casa. Achei todos um absurdo de caro na época. Queria um terreno “grandinho” porque tenho gatos e cachorros e eles precisam de espaço. Pois bem, saí a procura e encontrei vários carissimos. Vi um que o preço me interessou, na época 45 mil, com área de 750 m2. Cara, tinha que fazer rapel pra acessar o terreno, só em muro de contenção eu iria gastar uma grana imensa. Sem chance! Resultado: acabei comprando uma chácara de 16.000 m2 por 36 mil, a poucos quilometros da cidade e fiz minha casa lá. Estou feliz da vida porque agora tenho o espaço que quero e ainda ar livre a vontade!

      0
  • Observador 24 de agosto de 2011 at 09:26

    Pessoal,

    No blog do André, aquele mesmo “anti bolhista” existe um quadro comparativo entre imóveis à venda no ZAP e o total de domícílios, entre outros números, na Barra chega se a conclusão que 20% do total de domicílios estão à venda, em copacabana 8,5%, isso só no ZAP. E o André ainda pergunta se isso é normal. Vale a péna dá uma olhada, especilamente o MRK que é especialista em mercado imobiliário ai no Rio. Olhe e dê a sua abalizada opinião.

    0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 10:20

      Observador, o problema do blog do andré é a má intenção disfarçada de seriedade…

      Olha, quanto a 20% da barra e 8.5% de copacabana estar a venda, na minha opinião denota uma coisa ANORMAL nos 2 bairros, é muita coisa (claro que barra tem mais porque tem muito lançamento).

      Faça um comparativo no seu prédio em termos normais, tinha 20% dos imoveis a venda? Eu lembro de morar num prédio que tinha 100 apartamentos (era bem alto), o normal era ter 1 ou 2 aps a venda… nunca vi 8 ou 10 vendendo de uma única vez

      Quanto ao blog dele, veja porque não gosto, comento aqui dois posts dele:

      – Quanto a queda de preços medida recentemente, ele diz que é em função desses indicadores do secovi não usarem média movel, ele faz as contas com média móvel e a queda, matemágicamente vira uma alta em função de um aumento pesado de abril, é demais!!!!

      – Quanto aos imoveis no ZAP, ele faz um comparativo de 2008 pra cá (isso mesmo, 2008) onde segundo ele, copacabana só tinha 40 imoveis pra alugar (?!), vejam bem, em vez de notar o acumulo monstruoso de estoque dos últimos 6 meses, ele vai buscar referência em 3 anos atrás, quando o ZAP nem tinha um quinto do peso que tem hoje, é pífio!!!

      0
      • Paulo Rocha 24 de agosto de 2011 at 11:01

        Qual é mesmo o nome/endereco do blog dele? Não tinha gravado em nenhum lugar, e não quero gastar um tempão procurando.

        0
        • me 24 de agosto de 2011 at 11:16

          http://housingmarketbr.blogspot.com/

          O André não é anti bolhista. Ele já sabe que tá tudo caro demais e já disse (em tom de lamento, por sinal) isso aqui no blog. O que ele quer, assim como eu, é fazer um pouco o papel de advogado do diabo, testar verdades, e ver se ela permanece de pé.

          0
          • MrK 24 de agosto de 2011 at 14:11

            pô me, tá de brincadeira, né?

            vai ver o post dele sobre média movel que coisa ridícula, aquilo é testar verdade?

            e o post que usa o zap em 2008 onde tinha só 40 imoveis pra alugar em copacabana, que foi aquilo?

            se o andré tinha um pingo de credibilidade contigo deveria ter perdido depois daqueles 2 posts

            0
          • Paulo Rocha 24 de agosto de 2011 at 14:28

            hmmm,

            Tem uma coisa estranha com os numeros dele:

            Bairro jul 2011 ago-2011
            Ipanema 1084 1660
            Copacabana 6161 4593

            O número de imoveis a venda aumentou em 60% em ipanema, e diminuiu 25%? Ueh, Copacabana não tem so aumentado? Não comparei dos outros bairros mencionado.

            0
          • me 24 de agosto de 2011 at 14:51

            O André ainda não perdeu a credibilidade por uma razão bem simples, que na verdade já foi mencionada várias vezes por mim (com certa preocupação de gerar hostilidade, por sinal): ele já aceitou, mais de uma vez, que tá tudo mais caro do que deveria. Ao invés de ele repetir isso por meses, quase um ano, e buscar por qualquer notícia que reafirme essa idéia, ele está disposto a buscar informações e, sim, testar verdades. Se as informações são esdrúxulas, aqui também há várias. A única diferença é que aqui, tudo é bolha. Com ele (tendo em mente que ele já aceita que tá tudo anormalmente caro), ele prefere pensar que possa estar errado.

            Outro dia mesmo comentei aqui e lá sobre a possibilidade de toda essa alta, mesmo com quedas subsequentes, poderiam melhorar bairros mais pobres, com a migração do pessoal de bairros melhores. As respostas, em ambos os casos, foram exatamente como esperei: em um, meu comentário foi ignorado e apressadamente invalidado. Em outro, a discussão foi estendida, mesmo que a idéia soa-se desagradável.

            0
          • MrK 24 de agosto de 2011 at 15:22

            me, o blog dele é muito menor, mais fechado e desconhecido, então as pessoas que lá opinam já foram um pouco filtradas e por ter menos comentários tudo é visto.

            esse blog aqui é muito mais aberto e muito mais visto, tem mensagem sobre tudo, é amplo, por isso sua mensagem pode ter se perdido no meio de tudo

            agora, não sei no que isso muda a credibilidade dele, se você acha os 2 posts dele que citei (do zap e da media movel) opiniões sensatas ou aceitáveis… aí é problema seu, aquilo é patético, não há outra palavra, é forçar a barra num nível muito maior que já vi qualquer um aqui fazer, até os mais fervorosos.

            0
        • MrK 24 de agosto de 2011 at 11:19

          outro erro do andré é considerar somente os imoveis do zap como os imoveis a venda

          deve ter muita coisa não anunciada no zap, na verdade deve ter 20% de copa a venda e uns 30% da barra no mínimo!

          0
  • Ricardo 24 de agosto de 2011 at 09:52

    Patrimônio em imóveis
    Correio Braziliense – 24/08/2011

    Em 2010, brasileiros compraram US$ 800 milhões em moradias, sobretudo em Miami

    Nas viagens para os exterior, os brasileiros estão comprando muito mais do que roupas e eletrônicos. Levantamento realizado pelo Banco Central mostra que o objeto de desejo do momento passou a ser um imóvel em solo estrangeiro. A procura por casas e apartamentos ganhou força depois do estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos, em 2008. E cresceu com tudo entre 2009 e 2010. Nesse período, o patrimônio imobiliário espalhado pelo mundo passou de US$ 448 milhões para US$ 1,248 bilhão — um salto de US$ 800 milhões ou de 178%. Entre os atrativos para tamanho salto está o preço. Em Miami, onde se concentra boa parte das moradias de posse dos brasileiros, o quadrado está mais barato do que na Asa Sul e Noroeste, bairros de Brasília, e do que no Leblon e em Ipanema, no Rio de Janeiro.

    Nas contas da Fortune International Realty, é possível encontrar um bom apartamento com o metro quadrado a R$ 4,8 mil (US$ 3 mil) em Miami, o mesmo valor de Águas Claras, onde se concentra a classe média da capital federal. “Os bancos dos Estados Unidos estão liquidando a carteira de imóveis que conseguiram recuperar de norte-americanos inadimplentes. Casas e apartamentos estão sendo vendidos por valores muito baixos”, disse Alcides Leite, professor de economia da Trevisan Escola de Negócios. Além disso, as taxas de juros oferecidas pelos sistema financeiro são melhores do que no Brasil.

    Toscana e França
    Até o ano passado, 25% de todas as compras de imóveis novos e usados em Miami eram realizadas por brasileiros. Neste ano, o percentual já está próximo de 45%. Em alguns prédios, 70% dos proprietários são originários do Brasil. Quando o Banco Lehman Brothers quebrou, em 15 de setembro de 2008, pelo menos 20 mil casas e apartamentos novos estavam à venda em Miami. Diante do estrago na economia norte-americana, acreditava-se que esse estoque levaria pelo menos 10 anos para ser zerado. Com a disposição dos brasileiros em ter moradias naquele balneário, o volume de empreendimentos se resume, hoje, a três mil.

    De acordo com dados da Miami Association Realtor, do Departamento de Comércio dos Estados Unidos e da embaixada norte-americana no Brasil, 74% dos corretores da cidade norte-americana trabalharam com clientes internacionais, sendo 83% deles estrangeiros. Os países que mais tem compradores interessados por imóveis são Canadá, Brasil, Argentina, Colômbia, França e México. No acumulado de 12 meses até março, o mercado imobiliário norte-americano havia movimentado US$ 1,07 trilhão, desse total, as vendas para estrangeiros somam US$ 41 bilhões. Os brasileiros também estão comprando fazendas, casas e apartamentos na Europa, sobretudo na região da Toscana, na Itália, e no Sul da França. Todos com preços menores do que no país. (VM)

    0
    • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 12:12

      Ricardo,

      Estou falando que comprar imóvel no estrangeiro (para morar ou investir) é melhor negócio desde o inicio de 2009. Eu mesmo já comprei uma casa nova em condominio nos EUA e paguei 1/3 do pagaria na Banânia. Observe 1/3 em 2009!!!

      0
  • Carlos__ 24 de agosto de 2011 at 10:17

    Miriam Leitão hoje, falando sobre o ouro:

    “Começa a subir perto da crise de 2008 – na última negociação antes da quebra do Lehman Brothers, o ouro valia US$ 750 a onça; em agosto de 2009, foi para US$ 913. Em dois anos, dobrou o valor. Isso configura um crescimento anormal, e os especialistas dizem que há sinais de que se formou uma bolha no mercado de ouro.”

    Ué? Mas exatamente nesse mesmo período os imóveis no Brasil subriram ainda mais. Quando acontece com o ouro é bolha e crescimento anormal, já quando são os imóveis é aumento de renda e nova classe média.

    0
    • RT 24 de agosto de 2011 at 10:48

      Discordo da Míriam Leitão.

      O ouro está só se recuperando após algum tempo andando de lado.

      A variação de preços verificada foi feita de maneira sólida, visando atender a uma demanda reprimida, e principalmente, calcada no aumento de renda da nova classe média, que, depois de comprar casa própria e se habituar a viajar de avião para outros países, agora já começa a diversificar seus investimentos.

      Agora que estão equilibrados com o bolso do investidor, os preços devem apenas crescer em ritmo mais lento. Mas não há porque se falar em bolha.

      Compre agora, ou jamais conseguirá comprar.

      Assinado: “Especialista” em mercado imobiliário e de ouro.

      0
    • RT 24 de agosto de 2011 at 10:52

      É brincadeira.

      Mas, falando sério agora: realmente, é de estranhar porque o mercado imobiliário, em ciscunstâncias parecidíssimas, não recebe essa atenção.

      0
      • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 14:16

        Imóvel é para usar e ouro para investir?

        0
        • Carlos__ 24 de agosto de 2011 at 14:51

          Ouro não é investimento. Serve para você preservar o valor do seu dinheiro quando não confia na política monetária ou cambial do país do qual você possue moeda.

          0
          • Lucas2 24 de agosto de 2011 at 15:14

            Para mim até tesouro direto é tentativa de preservar o valor do dinheiro, investimento é botar alguém (de preferência muitos) para trabalhar e ganhar dinheiro para você, o resto não é muito diferente de guardar dinheiro embaixo do colchão.

            0
        • RT 24 de agosto de 2011 at 19:04

          Investimento ou não, fato é que os imóveis também enfrentaram uma valorização absurda e fora da realidade, assim como o ouro.

          Estranho que o ouro tenha recebido atenção tão logo se constatou a super-valorização, ao passo que o mercado imobiliário – que vem recebendo tanta atenção ultimamente por ser ótimo investimento, segundo os “especialistas” e corretores – segue invisível para esses jornais.

          0
          • MrK 24 de agosto de 2011 at 19:19

            RT, a questão do ouro é em função da crise mundial, o ouro é considerado porto seguro e dinheiro do mundo todo (especialemnte dolares e euros) estão migrando pra esse ativo, não tem nada a ver com a especulação de imóveis

            nos imoveis as pessoas investem pq acreditam que terão rendimento de 30% ao ano

            no ouro as pessoas investem só com objetivo de proteger seu patrimonio da desvalorização cambial dessas duas moedas “meio podres”

            isso foi pedra cantada pelo peter schiff no seu livro do final de 2006, acredite se puder

            0
  • Paulo Rocha 24 de agosto de 2011 at 10:34

    O número de imóveis na zona sul do rio anunciados no Zap passou de 13000 hoje! Dentro de poucos dias o número de apartamentos no Flamengo vai passar de 1000! Copacabana já esta em quase 4600!

    Sera que o pessoal esta comecando a entrar em desespero para vender?

    Arpoador (11)
    Botafogo (1288)
    Catete (240)
    Copacabana (4593)
    Cosme Velho (69)
    Flamengo (971)
    Gavea (154)
    Gloria (132)
    Humaita (185)
    Ipanema (1660)
    Jd. Botanico (331)
    Lagoa (665)
    Laranjeiras (614)
    Largo Do Machado (6)
    Leblon (1548)
    Leme (206)
    Santa Teresa (92)
    Sao Conrado (251)
    Urca (59)

    0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 11:33

      Paulo, comecei a analisar isso detalhadamente de uns meses pra cá, quando comecei copacabana tinha pouco mais de 3mil a venda, zona sul não chegava a 10mil… tudo subiu muito (da ordem de 30% no MÍNIMO)

      Barra e recreio então assusta, se for ver são mais 13.000 imóveis

      TE CONVIDO A RACIOCINAR COMIGO…

      Se somarmos barra,recreio e zona sul temos 26.000 imóveis SÓ NO ZAP, mas existe muito imóvel fora do zap, vamos dizer que pra cada imóvel no zap existem 2 nas outras imobiliárias ou em anúncios locais, temos então 78mil imoveis, agora some a isso uma série de lancamentos que estão em construção e prospecção pros próximos 2 anos, vila olimpica etc… atingiriamos mole mole uns 85.000, imóveis ok?

      Agora me diga, existem ainda 85.000 pessoas no Rio com bala na argulha pra comprar imóveis de meio milhão de reais, que deve ser o valor médio disso??? Lembre-se: Muita gente já gastou sua bala na agulha e tá fica fora desses 85.000

      eu acho que a resposta é não, por isso que travou tudo

      0
      • Fábio 24 de agosto de 2011 at 11:40

        Mrk usou muito bem a palavra, TRAVOU tudo mesmo, culpa dos corretores gananciosos e voces podem observar que o mesmo imovel as vezes tem 4 ou 5 anuncios com preços que podem variar de 10.000 a 50.000 reais a diferença, acho que a solução para eles é colocar para alugar reduzindo o preços ou no caso os corretores usarem o argumento da bolha com os proprietarios visando vender e reduzindo a margem do lucro.

        0
        • Carlos 24 de agosto de 2011 at 12:07

          A culpa culpa não é dos corretores ganancioso, pois eles não têm o poder de criar bolhas.
          A culpa é exclusivamente do governo, que começou a dar subsídio para classe média, que se endividou brutalmente para repassar à caixa e bndes, que provocou a maior expansão monetária da história e estimulou a população a se endividar, que fez muitas outras coisas em mprol deste cenário.

          0
          • Georgei 24 de agosto de 2011 at 13:58

            Igual era “culpa do governo” quando o avião da TAM caiu?
            As pessoas são adultas e sabem muito bem o que fazem.
            Eu estou na mira do crédito tanto quanto qualquer outro e não me endividei.

            0
      • Selvagem 24 de agosto de 2011 at 11:47

        Mrk, eu sou o primeiro a elogiar seus posts. Mais não me furto de criticar quando não concordo. Pra mim toda conta do Zap deve considerar uma margem de repetição dos anúncios, tenho visto para São Paulo o mesmo imóvel sendo anunciado no Zap por 2, 3 … imobiliárias. Posso seguramente dizer que há um aumento na repetição dos anúncios a medida que os imóveis começam a encalhar. Aliás tenho visto repetições de anúncios com variações do preço do mesmo imóvel significativas. Cuidado pra não inflar os números cara.

        0
        • Jack Imóveis 24 de agosto de 2011 at 11:49

          Estou junto com o Selvagem nessa. Já havia comentado isso em outro post. Em média para os bairros de SP que acompanho tem 1,5 anúncios por imóvel…

          0
      • Annibal 24 de agosto de 2011 at 11:55

        Pessoal, esses números devem ser usados como tendência, já que sempre houve duplicidades de álguns anúncios, ou seja, não adianta só argumentar agora da duplicidade q sempre existiu… os imóveis estão encalhados mesmo….

        0
      • Paulo Rocha 24 de agosto de 2011 at 12:08

        MrK,

        Na verdade eu acho que deve ter mais do que 85000 imóveis a venda. Eu tentei acompanhar alguns imoveis anotando no excel, quando os anuncios expiraravam muitos imóveis não voltavam ao site. Bom comecei a acompanhar em mais detalhe recentemente. Então pode ser que dentro de breve eles voltem a ser anunciados. Sera que justamente os imóveis que eu acompanhava foram vendidos? Duvido que sim. Eu anotei os codigos do zap e da imobiliaria e não consigo encontrar os imoveis. Então eu acredito que muita gente resolveu dar um tempo na hora de renovar os anuncios, ou então anunciar em outros lugares. Ou as imobiliarias estão tentando economizar um pouco e não anunciar tudo, e talvez tambem para tentar esconder um pouco a gigantesca oferta de imoveis.

        Seria interessante descobrir qual fatia do mercado que o zap cobre.

        Bom, quanto a ter tanta gente com dinheiro assim eu acho estranho. Mas tambem to morando fora do brasil a 20 anos, então nao posso afirmar nada com certeza absoluta. Mas uma coisa é certa, eu moro na Noruega, um dos países mais caros do mundo, e os preços atuais do brasil/rio faz com que aqui pareça ser barato. Aqui a renda per capita é de US$84.443, não to falando de renda familiar. Eu fico assustado com os preços de imóveis na zona sul. Tem aumentado absurdamente.

        Tambem noto que não ha nenhum dado estatistico de acesso livre sobre o mercado. Só falam de lançamentos e tentam enganar os menos atentos com o número de venda. Por exemplo aqui na Noruega, em 2007 o mercado estava bem aquecido, e demorava uns 12-17 dias vender um imóvel usado. Agora esta mais “calmo”, em geral dentro de 35 dias você vende o seu imovel. aqui no site já cansamos de ouvir sobre imoveis que estão a venda a mais de um ano que continuam a “valorizar”, mas vender que é bom não vende.

        0
    • Paulo Rocha 24 de agosto de 2011 at 12:56

      Caramba, em duas horas copacabana aumentou com 100 imoveis!

      Arpoador (11)
      Botafogo (1289)
      Catete (241)
      Copacabana (4690)
      Cosme Velho (69)
      Flamengo (973)
      Gavea (156)
      Gloria (132)
      Humaita (187)
      Ipanema (1698)
      Jd. Botanico (342)
      Lagoa (680)
      Laranjeiras (612)
      Largo Do Machado (6)
      Leblon (1612)
      Leme (208)
      Santa Teresa (92)
      Sao Conrado (255)
      Urca (59)

      0
      • Carlos__ 24 de agosto de 2011 at 13:19

        Esse é o verdadeiro espetáculo do crescimento.

        0
        • MrK 24 de agosto de 2011 at 14:19

          Selvagem, eu concordo com o seu ponto de que no zap há duplicação e que é impossivel estrapolarmos o tamanho do mercado em função do numero de imoveis no zap

          o que eu fiz foi uma premissa apenas, pode realmente estar errada (pra mais ou pra menos), mas como não há o número preciso, foi a premissa que achei mais razoável

          abracos!

          0
      • buginga 24 de agosto de 2011 at 15:23

        Pode atualizar os dados.

        às 15:25:
        COPACABANA (4713)

        Como se diz: 4.713 …. and counting ….

        0
  • Observador 24 de agosto de 2011 at 11:34

    Valeu MRK,

    Também achei estranho ele ter considerado apenas o ZAP, embora não tenha conhecimento do mercado imobiliário do Rio. Quanto ao endreço do blog para quem quiser ver é: Housingmarketbr.blogspot.com, aprecie com moderação, bem entendido?

    0
  • Platao 24 de agosto de 2011 at 11:37

    segue mais uma resposta de outro corretor, em resposta ao meu email da bolha:

    “Boa tadrde Platao

    Li a reportagem também e esse desaquecimento já faz uns 3 meses, o que está acontecendo é que antes era vendido 100% dos empreendimentos no lançamento ou seja na planta, essa velocidade de venda caiu por causa da quantidade de novos empreendimentos,porem os empreendimentos que estão sendo entregues agora se o proprietário não tiver como saldar o apartamento ele volta para a construtora que vai vender pelo preço de mercado, pois o comprador perde o valor da entrada. Os preços só estão subindo mais lento porem não há tendência de queda.
    Assim, gostaria de mostrar-lhe um excelente negocio:

    Aproveite as últimas unidades do empreendimento Allegro – Linha Verde, apartamentos de 48m e 50m², com 2 Quartos e sacada.

