Vendas de imóveis usados recuam 9,35% em junho em São Paulo – Infomoney

Você pode gostar...

Comments
  • Ricardo 19 de agosto de 2011 at 13:05

    Acho que a queda em junho de 2011 deve ser motivada pelo “ar seco” e resfriamento do ar no inverno, pois ela impede/dificultada as visitas dos compradores. KKKKKKK

    No começo do ano foi o carnaval, depois foi os feriados (segundo o CRECI e as construtoras, fonte muito “confiáveis”).
    Em julho será o quê?
    Será que em 2012 irão repetir ou será devido à previsão dos “MAIAS”?

    0
  • Pensativo 19 de agosto de 2011 at 13:12

    Achei que os preços do imóveis iriam começar a arrefecer somente no segunda semestre de 2012, mas acho o mercado imobiliário não vai aguentar tanto.

    0
  • Veiga 19 de agosto de 2011 at 13:16

    Estou aguardando o momento certo. Irei casar no ano que vem, e para minha faixa, tanto faz um novo ou usado. O MCMV não me ajdua em nada. A unica coisa que ele fez foi inflacionar tudo!!!

    0
  • Glaucio 19 de agosto de 2011 at 13:17

    A pesquisa Secovi de junho está demorando mais que o habitual para ser publicada.

    0
    • Duda 19 de agosto de 2011 at 20:54

      Sim, estou entrando todos os dias no Secovi… e nada. Se chegar setembro e não sairem nem os dados de junho, seria suspeito demais.

      0
  • Pedro 19 de agosto de 2011 at 13:22

    Segundo o Ministro do Trabalho a queda no número de empregos formais em julho/2011 deveu-se às férias escolares e consequente demissão de professores.

    0
    • xyz 19 de agosto de 2011 at 14:29

      Não houve queda no emprego em julho, mas forte alta. O que caiu foi a velocidade do crescimento.

      MAS os números do BACEN para o crescimento de julho já indicam estagnação da economia e não demora o ponto de inflexão da curva do emprego – infelizmente.

      0
      • olp 19 de agosto de 2011 at 16:27

        XYZ,

        isso é verdade, mas é hora de comemorar.. TODOS do site torcem por essa hora, de crise, e consequentemente aumento do desemprego…é isso que estamos torcendo, nao fique triste..voce pode ficar desempregado, ou sua mulher, ou seu filho, ou seus pais, ou amigos, mas que se dane, o que importa é que os preços vão cair e os especuladores perderem $$….

        0
        • Lucas2 19 de agosto de 2011 at 17:13

          O boom está de fato sendo bom para a maioria, nas décadas de 80 e boa parte de 90 era uma desgraça só, não tínhamos moeda, e nem profissão (lembram-se do Engenheiro que virou suco?), as coisas eram bem difíceis e havia uma reserva de mão de obra barata, então dava para pagar 1 SM para pedreiro e o SM comprava ainda menos que hoje, atualmente um pedreiro ganha 1SM por semana (100 a diária), uma faxineira diarista mais ou menos o mesmo.
          Sem o boom todo mundo estaria lascado, o muito despreparado ou estaria desempregado ou estaria na informalidade, o preparado com nível superior disputando vagas abaixo de sua qualificação, o comerciante estaria vendendo menos, o prestador de serviços trabalhando menos, o governo arrecadando menos e logo os funcionários públicos vendo seus salários cada vez menores e ainda num ambiente de trabalho decadente, naquela época quem se dava bem eram os políticos e os grandes empresários, pois a concentração de renda era ainda mais perversa do que é hoje.
          Acredito que há exageros nos preços, principalmente dos imóveis que estão nas mãos dos especuladores e alguns proprietários que estão tentando vender por um preço que ele mesmo sabe não valer, mas não torço por estouro da bolha, gostaria de ver os preços murcharem devagar, e ver toda a nossa nação tendo um pouco de oportunidade.
          O prazer de poder consumir é novo para uma boa parte de nossa população, uma crise, seja por qual razão iniciada vai levar todos nós para o buraco juntos.

          0
          • olp 19 de agosto de 2011 at 18:08

            poxa.. ai voce vai tirar o sonho dos especialistas do site (que tem seus empregos “blindados”)… torce pra isso não…

            0
          • Hik 19 de agosto de 2011 at 20:17

            Concordo parcialmente contigo. Todo crescimento deve ser sustentável e não provocar inúmeras “bolhas” por onde passa como foi o nosso. De nada adianta ganhar mais se o seu “+” compra cada vez menos. De nada adianta criar empregos e potenciais consumidores se o lastro produtivo não paga a dívida deixada pelo consumidor ignorante e desenfreado, com iminente colapso acelerado por juros que beiram o ridículo.
            De nada adianta criar empregos se eles não se manterão no tempo!
            Infelizmente nossa cultura inferior, com o vício de tirar vantagem de tudo sempre que possível causa o desastre de qualquer projeto, por melhor que ele seja. E olha que bons projetos políticos são raros.
            Acho que você precisa enxergar um pouco além do meio que nos circula e entender que as coisas não são exatamente dessa maneira.

            0
        • Hik 19 de agosto de 2011 at 20:23

          Entendo sua ironia. Realmente, no final das contas, quem vive na Banânia sentirá de alguma maneira a crise que está por vir. Direta ou indiretamente.

          Infelizmente.

          0
        • trololó 19 de agosto de 2011 at 20:56

          você me lembra o andre…. por isso tentarei se curto e tentar entregar a mensagem:

          veja bem, DESENVOLVIMENTO, é uma coisa, boa, que não tivemos nos últimos anos, e que deveria ter ocorrido.

          CRESCIMENTO, é outra coisa, não tão boa (por ser temporária, e promover o inchaço de algumas POUCAS indústrias;/setores econômicos), e por causa disso, não consegue, invariavelmente, se manter/sustentar por um longo período, que é o que o governo fez nos últimos anos, vide “espetáculo do crescimento” tanto falado pelo presidente

          por isso, o brasil CRESCE e não sai do lugar, ao invés de se DESENVOLVER pra tentar um dia sair do terceiro mundo

          0
          • MrK 20 de agosto de 2011 at 00:20

            PREZADO OLP, você acha que torcermos por crise, claro que não, ninguém é louco de querer ver o sofrimento dos outros, ou de si proprio!

            Torcemos sim é um por ajuste NECESSÁRIO, para corrigir a loucura, como sempre, uso o mesmo exemplo: às vezes precisamos da ressaca, para que a pessoa pense 2 vezes antes de se embebedar em excesso de novo.

            Qual sua sugestão? Manter os preços na loucura? Aumentar ainda mais? De que adianta ter um mercado de trabalho em alta se teu emprego não te permite nem morar com dignidade?

            Quem sabe com uma crise a gente aprende umas licoes importantes, já que na vida, é no sofrimento que crescemos, a gente pode aprender que ter muito crédito é bom se direcionarmos pra producao que depois gera renda e ruim se direcionarmos pro consumo exagerado que causa bolhas. Essas e outras licoes valiosas construirão uma sociedade mais forte, assim espero.

            0
  • Pedro 19 de agosto de 2011 at 13:22

    Depois da matéria do jornal da globo de ontem as pessoas viram que o bom não é comprar imóvel e sim ser dono de construtora e pararam de comprar.

    0
    • Paty 19 de agosto de 2011 at 15:36

      kkk, isso mesmo Pedro…

      0
  • MrK 19 de agosto de 2011 at 13:29

    PESSOAL NÃO PERCAM DE VISTA ISSO: Maio desse ano ja foi uma base muito fraca, cair em cima da base fraca é cair MUITO

    o que se lê aí por 9% na verdade deve corresponder a algo como 40% de queda contra o ano passado

    alguem viu na pesquisa se comparam junho11 com junho10?????

    0
    • Ricardo 19 de agosto de 2011 at 13:35

      Concordo plenamente. Acredito que o CRECI tentou amenizar a notícia.
      Imagine se eles colocam: venda de imóveis cai 40% em junho de 2011 em relação a junho de 2010.

      A oferta de imóveis aumentaria muito, caindo os preços rapidamente.

      0
    • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 13:39

      Nos EUA a venda de casas (novas + usadas) caiu 3.5% em relação ao mes anterior, mas subiu 20% em relação ao mesmo mes do ano passado.

      0
      • Ricardo 19 de agosto de 2011 at 13:44

        Com apenas uma diferença: no ano passado os EUA estavam tentando se recuperar da crise, enquanto o nosso País estava vendendo “igual pastel” os imóveis, ou seja, a venda de imóveis no Brasil em 2010 foi alta, enquanto nos EUA estava deplorável.

        0
        • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 14:19

          Ricardo,

          Esse deplorável é relativo ao tamanho da economia. A grosso modo, a economia dos EUA é 10 vezes maior do que a economia da Banânia. Portanto, em termos absolutos, se os EUA crescerem 1%, a Banânia terá que crescer 10% para empatar. Eu comparei as vendas daqui onde estou com as vendas na cidade de São Paulo no começo desse ano. Aqui está vendendo 20 (VINTE!) vezes mais em termos de vendas dividido pela população. A comparação, citando as fontes está em mesnagem nesse blog.

          0
          • Galvão 19 de agosto de 2011 at 15:00

            é verdade Anonymous, as pessoas precisam entender que o fato de os EUA estarem vivendo um crise econômica e o Brasil um “momento bom”, não significa que o Brasil está melhor do que os EUA. Longe disso, na minha modesta opinião!!!! Ainda estamos décadas atrás (ou séculos). O problema é que fazem comparação de índices relativos, tipo: o Brasil cresceu 7.5% e os EUA cresceram 1%; ou, a renda do Brasileiro cresceu X vezes mais do que a do americano. Mas quando olhamos os valores absolutos, como você citou, percebemos a manobra.
            P.S.: Fico um pouco incomodado de você chamar o Brasil de Bânania. Mesmo que aqui seja tão bagunçado, ainda tenho esperanças. Veja se é possível reconsiderar. abraço.

            0
        • Jack Imóveis 19 de agosto de 2011 at 15:23

          Eu acho que Banânia é um nome mais do que justo.

          0
          • Carlos Wagner 19 de agosto de 2011 at 15:42

            Eu adoraria chamar de puteiro, pois num lugar que vive de mulher pelada no carnaval, passeata gay com 4 milhoes de pessoas e corrupção, não merece outra designação. Mas, por moralidade, concordo com Banania…

            0
          • rubens 20 de agosto de 2011 at 19:26

            Banania, eu gosto. até porque faz alusão ao Sylvester Stallone. Bacana!!! Viva viva a Banania!!!

