Relação entre renda per capita e preço dos imóveis também indica bolha… – Fabio Portela

Você pode gostar...

Comments
  • MrK 7 de maio de 2011 at 02:28

    Prezados, isso é sério:

    Estamos seguindo os mesmos passos do mercado americano de bolha e pior: Não conseguimos se quer fazer a leitura correta do que houve lá!

    Muita gente atribui o problema deles ao subprime e as “Fannie mae” unidas num setor financeiro desregulado, mas a verdade é que isso tudo foi somente um ADITIVO e não A REAL CAUSA! O que realmente quebrou a américa foi uma inundação de crédito por anos que permitiu que as pessoas ilusoriamente vivessem acima do seu padrão de vida, esse crédito foi incentivado pelo governo, que convenientemente culpou outros pela crise e tirou o corpo fora!

    Tudo comecou com a quebra das .com em que o governo (Bush) para tentar sumir com a crise quis incentivar o consumo loucamente pra girar a economia e fez isso manipulando crédito.

    Ao desviar créditos do setor produtivo, isso é: Construir estradas, comprar maquinas, investir em tecnologia, fabricas etc… e direcionar puramente para consumo de forma populista, isso é: Carros, Viagens, Casas… o governo deixou de gerar riquezas com esses bons investimentos e permitiu as pessoas viverem uma ilusão de prosperidade… com muito crédito na praça e mais barato do que eles estavam acostumados, o preço dos principais itens subiram, incluindo casas.

    A economia girou muito bem assim por um tempo, afinal consumo era o que eles queriam, familias satisfeitas e eleitores satisfeitos… o problema que nenhuma renda real cresceu, a produtividade nao cresceu, os salarios não cresceram, fabricas nao foram abertas, não havia nada de concreto, somente crédito internacional (japao e china especialmente) inundando os mercados!!!

    O fim da história voces já conhecem… agora QUEREM NOS ENGANAR, dizendo que pelo nosso setor bancário ser mais rigido ao conceder crédito, não corremos os mesmos riscos, mas eles não estão indo no X da questão (crédito desenfreado voltado para consumo) e sim desviando o foco!! Claro que nosso estouro será menos doloroso que o deles, por não ter esses aditivos, mas ainda assim não é brincadeira!! Nosso governo da mesma forma insana está estimulando crédito solto pra pessoa física, populismo perigoso é o nome disso!!!

    Recomendo fortemente a todos que querem se aprofundar no tema que leiam o livro “how the economy grows and why it crashs” disponível em PDF.

    0
    • Duda 9 de maio de 2011 at 15:46

      MrK, mais uma vez concordo contigo. E vou aproveitar para recuperarmos uma linha de raciocinio que ficou pendente e foi esquecida no ultimo artigo (levantada por John e por vc). O que finalmente desencadeou o estouro da bolha americana foi o aumento da inflação em Usa em 2008, por causa do grande aumento dos preços do petroleo naqueles anos (2006, 2007 e 2008) (todos devem se lembrar dos 150 dolares do WTI). Isso afetou a capacidade de pagamento dos devedores subprime, e foi o gatilho que provocou finalmente a crise. A inflação por aqui esta mostrando os dentes, que vai acontecer com os preços dos imóveis então, quando começe a aumentar a inadimplencia por aqui? Acredito que sería interessante continuar por esta linha.

      0
      • Duda 9 de maio de 2011 at 16:16

        Isto é, a pergunta do momento e se a inflação podería ajudar a furar a bolha, ao inves de mante-la…

        0
        • Duda 9 de maio de 2011 at 16:28

          E aqui segue um link sobre a evolução da inflação em Usa antes, durante e depois da bolha e o estouro. No que parece, a inflação subindo não consiguiu manter os preços dos imoveis nas alturas. Confesso que eu pensava nessa linha, mas parece que é tudo o contrario. http://finance-data.com/series/CPIAUCSL

          0
          • jose 11 de maio de 2011 at 12:18

            Duda,

            acho que nessa analise vc comete o erro de causualidade…

            o que é causa e o que é efeito.

            quando houve estouro da bolha e com todas as conseuqencias no lado real da economia, eh claro que huove uma deflacao, nao esquece que o desemprego saiu de 4% pra 10%.

            agora, nao foi a inflacao que foi o trigger pra queda nos precos. (que é o que queremos identificar aqui).

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 12:25

            Na verdade, o que quero é destacar que pode existir correlação entre as duas variaveis, sem chegar a concluir qual foi causa e qual efeito. Apenas quero iniciar uma troca de opiniões sobre este assunto, iste é: como a inflação aumentando pode afetar os preços dos imóveis aqui, sendo que uma boa parte foi comprada com credito.

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 12:27

            Mas ainda acho que o ponto crucial, tem a ver com a confiança do consumidor… Nos Usa esse indicador está muito bem monitorado, por aqui, apenas se fala…

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 14:44

            pode existir correlacao nao…

            existe uma correlacao muito forte… na verdade entre tudo…

            aqui o indice eh pouco falado ate pq eh relativamente novo, tem passado por ajustes..

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 15:24

            Olhando os graficos, realmente confiança do consumidor e preço de imóveis em usa despencam quase juntos (graficos da wikipedia, ainda não tenho os teus). Mas como a confiança do consumidor por aqui está em fraldas, não da para usar como termometro de nada…

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 21:52

            Jose, abri o email e recebi os graficos. Realmente a confiança do consumidor despenca junto com os preços… não da para usar como “aviso”

            0
    • Marcos Henrique 10 de maio de 2011 at 12:41

      53% das famílias gastam mais do que podem, prestações de imóveis e automóveis são os principais vilões. Somando-se o aumento abusivo de imóveis que não acompanhou o aumento da renda da população.
      A desculpa é sempre a demanda reprimida, mas vejam que no passado, mesmo com os valores abaixo dos praticados hoje, o deficit já era elevado, agora com a farra do crédito fácil, as pessoas acham que podem pagar esses preços extorsivos, então o resultado é o aumento da inadimplência e o estouro de uma bolha imobiliária puramente especulativa, quem viver, verá.

      0
      • Duda 10 de maio de 2011 at 13:04

        O aumento da inflação destroi a confiança do consumidor. Em Usa este indicador começou a descer muito rapidamente aproximadamente um ano antes de explodir a crise de 2008. Como estouro de bolha, aumento de inflação e crise de confiança estão muito ligados, aqui seguem dois links interessantes para quem quiser seguir esta linha de discussão. O indicador de confiança do consumidor tem tudo a ver com a psicologia coletiva, acredito que teremos muito que falar nos proximos meses sobre este indicador.

        http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en|pt&u=http://en.wikipedia.org/wiki/Consumer_Confidence_Index

        http://extra.globo.com/noticias/brasil/confianca-do-consumidor-tem-leve-queda-em-abril-diz-acsp-1772266.html

        0
        • jose 11 de maio de 2011 at 12:25

          Duda,

          o indice de confianca nos USA fez uma maxima de 111 em julho de 2007, so que o indice de precos de casas fez uma maxima de 206 em julho de 2006…

          eh inverso que vc disse. o indice de confianca comecou a cair quando os precos JA TINHAM caido cerca de 10%.

          se quiser te mando os dois graficos

          0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 12:30

            Manda, sim. No mesmo email da outra vez. SDS

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 13:28

            Da uma olhada neste site, o maior preço no grafico é de abril 2007, entre 2006 e 2007 os preços deixaram de subir, mas sem ter quedas significativas. Hoje em casa vou ver os graficos que vc mande.

            http://en.wikipedia.org/wiki/United_States_housing_bubble

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 15:02

            Duda,

            acabei de mandar…

            mandei um com o % de financiamento imobiliario como % do PIb, pra alguns paises…

            se puder colocar pra turma…

            vlw
            abs

            0
    • Andre 10 de maio de 2011 at 17:20

      “Recomendo fortemente a todos que querem se aprofundar no tema que leiam o livro “how the economy grows and why it crashs” disponível em PDF.”

      Ou comprar o livro, né…
      Afinal se queremos que nosso trabalho seja reconhecido (nosso salario dê p/ comprar imovel), não é má idéia começar reconhecendo o trabalho dos outros.
      O autor ganha apenas 5% da vendagem do livro…

      Só uma reflexão, sem falso moralismo.

      Abs

      0
    • Duda 12 de maio de 2011 at 11:26

      MrK, estamos vendo: 83% de queda nas vendas interanuais de SP. A fonte é o proprio SECOVI. Lembrar que o mercado se paraliza antes do estouro, e já estamos perto desse ponto.

      http://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices/indicadores-do-mercado/

      0
  • Buginga 7 de maio de 2011 at 03:07

    Já se discutiu aqui a questão da avaliação do valor justo de um imóvel. Foi refutada a idéia q ele seria o CUB + margem do construtor etc e tal.
    Estive pensando no assunto.
    Penso que a melhor forma de vc avaliar um imóvel estático no tempo, ou seja, que manterá suas características, não será amPliado e será mantido satisfatoriamente seria:
    Perpetuidade sobre os alugueis possíveis de se auferir com o imóvel.
    Seria valor imóvel = aluguel/(taxa de desconto do fluxo de retornos)

    Ate onde eu sei, quando vc projeta fluxos de caixa de projetos para avaliação de investimentos e projetos, vc não considera a inflação no modelo. Vc usa uma Txa de desconto escolhida com algum critério outro. Tipo custo de capital médio.
    Ate pq inflação depende de política econômica e é impossível de saber ato será no próximo ano. Imagina no horizonte de 30 anos de um contrato de finaniamento imobiliário.

    0
    • Andre 8 de maio de 2011 at 22:36

      Buginga,

      pelo q eu entendi, vc está querendo fazer um FCD (Fluxo de Caixa Descontado) p/ imoveis.
      Pode ser uma idéia, mas meu palpite é q chegaríamos à mesma conclusão q o Rental Yield (retorno do aluguel)…

      Só uma dica:
      Pega leve no economiquês.

      Eu pelo menos penso assim: quanto MAIS pessoas entenderem meu raciocínio, MAIOR é a probabilidade de encontrarem algum erro (caso exista).
      E se eu estiver errado, quero descobrir isso o mais rápido possível, né…

      Vc não tem noção de como as pessoas correm ao ver expressões como “taxa de desconto do fluxo de retornos”, rs 🙂

      Abs

      0
  • Ral 7 de maio de 2011 at 11:35

    Achei o estudo perfeito , vou imprimir e distribuir para meus conhecidos e enviar via e-mail para os mais distantes

    Acredito que se divulgarmos mais ainda o tema , ajudaremos o Brasil sair deste eminente problema sem grandes danos.

    0
  • Q 7 de maio de 2011 at 13:03

    Excelente trabalho do Fabio. Somado a outros trabalhos do próprio Fabio demontrando o fraco fraco retorno do aluguel no atual momento, fica difícil não acreditar na bolha.

    0
    • Andre 7 de maio de 2011 at 19:14

      Pelo contrário, o retorno do aluguel (Rental yield) que é um dos grandes indicadores que NAO estamos em bolha (ainda)…

      Afinal o aluguel subiu p/ kcta né, quase tanto quanto os imoveis, daí q o nivel está muito próximo (já falei sobre isso por aqui)…

      Abs

      0
      • Andre 9 de maio de 2011 at 22:19

        Li em outro site um cara falar de “bolha de aluguel” tb…

        Procede isso? Alguém já ouviu falar disso?

        Abs

        0
        • Marcelo 11 de maio de 2011 at 16:26

          Nunca ouvi falar, apesar de ver que houve um ajuste no preço dos aluguéis. Porém, cito o caso da minha cidade (Niterói-RJ), a qual acompanho no ZAP quase todos os dias: as unidades postas para alugar são ínfimas em relação às postas à venda. Aparentemente, o mercado sabe que dá mais retorno a realização do lucro com a venda do que o aluguel. Novamente, pelo menos em Niterói-RJ.
          Pra citar um exemplo de hoje, no bairro de Icaraí (um dos mais requisitados):
          Apartamentos para alugar: 7;
          Apartamentos para venda: 783.

          0
          • me 11 de maio de 2011 at 16:34

            É o que noto também. Só não sei dizer se a diferença sempre foi tão discrepante assim, mas nos últimos 3 anos a oferta de aluguel diminui muito no Rio de Janeiro. Os valores também seguiram alta forte, mais do que dobrando em praticamente toda a zona sul.

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 16:59

            Marcelo, só para verificar: esta certo 7 (sete) para alugar e 783 para vender? é isso?

            0
          • Andre 11 de maio de 2011 at 17:01

            Já coloquei aqui o % de imoveis que são próprios e alugados no BR.

            Abs

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 17:01

            Aqui em Poa tem muito mais para venda que para aluguel, mas acredito que nem perto desses numeros.

            0
          • Marcelo 12 de maio de 2011 at 16:34

            Isso mesmo. Toda a vez que olho, me impressiona…

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 17:04

            Vou contar apenas um fato, sem intenção de provar nada. Como alguns já sabem, vendí um ap em outubro do ano passado, depois de quase um ano de ter ele disponível para alugar. A decisão, foi tomada porque a relação aluguel / preço estava perto de 0,3 %, ou seja menos que a caderneta… Ou seja o cartaz de “aluguel” foi mudado para “vende-se”… Esta praxe deve estar bombando por aí…

            0
  • MrK 7 de maio de 2011 at 13:14

    As pessoas acham que podem ficar milionárias da noite pro dia sem esforço algum, só porque o país foi invadido por crédito internacional em função da liquidez mundial!! Quando uma pessoa toma um crédito imobiliário pra comprar um imóvel não há riquesa alguma gerada nisso, apenas uma antecipação de compra:

    Antes, as pessoas levaram 10 anos juntando dinheiro pra depois comprar seu imóvel, hoje elas podem comprar o imóvel agora em função do crédito, mas pera ai, que riqueza a economia gerou? NENHUMA, as pessoas não estão comprando mais, estão simplesmente comprando ANTES !!!

    O Problema é que como o crédito veio quase de uma vez, houve uma super demanda, que foi aumentada ainda mais pelos especuladores que viram uma oportunidade de ganhar mais comprando na planta e revendendo depois do que em qualquer fundo de investimento!

    Mas o fato é que todo esse crédito e endividamento nacional não produziu NADA aqui que gerasse prosperidade e riquesa para paga-lo, ele somente gerou inflação e consumo interno!! Muito pouco deste crédito foi bem utilizado, e agora temos uma classe média que antecipou uma série de compras que faria nos próximos 5/10 anos (Carro, Ap, TV, Viagens), onde está a riqueza???

    ESTAMOS VIVENDO UMA ILUSÃO DE PROSPERIDADE PORQUE A CLASSE MÉDIA ESTÁ PODENDO SE ENDIVIDAR E COMPRAR COISAS QUE NUNCA ANTES COMPROU!!!

    0
    • Andre 7 de maio de 2011 at 19:20

      MRK, tá tudo + ou – certinho aí mas tem um porém:

      Quem garante q o nivel de endividamento atual é alto? Como costumava ser? A mesma questão de sempre, nível e vetor…

      “Ah mas aumentou o credito pra kcta”.
      Aumentou mesmo, mas quem garante q antes é não era pouco demais??

      Como é em outros paises?
      O jose colocou aqui uma tabela c/ a relaçao credito/PIB de paises emergentes… Passou batido.

      Eu gostaria MUITO de ver um grafico dessa relação sobreposto ao preço dos imóveis. Na verdade c/ o credito imobiliario…

      Daí a gente poderia descobrir o “numero mágico” que diz “abandonar o navio”.

      Abs

      0
    • Marcelo 11 de maio de 2011 at 16:32

      Isso sem contar com o crédito de uma maneira geral, pois até mesmo as construtoras estavam com bastante caixa, segundo elas mesmas. Em 2007, estava decidido a comprar um apartamento maior, na planta. Mas nunca gostei de financiamentos, então, entrava nos stands de venda propondo pagar o valor à vista, mediante desconto.
      Não logrei sucesso… e ainda escutei de um corretor a seguinte frase: “Desconto à vista é coisa do passado, a Empresa X está com muito caixa e não precisa disso não. A gente prefere receber parcelado, agora.”.

      0
  • flavio hertel 7 de maio de 2011 at 14:40

    Creio que o raciocínio seja este mesmo. A melhor formar de avaliar se estamos ou não vivendo uma bolha imobiliária é olhar para a renda médias das familias brasileiras e, a partir disto, tentar dimensionar se o que uma familia média paga por um imovel é ou não factível com a sua realidade.
    Evidentemente não existe (eu ao menos desconheço) um indicador que sirva de parametro para tecer esta comparação de forma direta, algo como se o valor do imovel equivaler entre 3 a 4 anos da renda de uma familia estar dentro da mormalidade, mais do que isto seria considerado caro e, portanto, alvo de estudos para determinar as causas, avaliando a possíbilidade ou não existencia de uma bolha por exemplo. Particularmente quando comparo a renda media do brasileiro com os valores do imoveis acho que estão muito caros, fora da realidade, mas como dito, isto cai no plano da “subjetividade” da minha percepção particular, mas de certo modo com um embasamento e não em puro achismo.

    Por outro lado, vejo com muita estranhesa a naturalidade com que alguns afirmam que os imoveis vão continuar a subir e que isto se dá através de bases minimamentes sustentáveis. Não vejo absolutamente nada na realiadade brasileira que permita acreditar neste fato, mais do que isto, não vejo um cenário que permita acreditar se quer que os imoveis vão se manter neste valores elevados pelos próximos anos. Tudo indica o contrário.

    A renda media do trabalhador brasileiro em 2010, no seu auge, antes da inflação começar a corroe-la, era de 1285,00. A renda per capita do Brasileiro chegou a US$ 10.814 com o real forte frente ao dolar e com uma renda per capita media que, sabidamente, não é representativa, uma vez que o Brasil detem uma das maiores desigualdade do mundo. Não sei quanto a vocês, mas quando vejo estes dados e comparo com os valores medios cobrados pelo imoveis vejo que as coisas não batem. Sem o acesso ao credito o brasileiro medio não tem como adquirir um imovel e com os atuais valores. Me pergunto se mesmo com cretido, que no Brasil ainda é muito caro, isto de fato é possível e se muitas familias não vão se deparar com dívidas impagavies no futuro.

    Já foi muito discutido aqui, e é quanse um consenso, que o acesso ao credito foi o estopim para a subida dos valores dos imoveis e que estes foram reajustados bem acima do valor da inflação e da renda media do trabalhador brasileiro. Também já foi colocado aqui que de 30% a absurdos 40% dos imoveis (isto não são dados oficiais é bom que se diga, mas fruto de declaração das incorporadoras) comprados na planta o são feitos por investidores o que tem pressionado ainda mais os valores do imoveis e prova que há sim movimentos especulativos (base para uma bolha) no setor imobiliário brasileiro.

    Dito isto, acredito que os atuais valores, dentre outras coisas, dependem da permanencia do credito que embora caro, se comparado aos anos anteriores, ainda é “barato.” Depende também da permanencia da compra dos imoveis para especulação, para a realização de ganhos uma vez que isto provavelmente é uma das bases que sustentam os altos valores dado a demanda artificial.

    Acredito que estas bases dos atuais valores dos imoveis estão sendo postas em prova no momento. Com o aumento da selic e as incertezas da economia muitos investidores creio eu, dado a quedas nas vendas dos imoveis nos ultimos meses, já não veem estes empreendimentos como bons investimentos e estão buscando outros meios para realizar ganhos. Ou seja, estão caindo fora, ao menos deixando de comprar imoveis. Quanto ao investidores que já compraram, vamos aguardar como vão reagir diante de uma possível infexão ou estabilização dos preços dos imoveis diante das quedas das vendas e, vale lembrar, de um quadro inflacionário. Conjecturando, se os investidores que compraram imoveis se apavorarem e começarem a vender (efeito manada) se houver uma bolha imobiliária esta tem boas chances de estourar, mesmo antes do credito secar e isto talves possibilite que a mesma apenas se esvazie porque ainda terão compradores pois ainda haveria credito por mais alguns anos.

    Paralelamente a esta questão dos investidores, ainda existe a questão de que os valores dos imoveis estão fora da realidade media do trabalhador brasileiro e, como dito por varios aqui, a compra do imovel só se dá com os valores atuais via financiamento. Com o aumento da selic a poupança já comecou a sofrer, acumula deficte de captação de cerca de 2 bilhoes de reais neste ano. Só no mês de abril foram 1,7 bilhão. Se o governo a contra gosto, na próxima reunião do copom entre 7 e 8 de junho aumentar a taxa basica de juros em mais 0,25%, essa sangria vai aumentar ainda mais e a fonte para o financiamento da casa própria pode secar ainda mais cedo. Não acredito em securitização para substituir a poupança. Qual os juros de um financiamento baseado na mesma, nestes certificados emitidos pela Caixa economica federal? 10%? 12%? Acham factíveis que com estas taxas sejam possíveis se financiar imoveis nos atuais valores ao menos a classe C? As calsses D e a E então, que compõem cerca de 85% do defct habitacional brasileiro?