    Condomínio – clube com mais de 28 itens de lazer e segurança.

    * Piscina adulto e infantil
    * Sala de musculação
    * Salão de festa
    * Quadra esportiva
    * Churrasqueira com forno de pizza
    * Salão de jogos
    * Praças temáticas entre outros.

    OBS.: Tudo será entregue equipado e decorado de acordo com o memorial descritivo.

    Aproveite você também, e venha investir em uma empreendimento de altíssima qualidade, excelente localização e valorização garantida.

    ” Neste final de semana teremos entrada facilitada”

    Quando for ao plantão favor procurar pelo o corretor AUGUSTO ou RENATA.

    Duvidas estou à disposição.

    Att.

    0
    • Felipe 24 de agosto de 2011 at 11:42

      Boa.
      E aí, vai comprar ?
      hehehehehehehe, mó piada esses caras.

      0
      • MrK 24 de agosto de 2011 at 11:52

        3 coisas sensacionais nesse email:

        1- 48m² com 2 Quartos e sacada (hahahah deve ser confortável como uma cela de presídio)

        2- “valorização garantida”. – Garantida por quem, cara pálida? Pergunta aí se ele garante!

        3- “Os preços só estão subindo mais lento” , gramática a parte, isso é uma mentira, os preços na prática estão estagnados ou caindo.

        0
        • Platao 24 de agosto de 2011 at 12:04

          detalhe…procurei num site de busca imobiliaria…existe 26 aptos a venda em um predio “ao lado ” deste, entregue esse ano, nas mãos de imobiliarias…

          0
        • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 12:18

          4- Aproveite você também, e venha investir

          0
      • Platao 24 de agosto de 2011 at 12:00

        con entrada facilitada…acho muito jogo esse belo investimento!!

        0
        • Carlos Wagner 24 de agosto de 2011 at 13:28

          Com entrada facilitada, “neste final de semana”.

          Se passar o final de semana, a entrada não será mais facilitada…portanto, corra!!!

          0
  • Platao 24 de agosto de 2011 at 11:57

    não lembro se ja postei aqui, mas tenho duas colegas ex corretoras de imoveis, que entraram nessa profissao ao final do ano passado…nao sei como foi caso delas, mas hj uma esta desempregada, ela vende bolos feito em casa pra pagar a facul e a outra esta fazendo estagio em uma empresa, na area de adm. Agora só os “feras” estão sobrevivendo!!!

    0
  • Observador 24 de agosto de 2011 at 12:03

    MRK,

    Platão me corriga se eu estiver errado. Mas, pelo nome, o empreendimento é em Belo Horizonte, no chamado vetor norte, uma espécie de nova fronteira imobiliária, mais ou menos com uma Barra ai no Rio. É, sem dúvida, a região onde existem mais lançamentos imobiliários em BH. Uma imensa oferta e a demanda cada vez menor. Sei porque conheço bem a região, há lançamentos, inclusive, que existem apenas no site das imobiliárias/construtoras, no terreno onde se pretende construir, não há, as vezes, sequer stand de vendas. Portanto, não está garantida sequer a construção, muito menos a valorização. Estão vendendo sonhos que podem virar pesadelos.

    0
  • Platao 24 de agosto de 2011 at 12:05

    é em Curitiba, mas eh a mesmissima situação, regiao do capa raso – pinheirinho, foi um boooommmmm

    0
  • Carlos__ 24 de agosto de 2011 at 12:18

    Discordo dessa projeção de que para cada um no zap temos mais dois anunciados em outros lugares. Pode até ser, mas fica muito no chute.

    0
    • Carlos__ 24 de agosto de 2011 at 12:26

      Ops, acabei postando fora do contexto.

      0
  • Observador 24 de agosto de 2011 at 12:20

    Ok, Platão,

    Me confundi em função do nome “linha verde”, que é uma via de acesso ao aeroporto de Confins. Mas, enfim, pelo que você relatou, o raciocínio é o mesmo.

    0
  • Money Addicted 24 de agosto de 2011 at 12:30

    Oi Pessoal,

    Primeiro post, mas tenho acompanhado as discussoes faz um tempinho, vi essa noticia na bloomberg

    http://www.bloomberg.com/news/2011-08-24/homeowner-associations-in-need-of-cash-sue-lenders-to-force-foreclosures.html?cmpid=bit

    pessoal que esta com o financiamento atrasado nao paga tambem o condominio…..algo parecido pode ocorrer por aqui se enfrentarmos uma crise

    valeu

    0
  • Fábio 24 de agosto de 2011 at 12:54

    Família espanhola volta a ser pobre depois de ganhar mais de R$ 12 milhões
    Anelise Infante
    Em Madri
    tweet

    Comentários [25]

    * Sem ajuda de caridade, diz A.N.P., família não teria alimentos para comer

    Sem ajuda de caridade, diz A.N.P., família não teria alimentos para comer

    A crise marcou a vida do espanhol A.N.P. dividindo-a em dois períodos distintos. Ele chegou a ganhar milhões de euros e hoje, desempregado, é obrigado a pedir ajuda para não passar fome. Um ano antes da crise ele tinha duas casas, três carros e salários anuais equivalentes a R$ 150 mil. Um ano depois, dívidas, bens confiscados e necessidades básicas desatendidas. “É difícil de acreditar”, desabafa.

    A.N.P. (ele pediu para não ter o nome ou o rosto divulgado), de 54 anos, é um retrato fiel da crise que atinge trabalhadores que até pouco tempo atrás tinham bons níveis de vida e perderam tudo. Mestre de obra em mais de 30 anos na construção civil, chegou a ganhar mais de R$ 12 milhões em oito anos no período do boom do setor. Os salários que superavam os R$ 13 mil mensais lhe animaram a comprar duas casas, três carros e a consentir que o filho deixasse os estudos antes de concluir o segundo grau. Como operário, o rapaz ganhava mais do que um universitário.

    Mas a realidade mudou. A construtora em que pai e filho trabalhavam faliu. A empresa, que também financiava a compra de imóveis para os empregados, deixou de pagar bancos, fornecedores e trabalhadores. Resultado: bens confiscados, dívidas acumuladas e toda a família desempregada há um ano. Desde fevereiro, a solução tem sido o restaurante comunitário da organização de caridade católica São Vicente de Paula no centro de Madri.

    Poço
    “Veja bem o que há aqui! Não estamos falando de indigentes. São trabalhadores: asseados, arrumados, educados… Caíram num poço sem saber como. É uma situação impressionante”, explicou à BBC Brasil a freira Maria Mercedes Morilla, coordenadora do restaurante S. Vicente.

    A.N.P. ouviu a descrição e se emocionou. Confessou que no princípio sentia “imensa vergonha” de pedir ajuda. Mas passou a contar com o apoio também psicológico das freiras da congregação Filhas da Caridade. “Aprendi a ser agradecido e a ver este auxílio como uma salvação para esta etapa duríssima”, afirmou. “Porque o pior não é ter caído neste poço. O pior é não ver saída na minha idade, ter deixado meu filho se endividar, largar os estudos… Se não fosse por isso aqui (mostra a sacola com alimentos dada pelas religiosas), minha família não teria o que comer”, diz.

    A.N.P. tem como única renda a subvenção pública de R$ 950 para desempregados a longo prazo. Quase tudo vai para o banco para saldar as dívidas dos imóveis que ele já perdeu, mas ainda tem que pagar. Como ele, milhares de espanhóis fazem fila todos os dias nos centros de ajuda social com restaurantes para necessitados. O de S. Vicente fornecia 350 refeições diárias em 2009 e agora fornece 700 desde janeiro de 2011.

    Na Cruz Vermelha, o panorama é o mesmo. São 2.500 atendimentos diários nas sedes principais do centro de Madri para pessoas em busca de alimentos, dinheiro para pagar o aluguel e contas de abastecimento (luz, água e gás) e assessoria jurídica. Segundo a ONG, no primeiro trimestre de 2011 quatro de cada dez pedintes de ajuda eram novos pobres, pessoas que nunca haviam demandado auxilio social.

    0
  • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 13:42

    Interessante…

    http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2011/08/inadimplencia-permanece-no-maior-patamar-desde-fevereiro-de-2010.html

    Lendo o texto, percebemos que, novamente, a palavra da moda é “acomodação”.
    Ninguém fala em queda, apenas “acomodação”.
    Para alguns setores e em determinadas situações, a verdade pode ser catastrófica mesmo.

    0
  • Tiago 24 de agosto de 2011 at 13:42

    Conselho do meu conterrâneo José do Egito: guarde os seus recursos para usar no futuro!

    Guarde todo o dinheiro que você puder agora e espere a bolha estourar…

    Engraçado que agora falam em déficit de 6 milhões de moradias… antes eram 10… caiu 40% o déficit e os preços subiram 100% kkkkkkkkkkkkkk não entro nesse avião não! não tem combustível para subir mais! quem entrar já sabe… recado foi dado!!!!

    0
    • Paulo 24 de agosto de 2011 at 13:51

      Número de casas vazias supera déficit habitacional do País, indica Censo 2010
      13/12/2010 14:50 – Portal Brasil

      Os primeiros dados do Censo 2010 divulgados pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o número de domicílios vagos no País é maior que o déficit habitacional brasileiro.

      Existem hoje no Brasil, segundo o censo, pouco mais de 6,07 milhões de domicílios vagos, incluindo os que estão em construção. O número não leva em conta as moradias de ocupação ocasional (de veraneio, por exemplo) nem casas cujos moradores estavam temporariamente ausentes durante a pesquisa.

      Mesmo assim, essa quantidade supera em cerca de 200 mil o número de habitações que precisariam ser construídas para que todas as famílias brasileiras vivessem em locais considerados adequados: 5,8 milhões.

      Esse déficit habitacional foi calculado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP) com base em outro levantamento do IBGE, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

      O déficit soma a quantidade de famílias que declaram não ter um teto, que habitam em locais inadequados ou que compartilham uma mesma moradia e pretendem se mudar. Não leva em conta as famílias que vivem em casas adequadas de aluguel.

      http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2010/12/13/numero-de-casas-vazias-supera-deficit-habitacional-do-pais-indica-censo-2010

      0
      • Glaucio 24 de agosto de 2011 at 15:24

        Essa foi uma das notícias mais significativas dos últimos dias. Quando alguém vier com o papinho de déficit, é só mostrar o link.

        0
      • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 21:09

        Nunca acreditei nessa estoria de “demanda reprimida”. Por que nao investiram pesado para acabar de verdade com as favelas? Ou sera que o Rio de Janeiro fica mais bonito com toda aquela poluicao visual logo atras dos predios da orla?

        0
    • Tiago 24 de agosto de 2011 at 14:01

      Ou seja, não há déficit nenhum…

      0
      • Anonymous 25 de agosto de 2011 at 13:40

        Engraçado fica esse post do Tiago sempre após os últimos publicados, parece que a resposta fica sempre a mesma (mas o post também é o mesmo ainda), acompanhem:

        “- MrK, mas e os 10.000 pontos? Segundo o Valor, o cara que disse isso também disse que a bolsa chegaria a 18.000 em 2008”
        “- Ou seja, não há déficit nenhum…”

        “- Se nao fosse periodo de negação da bolha patrocinada pela globo , essa materia jamais seria publicada…kkk ”
        “- Ou seja, não há déficit nenhum…”

        “- O número de trabalhadores ocupados em julho totalizou 22,476 milhões de pessoas, alta de 0,4% sobre junho e de 2,1% ante julho de 2010.”
        “- Ou seja, não há déficit nenhum…”

        “- Desculpe mais minha tv é melhor que a sua.
        È um tubão de 29 polegadas.”
        “- Ou seja, não há déficit nenhum…”

        Essa última parece mais conversa de louco.

        0
        • roberto 25 de agosto de 2011 at 13:45

          Ou seja, não há déficit nenhum…

          0
          • Susy 25 de agosto de 2011 at 15:22

            🙂

            0
            • Sérgio 26 de agosto de 2011 at 14:54

              Preços de imóvel usado têm 2ª queda consecutiva

              Casa de dois dormitórios em Franca, no interior de SP, tem o metro quadrado mais barato do Estado.

              Os preços dos imóveis residenciais usados tiveram a segunda queda consecutiva no Estado de São Paulo. A redução de 4,84% em junho superou a de 3,8% registrada em maio pelo índice estadual de preços de imóveis usados residenciais (IEPI-UR), calculado pelo Creci-SP (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo). Mesmo com os preços em baixa, as vendas foram 9,35% menores na comparação com o mês anterior.

              “O mercado imobiliário, historicamente, alterna ciclos de altas de baixas de vendas e de preços, o chamado ‘efeito gangorra’, e nem sempre essas duas pontas, vendas e preços, caminham de forma sincronizada”, avalia José Augusto Viana Neto, presidente do Conselho. No curto prazo, as oscilações mensais do mercado nem sempre permitem ter clareza sobre as tendências futuras, mas, segundo ele, “no médio e longo prazos, não se tem nenhuma dúvida, ao contrário, se tem certeza que imóvel é bom negócio, com valorização garantida, em um País que arrasta um déficit de mais de seis milhões de moradias”.

              Nas quatro regiões do Estado que compõe a pesquisa, a maior queda nas vendas ocorreu na Capital (-31%). Nas cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco, a redução no volume de negócios foi de 5,17% e no interior do Estado, de 4,98%. As cidades do Litoral foram a exceção à regra, com aumento de 4,5% nas vendas.

              Franca, no interior do Estado, tem o m2 mais barato

              O imóvel de menor preço encontrado pela pesquisa em junho no Estado de São Paulo foi uma casa de 2 dormitórios localizada em bairro da periferia de Franca, vendida a R$ 622,22 o metro quadrado. O maior valor de metro quadrado – R$ 5.672,79 – foi de um apartamento de 3 dormitórios, mas em bairro nobre de Santos, no Litoral Central de SP.

              Financiamento viabiliza maioria das vendas

              Em junho, venderam-se mais casas (55,42% do total) do que apartamentos (44,58%), a maioria por meio de financiamento bancário. Essa foi a forma adotada em 55,48% dos contratos fechados na Capital; em 52,65% no interior; em 54,77% no litoral; e em 65,63% nas cidades do A, B, C, D, Guarulhos e Osasco.

              Os imóveis mais vendidos na Capital foram os de valor superior a R$200 mil, com 66,67% dos contratos formalizados nas imobiliárias. A faixa de valor de até R$180 mil concentrou 55,96% das vendas no interior e 52,99% nas cidades do A, B, C, D, Guarulhos e Osasco. No litoral, casas e apartamentos de até R$160 mil responderam por 55,25% das vendas.

              0
              • Carlos__ 26 de agosto de 2011 at 16:19

                Valeu! essa deve ir para a home do site.

                “O mercado imobiliário, historicamente, alterna ciclos de altas de baixas de vendas e de preços, o chamado ‘efeito gangorra’, e nem sempre essas duas pontas, vendas e preços, caminham de forma sincronizada”

                Ciclos de baixa e alta? Esses mesmos caras diziam que ia subir ainda mais por anos e anos. É muita cara de pau.

                0
                • Carlos Eduardo 26 de agosto de 2011 at 17:32

                  O fato é que estão criando novas teorias! ouviremos muito mais bla bla bla… pela frente

                  se preparem!

                  rs

                  0
              • Anonymous 26 de agosto de 2011 at 17:24

                Financiamento viabiliza maioria das vendas? Pelo texto, grosso modo, 50% são financiados? E os outros 50%? Será que tem tanta gente pagando a vista moradias por esses preços? Será que 50% da população na Banânia ficou milionário?

                0
              • Carlos Wagner 26 de agosto de 2011 at 17:51

                ““O mercado imobiliário, historicamente, alterna ciclos de altas de baixas de vendas e de preços, o chamado ‘efeito gangorra’, e nem sempre essas duas pontas, vendas e preços, caminham de forma sincronizada”, avalia José Augusto Viana Neto, presidente do Conselho. No curto prazo, as oscilações mensais do mercado nem sempre permitem ter clareza sobre as tendências futuras”

                A reportagem inteira deste ser pode ser traduzida pela interpretação deste unico paragrafo:

                – Mais uma desculpa da nossa parte pode ser apelar para o “famoso” efeito gangorra, que influencia em baixas e altas de vendas. Porém, nós não temos a minima ideia e nem podemos garantir quais reações este mercado pode ter, tampouco afirmar com tanta certeza que os imoveis continuarão valorizando, mas me mandaram escrever isso para não apavorar o mercado.

                0
        • Susy 25 de agosto de 2011 at 15:25

          🙂 Ha ha ha! Essa foi engraçada, Anonymous!

          0
      • Carlos Wagner 25 de agosto de 2011 at 14:52

        Boa…
        /
        Por tudo que foi discutido acima, com a palavra o Sr Tiago! | |
        | |

        0
  • Tiago 24 de agosto de 2011 at 14:01

    Ou seja, não há déficit nenhum…

    0
    • Carol 24 de agosto de 2011 at 14:13

      Exato Tiago, mas déficit no setor imobiliário nunca houve – talvez no período do homem das cavernas.
      Apenas os sem-teto é que poderiam ser incluídos como população sem moradia, o resto ou têm imóvel ou aluga um, ou seja, déficit praticamente não existe.
      O que ocorre é que alguns conseguem dinheiro para comprar um imóvel, outros não e precisam alugar.
      A oferta/procura/crédito/especulação é que comanda este jogo de preços insano que vivemos atualmente, infelizmente.
      Mas como tudo gira em torno de fases, isto também têm prazo de validade.
      O negócio é aguardarmos um pouco para fazermos uma compra justa, pagando o justo por um imóvel de qualidade e metragem decentes.

      0
  • Tania 24 de agosto de 2011 at 14:14

    Hoje 24/08/2011 às 13h52 entrou como de costume a Mara Luquet para falar em sua coluna diária no programa do Carlos Alberto Sardenberg na CBN (Sistema Globo) cujo foco é a economia. Só quero falar que para mim morreu uma “Idola”. Enquanto eu lia os comentários aqui do blog ela começou a falar sobre o mercado imobiliário. Que tinha perguntado para um dos diretores da “Coelho da Fonseca” se existia bolha imobiliária. Caracas a mulher pergunta para o dono de uma imobiliária. Obviamente o cara disse que não, que isso não existe kkkkkkkkkk. O comentário dela deve entrar no site da CBN hoje no final da tarde quem quiser escutar é só ir no http://cbn.globoradio.globo.com/home/HOME.htm
    coluna da esquerda “comentaristas” e clicar no nome Mara Luquet. Falaram tanta [email protected]#@$#@ que até agora tou pasma. Que é bom investir em aptos de 2 dormitórios pq existe um déficit. A perola maior é que investir em imóvel de luxo é uma ótima jogada pq ele nunca se desvaloriza que rico sempre será rico que eles nunca tem problemas com fluxo de caixa kkkkkkk. Que o diretor da Coelho da Fonseca tinha comprado um apto na Oscar Freire com Haddock Lobo de 2 dorm por 310000 (só ele consegue comprar apto. nos Jardins por esse preço) e tava alugado por 2700 mensais, etc. Ai o Sardenberg falou que comprar imóvel com os preços de hoje não tava fácil (acho que ele ficou com vergonha de ouvir tanta besteira)e ela teve a manha de dizer que segundo a conversa com o cara da Coelho ainda tinha lugares onde os preços não tinham aumentando. Bom eu queria saber onde??? Que tava fácil comprar, que o crédito tava fácil etc etc.
    Moral da estória: Nunca mais levo a serio nada do que essa mulher falar.

    0
  • MrK 24 de agosto de 2011 at 14:24

    é engraçado que esse blog há uns 4 meses atrás o papo era “não vai parar de subir nunca?! não vai parar de subir nunca?!””

    agora o papo é “não vão admitir que tá caindo, não? não vão admitir que tá caindo, não?”

    daqui a 4 meses… “será que não vai parar de cair? será que não vai parar de cair? ”

    hahahaha

    0
    • Tiago 24 de agosto de 2011 at 14:27

      e tô aqui embaixo só esperando…

      0
  • A.JR. 24 de agosto de 2011 at 15:03

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia%20geral,crise-ja-afeta-comportamento-do-desemprego-diz-dieese,81438,0.htm

    SÃO PAULO – O diretor-técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, afirmou nesta quarta-feira, 24, que a crise financeira internacional já mudou o comportamento tradicional do desemprego no País. Segundo Clemente, a taxa de crescimento da ocupação nas sete regiões metropolitanas pesquisas pela entidade caiu, nas comparações com o mesmo mês do ano anterior, de um ritmo de 5,5% em 2010 para menos de 2% este ano.