            0
    • Evandro 19 de agosto de 2011 at 14:02

      Número de imóveis vendidos:

      Junho/2011: 839
      Junho/2010: 1.380

      Baixa de 39.2%

      Fonte: site do creci sp -> pesquisa

      0
      • Adriano 19 de agosto de 2011 at 14:47

        Taí! Malandros! Se tivesse aumentado em relação ao ano passado e reduzido em relação ao mês passado teriam feito essa comparação!

        Mkt acerteou em cheio!!!

        0
        • MrK 19 de agosto de 2011 at 15:09

          considero virtualmente impossivel uma queda de 40% em volume não vir acompanhada de uma queda de preços muito em breve

          sabe aquele papo de 6%? em breve vão ser 16%….

          0
          • Hik 20 de agosto de 2011 at 00:39

            E lembra aquele papo de chocolate faz bem para a saúde… “justamente” na páscoa…
            Pouca coisa na mídia é séria hoje em dia.

            0
    • me 19 de agosto de 2011 at 15:40

      A gente poderia procurar por notícias de vendas do mesmo período do ano passado e ver isso. Que tal?

      0
    • Paulo Rocha 19 de agosto de 2011 at 18:07

      Comparando as vendas entre junho-2010 e junho-2011 de SP-capital.

      2010: 571 imobiliárias da capital, venda de 452 imóveis usados (0,79 imóveis/imobiliária)
      2011: 460 imobiliárias negociaram 156 apartamentos e casas (0,39 imóveis/imobiliária)

      QUEDA DE : (0,79-0.39)*100/0,79 = 50%

      fontes:
      1) ht_tp: // crecisp.gov.br/arquivos/pesquisas/capital/2010/pesquisa_capital_junho_2010.pdf
      2) ht_tp: // crecisp.gov.br/arquivos/pesquisas/capital/2011/pesquisa_capital_junho_2011.pdf

      0
  • Lucas 19 de agosto de 2011 at 13:41

    Pelos números teve imobiliária que não vendeu nada!
    Tiveram corretores que só gastaram saliva!

    0
  • Marcos1 19 de agosto de 2011 at 13:51

    O problema é que a conta não fecha, hoje em dia poucas pessoas tem condições de comprar imoveis.
    Eu tenho imoveis e acho os preços absurdos e descolados da realidade, uma hora a farra tem que acabar seja pela manutenção de preço por muitos anos ou por uma queda que acredito não ser maior que 20%.
    Sendo que a minha renda não é nenhum espetaculo, mais ainda assim não é ruim tb, antes tinha condição de comprar, hoje não, mais mesmo que tivesse acho que o momento não é esse, quando se pensa em vender tb da medo pois vai que os preços não caem e vc não consegue comprar mais nada.
    E nesse momento a bovespa com queda pequena refletindo o bom momento da economia mundial e as ações das construturas subindo, mais no ano ja perderam bastante.
    Então na minha opinião o negocio é esperar cenas dos proximos capitulos.

    0
    • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 14:24

      Marcos1,

      Venda ai na Banânia e compre aqui nos EUA. Imóvel comercial rende de aluguel cerca de 0.7% descontadas as despesas operacionais e voce consegue contrato de 5 anos para imóvel por volta de 400 mil Reais (compra muito pouco na Banânia). Na Florida, existem casas de 100 m2, em condomínio por 110 mil Reais (não compra nem terreno na Banânia) que voce pode usar como casa de férias.

      0
      • Susy 19 de agosto de 2011 at 14:50

        Anonymous,

        Larga de ser colonizado e achar que os EUA são a oitava maravilha do mundo, e o Brasil uma m***. Se eu quisesse, poderia ir morar nos EUA, mas não quero. Meu país é aqui. É aqui que devemos investir, não nos EUA.

        Conheço um monte de gente (brasileiros) que voltou ao Brasil, depois de anos nos EUA, pois a situação ficou preta para eles. Torço para que os EUA se recuperem da crise, pois admiro os EUA como país, mas torço mais ainda pelo Brasil.

        Ou você acha que a solução para o nosso país (meu país, pelo menos) é a fuga em massa para os EUA, como você fez e tem sugerido aos outros fazerem aqui? Se toca!

        0
        • Carlos 19 de agosto de 2011 at 15:06

          Susy, o cara está morando lá e é normal que ele compare a realidade de lá com a nossa. Eu acho importante ter essas informações. As realidades são diferentes, não diretamente comparáveis, mas é importante lembrar que o PIB americano é 7 vezes maior que o Brasileiro e a renda per capita é quase 5 vezes maior. Fica estranho eu aqui ser pobre e com minha renda la ser rico. Acho um bom indício que as coisas aqui estão estranhas.

          0
          • DRN 19 de agosto de 2011 at 15:24

            Carlos, concordo.

            Só que temos de levar em consideração que o dólar está desvalorizado frente a outras moedas e o real supervalorizado em relação ao dólar. Realmente a coisa está fora de prumo. Um dólar não pode (ou pelo menos não deveria) valer um real e cinqüenta centavos.

            0
        • roberto 19 de agosto de 2011 at 15:09

          Esta me lembrou uma letra de musica hahahahahahaha

          A solução pro nosso povo
          Eu vou dá
          Negócio bom assim
          Ninguém nunca viu
          Tá tudo pronto aqui
          É só vim pegar
          A solução é alugar o Brasil!…

          Nós não vamo paga nada
          Lalalalá!
          Nós não vamo paga nada
          É tudo free!
          Tá na hora agora é free
          Vamo embora
          Dá lugar pros gringo entrar
          Que esse imóvel tá prá alugar

          0
          • Zoom 19 de agosto de 2011 at 20:51

            Raulzito, esse cara já previa isso. hehehehe
            Sou fã número 1 do cara.
            Massa!!!!!

            0
        • Philis 19 de agosto de 2011 at 16:04

          A solução é a fuga em massa!

          0
        • Carlos Eduardo 19 de agosto de 2011 at 16:16

          Acho que essa é uma questão que não tem muito haver com o blog!

          mais acredito que o brasileiro não tem mais identidade desde o Airton Senna! ou Ronaldo Fenômeno!

          Sou Brasileiro formado em engenharia e tenho empresa aberta!

          sei das minhas condições intelectuais e do déficit que meu produto tem o pais! e sempre fico pensando porque eu iria construir algo nesse pais!

          estamos sendo roubados por politicos o tempo todo! as empresas vem do exterior para esplorar nossos irmãos “povo” ignorantes e tem aval para isso!
          toda essa grana especulativa no mercado imobiliario! oque sobra para o povo brasileiro?

          não tem direito de morar, que paga mais caro para se alimentar, no quinto maior produtor de alimentos do mundo!

          você acha bom saber que no teu ramo paga 60% a mais nos EUA, e que os custos lá são 40% menores ( comparando NY e SP )

          para mim estamos sendo escravizados! e não temos ninguem que defende o real interesse do pais!

          vejo a dilma fazer as limpezas dela com olhos de um desconfiados!

          você estuda e trabalha para construir um patrimonio, ou tecnologias que facilitem a vida das pessoas, e vem um kilo de fiscais na porta da tua empresa te ameaçar! os contratos publicos não se baseam em competencia e sim em esquemas escusos, matam juizes que lutam por justiça!

          e você vem com esse papinho!

          para mim isso é hipocrisita de explorador, ou inocência de especulador que acha que a maré sempre estará á seu favor, identidade de gado não existe !!!

          cada um com tua verdade

          0
          • Susy 19 de agosto de 2011 at 16:29

            Carlos Eduardo,

            “para mim isso é hipocrisita de explorador, ou inocência de especulador que acha que a maré sempre estará á seu favor, identidade de gado não existe !!!”

            Terceira hipótese: ou idealismo (talvez ingênuo) de uma cidadã brasileira, sem privilégios, que ainda acredita que o país tem jeito.

            Entendo e respeito a sua revolta com certos políticos e outras classes de pilantras em nosso país. Desanima mesmo ver que a democracia e o estado de direito está cedendo para os crimes de toda ordem.

            Mas minha questão é: a solução é jogar tudo pro alto e ir embora para os EUA, ou ficar e tentar fazer alguma coisa? Se as pessoas de bem como você forem embora do Brasil, quem é que fica pra colocar a casa em ordem?

            Minha impressão é que falta pouco pro povo ir às ruas.

            0
        • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 16:55

          Suzy,

          Eu já ultrapassei essa idéia de “meu” país faz muito tempo. Sinceramente, a Banânia não tem muito a oferecer e, se fosse possível, já teria vendido minha parte nisso que voce chama de “país” 😉

          0
          • Joselito 19 de agosto de 2011 at 17:32

            Cara, o que tú tá fazendo num site sobre bolha imobiliária BRASILEIRA??
            Pelo que entendi tú não quer mais ter nenhum vínculo com esse país.
            Mas suas atitudes não são essa, passa o dia postando mensagens num site brasileiro.

            Não consigo entender.

            0
          • Fábio 19 de agosto de 2011 at 17:59

            USA seria o ultimo lugar do Mundo q eu iria, primeiro seria a Suiça e até penso nisso para minha aposentadoria ou Alemanha/Austria, agora USA não vou nem a passeio, prefiro viajar na Europa. Tenho um Padrinho que é engenheiro e trabalhar na filial da Embraer aí e não ve a hora de sair daí. Agora concordo contigo que somos um País pouco organizado e que deixa as coisas rolarem, se reunindo só para passeatas gays e carnaval mas é um povo cordial e amigo e minha cidade o Rio de Janeiro é a mais linda do mundo,

            0
          • olp 19 de agosto de 2011 at 18:14

            e deve ser muito ocupado….

            e ta na contra mao do mundo… afinal nos ultimos 10 anos os US nao criou UMA vaga na setor privado.. nao tem sistema de saude.. moeda.. casa…banco, montadora… paraiso la mesmo…as casas estao baratas la por uma obra divina, nao eh pq nego nao tem $$ nao… os fundos de pensao tudo quebrado, nego devendo mais que a casa…

            0
          • trololó 19 de agosto de 2011 at 19:16

            olp:
            “nao tem sistema de saude.. moeda.. casa…banco, montadora… paraiso la mesmo…as casas estao baratas la por uma obra divina, nao eh pq nego nao tem $$ nao… os fundos de pensao tudo quebrado, nego devendo mais que a casa…”

            mas esse que tu tá falando, é o brasil ou o eua?!?!?!!?!

            huahuahuahuahua

            ah, é, é os eua, porque aqui as casas NÃO estão baratas… kkkkkkkkkkkk

            PS: nada contra o cara querer que todo mundo vá pros eua, pois como diz o kleber s, josta por josta barakistão é a resposta..