    Não vejo portanto nenhum cenário onde exista para os próximos anos, para o Brasil como um todo, perspectivas de aumento nos valores dos imóveis ou ao menos de estabilização depois que o credito acabar e que os investidores sairem do mercado. Isto é questão de tempo apenas, e no ritmo atual, é muito provavel que a poupança não passe de 2013 como previsto.

    Minha opnião é claro

    0
    • Duda 10 de maio de 2011 at 14:36

      Flavio, tenho lido nos ultimos dias sobre o efeito da inflação sobre uma bolha imobiliaria. No que parece, o principal efeito da inflação, além de “cortar” de fato o renda das pessoas, diminuíndo sua capacidade de pagamento (e de devolver creditos), o que pode gerar uma onda de inadimplencia, tem um efeito nocivo na confiança do consumidor. Quer dizer, que ninguem entra em novas despesas, porque quere reservar sua renda para o basico, que começa a ficar cada vez mais caro. Ou seja, para o povo com renda “justa” o consumo baixa. No que parece, a bolha pode furar mais facilmente num cenario inflacionario do que em tempos de estabilidade de preços, ou baixa inflação.

      0
      • Duda 10 de maio de 2011 at 14:42

        Complementando o anterior, as classes mais baixas são as que primeiro deixariam de comprar imóveis, pois são os primeiros a sofrer um abalo na confiança do consumidor.

        0
        • Duda 10 de maio de 2011 at 15:34

          Tinha publicado isto mais acima, mas não saiu, segur de novo: O aumento da inflação destroi a confiança do consumidor. Em Usa este indicador começou a descer muito rapidamente aproximadamente um ano antes de explodir a crise de 2008. Como estouro de bolha, aumento de inflação e crise de confiança estão muito ligados, aqui seguem dois links interessantes para quem quiser seguir esta linha de discussão. O indicador de confiança do consumidor tem tudo a ver com a psicologia coletiva, acredito que teremos muito que falar nos proximos meses sobre este indicador.

          http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en|pt&u=http://en.wikipedia.org/wiki/Consumer_Confidence_Index

          http://extra.globo.com/noticias/brasil/confianca-do-consumidor-tem-leve-queda-em-abril-diz-acsp-1772266.html

          0
          • flavio hertel 11 de maio de 2011 at 06:44

            Concordo Duda.

            Acho que o impacto da inflação sobre o mercado imobiliário merece uma atenção especial.

            Alem das questões possta aqui, como a diminuição da confiança para se endividar a longo prazo em um cenário inflacionário e a diminuição da renda que impactam sobre as vendas dos imoveis, creio que exista ainda o fato da imflação também afastar os investidores que são (ou eram dado as quedas nas vendas) um número significativo de compradores. Acho menos provável que um investidor opte por imoveis, um “investimento” de menor liquidez e com custos fixos, em um cenário cuja valorização ainda teria que superar a inflação para valer à pena.

            Creio que todos estes fatores juntos e outros ainda não colocados possam contribuir para o eventual estouro da bolha, se ela existir é claro.

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 10:36

            Isso mesmo, ate um tempo acreditava que a inflação podería “validar” os aumentos de preço dos imóveis, mantendo-os nas alturas. Porém, agora estou pensando o contrario, existem muitos motivos para pensar no sentido oposto. A inflação já ganhou as capas dos jornais (impressos e de TV), e mesmo com % oficiais muito baixos, voltou a ser (de novo!) o numero mais importante da economia. Alias, como historicamente sempre foi neste pais.

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 12:27

            Duda,

            o indice de confianca nos USA fez uma maxima de 111 em julho de 2007, so que o indice de precos de casas fez uma maxima de 206 em julho de 2006…

            eh inverso que vc disse. o indice de confianca comecou a cair quando os precos JA TINHAM caido cerca de 10%.

            se quiser te mando os dois graficos

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 12:41

            Jose, sim, ja respondí acima. SDS

            0
  • Andre 7 de maio de 2011 at 19:06

    Estamos evoluindo…

    Essa relação aí, é sim, indicador de bolha, conforme já falei.

    O q tem q ver, além disso, é o comportamento dessa relação através do tempo.

    Ao avaliar um dado economico, tem q olhar nivel e vetor, como já disse o Jose por aqui. Como é hoje e como costumava ser.

    O mercado imobiliario é MUITO lento, o horizonte a ser visto tem q ser grande. O problema é q no brasil é muito dificil obter dados antigos, e qdo acha, interpretá-los. É aquilo q todo mundo tá careca de saber: hiper inflação, troca moeda toda hora, corta zero… Aí já viu, né?

    Abs

    0
    • Frank 7 de maio de 2011 at 21:58

      “Ao avaliar um dado economico, tem q olhar nivel e vetor, como já disse o Jose por aqui. Como é hoje e como costumava ser.”

      vc está tecnicamente correto.

      mas essa é fácil, não precisa nem de indicador.

      imóveis dobraram em 2 anos, a renda das pessoas, não,

      portanto, houve um descolamento.

      se se incluir o crédito na renda, q de fato aumento o poder de compra, pode-se chegar a resultados diferentes.

      0
      • Andre 8 de maio de 2011 at 01:12

        Será q não mesmo, Frank? Não digo dobrar, mas pode ser q tenha tido um aumento maior do q a gente tá achando…

        O jose botou aqui um slideshow do BC, q em um dos slides mostra a divisao de classes.

        Lá dá pra ver q as classes A-B aumentaram muito, e a C tb… Acho q a D tb… Isso ao custo da diminuição da E.
        E com previsão de aumentar essa tendencia.

        Como isso não poderia ser aumento de renda?

        Obs.: imoveis dobraram em 3 anos, nao em 2 (media Rio)

        Obs2.: Este indicador só usa renda real mesmo, credito não entra na jogada, salvo engano.

        Abs

        0
        • MrK 8 de maio de 2011 at 12:44

          Andre isso tudo é muito fruto do bolsa familia, que subiu as classes

          só que o bolsa familia, não é um uso sadio do dinheiro publico, pode ser socialmente mais correto e bem aceito, admito, mas se voce pensar em termos economicos puramente seria melhor direcionar essa verba pra investimentos produtivos.

          agora, veja o que é renda media pra essa turma… verás que pelo que consideram rendimento justo uma classe B hoje não compra ap nem na tijuca

          abs

          0
          • Andre 8 de maio de 2011 at 22:26

            MRK,

            há muito tempo eu desisti de querer “mudar o mundo”…
            Não importa se o que estão fazendo é “certo” ou “errado”.
            O que importa é o EFEITO que isso terá na minha, na sua, na nossa vida.

            Se a renda aumentou por bolsa familia, melhora de qualificação ou pq neguim descobriu petroleo no quintal pouco importa… O que importa é o efeito macro disso.

            Abs

            0
        • Frank 8 de maio de 2011 at 19:21

          André, dados de renda são fáceis de achar.

          Vários estudos de melhoria de renda foram publicados nos últimos anos.

          IPEA e IBGE têm dados nesse sentido.

          0
          • jose 9 de maio de 2011 at 16:49

            eu tenho um grafico de Median House Price/Income Ratios in Some of the World’s Main Cities
            mas como faco pra disponibilizar aqui?

            0
          • Duda 10 de maio de 2011 at 12:46

            Isso mesmo, esse é um dos poucos dados faceis de se obter. Na wikipedia tem o PIB PPC per capita de todos os paises, e ate a evolução no tempo. Por desgraça não existe um indicador de preços de imóveis ou alugueis tão bom nem confiavel, a maioria de nossas dúvidas ficariam enterradas rapidamente se tivermos esses dados.

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 12:46

            José, de que mes / ano é esse grafico? se for atualizado, me interessa. Pode colocar tb no email. SDS

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 18:05

            te mandei ai…

            0
        • me 9 de maio de 2011 at 11:46

          André, esse aumento da classe C foi manipulado. O piso para ser considerado classe média foi diminuido.

          0
          • Andre 10 de maio de 2011 at 08:20

            Humm, já desconfiava… Muito mais fácil abaixar a referencia do q aumentar a renda…

            Talvez isso tenha algo a ver c/ o fato de a tabela de IR estar hiper defasada (tenho lido algumas reportagens sobre isso), perdendo pra inflaçao há anos e fazendo c/ que a gente pague mais IR do que deveria…

            Abs

            0
        • Iury 9 de maio de 2011 at 15:25

          Andre.

          Eu sei que é pontual, não serve de estatística etc etc. Mas vou dar o exemplo que conheço assim mesmo.

          Eu sou da classe A2, já fiz o questionário e não consigo – nem c** sangue – comprar um apto na Tijuca. Vou ter que correr para o Grande Méier (pq no Meier central tb não dá). Mesmo achando que há uma bolha, como o meu aluguel aumentou d+, vou ter q comprar o meu num lugar mais longe para iniciar meu patrimônio. Não posso aguardar que a bolha estoure.

          Tenho mais 3 amigos, no mínimo, na mesma situação. Alguns desses amigos não tem sequer filhos e mesmo assim não conseguem.

          A minha renda melhorou bastante nos últimos anos e mesmo assim preciso ir morar num lugar pior, pois onde estou (Tijuca) não consigo sequer alugar um imóvel.

          Um abraço,

          Iury

          0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 19:13

            Iury,

            entendo perfeitamente o seu ponto, tenho amigos na mesma situação, é muito dificil mesmo…

            É uma sensação de “se eu tivesse nascido 3 anos antes tudo daria certo”.

            Pelo menos aqui vc tem informação relevante p/ te ajudar a tomar a decisão. A interpretação vai de cada um.

            Abs

            0
          • Frank 11 de maio de 2011 at 12:16

            “se tivesse nascido 3 anos antes”:

            pios eu, q “nasci 3 anos antes”, mas comprei no lugar errado (BARRA).

            aiaiai…

            0
          • Ana Paz 12 de maio de 2011 at 13:20

            Desculpe, Frank.. mas HAHAHAHAHA
            tenho q rir, pq quase competi esse “erro” também.
            ainda bem que desisti a tempo…

            0
    • Fábio Portela 8 de maio de 2011 at 18:13

      O problema, André, é que não há dados confiáveis a respeito de como se dava essa relação há alguns anos. Infelizmente, nosso governo não tem uma base de dados a respeito disso, como os EUA têm.

      0
      • Andre 8 de maio de 2011 at 22:16

        Fabio,

        em primeiro lugar parabens pelo trabalho que vc vem fazendo.
        Sei bem como é ter que buscar dados “na unha” pra construir estatisticas…

        Sobre o indicador:
        Convenhamos, não tem como dizer que um indicador está “alto” sem ter alguma referencia do que é o “normal” dele. Comparar com o dos EUA não diz muito, pois pode ser que historicamente, seja “mais dificil” um brasileiro médio comprar um imovel médio no BR do que um americano médio comprar um imovel medio nos EUA….

        Mas já é uma evolução, claro, mais um vez, parabéns, esse é o caminho.

        Obs.: Não sei se vc já viu, mas no site do Economist tem um grafico com esse indicador (e outros) para vários países do mundo (infelizmente não o BR). Já postei o link aqui, anteriormente.

        Abs

        0
      • Andre 10 de maio de 2011 at 13:55

        Fabio,
        outro ponto: o mais correto, ao construir estatisticas sobre imoveis é usar preço / m2 e não por qtd de quartos.

        Afinal existem aptos de 3 qtos desde 62m2 (acredite…) a 150m2 ou até mais…

        Abs

        0
  • Frank 7 de maio de 2011 at 22:00

    interessante.

    o q eu achei legal nessa comparação é q ela exlclui o efeito câmbio.

    essa é a distorção q mais chama a atenção na “bolha” brazuca: o descolamento entre renda real e preço dos imóveis.

    desde 2007 vem-se abrindo uma “boca de jacaré” entre os dois.

    0
    • Andre 8 de maio de 2011 at 01:15

      Pois é, mas na minha humilde opiniao, 3 ou 4 anos é pouco p/ esse mercado, tem q ver isso + pra trás.

      Abs

      0
  • MrK 8 de maio de 2011 at 00:38

    Amigos,
    quando eu entrei aqui pela 1a vez eu tinha duvidas se havia ou não uma bolha… talvez tivesse 60% a favor da bolha… isso ha 3 meses atrás…

    como eu gosto de economia e financas (e vivo disso) resolvi ir a fundo no mercado imobiliario (uma área da economia que até então eu nunca tive vontade ou estimulo pra me aprofundar)… hoje posso dizer que meu indice passou pra 95% a favor…

    quando comecamos a entender o efeito do crédito farto em um mercado específico, que até então tinha niveis historicamente baixos de crédito, fica bem claro que estamos vivendo uma bolha pelo fato de pessoas que só poderiam comprar um imovel em 10 , 15 ou 20 anos, estarem todas podendo comprar ao mesmo tempo!!!

    so que como já expliquei, isso não é uma riquesa que veio pro mercado, isso é tão somente uma antecipacao, pois essas pessoas não comprarão 2 imoveis, elas em vez de poupar pra comprar um em 10 anos, vão comprar agora e pagar as parcelas (no lugar da poupança que fariam), portanto NÃO HÁ MOTIVO REAL pros precos subiram 150%, somente motivo pontual e transitório !!!

    abs

    0
    • Ral 8 de maio de 2011 at 01:13

      Olha , não tenho dados de endividamento das familias/ pequenas-empresas , porém aqui no escritório os clientes desde de janeiro estão nos dando a maior canseira para pagar a mensalidade.

      0
    • Andre 8 de maio de 2011 at 01:25

      “fica bem claro que estamos vivendo uma bolha pelo fato de pessoas que só poderiam comprar um imovel em 10 , 15 ou 20 anos, estarem todas podendo comprar ao mesmo tempo!!!”

      MRK,
      me desculpe, mas isso não confirma uma bolha… Se esse credito está indo p/ moradia mesmo, temos q ver isso direito…

      Credito explica a ALTA, mas não confirma bolha…

      Bolha é qdo os ativos estão girando que nem batata quente na mao de especuladores (principalmente). Não parece ser esse o caso.

      Bolha é qdo os ativos estão absurdamente descolados do valor “justo”. O Rental Yield não me diz isso…

      ———–

      “resolvi ir a fundo no mercado imobiliario (uma área da economia que até então eu nunca tive vontade ou estimulo pra me aprofundar)”

      Qto a isso posso dizer q é uma area fascinante, pq ao mesmo tempo q tem algumas caracteristicas iguais de qq mercado financeiro, tb tem outras totalmente diferentes.

      Abs

      0
      • MrK 8 de maio de 2011 at 12:41

        Andre,

        como voce mesmo disse, a concentração de compradores num curto periodo de tempo explica a ALTA, mas afinal o que é uma bolha?

        Penso que uma bolha nada mais é que uma alta sem justificativa coerente na demanda.. aqui fica aberto a interpretacoes, mas a minha é: Como as pessoas não comprarão mais, somente comprarão antes (Todas juntas) o preço subiu pontualmente e terá que voltar aos patamares de equilibrio

        Proponho a todos o seguinte exercicio: Imagine uma cidade inexplorada na praia com 55 lotes, somente terrenos.. imagina agora 50 familias indo comprar lotes la ao longo de 10 anos, cinco familias por ano… o lote custava R$10.000 por exemplo… então cada uma ia e pegava esse valor… como sempre tinha lote disponivel, o valor flutuava no maximo pela inflação… oferta e demanda estavam em relativo equilibrio, no final sobram 5 lotes aos mesmos R$10.000 corrigidos…digamos R$11.000

        Agora mude tudo, imagine essas familias indo lá não ao longo de 10 anos, mas todas no mesmo mês, logo ia acirrar uma competição e o preço ia disparar, inclusive os donos dos 5 lotes restantes iriam segurar pra vender bem mais caro, visto a guerra de preços, os lotes seriam vendidos por R$20.000, e as familias tomando crédito aceitaram pagar… agora imagine passado os 10 anos, qual seria o preço do s 5 lotes residuais?? os mesmos R$11.000 do caso acima, pois nada mudou em termos de demanda e oferta!! logo, os preços que chegaram a R$20.000 no auge da competição voltariam pros R$11.000, estourando a bolha!

        abs

        0
        • ramires 8 de maio de 2011 at 14:14

          E se ao inves de familhas, fossem os investidores que comprassem para revender.

          0
          • Luiz Ag 9 de maio de 2011 at 22:05

            Agora imagina que esses investidores tivessem 5 mil para gastar, comprasse 2 terrenos por 20 mil cada se endividando, imaginando que daqui a 5 anos venderam por 50 mil cada…

            Entendeu como estoura a bolha?

            0
        • Andre 8 de maio de 2011 at 22:07

          MRK,

          “Agora mude tudo, imagine essas familias indo lá não ao longo de 10 anos, mas todas no mesmo mês, logo ia acirrar uma competição e o preço ia disparar”

          Gostei muito do seu exemplo, é bem por aí mesmo. Mas… como saber quanto seria esse “mes” no mundo real? 3 anos, 5 anos, 10 anos?

          Outra coisa, ou dos q acredita que o ajuste (no seu exemplo, os 10 anos) pode ser via queda de valor real, e não nominal…

          Nesse caso não daria pra chamar de “bolha”, mas é claro, q o nome é q menos importa, o importante é o comportamento…

          Abs

          0
          • Andre 8 de maio de 2011 at 22:40

            Corrigindo:

            Outra coisa, SOU dos q acredita que o ajuste (no seu exemplo, os 10 anos) pode ser via queda de valor real, e não nominal…

            Abs

            0
        • Duda 11 de maio de 2011 at 16:32

          Mrk, por isso que acredito, que antes de começarmos a falar sobre se x ou y estão altos o baixos, devemos primeiro concordar no que significa o termo bolha. Isso vem antes de tudo. A definição que vc deu e quase perfeita, ou pelo menos concorda muito com todas as que tenho pesquisado. Tentei documentar isso da melhor forma possível, como pode ver acessando artigos antigos neste mesmo site. Depois podemos entrar na sintonía fina sobre um ou multiplos indicadores para saber como está, em que ponto está, comparar com outros países e mais… Todos chegamos e escrevemos neste site pelo mesmo motivo: o grande aumento do preço dos imóveis, muitas vezes por acima de salarios, PIB, inflação, e PIB PPC per capita, e também de aluguéis (que em geral tendem a acompanhar os salarios). O fato de sermos um pais desorganizado (e tb corrupto…) e sem dados estatisticos confiaveis, não tira o fato de estarmos vivendo uma, mesmo que fique dificil demonstrar com tabelas de indicadores, ratios, relações, e quaisquer numero que possa ser util. Quero dizer que concordo com seu ponto de vista, e valorizo muito seu aporte. Parabens!

          0
      • marcelo 8 de maio de 2011 at 20:06

        Trabalhei num banco público e vi “in loco” o banco liberando o crédito para pessoas sem condições de honrar o crédito por 30 anos. Vivemos sim uma bolha e quero vender meu imóvel antes que ela estoure. As pessoas que botaram na cabeça que não existe bolha provavelmente trabalham no mercado imobiliário, mas tenho conversado com vários corretores de imóveis no Rio de Janeiro e alguns já veem o mercado eufórico demais por causa do crédito fácil. O giverno está fazendo vista grossa para o fato porque nossa presidenta quer conquistar a confiança da classe média. Isso vai desde a visita de Bono Vox ao planalto até a criação de novas formas e arrecadação de dinheiro para fundos imobiliários em bancos públicos. Brasileiro tem memória curta e deveria lembrar do “milagre econômico” ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Milagre_econ%C3%B4mico_brasileiro ).

        0
        • MrK 8 de maio de 2011 at 23:35

          marcelo, sua contribuição é muito importante

          e vou além: Muita gente culpa a crise americana pelo crédito “mal concedido”, mas não foi só ele o vilão, o crédito que na época era considerado “bem concedido” também se provou uma armadilha, pois era crédito para consumo, para torrar… não gerava riqueza alguma e só inflacionava o mercado… mesmo o crédito hoje que está sendo enfiado guela abaixo dos trabalhadores estáveis tem armadilhas embutidas!!!