    “A tendência é de que o desemprego ainda caia neste segundo semestre, mas não com a mesma intensidade dos últimos anos”, analisou. “Em junho, por exemplo, tivemos o terceiro mês consecutivo de estabilidade na taxa de desemprego, o que não é normal. Tradicionalmente, ela deveria estar caindo nesta época do ano”, afirmou o diretor-técnico do Dieese, ao participar de um ciclo de seminários sobre “Progressividade da Tributação e Desoneração da Folha de Pagamento”, realizado na capital paulista.

    Segundo Clemente, o fato de a População Economicamente Ativa (PEA) não estar crescendo contribuiu para que o desemprego se mantivesse estável. “Considerando esse quadro, o desemprego deveria estar caindo, já que não está havendo uma pressão da PEA”, disse. “O mercado de trabalho já está observando os impactos da crise”, admitiu.

    Clemente explicou que, para que a taxa de desemprego se mantenha estável, o nível de ocupação deve crescer por volta de 2,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior. “Embora a ocupação esteja crescendo a um nível inferior, o desemprego ainda se mantém estável porque a PEA não está crescendo e, portanto, não está pressionando o mercado de trabalho”, afirmou.

    Outro dado relevante citado por Clemente é a renda, que parou de crescer e em alguns setores já está caindo. “Parte disso se deve à aceleração da inflação, mas o fato é que o valor nominal da renda também não tem crescido”, afirmou. “Podemos ter surpresas nos próximos meses.”

    O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, concorda que os impactos da crise financeira internacional no País atingirão o emprego ainda neste ano. Pochmann lembra que o segundo semestre costuma ter um resultado, em termos de geração de empregos, sempre melhor que o primeiro semestre. “O segundo semestre conjunturalmente é melhor que o primeiro, então talvez ele não apresente sinais tão evidentes (de desaceleração)”, observou. “Mas os dados do comércio e da indústria já mostram um ritmo de crescimento do emprego muito próximo a zero.”

    0
    • A.JR. 24 de agosto de 2011 at 15:05

      “Outro dado relevante citado por Clemente é a renda, que parou de crescer e em alguns setores já está caindo. “Parte disso se deve à aceleração da inflação, mas o fato é que o valor nominal da renda também não tem crescido”, afirmou. “Podemos ter surpresas nos próximos meses.””

      Como os imóveis subiram pela expressiva elevação de renda do povo brasileiro, então os imóveis já podem baixar… pq a renda que nunca subiu agora já está caindo…

      0
  • Jack Imóveis 24 de agosto de 2011 at 15:14

    Não acho que é possível chegar em uma conclusão pela analise global, mas levando em consideração o que segue:

    1. O grande déficit habitacional está nas classes C, D e E
    2. Imóveis para a classe acima são os MCMV (não tem impacto de preço nos grandes centros)

    Eu acredito que temos o seguinte cenário:

    1. Mercado MCMV ainda tem demanda, mas está supervalorizado impedindo a real resolução do problema.
    2. Os imóveis sobrando são alqueles de mais de 300k para cima e não haverá demanda para todos.

    0
    • Jack Imóveis 24 de agosto de 2011 at 15:19

      Acabei postando isso no lugar errado

      0
  • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 15:32

    Gerson ataca novamente. O interessante é a discussão com a Corretora, que tem uma irmã morando nos EUA faz 12 anos, sobre a diferença de preços Banânia x EUA.

    Corretora : Olá Gerson Lopes, sou Corretora Cyrela, quais as características do imóvel que procura?
    Gerson : Gostaria de saber o preço do Prime Family Club.
    Corretora : Qual metragem te interessa?
    Corretora : você é daqui de Campinas Gerson?
    Gerson : O menor, 92 m2
    Corretora : conhece o condomínio em que o Prime faz parte?
    Corretora: olha o de 92 m2 não tenho mais nenhuma unidade
    Corretora : só tenho 1 unidade de 132m2 e 2 coberturas
    Gerson : Nao, mas já morei em Campinas e tenho uma idéia do bairro Iguatemi.
    Corretora : Gerson, este empreendimento está dentro de um condomínio de prédios
    Corretora : é mais seguro que qualquer outro em Campinas
    Gerson : E qual é o preço desse de 132 m2?
    Corretora : tem um bosque desenhado pelo escritório de Burle Marx de 11.000m2
    Corretora : este de 132m2 está com um preço de mais ou menos 4.600 o m2
    Corretora : sai por volta de 610.000
    Corretora : O MELHOR PREÇO DA CIDADE
    Corretora : em uma região muito nobre
    Corretora : hoje se fala em Campinas 6.500 a 8.000 reais o metro quadrado em região nobre
    Gerson : Eu estou morando nos EUA e talvez volte para o Brasil, mas os preços ai estão completamente fora da realidade do mundo.
    Corretora : não estão não..
    Corretora : aqui tem ainda uma carência de moradia muito séria
    Gerson : Eu comprei uma casa nova, em condominio, 240 m2, já vem com muitos eletrodomésticos por 240 mil Reais. Voce ai no Brasil perderam o juizo.
    Gerson : Comprei aqui nos EUA.
    Corretora : a realidade do USA sempre foi muito diferente
    Gerson : Pois é, aqui tem segurança, infraestrutura, e preços muito abaixo do que está sendo praticado no Brasil. Ai tem favela, crime e o que mais?
    Corretora : por isso entrou na bolha imobiliária
    Corretora : ai também tem
    Corretora : só que os guetos são mais arrumadinhos
    Corretora : a minha irmã morava em Kansas e perdeu dinheiro na venda da casa dela
    Corretora : teve que mudar para Chicago e pagaram na casa dela menos do que ela pagou quando comprou
    Gerson : Vou esperar a bolha imobiliária estourar ai em Campinas. Com esse preços eu sou muito pobre para morar no Brazil.
    Corretora : fora que o IPTU daí é um absurdo de caro
    Corretora : pode esperar uns 20 anos
    Gerson : O IPTU é caro, mas a escola é GRATIS.
    Corretora : até o 3 ano
    Corretora : depois é caro a beça tbm!
    Gerson : Aqui é gratis até o término do High School – colegial.
    Corretora : a Faculdade fica uma exorbitância de caro
    Corretora : eu sei de como funciona a vida aí
    Corretora : tenho a minha irmã que mora aí ha 12 anos
    Corretora : na verdade você quer comparar o incomparável
    Gerson : Não é verdade. Uma boa faculdade aqui custa 45 mil dolares por ano, mas inclue alojamento, comida e mensalidade. Tenho sobrinha na FAAP, morando de aluguel que paga no total mais do que isso.
    Corretora : aqui temos uma realidade que você não vivencia a muito tempo
    Corretora : a demanda de carênciua de moradia é grande ainda
    Gerson : A sua irmão pensa em voltar? Eu já estou considerando não voltar mais.
    Corretora : e as pessoas querem morar nos centros urbanos
    Corretora : a terra fica mais cara, encarece o custo do empreendiomento
    Corretora : falta mão de obra
    Corretora : e tudo isso vai subindo o valor de metro quadrado
    Corretora : se você comparar com NY o preço do metro quandrado de lá ainda é de 30.000
    Gerson : A sua irmão não volta mais, e isso diz tudo.
    Corretora : ela está louca para voltar
    Corretora : o meu cunhado trabalha aí por isso ela não volta
    Gerson : Sei, se ela vender a casa dela aqui, em geral da ordem de 250 a 300 mil dolares, não compra nem esse apartamento que voce está oferecendo!!!
    Corretora : aqui com tudo se você comprar um imóvel ainda lucra na venda dele
    Gerson : Assim como eu, ela vai voltar para visitar a familia.
    Corretora : este é lançamento e se paga um pouco por mês, aprendemos a viver de carnê como nos EUA
    Gerson : Não tem como essa situação se sustentar. Está custando 3 a 4 vezes mais do que nos EUA. O Brazil está completamente louco.
    Corretora : só que o mundo inteiro está investindo aqui, no ramos da construção civil
    Gerson : Menos eu a sua irmã, não é mesmo?
    Corretora : é
    Gerson : Bom, obrigado por confirmar minha suspeita de bolha imobiliária. Sou pobre para esses preços. Se ganhar na loteria at’;e considero voltra para o Brasil.
    Corretora : ok, ai você me procura

    0
    • Carlos__ 24 de agosto de 2011 at 15:45

      Isso é na planta ou já pronto?

      Ela usa argumentos patéticos e batidos, mas me assusta pensar que já venderam quase tudo.

      0
      • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 16:06

        Em obras com entrega prevista para Outubro/2011.

        www cyrela com br/sp/imovel/residencial/campinas/iguatemi/apartamento/prime-family-club

        0
        • MrK 24 de agosto de 2011 at 16:41

          “prevista para Outubro/2011.” Leia-se Junho/2012

          0
          • Leonardo 24 de agosto de 2011 at 21:27

            Ta uma pechincha comparado aos preços do rio… Me mandaram e-mail ontem com o novo lançamento na TIJUCA… preço do m²= R$7.500 … Tijuca é um vale recheado de morros (leia-se favelas)

            0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 15:59

      Pessoal vejam a seriedade dessa frase

      “Corretora : só que o mundo inteiro está investindo aqui, no ramos da construção civil”

      é igual a corretora que me disse que o que vendeu de determinado empreendimento era 80% pra investidores!!!

      liguem os pontos: TEM MUITO APARTAMENTO na maos de investidores que NÃO terão demanda na hora da revenda, o mercado ficará sobreofertado, o que venho dizendo há muitos meses está cada vez mais claro. Quando esses aps forem entregues vai ser um samba do criolo doido, um leilão reverso

      0
      • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 16:04

        MrK,

        Corretora : só que o mundo inteiro está investindo aqui, no ramos da construção civil
        Gerson : Menos eu a sua irmã, não é mesmo?
        Corretora : é

        Nunca um simples – é – foi tão eloquente.

        0
  • Observador 24 de agosto de 2011 at 15:45

    Quanto a questão do deficit habitacional, acompanho o que disse a Carol, o deficit, efetivamente, só existe para os “sem teto”, aqueles que moram de aluguel não podem ser incluídos na estatística, vez que tem como prover uma moradia para si, logo não estão deficitários de moradias, até porque muita gente mora de aluguel por opção, seja ideológica, seja para não imobilizar capital. No mundo inteiro existe o mercado de aluguel, e não há, até onde sei, essa paranoia da casa própria.

    0
    • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 21:22

      A paranoia da casa propria atinge em cheio as classes mais baixas, funcionando como conforto psicologico, “algo que e meu”, para suprir todo tipo de carencia. E os corretores viraram verdadeiros psiquiatras, que afagam o ego dos mais necessitados.

      0
      • Ivan 24 de agosto de 2011 at 23:13

        “Algo que é meu” só quando pagar a última parcela do financiamento e zerar o saldo devedor. Até lá a “casa própria” é do banco. Mas o cara que financiou não pensa desta forma e vai sacrificar tudo, inclusive a saúde, pra pagar as parcelas que só vão crescer ao longo do tempo.

        “compre uma casa própria e pague três!!!”

        0
        • Marcelo 25 de agosto de 2011 at 00:38

          Ivam, falou e disse tudo. Ja postei comentario sobre exemplo disso, meu pai “investiu” num ap na decada de 90, pagou cerca de 14 anos (parte foi paga pelos alugueis), mas a surpresa e que o saldo devedor hoje da pra comprar MAIS DOIS APARTAMENTOS!!!

          0
  • Tiago 24 de agosto de 2011 at 15:49

    Excelente debate Gerson.

    As construtoras continuam achando que são a salvação da lavoura quando na verdade são elas as vassouras de bruxa.

    O tal do déficit habitacional é a velha desculpa para jogar os preços lá em cima. O governo Lula conseguiu acabar com as minhas esperanças da casa própria. Tô pensando muito em ir para os EUA ou Europa enquanto aqui eu sou tratado que nem lixo e pago imposto que nem rico!

    0
  • MrK 24 de agosto de 2011 at 15:54

    hahahaha copacabana daqui a pouco estará com uma placa unica de VENDE-SE

    sabe qual explicação disso (minha opinião): Todo mundo sentiu que os preços já tão no pico, é daqui pra baixo e todo mundo tá correndo pra tentar vender no auge, é igualzinho em toda bolha, a imobiliaria só é mais lenta em função das transações, o que no mercado acionario se faz em 1 dia o imobiliário leva no minimo 1 mês

    0
  • Paulo SCSUl 24 de agosto de 2011 at 16:06

    Prezados

    voces lembram como ficou o mercado imobiliario quando o Collor pegou a poupança de todo mundo ?

    Houve crise no mercado imobiliario ?

    0
  • Tiago 24 de agosto de 2011 at 16:20

    M2 no jaguaré segunda a consultora da ROSSI…. R$ 5000… ou 4800 para os apartamentos em baixo…

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    construtoras fizeram a desgraçera na Leopoldina agora tão indo pro Jaguaré…

    Jaguaré agora faz parte dazelite… É bairro tão nobre que não tem nem calçada direito e metade das famílias ou moram nas favelas dos arredores ou casas de padrão baixíssimo… segura aí gente a bolha!!!!!!!

    0
  • roberto 24 de agosto de 2011 at 16:58

    Gente, Isto é inacreditável, irracional para não dizer outra coisa.

    iGLOO Curitiba Residencial 34,73m² a – R$182.000. Quem mora em 34 m2. Não vamos esquecer dos centímetros 73 cm2. Alias acho que o próximo passo é mudar o padrão mesmo afinal 3473 cm 2 é melhor que 34,73 m2. O próximo lançamento desta incorporadora deverá se chamar CUBICULOOOOs……

    0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 17:03

      que isso roberto… basta voce durmir na diagonal!!!

      0
      • roberto 24 de agosto de 2011 at 17:09

        É isto ai MRK, e onde coloco a geladeira. HHHHHAAAA já sei na savada gourmet. OPS era onde ia dormir na minha rede. É bricadeira…….

        0
        • roberto 24 de agosto de 2011 at 17:12

          Outro detalhe é preço de lançamento. Quando ficar pronto deve ir para uns R$ 250.000,00. Ha tá conta outra vai.

          0
          • MrK 24 de agosto de 2011 at 17:18

            Email de um corretor:

            Lançamento!! Invista já!!

            Usufrua todos os benefícios de uma vida em comunidade, amigos, serviços de alimentação e limpeza de roupas, vasta segurança policial, condomínio sem custo no melhor empreendimento da região.

            Sela de Presídios INN – Bangú

            Inspirado em seriados como prison break, você viverá cheio de emoções e descubrirá os prazeres de dormir em valete, num ótimo empreendimento de 30m2 para 20 pessoas. Vagas Limitadas!!!

            0
          • MrK 24 de agosto de 2011 at 17:19

            errei o nome do empreendimento, é Celas de Presídios INN, sorry a má digitação 🙂

            0
    • Orozimbo 24 de agosto de 2011 at 17:32

      Uma correção:
      34,73m2=347.300cm2
      Ou seja, o apartamento é muito maior do que você falou!
      O preço: R$ 0,52 por cm2.
      Daqui a pouco, com essa valorização, teremos que dar o preço assim.

      0
      • roberto 24 de agosto de 2011 at 17:39

        É isto Orozimbo, portanto já sai mas barato revestir a casa com moedas de 50 centavos a construí-las. Logo, Logo, vamos usar dinheiro no lugar de cimento, concreto, ETC….

        0
    • Fred Henrique 25 de agosto de 2011 at 09:01

      Poderia ter o lançamento com duas opções de planta:

      Planta Corridor Hall Manager Excelence: 3,473m x 10m = 34,73m².
      More com todas as vantagens que um corredor pode oferecer a você e sua família.

      ou

      Planta Square Box Cage Young CEO: 6,946m x 5m = 34,73m²
      Para você, jovem executivo, investir e morar bem com amplo desgin em formato futurista de caixa.

      Ótima oportunidade para investidor!!!

      0
  • MrK 24 de agosto de 2011 at 17:25

    Além do já comentado acima, o Celas de Presídios INN conta com exclusivo espaço banho de sol, é construido em centro de terreno em local silecioso! Viva a vida no Celas de Presídios INN

    0
  • Glaucio 24 de agosto de 2011 at 17:38

    Postado no Twitter:
    “Coletiva de imprensa do SECOVI/SP apresentará, dia 30/8, panorama semestral do mercado imobiliário em SP.Cadastramento aberto p/ jornalistas.”
    Pelo visto, a pesquisa de junho só será divulgada nessa data.

    0
    • Fred Henrique 25 de agosto de 2011 at 08:52

      Já devem ter conseguido as matemágicas necessárias à divulgação.

      0
      • MrK 25 de agosto de 2011 at 10:37

        eles podiam contratar o andré para trabalhar lá, ele mete uma média movel de 10 meses e transforma a queda numa alta, daí arruma todo tipo de argumento estatistico maluco pra provar que os preços tão é subindo e as vendas aquecidas

        0
  • Andre 24 de agosto de 2011 at 17:42

    Duvidas a respeito de DADOS (e não opiniões) do blog Housing Market BR são esclarecidas no blog _______ ______ __.

    Um doce pra quem conseguir completar a frase.

    Pra quem não conseguir:
    http://www.google.com/search?q=supletivo

    Abs

    0
  • Paty 24 de agosto de 2011 at 18:44

    Se nao fosse periodo de negação da bolha patrocinada pela globo , essa materia jamais seria publicada…kkk

    Roberto Marinho Neto, o Robertinho, tem novo endereço no Rio, mas ainda não fez a mudança. O empresário de 27 anos acaba de comprar uma cobertura na Av. Delfim Moreira, no Leblon, perto do Posto 12 – o pedaço quente da praia. O neto do fundador das Organizações Globo pagou em torno de R$ 20 milhões pelo imóvel, que está em fase de reforma. Antes de fechar o negócio, ele havia visto o apartamento de Ronaldo Nazário, mas esta cobertura continua à venda por mais de R$ 30 milhões

    0
    • Rodrigo 24 de agosto de 2011 at 19:42

      já ofereceram 38 milhões e não foi aceito!

      0
    • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 19:44

      Miliotário – pagou 20 milhões por algo que PRECISA ser reformado.

      0
      • Fred Henrique 25 de agosto de 2011 at 08:50

        Pra quem tem grana que os Marinho têm, R$20mi é troco de pão.

        Eu acho que nunca vou ver R$20mi na minha vida!!!

        0
    • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 19:49

      O empresário de 27 anos – herdou a condição de empresário do avô assim como o Aécio Neves herdou a condição de político avô. Isso é o retrato da Banânia. Um sistema de castas.

      0
      • Joselito 24 de agosto de 2011 at 20:34

        hahaha… Esse pseudo-americano me faz rir.
        Como se nos EUA não existissem os Kennedy, Bush, etc…

        0
        • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 21:00

          A diferença, e essa é uma diferença incompreensível para o Bananense, as pessoas aqui, além de dinheiro, precisam ter MÉRITO. Enquanto na Banânia, basta ter dinheiro. Voce foi iludido pela propagando esquerdista que precisava transformar o fato do Lula ter a quinta-série INCOMPLETA em mérito. Aqui vota quem QUER e aqui tem DIREITA e ESQUERDA. Na Banânia somente esquerda. Percebeu a diferença?

          0
          • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 10:19

            Na verdade aí tem centro-direita (democratas), direita (republicanos) e os malucos facistas que acreditam nos dinossauros na arca de noé (tea party).

            Aqui não tem direita nem esquerda. A divisão é entre quem rouba constrangido e quem rouba sem vergonha nenhuma.

            0
          • Joselito 25 de agosto de 2011 at 11:07

            O Bush tem mérito pra caralho…
            Sabia que ele já teve várias empresas (herdadas do papai) e quebrou todas? hahahaha

            Aí ele se cansou de quebrar empresas e resolveu quebrar o país! hahaha

            E viva o mérito estadunidense!!

            0
  • lú disse 24 de agosto de 2011 at 18:52

    Tãnia

    Tambem ouvi o comentario da Mala Luquet, chego a dá nojo,apto por 310K na O. freire e rendendo 0,90% de aluguel, piada, voce não notou que até o Sandenberg ficou meio confuso e mudou o rumo da conversa, intimamente acho que até ele tava pensando que ridiculo, mas é o ganha pão deles, vindo do sistema GLOBO nao dá pra levar a sério.

    0
    • Carlos Eduardo 26 de agosto de 2011 at 14:33

      Nossa essa moça é Ridicula !
      ta na cara oque acontece, cumulo da midia comprada ! rs
      não sei como alguem pode seguir algum conselho ou opinião desse povo, da cbn !

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      morro de ri….

      0
    • Jack Imóveis 26 de agosto de 2011 at 14:59

      Maluquice.

      Ela pega como fonte uma pessoa da Coelho da Fonseca.
      Ela sugere que as pessoas comprem a vista e refinaciem
      15.000USD/m2 em NY. Onde???

      R$310.000,00 na Oscar Freire. Não tem mais de 40m2. Não é possível.