            PS2: só acho que quem vai morar lá vai ter que começar a se preparar pra comprar ouro logo logo

            0
        • Duda 19 de agosto de 2011 at 21:29

          Não vejo porque crucifixar o anonymus. Eu conheço os Usa, morei 3 meses em Atlanta e Miami. Estive tambem na Suecia um mes. Suficiente para saber o que é o primeiro mundo de verdade. Os ultimos governos pt tem elevado muito a moral do brasileiro, mas dai a achar que isto está melhor que Usa, ou a velha Europa, é muito diferente. O pais esta se peidando para tentar organizar o mundial (que pode perder para outro pais, falemos claro…), mostrando uma imaturidade ridicula. Temos uma bolha imobiliaria de tamanho fenomenal, mesmo que muitos ainda tentem negar, que cuando explodir vai nos deixar com uma crise absurda. Fique claro: NÃO estou torcendo pela crise. Mas ela vai ocorrer, pois tudo indica isso: a midia, a falta de cultura financeira, o exagero de confiança, o credito farto, o aumento dos preços… O anonymus, mora fora, e desde fora, fica muito mais facil enxergar o que acontece por aquí. Entendo sua revolta.

          0
        • Hik 20 de agosto de 2011 at 01:00

          Susy,
          O fato de você ter um nacionalismo idealista, não pode impedir que outros façam sugestões de seus pontos de vista.
          Eu não adoro os EUA e tampoco sou baba-ovo de qualquer outro lugar.
          Mas o fato de ter nascido no Brasil não impede ninguém de querer fazer seu futuro fora daqui. Ninguém é obrigado a pagar pela desonestidade e ignorância de metade da população.
          Se há uma oportunidade boa fora, não hesito em aceitar e indico para quem possa fazer o mesmo.
          Agora, é claro que ir para os EUA para ser entregador de pizza ou baby sitter é uma fria.

          0
          • Susy 20 de agosto de 2011 at 12:48

            Hik,

            Respeito e admiro brasileiros que chegaram lá fora do Brasil, mas que não renegam suas origens, não chamam o próprio país, depreciativamente, de “Banânia”, e nem ofende conterrâneos, tachando-os de “trouxas”.

            Por exemplo: Ayrton Senna, que sempre tremulava uma bandeira brasileira em suas vitórias. E Carlos Saldanha, diretor da animação “A Era do Gelo”, que fez depois “Rio” (enorme sucesso), em homenagem à sua terra.

            Agora, é triste ver brasileiros como o tal Anomynous, que desprezam as manifestações culturais do Brasil e renegam suas origens. Brasileiro querendo posar de americano, além de triste, é jeca, na minha opinião.

            Lembrando que não há povo mais nacionalista que os americanos, e por isso se tornaram uma potência. Mesmo os críticos, como o diretor do documentário “Inside Job”, sobre a crise americana de 2008, jamais depreciam o próprio país.

            Ah, e os americanos ADORAM churrasco! Já levei alguns americanos a churrascarias e eles enlouqueceram. E um brasileiro, que de trouxa não tem nada, ficou rico abrindo franquias de churrascaria nos EUA.

            0
        • rubens 20 de agosto de 2011 at 19:31

          Susy, se esta fosse a solução, eu iria correndo e sorrindo. Foda-se a banánia. sabe por quê, aqui a gente só leva no [email protected]

          0
      • DRN 19 de agosto de 2011 at 14:51

        Anonymos, sei que vc está recebendo uma gaita do Obama para atrair estrangeiros (rsrs), mas não dá para mudar de país só porque o custo de vida é mais barato. Eu já estive nos USA, Itália, Espanha, Portugal e Grã-Bretanha. Mesmo falando inglês e italiano, os caras esnobam pra cacete quem é de fora. São intragáveis…

        0
        • Susy 19 de agosto de 2011 at 16:13

          Carlos,
          Comprarar EUA X Brasil, tudo bem. Mas o Anonymous quer que o Brasil se exploda, com todos nós juntos! Não acho isso muito construtivo para o debate. Pra começar, ele poderia parar de chamar o país dele de “Banânia”.

          Roberto,
          Ha ha ha! Essa música vem bem a calhar.

          DRN,
          É isso mesmo. Um amigo meu, gaúcho, voltou dos EUA depois de mais de 10 anos morando lá. Ele fala inglês bem, é claro e de olho azul. Mas é brasileiro… Nunca conseguiu fazer amizade com os americanos. Ele disse que morria de saudade do churrasco com os amigos e a família. Acho que esse Anonymous deve morrer de saudade do Brasil e tá é com inveja da gente. rsrsrs

          0
          • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 16:58

            Suzy,

            Estou vendendo minha cidadania Bananense. Voce quer comprar? Assim voce fica com DUAS cidadadanias Bananenses e pode investir DUPLAMENTE na Banânia 😉

            0
          • Philis 19 de agosto de 2011 at 17:39

            Mais uma nacionalista… coitada… enquanto você fica acreditando nesse discursinho de “meu país, minha vida” , os políticos usam o mesmo discurso para serem eleitos e roubar bastante do povo.

            Só quero te lembrar do que falou dona Marisa Letícia, mulher do ex-presidente do Bananão, quando descobriram que ela estava tirando a cidadania italiana pros filhos dela: um repórter perguntou porque ela estava fazendo aquilo e ela disse “QUERO UM FUTURO MELHOR PROS MEUS FILHOS”

            0
          • Susy 20 de agosto de 2011 at 13:03

            Philis,

            Não precisa ficar com pena de mim. Estou feliz aqui mesmo. 🙂 Mil vezes São Paulo do que a pasmaceira “fake-Disney” da Flórida, por exemplo. Nova York eu até encararia, por algum tempo.

            Pena eu tenho de brasileiros que renegam sua nacionalidade, na vã esperança de serem aceitos no “Primeiro Mundo”, pois, no fundo, sabem que são e sempre serão considerados cidadãos de segunda classe.

            E, só para constar, sou ferrenha opositora do PT. A diferença é que prefiro ficar aqui e contribuir, de alguma forma, para que essa corja seja varrida do poder.

            0
        • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 21:38

          DRN,

          É voce quem tem que se entrozar na sociedade Americana adotando os costumes daqui. Se voce vier aqui e continuar com essas idéias de churrasco, samba, mulata e futebol é exatamente o mesmo de chegar um boliviano no Brasil e ficar com as idéias dos costumes da Bolivia. Assim como voce vai esnobar o Boliviano vão te esnobar no estrangeiro. Mudar de país é muito mais do que viajar de avião – tem que mudar a cabeça e essa é a parte difícil. Se não fosse assim, qualquer miliotário bananense mudaria de país.

          0
          • Susy 20 de agosto de 2011 at 02:47

            Ok, Anonymous, I’m convinced: you’re no longer a “Bananian”. Lucky you! (this is irony) 🙂
            But why are you wasting your time here with us, TROUXAS, after all?

            0
          • Anonymous 20 de agosto de 2011 at 05:14

            Suzy,

            Compreender que podemos investir nos EUA, de maneira mais simples e segura do que na Banânia, custou-me algumas dezenas de milhares de dólares e também alguns anos. Voce pode continuar acreditando na propagando governamental ou aproveitar a minha generosidade em mostrar o caminho-das-pedras gratuitamente nesse forum. A decisão é sua e é voce quem terá que conviver com o caminho que escolher.

            0
      • Roberto Valle 19 de agosto de 2011 at 15:03

        Anonymous,

        Poderia me indicar esse imóvel? Saberia dizer qual a documentação necessária para a compra? Creio que será de grande valia para os frequentadores do site. Obrigado!

        0
        • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 17:07

          Roberto Valle,

          São muitos os imóveis em todos os estados dos EUA. Vou sugerir alguns websites para voce fazer a sua própria busca em imóveis COMERCIAIS. Se voce estiver interessado em fazendas ou imóveis residenciais, é outro tipo de empresa que trata do assunto.

          www DOT naiglobal DOT com/
          www DOT cbre DOT com/EN/Pages/default.aspx
          www DOT showcase DOT com/
          www DOT cushwake DOT com/cwglobal/jsp/globalHomeSSO DOT jsp

          O seguinte é interessante pois mostra a possibilidade de voce comprar parte de um imóvel de grande valor, já alugado por vários, para grandes empresas. É conhecido como TIC (Tenat In Common), ou inquilino em comum. Isso é para quem tem pouco dinheiro, uns 400 mil Reais, pois se voce tiver bastante, alguns milhões de dólares, voce compra o prédio sózinho.

          www DOT tm1031exchange DOT com/

          0
          • Rodrigo 19 de agosto de 2011 at 18:29

            se for comprar nos EUA é melhor ter um CNPJ …

            0
          • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 21:28

            Rodrigo,

            Voce só precisa ter o passaporte e mais absolutamente nada. Aqui voce tira um ITIN (Individual Taxpayer Identification Number) que é o equivalente ao CPF para pagar imposto de renda sobre o ganho do aluguel. Para tirar o ITIN vai demorar uns 30 minutos.

            0
          • Rodrigo 19 de agosto de 2011 at 22:21

            é melhor consultar um advogado especializado ou vai deixar para os EUA aproximadamente 50% do seu patrimônio.

            0
          • Anonymous 20 de agosto de 2011 at 00:19

            Rodrigo,

            Eu já escutei essas estórias de abrir uma empresa em paraiso fiscal para proteger o patrimônio. Posso garantir que muitos advogados assustam miliotários da Banânia com essa conversa. Aqui isso se chama de “scare tactics”. O miliotário é aqueles que tem dinheiro mas quase nenhum conhecimento, inclusive do idoma Ingles. Se voce souber Ingles, já disse que basta o passaporte. Além disso, qualquer imposto aqui é menor do que na Banânia. Só para dar um exemplo, a renovação do licenseamento de um automóvel custa 50 Reais (não depende do valor do automóvel) e inclue o que na Banânia seria IPVA + Taxa de Licenseamento + seguro obrigatório. Qualquer automóel Bananense voce paga 50 VEZES MAIS!!! (uns 2500 Reais) Está percebendo porque o Bananense é antes de mais nada umTROUXA?

            0
          • Rodrigo 20 de agosto de 2011 at 09:28

            Ser correto é mais simples e barato… nada de paraíso fiscal, essa “ESTÓRIA” com esses advogados foi assustadora, como disse consulte bons advogados.

            0
          • Anonymous 20 de agosto de 2011 at 12:33

            Rodrigo,

            Nos EUA, toda transação imobiliária requer um corretor e um advogado. Normalmente o corretor está associado com um escritório de advocacia. Numa transação imobiliária existem obrigações legais tanto para o corretor quanto para o advogado. A idéia geral é o seguinte: Se houver algum problema com o imóvel, tanto de natureza física quanto de natureza jurídica e o comprador não for informado POR ESCRITO, então corretor e advogado são responsáveis por eventual dano ao comprador. O custo desse serviço é da ordem de $ 500 USD. Não tome o que é norma na Banânia pelo que é norma nos EUA, pois não se aplica.