          O Governo mexeu a dinamica do crédito pos-crise 2008 de duas formas: Incentivo a construcao civil com queda de impostos dos produtos e migração de investimentos do DI pra poupanca que tem destinacao por lei ao mercado imobiliario, essa superoferta de crédito é que quebrou os EUA e não a Fannie Mae, mas o governo não admitiria isso né?

          E a resposta pelo qual esse absurdo está passando livremente na cara de todo mundo está muito bem explicado na sua colocação: POPULISMO, como o mercado de construcao de civil gera empregos em grande escala e muita gente tem imovel proprio, o governo tentará esconder a bolha o máximo que puder! fará o possível e o impossível para tal! lançar CRI sem imposto pela caixa economica é apenas um exemplo…

          0
          • Duda 9 de maio de 2011 at 11:12

            E por aí. Exatamente isso.

            0
        • Duda 10 de maio de 2011 at 15:30

          Muito oportuno mencionar esse link. Estamos passando por um fenomeno similar, tirando a parte do chumbo claro, pelo menos no que se refere ao Brasil potencia… isso é a base de tudo…

          0
  • TH 8 de maio de 2011 at 11:12

    Já viram a propaganda da crefisa na globo:

    http://www.youtube.com/watch?v=I5T4R_kdJVY

    Extraido do site da Crefisa:

    1. Tenho restrições em meu nome, posso fazer um empréstimo?
    A Crefisa é a única financeira que concede empréstimos SEM CONSULTA AO SPC/SERASA para Servidores Públicos, Aposentados e Pensionistas e Funcionários de Empresas Privadas. A liberação do crédito dependerá apenas da análise de seu perfil e da documentação necessária. A consulta ao SPC/SERASA é feita somente para empréstimos contraídos através de Cheque.

    2. Não possuo mais margem consignável em minha folha, posso fazer um empréstimo?
    A Crefisa é a única financeira que concede empréstimos SEM MARGEM CONSIGNÁVEL para Servidores Públicos, Aposentados e Pensionistas e Funcionários de Empresas Privadas. A liberação do crédito dependerá apenas da análise de seu perfil e da documentação necessária.

    0
    • MrK 8 de maio de 2011 at 23:37

      TH isso me lembra as propagandas americanas que incentiavam o crédito via hipoteca imobiliaria, considerando isso a 8a maravilha do mundo…

      como um cara endividado, com nome sujo, sem espaco no consignado pega um emprestimo??

      grande parte do aumento do consumo das familias brasileiras nos ultimos 2 anos foi puramente crédito e não renda… historicamente isso tem se mostrado insustentável, pois as familias não poupam, ficam no seu limite e no primeiro desaquecimento…voce ja sabe o que dá…

      0
    • me 9 de maio de 2011 at 11:53

      TH, esse tipo de prática já era bem comum no Rio de Janeiro muitos anos antes de se falar em bolha.
      No centro é(ou era?) cheio de agentes literalmente puxando gente pelo braço pra fazer empréstimos, desde desempregados a idosos aposentados e pensionistas.
      Nada de novo.

      0
  • Aninymous 8 de maio de 2011 at 13:04

    Os estados de São Paulo no Brasil e Ohio nos EUA possuem Probuto Estadual Bruto semelhantes. Veja o que está acontecendo com as vendas TOTAIS de residências.

    Franklin County, Regiao Central de Ohio, 1.200.000 habitantes
    http://www.10kresearch.com/sortable/Columbus-OH/2011-01/Franklin-County.pdf
    Vendas para Janeiro/2011 = 1582

    Cidade de Sao Paulo, 12.00.000 habitantes
    http://www.secovi.com.br/files/Arquivos/tabelas_0111_2.pdf
    Vendas para Janeiro/2011 = 830

    Conclusão; Em termos absolutos, a região central de Ohio vende o DOBRO de residências quando comparado com a cidade de São Paulo. Em termos relativos, vendas/habitantes, vende 20 VEZES MAIS. E Ohio não é uma região badalada como as ciades citadas no texto do Fabio.

    0
    • Frank 9 de maio de 2011 at 11:03

      mas qual é o ponto?

      0
      • Anonymous 9 de maio de 2011 at 14:23

        O ponto é como um país que *dizem* estar passando por uma crise imobiliária sem precedentes vende 20 vezes mais por habitante do que um país que *dizem* estar *bombando* em imóveis? Alguém está mentindo e muito!

        0
        • Frank 9 de maio de 2011 at 21:36

          o q eu vi foi o seguinte:

          unidades vendidas em SP Jan/2011: 830 (pop: ~9 MM)

          unidades vendidas em Franklin County Jan/2011: 609 (pop: ~1MM)

          grosseiramente, a venda unidades per capta nessa municipalidade americana é 10 vezes a de SP.

          mas isso é muito pontual, dá pra conluir algo e generalizar?

          gostaria q vc elaborasse…

          0
          • me 12 de maio de 2011 at 16:50

            Duda, vou ter que confessar que suas certezas tem me desconcertado bastante. Fico imaginando essas datas que você pontua categoricamente chegando, nada acontecendo, e você aos poucos sumindo do blog, como cheguei a achar que aconteceria quando você avisou das férias.

            Espero que não me entenda errado. Gostaria muito que você estivesse correto e (como já observei uma vez aqui sobre já perceber mudanças até mesmo antes de quando você disse) sendo modesto até nessas previsões. Mas, né…

            0
        • Duda 11 de maio de 2011 at 15:41

          Bom, interessante este ponto. 830 unidades vendidas em SP, parece um numero baixo, pelo tamanhão da cidade. Lembrar que um dos pontos que indica uma bolha muito “enchida” é a paralização do mercado, ou seja, valores nas alturas, mas poucas vendas (faz sentido). Alguem tem o historico de operações fechadas em SP desde 2005 ou 2006, para podermos comparar?

          0
          • me 11 de maio de 2011 at 16:37

            Ao invés de comparar com o tamanho da cidade, não seria interessante compararmos com o histórico de vendas?

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 17:04

            Isso que proponho na parte final do comentario. Quem pode nos repassar esses dados, pelo menos dos ultimos 5 anos?

            0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 17:20

            Bom, eu mesmo tinha esses dados, e ja tinha mandado para o Bolha postar aqui… Bem, se só foram vendidos apenas 800 e tantos imóveis em SP no mes pasado, senhores, então o mercado já está em processo de parar, pois sería apenas um terço das vendas mensais (medias) em 2010.

            http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/03/04/bolha-em-graficos/

            0
          • jose 12 de maio de 2011 at 11:47

            eh impressao minha, ou esse dado ai que os pro bolha estao comemorando mostra que a tal enxurrada de oferta nao houve (olhando so pro mes em discussao)

            pq vender 830 eh pouco, mas se sao lancadas 600….

            pra quem quer q despenque os precos nao pode comemorar queda de estoque nao… (que foi o que ocorreu NO MES EM DISCUSSAO)

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 12:46

            Jose, houve um aumento na oferta disponivel (perto de 2000 imoveis). E só foram vendidos 830. num link que postei (do propio SECOVI), mas que ainda não apareceu, pode ver uma queda de 83% nas vendas comparando janeiro a janeiro (o que anula o efeito da sazonalidade). Não posso comparar outros meses porque o secovi não publicou mas dados. Gostaria que vc desse sua interpretação dessa queda no numero de operações.

            Não é comemoração, mesmo que para vc pareça. A comemoração virá com a queda dos preços, que ainda não chegou, mas esta perto.

            0
          • jose 12 de maio de 2011 at 14:44

            Houve aumento?

            no link que eu vi diz que foram lancadas 601 e vendidas 830, logo a oferta que era de 11814 caiu pra 11585.

            e so pra informar: o high de vendas nos US foi em jun/05 os precos ainda subiram e dois anos depois (quando as vendas de casas novas – anualizadas, pra fugir da volatilidade mês a mês – ja tinham despencado 25%) que os precos comeram a cair.

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 16:16

            Aqui o high foi abril do ano passado… Já passou mais dum ano.

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 16:22

            Quero dizer, do ponto de mais vendas (mais de 40000 em abril/10) os preços continuaram a subir ate hoje, e possivelmente mais uns meses, o dado de vendas anualizadas neste momento não temos ainda (o Secovi não publicou), e quando tiver, vamos estar quase igual que nos Usa, tanto em tempos como %… mas claro, sem dados fica dificil calcular…

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 16:36

            Vou revisar o numero de 2000 imoveis, não gosto de colocar numeros errados…

            0
    • Mateus 9 de maio de 2011 at 23:41

      É ótimos esses tipos de dados para enriquecer a discussão.

      Porém, duas observações:

      1) O dado do Secovi é apenas de imóveis NOVOS vendidos. Isso está escrito lá. Sabe-se lá quantos usados foram vendidos.

      2) Não encontrei esse dado de 1.582 unidades vendidas em Franklin. Nesse documento consta 609 unidades vendidas em janeiro e dá a entender que seria tanto de imóveis novos e usados.

      Uma curiosidade: lá consta o preço médio de 800 dolares por metro quadrado (74.4/sqft). E a renda familiar média anual é de 53.905 dolares (http://en.wikipedia.org/wiki/Franklin_County,_Ohio), portanto uma família na média ganha o equivalente a 67metros quadrados por ano.

      Como eu já disse aqui antes, minha renda me coloca nos 3% piramide social do DF, mas eu só conseguiria comprar 67m2 se o m2 custasse até 2.700 reais. Ou seja, nem em Aguas Claras em poderia morar, talvez em Samambaia.

      1+
      • Anonymous 10 de maio de 2011 at 12:15

        * Franklin County
        Closed Sales 609 + In Contracts 973 = 1582
        Os números devem ser somados pois “in contracts” significa acertando os contratos do financiamento, portanto já vendidas.
        Inventory of Homes for Sale 8325
        Conclusão foram vendidas cerca de 20% (1582 / 8325) do total de casas em estoque.

        * Sao Paulo
        Oferta 11814
        Unidades Vendidas 830
        Conclusão foram vendidas cerca de 7% (830 / 11814) do total de casas em estoque.
        A dúvida é: Seriam esses 11814 imóveis novos? Se forem imóveis novos, o que de fato está ocorrendo é um aquecimento de lançamentos, mas não de vendas.

        0
        • Frank 11 de maio de 2011 at 12:20

          ôpa, agora achei sua resposta e entendi melhor o ponto.

          só não sei ao certo o q se pode concluir disso…

          realmente, a qtde de vendas / estoque é baixa em SP (comparada à Franklin County).

          isso pode significar (especulando…):
          – vendas em queda
          – excesso de euforia com os preços, levando muitas pessoas a anunciar seus imóveis p/ faturar “algum” com essa alta (isso valeria pra quem tem + de 1 imóvel, ou quem vai sair da cidade ou país)

          0
  • Elton 8 de maio de 2011 at 17:06

    Gostaria de saber o que provavelmente irá acontecer em 30 de junho quando a CAIXA restringir o programa minha casa minha vida.

    0
    • Duda 11 de maio de 2011 at 15:48

      Mudança de Paradigma, meu amigo. Um ponto que, pelo que tenho lido, todas as bolhas atingem. Ou seja, o que antes “era”, deixou de “ser”. Agora todos acham que o credito está barato, que é fácil conseguir e outras coisas. O mercado consolidou acima disso, e os preços subiram. Quando esse argumento desapareça, as regras do jogo serão diferentes. O mercado passará a ser dos compradores, não dos vendedores como agora. Esperar para ver.

      0
      • me 11 de maio de 2011 at 16:40

        Publicaram aqui nos comentários a notícia de que aprovaram, as pressas, a MP que altera o mcmv. Mas não me pareceu muito significativo. O teto saiu de 5.400 pra 4500, algo assim.
        Isso é suficiente pra causar tanto estardalhaço? A oposição quis manter como estava.

        0
        • Duda 11 de maio de 2011 at 17:26

          O numero realmente não faz muita diferença. O que sim pode contar é o impacto na midia e no povão: tipo “o mcmv esta acabando”. Vamos ver.

          0
  • Elias 9 de maio de 2011 at 00:49

    Excelente trabalho do Fabio Portela.

    Mas entendo que para avaliar a capacidade de pagamento de um empréstimo imobiliário, deveríamos usar o conceito de “renda familiar” em vez de “renda per capita”.

    Veja que um casal com um filho, no exemplo citado, teria uma renda familiar de R$ 44.472,00 x 3 = R$ 133.416,00. Neste caso, por mais que a dívida seja de 1 milhão, vejo como muito possível que esta família consiga quitá-la.

    Veja também que um casal de servidores federais pode facilmente ganhar o dobro disso anualmente.

    Mas, é claro que em virtude da dificuldade de se chegar a esse valor de renda familiar média, o de renda per capita serve como parâmetro.

    Também acho que vivemos uma bolha, mas não sei quando vai estourar.

    A maioria dos CRIs está com vencimento para 2017/2018.

    0
    • MrK 9 de maio de 2011 at 11:22

      Elias, sua colocação é boa, mas o Fabio precisou comparar com outros paises e por isso usa-se per capita, se ele fosse ajustar o Brasil pro seu exemplo, ajustaria igualmente os EUA e a diferença gritante continuaria a mesma!

      mas acho valida sua observacao: Hoje pra se comprar um imovel precisa-se de duas rendas (boas) e muita divida!!! sinais dos “fim dos tempos euforicos”

      0
  • Andre 9 de maio de 2011 at 09:14

    MRK, Jose, Frank, me, Duda e outros,

    conforme prometi:

    http://www.abecip.org.br/m22.asp?cod_pagina=648&submenu=sim&cod_pai=430&cod_pai2=648

    Aí dá p/ ver saldo de cadernetas e tb informações valiosas sobre o credito imob.

    Abs

    0
    • Andre 9 de maio de 2011 at 09:49

      Olhando a tabela: em TODO o ano de 2002, menos de 29 mil unidades financiadas…

      Dá p/ entender pq dizem que o credito não está exagerado agora, e sim antes é que era RIDICULO…

      Abs

      0
      • Marcelo 9 de maio de 2011 at 10:01

        Bom, vemos que a bolha ainda está enchendo, basta ver o nível de financiamento em
        http://www.abecip.org.br/m22.asp?cod_pagina=680&submenu=sim&cod_pai=430&cod_pai2=680 . Quando esse nível baixar por 4 meses seguidos veremos as ações das construtoras derretendo na bolsa e as incorporadoras começarem a queimar os quilos de gordura dos preços.

        0
      • MrK 9 de maio de 2011 at 11:20

        Andre,

        Concordo quando diz que o crédito antes era muito baixo e hoje ele tem um nível mais razoável, porém o fato do crédito ser baixo, médio ou alto não deveria influenciar o valor de um imóvel a longo prazo!!!

        É como comento sempre, o maior crédito só antecipa uma decisão de compra, em vez de precisar poupar 10, 15 anos, a pessoa compra hoje e troca essa “poupanca futura” que faria por uma “divida presente”, mas o imovel é rigorosamente o mesmo!

        Só que o crédito liberado todo de uma vez (despejado ao longo de 24 meses um valor maior de crédito que dos ultimos 24 anos) ele gerou uma correria aos imoveis muito maior do que a oferta disponível, gerando a famosa bolha

        saudacoes

        0
        • Andre 9 de maio de 2011 at 11:21

          Concordo,

          mas vc acha que quem fez isso (avalanche de credito em pouco tempo) não sabia o efeito que isso ia causar no mercado??

          E se fez de propósito, será que vai fazer mais ou menos disso?

          O Jose já colocou aqui um relatorio falando das alternativas pra empurrar a bomba pra depois…

          Abs

          0
          • MrK 9 de maio de 2011 at 11:40

            André, eis minha opinião para a avalanche, são 3 movimentos que na minha opinião foram pouco orquestrados:

            1- Movimento intencional do governo para gerar consumo (reducao de impostos e minha casa minha vida)
            2- Movimento não intencional do mercado interno (migração DI -> Poupança)
            3- Movimento não intencional do mercado externo (liquidez excessiva pelos juros baixos e pacotes de estimulo a economia dos países em crise)

            somando isso tudo deu no que deu, não creio que uma mão invisivel esteja por trás, creio que foram movimentos que tinham sua razão financeira de ser, mas o fato é: Os 3 se somaram e a bomba foi armada!

            Desses 3 movimentos, somente o segundo me parece perder alguma força, os outros dois seguem firmes, porém o 1o tem data pra acabar e o 3o pode minguar também se o FED subir juros (cenário possível), só que na minha opinião NÃO É PRECISO faltar crédito pra bomba estourar, ela pode estourar mesmo com todo esse crédito aí!

            abs

            0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 12:05

            [foi no lugar errado, agora vai]

            MRK,

            na minha humilde opinião, esses movimentos 1 e 2 aí foram totalmente orquestrados e intencionais.

            E quem os fez, não tem nada de “mão invisível”… Lembra quem é o PRINCIPAL player desse mercado?

            Abs

            0
      • Túlio 9 de maio de 2011 at 18:33

        Olá André,

        E você pensou porque antes o crédito era “RIDÍCULO”?
        Será que era realmente ridículo ou ele era proporcional àqueles que realmente poderiam pagar?
        E será que agora o crédito é normal ou está sendo concedido de forma irresponsável a quem não pode pagar?
        Não acho que antes o crédito era ridículo não. Acho que a sua concessão era mais criteriosa e menos populista e, como o Brasil era, como ainda é, um país POBRE, poucos podiam pegar emprestado, como ainda deveria ser.
        Abraços

        0
        • Andre 9 de maio de 2011 at 18:46

          Tulio,

          bom vc de volta opinando por aqui.

          O Brasil tem hoje 42 milhoes de imoveis (já botei o link aqui), em 2002 não devia ser muito diferente.
          E foram 29 mil unidades financiadas em 2002… (tb tem o link aqui nessa pag).

          Uma desproporção assustadora.

          Não concordo de jeito nenhum com o q o governo fez… Acho que tinha q aumentar o credito mesmo, é claro, mas não tão rápido… Pq do jeito que foi feito, deu no que deu…

          Quanto aos criterios de concessão de credito não tenho base p/ falar, mas acho natural que afrouxem um pouco quando a qtde aumenta…

          Abs

          0
          • Andre 10 de maio de 2011 at 07:56

            Na verdade, 42 milhoes sao casas proprias (ocupadas pelos proprios donos), o total é 57 milhoes…

            “O total de domicílios considerados na pesquisa do IBGE em 2000 foi de 44,8 milhões. Em 2010, esse número cresceu para 57,3 milhões.”

            Tirado do mesmo link.

            Abs

            0
    • Frank 9 de maio de 2011 at 11:28

      acho q o link correto é o q o Marcelo colou aí embaixo.

      o montante total de crédito imobiliário (de caderneta de poupança) vem crescendo a ritmo forte.

      a partir de 2006, o volume total quase que dobra anualmente – à exceção de 2009, impactado pela crise.
      Ano R$ MM
      2010 56.198
      2009 34.017
      2008 30.032
      2007 18.283
      2006 9.340
      2005 4.852
      2004 3.002

      Observando-se o valor médio de financiamento (R$ MM) por unidade financiada, nota-se um crescimento – mas mais sutil do eu esperaria, pois o valor médio dos imóveis cresceu mais nos últimos 3 anos. O valor médio financiado por unidade p/ aquisição cresceu +/- 20% aa nos últimos 4 anos.

      Ano Aquisição (R$ MM / unidade)
      2010 0,14
      2009 0,12
      2008 0,10
      2007 0,08
      2006 0,07
      2005 0,08
      2004 0,06

      0
      • Andre 9 de maio de 2011 at 14:26

        Frank,
        na verdade, esse site tem tanto os dados de saldos de cadernetas quanto de financiamentos imobiliarios.

        Cruzando esses dois q o pessoal diz q, a seguir a tendencia, acaba a “farra” em 2013…

        Abs.