      0
  • Paty 24 de agosto de 2011 at 19:03

    Mais ar …. ATE QUANDO

    Programa de habitação popular receberá mais R$ 7,4 bi de FGTS
    24 de agosto de 2011 • 14h28 • atualizado 14h44comentarios
    11
    Noticia

    Reducir Normal Aumentar Imprimir

    O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vai destinar mais R$ 7,4 bilhões neste ano aos programas de habitação popular, em especial o Minha Casa, Minha vida, conforme informações da assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal.

    A decisão foi tomada nesta quarta-feira pelo conselho curador do FGTS, que atendeu a um pedido da Caixa, que considera a elevação necessária tendo em vista que continua alta a procura por crédito para a compra de imóvel. O orçamento da habitação popular agora vai chegar a R$ 28,4 bilhões.

    0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 19:21

      Paty,

      Existe um limite que faz a bolha estourar mesmo se o crédito tiver farto, esse limite é uma combinação do endividamento das familias com a disposição do mercado de especuladores, veja bem, quando a bolha americana estouro ainda havia muito crédito no mercado.

      Imagina eu te ofertar algo em suaves prestações e você já tá inadimplente com o condominio e sua inflação bombando! voce não vai querer.

      Mesma coisa com os especuladores, de que adianta crédito se o preço dos imóveis travou?

      abs

      0
      • Paty 24 de agosto de 2011 at 19:26

        É amigo MRK, isso seria só para pegar os ultimos sem dividas, tipo pegadinha..

        0
  • Marcos 24 de agosto de 2011 at 19:24

    A maré esta mudando… Cada vez mais emails com imóveis que eu estava procurando (sic)… Todos com valores estratosféricos…

    0
  • Galvão 24 de agosto de 2011 at 20:19

    Eu fico bobo de ver como o povão gasta dinheiro (que não tem). Vc chega na casa de uma pessoa da classe C/D, tem TV LCD 40”, DVD, karaoke, “romi ticher”, PS, Wii….caramba. Eu tenho uma televisão de tubo de 21′, um dvd antigo e tá bom demais. Tenho condições de sobra de comprar todos esses itens, mas no meu caso, simplesmente não fazem falta e não tenho interesse em comprar agora.

    Mas a galera, sai comprando tudo que vê. E sempre dividindo em 10x, 15x, pagando no final o dobro do preço. Quero ver até onde isso vai dar. Sem contar os cartões de crédito, com taxinhas de 10% ao MÊS.

    Estive no seminário sobre a nova classe média que foi realizado aqui em Brasília, pela Secretaria de Assuntos Estratégicos e o Economista Eduardo Gianetti que era um dos painelistas (gosto muito de ouví-lo) deu a ideia de inserir no ensino médio uma disciplina de educação financeira, pois, conforme sabemos, e ele também, as pessoas simplesmente não tem a menor noção do ferro que estão levando comprando com prazos a perder de vistas e pagando o valor mínimo no cartão de crédito.

    0
    • xyz 24 de agosto de 2011 at 22:33

      Desculpe mais minha tv é melhor que a sua.
      È um tubão de 29 polegadas.

      MAS o interessante é que parece que os frequentadores deste forum têm um peril financeiro parecido. Não gostam de se endividar e não compram por impulso (sem necessidade).

      0
      • MrK 24 de agosto de 2011 at 22:41

        xyz e galvão, já pararam pra pensar também na quantidade de pessoas que viajaram pra fora pagando voos, hotel, lazer e muitas compras tudo parcelado no cartão de crédito?

        a inadimplencia tá subindo, confesso que pro nível de gastança tá subindo até menos do que eu imaginei, segundo a teoria da miriam leitão é porque ainda tá fácil pegar um crédito pra cobrir o outro (pagar o visa com o mastercard)

        aguardemos!

        abs

        0
      • Fred Henrique 25 de agosto de 2011 at 08:46

        Pois é. Depois de ter me enforcado uma vez no itaucard, e ter ralado para pagar, mantenho apenas um cartão de crédito, com limite de R$500 (o banco não dava menos para minha faixa de renda) parea situações emergenciais.

        Compras? Só a vista.

        0
      • Galvão 25 de agosto de 2011 at 08:47

        Concordo XYZ, o pessoal aqui parece ter esse perfil. Você resumiu perfeitamente o que eu tentava dizer. as pessoas estão muito impulsivas. Esse definitivamente não é o meu perfil. As vezes até penso em comprar uma coisa, mas quando vou pesquisar os preços acabo desistindo e fico pensando´: “será que isso realmente é necessário”. Tudo bem, confesso que as vezes sou meio “pão-duro”. hehehehehe

        A minha TV é de 21″ por causa do apto que eu morava, que era pequeno, depois que mudei pra uma casa maior, continuei com ela. rsrsrs. Minha empregada, já me falou umas 20x pra comprar uma daquelas “bunitas” e “fininha”. A Dela é assim e de 40”.

        0
    • Anonymous 25 de agosto de 2011 at 04:07

      O Eduardo Gianetti de fato fala muito bem. Entretanto, assim como todos os “economistas” de esquerda (e a Banânia só tem economista de esquerda), ele NUNCA estudou economia, mas sim SOCIOLOGIA e FILOSOFIA. O título da tese de Doutorado revela o que ele de fato sabe “economic philosophy and social change”, ou seja, Filosofia economica e mudança social. O estudo de economia requer o domínio da MATEMÁTICA e isso NUNCA esteve ao alcance dos esquerdopatas nem na Banânia e nem em qualquer lugar do mundo.

      0
      • Galvão 25 de agosto de 2011 at 08:54

        Pelo menos o discurso dele sempre me parece muito equilibrado, e não muito afeito ao discurso político-econômico do governo vigente. Quando ao perfil de economista eu não conheço muito, pois não sou economista.

        0
    • DRN 25 de agosto de 2011 at 10:59

      Galvão, falou e disse.

      Educação financeira nas escolas já!

      Nós temos de mudar a cultura da maioria. Temos de nos transformar em um país de poupadores, e não de gastadores.

      Só acho que temos de dar um desconto para o pessoal da Classe C emergente. Os caras não sabiam o que era iogurte até uns 5 anos atrás. Eu acho até natural que, quando a pessoa ganhe poder de compra, “troque os pés pelas mãos”. Mas acho que dá para consertar.

      0
  • MrK 24 de agosto de 2011 at 21:47

    Gerson ataca novamente!

    Batei um papo com outra corretora, esses anúncios são um saco e eu fico querendo clicar ehhehe, dessa vez era gafisa, não vou colar tudo aqui, mas em resumo:

    O empreedimento era na barra, vissta laguna, uma região já saturadíssima deoferta de imóveis, tem no zap 13mil imoveis a venda e bilhões de lancamentos, além da vila olimpica que virá

    pra comecar ela disse que o lancamento já estava 85% vendido (é sempre isso, né? só tem 1 ou 2 unidades, corra, corra!!!) palavras dela “o mercado esta super aquecido, principalmente na Barra em razão da Copa 2014 e das Olimpiadas”

    Vejam bem, a copa será no maracanã (do outro lado da cidade), mas tudo bem, eu só queria que ela me explicasse já que o mercado está super aquecido porque os imoveis no zap só se amontoam??? E como ela explica os indicadores do secovi???

    É claro, ela garantiu retorno e tentou me convencer a de lambuja comprar uma sala comercial…

    é muito papo furado, sinceramente…

    0
    • Galvão 24 de agosto de 2011 at 22:19

      Alguém me explica como um evento que dura 30 dias podem aquecer o mercado imobiliário??? As pessoas compram os imóveis agora pra ficarem esperando de pertinho os jogos olimpícos de 2016?? elas têm muito desejo de acompanhar as obras para as olimpíadas nos próximos 5 anos???
      Sinceramente não entendo esse argumento.

      0
      • MrK 24 de agosto de 2011 at 22:29

        hahaha pois é

        os argumentos são bons demais, tem outros que morro de rir:

        “os imoveis estão corrigindo um periodo de 10 anos que não valorizaram” – Como se eles tivessem durmido e esqueceram de por o despertador, agora correm pra fazer 10 anos em 2 hahaahah

        ou então

        “é porque todo mundo quer morar na zona sul e lá não tem mais espaço” – Como se isso fosse fato novo que aconteceu de 2 anos pra cá, isso existe há 50 anos e também não explica porque o preco subiu em niteroi, na tijuca, na zona oeste etc…

        corretor carece de criatividade

        0
      • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 22:32

        Galvao, como voce mora em Brasilia eu te pergunto: tem logica construirem mais predios em Aguas Claras? E olha que nao sao poucos!

        0
        • Galvão 24 de agosto de 2011 at 22:44

          Marcelo, Brasília foi planejada. Mas só Brasília. As demais cidades, ou regiões administrativas como chamam aqui, não tiveram um mínimo de planejamento. Águas Claras é um típico exemplo. Começaram a fazer prédios enormes, sem se importarem com a infra-estrutura. Virou o caos. Tentaram ajeitar as coisas, mas não sei se tem mais jeito. E enquanto tiver um terreno livre, irão levantar prédios, mesmo que atualmente muitos apartamentos estejam às moscas, pois não têm moradores.

          0
          • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 23:03

            Galvao, outro dia vi o uma parte de uma entrevista com um arquiteto/urbanista de Brasilia (nao sei se foi na UnB TV) e ele falou sobre varios problemas, inclusive do plano piloto, e no final da entrevista o assunto foi Aguas Claras. Entao ele disse em tom de deboche que, pra morar em AC, so se alguem “desse um apartamento pra ele e cinco mil por mes”, prevendo um caos nos proximos quando todos os predios prontos, e as dezenas que estao sendo construidos, vierem a ser habitados.

            0
          • MrK 24 de agosto de 2011 at 23:14

            Aguas claras é mais ou menos como a Barra, no Rio, a região nova em que se joga prédio atrás de prédios, todos com garagem pra muitíssimos carros, mas a infra local não comporta,

            Aqui a Barra já tá estrangulada, leva-se em média 1:30h da barra pro centro na ida e até 2:00h na volta, algumas pessoas saem de casa 6a.m. para pegar menos transito, outras esticam no trabalho até a noite pra fazer igual, a qualidade de vida das pessoas é péssima.

            O Metrô teoricamente ajudaria, mas só vai enxugar gelo, pois até ele inaugurar (2016) a quantidade de veiculos já aumentou muito, e pra piorar, o projeto do metrô-barra foi cortado de 3 estações pra 1. É o caos!

            0
          • Paulo 25 de agosto de 2011 at 07:56

            Águas Claras foi planejada (na verdade criada) para construção de prédios de até 12 andares, mas a ganância das construtoras e da TERRACAP (maior especuladora imobiliária brasiliense) e ainda a incompetência do Governo do Distrito Federal que liberou a construção de prédios com mais andares (tem prédios com mais de 30 andares – um absurdo) está transformando Águas Claras em uma cidade com uma densidade populacional muito acima da capacidade estrutural existente. Hoje está com 60% da capacidade habitacional estimada, quando estiver com 90% vai ser um caos.
            Más porque as pessoas moram em Águas Claras então? A maioria esmagadora da população de Águas Claras e formada por Servidores Públicos, que embora tenham bom salários não conseguem morar em lugares melhores como Asa Norte e Asa Sul, pois os preços nesses lugares estão proibitivo para qualquer classe de assalariado. Qualquer apartamento nessas localidades (Asa Sul e Norte), com elevador e vaga de garagem, custa 10k/m². Águas Claras, apesar de todos os problemas, tem metrô que funciona razoavelmente bem e tem um bom comércio. Não é nenhuma “Brastemp” mas dá para levar a vida numa boa.

            0
          • Galvão 25 de agosto de 2011 at 09:59

            TEm razão. A TerraCap é a maior especuladora do DF. O Agnelo disse que a TerraCap agora ia fazer valer seu papel social. Mentira!!!! Os lotes são vendidos com preços acima dos preços do mercado, e ainda ajudam a inflacionar os demais imóveis. Basta ver os editais. É vergonhoso. O último agora tá vendendo terrenos no Jardim Botânico (fim do mundo),entre 480.000 e 640.000.

            0
          • Zão 25 de agosto de 2011 at 15:02

            Sou carioca e moro em Brasília há 3 anos, por isso, posso ir mais além na comparação Barra / Águas Claras. A coisa aqui em AC está muito pior que na Barra, por uma razão básica: A Barra é imensa, enquanto que Águas Claras é minúscula!

            A Barra já tem todos esses problemas, mas o tráfego de veículos é feito em grandes avenidas (pode não ser o bastante, mas convenhamos que a Sernambetiba, Américas e Airton Senna são pistas largas). Já em AC, as ruas principais que pegam o tráfego todo: Araucárias e Castanheiras, têm três faixas e não há como aumentar isso. Barra tem várias saídas/entradas: Alto, Grajaú-Jacarepagua, Lagoa-Barra, Linha Amarela, e mais os caminhos para Campo Grande e etc. AC tem duas entradas, e só. Ou seja, pegaram a quantidade gente que tem na Barra, e estão tentando enfiar em um lugar 10x menor e com menos acessos…

            Eu já morei em AC quando vim para cá. Na época, era viável. Hoje, está um inferno. No futuro, creio que será impraticável. Mas do modo como o mercado imobiliário em Brasília está, muita gente não tem mesmo opção melhor.

            0
      • Anonymous 24 de agosto de 2011 at 23:47

        Pagar um imóvel durante 30 anos porque ele será especial durante 30 dias?

        0
      • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 10:22

        O evento dura apenas duas semanas.

        0
        • Galvão 25 de agosto de 2011 at 10:33

          é verdade Carlos, o que é pior ainda. A copa é que dura 30 dias. as Olimpíadas apenas 2 semanas.

          0
          • Leandro 25 de agosto de 2011 at 13:44

            Ontem um corretor me ligou pra anunciar a venda de um hotel em Águas Claras. Ainda não foi lançado, mas disse ele que será em breve.
            Disse que o hotel vai render uns 3.000 por mês de aluguel… kkk…
            Argumentou da Copa etc…
            Em Águas Claras, nos lançamentos as construtoras estão pedindo 6.500 o m2. O apartamento pronto você compra fácil facil hoje por 4.000 o m2.
            Não há qualquer lógica financeira hoje no mercado imobiliário.

            0
  • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 22:28

    Pergunta tecnica:
    Fazer lavagem de dinheiro com imoveis e mais facil do que manter empresas de fachada? Por favor quem possua conhecimentos contabeis e/ou legais sobre o assunto me ajude a esclarecer, pois antes de frequentar os posts eu imaginava que a construcao parecia ultrapassar a “demanda” que foi inventada, e que eu sempre duvidie que existisse; mas pelo que ja li nos comentarios do pessoal, parece que vai sobrar apartamento simplesmente pelo fato de que nao tem gente suficiente pra morar neles.
    Obrigado.

    0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 22:31

      marcelo, permita-me só um pequeno detalhe que faz toda diferenca:

      “vai sobrar apartamento simplesmente pelo fato de que nao tem gente suficiente pra morar neles.”

      eu trocaria para:

      vai sobrar apartamento simplesmente pelo fato de que nao tem gente suficiente com dinheiro para pagar o preco deles e então morar neles.

      se você for ver em termos de número de gente, claro que tem, pega a favela toda, os mendigos e dá apartamento, o ponto é: tem gente que possa pagar? aí a resposta é não

      0
      • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 22:42

        MrK, concordo com o que disse, mas como ja postei anteriormente, deveriam ter feito um investimento real para acabar com a demanda das favelas…Classe media tem mais e que dar exemplo e adquirir educacao financeira pra nao bancar o bobo e nao depender de “ajuda” do governo. Como ja postei antes, tem muita gente da classe media que se maravilhou quando viu sua casa propria dobrar de preco, mas se o “novo rico” quiser fazer um upgrade ele simplesmente nao consegue pois ficou muito mais caro a transacao. Isso e riqueza falsa! Somente um estado psicologico!

        0
  • Elias 24 de agosto de 2011 at 22:32

    Esta semana uma corretora me ligou me convidando pra conhecer um apto decorado de 74m2 na Vila Nova Conceição, aqui em SP. Pra quem não conhece, é um bairro de frente pro parque do Ibirapuera, conhecido por seus imóveis caríssimos. Nem me estendi, disse logo que não queria.
    Não tenho o perfil pra esses imóveis, estão apelando.

    Mas o mais sensacional foi o que vi na zona oeste ontem, tenho que compartilhar com vocês: uma placa gigante de uma Imobiliária, letras garrafais, com os seguintes dizeres:

    “QUER VENDER SEU IMÓVEL E REPASSAR A DÍVIDA? NÓS VENDEMOS PRA VOCÊ! ”

    kkkkkkkkkkkkkkkkk

    E aí, tem alguém interessado em uma dívida impagável de 30 anos?

    Vamos lá pessoal, vocês estão muito pouco endividados.

    0
    • MrK 24 de agosto de 2011 at 22:43

      Olha, que é engraçado é, mas se eles tão anunciando isso deve ser porque detectaram um “público-alvo” pra esse tipo de coisa

      o pessoal de dentro do mercado sabe das coisas bem antes que a gente, vai ver essa procura tá comecando a crescer e eles já querem abocanhar uma fatia de mercado dos “desesperados” hehehe

      0
    • DRN 25 de agosto de 2011 at 10:32

      Sabe o que eu não entendo? Por que as pessoas simplesmente não juntam o dinheiro para comprar as coisas e, depois, compram?

      Para que ficar financiando tudo? Não há necessidade disso para comprar carro, não há necessidade disso para comprar um apartamento ou construir uma casa e não há necessidade disso para comprar móveis e eletrodomésticos. Basta juntar e depois comprar, sempre considerando a capacidade de pagamento das pessoas. É algo tão simples. É só ter excedente.

      Não é preciso ser economista para saber que: Excedente = Renda – Despesas.

      Então, a pessoa deve ter um padrão de vida (despesas) que lhe permita poupar (excedente). Para aumentar o excedente, há duas opções: aumentar a renda (via educação e trabalho) ou diminuir as despesas.

      Será que isso é tão difícil de entender?

      0
      • A.JR. 25 de agosto de 2011 at 11:19

        Concordo com vc. O problema é que as pessoas do nosso país gostam de apresentar um status quo que não têm.

        0
      • Paty 25 de agosto de 2011 at 11:37

        DRN, eu concordo com vc mais o que precisa mudar é a ilusão de estatus. Porque algumas pessoas compram uma s10 a gasolina para ir trabalhar, pagam prestações irreais a sua renda e consomem mais combustivel do que podem pagar … porque por estatus só isso.. Os brasileiros querem se mostrar para os outros nao importa como… Minha mãe é assim, ainda bem que nao é genetico..kkkk..eu me lembro de uma historia engraçada que aconteceu com uma ex vizinha minha, ela, minha mae, sempre dizia olha como a vizinha esta bem comprou um corola e eu sempre falei mae ela sempre vem aqui em casa pedir um pouco de arroz, uma farinha etc..quem esta bem nao precisa disso e minha mae com mania de estatus so faltava falar que eu tinha inveja, conclusao a vizinha ficou 6 meses de corola, logo estava de fiat uno mil usado, teve que trocar o carro e quando eu me mudei o carro dela passou a ser o onibus.. falsa ilusao de riqueza..

        0
      • Gil 25 de agosto de 2011 at 14:07

        Primeiro: Deixo claro que concordo contigo 100%.
        No entanto, a maioria dos brasileiros não tem condição sequer de manter o salário duranto o mês inteiro, como reduzir despesa?
        As despesas da maioria são as básicas mesmo: aluguel, água, luz, alimentação, telefone (celular), transporte e vestuário.
        Não tem como você criticar um “pobre” (financeiramente) por financiar uma TV ou uma geladeira. Se o cara não fizer assim, nunca terá.
        Simples assim.

        0
        • DRN 25 de agosto de 2011 at 14:17

          Gil, se o cara vai pagar R$100,00 por 36 meses para pagar uma TV de R$1.500,00, porque ele não pode simplesmente guardar R$100,00 por 15 meses?

          0
          • Zão 25 de agosto de 2011 at 15:09

            Porque então ele ficaria 15 meses sem televisão. Não posso dizer que concorde, mas é fácil de entender.

            Dependendo do julgamento de cada família, algumas coisas podem esperar, outras não. Eu não gostaria de ficar 15 meses sem televisão. Agora com filho pequeno, não ficaria nem um mês sem carro também, por exemplo. Mas poderia esperar para ter um iPad, por exemplo.

            Financiar não é o problema. Problema é achar que nada pode esperar, e querer financiar tudo, até as coisas mais supérfluas.

            0
  • Marcelo 24 de agosto de 2011 at 22:48

    Obs: estou do lado do povao, que e o lado fraco desta queda de bracos! Mas nao da pra nao revoltar com o que esta acontecendo. E continuo querendo saber sobre a lavagem de dinheiro. Quem mora em Brasilia sabe do que estou falando.