            0
          • Rodrigo 20 de agosto de 2011 at 13:35

            Conhece as duas normas?

            0
        • Anonymous 20 de agosto de 2011 at 18:24

          Rodrigo,

          Conheço e posso garantir que advogado aqui nos EUA assusta miliotários bananenses com a conversa de que o patrimônio vai ficar para o Uncle Sam e não para os filhos. Além disso, eu já comprei imóvel nos EUA e também na Banânia. Portanto, sei por experiência própria e não por ouvir dizer.

          0
  • Orozimbo 19 de agosto de 2011 at 14:27

    Prezados,
    Acompanho sempre este blog, tendo aprendido muito com vocês, e acho que chegou a minha hora de dar uma contribuição. Também acho que o preço dos imóveis está absurdo.
    Hoje estava trabalhando (sou médico perito psiquiatra) e o periciando me disse que não podia trabalhar porque estava muito deprimido. Perguntei-lhe por que motivo e ele me disse que era em razão de estar com dificuldades para honrar o financiamento de seu apartamento. Acho que daqui em diante vão aparecer mais casos como esse.
    Abraço.

    0
    • John 19 de agosto de 2011 at 20:09

      Com os preços atuais, o normal é que haja dificuldade mesmo. A renda aumentou mas nem tanto assim!

      0
    • Zoom 19 de agosto de 2011 at 20:56

      Orozimbo, conheço pessoas que estão na mesma cituação do camarada que você indicou. Compraram por impulso e agora estão vendo que foram enganados.
      Vlw.

      0
  • JARBINHAS S2 19 de agosto de 2011 at 15:09

    CAOS NO MUNDO ESTÀ POR VIR. Quero ver como o Brasil e sua população endividada vão se livrar dessa

    13:50 ANALISTAS REJEITAM LEHMAN BROTHERS NA EUROPA,MAS CRESCE MEDO C/BANCOS

    Londres, 19 – Um tsunami à la Lehman Brothers entre as instituições financeiras da Europa ainda não está no
    cenário de especialistas. Ainda assim, o clima de nervosismo nos mercados deixa claro que crescem os
    temores com a saúde dos bancos na região.

    As ações das instituições financeiras europeias vêm sendo fortemente abatidas neste período de
    volatilidade. O cenário de instabilidade e as férias no hemisfério norte, que limitam a liquidez dos negócios,
    abrem espaço para especulações sobre os bancos.

    A origem dos temores é a crise de dívida soberana na Europa, que já levou a Grécia ao calote e coloca na
    berlinda inclusive economias maiores, como Itália e Espanha. Preocupa a exposição dos bancos europeus
    aos títulos da periferia europeia. “O mercado está cada vez mais preocupado de que a crise de dívida irá
    desgastar o capital dos bancos”, diz Arne Rasmussen, analista do Danske Bank.

    Wilber Colmerauer, sócio da consultoria Brazil Funding, compara os problemas de endividamento dos
    governos a um câncer que vai contaminando os pacientes aos poucos – ao contrário de uma crise no
    mercado de ações, por exemplo, que funciona como um “ataque cardíaco”. “O sentimento de contaminação
    é cada vez maior e a primeira linha de defesa são os bancos, que possuem os papéis da periferia.”

    Para Colmerauer, tudo depende do “tamanho do buraco”. “Se o buraco cresce muito, todo mundo fica à
    beira dele”, disse, referindo-se ao contágio já sofrido pela Espanha e Itália. Com novos e maiores países
    passando por turbulência, a exposição dos bancos aos problemas aumenta. “A situação é preocupante e os
    riscos estão crescendo.”

    A avaliação é de que hoje o maior problema dos mercados é a falta de confiança numa solução para esta
    nova crise. Os governos já gastaram muita munição no combate à turbulência de 2008 e ninguém visualiza
    uma saída fácil para a situação atual. “Os mercados globais continuam aturdidos por um problema que está
    ganhando a forma de uma crise bancária e econômica e por uma condução política muito gradativa”, diz
    Lena Komileva, estrategista da corretora Brown Brothers Harriman.

    Na Europa, os governos tentam reforçar o compromisso com o euro e adotam estratégias de longo prazo
    para ampliar a integração e resolver os déficits fiscais. No curto prazo, a tarefa de tentar estancar o contágio
    tem ficado sob a responsabilidade do Banco Central Europeu (BCE) por meio da compra de títulos da Itália
    e na Espanha no mercado secundário.

    “Estamos dependendo de interferência política pura”, disse Luis Costa, estrategista para emergentes do
    Citigroup. Nessa conta, entra a necessidade de engajamento da Alemanha com o resgate dos países em
    dificuldades e até a resistência de nações, como a Finlândia, de oferecer recursos sem garantia para a
    Grécia. “Vivíamos isso a cada dia nos mercados emergentes, mas nos desenvolvidos isso é novidade.”

    Costa descarta a possibilidade de um evento de grande impacto na Europa, como a quebra do Lehman
    Brothers, e acredita que a capitalização das instituições é segura para assimilar perdas com títulos da
    periferia. Uma ruptura como a de 2008 só aconteceria caso a Itália tenha de partir para uma reestruturação
    desordenada de dívida, cenário visto como improvável.

    Jim Reid, estrategista-chefe do Deutsche Bank, acredita que o risco de uma verdadeira crise de liquidez
    como a presenciada em 2008 é “relativamente baixo”. Entretanto, ele vê como “grave” a situação de
    financiamento do setor bancário. Segundo o Deutsche Bank, as emissões de dívidas dos bancos caíram
    fortemente desde o final de maio. Em junho, as instituições captaram US$ 26 bilhões, abaixo dos US$ 51
    bilhões obtidos no mesmo período do ano passado. Em agosto, o número está em US$ 4 bilhões.

    As preocupações com o setor foram reforçadas com reportagem do Wall Street Journal ontem. Segundo o
    jornal, autoridades norte-americanas estão avaliando a situação dos braços europeus de instituições dos
    Estados Unidos, preocupadas de que a crise de dívida soberana possa respingar no sistema financeiro do
    país.

    Os investidores juntaram isso com a indicação do Banco Central Europeu (BCE) de que uma instituição, não
    identificada, recorreu a empréstimo de US$ 500 milhões. Veio, ainda, a informação de que o Banco Nacional
    de Suíça recorreu à linha de swap de liquidez do FED de NY, tomando US$ 200 milhões por sete dias.
    (Daniela Milanese, correspondente)

    0
    • JARBINHAS S2 19 de agosto de 2011 at 15:16

      Será que os grandes bancos brasileiros aguentam uma forte alta na inadimplencia e queda no preço dos ativos dados em garantia dos empréstimos? Será que essa crise chegar forte no Brasil não estaria aqui um novo Lehman Brothers (CEF com seus empréstimos imobiliários ou Itaú que já está sofrendo com a inadimplencia, por exemplo)? Ai acaba o crédito e estoura a bolha boiiitttooo!!!!

      0
      • DRN 19 de agosto de 2011 at 15:25

        A CEF só quebra se o Tesouro quebrar…

        0
      • Carlos 19 de agosto de 2011 at 15:25

        Quebrar banco aqui é díficil. Os estateis não tem como, o governo vai ter que segurar o rojão nem que seja com dívida pública

        Se quebrar um grande privado, o governo vai ter que fazer alguma mágica, ou finalmente vamos ter o povo na rua.

        0
        • Hik 20 de agosto de 2011 at 01:07

          Carlos, “na rua” eu entendo que é sem casa, não?

          Porque brasileiro para fazer passeata só se for com os olhos vendados, se você me entende…

          0
      • Jack Imóveis 19 de agosto de 2011 at 15:26

        Lembre-se que 81% dos empréstimos da CEF são para imóveis de até 100kR$. Acho que os bancos brasileiros são sólidos. Podem perder muito dinheiro, mas não quebram, principalmente CEF e BB conforme apontou o DRN.

        0
        • JARBINHAS S2 19 de agosto de 2011 at 15:45

          eu não estaria tão certo disso. Em 2008, no auge da crise, o Unibanco sofreu desconfianças e ataque especulativo que o levaram para as mãos do Itaú.

          Agora os bancos no Brasil estão muito mais carregados em crédito, acho a situação deles hoje mais vulnerável que em 2008.

          Mas, como estamos no Brasil, sempre pode rolar um super empréstimos subsidiado do governo para regastar bancos, empresas, empresários, companheiros, políticos, etc.

          0
          • Eduardo Zé 19 de agosto de 2011 at 15:57

            Exatamente, a avalanche de financiamentos de 2 anos para cá foi enorme. Financiaram carros, casas, até a mãe… a situação da carteira de crédito do Brasil cresceu bastante.

            0
          • DRN 19 de agosto de 2011 at 15:57

            Jarbinhas, quanto aos bancos públicos, é isso mesmo: só quebra se o tesouro quebrar. Quanto aos privados, para termos uma resposta técnica (e mais segura), teríamos de obter análise dos balanços por quem manja do assunto (alguém se habilita?). Mesmo assim, baseando-me apenas na minha experiência, vai ser difícil ver Itaú e Bradesco em maus lençóis. Os caras são donos de muita, mas muita, muita mesmo, coisa! Já quanto Santander e HSBC, aí já não sei, porque o que ganham aqui remetem pra fora e como a economia dos países de origem não andam lá essas coisas, dá até para desconfiar. Como eu disse, para sair do “achismo”, só analisando o balanço mesmo.

            0
          • John 19 de agosto de 2011 at 20:12

            A grande questão é: Se um grande banco brasileiro quebrar, vai ter dinheiro para socorrê-lo?

            0
        • aiwww 19 de agosto de 2011 at 20:12

          amigo .. trabalhei na CEF e está quebrada .. esse ano o BNDES emprestou 3 bi para ela continuar funcionando .. todos os bancos estão passando dificuldades .. a farra do crédito está perto do final .. experimente ficar com a conta virada por 3 dias .. já tem banco ligando para cobrar no terceiro dia .. e ameaçando botar o nome no SPC .. não é o meu caso .. mas conheço vários casos de pessoas em dificuldades financeiras, pagando um cartão com o outro e rolando a dívida para o mês seguinte .. o décimo terceiro vai dar um respiro a essas pessoas .. mas o início do próximo ano promete ser uma época de grande calote

          0
          • Bruno 22 de agosto de 2011 at 05:14

            Não diga tolice, o dinheiro do BNDES foi para dar fôlego à demanda por financiamentos. Uma coisa nada tem a ver com a outra.