        0
    • Andre 12 de maio de 2011 at 09:23

      Rapaz, com esses dados de credito imobiliario eu queria entender como pode ter gente achando q imovel tá vendendo pouco…

      Se vendendo “pouco” o bagulho sobe 3% a.m. imagina se vendesse muito…

      Abs

      0
  • Duda 9 de maio de 2011 at 10:35

    Para o Fabio Portela: Como a maioria dos que aqui escrevemos, temos ou tivemos bastante dificuldade em conseguir dados atualizados, peço se possível claro, publicar tambem uma tabela com essa relação para o resto das cidades importantes do pais (SP, RIO, Curitiba, POA, Salvador). Brasilia é uma das cidades com maior renda per capita do pais, e mesmo assim a relação é muito alta. Gostaria (mos) saber como está nas outras cidades. Abs

    0
    • Fábio Portela 10 de maio de 2011 at 16:41

      Infelizmente, não disponho dos dados para outras cidades brasileiras…

      0
      • Duda 11 de maio de 2011 at 10:51

        OK Fabio, igual valeu. No que a mim respeita, não precisso (pelo menos para Porto Alegre, onde moro) duma tabela para saber a evolução elativa deste indicador. Sei como evoluiram os preços nos ultimos anos, pois tenho realizado tanto compra como vendas de imóveis na cidade desde 2002. Como pode imaginar, tambem sei como evolui meu salario, e as outras rendas familiares, assim como os salarios do mercado de trabalho por aqui. Está muito fresco na memoria. Pelo menos em POA esse indicador sofreu uma multiplicação x 3 nos ultimos 6 anos. O aumento relativo já tenho, agora precisso dos valores absolutos que tem esse indicador (e para isso são necessarios preços medios de imoveis). Continuarei procurando. Abs

        0
      • Duda 12 de maio de 2011 at 11:32

        Fabio, sería bom analisar o que está acontecendo no mercado imobiliario de SP. Teve uma queda de 83% interanual em janeiro. A fonte é o proprio SECOVI, e dados posteriores não foram publicados. Lembro que a paralização do mercado antecede o estouro. Segue o Link

        http://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices/indicadores-do-mercado/

        0
  • Q 9 de maio de 2011 at 10:56

    Mais um grande investidor internacional reduz o ritmo de investimento no mercado imobiliário brasileiro:
    http://www.valoronline.com.br/impresso/empresas/102/423043/enrique-banuelos-freia-atuacao-na-area-imobiliaria

    0
    • MrK 9 de maio de 2011 at 11:03

      Q, no mercado tem pouco bobinho…

      comecou o “Sam” reduzindo as posicoes dele, depois foram as quedas vertiginosas das construtoras na bolsa (-30% em 1 ano), agora o enrique pula fora… nessas crises são sempre assim: Quando a bomba estoura é na mão do povão, esse que paga a conta!!

      Os seus amigos que estiverem cheios de imoveis na planta comprados pra vender com ágio que pagarão a conta quando houver a inversão da curva… o pessoal desesperado vai tentar se livrar dos imoveis voando pra vender no topo e vai si fufu, tá escrito!

      0
    • Duda 11 de maio de 2011 at 16:14

      Tinha lido isso num jornal economico da Espanha.

      0
  • me 9 de maio de 2011 at 12:01

    O que tem parecido pra mim é que não estamos em “bolha” no sentido de que vai acontecer uma quebradeira. Acho que o termo correto seria “em alta”. A procura aumentou, os valores subiram. O que tô querendo entender agora é como isso pode mudar, e se há sinais consistentes.

    Alguém tem acompanhado isso, por exemplo?

    http://www.infomoney.com.br/imob/cotacoes

    Algum comentário?

    0
    • Marcelo 9 de maio de 2011 at 16:30

      Acho que o melhor indicador de bolha imobiliária seria formado pelo IMOB e pelo nível de financiamento com dinheiro da poupança.

      0
  • Andre 9 de maio de 2011 at 12:04

    MRK,

    na minha humilde opinião, esses movimentos 1 e 2 aí foram totalmente orquestrados e intencionais.

    E quem os fez, não tem nada de “mão invisível”… Lembra que é o PRINCIPAL player desse mercado?

    Abs

    0
    • MrK 9 de maio de 2011 at 12:07

      Andre, o 1o foi sim, o 2o não acho que tenha sido

      as pessoas mudaram de DI e poupanca simplesmente por uma conta que considera qual o maior rendimento, não acho que o governo fez isso de proposito pra fomentar credito imobiliario não, tanto é que na ocasião ele pensou em taxar a poupanca pra evitar essa distorção!

      pra mim o governo baixou selic pra gerar consumo, pois acreditava ser (erroniamente penso eu) a saída pra crise, na verdade ele só postergou a crise… mas nao acho que ele tenha baixado pensando no mercado imobiliario propriamente não

      abs

      0
      • Andre 9 de maio de 2011 at 13:26

        MRK,

        “as pessoas mudaram de DI e poupanca simplesmente por uma conta que considera qual o maior rendimento, não acho que o governo fez isso de proposito pra fomentar credito imobiliario não”

        Aí vai da interpretação subjetiva de cada um, mas na MINHA opinião, isso foi intencional, e foi sim, p/ fomentar o credito imob. e CAUSAR a alta dos preços. Tb foi p/ estimular o consumo como um todo, mas convenhamos o povo fica muito mais feliz comprando casa do q TV de LED…

        “tanto é que na ocasião ele pensou em taxar a poupança pra evitar essa distorção!”

        Isso pra mim foi só um blefe p/ fazer a gente pensar justamente isso q vc pensou…

        O meu erro nesse episódio (o boom imobiliario brasileiro) foi gostar demais da pag. de economia do jornal e de menos da pag. de politica…

        Já falei aqui, tem bem mais gente feliz c/ a alta do q triste, e como tem eleição de 4 em 4 anos…

        Abs

        0
        • MrK 9 de maio de 2011 at 13:38

          André, acho que o governo quis fomentar o credito imobiliario mais pelo “minha casa minha vida”, mas o ponto é que não importa se foi de proposito ou não (a migração DI – Poupanca) ,o que realmente importa é que ela ocorreu e trouxe consequencias!

          Quanto ao mercado de agio (que hoje existe aos montes nos imoveis) é um mercado que sempre tendo a zero, igual quando tem agio em automoveis… o mercado sempre se ajusta, pois o agio é fruto de uma distorção temporária entre oferta e demanda

          abs

          0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 14:12

            MRK,

            me desculpe, mas isso importa sim e muito… Pq se foi intencional, é provável que vá continuar fazendo até não dar mais, né?

            Abs

            0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 14:15

            “Já falei aqui, tem bem mais gente feliz c/ a alta do q triste”

            http://www.painelpolitico.com/Editorias/Noticias/CRESCE-PERCENTUAL-DE-IMOVEL-ALUGADO-E-CAI-O-DE-CASA-PROPRIA.html

            Cerca de 80% dos imoveis do Brasil são próprios…

            Abs

            0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 14:21

            Tirado do link acima:

            “O percentual de casas próprias teve uma ligeira queda: era de 74% em 2000 e variou levemente para 73% em 2010. Em números absolutos, isso significa 42 milhões de casas próprias.”

            Botando uma média de 3 habitantes/imovel, são 126 milhoes de pessoas ficando 2 ou 3% mais felizes a cada mes…

            Pequena observação: Eu DUVIDO que 0,0001% desse povo que tá se achando “espertão” tenha previsto isso há 3 anos atrás… Só deram sorte, nada mais do q isso…

            Abs

            0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 18:00

            “Já falei aqui, tem bem mais gente feliz c/ a alta do q triste”

            http://www.painelpolitico.com/Editorias/Noticias/CRESCE-PERCENTUAL-DE-IMOVEL-ALUGADO-E-CAI-O-DE-CASA-PROPRIA.html

            73% dos imoveis do Brasil são próprios…

            Abs

            0
  • RAL 9 de maio de 2011 at 12:22
  • ildeu 9 de maio de 2011 at 12:44

    Antigamente em mha cidade as pessoas saiam 1 ou 2 vezes por semana ,e gastavam 20/30 reais em media .Hoje saem pra se divertir de quarta a domingo , e o preço das coisas duplicou .Os bares vivem cheios ,as boates tbem .Todo mes tem eventos grandes [ultimo sabado mesmo show com ivete sangalo , 150 reais pra ir…numa cidade de 400 mil pessoas ,tinha umas 6 mil la´ .Tudo jovem e boa parte sem renda .Como explicar isso? se as familias ganham 4 /5 mil por mes ?Como o filho gasta 1000 reais so´ em diversao ?O brasil e´ muito estranho ,vejo gente que e´ estagiario em banco com carro e oculos esportivo de 2 mil reais .Nao e´ so´ bolha imobiliaria , as pessoas estao vivendo com renda de 2 mil dolares como vivem quem ganha acima de 6 mil …Eu ganho entre os 5% mais alto do IBGE , e quem ganha 20% que eu ganho faz praticamente as mesmas coisas . vai entender isso !!

    0
    • MrK 9 de maio de 2011 at 13:00

      ildeu, é sobre isso que tenho falado muito, as pessoas estão usando o crédito como renda, como se fosse salário E NÃO É!!!

      crédito correto só deve ser usado pra uma emergencia (que não é o caso de um show) ou pra investimendo que gere algum tipo de retorno, mas as pessoas não estão fazendo nem um nem outro, usam pra torrar, como se fosse renda… o governo sabe disso, mas prefere deixar o problema estourar mais pra frente, pois seria muito impopular restringir esse crédito e reeducar o povo

      outro problema que vem com essa gastança é a ausência de poupanca, pois o dinheiro poupado é que deveria financiar o credito, mas se ninguem poupa, de onde vem esse dinheiro todo? Respondo: De fora, o que é péssimo, pois é um flixo que não controlamos!

      abs

      0
    • Marcelo 9 de maio de 2011 at 15:57

      aqui está a explicação -> http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/1,,EMI231801-16357,00.html

      0
    • Duda 11 de maio de 2011 at 11:18

      Que bom que não sou o unico que percebeu isso! Será porque essas pessoas ficaram ricas ou porque estão se endividando? Cada um pode tirar suas proprias conclusões… tenho uma coleguinha que trocou o ap no ano passado, e quando tentou deixar o ap com a sua cara… apareceu chorando (no sentido REAL do termo, acredite se quiser…) dizendo que o dinheiro não dava… Em fim… Existem milhões de casos como esse no país…

      0
  • Andre Luiz 9 de maio de 2011 at 13:58

    A “Bolha das Commodities” está desinflando… Muitos diziam que havia escassez de recursos. Hoje em dia já estão verificando o caráter especulativo dos preços.

    Será que com os imóveis no Brasil não acontece o mesmo?

    Segue o link:

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-bcs-e-a-nova-bolha

    0
    • MrK 9 de maio de 2011 at 14:11

      Andre Luiz,

      creio que enquantro os EUA permanecerem imprimindo dinheiro, eles irão exportar inflação pra todo o mundo e as commodities tendem a subir, não porque elas são escassas, mas porque o dinheiro mundial (dollar) cada vez vale menos… creio que ouro, prata, comida etc.. tendem a subir mais

      quanto aos imoveis no Brasil eu não sei a forma como irá descer, nas geralmente nessas situações o preço sobe de escada e desce de elevador!

      abs

      0
    • Duda 11 de maio de 2011 at 13:03

      Se as commodities estão em bolha, e ela explodir, nos afeta diretamente, pois somos um dos principais produtores. Isso pode ser o fator internacional, que o Gus mencionou no post anterior, mas não gerou debate lá. Também penso que isso pode nos fazer “cair do cavalo”.

      0
  • MrK 9 de maio de 2011 at 14:16

    Amigos, vou viajar e ficarei ausente do blog por umas 2 semanas, dependendo das minhas condições de acessibilidade pode ser que eu entre aqui vez ou outra pra ver o que rola, vai depender do Ipad e do WiFi !!!

    De qualquer forma, espero que o bom debate continue e vamos acompanhando os movimentos desse mercado, o que eu queria deixar de semente plantada aqui acho que já fiz pelos meus inúmeros posts: Excesso de crédito / Renda real vs crédito / Renda real vs Preço dos imoveis / Excesso de demanda pontual pela liberação do crédito num intervalo (historicamente) curto, especulação exagerada etc..

    Sigo forte crendo na bolha e como disse logo em cima: Os preços sobem de escada e descem de elevador, lembrem-se disso! Deixo a todos um forte abraço!

    0
    • me 9 de maio de 2011 at 16:12

      Duda, é você?

      0
      • Duda 9 de maio de 2011 at 16:34

        Não cara, embora coincidam nossos pontos de vista com MrK e o fato de sair de ferias duas semanas… rarararara boas ferias para MrK. Eu em ferias, nem acesso a Internet !! desligo mesmo !!

        0
    • Duda 9 de maio de 2011 at 16:39

      Cara, em ferias tenta desligar… as vezes melhor ficar longe da Internet e dos emails… Boas ferias!!

      0
      • jose 9 de maio de 2011 at 17:41

        alguem viu a capa do valor de hoje?

        falando que o carro no Brasil eh o mais caro do mundo?

        sera que temos uma bolha ai tambem?

        queria ver eles caindo uns 40% tambem… to de olho num modelo e queria muito que ele caia uns 40%…

        0
        • Duda 9 de maio de 2011 at 17:51

          Hoje não consegui ver muito, o serviço esta pesado… mas vou tentar ler em casa. Abs

          0
        • Marrego 9 de maio de 2011 at 17:51

          O problema do preço dos automóveis no Brasil é bem diferente. Sempre foram caros em comparação ao exterior por conta da carga tributária absurda do país. O preço não explodiu de um dia para o outro como no caso dos imóveis.

          0
        • Andre 9 de maio de 2011 at 18:56

          Ué, o meu carro caiu 40% desde q eu comprei… A bolha já estourou. 🙂

          Abs

          0
          • Frank 9 de maio de 2011 at 21:23

            hahaha 🙂

            olhem as bolhas estourando por aí, galera !!

            ânimo, q já já chega a vez dos imóveis.

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 12:38

            cara,

            eu tenho diminuido minha vinda aqui no site, pq chegou a um ponto que 30% agrega alguma coisa, o resto parece ate piada, ainda mais pros “titulos” que o pessoal que frequenta o site tem

            cada exemplo que se pega pra contrapor a bolha nao serve. e as expolicacoes sao totalmente infundadas…

            afinal, qual definicao de bolha? eh preco errado, alto, fora do fundamento que quando estoura cai 40% ou so vale se sobe rapido..

            faca o favor ne? se sobe devagar nao eh bolha, mesmo que POSSA estar mais errado do que o que subiu rapido?

            uma pimenta na discussao.. que sera ignorada, como todas as outras que coloco, pelos pro -bolhas…

            o credito IMOBILIARIO como % do PIB no Brasil eh 2,6%.. ridiculo, tenho outros paises aqui, mas to com preguica de colocar…

            agora imagina o cenario.. pessoal ve que o credito pra gastos ta alto, o % em termos de PIB fica constante so que ocorre um shift de consumo para housing… ai digamos que vamos para o percentual da africa do suil por exemplo que é 22%, ou da TODA certinha alemanha que é de 43%, ou pra bosta da colombia que é de 10%!!!!

            ai o preco do carro pode cair, mas acho que o de casa nao ne?

            0
          • Andre 11 de maio de 2011 at 13:26

            “eu tenho diminuido minha vinda aqui no site, pq chegou a um ponto que 30% agrega alguma coisa”

            Jose,
            quanto a isso melhorou, pq há alguns meses era uns 5%…

            Abs

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 14:51

            verdade Andre,

            mas fazendo a media aparada (tirando umas 2-3 pessoas) volta pro 5%.

            0
          • Andre 11 de maio de 2011 at 17:21

            jose,

            “agora imagina o cenario.. pessoal ve que o credito pra gastos ta alto, o % em termos de PIB fica constante so que ocorre um shift de consumo para housing… ai digamos que vamos para o percentual da africa do suil por exemplo que é 22%, ou da TODA certinha alemanha que é de 43%, ou pra bosta da colombia que é de 10%!!!!”

            Entendi seu ponto, se for pra diminuir o credito é + provavel que diminua do consumo em geral do que o imobiliario. Pode ser.

            Obs.: essas informações aí são muito valiosas, se vc puder botar agradecemos (os que dão valor a DADOS, pq a maioria vai ignorar, como ignora tudo q é relevante).

            Abs

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 18:14

            Andre,

            eu mandei pro Duda um grafico com esses numeros…pedi pra ele colocar aqui

            eles sao do final de 2008… pro brasil o numero mudou de 2,6 pra 3,9%… os outros nao sei…

            pros do brasil https://www.bcb.gov.br/?INDECO vai na parte de moeda e credito – Operações de crédito do sistema financeiro – Saldo por atividade econômica
            ai vc vera que habitacao eh 150bi do total de 1,7 tri
            ou seja, 8,6% do total, e como o total de credito eh 46,4% do pib, o imobiliario eh 3,9% (8,6 x 46,4).

            0
        • Leandro 9 de maio de 2011 at 20:01

          José,
          Eles sempre foram caros no Brasil.
          Em 2005 pesquisei para comprar um Golf 1.6 0km e ele estava custando 46.000,00.
          Hoje, o mesmo carro custa R$ 53.000,00 (fonte tabela da Fipe). Ou seja, ele aumentou pouco mais de 10% em 6 anos. Isso é bolha?
          Nos mesmos 6 anos, quantos porcento os imóveis aumentaram em média?

          0
          • Andre 9 de maio de 2011 at 20:15

            Leandro, já falei sobre isso por aqui.

            O preço de um modelo específico de carro nao pode ser usado pra nada.

            Nesse seu caso aí o golf tinha 7 anos de lançado, em 2006… Logo estava um pouco depois da “meia vida”…

            Hoje está com 12 anos, já está fazendo “hora extra” no mercado…

            É natural o carro ficar + barato qdo aparecem concorrentes + modernos…

            Já o civic por ex. aumentou um montão de % entre 2006 e 2007 (ano mod), por ex…
            Pq?

            Pq mudou de geração…

            Logo, mesmo se quiséssemos comparar os mercados teríamos q arrumar um indice de preços médios de carros.

            Abs

            0
          • Leandro. 10 de maio de 2011 at 10:09

            Andre,
            Concordo que não dá pra comparar os mercados.
            Citei o exemplo do carro somente em resposta ao que o José havia colocado (que entendo não estar relacionado à discussão da ´bolha” do imóveis).
            Quanto ao aumento no preço percentual do civic, não tenho dados concretos, mas não creio que tenha sido tão relevante assim. Esse ano ou ano que vem o civic lançará nova geração e não poderá aumentar muito os preços, pois senão vai perder mercado em comparação aos concorrentes diretos (Corolla e “Novo Elantra”, lançamento em breve da Hyndai).
            Abraço.

            0
          • Andre 10 de maio de 2011 at 14:02

            Tá certo, Leandro, cada caso é um caso.

            Não tenho certeza sobre o caso do civic de 2006 p/ 2007 é só percepção minha. Mas dá pra confirmar no site da Fipe, tem tabelas antigas… To c/ preguiça de ver…

            Mas o mais normal é aumentar de preço ao mudar de geração.

            Outra coisa, realmente o Civic está meio “encrencado” no mercado desde q saiu o Corolla novo, acho q as vendas cairam a menos da metade… Mas tem um ponto q muita gente não ve: muitos desses clientes não migraram pro Corolla e sim pro City, então, pra Honda, tá tudo “em casa”…

            Obs.: o melhor lugar da net p/ ler sobre carro, p/ mim é o BCWS, não se se vc conhece, fica aí a dica.

            Abs

            0
          • Leandro. 10 de maio de 2011 at 22:03

            Andre,
            Obrigado pela dica.
            Abraço.

            0
          • jose 11 de maio de 2011 at 14:49

            eh Leandro, eu devo estar ficando maluco mesmo…
            achava que em 2000 por ai se comprava um carro popular por 10k

            e hoje nao sao por menos de 25k…

            0
          • Frank 11 de maio de 2011 at 21:29

            “achava que em 2000 por ai se comprava um carro popular por 10k

            e hoje nao sao por menos de 25k…”

            bom, mas aí aumentou X 2,5 em 10 anos….e não em 3 anos, né ? 🙂

            0
          • jose 12 de maio de 2011 at 11:54

            mas frank,

            desconsiderando os “meus primos”, os “tio do primo do sobrinho da amiga da mae”, os precos subiram (pelo relatorio do BC) 100% no rio em 3 anos.

            ainda falta 50% e mais, se ficar constante os proximos 7?

            isso pra comparar com um bem que tem total diferenca com casa ne?

            meu ponto eh.. quando eu extrapolo o argumento do pessoal aqui pra bolha (subiu muito e só), eu concluo que tem bolha na economia todo e fico na torcida pra que tudo caia 40% ano que vem.

            ate pq, pensa uma coisa. cenario de stress:
            se o governo tiver que CORTAR o credito, vc acha que ele corta qual?

            a) consumo
            b) imobiliário

            ai imagina o cara querendo tomar credito, com emprego bom, boa perspectiva, e nao tem credito pra consumo, so pra casa…

            0
          • Frank 12 de maio de 2011 at 12:21

            imóveis no RJ subiram 100% em 3 anos….

            cara, o meu apto na Barra subiu 50% em 3 anos.

            agora, em Botafogo, JB, Gávea, Flamengo, Copa os aptos subiram bem mais de 100% nessa janela de 3 anos.

            no meu comentário, estou (implicitamente) considerando RJ = ZS.