    0
    • Mori 24 de agosto de 2011 at 23:24

      Eu imagino que sim, veja um cenario: O vendedor tem um imóvel registrado a 200 mil e anuncia a 400 mil. O comprador aceita pagar os 400 oferece registrar a venda por 200 para o vendedor não pagar IR. Depois o comprador vende por 400, paga 30 mil de IR e sai com 170 mil quentinho!

      0
      • Dan 25 de agosto de 2011 at 00:59

        pois eh …. e o nosso ministro Mantega (ao qual a Receita Federal se reporta) preocupado com a “guerra cambial” e os malvados especuladores sugando tudo que existe no mundo….kkkk

        0
      • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 10:07

        Isso não é lavagem. É sonegação. Na verdade, é o contrário de lavagem. No fim você fica com um dinehiro sujo, sem fonte, na mão.

        0
        • DRN 25 de agosto de 2011 at 10:47

          Srs., por definição técnica a lavagem só ocorre se a origem do dinheiro é ilícita. Então, no exemplo citado, se o comprador for um traficante, um corrupto, assaltante de banco ou coisa que o valha, sim, ele vai ter praticado, ao comprar por menos e vender por mais, lavagem de dinheiro. Além de lavagem de dinheiro, tanto quem lhe vendeu, como ele, terão praticado sonegação tributária. O vendedor fica com dinheiro sujo na mão (otário). O cara que comprou e depois vendeu fica com o dinheiro limpo (se ele tinha R$200 mil declarados e R$200 mil sujos).

          0
          • DRN 25 de agosto de 2011 at 11:12

            E só mais uma informação. A pena do crime de sonegação tributária não é aplicada (tecnicamente, extingue-se a punibilidade) quando o cidadão paga o tributo antes do recebimento da denúncia do promotor de justiça pelo juiz. Só que, para sonegar, o cidadão usou informação falsa (declarou valor de venda menor do que o efetivo). Isso é crime de falsidade ideológica. Esse crime é absorvido pelo crime de sonegação (chama-se crime-meio). O problema é que pagar o tributo (com multa, juros correçaõ etc.) extingue a punibilidade do crime de sonegação, mas não extingue a punibilidade do crime de falsidade ideológica.

            Conclusão: se alguém quiser fazer essa “mutretagem”, por favor, NÃO O FAÇA!

            0
  • Dan 25 de agosto de 2011 at 00:54

    Geralmente quando o tema chega nesse veiculo de media eh porque o negocio ja aconteceu. No caso brasileiro, nosso subprime chama-se ‘financiamento com a construtora”. Quem esta esperando algum banco quebrar talvez se decepcione pois o setor anda bem capitalizado (por enquanto), apesar do “erro” admitido pelo Itau no ultimo trimestre resultado da deterioracao da carteira de credito. Na minha modesta opiniao, o sinal mais obvio vai ser quando a primeira construtora pedir agua (quebrar ou ser comprada as pressas). Acompanho o setor nas bolsas de perto e vejo que varias construtoras tem desequelibrio no fluxo de caixa (“cash burn”). A RODOBENS eh uma das que estava altamente individada e melhorou um pouco no ultimo trimestre, mas ainda assim deve mais de 60% do Patrimonio Liquido e o cash flow operacional ainda eh muito baixo. Nem todas as construtoras estao tao expostas, mas com certeza em pouco tempo a primeira pede agua e os alarmes vao soar. Eh claro que o (des)governo do PT vai tentar jogar a culpa em algo abstrato externo como “guerra cambial”, ou “crise internacional” ou “no ET de Varginha” ou algo parecido….vamos ver.

    0
    • Paty 25 de agosto de 2011 at 13:25

      Dan, se vc reparar nos ultimos discursos da Monica Dilma Molusco, eles vão por a culpa na crise mundial ela já foi acessorada a começar a seguir essa linha. O dia que eu li a frase dela que dizia a crise mundial podera chegar ao Brasil, nao estamos imunes. E quando eu li do o que foi dito pelo Michel Temor sobre a crise mundial, quando ele falava que o Brasil nao tem mais um plano B para a crise eu falei para meu marido agora fu mesmo…

      0
      • Paty 25 de agosto de 2011 at 13:26

        pos assessorada..kkk matei a lingua portuguesa..kk

        0
        • Schmidt 25 de agosto de 2011 at 18:46

          Ocorre nas melhores famílias. rsrsrs

          0
  • Paulo 25 de agosto de 2011 at 09:28

    Parece que o Brasil tá blindado mesmo!!!

    Brasil cresce menos, mas emprega mais: desemprego cai para 6%
    Muitos analistas esperavam pequena alta da taxa de desemprego em julho, mas os dados do IBGE divulgados hoje trazem uma ótima notícia: a desocupação, que estava em 6,2%, caiu para 6%, como mostra o gráfico abaixo.

    Segundo o instituto, que realiza a pesquisa em seis capitais (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre), em julho do ano passado, o desemprego estava em 6,9%. Ou seja, de lá para cá, caiu quase um ponto percentual, sendo que em 2010 o país estava crescendo forte. Agora, cresce menos, mas emprega mais.

    Outro dado positivo é que o número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado (10,9 milhões) registrou alta de 1,2% na comparação com junho. Em relação ao mesmo mês do ano passado, houve uma elevação de 7,1%.

    O instituto explicou também que a população desocupada (1,4 milhão de pessoas) ficou estável em relação ao mês anterior, enquanto a população ocupada (22,5 milhões) não apresentou variação significativa frente a junho.

    Outro dado olhado com bastante atenção pelos analistas é o rendimento médio dos ocupados, que ficou em R$ 1.612,90, o valor mais alto para o mês desde 2002, o que representa alta de 2,2% na comparação mensal e de 4% ante julho de 2010.

    A massa de rendimento real (R$ 36,6 bilhões) ficou 2,7% acima da registrada em junho, subindo 6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

    0
    • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 10:12

      A renda cresceu menos que a inflação.

      De qualquer forma, efeitos da crise no desemprego não começam imediatamente, só se tivermos falências. Tem muito crescimento já contratado.

      0
  • Jack Imóveis 25 de agosto de 2011 at 09:50

    Saiu hoje no site do Secovi. Muito estranho eles divulgarem dados de julho antes dos de junho e anunciarem uma coletiva para falarem do 1o semestre de forma consolidada.

    Julho de 2011

    PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO – JULHO DE 2011

    O Secovi-SP acompanha dois indicadores da área de locação que são relevantes para se compreender o comportamento desse mercado. O primeiro deles é o que baliza a atualização monetária dos valores de locação vigentes no momento de aniversário de contratação. Estima-se que aproximadamente 90% dos contratos são regidos pelo IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado), da Fundação Getúlio Vargas. Os imóveis indexados a esse indicador que aniversariam em agosto terão variação de 8,36%, inferior ao percebido nos contratos com aumento em julho, que foi de 8,65%

    O outro indicador é obtido por intermédio de pesquisa realizada pela entidade e tem como objetivo captar a variação média dos valores de locação dos contratos fechados, ou seja, realizados em cada mês.

    De acordo com o Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, os aluguéis de casas, sobrados e apartamentos aumentaram em média 1,3% em julho de 2011 em relação aos valores vigentes no mês anterior. Considerando o período dos últimos 12 meses, a elevação acumulada das locações alcançou 18,1%, percentual superior ao da variação da inflação no mesmo intervalo de tempo.

    Os imóveis de 3 dormitórios tiveram crescimento nos aluguéis em julho em ritmo pouco maior que o de outros tipos de moradias, com alta média de 1,7%. As unidades de 2 quartos tiveram acréscimos nos valores de locação da ordem de 1,3% e as moradias de 1 dormitório aumentaram 1% em julho, comparativamente aos valores de junho.

    Este estudo sobre o mercado de locação residencial da Cidade de São Paulo visa acompanhar a performance das locações residenciais na capital paulista. As informações estão disponibilizadas em valores por m2 (área privativa de apartamentos e área construída de casas e sobrados). Os dados estão classificados em oito grandes regiões: Centro; Norte; Leste (dividida em duas zonas: a que corresponde à área do Tatuapé à Mooca; zona B – outros bairros dessa área geográfica, como Penha, São Miguel Paulista etc.); Oeste (segmentada em duas: zona A – Perdizes, Sumaré, Pinheiros e vizinhanças; zona B – bairros como Butantã, Jaguaré); Sul (dividida em duas sub-regiões: zona A – Jardins, Moema, Campo Belo, Vila Mariana, dentre outros; zona B – bairros como Campo Limpo, Ipiranga etc).

    As informações dos aluguéis residenciais estão disponibilizadas por faixa de valores por metro quadrado, por número de dormitórios e por estado de conservação. Por exemplo: um imóvel de 3 quartos na zona Norte, em bom estado, possui aluguel por m2 entre R$ 16,19 e R$ 17,67: moradia de 90 m2 tem sua locação entre R$ 1.457,00 e R$ 1.590,00.

    Os bairros da área Sul – zona A, como Jardins, Moema e Vila Mariana, têm nas locações de residências de 3 dormitórios faixa de valores por m2 de R$ 22,55 a R$ 28,17. Assim, um imóvel com área em torno de 150 m2 na região tem aluguel de R$ 3.382,00 a R$ 4.225,00.

    O tipo de garantia mais usado nos contratos de locação residencial em julho foi o fiador, recorrido por quase metade (47,5%) dos proprietários dos imóveis. O depósito (de até 3 meses de aluguel) foi utilizado em cerca de um terço dos imóveis locados (32%). O seguro-fiança foi o instrumento jurídico usado em 20,5% das moradias alugadas.

    As casas e os sobrados foram os tipos de imóveis alugados mais rapidamente: foram locados dentro de um período médio entre 12 e 28 dias. Os apartamentos escoaram num ritmo mais lento: o IVL (Índice de Velocidade de Locação), que mede em número de dias quanto tempo demora um imóvel vago para estar alugado, registrou um intervalo médio entre 17 e 36 dias.

    0
    • Glaucio 25 de agosto de 2011 at 10:21

      “Bons” resultados são mostrados rapidamente.

      0
  • Tiago 25 de agosto de 2011 at 10:36

    Promoção SKY + MRV… compre o apartamento e ganhe TV por assinatura de casa…

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKk

    0
  • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 11:03

    Sobre lavagem de dinheiro com imóveis, assunto que alguns questionaram acima.

    É assim que funciona: você é do PT ou do PMDB e tem 200 mil de propina que precisa esquentar. Sei que os valores reais do roubo são muito maiores, mas vamos ser modestos e trabalhar com esse valor no exemplo.

    Você pega um imóvel seu, que vale 100 mil, e vende para alguem por 300 mil. Essa pessoa tem o dinheiro limpo, com origem compravado e declarada. Você devolve para a pessoa, por fora, 230 mil. Você paga mais 30 mil de imposto e pronto. Seus 200 sujos viraram 140 mil limpos, declados no imposto de renda, com os impostos já pagos, prontos para você usar como quiser.

    Só precisa encontrar alguem com dinheiro limpo disposto a ‘sujar’ essa grana em troca de uma vantagem. No exemplo acima o cara no fim pagou 70 por um apartamento de 100. No caso de empresas, é uma maneira de fazer caixa dois com esse dinheiro que volta por fora deixando o balanço sem nenhum furo.

    0
    • Marcelo 25 de agosto de 2011 at 14:29

      Valeu!

      0
  • Galvão 25 de agosto de 2011 at 11:17

    Notícias de hoje na Folha de São Paulo (versão impressa, não sei se tem na net):

    – Inadimplência tem a amior taxa em 14 meses.

    0
  • DRN 25 de agosto de 2011 at 11:22

    No Valor hoje:

    As sete melhores opções, segundo as estimativas da Raymond James, são: Amil, Arezzo, Brasil Foods, CBD (Pão de Açucar), Lojas Renner, Droga Raia e Multiplus. De acordo com Daniela, todas essas sete empresas têm caixa positivo ou baixo endividamento (menor que 1 vez o patrimônio). Além disso, contam com pequena parcela de dívida vencendo nos próximos 12 meses. “E isso é positivo para o fluxo de caixa ou mesmo diante de um potencial aperto de crédito”, afirma ela. Outro ponto positivo dessas empresas é que seis das sete escolhidas têm fluxo de caixa estimado para 2012 estável ou positivo.

    No Valor sexta:

    A bolsa vai cair até 10.000 pontos.

    Estou mais crente nesta última hipótese. Comprar ação de varejista com o provo endividado não parece fazer muito sentido.

    Alguém pensa diferentemente?

    0
    • MrK 25 de agosto de 2011 at 11:31

      DRN, penso que várias das nossas ações são tóxicas, estão construídas na base de expectativas que podem perfeitamente não se concretizarem, não me refiro só as empresas do Eike que não tem lucro algum, mas mesmo as empresas grandes pagam dividendos ridículos pelo preço das mesmas, a enorme maioria perde de LAVADA pro tesouro direto, porque então estão tão caras?

      Resposta: Só por expectativa de que o lucro vai aumentar muito com um super crescimento do país nos próximos 5 ou 10 anos! Acho que a maioria vai frustrar essa expectativa e merecer uma correção severa.

      Agora, dado um cenário de possível crise, é melhor focar mesmo em coisas essenciais como alimentos (BRFoods), energia elétrica e medicamentos, então a carteira dele tem algum sentido.

      0
      • DRN 25 de agosto de 2011 at 11:51

        MrK, mas e os 10.000 pontos? Segundo o Valor, o cara que disse isso também disse que a bolsa chegaria a 18.000 em 2008.

        0
        • MrK 25 de agosto de 2011 at 12:53

          DRN, veja bem:

          Ações de empresas são um investimento que devem trazer um retorno via dividendos (condições normais), esse retorno deve ser sempre um pouco acima do tesouro direto, pelo prêmio pelo risco.

          Como o tesouro esta na casa de 12% (com tributos algo como 10%) as ações deveriam render isso de dividendos no minimo, ou seja, uma ação que custa R$7,00 deveria pagar ao ano, no minimo 0,70 de dividendos por ação

          O caso da gafisa é um que sempre mencionei, custa R$7.00 e paga 0.23 de dividendos só!!! ridículo!!! E pior , o lucro ainda está em queda…

          Creio eu que o ajuste necessário será o que fará o dividend yield se adequar ao raciocinio acima, eu nao sei te dizer o número de bate pronto do ibovespa, mas acho 18mil exageradamente baixo, eu imagino que um indice na casa de 30 – 35mil já está ótimo pra comprar

          0
  • roberto 25 de agosto de 2011 at 11:43

    Neste momento Gafisa derretendo na Bolsa exatamente como vai acontecer com o novo empreendimento IGLOO de Curitiba.

    0
  • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 11:48

    Para aqueles que estão impressionados com o baixo desemprego, chamo atenção a detalhes importantes. A base considerada economicamente ativa é pequena. Temos hoje um desemprego de 6%, mas o total de empregos com carteira assinada é de apenas 22,476 milhões.

    Menos de 15% dos Brasileiros tem um emprego com carteira assinada. Esse pessoal está carregando o país inteiro nas costas. E isso inclui empresas públicas que trabalham com a CLT, como Petrobras, IBGE, BB.

    O Brasil não é um país de velhos e crianças. Termos apenas isso de trabalhadores com carteira mostra que temos problemas muito sérios.

    Só para comparar, na Alemanha, com menos da metade da população do Brasil, temos 40,25 milhões de indivíduos empregados. E é um país envelhecido, com mais velhos que jovens.

    0
    • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 11:51

      Escrevi IBGE, mas queria dizer BNDES

      0
    • Joselito 25 de agosto de 2011 at 12:21

      São 22 milhões nas capitais pesquisadas, e não no país todo.
      Pode ter certeza que esse número é bem maior para o país como um todo.

      0
    • Pensativo 25 de agosto de 2011 at 12:36

      Carlos,
      Onde você conseguiu estes números? 22,5 milhões de empregados com carteira assinada é um número muito baixo. Conta também os servidores públicos?
      Mas que há alguma coisa de errado em apenas 6% de desemprego isso ninguém pode negar. Muitos que estatisticamente não estão desempregados apenas desistiram de procurar emprego formal. Estes ou foram para a informalidade ou simplesmente viraram sangue-sugas das bolsas do governo (é o caso da maioria da população de muitos municípios do interior).
      Se tivéssemos apenas 6% de desemprego, não teríamos tantos ambulantes e mendigos nas ruas de nossas cidades.

      0
      • Carlos 25 de agosto de 2011 at 12:54

        Respondi abaixo.

        0
      • Ivan 25 de agosto de 2011 at 14:45

        Pensativo,

        Servidor público é estatutário, não tem carteira assinada. Portanto não entra nesta conta.

        0
  • Zoom 25 de agosto de 2011 at 12:15

    PF prende 5 suspeitos de fraudar
    financiamentos da Caixa.

    A Polícia Federal prendeu nesta quinta-
    feira, em caráter temporário, cinco
    pessoas investigadas por suposto
    envolvimento com um esquema que
    fraudava financiamentos bancários
    concedidos pela Caixa Econômica Federal para a compra de material de
    construção. Além dos cinco mandados de prisão
    temporária cumpridos em Governador
    Valadares (MG) e em Vila Velha (ES),
    também foram executados 11 mandados
    de busca e apreensão: oito na cidade
    mineira, dois no município capixaba e um em Timóteo (MG). De acordo com as investigações
    preliminares, iniciadas em março de
    2010, vários financiamentos foram
    concedidos a pessoas que forneceram
    documentos falsificados fornecidos pela
    quadrilha investigada. Outros bancos além da Caixa foram vítimas do golpe,
    mas a PF ainda não divulgou quais são. As fraudes à linha de financiamento da
    Caixa para aquisição de material de
    construção destinados à reforma ou
    ampliação (Construcard) causaram,
    segundo a PF, um prejuízo de mais de R
    $ 250 mil ao banco estatal. Entre os investigados está um agente da
    polícia civil de Minas Gerais. Lotado na
    delegacia de Ipatinga e morador de
    Governador Valadares, ele é suspeito de
    cadastrar nomes fictícios no Sistema de
    Informações da Polícia Civil. Essas identidades, posteriormente, eram
    usadas por outros integrantes da
    quadrilha para obter os financiamentos
    fraudulentos. Os envolvidos serão indiciados por
    estelionato, formação de quadrilha,
    falsidade ideológica, inserção de dados
    falsos em sistema de informações,
    violação de sigilo funcional, além de
    obtenção de financiamento em instituição financeira mediante fraude,
    aplicação de recurso de financiamento
    em finalidade diversa da prevista em lei
    ou contrato. As penas podem variar de
    um ano a 12 anos de prisão.

    Fonte. Folha 25/08

    0
  • j 25 de agosto de 2011 at 12:23

    Os corretores estao tao caridosos ultimamente, vejam so

    “Leia, por gentileza, a promoção abaixo, referente ao XXX Residence (duplex) no Noroeste.

    Esta excelente promoção é válida apenas durante o evento de inauguração do stand, com apartamento decorado (hoje à noite – 25 de agosto). É uma ótima oportunidade, representando uma economia de mais de R$ 200.000,00. Aproveite. Compareça ao mencionado evento”.

    O metro quadrado, mesmo sendo duplex, está “abaixo” do que vivem afirmando, em torno de R$ 8300,00. os anti-bolhistas e corretores vão dizer q o preço n caiu, ou que é duplex, ou q é só um desconto, ou que estão mto preocupados com os pobres clientes, ou outra desculpa furada.

    0
    • MrK 25 de agosto de 2011 at 12:56

      tudo isso foi previsto… os “descontos” e os “brindes”

      não tem jeito, travou tudo, ou baixa preços ou não vende mais.

      fiquem espertos, voces tem que ver se esses descontos são de verdade ou se são aqueles descontos de loja esperta, que aumenta o preço e depois poe o desconto como se tivesse abaixando muito, mas não mudou quase nada

      0
      • Leandro 25 de agosto de 2011 at 13:55

        E hoje tem propaganda no Correio Braziliense oferecendo viagem pra Europa para os 10 primeiros que comprarem um apartamento em um empreendimento no Noroeste.
        Detalhe que esses apartamentos já foram lançados há vários meses.

        0
      • Leandro 25 de agosto de 2011 at 13:58

        Pois é Mrk,
        Isso acontece toda hora com os carros.
        Os “caras” oferecem brindes de DVD, IPVA, passagem aérea pra você comprar o carro, mas quando você vai ler os ****, percebe que pra “ganhar” os brindes tem que pagar o preço de tabela do carro, enquanto se a pessoa tiver a grana à vista já consegue um bom desconto.

        0
  • Carlos 25 de agosto de 2011 at 12:50

    “O número de trabalhadores ocupados em julho totalizou 22,476 milhões de pessoas, alta de 0,4% sobre junho e de 2,1% ante julho de 2010.”

    http://oglobo.globo.com/economia/mat/2011/08/25/taxa-de-desemprego-cai-6-0-em-julho-menor-para-mes-desde-2002-925201953.asp

    O número não inclui quem é funcionario público de fato. Só quem tem carteira assinada. Lembro que alguns se acham funcionários públicos, mas legalmente não são e estão sob o regime CLT, como Petrobras, e esses entram nas estatísticas.