            0
  • Carlos Wagner 19 de agosto de 2011 at 15:10

    Olhem essa reportagem que saiu na TV Vanguarda (Rede Globo na região do vale do paraibe) Sobre o aquecimento na venda de imoveis em Taubaté:

    http://www.vnews.com.br/video.php?id=12045

    Essa construtora é muito conceituada na região, mas é dela os empreendimentos que estão encalhados que venho citando aqui. Um dele, duplex, que custava 303 mil na entrega das chaves e suas 2 torres estão todas nas mãos de investidores, está sendo vendido agora por 260 mil. Outro, de alto padrão, que na entrega cistava 464, ja se encontra por 308K, anuncio de ontem, 18/08/2011.

    Esse empreendimento que é mostrado na reportagem foi assumido integralmente pela construtora após o incorporador quebrar com a crise de 2008 e deixar os recem compradores na mão. Ela assumiu a obra e está entrando em acordo com quem ja havia comprado, acontece que das 3 torres que serão construidas, Só venderam 70% da primeira, isso por muitas unidades já eram de pessoas que haviam fechado negocio com a antiga incorporadora. Sei desse detalhes pq tenho um amigo que é corretor e trabalhou no plantão de todos esses empreendimentos que citei acima.

    0
    • Carlos Wagner 19 de agosto de 2011 at 15:52

      Concluindo: A Globo realmente está tentando passar a impressão de que o mercado está aquecido mas a realidade é que está tudo parado. Ninguem compra, ninguem vende.

      0
      • Jack Imóveis 19 de agosto de 2011 at 16:14

        Caro Carlos Wagner,

        Acho que aqui precisamos tomar um certo cuidado, por mais que a venda de imóveis tenha caído que o mercado esteja diminuindo de ritmo, o mercado da construção civil ainda não sentiu esse impacto e na minha opinião pode ser que não sinta pela demanda de obras de infra estrutura.

        Abraços
        Jack

        0
        • JPM 19 de agosto de 2011 at 16:28

          Se as obras de infraestrutura puderem absorver a mão de obra que hoje está construindo imóveis residenciais, seria ótimo.
          Apesar de achar que a bolha precisa estourar, tenho que admitir que os efeitos seriam bem ruins para o país. Mas talvez com as obras necessárias para a Copa e Olimpíadas, o desemprego não cresça muito. Por sinal, o eventual estouro da bolha talvez até diminuísse um pouco o custo dessas obras.

          0
      • Carlos 19 de agosto de 2011 at 16:31

        Mas não é mentira. A construção civil está super aquecida. Em todos os lugares estão construindo onde podem e onde não podem também. No Rio só falta derrubarem um predio para construir outro igual em cima. Niteroi a mesma coisa. Não vou nem falar de obras da copa, olimpiadas, comperj, etc.

        Agora, se isso significa que imoveis são um bom investimento, que é hora de comprar, já é outra história.

        0
  • Mori 19 de agosto de 2011 at 16:17

    Alguém sabe informar se esses números divulgados contemplam os repasses de imoveis em fase final de construção?

    Minha impressão é que este é um número que fica fora de todas as estatísticas, pois as construtoras não divulgam repasses como novas vendas (e muitas vezes elas realizam a intermediação) nem as imobiliárias, pois não se trata de um imóvel usado…

    Saber quantos repasses vem sendo efetivados mensalmente seria importante para saber se as unidades na mão dos investidores estão girando, pois imagino que tende a ser melhor do que o giro de usados…

    0
  • TFB 19 de agosto de 2011 at 16:48

    Parece que o aluguel tá ficando caro…

    19/08/2011 – 10h44
    Ações por problemas em aluguel têm alta de 2,5% em julho
    Publicidade
    DE SÃO PAULO

    O número de ações locatícias ajuizadas no Fórum da cidade de São Paulo cresceu 2,5% em julho ante o mesmo mês de 2010, após quatro meses seguidos em queda.

    Foram 1.822 processos, ante os 1.778 registrados em julho de 2010, aponta levantamento divulgado nesta sexta-feira pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação). Em relação ao mês anterior, o volume de ações locatícias cresceu 25,7%.

    “Apesar da alta, o percentual é bem inferior aos níveis de inadimplência verificados em outros setores da economia”, afirma Jaques Bushatsky, diretor de Legislação do Inquilinato do Secovi-SP.

    “O aumento de ações locatícias no mês de julho pode ser um fato pontual, já que a tendência neste ano é de redução do volume de ações frente aos períodos anteriores”, diz Roberto Akazawa, gerente do Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP.

    De janeiro a julho deste ano foram registrados 11.340 processos locatícios, um recuo de 9,2% em relação às 12.488 ações dos primeiros sete meses de 2010.

    A falta de pagamento do aluguel continua a representar o motivo principal para ajuizamento da ação, de acordo com o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

    Em julho, o volume de ações por falta de pagamento atingiu 1.459 casos, o equivalente a 80% de todos os casos percebidos no mês. Essa modalidade cresceu 26,9% em relação ao observado em junho último (1.150 ações).

    0
  • Anonymous 19 de agosto de 2011 at 17:13

    A moda do “investir em imóvel” foi tão grande que deve ter tido repasses até de consumidor pra construtora, construtora pra construtora, avô pra neto, genro pra sogra e por aí vai, verdadeiro “baile de zona”.
    Agora, com a desaceleração, quem sair por último apaga a luz.
    E que fique com o prejú.

    0
  • me 19 de agosto de 2011 at 17:50

    Tem cara aí cujos comentários não acrescentam em nada, resume-se a dizer “me dei bem, não moro no Brasil!”. Nem sei como o moderador deixa. Vai vendo.

    0
  • Carlos Wagner 19 de agosto de 2011 at 17:53

    Bolha – Moderador

    A discussão neste tópico fugiu do assunto do blog e vejo que já já este espaço se nivelará aos milhares de foruns existentes na net onde partidarismo e papo furado dominam.

    Por favor, coloque ordem na casa!!!

    0
    • Lucas Mendes 19 de agosto de 2011 at 19:21

      Exatamente, peço que não deixem cair o debate. Foi o único lugar lúcido que encontrei na internet.
      Em relação aos números dos imóveis vendidos em Sampa divulgados pela Secovi, acho que tem algo estranho… já faz alguns meses que vem caindo o número de venda e esse pessoal corretor se sustenta como? Como eles estão fazendo pra pagar as suas respectivas contas? Que eu saiba o sujeito tem que comer, comprar, pagar condominio, colégio dos filhos. Será que eles estão ganhando agora comissão no aumento dos valores dos alugueres? Estranho…. Só se o preço de venda dos apartamentos foi tão irreal que sua comissão ganha, dá pra ficar o ano todo gastando saliva e não ganhar nada!!!!
      Ademais se a economia esta tão aquecida por que feirão de automóveis todo o fim de semana, venda de refrigerantes menos 12 % e governo dizendo que não vai haver ganho real de aposentadorias e funcionalismo público… ESTRANHO!!!

      Abraços do Lucas Mendes

      0
      • trololó 19 de agosto de 2011 at 19:30

        os espertos que ganharam muita grana no começo com certeza investiram em coisas rentáveis, ou na pior das hipóteses, compraram imóveis e alugaram, hoje se sustentam com aluguéis….

        os outros que não tiveram essa visão, devem ter procurado outros ramos de atividade

        0
        • Rodrigo 20 de agosto de 2011 at 10:14

          Muito se fala em compra de imóveis, mas o que seria coisa mais rentável??

          Ex. imóvel comprado por R$ 30.000,00 em 2006 alugado por R$ 300,00 (reajustado pelo IGP-M) ou seja 1% do valor investido, que é aplicado na poupança.

          Ocorre que o mesmo imóvel hoje tem propostas de R$ 180.000,00 com contrato de aluguel de R$ 950,00 (reajustado pelo IGP-M), ou seja, 0,53% do valor atualizado, que é aplicado na poupança.

          Isso é ser esperto ou esta na pior das hipóteses?
          E agora o que fazer?
          Vender?
          Deixar alugado? Devido às particularidades da localização se investir R$ 5.000,00 alugo por R$ 1.800,00 voltando a 1% (valor das propostas).

          Nessa época (2006) se falava isso:

          http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/vejarj/290306/sumario.html

          0
    • trololó 19 de agosto de 2011 at 19:28

      que nada, cria é um forum pra galera se achar nos posts novos

      0
      • Bolha Imobiliária 19 de agosto de 2011 at 20:44

        Ok, voces venceram…Neste fds dou um jeito de arrumar o forum…

        0
        • Duda 19 de agosto de 2011 at 21:13

          Se posso ajudar, me avisa. Em POA vai chover, assim que vou tentar postar coisas interessantes no fds.

          0
          • Bolha Imobiliária 19 de agosto de 2011 at 23:02

            Na primeira vez já tinha te convidado para moderador. Mas o transito do site está muito alto, acho que um forum ficaria bem mais tranquilo para o pessoal se achar por lá

            0
          • Duda 20 de agosto de 2011 at 18:27

            Ok, vamos no forum, então. Abs.

            0
        • Felipe 19 de agosto de 2011 at 22:32

          Boa, bolha.

          0
        • Paulo Rocha 20 de agosto de 2011 at 04:37

          Não sei se um forum vai ser melhor. Apesar de termos varios comentários nem sempre em ordem cronológica em cada post, eu acho que com um forum vamos acabar tendo vários papos paralelos ao mesmo tempo. Ai vai ficar difícil de acompanhar tudo o que o pessoal fala. Apesar do blog não ser perfeito, acho boa a maneira que funciona. Em geral comentamos mais sobre os artigos mais recente.

          0
          • Paulo Rocha 20 de agosto de 2011 at 04:43

            Quem tem problem em achar os post mais recentes, é só fazer uma busca pela a data do comentário. Por exemplo, Ctrl+F para acionar o campo de busca e colar data e horário, por exemplo “19 de agosto de 2011 às 2” dessa maneira o pessoal encontra só os comentarios de acordo com o horário estabelecido.

            Pode ser que o atalho seja diferente em certos navegadores.

            0
          • Duda 20 de agosto de 2011 at 20:17

            Concordo, mas testar não custa nada. Se ficar dificil, sempre teremos esta alternativa. Eu estou bem acostumado já. O importante é o conteúdo, esse sim não pode perder qualidade.