            é nessa região q os preços, a meu juízo, estão loucos.

            abs

            0
          • Andre 12 de maio de 2011 at 12:48

            Jose, Frank, e outros,

            Já colequei aqui no site uma tabela do Globo com preços de 1998.

            Se vc pegar esses preços e ajustar pelo IGPM (por ex.) verá que fica muito proximo do atual. Exceto no caso da Z Sul, mas como já falei por aqui, Z Sul é um caso especial, já estava descolado em 2008 (antes do boom imob. brasileiro), acredito que por causa das APACs.

            O ponto aqui é o seguinte: imóveis subiram mais do que tudo nos ultimos 3 anos, mas nos ultimos 10 a coisa é diferente…

            Aquela historia da “ajuste após anos de estagnação” num é só papo de corretor não… Os imóveis realmente deram uma “travada” por volta do fim 90s e inicio de 2000s… Qq um q acompanhe preço pode confirmar… Infelizmente não temos grafico p/ isso.

            Se vc pegar desde 1998, acho q o indicador preço imovel/salario vai dar + ou – proximo ao de hoje…

            Todo mundo está impressionado com a subida fortíssima dos ultimos 3 anos, mas ninguém notou qdo ficaram lá parados anos e anos, sendo corroídos pela inflação…

            Abs

            0
          • jose 12 de maio de 2011 at 14:46

            Andre,

            acho que te mandei um grafico que mostra isso ne? (acho que deflacionado pelo incc).

            coloca aqui pf…

            0
        • Duda 13 de maio de 2011 at 08:45

          Cara, só agora que (voltei) a prestar atenção nesta entrada. Volto a repetir: é só LER o que é uma bolha, para saber que NÃO tem, e na minha opinião NÃO PODE ter bolha no mercado dos carros. Explico melhor: alguém compra carro pensando que no futuro vai valorizar? Alguém compra muitos carros como investimento, para depois vender mais caro? Se conhece alguém por favor, mande de novo para o primeiro grau, mas acredito que o povo do Brasil não está tão mal de educação não. Qual então o motivo dos carros caros no Brasil? Com um vc vai concordar, com o outro, sei que não. Um deles é simples: Brasileiro é fissurado por carro, ainda tem pouco carro em relação a população do pais (metade que argentina e um quinto dos Usa), e todos querem ter um. Isso aquece a demanda, e as montadoras aproveitam. O governo tb aproveita os impostos claro. E para garantir que tudo fique em casa, coloca os impostos dos importados lá cima. O outro é o efeito riqueza (com esse tal vez vc não concorde, mas esta acontecendo) não esquecer que estamos em meio duma “lagoa” de confiança, todos acham que esta vez, o Brasil decolou. Isto em parte gerou esse efeito riqueza. Muitos estão se achando “que estão podendo”, tinham uma casa que há 4 ou 5 anos valia 50.000 hoje (eles acham) que poderiam vender por 200.000, e aí se largam e compram um carro de 50.000. Isso sumado a outros fatores (IPI reduzido, o principal) dispararam a demanda, e os preços com ela, aumentando ate o espaço os lucros das montadoras. O imposto, ele mesmo, não é o motivo. Em Argentina os impostos são igual de altos, e os carros saim 40% menos, mesmo os importados do Brasil. Pela minha parte, acho que assunto “bolha nos carros”, não merece mais comentarios. Simplesmente NÃO é uma bolha…

          http://economiaemercadouff.blogspot.com/2009/05/efeito-riqueza.html

          http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_pa%C3%ADses_por_autom%C3%B3vel_per_capita

          0
  • MrK 9 de maio de 2011 at 14:32
  • ildeu 9 de maio de 2011 at 17:12

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/imoveis-no-nordeste-estao-baratos-diz-sotheby-s . vejam so´ isso , a exame perguntando sobre a bolha , e o cara com respostas ridiculas .

    0
    • Duda 11 de maio de 2011 at 11:43

      Essas opiniões são as que não valem nada… “vicepresidente duma das maiores imobiliarias do mundo”… não tem como opinar outra coisa, mas achei muito mais interessantes as perguntas feitas pela Exame. Na verdade, são afirmações feitas como pergunta. Leiam com atenção.

      0
      • Duda 11 de maio de 2011 at 12:39

        Quero dizer: as perguntas do periodista, deixam aparecer qual é seu pensamento. Ele tenta tirar alguma declaração “bombástica” do cara, mesmo que seja por acaso. Mas nas respostas se sai bem, não se auto – trai em nenhum momento.

        0
  • jose 9 de maio de 2011 at 17:51

    Fabio,

    tive enrolado ultimos dias e so agora consegui entrar aqui…

    so queria fazer dois comentarios

    ah.. antes disso, eu tenho um grafico do Median House Price/Income Ratios in Some of the World’s Main Cities e quero colocar aqui pra podemos olhar em outras partes do mundo, como faco?

    nao da pra ignorar o fator credito, a nao ser que vc acha que todo o credito dado sera extinto,

    outra coisa… numa cidade onde um PM ganha 4,500, a MEDIA do PLANO PILOTO eh 3,700?
    to com preguica de puxar esse numero, mas amanha vou correr atras pra ver se faz sentido ou nao…

    de qq forma, parabnes pela analise

    0
    • Andre 9 de maio de 2011 at 18:53

      Tenta o ImageShack.

      Abs

      0
      • jose 11 de maio de 2011 at 12:47

        meu e-mail eh [email protected]
        me manda um e-mail que te mando o grafico.. nao sou craque nessas paradas nao…

        0
        • Andre 11 de maio de 2011 at 18:45

          Mandei.

          Abs

          0
          • jose 12 de maio de 2011 at 12:08

            te mandei alguns graficos…

            se puder colocar aqui,…

            abs

            0
  • Ral 9 de maio de 2011 at 23:24

    Pessoal , este artigo foi um dos melhores sobre o assunto que vi nos ultimos meses.

    Hoje fiz uma experiência , imprimir 10 cópias e entreguei para pessoas diferentes , dizendo que ia passar mais tarde para perguntar sobre o que acharam.

    Fiquei surpresso , 07 pessoas disseram que não tinha idéia que estava neste patamar e que realmente passariam a prestar mais atenção outras 03 desconfiaram do artigo dizendo que o Brasil e totalmente diferente dos EUA.

    Este espaço é muito bom para estudarmos e emitirmos opiniões , mais eficiente ainda será ao divulgarmos o assunto

    0
    • jose 11 de maio de 2011 at 12:39

      e sera mais eficiente ainda se pessoal estudar o assunto pra agregar…

      0
      • Duda 12 de maio de 2011 at 13:11

        Que bom! voltamos ao ponto de partida! Já tinha perdido a esperança! Se quiserem estudar, seriamente claro, o assunto, aqui segue o link:

        http://people.hofstra.edu/jean-paul_rodrigue/jpr_blogs.html

        Depois de estudar, poderemos dar melhores interpretações ao fenomeno… e chegaremos a um consenso… rararara

        0
        • Duda 12 de maio de 2011 at 13:19

          Sei que muitos não sabem ingles, mas o Google Translate ajuda muito.

          0
        • jose 12 de maio de 2011 at 14:47

          vai ajudar…

          mas me recuso a tratar isso com analise grafica.

          0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 15:13

            rararara… bom, isso depende de vc. Pelo menos faz uma leitura criteriosa, o cara tomou o trabalho de analisar bolhas dos ultimos 500 anos. Pode parecer pouco modesto, mas por enquanto não vi nada melhor sobre bolhas que esse artigo/estudo.

            0
          • Duda 12 de maio de 2011 at 15:23

            Sem desprezar os esforços feitos pelos contra-bolhas, claro… mas vamos combinar, existe um abismo de qualidade entre argumentos caseiros, que nem batem bem entre eles, com algo bem explicado e fundamentado como isto…

            0
          • me 12 de maio de 2011 at 16:45

            José, não entendi?

            0
  • Eduardo 10 de maio de 2011 at 08:47

    Lucro da Gafisa cai para R$ 13,7 milhões no 1º trimestre

    A construtora e incorporadora Gafisa informou na noite de segunda-feira que encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 13,7 milhões, enquanto um ano antes o ganho havia sido de R$ 64,8 milhões. No período, o lucro líquido ajustado por despesas com plano de opções e itens não recorrentes foi de R$ 24,1 milhões, comparado a R$ 79,6 milhões ano a ano.
    Já a geração de caixa operacional, medida pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 106,5 milhões nos três meses até março, ante R$ 168,5 milhões no mesmo intervalo de 2010. A margem caiu de 18,6% para 13,3%.
    http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idnoticia=201105101000_RTR_1305021247nN09213910

    0
  • roberto 10 de maio de 2011 at 09:28

    Olha lá : Se não tem dinheiro para o pão como vai pagar o financiamento ?

    Pela primeira vez desde 2005, os gastos básicos mensais das famílias brasileiras com alimentação, educação, transporte, entre outras despesas, superaram no ano passado a renda, aponta pesquisa da Kantar Worldpanel.

    Fonte Estadão hoje.

    0
  • roberto 10 de maio de 2011 at 09:31

    Diretor presidente da Gafisa, Wilson Amaral, renuncia ao cargo !!!!!!

    Olha a bolha ai minha gente.

    0
  • Andre 10 de maio de 2011 at 12:39

    Seguindo o link do BC que o jose botou aqui:

    http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/04/02/dica-nova-serie-do-jornal-da-band-mostra-a-bolha-imobiliaria-brasileira/#comment-1932

    Dá pra ver q o $ de gringo q entrou p/ mercado imobiliario ano passado foi 1,8 bi.

    Na planilha que eu botei neste topico aqui dá pra ver q o $ de financiamento liberado ano passado foi 56 bi.

    A participação de gringo no mercado é bem pouca…

    Abs

    0
    • Andre 10 de maio de 2011 at 19:06

      Na verdade a diferença é ainda maior, pois 62% do preço do imovel em media é financiado hoje em dia (conforme link que botei aqui).

      Isso dá que o total do valor dos imoveis (aprox) em todas as operações financiadas de 2010 é 90 bi…

      Já o gringo compra à vista (acredito), seus “estrondosos” 1,8 bi, ou uns 2% do mkt…

      Abs

      0
      • Andre 10 de maio de 2011 at 19:26

        MRK,

        isso mostra q o movimento 3 do seu raciocínio anterior é pouco significativo, sobrando só os movimentos 1 e 2.

        Abs

        0
        • Frank 11 de maio de 2011 at 11:19

          pois é tem pouco gringo entrando.

          mas deve ser bem concentrado em algumas praças, podendo contribuir p/ um sobreaquecimento em casos específicos.

          arrisco dizer: RJ (Zona Sul, é claro!) e algumas capitais do NE q estão na mira de investidores europeus – portugas e espanhóes – há alguns anos (Natal é a mais visada).

          0
          • me 11 de maio de 2011 at 11:30

            Pessoal, um ponto importante sobre o a zona sul do Rio: ela não é só Ipanema/Leblon! Existem outros bairros.

            Não sei se é bem o que querem dizer neste blog, mas pessoalmente, acho que poucos lugares do Rio tem uma qualidade de vida minimamente razoável fora da zona sul. Existem alguns lugares até bons, mas com muitas ressalvas. É como se fossem umas “ilhas” de qualidade de vida. Tijuca, São Cristovão, até Irajá tem algumas partes interessantes. Mas acho difícil convencer alguém que venha de Curitiba ou São Paulo que esses lugares são bons de morar.

            Ou seja: não é que zona sul seja só bairros chiques, mas o que sobrou de um pouco mais de dignidade na cidade.

            0
          • Andre 11 de maio de 2011 at 12:04

            Frank,

            pode ser, mas como vamos descobrir isso (o % de gringo comprando em cada bairro da Z Sul)?
            Alguma ideia?

            ———-

            me,

            “Não sei se é bem o que querem dizer neste blog, mas pessoalmente, acho que poucos lugares do Rio tem uma qualidade de vida minimamente razoável fora da zona sul. Existem alguns lugares até bons, mas com muitas ressalvas. ”

            Exato, Barra/Recreio/Jpa são bons lugares, o q mata é o transito…

            “É como se fossem umas “ilhas” de qualidade de vida. Tijuca, São Cristovão, até Irajá tem algumas partes interessantes. Mas acho difícil convencer alguém que venha de Curitiba ou São Paulo que esses lugares são bons de morar.”

            Onde trabalho (que é uma empresa grande) todo mes tem uma penca de gente vindo pro Rio, de outros locais do BR… TODOS chegam querendo morar na Z sul, mas a maioria tem q se contentar com os bairros menos nobres da Z Sul, ou lugares mais distantes, ou “piores”.

            “Ou seja: não é que zona sul seja só bairros chiques, mas o que sobrou de um pouco mais de dignidade na cidade.”

            É verdade, considero lugares como Botafogo, Flamengo, Copa, lugares muito bons e dignos de viver… Mas olhando só pro output (o preço) não parece valer o que tão pedindo, né…

            Abs

            0
          • Frank 11 de maio de 2011 at 12:05

            eu falava especificamente da ZS visada pelos gringos, e essa é basicamente Ipa/Leblon (talvez + Lagoa e orla de Copa).

            0
  • me 10 de maio de 2011 at 13:50

    http://economia.estadao.com.br/noticias/not_66184.htm

    “Amaral, que havia sido reeleito em dezembro de 2009 para o cargo, permanecerá como membro do conselho, informou a ata da reunião. Sua saída estava prevista para o fim do ano depois de cinco anos como diretor presidente da Gafisa.”

    0
  • CARLOS 10 de maio de 2011 at 14:04

    Parece que a bolha não é só imobiliária:
    http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110509/not_imp716649,0.php

    0
    • Andre 10 de maio de 2011 at 20:39

      “No final da semana passada, uma correção no mercado de commodities afetou preços de uma gama de produtos, do cobre ao algodão. O petróleo registrou a maior queda em termos absolutos da história. Em apenas um dia, o barril perdeu US$ 12,00. Na semana, a prata perdeu 30% de seu valor, na maior queda em quase 30 anos. O Financial Times chegou a classificar a queda de “épica” e, entre alguns representantes de BCs, a ordem é de manter vigilância total em relação aos acontecimentos diante do que poderia ser mais uma bolha.

      Para alguns, a ameaça de ” pouso forçado” existe em relação ao comportamento do mercado de commodities. O impacto seria sentido, acima de tudo, em economias exportadoras de matérias-primas. Segundo dados do Instituto de Finanças Internacionais, foram os altos preços de commodities que promoveram uma recuperação rápida na América Latina após a crise de 2009. A entidade, que representa os bancos privados, aponta que as commodities representam hoje 50% das exportações da região.”

      Sinistro… Isso é preocupante.

      Abs

      0
  • ramires 10 de maio de 2011 at 14:47

    Tenda e menos lançamentos fazem
    lucro da Gafisa cair 79% no 1º
    trimestre

    Fonte. www1.folha.uol.com.br/mercado/913639-tenda-e-menos-lancamentos-fazem-lucro-da-gafisa-cair-79-no-1-tri.shtml

    0
    • me 10 de maio de 2011 at 15:01

      Sazonalidade, pô…

      0
      • Susy 10 de maio de 2011 at 15:04

        “Sazonalidade, pô”
        Isso só pode ser ironia, né, ME? 🙂

        Pois a “sazonalidade” derrubou o diretor da Gafisa:
        http://www.bussoladoinvestidor.com.br/noticia/presidente_da_gafisa_renuncia_apos_queda_nos_lucros-14801,1.html

        0
        • me 11 de maio de 2011 at 10:47

          É uma ironia, sim. Houve notícias anteriores que eles deram essa explicação para queda nesse ano.

          0
          • Duda 11 de maio de 2011 at 17:54

            Susy, mais acima estamos colocando numeros nessa “sazonalidade”, no que parece, em 2010 foram vendidos 36000 imoveis em SP, neste ano, no ritmo atual seríam uns 10000 para todo 2011. Procura a conversa iniciada pelo Anonymus.

            0
        • Duda 11 de maio de 2011 at 11:00

          rararara ultimamente esta sendo usada a sazonalidade para explicar tudo… o ruim claro. As noticias otimistas e boas sempre parecem ser estruturais… ou seja, chegaram “para ficar”… Boa tu colocação! SDS

          0
  • me 10 de maio de 2011 at 15:06

    Pessoal, queria falar em algo meio “off-topic” aqui. Queria agradecer muito ao pessoal que se dispõe a falar e dar detalhes sobre o que acontece. Estou aprendendo bastante com vocês. Obrigado!

    0
    • Andre 10 de maio de 2011 at 19:10

      Eu é q agradeço, pois vc é uns dos q contribui bastante.

      Abs

      0
  • Ramires 10 de maio de 2011 at 15:20

    Todos estamos aprendendo e isso nos faz abrir o olho.

    0
  • Andre 10 de maio de 2011 at 16:08

    Seguindo o link do BC que o jose botou aqui:

    http://www.bolhaimobiliaria.com/2011/04/02/dica-nova-serie-do-jornal-da-band-mostra-a-bolha-imobiliaria-brasileira/#comment-1932

    Dá pra ver q o $ de gringo q entrou p/ mercado imobiliario ano passado foi 1,8 bi.

    Na planilha que eu botei neste topico aqui dá pra ver q o $ de financiamento liberado ano passado foi 56 bi.

    A participação de gringo no mercado é bem pouca…

    Abs

    0
    • Andre 10 de maio de 2011 at 19:11

      [post repetido, respondido no outro]

      0
      • jose 11 de maio de 2011 at 12:42

        Andre,

        DADOS que nao corroboram a histeria do pessoal daqui é ignorado…

        0
  • Marcelo 10 de maio de 2011 at 18:18

    Minha namorada recebeu uma carta do Itaú oferecendo 60 mil de crédito imobiliário! Ela é isenta e não possui carteira assinada … ou seja .. sem comprovar renda o Itaú ofereceu 60 mil !!!! Se isso não é bolha vamos criar outro nome … poderíamos chamar de “excesso de crédito e ganância de vendedores” … basta comparar os preços em Miami e na zona sul do Rio de Janeiro … olhem http://www.trulia.com e comparem com http://www.zap.com.br … não precisa dizer mais nada …

    0
  • Susy 10 de maio de 2011 at 19:00

    Mais um vídeo (de 06/05) do professor e consultor Ricardo Torres sobre a bolha: “A bolha imobiliária e a diminuição da poupança. Saída líquida da poupança reduz oferta de crédito imobiliário”.

    http://tradingcafe.wordpress.com/2011/05/06/bolha-imobiliaria-xi-saida-liquida-da-poupanca-reduz-oferta-de-credito-imobiliario-video/

    Sempre acompanho o blog dele. É muito bom.

    0
  • Andre 10 de maio de 2011 at 19:08

    Tá aí a parcela financiada dos imoveis em media, e a evolução desde 2004:

    inlightresearch.com/blog/2010/12/parcela-financiada-de-imoveis-sobe-para-62-do-total/

    Informação relevante.

    Abs

    0
    • Frank 11 de maio de 2011 at 11:23

      interessante.

      realmente, 62% de financiamento em média por unidade é pouco.

      tb não é por aí q se tem bolha.

      agora, os comentários nessa página q vc linkou estão hilários – e não têm nada a ver com o tema.

      0
      • Andre 11 de maio de 2011 at 11:55

        Cruzando essa informação (o % medio financiado ano a ano) com a outra q botei aqui (o total de $ de financiamento e total de unidades por ano) dá pra descobrir o valor medio dos imoveis, ano a ano…

        Qdo tiver tempo vo ve se faço isso.

        Abs

        0
      • jose 12 de maio de 2011 at 12:17

        ai faz uma conta..

        quem da 38% de entrada, e financia os outros 62%, amortiza quase 1% nos primieros anos (prazo de 30 anos)..

        supondo precos parados (nao esquece que quem comprou ha 2 anos ja explodiu o valor), e dois anos depois o preco da casa tem que cair 40% pra ele comecar a ficar devendo igual a casa e somente ai “vale a pena” entregar a casa…

        agora pro pessoal que comprou em 2008, como o preco dobrou (pelo BC e zap) o saldo dele caiu uns 3% (3 anos desde 2008) e como o preco dobrou, o saldo do financiamento dele equivale a 30% do valor da casa, ou seja, o imovel tem que cair 70%!!!!!!!!!!!!! prra ele vomitar a casa como pessoal diz aqui

        eh queda pra burro…

        ou tem erro nessa conta?