    Joselito, imagino que você tenha razão, pois o número é realmente baixo. Não encontrei o número total. No texto da reportagem não menciona que a pesquisa é só nas capitais.

    Mas se dobrarmos esse número, fica do tamanho da alemanha. E lá a população é de 80 milhões. Mesmo dobrando o número, poucas pessoas trabalham no Brasil. 3 a cada 4 pessoas vivem de pensão, auxílios ou do dinheiro dos outros.

    0
  • Galvão 25 de agosto de 2011 at 13:09

    Pro pessoal aqui que me fala que imóvel tal vale tanto, costumo dizer o seguinte:
    Vale se alguém pagar, se ninguém pagar o preço pedido não vale. É o que acho das casas, apartamentos e lotes de Brasília. Quem em sâ consciência paga 2, 3, 4, 10 Milhões numa casa.
    Acredito que loucos e quem quer lavar dinheiro.

    0
  • Timbaleiro 25 de agosto de 2011 at 13:56

    Só para esclarecer aos leitores do blog que essa supervalorização imobiliária está ocorrendo em TODO o país e não apenas em Brasília, Curitiba, Rio e São Paulo.
    Para se ter uma idéia, em Maceió, uma capital do nordeste conhecida não somente pelas suas belezas naturais, mas também por ser a capital mais violenta encravada no segundo estado mais miserável do país, os imóveis subiram mais de 300% nos últimos 4 anos.
    Maceió apesar de ter belas praias, é um lugar de baixíssima estrutura urbana, onde hoje há um problema muito serio de violência urbana desenfreada. A cidade praticamente não tem sistema de esgoto tratado tanto comercial quanto residencial. A maioria das casas e prédios se livram do esgoto por meio de fossas. Não há tratamento de esgoto.

    Agora dá uma olhada nesse imóvel a venda por, pasmem 80.000 reais. Um verdadeiro LIXO

    h ttp://maceio.olx.com.br/vendo-casa-ponta-grossa-iid-231103357

    0
    • Galvão 25 de agosto de 2011 at 14:16

      Realmente fora da realidade. Mas se você está achando isso absurdo, dá uma olhada nesses abaixo:
      http://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-casa-guara-df-2-quartos-qi-04-391416
      http://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-casa-guara-df-4-quartos-qe-03-conjunto-e-368152
      http://www.wimoveis.com.br/imovel/venda-casa-guara-df-3-quartos-qe-14-conjunto-d-373286

      Não sei se compro uma só ou todas de uma vez, pois oportunidades assim não é todo dia que a gente acha.

      0
      • Fred Henrique 25 de agosto de 2011 at 14:43

        É mesmo!!!

        Para o seu perfil de investidor, eu sugiro comprar todas de uma vez, fazer uma mega reforma e vender com valorização de 30% (o número mágico da valorização de imóveis).

        0
      • Marcelo 25 de agosto de 2011 at 18:27

        Galvao, postei um comentario dizendo que aqui em Brasilia (plano piloto) qualquer pocilga custa 500, 600 mil. Pra quem nao e de Brasilia e podia nao acreditar, olhando essas coisas que vc postou, acho que fica facil qualquer um entender. Sem falar que essas porcarias que vc colocou fica longe do plano piloto (ou ilha da fantasia, como e mais apropriado).

        0
      • Marcelo 25 de agosto de 2011 at 18:42

        Alias, se estivessen no plano, estas mesmas “maravilhas arquitetonicas” custariam mais do que o dobro. Trabalhar pra pagar uma coisa dessas por 30 anos?

        0
      • Timbaleiro 25 de agosto de 2011 at 19:32

        Mas, Galvão, me responde uma coisa: as pessoas estão comprando imóveis dessa qualidade por esse preço por aí?

        Eu realmente não tenho idéia de como é essa demanda e de como essa demanda se comporta por aí pois há 15 anos moro nos EUA e pelo jeito, vejo que o mercado imobiliário brasileiro está se comportanto EXATAMENTE igual ao mercado imobiliário americano antes do estouro da bolha daqui. Ainda hoje, ainda existem imóveis os milhares para serem vendidos por aqui sem compradores pois os bancos cortaram a farta oferta de crédito fácil que existia antes da bolha.

        0
        • Galvão 25 de agosto de 2011 at 20:14

          Timbaleiro, até onde tenho acompanhado, essas porcarias não conseguem ser vendidas. Se mesmo as casas de boa qualidade não estão vendendo. A questão mais crucial aqui em Brasília foi a especulação que a TERRACAP promoveu nos terrenos. Esses anúncios que coloquei dessas taperas estão com valores altos não é por causa da casa, mas do terreno. Onde moro o terreno é mais caro do que construir a casa, assim também é no Lago (Sul e Norte).

          0
    • Carlos__ 25 de agosto de 2011 at 14:26

      Sim Timbaleiro,

      Pelos depoimentos que chegam aqui vimos que foi no Brasil inteiro, nas cidades grandes e medias.

      0
  • Anonymous 25 de agosto de 2011 at 14:05

    E a média de desemprego é 6%? Estou desconfiado que o André andou ensinando o conceito de média móvel para mais gente na Banânia.

    IBGE: Taxa de desocupação para pessoas com 8 a 10 anos de instrução

    seriesestatisticas DOT ibge DOT gov DOT br/series.aspx?vcodigo=FDT0981&t=taxa-de-desocupacao-das-pessoas-de-10-anos-ou-mais-de-idade-por-anos-de-estudo

    Recife: 17.7% em Mar/2002 para 8.6% em Jul/2011
    Salvador: 22.8% em Mar/2002 para 13.3% em Jul/2011
    Belo Horizonte: 15.5% em Mar/2002 para 6.7% em Jul/2011
    Rio de Janeiro: 14.2% em Mar/2002 para 5.9% em Jul/2011
    Sao Paulo: 18.8% em Mar/2002 para 9.2% em Jul/2011
    Porto Alegre: 13.0% em Mar/2002 para 6.7% em Jul/2011

    0
    • MrK 25 de agosto de 2011 at 15:05

      Anonymous como voce confia num governo que diz que a inflação é de 6% com tudo reajustando 15 a 20% na sua cara?

      só se um camarada vive só de arroz e mora numa caverna a inflação dele é 6%, se ele paga aluguel, se paga gasolina, se pega taxi, se come fora, se paga escola, etc etc.. vai ver que 15% é algo mais razoável

      e aí como acreditar em algum numero do governo bananes?

      0
  • Anonymous 25 de agosto de 2011 at 14:09

    Mais um caso de média móvel.

    Jovem lidera desocupação
    Correio Braziliense – 27/05/2011

    Embora a taxa de desemprego tenha chegado em abril a 6,4%, o menor patamar para o mês desde 2002, os dados não são nada animadores para os jovens. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a desocupação entre as pessoas de 15 a 24 anos passou de 14,4% para 15%, mais que o dobro da média nacional. Em Salvador (BA), o índice chega a 20,8% e, em São Paulo, a 16,7%.

    0
    • Anonymous 25 de agosto de 2011 at 14:17

      Se a Banânia está criando empregos como nunca antes, então esses empregos não estão indo para os jovens.

      PS: O conceito de média móvel é o seguinte: Voce calcula a média e se o valor não der o que voce quer, então voce MOVE o valor para um número que lhe agrade.

      0
      • Fred Henrique 25 de agosto de 2011 at 14:24

        Para isso existem medianas, modas, médias ponderadas, desvios padrões, espaços amostrais diferenciados, comparações das derivadas das curvas, pontos de inflexão, períodos de comparação distintos etc..

        A matemágica é um vasto campo de atuação para corretores de imóveis.

        0
      • joao_sem_braco 25 de agosto de 2011 at 20:55

        Anonymous, já retirou teu bolsa fome esse mês juntos com os outros 43 milhões de americanos?

        http://www.unionofunemployed.com/blog/recent-news/food-stamp-rolls-continue-to-rise/

        0
  • aiwww 25 de agosto de 2011 at 17:00

    Essa é para quem está vendo o castelo de areia ruir .. busque no zap os apartamentos da Vila do Pan .. no lançamento o apartamento de 1 quarto era vendido por 190 mil .. hoje .. 4 anos depois do Pan (foi em 2007) o mesmo imóvel é vendido por 180 mil !!! … ou seja … MIIIIICOOOOO !!!

    0
  • Tiago 25 de agosto de 2011 at 17:13

    Pessoal… não sei o que acontece… deve ter algum problema nesse site com relação ao cache dos tópicos! Pode ser uma falha na base de dados ou na publicação de posts, algum erro de trigger de sql (sei lá)! Administrador (reseta) o banco aí fio!!!!! Qualquer coisa pode excluir meus posts!!!!!!

    0
    • Paulo Rocha 25 de agosto de 2011 at 18:00

      Tiago,

      Qual é o problema? Eu não detectei nehum post repetido seu?

      0
    • Bolha Imobiliária 25 de agosto de 2011 at 18:21

      Cara, não estou vendo nada de errado…

      0
      • Paulo Rocha 25 de agosto de 2011 at 18:26

        Nem eu, o problema deve ser PEBKAC.

        0
  • Tiago 25 de agosto de 2011 at 17:15

    vejam as datas do meu SPAM rsrsrsrsrsrsrsr é de ontem!!!!! (se soubesse colocava um anuncio de venda do meu ap de 1 dormitório sem vaga de garagem por 600 mil)

    0
  • Anonymous 25 de agosto de 2011 at 17:47

    Hahahahha!!!

    “Tiago disse:
    25 de agosto de 2011 às 17:15
    vejam as datas do meu SPAM rsrsrsrsrsrsrsr é de ontem!!!!! (se soubesse colocava um anuncio de venda do meu ap de 1 dormitório sem vaga de garagem por 600 mil)”
    E logo abaixo:
    “- Ou seja, não há déficit nenhum…”

    Que uma coisa fique bem clara por aqui pessoal: NÃO HÁ DEFICIT NENHUM!

    Tiago, fica tranquilo… teu post repetitivo (erro da página ou servidor ou sei lá) ficou engraçado, exatamente como nosso mercado imobiliário da atualidade.

    0
  • Marcelo 25 de agosto de 2011 at 19:28

    Para quem mora em Brasilia: tem um imovel que estava anunciado para venda ha pelo menos 6 meses (passo em frente pra levar meu filho ao colegio e vejo a faixa). Pois bem, o mesmo estava anunciado em fevereiro por pouco mais de 900 mil (sim, e velho e precisa de uma boa reforma). Agora esta no Wimoveis por…700mil! Os “novos ricos” de unica propriedade parece que estao abaixando a bola pra realidade.

    0
    • Galvão 25 de agosto de 2011 at 20:09

      Ainda tá caro! preço real pra Brasília, se vc tiver falando de um imóvel na Asa Sul seria no máximo de 450.000 e se for apto grande.

      0
      • Marcelo 25 de agosto de 2011 at 20:40

        Galvao, e quando digo boa reforma, na realidade e uma grande reforma mesmo.

        0
  • jsantos e o que se ve e cada 25 de agosto de 2011 at 20:01

    matéria jornal d gazeta, imoveis no centro (podre) de SP, rua paim , regiao de cortiços, m2: r$7 mil , tudo vendido no lançamento , revitalização centro escuto esse papo faz uns 30 anos, e o que se ve é cada vez mais lixo nas ruas, mendigos, assaltos, usuários de drogras.só papo furado.

    0
  • MrK 25 de agosto de 2011 at 20:38

    eu acho muito corajoso quem compra um imovel com m2 caro porque conta com alguma obra do governo pra revitalizar

    aqui no centro do rio tem a região portuária, nojenta, fedida, pichada, cheia de mendigos, perigosíssima, calcada mal cuidada, sem comercio para moradores, sem opcao de lazer, poluida etc etc… e as pessoas pensam em comprar imoveis na expectativa do tal projeto “porto maravilha”

    Ou seja, não há déficit nenhum…

    0
  • MrK 25 de agosto de 2011 at 20:38

    po, eu acho muito corajoso quem compra um imovel com m2 caro porque conta com alguma obra do governo pra revitalizar

    aqui no centro do rio tem a região portuária, nojenta, fedida, pichada, cheia de mendigos, perigosíssima, calcada mal cuidada, sem comercio para moradores, sem opcao de lazer, poluida etc etc… e as pessoas pensam em comprar imoveis na expectativa do tal projeto “porto maravilha”

    Ou seja, não há déficit nenhum…

    0
  • Selvagem 25 de agosto de 2011 at 21:28

    Bolha, 349 posts nesse topico, ele ta meio bugado, tá na hora de ir para o proximo antes que o tiago vire o senhor “nao tem deficit nenhum”

    Sugiro nos prepararmos para a pesquisa do Secovi, alguem confirma se é amanha que será divulgada a tal da pesquisa consolidada ?

    Por mim eles estao atrasando a divulgacao dos dados de junho julho e agosto justamente para encobrir o comeco da queda. É que nem bola de neve, quando comecar a queda vai ganhando impulso. Ai devem vir com dados do semestre todo para mascarar a decida.

    0
    • MrK 25 de agosto de 2011 at 21:37

      hahaha vão fazer média móvel

      primeiro eles podem rever maio pra +50%

      e aí fazer média movel de maio, junho e julho, mostrando uma alta de 20% na média..

      0
    • Glaucio 26 de agosto de 2011 at 10:08

      Acho que só vão liberar no dia 30, durante a coletiva de imprensa. Não sei se é praxe a cada semestre ou se estão com medo de publicarem alguma matéria alarmista com base em um eventual resultado ruim.

      Ou seja, não há déficit nenhum… 🙂

      0
  • Kal 25 de agosto de 2011 at 21:38

    Olha o desespero batendo a porta…..ÁGIO ZERO AE 04 Sports Club – Apto 1.702, 80,30m2, 17º andar (canto). Entrega 10/11. Transfiro o contrato sem ágio, mediante o ressarcimento do valor pago. Tratar:

    0
  • Elias 25 de agosto de 2011 at 22:34

    Juro retrai crédito de cartão e cheque
    Autor(es): Fernando Nakagawa e Fabio Graner
    O Estado de S. Paulo – 25/08/2011

    (…)

    Alheio às medidas do governo para desacelerar o crédito, os empréstimos direcionados – normalmente operados por bancos públicos – seguem em firme expansão. Dados do Banco Central divulgados ontem mostram que o avanço de 1,9% dessas operações em julho foi o mais elevado de 2011, superior à média mensal de 1,2% de janeiro a junho. Em 12 meses, essas operações cresceram R$ 104,6 bilhões, o equivalente a uma alta de 23,6%.

    O crédito para a compra da casa própria – segmento dominado pela Caixa Econômica Federal – liderou o movimento, com expansão de 3,5% apenas em julho. Atualmente, o estoque de dívida imobiliária é de R$ 173,3 bilhões. Outro destaque é o BNDES, cujos créditos em julho avançaram 1,7%.

    “Os dados mostram uma aposta do governo para reduzir os efeitos da crise”, afirma o professor de finanças do Insper, Ricardo José de Almeida. “De um lado, bancos públicos aceleram o crédito para empresas para tentar afastar problemas como demissões. Por outro, o imobiliário não pode parar agora porque construtoras estão entregando imóveis que foram vendidos há dois anos, durante boom do mercado nas grandes cidades.”

    (…)

    Ou seja, o governo continua inflando a bolha.

    0
  • Zoom 26 de agosto de 2011 at 07:44

    Fundo imobiliário oscila menos que ações do setor
    Os fundos imobiliários oscilaram bem menos do que as ações de companhias do setor da construção civil na Bolsa de Valores do Estado de São Paulo nesses dias de alta volatilidade e queda nos mercados financeiros. Muitos fundos ficaram com cotas estáveis e alguns chegaram a ter valorização no pior dia da crise, apesar da queda de papéis das empresas no mercado à vista. “O fundo imobiliário é mais resiliente, o que mostra que o investidor nessa aplicação é diferente. Ele quer diversificação e olha mais para o longo prazo”, afirma Fábio Nogueira, diretor e sócio-fundador da Brazilian Finance Real Estate. De acordo com Nogueira, a valorização do BC Fund I foi de 19% desde o início deste mês até ontem. Os fundos imobiliários continuam a crescer. Em janeiro, havia 109. Em julho, eram 122. Pedro Junqueira, da Unqbar, empresa especializada em finanças, diz que o incremento nesse mercado se deve ao bom momento do setor imobiliário e ao fato de não se pagar imposto de renda sobre o rendimento. Hoje, a CVM analisa mais sete pedidos para constituição de fundo. Em julho, dois foram aprovados (o Mercantil do Brasil e o BM Cenesp, também da Brazilian Finance Real Estate). O vice-presidente do Banco Mercantil, André Brasil, diz que o fundo foi criado para transformar capital imobilizado em capital de giro.
    COMPRAM-SE QUARTOS A BHG (Brazil Hospitality Group) fechou ontem a compra de cinco hotéis em Belém (PA) do Grupo MB Capital. Dois deles já estão prontos. Os outros estão em obras. Em 2013, quando o último ficar pronto, a empresa terá 1.010 apartamentos a mais na carteira. Hoje são 34 hotéis com quase 7.000 quartos no país. “Com isso teremos sete empreendimentos em Belém”, afirma Pieter van Voorst Vader, presidente da empresa. A BHG compra, administra e constrói hotéis. A MB Capital é uma holding de negócios com foco em incorporação imobiliária, turismo e outros. A entrada da BHG no Norte começou em 2010 com a compra de dois hotéis também em Belém. Vader não descarta mais negócios na região. “Não vamos ficar parados. Mas tudo depende de negociações. O que procuramos são áreas em perfil de crescimento para turismo de negócios. Não procuramos resorts”, afirma. Mercosul terá maior inflação do mundo em 2011, diz estudo Os países do Mercosul apresentarão a maior taxa de inflação do mundo neste ano, de acordo com levantamento da consultoria EIU (Economist Intelligence Unit). A média do índice de Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, que ainda depende da aprovação do congresso paraguaio para ser membro pleno do bloco, será de 9,3% em 2011, segundo a entidade britânica. A forte demanda interna é um dos principais motivos para a alta da inflação, de acordo com a EIU. “A taxa está elevada devido à Argentina e à Venezuela”, diz o professor de comércio exterior da FGV-SP Evaldo Alves, que destaca o grande deficit fiscal desses países. A inflação no setor de serviços, impulsionada pela alta da renda média no bloco, é uma das variáveis que está acima das outras regiões do mundo, segundo Paulo Tigre, economista da UFRJ. “Houve aumento da demanda, mas o número de profissionais disponíveis não cresce na mesma velocidade, o que influencia diretamente no preço pago pelo consumidor”, afirma Tigre.
    PÉ NO ASFALTO A Petrobras fechou acordo de cooperação tecnológica com a concessionária Rota das Bandeiras para o estudo de tipos de pavimentos que sejam mais eficientes. Nos próximos três anos, serão realizados testes nas estradas controladas pela concessionária, que administra o Corredor Dom Pedro, que passa pelas cidades paulistas de Atibaia, Campinas, Jundiaí, Jarinu, entre outras. Os profissionais que desenvolverão os testes de fórmulas de asfalto serão cedidos pela Petrobras. A Rota das Bandeiras, do grupo Odebrecht, disponibilizará técnicos para a medição e manutenção do trecho sob pesquisa. Balanço… A Cyrela mantém hoje 1.400 homens em uma obra na Zona Sul de São Paulo, em um projeto que ocupa terreno de mais de 70 mil m2 ao lado da Ponte Transamérica. Com entrega da primeira fase para 2012, o empreendimento recebe por dia cerca de 60 caminhões para levar a matéria prima das 1.744 unidades em condomínios residenciais, torre comercial e escritórios. …da obra Agora a empresa se prepara para iniciar um canteiro de obras na Zona Leste, com área total a ser construída de 132 mil m2 em torres comerciais e residenciais. Atualmente em fase de escavação, 250 caminhões por dia irão retirar mais de 190 mil m3 de terra no terreno onde cerca de 900 homens erguerão mais de 2 milhões de blocos de concreto e três toneladas de aço.
    PACIENTE CORPORATIVO No topo da lista das doenças que mais abalam os executivos brasileiros está a rinite, que atinge cerca de 28% dos profissionais analisados em levantamento da operadora de saúde Omint. Também são graves as dores no pescoço e nos ombros (20,5%), causadas por má postura e tensões musculares devido a estresse. Os que sofrem de obesidade são 18,5%. Cerca de 17% têm sintomas de ansiedade. Entre os fatores de risco para doenças cardiovasculares, o colesterol é o mais comum, atinge 11,6% deles. Muitos casos podem ser tratados com prevenção. “Para as empresas, é bom investir em prevenção, pois, além de motivar o colaborador, permite melhor gestão do custo com saúde”, diz André Coutinho, diretor-geral da Omint no país. O estudo abordou 15 mil executivos de alta gerência e direção das empresas da carteira da Omint.