            0
    • Zoom 19 de agosto de 2011 at 22:06

      Carlao, deixa o pessoal comemorar os resultados. Ja foi discutido tudo que vc imagina, entao, deixa o pessoal soltar a alegria. yupiiii, yupiiii ….. heheheheeeee

      0
    • Duda 20 de agosto de 2011 at 20:22

      Carlos / Lucas, não deixaremos isso acontecer. Há dez meses estou escrevendo por aqui, e o nivel em geral sempre foi melhorando. Claro que sempre tem oscilações, mas de forma geral, quem baixa o nivel sempre acaba caindo fora. Parece que as boas argumentações são como repelente para esses caras. Abs

      0
  • Ana 19 de agosto de 2011 at 19:56

    Considero que a situação vai ser pior que 2008 e vai ser longa. Estamos em situação L desde 2008 e não numa mera marolinha. Quanto a questão imobiliária, considero que as construtoras não vão conseguir investimento com a venda de ações, pois a Bolsa está um marasmo só e o que vende não são estas ações e sim de outras empresas mais sólidas, até pq se sabe que quando a bomba estoura, sempre repercute na construção civil e nos imóveis, vide EUA, Irlanda, Espanha, Japão, Dubai e outros. No Brasil, a venda de imóveis está notoriamente parada, isto porque não só pelo fato dos preços estarem fora da realidade( a bolha de preços já existe há tempos, mas antes as pessoas estavam mega otimistas e estavam se endividando), como tb. todo mundo está com medo de se endividar(-preços caríssimos, saldo devedor alto e longo) e de ficar desempregado. Por outro lado, as construtoras precisam fazer caixa e por isso, já disse aqui, que a solução é começar a fazer promoção de 20% a 30% para botar os preços para baixo e depois de algum tempo fazer nova promoção em cima do novo preço, até que o valor do imóvel volte a ficar atraente ao consumidor em potencial de forma que este anime a comprá-lo ou assumir um financiamento. Do jeito que está, um casal compraria um imóvel para a família mais de R$ 1.000.000,00? Só um louco que iria empatar esse valor no imóvel, se tiver como comprar a vista, ou assumir um financiamento de longo prazo com risco de inflação ou até perder o emprego.
    Um ex. Uma família com dois filhos, querem comprar um imóvel de 3 ou 4 qtos na Barra que está em torno de um milhão de reais. Se o casal tem como comprar a vista, vai pensar duas ou mais vezes em imobilizar este dinheiro, haja vista o risco da inflação comer sua renda e não ter como pagar suas despesas(escola, plano de saúde, condomínio, prestação do carro e outros) ou de perder o emprego. Se não tiver o dinheiro para pagar a vista, mas só uma parte e financiar o resto, terá uma prestação alta, além das despesas do dia a dia, e com inflação poderá com o tempo ter dificuldade de pagar esta prestação e o pior se ficar desempregado.
    Vale ressaltar, que no início do ano que vem o salário mínimo irá aumentar 14% e a Renda dos demais trabalhadores de classe média aumentará esse valor? Obviamente, não, tanto é assim que as empresas já estão dando férias coletivas para alertar que os empregados não terão aumento, a Dilma já disse que não aumentará os demais servidores e etc.
    Só um louco que colocará todas as suas economias num imóvel ou numa entrada de financiamento.

    0
    • Ricardo 19 de agosto de 2011 at 21:22

      Análise perfeita.
      Apenas acrescento 2 pontos:
      1) famílias que têm um imóvel e querem mudar para outro maior e mais caro estão encontrando dificuldades pelo simples fato de não conseguir vender o atual para dar de entrada no outro.

      2) crise de confiança nas condições macroeconômicas fazendo com o imóvel (bem de baixa liquidez) seja trocado por outros investimentos mais seguros;

      0
      • MrK 20 de agosto de 2011 at 00:33

        ana, desconfio seriamente se a dilma vai dar os 14% prometidos… sei lá se com desculpa da crise vai dar uma canetada…

        não garanto isso, mas temos que considerar a possibilidade…

        0
  • Ana 19 de agosto de 2011 at 20:02

    A situação está pior do que em 2008. Estamos num quadro L e não uma mera marolinha. A Bolsa em SP está parada. Qdo há compra, só de empresas mais sólidas. As construtoras estão com as ações em queda, mas por outro lado precisam fazer caixa. ´Todo mundo sabe que qdo está em crise o mercado imobiliário e da construção civil sempre leva um baque, como ocorreu nos Japão, EUA, Espanha, Irlanda e outros.

    0
  • Pedro 19 de agosto de 2011 at 20:03

    corretores tomaram conta do fórum. Falta de serviço é fogo.

    0
  • Ana 19 de agosto de 2011 at 20:05

    Se eu fosse corretor, começaria a incentivar as promoções dos imóveis, senão não vão fechar a conta do mês. Pois os preços do jeito que estão ninguém vai ter coragem de empatar essa grana num imóvel ou se endividar, ainda mais, com a inflação e risco de desemprego.

    0
    • Marcelo 19 de agosto de 2011 at 21:36

      Site do Correio Braziliense neste momento: “A cada dia cinco corretores imobiliarios entram no mercado de trabalho no Brasil’

      0
      • Hik 20 de agosto de 2011 at 01:22

        Meu Deus, quanta gente seguindo a dica da Globo.

        Esse pessoal vai acabar sem renda logo, logo.

        0
  • Selvagem 19 de agosto de 2011 at 21:39

    Nao foi so queda de vendas que apareceu esse mes , mas tambem queda nos precos pelo segundo mes consecutivo.

    not.economia.terra . com . br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201108192154_TRR_80086221

    O Índice Estadual de Preços de Imóveis Usados Residenciais (IEPI-UR/Creci-SP) calculado pelo Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo registrou sua segunda queda consecutiva em junho, de 4,84%, superando o recuo de 3,8% verificado em maio, segundo dados divulgados pela entidade nesta sexta-feira. O índice leva em conta a média de todos os preços de venda dos imóveis usados e dos aluguéis residenciais contratados em imobiliárias credenciadas pelo Creci-SP.

    Mesmo com os preços em baixa, as vendas foram 9,35% menores na comparação com maio e a locação teve queda de 11,71%, segundo o Creci-SP. As 1.517 imobiliárias pesquisadas venderam 839 imóveis e alugaram 2.489.

    Na comparação com maio, a queda das vendas foi de 31,31% na capital paulista; de 4,98% no interior; e de 5,17% nas cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco. A única exceção foi observada no litoral, onde as vendas aumentaram 4,5%.

    O porcentual de casas vendidas foi maior do que o de apartamentos, 55,42% e 44,58%, respectivamente, sendo que a maioria foi por meio de financiamento bancário – 55,48% dos contratos fechados na capital; 52,65% no interior; 54,77% no litoral; e 65,63% nas cidades do ABCD, além de Guarulhos e Osasco.

    Os imóveis mais vendidos na capital (66,67%) foram de valor superior a R$ 200 mil, de acordo com o Creci. A faixa de valor de até R$180 mil concentrou 55,96% das vendas no Interior e 52,99% nas cidades do ABCD, Guarulhos e Osasco. No litoral, casas e apartamentos de até R$160 mil responderam por 55,25% das vendas.

    O imóvel de menor preço encontrado pela pesquisa foi uma casa de dois dormitórios localizada em um bairro da periferia de Franca, vendida a R$ 622,22 o m². O maior valor de m², R$ 5.672,79, foi de um apartamento de três dormitórios, em bairro nobre de Santos.

    Aluguel
    Imóveis com aluguel de até R$ 1 mil mensais foram os mais alugados no Estado de São Paulo em junho – na capital, responderam por 55,62% das casas e apartamentos alugados no mês.

    O número de novas locações na capital foi 8,97% menor que em maio; no interior, a queda foi de 14,64%, e no litoral chegou a 33,25%. Só houve crescimento nas cidades do ABCD, Guarulhos e Osasco, de 3,7%.

    O fiador foi adotado como forma de garantia em 44,19% dos novos contratos na capital, enquanto o depósito em poupança de três meses do aluguel ficou com 29,29% e o seguro fiança com 26,01% das modalidades de garantias. O percentual ficou em 86,69% dos contratos formalizados no interior, em 51,41% no litoral e em 54,35% nas cidades do ABCD, Guarulhos e Osasco.

    O aluguel mais caro encontrado pela pesquisa foi de R$ 5 mil, por uma casa de três dormitórios situada em bairro de área nobre de Piracicaba, enquanto o menor, de R$ 200, foi o de uma casa de um dormitório em bairro central de Santo André e Guarulhos e, com o mesmo perfil, na periferia de Franca.

    0
    • trololó 19 de agosto de 2011 at 21:45

      hahahaha

      quem era o carinha do blog que tinha apostado que os preços começariam a cair esse mês?

      0
      • Duda 20 de agosto de 2011 at 18:22

        Trololó, sempre falei que junho seria o mes de preços maximos. A partir daí, vão descer entre 2,5% e 3% ao mes. Ate Novembro de 2012 teremos uma queda de 40% nos preços. Pode procurar nas entradas antigas deste site se quiser… participo aqui quase desde que foi fundado, e NUNCA mudei minha posição… Todos sabem disso. Abs

        0
    • Marcos 19 de agosto de 2011 at 22:03

      Parece que toda a maravilhosa politica econômica do Lula Molusco e Sr “Manteiga” esta levando as pessoas a voltarem a morar com outros familiares.

      Quedas expressivas em vendas e aluguel. Viva o Sapo Barbudo!

      0
      • Hik 20 de agosto de 2011 at 01:24

        Pois é, a “Manteiga” derretida fritando o “Molusco”.

        0
    • Duda 20 de agosto de 2011 at 19:11

      Selvagem, copiei este link para o Bolha fazer uma entrada principal. É uma noticia que estamos esperando há meses, a mais importante, desde que foi confirmada a queda nas vendas, no começo do ano. Grande achado!

      0
  • Selvagem 19 de agosto de 2011 at 21:40

    Quero ver quando os investidores perceberem que estão atrasados para cumprir o ditado :

    “compre na baixa e venda na máxima”

    0
    • Hik 20 de agosto de 2011 at 01:25

      É por isso mesmo que aumentou a oferta vertiginosamente.

      0
  • Zoom 19 de agosto de 2011 at 21:54

    Amanha, essa materia saira na capa da Folha.
    Comecou em todos os cantos a noticia de bolha.

    0
    • Selvagem 19 de agosto de 2011 at 22:29

      Desculpa mais eu queria ver a cara do senhor andre por aqui novamente dizendo que a alta é sustentavel.

      0
  • Felipe 19 de agosto de 2011 at 22:30

    Po pessoal, que droga. Moro no litoral de SP e trabalho na capital.
    Só aqui na baixada as vendas de imóveis cresceram ? É essa coisa de pré-sal que só tá servindo pra iludir universitário.

    Pu…a falta de sacanagem isso.