        0
        • Andre 12 de maio de 2011 at 12:32

          Acho q o raciocínio tá certo sim…

          Mas tem um ponto:

          UMA COISA é o cara devolver a casa por causa de saldo devedor negativo (saldo maior do q o valor do imovel).

          OUTRA COISA é aguentar pagar as prestações…

          Temos q ficar de olho na inadimplencia…

          Abs

          0
          • jose 12 de maio de 2011 at 12:37

            boa colocacao…

            ai teremos que discutir perspectiva de mercado de trabalho….

            que vai piorar, afinal existem ciclos economicos..

            mas acho pouco pra gerar efeito manada nas vendas…

            ate pq antes vao parar de vender 300k carros por mes, gastar 1,bi de dolares POR MES em viagens…. pra depois inadimplir o mortgage

            0
  • Ramires 10 de maio de 2011 at 22:36

    Senado aprova MP que define segunda fase do ‘Minha Casa’

    Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/913925-senado-aprova-mp-que-define-segunda-fase-do-minha-casa.shtml

    Pessoal, se continuar o excesso de crédito no mercado os preços só tenderão a acrescer. Assim, as coisas irão complicar.

    0
    • Frank 11 de maio de 2011 at 11:25

      uma coisa q ainda não está muito clara pra mim é:

      – qual é a relação do aumento (ou manutenção) das facilidades de crédito para a BAIXA RENDA com a explosão dos preços dos imóveis para CLASSE MÉDIA ALTA.
      – o q tem a ver o pé rapado ter facilidade p/ comprar um cafofo em um conjunto habitacional com o preço dos imóveis em Ipanema?

      0
      • Andre 11 de maio de 2011 at 11:51

        Frank, eu ACHO (friso o acho), que é um efeito comparativo…

        Ex.: O Gol sobe um pouco e se aproxima do preço do Golf, logo muita gente q ia comprar o Gol se aperta um pouco e compra o Golf. Isso empurra o preço do Golf pra cima (maior procura), e por tabela, o do Jetta…

        Abs

        0
        • Frank 11 de maio de 2011 at 12:08

          sim, existe esse mecanismo mesmo.

          mas eu acho (eu disse acho…) q ele não explica muito bem o q houve com os preços de imóveis q há eram caros (e provavelmente fora do pacote de financiamento facilitado da caixa, cujo limite hj é 500K, mas era 300K até uns poucos anos atrás).

          0
          • Andre 12 de maio de 2011 at 11:54

            Frank,

            entendo o q vc quer dizer.

            Mas nesse link, da p/ ver q tem facilidades, mesmo acima de 500k:

            terra.com.br/economia/juros-bancos/juros-brasil.htm

            No bb por ex. taxa 11% + TR, prazo 30 anos, entrada de 10%. Podem não ser condições tão boas qto são p/ imoveis 500k.

            Tem um porém: só pode usar FGTS até 500k (antes era 350k, foi aumentado):

            estadao.com.br/noticias/economia,mantega-confirma-fgts-para-imovel-de-ate-r-500-mil,345304,0.htm

            Abs

            0
          • Andre 12 de maio de 2011 at 11:59

            [não sei o q houve, cortou um pedaço do texto, segue o correto]

            No bb por ex. taxa 11% + TR, prazo 30 anos, entrada de 10%. Podem não ser condições tão boas qto são p/ imoveis 500k.

            Abs

            0
          • Andre 12 de maio de 2011 at 12:01

            [não pode usar sinal de maior ou menor nesse troço, senão rebenta o texto]

            No bb por ex. taxa 11% + TR, prazo 30 anos, entrada de 10%. Podem não ser condições tão boas qto são p/ imoveis de menos do q 500k, mas mesmo assim são condições bem melhores do q eram há alguns anos… E isso é o q importa (no sentido de ter permitido muito mais pessoas tomarem credito).

            Nos outros bancos não é muito diferente, exceto na CEF, que aparentemente não faz p/ imovel maior do q 500k.

            Abs

            0
          • jose 12 de maio de 2011 at 12:31

            tem UMA SERIE de acontecimentos que ocorreram nos ultimos anos que ajudam a inflar os precos..

            nao eh questao de certo ou errado, aconteceu, e esta ai, e pelo jeito esta para ficar queiramos nos ou nao….

            0
        • Leandro 11 de maio de 2011 at 12:15

          Acho que é isso mesmo.
          Efeito cascata.

          0
    • Leandro 11 de maio de 2011 at 12:11

      Dei uma lida por alto em notícia semelhante.
      Parece que essa MP restringiu um pouco o acesso ao programa. Diminui a renda máxima da família que pode ser beneficiada pra cerca de 4.500,00.
      E parece que o subsídio agora só será dado pra famílias com renda de até 3 salários mínimos.
      Posso estar totalmente errado, mas em uma análise rápida essas medidas podem frear um pouco o mercado.
      Estou sem tempo pra estudar o MCMV agora.
      Abraço.

      0
      • Ramires 11 de maio de 2011 at 12:19

        Frear sim o setor comentados, mas não diminuíção dos preços. O problema é que um boi puxa a boiada. Significa que continuará aquecido o setor se a presidenta Dilma assinar a segunda fase do MCMV.

        0
        • Duda 11 de maio de 2011 at 12:53

          Não sei, isso sería largar gasolina para a inflação. Tal vez a segunda parte do MCMV nunca chegue.

          0
  • jose 11 de maio de 2011 at 16:12

    fabio,

    segundo o codeplan
    http://www.codeplan.df.gov.br/ (parte contas regionais – PIB – pagina 13 a RENDA PER CAPITA DO DF era de R$ 40.696 ANO, ou seja, R$ 3.400 MES.

    detalhe: EM 2007 (antes de alguns aumentos parrudos do governo) e do DF!!!!

    ou seja, ta entrando ai Ceilandia, Sobradinho, recanto das EMAS….

    entao, PRA MIM, (confio mais no codepla do que na sua citacao de renda media) vc usou renda do DF pra comprara os precos do plano piloto…

    e quem conhece, sabe que a renda do plano piltoto eh BEM acima da de Santa Maria ne?

    entao, PRA MIM, tem UM ERRO GRAVISSIMO na sua analise…

    abs

    0
    • jose 11 de maio de 2011 at 16:14

      agora, tem a opcao de vc dizer que nao acredita nos dados do CODEPLAN também…

      0
      • me 11 de maio de 2011 at 16:42

        ???

        0
      • Paulo 11 de maio de 2011 at 20:24

        José,

        Na parte estatística do site da CODEPLAN é possível observar a Renda Per Capita mensal equivalente a 6.8 salários mínimos (R$ 3.706) que é exatamente o valor utilizado pelo Fábio.

        0
        • jose 12 de maio de 2011 at 12:21

          prezado PAulo, leia MELHOR as coisas..

          so tem um detalhe.

          o site como EU DISSE eh renda media do DF e nao do plano piloto…

          ele comparou renda media do DF com preco do plano piloto

          e se vc nao conhece brasilia, saiba que plano piltoto e o resto sao MUNDOS COMPLETAMENTE DIFERENTE

          e gostaria muito que ele me respondesse…pq PRA MIM O RESULTADO ( e nao a metodologia) ESTA TOTALMENTE ERRADO.

          pessoal aqui do site tem dificuldade de ler, imagina fazer conta…

          ta complicado aqui…

          0
          • Paulo 12 de maio de 2011 at 14:56

            Prezado José,

            Primeiramente peço para que seja mais educado em seus comentários.

            Moro no DF e sei que Brasília (Região Administrativa I) é diferente de DF.

            Você interpreta as informações conforme sua conveniência.

            Dê uma olhada nas informações estatísticas, no site da CODEPLAN (www.codeplan.df.gov.br). É possível verificar a Renda Per Capita de Brasília e das demais regiões administrativas. Você pode observar também que Brasília não tem a maior Renda Per Capita do DF. Lago Sul, Lago Norte e Sudoeste estão na dianteira.

            0
    • Q 11 de maio de 2011 at 20:05

      Realmente é difícil encontrar renda per capita do plano piloto. Mas repare novamente nas tabelas do Fábio, a renda per capita de Washington é próximo de 57000 dólares, algo em torno de 91000 reais, o que tornaria a relação entre o preço do imóvel de Brasília e a renda do americano que vive em Washington igual a 7,2, próximo ao encontrado hoje na cidade de Washington e na época da bolha em outras cidades americanas. Acredito que a renda per capita do plano piloto não supere a de Washington… E não me diga que o câmbio é que está errado, pois se o Banco Central não interviesse o mercado deixaria ele mais embaixo ainda!!!

      0
      • jose 12 de maio de 2011 at 12:22

        prezado Q..

        pessoal aqui ta dificil de discutir preco de casa que dira de cambio…

        passo essa…

        0
  • Ral 11 de maio de 2011 at 18:08

    Desculpe-me mais para saber os dados de renda per capita no Brasil não precisa nem de pesquisa , basta ter sensibilidade que o povo Brasileiro sofre pra caramba, seja qual for o Estado

    0
    • jose 12 de maio de 2011 at 12:34

      ral,

      essa pobreza de argumento nao ajuda…

      afinal pra que um site pra discutir o que esta acontecedo?

      basta falar: subiu muito e pronto

      acho que estudarmos e discutirmos as coisas agrega ne?

      e outra coisa.. ninguem aki eh onipresente.. eu nao sei o que ocorre em 99,9% do resto do brasil, logo se nao olhar os dados (que procuram preencher essa pequena lacuna de 99,9% que o individuo nao consegue ver) como posso me achar no direito de opinar sobre uma coisa fora dio meu meio de convivio diario (que eh insignificante)

      0
  • me 11 de maio de 2011 at 18:18

    Por favor, alguém poderia falar alguma coisa sobre isso?

    Como sempre digo: torço pela queda, mas procuro ser o mais cético possível quanto a isso, especialmente neste blog. Porém o Duda sempre disse que a partir do meio do ano, aconteceria uma freada nos preços. No caso de aluguel, já ando percebendo isso desde março, com alguns casos de imóveis sem alugar desde ano passado até.

    http://www.masset.com.br/imoveis.asp?varimovel=28371&varpara=A

    http://www.masset.com.br/imoveis.asp?varimovel=28134&varpara=A

    Comentários céticos muito me interessam aqui.

    0
    • me 11 de maio de 2011 at 18:19

      Notem que eles ainda estão bem altos, o dobro do valor do que se encontrava há 3 anos atrás. Ainda assim, está mais baixo do que andei vendo ano passado.

      0
      • Andre 11 de maio de 2011 at 21:33

        O primeiro (botafogo) 800,00 35m2 está muito barato, mas tem motivo (rua barulhenta).

        O segundo (copa) 1500,00 42m2 tb está barato e não sei pq, talvez sol da tarde?

        O m2 p/ aluguel está em 38,00 botafogo e 46,00 copa (fonte: fipe zap – 1 qto).

        35 x 38,00 = 1330,00
        42 x 46,00 = 1932,00

        De qq forma não dá pra extrapolar isso e concluir nada em termos de mercado, pois, como sempre, são casos pontuais.

        Ouvi um papo no trabalho de algumas pessoas q alugaram 2 qtos no flamengo recentemente por 2,2k e 1,5k, ao q parece com garagem… Não tenho como confirmar e pode muito bem ser boato.

        Abs

        0
        • Andre 12 de maio de 2011 at 09:27

          me,

          se vc está procurando ap p/ alugar, colocando links aqui vc não estaria aumentando sua “concorrencia”? 🙂

          Ainda mais colocando aps q estão com preço “baixo”…

          Abs

          0
          • me 12 de maio de 2011 at 10:30

            “Notem que eles ainda estão bem altos, o dobro do valor do que se encontrava há 3 anos atrás. “

            0
        • me 12 de maio de 2011 at 10:33

          Já vi vários apartamentos em ruas barulhentas, como a praia do flamengo, que parece que tem um ponto de ônibus dentro de cada prédio de tanto barulho. Se encontrar por 1.000 é barato. Tenho vários outros exemplos. Vou tentar começar a mostrá-los aqui.

          Não estou querendo dizer “OLHA!!! OLHA!!! A BOLHA VAI ESTOURAR!!! ESTAVAMOS CERTO MANO!!11!!!”. Mas tô notando algumas diferenças já do ano passado sim, como maior oferta de aluguel, demora maior pra serem ocupados e valores um pouco menores.

          0
    • Ramires 11 de maio de 2011 at 21:42

      Putz! Não acredito que um “apertamento” desse, mesmo com a localização, possa custar essa quantia, R$1750,00. Será que tem pessoas que aluguem um imóvel desse, tanto pelo tamanho e pelo preço?

      0
  • mrk 11 de maio de 2011 at 21:10

    Saudacoes de chicago a cidade dos ventos! Sei q esse assunto ja foi batido, mas eh so por curiosidade: fui ao loop, regiao mais nobre de chicago, o suprasumo, aps de 2 quartos erm predios novissimos, lindos e funcionais custam 200mil usd, preco de meier!! Eh chocante, saudacoes!

    0
    • Frank 11 de maio de 2011 at 21:34

      cara, então descobre como é q “nóis” faz pra entrar nesse mercado aí….

      pq compra BR agora não tá com nada.

      o lance é imobilizar nos US e transferir, depois da nossa bolha (ou seja lá como queiram chamar) estourar e os preçõs no US se recuperarem…:)

      0
      • Andre 11 de maio de 2011 at 21:55

        E se o USD subir tb… Ganha-se dos 3 lados… Mas aí é querer demais, né.

        Abs

        0
    • Mr. Alex 11 de maio de 2011 at 22:50

      MkT,

      Passa no Frys e compra 1 tonelada de eletrônicos, todos mais baratos que aqui…

      Reserva uns Volt por US$ 30k, traz; compra Roupas no Sears com ótima qualidade e mais barato que aqui.

      Traz gasolina com preço menor que aqui. Acho que o rango está mais barato que na região da Berrini também.

      Well, escola para as crianças deve ser mais barato (de graça, na realidade).

      Algo wired nisso tudo: Brasil parece ter um custo de vida de uma das Nações mais caras do planeta.

      Será que o salário brasileiro acompanha ?

      0
  • Ral 11 de maio de 2011 at 21:49

    De fato , pesquisa pra nós ai nos EUA, sabemos que no Brasil imóveis viraram commodities , sobe e desce todos dias !!!!

    0
  • Frank 11 de maio de 2011 at 21:54

    RESUMO DA SITUAÇÃO:

    amigos, já esmiuçamos bastante os números q mediriam a saúde do crédito imobiliário brazuca. E ele parece ser bastante saudável

    características:
    – ele é baixo em relação ao PIB (na verdade, é RIDÍCULO < 5%)
    – o % médio de financiamento por unidade vem crescendo, mas ainda é BAIXO (62%)
    – o peso da carteira imobiliária nos bancos não faz cosquinha
    – os bancos parecem ser relativamente criteriosos na concessão do crédito aqui no BR (essa eu não tenho tanta certeza, mas me fio nas opiniões postadas por comentaristas com credibilidade aqui no blog)

    outros possíveis indicadores bolhistas tb dão – infelizmente – VAZIO:
    – não há arranjos financeiros de "barro" (exóticos) por trás dos financiamentos (CRI, subprimes, etc.)
    – a relação aluguel / preço parece estar se mantendo, com um ligeiro descolamento do preço (à exceção, me parece, de BSB, onde o descolamento foi maior)

    o único indicador bolhista INQUESTIONÁVEL é o descolamento entre renda per capta e preço de imóveis de 3~4 anos pra cá.

    outro argumento q pode explicar a disparada nos preços é, ainda q seja relativamente baixo e seguro, o volume de crédito imobiliário vem crescendo bastante nos últimos anos.

    concordam com o diagnóstico?

    0
    • Andre 11 de maio de 2011 at 22:01

      – Faltou dizer q gringo é irrelevante nesse mkt.

      O q falta descobrir (e isso acho q vai ser dificil) é qtos % dos imoveis estão sendo comprados pra especulação…

      “outro argumento q pode explicar a disparada nos preços é, ainda q seja relativamente baixo e seguro, o volume de crédito imobiliário vem crescendo bastante nos últimos anos.”

      Pode não, isso explica. O credito pode ser pouco hoje, mas a forma abrupta como aumentou q causou isso…

      Abs

      0
    • jose 12 de maio de 2011 at 12:28

      Frank,

      gostaria muito que os pro bolhas pudessem colocar um post como o seu, em bullets, descrevendo os indicios de bolha que eles veem….so pra resumir a ideia, afinal depois de tanta coisa, estou meio perdido no argumento pro bolha.

      ja pedi isso uma vez, mas…

      talvez eles estejam pesquisando e uma hora coloquem.. to na esperanca…

      posso at ajudar.

      1) precos subiram muito
      2)
      3)
      4)

      0
      • Andre 12 de maio de 2011 at 12:53

        Jose,

        pega leve c/ o pessoal aqui, na maioria são só pessoas comuns querendo comprar suas casas p/ morar c/ suas famílias…

        É uma postura “errada” afirmar uma coisa sem ter base? Pode ser, mas estão (estamos) todos desnorteados… Por causa de uma decisão irresponsável (a meu ver) do governo, toda uma geração de brasileiros terá q postergar a sua casa, ou pelo menos, a casa “dos sonhos”…

        Isso é p/ moradia, especulador não, especulador tem q assumir as consequencias dos seus atos… Só quer ganhar 100% a.a. sem correr risco de perder??? Aí não, né?

        Abs

        0
        • jose 12 de maio de 2011 at 14:55

          Andre,

          procuro VALORIZAR o espaco do site, colocando coisas que julgo importantes pro assunto (e que podem nao ser).

          tem muita gente que ta escrevendo por escrever aqui….

          tenho entrado aqui com intuito de ver coisas que agreguem e que facam refletir.

          o moderador se quiser pode filtrar meus posts, eh direito dele, mas ta ficando complicado aqui, ja disse, tirando 3 ou 4 pessoas, o resto nao tem o minimo trabalho nem de ler antes de escrever..

          talvez esteja errado mesmo, levando o site a serio… posso repensar isso e citar por exemplo que hoje no sinal recebi um folder de empreendimento de uma loira maravilhosa e ate ontem era so baranga que entregava, ou seja, posso conlcuir que o negocio ta ruim e que estao colocando as loiras gatas, pra ver se alguem pega o folder… mas acho que isso eh piada né…

          e quanto a situacao de cada um, PRA MIM aqui é um site pra discutir o mercado imobiliario brasiliero (com os subsidios que se discute qualqeur mercado) e nao site de auto ajuda ou auto consolo coletivo.

          moderador: fique a vontade.

          0
      • Q 12 de maio de 2011 at 13:16

        2) Descolamento INQUESTIONÁVEL (como disse Frank) entre a renda per capita e o preço dos imóveis. Alguém discorda?

        0
        • Andre 12 de maio de 2011 at 13:48

          Eu discordo e expliquei em outro post aqui nessa pag. mesmo.

          Abs

          0
          • jose 12 de maio de 2011 at 15:09

            descolamento INQUESTIONAVEL…

            poderia nos mostrar?

            o andre mostrou algo que PELO MENOS tira o inquestionavel da afirmacao…

            se vc puder colocar um grafico de longo prazo mostrando isso… ai sim poderia chamar de inquestionavel..

            0
          • Frank 12 de maio de 2011 at 15:39

            André, me desculpe, mas essa é factual.

            é preto no branco.

            me mostre um indicador de renda per capta (o agregado do país, ou por cidade) em q a renda tenha dobrado em 3 anos.

            estou com preguiça de buscar agora, mas é a coisa mais fácil da internet.

            quem conseguir mostra um aumento de renda LEVEMENTE parecido com o avanço do preço dos imóveis leva como brinde um apto de qto e sala na Cruzada São Sebastião 🙂

            0
          • Andre 12 de maio de 2011 at 20:48

            Po Frank,

            “quem conseguir mostra um aumento de renda LEVEMENTE parecido com o avanço do preço dos imóveis leva como brinde um apto de qto e sala na Cruzada São Sebastião ”

            aqui já apostaram chopp, jantar, mas tu aposta alto hein?