    0
    • Zoom 26 de agosto de 2011 at 07:48

      Foi coisa de mais. sorry. heheheeee

      0
  • nelson 26 de agosto de 2011 at 09:10

    Falta de oferta de imóveis em SP eleva aluguel dos contratos novos em 1,3%
    Comentários: (0)
    25 de agosto de 2011 • 19h30

    Por: Equipe InfoMoney
    SÃO PAULO – O desequilíbrio entre oferta e demanda de imóveis para alugar na cidade de São Paulo fez com que o valor do aluguel dos contratos novos de locação aumentasse 1,3% em julho, na comparação com junho.

    De acordo com dados do Secovi-SP (Sindicato de Habitação de São Paulo), nos últimos 12 meses terminados em julho, o valor dos contratos novos na cidade subiu 18,1%.

    Os valores dos contratos em andamento, que são indexados ao IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado) da FGV (Fundação Getulio Vargas), foram reajustados em 8,36% em 12 meses.

    Unidades de 2 e 3 dormitórios foram destaque
    Frente a junho, os imóveis de três dormitórios foram os que apresentaram as maiores altas no reajuste do aluguel, de 1,7%. O reajuste do aluguel das unidades de um e dois dormitórios foi um pouco menor, de 1% e 1,3%, respectivamente.

    No mês passado, as casas e os sobrados foram alugados mais rapidamente, com uma espera média de 12 a 28 dias. Já os apartamentos foram alugados, em média, entre 17 e 36 dias.

    Considerando as garantias, 47,5% dos contratos utilizaram o fiador no mês passado, enquanto 32% tiveram o depósito como garantia e o 20,5%, o seguro-fiança.

    Avalie este vídeo:
    Tags: aluguel aluguel-de-imovel apartamento cidades financas igp-m imoveis locacao noticias reajuste reajustes secovi tags-financas

    0
    • MrK 26 de agosto de 2011 at 10:08

      esse efeito perverso está sendo visto no Rio

      como todo mundo corre pra vender seu imóvel no auge, eles “expulsam” os inquilinos

      fazendo conta é fácil de entender, o aluguel rende 0.3% do imóvel, perdendo até pra poupança, isso só foi lucrativo pro dono enquanto o imóvel se valorizava, na hora que parou de subir, já não vale a pena, corre pra vender e inquilino pra Rua, com menos imoveis a alugar e mais inquilinos na rua o preço do aluguel sobe

      0
  • Glaucio 26 de agosto de 2011 at 10:18

    Pesquisa em imoveiscuritiba.com.br:

    21/08 – 9718 aptos. à venda

    26/08 – 9759 aptos. à venda

    Acho que em menos de um mês chega a 10k.

    Detalhe: a pesquisa não inclui casas, sobrados, imóveis comerciais, terrenos etc.

    0
    • MrK 26 de agosto de 2011 at 10:41

      faz média móvel de 50 anos que o número cai

      ou seja, não há deficit nenhum…

      0
    • Bolha Imobiliária 26 de agosto de 2011 at 10:48

      Exatamente…em março eram 7300…me lembro muito bem disto…hehe

      0
  • Galvão 26 de agosto de 2011 at 10:25

    Galera, sendo bem sincero eu achava que a bolha iria estourar em 2013. eu achava que os preços iriam continuar subindo, só que num ritmo menor, até que em 2013, o oferta enorme de imóveis caros encalhados, quebraria os investidores, e os preços cairiam abruptamente.

    Mas devido as últimas informações que temos visto e avaliado aqui, já estou começando a acreditar que a coisa vai ser diferente. Já não sei mais se haverá “estouro” da bolha.

    Pelo momento atual, parece que o que vai ocorrer é uma queda continua nos preços, de modo a ajustar os preços (oferta) à renda (demanda). Esse processo, no meu entender pode durar anos.
    Com as informações atuais, tendo a acredito mais nesse cenário. O que acham?

    0
    • MrK 26 de agosto de 2011 at 10:47

      Galvão, a teoria estouro vs murchada é interessante

      te confesso que não sei dizer o que será, não consigo estar 100% em nenhum dos lados… mas pelo fato do altissimo numero de investidores no mercado (ou especuladores) acho que um estouro é mais provável que uma murchada

      abs

      0
  • Carlos 26 de agosto de 2011 at 10:32

    Pessoal, fui no Blog do Andre e vi um dado interessante. Primeiro, deixem-me dizer que acho que alguns são injustos com ele. Ele tem as opiniões dele, mas em nenhum momento achei que ele tinha má fé. Gosto dos gráficos e das pesquisas de dados que ele faz, na minha opinião isso só contribui. Por outro lado ele vacila dando muita importância ao que dizem aqui sobre ele e usando o blog dele para responder, ou mesmo aparecendo aqui e postando mensagens reativas. Eu, pelo menos, não tenho energia para ficar brigando pela internet, prefiro ignorar.

    Mas, não foi para isso que estou escrevendo esse post. O importante é que o coordenador do famigerado FIP/ZAP esclareceu algumas dúvidas sobre as métricas do índice para ele, e o próprio coordenador confirmou que em Copacabana tivemos 4785 anúncios de venda de imóveis em julho, EXCLUINDO OS ANÚNCIOS REPETIDOS.

    Quase 5.000 imóveis, só em Copacabana, excluindo os repetidos.

    segue o texto:
    “Como exemplo, no caso de Copacabana, o ZAP teve em julho/2011 6895 ofertas. Dessas, 2110 foram excluídas pela Fipe com base nos critérios pré-definidos (repetição e dados extremos).”

    0
    • MrK 26 de agosto de 2011 at 10:46

      Eu parei de ir lá, os posts deles são muito fraco tecnicamente, só que ele colore, bota excel, gráfico, faz toda uma perfumaria pra parecer sério, o negócio da média movel e o outro comparando o zap com 2008 foi muito tosco, não foi pouco não, foi MUITO.

      Pior, ele é total contrário a bolha, mas não tem nem coragem de se posicionar, finge que é isento e neutro, volta e meia ele solta um post admitindo que os precos subiram demais só pra não ficar descarado, mas pra cada post admitindo os problemas ele solta 5 contrariando a teoria da bolha.

      0
      • Carlos 26 de agosto de 2011 at 10:58

        Não quero entrar nessa discussão. Só falei sobre ele porque os dados foram do Blog dele. O que acho importante discutir é esse número de imóveis em Copa. A impressão que tenho, não só em Copa, no Rio, mas no Brasil, é que quanto maior o ‘defict habitacional’, a ‘falta de espaço’ e o ‘aumento da demanda e da renda’, mais e mais imóveis estão disponíveis no mercado.

        Se alguém for comprar um imóvel em Copa hoje, e resolver pesquisar bem e olhar todos os disponíveis, afinal não é todo o dia que se gasta quase 1 milhão em uma compra, olhando 5 imóveis por dia, incluindo fim de semana, vai demorar quase 3 anos para ver tudo.

        Isso em um bairro apenas. Um bairro onde já não se constrói nada há mais de 20 anos.

        0
        • Frank 26 de agosto de 2011 at 11:58

          pois é, tá na cara q é um frenesi para “surfar” em preços inflados…

          sobretudo Copa, q é assim uma “Zona Sul B” – isso desde os anos 70/80, com as ascensão de IPA/Leblon.

          0
          • Carlos 26 de agosto de 2011 at 12:20

            Mas a pergunta é: o cara vai vender o único ap que tem para ir morar aonde?

            0
          • MrK 26 de agosto de 2011 at 13:26

            Creio que quem vende é quem tem imovel a alugar

            Copa é classico, pois é onde mais se aluga por temporada, para gringos e também para Brasileiros (em funçao de ser um bairro famoso la fora, muito populoso e ter muitas kitinetes e aps.pequenos que tem alta procura pra aluguel)

            Creio que quem recebia aluguel preferiu tirar o inquilino e por a venda, já fiz as contas aqui pra explicar porque, é fácil entender

            Existe também o movimento do “se colar, colou”, que é de muita gente botando seu ap pra vender por precos absurdos, que nem querem taaanto assim vender, mas se colar, se pagarem, ele vende.

            0
        • me 26 de agosto de 2011 at 14:14

          Gostei dessa análise. Uma outra situação: supondo que alguém só esteja interessado por uma faixa de preços que entrem, sei lá, uns 1000 apartamentos. Se ele quiser ver todas as opções, uns 3 por dia(supondo que ele tenha tempo pra isso…), levaria-se quase um ano inteiro.

          Agora, uma questão: é comum haver essa prática? Esgotar todas as possibilidades em um bairro?

          Também já presenciei muitos casos de contrato de aluguel vencendo e sendo renovado por mais caro ou colocado a venda. Eu mesmo tô com o c* na mão em relação a isso.

          0
          • Carlos__ 26 de agosto de 2011 at 16:38

            Bolha, mete logo essa notícia do sergio na página inicial que esse tópico aqui babou. Com o bug no sistema de comentários, colocando as coisas fora de ordem, está um samba do crioulo doido.

            aqui está o link da notícia:
            h t t p :/ /w w w 2.imovelweb.com.br/noticias/comprar/Preco-de-imovel-usado-tem-2–queda-consecutiva.aspx

            0
          • MrK 26 de agosto de 2011 at 16:53

            ou seja não há deficit nenhum…

            0
  • Mauro 26 de agosto de 2011 at 10:48

    Até na grande família na rede globo o assunto bolha foi abordado!

    0
    • Carlos 26 de agosto de 2011 at 10:59

      E falaram o que?

      0
  • roberto 26 de agosto de 2011 at 11:46

    Gostaria de compartilhar uma situação no mínimo intrigante:

    No auge das vendas (2010) as incorporadoras usavam muito pouco a mídia, OK estava vendendo por este motivo gastar mídia por que!! Agora nos últimos messes a quantidade de LIXO publicitário das incorporadoras só aumenta EX; Rádio Rossi, Gafisa no Discovery, sem contar TV e é lógico jornais. Se existe um problema de caixa nas incorporadoras o fato de estarem gastando os TUBOS em mídia só faz a situação piorar e demonstrar o aumento do desespero. Agora será que alguem pode me informar se esta característica também foi constatada antes do estouro da bolha na Espanha e outros países? Imagino que o gasto com mídia deve ter um ápice um período antes do estouro e deve diminuir ou acabar um pouco antes do estouro ( pois não terão mais verba para criar o mundo de Alice).

    0
    • MrK 26 de agosto de 2011 at 13:29

      eu tenho notado 2 coisas:

      Esse aumento massacrante mesmo (em todos jornais onlines, blogs, etc…) inclusive com a volta dos panfleteiros de sinal de transito que haviam sumido

      Aumento no numero de anuncios focados para “investimento”, sumiram as familias felizes e sorridentes com um filho casal e entraram “investimento, valorização, etc”

      0
    • Tiago 26 de agosto de 2011 at 15:53

      Ó o cara do déficit aqui de novo.

      Pessoal leiam o meu relato abaixo.

      Ontem fui à padaria comprar uma meia dúzia de pãezinhos. Entrei em casa… preparei o café e fui fazer o lanche da tarde.

      Qui maravilha – adoro pão quente com manteguinha no capricho, isso pra mim não tem preço! É quase um rito o café da tarde aqui em casa.

      Comendo meu pãozinho percebi que o dono da padaria tinha mudado o layout e o tipo de papel que embrulha os pães. Do patético “bege meia fina” foi para um “branco saco de cal”. Nesse novo papel não havia nem o logotipo da padaria e nem um texto de auto-ajuda ou piadinhas que eles costumam imprimir. Mas sim uma impressão imensa cobrindo toda a embalagem dos dois lados de empreendimentos a serem lançados aqui no Jaguaré.

      Os caras além de emporcalharem a cidade agora querem forçar a barra agora colocando SPAM no papel de pão. Caramba. Deixem meu pãozinho em paz! Já basta a tonelada de encartes que recebo nos faróis, a poluição visual de pessoas que ficam nas esquinas com plaquinhas de seta, os enormes banners e placas colocados nas adjacências dos empreendimentos, os corretores chatos que ficam ligando fora de hora, agora meu pãozinho não KKKKKKKKKKK

      Um texto de auto-ajuda ou uma piadinha deu lugar pra uma construtura desesperada tentando empurrar guela abaixo seus famigerados empreendimentos. Estou sussa… por enquanto só fico no pãozinho.

      0
  • Rogério-Goiás 26 de agosto de 2011 at 13:35

    25/08/2011 0
    Construção civil desacelera em julho, aponta CNI
    Por Francine De Lorenzo

    SÃO PAULO – A construção civil registrou em julho o segundo mês consecutivo de desaceleração, com o indicador do setor recuando de 52,4 pontos em junho para 51 pontos no mês passado, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A marca 50 separa a expansão, para valores acima deste patamar, e contração na atividade, para valores abaixo.

    De acordo com a CNI, o crescimento moderado do setor no período deriva principalmente da redução nas operações das pequenas empresas, com o índice do segmento baixando de 49,6 pontos para 47 pontos. “Essa queda de atividade das pequenas empresas é explicada pela maior dificuldade de se recuperarem da desaceleração pela qual passou todo o setor de construção no começo do ano”, explica o economista da CNI, Danilo Garcia.

    O levantamento ainda mostra que os empresários estão menos otimistas. Apesar de o indicador de expectativa para os próximos seis meses ainda apontar expansão, o patamar baixou de 61,1 pontos em julho para 60,1 pontos em agosto.

    (Francine De Lorenzo | Valor)

    0
  • Carlos Eduardo 26 de agosto de 2011 at 13:54

    Construção civil desacelera em julho, aponta CNI
    Por Francine De Lorenzo

    SÃO PAULO – A construção civil registrou em julho o segundo mês consecutivo de desaceleração, com o indicador do setor recuando de 52,4 pontos em junho para 51 pontos no mês passado, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A marca 50 separa a expansão, para valores acima deste patamar, e contração na atividade, para valores abaixo.

    De acordo com a CNI, o crescimento moderado do setor no período deriva principalmente da redução nas operações das pequenas empresas, com o índice do segmento baixando de 49,6 pontos para 47 pontos. “Essa queda de atividade das pequenas empresas é explicada pela maior dificuldade de se recuperarem da desaceleração pela qual passou todo o setor de construção no começo do ano”, explica o economista da CNI, Danilo Garcia.

    O levantamento ainda mostra que os empresários estão menos otimistas. Apesar de o indicador de expectativa para os próximos seis meses ainda apontar expansão, o patamar baixou de 61,1 pontos em julho para 60,1 pontos em agosto.

    (Francine De Lorenzo | Valor)

    http://www.valor.com.br/brasil/987728/construcao-civil-desacelera-em-julho-aponta-cni

    0
  • Paulo Rocha 26 de agosto de 2011 at 14:02

    Caramba, já ouviram a apelação do mauro em relação a compra de imóveis.

    Aí que quer ficar rico esqueça investir em ações, compre só imóveis!!!

    h t t p : / / cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2011/08/25/COMO-AS-PESSOAS-CONSEGUEM-ACUMULAR-FORTUNAS.htm
    h t t p : / / cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mauro-halfeld/2011/08/26/NAO-E-IMPOSSIVEL-FICAR-RICO-INVESTINDO-EM-ACOES.htm

    0
    • Carlos Eduardo 26 de agosto de 2011 at 17:52

      Esse Cara é um vendido!!!

      0
    • Timbaleiro 27 de agosto de 2011 at 14:54

      Até certo ponto e sob uma certa perspectiva, ele está correto sim! É possíve sim enriquecer investindo em imóveis.
      Obviamente, AGORA não é esse momento. Agora é hora de VENDER, se vc comprou seus imóveis há anos atrás. É o momento perfeito, especialmente se você tem imóveis que comprou há mais de uma década.
      É claro que é quase impossível enriquecer com apenas um imóvel, ainda que há acumulo de aluguel por anos… Mas se o pequeno investidor tem mais de 10 imóveis que acumulou comprando antes da bolha, recebeu aluguéis por uma década e não tocava nesse dinheiro pois tinha um emprego, reaplicava o dinheiro acumulado dos aluguéis em imóveis e coloca para vender por uma preço um pouco abaixo do que estão pedindo hoje, ele levanta um capital absurdo. Isso é possível sim!
      Obviamente, o momento que vivemos agora não é o momento de compra, mas sim de venda! Quem ganha dinheiro em mercados inflados sempre está do outro lado da multidão! Se a multidão está comprando, dizendo que é bom negócio comprar, então venda aquilo que a multidão quer comprar! Seja o vendedor! Aí sim você ganha dinheiro!
      Hoje, imóvel não é o melhor négocio que existe como esses corretore estão dizendo.
      Há muitas outras coisas bem melhores que imóveis. Por exemplo, por um valor de um imóvel o investidor pode comprar uma casa lotéria que vai render mensalmente no mínimo 2% do valor que ele investiu. Uma casa lotérica avaliada em 500.000,00 Reais rende ao comprados pelo menos 10.000,00 Reais líquidos. Se o investidor comprar um imóvel de 500.000 e alugar, obviamente não consegue essa rentabilidade. Existe os argumentos de que o imóvel pode subir de preço e etc… Mas uma casa lotérica também sobe! Existemmuitas outras e outras formas melhores de se aplicar como investidor do que imóveis com esses preços surreais.

      0
  • MrK 26 de agosto de 2011 at 15:12

    “no médio e longo prazos, não se tem nenhuma dúvida, ao contrário, se tem certeza que imóvel é bom negócio, com valorização garantida, em um País que arrasta um déficit de mais de seis milhões de moradias”.

    fanfarrão master esse aí

    se o motivo da alta dos preços fosse o deficit habitacional, então os preços deveriam estar subindo há 50 anos, afinal sempre teve deficit, não? E como eles mesmos admitem, durante mais de uma decada imóvel não subiu… e aí? o deficit veio de 2 anos pra cá?

    0
    • Carlos__ 26 de agosto de 2011 at 16:23

      Aí eu começo a entrar na pilha do pessoal que acredita em conspiração. Há 6 meses o discurso do cara era totalmente diferente. Ele comentava o absurdo dos aumentos e denunciava a formação de uma bolha. Se procurarem vão achar lá nos arquivos do site da CBN.

      0
      • Zão 26 de agosto de 2011 at 17:43

        Cara, eu mantinha algum respeito pelo Mauro Halfeld… Até agora.

        0
    • luciane 26 de agosto de 2011 at 18:23

      Ou seja, não há déficit nenhum…

      0
  • nelson 26 de agosto de 2011 at 15:25

    Custo da construção desacelera e sobe menos em agosto, diz FGV
    Comentários: (0)
    26 de agosto de 2011 • 08h43

    Por: Gladys Ferraz Magalhães
    SÃO PAULO – O custo da construção desacelerou e subiu menos em agosto, na comparação com julho, segundo revela o INCC-M (Índice Nacional de Custo da Construção), da FGV (Fundação Getulio Vargas), divulgado nesta sexta-feira (26).

    De acordo com o levantamento, neste mês, o brasileiro gastou 0,16% a mais para construir, uma variação 0,43 ponto percentual menor do que a apurada em julho, quando os preços aumentaram 0,59%.

    Nos últimos 12 meses, a inflação dos materiais, que é calculada com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês atual, apresenta variação de 7,71% e, no acumulado do ano, a alta é de 6,31%.

    Grupos
    O conjunto de produtos e serviços do grupo Materiais e Equipamentos ficou 0,18% mais caro neste mês, resultado menor que o de julho, que foi de 0,37%. Todos os quatro subgrupos componentes apresentaram recuo em suas taxas de variação: materiais para estrutura (0,35% para 0,11%), materiais para instalação (0,40% para 0,33%), materiais para acabamento (0,31% para 0,21%) e equipamentos para transporte de pessoas (0,64% para 0,27%).

    No que diz respeito ao grupo Serviços, a variação dos preços foi de 0,50% este mês, maior frente a taxa de 0,25% verificada em julho. Neste grupo, serviços técnicos foi o responsável pelo aumento, ao passar de 0,26% para 1,30%.

    Já em Mão de Obra, o reajuste ficou em 0,06% em agosto. Um mês antes, a taxa havia sido de 0,84%.

    Influências
    No mês, as principais influências positivas foram: projetos (1,30%), engenheiro (0,59%), condutores elétricos (1,66%), tijolo/telha cerâmica (0,56%) e elevador (0,27%).

    Por outro lado, os produtos que influenciaram negativamente foram: vergalhões e arames de aço ao carbono (-0,55%), tubos e conexões de ferro e aço (-0,16%), placas cerâmicas para revestimento (-0,11%), tubos e conexões de PVC (-0,05%) e massa corrida para madeira (-0,57%).

    Capitais
    Considerando as sete capitais estudadas pela FGV, neste mês, três apresentaram desaceleração nos preços, conforme mostra tabela a seguir:

    Cidade Julho de 2011 (%) Agosto de 2011 (%)
    Salvador 0,15 0,02
    Brasília 0,14 0,21
    Belo Horizonte 0,04 0,21
    Recife 0,05 0,20
    Rio de Janeiro 0,10 0,13
    Porto Alegre 4,09 0,23
    São Paulo 0,22 0,14

    0
  • Tiago 26 de agosto de 2011 at 15:53

    Ó o cara do déficit aqui de novo.