    0
    • AUGUSTO 20 de agosto de 2011 at 12:14

      Que nada em Praia Grande não se venderam nenhum apartamento de 3 e nenhum de 4 quartos.
      No Guarujá o preço do m2 maximo foi de 2,8 mil reais por m2
      Só se vendeu coisas pequenas e de valor baixo.
      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, imóvel por 4, 5 e até 6 mil o m2. Só na mente de quem acredita em papai noel

      0
  • Felipe 19 de agosto de 2011 at 22:39

    Caramba, lendo as mensagens anteriores, to vendo que o pessoal tá se degladiando por questões “patrióticas”. Vamos manter o nível aí pessoal.
    Desde que descobri o site há alguns meses sempre venho para conversar pq não tem baixaria. Agora se começarem a discutir bairrismo aqui, muita gente vai sumir.

    0
  • Felipe 19 de agosto de 2011 at 22:41

    Olha o desespero começando…

    h t t p : / /economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201108101538_TRR_80028535
    h t t p : / /not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201108192241_TRR_80086351

    0
    • Carlos__ 20 de agosto de 2011 at 00:00

      Esses aumento de 20% na inadimplência do condomínio é um número expressivo. Será que basta um mês com um pouco mais de gastos, como as férias escolares, que já não sobra nem para pagar o condomínio e não passar constrangimento no elevador?

      E o pior é que quem paga em dia fica com a bomba na mão. O condomínio continua com seus custos e o dinheiro tem que sair de algum lugar.

      0
    • Adriano 20 de agosto de 2011 at 06:48

      Boa Felipe. Acredito que isso já seja reflexo do pessoal que comprou para “investir” e não está conseguindo repassar, já que os índices gerais de desempregos continuam estáveis. A situação tende a piorar, pq com o imóvel sendo desvalorizado pela dívida do condomínio e o desepero batendo, os “investidores” só teram 2 alternativas. Alugar por bem menos que os famigerados 0,5% ao mês (retorno padrão de longa data no aluguel de imóveis) ou vender por muiiiito menos para não acabar correndo o risco de ver seu imóvel penhorado.

      0
  • Ricardo 19 de agosto de 2011 at 22:56

    08/08/2011 – 09h32 – Folha de SP
    Perguntas e respostas sobre investimentos em tempos de crise

    8 É hora de tirar dinheiro do banco e comprar imóveis?
    Os imóveis já estão caros e as aplicações têm retorno garantido. Se houver retração na economia, o ritmo de alta vai desacelerar havendo possibilidade de redução de preços.

    w w w 1 .folha.uol.com.br/mercado/955997-perguntas-e-respostas-sobre-investimentos-em-tempos-de-crise.shtml

    0
  • Carlos__ 19 de agosto de 2011 at 23:22

    Enquanto isso, na Espanha…
    http://www.elpais.com/articulo/economia/Objetivo/vender/700000/viviendas/enquistadas/elpepieco/20110820elpepieco_2/Tes

    O governo lá está pensando em fazer promoção com os impostos. Pode baixar por um ou dois meses alíquota do imposto sobre a transação, pago pelo comprador, para ver se acelara as vendas e ajuda a desencalhar os estoques. As construtoras estão com um estoque entre 300 e 400 mil unidades. Somando as unidades que foram tomadas pelos bancos o estoque chega a 700 mil. Os bancos estão com 20 bilhões de euros empatados em imóveis tomados por falta de pagamento.

    Mesmo assim os bancos, as construtoras e um analista dizem que não vai ser o suficiente, no máximo resultará na antecipação de uma compra, mas não vai fazer ninguém que não ia comprar mudar de ideia, ainda mais porque a perspectiva é de baixa no mercado.

    0
  • Jeijack 20 de agosto de 2011 at 00:21

    tenho acompanhado este pool da folha .. e desde o inicio esta bem firme nos percentuais.. embora nao seja “amostragem cientifica”, parece refletir o que tem poderia ser julgado apenas uma “percepcao” ( In God I believe any other , please, give me data ) ::: http://polls.folha.com.br/poll/1122701/results

    0
  • MrK 20 de agosto de 2011 at 00:31

    povo de Deus…a saga continua

    copacabana 4.449 imoveis a venda no zap, subiu mais de 10% em 12 dias, mais de 400 imoveis novos em menos de 12 dias e esses 10% se repete em leblon, botafogo… no mesmo periodo

    bolha? imagina… tá vendendo muuuito

    zona sul? falta imovel!!! ahãm

    0
    • Adriano 20 de agosto de 2011 at 06:56

      Mkt, gosto muito desse seu acompanhamento do ZAP. Mas em relação a Zona Sul do Rio, acho que está ocorrendo um fenômeno ligeiramente diferente. Como a valorização foi absurda e MUIIIIITA gente se deu bem, mesmo moradores antigos resolveram vender seus imóveis para aproveitar o momento. Estão percebendo que perderam o “momento”, aí bate o desespero. Mas note que são os imóveis onde moram em muitos casos, ou antigos imóveis que sempre foram alugados. Acredito que no caso da Zona Sul, o que vai ocorrer com o tempo vai ser a volta da oferta dos aluguéis a valores mais realistas e uma queda mais gradual dos preços de venda, diferente da Barra por exemplo, onde ocorreram MUITOS lançamentos e “investidores” sem noção de onde se metinham.

      0
      • MrK 20 de agosto de 2011 at 10:01

        Adriano, concordo que barra e zona sul devem ter efeitos diferentes, até porque se comportaram de forma diferente, logo a correção não será a mesma

        Zona Sul subiu demais e como não teve tanto imóvel novo pra se especular pra atender a demanda muito alta de especuladores e moradores, o pessoal acabou indo em cima dos imoveis pra se alugar, o que era “alugável” virou “vendável” e com isso sumiram os imoveis pra aluguel e o proprio aluguel acabou subindo pra se equilibrar.

        Na Barra a oferta de imoveis do jeito que especulador gosta (na planta) foi ENORME e a demanda não tão grande, logo não houve esse efeito de “comprar” os imoveis a alugar.

        Note que quando essa loucura comecou, aluguel na zona sul já subiu uns 50% e na barra, se muito uns 20%

        0
    • profeta do apocalipse 20 de agosto de 2011 at 10:06

      deve ter muito imovel anunciado duas ou 3 vezes.. tem uma bolha de corretor.

      nunca fui com a cara de corretor mesmo!

      0
      • MrK 20 de agosto de 2011 at 11:05

        profeta, essa duplicidade de anuncios sempre existiu… por isso nao altera a tendencia, no maximo altera o numero absoluto…

        de qq forma, o numero de anuncios de alugueis caiu do inicio do ano pra cá, o de vendas subiu mais de 30% !!!!

        0
        • profeta do apocalipse 20 de agosto de 2011 at 14:14

          verdade.. nem tinha pensado nisso… deve ter corretor que fica meses sem vender ou alugar nada. deve ser uma profissao meio ingrata e até eles devem tar preocupados com a bubble.

          0
      • Marcelo 20 de agosto de 2011 at 11:17

        Nao sei como esta nas demais cidades, mas aqui em Brasilia os corretores estao em todo lugar (e como eles enchem a paciencia), acho que os cursos para formacao de corretor aqui estao ganhando mais dinheiro que os politicos, parece praga (como se todos precisassem de mais um imovel, fazer upgrade, comprar o primeiro “teto proprio” (50m quadrados eles oferecem como se fosse espaco adequado para familias de 5 pessoas, 80m entao da ate pra levar os sogros para morar junto),

        0
  • Carlos__ 20 de agosto de 2011 at 10:42

    Enquanto isso, na Espanha…
    elpais.com/articulo/economia/Objetivo/vender/700000/viviendas/enquistadas/elpepieco/20110820elpepieco_2/Tes

    O governo lá está pensando em fazer promoção com os impostos. Pode baixar por um ou dois meses alíquota do imposto sobre a transação, pago pelo comprador, para ver se acelara as vendas e ajuda a desencalhar os estoques. As construtoras estão com um estoque entre 300 e 400 mil unidades. Somando as unidades que foram tomadas pelos bancos o estoque chega a 700 mil. Os bancos estão com 20 bilhões de euros empatados em imóveis tomados por falta de pagamento.

    Mesmo assim os bancos, as construtoras e um analista dizem que não vai ser o suficiente, no máximo resultará na antecipação de uma compra, mas não vai fazer ninguém que não ia comprar mudar de ideia, ainda mais porque a perspectiva é de baixa no mercado.

    Postei isso ontem, mas como tem um link acho que ficou travado na moderacao

    0
  • MrK 20 de agosto de 2011 at 11:31

    só agora fui ler, a reportagem da globo sobre “bolha”, achei genial essa passagem:

    “A nossa realidade não é nada parecida com a americana. “Lá o mercado é extremamente especulativo. As pessoas compram para ganhar dinheiro em cima do mercado. Aqui não. As pessoas compram para sua própria habitação”, explica o presidente do Cofeci (Conselho Federal do Conselho de Imóveis), João Teodoro da Silva.”

    ahãm João…tá certo…

    0
    • Anonymous 20 de agosto de 2011 at 14:34

      MrK,

      Faz décadas que os meios de comunicação passam uma imagem completamente equivocada dos EUA, que é geralmente mostrado como o país do MAL por ser RICO. Ao mesmo tempo, os países POBRES são mostrados como do BEM. No fundo, é a idéia dos ESQUERDOPATAS (aliás, a Banânia agora só tem esquerda) e também uma desculpa para tentar explicar a pobreza colocando a culpa nos outros, coisas do tipo: nós somos pobres porque somos explorados pelos EUA.

      0
    • Adriano 20 de agosto de 2011 at 22:02

      Aí pegaram pesado. Aqui compram para morar é f……. A pouco tempo o mesmo jornal O GLOBO veiculou reportagens enormes sobre como os estrangeiros estão investindo em imóveis no Rio. Estão atirando para todos os lados!!!!

      0
  • Richard 20 de agosto de 2011 at 11:55

    Quanto o ZAP deve ganhar ?

    Uns R$ 250,00 por anuncio por um período de 1 ano.

    Imagine quanto o ZAP deve ganhar por todos os anuncios ?

    Quanto mais anuncios, melhor pro ZAP.

    0
  • Cleyton 20 de agosto de 2011 at 12:04

    Segundo o jornal da Globo de 18/08/11 (disseram sem ênfase, meio de passagem): “a crise internacional pode ter reflexos no mercado imobiliário brasileiro”, aí pensei comigo, crises não só podem como tem efeitos em tudo, mas depois do apocalipse vai ter nego dizendo que não é “bolha” é crise internacional, os mesmos que dizem que aqui não tem subprime. Bom, no fim a desculpa já está na ponta da língua.