            Isso aí já deve tá uns 300k… Se tiver boca de fumo no mesmo andar, 270k… 🙂

            Abs

            0
      • flavio hertel 12 de maio de 2011 at 13:57

        Concordo josé quando diz que muitos argumengos dos “pro bolhas” carecem de fontes e de dados. Eu mesmo já escrevi aqui algumas vezes apenas expressando a minha opinião diante do que esta ocorrendo no merccado imobiliário. Outras vezes, no entanto, procurei embasar um pouco mais as minhas argumentações, mas sem a preocupação de seguir “um rigor acadêmico” que alguns parecem exigir para se postar em um blogue. Creio que devemos separar um poucos as coisas e sermos um opouco mais complacentes com quem aparece aqui e deseja apenas manifestar a sua indignação diante do atual quadro do mercao imobiliário brasileiro.

        Quanto aos armumentos de quem não acredita na bolha, ou ao menos dos que ainda não tem certeza da mesma, estes também não são irrefutáveis, passam longe disto, mas servem para se fazer um contra ponto à “certeza” de muitos sobre a existencia de uma bolha imobiliária.

        O fato do credito imobiliário representar apenas 5 % do PIB brasileiro não descarta a existencia de uma bolha. Talves descarte que a bolha tenha as mesmas dimensões de impacto sobre o sistema bancário e economico brasileiro que a bolha americana teve sobre a economia daquele país, onde o nível de individamento era bem maior e portanto capaz de desestabilizar a maior economia do planeta. Mas os 5% de endividamento que possuimos, embora pequeno, sem dúvidas cumpriu o seu papel para disparada nos preços. Acho que este é o ponto, e não o montante da dívida frente ao PIB.

        Com relação ao fato colocado anteriormente, sobre um montante relativamente pequeno (1,8 bi) de entrada de capital estrangeiro para compra de imoveis. Se os dados de fato forem confiáveis, teremos que rever esta questão sobre responsabilizar os estrangeiros pela elevação dos preços dos imoveis, ou ao menos reduzir a parcela de responsábilidade dos mesmo neste aspecto. Contudo isto não muda em nada o ponto mais importante. O fato de sabidamente um volume grande de imoveis estarem sendo comprados (não sei se isto se aplica mais ao presente pois as vendas estão despencando) para especulação. A unica coisa que isto acrescenta é que ao invez de se responsabilizar os estrangeiros (se estas dados conseguem dar conta de realmente dimensionar os investimentos estrangeiros em imoveis, pois, por exemplo, os dados oficial não dão contar de mostrar o volume de terras em maões de estrangeiros, vide realidade na floresta Amazonica e outras regiões brasileiras) por um parcela significativa do que esta ocorrendo, se responsábilizaria neste caso os próprios brasileiros, uma vez que creio eu, não restar dúvdas que uma parcela significativa de imoveis “hoje” é, ou talvez era melhor dizendo, comprada para especular o que é um comportamento típico de uma bolha, a compra de ativos cujos os preços já estão descolados da realidade (vide renda media dos brasileiros) para especulação e a “crença” de que não vão parar de subir.

        0
        • Andre 12 de maio de 2011 at 14:34

          Flavio,
          em primeiro lugar, bom ver vc de volta opinando, vc sempre traz coisa relevante.

          “Com relação ao fato colocado anteriormente, sobre um montante relativamente pequeno (1,8 bi) de entrada de capital estrangeiro para compra de imoveis. Se os dados de fato forem confiáveis, teremos que rever esta questão sobre responsabilizar os estrangeiros pela elevação dos preços dos imoveis, ou ao menos reduzir a parcela de responsábilidade dos mesmo neste aspecto. Contudo isto não muda em nada o ponto mais importante.”

          Os dados são do BC… Nós já revimos esse ponto e concluímos que, a nivel de Brasil, estrangeiro num faz “nem cosquinha”…
          Queremos descobrir agora se esse $ aí é concentrado em determinados lugares p/ ver se pode estar acontecendo algo estranho nesses lugares…
          Se vc tiver notado alguma inconsistencia no argumento, ou erro de calculo, pfv mostre.

          “não restar dúvdas que uma parcela significativa de imoveis “hoje” é, ou talvez era melhor dizendo, comprada para especular o que é um comportamento típico de uma bolha”

          Eu tenho (muita) duvida disso, tem como confirmar c/ dados? Meu achismo me diz q é bem mais provável que a maioria esteja sendo comprada p/ moradia mesmo.

          “a compra de ativos cujos os preços já estão descolados da realidade (vide renda media dos brasileiros)”

          Já expliquei aqui nesta pag., se olhar desde 1998, não é bem assim não…

          Dica: quebre seu argumento em paragrafos, senao o sujeito olha um “catatau” de texto gigante e até desanima…

          Abs

          0
          • flavio hertel 13 de maio de 2011 at 00:23

            Andre é sempre um prazer postar aqui e participar da discussão.

            Mas vamos ao que foi colocado;

            MINHAS PALAVRAS; “não restar dúvdas que uma parcela significativa de imoveis “hoje” é, ou talvez era melhor dizendo, comprada para especular o que é um comportamento típico de uma bolha”

            SUA: “Eu tenho (muita) duvida disso, tem como confirmar c/ dados? Meu achismo me diz q é bem mais provável que a maioria esteja sendo comprada p/ moradia mesmo.

            Não existem dados oficial sobre isto Andre. No entanto, basta que se observe não apenas o que foi postado aqui por varias pessoas mas também o que ocorre no dia-adia para identificar com certa facilidade que uma parte significativa dos imoveis são adquiridos para serem vendidos com ágio. É muito fácil ver anúcios de imoveis onde os mesmos são vendidos como “bom investimento”. Alias, a palavra imovel e investimento nos ultimos dois anos quase se tornaram sinônimos tamanho o frenezi do mercado com relação ao mesmos. Creio ser dificil não acreditar que uma parte impotante das vendas não seja para investimentos. Contudo, também não diria que a maioria dos imoveis adquiridos o sejam para investimentos, como já foi postado, algumas construtoras já declararam não oficialmente que cerca de 30% (nemos de 50%) de suas vendas são realizadas para investidores e acredito mais uma vez que este seja o ponto. Este número é significativo para pressionar os valores dos imoveis para cima e contribuir para inflar uma possível bolha? Particurlarmente penso que sim.

            Com relação ao outro ponto;

            ” “a compra de ativos cujos os preços já estão descolados da realidade (vide renda media dos brasileiros)” ”

            SUA COLOCAÇÂO “Já expliquei aqui nesta pag., se olhar desde 1998, não é bem assim não…

            Eu me referia ao fato de que no meu entender, os valores dos imoveis estarem descolados da realidade da renda dos brasileiros. Como foi amplamente discutido, o valor medio dos imoveis subiu em um ritmo muito mais forte que a renda media dos brasileiros e neste sentido, acredito que há sim um descolamento, sobretudo quanto se tem em mente que o defict habitacional brasileiro tem cerca de 80% das familias inseridas nas classes D e E.

            Com relação aos 1.8 bilhões relativo a entrada de capital estrangeiro para a compra de imoveis, não questionei e nem coloquei a metodologia que vcs usaram em cheque. Apenas mensionei que mesmo sendo dados oficiais, tem que ser olhados com um certo distanciamento, vide o exemplo de terras brasileiras (quantidade enorme) que oficialmente estão em nome de brasileiros que são apenas laranjas de estrangeiros. Mas concordei, disse imclusive que, com as devidas resalvas, teriamos que rever a questão dos estrangeiros como fonte de pressão sobre o preços dos imoveis.

            Abraços

            0
          • Andre 13 de maio de 2011 at 09:12

            Flavio,

            “No entanto, basta que se observe não apenas o que foi postado aqui por varias pessoas mas também o que ocorre no dia-adia para identificar com certa facilidade que uma parte significativa dos imoveis são adquiridos para serem vendidos com ágio.”

            Me desculpe, mas, como já disse o jose, os dados servem p/ cobrir essa “pequena” parcela de 99,9% que eu não consigo enxergar a olho nu. Se não tem dados, não dá p/ concluir nada, nem prum lado nem pro outro.

            “como já foi postado, algumas construtoras já declararam não oficialmente que cerca de 30% (nemos de 50%) de suas vendas são realizadas para investidores e acredito mais uma vez que este seja o ponto”

            Uma coisa muito importante q ninguem comentou ainda é descobrir qtos % do mercado representa os novos e os usados…

            “Como foi amplamente discutido, o valor medio dos imoveis subiu em um ritmo muito mais forte que a renda media dos brasileiros”

            Já temos graficos/tabelas mostrando que desde 96 (sampa) ou 98 (rio) a coisa não é bem assim não, dá uma estudada lá.

            “sobretudo quanto se tem em mente que o defict habitacional brasileiro tem cerca de 80% das familias inseridas nas classes D e E.”

            Isso não quer dizer muito, sempre houve pessoas q não podem comprar imovel, e infelizmente sempre haverá… Se não podemos justificar o preço de Ipanema estar “errado” pq não é “area nobre a apenas 3 anos”, tb não podemos dizer q os imoveis da classe baixa estão “errados” pq as classes D e E não tem acesso, pois nunca tiveram mesmo…

            “tem que ser olhados com um certo distanciamento, vide o exemplo de terras brasileiras (quantidade enorme) que oficialmente estão em nome de brasileiros que são apenas laranjas de estrangeiros”

            Tem estrangeiro comprando “por baixo dos panos”? Provavelmente sim, deve ter n formas de fazer isso. Mas como o numero “oficial” é muito baixo, mesmo q o “real” seja o dobro ou ou triplo ainda seria pouco significativo.

            Temos q descobrir qual tipo de taxação o estrangeiro paga p/ entrar/sair de imoveis no pais, daí a gente descobre o nivel de “incentivo” q teria p/ burlar os meios normais.

            Abs

            0
          • flavio hertel 13 de maio de 2011 at 11:00

            Andre

            Vou dar uma olhada nas tabelas quando possível (estão aqui neste página? definitivamente um blog não é o melhor lugar para postar, tá uma “bagunça”). Se a renda media dos brasileiros acompanhou a valorização dos imoveis nos ultimos 3 anos não utilizarei mais essa argumentação aqui. Mas acho muito improvável que isto tenha ocorrido dado ao fato do valor dos imoveis ter subido muito fortemente nos ultimos 3 anos quando acho que houve o descolamento entre renda e valor dos imoveis.

            Com relação a comprar para investimento. Se não existe dados oficias concordo que não se pode bater o martelo nem para um lado nem para o outro. Contudo isto não significa que na falta de estudos serios com relação a este fato, dado ao que vem ocorrendo nos ultimos anos, não se possa inferir com uma certa margem de segurança que uma parte significativa de imoveis está ou ao menos foi vendida para investidores. Evidentemente o correto dimensionamento de quanto é vendido para investimento e para moradia só com uma pesquisa muito seria.

            Com relação as classes D e E, acho que diz sim alguma coisa Andre. Diz que se deve olhar com uma certa cautela para os múmeros do defct habitacional brasileiro, argumento muito utilizado para justificar a elevação dos preços. Por exemplo, acho que neste caso, em certa medida, a renda media a ser considerada para a compra de imoveis e justificar a elevação do valor dos imoveis seja a do brasileiro que faz parte do defict habitacional e não a geral que sabidamente não é representativa, dado ao fato do Brasil ser um paìs com uma enorme concentração de renda, fato que distorce a media. Se olharmos portanto para essa parcela da população que compõe o defict habitacional, o perfil das familias brasileires se daria a partir de uma análise de uma parcela minima das classes A e B, por um número mais reduzido de familias da classe C e por um número muito espressivo de familias das classes D e E. A partir disto creio que podemos parar e pensar, essa familia típica que compõem o defict habitacional brasileiro dá conta de comprar um imovel dado aos valores atuais? Dá conta de bancar um eventual financiamento sem se complicar nos próximos 25, 30 anos? Dará conta de adquirir um imovel quando o credito se tornar mais escasso por volta de 2013 quando a poupança provavelmente se esgotar? Acho que este tipo de consciencia da composição do defict habitacional brasileiro pode contribuir sim para acrescentar algo e colocar algumas questões no ar.

            Abs

            0
      • me 12 de maio de 2011 at 16:03

        Acho que já foi explicado mais de uma vez aqui isso, Frank…

        0
  • roberto 12 de maio de 2011 at 11:18

    – os bancos parecem ser relativamente criteriosos na concessão do crédito aqui no BR (essa eu não tenho tanta certeza, mas me fio nas opiniões postadas por comentaristas com credibilidade aqui no blog)

    Será ????

    Calote do consumidor cresce em abril
    Puxado pela alta da inflação e pelo desequilíbrio do orçamento familiar, índice de inadimplência da Serasa sobe pelo segundo mês seguido

    Fonte : http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110512/not_imp718061,0.php

    0
    • jose 12 de maio de 2011 at 14:58

      ja olhou a inadimplencia no financiamento imobiliário?

      0
  • Ramires 12 de maio de 2011 at 13:15

    Bom, se existe bolha ou nao, soh sei que os precos dos imoveis e terrenos comecaram a cair na minha cidade e os que insistem a permanecer com os valores, estao com as propriedades paradas.

    0
  • RAL - A Inflação 12 de maio de 2011 at 13:51

    Os Bancos não teriam como trabalhar no Brasil sem rigidos critério de avaliação de crédito e garantias reais, principalmente pós plano real , O povo Brasileiro tem um grau de risco ainda maior que de outros paises como : EUA e Japão , por isso acredito que não podemos considerar que pelo fato do sistema Financeiro Brasileiro ser um dos mais avançados do mundo podemos ficar tranquilos no que diz respeito a formação de bolhas, haja visto que temos um histórico de inflação recente e mal começamos a democracia, temos um ingerencia governamental, altas taxas de juros , sistema tributario que não devolve o recolhido em serviços a população além de nosso cancer ; Corrupção, da-se ai o motivo que nos fora imposto um controle maior sobre setores fundamentais para uma economia de mercado a saber : Bancário e Financeiro e tributario
    Por isso acredito que não podemos brincar com a inflação e um dos motivos que ocultamente tem impulsionado os preços é o setor imobiliario sem dúvida nenhuma.

    0
    • jose 12 de maio de 2011 at 15:04

      RAL – A Inflação

      vc poderia me explicar melhor como vc ve essa passagem da alta dos precos imobiliarios para a inflacao?

      a inflacao de servicos esta rodando a 8%. De que maneira ela estaria sendo impactada de forma relevante pela alta dos precos imobiliarios.

      Obrigado.

      0
      • RAL - A Inflação 12 de maio de 2011 at 15:45

        Vamos lá
        No meu ponto de vista é fundamental para o sucesso do plano real o equilibio dos preços dos imóveis caso contrario teremos a já sentida inflação em grande escalada no bienio 2011/2012
        Um médico , Advogado, Contador , Engenheiro, Arquitetos e outros serviços de cunho pessoais não deixarão de comprar um ou mais imóveis tampouco adiarão a compra , todavia aumentam o preço dos serviços até atingir o equilibrio do seu orçamento.
        Sei que estou chovendo no molhado, mais a teoria economica no capitalismo são assim.
        Convém ressaltar que nos principais indicadores de preços ( FGV , IGPM , INPC etc) não teria como considerar o aumento dos imóveis como inflação é claro, pois neste caso devemos observar a Intenção de compra dos consumidores , e para este tipo de bem imóvel sempre será alta por questões diversas.
        Sabendo que a maior dificuldades dos governos é controlar a inflação dos serviços é justamente neste ponto que o desequilibrio entre renda per capita e preços dos imóveis pressiona a inflação.
        Por fim , embora não fique explicito, um esforço além do normal para comprar um imóvel pressiona de alguma forma os indices de preços para cima.

        0
        • flavio hertel 13 de maio de 2011 at 00:50

          Creio que um dos aspectos que devem ser observados com relação ao que foi colocado é que sabidamente a elevação dos preços dos imoveis tem puxado o valor dos alugueis comerciais para cima e isto tem um efeito em cadeia. Do dentista a padaria, passando por medios, advovogados, salões de belezas etc, tudo que depende de alugueis de salas comercias tem repassado este custo adcional (que não tem sido pequeno, vide as salas comerciaos do Rio por exemplo, estarem entre as mais caras do mundo) para os preços de seus serviços.

          0
        • jose 13 de maio de 2011 at 11:32

          Por fim , embora não fique explicito, um esforço além do normal para comprar um imóvel pressiona de alguma forma os indices de preços para cima.

          eh exatamente isso que gostaria que vc me mostrasse como por favor…

          0
          • Duda 13 de maio de 2011 at 15:00

            O Flavio Hertel acima explica isso.

            0
  • Ramires 12 de maio de 2011 at 14:56

    Obras do Minha Casa, Minha Vida só
    devem voltar no 2º sem, diz Cbic.

    Fonte. casaeimoveis.uol.com.br/ultimas-noticias/valor-online/2011/05/11/obras-do-minha-casa-minha-vida-so-devem-voltar-no-2-sem-diz-cbic.jhtm

    0
  • me 12 de maio de 2011 at 16:51

    Duda, vou ter que confessar que suas certezas tem me desconcertado bastante. Fico imaginando essas datas que você pontua categoricamente chegando, nada acontecendo, e você aos poucos sumindo do blog, como cheguei a achar que aconteceria quando você avisou das férias.

    Espero que não me entenda errado. Gostaria muito que você estivesse correto e (como já observei uma vez aqui sobre já perceber mudanças até mesmo antes de quando você disse) sendo modesto até nessas previsões. Mas, né…

    0
    • Duda 12 de maio de 2011 at 17:34

      Me, quando vi que algo andava errado com os preços dos imóveis, decidí me aprofundar no assunto. Daí chegou na memoria a bolha americana. O primeiro que fiz, foi pesquisar MUITO, o que é uma bolha, como se comporta, quanto dura e todos os detalhes possíveis. Mas sempre procurando a melhor informação possível. Por desgraça, aqui parece que ninguém dá bola para a QUALIDADE dos estudos feitos sobre bolhas. Os “contra-bolha” são ainda mais emocionais que os “probolha”. Só ler seus comentários. Falam em indicadores, ratios, preço na bolsa, e outras coisas, mas ninguém tomou-se o trabalho de ler o estudo que eu li, parece que zombam dum PhD em economia que com certeza sabe muito mais que eles. Isso é ser emocional, não é? As vezes chegam a ser deselegantes. Tudos são ignorantes… será? Eu prefiro 1000 vezes a opinião de um PhD que de corretores de bolsa ou de um cara que quere fazer marketing pessoal (falo do cara de Brasilia que questionou ao Portela), não acha? . Se vc fizer o mesmo, teremos uma base de QUALIDADE, para começar a entender e discutir o assunto. Alias, acredito que as dicussões vão diminuir, pois o que acontece, alias, está acontecendo, não tem tanto misterio assim, obedece a patrões já estudados, e que tem poucas variações. Convido vc a ler e estudar o assunto do link que mencionei (está em ingles), e depois saberá porque sinto tanta segurança nas datas e % que menciono.

      0
      • Frank 12 de maio de 2011 at 17:38

        o Duda é nosso “Noriel Roubini” 🙂

        0
        • Andre 12 de maio de 2011 at 19:41

          Usar um estudo sobre bolhas p/ estudar um fenomeno que, ao que tudo indica, não é uma bolha (ainda) não me parece adequado…

          Quanto ao Nouriel Roubini, sabe o q ele tem de melhor q os outros gurus?
          Sorte.

          Sempre tem 500.000 gurus fazendo previsões sobre tudo qto é treco… Lógico q algum vai acertar.

          Vc pode ver q os gurus q preveem uma crise NUNCA são os mesmo q preveem a proxima…

          Abs

          0
          • jose 13 de maio de 2011 at 11:36

            isso ai…

            sempre tem gente prevendo o caos.. uma hora acerta e vira o mago… e os outros sao ignorados..

            e dizer que vai dar mierda. eh facil.. uma hora da mesmo, agora QUANDO que é o pulo do gato.

            pra mim faltam uns 10-15 anos (nao digo que vao subir 10-15 anos seguidos, mas pra termos queda nominal de 40% dos precos pra mim eh esse horizonte ai… os bancos tem que se atolar disso primeiro, e o percentual da entrada cair bem.. so pra comecar…)

            0
      • me 12 de maio de 2011 at 17:54

        Sim, eu entendo sua parte… Mas ainda assim acho a dúvida uma boa prova contra verdades. Se for verdade mesmo, ela continua de pé. Daí eu gostar de questionar muito.

        Pessoalmente, investir em imóveis por várias razões, sendo a principal por ser um… imóvel. A falta de agilidade/liquidez me incomoda. Ainda prefiro viver de aluguel, salvo situações muito especiais. Mesmo nessa situação, o ajuste dos preços atuais para baixo seria ótimo pra mim. Mas prefiro questionar.