    Pessoal leiam o meu relato abaixo.

    Ontem fui à padaria comprar uma meia dúzia de pãezinhos. Entrei em casa… preparei o café e fui fazer o lanche da tarde.

    Qui maravilha – adoro pão quente com manteguinha no capricho, isso pra mim não tem preço! É quase um rito o café da tarde aqui em casa.

    Comendo meu pãozinho percebi que o dono da padaria tinha mudado o layout e o tipo de papel que embrulha os pães. Do patético “bege meia fina” foi para um “branco saco de cal”. Nesse novo papel não havia nem o logotipo da padaria e nem um texto de auto-ajuda ou piadinhas que eles costumam imprimir. Mas sim uma impressão imensa cobrindo toda a embalagem dos dois lados de empreendimentos a serem lançados aqui no Jaguaré.

    Os caras além de emporcalharem a cidade agora querem forçar a barra agora colocando SPAM no papel de pão. Caramba. Deixem meu pãozinho em paz! Já basta a tonelada de encartes que recebo nos faróis, a poluição visual de pessoas que ficam nas esquinas com plaquinhas de seta, os enormes banners e placas colocados nas adjacências dos empreendimentos, os corretores chatos que ficam ligando fora de hora, agora meu pãozinho não KKKKKKKKKKK

    Um texto de auto-ajuda ou uma piadinha deu lugar pra uma construtura desesperada tentando empurrar guela abaixo seus famigerados empreendimentos. Estou sussa… por enquanto só fico no pãozinho.

    0
    • Fred Henrique 26 de agosto de 2011 at 16:03

      Ou seja, não há déficit nenhum…

      0
    • MrK 26 de agosto de 2011 at 16:20

      em breve vai estar no papel: Compre 10 paezinhos e ganhe um repasse de apartamento

      0
  • Zoom 26 de agosto de 2011 at 17:22

    Ou seja, não há déficit nenhum…

    0
  • Elias 26 de agosto de 2011 at 18:47

    Vou dar a cara a tapa e defender o Mauro Halfeld. É que às vezes acompanho de manhã a CBN, e ouço seus comentários, e também li um livro em que ele, em 2005, disse que os imóveis estavam baratos e tinham potencial de valorização. Quem lhe deu ouvidos ganhou dinheiro. Eu lhe dei ouvidos, mas não tinha dinheiro na época. rs

    Ele chegou a falar da bolha na CBN, eu ouvi o comentário, mas em seguida ele saiu de férias e quando voltou, não tocou no assunto. Tergiversou. Começou a falar mais sobre bolsa, crise mundial, etc.
    Pode ser que tenham-no pressionado. CBN é da Globo, não precisa falar mais nada.

    Hoje ele defendeu os investimentos em imóveis. Eu ouvi com atenção, comecei a ficar chateado também, mas depois entendi que o recado é de uma forma geral, atemporal. Dá pra ouvir de novo no site da CBN, reparem que no final ele acrescenta que o mercado imobiliário tem ciclos de alta e baixa, e que devemos escolher o melhor momento para inverter as aplicações (renda fixa, etc.) em imóveis.

    Acredito que ainda estejam pressionando-o, mas percebi que ele foi cuidadoso no comentário.

    Outro que falava sobre bolha e nunca mais vi nada dele nos jornais é o William Eid Jr, da FGV.
    Ele seguia a linha de que os rendimentos dos imóveis estavam muito aquém dos investimentos em renda fixa, e que a medida que os investidores percebessem isso, os preços seriam corrigidos.

    0
  • Marcos 26 de agosto de 2011 at 18:47

    SEXTA-FEIRA, 26 DE AGOSTO DE 2011
    Imoveis | 18:33
    Vendas de imóveis residenciais novos caem

    Segundo dados do Secovi, o número de unidades novas vendidas na região metropolitana da Grande São Paulo em 2011 até Maio foi de 19252 unidades. Em 2010, no mesmo período, foram vendidos 28674 unidades. Queda de 33%….

    Durante 2010 foram vendidas 65 mil unidades na região metropolitana de São Paulo. Nos 12 meses anteriores a Maio último este número caiu para 55800. Ou seja, uma queda de 16% em 5 meses… Se a coisa continuar a cair neste ritmo o volume de vendas este ano será 33% menor que em 2010…

    Com relação aos lançamentos, foram lançados 23381 unidades nos primeiros 5 meses de 2010 vs. 19783 este ano até maio, uma queda de 15%. Ou seja , a relação de vendas / lançamentos caiu de 1,23 em 2010 para 0,97. Vê-se que em 2010 a demanda superava oferta. Já este ano a coisa se inverteu.

    Vejam os dados no link:

    www .secovi.com.br/pesquisas-e-indices/indicadores-do-mercado/

    Será que preços vão começar a cair? Parece.

    Fonte: colunistas.ig.com.br/ricardogallo/

    0
  • Marcos 26 de agosto de 2011 at 18:49

    SEXTA-FEIRA, 26 DE AGOSTO DE 2011
    Imoveis | 18:33
    Vendas de imóveis residenciais novos caem

    Segundo dados do Secovi, o número de unidades novas vendidas na região metropolitana da Grande São Paulo em 2011 até Maio foi de 19252 unidades. Em 2010, no mesmo período, foram vendidos 28674 unidades. Queda de 33%….

    Durante 2010 foram vendidas 65 mil unidades na região metropolitana de São Paulo. Nos 12 meses anteriores a Maio último este número caiu para 55800. Ou seja, uma queda de 16% em 5 meses… Se a coisa continuar a cair neste ritmo o volume de vendas este ano será 33% menor que em 2010…

    Com relação aos lançamentos, foram lançados 23381 unidades nos primeiros 5 meses de 2010 vs. 19783 este ano até maio, uma queda de 15%. Ou seja , a relação de vendas / lançamentos caiu de 1,23 em 2010 para 0,97. Vê-se que em 2010 a demanda superava oferta. Já este ano a coisa se inverteu.

    Vejam os dados no link:

    www .secovi.com.br/pesquisas-e-indices/indicadores-do-mercado/

    Será que preços vão começar a cair? Parece.

    Fonte: colunistas.ig.com.br/ricardogallo/

    0
  • Marcos 26 de agosto de 2011 at 18:52

    Dilma entrega “prédios-caixão” em Minha Casa Minha Vida

    www .youtube.com/watch?v=3EpxXAIIBUc&feature=feedu

    0
  • Marcelo 26 de agosto de 2011 at 19:07

    Pessoal,
    escutei no radio que amanha, 27 de agosto, e o DIA DO CORRETOR DE IMOVEIS. Quem vai comemorar?

    0
  • Rodrigo 26 de agosto de 2011 at 19:22

    Projeto do governo pode reduzir juro
    Valor Econômico, 26/ago

    O governo prepara projeto de lei que, se for aprovado, poderá reduzir de forma drástica o risco de perda de capital em operações de crédito imobiliário para os bancos e, portanto, reduzir também as taxas de juro cobradas nos financiamentos. O projeto vai promover a concentração do chamado ônus de matrícula dos imóveis.

    Hoje, os bancos incorporam, no cálculo da taxa de juro, o risco referente a uma possível execução judicial realizada, geralmente, em praça diferente daquela onde o empréstimo foi tomado.

    Por exemplo: uma pessoa tem um imóvel em São Paulo e possui uma dívida em execução no Recife. Ela vende o imóvel e o comprador toma um financiamento num banco. O banco verifica se a certidão do imóvel tem alguma pendência (gravame). Se não encontra, concede o financiamento. Dois ou três anos depois, o juiz executa a dívida no Recife e penhora o imóvel de São Paulo que já havia sido vendido. O banco que financiou o negócio perde o imóvel. Por causa desse risco, as instituições de crédito aumentam o juro dos empréstimos de todos os tomadores.

    Com o projeto de lei, só valerá, em termos de cálculo do risco de crédito, aquilo que estiver registrado na matrícula do imóvel. Se o vendedor do imóvel está sendo executado em Manaus e o credor não tiver o cuidado de averbar num cartório aquela execução, ela não valerá contra terceiros.

    Com a mudança, o comprador do imóvel poderá buscar na matrícula do mesmo a existência de gravame. Se não houver, ele poderá fechar a operação de crédito imobiliário com muito mais agilidade e segurança.

    O Banco Central estima que o risco de perda de capital representa 33% da formação da taxa de juro.

    0
  • jsantos 26 de agosto de 2011 at 19:30

    Construtoras em SP envolvidas na maior fraude contra a PMSP, vlr pode atingir 100 milhões, pagto de guias falsificadas de outorga onerosa, Construtoras envolvidas: Marcani, Forte, Zabo, Onoda e Nobre.

    0
  • Rodrigo 26 de agosto de 2011 at 19:41

    Punto Offices Vila Da Penha Rj, possui salas comerciais em fase de lançamento, no bairro Vila Da Penha da cidade de Rio De Janeiro e classificado como Lançamentos de Salas Comerciais a Venda na Planta no Bairro Vila Da Penha da Cidade de Rio De Janeiro. A Construtora Brookfield e Incorporadora Brookfield do Punto Offices Vila Da Penha Rj são empresas de prestígio e, além da qualidade em suas obras de casas a venda na planta, oferecem preços competitivos no bairro Vila Da Penha da cidade de Rio De Janeiro.

    O empreendimento imobiliário, Punto Offices Vila Da Penha Rj, tem salas comerciais a venda na planta em estágio de lançamento e está localizado no bairro Vila Da Penha da cidade de Rio De Janeiro. O endereço das Salas Comerciais a venda na planta do empreendimento Punto Offices Vila Da Penha Rj é Estrada Padre Roser, 42, vila da penha, rio de janeiro – rio de janeiro, CEP: 21220-560.

    No Punto Offices Vila Da Penha Rj você encontrará Salas Comerciais a venda na planta em estágio de lançamento com áreas privativas no preço que tanto procurava. Nas plantas das salas comerciais a venda do Punto Offices Vila Da Penha Rj você poderá conferir que foram muito bem planejadas e poderá realizar o projeto interior dentro da sua necessidade.

    O projeto arquitetônico das salas comerciais a venda na planta do Punto Offices Vila Da Penha Rj oferece a privacidade e segurança tão desejadas. O Punto Offices Vila Da Penha Rj foi idealizado para proporcionar salas à venda na planta com instalações modernas, belas, seguras e funcionais para seus ocupantes. A implantação do Punto Offices Vila Da Penha Rj é realizada em ambiente agradável e espaçoso.

    Quem assina o projeto do Punto Offices Vila Da Penha Rj é profissional experiente em salas comerciais a venda na planta e teve como preocupação principal desenvolver salas comerciais seguras e com preços competitivos se comparados aos preços de salas comerciais a venda na planta no bairro Vila Da Penha da cidade de Rio De Janeiro.

    Parece que o m2 custa 6.000!!!!!!! Nas imagens do bairro mostra o céu e uma arvore ahahaha

    http://www.arrobacasa.com.br/punto-offices-vila-da-penha-rj/

    0
  • Rodrigo 26 de agosto de 2011 at 19:44

    Áreas livres possibilitam a expansão de grandes redes
    O Globo 25/ago

    O coração financeiro da cidade está de mudança para a Barra da Tijuca. Nos últimos anos, grandes empresas transferiram suas sedes para a região, como a Shell, Esso, Vivo, Michelin, Texaco, Tim, Nokia, Amil e Unimed. Todas elas atraídas pela infraestrutura do bairro, oferta de megaespaços e prédios projetados praticamente sob medida. A mudança obrigou funcionários a atravessar o túnel para trabalhar no bairro. Quem não aguentou a distância e os constantes engarrafamentos, acabou arrumando as malas e se mudando para mais perto do emprego.

    Junto com os novos moradores, vieram os supermercados e lojas de departamentos. Como o único bairro que ainda dispõem de extensas áreas livres na cidade, a Barra da Tijuca possibilitou a expansão de grandes redes, como o Extra, Pâo de Açúcar, Wal-Mart, Carrefour, Mundial, Zona Sul, Prezunic, Guanabara, Sendas e Casas Bahia.

    A Zona Oeste – e a Barra da Tijuca, em especial – é o grande vetor de crescimento da cidade. Com os grandes investimentos em infraestrutura urbana e grandes obras para a Copa do Mundo e as Olimpíadas, o Rio de Janeiro voltou a atrair empresas de fora, que viram na Barra o melhor lugar para instalar seus funcionários em grandes terrenos que não existem mais na Zona Sul e no Centro. Para as empresas, sai mais em conta adquirir imóveis na Barra do que em outros bairros nobres da cidade. Enquanto na Zona Sul, o metro quadrado chega a custar até R$ 20 mil. Na Barra, o valor cai para R$ 10 mil em áreas de frente para o mar.

    A chegada de grandes empresas estrangeiras no bairro também elevou a demanda por mão de obra qualificada. A Associação Comercial e Industrial da Barra (Acibarra) está oferecendo cursos de inglês, espanhol e atendimento ao turista para funcionários das empresas instaladas na região, como vendedores e atendentes de shoppings, bares, restaurantes e supermercados.

    “O acolhimento ao turista é muito precário em todo o Rio. No shopping, o vendedor não sabe a diferença na numeração das roupas para orientar os consumidores estrangeiros. Quem perde é o estabelecimento”, diz José Wilson Cordeiro de Sousa, diretor-executivo da Acibarra. A entidade, que possui dois mil associados, planeja realizar um censo para identificar as empresas que existem na região. “A Barra é o melhor lugar do mundo para se morar”, exalta José Wilson.

    0
  • Rodrigo 26 de agosto de 2011 at 19:45

    Novos shoppings atendem ao alto poder de compra
    O Globo, 25/ago

    O bairro que concentra a maior quantidade e variedade de shoppings por habitante do Rio de Janeiro vai ganhar novos complexos comerciais nos próximos anos. Os investidores estão de olho no alto poder de compra de seus consumidores, que têm o segundo maior índice de alfabetização entre os cariocas e renda per capita em torno de R$ 2.400.

    A região já concentra todo tipo de serviço e quatro shoppings de grande porte – Barrashopping, Via Parque, Rio Design Barra e Shopping Recreio – e mais de 30 centros de compra de médio porte, como Cittá América, Downtown, Barra Square, Barra Garden, Ca- sashopping, New York City Center e Barra World, além de shoppings menores junto a prédios e residências.

    O maior deles será o shopping Metropolitano Barra, em uma área de 78 mil metros quadrados, na Avenida Abelardo Bueno. O complexo terá 230 lojas, oito salas de cinema, cinco restaurantes com vista panorâmica e 2.700 vagas de estacionamento. A inauguração está prevista para outubro do ano que vem.

    Cerca de 35 mil unidades residenciais e corporativas serão erguidas no Cidade Jardim e no Centro Metropolitano, numa área que corresponde a três vezes o tamanho do Leblon. “Será o novo coração do bairro. Em torno dele se desenvolverá a Barra do futuro, que terá um desenvolvimento equivalente a 30 anos em apenas 5 anos, em função das Olimpíadas”, define Carlos Carvalho, presidente da Carvalho Hosken.

    O mais luxuoso deles, o Village Mall, será inaugurado em novembro do próximo ano, reunindo mais de 130 lojas, restaurantes de alta gastronomia, quatro cinemas com poltronas reclináveis de couro e teatro nos padrões da Broadway.

    No compasso do crescimento da Barra, após 7 anos como shopping-referência em moda, cultura e alta gastronomia, o Rio Design Barra investiu R$ 50 milhões para acrescentar 30 novas marcas ao mix, área de conveniência e cinema totalmente modernizado com a primeira sala VIP do Rio de Janeiro.

    Segundo pesquisa encomendada pelo shopping, o público que freqüenta o espaço é composto em sua maioria por mulheres (84%), com formação de Nível Superior (83%), e renda familiar mensal acima de R$ 8 mil. Para manter a fidelidade desses clientes tão seletos, o shopping criou no subsolo uma área de conveniência, ancorada por um SPA e diversos serviços, como agência de viagens, casa de câmbio e pet shop. “Agora os clientes não precisam mais buscar serviços em outros lugares”, garante Mariana Carvalho, diretora de Marketing da Ancar Ivanhoe, administradora do espaço.

    0
  • Marcos 28 de agosto de 2011 at 03:26

    Olá a Todos, eu sou o corretor que em alguns posts anteriores escrevi…
    E está sendo muito bom acompanhar voces. Pelo que li, os imoveis irao despencar de valores e conseguirei comprar imoveis em frente ao ibirapuera e bairros bons por valores bemmm interessantes, afinal pelo que voces falaram se cair 50% ainda é pouco. ou seja, irei vender todos os meus imoveis apenas com a correçao e deixo em algo e curto medio prazo… ou seja…. ( SOU DE SAMPA) as regioes nobres ou nao periferias o m² fica em media 8.000,00 tendo essa caida nos valores…. ele passa a 4 mil mais ou menos… imagina, eu morando enfrente ao parte… no meu apezinho do lado da cycarelli, ou vizinho do rubinho…. puts show de bola!!!!

    Mas é verdade…. essa bolha vai estourar, devido a falta de credito, existe a questao da recessao mundial, a crise americana e europeia, teremos uma recesssao mundial. os imoveis irao despencar, haverá o aumento da inflaçao, desemprego, todos esses investidores de areas nobres ou lugares bons para morar terao que vender os seus imoveis de investimento com perdas gigantescas e amargurarao os prejuizos, eae sim vai ser a hora de rirmos desses criadores de bolhas, teremos os imoveis mais baratos, automoveis mais baratos, comida, eletronicos, combustivel, que bacana vai ser ver a petrobras vendendo combustivel a 1 real… o uno custando 10 mil reais, pena sao apenas os impostos do governo né… esses talvez caim tbm, afinal tambem sao impulsionadores dessa crise toda.

    O negocio é aguardar as previsoes e guardar nosso dinheirinho, afinal…. a crise tai… como todos aqui no blog ja sabem!!! rsss

    0
  • Leonardo RJ 30 de agosto de 2011 at 14:07

    Concordo com a imensa maioria dos comentários. Muito bom encontrar aqui gente que faz boa leitura dos sintomas. a imensa maioria está eufórica demais com decorados, brinquedotecas e espaços gourmets pra notar.

    Estão vendendo gardenia como se fosse freguesia, curicica como barra e cidade de deus como taquara, com o espaço de 49m² e com preços abusivos. tem mta gente fazendo mau negócio.

    li recentemente em algum lugar que os recursos da poupança p/ financiamento bancários não duram mais do que 2 anos.

    ou a região metropolitana do rio de janeiro vai virar um reduto de classe média alta pra cima, ou realmente existe uma bolha.

    Enquanto isso, vamos aderir ao boicote e guardar nossa grana pro momento certo. espero também que os sintomas realmente sejam isso que comentamos.

    abraços

    0
  • Ana 31 de agosto de 2011 at 19:38

    E que venha a bolha, UEBA!!!!!!!!!! Na minha cidade muitos prédios novos com placas e faixas de vende-se a meses!! Em São Paula a venda caiu 30% em relaççai ao mesmo período do ano passado.. A renda do povo tá aumentando, mas não tá acompanhando o aumento dos preços dos imóveis..os simasi já estão aí….e eu tô querendo é que a casa caia mesmo. IMÓVEL NÃO DEVE SER USADO PARA ESPECULAÇÃO, E SIM PARA ATINGIR O SEU FIM PRECÍPUO: MORADIA. Juntei uma boa grana que na minha cidade não dá pra comprar nem metade de um apertemento mixurica num bairro mais´ou menos. As construtoras e imobiliárias vão pagar pela especulação..assim como os investidores..e

    0
  • Joao Caldas Jurgen 8 de setembro de 2011 at 22:45

    É o que eu venho falando para todos:

    Nos últimos 5 anos o aumento foi por volta dos 500% (demanda reprimida, crédito fácil, especulação tb, etc). Tem de baixar!!! Quase ninguém tem salário suficiente para pagar tão alto por imóveis atualemente cada vez menores com enorme redução de custo de cosntrução. Muitos imóveis no Brasil hoje são feitos do mesmo jeito que na produção de carros populares, são realmente descartáveis e perecíveis!
    Eu não tenho dúvida que passado dois anos, 2 anos… o preço do imóvel deve cair em torno de 40% a 50% em média. Este é o ajuste que eu espero para até o fim de 2013.

    Portanto, se estiverem pensando em investir em imóveis tomem muito cuidado neste momento. Lembrem-se: tudo é cíclico. Comprar imóvel para morar, desde que caiba dentro de um orçamento previamente planejado sempre é bom, mas não é hora de investir visando ter lucros, não neste momnento, quem já fez isto já colheu ou está colhendo os frutos. Infelizmente para quem gostaria de investir, a safra já está no final!

    Um abraço a todos!

    Prof. (Dr.)João C. Jurgen
    HS Financial & Consulting Managnent

    0