    0
  • DM 20 de agosto de 2011 at 12:27

    Saiu na UOL: http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/08/19/no-cenario-atual-vale-a-pena-vender-um-imovel-e-investir-em-acoes.jhtm

    SÃO PAULO – O preço dos imóveis no Brasil avançou bastante nos últimos anos e, de acordo com alguns especialistas, pode já ter atingido o ponto máximo de valorização. Ao mesmo tempo, o mercado acionário tem enfrentado um momento ruim e registrado forte desvalorização, especialmente em 2011, por conta dos problemas econômicos globais.

    Neste cenário de imóveis supervalorizados e ações teoricamente baratas, quem tem investimento em imóvel poderia vender o bem para comprar ações?

    Para o professor do LabFin (Laboratório de Finanças), José Roberto Savoia, esta não é a melhor alternativa para o momento atual, já que é difícil generalizar e dizer que o preço das ações esteja barato. “Os preços estão desalinhados. Tendo em vista todas as incertezas do mercado acionário, é difícil ter uma precificação correta de longo prazo”, diz.

    Segundo ele, podem existir ações que estejam com preços abaixo do seu valor real, mas seria preciso observar outros fatores para ter certeza sobre o desempenho destes papéis. “Além de analisar a qualidade das companhias, é preciso levar em conta a perspectiva de desempenho delas em uma economia ainda um pouco indefinida”, aponta Savoia.

    Ao mesmo tempo, ele também é cauteloso em classificar os imóveis como supervalorizados. “Os imóveis estão inseridos em diversas categorias. Tem os imóveis comerciais, residenciais, de alto luxo, aqueles voltados para a baixa renda. Existem diferenças importantes entre eles e com relação às possibilidades de valorização”, afirma o professor.

    Por isso, neste cenário com muitas incertezas, o ideal é evitar fazer grandes mudanças de portfólio. “Você pode até fazer mudanças marginais, mas nenhuma alteração tão significativa na carteira neste momento”, diz Savoia.

    Rentabilidade maior
    Por outro lado, de acordo com o professor de economia da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Armando Castelar, esta opção pode ser levada em consideração pelos investidores, já que a rentabilidade obtida com os proventos das ações pode ser maior do que aquela alcançada por meio dos aluguéis. “No momento atual, na maioria dos casos, o preço do aluguel do imóvel está dando um retorno menor do que os dividendos pagos por ações de grandes companhias”, afirma Castelar.

    Entretanto, segundo ele, o investidor deve ficar atento com a questão da segurança, especialmente em épocas de incertezas. “Em momentos de crise, os imóveis são tidos como um dos investimentos mais seguros”, ressalta.

    Outra questão que pesa contra os imóveis é a liquidez, já que é bem mais difícil vender um apartamento do que uma ação, por exemplo. “O imóvel tem muito menos liquidez, então, se você precisar vendê-lo com urgência pode enfrentar dificuldades”, afirma. “Já as ações têm grande liquidez e podem ser vendidas de maneira bem mais rápida”, afirma.

    Neste ponto, Savoia, do LabFin, ressalta que o investidor também pode optar pelo investimento em fundos imobiliários, que apesar de não serem tão líquidos quanto o investimento em ações, são mais fáceis de comprar e vender – por meio de cotas – do que os imóveis propriamente ditos.

    Riscos
    O professor da FGV ressalta que tanto o investimento em ações quanto no mercado imobiliário são considerados de risco. “Tem gente que pensa que só existe valorização dos imóveis, que não há risco de ter prejuízo. Isto não é verdade, já que o preço do imóvel também pode cair, por conta de uma depreciação da região onde ele se encontra, por exemplo”, afirma Castelar.

    De acordo com ele, não é possível dizer que investir em ações seja mais, ou menos, arriscado do que em imóveis. “Considero os dois investimentos de risco em relação à possibilidade de valorização”, afirma Castelar.

    0
  • Carlos 20 de agosto de 2011 at 12:45

    Bom dia, eu comprei o meu primeiro imóvel há 4 meses e confesso que estou assustado com as informações do site, tanto que já até pensei em vendê-lo pelo mesmo preço, tendo prejuízo pelo pagamento do itbi e outros emolumentos. No entanto, gostaria de trazer um dado com base na compra que eu fiz e pergunto aqueles mais entendidos de matemática ou economia se não há certo sentido nisso.
    O imóvel que eu comprei tem hoje um valor 4,2 vezes maior em relação ao seu preço de 1998. Ocorre que usando o salário mínimo como comparação, o valor do s.m. em 1998 era de R$ 130,00 enquanto hoje é de R$ 545,00, ou seja, o salário mínimo também quadruplicou e o imóvel continua valendo a mesma quantidade de salários mínimos.

    Gostaria de esclarecer ainda que o valor que pago de juros e taxas no meu financiamento (retirado o reajuste pela tr e a amortização) é o mesmo de um aluguel de um imóvel semelhante. Será que posso considerar que paguei um preço justo ou próximo disso, usando o salário mínimo como “indexador”?

    Peço encarecidamente uma opinião sobre o assunto.

    0
    • Ana 20 de agosto de 2011 at 13:11

      Vc comprou um imóvel para moradia e, portanto, para que vender, até porque vc conseguiu dar uma entrada em que a prestação coincidiu com o valor do aluguel do mesmo imóvel. Se a prestação estivesse superior ao aluguel e ao mesmo tempo estivesse super pesada com risco grave de inadimplência, aí sim, é caso de vender.
      O que vc deve fazer agora é direcionar todas as suas economias para quitar esse financiamento imobiliário, somente deixando um valor aplicado para emergências. Isto porque os juros estão altos e ainda tem a correção corroborado com a inflação que aumenta as suas despesas do dia a dia corroendo sua renda.
      Com a quitação gradual do saldo devedor, suas prestações diminuem e com isso, essa economia com a diminuição das prestações irá compensar a corrosão da renda, i.e., o aumento das despesas do dia a dia a longo prazo.

      0
      • Ana 20 de agosto de 2011 at 13:18

        Vc já ingressou em um financiamento e graças a Deus a sua entrada foi alta e a prestação ficou correspondente ao aluguel. No entanto, do jeito que a inflação está caminhando, recomendo que renuncie férias, horas extras e demais rendas extras e quite seu saldo devedor o mais rápido possível, para que no longo prazo vc não consiga pagar as prestações. Na virada do ano, tudo sempre aumenta(escola, plano de saúde, condominio e etc) e pode ser que sua renda não acompanhe e por isso, tem que aproveitar agora, para quitar o mais rápido possível o saldo devedor. Outra coisa, dê uma maneirada nas despesas de restaurante, cabelereiro, estacionamento, cinema e outros, que estão aumentando e no final do mês pesa muito.

        0
    • Selvagem 20 de agosto de 2011 at 13:48

      Fica dificil o povo aqui emitir uma opiniao sem vc dar umas informacoes basicas:
      valor pago pelo imovel? Usado ou novo?localizacao?forma de pagamento (financiamento e taxa de juros aplicavel)? porcentagem do valor do imovel como entrada?

      0
    • Carlos__ 20 de agosto de 2011 at 14:32

      Xará, você comprou para morar, esta podendo pagar. Vender para ir para o aluguel esperando os preços caírem e muito arriscado. Fica ai na sua casa, tranquilo, tentando quitar o financiamento o mais rápido possível.

      0
    • Lucas 20 de agosto de 2011 at 14:39

      Você está há quatro meses com o financiamento, então dá para ver a evolução. Veja pelos extratos que mês a mês está caindo um pouco, (tanto saldo devedor e também a parcela de juros e claro a parcela como um todo), considere que estamos com a TR nas alturas, pois esta está relacionada com a SELIC, e as previsões (médio prazo) é de que a SELIC caia, logo a TR cai também.
      No período de um ano a inflação (oficial) terá corroído 6,5% da dívida, e dos seus rendimentos também, contudo de acordo com a categoria profissional em que você está enquadrado terá um dissídio e assim o seu salário terá um ganho de 6,5% em relação à dívida.
      Claro que pode ocorrer do seu dissídio não dar nada, mas neste caso estará tudo empatado e lembre-se que pelo sistema SAC a prestação vai caindo devagar (como disse no início você já pode constatar isto nos extratos).
      Então, se mesmo num momento de juros altíssimos como agora sua prestação cabe no bolso, desde que você tenha renda, a situação só vai melhorar ao longo do tempo.
      Considere ainda que a CEF (governo) tem a maior parte dos financimentos imobiliários, e a menos que o governo queira uma guerra civil, esses saldos devedores vão baixar que é uma beleza (inflação corroendo e TR com redutor).
      Como já disseram por aqui, daqui uns 15 anos você vai pagar a prestação pelo preço de um Big Mac.

      0
      • Lucas 20 de agosto de 2011 at 14:45

        Para complementar: mas se você pagou 500K num imóvel de 50m2, esquece tudo o que eu escrevi e vende logo.

        0
  • Selvagem 20 de agosto de 2011 at 13:51

    Esqueci de perguntar tmb sua renda. logico que ninguem gosta de revelar isso.

    Lembre-se que tem muita galinha morta no mercado. Nem todo negócio é um mal negócio. O importante é saber se cabe na sua renda e o tamanho da corda que vc usou pra se enforcar.

    0
  • Carlos 20 de agosto de 2011 at 16:53

    Muito obrigado pelas opiniões, só não respondi antes porque a internet teve um pico aqui. O único porém do imóvel é ser antigo, tem pouco mais de 40 anos, mas fui antes com uma amiga arquiteta e o imóvel não apresentava nenhuma avaria visível, além de estar totalmente reformado. A prestação cabe no bolso, paguei menos de 3 mil pelo metro quadrado em boa localização aqui em BH e pretendo amortizar o mais rapidamente como a Ana sugeriu. Não sei se é excesso de preocupação da minha parte, mas dá um certo receio pensar que em uma eventual necessidade de vender o imóvel a gente pode encontrar um mercado caótico como o dos EUA e Espanha. É triste, mas levar a vida de pequeno burguês hoje está cada vez mais difícil. =/
    Nunca antes neste país o Martinho da Vila foi tão atual:

    “Felicidade, comprei um imóvel
    Mas o apartamento é financiado
    Financiado
    Ele é financiado
    Financiado
    Ele é financiado”.

    0
  • Antonio Santos Avalest 30 de novembro de 2011 at 22:18

    Pois então … façam uma pequena analise do aumento do salario minimo (minimo mesmo!!) com a relação de valorização dos imoveis no periodo de 10 anos … é NOTÓRIO a mentira que o valores do imoveis estava com preço defasados …!!! O grande fermeto no bolo dos banco e principalmente das contrutoras foi o credito fácil (governo irresponsavel). O resultado dessa over-dose de laxante … nós já sabermos … e já está començando a feder …!!!

    E adivinha só quem vai ser o papel higienico …? “População Brasileiro de Otario Trabalhadores S.A”

    0