        Esses gráficos já são velhos conhecidos já, hahahaha. Já tenho tentado entender o que acontecia nos valores do Rio desde o Pan 2007. Precisei procurar um novo apto pra morar na zona sul e me impressionava a quantidade de pessoas que iam visitar junto comigo. Achava até que a questão toda era do Pan, e por isso só aqui no Rio. Depois fui ver a facilitação da CEF e todo mundo a minha volta falando em comprar financiando por ela. Porra, até eu que odeio “imobilização” fui fazer uma simulação no site deles…

        Aí comecei a notar que isso já estava acontecendo em outras cidades, como São Paulo, inclusive no interior. Sei que se fala principalmente sobre compra aqui, mas para aluguel não esteve muito diferente. Qualquer coisa anunciada era alugada na mesma semana, isso quando algo era anunciado! Isso já está mudando desde final do ano passado.

        Meu palpite era que os valores começariam a descer mesmo depois do carnaval até setembro, outubro, época de baixa aqui no Rio. Se nada acontecer até lá, realmente vou ficar bastante cético com baixas nos preços.

        0
        • Duda 12 de maio de 2011 at 21:04

          Se esta alugando, continue… o melhor conselho que pode seguir. Se tem imóvel sobrando, venda… ou melhor, tente vender… Como já falei alguma vez, todos aqui esperamos algo. Alguns, que os preços baixem, para comprar, outros ja compraram e desejam que nada mude, ou que os preços aumentem ainda mais. Tenho alguns anos, e sei que ninguém gasta tempo escrevendo aqui, ou outro site se não tiver alguma expectativa… No meu caso, trocar de imóvel por um maior. Mas posso esperar muito tempo para fazer o negocio correto. Ja tenho onde morar… trocar é apenas um assunto de comodidade… por isso não perco a paciencia com facilidade. Não fiz negocio do que possa me arrepender, apenas estou aguardando fazer um bom negocio. Para vc, se está alugando é o mesmo caso. O unico problema seria que seu contrato esteja acabando, é um mal momento para isso, pois muitos proprietarios estão tentando transportar a alta dos imoveis aos alugueis, que historicamente acompanham os salarios, e não bolhas especulativas imobiliarias como agora. Nesse caso, tente renegociar, mas espere alta no preço.Sorte SDS

          0
          • Duda 13 de maio de 2011 at 09:07

            Me, concordo que os graficos são “velhos conhecidos”… mas no que parece, a grande maioria, não tem lido o texto que acompanha um deles. Se isso tivesse acontecido, outro sería o nível das opiniões por aquí, bem mais elevado.

            0
  • me 12 de maio de 2011 at 17:06

    Pessoal, acho que já foi postado aqui, mas…

    Tem um tópico com alguns comentários bem interessantes sobre o que acontece em Brasília.

    http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1127753&page=38

    0
  • Fábio 12 de maio de 2011 at 17:29

    Atenas é, ao mesmo tempo, uma das mais antigas cidades do mundo e uma das mais modernas da Europa. Um dos marcos para essa percepção foi a Olimpíada de 2004, que fez com que a capital da Grécia se modernizasse para receber os turistas. O evento também foi responsável pela contração de uma grande dívida externa, cujos reflexos atrapalham sua economia até hoje. Acredito que fato parecido vai ocorrer com o Brasil pos 2016, ja devo ter postado isso mas se procurarem jornais antes do dia que o Rio virou sede olimpica o preço era 1 e depois o preço disparou e acredito q isso só vai ter fim pós 2016, até os preços vão continuar nesse patamar é o que acredito.

    0
  • Ramires 12 de maio de 2011 at 17:33

    ‘Minha Casa, Minha Vida 2’ deve
    receber R$70 bi do governo.

    Fonte. www1.folha.uol.com.br/poder/914893-minha-casa-minha-vida-2-deve-receber-r70-bi-do-governo.shtml

    0
    • Ramires 12 de maio de 2011 at 17:52

      Inflando mais a bolha.

      0
      • me 12 de maio de 2011 at 18:26

        Ou não?

        “Quem desejar vender o imóvel deve quitar a dívida antes. “

        0
        • Ramires 12 de maio de 2011 at 22:25

          Não sei não, o problema é que quem financia, não financia para vender. Diferente dos que comprarm para construir e esse sim para vender.
          Vamos torcer para que não suba o teto do financiamento.

          0
  • Frank 12 de maio de 2011 at 17:36

    Algumas séries de renda / PIB per capta do IPEADATA (http://www.ipeadata.gov.br)

    1) renda domiciliar per capta média mensal (IPEA Data): 1976 – 2009 (a R$ de 2009)

    2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
    571,31 571,62 538,21 550,84 583,96 638,29 655,83 689,61 705,72

    PIB per capta a dólares de 2008 (USD mil)
    2002 7,12
    2003 7,10
    2004 7,41
    2005 7,55
    2006 7,75
    2007 8,13
    2008 8,46
    2009 8,33

    http://www.ipeadata.gov.br/Pan.aspx?pan=1&module=M&lang=Portuguese&NoCache=1305231833201&width=815&height=494

    0
  • Andre 12 de maio de 2011 at 19:58

    Pessoal,

    img220.imageshack.us/i/priceincome.png/
    img215.imageshack.us/i/mortgageduration.png/
    img192.imageshack.us/i/mortgagepib.png/
    img840.imageshack.us/i/housepriceindex.gif/
    img199.imageshack.us/i/expbancos.png/
    img59.imageshack.us/i/consumerconfidence.gif/
    img42.imageshack.us/i/affordability.png/
    img508.imageshack.us/i/salesd.png/

    Imagens q o jose passou…

    Informações de valor.

    Uma delas mostra o preço/m2 de sampa deflacionado pelo INCC, desde 1996…
    Praticamente o mesmo… Isso desmonta a teoria de bolha pelo indicador preço/salario, que ao q parece era o ultimo q faltava…

    Obs.: eu comentei anteriormente q a “travada” do preço dos imoveis tinha sido final 90s e inicio 2000s mas foi entre 2004 e 2008, mais uma vez mostrando que percepções não contam e sim dados.

    Obs2.: alguem pegue o grafico de preço/m2 de sampa (postado anteriormente) e deflacione pelo INCC tb p/ ver se os dados batem…

    Abs

    0
    • Andre 12 de maio de 2011 at 23:08

      Mandei errado, tinha redimensionado, agora tá do tamanho certo:

      img714.imageshack.us/i/salesz.png/
      img685.imageshack.us/i/priceincome.png/
      img822.imageshack.us/i/mortgageduration.png/
      img696.imageshack.us/i/mortgagepib.png/
      img831.imageshack.us/i/housepriceindex.gif/
      img196.imageshack.us/i/expbancos.png/
      img812.imageshack.us/i/consumerconfidence.gif/
      img853.imageshack.us/i/affordability.png/

      Abs

      0
      • jose 13 de maio de 2011 at 12:01

        Andre,

        nenhum comentario sera feito sobre estes graficos (que deve ter informacao que muitos nao tem ideia)…

        nenhum comentario Duda?

        0
        • me 13 de maio de 2011 at 15:49

          É… Duda sumiu…

          0
      • Frank 13 de maio de 2011 at 12:45

        com relação ao segundo gráfico: curiosamente, as únicas cidades q apresentam uma relação preço/income pior do q SP são na China e Austrália…países “acusados” de sofrerem do mal do “bolhismo”.

        0
      • Frank 13 de maio de 2011 at 12:57

        bom, tem um gráfico aí q mostra q a relação preço / renda vem-se mantendo mais ou menos constante.

        vcs querem comentar?

        eu estranhei.

        tem q ver q indicador de renda média o gráfico usa.

        0
        • Frank 13 de maio de 2011 at 12:58

          só pra refrescar (ipea data):

          PIB per capta anual a dólares de 2008 (USD mil)
          2002 7,12
          2003 7,10
          2004 7,41
          2005 7,55
          2006 7,75
          2007 8,13
          2008 8,46
          2009 8,33

          0
  • Fábio 13 de maio de 2011 at 01:07

    Ontem pela primeira vez um arrastão no metro linha 1, a inflação subindo, todo mundo pegando crédito e as obras para Copa e Olimpiadas cada vez aumentando mais. O mais legal vai ser depois das Olimpiadas, pq muita gente vai ganhar dinheiro com esses jogos, só que a conta só vai ser paga depois de agosto de 2016.

    0
  • ildeu 13 de maio de 2011 at 01:58

    e´ simples pereceber o tanto que e´ irreal o preço de 1 apartamento acima de 1 milhao , pelo fato de serem muitos , milhares …como explica alguem vender 1 apartamento e poder viver de renda por decadas ,como vive um juiz ,por exemplo ,com seu salario [que e´ um dos mais altos do pais ] Vai contra o principio da economia.,e´ criar riqueza do nada, para milhoes.Uma casa igual a milhares da cidade nao pode gerar ,sozinha ,uma renda que permita isso .Seria o mesmo que os carro que estao nas ruas passarem a custar 500 mil reais.Teriamos milhoes de novos ricos de uma so´ vez.Quem tinha 3 carros ficaria rico sem esforço.O ouro ,diamante geram riquezas por serem raros .Mas casas , apartamentos tem pra todo lado , talvez mais que o necessario ou perto disso . Ja´ vi alguem ficar rico ganhando na sena , casando com rico , montando uma empresa que gerou riqueza , mas so´ por que tinha 1 ou 2 apartamentos ? isso com certeza nao dura muito ..

    0
    • Andre 13 de maio de 2011 at 08:05

      Ildeu,

      aptos acima de 1 milhão são só em lugares específicos e cobiçados…

      “como explica alguem vender 1 apartamento e poder viver de renda por decadas ,como vive um juiz ,por exemplo ,com seu salario [que e´ um dos mais altos do pais ]”

      Não entendi, vc quis dizer q vendendo 1 ap de 1 milha o cara consegue viver de renda igual um salario de juiz?

      Salvo engano, um juiz ganha uns 20k (tem muitas pessoas do judiciario por aqui q podem confirmar).

      1 milhão gera uma renda de 5k/mes, livre de risco (no tesouro direto por ex.), isso em termos reais, acima da inflação (IPCA), mas tem q tirar o IR ainda…

      Tem reportagens por aí dizendo q no Rio, com esse boom todo, criaram-se 60mil milionarios, baseado no preço de seus imoveis, logo não são “milhoes” de pessoas… Isso no Rio, q é a cidade mais cara do BR.

      Outra coisa: vc acha q essas pessoas (q na maioria não tem salario p/ comprar os imoveis a preço de hoje) venderiam fácil seus aptos? E se o preço subir mais?? Ninguém tem bola de cristal não…

      Abs

      0
      • Fábio 13 de maio de 2011 at 13:33

        André o salario liquido de um Juiz Federal é 14.000 liquidos, descontado IR e Previdencia e somando o auxilio alimentação e não esses 20k que voce postou.

        0
        • Andre 13 de maio de 2011 at 14:09

          Fabio,

          20k bruto num dá uns 14k liq?

          De qq forma isso não invalida meu raciocínio, pois existe um abismo de dif. entre o sal. liq. de um juiz e a renda (real e liquida) de um capital de 1M ou 1,5M…

          Obs.: Ainda bem q tem pessoas monitorando tudo q eu escrevo e mostrando todo e qq engano… Por isso q eu gosto de defender uma opinião “contra a maré” no meio de um grande grupo, pois isso é um teste fortíssimo p/ o meu argumento…

          Abs

          0
    • jose 13 de maio de 2011 at 11:41

      Ildeu,

      essas pessoas que estao ganahndo esse $$, sao apenas os “manés” que ficaram anos com o $$ imoblizado quando a taxa de juros era 40% ao ano.

      0
    • Frank 13 de maio de 2011 at 10:25

      recomendo essa matéria.

      no Valor impresso é mais completa.

      nada de muito novo, mas algumas coisas q eu julgo interessantes:
      – os caras das construtoras (RJZ, Concal) e vendedores (Patrimóvel) admitem q uma parte importante dos compradores é formada por investidores e pessoas de fora do RJ (gringo, paulistas e mineiros)

      p/ q esses caras admitam q esse perfil de cliente tem alguma relevância, é pq devem ter muita mesmo.

      vcs sabem q, p/ não dar na pinta e alarmar a galera, eles adoram dizer q:
      – todos estão comprando para morar (não há especuladores…)
      – os preços estão “apenas” se recuperando de um período ruim (essa é ótima 🙂 )
      – o RJ é uma “nova” cidade, com UPP, Copa, JJOO, samba, mulatas e praia…

      0
    • roberto 13 de maio de 2011 at 10:29

      Isto pode estar acontecendo no Rio, mas em São Paulo é só ver os números:
      http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110513/not_imp718576,0.php

      Será que se mantem ? O numero de imóveis vendidos em jan/fev de 2011 somados não chega ao total de vendas do mês de janeiro de 2010.

      0
      • Andre 13 de maio de 2011 at 12:07

        Comparação c/ base forte?

        Abs

        0
      • me 13 de maio de 2011 at 12:21

        Olha, vou te falar também, viu. Tem certo artigos falando sobre crescimento que sempre parecem tentar enrolar, fazer entender que as coisas estão melhorando, mesmo falando em queda. O cara joga um “125,2% em comparação ao mês anterior” ao mesmo tempo que fala do ano passado.

        Vai ver eu que sou ruim pra entender, mesmo

        0
        • Andre 13 de maio de 2011 at 12:49

          Uma vez eu li um artigo show mostrando como manipular numeros/graficos p/ mostrar só o q é “bom” e esconder o “ruim”…

          Infelizmente s/ o link. Se achar boto aqui.

          Abs

          0
          • jose 13 de maio de 2011 at 16:22

            como tudo na vida… a sabedoria esta no meio…

            tem que se olhar a comparacao YoY (ano contra ano) pra TENTAR tirar efeito sazonal (pra algumas coisas funciona – inflacao – para outras nao – atividade por exemplo)

            e se quer olhar na margem tem que olhar o MoM (mes contra mes), mas ai complica por causa da sazonalidade…

            eu vejo grafico o dia inteiro e pra economicos gosto de olhar a media movel de 3 ou 6 meses tambem, ela pega a margem, mas um pouco mais suavizada

            0
  • ildeu 13 de maio de 2011 at 11:00

    andre´ , um apartamento de 1,5 milhao ,por exemplo , gera uns 10 mil em renda fixa e se a pessoa retirar mais uns 2 mil do capital ,ou seja aplicar e retirar 12 mil , vai demorar quase 2 decada pra gastar o capital .Um juiz ganha liquido entre 12/ 14 mil reais.E sao 60 mil so´ no rio,ne´? .Pois so´ aqui em minha cidade [montes claros -mg] deve ter uns 500 imoveis que custam acima disso,e se for contar quem e´ proprietario de 2 imoveis na cidade , surgiriam mais um mundo de novos ricos .Quem tem um predinho de 6 apartamentos em area menos nobre teria uns 1.2 milhoes de dolares [rico pros padroes internacionais].Se o mundo fosse facil assim…

    0
    • me 13 de maio de 2011 at 11:06

      Um predinho de 6 andares não é pouca coisa não…

      0
    • Andre 13 de maio de 2011 at 12:01

      Ildeu,

      1,5 M em CDI não é “uns 10k” é 15k/mes. A Selic está em 12% a.a.

      Só que metade disso (no minimo) é inflação… Cai p/ 7,5k o $ “gastável” sem corroer o patrimonio.

      O IR dá 2,25k (no minimo, de 15%), cai p/ 5,25k… Comparado ao salario liq de um juiz…

      Sem contar q vendendo o imovel (se for unico) o sujeito tem q pagar aluguel (que aumentou quase tanto qto o imovel).

      “deve ter uns 500 imoveis que custam acima disso”

      Vc tem um link da prefeitura ou algum orgao oficial p/ confirmar?

      Obs.: como o jose falou, dá um olhada no historico da selic, e vc vai ver o quanto q esse proprietario deixou de ganhar durante ANOS e ANOS, agora o imovel pode estar “dando o troco” né…

      Obs2.: vc pode manipular os numeros à vontade p/ chegar à conclusão q bem entender…

      Abs

      0
  • ildeu 13 de maio de 2011 at 11:07

    disse um predinho de 6 apartamentos..

    0
  • ildeu 13 de maio de 2011 at 18:12

    andre´ …o deconto e´ de 27,5% do salario + 405 reais de inss + uns 500 reais de plano de saude .Se o juiz ganha 20 mil , cai pra uns 13,.. mesmo .E pegue uma bendita calculadora de juros compostos , e ponha 12% a.a de juros ,desconta 6% aa de inflaçao ,e depois simula uma retirada de 12 mil por mes , e vc vera´ quantos meses demora pra gastar 1.500.000 reais .Vera´ que sera´ mais de 200 meses ..

    0
    • Andre 13 de maio de 2011 at 21:17

      Parcero,

      na MINHA terra, pra viver de renda não pode corroer o principal… Mas isso vai de cada um.

      Abs

      0
  • ildeu 13 de maio de 2011 at 18:24

    da mesma forma , se ele ganha 14 mil , e por milagre junta 7 mil por mes , vai quase 2 decadas pra comprar um apartamento … como se explica isso ,juiz ganha pouco no Brasil , ou o imovel que e´ caro? Conheço bem ipanema /leblom , nao e´ bairro de ricaço , e sim classe media alta .Ainda pq , 2 bairros grandes numa cidade so´ de milionarios , nem em paris ou new york vc encontra .

    0
    • Andre 13 de maio de 2011 at 21:26

      1 – juntar 50% do salário não é “milagre”, é disciplina;

      2 – Se vc pesquisar vc ve que tem vários bairros em Paris c/ m2 a 12k EUR e em NY acima de 10k USD…

      zillow.com/local-info/NY-New-York-home-value/r_6181/#metric=mt%3D35%26dt%3D1%26tp%3D5%26rt%3D8%26r%3D6181%252C18131%252C25294%252C45032%26el%3D0

      Paris eu já coloquei um mapa de preços, vc pode voltar algumas paginas e ver…

      Vc tb pode ver uma simulação de casal c/ renda “normal” entrando no Leblon hoje…

      Abs

      0
  • ildeu 13 de maio de 2011 at 21:51

    juntar metade do salario por 2 decadas , so´ se for monge tibetano …o cara ganha 14 mil , e anda de que? gol 1.0 ? seus filhos estudam aonde ,em escola publica ? vai passar ferias em porto seguro e pagar aluguel na zona norte? .Definitivamente andre´ , viver abaixo do seu padrao por 2 anos o cara aguenta , mas 2 decadas e´ quase impossivel ,imagina o cara sai com uma princesa linda e pensa, nao vou gastar 400 reais num jantar com esticadinha numa boate ,pq daqui a 20 anos pagar meu ap rsrsr e´ utopia !

    0
    • Andre 13 de maio de 2011 at 22:15

      Se é fácil, difícil ou mais ou menos não importa… É problema de cada um.

      E chega de discussão q não agrega.

      Obs.: Leblon/Ipa o m2 é 11k BRL…

      Abs

      0
  • ildeu 14 de maio de 2011 at 22:07

    NO STRESS ,nem no rio moro ,e se tem um mundo de gente comprando AP de 2 milhoes no ,parabens pra cidade … talvez o motivo seja o grande numero de empresarios no ramo do po´ que mora no ai´ …ABSS

    0
    • Andre 16 de maio de 2011 at 11:35

      Humm, interessante…

      Então vc não mora no Rio, pelo visto não tem $ pra morar e ainda quer tirar onda?

      Fábula da raposa e as uvas…

      – Não é elegante vir aqui falar mal da cidade dos outros.
      – Não venha aqui falar abobrinha (se não quiser passar vergonha, claro).
      – Aprenda a usar um teclado primeiro. Aqui no Rio o pessoal sabe…

      É cada um q aparece…

      0
  • ildeu 17 de maio de 2011 at 09:25

    rsrsrrsr quer dizer que morar no rio e´ sinal de ter dinheiro? Então pq 80% do rio e´ favela? Vou pra Paris esse mês passar ferias … Quel -Dommage não ter dinheiro pra ir pro rio ser assaltado …melhor acabar o papo , vc como muito rico nem deveria estar num forum da net , não quero tomar seu tempo.

    1+
  • Coretor 7 de junho de 2012 at 09:05

    Essa comparação do artigo é uma piadinha para boi dormir.

    Por que Miami, Orlando e Vegas? São praticamente cidades fantasma.

    Teria que pegar cidades caras como LA, NYC e Chicago se você realmente quisesse comparar.

    E o salário médio do plano piloto é 3 mil? Outra piadinha. O que você falou deve ser a média da cidade inteira, e não de um bairro onde só mora a classe A.

    0